Page 1

Interview to Candy Crum, Crum, author of “The Eternal Gift” Gift” If you think that immortality is a gift, then Kailah was definitely blessed by Candy Crum - she gave everlasting life to this character in the first volume of The Eternal Series, “The Eternal Gift”. Born on 17th April 1985, Candy lives in southern Indiana with her husband and their two kids. Don’t be surprised if you find an enigmatic girl with a mysterious look if you go to Taco Bell – maybe her eyes hide her huge talent for writing, as you may find out. Candy’s debut in the literary world was on 18th May of this year with “The Eternal Gift”. The second volume is already being written and it’s expected to be published by late November. Until then, let’s know some more about the author and this saga. Your debut in literature happened this year. What led you to write “The Eternal Series”? I wrote “The Eternal Gift”, because it was a story that popped into my head 7-8 years ago and wouldn't go away. It was always there. I tried to write it once before, but it wouldn't work. Now that it's out in the open, I feel so wonderful. Why did you choose this genre? I've been in love with vampires a long, long time. And I guess I wanted to show the world what a beautiful and deadly vampire looked like. That we could have both cold and ruthless ones and ones that still had a heart. But what about the Immortals? Better saying, what about Kailah's roots? Where did you get that idea from? Ah, well I got that idea from my dads’ side. It was actually my great-great grandMOTHER that was full blooded native american, not the grandFATHER like in the book. But it was her son, my great grandfather (only one great), that had powers. Though he was only a half blooded Indian, he was able to heal burns, and I thought it was a great place to start for the lore of Kailah's family. I am Native American and I love the magic behind them. I thought it was wonderful. I didn’t know much about my great-great grandmother, but I figured if her son was powerful enough to heal burns, then she must have been pretty powerful too. So I basically turned her into the Immortal, giving her the name Sayen which is native american for Lovely. Wow! That's interesting! What else is in the book that's related to your "real" life? Kailah's attitude and her way of approaching things are mostly mine. lol. If she is freaking out about something it's probably because I would have freaked out too! The location is also personal! I lived in North Vernon when I began writing this and so I set it there. I was born in Seymour. These are both towns located within 30 miles of me now :) I kept it local, because I knew exactly what I was writing about, and since I've never been anywhere else, why not set my book where I'm most comfortable? At home! And your sister is also called Amanda, and you used to work in the same area as Kailah... I used to work with Kailah and Amanda both at a long term care facility when I got my certification to be a CNA.


So there is really someone named Kailah! What did she say about you using her name in your story? Yep :D I told her I wanted to use her name, because I thought it was beautiful and uniquely spelled and she was really excited. I remember her hugging me and telling me she loved me, or loved my face, or something funny like that :) She really is a silly, funny girl. I know the second book is supposed to come out very soon. Can you tell us how are things going and to what can we expect from it? I'm hoping for a mid-late November release. I think that would be Great, but its kind of stalling at the moment. But when it is released, it’s going to be quite different than the first. There are many more characters in this one due to the introduction of the Weres and Demons. Werewolf lore is a BIG part of this one, and the beginning of the Vampires/Weres are explained in this one. Just like with the vamps, there will be two breeds of wolves; the wolves who are spiritual (much like the Immortals) and who follow compassion and the laws of nature. When they are born/ made, they are small in size but as they age, their wolf form grows. The queen of the wolves is nearly 15 feet tall in wolf form. She is massive. The other wolves, the ones who kill for pleasure or protect the Immortals, and abandon the laws of nature and their mission (given by Anubis himself) to keep the world equal and balanced, they are forever cursed by Anubis to remain in a mid state. Not quite human, not quite wolf. They are 9 feet tall wolfmen that look exactly like Anubis. Your stories are also based on Egyptian mythology… Yes :) I use a little bit of everything, because I believe all myths have some truth. I love the magic of it all. As for the publishing matter, are you considering looking for a publisher? Why? I was originally trying to get one, but had too hard of a time. Publishers are trying to get away from Vampire stories, because of the twilight stuff. I'm unsure why exactly since it's been such a big money maker, but that's what I've been told. So I decided to stick with self publishing. I am, however, hoping that something will come my way. I'm not keeping my door closed to the idea because I could certainly use the marketing help. What feedback are you getting from the readers? So far I've been really lucky to not have any negative feedback. I've heard a lot of wonderful things about the flow of the story and the detail (since it's not a requirement in a lot of published writing, which is sad), and the characters. There is someone for almost everyone to relate to in the book and they seem to enjoy that. And what about your family, how did/ do they react to this side of you? They are really proud - but then again they haven't read it. Lol! The next one may be different, because it's more "adult." I bet that keep writing is in your plans for the future… I'm certainly hoping to turn this into a full time career! Within the next year I plan to get this series off the ground and into the homes of thousands! I would love for everyone to read about the fantasy world that I've created for them! I definitely don't plan on stopping any time soon. To follow the evolution of “The Eternal Series” just visit the Facebook page located at https://www.facebook.com/theeternalseries or, if you prefer, the official Twitter page at http://twitter.com/#!/TheEternalGift.


