Page 1

Fátima Almeida apresenta “Et Al.” Olá! Pode começar por falar-nos um pouco de si? Quem é a Fátima? Olá! Antes de mais, muito obrigada por esta oportunidade de falar do et al. A Fátima é professora, desde há nove anos, de Educação Especial. A minha formação de base é uma licenciatura em Humanidades. Em Educação Especial, tenho trabalhado sobretudo com alunos disléxicos, uma vez que tenho estado quase sempre em escolas secundárias, onde, até agora, as problemáticas mais graves (DID, por exemplo. Nomenclatura que, a partir de 2007, substitui a designação «Deficiência Mental».) já não tinham lugar – porque esses alunos, até à Lei n.º 85/2009, de 27 de agosto, estavam na escola apenas até aos 16 anos. A dislexia é, sem dúvida, das áreas que mais me fascinam. Por esse facto, resolvi ir sobretudo por aí, o que me levou a escolher como tema da dissertação de mestrado a dislexia. Eu sou sobretudo isso. A vertente da investigação, das leituras várias, das escritas várias, tem um peso enorme no contexto daquilo que eu sou. Quando começou a dedicar-se à escrita? Desde que me lembro. O meu lugar preferido sempre foi sentada a ler ou a escrever. Ainda hoje. Eram, durante muito tempo, registos, desabafos, que, muitas vezes, cessavam quando o mote ficava ultrapassado. Como surgiu a ideia de escrever “Et Al”? Começou da mesma forma que muitos outros textos que escrevera, enquanto repositório de reflexões, de desabafos. Talvez tivesse ficado, como outras histórias, por concluir, não fosse o facto de ter dado a ler páginas do que já havia a três pessoas que me incentivaram imenso a continuar.

Sobre o que é este livro? “Et al.” é, em primeiro lugar, uma incursão, na primeira pessoa, pelo mundo da Dislexia. Enquanto professora de Educação Especial de alunos disléxicos, tenho estado no outro lado. Enquanto investigadora nesta área, investigação que integra a dissertação de mestrado recentemente concluída, procurei, procuro, causas, consequências, o como intervir. Mas o que será ter dislexia? Como será lidar com o inferno que são os outros? Com a ausência do sentido das palavras, com a incapacidade de os sons se unirem num eco inteligível? Maria das Neves narra o ser disléxico desde a altura em que lhe gritavam o seu INHENHO no recreio da escola até ao momento da sua morte, rodeada por todos os nomes, agora lidos. O inferno, disse-o Sartre, são os outros. Perdoar esses outros é uma construção longa, por etapas, por nomes. “Et al.” fala de todos os nomes necessários para a construção do outro lado da dor. De todos os nomes, não. De alguns. Os outros, alia, são apenas sugeridos no título, lembrando que muitos há, mas que estão num lugar de pseudoesquecimento, de fuga. De cura. Por qualquer razão, são apenas os outros. Existem, contudo, nem que mais não seja porque são o que somos, ou somos o que eles foram. E essa, como que, homenagem preenche o rosa da capa. O rosa que lembra a dor de ser mulher e de todas as derivantes afins: maternidade, a solidão do lado mais difícil da equação. De rosa, como disse a Prof.ª Maria de Jesus Cabral no lançamento, o livro tem apenas a capa. Contudo, algo sobrevive por entre toda a revolta gritada, sugerida, silenciada. E, afinal, em jeito de revelação, para a própria autora, talvez haja esperança. Para o que quer que seja. Num mundo, tantas vezes insano, fará sentido que seja a Loucura, de


Erasmo de Roterdão, a lembrar que tudo são escolhas. O ficar-se do lado de lá ou de cá do perdão é uma escolha. Como Natália, que optou pelo outro lado, arrastando consigo Maria das Neves, e lavando-a na própria água onde se afundara. Natália fez várias escolhas. Uma delas foi morrer, mas apenas porque, tal como o Principezinho, talvez (já) não houvesse outra forma de prosseguir. Foi a sua última luta. Essa escolha. Como se processou a procura de uma editora disponível para apostar no seu livro? Conhecera uma das pessoas da Editora Edições Esgotadas num curso de voluntariado uns meses antes. Esse foi o motor que me fez deslocar àquela editora. Quando a Comissão Científica dessa Editora leu o texto, fui informada de que estavam disponíveis para o editar. Estou muito grata à Edições Esgotadas por esta oportunidade.

