Issuu on Google+

Ano II - #01 - Distribuição gratuita

Especial

Mundo plural Personalidades negras protagonistas de nosso tempo

Brilho eterno de Brigitte Bardot Ao completar 75 anos, musa do cinema ganha exposição e continua a inspirar mundo da moda

Turismo | Cultura | Moda | Beleza | Comportamento | Arquitetura | Tecnologia | Gastronomia | Vinhos


2


3


4


São Paulo • Shopping Iguatemi Piso Superior (11) 3323-3520 • Rua Haddock Lobo, 1550 (11) 3323-3510 5 Rio de Janeiro • Fashion Mall 3º Piso (21) 2422-3773


Editorial Caros leitores, nós da Estação Aeroporto aproveitamos para fazer uma homenagem a uma das mulheres mais irreverentes do planeta, Brigitte Bardot. Ela, que acaba de completar 75 anos, foi a loira que infernizou os homens na década de 50. Emancipada em seu tempo, foi a primeira mulher a usar duas peças na praia, o biquíni! Mulher de várias paixões, de rosto sexy, seios grandes e cinturinha de vespa... Brigitte, que hoje é a maior lutadora pela causa da PETA, vive uma vida calma, completamente diferente daquela de símbolo sexual máximo do cinema. Aproveitamos a inspiração e fizemos um editorial de moda baseado na diva, produzido por Samira Campos. Falando em precursores, dia 20 é o Dia da Consciência Negra. Destacamos alguns ícones culturais e políticos que estão mudando o mundo e a cabeça das pessoas. Obama, Mandela, Thaís Araújo e Gilberto Gil abrilhantam

nossas páginas com suas histórias vitoriosas. E também a bela Thandie Newton, em entrevista exclusiva, e uma seleção de livros sobre o tema. Enquanto isso, nesse clima de mudança mundial, um pouco de história. O deputado Ismael dos Santos, que esteve em Berlim logo após a queda do muro, descreve o clima da época em nossa seção “Lugares Por Onde Andei”. Por sinal, o momento histórico completa 20 anos, e o mundo festeja esta vitória. E se o assunto é viagem, começamos a sair das serras em busca de mar em nossas galerias de turismo. Lugares deslumbrantes, que são híbridos entre inverno e verão. Procuramos trazer a todos uma leitura agradável, interessante e cheia de diversidade. Aqui vamos nós, já pensando na edição que vem a seguir! Um beijo e fiquem com Deus! Narrimann

Expediente DIRETORA Narriman Chede narrichede@estacaoaeroporto.com

COMUNICAÇÃO E PROJETOS ESPECIAIS Priscila Bernardi priscila.bernardi@estacaoaeroporto.com

JORNALISTA RESPONSÁVEL Rodrigo Brasil - MTB SC-02811 JP rodrigobrasil@estacaoaeroporto.com

COLABORARAM NESTA EDIÇÃO Renata Valeriano - Mimos e Beleza Lugares por onde Andei - Ismael dos Santos Fotos Matheus Alves – editorial de moda

EDITOR CULTURAL E ENTRETENIMENTO Dani Ferrera daniferrera@estacaoaeroporto.com PROJETO GRÁFICO Rodrigo Kurtz rodrigokurtz@estacaoaeroporto.com CONSULTOR DE BELEZA Marcello Marcondes marcellomarcondes@estacaoaeroporto.com MARKETING Guilherme Miranda guilherme@estacaoaeroporto.com COLUNISTAS Syomara Besen syo@floripa.com.br Raul Caldas contato@raulcaldasfilho.com.br Gerson Lopes gplvino@terra.com.br

6

REPRESENTANTES DE PUBLICIDADE São Paulo Sônia Meireles (11) 9250 1273 Rua Carlos Weber, 1197 - São Paulo - SP - 05303-000 sonia.meireles@estacaoaeroporto.com Priscila Bernardi (11) 8163-9622 priscila.bernardi@estacaoaeroporto.com Brasília Alberto Moreira Rosa Neto (61) 3323-4701 betico@centralcomunicacao.com.br Goiânia Gisella Silva Oliveira (62) 9979-6413 gisella.oliveira@estacaoaeroporto.com Curitiba Mirian Lins (41) 3232-3466 paraná@centralcomunicacao.com.br

Florianópolis Enilson Tartari (48) 8466 0339, (48) 8436 1213 enilson@estacaoaeroporto.com Sônia Meireles 48) 9616 1276 sonia.meireles@estacaoaeroporto.com REDAÇÃO Rua: Anita Garibaldi 79 sala 606 - Centro Executivo Miguel Daux - Florianópolis (SC) Tel. (48) 3222-1840 | redacao@estacaoaeroporto.com A revista Estação Aeroporto é uma publicação mensal da E EDITORA LTDA ME - Revistas. Rua Jerônimo Coelho, 293, Sala 201 - CEP 88010030 - Florianópolis, SC. (48) 3222 1840.

Redes sociais www.facebook.com/estacao.aeroporto www.twitter.com/estacao


Sumário

30

Brigitte Bardot

24

Consciência Negra 06 Editorial 08 Horizontes 10 Mimos 12 Lugares por onde andei 14 Beleza 16 Aposte 18 Decoração 20 Turismo Internacional 22 Habitat 24 Inspiração 28 Tecnologia 30 Capa

60

Thandie Newton

46

Xilogravura

34 Cultura 50 Desembarque 57 Vinho e Sexualidade 58 Gastronomia 60 Entrevista 64 Moda 74 Mais Estação 76 Social 79 Velocidade 81 Perfil 82 Estação Final 85 Crônica 7


Horizontes

Espírito Santo

Fotos: Divulgação

Entre praias, peixes e portos

Barcos ancorados na Ilha do Frade

B

elas praias, monumentos históricos, culinária rica, portos gigantescos e ótima pescaria e são algumas das atrações do Espírito Santo. Muito visitado pelos vizinhos mineiros, o estado possui mais de 400km de litoral, desde Marataízes, ao sul, até Itaúnas, no extremo norte, a cerca de 260km de Vitória. Fundada em 1551, na ilha da Vitória, às margens da baía de mesmo nome, a capital do Estado abriga dois dos mais importantes portos do País – Tubarão e Vitória-, por onde escoa grande parte da carga de minérios exportada, vinda dos Estados de Minas Gerais e do Pará. Além de belas praias, quem visita Vitória encontra muitas outras atrações, como o centro da cidade, que guarda muito da sua história em construções coloniais, palácios e igrejas. A tradição também chega até à cozinha, onde sao utilizadas panelas de barro feitas artesanalmente, que servem pratos típicos como a moqueca e a torta capixaba. Dentro e fora do Brasil, o litoral do Estado do Espírito Santo é famoso pela variedade e quantidade de peixes. Nas praias de Camburi, Ilhas do Frade e Boi, e em toda

8

orla da Baía, a pesca de arremesso, redinha ou puçá rende ao turista boas histórias, ou quem sabe um troféu, num dos inúmeros concursos realizados na ilha. Situada a apenas 12 m de distância da capital Vitória, Vila Velha segue em pleno crescimento econômico. Seu porto, um dos destaques neste crescimento, é um dos maiores orgulhos da população “canela-verde”. A Terceira Ponte, a maior construção realizada no Espírito Santo, é a principal ligação entre Vitória, Vila Velha e o litoral sul do estado. Ao todo, são pouco mais de 3 km de extensão e 70 metros de altura. Mais ao norte, o Parque Estadual de Itaúnas é um santuário ecológico permeado pelo Rio Itaúnas, com 38 km de praia e sete diferente ecossistemas: praia, rio, alagado, manguezal, restinga e a Floresta Atlântica de Tabuleiro. Toda a região é conhecida por suas belezas naturais. Mas a Vila ganhou fama mesmo por causa do forró, ritmo que anima as noites locais e envolve os visitantes. Todo mês de julho, a cidade sedia o Festival Nacional do Forró, atraindo forrozeiros de todo o país.


Fotos Divulgação

Santuário das Neves, Presidente Kennedy

Mais informações: Secretaria de Turismo: www.es.gov.br/site/turismo

Acima, esquerda: Urbana, a Praia da Curva da Jurema, em Vitória, é um ambiente artificial, formado por aterro com vista para a Ilha do Boi. Acima, direita: A Pedra do Frade, cercada de mitologia. Ao lado: A Terceira Ponte liga a cidade de Vitória a Vila Velha.

9


Mimos Fotos: Divulgação

Cuidados com os Olhos Terceira maior fabricante e distribuidora de óculos do mundo, a WILVALE DE RIGO lança as coleções de óculos Verão 2010. São peças exclusivas, desenvolvidas com matérias-primas nobres e inovadoras, como couro, madeira, acetato e metal de sete marcas de grande relevância no mercado de moda. Givenchy - Elegância e linhas “clean”, reforçadas por delicados toques femininos. Esses são os pontos fortes da coleção Givenchy. Inspirado na moda francesa, as peças têm características dos últimos modelos da marca – exclusividade, harmonia e elegância. As hastes surpreendem pela extrema delicadeza. Disponíveis em sofisticadas composições de cores. Detalhes que proporcionam um efeito moderno e ao mesmo tempo extravagante às peças. Preço Sugerido: R$ 810,00 Mais informações: www.wilvale.com.br

Companheira de todas as horas Conquistar um mercado pouco explorado de maneira diferenciada. Essa é a proposta da DOM Shoes, marca especializada em calçados masculinos criada pelo jovem empresário Rodrigo Zaramella. Com o conceito despojado / chique, além dos calçados, a marca apresenta linhas de carteiras exclusivas. Os materiais utilizados são diferenciados desenvolvidos com alta tecnologia e qualidade. O modelo de carteira da foto tem a forração em tecido estampado xadrez, disponível no couro preto ou café. Preço Sugerido: R$ 69,00 cada Mais informações: www.domshoes.com.br

Perfeitas para Viagens Funcionalidade, energia e efervescência são as palavras que definem o conceito multifuncional da LeSportsac, que dispõe de linhas de produtos para atender consumidores com perfis diferenciados. A linha CLASSIC, carrochefe da marca, é composta por mais de 50 modelos e a cada mês são apresentados nas lojas de todo o mundo com oito prints diferentes. Como a quantidade de itens por estampa é limitada, a exclusividade é outra marca da grife norte americana. Preço Sugerido: R$ 430,00 Mais informações: www.lesportsac.com

10


Fotos: Divulgação

Sempre na Moda O verão é a estação do ano que transmite alegria, motivação e conquistas. Esses sonhos foram transferidos para as peças da coleção verão 2010 da LULU. A linha de camisaria, camisetas estampadas, polinhos e batas, peças-chave da LULU, fica linda produzida com coletes de tricot e malha, além de lenços, calças e bermudas jeans saruel e boyfriend. O look é moderno e super atual. As estampas de oncinha e zebra surgem com força total, coordenadas com listras, florais e xadrez, que vibram a coleção em cores cítricas e dão um ar romântico às cores neutras com toque suave. Preço Sugerido: R$ 158,00 Mais informações: www.lulubrasil.com.br

Despojados e Chiques Jorgito Donadelli é hoje um dos nomes mais expressivos no segmento de calçados masculinos. A expertise do footwear designer garante à marca espaço privilegiado nas principais multimarcas do Brasil, Estados Unidos e Itália. Para o Verão 2010, Jorgito aposta na tendência do despojado chique, urbano e versátil. A linha esportiva exibe cores ousadas e composições inéditas de couros e acabamentos. Variados modelos de tênis integram a coleção. Preço Sugerido: R$ 242,00 cada Mais informações: SAC.: (11) 30837878

Sungas Body for Sure A marca fitness Body for Sure apresenta a coleção verão 2010, inspirada nas sutilezas da natureza, tendo como referência principal o universo surf dos anos 80 - dias ensolarados, ondas perfeitas, pessoas alegres e que se preocupam com o bem-estar. Super jovem, a coleção busca a liberdade e ousadia que a época sugere, com peças despojadas e confortáveis. As modelagens valorizam a forma masculina e dão sustentação e firmeza durante a prática esportiva. Preço Sugerido: Lisa R$ 79,00, Estampada R$ 80,00 Mais informações: www.bodyforsure.com.br

11


Lugares por onde andei

Por Ismael dos Santos

Ismael dos Santos escalando o Muro de Berlim com a ajuda de amigos.

J

ulho de 1990. Quatro jovens aventureiros decidem conhecer o mundo. Mochila às costas e pé na estrada. Uma centena de dias para percorrer 18 países da Europa e alguns vilarejos do Oriente Médio. Em novembro, chegamos à Alemanha: exatamente um ano após a queda do Muro. Berlim transpira arte. A cidade está repleta de galerias, museus, universidades, artistas de rua. E, é claro, turistas. Muito turistas. Gente de todo o mundo. Mas é também uma terra de cenas inusitadas, como aquela do enérgico velhinho, fiscal de bilhetes, que nos expulsou do vagão de segunda classe – os quatro jovens aventureiros – porque os nossos bilhetes não davam acesso à Berlim Oriental. E olha que não foi uma tentativa de colocar em prática o tal do “jeitinho brasileiro”; de fato, ninguém havia nos explicado. Levamos tudo na brincadeira. Compramos novos bilhetes e poucos minutos depois estávamos lá, contemplando o Muro de Berlim. Nas paredes que restavam, o colorido das pinturas e o contorno dos desenhos em grafite contrastavam com a antiga muralha erguida em 1961. Apanhei um folder distribuído aos turistas e lá estavam as principais informações sobre a temida barreira física que separava as duas Alemanhas: 66,5 km de gradeamento metálico, 127 redes metálicas eletrificadas, 302 torres de observa-

12

ção, 255 pistas de corrida para ferozes cães de guarda e, o mais lamentável, a trágica matemática de 80 pessoas mortas na tentativa de atravessar a muralha durante os 28 anos de sua existência. Com a ajuda dos três amigos de viagem, alcancei o topo do muro. Por alguns minutos o cenário me fez viajar para além do condenado obstáculo de tijolos, símbolo da divisão do mundo em dois blocos: capitalista e socialista. Depois de uma tentativa fracassada de um projeto eleitoral, em 1988, eu decidira que nunca mais me envolveria com temas políticos. Mas o Muro de Berlim tinha uma mensagem particular para mim: havia uma barreira que eu teria que transpor na minha loira Blumenau, fundada pelos imigrantes da terra onde eu agora pisava. Sim, era preciso subir os morros da minha cidade, levando calor humano e soluções justas para as principais demandas sociais da minha gente. Ali, do alto do Muro de Berlim, a semente política germinou na terra dos meus ideais. Alguns meses depois fui eleito vereador, missão que cumpri durante longos doze anos, para posteriormente conquistar uma cadeira na Assembleia Legislativa catarinense. Valeu, Berlim! Que sua história, sua gente e sua riqueza cultural inspire novos desafios.

Fotos: Fotos:Acervo Divulgação

A semente de novos desafios


Divulgação Fotos:Fotos: Divulgação

À esquerda: Grafites que ilustraram a chegada de uma nova realidade. Acima: Antigo prédio estilizado.

