Issuu on Google+


Designa-se por Termalismo a ciência da utilização e exploração das águas minerais. Esta ciência é praticada nas Termas, que são estâncias ou estabelecimentos onde aproveitam as águas com propriedades curativas para fins medicinais (que atingem temperaturas superiores a 25º Célsius). Utilizado já desde a Grécia antiga, este nome vem do grego thérmai e do latim thermas, que significam “banhos quentes”. Ultimamente tem havido uma transformação de algumas Termas para SPA — Salus Per Aquam. Embora muitas vezes confundidos pela maioria das pessoas, são conceitos diferentes, tendo cada um as suas mais valias. Enquanto num SPA os tratamentos envolvem mais o bem-estar físico e psicológico, podendo o cliente usufruir de vários tratamentos e cuidados estéticos num contexto de descanso, as termas limitam-se ao banho e imersão do corpo em águas com propriedades medicinais. O SPA é também um serviço comummente disponibilizado por hotéis e unidades hoteleiras.

Numas Termas, os tratamentos são indicados por médicos e procurados principalmente para a cura de doenças específicas. Existe um plano de tratamento recomendado por um médico especialista. As que têm serviço de hospedaria designam-se por Estâncias Termais. A abordagem escolhida para as Termas de Eirogo é uma mistura entre os dois conceitos, no qual uma actividade termal é complementada com tratamentos de SPA e serviços hoteleiros.


As Termas de Eirogo localizam-se na freguesia de Santa Maria de Galegos, na região do Minho e Concelho de Barcelos. Envolvidas num espaço rural, as Termas de Eirogo, possibilitam aos seus frequentadores desfrutarem de uma admirável paisagem natural e das melhores águas mineromedicinais da região. As águas utilizadas nas Termas são principalmente do Rio das Caldas que, através do Ribeiro de Fontanelo, está ligado ao Rio Cávado, sendo composta por sulfúreo, cloreto, bicarbonatos, sódio e flúor, que lhe confere características altamente curativas, fazendo destas águas as mais ricas de Portugal.


Santa Maria de Galegos nasceu, antes de 1081,da separação do território de Galego. O nome Galego provém dos colonos da Galiza que se fixaram na altura em Santa Maria de Galegos.

Prova disso são as cantigas destinadas a esses momentos, como “Minha Roquinha” e “Cantares do Linho”.

O concelho de Barcelos, e toda a região do Minho, são reconhecidos pelo Galo de Barcelos. O artesanato barcelense é identificado sobretudo pela Arte do Barro, muito reconhecida na freguesia de Santa Maria de Galegos. O testemunho disso é essencialmente os figurados, peças de decoração e de modulação popular, nas quais se destacam temas tradicionais, como cenas populares, políticas, religiosas e costumes regionais. A arte de trabalhar o barro é muito significativa e aprazível para a população local, pois permite aos oleiros utilizarem esta arte para expressar a sua opinião crítica.

Minha roquinha de pau de oliveira, Diz minha mãe, que eu sou fiadeira, Diz meu pai, arredar, arredar, Diz minha mãe, não há que lhe dar.

Para além da olaria, outra grande tradição da freguesia é a Arte de trabalhar o Linho. O linho para além de fins decorativos serve para a criação de vestuário. Esta actividade é encarada pelos habitantes de forma agradável devido ao ambiente festivo presente em o todo o processo de trabalho do Linho.

Minha Roquinha

Minha espadela de pau de pinheiro, Diz minha mãe, já ganhas dinheiro, Diz meu pai, arredar, arredar, Diz minha mãe, não há que lhe dar. Meu tear de pau de carvalho, Diz minha mãe, já tens um trabalho, Diz meu pai, arredar, arredar, Diz minha mãe, não há que lhe dar.


Festas de cariz religioso:

Serviços públicos:

- Nossa Senhora da Purificação - Santo Amaro - Nossa Senhora das Candeias - Nossa Senhora do Bom Sucesso - São João - Santíssimo Sacramento

- Junta de Freguesia - Escola Primária - Jardim de Infância - Parque Infantil - Estádio de Futebol e Campo de Treinos - Sala de Espectáculos (Centro Social da Sagrada Família) - Cemitério Paroquial - Igreja Paroquial - Capela de Santo Amaro - Capela de S. João - Posto de Telefone Público - Posto C.T.T.