Que comentários tem recebido a propósito de “Et Al”? Comentários muitíssimo positivos. Alguns, vindos de pessoas consideradas «especialistas» de determinadas áreas da escrita, que realçaram uma vertente mais técnica – a forma como a história nasce, se cria, se constrói; outros, de pessoas que gostam (simplesmente) de ler, que enfatizam as reflexões, mais até do que a história, que as personagens permitem e lhes permitem. Quais são os seus planos no que concerne à escrita? Continuar. Sempre! Já iniciei um outro texto, que terá como um dos temas centrais a temática da minha próxima investigação (no contexto do doutoramento). Será também sobre duas outras temáticas que, há muito, quero conhecer melhor. Não poderei dizer mais… apenas que não será sobre dislexia e que tenho muito para estudar! Onde podem os leitores seguir o seu trabalho? Gostaria muito que me contactassem para a página do livro (http://www.facebook.com/etalolivro) e até que conhecessem um pouco do que, juntamente com o Psicólogo do Agrupamento onde leciono e com uma técnica informática, temos feito no contexto de um apelo à inclusão escolar e social – porque o et al. é também uma luta pelo direito à diferença – em http://inclunet.esecnelas.rcts.pt/portal/. Poderão também contactar-me para o mfffalmeida@gmail.com.


Fátima Almeida presents “Et Al.” Hello! Can you start by telling us a little about yourself? Who is Fátima? Hi! First of all, thanks for this opportunity to talk about “Et al”. Fátima is a Special Education teacher for nine years. My basic training is a degree in Humanities; in Special Education, I worked mainly with dyslexic students. I've worked mostly in high schools where, until now, the most serious problems (like DID, for example, the new name that replaced the designation for Mental Deficiency in 2007) had no place. Until Law Nr. 85/2009 of 27 August came out, these students attended school only until the age of 16. Dyslexia is, undoubtedly, the area that fascinates me the most. For that reason, I decided to approach it and choose it as the theme of the dissertation of my master’s degree. I’m mainly this. The strand of research, the many readings and many writings has a huge weight in the context of what I am. When did you begin to devote yourself to writing? Since I can remember. My favorite place was always sitting, reading or writing. It still is. They were, for a long time, records, outbursts that often ceased when the motto was overcome. How was born idea to write "Et Al"? It started the same way like many other texts I had written, as a repository of thoughts, of confidences. Perhaps it would have ended, like those other stories, unfinished, if it wasn’t for the fact that I had given to read a few pages to three people who encouraged me greatly to continue. What’s this book about? First of all, “Et al.” is an incursion, in the first person, through the world of dyslexia. As a Special Education teacher of dyslexic students, I’ve been on the other side. As an investigator

in this area - research that integrates my recently concluded dissertation I’ve been searching for causes, consequences, and how to intervene. But how is it to be dyslexic? What will it be like to deal with the hell that is the other people? With the absence of meaning of the words, with the inability of the sounds to come together in an intelligible echo? Maria das Neves tells what it’s like to be dyslexic, since INHENHO was shout at her in the schoolyard to the time of her death, surrounded by all the names now read. Hell, like Sartre said, is the others. Forgiving the others is a long construction, step by step, made by names. “Et al.” talks about all the names necessary to build that other side of the pain. Not all the names, just some. The others, alia, are only suggested in the title, reminding there are many more, but they are in a place of pseudo-forgetfulness, of escape - in a healing place. For whatever reason, are only the others. However they exist, because they are what we are, or we are what they were. And this sort of tribute fills in the pink of the book cover. This is the pink that recalls the pain of being a woman and all drifting, like motherhood, the loneliness of the most difficult part of the equation. This pink, as Prof. Maria de Jesus Cabral said at the release of the book, is only in the cover. Yet, something survives through all the anger shouted, suggested, silenced. In the end, as a revelation to the author herself, maybe there is hope. For whatever. In a world so often insane, it makes sense that it is Madness, of Erasmus of Rotterdam, that reminds us that everything is a choice. To be on this side or on the other side of the forgiveness is a choice. Like Natália, who chose the other side, dragging Maria das Neves and washing her in the same water where she had sank. Natália made several choices. One of them was to die, but only because,


like the Little Prince, maybe there was no other way to proceed. It was her last fight. That choice. How was the search for an editor to invest in your book? I had met someone from the Publisher Edições Esgotadas in a workshop of volunteering a few months before. This was the engine that made me go to that publisher. When the Scientific Board of this Publisher read this text, I was told they were available to publish it. I’m very grateful to Edições Esgotadas for this opportunity.