13


Beleza

Lançamentos para ela A nova linha Dermage traz batons ricos em ativos antioxidantes e protege a pele contra o envelhecimento precoce. Com ótimo poder de fixação, sua textura é ideal para o clima brasileiro. Proporciona cobertura uniforme nos lábios ressecados, conferindo maciez e suavidade. Totalmente repaginados, os batons trazem novas cores, fórmula mega hidratante com 8 horas de duração, fixação eficiente, e ainda FPS 15. São duas cores com brilhinhos dourados (Precious, Cute), outras três com brilho gloss (Nice, Lovely, Gorgeous, Sexy). Preço: R$39,00. Mais informações: dermage.locaweb.com.br

Cabelos mais lisos Cabelos cacheados e ondulados tendem a ser mais rebeldes devido à estrutura dos seus fios. Por isso, a Paul Mitchell lançou o Super Skinny Relaxing Balm, um bálsamo relaxante que suaviza e controla as madeixas, tornando-as mais macias e sedosas. A novidade é formulada com o exclusivo Complexo Super Skinny, um mix de ingredientes que sela a cutícula dos fios completamente, evitando o acúmulo de água e acelerando a secagem. A Proteína Hidrolisada do Trigo reconstrói e condiciona os cabelos; Aminoácidos do Trigo é um hidratante que age na estrutura interna e externa; enquanto o Amido de Milho é um agente ligante e espessante. Preço Sugerido: R$81,00 Mais informações: www.oitobrasil.com.br

Um perfume sedutor Sentimentos profundos, como amor, paixão, felicidade, alegria e emoções, definem o conceito do Amazing, perfume criado com exclusividade para a Equus Jeanstyle. Desenvolvido por laboratórios europeus, Amazing é uma fragrância atraente, provocante e moderna. Gera curiosidade, desperta desejo. Ideal para as mulheres atuais que inventam a moda e estão sempre à frente de seu tempo. Amazing faz referência a tudo o que surpreende, impressiona pela beleza, inovação. A família olfativa revela um floral oriental frutado. Gardênia, Pimenta Rosa e Sândalo integram as notas de cabeça, que garantem o domínio e a fixação da fragrância. As notas de coração, marcadas pelo aroma frutal, com o mix de Bergamota Italiana, Cereja Marrasquino e Cassis, são responsáveis pelo toque refrescante, o que desperta interesse. A sensualidade e personalidade são evidenciadas pelas notas de fundo: musk, baunilha e algodão doce. O frasco exibe um tom intenso de vermelho, que se contrapõe �� transparência da tampa, à suavidade das linhas retas, e traduz toda a ousadia e atitude da marca, que se reinventa a todo momento. Preço Sugerido: R$ 89,90 (50 ml) Mais informações: www.equus.com.br

14

Fotos: Divulgação

Atenção aos lábios


Lançamentos para ele Fotos: Divulgação

Soluções para o barbear A marca King of Shaves foi criada em 1993 pelo visionário Will King, para trazer soluções revolucionárias ao mercado de barbear. Atualmente a segunda maior marca de shaving da Grã-Bretanha, King of Shaves está presente em países como Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia, Japão, Holanda, Espanha, e recentemente chegou ao Brasil, com exclusividade para a Drogaria Iguatemi. A marca traz barbeador com quatro lâminas com tecnologia TST™ (Touch Skin Technology), sistema híbrido, que reúne a praticidade dos aparelhos descartáveis com a performance dos recarregáveis, fita Lubrificante com aloe vera junto às lâminas, design moderno em formato de estilingue, cabo ergonômico anti-deslizante, cabeça móvel, embalagens com 2 e 4 cartuchos para recarga. Preço Sugerido: Shaving Gel R$ 19,90; Shave Oil R$ 19,90; Azor – Aparelho de barbear R$ 19,90; Refil c/ 2 R$ 20,90; Refil c/ 4 R$ 32,90 Mais informações: SAC. 3032-8626

Gel suavizante

Dermocosméticos for men A Dermage lança sua linha de pós-barba, hidratante facial e sabonete liquido facial. O pós-barba traz uma revolucionária formulação, com um principio ativo que tende a retardar o crescimento dos pelos da barba, espaçando o barbear que irrita tanto a pele do homem. Além disso, hidrata, acalma e suaviza a pele do rosto e pescoço. O hidratante facial protege a pele contra envelhecimento precoce. Sua textura suave é facilmente absorvida pela pele. Sua fórmula oil-free repõe a umidade natural da pele sem deixá-la oleosa, e o FPS 15 protege a pele contra as radiações solares UVA e UVB. Já o sabonete líquido facial limpa profundamente e controla a oleosidade da pele, sem deixá-la ressecada. Seus principais ativos têm ações antioxidantes, adstringentes e antibacterianas. Preços sugeridos: Pós Barba – R$ 39,00; Hidratante Facial – R$ 42,00; Sabonete Liquido – R$ 29,90 Mais informações: www.dermage.com.br

Com extrato de manga, maracujá, cupuaçu e aloe vera, mantém a pele hidratada e revitalizada. Sua fórmula promove uma sensação de leveza, refrescância e suavidade. Possui em sua composição calmosensine, de ação protetora e calmante, além de biopolímeros de algas marinhas, ricos em vitaminas e açúcares naturais, sais minerais, proteínas e aminoácidos que revitalizam, nutrem e prolongam o efeito de hidratação na pele após a exposição solar ou o stress causado pela depilação. Preço Sugerido: R$ 6,00 Mais informações: www.gamaitaly.com.br

15


Aposte

O

Curly Light – Ativador de Cachos R$ 40,50 Curly Fix – Ativador de Cachos R$ 40,50

famoso verso cantado por Caetano Veloso nunca esteve tão em alta, diz o Hairstylist Marcello Marcondes, do MM Hair Salon, em São Paulo e vem fazendo a cabeça de beldades como Thaís Araújo, protagonista da novela “Viver a Vida”, de Manoel Carlos, da bela Ana Paula Arósio e da deslumbrante Maria Fernanda Cândido. Segundo Marcondes, mais de 78% das mulheres no mundo têm cabelos ondulados, cacheados ou crespos, e no Brasil esse número passa dos 60%. Na Europa, as mulheres que têm esse tipo de cabelo já aprenderam a valorizar essa arma tão poderosa de sedução. Porém, no Brasil, isso está acontecendo aos poucos. Quem assumiu os cachos afirma que se sente mais linda naturalmente, como o caso da nossa modelo. Marcondes utilizou uma técnica americana que dispensa o uso de pentes, escovas e toalhas. Os cabelos são cortados secos, cacho por cacho, esculpindo o rosto de cada cliente de forma única e personalizada, valorizando assim o que há de melhor em cada uma delas. Hidratação profunda uma vez por semana com produtos a base de queratina ou manteiga de karité é a dica de Marcondes para obter cabelos crespos, cacheados e enrolados bonitos e saudáveis. Para um perfeito acabamento, é indicado também o uso de silicone, mousse de volume ou ativados de cahos nos cabelos separados em mechas. Utilize os produtos com os cabelos úmidos e seque com difusor, sempre amassando cada mecha com as mãos. Também chegou ao Brasil um produto específico para cabelos cacheados, “Deva”, de origem americana. Sua linha primária é composta por um secador e uma “mãozinha”, shampoo, condicionador e finalizadores 100% naturais, livres de sulfato e indicados para todos os tipos de cabelo. As interessadas precisam receber orientação de um profissional Deva para utilização correta dos produtos. Até a próxima edição! Marcello Marcondes

Hair Stylist Marcello Marcondes, do MM Hair Salon, em São Paulo marcellomarcondes@estacaoaeroporto.com One Condition 355ml, R$ 28,84

Escova PROF9881 Ion, R$ 25,56

16

Secador Deva, R$ 320,00

Foto: Marcelo Xavier

Debaixo dos caracóis dos seus cabelos


Estética

Tecnologia a serviço da estética

N

o combate às imperfeições estéticas causadas por diversos fatores, são várias as técnicas para que alguns centímetros ou alguma gordurinha sejam eliminados. No mundo moderno, isso é viável tanto para as mulheres como para os homens. Tratamentos e cirurgias como a drenagem linfática e a lipoaspiração, por exemplo, são de conhecimento geral e muitas pessoas apostam na eficácia desses e de outros processos. Inovando na medicina estética internacional está o VelaShape plus. Ele é um equipamento que trata a celulite, a gordura localizada e a flacidez, além de fazer o contorno corporal e auxiliar na redução de medidas. E tudo isso através de um método totalmente indolor. Em alguns casos, os que não são considerados graves, o VelaShape pode substituir técnicas como a lipoaspiração. A fisioterapeuta Caroline Scoz é a responsável por trazer o VelaShape plus para Curitiba, Florianópolis e Joinville que chegou ao Brasil no final do ano passado. Caroline vem trabalhando com alta tecnologia há seis anos e em sua experiência estão inclusas especializações na área da medicina estética. A fisioterapeuta oferece os tratamentos através de parcerias com clínicas médicas de estética, utilizando os espaços disponibilizados por essas empresas. Nessas parcerias são pré-estabelecidos os dias que os serviços serão prestados de maneira que se adequem ao número de pacientes interessados. São quatro os procedimentos usados para que o equipamento seja eficiente: suave pressão negativa (sucção), manipulação mecânica da pele (massagem mecânica), radiofreqüência bipolar e o infravermelho. Combinados, proporcionam tratamentos mais eficazes para celulite e a remodelação corporal. Com a sucção, há uma movimentação que aumenta o fluxo sanguíneo e linfático, além de melhorar na eliminação de resíduos e ajudar a soltar as camadas cutâneas e subcutâneas. Já com a massagem mecânica, é oferecida uma agradável sensação e ao mesmo tempo um estímulo à circulação, auxiliando na eliminação dos edemas e retenção dos líquidos. A radiofreqüência proporciona um aquecimento interno da derme profunda e estimula o metabolismo, obtendo um efeito lipolítico. Por último, a tecnologia mais conhecida do infravermelho estimula o metabolismo, a ativação celular, a reabsorção de edemas e aumenta a oxigenação.

O VelaShape é o primeiro equipamento aprovado pelo FDA (Food and Drug Administration - EUA), agência americana reguladora de alimentos e remédios. Ou seja, com essa aprovação, o que o fabricante Syneron propôs que a máquina fizesse, ela realmente faz. Pode ser aplicado nos braços, coxas, abdome, culotes, glúteos ou outras regiões. Os tratamentos são feitos em aproximadamente 8 sessões, com 20 a 30 minutos para cada região. A manutenção é feita durante um ano, sendo uma vez por mês ou a cada dois meses durante 6 meses e depois uma a cada 6 meses. Atualmente, o VelaShape plus pode ser encontrado em Curitiba nas clínicas NEO Estética Medica e Antônio Dourado – Cirurgia Plástica e Medicina Estética. Em Florianópolis na clínica Domenico de Leon clínica médica. Nesses estabelecimentos, o tratamento é feito pela fisioterapeuta Caroline Scoz. Interessados podem, inclusive, fazer novas parcerias com a profissional.

Serviço: Caroline Scoz Horário de atendimento: 8h/22h de seg. a sáb. Informações:41 8853 6986/7813 8998/33399333. 48 99318889/32247803

17


Decoração Resistência e beleza Fotos: Divulgação

A Neobambu, empresa que apresenta um novo uso para o bambu como uma alternativa sustentável para substituir a madeira na arquitetura e decoração, apresenta o Piso de Bambu de Alta Densidade, que promete desmitificar a fragilidade dos pisos feitos com este material natural. O processo exclusivo da empresa consiste na fundição das fibras do bambu em alta pressão, tornandoo mais resistente às marcas deixadas pelo tráfego intenso de pessoas, seja em residências ou estabelecimentos comerciais, sem prejudicar sua qualidade e durabilidade. Disponível nas opções Carbonizado, Carbonizado Tipo Demolição, Deck Carbonizado e Deck Carbonizado Tipo Demolição, o piso de alta densidade da Neobambu garante o acabamento impecável e por muito mais tempo, sem desgastes ou arranhões. Serviço: NeoBambu – Pisos Ecológicos Telefone: (11) 5679 7668 www.neobambu.com.br

Belos Efeitos Causar efeitos e sensações de modernidade é a proposta para quem opta por utilizar os tijolos de vidros Prismatic - em qualquer tipo de ambiente, desde residenciais até comerciais, tanto interno quanto o externo, ficando a cargo da imaginação e da criatividade a melhor forma de utilização. Pode ser usado em uma parede inteira, apesar do tijolo não ser um elemento estrutural, ou seja, necessita de colunas e vigas de concreto para suportar a estrutura superior. Serviço: Prismatic Vidros Prismáticos De Precisão Telelone: (15) 2101-8970 www.prismatic.com.br

Elegância em bem servir A marca Aida chega em grande estilo ao Brasil, apresentando peças únicas com design de peso e encantando com a sinfonia de criatividade e bom gosto. O conceito contemporâneo da marca prova por que o tradicional fica sempre em segundo plano. Muito mais que um faqueiro em aço inox, verdadeiras obras de arte foram desenhadas e esculpidas para se destacar. Serviço: Talheres Cool e Chopin Telelone: (11) 3392-2202 www.alimport.com.br

18


Decoração Bons sonhos! Já imaginou chegar em casa do trabalho e relaxar em uma cama confortável? Uma boa opção é a linha Best Basic da Trussardi, nova grife que a Doural incorporou ao seu portfólio de cama, mesa e banho. Edredons e jogos de lençóis – branco e caqui – são confeccionados em percal 200 fios, 100% algodão. Produzido nas melhores fábricas italianas, a marca está no mercado há mais de um século e tem por filosofia criar produtos feitos para sonhar. As opções de tamanho das peças são: - Jogo de lençóis (3 peças) casal, R$ 438.38 - Jogo de lençóis (3 peças) Queen, R$ 463.75 - Jogo de lençóis (3 peças) King, R$ 548.00 - Jogo de lençóis (3 peças) solteiro, R$ 328.81 Serviço: Doural Telelone: (11) 3328-6228 www.doural.com.br

Lenat - Para todos os gostos Para os amantes da Fórmula 1, a Lenat traz uma miniatura do piloto Ayrton Senna. A peça, feita de resina, é de edição super limitada. Das 2.500 peças produzidas, 700 vieram para o Brasil. Para os que apreciam obras de arte, a grande pedida são as miniaturas da linha Museum, feitas pelo estúdio holandês Parastone, que traz peças esculpidas a partir de obras de arte de grandes nomes, como Rodin, Gustav Klimt, entre outros. E por fim, a Linha Memorabilia tem peças em porcelana branca inspiradas nos anos 80 e nos brinquedos lúdicos e antigos. Carrinhos, robôs, foguetes, baralhos e alusões ao origami compõem a coleção, que reúne mais de dez modelos feitos especialmente para decoração de ambientes e colecionadores.

Serviço: Lenat www.lenat.com.br

19


Turismo internacional Barcelona | Espanha Foto: Divulgação

Museu ao ar livre Na terra de Gaudí: cidade traz muitos prédios e obras de autoria do artista.

B

arcelona é uma cidade de beleza marcante, sem dúvida uma das mais extraordinárias do mundo. Meca para os amantes das artes, foi imortalizada pelas obras-primas do arquiteto Antonio Gaudí (1852-1926), que ali se educou e passou grande parte da vida. Por sua vida cultural vibrante, representa roteiro obrigatório para os amantes da arte - o filme “Vicky Cristina Barcelona”, de Woody Allen, mostra um pouco dessa atmosfera. Segunda maior cidade da Espanha, Barcelona mistura harmoniosamente monumentos góticos com arranha-céus modernos. Entre os bairros mais importantes para se conhecer, estão Ciutat Vella, onde se encontra o medieval Barri Gòtic; o bairro modernista de Eixample, notável pelos seus prédios art nouveau; Gràcia, bairro anteriormente ocupado por trabalhadores, onde estão instaladas algumas obras de Gaudí; e Barceloneta, historicamente um bairro de pescadores. Seus museus atraem visitantes do mundo inteiro. Na Fundação Joan Miró, encontram-se algumas obras deste pintor e são realizadas exposições itinerantes procedentes de museus de todo mundo. O Museu Picasso conta com uma importante coleção de obras pouco conhecidas do co-

20

fundador do cubismo, sobretudo de suas épocas iniciais. No Museu Nacional de Arte da Catalunha, encontra-se exposta uma importante coleção de arte romana. A arte da época atual fica no recém-construído Museu de Arte Contemporânea de Barcelona. Também são de relevância o Centro de Cultura Contemporânea, situado em El Raval, o museu da Fundação Antoni Tàpies, o CaixaFòrum e o Museu da Ciência, agora chamado de CosmoCaixa. Barcelona é conhecida como capital do modernismo. A cidade na qual viveu e trabalhou Gaudí conta com algumas de suas obras mais relevantes, que atraem a cada ano milhões de visitantes de todo mundo. A mais representativa é o Templo Expiatório da Sagrada Família, que o arquiteto deixou inacabada e segue sendo construída da mesma maneira que as catedrais na Idade Média. Seu término está previsto para até 2020. Outras das obras mais conhecidas de Gaudí são o Parque Güell (Parc Güell), a Casa Milà, também chamada de “La Pedrera”, e a Casa Batlló. Além de Gaudí, Barcelona conta com outras jóias do modernismo catalão, como o Hospital de Sant Pau e o Palácio da Música Catalã, de Lluís Domènech i Montaner.


Fotos: Divulgação

Acima: Templo Expiratório da Sagrada Família (esquerda) e rua com prédios típicos da cidade (direita). Ao lado, esquerda: Detalhe de obra de Gaudí. Abaixo, direita: Barcelona Parc Joan Miro.

Mais informações: Governo de Barcelona: www.bcn.cat

21


Habitat

Hotel Byblos

| Saint-Tropez Fotos: Divulgação

Clássico de Saint-Tropez

F

oi Brigitte Bardot quem ajudou a transformar SaintTropez, uma antiga vila de pescadores na glamourosa Côte d’Azur, no sul da França, no paraíso dos ricos e famosos. Também foi ela quem consagrou o belíssimo hotel Byblos, onde se hospedava. À primeira vista, o prédio parece um agrupamento de fachadas ocre vivo e azul celeste, todas interligadas, mas projetadas para fachada uma tomada excêntrica de uma vila de pescadores mediterrânea. Mas dentro do pátio não está a praça de uma cidade rústica, mas um resort de puro luxo, com palmeiras e oliveiras ao redor da piscina azulejada com mosaicos. Circundando o pátio estão os apartamentos e as suítes que parecem cabanas, assim como uma rede de pátios e terraços. Sua arquitetura presta homenagem a várias culturas do Mediterrâneo. Os apartamentos são individualmente decorados em um moderno estilo provençal com uma antiguidade excêntrica ou uma cama de dossel aqui e ali. Todos são claros e arejados, alguns mais espaçosos do que outros, com destaque para a nova Suíte Riviera, que dá diretamente para a piscina. O hotel possui uma filial do popular restaurante Spoon, que se apropria do espírito da região, oferecendo uma espécie de fusão mediterrânea, incorporando influências italianas, espanholas e norte-africanas. Os clientes jantam no terraço ao ar livre com uma visão da cozinha de paredes de vidro e até de uma adega que mais parece um aquário.

22

Quem quer badalar não precisa sair. Dentro do hotel fica o clube mais quente de Saint Tropez, o Les Caves du Roy, frequentado por celebridades como Bono Vox, que certa vez assumiu o comando das pick-ups na pista de dança.


Fotos: Divulgação

Sua arquitetura presta homenagem a várias culturas do Mediterrâneo: restaurante com influências italiana, espanhola e norteafricana, apartamentos em estilo provençal, fachada que lembra uma vila de pescadores, piscina azulejada com mosaicos.