Património Cultural: - Igreja - Cruzeiro Paroquial (com capitel com escudo de D. João V e armas da Casa de Azevedo) - Capelas de S. João e de Santo Amaro - Alminhas - Cemitério Paroquial - Fontanário - Termas do Eirogo - Fornos Castrejos - Centro Social da Sagrada Família

Gastronomia: - Cozido à Portuguesa - Papas de Sarrabulho - Arroz Pica-no-Chão


Analisar se um negócio é viável, implica estruturar as suas principais visões e alternativas, de modo a minimizar riscos futuros e aproveitar todos os recursos. A análise SWOT permite fazer o levantamento de pontos fortes e frágeis do negócio, neste caso da exploração termal da estância de Eirogo, e compará-los com a concorrência do mercado em que actua. A estância termal do Eirogo tem como principal vantagem competitiva a sua localização regional inserida num ambiente isolado e ao mesmo tempo de fácil acesso. Estas características podem ser tomadas como parte integrante da identidade das Termas se assumirmos o seu isolamento como um factor propício ao repouso que prioritariamente é requisitado pelos clientes, assim como o contacto com a natureza longe da azáfama dos grandes centros. Outro ponto vantajoso é a arquitectura do edifício, que as Termas integram, que quando remodelado pode ser um forte alvo de atracção turística.

Desde o início da sua actividade, as Termas de Eirogo são conhecidas pelas suas águas altamente curativas (milagre das águas), criando com os seus fiéis uma grande relação espiritual. Este pode ser igualmente um forte factor diferenciador de mercado. O reposicionamento das Termas no mercado é uma forte oportunidade de negócio, com vantagens competitivas e lucrativas que podem levar à sobrevivência do negócio. No entanto, existem falhas e riscos que podem ser minimizados, bem como recursos e oportunidades a serem explorados. Os maiores riscos analisados são a concorrência de mercado, assim como o equipamento e infra-estruturas primitivos, que ao longo dos anos nunca foram emodelados. Outro problema é a questão financeira, pois a estância Termal é sustentada pelo proprietário que de momento propõe o trespasse, por não conseguir suportar as despesas do negócio. A falta de capital impede o funcionamento das Termas durante todo o ano, projectando


uma imagem instável da instituição, baixando significativamente o número de clientes e consequentemente os lucros da empresa. No entanto, existem oportunidades significativas a ter em conta, nomeadamente a sua potencialidade turística conjuntamente com as suas condições meteorológicas favoráveis. Para rentabilização do negócio é necessário um grande investimento na remodelação de equipamento e infraestruturas que possibilitará o desenvolvimento de novos serviços e produtos, assim como a criação de parcerias com empresas locais que favoreçam o crescimento e a distribuição dos seus produtos. Aproveitar os espaços envolventes para o desenvolvimento de actividades ligadas à região e à tradição, preservando assim todo o património cultural. O principal objectivo é criar uma vasta gama de serviços e produtos que se adequem ao maior número de pessoas.


A reformulação do plano estratégico da estância Termal de Eirogo advém da necessidade de rentabilização e expansão do negócio no mercado. A par desta reformulação estratégica, surge um novo conceito de Termas. Tomando-se por princípio que as Termas de Eirogo situam-se em Barcelos, cidade de tradições e grande espólio cultural mais conhecida por “O coração do Minho” ou “Princesa do Cávado”, tornou-se imperativo assegurar-se o valor histórico-cultural, associado à região, como ponto de partida da identidade de um novo conceito termal. O principal objectivo do novo conceito será divulgar as Termas como símbolo da região e cultura de Barcelos, traduzindo esses valores em serviços e produtos de qualidade. Não esquecendo toda a história e clientes fiéis da estância, pretende-se inovar o equipamento, a oferta de produtos e serviços, a formação de colaboradores e funcionários e ainda as infra-estruturas. Promover, desenvolver e divulgar actividades associadas às Termas para todas as faixas etárias, é a melhor maneira de rentabilizar e expandir o negócio que, de momento, é limitado pelo facto dos tratamentos

actuais serem aproveitados por um grupo exclusivo de clientes. A promessa de negócio futura é a de valorizar, desenvolver e enriquecer o património termal actual e ter como resultado disso, uma vasta gama de produtos, serviços e actividades de alta qualidade, que proporcionem aos clientes o máximo de conforto e bem-estar nas suas vidas.


