Page 25

O estágio Fregat foi qualificado para voo no ano 2000 e representa um estágio superior flexível e autónomo que foi desenhado para operar como um veículo orbital. O Fregat prolonga as capacidades dos estágios inferiores dos foguetões Soyuz para proporcionar um acesso total a um variado leque de órbitas. Para fornecer ao Fregat uma fiabilidade inicial elevada e acelerar o seu processo de desenvolvimento, vários subsistemas já utilizados em voo e outros componentes de outros veículos e lançadores foram incorporados neste estágio superior. O estágio consiste em seis tanques esféricos (quatro tanques de propolentes e dois tanques de sistemas aviónicos) colocados em círculo, com longarinas atravessando ao longo dos tanques para fornecer apoio estrutural. O estágio é independente dos estágios inferiores do lançador, possuindo o seu próprio sistema de orientação, navegação, controlo, detecção e telemetria. O Fregat utiliza um motor S9.98M que consome propolentes hipergólicos (UDMH e NTO) e pode ser reactivado até 20 vezes em voo, permitindo assim levar a cabo perfis de missões complexas. Pode fornecer uma estabilização nos três eixos espaciais à carga a colocar em órbita ou colocá-la nua situação de estabilização por rotação. O Fregat pode ser utilizado como estágio superior dos foguetões 11A511U Soyuz-U, 11A511U-FG Soyuz-FG, 14A14-1A Soyuz-2-1A, 14A14-1B Soyuz-2-1B e 11K77 Zenit-3F.

A missão ST-26 Os satélites Globalstar-2 que seriam lançados na missão ST-26 chegaram ao Cosmódromo de Baikonur em pares nos dias 17 de Outubro de 2012, 14 de Novembro e 11 de Dezembro. Após a chegada ao cosmódromo os satélites foram submetidos a uma inspecção nas instalações de processamento de carga da Área 112 (MIK 112) e de seguida começaram a ser preparados para o lançamento. A 15 de Janeiro de 2013 os satélites estavam já integrados no sistema de transporte de carga que permite o lançamento de seis satélites de forma simultânea. Este sistema é dividido em duas parte: a parte superior e a parte inferior. Na parte superior estão colocados dois satélites, enquanto que na parte inferior são transportados os restantes quatro satélites. Em órbita, os dois satélites na parte superior separam-se em primeiro lugar. Este sistema tem uma altura de 6,7 metros. Em Órbita – Vol.13 – .º 134 / Março de 2013

24

Profile for Rui Barbosa

Em Órbita n.º 134 - Março de 2013  

Edição de Março de 2013 do Boletim Em Órbita com vários artigos sobre os lançamentos orbitais levados a cabo em Fevereiro de 2013.

Em Órbita n.º 134 - Março de 2013  

Edição de Março de 2013 do Boletim Em Órbita com vários artigos sobre os lançamentos orbitais levados a cabo em Fevereiro de 2013.

Advertisement