Issuu on Google+


AARON PATTERSON

Father, snowboarder, reader and a writer who helps too much and tend to see a cliff and run to jump off it: that’s Aaron Patterson. Best-selling author since 2008, “Airel” is his lastest success. Let’s meet this book and one of the creative minds behind the story.

What's the greatest thing of Airel? What makes this book so special? It’s real. She is real. She says she will never fall like an idiot for a boy and does it. She makes mistakes and does dumb stuff... I wanted to make her real and not a perfect little superhero like so many YA novels. And, she is way hot!

When did you write "Airel"? Last year. How long did it take you? Three months. What led you to write this book? I wanted to kill off someone that everyone loved... make them cry, a tragedy. It turned out different but that was the first idea... the foundation is in Genesis 6 and talks about these angels that left to take wives, that was the story idea. This is a YA story, a different genre from what you used to write. Was it hard to move from one to another? No, I have a lot of YA readers with my other stuff so I really wanted to just do a YA. I had a ton of fun and writing from a girl POV was a fun learning experience. Now that you mention it, how was it, to step into Airel's shoes? Was it hard to write as a girl? Not really, I just went over the top on stuff, had more fun than should be had and made her a little jumpy. The big thing I learned is not to write a girl or a teen girl the way she sounds but the way they think. The evil girl you can use lingo and make her sound like a teen but just not with the good girls. Most do not think they sound like they do and in their heads think they are smart and all that. We all do really...

“I wanted to make her real and not a perfect little superhero like so many YA novels.” What feedback did you get from the readers? So far most love it, it starts a little slow which again I did as part of what I call the slow burn... most of my other books are fast from start to finish. But I wanted to build it up over the series. I am super excited for Michael.

2


And when does Michael come out? Spring.

Learn online marketing, blog and use social media.

What can readers expect from "Michael"? A ton of action, more stress and some sexual pressure on both of them... it is going to be a little hotter... ok a lot hotter and you will never see what I got coming!

What advice would you give to new writers? Do not self edit, hire a pro. Do not do your own cover even if you think it looks cool as we all think it sucks. Do not keep trying to find an agent to get a big publishing contract, you can do better with a small press and make more money. And take this class and others like it: http://theworstbookever.blogspot.com/20 12/01/stonehouse-university-what-is-blogtour.html

I hope they finally kiss, lol! Are there any other books planned for this series? Five total. And you got to hold out on the kiss to make it good, lol! I'll be waiting for it! Now, let's meet the author behind the book. Tell us a little about yourself. Father, snowboarder, love to read and write. I help too much and tend to see a cliff and run to jump off it! Hmm... that sounds dangerous. When did you start your career as a writer? 2008. Sweet Dreams, came out December of 2008. And it turned you into a best-seller writer, correct? Yup... was #1 in 3 categories for over a year. How did you do that??? I mean, how can a writer become a best-seller?

Speaking about publishers, you're just not a writer... Nope... I started StoneHouse Ink the end of 2009. We have about 40 authors and over 10 bestsellers. That's something! Where can learn more about StoneHouse? www.stonehouseink.net

you

Thanks for you time. To finish, where can we follow your work? @Mstersmith is Twitter Facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id= 1462837115#!/profile.php?id=146283711 5&sk=info Blog: Theworstbookever.blogspot.com

3


CHRIS WHITE After loosing everything in the market crash of ’07, Chris White decided to show how versatile he was, by becoming a writer. He’s never stopped since then and last year joined Aaron Patterson on Airel’s adventures. Let’s find out more about Chris and how it was to co-write a story. How was it to write "Airel" along with Aaron Patterson? It was a really cool yet challenging experience. It's not easy to have two captains on one boat, but we managed quite well, I think. The way we did it was like this: Aaron wrote the first version and sent me the rough draft, and then I rewrote based on that, changing a few things and adding a few things here and there. We went back and forth until we got it finished. I've never written like that before, but I appreciate the challenge because the rewards have been rich

“It was a really cool yet challeging experience. It’s not easy to have two captains on one boat.”

