Issuu on Google+

 

Proposta  para   Município    

Elaborado  por  :  Rui  Correia  


Proposta  para  Municipio          

Índice     I. II. III. IV.

Introdução     Bases  Legais     Perfil  do  Distrito   Propostas    

       

       

       

       

       

       

Pg.  2   Pg.  3   Pg.  4  a  13   Pg.  14  

  Para   a   organização   da   presente   proposta   e   do   seu   índice   de   matérias   a   abordar,   a   associação  Klibur  Manatuto  Oan,  segue  a  ordem  de  exposição  conforme  definido  no   documento   Política   de   Descentralização   Administrativa   &   Poder   Local,   Implantação   do   Poder   Local   (Versão   Draft),     no   que   se   refere   aos   fins   ou   atribuições   que   os   Municípios   da   República   Democrática   de   Timor-­‐Leste   deverão   prosseguir   e   que   abaixo  se  descriminam:     1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 11. 12. 13. 14. 15.

Desenvolvimento  económico           Turismo               Ordenamento  do  território           Ambiente,  conservação  da  natureza  e  recursos  hídricos     Equipamento  social  e  vias  de  comunicação       Acção  social  e  habitação           Saúde                 Protecção  social             Educação  e  formação  profissional         Cultura  e  património             Juventude,  desporto  e  tempos  livres         Abastecimento  público             Apoio  às  actividades  produtivas           Apoio  à  acção  das  lideranças  comunitárias  tradicionais     Cooperação  externa            

                             

Pg.  15   Pg.  20  a  22   Pg.  22   Pg.  22   Pg.  24   Pg.  30   Pg.  30   Pg.  30   Pg.  31   Pg.  32   Pg.  32   Pg.  32   Pg.  33   Pg.  33   Pg.  33  

Conclusão  e  recomendações   Anexos        

   

Pg.  34   Pg.  35  a  56  

  V. VI.

 

   

   

   

   

1  


Introdução    

A   Constituição   da   República   Democrática   de   Timor-­‐Leste   consagra   no   seu   artigo   5,   no.   1   o   Principio   da   Descentralização  Administrativa  como  vector  fundamental  da  organização  territorial  do  Estado.  Este  comando   constitucional   reconhece   que   os   interesses   locais   serão   assim   melhor   prosseguidos   e   concretizados   pelas   respectivas  populações.   O   Governo   de   Timor-­‐Leste   procura   honrar   o   compromisso   constitucional   da   nação   relativamente   à   descentralização  e  a  um  sistema  de  poder  local.  Para  este  efeito,  a  Lei  fundamental  de  Timor-­‐Leste  prevê,  no   dispositivo   vertido   no   artigo   72,   no.1,   que   “o   poder   local   é   constituído   por   pessoas   colectivas   de   território   dotadas   de   órgãos   representativos   próprios,   com   o   objectivo   de   organizar     a   participação   do   cidadão   na   solução   dos   problemas   próprios   da   sua   comunidade   e   promover   o   desenvolvimento   local,   sem   prejuízo   da   participação  do  Estado”.   Mais  de  70%  da  população  timorense  reside  em  áreas  rurais.  Isto  significa  que,  para  muitas  pessoas,  o  governo   central  em  Dili  está  muito  distante  das  suas  vilas  e  aldeias,  o  que  faz  com  que  seja  muito  difícil  falar  directa  e   regularmente   com   o   governo.   Por   outro   lado   é   difícil   para   o   governo   identificar   as   necessidades   das   comunidades   remotas   e   dar-­‐lhes   uma   resposta   célere   e   apropriada.     Por   isso,   o   governo   pretende   criar   uma   maior  proximidade  com  o  povo  timorense  e  dar  a  este  uma  voz  mais  forte  nas  decisões  que  afectam  as  suas   vidas,  as  suas  famílias  e  as  suas  comunidades,  envolvendo-­‐o  na  determinação  da  melhor  e  mais  eficiente  forma   para   providenciar   serviços   e   infra-­‐estruturas   vitais   nas   vilas,   aldeias   e   a   comunidade   em   todo   o   país.   Os   timorenses  precisam  de  um  sistema  que  dê  resposta  às  necessidades  locais  e  que  seja  responsável  perante  as   populações  locais.   Por  enquanto,  ao  nível  local,  os  Conselhos  de  Suco  vêm  desempenhando,  com  o  apoio  do  Estado,  actividades   de   interesse   público   e   que   se   consubstanciam   através   da   comunicação   entre   o   Estado   e   os   cidadãos,   designadamente  para  a  expressão  dos  seus  interesses  comunitários.   A   Lei   no.3/2009,   de   8   de   Julho,   definiu   as   lideranças   comunitárias   como   o   “colectivo   que   tem   por   objectivo   organizar   a   participação   da   comunidade   na   solução   dos   seus   problemas,   zelar   pelos   seus   interesses   e   representá-­‐la  sempre  que  necessário”.   Em  8  de  Outubro  de  2009,  entrou  em  vigor  a  Lei  no.11/2009,  que  consagrou  a  divisão  administrativa  municipal,   estabelecendo   os   municípios   como   a   única   entidade   de   governo   local   em   Timor-­‐Leste,   correspondendo   cada   município  a  uma  unidade  de  poder  local,  e  foram  identificados  treze  municípios,  com  base  nos  actuais  distritos,   incluindo  o  distrito  de  Manatuto.  O  mesmo  diploma  legal  veio  a  definir  os  municípios  como  “pessoas  colectivas   de  território,  dotadas  de  autonomia  administrativa  e  financeira  e  de  órgãos  representativos  eleitos,  que  visam   a   prossecução   dos   interesses   das   populações   respectivas,   em   beneficio   da   unidade   nacional   e   do   desenvolvimento  local”.   Desde   Julho   de   2011   o   Governo   tem   vindo   a   ser   orientado   pelo   Plano   Estratégico   de   Desenvolvimento   de   Timor-­‐Leste  2011  -­‐  2030,  o  qual  estabelece  as  estratégias  e  acções  necessárias  para  concretizar  a  nossa  visão   comum  de  uma  sociedade  saudável,  instruída  e  próspera.  Este  Plano  Estratégico  de  Desenvolvimento  reflete-­‐se   no   Programa   a   Cinco   Anos   do   Governo,   o   qual   descreve   as   politicas   que   precisamos   implementar   para   desenvolver   a   nação.   Nos   termos   do   Plano   Estratégico   de   Desenvolvimento,   previa-­‐se   que   “as   políticas   de   descentralização  ajudarão  também  no  desenvolvimento  do  sector  privado  em  áreas  rurais.  A  descentralização   pretende  promover  as  instituições  de  um  Estado  forte,  legítimo  e  estável  em  todo  o  País,  criar  oportunidades   para   a   participação   democrática   por   parte   de   todos   os   cidadãos   e   estabelecer   uma   prestação   de   serviços   públicos  mais  efectivos,  eficientes  e  equitativos  para  apoiar  o  desenvolvimento  social  e  económico  da  Nação”.   Na   esteira   do   Plano   Estratégico   de   Desenvolvimento,   o   Programa   do   Governo,   reiterou   a   determinação   do   Executivo   em   introduzir   o   novo   nível   de   governo   municipal,   mas   reconhecendo   a   necessidade   “de   desenvolver   e   construir   a   capacidade   administrativa   e   de   gestão   para   introduzir   sistemas,   processos   e   procedimentos   em   termos  de  gestão  pública  e  governação  democrática  local”,  sendo  ainda  “vital  desenvolver  recursos  humanos,   que  sejam  capazes  de  operar  eficazmente  as  funções  financeiras  e  de  tesouro,  bem  como  desenvolver,  planear   e  monitorizar  programas  e  prestação  de  serviços  neste  nível  de  governo”.   Timor-­‐Leste   precisa   de   um   sistema   de   governo   local   que   também   reconheça   a   importância   da   “Lisan”   e   das   tradições   locais,   mas   que   seja   também   assente   em   princípios   modernos   de   boa   governação.   A   boa   governação   é  importante  para  assegurar  que  o  sistema  não  é  destruído  pelos  interesses  pessoais  ou  pela  corrupção.  Por   outro  lado,  na  concepção  deste  sistema  precisamos  também  garantir  que  este  pode  ser  financiado  de  forma   adequada  e  qua  haverá  pessoas  qualificadas  em  número  suficiente  para  gerir  o  sistema  de  forma  transparente,   justa  e  eficiente.  

 

2  


Bases  Legais       v Constituição  da  República   v Lei  11/2009  de  7  de  Outubro   v Plano  Estratégico  de  Desenvolvimento  do  V  Governo  Constitucional       A   Constituição   da   República   Democrática   de   Timor-­‐Leste,   consagra   no   seu   artigo   5º.,   nº   1   o   Principio   da   Descentralização  Administrativa  como  elemento  fundamental  da  organização  territorial  do  Estado.     Artigo  5.o       (Descentralização)   1.  O  Estado  respeita,  na  sua  organização  territorial,  o  princípio  da  descentralização  da  administração  pública.    

      A  Lei   11/2009   de   7   de   Outubro,  consagra  a  divisão  administrativa  municipal,  correspondendo  cada  município  a   uma  unidade  de  poder  local.     O  Plano  Estratégico  de  Desenvolvimento  do  V  Governo  Constitucional,  publicado  em  2011,  no  qual  se  refere   que  “A  descentralização  pretende  promover  as  instituições  de  um  Estado  forte,  legítimo,  estável  em  todo  o  país,   criar   oportunidades   para   a   participação   democrática,   por   parte   de   todos   os   cidadãos   e   estabelecer   uma   prestação  de  serviços  públicos  mais  efectivos,  eficientes  e  equitativos  ...”  

   

 

3  


Perfil  do  Distrito    

Limites  e  coordenadas  geográficas  -­‐  Mar   de   Wetar   (Tasi   Feto)   até   à   costa   sul   no   Mar   de   Timor   (Tasi   Maun).   (±   8°  03'  -­‐  9°  06'  latitude  and  between  ±  125°  45'  -­‐  126°  10'  longitude).  Partilha  fronteiras  a  Oeste  com  o  distrito   de  Díli,  Aileu  e  Manufhai  e  a  Leste  com  Baucau  e  Viqueque.   Localização   geográfica   -­‐   O   distrito   de   Manatuto   encontra-­‐se   localizado   na   zona   central   do   país,   no   colo   de   montanhas   entre   o   maciço   central   pontuado   pelo   Matebian   a   Oeste   e   o   Mundo   Perdido   a   Leste,   tendo   a   norte   o  Mar  de  Wetar  e  a  Sul  o  Mar  de  Timor.   Superfície   –   O  Distrito  de  Manatuto  e  futuro  Município  tem  uma  área  total  de  1785,96  km2,  sendo  o  2º  maior  a   nível  nacional.     Divisão  administrativa   Sub-­‐distritos   /   Posto   Administrativo   -­‐   O   distrito   está   dividido   em   6   sub-­‐distritos,   Barique,   Lacló,   Laclubar,,   Laleia,  Manatuto  Vila,  Soibada.       397,4  

Superfície   (Km2)   397,40  

Sub-­‐distrito     Barique   Lacló  

368,74  

Laclubar  

226,09  

Laleia  

392,00  

Manatuto  Vila  

271,38  

Soibada  

130,34  

Total  

1785,96  

392  

368,74  

271,38   226,09   130,34  

Barique  

Lacló  

Laclubar  

Laleia  

Manatuto  

Soibada  

  Sucos  e  aldeias   O  território  do  Município  está  dividido  em  29  Sucos  conforme  quadro  abaixo  e  99  aldeias  dispersas  pelo   território.   Sucos  por  sub-­‐distrito  e  número  de  aldeias   Lacló  

Laclubar  

Laleia  

Manatuto  

Barique  

Soibada  

Hohorai  

4   Batara  

4   Cairui  

7   Ailili  

2   Abat  Oan  

2   Fatu  Maquerec  

2  

Lacumesac    

5   Fatuk  Maquerec  

3   Haturalan    

3   Aiteas    

4   Aubeon  

2   Leo-­‐Hat  

2  

Uma  Caduac    

3   Funar    

4   Lifau  

3   Cribas  

5   Barique  

2   Manlala  

2  

Uma  Naruc  

4   Manelima    

6    

  Iliheu  

5   Manehat  

3   Maun-­‐Fahe  

2  

2   Samoro  

2  

 

  Orlalan  

8    

  Ma’abat  

2   Umaboco  

 

  Sananain  

4    

  Sau    

2    

   

 

20    

11    

10  

 

16    

29    

13    

    Aldeias  por     Posto  Administrativo  

Soibada,   Barique,  11   10   Manatuto,  20  

Lacló,  16  

Barique   Lacló  

Laleia,  13  

Laclubar  

Laclubar,  29  

Laleia   Manatuto   Soibada  

   

 

4  


1

Clima   Em   Manatuto   verificam-­‐se   todos   os   tipos   climáticos   que   ocorrem   no   território   nacional.   Seguindo   a   classificação  de  Scmidt  e  Ferguson,  temos  as  seguintes  áreas  climáticas:   Clima  Tipo  C  (Região  centro  montanhosa  de  Laclubar  e  Soibada)   [clima   de   maior   precipitação   de   Timor-­‐Leste,   com   valores   mensais   que   podem   ultrapassar   400mm   entre   Dezembro  e  Fevereiro  e  menor  que  60  mm  entre  Junho  e  Setembro.  As  temperaturas  médias  oscilam  muito   pouco  durante  o  ano  (19º  a  21º)]     Clima  Tipo  D  (Região  centro  leste  e  sul,  incluindo  áreas  do  sub-­‐distrito  Manatuto,  Soibada  e  Laclubar.  É  este  o   tipo  climático  de  maior  extensão  no  Município)   [Clima   húmido   tendo   valores   de   precipitação   mensal   inferior   a   260mm,   com   período   de   maior   precipitação   entre   Dezembro   e   Março.   Cinco   meses   secos   com   precipitação   inferior   a   100mm   de   Junho   a   Novembro.   A   temperatura  tem  uma  amplitude  baixa,  variando  entre  22º  em  Julho-­‐Agosto  e  26º  em  Março]   Clima  Tipo  E  (Região  oeste  e  centro  norte;  Lacló,  Manatuto  e  Laleia)   [Clima   seco,   com   precipitação   média   mensal   inferior   a   200mm.   Apenas   5   meses   com   precipitação   superior   a   100mm.  As  temperaturas  oscilam  entre  23º  e  26º,  demonstrando  uma  baixa  amplitude  térmica  anual]   Clima  Tipo  F  (Região  norte.  Costa  norte  e  vales  de  Lacló,  Manatuto  e  Laleia)   [Clima   muito   seco,   com   precipitação   que   não   ultrapassa   os   150mm.   Elevado   número   de   meses   secos   (oito).   Temperaturas  elevadas  ao  longo  do  ano  que  variam  entre  27º  Junho  e  30º  Novembro]     População     2 Manatuto   tem   uma   população   total   de   42,742   habitantes ,   sendo   um   dos   municípios   de   menor   densidade   demográfica  do  país  e  o  de  menor  número  de  habitantes.     234026  

117064  

111694   92049  

Timor-Leste / Eleições Gerais 2012 59455   59175  

59787  

44325  

Informação Distritos Manatuto Aileu   Ainaro   dos Baucau   Bobonaro  C-ovalima   Dili   Sub-distrito Laclo Laleia Laclubar Manatuto Natarbora Soibada Totais Distrito

63403   42742  

48628  

64025  

70036  

Ermera   Lautem   Liquiça   Manatuto  Manufahi   Oe-­‐cussi   Viqueque  

População

Área (km2)

Densidade Populacional

7,618 3,089 11,682 12,555 4,768 3,030 42,742

368.74 226.09 392.00 271.38 397.40 130.34 1,785.96

20.66 13.66 29.80 46.26 12.00 23.25 23.93

A   densidade   populacional   Superfície não   tem   variações   1.785,96 Km2 muito  significativas,  sendo  a  menor  em   Barique  de Wetar [Nort Estreito Limites Territoriais (12%)   e   a   mais   elevada   de   Manatuto   Aileu Vila   [Oeste]; Manufah (46,26%).   Capital de Distrito Manatuto População Total 42,742 Sub-distritos 4 Sucos 31 Aldeias 139

3

MATAN RUAK

Eleitores Centros de Estações de Línguas   Ciclo Processo Eleitoral (Total) Votação Voto No   distrito,   com   áreas   bem   definidas   32 são   falados  36quatro   Presidenciais I Volta 22143 idiomas  principais,:  no  norte  fala-­‐se  o  Galóli,  no  centro-­‐leste  o   2007 Presidenciais II Volta 22197 32 36 Habun,   no  centro-­‐oeste  o  idaté    e  no  sul  o  32 Tétum   Terik.   Parlamentares 22352 36“Ainda   Presidenciais I Volta o   26377 47 49 que,   percentualmente,   Galóli   não   seja   dos   principais   2012 Presidenciais II Volta 26394 47 49 dialectos   do   país,   ele   assume   alguma   importância   em   Timor-­‐ Parlamentares 26918 49 52 Leste,   na   medida   em   que   foi   adoptado   pela   Igreja   neste   4 distrito   e,   por   isso,   fixado   em   gramáticas   e   dicionários.” .   Além   Resultados Provisórios MANATUTO destes   quatro   idiomas,   nas   montanhas   de   Lacló   em   Ilimano   Eleições Presidenciais (II Volta) sobretudo,  fala-­‐se  o  Mambae  e  o  Dadu’a,  enquanto  em  Cairui   26 394 16 de Abril de 2012 se  fala  o  Midiki.  

                                                                                                                1  GERTIL,  Atlas  d14 480 e  Timor-­‐Leste,  Lidel,  set.2002,  pp.57-­‐58  

20 077

2

 Census  2010,  Direcção  Nacional  de  Estatística  de  Timor-­‐Leste   6 317  Mapa  das  Línguas  de  Manatuto,  adaptado  de  :  WIKIPEDIA.  Línguas  de  Timor-­‐Leste.     4  WIKIPÉDIA,  [et.  al.]  –  Cit.3     Eleitores 3

 

6,45%) 3,55%)

Votantes (76,07%) Abstenção (23,93%)

271 Nulos

117 Brancos 0,58%

5  


5 Religião   A  religião  dominante  no  território  do  município  de  Manatuto  é  a  religião  Católica,   onde  foi  preponderante  a  acção  e  presença  história  de  diversas  ordens  e    missões   religiosas.   A   igreja   protestante   e   evangélica   e   o   animismo   ocupam   o   segundo   e   terceiro  lugar  respectivamente  nas  opções  religiosas  da  população  de  Manatuto.   Católica  

Protestante   Evangélica  

Muçulmana  

Budista  

Hindú  

Animista  

Outra  

40,966  

375  

27  

21  

6  

230  

84  

    Habitação  e  povoamento   No  que  se  refere  á  habitação  tradicional  o  Distrito  de  Manatuto  encontra-­‐se  divido  em  três   regiões  segundo   Ruy   Cinnatti.   Uma   a   norte   que   inclui   os   sub-­‐distritos   de   Manatuto,   Lacló   e   Laleia   onde   o   habitat   é   de   características   indefinidas   ou   mistas.   Na   região   centro   que   inclui   Soibada   e   Laclubar   predomina   o   tipo   de   habitação  da  região  de  Maubisse.        

   

 

                                                                                                                5

 Census  2010,  Direcção  Nacional  de  Estatística  

 

6  


(Casas  tradicionais  na  região  centro).     Na   região   centro   o   povoamento   é   disperso,   agrupando-­‐se   as   habitações   em   núcleos   de   2   a   3   casas   com   distribuição   irregular   das   montanhas   aos   vales,   sendo   cada   núcleo   populacional   delimitado   por   muros   e   em   alguns  casos  fortificados.     Na  planície  da  costa  sul  o  tipo  de  habitação  característico  é  o  da  região  de  Viqueque.    

 

                     

(Casas  tradicionais  na  costa  sul.)  

  Na   planície   costeira   sul   de   povoamento   disperso   “os   aglomerados   desenvolvem-­‐se   em   extensão,   nascendo   do   somatório   de   vários   grupos  de  casas  disseminadas  pelas  clareiras  e  ligados  por  caminhos   6 abertos  na  floresta”  

Meio  urbano   No  território  de  Manatuto  apenas  a  vila  do  mesmo  nome  assume  características  de  meio  urbano.     7 Mapas  de  Manatuto  Vila.    

      Administração  central  em  Manatuto     Conforme  dados  de  2010  do  Ministério   das   Finanças   de   Timor-­‐Leste   os   elementos   da   administração   central   a   prestar   serviço   no   município   de   Manatuto   totalizam   652   pessoas   entre   enfermeiros   e   parteiras   (81),   professores  (471)  e  PNTL  (104).          

Funcionários    Públicos  em  Manatuto   446  

Educação   150  

Segurança   81  

Saúde  

68  

Agricultura  e  Pescas   Eleições  

14  

Justiça  

10  

                                                                                                               

0  

50  

100   150   200   250   300   350   400   450  

6  CINATTI,  Ruy  –  Arquitetura  Tradicional  Timorense,  Ilustrações  da  obra  "Arquitectura  Timorense"    Ruy  Cinatti,  Leopoldo  

de  Almeida,  Sousa  Mendes  

7  CORREIA,  Rui  –  Manatuto,  meio  urbano,  Dili,  2013  Mapbox    

 

7  


Segurança  

Educação  

Saúde  

Agricultura  e  Pescas   Eleições   Justiça  

 

 

 

Polícia  

 

103  

Segurança  Civil  (permanentes  e  temporários)  

 

27  

Bombeiros  

 

20  

Professores  Ensino  Básico  Público  

359  

Professores  Ensino  Básico  Privado  

35  

Professores  Ensino  Secundário  Público  

27  

Professores  Ensino  Secundário  Privado  

25  

Total  

150  

394   446   52  

Médicos  Locais  e  Especialistas  

 

8  

Enfermeiros(as)  

 

40  

Parteiras(os)  

 

33  

Extensionistas  e  não  extensionistas  

 

68  

68  

14  

14  

10  

10  

STAE  

6  

CNE  

8  

 

 

81  

                                       

Protecção  Social   Em  Manatuto,  existiam  segundo  os  censos  de  2010  2624  idosos,  293  inválidos  e  677  combatentes  da  libertação   e  beneficiários  dos  mártires  a  receber  pensão  da    protecção  social,  o  que  corresponde  respectivamente  a  8%,   19%  e  73%  do  total  de  beneficiários.     8 Número  de  idosos  e  pessoas  inválidas  a  receber  subsídio       Idosos   Inválidos   Total       Manatuto   2  624   293   2  917     Nacional   78  274   5  506   83  780     Pelos   dados   mais   recentes   do   Ministério   das   Finanças  para  o  Orçamento  de  Estado  de  2013,  os  beneficiários  de  protecção  social  correspondem  a  12,38%  da   população  total  do  Município.    

