Page 44

Em Órbita

Para chegar `estação espacial internacional a Soyuz TMA-09M iria realizar várias manobras em órbita. As duas primeiras manobras seriam realizadas logo após a separação do terceiro estágio do foguetão lançador, com os dados balísticos a serem introduzidos pelos cosmonautas no computador de bordo TsVM-101 de forma manual antes do lançamento. Na segunda órbita, novos dados seriam transmitidos a partir do solo sendo automaticamente introduzidos no computador de controlo e utilizados nas manobras orbitais subsequentes e que seriam realizadas antes da aproximação final à ISS. A tabela mostra os tempos dos diferentes acontecimentos durante o lançamento. O impacto no solo do sistema de emergência tiver lugar na Área n.º 16 localizada no Distrito de Karaganda, Cazaquistão. O sistema de emergência tem uma massa de 1.935 kg. O impacto no solo terá ocorrido a 47º 18’ N – 67º 14’ E. O impacto no solo dos propulsores que constituíram o primeiro estágio teve lugar na Área n.º 49 localizada no Distrito de Karaganda, Cazaquistão, a uma distância de cerca de 348 km. A carenagem de protecção acabou por cair na Área n.º 69 localizada no Distrito de Karaganda a uma distância de cerca de 527 km, enquanto que o segundo estágio impactou nas Áreas n.º 306 e 307 localizada no Distrito de Altai, República de Altai (Rússia) – Distrito de Cazaquistão Este (Cazaquistão), a uma distância de cerca de 1.570km. A secção de ligação entre o 2º e o 3º estágio acabou por impactar na Área n.º 309 localizada no Distrito de Altai, República de Altai (Rússia) – Distrito de Cazaquistão Este (Cazaquistão). Fase do lançamento Ignição Separação do sistema de emergência

Tempo (m:s) 0 1:54,16

Final da queima e separação do 1º estágio

1:57,80

Separação da carenagem de protecção

2:37,48

Final da queima do 2º estágio

4:45,05

Separação do 2º estágio / ignição do 3º estágio

4:47,30

Separação da grelha de ligação 2º / 3º estágio

4:57,05

Final da queima do 3º estágio

8:44,96

Separação da Soyuz TMA-06M

8:48,26

Após se separar do terceiro estágio do foguetão lançador, a Soyuz TMA-09M ficou colocada numa órbita com um perigeu a 200,00 km, apogeu a 249,72 km, inclinação orbital de 51,67º e período orbital de 88,71 minutos.

Em Órbita – Vol.13 – N.º 137 / Junho de 2013

Na altura em que a Soyuz TMA09M entrava em órbita terrestre, a ISS encontrava-se numa órbita com um perigeu a 408,26 km, apogeu a 434,53 km, inclinação orbital de 51,66º e período orbital de 92,81 minutos. A Soyuz TMA-09M iniciava então uma «perseguição» de cerca de seis horas à estação espacial internacional ao longo das quais eram executadas algumas manobras orbitais que alteram os parâmetros da órbita do veículo tripulado. Após entrar em órbita terrestre os tripulantes executam várias tarefas para preparar o veículo para o voo orbital. Estas tarefas iniciam-se com a abertura automática dos painéis solares e das antenas de comunicações. De seguida procedese com a pressurização dos tanques de propolente, com o enchimento dos distribuidores e a sonda de acoplagem é colocada em posição. Os cosmonautas podem agora ter acesso ao módulo orbital da Soyuz TMA-09M mas primeiro verificam que não existe qualquer fuga de ar entre esse módulo e o módulo de regresso onde se encontram. Entretanto, são também levados a cabo outros testes automáticos tal como acontece com o Hora (UTC) auto-teste do sistema de encontro e 2031:24,26 acoplagem KURS. Os sensores 2033:18,62 angulares BDUS são também testados e 2033:22,06 a cápsula é colocada na atitude apropriada em órbita ao mesmo tempo 2034:01,74 que é colocada numa lenta rotação sobre o seu eixo longitudinal para 2036:09,31 evitar o aquecimento excessivo de um 2036:11,56 doa seus lados (após ser testado o 2036:21,31 sistema de controlo rotacional manual). Após se verificar que não existem 2040:09,22 fugas entre o módulo orbital e o 2040:12,52 módulo de descida, a tripulação pôde então entrar no módulo orbital e despir os seus fatos pressurizados. Em antecipação das duas primeiras manobras orbitais, a cápsula espacial recebe então os dados relativos às queimas que o seu motor terá de efectuar. Entretanto, a tripulação activa o sistema de purificação de ar SOA no interior do módulo orbital ao mesmo tempo que desactiva esse sistema no módulo de descida. 43

Profile for Rui Barbosa

Em Órbita n.º 137 - Junho de 2013  

Edição 137 para o Boletim Em Órbita onde encontraremos vários artigos sobre o voo espacial tripulado, sobre os lançamentos orbitais realizad...

Em Órbita n.º 137 - Junho de 2013  

Edição 137 para o Boletim Em Órbita onde encontraremos vários artigos sobre o voo espacial tripulado, sobre os lançamentos orbitais realizad...

Advertisement