What comments did you receive about "Et Al"? Very positive reviews. Some came from people considered "experts" in certain areas of writing, who emphasized a more technical side the way the story is born, created, built. Others came from people who (just) like to read. They emphasize the reflections, even more than the story, that the characters allow and provide to them. What are your plans in what comes to writing? To continue. Always! I’ve already started another text, which will be about the central theme of my next research (in the context of my PhD). It will also be on two other issues that, for a long time, I want to know better. I can’t say much more... it won’t be about dyslexia and I have much to study! Where can readers follow his work? I’d really like to be contacted by the book page (http://www.facebook.com/etalolivro) and that you had the chance to know a little more about what I’ve been doing - along with the psychologist of the school group where I teach, and with the help of a computer technician - in the context of an appeal to the educational and social inclusion. Because “Et al.” is also a fight for the right to difference. Visit http://inclunet.esecnelas.rcts.pt/portal/. You can also contact me here mfffalmeida@gmail.com.


“Et Al.” SINOPSE Et Al. é um livro que cruza existências, baralha-as e, afinal, tudo se resume a... um só ser, a uma só entidade que é muitas e, talvez, não seja até nenhuma. Por isso apresentanos uma visão caleidoscópica da realidade que nos rodeia, que nós conhecemos e sentimos, mas que não sabemos traduzir em palavras. O EU feminino fragmentado do narrador vai rodopiando e assumindo pontos de vista que o enriquecem e lhe permitem o distanciamento necessário para perceber o mundo e, sobretudo, para perdoar à vida a insensibilidade das suas agressões. Trata-se de um livro que penetra no âmago do ser humano e revela as verdades simples que poderiam permanecer ocultas para aqueles que se acomodam.

pedaços de informação que no final se agrupam para formar uma história única. Na parte II torna-se difícil perceber quem é quem, o que implica uma maior concentração do leitor, mas com algum distanciamento conseguimos compreender de quem se trata afinal. Gostei dos temas tratados e da vida sofrida das personagens, na medida em que aprendemos algo com as lições de vida que nos transmitem. A questão que gostei mais de ver levantada está relacionada com a dislexia e a discriminação que a incompreensão do problema pode gerar. Também gostei da perpetiva dada a propósito da solidão. Por fim, congratulo a autora pela forma como escreve. É sempre bom ler algo escrito em “bom Português”.

BLURB Et Al is a book that crosses existences, shuffle them, and ultimately it boils down to... one being, the one entity that is many, and perhaps not even none. So it gives us a kaleidoscopic view of the reality that surrounds us, that we know and feel, but we can’t translate into words. The fragmented female ME of the narrator goes whirling and assuming points of view that allow her to enrich the necessary distance to understand the world and, above all, to forgive life the insensitivity of its attacks. This is a book that penetrates the human heart and reveals the simple truths that could remain hidden for those who settle.

REVIEW I read this book in one fell swoop on 6th April 2012; I rate it four stars. It is a deep story that lead us to internal reflections, some of which triggered by loosen phrases from other authors used to characterize the view of a character in "Et Al." The narrative is not presented in a linear way, ie, we are given pieces of information that ultimately come together to form a single story. In Part II it becomes hard to tell who is who, which implies a higher concentration of the reader, but with some distance we can understand who they are anyway. I liked the topics covered and the hard life of the characters, as we learn something about the life lessons that they give us. The question that I liked to see brought up was related to dyslexia and the discrimination that can be generated by the misunderstanding of the problem. I also liked the perspective given about loneliness. Finally, I congratulate the author for the way she writes. It's always good to read something written in "good Portuguese."

CRÍTICA Li este livro de uma assentada no dia 6 de Abril de 2012; dou-lhe quatro estrelas. Trata-se de uma história profunda que nos conduz a reflexões internas, algumas das quais despoletadas por frases soltas de outros autores que surgem para caracterizar o ponto de vista de uma personagem de “Et Al”. A narrativa não é apresentada de forma linear, isto é, são-nos dados

entrevista Fátima Almeida  

interview to Fátima Almeida

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you