Page 1

PARAFUSOS E CONECTORES PARA MADEIRA CARPINTARIA, ESTRUTURAS E EXTERIOR


ÍNDICE

CARPINTARIA

ESTRUTURAS

GEOMETRIA............................................12

CONECTORES ESTRUTURAIS........... 128

PESQUISA E DESENVOLVIMENTO......13

PARAFUSOS SOB TENSÃO AXIAL.... 130

DUCTILIDADE......................................... 14

REFORÇOS ESTRUTURAIS................ 132

LVL E HARDWOOD................................ 16

HTS.......................................................... 18

VGZ........................................................ 134

SHS.......................................................... 22

VGZ EVO FRAME................................ 158

SHS AISI410........................................... 23

VGZ EVO.............................................. 166

HBS.......................................................... 24

VGZ HARDWOOD.............................. 172

HBS EVO.................................................44

VGS........................................................ 182

HBS COIL...............................................50

VGU....................................................... 196

HBS SOFTWOOD................................. 52

RTR........................................................202

HBS SOFTWOOD BULK...................... 56

DGZ...................................................... 206

HBS HARDWOOD................................ 58

SBD ....................................................... 214

TBS..........................................................64

CTC.......................................................222

TBS EVO................................................. 82

SKR - SKS.............................................232

XYLOFON WASHER..............................88 HBS PLATE.............................................90 HBS PLATE EVO....................................96 LBS.........................................................100 LBA........................................................104 KOP.......................................................108 DRS.........................................................114 DRT........................................................ 116 MBS....................................................... 118 DWS....................................................... 120 DWS COIL.............................................121 THERMOWASHER.............................. 122 ISULFIX.................................................. 123

de pág.

9

de pág.

125


EXTERIOR

MADEIRA-METAL

PRODUTOS COMPLEMENTARES

KKT COLOR A4 | AISI316..................256

SBS - SPP............................................ 340

A 10 M...................................................356

KKT A4 | AISI316................................. 260

SBS A2 | AISI304.................................342

A 18 M BL.............................................356

KKT COLOR.........................................264

SBN - SBN A2 | AISI304.....................344

KMR 3373............................................. 357

KKZ A2 | AISI304.................................268

WBAZ....................................................346

KMR 3372............................................. 357

KWP A2 | AISI305................................270

TBS EVO...............................................348

KMR 3338.............................................358

KKA AISI410......................................... 272

MTS A2 | AISI304................................349

KMR 3352.............................................358

KKA COLOR......................................... 274

MCS A2 | AISI304................................350

IMPULS.................................................359

ESPÉCIES LENHOSAS........................244 ESCOLHA DA FIXAÇÃO Ambiente..............................................246 Aparafusamento.................................248 Acabamento estético da cabeça....250 CORROSÃO...........................................252 C4 EVO COATING ................................254 MATERIAIS E REVESTIMENTOS.......255

B 13 B....................................................359

EWS.......................................................276 KKF AISI410......................................... 280 SCI A4 | AISI316...................................284 SCI A2 | AISI305..................................286 SCA A2 | AISI304................................ 290 HBS PLATE EVO..................................292 HBS EVO...............................................293 TBS EVO...............................................294

de pág.

337

BIT........................................................ 360 DISPOSITIVO FIXAÇÃO SBD............ 361 D 38 RLE...............................................362 CONJUNTO........................................363 PORTA-PONTEIRAS...........................363 BROCAS HELICOIDAIS......................364 BROCAS PARA MADEIRA HSS..........366

VGZ EVO..............................................295

JIG VGZ................................................367

FLAT | FLIP............................................296

JIG VGU................................................367

TVM...................................................... 300 GAP....................................................... 304 TERRALOCK........................................ 308 GROUND COVER............................... 312 NAG....................................................... 313 GRÂNULO............................................ 314 TERRA BAND UV................................. 316 PROFID................................................. 317 JFA......................................................... 318 SUPPORT.............................................322 ALU TERRACE.....................................328 STAR......................................................334 SHIM......................................................335

de pág.

241

de pág.

353


QUALITY CONTROL VERIFICAÇÕES NAS FASES DE PRODUÇÃO Rothoblaas desenvolve, testa, produz, certifica e comercializa os seus produtos com o seu nome e com o seu brand. O processo de produção é sistematicamente controlado em cada etapa (FPC) e todo o procedimento é rigorosamente vigiado e controlado, a fim de garantir conformidade e qualidade de cada fase.

01

MATÉRIA-PRIMA

MOLDAGEM DA CABEÇA

ENTALHE DA PONTA

O fio de aço entra na produção após o controlo e as bobinas de fio são cuidadosamente lavadas

Múltiplas estampagens a frio, com indicação do nome e do comprimento

Entalhe preciso em posição recuada sobre a ponta autoperfurante

A

02

03

04

05

B

CORTE LONGITUDINAL

LAMINAÇÃO

O fio de aço é introduzido na máquina all-in-one

Criação da rosca até à ponta e da fresa

QUALIDADE DO AÇO Com o processo de cozedura e temperagem do aço, o parafuso Rothoblaas atinge o perfeito equilíbrio entre resistência (fyk = 1000 N/mm2) e ductilidade (excelente capacidade de deformar-se plasticamente), graças a um know-how de fabrico de alto nível.

RASTREABILIDADE Durante todo o processo produtivo cada parafuso é associado a um código de identificação (número de lote) que garante a rastreabilidade da matéria-prima à comercialização.

4 | QUALITY CONTROL


CE - ETA - DoP A Rothoblaas, na qualidade de fabricante, é responsável pelos produtos conforme o ETA de que é titular. Tais produtos devem ter a marcação CE de acompanhamento, normalmente aposta sobre a etiqueta, que assume, portanto, validade legal e deve trazer as seguintes informações:

06

CD

07

1. Identificação do fabricante 2. Número de ETA 3. Declaração das prestações 1 ------------------------Rotho Blaas 2 ------------------------ETA 11/0030 3 ------------------------DoP: HBS_DoP_110030 (www.rothoblaas.pt)

EMBALAGEM E ETIQUETAGEM

CONTROLO DE QUALIDADE NA ROTHOBLAAS

Linha mecanizada de embalagem e etiquetagem

O procedimento do controlo de fábrica (FPC) prossegue com uma segunda fase de controlos geométricos e mecânicos efectuados na Rothoblaas

E

HEAT TREATMENT/ ZINCAGEM E ENCERAMENTO Processo especial de têmpera em forno com evolução controlada da temperatura e zincagem galvânica em tanque eletrolítico com sucessivo enceramento antiatrito

08

09

10

F

ARMAZENAMENTO Aceitação das mercadorias de entrada e encaminhamento delas ao Laboratório de Controlo de Qualidade

VENDA E RASTREABILIDADE Com o número de lote e a nota de encomenda, é possível remontar a todas as fases de produção registadas nos relativos controlos: o cliente tem, portanto, a segurança de receber um produto certificado e de qualidade

VERIFICAÇÕES A. Verificação, controlo e registo da matéria prima de entrada B. Verificação geométrica conforme tolerâncias e calibragens normativas C. Verificação mecânica: resistência final à torsão, à tração e ângulo de dobragem D. Verificação da espessura da zincagem e ensaio por amostragem em névoa salina E. Verificação da embalagem e da etiqueta F. Testes aplicativos

QUALITY CONTROL | 5


GAMA COMPLETA DE EMBEBER COM NERVURAS HBS, HBS COIL, HBS EVO, HBS S, HBS S BULK, VGS, SCI A2/A4, SBS, SPP

LARGA TBS , TBS MAX, TBS EVO

ROSCA

CABEÇA

"A COMBINAÇÃO IDEAL"

ASSIMÉTRICA, EM FORMA DE “GUARDA-CHUVA” HBS , HBS COIL , HBS EVO , HBS P, HBS P EVO, TBS, TBS EVO, SCI A2/A4

DE EMBEBER LISA

SIMÉTRICA PASSO RÁPIDO

HTS, DRS, DRT, SKS, SCA A2, SBS A2, SBN, SBN A2

HBS S, HBS S BULK, VGZ, VGZ EVO, VGS, SCA A2

DE EMBEBER A 60°

SIMÉTRICA PASSO LENTO

SHS, SHS AISI410, HBS H

HBS H, HTS, SHS, SHS AISI410, LBS, DWS, DWS COIL, KKF AISI410, MCS A2, VGZ H

REDONDA

DUPLO

LBS

DGZ, CTC, SBD, KKT A4 COLOR, KKT A4, KKT COLOR, KKZ A2, KWP A2, KKA AISI410

SEXTAVADA

TRILOBADA

KOP, SKR, VGS Ø13, MTS A2

KKT A4 COLOR, KKT A4, KKT COLOR

INVERSO-CÓNICA

QUADRILOBADA

KKT A4 COLOR, KKT A4, KKT COLOR

EWS A2, EWS AISI410

TRONCOCÓNICA

PASSO FINO PARA METAL

HBS P, HBS P EVO, KKF AISI410

KKA AISI 410, KKA COLOR, SBS, SPP, SBS A2, SBN, SBN A2

ABAULADA

PADRÃO PARA MADEIRA

EWS A2, EWS AISI410, MCS A2

KOP, RTR, MTS A2

CILÍNDRICA

DISTANCIADORA

VGZ, VGZ EVO, VGZ H, DGZ, CTC, MBS, SBD, KKZ A2, KWP A2, KKA AISI410, KKA COLOR

DRS, DRT

TROMBETA

HI-LOW (BETÃO)

DWS, DWS COIL

MBS, SKR, SKS

6 | GAMA COMPLETA


HBS (L ≤ 50 mm), HBS COIL (L ≤ 50 mm), HTS, LBS, DRS, DRT, DWS, DWS COIL, KWP A2, SCA A2, MCS A2

SHARP SAW HBS S, HBS S BULK

SHARP SAW NIBS VGS Ø13

SHARP 1 CUT HBS (L > 50 mm), HBS COIL (L > 50 mm), HBS EVO, HBS P, HBS P EVO, TBS, TBS EVO, VGZ, VGZ EVO, VGS, DGZ, CTC, SHS, SHS AISI410, KKT A4 COLOR , KKT A4, EWS A2, EWS AISI410, KKF AISI410, SCI A2/A4

MATERIAIS E REVESTIMENTOS

PONTA

SHARP

aço carbónico + zincagem galvânica HTS, SHS, HBS, HBS COIL, HBS S, HBS S BULK, TBS, HBS H, HBS P, LBS, KOP, DRS, DRT, MBS, VGZ, VGZ H, VGS, RTR, DGZ, SBD, CTC, SKR, SKS, SBS, SPP, SBN

aço carbónico + color coating KKT COLOR, KKA COLOR

aço carbónico + C4 EVO coating HBS EVO, TBS EVO, HBS P EVO, VGZ EVO, SKR EVO, SKS EVO

SHARP 2 CUT KKT COLOR

aço inoxidável martensítico AISI410 KKF AISI410, EWS AISI410, KKA AISI410, SHS AISI410

HARD WOOD (DECKING) KKZ A2

aço inoxidável A2 (AISI304 | AISI305) HARD WOOD (SOLID) HBS H, VGZ H

ALUMÍNIO (DECKING) KKA AISI410, KKA COLOR

SCI A2, SCA A2, EWS A2, KKZ A2, KWP A2, SBS A2, SBN A2, MCS A2, MTS A2, WBAZ

aço inoxidável A4 (AISI316) KKT A4 COLOR, KKT A4, SCI A4

METAL (COM ALETAS) SBS, SBS A2, SPP

bimetálica em aço inoxidável + aço carbónico SBS A2

METAL (SEM ALETAS) SBD, SBN, SBN A2

aço fosfatado PADRÃO MADEIRA

DWS, DWS COIL

MBS, KOP, MTS A2

BETÃO

EPDM/PP/PU

SKR, SKS

XYLOFON WASHER, WBAZ, THERMOWASHER, ISULFIX

GAMA COMPLETA | 7


CARPINTARIA


CARPINTARIA


CARPINTARIA

HTS

KOP

PARAFUSO TODO-ROSCA DE CABEÇA DE EMBEBER. . . . . . . . . . . 18

TIRAFON DIN571 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108

SHS

DRS

PARAFUSO DE CABEÇA PEQUENA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22

PARAFUSO DISTANCIADOR MADEIRA-MADEIRA. . . . . . . . . . . . . . 114

SHS AISI410

DRT

PARAFUSO DE CABEÇA PEQUENA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

PARAFUSO DISTANCIADOR MADEIRA-ALVENARIA. . . . . . . . . . . . . 116

HBS

MBS

PARAFUSO DE CABEÇA DE EMBEBER. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

PARAFUSO AUTO-ROSCANTE DE CABEÇA CILÍNDRICA PARA CONSTRUÇÃO EM ALVENARIA DE TIJOLO. . . . . . . . . . . . . . 118

HBS EVO PARAFUSO DE CABEÇA DE EMBEBER. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

HBS COIL PARAFUSOS HBS DE LIGAÇÃO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50

HBS SOFTWOOD

DWS PARAFUSOS PARA GESSO CARTONADO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120

DWS COIL PARAFUSOS DWS CINTADO PARA GESSO CARTONADO. . . . . . . 121

PARAFUSO DE CABEÇA DE EMBEBER. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52

THERMOWASHER

HBS SOFTWOOD BULK

ROSETA PARA FIXAÇÃO DE ISOLANTE SOBRE MADEIRA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122

PARAFUSO DE CABEÇA DE EMBEBER. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

HBS HARDWOOD PARAFUSO DE CABEÇA DE EMBEBER PARA MADEIRAS DURAS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58

ISULFIX BUCHA PARA FIXAÇÃO DE ISOLANTE SOBRE ALVENARIA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123

TBS PARAFUSO DE CABEÇA LARGA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

TBS EVO PARAFUSO DE CABEÇA LARGA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82

XYLOFON WASHER ANILHA DESSOLIDARIZANTE PARA PARAFUSO PARA MADEIRA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88

HBS PLATE PARAFUSO COM CABEÇA TRONCOCÓNICA PARA CHAPAS. . . . 90

HBS PLATE EVO PARAFUSO DE CABEÇA TRONCOCÓNICA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96

LBS PARAFUSO COM CABEÇA REDONDA PARA CHAPAS . . . . . . . . . 100

LBA PREGO DE ADERÊNCIA MELHORADA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104

CARPINTARIA | 11


GEOMETRIA O PORMENOR QUE FAZ A DIFERENÇA

Cada simples componente da geometria do parafuso é analisado e desenvolvido para aumentar o desempenho em termos de resistência e aplicação.

PONTA

1. PONTA AUTO-PERFURANTE A ponta auto-perfurante, enriquecida com geometrias exclusivas para aplicações em madeiras particulares (LVL, hardwood,...), com a rosca a saca-rolhas até à extremidade garante uma aderência inicial veloz e eficiente.

ENTALHE

2. ENTALHE O entalhe permite o corte das fibras na fase de inserção, prevenindo o risco de rachaduras ou fissuras na madeira. A posição recuada do entalhe é essencial para garantir uma ótima capacidade de ajuste e perfuração da ponta.

PASSO DA ROSCA

3. ROSCA A rosca, com geometrias atentamente estudadas, permite o aparafusamento rápido e seguro, em particular o passo da rosca está ligado às dimensões do diâmetro e comprimento do parafuso. As roscas com passo veloz servem para parafusos de médias/longas dimensões para acelerar os procedimentos de aparafusamento, enquanto as roscas com passo lento são ideais para parafusos pequenos, onde é pedido cuidado e precisão na fase de aparafusamento.

FRESA

4. FRESA A geometria da fresa é estudada especificamente para alargar as fibras da madeira e remover as aparas criadas pelo avanço do parafuso. A fresa abre um espaço para a passagem da haste e limita o super aquecimento do parafuso.

ENCERAÇÃO

5. HASTE Um especial enceramento superficial cobre a haste, reduzindo assim significativamente o atrito e, consequentemente, os esforços de torção em fase de aparafusamento.

ESCAREADORES

6. SUB-CABEÇA Os escareadores (chamados “nervuras”) caracterizam-se por ter uma forma muito incisiva, apta a cortar as aparas que saem do orifício após a perfuração da madeira. CABEÇA LARGA

7. CABEÇA A geometria da cabeça define a resistência à penetração do parafuso.

1

3 5

7

2 4

6 12 | GEOMETRIA | CARPINTARIA


PESQUISA E DESENVOLVIMENTO UM KNOW-HOW EM CONSTANTE EVOLUÇÃO

Campanhas experimentais estendidas conduzidas nos laboratórios internos em softwood, hardwood e LVL permitiram desenvolver produtos adequados para cada tipologia de madeira, mantendo o foco em três parâmetros fundamentais: RAPIDEZ DE AJUSTE É obtida com uma ponta muito afiada (sharp), uma rosca veloz inicial e um perfil cónico regular no primeiro troço;

FACILIDADE DE AVANÇO É a capacidade de o parafuso penetrar na madeira com esforços reduzidos graças a uma rosca lenta inicial (dupla ou ao contrário) e uma geometria irregular que facilita a remoção das aparas;

ENGATE RÁPIDO Para consentir um rápido encaixe, o entalhe deve estar em posição recuada em relação à extremidade da ponta e isto é fundamental nos parafusos de comprimento superior a 50 mm, para evitar rachas durante a inserção e manter um nível aceitável de estrago à madeira.

CARPINTARIA | PESQUISA E DESENVOLVIMENTO | 13


DUCTILIDADE PESQUISA EXPERIMENTAL NA PERFORMANCE SÍSMICA DOS CONECTORES A FprEN 14592 (2018) introduz três classes de desempenho para conectores de haste cilíndrica utilizados em zona sísmica, na forma de três classes de ductilidade ("low cycle ductility classes for fasteners used in seismic areas"). As três classes são indicadas como S1 (baixa ductilidade) S2 (média ductilidade) e S3 (alta ductilidade). A classificação de um conector dentro de uma das precedentes classes é efetuada com base nos resultados de específicos testes de flexão monótonos e cíclicos, conduzidos na parte roscada do conector. Esta classificação sísmica é essencial para ajudar os projetistas a prevenir eventuais ruturas frágeis, causadas por um colapso imprevisto do conector metálico. O objetivo da norma é verificar que, com base na classe sísmica e no conector escolhido, no final do terceiro ciclo, o momento residual Mres seja pelo menos igual a 80% do valor médio do momento de rutura de tensão My determinado com teste monótono.

PROTOCOLO DE ENSAIO USADO NUM TESTE CÍCLICO

αu

Tubular guide

αc

Loading device

Mandrel

Support

Rotation

Fastener

Time

0

2d 16d

Esquema do setup de prova (esquema estático: flexão em três pontos).

-αc 1st cycle

2nd cycle

3rd cycle

determination of the residual bending moment capacity

CURVA MOMENTO-ROTAÇÃO RESULTANTE DE UM ENSAIO CÍCLICO

Mres

Bending moment

Kel

Mmax M(1st) M(2nd) M(3rd)

-αc

0 Rotation [°]

14 | DUCTILIDADE | CARPINTARIA

αc α + 20°

αu

Configurações de ensaio.


CAMPANHA EXPERIMENTAL

TBS Ø8x160 mm 60

Moment [kNmm]

α = 10.50°

α + 20°

40 My

20 Tests of TBS 8x160 Bilinear schematization 0

α

0

15

30

45

Rotation [°]

Parafuso deformado na sequência de um teste cíclico.

60

Todos os parafusos testados demonstraram excelentes propriedades mecânicas em condições monótonas, cumprindo o requisito de ductilidade indicado na EN 14592. Além disso, todos os parafusos demonstraram-se capazes de completar os três ciclos de carga, atingindo a classe de performance sísmica mais alta, no caso de parafusos com diâmetro 8 e 10 mm.

α = 10.50° Seismic class: S3

40 Moment [kNmm]

Uma ampla campanha experimental foi, portanto, conduzida em mais de 500 conectores Rothoblaas, com diâmetro entre 6 mm e 10 mm e comprimentos compreendidos entre 100 mm e 300 mm.

20 0 -20 -40

Tests of TBS 8x160 Bilinear schematization

-60 -30

-15

0 15 Rotation [°]

30

45

HBS Ø10x300 mm

O relatório científico completo sobre a investigação experimental está disponível junto da Rothoblaas.

80

Moment [kNmm]

α = 8.98°

α + 20°

60 My 40

20 Tests of HBS 10x300 Bilinear schematization 0

0

α

15

30

45

Rotation [°] 80

B

H H

B

S

X X

S

X X

HBS

TBS

Moment [kNmm]

60

α = 8.98° Seismic class: S3

40 20 0 -20 -40 Tests of HBS 10x300 Bilinear schematization

-60 -80 -30

-15

0 15 Rotation [°]

30

45

CARPINTARIA | DUCTILIDADE | 15


LVL E HARDWOOD MADEIRAS DE ALTA DENSIDADE

Castanheiro, carvalho, cipreste, faia, eucalipto, bambu e muitos outras essências exóticas são cada vez mais utilizadas nas construções em madeira. Estas são complementadas pela utilização de elementos em madeira microlamelar, denominado LVL (Laminated Veneer Lumber). Trata-se de elementos contínuos, extraídos de folhosas de diferentes espécies (abete, pinheiro, faia) de poucos milímetros de espessura, sobrepostos e colados um sobre o outro. Em função da direção preferencial em relação à qual se pretendem otimizar as performances estruturais é possível produzir folhosa somente de fibra longitudinal ou de fibra longitudinal e transversal.

MADEIRA MICROLAMELAR

O resultado são elementos de absoluta estabilidade dimensional e elevadas prestações mecânicas, com um amplo intervalo de aplicações (vigas, barrotes, colunas, paredes, lajes, elementos curvos,...). Uma ampla campanha experimental foi realizada pela Rothoblaas a fim de analisar o comportamento dos conectores de haste cilíndrica em elementos em LVL, considerando diferentes parâmetros:

MADEIRA MICROLAMELAR COM FOLHOSAS CRUZADAS

1. Diferentes espécies de madeira e densidade 2. Presença/ausência de pré-furo 3. Conectores totalmente roscado/rosca parcial 4. Fibra unidirecional/bidirecional do painel em LVL 5. Aplicação dos conectores na superfície lateral/estreita

superfície da espessura

espessura entre 21-90 cm

larguras até 2,50 m

comprimentos até 18,00 m

superfície de cobertura superfície frontal

Os resultados obtidos nos testes foram úteis para verificar detalhadamente as distâncias mínimas aplicáveis e para analisar o diferente esforço de aperto em função da instalação e da geometria do conector utilizado.

16 | LVL E HARDWOOD | CARPINTARIA


Os parafusos Rothoblaas, de acordo com o indicado na avaliação técnica europeia ETA-11/0030, podem ser utilizados para conexões estruturais, onde está previsto o emprego de painéis ou elementos em LVL. Com o objetivo de caracterizar o comportamento de parafusos de rosca parcial e de conectores de rosca completa nas aplicações com elementos em LVL, Rothoblaas realizou um aprofundado programa de pesquisa em laboratórios externos acreditados (Eurofins Expert Services Oy, Espoo, Finlândia). Especificamente foram conduzidos testes sobre os seguintes temas: • RESISTÊNCIA A EXTRAÇÃO DA ROSCA (nas ligações edgwise e flatwise) • RESISTÊNCIA À PENETRAÇÃO DA CABEÇA • DISTÂNCIAS MÍNIMAS REDUZIDAS • RIGIDEZ DAS LIGAÇÕES O relatório científico completo sobre a investigação experimental está disponível junto da Rothoblaas.

t b

t

l

b l

b

t l

b t l

CARPINTARIA | LVL E HARDWOOD | 17


HTS

BIT INCLUÍDOS

EN 14592

PARAFUSO TODO-ROSCA DE CABEÇA DE EMBEBER ROSCA TOTAL A rosca total é igual a 80% do comprimento do parafuso e apresenta uma parte lisa sub-cabeça que garante a máxima eficiência de acoplamento dos painéis aglomerados.

PASSO LENTO A rosca de passo lento é ideal para garantir a máxima precisão de parafusação também sobre painéis MDF. A ranhura Torx assegura estabilidade e segurança.

CHROMIUM VI FREE Ausência total de crómio hexovalente. Conformidade com as mais rigorosas normas de regulamentação das substâncias químicas (SVHC). Informações REACH disponíveis.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

parafuso aglomerados

CABEÇA

de embeber sem nervuras sub-cabeça

DIÂMETRO

de 3,0 a 5,0 mm

COMPRIMENTO

de 12 a 80 mm

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • painéis aglomerados e MDF • madeira maciça • madeira lamelar • CLT, LVL Classes de serviço 1 e 2.

18 | HTS | CARPINTARIA


GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS ds d2 d1

90°

X X

T

S

H

dk

b

t1 L Diâmetro nominal Diâmetro da cabeça Diâmetro do núcleo Diâmetro da haste Espessura da cabeça Diâmetro do pré-furo Momento plástico característico Parâmetro característico de resistência à extracção Densidade associada Parâmetro característico de penetração da cabeça

d1 dk d2 dS t1 dV My,k

[mm] [mm] [mm] [mm] [mm] [mm] [Nmm]

3 6,00 2,00 2,20 2,20 2,0 2168

3,5 7,00 2,20 2,45 2,40 2,0 2676

4 8,00 2,50 2,75 2,70 2,5 3752

4,5 8,80 2,80 3,20 2,80 3,0 5813

5 9,70 3,20 3,65 2,80 3,5 8801

fax,k

[N/mm2]

18,5

17,9

17,1

17,0

15,5

ρa

[kg/m ]

350

350

350

350

350

fhead,k

[N/mm ]

26,0

25,1

24,1

23,1

22,5

Densidade associada

ρa

[kg/m3]

350

350

350

350

350

Resistência característica à tração

ftens,k

[kN]

4,2

4,5

5,5

7,8

11,0

3

2

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm]

3 TX 10

3,5 TX 15

4 TX 20

HTS312 HTS316 HTS320 HTS325 HTS330 HTS3516 HTS3520 HTS3525 HTS3530 HTS3535 HTS3540 HTS3550 HTS420 HTS425 HTS430 HTS435

L

b

[mm]

[mm]

12 16 20 25 30 16 20 25 30 35 40 50 20 25 30 35

6 10 14 19 24 10 14 19 24 27 32 42 14 19 24 27

pçs

d1

CÓDIGO

[mm] 1000 1000 1000 1000 1000 1000 1000 1000 500 500 500 400 1000 1000 500 500

4 TX 20

4,5 TX 20

5 TX 25

HTS440 HTS445 HTS450 HTS4530 HTS4535 HTS4540 HTS4545 HTS4550 HTS530 HTS535 HTS540 HTS545 HTS550 HTS560 HTS570 HTS580

L

b

[mm]

[mm]

40 45 50 30 35 40 45 50 30 35 40 45 50 60 70 80

32 37 42 24 27 32 37 42 24 27 32 37 42 50 60 70

pçs 500 400 400 500 500 400 400 200 500 400 200 200 200 200 100 100

CHIPBOARD A rosca total e a cabeça de embeber lisa são ideais para a fixação de charneiras metálicas na realização de móveis. Ideais para utilização com ponteira simples (incluída na embalagem) facilmente intercambiável no porta-ponteiras. A ponta auto-perfurante sem entalhe aumenta a capacidade de aderência inicial do parafuso.

CARPINTARIA | HTS | 19


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO 3,0

3,5

4

4,5

15

18

20

23

a1

[mm]

a2

[mm]

3∙d

9

11

12

14

a3,t

[mm]

12∙d

36

42

48

54

a3,c

[mm]

7∙d

21

25

28

32

7∙d

a4,t

[mm]

3∙d

9

11

12

14

3∙d

a4,c

[mm]

3∙d

9

11

12

14

3∙d

5∙d

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO 5

5∙d

3,5

4

4,5

3,5

4

4,5

5

14

16

18

4∙d

20

25

4∙d

12

3∙d

15

4∙d

12

14

16

18

4∙d

20

12∙d

60

7∙d

21

25

28

32

7∙d

35

35

7∙d

21

25

28

32

7∙d

35

15

5∙d

15

18

20

23

7∙d

35

15

3∙d

9

11

12

14

3∙d

15

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO 3,0

3,0

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO 5

3,0

3,5

4

4,5

5

a1

[mm]

10∙d

30

35

40

45

12∙d

60

5∙d

15

18

20

23

5∙d

25

a2

[mm]

5∙d

15

18

20

23

5∙d

25

5∙d

15

18

20

23

5∙d

25

35

40

45

10∙d

50

a3,t

[mm]

15∙d

45

53

60

68

15∙d

75

10∙d

30

a3,c

[mm]

10∙d

30

35

40

45

10∙d

50

10∙d

30

35

40

45

10∙d

50

a4,t

[mm]

5∙d

15

18

20

23

5∙d

25

7∙d

21

25

28

32

10∙d

50

a4,c

[mm]

5∙d

15

18

20

23

5∙d

25

5∙d

15

18

20

23

5∙d

25

d = diâmetro nominal do parafuso

extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c

a3,c

NOTAS: • As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014 considerando-se uma massa volúmica dos elementos de madeira ρk ≤ 420 kg/m3. • Em caso de ligação aço-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,7.

20 | HTS | CARPINTARIA

• Em caso de ligação painel-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,85.


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE

geometria

madeira-madeira

TRAÇÃO aço-madeira chapa fina (2)

painel-madeira (1)

aço-madeira chapa espessa (3)

Splate

extração da rosca (4)

penetração da cabeça (5)

A L

b

d1

RV,k

RV,k

RV,k

RV,k

RV,k

Rax,k

Rhead,k

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

12 16 20 25 30 16 20 25 30 35 40 50 20 25 30 35 40 45 50 30 35 40 45 50 30 35 40 45 50 60 70 80

6 10 14 19 24 10 14 19 24 27 32 42 14 19 24 27 32 37 42 24 27 32 37 42 24 27 32 37 42 50 60 70

7 12 4 9 14 19 29 1 6 11 16 21 26 3 8 13 18 23 0 5 10 15 20 30 40 50

0,11 0,38 0,61 0,53 0,77 0,82 0,89 0,38 0,71 0,96 1,02 1,08 0,21 0,56 0,90 1,15 1,21 0,76 1,14 1,39 1,52 1,65 1,65

0,36 0,60 0,84 1,14 1,44 0,68 0,95 1,29 1,62 1,83 2,17 2,84 1,03 1,40 1,77 1,99 2,36 2,73 3,09 1,98 2,22 2,63 3,05 3,46 2,01 2,26 2,68 3,10 3,52 4,19 5,03 5,87

1,01 1,01 1,01 1,01 1,01 1,33 1,33 1,33 1,33 1,33 1,33 1,33 1,66 1,66 1,66 1,66 1,66 1,66 1,66 1,93 1,93 1,93 1,93 1,93 2,28 2,28 2,28 2,28 2,28 2,28 2,28 2,28

As resistências características de corte são avaliadas num painel OSB ou um painel de partículas de espessura SPAN e massa volúmica igual a ρk = 500 kg/m3.

(1)

(4)

(5)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b. A resistência axial de penetração da cabeça, com e sem anilha, foi avaliada sobre elemento de madeira.

Em caso de ligações aço-madeira, é geralmente vinculante a resistência à tração do aço em relação à retirada ou à penetração da cabeça.

SPLATE = 3,5 mm SPLATE = 4 mm

• Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma

As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se o caso de chapa fina (SPLATE ≤ 0,5 d1). As resistências características de corte são avaliadas considerando o caso de chapa espessa (SPLATE ≥ d1).

0,49 0,66 0,77 0,92 1,08 0,73 0,85 1,01 1,19 1,34 1,45 1,62 0,98 1,15 1,33 1,49 1,69 1,81 1,90 1,53 1,69 1,90 2,12 2,33 1,75 1,90 2,12 2,34 2,57 2,93 3,14 3,35

PRINCÍPIOS GERAIS:

(2)

(3)

SPLATE = 4,5 mm

SPLATE = 1,75 mm SPLATE = 2 mm SPLATE = 2,25 mm

SPAN = 12 mm

NOTAS:

0,23 0,32 0,41 0,52 0,62 0,33 0,43 0,55 0,66 0,78 0,90 1,13 0,46 0,59 0,72 0,85 0,97 1,10 1,23 0,77 0,91 1,05 1,19 1,33 0,84 0,99 1,14 1,30 1,45 1,75 2,06 2,36

SPLATE = 5 mm

5

0,77 0,97 0,99 0,99 1,18 1,18 1,18 1,43 1,47 1,59 1,72 1,75 1,75 1,75

SPLATE = 2,5 mm

4,5

SPAN = 15 mm

4

SPAN = 9 mm

3,5

SPAN = 12 mm

3

0,76 0,83 0,92 0,92 0,92 0,99 0,99 0,99 0,99 1,31 1,40 1,40 1,46 1,46 1,46 1,46 1,46

SPLATE = 3 mm

A [mm]

SPLATE = 1,5 mm

b [mm]

SPAN = 12 mm

L [mm]

SPAN = 9 mm

d1 [mm]

Rd =

Rk kmod γm

:  s coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigenO te utilizada para o cálculo.

• E m fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 385 kg/m3. • Os valores foram calculados considerando uma comprimento de penetração mínima no lado da ponta igual a 6d1. • O dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira, dos painéis e das chapas de aço devem ser feitos à parte. • As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência.

CARPINTARIA | HTS | 21


SHS

BIT INCLUÍDOS

PARAFUSO DE CABEÇA PEQUENA CABEÇA INVISÍVEL Cabeça de embeber a 60° para uma fácil inserção em pequenas espessuras, sem criar fissuras ou fendas na madeira.

FIXAÇÃO DE TÁBUAS MACHEADAS Ideal para utilizar nas fugas para a fixação de ripas ou de elementos de pequenas dimensões.

GEOMETRIA

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm]

3,5 TX 10

dK

L

b

A

A

pçs

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

SHS3530

5,75

30

20

10

500

SHS3540

5,75

40

26

14

500

SHS3550

5,75

50

34

16

500

SHS3560

5,75

60

40

20

500

dk

d1

60° b L

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Ideal para a fixação de ripas, suportes para vidro ou elementos de madeira de pequenas dimensões.

22 | SHS | CARPINTARIA


SHS AISI410

BIT INCLUÍDOS

PARAFUSO DE CABEÇA PEQUENA CABEÇA INVISÍVEL A cabeça reduzida e a rosca eficiente garantem uma perfeita inserção do parafuso em pequenas espessuras. Ideal para aplicações no exterior.

AISI410 Aço inoxidável martensítico com óptima relação entre resistência mecânica e resistência à corrosão.

GEOMETRIA CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

dK

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

SHS3540AS

5,75

40

26

14

500

SHS3550AS

5,75

50

34

16

500

SHS3560AS

5,75

60

40

20

500

[mm] 3,5 TX 10

A pçs dk

d1

60° b L

MATERIAL Aço inoxidável martensítico AISI410.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Ideal para aplicações no exterior graças ao aço inoxidável.

CARPINTARIA | SHS AISI410 | 23


HBS

BIT INCLUÍDOS

ETA 11/0030

PARAFUSO DE CABEÇA DE EMBEBER RESISTÊNCIAS SUPERIORES Excelente resistência à rutura e rutura de tensão (fy,k = 1000 N/mm2) do aço. Resistência à torção ftor,k muito elevada para um aperto mais seguro.

APLICAÇÕES ESTRUTURAIS Homologada para aplicações estruturais solicitadas em qualquer direção em relação à fibra (α = 0° - 90°). Rosca assimétrica em forma de „guarda-chuva“ para uma maior capacidade de penetração na madeira.

DUCTILIDADE Ângulo de dobra mais amplo de 20° em relação à norma, certificado de acordo com ETA 11/0030. Ensaios cíclicos SEISMIC-REV de acordo com EN 12512. Performance sísmica testada de acordo com EN 14592.

CHROMIUM VI FREE Ausência total de crómio hexovalente. Conformidade com as mais rigorosas normas de regulamentação das substâncias químicas (SVHC). Informações REACH disponíveis.

PROPRIEDADES FOCUS

gama extremamente completa

CABEÇA

de embeber com nervuras sub-cabeça

DIÂMETRO

de 3,5 a 12,0 mm

COMPRIMENTO

de 30 a 600 mm

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • madeira maciça • madeira lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade Classes de serviço 1 e 2.

24 | HBS | CARPINTARIA


CLT Valores testados, certificados e calculados também para CLT. Tabelas de cálculo e software de dimensionamento (MyProject) para CLT disponíveis em catálogo e on-line.

LVL Valores testados, certificados e calculados também para CLT e madeiras de alta densidade como o microlamelar LVL.

CARPINTARIA | HBS | 25


Ligação barrote-laró de suporte com parafusos HOST diâmetro 8 mm.

Fixação paredes em CLT com parafusos HBS diâmetro 6 mm.

GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

B

S

H

dk

X X

A

d2 d1

90° ds

t1

b L

Diâmetro nominal

d1

[mm]

3,5

4

4,5

5

6

8

10

12 20,75

Diâmetro da cabeça

dK

[mm]

7,00

8,00

9,00

10,00

12,00

14,50

18,25

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

2,25

2,55

2,80

3,40

3,95

5,40

6,40

6,80

Diâmetro da haste

dS

[mm]

2,45

2,75

3,15

3,65

4,30

5,80

7,00

8,00

Espessura da cabeça

t1

[mm]

2,20

2,80

2,80

3,10

4,50

4,50

5,80

7,20

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

2,0

2,5

3,0

3,0

4,0

5,0

6,0

7,0

My,k

[Nmm]

2143

3033

4119

5417

9494

20057

35830

47966

fax,k

[N/mm2]

11,7

11,7

11,7

11,7

11,7

11,7

11,7

11,7

fhead,k

[N/mm2]

10,5

10,5

10,5

10,5

10,5

10,5

10,5

10,5

ftens,k

[kN]

3,8

5,0

6,4

7,9

11,3

20,1

31,4

33,9

Momento plástico característico Parâmetro característico de resistência à extracção Parâmetro característico de penetração da cabeça Resistência característica à tração

26 | HBS | CARPINTARIA


CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm] 3,5 TX 15

4 TX 20

4,5 TX 20

5 TX 25

6 TX 30

HBS3540 HBS3545 HBS3550 HBS430 HBS435 HBS440 HBS445 HBS450 HBS460 HBS470 HBS480 HBS4540 HBS4545 HBS4550 HBS4560 HBS4570 HBS4580 HBS540 HBS545 HBS550 HBS560 HBS570 HBS580 HBS590 HBS5100 HBS5120 HBS640 HBS650 HBS660 HBS670 HBS680 HBS690 HBS6100 HBS6110 HBS6120 HBS6130 HBS6140 HBS6150 HBS6160 HBS6180 HBS6200 HBS6220 HBS6240 HBS6260 HBS6280 HBS6300

L

b

A

pçs

[mm]

[mm]

[mm]

40 45 50 30 35 40 45 50 60 70 80 40 45 50 60 70 80 40 45 50 60 70 80 90 100 120 40 50 60 70 80 90 100 110 120 130 140 150 160 180 200 220 240 260 280 300

18 24 24 18 18 24 30 30 35 40 40 24 30 30 35 40 40 24 24 24 30 35 40 45 50 60 35 35 30 40 40 50 50 60 60 60 75 75 75 75 75 75 75 75 75 75

22 21 26 12 17 16 15 20 25 30 40 16 15 20 25 30 40 16 21 26 30 35 40 45 50 60 8 15 30 30 40 40 50 50 60 70 65 75 85 105 125 145 165 185 205 225

500 400 400 500 500 500 400 400 200 200 200 400 400 200 200 200 200 200 200 200 200 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100

D1

D2

h

pçs

d1

CÓDIGO

[mm]

8 TX 40

10 TX 40

12 TX 50

HBS880 HBS8100 HBS8120 HBS8140 HBS8160 HBS8180 HBS8200 HBS8220 HBS8240 HBS8260 HBS8280 HBS8300 HBS8320 HBS8340 HBS8360 HBS8380 HBS8400 HBS8440 HBS8480 HBS8520 HBS1080 HBS10100 HBS10120 HBS10140 HBS10160 HBS10180 HBS10200 HBS10220 HBS10240 HBS10260 HBS10280 HBS10300 HBS10320 HBS10340 HBS10360 HBS10380 HBS10400 HBS12120 HBS12160 HBS12200 HBS12240 HBS12280 HBS12320 HBS12360 HBS12400 HBS12440 HBS12480 HBS12520 HBS12560 HBS12600

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

80 100 120 140 160 180 200 220 240 260 280 300 320 340 360 380 400 440 480 520 80 100 120 140 160 180 200 220 240 260 280 300 320 340 360 380 400 120 160 200 240 280 320 360 400 440 480 520 560 600

52 52 60 60 80 80 80 80 80 80 80 100 100 100 100 100 100 100 100 100 52 52 60 60 80 80 80 80 80 80 80 100 100 100 100 100 100 80 80 80 80 80 120 120 120 120 120 120 120 120

28 48 60 80 80 100 120 140 160 180 200 200 220 240 260 280 300 340 380 420 28 48 60 80 80 100 120 140 160 180 200 200 220 240 260 280 300 40 80 120 160 200 200 240 280 320 360 400 440 480

pçs 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25

ANILHA TORNEADA HUS dHBS

CÓDIGO

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

6

HUS6

7,5

20,0

4,0

100

8

HUS8

8,5

25,0

5,0

50

10

HUS10

11

32,0

6,0

50

12

HUS12

14,0

37,0

7,5

25

D2 D 1

h dHBS

CARPINTARIA | HBS | 27


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO 3,5

4

4,5

18

20

23

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

5

6

8

10

12

25

30

40

50

60

4∙d

3,5

4

4,5

14

16

18

5

6

8

10

12

4∙d

20

24

32

40

48

a1

[mm]

5∙d

a2

[mm]

3∙d

11

12

14

3∙d

15

18

24

30

36

4∙d

14

16

18

4∙d

20

24

32

40

48

a3,t

[mm]

12∙d

42

48

54

12∙d

60

72

96

120

144

7∙d

25

28

32

7∙d

35

42

56

70

84

a3,c

[mm]

7∙d

25

28

32

7∙d

35

42

56

70

84

7∙d

25

28

32

7∙d

35

42

56

70

84

a4,t

[mm]

3∙d

11

12

14

3∙d

15

18

24

30

36

5∙d

18

20

23

7∙d

35

42

56

70

84

a4,c

[mm]

3∙d

11

12

14

3∙d

15

18

24

30

36

3∙d

11

12

14

3∙d

15

18

24

30

36

5∙d

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO 3,5

4

4,5

5

6

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

8

10

12

3,5

4

4,5

5

6

8

10

12

a1

[mm] 10∙d

35

40

45

12∙d

60

72

96

120

144

5∙d

18

20

23

5∙d

25

30

40

50

60

a2

[mm]

5∙d

18

20

23

5∙d

25

30

40

50

60

5∙d

18

20

23

5∙d

25

30

40

50

60

35

40

45

10∙d

50

60

80

100

120

a3,t

[mm]

15∙d

53

60

68

15∙d

75

90

120

150

180 10∙d

a3,c

[mm] 10∙d

35

40

45

10∙d

50

60

80

100

120

10∙d

35

40

45

10∙d

50

60

80

100

120

a4,t

[mm]

5∙d

18

20

23

5∙d

25

30

40

50

60

7∙d

25

28

32

10∙d

50

60

80

100

120

a4,c

[mm]

5∙d

18

20

23

5∙d

25

30

40

50

60

5∙d

18

20

23

5∙d

25

30

40

50

60

d = diâmetro nominal do parafuso

extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c

a3,c

NOTAS: • As distâncias mínimas são de acordo com a regulamentação EN 1995:2014 de acordo com ETA-11/0030 considerando uma massa volúmica dos elementos de madeira ρk ≤ 420 kg/m3 e um diâmetro de cálculo igual a d = diâmetro nominal parafuso. • Em caso de ligação aço-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,7.

28 | HBS | CARPINTARIA

• Em caso de ligação painel-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,85. • No caso de ligações com elementos de abeto de Douglas (Pseudotsuga menziesii) o espaçamento e distâncias mínimas paralelas à fibra devem ser multiplicadas por um coeficiente 1,5.


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE

geometria

madeira-madeira

painel-madeira (1)

TRAÇÃO aço-madeira chapa fina (2)

aço-madeira chapa espessa (3)

Splate

extração da rosca (4)

penetração da cabeça (5)

Rhead,k

A L b d1

A

RV,k

RV,k

RV,k

RV,k

Rax,k

[mm]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

40 45 50 30 35 40 45 50 60 70 80 40 45 50 60 70 80 40 45 50 60 70 80 90 100 120

18 24 24 16 16 24 24 24 30 35 40 24 30 30 35 40 40 24 24 24 30 35 40 45 50 50

22 21 26 14 19 16 21 26 30 35 40 16 15 20 25 30 40 16 21 26 30 35 40 45 50 70

0,73 0,79 0,79 0,70 0,79 0,83 0,94 1,00 1,00 1,00 1,00 0,98 0,96 1,06 1,19 1,22 1,22 1,12 1,19 1,29 1,46 1,46 1,46 1,46 1,46 1,46

0,80 1,06 1,06 0,81 0,81 1,21 1,21 1,21 1,52 1,77 2,02 1,36 1,70 1,70 1,99 2,27 2,27 1,52 1,52 1,52 1,89 2,21 2,53 2,84 3,16 3,16

0,56 0,56 0,56 0,73 0,73 0,73 0,73 0,73 0,73 0,73 0,73 0,92 0,92 0,92 0,92 0,92 0,92 1,13 1,13 1,13 1,13 1,13 1,13 1,13 1,13 1,13

SPLATE ≤ 4 mm SPLATE ≤ 4,5 mm

SPLATE ≤ 2 mm SPLATE ≤ 2,3 mm

SPAN = 12 mm

0,85 0,92 0,92 0,93 1,02 1,12 1,12 1,12 1,20 1,26 1,32 1,33 1,42 1,42 1,49 1,56 1,56 1,46 1,56 1,56 1,65 1,73 1,81 1,89 1,97 1,97

SPLATE ≤ 5 mm

5

SPLATE ≤ 2,5 mm

4,5

SPAN = 15 mm

4

SPAN = 15 mm

3,5

0,72 0,72 0,72 0,76 0,84 0,84 0,84 0,84 0,84 0,84 0,84 1,06 1,06 1,06 1,06 1,06 1,06 1,16 1,20 1,20 1,20 1,20 1,20 1,20 1,20 1,20

SPLATE ≤ 3,5 mm

b [mm]

SPLATE ≤ 1,8 mm

L [mm]

SPAN = 12 mm

d1 [mm]

1,13 1,19 1,19 1,26 1,36 1,46 1,46 1,46 1,53 1,60 1,66 1,75 1,83 1,83 1,90 1,97 1,97 2,00 2,05 2,05 2,14 2,22 2,30 2,38 2,46 2,46

NOTAS: As resistências características de corte são avaliadas considerando um painel OSB3 ou OSB4 de acordo com EN 300 ou um painel de partículas de acordo com EN 312 de espessura SPAN.

(1)

(2)

As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se o caso de chapa fina (SPLATE ≤ 0,5 d1).

As resistências características de corte são avaliadas considerando o caso de chapa espessa (SPLATE ≥ d1).

(3)

(4)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

A resistência axial de penetração da cabeça, com e sem anilha, foi avaliada sobre elemento de madeira.

(5)

Em caso de ligações aço-madeira, é geralmente vinculante a resistência à tração do aço em relação à retirada ou à penetração da cabeça.

CARPINTARIA | HBS | 29


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE

geometria

madeira-madeira

madeira-madeira com anilha legno-legno con rondella

TRAÇÃO

aço-madeira chapa fina (1)

aço-madeira chapa espessa (2)

Splate

extração da rosca (3)

penetração da cabeça (4)

penetração da cabeça com anilha (4)

Rax,k

Rhead,k

Rhead,k

[kN] 2,65 2,65 2,27 3,03 3,03 3,79 3,79 4,55 4,55 4,55 5,68 5,68 5,68 5,68 5,68 5,68 5,68 5,68 5,68 5,68 5,25 5,25 6,06 6,06 8,08 8,08 8,08 8,08 8,08 8,08 8,08 10,10 10,10 10,10 10,10 10,10 10,10 10,10 10,10 10,10 6,57 6,57 7,58 7,58 10,10 10,10 10,10 10,10 10,10 10,10 10,10 12,63 12,63 12,63 12,63 12,63 12,63

[kN] 1,63 1,63 1,63 1,63 1,63 1,63 1,63 1,63 1,63 1,63 1,63 1,63 1,63 1,63 1,63 1,63 1,63 1,63 1,63 1,63 2,38 2,38 2,38 2,38 2,38 2,38 2,38 2,38 2,38 2,38 2,38 2,38 2,38 2,38 2,38 2,38 2,38 2,38 2,38 2,38 3,77 3,77 3,77 3,77 3,77 3,77 3,77 3,77 3,77 3,77 3,77 3,77 3,77 3,77 3,77 3,77 3,77

[kN] 4,53 4,53 4,53 4,53 4,53 4,53 4,53 4,53 4,53 4,53 4,53 4,53 4,53 4,53 4,53 4,53 4,53 4,53 4,53 4,53 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 11,60 11,60 11,60 11,60 11,60 11,60 11,60 11,60 11,60 11,60 11,60 11,60 11,60 11,60 11,60 11,60 11,60

A L b d1

RV,k

RV,k

RV,k

RV,k

[kN] 0,89 1,53 1,78 1,88 2,07 2,07 2,07 2,07 2,07 2,07 2,07 2,07 2,07 2,07 2,07 2,07 2,07 2,07 2,07 2,07 2,59 3,28 3,28 3,28 3,28 3,28 3,28 3,28 3,28 3,28 3,28 3,28 3,28 3,28 3,28 3,28 3,28 3,28 3,28 3,28 3,63 4,22 4,82 4,82 4,82 4,82 4,82 4,82 4,82 4,82 4,82 4,82 4,82 4,82 4,82 4,82 4,82

[kN] 0,89 1,66 1,94 2,23 2,42 2,61 2,61 2,80 2,80 2,80 2,80 2,80 2,80 2,80 2,80 2,80 2,80 2,80 2,80 2,80 3,31 3,99 4,19 4,19 4,45 4,45 4,45 4,45 4,45 4,45 4,45 4,45 4,45 4,45 4,45 4,45 4,45 4,45 4,45 4,45 4,33 4,92 5,77 5,77 6,40 6,40 6,40 6,40 6,40 6,40 6,40 6,77 6,77 6,77 6,77 6,77 6,77

[kN] 1,64 2,08 2,24 2,42 2,42 2,61 2,61 2,80 2,80 2,80 3,09 3,09 3,09 3,09 3,09 3,09 3,09 3,09 3,09 3,09 3,99 3,99 4,19 4,19 4,70 4,70 4,70 4,70 4,70 4,70 4,70 5,20 5,20 5,20 5,20 5,20 5,20 5,20 5,20 5,20 4,75 5,51 5,77 5,77 6,40 6,40 6,40 6,40 6,40 6,40 6,40 7,03 7,03 7,03 7,03 7,03 7,03

[kN] 2,60 2,98 2,93 3,12 3,12 3,30 3,30 3,49 3,49 3,49 3,78 3,78 3,78 3,78 3,78 3,78 3,78 3,78 3,78 3,78 5,10 5,10 5,30 5,30 5,81 5,81 5,81 5,81 5,81 5,81 5,81 6,31 6,31 6,31 6,31 6,31 6,31 6,31 6,31 6,31 6,94 7,12 7,37 7,37 8,00 8,00 8,00 8,00 8,00 8,00 8,00 8,63 8,63 8,63 8,63 8,63 8,63

30 | HBS | CARPINTARIA

SPLATE ≤ 10 mm

SPLATE ≤ 8 mm

SPLATE ≤ 6 mm

A [mm] 8 15 30 30 40 40 50 50 60 70 65 75 85 105 125 145 165 185 205 225 28 48 60 80 80 100 120 140 160 180 200 200 220 240 260 280 300 340 380 420 28 48 60 80 80 100 120 140 160 180 200 200 220 240 260 280 300

SPLATE ≤ 3 mm

b [mm] 35 35 30 40 40 50 50 60 60 60 75 75 75 75 75 75 75 75 75 75 52 52 60 60 80 80 80 80 80 80 80 100 100 100 100 100 100 100 100 100 52 52 60 60 80 80 80 80 80 80 80 100 100 100 100 100 100

SPLATE ≤ 4 mm

L

SPLATE ≤ 5 mm

d1

[mm] [mm] 40 50 60 70 80 90 100 110 120 130 6 140 150 160 180 200 220 240 260 280 300 80 100 120 140 160 180 200 220 240 260 8 280 300 320 340 360 380 400 440 480 520 80 100 120 140 160 180 200 220 240 10 260 280 300 320 340 360 380 400


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE

geometria

madeira-madeira

madeira-madeira com anilha legno-legno con rondella

TRAÇÃO

aço-madeira chapa fina (1)

aço-madeira chapa espessa (2)

Splate

extração da rosca (3)

penetração da cabeça (4)

penetração da cabeça com anilha (4)

Rax,k

Rhead,k

Rhead,k

[kN] 12,12 12,12 12,12 12,12 12,12 18,18 18,18 18,18 18,18 18,18 18,18 18,18 18,18

[kN] 4,88 4,88 4,88 4,88 4,88 4,88 4,88 4,88 4,88 4,88 4,88 4,88 4,88

[kN] 15,51 15,51 15,51 15,51 15,51 15,51 15,51 15,51 15,51 15,51 15,51 15,51 15,51

A L b d1

b

A

RV,k

RV,k

RV,k

RV,k

[mm] 80 80 80 80 80 120 120 120 120 120 120 120 120

[mm] 40 80 120 160 200 200 240 280 320 360 400 440 480

[kN] 4,87 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00

[kN] 6,68 7,81 7,81 7,81 7,81 8,65 8,65 8,65 8,65 8,65 8,65 8,65 8,65

[kN]

[kN] 9,78 9,78 9,78 9,78 9,78 11,30 11,30 11,30 11,30 11,30 11,30 11,30 11,30

NOTAS:

7,81 7,81 7,81 7,81 7,81 9,32 9,32 9,32 9,32 9,32 9,32 9,32 9,32

SPLATE ≤ 12 mm

L

SPLATE ≤ 6 mm

d1

[mm] [mm] 120 160 200 240 280 320 360 12 400 440 480 520 560 600

PRINCÍPIOS GERAIS:

As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se o caso de chapa fina (SPLATE ≤ 0,5 d1).

• O  s valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030.

As resistências características de corte são avaliadas considerando o caso de chapa espessa (SPLATE ≥ d1).

• Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma

(1)

(2)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

(3)

A resistência axial de penetração da cabeça, com e sem anilha, foi avaliada sobre elemento de madeira.

(4)

Em caso de ligações aço-madeira, é geralmente vinculante a resistência à tração do aço em relação à retirada ou à penetração da cabeça.

Rd =

Rk kmod γm

:  s coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigenO te utilizada para o cálculo.

• P  ara os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030. • E m fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 385 kg/m3. • Os valores foram calculados considerando-se a parte roscada inserida completamente no elemento de madeira. • O dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira, dos painéis e das chapas de aço devem ser feitos à parte. • As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência. • Para configurações de cálculo diferentes, está disponível o software MyProject (www.rothoblaas.pt).

CARPINTARIA | HBS | 31


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE E CARREGADAS AXIALMENTE | CLT

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

lateral face (1)

narrow face (2)

6

8

10

12

24

32

40

48

20

25

48

60

48

60

48

60

20

25

a1

[mm]

4∙d

a2

[mm]

2,5∙d

15

a3,t

[mm]

6∙d

36

a3,c

[mm]

6∙d

36

a4,t

[mm]

6∙d

36

a4,c

[mm]

2,5∙d

15

6

8

10

12

10∙d

60

80

100

120

30

4∙d

24

32

40

48

72

12∙d

72

96

120

144

72

7∙d

42

56

70

84

72

6∙d

36

48

60

72

30

3∙d

18

24

30

36

d = diâmetro nominal do parafuso

a4,c

a4,t α

F

F

α

α

F α a3,c

a3,t

a2 a2

a2

a1

a1

a3,c a4,c

F

a3,t

F

a4,c

tCLT

a3,c a4,c a4,t

F

tCLT

NOTAS: As distâncias mínimas são de acordo com ETA-11/0030 e ser consideradas válidas se não diferentemente especificado nos documentos técnicos dos painéis CLT.

32 | HBS | CARPINTARIA

(1)

Espessura mínima CLT tmín = 10 ∙ d

(2)

Espessura mínima CLT tmín = 10∙d e profundidade de penetração mínima do parafuso tpen = 10∙d


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE | LVL

a1 a2 a3,t a3,c a4,t a4,c

[mm] [mm] [mm] [mm] [mm] [mm]

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO (1)

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO (1)

5 60 25 75 50 25 25

12∙d 5∙d 15∙d 10∙d 5∙d 5∙d

6 72 30 90 60 30 30

8 96 40 120 80 40 40

10 120 50 150 100 50 50

5∙d 5∙d 10∙d 10∙d 10∙d 5∙d

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO a1 a2 a3,t a3,c a4,t a4,c

[mm] [mm] [mm] [mm] [mm] [mm]

5 25 15 60 35 15 15

5∙d 3∙d 12∙d 7∙d 3∙d 3∙d

6 30 18 72 42 18 18

8 40 24 96 56 24 24

5 25 25 50 50 50 25

6 30 30 60 60 60 30

8 40 40 80 80 80 40

10 50 50 100 100 100 50

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO 10 50 30 120 70 30 30

4∙d 4∙d 7∙d 7∙d 7∙d 3∙d

5 20 20 35 35 35 15

6 24 24 42 42 42 18

8 32 32 56 56 56 24

10 40 40 70 70 70 30

d = diâmetro nominal do parafuso

a4,c

a4,t α

a2

F

F α a1

F

α

a3,t

α

a2 a2 F a1

a3,c

NOTAS: (1)

Distâncias minimas para ensaios experimentais efectuados na Eurofins Expert Services Oy, Espoo, Finland (Report EUFI29-19000819-T1/T2).

• As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014. • As distâncias mínimas são válidas com a utilização seja de LVL em folhosas paralelas que cruzadas. • As distâncias mínimas sem pré-furo são válidas para espessuras mínimas dos elementos em LVL tmín:

onde: t1 é a espessura em mm do elemento em LVL numa ligação com 2 elementos em madeira. No caso de ligações com 3 ou mais elementos t1 representa a espessura do elemento em LVL posicionado mais externamente; t2 é a espessura em mm do elemento central numa ligação com 3 ou mais elementos.

t1 ≥ 8,4d -9 t2 ≥

11,4d 75

CARPINTARIA | HBS | 33


VALORES ESTÁTICOS | CLT CORTE CLT - CLT lateral face

geometria

painel - CLT (1) lateral face

CLT - painel - CLT (1) lateral face

t

A L b d1

d1

L

b

A

RV,k

RV,k

RV,k

t

RV,k

t

RV,k

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

[kN]

[mm]

[kN]

[mm]

[kN]

40

35

8

0,80

1,33

1,38

-

-

-

-

50

35

15

1,44

1,46

1,53

-

-

-

-

60

30

30

1,63

1,46

1,53

-

-

-

-

30

1,74

1,46

1,53

30

1,71

30

2,19

40

1,97

1,46

1,53

35

1,71

35

2,19

40

1,97

1,46

1,53

40

1,71

40

2,19

50

50

1,97

1,46

1,53

45

1,71

45

2,19

110

60

50

1,97

1,46

1,53

50

1,71

50

2,19

120

60

60

1,97

1,46

1,53

130

60

70

1,97

140

75

65

1,97

150

75

75

1,97

160

75

85

1,97

1,46

1,46

1,71 1,71

65

1,71

70

1,71

1,53

75

1,53 1,53

55

2,19

60

2,19

65

2,19

70

2,19

1,71

75

2,19

SPAN = 15 mm

1,46

55 60

1,53

SPAN = 12 mm

1,46

SPAN = 15 mm

50

SPAN = 12 mm

90 100

180

75

105

1,97

1,46

1,53

85

1,71

85

2,19

200

75

125

1,97

1,46

1,53

95

1,71

95

2,19

220

75

145

1,97

1,46

1,53

105

1,71

105

2,19

240

75

165

1,97

1,46

1,53

115

1,71

115

2,19

260

75

185

1,97

1,46

1,53

125

1,71

125

2,19

280

75

205

1,97

1,46

1,53

135

1,71

135

2,19

300

75

225

1,97

1,46

1,53

145

1,71

145

2,19

80

52

28

2,42

2,23

2,30

-

-

-

18,00

100

52

48

3,04

2,23

2,30

45

2,39

40

2,92

120

60

60

3,11

2,23

2,30

55

2,39

50

2,92

140

60

80

3,11

2,23

2,30

65

2,39

60

2,92

160

80

80

3,11

2,23

2,30

75

2,39

70

2,92

100

3,11

2,23

2,30

85

2,39

80

2,92

120

3,11

2,23

2,30

95

2,39

90

2,92

220

80

140

3,11

2,23

2,30

105

2,39

100

2,92

110

2,92

120

2,92

240

80

160

3,11

260

80

180

3,11

2,23 2,23

280

80

200

3,11

300

100

200

3,11

2,23

320

100

220

3,11

2,23

340

100

240

3,11

360

100

260

3,11

2,30 2,30

2,39 2,39

135

2,39

145

2,39

2,30

155

2,23

2,30

2,23

2,30

2,23

2,30

115 125

2,30

SPAN = 18 mm

80 80

SPAN = 15 mm

180 200

SPAN = 18 mm

8

40 40

SPAN = 15 mm

6

70 80

130

2,92

140

2,92

2,39

150

2,92

165

2,39

160

2,92

175

2,39

170

2,92

380

100

280

3,11

2,23

2,30

185

2,39

180

2,92

400

100

300

3,11

2,23

2,30

195

2,39

190

2,92

440

100

340

3,11

2,23

2,30

215

2,39

210

2,92

480

100

380

3,11

2,23

2,30

235

2,39

230

2,92

520

100

420

3,11

2,23

2,30

255

2,39

250

2,92

34 | HBS | CARPINTARIA


VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE CLT - madeira lateral face

TRAÇÃO madeira - CLT lateral face

extração da rosca lateral face (2)

extração da rosca narrow face (3)

penetração da cabeça (4)

penetração da cabeça com anilha (4)

RV,k

RV,k

Rax,k

Rax,k

Rhead,k

Rhead,k

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

0,80

0,89

2,46

-

1,51

4,20

1,46

1,50

2,46

-

1,51

4,20

1,69

1,72

2,11

-

1,51

4,20

1,77

1,85

2,81

-

1,51

4,20

2,00

2,03

2,81

-

1,51

4,20

2,00

2,03

3,51

-

1,51

4,20

2,00

2,03

3,51

-

1,51

4,20

2,00

2,03

4,21

-

1,51

4,20

2,00

2,03

4,21

-

1,51

4,20

2,00

2,03

4,21

-

1,51

4,20

2,00

2,03

5,27

-

1,51

4,20

2,00

2,03

5,27

-

1,51

4,20

2,00

2,03

5,27

-

1,51

4,20

2,00

2,03

5,27

-

1,51

4,20

2,00

2,03

5,27

-

1,51

4,20

2,00

2,03

5,27

-

1,51

4,20

2,00

2,03

5,27

-

1,51

4,20

2,00

2,03

5,27

-

1,51

4,20

2,00

2,03

5,27

-

1,51

4,20

2,00

2,03

5,27

-

1,51

4,20

2,45

2,55

4,87

3,70

2,21

6,56

3,08

3,21

4,87

3,70

2,21

6,56

3,17

3,21

5,62

4,21

2,21

6,56

3,17

3,21

5,62

4,21

2,21

6,56

3,17

3,21

7,49

5,45

2,21

6,56

3,17

3,21

7,49

5,45

2,21

6,56

3,17

3,21

7,49

5,45

2,21

6,56

3,17

3,21

7,49

5,45

2,21

6,56

3,17

3,21

7,49

5,45

2,21

6,56

3,17

3,21

7,49

5,45

2,21

6,56

3,17

3,21

7,49

5,45

2,21

6,56

3,17

3,21

9,36

6,66

2,21

6,56

3,17

3,21

9,36

6,66

2,21

6,56

3,17

3,21

9,36

6,66

2,21

6,56

3,17

3,21

9,36

6,66

2,21

6,56

3,17

3,21

9,36

6,66

2,21

6,56

3,17

3,21

9,36

6,66

2,21

6,56

3,17

3,21

9,36

6,66

2,21

6,56

3,17

3,21

9,36

6,66

2,21

6,56

3,17

3,21

9,36

6,66

2,21

6,56

CARPINTARIA | HBS | 35


VALORES ESTÁTICOS | CLT CORTE CLT - CLT lateral face

geometria

painel - CLT (1) lateral face

CLT - painel - CLT (1) lateral face

t

A L b d1

d1

L

b

A

RV,k

RV,k

RV,k

t

RV,k

t

RV,k

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

[kN]

[mm]

[kN]

[mm]

[kN]

28

3,40

3,12

3,31

-

-

-

22,00

48

3,86

3,12

3,31

40

3,12

-

22,00

120

60

60

4,45

3,12

3,31

50

3,12

50

3,89

140

60

80

4,49

3,12

3,31

60

3,12

60

3,89

3,12

3,31

70

3,12

70

3,89

3,12

3,31

80

3,12

80

3,89

200

80

120

4,57

220

80

140

4,57

3,12 3,12 3,12

3,31 3,31

3,12 3,12

80

160

4,57

80

180

4,57

280

80

200

4,57

300

100

200

4,57

3,12

3,31

140

3,12

140

3,89

320

100

220

4,57

3,12

3,31

150

3,12

150

3,89

340

100

240

4,57

3,12

3,31

160

3,12

160

3,89

360

100

260

4,57

3,12

3,31

170

3,12

170

3,89

380

100

280

4,57

3,12

3,31

180

3,12

180

3,89

400

100

300

4,57

3,12

3,31

190

3,12

190

3,89

120

80

40

4,54

-

-

-

-

-

-

160

80

80

5,68

-

-

-

-

-

-

3,12

3,31

110

3,12 3,12

130

3,12

3,89 3,89

240

3,31

120

90 100

260

3,12

3,31

90 100

SPAN = 22 mm

4,57 4,57

SPAN = 18 mm

80 100

SPAN = 22 mm

80 80

SPAN = 18 mm

160 180

110

3,89

120

3,89

130

3,89

120

5,68

-

-

-

-

-

-

80

160

5,68

-

-

-

-

-

-

280

80

200

5,68

-

-

-

-

-

-

320

120

200

5,68

-

-

-

-

-

-

360

120

240

5,68

-

-

-

-

-

-

400

120

280

5,68

-

-

-

-

-

-

440

120

320

5,68

-

-

-

-

-

-

480

120

360

5,68

-

-

-

-

-

-

-

80

240

-

200

-

12

52 52

-

10

80 100

520

120

400

5,68

-

-

-

-

-

-

560

120

440

5,68

-

-

-

-

-

-

600

120

480

5,68

-

-

-

-

-

-

NOTAS: As resistências características de corte são avaliadas considerando um painel OSB3 ou OSB4 de acordo com EN 300 ou um painel de partículas de acordo com EN 312 de espessura SPAN.

(1)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

(2)

(3)

A resistência axial à extração da rosca é válida para espessuras mínimas do elemento equivalente a tmin = 10∙d1 e profundidade de penetração mínima do parafuso tpen = 10∙d1.

36 | HBS | CARPINTARIA

(4)

A resistência axial de penetração da cabeça, com e sem anilha, foi avaliada sobre elemento de madeira.

Em caso de ligações aço-madeira, é geralmente vinculante a resistência à tração do aço em relação à retirada ou à penetração da cabeça.


VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE CLT - madeira lateral face

TRAÇÃO madeira - CLT lateral face

extração da rosca lateral face (2)

extração da rosca narrow face (3)

penetração da cabeça (4)

penetração da cabeça com anilha (4)

RV,k

RV,k

Rax,k

Rax,k

Rhead,k

Rhead,k

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN] 10,75

3,46

3,57

6,08

4,42

3,50

4,02

4,06

6,08

4,42

3,50

10,75

4,55

4,62

7,02

5,03

3,50

10,75

4,65

4,62

7,02

5,03

3,50

10,75

4,65

4,72

9,36

6,51

3,50

10,75

4,65

4,72

9,36

6,51

3,50

10,75

4,65

4,72

9,36

6,51

3,50

10,75

4,65

4,72

9,36

6,51

3,50

10,75

4,65

4,72

9,36

6,51

3,50

10,75

4,65

4,72

9,36

6,51

3,50

10,75

4,65

4,72

9,36

6,51

3,50

10,75

4,65

4,72

11,70

7,96

3,50

10,75

4,65

4,72

11,70

7,96

3,50

10,75

4,65

4,72

11,70

7,96

3,50

10,75

4,65

4,72

11,70

7,96

3,50

10,75

4,65

4,72

11,70

7,96

3,50

10,75 10,75

4,65

4,72

11,70

7,96

3,50

4,60

4,80

11,23

7,54

4,52

14,37

5,79

5,88

11,23

7,54

4,52

14,37

5,79

5,88

11,23

7,54

4,52

14,37

5,79

5,88

11,23

7,54

4,52

14,37

5,79

5,88

11,23

7,54

4,52

14,37

5,79

5,88

16,85

10,86

4,52

14,37

5,79

5,88

16,85

10,86

4,52

14,37

5,79

5,88

16,85

10,86

4,52

14,37

5,79

5,88

16,85

10,86

4,52

14,37

5,79

5,88

16,85

10,86

4,52

14,37

5,79

5,88

16,85

10,86

4,52

14,37

5,79

5,88

16,85

10,86

4,52

14,37

5,79

5,88

16,85

10,86

4,52

14,37

PRINCÍPIOS GERAIS: • Os valores característicos são conforme a normativa EN 1995:2014 e especificações nacionais ÖNORM EN 1995 - Annex K, de acordo com ETA-11/0030.

• E m fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 350 kg/m3.

• Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma

• Os valores foram calculados considerando-se a parte roscada inserida completamente no elemento de madeira.

Rd =

Rk kmod γm

:  s coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigenO te utilizada para o cálculo.

• P  ara os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030.

• O dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira, dos painéis e das chapas de aço devem ser feitos à parte. • As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência. • As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se um comprimento de acionamento mínimo do parafuso igual a 4 d1.

CARPINTARIA | HBS | 37


VALORES ESTÁTICOS | LVL CORTE geometria

LVL - LVL

LVL - LVL - LVL

LVL - madeira

madeira - LVL

t2 A L b d1

t1

d1

L

b

A

RV,k

t1

t2

RV,k

RV,k

RV,k

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

[kN]

40

24

16

1,53

-

-

-

1,30

1,12

45

24

21

1,67

-

-

-

1,41

1,21

5

6

50

24

26

1,78

-

-

-

1,47

1,33

60

30

30

1,94

20,00

20,00

2,43

1,74

1,43

70

35

35

1,94

20,00

30,00

3,53

1,83

1,47

80

40

40

1,94

25,00

30,00

3,64

1,83

1,47

90

45

45

1,94

30,00

30,00

3,64

1,83

1,47

100

50

50

1,94

35,00

30,00

3,64

1,83

1,47

120

60

60

1,94

40,00

40,00

3,88

1,83

1,47

40

35

5

0,69

-

-

-

0,69

0,50

50

35

15

2,03

-

-

-

1,94

1,51

60

30

30

2,43

25,00

10,00

1,38

2,12

1,82

70

40

30

2,52

25,00

20,00

2,76

2,41

1,82

80

40

40

2,61

30,00

20,00

2,76

2,46

2,09

90

50

40

2,61

30,00

30,00

4,14

2,46

2,09

100

50

50

2,61

30,00

40,00

5,15

2,46

2,09

110

60

50

2,61

30,00

50,00

5,15

2,46

2,09

120

60

60

2,61

40,00

40,00

5,23

2,46

2,09

130

60

70

2,61

40,00

50,00

5,23

2,46

2,09

140

75

65

2,61

40,00

60,00

5,23

2,46

2,09

150

75

75

2,61

40,00

70,00

5,23

2,46

2,09

160

75

85

2,61

40,00

80,00

5,23

2,46

2,09

180

75

105

2,61

60,00

60,00

5,23

2,46

2,09

200

75

125

2,61

60,00

80,00

5,23

2,46

2,09

220

75

145

2,61

60,00

100,00

5,23

2,46

2,09

240

75

165

2,61

80,00

80,00

5,23

2,46

2,09

260

75

185

2,61

80,00

100,00

5,23

2,46

2,09

280

75

205

2,61

80,00

120,00

5,23

2,46

2,09

300

75

225

2,61

100,00

100,00

5,23

2,46

2,09

NOTAS: (1)

A resistência axial à extração da rosca Rax,90,flat,k foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b em aplicação com LVL seja em folhosas paralelas que cruzadas.

