Page 1

Interview to Araminta Star Matthews, author of “Blind Hunger” She’s a postsecondary college professor of writing and literature at two colleges near her home, a secondary adult education English teacher, a career adviser, and a writer in several disciplines and genres. With all that, we can only ask “how can she even manage to breathe when she’s so busy?” Living in the second largest city in the state of Maine in the United States, Araminta Star Matthews affirms that she “crafts a lot—fiber arts and clay, mostly.” She also “reads all the time” and is “always writing something.” She takes her little “free time to snuggle with her whippet or worship her tabby.” Let’s meet Araminta Star Matthews, who wrote “Blind Hunger”, a book full of terror, emotion… and dead people walking around, chasing after their children to carve their teeth into some tasty young flesh.

Hi, Araminta! Let’s start with an easy question. “Blind Hunger” is a story about zombies. Are you afraid of zombies? Sort of. My biggest real fears are ticks and bobbleheads. There is something about the way bobbleheads move that just freak me out. Zombies? Well, I think I could handle the flesheating droves of undead. What led you to write this story in particular? My partner and I are very much into horror and Halloween, having watched every zombie movie made since the 1940s. We started making our zombie survival plans. It became a thing as we would take roadtrips where I would watch for buildings that would make good fortresses against zombie attacks. Not ironically, Masonic Temples, which usually have no windows where I live, would be just fantastic against the zombpocalypse. The conversation eventually turned to “what would happen if children had to survive an attack?” and grew into Blind Hunger from there. Some writers like to mention, for example, real places or they inspire their caracthers in someone who they know. Is there anything real in “Blind Hunger”? Well, the setting is very much New England in the United States. The characters, though, are all mixed together. That is, several people I know in real life went into making them come out on the page. What was the easiest part to write? And what was the hardest? The easiest part to write was Kiley’s dialogue. Sarcasm comes naturally to me, and I know teen girl sarcasm to be the most biting of all the sarcasms. The hardest parts to write were Sage’s weaknesses. I see a shortage of strong, powerful girls and women in literature and so I deliberately wrote my youngest character to be my strongest—both intellectually, and in some cases, physically. But, Sage is still a nine year old girl (no matter how genius she is), and nine year old girls miss their mommies. That was hard. After writing “Blind Hunger”, which steps did you follow to publish it? I edited it a dozen times before I submitted it to both agents and publishers. It took about a year to find a home for it, then another year to do another half-dozen edits so that it was 1


presentable enough for print and ebook publication. Editing is hard. Maybe I should have said “editing” was the hardest part about writing it—mostly because I don’t enjoy editing my own work half so well as I enjoy writing it. What were the main obstacles you found when you tried to publish your book? It was my first novel and no one is publishing fiction anymore. That is, if a person wants to get his or her novel out there, they typically self-publish or slap it on the web. I could not bring myself to go that route. I knew from my graduate and undergraduate work in creative writing that I would not be taken seriously as a writer unless I had a third party publisher. No one tells you, though, how hard it is to get that third party publisher. You have to develop a tough skin when it comes to rejection, and you have to refuse to give up. It would be easy to give up on publishing after, say, your 15th rejection letter, but you can’t. It’s just how the writing game is played. What feedback did you get from readers so far? Mostly, my feedback has been hugely favorable. People consider it a new take on a tired genre—that is, it’s a somewhat fresh look at zombie fiction. Some people have had some valid criticisms about a few details that will be ironed out in the paraquel and sequel. What was the best compliment you got? A young adult literature librarian in the Midwest, I think, said it was the best zombie book she’s ever read. That was satisfying. “Blind Hunger” your first book, but have you published other stories? Blind Hunger is my first full-length novel. I have several shorter works floating around the ether and print worlds. I have a nonfiction book coauthored with two colleagues due on in March of 2012, and, of course, the Blind Hunger paraquel, which follows Sage’s friend, Amanda’s journey to the warehouse (the place where Sage and gang are headed at the end of the novel) will be coming out in the next four issues of Dark Moon Digest. Where do you usually write? I write in my office, mostly, on a traditional computer (not a laptop). It’s a place where I “feel” like working. That’s another thing they don’t tell you—writing is work, and hard work at that. Don’t expect to be a writer and wile away your days doing nothing. Writing is a fulltime job (usually on top of another full time job). Do you have any “rituals” you follow when you’re writing? Some. I’ve been writing so long that now I can almost always just sit at a keyboard and pour out words without any start-up. I sometimes get so lost in it that I forget to eat. One ritual I do, though, when writing character moments is I act out their reactions using theatrical devices. I find this helps me to get “into their bodies” to describe them better. It is not unusual to see me rolling around my floor as I pretend to dodge a lunging zombie just so I know what it “feels” like. How do you build your stories? Do they simply “pop” into your mind and you write them down, or do you conceive a scheme of it first? I believe that the best stories are the ones that surprise even the writers. As such, I start with a baseline concept—in this case, that was “all the adults turn into zombies”—and then create a cast of characters. I then throw them into the situations and see what they do. I’m often quite surprised.

