Page 1

a ditadura do estado novo

realizado por: rafel matias nยบ19 leonardo santos nยบ8 rafael iria nยบ20 do 6ยบ b


ANTÓNIO SALAZAR


as principais medidas adotadas por Salazar

Com a crise económica e a agitação política da 1ª República (que se prolongou após o Golpe militar de 28 de Maio de 1926), a Ditadura Militar chamou o Dr.Salazar em Junho de 1926 para a pasta das finanças.


Salazar com presidente do conselho(chefe do governo)


Presidente do Conselho de Ministros; cria a União Nacional. - 1933: Faz ratificar a nova Constituição (corporativa); cria a PVDE, polícia política; proíbe as oposições, impõe o partido único, regime totalitário. - 1936: Na Guerra Civil de Espanha apoia Franco; cria a Legião Portuguesa e a Mocidade Portuguesa


O acto conolial


O Acto Colonial foi uma lei constitucional que definiu as formas de relacionamento entre a metrópole e as colónias portuguesas. Foi aprovado em 1930, ainda durante o período que antecedeu o Estado Novo, e republicado quando da entrada em vigor da Constituição de 1933. Com este Acto, o conjunto dos territórios possuídos pelos portugueses passaram a denominar-se por Império Colonial Português. O Acto Colonial restringiu, moderou a já limitada autonomia financeira e administrativa das colónias, reflectindo por isso o carácter centralizador e altamente colonialista do Estado Novo. Este Acto definiu durante muito tempo o conceito ultramarino português, mas, na década de 50 e 60, apareceram novos problemas e necessidades por isso o conceito também teve de evoluir. Salazar e os seus Governos definiram uma nova Política


A nova constituiçao de 1933 e a disribuçao do poderes dos orgâos do estado


Depois do golpe militar de 1926, que pôs fim à República democrática e parlamentarista portuguesa, o novo regime esperou até 1933 para submeter a plebiscito uma nova constituição. Preparou-a sabiamente com uma profusa actividade legislativa e institucional no ano anterior, e ganharia nas urnas numa votação ainda hoje incerta quanto aos resultados, mas em que as abstenções contaram como votos favoráveis. A Constituição de 1933, no seu texto final referendado, é menos anti-liberal, anti-parlamentar e antidemocrática que os postulados ideológicos reaccionários do Estado Novo, mas a prática constitucional ulterior do regime de Salazar se encarregaria de corrigir este aspecto do seu carácter


a politica de obras publicas .o engeheiro duarte pacheco


Em 1933, o engenheiro Duarte Pacheco inicia uma profunda modernização dos serviços dos Correios e Telecomunicações por todo o país. Neste mesmo ano, nomeia uma Comissão Técnica para estudar e elaborar um plano que pudesse levar à construção de uma ponte sobre o rio Tejo, ligando Lisboa, pela zona do Beato ao Montijo. Chega mesmo, no ano de 1934, a propor a construção de uma ponte rodo-ferroviária, em Conselho de Ministros. É autor de projectos dos "novos Bairros Sociais" de Alvalade, Encarnação, Madredeus e Caselas, em Lisboa. Mandou construir a primeira autoestrada Lisboa-Vila Franca de Xira, pioneira da A1. Projectou a actual Av. de Roma, em Lisboa, da forma como ainda hoje permanece, do ponto de vista imobiliário. Ao longo da sua carreira, quer como professor ou estadista, Duarte Pacheco promoveu, e revolucionou, o sistema rodoviário de Portugal, para além das inúmeras construções de obras públicas que mandou executar, tais como a marginal Lisboa-Cascais, o Estádio Nacional, e a Fonte Luminosa, em Lisboa. Foi sua, também, a criação do Parque de Monsanto, e contribuiu para a construção do aeroporto da cidade de Lisboa.


as restriรงoes aliberdade da pide


O recurso à repressão foi quase constante sobre grevistas. A greve geral de 18 de Janeiro de 1934, organizada pelo Partido Comunista Português e iniciada na Marinha Grande, foi violentamente reprimida. Outras formas notórias de repressão foram a criação de uma polícia política, a Polícia de Vigilância e Defesa do Estado (PVDE), em 1936, depois, em 1945, intitulada Polícia Internacional de Defesa do Estado (PIDE) e, ainda depois, Direcção-Geral de Segurança (DGS). Esta polícia, qualquer que fosse a sua designação, perseguia os opositores ao regime Cunhal: na clandestinidade, prendia muitos deles em prisões como as de Peniche, Caxias ou do Tarrafal, em Cabo Verde, esta criada em 1936.


a censura


a falta de liberdade e expressão, nos seus mais diversos aspectos , estão intimamente ligadas e, por isso, a censura, imposta pelo governo salazarista, prejudicou as actividades culturais, nomeadamente as literárias. Relativamente ao jornalismo (importantíssimo durante a I República), os métodos do Estado Novo levaram ao corte de artigos, ao desaparecimento de jornais e de outras publicações e à diminuição das tiragens dos jornais e revistas. Além disso, muitas obras literárias não foram publicadas, por medo, tanto dos autores, como dos editores, e outras, já impressas, eram por vezes retiradas dos mercados. Certos jornais e literatura estrangeira também não conseguiam circular em Portugal ou vendiam-se clandestinamente. A censura não recaía só na imprensa, mas era extensiva a todas as artes e, portanto, ao teatro, à rádio, à televisão e ao cinema .


