Page 79

ocasionalmente ser decomposto gerando assim uma aurora brilhante. Ao se observar Júpiter, com o seu campo magnético mais forte do Sistema Solar e com uma magnetosfera que é diferente da magnetosfera terrestre, será possível determinar o caminho de penetração e profundidade da energia do vento solar. Júpiter tem um campo magnético inerente que é 10.000 vezes mais forte do que o da Terra e roda sobre o seu eixo a uma alta velocidade de 10 horas por ciclo. O gás gerado por erupções na lua vulcânica Io, enchem a magnetosfera do planeta tornando-a dez vezes maiores do que a do Sol.

Estudando a atmosfera dos planetas Graças à atmosfera que cobre o nosso planeta, uma atmosfera que contém oxigénio, a Terra sustem um ambiente no qual uma grande variedade de criaturas pode viver e prosperar. Em contraste, enquanto Vénus e Marte são parecidos com a Terra, as suas atmosferas diferem de forma substancial da da Terra. A missão SPRINT-A tem como objectivo tentar determinar que tipos de eventos ocorreram no estágio embrionico do Sistema Solar ao analisar o mecanismo pelo qual o forte vento solar permite que uma atmosfera se dissipe no espaço. Com gravidades que são 40% e 98% da existente na Terra e com temperaturas e pressões atmosféricas de -60ºC e 0,01 atm (Marte) e 400ºC e 90 atm (Vénus) – estes dois planetas possuem ambientes que são exóticos comparados com o ambiente do nosso planeta. Como tanto Marte e Vénus têm fracos campos magnéticos inerentes, as suas atmosferas são dissipadas de forma massiva pelo vento solar.

SPRINT-A O SPRINT-A é o primeiro satélite da JAXA desenvolvido no projecto Small Scientific Satellite (SSS) que tem por objectivo reduzir o custo e o tempo de desenvolvimento para pequenos satélites ao introduzir um modelo standard e modular. A JAXA tem como objectivo lançar três missões deste tipo a cada cinco anos, utilizando o foguetão Epsilon. O SPRINT-A, baptizado com a designação de Hisaki (火崎), é baseado na plataforma NEXTAR NX-300L desenvolvida pela empresa NEC. O satélite tinha uma massa de 340 kg no lançamento e as suas dimensões são 4 x 1 x 1 metros, recebendo energia 900 watts de duas asas solares. Em órbita o satélite tem uma envergadura de 7 metros. É estabilizado nos seus três eixos espaciais e o seu tempo de vida útil é de 1 ano. A missão era anteriormente designada EXCEED (Extreme Ultraviolet Spectroscope for Exospheric Dynamics) e substitui o satélite TOPS (Telescope Observatory for Planets on Small-satellite) que tinha como missão observar as atmosferas de alguns planetas.

Centro Espacial de Uchinoura O lançamento do SPRINT-A teve lugar a partir do Centro Espacial de Uchinoura que até 2003 era designado Centro Espacial de Kagoshima. Foi a partir deste centro que o Japão lançou o seu primeiro satélite às 0425UTC do dia 11 de Fevereiro de 1970 quando o foguetão Lambda-4S (L-4S-5) colocou em órbita o satélite Ohsumi (L-4S-5). O lançamento bem sucedido do Ohsumi seguiu-se a quatro tentativas falhadas para colocar em órbita um satélite. Este foi o primeiro lançamento orbital a partir de Uchinoura desde 22 de Setembro de 2006 (2136:30UTC) quando o foguetão M-V-7 colocou em órbita os satélites Hinode (Solar-B), HITSat e SSSat.

78 Em Órbita – Vol.13 – N.º 141 / Outubro de 2013

Profile for Rui Barbosa

Em orbita 141 Outubro de 2013  

O lançamento de três novos membros para a tripulação da ISS a bordo da Soyuz TMA-10M e a primeira parte dos artigos relacionados com os lanç...

Em orbita 141 Outubro de 2013  

O lançamento de três novos membros para a tripulação da ISS a bordo da Soyuz TMA-10M e a primeira parte dos artigos relacionados com os lanç...

Advertisement