 

   

Número  de  idosos  e  pessoas  inválidas,  combatentes  da  libertação  e   9 beneficiários  a  receber  subsídio  

                               

 

Idosos  

Inválidos  

Combatentes  da   libertação  e  beneficiários  

Total  

Manatuto  

4  519  

285  

548  

5352  

       

Idosos,  4519,  85%  

Idosos   Inválidos   Combatentes  

Combatentes,  548,   10%   Inválidos,  285,  5%  

                                                                                                                8

   Adaptado  de  –  Census  2010,  Direcção  Nacional  de  Estatística   9    Adaptado  de  –  Census  2010,  Direcção  Nacional  de  Estatística  

 

8  


Sociedade  civil     Existem   13   Organizações   Não   Governamentais   registadas   na   FONGTIL   a   realizar   trabalho   no   território   de   Manatuto.  Muito  embora  a  sua  acção  abranja  a  totalidade  do  Município,  todas  elas  encontram-­‐se  sediadas  em   10 Manatuto  Vila.       Nome  da  Organização  

Endereço  

Sub-­‐distrito  

Suco  

Asosiasaun  Klibur  Manatuto  Anan  

Manatuto  

Manatuto  

 

Centro  Juventude  Manatuto  

Rua  Aiteas  Manatuto  Vila  

Manatuto  

Aiteas  

Centro  Recurso  ba  Comunidade  (Manatuto)  

Rua  Ma'abat    

Manatuto  

Ma'abat  

Grupo  Bilibala  Olaria  

Rua  Kp.  Baru    

Manatuto  

Aiteas  

Grupo  Suporta  Inan  Manatutu  

Rua  de  Manatuto  Vila  

Manatuto  

Aiteas  

Kooperativa  Agricultura  Hare  Hybrida  

Rua  Sau    

Manatuto  

Sau  

Heart  Friends  Centru  Kristaun  (KCK)  

Manatuto  

Aiteas  

Manatuto  

Aiteas  

Organizasaun  Feto  ba  Futuro  (OFF)  

Rua  Suco  Ailili     Rua   de   Holou-­‐Renetil-­‐Bi-­‐ uak   Rua  de  Aiteas  

Manatuto  

Aiteas  

Radio  Comunidade  Iliwai  –  Manatutu  

Rua  de  Aiteas  

Manatuto  

Aiteas  

Sentru  Treinamentu  Vokasional  Juventude  (STVJ)  

Rua  de  Ma'abat  

Manatuto  

Manatuto  

Moris  Foun  Manatutu/OCA  (OCA  MFM)  

Rua  de  Ma'abat  

Manatuto  

Ma'abat  

Grupo  Fatana  (Foin  Sae  Agricultur  Tane  Nasaun)  

Rua  de  Aitehun  -­‐  Uma  Sa  

Manatuto  

Aiteas  

Sanggar    Matan  (SM)  

                             

                                                                                                               

10  National  Database  Trimester  Report  –  Period  of  January  –  March  2013  April  10,  2013,  by  PROJETUTL  

   

9  


Recursos  naturais  e  actividades  económicas   Comércio   O   Comércio   em   Manatuto   ocupa   uma   parte   significativa   da   população   especialmente   em   Manatuto   Vila.   Os   mercados  de  estrada  e  comercialização  de  produtos  da  agricultura  e  pesca,  assim  como  o  artesanato   local  são   algumas  das  manifestações  desta  actividade.   Agricultura   Na   planície   costeira   sul   as   culturas   de   exploração   são   sobretudo   o   coqueiro,   a   arequeira   e   o   tabaco,   sendo   importantes  também  as  várzeas  de  arroz  e  a  agricultura  mista.     11 Produção  das  principais  culturas  em  Manatuto  e  a  nível  nacional    

 

Produção   Arroz   Milho   Mandioca   Vegetais  

Manatuto   3  884   6  728   3  428   3  200  

Nacional   112  925   148  323   94  834   78  605  

19%

 

Arroz  

20%

Milho   39%

Principais  culturas  por  suco    

       

22%

Mandioca   Vegetais  

  Apesar   de   Manatuto   ser   um   dos   maiores   territórios   municipais   de   Timor-­‐Leste,   o   contributo   para   o   todo   nacional   da   produção   das   principais   culturas   é   reduzido.   Este   facto   releva   o   enorme   potencial   agrícola   do   território   que  se  encontra  ainda  por  explorar  e  que  poderá  no  futuro   dar  um  importante  contributo  para  a  satisfação  do  consumo   nacional.     Manatuto  tem  importante  produção  de  arroz  em  Manatuto   Vila   e   Barique   e   de   Milho   e   Café   na   região   de   Laclubar,   sendo  o  seu  potencial  muito  significativo.  

   

12

Mapas  das  produções  nacionais  de  Arroz,  Milho  e  Café    

    Florestas   Segundo   dados   do   Ministério   da   Agricultura,   as   florestas   em   Manatuto   ocupam   24.319   Ha.   A   degradação   da   cobertura   florestal   deu   origem   a   áreas   de   cobertura   herbácea   e   arbústica   tipo   savana   e   pradaria   como   a   existente  na  região  de  Laclubar  e  a  estepes  na  região  mais  seca  entre  Manatuto  e  Laleia.  As  florestas  de  valor   comercial  que  totalizam  uma  área  de  8.100  Ha.,  encontram-­‐se  sobretudo  na  região  centro-­‐montanhosa  e  nas   encostas   da   costa   sul.   Entre   as   espécies   de   valor   comercial   e   de   interesse   económico   estão   a   aiteka,   ai-­‐naa,   ai-­‐ kamelin,   ai-­‐sarian,   rotan,   bambu,   nitas,   kiaar,   mahoni.   Entre   os   problemas   que   estão   na   origem   da   degradação   das   florestas   existentes   encontram-­‐se   a   agricultura   itinerante,   a   recolha   de   lenha,   o   incêndio   florestal,   o   indiscriminado  corte  da  madeira,  a  falta  de  políticas  e  regulamentos,  e  a  falta  de  informação  florestal.  

                                                                                                                11  Census  2010,  Direcção  Nacional  de  Estatística  (RC)   12  Timor-­‐Leste  in  Figures,  Direcção  Nacional  de  Estatística

 

 

10  


Pecuária   A  pecuária  é  uma  actividade  e  recurso  importante  em  Manatuto,  sendo  um  dos  distritos  de  grande  produção   de  bovinos  e  búfalos.  

  Produção   Bovinos   Búfalos   Cavalos   Caprinos   Ovinos   Suínos   Galinhas  

13

Manatuto   6  204   8  551   3  115   8  575   4  048   14  363   24  635  

Nacional   161  654   96  484   57  819   152  360   41  854   330  435   620  883  

 

9% 35%

5% 12%

12% 21%

6%

Bovinos   Bufalos   Cavalos   Caprinos   Ovinos   Suínos   Galinhas  

  Pesca   A  actividade  piscatória  tem  particular  importância  nas  áreas  de  Ilimano  e  Manatuto  Vila,  existindo  importantes   recursos  piscícolas  identificados.     Minérios   No   distrito   de   Manatuto   ocorrem   importantes   jazidas   de   diversos   minerais   de   grande   valor   económico   –   Petróleo   (Pualaca   e   Cribas),   Ouro   (Fatumakerek-­‐Soi),   Mármore   (Ilimano),   Crómio   (Fatumakerek),   Argilas   (Beady),   Magnésio   (Laleia),   Zinco   (Laleia),   Gesso   (Laleia),   Ferro   (Behedan)   e   Pedras  ornamentais  (Behadic),  Sal  (Balak).     Turismo   O   turismo   de   uma   forma   incipiente   vai   em   Manatuto   manifestando   alguma   expressão   em   face   das   suas   imensas   potencialidades   e   beleza   paisagística   da   região,   em   especial,   dada  a  proximidade  de  Dili,  a  zona  costeira  de  behau-­‐ilimano   foi   eleita   como   uma   das   melhores   para   a   prática   desportiva   de   mergulho,   sendo   muito   procurada   pelos   mergulhadores   creditados   e   escolas   de   mergulho   sediadas   na   capital   para   a   prática   desta   modalidade.   De   igual   modo   a   praia   do   dólar,   com   as   suas   areias   brancas   e   macias,   as   suas   águas   translúcidas   onde   se   podem   observar   belíssimos   espécies   de   coral  pela  prática  de  snorkeling,  é  uma  das  preferidas  e  mais   frequentadas  praias  nacionais.  Nesta  praia  os  utentes  podem   encontrar   facilidades   e   estruturas   de   apoio   que   prestam   um   importante  contributo  para  o  bem  estar  dos  seus  utentes.         Infra-­‐estruturas  e  transporte   As  infraestruturas  existentes  no  município  são  de  pouco  alcance  no  serviço  às  comunidades  e  populações,  sendo   a   acessibilidade   no   território   caracterizada   pela   inexistência   de   uma   rede   viária   capaz   de   resolver   as   necessidades  de  circulação  no  território  cruzado  no  seu  eixo  norte-­‐sul  pela  estrada  de  Manatuto-­‐Natarbora  e   na  costa  norte  pela  estrada  nacional  que  liga  Dili-­‐Manatuto-­‐Baucau.    

                                                                                                                13  Dados  do  Census  2010,  Direcção  Nacional  de  Estatística    

11  


Educação   14 Ensino  Básico  (2011)       Manatuto   Nacional  

Público   Privado   Total   Alunos   Professores   Escolas   Alunos   Professores   Escolas   Alunos   Professores   Escolas   12088   370   66   1153   33   6   13241   403   72   257596   7515   1088   46461   1317   185   304057   8832   1273  

 

15

Ensino  Secundário  (2011)       Manatuto   Nacional  

Público   Privado   Total   Alunos   Professores   Escolas   Alunos   Professores   Escolas   Alunos   Professores   Escolas   428   28   2   457   27   2   885   55   4   25490   1096   43   12292   349   31   37782   1445   74  

  Público Privado

12088 1153

428

Ensino Básico Ensino Secundário

457

   

16

Nível  de  Escolaridade  da  População  de  Manatuto  (5-­‐29  anos  de  idade)      

  Total  

Manatuto   Mane   Feto   Urbano   Mane   Feto   Rural   Mane   Feto  

21542   11063   10479   4318   2237   2081   17224   8826   8398  

Nível  de  Escolaridade   Nunca   frequentou  

Pré-­‐ Primária  

4758   2376   2382   517   273   244   4241   2103   2138  

816   415   401   253   131   122   563   284   279  

Primária  

Pré-­‐ Secundária  

10139   5330   4809   1685   923   762   8454   4407   4047  

2971   1447   1524   741   380   361   2230   1067   1163  

Secundário  

Politécnico  

Universidade  

40   24   16   14   9   5   26   15   11  

195   107   88   86   50   36   109   57   52  

2459   1281   1178   980   451   529   1479   830   649  

Não   formal  

Não   declarou  

86   45   41   19   12   7   67   33   34  

78   38   40   23   8   15   55   30   25  

 

Primária,  10139,  47%  

Pré-­‐Primária,  816,  4%   Pré-­‐Secundária,  2971,   13%   Nunca  Frequentou,  4758,   22%   Secundário,  2549,  12%  

Nunca  Frequentou   Pré-­‐Primária   Primária   Pré-­‐Secundária   Secundário   Politécnico  

Outros,  164,  1%  

Politécnico,  40,  0%  

Universidade  

Universidade,  195,  1%  

Outros  

                                                                                                                14  Elaborado  com  base  nos  –  Census  2010,  Direcção  Nacional  de  Estatística   15  Cit.  14   16  Cit.  14

 

 

12  


Saúde     Na   área   do   Município   não   existe   qualquer   hospital   tendo   a   população   em   caso   de   necessidade   de   recorrer   aos   hospitais  Guido  Valadares  em  Dili  ou  ao  Hospital  de  Baucau.     17

Estabelecimentos  de  Saúde  em  Manatuto  e  a  nível  nacional  (2011)      

Hospitais  

Centros  de   Saúde  

Manatuto  

0  

6  

Nacional  

6  

66  

Públicos   Postos  de   Saúde  

  SISCa  

Total  

Clínicas   Privadas  

18  

29  

53  

0  

53  

216  

477  

765  

47  

812  

18

Total  

  Ao  nível  de  pessoal  de  saúde  na  área  do  município,  por  cada  mil  habitantes  existe  uma  média  de  0,2  médicos,   0,8  enfermeiros  e  0,8  parteiras.     Pessoal  de  Saúde  em  Manatuto  e  a  nível  nacional    

Médicos  

Enfermeiros  

Parteiras  

Total  

Manatuto  

7  

36  

33  

76  

Nacional  

250  

870  

390  

1510  

    Pessoal  de  Saúde  em    Manatuto  

7   33   Médicos   Enfermeiras  

36  

Parteiras  

                                                                                                                17  Elaborado  com  base  nos  –  Census  2010,  Direcção  Nacional  de  Estatística   18  Nota  :  SISCa  –  Serviços  Integrados  de  Saúde  Comunitária

 

 

13  


Proposta     Desenvolvimento  económico  

Recursos  humanos     Os  recursos  humanos  são  um  dos  elementos  fundamentais  para  o  sucesso  do  processo  de  descentralização  e   criação  de  municípios  em  Timor-­‐Leste.  

Áreas  

EB  e  Secundário   Literatura             Ciências  da  Educação                         Ciências  Sociais  e    Politicas             Ciências  da  Saúde                       Ciências  Agrícolas  e   Pescas             Economia                       Engenharia                         Ciências  Religiosas   Ciências  Exactas   Tecnologia   Direito         Desconhecido      

Programa  de  Estudos  

Ensino  Básico   Pré  Secundário   Secundário   Total   Língua  Indonésia   Hist��ria  e  Geografia   Língua  Portuguesa   Língua  Inglesa   Tatabusana,  Tatarias  Boga   Total   Mestrado  Educação   Lic.  Ciências  da  Educação   Bacharelato  Educação   Formação  de  Professores   PGSD,  PGSM   Tec.  Educação  (D2  e  D3)   Lic.  M arketing  e  Comunicação   Matemática   Biologia   Física   Química   Total   Mestrado  Administração   Lic.  Administração  e  Gestão   Pública   FASPOL   Mestrado   Lic.  FASPOL   FASPOL  (D3)   Lic.  Relações  Internacionais   Total   Técnico  de  Saúde   Bacharelato  Enfermagem   Analista,  Assistente  M édica   Técnico  Farmácia   Parteira   Bacharelato  Nutrição   Oftalmologia   Lic.  Saúde  Pública   Medicina  Geral   Dermatologia   Total   Doutoramento  Eng.  Agrícola   Lic.  Agronomia     Lic.  Veterinária   Educação  Ambiental  (D3)   Lic.  Pescas   Agro-­‐Pecuária  e  Florestas   Total   Gestão  Administrativa   Doutoramento  Economia   Mestrado  Economia   Lic.  Economia   Bacharelato  Economia   Diploma  II  Área  Economia   Lic.  Gestão  Informática   Lic.  Contabilidade   Lic.  Turismo  e  Economia   Gestão  Financeira   Total   Engenharia  M ecânica   Bacharelato  Eng.  M ecânica   Lic.  Eng.  Civil   Técnico  Construção  Civil  (D3)   Mestrado  Informática  Sistemas   Informação  Electrónica   Engenharia   Tec.  Electrónica  IT   Lic.  Arquitectura   Técnico  de  M inas   Mestrado  Eng.  Geológica   Lic.  Eng.  Geológica  e  M inas   Total   Catequese,  Serviço   Social/Pekerja   Ciências   Religiosas,   Social   Filosofia   Total   Ciências  Aplicadas   Total   Doutoramento   Mestrado  Direito   Lic.  Direito   Total   Desconhecido   Total   Total  

Manatuto  

 

24   21   486   531       1   9     10   4   21   38       20   4     1     1   89   4   11   1   6   2   2   26   4   9   2   1   6       7   25   1   55   1   29   2   4   4   5   45   11   1   8   62   7     15   9   5   3   121   1   2   6   11   1   7   5   5   1   2   13   54   1   12   13   3   3   1   3   35   39   203   203   650  

Manatuto   tem   um   elevado   número   de   intelectuais   em   áreas   diversas,   tendo   formação   EB   e   Secundária   (45%),   seguindo-­‐se   por   ordem   de   relevância   a   Economia   (10%),   Ciências   da   Educação   (7%),   Ciências   da   Saúde   (5%),   Engenharia   (5%),   Ciências   Agrícolas   (4%),   Direito   (3%),   Ciências   Sociais   e   Políticas   (2%),   Ciências   Religiosas   (1%)   entre   as   que   possuem  uma  maior  expressão  numérica.         Literatura  Artes  e   Humanidades,  10,   1%  

Ciências  da   Ciências  Sociais  e   Educação,  89,  7%   Politicas,  26,  2%  

Ciências  da   Saúde,  55,  5%   Ciências  Agrícolas,   45,  4%  

Economia,  121,  10%   EB  e  Secundário,   531,  45%   Outras,  203,  17%  

Engenharia,   54,  5%   Ciências   Religiosas,   13,  1%  

EB  e  Secundário   Literatura  Artes  e   Humanidades   Ciências  da  Educação   Ciências  Sociais  e   Politicas   Ciências  da  Saúde   Ciências  Agrícolas   Economia   Engenharia  

Ciências   Exactas  e   Tecnologia,   3,  0%   Direito,  39,  3%  

Ciências  Religiosas   Ciências  Exactas  e   Tecnologia   Direito  

     

               

       

 

14  


Em  face  dos  recursos  humanos  existentes  e  das  necessidades  em  recursos  humanos,  importa  que  o  município   obtenha   competências   nas   áreas   em   falta,   através   de   recrutamento   fora   do   município   ou   formação   de   quadros.       Tratando-­‐se   de   um   processo   faseado   e   evolutivo   as   necessidades   identificadas   são   meramente   aproximadas,   tendo   em   conta   a   realidade   actual   do   município   e   do   seu   potencial   de   desenvolvimento.   As   áreas   de   formação   mais  críticas  são  as  de  Florestas,  Pecuária,  Industria  e  Agrícola,  como  se  pode  verificar  na  tabela  indicativa  infra   e  gráfico  de  necessidades  de  recursos  humanos  por  áreas  de  formação.      

15  

16   14   12  

10  

10  

8  

8  

6  

6  

5  

5  

4   2  

1  

1  

1  

0  

Número  de  recursos  humanos  em  falta  por  actividade/formação,  conforme  tabela  em  anexo.  

 

15  


19

Mapa  de  áreas  de  desenvolvimento  económico)   Agricultura   Vale  da  ribeira  de  Lacló   Manatuto   Laleia   Natarbora    

Florestas   Fatumaquerec   Manufahi   Manelima   Orlalan   Leihat   Barique/Natarbora   Manehat     Abat  Oan    

Áreas  Protegidas   Ilimano   Funar-­‐Manelima   Diatuto   Abat  Oan-­‐Barique   Foz  do  Laleia-­‐Kanpun  Baru    

Áreas  de  Turismo   Costa  Behau-­‐Ilimano   Mte  Maubere-­‐Diatuto   Área  Paisagística  de  Laleia   Praias  da  costa  sul    

Indústria   Carlilo-­‐Aiteas   Lifau-­‐Laleia  

 

  Em   conformidade   com   as   competências   definidas   para   os   municípios   detalham-­‐se   seguidamente   as   acções,   projectos   e   iniciativas   que   deverão   ser   levadas   a   efeito   tendo   em   vista   a   implementação   do   processo   de   descentralização   e   de   criação   do   município   de   Manatuto.   Esta   sequência   não   corresponde   a   uma   proposta   cronológica,  a  qual  em  traços  largos  é  definida  nas  conclusões  deste  documento.     Plano  de  Desenvolvimento  Municipal   O   município   deverá,   depois   da   fase   inicial   de   instalação   e   normal   funcionamento,   constituir   uma   equipa   e   programar   a   realização   de   estudos   e   levantamentos   para   a   elaboração   de   um   Plano   de   Desenvolvimento   Municipal,  tendo  em  vista  a  harmoniosa  coordenação  de  esforços  e  acções  a  realizar.   Apoiar  as  iniciativas  locais  de  emprego   em   articulação   com   a   Secretaria   de   Estado   para   Apoio   e  Promoção   do   Sector  Privado,  criando  medidas  de  promoção  do  investimento  e  combate  ao  desemprego.   Promover   e   apoiar   o   desenvolvimento   de   actividades   artesanais   e   das   manifestações   etnográficas   de   interesse   local   -­‐   Programa   de   apoio   ao   desenvolvimento   do   artesanato   tendo   em   vista   a   sua   divulgação   e   comercialização,  apoiando  as  cooperativas  de  artesãos  com  a  construção  de  espaços   de   venda   e   divulgação   de   artesanato  local  em  Behau  e  olaria  em  Carlilo,  Manatuto  Vila.   Criar   e   participar   em   associações   de   desenvolvimento   rural   –   O   Município   deverá   promover   a   criação   e   facilitar   a   dinâmica   das   associações   de   desenvolvimento   rural   apoiando   as   suas   iniciativas   como   fonte   de   desenvolvimento  do  sector  agrícola.  

                                                                                                                19  RC  (Maio  2013)    

16  


Participar   em   programas   de   apoio   à   instalação   de   empresas  –  constituindo  uma  Unidade   Municipal   de   Apoio   à   Criação   de   Empresas   por   forma   a   facilitar   a   dinâmica   empresarial   como   motor   do   desenvolvimento   económico   do   município.   Para   o   processo   de   descentralização   e   reforço   da   capacidade   de   desenvolvimento   económico   ao   nível   dos   municípios,   deverá   ser   criada   pelo   governo   nacional   uma   linha   específica   de   financiamento  para  pequenas  empresas  e  micro-­‐empresas.   Promover   o   desenvolvimento   do   sector   agrícola   proporcionando   a   formação   e   informação   e   promovendo   o   melhoramento  de  práticas  e  introdução  de  novas  culturas  de  elevado  rendimento.     Apoiar  o  desenvolvimento  de  sistemas  para  a  irrigação  de  culturas  agrícolas  –  A  região  norte  do  município,   especialmente   as   áreas   de   Lacló,   Manatuto   e   Laleia,   sendo   áreas   de   reduzida   pluviosidade,   são   no   entanto   sulcadas   por   diversas   ribeiras   cujas   águas   se   perdem   no   mar.   Introduzindo   métodos   e   sistemas   de   irrigação   nestas   áreas,   permitiria   torna-­‐las   produtivas,   aumentando   os   resultados   agrícolas   do   município.   A   cultura   de   arroz   nas   vastas   terras   planas   da   costa   norte,   com   a   introdução   ou   melhoria   do   sistema   de   levadas   de   água   permitiria  um  aumento  significativo  da  produção  deste  cereal.         A   boa   gestão   dos   recursos   hídricos   e   aproveitamento   hidroeléctrico   dos   cursos   e   bacias   hidrográficas   nomeadamente   com   a  construção  projectada  de   Lacló  I   e   Lacló  II,  bem  como  da  ribeira  de   Sahén   em   Soibada,   permitiria   a   solução   destas   necessidades   e   simultaneamente   servir   o   propósito   da   produção   de   energia   para   abastecimento  das  populações  locais.   Criar   e   apoiar   Centros   de   Serviços   Agrícolas   -­‐   Em   coordenação   com   o   Ministério   da   Agricultura   e   Pescas,   deverá  o  Município  proceder  à  instalação  de  Centros  de  Serviços  Agrícolas  e  Informação  na  sede  de  todos  os   postos  administrativos.   Licenciamento   e   fiscalização   de   estabelecimentos   turísticos   e   hoteleiros   -­‐  Constituindo  o  turismo  e  os  serviços   de   hotelaria   uma   das   áreas   de   maior   potencial   em   Manatuto,   deverá   o   Município   proceder   ao   licenciamento   e   fiscalização   das   unidades   existentes   e   a   criar,   garantindo   o   ordenamento   desta   actividade   económica,   a   qualidade  dos  serviços  prestados  e  oferta.     Controlo   meteorológico   de   equipamentos   –   O   Município   deverá   implementar   um   sistema   de   tratamento   de   dados   meteorológicos   com   a   instalação   de   Centros   Meteorológicos   Municipais   (Foho   Curi,   Foho   Maubere,   Manatuto  Vila,  Soibada,  Laleia  e  Barique)  com  formação  de  pessoal  técnico  específico,  integrando-­‐os  na  rede   nacional.   Estes   equipamentos   poderão   prestar   um   importante   serviço   na   prevenção   de   calamidades   e   informação  para  a  actividade  agrícola  no  município.   Elaboração   do   cadastro   dos   estabelecimentos   comerciais,   turísticos   e   industriais   do   município   -­‐   A   correcta   relação   dos   estabelecimentos   comerciais,   turísticos   e   industriais   existentes   no   município   é   uma   absoluta   prioridade,  facilitando  a  formulação  de  políticas  de  apoio  e  cobrança  de  impostos  municipais.   Licenciamento  e  fiscalização  dos  estabelecimentos  comerciais  -­‐  Cadastro  de  cooperativas  e  registo  nacional  de   propriedade  industrial   Seguidamente   identificam-­‐se   por   áreas   de   actividade   algumas   das   propostas  de  desenvolvimento  a  implementar  no  município  de  Manatuto.       Mineração  e    Indústria  Extractiva     No  distrito  de  Manatuto  ocorrem  importantes  jazidas  de  diversos   minerais   de   grande   valor   económico   (Petróleo,   Ouro,   Mármore,   Crómio,   Argilas,   Magnésio,   Zinco,   Gesso,   Ferro   e   pedras   ornamentais).   O   Município   deverá   promover   a   realização   de   estudos   de   viabilidade   da   sua   exploração   comercial   e   caso   se   verifique   realizar   as   acções   e   iniciativas   adequadas   para   operacionalizar   a   sua   extracção   e   produção   para   a   criação   de   riqueza  e  desenvolvimento  económico.   A   extracção   de   inertes   e   comercialização   de   areias   e   pedra   para   construção,   nos   leitos   das   ribeiras   de   Lacló,   Sumasse,   Laleia,   Sahén  e  Dilor,  devidamente  regulamentada  poderá  constituir  uma   importante   fonte   de   receita   para   a   iniciativa   privada   e   para   o   município.   Importa   que   seja   efectuada   em   cumprimento   da   legislação   existente   ou   a   aprovar,   tendo   especial   atenção   aos   impactos   ambientais   e   de   segurança,   mormente   quando   a   referida   extracção  se  realiza  nas  proximidades  de  pontes,  diques  e  outras   estruturas   de   contenção   e   protecção   das   margens   dos   cursos   fluviais.  

