Issuu on Google+

VOYAGER

#01 | Maio 2012 | 2,99 euros

Estoril Palace Um hotel com história e histórias Serra da Estrela As quatro estações Dos Montes Hermínios Barcelos História, gastronomia e arte popular

Nova Zelândia

A Natureza em exibição plena

Voyager Maio 2012

1


PORTUGUESES PELOMUNDO

em parceria com o programa da RTP1

VENEZA A CIDADE DAS RUAS DE ÁGUA Texto fictício parece-me que agora que

morrerá jovem e redige o testamento.

estou melhor e que consigo dar uma

Aos 46, tem uma paixão atormentada,

orientação mais precisa aos meus es-

insuportável, da qual nunca falará. Aos

tudos. Conseguirei atingir o objectivo

51, retira-se para Aix, para melhor en-

tão procurado e durante tanto tempo

contrar a natureza, mas trata-se de um

perseguido? Continuo como sempre

retorno ao meio da sua infância, da sua

a estudar a natureza e parece-me que

mãe, da sua irmã. A religião, que co-

faço lentos progressos”.

meça a praticar, surge para ele com o

A pintura é o seu mundo e a sua maneira

medo da vida e com o medo da morte.

de existir. Trabalha sozinho, sem alunos,

Segreda a um amigo: “É o medo, sinto

sem a admiração por parte da familia,

que ainda me restam quatro dias na ter-

sem encorajamento por parte dos júris.

ra, mas e depois? Creio que sobrevive-

O fundo do seu carácter é dominado

rei e não me quero arriscar a esturricar

pela ansiedade. Aos 42 anos, pensa que

in aeternum”.

4

Voyager Maio 2012


Voyager Maio 2012

5


MAIO2012

Weekend 20Serra da Estrela, flora

Texto fictício parece-me que agora que estou melhor e que consigo dar uma orientação mais precisa aos meus estudos. Conseguirei atingir o objectivo tão procurado e durante tanto tempo perseguido? Continuo como sempre a estudar a natureza e parece-me que faço lentos progressos”

28Barcelos, gastronomia e artesanato A pintura é o seu mundo e a sua maneira de existir. Trabalha sozinho, sem alunos, sem a admiração por parte da familia, sem encorajamento por parte dos júris. Já velho, interroga-se sobre se a novidade da sua pintura não decorreria de uma perturbação da sua visão, se toda sua vida não se teria baseado num acidente do seu corpo.

6

Voyager Maio 2012


Voyager | Maio 2012

LONG DISTANCE

38

Brasil Comandatuba e Sauipe Dois lugares rurais de autenticidade

Estadias de Luxo | 14

Short break | 32

Voyager Maio 2012

42

Safari no Zimbabué O apelo irresistível de África

46

56

Japão Tradição e contemporaneidade no Oriente longínquo

Nova Zelândia A Natureza em exibição plena

14 Estadias de Luxo Hotéis El Ciego e Estoril Palace A pintura é o seu mundo e a sua maneira de existir.

04 Nota do Editor

32 Short break Suiça e o Castelo de Neuschwanstein O fundo do seu carácter dominado pela ansiedade.

12 Literatura e/ou cinema de viagem 15 Portugueses no Mundo Uma parceria com o programa da RTP1. 20 Viajar por estrada: Mota, carro, caravana...

7


8

Voyager Maio 2012


Voyager Maio 2012

9


Estadias de luxo Texto: Paula Monteiro Fotografias: António Saraiva

Estoril Palace Um hotel com história e histórias

Entrada fictícia precisava de cem sessões de trabalho para uma natureza morta, cento e cinquenta sessões de pose para um retrato. Aquilo a que chamamos a sua obra era para ele apenas o ensaio e a aproximação à sua pintura.

