Issuu on Google+

Revista

Associação Paulista De Cirurgiões Dentistas

Ano 1 7º edição Out/Nov 2013

Regional Sorocaba

Profissão Sorriso Os desafios da odontologia no mundo atual


Ano 1 - 7ª Edição Out/Nov 2013

Editorial na revista e em nossos ideais. Muito obrigado!!!

Carlos Alberto Muzilli

C

aros amigos e colegas. Com muita felicidade chegamos a mais uma edição da Revista APCD Sorocaba. Parabéns à nossa equipe da revista e particularmente à Andréa Lucchesi, Elisete Calegari e Camila Santos. Parabéns também aos nossos anunciantes e patrocinadores, é muito bom saber e comprovar por trás dessas empresas existem pessoas que acreditam na odontologia, na APCD,

Nossa revista neste mês, como matéria de capa, traz algumas diretrizes àqueles que ainda não entendem a função de cada órgão de saúde que estão diretamente ligados à nossa profissão. A matéria elaborada por Lucchesi, está muito dinâmica e abrangente. A leitura flui muito bem graças ao texto leve e bem elaborado, ótimo para acadêmicos, aos colegas mais jovens e aos que queiram entender melhor sobre o que fazer, a quem procurar ou o que pagar. Neste mês de outubro comemoramos nosso aniversário. E para celebrar a data os reunimos no dia 12 no Ipanema Clube, onde amigos e colegas puderam desfrutar de um bom prato, uma boa

música, boa bebida e um excelente ambiente: confira a cobertura do evento. Inovamos este ano graças à nossa diretoria e, particularmente ao colega e amigo Alexandre Brait Landulpho (diretor da EAP) e a colega Gisele Innocenti, do departamento social que nos auxiliaram neste processo. Estamos trazendo também para Sorocaba o grande nome nacional da odontologia estética com resinas compostas: O Prof. Ronaldo Hirata. Mais uma colaboração e dedicação da Escola de Aperfeiçoamento Profissional da APCD Sorocaba. Além destas empreitadas, estamos com os trabalhos de TCC (trabalho de Conclusão de Curso) de alunos na Faculdade de Odontologia São Leopoldo

Mandic que serão apresentados dentro da APCD, evento aberto para quem queira ver como andam e o que estudam nossos futuros colegas; estamos realizando uma reciclagem com toda diretoria com vistas ao trabalho em equipe; o departamento de esportes representado pelo colega Vinicius J. Oliveira está envolvido com novos projetos à classe com o campeonato do M.A.D.E.C (entre Médicos, Advogados, Dentistas, Engenheiros e Contadores); O colega Eduardo Imanobu está buscando atividades culturais (e visita ao museu odontológico da APCD Central) e assim vai... Muito obrigado a toda diretoria, inclusive numerosos nomes que não foram citados neste breve texto e a todos os colegas que apoiam e participam das atividades de nossa APCD. Boa leitura.

APCD - Regional de Sorocaba 2013 DIRETORIA

Presidente: Carlos Alberto Muzilli Vice-Presidente: Ione Furukawa 2º Vice Presidente: Flávia Laiz Dias Tesoureira: Renata Pássaro Pompilio Secretário Geral: Fernando José H. de Andrade

CONSELHO FISCAL

- João Antonio Alquezar Gozzano - José Carlos Denari Consul - José Prestes de Barros Júnior

DEPARTAMENTO SOCIAL - Adriana Barros Ferreira - Gisele Pereira de O. Innocenti - Maria Cristina Lauretti

DEPARTAMENTO DE PREVENÇÃO E PROMOÇÃO DE SAÚDE DEPARTAMENTO CULTURAL

- Eduardo Kazunori Imanobu

DEPARTAMENTO DE DEFESA DE CLASSE E SAÚDE PÚBLICA

- Andreza Dib. M. Correa Jamas - Beatriz Azeredo de Castro Pacheco - José Murilo Marinho Mauad - José William Leite Oliveira - Luis Antonio Matheus Neto

DEPARTAMENTO ESPORTIVO

Vice-Diretora: Juliana Bellini Pereira da Silva

DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO - Andréa Lucchesi N. de Almeida - Camila Santos (orientadora)

ODONTOATENDIMENTO

- Flávia Laiz Dias

- Gabriela de Souza Tomazin

DEPARTAMENTO DE PATRIMÔNIO - Marta Maria Lopes Lazzarini

- Vinícius José Oliveira

- Flávia Casale Abe

CONSELHO ACADÊMICO

Secretário: Fábio Dias Toledo - Fernanda Bonfim Puertas - Gelson Rodrigues da Silveira - Gerdy Rodrigues da Silveira - Hugo Cautella - José Euclides Nascimento - José Walter da Silva Jr. - Lucas Figueiredo Cassimiro - Marcelo do Amaral Rissio - Maurício Makoto Koga - Ricardo Kleiner Ciantelli - Roberto Bertazzoli - Sérgio Pontalti Jr.