That sounds a little hard. What about "Michael", did you follow the same procedure? We're currently working on Michael, and we're anticipating a release date in March or April. We changed it up a little this time. Aaron has been delivering the book to me in sections or stages. I noticed that this method has made it a little more difficult, because when I make a change, he doesn't necessarily know about it (if I don't tell him), and that has consequences for me when he's written down a certain path that I've changed or deleted altogether. We'll reconcile everything in the final rounds, but this time it has been different for sure. A little more exciting, perhaps. How did you two meet and what led you to decide to work together? I happened to see an article in a local paper that featured Aaron and his company. I brought it to the Huckins Writers Guild, a critique group in which I am a member, intending to share the article with those writers seeking publication. I sat down and began getting my files organized for a few moments, until someone sat down next to me. I looked up and there he was: Aaron. We introduced ourselves that day. A few months later, a mutual friend from the Guild suggested that we co-write a book together. Aaron and I were at that time already working on Airel, but I was going through it as a proofreader/editor. I had read it entirely, and when he suggested I make a larger investment of my time and effort in it, I said no. But I quickly changed my mind as I thought it through. I thought it would be awkward, that he wouldn't allow me to make changes or add certain creative bits to the story that I had come up with on my own. But it wasn't bad at all, in fact it was fun. I think we work together quite well. It's been an enjoyable partnership, collaborating with him. 4


What about you? When did you start writing? I started writing in earnest in 2008. I lost everything in the market crash of ’07, I was part owner in a construction company. When I sat down to write about it, thinking the process would be cathartic, I just couldn’t stop. I wrote 80,000 words in three weeks. That’s when I proved to myself that I could produce a work of some considerable length from start to finish, and make it cohesive, understandable. In 2009 I started up my own company, C.P. White Media, Limited Company, simply dedicated to my own artistic expressions. Which books did you publish so far? I started with an illustrated childrens’ book called The Great Jammy Adventure of the Flying Cowboy. It’s about how the best adventures happen when you’re in your jammies, and how bad guys never win. It’s a book that is designed to be scribbled on or colored in. After that, I cowrote Airel and Aaron and I worked together to publish it. Then I published the spin-off novella, The Marsburg Diary. Both of these are book #1 in their respective series. I’ve also published several digital shorts, plus book one of my standalone series, K [phantasmagoria]. Did you get a positive feedback on them? My fan base is smaller than Aaron’s, but it’s growing, thanks to our partnership on the Airel series. Having said that, yes, I have a small but fanatically loyal following and I love them. Do you have any rituals you like to follow when you're writing? I do. After I drop my son off at school, I have a favorite coffee shop that I go to. I get my drip Hawaiian coffee in a mug there, and they have rooms for their customers. I grab a room if it’s available, close the door, put on my headphones and start writing. I listen to classical music, mostly, or film scores (soundtracks). My favorite is the soundtrack from Inception.

What was the best advice you got about your writing? Two things: one, I read Stephen King’s On Writing; a must read book for the aspiring writer. Two, Aaron and I shelled out about $4500 for an in-depth, three round edit of Airel. Our editor ripped us apart, and the MS was completely different (for the better) after that. I retain those lessons and I’m always looking for ways to improve myself and my writing. One key way I do that is that I attend a monthly writer’s group where we read and critique the stuff we’re working on. That feedback is invaluable. What are you working on at the moment? I’m just past the halfway point of Michael, the sequel to Airel. Tell us about your plans for the future. I will continue to write as much as I can for the foreseeable future. I have several ideas brewing. This year, we’ll release Michael. I am also going to be working on the sequel to The Marsburg Diary, called The Wagner Diary, and that should release this summer. I’m also going to be working on the sequel to K [phantasmagoria], called K [apposition]. It’s not YA fiction, but I’m particularly proud of the twists I’ve written into it. I also want to continue work on my childrens’ book series, the Jammy Adventure books, but it’s very expensive to produce those. Where can readers find you? Facebook: https://www.facebook.com/whatnorthbetr ue Twitter: @cpwhitemedia Google Plus: https://plus.google.com/11821569590253 7271064/posts Web: www.jammyadventures.com Blog: http://cpwhitemedia.blogspot.com/ YouTube: http://www.youtube.com/user/bookjunky delux?feature=guide