10

Voyager Maio 2012


Texto fictício parece-me que agora que estou melhor e que

Porquê tanta incerteza, tanto esforço, tantos falhanços e de

consigo dar uma orientação mais precisa aos meus estudos.

repente, o sucesso? Jovem, aos 13 anos, inquietava os seus

Conseguirei atingir o objectivo tão procurado e durante

amigos com os seus acessos de cólera e as suas depres-

tanto tempo perseguido? Continuo como sempre a estu-

sões. Zola, que era amigo de Cezanne desde criança, foi o

dar a natureza e parece-me que faço lentos progressos”

primeiro a ver nele o génio e o primeiro a falar dele como

A pintura é o seu mundo e a sua maneira de existir. Trabalha

um “génio abortado”.

sozinho, sem alunos, sem a admiração por parte da familia,

Sete anos mais tarde, aos 20, decidido a tornar-se pintor,

sem encorajamento por parte dos júris.

duvida do seu talento e não ousa pedir ao pai que o envie

Já velho, interroga-se sobre se a novidade da sua pintura

para Paris. As cartas de Zola recriminam-lhe a instabilidade,

não decorreria de uma perturbação da sua visão, se toda

a fraqueza e a indecisão. Já em Paris escreve: “Mais não fiz

sua vida não se teria baseado num acidente do seu corpo.

que mudar de lugar e o aborrecimento e o tédio

Voyager Maio 2012

11


Destaque fictício dois precisava de cem sessões para uma natureza morta, cento e cinquenta sessões para retrato 100 c.

Cozinha Gourmet Texto fictício parece-me que agora que estou melhor e que

de, a fraqueza e a indecisão. Já em Paris escreve: “Mais

consigo dar uma orientação mais precisa aos meus estudos.

não fiz que mudar de lugar e o aborrecimento e o tédio

Conseguirei atingir o objectivo tão procurado e durante

perseguem-me.” O fundo do seu carácter é dominado

tanto tempo perseguido? Continuo como sempre a estu-

pela ansiedade. Aos 42 anos, pensa que morrerá jovem e

dar a natureza e parece-me que faço lentos progressos”

redige o testamento. Aos 46, tem uma paixão atormentada,

A pintura é o seu mundo e a sua maneira de existir. Trabalha

insuportável, da qual nunca falará. Aos 51, retira-se para

sozinho, sem alunos, sem a admiração por parte da familia,

Aix, para melhor encontrar a natureza, mas trata-se de um

sem encorajamento por parte dos júris.

retorno ao meio da sua infância, da sua mãe, da sua irmã. A

Já velho, interroga-se sobre se a novidade da sua pintura

religião, que começa a praticar, surge para ele com o medo

não decorreria de uma perturbação da sua visão, se toda

da vida e com o medo da morte. Segreda a um amigo: “É o

sua vida não se teria baseado num acidente do seu corpo.

medo, sinto que ainda me restam quatro dias na terra, mas

Porquê tanta incerteza, tanto esforço, tantos falhanços e de

e depois? Creio que sobreviverei e não me quero arriscar a

repente, o sucesso? Jovem, aos 13 anos, inquietava os seus

esturricar in aeternum”

amigos com os seus acessos de cólera e as suas depres-

Vai-se tornando cada vez mais tímido, desconfiado e sus-

sões. Zola, que era amigo de Cezanne desde criança, foi o

ceptível. Vem alguma vezes a Paris mas, quando encontra

primeiro a ver nele o génio e o primeiro a falar dele como

amigos, faz-lhes de longe sinal de que não lhes quer falar. A

um “génio abortado”.

ideia de uma pintura “sobre a natureza” surge em Cézanne

Sete anos mais tarde, aos 20, decidido a tornar-se pintor,

a partir da mesma fraqueza. E a sua extrema atenção à na-

duvida do seu talento e não ousa pedir ao pai que o envie

tureza, à cor, e o carácter inumano da sua pintura também.

para Paris. As cartas de Zola recriminam-lhe a instabilida-

“Devemos pintar uma face como se fosse um objecto”.

12

Voyager Maio 2012


Voyager Maio 2012

13


14

Voyager Maio 2012


Voyager Maio 2012

15


Short break Texto: Paula Monteiro Fotografias: Ant贸nio Saraiva

16

Voyager Maio 2012


SUIÇA CURTA PAUSA NUM PAÍS PINTADO DE BRANCO Entrada fictícia precisava de cem sessões de trabalho para uma natureza morta, cento e cinquenta sessões de pose para um retrato. Aquilo a que chamamos a sua obra era para ele apenas o ensaio e a aproximação à sua pintura. Escreve aos anos: Vivo num tal estado de perturbações cerebrais, numa perturbação tão grande que temo a todo o momento, que a minha frágil razão não aguente. 380 c.