 

17  


Agricultura   Em  Foho  Lileu  no  sub-­‐distrito  de  Lacló  o  solo  e  clima  oferecem   as   condições   para   a   introdução   da   cultura   do   café   o   que   permitira  aumentar  a  renda  per  capita  da  população.     Para   a   melhoria   das   condições   de   produção   rizícola,   o   Município   deverá   proceder   à   conservação   e   reparação   dos   muros  de  várzea  que  se  encontram  em  mau  estado,  efectuando   a   sua   manutenção   e   edificando   outros   onde   considerados   necessários  para  o  alargamento  da  área  produtiva  deste  cereal.   O   município   deverá   proceder   aos   estudos   de   introdução   da   floricultura  nomeadamente  nas  regiões  de  Soibada  e  Laclubar,   cujo   clima   e   precipitação   lhe   são   favoráveis,   perspectivando   a   sua   comercialização   a   nível   nacional   e   internacional   como   uma   produção   de   elevado   rendimento.   O   desenvolvimento   da   produção   de   citrinos   (laranja)   que   já   conheceu   tempos   de   elevada   produção   durante   o   tempo  colonial  e  de  ocupação  nomeadamente  na  região  de  Barique,  deverá  ser  considerada  no  futuro  como   um   potencial   agrícola   de   grande   valor,   a   par   com   a   exploração   de   outros   produtos   frutícolas   (ex.   ananás,   cultura  de  morango,  etc).  Igualmente  a  produção  e  transformação  da  pasta  de  tamarindo  de  que  Manatuto  é   um  dos  maiores  produtores  a  nível  nacional,  deverá  ser  incrementada  tendo  em  vista  o  mercado  de  exportação   asiático,   onde   é   muito   valorizado   para   utilização   culinária.   O   cultivo   do   tabaco   tendo   sido   uma   das   mais   importantes   nesta   região,   deveria   ser   apoiada   e   incrementada   a   sua   produção,   possibilitando   a   sua   exploração   comercial   e   exportação.   A   produção   de   caju   em   Manatuto   Vila   (Cribas)   e   Laleia,   apresenta   um   elevado   potencial  de  produção  para  a  exportação  com  elevado  valor  comercial.  Igualmente  a  cultura  do  chá,  quinur  e   produção   de   dióspiros   em   Laclubar   e   batata   doce,   abacate,   gengibre,   purgueira   e   lengkuas   em   Soibada,   possuem   um   grande   potencial   de   desenvolvimento   e   de   melhoria   das   receitas   para   prover   ao   sustento   das   comunidades  destas  regiões.     Florestas   Implementação   de   atividades   de   reflorestamento   e   sistemas   agro-­‐florestais   envolvendo   as   comunidades   -­‐   essas   actividades   são   frequentemente   integrados   em   projectos   de   desenvolvimento   comunitário   implementados   por   ONGs,   governos   e   agências   internacionais,   que   deverão   ser   coordenados   pelo   município.   Na   região   de   Soibada,   Laclubar   e  Barique,  a  existência  de  espécies  de  valor  comercial  justifica   a   criação   de   apoios   e   programas   de   incentivo   ao   abate   selectivo   que   permita   o   desenvolvimento   de   actividades   nesta  área  de  interesse  económico,  com  o  apoio  à  instalação   de   carpintarias     e   indústrias   derivadas   da   exploração   da   madeiras.   Pesca   A   actividade   da   pesca   embora   não   sendo   uma   das   principais   actividades   em  Manatuto,  assume  particular  relevância  em  Behau/Ilimano,  Manatuto   e  Laleia.  O  potencial  da  costa  sul  encontra-­‐se  inexplorado.  Reconhecido  o   valor   e   as   existências   de   pescado   quer   na   costa   norte   quer   na   costa   sul,   importa  criar  as  condições  para  o  desenvolvimento  desta  actividade,  base   económica  das  populações  do  litoral.  Numa  primeira  fase  é  determinante   o  apoio  á  pesca  artesanal  pela  concessão  de  micro-­‐créditos  e  criação  de   cooperativas   de   pescadores   que   lhes   permita   melhor   estruturar   e   fazer   rentabilizar   a   sua   actividade   numa   perspectiva   de   mercado.   A   criação   do   porto  de  pesca  de  Balak  em  Manatuto  Vila,  previsto  no  Plano  Estratégico   Nacional   permitirá   criar   as   condições   objectivas   para   o   incremento   desta   actividade   económica   na   costa   norte   do   município,   devendo   assegurar-­‐se   as  mesmas  facilidades  na  costa  sul.   A   possibilidade   de   desenvolvimento   na   área   de   Soibada   e   Natarbora   da   aquacultura  para  consumo  local  e  nacional,  poderia  constituir  igualmente   importante   factor   de   melhoria   económica   e   da   dieta   alimentar   das   comunidades  desta  região.        

 

18  


Pecuária   Com  um  total  de  6204  bovinos  e  8551  búfalos  identificados  no  censos  de  2010,  Manatuto  tem  um  potencial   muito  grande  para  aumentar  estes  efectivos  especialmente  tirando  partido  das  condições  existentes  para  esta   actividade  na  região  centro-­‐leste  do  Municipio  (Cribas,  Barique  e  Cairui).  Para  este  efeito  deverá  o  município   criar  as  condições  de  salubridade  e  de  vigilância  sanitária,  disponibilizando  veterinários  e  pessoal  técnico  e  os   respectivos   meios   e   infraestruturas   (postos   de   veterinária   e   transporte).   Deverá   o   município   promover   e   viabilizar   a   realização   de   estudos   para   a   introdução   de   espécies   de  gado  para  a  produção  de  leite,  possibilitando  a  criação  de  uma   indústria   de   derivados   lacticíneos  nesta  região.  O  transporte  para   exportação  de  todo  o  potencial  de  desenvolvimento  da  produção   de   bovinos   nesta   região   e   em   áreas   contíguas   nos   distritos   de   Viqueque   e   Ainaro   poderá   ser   escoado   pela   construção   de   um   porto  ou  utilização  das  infraestruturas  do  porto  de  Balak  na  costa   norte,  para  abastecimento  do  mercado  indonésio  entre  outros.   De   igual   modo   deverão   ser   consideradas   as   condições   de   transporte  e  sistemas  de  frio  e  distribuição.  Existe  igualmente  um   grande  potencial  de  incremento  das  quotas  de  caprinos  e  ovelhas   nas  vastas  e  extensas  áreas  inaproveitadas  do  centro  e  nordeste  do  município,  tendo  em  vista  a  produção  de   carne   e   possibilidade   de   produção   de   (queijo)   entre   outros.   A   criação   de   aves   e   a   diversificação   devem   ser   incentivadas  com  a  criação  de   granjas  avícolas  para  a  produção  de  carne  e  ovos  para  distribuição  ao  consumo   local   e   nacional,   cabendo   ao   município   apoiar   e   fiscalizar   as   iniciativas   privadas   no   sector,   com   a   criação   de   programas  de  suporte  às  cooperativas.     Em   anexo   neste   documento,   poderá   encontrar   uma   Proposta   de   Desenvolvimento   Integrado   de   Gado   a   realizar  na  área  do  Município  de  Manatuto,  Baucau  e  Viqueque.     Indústria   A   actividade   industrial   a   desenvolver   especialmente   nas   regiões   de   terrenos   não   agrícolas   e   na   proximidade   de   vias   de   comunicação   e   de   aglomerados   populacionais   tem   na   área   do   município   de   Manatuto,   potencial   específico  para  a  implementação  de  unidades  de:   • Indústria   agro   alimentar   a   desenvolver   na   região   da   costa-­‐sul   (Natarbora)   –   O   desenvolvimento   da   produção  frutícola  (ex.  ananás,  cultura  de  morango,  etc),  a  transformação  da  pasta  de  tamarindo  de  que   Manatuto   é   um   dos   maiores   produtores   a   nível   nacional   (produto   de   grande   valorização   no   mercado   asiático   para   culinária),   entre   outros,   permitiria   no   futuro   o   desenvolvimento   de   uma   industria   agro-­‐ alimentar   local,   com   a   possibilidade   de   comercialização   no   mercado   nacional   e   exportação   de   sumos   e   compotas,  barras  de  nozes  e  outros  produtos  alimentares.  Igualmente  a  produção  e  confecção  de  tabaco   para   o   consumo   nacional   e   mercado   internacional,   traria   importantes   mais   valias   para   a   economia   do   município  e  de  Timor-­‐Leste.   • Indústria   conserveira   a   implementar   na   costa   norte   (Behau-­‐Lacló,   Manatuto   Vila   e   Balak)   -­‐   O   governo   nacional   e   o   município   deverão   colaborar   para   a   realização   de   estudos   pelágicos   e   na   promoção   da   capacidade  de  pesca  que  viabilize  a  instalação  de  uma  indústria  conserveira,  que  surge  como  alternativa   de  grande  valor  para  a  economia  do  município  e  nacional.   • Indústria  cerâmica  e  olaria  (Carlilu-­‐Aiteas,  Manatuto  Vila)  -­‐  Em  Manatuto  Vila,   existe  uma  já  longa  experiência  na  produção  de  artefactos  de  cerâmica,  sendo   uma   das   únicas   regiões   a   nível   nacional   que   a   este   tipo   de   actividade   e   produção   se   dedica.   Neste   particular,   deverão   ser   criadas   as   condições   para   melhorar  a  qualidade  dos  produtos,  viabilizando  a  sua  colocação  para  consumo   nacional.  O  Município  deve  apoiar  a  reforçar  as  empresas  existentes  tendo  em   vista   o   seu   desenvolvimento   e   adaptação,   melhorando   a   qualidade   e   quantidade   produzida,   podendo   estes   produtos   vir   a   ser   comercializados   em   nichos  de  mercado  internacional.   •

 

Indústria   de   mineração   e   derivados   do   sal   (Soraha   –   Manatuto  Vila)  A  produção  de  sal  de  qualidade  tem  na  costa   norte  de  Manatuto  especiais  condições  de  desenvolvimento,   cabendo   ao   Município   estabelecer   parcerias   e   incentivar   a   melhoria   dos   processos   produtivos   e   de   escoamento.   A   experiência   de   Portugal   neste   sector   é   relevante,   pelo   que   deverão   ser   criadas   as   condições   e   facilidades   para   o   intercâmbio   de   produtores   e   técnicos   nacionais   e   de   outros   países,  tendo  em  vista  a  oferta  de  um  produto  de  qualidade  

19  


que   possa   satisfazer   o   mercado   nacional   e   a   exportação,   nomeadamente   para   a   Indonésia.   Na   área   de   salinas,   o   Município   deverá   criar   um   centro   interpretativo   e   educacional   que   possibilite   aos   turistas,   visitantes  e  estudiosos  melhor  conhecer  o  processo  de  produção  deste  bem  de  consumo.  

  Não   deve   ser   descurada   a   participação   e   contributo   para   a   economia   local   e   do   município   das   produções   de   carácter   artesanal,   nomeadamente   de   vime   (rota)   e   bambu   para   o   fabrico   de   mobiliário   e   outros   fins   prestando   o   devido   apoio   a   estas   actividades   geradoras   de   emprego   e   receita   especialmente   em   Soibada   e   Laclubar.       • Indústria  do  mármore  (Behau-­‐Ilimano,  Lacló)                         Entre   os   vários   recursos   minerais   existentes   no   território   do   Distrito   de   Manatuto,   a   marmoreira   de   Ilimano  em  Lacló  assume  uma  particular  relevância,  sendo  a  mais  importante  manifestação  deste  recurso   em   Timor-­‐Leste.   Grandes   blocos   de   pedra   mármore   são   bem   visíveis   nas   proximidades   de   Behau,   junto   da   estrada  Manatuto-­‐Díli.  Este  recurso  foi  explorado  quer  no  tempo  colonial  quer  mesmo  durante  a  ocupação   indonésia.   O   afloramento   de   Ilimano   é   em   termos   geográficos   de   importância   estratégica   dada   a   inexistência   na   região   próxima   insular   de   outras   ocorrências.   O   desenvolvimento   de   actividade   de   mineração   e   indústria   extractiva   do   mármore   surge   como   um   factor   de   desenvolvimento   para   o   suco   e   mesmo   para   a   região.   A   produção   de   material   de   revestimento   para   a   construção   em   mármore   é   um   produto  gerador  de  importantes  receitas.  Importa  que  o  governo  nacional  e  municipal  facilitem  os  apoios   necessários,   financeiros   e   de   formação,   para   que   possam   surgir   empresas   de   qualidade   nesta   área   económica.    

Turismo  

Criar,  promover  e  gerir  rotas  de  turismo,  em  parceria  com  os  agentes  económicos  privados  locais  efectuando   o   cadastro   de   empresas   ligadas   ao   turismo   e   definindo   com   os   vários   agentes   do   sector   as   rotas   de   turismo   fazendo   a   sua   divulgação   no   mercado   nacional   e   internacional,   identificando   nichos   de   mercado   específicos   como  o  Turismo   de   Aventura,  Ecoturismo,  Turismo   Rural,  Turismo   Histórico  e  Turismo   Religioso  (Santuário   de  Aitara  em  Soibada).   Criar   centros   de   Informação   e   Promoção   Turística   em   cada   um   dos   postos   administrativos   (Manatuto   Vila,   Lacló,  Laclubar,  Laleia,  Barique,  Soibada  e  em  locais  de  interesse  turístico  (Ilimano,  Foho  Maubere,  Natarbora-­‐ Praia).   Promover   investimentos   ao   nível   das   aldeias,   que   potenciem   o   ecoturismo,   promovendo   a   criação   de   associações  de  desenvolvimento  para  o  turismo  rural  e  ecológico.   Rede   de   Pousadas   Municipais.   Identificar   os   edifícios   de   valor   histórico   e   arquitectónico   existentes   no   município,   nomeadamente   os   edifícios   sede   de   posto   administrativo   e   residência   do   chefe   de   posto,   promovendo   a   sua   recuperação,   e   construindo   outros,   definindo   parcerias   para   sua   gestão   como   unidades   hoteleiras  de  qualidade  que  possam  promover  o  turismo,  funcionando  como  centros  de  formação  turística  de   referência.       Manatuto  oferece  especiais  condições  para  o  desenvolvimento  dos  seguintes  tipos  de  turismo:     v Turismo  de  aventura  e  desporto   Costa  do  Noroeste  (Behau  –  Ilimano)   A  Costa  Noroeste  do  Distrito  de  Manatuto  possui  uma  extraordinária  beleza  selvagem,  com  paisagens  de   uma  pujança  dramática  singular,  constituindo-­‐se  o  Cabo  Subão  como  um  dos  seus  icons.   O   turismo   poderá   ser   uma   das   principais   receitas   e   actividade   económica   no   Suco.   A   beleza   das   suas   paisagens  de  montanha,  as  verdes  e  aprazíveis  várzeas  de  arroz,  a  costa  de  recorte  diverso  e  espectacular   têm  um  potencial  turístico  invejável  e  que  importa  desenvolver.  Na  proximidade  de  Díli,  a  costa  de  Ilimano   e  Subão  oferecem  excelentes  condições  para  a  prática  da  pesca  desportiva  e  de  mergulho.     A   praia   de   Behau   é   já   reconhecida   como   uma   área   de   recreação   para   a   população   de   Díli,   que   nos   fins-­‐de-­‐ semana  a  ela  acorre  procurando  as  suas  águas  límpidas  e  transparentes,  a  sombra  das  suas  árvores  e  praia   de   areia   branca.   A   inexistência   de   correntes   possibilita   o   desenvolvimento   de   actividades   de   recreação   náutica  como  o  windsurf  e  a  canoagem.  

 

20  


A  diversidade  paisagística  entre  o  rio  e  a  montanha  constituem  factores  que  potenciam  o  desenvolvimento   do  ecoturismo,  turismo  de  montanha  e  o  agroturismo.       Para   oferta   deste   tipo   de   pacote   é   necessária   a  formação   de   guias   de   caminhada,   observação   de   aves,   montanhismo  e  actividades  náuticas.       Entre   outras   actividades   a   desenvolver   na   área   a   classificar   como   Área   Protegida   Municipal   estão   a   caminhada,  o    alpinismo,  rappel,  slide,  vôo   livre   (Asa  Delta,  Para  Pente,  Para  Motor),  a  vela,  a  canoagem  e   o  kyte  surf.      

  Mergulho  

Spots  de  Mergulho  no  Distrito  de  Manatuto    3  .  Black  Rock  &  $1  Beach     4  .  K  41     5  .  You  Pick  -­‐  Whale  Shark,  Lone  Tree  or  Shark  Point     6  .  The  Cavern     7  .  K  57    

 

A  Leste  de  Díli,  os  mergulhadores  podem  experimentar  o  mergulho  no  seu  melhor.  O  fácil  acesso  ao  longo  da   costa  permite  aos  mergulhadores  uma  entrada  segura  para  os  grandes  mergulhos  de  parede.   K41,   Rock   Bob   e  Lone   Tree   são   alguns   dos  mergulhos  incríveis  que  podem  ser  feitos.  A  apenas  40  minutos  a   leste  de  Díli,  existe  uma  série  contínua  de  incríveis  locais  de  mergulho  ao  longo  da  costa  numa  extensão  de  100   quilômetros  de  distância.   A   variedade   de   mergulhos   ao   longo   deste   trecho   da   estrada   é   infinita   estando   K41   e   Shark   Point   entre   os   favoritos  dos  mergulhadores  locais.     K  57   Grande  mergulho  de  parede  com   muitas  fissuras  para  explorar.   Parede  de  recifes  fantástica  e  de   fácil  acesso  permite  ao  iniciante  e   ao  mergulhador  experiente   evoluir.   (Profundidade:  5  –  40  mts)         The  Cavern   Grande  mergulho  em  caverna  com   um  ponto  de  entrada  e  30m  de   expansão  com  uma  caverna  de   30m  de  largura,  de  quatro  braços.   Bolsa  de  ar  em  todas  as  câmaras  e   os  pontos  de  saída  com  a  caverna   para  fazer  uma  experiência  segura,       mas  emocionante.   (Profundidade:  40  mts)     Tubarão-­‐baleia,  Lone  Tree  ou  Shark  Point   Timors  mais  nomeado  local  de  mergulho!  Grande  mergulho  com  fundo   de  areia  e  afloramentos  de  coral.  Ótimo  para  criaturas  e  grandes   pelágicos,  incluindo  o  tubarão-­‐baleia  ocasional  (se  você  tiver  sorte).    (Profundidade:  5  –  40  mts)    

 

 

21  


v Turismo  de  Montanha   O   Foho   Ilimano   (1081   mts),   a   apenas   três   quilómetros   da   linha   de   costa,   constitui   o   ponto   de   maior   elevação   da   faixa   litoral   do   território   nacional,   criando   cenários   de   excepcional   beleza   paisagística.   O   Foho   Maubere,  no  interior  montanhoso  do  Município,  eleva-­‐se  num  quadro  de  extraordinária  beleza  natural  e   de   florestas   de   amenas   temperaturas.   Estes   dois   locais   dadas   as   suas   características   únicas   possuem   um   enorme   potencial   para   o   desenvolvimento   do   turismo   de   montanha,   com   a   prática   de   caminhadas,   observação  de  aves  e  espécies  vegetais,  sendo  de  considerar  a  possibilidade  de  o  Município  promover  a   instalação/construção   de   uma  Pousada  Municipal   na   área   do   Foho   Maubere,   para   prover   com   uma   oferta   de  qualidade  um  segmento  turístico  mais  exigente.   v Turismo  histórico   O   Município   deverá   proceder   ao   cadastro   e   classificação   de   todos   os   sítios,   monumentos   e   edifícios   de   interesse   histórico   municipal,   procedendo   à   sua   recuperação   e   adaptação,   tendo   em   vista   a   criação   de   rotas   turísticas   de   relevância   histórica.   Neste   particular   devem   ser   considerados   os   edifícios   sede   ou   residência   dos   administradores   do   tempo   português,   os   sítios   de   interesse   histórico   no   processo   de   resistência  durante  a  ocupação  indonésia  (Barique  antigo,  DDN),  entre  outros.    

Ordenamento  do  território   Numa  fase  inicial  a  Comissão  Instaladora  e  futuro  município  deverá  apoiar  e  participar  conforme  previsto  no   programa  de  descentralização  administrativa  no  projecto  de  demarcação  territorial  do  município.   Elaborar   e   aprovar   os   planos   de   urbanização   -­‐   Para   as   áreas   urbanas   o   desenvolvimento   de   um   plano   urbanístico   é   uma   das   metas   a   atingir   por   forma   a   melhorar   a   gestão   do   espaço   urbano.   Com   carácter   prioritário   devem   ser   realizados   estudos   que   permitam   definir   e   viabilizar   a   boa   gestão   e   ordenamento   dos   espaços  urbanos  de  Manatuto  Vila,  Laleia,  Laclubar,  Soibada,  Lacló  e  Natarbora.   Delimitar   as   áreas   de   desenvolvimento   urbano   e   de   construção   prioritárias.   Nas  montanhas  o  povoamento   disperso   não   permite   que   o   estado   garanta   o   acesso   a   serviços   e   condições   de   vida   adequadas   para   a   sua   população,   pelo   que   a   médio   longo-­‐prazo   deverão   ser   desenvolvidos   estudos   que   possibilitem   agregar   estas   populações  dispersas  em  novos  aldeamentos.   Delimitar   as   zonas   de   defesa   e   de   controlo   urbano,   de   áreas   criticas   de   recuperação   e   reconversão   urbanística,   dos   planos   de   renovação   de   áreas   degradadas,   mormente   a   área   edificada   nas   imediações   da   residência  do  chefe  de  posto   administrativo   do   tempo   colonial   português   em   Manatuto   Vila,  e  requalificação   e  melhoria  da  avenida  e  zona  marginal  da  cidade.   Licenciar  quaisquer  operações  urbanísticas  de  forma  a  ordenar  a  construção  e  o  meio  urbano.   Licenciar,  mediante  parecer  vinculativo  da  administração  central,  construções  nas  áreas  dos  portos  e  praias  -­‐   A  necessidade  e  urgência  de  um  programa  de  ordenamento  é  factor  determinante  para  a  criação  de  condições   de  desenvolvimento  e  qualidade  de  vida.     As   estradas,   caminhos   e   vias   estruturantes   que   ligam   as   várias   aldeias   aos   sucos,   dos   sucos   aos   postos   administrativos   e   á   capital   de   distrito   devem   merecer   a   maior   atenção,   pelo   que   se   torna   necessário   desenvolver  um  programa  de  melhoria,  recuperação  e  abertura  de  novas  vias  de  acesso.  