Numa primeira fase, é necessário proceder à restauração, recuperação e requalificação das infra-estruturas existentes. O edifício é uma mais-valia para a instituição termal, é importante preservar a arquitectura do mesmo, de modo a que não se descontextualize do restante meio envolvente.

que são propriedade das termas. Estes novos equipamentos irão resultar num maior e melhor rendimento de serviços e conforto dos clientes.

A estância termal carece de equipamento técnico, sendo por isso necessária a aquisição de novos equipamentos tecnologicamente mais desenvolvidos que substituam o que é antigo e primitivo. Salas equipadas para tratamentos de SPA, massagem, sauna, piscina, jacuzzi, sala de restaurante com cozinha e tornar o hotel habitável, são alguns dos exemplos das modificações / melhoramentos que se pretendem efectuar internamente. Na área exterior pretende-se criar uma cobertura entre as áreas de ginásio, SPA, termas e hotel, e um circuito de passeio / manutenção nos terrenos periféricos que

20


As termas funcionam, de momento, em condições mínimas, e com equipamentos obsoletos que mantêm viável o usufruto termal por parte dos mesmos clientes que visitam a estância há décadas. Para esses clientes, o mínimo basta, mas para o cliente do século XXI é preciso mais, é preciso o melhor. A proposta que se adianta, não só preenche este vazio, mas também permite que uma família inteira usufrua da estância. Foram pensadas actividades adequadas a todas a idades, de modo a que cada membro da família possa relaxar e divertir-se independentemente, dedicando mais tempo a si próprio que ao resto da família. O serviço que as termas disponibilizarão ao público dividir-se-ão em duas vertentes: descansar e divertir. Associado ao descanso, o público poderá usufruir de tratamentos de balneoterapia nas termas, um SPA com tratamentos de fisioterapia, estéticos, ginásio e piscina. De entre os tratamentos existentes no SPA, existem dois que, estão intrinsecamente ligados à cultura da região: a Barroterapia pelo historial de olaria, e a Vinoterapia por ser uma região produtora de vinho.

Porque as termas são saúde, haverá gabinetes de acompanhamento e aconselhamento médico, com várias especialidades, com enfoque nas de tratamento a doenças reumáticas, músculo-esqueléticas, respiratórias e dermatológicas, que são aquelas para as quais as águas das termas são indicadas. Ainda tendo por tónica o descanso, o cliente poderá optar por passeios relaxantes pela natureza, ou correr nos circuitos de manutenção criados para o efeito. Associado ao divertir, as termas organizarão tardes recreativas com: - Exposições e workshops dos grupos culturais regionais ligados à olaria e ao linho. - Roteiros pelo património histórico de Barcelos. - Roteiros vinícolas e provas de vinhos. .


Para os públicos mais jovens, serão organizados: - Programas de actividades radicais, - Diversão nocturna em Barcelos e Braga. - Idas à praia em Póvoa de Varzim. Para as crianças, as termas teriam nas suas infraestruturas: - Um infantário e berçário diurno. - Serviço de babysitting nocturno. No edifício das termas funcionaria também um restaurante e unidade hoteleira, permitindo a estadia dos clientes.


A estratégia de diferenciação adoptada pela nova marca Termas de Eirogo pretende usar valores de natureza tradicional como a hospitalidade. Transmitindo a ideia de uma casa longe de casa, o bem receber, o conforto e a humildade serão pontos-chave na estratégia de publicitação da nova imagem das Termas. A diferenciação dentro do mercado será uma prioridade no panorama nacional. A marca afirmar-se-á como um refúgio rural onde, além de garantir uma estadia relaxante, o cliente poderá interagir com a cultura da região e divertir-se com actividades planeadas para cada idade, possibilitando um escape à rotina em família. Os veículos desta mensagem serão as agências organizadoras de programas de férias, o Turismo de Portugal e entidades que promovam o turismo rural. Um site será essencial para um contacto mais directo e esclarecedor com o futuro cliente.

Outro agente de promoção disponível para a marca será o lançamento de uma marca de produtos de tratamento /cuidado pessoal (sabonetes, loções e cremes).