A resistência axial de extração da rosca Rax,90,edge,k foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b em aplicação com LVL em folhosas paralelas.

(2)

38 | HBS | CARPINTARIA

A resistência axial de penetração da cabeça Rhead,k, com e sem anilha, foi avaliada no elemento em LVL em folhosas paralelas ou cruzadas de espessura tmin.

(3)


VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 TRAÇÃO extração da rosca edge (2)

penetração da cabeça flat (3)

penetração da cabeça com anilha flat (3)

Rax,k

Rax,k

Rhead,k

Rhead,k

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

extração da rosca flat (1)

2,14

1,62

2,48

-

2,14

1,62

2,48

-

2,14

1,62

2,48

-

2,67

2,03

2,48

-

3,12

2,36

2,48

-

3,56

2,70

2,48

-

4,01

3,04

2,48

-

4,45

3,38

2,48

-

5,34

4,05

2,48

-

3,34

2,69

3,01

8,36

3,34

2,69

3,01

8,36

2,86

2,30

3,01

8,36

3,82

3,07

3,01

8,36

3,82

3,07

3,01

8,36

4,77

3,84

3,01

8,36

4,77

3,84

3,01

8,36

5,72

4,61

3,01

8,36

5,72

4,61

3,01

8,36

5,72

4,61

3,01

8,36

7,16

5,76

3,01

8,36

7,16

5,76

3,01

8,36

7,16

5,76

3,01

8,36

7,16

5,76

3,01

8,36

7,16

5,76

3,01

8,36

7,16

5,76

3,01

8,36

7,16

5,76

3,01

8,36

7,16

5,76

3,01

8,36

7,16

5,76

3,01

8,36

7,16

5,76

3,01

8,36

PRINCÍPIOS GERAIS: • Os valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030. • Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma

Rd =

Rk kmod γm

:  s coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente O utilizada para o cálculo. • Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030 e da ensaios experimentais efectuados na Eurofins Expert Services Oy, Espoo, Finland (Report EUFI29-19000819-T1/T2).

• E m fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos em LVL equivalente a ρk = 480 kg/m3 e equivalente a 350 kg/m3 para os elementos em madeira. • Os valores foram calculados considerando-se a parte roscada inserida completamente no elemento de madeira. • O dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira, dos painéis e das chapas de aço devem ser feitos à parte. • As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência.

CARPINTARIA | HBS | 39


VALORES ESTÁTICOS | LVL CORTE geometria

LVL - LVL

LVL - LVL - LVL

LVL - madeira

madeira - LVL

t2 A L b d1

t1

d1

L

b

A

RV,k

t1

t2

RV,k

RV,k

RV,k

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

[kN]

8

10

80

52

28

3,30

32,00

16,00

2,70

3,15

2,53

100

52

48

3,95

40,00

20,00

3,37

3,71

3,17

120

60

60

3,95

40,00

40,00

6,75

3,71

3,30

140

60

80

3,95

40,00

60,00

7,91

3,71

3,30

160

80

80

3,95

40,00

80,00

7,91

3,71

3,30

180

80

100

3,95

60,00

60,00

7,91

3,71

3,30

200

80

120

3,95

60,00

80,00

7,91

3,71

3,30

220

80

140

3,95

60,00

100,00

7,91

3,71

3,30

240

80

160

3,95

80,00

80,00

7,91

3,71

3,30

260

80

180

3,95

80,00

100,00

7,91

3,71

3,30

280

80

200

3,95

80,00

120,00

7,91

3,71

3,30

300

100

200

3,95

100,00

100,00

7,91

3,71

3,30

320

100

220

3,95

100,00

120,00

7,91

3,71

3,30

340

100

240

3,95

100,00

140,00

7,91

3,71

3,30

360

100

260

3,95

120,00

120,00

7,91

3,71

3,30

380

100

280

3,95

120,00

140,00

7,91

3,71

3,30

400

100

300

3,95

120,00

160,00

7,91

3,71

3,30

440

100

340

3,95

140,00

160,00

7,91

3,71

3,30

480

100

380

3,95

140,00

200,00

7,91

3,71

3,30

520

100

420

3,95

140,00

240,00

7,91

3,71

3,30

80

52

28

4,62

-

-

-

4,32

3,57

100

52

48

5,57

40,00

20,00

3,95

4,99

4,20

120

60

60

5,84

40,00

40,00

7,89

5,33

4,69

140

60

80

5,84

40,00

60,00

11,37

5,33

4,85

160

80

80

5,84

40,00

80,00

11,37

5,49

4,85

180

80

100

5,84

60,00

60,00

11,68

5,49

4,85

200

80

120

5,84

60,00

80,00

11,68

5,49

4,85

220

80

140

5,84

60,00

100,00

11,68

5,49

4,85

240

80

160

5,84

80,00

80,00

11,68

5,49

4,85

260

80

180

5,84

80,00

100,00

11,68

5,49

4,85

280

80

200

5,84

80,00

120,00

11,68

5,49

4,85

300

100

200

5,84

100,00

100,00

11,68

5,49

4,85

320

100

220

5,84

100,00

120,00

11,68

5,49

4,85

340

100

240

5,84

100,00

140,00

11,68

5,49

4,85

360

100

260

5,84

120,00

120,00

11,68

5,49

4,85

380

100

280

5,84

120,00

140,00

11,68

5,49

4,85

400

100

300

5,84

120,00

160,00

11,68

5,49

4,85

40 | HBS | CARPINTARIA


VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 TRAÇÃO extração da rosca flat (1)

extração da rosca edge (2)

penetração da cabeça flat (3)

penetração da cabeça com anilha flat (3)

Rax,k

Rax,k

Rhead,k

Rhead,k

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

5,78

5,20

3,85

11,44

5,78

5,20

3,85

11,44

6,67

6,00

3,85

11,44

6,67

6,00

3,85

11,44

8,90

8,00

3,85

11,44

8,90

8,00

3,85

11,44

8,90

8,00

3,85

11,44

8,90

8,00

3,85

11,44

8,90

8,00

3,85

11,44

8,90

8,00

3,85

11,44

8,90

8,00

3,85

11,44

11,12

10,00

3,85

11,44

11,12

10,00

3,85

11,44

11,12

10,00

3,85

11,44

11,12

10,00

3,85

11,44

11,12

10,00

3,85

11,44

11,12

10,00

3,85

11,44

11,12

10,00

3,85

11,44

11,12

10,00

3,85

11,44

11,12

10,00

3,85

11,44

7,07

6,86

6,06

18,64

7,07

6,86

6,06

18,64

8,16

7,92

6,06

18,64

8,16

7,92

6,06

18,64

10,88

10,56

6,06

18,64

10,88

10,56

6,06

18,64

10,88

10,56

6,06

18,64

10,88

10,56

6,06

18,64

10,88

10,56

6,06

18,64

10,88

10,56

6,06

18,64

10,88

10,56

6,06

18,64

13,60

13,20

6,06

18,64

13,60

13,20

6,06

18,64

13,60

13,20

6,06

18,64

13,60

13,20

6,06

18,64

13,60

13,20

6,06

18,64

13,60

13,20

6,06

18,64

CARPINTARIA | HBS | 41


EXEMPLOS DE CÁLCULO: LIGAÇÃO BARROTE-LARÓ

LIGAÇÃO MADEIRA-MADEIRA / CORTE UNITÁRIO 1

ELEMENTO 1

ELEMENTO 2

B1 = 120 mm

B2 = 160 mm

H1 = 160 mm

1

H2 = 240 mm

2

Pendência 30% (16,7°)

Pendência 21% (12,0°)

Madeira GL24h

Madeira GL24h

DADOS DE PROJECTO

ESCOLHA DO PARAFUSO

GEOMETRIA DA LIGAÇÃO

Fv,Rd = 7,17 kN

HBS = 10x180 mm

t1 = 60 mm

Classe de serviço = 1

Pré-furo = não

α1 = 73,3° (90° - 16,7°)

Anilha = não

t2 = 120 mm

Duração da carga = breve

(comprimento de cravação no elemento 2)

α2 = 78,0° (90° - 12,0°)

CÁLCULO DE RESISTÊNCIA AO CORTE (EN 1995:2014 e ETA-11/0030) My,k Rax,Rk Rax,Rk/4

d1 = 10,0 mm fh,1,k = 15,82 N/mm2 fh,2,k = 15,82 N/mm2 β = 1,00

= 35830 Nmm = min {resistência à extração da rosca; resistência à penetração da cabeça} = min {Rax,Rk ; Rhead,Rk} = 3,77 kN = 0,94 kN (efeito côncavo)

fh,1,k t1 d

(a) = 9,49 kN

fh,2,k t2 d fh,1,k t1 d 1+β Rv,Rk = min

1,05

β + 2β2

fh,1,k t1 d 2+β

f t d 1,05 h,1,k 2 1 + 2β 1,15

t t 1+ 2 + 2 t1 t1

2β (1 + β)

2β (1 + β) +

2

t2 t1

+ β3

2

t -β 1+ 2 t1

R + ax,Rk 4

4β (2 + β) My,RK R - β + ax,Rk 4 fh,1,k d t12

4β (1 + 2β ) My,RK R 2β (1 + β) + - β + ax,Rk 4 fh,1,k d t22

(b) = 18,99 kN (c) = 7,39 kN (d) = 4,87 kN

2

2My,RK fh,1,k d +

Rax,Rk 4

(e) = 7,90 kN (f) = 4,82 kN

Rv,Rk = 4,82 kN

Rd =

Rk kmod γm

EN 1995:2014 kmod = 0,9 γm = 1,3 Rv,Rd = 3,33 kN

Itália - NTC 2018 kmod = 0,9 γm = 1,5 Rv,Rd = 2,89 kN

Número mínimo de parafusos Fv,Rd / Rv,Rd = 2,15

Número mínimo de parafusos Fv,Rd / Rv,Rd = 2,48

Supõem-se 3 parafusos nef,CORTE nef,TRAÇÃO

3 (parafusos perpendiculares às fibras) 30,9 = 2,69

Ao se recalcular a resistência ao corte, para o efeito côncavo considera-se uma resistência à tração de cada parafuso equivalente a: Rax,Rk = 3,74 · 2,69 / 3 = 3,38 kN (penetração da cabeça) Rax,Rk/4 = 0,85 kN (efeito côncavo) Resistência ao corte de cada parafuso: Rv,Rk = 4,71 kN

Rv,Rd ≥ Fv,Rd

42 | HBS | CARPINTARIA

EN 1995:2014 Rv,Rd = 3,33 kN

Itália - NTC 2018 Rv,Rd = 2,89 kN

Resistência da ligação ao corte: Rv,Rd = 3,33 x 3 = 9,99 kN > 7,17 kN OK

Resistência da ligação ao corte: Rv,Rd = 2,89 x 3 = 8,67 kN > 7,17 kN OK

2


EXEMPLOS DE CÁLCULO: LIGAÇÃO BARROTE-LARÓ COM MYPROJECT

LIGAÇÃO MADEIRA-MADEIRA / CORTE UNITÁRIO ELEMENTO 1

1

ELEMENTO 2

B1 = 120 mm H1 = 160 mm

B2 = 160 mm 1

2

H2 = 240 mm

Pendência 30% (16,7°)

Pendência 21% (12,0°)

Madeira GL24h

Madeira GL24h

DADOS DE PROJECTO

ESCOLHA DO PARAFUSO

GEOMETRIA DA LIGAÇÃO

Fv,Rd = 7,17 kN

HBS = 10x180 mm

t1 = 60 mm

Classe de serviço = 1

Pré-furo = não

α1 = 73,3° (90° - 16,7°)

Anilha = não

t2 = 120 mm

Duração da carga = breve

2

(comprimento de cravação no elemento 2)

α2 = 78,0° (90° - 12,0°)

CÁLCULO DA RESISTÊNCIA AO CORTE COM SOFTWARE MYPROJECT (EN 1995:2014 e ETA-11/0030)

RELATÓRIO DE CÁLCULO

CARPINTARIA | HBS | 43


HBS EVO

BIT INCLUÍDOS

COATING

ETA 11/0030

PARAFUSO DE CABEÇA DE EMBEBER REVESTIMENTO C4 EVO Múltiplas camadas 20 μm com tratamento superficial à base de resina epoxídica e flakes de alumínio. Ausência de ferrugem após testes de 1440 horas de exposição em névoa salina de acordo com ISO 9227. Utilizável no exterior em classe de serviço 3 e em classe de corrosão atmosférica C4.

MADEIRAS AGRESSIVAS Ideal em aplicações com essências contendo tanino ou tratadas com impregnantes ou outros processos químicos.

APLICAÇÕES ESTRUTURAIS Homologada para aplicações estruturais solicitadas em qualquer direção em relação à fibra (α = 0° - 90°). Rosca assimétrica em forma de „guarda-chuva“ para uma maior capacidade de penetração na madeira.

RESISTÊNCIAS SUPERIORES Excelente resistência à rutura e rutura de tensão (fy,k = 1000 N/mm2) do aço. Resistência à torção ftor,k muito elevada para um aperto mais seguro.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

classe de corrosividade C4

CABEÇA

de embeber com nervuras sub-cabeça

DIÂMETRO

de 5,0 a 8,0 mm

COMPRIMENTO

de 80 a 320 mm

MATERIAL Aço carbónico com revestimento 20 μm de alta resistência à corrosão.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • madeira maciça e lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade • madeiras agressivas (contendo tanino) • madeiras tratadas quimicamente Classes de serviço 1, 2 e 3.

44 | HBS EVO | CARPINTARIA


CLASSE DE SERVIÇO 3 Certificada para a utilização no exterior em classe de serviço 3 e em classe de corrosão atmosférica C4. Ideal para a fixação de painéis de armação e de viga triangulada (Rafter, Truss).

OAK FRAME Valores testados, certificados e calculados também para madeiras de alta densidade. Ideal para a fixação de madeiras agressivas que contenham taninos, como o castanheiro e o carvalho.

CARPINTARIA | HBS EVO | 45


Fixação viga de suporte de uma estrutura de armação.

Fixação de uma vedação ao exterior.

GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

B

S

H

dk

X X

A

d2 d1

90° t1

ds

b L

Diâmetro nominal

d1

[mm]

5

6

8

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

10,00

12,00

14,50

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

3,40

3,95

5,40

Diâmetro da haste

ds

[mm]

3,65

4,30

5,80

Espessura da cabeça

t1

[mm]

3,10

4,50

4,50

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

3,0

4,0

5,0

My,k

[Nmm]

5417

9494

20057

fax,k

[N/mm2]

11,7

11,7

11,7

fhead,k

[N/mm2]

10,5

10,5

10,5

ftens,k

[kN]

7,9

11,3

20,1

Momento plástico característico Parâmetro característico de resistência à extracção Parâmetro característico de penetração da cabeça Resistência característica à tração

46 | HBS EVO | CARPINTARIA


CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm] 5 TX 25

6 TX 30

L

b

A

pçs

d1

CÓDIGO

[mm]

L

b

A [mm]

pçs

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

HBSEVO580

80

40

40

100

HBSEVO8100

100

52

48

100

HBSEVO590

90

45

45

100

HBSEVO8120

120

60

60

100

HBSEVO5100

100

50

50

100

HBSEVO8140

140

60

80

100

HBSEVO680

80

40

40

100

HBSEVO8160

160

80

80

100

HBSEVO6100

100

50

50

100

HBSEVO8180

180

80

100

100

HBSEVO6120

120

60

60

100

HBSEVO8200

200

80

120

100

HBSEVO6140

140

75

65

100

HBSEVO8220

220

80

140

100

HBSEVO6160

160

75

85

100

HBSEVO8240

240

80

160

100

8 TX 40

HBSEVO6180

180

75

105

100

HBSEVO8280

280

80

200

100

HBSEVO6200

200

75

125

100

HBSEVO8320

320

100

220

100

DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO a1 a2 a3,t a3,c a4,t a4,c

[mm] [mm] [mm] [mm] [mm] [mm]

5 25 15 60 35 15 15

5∙d 3∙d 12∙d 7∙d 3∙d 3∙d

6 30 18 72 42 18 18

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO 8 40 24 96 56 24 24

4∙d 4∙d 7∙d 7∙d 7∙d 3∙d

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO a1 a2 a3,t a3,c a4,t a4,c

[mm] [mm] [mm] [mm] [mm] [mm]

12∙d 5∙d 15∙d 10∙d 5∙d 5∙d

5 60 25 75 50 25 25

6 72 30 90 60 30 30

5 20 20 35 35 35 15

6 24 24 42 42 42 18

8 32 32 56 56 56 24

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO 8 96 40 120 80 40 40

5∙d 5∙d 10∙d 10∙d 10∙d 5∙d

5 25 25 50 50 50 25

6 30 30 60 60 60 30

8 40 40 80 80 80 40

d = diâmetro nominal do parafuso extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c

a3,c

NOTAS: • As distâncias mínimas estão em conformidade com a normativa EN 1995:2014 segundo ETA-11/0030 considerando massa de volume dos elementos lenhosos de ρk ≤ 420 kg/m3. • No caso de ligações com elementos de abeto de Douglas o espaçamento e distâncias mínimas paralelas à fibra devem ser multiplicadas por um coeficiente 1,5.

• Em caso de ligação aço-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,7. • Em caso de ligação painel-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,85.

CARPINTARIA | HBS EVO | 47


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE

geometria

madeira-madeira

painel-madeira (1)

TRAÇÃO aço-madeira chapa fina (2)

aço-madeira chapa espessa (3)

Splate

extração da rosca (4)

penetração da cabeça (5)

A L b d1

A

RV,k

RV,k

RV,k

RV,k

Rax,k

Rhead,k

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

80

40

40

1,54

2,42

2,71

1,21

90

45

45

1,54

2,51

3,05

1,21

2,59

3,38

1,21

3,27

3,25

1,75

2,18

100

50

50

2,18

120

60

60

2,18

140

75

65

2,18

75

85

2,18

75

105

2,18

200

75

125

100

52

48

120

60

60

140

60

80

1,68 1,68 1,68

3,26

4,06

1,75

4,87

1,75

3,99

6,09

1,75

6,09

1,75

3,99

6,09

1,75

2,18

1,68

3,26

3,99

6,09

1,75

3,44

2,50

4,21

5,37

5,63

2,55

3,44

2,50

4,42

5,58

6,50

2,55

3,44

2,50

4,42

5,58

6,50

2,55

160

80

80

3,44

80

100

3,44

200

80

120

3,44

220

80

140

3,44

240

80

160

3,44

280

80

200

320

100

220

2,50 2,50 2,50 2,50

3,26

3,48 3,68 3,99

4,96 4,96 4,96 4,96

6,12

8,66

2,55

6,12

8,66

2,55

6,12

8,66

2,55

6,12

8,66

2,55

6,12

8,66

2,55

2,50

4,96

3,44

2,50

4,96

6,12

8,66

2,55

3,44

2,50

5,51

6,67

10,83

2,55

As resistências características de corte são avaliadas considerando um painel OSB3 ou OSB4 de acordo com EN 300 ou um painel de partículas de acordo com EN 312 de espessura SPAN.

As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se o caso de chapa fina (SPLATE ≤ 0,5 d1).

(2)

As resistências características de corte são avaliadas considerando o caso de chapa espessa (SPLATE ≥ d1).

(3)

2,76 2,96

3,26

NOTAS: (1)

2,55

1,68

180

1,68

2,08

SPLATE ≤ 8 mm

160 180

1,23 1,68

1,91 2,00

SPLATE ≤ 6 mm

1,54

40

SPLATE ≤ 3 mm

50

40

1,23 1,23

SPLATE ≤ 4 mm

8

50

80

SPAN = 18 mm

6

100

SPAN = 22 mm

5

SPLATE ≤ 5 mm

b

[mm]

SPLATE ≤ 2,5 mm

L

[mm]

SPAN = 15 mm

d1

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

(4)

A resistência axial de penetração da cabeça, com e sem anilha, foi avaliada sobre elemento de madeira.

(5)

Em caso de ligações aço-madeira, é geralmente vinculante a resistência à tração do aço em relação à retirada ou à penetração da cabeça.

PRINCÍPIOS GERAIS: • O  s valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030. • Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma

Rd =

Rk kmod γm

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo.

• P  ara os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030. • E m fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 420 kg/m3. • Os valores foram calculados considerando-se a parte roscada inserida completamente no elemento de madeira. • O dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira, dos painéis e das chapas de aço devem ser feitos à parte. • As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência. • Para configurações de cálculo diferentes, está disponível o software MyProject (www.rothoblaas.pt).

48 | HBS EVO | CARPINTARIA


HBS COIL

ETA 11/0030

PARAFUSOS HBS DE LIGAÇÃO UTILIZAÇÃO RÁPIDA E EM SÉRIE Instalação rápida e precisa. Execução rápida e segura graças à ligadura especial.

HBS 6,0 mm Disponível também no diâmetro 6,0 mm ideal para a fixação rápida de ligações parede-parede nas estruturas CLT.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

parafuso HBS de ligação

CABEÇA

de embeber com nervuras sub-cabeça

DIÂMETRO

de 4,0 a 6,0 mm

COMPRIMENTO

de 30 a 80 mm

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • madeira maciça • madeira lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade Classes de serviço 1 e 2.

50 | HBS COIL | CARPINTARIA


GEOMETRIA

B

S

H

dk

X X

A

d2 d1

90° ds

t1

b L

Diâmetro nominal

d1

[mm]

4

4,5

5

6

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

8,00

9,00

10,00

12,00

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

2,55

2,80

3,40

3,95

Diâmetro da haste

ds

[mm]

2,75

3,15

3,65

4,30

Espessura da cabeça

t1

[mm]

2,80

2,80

3,10

4,50

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

2,5

3,0

3,0

4,0

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm]

4 TX 20

4,5 TX 20

5 TX 25

6 TX 30

TOOLS

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

pçs

HZB430

30

16

14

3000

HZB435

35

16

21

2000

HZB440

40

24

16

2000

HZB445

45

24

21

2000

HZB450

50

24

26

1500

HZB4550

50

24

26

1500

HZB4555

55

30

25

1500

HZB540

40

20

20

1500

HZB545

45

24

21

1500

HZB550

50

24

26

1250

HZB560

60

30

30

1250

HZB565

65

35

30

1250

HZB570

70

35

35

625

HZB580

80

40

40

625

HZB670

70

40

30

625

HZB680

80

40

40

625

HH3372

HH3338

CÓDIGO descrição

comprimentos pçs [mm]

HH3373

carregador automático para aparafusador com bateria a 18 M BL

25-50

1

HH3372

carregador automático para aparafusador com bateria a 18 M BL

40-80

1

HH3352

parafusadora eléctrica

25-50

1

HH3338

parafusadora eléctrica

40-80

1

NOTAS: obter mais informações na pág. 356-358.

VELOCIDADE E QUALIDADE Os grandes desempenhos mecânicos e geométricos do parafuso HBS são ideais para uma utilização rápida e em série na versão de ligação.

CARPINTARIA | HBS COIL | 51


HBS SOFTWOOD

EN 14592

PARAFUSO DE CABEÇA DE EMBEBER HBS S Especial broca auto-perfurante com rosca serrilhada (ponta SAW) que corta as fibras de madeira, facilitando a aderência inicial e a sucessiva penetração.

ROSCA AUMENTADA Comprimento da rosca acrescida (60%) que garante um excelente fecho da junta e uma ampla versatilidade de utilização.

CHROMIUM VI FREE Ausência total de crómio hexovalente. Conformidade com as mais rigorosas normas de regulamentação das substâncias químicas (SVHC). Informações REACH disponíveis.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

rosca longa

CABEÇA

de embeber com nervuras sub-cabeça

DIÂMETRO

de 5,0 a 8,0 mm

COMPRIMENTO

de 50 a 400 mm

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • painéis aglomerados e MDF • madeira maciça • madeira lamelar • CLT, LVL Classes de serviço 1 e 2.

52 | HBS SOFTWOOD | CARPINTARIA


GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

H

BS

S

d2 d1

90°

X

dk

X X

A

ds

t1

b L

Diâmetro nominal Diâmetro da cabeça Diâmetro do núcleo Diâmetro da haste Espessura da cabeça Diâmetro do pré-furo Momento plástico característico Parâmetro característico de resistência à extracção

d1 dk d2 ds t1 dv

[mm] [mm] [mm] [mm] [mm] [mm]

5 10,00 3,40 3,65 3,10 3,0

6 12,00 3,95 4,30 4,50 4,0

8 14,50 5,40 5,80 4,50 5,0

My,k

[Nmm]

6912,39

10672,63

22219,41

fax,k

[N/mm2]

13,9

14,7

14,7

Densidade associada

ρa

[kg/m3]

350

350

350

Parâmetro característico de penetração da cabeça

fhead,k

[kN]

18,9

15,0

15,3

Densidade associada

ρa

[kg/m3]

350

350

350

Resistência característica à tração

ftens,k

[kN]

10,5

13,5

19,6

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm] 5 TX 25

6 TX 30

HBSS550 HBSS560 HBSS570 HBSS580 HBSS5100 HBSS680 HBSS6100 HBSS6120 HBSS6140 HBSS6160 HBSS6180 HBSS6200 HBSS6220 HBSS6240 HBSS6260 HBSS6280 HBSS6300

L

b

A

[mm] 50 60 70 80 100 80 100 120 140 160 180 200 220 240 260 280 300

[mm] 30 35 40 50 60 50 60 75 80 90 100 100 100 100 100 100 100

[mm] 20 25 30 30 40 30 40 45 60 70 80 100 120 140 160 180 200

pçs

d1

CÓDIGO

[mm] 200 200 200 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100

8 TX 40

HBSS8120 HBSS8140 HBSS8160 HBSS8180 HBSS8200 HBSS8220 HBSS8240 HBSS8260 HBSS8280 HBSS8300 HBSS8320 HBSS8340 HBSS8360 HBSS8380 HBSS8400

L

b

A

pçs

[mm] 120 140 160 180 200 220 240 260 280 300 320 340 360 380 400

[mm] 80 80 90 90 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100

[mm] 40 60 70 80 100 120 140 160 180 200 220 240 260 280 300

100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100

TIMBER ROOF O rápido ajuste inicial do parafuso consente a realização de ligações estruturais seguras sob cada condição de aplicação.

CARPINTARIA | HBS SOFTWOOD | 53


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

5

6

8

25

30

40

5

6

8

4∙d

20

24

32

a1

[mm]

5∙d

a2

[mm]

3∙d

15

18

24

4∙d

20

24

32

a3,t

[mm]

12∙d

60

72

96

7∙d

35

42

56

a3,c

[mm]

7∙d

35

42

56

7∙d

35

42

56

a4,t

[mm]

3∙d

15

18

24

7∙d

35

42

56

a4,c

[mm]

3∙d

15

18

24

3∙d

15

18

24

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO 5

6

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO 8

5

6

8

a1

[mm]

12∙d

60

72

96

5∙d

25

30

40

a2

[mm]

5∙d

25

30

40

5∙d

25

30

40

a3,t

[mm]

15∙d

75

90

120

10∙d

50

60

80

a3,c

[mm]

10∙d

50

60

80

10∙d

50

60

80

a4,t

[mm]

5∙d

25

30

40

10∙d

50

60

80

a4,c

[mm]

5∙d

25

30

40

5∙d

25

30

40

d = diâmetro nominal do parafuso

extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F

a1 a1

a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c

a3,c

NOTAS: • As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014 considerando-se uma massa volúmica dos elementos de madeira ρk ≤ 420 kg/m3. • E m caso de ligação aço-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,7.

54 | HBS SOFTWOOD | CARPINTARIA

• Em caso de ligação painel-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,85.


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE

geometria

madeira-madeira

painel-madeira (1)

TRAÇÃO aço-madeira chapa fina (2)

aço-madeira chapa espessa (3)

Splate

extração da rosca (4)

penetração da cabeça (5)

Rhead,k

A L b d1

A

RV,k

RV,k

RV,k

RV,k

Rax,k

[mm]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

50 60 70 80 100 80 100 120 140 160 180 200 220 240 260 280 300 120 140 160 180 200 220 240 260 280 300 320 340 360 380 400

30 35 40 50 60 50 60 75 80 90 100 100 100 100 100 100 100 80 80 90 90 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100

20 25 30 30 40 30 40 45 60 70 80 100 120 140 160 180 200 40 60 70 90 100 120 140 160 180 200 220 240 260 280 300

1,35 1,46 1,56 1,56 1,71 1,84 2,08 2,16 2,16 2,16 2,16 2,16 2,16 2,16 2,16 2,16 2,16 2,92 3,39 3,39 3,39 3,39 3,39 3,39 3,39 3,39 3,39 3,39 3,39 3,39 3,39 3,39

2,25 2,63 3,00 3,75 4,50 4,76 5,71 7,14 7,62 8,57 9,52 9,52 9,52 9,52 9,52 9,52 9,52 10,15 10,15 11,42 11,42 12,69 12,69 12,69 12,69 12,69 12,69 12,69 12,69 12,69 12,69 12,69

2,04 2,04 2,04 2,04 2,04 2,33 2,33 2,33 2,33 2,33 2,33 2,33 2,33 2,33 2,33 2,33 2,33 3,47 3,47 3,47 3,47 3,47 3,47 3,47 3,47 3,47 3,47 3,47 3,47 3,47 3,47 3,47

NOTAS: As resistências características de corte são avaliadas num painel OSB ou um painel de partículas de espessura SPAN e massa volúmica igual a ρk = 500 kg/m3.

(1)

• Os valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014. • Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se o caso de chapa fina (SPLATE ≤ 0,5 d1). As resistências características de corte são avaliadas considerando o caso de chapa espessa (SPLATE ≥ d1).

(4)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

A resistência axial de penetração da cabeça foi avaliada sobre elemento de madeira.

(5)

Em caso de ligações aço-madeira, é geralmente vinculante a resistência à tração do aço em relação à retirada ou à penetração da cabeça.

2,23 2,35 2,44 2,63 2,82 3,41 3,65 4,01 4,13 4,37 4,45 4,45 4,45 4,45 4,45 4,45 4,45 6,10 6,10 6,42 6,42 6,74 6,74 6,74 6,74 6,74 6,74 6,74 6,74 6,74 6,74 6,74

PRINCÍPIOS GERAIS:

(2)

(3)

SPLATE = 6 mm

1,48 1,80 1,95 2,13 2,32 2,70 3,00 3,15 3,15 3,15 3,15 3,15 3,15 3,15 3,15 3,15 3,15 5,01 5,04 5,04 5,04 5,04 5,04 5,04 5,04 5,04 5,04 5,04 5,04 5,04 5,04 5,04

SPLATE = 8 mm

SPLATE = 3 mm SPLATE = 4 mm

8

SPAN = 18 mm

6

SPAN = 18 mm

5

1,57 1,68 1,68 1,68 1,68 1,97 1,97 1,97 1,97 1,97 1,97 1,97 1,97 1,97 1,97 1,97 1,97 2,65 2,65 2,65 2,65 2,65 2,65 2,65 2,65 2,65 2,65 2,65 2,65 2,65 2,65 2,65

SPLATE = 5 mm

b [mm]

SPLATE = 2,5 mm

L [mm]

SPAN = 18 mm

d1 [mm]

Rd =

Rk kmod γm

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo.

• E m fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 385 kg/m3. • O dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira, dos painéis e das chapas de aço devem ser feitos à parte. • As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência.

CARPINTARIA | HBS SOFTWOOD | 55


HBS SOFTWOOD BULK

EN 14592

PARAFUSO DE CABEÇA DE EMBEBER HBS S BULK Embalagem de grandes dimensões (BULK) para a utilização massiva e série produção ou em estaleiro. Broca auto-perfurante especial com rosca serrilhada (ponta SAW).

ROSCA AUMENTADA Comprimento da rosca acrescida (60%) que garante um excelente fecho da junta e uma ampla versatilidade de utilização.

CHROMIUM VI FREE Ausência total de crómio hexovalente. Conformidade com as mais rigorosas normas de regulamentação das substâncias químicas (SVHC). Informações REACH disponíveis.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

maxi embalagem

CABEÇA

de embeber com nervuras sub-cabeça

DIÂMETRO

5,0 e 6,0 mm

COMPRIMENTO

de 60 a 160 mm

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • painéis aglomerados e MDF • madeira maciça • madeira lamelar • CLT, LVL Classes de serviço 1 e 2.

56 | HBS SOFTWOOD BULK | CARPINTARIA


GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

H

BS

S

d2 d1

90°

X

dk

X X

A

ds

t1

b L

Diâmetro nominal Diâmetro da cabeça Diâmetro do núcleo Diâmetro da haste Espessura da cabeça Diâmetro do pré-furo Momento plástico característico Parâmetro característico de resistência à extracção

d1 dk d2 ds t1 dv

[mm] [mm] [mm] [mm] [mm] [mm]

5 10,00 3,40 3,65 3,10 3,0

6 12,00 3,95 4,30 4,50 4,0

My,k

[Nmm]

6912,39

10672,63

fax,k

[N/mm2]

13,9

14,7

Densidade associada

ρa

[kg/m3]

350

350

Parâmetro característico de penetração da cabeça

fhead,k

[kN]

18,9

15,0

Densidade associada

ρa

[kg/m3]

350

350

Resistência característica à tração

ftens,k

[kN]

10,5

13,5

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm] HBSSBULK560 5 TX 25

L

b

A

pçs

[mm]

[mm]

[mm]

60

35

25

2500

d1

CÓDIGO

[mm]

HBSSBULK570

70

40

30

2000

HBSSBULK580

80

50

30

1800

HBSSBULK5100

100

60

40

1000

HBSSBULK6100 6 TX 30

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

100

60

40

pçs 800

HBSSBULK6120

120

75

45

600

HBSSBULK6140

140

80

60

600

HBSSBULK6160

160

90

70

500

TIMBER FRAME Ideal para a fixação em série de painéis de armação em produção. O embalamento em grandes quantidades evita o desperdício de material e acelera a fase de produção.

CARPINTARIA | HBS SOFTWOOD BULK | 57


HBS HARDWOOD

BIT INCLUÍDOS

ETA 11/0030

PARAFUSO DE CABEÇA DE EMBEBER PARA MADEIRAS DURAS CERTIFICAÇÃO MADEIRAS DURAS Especial ponta com geometria de diamante e rosca serrilhada com entalhe. Certificação ETA 11/0030 para utilização com madeiras de alta densidade sem pré-furo. Homologada para aplicações estruturais solicitadas em qualquer direção em relação à fibra (α = 0° - 90°).

DIÂMETRO SUPERIOR Diâmetro do núcleo interno do parafuso aumentado para garantir o aparafusamento nas madeiras com as mais altas densidades. Excelentes valores do momento de torção. HBS H Ø6 mm comparável a um diâmetro 7 mm; HBS H Ø8 mm comparável a um diâmetro 9 mm.

CABEÇA DE EMBEBER 60° Cabeça de embeber a 60° para uma inserção eficaz e pouco invasiva também em madeiras de alta densidade.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

parafuso para madeiras duras

CABEÇA

de embeber a 60° com nervuras sub-cabeça

DIÂMETRO

7,0 e 9,0 mm

COMPRIMENTO

de 80 a 240 mm

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • madeira maciça e lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade • faia, preste, eucalipto, bambu Classes de serviço 1 e 2.

58 | HBS HARDWOOD | CARPINTARIA


GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

H

BS

dk

X X

A

d2 d1

60° ds

H

t1

b L

Diâmetro nominal eq.

d1 eq.

[mm]

7

9

Diâmetro nominal

d1

[mm]

6

8

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

12,00

14,50

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

4,50

5,90

Diâmetro da haste

ds

[mm]

4,80

6,30

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

4,0

6,0

Momento plástico característico

My,k

[Nmm]

18987,4

40115,0

Parâmetro característico de resistência à extracção

fax,k,90°

[N/mm ]

46,0

46,0

fax,k,0°

[N/mm2]

20,0

20,0

2

Densidade associada

ρa

[kg/m ]

730

730

Parâmetro característico de penetração da cabeça

fhead,k

[N/mm ]

50,0

50,0

Densidade associada

ρa

[kg/m3]

730

730

Resistência característica à tração

ftens,k

[kN]

18,0

32,1

3

2

Parâmetros mecânicos para ensaios experimentais "Test Report No. 196104" de Karlsruher Institut für Technologie (KIT).

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1 eq.

CÓDIGO

d1

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

6

80

50

30

100

HBSH9120

HBSH7100

6

100

60

40

100

HBSH9140

HBSH7120

6

120

70

50

100

HBSH9160 HBSH9180 HBSH9200

[mm] HBSH780 7 TX 30

pçs

d1 eq.

CÓDIGO

d1

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

8

120

70

50

100

8

140

80

60

100

8

160

90

70

100

8

180

100

80

100

8

200

100

100

100

HBSH9220

8

220

100

120

100

HBSH9240

8

240

100

140

100

[mm]

HBSH7140

6

140

80

60

100

HBSH7160

6

160

90

70

100

d1 eq. = diâmetro nominal equivalente de um parafuso com o mesmo ds.

9 TX 40

pçs

NOTAS: Sob encomenda, está disponível em versão EVO.

BEECH LVL Valores testados, certificados e calculados também em madeiras de alta densidade como o microlamelar LVL de faia. Utilização certificada sem auxílio de pré-furo até densidades iguais a 780 kg/m3. Testada também em madeiras estruturais como faia, cipreste, eucalipto, bambu.

CARPINTARIA | HBS HARDWOOD | 59


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO d1 eq. d1

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

7

9

7

9

6

8

6

8

a1

[mm]

5∙d1

30

40

4∙d1

24

32

a2

[mm]

3∙d1

18

24

4∙d1

24

32

a3,t

[mm]

12∙d1

72

96

7∙d1

42

56

a3,c

[mm]

7∙d1

42

56

7∙d1

42

56

a4,t

[mm]

3∙d1

18

24

5∙d1

42

56

a4,c

[mm]

3∙d1

18

24

3∙d1

18

24

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

d1 eq.

7

9

7

9

d1

6

8

6

8

90

120

42

56

a1

[mm]

a2

[mm]

7∙d1

42

56

7∙d1

42

56

a3,t

[mm]

20∙d1

120

160

15∙d1

90

120

a3,c

[mm]

15∙d1

90

120

15∙d1

90

120

a4,t

[mm]

7∙d1

42

56

12∙d1

72

96

a4,c

[mm]

7∙d1

42

56

7∙d1

42

56

15∙d1

7∙d1

d1 = diâmetro nominal do parafuso

extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c

a3,c

NOTAS: • As distâncias mínimas são de acordo com a regulamentação EN 1995:2014 - Tabela 8.2 considerando uma massa volúmica dos elementos de madeira ρk > 420 kg/m3 e um diâmetro de cálculo igual a d = diâmetro nominal parafuso. • Para aplicações em madeiras de densidade elevada (ρk > 500 kg/m3) referir-se à ETA-11/0030. • Em caso de ligação aço-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,7.

60 | HBS HARDWOOD | CARPINTARIA

• Em caso de ligação painel-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,85. • Dados técnicos completos consultados no sítio www.rothoblaas.pt.


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE

geometria

madeira-madeira

painel-madeira (1)

TRAÇÃO

aço-madeira chapa aço-madeira chapa fina (2) espessa (3)

extração da rosca (4)

penetração da cabeça (5)

Splate

Splate A L b d1

A

RV,k

RV,k

Rax,k

Rhead,k

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

6

80

50

30

3,70

6

100

60

40

4,12

6

120

70

50

4,25

6

140

80

60

4,25

1,71 1,71 1,71 1,71

5,64 5,64

11,00

5,74

7,29

13,20

5,74

7,84

15,40

5,74

7,97

17,60

5,74

6

160

90

70

4,25

1,71

5,64

7,97

19,81

5,74

120

70

50

6,27

2,39

8,97

11,43

20,54

8,38

8

140

80

60

6,62

2,39

9,06

11,43

23,47

8,38

8

160

90

70

6,62

8

180

100

80

6,62

2,39 2,39 2,39

9,06 9,06

26,41

8,38

29,34

8,38

8

200

100

100

6,62

11,43

29,34

8,38

220

100

120

6,62

2,39

9,06

11,43

29,34

8,38

8

240

100

140

6,62

2,39

9,06

11,43

29,34

8,38

As resistências características de corte são avaliadas considerando um painel OSB3 ou OSB4 de acordo com EN 300 ou um painel de partículas de acordo com EN 312 de espessura SPAN.

As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se o caso de chapa fina (SPLATE ≤ 0,5 d1).

9,06

11,43 11,43

8

(2)

PRINCÍPIOS GERAIS: • O  s valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030. • Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

As resistências características de corte são avaliadas considerando o caso de chapa espessa (SPLATE ≥ d1).

(3)

Rk kmod γm

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

A resistência axial de penetração da cabeça foi avaliada sobre elemento de madeira.

• P  ara os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da "Test Report No. 196104" de Karlsruher Institut für Technologie (KIT).

(4)

(5)

6,74

8

NOTAS: (1)

4,87 5,64

SPLATE ≤ 8 mm

9

RV,k [kN]

SPLATE ≤ 4 mm

7

RV,k [kN]

SPLATE ≤ 6 mm

b

SPLATE ≤ 3 mm

L

SPAN = 12 mm

d1

[mm] [mm] [mm] [mm] [mm]

SPAN = 15 mm

d1 eq.

Em caso de ligações aço-madeira, é geralmente vinculante a resistência à tração do aço em relação à retirada ou à penetração da cabeça.

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo.

• Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 550 kg/m3. • O  s valores foram calculados considerando-se a parte roscada inserida completamente no elemento de madeira. • O  dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira, dos painéis e das chapas de aço devem ser feitos à parte. • As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência.

CARPINTARIA | HBS HARDWOOD | 61


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE | LVL

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO d1 eq. d1

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

7

9

7

9

6

8

6

8

a1

[mm]

15∙d1

90

120

7∙d1

42

56

a2

[mm]

7∙d1

42

56

7∙d1

42

56

a3,t

[mm]

20∙d1

120

160

15∙d1

90

120

a3,c

[mm]

15∙d1

90

120

15∙d1

90

120

a4,t

[mm]

7∙d1

42

56

12∙d1

72

96

a4,c

[mm]

7∙d1

42

56

7∙d1

42

56

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

d1 eq.

7

9

7

9

d1

6

8

6

8

30

40

4∙d1

24

32

a1

[mm]

a2

[mm]

3∙d1

18

24

4∙d1

24

32

a3,t

[mm]

12∙d1

72

96

7∙d1

42

56

a3,c

[mm]

7∙d1

42

56

7∙d1

42

56

a4,t

[mm]

3∙d1

18

24

5∙d1

42

56

a4,c

[mm]

3∙d1

18

24

3∙d1

18

24

5∙d1

d1 = diâmetro nominal do parafuso

a4,c

a4,t α

a2

F

F α a1

F

α

a3,t

α

a3,c

a2 a2 F a1

NOTAS: • As distâncias mínimas são de acordo com a regulamentação EN 1995:2014 - Tabela 8.2 considerando uma massa volúmica dos elementos de madeira ρk > 420 kg/m3 e um diâmetro de cálculo igual a d = diâmetro nominal parafuso. • Para aplicações em madeiras de densidade elevada (ρk > 500 kg/m3) referir-se à ETA-11/0030.

62 | HBS HARDWOOD | CARPINTARIA

• Em caso de ligação aço-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,7. • Em caso de ligação painel-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,85. Dados técnicos completos consultados no sítio www.rothoblaas.pt.


VALORES ESTÁTICOS | LVL

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE LVL - LVL α = 0° - 0°

geometria

aço-LVL chapa fina (1)

aço-LVL chapa espessa (2)

A L b d1

d1 eq. d1 L b A [mm] [mm] [mm] [mm] [mm]

com pré-furo RV,k [kN]

5,92

4,62

5,92

5,05

6

120

70

50

5,92

5,05

6

140

80

60

5,92

5,05

6

160

90

70

5,92

5,05

8

120

70

50

9,47

7,85

6,84

5,22

14,69

12,40

8

140

80

60

9,47

7,85

6,84

5,22

14,69

12,40

8

160

90

70

9,47

7,85

8

180

100

80

9,47

7,85

8

200

100

100

9,47

7,85

8

220

100

120

9,47

7,85

8

240

100

140

9,47

7,85

6,84 6,84 6,84 6,84 6,84

3,25 3,25

5,22 5,22 5,22 5,22 5,22

10,07 10,07 10,07

14,69 14,69 14,69 14,69 14,69

SPLATE = 8 mm

4,12 4,12

3,25

SPLATE ≤ 8 mm

4,12

9,96

SPLATE = 6 mm

8 15

SPLATE ≤ 6 mm

50 60

SPLATE = 3 mm

80 100

3,25

9,27

sem pré-furo RV,k [kN]

6

4,12

2,82

com pré-furo RV,k [kN]

6

SPLATE ≤ 3 mm

4,12

sem pré-furo RV,k [kN]

SPLATE = 4 mm

9

sem pré-furo RV,k [kN]

SPLATE ≤ 4 mm

7

com pré-furo RV,k [kN]

8,04 8,73 8,84 8,84 8,84

12,40 12,40 12,40 12,40 12,40

TRAÇÃO geometria

extração da rosca

penetração da cabeça (4)

(3)

A L b d1

d1 eq. d1 L b A [mm] [mm] [mm] [mm] [mm]

7

9

Rax,k [kN]

Rhead,k [kN]

6

80

50

8

13,80

7,20

6

100

60

15

16,56

7,20

6

120

70

50

19,32

7,20

6

140

80

60

22,08

7,20

6

160

90

70

24,84

7,20

8

120

70

50

25,76

10,51 10,51

8

140

80

60

29,44

8

160

90

70

33,12

10,51

8

180

100

80

36,80

10,51

8

200

100

100

36,80

10,51

8

220

100

120

36,80

10,51

8

240

100

140

36,80

10,51

NOTAS:

• Os valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030.

As resistências características de corte são avaliadas considerando o caso de chapa espessa (SPLATE ≥ d1).

• Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma

(2)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

(3)

A resistência axial de penetração da cabeça foi avaliada sobre elemento de madeira.

(4)

PRINCÍPIOS GERAIS:

As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se o caso de chapa fina (SPLATE ≤ 0,5 d1).

(1)

Em caso de ligações aço-madeira, é geralmente vinculante a resistência à tração do aço em relação à retirada ou à penetração da cabeça.

Rd =

Rk kmod γm

:  s coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente O utilizada para o cálculo. • Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da "Test Report No. 196104" de Karlsruher Institut für Technologie (KIT). • Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 730 kg/m3. • Os valores foram calculados considerando-se a parte roscada inserida completamente no elemento de madeira. • O dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira, dos painéis e das chapas de aço devem ser feitos à parte.

CARPINTARIA | HBS HARDWOOD | 63


TBS

BIT INCLUÍDOS

ETA 11/0030

PARAFUSO DE CABEÇA LARGA ANILHA INTEGRADA A cabeça larga tem a função de uma anilha e garante uma elevada resistência à tração. Ideal em presença de vento ou variações dimensionais da madeira.

APLICAÇÕES ESTRUTURAIS Homologada para aplicações estruturais solicitadas em qualquer direção em relação à fibra (α = 0° - 90°). Rosca assimétrica em forma de „guarda-chuva“ para uma maior capacidade de penetração na madeira.

RESISTÊNCIAS SUPERIORES Excelente resistência à rutura e rutura de tensão (fy,k = 1000 N/mm2) do aço. Resistência à torção ftor,k muito elevada para um aperto mais seguro.

DUCTILIDADE Ângulo de dobra de 20° superior em relação à norma, certificado de acordo com ETA 11/0030. Ensaios cíclicos SEISMIC-REV de acordo com EN 12512. Performance sísmica testada de acordo com EN 14592.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

parafuso com anilha integrada

CABEÇA

larga

DIÂMETRO

de 6,0 a 10,0 mm

COMPRIMENTO

de 40 a 520 mm

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • madeira maciça • madeira lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade Classes de serviço 1 e 2.

64 | TBS | CARPINTARIA


VIGAS SECUNDÁRIAS Ideal para a fixação dos barrotes à viga de suporte para uma elevada resistência ao levantamento pelo vento. A cabeça larga garante uma elevada resistência à tração, o que permite evitar a utilização de outros sistemas laterais de ancoragem.

I-JOIST Valores testados, certificados e calculados também para CLT e madeiras de alta densidade como o microlamelar LVL.

CARPINTARIA | TBS | 65


Fixação painéis SIP com parafusos TBS diâmetro 8 mm.

Fixação paredes em CLT com TBS diâmetro 8 mm.

GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS A

dk

dd2k d1 ds

b L

dk

Ø6-8

Ø 10

Diâmetro nominal

d1

[mm]

6

8

8 MAX

10

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

15,50

19,00

24,50

25,00

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

3,95

5,40

5,40

6,40

Diâmetro da haste

ds

[mm]

4,30

5,80

5,80

7,00

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

4,0

5,0

5,0

6,0

My,k

[Nmm]

9493,7

20057,5

20057,5

35829,6

fax,k

[N/mm2]

11,7

11,7

11,7

11,7

fhead,k

[N/mm2]

10,5

10,5

16,0 (*)

10,5

ftens,k

[kN]

11,3

20,1

20,1

31,4

Momento plástico característico Parâmetro característico de resistência à extração Parâmetro característico de penetração da cabeça Resistência característica à tração

(*) Parâmetro mecânico para ensaios experimentais.

66 | TBS | CARPINTARIA


CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

dk

[mm]

[mm]

CÓDIGO TBS660

6 TX30

8 TX40

15,5

19

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

pçs

d1

dk

[mm]

[mm]

CÓDIGO

60

40

20

100

TBS10100

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

pçs

100

52

48

50

TBS670

70

40

30

100

TBS10120

120

60

60

50

TBS680

80

50

30

100

TBS10140

140

60

80

50

TBS690

90

50

40

100

TBS10160

160

80

80

50

TBS6100

100

60

40

100

TBS10180

180

80

100

50

TBS6120

120

75

45

100

TBS10200

200

100

100

50

TBS6140

140

75

65

100

TBS10220

220

100

120

50

TBS6160

160

75

85

100

TBS10240

240

100

140

50

TBS6180

180

75

105

100

TBS10260

260

100

160

50

TBS6200

200

75

125

100

TBS10280

280

100

180

50

TBS6220

220

100

120

100

TBS10300

300

100

200

50

TBS6240

240

100

140

100

TBS10320

320

120

200

50

TBS6260

260

100

160

100

TBS10340

340

120

220

50

TBS6280

280

100

180

100

TBS10360

360

120

240

50

TBS6300

300

100

200

100

TBS10380

380

120

260

50

TBS840

40

32

8

100

TBS10400

400

120

280

50

TBS860

60

52

10

100

TBS10440

440

120

320

50

TBS880

80

52

28

50

TBS10480

480

120

360

50

TBS8100

100

52

48

50

TBS10520

520

120

400

50

TBS8120

120

80

40

50

pçs

TBS8140

140

80

60

50

TBS8160

160

100

60

50

TBS8180

180

100

80

50

TBS8200

200

100

100

50

TBS8220

220

100

120

50

TBS8240

240

100

140

50

TBS8260

260

100

160

50

TBS8280

280

100

180

50

TBS8300

300

100

200

50

TBS8320

320

100

220

50

TBS8340

340

100

240

50

TBS8360

360

100

260

50

TBS8380

380

100

280

50

TBS8400

400

100

300

50

TBS8440

440

100

340

50

TBS8480

480

100

380

50

TBS8520

520

100

420

50

10 TX 50

25

TBS MAX d1

dk

[mm]

[mm]

8 TX 40

24,5

CÓDIGO

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

TBSMAX8200

200

120

80

50

TBSMAX8220

220

120

100

50

TBSMAX8240

240

120

120

50

TBS MÁX PARA RIB TIMBER A rosca aumentada (120 mm) e a cabeça alargada (24,5 mm) da TBS MAX garantem uma excelente capacidade de tensão e de fecho da junta. Ideal na produção de lajes com nervuras (Rippendecke, ribbed floor) para otimizar o número das fixações. A cabeça larga aumentada garante uma excelente capacidade de aperto da junta evitando a utilização de prensas nas fases de colagem entre os elementos de madeira.

CARPINTARIA | TBS | 67


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

6

8

8 MAX

10

30

40

40

50

4∙d

6

8

8 MAX

10

24

32

32

40

a1

[mm]

a2

[mm]

3∙d

18

24

24

30

4∙d

24

32

32

40

a3,t

[mm]

12∙d

72

96

96

120

7∙d

42

56

56

70

a3,c

[mm]

7∙d

42

56

56

70

7∙d

42

56

56

70

a4,t

[mm]

3∙d

18

24

24

30

7∙d

42

56

56

70

a4,c

[mm]

3∙d

18

24

24

30

3∙d

18

24

24

30

5∙d

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO 6

8

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

8 MAX

10

6

8

8 MAX

10

a1

[mm]

12∙d

72

96

96

120

5∙d

30

40

40

50

a2

[mm]

5∙d

30

40

40

50

5∙d

30

40

40

50

a3,t

[mm]

15∙d

90

120

120

150

10∙d

60

80

80

100

a3,c

[mm]

10∙d

60

80

80

100

10∙d

60

80

80

100

a4,t

[mm]

5∙d

30

40

40

50

10∙d

60

80

80

100

a4,c

[mm]

5∙d

30

40

40

50

5∙d

30

40

40

50

d = diâmetro nominal do parafuso

extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c

a3,c

NOTAS: • As distâncias mínimas são de acordo com a regulamentação EN 1995:2014 de acordo com ETA-11/0030 considerando uma massa volúmica dos elementos de madeira ρk ≤ 385 kg/m3 e um diâmetro de cálculo igual a d = diâmetro nominal parafuso. • Em caso de ligação painel-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,85.

68 | TBS | CARPINTARIA

• No caso de ligações com elementos de abeto de Douglas (Pseudotsuga menziesii) o espaçamento e distâncias mínimas paralelas à fibra devem ser multiplicadas por um coeficiente 1,5.


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE

geometria

TRAÇÃO

madeira-madeira

painel-madeira (1)

extração da rosca(2)

penetração da cabeça

RV,k

RV,k

Rax,k

Rhead,k

[kN]

A L b d1

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

60 70 80 90 100 120 140 160 180 200 220 240 260 280 300 40 60 80 100 120 140 160 180 200 220 240 260 280 300 320 340 360 380 400 440 480 520 200 220 240

40 40 50 50 60 75 75 75 75 75 100 100 100 100 100 32 52 52 80 80 80 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 120 120 120

20 30 30 40 40 45 65 85 105 125 120 140 160 180 200 8 8 28 20 40 60 60 80 100 120 140 160 180 200 220 240 260 280 300 340 380 420 80 100 120

1,89 2,15 2,15 2,35 2,35 2,35 2,35 2,35 2,35 2,35 2,35 2,35 2,35 2,35 2,35 1,08 1,08 3,02 2,71 3,41 3,70 3,70 3,70 3,70 3,70 3,70 3,70 3,70 3,70 3,70 3,70 3,70 3,70 3,70 3,70 3,70 3,70 5,27 5,27 5,27

6

8

8 MAX

1,11 1,68 2,14 2,50 2,50 2,50 2,50 2,50 2,50 2,50 2,50 2,50 2,50 2,50 2,50 2,03 3,22 3,89 3,89 3,89 3,89 3,89 3,89 3,89 3,89 3,89 3,89 3,89 3,89 3,89 3,89 3,89 3,89 3,89 3,89 5,44 5,44 5,44

SPAN = 50 mm

L

SPAN = 65 mm

d1

[kN]

[kN]

3,03 3,03 3,79 3,79 4,55 5,68 5,68 5,68 5,68 5,68 7,58 7,58 7,58 7,58 7,58 3,23 5,25 5,25 8,08 8,08 8,08 10,10 10,10 10,10 10,10 10,10 10,10 10,10 10,10 10,10 10,10 10,10 10,10 10,10 10,10 10,10 10,10 12,12 12,12 12,12

2,72 2,72 2,72 2,72 2,72 2,72 2,72 2,72 2,72 2,72 2,72 2,72 2,72 2,72 2,72 4,09 4,09 4,09 4,09 4,09 4,09 4,09 4,09 4,09 4,09 4,09 4,09 4,09 4,09 4,09 4,09 4,09 4,09 4,09 4,09 4,09 4,09 10,36 10,36 10,36

NOTAS: (1)

As resistências características de corte são avaliadas num painel OSB ou um painel de partículas de espessura SPAN e massa volúmica igual a ρk = 500 kg/m3.

(2)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

CARPINTARIA | TBS | 69


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE

geometria

TRAÇÃO

madeira-madeira

painel-madeira (1)

extração da rosca(2)

penetração da cabeça

RV,k

RV,k

Rax,k

Rhead,k

[kN]

A L b

d1

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

10

100 120 140 160 180 200 220 240 260 280 300 320 340 360 380 400 440 480 520

52 60 60 80 80 100 100 100 100 100 100 120 120 120 120 120 120 120 120

48 60 80 80 100 100 120 140 160 180 200 200 220 240 260 280 320 360 400

4,92 5,64 5,64 5,64 5,64 5,64 5,64 5,64 5,64 5,64 5,64 5,64 5,64 5,64 5,64 5,64 5,64 5,64 5,64

SPAN = 80 mm

d1

3,16 4,47 5,84 5,85 5,85 5,85 5,85 5,85 5,85 5,85 5,85 5,85 5,85 5,85 5,85 5,85 5,85 5,85 5,85

[kN]

[kN]

6,57 7,58 7,58 10,10 10,10 12,63 12,63 12,63 12,63 12,63 12,63 15,15 15,15 15,15 15,15 15,15 15,15 15,15 15,15

7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08

NOTAS: (1)

As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se um painel OSB ou um painel de aglomerado com espessura SPAN.

(2)

 resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ânguA lo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

• E  m fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 380 kg/m3. As resistências características podem ser consideradas válidas, em favor da segurança, também para massas volúmicas maiores. • O  s valores foram calculados considerando-se a parte roscada inserida completamente no elemento de madeira.

PRINCÍPIOS GERAIS:

• O  dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira, dos painéis e das chapas de aço devem ser feitos à parte.

• O  s valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030.

• As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência.

• Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

Rk kmod γm

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo.

• P  ara os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030.

70 | TBS | CARPINTARIA

• Para configurações de cálculo diferentes, está disponível o software MyProject (www.rothoblaas.pt). • As resistências características são avaliadas sobre madeira maciça ou lamelar; em caso de juncões com elementos de CLT, os valores de resistência podem divergir e devem ser avaliados com base nas características do painel e da configuração da ligação.


EXEMPLO DE CÁLCULO: LIGAÇÃO BARROTE-TERÇA COM MYPROJECT

LIGAÇÃO MADEIRA-MADEIRA / CORTE UNITÁRIO

1

ELEMENTO 1

ELEMENTO 2

1

B1 = 120 mm

B2 = 200 mm

H1 = 160 mm

H2 = 240 mm

Pendência 30% (16,7°)

Pendência 0% (0°)

Madeira GL24h

2

2

Madeira GL24h

DADOS DE PROJECTO

ESCOLHA DO PARAFUSO

GEOMETRIA DA LIGAÇÃO

Fv,Rd = 1,89 kN

TBS = 8x260 mm

t1 = 160 mm

Classe de serviço = 1

Pré-furo = não

α1 = 0° t2 = 100 mm

Duração da carga = breve

(comprimento de cravação no elemento 2)

α2 = 90°

CÁLCULO DA RESISTÊNCIA AO CORTE COM SOFTWARE MYPROJECT (EN 1995:2014 e ETA-11/0030) d1

= 8,0 mm

My,k

= 20057,5 Nmm

fh,1,k = 16,92 N/mm2

Rax,Rk

= min {resistência à extração da rosca; resistência à penetração da cabeça} = min {Rax,Rk ; Rhead,Rk} = 4,09 kN

fh,2,k = 16,92 N/mm2

Rax,Rk/4 = 1,02 kN (efeito côncavo)

β

= 1,00

Rv,Rk = 3,70 kN

k R Rv,Rd = v,Rk mod γm

EN 1995:2014 kmod = 0,9 γm = 1,3 Rv,Rd = 2,56 kN > 1,89 kN OK

Itália - NTC 2018 kmod = 0,9 γm = 1,5 Rv,Rd = 2,22 kN > 1,89 kN OK

CARPINTARIA | TBS | 71


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE E CARREGADAS AXIALMENTE | CLT

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

lateral face (1)

narrow face (2)

6

8

10

24

32

40

a1

[mm]

4∙d

a2

[mm]

2,5∙d

15

20

a3,t

[mm]

6∙d

36

48

a3,c

[mm]

6∙d

36

48

a4,t

[mm]

6∙d

36

48

a4,c

[mm]

2,5∙d

15

20

6

8

10

10∙d

60

80

100

25

4∙d

24

32

40

60

12∙d

72

96

120

60

7∙d

42

56

70

60

6∙d

36

48

60

25

3∙d

18

24

30

d = diâmetro nominal do parafuso

a4,c

a4,t α

F

F

α

α

F α a3,c

a3,t

a2 a2

a2

a1

a1

a3,c a4,c

F

a3,t

F

a4,c

tCLT

a3,c a4,c a4,t

F

tCLT

NOTAS: As distâncias mínimas são de acordo com ETA-11/0030 e ser consideradas válidas se não diferentemente especificado nos documentos técnicos dos painéis CLT.

72 | TBS | CARPINTARIA

(1)

Espessura mínima CLT tmín = 10 ∙ d

(2)

Espessura mínima CLT tmín = 10∙d e profundidade de penetração mínima do parafuso tpen = 10∙d


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE | LVL

a1 a2 a3,t a3,c a4,t a4,c

[mm] [mm] [mm] [mm] [mm] [mm]

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO (1)

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO (1)

12∙d 5∙d 15∙d 10∙d 5∙d 5∙d

6

8

10

72 30 90 60 30 30

96 40 120 80 40 40

120 50 150 100 50 50

5∙d 5∙d 10∙d 10∙d 10∙d 5∙d

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO a1 a2 a3,t a3,c a4,t a4,c

[mm] [mm] [mm] [mm] [mm] [mm]

5∙d 3∙d 12∙d 7∙d 3∙d 3∙d

6

8

10

30 30 60 60 60 30

40 40 80 80 80 40

50 50 100 100 100 50

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

6

8

10

30 18 72 42 18 18

40 24 96 56 24 24

50 30 120 70 30 30

4∙d 4∙d 7∙d 7∙d 7∙d 3∙d

6

8

10

24 24 42 42 42 18

32 32 56 56 56 24

40 40 70 70 70 30

d = diâmetro nominal do parafuso

a4,c

a4,t α

a2

F

F α a1

F

α

a3,t

α

a2 a2 F a1

a3,c

NOTAS: (1)

Distâncias minimas para ensaios experimentais efectuados na Eurofins Expert Services Oy, Espoo, Finland (Report EUFI29-19000819-T1/T2).

• As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014. • As distâncias mínimas são válidas com a utilização seja de LVL em folhosas paralelas que cruzadas. • As distâncias mínimas sem pré-furo são válidas para espessuras mínimas dos elementos em LVL tmín:

onde: t1 é a espessura em mm do elemento em LVL numa ligação com 2 elementos em madeira. No caso de ligações com 3 ou mais elementos t1 representa a espessura do elemento em LVL posicionado mais externamente; t2 é a espessura em mm do elemento central numa ligação com 3 ou mais elementos.

t1 ≥ 8,4d -9 t2 ≥

11,4d 75

CARPINTARIA | TBS | 73


VALORES ESTÁTICOS | CLT CORTE CLT - CLT lateral face

geometria

painel - CLT (1) lateral face

CLT - painel - CLT (1) lateral face

t

A L b d1

RV,k

RV,k

RV,k

t

RV,k

t

RV,k

[kN]

[kN]

[kN]

[mm]

[kN]

[mm]

[kN]

60

40

8

0,80

1,66

1,73

-

-

-

-

70

40

30

2,00

1,66

1,73

30

1,71

30

2,19

80

50

30

2,00

1,66

1,73

35

1,71

35

2,19

90

50

40

2,22

1,66

1,73

40

1,71

40

2,19

100

60

40

2,22

1,66

1,73

45

1,71

45

2,19

2,22

65

2,22

160

75

85

2,22

180

75

105

2,22

200

75

125

2,22

1,66 1,66 1,66 1,66 1,66

1,73 1,73 1,73 1,73 1,73

55

1,71

65

1,71

75

1,71

85

1,71

95

1,71

55

2,19

65

2,19

75

2,19

85

2,19

95

2,19 2,19

220

100

120

2,22

1,66

1,73

105

1,71

105

240

100

140

2,22

1,66

1,73

115

1,71

115

2,19

260

100

160

2,22

1,66

1,73

125

1,71

125

2,19

280

100

180

2,22

1,66

1,73

135

1,71

135

2,19

300

100

200

2,22

1,66

1,73

145

1,71

145

2,19

40

32

8

0,98

1,91

1,99

-

-

-

-

60

52

8

0,98

2,39

2,62

-

-

-

-

80

52

28

2,81

2,39

2,62

-

-

-

-

100

80

20

2,46

2,39

2,62

45

2,39

40

2,92

120

80

40

3,16

2,39

2,62

55

2,39

50

2,92

3,50

2,39

2,62

65

2,39

60

2,92

60

3,50

2,39

2,62

75

2,39

70

2,92

180

100

80

3,50

2,39

2,62

85

2,39

80

2,92

200

100

100

3,50

2,39

2,62

95

2,39

90

2,92

220

100

120

3,50

2,39

2,62

105

2,39

100

2,92

140

3,50

100

160

3,50

115

2,39

125

2,39

110

2,92

120

280

100

180

3,50

135

2,39

2,92

130

2,92

300

100

200

3,50

2,39

320

100

220

3,50

2,39

2,62

145

2,62

155

2,39

140

2,92

2,39

150

2,92

340

100

240

3,50

360

100

260

3,50

2,39

2,62

2,39

2,62

165

2,39

160

2,92

175

2,39

170

380

100

280

3,50

2,39

2,92

2,62

185

2,39

180

2,92

400

100

440

100

300

3,50

340

3,50

2,39

2,62

195

2,39

190

2,92

2,39

2,62

215

2,39

210

2,92

480 520

100

380

100

420

3,50

2,39

2,62

235

2,39

230

2,92

3,50

2,39

2,62

255

2,39

250

2,92

2,39

2,92

200

120

80

4,96

220

120

100

4,96

240

120

120

4,96

74 | TBS | CARPINTARIA

2,39 2,39 2,39

2,39 2,39

2,62 2,62 2,62

2,92 2,92

95

2,39

105

2,39

115

2,39

SPAN = 18 mm

100

SPAN = 15 mm

240 260

SPAN = 18 mm

60

SPAN = 15 mm

80 100

SPAN = 18 mm

140 160

SPAN = 18 mm

8 MAX

45

SPAN = 15 mm

8

75 75

SPAN = 15 mm

6

120 140

SPAN = 15 mm

A [mm]

SPAN = 12 mm

b [mm]

SPAN = 15 mm

L [mm]

SPAN = 12 mm

d1 [mm]

90

2,92

100

2,92

110

2,92


VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE CLT - madeira lateral face

TRAÇÃO madeira - CLT lateral face

extração da rosca lateral face (2)

extração da rosca narrow face (3)

penetração da cabeça (4)

RV,k

RV,k

Rax,k

Rax,k

Rhead,k

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

0,80

0,89

2,81

-

2,52

2,02

2,13

2,81

-

2,52

2,02

2,13

3,51

-

2,52

2,26

2,31

3,51

-

2,52

2,26

2,31

4,21

-

2,52

2,26

2,31

5,27

-

2,52

2,26

2,31

5,27

-

2,52

2,26

2,31

5,27

-

2,52

2,26

2,31

5,27

-

2,52

2,26

2,31

5,27

-

2,52

2,26

2,31

7,02

-

2,52

2,26

2,31

7,02

-

2,52

2,26

2,31

7,02

-

2,52

2,26

2,31

7,02

-

2,52

2,26

2,31

7,02

-

2,52

0,98

1,08

3,00

2,39

3,79

0,98

1,08

4,87

3,70

3,79

2,85

2,98

4,87

3,70

3,79

2,46

2,71

7,49

5,45

3,79

3,20

3,37

7,49

5,45

3,79

3,56

3,64

7,49

5,45

3,79

3,56

3,64

9,36

6,66

3,79

3,56

3,64

9,36

6,66

3,79

3,56

3,64

9,36

6,66

3,79

3,56

3,64

9,36

6,66

3,79

3,56

3,64

9,36

6,66

3,79

3,56

3,64

9,36

6,66

3,79

3,56

3,64

9,36

6,66

3,79

3,56

3,64

9,36

6,66

3,79

3,56

3,64

9,36

6,66

3,79

3,56

3,64

9,36

6,66

3,79

3,56

3,64

9,36

6,66

3,79

3,56

3,64

9,36

6,66

3,79

3,56

3,64

9,36

6,66

3,79

3,56

3,64

9,36

6,66

3,79

3,56

3,64

9,36

6,66

3,79

3,56

3,64

9,36

6,66

3,79

5,02

5,21

11,23

7,85

9,60

5,02

5,21

11,23

7,85

9,60

5,02

5,21

11,23

7,85

9,60

CARPINTARIA | TBS | 75


VALORES ESTÁTICOS | CLT CORTE CLT - CLT lateral face

geometria

painel - CLT (1) lateral face

CLT - painel - CLT (1) lateral face

t

A L b d1

d1

L

b

A

RV,k

RV,k

RV,k

t

RV,k

t

RV,k

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

[kN]

[mm]

[kN]

[mm]

[kN]

52

48

4,50

3,12

3,89

-

-

120

60

60

5,22

3,12

3,89

40

3,12

50

3,89

140

60

80

5,26

3,12

3,89

50

3,12

60

3,89

5,33

3,12

3,89

60

3,12

70

3,89

100

5,33

3,12

3,89

70

3,12

80

3,89

200

100

100

5,33

3,12

3,89

80

3,12

90

3,89

220

100

120

5,33

3,12

3,89

90

3,12

100

3,89

240

100

140

5,33

3,12

3,89

100

3,12

110

3,89

120

3,89

130

3,89

140

3,89

260

100

160

5,33

280

100

180

5,33

300

100

200

5,33

320

120

200

5,33

340

120

220

5,33

3,12 3,12 3,12 3,12 3,12

3,89 3,89 3,89

110

3,12

120

3,12

130

3,12

140

3,12

3,89

150

3,12

3,89

SPAN = 22 mm

80

80

SPAN = 18 mm

80

SPAN = 22 mm

160 180

SPAN = 18 mm

10

100

150

3,89

160

3,89

360

120

240

5,33

3,12

3,89

160

3,12

170

3,89

380

120

260

5,33

3,12

3,89

170

3,12

180

3,89

400

120

280

5,33

3,12

3,89

180

3,12

190

3,89

440

120

320

5,33

3,12

3,89

190

3,12

210

3,89

480

120

360

5,33

3,12

3,89

210

3,12

230

3,89

520

120

400

5,33

3,12

3,89

230

3,12

250

3,89

NOTAS: As resistências características de corte são avaliadas considerando um painel OSB3 ou OSB4 de acordo com EN 300 ou um painel de partículas de acordo com EN 312 de espessura SPAN.

(1)

(2)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

(3)

A resistência axial à extração da rosca é válida para espessuras mínimas do elemento equivalente a tmin = 10∙d1 e profundidade de penetração mínima do parafuso tpen = 10∙d1.

76 | TBS | CARPINTARIA

(4)

A resistência axial de penetração da cabeça, com e sem anilha, foi avaliada sobre elemento de madeira.

Em caso de ligações aço-madeira, é geralmente vinculante a resistência à tração do aço em relação à retirada ou à penetração da cabeça.


VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE CLT - madeira lateral face

TRAÇÃO madeira - CLT lateral face

extração da rosca lateral face (2)

extração da rosca narrow face (3)

penetração da cabeça (4)

RV,k

RV,k

Rax,k

Rax,k

Rhead,k

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

4,72

4,64

6,08

4,42

6,56

5,32

5,43

7,02

5,03

6,56

5,42

5,43

7,02

5,03

6,56

5,42

5,55

9,36

6,51

6,56

5,42

5,55

9,36

6,51

6,56

5,42

5,55

11,70

7,96

6,56

5,42

5,55

11,70

7,96

6,56

5,42

5,55

11,70

7,96

6,56

5,42

5,55

11,70

7,96

6,56

5,42

5,55

11,70

7,96

6,56

5,42

5,55

11,70

7,96

6,56

5,42

5,55

14,04

9,38

6,56

5,42

5,55

14,04

9,38

6,56

5,42

5,55

14,04

9,38

6,56

5,42

5,55

14,04

9,38

6,56

5,42

5,55

14,04

9,38

6,56

5,42

5,55

14,04

9,38

6,56

5,42

5,55

14,04

9,38

6,56

5,42

5,55

14,04

9,38

6,56

PRINCÍPIOS GERAIS: • Os valores característicos são conforme a normativa EN 1995:2014 e especificações nacionais ÖNORM EN 1995 - Annex K, de acordo com ETA-11/0030.