DEPARTAMENTO DE PARCERIAS

- Gabriela de Souza Tomazin - José Roque Nicoleti - Mateus Alves Feitosa

EAP – ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

- Elisete Sobral Calegari - Tatiana Sanches A. de Oliveira

Diretor: - Alexandre Brait Landulpho

Revista APCD - Regional Sorocaba | Out/Nov 2013

3


Índice

APCD - Regional Sorocaba

Cursos ....................................................................................................................... 6,7 e 8 Afinal, o que eles fazem?................................................................................... 12 e 13 Acupuntura.............................................................................................................. 14 Artigo Jurídico ........................................................................................................ 22 Cobertura Jantar Dia do Dentista................................................................... 26 a 29 APCD Sorocaba

Rua Benedito Galdino de Barros, Nº 770 - Vila Melges - Sorocaba - SP - CEP 18.075-541 (15) 3231-1462 | apcd@apcdsorocaba@sorocaba.com.br | www.apcdsorocaba.com.br Expediente Jurídico: Dr. Márcio Tomazela - OAB/SP 97.506 Jornalista Responsável: Andréa Lucchesi - MTB 41.746/SP Editora Chefe: Camila Santos - MTB 39.770/SP Imprensa: Imprensa@apcdsorocaba.com.br Colaboração: Elisabete Calegar Diagramação: Rodrigo da Rocha Impressão: Gráfica Mundo A REVISTA APCD REGIONAL SOROCABA é um produto desenvolvido pela APCD. A associação não se responsabiliza pelas opniões escritas nos artigos assinados.

4


Ano 1 - 7ª Edição Out/Nov 2013

Revista APCD - Regional Sorocaba | Out/Nov 2013

5


Cursos

APCD - Regional Sorocaba

Palestras Gratuítas Cursos de Atualização Uma gestão odontológica organizada Palestrante: Reinaldo R. Ferreira - Diretor de produção da fábrica de software APLICATIVO Sistemas Avançados. Formado em ciências da computação pela UNIP - Universidade Paulista de Campinas SP. Há 25 atuando em engenharia de software e planejamento de sistemas ERP (enterprise resource planning) em diversos segmentos. Criador da plataforma colaborativa ControleOdonto e palestrante na área de gestão organizacional no segmento da saúde. Data: 12 de feveriro de 2014 Programação: 18h30 as 19h00 coffee break / 19h00 as 19h15 abertura / 19h15 as 20h00 palestra teórica / 20h00 as 21h00 demonstrativo / 21h00 as 21h20 encerramento Objetivo: Apresentar as principais deficiencias na gestão odontológica na atualidade abordando vantagens e desvantagens das arquiteturas e ferramentas disponíveis. Demonstrar os principais recursos e processos clínicos e administrativos através da plataforma ControleOdonto, focando na segurança dos dados e mobilidade dos usuários.

Cirurgia Oral Início: Março de 2014 / Término: Dezembro 2014 Ministrante: Prof. Rodrigo Mendes Ferreiro Girondo Descrição: Biossegurança e Paramentação; Anestesiologia em Cirurgia Bucal; Imaginologia; Anamnese e Exame clínico; Manobras Cirúrgicas Fundamentais; Exames Laboratoriais; Emergências Médicas em Odontologia; Terapêutica Medicamentosa em Cirurgia Bucal; Biopsia; Cistos do Complexo Maxilo mandibular; Cirurgia Parendodôntica; Princípios de Exodontia; Dentes inclusos; Desinclusão dental (recuperação de dentes inclusos / tracionamento ortodôntico); Traumatismo dento-alveolar; Transplante e Reimplante dental; Frenectomia e Frenuloplastia; Dentes supra-numerários; Acidentes e Complicações em Cirurgia Bucal. Investimento: Sócio: R$ 10 x R$ 450,00 / Não sócio: R$ 10 x R$ 900,00

Toxina Botulínica Dias: 18 e 19 de Novembro de 2013 - 08h00 às 18h00 Ministrante: Prof. Dr. Levy Nunes e Prof. Dr. José P. Ferrão Jr. Descrição: Diagnóstico e tratamento dos vários tipos de enxaqueca com toxina botulínica DTM, Bruxismo, Briquismo, Diagnóstico dos pontos de tratamento de sorriso gengival, tratamento de sulco nasogeniano, Rugas mentais, tratamento das rugas de marionete, código de barra, pontos de aplicação de toxina botulínica, diluição da toxina, cuidados com as unidades de aplicação, complicações e correções e preenchimento terapêutico com poliamida. Investimento: Sócio: R$ R$ 1.800,00 / Não sócio: R$ R$ 3.600,00

