Page 1

janeiro 2015


Publicação #3 Janeiro 2015

Associação MiratecArts tem por finalidade realçar o indivíduo, a equipa e a produtividade organizacional no mundo da cultura artística. Projetos inclui DiscoverAzores, Atlantes, Roteiro dos Murais na Madalena, Montanha Pico Festival e o Azores Fringe Festival. MiratecArts is an association created to enhance individual, team and organizational productivity in the artistic cultural world. Projects include DiscoverAzores, Atlantes, Murals Route in Madalena, Mountain Pico Festival and the Azores Fringe Festival.

MiratecArts www.mirateca.com info@mirateca.com (+351) 96 363 9996


Bem vind@s ao Montanha Pico Festival,

Caros organizadores e participantes do Montanha Pico Festival

mais uma aventura da associação MiratecArts. Com este festival, pretendemos dar destaque à ilha montanha, o Pico, assim como a cultura de montanhas no mundo, através das artes. Aventure connosco nestes dias de inverno e fique já a pensar em eventos na temática para o próximo ano - queremos a vossa participação.

É com prazer que a Secretaria do Mountain Partnership em Roma envia os seus melhores desejos para um Festival fecundo e feliz. Saudamos também a decisão de lançar o programa do Festival por ocasião do Dia Internacional das Montanhas. Todos os anos, no dia 11 de dezembro, governos, organizações não-governamentais e os amantes da montanha se reúnem para celebrar o Dia Internacional da Montanha para elevar a consciência sobre a importância de proteger as montanhas e os povos de montanha do mundo. Este Festival é uma grande iniciativa que através das artes dá visibilidade a questões importantes sobre montanhas mas ao mesmo tempo a importância de aprender celebrando. Desde a água que bebemos e que alimenta as belas paisagens que

Terry Costa MiratecArts Diretor-Artístico

desfrutamos, montanhas nos proporcionam muitos benefícios. As montanhas são um oásis de calma e paz espiritual, um lugar para comungar com a natureza e redescobrir os prazeres simples da vida. Desde a trilha inca nos Andes até aos glaciares dos Alpes, as montanhas gorilas no Virunga à ilha montanha do Pico, nos Açores, 20 por cento dos turistas do mundo apreciam atividades nos pontos mais altos assim escolhendo visitar montanhas. No entanto, as montanhas também são ambientes frágeis, praticamente vulneráveis ao desmatamento, mal gerenciado turismo, práticas agrícolas não sustentáveis e crescimento da população. Ecossistemas de montanha são extremamente vulneráveis às alterações climáticas e as mudanças no volume de glaciares terá um enorme impacto sobre os recursos hídricos em muitas partes do mundo. Povos das montanhas em todo o mundo pertencem a muitos grupos étnicos diferentes e mantem

costumes e tradições ricas. No entanto, pessoas de montanha são muitas vezes marginalizados e muitos estão famintos e pobres. Povos de montanhas necessitam de apoio dos governos para que as políticas e os investimentos certos possam realizar melhorias para suas vidas, bem como permitir-lhes continuar a fornecer água, alimentos e energia para toda a humanidade. Esperamos que este Festival permitirá às suas audiências ganhar um vislumbre da cultura e da vida de montanha e entender porque montanhas importam para todos nós.

Thomas Hofer Mountain Partnership Coordenador da Secretaria


organização

Os projetos da MiratecArts são possíveis com o apoio, parcerias e ofertas dos nossos amigos... MiratecArts projects are possible with the support, partnerships and gifts from our friends...

mountain partnership

apoio institucional

MONTANHA LAJIDO FEST sábado 3 jan das 20h00 às 02h00 Dark Restaurante Bar

Casa da Montanha

Jardim dos Maroiços

parceiros

jornais da ilha montanha

rádios da ilha montanha

TV da ilha montanha

Marque o seu jantar de tapas com produtos da ilha montanha e saboreando os vinhos da Cooperativa Vitivinícola da ilha do Pico, incluindo o famoso Lajido. E depois fique para a festa com o DJ Rudy Neves e algumas surpresas.


Fotografia: Aitor Salaberria

Parque Natural do Pico

Rede Natura 2000

Geoparque Açores

A montanha do Pico, pela sua riqueza geológica, biológica e patrimonial, foi classificada como “Reserva Integral da Montanha do Pico” em 1972, tornando-se numa das mais antigas áreas protegidas do país. Mais tarde, em 1982 foi reclassificada como ”Reserva Natural da Montanha do Pico”, passando a estar integrada com a mesma categoria no Parque Natural do Pico a partir de 2008.

