Page 71

Em Órbita

espaço no interior de grandes piscinas, treinando sete horas debaixo de água por cada hora que passam no espaço exterior. Os cosmonautas russos possuem uma piscina (Hidrolaboratório) no Centro de Treino de Cosmonautas Yuri A. Gagarin, Cidade das Estrelas. Aqui, tanto os astronautas como os cosmonautas aprendem a utilizar os fatos extraveículares russos Orlan-DM. Por outro lado, também levam a cabo sessões de treino no NBL (eutral Buoyancy Laboratory), situado no Centro Espacial Johnson em Houston, Texas. O NBL possui um comprimento de 62 metros, uma largura de 31 metros e uma profundidade de 12 metros, contendo 22,7 milhões de litros de água. No fundo desta enorme piscina, de facto a maior piscina interior do mundo, encontra-se um modelo da ISS, que tem o mesmo tamanho da estação que se encontra em órbita. Um astronauta que se encontra submerso no NBL, encontra muitas semelhanças ao estado de imponderabilidade no exterior de um veículo em órbita, porém não é o mesmo que se encontrar a flutuar no espaço. Um astronauta não se encontra em imponderabilidade, encontrando-se num estado de flutuação neutral10. No NBL são colocados pesos ou flutuadores junto do fato espacial de forma a fazer do astronauta um flutuador neutral, o que o faz sentir como se estivesse no espaço flutuando sem gravidade. Após saber se movimentar com o fato espacial, o astronauta aprende a executar as suas tarefas na sua actividade extraveícular envergando um usual fato de mergulho. Após passar esta fase inicial, o astronauta começa a praticar os mesmos procedimentos mas desta vez envergando o seu fato espacial extraveícular. Na piscina outros mergulhadores auxiliam o astronauta a movimentar-se até que este se habitue a mover-se com o fato extraveícular. O astronauta aprende também a manter-se imóvel numa determinada posição, pois um movimento mais forte no espaço e fará com que este flutue para longe da estação. A fase seguinte verá o astronauta a aprender a utilizar as ferramentas que serão necessárias durante a saída para o espaço. O astronauta pratica todos os movimentos dezenas de vezes até que os execute correctamente. Ao contrário dos astronautas que auxiliam na montagem da ISS ou que tiveram de reparar o telescópio espacial Hubble, os membros das tripulações permanentes da ISS aprendem a levar a cabo muitas tarefas no exterior da estação para estejam preparados a reparar qualquer falha que possa surgir durante a permanência em órbita. Os cosmonautas seguiram o regime normal de treinos e de preparação para a sua permanência a bordo da estação espacial internacional com visitas frequentes ao Centro Espacial Johnson (Houston – Texas) e ao Centro de Treino de Cosmonautas Yuri Gagarin (Moscovo). Preparativos finais para o lançamento Os diferentes elementos do foguetão lançador 11A511U-FG Soyuz-FG (Л15000-042) chegavam ao Cosmódromo de Baikonur a 4 de Março de 2012 via caminho-de-ferro provenientes das instalações da empresa estatal TsKSB Progress. Depois de cumpridos os procedimentos alfandegários, os vagões foram transferidos para a rede interna de caminho-de-ferro do cosmódromo e transportados para o edifício de integração e montagem (MIK) da Área 112 (muitas vezes designado MIK 112). Este edifício foi originalmente construído para o processamento dos vaivéns espaciais soviéticos. As salas altas 3, 4 e 5 foram destruídas devido ao colapso do telhado em Maio de 2002, mas as salas 1 e 2 ficaram intactas. A Sala 1 é agora utilizada para a montagem e integração dos foguetões 11A511U Soyuz-U e 11A511U-FG Soyuz-FG, além da integração final dos veículos de carga Progress M-M e dos veículos tripulados Soyuz TMA-M. A Sala 2 é utilizada em três salas estéreis para a Starsem, uma afiliada da Arianespace. Após a remoção dos diferentes componentes do lançador, estes foram inspeccionados e mais tarde procedeu-se à sua montagem em preparação para o lançamento. O veículo 11F732A47 n.º 706 que seria utilizado na missão Soyuz TMA-05M chegou ao Cosmódromo de Baikonur no dia 20 de Maio. Após os usuais procedimentos alfandegários, o comboio foi transferido para a rede de caminhos-de-ferro do cosmódromo e transportado para o edifício de processamento, montagem e teste MIK da Área 254. Este edifício é utilizado para a integração e montagem dos veículos de carga Progress M-M, Soyuz TMA-M, preparação dos módulos russos para a ISS e preparação dos estágios superiores Blok-DM. Contém também uma sala estéril que foi utilizada para a preparação dos satélites de comunicações móveis Iridium e para a preparação dos satélites de comunicações Yamal, possuindo também uma câmara bárica e térmica. O edifício é utilizado para os preparativos finais por parte dos cosmonautas (onde vestem os fatos pressurizados, etc.) e no seu exterior estes apresentam-se à Comissão Estatal (desde a missão Soyuz TM-28 em Agosto de 1998). Após ser transportado para o MIK 254, o veículo 11F732A47 n.º 706 seria removido dos contentores de transporte nos dias seguintes, sendo colocado na plataforma de teste e processamento onde seria inspeccionado para atestar que não havia sofrido danos durante o transporte. Após a chegada ao cosmódromo, os testes na Soyuz TMA-05M incidiram sobre os painéis solares do veículo com os especialistas da Corporação RKK Energia e do Centro Espacial Yuzhny, subsidiário da empresa TsENKI, a realizarem inspecções para verificarem o seu correcto funcionamento. De seguida foram realizados testes ao sistema de aproximação e acoplagem Kurs, com a Soyuz TMA-05M no interior da câmara de vácuo 17T523M onde foram executados os testes para a verificação da existência de fugas.

10

Este termo, “flutuador neutral”, significa que um objecto não flutua para a superfície ou se afunda para o fundo da piscina.

Em Órbita – Vol.12 – .º 128 / Setembro de 2012

70

Profile for Rui Barbosa

Em Órbita n.º 128 - Setembro de 2012  

Edição do Boletim Em Órbita para Setembro de 2012. Nesta edição podemos encontrar um artigo sobre a missão Shenzhou-9 e um outro sobre a mis...

Em Órbita n.º 128 - Setembro de 2012  

Edição do Boletim Em Órbita para Setembro de 2012. Nesta edição podemos encontrar um artigo sobre a missão Shenzhou-9 e um outro sobre a mis...

Advertisement