Page 1

The “Perception Perception” ption” of Sara Farinha Hi, Sara. Can we start with a short presentation? Tell us a little about you. I’m from Lisbon by birth and residence, I graduated there in Sociology of Work and I work on something totally different from my area of training and inclination. I live of dreams; one is traveling across the world, another is to devote myself entirely to writing, along with many others that wouldn’t fit here. Lion by profile and also in astrology, I consider myself very stubborn and determined, with all the advantages and disadvantages it brings. I believe in well set moral values and in acting according to those values. I’m an inveterate perfectionist in everything I consider important. I love music, poetry, reading, English language, meeting new places, photography, being surrounded by friends, a good conversation and I like to be alone. When did you start writing? I started early. I remember some stories that didn’t make it to these days and many lyrics that did, as well as poetry and some early personal journals. Writing has always been a way of organizing my mind to exorcise demons and put away memories, an outlet for my active imagination. What led you to take the plunge and decide to publish your book? What led me to publish was the desire to share and learn. I wanted to know how it felt to have a book of mine in my hands, understand what changes and what remains in my literary life. Being a writer is not just to publish, but it’s also to publish. Being a writer is to write a lot, methodically, following the rules and to be persistent. Publishing is a means to an end - no one creates anything for himself; all art is to be shared. And even those things that aren’t easy to share, are barriers that the writer learns to over come, so that others can read, live and enjoy.

How was the process of seeking a publisher? Finding a publisher was a personal challenge rather contradictory. That feeling that plagues us when we think of our work put to the test, is one of the worst chills to be felt. Pressing the 'Send' button when you have much to lose or win, it's scary. I can say that my first publishing experience was planned and the results were expected, but it wasn’t easy. The initial hope of being recognized to some extent, guided by the Portuguese literary market, quickly gave way to the desire to improve by myself. The dehydrated pea that this country became doesn’t have room for those who wait, but for those who struggle. From the contacts I made, two publishers were interested in publishing. The “Alfarroba” soon expressed concern on to involve the author personally, and that's what helped me to choose. The professionalism of the people of “Alfarroba” has been repeatedly confirmed and I’m very pleased with my choice. But, I repeat, nothing is achieved without personal effort and persistence, and this has been my motto in the dissemination of this book and my work in general. What are the main difficulties you have encountered in your way as a writer and what happened for the best? The greatest difficulties can be summarized to two. The first one is the time issue; there never seems to be enough time for everything. This is a problem that I suffer from and I’ll never get rid of it, and thank goodness I hate to be still. The second difficulty was the inner struggle between sharing or not what I write. Call it shame, inner critic, lack of confidence, whatever you want. The fear, that it might never be good enough, was and still is a track of barriers to overcome. The positive part has so many facets that it’s difficult to summarize, but the main focus has been the interest and support of people. There’s the encouragement of those who are closest to me and the 1


interest of which, hitherto, weren’t so close. The experience of publishing has given me great satisfaction and new challenges, as well as the possibility of sharing daily (on my blog http://sarinhafarinha.wordpress.com/) what I write, with people who are interested in these subjects. Who are your favorite authors? Do you feel that they influence your writing? I have some favorites that, for one reason or another, appear in a list always growing. Fernando Pessoa, Jane Austen, JRR Tolkien, Florbela Espanca, Bram Soker, Oscar Wilde, JR Ward, Luís Sepúlveda, Stephenie Meyer, Laurell K. Hamilton, Richelle Mead, among others. They influence me and my writing on a limited, nonexclusive way, because there are many other stories and forms of expression that inspire me. I keep expanding the list of authors and stories, and diversifying the sources of inspiration. What’s your favorite literary genre? Romance, Urban Fantasy, Supernatural, Poetry. A good story/ poem is my favorite genre, regardless of the topic or audience. As for "Percepção", why did you decide to turn the characters into empaths? Where did you get the inspiration from? The original idea came one of those esoteric texts about the influences that some people have on others - the real psychic vampires, extremely sensitive and predators of the emotions of others, who we cross daily. When I contemplated writing a story, this was the idea that served as a lever to the first research. The paranormal factor and the continuous stream of individuals who claim to suffer from this "disease" were decisive in the theme of my book. Empaths is a term much closer to the alleged condition of these people, who became Sensory, losing a little to the genesis of the term but facilitating the absorption of the concept in our language. Still, the determining factor in this choice comes from the testimony, allegedly real, of those who admit to suffer from this disorder. I then tried putting together the parts that make

up the human being: the skeptic, who doesn’t believe unless you provide scientific evidence; and the good spectator, who turns off the skepticism and embarks on fantastic journeys that feeds the imagination.