Integrada na Zona Especial de Conservação da Montanha do Pico, Prainha e Caveiro, possui uma comunidade vegetal única nos Açores adaptada às condições adversas de montanha, onde se inclui a espécie Silene uniflora ssp. Cratericola, única planta endémica desta montanha.

O mais jovem e maior vulcão poligenético dos Açores, elevando-se cerca de 3500 m dos fundos marinhos, é um dos mais importantes Geossítios do Geoparque Açores.

7 Maravilhas Naturais de Portugal Faz parte da “Paisagem Vulcânica do Pico”, que foi a grande vencedora na categoria de Grandes Relevos, no concurso 7 Maravilhas Naturais de Portugal.


EXPOSIÇÃO O Mundo em Montanhas Exposição de Fotografia Coletiva

Câmara Municipal da Madalena Inauguração: 5 de janeiro, 11h30 Aberta de segunda a sexta das 09h00 às 17h00 até dia 30

Inverno Pico Verão Jaime DeBrum

A Caminhar por... Montanhas da América do Sul Nuno & Mónica | acaminharpor.blogspot.com Sábados e Domingos Casa da Montanha Dois anos de viagem pelos 13 países da América do Sul, um percurso inicialmente apenas turístico ao qual agregámos o voluntariado, sempre em busca do contacto com a Natureza, fugindo o máximo das cidades… muitos quilómetros calcados principalmente por trilhos de montanha, acompanhando a cordilheira dos Andes, desde a Venezuela à Patagónia Chilena e Argentina, passando por Colômbia, Equador, Peru e Bolívia… não faltaram também selva, praia, lagos e desertos!

Faces da Montanha

Pico_Graphic

Montanha

Organicidade III uma prespectiva sobre a Ilha-montanha

A Ponta do Pico

Bestas da Montanha

Manoel Costa

Raquel Neves Krumov

Basalto

João Inácio

José Miguel Silva

Margarida Bem Madruga

Manuela Moniz

Esculturas de Roccio Matosas

12 a 16 janeiro das 09h00 às 17h00 Câmara Municipal da Madalena


WORKSHOPS Jardim Escultura 17 janeiro, 15h00 Centro de Formação Artística da Madalena

Fotografia: Nuno Sá

Junte-se à artista Roccio Matosas para um workshop de pintura em objectos para realizar uma escultura de arte pública. De crianças a terceira-idade são todos bem vindos para esta tarde criativa.

A Vegetação da Montanha Montanhas Submarinas e Contos de Montanhas terças 13 e 20 janeiro, 10h30 Museu de Cachalotes e Lulas

27 janeiro, 09h30 Centro de Formação Artística da Madalena A Vegetação da Montanha (plasticina e materiais achados) com Inês Ribeiro.

A montanha a preto e azul 27 janeiro, 10h30 A montanha a preto e azul (revistas e materiais achados) com Inês Ribeiro.

Bibliotecas e Montanha Exposições de livros e materiais sobre o tema montanha podem ser encontrados nas bibliotecas municipais da ilha do Pico durante o mês de janeiro. Visite a Biblioteca Municipal da Madalena, Biblioteca Municipal de São Roque do Pico e a Biblioteca Dias de Melo nas Lajes do Pico. Lê um livro, explora o mundo.


MURAIS ilhascook Aurora Ribeiro e Tomás Silva são designers multidisciplinares: filmam, desenham, projectam, pintam, escrevem, fotografam, educam. Vão atrás de ideias, histórias e comunicação. Desenvolvem conceitos, estruturas, objec-

tos, espectáculos e tudo o que promova uma existência cultural. Conceberam a exposição para o 1º aniversário do C.I. do Vulcão dos Capelinhos e fabricaram vídeos para as bandas Açorianas “O Experimentar na m’incomoda” e “Wicked Jamaica”. Fora das ilhascook, dirigem o Jornal Fazendo.

Durante o Montanha Pico Festival vamos adicionar duas peças de arte pública ao Roteiro dos Murais na Vila da Madalena. O jovem ilustrador Guilherme Gamito e a equipa das IlhasCook vão se expressar em paredes públicas no Jardim dos Maroiços e no Porto da Madalena.