• Os valores foram calculados considerando-se a parte roscada inserida completamente no elemento de madeira.

• Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma

• O dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira, dos painéis e das chapas de aço devem ser feitos à parte.

R k Rd = k mod γm

: Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo. • P  ara os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030.

• As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência. • As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se um comprimento de acionamento mínimo do parafuso igual a 4 d1.

• E m fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 350 kg/m3.

CARPINTARIA | TBS | 77


VALORES ESTÁTICOS | LVL CORTE geometria

LVL - LVL

LVL - LVL

LVL - madeira

madeira - LVL

t2 A L b d1

t1

d1

L

b

A

RV,k

t1

t2

RV,k

RV,k

RV,k

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

[kN]

60

40

20

2,37

25

10

1,38

2,22

1,84

70

40

30

2,72

25

20

2,76

2,56

2,07

80

50

30

2,96

30

20

2,76

2,79

2,07

6

8

8 MAX

90

50

40

3,05

30

30

4,14

2,84

2,34

100

60

40

3,12

30

40

5,15

2,96

2,34

120

75

45

3,12

40

40

5,52

2,96

2,34

140

75

65

3,12

40

60

5,63

2,96

2,34

160

75

85

3,12

40

80

5,63

2,96

2,34

180

75

105

3,12

60

60

6,23

2,96

2,34

200

75

125

3,12

60

80

6,23

2,96

2,34

220

100

120

3,12

60

100

6,23

2,96

2,34

240

100

140

3,12

80

80

6,23

2,96

2,34

260

100

160

3,12

80

100

6,23

2,96

2,34

280

100

180

3,12

80

120

6,23

2,96

2,34

300

100

200

3,12

100

100

6,23

2,96

2,34

40

32

8

1,35

-

-

-

1,35

0,98

60

52

8

1,35

-

-

-

1,35

0,98

80

52

28

3,78

32

16

2,70

3,75

2,93

100

80

20

3,37

40

20

3,37

3,37

2,46

120

80

40

4,51

40

40

6,75

4,34

3,28

140

80

60

4,64

40

60

8,21

4,40

3,70

160

100

60

4,64

40

80

8,21

4,40

3,70

180

100

80

4,64

60

60

9,29

4,40

3,70

200

100

100

4,64

60

80

9,29

4,40

3,70

220

100

120

4,64

60

100

9,29

4,40

3,70

240

100

140

4,64

80

80

9,29

4,40

3,70

260

100

160

4,64

80

100

9,29

4,40

3,70

280

100

180

4,64

80

120

9,29

4,40

3,70

300

100

200

4,64

100

100

9,29

4,40

3,70

320

100

220

4,64

100

120

9,29

4,40

3,70

340

100

240

4,64

100

140

9,29

4,40

3,70

360

100

260

4,64

120

120

9,29

4,40

3,70

380

100

280

4,64

120

140

9,29

4,40

3,70

400

100

300

4,64

120

160

9,29

4,40

3,70

440

100

340

4,64

140

160

9,29

4,40

3,70

480

100

380

4,64

140

200

9,29

4,40

3,70

520

100

420

4,64

140

240

9,29

4,40

3,70

200

120

80

5,74

60

80

9,32

5,49

5,15

220

120

100

5,74

60

100

9,32

5,49

5,15

240

120

120

5,74

80

80

10,43

5,49

5,15

78 | TBS | CARPINTARIA


VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 TRAÇÃO extração da rosca flat (1)

extração da rosca edge (2)

penetração da cabeça flat (3)

Rax,k

Rax,k

Rhead,k

[kN]

[kN]

[kN]

3,82

3,07

5,02

3,82

3,07

5,02

4,77

3,84

5,02

4,77

3,84

5,02

5,72

4,61

5,02

7,16

5,76

5,02

7,16

5,76

5,02

7,16

5,76

5,02

7,16

5,76

5,02

7,16

5,76

5,02

9,54

7,68

5,02

9,54

7,68

5,02

9,54

7,68

5,02

9,54

7,68

5,02

9,54

7,68

5,02

3,56

3,20

6,61

5,78

5,20

6,61

5,78

5,20

6,61

8,90

8,00

6,61

8,90

8,00

6,61

8,90

8,00

6,61

11,12

10,00

6,61

11,12

10,00

6,61

11,12

10,00

6,61

11,12

10,00

6,61

11,12

10,00

6,61

11,12

10,00

6,61

11,12

10,00

6,61

11,12

10,00

6,61

11,12

10,00

6,61

11,12

10,00

6,61

11,12

10,00

6,61

11,12

10,00

6,61

11,12

10,00

6,61

11,12

10,00

6,61

11,12

10,00

6,61

11,12

10,00

6,61

13,34

12,00

10,98

13,34

12,00

10,98

13,34

12,00

10,98

CARPINTARIA | TBS | 79


VALORES ESTÁTICOS | LVL CORTE geometria

LVL - LVL

LVL - LVL

LVL - madeira

madeira - LVL

t2 A L b d1

t1

d1

L

b

A

RV,k

t1

t2

RV,k

RV,k

RV,k

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

[kN]

10

100

52

48

5,82

40

20

3,95

5,44

4,96

120

60

60

6,36

40

40

7,89

6,07

5,45

140

60

80

6,36

40

60

11,37

6,07

5,61

160

80

80

7,04

40

80

11,37

6,81

5,61

180

80

100

7,04

60

60

11,84

6,81

5,61

200

100

100

7,17

60

80

12,73

6,81

5,61

220

100

120

7,17

60

100

12,73

6,81

5,61

240

100

140

7,17

80

80

14,09

6,81

5,61

260

100

160

7,17

80

100

14,09

6,81

5,61

280

100

180

7,17

80

120

14,09

6,81

5,61

300

100

200

7,17

100

100

14,34

6,81

5,61

320

120

200

7,17

100

120

14,34

6,81

5,61

340

120

220

7,17

100

140

14,34

6,81

5,61

360

120

240

7,17

120

120

14,34

6,81

5,61

380

120

260

7,17

120

140

14,34

6,81

5,61

400

120

280

7,17

120

160

14,34

6,81

5,61

440

120

320

7,17

140

160

14,34

6,81

5,61

480

120

360

7,17

140

200

14,34

6,81

5,61

520

120

400

7,17

160

200

14,34

6,81

5,61

NOTAS: (1)

A resistência axial à extração da rosca Rax,90,flat,k foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b em aplicação com LVL seja em folhosas paralelas que cruzadas.

(2)

A resistência axial à extração da rosca Rax,90,edge,k foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b em aplicação com LVL em folhosas paralelas.

80 | TBS | CARPINTARIA

(3)

A resistência axial de penetração da cabeça Rhead,k, com e sem anilha, foi avaliada no elemento em LVL em folhosas paralelas ou cruzadas de espessura tmin.


VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 TRAÇÃO extração da rosca flat (1)

extração da rosca edge (2)

penetração da cabeça flat (3)

Rax,k

Rax,k

Rhead,k

[kN]

[kN]

[kN]

7,07

6,86

11,38

8,16

7,92

11,38

8,16

7,92

11,38

10,88

10,56

11,38

10,88

10,56

11,38

13,60

13,20

11,38

13,60

13,20

11,38

13,60

13,20

11,38

13,60

13,20

11,38

13,60

13,20

11,38

13,60

13,20

11,38

16,32

15,84

11,38

16,32

15,84

11,38

16,32

15,84

11,38

16,32

15,84

11,38

16,32

15,84

11,38

16,32

15,84

11,38

16,32

15,84

11,38

16,32

15,84

11,38

PRINCÍPIOS GERAIS: • Os valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030.

tais efectuados na Eurofins Expert Services Oy, Espoo, Finland (Report EUFI29-19000819-T1/T2).

• Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

• E m fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos em LVL equivalente a ρk = 480 kg/m3 e equivalente a 350 kg/m3 para os elementos em madeira.

Rd =

Rk kmod γm

• Os valores foram calculados considerando-se a parte roscada inserida completamente no elemento de madeira.

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo.

• O dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira, dos painéis e das chapas de aço devem ser feitos à parte.

• Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030 e da ensaios experimen-

• As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência.

CARPINTARIA | TBS | 81


TBS EVO

BIT INCLUÍDOS

COATING

ETA 11/0030

PARAFUSO DE CABEÇA LARGA REVESTIMENTO C4 EVO Múltiplas camadas 20 μm com tratamento superficial à base de resina epoxídica e flakes de alumínio. Ausência de ferrugem após testes de 1440 horas de exposição em névoa salina de acordo com ISO 9227. Utilizável no exterior em classe de serviço 3 e em classe de corrosão atmosférica C4.

MADEIRAS AGRESSIVAS Ideal em aplicações com essências contendo tanino ou tratadas com impregnantes e outros processos químicos.

ANILHA INTEGRADA A cabeça larga tem a função de uma anilha e garante uma elevada resistência à tração. Ideal em presença de vento ou variações dimensionais da madeira.

APLICAÇÕES ESTRUTURAIS Homologada para aplicações estruturais solicitadas em qualquer direção em relação à fibra (α = 0° - 90°). Rosca assimétrica em forma de „guarda-chuva“ para uma maior capacidade de penetração na madeira.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

classe de corrosividade C4

CABEÇA

larga

DIÂMETRO

6,0 e 8,0 mm

COMPRIMENTO

de 60 a 240 mm

MATERIAL Aço carbónico com revestimento 20 μm de alta resistência à corrosão.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • madeira maciça e lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade • madeiras agressivas (contendo tanino) • madeiras tratadas quimicamente Classes de serviço 1, 2 e 3.

82 | TBS EVO | CARPINTARIA


PASSADIÇOS EXTERNOS Ideal para a realização de estruturas no exterior como passadiços e marquises. Valores certificados também para a inserção do parafuso em direção paralela à fibra. Ideal para a fixação de madeiras agressivas que contenham taninos, como o castanheiro e o carvalho.

SIP PANELS Valores testados, certificados e calculados também para CLT e madeiras de alta densidade como o microlamelar LVL. Ideal para a fixação de painéis SIP e sanduíche.

CARPINTARIA | TBS EVO | 83


Fixação de treliça de madeira em ambiente externo.

Fixação de vigas Multi-ply de 3 camadas com revestimento em gesso cartonado.

GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS A

dk

d2 d1 ds

b L

Diâmetro nominal

d1

[mm]

6

8

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

15,50

19,00

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

3,95

5,40

Diâmetro da haste

ds

[mm]

4,30

5,80

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

4,0

5,0

My,k

[Nmm]

9493,7

20057,5

fax,k

[N/mm2]

11,7

11,7

fhead,k

[N/mm2]

10,5

10,5

ftens,k

[kN]

11,3

20,1

Momento plástico característico Parâmetro característico de resistência à extração Parâmetro característico de penetração da cabeça Resistência característica à tração

84 | TBS EVO | CARPINTARIA


CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

TBSEVO660

60

40

20

100

TBSEVO8100

100

52

48

50

TBSEVO680

80

50

30

100

TBSEVO8120

120

80

40

50

TBSEVO6100

100

60

40

100

TBSEVO8140

140

80

60

50

TBSEVO6120

120

75

45

100

TBSEVO8160

160

100

60

50

TBSEVO6140

140

75

65

100

TBSEVO6160

160

75

85

100

[mm]

6 TX 30

pçs

d1

CÓDIGO

[mm]

8 TX 40

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

pçs

TBSEVO8180

180

100

80

50

TBSEVO8200

200

100

100

50

TBSEVO6180

180

75

105

100

TBSEVO8220

220

100

120

50

TBSEVO6200

200

75

125

100

TBSEVO8240

240

100

140

50

pçs

ANILHA WBAZ D1 CÓDIGO

parafuso

D2

H

D1

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

WBAZ25A2

6,0 - 6,5

25

15

6,5

H

100

D2

INSTALAÇÃO

A

TBS EVO + WBAZ ØxL 6 x 60 6 x 80 6 x 100 6 x 120 6 x 140 6 x 160 6 x 180 6 x 200

A

Parafusação correcta

Parafusação excessiva

pacote fixável [mm] mín. 0 - máx. 40 mín. 10 - máx. 60 mín. 30 - máx. 80 mín. 50 - máx. 100 mín. 70 - máx.120 mín. 90 - máx. 140 mín. 110 - máx. 160 mín. 130 - máx. 180

Parafusação insuficiente

Parafusação errada fora de eixo

NOTAS: A espessura da anilha, depois da instalação, é equivalente a cerca de 8 - 9 mm.

FIXAÇÃO CHAPA Instalável sem pré-furo em chapas até 0,7 mm de espessura. TBS EVO Ø6 mm ideal em acoplamento com anilha WBAZ. Utilizável no exterior em classe de serviço 3.

CARPINTARIA | TBS EVO | 85


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

6

8

30

40

4∙d

6

8

24

32

a1

[mm]

a2

[mm]

3∙d

18

24

4∙d

24

32

a3,t

[mm]

12∙d

72

96

7∙d

42

56

a3,c

[mm]

7∙d

42

56

7∙d

42

56

a4,t

[mm]

3∙d

18

24

7∙d

42

56

a4,c

[mm]

3∙d

18

24

3∙d

18

24

5∙d

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO 6

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

8

6

8

a1

[mm]

12∙d

72

96

5∙d

30

40

a2

[mm]

5∙d

30

40

5∙d

30

40

a3,t

[mm]

15∙d

90

120

10∙d

60

80

a3,c

[mm]

10∙d

60

80

10∙d

60

80

a4,t

[mm]

5∙d

30

40

10∙d

60

80

a4,c

[mm]

5∙d

30

40

5∙d

30

40

d = diâmetro nominal do parafuso

extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c

a3,c

NOTAS: • As distâncias mínimas são de acordo com a regulamentação EN 1995:2014 de acordo com ETA-11/0030 considerando uma massa volúmica dos elementos de madeira ρk ≤ 420 kg/m3 e um diâmetro de cálculo igual a d = diâmetro nominal parafuso. • Em caso de ligação aço-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,7.

86 | TBS EVO | CARPINTARIA

• Em caso de ligação painel-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,85. • No caso de ligações com elementos de abeto de Douglas (Pseudotsuga menziesii) o espaçamento e distâncias mínimas paralelas à fibra devem ser multiplicadas por um coeficiente 1,5.


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE

geometria

madeira-madeira

TRAÇÃO painel-madeira (1)

extração da rosca(2)

penetração da cabeça

A L b d1

L

b

A

RV,k

RV,k

Rax,k

Rhead,k

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

60

40

20

2,02

1,21

3,25

2,92

8

50

30

2,31

60

40

2,47

2,27

4,06

2,92

2,54

4,87

2,92

2,54

6,09

2,92

2,54

6,09

2,92

120

75

45

2,47

140

75

65

2,47

160

75

85

2,47

2,54

6,09

2,92

180

75

105

2,47

2,54

6,09

2,92

200

75

125

2,47

2,54

6,09

2,92

100

80

20

2,95

3,41

8,66

4,39

120

80

40

3,66

140

80

60

3,90

160

100

60

3,90

SPAN = 65 mm

6

80 100

SPAN = 50 mm

d1 [mm]

3,96

8,66

4,39

3,96

8,66

4,39

3,96

10,83

4,39

3,96

10,83

4,39

3,96

10,83

4,39

180

100

80

3,90

200

100

100

3,90

220

100

120

3,90

3,96

10,83

4,39

240

100

140

3,90

3,96

10,83

4,39

NOTAS:  As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se um painel aglomerado com espessura SPAN.

• P  ara os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030.

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

• Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 420 kg/m3.

(1)

(2)

• O  s valores foram calculados considerando-se a parte roscada inserida completamente no elemento de madeira.

PRINCÍPIOS GERAIS:

• O dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira e dos painéis, devem ser feitos à parte.

• Os valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030.

• As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência.

• Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

Rk kmod γm

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo.

CARPINTARIA | TBS EVO | 87


XYLOFON WASHER ANILHA DESSOLIDARIZANTE PARA PARAFUSO PARA MADEIRA ISOLAMENTO ACÚSTICO A anilha dessolidarizante serve de separação entre elemento metálico e estrutura, reduzindo a transmissão das vibrações.

VALORES TESTADOS Mistura de poliuretano testada do ponto de vista acústico e mecânico.

CÓDIGOS E DIMENSÕES XYLOFON WASHER CÓDIGO XYLW803811

dPARAFUSO Ø8 - Ø10

dext

dint

h

[mm]

[mm]

[mm]

pçs

38

11

6,0

50

pçs

ULS 440 - ANILHA CÓDIGO ULS11343

dPARAFUSO Ø8 - Ø10

dext

dint

h

[mm]

[mm]

[mm]

34

11

3,0

200

MATERIAL E DURABILIDADE Mistura de poliuretano (80 shore). Produto sem VOC nem substâncias nocivas. Extremamente estável quimicamente e sem deformações no tempo.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Dessolidarização mecânica de ligações a corte madeira-madeira realizadas com parafusos.

88 | XYLOFON WASHER | CARPINTARIA


INVESTIGAÇÕES EXPERIMENTAIS CAPACIDADE DE CARGA E RIGIDEZ DAS LIGAÇÕES ENTRE PAINÉIS CLT COM PARAFUSOS DE ROSCA PARCIAL HBS B E ANILHAS XYLOFON WASHER

TESTE [ T-T ]

(CLT - CLT)

F

Com o auxílio de pesquisas experimentais e abordagens analíticas, foi analisado o comportamento mecânico e de deformação de ligações realizadas com parafusos HBS 8x280 entre painéis CLT instalados com/ sem anilhas desolidarizantes XYLOFON WASHER no caso de presença ou menos de perfis resilientes intermédios de desacoplamento XYLOFON35.

force application pre-tensioning

8x280/8 0

1000 135

7 x HBS

/3s

CLT 90

plain bearing 80 70

90

60

300

Fmean [kN]

50 40 30

TESTE [ T-X ] (CLT - XYLOFON35 - CLT)

20

T-T 0kN T-X 0kN T-X-W 0kN

10

T-T 30kN T-X 30kN T-X-W 30kN

0 0

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

F XYLOFON35

Displacement [mm] Representação gráfica dos dados experimentais das diferentes configurações de prova.

SÉRIE

T-T T-X T-X-W

Fmean(1)

FR,k

pré-tens. (2)

Kser

Ku

[kN]

[kN]

[kN]

[N/mm]

[N/mm]

52,9

44,0

0

30252

3524

61,4

52,4

30

42383

4090

54,4

40,1

0

7114

3629

70,9

60,5

30

9540

4726

65,0

48,3

0

6286

4330

76,2

63,4

30

7997

5080

Valor médio em 3 testes. (2) Para simular a carga de exercício foram aplicadas forças de pré-carga igual a 30 kN. (1)

TESTE [ T-X-W ] (CLT - XYLOFON35 + XYLOFON WASHER - CLT)

F XYLOFON35

ER

N WASH

XYLOFO

Os resultados dos testes experimentais mostram como a capacidade de carga das ligações é afetada pela presença do perfil resiliente XYLOFON35 (série T-X) registando uma redução de FR, k de aproximadamente 9%. No entanto adicionando as anilhas desolidarizantes XYLOFON WASHER (série T-X-W) regista-se, por outro lado, um aumento de FR, k de 10% ligado ao aumento da resistência axial de ligação (efeito cabo). Em termos de deformação a presença da camada de dissociação implica uma redução do módulo de deslizamento Kser. A componente viscosa e amortecedora de XYLOFON e a sua espessura reduzida permitem de obter um benefício acústico, contendo as repercussões sobre as prestações estáticas.

+ +

METAL WASHER XYLOFON WASHER HBS Ø8

=

• O relatório científico completo sobre a investigação experimental está disponível junto da Rothoblaas. • Campanha experimental realizada em colaboração com Technische Versuchs und Forschungsanstalt (TVFA) Innsbruck.

CARPINTARIA | XYLOFON WASHER | 89


HBS PLATE

BIT INCLUÍDOS

ETA 11/0030

PARAFUSO COM CABEÇA TRONCOCÓNICA PARA CHAPAS HBS P Concebida para as ligações aço-madeira: a cabeça tem uma forma troncocónica e uma espessura acrescida para fixar em total segurança e confiabilidade as chapas à madeira.

FIXAÇÃO CHAPAS A sub-cabeça troncocónica gera um efeito de encaixe com o orifício circular da chapa e garante excelentes performance estáticas.

ROSCA AUMENTADA Comprimento da rosca aumentada para obter uma excelente resistência ao corte e à tração nas ligações aço-madeira. Valores superiores à norma.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

ligações aço - madeira

CABEÇA

troncocónicas para chapas

DIÂMETRO

de 8,0 a 12,0 mm

COMPRIMENTO

de 80 a 200 mm

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • madeira maciça • madeira lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade Classes de serviço 1 e 2.

90 | HBS PLATE | CARPINTARIA


MULTISTOREY Ideal nas ligações aço-madeira em combinação com chapas de grandes dimensões realizadas sob medida (customized plated) concebidas para edifícios de vários andares em madeira.

TITAN Valores testados, certificados e calculados também para a fixação de chapas standard Rothoblaas.

CARPINTARIA | HBS PLATE | 91


Ligação em corte aço-madeira

Ligação estrutura mista aço-madeira

GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS Ap

d2 d1

duk

X X

BS

P

H

dk

t1

ds

b L

Diâmetro nominal

d1

[mm]

8

10

12

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

14,50

18,25

20,75

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

5,40

6,40

6,80

Diâmetro da haste

ds

[mm]

5,80

7,00

8,00

Espessura da cabeça

t1

[mm]

3,40

4,35

5,00

Diâmetro sub-cabeça

duk

[mm]

10,00

12,00

14,00

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

5,0

6,0

6,5

My,k

[Nmm]

20057

35830

47966

fax,k

[N/mm2]

11,7

11,7

11,7

fhead,k

[N/mm2]

10,5

10,5

10,5

ftens,k

[kN]

20,1

31,4

33,9

Momento plástico característico Parâmetro característico de resistência à extração Parâmetro característico de penetração da cabeça Resistência característica à tração

92 | HBS PLATE | CARPINTARIA


CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

L

b

Ap

[mm]

[mm]

[mm]

HBSP880

80

55

1,0 ÷ 15,0

100

HBSP12120

120

90

1,0 ÷ 20,0

25

HBSP8100

100

75

1,0 ÷ 15,0

100

HBSP12140

140

110

1,0 ÷ 20,0

25

HBSP8120

120

95

1,0 ÷ 15,0

100

HBSP12160

160

120

1,0 ÷ 30,0

25

HBSP8140

140

110

1,0 ÷ 20,0

100

HBSP12180

180

140

1,0 ÷ 30,0

25

HBSP8160

160

130

1,0 ÷ 20,0

100

HBSP12200

200

160

1,0 ÷ 30,0

25

HBSP10100

100

75

1,0 ÷ 15,0

50

HBSP10120

120

95

1,0 ÷ 15,0

50

[mm]

8 TX 40

10 TX 40

pçs

d1

CÓDIGO

[mm]

HBSP10140

140

110

1,0 ÷ 20,0

50

HBSP10160

160

130

1,0 ÷ 20,0

50

HBSP10180

180

150

1,0 ÷ 20,0

50

12 TX 50

L

b

Ap

[mm]

[mm]

[mm]

pçs

DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE Splate

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

8

10

12

28

35

42

4∙d ∙ 0,7

21

25

120

144

70 30

a1

[mm]

5∙d ∙ 0,7

a2

[mm]

3∙d ∙ 0,7

17

a3,t

[mm]

12∙d

96

a3,c

[mm]

7∙d

56

a4,t

[mm]

3∙d

24

a4,c

[mm]

3∙d

24

30

8

10

12

22

28

34

4∙d ∙ 0,7

22

28

34

7∙d

56

70

84

84

7∙d

56

70

84

36

7∙d

56

70

84

36

3∙d

24

30

36

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO a1

[mm]

12∙d ∙ 0,7

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

8

10

12

67

84

101

5∙d ∙ 0,7

8

10

12

28

35

42

a2

[mm]

5∙d ∙ 0,7

28

35

42

5∙d ∙ 0,7

28

35

42

a3,t

[mm]

15∙d

120

150

180

10∙d

80

100

120

a3,c

[mm]

10∙d

80

100

120

10∙d

80

100

120

a4,t

[mm]

5∙d

40

50

60

10∙d

80

100

120

a4,c

[mm]

5∙d

40

50

60

5∙d

40

50

60

d = diâmetro nominal do parafuso extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

F

a4,t

a4,c

a3,c

NOTAS: • As distâncias mínimas são de acordo com a regulamentação EN 1995:2014 de acordo com ETA-11/0030 considerando uma massa volúmica dos elementos de madeira ρk ≤ 420 kg/m3 e um diâmetro de cálculo igual a d = diâmetro nominal parafuso.

• No caso de ligações com elementos de abeto de Douglas (Pseudotsuga menziesii) o espaçamento e distâncias mínimas paralelas à fibra devem ser multiplicadas por um coeficiente 1,5.

CARPINTARIA | HBS PLATE | 93


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE aço-madeira chapa espessa (2)

aço-madeira chapa fina (1)

geometria

TRAÇÃO(3)

Splate

extração da rosca (4)

tração do aço

Splate

L b d1

b

RV,k

RV,k

Rax,k

Rtens,k

[mm]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

80

55

100

75

4,57 5,08 5,36

5,18

5,56

5,68

7,58

6,19

9,60

6,57

11,11

130

5,36

7,07

13,13

75

6,01

7,84

9,47

120

95

8,48

12,00

8,95

13,89

9,58

16,42

6,87

140

110

160

130

180

150

7,74

120

90

8,18

140

110

160

120

180

140

200

160

7,34 7,74

8,94 9,32 9,55 9,55

SPLATE ≥ 10 mm

160 100

SPLATE ≥ 12 mm

12

95 110

SPLATE ≤ 5 mm

10

120 140

SPLATE ≤ 6 mm

8

4,07

SPLATE ≥ 8 mm

L [mm]

SPLATE ≤ 4 mm

d1 [mm]

NOTAS:

10,21

18,94

10,16

13,64

10,92

16,67

11,30

18,18

12,06

21,21

12,81

24,24

20,10

31,40

33,90

PRINCÍPIOS GERAIS:

As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se o caso de chapa fina (SPLATE ≤ 0,5 d1).

• O  s valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030.

(2)

As resistências características de corte são avaliadas considerando o caso de chapa espessa (SPLATE ≥ d1).

• Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

(3)

A resistência de projecto à tração do conector é a mínima entre a resistência de projecto do lado da madeira (Rax,d) e a resistência de projecto do lado do aço (Rtens,d).

(1)

Rax,d = min

Rax,k kmod γm Rtens,k γm2

Rk kmod γm

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo.

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

(4)

Rd =

Em caso de ligações aço-madeira, é geralmente vinculante a resistência à tração do aço em relação à retirada ou à penetração da cabeça.

• Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030. • Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 385 kg/m3. • Os valores foram calculados considerando-se a parte roscada inserida completamente no elemento de madeira. • O dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira, dos painéis e das chapas de aço devem ser feitos à parte. • As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência. • Para configurações de cálculo diferentes, está disponível o software MyProject (www.rothoblaas.pt).

94 | HBS PLATE | CARPINTARIA


HBS PLATE EVO

BIT INCLUÍDOS

COATING

ETA 11/0030

PARAFUSO DE CABEÇA TRONCOCÓNICA HBS P EVO Concebida para as ligações aço-madeira no exterior: a cabeça tem uma forma troncocónica e uma espessura acrescida para fixar em total segurança e confiabilidade as chapas à madeira. As medidas pequenas (5,0 e 6,0 mm) são ideais também para ligações madeira-madeira.

REVESTIMENTO C4 EVO Múltiplas camadas 20 μm com tratamento superficial à base de resina epoxídica e flakes de alumínio. Ausência de ferrugem após testes de 1440 horas de exposição em névoa salina de acordo com ISO 9227. Utilizável no exterior em classe de serviço 3 e em classe de corrosão atmosférica C4.

MADEIRAS AGRESSIVAS Ideal em aplicações com essências contendo tanino ou tratadas com impregnantes ou outros processos químicos.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

classe de corrosividade C4

CABEÇA

troncocónicas para chapas

DIÂMETRO

de 5,0 a 10,0 mm

COMPRIMENTO

de 40 a 180 mm

MATERIAL Aço carbónico com revestimento 20 μm de alta resistência à corrosão.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • madeira maciça e lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade • madeiras agressivas (contendo tanino) • madeiras tratadas quimicamente Classes de serviço 1, 2 e 3.

96 | HBS PLATE EVO | CARPINTARIA


GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS Ap

At tk

H

t1

duk

ds

dk

P

BS

BS

d2 d1

X X

P

H

dk

d2 d1

X X

tk

duk

t1

b

ds

b L

L HBS P EVO - 5,0 | 6,0 mm

HBS P EVO - 8,0 | 10,0 mm

Diâmetro nominal

d1

[mm]

5

6

8

10

Diâmetro da cabeça

dk

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

9,65

12,00

14,50

18,25

[mm]

3,40

3,95

5,40

6,40

Diâmetro da haste

ds

[mm]

3,65

Espessura da cabeça

t1

[mm]

4,50

4,30

5,80

7,00

5,00

4,60

5,65

Espessura anilha

tk

[mm]

1,00

1,50

3,40

4,35

Diâmetro sub-cabeça

duk

[mm]

6,0

8,0

10,00

12,00

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

3,0

4,0

5,0

6,0

Momento plástico característico

My,k

[Nmm]

5417,2

9493,7

20057,5

35829,6

fax,k

[N/mm ]

11,7

11,7

11,7

11,7

fhead,k

[N/mm2]

10,5

10,5

10,5

10,5

ftens,k

[kN]

7,9

11,3

20,1

31,4

Parâmetro característico de resistência à extração Parâmetro característico de penetração da cabeça Resistência característica à tração

2

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm] 5 TX 25 6 TX 30 8 TX 40

L

b

At

[mm] [mm] [mm] HBSPEVO550 HBSPEVO560 HBSPEVO570 HBSPEVO580 HBSPEVO680 HBSPEVO690 HBSPEVO840 HBSPEVO860 HBSPEVO880 HBSPEVO8100

50 60 70 80 80 90 40 60 80 100

30 35 40 50 50 55 32 52 55 75

20 25 30 30 30 35 -

Ap

pçs

[mm] 1,0 ÷ 10,0 1,0 ÷ 10,0 1,0 ÷ 10,0 1,0 ÷ 10,0 1,0 ÷ 10,0 1,0 ÷ 10,0 1,0 ÷ 15,0 1,0 ÷ 15,0 1,0 ÷ 15,0 1,0 ÷ 15,0

d1

CÓDIGO

[mm] 200 200 100 100 100 100 100 100 100 100

8 TX 40

10 TX 40

HBSPEVO8120 HBSPEVO8140 HBSPEVO8160 HBSPEVO1060 HBSPEVO1080 HBSPEVO10100 HBSPEVO10120 HBSPEVO10140 HBSPEVO10160 HBSPEVO10180

L

b

Ap

[mm]

[mm]

[mm]

120 140 160 60 80 100 120 140 160 180

95 110 130 52 60 75 95 110 130 150

1,0 ÷ 15,0 1,0 ÷ 20,0 1,0 ÷ 20,0 1,0 ÷ 15,0 1,0 ÷ 15,0 1,0 ÷ 15,0 1,0 ÷ 15,0 1,0 ÷ 20,0 1,0 ÷ 20,0 1,0 ÷ 20,0

pçs 100 100 100 50 50 50 50 50 50 50

TYP R Ideal para a fixação de chapas standard Rothoblaas situadas em ambientes exteriores. A versão de diâmetro 5 mm é ideal para a fixação das tábuas para terraços.

CARPINTARIA | HBS PLATE EVO | 97


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

5

6

8

10

25

30

40

50

5

6

8

10

4∙d

20

24

32

40

a1

[mm]

a2

[mm]

3∙d

15

18

24

30

4∙d

20

24

32

40

a3,t

[mm]

12∙d

60

72

96

120

7∙d

35

42

56

70

a3,c

[mm]

7∙d

35

42

56

70

7∙d

35

42

56

70

a4,t

[mm]

3∙d

15

18

24

30

7∙d

35

42

56

70

a4,c

[mm]

3∙d

15

18

24

30

3∙d

15

18

24

30

5∙d

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO 5

6

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

8

10

5

6

8

10

a1

[mm]

12∙d

60

72

96

120

5∙d

25

30

40

50

a2

[mm]

5∙d

25

30

40

50

5∙d

25

30

40

50

0

10∙d

50

60

80

100

a3,t

[mm]

15∙d

75

90

120

a3,c

[mm]

10∙d

50

60

80

150

10∙d

50

60

80

100

a4,t

[mm]

5∙d

25

30

40

100

10∙d

50

60

80

100

a4,c

[mm]

5∙d

25

30

40

50

5∙d

25

30

40

50

d = diâmetro nominal do parafuso

extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c

a3,c

NOTAS: • As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030, considerando-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk ≤ 420 kg/m3. • No caso de ligações com elementos de abeto de Douglas o espaçamento e distâncias mínimas paralelas à fibra devem ser multiplicadas por um coeficiente 1,5.

98 | HBS PLATE EVO | CARPINTARIA

• Em caso de ligação aço-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,7. • Em caso de ligação painel-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,85.


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE

geometria

madeira-madeira

TRAÇÃO aço-madeira chapa fina (2)

painel-madeira (1)

aço-madeira chapa espessa (3) Splate

extração da rosca (4)

penetração da cabeça (5)

Splate

A L b d1

b

A

RV,k

RV,k

RV,k

RV,k

RV,k

Rax,k

Rhead,k

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

1,06

40

30

1,52

50

30

1,52

80

30

50

2,02

90

35

55

2,18

40

32

8

1,18

-

-

2,13

60

52

8

1,18

-

-

3,31

2,32

2,39

4,29

SPAN = 15 mm

SPAN = 12 mm

1,59

2,35 2,45

25

2,67

75

25

2,67

120

95

25

2,67

140

110

30

2,83

2,32

2,39

5,60

160

130

30

2,83

2,32

2,39

5,60

2,32 2,32

2,39 2,39

SPLATE = 4 mm

55

SPAN = 18 mm

80

4,83 5,37

2,25

2,03

1,13

2,34

2,37

1,13

2,42

2,71

1,13

2,59

3,38

1,13

3,07

2,44

1,75

3,17

2,84

1,75

3,66

3,47

2,55

5,12

5,63

2,55

5,45

5,96

2,55

5,99

8,12

2,55

6,53

10,29

2,55

6,94

11,91

2,55

7,48

14,08

2,55

8

1,38

-

-

3,80

6,31

7,04

4,05

20

3,45

2,55

3,06

5,18

7,74

8,12

4,05

100

75

25

3,45

3,06

6,56

8,26

10,15

4,05

120

95

25

3,77

8,93

12,86

4,05

2,55 2,55 2,55

3,06

140

110

30

3,91

9,44

14,89

4,05

160

130

30

3,91

2,55

3,06

8,09

10,12

17,60

4,05

180

150

30

3,91

2,55

3,06

8,09

10,80

20,31

4,05

NOTAS: (1)

As resistências características de corte são avaliadas considerando um painel OSB3 ou OSB4 de acordo com EN 300 ou um painel de partículas de acordo com EN 312 de espessura SPAN..

(2)

As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se o caso de chapa fina (SPLATE ≤ 0,5 d1).

As resistências características de corte são avaliadas considerando o caso de chapa espessa (SPLATE ≥ d1).

(3)

3,06

7,26 7,77

SPLATE = 10 mm

52 60

SPLATE = 5 mm

60 80

SPAN = 18 mm

10

1,51

1,59

1,91 2,08

100

SPAN = 15 mm

8

1,51

1,12

SPLATE = 3 mm

70

1,06

1,12

1,74 1,83

80 6

1,06

1,12 1,12

SPLATE = 6 mm

1,06

1,43

SPLATE = 8 mm

1,29

25

SPAN = 12 mm

20

35

SPAN = 9 mm

30

SPAN = 15 mm

5

50 60

SPLATE = 5,0 mm

L [mm]

SPLATE = 2,5 mm

d1 [mm]

PRINCÍPIOS GERAIS: • Os valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030. • Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

Rk kmod γm

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo.

(5)

A resistência axial de penetração da cabeça, com e sem anilha, foi avaliada sobre elemento de madeira.

• Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030.

Em caso de ligações aço-madeira, é geralmente vinculante a resistência à tração do aço em relação à retirada ou à penetração da cabeça.

• Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 420 kg/m3.

(4)

• Os valores foram calculados considerando-se a parte roscada inserida completamente no elemento de madeira. • O dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira, dos painéis e das chapas de aço devem ser feitos à parte. • As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência. • Para configurações de cálculo diferentes, está disponível o software MyProject (www.rothoblaas.pt).

CARPINTARIA | HBS PLATE EVO | 99


LBS

BIT INCLUÍDOS

ETA 11/0030

PARAFUSO COM CABEÇA REDONDA PARA CHAPAS PARAFUSO PARA CHAPAS PERFURADAS Sub-cabeça cilíndrica estudada para a fixação de elementos metálicos. O efeito de encaixe com o orifício da chapa garante excelentes perfomances estáticas.

ESTÁTICA Calculável em acordo com o Eurocódigo 5 na condição de ligações madeira-aço com chapa espessa também com elementos metálicos súbtis. Excelentes valores de resistência ao corte.

DUCTILIDADE Ângulo de dobra mais amplo de 20° em relação à norma, certificado de acordo com ETA 11/0030. Ensaios cíclicos SEISMIC-REV de acordo com EN 12512.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

parafuso para chapas perfuradas

CABEÇA

redondo com sub-cabeça cilíndrica

DIÂMETRO

5,0 | 7,0 mm

COMPRIMENTO

de 25 a 100 mm

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • madeira maciça • madeira lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade Classes de serviço 1 e 2.

100 | LBS | CARPINTARIA


GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS duk d2 d1

dk b L

t1

Diâmetro nominal

d1

[mm]

5

7

Diâmetro da cabeça

dk

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

7,80

11,00

[mm]

3,00

4,40

Diâmetro sub-cabeça

duk

[mm]

4,90

7,00

Espessura da cabeça

t1

[mm]

2,40

3,50

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

3,0

4,0

Momento plástico característico

My,k

[Nmm]

5417

14174

fax,k

[N/mm ]

11,7

11,7

fhead,k

[N/mm2]

10,5

10,5

ftens,k

[kN]

7,9

19,2

Parâmetro característico de resistência à extração Parâmetro característico de penetração da cabeça Resistência característica à tração

2

Parâmetros mecânicos parafuso LBS Ø7 obtidos com ensaios experimentais.

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm]

5 TX 20

L

b

[mm]

[mm]

pçs

d1

CÓDIGO

[mm]

LBS525

25

21

500

LBS540

40

36

500

LBS550

50

46

200

LBS560

60

56

200

LBS570

70

66

200

7 TX 30

L

b

[mm]

[mm]

pçs

LBS760

60

55

100

LBS780

80

75

100

LBS7100

100

95

100

ALUMAXI Valores testados, certificados e calculados também para a fixação de chapas standard Rothoblaas. A versão diâmetro 7 mm é ideal para a ligação do conector não aparente ALUMAXI.

CARPINTARIA | LBS | 101


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE | AÇO-MADEIRA

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

5

7

18

25

4∙d ∙ 0,7

5

7

14

20

a1

[mm]

5∙d ∙ 0,7

a2

[mm]

3∙d ∙ 0,7

11

15

4∙d ∙ 0,7

14

20

a3,t

[mm]

12∙d

60

84

7∙d

35

49

a3,c

[mm]

7∙d

35

49

7∙d

35

49

a4,t

[mm]

3∙d

15

21

7∙d

35

49

a4,c

[mm]

3∙d

15

21

3∙d

15

21

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO 5

7

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO 5

7

a1

[mm]

12∙d ∙ 0,7

42

59

5∙d ∙ 0,7

18

25

a2

[mm]

5∙d ∙ 0,7

18

25

5∙d ∙ 0,7

18

25

a3,t

[mm]

15∙d

75

105

10∙d

50

70

a3,c

[mm]

10∙d

50

70

10∙d

50

70

a4,t

[mm]

5∙d

25

35

10∙d

50

70

a4,c

[mm]

5∙d

25

35

5∙d

25

35

d = diâmetro nominal do parafuso

extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c

a3,c

NOTAS: • As distâncias mínimas são de acordo com a regulamentação EN 1995:2014 de acordo com ETA considerando uma massa volúmica dos elementos de madeira ρk ≤ 420 kg/m3 e um diâmetro de cálculo igual a d = diâmetro nominal prego.

102 | LBS | CARPINTARIA

• Em caso de ligação madeira-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 1,5.


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE AÇO-MADEIRA (1)

geometria

aço-madeira Splate

L

b

d1

d1

L

b

Rv,k [kN]

[mm]

[mm]

[mm]

SPLATE=1,5 mm

SPLATE=2 mm

SPLATE=2,5 mm

SPLATE=3 mm

SPLATE=4 mm

SPLATE=5 mm

SPLATE=6 mm

5

25 40 50 60 70

21 36 46 56 66

0,92 1,50 1,88 2,07 2,22

0,90 1,48 1,87 2,07 2,22

0,88 1,46 1,85 2,07 2,22

1,00 1,60 1,94 2,16 2,32

1,24 1,90 2,14 2,36 2,52

1,48 2,18 2,37 2,54 2,70

1,44 2,13 2,37 2,52 2,68

SPLATE=2 mm

SPLATE=3 mm

SPLATE=4 mm

SPLATE=5 mm

SPLATE=6 mm

SPLATE=7 mm

SPLATE=8 mm

7

60 80 100

56 76 96

2,86 3,83 4,27

2,81 3,80 4,27

2,98 3,89 4,40

3,37 4,13 4,63

3,78 4,38 4,86

4,21 4,65 5,10

4,18 4,63 5,07

CORTE MADEIRA - MADEIRA

TRAÇÃO

madeira-madeira

extração da rosca(2)

geometria

A L

b

d1

d1

L

b

A

Rv,k

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

25 40 50 60 70 60 80 100

21 36 44 56 66 56 76 96

15 20 25 30 25 35 45

1,01 1,11 1,24 1,35 1,91 2,25 2,49

1,33 2,27 2,78 3,54 4,17 4,95 6,72 8,49

5

7

Rax,k

NOTAS: (1)

As resistências características ao corte são avaliadas para chapas com espessura = SPLATE, considerando o caso de chapa subtil (SPLATE ≤ 0,5 d1), intermédia (0,5 d1 < SPLATE < d1) ou espessa (SPLATE ≥ d1).

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um

(2)

ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

PRINCÍPIOS GERAIS: • O  s valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030. • Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo. • P  ara os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030 e da "Test Report No. 186121" de Karlsruher Institut für Technologie (KIT). • E  m fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 385 kg/m3. • O  dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira e das chapas em aço devem ser realizados separadamente. • As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência.

Rk kmod γm

CARPINTARIA | LBS | 103


LBA PREGO DE ADERÊNCIA MELHORADA PREGO ANKER Prego com haste serrilhada para uma melhor resistência à extração.

MARCAÇÃO CE Prego na posse de marcação CE de acordo com ETA para fixação de chapas metálicas em estruturas de madeira.

AÇO INOXIDÁVEL Disponível também em aço inoxidável A4 | AISI316.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

prego serrilhado

CABEÇA

plana

DIÂMETRO

4,0 | 6,0 mm

COMPRIMENTO

de 40 a 100 mm

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica branca e em aço inoxidável A4.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • painéis aglomerados e MDF • madeira maciça • madeira lamelar • CLT, LVL Classes de serviço 1 e 2.

104 | LBA | CARPINTARIA


GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS d1 de

dk b

t1

L

Diâmetro nominal

d1

[mm]

4

6

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

8,00

12,00

Diâmetro sub-cabeça

de

[mm]

4,40

6,65

Espessura da cabeça

t1

[mm]

1,40

2,00

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

3,0

4,5

My,k

[Nmm]

6500

19000

fax,k

[N/mm2]

7,5

7,5

ftens,k

[kN]

6,9

11,4

Momento plástico característico Parâmetro característico de resistência à extracção Resistência característica à tração

CÓDIGOS E DIMENSÕES LBA d1

LBAI A4 | AISI316 CÓDIGO

[mm]

4

6

LBA440 LBA450 LBA460 LBA475 LBA4100 LBA660 LBA680 LBA6100

L

b

[mm]

[mm]

40 50 60 75 100 60 80 100

30 40 50 60 80 50 70 80

pçs

d1

250 250 250 250 250 250 250 250

4

4-6

50

40

250

L

pçs

LBAI450

d1

CÓDIGO

[mm] L

pçs

4 34°

[mm] HH20006080 HH20006085 HH20006090

disparo

pçs

CÓDIGO

[mm] HH3731

b [mm]

40 50 60

2000 2000 2000

0116 REBITADEIRA ANKER 34°

3731 REBITADEIRA PALMAR d PREGO

L [mm]

PREGO ANKER - K34°

d

CÓDIGO

CÓDIGO

[mm]

d PREGO

disparo

pçs

unitário

1

[mm] unitário

1

ATEU0116

4

WHT Valores testados, certificados e calculados também para a fixação de chapas standard Rothoblaas. A utilização da rebitadeira portátil acelera a colocação em obra.

CARPINTARIA | LBA | 105


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PREGOS SOB TENSÃO AO CORTE | AÇO-MADEIRA

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO 4 a1

[mm]

5∙d ∙ 0,7

a2

[mm]

a3,t

[mm]

a3,c

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO 6

14

5∙d ∙ 0,7

3∙d ∙ 0,7

8

12∙d

48

[mm]

7∙d

a4,t

[mm]

3∙d

a4,c

[mm]

3∙d

4

21

4∙d ∙ 0,7

3∙d ∙ 0,7

13

12∙d

72

28

7∙d

42

12

3∙d

18

12

3∙d

18

3∙d

11

4∙d ∙ 0,7

4∙d ∙ 0,7

11

4∙d ∙ 0,7

17

7∙d

28

7∙d

42

7∙d

28

7∙d

42

5∙d

20

7∙d

42

12

3∙d

18

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO 4

6 17

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO 6

4

6

a1

[mm]

10∙d ∙ 0,7

28

12∙d ∙ 0,7

50

5∙d ∙ 0,7

14

5∙d ∙ 0,7

21

a2

[mm]

5∙d ∙ 0,7

14

5∙d ∙ 0,7

21

5∙d ∙ 0,7

14

5∙d ∙ 0,7

21

a3,t

[mm]

15∙d

60

15∙d

90

10∙d

40

10∙d

60

a3,c

[mm]

10∙d

40

10∙d

60

10∙d

40

10∙d

60

a4,t

[mm]

5∙d

20

5∙d

30

7∙d

28

10∙d

60

a4,c

[mm]

5∙d

20

5∙d

30

5∙d

20

5∙d

30

d = diâmetro nominal prego

extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F a3,t

NOTAS: • As distâncias mínimas são de acordo com a regulamentação EN 1995:2014 de acordo com ETA considerando uma massa volúmica dos elementos de madeira ρk ≤ 420 kg/m3 e um diâmetro de cálculo igual a d = diâmetro nominal prego.

106 | LBA | CARPINTARIA

F α

α a3,c

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014

CORTE AÇO-MADEIRA

TRAÇÃO

aço-madeira

extração da roscagem

geometria

Splate L b

d1

[mm]

[kN]

[kN]

40 50 60 75 100 60 80 100

30 40 50 60 80 50 70 80

4

6

2,05 2,34 2,50 2,66 2,99 2,59 3,47 4,30

2,03 2,34 2,50 2,66 2,99 2,57 3,45 4,30

2,02 2,34 2,50 2,66 2,99 3,43 4,23 4,79

2,00 2,34 2,50 2,66 2,99 4,29 5,03 5,28

1,98 2,34 2,50 2,66 2,99 4,25 5,03 5,28

1,95 2,34 2,50 2,66 2,99 4,21 5,03 5,28

SPLATE = 6 mm

[mm]

SPLATE = 5 mm

[mm]

SPLATE = 4 mm

Rax,k (2)

SPLATE = 3 mm

Rv,k (1)

SPLATE = 2,5 mm

b

SPLATE = 2 mm

L

SPLATE = 1,5 mm

d1

1,92 2,34 2,50 2,66 2,99 4,17 5,03 5,28

0,97 1,30 1,62 1,94 2,59 2,43 3,40 3,89

CORTE AÇO - LVL

TRAÇÃO

aço-LVL

extração da roscagem

geometria

Splate L b

d1

[mm]

[kN]

[kN]

40 50 60 75 100 60 80 100

30 40 50 60 80 50 70 80

4

6

2,47 2,66 2,86 3,05 3,43 3,23 4,33 4,95

2,45 2,66 2,86 3,05 3,43 3,20 4,30 4,95

2,43 2,66 2,86 3,05 3,43 4,17 5,01 5,50

NOTAS: (1)

As resistências características de corte para pregos LBA Ø4 são avaliadas para chapas com espessura = SPLATE, considerando sempre o caso de chapa grossa de acordo a ETA (SPLATE ≥ 1,5 mm).

As resistências características de corte para pregos LBA Ø6 são avaliadas para chapas com espessura = SPLATE, considerando o caso de placa fina (SPLATE ≤ 2,0 mm), intermédia (2,0 < SPLATE < 3,0 mm) ou espessa (SPLATE ≥ 3,0 mm) de acordo com ETA. (2)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

2,41 2,66 2,86 3,05 3,43 5,17 5,75 6,04

2,38 2,66 2,86 3,05 3,43 5,12 5,75 6,04

2,34 2,66 2,86 3,05 3,43 5,07 5,75 6,04

SPLATE = 6 mm

[mm]

SPLATE = 5 mm

[mm]

SPLATE = 4 mm

Rax,k (2)

SPLATE = 3 mm

Rv,k (1)

SPLATE = 2,5 mm

b

SPLATE = 2 mm

L

SPLATE = 1,5 mm

d1

2,31 2,66 2,86 3,05 3,43 5,02 5,75 6,04

1,16 1,54 1,93 2,32 3,09 2,90 4,06 4,63

PRINCÍPIOS GERAIS: • O  s valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA. • Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

Rk kmod γm

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo. • E  m fase de cálculo se for considerada uma massa volúmica igual a ρk = 385 kg/m3 para os elementos em madeira e igual a ρk = 480 kg/m3 para LVL. • O dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira e das chapas em aço devem ser realizados separadamente. • As resistências características ao corte são avaliadas para pregos inseridos sem pré-furo; no caso de pregos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência.

CARPINTARIA | LBA | 107


KOP

EN 14592

TIRAFON DIN571 MARCAÇÃO CE Parafuso dotado de marcação CE conforme EN 14592.

CABEÇA SEXTAVADA Apropriado para utilização sobre chapas nas aplicações aço-madeira graças à cabeça sextavada.

VERSÃO PARA AMBIENTE EXTERIOR Disponível também em aço inoxidável A2/AISI304 para aplicação em ambiente exterior (classe de serviço 3).

CARACTERÍSTICAS FOCUS

tirafon com marcação CE

CABEÇA

sextavada

DIÂMETRO

de 8,0 a 16,0 mm

COMPRIMENTO

de 50 a 400 mm

MATERIAL Versão em aço carbónico com zincagem galvânica branca e em aço inoxidável A2.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • painéis aglomerados e MDF • madeira maciça • madeira lamelar • CLT, LVL Classes de serviço 1 e 2.

108 | KOP | CARPINTARIA


GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS A

SW

d2 d1 ds

b

k Diâmetro nominal Medida da chave Diâmetro do núcleo Diâmetro da haste Diâmetro do pré-furo - parte lisa Diâmetro do pré-furo - parte roscada Comprimento da rosca Momento plástico característico Parâmetro característico de resistência à extração Densidade associada Parâmetro característico de penetração da cabeça Densidade associada Resistência característica à tração

L d1 SW d2 dS dv1 dv2 b

[mm] [mm] [mm] [mm] [mm] [mm] [mm]

8 13 5,60 8,00 8,0 5,5

My,k

[Nmm]

fax,k

10 17 7,00 10,00 10,0 7,0

12 19 9,00 12,00 12,0 8,5

16 24 12,00 16,00 16,0 11,0

≥ 0,6 L 16900

32200

65700

138000

[N/mm2]

12,9

10,6

10,2

10,0

ρa

[kg/m3]

400

400

440

360

fhead,k

[N/mm2]

22,8

19,8

16,4

16,5

ρa

[kg/m ]

440

420

430

430

ftens,k

[kN]

15,7

23,6

37,3

75,3

CÓDIGO

L

3

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm]

8 SW 13

10 SW 17

12 SW 19

L

pçs

[mm] KOP850 KOP860 KOP870 KOP880 KOP8100 KOP8120 KOP8140 KOP8160 KOP8180 KOP8200 KOP1050 KOP1060 KOP1080 KOP10100 KOP10120 KOP10140 KOP10150 KOP10160 KOP10180 KOP10200 KOP10220 KOP10240 KOP10260 KOP10280 KOP10300 KOP1250 KOP1260 KOP1270 KOP1280 KOP1290 KOP12100 KOP12120 KOP12140

50 60 70 80 100 120 140 160 180 200 50 60 80 100 120 140 150 160 180 200 220 240 260 280 300 50 60 70 80 90 100 120 140

100 100 100 100 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 25 25 25 25

d1 [mm]

[mm]

KOP12150 KOP12160 KOP12180 KOP12200 KOP12220 KOP12240 KOP12260 12 SW 19 KOP12280 KOP12300 KOP12320 KOP12340 KOP12360 KOP12380 KOP12400 KOP1680 KOP16100 KOP16120 KOP16140 KOP16150 KOP16160 KOP16180 KOP16200 KOP16220 16 SW 24 KOP16240 KOP16260 KOP16280 KOP16300 KOP16320 KOP16340 KOP16360 KOP16380 KOP16400

150 160 180 200 220 240 260 280 300 320 340 360 380 400 80 100 120 140 150 160 180 200 220 240 260 280 300 320 340 360 380 400

pçs 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25 25

CARPINTARIA | KOP | 109


CÓDIGOS E DIMENSÕES VERSÃO A2 | AISI304 d1

CÓDIGO

L

[mm]

pçs

d1

[mm] AI571850

8 SW 13

10 SW 17

CÓDIGO

L

[mm]

50

100

AI571860

60

100

AI571880

80

100

[mm] AI57112100

12 SW 19

pçs

100

25

AI57112120

120

25

AI57112140

140

25

AI5718100

100

50

AI57112160

160

25

AI5718120

120

50

AI57112180

180

25

AI5711050

50

50

AI5711060

60

50

AI5711080

80

50

AI57110100

100

50

AI57110120

120

50

AI57110140

140

50

AI57110160

160

50

AI57110180

180

50

AI57110200

200

50

Os parafusos de aço inoxidável não são dotados de marcação CE.

DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO 8

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

10

12

16

8

10

12

16

a1

[mm]

5∙d

40

50

60

80

4∙d

32

40

48

64

a2

[mm]

4∙d

32

40

48

64

4∙d

32

40

48

64

a3,t

[mm]

7∙d (mín. 80 mm)

80

80

84

112

7∙d (mín. 80 mm)

80

80

84

112

a3,c

[mm]

4∙d

32

40

48

64

7∙d

56

70

84

112

a4,t

[mm]

3∙d

24

30

36

48

4∙d

32

40

48

64

a4,c

[mm]

3∙d

24

30

36

48

3∙d

24

30

36

48

d = diâmetro nominal prego extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c

a3,c

NOTAS: • As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014. • Para parafusos KOP com um diâmetro d > 6 mm é pedido a pré-furação de acordo com EN 1995:2014: -- furo-guia para a parte de haste lisa de dimensões iguais ao diâmetro da própria haste e profundidade igual ao comprimento da haste.

110 | KOP | CARPINTARIA

-- furo-guia para a porção roscada de diâmetro igual aproximadamente a 70% do diâmetro da haste.


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE madeira-madeira α = 0° (1)

geometria

madeira-madeira α = 90° (2)

TRAÇÃO aço-madeira chapa fina (3)

aço-madeira chapa espessa (4)

Splate

A

extração da rosca (5)

penetração da cabeça (6)

Splate

L b d1

d1

L

b(7)

A

RV,k

RV,k

RV,k

RV,k

Rax,k

Rhead,k

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

50

30

20

2,96

2,23

2,64

3,75

2,78

3,54

60

36

24

3,28

2,68

3,22

4,38

3,34

3,54

2,87

3,51

4,56

3,90

3,54

3,78

3,01

3,65

4,70

4,45

3,54

100

60

40

3,96

3,32

4,98

5,56

3,54

120

72

48

3,96

3,42

5,25

6,68

3,54

140

84

56

3,96

3,42

5,53

7,79

3,54

3,93 4,20 4,48

SPLATE ≥ 8 mm

3,55

32

SPLATE ≤ 4 mm

28

160

96

64

3,96

3,42

4,76

5,81

8,90

3,54

180

108

72

3,96

3,42

5,04

6,09

10,02

3,54

200

120

80

3,96

3,42

5,07

6,37

11,13

3,54

50

30

20

3,48

2,56

3,10

4,65

2,86

5,45

60

36

24

4,18

3,07

3,79

5,30

3,43

5,45

80

48

32

5,01

4,01

4,97

6,56

4,57

5,45

100

60

40

5,78

4,56

5,26

6,84

5,72

5,45

120

72

48

6,05

4,92

5,54

7,13

6,86

5,45

5,83

140

84

56

6,05

5,19

150

90

60

6,05

5,19

160

96

64

6,05

5,19

180

108

72

6,05

5,19

200

120

80

6,05

5,19

6,69

220

132

88

6,05

5,19

240

144

96

6,05

5,19

5,97 6,12 6,40

SPLATE ≥ 10 mm

10

42 48

SPLATE ≤ 5 mm

8

70 80

7,42

8,00

5,45

7,56

8,57

5,45

7,70

9,14

5,45

7,99

10,29

5,45

8,27

11,43

5,45

6,97

8,56

12,57

5,45

7,26

8,85

13,72

5,45

260

156

104

6,05

5,19

7,54

9,13

14,86

5,45

280

168

112

6,05

5,19

7,66

9,42

16,00

5,45

300

180

120

6,05

5,19

7,66

9,70

17,15

5,45

NOTAS: As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se um ângulo α entre a força e as fibras equivalente a 0°.

(1)

As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se um ângulo α entre a força e as fibras equivalente a 90°.

(5)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

(6)

A resistência axial de penetração da cabeça foi avaliada sobre elemento de madeira. Em caso de ligações aço-madeira, é geralmente vinculante a resistência à tração do aço em relação à retirada ou à penetração da cabeça.

(7)

Em fase de cálculo, considerou-se um comprimento de rosca b = 0,6 L, à excepção das medidas (*).

(2)

 As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se o caso de chapa fina (SPLATE ≤ 0,5 d1).

(3)

 As resistências características de corte são avaliadas considerando o caso de chapa espessa (SPLATE ≥ d1).

(4)

CARPINTARIA | KOP | 111


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE madeira-madeira α = 0° (1)

geometria

madeira-madeira α = 90° (2)

TRAÇÃO aço-madeira chapa fina (3)

aço-madeira chapa espessa (4)

Splate

A

extração da rosca (5)

penetração da cabeça (6)

Splate

L b d1

d1

L

b(7)

A

RV,k

RV,k

RV,k

RV,k

Rax,k

Rhead,k

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

50

30

20

4,01

2,89

3,49

6,10

3,06

5,54

60

36

24

4,81

3,46

4,28

6,67

3,67

5,54

70

42

28

5,61

4,04

5,07

7,36

4,28

5,54

80

48

32

6,42

4,62

5,86

8,12

4,89

5,54

54

36

6,92

5,19

6,66

8,94

5,50

5,54

60

40

7,20

5,63

7,40

9,78

6,12

5,54

120

72

48

7,82

6,02

7,70

10,13

7,34

5,54

84

56

8,50

6,41

8,01

10,44

8,56

5,54

150

90

60

8,64

6,62

8,16

10,59

9,17

5,54

10,74

9,78

5,54

11,05

11,01

5,54

11,36

12,23

5,54

11,66

13,45

5,54

8,31

SPLATE ≥ 12 mm

140 160

96

64

8,64

6,84

180

108

72

8,64

7,25

200

120

80

8,64

7,25

220

132

88

8,64

7,25

240

144

96

8,64

7,25

9,54

11,97

14,68

5,54

260

156

104

8,64

7,25

9,84

12,27

15,90

5,54

SPLATE ≤ 6 mm

12

90 100

8,62 8,92 9,23

280

168

112

8,64

7,25

10,15

12,58

17,12

5,54

300

180

120

8,64

7,25

10,45

12,88

18,35

5,54

320

192

128

8,64

7,25

10,76

13,19

19,57

5,54

340

195 *

145

8,64

7,25

10,84

13,27

19,88

5,54

360

195 *

165

8,64

7,25

10,84

13,27

19,88

5,54

380

195 *

185

8,64

7,25

10,84

13,27

19,88

5,54

400

195 *

205

8,64

7,25

10,84

13,27

19,88

5,54

NOTAS: A  s resistências características ao corte são avaliadas considerando-se um ângulo α entre a força e as fibras equivalente a 0°.

(1)

As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se um ângulo α entre a força e as fibras equivalente a 90°.

(2)

 As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se o caso de chapa fina (SPLATE ≤ 0,5 d1).

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

(5)

(6)

A resistência axial de penetração da cabeça foi avaliada sobre elemento de madeira. Em caso de ligações aço-madeira, é geralmente vinculante a resistência à tração do aço em relação à retirada ou à penetração da cabeça.

(7)

Em fase de cálculo, considerou-se um comprimento de rosca b = 0,6 L, à excepção das medidas (*).

(3)

As resistências características de corte são avaliadas considerando o caso de chapa espessa (SPLATE ≥ d1).

(4)

112 | KOP | CARPINTARIA


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE madeira-madeira α = 0° (1)

geometria

madeira-madeira α = 90° (2)

TRAÇÃO aço-madeira chapa fina (3)

aço-madeira chapa espessa (4)

Splate

A

extração da rosca (5)

penetração da cabeça (6)

Splate

L b d1

d1

L

b(7)

A

RV,k

RV,k

RV,k

RV,k

Rax,k

Rhead,k

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

48

32

8,49

6,03

6,99

11,17

7,51

8,89

60

40

10,48

7,42

8,93

13,02

9,39

8,89

120

72

48

11,43

8,46

10,87

15,10

11,26

8,89

140

84

56

12,18

9,28

12,70

16,59

13,14

8,89

90

60

12,58

9,50

12,93

16,83

14,08

8,89

96

64

12,99

9,72

13,16

17,06

15,02

8,89

180

108

72

13,86

10,20

13,63

17,53

16,89

8,89

200

120

80

14,09

10,72

14,10

18,00

18,77

8,89

220

132

88

14,09

11,26

18,47

20,65

8,89

240

144

96

14,09

11,63

18,94

22,53

8,89

260

156

104

14,09

11,63

19,41

24,40

8,89

15,04 15,51

280

168

112

14,09

11,63

15,98

19,88

26,28

8,89

300

180

120

14,09

11,63

16,45

20,35

28,16

8,89

320

192

128

14,09

11,63

16,92

20,82

30,04

8,89

340

204

136

14,09

11,63

17,39

21,29

31,91

8,89

360

205 *

155

14,09

11,63

17,43

21,33

32,07

8,89

380

205 *

175

14,09

11,63

17,43

21,33

32,07

8,89

400

205 *

195

14,09

11,63

17,43

21,33

32,07

8,89

NOTAS: As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se um ângulo α entre a força e as fibras equivalente a 0°.

(1)

As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se um ângulo α entre a força e as fibras equivalente a 90°.

(2)

As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se o caso de chapa fina (SPLATE ≤ 0,5 d1).

PRINCÍPIOS GERAIS: • Os valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014. • Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

(3)

As resistências características de corte são avaliadas considerando o caso de chapa espessa (SPLATE ≥ d1).

(4)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

(5)

A resistência axial de penetração da cabeça foi avaliada sobre elemento de madeira. Em caso de ligações aço-madeira, é geralmente vinculante a resistência à tração do aço em relação à retirada ou à penetração da cabeça.

(6)

Em fase de cálculo, considerou-se um comprimento de rosca b = 0,6 L, à excepção das medidas (*).

(7)

14,57

SPLATE ≤ 16 mm

150 160

SPLATE ≤ 8 mm

16

80 100

Rd =

Rk kmod γm

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo.

• E  m fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 350 kg/m3. • O  s valores foram calculados considerando-se a parte roscada mínima completamente inserida no elemento de madeira. • O  dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira e das chapas em aço devem ser realizados separadamente. • As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos com pré-furo.

CARPINTARIA | KOP | 113


DRS PARAFUSO DISTANCIADOR MADEIRA-MADEIRA DUPLA ROSCA DIFERENCIADA Rosca sub-cabeça com geometria estudada especificamente para criar e regular um espaço entre as espessuras fixáveis.

FACHADAS VENTILADAS A dupla rosca diferenciada é ideal para se regular a posição das ripas da fachada e criar a verticalidade correcta; ideal para nivelar instalações de painéis, ripas, tectos falsos, pavimentações.

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

L

b

[mm]

[mm]

DRS680S

80

44

100

DRS6100S

100

56

100

DRS6120S

120

66

100

DRS6145S

145

66

100

[mm]

6 TX 30

pçs

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Graças à possibilidade de se distanciarem as espessuras de madeira, é possível efectuar fixações versáteis de maneira rápida e precisa, sem necessidade de nenhum elemento interposto.

114 | DRS | CARPINTARIA


GEOMETRIA d3

ds d2 d1

dk b

b1 L Diâmetro nominal

d1

[mm]

6

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

12,00

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

3,90

Diâmetro da haste

ds

[mm]

4,35

Diâmetro da rosca sub-cabeça

d3

[mm]

6,80

Comprimento da cabeça + anéis

b1

[mm]

21,0

INSTALAÇÃO Escolher o comprimento do parafuso de modo tal que a rosca seja completamente inserida no suporte de madeira.

01

Posicionar o parafuso DRS.

02

Fixar a ripa atarraxando o parafuso de maneira tal que a cabeça resulte estar a prumo com o elemento de madeira.

03

Afrouxar o parafuso em função da distância desejada.

04

Regular da mesma maneira os outros parafusos para nivelar a estrutura.

CARPINTARIA | DRS | 115


DRT PARAFUSO DISTANCIADOR MADEIRA-ALVENARIA DUPLA ROSCA DIFERENCIADA Rosca sub-cabeça com geometria estudada especificamente para criar e regular um espaço entre as espessuras fixáveis.

FIXAÇÃO SOBRE ALVENARIA Rosca sub-cabeça com diâmetro aumentado para consentir a instalação sobre alvenaria através da utilização de bucha de plástico.

CÓDIGOS E DIMENSÕES BUCHA DE NYLON NDK GL d1

CÓDIGO

[mm] 6 TX 30

L

b

[mm]

[mm]

pçs

DRT680

80

50

100

DRT6100

100

60

100

DRT6120

120

70

100

CÓDIGO NDKG840

d0

L

[mm]

[mm]

8

40

pçs 100

Para a fixação sobre betão ou alvenaria, aconselha-se a utilização da bucha de nylon NDK GL.

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO A dupla rosca diferenciada é ideal para regular a posição de elementos de madeira sobre suportes de alvenaria (através da utilização de bucha de plástico) e criar a verticalidade correcta; ideal para nivelar instalações de painéis sobre paredes, pavimentações e tectos falsos.

116 | DRT | CARPINTARIA


GEOMETRIA d3

ds d2 d1

dk b

b1 L Diâmetro nominal

d1

[mm]

6

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

12,50

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

3,90

Diâmetro da haste

ds

[mm]

4,35

Diâmetro da rosca sub-cabeça

d3

[mm]

9,90

Diâmetro do furo no betão/alvenaria

dv

[mm]

8,0

Comprimento da cabeça + anéis

b1

[mm]

22,0

INSTALAÇÃO Escolher o comprimento do parafuso de modo tal que a rosca seja completamente inserida no suporte de betão/ alvenaria.

01

Furar os elementos com um diâmetro dV= 8,0 mm.

05

Afrouxar o parafuso em função da distância desejada.

02

Encaixar a bucha de nylon NDK GL no suporte.

03

Posicionar o parafuso DRT.

04

Fixar a ripa atarraxando o parafuso de maneira tal que a cabeça resulte estar a prumo com o elemento de madeira.

06

Regular da mesma maneira os outros parafusos para nivelar a estrutura.

CARPINTARIA | DRT | 117


MBS PARAFUSO AUTO-ROSCANTE DE CABEÇA CILÍNDRICA PARA CONSTRUÇÃO EM ALVENARIA DE TIJOLO ROSCAGEM HI-LOW Apropriada para a fixação directa sobre materiais compactos e semicheios: pedra natural, betão, tijolos maciços e tijolos furados.

GUARNIÇÕES DE MADEIRA Graças à cabeça cilíndrica, é ideal para a fixação de perfis de madeira directamente sobre o suporte de alvenaria.

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm]

pçs

[mm] MBS7572

7,5 TX 30

L 72

100

MBS7592

92

100

MBS75112

112

100

MBS75132

132

100

MBS75152

152

100

MBS75182

182

100

GEOMETRIA

d1

dk L

Disponível também com cabeça de embeber plana: ideal para a fixação de perfis de PVC e alumínio.

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO A rosca HI-LOW consente uma fixação segura também nas proximidades das bordas do suporte graças à pouca tensão induzida no material; ideal para molduras.

118 | MBS | CARPINTARIA


RESISTÊNCIA À EXTRAÇÃO - VALORES ACONSELHADOS

TIPO DE SUPORTE

h nom,min

N

[mm]

[kN]

betão

30

1,07

blocos de betão

40

-

40

0,40

80

2,50

tijolo furado

60

0,30

betão aligeirado

80

-

tijolo cheio

Os valores aconselhados para a extração são obtidos considerando-se um coeficiente de segurança equivalente a 3.

PARÂMETROS DE INSTALAÇÃO Diâmetro nominal

d1

[mm]

7,5

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

8

d0

[mm]

6,0

df

[mm]

6,2

Dâmetro do pré-furo em betão/alvenaria Diâmetro do furo no elemento a fixar

INSTALAÇÃO d0 hnom df

dâmetro do pré-furo em betão/alvenaria pofundidade de ancoragem nominal diâmetro do furo no elemento a fixar

df

hnom

do

01

02

03

CARPINTARIA | MBS | 119


DWS PARAFUSOS PARA GESSO CARTONADO GEOMETRIA OPTIMAL Cabeça em forma de trombeta, de aço fosfatado; ideal para fixação de placas de gesso cartonado.

ROSCA DE PASSO ESTREITO Parafuso todo-rosca a passo estreito, ideal para fixações sobre suportes de chapa.

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm]

4,2 PH 2

descrição

pçs

GEOMETRIA

[mm] FE620001

3,5 PH 2

L 25

FE620005

35

FE620010

45

FE620015

55

FE620020

65

1000 subestrutura de chapa

1000 d1

1000 1000

subestrutura de chapa

L

1000

MATERIAL Aço carbónico fosfatado.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Ideal para se realizarem, de maneira rápida e segura, isolamentos térmicos e acústicos.

120 | DWS | CARPINTARIA


DWS COIL PARAFUSOS DWS CINTADO PARA GESSO CARTONADO GEOMETRIA OPTIMAL Parafuso todo-rosca, com cabeça em forma de trombeta e de aço fosfatado, ideal para fixação de placas de gesso cartonado e fibrogesso.

VERSÃO CINTADA Ligadura de plástico para uma utilização em série rápida e precisa.

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm]

3,9 PH 2 3,9 PH 2

descrição

pçs

[mm] HH10600404

3,9 PH 2

L 30

HH10600405

35

HH10600406

45

HH10600401

30

HH10600402

35

HH10600403

45

HH10600397

30

HH10600398

35

10000 subestrutura de madeira

GEOMETRIA

10000 10000 10000

subestrutura de chapa máx. 0,75 mm

10000

d1

10000 fermacell

L

10000 10000

MATERIAL Aço carbónico fosfatado.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Ideal para fixações de placas de gesso cartonado ou fibrogesso a subestruturas de chapa (máximo 0,75 mm).

