Page 1

Jackie Jackie Williams: The Lady of Horror Horror Jackie Williams is a writer from Wales, known for her horror stories. But if you think she only writes scarey stories, well… you’re wrong. There’s a side of her you might not know about and will be revealed in this interview. Enjoy! Hi, Jackie! Can you introduce yourself to those who don’t know you? I am married with three grown children and six grandchildren. I live in a lovely little country called Wales in the UK. I work as a carer for mental health. My hobbies are walking, art, and keep fit...when I can squeeze it in, lol. I enjoy watching Horror Movies; I'm always on the look out for that horror that can really scare me. What led you to become a writer? I started writing after my husband and I went for a walk one bitter winter. The world seemed like another planet, everything frozen, no movement; even though the breeze was quite strong and cutting. The trees were bowing from the weight of the ice, and little birds were frozen to the branches. When we arrived home, I penned my first poem. I sent it off to Arrival Press, they published it, and so my writing started. How many books and short stories have you published? And what are their titles? A Feast Of Horror, available from; Eloquent Books, Amazon, Barnes & Noble; Tori-Jean's Busy Day (children's book) Strategic Books, available for pre-order. RoadKill, smashwords; Gerald's Car, smashwords. I am also in the following anthologies: Satan's Toybox: Demonic Dolls; Satan's Toybox: Toy Soldiers to be released soon, both available from smashwords and Amazon; Voices from the Beyond by Book Junkies, available soon. I am also published for poetry and short stories with Arrival Press in the UK. Do you prefer to write short or long stories, although you have written both? I prefer to write short stories. I am impatient, and like to finish what I start, even if it takes all night and into the next day. You write mainly horror stories. Why this genre? Horror and ghosts have always been in my blood, (so to speak). From a young age my Father told me ghost stories, if one of Dad's stories failed to scare you, then nothing could. But my writing started with poetry. I have had a lot of poetry published, in books, magazines, papers, even on teletext on TV. I write poetry on a range of subjects. I find poetry releases writers block. If I'm in a rut, I write an acrostic poem, that usually works. I have had poetry and short stories published for a while now, more recent are; A Feast Of Horror, a book filled with horror stories. I have some favourites in the book, Emelia, Wonderfeed and Sophie Night. Though we all have different tastes, so I think there's a story for everyone inside the scary ride; the book ends with a good portion of creepy poems too. The most recent book I am published in is; Satan's Toybox: Demonic Dolls, my story Forever Friend, keeps company with some excellent writers. It's published by Angelic Knight Press, also I have received news that I will be included in their latest anthology called; Satan's Toybox: Toy Soldiers. Another anthology is Voices from the Beyond, by Book Junkies, this anthology is all about true ghost stories, I will be included in this make your hair stand on end anthology, sometimes truth is stranger than fiction. I have two short stories self published on smashwords; RoadKill and Gerald's Car. They are both short horrors. Just something to read before bed. 1


How did your family react when you started writing? When I started writing I pretty much kept it to myself, I felt that I was not good enough, and had a fear that people would mickey take or say negative things. Though when I told my family, they were pleased and supporting. What feedback did you get from readers about your stories till now? I've always had mixed feedback on my stories, but nothing too bad or soul destroying, after all we all have different tastes and opinions. What was the hardest thing to hear? The hardest thing to hear from a publisher is: Sorry but your story needs too much work to bring it up to a standard for publishing. That can be crushing after so much work. The feeling of (not good enough) I think it's much better to be slapped with a wet fish! What was the best advice you got? In the beginning, I was a member of a writers circle (Tillery Writers Circle) with them I found confidence. I even got up on stage quite a few times and read my poetry. Later I joined a group online called Fanstory. Fanstory is an excellent site for building confidence and getting free feedback on your work. I would advise beginners to explore the site. The best advice anyone can get is: Don't give up! What did you do to get your stories published? If stories are your forte' the best way to get a foothold is to enter them into anthologies. It's really nerve racking to send work out, with an anthology there are whole lot of other writers feeling the exact same way as you. You are not alone. So pass or fail, keep on writing. My book A Feast Of Horror is published on a 50/50 deal. I paid a large amount of money to be published. At the time, I was naive, since then, I have grown and learned a lot. The advice I'd like to share is; Do not pay to get your work published, self publishing will bring more benefits, unless of course you find a genuine publisher who will be behind you 100%. Are you working on something at the moment? At the moment I am working on a novelette/novel. I am unsure of which it will be, that's up to the story. I love writing! Where can readers find you? They can find me on Facebook and on Goodreads. https://www.facebook.com/scruplesm?ref=pymk#!/profile.php?id=1664588497&sk=info http://www.goodreads.com/user/show/5756702