Texto: Paula Monteiro Fotografias: António Saraiva

Voyager Maio 2012

17


Os encantos dos alpes suiços

T

exto fictício parece-me que agora que estou melhor

sem encorajamento por parte dos júris. Já velho, interroga-

e que consigo dar uma orientação mais precisa aos

-se sobre se a novidade da sua pintura não decorreria de

meus estudos. Conseguirei atingir o objectivo tão pro-

uma perturbação da sua visão, se toda sua vida não se teria

curado e durante tanto tempo perseguido? Continuo como

baseado num acidente do seu corpo. Porquê tanta incerte-

sempre a estudar a natureza e parece-me que faço lentos

za, tanto esforço, tantos falhanços e de repente, o sucesso?

progressos”

Jovem, aos 13 anos, inquietava os seus amigos com os seus

A pintura é o seu mundo e a sua maneira de existir. Trabalha

acessos de cólera e as suas depressões. Zola, que era amigo

sozinho, sem alunos, sem a admiração por parte da familia,

de Cezanne desde criança, foi o primeiro a ver nele o génio

18

Voyager Maio 2012


Divirta-se na neve!!! Texto fictício a natureza para os clássicos exigia circunscrição pelos contornos, composição e distribuição das luzes. A isso Cézanne responde: “Eles faziam um quadro e nós procuramos um pedaço de natureza”. E sobre os mestres: “substituiam a realidade pela imaginação e pela abstração que a acompanha”. Sobre a natureza: “É preciso que nos curvemos face a esta obra perfeita. Tudo nos vem dela, por ela existimos, esqueçamos tudo o resto”.

e o primeiro a falar dele como um “génio abortado”. Sete anos mais tarde, aos 20, decidido a tornar-se pintor, duvida do seu talento e não ousa pedir ao pai que o envie para Paris. As cartas de Zola recriminam-lhe a instabilidade, a fraqueza e a indecisão. Já em Paris escreve: “Mais não fiz que mudar de lugar e o aborrecimento e o tédio perseguem-me.” O fundo do seu carácter é dominado pela ansiedade. Aos 42 anos, pensa que morrerá jovem e redige o testamento. Aos 46, tem uma paixão atormentada, insuportável, da qual nunca falará. Aos 51, retira-se para Aix, para melhor encontrar a natureza, mas trata-se de um retorno ao meio da sua infância, da sua mãe, da sua irmã. A religião, que começa a praticar, surge para ele com o medo da vida e com o medo da morte. Segreda a um amigo: “É o medo, sinto que ainda me restam quatro dias na terra, mas e depois? Creio que sobreviverei e não me quero arriscar a esturricar in aeternum” Vai-se tornando cada vez mais tímido, desconfiado e susceptível. Vem alguma vezes a Paris mas, quando encontra amigos, faz-lhes de longe sinal de que não lhes quer falar. A ideia de uma pintura “sobre a natureza” surge em Cézanne a partir da mesma fraqueza. E a sua extrema atenção à natureza, à cor, e o carácter inumano da sua pintura também. “Devemos pintar uma face como se fosse um objecto”, a sua devoção ao mundo visível apenas são uma fuga ao mundo humano. É possivel que, no momento das suas fraquezas nervosas, Cézanne tenha concebido uma forma de arte válida para todos. Entregue a si mesmo, pode olhar a natureza como só um homem sabe fazê-lo. “Como pintor torno-me mais lúcido

Voyager Maio 2012

19


Destaque fictício um precisava de cem sessões para uma natureza morta, cento e cinquenta sessões para retrato 100 c.

T

exto fictício parece-me que agora que estou melhor

sobre se a novidade da sua pintura não decorreria de uma

e que consigo dar uma orientação mais precisa aos

perturbação da sua visão, se toda sua vida não se teria base-

meus estudos. Conseguirei atingir o objectivo tão pro-

ado num acidente do seu corpo. Porquê tanta incerteza, tan-

curado e durante tanto tempo perseguido? Continuo como

to esforço, tantos falhanços e de repente, o sucesso? Jovem,

sempre a estudar a natureza e parece-me que faço lentos

aos 13 anos, inquietava os seus amigos com os seus acessos

progressos”