Serviço: Avenue Paul Signac – 83990 – Saint-Tropez. Tel. 33 (0) 4 94 56 68 00 - Fax : 33 (0) 4 94 56 68. www.byblos.com

23


Inspiração O

Dia da Consciência Negra, celebrado em 20 de Novembro no Brasil, é dedicado à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira. A data foi escolhida por coincidir com o dia da morte do líder negro Zumbi dos Palmares, em 1695. Reconhecer os negros como irmãos não é mera retórica. Segundo o IBGE, no Brasil os negros correspondem a 5% da população. Os chamados “pardos”, no entanto, que são mestiços de negros com europeus ou índios, chegam a quase metade da população (ou mais). Embora os negros ainda lutem pela inclusão racial e social no Brasil e no mundo, vivemos um momento em que o preconceito e as barreiras se dissipam acentuadamente, e cedem lugar à fraternidade e ao respeito ao próximo. A seguir, o perfil de algumas personalidades emblemáticas dessa novo mundo multirracial, mais rico e mais bonito.

Barack Obama

A Era Obama Primeiro negro eleito presidente dos Estados Unidos, 40 anos depois do assassinato de Martin Luther King, Barack Obama, 47 anos, representa a chegada de novos tempos, em que o sonho de um mundo melhor e mais justo pode se realizar, como sugere o slogan de sua campanha: “Yes, we can”. Obama foi nomeado recentemente Prêmio Nobel da Paz, “por seus esforços extraordinários para fortalecer a diplomacia internacional e a cooperação entre os povos”. O democrata chegou à Presidência com a promessa de acabar com as campanhas militares dispendiosas e retomar o diálogo com Europa e Ásia. Ele abriu diálogo com países mulçumanos antes vistos como “inimigos” da democracia americana. Também se comprometeu com a retomada das negociações de paz no Oriente Médio e reatou laços diplomáticos para resolver a questão dos programas nucleares do Irã e Coréia do Norte, acabar com o embargo a Cuba e suspender os atritos com a Venezuela. Outra medida importante envolveu negociações com a Rús-

24

sia para cumprir ambiciosas metas do programa de redução de armas nucleares, objetivando tornar o mundo mais seguro. No dia 17 de setembro de 2009, a Casa Branca anunciou a desistência do projeto de escudo antimísseis no Leste Europeu, desenvolvido no governo Bush, que Moscou considerava uma ameaça à segurança. No lugar, propuseram um novo sistema de defesa, em conjunto com Rússia e Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Na área ambiental, o presidente americano revogou decisões da administração Bush e considerou prioritárias questões climáticas e ambientais, defendendo a geração de energia limpa e fontes renováveis. Em junho, os deputados americanos aprovaram projeto que limita as emissões de gases de efeito estufa, responsáveis pelo aquecimento global. Comparado por alguns a John Kennedy por seu carisma e pelo espírito de mudança, Obama nasceu, em 4 de agosto de 1961 no Havaí, filho de pai negro do Quênia e mãe branca do Kansas. Foi criado pela mãe na Indonésia e depois no Havaí pelos avós maternos. Depois de estudar na Universidade de Columbia, recusou um emprego no mundo das finanças e preferiu um cargo como trabalhador social nos bairros da periferia de Chicago. Mais tarde, estudou em Harvard, uma das universidades que prepara a elite intelectual dos Estados Unidos. Obama foi o primeiro negro nomeado editor da prestigiosa revista de direito de Harvard, em 1991. De volta a Chicago como advogado, trabalhou em um estúdio, onde conheceu aquela que seria sua mulher, Michelle, uma advogada formada em Princeton e Harvard. O casal tem duas filhas: Malia, 10 anos, e Sasha, sete anos. Depois de uma tentativa frustrada em 2000, Obama foi eleito senador dos Estados Unidos (representando Illinois) em novembro de 2004.

Fotos: Marco Dutra

Brilho negro


Taís Araújo

Talento reconhecido Primeira negra a protagonizar uma novela no horário nobre – ela interpreta Helena em “Viver a Vida”, na Rede Globo –, Taís Araújo também foi a primeira a assumir o papel principal de uma novela, em “Xica da Silva”, na extinta Rede Manchete. Não é a única a chegar lá – das quatro novelas na programação da Globo, três têm negras como protagonista: além da própria Taís, Camila Pitanga estrela “Cama de Gato”, e Élida Muniz é destaque em “Malhação”. Na trama, Taís será uma modelo de 30 anos, bem-sucedida, que no primeiro capítulo se apaixona por um cara mais velho, Marcos, vivido por José Mayer. “Sei que no horário das 21h estou abrindo portas para outros negros”, comemora. Porém, o sucesso de Taís Araújo revela-se algo ainda mais significativo, pois o papel de Helena – nome de todas as protagonistas de Manoel Carlos – não estava destinado a uma negra. A atriz foi escolhida independentemente de sua origem racial, tornando-se a primeira negra a viver Helena apenas devido ao talento e beleza. “Insistir que viverei uma protagonista porque sou negra é diminuir meu trabalho”, disse. Em entrevista à Gloss deste mês, Taís Araújo afirmou que sua carreira na TV tem função social: “Tenho noção do

quanto isso é maravilhoso. Além de ter um valor pessoal incrível, tem valor social. Quando era pequena, não tinha em quem me espelhar! Agora uma menina negra pode ter referências na TV, inclusive como padrão de beleza.” Taís Bianca Gama de Araújo (Rio de Janeiro, 25 de novembro de 1978) já participou de 11 telenovelas, oito filmes, uma minissérie e pelo menos cinco peças de teatro, além de ter atuado em séries e programas televisivos. Quando fez seu primeiro trabalho de destaque, “Xica da Silva”, tinha apenas 17 anos. Hoje é conhecida internacionalmente e foi eleita um dos 50 rostos mais lindos do mundo, pela revista People em espanhol. Foi também a primeira protagonista negra de uma telenovela da Rede Globo, em “Da Cor do Pecado”. Em “Cobras e Lagartos” novamente ganhou papel de destaque, na pele de Ellen, e de vilã cômica tornou-se protagonista, juntamente com seu marido Lázaro Ramos. Os dois personagens, verdadeiros anti-heróis, caíram no gosto do público, ofuscando personagens originalmente principais. No cinema, interpretou Elza Soares no filme “Garrincha, Estrela Solitária”. Em 2004, recebeu o Kikito como melhor atriz coadjuvante no Festival de Gramado, por seu trabalho em “As Filhas do Vento”. Desde 2006, é apresentadora do programa Superbonita, do canal GNT, e tem atuado também no teatro. Após participar de “A Favorita”, em 2008, Taís se empenhou em concluir a faculdade de Jornalismo e viajou para Nova York para fazer cursos de teatro.

25


Nelson Mandela

Um lutador pela paz Um dos maiores líderes políticos da história moderna, Nelson Rolihlahla Mandela (Qunu, 18 de Julho de 1918) tornou-se conhecido por sua luta contra o apartheid, regime de segregação racial na África do Sul. Em suas palavras: “Lutei contra a dominação branca e lutei contra a dominação negra. Acalento o ideal de uma sociedade democrática e livre em que todas as pessoas possam viver juntas, em harmonia e com oportunidades iguais. É um ideal pelo qual espero viver. Mas é um ideal pelo qual estou disposto a morrer se for preciso.” Nascido em 1918, esse advogado e revolucionário dedicou sua vida à luta pela igualdade entre brancos e negros e a favor da paz mundial. Ainda estudante de Direito, Mandela começou sua luta contra o regime do apartheid. Em 1942, entrou efetivamente para a oposição, ingressando no Congresso Nacional Africano (movimento contra o apartheid). Em 1944, participou da fundação da Liga Jovem do CNA. Durante toda a década de 1950, Mandela foi um dos principais membros do movimento anti-apartheid. Participou da divulgação da “Carta da Liberdade”, em 1955, documento que defendia um programa para o fim do regime segregacionista. Mandela sempre defendeu a luta pacífica contra o apartheid. Porém, sua opinião mudou em 21 de marco de 1960. Neste dia, policiais sul-africanos atiraram contra manifestantes negros, matando 69 pessoas. Este dia, conhecido como “O Massacre de Sharpeville”, fez com que Mandela passasse a defender a luta armada contra o sistema. Em 1961, Mandela tornou-se comandante do braço armado do CNA (Congresso Nacional Africano, seu partido). Passou a buscar ajuda financeira internacional para financiar a luta. Porém, em 1962, foi preso e condenado a cinco anos de prisão, por incentivo a greves e viagem ao exterior sem autorização. Em 1964, foi julgado novamente e condenado a prisão perpétua por planejar ações armadas. Permaneceu preso durante 28 anos (1962-1990). Em Maio de 1994, elegeu-se o presidente da África do Sul, naquelas que foram as primeira eleições multirraciais do país, e comandou a transição do regime de minoria no governo, mantendo-se no poder até 1999. Com o fim do mandato de presidente, Mandela afastou-se da política dedicando-se a causas de várias organizações sociais em prol dos direito humanos. Já recebeu diversas homenagens e congratulações internacionais pelo reconhecimento de sua vida de luta pelos direitos sociais. Nelson Mandela e Frederik de Klerk dividiram o Prémio Nobel da paz em 1993. Mandela casou-se três vezes. A primeira esposa de Mandela foi Evelyn Ntoko Mase, da qual se divorciou em 1957 após 13 anos de casamento. Depois casou-se com Winnie Madikizela, e com ela ficou 38 anos, divorciando-se em 1996, com divergências políticas entre o casal vindo a público. No seu 80º aniversário, Mandela casou-se com Graça Machel, viúva de Samora Machel, antigo presidente moçambicano e aliado do ANC.

26


Gilberto Gil

Embaixador da cultura brasileira Gilberto Gil tem um papel fundamental no processo constante de modernização da Musica Popular Brasileira. Na cena há 46 anos, ele tem desenvolvido uma das mais relevantes e reconhecidas carreiras como cantor, compositor e guitarrista. Com 51 albuns lançados, tem 12 discos de ouro, 5 discos de platina, 7 “Grammy Awards” e mais de 4 milhões de discos vendidos, Gil leva para o mundo o coração e a alma da música brasileira. Todo ano o músico viaja em excursão para a Europa, Américas e Oriente com sua música contagiante, com forte tendência rítmica e riqueza melódica, promovendo mistura de povos e culturas. Ele tem tido seus álbuns lançados mundo a fora desde 1978, ano do sucesso de sua performance no “Montreux Jazz Festival”, na Suíça , gravado ao vivo. Sua atuação como ministro da Cultura, entre janeiro de 2003 e julho de 2008, foi também oportunidade para exercitar sua militância cultural pelo Brasil e pelo mundo. A obra musical de Gilberto Gil abrange uma ampla dimensão e variedade de ritmos e questões em suas composições, pertinentes a realidade e a modernidade; da desigualdade social às questões raciais, da cultura Africana à Oriental, da ciência à religião, entre muitos outros temas. Ritmos do nordeste do Brasil como o baião, samba e bossa-nova foram fundamentais na formação de Gilberto Gil. Usando essas influências como um ponto inicial, Gil formulou sua própria música, incorporando rock, reggae, funk e ritmos da Bahia, como o afoxé. A importância de Gilberto Gil na cultura de seu país vem desde os anos 60, quando ele e Caetano Veloso criaram o Tropicalismo. Radicalmente inovador no cenário musical, o movimento assimilou a cultura pop aos gêneros nacionais; profundamente crítica nos níveis políticos e morais, o tropicalismo finalizou sendo reprimido pelo regime autoritário militar. Gilberto Gil e Caetano Veloso foram exilados de seu país, indo para Londres, onde Gil lançou disco pela Philips. Quando retornou ao Brasil, ele começou a series de discos antológicos nos anos setenta: Expresso 2222, Gil e Jorge (com Jorge Ben Jor), Os Doces Bárbaros (com os baianos Caetano Veloso, Gal Costa e Maria Bethânia) e a trilogia conceitual: Refazenda, Refavela e Realce. Nos anos 90, vieram Parabolicamará, Tropicalia2 ( com Caetano Veloso, celebrando os 25 anos do movimento Tropicalista) e Unplugged ( coletânea de sucessos gravado ao vivo pelo canal MTV). In 1997, lançou o album duplo Quanta, e em 1998, Quanta gente veio ver, que ganhou o prêmio Grammy de melhor musica mundial. Em 2000, lançou Eu, Tu, Eles e o CD Gil & Milton (com Milton Nascimento). Em 2001, foi a vez do CD São João Vivo. Em 2002, lançou o CD e DVD Kaya n´Gan Daya, que depois de uma tournée mundial, tornou-se em CD ao vivo. Em 2004, gravou Eletracústico, resultado do concerto que realizou na ONU, em Nova York. Em 2006, a gravadora Biscoito Fino relança o disco com o título de Gil Luminoso – voz e violão. Em 2008, fez Banda Larga Cordel, primeiro CD de inéditas em 11 anos.

27


Tecnologia Porta-retratos digital

Fotos: Divulgação

A MisterTech traz ao mercado brasileiro o porta-retrato digital PF – 701 Genius Kye Systems. O produto exibe fotos com riqueza de detalhes e cores, com alta qualidade de impressão. Com alta definição para exibição de fotos e vídeos, tem tela de 7 polegadas e alta definição por meio da tecnologia LCD. Preço sugerido: R$ 389.

Bom, bonito e barato A Nokia lançou nos EUA o Twist, um celular pequenininho, simples e acessível. O Nokia Twist é um celular com teclado QWERTY escondido embaixo da tela QVGA de 2.4 polegadas e indicado para crianças e jovens. O aparelho é equipado com câmera de 3 megapixel, browser HTML e função ‘post to blogs’ para facilitar o envio de mídia para a internet. Uma outra função bem diferente do Nokia Twist é um espelho para retocar a maquiagem (built-in mirror). Preço: US$ 100,00.

Smartphone top de linha A Sony Ericsson anuncia oficialmente o Satio, um smartphone equipado com câmera de 12 megapixels, foco automático, flash Xenon e outras características interessantes, como detector de faces, marcação da foto por geo-tag, estabilizador de imagem, zoom digital 12x, redutor de olhos vermelhos e outros. Lançado recentemente na Europa, o aparelho traz tela touch de 3,5” e pesa 126 gramas, com display de 640 x 360 pixel, de 16 milhões de cores. Inclui ainda Wi-FI, Bluetooth, módulo GPS / A-GPS com Google Maps, rádio FM, TV out e 128 MB de memória interna, suportando até 8 GB com cartão externo. Preço: 550 euros, em média.

28


Fotos: Divulgação

TV Slim A TV Sony XBR10 Bravia, no formato slim, recusa os fios na hora de transmitir sinais de até 1080p. Com telas de 46 e 52 polegadas, a XBR10 vem com LED, taxa de contraste de 1 000 000:1 e conexão Ethernet. Ela tem quatro portas HDMI e tecnologia Motionflow de 240Hz. A XBR10 deve chegar ao mercado americano em outubro. Preço: US$ 5 mil (52 polegadas), e US$ 4,5 mil (46 polegadas).

Grava em HD até debaixo d’água A nova filmadora da Sanyo VPC-WH1 é capaz de gravar vídeos debaixo d’água com resolução de 720p (1280x720p) a uma velocidade de 30 quadros por segundo. Permite também tirar fotos de 2MP (1600x1200) a uma profundidade de até três metros. A VPC-WH1 usa sensores CMOS, que possuem baixo consumo de energia, minimiza a incidência de ruídos e grava vídeos no formato MPEG4 e AVC/H.264. Além disso, tem zoom óptico de 30x, flash com alcance de 4m, tela de 2.5” e recurso de detector de face. O preço sugerido é de R$ 2.999.