CARPINTARIA | DWS COIL | 121


THERMOWASHER

ETA 11/0030

ROSETA PARA FIXAÇÃO DE ISOLANTE SOBRE MADEIRA CERTIFICADA Anilha dotada de marcação CE conforme ETA 11/0030. A utilizar com parafuso HOST Ø6 e Ø8 de comprimento em função da espessura do isolante a fixar. Adequada para qualquer tipo de isolante.

ANTIPONTE TÉRMICA Tampa de cobrir furo incorporada, para se evitarem pontes térmicas; amplos espaços côncavos para uma correcta adesão do reboco. Apresenta um sistema que impede a saída do parafuso.

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO THERMO65

dPARAFUSO

axbxc

[mm]

[mm]

6/8

65 x 4 x 20

pçs 700

MATERIAL Sistema de propileno PP.

CAMPOS DE APLICAÇÃO A roseta de propileno Ø 65 é compatível com parafusos Ø 6 e Ø 8; é apropriada para qualquer tipo de isolante e qualquer tipo de espessura fixável.

122 | THERMOWASHER | CARPINTARIA


ISULFIX

ETA

BUCHA PARA FIXAÇÃO DE ISOLANTE SOBRE ALVENARIA CERTIFICADO Bucha dotada de marcação CE conforme ETA, com valores certificados de resistência. A dupla expansão com pregos de aço pré-montados, consente uma rápida e versátil fixação sobre betão e alvenaria.

DUPLA EXPANSÃO Bucha de PVC Ø8 de dupla expansão, com pregos de aço pré-montados para fixação sobre betão e alvenaria. Utilizável com roseta adicional para utilização em isolantes particularmente suaves.

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

L

dFURO

dCABEÇA

A

[mm]

[mm]

[mm]

[mm] 80

250

8

60

120

150

160

100

ISULFIX8110

110

ISULFIX8150

150

ISULFIX8190

190

CÓDIGO

dCABEÇA

pçs

descrição

pçs

roseta adicional para isolantes macios

250

[mm] ISULFIX90

90

A= espessura máxima fixável

MATERIAL Sistema de PVC com prego de aço carbónico.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Bucha disponível em vários tamanhos para diferentes espessuras de isolante; com roseta adicional para uso em isolantes macios; modalidades de utilização e possibilidades de aposição certificadas e indicadas no respectivo documento ETA.

CARPINTARIA | ISULFIX | 123


ESTRUTURAS


ESTRUTURAS


ESTRUTURAS

VGZ CONECTOR TOTALMENTE ROSCADO DE CABEÇA CILÍNDRICA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134

VGZ EVO FRAME MINI CONECTOR TOTALMENTE ROSCADO DE CABEÇA CILÍNDRICA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158

VGZ EVO CONECTOR TOTALMENTE ROSCADO DE CABEÇA CILÍNDRICA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166

VGZ HARDWOOD CONECTOR TOTALMENTE ROSCADO PARA MADEIRAS DURAS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172

VGS CONECTOR TOTALMENTE ROSCADO DE CABEÇA ESCAREADA OU SEXTAVADA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182

VGU ANILHA 45° PARA VGS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196

RTR SISTEMA DE REFORÇO ESTRUTURAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202

DGZ CONECTOR DE DUPLA ROSCA PARA ISOLANTE. . . . . . . . . . . . . 206

SBD CAVILHA AUTO-PERFURANTE. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214

CTC CONECTOR PARA LAJES MADEIRA-BETÃO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222

SKR - SKS ANCORANTE PARAFUSÁVEL PARA BETÃO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232

ESTRUTURAS | 127


CONECTORES ESTRUTURAIS RESISTÊNCIA E RIGIDEZ

RESISTÊNCIA Parafuso de rosca parcial Concentração das tensões na área localizada em direcção da carga. Resistências ligadas ao esforço de apoio das paredes do furo feito na madeira e à dobradura do parafuso.

PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE

H

B

S

X X

RESISTÊNCIA PROPORCIONAL AO DIÂMETRO

Conectores de rosca total Tensões distribuídas ao longo de toda a superfície roscada. Altas resistências ligadas ao cilindro de madeira visado pelas tensões tangenciais.

CONECTORES SOB TENSÃO AXIAL

RESISTÊNCIA PROPORCIONAL AO COMPRIMENTO ROSCADO

EXEMPLO DE APLICAÇÃO LIGAÇÃO COM PARAFUSOS DE ROSCA PARCIAL HBS

maior número de parafusos e maiores deformações

128 | CONECTORES ESTRUTURAIS | ESTRUTURAS

LIGAÇÃO COM CONECTORES DE ROSCA TOTAL VGZ

menor número de conectores e menores deformações


Nova abordagem para os parafusos modernos concebidos como conectores aptos a garantir elevadas prestações estáticas desfrutando da capacidade axial.

RIGIDEZ Parafuso de rosca parcial RIGIDEZ

F F

DUCTILIDADE • parafusos sob tensão ao corte

s

• altas deslocações • baixa rigidez • alta ductilidade

Conectores de rosca total

F RIGIDEZ

F

DUCTILIDADE • conectores sob tensão axial

s

• deslocações limitadas • alta rigidez

COMPORTAMENTO EXPERIMENTAL A rigidez da ligação é convencionalmente identificada pela pendência dos troços elásticos da curva monótona carga - deslocação. O gráfico refere-se a ensaios de corte para o controlo de deslocamento de parafusos HBS sob tensão lateral (corte) e parafusos VGZ cruzados sob tensão axial.

F - load [kN]

• ductilidade reduzida

kSER VGZ kSER HBS

A

A

B

B

s - slip [mm]

ESTRUTURAS | CONECTORES ESTRUTURAIS | 129


PARAFUSOS SOB TENSÃO AXIAL RESISTÊNCIA À TRAÇÃO E COMPRESSÃO A resistência proporcional ao comprimento da rosca permite atingir elevadas prestações com diâmetros reduzidos.

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA Para a verificação das resistências de parafusos sob tensão axial, o valor determinante será o menor entre:

AÇO tração / separação da cabeça, instabilidade

ROSCA extração

CABEÇA penetração

resistência 100%

resistência 30-100% função de L rosca

resistência 10%

Para os conectores de rosca total, a resistência à penetração da cabeça (vinculante em caso de parafusos de rosca parcial) é desprezível e considera-se, em vez, a elevada resistência à extração da rosca, que ocorre por tensões quer de tração quer de compressão.

EXEMPLO DE APLICAÇÃO LIGAÇÃO DE CORTE MADEIRA-MADEIRA

Ligação com conectores de rosca total VGZ

Fc

Ft

Ft

Fc

130 | PARAFUSOS SOB TENSÃO AXIAL | ESTRUTURAS

Ligação com parafusos de rosca parcial HBS

Fc =0

Ft

Ft


JUNCÕES COM DIFERENTES TIPOS DE CONECTORES "Quando uma ligação inclui diferentes tipos de meios de união ou meios de união com rigidez diferente, é recomendável verificar a compatibilidade de tais meios [EN 1995:2014]." Na prática, isto significa que não é consentido utilizar sistemas de fixação diferentes para transferir uma única tensão (por ex.: corte F): a resistência global não é a soma de cada resistência.

EXEMPLO DE APLICAÇÃO Transferência de uma força de corte F mediante conectores sob tensão axial

SOLUÇÃO A 2 conectores cruzados

DESCOMPOSIÇÃO DAS FORÇAS

RESULTANTE R = F

F

F 1 parafuso em tração

R

+

1 parafuso em compressão

SOLUÇÃO B 2 conectores em paralelo

DESCOMPOSIÇÃO DAS FORÇAS

RESULTANTE R = F

F

F 2 parafusos em tração

+

R/2 + R/2 = R*

* a somar à eventual contribuição do atrito

contacto directo: madeira em compressão

ESTRUTURAS | PARAFUSOS SOB TENSÃO AXIAL | 131


REFORÇOS ESTRUTURAIS RESPOSTA ÀS TENSÕES

A madeira é um material anisótropo: apresenta, portanto, características mecânicas diferentes conforme a direcção das fibras e da tensão.

A anisotropia do material deriva da organização celular: a madeira é constituída de feixes de fibras soldadas entre si pela lenhina e podem ser assimilados a feixes de palhinhas muito finas chamadas traqueídes. A estrutura física define as características mecânicas da madeira: • maior resistência e rigidez para tensões orientadas ao longo da direcção do eixo das fibras; • menor eficiência para tensões ortogonais à direcção das fibras, em particular para tensões de tração.

01 | 02

No âmbito dos reforços, as principais tensões monoaxiais às quais a madeira pode ser submetida são:

01 | 02 TRAÇÃO PERPENDICULAR ÀS FIBRAS 03 COMPRESSÃO PERPENDICULAR ÀS FIBRA 04 CORTE LONGITUDINAL

03

04

132 | REFORÇOS ESTRUTURAIS | ESTRUTURAS


01

RUTURA

REFORÇO

REFORÇO DE TRACÇÃO PERPENDICULAR ÀS FIBRAS - ENTALHE

Resistência influenciada sobretudo por fissurações, nós, canais resiníferos. Comportamento tipicamente frágil.

02

RUTURA

REFORÇO

REFORÇO DE TRACÇÃO PERPENDICULAR ÀS FIBRAS - CARGA SUSPENSA

Poderá haver rutura se a carga aplicada interessar uma altura limitada da viga principal ( a/h ≤ 0,7). Comportamento tipicamente frágil.

03

RUTURA

REFORÇO

REFORÇO DE COMPRESSÃO PERPENDICULAR ÀS FIBRAS - APOIO

Esmagamento e quebra das fibras nas zonas de introdução das forças (por ex.: apoios). Comportamento suficientemente dúctil.

04

RUTURA

REFORÇO

REFORÇO DE CORTE LONGITUDINAL

Colapso nas proximidades do eixo neutro, deslizamento recíproco de duas partes da secção. Viga sujeita à flexão: zona tesa ou zona de apoio. Comportamento tipicamente frágil.

ESTRUTURAS | REFORÇOS ESTRUTURAIS | 133


VGZ

BIT INCLUÍDOS

ETA 11/0030

CONECTOR TOTALMENTE ROSCADO DE CABEÇA CILÍNDRICA TRAÇÃO Roscagem profunda e aço de alta resistência (fy,k = 1000 N/mm2) para um grande desempenho à tração. Gama de medidas muito ampla.

APLICAÇÕES ESTRUTURAIS Homologada para aplicações estruturais solicitadas em qualquer direção em relação à fibra (α = 0° - 90°). Distâncias mínimas reduzidas.

CABEÇA CILÍNDRICA Ideal para ligações ocultas, acoplamentos de madeira e reforços estruturais. Garante proteção contra fogo e idoneidade aos sismos. Ensaios cíclicos SEISMIC-REV de acordo com EN 12512.

CHROMIUM VI FREE Ausência total de crómio hexovalente. Conformidade com as mais rigorosas normas de regulamentação das substâncias químicas (SVHC). Informações REACH disponíveis.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

conexões 45°, reforços e ajustes

CABEÇA

cilíndrica de embutir

DIÂMETRO

5,3 | 5,6 | 7,0 | 9,0 | 11,0 mm

COMPRIMENTO

de 80 a 600 mm

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • madeira maciça • madeira lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade Classes de serviço 1 e 2.

134 | VGZ | ESTRUTURAS


REABILITAÇÃO ESTRUTURAL Ideal para o acoplamento de vigas na reabilitação estrutural e nas novas intervenções. Possibilidade de utilização também em direção paralela à fibra graças à especial homologação.

CLT, LVL Valores testados, certificados e calculados também para CLT e madeiras de alta densidade como o microlamelar LVL.

ESTRUTURAS | VGZ | 135


Ligação com elevadíssima rigidez de lajes em CLT lado a lado. Aplicação com dupla inclinação a 45° ideal para realizar com gabarito JIG VGZ.

Reforço ortogonal à fibra para carga suspensa devido a ligação viga principal-secundária.

GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

X

d2 d1

X

X V

G

Z

dk

b L Diâmetro nominal

d1

[mm]

5,3

5,6

7

9

11

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

8,00

8,00

9,50

11,50

13,50

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

3,60

3,80

4,60

5,90

6,60

Diâmetro da haste

ds

[mm]

3,95

4,15

5,00

6,50

7,70

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

3,5

3,5

4,0

5,0

6,0

My,k

[Nmm]

6876

7935

14174

27244

45905

fax,k

[N/mm2]

11,7

11,7

11,7

11,7

11,7

ftens,k

[kN]

11,0

12,3

15,4

25,4

38,0

fy,k

[kN]

1000,0

1000,0

1000,0

1000,0

1000,0

Momento plástico característico Parâmetro característico de resistência à extracção Resistência característica à tração Resistência característica à tensão

Parâmetros mecânicos parafuso VGZ Ø5,3 e Ø5,6 obtidos com ensaios experimentais.

136 | VGZ | ESTRUTURAS


CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm] VGZ580 5,3 VGZ5100 TX 25 VGZ5120 5,6 VGZ5140 TX 25 VGZ5160

L

b

pçs

d1

CÓDIGO

[mm]

[mm]

80

70

50

VGZ9160

100

90

50

VGZ9180

120

110

50

VGZ9200

140

130

50

VGZ9220

[mm]

L

b

pçs

[mm]

[mm]

160

150

25

180

170

25

200

190

25

220

210

25

160

150

50

VGZ9240

240

230

25

VGZ780

80

70

25

VGZ9260

260

250

25

VGZ7100

100

90

25

VGZ9280

280

270

25

VGZ7120

120

110

25

VGZ9300

290

25

VGZ7140

140

130

25

9 TX 40 VGZ9320

300 320

310

25

VGZ7160

160

150

25

VGZ9340

340

330

25

VGZ7180

180

170

25

VGZ9360

360

350

25

VGZ7200

7 TX 30 VGZ7220

200

190

25

VGZ9380

380

370

25

220

210

25

VGZ9400

400

390

25

VGZ7240

240

230

25

VGZ9440

440

430

25

VGZ7260

260

250

25

VGZ9480

480

470

25

VGZ7280

280

270

25

VGZ9520

520

510

25

VGZ7300

300

290

25

VGZ11250

250

240

25

VGZ7340

340

330

25

VGZ11300

300

290

25

VGZ7380

380

370

25

VGZ11350

350

340

25

VGZ11400 11 TX 50 VGZ11450

400

390

25

450

440

25

VGZ11500

500

490

25

VGZ11550

550

540

25

VGZ11600

600

590

25

GABARITO JIG VGZ 45°

CÓDIGO JIGVGZ45

descrição

pçs

gabarito em aço para parafusos VGZ a 45°

1

GABARITO JIG VGZ 45° Instalação a 45° facilitada pela utilização do gabarito em aço JIG VGZ.

ESTRUTURAS | VGZ | 137


ROSCA EFICAZ DE CÁLCULO 10

Sg

Tol.

Sg

10

b = L - 10 mm

representa todo o comprimento da parte roscada

Sg = (L - 10 mm - 10 mm - Tol.) / 2

representa metade do comprimento da parte roscada, deduzida uma tolerância (Tol.) de aposição de 10 mm

b L

Os valores de extração, corte e deslizamento madeira-madeira devem ser avaliados considerando o baricentro do conector posicionado em correspondência com o plano de corte.

DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE (1)

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO 5,3

5,6

7

9

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO 11

a1

[mm]

5∙d

27

28

35

45

55

a2

[mm]

3∙d

16

17

21

27

33

5,3

5,6

7

9

11

4∙d

21

22

28

36

44

4∙d

21

22

28

36

44

a3,t

[mm]

12∙d

64

67

84

108

132

7∙d

37

39

49

63

77

a3,c

[mm]

7∙d

37

39

49

63

77

7∙d

37

39

49

63

77

a4,t

[mm]

3∙d

16

17

21

27

33

7∙d

37

39

49

63

77

a4,c

[mm]

3∙d

16

17

21

27

33

3∙d

16

17

21

27

33

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO 5,3

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

5,6

7

9

11

a1

[mm]

12∙d

64

67

84

108

132

a2

[mm]

5∙d

27

28

35

45

55

5,3

5,6

7

9

11

5∙d

27

28

35

45

55

5∙d

27

28

35

45

55

a3,t

[mm]

15∙d

80

84

105

135

165

10∙d

53

56

70

90

110

a3,c

[mm]

10∙d

53

56

70

90

110

10∙d

53

56

70

90

110

a4,t

[mm]

5∙d

27

28

35

45

55

10∙d

53

56

70

90

110

a4,c

[mm]

5∙d

27

28

35

45

55

5∙d

27

28

35

45

55

d = diâmetro nominal do parafuso extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c

a3,c

NOTAS: As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014 considerando-se uma massa volúmica dos elementos de madeira ρk ≤ 420 kg/m3.

(1)

• Em caso de ligação aço-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,7.

138 | VGZ | ESTRUTURAS

• Em caso de ligação painel-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,85.


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AXIAL(2)

PARAFUSOS INSERIDOS COM E SEM PRÉ-FURO 5,3

5,6

7

9

11

5∙d

27

28

35

45

55

[mm]

5∙d

27

28

35

45

55

a2,LIM

[mm]

2,5∙d

13

14

18

23

28

a1,CG

[mm]

8∙d

42

45

56

72

88

a2,CG

[mm]

3∙d

16

17

21

27

33

aCROSS

[mm]

1,5∙d

8

8

11

14

17

a1

[mm]

a2 (3)

PARAFUSOS EM TRAÇÃO INSERIDOS COM UM ÂNGULO α EM RELAÇÃO À FIBRA

a2,CG a2,CG

a2,CG a2 a2,CG

a2

a2,CG

a2,CG a1,CG

1

a1

a

a2,CG a1,CG

a1,CG

a2,CG a1,CG

planta

prospecto

PARAFUSOS INSERIDOS COM UM ÂNGULO α = 90° EM RELAÇÃO À FIBRA

planta

prospecto

PARAFUSOS CRUZADOS INSERIDOS COM UM ÂNGULO α EM RELAÇÃO À FIBRA

a2,CG

45°

a2 a2,CG

a2,CG a1,CG

aCROSS a2,CG

a1 a1,CG

planta

a1

prospecto

planta

prospecto

NOTAS: As distâncias minimas para conectores carregados axialmente são independentes do ângulo de inserção do conector e do ângulo da força em relação às fibras segundo ETA-11/0030.

(2)

A distância axial a2 pode ser reduzida até 2,5 d1 se, para cada conector, mantém-se uma “superfície de ligação” a1 a2 = 25 d12.

(3)

ESTRUTURAS | VGZ | 139


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 TRAÇÃO(1)

geometria

extração da rosca total (2)

extração da rosca parcial (2)

tração do aço

estrazione estrazione filetto filetto parziale parziale

L

Sg

A

Sg

A

A

d1

sobre madeira

sobre madeira

aço

Rax,k

Sg

Amin

Rax,k

Rtens,k

[mm]

[kN]

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

90

4,68

25

45

1,67

d1

L

b

Amin

[mm]

[mm]

[mm]

80

70

5,3

5,6

7

9

100

90

110

6,02

35

55

2,34

120

110

130

7,36

45

65

3,01

140

130

150

9,19

55

75

3,89

160

150

170

10,61

65

85

4,60

80

70

90

6,19

25

45

2,21

100

90

110

7,96

35

55

3,09

120

110

130

9,72

45

65

3,98

140

130

150

11,49

55

75

4,86

160

150

170

13,26

65

85

5,75

180

170

190

15,03

75

95

6,63

200

190

210

16,79

85

105

7,51

220

210

230

18,56

95

115

8,40

240

230

250

20,33

105

125

9,28

260

250

270

22,10

115

135

10,16

280

270

290

23,87

125

145

11,05

300

290

310

25,63

135

155

11,93

340

330

350

29,17

155

175

13,70

380

370

390

32,70

175

195

15,47

160

150

170

17,05

65

85

7,39

180

170

190

19,32

75

95

8,52

200

190

210

21,59

85

105

9,66

220

210

230

23,87

95

115

10,80

240

230

250

26,14

105

125

11,93

260

250

270

28,41

115

135

13,07

280

270

290

30,68

125

145

14,21

300

290

310

32,96

135

155

15,34

320

310

330

35,23

145

165

16,48

340

330

350

37,50

155

175

17,61

360

350

370

39,78

165

185

18,75

380

370

390

42,05

175

195

19,89

400

390

410

44,32

185

205

21,02

440

430

450

48,87

205

225

23,30

480

470

490

53,41

225

245

25,57

520

510

530

57,96

245

265

27,84

140 | VGZ | ESTRUTURAS

11,00

12,30

15,40

25,40


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 TRAÇÃO

geometria

extração da rosca total (2)

extração da rosca parcial (2)

tração do aço

estrazione estrazione filetto filetto parziale parziale

L

Sg

A

Sg

A

A

d1

sobre madeira d1

L

b

Amin

[mm]

[mm]

[mm]

250

240

300 350 11

sobre madeira

aço

Rax,k

Rtens,k

[mm]

[kN]

[kN]

130

15,28

Rax,k

Sg

Amin

[mm]

[kN]

[mm]

260

33,34

110

290

310

40,28

135

155

18,75

340

360

47,22

160

180

22,22

400

390

410

54,17

185

205

25,70

450

440

460

61,11

210

230

29,17

500

490

510

68,06

235

255

32,64

550

540

560

75,00

260

280

36,11

600

590

610

81,95

285

305

39,59

38,00

NOTAS:  A resistência de projecto do conector é a mínima entre a resistência de projecto do lado da madeira (Rax,d) e a resistência de projecto do lado do aço (Rtens,d).

(1)

Rax,d = min

Rax,k kmod γm Rtens,k γm2

(2)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de rosca eficaz equivalente a b ou Sg. Para valores intermédios de Sg, é possível interpolar linearmente.

ESTRUTURAS | VGZ | 141


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014

geometria

CORTE

DESLIZAMENTO

madeira-madeira

madeira - madeira (3)

A

Sg

A

S

Sg

g

estrazione filetto parziale

45°

A

S

g

L B

d1

d1

L

Sg

Amin

RV,k

Amin

Bmin

Rv,k

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

[mm]

[mm]

[kN]

80

25

40

1,57

30

50

1,08

5,3

100

35

50

1,94

40

55

1,51

5,6

7

9

120

45

60

2,11

45

60

1,94

140

55

70

2,46

50

70

2,50

160

65

80

2,64

60

75

2,95

80

25

40

2,16

30

50

1,42

100

35

50

2,68

40

55

1,99

120

45

60

3,14

45

60

2,56

140

55

70

3,37

55

70

3,13

160

65

80

3,59

60

75

3,69

180

75

90

3,81

65

85

4,26

200

85

100

4,03

75

90

4,83

220

95

110

4,25

80

100

5,40

240

105

120

4,30

90

105

5,97

260

115

130

4,30

95

110

6,53

280

125

140

4,30

100

120

7,10

300

135

150

4,30

110

125

7,67

340

155

170

4,30

125

140

8,81

380

175

190

4,30

140

155

9,94

160

65

80

5,10

60

75

4,75

180

75

90

5,39

70

85

5,48

200

85

100

5,67

75

90

6,21

220

95

110

5,95

80

100

6,94

240

105

120

6,24

90

105

7,67

260

115

130

6,51

95

110

8,40

280

125

140

6,51

105

120

9,13

300

135

150

6,51

110

125

9,86

320

145

160

6,51

115

135

10,59

340

155

170

6,51

125

140

11,32

360

165

180

6,51

130

145

12,05

380

175

190

6,51

140

155

12,78

400

185

200

6,51

145

160

13,51

440

205

220

6,51

160

175

14,98

480

225

240

6,51

175

190

16,44

520

245

260

6,51

190

205

17,90

142 | VGZ | ESTRUTURAS


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014

geometria

CORTE

DESLIZAMENTO

madeira-madeira

madeira - madeira (3)

A

Sg

A

S

Sg

g

estrazione filetto parziale

45°

A

S

g

L B

d1

d1

L

Sg

Amin

RV,k

Amin

Bmin

Rv,k

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

[mm]

[mm]

[kN]

11

250

110

125

8,35

95

110

9,82

300

135

150

9,06

115

125

12,05

350

160

175

9,06

130

145

14,29

400

185

200

9,06

150

160

16,52

450

210

225

9,06

165

180

18,75

500

235

250

9,06

185

195

20,98

550

260

275

9,06

200

215

23,21

600

285

300

9,06

220

230

25,45

NOTAS: A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 45° entre as fibras e o conector e para um comprimento de rosca eficaz equivalente a Sg.

(3)

• Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030. • Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 385 kg/m3.

PRINCÍPIOS GERAIS:

• A dimensão e a verificação dos elementos de madeira devem ser feitas à parte.

• O  s valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030.

• As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência.

• Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

Rk kmod γm

• Os valores de extração, corte e deslizamento foram avaliados considerando-se o baricentro do conector posicionado em correspondência com o plano de corte.

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo.

ESTRUTURAS | VGZ | 143


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014

LIGAÇÃO AO CORTE COM CONECTORES CRUZADOS LIGAÇÃO EM ÂNGULO RETO - VIGA PRINCIPAL / VIGA SECUNDÁRIA d1

L

Sg HT(1)

Sg NT (1)

BHT min

HHT min = hNT min

bNT min

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

5,3

120

140

30

45

60

65

60

65

120

130

5,6 160

160

180

200

220

240

65

45

65

85

95

105

65

85

85

85

95

105

75

75

80

90

95

100

130

160

160

160

170

185

7 260

280

300

340

380

115

125

135

155

175

144 | VGZ | ESTRUTURAS

115

125

135

155

175

110

115

125

140

150

200

215

230

255

285

n° de pares

R1 V,k (2)

R2 V,k (2)

m (3) [mm]

[kN]

[kN]

extração (4)

instabilidade 8,2

40

1

2,8

66

2

5,3

15,2

93

3

7,6

21,9

42

1

4,5

9,1

70

2

8,4

17,0

98

3

12,1

24,5

42

1

5,9

9,1

70

2

11,0

17,0

98

3

15,9

24,5

53

1

5,6

13,6

88

2

10,5

25,4

123

3

15,1

36,5

53

1

8,1

13,6

88

2

15,2

25,4

123

3

21,8

36,5

53

1

9,7

13,6

88

2

18,0

25,4

123

3

26,0

36,5

53

1

10,8

13,6

88

2

20,1

25,4

123

3

29,0

36,5

53

1

11,9

13,6

88

2

22,3

25,4

123

3

32,1

36,5

53

1

13,1

13,6

88

2

24,4

25,4

123

3

35,1

36,5

53

1

14,2

13,6

88

2

26,5

25,4

123

3

38,2

36,5

53

1

15,3

13,6

88

2

28,6

25,4

123

3

41,2

36,5

53

1

17,6

13,6

88

2

32,9

25,4

123

3

47,3

36,5

53

1

19,9

13,6

88

2

37,1

25,4

123

3

53,5

36,5

56

59

59

74

74

74

81

88

95

102

109

124

138


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014

LIGAÇÃO AO CORTE COM CONECTORES CRUZADOS LIGAÇÃO EM ÂNGULO RETO - VIGA PRINCIPAL / VIGA SECUNDÁRIA d1

L

Sg HT(1)

Sg NT (1)

BHT min

HHT min = hNT min

bNT min

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

200

220

240

260

280

300

320

55

75

95

115

125

135

145

115

115

115

115

125

135

145

90

95

100

110

115

125

130

200

200

200

200

215

230

245

9 340

360

380

400

440

480

520

155

165

175

185

205

225

245

155

165

175

185

205

225

245

140

145

150

160

175

185

200

260

270

285

300

330

355

385

n° de pares

R1 V,k (2)

R2 V,k (2)

m (3) [mm]

[kN]

[kN]

extração (4)

instabilidade

8,8

22,8

68

1

113

2

16,5

42,6

158

3

23,8

61,3

68

1

12,1

22,8

113

2

22,5

42,6

158

3

32,4

61,3

68

1

15,3

22,8

113

2

28,5

42,6

158

3

41,0

61,3

68

1

16,8

22,8

113

2

31,4

42,6

158

3

45,2

61,3

68

1

18,3

22,8

113

2

34,1

42,6

158

3

49,1

61,3

68

1

19,7

22,8

113

2

36,8

42,6

158

3

53,0

61,3

68

1

21,2

22,8

113

2

39,5

42,6

158

3

56,9

61,3

68

1

22,6

22,8

113

2

42,3

42,6

158

3

60,9

61,3

68

1

24,1

22,8

113

2

45,0

42,6

158

3

64,8

61,3

68

1

25,6

22,8

113

2

47,7

42,6

158

3

68,7

61,3

68

1

27,0

22,8

113

2

50,4

42,6

158

3

72,7

61,3

68

1

30,0

22,8

113

2

55,9

42,6

158

3

80,5

61,3

68

1

32,9

22,8

113

2

61,3

42,6

158

3

88,4

61,3

68

1

35,8

22,8

113

2

66,8

42,6

158

3

96,2

61,3

96

96

96

96

103

110

117

124

131

138

145

160

174

188

NOTAS: Os valores fornecidos são calculados considerando uma distância a1CG ≥ 5d. Em alguns casos, prevê-se a aposição assimétrica dos conectores (Sg HT ≠ Sg NT).

(3)

 A resistência de projeto do conector é a mínima entre a resistência de projeto do lado da extração (R1V,d) e a resistência de projeto à instabilidade (R2V,d).

(4)

(1)

(2)

kmod RV,d = min

R1V,k kmod γm R2V,k γm1

A quota de montagem (m) é válida em caso de aposição assimétrica dos conectores (Sg HT = Sg NT) em prumo superior aos elementos. A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um comprimento de rosca eficaz equivalente a Sg. Os conectores devem ser inseridos a 45° em relação ao plano de corte.

ESTRUTURAS | VGZ | 145


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014

LIGAÇÃO AO CORTE COM CONECTORES CRUZADOS LIGAÇÃO EM ÂNGULO RETO - VIGA PRINCIPAL / VIGA SECUNDÁRIA d1

L

Sg HT(1)

Sg NT (1)

BHT min

HHT min = hNT min

bNT min

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

225

(*)

250

275(*)

300

325(*)

350

50

75

100

125

148

160

145

145

145

145

148

160

95

105

115

125

130

140

245

245

245

245

250

265

11 375(*)

400

450

500

550

600

173

185

210

235

260

285

173

185

210

235

260

285

150

160

175

195

210

230

285

300

335

370

405

445

n° de pares

R1 V,k (2)

R2 V,k (2)

m (3) [mm]

[kN]

[kN]

extração (4)

instabilidade

9,8

29,1

83

1

138

2

18,3

54,2

193

3

26,4

78,1

83

1

14,7

29,1

138

2

27,5

54,2

193

3

39,6

78,1

83

1

19,6

29,1

138

2

36,7

54,2

193

3

52,8

78,1

83

1

24,6

29,1

138

2

45,8

54,2

193

3

66,0

78,1

83

1

26,3

29,1

138

2

49,2

54,2

193

3

70,8

78,1

83

1

28,6

29,1

138

2

53,3

54,2

193

3

76,8

78,1

83

1

30,8

29,1

138

2

57,5

54,2

193

3

82,8

78,1

83

1

33,0

29,1

138

2

61,6

54,2

193

3

88,8

78,1

83

1

37,5

29,1

138

2

70,0

54,2

193

3

100,8

78,1

83

1

42,0

29,1

138

2

78,3

54,2

193

3

112,8

78,1

83

1

46,4

29,1

138

2

86,6

54,2

193

3

124,8

78,1

83

1

50,9

29,1

138

2

95,0

54,2

193

3

136,8

78,1

118

118

118

118

120

129

137

146

164

182

199

217

NOTA: (*) para os conectores VGS, ver pág. 182.

NOTAS:

PRINCÍPIOS GERAIS:

Os valores fornecidos são calculados considerando uma distância a1CG ≥ 5d. Em alguns casos, prevê-se a aposição assimétrica dos conectores (Sg HT ≠ Sg NT).

• Os valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030.

 A resistência de projeto do conector é a mínima entre a resistência de projeto do lado da extração (R1V,d) e a resistência de projeto à instabilidade (R2V,d).

• Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 385 kg/m3.

(1)

(2)

kmod RV,d = min

R1V,k kmod γm R2V,k γm1

A quota de montagem (m) é válida em caso de aposição assimétrica dos conectores (Sg HT = Sg NT) em prumo superior aos elementos.

(3)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um comprimento de rosca eficaz equivalente a Sg. Os conectores devem ser inseridos a 45° em relação ao plano de corte.

(4)

146 | VGZ | ESTRUTURAS

• A dimensão e a verificação dos elementos de madeira devem ser feitas à parte. • Para configurações de cálculo diferentes, está disponível o software MyProject (www.rothoblaas.pt).


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS CRUZADOS PARAFUSOS INSERIDOS COM E SEM PRÉ-FURO 5,3

5,6

7

9

11

16

17

21

27

33

a2,CG

[mm]

aCROSS

[mm]

8

8

11

14

17

e

[mm]

19

20

25

32

39

5,3

5,6

7

9

11

dv (pré-furo)

[mm]

3,5

3,5

4,0

5,0

6,0

Pré-furo aconselhado para conectores Ø11 L ≥ 400 mm

LIGAÇÃO EM CORTE COM CONECTORES CRUZADOS - 1 PAR m N T

m

90°

S

g

45°

HT

a2,CG

S

g

hNT

HHT

aCROSS

bNT

a2,CG

90° BHT

BHT secção

planta

LIGAÇÃO EM CORTE COM CONECTORES CRUZADOS - 2 OU MAIS PARES m

m N

T

90° a2,CG

HT

S

g

45°

aCROSS

S

g

hNT

HHT

e

bNT

aCROSS a2,CG

90° BHT

BHT secção

planta

ESTRUTURAS | VGZ | 147


EXEMPLO DE CÁLCULO: CONEXÃO VIGA PRINCIPAL/SECUNDÁRIA COM PARAFUSOS CRUZADOS VGZ

Para configurações de cálculo diferentes, está disponível o software MyProject (www.rothoblaas.pt)

RELATÓRIO DE CÁLCULO

148 | VGZ | ESTRUTURAS


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE E CARREGADAS AXIALMENTE | CLT

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

lateral face (1)

narrow face (2)

7

9

11

4∙d

28

36

44

2,5∙d

18

23

28

6∙d

42

54

6∙d

42

54

[mm]

6∙d

42

[mm]

2,5∙d

18

a1

[mm]

a2

[mm]

a3,t

[mm]

a3,c

[mm]

a4,t a4,c

7

9

11

10∙d

70

90

110

4∙d

28

36

44

66

12∙d

84

108

132

66

7∙d

49

63

77

54

66

6∙d

42

54

66

23

28

3∙d

21

27

33

d = diâmetro nominal do parafuso

a4,c

a4,t α

F

F

α

α

F α a3,c

a3,t

a2 a2

a2

a1

a1

a3,c a4,c

a4,c

tCLT

F

a3,t

F a3,c a4,c a4,t

F

tCLT

NOTAS: As distâncias mínimas são de acordo com ETA-11/0030 e ser consideradas válidas se não diferentemente especificado nos documentos técnicos dos painéis CLT. (1)

(2)

Espessura mínima CLT tmín = 10∙d e profundidade de penetração mínima do parafuso tpen = 10∙d

Espessura mínima CLT tmín = 10 ∙ d

ESTRUTURAS | VGZ | 149


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE | LVL

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO 5,3

5,6

7

9

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO 11

5,3

5,6

7

9

11

a1

[mm]

5∙d

27

28

35

45

55

4∙d

21

22

28

36

44

a2

[mm]

3∙d

16

17

21

27

33

4∙d

21

22

28

36

44

a3,t

[mm]

12∙d

64

67

84

108

132

7∙d

37

39

49

63

77

a3,c

[mm]

7∙d

37

39

49

63

77

7∙d

37

39

49

63

77

a4,t

[mm]

3∙d

16

17

21

27

33

7∙d

37

39

49

63

77

a4,c

[mm]

3∙d

16

17

21

27

33

3∙d

16

17

21

27

33

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

5,3

5,6

7

9

11

80

84

105

135

165

5,3

5,6

7

9

11

37

39

49

63

77

a1

[mm]

a2

[mm]

7∙d

37

39

49

63

77

7∙d

37

39

49

63

77

a3,t

[mm]

20∙d

106

112

140

180

220

15∙d

80

84

105

135

165

a3,c

[mm]

15∙d

80

84

105

135

165

15∙d

80

84

105

135

165

a4,t

[mm]

7∙d

37

39

49

63

77

12∙d

64

67

84

108

132

a4,c

[mm]

7∙d

37

39

49

63

77

7∙d

37

39

49

63

77

15∙d

7∙d

d = diâmetro nominal do parafuso

a4,c

a4,t α

a2

F

F α a1

F

α

a3,t

α

a3,c

a2 a2 F a1

NOTAS: As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014 considerando-se uma massa volúmica dos elementos de madeira ρk < 500 kg/m3.

(1)

• Em caso de ligação aço-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,7.

150 | VGZ | ESTRUTURAS

• Em caso de ligação painel-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,85.


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AXIAL | LVL

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

wide face

edge face(1)

7

9

5∙d

35

45

5∙d

35

45

[mm]

8∙d

56

[mm]

3∙d

21

a1

[mm]

a2

[mm]

a1,CG a2,CG

7

9

10∙d

70

70

5∙d

35

35

72

12∙d

84

108

27

3∙d

21

27

d = diâmetro nominal do parafuso

PARAFUSOS INSERIDOS COM UM ÂNGULO α = 90° EM RELAÇÃO À FIBRA (wide face)

PARAFUSOS INSERIDOS COM UM ÂNGULO α = 90° EM RELAÇÃO À FIBRA (edge face)

a2,CG

a2,CG a2 a2,CG a1,CG

a1,CG

a1

a1

a1,CG

planta a1,CG

a1

a1

a1,CG

planta

a1

a1

a1,CG

prospecto

b

PARAFUSOS INSERIDOS COM UM ÂNGULO α EM RELAÇÃO À FIBRA (wide face) l a2,CG

prospecto

a2,CG

1

a

a2 a1,CG

a1,CG

planta

prospecto

NOTAS: (1)

Distâncias minimas para ensaios experimentais efectuados na Eurofins Expert Services Oy, Espoo, Finland (Report EUFI29-19000819-T1/T2).

• As distâncias mínimas nas ligações wide face são válidas com a utilização de LVL em folhosas paralelas.

• As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030.

ESTRUTURAS | VGZ | 151


VALORES ESTÁTICOS | CLT TRAÇÃO(1) extração da rosca total (2) lateral face

geometria

extração da rosca total (3) narrow face

L

extração da rosca parcial (2) lateral face

Sg

Sg

A

Sg

A

tração do aço

A d1

d1 [mm]

7

9

11

L [mm]

b [mm]

Amin [mm]

sobre madeira Rax,k [kN]

Sg [mm]

sobre madeira Rax,k [kN]

Sg [mm]

Amin [mm]

sobre madeira Rax,k [kN] 2,05

80

70

90

5,73

70

4,34

25

45,00

100

90

110

7,37

90

5,44

35

55,00

2,87

120

110

130

9,01

110

6,52

45

65,00

3,69

140

130

150

10,65

130

7,58

55

75,00

4,50

160

150

170

12,29

150

8,62

65

85,00

5,32

180

170

190

13,92

170

9,65

75

95,00

6,14

200

190

210

15,56

190

10,67

85

105,00

6,96

220

210

230

17,20

210

11,67

95

115,00

7,78 8,60

240

230

250

18,84

230

12,67

105

125,00

260

250

270

20,48

250

13,65

115

135,00

9,42

280

270

290

22,11

270

14,63

125

145,00

10,24

300

290

310

23,75

290

15,61

135

155,00

11,06

340

330

350

27,03

330

17,53

155

175,00

12,69

380

370

390

30,30

370

19,43

175

195,00

14,33

160

150

170

15,80

150

10,54

65

85,00

6,84

180

170

190

17,90

170

11,80

75

95,00

7,90

200

190

210

20,01

190

13,04

85

105,00

8,95

220

210

230

22,11

210

14,27

95

115,00

10,00

240

230

250

24,22

230

15,49

105

125,00

11,06

260

250

270

26,33

250

16,69

115

135,00

12,11

280

270

290

28,43

270

17,89

125

145,00

13,16

300

290

310

30,54

290

19,08

135

155,00

14,22

320

310

330

32,64

310

20,26

145

165,00

15,27

340

330

350

34,75

330

21,43

155

175,00

16,32

360

350

370

36,86

350

22,60

165

185,00

17,37

380

370

390

38,96

370

23,76

175

195,00

18,43

400

390

410

41,07

390

24,91

185

205,00

19,48

440

430

450

45,28

430

27,20

205

225,00

21,59

480

470

490

49,49

470

29,47

225

245,00

23,69

520

510

530

53,70

510

31,71

245

265,00

25,80 14,16

250

240

260

30,89

240

18,89

110

130,00

300

290

310

37,32

290

22,40

135

155,00

17,37

350

340

360

43,76

340

25,85

160

180,00

20,59

400

390

410

50,19

390

29,25

185

205,00

23,81

450

440

460

56,63

440

32,60

210

230,00

27,03

500

490

510

63,06

490

35,92

235

255,00

30,24

550

540

560

69,50

540

39,20

260

280,00

33,46

600

590

610

75,93

590

42,45

285

305,00

36,68

aço Rtens,k [kN]

15,40

25,40

38,00

NOTAS:  A resistência de projecto do conector é a mínima entre a resistência de projecto do lado da madeira (Rax,d) e a resistência de projecto do lado do aço (Rtens,d).

Para valores intermédios de Sg, é possível interpolar linearmente.

(1)

Rax,d = min (2)

Rax,k kmod γm Rtens,k γm2

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de rosca eficaz equivalente a b ou Sg.

152 | VGZ | ESTRUTURAS

A resistência axial à extração da rosca é válida para espessuras mínimas do elemento equivalente a tmin = 10∙d e profundidade de penetração mínima do parafuso tpen = 10∙d.

(3)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 45°

(4)

entre as fibras e o conector e para um comprimento de rosca eficaz equivalente a Sg.

É possível obter maiores valores de resistência considerando a orientação das fibras de cada camada do painel. (5)

Ver produto pág. 146.


VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE

DESLIZAMENTO(4)

CLT - CLT

Sg

CLT - CLT

CLT - CLT(5)

Sg1

A

Sg Sg2

Sg

Sg

Sg [mm]

Amin [mm]

RV,k [kN]

Sg [mm]

Amin [mm]

Bmin [mm]

RV,k [kN]

Sg1 [mm]

Sg2 [mm]

R1 V,k (1)

R2 V,k (1)

extração(4)

instabilidade

13,3

[kN]

[kN]

25

40

2,02

25

30

50,0

1,3

25

25

2,6

35

50

2,49

35

40

55,0

1,8

35

35

3,7

13,3

45

60

2,97

45

45

60,0

2,4

45

45

4,7

13,3

55

70

3,18

55

55

70,0

2,9

55

55

5,8

13,3

65

80

3,38

65

60

75

3,42

65

65

6,8

13,3

75

90

3,59

75

65

85

3,95

75

75

7,9

13,3

85

100

3,79

85

75

90

4,48

85

85

9,0

13,3

95

110

3,99

95

80

100

5,00

95

95

10,0

13,3

105

120

4,10

105

90

105

5,53

105

105

11,1

13,3 13,3

115

130

4,10

115

95

110

6,05

115

115

12,1

125

140

4,10

125

100

120

6,58

125

125

13,2

13,3

135

150

4,10

135

110

125

7,11

135

135

14,2

13,3

155

170

4,10

155

125

140

8,16

155

155

16,3

13,3

175

190

4,10

175

140

155

9,21

175

175

18,4

13,3

65

80

4,81

65

60

75,0

4,4

65

65

8,8

22,4

75

90

5,08

75

70

85,0

5,1

75

75

10,2

22,4

85

100

5,34

85

75

90

5,75

85

85

11,5

22,4

95

110

5,60

95

80

100

6,43

95

95

12,9

22,4

105

120

5,87

105

90

105

7,11

105

105

14,2

22,4 22,4

115

130

6,13

115

95

110

7,78

115

115

15,6

125

140

6,21

125

105

120

8,46

125

125

16,9

22,4

135

150

6,21

135

110

125

9,14

135

135

18,3

22,4

145

160

6,21

145

115

135

9,81

145

145

19,6

22,4

155

170

6,21

155

125

140

10,49

155

155

21,0

22,4

165

180

6,21

165

130

145

11,17

165

165

22,3

22,4

175

190

6,21

175

140

155

11,85

175

175

23,7

22,4

185

200

6,21

185

145

160

12,52

185

185

25,0

22,4

205

220

6,21

205

160

175

13,88

205

205

27,8

22,4

225

240

6,21

225

175

190

15,23

225

225

30,5

22,4

245

260

6,21

245

190

205

16,58

245

245

33,2

22,4

110

125

7,86

110

95

110

9,10

110

110

18,2

28,5 28,5

135

150

8,64

135

115

125

11,17

135

135

22,3

160

175

8,64

160

130

145

13,24

160

160

26,5

28,5

185

200

8,64

185

150

160

15,31

185

185

30,6

28,5 28,5

210

225

8,64

210

165

180

17,37

210

210

34,7

235

250

8,64

235

185

195

19,44

235

235

38,9

28,5

260

275

8,64

260

200

215

21,51

260

260

43,0

28,5

285

300

8,64

285

220

230

23,58

285

285

47,2

28,5

PRINCÍPIOS GERAIS: • O  s valores característicos são conforme a normativa EN 1995:2014 e especificações nacionais ÖNORM EN 1995 - Annex K, de acordo com ETA-11/0030.

• Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 350 kg/m3.

• Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

• A dimensão e a verificação dos elementos de madeira devem ser feitas à parte.

Rd =

Rk kmod γm

 s coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente O utilizada para o cálculo. • Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030.

• As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência. • Os valores de extração, corte e deslizamento foram avaliados considerando-se o baricentro do conector posicionado em correspondência com o plano de corte. • Os valores de extração, corte e deslizamento foram avaliados considerando-se o baricentro do conector posicionado em correspondência com o plano de corte.

ESTRUTURAS | VGZ | 153


VALORES ESTÁTICOS | LVL DESLIZAMENTO(5) LVL - LVL flat

geometria

45°

Sg

L Sg

d1

d1 [mm]

7

9

L [mm] 80 100 120 140 160 180 200 220 240 260 280 300 340 380 160 180 200 220 240 260 280 300 320 340 360 380 400 440 480 520

Sg [mm] 25 35 45 55 65 75 85 95 105 115 125 135 155 175 65 75 85 95 105 115 125 135 145 155 165 175 185 205 225 245

Amin [mm] 30 40 45 55 60 65 75 80 90 95 100 110 125 140 60 70 75 80 90 95 105 110 115 125 130 140 145 160 175 190

LVL RV,k [kN] 1,62 2,27 2,92 3,56 4,21 4,86 5,51 6,16 6,80 7,45 8,10 8,75 10,04 11,34 5,11 5,90 6,69 7,47 8,26 9,05 9,84 10,62 11,41 12,20 12,98 13,77 14,56 16,13 17,70 19,28

Bmin [mm] 50 55 60 70 75 85 90 100 105 110 120 125 140 155 75 85 90 100 105 110 120 125 135 140 145 155 160 175 190 205

aço Rtens,k 45° (6)

[kN]

10,89

17,96

NOTAS:  A resistência de projecto do conector é a mínima entre a resistência de projecto do lado da madeira (Rax,d) e a resistência de projecto do lado do aço (Rtens,d).

(1)

Rax,d = min (2)

(3)

(4)

O comprimento de penetração mínima no lado da ponta Sg MIN = 100 mm para conectores VGZ Ø7 e Sg MIN = 120 mm para conectores VGZ Ø9.

(5)

A resistência de projeto ao deslizamento do conector é a mínima entre a resistência de projeto do lado da madeira (Rv,d) e a resistência de projeto do lado do aço (Rtens,d 45°).

Rax,k kmod γm Rtens,k γm2

A resistência axial à extração da rosca Rax,90,flat,k foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b em aplicação com LVL seja em folhosas paralelas que cruzadas. A resistência axial à extração da rosca Rax,90,edge,k foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b em aplicação com LVL em folhosas paralelas.

154 | VGZ | ESTRUTURAS

RV,d = min (6)

RV,k kmod γm Rtens,k 45° γm2

A resistência à tração do conector foi avaliada considerando-se um ângulo de 45° entre as fibras e o conector.


VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 TRACÇÃO (1) extração da rosca total(2) flat

extração da rosca parcial (2) flat

Sg

A

Sg

A

extração da rosca (3) edge

Sg

A

b [mm] 70 90 110 130 150 170 190 210 230 250 270 290 330 370 150 170 190 210 230 250 270 290 310 330 350 370 390 430 470 510

Amin [mm] 90 110 130 150 170 190 210 230 250 270 290 310 350 390 170 190 210 230 250 270 290 310 330 350 370 390 410 450 490 530

LVL Rax,k [kN] 7,06 9,07 11,09 13,10 15,12 17,14 19,15 21,17 23,18 25,20 27,22 29,23 33,26 37,30 18,36 20,81 23,26 25,70 28,15 30,60 33,05 35,50 37,94 40,39 42,84 45,29 47,74 52,63 57,53 62,42

Sg [mm] 25 35 45 55 65 75 85 95 105 115 125 135 155 175 65 75 85 95 105 115 125 135 145 155 165 175 185 205 225 245

Amin [mm] 45 55 65 75 85 95 105 115 125 135 145 155 175 195 85 95 105 115 125 135 145 155 165 175 185 195 205 225 245 265

tração do aço

LVL Rax,k [kN] 2,52 3,53 4,54 5,54 6,55 7,56 8,57 9,58 10,58 11,59 12,60 13,61 15,62 17,64 7,96 9,18 10,40 11,63 12,85 14,08 15,30 16,52 17,75 18,97 20,20 21,42 22,64 25,09 27,54 29,99

Sg (4) [mm] 110 130 150 170 190 210 230 250 270 290 330 370 150 170 190 210 230 250 270 290 310 330 350 370 390 430 470 510

tmin

[mm] 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 57 57 57 57 57 57 57 57 57 57 57 57 57 57 57 57

LVL Rax,k [kN] 9,86 11,65 13,44 15,23 17,02 18,82 20,61 22,40 24,19 25,98 29,57 33,15 19,58 22,19 24,80 27,41 30,02 32,63 35,24 37,85 40,46 43,07 45,68 48,29 50,90 56,12 61,34 66,56

aço Rtens,k [kN]

15,40

25,4

PRINCÍPIOS GERAIS: • O  s valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030.

• Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 480 kg/m3.

• Os parâmetros mecânico de resistência à extracção em LVL são obtidos com ensaios experimentais efectuados na Eurofins Expert Services Oy, Espoo, Finland (Report EUFI29-19000819-T1/T2).

• A dimensão e a verificação dos elementos de madeira devem ser feitas à parte.

• Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

• Os valores de extração e deslizamento foram avaliados considerando-se o baricentro do conector posicionado em correspondência com o plano de corte.

Rk kmod γm

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo. • Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030.

ESTRUTURAS | VGZ | 155


EXEMPLOS DE CÁLCULO: REFORÇO DA VIGA ENTALHADA À TRAÇÃO ORTOGONAL ÀS FIBRAS B-B

DADOS DE PROJECTO B = 200 mm

Madeira GL24h (ρk = 385 kg/m3)

H = 400 mm

Fv,Rd = 29,5 kN

Hef = 200 mm

Classe de serviço = 1

Hi = H - Hef = 200

Duração da carga = média

ia = 0 (inclinação do entalhe)

La = 150 mm

A-A a2,c a2

B

a2,c B-B Hef

A-A

X

Sg sup

H Sg inf

H-Hef Fv,Rd La

a1,c

VERIFICAÇÃO DA TENSÃO AO CORTE - VIGA SEM REFORÇO - Secção A-A (EN 1995:2014) : τd ≤ kv ∙ fv,d

τd =

1,5 Fv,Rd B Hef

α=

La 2

x=

α=

Hef H

x = τd

1 kV = min

kn

1,1 iα1,5 1+ H

α (1-α) + 0,8 x H

h

= 1,65 N/mm2

x

= 75 mm

α

= 0,5

kn

= 6,50 (GL24h)

kv

= 0,47

fv,k

= 3,50 N/mm2

1 -α2 α

EN 1995:2014

Itália - NTC 2018

kmod = 0,9

kmod = 0,9

γm = 1,25

γm = 1,45

fv,d = 2,52 N/mm2 kv ∙ fv,d = 1,18 N/mm2

fv,d = 2,17 N/mm2 kv ∙ fv,d = 1,02 N/mm2

τd ≤ kv ∙ fv,d

1,65 > 1,18 N/mm2

τd ≤ kv ∙ fv,d

1,65 > 1,02 N/mm2

verificação não satisfeita

verificação não satisfeita

NECESSIDADE DE REFORÇO

NECESSIDADE DE REFORÇO

VERIFICAÇÃO DA TENSÃO AO CORTE - Secção B-B (EN 1995:2014): τd ≤ fv,d

τd =

1,5 Fv,Rd B Hef

α=

EN 1995:2014

τd

= 1,65 N/mm2

Itália - NTC 2018

τd ≤ fv,d

1,65 < 2,52 N/mm2

τd ≤ fv,d

1,65 < 2,17 N/mm2

verificação satisfeita

verificação satisfeita

REFORÇO DA SECÇÃO A-A - CÁLCULO DA TENSÃO DE TRAÇÃO ORTOGONAL ÀS FIBRAS (DIN 1052:2008)

Ft,90,d = 1,3 Fv,Rd [ 3 (1-α)2 - 2 (1-α)3]

Ft,90,d = 19,18 kN

ESCOLHA DO CONECTOR DE REFORÇO VGZ 9 x 360 mm

Para optimizar a sua resistência, o conector deve ser posicionado com o baricentro em correspon-

Sg sup = 165 mm

dência com a possível linha de fissuração.

Sg inf = 165 mm

156 | VGZ | ESTRUTURAS


CÁLCULO DE RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DO CONECTOR (EN 1995:2014 e ETA-11/0030)

Rax,Rd = min

Rax,α,Rx =

Rax,α,Rk kmod γm Rtens,k γm2

nef 11,7 d1 Sg

ρk

1,2 cos2α + sin2α

350

Rax,90°,Rk = 18,75 kN

0,8

Rtens,k = 25,40 kN

As resistências à tração dos conectores aqui calculadas constam da tabela da pág. 140. As distâncias mínimas para o posicionamento dos conectores constam da tabela da pág. 139. Itália - NTC 2018

EN 1995:2014 kmod = 0,9

kmod = 0,9

γm = 1,3

γm = 1,5

γm2 = 1,25

γm2 = 1,25

Rax,90°Rd = 12,98 kN

Rax,90°Rd = 11,25 kN

Rtens,d = 20,32 kN

Rki,d = 20,32 kN

Rax,Rd = 12,98 kN

Rax,Rd = 11,25 kN

NÚMERO MÍNIMO DE CONECTORES Ft,90,d / Rax,Rd = 1,48

Ft,90,d / Rax,Rd = 1,70

Supõem-se 2 conectores nef,ax 20,9 = 1,87

RESISTÊNCIA À TRAÇÃO ORTOGONAL DA LIGAÇÃO Rax,Rd = 1,87 ∙ 12,98 = 24,27 kN

>

19,18 kN OK

Rax,Rd = 1,87 ∙ 11,25 = 21,04 kN >

19,18 kN OK

Para configurações de cálculo diferentes, está disponível o software MyProject (www.rothoblaas.pt).

EXEMPLOS DE JUNCÕES QUE NECESSITAM DE VERIFICAÇÃO DA TRAÇÃO ORTOGONAL E DE UM EVENTUAL REFORÇO

ia=0

ia>0

ESTRUTURAS | VGZ | 157


VGZ EVO FRAME

BIT INCLUÍDOS

COATING

ETA 11/0030

MINI CONECTOR TOTALMENTE ROSCADO DE CABEÇA CILÍNDRICA TIMBER FRAME Ideal nas ligações entre elementos de madeira de pequena secção, como as travessas e os montantes das estruturas de armação ligeiras. Distâncias mínimas reduzidas.

APLICAÇÕES ESTRUTURAIS Homologada para aplicações estruturais solicitadas em qualquer direção em relação à fibra (α = 0° - 90°). Segurança certificada por numerosos testes efetuados para qualquer direção de inserção.

LUMBER A cabeça cilíndrica é ideal para ligações não aparentes. Roscagem profunda e aço de alta resistência (fy,k = 1000 N/mm2) para um grande desempenho à tração.

REVESTIMENTO C4 EVO Múltiplas camadas 20 μm com tratamento superficial à base de resina epoxídica e flakes de alumínio. Ausência de ferrugem após testes de 1440 horas de exposição em névoa salina de acordo com ISO 9227. Utilizável no exterior em classe de serviço 3 e em classe de corrosão atmosférica C4.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

conector para secções estreitas

CABEÇA

cilíndrica de embutir

DIÂMETRO

5,3 | 5,6 mm

COMPRIMENTO

de 80 a 160 mm

MATERIAL Aço carbónico com revestimento 20 μm de alta resistência à corrosão.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • madeira maciça e lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade • madeiras agressivas (contendo tanino) • madeiras tratadas quimicamente Classes de serviço 1, 2 e 3.

158 | VGZ EVO FRAME | ESTRUTURAS


TRUSS, RAFTER Ideal para a fixação de elementos de secção reduzida. Certificado para aplicações em direção paralela à fibra e com distâncias mínimas reduzidas. Certificado para utilização no exterior em classe de serviço 3.

TIMBER STUD Valores testados, certificados e calculados também para CLT e madeiras de alta densidade como o microlamelar LVL. Ideal para a fixação de vigas I-Joist.

ESTRUTURAS | VGZ EVO FRAME | 159


Fixação das travessas de estruturas de armação ligeiras.

Fixação dos montantes de estrutura de armação ligeiras.

GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

X

d2 d1

X

X V

G

Z

dk

b L Diâmetro nominal

d1

[mm]

5,3

5,6

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

8,00

8,00

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

3,60

3,80

Diâmetro da haste

ds

[mm]

3,95

4,15

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

3,5

3,5

My,k

[Nmm]

6303,3

7273,5

fax,k

[N/mm2]

11,7

11,7

ftens,k

[kN]

8,80

9,90

fy,k

[kN]

1000

1000

Momento plástico característico Parâmetro característico de resistência à extracção Resistência característica à tração Resistência característica à tensão

160 | VGZ EVO FRAME | ESTRUTURAS


CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm] VGZEVO580 5,3 VGZEVO5100 TX 25 VGZEVO5120 VGZEVO5140

5,6 TX 25 VGZEVO5160

L

b

pçs

[mm]

[mm]

80

70

50

100

90

50

120

110

50

140

130

50

160

150

50

DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE (1)

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

5,3

5,6

27

28

4∙d

5,3

5,6

21

22

a1

[mm]

a2

[mm]

3∙d

16

17

4∙d

21

22

a3,t

[mm]

12∙d

64

67

7∙d

37

39

a3,c

[mm]

7∙d

37

39

7∙d

37

39

a4,t

[mm]

3∙d

16

17

7∙d

37

39

a4,c

[mm]

3∙d

16

17

3∙d

16

17

5∙d

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO 5,3

5,6

64

67

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO 5,3

5,6

27

28

a1

[mm]

a2

[mm]

5∙d

27

28

5∙d

27

28

a3,t

[mm]

15∙d

80

84

10∙d

53

56

a3,c

[mm]

10∙d

53

56

10∙d

53

56

a4,t

[mm]

5∙d

27

28

10∙d

53

56

a4,c

[mm]

5∙d

27

28

5∙d

27

28

12∙d

5∙d

d = diâmetro nominal do parafuso extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c

a3,c

NOTAS: As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014 considerando-se uma massa volúmica dos elementos de madeira ρk ≤ 420 kg/m3.

(1)

• Em caso de ligação painel-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,85.

• Em caso de ligação aço-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,7.

ESTRUTURAS | VGZ EVO FRAME | 161


ROSCA EFICAZ DE CÁLCULO 10

Sg

Tol.

Sg

10

b = L - 10 mm

representa todo o comprimento da parte roscada

Sg = (L - 10 mm - 10 mm - Tol.) / 2

representa metade do comprimento da parte roscada, deduzida uma tolerância (Tol.) de aposição de 10 mm

b L

Os valores de extração, corte e deslizamento madeira-madeira devem ser avaliados considerando o baricentro do conector posicionado em correspondência com o plano de corte.

DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AXIAL(2)

PARAFUSOS INSERIDOS COM E SEM PRÉ-FURO a1

[mm]

a2

[mm]

a2,LIM(3) [mm] a1,CG

[mm]

a2,CG

[mm]

aCROSS [mm]

5,3

5,6

5∙d

27

28

5∙d

27

28

2,5∙d

13

14

8∙d

42

45

3∙d

16

17

1,5∙d

8

8

d = diâmetro nominal do parafuso PARAFUSOS EM TRAÇÃO INSERIDOS COM UM ÂNGULO α EM RELAÇÃO À FIBRA

a2,CG a2,CG

a2,CG a2 a2,CG

a2

a2,CG

a2,CG a1,CG

1

a1

a

a2,CG a1,CG

a1,CG

a2,CG a1,CG

planta

prospecto

planta

prospecto

PARAFUSOS INSERIDOS COM UM ÂNGULO α = 90° EM RELAÇÃO À FIBRA a2,CG a2 a2,CG a1,CG

a1 a1,CG

planta

a1

prospecto

NOTAS: As distâncias minimas para conectores carregados axialmente são independentes do ângulo de inserção do conector e do ângulo da força em relação às fibras segundo ETA-11/0030.

(2)

162 | VGZ EVO FRAME | ESTRUTURAS

A distância axial a2 pode ser reduzida até 2,5 d1 se, para cada conector, mantém-se uma “superfície de ligação” a1 a2 = 25 d12.

(3)


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 TRAÇÃO(1)

geometria

extração da rosca total (2)

extração da rosca parcial (2)

tração do aço

estrazione estrazione filetto filetto parziale parziale

L

Sg

A

Sg

A

A

d1

sobre madeira

sobre madeira

aço

Rax,k

Sg

Amin

Rax,k

Rtens,k

[mm]

[kN]

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

90 110 130 150 170

5,02 6,46 7,89 9,86 11,37

25 35 45 55 65

45 55 65 75 85

1,79 2,51 3,23 4,17 4,93

d1

L

b

Amin

[mm]

[mm]

[mm]

80 100 120 140 160

70 90 110 130 150

5,3 5,6

geometria

8,80 9,90

CORTE

DESLIZAMENTO

madeira-madeira

madeira - madeira (3)

A

Sg

A

S

Sg

g

estrazione filetto parziale

45°

A

S

g

L B

d1

d1

L

Sg

Amin

RV,k

Amin

Bmin

Rv,k

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

[mm]

[mm]

[kN]

80 100 120 140 160

25 35 45 55 65

40 50 60 70 80

1,67 1,99 2,17 2,53 2,72

30 40 45 50 60

50 55 60 70 75

1,15 1,61 2,08 2,68 3,17

5,3 5,6

NOTAS:

PRINCÍPIOS GERAIS:

 A resistência de projecto do conector é a mínima entre a resistência de projecto do lado da madeira (Rax,d) e a resistência de projecto do lado do aço (Rtens,d).

(1)

Rax,d = min

Rax,k kmod γm Rtens,k γm2

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de rosca eficaz equivalente a b ou Sg. Para valores intermédios de Sg, é possível interpolar linearmente. (2)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 45° entre as fibras e o conector e para um comprimento de rosca eficaz equivalente a Sg.

(3)

• O  s valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030. • Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

Rk kmod γm

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo. • Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030. • Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 385 kg/m3. • A dimensão e a verificação dos elementos de madeira devem ser feitas à parte. • As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência. • Os valores de extração, corte e deslizamento foram avaliados considerando-se o baricentro do conector posicionado em correspondência com o plano de corte.

ESTRUTURAS | VGZ EVO FRAME | 163


LIGAÇÕES TETO-PAREDE: TENSÕES AXIAIS

Vigas da cobertura

04

05

06

Travessa da parede de estruturas

Viga de suporte do painel de estrutura

Montante da parede de estrutura

01

03

02

04 01

01

Plataforma base

04

04 Ligação travessa-suporte com conector inclinado

Ligação montante-viga de suporte com simples conector inclinado

02

02

05 Ligação montante-viga de suporte com duplo conector inclinado

2x

Ligação travessa-suporte com duplo conector inclinado dos lados

03

03

06

2x

Ligação montante-viga de suporte com duplos conectores cruzados

164 | VGZ EVO FRAME | ESTRUTURAS

Ligação travessa-suporte com duplo conector inclinado frontal


LIGAÇÕES TETO-PAREDE: TENSÕES FORA EIXO

Vigas da cobertura

Travessa da parede de estruturas

07

10

Viga de suporte do painel de estrutura

11

Montante da parede de estrutura

08

Laje com vigas I-Joist

Travessa da parede de estruturas 09

07

07

10 Ligação montante-travessa com simples conector inclinado

Ligação montante-travessa com simples conector inclinado

08

08

11 Ligação travessa-viga de suporte com simples conector inclinado

Ligação travessa-suporte com duplo conector vertical

09 Ligação montante-travessa com simples conector inclinado

ESTRUTURAS | VGZ EVO FRAME | 165


VGZ EVO

BIT INCLUÍDOS

COATING

ETA 11/0030

CONECTOR TOTALMENTE ROSCADO DE CABEÇA CILÍNDRICA REVESTIMENTO C4 EVO Múltiplas camadas 20 μm com tratamento superficial à base de resina epoxídica e flakes de alumínio. Ausência de ferrugem após testes de 1440 horas de exposição em névoa salina de acordo com ISO 9227. Utilizável no exterior em classe de serviço 3 e em classe de corrosão atmosférica C4.

MADEIRAS AGRESSIVAS Ideal em aplicações com essências contendo tanino ou tratadas com impregnantes ou outros processos químicos.

TRAÇÃO Roscagem profunda e aço de alta resistência (fy,k = 1000 N/mm2) para um grande desempenho à tração.

APLICAÇÕES ESTRUTURAIS Homologada para aplicações estruturais solicitadas em qualquer direção em relação à fibra (α = 0° - 90°). Distâncias mínimas reduzidas.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

classe de corrosividade C4

CABEÇA

cilíndrica de embutir

DIÂMETRO

5,3 | 5,6 | 7,0 | 9,0 mm

COMPRIMENTO

de 80 a 360 mm

MATERIAL Aço carbónico com revestimento 20 μm de alta resistência à corrosão.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • madeira maciça e lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade • madeiras agressivas (contendo tanino) • madeiras tratadas quimicamente Classes de serviço 1, 2 e 3.

166 | VGZ EVO | ESTRUTURAS


OAK FRAME Ideal para a realização de estruturas no exterior e para a fixação de madeiras agressivas que contenham taninos, como o castanheiro e o carvalho. Valores certificados também para a inserção do parafuso em direção paralela à fibra.

TIMBER FRAME Valores testados, certificados e calculados também para CLT e madeiras de alta densidade como o microlamelar LVL.

ESTRUTURAS | VGZ EVO | 167


Fixação de treliça de madeira em ambiente externo.

Recuperação de laje existente em madeira através vigas lamelares e conectores VGZ.

GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

X

d2 d1

X

X V

G

Z

dk

b L

Diâmetro nominal

d1

[mm]

5,3

5,6

7

9

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

8,00

8,00

9,50

11,50

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

3,60

3,80

4,60

5,90

Diâmetro da haste

ds

[mm]

3,95

4,15

5,00

6,50

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

3,5

3,5

4,0

5,0

My,k

[Nmm]

6303,3

7273,5

14174,2

27244,1

fax,k

[N/mm2]

11,7

11,7

11,7

11,7

ftens,k

[kN]

8,80

9,90

15,4

25,4

fy,k

[kN]

1000

1000

1000

1000

Momento plástico característico Parâmetro característico de resistência à extracção Resistência característica à tração Resistência característica à tensão

168 | VGZ EVO | ESTRUTURAS


CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm] VGZEVO580 5,3 VGZEVO5100 TX 25 VGZEVO5120

L

b

[mm]

[mm]

pçs

80

70

50

100

90

50

120

110

50

d1

CÓDIGO

L

b

[mm]

[mm]

VGZEVO9200

200

190

25

240

230

25

280

270

25

320

310

25

360

350

25

[mm]

5,6 VGZEVO5140 TX 25 VGZEVO5160

140

130

50

VGZEVO9240 9 VGZEVO9280 TX 40 VGZEVO9320

160

150

50

VGZEVO9360

VGZEVO7140

140

130

25

VGZEVO7180 7 VGZEVO7220 TX 30 VGZEVO7260

180

170

25

220

210

25

260

250

25

VGZEVO7300

300

290

25

DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE (1)

Ângulo entre força e fibras α = 0°

a1 a2 a3,t a3,c a4,t a4,c

a1 a2 a3,t a3,c a4,t a4,c

pçs

Para a tabela Distâncias mínimas para parafusos sob tensão axial ver pág. 139

Ângulo entre força e fibras α = 90°

[mm] [mm] [mm] [mm] [mm] [mm]

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO 5,3 5,6 7 5∙d 27 28 35 3∙d 16 17 21 12∙d 64 67 84 7∙d 37 39 49 3∙d 16 17 21 3∙d 16 17 21

9 45 27 108 63 27 27

4∙d 4∙d 7∙d 7∙d 7∙d 3∙d

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO 5,3 5,6 7 21 22 28 21 22 28 37 39 49 37 39 49 37 39 49 16 17 21

9 36 36 63 63 63 27

[mm] [mm] [mm] [mm] [mm] [mm]

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO 5,3 5,6 7 12∙d 64 67 84 5∙d 27 28 35 15∙d 80 84 105 10∙d 53 56 70 5∙d 27 28 35 5∙d 27 28 35

9 108 45 135 90 45 45

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO 5,3 5,6 7 5∙d 27 28 35 5∙d 27 28 35 10∙d 53 56 70 10∙d 53 56 70 10∙d 53 56 70 5∙d 27 28 35

9 45 45 90 90 90 45

d = diâmetro nominal do parafuso extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c

a3,c

NOTAS: As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014 considerando-se uma massa volúmica dos elementos de madeira ρk ≤ 420 kg/m3.

(1)

• Em caso de ligação painel-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,85.

• Em caso de ligação aço-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,7.

ESTRUTURAS | VGZ EVO | 169


ROSCA EFICAZ DE CÁLCULO 10

Sg

Tol.

Sg

10

b = L - 10 mm

representa todo o comprimento da parte roscada

Sg = (L - 10 mm - 10 mm - Tol.) / 2

representa metade do comprimento da parte roscada, deduzida uma tolerância (Tol.) de aposição de 10 mm

b L

Os valores de extração, corte e deslizamento madeira-madeira devem ser avaliados considerando o baricentro do conector posicionado em correspondência com o plano de corte.

VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 TRAÇÃO(1)

geometria

extração da rosca total (2)

extração da rosca parcial (2)

tração do aço

estrazione estrazione filetto filetto parziale parziale

L

Sg

A

Sg

A

A

d1

sobre madeira

aço

d1

L

b

Amin

sobre madeira Rax,k

Sg

Amin

Rax,k

Rtens,k

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

80

70

90

5,02

25

45

1,79

5,3

100

90

110

6,46

35

55

2,51

5,6

7

9

120

110

130

7,89

45

65

3,23

140

130

150

9,86

55

75

4,17

160

150

170

11,37

65

85

4,93

140

130

150

12,32

55

75

5,21

180

170

190

16,11

75

95

7,11

220

210

230

19,90

95

115

9,00

260

250

270

23,69

115

135

10,90

300

290

310

27,48

135

155

12,79

200

190

210

23,15

85

105

10,36

240

230

250

28,02

105

125

12,79

280

270

290

32,90

125

145

15,23

320

310

330

37,77

145

165

17,67

360

350

370

42,64

165

185

20,10

8,80

9,90

15,40

25,40

NOTAS:  A resistência de projecto do conector é a mínima entre a resistência de projecto do lado da madeira (Rax,d) e a resistência de projecto do lado do aço (Rtens,d).

(1)

Rax,d = min

Rax,k kmod γm Rtens,k γm2

170 | VGZ EVO | ESTRUTURAS

(2)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de rosca eficaz equivalente a b ou Sg. Para valores intermédios de Sg, é possível interpolar linearmente.


