Page 23

Em Órbita Com dimensões semelhantes ao motor RD-0110 utilizado nas versões anteriores dos lançadores Soyuz, o motor RD-0124 apresenta como principal diferença a introdução de um sistema de ciclo fechado no qual o gás do oxidante que é utilizado para propulsionar as bombas do motor é então direccionado para a câmara de combustão onde é queimado com restante propolente em vez de ser descartado. Esta melhoria no motor aumenta a performance do sistema e, como consequência, aumenta a capacidade de carga do lançador em 950 kg. Um propolente especial de ignição é utilizado para activar a combustão do motor e são utilizados dispositivos pirotécnicos para controlar o funcionamento do motor. Cada uma das quatro câmaras de combustão pode ser movimentada ao longo de eixos para manobrar o veículo. Em 1996 tiveram início os testes do motor RD-0124 e foram finalizados em Fevereiro de 2004 nas instalações da Khimavtomatika em Voronezh. Nesta altura previa-se que a produção em série do novo motor teria início em 2005. A 27 de Dezembro de 2005 teve lugar outro teste do motor, abrindo caminho para os ensaios em grupo de todo o terceiro estágio do lançador 14A14-B Soyuz-2-1B nas instalações da NIIKhimMash em Sergiev Posad. No início de 2005 a Arianespace anunciava que a primeira missão de teste do foguetão 14A14-1B Soyuz-2-1B teria lugar desde o Cosmódromo GIK-5 Baikonur para colocar em órbita o satélite astronómico CoRoT. Este lançamento dependeria dos resultados de novos ensaios do motor RD-0124 que tiveram lugar em Março e Abril de 2006. Um último teste teve lugar a 20 de Outubro de 2006 e o satélite CoRoT acabaria por ser lançado a 21 de Dezembro desse ano. O estágio Fregat foi qualificado para voo no ano 2000 e representa um estágio superior flexível e autónomo que foi desenhado para operar como um veículo orbital. O Fregat prolonga as capacidades dos estágios inferiores dos foguetões Soyuz para proporcionar um acesso total a um variado leque de órbitas. Para fornecer ao Fregat uma fiabilidade inicial elevada e acelerar o seu processo de desenvolvimento, vários subsistemas já utilizados em voo e outros componentes de outros veículos e lançadores foram incorporados neste estágio superior. O estágio consiste em seis tanques esféricos (quatro tanques de propolentes e dois tanques de sistemas aviónicos) colocados em círculo, com longarinas atravessando ao longo dos tanques para fornecer apoio estrutural. O estágio é independente dos estágios inferiores do lançador, possuindo o seu próprio sistema de orientação, navegação, controlo, detecção e telemetria. O Fregat utiliza um motor S9.98M que consome propolentes hipergólicos (UDMH e NTO) e pode ser reactivado até 20 vezes em voo, permitindo assim levar a cabo perfis de missões complexas. Pode fornecer uma estabilização nos três eixos espaciais à carga a colocar em órbita ou colocá-la nua situação de estabilização por rotação. O Fregat pode ser utilizado como estágio superior dos foguetões 11A511U Soyuz-U, 11A511U-FG Soyuz-FG, 14A14-1A Soyuz-2-1A, 14A14-1B Soyuz-2-1B e 11K77 Zenit-3F

Lançando os primeiros satélites O3b Os primeiros quatro satélites O3b chegavam ao CSG Kourou a 23 de Abril de 2013, sendo transportados a bordo de um avião de carga Antonov An-124. Após chegarem à Guiana Francesa, os quatro satélites foram transportados para as instalações de processamento S1 perto da cidade de Kourou, sendo transferidos por estrada entre o aeroporto Félix Eboué e as instalações de processamento. Nestas instalações os satélites foram colocados na sala estéril S1A, sendo removidos dos respectivos contentores de transporte e submetidos a uma inspecção para atestar que não sofreram quaisquer danos durante o voo transatlântico. Após as verificações iniciais, os satélites foram transferidos entre a sala S1B (onde se procedeu à verificação da sua plataforma e da sua carga de comunicações) e o edifício S5, com o primeiro satélite (FM4 ‘Flight Model 4’) a ser transferido a 14 de Maio. Na Sala S5 os satélites foram abastecidos com os propolentes necessários para as suas manobras orbitais. Após os procedimentos de abastecimento com os quatro satélites, estes foram colocados no sistema de transporte que seria utilizado para o lançamento. Durante as actividades conduzidas numa das salas estéreis do edifício S5, os satélites trapezoidais são acoplados ao sistema de transporte em forma de tubo, permitindo posteriormente a sua colocação no interior da carenagem de protecção do foguetão lançador. Paralelamente decorriam os preparativos com o foguetão 372РН21Б Soyuz-STB (Е15000-003) nas instalações de integração MIK à medida que as secções superior e inferior do seu estágio central eram alinhadas para posterior junção em sistemas de transporte horizontais. Esta actividade foi seguida pela instalação dos quatro propulsores laterais em torno do estágio central, com os dois primeiros propulsores a

Em Órbita – Vol.13 – N.º 139 / Agosto de 2013

22

Profile for Rui Barbosa

Em Órbita 139 Agosto de 2013  

Edição n.º 139 do Boletim Em Órbita para o mês de Agosto de 2013.

Em Órbita 139 Agosto de 2013  

Edição n.º 139 do Boletim Em Órbita para o mês de Agosto de 2013.

Advertisement