2


Jackie Williams, a Senhora do Terror Jackie Williams é uma escritora do País de Gales, conhecida pelas suas histórias de terror. Mas se julga que ela apenas escreve histórias assustadoras, bem… está enganado. Ela tem um lado desconhecido, que poderá descobrir ao longo desta entrevista. Espero que goste! Olá, Jackie! Pode apresentar-se a quem não a conhece? Sou casada e tenho três filhos adultos e seis netos. Vivo no adorável País de Gales, no Reino Unido, e trabalho como prestadora de cuidados de saúde mental. Nos meus tempos livres gosto de caminhar, aprecio arte e mantenho-me em forma... quando consigo apertar a minha agenda, lol. Gosto de ver filmes de terror e estou sempre à procura daquele que pode realmente assustar-me. O que a levou a tornar-se escritora? Comecei a escrever depois de uma caminhada com o meu marido num inverno amargo. O mundo parecia outro planeta, com tudo gelado e nenhum movimento, embora a brisa fosse bastante forte e cortante. As árvores curvavam-se com o peso do gelo e os passarinhos estavam congelados nos ramos. Quando chegámos em casa, escrevi o meu primeiro poema. Enviei-o para a Arrival Press, que o publicou, e assim começou a minha escrita. Quantos livros e contos publicou? “A Feast Of Horror” (“Um Festim de Terror”), disponível na Eloquent Books, Amazon, Barnes & Noble; o livro infantil “Tori-Jean's Busy Day” (“O Ocupado Dia de Tori-Jean”), da Strategic Books e disponível para encomenda prévia; "Roadkill” e "Gerald's Car” ("O Carro de Gerald”), no Smashwords. Também integro as seguintes antologias: “Satan's Toybox: Demonic Dolls” (“A Caixa de Brinquedos do Diabo: Bonecas Demoníacas”); “Satan's Toybox: Toy Soldiers” (“A Caixa de Brinquedos do Diabo: Soldados de Brincar”) a ser lançado em breve e ambos disponíveis no Smashwords e Amazon; “Voices from the Beyond” (“Vozes do Além”) pelo grupo Book Junkies, disponível em breve. Também publiquei poesia e contos no Reino Unido através da Arrival Press. Prefere escrever histórias curtas ou longas, apesar de ter escrito ambas? Prefiro histórias curtas. Sou impaciente e gosto de terminar o que comecei, mesmo que demore toda a noite e o dia seguinte. Escreve principalmente histórias de horror. Porquê esse género? Terror e fantasmas sempre me estiveram no sangue (por assim dizer). Desde tenra idade o meu pai contou-me histórias de fantasmas, e se uma das histórias do meu pai não assustar, então nada o poderá assustar. Mas a minha escrita começou com poesia. Publiquei imensa poesia em livros, revistas, jornais, e até mesmo em teletexto na televisão. Escrevo poemas sobre vários assuntos. Creio que a poesia liberta os escritores de eventuais bloqueios; se me deparar com um, escrevo um poema acróstico e isso normalmente funciona. Publico poesia e contos há já algum tempo, mas um dos meus livros mais recentes é “A Feast of Horror” e está cheio de histórias de terror. Tenho alguns contos favoritos no livro, como “Emelia”, “Wonderfeed” e “Sophie Night”. Embora tenhamos gostos diferentes, creio que há uma história para todos dentro deste passeio assustador; o livro termina com uma boa porção de poemas assustadores. O livro publicado mais recentemente e que integro é “Satan's Toybox: Demonic Dolls”, em que a minha história “Forever Friend” (“Amigo para Sempre”) se junta a outras de excelentes escritores. Foi publicado pela Angelic Knight Press e recebi também a notícia de 3