Ambiente,  conservação  da  natureza  e  recursos  hídricos   Sistemas   municipais   de   abastecimento   de   água   –   O   Município   deverá   assegurar   o   fornecimento   de   água   potável   às   populações,   gerindo   a   sua   qualidade   e   determinando   as   soluções   para   o   referido   abastecimento   (furos   artesianos,   captações,   etc.).   Esta   prestação   e   os   demais   serviços   elencados   seguidamente,   poderão     constituir  simultaneamente  uma  despesa  e  potencialmente  uma  fonte  de  receitas  para  o  município,  devendo   ser   consideradas   as   diversas   políticas   e   selecionada   a   solução   que   respeite   as   condições   e   capacidade   económica  dos  munícipes.   Sistemas  municipais  de  drenagem  e  tratamento  de  águas  residuais  –  A  capacidade  de  drenagem  e  tratamento   de  águas  residuais  deverá  ser  assegurada  por  forma  a  manter  as  condições  de ��salubridade  em  espaços  urbanos   em   respeito   pelas   normas   ecológicas   e   de   menor   impacto   ambiental.   Neste   particular   cabe   ao   município   estudar   as   soluções   com   a   construção   de   ETAR’s   (Estações   de   Tratamento   de   Águas   Residuais),   nomeadamente  em  Manatuto  Vila.   Sistemas   Municipais   de   limpeza   pública   e   de   recolha   e   tratamento   de   resíduos   sólidos  –  Promovendo  a  saúde   pública   o   município   deverá   criar   uma   unidade   ou   serviço   para   a   limpeza   e   recolha   de   resíduos   sólidos   (lixo),  

 

22  


identificando   o   local   adequado   para   instalação   de   uma   Lixeira   Municipal   e   espaços   com   o   mesmo   fim   para   servir  os  diversos  aglomerados  populacionais  no  território.   Sistemas   locais   e   recolha   de   óleos   usados   -­‐   O   Município   deverá   criar   instrumentos   e   possuir   os   meios   para   fiscalizar   e   identificar   a   ocorrência   de   actividades   de   impacto   ambiental,   mormente   no   que   se   refere   a   derramas   e   exposição   de   produtos   tóxicos.   Neste   quadro   deve   construir   locais   para   acondicionamento   e   recolha,  queima  ou  reciclagem  de  óleos  usados.     Criação   de   áreas   protegidas   de   interesse   municipal   -­‐   Manatuto   é   um   dos   distritos   nacionais   com   menor   densidade   populacional,   resultando   por   esse   facto   uma   menor   intervenção   humana,   mantendo   extensas   regiões  do  seu  território  num  estado  natural  e  de  conservação  originais.  Atenta  esta  particularidade  e  o  valor   deste   património   natural   e   paisagístico   único,   deverá   o   Município   realizar   estudos   para   a   criação   de   áreas   protegidas  de  interesse  municipal,  protegendo  a  abundante  vida  selvagem  e  espécies  animais  e  flora  existente.   As  áreas  identificadas  no  mapa  desta  proposta  como  áreas  de  proteção  municipal  (Important  Bird  Areas:  Foho   Curi,   Ilimano;   Mkhfahik   und   Sarim,   Barique;   Sungai   Clere,   Barique;   Diatuto,   Soibada)   foram   já   propostas   anteriormente  como  Reserva  Natural  pela  FAO  /  PNUD  (1982)  e  como  Parque  Nacional  pelo  Departamento  de   Florestas   da   Indonésia,   sendo   os   cumes   de   montanha   identificados   (Foho   Maubere   e   Daituto)   reconhecidos   pela  UNTAET  (2000)  como  uma  área  selvagem  protegida  ao  abrigo  do  Regulamento  Número  2000/19.     O  Município  poderá  criar  áreas  reservadas  para  caça  assegurando  o  seu  equilíbrio  cinegético.  A  existência  de   coutadas   e   a   sua   delimitação   poderá   fomentar   a   prática   da   caça   e   o   turismo   em   regiões   remotas   e   isoladas,   constituindo-­‐se   como   fonte   de   receita   para   as   populações   e   obtenção   de   impostos.   A   caça   regulada   ao   bibi-­‐ russo,   javali   e   outras   espécies   poderá   ser   implementada   na   região   de   Cairui,   Raimea,   Barique,   Soibada   e   Laclubar  (Suco  Saranai).   Manter   e   reabilitar   a   rede   hidrográfica   dentro   dos   perímetros   urbanos   -­‐   A   proliferação   e   construção   de   habitações  e  a  criação  de  infraestruturas  em  desrespeito  da  rede  hidrográfica  existente  no  território  urbano,   constituem  por  vezes  factores  de  desequilíbrio,  que  estão  na  origem  de  algumas  calamidades  (desabamentos  e   inundações).   Deverá   o   município   proceder   a   medidas   de   fiscalização   destas   intervenções,   mantendo   e   reabilitando  as  estruturas  de  suporte  à  rede  hidrográfica  (valas,  canais,  esgotos,  etc.).   Licenciar   e   fiscalizar   a   captação   de   águas   subterrâneas   –   A   captação   de   águas   subterrâneas   deverá   ser   regulamentada  e  fiscalizada,  garantindo  a  manutenção  dos  aquíferos  e  a  qualidade  das  águas.   Assegurar   a   gestão   e   garantir   a   limpeza   e   a   boa   manutenção   das   praias   e   zonas   balneares   -­‐  Manatuto,  é  um   dos  dois  distritos  nacionais  banhados  simultaneamente  por  Tasi  Feto  e  Tasi  Mane,  devendo  conferir  particular   atenção  à  limpeza  das  suas  praias  e  zonas  balneares,  assegurando  as  condições  e  qualidade  para  o  exercício  da   prática  desportiva,  o  lazer  e  turismo.  A  construção  indevida  na  zona  de  costa  deverá  ser  fiscalizada  e  proibida   por  forma  a  preservar  o  domínio  marítimo.  Para  realizar  este  objectivo  torna-­‐se  necessária  a  constituição  de   equipas  de  vigilância  da  costa  marítima,  com  a  criação  de  um  corpo  municipal  de  guardas  de  costa.   Licenciar   e   fiscalizar   a   extracção   de   materiais   inertes   -­‐  A  extracção  de  inertes  e  comercialização  de  areias  e   pedra   para   construção,   nos   leitos   das   ribeiras   de   Lacló,   Sumasse,   Laleia,   Sahén   e   Dilor,   constituindo   uma   importante   fonte   de   receita   para   a   iniciativa   privada   e   para   o   município,   comportam   riscos   ambientais   que   devem  ser  considerados  tendo   especial   atenção   o  factor   de  segurança,  mormente  quando  a  referida  extracção   se  realiza  nas  proximidades  de  pontes,  diques  e  outras  estruturas  de  contenção  e  protecção  das  margens  dos   cursos  fluviais.  Neste  particular  o  Município  deverá,  em  cumprimento  da  legislação  existente  ou  que  venha  a   ser  aprovada,  proceder  ao  licenciamento  e  fiscalização  destas  actividades.   Promover   a   reflorestação   e   a   gestão   sustentável   de   terrenos   e   o   reordenamento   florestal   -­‐   Uma   gestão   cuidada   das   florestas   permite   a   protecção   dos   solos   prevenindo   a   erosão,   concorrendo   como   recurso   económico  para  as  populações.  Simultaneamente   oferece   as   condições   de   manutenção   e   preservação  de  vida   selvagem   o   que   é   factor   relevante   para   uma   oferta   turística   diversificada.  No   domínio   das   florestas,   importa   definir   as   áreas   de   maior   interesse   económico   e   ambiental,   limitando   a   exploração   e   procedendo   à   reflorestação   como   forma   de   protecção   dos   solos.   O   reordenamento   do   espaço   florestal   é   uma   necessidade   tendo   em   vista   a   adequada   utilização   destes   recursos   para   exploração   comercial.   Numa   fase   inicial   deverá   o   município  em  parceria  com  o  Ministério  da  Agricultura  e  Pescas  proceder  à  realização  de  estudos  e  coleta  de   dados  florestais  e  identificação  de  limite  de  área  florestal.   Garantir  a  limpeza  de  matas  e  florestas  e  prevenir  o  surgimento   de  fogos  florestais  -­‐  Para  este  fim  é  essencial  a  constituição  de  um   Corpo   Municipal   de   Guardas   Florestais   que   poderá   ser   coadjuvado   nos   períodos   críticos   com   o   envolvimento   de   jovens   na   protecção   e   vigilância   da   floresta.   O   envolvimento   dos   jovens   nestas  actividades  permite  que  de  uma  forma  directa  e  prática  se   realize   trabalho   de   sensibilização   e   educação   ambiental,  

 

23  


simultaneamente  canalizando  esforços  e  integrando  numa  actividade  de  interesse  comunitário,  mão  de  obra   de  que  de  outra  forma  estaria  inactiva.   Criar   viveiros   comunitários   de   árvores   e   plantas   de   espécies   autóctones   –   por   todo   território   do   município   especialmente   na   área   dos   postos   administrativos   de   Laclubar,   Soibada   e   Barique,   onde  a  floresta  constitui  um  importante  factor  de  riqueza.   Participar   na   gestão   das   zonas   de   conservação   natural   –   O   Município  deverá  enquadrar  e  fortalecer  as  acções  de  gestão  das   áreas   de   conservação   natural,   coordenando   as   diversas   intervenções   entre   governo,   ONGs,   doadores   e   agências   internacionais,  entre  outros.   Fiscalizar   o   cumprimento   da   legislação   relativa   à   poluição   do   ar,   da   água,   do   solo   e   produção   de   ruído,   criando  os  mecanismo  adequados  para  o  efeito,  nomeadamente  constituindo  uma  equipa  técnica  específica.  

Equipamento  social  e  vias  de  comunicação.    

 

 Projecto  de  anfiteatro  e  jardim  em  Soibada  

Espaços  Verdes   -­‐   O  Município  deverá  desenvolver  uma  política  de   gestão   e   criação   de   espaços   verdes   e   jardins   no   meio   urbano,   conferindo  dignidade  e  qualidade  de  vida  ás  suas  populações.   Ruas   e   arruamentos   -­‐   No   quadro   de   uma   boa   gestão   do   espaço   urbano  deverá  ser  dada  particular  atenção  ao  traçado  e  criação  de   ruas   e   arruamentos,   por   forma   a   definir   claramente   os   eixos   de   desenvolvimento   e   construção   habitacional.   O   Município   igualmente  deverá  constituir  uma  equipa  que  definirá  a  toponímia   das   artérias   urbanas   em   acordo   com   os   momentos   e   figuras   de   interesse  da  história  nacional  e  regional.   Cemitérios   -­‐   Deverá   ser   desenvolvido   um   trabalho   urgente   de   identificação   de   espaços   para   a   criação   de   cemitérios   nos   Sucos   que  permita  resolver  os  problemas  de  saúde  pública  criados  pela  desordenada  proliferação  de  sepulturas  no   domínio   privado   e   no   espaço   público.   Com   este   propósito   poderá   o   Município   criar   as   condições   para   que   seja   com  dignidade  prestada  a  devida  homenagem  e  respeito  aos  nossos  mortos.   Mercados   e   Feiras   –   Os   mercados   constituem   espaços   de   importante   interesse   social   e   económico   para   as   populações  urbanas  e  rurais.  Nesta  medida,  importa  que  o  Município  identifique  os  locais  mais  adequados  para   a  instalação  de  infraestruturas  de  apoio  à  venda  e  comercialização  de  produtos,  nomeadamente  nas  margens   das  principais  vias  de  comunicação  rodoviária  e  nos  principais  aglomerados  urbanos,  assegurando  as  condições   de   segurança   e   higiene   necessárias.   A   criação   destes   espaços,   o   seu   licenciamento   e   gestão   é   para   além   de   um   serviço  de  elevado  interesse  para  os  cidadãos  uma  fonte  de  receita  a  considerar  para  o  Município.  Com  elevada   prioridade  deverá  ser  construído  na  área  urbana  da  sede  do  município  o  Mercado   Municipal   de   Manatuto  e   faseadamente  mercados  em  todos  os  postos  administrativos  do  município.   Edifícios   e   infraestruturas   de   suporte   para   a   descentralização   administrativa   do   município   de   Manatuto   -­‐     Construção   de   edifício   sede   do   Município,   edifício   da   assembleia   municipal,   residências   de   funcionários   e   presidentes   e   edifícios   dos   postos   administrativos.   As   residências   deverão   integrar   as   características   arquitectónicas   tradicionais   com   os   benefícios   das   novas   técnicas   de   construção   e   de   criação   de  conforto  e  qualidade  de  vida.     Construção,  reconstrução  ou  beneficiação  das  estradas   rurais   –   Sendo   estas   as   vias   de   comunicação   essenciais   que   ligam   as   comunidades   mais   isoladas   ás   comunidades   de   maior   centralidade,   o   Município   deve   criar   as   condições  para  a  conservação  e  manutenção  das  estradas  existentes,  definindo  igualmente  a  necessidade  de   reconstrução  e  abertura  de  novas  estradas  por  forma  a  melhor  servir  os  cidadãos  e  a  comunicação  em  todo  o   território.   Dadas   as   características   geomorfológicas   e   climáticas   de   Timor-­‐Leste,   (precipitação   em   elevadas   quantidades  e  por  períodos  curtos  e  o  acidentado  do  relevo),  os  cuidados  de  manutenção  e  conservação  das   estradas  rurais  são  de  importância  fundamental.    Para  tornar  efectiva  e  possível    a  manutenção  destas  vias  é   absolutamente  necessária  a  criação  de  equipas   municipais   de   cantoneiros.  Estas  equipas,  dispersas  ao  longo   das  vias  de  comunicação,  ficariam  individualmente  responsáveis  pela  boa  conservação  de  troços  definidos  da  

 

24  


via  ao  seu  cuidado,  assegurando  a  sua  qualidade  e  segurança  num  serviço  inestimável  para  os  cidadãos  que  a   elas  têm  de  recorrer.  O  esforço  financeiro  envolvido  no  pagamento  de  salários  a  estes  funcionários,  teria  um   impacto   muito   positivo   ao   nível   da   distribuição   de   renda   por   todo   o   território,   beneficiando   um   número   considerável  de  famílias  e  simultaneamente  permitiria  uma  redução  da  despesa  com  as  obras  de  manutenção  e   reconstrução   que   de   outro   modo   seria   o   Município   obrigado   pela   degradação   rápida   destas   vias   de   comunicação  não  sendo  cuidadas.   Rede  viária  de  âmbito  municipal   O  Município  deve  assegurar  a  adequada  manutenção  das  estradas  existentes  e  abertura  de  novas  estradas  de   ligação  Município-­‐Posto  Administrativo,  Posto  Administrativo–Suco  e  Suco-­‐Aldeia.   Um  dos  maiores  potenciais  de  desenvolvimento  de  Manatuto  é  o  seu  posicionamento  geoestratégico  único  em   termos  nacionais.  Situado  na  região  centro  do  país  e  ligando  as  duas  costas,  beneficia  de  uma  centralidade  de   que  deverá  saber  tirar  proveito  para  o  seu  próprio  desenvolvimento.  O  relevo  em  Timor-­‐Leste,  caracterizado   pela   existência   de   uma   cadeia   montanhosa   que   corre   no   sentido   leste-­‐oeste,   cria   uma   separação   natural   entre   o   norte   e   sul   do   país.   Esta   cadeia   montanhosa   e   barreira   natural   encontra   apenas   na   região   centro   de   Manatuto   um   colo   de   montanhas   entre   os   contrafortes   de   Foho   Ramelau   e   Foho   Matebiam,   onde   o   relevo   apresenta   uma   menor   altitude.   Esta   singularidade   geomorfológica   e   passagem   natural   na   região   centro   do   município,  permite  perspectivar  a  ligação  Manatuto-­‐Natarbora  como  a  via  estruturante  que  ligará  o  norte  do   país  à  costa  de  Tasi  Timor  e  autoestrada  da  costa  sul.     A  circulação  de  veículos  de  passageiros  e  mercadorias  é  um  elemento  que  potencia  o  comércio,  os  negócios,  os   serviços   e   o   turismo,   pelo   que   se   apresentam   seguidamente   algumas   propostas   que   potenciaram   o   desenvolvimento  destas  actividades.   Como  proposta  das  principais  obras  de  construção  e  abertura  de  novas  estradas,  apresentam-­‐se  no  mapa  infra   cinco  intervenções  estruturantes  que  se  afiguram  prioritárias.     Tuqueti-­‐Remexio   Esta   estrada   permitiria   a   ligação   via   Rebutigeon   e   Remexio  de  Dili  à  costa  sul  e  Viqueque  de  uma  forma   mais  rápida  e  directa.   Tuqueti-­‐Laleia   Construção   de   nova   estrada   que   permitiria   o   acesso   a   regiões  que  de  outra  forma  não  possui  um  adequado   acesso,  servindo  as  populações  de  Cairui  e  Raimea.   Laclubar-­‐Turiscai-­‐Ossu   Estrada   que   permitiria   a   ligação   da   capital   do   município   aos   municípios   de   Manufahi,   Ainaro   e   Covalima.  Numa  segunda  fase  e  em  colaboração  com   o   município   de   Viqueque   dever-­‐se-­‐ia   efectuar   a   ligação   a   Ossu,   permitindo   a   definição   de   um   eixo   este-­‐oeste  na  região  centro  do  país.   Natarbora-­‐Costa  Sul   Esta   estrada   permitiria   a   ligação   do   nó   rodoviário   de   Natarbora   com   o   futuro   porto/ferry   de   Nankura   (Natarbora-­‐Praia)   e   à   área   de   implementação   de   empreendimentos   turístico   ecológicos   da   região   costeira  sul.   Lacló-­‐Rebutigeon-­‐Metinaro   Melhoramento   da   estrada   de   acesso   de   Lacló   à   estrada  Dili-­‐Manatuto  em  Metinaro.  

 

Rede   de   transportes   regulares   locais   na   área   do   Município   –   O   Município   deve   assegurar   o   serviço   de   transporte  regular  de  passageiros  entre  as  principais  povoações  do  território  (sedes  de  posto  administrativo),   regulando  o  transporte  de  empresas  privadas.  Com  este  objectivo  e  complementando  a  oferta  das  empresas   privadas  do  sector  existentes  no  município,  deverá  criar  uma  Empresa  de  Transportes  Municipais,  que  sirva  as   populações  mais  isoladas,  permitindo  assegurar  igualmente  o  transporte  escolar.   Estruturas  de  apoio  aos  transportes  rodoviários  –  Paragens  de  autocarros  ao  longo  das  vias  rodoviárias  com   serviço   de   transporte   público   e   na   proximidade   de   aglomerados   populacionais,   Central   de   Camionagem   em   Manatuto,  Laclubar,  Laleia,  Tuqueti  e  Natarbora.  

 

25  


Fixação   dos   contingentes   e   concessão   de   licenças   de   veículos   de   passageiros   afectos   ao   transporte   de   aluguer,  com  a  definição  de  áreas  de  estacionamento  e  parqueamento  de  veículos  de  transporte  de  aluguer   (Táxis)  em  Manatuto.  

 

26  


Natarbora  –  Darwin   Construção   de   porto   e   facilidades   para   ligação   via   marítima   (ferry)   entre   a   costa   sul   de   Timor   (Natarbora-­‐ Naan  kurun)  e  Northern  Territory  na  Austrália  (Darwin).   Considerando   a   distância   entre   Darwin   e   Natarbora   (640   km),   a   ligação   via   marítima   (ferry)   poderia   ser   efectuada  com  uma  duração  de  9,30  a  16  horas.   Esta  ligação  permitiria  a  circulação  de  veículos,  passageiros  e  mercadorias  entre  os  dois  territórios.   A   ligação   por   ferry   tornaria   possível   à   Austrália   a   circulação   de   veículos   para   fora   do   seu   território,   possibilitando  o  único  acesso  através  do  arquipélago  indonésio  ao  continente  asiático,  conectando-­‐se  à  rede  de   ferry’s  existente  na  Indonésia.   Esta   proposta   traria   benefícios   alargados,   possibilitando   o   acesso   de   bens   frescos   e   em   tempo   útil   (24   horas)   a   Timor  e  à  Austrália.  Neste  último  caso  possibilitando  a  exportação  para  consumo  de  bens  alimentares  em  NT   (legumes,  frutas,  etc.)  produzidos  em  Timor.   O   Turismo   seria   uma   área   que   muito   beneficiaria   com   esta   ligação.   A   ligação   com   a   rede   viária   da   Austrália,   faria  de  Timor,  destino  e  ponto  de  passagem  de  todos  aqueles  que  pretendessem  viajar  autonomamente.    

 

 

 

 

   

  27  


AUTO EXPRESS 65 YARD NO: 263 & 264

“SHINAS” AND “HORMUZ”

DESTINATION: OMAN

PRINCIPAL DIMENSIONS Length overall Length (waterline) Beam (moulded) Hull depth (moulded) Hull draft (maximum)

64.8 metres 61.1 metres 16.5 metres 6.2 metres 2.1 metres

DELIVERED: 2008

PAYLOAD AND CAPACITIES Passengers Crew Vehicles Maximum axle loads Aft main deck Remainder of main deck Vehicle deck clear height Helicopter Fuel

208 12 56 or 54 truck lane metres plus 34 cars 9 tonnes (single wheel) 12 tonnes (dual wheel) 3 tonnes (single wheel) 3.1 metres Agusta Westland AB139 or equivalent 44,000 litres

PROPULSION Main engines

CLIENT: SULTANATE OF OMAN

Gearboxes Waterjets

4 x MTU 20V 1163 TB73L 4 x 6,500 kW 4 x Reintjes 4 x Kamewa 90 SII

PERFORMANCE Service speed (95% MCR)

51.5 knots

CLASSIFICATION Det Norske Veritas / IMO HSC 2000

     

 

 

28  


Vessel type: 65m High Speed Vehicle-Passenger Catamaran             PROFILE               BRIDGE DECK                 UPPER DECK               MAIN DECK               HULLS          

AUTO EXPRESS 65

DESTINATION: OMAN DELIVERED: 2008 CLIENT: SULTANATE OF OMAN

 

YARD NO: 263 & 264

“SHINAS” AND “HORMUZ”

  Igualmente   deverá   ser   considerada   no   futuro   a   possibilidade   de   ligação   entre   Manatuto-­‐Vila   e   a   ilha   de   Wetar   em   Maluku.   Esta   ligação   permitiria   retirar   do   100 Clarence Beach Road Tel +61 8 9410 1111 isolamento  as  comunidades  que  habitam  aquela  ilha  remota  da  província  de  Maluku   Henderson Fax +61 8 9410 2564 Westernapenas   Australia 6166 sales@austal.com que   dista   66   km   de   Timor-­‐Leste   e   se   encontra   a   460   da   sua   capital   www.austal.com administrativa.   A   comunicação   entre   os   dois   territórios   permitiria   igualmente   o  

29  


reforço  dos  laços  históricos,  culturais  e  familiares  que  ligam  as  duas  comunidades.  De  igual  modo  possibilitaria   o  desenvolvimento  das  trocas  económicas,  o  negócio  e  o  comércio.        

 Acção  social  e  habitação   A  erradicação  da  pobreza  e  a  promoção  do  desenvolvimento  social  é  também  um  dos  vectores  fundamentais   da   acção   das   administrações   municipais.   O   desenvolvimento   de   programas   de   assistência   social   e   ajuda   humanitária  aos  mais  desfavorecidos  em  concertação  de  esforços  com  as  ONGs    e  a  Igreja,  com  a  criação  de   uma  Comissão  de  Coordenação  Municipal  deverá  constituir  uma  estratégia  para  a  resolução  destas  situações.   Em   coordenação   com   o   Ministério   da   Segurança   Social,   o   município   deverá   realizar   levantamento   das   necessidades   de   apoio   e   acompanhamento   das   camadas   desfavorecidas   da   população,   nomeadamente   os   idosos,   deficientes   e   vitimas   de   violência   doméstica.     Em   parceira   com   as   ONGs   e   instituições   religiosas   ou   entidades  privadas  desenvolver  esforços  para  a  construção  de  Lares  ou  centros  de  dia  para  idosos,  Centros  de   apoio   a   deficientes   e   Centros   de   apoio   a   vitimas   de   violência   doméstica,   que   prestem   o   devido   apoio   e   acompanhamento  a  estes  cidadãos.       Criação   da   rede   municipal   de   protecção   de   menores   –  Sendo  esta  uma  das  preocupações  da  comunidade  e  do   município,   deverão   ser   identificados   as   parcerias   e   criada   uma   estrutura   funcional   para   a   efectiva   protecção   dos  menores  vitimas  de  violência  e  maus  tratos  entre  outros.     Construção   de   habitação   social   –  O  Município  através  de  um  processo  de  auscultação  dos  Chefes  de  Suco  e   outras   entidades   e   intervenientes   deve   identificar   as   necessidades   existentes   e   encontrar   os   espaços   para   edificação  de  unidades   de   habitação   social   a   criar   em   todos   os   sucos,  estabelecendo  as  áreas  consideradas   prioritárias.   Considerado   o   valor   da   arquitectura   tradicional   e   da   sua   adequabilidade   ao   meio   deverão   ser   estas  técnicas  integradas  na  construção  de  habitação  social.     Ao  município  compete  igualmente  fomentar   e   gerir   o   parque   habitacional   de   arrendamento   social    de  uma   forma  equilibrada  e  justa.   Promover  programas  de  habitação  a  custos  controlados  e  de  renovação  urbana   –   Assegurando   a   capacidade   de   aquisição   de   habitação   própria,   o   Município   deverá   criar   um   programa �� de   apoio   directo   à   construção   ou   através   de   cooperativas   para   garantir   este   direito   aos   seus   cidadãos.   Esta   possibilidade   deverá   ser   considerada   para   a   construção   de   habitação   nova   ou   para   a   recuperação   ou   substituição   de   habitações   degradadas   habitadas   pelos   proprietários   ou   por   arrendatários,   melhorando   assim   a   qualidade   de   vida   das   populações.   Desta   forma   garantindo   a   conservação   e   manutenção   do   parque   habitacional   privado   e   cooperativo   do   município.  