de cólera e as suas depressões. Zola, que era amigo de

A pintura é o seu mundo e a sua maneira de existir. Trabalha

Cezanne desde criança, foi o primeiro a ver nele o génio e o

sozinho, sem alunos, sem a admiração por parte da familia,

primeiro a falar dele como um “génio abortado”. Sete anos

sem encorajamento por parte dos júris. Já velho, interroga-se

mais tarde, aos 20, decidido a tornar-se pintor, duvida do seu

20

Voyager Maio 2012


talento e não ousa pedir ao pai que o envie para Paris. As

infância, da sua mãe, da sua irmã. A religião, que começa a

cartas de Zola recriminam-lhe a instabilidade, a fraqueza e a

praticar, surge para ele com o medo da vida e com o medo

indecisão. Já em Paris escreve: “Mais não fiz que mudar de

da morte. Segreda a um amigo: “É o medo, sinto que ainda

lugar e o aborrecimento e o tédio perseguem-me.”

me restam quatro dias na terra, mas e depois? Creio que so-

O fundo do seu carácter é dominado pela ansiedade. Aos

breviverei e não me quero arriscar a esturricar in aeternum”

42 anos, pensa que morrerá jovem e redige o testamento.

Vai-se tornando cada vez mais tímido, desconfiado e sus-

Aos 46, tem uma paixão atormentada, insuportável, da qual

ceptível. Vem alguma vezes a Paris mas, quando encontra

nunca falará. Aos 51, retira-se para Aix, para melhor encon-

amigos, faz-lhes de longe sinal de que não lhes quer falar. A

trar a natureza, mas trata-se de um retorno ao meio da sua

ideia de uma pintura “sobre a natureza” surge em Cézan

Voyager Maio 2012

21


Conheça o Castelo da Bela Adormecida Quando Cézanne se muda par Auvers-sur-Oise produz-se uma mudança. Em contacto com Pissarro abandona os temas tétricos e alegra as cores da sua paleta. As piceladas deixam de ser grossas e quadradas e tornam-se mais subtis e flexíveis permitindo texturas formadas por pequenas manchas de cor com um resultado mais harmonioso. É Pissarro que incita Cézanne à pintura ao ar livre. 800 c.

ne a partir da mesma fraqueza. E a sua extrema atenção à natureza, à cor, e o carácter inumano da sua pintura também. “Devemos pintar uma face como se fosse um objecto”, a sua devoção ao mundo visível apenas são uma fuga ao mundo humano.

Destaque fictício um precisava de cem sessões para uma natureza morta, cento e cinquenta sessões para retrato 100 c.

É possivel que, no momento das suas fraquezas nervosas, Cézanne tenha concebido uma forma de arte válida para todos. Entregue a si mesmo, pode olhar a natureza como só um homem sabe fazê-lo. “Como pintor torno-me mais lúcido quando confrontado com a natureza”. Italianos, Tintoretto, Delacroix, Courbet, Impressionistas, em particular, Pissarro, a quem Cézanne deve a concepção da pintura, não como a realização de cenas imaginadas, mas como o estudo preciso .

22

Voyager Maio 2012


Voyager Maio 2012

23


Long distance Texto: Paula Monteiro Fotografias: Ant贸nio Saraiva

4

Destinos Inesquec铆veis

24

Voyager Maio 2012


Brasil

Comandatuba e Sauipe Dois lugares rurais de autenticidade

Japão

Tradição e contemporaneidade no Oriente longínquo

Nova Zelândia A Natureza em exibição plena

Zimbabué

O apelo irresistível de África

Voyager Maio 2012

25


Hocaido

Tóquio

JAPÃOTradição e contemporaneidade

Oriente longínquo

T

Texto fictício parece-me que agora que estou

acidente do seu corpo. Porquê tanta incerteza,

melhor e que consigo dar uma orientação mais

tanto esforço, tantos falhanços e de repente, o

precisa aos meus estudos. Conseguirei atingir o

sucesso? Jovem, aos 13 anos, inquietava os seus

objectivo tão procurado e durante tanto tempo

amigos com os seus acessos de cólera e as suas

perseguido? Continuo como sempre a estudar a

depressões. Zola, que era amigo de Cezanne des-

natureza e parece-me que faço lentos progressos”

de criança, foi o primeiro a ver nele o génio e o

A pintura é o seu mundo e a sua maneira de exis-

primeiro a falar dele como um “génio abortado”.

tir. Trabalha sozinho, sem alunos, sem a admiração

Sete anos mais tarde, aos 20, decidido a tornar-

por parte da familia, sem encorajamento por parte

-se pintor, duvida do seu talento e não ousa

dos júris.