Entrevista a Candy Crum, autora de “The Eternal Gift” Se acredita que a imortalidade é um dom, então Kailah foi definitivamente abençoada por Candy Crum – ela deu vida perpétua a esta personagem no primeiro volume do livro da saga “The Eternal Series”, intitulado “The Eternal Gift” (“A Dádiva da Eternidade” em português). Nascida a 17 de Abril de 1985, Candy mora no sul de Indiana (Estados Unidos) com o marido e os dois filhos. Não fique surpreendido se encontrar uma rapariga enigmática com um olhar misterioso ao entrar no Taco Bell – talvez os seus olhos escondam o seu enorme talento para a escrita, como poderá descobrir por si próprio. A estreia da Candy no mundo literário foi a 18 de Maio deste ano com “The Eternal Gift”. O segundo volume já está a ser escrito e deve publicado em finais de Novembro. Até lá, vamos conhecer um pouco melhor a autora e esta saga. A sua estreia na literatura deu-se este ano. O que a levou a escrever “The Eternal Series”? Escrevi “The Eternal Gift”, porque foi uma história que me surgiu na cabeça há 7 ou 8 anos atrás, e que não desapareceu. Estava sempre lá. Tentei escrevê-la uma vez antes, mas não resultou. Agora que está “cá fora”, sinto-me muito bem. Porque escolheu este género? Adoro vampiros há muito, muito tempo. E acho que queria mostrar ao mundo como poderia ser um vampiro bonito e fatal, e que poderíamos ter tanto os frios e cruéis, como aqueles que ainda têm um coração. E os Imortais? Melhor dizendo, e as raízes do Kailah? Onde foi buscar essa ideia? Ah, bem… fui buscar essa ideia ao lado do meu pai. Na verdade, era minha trisavó que tinha sangue nativo americano, e não o meu avô como no livro. Mas era o seu filho, o meu bisavô, que tinha poderes. Embora fosse apenas meio índio, era capaz de curar queimaduras e eu pensei que era um óptimo ponto de partida para começar o folclore da família de Kailah. Eu sou nativa americana e amo a magia por detrás deles. Acho-os maravilhosos. Eu não sabia muito sobre a minha trisavó, mas calculei que, se o seu filho era poderoso o suficiente para curar queimaduras, então ela também deve ter sido muito poderosa. Deste modo, basicamente transformei-a em Imortal, dando-lhe o nome nativo americano Sayen para Lovely (“Adorável”). Uau! Isso é interessante! O que mais há no livro que está relacionado com sua vida "real"? A atitude de Kailah e a sua maneira de abordar as coisas são maioritariamente minhas. Lol! Se ela está a “passar-se” sobre algo, é porque provavelmente eu também me “passaria”! A localização também é pessoal! Eu morava em North Vernon quando comecei a escrever este livro e assim coloquei a acção lá. E nasci em Seymour. Estas duas cidades estão agora localizadas a 48 quilómetros de mim:) Eu mantive a acção local, porque sabia exactamente sobre o que estava a escrever e, dado que nunca estive noutro lugar, porque não definir o meu livro onde estou mais confortável? Em casa! E sua irmã também se chama Amanda, e a Candy costumava trabalhar na mesma área que a Kailah...