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014

geometria

CORTE

DESLIZAMENTO

madeira-madeira

madeira - madeira (3)

A

Sg

A

S

Sg

g

estrazione filetto parziale

45°

A

S

g

L B

d1

d1

L

Sg

Amin

RV,k

Amin

Bmin

Rv,k

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

[mm]

[mm]

[kN]

80

25

40

1,67

30

50

1,15

5,3

100

35

50

1,99

40

55

1,61

5,6

7

9

120

45

60

2,17

45

60

2,08

140

55

70

2,53

50

70

2,68

160

65

80

2,72

60

75

3,17

140

55

70

3,55

55

70

3,35

180

75

90

4,02

65

85

4,57

220

95

110

4,49

80

100

5,79

260

115

130

4,49

95

110

7,01

300

135

150

4,49

110

125

8,22

200

85

100

5,99

75

90

6,66

240

105

120

6,60

90

105

8,22

280

125

140

6,80

105

120

9,79

320

145

160

6,80

115

135

11,36

360

165

180

6,80

130

145

12,92

NOTAS: (3)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 45° entre as fibras e o conector e para um comprimento de rosca eficaz equivalente a Sg.

• Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030. • Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 385 kg/m3.

PRINCÍPIOS GERAIS:

• A dimensão e a verificação dos elementos de madeira devem ser feitas à parte.

• O  s valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030.

• As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência.

• Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

Rk kmod γm

• Os valores de extração, corte e deslizamento foram avaliados considerando-se o baricentro do conector posicionado em correspondência com o plano de corte.

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo.

ESTRUTURAS | VGZ EVO | 171


VGZ HARDWOOD

BIT INCLUÍDOS

ETA 11/0030

CONECTOR TOTALMENTE ROSCADO PARA MADEIRAS DURAS CERTIFICAÇÃO MADEIRAS DURAS Especial ponta com geometria de diamante e rosca serrilhada com entalhe. Certificação ETA 11/0030 para utilização com madeiras de alta densidade sem pré-furo. Homologada para aplicações estruturais solicitadas em qualquer direção em relação à fibra (α = 0° - 90°).

TRAÇÃO Roscagem profunda e aço de alta resistência (fy,k = 1000 N/mm2) para um grande desempenho à tração. Diâmetro do núcleo interno do parafuso aumentado para garantir o aparafusamento nas madeiras com as mais altas densidades. Excelentes valores do momento de torção.

CABEÇA CILÍNDRICA Ideal para ligações ocultas, acoplamentos de madeira e reforços estruturais. Garante proteção contra fogo e idoneidade aos sismos.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

conector para madeiras duras

CABEÇA

cilíndrica de embutir

DIÂMETRO

7,0 | 9,0 mm

COMPRIMENTO

de 140 a 320 mm

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • Madeira maciça e lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade • faia, preste, eucalipto, bambu Classes de serviço 1 e 2.

172 | VGZ HARDWOOD | ESTRUTURAS


GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

ds X X

Z

V

G

H

d2 d1

X

dk

b L Diâmetro nominal eq.

d1 eq.

[mm]

7

9

Diâmetro nominal

d1

[mm]

6

8

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

9,50

11,50

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

4,50

5,90

Diâmetro da haste

ds

[mm]

4,80

6,30

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

4,0

6,0

Momento plástico característico

My,k

[Nmm]

18987,4

40115,0

Parâmetro característico de resistência à extracção

fax,k,90°

[N/mm ]

46,0

46,0

fax,k,0°

[N/mm2]

20,0

20,0

2

Densidade associada

ρa

[kg/m ]

730

730

Parâmetro característico de penetração da cabeça

fhead,k

[N/mm ]

50,0

50,0

Densidade associada

ρa

[kg/m3]

730

730

Resistência característica à tração

ftens,k

[kN]

18,0

32,1

3

2

Parâmetros mecânicos para ensaios experimentais "Test Report No. 196104" de Karlsruher Institut für Technologie (KIT).

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1 eq.

CÓDIGO

[mm]

7 TX 30

d1

L

b

[mm]

[mm]

[mm]

pçs

d1 eq.

CÓDIGO

[mm]

d1

L

b

[mm]

[mm]

[mm]

pçs

VGZH7140

6

140

130

25

VGZH9200

8

200

190

25

VGZH7180

6

180

170

25

VGZH9240

8

240

230

25

VGZH7220

6

220

210

25

VGZH9280

8

280

270

25

VGZH7260

6

260

250

25

VGZH9320

8

320

310

25

9 TX 40

d1 eq. = diâmetro nominal equivalente de um parafuso com o mesmo ds

NOTAS: Sob encomenda, está disponível em versão EVO.

BEECH LVL Valores testados, certificados e calculados também em madeiras de alta densidade como o microlamelar LVL de faia. Utilização certificada sem auxílio de pré-furo até densidades iguais a 780 kg/m3. Testada também em madeiras estruturais como castanheiro, carvalho, cipreste, eucalipto, bambu

ESTRUTURAS | VGZ HARDWOOD | 173


ROSCA EFICAZ DE CÁLCULO 10

Sg

Tol.

Sg

10

b = L - 10 mm

representa todo o comprimento da parte roscada

Sg = (L - 10 mm - 10 mm - Tol.) / 2

representa metade do comprimento da parte roscada, deduzida uma tolerância (Tol.) de aposição de 10 mm

b L

Os valores de extração, corte e deslizamento madeira-madeira devem ser avaliados considerando o baricentro do conector posicionado em correspondência com o plano de corte.

DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE (1)

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

d1 eq.

7

9

7

9

d1 a1

6

8

6

8

[mm]

5∙d1

30

40

4∙d1

24

32

a2

[mm]

3∙d1

18

24

4∙d1

24

32

a3,t

[mm]

12∙d1

72

96

7∙d1

42

56

a3,c

[mm]

7∙d1

42

56

7∙d1

42

56

a4,t

[mm]

3∙d1

18

24

7∙d1

42

56

a4,c

[mm]

3∙d1

18

24

3∙d1

18

24

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

d1 eq.

7

9

7

d1 a1

6

8

6

8

[mm]

90

120

42

56

a2

[mm]

7∙d1

42

56

7∙d1

42

56

a3,t

[mm]

20∙d1

120

160

15∙d1

90

120

a3,c

[mm]

15∙d1

90

120

15∙d1

90

120

a4,t

[mm]

7∙d1

42

56

12∙d1

72

96

a4,c

[mm]

7∙d1

42

56

7∙d1

42

56

15∙d1

7∙d1

9

d1 = diâmetro nominal do parafuso extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c

a3,c

NOTAS: • As distâncias mínimas são de acordo com a regulamentação EN 1995:2014 Tabela 8.2 considerando uma massa volúmica dos elementos de madeira ρk > 420 kg/m3 e um diâmetro de cálculo igual a d = diâmetro nominal parafuso. • Para aplicações em madeiras de densidade elevada (ρk > 500 kg/m3) referir-se à ETA-11/0030.

174 | VGZ HARDWOOD | ESTRUTURAS

• Em caso de ligação aço-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,7. • Em caso de ligação painel-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,85. Dados técnicos completos consultados no sítio www.rothoblaas.pt.


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AXIAL(1)

PARAFUSOS INSERIDOS COM E SEM PRÉ-FURO d1 eq.

7

9

6

8

a1

[mm]

5∙d1

30

40

a2

[mm]

5∙d1

30

40

d1

a2,LIM(2) [mm]

2,5∙d1

15

20

8∙d1

48

64

[mm]

3∙d1

18

24

[mm]

1,5∙d1

9

12

a1,CG

[mm]

a2,CG aCROSS

d1 = diâmetro nominal do parafuso

PARAFUSOS EM TRAÇÃO INSERIDOS COM UM ÂNGULO α EM RELAÇÃO À FIBRA

a2,CG a2,CG

a2,CG a2 a2,CG

a2

a2,CG

a2,CG a1,CG

1

a1

a

a2,CG a1,CG

a1,CG

a2,CG a1,CG

planta

prospecto

PARAFUSOS INSERIDOS COM UM ÂNGULO α = 90° EM RELAÇÃO À FIBRA

planta

prospecto

PARAFUSOS CRUZADOS INSERIDOS COM UM ÂNGULO α EM RELAÇÃO À FIBRA

a2,CG

45°

a2 a2,CG

a2,CG a1,CG

aCROSS a2,CG

a1 a1,CG

planta

a1

prospecto

planta

prospecto

NOTAS: As distâncias minimas para conectores carregados axialmente são independentes do ângulo de inserção do conector e do ângulo da força em relação às fibras segundo ETA-11/0030.

(1)

A distância axial a2 pode ser reduzida até 2,5 d1 se, para cada conector, mantém-se uma “superfície de ligação” a1 a2 = 25 d12.

(2)

ESTRUTURAS | VGZ HARDWOOD | 175


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 TRAÇÃO(1)

geometria

extração da rosca total (2)

extração da rosca parcial (2)

tração do aço

estrazione estrazione filetto filetto parziale parziale

L

Sg

A

Sg

A

A

d1

d1 eq. [mm]

d1 [mm] 6 6 6 6 8 8 8 8

7

9

L [mm] 140 180 220 260 200 240 280 320

b [mm] 130 170 210 250 190 230 270 310

Amin [mm] 150 190 230 270 210 250 290 330

geometria

sobre madeira Rax,k [kN] 28,61 37,41 46,21 55,01 55,75 67,49 79,22 90,96

Sg [mm] 55 75 95 115 85 105 125 145

sobre madeira Rax,k [kN] 12,10 16,50 20,91 25,31 24,94 30,81 36,68 42,54

Amin [mm] 75 95 115 135 105 125 145 165

CORTE

DESLIZAMENTO

madeira-madeira

madeira - madeira (3)

aço Rtens,k [kN] 17,00

20,10

A

Sg

A

S

Sg

g

estrazione filetto parziale

45°

A

S

g

L B

d1

d1 eq. [mm] 7

9

d1 [mm] 6 6 6 6 8 8 8 8

L [mm] 140 180 220 260 200 240 280 320

Sg [mm] 55 75 95 115 85 105 125 145

Amin [mm] 70 90 110 130 100 120 140 160

NOTAS:  A resistência de projecto do conector é a mínima entre a resistência de projecto do lado da madeira (Rax,d) e a resistência de projecto do lado do aço (Rtens,d).

(1)

Rax,d = min

Rax,k kmod γm Rtens,k γm2

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de rosca eficaz equivalente a b ou Sg. Para valores intermédios de Sg, é possível interpolar linearmente. (3) A resistência de projeto ao deslizamento do conector é a mínima entre a resistência de projeto do lado da madeira (Rv,d) e a resistência de projeto do lado do aço (Rtens,d 45°). (2)

RV,d = min

RV,k kmod γm Rtens,k 45° γm2

RV,k [kN] 5,64 5,64 5,64 5,64 9,06 9,06 9,06 9,06

Amin [mm] 55 70 80 95 75 90 105 120

Bmin [mm] 70 85 100 110 90 105 120 135

Rv,k [kN] 7,78 10,61 12,02 12,02 14,21 14,21 14,21 14,21

aço Rtens,k 45° [kN] 12,02

14,21

PRINCÍPIOS GERAIS: • O  s valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030. • Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

Rk kmod γm

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo. • Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da "Test Report No. 196104" de Karlsruher Institut für Technologie (KIT). • Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 550 kg/m3. • A dimensão e a verificação dos elementos de madeira devem ser feitas à parte. • As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência. • Os valores de extração, corte e deslizamento foram avaliados considerando-se o baricentro do conector posicionado em correspondência com o plano de corte. • As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência.

176 | VGZ HARDWOOD | ESTRUTURAS


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS CRUZADOS PARAFUSOS INSERIDOS COM E SEM PRÉ-FURO d1 eq.

7

9

d1

6

8

a2,CG

[mm]

3∙d1

18

24

aCROSS

[mm]

1,5∙d1

8

12

e

[mm]

3,5∙d1

21

28

d1 = diâmetro nominal do parafuso

d1 eq.

7

d1 dv (pré-furo)

[mm]

9

6

8

4,0

6,0

Obrigação de pré-furo para conectores Ø11 L ≥ 400 mm

LIGAÇÃO EM CORTE COM CONECTORES CRUZADOS - 1 PAR m 90°

N

T

m

S

g

45°

HT

a2,CG

S

g

hNT

HHT

aCROSS

bNT

a2,CG

90° BHT

BHT secção

planta

LIGAÇÃO EM CORTE COM CONECTORES CRUZADOS - 2 OU MAIS PARES m

m

N

T

90° a2,CG

HT

S

g

45°

aCROSS

S

g

hNT

HHT

e

bNT

aCROSS a2,CG

90° BHT

BHT secção

planta

ESTRUTURAS | VGZ HARDWOOD | 177


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014

LIGAÇÃO AO CORTE COM CONECTORES CRUZADOS LIGAÇÃO EM ÂNGULO RETO - VIGA PRINCIPAL / VIGA SECUNDÁRIA d1 eq.

d1

L

[mm] [mm] [mm]

6

6

Sg HT(1)

Sg NT (1)

BHT min

HHT min = hNT min

bNT min

[mm]

[mm]

[kN]

[mm]

[mm]

140

180

40

75

70

75

65

80

110

140

7 6

6

6

8

220

260

200

240

95

115

75

105

95

115

95

105

95

110

90

100

170

195

155

185

9 8

8

280

320

125

145

125

145

115

130

210

240

NOTAS: Os valores fornecidos são calculados considerando uma disposição dos conectores considerando uma distância a1, CG ≥ 5d. Em alguns casos, prevê-se a aposição assimétrica dos conectores (Sg HT ≠ Sg NT).

(1)

 A resistência de projeto do conector é a mínima entre a resistência de projeto do lado da extração (R1V,d) e a resistência de projeto à instabilidade (R2V,d).

(2)

RV,d = min

R1V,k kmod γm R2V,k γm1 R3V,k γm2

A quota de montagem (m) é válida em caso de aposição assimétrica dos conectores (Sg HT = Sg NT) em prumo superior aos elementos.

(3)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um comprimento de rosca eficaz equivalente a Sg. Os conectores devem ser inseridos a 45° em relação ao plano de corte.

(4)

178 | VGZ HARDWOOD | ESTRUTURAS

n° de pares

R1 V,k (1)

R2 V,k (2)

R3 V,k (2)

m (3) [mm]

[kN]

[kN]

[kN]

extração (4)

instabilidade

tração

45

1

12,4

14,0

24,0

75

2

23,2

26,1

44,9

105

3

33,5

37,7

64,6

45

1

23,3

14,0

24,0

75

2

43,6

26,1

44,9

105

3

62,7

37,7

64,6

45

1

26,9

14,0

24,0

75

2

50,2

26,1

44,9

105

3

72,2

37,7

64,6

45

1

32,5

14,0

24,0

75

2

60,7

26,1

44,9

105

3

87,5

37,7

64,6

60

1

31,1

45,5

28,4

100

2

58,1

85,0

53,0

140

3

83,6

122,4

76,4

60

1

39,6

45,5

28,4

100

2

73,9

85,0

53,0

140

3

106,5

122,4

76,4

60

1

47,2

45,5

28,4

100

2

88,0

85,0

53,0

140

3

126,7

122,4

76,4

60

1

54,7

45,5

28,4

100

2

102,1

85,0

53,0

140

3

147,0

122,4

76,4

60

64

78

92

78

85

99

113

PRINCÍPIOS GERAIS: • Os valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030. • Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da "Test Report No. 196104" de Karlsruher Institut für Technologie (KIT). • Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 555 kg/m3. • A dimensão e a verificação dos elementos de madeira devem ser feitas à parte.


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE | LVL

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO d1 eq. d1

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

7

9

7

9

6

8

6

8 32

a1

[mm]

5∙d1

30

40

4∙d1

24

a2

[mm]

3∙d1

18

24

4∙d1

24

32

a3,t

[mm]

12∙d1

72

96

7∙d1

42

56

a3,c

[mm]

7∙d1

42

56

7∙d1

42

56

a4,t

[mm]

3∙d1

18

24

7∙d1

42

56

a4,c

[mm]

3∙d1

18

24

3∙d1

18

24

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO d1 eq. d1

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

7

9

7

9

6

8

6

8

a1

[mm]

15∙d1

90

40

7∙d1

42

56

a2

[mm]

7∙d1

42

24

7∙d1

42

56

a3,t

[mm]

20∙d1

120

96

15∙d1

90

120

a3,c

[mm]

15∙d1

90

56

15∙d1

90

120

a4,t

[mm]

7∙d1

42

24

12∙d1

72

96

a4,c

[mm]

7∙d1

42

24

7∙d1

42

56

d1 = diâmetro nominal do parafuso

a4,c

a4,t α

a2

F

F α a1

F

α

a3,t

α

a3,c

a2 a2 F a1

NOTAS: • As distâncias mínimas são de acordo com a regulamentação EN 1995:2014 Tabela 8.2 considerando uma massa volúmica dos elementos de madeira ρk > 420 kg/m3 e um diâmetro de cálculo igual a d = diâmetro nominal parafuso. • Para aplicações em madeiras de densidade elevada (ρk > 500 kg/m3) referir-se à ETA-11/0030.

• Em caso de ligação aço-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,7. • Em caso de ligação painel-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,85. Dados técnicos completos consultados no sítio www.rothoblaas.pt.

ESTRUTURAS | VGZ HARDWOOD | 179


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AXIAL (1) | LVL

PARAFUSOS INSERIDOS COM E SEM PRÉ-FURO d1 eq.

7

9

d1

6

8

5∙d1

30

40

5∙d1 2,5∙d1

30 15

40 20

8∙d1

48

64

3∙d1

18

24

1,5∙d1

9

12

a1 [mm] a2 [mm] a2,LIM(2) [mm] a1,CG [mm] a2,CG

[mm]

aCROSS [mm]

d1 = diâmetro nominal do parafuso

a2,CG

a2

a2

a1,CG

a2,CG

a1

a1

planta

1

a2,CG

a2,CG a1,CG

PARAFUSOS INSERIDOS COM UM ÂNGULO α EM RELAÇÃO À FIBRA (wide face)

a

PARAFUSOS INSERIDOS COM UM ÂNGULO α = 90° EM RELAÇÃO À FIBRA (wide face)

a1,CG

a1,CG

prospecto

planta

prospecto

NOTAS: As distâncias minimas para conectores carregados axialmente são independentes do ângulo de inserção do conector e do ângulo da força em relação às fibras segundo ETA-11/0030.

(1)

180 | VGZ HARDWOOD | ESTRUTURAS

(2)

A distância axial a2 pode ser reduzida até 2,5 d1 se, para cada conector, mantém-se uma “superfície de ligação” a1 a2 = 25 d12.


VALORES ESTÁTICOS | LVL

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 TRAÇÃO(1) extração da rosca parcial (2) flat

extração da rosca total flat

(2)

geometria

L A

Sg

A

Sg

A

tração do aço

d1

LVL

aço

d1 eq.

d1

L

b

Amin

Rax,k

LVL Sg

Amin

Rax,k

Rtens,k

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

6 6 6 6 8 8 8 8

140 180 220 260 200 240 280 320

130 170 210 250 190 230 270 310

150 190 230 270 210 250 290 330

35,88 46,92 57,96 69,00 69,92 84,64 99,36 114,08

55 75 95 115 85 105 125 145

75 95 115 135 105 125 145 165

15,18 20,70 26,22 31,74 31,28 38,64 46,00 53,36

7

9

17,00

20,1

DESLIZAMENTO(3) geometria

LVL - LVL

Sg

45° L

Sg d1

LVL

aço

Rax,k

Rtens,k 45° (4) [kN]

d1 eq.

d1

L

Sg

Amin

Bmin

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

6 6 6 6 8 8 8 8

140 180 220 260 200 240 280 320

55 75 95 115 85 105 125 145

55 65 80 95 75 90 105 115

70 85 100 110 90 105 120 135

9,76 13,31 16,85 20,40 20,11 24,84 29,57 34,30

7

9

NOTAS:  A resistência de projecto do conector é a mínima entre a resistência de projecto do lado da madeira (Rax,d) e a resistência de projecto do lado do aço (Rtens,d).

(1)

Rax,d = min

Rax,k kmod γm Rtens,k γm2

A resistência axial à extração da rosca Rax,90,k foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

(2)

(3)

A resistência de projeto ao deslizamento do conector é a mínima entre a resistência de projeto do lado da madeira (Rv,d) e a resistência de projeto do lado do aço (Rtens,d 45°).

RV,d = min (4)

RV,k kmod γm Rtens,k 45° γm2

12,02

14,21

PRINCÍPIOS GERAIS: • O  s valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030. • Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

Rk kmod γm

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo. • Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030. • Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 730 kg/m3. • A dimensão e a verificação dos elementos de madeira devem ser feitas à parte. • Os valores de extração e deslizamento foram avaliados considerando-se o baricentro do conector posicionado em correspondência com o plano de corte.

A resistência à tração do conector foi avaliada considerando-se um ângulo de 45° entre as fibras e o conector.

ESTRUTURAS | VGZ HARDWOOD | 181


VGS

BIT INCLUÍDOS

ETA 11/0030

CONECTOR TOTALMENTE ROSCADO DE CABEÇA ESCAREADA OU SEXTAVADA TRAÇÃO Roscagem profunda e aço de alta resistência (fy,k = 1000 N/mm2) para um grande desempenho à tração. Homologada para aplicações estruturais solicitadas em qualquer direção em relação à fibra (α = 0° - 90°).

CABEÇA DE EMBEBER OU SEXTAVADA Cabeça de embeber até L = 600 mm ideal para utilização em chapas ou para reforços não aparentes. Cabeça sextavada de L > 600 mm para facilitar a aderência com o aparafusador.

CHROMIUM VI FREE Ausência total de crómio hexovalente. Conformidade com as mais rigorosas normas de regulamentação das substâncias químicas (SVHC). Informações REACH disponíveis.

9,0 | 11,0 | 13,0 mm L ≤ 600 mm

13,0 mm L > 600 mm

CARACTERÍSTICAS FOCUS

conexões 45°, levantamentos e reforços

CABEÇA

de embeber com nervuras para L ≤ 600 mm sextavada para L > 600 mm

DIÂMETRO

9,0 | 11,0 | 13,0 mm

COMPRIMENTO

de 100 a 1200 mm

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • madeira maciça • madeira lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade Classes de serviço 1 e 2.

182 | VGS | ESTRUTURAS


RESISTÊNCIA À TRAÇÃO Ideal nas ligações onde é pedida uma elevada resistência à tração ou deslizamento. Possibilidade de utilização em chapas em aço em combinação com a anilha VGU.

TITAN V Valores testados, certificados e calculados também para a fixação de chapas standard Rothoblaas.

ESTRUTURAS | VGS | 183


Reforço ortogonal à fibra de uma viga lamelar de grandes dimensões.

Sistema de levantamento e transporte através gancho WASP e parafuso VGS.

GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS t1 S V

d2 d1

X

G

X

X

dk

90°

ds

b L

45°

Diâmetro nominal

d1

[mm]

9

11

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

16,00

19,30

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

5,90

6,60

Diâmetro da haste

ds

[mm]

6,50

7,70

Espessura da cabeça

t1

[mm]

6,50

8,20

Diâmetro do pré-furo (*)

dv

[mm]

5,0

6,0

27244,1

45905,4

Momento plástico característico

My,k

[Nmm]

Parâmetro característico de resistência à extracção

fax,k

[N/mm ]

11,7

11,7

Resistência característica à tração

ftens,k

[kN]

25,4

38,0

Resistência característica à tensão

fy,k

[N/mm ]

1000

1000

(*) Pré-furo aconselhado para conectores de L ≥ 400 mm

184 | VGS | ESTRUTURAS

2

2


t1

V

G V

X

d2 d1

X

ds

duk

b

ds

SW

L

45°

X

X

S

G

X

X

dk

90°

S

t1

Diâmetro nominal

d1

[mm]

13 [L ≤ 600 mm]

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

22,00

-

Medida da chave

SW

-

SW 19

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

8,00

8,00

Diâmetro da haste

ds

[mm]

9,60

9,60

Espessura da cabeça

t1

[mm]

9,40

7,50

-

Diâmetro sub-cabeça

duk

[mm]

Diâmetro do pré-furo (*)

dv

[mm]

13 [L > 600 mm]

15,0 7,0

Momento plástico característico

My,k

[Nmm]

Parâmetro característico de resistência à extração

fax,k

[N/mm ]

11,7

Resistência característica à tração

ftens,k

[kN]

53,0

Resistência característica à tensão

fy,k

[N/mm ]

94500,5 2

1000

2

(*) Pré-furo aconselhado para conectores de L ≥ 400 mm Parâmetros mecânicos parafuso VGS Ø13 obtidos com ensaios experimentais.

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm] VGS9100

L

b

[mm]

[mm]

pçs

d1

CÓDIGO

100

90

25

VGS11400

[mm]

L

b

[mm]

[mm]

pçs

400

390

25

VGS9120

120

110

25

VGS11450

450

440

25

VGS9140

140

130

25

VGS11500

500

490

25

VGS9160

160

150

25

550

540

25 25

VGS9180

180

170

25

11 VGS11550 TX 50 VGS11600

600

590

VGS9200

200

190

25

VGS11700

700

690

25

VGS9220

220

210

25

VGS11800

800

790

25

VGS9240

240

230

25

VGS13100 (SEM NERVURAS)

100

90

25

VGS9260

260

250

25

VGS13150 (SEM NERVURAS)

150

140

25

25

VGS13200 (SEM NERVURAS)

200

190

25

9 VGS9280 TX 40 VGS9300

280

270

300

290

25

VGS9320

320

310

VGS9340

340

300

290

25

25

13 VGS13300 TX 50 VGS13400

400

390

25

330

25

VGS13500

500

490

25

VGS9360

360

350

25

VGS13600

600

590

25

VGS9380

380

370

25

VGS13700

700

690

25

VGS9400

400

390

25

800

790

25

VGS9440

440

430

25

25

VGS9480

480

470

25

VGS9520

520

510

25

VGS13800 13 VGS13900 SW 19 VGS131000 TX 50 VGS131100

VGS11100

100

90

25

VGS131200

VGS11125

125

115

25

VGS11150

150

140

25

VGS11175

175

165

25

VGS11200

200

190

25

VGS11225

11 TX 50 VGS11250

225

215

25

250

240

25

VGS11275

275

265

25

VGS11300

300

290

25

VGS11325

325

315

25

VGS11350

350

340

25

VGS11375

375

365

25

900

890

1000

990

25

1100

1090

25

1200

1190

25

ANILHA VGU CÓDIGO

parafuso

pçs

[mm] VGU945

VGS Ø9

25

VGU1145

VGS Ø11

25

VGU1345

VGS Ø13

25

capacidade máx.

pçs

GANCHO WASP CÓDIGO

[kg] WASP

1300

2

ESTRUTURAS | VGS | 185


ROSCA EFICAZ DE CÁLCULO 10

Sg

Tol.

Sg

10

b = L - 10 mm

representa todo o comprimento da parte roscada

Sg = (L - 10 mm - 10 mm - Tol.) / 2

representa metade do comprimento da parte roscada, deduzida uma tolerância (Tol.) de aposição de 10 mm

b L

Os valores de extração, corte e deslizamento madeira-madeira devem ser avaliados considerando o baricentro do conector posicionado em correspondência com o plano de corte.

DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE (1)

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO 9

11

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO 13

a1

[mm]

5∙d

45

55

65

a2

[mm]

3∙d

27

33

39

9

11

13

4∙d

36

44

52

4∙d

36

44

52

a3,t

[mm]

12∙d

108

132

156

7∙d

63

77

91

a3,c

[mm]

7∙d

63

77

91

7∙d

63

77

91

a4,t

[mm]

3∙d

27

33

39

7∙d

63

77

91

a4,c

[mm]

3∙d

27

33

39

3∙d

27

33

39

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

9

11

13

9

11

13

a1

[mm]

12∙d

108

132

156

5∙d

45

55

65

a2

[mm]

5∙d

45

55

65

5∙d

45

55

65

a3,t

[mm]

15∙d

135

165

195

10∙d

90

110

130

a3,c

[mm]

10∙d

90

110

130

10∙d

90

110

130

a4,t

[mm]

5∙d

45

55

65

10∙d

90

110

130

a4,c

[mm]

5∙d

45

55

65

5∙d

45

55

65

d = diâmetro nominal do parafuso extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c

a3,c

NOTAS: As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030, considerando-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk ≤ 420 kg/m3.

(1)

• Em caso de ligação aço-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,7.

186 | VGS | ESTRUTURAS

• Em caso de ligação painel-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,85.


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AXIAL(2)

PARAFUSOS INSERIDOS COM E SEM PRÉ-FURO 9

11

13

5∙d

45

55

65

[mm]

5∙d

45

55

65

[mm]

2,5∙d

23

28

33

a1,CG

[mm]

8∙d

72

88

104

a2,CG

[mm]

3∙d

27

33

39

aCROSS

[mm]

1,5∙d

14

17

20

a1

[mm]

a2 a2,LIM

(3)

d = diâmetro nominal do parafuso

PARAFUSOS EM TRAÇÃO INSERIDOS COM UM ÂNGULO α EM RELAÇÃO À FIBRA

a2,CG a2,CG

a2,CG a2 a2,CG

a2

a2,CG

a2,CG a1,CG

1

a1

a

a2,CG a1,CG

a1,CG

a2,CG a1,CG

planta

prospecto

PARAFUSOS INSERIDOS COM UM ÂNGULO α = 90° EM RELAÇÃO À FIBRA

planta

prospecto

PARAFUSOS CRUZADOS INSERIDOS COM UM ÂNGULO α EM RELAÇÃO À FIBRA

a2,CG 45°

a2 a2,CG

a2,CG a1,CG

aCROSS a2,CG

a1 a1,CG

planta

a1

prospecto

planta

prospecto

NOTAS: As distâncias minimas para conectores carregados axialmente são independentes do ângulo de inserção do conector e do ângulo da força em relação às fibras segundo ETA-11/0030.

(2)

A distância axial a2 pode ser reduzida até 2,5 d1 se, para cada conector, mantém-se uma “superfície de ligação” a1 a2 = 25 d12.

(3)

ESTRUTURAS | VGS | 187


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 TRAÇÃO (1) / COMPRESSÃO (2)

geometria

extração da rosca total (3)

tração do aço

extração da rosca parcial (3)

instabilidade

estrazione estrazionefiletto filettoparziale parziale

L

Sg

A

Sg

A

A

d1

sobre madeira d1

L

b

Amin

[mm]

[mm]

[mm]

100

90

9

11

sobre madeira

aço

aço

Rax,k

Rtens,k

Rki,k

[mm]

[kN]

[kN]

[kN]

55

3,98

25,40

17,25

38,00

21,93

Rax,k

Sg

Amin

[mm]

[kN]

[mm]

110

10,23

35

120

110

130

12,50

45

65

5,11

140

130

150

14,77

55

75

6,25

160

150

170

17,05

65

85

7,39

180

170

190

19,32

75

95

8,52

200

190

210

21,59

85

105

9,66

220

210

230

23,87

95

115

10,80

240

230

250

26,14

105

125

11,93

260

250

270

28,41

115

135

13,07

280

270

290

30,68

125

145

14,21

300

290

310

32,96

135

155

15,34

320

310

330

35,23

145

165

16,48

340

330

350

37,50

155

175

17,61

360

350

370

39,78

165

185

18,75

380

370

390

42,05

175

195

19,89

400

390

410

44,32

185

205

21,02

440

430

450

48,87

205

225

23,30

480

470

490

53,41

225

245

25,57

520

510

530

57,96

245

265

27,84

100

90

110

12,50

35

55

4,86

125

115

135

15,97

48

68

6,60

150

140

160

19,45

60

80

8,33

175

165

185

22,92

73

93

10,07

200

190

210

26,39

85

105

11,81

225

215

235

29,86

98

118

13,54

250

240

260

33,34

110

130

15,28

275

265

285

36,81

123

143

17,01

300

290

310

40,28

135

155

18,75

325

315

335

43,75

148

168

20,49

350

340

360

47,22

160

180

22,22

375

365

385

50,70

173

193

23,96

400

390

410

54,17

185

205

25,70

450

440

460

61,11

210

230

29,17

500

490

510

68,06

235

255

32,64

550

540

560

75,00

260

280

36,11

600

590

610

81,95

285

305

39,59

700

690

710

95,84

335

355

46,53

800

790

810

109,73

385

405

53,48

188 | VGS | ESTRUTURAS


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 TRAÇÃO (1) / COMPRESSÃO (2)

geometria

extração da rosca total (3)

tração do aço

extração da rosca parcial (3)

instabilidade

estrazione estrazionefiletto filettoparziale parziale

L

Sg

A

Sg

A

A

d1

sobre madeira d1

L

b

Amin

[mm]

[mm]

[mm]

100

90

13

sobre madeira

aço

aço

Rax,k

Rtens,k

Rki,k

[mm]

[kN]

[kN]

[kN]

55

5,75

53,00

32,69

Rax,k

Sg

Amin

[mm]

[kN]

[mm]

110

14,77

35

150

140

160

22,98

60

80

9,85

200

190

210

31,19

85

105

13,95

300

290

310

47,60

135

155

22,16

400

390

410

64,02

185

205

30,37

500

490

510

80,43

235

255

38,58

600

590

610

96,85

285

305

46,78

700

690

710

113,26

335

355

54,99

800

790

810

129,68

385

405

63,20

900

890

910

146,09

435

455

71,41

1000

990

1010

162,51

485

505

79,61

1100

1090

1110

178,92

535

555

87,82

1200

1190

1210

195,34

585

605

96,03

NOTAS:  A resistência de projecto à tração do conector é a mínima entre a resistência de projecto do lado da madeira (Rax,d) e a resistência de projecto do lado do aço (Rtens,d).

(1)

Rax,d = min

Rax,k kmod γm Rtens,k γm2

(3)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de rosca eficaz equivalente a b ou Sg. Para valores intermédios de Sg, é possível interpolar linearmente.

A resistência de projecto à compressão do conector é a mínima entre a resistência de projecto do lado da madeira (Rax,d) e a resistência de projecto à instabilidade (Rki,k).

(2)

Rax,d = min

Rax,k kmod γm Rki,k γm1

ESTRUTURAS | VGS | 189


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE

geometria

DESLIZAMENTO(4)

madeira-madeira

madeira-madeira

aço - madeira (5)

A

Sg

A

S

Sg

g

estrazione filetto parziale

45°

A

45°

S

g

S

g

L

Amin

B

d1

sobre madeira d1

L

Sg

Amin

[mm]

[mm]

[mm]

100

35

9

11

RV,k

Amin

Bmin

[mm]

[kN]

[mm]

50

3,54

40

sobre madeira

aço

RV,k

Rtens,k 45° (6)

[mm]

[kN]

[kN]

75

5,84

Rv,k

Sg

Amin

[mm]

[kN]

[mm]

55

2,56

80

120

45

60

4,19

50

60

3,29

100

90

7,31

140

55

70

4,82

55

70

4,02

120

105

8,77

160

65

80

5,10

60

75

4,75

140

120

10,23

180

75

90

5,39

70

85

5,48

160

135

11,69

200

85

100

5,67

75

90

6,21

180

145

13,15

220

95

110

5,95

85

100

6,94

200

160

14,61

240

105

120

6,24

90

105

7,67

220

175

16,07

260

115

130

6,51

100

110

8,40

240

190

17,53

280

125

140

6,51

105

120

9,13

260

205

18,99

300

135

150

6,51

110

125

9,86

280

220

20,45

320

145

160

6,51

120

135

10,59

300

230

21,92

340

155

170

6,51

125

140

11,32

320

245

23,38

360

165

180

6,51

135

145

12,05

340

260

24,84

380

175

190

6,51

140

155

12,78

360

275

26,30

400

185

200

6,51

145

160

13,51

380

290

27,76

440

205

220

6,51

160

175

14,98

420

315

30,68

480

225

240

6,51

175

190

16,44

460

345

33,60

520

245

260

6,51

190

205

17,90

500

375

36,53

100

35

50

4,27

40

55

3,13

80

75

7,14

125

48

63

5,40

50

65

4,24

105

95

9,38

150

60

75

6,40

60

75

5,36

130

110

11,61

175

73

88

7,05

70

80

6,47

155

130

13,84

200

85

100

7,48

80

90

7,59

180

145

16,07

225

98

113

7,92

85

100

8,71

205

165

18,30

250

110

125

8,35

95

110

9,82

230

185

20,54

275

123

138

8,79

105

115

10,94

255

200

22,77

300

135

150

9,06

115

125

12,05

280

220

25,00

325

148

163

9,06

120

135

13,17

305

235

27,23

350

160

175

9,06

130

145

14,29

330

255

29,46

375

173

188

9,06

140

155

15,40

355

270

31,70

400

185

200

9,06

150

160

16,52

380

290

33,93

450

210

225

9,06

165

180

18,75

430

325

38,39

500

235

250

9,06

185

195

20,98

480

360

42,86

550

260

275

9,06

200

215

23,21

530

395

47,32

600

285

300

9,06

220

230

25,45

580

430

51,79

700

335

350

9,06

255

265

29,91

680

500

60,71

800

385

400

9,06

290

305

34,38

780

570

69,64

190 | VGS | ESTRUTURAS

17,96

26,87


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE

geometria

DESLIZAMENTO(4)

madeira-madeira

madeira-madeira

aço - madeira (5)

A

Sg

A

S

Sg

g

estrazione filetto parziale

45°

A

45°

S

g

S

g

L

Amin

B

d1

sobre madeira d1

L

Sg

Amin

[mm]

[mm]

[mm]

100

35

150

60

75

7,83

200

85

100

10,26

13

RV,k

Amin

Bmin

[mm]

[kN]

[mm]

50

4,87

45

[kN]

[kN]

75

8,44

[kN]

[mm]

55

3,69

80

60

75

6,33

130

110

13,72

80

90

8,97

180

145

18,99

300

135

150

12,43

115

125

14,25

280

220

29,55

400

185

200

13,79

150

160

19,52

380

290

40,10

500

235

250

13,79

185

195

24,80

480

360

50,65

600

285

300

13,79

220

230

30,07

580

430

61,20

700

335

350

13,79

255

265

35,35

680

500

71,75

800

385

400

13,79

290

305

40,63

780

570

82,31

900

435

450

13,79

325

340

45,90

880

640

92,86

1000

485

500

13,79

360

375

51,18

980

715

103,41

1100

535

550

13,79

395

410

56,45

1080

785

113,96

1200

585

600

13,79

430

445

61,73

1180

855

124,51

A resistência de projeto ao deslizamento do conector é a mínima entre a resistência de projeto do lado da madeira (Rv,d) e a resistência de projeto do lado do aço (Rtens,d 45°).

(5)

RV,k kmod γm Rtens,k 45° γm2

Para uma correcta realização da junta, a cabeça do conector deve ser inserida completamente na chapa de aço. A resistência à tração do conector foi avaliada considerando-se um ângulo de 45° entre as fibras e o conector.

(6)

[mm]

[mm]

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 45° entre as fibras e o conector e para um comprimento de rosca eficaz equivalente a Sg.

Rtens,k 45° (6)

Amin

(4)

aço

RV,k

Sg

NOTAS:

RV,d = min

sobre madeira

Rv,k

37,48

PRINCÍPIOS GERAIS: • Os valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030. • Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

Rk kmod γm

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo. • Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030 e da "Test Report No. 196112" de Karlsruher Institut für Technologie (KIT). • Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 385 kg/m3. • O dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira e das chapas em aço devem ser realizados separadamente. • As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência. • Os valores de extração, corte e deslizamento madeira-madeira devem ser avaliados considerando o baricentro do conector posicionado em correspondência com o plano de corte.

ESTRUTURAS | VGS | 191


APLICAÇÃO MADEIRA-MADEIRA MOMENTO DE APARAFUSAMENTO RECOMENDADO: Mins VGS Ø9 Mins = 20 Nm Mins = 30 Nm

VGS Ø11 L ≥ 400 mm

Mins = 40 Nm

NO IMPACT

VGS Ø13 Mins = 50 Nm

V

G

Mins S

VGS Ø11 L < 400 mm

X

X

X

X

X

X

G

G

X

S

X

S

V

X

X

X

V

X

X

APLICAÇÃO AÇO-MADEIRA

G

G

X

S

X

S

V X

X

X

V X

G

G

X

S

X

S

V

X

X

X

V

X

G

G

X

S

X

S

V X

X

X

V X

G

G

X

S

X

S

V

X

X

X

V

X

G

G

X

S

X

S

V

V X

X

X

X

X

X

G

V

X

X

X

X

X

S

S

V

G

V

X

X

X

X

X

X

G

V

X

X

X

X

X

S

S

V

G

V

X

X

X

X

X

X

G

V

X

X

X

X

X

S

S

V

G

V

Evitar alterações dimensionais do metal.

Evitar tensões acidentais em fase de instalação.

A. CHAPA MOLDADA COM ORIFÍCIOS ESCAREADOS

B. ANILHA VGU

X

X

V

S

S

45°

G

G

X

V X

X

V

X S

S

G

X

X

X

G

V

G

V X

X

G

X

V

G

X

V

X

G

V X

X

X

V

X

G V

G

V

V X

V

V

X

X

G

V

X

G V

G

V

V

G

G X

V

G

G

G

X

S

S

X

X

G X

X

G

G

X

G

V

V

G V

S

S

X

S

X

S

V

X

X X

G

G

S

S

X

X

S

X

X

X

S

X

X

X

X

S

S

S

X

X

S

S

X

S

45°

G

X

V

X X

V

G

X

X

X

X

X

X

X

X

X

G

X

X

X

X

S

X

S

X

X

X

X

S

X

S

α

α

X

S

X

S

X

X

S

S

X

X X

X

X

X

X

X

X

G

V

G

S

S

X

V

G

V

G

S

S

X

X

G

V

G

S

S

X

X

X

V

Evitar flexão.

V

Respeitar o ângulo de inserção a 45°.

A. CHAPA MOLDADA

Evitar flexão.

B. ANILHAS V

G

S

Respeitar ângulo inserção (ex., utilizando um gabarito).

X

V

X

G

S

X

X

X

S

G

X

X

V

X

G

S

X

V

X

X

Furo escareado.

192 | VGS | ESTRUTURAS

Furo cilíndrico.

Anilha escareada.

Anilha VGU.

X


EXEMPLOS DE APLICAÇÃO

VIGAS ESTREITADAS reforço da zona de cume à tração perpendicular às fibras

CARGA SUSPENSA reforço à tração perpendicular às fibras

prospecto

secção

ENTALHE reforço à tração perpendicular às fibras

prospecto

secção

APOIO reforço à compressão perpendicular às fibras

planta

planta

secção

secção

ESTRUTURAS | VGS | 193


EXEMPLOS DE CÁLCULO: REFORÇO DA VIGA EM COMPRESSÃO ORTOGONAL ÀS FIBRAS DADOS DE PROJECTO a2,c

B = 200 mm

Fv,Rd = 98,3 kN

H = 520 mm

Fc,90,Rd = 98,3 kN

a = 25 mm

Classe de serviço = 1

La = 200 mm

a2

B

a2,c

Duração da carga = média

a1,c

Madeira GL24h (ρk = 385 kg/m ) 3

a1

Fv,Rd

H

Fc,90,Rd a

La

VERIFICAÇÃO EM CORTE AO APOIO (EN 1995:2014) : τd ≤ fv,d

τd =

1,5 Fv,Rd B H

τd

= 1,42 N/mm2

fv,k = 3,50 N/mm2

EN 1995:2014 kmod = 0,8 γm = 1,25 fv,d = 2,24 N/mm2

Itália - NTC 2018 kmod = 0,8 γm = 1,45 fv,d = 1,93 N/mm2

τd ≤ fv,d

1,42 < 2,24 N/mm2

τd ≤ fv,d

1,42 < 1,93 N/mm2

verificação satisfeita

verificação satisfeita

VERIFICAÇÃO DA COMPRESSÃO ORTOGONAL AO APOIO - VIGA SEM REFORÇO (EN 1995:2014): σc,90,d ≤ kc,90∙ fc,90,d

B H lef,1 = La + a + 30 σc,90,d =

Fv,Rd B lef,1

lef,1 = 255 mm2 σc,90,d= 1,93 N/mm2 kc,90 = 1,00 fc,90,d = 2,50 N/mm2

EN 1995:2014 kmod = 0,8 γm = 1,25 fv,d = 1,60 N/mm2

Itália - NTC 2018 kmod = 0,8 γm = 1,45 fv,d = 1,38 N/mm2

σc,90,d ≤ kc,90∙ fc,90,d

1,93 < 1,60 N/mm2

σc,90,d ≤ kc,90∙ fc,90,d

1,93 < 1,38 N/mm2

verificação não satisfeita

verificação não satisfeita

NECESSIDADE DE REFORÇO

NECESSIDADE DE REFORÇO

194 | VGS | ESTRUTURAS


VERIFICAÇÃO DA COMPRESSÃO ORTOGONAL AO APOIO - VIGA COM REFORÇO (EN 1995:2014 e ETA-11/0030): Fc,90,Rd ≤ Rc,90,Rd

kc,90 B lef,1 fc,90d + n Rax,Rd

Rc,90,Rd = min

B lef,2 fc,90d

ESCOLHA DO CONECTOR DE REFORÇO VGS 9 x 360 mm

n0 = 2

L = 360 mm

n90 = 2

b = 350 mm

n = n0 ∙ n90 = 4

lef,2 = L + (n₀ -1) a₁ + min (a1,CG ;L)

lef,2 = 500 mm

As distâncias mínimas para o posicionamento dos conectores constam da tabela da pág. 187.

Rax,α,Rk kmod γm Rax,Rd = min Rki,k Rki,d = γm1 Rax,d =

Rax,90°,Rk = 39,78 kN Rki,k = 17,25 kN

As resistências à compressão dos conectores aqui calculadas constam da tabela da pág. 188. EN 1995:2014

Itália - NTC 2018

kmod = 0,8

kmod = 0,8

γm = 1,3

γm = 1,5

γm1 = 1,00

γm1 = 1,05

Rax,90°,Rd = 24,48 kN

Rax,90°,Rd = 21,22 kN

Rki,d = 17,25 kN

Rki,d = 16,43 kN

Rax,Rd = 17,25 kN

Rax,Rd = 17,25 kN

Rc,90,Rd = min

kc,90 B lef,1 fc,90d + n Rax,Rd B lef,2 fc,90d

Rc,90,Rd= 177,60 kN

Rc,90,Rd= 153,10 kN

Fc,90,Rd ≤ Rc,90,Rd

98,3 < 177,6 kN

Fc,90,Rd ≤ Rc,90,Rd

98,3 < 153,10 kN

verificação satisfeita

verificação satisfeita

Para configurações de cálculo diferentes, está disponível o software MyProject (www.rothoblaas.pt)

ESTRUTURAS | VGS | 195


VGU

ETA 11/0030

ANILHA 45° PARA VGS SEGURANÇA A anilha VGU permite que instale os parafusos VGS com inclinação 45° em chapas em aço. Anilha com marcação CE de acordo com ETA 11/0030.

RESISTÊNCIA A utilização das VGU com parafusos VGS inclinados a 45° em chapas em aço restaura os valores de resistência ao deslizamento do parafuso.

PRATICIDADE A moldagem ergonómica assegura uma aderência boa e precisa durante a instalação. Três versões de anilhas compatíveis com VGS Ø9, Ø11 e Ø13 mm para chapas de espessura variável.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

ligações 45° aço-madeira

ESPESSURA DA CHAPA

de 3,0 a 20,0 mm

FURO CHAPA

ranhurado

FURO DA ANILHA

9,0 | 11,0 | 13,0 mm

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • madeira maciça • madeira lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade Classes de serviço 1 e 2.

196 | VGU | ESTRUTURAS


GEOMETRIA LF

D2 D1

H

BF

h L

SPLATE

Anilha

VGU945

VGU1145

VGU1345

Diâmetro do parafuso VGS

d1

[mm]

9,0

11,0

13,0

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

5,0

6,0

8,0

Diâmetro interno

D1

[mm]

9,7

11,8

14,0

Diâmetro externo

D2

[mm]

19,0

23,0

27,4

Comprimento do dente

L

[mm]

31,8

38,8

45,8

Altura do dente

h

[mm]

3,0

3,6

4,3

Altura global

H

[mm]

Comprimento do furo sulcado

LF

[mm]

Largura do furo sulcado

BF

[mm]

Espessura da chapa de aço

SPLATE

[mm]

23,0

28,0

33,0

min. 33,0 máx. 34,0 min. 14,0 máx. 15,0 min. 3,0 máx. 12,0*

min. 41,0 máx. 42,0 min. 17,0 máx. 18,0 min. 4,0 máx. 15,0*

min. 49,0 máx. 50,0 min. 20,0 máx. 21,0 min. 5,0 máx. 15,0*

(*) Para espessuras maiores, é necessário efetuar uma expansão na parte inferior da chapa em aço. Recomendado furo guia dØ5 mm para parafusos VGS de comprimento L > 300 mm.

CÓDIGOS E DIMENSÕES ANILHA VGU CÓDIGO

GABARITO JIG VGU parafuso

dv

[mm]

[mm]

pçs

CÓDIGO

anilha

dh

[mm]

dv

pçs

VGU945

VGS Ø9

5

25

JIGVGU945

VGU945

5,5

5

1

VGU1145

VGS Ø11

6

25

JIGVGU1145

VGU1145

6,5

6

1

VGU1345

VGS Ø13

8

25

JIGVGU1345

VGU1345

8,5

8

1

BROCAS PARA MADEIRA HSS CÓDIGO

dh

[mm] [mm]

ANEL DE BLOQUEIO PONTAS HSS

dv

LT

LE

[mm]

[mm]

[mm]

pçs

F1599105

5

150

100

1

F1599106

6

150

100

1

F1599108

8

150

100

1

CÓDIGO LE LT

dv

dint

dext

[mm]

[mm]

[mm]

pçs

F2108005

5

5

10

10

F2108006

6

6

12

10

F2108008

8

8

16

10

dint dext

AJUDA DE MONTAGEM O gabarito JIG VGU permite de efetuar com facilidade um pré-furo com inclinação de 45° que facilita o sucessivo aparafusamento dos parafuso VGS dentro da anilha. É recomendável um comprimento do pré-furo de pelo menos 20 mm.

ESTRUTURAS | VGU | 197


VALORES ESTÁTICOS - LIGAÇÃO AÇO-MADEIRA RESISTÊNCIA AO DESLIZAMENTO RV Fv

Splate

45°

S

g

Amin

S

Amin

g

45°

L

Fv

Splate

Fv

Fv d1

aço-madeira chapa fina valores característicos (1) parafuso

aço-madeira chapa espessa valores característicos (1)

sobre madeira

aço

sobre madeira

aço

d1

L

Sg

Amin

RV,k

Rtens,k 45° (2)

Sg

Amin

RV,k

Rtens,k 45° (2)

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

[mm]

[mm]

[kN]

100

80

75

65

75

4,75

120

100

90

7,31

85

90

6,21

140

120

105

8,77

105

105

7,67

160

140

120

10,23

125

120

9,13

180

160

135

11,69

145

135

10,59

13,15

165

145

12,05

160

14,61

185

160

13,51

240

220

175

16,07

205

175

14,98

260

240

190

280

260

205

300

280

220

320

300

230

17,53

225

190

245

205

20,45

265

220

21,92

285

230

18,99

17,96

SPLATE = 12 mm

145

200

SPLATE = 3 mm

180

220

17,90 19,36

320

245

23,38

305

245

22,28

340

260

24,84

325

260

23,74

380

360

275

26,30

345

275

25,20

400

380

290

27,76

365

290

26,66

440

420

315

30,68

405

315

29,59

480

460

345

33,60

445

345

32,51

520

500

375

36,53

485

375

35,43

100

80

75

7,14

65

75

5,80

125

105

95

9,38

90

95

8,04

150

130

110

11,61

115

110

10,27

175

155

130

13,84

140

130

12,50

200

180

145

16,07

165

145

14,73

225

205

165

18,30

190

165

16,96

250

230

185

20,54

215

185

19,20

275

255

200

22,77

240

200

21,43

300

280

220

265

220

325

305

235

290

235

350

330

255

375

355

270

400

380

290

27,23

26,87

29,46

315

255

31,70

340

270

33,93

365

290

23,66 25,89 28,13 30,36 32,59

450

430

325

38,39

415

325

37,05

500

480

360

42,86

465

360

41,52

550

530

395

47,32

515

395

45,98

600

580

430

51,79

565

430

50,45

700

680

500

60,71

665

500

59,38

800

780

570

69,64

765

570

68,30

198 | VGU | ESTRUTURAS

17,96

20,82

360

25,00

[kN]

16,44

340

SPLATE = 15 mm

11

200

SPLATE = 4 mm

9

5,84

26,87


VALORES ESTÁTICOS - LIGAÇÃO AÇO-MADEIRA RESISTÊNCIA AO DESLIZAMENTO RV Fv

Splate

45°

S

g

Amin

S

Amin

g

45°

L

Fv

Splate

Fv

Fv d1

aço-madeira chapa fina valores característicos (1) sobre madeira

aço

sobre madeira

aço

d1

L

Sg

Amin

RV,k

Rtens,k 45° (2)

Sg

Amin

RV,k

Rtens,k 45° (2)

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

[mm]

[mm]

[kN]

100

65

65

6,86

55

60

12,13

105

95

17,41

155

130

115

100

165

135

300

265

205

400

365

280

500

465

350

600

565

420

27,96

37,48

255

200

38,51

355

270

49,07

455

340

59,62

555

410

NOTAS: A resistência de projecto ao corte do conector é a mínima entre a resistência de projecto do lado da madeira (Rax,d) e a resistência de projecto do lado do aço (Rtens,d 45°).

11,08 16,36 26,91

37,48

37,46 48,01 58,56

PRINCÍPIOS GERAIS:

(1)

RV,d = min

[kN]

5,80 SPLATE = 15 mm

13

150 200

SPLATE = 5 mm

parafuso

aço-madeira chapa espessa valores característicos (1)

RV,k kmod γm Rtens,k 45° γm2

Para uma correcta realização da junta, a cabeça do conector deve ser completamente inserida na anilha VGU.

• Os valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030. • E  m fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 385 kg/m3. • O dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira e das chapas em aço devem ser realizados separadamente. • A resistência à extração do conector foi avaliada considerando-se um ângulo de instalação de 45° entre as fibras e o conector e para um comprimento de rosca eficaz equivalente a Sg.

Para valores Intermediários de SPLATE é possível interpolar linearmente. (2)

A resistência à tração do conector foi avaliada considerando-se um ângulo de 45° entre as fibras e o conector.

ESTRUTURAS | VGU | 199


INSTALAÇÃO SEM AUXÍLIO DE PRÉ-FURO L

LF

Apoiar a chapa em aço à madeira e posicionar as anilhas VGU nas respetivas ranhuras.

02

NO IMPACT

V

S

G

01 X

X

X

V

S

G

45° X

X

X

Posicionar o parafuso e respeitar o ângulo de inserção a 45°.

Com aparafusador NÃO POR IMPULSOS apertar parando a cerca de 1 cm da anilha.

03

04 X

X

S X

S X

S

G

X

V

mm

S

X

X

S X

G

V

S X

V

G

X

X

S X

V

S

G

X

X X

V

G

X

X

S X

X

X

Executar a operação para todas as anilhas.

G

G

510

X

X

X

G

G

G

X

200 | VGU | ESTRUTURAS

V

X

V

V

X S

X

X

X

X

V

G

V

X

V

Completar o aparafusamento através chave dinamométrica aplicando o correto momento de inserção máximo.

X S

X

Mins


INSTALAÇÃO COM AUXÍLIO DE GABARITO PARA PRÉ-FURO

O gabarito de ajuda pré-furo permite de efetuar um furo guia a 45° que facilita a fase de aparafusamento.

01

02

Colocar a anilha VGU na respetiva ranhura e utilizar o gabarito JIG-VGU do diâmetro correto.

Mediante o gabarito de auxílio, efetuar um pré-furo usando a respetiva ponta (pelo menos 20 mm).

04

NO IMPACT

V

S

G

03 X

X

X

V

S

G

45° X

X

X

Posicionar o parafuso e respeitar o ângulo de inserção a 45°.

Com aparafusador NÃO POR IMPULSOS apertar parando a cerca de 1 cm da anilha.

05

06 X

X

S X

S X

S

V

X

G

S

G

X

X

V

G

X

X

G

V

G

m

X S

X

X

X

X

V

G

V

X

V

X

X

X

S

X

V

S

G

V

G

510 m

X S

X

Mins

X

V

G

X

X

S X

V

S

G

X

X X

V

G

X

X

S X

X

X

Completar o aparafusamento através chave dinamométrica aplicando o correto momento de inserção máximo.

Executar a operação para todas as anilhas.

ESTRUTURAS | VGU | 201


RTR

ETA 11/0030

SISTEMA DE REFORÇO ESTRUTURAL CERTIFICAÇÃO Barra de reforço estrutural com rosca de madeira certificada CE de acordo com ETA 11/0030.

SISTEMA RÁPIDO A SECO Barra de reforço de grandes medidas (diâmetro 16 mm e 20 mm) com rosca de madeira que não requer resinas ou adesivos.

REFORÇOS ESTRUTURAIS Aço de alto desempenho à tração (fy, k = 800 N/mm2) ideal para reforços estruturais.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

reforço trações ortogonais

ADAPTADOR

buchas de ligação

DIÂMETRO

16,0 | 20,0 mm

COMPRIMENTO

2200 mm

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • madeira maciça • madeira lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade Classes de serviço 1 e 2.

202 | RTR | ESTRUTURAS


GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

d2 d1

L

Diâmetro nominal

d1

[mm]

16

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

12,0

15,0

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

13,0

16,0

My,k

[Nmm]

200000

350000

fax,k

[N/mm2]

9,0

9,0

ftens,k

[kN]

100,0

145,0

Momento plástico característico Parâmetro característico de resistência à extracção Resistência característica à tração

20

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm]

L

dFURO

pçs

[mm]

[mm]

16

RTR162200

2200

13

10

20

RTR202200

2200

16

5

TOOLS CÓDIGO

descrição

1. DUD38RLE

perfuradora

1

2. DUVSKU

fricção de segurança

1

3. DUD38SH

pega de parafuso

1

4. ATCS2010

adaptador para manguito Ø16-20

1

5. ATCS007

manguito Ø16

1

6. ATCS008

manguito Ø20

1

Obter mais informações na pág. 362.

pçs

2. 3. 4. 5. 1.

6.

UTILIZAÇÃO COMO APARAFUSADOR RTR Para barras de reforço estrutural de 16 e 20 mm.

GRANDES FOLGAS O comprimento das barras consente reforços rápidos e seguros sobre qualquer dimensão de viga. Instalação ideal em produção.

ESTRUTURAS | RTR | 203


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AXIAL

a2,CG a2 a2,CG a1,CG

a1

a1,CG

a1

PARAFUSOS INSERIDOS COM E SEM PRÉ-FURO 16

20

5∙d

80

100

5∙d

80

100

[mm]

10∙d

160

200

[mm]

4∙d

64

80

a1

[mm]

a2

[mm]

a1,CG a2,CG

d = diâmetro nominal do parafuso

DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE (1)

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO a1

[mm]

a2

[mm]

3∙d

a3,t

[mm]

12∙d

a3,c

[mm]

7∙d

a4,t

[mm]

3∙d

a4,c

[mm]

3∙d

5∙d

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

16

20

80

100

4∙d

16

20

64

80

48

60

4∙d

64

80

192

240

7∙d

112

140

112

140

7∙d

112

140

48

60

7∙d

112

140

48

60

3∙d

48

60

d = diâmetro nominal do parafuso extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F a3,t

NOTAS: As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030, considerando-se uma massa volúmica dos elementos de madeira ρk ≤ 420 kg/m3.

(1)

204 | RTR | ESTRUTURAS

F α

α a3,c

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 TRAÇÃO(1)

geometria

extração da rosca(2)

CORTE tração do aço

madeira-madeira

≥ Sg

Sg

Sg

Sg

d1

sobre madeira

aço

d1

Sg

Rax,k

Rtens,k

[mm]

[mm]

[kN]

[kN]

100

15,5

16

20

31,1

22,8

300

46,6

26,6

400

62,2

500

77,7

30,0

600

93,2

30,0

30,0

100

19,4

25,8

38,9

31,3

300

58,3

36,2

400

77,7

145,0

41,1

500

97,1

600

116,6

43,2

700

136,0

43,2

800

155,4

43,2

43,2

PRINCÍPIOS GERAIS:

A resistência de projecto do conector é a mínima entre a resistência de projecto do lado da madeira (Rax,d) e a resistência de projecto do lado do aço (Rtens,d).

100,0

200

(1)

(2)

[kN] 18,9

200

NOTAS:

Rax,d = min

RV,k

Rax,k kmod γm Rtens,k γm2

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de rosca eficaz equivalente a b ou Sg. Para valores intermédios de Sg, é possível interpolar linearmente.

• O  s valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030. • Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

Rk kmod γm

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo. • Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030. • Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 385 kg/m3. • A dimensão e a verificação dos elementos de madeira devem ser feitas à parte.

ESTRUTURAS | RTR | 205


DGZ

BIT INCLUÍDOS

ETA 11/0030

CONECTOR DE DUPLA ROSCA PARA ISOLANTE ISOLANTE CONTÍNUO Permite a fixação contínua e sem interrupções do pacote de isolamento do teto. Evita as pontes térmicas em conformidade com os regulamentos de poupança energética.

CERTIFICAÇÃO Conector para isolante duro, macio e em fachadas certificado CE de acordo com ETA 11/0030. Disponível em dois diâmetros (7 e 9 mm) para otimizar o número das fixações.

MYPROJECT Software gratuito MyProject para o cálculo personalizado da fixação acompanhado de relatório de cálculo.

CABEÇA CILÍNDRICA Ideal para inserção não aparente na ripa. Certificada também nas versões com cabeça larga (DGT) e cabeça de embeber (DGS).

CARACTERÍSTICAS FOCUS

fixação pacotes isolantes

CABEÇA

cilíndrica de embutir

DIÂMETRO

7,0 | 9,0 mm

COMPRIMENTO

de 220 a 520 mm

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • madeira maciça • madeira lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade Classes de serviço 1 e 2.

206 | DGZ | ESTRUTURAS


PONTES TÉRMICAS Graças à dupla rosca, é possível fixar sem interrupções o pacote isolante do teto à estrutura de suporte, evitando as pontes térmicas. Certificação específica para fixação em isolantes seja duros que suaves.

FACHADA VENTILADA Certificada, testada e calculada também em ripas em fachadas e com madeiras de alta densidade como o microlamelar LVL.

ESTRUTURAS | DGZ | 207


Fixação de isolante duro em tecto plano.

Ideal para a fixação de isolante duro também de grande espessura.

GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

X

d2 d1

X

X

D G

Z

dk

ds

60

100 L

Diâmetro nominal

d1

[mm]

7

9

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

9,5

11,5

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

4,60

5,90

Diâmetro da haste

ds

[mm]

5,00

6,50

My,k

[Nmm]

14174

27244

fax,k

[N/mm2]

11,7

11,7

ftens,k

[kN]

15,4

25,4

Momento plástico característico Parâmetro característico de resistência à extracção Resistência característica à tração

208 | DGZ | ESTRUTURAS


CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

L

[mm]

pçs

d1

[mm]

CÓDIGO

L

[mm]

pçs

[mm]

DGZ7220

220

50

DGZ9240

240

50

DGZ7260

7 DGZ7300 TX 30 DGZ7340

260

50

DGZ9280

280

50

300

50

DGZ9320

320

50

340

50

360

50

DGZ7380

380

50

DGZ9360 9 TX 40 DGZ9400

400

50

DGZ9440

440

50

DGZ9480

480

50

DGZ9520

520

50

NOTAS: Sob encomenda, está disponível em versão EVO.

ESCOLHA DO PARAFUSO COMPRIMENTO MÍNIMO PARAFUSO DGZ Ø7

s = 30 A B DGZ a 60° DGZ a 90°

s = 40 A B DGZ a 60° DGZ a 90°

espessura da ripa* [mm] s = 50 A B DGZ a 60° DGZ a 90°

[mm]

Lmin [mm]

Lmin [mm]

Lmin [mm]

Lmin [mm]

Lmin [mm]

Lmin [mm]

Lmin [mm]

Lmin [mm]

Lmin [mm]

Lmin [mm]

60

220

220

220

220

220

220

220

220

260

220

espessura isolamento + soalho

s = 60 A B DGZ a 60° DGZ a 90°

s = 80 A B DGZ a 60° DGZ a 90°

80

220

220

220

220

220

220

260

220

260

220

100

220

220

260

220

260

220

260

220

300

260

120

260

220

260

220

260

260

300

260

300

260

140

260

260

300

260

300

260

300

260

340

300

160

300

260

300

260

340

300

340

300

340

300

180

340

300

340

300

340

300

340

300

380

340

200

340

300

340

300

380

340

380

340

-

340

220

380

340

380

340

380

340

380

340

-

380

240

380

340

380

340

-

380

-

380

-

380

260

-

380

-

380

-

380

-

380

-

-

280

-

380

-

380

-

-

-

-

-

-

* Dimensões mínimas da ripa: DGZ Ø 7 mm: base/altura = 50/30 mm

COMPRIMENTO MÍNIMO PARAFUSO DGZ Ø9

espessura isolamento + soalho [mm]

s = 30 A B DGZ a 60° DGZ a 90°

s = 40 A B DGZ a 60° DGZ a 90°

espessura da ripa* [mm] s = 50 A B DGZ a 60° DGZ a 90°

Lmin [mm]

Lmin [mm]

Lmin [mm]

Lmin [mm]

Lmin [mm]

Lmin [mm]

s = 60 A B DGZ a 60° DGZ a 90°

s = 80 A B DGZ a 60° DGZ a 90°

Lmin [mm]

Lmin [mm]

Lmin [mm]

Lmin [mm]

60

-

-

240

240

240

240

240

240

240

240

80

-

-

240

240

240

240

240

240

280

240

100

-

-

240

240

240

240

280

240

280

240

120

-

-

280

240

280

240

280

240

320

280

140

-

-

280

240

320

280

320

280

320

280

160

-

-

320

280

320

280

320

280

360

320

180

-

-

320

280

360

320

360

320

400

320 360

200

-

-

360

320

360

320

400

320

400

220

-

-

400

320

400

360

400

360

440

360

240

-

-

400

360

400

360

440

360

440

400

260

-

-

440

360

440

400

440

400

480

400 440

280

-

-

440

400

480

400

480

400

480

300

-

-

480

400

480

400

480

440

520

440

320

-

-

520

440

520

440

520

480

520

480

340

-

-

520

480

520

480

-

-

-

-

* Dimensões mínimas da ripa: DGZ Ø 9 mm: base/altura = 60/40 mm

NOTA: verificar que a ponta dos parafusos não saia do barrote.

ESTRUTURAS | DGZ | 209


FIXAÇÕES PARA ISOLANTE CONTÍNUO

A instalação contínua da camada isolante garante prestações energéticas optimais, eliminando as pontes térmicas. A sua eficácia está vinculada à correcta utilização de sistemas de fixação idóneos, oportunamente calculados.

ESMAGAMENTO DO ISOLANTE

O esmagamento do isolante (para cargas muito elevadas) comporta uma redução da câmara de ventilação e, em consequência, diminui o arejamento presente na câmara-de-ar e, portanto, a sua eficácia. Para além disso, pode-se verificar uma diminuição do poder isolante do pacote que, em caso de esmagamento, apresenta uma espessura inferior àquela inicial. Para se evitar tal problema, é necessário certificar-se de que a resistência à compressão do isolante σ (10%) seja suficiente para resistir às tensões actuantes. Em alternativa, é sempre possível pôr parafusos inclinados em ambas as direcções, de modo que a carga seja totalmente transferida através dos conectores e não deforme, de nenhuma maneira, a camada de isolante.

DESLOCAÇÃO DO ISOLANTE E DO REVESTIMENTO

F F

A carga actuante sobre a estrutura apresenta uma componente paralela à vertente/fachada que comporta, se não for impedida (por exemplo, com parafusos do “tipo A”), uma possível translação das camadas mais externas, com provável estrago do manto de cobertura e do poder isolante. Resultam evidentes problemas térmicos, estéticos e de impermeabilização ao ar e à água.

PONTES TÉRMICAS

é importante que o isolante seja contínuo, sem interrupções ou fissurações, para optimizar o seu desempenho, minimizando as pontes térmicas. Deverão ser também evitadas as pontes térmicas causadas por ancoragens muito frequentes ou dispostas de maneira errada.

210 | DGZ | ESTRUTURAS


COBERTURA ISOLANTE MACIO Baixa resistência à compressão (σ(10%) < 50 kPa - EN 826)

N

• o isolante não suporta a componente de carga perpendicular à vertente (N);

F A

• os parafusos resultam estar sob tensão à tracção (A) e à compressão (B); • para carga muito elevada de vento em depressão, inserem-se parafusos adicionais (C);

B A

• uma adequada espessura da ripa consente a optimização do número de fixações.

B C

ISOLANTE DURO Alta resistência à compressão (σ(10%) ≥ 50 kPa - EN 826)

N

• o isolante suporta a componente de carga perpendicular à vertente (N);

F

A A

• os parafusos resultam estar só sob tensão à tracção (A); • para carga muito elevada de vento em depressão, inserem-se parafusos adicionais (C); • uma adequada espessura da ripa consente a optimização do número de fixações.

A C

FACHADA

F A C ±N A

• os parafusos devem suportar quer as acções de pressão e depressão do vento (±N) quer as forças verticais (F); • instalação: um parafuso em tração (A) e um outro ortogonal à fachada (C), teso ou compresso em função de N, ou parafusos inclinados nas 2 direções; • os parafusos (C) devem suportar as acções quer de pressão quer de depressão do vento (±N) e são submetidos à compressão ou à tração, alternativamente.

C

ESTRUTURAS | DGZ | 211


CONFIGURAÇÕES POSSÍVEIS

A A

60° A

90°

60° 90°

B

A

60° A

90°

A

A

A

90° B A 60°

A B

B

ISOLANTE RÍGIDO DE COBERTURA σ(10%) ≥ 50 kPa (EN826)

ISOLANTE MACIO DE COBERTURA σ(10%) < 50 kPa (EN826)

B

ISOLANTE DE FACHADA

NOTA: O número e a disposição das fixações dependem da geometria da superfície, da tipologia de isolante e das cargas actuantes.

DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AXIAL (1)

a2,CG 1

a

a2 a2,CG a1,CG

a1,CG

PARAFUSOS INSERIDOS COM E SEM PRÉ-FURO 7

9

a1

[mm]

5∙d

35

45

a2

[mm]

5∙d

35

45

a1,CG

[mm]

10∙d

70

90

a2,CG

[mm]

3∙d

21

27

d = diâmetro nominal do parafuso

NOTAS: (1)

As distâncias mínimas para conectores sob tensão axial são independentes do ângulo de inserção do conector e do ângulo da força em relação às fibras, de acordo com ETA-11/0030.

212 | DGZ | ESTRUTURAS


EXEMPLO DE CÁLCULO: FIXAÇÃO DO ISOLANTE CONTÍNUO COM DGZ

DADOS DE PROJECTO Cargas da cobertura Carga permanente

gk

0,45 kN/m2

Carga de neve

s

1,70 kN/m2

Pressão do vento

we

0,30 kN/m2

Depressão do vento

we

-0,30 kN/m2

Altura da cumeeira

z

8,00 m

Comprimento do edifício

L

11,50 m

Largura do edifício

B

8,00 m

Pendência da falda

α

30% = 16,7°

Posição da cumeeira

L1

5,00 m

Dimensões do edifício

Geometria da cobertura

DADOS DO PACOTE ISOLANTE b t x ht

120 x 160 mm

Soalho

S1

20,00 mm

Ripas para suporte de telhas

eb

0,33 m

Isolante

S2

160,00 mm

Fibra de madeira (suave)

b L x hL

60 x 40 mm

C24 Comprimento comercial

Barrotes

Ripas

GL24h Entreeixo

i

0,70 m

σ(10%)

0,03 N/mm2

LL

4,00 m

ESCOLHA DO CONECTOR - OPÇÃO 1 - DGZ Ø7

ESCOLHA DO CONECTOR - OPÇÃO 2 - DGZ Ø9

Parafuso em tração

7 x 300 mm

Ângulo 60°: 126 pçs

Parafuso em tração

9 x 320 mm

Ângulo 60°: 108 pçs

Parafuso em compressão

7 x 300 mm

Ângulo 60°: 126 pçs

Parafuso em compressão

9 x 320 mm

Ângulo 60°: 108 pçs

Parafuso perpendicular

7 x 260 mm

Ângulo 90°: 72 pçs

Parafuso perpendicular

9 x 280 mm

Ângulo 90°: 36 pçs

Esquema de posicionamento dos conectores.

Cómputo das ripas de cobertura.