pedir ao pai que o envie para Paris. As cartas de

Já velho, interroga-se sobre se a novidade da sua

Zola recriminam-lhe a instabilidade, a fraqueza

pintura não decorreria de uma perturbação da sua

e a indecisão. Já em Paris escreve: “Mais não fiz

visão, se toda sua vida não se teria baseado num

que mudar de lugar e o aborrecimento e o tédio

26

Voyager Maio 2012


Voyager Maio 2012

27


28

Voyager Maio 2012


Destaque fictĂ­cio um precisava de cem sessĂľes para uma natureza morta, cento e cinquenta sessĂľes para retrato 100 c.


Destaque fictĂ­cio um precisava de cem sessĂľes para uma natureza morta, cento e cinquenta sessĂľes para retrato 100 c.

30

Voyager Maio 2012


HoCaIdo, a segunda maior ilha do Japão Texto fictício a natureza para os clássicos exigia circunscrição pelos contornos, composição e distribuição das luzes. A isso Cézanne responde: “Eles faziam um quadro e nós procuramos um pedaço de natureza”. E sobre os mestres: “substituiam a realidade pela imaginação e pela abstração que a acompanha”. Sobre a natureza: “É preciso que nos curvemos face a esta obra perfeita. Tudo nos vem dela, por ela existimos, esqueçamos tudo o resto”.

-me.” O fundo do seu carácter é dominado pela ansiedade.

num”. Vai-se tornando cada vez mais tímido, desconfiado e

Aos 42 anos, pensa que morrerá jovem e redige o testa-

susceptível. Vem alguma vezes a Paris mas, quando encontra

mento. Aos 46, tem uma paixão atormentada, insuportável,

amigos, faz-lhes de longe sinal de que não lhes quer falar.

da qual nunca falará. Aos 51, retira-se para Aix, para melhor

A ideia de uma pintura “sobre a natureza” surge em Cézan-

encontrar a natureza, mas trata-se de um retorno ao meio da

ne a partir da mesma fraqueza. E a sua extrema atenção à

sua infância, da sua mãe, da sua irmã. A religião, que começa

natureza, à cor, e o carácter inumano da sua pintura também.

a praticar, surge para ele com o medo da vida e com o medo

“Devemos pintar uma face como se fosse um objecto”, a sua

da morte. Segreda a um amigo: “É o medo, sinto que ainda

devoção ao mundo visível apenas são uma fuga ao mundo

me restam quatro dias na terra, mas e depois? Creio que

humano. É possivel que, no momento das suas fraquezas

sobreviverei e não me quero arriscar a esturricar in aeter-

nervosas, Cézanne tenha concebido uma forma de arte válida

Voyager Maio 2012

31


para todos. Entregue a si mesmo, pode olhar a natureza como só um homem sabe fazê-lo. “Como pintor torno-me mais lúcido quando confrontado com a natureza”. Italianos, Tintoretto, Delacroix, Courbet, Impressionistas, em particular,

TÓQUIO A “CAPITAL DO LESTE” Quando Cézanne se muda par Auvers-sur-Oise produz-se uma mudança. Em contacto com Pissarro abandona os temas tétricos e alegra as cores da sua paleta. As piceladas deixam de ser grossas e quadradas e tornam-se mais subtis e flexíveis per-

Pissarro, a quem Cézanne deve a concepção da pintura, não como a realização de cenas imaginadas, mas como o estudo preciso das aparências, não como um trabalho de atelier antes como um trabalho sobre natureza. A natureza para os clássicos exigia circunscrição pelos contornos, composição e distribuição das luzes. A isso Cézanne responde: “Eles faziam um quadro e nós procuramos um

mitindo texturas formadas por pequenas manchas de cor com

pedaço de natureza”. E sobre os mestres: “substituiam a rea-

um resultado mais harmonioso. É Pissarro que incita Cézanne à

lidade pela imaginação e pela abstração que a acompanha”.

pintura ao ar livre. 800 c.

Sobre a natureza: “É preciso que nos curvemos face a esta obra perfeita. Tudo nos vem dela, por ela existimos, esqueçamos tudo o resto”.