Eu costumava trabalhar com a Kailah e a Amanda numa instituição de cuidados a longo prazo quando obtive a minha certificação para CNA (assistente de enfermagem). Então há realmente alguém chamado Kailah! O que ela disse sobre a Candy usar o nome dela na sua história? Sim, eu disse-lhe que queria usar o nome dela, porque achei que era bonito e se escrevia de modo único, e ela ficou realmente animada. Lembro-me que ela me abraçou e disse-me que me adorava, que adorava o meu rosto, ou algo engraçado do género :) É realmente uma rapariga tonta e engraçada. Sei que o segundo livro deve sair muito em breve. Pode-nos dizer como estão as coisas e o que podemos esperar dele? Espero que saia em meados de Novembro, talvez no final. Acho que seria óptimo, mas está um pouco estagnado de momento. Mas quando for publicado, vai ser bem diferente do primeiro. Existem muitos mais personagens neste devido à introdução de lobisomens e demónios. A tradição do lobisomem é uma GRANDE parte deste, e o início dos Vampiros e Lobisomens serão aqui explicados. Tal como acontece com os vampiros, haverá duas raças de lobos. Uma é a dos que são espirituais (muito parecido com os Imortais), e que seguem a compaixão e as leis da natureza. Quando eles nascem/ são criados, são pequenos em tamanho, mas à medida que envelhecem a sua forma de lobo cresce. A rainha dos lobos tem quase 4,5m de altura na sua forma de lobo. Ela é enorme! Os outros lobos são os que matam por prazer ou para proteger os Imortais. Abandonaram as leis da natureza e a sua missão (atribuída pelo próprio Anubis) para manter o mundo igual e equilibrado, por isso foram amaldiçoados por Anubis e permanecem sempre num estado médio; não são bem humanos, nem lobos. São lobisomens de 2,70m de altura que se parecem exactamente com Anubis. As suas histórias também são baseadas na mitologia egípcia... Sim:) Eu uso um pouco de tudo, porque acredito que todos os mitos têm alguma verdade. Adoro a magia de tudo isto. Quanto à questão editorial, está a pensar procurar uma editora? Porquê? Originalmente estava a tentar encontrar uma, mas tinha muito pouco tempo. As editoras estão a tentar ficar longe de histórias de vampiros, por causa das coisas relacionadas com o “Crepúsculo”. Não sei bem porquê, dado que tal gera dinheiro em grande, mas foi o que me foi dito. Então decidi ficar-me pela auto-publicação. Espero, no entanto, que algo venha ao meu encontro. Não mantenho a minha porta fechada à ideia, porque certamente me dava jeito a ajuda do marketing. Que feedback está a receber dos leitores? Até agora tive muita sorte de não ter qualquer feedback negativo. Ouvi imensas coisas maravilhosas sobre o fluxo da história, os detalhes (o que não é um requisito num monte de livros publicados, o que é triste), e os personagens. Há sempre alguém no livro com quem quase todos se relacionam e parecem gostar disso. E o que diz a sua família? Como reagem a este seu lado? Eles estão muito orgulhosos – mas ainda não leram. Lol! Pode ser que seja diferente com o próximo, porque é mais "adulto". Aposto que continuar a escrever está nos seus planos para o futuro. Mantenho certamente a esperança de transformar isto numa carreira a tempo inteiro! No próximo ano pretendo “levantar” esta série e levá-la a casas de milhares! Adoraria que lessem sobre o mundo de fantasia que criei para eles! Definitivamente não planeio parar tão cedo. Para seguir a evolução de "The Eternal Series" basta visitar a página do Facebook com o endereço https://www.facebook.com/theeternalseries ou então, se preferir, a página oficial no Twitter em http://twitter.com/#!TheEternalGift/


Synopsis | Sinopse “The Eternal Gift: The Eternal Series– Series– Book One” A young girl (Kailah) discovers that she is from a lost and forgotten powerful Immortal blood line after she meets a strange new physician at work. She begins to have visions and see spirits and has trouble controlling bad things from happening when she is angry. Along the way she discovers the terrible truth about who she is and the incredible power that is locked away deep inside her. Her Immortal ancestors want to use her to destroy the vampire race. Vampires want to use her power to destroy her Immortal ancestors. But hiding in the shadows are those who have been watching her since she was born. They want to help Kailah discover who she is and help her learn to use her abilities. They simply want for her to make the right decision before it's too late. Unfortunately for them time is not on their side and the Rogue Vampires have plans for Kailah no one could have imagined.