5


SYNOPSIS AND REVIEW «All Airel ever wanted was to be normal, to disappear into the crowd. But bloodlines can produce surprises, like an incredible ability to heal. Then there’s Michael Alexander, the new guy in school, who is impossibly gorgeous…and captivated by her. Somewhere in the back of her mind, she can hear the sound of pages turning, and another, older story being written. It is the story of an ancient family, of great warriors, of the Sword of Light, and the struggle against an evil so terrible, so far-reaching, that it threatens everything. Airel knew change would be an inevitable part of life. But can she hold on when murder and darkness begin to close in and take away everything she loves? Will she have what it takes when the truth is finally revealed?» I finished reading "Airel" on January 19, 2012 and I rate it four stars. I would rate it 4.5 if it was possible. Why not go for 5? Because it doesn’t have the “x” factor that would make me sigh for a book, although it is pretty close. First of all, and even though I know I shouldn’t judge a book by its cover, I want to congratulate Claudia by her excellent work. I love the cover =) Now, what did I like in this story? I like the fact that it mixes action and romance – we have a good dose of both. Whenever we’re sick of corny lines, the authors change their strategy and present us an action scene. I like this balance.

I liked Airel. She’s a strong character, who always comes out on top despite all the setbacks. Her romance with Michael is also beautiful, although it’s not “consummated". How about a little kiss at least?! Lol! In this regard, I have a repair to do: after the fight with Stan and the Seer, Airel joins Kreios in the library and she cries a lot because of her broken heart. That’s a scene I would change. She had cried a river before going to rescue Kim, it didn’t have to be repeated all over again. I think the scene could have been better used; for example, Kreios could have told her more about her origins or about Eirel. The revelation about James was interesting. I suspected about Michael’s connection to the Brotherhood, but not about James’ nature. Oh! And I didn’t foresee the identity of the crazy killer who showed up after Airel was kidnapped. Surprises are always welcome. I have an observation to make: both narratives about Stan and Kreios are in the third person, but when it comes to Airel, it is presented to us in the first person. I assumed that, as this book was about Airel, that would be why the story was told directly by her. However, I read the first chapter of the next volume, "Michael" (I know, I cheated...) and this continues in the third person. I thought it would be presented in the first, since it is the story of Michael, but this didn’t happen. Therefore, I consider it would make sense that the whole narrative was presented in the third person. The authors have already shown that they can do it, so why not bet on that? I also liked the pace of the story. It wasn’t too rushed and things took their time. Finally, the finale was exciting. I spent the whole time asking for a turnaround, not believing that that was what fate had in store for Airel. It's an ending that leaves us hoping and yearning for more. Next stop: "Michael"! Link: http://www.goodreads.com/review/show/ 241997693

6


*VERSテグ PORTUGUESA*

7


AARON PATTERSON Pai, snowboarder, leitor, um escritor que ajuda demasiado e que, quando vê um precipício, tende a correr para se atirar dele abaixo: eis Aaron Patterson. Autor best-seller desde 2008, “Airel” é o seu mais recente sucesso. Conheçamos este livro e uma das mentes criativas por detrás da estória.

Quando escreveu "Airel"? No ano passado.

parecem; nas suas mentes pensam que são espertas e muito mais. Todos o pensamos, no final de contas... Qual é a melhor coisa de Airel? O que torna este livro tão especial? É real. Ela é real. Airel diz que nunca vai apaixonar-se que nem uma idiota por um rapaz e fá-lo. Ela comete erros e faz coisas estúpidas... Queria fazê-la real e não uma super-heroína perfeita como em tantos romances de YA. E ela é muito gira!

Quanto tempo demorou a escrevê-lo? Três meses. O que o levou a escrever este livro? Queria matar alguém de que toda a gente gostasse, fazê-los chorar… uma tragédia. Tornou-se algo diferente, mas essa era a ideia inicial. A base reside no Génesis 6, que fala sobre anjos que partiram para desposarem mulheres - essa é o alicerce da estória. Esta é uma estória para jovens adultos (YA), um género diferente do que estava habituado a escrever. Foi difícil passar de um para outro? Não. Ganhei um monte de leitores de YA com as minhas outras coisas, por isso queria mesmo escrever uma YA. Divertime imenso, e escrever do ponto de vista de uma rapariga foi uma experiência de aprendizagem engraçada. Já que falou nisso, como foi estar na pele de Airel? Foi difícil escrever como se fosse uma rapariga? Nem por isso. Apenas abordei as coisas, diverti-me mais do deveria e fi-la um pouco nervosa. O que aprendi de mais importante é não escrever uma rapariga ou uma adolescente como ela soa, mas como pensa. Para criar uma rapariga malcomportada pode usar-se a linguagem e fazê-la soar como um adolescente, mas isso não resulta com as “meninas boas”. Acima de tudo, não ache que soam como