Na onda do Android O Galaxy i7500, da Samsung, possui sistema operacional Android, da Google, câmera de 5 MP, conexões Wi-Fi e Bluetooth, GPS integrado. A capacidade máxima de armazenamento é 32 GB. O preço sugerido é de R$ 1.799,00

29


Capa

C

abelos loiros, despenteados e bufantes, boca carnuda, olhos grandes e expressivos e um enorme sex appeal. A atriz francesa de maior repercussão nos anos 50 e 60, Brigitte Bardot, está completando 75 anos de uma vida cheia de polêmica. Para celebrar o aniversário da diva, a sofisticada região francesa de Boulognne Billancourt preparou a exposição “Les annés de insouciense”, que pode ser vista até o dia 31 de janeiro de 2010. Quem estiver com passagem marcada para Paris pode conferir de perto toda a trajetória de Brigitte Bardot, em 15 salas separadas por tema: BB diante das câmeras, BB e a música, BB e a moda, BB e os animais, e assim por diante. Misto de leviandade e ingenuidade, BB, como ficou conhecida, encarnava a imagem fascinante da ninfeta com a femme fatale. Filha de Louis Bardot, industrial da alta burguesia francesa, foi pela influência da mãe, Anne Marie, que Bardot teve contato com as artes. Aos 13 anos, foi aceita no conservatório nacional de música e dança de Paris. Com o apoio e incentivo da mãe, também começou a fazer trabalhos como modelo, e aos 15 anos foi capa da revista Elle francesa. Sua beleza estonteante e sensualidade natural chamaram a atenção de um jovem cineasta da época, Roger Vadim, que logo a convidou para um teste no cinema. O encontro com Vadim acabou influenciando sua vida e sua carreira. Depois de dois anos de namoro, a revelia dos pais, Bardot se casa com o cineasta e estrela o filme “A moça sem véu”, de 1952, . Pela primeira vez, aos 18 anos, a atriz aparece em cenas de biquini, chocando o mundo e os pais, que tentaram impedir a divulgação do filme, sem sucesso. Ao longo de sua carreira, Brigitte Bardot fez mais de 50 filmes, entre dramas, romances e épicos. Mas foi no papel da adolescente amoral de uma pequena cidade do interior, em “E Deus criou a mulher”, de 1956, que BB ganhou projeção internacional como símbolo sexual. Dirigido por Roger Vadim, o filme escandalizou a sociedade da época com as cenas de nudez da atriz. Enquanto outro símbolo sexual da época, Marilyn Monroe, enfrentava a vigilância moralista de Hollywood, Bardot nunca saiu da França e nem se arriscou em Hollywood – em parte, por seu arrastado sotaque francês. Mesmo assim, a loira se tornou a atriz européia mais famosa nos Estados Unidos. Bardot se divorciou de Roger Vadim em 1957, para se casar com o ator francês Jacques Charrier, com quem teve seu único filho, Nicholas. Perseguida pela impresa, era chamada de “devoradora de homens”, já que,

30

Por Gabriela Tanuri e Samira Campos

Foto: Divulgação

A eterna Lolita completa 75 anos


Foto: Divulgação

Fotos: Divulgação

Brigitte Bardot segundo eles, descartava os namorados com a mesma facilidade com que os conquistava. Em 1962, divorciada pela segunda vez, Bardot embarca para o Brasil ao lado do milionário Bob Zagury para uma temporada em Búzios, no Rio de Janeiro. A presença da atriz no local ajudou a catapultar o turismo na região. Em homenagem à diva, em 1999, foi inaugurada uma estátua de bronze na cidade, na famosa praia de Armação. Aos 39 anos, BB se retirou da vida artística. Pouco antes de deixar as telas, declarou à imprensa francesa que não sentia prazer em ser atriz. Como afirmou seu ex-marido Roger Vadim à revista francesa Le point: “o que importava para Brigitte não era fazer sucesso ou se tornar uma grande atriz, mas que todo mundo se apaixonasse por ela”. Em sua vida reclusa, passou a desprezar a aparência. A imagem sem plástica e natural aos 75 anos gera estranhamento e um certo medo da velhice numa era de culto a juventude. Virou ativista, vegetariana e dedicou-se a defender a natureza e os direitos dos animais. Sua luta era pelo fim da venda de gatos e cachorros em anúncios classificados, pela proibição do uso de animais selvagens em circos, pelo final das touradas e das brigas de galo, e pelo fim da criação de animais para a fabricação de casacos de pele. Em 1992, se casou com Bernard d´Ormale, político

31


32 Fotos: Divulgação


Fotos: Divulgação

Brigitte Bardot francês de extrema direita. Em 2003, lançou o livro Um Grito no Silêncio, altamente criticado pela imprensa francesa. Foi processada por diversas entidades muçulmanas, devido às suas críticas aos imigrantes islamitas do país, ao crescimento do número de mesquitas, ao sacrifício de animais usado em vários de seus rituais, e foi acusada de racismo e suposto incitamento contra imigrantes, chegando a ser condenada a pagar 5 mil euros de multas em corte. Em junho de 2008, foi condenada pela quinta vez num processo de incitação ao racismo por um tribunal de Paris, sendo obrigada a pagar 15 mil euros de multa. Mas nada disso parece tirar a magia de Bardot. O estilo da musa que marcou toda uma geração retorna soberano na moda do verão 2011, pelas mãos de estilistas franceses, italianos, ingleses e americanos. Na última semana de moda de Paris, as marcas Prada e Chanel colocaram na passarela modelos que traziam cabelo e make com jeito lolita selvagem, a la Bardot. Um pouco antes, em Londres, Christopher Kane desfilou uma coleção inteira feita a partir do xadrez vichy – estampa escolhida pela atriz para o vestido de noiva em 1959. O americano Tom Ford se inspirou na musa para criar sua nova campanha de óculos. No Brasil, a Rosa Chá e a Le Lis Blanc também apostam em biquinis com modelagens maiores, babadinhos e a tradicional estampa vichy.

Filmografia principal Se Dom Juan Fosse Mulher (1973) As Petroleiras (1971) O Boulevard do Rum (1971) As Noviças (1970) As Mulheres (1969) Shalako (1968) Histórias Extraordinárias (1968) Viva Maria! (1965) O Desprezo (1963) Vida Privada (1962) Amores Célebres (1961) A Verdade (1960) Babette Vai à Guerra (1959) O Príncipe e a Parisiense (1957) E Deus Criou a Mulher (1956) Helena de Tróia (1956) A Moça Sem Véu (1952)

33


Homenagem

O maestro dos uirapurus Talvez ninguém expresse tão bem a alma brasileira quanto Heitor Villa-Lobos (1887-1959), considerado maior compositor das Américas. Ele criou uma linguagem peculiarmente brasileira, mesclando o erudito com o popular e incorporando elementos das canções folclóricas, populares e indígenas. No cinquentenário de sua morte, que se completa no dia 17 de novembro, são organizados muitos eventos em sua homenagem, incluindo shows, exposições e lançamentos de CDs. A importância de Villa-Lobos pode ser comparada com a de Guimarães Rosa e Machado de Assis para a literatura e de Portinari para a pintura. Mário de Andrade o situa como marco zero da música brasileira. “Sim, sou brasileiro e bem brasileiro. Na minha música eu deixo cantar os rios e os mares deste grande Brasil. Eu não ponho mordaça na exuberância tropical de nossas florestas e dos nossos céus, que eu transponho instintivamente para tudo que escrevo”, disse Villa-Lobos. O maestro apregoava tocar todos os instrumentos, “menos o oboé”, mas foi mestre mesmo no violão, violoncelo, clarinete e saxofone. Sua produção é gigantesca, nos sentimentos e nas dimensões. Deixou cerca de mil títulos, que vão do solo ao conjunto sinfônico-coral, da música de câmara à ópera. Entre suas obras-primas, estão as nove Bachianas Brasileiras e os 12 Choros para as mais variadas formações instrumentais, do solo à grande orquestra. Porém, suas gravações originais remasterizadas raramente são encontradas no Brasil – mais fácil adquiri-las no exterior. “Nenhum outro compositor foi tão brasileiro e tão universal. Ele transformou nossas florestas, pássaros, rios e cachoeiras em música. Colocou em suas obras os ritmos e as falas indígenas e contou a história de nosso país desde o Descobrimento, diz o maestro Roberto Minczuk, na introdução do encarte do CD sobre Villa-Lobos que integra a série Grandes Compositores da Música Clássica (Abril Coleções, R$ 14,90). Lançado no cinquentenário de sua morte, o disco traz encarte com textos sobre a vida e obra do músico e um guia de audição. Disponível nas bancas, traz boas interpretações da Nashville Symphony Orchestra, Northern Chamber Orchestra, Slovak Radio Symphony Orchestra e de Sonia Rubinsky (piano).

Alma Brasileira O maestro Heitor Villa-Lobos nasceu no Rio de Janeiro, em 5 de março de 1887. Teve as primeiras lições de música clássica com o pai, Raul, e aprendeu a tocar violão sozinho, em meio às rodas de choro cariocas. Aos 18

34

anos, viajou pelo Nordeste, se encantou com os violeiros e incorporou o som das cantigas nordestinas, do samba e choro às suas musicas. Em 1930, compôs a primeira música de sua famosa série, as “Bachianas”. As primeiras composições trazem a marca dos estilos europeus da virada do século XIX para o século XX, sendo influenciado principalmente por Wagner, Puccini, pelo alto romantismo francês e logo depois pelos impressionistas. Nas Danças características africanas (1914), entretanto, começou a repudiar os moldes europeus e a descobrir uma linguagem própria, legitimamente brasileira, que viria a se firmar nos bailados “Amazonas” e “Uirapuru” (1917). “Quando sinto alguma influência, me sacudo todo e pulo fora”, dizia. O compositor chega à década de 1920 perfeitamente senhor de seus recursos artísticos, revelados em obras como a “Prole do Bebê”, para piano, ou o “Noneto” (1923). Foi muito atacado pela crítica especializada da


época, mas uma visita do pianista polonês Arthur Rubinstein ao Brasil, em 1918, proporcionou a oportunidade de mostrar seu trabalho em Paris. Quando lá chegou, em 1923, Villa-Lobos declarou: “Não vim para aprender, mas para mostrar o que fiz.” Na ocasião, teria contado em entrevista ao jornal L’Intransigeant, dada a L. Delarue-Mardrus, que foi capturado por índios na Amazônia, e só escapou da morte após tocar algumas de suas músicas. A estratégia para divulgar seu primeiro show, embora polêmica e fantasiosa, funcionou. O artigo fez com que o teatro francês ficasse lotado para ver o “índio branco de casaca”. Depois de uma segunda permanência na capital francesa (1927-1930), voltou ao Brasil a tempo de engajarse nas novas realidades produzidas pela Revolução de 1930. Apoiado pelo Estado Novo, o compositor desenvolveu amplo projeto educacional, em que teve papel de destaque o canto orfeônico, e que resultou na compilação do Guia prático (temas populares harmonizados). Na década de 50, já com câncer de próstata, foi pela primeira vez aos Estados Unidos, onde compôs música para a Broadway (“Magdalena) e para Hollywood (“Green Mansion”). Morou em Paris de 1592 a 1959, no Hotel Bedford, e foi naqueles anos que gravou para a EMI francesa boa parte de sua obra sinfônica. Morreu em dezembro de 1959, em sua casa, no Rio de Janeiro.

Exposição Viva Villa A maior exposição sobre a vida e obra de Heitor VillaLobos permanecerá no espaço do Arquivo Nacional de 12 de outubro a 05 de janeiro de 2010. A primeira parte explora a biografia e a obra de Villa-Lobos ao longo dos séculos XIX e XX, com textos, fotografias, cartazes, pinturas, capas de discos, partituras, instrumentos musicais e objetos pessoais do compositor, além de informações sobre sua participação na Semana de Arte Moderna de 1922. Na segunda parte, um trenzinho caipira reserva aos visitantes um momento lúdico, levando-os às cidades e lugares que marcaram a vida e obra de Villa-Lobos: o sertão, Paris, Amazônia e Nova York. A terceira é dedicada ao universo infantil e contará com brincadeiras, instrumentos musicais artesanais. Por fim, mais música: o Villa in Concert faz apresentações gratuitas, com o repertório do grande maestro. O que: Exposição Villa-Lobos Onde: Arquivo Nacional, praça da República, 173, Rio de Janeiro (RJ) Quando: De 12 de outubro de 2009 a 05 de janeiro de 2010 Mais informações: (21) 2179-1273

35


Cultura - teatro

Os muitos eus de Paulo Cesar Peréio

O

ator Paulo Cesar Peréio comemora 50 anos de carreira com a peça “Escuta, Zé Mané!”. O texto, adaptado livremente pelo ator, foi inspirado no livro “Listen, Little Man!”, do psiquiatra austríaco Wilhelm Reich, que foi discípulo de Sigmund Freud. Peréio faz uma releitura das ideias de Reich, incorporando-as à sua própria personalidade e reafirmando sua fama como um dos maiores atores do Brasil, numa simbiose afinada entre ator e autor. O espetáculo, que tem trilha sonora do músico Wilson Sukorski, fica em cartaz até o dia 29 de novembro. Na peça, Peréio/Reich concede uma palestra (nada ortodoxa) e, no decorrer da conversação, é confrontado com seus outros “Eus”; o masculino, jovem, e o “Eu” feminino. Ele, então, constata que seu discurso ganha outras vozes, criando, assim, uma atmosfera surrealista na concepção cênica e dramatúrgica proposta pelo diretor Lenerson Polonini, que vem, há longo tempo, investindo em encenações estilizadas, hibridas e com um forte apelo visual. O elenco conta, ainda, com as atuações do ator João Velho (filho de Peréio), que vive Peréio/ Reich na “versão jovem”, e da atriz Neca Zarvos, que interpreta Peréio/Reich em versão feminina. A montagem traz ainda projeções de Lara Velho (filha de Peréio e diretora de seu programa semanal no Canal Brasil) e trabalha com as possibilidades de convergências de linguagens: teatro, vídeo, música eletrônica e moda. “Com essas várias possibilidades, a peça aborda os conflitos e as angústias na busca pelo sentido num mundo contemporâneo, envolvendo política, sexualidade e temas recorrentes na história da humanidade. Com isso, o espetáculo pretende traçar um panorama do Brasil nos últimos 50 anos”, avalia o diretor, Lenerson Polonini. Utilizando recursos cênicos mínimos, a peça é apresentada em único ato, dividido em três partes, com a utilização de projeções, material pré-gravado, voz-off, câmera ao vivo, performance e outros aparatos tecnológicos que pretendem auxiliar os três atores. O espetáculo conta também com a trilha-sonora do renomado músico de vanguarda Wilson Sukorski e figurinos de Carina Casuscelli.

Maturidade no palco Paulo Cesar Peréio iniciou sua carreira no cinema atuando em “Os Fuzis”, (1964) de Ruy Guerra e não parou mais. Também marcou presença no teatro atuando em grupos como

36

Arena e Oficina e teve professores como Eugênio Kusnet, com quem conviveu e atuou na peça “Os inimigos” de Máximo Gorki. No cinema, Peréio é considerado lendário, tendo atuado em mais de 70 longas, com expoentes do gênero no Brasil como Ruy Guerra, Glauber Rocha, Walter Lima Jr, Paulo César Saraceni, Hector Babenco, Neville D´almeida, Arnaldo Jabor, entre outros. Hoje com mais de 50 anos de trajetória, Peréio continua trabalhando em teatro e cinema, participa de curtas metragens apoiando jovens cineastas e tem uma das vozes mais requisitadas por publicitários em todo o país. Também apresentado o talking show “Sem Frescura”, no Canal Brasil. O que: “Escuta, Zé Mané!” Onde: Sesc Avenida Paulista - Espaço 5º andar (av. Paulista, 119, Bela Vista, São Paulo, SP. Tel.: 11 3179-3700. Quando: Sexta a domingo 21h. Até 29/11. Quanto: R$ 20,00. Mais informações: www.sescsp.org.br

Foto: Divulgação

Peça aborda os conflitos e as angústias na busca pelo sentido num mundo contemporâneo.


Cultura - teatro Um homem em busca da sombra Fotos: Divulgação

Inspirado em conto adulto do escritor Hans Christian Andersen, espetáculo remete ainda a autores como Mary Shelley, Franz Kafka, Robert Louis Stevenson, Oscar Wilde e Roald Dahl.

O

espetáculo tragicômico “Bem Aventurados os Anjos que Dormem”, de Marilia Toledo, explora o clima de suspense - algo raro no teatro -, a partir de uma narrativa fragmentada e sem ordem cronológica. O enredo traz sete personagens em quatro épocas diferentes, que terão seus destinos unidos pela tentativa de trazer de volta à vida o cientista Stein, morto após um experimento que fugiu de seu controle. O enredo funciona como um grande quebra-cabeça, que o espectador vai desvendando aos poucos. Os atores Juliana Saad (Hanna), Daniela Flor (Mary), Ariel Moshe (Stein/ Frank), Carlos Dias (Paolo/Julian) e Márcio Bueno Dias (Nani) integram o elenco. A direção é de Kleber Montanheiro. Em 1913, Stein - um homem solitário e renomado cientista - procura uma fórmula para dar vida própria ao seu reflexo no espelho. A experiência é bem-sucedida mas foge ao controle do cientista: o reflexo sai do espelho e domina a vida do homem, levando-o à morte. O reflexo de Stein morre junto com ele, deixando um filho com a governanta Hanna. A partir daí, a trajetória dos personagens vai ser pautada pela tentativa de trazer Stein de volta à vida. Hanna e seu filho Nani transformam a casa em uma hospedaria, mas os hóspedes, como o viajante Paolo, na verdade serão cobaias para experimentos que os dois fazem no antigo laboratório do cientista. Anos depois, Nani - já adulto e agora um médico de sucesso - se envolve com uma mulher casada e usa seus conhecimentos científicos para gerar um herdeiro em sua amante, já que ela é estéril. Porém, esse vai ser mais um experimento seu para trazer Stein de

volta à vida. “A idéia surgiu no bicentenário de morte de Hans Christian Andersen, em 2005. Kleber já tinha o espetáculo “O Rouxinol”, baseado num conto de Andersen, e começamos a pesquisar o universo dele para propor novos espetáculos. Achei em sua obra um conto para adultos chamado A Sombra, sobre um homem que começa a perceber que sua sombra está se destacando dele. A partir disso, veio a ideia inicial do espetáculo: a história de um renomado cientista em busca de uma experiência para dar vida ao seu reflexo no espelho”, conta a dramaturga Marilia Toledo. Além de Andersen, a peça também se inspirou no universo dos autores Mary Shelley, Franz Kafka, Robert Louis Stevenson, Oscar Wilde e Roald Dahl. “Na peça fizemos uma brincadeira com os nomes dos personagens (Frank, Stein, Mary), explicitando essas influências. O Retrato de Dorian Gray também traz esse mote de uma imagem do protagonista que começa a criar vida própria. O Médico e o Monstro, o conto de Andersen, e mesmo o mito de Narciso trazem ainda o tema dessa dupla personalidade boa e ruim que existe nas pessoas. Kafka entra com a temática da criação não humana do filho de Mary”, conta ela. O que: “Bem Aventurados os Anjos que Dormem” Onde: Miniteatro (Praça Roosevelt, 108, 1º andar, tel.: 11 2865-5955). Quando: Sábados, às 21 horas e domingos, às 20 horas. Até 29 de novembro. Quanto: R$ 5,00.