Atualização em Endodontia Início: Novembro de 2013 / Término: Outubro de 2014 Ministrantes: Profª Ms. Liris Silmar Jacintho Pereira – Especialista e Mestre em Endodontia; Prof. Dr. Manoel Eduardo de Lima Machado – Especialista, Mestre, Doutor e Livre Docente em Endodontia e equipe. Realização: (mensal) 6ª feiras das 09h às 22h - 12 meses de curso Taxa de Inscrição: R$ 50,00 (que serão descontados na 1ª mensalidade) OBJETIVO: Proporcionar uma visão panorâmica da Endodontia, propiciando ao aluno maior contato com técnicas, instrumentos e aparelhos mais utilizados, que facilitam a terapia endodôntica especial. Sócio: R$ 12 x R$ 500,00 / Não Sócio: R$ 12 x R$ 1.000,00

6

Revista APCD - Regional Sorocaba | Out/Nov 2013


Ano 1 - 7ª Edição Out/Nov 2013

Cursos Terapêutica Aplicada na Clinica Odontológica

Início: Novembro de 2013 Término: Maio de 2014 Ministrante: Prof. Dr. Juliano de Pierri - Coordenador do curso de Terapêutica da APCD Regional São Carlos, Sorocaba, Ribeirão Preto e São José do Rio Preto. Professores Convidados: Prof. Dr. Jorge Luiz J. Liporaci Jr.;Prof. Dr. Guilherme Ferreira; Profa. Dr. Marina Belluci Natureza: Teórico / Demonstrativo / Prático Duração: 07 meses Carga Horária: 96 horas (Sendo 56h presenciais e 40h à distância) Realização: Mensal – Sábados - das 09h00 às 17h00 Taxa de Inscrição: R$ 50,00 (que serão descontados na 1ª mensalidade) Objetivos do Curso: Capacitar e Atualizar o profissional a realizar corretamente e conscientemente a Terapêutica Odontológica (preventiva, operacional, medicamentosa e fisioterápica) nas práticas mais rotineiras do dia-a-dia no consultório. Sócio: R$ 07 x R$ 190,00 / Não sócio: R$ 07 x R$ 380,00 Acadêmico: R$ 07 x R$ 95,00

Cirurgia Oral - Modulo 2

Início: Novembro de 2013 Término: Abril de 2014 Ministrante: Prof. Elias Agostinho Neto - Especialista em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial pela FOP/UNICAMP; Responsável pelo setor de urgência e emergência de Trauma Facial do Hospital UNIMED/Sorocaba; Cirurgião nos Hospitais Santa Casa de Misericórdia de Sorocaba e Conjunto Hospitalar de Sorocaba. E equipe. Natureza: Teórico / Clínico Duração: 06 meses Realização: Quinzenal - 2ª feiras - das 13h30 às 21h00 Taxa de Inscrição: R$ 50,00 (que serão descontados na 1ª mensalidade) Programa: Princípios Cirúrgicos Básicos; Lesões Bucais e Princípios Básicos de Câncer Bucal; Técnicas de Biópsias: Teórico/Demosntrativo/Laboratorial; Anamnese: Parte I, II e III; Cistos Odontogênicos: Parte I e II; Desinclusões Dentárias; Alveolite: Diagnóstico e Tratamento. Sócio: R$ 06 x R$ 400,00 / Não sócio: R$ 06 X R$ 800,00

Revista APCD - Regional Sorocaba | Out/Nov 2013

7


Cursos

APCD - Regional Sorocaba

Curso de PÓS-Especialização em Ortodontia Início: Novembro de 2013 Término: Outubro de 2015 Ministrante: DR. MUSTAPHÁ AMAD NETO - Doutor, Mestre e Especialista em Ortodontia. Professor Coordenador da Especialização em Ortodontia EAP/GOIAS e Sorocaba 36 anos de Experiência Clínica. Abordagem: Pós-especialização em nível de aperfeiçoamento: capacitar o profissional para realizar planejamentos dos tratamentos ortodônticos mais complexos, em pacientes adultos, por meio da aplicação dos princípios biomecânicos atuais, independente da prescrição do braquete e da técnica ortodôntica utilizada. Ainda, os tratamentos clínicos serão realizados utilizando-se braquetes autoligáveis em mini implantes de ancoragem. Realização: (bimensal) 2ª e 3ª feiras das 08h00 às 18h00 / 192 horas (12 módulos) Investimento: 12xR$ 1.400,00 ou 18xR$ 1.000,00 ou 24xR$ 800,00