que vou ser incluída na sua nova antologia chamada "Satan's Toybox: Toy Soldiers”. Outra antologia é "Voices from the Beyond”, pelo grupo Book Junkies, e contém apenas histórias verdadeiras de fantasmas. Vou ser incluída nesta colectânea de pôr os cabelos em pé - às vezes a verdade é mais estranha do que a ficção. Tenho dois pequenos contos de terror publicados por mim mesma no Smashwords, nomeadamente “Roadkill” e “Gerald’s Car”; são apenas algo para ler antes de adormecer. Como reagiu a sua família quando começou a escrever? Quando comecei a escrever praticamente mantive a minha escrita para mim. Sentia que não era boa o suficiente e tinha medo que as pessoas fizessem troça ou dissessem coisas negativas. Mas quando disse à minha família, ficaram satisfeitos e apoiaram-me. Que comentários tem recebido dos leitores até agora? Sempre tive um feedback misturado, mas nada muito mau ou de destruir-me a alma, afinal de contas todos temos gostos e opiniões diferentes. Qual foi a coisa mais difícil de ouvir? A coisa mais difícil de ouvir de um editor é “Desculpe, mas sua história precisa de muito trabalho para ascender a um padrão de publicação”. Isso pode ser esmagador depois de tanto trabalho. O sentimento com que se fica é o de que não se é bom o suficiente; acho que é muito melhor levar com um peixe molhado na cara! Qual foi o melhor conselho que recebeu? No início era membro de um círculo escritores (Tillery Writers Circle) e com eles encontrei a confiança necessária. Até subi a palco algumas vezes e li a minha poesia. Mais tarde junteime a um grupo online chamado Fanstory. Fanstory é um site excelente para a construção de confiança e para receber feedback livre sobre o seu trabalho. Gostaria de aconselhar os novos escritores a explorarem o site. O melhor conselho que alguém pode receber é: “não desista!”. O que fez para conseguir que as suas histórias fossem publicadas? Se as histórias são o seu forte, a melhor maneira de obter uma posição é inseri-las em colectâneas. É realmente difícil fazer o seu trabalho sair, mas numa antologia existem muitos outros escritores a sentir o mesmo, não está sozinho. Então, aprovado ou reprovado, continue a escrever. O meu livro “A Feast of Horror” foi publicado num negócio de 50/50. Paguei uma grande quantia de dinheiro para ser publicado. Na época era ingénua; desde então cresci e aprendi muito. O conselho que gostaria de compartilhar é: não pague para ter o seu trabalho publicado, a auto-publicação trará mais benefícios, a não ser, é claro, que encontre um editor genuíno que o apoie a 100%. Está a trabalhar em algo no momento? De momento estou a trabalhar numa novela/ romance. Não tenho certeza a qual pertencerá, isso depende da história. Adoro escrever! Onde é que os leitores a podem encontrar? Podem encontrar-me no Facebook e no Goodreads. https://www.facebook.com/scruplesm?ref=pymk#!/profile.php?id=1664588497&sk=info http://www.goodreads.com/user/show/5756702

4


Synopsis | Sinopses Sinopses

ROADKILL Roadkill is a short story about a Halloween barbecue that goes very wrong; some people have some strange eating habits these days. “Roadkill” é uma pequena história sobre um churrasco no Dia das Bruxas que corre bastante mal. Algumas pessoas têm estranhos hábitos alimentares hoje em dia.