Depois de conhecer uma médica nova e estranha no trabalho, a jovem Kailah descobre que descende de uma poderosa linha de sangue Imortal há muito perdida e esquecida. Ela começa a ter visões e a ver espíritos, e tem dificuldade em controlar que coisas más aconteçam quando está zangada. Ao longo do caminho, Kailah descobre a terrível verdade sobre quem é e o incrível poder que está trancado dentro dela. Os seus antepassados Imortais querem usá-la para destruir a raça dos vampiros. Por seu turno, os vampiros querem usar o seu poder para destruir os Imortais antecessores. Mas ocultos nas sombras estão aqueles que a observam desde que nasceu. Eles querem ajudar Kailah a descobrir quem ela é e a aprender a usar as suas habilidades. Eles simplesmente querem que ela tome a decisão certa antes que seja tarde demais. Infelizmente para eles, o tempo não está do seu lado e os Vampiros Rogue têm planos para Kailah que ninguém poderia ter imaginado.


Review | Crítica Link: http://www.goodreads.com/review/show/202459641 I finished reading "The Eternal Flame" e-book on October 15, and on it I just have to say - it's awesome! I enjoyed reading this story and I don’t hesitate to rate it five stars! When I got to the end, I could only think, "Oh, man! Is it over already?! I want the rest!" LOL! Surely if I had the paperback instead of the digital version, I would have read it at once. What did I like? To begin, I particularly like this kind of stories related to the paranormal that combines action with romance. Both appear here in balance, without one never replace or overshadow the other. For those who think this is just one more vampires’ story, I have to say that you are wrong, since the author added something different - an immortal woman able to communicate with the spirits, to evoke them and master/ channel their energy and also the power of the elements. This last point reminds me a little bit the series "House of Night," in which Zoey is a vampire, but she’s also capable of evoking the elements. However, the spirit here is not the Goddess one, how you can find out by reading ;-) The fact that the roots of the protagonist are presented (which I suspect to be in fact those of the author’s) is very positive; I like when a story is based on legends told from generation to generation - in this case, these are related to Indian tribes. I liked the transformation in the character Jacques, and I guess that this five centuries old vampire will still give plenty to talk about; frankly, I hope so, because there is much that can be explored on this true seducer gentleman who’s wise and reasonable. The climax of the story also carries unexpected twists, which makes us bite our nails. If the reader expects something to happen at the last moment so that the protagonist can escape, better not... Well, I won’t say much more about the main scene to not spoil the surprise. The love-hate relationship between Kailah and Aeric pleases me; the antagonism and how they repel each other, to then everything change is interesting. But will they be together? Aeric more than once said it was not possible. It’s a mystery... The plot develops easily, the events follow one another and there’s no monotony in fact, boredom is a term that does not fit here at all. When we think that everything is well, something happens that alters the course of events. At times I even felt tired and thought, "Sheesh! But this girl doesn’t have a moment of peace?" On the other hand, if nothing happened, why write a book that would be only a boring story devoid of action? I had some difficulty "deciphering" the acronyms, mainly related to health care, such as H&P and CNA among other examples. Some I was able to unravel, others I just ignored... Analynn is annoying! She’s a character to hate and it’s easy to do that. What I criticize is that she appears too quickly. She could only emerge later in the story and not right after the romantic scene in which Aeric mention a small detail that points toward her. For example, she could appear in the sequence of things that start to go wrong when Kailah is with the Aeric; Kailah would then realize that this was due to the presence of an angry spirit, and only then Analynn would reveal herself. Hey, it's just a suggestion and my opinion! However, the mystery of how she died remains, which is good, because it’s not revealed at once all about hernot to mention the suspended finale, to which she is related. I was a little frustrated by not quite understand why vampires and immortals don’t get along. And what are Khia’s plans for Kailah anyway? Why does she want her? I think that’s a puzzle to be explored in the second book in the series. Not knowing what happened to Jacques saddened me a little. There wasn’t a single mention of him leaving the house after the fight... I sympathized with the character, and I wish there had been a reference to him at least at the end of the scene that I mentioned. But something tells me that he will return and leave his mark on the story; I keep that hope.