Especialização em Implantodontia Início: Novembro de 2013 Término: Outubro de 2015 Ministrante: Coordenador: Prof. Dr. Ricardo Kleiner Ciantelli – Pós-graduado Latu-Sensu em Implantodontia pela UCCB/SP; Especialista, Mestre e Doutorando em Implantodontia pelo Centro de Pesquisas Odontológicas São Leopoldo Mandic – Campinas/SP. E equipe Objetivo: Desenvolver a concepção de planejamento reverso , com ênfase em reabilitações unitárias ou múltiplas. Cirurgias de enxerto autógenas e/ou utilizando biomateriais. Cargas imediatas. Implantes imediatos com aplicação de função precoce. Uso do PRF como incremento nos enxertos. Lateralizações do nervo alveolar, zigomáticos, enxertos em bloco para ganho de largura e/ou altura. Reabilitações protéticas envolvendo um ou mais elementos. Enxertos de conjuntivo com manipulação de tecido mole.Entender e utilizar vários sistemas de implantes diferentes. Vagas: 12 Realização: (mensal) 2ª, 3ª e 4ª feiras das 08h00 às 18h00 Duração: 24 meses Taxa de Inscrição: R$ 50,00 Sócio: R$ 24 x R$ 1.400,00 ou 30 x R$ 1.176,00

Especialização em Ortodontia Início: Novembro de 2013 Término: Outubro de 2016 Ministrante: Coordenadora: Ms. Renata Pássaro Pompilio Professor Convidado: Dr. Mustaphá Amad Neto Natureza: Teórico/Clínico/Laboratorial Carga Horária: 2.000 Realização: Mensal - 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª feiras - das 08h00 às 18h00 Investimento: 36 x R$ 1.700,00 Duração: 36 meses Taxa de Inscrição: R$ 50,00 OBJETIVO: Capacitar o profissional a diagnosticar e tratar casos de ortodontia e ortopedia funcional dos Maxilares, com aparelhagem fixa e removível, e ainda efetuar o tratamento ortodôntico de pacientes com disfunção de ATM, cuja causa seja má-oclusão.

8

Revista APCD - Regional Sorocaba | Out/Nov 2013

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K


SOROCABA QUARTA-FEIRA 04/12

EVENTO GRATUITO

APCD - SOROCABA Das 18h às 21h30

APLICAÇÃO CLÍNICA DA BIOENGENHARIA DOS IMPLANTES HI, HE E CM DR. HEITOR BATISTA DOS REIS Mestre em Implantodontia - UNIP-SP. Especialista em Prótese Dental pela USP - Bauru. Pós-graduado “Latu-Sensu” e Especialista em Implantodontia pela UCCB-SP Coordenador adjunto dos cursos de Especialização Atualização em im implantodontia na APCD - Sorocaba - SP

VAGAS LIMITADAS confirme sua

presença LOCAL:

APOIO:

Regional de Sorocaba

APCD REGIONAL DE SOROCABA Rua Benedito Galdino de Barros, nº 770 Vila Melges - Sorocaba - SP Telefone: (15) 3231-1462

REALIZAÇÃO:

11 4813.8900


Entrevista - UNIP

APCD - Regional Sorocaba

A hora e a vez da Unip Confira a entrevista com Ricardo Salgado de Souza, Coordenador auxiliar do Curso de Odontologia – Unip Sorocaba. Cirurgião-dentista, Mestre e Especialista em Patologia Bucal e Endodontia e Professor Titular das Disciplinas de Estomatologia e Patologia da Universidade Paulista, onde o profissional fala sobre os diferenciais da universidade, bem como dá dicas sobre a profissão para estudantes.

Por Camila Santos

APCD - O acha da odontologia? Ricardo Salgado de Souza - A odontologia é a ciência da área da saúde responsável pelos formação de profissionais capazes de realizar o diagnostico e tratamento das doenças bucais e do complexo estomatognático. APCD - O que acha de ser professor, ou seja, qual a importância de contribuir para a formação de novos profissionais? Ricardo – Acredito que o professor tenha como missão preparar o aluno para o exercício da profissão, estimular a pesquisa científica e projetos de extensão comunitária, contribuindo para uma formação de qualidade humanística ao aluno. APCD - Qual o diferencial do curso da Unip? Ricardo - Na última avaliação externa (enade - 2010), o Curso de Odontologia da Universidade Paulista – Campus Sorocaba obteve nota 5. Com carga horária de aproximadamente 6000 horas para os estudantes ingressantes em 2013, o curso possibilita ao estudante aplicar o conhecimento adquirido da teoria na prática. Os alunos tem a possibilidade de estagiar nos diferentes cursos de Pós-graduação Latu Sensu, realizados no período vespertino e noturno, aprimorando ainda mais o seu conhecimento. Ao longo dos anos o Curso de Odontologia em Sorocaba vêm desenvolvendo projetos comunitários junto a empresas e serviços públicos municipais. A Unip possui infra-estrutura adequada para a realização de qualquer procedimento odontológico, em um ambiente adequado para o desenvolvimento das atividades pedagógicas. APCD - Quais conselhos daria para acadêmicos que estão no fim do curso? Ricardo - O cirurgião dentista recém formado deve procurar oportunidades de trabalho no interior no país, uma vez que nos grandes centros urbanos o mercado de trabalho é mais concorrido. Tanto nos setores publico e privado existem ótimas possibilidades de trabalho como a oferta maior de empregos em prefeituras e industrias, além da oportunidade de abrir o seu próprio negócio. Outro direcionamento profissional é a carreira universitária, devendo o aluno, a procurar Universidades com curso de mestrado e doutorado, como por exemplo, a Universidade Paulista. APCD - E para quem ainda vai entrar na faculdade? Ricardo - O Aluno que ainda vai realizar o curso de

