Page 76

Em Órbita A parede frontal da sala do centro de controlo está equipada com vários relógios, mostradores da contagem regressiva, emblemas e um ecrã de vídeo que mostra várias imagens da plataforma de lançamento recolhidas de diferentes ângulos, além de vários gráficos de diferentes dados. Sendo controlados a partir do ASOC, o Atlas-V é montado no interior do VIF (Vertical Integration Facility). Este edifício, que começou a ser construído em Janeiro de 1999, tem uma altura máxima de 90 metros e está localizado a 550 metros da plataforma de lançamento. No seu interior está situado um guindaste de 60 t com uma capacidade de levantar os diferentes segmentos do Atlas-V e colocá-los na plataforma móvel de lançamento. Após a verificação dos diferentes estágios no ASOC, estes são transportados na horizontal para o VIF. O CCB segue em primeiro lugar, seguido pela secção cilíndrica que compõe o inter-estágio e do estágio Centaur. A última peça deste lego é a secção “boat-tail”. As missões futuras serão também aqui colocados os propulsores laterais de combustível sólido. Após a montagem, o lançador passa por mais uma série de testes antes da carga a transportar ser entregue no VIF para montagem. O satélite é processado e abastecido do seu combustível de manobra num local separado do VIF e que tanto pode ser as instalações comerciais da Astrotech localizadas em Titusville, a 35 km de distância, ou então num edifício governamental caso se tratem de cargas militares ou da NASA. Após o processamento o satélite é colocado no interior de um contentor de segurança e protecção antes de deixar o e edifício de processamento e de iniciar a sua viagem até ao SLC-41. No SLC-41 é levantado até ao nível superior do estágio Centaur e colocado no seu topo. Segue-se um teste IST (Integration Systems Test) entre o foguetão lançador e a sua carga para confirmar uma boa ligação entre os dois e que ambos estão prontos para o lançamento. Segue-se o transporte até à plataforma de lançamento. O VIF foi construído de forma a suportar ventos de furacão até uma velocidade de 225 km/h. Possui várias plataformas móveis que possibilitam o acesso às diferentes zonas do foguetão e está equipado com uma porta reforçada com uma largura de 12,5 metros e uma altura de 84 metros que se recolhe na vertical, permitindo o transporte dos vários estágios do Atlas-V para o interior do edifício e a posterior saída do lançador para a plataforma de lançamento. Na construção do VIF foram utilizados 200 camiões de cimento (que equivaleram a 1.376 m3 de cimento) para a construção das suas fundações e 3.250 t de aço para a construção das suas paredes. Lançamento

Data

Veículo

Missão

Local Lançamento

Plataforma Lançamento

2012-009

24-Fev-11

551

AV-030

Cabo Canaveral

SLC-41

2012-019

4-Mai-12

531

AV-031

Cabo Canaveral

SLC-41

2012-033

20-Jun-12

401

AV-023

Cabo Canaveral

SLC-41

2012-046

30-Ago-12

401

AV-032

Cabo Canaveral

SLC-41

2012-071

11-Dez-12

501

AV-034

Cabo Canaveral

SLC-41

2013-004

31-Jan-13

401

AV-036

Cabo Canaveral

SLC-41

2013-008

11-Fev-13

401

AV-035

Vandenberg AFB

SLC-3E

2013-011

19-Mar-13

401

AV-037

Cabo Canaveral

SLC-41

2013-023

15-Mai-13

401

AV-039

Cabo Canaveral

SLC-41

2013-036

15-Jul-13

551

AV-040

Cabo Canaveral

SLC-41

Em Órbita – Vol.13 – N.º 139 / Agosto de 2013

Carga MUOS-1 (38093 2012-009A) USA-235 ‘AEHF-2’ (38254 2012-019A) USA-236 ‘NROL-38 Drake’ (38466 2012-033A) RBSP-A (38752 2012-046A) RBSP-B (38753 2012-046B) USA-240 X-37B-1 'OTV-3' (39025 2012-071A) TDRS-11 ‘TDRS-K’ (39070 2013-004A) Landsat-8 (LDCE) (39084 2013-008A) USA-241 ‘SBIRS-GEO 2’ (39120 2013-011A) USA-242 ‘Navstar68 GPS-IIF-4’ (39166 2013-023A) MUOS-2 (39106 2013-036A)

75

Profile for Rui Barbosa

Em Órbita 139 Agosto de 2013  

Edição n.º 139 do Boletim Em Órbita para o mês de Agosto de 2013.

Em Órbita 139 Agosto de 2013  

Edição n.º 139 do Boletim Em Órbita para o mês de Agosto de 2013.

Advertisement