“The dehydrated pea that this country became doesn’t have room for those who wait, but for those who struggle.” What feedback did you receive over this book? Overall I have received very positive feedback. Starting with the constructive criticism I have received and some ideas about it: those who have read it point out some things that aren’t new for me, but that became difficult to circumvent, like an excess of explanations at the beginning, which was the chosen way to introduce a topic that is somewhat new in Portuguese literature. The option to use quotation marks around the dialogue, which I do not regret, but understand those who oppose. The introduction of the conflict at a late stage on the story, although this was discreetly inserted at the beginning of the narrative. These are situations that I have to work differently in the future. As for the positive feedback: The ideas that often arise about "Percepção" emphasize the actual descriptions of London and its inhabitants living abroad, something that I could transmit reliably due to the trips I made and my passion for the city. They also point out the novelty of the theme and the not use of supernatural heroes more 2


common nowadays, such as vampires and werewolves. As I said before, my idea of putting fantasy and reality together, elicited positive reviews. The main characters and the romance are another factor that has captivated those who read it, as well as the possibility of a sequel to clarify the conflict on the rise in the first volume. The pace of the action scenes, always full of feelings but no less imbued with adrenaline, have been used to describe flatterers opinions of "Percepção". If you were proposed to rewrite "Percepção", what would you change? I’d change the points I mentioned above as constructive criticism. Since "Percepção" saw the day light in its paper format, I learned many things about the art of writing. At this moment I’d change many things in the story, but I would not change anything of what I consider to be the fundamental structure: the main characters, theme, scenarios, conflicts… all this assembles what I like about this story and I think I managed to successfully pass it for the reader. It's an adventure, a love story, a new inner world, impressive mental skills and a latent concept of acculturation – it all count as trumps in this story. All of this would always be to maintain and develop. When does the next volume come out? I confess that I have no definite plans on creating a second volume. It’s not an idea that I put aside, but now the story must reach what I defined as my goals. If within a year there’s audience for it, if people are genuinely interested in the story of Joana, Marco and the Convenent, then I’ll consider this hypothesis. But not now, scarcely two months and a half of public life of "Percepção". It’s too early to promise to bring out a sequel that has not passed from my imagination to paper. Are you working on something? Yes, I’m working on several things at the same time. Among the articles for my

blogs, interviews and the release of one of my poems in the anthology "Entre o Sono e o Sonho" of Chiado Editora; I have pending the editing of a story (this one on Angels and Demons, and still without a satisfying title) and a new story, this a little more traditional in the Fantasy genre (my first vampire narrative). This year I also decided to hold a personal project called Short Story Writing Challenge 2012, in which I propose myself to write a tale every month of the year; at the end of the year I’ll elect one of them and available it online. Since this project is a personal challenge, for reasons I explained in my blog, I'm taking it seriously. What goals do you have for your life in the literary aspect? Keep writing. In Portuguese, in English, Novels, Poetry, Tales and all that I please. Publish on paper again. Join the digital self-publishing (the future). And any project that involves the creative freedom and expression liberty that writing provides me. Where can readers find you? Social networks where I have a frequent presence, as an author: Blog: http://sarinhafarinha.wordpress.com Facebook: http://www.facebook.com/sara.g.farinha + Google: https://plus.google.com/u/0/1109655018 40783684357 Goodreads: http://www.goodreads.com/author/show/ 5361140.Sara_Farinha Twitter: # https://twitter.com/! / Sara_farinha Pages associated with the book "Percepção": My blog dedicated to "Percepção": http://percepcaoumaestranharealidade.wo rdpress.com/ Page of “Percepção” on Facebook: http://www.facebook.com/percepcaoumae stranharealidade