ESTRUTURAS | DGZ | 213


SBD

BIT INCLUÍDOS

EN 14592

CAVILHA AUTO-PERFURANTE AÇO E ALUMÍNIO Cavilha auto-perfurante madeira-metal com especial geometria que reduz a possibilidade de eventuais ruturas. A cabeça cilíndrica de embutir garante um rendimento estético ideal e permite satisfazer os requisitos de resistência ao fogo.

DIÂMETRO SUPERIOR O diâmetro de 7,5 mm garante resistências ao corte 15% superiores e permite otimizar o número de fixações.

DUPLA ROSCA A rosca junto à ponta (b1) facilita o atarraxamento. A rosca sub-cabeça (b2) de comprimento aumentado permite um fecho rápido e de precisão.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

auto-perfurante madeira-metal-madeira

CABEÇA

cilíndrica de embutir

DIÂMETRO

7,5 mm

COMPRIMENTO

de 55 a 235 mm

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Sistema auto-perfurante para ligações ocultas madeira-aço e madeira-alumínio. Utilizável com aparafusador de 600-1500 rpm com: • aço S235 ≤ 10,0 mm • aço S275 ≤ 8,0 mm • aço S355 ≤ 6,0 mm • conectores Alumini, Alumidi e Alumaxi Classes de serviço 1 e 2.

214 | SBD | ESTRUTURAS


VIGAS EM COTOVELO Ideal para a ligação de vigas de cabeça e realizar vigas contínuas com o restabelecimento das forças de corte e momento. O diâmetro reduzido do pino garante ligações com uma elevada rigidez.

LIGAÇÃO DE ENCASTRAMENTO Certificado, testado e calculado também para a fixação de chapas standard Rothoblaas como o porta-pilar TYP X.

ESTRUTURAS | SBD | 215


Fixação porta-pilar Rothoblaas de lâmina interna F70.

Junta rígida dobrada, com dupla chapa interna (LVL).

GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS S d1

dk b2

b1

Lp

L

Diâmetro nominal

d1

[mm]

7,5

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

11,0

Comprimento da ponta

Lp

[mm]

19,0

Comprimento eficaz

Leff

[mm]

L - 8,0

Momento plástico característico

My,k

[Nmm]

42000

216 | SBD | ESTRUTURAS


CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm]

ESPESSURA DA CHAPAS

L

b2

b1

pçs

[mm]

[mm]

[mm]

SBD7555

55

10

-

50

SBD7575

75

10

15

50

SBD7595

95

20

15

50

SBD75115

115

20

15

50

7,5 SBD75135 TX 40 SBD75155

135

20

15

50

155

20

15

50

SBD75175

175

40

15

50

SBD75195

195

40

15

SBD75215

215

40

15

50

235

40

15

50

espessura máx. chapa única

espessura máx. chapa dupla

[mm]

[mm]

[mm]

Aço S235

10,0

8,0

Aço S275

8,0

6,0

Aço S355

6,0

5,0

ALUMINI

6,0

-

ALUMIDI

6,0

-

ALUMAXI

10,0

-

Ligação em corte madeira-chapa metálica-madeira Pressão aconselhada: ≈ 40 kg Aparafusamento aconselhado: ≈ 1000 - 1500 rpm (chapa em aço) ≈ 600 - 1000 rpm (chapa em alumínio)

50

SBD75235

chapa

DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA CONECTORES SOB TENSÃO AO CORTE (1)

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

7,5

7,5

a1

[mm]

a2

[mm]

3∙d

23

3∙d

23

a3,t

[mm]

max (7∙d; 80)

80

max (7∙d; 80)

80

a3,c

[mm]

max (3,5∙d; 40)

40

max (3,5∙d; 40)

40

a4,t

[mm]

3∙d

23

4∙d

30

a4,c

[mm]

3∙d

23

3∙d

23

5∙d

3∙d

38

23

d = diâmetro nominal do parafuso

extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c

a3,c

NOTAS: (1)

As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014.

ESTRUTURAS | SBD | 217


VALORES ESTÁTICOS MADEIRA-AÇO

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014

CORTE RV, k

1 CHAPA INTERNA (2 planos de corte) - PROFUNDIDADE INSERÇÃO CABEÇA PINO 0 mm FIXAÇÃO

SBD [mm]

7,5x75

7,5x95 7,5x115 7,5x135 7,5x155 7,5x175 7,5x195 7,5x215 7,5x235

Largura da viga

B

[mm]

60

80

100

120

140

160

180

200

220

240

Profundidade inserção cabeça

p

[mm]

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

Madeira externa

ta

[mm]

27

37

47

57

67

77

87

97

107

117

6,96

8,67

9,50

10,62

11,91

12,83

13,30

13,30

13,30

13,30

30°

6,42

8,10

8,79

9,75

10,87

11,93

12,55

12,59

12,59

12,59

45°

5,98

7,64

8,21

9,04

10,02

11,10

11,74

11,99

11,99

11,99

RV,k [kN]

ta B

ângulo força - fibras

t ta

7,5x55

60°

5,61

7,26

7,72

8,45

9,32

10,29

11,05

11,46

11,46

11,46

90°

5,29

6,81

7,31

7,95

8,73

9,60

10,45

10,93

11,00

11,00

1 CHAPA INTERNA (2 planos de corte) - PROFUNDIDADE INSERÇÃO CABEÇA PINO 15 mm FIXAÇÃO

7,5x75

7,5x95 7,5x115 7,5x135 7,5x155 7,5x175 7,5x195 7,5x215 7,5x235

B

[mm]

80

100

120

140

160

180

200

220

240

-

Profundidade inserção cabeça

p

[mm]

15

15

15

15

15

15

15

15

15

-

Madeira externa

ta

[mm]

22

32

42

52

62

72

82

92

102

-

7,88

8,57

9,45

10,59

11,89

13,18

13,30

13,30

13,30

-

30°

7,26

8,01

8,74

9,72

10,85

12,07

12,59

12,59

12,59

-

45°

6,63

7,56

8,16

9,01

10,00

11,09

11,99

11,99

11,99

-

60°

6,06

7,17

7,68

8,42

9,30

10,27

11,30

11,46

11,46

-

90°

5,58

6,85

7,27

7,92

8,71

9,59

10,52

11,00

11,00

-

t ta

7,5x55

Largura da viga

RV,k [kN]

ta B

ângulo força - fibras

p

SBD [mm]

COEFICIENTE CORRECTIVO kF PARA DIFERENTES MASSAS VOLÚMICAS ρk Classe de resistência

C24

GL22h

C30

C40 / GL32c

GL28h

D24

D30

ρk [kg/m3]

350

370

380

400

425

485

530

kF

1,00

1,03

1,05

1,08

1,11

1,20

1,27

Para diferentes massas volúmicas ρk a resistência de projecto do lado da madeira é calculada como: R 'V,d = R V,d · kF .

NÚMERO EFICAZ DE PINOS nef PARA α = 0º a1 [mm]

nef

n° SBD

40

50

60

70

80

90

100

120

140

2

1,49

1,58

1,65

1,72

1,78

1,83

1,88

1,97

2,00

3

,15

2,27

2,38

2,47

2,56

2,63

2,70

2,83

2,94

4

2,79

2,95

3,08

3,21

3,31

3,41

3,50

3,67

3,81

5

3,41

3,60

3,77

3,92

4,05

4,17

4,28

4,48

4,66

6

4,01

4,24

4,44

4,62

4,77

4,92

5,05

5,28

5,49

7

4,61

4,88

5,10

5,30

5,48

5,65

5,80

6,07

6,31

Em caso de vários pinos dispostos paralelamente às fibras, deve-se levar em conta o número eficaz: R 'V,d = R V,d · kF .

218 | SBD | ESTRUTURAS


VALORES ESTÁTICOS MADEIRA-AÇO

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014

CORTE RV, k

2 CHAPAS INTERNAS (4 planos de corte) - PROFUNDIDADE INSERÇÃO CABEÇA PINO 0 mm FIXAÇÃO

7,5x95 7,5x115 7,5x135 7,5x155 7,5x175 7,5x195 7,5x215 7,5x235

[mm]

-

-

-

-

140

160

180

200

220

240

Profundidade inserção cabeça

p

[mm]

-

-

-

-

0

0

0

0

0

0

Madeira externa

ta

[mm]

-

-

-

-

37

42

48

56

66

74

Madeira interna

ti

[mm]

ta

B

7,5x75

B

t ti

7,5x55

Largura da viga

RV,k [kN]

ângulo força - fibras

t ta

SBD [mm]

-

-

-

-

54

64

72

76

76

80

-

-

-

-

19,42

21,40

22,90 23,80 25,08

25,93

30°

-

-

-

-

17,74

19,67

21,13

22,24

23,35

24,30

45°

-

-

-

-

16,38

18,23

19,54

20,66

21,63

22,76

60°

-

-

-

-

15,24

16,91

18,21

19,20

20,06

21,24

90°

-

-

-

-

14,16

15,79

17,09

17,97

18,74

19,80

2 CHAPAS INTERNAS (4 planos de corte) - PROFUNDIDADE INSERÇÃO CABEÇA PINO 10 mm FIXAÇÃO

t ta

7,5x95 7,5x115 7,5x135 7,5x155 7,5x175 7,5x195 7,5x215 7,5x235

B

[mm]

-

-

-

140

160

180

200

220

240

-

p

[mm]

-

-

-

10

10

10

10

10

10

-

Madeira externa

ta

[mm]

-

-

-

27

32

38

46

56

64

-

Madeira interna

ti

[mm]

ta

B

7,5x75

Profundidade inserção cabeça

t ti

7,5x55

Largura da viga

RV,k [kN]

ângulo força - fibras

p

SBD [mm]

-

-

-

54

64

72

76

76

80

-

-

-

-

17,72

20,49

22,03

22,70

23,80

24,81

-

30°

-

-

-

16,06

18,71

20,41

21,30

22,24

23,11

-

45°

-

-

-

14,71

17,23

18,94

19,85

20,66

21,70

-

60°

-

-

-

13,59

15,88

17,71

18,50

19,20

20,30

-

90°

-

-

-

12,65

14,74

16,67

17,36

17,97

18,96

-

PRINCÍPIOS GERAIS: • Os valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014. • Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

Rk kmod γm

• Os valores fornecidos são calculados com chapas de 5 mm de espessura e uma fresada na madeira com espessura de 6 mm e relativos a um único pino SBD. • E  m fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 350 kg/m3. • O dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira e das chapas metálicas devem ser feitos à parte.

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigenR te utilizadaV,kpara o cálculo.

ESTRUTURAS | SBD | 219


DISTÂNCIAS MÍNIMAS FIXAÇÃO EM CONECTOR ALUMINI E ALUMIDI

a4,c

Pino - pino

a2

[mm] ≥ 3 d

pino auto-perfurante SBD Ø 7,5 ≥ 23 ≥ 30

VIGA SECUNDÁRIA - MADEIRA

a3,t as

a4,t

Pino - extradorso da viga

a4,t

[mm] ≥ 4 d

a2

Pino - intradorso da viga

a4,c

[mm] ≥ 3 d

≥ 23

as

Pino - extremidade da viga

a3,t

[mm] ≥ {7 d; 80}

≥ 80

Pino - borda do conector

as

[mm] ≥ 1,2 df (1)

≥ 10

a4,c (1)

Ligações madeira-madeira.

diâmetro do furo

ALUMINI VIGA PRINCIPAL - MADEIRA

parafuso HBS P EVO Ø5

Primeiro conector - extradorso viga

a4,c

[mm] ≥ 5 d

≥ 25

ALUMIDI VIGA PRINCIPAL - MADEIRA Primeiro conector - extradorso viga

INSTALAÇÃO

01

[mm] ≥ 5 d

parafuso LBS Ø5

≥ 20

≥ 25

Vídeo disponível no nosso canal YouTube

02

05

a4,c

prego LBA Ø4

06

03

04

07

PRINCÍPIOS GERAIS: • Os valores caraterísticos estão de acordo com a normativa EN 1995:2014 e com a ETA-09/0361 e para a chapa ALUMIDI avaliados com o método experimental Rothoblaas. • Para as ligações madeira-madeira, os valores de projecto são obtidos a partir daqueles característicos, desta forma:

R k Rd = k mod γm RV,k 220 | SBD | ESTRUTURAS

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo. • Os valores de resistência do sistema de fixação são válidos para as hipóteses de cálculo definidas em tabela. • Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 385 kg/m3.


VALORES ESTÁTICOS SUPORTE RETRÁTIL ALU ALUMINI - LIGAÇÃO MADEIRA/MADEIRA ALUMINI FV

bNT

H hNT

ALUMINI

(1)

CÓDIGO

H

bNT

hNT

H

viga secundária

viga principal

valores característicos

pinos SBD Ø7,5 (1)

parafuso HBS P EVO Ø5

EN 1995:2014 RV,k

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[pçs - Ø x L]

[pçs]

[kN]

ALUMINI65

65

60

90

2 - Ø7,5 x 55

7

2,3

ALUMINI95

95

60

120

3 - Ø7,5 x 55

11

5,7

ALUMINI125

125

60

150

4 - Ø7,5 x 55

15

10,4

ALUMINI155

155

60

180

5 - Ø7,5 x 55

19

16,3

ALUMINI185

185

60

210

6 - Ø7,5 x 55

23

23,2

É consentida a utilização de cavilhas SBD de comprimento superior ao da tabela sem que isso influa na resistência total da conexão (rutura do lado da viga

principal). Neste caso devem ser reavaliadas as dimensões mínimas dos elementos de madeira

ALUMIDI - LIGAÇÃO MADEIRA/MADEIRA ALUMIDI SEM FUROS - PREGAGEM TOTAL FV

bNT

hNT

H

H

fixação com pregos ALUMIDI

*

fixação com parafusos

viga secundária

viga principal

valores característicos

viga principal

valores característicos

CÓDIGO

H

bNT

hNT

pinos SBD Ø7,5

pregos LBA Ø4 x 60

EN 1995:2014 RV,k

parafusos LBS Ø5 x 60

EN 1995:2014 RV,k

[mm]

[mm]

ALUMIDI120

120

ALUMIDI160

160

ALUMIDI200

200

ALUMIDI240

240

ALUMIDI2200

280 *

ALUMIDI2200

320 *

ALUMIDI2200

360 *

ALUMIDI2200

400 *

[pçs - Ø x L] 2 - Ø7,5 x 75 3 - Ø7,5 x 115 3 - Ø7,5 x 75 4 - Ø7,5 x 115 4 - Ø7,5 x 95 5 - Ø7,5 x 115 5 - Ø7,5 x 95 6 - Ø7,5 x 115 7 - Ø7,5 x 115 8 - Ø7,5 x 135 8 - Ø7,5 x 135 9 - Ø7,5 x 155 9 - Ø7,5 x 155 10 - Ø7,5 x 175 10 - Ø7,5 x 155 11 - Ø7,5 x 175 11 - Ø7,5 x 155 12 - Ø7,5 x 175

[kN] 8,23 10,01 15,04 18,38 24,81 27,44 34,78 38,27 49,79 54,61 64,92 69,38 79,94 84,86 94,22 98,80 105,23 114,12

[pçs]

80

[mm] 120 120 160 160 200 200 240 240 280 280 320 320 360 360 400 400 440 440

[pçs]

ALUMIDI80

[mm] 80 120 80 120 100 120 100 120 120 140 140 160 160 180 160 180 160 180

[kN] 10,12 12,35 18,84 22,92 29,40 34,78 38,28 46,24 58,48 64,98 73,63 84,96 90,80 102,44 101,68 116,93 112,82 134,19

14 22 30 38 46 54 62 70 78

14 22 30 38 46 54 62 70 78

M  edida obtível a partir da barra ALUMIDI2200

ESTRUTURAS | SBD | 221


CTC

BIT INCLUÍDOS

ETA 19/0244

CONECTOR PARA LAJES MADEIRA-BETÃO CERTIFICAÇÃO Conector madeira-betão com certificação específica CE de acordo com ETA-19/0244. Testado e calculado com disposição paralela e cruzada dos conectores de 45° e 30°, com e sem soalho.

SISTEMA RÁPIDO A SECO Sistema homologado, auto-perfurante, reversível, rápido e não invasivo. Óptimos desempenhos estáticos e acústicos quer em novas intervenções quer na reabilitação estrutural.

GAMA COMPLETA Ponta auto-perfurante com entalhe e cabeça cilíndrica não aparente. Disponível em dois diâmetros (7 e 9 mm) e dois comprimentos (160 e 240 mm) para otimizar o número das fixações.

INDICADOR DE APLICAÇÃO A contra-rosca sub-cabeça serve de indicador de aplicação durante a instalação e gera um aumento da vedação do conector dentro do betão.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

marcação CE madeira-betão

CABEÇA

cilíndrica de embutir

DIÂMETRO

7,0 | 9,0 mm

COMPRIMENTO

160 | 240 mm

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Sistema de conexão roscada para lajes compostas madeira-betão homologado para: • painéis à base de madeira • madeira maciça e lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade Classes de serviço 1 e 2.

222 | CTC | ESTRUTURAS


MADEIRA - BETÃO Ideal seja para lajes colaborantes de nova realização que para restabelecimento de lajes existentes. Valores de rigidez calculados também em presença de tela pára-vapor ou de lâmina acústica.

REABILITAÇÃO ESTRUTURAL Certificado, testado e calculado também em madeiras de alta densidade. Certificação específica para aplicação nas estruturas madeira-betão.

ESTRUTURAS | CTC | 223


Laje colaborante madeira-betão em painel CLT com disposição conectores a 45° em fila única.

Laje colaborante madeira-betão com disposição conectores a 30° em fileira dupla.

GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS C X

X

C T

C

d 2 d1

X

dk

ds

b1

b2 L

Diâmetro nominal

d1

[mm]

7

9

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

9,50

11,50

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

4,60

5,90

Diâmetro da haste

ds

[mm]

5,00

6,50

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

Momento plástico característico

My,k

[Nmm]

Parâmetro característico de resistência à extração

fax,k

[N/mm2]

11,3

11,3

Densidade associada

ρa

[kg/m3]

350

350

ftens,k

[kN]

20,0

30,0

Fax,concrete, Rk

[kN]

10,0

10,0

Fax,concrete, Rk

[kN]

15,0

15,0

µ

[-]

0,25

0,25

Resistência característica à tração

4,0

5,0

20000

38000

conectores cruzados a 45° com lâmina fonoisolante (1) Resistência característica à extracção - betão

conectores paralelos a 45° com lâmina fonoisolante (1) conectores paralelos a 30° com lâmina fonoisolante (1) conectores paralelos a 45° sem lâmina fonoisolante

Coeficiente de atrito (1)

Lâmina sob betonilha resiliente em betume e feltro de poliéster tipo SILENT FLOOR.

PRINCÍPIOS GERAIS: • A resistência de projecto ao corte do conector é a mínima entre a resistência de projecto do lado da madeira (Rax,d), resistência de projecto do lado do betão (Rax,concrete,d) e a resistência de projecto do lado do aço (Rtens,d):

Fax,α,Rd Rv,Rd = (cos α + µ sin α) min

ftens,d Fax,concrete,Rd

224 | CTC | ESTRUTURAS

O componente do atrito µ só pode ser considerado nos arranjos com parafusos inclinados (30 ° e 45 °) e na ausência da lâmina fonoisolante. • Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-19/0244.


CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm] CTC7160 7 TX 30 CTC7240

L

b1

b2

[mm]

[mm]

[mm]

pçs

d1

CÓDIGO

[mm]

160

40

110

100

240

40

190

100

CTC9160 9 TX 40 CTC9240

L

b1

b2

[mm]

[mm]

[mm]

pçs

160

40

110

100

240

40

190

100

MÓDULO DE DESLIZAMENTO Kser disposição conectores com lâmina fonoisolante (1)

Kser [N/mm] CTC Ø7

disposição conectores sem lâmina fonoisolante (1)

Kser [N/mm]

CTC Ø9

45°

CTC Ø7

CTC Ø9

48 lef

60 lef

80 lef

80 lef

70 lef

100 lef

45°

16 lef

lef

22 lef lef

45° paralelos

45° paralelos 30°

30°

48 lef

lef

48 lef

lef

30° paralelos 45°

30° paralelos 45°

45°

70 lef

45°

100 lef

lef

lef

45° cruzados

45° cruzados

Lâmina sob betonilha resiliente em betume e feltro de poliéster tipo SILENT FLOOR. O módulo de deslizamento Kser é considerado relativo a um simples conector inclinado ou um par de conectores cruzados sujeitos a uma força paralela ao plano de deslizamento. lef = profundidade de penetração do conector CTC no elemento em madeira em milímetros. (1)

DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AXIAL (1) 45°/30°

a1,CG

45°

a1

dc

dc

db

db

a2,CG

a2

a2,CG

disposição paralela

≥ a1,CG

≥ a2,CG

≥ a1

disposição cruzada

7

9

130∙sin(α)

130∙sin(α)

a1

[mm]

a2

[mm]

35

45

a1,CG

[mm]

85

85

a2,CG

[mm]

32

37

aCROSS [mm]

11

14

≥a2,CG ≥aCROSS

dc = espessura laje de fundação em betão (50 mm ≤ dc ≤ 0.7 db) db = altura viga de madeira (db ≥ 100 mm)

NOTAS: (1)

 s distâncias mínimas para conectores carregados axialmente são de acordo A a ETA-19/0244.

ESTRUTURAS | CTC | 225


VALORES ESTÁTICOS

NORMA DE CÁLCULO NTC 2018 - UNI EN 1995:2014

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE CONECTORES CTC PARA LAJES COMPOSTAS MADEIRA-BETÃO HIPÓTESES DE CÁLCULO

CARGAS

distância entre os eixos das vigas = 660 mm espessura da laje de betão C20/25 = 50 mm limite de decaimento wist = ℓ/400 wnet,fin = ℓ/250

peso próprio (gk1)= viga de madeira + soalho + laje de betão carga permanente não estrutural (gk2) = 2 kN/m2 sobrecarga variável (qk) = 2 kN/m2

CONECTOR CTC Ø7 - madeira lamelar GL 24h (EN 14080:2013) Espessura do soalho ts = 21 mm

3

3,5

4

folga [m] 4,5

8

10

20

30

secção da viga BxH [mm]

120 x 160

45° 120 x 200

140 x 200

Aplicação a 45° sem lâmina fonoisolante. 140 x 240

n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2

5

5,5

6

-

-

-

-

-

7x160

7x240

7x240

7x240

500/500

250/500

160/400

220/440

4,0

4,3

7,6

10,1

10

12

20

30

7x160

7x240

7x240

7x240

300/500

250/500

160/320

130/260

4,3

4,5

6,7

9,1

10

20

30

34

7x240

7x240

7x240

7x240

300/500

180/360

130/260

110/220

3,8

6,7

9,1

9,4

-

-

-

-

-

-

-

12

20

30

36

7x240

7x240

7x240

7x240

300/500

200/400

150/300

120/240

4,0

6,1

8,3

9,1

5

5,5

6

-

-

-

-

-

CONECTOR CTC Ø7 - madeira lamelar GL 24h (EN 14080:2013) Espessura do soalho ts = 21 mm

3

3,5

4

folga [m] 4,5

10

14

38

30

secção da viga BxH [mm]

120 x 160

45° 120 x 200

140 x 200

Aplicação a 45° com lâmina fonoisolante. 140 x 240

n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2

7x160

7x240

7x240

7x240

300/500

180/500

100/100

220/440

5,1

6,1

14,4

10,1

8

12

24

56

7x160

7x240

7x240

7x240

500/500

250/500

120/240

160/160 (1)

3,5

4,5

8,1

17,0

10

22

54

90

7x240

7x240

7x240

7x240

300/500

200/200

150/200 (1)

150/200 (2)

3,8

7,4

16,4

24,8

-

-

-

-

-

-

-

8

16

34

64

7x240

7x240

7x240

7x240

500/500

300/500

140/200

150/200 (1)

2,7

4,8

9,4

16,2

5

5,5

6

-

-

-

CONECTOR CTC Ø7 - madeira lamelar GL 24h (EN 14080:2013) Espessura do soalho ts = 21 mm

3

3,5

4

folga [m] 4,5

16

20

40

48

secção da viga BxH [mm]

120 x 160

45°

45° 120 x 200

140 x 200

Aplicação cruzada a 45° com ou sem lâmina fonoisolante. 140 x 240

226 | CTC | ESTRUTURAS

n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2

7x160

7x240

7x240

7x240

500/500

250/500

160/320

120/400

8,1

8,7

15,2

16,2

16

24

40

48

60

7x240

7x240

7x240

7x240

7x240

400/500

250/500

180/400

150/400

120/400

6,9

9,1

13,5

14,5

16,5

20

28

48

60

88

7x240

7x240

7x240

7x240

7x240

280/500

200/500

150/400

120/400

100/200

7,6

9,4

14,5

16,5

22,2

24

40

52

64

7x240

7x240

7x240

7x240

300/500

200/500

150/400

120/400

8,1

12,1

14,3

16,2

-

-

-

-

-

-

-


VALORES ESTÁTICOS

NORMA DE CÁLCULO NTC 2018 - UNI EN 1995:2014

CONECTOR CTC Ø9 - madeira lamelar GL 24h (EN 14080:2013) Espessura do soalho ts = 21 mm

3

3,5

4

folga [m] 4,5

8

10

16

24

secção da viga BxH [mm]

120 x 160

45° 120 x 200

140 x 200

Aplicação a 45° sem lâmina fonoisolante. 140 x 240

n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2

5

5,5

6

-

-

-

9x160

9x240

9x240

9x240

450/500

250/500

150/500

120/300

4,0

4,3

6,1

8,1

8

12

20

24

34

9x240

9x240

9x240

9x240

9x240

450/500

250/500

180/400

140/400

110/250

3,5

4,5

6,7

7,3

9,4

10

14

22

34

46

9x240

9x240

9x240

9x240

9x240

300/500

200/500

160/500

120/300

180/350

3,8

4,7

6,7

9,4

11,6

12

20

24

32

9x240

9x240

9x240

9x240

300/500

200/500

160/500

120/400

4,0

6,1

6,6

8,1

folga [m] 4,5

5

5,5

6

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

CONECTOR CTC Ø9 - madeira lamelar GL 24h (EN 14080:2013) Espessura do soalho ts = 21 mm

secção da viga BxH [mm]

120 x 160

45° 120 x 200

140 x 200

Aplicação a 45° com lâmina fonoisolante. 140 x 240

n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2

3

3,5

4

8

10

30

9x160

9x240

9x240

500/500

250/500

100/200

4,0

4,3

11,4

-

-

-

8

10

24

60

9x240

9x240

9x240

9x240

400/500

280/500

130/300

140/160

3,5

3,8

8,1

18,2

-

-

10

40

52

66

9x240

9x240

9x240

9x240

300/500

200/200

160/200

200/300

3,8

13,5

15,8

18,2

12

22

36

68

9x240

9x240

9x240

9x240

300/500

180/400

210/420

140/200

4,0

6,7

9,9

17,2

folga [m] 4,5

5

5,5

6

-

-

-

-

-

-

-

-

CONECTOR CTC Ø9 - madeira lamelar GL 24h (EN 14080:2013) Espessura do soalho ts = 21 mm

secção da viga BxH [mm]

120 x 160

45°

45° 120 x 200

140 x 200

Aplicação cruzada a 45° com ou sem lâmina fonoisolante.

140 x 240

n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2

3

3,5

4

16

24

40

9x160

9x160

9x160

500/500

250/500

150/300

8,1

10,4

15,2

-

-

-

16

24

40

52

9x160

9x160

9x160

9x240

400/400

250/500

180/360

130/300

6,9

9,1

13,5

15,8

24

40

60

68

9x160

9x160

9x240

9x240

250/500

180/360

130/260

120/240

9,1

13,5

18,2

18,7

32

48

60

72

9x160

9x240

9x240

9x240

300/500

150/300

140/280

120/240

10,8

14,5

16,5

18,2

-

-

-

-

NOTAS: (1)

Conectores dispostos em duas filas.

(2)

Conectores dispostos em três filas.

Para configurações de cálculo diferentes, está disponível o software MyProject (www.rothoblaas.pt).

ESTRUTURAS | CTC | 227


VALORES ESTÁTICOS

NORMA DE CÁLCULO EN 1995:2014

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE CONECTORES CTC PARA LAJES COMPOSTAS MADEIRA-BETÃO HIPÓTESES DE CÁLCULO

CARGAS

distância entre os eixos das vigas = 660 mm espessura da laje de betão C20/25 = 50 mm limite de decaimento wist = ℓ/400 wnet,fin = ℓ/250

peso próprio (gk1)= viga de madeira + soalho + laje de betão carga permanente não estrutural (gk2) = 2 kN/m2 sobrecarga variável (qk) = 2 kN/m2

CONECTOR CTC Ø7 - madeira lamelar GL 24h (EN 14080:2013) Espessura do soalho ts = 21 mm

3

3,5

4

folga [m] 4,5

8

10

18

24

secção da viga BxH [mm]

120 x 160

45° 120 x 200

140 x 200

Aplicação a 45° sem lâmina fonoisolante. 140 x 240

n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2

5

5,5

6

-

-

-

-

-

7x160

7x240

7x240

7x240

500/500

250/500

200/400

120/240

4,0

4,3

6,8

8,1

8

10

18

24

7x160

7x240

7x240

7x240

500/500

300/500

200/400

140/280

3,5

3,8

6,1

7,3

10

12

22

32

7x240

7x240

7x240

7x240

400/500

250/500

180/360

130/260

3,8

4,0

6,7

8,8

-

-

-

-

-

-

-

10

16

22

30

7x240

7x240

7x240

7x240

400/500

300/500

200/400

150/300

3,4

4,8

6,1

7,6

folga [m] 4,5

5

5,5

6

-

-

-

-

-

-

CONECTOR CTC Ø7 - madeira lamelar GL 24h (EN 14080:2013) Espessura do soalho ts = 21 mm

secção da viga BxH [mm]

120 x 160

45° 120 x 200

140 x 200

Aplicação a 45° com lâmina fonoisolante. 140 x 240

n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2

3

3,5

4

8

10

38

7x160

7x240

7x240

500/500

250/500

100/100

4,0

4,3

14,4

-

-

-

8

10

24

54

7x160

7x240

7x240

7x240

500/500

300/500

120/240

150/200 (1)

3,5

3,8

8,1

16,4

8

22

46

90

7x240

7x240

7x240

7x240

500/500

150/300

150/300 (1)

150/200 (2)

3,0

7,4

13,9

24,8

-

-

-

-

8

14

34

60

7x240

7x240

7x240

7x240

500/500

400/500

140/200

150/250 (1)

2,7

4,2

9,4

15,2

5

5,5

6

-

-

-

CONECTOR CTC Ø7 - madeira lamelar GL 24h (EN 14080:2013) Espessura do soalho ts = 21 mm

3

3,5

4

folga [m] 4,5

16

20

36

44

secção da viga BxH [mm]

120 x 160

45°

45° 120 x 200

140 x 200

Aplicação cruzada a 45° com ou sem lâmina fonoisolante. 140 x 240

228 | CTC | ESTRUTURAS

n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2

7x160

7x240

7x240

7x240

500/500

250/500

200/400

150/300

8,1

8,7

13,6

14,8

16

20

36

48

52

7x240

7x240

7x240

7x240

7x240

500/500

300/500

200/400

150/300

150/350

6,9

7,6

12,1

14,5

14,3

20

24

44

52

84

7x240

7x240

7x240

7x240

7x240

280/500

250/500

180/360

150/400

110/200

7,6

8,1

13,3

14,3

21,2

20

36

44

60

7x240

7x240

7x240

7x240

400/500

250/500

200/400

150/300

6,7

10,9

12,1

15,2

-

-

-

-

-

-

-


VALORES ESTÁTICOS

NORMA DE CÁLCULO EN 1995:2014

CONECTOR CTC Ø9 - madeira lamelar GL 24h (EN 14080:2013)

Espessura do soalho ts = 21 mm

3

3,5

4

folga [m] 4,5

8

10

14

22

secção da viga BxH [mm]

120 x 160

45° 120 x 200

140 x 200

Aplicação a 45° sem lâmina fonoisolante. 140 x 240

n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2

5

5,5

6

-

-

-

9x160

9x240

9x240

9x240

500/500

250/500

200/500

150/300

4,0

4,3

5,3

7,4

8

10

18

22

30

9x240

9x240

9x240

9x240

9x240

500/500

300/500

200/400

160/400

130/300

3,5

3,8

6,1

6,7

8,3

10

12

22

30

46

9x240

9x240

9x240

9x240

9x240

400/500

250/500

180/400

150/300

180/350 (2)

3,8

4,0

6,7

8,3

11,6

10

16

22

30

9x240

9x240

9x240

9x240

400/500

300/500

200/400

150/300

3,4

4,8

6,1

7,6

folga [m] 4,5

5

5,5

6

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

CONECTOR CTC Ø9 - madeira lamelar GL 24h (EN 14080:2013) Espessura do soalho ts = 21 mm

secção da viga BxH [mm]

120 x 160

45° 120 x 200

140 x 200

Aplicação a 45° com lâmina fonoisolante. 140 x 240

n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2

3

3,5

4

8

10

26

9x160

9x240

9x240

500/500

300/500

120/200

4,0

4,3

9,8

-

-

-

8

10

22

38

9x240

9x240

9x240

9x240

500/500

300/500

150/300

100/140

3,5

3,8

7,4

11,5

-

-

10

18

34

64

9x240

9x240

9x240

9x240

300/500

200/400

3,8

6,1

10,3

8

20

30

48

9x240

9x240

9x240

9x240

500/500

200/400

150/300

100/150

2,7

6,1

8,3

12,1

folga [m] 4,5

5

5,5

6

-

-

-

-

-

-

-

200/400 (2) 210/300 (2)

-

17,6

CONECTOR CTC Ø9 - madeira lamelar GL 24h (EN 14080:2013) Espessura do soalho ts = 21 mm

secção da viga BxH [mm]

120 x 160

45°

45° 120 x 200

140 x 200

Aplicação cruzada a 45° com ou sem lâmina fonoisolante.

140 x 240

n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2 n° de pares por viga CTC passo [mm] n° de conectores/m2

3

3,5

4

16

24

36

9x160

9x160

9x160

500/500

250/500

200/300

8,1

10,4

13,6

-

-

-

16

20

36

48

9x160

9x160

9x160

9x160

500/500

300/500

250/500

150/500

6,9

7,6

12,1

14,5

20

36

48

60

9x160

9x240

9x240

9x240

300/500

200/400

150/300

140/300

7,6

12,1

14,5

16,5

24

40

52

60

9x240

9x240

9x240

9x240

500/500

200/400

150/400

150/300

8,1

12,1

14,3

15,2

-

-

-

-

NOTAS: (1)

Conectores dispostos em duas filas.

(2)

Conectores dispostos em três filas.

Para configurações de cálculo diferentes, está disponível o software MyProject (www.rothoblaas.pt).

ESTRUTURAS | CTC | 229


EXEMPLOS DE CÁLCULO: LAJE MISTA MADEIRA-BETÃO

DADOS DE PROJECTO

VIGAS

CONECTORES - CTC Ø9 x 240

B = 120 mm

Diâmetro

9 mm

H = 160 mm

Comprimento

240 mm

i = 650 mm

Disposição conectores

inclinados 45°

L = 4,0 m

Distribuição

L/4-L/2

Madeira GL24h (EN 14081:2013) LAJE DE FUNDAÇÃO COLABORANTE CONDIÇÕES DE CARGA

s = 50 mm Betão C25/30

Carga permanente estrutural (G1)

1,50 kN/m2

Carga permanente não estrutural (G2)

2,50 kN/m2

t = 21 mm

Carga variável (Q) Categoria A: ambiente para uso residencial

2,00 kN/m2

Soalho C20 (EN 14081:2013)

Duração da carga variável

média

ESTRATO INTERMÉDIO

i s t H

B

L/4

L/2

L/4

L

CÁLCULO COM SOFTWARE MYPROJECT (EN 1995:2014 e ETA-19/0244)

RESULTADOS Número de conectores

22 CTC Ø9x240

Espaçamento mín (L/4)

180 mm

Incidência dos conectores

8 conectores/m

Espaçamento máx (L/2)

370 mm

230 | CTC | ESTRUTURAS

2


Para configurações de cálculo diferentes, está disponível o software MyProject (www.rothoblaas.pt)

RELATÓRIO DE CÁLCULO

ESTRUTURAS | CTC | 231


SKR - SKS

COATING

ETA

ANCORANTE PARAFUSÁVEL PARA BETÃO SISTEMA RÁPIDO A SECO Utilização simples e veloz. A rosca especial requer um pré-furo de pequenas dimensões e garante a fixação em betão sem criar forças de expansão no betão. Distâncias mínimas reduzidas.

SKR - SKS EVO Disponível em algumas medidas na versão com especial tratamento superficial para um melhoramento da resistência à corrosão da cabeça exposta ao exterior.

CERTIFICAÇÃO A versão com marcação CE é certificada para aplicações em betão fissurado e não fissurado e em categoria de prestação sísmica C2.

SKR

SKS

SKR CE

SKS CE

CARACTERÍSTICAS FOCUS

parafuso para betão

CABEÇA

sextavada e escareado

DIÂMETRO

de 7,5 a 16,0 mm

COMPRIMENTO

de 60 a 400 mm

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica. Versões em aço carbónico com revestimento C4 EVO.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Fixação de elementos de madeira ou de aço sobre suportes de betão. Classes de serviço 1 e 2.

232 | SKR - SKS | ESTRUTURAS


VIGA RAIZ Ideal para a fixação das vigas raiz em madeira à laje em betão. Instalação muito rápida graças à possibilidade de efetuar um único pré-furo para a madeira e para o betão.

CHAPAS Ideal para a fixação de chapas Rothoblaas. Ligação TITAN com SKR diâmetro 12 mm.

ESTRUTURAS | SKR - SKS | 233


GEOMETRIA SKR - SKS Tinst

Tinst SW

tfix

dk tfix

df

L

hef

d1

hmin

hnom

df

L h1

hef

d1

hmin

d0

hnom

h1

d0

SKR

SKS

LEGENDA d1 tfix h1 hnom hef

d0 df SW Tinst L

diâmetro externo do fixador espessura máxima fixável profundidade mínima do furo profundidade de inserção profundidade efectiva de ancoragem

diâmetro do furo no suporte de betão diâmetro máximo do furo no elemento a ser fixado medida da chave par de aperto comprimento do ancorante

CÓDIGOS E DIMENSÕES SKR - SKS SKR cabeça sextavada d1

CÓDIGO

[mm] 7,5 SW 13

10 SW 16

12 SW 18

L

tfix

h1,min

hnom

d0

df madeira

df aço

Tinst

pçs

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[Nm]

SKR7560

60

10

60

50

6

8

8-10

15

50

SKR7580

80

30

60

50

6

8

8-10

15

50

SKR75100

100

20

90

80

6

8

8-10

15

50

SKR1080

80

30

65

50

8

10

10-12

25

50

SKR10100

100

20

95

80

8

10

10-12

25

25

SKR10120

120

40

95

80

8

10

10-12

25

25

SKR10140

140

60

95

80

8

10

10-12

25

25

SKR10160

160

80

95

80

8

10

10-12

25

25

SKR12100

100

20

100

80

10

12

12-14

50

25

SKR12120

120

40

100

80

10

12

12-14

50

25 25

SKR12140

140

60

100

80

10

12

12-14

50

SKR12160

160

80

100

80

10

12

12-14

50

25

SKR12200

200

120

100

80

10

12

12-14

50

25

SKR12240

240

160

100

80

10

12

12-14

50

25

SKR12280

280

200

100

80

10

12

12-14

50

25

SKR12320

320

240

100

80

10

12

12-14

50

25

SKR12400

400

320

100

80

10

12

12-14

50

25

pçs

SKS cabeça de embeber d1

CÓDIGO

[mm]

7,5 TX 40

L

tfix

h1,min

hnom

d0

df madeira

df aço

Tinst

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[Nm]

SKS7560

60

10

60

50

6

8

-

-

50

SKS7580

80

30

60

50

6

8

-

-

50

SKS75100

100

20

90

80

6

8

-

-

50

SKS75120

120

40

90

80

6

8

-

-

50

SKS75140

140

60

90

80

6

8

-

-

50

SKS75160

160

80

90

80

6

8

-

-

50

234 | SKR - SKS | ESTRUTURAS


CÓDIGOS E DIMENSÕES SKR EVO - SKS EVO SKR EVO d1

COATING

CÓDIGO

L

tfix

h1,min

hnom

d0

df madeira

df aço

Tinst

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[Nm]

SKREVO7560

60

10

60

50

6

8

8-10

15

50

SKREVO1080

80

30

65

50

8

10

10-12

25

50

SKREVO12100

100

20

100

80

10

12

12-14

50

25

L

tfix

h1,min

hnom

d0

df madeira

df aço

Tinst

pçs

[mm] 7,5 SW 13 10 SW 16 12 SW 18

pçs

SKS EVO d1

CÓDIGO

[mm] 7,5 TX 40

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[Nm]

SKSEVO7580

80

30

60

50

6

8

-

-

SKSEVO75100

100

20

90

80

6

8

-

-

50

SKSEVO75120

120

40

90

80

6

8

-

-

50

50

DISTÂNCIAS MÍNIMAS SKR - SKS c

s

s c hmin ENTRE-EIXOS E DISTÂNCIAS PARA CARGAS DE TRACÇÃO SKR

SKS

Ø7,5

Ø10

Ø12

Ø7,5

Entre-eixo mínimo

smin,N

[mm]

50

60

65

50

Distância mínima da borda

cmin,N

[mm]

50

60

65

50

Espessura mínima do suporte de betão

hmin

[mm]

100

110

130

100

Entre-eixo crítico

scr,N

[mm]

100

150

180

100

Distância crítica da borda

ccr,N

[mm]

50

70

80

50

ENTRE-EIXOS E DISTÂNCIAS PARA CARGAS DE CORTE SKR

SKS

Ø7,5

Ø10

Ø12

Ø7,5

Entre-eixo mínimo

smin,V

[mm]

50

60

70

50

Distância mínima da borda

cmin,V

[mm]

50

60

70

50

Espessura mínima do suporte de betão

hmin

[mm]

100

110

130

100

Entre-eixo crítico

scr,V

[mm]

140

200

240

140

Distância crítica da borda

ccr,V

[mm]

70

110

130

70

Para entre-eixos e distâncias inferiores àqueles críticos, haverá reduções nos valores de resistência em razão dos parâmetros de instalação.

ESTRUTURAS | SKR - SKS | 235


GEOMETRIA SKR CE - SKS CE ETA

Tinst

Tinst SW

tfix

dk tfix

df

L

hef

d1

hmin

hnom

df

L h1

hef

d1

hmin

d0

hnom

h1

d0

SKR

SKS

LEGENDA d1 tfix h1 hnom hef

d0 df SW Tinst L

diâmetro externo do fixador espessura máxima fixável profundidade mínima do furo profundidade de inserção profundidade efectiva de ancoragem

diâmetro do furo no suporte de betão diâmetro máximo do furo no elemento a ser fixado medida da chave par de aperto comprimento do ancorante

CÓDIGOS E DIMENSÕES SKR CE - SKS CE SKR CE cabeça sextavada com falsa anilha d1

CÓDIGO

[mm] 8 SW 10 10 SW 13

12 SW 15

16 SW 21

SKR8100CE

L

tfix

h1,min

hnom

hef

d0

df

Tinst

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[Nm]

pçs

100

40

75

60

48

6

9

20

50

SKR1080CE

80

10

85

70

56

8

12

50

50

SKR10100CE

100

30

85

70

56

8

12

50

25

SKR10120CE

120

50

85

70

56

8

12

50

25

SKR12110CE

110

30

100

80

64

10

14

80

25

SKR12150CE

150

70

100

80

64

10

14

80

25

SKR12210CE

210

130

100

80

64

10

14

80

20

SKR12250CE

250

170

100

80

64

10

14

80

15

SKR12290CE

290

210

100

80

64

10

14

80

15

SKR16130CE

130

20

140

110

85

14

18

160

10

L

tfix

h1,min

hnom

hef

d0

df

Tinst

pçs

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[Nm]

SKS75100CE

100

40

75

60

48

6

9

20

50

SKS10100CE

100

30

85

70

56

8

12

50

50

SKS CE cabeça de embeber plana d1

CÓDIGO

[mm] 8 TX 30 10 TX 40

236 | SKR - SKS | ESTRUTURAS


DISTÂNCIAS MÍNIMAS SKR - SKS c

s

s c hmin ENTRE-EIXOS E DISTÂNCIAS SKR CE - SKS CE Ø8

Ø10

Ø12

Ø16

Entre-eixo mínimo

smin

[mm]

45

50

60

80

Distância mínima da borda

cmin

[mm]

45

50

60

80

Espessura mínima do suporte de betão

hmin

[mm]

100

110

130

170

scr,N (1)

[mm]

144

168

192

255

scr,sp (2)

[mm]

160

175

195

255

ccr,N (1)

[mm]

72

84

96

128

ccr,sp (2)

[mm]

80

85

95

130

Entre-eixo crítico Distância crítica da borda

Para entre-eixos e distâncias inferiores àqueles críticos, haverá reduções nos valores de resistência em razão dos parâmetros de instalação.

NOTAS: (1)

Modo de rutura por formação do cone de betão.

(2)

Modo de rutura por fissuração (splitting).

INSTALAÇÃO 01

02

03

03

SKR

Praticar um furo com modo de rotopercussão.

04

Executar a limpeza do orifício.

04

SKS

Colocar o objeto a fixar e instalar o parafuso com o aparafusador por impulsos.

05

05

Tinst

SKR

SKS

Certificar-se que a cabeça do parafuso esteja completamente em contacto com o objeto a fixar.

SKR

Tinst

SKS

Verificar o binário de aperto Tinst.

ESTRUTURAS | SKR - SKS | 237


VALORES ESTÁTICOS SKR CE - SKS CE

VALORES CARACTERÍSTICOS ETA

Válidos para uma única ancoragem em ausência de entre-eixos e distâncias da borda, para betão de classe C20/25 de espessura elevada e com armadura esparsa. BETÃO NÃO FISSURADO TRAÇÃO(1)

SKR CE

SKS CE

d1

NRk,p

[mm]

[KN]

CORTE(2) γMp

VRk,s

γMs

[kN]

[mm]

8

16

2,1

9,4

1,5

10

20

1,8

20,1

1,5

12

25

2,1

32,4

1,5

16

40

2,1

56,9

1,5

8

16

2,1

9,4

1,5

10

20

1,8

20,1

1,5

BETÃO FISSURADO TRAÇÃO(1)

SKR CE

SKS CE

CORTE VRk,s/Rk,cp

γMs,Mc

[kN]

[mm]

2,1

9,4 (2)

1,5

7,5

1,8

15,1 (3)

1,5

(2)

1,5

d1

NRk,p

[mm]

[KN]

8

4

10

γMp

12

9

2,1

32,4

16

16

2,1

56,4 (3)

1,5

8

4

2,1

9,4

1,5

10

7,5

1,8

20,1 (2)

(2)

1,5

factor de incremento para NRk,p (4) C30/37 Ψc

1,22

C40/50

1,41

C50/60

1,58

NOTAS: (1) (2)

Modo de rutura do material de aço (VRk,s).

(3) (4)

Modo de rutura por desenfiamento (pull-out). Modo de rutura por destacamento (pry-out, VRk,cp).

Fator de incremento para a resistência à tração (excluída a rutura do aço).

PRINCÍPIOS GERAIS: • Os valores característicos são calculados de acordo a ETA e fazem referência aos valores lado betão. A resistência da ancoragem lado madeira é de verificar à parte. • Os valores γmcde projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

Rk γm

Os coeficientes γm são apresentados na tabela em função do modo de rutura e de acordo com os certificados de produto.

• Para o cálculo de ancorantes com entre-eixos reduzidos, próximos à borda ou para a fixação sobre betão de classe de resistência superior ou de espessura reduzida ou com armadura densa, ver o documento ETA. • Para planear ancoragens submetidas a carga sísmica, consulte o documento ETA de referência e as indicações do EOTA Technical Report 045. • Para o cálculo de ancoragens sob a ação do fogo, consulte a ETA e o Technical Report 020.

238 | SKR - SKS | ESTRUTURAS


EXTERIOR


EXTERIOR


EXTERIOR

KKT COLOR A4 | AISI316

TERRA BAND UV

PARAFUSO COM CABEÇA CÓNICA DE EMBUTIR. . . . . . . . . . . . . 256

FITA ADESIVA BUTÍLICA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 316

KKT A4 | AISI316

PROFID

PARAFUSO COM CABEÇA CÓNICA DE EMBUTIR. . . . . . . . . . . . . 260

PERFIL ESPAÇADOR. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 317

KKT COLOR

JFA

PARAFUSO COM CABEÇA CÓNICA DE EMBUTIR. . . . . . . . . . . . . 264

SUPORTE REGULÁVEL PARA TERRAÇOS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 318

KKZ A2 | AISI304

SUPPORT

PARAFUSO COM CABEÇA CILÍNDRICA NÃO APARENTE. . . . . . . 268

SUPORTE REGULÁVEL PARA TERRAÇOS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 322

KWP A2 | AISI305

ALU TERRACE

PARAFUSO COM CABEÇA CILÍNDRICA PARA TÁBUAS WPC. . . . 270

PERFIL EM ALUMÍNIO PARA TERRAÇOS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 328

KKA AISI410

STAR

PARAFUSO AUTO-PERFURANTE MADEIRA | MADEIRA-ALUMÍNIO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 272

ESTRELA PARA DISTÂNCIAS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 334

KKA COLOR

ESTREITADOR PARA TERRAÇOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 334

PARAFUSO AUTO-PERFURANTE PARA ALUMÍNIO. . . . . . . . . . . . 274

EWS PARAFUSO COM CABEÇA CÓNICA DE EMBUTIR. . . . . . . . . . . . . 276

KKF AISI410

CRAB MINI SHIM CUNHAS NIVELADORES. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 335

BROAD PONTA COM ESCAREADOR PARA KKT, KKZ, KKA. . . . . . . . . . . . . 335

PARAFUSO DE CABEÇA TRONCOCÓNICA. . . . . . . . . . . . . . . . . . 280

SCI A4 | AISI316 PARAFUSO DE CABEÇA DE EMBEBER. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .284

SCI A2 | AISI305 PARAFUSO DE CABEÇA DE EMBEBER. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .286

SCA A2 | AISI304 PARAFUSO DE CABEÇA DE EMBEBER. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .290

HBS PLATE EVO PARAFUSO COM CABEÇA TRONCOCÓNICA PARA CHAPAS. . . 292

HBS EVO PARAFUSO DE CABEÇA DE EMBEBER. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 293

TBS EVO PARAFUSO PARA O EXTERIOR DE CABEÇA LARGA. . . . . . . . . . . 294

VGZ EVO CONECTOR TOTALMENTE ROSCADO DE CABEÇA CILÍNDRICA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 295

FLAT | FLIP CONECTOR PARA TERRAÇOS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 296

TVM CONECTOR PARA TERRAÇOS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 300

GAP CONECTOR PARA TERRAÇOS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 304

TERRALOCK CONECTOR PARA TERRAÇOS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 308

GROUND COVER TELA ANTIVEGETAL PARA BASES. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 312

NAG PAD NIVELADOR. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 313

GRÂNULO SUB-FUNDO DE BORRACHA GRANULAR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 314

EXTERIOR | 243


ESPÉCIES LENHOSAS PROVENIÊNCIA E DENSIDADE

Q

ue

550 650

rc Ca us rv pe alh tra o ea

750 850 950 1050

Lar

ix d Laríc eci io du a

Fagu s

1150

DENSIDADE INDICATIVA [kg/m3]

500

ro ei is nh tr Pi lves y ss

nu Pi

TO EN TAM ICO RA ÉRM o T MT elh s CO e rm ve abi eto Picea Ab

450

Fa sylva ia tica

1

Freicho Fraxinus excelsior

4

6

5

2 3

7 O AÇÃ EGN ICA R P M IM TÉR eiro COM Pinh stris lve s sy Pinu

S

O

IL

Wo o

dP

las

tic Co W mp PC osi te

ET AC

AD

244 | ESPÉCIES LENHOSAS | EXTERIOR


Pin Pin heir us o syl ve str is

Um revestimento de madeira adapta-se a qualquer ambiente: a grande variedade de espécies lenhosas satifaz perfeitamente as exigências projectuais e estéticas.

4

DENSIDADE INDICATIVA 300-550 [kg/m3]

4

350

5

400

o dr s Ce edru C

500

4

550

o an eri ca sib ibiri s io ríc Larix a La at di ta ra dia ro ra ei us nh Pin

cio Larí rix La

Faia Quercus petraea

1

4

6

ot Oc ea ot ru ea br a Mil 2 icia Iro exc ko els a 5 Mo Enta gno Sap ndro phr ele cylin agma 5 dricu m

Ocumé Aucoumea klaineana

5

Pi Oc

ho

el erm to v es e b i A a ab Pice

6

450

Do u Pse glásia udo tsu ga

600

2

650 700

3

750 800

me

nzi

DENSIDADE INDICATIVA 550-800[kg/m3]

esii

Freicho petraea uercus

4

4

Q

1

3

DENSIDADE INDICATIVA 800-1000[kg/m3]

Di co

ryn

ia

4

850 900 950 1000

M In erb ts a ia u bi ju g

Ba s gu ralo ian cu en s sis Rob Acác ia b inia a pse udo starda aca cia

3

a

Ita Me uba zila uru s

ita

ub

a

ho 4 val Car traea pe us erc ak 6 u Q Te is nd gra 5 a n ga ii eto c n T li h Bi rric de di a e cl au N

6

7 3 7

to lip ca yptus u E l ca Eu 3

xy to Po

5

pt

er

ai ng i ga ga ela an M elag m

lon

Di

yx Cum od ar or u ata

1

Ip Tabeb e uia

6 3 2

nduba Massara ntata id ra b e Manilka

1050

2

Wengé Millettia laur entii

Ban Sho gkirai rea gla uca 6 Ba m Ba b m u bu se ae 6

6 3

a Garap leiocarpa ia Apule

1100 1150 1200 1250

DENSIDADE INDICATIVA > 1000 [kg/m3]

1300 1350

3 2

Esta lista não tenciona ser exaustiva, mas sim fornecer só algumas indicações sobre as espécies de madeira mais difundidas.

EXTERIOR | ESPÉCIES LENHOSAS | 245


ESCOLHA DA FIXAÇÃO AMBIENTE

aço inoxidável austenítico A4

APLICAÇÃO

KKT A4 A4 KKT color COLOR

KKT A4

KKT A4

aço inoxidável austenítico A2

SCI A4

SCI A4

KKZ A2

KKZ A2

KWP A2

KWP A2

EWS A2

EWS A2

SCI A2

SCI A2

aço inoxidável martensítico AISI 410

SCA A2

SCA A2

SBS A2

SBS A2

KKA AISI KKF AISI EWS AISI SHS AISI KKA KKF EWS SHS 410 410 410 410 AISI 410 AISI 410 AISI 410 AISI 410

revestimento horizontal (por ex. terraço) revestimento vertical (por ex. fachada)

CLASSE DE CORROSIVIDADE ATMOSFÉRICA (EN 12944) C1 ambientes interiores C2 áreas rurais C3 ambientes urbanos e industriais C4 áreas industriais e zonas costeiras C5 áreas com atmosfera agressiva

CLASSES DE SERVIÇO DO AMBIENTE Classe de serviço 1 Classe de serviço 2 Classe de serviço 3 NOTAS: * Revestimento equivalente a Fe/Zn 25c CLASSES DE UTILIZAÇÃO DA MADEIRA Classe de utilização 1 Classe de utilização 2 Classe de utilização 3 Classe de utilização 4 Classe de utilização 5

LEGENDA:

aplicação consentida aplicação desaconselhada, mas possível se feita com cuidados especiais aplicação desaconselhada

246 | ESCOLHA DA FIXAÇÃO | EXTERIOR


A obra está inserida em um contexto do qual não se pode prescindir e com o qual interage: conhecer a colocação e a aplicação do revestimento de madeira é fundamental para se escolher uma fixação apta a garantir boas prestações no tempo.

aço carbónico com revestimento orgânico

Aço carbónico com revestimento C4 EVO.

EN 1995-1-1 CLASSES DE SERVIÇO DO AMBIENTE CLASSE 1: clima 20° C / 65% humidade u ≈ 12%

todos os interiores da casa

CLASSE 2: clima 20° C / 55% humidade u ≈ 18%

elementos protegidos contra a acção directa das intempéries

CLASSE 3: clima mais húmido da classe 2 humidade u > 20% elementos “molhados”

HBS P HBS P EVO EVO

HBS HBS EVO EVO

TBS TBS EVO EVO

VGZ VGZ EVO EVO

KKT COLOR

KKT color

KKA KKA color COLOR

EN 335 CLASSES DE UTILIZAÇÃO DA MADEIRA CLASSE 1 Situações em que a madeira se encontra no interior de uma construção, não exposta aos agentes atmosféricos.

CLASSE 2 Situações em que a madeira está reparada e não exposta aos agentes atmosféricos, mas pode haver situações de elevada humidade ambiental.

CLASSE 3 Situações em que o material à base de madeira se encontra não directamente em contacto com o terreno e está exposto aos agentes atmosféricos. *

*

CLASSE 4 Situações em que a madeira está em contacto directo com o terreno e a água doce.

CLASSE 5 Situações em que a madeira está permanente ou regularmente imersa em água salgada.

EXTERIOR | ESCOLHA DA FIXAÇÃO | 247


ESCOLHA DA FIXAÇÃO APARAFUSAMENTO MADEIRAS 400

500

600

700

800

A4 | AISI 316

kg/m3

KKT SCI

A2 | AISI304 - AISI305

KKZ KWP EWS SCI

EWS KKF

KKT

LEGENDA:

sem pré-furo com pré-furo

248 | ESCOLHA DA FIXAÇÃO | EXTERIOR

ITAUBA

TEAK

IROKO

CARVALHO

LARÍCIO SIBERIANO

FREIXO COM TRATAMENTO TÉRMICO

LARÍCIO

HBS P EVO

PINHEIRO COM TRATAMENTO TÉRMICO

CARBON STEEL

AISI410

SCA

DIÂMETRO DO PRÉ-FURO: Ø PARAFUSO

[mm]

3,5

4,0

4,5

5,0

6,0

8,0

Ø PRÉ-FURO

[mm]

2

2

3

3

4

5


CAMPANHA EXPERIMENTAL EM MADEIRAS DE ESPÉCIES E DENSIDADE DIFERENTES

WPC 1100

1200

WPC 1200

1000

WPC 1000

1200

BAMBU COM TRATAMENTO TÉRMICO

MELAGANGAI

1100

MASSARANDUBA

1000

IPE

900

BANGKIRAI

MADEIRAS 800

NOTAS: • Aparafusamentos executados com parafuso 5 x 50 mm em subestruturas de densidade diferente.

• As barras do gráfico indicam o limite do correto funcionamento do parafuso em termos de integridade e eficácia do aperto; a utilização de uma estrutura de densidade maior ou a escolha de uma rosca mais longa podem afetar positivamente na performance da fixação.

EXTERIOR | ESCOLHA DA FIXAÇÃO | 249


ESCOLHA DA FIXAÇÃO ACABAMENTO ESTÉTICO DA CABEÇA

MADEIRAS 400

500

600

700

800

A4 | AISI 316

kg/m3

KKT SCI

A2 | AISI304 - AISI305

KKZ KWP EWS SCI

EWS KKF

KKT

LEGENDA:

excelente acabamento bom acabamento escareador recomendado

250 | ESCOLHA DA FIXAÇÃO | EXTERIOR

ITAUBA

TEAK

IROKO

CARVALHO

LARÍCIO SIBERIANO (1)

(2)

FREIXO COM TRATAMENTO TÉRMICO

LARÍCIO

HBS P EVO

PINHEIRO COM TRATAMENTO TÉRMICO

CARBON STEEL

AISI410

SCA


CAMPANHA EXPERIMENTAL EM MADEIRAS DE ESPÉCIES E DENSIDADE DIFERENTES

MADEIRAS

WPC 1100

1200

WPC 1200

WPC 1000

1000

BAMBU COM TRATAMENTO TÉRMICO

1200

MASSARANDUBA (1)

1100

IPE (1)

1000

MELAGANGAI

BANGKIRAI (1)

900

NOTAS: Aparafusamentos executados sem auxílio de escareador e com pré-furo conforme com o gráfico anterior.

(1)

Superfície da tábua serrilhada.

(2)

Possíveis ruturas frágeis devidas ao tratamento térmico do material.

EXTERIOR | ESCOLHA DA FIXAÇÃO | 251


CORROSÃO TIPOLOGIAS E FATORES INICIADORES A corrosão é um fenómeno de interação eletroquímica entre um metal e um ambiente que pode produzir uma degradação do material e das suas propriedades. Embora associada à degradação do material, a corrosão não é por si própria negativa. Em certos casos, por exemplo, permite aos metais de formar uma pátina que os protege contra corrosão adicional. É o caso do aço inoxidável ou aço COR-TEN.

CORROSÃO GENERALIZADA É a corrosão que afeta a maioria das superfícies metálicas expostas a um ambiente agressivo. Distingue-se entre corrosão generalizada uniforme ou irregular: no primeiro caso, a penetração é a mesma em toda a superfície, enquanto no segundo caso segue um perfil mais ou menos irregular.

CORROSÃO LOCALIZADA - PITTING A corrosão por pitting apresenta-se com ataques extremamente localizados, ditos pit ou porosidades, que pela superfície penetram através da espessura do metal a velocidade muito elevada. As porosidades ou pit têm dimensões poucas dezenas de mícron até alguns milímetros, deflagram-se e propagam-se em pontos individuais, enquanto grande parte da superfície metálica exposta ao ambiente permanece inalterada.

CORROSÃO LOCALIZADA - INTERSTICIAL A presença de interstícios ou de partes de superfície não livremente expostas ao ambiente constitui de norma sempre um fator agravante para a corrosão; a expressão "corrosão intersticial" coloca em ressalto a contribuição da componente geométrica, sob a forma justamente de interstício ou, mais genericamente de zona blindada, na corrosão. Provoquem corrosão em fissura os interstícios que permitem a entrada, no seu interior, do ambiente agressivo e que simultaneamente resultam bastante restritos de tornar negligenciáveis os motes difusos ou convectivos entre o interior e o exterior. São críticas as aberturas compreendidas entre alguns centésimos e alguns décimos de milímetro.

252 | CORROSÃO | EXTERIOR

Na análise do fenómeno de corrosão, como em qualquer reação química, é preciso considerar também a velocidade de reação. Na verdade, não é somente importante compreender se pode existir ou não corrosão, mas também em quanto tempo esta leva a uma degradação significativa do material.


MAIS POSSÍVEIS FATORES DE CORROSÃO

LIGAÇÃO GALVÂNICA

Nickel-Chrome_Mo Alloys Titanium, Silver, Graphite Graphite, Gold, Platinum

Nickel copper alloys

Bronzes, cupro-nickels

Copper

Brasses, nickel silvers

Nickel

Lead, tin and alloys

Stainless steels

Cast iron

Steel-carbon

Cadmium

Alluminium & alloys

Zinc & alloys

Metal Corroding

Magnesium & alloys

Contact Metal

Verifica-se quando materiais de diferente nobreza são postos em contacto metálico entre si e são ambos imersos num eletrólito.

HUMIDADE DA MADEIRA

Magnesium & alloys Zinc & alloys Alluminium & alloys Cadmium Steel-carbon Cast iron Stainless steels

PH DA MADEIRA

Lead, tin and alloys Nickel Brasses, nickel silvers Copper Bronzes, cupro-nickels Nickel copper alloys Nickel-Chrome_Mo Alloys Titanium, Silver, Graphite Graphite, Gold, Platinum

TRATAMENTOS DE PROTEÇÃO

TRATAMENTOS IGNÍFUGOS OU RETARDADORES

Para obter uma eficaz proteção à corrosão é indispensável projetar atentamente a conexão e os detalhes construtivos. É necessário considerar atentamente as condições ambientais, tais como humidade, temperatura, exposição da madeira, poluição atmosférica meio marinho, presença de agentes químicos e tipologia de madeira. É em geral impossível determinar a priori e inequivocamente onde terá local a corrosão e (em certos casos) de acordo com qual mecanismo, na medida que se trata da um fenómeno estatístico.

UTILIZAÇÃO FERTILIZANTES, DETERGENTES, SAIS DESGELANTES OU FUNGICIDAS

Para efeitos da individualização da melhor solução para proteger os conectores da corrosão, a abordagem ideal para seguir passa através dos seguintes passos: 1. Análise do ambiente de trabalho e condições ambientais; 2. Análise do fenómeno mais provável ou predominante; 3. Escolha do material melhor tendo em consideração dos dois pontos precedentes; 4. Monitorização periódica.

GEOMETRIA DA INSTALAÇÃO

EXTERIOR | CORROSÃO | 253


C4 EVO COATING É um revestimento de múltiplas camadas composto por: • Uma camada funcional externa de cerca de 15-20 μm de matriz epóxidica com cargas de flakes de alumínio, que confere ao revestimento uma excelente resistência aos stress mecânicos e térmicos. Os flakes de alumínio, além disso, funcionam se necessário como elemento sacrificial catódico para o metal base do parafuso. • Uma camada de adesão central para a camada funcional externa. • Uma camada interna de cerca de 4 μm de zinco com função de ulterior camada de resistência à corrosão.

CAMPANHA EXPERIMENTAL SOBRE O COMPORTAMENTO À CORROSÃO DOS PARAFUSOS Rothoblaas realizou numerosas investigações experimentais para avaliar o comportamento dos conectores em múltiplas condições de exposição e estimar a resistência à corrosão. Não existindo um teste único capaz de determinar a resistência à corrosão a médio-longo prazo de um conector metálico instalado em elementos em madeira, é feita referência aos seguintes protocolos de prova, a fim de caracterizar o comportamento à corrosão através de diferentes abordagens e metodologias de prova.

TEST PROTOCOLS: SALT SPRAY

UNI EN ISO 9227:2012 Corrosion tests in artificial atmospheres Salt spray tests HBS EVO

HBS P EVO

TBS EVO

VGZ EVO

SULPHURIC OXIDE EXPOSURE

UNI EN ISO 6988:1998 Metallic and other non-organic coatings Sulfur dioxide test with general condensation of moisture.

CONTINUOUS CONDENSATION

Aluminium Organic matrix

C4 EVO COATING

COATING

Cohesion layer

PROHESION

SALT SPRAY

SCREW BODY

Zn - Zinc Fe - Carbon Steel

UNI EN ISO 6270-2:2005 Paints and varnishes - Determination of resistance to humidity. Part 2: Procedure for exposing test specimens in condensation-water atmospheres.

ASTM G85-A5:2011 Standard Practice for Modified Salt Spray (Fog) Testing Annex A5, dilute electrolyte cyclic fog dry test

CYCLING TESTING

UNI EN ISO 9227:2012

UNI EN ISO 11997-1:2006 Paints and varnishes - Determination of resistance to cyclic corrosion conditions Part 1: Wet (salt fog)/dry/ humidity + ASTM B571:2013 Standard Practice for Qualitative Adhesion Testing of Metallic Coatings

t = 0h

254 | C4 EVO COATING | EXTERIOR

t = 1440h


MATERIAIS E REVESTIMENTOS RESISTÊNCIA À CORROSÃO

A FIXAÇÃO ADEQUADA PARA CADA APLICATIVO

KKT A4 AISI 316 (A4)

KKT A4 color

SCI A4

KWP AISI 305 (A2) SCI A2

AUSTENÍTICO

EWS A2 SCA A2 AISI 304 (A2) KKZ A2 KKZ BRONZE A2

AÇO INOXIDÁVEL

AISI 304 (A2) e aço carbónico (ponta)

SBS

KKF AISI 410 EWS AISI 410

MARTENSÍTICO

AISI 410 KKA AISI 410 SHS AISI 410

HBS EVO

REVESTIMENTO ANTICORROSIVO C4 EVO

HBS P EVO TBS EVO

AÇO CARBÓNICO

REVESTIMENTO ANTICORROSIVO ORGÂNICO

KKT

KKAN

ZINCAGEM GALVÂNICA

HBS

RESISTÊNCIA MECÂNICA

VGZ EVO

EXTERIOR | MATERIAIS E REVESTIMENTOS | 255


KKT COLOR A4 | AISI316

BIT INCLUÍDOS

EN 14592

PARAFUSO COM CABEÇA CÓNICA DE EMBUTIR CABEÇA COLORIDA Versão em aço inoxidável A4 | AISI316 com cabeça colorida castanha, cinzenta ou preta. Excelente para camuflagem com a madeira. Ideal para ambientes muito agressivos e para madeiras tratadas quimicamente (acetilação).

CONTRA-ROSCA A rosca sub-cabeça inversa (à esquerda) garante uma excelente capacidade de tensão. Cabeça cónica de pequenas dimensões para um óptimo efeito oculta na madeira.

CORPO TRIANGULAR A rosca trilobada permite de cortar as fibras de madeira durante o aperto. Excecional capacidade de penetração na madeira.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

excelente capacidade de tensão

CABEÇA

cônica de embutir colorida

DIÂMETRO

5,0 mm

COMPRIMENTO

de 40 a 70 mm

MATERIAL Aço inoxidável austenítico A4 | AISI316 com revestimento orgânico colorido.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Utilização no exterior em ambientes muito agressivos. Tábuas em madeira com densidades < 550 kg/ m3 (sem pré-furo) e < 880 kg/m3 (com pré-furo). Tábuas em WPC (com pré-furo). Adequado para classes de serviço 1-2-3.

256 | KKT COLOR A4 | AISI316 | EXTERIOR


GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS A

d2 d1

dk ds

b L

Diâmetro nominal

d1

[mm]

5,10

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

6,75

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

3,40

Diâmetro da haste

ds

[mm]

4,05

Diâmetro do pré-furo*

dv

[mm]

3,0 - 4,0

My,k

[Nmm]

fax,k

[N/mm2]

11,7

fhead,k

[N/mm2]

16,5

ftens,k

[kN]

7,9

Entalhe na ponta

unitário

Momento plástico característico Parâmetro característico de resistência à extracção Parâmetro característico de penetração da cabeça Resistência característica à tração

5417,2

* Em materiais de densidade elevada, aconselha-se a fazer um pré-furo em função da espécie lenhosa.

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm] KKT540A4M 5 TX 20

d1

b

A

[mm]

[mm]

pçs

43

25

16

200

53

35

18

200

KKT560A4M

60

40

22

200

KKT570A4M

70

50

27

100

L

b

A

pçs

CÓDIGO

d1

CÓDIGO

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

KKT550A4N

53

35

18

200

KKT560A4N

60

40

22

200

[mm]

KKT550A4M

[mm] 5 TX 20

L [mm]

[mm]

[mm]

[mm]

KKT550A4G

53

35

18

200

KKT560A4G

60

40

22

200

5 TX 20

pçs

CARBONIZED WOOD Ideal para a fixação de tábuas em madeira com efeito queimado. Possibilidade de utilização também em essências de madeira tratadas com acetilados.

EXTERIOR | KKT COLOR A4 | AISI316 | 257


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO (1)

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO (1)

5

5

a1

[mm]

5∙d

25

4∙d

20

a2

[mm]

3∙d

15

4∙d

20

a3,t

[mm]

12∙d

60

7∙d

35

a3,c

[mm]

7∙d

35

7∙d

35

a4,t

[mm]

3∙d

15

7∙d

35

a4,c

[mm]

3∙d

15

3∙d

15

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO (2) 5 a1

[mm]

8∙d

40

a2

[mm]

4∙d

20

a3,t

[mm]

12∙d

60

a3,c

[mm]

5∙d

25

a4,t

[mm]

5∙d

25

a4,c

[mm]

4∙d

20

d = diâmetro nominal do parafuso

extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c

a3,c

NOTAS: As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030.

(1)

As distâncias mínimas são de acordo com ETA-11/0030 considerando-se elementos de madeira com uma largura mínima de 12 d e uma espessura mínima de 4 · d.

(2)

Caso estas condições não sejam respeitadas, para as distâncias mínimas veja-se o parafuso KKF.

258 | KKT COLOR A4 | AISI316 | EXTERIOR

Em caso de elementos em Douglasia (Pseudotsuga menziesii), as distâncias mínimas paralelas à fibra (a1, a3,t, a3,c) devem ser multiplicadas por um coeficiente 1,5.