Saúde   Participar  no  planeamento  da  rede  de  equipamentos  de  saúde  municipais  e  comunitários   Tendo   presente   a   forte   incidência   de   doenças   respiratórias   (tuberculose)   na   população   de   Manatuto,   deverá   o   Município  criar  as  condições  para  a  recuperação  do  Sanatório  de  Laclubar.   Construir,   manter   e   apoiar   os   centros   de   saúde   comunitários   de   nível   2   e   suas   clínicas   móveis,   centros   de   saúde   comunitária  de  nível  3  e  4  e  de  Postos   de   Saúde   de   aldeia,  fazendo  chegar  os  cuidados  de  saúde  a  toda   a  população  do  município.   Participar  na  definição  das  políticas  e  das  acções  de  saúde  pública  em  articulação  com  o  Ministério  da  Saúde.   Participar  no  plano  da  comunicação  e  de  informação  do  cidadão  em  matéria  de  saúde  através  de  programas   de  promoção  da  higiene  e  saúde  e  de  planeamento  familiar.   Cooperar   no   sentido   da   compatibilização   da   saúde   pública   com   o   planeamento   estratégico   de   desenvolvimento  municipal  apoiando   o   programa   de   controlo   epidemiológico   e   vacinação   em   articulação   com   o  Ministério  da  Saúde  e  integrando  as  iniciativas  das  diversas  instituições  como  sejam  as  ONGs.  

Protecção  social   Criação   de   corpos   de   bombeiros   municipais   –   Em   articulação   com   o   Ministério  da  Defesa  e  Segurança.   Construção  e  manutenção  de  quartéis  de  bombeiros  –  O  Município  deverá   proceder  à  construção  de  infraestruturas  para  os  quartéis  de  bombeiros  a   edificar   nas   sedes   de   postos   administrativos   em   Lacló,   Laclubar,   Laleia,   Natarbora   e   Soibada,   sendo   prioritária   a   edificação   do   Quartel   de   Bombeiros  Municipais  em  Manatuto  Vila.  

 

30  


Construção,  manutenção  e  gestão  de  instalações  e  centros  municipais  de  protecção  civil  –  Manatuto  é  um  dos   municípios   nacionais   em   que   o   risco   de   cheias   é   maior,   especialmente   na   costa   sul   e   nas   zonas   aluviais   da   ribeira   de   Lacló   e   Sumasse.   De   igual   modo   a   ocorrência   de   terramotos   e   deslizamentos   de   terras   é   um   dos   factores   a   ter   em   conta   para   que   o   município,   desenvolva   políticas   e   estratégias   de   gestão   de   riscos   e   desastres,  devendo  para  este  efeito  identificar  os  locais  que  oferecem  melhores  condições  para  a  edificação  de   infra-­‐esturas  de  protecção  civil  em  caso  de  calamidade.   Construção   e   manutenção   de   infraestruturas   de   prevenção   e   apoio   ao   combate   a   fogos   florestais  -­‐  Um  em   cada  sub-­‐distrito  e  torres  de  vigilância  de  fogos  florestais  em  Ilimano,  Foho  Curi,  Foho  Maubere,  Foho  Quiribi,   Foho  Melamauc.   Garantir  a  execução  de  programas  de  limpeza  e  beneficiação  das  matas  e  florestas,  integrando  efectivos  do   exército   destacados   para   o   efeito   e   programas   de   jovens   para   a   intervenção   ambiental   e   protecção   do   património  natural.  

Educação  e  formação  profissional   Construção,   apetrechamento   e   manutenção   dos   estabelecimentos   de   educação   pré-­‐escolar   e   escolas   do   ensino   básico  garantindo  o  desenvolvimento  e  requalificação  do  parque  escolar  no  município  e  as  condições   para  a  formação  de  qualidade  dos  jovens  de  Manatuto.  Sendo  uma  instituição  de  referencia  onde  se  formaram   importantes  quadros  e  intelectuais  de  Timor-­‐Leste,  deverá  o  município  proceder  à  reabilitação  e  recuperação   do  Colégio   de   Soibada,  valorizando  este  património  único,  integrando-­‐o  na  rede  de  instituições  de  ensino  do   município.   Apoiar  o  desenvolvimento  de  actividades  complementares  de  acção  educativa  na  educação  pré-­‐escolar  e  no   ensino  primário  promovendo  e  integrando  iniciativas  na  área  da  cultura  (teatro,...)  e  do  desporto,  entre  outras.   Garantindo  igualmente  as  condições  para  o  ensino  de  alunos  com  necessidades  especiais  com  a  introdução  de   língua  gestual  entre  outros  apoios.   Participar  no  apoio  à  educação  extra-­‐escolar  com  a  criação  de  um  serviço  de  bibliotecas  itinerantes  que  possa   levar  a  leitura  e  a  cultura  até  aos  lugares  mais  remotos  e  isolados  do  território,  servindo  a  todos  os  cidadãos.   Igualmente   deverá   o   município   promover   e   apoiar   iniciativas   de   educação   não   formal   e   o   trabalho   realizado   nesta  área  pelas  ONGs  e  instituições  religiosas.   Gerir   o   pessoal   não   docente   de   educação   pré-­‐escolar   e   do   ensino   primário   capacitando-­‐os   para   as   suas   funções  de  apoio  e  acompanhamento.   Assegurar  a  criação  e  gestão  de  refeitórios  dos  estabelecimentos  de  ensino  pré-­‐escolar  e  básico  em  regime   directo   ou   de   concessão,   garantindo   um   serviço   de   qualidade   e   uma   alimentação   cuidada   aos   jovens   estudantes  que  frequentem  as  escolas  do  município.   Aprovar   e   executar   o   plano   municipal   do   ensino   recorrente   garantindo   a   alfabetização   da   população.   Este   plano   poderá   integrar   a   participação   de   agentes   privados,   instituições   religiosas   e   ONGs,   competindo   ao   município  articular  as  diversas  iniciativas.   Rede  de  bibliotecas  Escolares  “No  Egipto  as  bibliotecas  chamavam-­‐se  ‘o  tesouro  dos  remédios  da  alma’.  Com   efeito,   nelas   curava-­‐se   a   ignorância,   a   mais   perigosa   das   enfermidades   e   a   origem   de   todas   as   doenças.”   (Bossuet).   O  Município  deverá  construir  e  equipar  uma  rede   formal   de   bibliotecas   escolares  disponibilizando   publicações   para   os   alunos   nas   línguas   oficiais   de   Timor-­‐Leste,   devendo   considerar   a   introdução   das   novas   tecnologias  e  criação  de  espaços  ou   centros  de  recursos  multimédia,  junto  dos  principais  estabelecimentos  de   ensino.   Em   articulação   com   a   Secretaria   de   Estado   para   a   Política   da   Formação   e   Emprego,   identificar   as   áreas   profissionais  de  maior  interesse  para  o  desenvolvimento  de  actividades  de  formação  profissional  apoiando  e   criando   Centros   de   Qualificação   e   Formação   e   escolas   técnicas   profissionais,   entre   as   quais   surgem   como   prioritárias  para  o  desenvolvimento  de  Manatuto  as  seguintes:   Centro  de  Formação  de  Pescas  a  edificar  na  região  de  Behau  ou  na  área  do  porto  de  pesca  de  Balak.   Centro  de  Formação  de  Mármores  a  criar  na  área  de  Behau-­‐Ilimano  em  colaboração  com  o  CEFOP.   O   município   deverá   promover   a   igualdade   de   oportunidades   no   acesso   ao   ensino   superior   com   a   implementação  de  um  programa  e  políticas  para  a  concessão  de  Bolsas  de  estudo  para  a  educação.  

 

 

31  


Cultura  e  património   Centros   de   Cultura,   centros   de   ciência,   bibliotecas,   teatros   e   museus   municipais.   Neste   âmbito   o   município   deverá   proceder   á   construção   de   um   Cine-­‐Teatro   Municipal   a   edificar   em   Manatuto   Vila   e   de   um   Museu   e   Arquivo  Histórico  Municipal  .   O  município  deverá  realizar  um  trabalho  exaustivo  de  classificação  de  imóveis,  conjuntos  ou  sítios  nos  termos   definidos   em   diploma   legal,   especificamente   aprovado   para   o   efeito,   promover   e   participar   mediante   a   celebração   de   protocolos   com   entidades   públicas   ou   cooperativas,   na   conservação   e   recuperação   do   património  e  das  áreas  classificadas  preservando  o  seu  legado  cultural,  paisagístico  e  urbanístico.   Organizar  e  manter  actualizado  um  inventário  do  património  cultural,  urbanístico  e  paisagístico  existente  na   área  do  município  promovendo  os  aspectos  culturais  próprios  de  Manatuto  e  das  várias  etnias  que  integram  o   território,   nomeadamente   pela   identificação   das   suas   tradições   e   costumes   e   arquitectura   tradicional,   incentivando  através  de  programas  específicos  a  sua  conservação  e  continuidade.   Gerir  museus,  edifícios  e  sítios  classificados,  nos  termos  a  definir  por  lei  em  articulação  com  o  Ministério  do   Turismo  e  com  o  Ministério  da  Agricultura  e  Pescas.   Identificar  e  apoiar  as  actividades  e  projectos  de  interesse  municipal  e   os   agentes   culturais   não   profissionais   criando   um   programa   de   incentivo  e  apoio  aos  actores  e  agentes  culturais,  sejam  eles  indivíduos   (artistas)  ou  colectividades.  Neste  particular  deve  ser  criada  uma  relação   de   grupos   musicais   e   de   dança   tradicional   (tebedais)   apoiando   a   sua   constituição   formal   por   forma   a   poderem   ser   subvencionadas   as   suas   actividades   de   promoção   do   turismo   e   dos   valores   culturais   e  étnicos  do   município.   Apoiar   a   construção   e   conservação   de   equipamentos   culturais   de   âmbito   municipal   ou   comunitário   nomeadamente   espaços   de   exibição   cultural,  recintos  de  espectáculos  e  cine-­‐teatros,  entre  outros.   Tendo  presente  os  laços  históricos  e  culturais  entre  as  populações  de  Manatuto  e  da  ilha  de  Wetar  em  Maluku,   o  município  deverá  promover  as  trocas  recíprocas  e  intercâmbios  entre  as  respectivas  comunidades.    

Juventude,  desporto  e  tempos  livres  

Parques  de  campismo  de  interesse  municipal  –  O  Município  deverá  identificar  as  áreas  e  licenciar/concessionar   a  instalação  de  parques  de  campismo  em  áreas  como  Foho  Maubere,  Foho  Crui,  Laleia  e  Nakura  na  costa  sul.   Instalação   de   equipamentos   para   a   prática   desportiva   e   recreativa   de   interesse   municipal   com   a   criação,   manutenção   e   gestão   de   recintos   desportivos   e   campos   de   jogos   e   instalações   de   apoio   para   a   prática   de   desportos   náuticos   entre   outros.   Neste   âmbito   deverá   o   município   construir   uma   piscina   municipal   em   Manatuto  Vila.   Licenciar  e  fiscalizar  recintos  de  espetáculos   Apoiar   actividades   desportivas   e   recreativas   de   interesse   municipal   –   Campeonatos   e   torneios   de   desporto   colectivo  (futebol,  basquete,  ...)  entre  os  clubes  dos  postos  administrativos  do  município.   Apoiar   a   construção   e   conservação   de   equipamentos   desportivos   e   recreativos   de   âmbito   local   -­‐   As   infraestruturas   e   actividades   de   turismo   de   desporto   e   aventura,   nomeadamente   a   vela,   a   canoagem,   a   caminhada,  o  mergulho,  (...)  a  criar  nas  áreas  prioritárias  de  desenvolvimento  turístico  no  município,  deverão   ser   desenhadas   por   forma   a   integrar   a   participação   das   comunidades   de   jovens  e  demais  cidadãos.   Centros  Multiusos  para  Jovens   No   quadro   do   programa   de   governo,   o   Município   deverá   proceder   á   construção   de   Centros   Multiuso   para   Jovens   em   todos   os   postos   administrativos  de  Manatuto.   Na   sede   administrativa   do   Município   deverão   ser   construídas   com   carácter   prioritário   infraestruturas   que   possuam   as   funcionalidades   de   um  Centro  de  Juventude  Municipal.  

Abastecimento  público   Distribuição   de   energia   elétrica   em   baixa   tensão   –   É   da   competência   do   Município   fazer   chegar   a   todos   os   fogos  habitacionais  o  abastecimento  público  de  energia  elétrica.   Iluminação   pública   urbana   e   rural   A   criação   de   um   serviço   de   gestão   e   manutenção   dos   equipamentos   de   iluminação   pública   é   uma   das   competências   do   município   que   devem   ser   asseguradas,   desta   forma   garantindo   em  segurança  a  circulação  de  veículos  e  pessoas.  Deverão  ser  implementadas  sempre  que  possível  soluções  de  

 

32  


energia  alternativa  (eólica,  solar,  ...)  para  a  iluminação  pública.  Estas  soluções  tornam  exequíveis  a  extensão  do   serviço  de  iluminação  às  regiões  rurais  e  remotas  do  território  onde  a  rede  de  distribuição  não  pode  chegar.   Investimento   em   centros   produtores   de   energia   e   gestão   de   redes   de   distribuição.   O   Município   deverá   implementar  programas  de  apoio  à  produção,  distribuição  e  utilização  de  fontes  de  energia  alternativa  (solar,   eólica,  ...)  que  permita  a  sua  larga  aplicação  nomeadamente  nas  áreas  remotas  e  mais  isoladas.   Abastecimento   e   distribuição   de   água.   Sendo   a   água   um   dos   bens   essenciais   para   a   sobrevivência   das   populações,   o   Município   deverá   criar   as   estruturas   e   as   condições   necessárias   para   servir   os   seus   munícipes,   através   da   implementação   da   rede   pública   de   distribuição   e   de   alternativas   de   abastecimento   por   furos   artesianos.      

Apoio  às  actividades  produtivas   Produção  animal  -­‐  Veterinário,  técnico  de  produção  animal  e  inspeção  veterinária   Construção   de   um   Matadouro   Municipal   em   Manatuto   Vila   e   Matadouros   nos   postos   administrativos   de   Lacló,   Laleia,  Laclubar,  Soibada  e  Natarbora.   Deverão   igualmente   ser   construídas   estruturas   e   sistemas   de   frio   em   todos   os   postos   administrativos   que   possam  servir  a  distribuição  e  comercialização  da  produção  animal.     Pesca   -­‐   Nas   zonas   costeiras   e   em   apoio   às   cooperativas   e   pesca   artesanal,   o   município   deverá   assegurar   a   edificação  de  estruturas  e  sistemas  de  frio  e  congelação  para  o  pescado  capturado  e  posterior  distribuição  e   comercialização  em  Manatuto  Vila,  Behau-­‐Ilimano,  Laleia  e  Natarbora.     Indústria  agro-­‐alimentar   Estudos  laboratoriais  de  qualidade  e  higiene  para  certificação  do  balichão,  promovendo  a  sua  comercialização   no  mercado  nacional  e  internacional,  tendo  em  conta  o  valor  atribuído  na  cozinha  asiática  a  este  produto  de   culinária.     Certificação   de   qualidade   e   marca   da   produção   de  tuaka,   com   engarrafamento   e   campanha   de   marketing   para   a   sua   comercialização   no   mercado   nacional   e   exportação,   revitalizando   as   economias   locais   onde   a   sua   produção  é  maior  (Manehat,  Soibada  e  Laclubar)   Incentivos  á  produção  de  mel  e  sua  comercialização  em  Behau,  Barique,  Cribas  e  Fatumakerak.   Programa  de  apoio  à  produção  de  etanol  em  Laclubar  e  Salau    

Apoio  à  acção  das  lideranças  comunitárias  tradicionais   Constituição  de  equipas  de  apoio  aos  chefes  de  suco  para  a  elaboração  dos  Planos  de  Desenvolvimento  Local.   Delegar  competências  e  meios  com  a  celebração  de  protocolos  de  colaboração  entre  o  Município  de  Manatuto   e  as  lideranças  comunitárias  tradicionais.  

Cooperação  externa   O  Município  deverá  participar  em  projectos  e  actividades  de  cooperação  descentralizada,  celebrando  acordos   de   geminação   e   protocolos   de   amizade   que   possibilitem   a   troca   de   experiências   e   intercâmbio   nos   diversos   domínios  da  vida  social  e  económica  das  suas  populações.  Para  este  efeito  deverá  ser  constituído  uma  Unidade   Municipal   de   Cooperação   Descentralizada   (UMCD)   que   de   uma   forma   consistente   trabalhe   esta   área,   potenciando  benefícios  e  sinergias,  igualmente  obviando  à  duplicação  de  esforços.   Atenção   especial   deverá   ser   dada   à   cooperação   com   os   Municípios   da   Comunidade   de   Países   de   Língua   Portuguesa,  a  que  Timor-­‐Leste  pertence  e  do  pacto   ASEAN.  Pela  proximidade  geográfica,  de  igual  modo  deverá   a  Comissão  Instaladora  e  futuro  Município  de   Manatuto  estreitar  laços  e  encontrar  formas  de  cooperação  com   estruturas  do  poder  local  da  Austrália  e  Nova  Zelândia.   A   Comissão   Instaladora   do   Município   deverá   aproveitar   a   experiência   reconhecida   de   outros   Municípios   que   já   demonstraram   interesse   em   cooperar   com   Manatuto,   nomeadamente   os   Municípios   de   Torres   Novas   e   Figueira   de   Castelo   Rodrigo   em   Portugal   e   Pittwater   Council,   da   Austrália,   muito   em   especial   nesta   fase   de   implementação  do  Município.  

 

33  


Conclusão  e  recomendações   Sumariamente  apresentam-­‐se  definidas  no  espaço  temporal  as  metas  mais  importantes  a  alcançar  no  processo   de  descentralização  e  municipalização  em  Manatuto:   Curto  prazo  (2014-­‐2015)   • •

Consolidação   instituições,   edifício   município,   residência   funcionários   e   presidentes,   edifício   da   assembleia  municipal,  edifícios  dos  postos  administrativos.   Formação  específica  para  a  capacitação  de  funcionários  e  técnicos  municipais  -­‐  Desenvolvimento   de   programas  de  formação  de  funcionários  e  titulares  dos  órgãos  municipais  e  funcionários  municipais   em   matéria   de   administração   pública,   finanças,   planeamento,   gestão   de   recursos   humanos   e   aprovisionamento.   Programa   de   apoio   a   empresários   locais   para   a   descentralização   (Linha   de   financiamento   para   o   investimento  empresarial  nos  municípios  como  instrumento  fundamental  para  um  desenvolvimento   económico   integrado   e   potenciador   dos   recursos   existentes,   criando   condições   de   sustentabilidade   para  a  descentralização.  

Médio  prazo  (2015-­‐2020)   •

Implementação   do   plano   desenvolvimento,   baseado   no   plano   estratégico   nacional   e   desenvolvimento   de  iniciativas  e  programas  intermunicípios.  

Longo  prazo  (2020-­‐2030)   •

Alcançar   os   objectivos   proposto   no   documento   de   apresentação   do   Plano   Estratégico   de   Desenvolvimento   Nacional   para   o   Município   de   Manatuto,   concretizando   a   meta   de   erradicação   da   pobreza  em  Timor-­‐Leste.  

  2014-­‐2015  

2020-­‐2030  

2015-­‐2020  

Entre   as   recomendações   afigura-­‐se   como   adequado   apresentar   como   proposta   que   o   Conselho   Consultivo   Municipal   integre   os   Chefes   de   Suco   e   representantes   das   confissões   religiosas,   associações   de   género,   Juventude   e   Veteranos,   criando   as   condições   de   uma   maior   participação   e   contribuição   destes   segmentos   representativos  da  sociedade.    

         

Manatuto,  20  de  Maio  de  2013      

  Representante  da   Asosiasaun  Klibur  Manatuto  Anan      

 

Administrador  Sub-­‐Distrito  Lacló  

   

Administrador  Sub-­‐Distrito  Laclubar    

Administrador  Sub-­‐Distrito  Laleia  

   

Administrador  Sub-­‐Distrito  Manatuto    

Administrador  Sub-­‐Distrito  Barique  

 

Administrador  Sub-­‐Distrito  Soibada  

   

               

 

Administrador  do  Distrito  de  Manatuto    

 

   

 

 

 

34  


Anexos  

Associação  Klibur  Manatuto  Anan    

 

 

 

 

Requerimento   de   Admissibilidade   da   Associação   Klibur   Manatuto   Anan,   junto   do   Ministério   da   Justiça   (Direcção  nacional  dos  registos  e  Notariado).      