“Queria fazê-la real e não uma super-heroína perfeita como em tantos romances de YA.” Que comentário recebeu dos leitores? Até agora, a maioria adorou. Dizem que começa um pouco devagar, o que - mais uma vez - fiz como parte do que chamo de queimar lento... A maioria dos meus outros livros são rápidos do início ao fim, mas quis mudar ao longo desta série. Estou super animado para que “Michael” saia. 8


E quando sai “Michael”? Na primavera. O que podem os leitores esperar de "Michael"? Uma tonelada de ação, mais stress e alguma tensão sexual em ambos. Vai ser um pouco mais quente... ok, muito mais escaldante e não vão conseguir antever o que tenho preparado! Espero que eles se beijem finalmente, lol! Há outros livros planeados para esta série? Cinco no total. E há que agarra-se ao beijo para torná-lo bom, lol! Ficarei à espera dele! Agora, conheçamos o autor por detrás do livro. Fale-nos um pouco de si. Pai, snowboarder, adoro ler e escrever. Ajudo demasiado e, quando vejo um precipício, tendo a correr para me lançar dele abaixo! Hum, isso parece perigoso. Quando começou sua carreira de escritor? Em 2008. “Sweet Dreams” saiu em dezembro de 2008. E tornou-o num escritor de bestsellers, correto? Sim. Esteve em primeiro lugar em três categorias durante mais de um ano. Como fez isso? Quero dizer, como pode alguém tornar-se um autor bestsellers?

Aprendendo marketing online e usando blogues e redes sociais. Que conselhos daria a novos escritores? Não editem, contratem um profissional. Não façam as vossas próprias capas; podem julgar que estão boas, enquanto nós pensamos que não prestam. Não insistam em tentar encontrar um agente para obter um grande contrato de publicação, podem ter melhores resultados com uma pequena editora e ganhar mais dinheiro. Consultem estes conselhos e outros similares em http://theworstbookever.blogspot.com/20 12/01/stonehouse-university-what-isblog-tour.html Falando em editoras, o Aaron não é apenas um escritor... Não... Fundei a Ink StoneHouse no final de 2009. Temos cerca de 40 autores e mais de dez best-sellers. Isso é algo em grande. Onde podemos obter mais dados sobre a StoneHouse? Em www.stonehouseink.net. Obrigado pela sua disponibilidade. Para terminar, como podemos continuar a seguir o seu trabalho? @Mstersmith é o meu nick no Twitter. Facebook https://www.facebook.com/profile.php?id =1462837115 #! / profile.php? id = 1462837115 & sk = Informação Blogue: Theworstbookever.blogspot.com

9


CHRIS WHITE Depois de perder tudo na queda de mercado de 2007, Chris White resolveu mostrar o quão versátil era, tornando-se num escritor. Não mais parou desde então e no ano passado juntou-se a Aaron Patterson nas aventuras de “Airel”. Vamos então descobrir mais sobre Chris e saber como foi co-escrever uma estória. Como foi escrever "Airel" juntamente com Aaron Patterson? Foi uma experiência boa, porém desafiante. Não é fácil ter dois capitães no mesmo barco, mas creio que conseguimos desenrascar-nos muito bem. A maneira como o fizemos foi assim: o Aaron escreveu a primeira versão e enviou-me o rascunho, e depois eu reescrevi com base nisso, mudando algumas coisas e acrescentando outras aqui e ali. Andámos para a trás e para a frente até terminarmos. Nunca escrevi assim antes, mas apreciei o desafio, porque as recompensas foram muitas.

“Foi uma experiência boa, porém desafiante. Não é fácil ter dois capitães no mesmo barco.”