10

Revista APCD - Regional Sorocaba | Out/Nov 2013

odontologia, deve ter em mente ter uma formação mais completa possível, procurando participar dos programas e projetos sociais que existam na sua faculdade, jornadas acadêmicas, iniciação científica na área que o aluno mais o interessar, além das atividades teórico-práticas oferecidas pelo curso. Isso fará com que o jovem escolha a profissão com convicção e o transformará em um profissional diferenciado. APCD - Quais os principais requisitos para ter uma carreira de sucesso? Ricardo - Um carreira de sucesso na odontologia é pautada em conhecimentos científicos sólidos acompanhado de habilidades técnicas, postura ética e permanente aprendizado uma vez que novas tecnologias sempre estão sendo desenvolvidas. APCD - Onde procurar ajuda para começa o consultório? Ricardo - O profissional recém formado pode iniciar a sua atividade profissional no consultório atuando como clínica geral e sempre que possível atuar na área que apresente mais afinidade, motivando a realizar cursos de especialização e de aprimoramento profissional. APCD - Algo que queira acrescentar. Ricardo - Um diferencial do curso de odontologia da Universidade Paulista - Sorocaba, é que todo o material de consumo utilizado pelos estudantes de graduação durante os procedimentos clínicos e laboratoriais é gratuito nos 8 semestres do curso, sem nenhum ônus adicional para o estudante. A Universidade Paulista – Campus Sorocaba, possui infra-estrutura adequada para a realização de qualquer procedimento odontológico em um ambiente adequado para o desenvolvimento das atividades pedagógicas, preparando os alunos para o ingresso no mercado de trabalho. RICARDO SALGADO DE SOUZA


Entrevista - UNIP

Ano 1 - 7ª Edição Out/Nov 2013

Promessa para o futuro Novos profissionais estão chegando no mercado neste fim de ano e muitos deles já tem a APCD Sorocaba como sede de seus projetos futuros. Um exemplo disto as cinco alunas que irão apresentar o Trabalho de Conclusão de Curso em nossa sede, no dia 27 de novembro, quarta-feira, com início às 19h, não evento haverá coquetel. confirme sua presença: (15) 3231-1462 Conheçam os temas. Vocês estão todos convidados! Jéssica Nespolo Martins Título: Associação entre polimorfismo no gene twist1 e presença de calcificações pulpares

Manoella Luppino Título: Estudo do impacto de duas modalidades terapêuticas periodontais em pacientes fumantes. Estudo prospectivo, clínico e microbiológico em humanos

Lídia Mendes Francisco Faria Vianna Título: Controle da erosão dental de origem intrínseca por suspensões orais com potencial neutralizante

Natalia Festugatto Navarini Título: Avaliação in vitro da expressão de moléculas de adesão em áreas mimetizadas de neoplasia maligna in situ sob influência do microambiente tumoral


Matéria - CAPA

APCD - Regional Sorocaba

Afinal de contas, o que eles fazem?! Conselhos, associações e vigilância sanitária, como agem e para que servem os órgãos representativos e de controle no cenário odontológico. Por Andréa Luchesi

Abertura indiscriminada de faculdades de odontologia, fiscalização de clínicas e consultórios, defender a classe em relação a salários e proventos, união, afinal de contas, de quem são essas obrigações ou responsabilidades?! Boletos relativos às atividades odontológicas ou de órgãos reguladores são depositados em baixo das nossas portas quase que diariamente. Seja como autônomo ou trabalhador com vínculo empregatício, ninguém está livre de uma taxa ou de uma mensalidade inerente a profissão. Muitos se queixam dos tributos, mas desconhecem a real função dessas entidades que vai da busca de qualidade na área odontológica até orientar o profissional com problemas jurídicos. Sob o governo de João Goulart, em 1964, foi criado o Conselho Regional de Odontologia de São Paulo, além do Conselho Federal e os demais 26 Conselhos Regionais, constituídos em seu conjunto em uma autarquia.

defender diuturnamente os interesses dos cirurgiões dentistas e fiscalizando profissional e a difusão dos princípios éticos”.

será preservada, hoje a mais comum é a panfletagem irregular, ou seja, aquela contendo preços e formas de pagamentos”, Kerry Borelli finaliza.