37


Uma grande perda Cantora é o novo e ultimo trabalho de Mercedes Sosa. O disco, que traz diversas participações, foi lançado recentemente na America Latina, antes do falecimento da cantora, e concorre a três prêmios do Grammy Latino de 2009. Cantora inclui participações de grandes nomes da música, como Julieta Venegas, Shakira, e os brasileiros Caetano Veloso e Daniela Mercury. Mercedes teve suas raízes na música folclórica argentina e foi uma das criadoras do movimento conhecido como Nueva Canción. Apelidada de La Negra pelos fãs, devido à ascendência ameríndia, ficou conhecida como a voz dos “sem vozes”. Mercedes Sosa representa a “voz da Argentina” para o mundo, não só pelos 36 álbuns lançados durante sua carreira, mas também como ativista e defensora dos direitos humanos e da liberdade de expressão. O que: Cantora (Álbum/DVD) Artista: Mercedes Sosa Quanto: R$ 50,00 Lançamento: Sony Music

Barbrarella Barbra Streisand está de volta ao cenário musical. Ela acaba de lançar um álbum repleto de clássicos do Jazz, Love is the Answer. O disco mal chegou às lojas e já figura no 1º lugar das paradas americanas, com a incrível marca de 180 mil copias vendidas na semana de seu lançamento. O álbum conta com a participações de Diana Krall, Gilson Perazzetta, Paul Williams. Destaque para o clássico “Smoke gets in your eyes”, na deliciosa voz de Barbra. O que: Love is the Answer (Álbum) Artista: Barbra Streisand Quanto: R$ 35,00 Lançamento: Sony Music

Shakira – A Loba Quanto resolveu investir no mercado americano Shakira foi bem assessorada por Emilio Estefan, resultando em sucesso imediato e aceitação pela critica especializada. Neste novo álbum, a cantora apresenta hits como “Did It Again”, “Gypsy” e o primeiro single lançado, “She Wolf”, cujo clipe foi visto mais de cinco milhões de vezes no YouTube, e é a terceira música mais tocada no Brasil, segundo a lista Hot 100 She Wolf apresenta a cantora como compositora e, pela primeira vez, produtora de seu próprio álbum. Ao lado de Shakira, rapper Pharrel, John Hill Santigold e The Neptunes marcam presença como co-produtores. No quesito parceria, a cantora repete o sucesso de “Hips Don’t Lie” ao se unir com Wyclef Jean na canção “Spy”, que ele também coproduziu. O que: She Wolf (Álbum) Artista: Shakira Quanto: R$35,00 Lançamento: Epic/Sony Music

38

Fotos: Divulgação

Cultura - música


Cultura - música Fotos: Divulgação

Paramore Produzido pelo ganhador do Grammy Rob Cavallo e co-produzido pela banda, Brand New Eyes é o aguardado sucessor de “RIOT!” (2007), segundo disco da banda. Foram produzidas duas versões do álbum, um CD standard e uma edição de luxe limitada. A versão de luxe, limitada a 15.000 unidades, incluirá o álbum em CD, um diário de 40 páginas, com capa dura, letras das músicas e anotações sobre o disco feitas à mão pela líder do Paramore, Hayley Williams, um single em vinil colorido de 7” com quatro músicas acústicas, um DVD com um documentário making-of (com entrevistas, cenas de bastidores, o videoclipe de “Ignorance” e seu making-of), raras vinhetas da banda tiradas do site da banda, um encarte com 16 páginas em quatro cores, um poster exclusivo do Paramore, cinco fotos colecionáveis da banda em papel especial e um certificado de autenticidade numerado. A versão de luxe será embalada em uma caixa especial. O que: Brand New Eyes (Álbum) Artista: Paramore Quanto: R$30,00 (versão simples) e de luxe US$30 (só no site da banda) Lançamento: Warner Music

Taking Woodstock A trilha sonora é sem duvida o grande personagem de “Aconteceu em Woodstock”. Um dos melhores filmes do ano, só poderia ter um disco à altura. O disco coleciona canções de ícones como Cosby, Still & Nash, Jefferson Airplane e Janis Joplin. Entre as canções, destaque para uma nova versão para “Freedom”, de Richie Havens.Havens foi o artista que abriu Woodstock em 15 de Agosto de 1969.Destaque para Maggie M’Gill do The Doors. O que: Taking Woodstock (Álbum) Artista: Vários Quanto: R$35,00 Lançamento: Warner Music

Crazy Love Michael Bublé,um artista diversas vezes premiado com o Grammy, se fechou em estúdios de gravação em LA, Nova York, e em sua Vancouver durante os últimos seis meses para fazer um disco definitivo sobre a inevitável montanha russa que são os relacionamentos. O primeiro single, “Haven’t Met You Yet”, composto por Bublé (com Alan Chang e Amy Foster), já chegou às rádios. Além dele, o álbum inclui “Cry Me A River”, “You’re Nobody Till Somebody Loves You”, “Georgia On My Mind” e “Baby (You’ve Got What It Takes)”, que foi gravada juntamente com Sharon Jones e The Dap-Kings. A música título é uma regravação da pérola de Van Morrison, “Crazy Love”. O CD fecha com uma arrebatadora versão de “Stardust”, que foi gravada com o grupo Naturally 7, à capela. O álbum foi produzido por David Foster. O que: Crazy Love (Álbum) Artista: Michael Bublé Quanto: R$40,00 Lançamento: Warner Music

39


Cultura - cinema Embora o filme “Amor Extremo” tenha como tema central a vida de quatro jovens durante a Segunda Guerra Mundial, e entre os jovens destaque para o controverso poeta galês Dylan Thomas (Matthew Rhys), o que mais chama atenção no longa é a atuação de Sienna Miller. Ela consegue algo que poucas atrizes de sua geração nem se atrevem em fazer. Some, isso mesmo, some no personagem. Desde sua estreia, em “Nem Tudo é o que Parece”, dirigido por Matthew Vaughn, ela simplesmente incorpora suas personagens de forma magistral. Esse filme, dirigido por John Maybury, narra o reencontro entre Dylan e sua namorada de infância Vera Philips (Keira Nghtley), que ganha a vida como cantora. O encontro durante bombardeios traz à tona um sentimento adormecido que Vera nutri por Dylan. Tudo muda com a chegada de Caitlin (Sienna Miller), esposa do poeta, que corta literalmente o barato entre os dois. Miller é espetacular e sua atuação faz com que o espectador esqueça o roteiro fraco e cheio de buracos de Sharman MacDonald.

A Todo Volume O diretor David Guggenheim orquestra um verdadeiro grande encontro entre as feras da guitarra, no documentário “A Todo Volume”. Narra não apenas o encontro entre The Edge, do U2, Jack White, do White Stripes, The Racounteers e a lenda Jimmy Page. O filme narra principalmente a história de cada um dos personagens, e está recheado de imagens de arquivos dos músicos. As imagens maravilhosas mostram, entre muitas coisas, a participação de Page em programas de TV no início de sua carreira, a primeira apresentação do U2 e um Jack White começando numa banda formada em uma tapeçaria. Guggenheim foi de grande felicidade ao escolher esses três grandes guitarristas de gerações diferentes mas de talentos iguais.

Abraços Partidos A obra de Pedro Almodóvar foi um grande divisor de águas não apenas em sua carreira, mais de quase todos os artistas que trabalharam com ele. Após sucesso arrebatador de “Volver”, chega aos cinemas “Abraços Partidos”. O roteiro, escrito por Almodóvar, conta a história de Mateo Blanco (Lluis Homar), um diretor e escritor que, após perder a visão em um acidente brutal, também perde seu grande amor, Lena (Penélope Cruz). Ele vive graças aos roteiros que escreveu e com a ajuda de Judit (Blanca Portillo), produtora de seus filmes, e do filho dela, Diego (Tamar Novas), que datilografa seus textos e serve como seu guia. O filme é mais uma viagem de Pedro recheada pelas incríveis atuações de seu casting.

40

Fotos: Divulgação

Amor Extremo


Cultura - cinema Aconteceu em Woodstock Fotos: Divulgação

O designer de interiores Elliot Teichberg (Demetri Martin) muda radicalmente quando resolve ajudar os pais, proprietários de um hotel meia-boca na cidade de White Lake. Sem muita perspectiva e num golpe do destino, procura os organizadores do festival de Woodstock e oferece a eles a licença conseguida para um simples festival de música local. O evento toma proporções inacreditáveis e com ele o dinheiro chega e muda de uma vez a vida dos moradores e comerciantes. Ang Lee, nessa altura do campeonato, não precisa provar absolutamente nada. Dono de talento inquestionável, firmou-se entre os grandes realizadores da sétima arte. O filme ainda conta com Imelda Stauton, como a mãe do protagonista, e Liev Schreiber, na pele de uma travesti impagável. Por essas e outras, “Aconteceu em Woodstock” é um grande filme, que consegue contar um período importante no cenário cultural, ocorrido nos três dias de paz e amor, no final dos anos 1960.

Julie & Julia Julia Child (Meryl Streep) era apenas uma americana vivendo na França. O trabalho do marido levou-os a Paris e, com sua disposição incansável, ela ansiava por algo com o qual se ocupar. Cinquenta anos depois, Julie Powell (Amy Adams) está frustrada com a sua vida. Prestes a completar 30 anos, morando no Queens e trabalhando num cubículo de uma repartição pública enquanto suas amigas desfrutam de um sucesso cada vez maior, ela se agarra a um plano aparentemente insano para ter onde concentrar as suas energias. Julie decide passar exatamente um ano cozinhando todas as 524 receitas de Julia, enquanto assina um blog sobre as suas experiências. A diretora Nora Ephron mescla com perfeição essas duas histórias extraordinárias numa comédia que prova que, com as doses certas de paixão, obsessão e manteiga, você pode mudar a sua vida e realizar os seus sonhos.

O Solista O filme é baseado na emocionante história do jornalista do Los Angeles Times Steve Lopez (Robert Downey Jr), que estabelece uma improvável amizade com um morador de rua, Nathaniel Ayers Jr (Jamie Foxx), que sofre de esquizofrenia. A aproximação dos dois se estabelece pelo poder redentor da música. Com um casamento desfeito e sem conseguir sequer se lembrar por que já gostou de seu emprego, Lopez está num beco sem saída. Até que um dia, caminhando pela rua, ele encontra com Nathaniel tocando um violino de duas cordas com toda a alma. À medida que investiga o mistério de como esse brilhante músico de rua, que já foi um prodígio destinado à fama, acabou vivendo em túneis e sob marquises, ele inicia uma busca inesperada. Mas na verdade a grande busca resulta na descoberta do verdadeiro Lopez. Emocionante e imperdível.

41


Cultura - Literatura Literatura negra

Por Rodrigo Kurtz

L

Fotos: Divulgação

ivros que trazem à tona questões culturais e sociais, que provocam identificação e reflexões, são mais do que necessários – são vitais. Esclarecem quem somos, são capazes de aumentar a autoestima, elevando assim, o espírito. No Dia da Consciência Negra, trazemos uma seleção de literatura para todas as idades cujo propósito é justamente esse.

Kalahari Tendo como fundo a história de Nelson Mandela, o livro infantojuvenil de Rogério Andrade Barbosa mistura realidade e ficção ao imergir o leitor em uma viagem à África. Por meio dos olhos de uma menina australiana de quinze anos, que acompanha o pai documentarista ao grande continente, observamos que os perigos não são apenas os “naturais”, como crocodilos, paquidermes e serpentes. O perigo humano aparece sob a forma de uma quadrilha de racistas perigosos e atentados políticos. O livro faz um paralelo entre os segregados africanos e os negros do Brasil, questionando ideias de civilização, barbárie e atraso cultural – resultantes do colonialismo –, com o propósito de evocar o respeito pela natureza e identidades culturais. O que: Kalahari – Uma Aventura No Deserto Africano Autor: Rogério Andrade Barbosa Páginas: 128 Quanto: R$ 23,00 Lançamento: Melhoramentos

Pretinha, Eu?

Fala Crioulo

Também do gênero infantojuvenil, esse livro de Julio Emilio Braz é considerado um dos mais importantes nesta data. Em tempos em que o bullying escolar está tomando seu devido espaço e preocupação da mídia, conhecemos a história de uma menina que ganha uma bolsa de estudo em um colégio. Discriminação, preconceito e descobertas são tratados de maneira séria e tocante, como é costume de Braz.

Três décadas depois de publicar sua primeira versão, a Editora Record relança a obra do historiador e jornalista Haroldo Costa. São 33 entrevistados, de diferentes setores profissionais e níveis educacionais – um painel plural e diversificado. Bastante oportuno em tempos que articulistas brancos pregam a inexistência de racismo no Brasil. Para saber mais visite: www.haroldocosta.com.br.

O que: Pretinha, Eu? Autor: Julio Emilio Braz Páginas: 63 Quanto: R$ 19,90 Lançamento: Scipione

42

O que: Fala Crioulo – O que É Ser Negro No Brasil Autor: Haroldo Costa Páginas: 264 Quanto: R$ 49,90 Lançamento: Record


Cultura - Literatura Fotos: Divulgação

Viagem poética

D

escobertos por acaso pela irmã do artista Alair Gomes (1921 - 1992), os registros fotográficos inéditos de “A New Sentimental Jorney” saíram da obscuridade dos arquivos para ganhar as páginas de uma bela impressão - da sempre caprichosa Cosac Naify. A edição bilíngue, que acaba de chegar às livrarias, é uma incrível viagem poética pelas obras de arte grecoromanas. Realizadas em 1983, durante uma viagem de Gomes à Europa, as fotos foram recentemente apresentadas na Maison Européenne de La Photographie, em Paris, sob a curadoria do também fotógrafo Miguel Rio Branco. O trabalho de Gomes se distinguiu dos demais na década de 70, quando ele buscava uma estrutura que contasse uma história cinemática com fotografias. O conjunto delas propõe vários significados e ritmos, e o Eros masculino – antes voyeristicamente observado em fugaz carne e osso nas praia ensolaradas do Rio de Janeiro – agora é clicado na eternidade de grandes obras como “Gigante Que Desperta”, “Davi” e “Eros e Psiquê”. O livro é um elogio à beleza, brindado com o olhar e as anotações de Alair Gomes sobre algumas das peças que fotografa.

O que: A New Sentimental Jorney Autor: Alair Gomes (segundo Miguel Rio Branco) Páginas: 70 Quanto: R$ 89,00 Lançamento: Cosac Naify

43


Audrey Couture Muse Collection Nas comemorações dos 80 anos de Audrey Hepburn, chega às lojas uma super coleção que reúne oito discos de filmes estrelados pela atriz, entre eles “Bonequinha de Luxo”, “Guerra e Paz”, “Sabrina”, “A Princesa e o Plebeu”, “Cinderela em Paris”, “Quando Paris Alucina”, o inédito “My Fair Lady” e mais um disco bônus com novos extras, incluindo entrevistas e documentários. Audrey se tornou ícone de moda no mundo e foi o ideal de elegância do estilista Givenchy, que era responsável por vesti-la em seus filmes. O que: Audrey Couture Muse Collection Quanto: R$ 99,90 Lançamento: Paramount Home

Chicago Chicago fascina Roxie Hart (Renée Zellweger), uma artista ingênua que sonha em cantar e dançar, mudando sua vida monótona. Seu maior desejo é seguir os passos de Velma Kelly (Catherine Zeta-Jones), estrela de vaudeville. Roxie consegue realizar seu sonho quando passos mal dados colocam ambas, a estrela e a aspirante, na prisão. Por meio da desonesta diretora da prisão Mama Morton (Queen Latifah), Roxie conhece o lendário advogado Billy Flynn (Richard Gere), que concorda em defendê-la em troca de honorários exorbitantes. O que: Chicago (Blu-Ray) Quanto: R$89,90 Lançamento: Imagem Filmes

Desperate Housewives 5 As donas de casa mais amadas da America estão de volta. Nesta quinta temporada, o criador da série, Marc Cherry, apostou num salto de cinco anos na vida dos moradores do subúrbio. Susan (Teri Hatcher) está separada de Mike (James Denton), Bree (Marcia Cross) vive seus dilemas com o marido e a empresa, os filhos de Lynett (Felicity Huffman) estão com os hormônios à flor da pele. Já Gabrielle (Eva Longoria Parker) continua casada com Carlos (Ricardo Chavira) e precisa administrar sua vida familiar. A série ganhou fôlego com as mudanças e conseguiu atrair seus espectadores durante todo o ano. O que: Desperate Housewives 5 Quanto: R$ 154,90 Lançamento: Disney DVD/ABC Studios

Lost 5ª Temporada Completa Restando apenas 34 horas até o episódio final, que será exibido em 2010, Jack, Kate, Hurley, Sayid, Sun e o filho de Claire, Aaron - também conhecidos como os Oceanic Six - foram resgatados e continuaram a tentar retomar as vidas que tinham antes do acidente e perpetuar a mentira que escondia a verdade do que realmente aconteceu. Mas Jack e Ben precisam convencer todos a retornarem à ilha para salvar aqueles que ficaram para trás. O que: Lost 5ª Temporada - Box Completo Quanto: R$149,90 Lançamento: Disney DVD/ABC Studios

44

Fotos: Divulgação

Cultura - dvd


Cultura - dvd Life - 2ª Temporada Life chega à sua segunda temporada e turbina a trama com mais casos policiais curiosos e instigantes. No centro da história está o detetive Charlie Crew, um homem que se dedicou por anos à carreira policial, fazendo tudo de maneira correta e que, depois de se envolver em um crime, foi acusado de homicídio e preso. Após 12 anos sofrendo todas as consequências de carceragem, Crews, que acabou adotando uma filosofia de vida diferente, é absolvido e reassume o posto de detetive-policial ao lado de uma nova parceira.

