Page 46

O estágio Fregat foi qualificado para voo no ano 2000 e representa um estágio superior flexível e autónomo que foi desenhado para operar como um veículo orbital. O Fregat prolonga as capacidades dos estágios inferiores dos foguetões Soyuz para proporcionar um acesso total a um variado leque de órbitas. Para fornecer ao Fregat uma fiabilidade inicial elevada e acelerar o seu processo de desenvolvimento, vários subsistemas já utilizados em voo e outros componentes de outros veículos e lançadores foram incorporados neste estágio superior. O estágio consiste em seis tanques esféricos (quatro tanques de propolentes e dois tanques de sistemas aviónicos) colocados em círculo, com longarinas atravessando ao longo dos tanques para fornecer apoio estrutural. O estágio é independente dos estágios inferiores do lançador, possuindo o seu próprio sistema de orientação, navegação, controlo, detecção e telemetria. O Fregat utiliza um motor S9.98M que consome propolentes hipergólicos (UDMH e NTO) e pode ser reactivado até 20 vezes em voo, permitindo assim levar a cabo perfis de missões complexas. Pode fornecer uma estabilização nos três eixos espaciais à carga a colocar em órbita ou colocá-la nua situação de estabilização por rotação. O Fregat pode ser utilizado como estágio superior dos foguetões 11A511U Soyuz-U, 11A511U-FG Soyuz-FG, 14A14-1A Soyuz-2-1A, 14A14-1B Soyuz-2-1B e 11K77 Zenit-3F

Lançando o Plêiades-1B A 11 de Outubro de 2012 a Arianespace anunciava a chegada ao CSG Kourou, na Guiana Francesa, do navio de carga MN Colibri transportando vários componentes do foguetão Soyuz-ST para futuras missões a serem levadas a cabo desde a América do Sul, nomeadamente para a quarta, quinta e sexta missões designadas VS04, VS05 e VS06. A bordo encontrava-se o terceiro estágio e a carenagem de protecção a ser utilizada no lançador Soyuz-STA (Ш15000-001) para a missão VS04 que colocaria em órbita o satélite Plêiades-1B. Por esta altura, os técnicos haviam já finalizado a verificação do estágio superior Fregat (2010) no interior do edifício de integração e montagem MIK, sendo posteriormente transferido para a sala S3B onde seria abastecido. Entretanto, a integração dos estágios inferiores do lançador seria iniciada na terceira semana de Outubro.

O satélite Plêiades-1B chegava a Kourou a bordo de um avião de carga Boeing-747 no dia 25 de Outubro, sendo transferido para a sala S1B onde usualmente têm lugar os procedimentos de preparação das cargas a serem lançadas pelo Soyuz-ST. O satélite foi então removido do seu contentor de transporte no interior de uma sala estéril e depois elevado para uma posição vertical, dando-se assim início ao processo de verificação dos seus sistemas. Após serem realizados vários testes funcionais, o satélite foi declarado pronto para o lançamento sendo transportado para o edifício de processamento S5 onde seria abastecido com os gases de pressurização e propolentes necessários para as suas manobras orbitais. O processo de transferência inicia-se com a colocação do satélite numa palete no interior do edifício S1B. Esta palete é sustentada por uma almofada de ar e é depois transferida através de uma escotilha para ser colocada no interior do contentor de transporte CCU3 que fará a transferência do satélite através do porto espacial até ao edifício S5. Este processo teve lugar a 12 de Novembro.

Em Órbita – Vol.13 – .º 132 / Janeiro de 2013

45

Profile for Rui Barbosa

Em Órbita 132 - Janeiro de 2013  

Primeira edição do Boletim Em Órbita para o ano de 2013. Neste número: a missão espacial Soyuz TMA-07M, os lançamentos orbitais realizados e...

Em Órbita 132 - Janeiro de 2013  

Primeira edição do Boletim Em Órbita para o ano de 2013. Neste número: a missão espacial Soyuz TMA-07M, os lançamentos orbitais realizados e...

Advertisement