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE

geometria

madeira-madeira sem pré-furo

TRAÇÃO madeira-madeira com pré-furo

extração da rosca (1)

penetração da cabeça incl. extração da rosca superior (2)

legno-legno con preforo A L b d1

d1

L

b

A

[mm] [mm] [mm] [mm]

5

RV,k

RV,k

Rax,k

Rhead,k

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

43

25

16

1,13

1,46

1,69

0,87

53

35

18

1,17

1,54

2,37

0,87

60

40

22

1,28

1,72

2,71

0,87

70

50

27

1,42

1,75

3,38

0,87

NOTAS: (1)

(2)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b. A resistência axial de penetração da cabeça foi avaliada sobre elemento de madeira considerando-se também a contribuição da rosca sub-cabeça.

PRINCÍPIOS GERAIS: • Os valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014. • Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

Rk kmod γm

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo. • Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030. • Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 420 kg/m3. • Os valores foram calculados considerando-se a parte roscada inserida completamente no elemento de madeira. • A dimensão e a verificação dos elementos de madeira devem ser feitas à parte.

EXTERIOR | KKT COLOR A4 | AISI316 | 259


KKT A4 | AISI316

BIT INCLUÍDOS

EN 14592

PARAFUSO COM CABEÇA CÓNICA DE EMBUTIR AMBIENTES AGRESSIVOS Versão em aço inoxidável A4 | AISI316 ideal para ambientes muito agressivos e para madeiras tratadas quimicamente (acetilação). Versão KKT X com comprimento reduzido e ponteira longa para utilização com grampo.

CONTRA-ROSCA A rosca sub-cabeça inversa (à esquerda) garante uma excelente capacidade de tensão. Cabeça cónica de pequenas dimensões para um óptimo efeito oculta na madeira.

CORPO TRIANGULAR A rosca trilobada permite de cortar as fibras de madeira durante o aperto. Excecional capacidade de penetração na madeira.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

excelente capacidade de tensão

CABEÇA

cónica de embutir

DIÂMETRO

5,0 mm

COMPRIMENTO

de 20 a 80 mm

MATERIAL Aço inoxidável austenítico A4 | AISI316.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Utilização no exterior em ambientes muito agressivos. Tábuas em madeira com densidades < 550 kg/ m3 (sem pré-furo) e < 880 kg/m3 (com pré-furo). Tábuas em WPC (com pré-furo). Adequado para classes de serviço 1-2-3.

260 | KKT A4 | AISI316 | EXTERIOR


GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS A

ds d2 d1

d2 d1 dk

dk ds

b L

b L

KKT

KKTX

Diâmetro nominal

d1

[mm]

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

5,25 6,75

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

3,40

Diâmetro da haste

ds

[mm]

4,05

Diâmetro do pré-furo*

dv

[mm]

3,0 - 4,0

My,k

[Nmm]

fax,k

[N/mm ]

11,7

fhead,k

[N/mm2]

16,5

ftens,k

[kN]

7,9

Entalhe na ponta

unitário

Momento plástico característico Parâmetro característico de resistência à extracção Parâmetro característico de penetração da cabeça Resistência característica à tração

5417,2 2

* Em materiais de densidade elevada, aconselha-se a fazer um pré-furo em função da espécie lenhosa.

CÓDIGOS E DIMENSÕES KKT A4 | AISI316 d1

CÓDIGO

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

KKT540A4

43

25

16

200

KKT550A4

53

35

18

200

KKT560A4

60

40

22

200

KKT570A4

70

50

27

100

[mm]

5 TX 20

KKT X A4 | AISI316

KKT580A4

80

53

35

pçs

d1

CÓDIGO

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

KKTX520A4

20

16

4

200

KKTX525A4

25

21

4

200

KKTX530A4

30

26

4

200

KKTX540A4

40

36

4

200

[mm]

100

5 TX 20

pçs

Parafuso com rosca total

PONTEIRA LONGA INCLUÍDO Cód. TX2050

KKT X Ideal para a fixação de grampo standard Rothoblaas (TVM, TERRALOCK) situadas em ambientes exteriores. Ponteira longa incluída na embalagem.

EXTERIOR | KKT A4 | AISI316 | 261


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO (1)

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO (1)

5

6

5∙d

25

30

3∙d

15

18

60 35

3∙d

15

3∙d

15

a1

[mm]

a2

[mm]

a3,t

[mm]

12∙d

a3,c

[mm]

7∙d

a4,t

[mm]

a4,c

[mm]

5

6

4∙d

20

24

4∙d

20

24

72

7∙d

35

42

42

7∙d

35

42

18

7∙d

35

42

18

3∙d

15

18

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO (2) 5

6

8∙d

40

48

4∙d

20

24

a1

[mm]

a2

[mm]

a3,t

[mm]

12∙d

60

72

a3,c

[mm]

5∙d

25

30

a4,t

[mm]

5∙d

25

30

a4,c

[mm]

4∙d

20

24

d = diâmetro nominal do parafuso

extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c

a3,c

NOTAS: As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030.

(1)

As distâncias mínimas são de acordo com ETA-11/0030 considerando-se elementos de madeira com uma largura mínima de 12 d e uma espessura mínima de 4 · d.

(2)

Caso estas condições não sejam respeitadas, para as distâncias mínimas veja-se o parafuso KKF.

262 | KKT A4 | AISI316 | EXTERIOR

Em caso de elementos em Douglasia (Pseudotsuga menziesii), as distâncias mínimas paralelas à fibra (a1, a3,t, a3,c) devem ser multiplicadas por um coeficiente 1,5.


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014

KKT

CORTE

geometria

madeira-madeira sem pré-furo

TRAÇÃO madeira-madeira com pré-furo

extração da rosca (1)

penetração da cabeça incl. extração da rosca superior (2)

legno-legno con preforo A L b d1

d1

L

b

A

[mm] [mm] [mm] [mm]

5

RV,k

RV,k

Rax,k

Rhead,k

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

43

25

16

1,13

1,46

1,69

0,87

53

35

18

1,17

1,54

2,37

0,87

60

40

22

1,28

1,72

2,71

0,87

70

50

27

1,42

1,75

3,38

0,87

80

53

35

1,45

1,75

3,59

0,87

KKTX

CORTE

CORTE

geometria

aço-madeira chapa intermédia (3)

extração da rosca (1)

Splate

L b

d1

d1

RV,k

Rax,k

[kN]

[kN]

5

L

b

20(4)

24

3

25

30

3

30

35

3

40

40

3

S PLATE = 3,0 mm

SPLATE

[mm] [mm] [mm] [mm]

0,87

1,08

1,08

1,42

1,30

1,76

1,73

2,44

NOTAS: A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

(1)

(2)

A resistência axial de penetração da cabeça foi avaliada sobre elemento de madeira considerando-se também a contribuição da rosca sub-cabeça.

As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se o caso de chapa intermédia (0,5 d1 ≤ SPLATE ≤ d1).

(3)

(4)

O parafuso não é dotado de marcação CE.

PRINCÍPIOS GERAIS: • Os valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014. • Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

Rk kmod γm

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo. • Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030. • Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 420 kg/m3. • Os valores foram calculados considerando-se a parte roscada inserida completamente no elemento de madeira. • O dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira e das chapas em aço devem ser realizados separadamente. • Os parafusos KKT A4 com dupla rosca são utilizados principalmente para ligações madeira-madeira. • Os parafusos KKT X de rosca total são utilizados principalmente com chapas de aço (ex.: Sistema para Terraços TERRALOCK).

EXTERIOR | KKT A4 | AISI316 | 263


KKT COLOR

BIT INCLUÍDOS

EN 14592

PARAFUSO COM CABEÇA CÓNICA DE EMBUTIR REVESTIMENTO COR Versão em aço carbónico com revestimento anticorrosivo colorido (castanho, cinzento, verde, areia e preto) para utilização no exterior em classe de serviço 3.

CONTRA-ROSCA A rosca sub-cabeça inversa (à esquerda) garante uma excelente capacidade de tensão. Cabeça cónica de pequenas dimensões para um óptimo efeito oculta na madeira.

CORPO TRIANGULAR A rosca trilobada permite de cortar as fibras de madeira durante o aperto. Excecional capacidade de penetração na madeira.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

gama completa de cores

CABEÇA

cónica de embutir

DIÂMETRO

5,0 | 6,0 mm

COMPRIMENTO

de 40 a 120 mm

MATERIAL Aço carbónico com revestimento anticorrosivo orgânico colorido.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Utilização no exterior. Tábuas em madeira com densidades < 780 kg/m3 (sem pré-furo) e < 880 kg/m3 (com pré-furo). Tábuas em WPC (com pré-furo). Adequado para classes de serviço 1-2-3.

264 | KKT COLOR | EXTERIOR


GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS A

d2 d1

dk ds

b L

Diâmetro nominal

d1

[mm]

5,10

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

6,75

7,75

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

3,40

3,90

Diâmetro da haste

ds

[mm]

4,05

4,40

Diâmetro do pré-furo*

dv

[mm]

3,0 - 4,0

4,0 - 5,0

My,k

[Nmm]

Entalhe na ponta Momento plástico característico

6,00

duplo

duplo

5417,2

9493,7

Parâmetro característico de resistência à extracção Parâmetro característico de penetração da cabeça

fax,k

[N/mm2]

11,7

11,7

fhead,k

[N/mm2]

16,5

16,5

Resistência característica à tração

ftens,k

[kN]

7,9

11,3

* Em materiais de densidade elevada, aconselha-se a fazer um pré-furo em função da espécie lenhosa.

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1 [mm]

5 TX 20

6 TX 25

d1 [mm]

5 TX 20

CÓDIGO KKTM540 KKTM550 KKTM560 KKTM570 KKTM580 KKTM660 KKTM680 KKTM6100 KKTM6120 CÓDIGO KKTG540 KKTG550 KKTG560 KKTG570 KKTG580

L [mm] 43 53 60 70 80 60 80 100 120

b [mm] 25 35 40 50 53 40 50 50 60

A [mm] 16 18 22 27 35 20 30 50 60

L [mm] 43 53 60 70 80

b [mm] 25 35 40 50 53

A [mm] 16 18 22 27 35

pçs

d1 [mm]

200 200 200 100 100 100 100 100 100

5 TX 20

d1 [mm] 5 TX 20

pçs

d1 [mm]

200 200 200 100 100

5 TX 20 (1)

CÓDIGO KKTV540 KKTV550 KKTV560 KKTV570 KKTV580 CÓDIGO KKTS550 KKTS560 KKTS570 CÓDIGO KKTN540(1) KKTN550 KKTN560

L [mm] 40 53 60 70 80

b [mm] 24 35 40 50 45

A [mm] 16 18 22 27 35

L [mm] 53 60 70

b [mm] 35 40 50

A [mm] 18 22 27

L [mm] 40 53 60

b [mm] 36 35 40

A [mm] 16 18 22

pçs 200 200 200 100 100 pçs 200 200 100 pçs 200 200 200

parafuso com rosca total.

KKT N Ideal para a fixação de grampo standard Rothoblaas (FLAT, TVMN) situadas em ambientes exteriores. Ponteira incluída na embalagem.

EXTERIOR | KKT COLOR | 265


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO (1)

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO (1)

5

6

25

30

5

6

4∙d

20

24

a1

[mm]

a2

[mm]

3∙d

15

18

4∙d

20

24

a3,t

[mm]

12∙d

60

72

7∙d

35

42

a3,c

[mm]

7∙d

35

42

7∙d

35

42

a4,t

[mm]

3∙d

15

18

7∙d

35

42

a4,c

[mm]

3∙d

15

18

3∙d

15

18

5∙d

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO (2) 5

6

a1

[mm]

8∙d

40

48

a2

[mm]

4∙d

20

24

a3,t

[mm]

12∙d

60

72

a3,c

[mm]

5∙d

25

30

a4,t

[mm]

5∙d

25

30

a4,c

[mm]

4∙d

20

24

d = diâmetro nominal do parafuso

extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c

a3,c

NOTAS: As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030.

(1)

As distâncias mínimas são de acordo com ETA-11/0030 considerando-se elementos de madeira com uma largura mínima de 12 d e uma espessura mínima de 4 · d.

(2)

Caso estas condições não sejam respeitadas, para as distâncias mínimas veja-se o parafuso KKF.

266 | KKT COLOR | EXTERIOR

Em caso de elementos em Douglasia (Pseudotsuga menziesii), as distâncias mínimas paralelas à fibra (a1, a3,t, a3,c) devem ser multiplicadas por um coeficiente 1,5.


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014

KKT

CORTE

geometria

madeira-madeira sem pré-furo

TRAÇÃO madeira-madeira com pré-furo legno-legno con preforo

extração da rosca (1)

penetração da cabeça incl. extração da rosca superior (2)

A L b d1

d1

L

b

A

[mm] [mm] [mm] [mm]

5

6

RV,k

RV,k

Rax,k

Rhead,k

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

43

25

16

1,13

1,46

1,69

0,87

53

35

18

1,17

1,54

2,37

0,87

60

40

22

1,28

1,72

2,71

0,87

70

50

27

1,42

1,75

3,38

0,87

80

53

35

1,45

1,75

3,59

0,87

60

40

20

1,57

2,11

3,41

1,15

80

50

30

1,87

2,50

4,06

1,15

100

50

50

2,03

2,50

4,06

1,15

120

60

60

2,03

2,50

4,87

1,15

KKT N

CORTE

TRAÇÃO

geometria

aço-madeira chapa intermédia (3)

extração da rosca (1)

RV,k

Rax,k

Splate

L b

d1

d1

L

b

SPLATE

[mm] [mm] [mm] [mm] 5

40

36

3

[kN] S PLATE = 3,0 mm

[kN] 1,73

2,44

NOTAS: (1)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

(2)

A resistência axial de penetração da cabeça foi avaliada sobre elemento de madeira considerando-se também a contribuição da rosca sub-cabeça.

(3)

As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se o caso de chapa intermédia (0,5 d1 ≤ SPLATE ≤ d1).

• Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030. • Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 420 kg/m3. • Os valores foram calculados considerando-se a parte roscada inserida completamente no elemento de madeira. • O dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira e das chapas em aço devem ser realizados separadamente.

PRINCÍPIOS GERAIS:

• Os parafusos KKT com dupla rosca são utilizados principalmente para ligações madeira-madeira.

• Os valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014.

• Os parafusos KKT de rosca total são utilizados principalmente com chapas de aço (ex.: sistema para terraços FLAT).

• Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

Rk kmod γm

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo.

EXTERIOR | KKT COLOR | 267


KKZ A2 | AISI304

BIT INCLUÍDOS

EN 14592

PARAFUSO COM CABEÇA CILÍNDRICA NÃO APARENTE MADEIRAS DURAS Especial ponta com geometria em espada especialmente estudada para perfurar de forma eficaz e sem pré-furo as essências de madeira de altíssima densidade (com pré-furo também a mais de 1000 kg/m3).

DUPLA ROSCA A rosca sub-cabeça direita de diâmetro aumentado assegura uma eficaz aderência por tração garantindo o acoplamento dos elementos de madeira. Cabeça de embeber.

VERSÃO BRONZEADA Disponível em aço inoxidável na versão bronzeada em cor antiquada, ideal para garantir uma excelente camuflagem com a madeira.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

excecional capacidade de perfuração madeiras duras

CABEÇA

cilíndrica de embutir

DIÂMETRO

5,0 mm

COMPRIMENTO

de 50 a 70 mm

MATERIAL Aço inoxidável austenítico A2 | AISI304.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Utilização no exterior em ambientes muito agressivos. Tábuas em madeira com densidades < 780 kg/ m3 (sem pré-furo) e < 1240 kg/m3 (com pré-furo). Tábuas em WPC (com pré-furo). Adequado para classes de serviço 1-2-3.

268 | KKZ A2 | AISI304 | EXTERIOR


GEOMETRIA A ds d2 d1

dk t1

b1

b2 L

Diâmetro nominal

d1

[mm]

5

Diâmetro da cabeça

dK

[mm]

6,80

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

3,50

Diâmetro da haste

dS

[mm]

4,35

Espessura da cabeça

t1

[mm]

3,10

Diâmetro do pré-furo

dV

[mm]

3,50

CÓDIGOS E DIMENSÕES KKZ A2 | AISI304 d1

CÓDIGO

[mm] 5 TX 25

KKZ BRONZE A2 | AISI304 L

b1

b2

A

pçs

[mm] [mm] [mm] [mm]

d1

CÓDIGO

L

[mm]

KKZ550

50

22

11

28

200

KKZ560

60

27

11

33

200

KKZ570

70

32

11

38

100

5 TX 25

b1

b2

A

pçs

[mm] [mm] [mm] [mm] KKZB550

50

22

11

28

200

KKZB560

60

27

11

33

200

HARD WOOD Testada também em madeiras de altíssima densidade como o IPE, o massaranduba, ou o bambu microlamelar (mais de 1000 kg/m3).

EXTERIOR | KKZ A2 | AISI304 | 269


KWP A2 | AISI305

BIT INCLUÍDOS

PARAFUSO COM CABEÇA CILÍNDRICA PARA TÁBUAS WPC TÁBUAS WPC Especial geometria especialmente estudada para a fixação, também sem pré-furo, de tábuas em WPC (Wood Plastic Composite) à estrutura em madeira ou WPC.

TRIPLA ROSCA A combinação de duas roscas sub-cabeça gera um fenómeno de remoção das fibras do WPC. Excecional capacidade de penetração no WPC também sem pré-furo.

EFEITO VULCÃO A remoção das fibras plásticas do WPC garante um excelente acabamento na folha. Cabeça cónica de pequenas dimensões para um efeito oculto na madeira.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

remoção aparas das tábuas em WPC

CABEÇA

cilíndrica de embutir

DIÂMETRO

5,0 mm

COMPRIMENTO

de 60 a 70 mm

MATERIAL Aço inoxidável austenítico A2 | AISI305.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Utilização no exterior em ambientes muito agressivos. Tábuas em WPC (sem pré-furo). Tábuas em madeira com densidades < 780 kg/m3 (sem pré-furo) e < 880 kg/m3 (com pré-furo). Adequado para classes de serviço 1-2-3.

270 | KWP A2 | AISI305 | EXTERIOR


GEOMETRIA A d3 d2 d1

dk t1

b3

b2

b1 L

Diâmetro nominal

d1

[mm]

5

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

6,75

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

3,30

Diâmetro da haste

ds

[mm]

2,30

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

3,00

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm] 5 TX 20

L

b1

b2

b3

A

pçs

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

KWP560

60

36

15

6,5

25

200

KWP570

70

46

15

6,5

25

100

WOOD PLASTIC COMPOSITE (WPC) Ideal para a fixação, também sem pré-furo, de tábuas WPC, seja cheias que furadas.

EXTERIOR | KWP A2 | AISI305 | 271


KKA AISI410

BIT INCLUÍDOS

PARAFUSO AUTO-PERFURANTE MADEIRA | MADEIRA-ALUMÍNIO MADEIRA-ALUMÍNIO Broca auto-perfurante madeira-metal com especial geometria de ventilação. Ideal para a fixação de tábuas em madeira ou em WPC a subestruturas em alumínio.

MADEIRA-MADEIRA Ideal também para a fixação de tábuas em madeira ou em WPC a subestruturas finas em madeira realizadas também com tábuas de madeira. Aço inoxidável AISI410.

METAL-ALUMÍNIO Versão com comprimento reduzido ideal para a fixação de grampos, chapas e angulares com subestruturas em alumínio. Possibilidade de fixação das sobreposições alumínio-alumínio.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

auto-perfurante madeira-alumínio

CABEÇA

cilíndrica de embutir

DIÂMETRO

4,0 | 5,0 mm

COMPRIMENTO

de 20 a 50 mm

MATERIAL Aço inoxidável martensítico AISI410.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Utilização no exterior. Tábuas em madeira com densidades < 880 kg/m3 em alumínio de espessura < 3,2 mm (sem pré-furo). Adequado para classes de serviço 1-2-3.

272 | KKA AISI410 | EXTERIOR


GEOMETRIA s

A

ds

b2

b1

d2 d1

dk

d2 d1

dk

s1=s2

t1

s1=s2

t1

Lp

b1 L

Lp

L KKA Ø5

KKA Ø4

Diâmetro nominal

d1

[mm]

4

5

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

6,30

6,80

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

2,80

3,50

Diâmetro da haste

ds

[mm]

3,50

3,80

Espessura da cabeça

t1

[mm]

3,10

3,35

Comprimento da ponta

Lp

[mm]

5,50

6,50

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm] 4 KKA420 TX 20

L

b1

b2

A

s1=s2

pçs

[mm] [mm] [mm] [mm] [mm] 20

11,4

-

-

1÷2,5

d1

CÓDIGO

[mm] 200

L

b1

b2

A

s1=s2

pçs

[mm] [mm] [mm] [mm] [mm] KKA540

5 TX 25 KKA550

40

15,5

11

29

2÷3

100

50

20,5

11

39

2÷3

100

s1 espessura chapa aço S235/St37 s2 espessura chapa alumínio

ALU TERRACE Ideal para a fixação de tábuas em madeira ou em WPC, grampos ou angulares a subestruturas em alumínio.

EXTERIOR | KKA AISI410 | 273


KKA COLOR

BIT INCLUÍDOS

PARAFUSO AUTO-PERFURANTE PARA ALUMÍNIO ALUMÍNIO Broca auto-perfurante para metal com especial geometria de ventilação. Ideal para a fixação de grampo de subestruturas em alumínio.

REVESTIMENTO COR Revestimento anticorrosivo preto para utilização no exterior em classe de serviço 3. Efeito não aparente em subestruturas e grampos de cor escura.

METAL-ALUMÍNIO Versão com comprimento reduzido ideal para a fixação de grampos, chapas e angulares com subestruturas aço ou alumínio. Possibilidade de fixação das sobreposições metal-metal.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

auto-perfurante alumínio

CABEÇA

cilíndrica de embutir

DIÂMETRO

4,0 e 5,0 mm

COMPRIMENTO

de 20 a 40 mm

MATERIAL Aço carbónico com revestimento anticorrosivo orgânico colorido.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Utilização no exterior. Alumínio de espessura < 3,2 mm (sem pré-furo). Adequado para classes de serviço 1-2-3.

274 | KKA COLOR | EXTERIOR


GEOMETRIA s

A

d2 d1

dk b

s1=s2

t1

s1=s2

t1

d2 d1

dk b1 L

Lp

L KKAN Ø4x30 - KKAN Ø4x40

Lp

KKAN Ø4x20

Diâmetro nominal

d1

[mm]

4

5

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

6,30

6,80

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

2,80

3,50

Espessura da cabeça

t1

[mm]

3,10

3,35

Comprimento da ponta

Lp

[mm]

5,50

6,50

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm]

L

b

A

s1=s2

pçs

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

KKAN420

20

10

-

2÷3

4 KKAN430 TX 20 KKAN440

30

20

22

2÷3

200

40

30

32

2÷3

200

40

29

29

2÷3

200

5 KKAN540 TX 25

200

s1 espessura chapa aço S235/St37 s2 espessura chapa alumínio

TVM COLOR Ideal para a fixação de grampo standard Rothoblaas (TVMN) em alumínio. Ponteira longa incluída na embalagem.

EXTERIOR | KKA COLOR | 275


EWS

BIT INCLUÍDOS

EN 14592

PARAFUSO COM CABEÇA CÓNICA DE EMBUTIR CABEÇA ABAULADA Cabeça de embeber com geometria a gota e curvatura superficial para uma estética agradável e uma aderência sólida com a ponteira.

CORPO RESISTENTE Haste de diâmetro aumentado e resistência à torção elevada para um aperto forte e seguro também nas madeiras de alta densidade.

AÇO INOXIDÁVEL AISI410 E A2 | AISI305 EWS AISI410 utilizável sem pré-furo com essências de madeira de densidade máxima 880 kg/m3. EWS A2 | AISI305 utilizável sem pré-furo com essências de densidade máxima 550 kg/m3 .

CARACTERÍSTICAS FOCUS

diâmetro aumentado para madeiras duras

CABEÇA

abaulada com nervuras

DIÂMETRO

5,0 mm

COMPRIMENTO

de 50 a 80 mm

MATERIAL Aço inoxidável austenítico A2 | AISI305 e aço inoxidável martensítico AISI410.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Utilização no exterior. Tábuas em WPC (com pré-furo). EWS A2 | AISI305: tábuas em madeira com densidades < 550 kg/m3 (sem pré-furo) e < 880 kg/m3 (com pré-furo). EWS AISI410: tábuas em madeira com densidade < 880 kg/ m3 (sem pré-furo). Adequado para classes de serviço 1-2-3.

276 | EWS | EXTERIOR


GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS A

d2 d1

dk ds

t1

b L

EWS AISI410

EWS A2 | AISI305

Diâmetro nominal

d1

[mm]

5,3

5,3

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

8,00

8,00

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

3,90

3,90

Diâmetro da haste

ds

[mm]

4,10

4,10

Espessura da cabeça

t1

[mm]

3,65

3,65

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

3,50

3,50

Momento plástico característico

My,k

[Nmm]

14278

9691

Parâmetro característico de resistência à extracção

fax,k

[N/mm2]

16,46

16,62

Densidade associada

ρa

[kg/m ]

350

320

fhead,k

[N/mm2]

21,05

21,44

ρa

[kg/m3]

350

350

ftens,k

[kN]

13,74

7,35

Parâmetro característico de penetração da cabeça Densidade associada Resistência característica à tração

3

CÓDIGOS E DIMENSÕES EWS AISI410 d1

CÓDIGO

[mm] EWS550 5 TX 25

EWS A2 | AISI305 L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

50

30

20

pçs

d1

CÓDIGO

[mm] 200

EWS560

60

36

24

200

EWS570

70

42

28

100

EWS580

80

48

32

100

5 TX 25

L

b

A

pçs

[mm]

[mm]

[mm]

EWSA2550

50

30

20

200

EWSA2560

60

36

24

200

EWSA2570

70

42

28

100

DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Valores consultáveis para conformidade com os documentos técnicos unificados nacionais para o decking em madeira no exterior.

EXTERIOR | EWS | 277


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

5 a1

[mm]

a2

[mm]

a3,t

[mm]

a3,c

[mm]

a4,t

[mm]

a4,c

[mm]

3∙d

5∙d

5

25

4∙d

20

3∙d

15

4∙d

20

12∙d

60

7∙d

35

7∙d

35

7∙d

35

3∙d

15

7∙d

35

15

3∙d

15

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

5

5

a1

[mm]

12∙d

60

5∙d

25

a2

[mm]

5∙d

25

5∙d

25

a3,t

[mm]

15∙d

75

10∙d

50

a3,c

[mm]

10∙d

50

10∙d

50

a4,t

[mm]

5∙d

25

10∙d

50

a4,c

[mm]

5∙d

25

5∙d

25

d = diâmetro nominal do parafuso

extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F a3,t

NOTAS: • As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014 considerando-se uma massa volúmica dos elementos de madeira ρk ≤ 420 kg/m3.

278 | EWS | EXTERIOR

F α

α a3,c

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014

EWS

CORTE

TRAÇÃO

geometria

madeira-madeira

extração da rosca(1)

penetração da cabeça (2)

Rax,k

Rhead,k

A L b d1

L

d1

b

A

[mm] [mm] [mm] [mm] 50 5

30

sem pré-furo

com pré-furo

RV,k

RV,k

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

20

1,38

1,84

2,86

1,56

60

36

30

1,54

2,07

3,43

1,56

70

42

40

1,75

2,27

4,00

1,56

80

48

50

1,81

2,27

4,57

1,56

EWS A2

CORTE

TRAÇÃO

geometria

madeira-madeira

extração da rosca(1)

penetração da cabeça (2)

Rax,k

Rhead,k

A L b d1

d1

L

b

A

[mm] [mm] [mm] [mm] 50 5

30

20

sem pré-furo

com pré-furo

RV,k

RV,k

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

1,39

1,80

2,88

1,59

60

36

30

1,55

2,08

3,46

1,59

70

42

40

1,68

2,14

4,04

1,59

NOTAS: (1)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

(2)

A resistência axial de penetração da cabeça, com e sem anilha, foi avaliada sobre elemento de madeira. Em caso de ligações aço-madeira, é geralmente vinculante a resistência à tração do aço em relação à retirada ou à penetração da cabeça.

PRINCÍPIOS GERAIS: • Os valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030. • Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

Rk kmod γm

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo. • Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 420 kg/m3. • Os valores foram calculados considerando-se a parte roscada inserida completamente no elemento de madeira. • A dimensão e a verificação dos elementos de madeira devem ser feitas à parte.

EXTERIOR | EWS | 279


KKF AISI410

BIT INCLUÍDOS

ETA 11/0030

PARAFUSO DE CABEÇA TRONCOCÓNICA CABEÇA TRONCOCÓNICA A sub-cabeça plana acompanha a absorção das aparas e evita as ruturas da madeira garantindo um excelente acabamento superficial.

ROSCA AUMENTADA

Especial rosca assimétrica em guarda-chuva com comprimento acrescido (60%) para uma excelente capacidade de tensão. Rosca de passo lento para a máxima precisão após a parafusação.

AISI410 Aço inoxidável martensítico com óptima relação entre resistência mecânica e resistência à corrosão. Possibilidade de perfuração sem necessidade de pré-furo.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

excelente versatilidade de utilização

CABEÇA

troncocónica

DIÂMETRO

de 4,0 a 6,0 mm

COMPRIMENTO

de 20 a 120 mm

MATERIAL Aço inoxidável martensítico AISI410.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Utilização no exterior. Tábuas em madeira com densidade < 780 kg/m3 (sem pré-furo). Tábuas em WPC (com pré-furo). Adequado para classes de serviço 1-2-3.

280 | KKF AISI410 | EXTERIOR


GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

d2 d1

X X

dk

KK F

A

ds

t1

b L

Diâmetro nominal

d1

[mm]

4

4,5

5

6

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

7,80

8,80

9,75

11,80

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

2,60

3,05

3,25

4,05

Diâmetro da haste

ds

[mm]

2,90

3,35

3,60

4,30

Espessura da cabeça

t1

[mm]

5,00

5,00

6,00

7,00

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

2,5

3,0

3,0

4,0

Momento plástico característico

My,k

[Nmm]

3032,6

4119,1

5417,2

9493,7

fax,k

[N/mm2]

11,7

11,7

11,7

11,7

fhead,k

[N/mm2]

16,5

16,5

16,5

16,5

ftens,k

[kN]

5,0

6,4

7,9

11,3

Parâmetro característico de resistência à extracção Parâmetro característico de penetração da cabeça Resistência característica à tração

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm]

4 TX 20

4,5 TX 20

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

pçs

d1

CÓDIGO

[mm]

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

pçs

KKF430

30

18

12

500

KKF540

40

24

16

200

KKF435

35

20

15

500

KKF550

50

30

20

200

KKF440

40

24

16

500

KKF445

45

30

15

200

5 TX 25

KKF560

60

35

25

200

KKF570

70

40

30

200

KKF450

50

30

20

200

KKF580

80

50

30

100

KKF4520

20

15

5

200

KKF590

90

55

35

100

KKF4540

40

24

16

200

KKF5100

100

60

40

100

KKF4545

45

30

15

200

KKF680

80

50

30

100

KKF6100

100

60

40

100

KKF6120

120

75

45

100

KKF4550

50

30

20

200

KKF4560

60

35

25

200

KKF4570

70

40

30

200

6 TX 30

TERRALOCK PP Ideal para a fixação grampo standard Rothoblaas situadas em ambientes exteriores. Ponteira longa incluída na embalagem.

EXTERIOR | KKF AISI410 | 281


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO (1)

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO (1)

4

4,5

20

23

5

6

25

30

4∙d

15

18

4∙d

60

72

7∙d

4

4,5

5

6

16

18

4∙d

20

24

16

18

4∙d

20

24

28

32

7∙d

35

42

a1

[mm]

a2

[mm]

3∙d

12

14

3∙d

a3,t

[mm]

12∙d

48

54

12∙d

a3,c

[mm]

7∙d

28

32

7∙d

35

42

7∙d

28

32

7∙d

35

42

a4,t

[mm]

3∙d

12

14

3∙d

15

18

5∙d

20

23

7∙d

35

42

a4,c

[mm]

3∙d

12

14

3∙d

15

18

3∙d

12

14

3∙d

15

18

5∙d

5∙d

densidade característica: ρk ≤ 420 kg/m3 PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO (2) 4

4,5

40

45

a1

[mm]

a2

[mm]

5∙d

20

a3,t

[mm]

15∙d

60

a3,c

[mm]

10∙d

40

a4,t

[mm]

5∙d

20

a4,c

[mm]

5∙d

20

10∙d

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO (2)

5

6

12∙d

60

72

23

5∙d

25

30

5∙d

20

23

5∙d

25

30

68

15∙d

75

90

10∙d

40

45

10∙d

50

60

45

10∙d

50

60

10∙d

40

45

10∙d

50

60

23

5∙d

25

30

7∙d

28

32

10∙d

50

60

23

5∙d

25

30

5∙d

20

23

5∙d

25

30

5∙d

4

4,5

20

23

5∙d

5

6

25

30

densidade característica: 420 ≤ ρk ≤ 500 kg/m3 PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO (3) 4

4,5

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO (3)

5

6

4

4,5

5

6

a1

[mm]

15∙d

60

68

15∙d

75

90

7∙d

28

32

7∙d

35

42

a2

[mm]

7∙d

28

32

7∙d

35

42

7∙d

28

32

7∙d

35

42

a3,t

[mm]

20∙d

80

90

20∙d

100

120

15∙d

60

68

15∙d

75

90

a3,c

[mm]

15∙d

60

68

15∙d

75

90

15∙d

60

68

15∙d

75

90

a4,t

[mm]

7∙d

28

32

7∙d

35

42

9∙d

36

41

12∙d

60

72

a4,c

[mm]

7∙d

28

32

7∙d

35

42

7∙d

28

32

7∙d

35

42

d = diâmetro nominal do parafuso extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F α

α F a3,t

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c

a3,c

NOTAS: (1)

As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030.

• Em caso de ligação OSB-madeira, os espaçamentos mínimos (a1, a2) podem ser multiplicados por um coeficiente 0,85.

(2)

As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030, considerando-se uma massa volúmica dos elementos de madeira ρk ≤ 420 kg/m3.

• Em caso de elementos em Douglasia (Pseudotsuga menziesii), as distâncias mínimas paralelas à fibra (a1, a3,t, a3,c) devem ser multiplicadas por um coeficiente 1,5.

(3)

As distâncias mínimas são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030, considerando-se uma massa volúmica dos elementos de madeira 420 ≤ ρk ≤ 500 kg/m3.

282 | KKF AISI410 | EXTERIOR


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE

geometria

madeira-madeira

TRAÇÃO painel-madeira (1)

extração da rosca(2)

penetração da cabeça (3)

A L b d1

L

b

A

4

4,5

5

6

RV,k

RV,k

Rax,k

Rhead,k

[kN]

[kN]

[kN]

[kN]

30

18

12

0,83

0,81

0,97

35

20

15

0,94

0,90

1,08

40

24

16

0,98

0,94

1,30

45

30

15

0,96

0,94

1,62

50

30

20

1,08

0,94

1,62

20(4)

15

5

0,49

0,49

0,91

40

24

16

1,16

1,07

1,46

45

30

15

1,14

1,07

1,83

50

30

20

1,26

1,07

1,83

60

35

25

1,40

70

40

30

1,41

40

24

16

1,27

50

30

20

1,37

SPAN = 15 mm

d1

[mm] [mm] [mm] [mm]

1,07

2,13

1,07

2,44

1,17

1,62

1,17

2,03

60

35

25

1,51

1,17

2,37

70

40

30

1,60

1,17

2,71

80

50

30

1,60

1,17

3,38

90

55

35

1,60

1,17

3,72

100

60

40

1,60

1,17

4,06

80

50

30

2,25

1,57

4,06

100

60

40

2,41

1,57

4,87

120

75

45

2,41

1,57

6,09

1,16

1,48

1,46

2,66

NOTAS: (1)

As resistências características ao corte são avaliadas considerando-se um painel OSB ou um painel de aglomerado com espessura SPAN.

• Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030.

(2)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

• Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 420 kg/m3.

(3)

A resistência axial de penetração da cabeça foi avaliada sobre elemento de madeira.

(4)

O parafuso não é dotado de marcação CE.

PRINCÍPIOS GERAIS:

• Os valores foram calculados considerando-se a parte roscada inserida completamente no elemento de madeira. • O dimensionamento e a verificação dos elementos de madeira e dos painéis, devem ser feitos à parte. • As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência.

• Os valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030. • Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

Rk kmod γm

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo.

EXTERIOR | KKF AISI410 | 283


SCI A4 | AISI316

BIT INCLUÍDOS

PARAFUSO DE CABEÇA DE EMBEBER GEOMETRIA ESPECIAL Broca auto-perfurante com entalhe recuado, especial rosca assimétrica em guarda-chuva, fresa alisadora alongada e nervuras cortantes sub-cabeça.

RESISTÊNCIA SUPERIOR Os detalhes geométricos garantem ao parafuso uma resistência de torção mais elevada e um aperto mais seguro.

A4 | AISI316 Aço inoxidável austenítico A4 | AISI316 para elevadas resistências à corrosão. Ideal para ambientes adjacentes ao mar.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

tecnologia geometria da HBS

CABEÇA

de embeber com nervuras

DIÂMETRO

5,0 mm

COMPRIMENTO

de 50 a 100 mm

MATERIAL Aço inoxidável austenítico A4 | AISI316.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Utilização no exterior em ambientes muito agressivos. Tábuas em madeira com densidades < 470 kg/ m3 (sem pré-furo) e < 620 kg/m3 (com pré-furo). Adequado para classes de serviço 1-2-3.

284 | SCI A4 | AISI316 | EXTERIOR


GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

SC I

dk

X X

A

d2 d1

90° ds

t1

b L

Diâmetro nominal

d1

[mm]

5

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

10,00

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

3,40

Diâmetro da haste

ds

[mm]

3,70

Espessura da cabeça

t1

[mm]

4,65

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

Momento plástico característico

My,k

[Nmm]

Parâmetro característico de resistência à extração

fax,k

[N/mm2]

17,9

Densidade associada

ρa

[kg/m3]

440

Parâmetro característico de penetração da cabeça

fhead,k

[N/mm2]

17,6

Densidade associada

ρa

[kg/m3]

440

Resistência característica à tração

ftens,k

[kN]

4,3

3,0 3939,8

Parâmetros mecânicos para ensaios experimentais.

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm]

5 TX 25

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

pçs

SCI5050A4

50

24

26

200

SCI5060A4

60

30

30

200

SCI5070A4

70

35

35

100

SCI5080A4

80

40

40

100

SCI5090A4

90

45

45

100

SCI50100A4

100

50

50

100

ANILHA TORNEADA SCB A4 | AISI316 dSCI

CÓDIGO

[mm]

D1

D2

h

pçs

[mm]

[mm]

[mm]

6

SCB6

7,5

20,0

4,0

100

8

SCB8

8,5

25,0

5,0

100

h

D 2 D1

dSCI

AMBIENTE MARINHO Possibilidade de uso em ambientes agressivos e em zonas adjacentes ao mar graças ao aço inoxidável A4 | AISI316.

EXTERIOR | SCI A4 | AISI316 | 285


SCI A2 | AISI305

BIT INCLUÍDOS

EN 14592

PARAFUSO DE CABEÇA DE EMBEBER GEOMETRIA ESPECIAL Broca auto-perfurante com entalhe recuado, especial rosca assimétrica em guarda-chuva, fresa alisadora alongada e nervuras cortantes sub-cabeça.

RESISTÊNCIA SUPERIOR Os detalhes geométricos garantem ao parafuso uma resistência de torção mais elevada e um aperto mais seguro. Gama de medidas muito ampla.

A2 | AISI305 Aço inoxidável austenítico A2 | AISI305 para uma excelente resistência à corrosão. Ideal para ambientes agressivos.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

tecnologia geometria da HBS

CABEÇA

de embeber com nervuras

DIÂMETRO

de 3,5 a 8,0 mm

COMPRIMENTO

de 25 a 320 mm

MATERIAL Aço inoxidável austenítico A2 | AISI305.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Utilização no exterior em ambientes agressivos. Tábuas em madeira com densidades < 470 kg/ m3 (sem pré-furo) e < 620 kg/m3 (com pré-furo). Adequado para classes de serviço 1-2-3.

286 | SCI A2 | AISI305 | EXTERIOR


GEOMETRIA E CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

SC I

dk

X X

A

d2 d1

90° ds

t1

b L

Diâmetro nominal Diâmetro da cabeça Diâmetro do núcleo Diâmetro da haste Espessura da cabeça Diâmetro do pré-furo Momento plástico característico Parâmetro característico de resistência à extração Densidade associada Parâmetro característico de penetração da cabeça Densidade associada Resistência característica à tração

d1 dk d2 ds t1 dv My,k fax,k ρa fhead,k ρa ftens,k

[mm] [mm] [mm] [mm] [mm] [mm] [Nmm] [N/mm2] [kg/m3] [N/mm2] [kg/m3] [kN]

3,5 7,00 2,25 2,55 3,50 2,0 1260,0 19,1 440 16,0 380 2,21

4 8,00 2,55 2,80 3,80 2,5 1960,0 17,1 410 13,4 390 3,23

4,5 9,00 2,80 3,25 4,25 3,0 2770,0 17,2 410 18,0 440 4,40

5 10,00 3,40 3,70 4,65 3,0 4370,0 17,9 440 17,6 440 5,01

6 12,00 3,95 4,45 5,30 4,0 8220,0 11,6 420 12,0 440 6,81

8 14,50 5,40 5,85 6,00 5,0 17600,0 14,8 410 12,5 440 14,10

Parâmetros mecânicos de acordo com a Marcação CE conforme EN 14592.

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

CE

[mm] 3,5 TX 10

4 TX 20

4,5 TX 20

SCI3525 SCI3530 SCI3535 SCI3540 SCI4030 SCI4035 SCI4040 SCI4045 SCI4050 SCI4060 SCI4535 SCI4540 SCI4545 SCI4550 SCI4560 SCI4570 SCI4580

-----

• • • • • • • • • • • • •

L

b

A

[mm] 25 30 35 40 30 35 40 45 50 60 35 40 45 50 60 70 80

[mm] 18 18 18 18 18 18 24 30 30 35 24 24 30 30 35 40 40

[mm] 7 12 17 22 12 17 16 15 20 25 11 16 15 20 25 30 40

ANILHA TORNEADA SCB A4 | AISI316 ver pág. 285

pçs

d1

CÓDIGO

CE

L

b

A

pçs

• • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

[mm] 40 45 50 60 70 80 90 100 60 80 100 120 140 160 120 160 200 240 280 320

[mm] 20 24 24 30 35 40 45 50 30 40 50 60 75 75 60 80 80 80 80 80

[mm] 20 21 26 30 35 40 45 50 30 40 50 60 65 85 60 80 120 160 200 240

200 200 200 200 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100

[mm] 500 500 500 500 500 500 500 400 400 200 400 400 400 200 200 200 200

5 TX 25

6 TX 30

8 TX 40

SCI5040 SCI5045 SCI5050 SCI5060 SCI5070 SCI5080 SCI5090 SCI50100 SCI6060 SCI6080 SCI60100 SCI60120 SCI60140 SCI60160 SCI80120 SCI80160 SCI80200 SCI80240 SCI80280 SCI80320

AMBIENTE MARINHO Possibilidade de uso em ambientes agressivos graças ao aço inoxidável A2 | AISI305.

EXTERIOR | SCI A2 | AISI305 | 287


DISTÂNCIAS MÍNIMAS PARA PARAFUSOS SOB TENSÃO AO CORTE

Ângulo entre força e fibras α = 0°

Ângulo entre força e fibras α = 90°

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO 3,5

4

4,5

18

20

23

PARAFUSOS INSERIDOS COM PRÉ-FURO

5

6

8

25

30

40

4∙d

3,5

4

4,5

14

16

18

5

6

8

4∙d

20

24

32

a1

[mm]

a2

[mm]

3∙d

11

12

14

3∙d

15

18

24

4∙d

14

16

18

4∙d

20

24

32

a3,t

[mm]

12∙d

42

48

54

12∙d

60

72

96

7∙d

25

28

32

7∙d

35

42

56

a3,c

[mm]

7∙d

25

28

32

7∙d

35

42

56

7∙d

25

28

32

7∙d

35

42

56

a4,t

[mm]

3∙d

11

12

14

3∙d

15

18

24

5∙d

18

20

23

7∙d

35

42

56

a4,c

[mm]

3∙d

11

12

14

3∙d

15

18

24

3∙d

11

12

14

3∙d

15

18

24

5∙d

5∙d

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO 3,5

4

4,5

5

PARAFUSOS INSERIDOS SEM PRÉ-FURO

6

8

3,5

4

4,5

5

6

8

a1

[mm]

10∙d

35

40

45

12∙d

60

72

96

5∙d

18

20

23

5∙d

25

30

40

a2

[mm]

5∙d

18

20

23

5∙d

25

30

40

5∙d

18

20

23

5∙d

25

30

40

a3,t

[mm]

15∙d

53

60

68

15∙d

75

90

120

10∙d

35

40

45

10∙d

50

60

80

a3,c

[mm]

10∙d

35

40

45

10∙d

50

60

80

10∙d

35

40

45

10∙d

50

60

80

a4,t

[mm]

5∙d

18

20

23

5∙d

25

30

40

7∙d

25

28

32

10∙d

50

60

80

a4,c

[mm]

5∙d

18

20

23

5∙d

25

30

40

5∙d

18

20

23

5∙d

25

30

40

d = diâmetro nominal do parafuso

extremidade sob tensão -90° < α < 90°

a2 a2 a1 a1

extremidade sem tensão 90° < α < 270°

F a3,t

NOTAS: • As distâncias mínimas são de acordo com a regulamentação EN 1995:2014 de acordo com ETA-11/0030 considerando uma massa volúmica dos elementos de madeira ρk ≤ 420 kg/m3 e um diâmetro de cálculo igual a d = diâmetro nominal parafuso.

288 | SCI A2 | AISI305 | EXTERIOR

F α

α a3,c

borda sob tensão 0° < α < 180°

borda sem tensão 180° < α < 360°

α F α

a4,t

F a4,c


VALORES ESTÁTICOS

VALORES CARACTERÍSTICOS EN 1995:2014 CORTE

geometria

TRAÇÃO madeira-madeira legno-legno com anilha

extração da rosca(1)

penetração da cabeça (2)

penetração da cabeça com anilha (2)

RV,k [kN]

RV,k [kN]

Rax,k [kN]

Rhead,k [kN]

Rhead,k [kN]

0,44 0,53 0,55 0,55 0,63 0,70 0,70 0,70 0,70 0,70 0,72 0,84 0,81 0,86 0,86 0,86 0,86 1,03 1,03 1,03 1,03 1,03 1,03 1,03 1,03 1,42 1,42 1,42 1,42 1,42 1,42 2,22 2,22 2,22 2,22 2,22 2,22

1,58 1,77 1,96 2,02 2,02 2,02 3,14 3,25 3,25 3,25 3,25 3,25

0,80 0,80 0,80 0,80 0,91 0,91 1,21 1,52 1,52 1,77 1,36 1,36 1,70 1,70 1,99 2,27 2,27 1,26 1,52 1,52 1,89 2,21 2,53 2,84 3,16 2,27 3,03 3,79 4,55 5,68 5,68 6,06 8,08 8,08 8,08 8,08 8,08

0,56 0,56 0,56 0,56 0,73 0,73 0,73 0,73 0,73 0,73 0,92 0,92 0,92 0,92 0,92 0,92 0,92 1,13 1,13 1,13 1,13 1,13 1,13 1,13 1,13 1,63 1,63 1,63 1,63 1,63 1,63 2,38 2,38 2,38 2,38 2,38 2,38

4,53 4,53 4,53 4,53 4,53 4,53 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08 7,08

madeira-madeira

con rondella

A L b d1

d1 L b A [mm] [mm] [mm] [mm] 3,5

4

4,5

5

6

8

25 30 35 40 30 35 40 45 50 60 35 40 45 50 60 70 80 40 45 50 60 70 80 90 100 60 80 100 120 140 160 120 160 200 240 280 320

18 18 18 18 18 18 24 30 30 35 24 24 30 30 35 40 40 20 24 24 30 35 40 45 50 30 40 50 60 75 75 60 80 80 80 80 80

7 12 17 22 12 17 16 15 20 25 11 16 15 20 25 30 40 20 21 26 30 35 40 45 50 30 40 50 60 65 85 60 80 120 160 200 240

NOTAS: (1)

A resistência axial à extração da rosca foi avaliada considerando-se um ângulo de 90° entre as fibras e o conector e para um comprimento de cravação igual a b.

(2)

A resistência axial de penetração da cabeça, com e sem anilha, foi avaliada sobre elemento de madeira. Em caso de ligações aço-madeira, é geralmente vinculante a resistência à tração do aço em relação à retirada ou à penetração da cabeça.

Os coeficientes γm e kmod devem ser considerados em função da norma vigente utilizada para o cálculo. • Para os valores de resistência mecânica e para a geometria dos parafusos, fez-se referência ao que consta da ETA-11/0030. • Em fase de cálculo, considerou-se uma massa volúmica dos elementos de madeira equivalente a ρk = 385 kg/m3. • Os valores foram calculados considerando-se a parte roscada inserida completamente no elemento de madeira.

PRINCÍPIOS GERAIS:

• A dimensão e a verificação dos elementos de madeira devem ser feitas à parte.

• Os valores característicos são conforme a norma EN 1995:2014, de acordo com ETA-11/0030.

• As resistências características ao corte são avaliadas para parafusos inseridos sem pré-furo; em caso de parafusos inseridos com pré-furo, é possível obter maiores valores de resistência.

• Os valores de projecto são obtidos a partir dos valores característicos, desta forma:

Rd =

Rk kmod γm

EXTERIOR | SCI A2 | AISI305 | 289


SCA A2 | AISI304 PARAFUSO DE CABEÇA DE EMBEBER CUSTO / DESEMPENHO Geometria simples, otimizada para um bom desempenho a um preço reduzido.

SUB-CABEÇA LISA Ideal para fixação de grampos e dobradiças em aço inoxidável graças à cabeça de embeber lisa.

SIMPLE BOX Embalagem otimizada para reduzir o material de descarte em estaleiro. Número de peças a embalagem acrescido.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

utilização com grampo em aço inoxidável

CABEÇA

de embeber sem nervuras

DIÂMETRO

de 3,5 a 5,0 mm

COMPRIMENTO

de 25 a 70 mm

MATERIAL Aço inoxidável austenítico A2 | AISI304.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Utilização no exterior em ambientes agressivos. Tábuas em madeira com densidades < 470 kg/m3 (sem pré-furo) e < 570 kg/m3 (com pré-furo). Adequado para classes de serviço 1-2-3.

290 | SCA A2 | AISI304 | EXTERIOR


GEOMETRIA A

dk

d1 d1 ds

b L

Diâmetro nominal

d1

[mm]

3,5

4

4,5

5

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

6,80

8,00

9,00

10,00

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

2,25

2,55

2,80

3,40

Diâmetro da haste

ds

[mm]

2,50

2,75

3,15

3,65

Espessura da cabeça

t1

[mm]

3,50

3,80

4,25

4,65

Diâmetro do pré-furo

dv

[mm]

2,0

2,5

3,0

3,0

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm] 3,5 TX 15 4 TX 20

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

pçs

d1

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

SCA4550

50

30

20

200

SCA4560

60

36

24

200

CÓDIGO

[mm]

SCA3525

25

18

7

500

SCA3535

35

24

11

500

SCA440

40

24

16

200

SCA450

50

30

20

200

4,5 TX 20 5 TX 25

pçs

SCA550

50

30

20

200

SCA560

60

36

24

200

SCA570

70

42

28

200

GAP Ideal para a fixação grampo standard Rothoblaas situadas em ambientes exteriores.

EXTERIOR | SCA A2 | AISI304 | 291


HBS PLATE EVO

BIT INCLUÍDOS

COATING

ETA 11/0030

PARAFUSO COM CABEÇA TRONCOCÓNICA PARA CHAPAS REVESTIMENTO C4 EVO Múltiplas camadas 20 μm com tratamento superficial à base de resina epoxídica e flakes de alumínio. Ausência de ferrugem após testes de 1440 horas de exposição em névoa salina de acordo com ISO 9227.

AMBIENTE EXTERNO Utilizável no exterior em classe de serviço 3 e em classe de corrosão atmosférica C4.

NOTA: códigos, técnica e outras informações na pág. 96.

GEOMETRIA

CABEÇA

troncocónicas para chapas

DIÂMETRO

de 5,0 a 10,0 mm

COMPRIMENTO

de 40 a 180 mm

P

BS

classe de corrosividade C4

H

FOCUS

X X

CARACTERÍSTICAS

MATERIAL Aço carbónico com revestimento 20 μm de alta resistência à corrosão.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • madeira maciça e lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade • madeiras agressivas (contendo tanino) • madeiras tratadas quimicamente Classes de serviço 1, 2 e 3.

292 | HBS PLATE EVO | EXTERIOR


HBS EVO

BIT INCLUÍDOS

COATING

ETA 11/0030

PARAFUSO DE CABEÇA DE EMBEBER REVESTIMENTO C4 EVO Múltiplas camadas 20 μm com tratamento superficial à base de resina epoxídica e flakes de alumínio. Ausência de ferrugem após testes de 1440 horas de exposição em névoa salina de acordo com ISO 9227.

AMBIENTE EXTERNO Utilizável no exterior em classe de serviço 3 e em classe de corrosão atmosférica C4.

NOTA: códigos, técnica e posteriores informações na pág. 44.

GEOMETRIA

CABEÇA

de embeber com nervuras sub-cabeça

DIÂMETRO

de 5,0 a 8,0 mm

COMPRIMENTO

de 80 a 320 mm

S

B

classe de corrosividade C4

H

FOCUS

X X

CARACTERÍSTICAS

MATERIAL Aço carbónico com revestimento 20 μm de alta resistência à corrosão.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • madeira maciça e lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade • madeiras agressivas (contendo tanino) • madeiras tratadas quimicamente Classes de serviço 1, 2 e 3.

EXTERIOR | HBS EVO | 293


TBS EVO

BIT INCLUÍDOS

COATING

ETA 11/0030

PARAFUSO PARA O EXTERIOR DE CABEÇA LARGA REVESTIMENTO C4 EVO Múltiplas camadas 20 μm com tratamento superficial à base de resina epoxídica e flakes de alumínio. Ausência de ferrugem após testes de 1440 horas de exposição em névoa salina de acordo com ISO 9227.

AMBIENTE EXTERNO Utilizável no exterior em classe de serviço 3 e em classe de corrosão atmosférica C4.

NOTA: códigos, técnica e outras informações na pág. 82.

GEOMETRIA

CARACTERÍSTICAS FOCUS

classe de corrosividade C4

CABEÇA

larga

DIÂMETRO

6,0 e 8,0 mm

COMPRIMENTO

de 60 a 240 mm

MATERIAL Aço carbónico com revestimento 20 μm de alta resistência à corrosão.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • madeira maciça e lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade • madeiras agressivas (contendo tanino) • madeiras tratadas quimicamente Classes de serviço 1, 2 e 3.

294 | TBS EVO | EXTERIOR


VGZ EVO

BIT INCLUÍDOS

COATING

ETA 11/0030

CONECTOR TOTALMENTE ROSCADO DE CABEÇA CILÍNDRICA REVESTIMENTO C4 EVO Múltiplas camadas 20 μm com tratamento superficial à base de resina epoxídica e flakes de alumínio. Ausência de ferrugem após testes de 1440 horas de exposição em névoa salina de acordo com ISO 9227.

AMBIENTE EXTERNO Utilizável no exterior em classe de serviço 3 e em classe de corrosão atmosférica C4.

NOTA: códigos, técnica e outras informações na pág. 166.

GEOMETRIA

CARACTERÍSTICAS

de 80 a 360 mm

X

COMPRIMENTO

X

de 5,3 a 9,0 mm

G

cilíndrica de embutir

DIÂMETRO

Z

CABEÇA

V

classe de corrosividade C4

X

FOCUS

MATERIAL Aço carbónico com revestimento 20 μm de alta resistência à corrosão.

CAMPOS DE APLICAÇÃO • painéis à base de madeira • madeira maciça e lamelar • CLT, LVL • madeiras de alta densidade • madeiras agressivas (contendo tanino) • madeiras tratadas quimicamente Classes de serviço 1, 2 e 3.

EXTERIOR | VGZ EVO | 295


FLAT | FLIP CONECTOR PARA TERRAÇOS INVISÍVEL Completamente oculta. A versão em alumínio com revestimento preto garante um excelente resultado estético; a versão em aço zincado oferece uma boa prestação a um custo contido.

APOSIÇÃO RÁPIDA Instalação simples e veloz graças à fixação com um só parafuso e à lingueta distanciadora integrada que garante fugas precisas. Ideal para aplicar com o perfil distanciador PROFID.

FRESAGEM SIMÉTRICA Permite a aplicação das tábuas independentemente da posição da fresagem (simétrica). Equipado com nervuras de superfície para uma elevada resistência mecânica.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

extrema precisão das fugas

REVESTIMENTO

anticorrosivo cor preto | zincagem galvânica

TÁBUAS

fresagem simétrica

FUGAS

7,0 mm

FIXAÇÕES

KKTN540 , KKAN440

MATERIAL Alumínio com revestimento orgânico colorido e aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Utilização no exterior. Fixação de tábuas em madeira ou em WPC em estrutura em madeira, WPC ou alumínio. Adequado para classes de serviço 1-2-3.

296 | FLAT | FLIP | EXTERIOR


GEOMETRIA 2

4

2

8,5

45°

8,5

27

6

54

6

45°

8,5

6,3

27

27

4

8,5

6

54

6

6,3

27

27

B

27

B

s

s

P

P

CÓDIGOS E DIMENSÕES FLAT COLOR

FLIP

CÓDIGO

material

PxBxs

pçs

CÓDIGO

material

[mm] FLAT

alumínio preto

64 x 27 x 4

pçs

[mm] 200

FLIP

aço zincado

64 x 27 x 4

200

KKA COLOR

KKT COLOR

fixação em madeira e WPC para FLAT e FLIP

d1 [mm] 5 TX 20

PxBxs

fixação em alumínio para FLAT e FLIP

CÓDIGO

L [mm]

pçs

KKTN540

40

200

d1

CÓDIGO

[mm] 4 TX 20 5 TX 25

L

pçs

[mm] KKAN420

20

200

KKAN430

30

200

KKAN440

40

200

KKAN540

40

200

WOOD PLASTIC COMPOSITE (WPC) Ideal para a fixação de tábuas WPC. Possibilidade de fixação também sobre alumínio através do parafuso KKA COLOR (KKAN440).

EXTERIOR | FLAT | FLIP | 297


GEOMETRIA DA RANHURA 7

7 RANHURA SIMÉTRICA

F

PROFID

H KKTN

F

PROFID

H

Espessura min.

F

4 mm

Altura mín. aconselhada

H

livre

KKTN

INSTALAÇÃO 01

Posicionar o perfil distanciador PROFID em correspondência com a linha mediana da ripa. Primeira tábua: fixar por meio de parafusos idóneos aparentes ou não aparentes, com a ajuda dos acessórios específicos.

03

Posicionar a tábua sucessiva enfiando-a no conector FLAT/FLIP.

05

Fixar o conector com o parafuso KKTN à ripa subjacente.

298 | FLAT | FLIP | EXTERIOR

02

Inserir na ranhura o conector FLAT/FLIP de modo que a lingueta distanciadora seja aderente à tábua.

04

Apertar as duas tábuas usando o estreitador CRAB MINI até obter uma fuga entre as tábuas de 7 mm (ver produto pág. 334).

06

Repetir as operações com as tábuas sucessivas. Última tábua: repetir a operação 01.


EXEMPLO DE CÁLCULO FÓRMULA ESTIMATIVA INCIDÊNCIA m2 f L

1m2 / i / (L + f) = peças de FLAT/FLIP por m2 i = entre-eixos das ripas L = largura das tábuas i

f = largura da fuga

EXEMPLO PRÁTICO NÚMERO TÁBUAS E RIPAS AA== 66 m m

SUPERFÍCIE TERRAÇO S = A ∙ B = 6 m ∙ 4 m = 24 m2 SOALHO L = 140 mm

140 mm 18 mm

s = 18 mm

BB==44mm

f = 7 mm RIPAGEM 60 mm

b = 60 mm h = 30 mm

30 mm

i= 0,6 m

0,6 0,6 m m

n° tábuas

= [B/(L+f)] + 1

= [4/(0,14+0,007)]+1= 28 tábuas

n° tábuas 4 m = 28 tábuas n° tábuas 2 m = 28 tábuas 28 tábuas 4 m

28 tábuas 2 m

n° ripas = [A/i] + 1 = (6/0,6) +1 = 11 ripas

ESCOLHA DO PARAFUSO Espessura cabeça parafuso

Scabeça parafuso

Espessura fresagem Quota fresagem

F H

Espessura PROFID

SPROFID

Comprimento de penetração

Lpen

f TÁBUA RIPA

F FLAT/FLIP

PROFID

PROFID

2,8 mm (s-F)/2

4 mm 7 mm 8 mm

4∙d

20 mm

COMPRIMENTO MÍNIMO PARAFUSO H KKTN

= Scabeça parafuso + F + H + SPROFID + Lpen = 2,8 + 4 + 7 + 8 + 20 = 41,8 mm PARAFUSO ESCOLHA

KKTN550

CÁLCULO NÚMERO FLAT/FLIP QUANTIDADE PARA FÓRMULA INCIDÊNCIA

QUANTIDADE PARA O N° DE INTERSEÇÕES

I = S / i / (L + f) = peças de FLAT/FLIP

I =n° tábuas com FLAT/FLIP n°ripas= peças de FLAT/FLIP

I = 24 m2 / 0,6 m / (0,14 m + 0,007 m) = 272 peças FLAT/FLIP

n° tábuas com FLIP/FLAT = (n° tábuas -2) = (28 - 2) = 26 tábuas n° ripas = (A/i) + 1 = (6/0,6) + 1 = 11 ripas

coeficiente de perda de material = 1,05 I = 272 ∙ 1,05 = 286 peças FLAT/FLIP

n° intersecções = I =26 ∙ 11 = 286 peças FLAT/FLIP

I = 286 peças FLAT/FLIP

I = 286 peças FLAT/FLIP

NUMERO FLAT/FLIP = 286 peças

NÚMERO PARAFUSOS = n° FLAT/FLIP = 286 peças KKTN550 EXTERIOR | FLAT | FLIP | 299


TVM CONECTOR PARA TERRAÇOS QUATRO VERSÕES Medidas diferentes para aplicações com tábuas de várias espessuras e fugas de largura variável. Versão preta para ser completamente oculta.

DURABILIDADE O aço inoxidável assegura uma elevada resistência à corrosão. A micro ventilação entre as tábuas contribui para a durabilidade dos elementos de madeira.

FRESAGEM ASSIMÉTRICA Ideal para tábuas com ranhura assimétrica com manufactura fêmea-fêmea. As nervuras superficiais do conector garantem uma excelente estabilidade.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

excelente versatilidade dos fresados

TÁBUAS

fresagem assimétrica

FUGAS

de 7,0 a 9,0 mm

FIXAÇÕES

KKTX520A4, KKA420, KKAN420

MATERIAL Aço inoxidável austenítico A2 | AISI304 e alumínio com revestimento orgânico colorido.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Utilização no exterior em ambientes agressivos. Fixação de tábuas em madeira ou em WPC em estrutura em madeira, WPC ou alumínio. Adequado para classes de serviço 1-2-3.

300 | TVM | EXTERIOR


GEOMETRIA TVM1

TVM2 10 3 6,8 9,8

1

TVM3 12

1

12

2,4 8,6 11

TVMN4 12

1

14

P

33

11

P

B

B

29,4

TVM3

14,4

17 30

22,5 9,8

2,4 12

14

22,5 31

15 1

2,4 8,6 11

23 9,6

P

36

13

P

B

B

CÓDIGOS E DIMENSÕES TVM A2 | AISI304

TVM COLOR

CÓDIGO

material

PxBxs

pçs

CÓDIGO TVMN4

material

PxBxs

alumínio preto

23 x 36 x 2,5

[mm]

[mm]

TVM1

A2 | AISI304

22,5 x 31 x 3

200

TVM2

A2 | AISI304

22,5 x 33 x 2,5

200

TVM3

A2 | AISI304

30 x 29,4 x 2,5

200

fixação em madeira e WPC para TVM A2 | AISI304

d1

CÓDIGO

5 TX 20

fixação em madeira e WPC para TVM COLOR

L

pçs

KKTX520A4

20

200

KKTX525A4

25

200

KKTX530A4

30

200

KKTX540A4

40

200

CÓDIGO

[mm]

5 TX 20

L

pçs

[mm] KKTN540

40

200

L

pçs

KKA COLOR

fixação em alumínio para TVM COLOR

L

pçs

[mm] KKA420

CÓDIGO

[mm]

KKA AISI410

4 TX 20

d1

[mm]

fixação em alumínio para TVM A2 | AISI304

d1

200

KKT COLOR

KKT X

[mm]

pçs

20

d1

CÓDIGO

[mm] 200

4 TX 20

[mm] KKAN420

20

200

KKA Possibilidade de fixação também em perfis em alumínio através parafuso KKA AISI410 ou KKA COLOR.

EXTERIOR | TVM | 301


GEOMETRIA DA RANHURA 7

7 RANHURA ASSIMÉTRICA

F

PROFID

H KKT

F H PROFID

KKT

Espessura min.

F

3 mm

Altura mín. aconselhada TVM1

H

8 mm

Altura mín. aconselhada TVM2

H

10 mm

Altura mín. aconselhada TVM3

H

10 mm

Altura mín. aconselhada TVMN

H

13 mm

INSTALAÇÃO 01

Posicionar o perfil distanciador PROFID em correspondência com a linha mediana da ripa. Primeira tábua: fixar com parafusos adequados deixados à vista.

03

Posicionar a tábua sucessiva enfiando-a no conector TVM.

05

Fixar o conector com o parafuso KKTX à ripa subjacente.

302 | TVM | EXTERIOR

02

Inserir na ranhura o conector TVM de modo que a aleta lateral seja aderente à fresagem da tábua.

04

Apertar as duas tábuas usando o estreitador CRAB MINI até obter uma fuga entre as tábuas de 7 mm (ver produto pág. 334).

06

Repetir as operações com as tábuas sucessivas. Última tábua: repetir a operação 01.


EXEMPLO DE CÁLCULO FÓRMULA ESTIMATIVA INCIDÊNCIA m2 f L

1m2 / i / (L + f) = peças de TVM por m2 i = entre-eixos das ripas L = largura das tábuas i

f = largura da fuga

EXEMPLO PRÁTICO NÚMERO TÁBUAS E RIPAS AA== 66 m m

SUPERFÍCIE TERRAÇO S = A ∙ B = 6 m ∙ 4 m = 24 m2 SOALHO L = 140 mm

140 mm BB==44mm

21 mm

s = 21 mm f = 7 mm

RIPAGEM 60 mm

b = 60 mm h = 30 mm

30 mm

i= 0,6 m

0,6 0,6 m m

n° tábuas

= [B/(L+f)] + 1

= [4/(0,14+0,007)]+1= 28 tábuas

n° tábuas 4 m = 28 tábuas n° tábuas 2 m = 28 tábuas 28 tábuas 4 m

28 tábuas 2 m

n° ripas = [A/i] + 1 = (6/0,6) +1 = 11 ripas

ESCOLHA DO PARAFUSO Espessura cabeça parafuso

Scabeça parafuso

Espessura fresagem Quota fresagem

F H

Espessura PROFID

SPROFID

Comprimento de penetração

Lpen

f TÁBUA RIPA

F TVM

PROFID

PROFID

2,8 mm (s-F)/2

4 mm 8 mm 8 mm

4∙d

20 mm

COMPRIMENTO MÍNIMO PARAFUSO H KKTX

= Scabeça parafuso + H + SPROFID + Lpen = 2,8 + 8 + 8 + 20 = 38,8 mm PARAFUSO ESCOLHA

KKTX540A4

CÁLCULO NÚMERO TVM QUANTIDADE PARA FÓRMULA INCIDÊNCIA

QUANTIDADE PARA O N° DE INTERSEÇÕES

I = S / i / (L + f) = peças de TVM

I =n° tábuas com TVM n°ripas= peças de TVM

I = 24 m2 / 0,6 m / (0,14 m + 0,007 m) = 272 peças TVM

n° tábuas com TVM = (N° tábuas -2) = (28 - 2) = 26 tábuas n° ripas = (A/i) + 1 = (6/0,6) + 1 = 11 ripas

coeficiente de perda de material = 1,05 I = 272 ∙ 1,05 = 286 peças TVM

n° intersecções = I =26 ∙ 11 = 286 peças TVM

I = 286 peças TVM

I = 286 peças TVM

NÚMERO TVM = 286 peças

NÚMERO PARAFUSOS = n° TVM = 286 peças KKTX540A4 EXTERIOR | TVM | 303


GAP CONECTOR PARA TERRAÇOS DUAS VERSÕES Disponível em aço inoxidável A2 | AISI304 para uma excelente resistência à corrosão (GAP3) ou em aço carbónico zincado (GAP4) para uma boa prestação a um custo contido.

FUGAS ESTREITAS Ideal para realizar pavimentos com fugas entre as tábuas de pequena espessura (de 3,0 mm). A fixação ocorre antes do posicionamento da tábua.

WPC E MADEIRAS DURAS Ideal para tábuas com ranhura simétrica como as tábuas em WPC ou as tábuas em madeira de alta densidade.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

fugas de espessura reduzida

TÁBUAS

fresagem simétrica

FUGAS

de 3,0 a 5,0 mm

FIXAÇÕES

SCA3525, SBA3932

MATERIAL Aço inoxidável austenítico A2 | AISI304 e aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Utilização no exterior. Fixação de tábuas em madeira ou em WPC em estrutura em madeira, WPC ou alumínio. Adequado para classes de serviço 1-2-3.

304 | GAP | EXTERIOR


GEOMETRIA GAP 3 A2 | AISI304

GAP 4 11

16,5 4

1 9 1

9 11 19

12

16

12 16

16,5

18 40

18 16,5

12

4

23

7,5

1,5 8,3 11,3 1,5

7,5

11

32

42

11,3

42

s s P

P

B

B

CÓDIGOS E DIMENSÕES GAP 3 A2 | AISI304 CÓDIGO

GAP 4 material

PxBxs

pçs

CÓDIGO

material

[mm] GAP3

A2 | AISI304

40 x 32 x 11

200

[mm] 3,5 TX 10

L

pçs

SCA3525

25

500

SCA3535

35

500

[mm]

42 x 42 x 11

200

3,5 TX 10

L

pçs

[mm] HTS3525

25

1000

HTS3535

35

500

L

pçs

SBN

fixação sobre alumínio para GAP 4

L

pçs

25

d1

CÓDIGO

[mm]

[mm] SBNA23525

CÓDIGO

[mm]

fixação sobre alumínio para GAP 3

3,5 TX 15

d1

[mm]

CÓDIGO

aço zincado

fixação em madeira e WPC para GAP 4

SBN A2 | AISI304

d1

GAP4 HTS

fixação em madeira e WPC para GAP 3

CÓDIGO

pçs

[mm]

SCA A2 | AISI304

d1

PxBxs

1000

3,5 TX 15

[mm] SBN3525

25

500

WOOD PLASTIC COMPOSITE (WPC) Ideal para a fixação de tábuas WPC. Possibilidade de fixação também sobre alumínio através do parafuso SBN A2 | AISI304.

EXTERIOR | GAP | 305


GEOMETRIA RANHURA GAP 3 RANHURA SIMÉTRICA F

H

Espessura min.

F

2 mm

Altura mín. aconselhada GAP 3

H

8 mm

SCA

INSTALAÇÃO GAP 3 01

Primeira tábua: fixar por meio de parafusos idóneos aparentes ou não aparentes, com a ajuda dos acessórios específicos.

03

Fixar o parafuso no orifício central.

05

Apertar as duas tábuas usando o estreitador CRAB MINI até obter uma fuga entre as tábuas de 3 ou 4 mm em função das exigências estéticas (ver produto pág. 334).

306 | GAP | EXTERIOR

02

Inserir na ranhura o conector GAP3 de forma que o dente central do grampo esteja aderente à fresagem da tábua.

04

Colocar a próxima tábua enfiando-a no conector GAP3 de forma que os dois dentes adiram à fresagem da tábua.

06

Repetir as operações com as tábuas sucessivas. Última tábua: repetir a operação 01.


GEOMETRIA RANHURA GAP 4 RANHURA SIMÉTRICA F

H

Espessura min.

F

2 mm

Altura mín. aconselhada GAP 4

H

7 mm

HTS

INSTALAÇÃO GAP 4 01

Primeira tábua: fixar por meio de parafusos idóneos aparentes ou não aparentes, com a ajuda dos acessórios específicos.