 

 

Convocatória da Associação Klibur Manatuto Anan Encontro da Associação Klibur Manatuto Anan, realizada em Behau no dia 19 de Janeiro de 2013

 

Primeiro Encontro e Conferência da Klibur Manatuto Anan

 

35  


PREÂMBULO

Considerando que o distrito de Manatuto é caracterizado por uma riqueza singular. Considerando que o distrito de Manatuto se encontra localizado na zona central do país, com uma área de 1.706 km², abarca a costa norte e sul do país. A norte confina com o mar do Estreito de Wetar, a nascente com os distritos de Baucau e Viqueque, a sul com o Mar de Timor e a poente com os distritos de Manufahi, Aileu e Díli. O norte compreende os sub-distritos de Manatuto, Lacló e Laleia. O centro agrega os sub-distritos de Laclúbar e Soibada e o sul integra o sub-distrito de Barique. Considerando que são quatro os dialectos mais falados na zona, com áreas de difusão claramente demarcadas: no norte fala-se o galóli, no centro o habú e o idaté e no sul o tétum. Ainda que, percentualmente, o galóli não seja dos principais dialectos do país, ele assume perticular relevância em Timor, como idioma reconhecido com o estatuto de “língua nacional” pela Constituição da RDTL. Além destes quatro dialectos, nas montanhas de Lacló, o mambae e o Dadu’a destacam-se como dialectos principais, enquanto em Cairui se fala o Midiki. Considerando que uma das características a ser destacada nesse contexto é a gestão directa das microetnias e línguas – o lo’oc e o samoro, contando com uma parcela de kaladi –, que possibilitam à associação um conhecimento privilegiado das dificuldades e potencialidades da comunidade local, nomeadamente, as relações sociais nas suas diferenças e especificidades. Isso possibilita à Associação actuar como um interlocutor entre as políticas públicas e a comunidade local, servindo como mediador dentro e fora do próprio distrito. Considerando que a Associação tem como pressupostos básicos compreender e respeitar as demandas locais, despertar o sentido de pertença a uma localidade e a participação efectiva da comunidade na definição das acções e do espaço público. Assim sendo, a Associação tem como filosofia “Promover a comunidade de Manatuto no seu próprio meio, facultar à comunidade oportunidades e permitir que a comunidade desempenhe um papel dentro do espaço em que vive”. Para que este pensamento se torne realidade, é preciso despertar no indivíduo a consciência de que ele, enquanto cidadão, é responsável pela sua comunidade, deve ser participativo e pautar a sua conduta sob o lema “Da tradição consolidamos a unidade para o desenvolvimento”. Considerando que para alcançar esse fim, a Associação apresenta três objectivos primordiais: a) A construção de uma sociedade justa e solidária, tendo como pressuposto a inclusão democrática e participativa de todos os segmentos sociais; b) O respeito pelas diferentes temporalidades, pluralidades e diferenças culturais; c) A valorização e preservação da cultura, das tradições, das experiências e costumes da comunidade. Considerando que os três princípios enunciados têm como fonte inspiradora o trabalho social da Associação e norteiam todas as relações e as actividades desde a sua criação. De maneira sintética,

1) O objecto da KLIBUR MANATUTO ANAN é contribuir para o progresso, o desenvolvimento sócio-cultural e a estabilidade do distrito de Manatuto, estimulando os esforços dos seus associados nos domínios científico, profissional, social e cultural. 2) Neste enquadramento, são objectivos da KLIBUR MANATUTO ANAN: a) Promover e reforçar a unidade de todos os filhos de Manatuto; b) Reunir todos os moradores de Manatuto, a fim de planificar e desenvolver objectivos e estratégias comuns, em benefício do seu distrito; c) Criar núcleos de actividades em qualquer área do distrito de Manatuto, inclusive através da mobilização de entidades governamentais e organizações não governamentais nacionais e internacionais; d) Propor, promover, apoiar, coordenar, organizar e/ou executar iniciativas ou propostas internas ou externas à associação que visem a investigação, o desenvolvimento social, cultural, económico, turístico, ambiental, entre outros, das comunidades ou populações de todo o distrito de Manatuto; e) Desempenhar um papel de mediador ou parceiro para impulsionar o desenvolvimento integrado das comunidades ou das populações; f) Desempenhar um papel impulsionador e acompanhar programas destinados a promover actividades sociais, culturais e científicas; g) Elaborar, conjuntamente com as comunidades visadas, estratégias de desenvolvimento onde se valorizem as potencialidades locais, inserindo-as dentro do sistema produtivo onde elas se possam tornar competitivas e de referência; h) Gerir tensões provocadas pelas estratégias adoptadas, tentando propor metodologias de aproximação às razões que provocam essas tensões, tanto da parte das instituições económicas e políticas, como das populações locais; i) Preparar, propor e acompanhar programas de intervenção social nos campos da higiene e saúde, alfabetização e formação; j) Organizar, preparar, assessorar, apoiar e divulgar cursos, acções de formação, estágios, congressos, jornadas, seminários, mesas-redondas, exposições que se relacionem com investigação e desenvolvimento social e cultural; k) Celebrar protocolos e parcerias com entidades nacionais e internacionais para a prossecução de objectivos estatutários; l) Recuperar, potencializar e divulgar o património cultural do distrito de Manatuto, em particular dos sub-distritos que o integram; m) Elaborar, debater e implementar projectos, programas e planos de acção que promovam o desenvolvimento social, económico, cultural e outros que sejam do interesse da comunidade de Manatuto; n) Divulgar actividades e eventos de cariz científico, cultural e social, desenvolvidos no distrito de Manatuto; o) Executar programas que concretizem o objecto social da associação; p) Contribuir para o fortalecimento do associativismo e do cooperativismo das entidades sociais, económicas e culturais da região; q) Fortalecer a cultura local e os seus valores históricos.

eles expressam o compromisso da organização de conceber e executar as suas acções de forma participativa, a partir da valorização da cultura e das experiências da comunidade. A associação pretende inspirar, encorajar e impulsionar as comunidades locais a alcançar a melhoria da qualidade de vida e a construir e fortalecer o exercício da sua cidadania. Considerando que o desafio da organização pauta-se, simultaneamente, por dar continuidade à sua história, valorizando-a, no contexto da sociedade contemporânea e do actual contexto social timorense. Esse compromisso está claramente expresso na visão e na missão da própria Associação que infra se descreve. No que respeita à visão da Associação, pretende-se que esta seja reconhecida pela comunidade, pelas autoridades governamentais, pelas lideranças e demais instituições da sociedade civil como uma organização parceira fundamental, que se pauta pelo objectivo primordial de alcançar o desenvolvimento sustentável e tornar-se um centro de referência distrital no desenvolvimento de uma comunidade inovadora e globalmente responsável. A missão da Associação é contribuir para a promoção do desenvolvimento sustentável da comunidade de Manatuto, tendo como eixo articulador o desenvolvimento desta, visando a melhoria da sua qualidade de vida e a construção de uma sociedade justa e equilibrada. Considerando que a criação da presente Associação resulta da vontade comum dos seus fundadores em dinamizar e promover o desenvolvimento do distrito de Manatuto, os mesmos, reunidos no dia 8 de Maio de 2010, em Díli, pretendem institucionalizar a Associação KLIBUR MANATUTO ANAN e adoptam os seguintes estatutos:

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO KLIBUR MANATUTO ANAN CAPÍTULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE E OBJECTO Artigo 1º (Denominação e natureza jurídica) 1) KLIBUR MANATUTO ANAN – Associação para o desenvolvimento do distrito de Manatuto, é uma associação de direito privado, sem fins lucrativos, que durará por tempo indeterminado. 2) A actividade da KLIBUR MANATUTO ANAN rege-se pela lei, pelos presentes estatutos e respectivos regulamentos. Artigo 2º (Sede) A KLIBUR MANATUTO ANAN tem a sua sede na cidade de Manatuto, podendo criar filiais ou núcleos noutras cidades, dentro e fora do território nacional. Artigo 3º (Objecto)

CAPÍTULO SEGUNDO ASSOCIADOS, DIREITOS E DEVERES Artigo 4.º (Associados) 1) A KLIBUR MANATUTO ANAN tem as seguintes categorias de associados: a) Fundadores; b) Efectivos; c) Beneméritos; d) Honorários. 2) São associados fundadores os que participaram na criação da associação; 3) São associados efectivos os que pagam as quotas mensais e/ou prestam serviços na associação; 4) São associados beneméritos os indivíduos ou entidades, públicas ou privadas, que pela concessão de donativos ou outras formas de financiamento, tenham contribuído para os objectivos prosseguidos pela KLIBUR MANATUTO ANAN; 5) São associados honorários: a) As associações nacionais ou estrangeiras cujas normas estatutárias permitam a qualidade de associado ou membro da KLIBUR MANATUTO ANAN; b) As pessoas individuais ou colectivas cuja acção/actividade se desenvolva em prol de objectivos que se enquadrem nos objectivos prosseguidos pela KLIBUR MANATUTO ANAN. Artigo 5º (Admissão dos associados) 1) Compete à Direcção, nos termos do regulamento respectivo, a decisão sobre a admissão de associados efectivos. 2) Os novos associados deverão ser propostos por um dos associados fundadores ou efectivos. 3) Compete à Assembleia Geral, nos termos do regulamento respectivo, a admissão de sócios honorários e beneméritos. Artigo 6º (Direitos dos associados) 1) São direitos dos associados: a) Participar nas actividades da associação; b) Votar para os órgãos sociais; c) Ser eleito para os órgãos sociais; d) Usufruir de quaisquer benefícios que venham a ser concedidos pela associação. 2) São excluídos do âmbito da alínea b), c) e d) do número anterior os associados honorários e beneméritos. Artigo 7º (Deveres dos associados) 1) Constituem deveres dos membros da KLIBUR MANATUTO ANAN: a) Contribuir para a realização dos objectivos estatutários;

 

36  


b) Pagar uma jóia de admissão e as quotas periódicas; c) Desempenhar as funções para as quais tenham sido eleitos ou nomeados, sem prejuízo do disposto nos artigos oitavo e nono; d) Zelar pelo bom nome da associação; e) Cumprir e fazer cumprir o regimento interno. 2) São excluídos do âmbito da alínea b) do número anterior os associados honorários e beneméritos. Artigo 8º (Suspensão de direitos dos associados) São suspensos do gozo dos seus direitos estatutários os membros que faltem ao pagamento das quotas durante mais de três meses. Artigo 9º (Perda da qualidade de associado) 1) Perde a qualidade de membro da KLIBUR MANATUTO ANAN o associado que: a) Solicite a sua desvinculação, mediante comunicação por escrito dirigida à Direcção; b) Deixe de pagar as quotas por mais de seis meses; c) Deixe de cumprir as obrigações estatutárias e regulamentares ou atentem contra os interesses da associação. 2) A exclusão nos termos da alínea c) do número anterior será sempre decidida em Assembleia Geral, com a indicação do assunto na ordem de trabalhos. Artigo 10º (Readmissão do associado) 1) Os membros que hajam sido desvinculados da KLIBUR MANATUTO ANAN, nos termos das alíneas a) e b) do número um do artigo anterior e nela desejem reingressar, ficarão sujeitos às mesmas condições que os novos candidatos, salvo caso de força maior, devidamente justificado e reconhecido como tal pela Direcção. 2) A readmissão de membros excluídos da KLIBUR MANATUTO ANAN, nos termos da alínea c) do número um do artigo anterior, será sempre decidida em Assembleia Geral, com indicação do assunto na ordem de trabalhos. CAPÍTULO TERCEIRO ORGANIZAÇÃO Artigo 11º (Órgãos sociais) 1) São órgãos sociais da KLIBUR MANATUTO ANAN: a) a Assembleia Geral; b) o Conselho Geral; c) a Direcção; d) o Conselho Fiscal.

2) A Assembleia Geral reúne ordinariamente, de três em três anos, nos primeiros dois meses do ano civil, para exercer as atribuições previstas na alínea a) do artigo décimo quarto. 3) A Assembleia Geral reúne ordinariamente, sempre que a Direcção a convocar nos termos fixados nos presentes estatutos e, para exercer as atribuições previstas na alíneas d), e), f), g) e h) do artigo décimo quarto. 4) A Assembleia Geral reúne, extraordinariamente, sempre que seja requerida, por escrito, a sua convocatória, com um fim legítimo, por um conjunto de associados de pelo menos vinte por cento da sua totalidade, no pleno gozo dos seus direitos.

2) O funcionamento dos órgãos sociais, bem como o processo de eleição e a competência dos respectivos titulares serão objecto de regulamento próprio, salvas as disposições legais imperativas. Artigo 12º (Mandato) 1) Só os membros fundadores e efectivos podem presidir a qualquer um dos órgãos mencionados no número anterior. 2) O mandato dos membros eleitos ou designados é de três anos, cessando no acto de posse dos membros que lhes sucederem. 3) Cada membro não poderá ser eleito ou designado para o mesmo cargo por mais de dois mandatos consecutivos. 4) Nenhum membro é obrigado a aceitar a nomeação para um cargo de um órgão. Artigo 13º (Assembleia geral) A Assembleia Geral é o órgão soberano da KLIBUR MANATUTO ANAN e é constituída pelos associados fundadores e efectivos no pleno gozo dos seus direitos. Artigo 14º (Competências) 1) Para além das competências que legalmente são definidas à Assembleia Geral compete ainda: a) Eleger os membros da respectiva Mesa, da Direcção e do Conselho Fiscal; b) Decidir sobre as alterações dos estatutos mediante o voto favorável de três quartos do número dos associados presentes; c) Discutir os actos da Direcção e do Conselho Geral, deliberando sobre eles; d) Apreciar o relatório e contas relativas ao ano findo, acompanhados do parecer do Conselho Fiscal; e) Aprovar ou alterar os regulamentos sobre o funcionamento dos Órgãos Sociais, o processo eleitoral e a admissão de membros da Associação; f) Estabelecer, sob proposta da Direcção, o quantitativo da jóia de admissão e quotas; g) Decidir sobre a exclusão de membros da Associação no caso previsto na alínea a) do número um do artigo nono; h) Decidir sobre a readmissão de membros excluídos nos termos da alínea c) do número um do artigo nono; i) Decidir sobre a dissolução da Associação mediante o voto favorável de três quartos do número de todos os associados. 2) Para os termos do previsto nas alíneas b) e i) do número anterior a Assembleia Geral terá que ser expressamente convocada para o efeito. Artigo 15º (Reuniões) 1) As reuniões da Assembleia Geral serão dirigidas por uma Mesa constituída por um presidente, um vice-presidente e um secretário.

e) Dar parecer sobre o programa de actividades e a estimativa orçamental para o ano seguinte elaborados pela Direcção; f) Sugerir à Direcção a tomada de iniciativas que considere oportunas e dar parecer sobre todos os assuntos relativamente aos quais os outros órgãos sociais julguem conveniente ouvi-lo. Artigo 20º (Presidência) A presidência do Conselho Geral cabe ao presidente da Mesa da Assembleia Geral.

Artigo 16º (Deliberações) 1) As deliberações da Assembleia Geral são tomadas por maioria absoluta de votos dos presentes, salvo nos casos em que a lei ou os presentes estatutos disponham o contrário. 2) Cada membro da Assembleia dispõe de um voto. Artigo 17º (Convocatória) 1) As convocatórias para as reuniões da Assembleia Geral serão afixadas mediante aviso na sede da Associação, com um mínimo de dez dias de antecedência. 2) As convocatórias indicarão o dia, a hora e o local da reunião e a respectiva ordem de trabalhos. 3) A Assembleia Geral funcionará, em primeira convocatória, com pelo menos metade dos associados no pleno gozo dos seus direitos. 4) Caso esse número não esteja presente, a Assembleia Geral funcionará meia hora depois, com qualquer número de presenças. Artigo 18º (Conselho Geral) Constituem o Conselho Geral: a) Os elementos que integram a Mesa da Assembleia Geral; b) Os elementos que integram a Direcção; c) Os membros da Direcção do mandato antecedente. Artigo 19º (Competências) 1) O Conselho Geral tem funções de carácter deliberativo e consultivo. 2) Ao Conselho Geral compete: a) Aprovar, alterar ou homologar os regulamentos internos, com exclusão dos referidos na alínea e) do artigo décimo quarto; b) Resolver os casos omissos ou duvidosos dos estatutos, submetendo as decisões a ratificação da Assembleia Geral seguinte; c) Decidir sobre o preenchimento provisório de vagas na Mesa da Assembleia Geral, na Direcção e no Conselho Fiscal; d) Autorizar o dispêndio do fundo de reserva;

 

Artigo 21º (Reunião) 1) O Conselho Geral reúne ordinariamente todos os trimestres e, extraordinariamente, sempre que o respectivo presidente o convoque, seja por iniciativa própria, por solicitação da Direcção ou a requerimento de quatro quaisquer dos seus membros. 2) Serão elaboradas actas de todas as reuniões do Conselho Geral. Artigo 22º (Direcção) A Direcção é constituída por um presidente, um vice-presidente, um secretário, um tesoureiro e um vogal. Artigo 23º (Competências) 1) Compete à Direcção representar a KLIBUR MANATUTO ANAN em juízo e fora dela, considerando-se esta obrigada pela assinatura solidária do presidente da Direcção e de mais dois elementos do mesmo órgão social. 2) Compete ainda à Direcção: a) Promover a prossecução dos objectivos e o exercício das atribuições da Associação; b) Propor à Assembleia Geral o quantitativo da jóia de admissão e quotas; c) Gerir as actividades da Associação cumprindo e fazendo cumprir as disposições dos Estatutos e regulamentos internos e as decisões da Assembleia Geral e do Conselho Geral, bem como administrar os bens e fundos que lhe são confiados; d) Elaborar ou promover a elaboração ou alteração de regulamentos internos; e) Elaborar o relatório de contas relativo ao ano findo; f) Elaborar o programa de actividades e a estimativa orçamental relativos ao ano imediato e dar-lhes execução, depois de, sobre eles, ouvir o Conselho Geral; g) Admitir associados, suspendê-los, desvinculá-los e propôr a sua exclusão. Artigo 24º (Conselho Fiscal) O Conselho Fiscal é constituído por um presidente, um secretário e um relator.

37  


Artigo 25º (Competências) Ao Conselho Fiscal compete: a) Examinar, pelo menos semestralmente, a gestão económico-financeira da Direcção; b) Dar parecer sobre o relatório e contas anualmente apresentados pela Direcção para apreciação em Assembleia Geral; c) Comparecer nas Assembleias Gerais quando convocados pela Direcção, a fim de prestar esclarecimentos sobre os pareceres emitidos ou qualquer matéria do seu domínio. Artigo 26º (Eleição) 1) A eleição dos elementos da Mesa da Assembleia Geral, da Direcção e do Conselho Fiscal é feita por escrutínio secreto, directo e universal, podendo ser utilizado o voto por correspondência, não sendo permitido o voto por delegação. 2) A eleição é feita por votação de listas específicas para cada um dos órgãos, considerando-se eleitos os candidatos das listas mais votadas. Artigo 27º (Vacaturas) 1) Sempre que se verifique vacatura de um cargo da Mesa da Assembleia Geral, da Direcção ou Conselho Fiscal, por exclusão, desvinculação ou impedimento do membro eleito, será feito o seu preenchimento provisório, por designação do Conselho Geral, até ratificação na Assembleia Geral seguinte. 2) No caso de ficarem vagos, simultânea ou sucessivamente, mais de três quintos dos cargos de um mesmo órgão haverá lugar a novas eleições para esse órgão, cessando o mandato dos elementos assim eleitos na data prevista para o termo do mandato dos membros cessantes.

Artigo 29º (Despesas) As despesas da KLIBUR MANATUTO ANAN são as que resultam do exercício das suas actividades, em cumprimento dos Estatutos, regulamentos internos e as que lhe sejam impostas por lei. CAPÍTULO SEXTO Disposições Finais e Transitórias Artigo 30º (Dissolução da Associação) Sem prejuízo do disposto nas disposições legais aplicáveis em caso de dissolução os bens e fundos da associação terão o destino que a Assembleia Geral determinar, salvo disposições legais imperativas que imponham outro destino. Artigo 31º (Casos omissos) Os casos omissos serão resolvidos pela Assembleia Geral, de acordo com a legislação em vigor. Artigo 32º (Regime Transitório) Por decisão da Assembleia de Fundadores, a KLIBUR MANATUTO ANAN será dirigida no primeiro ano de existência pelo plenário dos membros fundadores, que acumularão as competências dos órgãos sociais e se comprometem à convocação da Assembleia Geral no prazo estabelecido. Membros fundadores da Associação KLIBUR MANATUTO ANAN,

CAPÍTULO QUINTO FUNDOS Artigo 28º (Receitas) Constituem receitas da KLIBUR MANATUTO ANAN: a) As jóias e quotas pagas pelos seus membros; b) Os subsídios, legados ou donativos que lhe sejam atribuídos; c) A retribuição de quaisquer actividades enquadráveis nos seus objectivos e atribuições; d) O rendimento dos bens, fundos de reserva ou dinheiros depositados.

                                                                       

 

 

38  


Sinopse:  Proposta  de  Lei  do  Poder  Local  e  da  Descentralização  Administrativa     •

Em   2009,   o   IV   Governo   Constitucional   apresentou   ao   Parlamento   Nacional   uma   Proposta   de   Lei   sobre   a   Divisão   Administrativa   do   Território,   a   qual   viria   a   ser   aprovada,   promulgada   e   publicada   sob   a   designação   de  Lei  n.º  11/2009,  de  7  de  Outubro  (encontrando-­‐se  em  vigor);  

O  aludido  diploma  legal  compreende  um  total  de  trinta  artigos,  agrupados  em  quatro  capítulos,  a  saber:  

o

Capítulo  I  –    Princípios  gerais;  

o

Capítulo  II  –  Municípios  de  Timor-­‐Leste;  

o

Capítulo  III  –  Criação,  modificação  e  extinção  de  municípios;  

o

Capítulo  IV  –  Disposições  finais  e  transitórias.  

O  diploma  legal  procede  ao  recorte  administrativo  do  território  em  treze  municípios,  cujas  circunscrições   territoriais   correspondem   aos   territórios   dos   distritos   administrativos   existentes,   designadamente:   Alieu,   Ainaro,   Baucau,   Bobonaro,   Cova   Lima,   Díli,   Ermera,   Lautém,   Liquiçá,   Manatuto,   Manufahi,   Oe-­‐cusse   Ambeno  e  Viqueque;   o

As  unidades  municipais  previstas:   §

Agrupavam  os  subdistritos,  que  por  essa  via  continuariam  a  ter  existência  legal;  

§

Compreenderiam   um   centro   administrativo,   localizado   na   povoação   de   maior   concentração  populacional,  de  infraestruturas  públicas;  

A  cada  um  dos  municípios  criados  corresponderia  uma  unidade  de  Poder  Local;   o

Os  Municípios  passaram  a  ser  definidos,  em  linha  com  o  conceito  vertido  no  artigo  72.º  da  CRDTL,   como   pessoas   colectivas   de   território,   dotadas   de   autonomia   administrativa   e   financeira   e   de   órgãos   representativos   eleitos,   que   visam   a   prossecução   dos   interesses   das   populações   respectivas  em  benefício  da  unidade  nacional  e  do  desenvolvimento  local;  

A  responsabilidade  pela  promoção  das  diligências  necessárias  para  a  efectiva  instalação  dos  municípios  são   acometidas   ao   Governo   (mantendo-­‐se   os   administradores   dos   distritos   em   funções   até   à   instalação   da   primeira  assembleia  municipal);  

A  Lei  n.º  11/2009,  de  7  de  Outubro  estabelece:   o

Requisitos   de   população   (mais   de   trinta   mil   habitantes)   e   de   território   (mais   de   trezentos   Kms   quadrados);  

o

Critérios  de  criação:  

o

§

A  vontade  da  maioria  das  populações  abrangidas,  manifes-­‐tada  em  consulta  popular;    

§

A  preservação  da  homogeneidade  etnolinguística  e  identidade  cultural  local;    

§

Um  equilíbrio  do  potencial  e  recursos  para  o  desenvolvimento;    

§

Factores  geográficos,  demográficos,  económicos,  sociais,  culturais  e  administrativos;    

§

Interesses  de  ordem  nacional  e  regional  ou  local  em  causa;    

§

A   existência   de   um   centro   administrativo   que   permita   a   instalação   dos   órgãos   municipais;    

§

A   comprovação   de   que   as   receitas   do   município   de   origem   e   do   novo   município   são   suficientes  para  a  prossecução  das  atribuições  que  lhe  estiverem  cometidas.    

Exigências   de   sustentabilidade   relativamente   a   eventuais   modificações   quer   na   configuração   territorial  dos  municípios  quer  na  configuração  populacional;  

         

 

39  


Sugestões:  Alteração  da  Lei  n.º  11/2009,  de  7  de  Outubro   • •

  Clarificação  e  distinção  entre  circunscrições  administrativas  (áreas  territoriais  para  efeitos  de  organização   da  administração  pública)  e  entidades  administrativas;   A  divisão  administrativa  do  território  deve  incluir:   o As  circunscrições  administrativas  ordinárias  de  conformação  da  organização  da  administração  dos   serviços  periféricos  da  Administração  Directa  e  Indirecta  do  Estado;   o A   possibilidade   de   criação   de   circunscrições   administrativas   especiais   para   organização   dos   serviços  periféricos  da  Administração  Directa  e  Indirecta  do  Estado;   o A  possibilidade  de  criação  de  zonas  francas  ou  zonas  de  economia  especial;   o A   definição   das   circunscrições   administrativas   para   organização   dos   órgãos   e   serviços   do   Poder   Local;   § Eliminação  das  referências  aos  subdistritos;   § Introdução   dos   Postos   Administrativos   como   circunscrições   administrativas   infra-­‐ municipais;   o Inclusão   dos   Sucos   no   âmbito   da   organização   administrativa   do   território,   sem   prejuízo   da   definição  legal  que  o  Venerando  Tribunal  de  Recurso  estabeleceu  para  os  mesmos.  