Fotos: Divulgação

O que: Life 2ª Temporada Quanto: R$99,00 Lançamento: Universal Pictures

O Exterminador Do Futuro: Salvação No tempo conturbado que se segue ao Dia do Julgamento e sob o domínio das máquinas, John Connor (Christian Bale), o líder predestinado da resistência humana, precisa contra-atacar o plano de devastador da Skynet para exterminar a raça humana. À medida que Connor reúne lutadores clandestinos para uma última e desesperada batalha, ele percebe que, para salvar o futuro, precisa resgatar seu próprio pai, Kyle Reese (Anton Yelchin). Mas a descoberta mais chocante acontece com a chegada de Marcus Wright (Sam Worthington), um misterioso solitário do passado que coloca Connor frente a frente com uma escolha. O que: O Exterminador do Futuro: Salvação (Blu-Ray) Quanto: R$89,90 Lançamento: Sony Home

Sem Destino Conheça sem censura a verdadeira contracultura da década de 1960, nesta impactante obra sobre a mistura de drogas, sexo e discussões políticas. Jack Nicholson, Peter Fonda e Dennis Hopper atuam neste clássico nada convencional, que a Time Magazine classifica como “um dos dez filmes mais importantes da década”. Indicado ao Oscar de Melhor Roteiro (escrito por Peter Fonda, Dennis Hopper e Terry Southern), “Sem Destino” continua a ter afinidade com o público de todas as idades. O que: Sem Destino (Blu-Ray) Quanto: R$89,90 Lançamento: Sony Home

Watchmen – O Filme Alguém está matando nossos super-heróis. É o ano de 1985 e os super-heróis se aliaram para revidar ao assassinato de um deles. Logo descobrem um sinistro plano que coloca toda a humanidade em grave perigo. Ao lutar para impedir a iminente catástrofe, os super-heróis percebem que são o alvo da destruição. Mas se nossos super-heróis se forem, quem nos salvará?.Você pode comprar esta obra prima do mesmo diretor de “300”, em edição dupla repleta de extras. O que: Watchmen-O Filme Quanto: R$49,90 Lançamento: Paramount Home

45


Cultura - Artes Plásticas

O

J. Borges em seu ateliê de xilogravura no Memorial J. Borges em Bezerros

46

Programa de Promoção do Artesanato de Tradição Cultural (Promoart) expõe, a partir do dia 5 de novembro, a produção de xilogravuras da cidade pernambucana de Bezerros. A mostra acontece no Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular do Rio de Janeiro. A cidade de Bezerros é conhecida nacional e internacionalmente por essa arte popular, presente, notadamente, em folhetos de literatura de cordel. A mostra Impressões dos Borges: a xilogravura de Bezerros vai trazer ao público, até 6 de dezembro, a produção de membros dessa família, entre os quais se destaca o patriarca J. Borges, José Francisco Borges, 74 anos, cordelista que, como autodidata, começou a fazer suas próprias xilogravuras, tornando-se mestre no ofício. Suas xilogravuras caíram no gosto de outros cordelistas, que passaram a encomendar-lhe trabalhos, permitindo, dessa forma, que seu nome ganhasse notoriedade entre seus pares e visibilidade nos meios acadêmicos pernambucanos, que voltavam sua atenção para o que era considerado “cultura popular.” Por meio de seu trabalho, a xilogravura de Bezerros conquistou, a partir de década de 1970, amplo reconhecimento sociocultural, atraindo a atenção de intelectuais como Ariano Suassuna e o folclorista Bráulio Nascimento, que estreitaram laços com J. Borges, e foram alugns dos responsáveis pela

Fotos: Francisco Moreira da Costa - CNFCP/IPHAN

A xilogravura de Bezerros


projeção nacional de seu nome e de sua arte. Recentemente, por conta de sua relevância cultural, o xilógrafo ganhou o título de “Patrimônio Vivo de Pernambuco”, concedido pelo governo do estado. Nos últimos 30 anos, J. Borges fez diversas exposições nacionais e internacionais, recebeu homenagens públicas, foi objeto de pesquisas acadêmicas, ganhou várias premiações artísticas. O xilógrafo iniciou alguns de seus filhos na aprendizagem de suas técnicas de gravação. Um deles é José Miguel da Silva, conhecido artisticamente como J. Miguel, que, quando criança, gostava de observar o pai trabalhando com madeira. Aos 10 anos, começou a desenhar e cortou suas primeiras matrizes em tacos de umburana. Seus trabalhos foram expostos em cidades do Brasil e nos Estados Unidos. Manassés José Borges é outro filho de J. Borges que se dedica à feitura de xilogravuras. Assim como a de seus familiares, a produção de Manassés é diversificada. Além do papel, vários tipos de produtos têm suas xilogravuras: caixinhas de madeira, camisas, bolsas, bonés, imãs de geladeiras, calendários, azulejos. Ivan Marquete Borges também seguiu os passos do pai, assim como Joel Borges, primo de J. Borges, e o irmão do mestre, Amaro Francisco, já falecido, cuja esposa, Graciete Correia Borges, e dois de seus filhos dão continuidade ao seu trabalho. Nena Borges, como é co-

nhecida artisticamente, é, provavelmente, a primeira mulher brasileira a fazer xilogravuras. No fazer dos mais novos, pode-se observar o respeito pelo legado familiar. Os Borges iniciam seus processos de produção diante de uma folha de papel em branco. Nela, por exemplo, Nena Borges prefere desenhar motivos da natureza. Givanildo, filho de Maria, irmã de J. Borges, palhaços. Imaginações, observações cotidianas e experiências de vida inspiram os riscos feitos pelos artistas. Invertida, a figura é transferida para o taco de umburana ou louro-canela, que é cortado com estilete, lixado e transformado em matriz. Depois que o rolete cobre com tinta o carimbo, outra folha de papel em branco é colocada sobre ele. Primeiramente, um carrinho pressiona o material contra o taco; depois, uma colher de pau completa o trabalho. “Assim, ficam impressas as xilogravuras, que revelam costumes comuns, práticas consagradas como tradicionais e imaginários coletivos”, como diz o pesquisador Marcelo Mac Cord, no texto do catálogo da mostra. O que: Impressões dos Borges Onde: Sala do Artista Popular - Rua do Catete, nº 179 – Catete, Rio de Janeiro – RJ. CEP: 22.220-000 / (21) 2285.0441 Quando: De 5 de novembro de 2009 a 6 de dezembro. Mais informações: contato@promoart.art.br

47


48


49


Desembarque

Praia do Rosa | Santa Catarina

Foto: Divulgação

Paraíso dos surfistas

Vista da Lagoa, no trecho próximo da ponte e da Avenida das Rendeiras: local perfeito para esportes náuticos, como surfe, windsurf e vela.

C

onhecida como o paraíso dos surfistas, a Praia do Rosa, localizada na divisa dos municípios de Garopaba e Imbituba, em Santa Catarina, apresenta características ideais para a prática de surfe, windsurf e vela. O local possui sete quilômetros de areia, águas transparentes, altas ondas e está cercado pelo verde exuberante de montanhas cobertas de mata atlântica. O formato de meia-lua da praia separou naturalmente os cantos norte e sul como as áreas mais próprias para o surfe. A praia recebe swells de todos os lados e oferece ondulações com ótima qualidade em toda a orla, especialmente a ondulação sul. No centro está a Lagoa do Meio, com água salgada e tranquila. Atrás dos morros ficam quatro lagoas, também formadas pelo mar. Próximo dali está a praia de Ibiraquera, considerada por esportistas como a melhor praia para a prática de windsurf no Brasil. Possui dunas, rios, ilhas e lagoas, inclusive a de Ibiraquera, onde se pratica o kitesurf. Anualmente, no mês de outubro, atletas de vários países se encontram por lá para competições importantes. A lagoa também é conhecida pela pesca de camarão.

50

Marcada pela cultura açoriana, Imbituba é um dos destinos turísticos mais procurados no litoral catarinense. Localizada a 104 km de Florianópolis, capital do estado, recebe no verão milhares de turistas e esportistas em busca de suas praias. A população do lugar chega a triplicar nos meses do verão. Algumas praias são quase desertas, oferecendo ambientes perfeitos para quem quer relaxar à beira-mar. Nas ilhas de Sant’Ana de Dentro, Sant’Ana de Fora, Araras, Tacami, Ouvidor e do Batuta, é possível passear de escuna e caminhar pelas trilhas ecológicas que levam a praias ou lagoas. Outra importante atração de Imbituba é a baleiafranca. Entre os meses de maio e novembro, a costa da cidade é escolhida pelas baleias, que vêm parir e amamentar seus filhotes. Elas ficam bem próximas à praia e encantam tanto moradores quanto turistas. A cidade possui boas opções de hospedagem. São diversos hotéis e pousadas equipados com conforto para receber os turistas. A maioria dos restaurantes é especializada em frutos do mar, é possível achar outras opções para agradar aos paladares mais variados.


Fotos: Divulgação

Saiba mais: Prefeitura: www.imbituba.sc.gov.br Bela Santa Catarina: www.belasantacatarina.com.br Secretaria de Turismo: www.sc.gov.br/portalturismo

Praias quase desertas, passeios de escuna, trilhas ecológicas e esportes náuticos são algumas das atrações locais.

51


Desembarque

Bela no céu, no mar e na terra

Torres | Rio Grande do Sul

S

ituada no litoral do Estado do Rio Grande do Sul, a 198 km de Porto Alegre, Torres possui praias de areias brancas e possui uma grande variedade de belezas naturais. Ali é possível encontrar mar, ilha, praias, dunas, rochedos, mata atlântica, rio, lagoa, cachoeiras e diversas espécies da fauna e da flora – tudo num mesmo lugar. O município é um dos mais antigos do Estado do Rio Grande do Sul. A região foi inicialmente habitada por índios Carijós, Minuanos e Arachanes. Hoje, resta o casario colonial, que conta um pouco da história da cidade, fundada ainda no século XVIII. A Igreja São Domingos, inaugurada em 1824, possui construção em estilo colonial barroco simples e uma única torre - erguida em 1898 pelo Padre Lamônaco. Existem no seu interior imagens doadas por Dom Pedro I, de grande valor histórico. Foi tombada pelo Projeto Pró-Memória. A Praia da Guarita, considerada a mais bela da região, possui jardins com desenhos feitos pelo famoso paisagista Burle Marx, com a ajuda do ecólogo José Lutzemberger. Tem ainda um restaurante típico e um lindo

52

Foto: Divulgação

Destaque do litoral gaúcho: vista da lagoa, e ao fundo, a praia da Guarda.

anfiteatro natural cercado por um lago artificial. A Praia Grande, com seus dois quilômetros de extensão, é a preferida para o banho de mar. Ali acontece a maioria dos eventos esportivos do verão, tais como futebol, vôlei, surfe, entre outros, bem como shows ao ar livre. Já a Praia da Cal, uma das favoritas dos surfistas, possui este nome porque até 1940 existiam nela vários fornos de torrefação de conchas, caramujos e mariscos para a fabricação de cal mineral. Em frente à praia fica a Praça Nossa Senhora dos Navegantes, que possui uma imagem da Santa, conhecida como Iemanjá nas religiões de origem africana. Além de ser um dos destinos de veraneio mais sofisticados do Estado, sedia festivais de balonismo, atividade muito difundida na região. Tudo começou em 1989, durante os preparativos da II FEBANANA. Seus organizadores resolveram inovar e trazer alguns balões para a abertura do evento. O sucesso foi tamanho que, a partir do ano seguinte, surgia o I Festival Sulbrasileiro de Balonismo e a cidade tornou-se a capital brasileira do balonismo.


Fotos: Divulgação

Saiba mais: Portais de turismo: www.torres.com.br e www.torres.tur.br Casa do Turista: (51) 3626-5559 Acima: Vista aérea a partir de um balão. À esquerda: Vista da Costa e Igreja de São Domingos.

53


Desembarque

Maraú | Bahia

Foto: Divulgação

Beleza e simplicidade preservadas

A praia do Campinho conta com atracadouro e um Iate Clube particular.

A

Península de Maraú, na Bahia, guarda muitas belezas naturais e arquitetônicas, incluindo uma variedade de ecossistemas costeiros, que compreeende águas interiores, estuários, bem como ecossistemas fluviomarinhos e terrestres. Situado a 180 quilômetros de Salvador, este santuário ecológico com cerca de 18 mil habitantes foi descoberto apenas recentemente por baianos e turistas. Porém, os moradores mais antigos contam que já foi visitado até pelo escritor e aviador francês Antoine de Saint-Exupéry, autor de O Pequeno Príncipe, que teria permanecido ali tempo suficiente para manter uma residência. A importância da cidade em séculos passados revela-se hoje nos prédios de arquitetura antiga. Do mirante na cidade alta, consegue-se uma bela vista do estuário de Maraú e da cidade baixa, de onde se observa a ampla área de feira e as embarcações no atracadouro. Situada entre uma restinga e uma área de mangue, a Lagoa do Cassangê é passeio obrigatório. Suas águas escuras em contraste com o vasto areal branco desenham uma paisagem paradisíaca, circundada por uma extensa vegetação arbustiva de árvores frutíferas e junco.

54

Cercada de mata, a Cachoeira do Tremembé é uma linda queda d’água de cinco metros de altura que forma um grande lago. O banho no local é muito agradável, mas saltar do barco próximo à cachoeira é perigoso, pela força das águas. Vale visitar o povoado de Taipus de Dentro, uma pequena vila de pescadores localizada dentro da Baía de Camamu, na ilha de Taipu Mirim, que apresenta boa infra-estrutura urbana. Já o povoado de Campinho conta com atracadouro e um Iate Clube particular, onde velejadores costumam se hospedar. Há outras pousadas no local, restaurante e vida noturna agitada. A Ilha de Sapinho, pequena vila de pescadores, reúne restaurantes com frutos do mar. Os proprietários conservam e criam em cativeiro lagostas, caranguejos e goiamuns vivos, e o cliente escolhe qual comer. Um passeio pela ilha leva à travessia de uma passarela que permite uma visão completa do manguezal e dos catadores de siris. Ainda na península de Maraú está Barra Grande, vilarejo que possui uma das praias mais bonitas do País, repleta de atrações e piscinas naturais ótimas para banho e mergulho.


Fotos: Divulgação

Saiba mais: www.peninsulademarau.com e www.guiamarau.com.br

Esquerda: Homem carrega artesanato feito de palha. Abaixo: Artesanato típico e Praia da Ilha do Gogó.

55


56


Vinho e Sexualidade Foto: Divulgação

O encontro

Q

uando me perguntam “o que um médico sexólogo tem a ver com vinhos”, geralmente respondo: “tudo”, pois o compromisso em ambos é com o prazer e a felicidade. Não é por acaso que a palavra vinho está associada a Vênus, a deusa do amor. Em outro momento disse a jornalista mineira Déa Januzzi: “Ligação mais sedutora impossível, pois tanto o vinho quanto o sexo devem ser degustados sem pressa, curtindo as preliminares, os cheiros, o verdejar da taça e o aflorar das emoções. Quem tem sede, bebe água. Quem quer prazer, degusta. Bebe devagar e presta atenção nos detalhes, usando todos os estímulos possíveis, como visão, olfato, paladar, audição e tato. Ouve o estampido da rolha, os ruídos do amor, desperta as fantasias”. A ideia de criar o site vinho e sexualidade apareceu depois de uma viagem ao exterior para um congresso médico, em que fiquei sabendo, por meio de um sexólogo francês, que uma médica de Bordeaux tinha um site (não existe mais) sobre “vin et sexualitée”. Pensei comigo: por que não fazer essa ponte também, já que muitos dos convites que me faziam para palestras em sexologia, dentro e fora do Brasil, pediam-me também para falar da arte da degustação, que não é muito diferente da arte do amor, como mostramos em palestras e cursos sobre o tema? Bebida alcoólica e sexualidade sempre foi uma preocupação da humanidade. Ajuda ou atrapalha o sexo? Com a palavra Shakespeare, em McBeth (1605): “It provokes the desire, but it takes away the performance”. O álcool provoca o desejo, mas prejudica o desempenho. Os nordestinos, com sua simplicidade, dizem que “o álcool dá coragem, mas tira as forças”. Existe um provérbio português que diz: “o vinho dá forças e o vinho as tira”. Na verdade, em doses baixas, pode tirar alguns freios que levam à inibição da pessoa ao se relacionar, e isso se traduz em mais entrega, aspecto fundamental à sexualidade. Em doses altas é ruim, não só para o sexo, mas para todo o organismo Em minha opinião, um bom vinho precisa despertar “algo mais”, precisa tocar de algum modo o coração das pessoas. Como nos encontros interpessoais, os passos a serem vivenciados em relação ao vinho são os mesmos de um encontro amoroso. Em geral, todo encontro amoroso começa pela atração, evolui para paixão, enamora-se e termina em amor profundo, inesquecível. Ou nada disso pode acontecer. Já há algum tempo adoto uma forma de avaliação de uma maneira que responde melhor à minha proposta de ligar o vinho à emoção (coração). Aqueles capazes de tocar meu coração recebem como avaliação uma taça no

Gerson Lopes formato deste. À medida que despertam emoções mais intensas, fazem com que a taça vá se preenchendo, e alguns (infelizmente, poucos) seriam tão especiais a ponto de flechá-lo, como na estória do Cupido. Se o vinho foi capaz de propiciar este momento mágico, sem dúvida é um “fora de série”, e não há como deixar de merecer uma nota de 96 ou mais pontos (legenda abaixo). Bom 80 a 84 pontos “Estou atraído, porém não me despertou paixão”

Excelente 90 a 95 pontos “Estou completamente enamorado”

Muito Bom 85 a 89 pontos “Estou começando a me apaixonar”

Fora de série 96 a 100 pontos “Amor puro, para sempre... Inesquecível”

Gerson Lopes Médico, com atuação em sexologia, coordenador do departamento de Medicina Sexual do Hospital Mater Dei/BH/MG e do projeto “Sexualidade com Qualidade”, da Associação Saber (www.ongsaber.org.br - 0800.7744.525).