3


A “Percepção Percepção” ão” de Sara Farinha Olá, Sara. Podemos começar com uma pequena apresentação? Sou Lisboeta, por nascimento e permanência, onde me licenciei em Sociologia do Trabalho e onde trabalho em algo totalmente diferente da área de formação e de inclinação. Vivo de sonhos, um deles é viajar por esse mundo fora, outro é dedicar-me completamente à escrita, a par de tantos outros que não caberiam aqui. Leoa de signo e de perfil, considero-me muito teimosa e determinada, com todas as vantagens e desvantagens que isso traz. Acredito em valores morais definidos e em agir de acordo com esses valores e, sou uma perfeccionista inveterada em tudo o que considero importante. Adoro música, poesia, ler, língua inglesa, conhecer sítios novos, fotografia, estar rodeada de amigos, uma boa conversa e, gosto de estar sozinha. Quando começaste a escrever? Comecei a escrever cedo, lembro-me de algumas histórias que não chegaram aos dias de hoje e de muitas letras de músicas que chegaram, poesia e alguns inícios de diários pessoais. Escrever sempre foi uma forma de organizar a mente de exorcizar demónios e arrumar memórias, um escape para a minha imaginação activa. O que te levou a dar o salto e decidir partir para a publicação do teu livro? O que me levou a publicar foi o desejo de partilhar e de aprender. Quis saber o que seria ter um livro meu nas mãos, de perceber o que muda e o que se mantém na minha vida literária. Ser escritora não é publicar, mas também é publicar. Ser escritora é escrever muito, com método, seguindo regras e ser persistente. Publicar é um meio para atingir um fim, isto porque ninguém cria nada para si mesmo, toda a arte quer se partilhada. E mesmo aquelas coisas que não são fáceis de partilhar, são barreiras que o escritor aprende a saltar, para que outros possam ler, viver e apreciar.

Como se desenrolou o processo de procurar uma editora? Procurar uma editora foi um desafio pessoal bastante contraditório. Aquele sentimento que nos assola quando pensamos em colocar o nosso trabalho à prova, é um dos piores arrepios que se pode sentir. Carregar no ‘Enviar’ quando se tem tanto a perder ou ganhar, é assustador. Posso afirmar que, a minha primeira experiência de publicação foi planeada e os resultados expectáveis, mas não foi fácil. A esperança inicial de ser reconhecida e, de certa forma, orientada através do mercado literário português, rapidamente deu lugar à vontade de melhorar sozinha. A ervilha desidrata que este país se tornou não tem espaço para os que esperam, mas sim para os que lutam. Dos contactos que fiz, duas editoras mostraram-se interessadas em publicar. A Alfarroba desde cedo demonstrou preocupação em envolver o autor pessoalmente e, foi isso que me ajudou a escolher. O profissionalismo das pessoas da Alfarroba tem sido confirmado repetidamente e estou bastante satisfeita com a minha escolha. Mas, volto a afirmar, nada se consegue sem esforço pessoal e persistência e, esse tem sido o meu mote na divulgação desta obra e do meu trabalho, de uma forma geral. Quais as maiores dificuldades que tens encontrado pelo teu caminho enquanto escritora? As maiores dificuldades podem ser resumidas a duas. A primeira é a questão do tempo, nunca parece haver tempo suficiente para tudo. Este é um problema de que padeço e do qual nunca me irei livrar, e ainda bem porque não tenho feitio para estar parada. A segunda dificuldade foi o combate interior entre partilhar e não partilhar aquilo que escrevo. Chamem-lhe vergonha, crítico interior, falta de confiança, o que quiserem. Aquele receio de que nunca esteja suficientemente bom, foi e é uma pista de barreiras a ultrapassar. A parte positiva tem tantas facetas que se torna 4


difícil resumir, mas a principal tem sido o interesse e o apoio das pessoas. O incentivo dos que me são mais próximos e o interesse dos que, até aqui, não eram assim tão próximos. A experiência de publicar tem-me proporcionado muita satisfação e novos desafios, assim como a possibilidade de partilhar diariamente (no meu blogue http://sarinhafarinha.wordpress.com/) aquilo que escrevo, com as pessoas que se interessam por estes temas. Quais os teus autores preferidos? Tenho alguns favoritos que por um motivo ou por outro figuram numa lista sempre em crescimento. Fernando Pessoa, Eça de Queirós, J.R.R. Tolkien, Florbela Espanca, Bram Soker, Oscar Wilde, J.R. Ward, Luis Sepúlveda, Stephenie Meyer, Laurell K. Hamilton, Richelle Mead, entre outros. Eles influenciam-me e influenciam a minha escrita, de forma limitada e não exclusiva, porque há muitas outras histórias e formatos de expressão que me inspiram. Continuo a expandir a lista de autores, de histórias e a diversificar as fontes de inspiração. Qual o teu género literário preferido? Romance, Fantasia Urbana, Sobrenatural, Poesia. Uma boa história/poema é o meu género preferido, independentemente do tema ou público-alvo. Quanto a “Percepção”, porque apostaste em sensitivos? A ideia original surgiu num daqueles textos esotéricos sobre as influências que algumas pessoas exercem sobre outras. Os verdadeiros vampiros psíquicos, extremamente sensíveis e predadores das emoções dos outros, com quem se cruzam diariamente. Quando contemplei escrever uma história foi esta ideia que serviu de alavanca para as primeiras pesquisas. O factor paranormal e a contínua corrente de indivíduos que afirmam sofrer desta “doença”, foram decisivos na temática de Percepção. Empaths, em Inglês, é um termo muito mais aproximado da alegada condição destas pessoas, que se transformou em Sensitivos, perdendo um pouco a génese do termo mas facilitando a absorção do conceito no nosso idioma. Mas o factor determinante desta escolha

vem dos testemunhos, alegadamente reais, dos que admitem sofrer deste distúrbio. Tentei assim juntar as duas partes que compõem o ser humano, a céptica que não acredita excepto se lhe fornecerem provas científicas, e a boa espectadora que desliga o cepticismo e embarca nas viagens fantasiosas que nos alimentam a imaginação.