  Sinopse:  Proposta  de  Lei  do  Poder  Local  e  da  Descentralização  Administrativa     •

Verificada   a   caducidade   da   Proposta   de   Lei   do   Governo   Local,   apresentada   pelo   IV   Governo   Constitucional   ao  Parlamentar,  o  actual  Governo  encontra-­‐se  a  preparar  uma  nova  iniciativa  legislativa  que  estabeleça  o   regime  jurídico  do  Poder  Local  e  da  Descentralização  Administrativa;  

A  proposta  compreende  um  total  de  cento  e  setenta  e  três  artigos,  agrupados  em  dez  títulos,  a  saber:   o

Título  I  –  Disposições  Gerais  e  princípios  fundamentais;  

o

Título  II  –  Tutela  Administrativa;  

o

Título  III  –  Instituição  em  concreto  dos  Municípios;  

o

Título  IV  –  Atribuições  e  competências  dos  Municípios;  

o

Título  V  –  Órgãos  representativos  dos  Municípios;  

o

Título  VI  –  Serviços  municipais;  

o

Título  VII  –  Finanças  Municipais;  

o

Título  VIII  –  Descentralização  Administrativa;  

o

Título  IX  –  Associações  de  Municípios;  

o

Título  X  –  Relações  com  os  administrados;  

No  domínio  das  disposições  gerais  e  princípios  fundamentais,  a  iniciativa  legislativa  estabelece  o  conceito   jurídico   de   Município,   identifica   os   respectivos   órgãos,   estabelece   a   representação   do   Estado   junto   dos   mesmos   e   consagra   os   princípios   fundamentais   do   regime   jurídico   municipal   de   Timor-­‐Leste:   subsidiariedade,  legalidade,  independência,  descentralização,  administração  aberta  e  participada;  

Em   matéria   de   tutela   administrativa,   a   iniciativa   legislativa   consagra   a   opção   de   tutela   de   mera   legalidade,   sob  a  forma  de  tutela  administrativa,  consistindo:  

 

o

Na   previsão   de   gabinetes   municipais   de   inspecção   e   auditoria,   que   reportam   ao   Presidente   do   Município,   mas   também   à   Inspecção-­‐Geral   do   Estado,   Inspecção   de   Finanças   e   Inspecção   da   Administração  Estatal;  

o

A   faculdade   da   Inspecção-­‐Geral   do   Estado,   das   Finanças   e   da   Administração   Estatal   poderem   realizar  inspecções,  inquéritos  e  sindicâncias  ao  funcionamento  dos  órgãos  e  serviços  municipais;  

40  


o

A   possibilidade   de   o   Governo,   perante   a   comprovação   da   prática   reiterada   de   ilegalidades   na   actividade   ou   funcionamento   dos   órgãos   representativos   do   Município   poder   determinar   a   sua   dissolução  e  convocação  de  novas  eleições,  sem  prejuízo  do  direito:   §

Dos   órgãos   municipais   poderem   defender-­‐se   no   âmbito   dos   processos   de   tutela   inspectiva;  

§

Dos   órgãos   municipais   poderem   recorrer   da   decisão   de   dissolução,   proferida   pelo   Governo,  para  os  tribunais;  

o

No   domínio   da   instituição   em   concreto   dos   Municípios,   a   iniciativa   legislativa   propõe   que   a   mesma   ocorra   através   de   acto   legislativo   e,   sem   prejuízo   do   preenchimento   dos   requisitos   previstos   pela   lei   de   divisão   administrativa   do   território,   mediante   consulta   e   concordância   dos   Conselhos  de  Suco  que  ficarão  integrados  em  cada  uma  das  circunscrições  municipais;  

o

A   proposta   de   lei   estabelece,   contrariamente   ao   que   sucedia   com   a   iniciativa   apresentada   na   anterior  legislatura,  uma  clarificação  do  conjunto  de  atribuições    (ou  seja,  fins  gerais  que  devem   ser   alcançados   pelos   municípios)   e   do   conjunto   de   competências   que   deverão   ser   acometidas   aos   municípios   (poderes   funcionais   que   permitem   aos   municípios   alcançar   os   fins   de   que   estão   legalmente  incumbidos);   §

o

Em   matéria   de   organização   institucional,   a   proposta   de   lei   configura   a   existência   de   três   órgãos   municipais:   §

 

Tratando-­‐se   de   pessoas   colectivas   de   fins   diversos,   os   Municípios   terão   atribuições   em   todos   os   domínios   da   actividade   pública,   com   exclusão:   da   defesa   nacional,   política   externa,   política   económica,   segurança   interna,   política   de   recursos   naturais   e   política   energética.  

Um   órgão   deliberativo,   denominado   de   “Assembleia   Municipal”,   composta   por   um   número   de   membros   que   varia   em   função   do   número   de   eleitores   recenseados   em   cada   Município   (mínimo   13   e   um   máximo   de   19   membros),   que   serão   directamente   eleitos   por  sufrágio  universal,  directo,  secreto  e  periódico,  para  mandatos  de  cinco  anos,  através   de  listas  de  candidatos  apresentadas  pelos  partidos  políticos  ou  coligações  partidárias;   •

Só  serão  distribuídos  mandatos  pelas  listas  que  ultrapassem  o  resultado  de  3%   dos  votos  validamente  expressos;  

As   listas   de   candidatos   terão   que   obedecer   à   regra   de   em   cada   grupo   de   três   candidatos  um  deles  terá  que  ser  de  sexo  diferente  dos  demais;  

A   Assembleia   Municipal   funcionará   em   sessão   permanente,   entre   15   de   Setembro  e  15  de  Agosto,  dispondo  da  prerrogativa  de  aprovar  o  seu  regimento   interno,   eleger   a   sua   Mesa   (composta   por   1   presidente   de   dois   secretários)   e   estabelecer   o   número   de   comissões   especializadas   que   considerem   úteis   para   o   adequado  exercício  das  respectivas  competências;  

O   Presidente   do �� Município   participa   por   direito   próprio   (sem   direito   de   voto)   nos  trabalhos  da  Assembleia  Municipal;  

A   Assembleia   Municipal   terá   como   principais   competências:   a   aprovação   do   Plano   de   Desenvolvimento   Municipal   e   respectivo   quadro   financeiro,   a   aprovação  do  Plano  Anual  de  Actividades,  o  Orçamento  Anual  do  Município,  o   Relatório   Anual   de   Actividades   e   Contas,   aprovar   os   planos   municipais   de   ordenamento   do   território,   aprovar   os   regulamentos   municipais,   fiscalizar   a   actividade  política,  financeira  e  administrativa  do  Presidente  do  Município  e  dos   serviços  municipais  dele  dependentes.  

41  


§

§

o

Um   órgão   consultivo,   denominado   de   Conselho   Consultivo   dos   Sucos,   composto   por   todos  os  Chefes  de  Suco  da  área  do  Município  e  pelos  membros  da  Assembleia  Municipal   (que   participam   sem   direito   de   voto)   que   reúne   ordinariamente   uma   vez   por   trimestre   e   que   tem   a   incumbência   de   dar   parecer   obrigatório   sobre:   proposta   Plano   de   Desenvolvimento   Municipal   e   respectivo   quadro   financeiro,   a   proposta   de   Plano   Anual   de   Actividades,   a   proposta   de   Orçamento   Anual   do   Município,   a   Proposta   de   Relatório   Anual   de   Actividades   e   Contas,   as   Propostas   de   Planos   Municipais   de   Ordenamento   do   Território  e  dos  regulamentos  que  a  Assembleia  Municipal  se  proponha  aprovar;   •

O  Conselho  Consultivo  dos  Sucos  assume  o  importante  papel  de  controle  social   dos  Municípios;  

As   reuniões   do   Conselho   Consultivo   dos   Sucos   são   presididas   pela   Mesa   da   Assembleia  Municipal.  

Um   órgão   executivo,   denominado   de   Presidente   do   Município,   que   será   unipessoal   e   cujo   titular   é   eleito   directamente   pelos   cidadãos,   através   de   sufrágio   directo,   secreto,   universal  e  periódico,  para  mandatos  de  cinco  anos,  em  candidaturas  apresentadas  por   grupos  de  eleitores,  partidos  políticos  ou  coligações  partidárias;   •

O   Presidente   do   Município   dirige   os   Serviços   Municipais,   de   acordo   com   as   determinações  da  Assembleia  Municipal  sendo  responsável  pela  apresentação  à   Assembleia   Municipal,   para   aprovação,   das   seguintes   propostas:   Plano   de   Desenvolvimento   Municipal   e   respectivo   quadro   financeiro,   Plano   Anual   de   Actividades,  o  Orçamento  Anual  do  Município,  o  Relatório  Anual  de  Actividades   e   Contas,   os   planos   municipais   de   ordenamento   do   território   e   os   regulamentos   municipais;  

O   Presidente   do   Município   é   o   representante   legal   deste:   na   celebração   de   quaisquer  acordos,  contratos,  protocolos  ou  convénios  e  perante  os  órgãos  de   soberania;   é,   ainda,   exclusivamente   responsável   pela   gestão   dos   recursos   humanos,  materiais  e  financeiros  do  Município;  

A   administração   municipal   organiza-­‐se   em   serviços   municipais   (que   se   desagregam   em   Secretário   Municipal,   Inspecção   Municipal   e   Departamentos   Municipais)   e   em   postos   administrativo,   os   quais   se   devem   orientar   pelos   princípios   da   unidade   e   eficácia   de   acção,   da   proximidade   aos   cidadãos,   da   desburocratização,   da   racionalidade   de   meios,   da   afectação   de   recursos   públicos,   da   melhoria  quantitativa  e  qualitativa  dos  serviços  e  da  participação  dos  cidadãos;   §

 

As   sessões   da   Assembleia   Municipal   serão   abertas   ao   público   e,   pelo   menos,   uma  sessão  por  semana  será  admitida  a  participação  de  cidadãos  que  queiram   pedir  esclarecimentos  ou  apresentar  problemas  junto  daquele  órgão;  

A  administração  municipal  organiza-­‐se  de  acordo  com  a  matriz  aprovada  pela  Assembleia   Municipal,  sob  proposta  do  Presidente  do  Município,  mas  que  deverá  respeitar:   •

A   correlação   entre   o   Plano   Anual   de   Actividade   e   o   Orçamento   Anual   do   Município  para  a  obtenção  de  ganhos  de  eficiência  e  eficácia  da  administração   municipal;  

O   princípio   da   subordinação   e   apoio   das   actividades   instrumentais   às   actividades  operativas;  

A   gestão   por   projectos   quando   a   realização   de   missões   com   finalidade   económico-­‐social   e   carácter   interdisciplinar   não   possa   ser   eficazmente   alcançado  através  de  estruturas  verticais  permanentes;  

42  


§

O   Secretário   Municipal   será   o   dirigente   máximo   da   administração   municipal,   respondendo   directamente   ao   Presidente   do   Município,   sendo   responsável   pela   coordenação  administrativa  dos  serviços  municipais  e  dos  Postos  Administrativos;  

§

O  Inspector  Municipal  é  o  serviço  interno  da  administração  municipal,  com  competências   nas  áreas  de  controlo  e  supervisão  financeira  do  Município;  

§

Os   Departamentos   Municipais   são   unidades   organizativas   dos   serviços   municipais,   responsáveis  pela  execução  de  actividades  especializadas  que  lhes  sejam  atribuídas  pelo   regulamento  municipal  de  organização  dos  serviços;   •

§

Sempre  que  se  justificar,  os  departamentos  municipais  podem  ser  desagregados   em  “Divisões”  e  “Secções”;  

Os   Postos   Administrativos   correspondem   a   serviços   desconcentrados   da   administração   municipal,   com   jurisdição   sobre   as   circunscrições   administrativas   previstas   pela   lei   de   divisão  administrativa  do  território;  

o

Os   Municípios   disporão   de   um   quadro   de   pessoal   próprio,   devidamente   aprovado   pela   Assembleia   Municipal,   sob   proposta   do   Presidente   do   Município,   cuja   gestão   incumbe,   nos   termos  da  lei,  ao  Presidente  do  Município;  

o

Do  ponto  de  vista  financeiro,  a  Proposta  de  Lei  consagra  a  autonomia  financeira  e  patrimonial  dos   municípios,  as  quais  se  consubstanciam:  

o

§

Na   elaboração,   aprovação   e   eventual   alteração   dos   respectivos   Planos   e   Orçamentos   anuais  dos  Municípios;  

§

Na  elaboração  e  aprovação  dos  respectivos  balaços  e  contas;  

§

No  facto  de  poderem  arrecadar  receitas  próprias,  ordenarem  e  processarem  despesas;  

§

No  facto  de  administrarem  e  gerirem  o  próprio  património;  

§

A   iniciativa   legislativa   compreende   já   um   conjunto   de   regras   fundamentais   relativas   à   organização   dos   Planos,   Orçamentos   e   Relatórios   de   Actividades   e   Contas   que   serão   desenvolvidos  e  aprofundados  em  diplomas  especiais;  

Em   matéria   de   definição   do   regime   jurídico   disciplinador   do   processo   de   descentralização   administrativa,  a  proposta  legislativa  consagra  três  instrumentos  legais:   §

Acordos   de   transferência   de   Atribuições   e   Competências   (acordos   celebrados   entre   o   Governo  e  os  Municípios  com  vista  a  regular  o  processo  de  transição  das  competências   da  administração  central  para  a  administração  municipal);  

§

Acordos   de   Delegação   de   Atribuições   e   Competências   (acordos   celebrados   entre   os   Ministérios   e   os   Municípios   para   que   estes   últimos   desempenham   algumas   das   actividades   administrativas   que   são   da   competência   do   Governo,   de   acordo   com   as   regras  que  forem  definidas  por  este  acordo);  

§

Acordo   de   Delegação   de   Competências   Municipais   (acordos   celebrados   entre   o   Município  e  as  Lideranças  Comunitárias  ou  Organizações  Não  Governamentais,  para  que   estas   últimas   desempenhem   algumas   das   actividades   administrativas   da   competência   dos  Municípios,  nos  termos  que  forem  contratualmente  estipulados);   •

Os   acordos   de   transferência   ou   delegação   de   atribuições   e   competências   ou   apenas  de  competências  estão  sujeitos  a  um  prazo  de  vigência,  durante  o  qual  a   respectiva  implementação  está  sujeita  à  supervisão  de  uma  comissão  paritária,   que  produzirá  um  relatório  conducente  às  seguintes  conclusões:   o

 

Transferência  definitiva  das  competências  para  a  esfera  de  poderes  do   delegado;  

43  


o

o

Prorrogação  do  período  de  vigência  do  acordo;  

o

Caducidade  do  acordo  e  integração  das  competências.  

A   proposta   de   Lei   do   Poder   Local   e   da   Descentralização   Administrativa   prevê   a   faculdade   dos   municípios  se  poderem  associar  para  a  realização  de  interesses  comuns  e  integração  de  políticas   públicas,   incluídas   na   esfera   das   respectivas   atribuições   ou   para   a   realização   de   projectos,   prestação   de   serviços   ou   a   aquisição   de   bens   ou   equipamentos   de   interesse   comum   ou   complementar.   §

As  associações  de  municípios,  apesar  de  terem  a  natureza  jurídica  de  pessoas  colectivas   de   direito   privado,   estão   sujeitas   à   tutela   administrativa,   nos   mesmos   termos   que   os   previstos  para  os  municípios  que  as  constituem;  

§

A  proposta  fixa  o  modelo  institucional  básico  das  associações  de  municípios.  

o

No   domínio   das   relações   com   os   munícipes,   a   iniciativa   legislativa   determina   que   as   mesmas   obedecem  aos  princípios  da  justiça,  da  transparência,  da  isenção,  da  imparcialidade,  da  boa-­‐fé  e   respeitam  os  direitos  e  interesses  legítimos  dos  particulares.  

o

A  proposta  de  lei  prevê  que  a  actividade  administrativa  dos  municípios  se  submete  às  disposições   do  Decreto-­‐Lei  n.º  32/2008,  de  27  de  Agosto.  

    Sinopse:  Proposta  de  Lei  Eleitoral  Municipal     •

 

A  proposta  de  Lei  Eleitoral  Municipal  compreende  um  total  de  cento  e  vinte  e  sete  artigos,  agrupados  em   nove  Títulos,  a  saber:   o

Título  I  –  Âmbito  de  aplicação  da  lei  e  princípios  gerais;  

o

Título  II  -­‐    Sistema  eleitoral;  

o

Título  III  –  Organização  do  processo  eleitoral;  

o

Título  IV  –  Campanha  e  propaganda  eleitoral;  

o

Título  V  –  Organização  do  processo  de  votação;  

o

Título  VI  –  Processo  de  votação;  

o

Título  VII  –  Contagem  dos  votos  e  apuramento  inicial  dos  resultados;  

o

Título  VIII  –  Contencioso  eleitoral;  

o

Título    IX  –  Disposições  finais  e  transitórias.  

No  âmbito  das  disposições  gerais  e  princípios  gerais  da  lei  eleitoral  municipal,  a  iniciativa  legislativa:   o

Define   a   capacidade   eleitoral   activa   (todos   os   cidadãos   recenseados   na   área   do   Município,   maiores  de  17  anos,  que  se  encontrem);  

o

Define  a  capacidade  eleitoral  passiva  (todos  os  cidadãos  recenseados  na  área  do  Município,  com   direito  de  voto,  que  não  se  encontrem  judicialmente  proibidos  de  exercer  funções  nos  órgãos  do   Poder  Local);  

o

Estabelece   um   regime   de   inelegibilidades   especiais   para   os   titulares   dos   órgãos   de   soberania,   provedor   de   direitos   humanos   e   de   justiça,   magistrados   do   Ministério   Público   (em   funções),   membros   dos   Conselhos   Superiores   da   Magistratura   e   do   Ministério   Público,   membros   dos   quadros   efectivos   permanentes   das   F-­‐FDTL   e   da   PNTL,   Inspectores   das   Inspecções   Gerais   (Estado,   Finanças   e   Administração   Estatal),   funcionários   e   agentes   da   Câmara   de   Contas,   ministros   de   qualquer  religião  ou  culto,  concessionários  ou  peticionários  de  serviços  municipais,  devedores  em   mora  e  membros  dos  corpos  sociais  das  empresas  que  tenham  contratos  com  o  Município;  

o

Consagra   o   Estatuto   dos   candidatos   transpondo   para   a   lei   eleitoral   municipal   o   conjunto   de   imunidades   e   prerrogativas   que   já   se   encontram   previstas   pelas   demais   leis   eleitorais   (Presidente   da  República  e  Parlamento  Nacional);  

44  


  No   que   tange   ao   sistema   eleitoral,   a   proposta   propõe   a   existência   de   um   círculo   eleitoral   por   cada   Município   existente,   cujo   universo   de   cidadãos   aí   recenseados   elege   os   titulares   dos   órgãos   representativos  do  Poder  Local:   o

Através  de  voto  em  listas  de  partidos  políticos  ou  coligações  e  distribuição  de  mandatos  através   da  aplicação  do  método  de  Hondt  para  a  Assembleia  Municipal  (resultado  de,  pelo  menos  3%  dos   votos  válidos,  para  a  distribuição  de  mandatos);  

o

Através  de  voto  em  lista  de  grupos  de  cidadãos,  partidos  políticos  ou  coligações  e  distribuição  de   mandato  por  método  de  maioria  simples  em  lista  fechada.  

No  domínio  da  organização  do  processo  eleitoral:   o

As  eleições  são  convocadas  pelo  Presidente  da  República  com  a  antecedência,  mínima,  de  90  dias   (as   eleições   devem   realizar-­‐se   no   quarto   trimestre   do   último   ano   do   mandato   dos   órgãos   autárquicos);  

o

As  candidaturas  deverão  ser  apresentadas  nos  trinta  dias  posteriores  ao  da  publicação  do  decreto   que   convoca   a   eleição,   junto   do   Supremo   Tribunal   de   Justiça,   que   julga   em   sessão   plenária   (de   juízes  nacionais)  as  impugnações  das  decisões  de  admissão  ou  exclusão  das  candidaturas;   §

Em  matéria  de  propaganda  e  campanha  eleitoral  a  proposta  de  lei  transpõe  para  o  domínio  das  eleições   locais   os   princípios   e   muitas   das   regras   já   aplicadas   aos   processos   eleitorais   nacionais   (Presidente   da   República   e   Parlamento   Nacional),   com   a   introdução   de   algumas   regras   que   se   prendem   com   maiores   exigência  na  conformação  das  actividades  com  o  respeito  pelo  meio  ambiente,  paz  social  e  a  fixação  de  um   período  de  campanha  eleitoral  não  superior  a  quinze  dias;   o

O   Supremo   Tribunal   de   Justiça   será,   ainda,   responsável   pelo   sorteio   da   ordem   das   candidaturas  no  respectivo  boletim  de  voto;  

O   regime   de   financiamento   das   campanhas   eleitorais   tornou-­‐se   mais   exigente   em   relação:   às   fontes   de   financiamento,   limites   de   gastos,   orçamentação,   contabilidade   e   apresentação   de   contas;  

Em  relação  à  organização  do  processo  de  votação,  a  iniciativa  legislativa  mantém  o  sistema  de  votação  em   estações   de   voto,   agrupadas   em   centros   de   votação,   e   cujos   trabalhos   são   dirigidos   por   onze   oficiais   eleitorais   (recrutados   e   formados   pelo   STAE,   sob   a   supervisão   da   CNE   e   a   fiscalização,   facultativa,   dos   Partidos  Políticos);   o

O  número  e  localização  dos  Centros  de  Votação  são  estabelecidos  e  divulgados  pelo  STAE  com  o   prévio   conhecimento   à   Comissão   Nacional   de   Eleições   que   poderá   arguir   a   necessidade   de   aumentar   o   número   dos   locais   de   votação,   cuja   relação   e   localização   é   obrigatoriamente   publicada  pelo  STAE;  

o

O   elenco   e   funções   dos   oficiais   eleitorais   mantém-­‐se   em   relação   aos   actos   eleitorais   nacionais,   pese  embora  passe  a  constar  da  lei  e  não  de  regulamento  eleitoral;  

o

Existirá,  pelo  menos,  um  centro  de  votação  em  cada  Suco;  

No   que   tange   ao   processo   de   votação,   os   eleitores   estarão   sujeitos   à   obrigação   de   exercer   o   direito   de   voto  num  dos  centros  de  votação  localizados  na  unidade  geográfica  de  recenseamento  eleitoral  em  que  se   encontram   inscritos   (suco   de   inscrição),   terão   que   exibir   um   cartão   de   eleitor   (ou   não   o   podendo   fazer,   exibindo  o  Bilhete  de  Identidade  ou  Passaporte,  desde  que  constem  na  lista  de  eleitores  inscritos  naquele   centro  de  votação),  deverão  assinalar  (com  esferográfica)  ou  perfurar  (com  prego)  o  boletim  de  voto  que   depositarão  na  urna  de  voto,  após  o  que  deverão  mergulhar  o  dedo  indicador  direito  em  tinta  indelével;   o

Uma  das  novidades  proposta  pela  iniciativa  legislativa  prende-­‐se  com  a  proibição  da  captação  de   imagens   no   interior   da   estação   de   voto   e   proibição   da   utilização   de   aparelhos   de   telemóvel   durante  o  exercício  do  direito  de  voto;  

o

As   estações   de   voto   funcionarão   entre   as   07:00   e   as   15:00   do   dia   designado   para   a   eleição,   clarificando-­‐se   alguns   aspectos   relacionados   com   o   exercício   do   direito   de   voto   por   parte   dos   oficiais  eleitorais  e  os  procedimentos  de  abertura  da  estação  de  voto,  na  presença  dos  fiscais  de   candidatura,  observadores  e  profissionais  da  comunicação  social;  

O   processo   de   contagem   e   apuramento   dos   resultados   será   efectuado,   de   acordo   com   a   proposta,   e   tal   como  ocorre  com  nas  eleições  nacionais  (Presidente  da  República  e  Parlamento  Nacional),  nos  Centros  de   Votação,  logo  que  cessem  as  operações  de  votação  e  documentação  dos  trabalhos  das  estações  de  voto;  

 

45  


o

A   iniciativa   legislativa,   contrariamente   com   o   que   ocorre   com   a   legislação   eleitoral   vigente,   estabelece   conceitos   claros   de:   “voto   válido”,   “voto   branco”,   “voto   nulo”,   “voto   rejeitado”   e   “votos  reclamados”;  

o

Os   procedimentos   de   documentação   dos   processos   de   votação,   contagem   e   apuramento   inicial   dos  resultados  passam  a  estar  consagrados  em  lei  e  não,  apenas,  em  regulamento;  

o

A   consolidação   dos   resultados   a   nível   de   cada   círculo   eleitoral   efectua-­‐se   nas   assembleias   de   apuramento   municipal,   cujo   número   de   elementos   e   competências   são   legislativamente   plasmadas,   assim   como   o   conjunto   de   procedimentos   e   documentação   dos   actos   por   estas   praticados;  

o

Não  existindo  círculo  nacional,  mas  treze  círculos  municipais,  é  eliminado  apuramento  nacional,   realizado  pela  CNE  que,  no  entanto,  terá  competência  para:  

o

§

Decidir  as  reclamações  apresentadas  dos  actos  de  apuramento  municipal;  

§

Elaborar  o  mapa  nacional  de  resultados  que  deve  ser  submetido  ao  Supremo  Tribunal  de   Justiça,  que  tem  competência  para:   •

Validar  a  eleição;  

Proclamar  os  resultados;  

Decidir  os  recursos  para  si  interpostos  relativos:   o

À  certificação  de  coligações  partidárias;  

o

À  admissão  ou  rejeição  de  candidaturas;  

o

À  configuração  gráfica  do  boletim  de  voto;  

o

Às  decisões  relativas  às  reclamações  decididas  pelos  oficiais  eleitorais,   ao   nível   da   estação   de   voto,   que   tenham   por   objecto   a   regularidades   das  operações  de  votação;  

o

Às   decisões   relativas   às   reclamações   decididas   pelas   Assembleias   de   Apuramento   Municipal,   relativas   às   operações   de   contagem   e   apuramento  inicial;  

o

Às  decisões  relativas  às  reclamações  decididas  pela  Comissão  Nacional   de  Eleições  relativas  às  operações  de  apuramento  dos  resultados  pela   Assembleia  de  Apuramento  Municipal  e  aos  actos  praticados  no  âmbito   da  elaboração  do  Mapa  Nacional  de  Resultados;  

No   domínio   do   contencioso   eleitoral   e   diferentemente   do   que   ocorre   nos   demais   actos   normativos  eleitorais  são  estabelecidas  regras  processuais  a  observar  pelo  Supremo  Tribunal  de   Justiça   e   que   clarificam   questões   de   legitimidade   processual   e   o   direito   de   exercício   do   contraditório  por  parte  da  CNE  e  do  STAE.  