mocidade portuguesa


Através do Decreto-Lei n.º 28262, de 8 de Dezembro de 1937, foi criada a Mocidade Portuguesa Feminina (MPF). De acordo com o texto deste diploma, esta organização «cultivará nas filiadas a previdência, o trabalho colectivo, o gosto da vida doméstica e as várias formas do espírito social próprias do sexo, orientando para o cabal desempenho da missão da mulher na família, no meio a que pertence e na vida do Estado.»


a ligiao portuguesa


A Legião Portuguesa (LP) foi uma organização paramilitar, criada em Portugal em 1936, 15 anos depois de Hitler ter fundado na Alemanha as SA (em 1921), o famoso grupo paramilitar dos camisas castanhas que foi determinante na sua subida ao poder em 1933. A Legião Portuguesa era uma milícia que estava sob a alçada dos Ministérios do Interior e da Guerra. O seu objectivo era "defender o património espiritual " e "combater a ameaça comunista e o anarquismo ", de acordo com a ideologia do Estado Novo. Durante a Segunda Guerra Mundial, a Legião Portuguesa foi a única organização oficial portuguesa que adoptou e defendeu abertamente as intenções de Hitler para a Europa.


A propaganda na provenรงao das politicas de salazar


UM DOS ASPECTOS A QUE SALAZAR CONFERIU GRANDE IMPORTANCIA A CONSOLIDAÇAO DO ESTADO NOVO FOI A PROPAGANDA ,ENQUANTO INSTRUMENTO QUE, A PARE DE SENSURA MELHOR CONTRIBUIU PARA FPRMAR MENTALIDADE DA POPULAÇAO NOS VALOR Do estado novo :obediencia au estado umilde e colto do chefe promovemdo a figora de salazar como salvador da patria. assim 1933 foi criado secretariado da propaganda nasional (spn) liderado por antonio ferro


o ensino da promoรงao dos valores do estado novo.


para que o controlo do ensino por parte do estado fpsse completo imp么-se o uso de livros onicos aprvadospelo governo com podes verificer estes vivros fasiem o ilogio do governo do estado novo do inperio clonial e elevarano salasar a categoria de eroi


a neutralidade de Salazar da segunda guerra mundial


Oliveira Salazar assumira a pasta dos negócios estrangeiros desde a Guerra Civil Espanhola. Com a Segunda Guerra Mundial o imperativo do governo de Salazar é manter a neutralidade. Próximo ideologicamente do Eixo, o regime português escuda-se nisso e também na aliança com a Inglaterra para manter uma política de neutralidade. Esta assentava num esforço de não afrontamento a qualquer dos lados em beligerância. Primeiramente, uma intensa actividade diplomática junto de Franco tenta evitar que a Espanha se alie à Alemanha e à Itália (caso em que previsivelmente os países do Eixo com a Espanha olhariam a ocupação de Portugal como meio de controlar o Atlântico e fechar o Mediterrâneo, o que desviaria o teatro da guerra para a Península Ibérica). Com a Espanha fora da guerra, a estratégia de neutralidade é um imperativo da diplomacia por forma a não provocar a hostilidade nos beligerantes e Salazar não tolerou desvios dos diplomatas que arriscassem a sua política externa. Quando o cônsul português, Aristides de Sousa Mendes, em Bordéus concedeu vistos em grande quantidade a judeus em fuga aos nazis, ignorando instruções do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Salazar foi implacável com ele e demitiu-o. O escritor belga Maurice Maeterlinck, Prémio Nobel da Literatura, esteve em Portugual na vespera da II Guerra Mundial sob a protecção de Salazar, e em 1937 prefaciou a edição francesa do pensamento politico do estadista português intitulada "Une revolution dans la paix".


aristides de sousa mendes


Aristides de Sousa Mendes permanece ainda cônsul de Bordéus quando tem início a Segunda Guerra Mundial, e as tropas de Adolf Hitler avançam rapidamente sobre a França. Salazar manteve a neutralidade de Portugal. Pela Circular 14, Salazar ordena aos cônsules portugueses espalhados pelo mundo que recusem conferir vistos às seguintes categorias de pessoas: "estrangeiros de nacionalidade indefinida, contestada ou em litígio; os apátridas; os judeus, quer tenham sido expulsos do seu país de origem ou do país de onde são cidadãos".


a posiรงao do estado novo


A oposição começou logo após a implantação da ditadura portuguesa em 1926 e foi-se fortificando e alargando à medida que o regime autoritário (1926-1974) perdurava. Ela sempre lutou, perturbou e se opôs às ideias da ditadura militar (1926-1933) e do Estado Novo (1933-1974). Estes regimes são ambos autoritários, antiliberais, antidemocráticos e repressivos. Muitos intelectuais e pessoas importantes, como Humberto Delgado, Álvaro Cunhal, Norton de Matos, participaram na oposição e contribuíram muito. A oposição sofria muito com as perseguições e repressão da PIDE, a polícia política do Estado Novo, por isso ela optou pela clandestinidade. Muitos opositores foram forçados a exilar-se para o estrangeiro e alguns até foram assassinados pela PIDE, como o General Humberto Delgado ou o escultor Dias Coelho, entre muitos outros.


Humberto Delgado


É assassinado pela PIDE nos arredores de Olivença.Humberto da Silva Delgado (Brogueira, Torres Novas, 15 de Maio de 1906 — Villanueva del Fresno, 13 de fevereiro de 1965) foi um militar português da Força Aérea que corporizou o principal movimento de tentativa de derrube da ditadura salazarista através de eleições, tendo contudo sido derrotado nas urnas, num processo eleitoral que deu a vitória ao candidato do regime ditatorial vigente, Américo Tomás. Era conhecido como o

Salazar e o Estado Novo  

Um Trabalho sobre Salazar e o Estado Novo

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you