A divulgação da instituição será realizada também ao nível regional, para limpar a imagem de insegurança na gestão do património que as termas adquiriram ao longo do seu último século de existência. A mudança da imagem mudará oferecendo vitalidade à região: pretende-se realizar parcerias com instituições governamentais e empresas em sectores comerciais específicos (locais, regionais e nacionais) e associações culturais da região. Desta forma criar-se-á uma sinergia entre as termas e a região tendo em vista o progresso e possibilitando uma maior oferta de serviços aos clientes, com menos despesas para a instituição termal, maximizando a margem de lucro. Com esta acção espera-se que as parcerias sejam também veículo de publicidade.


Estando as termas a necessitar de revitalização e integração no mercado, optámos por criar uma sinergia de esforços com entidades locais, regionais e nacionais. As parcerias seriam efectuadas ao nível da transportação, vinícola, grupos culturais da região e instituições do poder local.

Cultural: Grupos regionais culturais de olaria e artesanato ligado ao linho. Actividade conjunta de feiras, mostras e workshops. Poder local:

Transportes: CP, Rede Expresso e Avic. O protocolo garantiria as deslocações necessárias abrangidas no custo da estadia, as deslocações em Barcelos, a Póvoa de Varzim e Braga. Vinícola: Quinta da Franqueira, Adega Cooperativa de Barcelos, Sociedade Agrícola Quinta de Azevedo, S.A, Adega Quinta Tamariz e Sociedade Agrícola da Quinta de Santa Maria. Protocolos no sentido de promover vinhos da região, passeios turísticos às adegas, provas de vinhos.

Câmara e Juntas de Freguesias. Protocolos de promoção turística da região e organização conjunta de roteiros de passeio pelos monumentos / atracções turísticas.


Inserido nas iniciativas Turísticas da região, esta nova abordagem ás termas de Eirogo, visa a revitalização das próprias termas, sendo uma mais valia para o crescimento sustentado da economia Barcelense, através do aumento da afluência turística á região. Este crescimento será possível através da modernização das instalações termais já existentes, da criação de novas parcerias com empresas de transportes, câmara municipal, empresas de catering etc, que consideramos decisivas para o aumento da competitividade. Neste sentido, a marca transmite os valores tradicionais conjuntamente com a inovação que a nossa equipa pretende estimular no mercado turístico, e em simultâneo trazer uma nova alma ás termas que se apresentavam um pouco debilitadas.


Neste capítulo encontram-se os elementos básicos da Identidade das TERMAS DE EIROGO e as especificações detalhadas sobre a forma de os utilizar. Conhece-los é o ponto de partida para a correcta aplicação e entendimento do espírito e da integridade da marca.


O logótipo é constituído pelo pictograma, e pelo nome numa relação fixa, como aqui se exemplifica. O símbolo consiste numa recriação do Galo de Barcelos conjuntamente com uma alusão ás gotas de água, e no nome das termas que é constituído por um grupo de letras da mesma “família”,a “TRAJAN PRO” formando, respectivamente as palavras “TERMAS DE EIROGO” . Para garantir a consistência visual, o logótipo não deverá nunca ser redesenhado ou de alguma forma modificado. O logótipo terá de ser sempre reproduzido a partir da arte final original.

Símbolo

Nome


O logótipo tem três versões oficiais: -a cores, -de alto contraste, -preto e branco. Para reforçar o peso e a visibilidade do logótipo das TERMAS DE EIROGO, deve ser aplicada, sempre que possível, a versão a cores. Na impossibilidade de reproduzir o logótipo a cores, existem as versôes de alto contraste e a preto e branco. Estas só devem ser aplicadas quando existam limitações no uso de cor, ou quando a técnica de reprodução o exija, salvaguardando sempre a melhor leitura do logótipo. A cores positivo/negativo

Alto contraste positivo/negativo

Preto e branco positivo/negativo


Para preservar a boa leitura do logótipo foi definida uma área de segurança à sua volta. Esta área tem como referência a medida “X”, que corresponde à altura do nome “TERMAS DE”. O espaço livre mínimo ilustrado aplica-se a todas as versões da marca e destina-se a proteger o logótipo de qualquer outro elemento que esteja próximo e possa impedir ou influenciar a sua leitura e visibilidade. Sempre que possível, a margem deve ser aumentada.

X

X

X


Para garantir a legibilidade da reprodução em escalas variadas, recomenda-se que o logótipo não seja reproduzido em tamanho inferior a 13,5 mm. No caso de aplicações do logótipo em merchandising de pequena dimensão (canetas, pen drive, entre outros), deve recorrer-se à versão de alto contraste.