2


Are you working on a new book at the moment? What are your plans for the near future? I am working on a nonfiction writing manual (with a horror theme) with two co-authors, as well as a paraquel for Blind Hunger called “The Warehouse”. I’m also finishing up another supernatural YA book. After that, maybe a sequel for Blind Hunger. Where can readers find you? I am a Goodreads author. Facebook has a page devoted to Blind Hunger that people can “fan” for more information. They can also add me as a friend through that page. I have a Twitter account, but I confess I do not use it as often as I would like to. I also have a website that is in the process of an overhaul: www.aramintastar.com. Thanks, Rute! Your review was wonderful!

3


Entrevista a Araminta Star Matthews, Matthews, autora autora de “Blind Hunger” Hunger” Ela é professora de escrita e literatura em duas universidades perto da sua casa, é professora secundária de ensino de Inglês para adultos, é conselheira ocupacional e escritora de várias disciplinas e géneros. Com tudo isto só podemos perguntar “como consegue arranjar tempo para respirar se está tão ocupada”? Araminta Star Matthews vive na segunda maior cidade do estado do Maine, nos Estados Unidos da América, e afirma que “trabalha muito em artesanato, principalmente artes com fibras e barro”. Também “lê imenso” e está “sempre a escrever algo”. Passa os seus poucos “tempos livres aconchegada ao seu cão ou a adorar o seu gato”. Vamos conhecer Araminta Star Matthews, autora de “Blind Hunger” (“Fome Cega” em Português), um livro cheio de terror, emoção… e pessoas mortas a andar por aí, perseguindo as crianças para cravarem os dentes em carne tenra e deliciosa. Olá, Araminta! Vamos começar com uma pergunta fácil. “Blind Hunger” é uma história sobre zombies. Tem medo de zombies? Mais ou menos. Os meus maiores medos reais são carraças e “Bobbleheads” (bonecos com a cabeça maior que o corpo e que oscila de um lado para o outro). Há qualquer coisa na forma como os “Bobbleheads” se movem que me assusta. Zombies? Bem, acho que podia bem com umas investidas de não-mortos ansiosos por carne. O que a levou a escrever esta história em particular? O meu companheiro e eu somos grandes fãs de terror e do Dia das Bruxas, e vimos todos os filmes de zombies desde os anos 40. Começámos a fazer os nossos próprios planos de sobrevivência a zombies. Tornou-se em algo em que viajaríamos pelas estradas e procuraríamos edifícios que fossem boas fortalezas contra ataques de mortos-vivos. Não ironicamente, os Templos Maçónicos que normalmente não têm janelas onde vivo seriam fantásticos em caso se um apocalipse zombie. A conversa eventualmente terminava em “o que aconteceria se as crianças tivessem que sobreviver a um ataque?” e foi assim que “Blind Hunger” surgiu. Alguns escritores gostam de mencionar, por exemplo, sítios reais ou inspiram as suas personagens em pessoas que conhecem. Há algo real em “Blind Hunger”? Bem, a localização é basicamente New England, nos Estados Unidos. No entanto as personagens estão todas misturadas. Ou seja, peguei em várias pessoas que conheço na minha vida real e recriei-as no papel. Qual foi a parte mais fácil de escrever? E a mais difícil? A parte mais fácil foi os diálogos da Kiley. Sarcasmo é-me algo natural e sei que o sarcasmo de uma rapariga adolescente pode ser o mais amargo de todos. As partes mais difíceis de escrever foram as fraquezas da Sage. Noto uma falta de raparigas e mulheres fortes na literatura, por isso criei deliberadamente a personagem mais jovem como a mais forte, tanto intelectualmente como, em alguns casos, também fisicamente. Mesmo assim a Sage é