Guilherme Gamito Guilherme Gamito concluiu a Licenciatura em Arte Multimédia (Animação) pela Faculdade de Belas­Artes da Universidade de Lisboa em 2011, depois do seu ensino secundário em Artes Visuais pela Escola Secundária Dr. Manuel Candeias Gonçalves (Odemira). Associado da

“ArtinPark”, Concept Artist e traçador no projeto “Amriya” candidato ao ICA (Instituto do Cinema e do Audiovisual) em 2011 e participante na exposição coletiva Desenha’12 com projecto em Ilustração intitulado “Vanity Wears a Mask”. Conclui o Curso de Ilustração pelo CIEAM (centro de Investigação e Estudos de Arte e Multimédia) lecionado pelo Ilustrador João Catarino. Atualmente trabalha em cinema de animação autoral numa empresa audiovisual em Lisboa.


Pascal Ferreira explora a ilha montanha para criar esculturas surpresa. Conhece o artista no “Chá na Montanha” domingo 11 de janeiro pelas 15h na Casa da Montanha. Sim, a montanha tem esse universal arrebatar, do seu tempo que não é dos nossos.

território franco e generoso na magnificência da sua grandeza, na abundância de matéria dita inerte, na diversidade das suas vestes coloridas, nas arrojadas variações de escala, na quase infinita sucessão de planos, no aparato dos muitos acidentes, nas relações anormais entre as distâncias. Um desafio permanente. simples porque espontâneo. faz abrandar. Construir paisagens montanhosas é deixar livre a mão seguir caminho, porque nunca deixarão de ser mon-

tanhas. são orgânicas: um intricado de linhas e volumes onde mais ou menos luz provoca luxuosos contrastes, onde a organização dos elementos varia sem fim e os contornos oscilam por decisão aleatória, como se do vento responsabilidade fosse. onde o erro pode naturalmente acontecer, admitido como referência, e continuar a viajar, por onde muito do que se questiona tem lugar fértil para sossegar... Pascal Ferreira


AVENTURAS Percurso Pedestre Interpretativo “Vulcões do Pico” 10 janeiro, 15h Casa da Montanha Este percurso interpretativo, onde iremos aprender algumas curiosidades sobre os vulcões do Pico, terá a duração de cerca de 2 horas. Terá o seu início na Casa da Montanha, seguindo depois em direção a um dos mais recentes vulcões da ilha, que em 1718 originou o “mistério de Santa Luzia”.

CAMINHANDO Expedição fotográfica com Pedro Silva 24 janeiro, 15h Casa da Montanha Apesar da Montanha do Pico ter 2351 metros de altura, há infinitas formas de a olhar. Junte-se para uma expedição fotográfica com o galardoado fotógrafo picoense Pedro Silva e mostre a sua perspectiva.

CAMINHANDO, empresa de animação turística tem como actividade principal a súbida ao ponto mais alto de Portugal, a montanha do Pico. As excursões podem ser feitas em qualquer altura do ano desde que as condições climatéricas o permitam. Venha participar na aventura durante o Montanha Pico Festival. Para mais informação 962 408 417 ou 910 999 440.


Chá na Montanha

domingos 11, 18 e 25 janeiro 15h00, Casa da Montanha

11 janeiro

18 janeiro

25 janeiro

As Singularidades da Montanha do Pico

Conversa & Música

2 anos a caminhar por montanhas Sul Americanas

Manuel Paulino Costa

A Montanha do Pico, sempre presente com a sua força e magia que nos segue por todo o lado, não nos sai da cabeça. Este monumento de pedra negra, farol de todo o grupo central, presenteia-nos todos os dias com uma variada paleta de cores, adornada por vezes com nuvens ou neve. Esta Montanha, o sítio de Portugal mais perto do céu, é um desafio para os seus visitantes e o orgulho de todos os picarotos.

Conversa com as artistas Rocio Matosas e Isabel Mateus. Apresentação musical a cargo da Casa da Música da Candelária.

Uma aventura açoriana no topo de África Valter Medeiros em conversa sobre Kilimanjaro.

Nuno Gonçalves e Mónica Mota

Venham conhecer suas histórias da viagem e visitar a exposição de fotografia.

THE RISE: 2351 Apresentação da música THE RISE: 2351 pelo compositor Hélder Bettencourt e do bailado realizado pela coreógrafa Sofia Sousa e suas alunas.

Sonoridades Sonoridades apresenta músicas de montanhas com Susana Moura e Daniel Pena. Conversa com Pascal Ferreira (ver Pg. 9).

Montanha Ilustrada por Inês Ribeiro


OUTROS CONTOS DA MONTANHA Isabel Mateus Isabel Maria Fidalgo Mateus nasceu nas Quintas do Corisco, em Torre de Moncorvo,Trás­os­ Montes. Obteve o grau de doutora em Literatura Portuguesa na Universidade de Birmingham, Reino Unido, onde reside desde 2001.