32

Voyager Maio 2012


Voyager Maio 2012

33


SlowFood | 1


Slowfood Notas de um Connoiseur

Degustação de caviar Uma ementa exemplar

Um chef e o seu restaurante

DESEJOS GOURMET

Doze horas na vida Este é o metálico mais caro do mundo! de Vítor Sobral


Slowfood

SlowFood | 3

Palácio de Seteais Uma cozinha nobre e intemporal

024

009 012

009

Casa das Histórias Paula Rego Chef do Eleven no mundo prodigioso

011

Mozart, Verdi e pastas As paixões de Cecilia Bertoli

012

Desejos Gourmet

016 020

030

Este é o metálico mais caro do mundo!

016

Um chef e o seu restaurante Doze horas na vida de Vítor Sobral

020

Notas de um Connoiseur Degustação de caviar Uma ementa exemplar

030

A Slow Food, é uma associação internacional fundada por Carlo Petrini em 1986, com o objetivo de promover uma maior apreciação da comida, melhorar a qualidade das refeições e uma produção que valorize o produto, o produtor e o meio ambiente. A filosofia da Slow Food defende a necessidade de informação do consumidor, protege identidades culturais ligadas a tradições alimentares e gastronômicas, protege produtos alimentares e comidas, processos e técnicas de cultivo e processamento herdados por tradição, e defende espécies vegetais e animais, domésticas e selvagens. Reunindo mais de 100 mil associados ao redor do mundo, a rede de membros do Slow Food é organizada em grupos locais, que sob a coordenação de líderes, organizam periodicamente uma série de atividades como oficinas de educação alimentar para crianças, palestras, degustações, cursos, jantares e turismo enológico e gastronômico, assim como apóiam campanhas lançadas pela associação internacional.


SlowFood | 4


Slowfood

SlowFood | 5 SlowFood | 5

Desejos Gourmet

Este é o metálico mais caro do mundo!

Texto fictício a Nokia apresentou dois novos telemóveis cujo design é “prismático” tanto na frente como na parte traseira dos equipamentos.

Swatch apresenta sacarolhas futurista

Quando preferimos o tradicional

Texto fictício Swatch zapresentou um relógio tecnologicamente avançado. Para além das horas, inclui leitor de MP3, álbum de fotos e gravador de vídeo. Quando se pensa em Swatch, pensa-se em relógios coloridos e com um design atractivo, não em tecnologia futurista.

Texto fictício opcional de 2 GB, e estará disponível a partir de 210 euros. O Nokia 7900, que deverá custar cerca de 400 euros, levou mais uns pozinhos tecnológicos e apresenta um ecrã OLED de 16 milhões de cores.

Mais simples Mais eficaz Texto fictício Pioneer apresenta o primeiro sistema que transmite som através da corrente eléctrica. Com é possível ligar até seis colunas de som em rede, directamente às tomadas eléctricas, abdicando dos tradicionais e incómodos fios das colunas de som. e ouvir música em diferentes locais da casa.


SlowFood | 6


Slowfood

SlowFood | 7 SlowFood | 7

Doze horas na vida de Vítor Sobral

Um chef e o seu restaurante Texto fictício a Nokia apresentou dois novos telemóveis cujo design é “prismático” tanto na frente como na parte traseira dos equipamentos.

T

exto fictício os pratos e as taças pousadas de perfil sobre uma mesa deveriam ser elipses, mas os extremos da elipse são mais volumosos e dilatados. A mesa de trabalho, no retrato de Geffroy escorrega para fora do quadro a afrontar as leis da perspectiva. Abandonando o desenho, Cezanne entregou-se ao caos das sensações. Ora, as sensações fariam transtornar os objectos e sugeriam constantemente ilusões. O desenho deve resultar da cor, se se quer dar

conta da sua espessura. Trata-se de uma massa, um organismo de cores, atraves dos quais a fuga da perspectiva, os contornos, as rectas, as curvas instalam-se como linhas de força. Os pratos e as taças pousadas de perfil sobre uma mesa deveriam ser elipses, mas os extremos da elipse são mais volumosos e dilatados. A mesa de trabalho, no retrato de Geffroy escorrega para fora do quadro a afrontar as leis da perspectiva. Italianos, Tintoretto, Delacroix, Courbet, em particular, Pissarro, a quem Cézanne deve a concepção da

pintura, não como a realização de cenas imaginadas, mas como o estudo preciso das aparências, não como um trabalho de atelier antes como um trabalho sobre natureza. Em 1877, os Impressionistas organizam uma exposição. Monet expõe 30 quadros e Cézanne, numa das melhores salas, 17, Este contra-salão atrai um grande número de visitantes. Este contra-salão atrai um grande número entre elas, Retrato de Victor Choquet, sem dúvida o que provoca maior desconcerto.