O CROSP tem influência direta na vida do profissional. “O Conselho luta pela redução da carga tributária e por cursos de especialização de qualidade. É contra abertura de novas faculdades, combate a mercantilização da odontologia, lutando sempre pela valorização do Cirurgião Dentista”, diz Borelli.

Eliminação, redução e prevenção de riscos e danos à saúde, esse é o papel desempenhado pela Vigilância Sanitária. Sua ação se dá por meio de intervenções e uso dos poderes normativo e de polícia. No entanto, segundo o site da Anvisa, o papel de educador e de orientador do profissional da vigilância vem sendo ressaltado e a sua aproximação dos Cirurgiões Dentistas, estreitada. Afinal, a resolução de um problema depende da interação dos atores envolvidos.

O Cirurgião Dentista pode contar com o CRO em todas as situações que denigram a imagem da profissão. “O desrespeito ao Código de Ética e ao

“Zelar pela observância do nosso código de ética, defender diuturnamente os interesses dos cirurgiões dentistas” (Kerry Wilson)

O CROSP é uma autarquia federal representativa de mais de 100 mil profissionais da saúde bucal, dentre os quais 75 mil são cirurgiões dentistas.

próprio profissional, lutar pela ampliação do mercado de trabalho nos serviços públicos e privados, reivindicar por melhorias salariais e condições adequadas do exercício profissional são deveres do Conselho”, explica Kerry.

Kerry Wilson Borelli Junior, fiscal do CROSP, conta que para fazer parte do Conselho é preciso que o cirurgião dentista esteja devidamente inscrito, ativo e quite com a tesouraria e acrescenta, “a diretoria é escolhida, através de eleições ou em comissões da autarquia”.

De acordo com o fiscal, o CRO, por meio de seus conselheiros, delegados, representantes e fiscais está presente nas diversas regiões do estado para acolher o Cirurgião Dentista e dar voz aos seus anseios através da fiscalização, das orientações e inclusive punições quando devidas.

Quanto aos deveres e obrigações do conselho Kerry destaca, “zelar pela observância do nosso código de ética,

As denúncias devem ser feitas diretamente ao CRO e identificadas. “A identidade do denunciante sempre

12

Revista APCD - Regional Sorocaba | Out/Nov 2013

A Vigilância Sanitária também orienta profissionais na biossegurança. “Nas visitas, a consultórios, é possível observar a desatenção com o próprio cuidado. O protocolo de biossegurança deve ser seguido não só para proteger o paciente, mas também o profissional”, alerta Fernando de Paula Souza Junior, Diretor de Odontologia de Votorantim. Verificar as instalações físicas, observar normas de limpeza ou de como é feita à manutenção da caixa de água e ar condicionado, também são algumas das tarefas da vigilância. Segundo Fernando, a vigilância pode orientar também no planejamento antes da montagem do consultório ou da clínica. “Uma avaliação prévia do local evita riscos, como um alvará recusado ou custos desnecessários. O plano de adaptação é feito a risca de acordo com as normas”. A ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Santaria) orienta também


Ano 1 - 7ª Edição Out/Nov 2013

a destinação dos resíduos produzidos em consultórios. “O descuido com descarte de resíduos é cometido em larga escala e envolve desconhecimento” revela Fabiana Petrocelli Bezerra Paes, Cirurgiã Dentista e Especialista em regulação e Vigilância Sanitária da Anvisa. Existem empresas responsáveis pela coleta de lixo comum, contaminado e químico. Atenção com descartes de revelador, fixador, restos de amalgama, folha de chumbo e películas radiográficas, deve ser redobrada para que não haja contaminação no meio ambiente. A Anvisa mantém canais de comunicação com a população. Através do site www.anvisa.gov.br é possível consultar legislações e manuais, pesquisar endereços das vigilâncias lo-

Matéria - CAPA

cais ou mesmo tirar dúvidas. “Uma associação deveria ter uma importância impar na vida de cada cirurgião dentista. Por ser uma entidade de classe ela tem a função de nos acolher, nos melhorar enquanto pro-