Isso parece um pouco difícil. E quanto a "Michael", seguiram o mesmo processo? Actualmente estamos a trabalhar em “Michael” e acreditamos que a data de lançamento deste seja em março ou abril. Mudámos um pouco desta vez. O Aaron tem-me entregue o livro por secções ou etapas. Notei que este método tornou as coisas um pouco mais difíceis, porque quando faço uma alteração ele não tem necessariamente conhecimento da mesma (a menos que lhe diga), e isso tem consequências para mim quando ele escreve de acordo com um certo caminho que eu tenha talvez mudado ou eliminado por completo. Um pouco mais emocionante, talvez. Como se conheceram e que o levou a decidir trabalharem juntos? Vi por acaso um artigo num jornal local sobre Aaron e a sua empresa. Trouxe-o para o Writers Huckins Guild, um grupo de crítica da qual sou membro, com a intenção de o compartilhar com aqueles escritores que procuram ser publicados. Sentei-me e comecei a organizar os meus arquivos, até que alguém se sentou ao meu lado. Olhei para cima e lá estava ele: Aaron. Apresentámo-nos naquele dia. Poucos meses depois, um amigo em comum no Grupo sugeriu que coescrevêssemos um livro juntos. Aaron e eu estávamos já a trabalhar em “Airel”, mas eu era o revisor/ editor. Tinha lido a estória por inteiro e, quando ele me sugeriu que fizesse um investimento maior do meu tempo e esforço na mesma, disse-lhe que não. Mas mudei rapidamente de ideias quando pensei melhor sobre o assunto. Achei que iria ser estranho, que ele não me permitiria fazer alterações ou adicionar certos bocados criativos à estória que tinha imaginado por mim. Mas não foi mau de todo; na verdade, foi divertido. Acho que trabalhamos muito bem juntos. Tem sido uma parceria agradável, colaborar com ele.

10


Quando começou a escrever? Comecei a escrever a sério em 2008. Era proprietário de parte de uma empresa de construção civil e perdi tudo na queda do mercado de 2007. Quando me sentei para escrever sobre isso, pensando que o processo seria catártico, simplesmente não consegui parar. Escrevi 80 mil palavras em três semanas. Foi quando provei a mim mesmo que poderia produzir uma obra de tamanho considerável do início ao fim e torná-la coesa, compreensível. Em 2009 fundei minha própria empresa, a C.P. White Media, Company Limited, dedicada apenas às minhas próprias expressões artísticas. Que livros que publicou até agora? Comecei com um livro infantil ilustrado chamado “The Great Jammy Adventure of the Flying Cowboy”. É sobre como as melhores aventuras acontecem quando estamos de pijama, e como os maus da fita nunca ganham. É um livro que foi projetado para ser rabiscado ou colorido Depois disso co-escrevi “Airel” e Aaron e eu trabalhámos juntos para publicá-lo. Em seguida publiquei a novela spin-off “The Diary Marsburg”. Ambos são número um nas suas respectivas séries. Também publiquei várias curtas digitais, mais um livro da minha série standalone, “K [phantasmagoria]”.

Qual foi o melhor conselho que recebeu sobre a sua escrita? Duas coisas: uma, li Stephen King On Writing, um livro obrigatório para um aspirante a escritor. Dois, Aaron e eu desembolsámos cerca de 4500 dólares para uma aprofundada terceira ronda de edição de “Airel”. O nosso editor arrasounos e o MS ficou completamente diferente (para melhor) depois disso. Retenho essas lições e estou sempre à procura de maneiras para melhorar-me a mim mesmo e à minha escrita. Uma maneira chave como faço isso é assistir às reuniões mensais de um grupo de escrita, onde lemos e criticamos as coisas em que estamos a trabalhar. O feedback é inestimável. No que está a trabalhar de momento? Estou um pouco a mais de meio de “Michael”, a sequela de “Airel”.

Recebeu um feedback positivo sobre estas obras? A minha base de fãs é menor do que a do Aaron, mas está a crescer graças à nossa parceria na série “Airel”. Dito isto, sim, eu tenho um pequeno, mas fanaticamente leal grupo de fãs e eu adoro-o.

Fale-nos sobre os seus planos para o futuro. Vou continuar a escrever tanto quanto possa no futuro previsível. Tenho várias ideias a fervilhar. Este ano lançaremos “Michael”. Também irei trabalhar na sequela de “The Diary Marsburg”, chamada “The Diary Wagner” e que deve sair este verão. Trabalharei também na sequela de “K[phantasmagoria]”, chamada “K[apposition]”. Não é ficção para jovens adultos (YA), mas estou particularmente orgulhoso das reviravoltas que criei. Quero igualmente continuar a trabalhar na minha série de livros para crianças, “The Jammy Adventure Books”, no entanto é muito dispendioso produzi-los.

Tem algum ritual que gosta de seguir quando está a escrever? Sim. Depois que deixar o meu filho na escola, tenho uma loja de café favorita a que vou. Recebo o meu café havaiano numa caneca e, como eles têm salas para os clientes, vou para uma que esteja disponível. Fecho a porta, coloco os auscultadores nos ouvidos e começar a escrever. Ouço música clássica principalmente, ou bandas sonoras de filmes. A minha banda sonora favorita é a do filme “Inception – A Origem”.