57


Gastronomia

Culinária internacional com toque catarinense ernando Antonio Ziliotto Gomes é o nome por trás dos restaurantes Estação 261, de Florianópolis. Com menos de quatro anos em funcionamento - localizados em Jurerê Internacional e no bairro Coqueiros, na rota gastronômica da capital -, o Estação 261 já tem no currículo indicações a chef do ano e melhor restaurante do estado, pela revista Veja Santa Catarina. O chef catarinense Fernando Gomes tem formação em Relações Internacionais, mas foi na arte de cozinhar que encontrou sua maior motivação. “Toda essa história de cozinhar vem de infância: minha mãe, a gourmet Marly Gomes, sempre me incentivou e nossas origens italiana e alemã influenciaram meu gosto pela culinária”, comenta. Após um período de intercâmbio em restaurantes de alta gastronomia em Wisconsin, nos Estados Unidos, Fernando tomou a decisão que mudaria sua carreira. Ao voltar para o Brasil, aperfeiçoou os estudos na área e investiu na abertura do próprio restaurante. “Tinha todo apoio da minha família e conhecimento nas áreas de gastronomia e gestão. Queria desenvolver a estrutura turística local, além de formar uma equipe completa”, explica. Fernando ainda recebe o apoio da noiva Gabrielly Lanski, que além de sócia comanda a loja da grife Folic em Santa Catarina. O chef revela que gosta de ousar nos temperos e no método de preparação de frutos do mar e carnes silvestres, em um estilo dinâmico, similar ao do chef inglês Jamie Oliver. O Estação 261 é especialista em culinária internacional, e investe na escolha de ingredientes dos quatros cantos do mundo para produção de pratos primorosos. As receitas mais requisitadas do menu são o camarão à Estação 261, salada de queijo brie, filé de cordeiro à Estação 261 e, como entrada, ostras frescas gratinadas ao molho de champagne. Além de um cardápio requintado com opções diversificadas entre pratos quentes, carnes e saladas, os vinhos são um capítulo à parte. “Nossa carta de vinhos compreende mais de 150 rótulos nacionais e importados; para isso, o sommelier da casa, André Brighentti, sempre indica a melhor opção de acompanhamento conforme o pedido do cliente”. Para dar o toque doce de uma refeição única, as sobremesas vêm em infinitas opções, como frutas flambadas com sorvete, creme de papaia com cassis e a exclusiva montezuma de chocolate com amêndoas. O restaurante é sucesso hoje em eventos corporativos e buffets para celebridades e personalidades do cenário político de todo o estado. “O Estação 261 é exemplo de estabelecimento que acredita no potencial da gastronomia catarinense, desenvolvendo e incentivando a economia de Florianópolis em alto estilo”, finaliza o empreendedor Fernando Gomes.

58

Fotos: Divulgação

F

Fernando Gomes, do Estação 261.

A exclusiva sobremesa montezuma de chocolate com amêndoas criada pelo chef.

Serviço: O quê: Estação 261 Bar e Restaurante Onde: Av. das Raias 261 - Jurerê Internacional (48) 3282-9944 Mais informações: www.estacao261.com.br


Entrevista

Pérola Negra

T

handie Newton consegue unir talento, versatilidade e força em seus trabalhos - isso sem falar na beleza. Ah! A beleza de Thandie Newton, uma mulher negra, linda e talentosa. Minha entrevistada nasceu em Londres e foi criada em Cornwall, Inglaterra. Aos 16 anos, enquanto estudava dança moderna na London Art Educational School, conquistou o papel de protagonista em “Flirting”, filme sobre o amadurecimento de uma jovem aclamado pela crítica. Ela estudou antropologia na Universidade de Cambridge e, depois de formada, retomou a sua carreira artística. O seu currículo cinematográfico impressionante inclui “Entrevista com o Vampiro”, “Bem Amada”, “Missão Impossível 2”, “À Procura da Felicidade” e “Crash – No Limite”, que lhe deu um prêmio BAFTA de Melhor Atriz Coadjuvante. Entre seus outros trabalhos, destaque para “Jefferson em Paris”, de James Ivory, o equivocado “Norbit”, de Brian Robbins, a deliciosa comédia de humor negro “Rock n’Rolla”, de Guy Ritchie, sem falar na participação em “ER” e seu inacreditável desempenho como a secretária Condoleezza Rice no brilhante “W”, de Oliver Stone. Atualmente ela trabalha no thriller “Vanishing on 7th Street”, sob a direção de Brad Anderson. Embora Thandie Newton se esforce para deixar bem claro que ela adorou a experiência de fazer o filme “2012”, ela vinha de uma experiência em que transitara pelo Salão Oval – interpretando Condoleeza Rice em “W” – quando decidiu assumir o papel de Laura Wilson e se viu de volta mais uma vez à Casa Branca. “Isso foi tão curioso. Eu literalmente terminei a minha última cena em ‘W’, contracenando com Josh Brolin no Salão Oval, e duas semanas depois eu estava num set diferente para ‘2012’, em Vancouver, outro set do Salão Oval, interpretando a filha de um presidente.” Quando concordou em atuar no épico-catástrofe de Roland Emmerich, ela sabia, é claro, que enfrentaria muitos desafios – o que era parte do apelo do filme. E a sua sequência mais difícil foi rodada num tanque nos estúdios de filmagem de Vancouver, onde os gênios técnicos da equipe recriaram os momentos que se seguem à inundação que, no filme, deixou a maior parte do planeta embaixo d’água. Newton vive em Londres com o marido, o diretor Ol Parker, e os dois filhos do casal. Seu comprometimento com a vida familiar, segundo ela, é um fator determinante na escolha de quais papéis ela interpretará. “O modo como eu trabalho e quando eu trabalho têm bem mais a ver com o fato de eu ser mãe do que ‘o que eu gostaria de fazer em seguida?’ Se eu tiver feito uma superprodução, então eu não vou querer fazer outra grande produção, por causa das crianças, da escola e desse tipo de coisas. É meio enfadonho, mas é isso o que determina meus trabalhos mais do que qualquer outra coisa.”

60

Por Dani Ferrera Estação Aeroporto entrevistou Thandie durante a divulgação de “2012”, o novo filme de Roland Emmerich. Aqui ela fala sobre as sequências de ação e, claro, sua elogiadissíma performance como Condoleezza Rice no esplêndido “W”, de Oliver Stone. Estação Aeroporto: “2012” é um blockbuster. Você acha que é preciso cuidado para que os efeitos não se sobreponham à história num filme assim? Thandie Newton: Sim, acho, mas eu sabia que isso não aconteceria quando li o roteiro. Roland se interessa, de fato, pela história e pelos seus personagens – na verdade, é uma história muito humana. Eu sou a filha do presidente. Pertenço à família do presidente e, de repente, nada disso importa. E a mesma coisa ocorre com todos os personagens do filme – tudo o que você considerava importante antes não importa mais. Quando as inundações e os terremotos começam a ocorrer, tudo o que importa é salvar a própria vida e as vidas das outras pessoas. Tudo se reduz aos princípios básicos do que é ser humano, o que isso significa e o que realmente é importante. É um arco emocional fantástico para todos os personagens e, sem dúvida, para a minha. Algumas pessoas, alguns poucos privilegiados, sobreviverão, mas há também a questão dos padrões morais que os sobreviventes terão. Porque mesmo com todo o pânico natural que se segue, ainda há disputas pelo poder – até mesmo quando tudo está sendo destruído, eles pensam: “Olha, se nós seremos os sobreviventes da raça humana, precisamos estabelecer parâmetros morais”. E esses são temas realmente interessantes a se explorar numa superprodução como esta. Tem muita ação? Sim, tem. E que tipo de coisa você teve de fazer? Eu passei bastante tempo incrivelmente ensopada (risos). Absoluta e completamente encharcada – minha calça, meu agasalho, meus sapatos, tudo. Foi um sofrimento e eu pareço uma criança com esse tipo de coisa. Eu não reclamava de nada, mas, no fundo, eu ficava pensando, ‘essa não, de novo, não!’ Há uma sequência em que as ondas começam a nos inundar e eu preciso mergulhar atrás de uma menininha para salvá-la. Estava tudo ótimo, mas, por dentro, eu pensava ‘P*** merda! Vamos, por favor, encerrar por aqui!’ E a menininha estava se divertindo muito. No intervalo entre cenas, eu me enrolava numa toalha, enquanto ela continuava nadando para todo lado e adorando. E abençoada seja a equipe técnica, porque até aqueciam a água para todos nós, o que é maravilhoso, mas depois de um longo dia fazendo aqui-


61

Fotos: Divulgação


lo, o que você realmente quer são roupas secas e uma boa noite de sono. Numa outra sequência com água, nós estávamos num corredor comprido que eles montaram no set e criaram um maremoto gigantesco que dobrava outro corredor e vinha na nossa direção. E não estou falando de ondas de computação digital – eram milhões de litros de água de verdade. E tudo bem! (risos). Mas antes que a onda nos atingisse, o diretor cortava. A água recuava e era drenada para um tanque. Quando ele gritava, “Ação!”, a água voltava. Incrível. Você fez alguma coisa para tornar o clima mais leve? Não desta vez. Quando você está com um casaco encharcado, a sua calça está ensopada e as suas roupas são do (estilista) Alexander McQueen, você fica pensando: “Bom, isso acabou com a roupa…” Elas não eram minhas, mas eu pensava em ficar com elas no final da filmagem – mas não deu! Não, não houve pegadinhas. (risos) Isso é parte do seu projeto de carreira – fazer um filme pequeno como “W” e depois uma superprodução como “2012”? Não, não tenho nenhum plano ambicioso (risos). Mas é bom ser capaz de fazer um pouco de ambas as coisas. Eu nunca vou querer fazer um único tipo de coisa. No início da minha carreira, se eu fazia um filme sobre, digamos, a escravatura (“Jefferson em Paris/’), eu passava a receber todos os roteiros que circulavam no mercado sobre esse tema. Mas isso já não acontece mais como antes. Eu espero já ter provado que sou capaz de fazer coisas diferentes. Mas saiba que o modo como eu trabalho e quando eu trabalho têm bem mais a ver com o fato de eu ser mãe do que com ‘o que eu gostaria de fazer em seguida?’ Se eu tiver feito uma superprodução, então, eu não vou querer fazer outra grande produção, por causa das crianças, da escola e desse tipo de coisas. É meio enfadonho, mas é isso o que determina meus trabalhos mais do que qualquer outra coisa. Você gosta de assistir aos seus próprios filmes? Se forem bons. (risos) E quais são os bons? Ah, eu não vou responder a isso (risos). Eu quero dizer, há vários filmes de que eu gosto muitíssimo e outros que acho que não saíram como eu esperava, mas isso é algo que a gente nunca tem como saber. Nós, os atores, temos pouco controle sobre o resultado geral. Mas, sem dúvida, eu prefiro uns a outros – como, aliás, com qualquer filme, em geral, e não só com os filmes que eu fiz.

62

Foto: Divulgação

Pérola Negra


Fotos: Divulgação

Pérola Negra Diga, você teve algum feedback da Condoleezza Rice depois do lançamento de “W”? Não. Mas ela entrou para a minha agência, eu soube, a William Morris. Vocês talvez venham a se encontrar. Quem sabe? Pode ser que a gente se cruze no corredor da William Morris Endeavor. Agora virou a William Morris Endeavor, depois da fusão. Mas... não. A que ponto você pesquisa para um papel assim? Você estudou política externa norte-americana, por exemplo? Sim, com certeza, em relação ao modo como ela estava envolvida. E eu li muito, foi excelente. Há anos, eu não pesquisava tanto para um papel como estudei para aquele. Era um filme pequeno e um papel relativamente pequeno, mas eu estudei mais do que para qualquer outro dos meus filmes, porque eu sabia que o Oliver estimularia improvisos algumas vezes, ou cenas espontâneas. E quando a gente trabalha não só com personagens da vida real, mas com pessoas públicas ou que são conhecidas do público, você não pode errar. E também a sátira só funciona se você realmente dominar a mímica perfeita. E eu queria que fosse da melhor qualidade. Então, você teve de pesquisar muito para “W”. Como você se preparou para este filme? É uma psicologia to-

talmente diferente. Totalmente. Eu só li o roteiro e treinei bem minhas falas, porque realmente, não importa quem eu estava interpretando, é a história do mundo em colapso. Quando algo assim acontece – e tomara que nunca aconteça –, quando tudo está prestes a ser destruído, você não pode ficar se apegando ao seu status na vida ou se preocupar com os seus bens terrenos, uma vez que tudo irá desaparecer. Só importa o que é absolutamente fundamental e você se reduz à sua condição humana – pele, carne e ossos – e à luta pela própria vida. Então, que tipo de pesquisa você pode fazer para interpretar uma personagem envolvida numa situação dessas? Era mais o caso de me perguntar: “Nossa, o que eu faria no lugar dela?” Numa superprodução de cinema cheia de efeitos especiais, é natural os atores se sentirem perdidos em meio aos cenários grandiosos das cenas. Você acha que a sua personagem foi bem delineada? Olha, é um filme-pipoca que agradará às multidões. Alguém me perguntou: “Você acha que o filme levará as pessoas a terem mais consciência ambiental?” O filme realmente vai encorajar as pessoas a fecharem as torneiras enquanto estiverem escovando os dentes? Eu não sei. O que eu sei é que é um espetáculo deslumbrante – é colossal, do outro mundo, feito para entreter o público. E os personagens são muito bem construídos. Eu creio que a minha personagem representa a retidão moral e a consciência social. O personagem do Chiwetel representa o conhecimento científico e a sua importância e o do John Cusack representa a redenção, um homem que busca o perdão por não ser um bom pai. Amanda, que é uma boa mãe, representa a união da família. Então, sim, os personagens precisavam ser muito bem construídos, como, de fato, foram. E, você sabe, há muito espaço para sutilezas no filme, o que é ótimo. Você parou para pensar quando ouviu pela primeira vez sobre as profecias maias? Eu fiquei meio nervosa, confesso, da primeira vez que ouvi sobre as profecias maias. Eu sou uma espécie de antiga hippie e acredito que tudo é possível a qualquer hora. A realidade pode ser chocante o suficiente e coisas acontecem o tempo todo. Eu acho que o filme nos faz apreciar o presente e refletir sobre os desafios que nós enfrentamos – como, por exemplo, a crise econômica que estamos atravessando. Espero que ele nos faça apreciar as coisas simples e a valorizar os relacionamentos e as pessoas que amamos.

63


Moda

Brigitte Bardot na moda

A

cima da moda e das tendência, Brigitte Bardot foi um ícone de estilo. Mesmo usando pouca roupa na maioria dos filmes, a atriz conseguiu influenciar toda uma geração não só no visual, mas também na maneira de pensar. Até hoje BB é reconhecida por ter popularizado o uso do biquini. Depois das famosas cenas que escandalizaram o mundo no filme “A moça sem véu”, ela foi uma das primeiras mulheres a adotar o biquini na praia. Ousada, Bardot escolheu para o dia do seu casamento com o ator Jacques Charrier um vestido de noiva de xadrez vichy. Seu sutiã com armação de arame, usado bem alto, virou mania; isso sem falar da camiseta preta e dos vestidinhos leves e decotados, que viraram moda por causa da diva. Bardot foi a primeira atriz que ousou aparecer nos filmes sem meias, fato que inspirou muitas mulheres a abandonarem este complemento no verão. Foi Brigitte Bardot quem difundiu o penteado colméia de abelha, alto e despenteado. Até hoje o estilo é usado por celebridades como Cláudia Schiffer e Jéssica Simpson. O look sexy, com os olhos bem delineados e a boca nude, era outra marca registrada da atriz, e ainda inspira makes nas telonas e na vida real. Bardozismos que até hoje são marcas de estilo e sedução deixados pela eterna diva do cinema.

