Page 21

Em Órbita Após o HTV atingir a zona de comunicações de proximidade, onde pode comunicar directamente com a ISS, o veículo irá estabelecer comunicações com o sistema PROX (Proximity Communications System) e iniciar a navegação relativa via GPS. O HTV realiza então manobras utilizando esta navegação até atingir o ponto de Iniciação de Aproximação (IA), localizado a cerca de 5 km atrás da ISS. Neste ponto o HTV realiza uma paragem em relação à ISS e mantém esta distância. Tanto a ISS como o HTV viajam a uma velocidade de 7,8 km/s. Se a diferença de velocidade é ajustada para zero, os dois veículos vão parecer parados um em relação a outro. A 90 minutos de atingir o ponto IA, são iniciadas as operações de integração entre o Centro de Controlo de Tsukuba e o Centro de Controlo de Houston. Após a aprovação final ser aprovada pelo controlo de voo norteamericano, o HTV é comandado para iniciar a manobra de aproximação final. O veículo move-se então desde o IA para o RI localizado a aproximadamente 500 metros por debaixo da ISS (no vector R-bar), orientado pela navegação relativa via GPS. Ao reflectir um laser a partir do RVS (Rendezvous Sensor) no reflector LRR (Laser Rader Reflector) colocado no lado nadir do módulo Kibo para confirmar as localizações, o HTV aproxima-se da ISS. O HTV automaticamente suspende a sua aproximação a 250 metros debaixo da ISS (ponto de espera) e a 30 metros (ponto de parqueamento). Eventualmente, o HTV realiza uma paragem relativa a 10 metros e mantém esta distância. Durante a aproximação final a tripulação da ISS pode enviar comandos a partir do HCP (Hardware Command Panel), incluindo os comandos ‘HOLD’, ‘RETREAT’ e ‘ABORT’, para o HTV caso surja alguma emergência. No ponto de espera localizado a 250 metros debaixo da ISS, o HTV realiza uma manobra para alterar as direcções dos motores principais para posição oposta. Isto permite que possa realizar uma manobra para evitar a colisão (CAM – Collision Avoidance Maneuver) que desloca o HTV de forma segura para longe da ISS na direcção frontal no caso de uma emergência. Uma vez confirmado que o HTV se encontra a 10 metros da ISS e que mantém esta distância, a tripulação da ISS envia comandos para desactivar os motores do HTV e subsequentemente o sistema de manipulação remota SSRMS segura o dispositivo FRGF (Grapple Fixture) do HTV, sendo posteriormente ancorado no mecanismo CBM (Common Berthing Mechanism) no ponto nadir do módulo Harmony. O HTV-4 acabaria por ser capturado pelo Canadarm2 às 1122UTC do dia 9 de Agosto, sendo acoplado com a ISS às 1528UTC. A escotilha de acesso foi aberta às 1111UTC do dia 10 de Agosto. Às 2107UTC do dia 11 de Agosto o Canadarm2 removeu a EP do HTV e às 359UTC do dia 12 de Agosto o EP era instalado na parte exterior do módulo Kibo.

Em Órbita – Vol.13 – N.º 140 / Setembro de 2013

20

Profile for Rui Barbosa

Em Órbita 140 Setembro de 2013  

Edição n.º 140 do Boletim Em Órbita. Nesta edição pode-se encontrar vários artigos sobre os lançamentos orbitais realizados em Agosto de 201...

Em Órbita 140 Setembro de 2013  

Edição n.º 140 do Boletim Em Órbita. Nesta edição pode-se encontrar vários artigos sobre os lançamentos orbitais realizados em Agosto de 201...

Advertisement