”Mudança para o ser humano é mais que necessária. Se fossemos os mesmos da infância, ainda estaríamos engatinhando no chão da sala”. (Carlos Alberto Muzilli) fissionais, nos proteger, nos socializar e nos apoiar”, define assim a APCD o atual presidente Carlos Alberto Muzilli. Segundo Muzilli, a APCD é onde todos são alunos da vida e da profissão. “É como numa sala de aula, na

condição de alunos destas disciplinas, devemos deixar nossos orgulhos, nosso status, nosso individualismo e isolamento e compartilhar nossas dificuldades, nossos anseios e experiências”, revela. No que diz respeito à influência de uma Associação de Classe na vida profissional, Muzilli fala da sua experiência. “Desde recém formado, frequento a APCD. Fiz muitos cursos bons e interessantes na área científica e também de oratória. Isso contribuiu em muito na minha vida profissional como na docência”. De acordo com Carlos, existe uma preocupação com o novo profissional de odontologia e a APCD está à disposição dos mesmos para orientações, além de um departamento específico para acadêmicos com o objetivo de elaborar projetos científicos.

FOTO: DIVULGAÇÃO

Para Muzilli a APCD é uma oportunidade de transformação, um momento de modificar o pensamento de que a classe odontológica jamais será unida. “Fico preocupado quando ouço alguém falar que vive de tal jeito há 30 anos e que agora é que não vai mudar. Então, eu penso...que pena. Aproveite a oportunidade de ter enxergado que você é assim há 30 anos, saia da zona de conforto e mude. Quem não muda não evolui. Mudança para o ser humano é mais que necessária. Se fossemos os mesmos da infância, ainda estaríamos engatinhando no chão da sala”. Como presidente da APCD de Sorocaba Muzilli não esconde suas expectativas. “Meu sonho, com a ajuda dos diretores, colaboradores e voluntários, é deixar para as próximas gerações uma entidade de classe mais coesa, acolhedora e humana. Que seja também mais científica, cultural, mais social, maior e melhor para todos os nossos colegas. Essa é a verdadeira função da APCD”. Revista APCD - Regional Sorocaba | Out/Nov 2013

13


Acupuntura

APCD - Regional Sorocaba

Acupuntura é alternativa para dentistas e pacientes A terapia chinesa pode servir tanto para cuidar do profissional, como para relaxar o paciente durante o tratamento odontológico.

C

om horários esticados somados as obrigações familiares e o convívio social, fazem com que o número de dentistas que buscam atividades para relaxar e trabalha o corpo aumentem a cada dia. Nesta lista de alternativas, a acupuntura se destaca por reduzir o estresse e ajudar na manutenção da saúde, já que os benefícios da terapia chinesa foram comprovados cientificamente e hoje são aplicadas por terapeutas naturais, dentistas, médicos, psicólogos e fisioterapeutas. De acordo com Rogério Oliva Suguitani, diretor do CETN (Centro de Terapias Naturais) de Sorocaba, a acupuntura é um dos recursos terapêuticos da medicina chinesa que procura através da punção de pontos específicos distribuídos pelo corpo, restabelecer o fluxo energético.

Por Camila Santos

Para conseguir o melhor do tratamento, Rogério recomenda a busca por profissionais sérios. “Existem diversos terapeutas no mercado, portanto é importante avaliar sua formação e qualidade das instalações onde é realizado o atendimento”,explica. No consultório odontológico, a medicina chinesa pode ajudar. “Um dentista que é pós graduado em acupuntura poderá minimizar a ansiedade relacionada ao tratamento e anelgesia, após um procedimento de extração em seu paciente, através da aplicação de agulhas”, diz.

Serviço: Onde: Centro de Terapias Naturais Duração: 2 Anos Conteúdo: Fundamentos da medicina tradicional chinesa (filosofia, fisiolofia, patologia, semiologia); prática da acupuntura chinesa como recurso terapêutico e noções básicas de outras terapias naturais. Mais: www.cetn.com.br

Rogério afirma que, além dos benefícios para a saúde do paciente, a acupuntura soma mais uma atividade para o consultório. “O dentista poderá abrir mais uma campo de atuação profissional, atendendo em outras patologias”, conta.

“Segundo a medicina chinesa as doenças ocorrem por um desiquilíbrio nesse fluxo energético, acarretando em disfunções orgânicas e alterações mentais e emocionais”, explica.

Com uma ampla área de atuação, a acupuntura pode ser usada para cólicas menstruais, enxaquecas e até mesmo para disfunção sexual. “Os resultados eficazes”, comenta.

14

Revista APCD - Regional Sorocaba | Out/Nov 2013

FOTO: DIVULGAÇÃO

Conforme explicações do empresário, para realizar a aplicação de agulhas o indivíduo é analisado como um todo levando em consideração as suas reclamações e as diversas influências externas para sanar suas dores e desequilíbrios. “O enfoque holístico contempla o indivíduo com um todo integrado”, diz.