Onde podem os leitores encontrá-lo? Facebook: https://www.facebook.com/whatnorthbetr ue Twitter: @cpwhitemedia Google Plus: https://plus.google.com/11821569590253 7271064/posts Web: www.jammyadventures.com Blog: http://cpwhitemedia.blogspot.com/ YouTube: http://www.youtube.com/user/bookjunky delux?feature=guide 11


SINOPSE E CRÍTICA «Tudo o que Airel sempre quis foi ser normal, para desaparecer no meio da multidão. Mas as linhagens podem trazer surpresas, como uma capacidade incrível de se curar. E então chega Michael Alexander, o novo aluno da escola, que é incrivelmente lindo... e doido por ela. Em algum lugar recôndito da sua mente, ela pode ouvir o som das páginas a virar, e uma outra estória mais antiga a ser escrita. É a estória de uma família de grandes guerreiros, da Espada de Luz, e da luta contra um mal tão terrível e de tão longo alcance, que ameaça tudo. Airel sabia que a mudança seria uma parte inevitável da vida. Mas conseguirá aguentar-se quando assassinatos e trevas começam a fechar-se e a tirar-lhe tudo o que ama? Será que ela tem que é preciso quando a verdade for finalmente revelada?» Acabei de ler “Airel” no dia 19 de Janeiro de 2012 e dou-lhe quatro estrelas. Dar-lhe-ia 4,5 se fosse possível. Porque não dar logo 5? Porque lhe falta aquele factor “x” que me deixaria a suspirar por um livro, embora esteja lá perto. Antes de mais, e mesmo sabendo que não devo julgar um livro pela capa, quero deixar os parabéns à Claudia pelo excelente trabalho. Adoro a capa =) Ora, o que me agradou nesta estória? Gosto do facto de misturar ação e romance – temos uma boa dose dos dois. Sempre que estamos fartos de lamechice, os autores mudam de estratégia e apresentam-nos uma cena de acção. Agrada-me este equilíbrio. Gostei da Airel. É uma personagem forte, que dá sempre a volta por cima apesar de

todas as contrariedades. O romance com o Michael também é bonito, embora não chegue a ser “consumado”. E que tal um beijinho pelo menos?! Lol! Quanto a isto, tenho um reparo a fazer: depois do combate com o Stan e o Seer, Airel juntase a Kreios na biblioteca e farta-se de chorar por causa do seu desgosto amoroso. Esta é uma cena que alteraria. Ela já tinha chorado um mar de lágrimas antes de irem resgatar a Kim, não era preciso estar a repetir tudo outra vez. Creio que a cena poderia ter sido melhor aproveitada; por exemplo, Kreios podia ter-lhe falado mais sobre a sua origem ou sobre Eirel.A revelação em torno de James foi interessante. Já suspeitava da ligação de Michael à Irmandade, porém não desconfiava da natureza de James. Ah! E não me tinha ocorrido qual a identidade do assassino doido que surge depois de Airel ser raptada. Surpresas são sempre bem-vindas. Tenho uma observação a apontar: ambas as narrativas sobre Stan e Kreios estão na terceira pessoa, porém sempre que se trata de Airel, esta é-nos apresentada na primeira pessoa. Presumi então que, como este livro tratava sobre Airel, seria por isso que a estória era contada directamente por ela. No entanto, li o primeiro capítulo do volume seguinte, “Michael” (eu sei, fiz batota…), e este continua na terceira pessoa. Julguei que este seria apresentado na primeira, dado que é a estória de Michael, mas tal não aconteceu. Assim sendo, creio que fazia sentido que toda a narrativa se apresentasse na terceira pessoa. Os autores já deram mostras de que o sabem fazer, por isso porque não fazê-lo? Também gostei do ritmo da estória. Não foi demasiado apressado e as coisas demoraram o seu tempo. Por último, achei o final emocionante. Passei o tempo todo a pedir uma reviravolta, não acreditando que aquilo seria o que estava reservado a Airel. É um final que nos deixa na expectativa e a ansiar por mais. Venha então “Michael”! Link: http://www.goodreads.com/review/show/ 241997693 12


Interview Aaron Patterson & Chris White