Page 75

O foguetão Atlas-V/401 A ULA A 2 de Maio de 2005 a Boeing Company e a Lockheed Martin Corporation anunciaram a intenção de formar uma empresa conjunta denominada United Launch Alliance (ULA) que juntava assim duas das mais experientes e bem sucedidas companhias que suportaram a presença americana no espaço por 50 anos. Em conjunto os lançadores Atlas (Lockheed Martin) e Delta (Boeing) transportaram mais de 850 cargas para a órbita terrestre e não só, desde satÊlite meteorológicos, de telecomunicaçþes, veículos militares, satÊlites científicos e sondas interplanetårias que alargaram o nosso conhecimento do Universo. A ULA proporciona assim dois veículos capazes de proporcionar um acesso seguro, económico, fiåvel e eficiente ao espaço para as missþes governamentais americanas, continuando assim uma tradição de apoio às iniciativas espaciais estratÊgicas norteamericanas com soluçþes de lançamento avançadas e robustas. A equipa da ULA engloba mais de 3800 funcionårios que trabalham em locais espalhados pelos Estados Unidos. A sede da empresa estå situada em Denver, Colorado, com a maior parte das actividades de engenharia e administrativas consolidadas nas instalaçþes da Lockheed Martin Space Systems Company. As operaçþes de integração e montagem estão localizadas nas instalaçþes de fabrico e montagem da Boeing em Decatur, Alabama. As estruturas mecânicas do Atlas-V, fabrico da ogiva de protecção, do sistema de adaptação e montagem são levadas a cabo em Harlingen, Texas. As instalaçþes de lançamento utilizadas pela ULA são o SLC-17 (Plataformas A e B), SLC-37 (foguetþes Delta-2 e Delta-4, respectivamente) e o SLC-41 (Atlas) no Cabo Canaveral, e SLC-2W (Delta-2), SLC-6 (Delta-4) e o SLC-3E (Atlas-V) na Base AÊrea de Vandenberg.

Breve histĂłria dos lançadores Atlas O mĂ­ssil balĂ­stico Atlas teve a sua origem requisição feita pela Força AĂŠrea dos Estados Unidos (USAF) em Outubro de 1945, que conduziu ao desenvolvimento durante a dĂŠcada de 50 dos mĂ­sseis Atlas, Navaho, Snark, Matador e Mace. Em 10 de Janeiro de 1946 foram submetidas duas propostas para a construção de mĂ­sseis com um alcance de 11.100 km, sendo uma das proposta a de um mĂ­ssil alado e propulsionado a jacto e a outra proposta e de um mĂ­ssil supersĂłnico, de trajectĂłria balĂ­stica e propulsionado por foguetĂŁo. A proposta do mĂ­ssil balĂ­stico incluĂ­a o aparecimento de novas tecnologias, tal como o desenho de uma estrutura de peso reduzido atravĂŠs do uso de tanques de combustĂ­vel de parede Ăşnica e incluĂ­dos numa Ăşnica estrutura monocoque que seria mantida rĂ­gida atravĂŠs da pressĂŁo interna. A performance deste mĂ­ssil era quase do tipo “single-stage-to-orbitâ€? ao se dar a separação dos motores de ignição inicial durante a ascensĂŁo. A 19 de Abril de 1946 a Consolidated Vultee Aircraft Corporation (Convair) foi incumbida de construir e testar dez mĂ­sseis MX774 Hiroc de forma a verificar e validar as propostas do novo mĂ­ssil. Os testes do MX-774 iniciaram-se em San Diego em 1947, mas em Junho desse ano a Convair, empresa que propusera as duas propostas iniciais Ă USAF era informada que havia perdido o concurso para o novo mĂ­ssil, sendo os contratos atribuĂ­dos Ă s empresas orthrop e Martin que deveriam desenvolver a tecnologia dos mĂ­sseis alados e subsĂłnicos. Os cortes no orçamento para a defesa dos Estados Unidos forçaram a USAF a terminar o contrato com a Convair em Julho de 1947, e isto a apenas trĂŞs meses da data prevista para o primeiro voo. PorĂŠm, os fundos ainda disponĂ­veis permitiram a realização de trĂŞs

Em Órbita – Vol.13 – .º 132 / Janeiro de 2013

74

Profile for Rui Barbosa

Em Órbita 132 - Janeiro de 2013  

Primeira edição do Boletim Em Órbita para o ano de 2013. Neste número: a missão espacial Soyuz TMA-07M, os lançamentos orbitais realizados e...

Em Órbita 132 - Janeiro de 2013  

Primeira edição do Boletim Em Órbita para o ano de 2013. Neste número: a missão espacial Soyuz TMA-07M, os lançamentos orbitais realizados e...

Advertisement