    Sinopse:  Proposta  de  Lei  das  Finanças,  Património  e  Aprovisionamento  Municipais     •

A   proposta   de   Lei   Eleitoral   Municipal   compreende   um   total   de   duzentos   e   sessenta   e   cinco   artigos,   agrupados  em  quatro  Títulos,  a  saber:   o

Título  I  –  Finanças  Municipais;  

o

Título  II  -­‐    Património;  

o

Título  III  –  Contratação  Pública  e  aprovisionamento;  

o

Título  IV  –  Disposições  Finais  e  Transitórias;  

Em  matéria  de  finanças  Municipais,  a  proposta  de  lei:   o

 

Transpõe   os   fundamentos   da   autonomia   financeira   e   patrimonial,   já   previstos   pela   lei   do   poder   local  e  da  descentralização  administrativa;  

46  


o

o

Consagra   o   conjunto   de   princípios   fundamentais   a   que   se   deverá   subordinar   a   elaboração   e   aprovação  do  Orçamento  Anual  do  Município,  designadamente:   §

Anualidade  (o  orçamento  do  Município  é  anual  e  a  sua  execução  inicia-­‐se  a  1  de  Janeiro  e   termina   a   31   de   Dezembro,   deve   ter   em   conta   o   quadro   financeiro   do   Plano   de   Desenvolvimento   Municipal   e   o   Plano   Anual   de   Actividades,   bem   como   as   despesas   obrigatórias  para  o  Município);  

§

Unidade  e  universalidade  (o  orçamento  é  uno  e  compreende  a  totalidade  das  receitas  e   despesas  a  realizar  pelo  Município);  

§

Não   compensação   (as   receitas   são   previstas   na   sua   totalidade,   sem   qualquer   tipo   de   dedução);  

§

Não   consignação   (as   receitas   não   podem   afectar-­‐se   directamente   ao   pagamento   de   determinadas  despesas);  

§

Especificação   (as   receitas   devem   ser   especificas   de   acordo   com   a   sua   classificação   económica   e   as   despesas   devem   ser   especificadas   de   acordo   com   a   sua   classificação   económica,  orgânica  e  funcional);  

§

Equilíbrio  (o  montante  das  despesas  não  poderá  ser  superior  ao  montante  das  receitas   previstas  e  o  montante  das  despesas  correntes  não  pode  ser  superior  ao  montante  das   receitas  correntes);  

§

Equidade  geracional  (justa  repartição  dos  encargos  entre  as  gerações);  

§

Transparência   (o   Estado   e   os   Municípios   estão   subordinados   ao   dever   de   informação   mútua  para  garantia  da  estabilidade  orçamental  e  solidariedade  recíproca);  

§

 Publicidade   (o   Orçamento   Municipal,   Relatórios   de   Contas   e   Relatórios   Trimestrais   de   Execução  Orçamental  são  obrigatoriamente  divulgados  num  portal  de  internet  dedicado   a  essa  matéria  e  afixado  nos  quadros  de  aviso  do  Município);  

Os   orçamentos   municipais   (obrigatoriamente   aprovados   antes   de   31   de   Dezembro   pelas   Assembleias   Municipais,   sob   proposta   do   Presidente   do   Município)   estão   conformados   pelo   Quadro  Financeiro  do  Plano  de  Desenvolvimento  Municipal  (estes  documentos  têm  um  carácter   plurianual  e  o  respectivo  período  de  vigência  não  pode  ser  inferior  a  cinco  anos)  e  pelos  Planos  de   Actividades   Municipais   (discutidos   e   aprovados   pela   Assembleia   Municipal,   sob   proposta   do   Presidente  do  Município,  em  simultâneo  com  o  Plano  Anual  de  Actividades);   §

§

o

Os  orçamentos  municipais  obedecem  à  seguinte  estrutura:   •

Tabela  de  resumo  das  receitas  e  das  despesas  do  Município;  

Tabelas  das  receitas  e  das  despesas  por  classificação  económica;  

Tabela  das  despesas  desagregadas  por  programas;  

Tabela   das   despesas   desagregadas   por   programas   e   medidas   por   Posto   Administrativo;  

Tabela  das  transferências  para  os  Sucos;  

O   orçamento   anual   do   Município   pode   sofrer,   no   máximo,   duas   revisões   orçamentais   cuja  tramitação  observa  a  disciplina  legal  estabelecida  para  a  aprovação  do  Orçamento   (aprovação  pela  Assembleia  Municipal  sob  proposta  do  Presidente  do  Município);  

Prevê  a  existência  de  receitas  próprias:   §

Provenientes   das   transferências   do   Orçamento   Geral   do   Estado,   com   as   seguintes   características:   •

Rúbrica   do   Orçamento   Geral   do   Estado,   designada   de   Fundo   do   Poder   Local,   dotada   com   um   montante   não   inferior   a   10%   das   receitas   globais   do   Estado   para  o  ano  em  causa  e  distribuídas  nos  seguintes  termos:   o

 

50%   do   Fundo   do   Poder   Local   será   alocado   ao   Fundo   Geral   Municipal   e   que  é  repartido  nos  seguintes  termos:  

47  


o

§

§

o

30%   do   Fundo   Geral   Municipal   é   repartido   de   forma   igual   entre  todos  os  Municípios;  

§

20%   do   Fundo   Geral   Municipal   é   repartido   em   função   do   número  de  eleitores  recenseados  em  cada  Município;  

§

20%  do  Fundo  Geral  Municipal  é  repartido  em  função  da  área   de  cada  Município;  

§

15%   do   Fundo   Geral   Municipal   é   repartido   em   função   do   número  de  Sucos  de  cada  Município;  

§

15%   do   Fundo   Geral   Municipal   é   repartido   em   função   do   número  de  Aldeias  existentes  em  cada  Município;  

50%   do   Fundo   do   Poder   Local   será   alocado   ao   Fundo   de   Coesão   Territorial,  este  mecanismo  destina-­‐se  a  fortalecer  a  coesão  territorial  e   a   competitividade   dos   vários   municípios,   sendo   os   seus   critérios   de   distribuição   fixados   anualmente   pela   lei   do   Orçamento   de   Estado,   após   auscultação  da  associação  nacional  dos  municípios  de  Timor-­‐Leste;  

O  Orçamento  Geral  do  Estado  poderá  incluir  uma  rúbrica,  denominada  “Fundo   da   Descentralização   Administrativa”   para   suportar   os   encargos   relacionados   com   as   atribuições   e   competências   cujo   exercício   caiba   legalmente   ao   Estado,   mas   que   se   encontram   delegadas   nos   municípios   ao   abrigo   dos   Acordos   de   Transferência   de   Atribuições   e   Competências   e   dos   Acordos   de   Delegação   de   Atribuições  e  Competências.  

Arrecadadas   localmente   nos   termos   da   lei   ou   dos   regulamentos   municipais,   designadamente  por  conta:   •

Da  cobrança  de  taxas  municipais;  

Da  aplicação  de  coimas;  

Da  celebração  de  contratos  administrativos;  

Do  recebimento  de  indemnizações  civis;  

Do  recebimento  de  doações,  heranças  e  legados;  

Dos   empréstimos   concedidos   pelo   Estado   (apenas   o   Estado   pode   conceder   empréstimos   aos   municípios,   o   endividamento   destes   junto   da   banca   não   se   encontra  legalmente  previsto);  

Do  produto  de  locação  de  bens  móveis  ou  imóveis;  

Pese   embora   a   proposta,   apenas,   contemple   a   faculdade   de   o   Município   recorrer   aos   empréstimos   do   Estado,   na   verdade   ficam   estabelecidos   limites   para   a   realização   de   endividamento   que   se   inobservados   conduzirão   a   uma   dedução   dos   montantes   (correspondentes   ao   valor   apurando   entre   a   dívida   do   Município   e   o   limite   do   seu   endividamento)   das   transferências   do   Orçamento   Geral   do   Estado   para   o   Município   inadimplente;  

A  proposta  legislativa  contempla  regras:   §

Relativas  ao  processamento  da  cobrança  de  taxas;  

§

Relativas  ao  processamento  da  cobrança  de  coimas;   •

 

§

Em   ambos   os   casos,   prevendo   as   necessárias   medidas   de   protecção   dos   direitos   dos  cidadãos  em  caso  de  cobrança  coerciva  das  mesmas;  

§

Relativas   aos   procedimentos   administrativos   a   observar   pelas   tesourarias   municipais   –   neste  domínio,  muitas  das  regras  aplicadas  à  escala  da  administração  directa  do  Estado   foram   adaptadas   à   administração   municipal   (ex:   conta   bancária   única   para   cada   Município);  

§

Relativas  à  execução  orçamental:   •

Obrigatoriedade  de  previsão  das  receitas  pelo  orçamento;  

48  


o

Proibição  de  liquidação  e  arrecadação  de  receitas  não  previstas  pelo  orçamento;  

As   receitas   liquidadas   devem   ser   arrecadadas   até   31   de   Dezembro   de   cada   ano,   sendo  inscritas  na  rúbrica  orçamental  correspondente;  

Só   pode   efectuar-­‐se   o   pagamento   de   despesas   previstas   pelo   orçamento   e   dentro  dos  limites  estabelecidos  por  este;  

O   pagamento   das   despesas   só   pode   efectuar-­‐se   até   ao   limite   da   receita   efectivamente  arrecadada;  

As  ordens  de  pagamento  das  despesas  caducam  a  31  de  Dezembro,  carecendo   de  renovação  depois  desse  período;  

O   pagamento   das   despesas   deve   ocorrer   dentro   dos   prazos   legais,   regulamentares  ou  contratuais  previstos  para  esse  efeito;  

De  acordo  com  a  proposta  de  legislação  em  apreço,  o  Presidente  do  Município  terá  que  prestar,  à   Assembleia  Municipal,  informação  regular  sobre  a  execução  orçamental,  designadamente  através   da   apresentação   de   relatórios   trimestrais   de   execução   orçamental   e   o   relatório   anual   de   actividades  e  de  contas;   §

A   proposta   de   lei   já   contempla   um   conjunto   de   regras   relativas   à   organização   contabilística  do  Município  que  incluirá  tabelas  descritivas:   •

Pagamento   de   retribuições   aos   titulares   dos   órgãos   representativos   do   Município;  

Pagamento  de  salários  a  funcionários  e  agentes  do  Município;  

Aquisição  de  bens  e  serviços;  

Encargos  com  a  dívida  do  Município  (juros);  

Empréstimos  concedidos  pelo  Estado;  

Execução  financeira  de  cada  programa  orçamental;  

Dívidas  do  Município  vencidas  e  não  pagas  e  os  juros  que  se  tenham  vencido;   o

o •

§

Extracto  dos  movimentos  da  conta  bancária  do  Município;  

§

Inventário  do  Património  Municipal.  

O  Relatório  Anual  e  Contas,  depois  de  apreciado  pela  Assembleia  Municipal,  é  remetido  à  Câmara   de  Contas  e  ao  Ministério  das  Finanças.  

No   domínio   do   património,   a   proposta   de   Lei   consagra   e   operacionaliza   o   conceito   de   autonomia   patrimonial   dos   municípios,   consistindo   este   no   conjunto   de   bens   que   se   encontram   na   sua   esfera   jurídica   patrimonial  e  que  serão  identificados,  em  fichas  próprias,  com  as  seguintes  classificações:   o

Bens  imóveis;  

o

Bens  móveis;  

o

Equipamentos  de  transporte;   §

O  conjunto  patrimonial  dos  municípios  será  descrito  em:   •

Cadastro  –  relação  de  bens  que  fazem  parte  do  activo  imobilizado;  

Inventário   –   relação   de   bens   que   fazem   parte   do   activo   imobilizado   do   Município,  devidamente  classificados,  valorizados  e  actualizados,  de  acordo  com   os  critérios  de  valometria,  estabelecidos  por  lei;   o

§

 

A  conta  anual  de  actividades  inclui,  ainda,  dois  anexos:  

A  proposta  de  lei  já  fixa  as  regras  de  valometria  a  aplicar  à  elaboração   do  inventário  municipal  e  respectivo  regime  de  amortizações;  

O   regime   de   alienação   ou   abate   de   bens   compreendidos   no   património   municipal   também   é   estabelecido   pela   iniciativa   legislativa   com   a   clara   opção   pelo   recurso   ao  

49  


processo   de   alienação   através   de   hasta   pública   (depois   de   aprovada   pela   Assembleia   Municipal  sob  proposta  do  Presidente  do  Município);  

Em   matéria   de   aprovisionamento   e   contratação   pública,   a   iniciativa   legislativa   determina   que   as   regras   previstas  pelo  diploma  devem  ser  observadas  nos  processos  de  formação  de  contratos  de  empreitada  de   obras  públicas  municipais,  locação  e  aquisição  de  bens  móveis  e  imóveis  e  aquisição  de  serviços;   o

É  estabelecido  um  regime  jurídico  de  ética  para  os  funcionários  públicos  e  agentes  municipais  e   interessados  na  celebração  de  contratos  com  o  Estado,  bem  como  a  obrigatoriedade  de  existência   de   um   portal   de   internet   dedicado   à   contratualização   pública   municipal   (medidas   de   transparência  e  boa  governação);   §

o

o

Decisão  de  qualificação;  

Decisão  da  adjudicação;  

Celebração  do  contrato;  

Prevêm-­‐se  três  procedimentos  para  a  formação  da  decisão  de  contratar:   §

Concurso   Público,   para   contratos   cujo   valor   seja   superior   a   USD$150.000,00   (cento   e   cinquenta  mil  dólares  americanos);  

§

Concurso   Limitado,   para   contratos   cujo   valor   seja   superior   a   USD$75.000,00   (setenta   e   cinco  mil  dólares  americanos);  

§

Ajuste  Directo,  para  contratos  cujo  valor  seja  igual  ou  inferior  a  USD$75.000,00  (setenta   e  cinco  mil  dólares  americanos);  

§

Processo  de  negociação,  sempre  que:   •

For  necessário  por  motivos  de  urgência;  

Quando   a   natureza   das   obras,   dos   bens   ou   dos   serviços   não   permitam   uma   fixação  prévia  global  do  preço;  

Por  motivos  de  aptidão  técnica  ou  artística  ou  relativos  à  protecção  de  direitos   de  autor,  o  contrato  só  possa  ser  executado  por  um  universo  muito  limitado  de   empreiteiros,  locadores,  fornecedores  ou  prestadores  de  serviços;  

Anteriores  concursos  tenham  ficado  desertos;  

A  decisão  de  contratar  e  a  escolha  do  procedimento  a  adoptar,  de  acordo  com  a  lei,  competem  ao   Presidente   do   Município   que   também   designa   os   membros   da   Comissão   de   Avaliação   de   Propostas  (órgão  responsável  pela  condução  do  procedimento  de  contratação);   §

o

São,  ainda,  estabelecidos  mecanismos  de  impugnação  administrativa  relativamente:  

As  comissões  de  avaliação  de  propostas  são  sempre  presididas  pelo  Secretário  Municipal   e  compreendem  um  número  mínimo  de  3  e  um  número  máximo  de  5  membros.  

Procedimento  do  Concurso  Público:  

Anúncio   /   Consulta   e   Fornecimento   das   peças   /   Esclarecimento   de   erros   e   omissões   /   Apresentação   das   propostas  /  Acto  Público  /  Qualificação  dos  concorrentes  /  Análise  das  propostas  /  Adjudicação  /  Publicidade  da   Adjudicação  /  Celebração  do  contrato;   o

Procedimento  do  Concurso  Limitado:  

Convite  /  Esclarecimento  de  erros  e  omissões  /  Apresentação  de  propostas  /  Sessão  de  abertura  de  propostas  /   Qualificação   dos   concorrentes   /   Análise   e   negociação   /   Relatório   de   exclusão   de   propostas   /   Adjudicação   /   Publicidade  /  Celebração  do  contrato;   o

Procedimento  de  Ajuste  Directo:  

Convite  /  Esclarecimentos  e  rectificações  das  peças  do  procedimento  /  Aceitação  do  convite  ou  apresentação   de  proposta  alternativa  /  Adjudicação  /  Publicidade  da  adjudicação  /  contratação;   o

Procedimento  de  Ajuste  Directo  Simplificado:  

Quando   o   valor   do   contrato   não   ultrapasse   os   dez   mil   dólares   americanos   o   Presidente   do   Município   pode   convidar  directamente  uma  entidade  para  prestar  um  serviço  ou  locar  um  bem  móvel  ou  imóvel,  sem  outras  

 

50  


formalidades   que   não   sejam   a   apresentação   de   factura   por   parte   do   adjudicatário   e   a   publicitação   do   ajuste   directo  simplificado;   o

A   proposta   legislativa   inclui,   ainda,   procedimentos   especiais   para   trabalhos   de   concepção   ou   de   consultoria  e  um  regime  jurídico  básico  para  os  contratos  administrativos.  

As   empresas   maioritariamente   detidas   por   capital   estrangeiro   só   poderão   apresentar   propostas   em   concursos   públicos   cujo   valor   do   contrato   ultrapasse   USD$1.000.000,00   (um   milhão   de   dólares   americanos);  

Os  concursos  poderão  prever  critérios  de  favorecimento  de  concorrentes  que:   o

Se  proponham  utilizar  mão-­‐de-­‐obra  Timorense;  

o

Se  proponham  utilizar  produtos  produzidos  em  Timor-­‐Leste;  

o

Sejam  membros  da  Comunidade  de  Países  de  Língua  Portuguesa;  

o

Sejam  membros  da  Associação  das  Nações  do  Sudoeste  Asiático;  

   

O  regime  de  disposições  transitórias  da  proposta  legislativa  prevê:   v A  regulamentação  do  diploma  no  prazo  de  30  dias,  por  parte  do  Governo;   v Um  regime  transitório  de  participação  dos  municípios  nas  receitas  do  Estado:  

v

o

Entre  2016/2018  –  2,5%  das  receitas  do  Estado  serão  alocadas  ao  Fundo  do  Poder  Local;  

o

Entre  2019/2021  –  5%  das  receitas  do  Estado  serão  alocadas  ao  Fundo  do  Poder  Local;  

o

Entre  2022/2024  –  7,5%  das  receitas  do  Estado  serão  alocadas  ao  Fundo  do  Poder  Local;  

o

A  partir  de  2025  –  pelo  menos,  10  %  das  receitas  do  Estado  serão  alocadas  ao  Fundo  do  Poder   Local;  

O  benefício  concedido  a  concorrentes  oriundos  da  ASEAN  só  será  utilizável  após  a  admissão  de  Timor-­‐ Leste  como  membro  de  pleno  direito  desta  organização.  

                                                     

 

51  


Finanças   Agricultura   Florestas  

Pescas  

Pecuária  

Indústria  

Engenharia   Educação  

Saúde  

Turismo  

 

14   1   2   8   7   2   1   3   2   2   8   7   15   4   5   11   3   1   2   2   1   8   7   3   4   1   1   2   7   7   2   1   72   1      

26   2   71   15   6   7   0   3   39   3   9   5   29   0   1   0   4   0   0   0   2   0   5   0   0   0   15   1   6   11   5   21   72   0                 1   4   0   4  

          1   4   4   5  

Falta  

Existente  

Planeamento  e   Administração  

Gestão  Administrativa   Relações  Internacionais   Estudos  Economia   Gestão  Informática   Informática  e  Sistemas   Engenharia  Electrónica   Urbanismo   Ciências  Aplicadas   Direito   Gestão  Financeira   Contabilidade   Técnicos  agrícolas   Agrónomo   Técnico  Meteorologia   Engenharia  Florestal   Técnico  de  Silvicultura   Engenharia  de  Pesca   Biólogo  Marinho   Técnico  Aquacultura   Técnicos  de  Frio   Veterinário   Técnico  Saúde  Animal   Técnico  Agropecuária   Engenharia  Alimentar   Técnico  Qualidade   Engenharia  Cerâmica   Geólogo   Engenharia  Mecânica   Eng.  Construção  Civil   Desenho  Construção  Civil   Arquitecto   Gestão  da  Educação   Educação   Gestão  e  Planeamento  da  Saúde   Medicina  Geral   Oftalmologia   Nutrição   Parteira   Analista   Enfermeira   Farmácia   Gestão  e  Planeamento  Turismo   Gestão  Hoteleira   Gestão  do  Património  e  Cultura   Gestão  Ambiental  e  Ecoturismo  

Necessida des  RH  

       Na  presente  tabela  relacionam-­‐se  as  necessidades  básicas  existentes  em  termos  de  recursos  humanos  para  a   efectiva  implementação  do  município  e  do  seu  desenvolvimento  sócio-­‐económico  e  cultural.             Áreas   Quadros  e  Técnicos   0   0   0   0   -­‐1   0   -­‐1   0   0   0   0   -­‐2   0   -­‐4   -­‐4   -­‐11   0   -­‐1   -­‐2   -­‐2   0   -­‐8   -­‐2   -­‐3   -­‐4   -­‐1   0   -­‐1   -­‐1   0   0   0   0   -­‐1   0   0   0   0   0   0   0   0   0   -­‐4   -­‐1  

52  


PROJECTO)DE)DESENVOLVIMENTO)INTEGRADO)DE)GADO Barique,)Cribas,)Cairui)e)Lalini Sub)Distritos )Barique,)Lacluta,)Manatuto,)Venilale)e)Vemasse Distritos Manatuto)8)Baucau)8)Viqueque

 

   

                             

 

   

53  


Balak

54  


Projecto(Integrado(de(Desenvolvimento(Turís7co(de Behau(:(Ilimano Eco:turismo(e Turismo(de(Montanha

             

 

 

                             

55  


Projecto(Integrado(de(Desenvolvimento(Turís7co(de Behau(:(Ilimano

Turismo(de(Praia One$dolar$beach

 

 

Projecto(Integrado(de(Desenvolvimento(Turís7co(de Behau(:(Ilimano

Turismo(de(Praia One$dolar$beach

           

 

Elaborado  por  :  Rui  Correia  

 

56  


Manatuto - Proposta para Município