“A ervilha desidratada que este país se tornou não tem espaço para os que esperam, mas sim para os que lutam.” Que feedback tens recebido? De uma forma geral tenho recebido feedback muito positivo. Mas, começando pelas críticas construtivas que recebi e por algumas ideias sobre elas: Quem leu aponta algumas coisas que para mim não são novidade, mas que se tornaram difíceis de contornar. Um excesso de explicações no início, que foi a forma escolhida de introduzir um tema que é de certa forma, novo em literatura portuguesa. A opção de usar aspas para delimitar os diálogos, da qual não me arrependo, mas compreendo quem se opõe. A introdução declarada do conflito numa fase tardia da história, apesar desta ter sido inserida discretamente no início da história. Estas são situações que devo trabalhar de outra forma no futuro. Quanto ao feedback positivo: As ideias que surgem frequentemente sobre “Percepção” enfatizam as descrições reais da cidade de Londres e da vivência dos seus habitantes estrangeiros, algo que pude transmitir fidedignamente devido às viagens que fiz e à minha paixão pela 5


cidade. A novidade do tema dos Sensitivos e a fuga ao uso dos heróis sobrenaturais mais comuns do momento, como vampiros e lobisomens. Tal como afirmei anteriormente, a minha ideia de juntar fantasia e realidade, suscitou opiniões positivas. As personagens principais e o romance são outro factor que cativou quem leu, assim como a possibilidade de uma sequela que esclareça o conflito em ascensão no primeiro volume. A cadência das cenas de acção, sempre carregadas de sentimentos mas nem por isso com menos adrenalina imbuída, têm sido argumentos lisonjeadores usados para descrever “Percepção”. Se te propusessem reescrever “Percepção”, o que mudarias? Mudava os pontos que mencionei acima como críticas construtivas. Desde que “Percepção” viu a luz do dia no seu formato em papel que aprendi muitas coisas sobre a arte de escrever. Neste momento mudaria muitas coisas nesta história, mas não mudaria nada daquilo que considero ser a estrutura fundamental: as personagens principais, a temática, os cenários, os conflitos, tudo isso agrega aquilo de que gosto nesta história e que acho que consegui passar com sucesso para o leitor. É uma aventura, uma história de amor, um mundo interior novo, capacidades mentais impressionantes e um conceito de aculturação latente que contam como trunfos nesta história. Tudo isto seria sempre para manter e desenvolver. Quando sai o próximo volume? Confesso que não tenho planos definidos sobre a criação de um segundo volume de “Percepção”. Não é uma ideia que coloco de parte mas, neste momento é preciso que a história atinja aquilo que defini como, os seus objectivos. Se daqui a um ano houver público para isso, se as pessoas estiverem genuinamente interessadas na história de Joana, Marco e do Convénio, então irei considerar essa hipótese. Mas não neste momento, a escassos dois meses e meio de vida pública de “Percepção”. Ainda é cedo para prometer trazer a público uma sequela que ainda não passou da imaginação para o papel.

Estás a trabalhar em algo agora? Sim, em várias coisas ao mesmo tempo. Entre os artigos para os meus blogues, entrevistas, o lançamento de um dos meus poemas na Antologia “Entre o Sono e o Sonho” da Chiado Editora, tenho pendente a revisão de uma história (esta sobre Anjos e Demónios e, ainda sem um nome satisfatório) e uma história nova, esta um pouco mais tradicional dentro do género Fantástico (a minha primeira história de vampiros). Este ano também decidi abraçar um projecto pessoal chamado Short Story Writing Challenge 2012, no qual me proponho a escrever um Conto por cada mês do ano, e no final do ano eleger um deles para disponibilizar online. E como este projecto é um desafio pessoal, por motivos que explico no meu blogue, estou a encará-lo seriamente. Que objectivos tens para a tua vida na vertente literária? Continuar a escrever. Em Português, em Inglês, Romance, Poesia, Contos e tudo o que me aprouver. Voltar a publicar em papel. Aderir à auto-publicação digital (o futuro). E todo e qualquer projecto que envolva a liberdade criativa e de expressão que a escrita me proporciona. Onde podem os leitores encontrar-te? As redes sociais onde tenho uma presença frequente, como autora: Blogue: http://sarinhafarinha.wordpress.com Facebook: http://www.facebook.com/sara.g.farinha Google+: https://plus.google.com/u/0/1109655018 40783684357 Goodreads: http://www.goodreads.com/author/show/ 5361140.Sara_Farinha Twitter: https://twitter.com/#!/sara_farinha Páginas associadas ao livro “Percepção, uma estranha realidade”: O meu blogue dedicado a “Percepção”: http://percepcaoumaestranharealidade.wo rdpress.com/ Página de Percepção no Facebook: http://www.facebook.com/percepcaoumae stranharealidade