GERALD’S CAR Can a car really influence lifestyles and decisions? Gerald's did... Pode um carro realmente influenciar o seu modo de vida e decisões? O do Geral influenciou…

5


Review | Crítica Link: http://www.goodreads.com/review/show/230335695 I read “Road Kill” on November 20, 2011. I liked it pretty much, so I rate it 4 stars. It begins with the presentation of a weird creature and its shocking peculiar feeding habits. It is presented to us as the last of its kind and we are led to believe that this species will extinguish when something happens to the creature. But will it really be the end? I wasn’t familiar with the concept of “Road Kill” once my knowledge of the English language is limited, so I didn’t understand it right away. I only got what it meant when too young boys try to buy some meat for the Halloween’s barbacue and the butcher tells them he has none, and the only meat they will be able to find is the one from the animals killed on the road. And who knew that they will follow this tip?! Of course it will have a high price… It’s a pity that the story is so short. I think it deserved to be more developed; the idea behind it is strong and it could be more explored. Who knows if the author decides to write a book more complete from this story?

Li “Road Kill” no dia 20 de Novembro de 2011. Gostei bastante e dou-lhe 4 estrelas. A história começa com a apresentação de uma criatura estranha e dos seus hábitos alimentares peculiares chocantes. É-nos apresentada como a última da sua espécie e somos levados a crer que a espécie se extingue quando algo acontece à criatura. Mas será que é mesmo o fim? Desconhecia o conceito de “Road Kill” dado os meus conhecimentos limitados da língua inglesa, pelo que não compreendi de imediato o que significava. Apenas percebi o queria dizer quando dois jovens tentam comprar carne para o churrasco do Dia das Bruxas e o talhante lhes diz que não tem nada e que a única carne que conseguirão encontrar é a dos animais mortos nas estradas. E não é que eles acabam por seguir essa dica?! Claro que lhes vai sair muito caro… É pena ser uma história tão curta. Acho que merecia ser mais desenvolvida; a ideia por detrás é forte e não pecava se fosse mais explorada. Quem sabe se a autora não resolve fazer um livro mais completo a partir desta história?

6


Review | Crítica Link: http://www.goodreads.com/review/show/230788095

“Gerald’s Car” is a short story I read on November 20, 2011. I rate it 3 stars, once I enjoyed more “Road Kill”, but also because it reminds me of other stories I heard before and that was why it didn’t caught my attention that much. Annie leaves Gerald and his world seems to crumble down, until he finds a Chevrolet that makes him forget about everything. Gerald isolates himself and his life begins to revolve around the car and what he can do with it. Let’s just say that the vehicle doesn’t bring up the best in him, but in the end he will have to pay for that. Do you remember the urban myths in which a driver looks into the mirror to check the back seat and sees something that wasn’t supposed to be there? Well, Gerald will recall this myth and live it. I particularlly liked the finale, when the Chevrolet returns to the garage and is greeted by the owner.

“Gerald’s Car” é uma história pequena que li dia 20 de Novembro de 2011. Dou-lhe 3 estrelas, dado que gostei mais de “Road Kill”, mas também porque me fez lembrar várias histórias que já ouvi antes, pelo que não me despertou tanto a atenção. Annie deixa Gerald e o mundo dele parece ruir, até que encontra um Chevrolet que o faz esquecer de tudo. Gerald isola-se e toda a sua vida passa a girar em torno do carro e daquilo que pode fazer com ele. Digamos que o veículo não traz ao de cima o melhor que há em si, mas no final terá que pagar por isso. Recordam-se dos mitos urbanos em que um condutor olha pelo espelho retrovisor e vê algo que não devia lá estar? Bem, o Gerald vai relembrá-los na primeira pessoa. Gostei particularmente do final, quando Chevrolet regressa à oficina e é cumprimentado pelo dono da oficina.

7

Interview to Jackie Williams  

Interview to Jackie Williams

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you