Issuu on Google+

Turma 61

E.E.E.F. ADELAIDE ALVIM PROFESSORA – ROSÂNGELA M. SAMANIEGO ARTES


A FLORESTA E O BOITATÁ Em uma noite sombria de verão, em um céu escuro e tenebroso, enquanto um grupo de cavaleiros viajava num campo sombrio de uma cidade, algo assustador apareceu em sua frente. Era uma senhora com vestes rasgadas e sujas, que parou na frente deles e falou: O que tão nobres cavaleiros fazem por aqui? - Estamos em busca de aventura! A tal senhora disse que vários cavaleiros haviam passado por ali, mas tinham só passado, não voltaram. Ela disse que havia uma floresta na qual eles haviam de passar, e diz ela, que lá quando se passava não se voltava mais. Um dos cavaleiros disse: - Senhora, muito obrigada pela informação , foi muito útil. A senhora lentamente foi sumindo no escuro da temível noite. Os destemidos aventureiros, disseram: - Vamos seguir em frente, e ir até a tal floresta. Um deles perguntou: - E se for muito perigoso? Um dos cavaleiros abriu o seu elmo, e falou para um de seus companheiros: - Eu me tornei um cavaleiro por causa do perigo. Então, perto da floresta perceberam gritos diabólicos, provavelmente de uma criatura, por que não pareciam de um ser humano, afinal, a floresta que mais parecia um labirinto, possuía na sua entrada, crânios de pessoas, roupas e até armaduras, bem como, restos de cavalos de antigos cavaleiros, quer ali passaram. Mas eles tiveram uma surpresa ainda maior, quando entraram naquela floresta. Um cavaleiro sem um braço apoiado em sua espada veio na direção deles. E eles imediatamente ajudaram o pobre homem, que estava muito fraco, quase morrendo. E o homem falou: _ Não entrem lá, pois é muito perigoso. E acabou falecendo ali mesmo. - Viemos atrás de aventura. Vamos


- Viemos atrás de aventura. Vamos entrar e ver o que se passa lá dentro da floresta, afinal somos muitos e somos fortes. Quem pode nos vencer? - Vamos e entremos, corajosos como sempre fomos! Eles possuíam muito ferro por causa das armaduras, e era disso que a criatura que vivia na floresta gostava de muito ferro. Só que eles não sabiam e entraram mais profundamente na floresta escura, nas paredes feitas de árvores que formavam um labirinto. Um clarão deslumbrante. Eles perguntaram uns para os outros: - Mas o que é isso? Será um sinal? Não sabiam o que os esperavam. No decorrer da sua aventura, souberam que aquele fogo era o BOITATÁ. A temível criatura de fogo, que assombrava e acabava com quem ousasse entrar em sua casa. Assim, devorou quem estava na sua frente. Deveras quase todos os cavalheiros destemidos se foram. Quase todos! Por que sobraram só dois, que com seus laços de ferro amarraram a temível criatura até o amanhecer. Assim ela desapareceu. E eles nunca mais voltaram lá. Mas outros voltaram mesmo à senhora avisando que era perigoso. A senhora na verdade era um espírito, vítima da terrível criatura de fogo. Então, quando a senhora avisar-lhes sobre o perigo da floresta, obedeça e a escute, porque se você for até lá, poderá não retornar. Cléo e Ezequiel – Escola Adelaide Alvim,T:61/2010


A MENINA E O BOITATÁ Era uma vez numa grande fazenda onde morava uma família e havia uma menina que se chamava Mirna. Num belo dia de sol, ela saiu para brincar na floresta, e disse para sua mãe que voltava logo. Ela foi passeando quando começou a anoitecer e se perdeu. Viu uma luz, pensou que era o caminho de volta para casa. Mas não. Era o Boitatá. A menina não sabia o que fazer, e ficou presa na floresta com o Boitatá. Os pais de Mirna não a acharam. O Boitatá a prendeu porque ela carregava uma boneca de ferro. Depois de muito tempo ela largou a boneca, o Boitatá foi embora, e ela voltou para a fazenda. Mirna contou para os seus pais que havia passado o verão com o Boitatá. Eles não acreditaram, e ela ficou muito triste, porque sabia que havia ficado o verão todinho presa. Então, resolveu escrever um livro sobre a criatura. Certo dia a menina pegou sua boneca e uma lanterna, e foi para a floresta com seus pais. Lá encontrou o Boitatá. Daí conseguiu provar para eles que o Boitatá existia. Assim, durante muito tempo, a menina com sua boneca de ferro e seu livro, esperavam o verão para ver o Boitatá, que ficou seu amigo. A menina se formou na faculdade para ser professora, e sempre contava para seus alunos a história de seu livro. Andressa e Jéssica – Escola Adelaide Alvim, T:61/2010


Boitatá O Boitatá estava calmamente olhando umas pessoas montando um acampamento. Ele viu uma chama e não gostou, e foi em direção ao acampamento. Mas antes que pudesse matar e destruir o acampamento, o boi viu uma armadura de ferro. Um homem que estava dentro da barraca saiu correndo apavorado. E o boi atrás dele. Mas, ele percebeu que o boi o seguia por causa da armadura. Aí teve a ideia de tirá-la. Assim, o boi em vez de matar o rapaz, começou a comer a armadura. Então, ele viu que o boi não era mal, só estava com fome, por isso, o seguia. Desde então, o cara esta com o boi que tornou-se seu animal de estimação. Talles e Lucas – Escola Adelaide Alvim, T:61/2010


O Boitatá

Numa linda noite escura perto de uma praia estava um casal romântico de namorados. O homem fala: - Eu te trouxe aqui perto desta praia linda, com esta lua maravilhosa para te pedir ... Bem na hora que o homem ia pedi-la em casamento, escutou um barulho, que veio da escuridão. Então, ele perguntou: - o que foi isso? Tem alguém aí? A moça disse: - eu estou com medo. - Não precisa ter medo meu amor, eu acho que deve ser um homem ou um bicho. -Eu estou aqui para te proteger, amor. E assim, ele pede a moça em casamento. Ela aceita. Eles sentam para namorar, e o Boitatá mata a moça. O homem ficou arrasado. O Boitatá nunca mais voltou naquela praia. E o pobre homem ficou noivo e viúvo ao mesmo tempo. Bruna, Karolin e Natiele – Escola Adelaide Alvim,T:61/2010


lendas sobre o boitatá