4


uma menina de 9 anos (por mais sobredotada que seja) e meninas de 9 anos sentem a falta das suas mães. Isso foi difícil. Depois de escrever “Blind Hunger” que passos seguiu para o publicar? Editei-o várias vezes antes de o submeter tanto a agentes como a editores. Levou-me um ano a encontrar-lhe “uma casa” e mais outro a fazer meia dúzia de alterações para que estivesse suficientemente apresentável para publicação em papel e em formato digital. Editar é difícil. Talvez devesse ter dito que editar foi a parte mais difícil no processo de escrita, principalmente porque não gostei sequer metade de editar o meu trabalho quanto de escrevê-lo. Quais os principais obstáculos que encontrou quando tentou publicar o seu livro? Foi o meu primeiro livro e ninguém publica ficção agora. Ou seja, se uma pessoa quer fazer chegar o seu livro ao público, tipicamente tem que auto-publicar ou colocá-lo na Internet. Eu não consegui ir por esse caminho. Sabia pelo meu trabalho de graduação e pósgraduação em escrita criativa que não seria levada a sério como escritora a menos que tivesse uma edição de terceiros. No entanto, ninguém diz o quão difícil é encontrar esse editor. Há que desenvolver uma “pele dura” no que se refere a rejeições, e há que recusarse a desistir. Seria fácil desistir depois de, digamos, receber a carta de rejeição nº 15, mas não se pode. O jogo da escrita simplesmente joga-se assim. Que comentários recebeu dos leitores até agora? Em geral o feedback tem sido extremamente favorável. As pessoas consideram-no uma nova visão sobre um género muito explorado, ou seja, é um olhar fresco na ficção zombie. Algumas pessoas tiveram algumas críticas válidas sobre alguns detalhes que serão resolvidos na história paralela e na sequela. Qual o melhor elogio que recebeu? O de uma bibliotecária de literatura para jovens adultos no Midwest, julgo eu. Ela disse que era o melhor livro de zombies que já leu. Isso foi simpático. “Blind Hunger” é o seu primeiro livro, mas já publicou outras histórias? “Blind Hunger” é o meu primeiro livro mais completo. Tenho vários trabalhos mais curtos flutuando no éter e mundos de impressão. Tenho um livro de não ficção em co-autoria com dois colegas, que deve sair em Março de 2012. Há ainda a história paralela de “Blind Hunger”, que segue a viagem da amiga de Sage, Amanda, para o armazém (o lugar para onde Sage e os outros se dirigem no final do livro); deve sair nas próximas quatro edições da Dark Moon Digest. Onde costuma escrever? Escrevo principalmente no meu escritório, num computador tradicional (não num portátil). É um lugar onde me “apetece” trabalhar. Isso é outra coisa que não dizem - escrever é um trabalho, e um trabalho duro. Não espere ser um escritor e passar os dias sem fazer nada. A escrita é um trabalho a tempo inteiro (geralmente em cima de outro trabalho também a tempo inteiro). Tem alguns "rituais" que segue quando escreve? Alguns. Escrevo há tanto tempo, que agora posso quase sempre sentar-me apenas em frente ao teclado e derramar as palavras sem quaisquer preliminares. Às vezes fico tão perdida na escrita que me esqueço de comer. Tenho, no entanto, um ritual que sigo ao escrever os momentos das personagens e que consiste em representar as suas reacções usando dispositivos teatrais. Acho que isso me ajuda a entrar "nos seus corpos" para descrevê-los melhor. Não é incomum verem-me a rebolar no meu chão, enquanto finjo evitar um zombie só para saber o que se "sente" nessa situação.

5


Como constrói as suas histórias? Surgem-lhe simplesmente na mente e escreve-as ou concebe um esquema primeiro? Acredito que as melhores histórias são aquelas que surpreendem até mesmo os escritores. Como tal, começo com uma linha base – que neste caso foi "todos os adultos transformamse em zombies" - e em seguida crio um elenco de personagens. Atirou-os então para as situações e vejo o que fazem. Sou muitas vezes surpreendida. Está a trabalhar num novo livro de momento? Estou a trabalhar num manual de escrita de não-ficção (com um tema de terror) com dois co-autores, bem como numa história paralela de “Blind Hunger” chamada “The Warehouse” ("O Armazém” em Português). Também estou a terminar outro livro sobrenatural para jovens adultos. Depois disso, talvez venha a sequela de “Blind Hunger”. Onde é que os leitores a podem encontrar? Sou uma autora Goodreads. O Facebook tem uma página dedicada a “Blind Hunger”, da qual as pessoas se podem tornar "fãs" para mais informações. Também podem adicionarme como amiga através dessa página. Tenho uma conta no Twitter, mas confesso que não a uso tão frequentemente como gostaria. Também tenho um site que está em processo de revisão, www.aramintastar.com. Obrigado, Rute! A tua crítica foi maravilhosa!

6


Synopsis | Sinopse When the adults in this small town become monsters, it's time for the children to grow up. And fast. Nestled in the pine-studded hillsides of New England rests the town of Greendale, population 3,812 - and that population just got a heck of a lot smaller. That is, if the Census Bureau decides not to count the walking dead. And if all the adults have become the legions of the undead, who will protect the children?

Quando os adultos nesta pequena cidade se transformam em monstros, é tempo das crianças crescerem. E depressa. Aninhada nas colinas de pinheiro bravo da Nova Inglaterra apresenta-se a cidade de Greendale, com 3,812 habitantes. A população aqui acabou de diminuir drasticamente, isto caso o Gabinete de Censos decidir não contar com os mortosvivos. E se todos os adultos se converteram em legiões de zombies, quem irá proteger as crianças?