Performance de um conto por Daniel Pena

17 janeiro sábado 21h00

Auditório do Museu dos Baleeiros, Lajes do Pico

Ao longo dos seus 36 contos este livro procura mostrar a Montanha e os seus habitantes, o património, os usos e costumes, as tradições e a história. Outros Contos da Montanha é, afinal, o retrato de uma aldeia, de uma comunidade rural portuguesa do interior, que sofreu e sofre com as problemáticas do despovoamento e das migrações transoceânicas e intra­europeias. Esta obra representa o que Miguel Torga definiu como sendo a ruralidade: “O Universal é o local sem paredes”. Com esta apresentação pretendemos mostrar a necessidade urgente de preservar a identidade tradicional portuguesa que, aos poucos, se vai extinguindo.


LANZAROTE A JANELA DE SARAMAGO João Vilhena

“Lanzarote a janela de Saramago” é um diário/caderno de notas sobre o olhar sensorial e apaixonado do escritor, visto e filtrado pelo olhar de um fotógrafo que em 1998 esteve em Lanzarote para o retratar, e que 15 anos depois regressa para capturar novas imagens e sentir o que aquela terra, no meio do oceano, representou para o único prémio Nobel de Nos seus diários sobre Lanzarote, em entrevistas

e conferências, Saramago declarou o seu amor pela ilha e confessou um imaginário regresso aos lugares da infância perdida. Em Lanzarote um novo homem revela-se e é revelado. “Quantas maneiras haverá de ser feliz? Começo a crer que as conheço a todas.” É essa atmosfera que João Francisco Vilhena retrata e apresenta no seu trabalho. A tranquilidade refletida nas palavras, a influência da

24 janeiro sábado 21h00

Auditório do Museu dos Baleeiros, Lajes do Pico

paisagem, a luz e as nuvens, o mar e o silêncio, a temperatura das cores, tudo isso influenciou a escrita e a vida de Saramago. Através das suas imagens João Vilhena procura retratar Lanzarote como uma janela aberta por Saramago. O lugar e sua paisagem como símbolo de uma nova fase; uma nova literatura, uma nova vida, um momento diferente de criação e do homem.

Uma ilha, mesmo não sendo deserta, é um bom sítio para falar, é como se estivesse a dizer-nos: Não há mais nada no mundo, aproveitem antes que este resto se acabe. Dentro da cratera esfarrapada de El Cuervo, sem darmos por isso, muitas coisas tornam-se insignificantes. Um vulcão apagado, silencioso, é uma lição de filosofia. José Saramago


FILMES

quartas-feiras 7, 14, 21 e 28, 21h00 Sede F.C. Madalena Avenida Machado Serpa

7 janeiro, 21h00 - nature/natureza Uivo | Rita Quelhas | 19´48 | Portugal | 2014 Sub | Enzo Cillo |13´| Itália | 2014 Beyond the Horizon | Marianne Eggenberger | 57´ | Switzerland | 2013 Casa di legna | Tommaso Donati | 15´ | Itália/Switzerland | 2013 14 janeiro, 21h00 - histórias do mundo APU | Sebastian Boissett | 6´17 | Canadá | 2014 Himalayan Tsunami | Shivaprasad | 10´ | India | 2014 Eating the Apple | Mert Güler | 6´59 | Turkey | 2013 The Age of Rust | Francesco Aber, Alessandro Mattei | 7´12 | Italia | 2014 Phantom on the Cliff | Annlin Chao | 8´28 | Inglaterra | 2014 O menino que sabia voar | Douglas Ferreira | 11´ | Brasil | 2013 Care | Tristan Aitchison | 14´30 | Inglaterra | 2014 Hell’s Valley: Japan’s Snow Monkeys | William Allum | 8´20 | Japan/UK | 2014 21 janeiro, 21h00 - activism The Orchard Keepers | Bryony Dunne | 28´17 | Egypt | 2014 Bel City | Felix Jakel | 49´ | Germany/Nepal | 2014 LUR | Mercedes Mangrane | 35´ | Espanha | 2014 28 janeiro, 21h00 our land/nossa terra Bear Mountain | Vagenak Balayan | 22´| Armenia | 2014 Jardin de Piedras | Victor Cabrera | 43´ | Chile | 2014 Daughters are like their mothers | Lisa Castagna | 68´ | Itália | 2014

Eating the Apple

The Bear Mountain

The Age of Rust


JUN2015

www.azoresfringe.com EXPOSIÇÕES, CINEMA, LITERATURA, WORKSHOPS, PERFORMANCES, DANÇA, TEATRO, MÚSICA

Montanha  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you