13,5 mm


As cores do logótipo das TERMAS DE EIROGO são o dourado e o preto. O logótipo é aqui apresentado na opção preferencial, a cores, sendo que este deverá ser utilizado como pantone e a versão de alto contraste num sistema de quadricromia que é o processo de reprodução de cores mais usado e recomendado.

PANTONE : 8642C C-31,28% M-40,7 4% Y-100% K-6,4 % R-174 G-139 B-30 PANTONE : 8642C (opacidade a 70% ) C-31,28% M-40,7 4% Y-100% K-6,4% R-174 G-139 B-30

PANTONE : Black C-0% M-0% Y-0% K-100 % R-0 G-0 B-0


De forma a garantir um acabamento gráfi co mais apurado ou em processos que não admita reprodução em quadricromia, deve optar-se pela versão a preto e branco, ou pela de alto contraste (pág. 09). Neste último caso a cor a utilizar é o PANTONE BLACK. As cores ilustradas neste manual são apenas representativas e não pretendem reproduzir os standards das cores Pantone ou outros sistemas.

Pantone cool gray 11 U C-0% M-2% Y-0% K-68 % R-113 G-112 B-11 5 Pantone cool gray 4 U C-0% M-0% Y-0% K-24% R-201 G-202 B-204

PANTONE : Black C-0% M-0% Y-0% K-100 % R-0 G-0 B-0


As cores de fundo preferenciais para o logótipo das TERMAS DE EIROGO, são o branco e o preto. O principio básico é manter a integridade cromática com o máximo de contraste possível entre o logótipo e a cor de fundo. Estes exemplos deverão servir de guia, por forma a que a visibilidade do logótipo seja preservada.

Fundos claros

Fundos médios

Fundos escuros


Não é recomendável a aplicação do logótipo sobre imagens. No entanto, sempre que se tenha que reproduzir o logótipo sobre fundos fotográficos, a sua colocação deve recair sobre as áreas da imagem que possibilitem uma boa leitura.

A tipografia ofícial faz parte da identidade, e deve ser sempre respeitada para que todo o material de comunicação seja coerente. No logótipo utilizar a tipografia Trajan Pro. Os caracteres que compõem o alfabeto não deverão ser expandidos, condensados ou alterados. Trajan Pro regular

Trajan Pro regular

abcdefghijklmnopqrstuvwxyz ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ 1234567890

abcdefghijklmnopqrstuvwxyz ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ 1234567890


É muito importante que o logótipo das TERMAS DO EIROGO mantenha a sua integridade em qualquer suporte utilizado. Por isso, representam-se aqui alguns alertas para as incorrecções mais frequentes. Este enunciado não pretende abranger todas as possibilidades de má utilização.

Distorção da imagem

Aplicação em fundo com contraste insufeciente

.

Alteração da cor

Acrescentar elementos ao logo


Esta norma pertende estabelecer uma relaçao de dimensão para a marca TERMAS DE EIROGO, quando utilizado em suportes de estacionario. É apenas indicativa e deverá ser aplicada com bom senso e de acordo com as especificações de cada situação. 120 cm

175 cm

8m

3m

10 c m

0.30 m 10 c m

50 cm

0.30 m

1.30 m


40 mm

130

40 mm

297 mm

10 m m 10 m m


Todo o material oficial de merchandising das TERMAS DE EIROGO, produzido por, ou para as termas t锚m de conter o log贸tipo oficial. O log贸tipo das termas dever谩 ser utilizado para promover as mesmas, nos produtos de marketing.


13,5

9 mm


Na área da sinalética, optamos por ter duas linguagens diferentes. Uma linguagem mais séria, mais “adulta”, e outra mais indicada ás crianças, com cores e formas mais apelativas.


A nossa proposta de remodelação de imagem inclui ainda uma linha dedicada aos mais pequenos. A mascote criada e baseada no logótipo original é uma versão infantil do galo de barcelos de modo a cativar as crianças fazendo assim um novo “amigo” com a passagem pelas termas. O cliente dispõe de uma variada gama de produtos personalizados como biberões, t-shirts, mochilas e muitos mais que pode adquirir na loja do hotel.



TERMAS DE EIROGO