Fotografia: Matheus Alves Produção De Moda: Mirian Koerich Produção Executiva: Gabriela Tanuri Beleza: Fabiane Arcoverde Produção Geral: Samira Campos Vídeo E Comunicação Casting: Ford Models Santa Catarina Agradecimento: Alice Maria Flores E Dione Pascoto

64


Colar De Flores Criado Por Alice Maria Flores

66


Vestido Le Lis Blanc para Tida

67


Vestido Folic, chap茅u e rasteira Le Lis Blanc, 贸culos Prada

Vestido de Vichy Le Lis Blanc

68


Faixa, biquini de vichy e blusa listrada Le Lis Blanc

69


Biquini de vichy Le Lis Blanc

70


Vestido floral e sapatilha nude Le Lis Blanc

71


Moda

London Fashion Week eguir o roteiro de cobertura das semanas de moda internacionais – Nova York, Londres, Milão e Paris –, na sequência, exige fôlego e um bom conhecimento do DNA das cidades, suas culturas e suas histórias. Depois de cumprir Nova York no início de setembro, eu, Samira Campos, jornalista de moda, tive a sorte de ter a coordenadora do meu escritório de comunicação, Gabriela Tanuri, me esperando em Londres. Só um parêntesis: ela é pós-graduada em comunicação e moda pela London College of Fashion. Parceira perfeita para traçar um raio x das ruas, vitrines e passarelas da capital inglesa. Logo de cara um bombardeio de tachas. Tacha, tacha, tachas. Mesmo que você não goste ou sequer se imagine usando algo com apelo rock and roll ou punk, uma hora vai ceder. Não dá para fugir. Uma parada na frente da Top Shop, Meca do fast fashion inglês, e lá estão os looks criados pelo jovem estilista Christopher Kane, com exclusividade para a loja, que já tem a top Kate Moss como uma de suas madrinhas. Os looks de Kane são cheios de ilhoses, espelhinhos e tachas em sandálias, leggings fluorescentes e vestidos colados ao corpo. Nos corredores da London Fashion Week, entre salas de desfiles e show rooms de marcas, mais tachas acompanhadas de paetês, placas de metal e roupas feitas com a técnica de bandage. Destaque para a dupla australiana que faz o maior sucesso por lá, Sass and Bide. Seus vestidos de bandage modelam o corpo com tachas de diversos tamanhos, sinalizando a forte tendência para o inverno 2010 no Brasil. Você duvida? Tem aquela sensação de dèjá vu? Pode apostar. As tachas prometem voltar com tudo. As botas, de cano curto ou longo, devem ganhar tachas pontudas como as propostas por Laboutin, que já estavam circulando pelos bastidores. Tachas redondas em vários tamanhos, retangulares, multicoloridas, dão peso a sapatilhas e sandálias de tiras poderosas. Tudo para pisar firme no inverno 2010 e soltar seu lado meio punk, afinal todo mundo tem o seu.

72

A capital inglesa e seu DNA punk

Fotos: Divulgação

S

Por Samira Campos


Fotos: Divulgação

Esquerda: Vestido Sass & Bide. Esquerda, topo: Sapatilhas com tachas Russel & Bromley. Direita, topo: Sapatilhas com tachas Office London. Acima: Escarpin Christian Laboutin. Direita: Gabriela Tanuri e Samira Campos.

73


Mais ESTAÇÃO

Fotos: DivulgaçãoFotos: Divulgação

Louis Vuitton homenageia Cruz Vermelha

E

m 2009 a Cruz Vermelha comemora 150 anos de existência e de ajuda humanitária reconhecida internacionalmente. Para celebrar o evento e prestar uma homenagem, a Louis Vuitton reeditou uma “boitê pharmacie” (1914) que será leiloada na sede da Sotheby’s (New Bond Street) em um evento de caridade. Além disso, ofereceu a cinco mestres do savoir-faire a oportunidade de criar pedidos especiais exclusivos, que incorporassem seus talentos excepcionais, em suas respectivas áreas de atuação, e que também serão leiloados em prol da Cruz Vermelha. O leilão ocorrerá em novembro de 2009, durante um jantar de gala que será realizado na sede da Sotheby’s, localizada em New Bond Street; todos os lucros serão doados para a Cruz Vermelha.

Personalidades convidadas: Marc Jacobs viaja frequentemente entre Nova York, sua cidade natal, e sua casa em Paris, e está sempre acompanhado de Daisy e Alfred, seus dois cães da raça Bull Terrier. Ele pediu que a Louis Vuitton projetasse um nicho em tela Monograma para que seus animais de estimação possam viajar com estilo a bordo de um avião. Annie Leibovitz, em suas andanças pelo mundo, nunca usa bolsas, pois prefere estar com as mãos livres para segurar a câmera; portanto, ela solicitou uma mochila com espaço para seu equipamento fotográfico e objetos pessoais. A

74

Louis Vuitton criou uma mochila espaçosa com design cheio de estilo em tela Monograma; os acabamentos foram feitos em couro preto e os acessórios receberam acabamento de paládio. O chef espanhol Ferran Adrià e sua equipe trabalham no “laboratório” do restaurante, criando aproximadamente 120 novos pratos a cada estação. Ele também viaja incansavelmente em busca de inspiração e para participar de conferências e eventos gastronômicos, o que o levou a solicitar um conjunto de malas que pudessem ser transportadas em aeronaves. A Louis Vuitton criou uma mala de rodinhas na estampa Damier Graphite, contendo uma série de bolsos feitos sob medida e capazes de acomodar os objetos pessoas e o equipamento de cozinha de Ferran Adrià - todos se encaixando perfeitamente no interior da mala. O músico, compositor e produtor argentino Gustavo Santaolalla, ainda que nunca tenha recebido uma educação musical formal, foi quem apresentou os sons tradicionais da América do Sul para o resto do planeta por meio de seus álbuns solos, com destaque para Ronroco (1996), e de suas trilhas sonoras. Em 2006 e 2007, ele ganhou o Oscar de melhor trilha sonora original pelos filmes “O Segredo de Brokeback Mountain” e “Babel”, respectivamente. Quando Gustavo visitou o ateliê da Louis Vuitton em Asnières, carregando o seu amado instrumento, ele solicitou um estojo discreto, leve e em cor escura. Patrick-Louis Vuitton, representante da 5ª geração da


Fotos: Divulgação

Mais ESTAÇÃO Família Vuitton, iniciou sua carreira há mais de 35 anos no Departamento de Marcenaria do histórico ateliê de Asnières, bem como manda a tradição. Optou por mesclar a belíssima herança da Louis Vuitton com a sua paixão por pintura em aquarela. Dentro de uma maleta compacta com estrutura rígida costurado à mão, sua Boîte Commandes Spéciales traz um compartimento removível feito especialmente para seus equipamentos de pedidos especiais, incluindo uma fita métrica e uma câmera (para registrar a escala do objeto para o qual o cliente deseja uma mala), e um segundo compartimento feito especialmente para suas aquarelas, pincéis e blocos de desenho.

O chef espanhol Ferran Adrià leva seus manuais e livros de receitas em malas produzidas exclusivamente para ele

Acima, malas de transporte de instrumentos de Gustavo Santaolalla e abaixo, o monograma da LV enfeita o transporte dos bichinhos de Marc Jacobs

Acima, Annie Leibovitz e ao lado, à esquerda a mochila produzida para ela, que em sua profissão de fotógrafa, prefere ter as mãos livres

75


Social

Fotos: Divulgação

Oi Fashion Rocks A premiação Fashion Rocks, que une no mesmo palco música e moda, chega à America Latina e desembarcou na arena do Jockey Club do Rio de Janeiro na noite do dia 24 de outubro. Durante os desfiles de Alexandre Herchcovitch, Lenny, Versace, Calvin Klein, Givenchy e André Lima, rolaram performances de nomes como Mariah Carey, Wanessa e Ja Rule, P. Diddy, Grace Jones, Ciara e Daniela Mercury. Confira abaixo alguns momentos do festival mais badalado do universo fashion.

Mariah Carey para Calvin Klein

Wanessa e Ja Rule

Alexandre Herchcovitch Dudu Bertholine

Fernanda Lima e Rodrigo Hilbert Danielle Winits e Cássio Reis

76


Marina Lima

Ciara e Ricardo Tisci, da Givenchy

Oskar Metsavaht

Mariana Ximenez, Mario Testino e Donatela Versace

Estelle e Lenny Niemeyer

77


78


Velocidade

Na corrida entre os superesportivos Lamborghini traz ao Brasil versão renovada do modelo Gallardo LP 560-4, que tem motor V10 de 5.2 litros, com injeção direta e torque de 55 kgfm a 6.500 rpm. A força que o modelo traz sob o capô permite que a versão cupê acelere de 0 a 100 km/h em apenas 3,7 segundos e alcance a velocidade máxima de 325 km/h. O Spyder vai de 0 a 100 km/h em 4 segundos e chega à máxima de 324 km/h. Os dois modelos trazem transmissão com câmbio sequencial de seis velocidade e opção de trocas por meio de borboletas atrás do volante. Isso possibilita trocas 40% mais rápidas na alavanca do console ou na asa atrás do volante. Por fora, a carroceria feita em alumino possui tomadas de ar na lateral bem amplas, semelhantes às da Fer-

rari F430, e uma saída de ar traseira. Os faróis são de xenônio, com leds nas lanternas traseiras e dianteiras. A suspensão foi reprojetada para melhor estabilidade em altas velocidades. A distribuição do peso é feita com 43% na dianteira e 57% na traseira, o que, com tração nas quatro rodas, aprimora a estabilidade do esportivo. A Lamborghini inaugurou em outubro sua primeira loja na América Latina, em São Paulo (SP), com ousado objetivo de vender 12 unidades do Galliardo LP 560-4 até o final deste ano. O carro custa R$ 1,5 milhão a versão cupê e R$ 1,7 milhão a versão Spyder (conversível). Para 2010, a empresa prevê a chegada do modelo Muciélago LP640, com motor V12. Com o reforço no ainda pequeno mix de produtos, a importadora pretende vender 20 unidades da Lamborghini em 2010.

Fotos: Divulgação

A

Gallardo LP 560-4

79


80


Perfil Foto: Divulgação

Kiko Loureiro

Por Dani Ferrera

G

uitarrista da banda Angra lança seu terceiro disco solo e mostra paixão por orquestração e música erudita Depois do lançamento de dois álbuns que de tão diferentes poderiam até ser considerados complementares, pairava no ar a interrogação: E agora? Qual será a próxima empreitada do guitarrista Kiko Loureiro? O primeiro disco, No Gravity, baseou-se na veia mais agressiva e pesada de Kiko; um lado mais selvagem e atlético e no entanto complexo, com faixas nas quais o Heavy Metal é mesclado e fundido com a música brasileira. Em seguida veio Universo Inverso, trazendo faixas mais subjetivas e de um refinamento que você quase pode sentir nas pontas dos dedos. Um álbum focado em criar um Fusion Brasileiro e Latino, colocando em uso a paixão de Kiko pelo jazz e a música tradicional do Brasil. Mas o que esperar em seguida de um músico que com sua versatilidade já passeou pela noite e pelo dia de seu leque de influências? Que direção tomar? Qual seria o estilo predominante? Qual a formação e quais as características dos músicos colaboradores? O processo criativo de um artista nasce da expressão subjetiva e incontrolável, cujo início se dá no coração, é filtrada pelo cérebro e flui para o instrumento. A inspiração para uma composição deve surgir sem pré-conceituação. O disco nasceu nessas circunstâncias. Fluindo naturalmente da energia do rock-heavy e temperado com os ritmos, sons e linguagens brasileiras. A idéia deste trabalho é deixar aflorar a ambiguidade das personalidades musicais de Kiko, mostradas de forma pura seja em seus lados extremos ou em fusão. Encontram-se neste trabalho, desde uma faixa de violão e percussão com raiz no puro samba, até uma faixa de puro Heavy Metal que resgata as origens musicais do guitarrista no começo do Angra.A meta principal durante a composição do álbum foi encontrar uma linguagem em que estes universos musicais encontrassem uma intersecção, convivessem em harmonia e se complementassem. O “terceiro lado” desta dialética musical de Kiko Loureiro é a paixão por orquestração e música erudita que o guitarrista ainda não havia expressado de forma tão contundente em seus projetos solos mas que estavam presentes na banda Angra. FULLBLAST traz o resultado do desafio de transcender estilos e suas limitações misturando ao máximo as informações e ainda assim mantendo coesão e uma sonoridade particular.

81


Estação Final

by Syomara Besen syo@floripa.com.br

Celebrate Floripa By Marcelo Schmoeler

Fotos: Divulgação

Luiza Schwartz e Marcelo Gomes

Carol Lobato e Simone Monteiro

Karina Costa e Felipe Hulse Pederneiras

Fabiana Delfim, Jaqueline Dalabona e Giuliana Romano

Sarah Oliveira

Giuliana Romano (São Paulo) Sabrina Parlatori

82


Fotos: Divulgação

Carla Lamarca

Maria Bonita (São Paulo)

Bob Wolfenson

Fatima Mendonça, primeira dama do estado da Bahia, e Michelle Nasser ( Paulo Sousa)

Yacht Summer Fashion (Salvador) Julia Petit

NK Store (São Paulo) Natalie Klein e Tufi Duek

Ticiane Pinheiros e Roberto Justus

83


84


Crônica

Cacoetes verbais Raul Caldas Filho

A

expressão oral tem se modificado muito através dos tempos. Na antiguidade, quem possuísse o dom da oratória adquiria fama e respeitabilidade. Grandes oradores foram Júlio César, Cícero, Sócrates e Aristóteles. Como também, em tempos mais recentes, os déspotas Napoleão e Hitler, que galvanizavam as multidões com os suas pregações bélicas e racistas (especialmente o segundo). Outro notável orador, Winston Churchill, mais sincero e melhor caráter, num dos seus mais famosos discursos, prometeu aos ingleses apenas “trabalho, sangue, suor e lágrimas”. No Brasil, do século XIX até boa parte do século XX, os oradores eram pomposos e empolados e tinham como modelo o eloquente Ruy Barbosa. As vozes soavam trêmulas e vibrantes, carregadas de adjetivos e adornos retóricos. Isso começou a mudar com a chegada do rádio. Mesmo assim, o próprio rádio, no seu período áureo, pré-televisão, ainda se utilizava muito dos clichês discursivos. Os locutores masculinos ostentavam voz grave e impostada, sempre dirigindo-se ao “prezado ouvinte” com formalidade, agradecendo a “atenção dispensada” e o “privilégio da sintonia da nossa emissora no recesso dos seus lares”. As irradiações de jogos de futebol também carregavam nas tintas e nas metáforas. O jogo transformavase em “pugna” ou “peleja”; o gramado era o “tapete verde” (nem sempre tão verde assim), os times passavam a ser os “planteis” (“azurra”, “tricolor”, “rubronegro”, “cruzmaltino”), a bola virava “o couro” ou “o balão” e o juiz, “sua senhoria, o referee”. As transmissões, na maioria das vezes, eram mais eletrizantes dos que os próprios jogos, devido a inventividade e a imaginação desenfreada dos locutores e comentaristas esportivos, entre eles o grande compositor Ary Barroso. Já as rádionovelas tinham o patrocínio do sabonete Palmolive, “que, com a sua fragrância de lavanda francesa, deixa a sua cútis com a suavidade de uma pétala de rosa”, ou do creme dental Colgate, “que perfuma e purifica o seu hálito para os mais românticos encontros”. Tudo isso acabou com a chegada da televisão, que obrigou as rádios a partir para programações mais enxutas e informativas. Atualmente, o que predomina no mundo radiofônico são os locutores histéricos e a programação em altíssimos decibéis, com raras exceções. Mas o advento da TV, como o principal veículo de massa, com seus repórteres e apresentadores(as) en-

trevistando “ao vivo” políticos, celebridades e gente do povo (ou “populares”) têm gerado novos chavões e cacoetes verbais. Um dos mais utilizados até pouco tempo no Brasil e que agora parece estar perdendo gás era o abominável “a nível de”, que a rigor não nivela nada. Mas existem outros que estão na ordem do dia e em plena vigência. Vejamos alguns: Quando alguém vai começar uma entrevista, encara o ou a entrevistador(a) e solta um nada esclarecedor: - Veja bem... Outros(as), ao iniciar uma resposta, começam a frase com um aleatório: - Então... que não se sabe se é concordância com o que está sendo indagado, ou uma revelação ultra secreta. Há também aqueles(as) que se antecipam a pergunta com um incisivo por quê?!, que soa como um violento gancho no rosto do(a) repórter. Obviamente, eles mesmos respondem à sua própria pergunta. E se for algum político sendo entrevistado e surgir uma questão embaraçosa é inevitável que ele dirá: - Preciso consultar as bases. Já as autoridades, em face de atos escabrosos, ou violentos, de subordinados, sempre garantem que será aberto um rigoroso inquérito. Seguem mais alguns chavões, que não querem dizer absolutamente nada: Efetivamente... Com certeza... Vale dizer... Sem sombra de dúvida, além do indefectível né?, ao final de muitas frases. *** Os exemplos são muitos e cada leitor deve ter a sua lista pessoal de cacoetes televisivos e/ou discursivos. Mas não podemos nos esquecer do mais ilustre deles no atual momento político-administrativo. O presidencial: - Nunca antes neste pais... (dito, é claro, com a familiar voz rouca.) A frase pode ser preenchida do ponto de vista e discernimento de cada um que ler esta crônica. Raul Caldas Filho Jornalista, cronista e ficcionista. www.raulcaldasfilho.com.br contato@raulcaldasfilho.com.br

85


Aspiração

Foto: Divulgação

Por Langston Hughes

Estirar os braços Ao sol de algum lugar, E até que morra o dia Dançar, pular, cantar! Depois sob uma árvore, Quando já entardeceu, Enquanto a noite vem - Negra como eu -

86

Descansar... É o que quero! Estirar os braços Ao sol nalgum lugar, Cantar, pular, dançar Até que a tarde caia! E dormir sob uma árvore - Este o desejo meu Quando a noite baixar Negra como eu.


UM VERDADEIRO ATAQUE DE LAZER POR TODOS OS LADOS. Isso é diversão no único resort 3 em 1: praia, campo e parque aquático.

Criança não paga*.

Melhor preço para famílias! Compare e confira! Consulte seu agente de viagens. Informações ou reservas, ligue (11) 3512-4830 e fale o código AERO1109. Acesse www.rioquenteresorts.com.br *Duas crianças de até 12 anos têm cortesia de hospedagem desde que acomodadas no mesmo apartamento dos pais, pagando somente a parte aérea mais as taxas de embarque. Promoção válida por tempo indeterminado, podendo ser cancelada sem prévio aviso.

87


88


Revista Estação Aeroporto #13