In short, I liked it and recommend reading this book! Isn’t it easy to notice? Why then would this be such a long review? Lol! I think it is the biggest one I have ever written in my entire life! Usually when I like a book, feelings tend to overlap rationalism and I cannot explain pretty well why I did like it, but I hope I have made myself understood. "The Eternal Series" – I will follow this one ;-)

Concluí a leitura do ebook “The Eternal Flame” a 15 de Outubro e sobre o mesmo só tenho a dizer: é um espectáculo! Adorei ler esta história e não hesito em atribuir-lhe cinco estrelas! Quando cheguei ao fim, só conseguia pensar “Opá! Já acabou?! Quero o resto!” LOL! Decerto que se tivesse o livro em papel em vez da versão digital, tinha-o lido de uma assentada. Do que gostei? Para começar, agrada-me particularmente este tipo de histórias relacionadas com o paranormal e que combinam a acção com o romance. Ambos surgem aqui em equilíbrio, sem que um nunca substitua ou ofusque o outro. Para quem pensa que esta é mais uma história de vampiros, tenho a dizer que estão enganados, pois a autora juntou algo diferente – uma imortal capaz de comunicar com os espíritos, de evocá-los e dominar/ canalizar o seu poder e também o dos elementos. Este último ponto lembra-me a saga da “Casa da Noite”, em que a Zoey é uma vampyra, mas também uma sacerdotisa capaz de evocar os elementos. No entanto, o espírito aqui não é o da Deusa, como poderão descobrir através da leitura ;-) O facto de serem trazidas ao de cima as raízes da protagonista (que suspeito serem as da autora de facto) é muito positivo; gosto quando uma história se baseia em lendas transmitidas de geração em geração – neste caso, estas estão relacionadas com as tribos índias. Agradou-me a transformação operada na personagem Jacques e pressinto que este vampiro de cinco séculos ainda vai dar muito que falar; sinceramente, assim o espero, porque há muito que pode ser explorado naquele autêntico cavalheiro sedutor tão sábio e sensato. O clímax da história também encerra em si reviravoltas inesperadas, que nos deixam com os nervos em franja. Se o leitor espera que algo aconteça no último momento para que a protagonista consiga escapar, é melhor não se iludir… Bom, é melhor não dizer mais sobre a cena principal para não estragar a surpresa. A relação de amor-ódio entre Kailah e Aeric agrada-me; o antagonismo e a forma como se repelem para depois tudo mudar é interessante. Mas será que ficarão juntos? Aeric por mais que uma vez afirma que não é possível. Mistério… O enredo desenvolve-se de forma fluida; os eventos sucedem-se e não se cai na monotonia – aliás, monotonia é um termo que não se enquadra aqui de todo. Quando pensamos que tudo está bem, acontece algo que vem alterar o rumo dos acontecimentos. Às vezes até me senti cansada e pensei “Chiça! Mas esta rapariga não tem um momento de paz?” Por outro lado, se nada se passasse, para quê escrever um livro que seria apenas uma narrativa aborrecida e desprovida de acção? Tive alguma dificuldade a “decifrar” as siglas que apareceram, principalmente relacionadas com a área da saúde, como H&P e CNA entre outros exemplos. Umas consegui deslindar, outras acabei por ignorar… A Analynn é irritante! É uma personagem a odiar e consegue que o façamos facilmente. O que tenho a criticar é que aparece muito depressa; podia surgir apenas mais adiante na história e não logo a seguir à cena romântica em que Aeric menciona um pequeno detalhe que aponta na sua direcção. Por exemplo, podia aparecer numa sucessão de coisas que começam a correr mal a Kailah quando está com Aeric; a jovem podia então perceber que tal se devia à presença de um espírito zangado e só então a Analynn se revelava. Ei, é apenas uma sugestão e a minha opinião! No entanto, fica o mistério sobre como morreu, o que é bom, pois não revela tudo sobre ela de uma só vez; isto para não falar do final em suspenso, com o qual ela está relacionada. Fiquei um pouco frustrada por não perceber muito bem porque Vampiros e Imortais não se dão bem. E que planos tem Khia para Kailah afinal? Para que a quer? Parece-me que é um enigma a ser explorado no segundo livro da série.


Não saber o que aconteceu ao Jacques entristeceu-me um pouco. Não houve sequer menção dele a sair da casa depois da luta… Simpatizei com a personagem, gostava que tivesse sido pelo menos referida no final da cena que mencionei. Mas algo me diz que vai regressar em grande e deixar a sua marca na história; mantenho essa esperança. Em suma, gostei e recomendo a leitura deste livro! Não se nota? De que outro modo faria uma crítica tão longa? Lol! Creio que é a maior que escrevi em toda a minha vida! Normalmente, quando gosto de um livro os sentimentos tendem a sobrepor-se ao racionalismo e não sei explicar bem porque gostei, porém espero que me tenha feito entender. “The Eternal Series” – irei acompanhar ;-)

Interview to Candy Crum  

entrevista a Candy Crum

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you