7


Review | Crítica Link: http://www.goodreads.com/review/show/224362217

Acabei de ler “Blind Hunger” dia 19 de Novembro de 2011. Dou-lhe 4 estrelas! Começo por dizer que não o irei esquecer, por duas razões: em primeiro lugar, foi o primeiro livro (em formato de papel) totalmente em Inglês que li e certamente será bem estimado na minha biblioteca pessoal; em segundo, foi o primeiro livro que li sobre zombies! É verdade! Leio bastante, mas sobre zombies foi uma estreia. O que achei? É uma história muito bem estruturada em que os acontecimentos se sucedem de forma paralela, mas sequencial. Agrada-me particularmente a divisão de capítulos conforme as personagens que interagem nos mesmos. Foi uma narrativa que me deixou sempre desperta e alerta, pronta a saltar da cama ou do sofá ao mínimo ruído, não fosse um zombie encontrar os quatro jovens. A autora soube combinar bem as emoções. De medo e terror passamos para momentos de hormonas aos saltos ou períodos calmos de investigação. É um livro completo que abarca um pouco de tudo. Quanto às personagens, gosto do sarcasmo da Kiley e espero que a ligação dela ao Max venha a aprofundar-se; embora não fizessem ideia, são muito parecidos e estão bem um para o outro. Também me pergunto se irão tornar-se ambos zombies, tendo em conta que foram mordidos e não ficou esclarecido se o vírus se propagava também pela mordidela de um morto-vivo. A Sage intrigou-me. De início pensei que se tratava de uma rapariga mais velha e não de uma criança de 9 anos, afinal os seus diálogos não correspondiam à maneira de pensar e de falar de alguém dessa idade. Mais à frente veio a explicação: é uma criança sobredotada. E veio mesmo a calhar! O grupo precisava de alguém com a sua inteligência. Porém, a Sage não deixa de ser uma menina que sente a falta dos pais que acabou de perder. O desfecho da Rachel foi previsível, pelo que não me surpreendeu. Também acho que as respostas/ atitudes irónicas e sardónicas da irmã são mais interessantes para a dinâmica do grupo de sobreviventes. O Bryan é o típico rapaz giro armado em cavaleiro andante, mas o Max fascinou-me mais. Gostava de saber um pouco mais sobre o Max. O final ficou em suspenso, com o grupo em viagem. Como irão ser as coisas dali em diante? Segundo a autora, está a ser preparada a sequela. Ainda bem! Gostava de saber o que se segue e o que acontece às crianças num mundo em que os adultos são agora os seus piores inimigos. A fuga do liceu foi bem sucedida, mas conseguirão repetir sucesso no que irão encontrar pela frente? ************************************************************************* I finished reading “Blind Hunger” on November 19. I rate it 4 stars! Let me start by saying that I’ll not forget it, for two reasons: first, it was the first book (in paperback) entirely in English that I’ve read, and it certainly will be well appreciated in my personal library; second, it was the first book I read about zombies! It's true! I read a lot, but about zombies it was a first. What did I think of it? It’s a well structured story, in which events succeed one another in parallel, not sequentially. I like particularly the division of chapters according to the characters who interact in them. It was a narrative that always left me awake and alert, ready to jump out of bed or sofa at the minimum noise, fearing that a zombie would meet the four friends. The author blended the emotions very well. Of fear and terror you move to moments of hormones jumping around, or to calm periods of investigation. It’s a complete book that covers a little of 8


everything. As for the characters, I like Kiley’s sarcasm, and I hope that connection between her and Max gets even deeper; although they didn’t know it, they are very much alike and they are good for each other. I also wonder if both will become zombies, taking into account that they have been bitten, and it was unclear whether the virus was propagated also by the bite of an undead. Sage intrigued me. At first I thought she was an older girl and not a 9 year old child, once her dialogues didn’t correspond to the way of thinking and talking of someone of that age. Later on came the explanation – she’s a genius. It came in handy! The group needed someone with her intelligence. However, Sage still is a little girl who misses her parents. Rachel’s outcome was predictable, so I wasn’t surprised at that. I also think that the ironic and sardonic responses / attitudes of her sister are more interesting for the dynamics of the group of survivors. Bryan is the typical cute boy, a shining knight, but Max fascinated me more. I’d like to know a little more about Max. The end was left in suspense, with the group on the road. How will things be from then on? According to the author, the sequel is being prepared. Great! I’d like to know what happens next, and I wonder what will happen to the children in a world where adults are now their worst enemies. The escape from the high school was successful, but will they be able to repeat that success in what they have ahead?

9

Interview to Araminta  

Entrevista a Araminta

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you