03

Fixar o parafuso nos dois furos disponíveis.

05

Apertar as duas tábuas usando o estreitador CRAB MINI até obter uma fuga entre as tábuas de 3 ou 4 mm em função das exigências estéticas (ver produto pág. 334).

02

Inserir na ranhura o conector GAP4 de forma que o dente central do grampo esteja aderente à fresagem da tábua.

04

Colocar a próxima tábua enfiando-a no conector GAP4 de forma que os dois dentes adiram à fresagem da tábua.

06

Repetir as operações com as tábuas sucessivas. Última tábua: repetir a operação 01.

EXTERIOR | GAP | 307


TERRALOCK CONECTOR PARA TERRAÇOS INVISÍVEL Totalmente não aparente, garante um excelente resultado estético. Ideal para terraços que para fachadas. Disponível tanto em metal que em plástico.

VENTILAÇÃO A micro-ventilação sob as tábuas previne a estagnação da água e garante uma excelente durabilidade. Nenhum esmagamento da subestrutura graças ao aumento da superfície de apoio estendida.

ENGENHOSO Batida de montagem para um posicionamento preciso do conector. Furos ranhurados para acomodar os movimentos da madeira. Possibilidade de substituição de tábuas individuais.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

extrema versatilidade das fugas e das partes fresadas

REVESTIMENTO

aluminizado cinzento, aluminizado preto

TÁBUAS

sem fresagem

FUGAS

de 2,0 a 10,0 mm

FIXAÇÕES

KKTX520A4, KKAN430, KKF4520

MATERIAL Aço carbónico com revestimento anticorrosivo colorido e polipropileno castanho.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Utilização no exterior. Fixação de tábuas em madeira ou em WPC em estrutura em madeira, WPC ou alumínio. Adequado para classes de serviço 1-2-3.

308 | TERRALOCK | EXTERIOR


GEOMETRIA TERRALOCK

TERRALOCK PP 5 8

5 8 60 45 15

180 165

20 5 20 20 15

3

5

15

5 10 5

5 20 15

85

5 8

5 8 60 45 15

85

5 10 5

180 165 20

10

5 20 20 15

5 10 5

5

85

20 15 20

Lmin tábua = 145 mm

s

s

P

B

5 10 5

Lmin tábua = 100 mm

Lmin tábua = 100 mm

P

5

85

Lmin tábua = 145 mm

s

15

P

B

s

P B

B

CÓDIGOS E DIMENSÕES TERRALOCK

TERRALOCK PP

CÓDIGO TER60ALU TER180ALU TER60ALUN TER180ALUN

material

PxBxs

pçs

CÓDIGO

aço zincado aço zincado aço zincado preto aço zincado preto

[mm] 60 x 20 x 8 180 x 20 x 8 60 x 20 x 8 180 x 20 x 8

100 50 100 50

TER60PPM TER180PPM

KKT A4 | AISI316 / KKT COLOR

5 TX 20

CÓDIGO KKTX520A4 KKTX525A4 KKTX530A4 KKTX540A4 KKTN540

L [mm] 20 25 30 40 40

nylon castanho nylon castanho

[mm] 60 x 20 x 8 180 x 20 x 8

100 50

Disponível a pedido também em aço inoxidável A2 | AISI304 para quantidade superiores a 20.000 peças. (cód. TER60A2 e TER180A2).

pçs

d1 [mm]

CÓDIGO

200 200 200 200 200

4,5 TX 20

L [mm]

pçs

KKF4520

20

200

KKF4540

40

200

CÓDIGO

L [mm]

pçs

SBN3525

25

1000

SBN A2 | AISI304

fixação sobre alumínio para TERRALOCK

4 TX 20

pçs

fixação em madeira e WPC para TERRALOCK PP

KKA COLOR

d1 [mm]

PxBxs

KKF AISI410

fixação em madeira e WPC para TERRALOCK

d1 [mm]

material

fixação sobre alumínio para TERRALOCK PP

CÓDIGO

L [mm]

pçs

KKAN430

30

200

d1 [mm] 3,5 TX 15

TERRALOCK PP Versão em plástico ideal para realizar terraços em proximidade de ambientes aquáticos. Durabilidade no tempo garantida pela microventilação sob as tabelas. Fixação completamente oculta.

EXTERIOR | TERRALOCK | 309


ESCOLHA DO CONECTOR TERRALOCK 60

TERRALOCK PP 60

A. conector TERRALOCK 60: 2 pçs B. parafusos superiores: 4 pçs C. parafusos inferiores: 1 pça

A. conector TERRALOCK PP 60: 2 pçs B. parafusos superiores: 4 pçs C. parafusos inferiores: 1 pça

B

C

L

L

B

B C

A

B

S

A

B

H

S B

H

L

tipo de parafuso superior

C C

L

espessura mínima tábua

tipo de parafuso inferior

B

altura mínima ripa

C

tipo de parafuso superior

espessura mínima tábua

tipo de parafuso inferior

B

KKTX 5 x 20

S > 21 mm

KKT 5 x 40

H > 40 mm

KKTX 5 x 25

S > 26 mm

KKT 5 x 50

H > 50 mm

KKTX 5 x 30

S > 31 mm

KKT 5 x 60

H > 60 mm

C

KKF 4,5 x 20

S > 19 mm

KKF 4,5 x 40

TERRALOCK 180

TERRALOCK PP 180

A. conector TERRALOCK 180: 1 pça B. parafusos superiores: 2 pçs C. parafusos inferiores: 1 pça

A. conector TERRALOCK PP 180: 1 pça B. parafusos superiores: 2 pçs C. parafusos inferiores: 1 pça

L

C

B C

A

C

B

C

S

A

S H

H

L

tipo de parafuso superior

H > 38 mm

L

B B

altura mínima ripa

L

espessura mínima tábua

tipo de parafuso inferior

altura mínima ripa

tipo de parafuso superior

KKTX 5 x 20

S > 21 mm

KKT 5 x 40

H > 40 mm

KKF 4,5 x 20

KKTX 5 x 25

S > 26 mm

KKT 5 x 50

H > 50 mm

KKTX 5 x 30

S > 31 mm

KKT 5 x 60

H > 60 mm

B

C

310 | TERRALOCK | EXTERIOR

espessura mínima tábua

tipo de parafuso inferior

S > 19 mm

KKF 4,5 x 40

B

altura mínima ripa

C H > 38 mm


INSTALAÇÃO TERRALOCK 60 01

02

Em correspondência com cada nó de fixação, posicionar dois conectores.

03

04

Fixar cada conector à subestrutura com um parafuso KKTX em um dos dois furos sulcados.

Girar a tábua e enfiá-la sob aquela anteriormente fixada à subestrutura.

Recomenda-se a utilização de distanciadores STAR inseridos entre as tábuas.

INSTALAÇÃO TERRALOCK 180 01

02

Para cada tábua, posicionar um conector e fixá-lo com dois parafusos KKTX.

03

Girar a tábua e enfiá-la sob aquela anteriormente fixada à subestrutura.

04

Fixar cada conector à subestrutura com um parafuso KKTX em um dos dois furos sulcados.

Recomenda-se a utilização de distanciadores STAR inseridos entre as tábuas.

EXEMPLO DE CÁLCULO i = entre-eixo ripas

|

L = largura da tábuas

|

f = largura da fuga

f

TERRALOCK 180

TERRALOCK 60

L

i = 0,60 m

i

|

L = 140 mm

|

f = 7 mm

i = 0,60 m

|

L = 140 mm

|

f = 7 mm

1m2 / i / (L + f) ∙ 2 = peças por m2

1m2 / i / (L + f) = peças por m2

1m2/ 0,6 m / (0,14 m + 0,007 m) ∙ 2 = 23 peças. /m2

1m2/ 0,6 m / (0,14 m + 0,007 m) = 12 peças. /m2

+ 46 peças parafusos superiores tipo B / m2

+ 24 peças parafusos superiores tipo B / m2

+ 12 peças parafusos inferiores tipo C / m2

+ 12 peças parafusos inferiores tipo C / m2

TERRAÇOS COM GEOMETRIAS ARTICULADAS Graças à particular configuração geométrica, o conector Terralock consente a realização de terraços com geometrias articuladas para se satisfazerem todas as exigências estéticas. A presença dos dois furos sulcados e a posição eficaz do compasso de espera permitem a instalação mesmo em caso de subestrutura inclinada.

EXTERIOR | TERRALOCK | 311


GROUND COVER TELA ANTIVEGETAL PARA BASES PERMEÁVEL À ÁGUA A tela antivegetal previne o crescimento de ervas e raízes garantindo a proteção da estrutura do terraço do solo. Permeável à água, permite o escoamento.

RESISTENTE O falso têxtil em polipropileno de gramagem 50 g/m2 permite uma eficaz separação da estrutura da terraço do solo. Dimensões otimizadas para os terraços (1,6 m x 10 m).

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO COVER50

material TNT

g/m2 50

HxL

A

[m]

[m2]

1,6 x 10

10

Resistência à tração

MD/CD

95 / 55 N

Alongamento

MD/CD

35 / 80 %

pçs 1

MATERIAL Tecido não tecido (TNT) em polipropileno (PP).

CAMPOS DE APLICAÇÃO Separação estrutura do solo.

312 | GROUND COVER | EXTERIOR


NAG PAD NIVELADOR SOBREPOSTOS Disponíveis em 3 espessuras (2,0, 3,0 e 5,0 mm) são ideais também para a sobreposição entre si para obter espessuras diferentes e nivelar eficazmente a estrutura do terraço.

DURABILIDADE O material EPDM garante uma excelente durabilidade, não sofre cedimentos no tempo e não sofre a exposição aos raios solares.

GEOMETRIA

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

BxLxs

densidade

shore

pçs

[mm]

kg/m

NAG60602

60 x 60 x 2

1220

65

50

NAG60603

60 x 60 x 3

1220

65

30

NAG60605

60 x 60 x 5

1220

65

20

3

s L

B

Temperatura de utilização -35°C | +90°C

MATERIAL EPDM preto.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Nivelamento sub-estrutura.

EXTERIOR | NAG | 313


GRÂNULO SUB-FUNDO DE BORRACHA GRANULAR TRÊS FORMATOS Disponível em placa (GRANULOMAT 1,25 m x 10 m) em rolo (GRANULOROLL e GRANULO100) ou em pad (GRANULOPAD 8 x 8 cm). Uso extremamente versátil graças à variedade dos formatos.

BORRACHA GRANULAR Realizado em grânulos de borracha reciclada e termo-ligada com poliuretano. Resistente às interações químicas, mantém inalteradas as características no tempo e é reciclável a 100%.

ANTIVIBRATÓRIO Os grânulos de borracha termo-ligada permitem o amortecimento das vibrações e o isolamento dos ruídos de passagem. Ideal também como corte hídrico e como tira resiliente para os desacoplamentos acústicos.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

permeável à água e antivibratório

ESPESSURAS

de 4,0 a 10,0 mm

DIMENSÕES

tapete, rolo, PAD

UTILIZAÇÃO

fundação subestruturas em madeira, alumínio, WPC e PVC

MATERIAL Grânulos de borracha termo-ligada com PU.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Fundação subestruturas em madeira, alumínio, WPC e PVC. Utilização no exterior. Adequado para classes de serviço 1-2-3.

314 | GRÂNULO | EXTERIOR


GEOMETRIA

B

s L

s

B

s

B

B

GRÂNULO PAD

GRANULO ROLL -GRANULO 100

GRANULO MAT

DADOS TÉCNICOS PROPRIEDADES

normativa

valores

Dureza

-

50 shore A

Densidade

-

750 kg/m3

ISO 29052-1

66 MN/m3

Estimativa teórica do nível de redução do passagem ∆Lw

ISO 12354-2

22,6 dB

Frequência de ressonância do sistema f0

ISO 12354-2

116,3 Hz

10% deformação

-

21 kPa

25% deformação

-

145 kPa

Esticamento à rutura

-

27 %

Condutividade térmica λ

UNI EN 12667

0,033 W/mK

Rigidez dinâmica aparente s’t (1)

(1)

Esforço deformação em compressão

(1)

Considera-se uma condição de carga com m'=125 kg/m2.

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

s

B

L

[mm]

[mm]

[m]

GRANULOPAD

10

80

0,08

pçs 20

GRANULOROLL

8

80

6

1

GRANULO100

4

100

15

1

GRANULOMAT

6

1250

10

1

ISOLAMENTO ACÚSTICO Ideal como fundação das subestruturas dos terraços. Permeável à base de água, é ideal para utilização no exterior.

EXTERIOR | GRÂNULO | 315


TERRA BAND UV FITA ADESIVA BUTÍLICA TERRAÇOS E FACHADAS Ideal para a proteção das ripas da água e dos raios UV. Utilizável tanto para os terraços que para as fachadas, assegura a proteção e a durabilidade das ripas em madeira.

ESTABILIDADE UV PERMANENTE O compound butílico aluminizado preto garante resistência ilimitada aos raios UV que podem penetrar entre as fugas das tábuas de terraços e paredes.

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

s

B

L

pçs

[mm]

[mm]

[m]

TERRAUV75

0,8

75

10

1

TERRAUV100

0,8

100

10

1

TERRAUV200

0,8

200

10

1

s: espessura | B: base | L: comprimento

MATERIAL Compound butílico revestido por uma película em alumínio cor preta com película de separação.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Proteção ripas de água e raios UV.

316 | TERRA BAND UV | EXTERIOR


PROFID PERFIL ESPAÇADOR VENTILAÇÃO O perfil em EPDM com secção quadrada deve ser aplicado acima das ripas. Gera uma micro-ventilação sob as tábuas que previne a estagnação da água e garante uma excelente durabilidade ao terraço.

RESISTÊNCIA O material EPDM garante uma excelente durabilidade. Realizado com uma densidades de mais de 1200 kg/m3 garante uma elevada resistência a esmagamento e é ideal também para cargas elevadas.

GEOMETRIA CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO PROFID

s

B

L

densidade

[mm]

[mm]

[m]

kg/m

8

8

40

1220

shore

pçs

65

8

3

L

s B

s: espessura | B: base | L: comprimento

MATERIAL EPDM.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Microventilação subtelha.

EXTERIOR | PROFID | 317


JFA SUPORTE REGULÁVEL PARA TERRAÇOS NIVELAMENTO O suporte, regulável em altura, é ideal para corrigir rapidamente as variações de quota do solo de fundação. O aumento também gera uma ventilação sob as ripas.

DUPLA REGULAÇÃO Possibilidade de regulação seja de baixo através de chave inglesa SW 10, que de cima através chave de fendas de ponta chata. Sistema rápido, prático e versátil.

APOIO A base de apoio em material plástico TPE reduz os ruídos de passagem. A base desarticulada é apta a se adaptar a superfícies inclinadas.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

possibilidade de regulação de cima e de baixo

ALTURA

4,0 | 6,0 | 8,0 mm

DIMENSÕES

Ø 8 mm

UTILIZAÇÃO

elevação e nivelamento estrutura

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica e aço inoxidável austenítico A2 | AISI304.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Elevação e nivelamento sub-estrutura. Utilização no exterior. Adequado para classes de serviço 1-2-3.

318 | JFA | EXTERIOR


GEOMETRIA

16 L

H SW 10

40 404040

14

20

25 60

Ø8

252525 25

5757 5757

7777 7777

5757 5757

252525 25

252525 25

252525 25

DADOS TÉCNICOS CÓDIGO

JFA840

JFA860

JFA880

JFA860A2

Material

aço carbónico

aço carbónico

aço carbónico

A2 | AISI304

Parafuso Ø x L Altura de montagem

R

[mm]

8 x 40

8 x 60

8 x 80

8 x 40

[mm]

25 ≤ R ≤ 40

25 ≤ R ≤ 57

25 ≤ R ≤ 77

25 ≤ R ≤ 57

+/- 5°

+/- 5°

+/- 5°

+/- 5°

Ø 10

Ø 10

Ø 10

Ø 10

Angulatura Pré-furo para bucim

[mm]

SW 10

SW 10

SW 10

SW 10

Altura total

Porca de regulação H

[mm]

51

71

91

71

Capacidade admissível

Fadm

kN

0,8

0,8

0,8

0,8

CÓDIGOS E DIMENSÕES JFA CÓDIGO

JFA A2 | AISI304 material

parafuso Ø x L

pçs

CÓDIGO

material

[mm]

parafuso Ø x L

pçs

[mm]

JFA840

aço carbónico

8 x 40

100

JFA860

aço carbónico

8 x 60

100

JFA880

aço carbónico

8 x 80

100

JFA860A2

aço inoxidável

8 x 60

100

AÇO INOXIDÁVEL Disponível também em aço inoxidável A2 | AISI304 para utilização em ambientes particularmente agressivos.

EXTERIOR | JFA | 319


INSTALAÇÃO JFA COM REGULAÇÃO DE BAIXO

01

Traçar a linha mediana da ripa, indicando a posição dos furos e sucessivamente pré-furo com furo de diâmetro igual a 10 mm.

02

03

A profundidade do pré-furo é em função da altura de montagem R e deve ser pelo menos igual a 16 mm (espaço bucim).

04

Inserir a bucha com o auxílio de um martelo.

Aparafusar o suporte no interior da bucha e rodar a ripa.

Detalhe regulação de baixo.

É possível seguir a evolução do terreno atuando de forma independente em cada suporte.

H 05

Colocar a ripa no fundo paralelamente àquele anteriormente deitado.

06

Ajustar a altura do suporte atuando de baixo através de chave inglês SW 10 mm.

INSTALAÇÃO JFA COM REGULAÇÃO DE CIMA

01

Traçar a linha mediana da ripa, indicando a posição dos furos e sucessivamente prefurar com furo passante de diâmetro igual a 10 mm.

02

03

Recomenda-se uma distância máxima entre os suportes de 60 cm a verificar em função da carga agente.

04

Inserir a bucha com o auxílio de um martelo.

Aparafusar o suporte no interior da bucha e rodar a ripa.

Detalhe regulação de cima.

É possível seguir a evolução do terreno atuando de forma independente em cada suporte.

H 05

Colocar a ripa no fundo paralelamente àquele anteriormente deitado.

320 | JFA | EXTERIOR

06

Ajustar a altura do suporte atuando de cima através de chave de fendas de ponta chata.


EXEMPLO DE CÁLCULO O número de suportes por m2 deve ser avaliado em função da carga actuante e do entre-eixos das ripas.

INCIDÊNCIA SUPORTES NA SUPERFÍCIE (S): q = carga agente [kN/m2]

I = q / Fadm = pçs de JFA por m2

Fadm = alcance admissível JFA [kN]

DISTÂNCIA MÁXIMA ENTRE OS SUPORTES (a): a

amax, JFA

a=

min

com:

amax, JFA = 1 / pçs / m2 / i

i

amáx, ripa os = entre-eixo entre ripas

3

amáx, ripa =

flim = limite de seta Iniciar um snapshot entre os apoios

E ∙ J ∙384

E = formulário elástico material

flim ∙ 5 ∙ q ∙ i

J = momento inércia secção ripa

EXEMPLO PRÁTICO DADOS DE PROJECTO A=6m

SUPERFÍCIE TERRAÇO S = A x B = 6 m x 4 m = 24 m2 RIPAGEM 50 mm

b = 50 mm h = 30 mm

B=4m

30 mm

i= 0,50 m

CARGAS Sobrecarga Categoria de uso: categoria A (balcão) (EN 1991-1-1)

q

Caudal admissível suporte JFA

Fadm

4,00 kN/m2

0,80 kN

0,50 m

Material ripas

C20 (EN 338:2016)

Limite de seta instantânea entre os apoios

flim

Momento elástico material

E0,mean

Momento de inércia secção ripa

J

Flecha máxima ripa

fmax

a / 400

9,5 kN/mm2

3

(b ∙ h ) / 12

112500 mm4

(5/384) ∙ (q ∙ i ∙ a4)/(E ∙ J)

-

CÁLCULO NÚMERO JFA NÚMERO SUPORTES JFA

INCIDÊNCIA I = q / Fadm = pçs de JFA por m

n = I ∙ S ∙ coef.apara = peças de JFA

I = 4,0 kN/m2 / 0,8 kN = 5,00 pçs/m2

n = 5,00 peças/m2 ∙ 24 m2 ∙ 1,05 = 126 peças de JFA

2

coeficiente de perda de material = 1,05 CÁLCULO DISTÂNCIA MÁXIMA ENTRE OS SUPORTES LIMITE RESISTÊNCIA SUPORTE

LIMITE FLEXIONAL RIPA 3

flim = fmax

portanto:

3

amáx, ripa =

a = min

amáx, ripa =

E ∙ J ∙384 400 ∙ 5 ∙ q ∙ i

9,5 ∙ 112500 ∙ 384

amax, JFA = 1 / n / i amax, JFA = 1 / 5,00 / 0,5 = 0,40 m

∙ 10-3 = 0,47 m

400 ∙ 5 ∙ (4,0 ∙ 10-6) ∙ 500 amax, JFA amáx, ripa

= min

0,40 m 0,47 m

= 0,40 m distância máxima entre os suportes JFA

EXTERIOR | JFA | 321


SUPPORT SUPORTE REGULÁVEL PARA TERRAÇOS TRÊS VERSÕES A versão Small (SUP-S) permite aumentos até 37 mm, a versão Medium (SUP-M) até 220 mm e a versão Large (SUP-L) até 1020 mm. Todas as versões são reguláveis em altura.

RESISTÊNCIA

Sistema robusto apropriado para cargas elevadas. As versões Small (SUP-S) e Medium (SUP-M) resistem até 400 kg. A versão Large (SUP-L) resiste até 800 kg.

COMPONÍVEL Todas as versões podem ser associadas a uma respetiva cabeça para facilitar a fixação lateral à ripa, que pode ser em madeira ou alumínio. Disponível a pedido também o adaptador para azulejos.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

extrema versatilidade do nivelamento

ALTURA

de 22 a 1020 mm

BASE INFERIOR

SUP-S Ø 150 mm SUP-M e SUP-L Ø 200 mm

RESISTÊNCIA

de 400 a 800 kg

MATERIAL Polipropileno (PP).

CAMPOS DE APLICAÇÃO Elevação e nivelamento sub-estrutura. Utilização no exterior. Adequado para classes de serviço 1-2-3.

322 | SUPPORT | EXTERIOR


DURABILIDADE Material resistente aos raios UV e utilizável também em ambientes agressivos. Ideal em combinação com ALU TERRACE.

ALU TERRACE Ideal em combinação com ALU TERRACE, fixado lateralmente com parafusos KKA. Sistema de durabilidade excelente.

EXTERIOR | SUPPORT | 323


Fixação das ripas em madeira em suporte SUP-M com cabeça.

Terraço realizada com ladrilhos de cerâmica em SUP-M com respetivo adaptador.

CÓDIGOS E DIMENSÕES ACESSÓRIOS CABEÇA PARA SUP-S CÓDIGO

EXTENSÃO PARA SUP-M Ø

Ø1

[mm]

[mm]

70

3 x 14

SUPSLHEAD1

pçs

CÓDIGO

Ø

Ø1

SUPMEXT30

20

CABEÇA PARA SUP-M Ø

pçs

CÓDIGO

25

SUPLEXT100

[mm] SUPMHEAD1

Ø1

BxP [mm]

SUPMHEAD2

120 x 90

H

Ø1

SUPSLHEAD1

30

25

H

pçs H

B

P

3 x 14 25

CORRETOR DE INCLINAÇÃO PARA SUP-M E SUP-L CÓDIGO

Ø

Ø1

[mm]

[mm]

70

3 x 14

324 | SUPPORT | EXTERIOR

20

h

[mm] [mm] 30

100

pçs

CABEÇA PARA SUP-L CÓDIGO

H

[mm]

120

CABEÇA PARA SUP-M CÓDIGO

pçs

EXTENSÃO PARA SUP-L

Ø

CÓDIGO

H [mm]

pçs 20

Ø

pçs

[mm] Ø1

Ø

SUPCORRECT1 SUPCORRECT2

200 200

1% 2%

20 20

SUPCORRECT3

200

3%

20

Ø


CÓDIGOS E DIMENSÕES SUP-S Ø H

CÓDIGO

Ø

H

pçs

[mm]

[mm]

SUPS2230

150

22 - 30

20

SUPS2840

150

28 - 40

20

Ø

H

pçs

[mm]

[mm]

CÓDIGOS E DIMENSÕES SUP-M Ø

H

CÓDIGO SUPM3550

200

35 -50

25

SUPM5070

200

50 - 70

25

SUPM65100

200

65 - 100

25

SUPM95130

200

95 - 130

25

SUPM125160

200

125 - 160

25

SUPM155190

200

155 - 190

25

SUPM185220

200

185 - 220

25

CÓDIGOS E DIMENSÕES SUP-L

+H

Ø

H

CÓDIGO

Ø

H

[mm]

[mm]

SUPL415520

200

415 - 520

20

SUPL515620

200

515 - 620

20

20

SUPL615720

200

615 - 720

20

20

SUPL715820

200

715 - 820

20

215 - 320

20

SUPL815920

200

815 - 920

20

315 - 420

20

SUPL9151020

200

915 - 1020

20

Ø

H

pçs

[mm]

[mm]

SUPL3550

200

35 - 50

20

SUPL5075

200

50 - 75

20

SUPL75120

200

75 - 120

SUPL115220

200

115 - 220

SUPL215320

200

SUPL315420

200

CÓDIGO

pçs

EXTERIOR | SUPPORT | 325


INSTALAÇÃO SUP-S 01

02

03

É possível apoiar simplesmente a ripa ao SUP-S ou aparafusá-la ao SUP-S com parafusos KKF diâmetro 4,5 mm.

INSTALAÇÃO SUP-S COM CABEÇA SUPSLHEAD1 01

02

03

04

KF

K

KF

X

K

X

F

KK

X

F

KK

X

Colocar a cabeça SUPSLHEAD1 no SUP-S e fixar a ripa com parafusos KKF diâmetro 4,5 mm.

INSTALAÇÃO SUP-M COM CABEÇA SUPMHEAD2 01

02

03

04

KF

K

X

F

KK

X

F

KK

X

Colocar a cabeça SUPMHEAD2 no SUP-M e fixar a ripa lateralmente com parafusos KKF diâmetro 4,5 mm.

INSTALAÇÃO SUP-M COM CABEÇA SUPMHEAD1 03

04

K

Colocar a cabeça SUPMHEAD1 no SUP-M e fixar a ripa com parafusos KKF diâmetro 4,5 mm.

326 | SUPPORT | EXTERIOR

X

KF

K

X

02

KF

01


INSTALAÇÃO SUP-L COM CABEÇA SUPSLHEAD1 01

02

03

04

360°

H

F

KK

X

F

KK

X

Colocar a cabeça SUPSLHEAD1 no SUP-L, regular a altura em base às exigências e fixar a ripa lateralmente com parafusos KKF diâmetro 4,5 mm.

INSTALAÇÃO SUP-L COM CABEÇA SUPSLHEAD1 01

02

03

04

360°

F

KK

X

F

KK

X

H

Adicionar a extensão SUPLEXT100 ao suporte SUP-L e posteriormente posicionar a cabeça SUPSLHEAD1. Ajustar a altura em base às exigências e fixar a ripa lateralmente com parafusos KKF diâmetro 4,5 mm.

CÓDIGOS E DIMENSÕES FIXAÇÃO KKF AISI410 d1 [mm] KF

K

X F

KK

X

4,5 TX 20

CÓDIGO

L [mm]

pçs

KKF4520

20

200

KKF4540

40

200

KKF4545

45

200

KKF4550

50

200

KKF4560

60

200

KKF4570

70

200

EXTERIOR | SUPPORT | 327


ALU TERRACE PERFIL EM ALUMÍNIO PARA TERRAÇOS DUAS VERSÕES Versão ALUTERRA30 para cargas standard. Versão ALUTERRA50 em cor preta para cargas muito elevados e com possibilidade de utilização em ambos os lados.

APOIOS CADA 1,10 m ALUTERRA50 projetado com uma inércia muito elevada que permite o posicionamento dos suportes SUPPORT cada 1,10 m (na linha mediana perfil) também com cargas elevadas (4,0 kN/m2).

DURABILIDADE A subestrutura realizada com perfis em alumínio garante uma excelente durabilidade do terraço. O canal de escoamento permite o escoamento da água e gera uma eficaz microventilação.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

durabilidade e resistência excelentes

SECÇÕES

53 x 30 mm | 63 x 50 mm

ESPESSURA

1,8 mm | 2,2 mm

MATERIAL Versão em alumínio e em alumínio com anodização classe 15 com coloração preto grafite.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Estrutura terraços. Utilização no exterior. Adequado para classes de serviço 1-2-3.

328 | ALU TERRACE | EXTERIOR


DISTÂNCIA 1,10 m Com um entre-eixo de 80 cm entre os perfis (carga de 4,0 kN/m2) é possível distanciar os SUPORTES de 1,10 m posicionando-os na linha mediana de ALUTERRACE50.

SISTEMA COMPLETO Ideal em combinação com SUPPORT, fixado lateralmente com parafusos KKA. Sistema de durabilidade excelente.

EXTERIOR | ALU TERRACE | 329


Estabilização dos ALUTERRA50 com pequenas chapas de aço inoxidável e parafusos KKA.

Subestrutura em alumínio realizada com ALUTERRA30 e apoiada em GRÂNULO PAD

CÓDIGOS E DIMENSÕES ACESSÓRIOS s s P

H

s M M

M P

P

LBVI15100 CÓDIGO

s H M

P

WHOI1540 material

s

M

P

H

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

FLIP pçs

LBVI15100

A2 | AISI304

1,75

15

100

--

200

WHOI1540

A2 | AISI304

1,75

15

40

40

200

KKA AISI410

FLAT

CÓDIGO

material

pçs

FLAT

alumínio preto

200

FLIP

aço zincado

200

KKA COLOR d1

CÓDIGO

[mm] 4 TX 20 5 TX 25

L

pçs

[mm] KKA420

20

200

KKA540

40

100

KKA550

50

100

330 | ALU TERRACE | EXTERIOR

d1

CÓDIGO

[mm] 4 TX 20 5 TX 25

L

pçs

[mm] KKAN420

20

200

KKAN430

30

200

KKAN440

40

200

KKAN540

40

200


GEOMETRIA

12 5

43

36 5

5 20,3 9,7

30

12

12 43

19 5

36

12

s

19

15,5 5020,3 H 30 15,5 9,7

P

53

60

s

15,5 50

53 B

MH

P

15,5 60

ALU TERRACE 30

B

ALU TERRACE 50

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO ALUTERRA30

s

B

P

H

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

1,8

53

2200

30

pçs 1

CÓDIGO ALUTERRA50

s

B

P

H

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

2,5

63

2200

50

pçs 1

NOTAS: Sob encomenda, está disponível em versão P= 3000mm.

EXEMPLO DE FIXAÇÃO COM PARAFUSOS E ALUTERRA30 01

Colocar a ALU TERRACE no SUP-S equipado com cabeça SUPSLHEAD1.

02

Fixe a ALU TERRACE com KKAN diâmetro 4,0 mm.

03

Fixar as tábuas em madeira ou em WPC diretamente sobre ALU TERRACE com parafusos KKA diâmetro 5,0 mm.

04

Repita a operação para as outras tábuas.

EXEMPLO DE FIXAÇÃO COM GRAMPO E ALUTERRA50 01

Colocar a ALU TERRACE no SUP-S equipado com cabeça SUPSLHEAD1.

02

Fixe a ALU TERRACE com KKAN diâmetro 4,0 mm.

03

Fixar as tábuas através de grampos não aparentes FLAT e parafusos KKAN diâmetro 4,0 mm.

04

Repita a operação para as outras tábuas.

EXTERIOR | ALU TERRACE | 331


EXEMPLO APOIO EM GRÂNULO PAD 01

02

É possível ligar em comprimento mais ALUTERRA30 mediante pequenas chapas de aço inoxidável. A ligação é opcional.

03

Colocar lateralmente 2 perfis em alumínio.

04

Colocar a chapa LBVI15100 em aço inoxidável em correspondência dos perfis em alumínio e fixar com parafusos KKA 4,0 x 20.

Efetuar a operação em ambos os lados para maximizar a estabilidade.

EXEMPLO APOIO EM SUPPORT 01

02

KF

K

KF

X

K

X

É possível ligar em comprimento mais ALUTERRA50 mediante pequenas chapas de aço inoxidável. A ligação é facultativa se a ligação coincide com o apoio ao SUPPORT.

03

Colocar a chapa LBVI15100 em aço inoxidável em correspondência dos guias laterais dos perfis em alumínio e fixar com parafusos KKA 4,0 x 20 ou KKAN diâmetro 4,0mm.

332 | ALU TERRACE | EXTERIOR

Conectar os perfis em alumínio com parafusos KKAN diâmetro 4,0 mm e colocar lateralmente de cabeça 2 perfis em alumínio.

04

Efetuar a operação em ambos os lados para maximizar a estabilidade.


DISTÂNCIA MÁXIMA ENTRE OS SUPORTES (a) ALU TERRACE 30 ALU TERRACE 30 SUPPORT

i

a

a

i = entre-eixos das ripas a = distância suportes

i

CARGA DE EXERCÍCIO

i [m]

[kN/m2]

0,4

0,45

0,5

0,55

0,6

0,7

0,8

0,9

1,0

2,0

0,77

0,74

0,71

0,69

0,67

0,64

0,61

0,59

0,57

3,0

0,67

0,65

0,62

0,60

0,59

0,56

0,53

0,51

0,49

4,0

0,61

0,59

0,57

0,55

0,53

0,51

0,48

0,47

0,45

5,0

0,57

0,54

0,53

0,51

0,49

0,47

0,45

0,43

0,42

ALU TERRACE 50 ALU TERRACE 50 SUPPORT

i a

a

i = entre-eixos das ripas a = distância suportes

i

CARGA DE EXERCÍCIO

i [m]

[kN/m2]

0,4

0,45

0,5

0,55

0,6

0,7

0,8

0,9

1,0

2,0

1,70

1,64

1,58

1,53

1,49

1,41

1,35

1,30

1,25

3,0

1,49

1,43

1,38

1,34

1,30

1,23

1,18

1,14

1,10

4,0

1,35

1,30

1,25

1,22

1,18

1,12

1,07

1,03

1,00

5,0

1,25

1,21

1,16

1,13

1,10

1,04

1,00

0,96

0,92

NOTAS: • Exemplo com deformação L/300; • Carga útil de acordo com EN 1991-1-1;

O cálculo foi executado com um esquema estático num vão em simples apoio, considerando uma carga uniformemente distribuída.

-- Áreas de categoria A = 2,0 ÷ 4,0 kN/m²; -- Áreas susceptíveis de inundação categoria C2 = 3,0 ÷ 4,0 kN/m²; -- Áreas susceptíveis de inundação categoria C3 = 3,0 ÷ 5,0 kN/m²;

EXTERIOR | ALU TERRACE | 333


STAR ESTRELA PARA DISTÂNCIAS

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

espessuras

pçs

[mm] STAR

de 4 a 8

1

CRAB MINI ESTREITADOR PARA TERRAÇOS

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

abertura [mm]

[kg]

CRABMINI

263 - 415

máx. 200

334 | STAR | CRAB MINI | EXTERIOR

compressão

pçs 1


SHIM CUNHAS NIVELADORES

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

cor

LxPxs

pçs

SHBLUE

azul

100 x 22 x 1

[mm] SHBLACK

500

preto

100 x 22 x 2

500

vermelho

100 x 22 x 3

500

SHWHITE

branco

100 x 22 x 4

500

SHYELLOW

amarelo

100 x 22 x 5

500

SHRED

Disponível também em versão LARGE.

BROAD PONTA COM ESCAREADOR PARA KKT, KKZ, KKA

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

Øponta

Øescareador

Lponta

LT

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

pçs

BROAD1

4

6,5

41

75

1

BROAD2

6

9,5

105

150

1

EXTERIOR | SHIM | BROAD | 335


MADEIRA - METAL


MADEIRA - METAL


MADEIRA-METAL

SBS - SPP PARAFUSO AUTO-PERFURANTE PARA MADEIRA- METAL . . . . . 340

SBS A2 | AISI304 PARAFUSO AUTO-PERFURANTE PARA MADEIRA- METAL . . . . . 342

SBN - SBN A2 | AISI304 PARAFUSO AUTO-PERFURANTE PARA METAL . . . . . . . . . . . . . . . 344

WBAZ ANILHA INOXIDÁVEL COM GUARNIÇÃO DE VEDAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 346

TBS EVO PARAFUSO DE CABEÇA LARGA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 348

MTS A2 | AISI304 PARAFUSO PARA CHAPA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 349

MCS A2 | AISI304 PARAFUSO COM ANILHA PARA CHAPAS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 350

MADEIRA - METAL | 339


SBS - SPP

BIT INCLUÍDOS

PARAFUSO AUTO-PERFURANTE PARA MADEIRA- METAL PONTA MADEIRA-METAL Especial broca auto-perfurante com geometria de respiro para uma excelente capacidade de perfuração seja em alumínio (até 10 mm de espessura) que em aço (até 8 mm de espessura).

ALHETAS FRESADORAS As aletas protegem a rosca do parafuso durante a penetração na madeira. Garantem uma máxima eficiência de rosca no metal e uma perfeita adesão entre a espessura em madeira e o metal.

AMPLA GAMA A versão SPP com rosca parcial é ideal para a fixação em aço de painéis em sanduíche também de espessura elevada. Escareadores sub-cabeça afiados para um perfeito acabamento superficial do elemento de madeira.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

broca auto-perfurante com aletas de proteção

CABEÇA

de embeber com nervuras sub-cabeça

DIÂMETRO

de 4,2 a 6,3 mm

COMPRIMENTO

de 32 a 240 mm

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Fixação direta e sem pré-furo de elementos em madeira a subestruturas em aço (espessura máxima 8,0 mm) ou em alumínio (espessura máxima 10,0 mm).

340 | SBS - SPP | MADEIRA - METAL


GEOMETRIA A

d2 d1 t1

dk

d2 d1

Lp

b

s

SP P

SB S

dk

A

s

t1

Lp

b

L

L SBS

SPP

Diâmetro nominal

d1

[mm]

4,2

4,8

5,5

6,3

6,3

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

8,00

9,25

10,50

12,00

12,50

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

3,30

3,50

4,15

4,85

4,85

Espessura da cabeça

t1

[mm]

3,50

4,20

4,80

5,30

5,30

Comprimento da ponta

Lp

[mm]

10,0

10,5

11,5

15,0

20,0

INSTALAÇÃO 01

02

03

Aparafusamento aconselhado: ≈ 1000 - 1500 rpm (chapa em aço) ≈ 600 - 1000 rpm (chapa em alumínio)

CÓDIGOS E DIMENSÕES SBS d1

SPP CÓDIGO

[mm] SBS4232 4,2 TX 20 SBS4238 SBS4838 4,8 TX 25 SBS4845 SBS5545 5,5 TX 25 SBS5550 SBS6360 SBS6370 6,3 TX 30 SBS6385 SBS63100

L

b

A

s1

s2

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

32 38 38 45 45 50 60 70 85 100

19 25 23 30 29 34 40 50 65 80

17 23 21 28 26 31 36 46 61 76

1÷3 1÷3 2÷4 2÷4 3÷5 3÷5 4÷6 4÷6 4÷6 4÷6

2÷4 2÷4 3÷5 3÷5 4÷6 4÷6 6÷8 6÷8 6÷8 6÷8

pçs 500 500 200 200 200 200 100 100 100 100

d1

CÓDIGO

L

b

A

s1

s2

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

SPP63125 SPP63145 SPP63165 6,3 SPP63180 TX 30 SPP63200 SPP63220 SPP63240

125 145 165 180 200 220 240

60 60 60 60 60 60 60

96 116 136 151 171 191 211

6÷8 6÷8 6÷8 6÷8 6÷8 6÷8 6÷8

8÷10 8÷10 8÷10 8÷10 8÷10 8÷10 8÷10

pçs 100 100 100 100 100 100 100

s1 espessura chapa aço S235/St37 s2 espessura chapa alumínio

SIP PANELS A versão SPP é ideal para a fixação de painéis SIP e painéis em sanduíche graças à gama completa com comprimentos até 240 mm.

MADEIRA - METAL | SBS - SPP | 341


SBS A2 | AISI304

BIT INCLUÍDOS

PARAFUSO AUTO-PERFURANTE PARA MADEIRA- METAL PARAFUSO BIMETÁLICO A cabeça e o corpo são fabricados em aço inoxidável A2 | AISI304 para elevadas resistências à corrosão. A ponta é realizada em aço carbónico para uma excelente capacidade de perfuração.

PONTA MADEIRA-METAL Especial broca auto-perfurante com geometria de respiro para uma excelente capacidade de perfuração seja em alumínio que em aço. As aletas protegem a rosca do parafuso durante a penetração na madeira.

AÇO INOXIDÁVEL Ideal para aplicações no exterior graças à cabeça e ao corpo fabricados em aço inoxidável A2 | AISI304. Escareadores sub-cabeça afiados para um perfeito acabamento superficial do elemento de madeira.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

broca auto-perfurante com aletas de proteção

CABEÇA

de embeber com nervuras sub-cabeça

DIÂMETRO

de 4,8 a 6,3 mm

COMPRIMENTO

de 45 a 120 mm

MATERIAL Aço inoxidável A2 | AISI304.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Utilização no exterior em ambientes agressivos. Adequado para classes de serviço 1-2-3. Fixação direta e sem pré-furo de elementos em madeira a subestruturas em aço (espessura máxima 6,0 mm) ou em alumínio (espessura máxima 8,0 mm).

342 | SBS A2 | AISI304 | MADEIRA - METAL


GEOMETRIA A

s d2 d1

dk b

t1

Lp L

Diâmetro nominal

d1

[mm]

4,8

5,5

6,3

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

9,25

10,50

10,50

Diâmetro do núcleo

d2

[mm]

3,50

4,15

4,80

Espessura da cabeça

t1

[mm]

4,00

4,85

4,50

Comprimento da ponta

Lp

[mm]

10,25

10,00

12,00

INSTALAÇÃO 01

02

03

Aparafusamento aconselhado: ≈ 1000 - 1500 rpm (chapa em aço) ≈ 600 - 1000 rpm (chapa em alumínio)

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm] 4,8 SBSA24845 TX 25 5,5 SBSA25555 TX 25

L

b

A

s1

s2

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

45 55

31 39

30 37

1 ÷3 2 ÷5

2 ÷3 3 ÷5

pçs

d1

CÓDIGO

[mm] 200 200

SBSA26370

6,3 TX 30 SBSA263120

L

b

A

s1

s2

pçs

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

70

53

49

3 ÷6

4 ÷8

100

120

103

99

3 ÷6

4 ÷8

100

s1 espessura chapa aço S235/St37 s2 espessura chapa alumínio

AMBIENTE EXTERNO Ideal para utilização em ambientes externos ou agressivos graças ao aço inoxidável A2 | AISI304.

MADEIRA - METAL | SBS A2 | AISI304 | 343


SBN - SBN A2 | AISI304 PARAFUSO AUTO-PERFURANTE PARA METAL PONTA PARA METAL Broca auto-perfurante especial para ferro e aço com espessuras de 0,7 mm a 5,25 mm. Ideal para a fixação de sobreposições metálicas e chapas metálicas.

ROSCA DE PASSO FINO Rosca de passo final ideal para fixações precisas em chapa ou para ajustes metal-metal ou madeira-metal.

AÇO INOXIDÁVEL Disponível também na versão bimetálica com cabeça e corpo em aço inoxidável A2 | AISI304 e ponta em aço carbónico. Ideal para a fixação no esterior de grampos em suportes em alumínio.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

broca auto-perfurante sem aletas de proteção

CABEÇA

de embeber com nervuras sub-cabeça

DIÂMETRO

de 3,5 a 5,5 mm

COMPRIMENTO

de 25 a 50 mm

MATERIAL Aço carbónico zincado ou aço inoxidável A2 | AISI304.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Fixação direta e sem pré-furo de elementos de carpintaria metálica a subestruturas em metal (espessura máxima 5,25 mm).

344 | SBN - SBN A2 | AISI304 | MADEIRA - METAL


GEOMETRIA A

s d1

dk b L

t1

Lp

Diâmetro nominal

d1

[mm]

3,5

3,9

4,2

4,8

5,5

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

6,90

7,50

8,20

9,50

10,80

Espessura da cabeça

t1

[mm]

2,60

2,80

3,05

3,55

3,95

Comprimento da ponta

Lp

[mm]

5,00

4,70

5,40

6,40

7,20

CÓDIGOS E DIMENSÕES SBN A2 | AISI304

SBN d1

CÓDIGO

[mm]

L

b

A

s

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

pçs

d1

CÓDIGO

[mm]

L

b

A

s

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

pçs

3,5 TX 15

SBN3525

25

16

16

0,7 ÷ 2,25

500

3,5 TX 15

SBNA23525

25

16

18

0,7 ÷ 2,25

1000

3,9 TX 15

SBN3932

35

27

26

0,7 ÷ 2,40

200

3,9 TX 15

SBNA23932

32

24

25

0,7 ÷ 2,40

1000

4,2 SBN4238 TX 20

38

30

29

1,75 ÷ 3,00

200

4,8 SBN4845 TX 25

45

34

32

1,75 ÷ 4,40

200

5,5 SBN5550 TX 25

50

38

34

1,75 ÷ 5,25

200

SBN A2 | AISI304 Ideal para a fixação em alumínio de grampo standard Rothoblaas situados em ambientes exteriores.

MADEIRA - METAL | SBN - SBN A2 | AISI304 | 345


WBAZ ANILHA INOXIDÁVEL COM GUARNIÇÃO DE VEDAÇÃO VEDAÇÃO À ÁGUA Fecho perfeitamente estanque e excelente selagem graças à guarnição de vedação em EPDM.

RESISTÊNCIA AOS RAIOS UV Excelente resistência aos raios UV. Ideal para utilização no exterior graças à adaptabilidade da guarnição em EPDM e à nobreza da anilha em aço inoxidável A2 | AISI304.

VERSATILIDADE Ideal em combinação com parafuso TBS EVO Ø6 instalável sem pré-furo em chapas até 0,7 mm de espessura ou com parafuso MTS A2 | AISI304 instalável com pré-furo.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

estanquidade e resistência raios UV

GUARNIÇÃO

EPDM

DIÂMETRO DO PARAFUSO

de 6,0 a 6,5 mm

FIXAÇÃO

TBS EVO, MTS A2 | AISI304

MATERIAL Aço inoxidável A2 | AISI304.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Estanquidade e resistente aos raios UV de fixação de chapas metálicas com parafusos TBS EVO ou MTS em subestruturas em madeira.

346 | WBAZ | MADEIRA - METAL


CÓDIGOS E DIMENSÕES D1 CÓDIGO

parafuso

D2

H

D1

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

6,0 - 6,5

25

15

6,5

H WBAZ25A2

pçs 100

D2

INSTALAÇÃO TBS EVO + WBAZ ØxL

A

A

A

6 x 60

mín. 0 - máx. 40

6 x 80

mín. 10 - máx. 60

6 x 100

mín. 30 - máx. 80

6 x 120

mín. 50 - máx. 100

6 x 140

mín. 70 - máx.120

6 x 160

mín. 90 - máx. 140

6 x 180

mín. 110 - máx. 160

6 x 200

mín. 130 - máx. 180

MTS A2 + WBAZ

A

Parafusação correcta

pacote fixável [mm]

pacote fixável

ØxL

Parafusação excessiva

[mm]

6 x 80

mín. 10 - máx. 60

6 x 100

mín. 30 - máx. 80

6 x 120

mín. 50 - máx. 100

Parafusação insuficiente

Parafusação errada fora de eixo

NOTAS: A espessura da anilha, depois da instalação, é equivalente a cerca de 8 - 9 mm.

FALSA TELHA Utilizável também em painéis em sanduíche, onduladas e em falsa telha.

MADEIRA - METAL | WBAZ | 347


TBS EVO

BIT INCLUÍDOS

COATING

ETA 11/0030

PARAFUSO DE CABEÇA LARGA REVESTIMENTO EVO C4 Múltiplas camadas 20 μm com tratamento superficial à base de resina epoxídica e flakes de alumínio. Ausência de ferrugem após testes de 1440 horas de exposição em névoa salina de acordo com ISO 9227. Utilizável no exterior em classe de serviço 3 e em classe de corrosão atmosférica C4.

AUTO-PERFURANTE CHAPA Fixação direta em chapas até 0,7 mm de espessura sem auxílio de pré-furo. Ideal em combinação com anilha WBAZ.

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm] TBSEVO660

6 TX 30

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

60

40

20

pçs

GEOMETRIA

100

TBSEVO680

80

50

30

100

TBSEVO6100

100

60

40

100

TBSEVO6120

120

75

45

100

TBSEVO6140

140

75

65

100

TBSEVO6160

160

75

85

100

TBSEVO6180

180

75

105

100

TBSEVO6200

200

75

125

100

A

A

NOTA: códigos, técnica e outras informações na pág. 82.

MATERIAL Aço carbónico com zincagem galvânica branca.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Instalável sem pré-furo em chapas até 0,7 mm de espessura. Adequado para classes de serviço 1-2-3. Ideal em acoplamento com anilha WBAZ.

348 | TBS EVO | MADEIRA - METAL


MTS A2 | AISI304 PARAFUSO PARA CHAPA CABEÇA SEXTAVADA Ideal em combinação com anilha WBAZ para fixação estanho em chapa após pré-furo. A cabeça sextavada facilita eventuais desinstalações posteriores.

AÇO INOXIDÁVEL O aço inoxidável A2 | AISI304 garante elevada resistência à corrosão e uma excelente durabilidade também em ambientes muito agressivos.

GEOMETRIA

CÓDIGOS E DIMENSÕES d1

CÓDIGO

[mm] 6 SW 8

dK

duK

L

b

A

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

pçs A

MTS680

8

12,5

80

58

20÷40

100

MTS6100

8

12,5

100

58

40÷60

100

MTS6120

8

12,5

120

58

60÷80

100

A

MATERIAL Aço inoxidável A2 | AISI304.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Utilizável no exterior em ambientes agressivos. Adequado para classes de serviço 1-2-3. Ideal em acoplamento com anilha WBAZ.

MADEIRA - METAL | MTS A2 | AISI304 | 349


MCS A2 | AISI304 PARAFUSO COM ANILHA PARA CHAPAS ANILHA INTEGRADA Parafuso em aço inoxidável A2 | AISI304 com anilha integrada em aço inoxidável A2 | AISI304 e guarnição de vedação em EPDM.

AÇO INOXIDÁVEL O aço inoxidável A2 | AISI304 garante elevada resistência à corrosão. Disponível também com coloração cobre ou castanho chocolate.

PONTEIRA TORX Cabeça convexa com ranhura Torx para fixação segura de obras de latoaria sobre madeira ou reboco. Ideal para a fixação em madeira de calhas e rebordos de chapa.

CARACTERÍSTICAS FOCUS

anilha com guarnição em EPDM integrada

ANILHA

aço inoxidável A2 | AISI304

GUARNIÇÃO

EPDM

DIÂMETRO

4,5 mm

COMPRIMENTO

de 25 a 120 mm

MATERIAL Aço inoxidável A2 | AISI304.

CAMPOS DE APLICAÇÃO Utilizável no exterior em ambientes agressivos. Adequado para classes de serviço 1-2-3. Fixação de elementos de carpintaria metálica a subestruturas em madeira.

350 | MCS A2 | AISI304 | MADEIRA - METAL


GEOMETRIA

D

d1

dk L

Diâmetro nominal

d1

[mm]

4,5

Diâmetro da cabeça

dk

[mm]

8,30

Diâmetro da anilha

D

[mm]

20,00

CÓDIGOS E DIMENSÕES MCS A2: aço inoxidável d1

MCS CU: acabamento cobreado CÓDIGO

[mm]

4,5 TX 20

L

pçs

[mm]

L

pçs

[mm]

25

200

MCS4525CU

25

200

MCS4535A2

35

200

MCS4535CU

35

200

MCS4545A2

45

200

MCS4560A2

60

200

MCS4580A2

80

200

MCS45100A2

100

MCS45120A2

120

CÓDIGO

[mm] 4,5 TX 20

CÓDIGO

MCS4525A2

MCS4545CU

45

200

MCS4560CU

60

200

MCS4580CU

80

200

200

MCS45100CU

100

200

200

MCS45120CU

120

200

L

pçs

MCS M: RAL 8017 - castanho chocolate d1

d1 [mm]

4,5 TX 20

MCS B: RAL 9002 - branco acinzentado L

pçs

[mm]

d1

CÓDIGO

[mm]

MCS4525A2M

25

200

MCS4535A2M

35

200

MCS4545A2M

45

200

4,5 TX 20

[mm] MCS4525A2B

25

200

MCS4535A2B

35

200

MCS4545A2B

45

200

PÉRGOLAS Ideal para a fixação em madeira dos rebordos de pérgola e de estruturas situadas em ambientes externos.

MADEIRA - METAL | MCS A2 | AISI304 | 351


PRODUTOS COMPLEMENTARES


PRODUTOS COMPLEMENTARES


PRODUTOS COMPLEMENTARES A 10 M BERBEQUIM-APARAFUSADOR COM BATERIA. . . . . . . . . . . . . . . . 356

A 18 M BL BERBEQUIM COM BATERIA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 356

KMR 3373 CARREGADOR AUTOMÁTICO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 357

KMR 3372 CARREGADOR AUTOMÁTICO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 357

KMR 3338 APARAFUSADOR COM CARREGADOR AUTOMÁTICO. . . . . . . . . 358

KMR 3352 APARAFUSADOR COM CARREGADOR AUTOMÁTICO. . . . . . . . . 358

IMPULS APARAFUSADOR POR IMPULSOS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 359

B 13 B BERBEQUIM APARAFUSADOR. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 359

BIT PONTEIRAS TORX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 360

DISPOSITIVO FIXAÇÃO SBD ESTAÇÃO DE APARAFUSAMENTO COM COLUNA PARA PINOS AUTO-PERFURANTES SBD . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 361

D 38 RLE BERBEQUIM APARAFUSADOR DE 4 VELOCIDADES. . . . . . . . . . . 362

CONJUNTO ESCAREADOR COM REGULADOR DE PROFUNDIDADE. . . . . . . 363

PORTA-PONTEIRAS COM FIM DE CURSO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 363

BROCAS HELICOIDAIS PARA FUROS PROFUNDOS EM MADEIRAS BRANDAS E MADEIRAS DURAS EUROPEIAS. . . . . . . . . . . . . . . . . . 364

BROCAS PARA MADEIRA HSS BROCAS HELICOIDAIS PARA MADEIRAS DURAS, PAINÉIS LAMINADOS E OUTROS MATERIAIS . . . . . . . . . 366

JIG VGZ GABARITO PARA PARAFUSOS A 45°. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 367

JIG VGU GABARITO PARA ANILHA VGU. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 367

PRODUTOS COMPLEMENTARES | 355


A 10 M BERBEQUIM-APARAFUSADOR COM BATERIA • • • • •

Momento de torção macio / duro: 17/34 Nm Mínimo nominal 1° marcha: 0 - 360 (1/min) Mínimo nominal 2° marcha: 0 - 1400 (1/min) Tensão nominal: 10,8 V Peso: 0,8 kg

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

descrição

pçs

MA919901

MIDIMAX IN T-MAX

1

MA919902

MAXIMAX IN T-MAX

1

A 18 M BL BERBEQUIM COM BATERIA • • • • •

Momento de torção macio / duro: 44/90 Nm Mínimo nominal 1° marcha: 0 - 600 (1/min) Mínimo nominal 2° marcha: 0 - 2050 (1/min) Tensão nominal: 18 V Peso: 1,7 kg

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

descrição

MA91A001

MIDIMAX IN T-MAX

1

MA91A040

MAXIMAX IN T-MAX

1

356 | A 10 M | A 18 M BL | PRODUTOS COMPLEMENTARES

pçs


KMR 3373 CARREGADOR AUTOMÁTICO • Comprimento do parafuso: 25 - 50 mm • Diâmetro do parafuso: 3,5 - 4,2 mm • Compatível com A 18 M BL

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

descrição

pçs

HH3373

carregador para aparafusador com bateria

1

HH14411591

extensão 1 metro

1

KMR 3372 CARREGADOR AUTOMÁTICO • Comprimento do parafuso: 40 - 80 mm • Diâmetro do parafuso: 4,5 - 5 mm • Compatível com A 18 M BL

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

descrição

pçs

HH3372

carregador para aparafusador com bateria

1

HH14411591

extensão 1 metro

1

PRODUTOS COMPLEMENTARES | KMR 3373 | KMR 3372 | 357


KMR 3338 APARAFUSADOR COM CARREGADOR AUTOMÁTICO • • • •

Comprimento do parafuso: 40 - 80 mm Diâmetro do parafuso: 4,5 - 5 mm Prestações: 0 - 2850/750 (1/min/W) Peso: 2,9 kg

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

descrição

pçs

HH3338

aparafusador automático

1

HH14411591

extensão 1 metro

1

KMR 3352 APARAFUSADOR COM CARREGADOR AUTOMÁTICO • • • •

Comprimento do parafuso: 25 - 50 mm Diâmetro do parafuso: 3,5 - 4,2 mm Prestações: 0 - 2850/750 (1/min/W) Peso: 2,2 kg

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

descrição

HH3352

aparafusador automático

1

HH14411591

extensão 1 metro

1

358 | KMR 3338 | KMR 3352 | PRODUTOS COMPLEMENTARES

pçs


IMPULS APARAFUSADOR POR IMPULSOS • • • • • •

Momento de torção: 50 - 140 - 205 Nm Velocidade a vazio: 0 - 2300 rpm Capacidade bateria - Li-Ion: 3.0 Ah Tensão nominal: 18 V Peso: 1,35 kg Juntura: 1/2" (polegadas)

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

descrição

PANIMP18

aparafusador por impulsos

pçs 1

B 13 B BERBEQUIM APARAFUSADOR • • • • • •

Potência nominal absorvida: 760 W Apertar sem pré-furo: parafusos de 11 x 400 mm Momento de torção: 120 Nm Peso: 2,8 kg Ø pescoço: 43 mm Número de rotações sob carga em 1ª, 2ª velocidade: 170 - 1320 U/min

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

descrição

DUB13B

berbequim aparafusador

pçs 1

PRODUTOS COMPLEMENTARES | IMPULS | B 13 B | 359


BIT PONTEIRAS TORX CÓDIGOS E DIMENSÕES PONTEIRAS C 6.3 L

CÓDIGO

ponteira

cor

pçs

TX1025

TX 10

amarelo

10

TX1525

TX 15

branco

10

TX2025

TX 20

laranja

10

TX2525

TX 25

vermelho

10

TX3025

TX 30

viola

10

TX4025

TX 40

azul

10

TX5025

TX 50

verde

10

TX1550

TX 15

branco

5

TX2050

TX 20

laranja

5

TX2550

TX 25

vermelho

5

TX3050

TX 30

viola

5

TX4050

TX 40

azul

5

TX5050

TX 50

verde

5

TX1575

TX 15

branco

5

TX2075

TX 20

laranja

5

TX2575

TX 25

vermelho

5

CÓDIGO

ponteira

cor

pçs

TXE3050

TX 30

viola

5

TXE4050

TX 40

azul

5

CÓDIGO

ponteira

cor

pçs

150

TX25150

TX 25

vermelho

1

200

TX30200

TX 30

viola

1

350

TX30350

TX 30

viola

1

150

TX40150

TX 40

azul

1

200

TX40200

TX 40

azul

1

350

TX40350

TX 40

azul

1

520

TX40520

TX 40

azul

1

150

TX50150

TX 50

verde

1

geometria

[mm]

25

50

75

PONTEIRAS E 6.3 L

geometria

[mm] 50

PONTEIRAS LONGAS L

geometria

[mm]

PORTA-PONTEIRA CÓDIGO

descrição

pçs

TXHOLD

60 mm - magnético

5

360 | BIT | PRODUTOS COMPLEMENTARES

geometria


DISPOSITIVO FIXAÇÃO SBD ESTAÇÃO DE APARAFUSAMENTO COM COLUNA PARA PINOS AUTO-PERFURANTES SBD RÁPIDO Trabalha com a velocidade ideal para a inserção de pinos SBD.

PRECISO Garante processamentos perfeitamente verticais/horizontais.

PRÁTICO Permite inserir os pinos no modo certo sem grandes esforços.

• • • • • •

Potência nominal absorvida: 1200 W Potência rendimento: 680 W Número de rotações sob carga: 0 - 520 U/min Peso máquina (sem coluna): 4,35 kg Peso total: 10,2 kg Comprimento do cabo: 4 m

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

descrição

SBDTOOL

dispositivo de fixação SBD

pçs 1

PRODUTOS COMPLEMENTARES | DISPOSITIVO FIXAÇÃO SBD | 361


D 38 RLE BERBEQUIM APARAFUSADOR DE 4 VELOCIDADES • Potência nominal absorvida: 2000 W • Ø de perfuração em: • aço com ponta integral: até 32 mm • madeira com ponta integral: até 130 mm • polipropileno com fresa com caçamba LS: até 600 mm • Número de rotações sob carga em 1ª, 2ª, 3ª e 4ª velocidade: 120 - 210 - 380 - 650 U/min • Peso: 8,6 kg • Ligação mandril: cónico MK 3

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

descrição

DUD38RLE

aparafusador de 4 velocidade

pçs 1

ACESSÓRIOS FRICÇÃO

PEGA DE PARAFUSO

• Força de aperto 200 Nm • Ligação estrutura 1/2”

MANDRIL

• Segurança aprimorada

• Abertura 1-13 mm

CÓDIGO

pçs

CÓDIGO

pçs

DUVSKU

1

DUD38SH

1

ADAPTADOR 1

ADAPTADOR 2

• Para MK3

CÓDIGO ATRE2019

1

CÓDIGO ATCS2010

362 | D 38 RLE | PRODUTOS COMPLEMENTARES

pçs

ATRE2014

1

MANGAS

• Para manga

pçs

CÓDIGO

• Para RTR

CÓDIGO

Ø

pçs

pçs

ATCS007

16 mm

1

1

ATCS008

20 mm

1


CONJUNTO ESCAREADOR COM REGULADOR DE PROFUNDIDADE • Particularmente indicado para a construção de terraços • O regulador de profundidade com suporte giratório permanece fixo no elemento em processamento, sem deixar vestígios no material

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO F3577040

Ø ponta

Ø escareador

[mm]

[mm]

4, 5, 6

12

pçs 1

PORTA-PONTEIRAS COM FIM DE CURSO • Com O-ring para prevenir danos à madeira em fim de curso • O dispositivo interno interrompe automaticamente o porta-ponteira ao atingir a profundidade definida

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

Ø ponta

Ø escareador

[mm]

[mm]

AT4030

profundidade regulável

5

pçs 1

PRODUTOS COMPLEMENTARES | CONJUNTO | PORTA-PONTEIRAS | 363


BROCAS HELICOIDAIS PARA FUROS PROFUNDOS EM MADEIRAS BRANDAS E MADEIRAS DURAS EUROPEIAS • Em liga metálica de aço especifica para ferramentas • Com ranhura em espiral redonda, ponta de rosca, dente principal e esboçador de elevada qualidade • Versão com cabeça independente e haste hexagonal (a partir de ø 8 mm)

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

Ø ponta

Ø haste

LT

LE

pça

CÓDIGO

F1410314

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

F1410205

5

4,5

235

160

1

Ø ponta

Ø haste

LT

LE

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

14

13

320

255

pça

1

F1410206

6

5,5

235

160

1

F1410316

16

13

320

255

1

F1410207

7

6,5

235

160

1

F1410318

18

13

320

255

1

F1410208

8

7,8

235

160

1

F1410320

20

13

320

255

1

F1410210

10

9,8

235

160

1

F1410322

22

13

320

255

1

F1410212

12

11,8

235

160

1

F1410324

24

13

320

255

1

F1410214

14

13

235

160

1

F1410326

26

13

320

255

1

F1410216

16

13

235

160

1

F1410328

28

13

320

255

1

F1410218

18

13

235

160

1

F1410330

30

13

320

255

1

F1410220

20

13

235

160

1

F1410332

32

13

320

255

1

F1410222

22

13

235

160

1

F1410407

7

6,5

460

380

1

F1410224

24

13

235

160

1

F1410408

8

7,8

460

380

1

F1410228

28

13

235

160

1

F1410410

10

9,8

460

380

1

F1410230

30

13

235

160

1

F1410412

12

11,8

460

380

1

F1410232

32

13

235

160

1

F1410414

14

13

460

380

1

F1410242

42

13

235

160

1

F1410416

16

13

460

380

1

F1410305

5

4,5

320

255

1

F1410418

18

13

460

380

1

F1410306

6

5,5

320

255

1

F1410420

20

13

460

380

1

F1410307

7

6,5

320

255

1

F1410422

22

13

460

380

1

F1410308

8

7,8

320

255

1

F1410312

12

11,8

320

255

1

F1410309

9

8

320

255

1

F1410314

14

13

320

255

1

F1410310

10

9,8

320

255

1

F1410316

16

13

320

255

1

F1410312

12

11,8

320

255

1

F1410318

18

13

320

255

1

364 | BROCAS HELICOIDAIS | PRODUTOS COMPLEMENTARES


CÓDIGO

F1410320

Ø ponta

Ø haste

LT

LE

pça

CÓDIGO

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

20

13

320

255

1

F1410618

Ø ponta

Ø haste

LT

LE

pça

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

18

13

650

535

1

F1410322

22

13

320

255

1

F1410620

20

13

650

535

1

F1410324

24

13

320

255

1

F1410622

22

13

650

535

1

F1410326

26

13

320

255

1

F1410624

24

13

650

535

1

F1410328

28

13

320

255

1

F1410626

26

13

650

535

1

F1410330

30

13

320

255

1

F1410628

28

13

650

535

1

F1410332

32

13

320

255

1

F1410630

30

13

650

535

1

F1410407

7

6,5

460

380

1

F1410632

32

13

650

535

1

F1410408

8

7,8

460

380

1

F1410014

14

13

1 080

1 010

1

F1410410

10

9,8

460

380

1

F1410016

16

13

1 080

1 010

1

F1410412

12

11,8

460

380

1

F1410018

18

13

1 080

1 010

1

F1410414

14

13

460

380

1

F1410020

20

13

1 080

1 010

1

F1410416

16

13

460

380

1

F1410022

22

13

1 080

1 010

1

F1410418

18

13

460

380

1

F1410024

24

13

1 080

1 010

1

F1410420

20

13

460

380

1

F1410026

26

13

1 080

1 010

1

F1410422

22

13

460

380

1

F1410028

28

13

1 080

1 010

1

F1410424

24

13

460

380

1

F1410030

30

13

1 080

1 010

1

F1410426

26

13

460

380

1

F1410032

32

13

1 080

1 010

1

F1410428

28

13

460

380

1

F1410134

34

13

1 000

380

1

F1410430

30

13

460

380

1

F1410136

36

13

1 000

380

1

F1410432

32

13

460

380

1

F1410138

38

13

1 000

380

1

F1410440

40

13

450

380

1

F1410140

40

13

1 000

380

1

F1410450

50

13

450

380

1

F1410145

45

13

1 000

380

1

F1410612

12

11,8

650

535

1

F1410150

50

13

1 000

380

1

F1410614

14

13

650

535

1

F1410616

16

13

650

535

1

CONJUNTO DE BROCAS HELICOIDAIS

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

Ø set

LT

LE

pça

[mm]

[mm]

[mm]

F1410200

10, 12, 14, 16, 18, 20, 22, 24

235

160

F1410303

10, 12, 14, 16, 18, 20, 22, 24

320

255

1

F1410403

10, 12, 14, 16, 18, 20, 22, 24

460

380

1

1

PRODUTOS COMPLEMENTARES | BROCAS HELICOIDAIS | 365


BROCAS PARA MADEIRA HSS BROCAS HELICOIDAIS PARA MADEIRAS DURAS, PAINÉIS LAMINADOS E OUTROS MATERIAIS • Pontas polidas de elevada qualidade, com 2 gumes principais e 2 dentes esboçadores • Espiral especial com interior suave, para uma melhor descarga das aparas • Ideal para uso estacionário e manualmente livre

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

Ø ponta

Ø haste

LT

LE

pça

CÓDIGO

Ø ponta

Ø haste

LT

LE [mm]

pça

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

F1594020

2

2

49

22

1

F1599209

9

9

250

180

1

F1594030

3

3

60

33

1

F1599210

10

10

250

180

1

F1594040

4

4

75

43

1

F1599212

12

12

250

180

1 1

F2108005

5

5

85

52

1

F1599214

14

13

250

180

F2108006

6

6

92

57

1

F1599216

16

13

250

180

1

F2108008

8

8

115

75

1

F1599405

5

5

400

300

1

F1594090

9

9

125

81

1

F1599406

6

6

400

300

1

F1594100

10

10

130

87

1

F1599407

7

7

400

300

1

F1594110

11

11

140

94

1

F1599408

8

8

400

300

1

F1594120

12

12

150

114

1

F1599409

9

9

400

300

1

F1599205

5

5

250

180

1

F1599410

10

10

400

300

1

F1599206

6

6

250

180

1

F1599412

12

12

400

300

1

F1599207

7

7

250

180

1

F1599414

14

13

400

300

1

F1599208

8

8

250

180

1

F1599416

16

13

400

300

1

CONJUNTO DE BROCAS PARA MADEIRA HSS CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

Ø set

pça

[mm] F1594805

3, 4, 5, 6, 8

1

F1594510

3, 4, 5, 6, 8, 10, 12, 13, 14, 16

1

366 | BROCAS PARA MADEIRA HSS | PRODUTOS COMPLEMENTARES


JIG VGZ GABARITO PARA PARAFUSOS A 45° • Para diâmetros de 7 a 11 mm • Indicadores de comprimento do parafuso • Possibilidade de inserir os parafusos em dupla pendência a 45º

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO JIGVGZ45

descrição

pçs

gabarito em aço para parafusos VGZ a 45°

1

NOTA: obter mais informações na pág. 134.

JIG VGU GABARITO PARA ANILHA VGU • Para diâmetros de 9 a 13 mm

CÓDIGOS E DIMENSÕES CÓDIGO

anilha

dh

dv

[mm]

[mm]

[mm]

pçs

JIGVGU945

VGU945

5,5

5

1

JIGVGU1145

VGU1145

6,5

6

1

JIGVGU1345

VGU1345

8,5

8

1

NOTA: obter mais informações na pág. 196.

PRODUTOS COMPLEMENTARES | JIG VGZ | JIG VGU | 367


As quantidades dentro das embalagens podem variar. Não nos responsabilizamos por eventuais erros de impressão, dados técnicos e traduções. Texto de referência original: Italiano Eventuais atualizações estão à disposição em www.rothoblaas.pt As ilustrações são parcialmente completadas com acessórios não incluídos. Imagens para fins ilustrativos. O presente catálogo é de propriedade exclusiva da Rotho Blaas srl e não pode ser copiado, reproduzido ou publicado, nem sequer em trechos, sem o prévio consentimento por escrito. Toda e qualquer violação será perseguida por lei. Os valores fornecidos devem ser verificados pelo projectista responsável. Todos os direitos reservados. Copyright © 2019 by Rothoblaas Todos os render © Rothoblaas


FIXAÇÃO VEDAÇÃO DO AR E IMPERMEABILIZAÇÃO ACÚSTICA ANTI-QUEDA MÁQUINAS E FERRAMENTAS

Via dell‘Adige N.2/1 | 39040, Cortaccia (BZ) | Italia Tel: +39 0471 81 84 00 | Fax: +39 0471 81 84 84 info@rothoblaas.com | www.rothoblaas.pt

COD

Rotho Blaas Srl

01SCREWS1PT

04|19

A Rothoblaas é a multinacional italiana que transformou a inovação tecnológica na sua própria missão, tornandose em poucos anos líder em tecnologias para construções de madeira e para a segurança. Graças à gama completa e a uma rede de vendas capilar e tecnicamente preparada, comprometeu-se a transferir este know how a todos os seus clientes, propondo-se como parceiro principal para o desenvolvimento e a inovação de produtos e técnicas de construção. Tudo isto contribui para uma nova cultura da construção sustentável, direcionada para aumentar o conforto habitacional e reduzir as emissões de CO2.

Profile for Rothoblaas

PARAFUSOS E CONECTORES PARA MADEIRA - PT  

Rothoblaas desenvolve, testa, produz, certifica e comercializa os seus produtos com o seu nome e com o seu brand. O processo de produção é s...

PARAFUSOS E CONECTORES PARA MADEIRA - PT  

Rothoblaas desenvolve, testa, produz, certifica e comercializa os seus produtos com o seu nome e com o seu brand. O processo de produção é s...