SlowFood | 8


Slowfood

SlowFood | 9 SlowFood | 9

Uma ementa exemplar para a degustação de caviar

Notas de um Connoiseur Texto fictício a Nokia apresentou dois novos telemóveis cujo design é “prismático” tanto na frente como na parte traseira dos equipamentos.

T

exto fictício Italianos, Tintoretto, Delacroix, Courbet, em particular, Pissarro, a quem Cézanne deve a concepção da pintura, não como a realização de cenas imaginadas, mas como o estudo preciso das aparências, não como um trabalho de atelier antes como um trabalho sobre natureza. A natureza para os

clássicos exigia circunscrição pelos contornos, composição e distribuição das luzes. A isso Cézanne responde: “Eles faziam um quadro e nós procuramos um pedaço de natureza”. E sobre os mestres: “substituiam a realidade pela imaginação e pela abstração que a acompanha”. Sobre a natureza: “É preciso que nos curvemos face a esta obra perfeita. Tudo nos vem dela, por ela existi-

mos, esqueçamos tudo o resto”. Italianos, Tintoretto, Delacroix, Courbet, que dariam a forma e a profundidade. Na percepção primordial, estas distinções entre o tacto e a visão são desconhecidas. Cézanne dizia mesmo: “o odor dos objectos”. Se o pintor quer exprimir o mundo, é preciso que a ordenação das cores traga consigo este todo indivisível de outra forma a sua pintura.


SlowFood | 10


info grafia


MUSEUS MAIS VISITADOS NA EUROPA Os museus tiveram origem no hábito humano do colecionismo, que nasceu com a própria humanidade. Desde a Antiguidade que o homem, por infinitas razões, coleciona objetos dando-lhes valor, seja afetivo, cultural ou simplesmente material, o que justifica a necessidade da sua preservação ao longo do tempo. 2% 5%

HOLANDA

Percentagem de visitantes no espaço europeu (por país).

OS 5 MAIS VISITADOS DA EUROPA...

2.7%

DINAMARCA

NORUEGA

1 875 691 VISITANTES

4 390 000

2 250 776

VISITANTES

2.2%

VISITANTES

4.6%

BÉLGICA

SUÉCIA

1 828 883

3 855 766

VISITANTES

Musée du Louvre França 8 388 000 visitantes

VISITANTES

Tate London Reino Unido 6 315 027 visitantes

British Museum Reino Unido 5 643 708 visitantes

Château de Versailles França 5 569 606 visitantes

National Gallery Reino Unido 4 695 000 visitantes

1% 28%

FINLÂNDIA

NORUEGA

REINO UNIDO

FINLÂNDIA

SUÉCIA

23 808 162

934 762

VISITANTES

REINO UNIDO

26%

VISITANTES

ESTÓNIA

FRANÇA

0.6%

DINAMARCA

ESTÓNIA

HOLANDA

22 099 915

BÉLGICA

VISITANTES

537 691 VISITANTES

REP. CHECA FRANÇA

SUIÇA AUSTRIA

2.8%

PORTUGAL

2.6%

ROMÉNIA

PORTUGAL

REP. CHECA

2 347 854

2 160 181

VISITANTES

VISITANTES

ITÁLIA

2.5%

OS 5 MAIS VISITADOS EM PORTUGAL...

GRÉCIA

VISITANTES

Museu Colecção Berardo Lisboa 566 880 visitantes

Palácio Nacional da Pena Sintra 547 421 visitantes

Museu de Arte Contemporânea de Serralves, Sintra 547 421 visitantes

Museu Nacional da Imprensa, Porto 412 291 visitantes

Palácio Nacional de Sintra Sintra 408 712 visitantes

ROMÉNIA

SUIÇA

2 165 348

2%

12% ITÁLIA

10 190 715 VISITANTES

1 703 000

3% 3.7%

VISITANTES

GRÉCIA AUSTRIA

3 144 485

2 571 713 VISITANTES

VISITANTES

Fonte: EGMUS (http://www.egmus.eu/index.php?id=9)

Fonte: Rúben Sousa


RubenSousa exercicios