6


SYNOPSIS: Joana soon discovered that the emotional states of others shaped her thinking and her behavior. In search of an anonymous life, Joana hides in London, trying to ignore the curse that prevents her from living a normal life. This is where her life intersects with Mark’s, an American archaeologist who travels the world looking for other psychics like him. Joana reluctantly accepts the friendship of Mark, eventually finding in him her greatest ally in learning about the experiences of a psychic.The growing capabilities of Joana not only attract the attention of Mark as the Convenant, an illegal organization which aims to gather under their domain every Psychic. It is only when her best friend is endangered, that Joana learns that her curse may be a gift, and that life goes beyond all expectations and fears. SINOPSE: Joana cedo descobriu que os estados emocionais dos outros toldavam o seu raciocínio e moldavam o seu comportamento. Em busca duma vida anónima, Joana esconde-se em Londres, procurando ignorar a maldição que a impede de viver uma vida normal. É aí que a sua vida se cruza com a de Mark, um arqueólogo americano que viaja pelo mundo à procura de outros sensitivos como ele. Joana relutantemente aceita a amizade de Mark, acabando por encontrar nele o seu maior aliado na aprendizagem sobre a vivência dum sensitivo. As capacidades crescentes de Joana atraem as atenções não só de Mark como do Convénio, uma organização ilegal que pretende reunir sobre o seu domínio todos os Sensitivos. É apenas quando a sua melhor amiga é posta em perigo, que Joana descobre que a sua maldição pode ser um dom, e que a vida ultrapassa todos os seus receios e expectativas. REVIEW: I read "Percepção – Uma Estranha Realidade" on 6th February 2012 and I rate it four stars. I liked the story overall. Some have complained about the romance between Mark and Joana, but

I'm a hopeless romantic, so I liked it and didn’t mind that things spun around them so much. I also liked the fact that the characters are Psychics and not an element of the paranormal too common, like vampires or werewolves. As for what I liked the least, I have three things to stress out. The first one is that we can see clearly that the author must read a lot of books in English, therefore she writes in accordance with this grammar. For example, instead of using the indent in a dialogue, she uses quotation marks. I'm a bit traditionalist when it comes to this aspect, so I wished she had chosen the classic dash instead. Second, I noticed a large repetition of words - using synonyms wouldn’t harm. Finally, I found many parts that we call "rubish", as it repeated the things that Joana had already thought before and did not bring anything new to the narrative - it was a repetitive spiral. I hope these details will be rectified in the next volume. CRÍTICA: Acabei de ler “Percepção – Uma Estranha Realidade” a 6 de Fevereiro de 2012 e atribuo-lhe quatro estrelas. Gostei na estória no geral. Há quem tenha reclamado do romance entre Mark e Joana, mas sou uma romântica incurável, por isso gostei e não me importei que as coisas girassem tanto em torno deles. Gostei igualmente do facto das personagens serem sensitivos e não um elemento do paranormal demasiado comum, como vampiros ou lobisomens. Quanto ao que menos me agradou, tenho três coisas a apontar. A primeira é que se nota claramente que a autora deve ler bastante em Inglês, pelo que escreve de acordo com essa gramática. Por exemplo, em vez de usar o travessão num diálogo, usa aspas. Sou um pouco tradicionalista no que toca a este aspeto, por isso preferia que tivesse optado antes pelo clássico travessão. Em segundo, notei uma grande repetição de palavras; recorrer a sinónimos não fazia mal. Por fim, encontrei muitas partes que podemos apelidar de “palha”, na medida em que repetiam as coisas que Joana já tinha pensado antes e não traziam nada de novo à narrativa; era uma espiral repetitiva. Espero que estes detalhes sejam rectificados no próximo volume 7

Entrevista Sara Farinha  

Entrevista Sara Farinha

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you