Ano 1 - 7ª Edição Out/Nov 2013

Integração

Mensalmente, a diretoria da APCD Sorocaba participa de uma reunião que tem como objetivo buscar a aproximação e elaborar soluções para que a entidade alce voos mais ousados. Veja alguns clicks do evento


APCD - Regional Sorocaba

16

Revista APCD - Regional Sorocaba | Out/Nov 2013


Ano 1 - 7ª Edição Out/Nov 2013

Revista APCD - Regional Sorocaba | Out/Nov 2013

17


Alimentação

APCD - Regional Sorocaba

Comer bem é fundamental Alimentação saudável garante um bom desempenho profissional, além de proteger a saúde.

A

rotina do dia a dia leva profissionais das mais diversas áreas a uma alimentação sem regras e sem qualidade. Na odontologia não é diferente. Com agendas apertadas e procedimentos que parecem simples, mas que podem revelar surpresas, muitos dentistas ficam presos em seus consultórios e acabam improvisando na alimentação. Amanda Calegari, professora de nutrição do Ceunsp (Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio), promete que é possível se alimentar adequadamente, mesmo com tanta correria. “Com a rotina do dentista torna-se inevitável a procura por alimentação rápida, principalmente para o almoço e é muito comum a busca por self-service, mas ainda nestes serviços é possível fazer escolhas saudáveis, incluindo nas refeições legumes, verduras, frutas e ainda bebidas como suco de frutas”, explica. De acordo com ela, nas principais refeições como almoço e jantar, devem conter um alimento de cada grupo, como carboidratos que são pães, arroz, macarrão, batatas, mandioca, polenta, uma fonte de proteínas como carnes, ovos, feijão ou laticínios, uma fonte de hortaliças cruas como salada e outra de legumes cozidos, além de uma porção de frutas. “Sempre devemos variar os alimentos, quanto mais colorido for o prato mais nutrientes ele conter, e claro, não se pode esquecer de ingerir água nos intervalos das refeições e de cuidar para não utilizar muito sal nos alimentos”, conta.

18

Revista APCD - Regional Sorocaba | Out/Nov 2013

magro com queijo no pão de grãos e para acompanhar um suco de caixinha, quando não puder tomar o natural”, recomenda. Outra orientação de Amanda é o cuidado com os intervalos entre as refeições. “Comer de 3 em 3 horas, ou seja, não ficar longos períodos em jejum é muito importante e para isso você pode levar de casa lanches prontos, lanches naturais, dando preferência a pães e biscoitos integrais, frutas, iogurtes e cereais”, atesta. No cardápio diário, segundo a professora, não pode faltar legumes, verduras e frutas, utilizar azeite de oliva e castanhas, em consumo moderado, pois, são fontes de gorduras boas à saúde e evitar o consumo excessivo de frituras ou alimentos ricos em gorduras e sal, como alguns embutidos ou industrializados.

géticas com o desgaste físico. Assim, após analisar toda a rotina e estilo de vida do paciente, o nutricionista buscará avaliar quais elementos encontram-se em falta e àqueles que estão em excesso no organismo, buscando equilíbrio nutritivo ao corpo e mente. Somente ele fará um plano alimentar individualizado, baseado em suas necessidades nutricionais, práticas de atividade física e rotinas diárias. O estresse e desgaste físico podem prejudicar o desempenho do indivíduo e uma intervenção positiva e natural, pode ser através da alimentação, evitando o uso de remédios”, explica

Em caso de dúvidas, Amanda recomenda que o profissional procure a ajuda de um nutricionista para montar um cardápio adequado às suas necessidades diárias. “O nutricionista é o profissional que visa equilibrar as necessidades ener-

FOTO: DIVULGAÇÃO

Para os intervalos entre as refeições, a nutricionista sugere como opção frutas, suco de fruta natural, barra de cereal, iogurtes e porções de mix de castanhas, como nozes, castanhas, amêndoas, ameixa e damasco. “Lanches naturais são excelentes e podem ser feitos em variedade de opções, deixando o cardápio mais atraente e saboroso. Uma ótima opção é o presunto

Por Camila Santos


Ano 1 - 7ª Edição Out/Nov 2013

A Fonoaudiologia e as alterações ortodônticas A Fonoaudiologia é uma ciência que tem como objeto de estudo a comunicação humana.

O

s aspectos trabalhados em fonoterapia são em geral a fala e fluência, voz, funções estomatognáticas como: deglutição, mastigação, sucção e respiração e principalmente os órgãos fonoarticulatórios: língua, bochechas, lábios, nariz e também a dentição. Existem vários fatores que interferem na comunicação, um deles é a inadequação do crescimento craniofacial, que pode ser adquirido através de doenças, desnutrição, hábitos, fatores sócio-econômicos, entre outros. Por estes motivos, a intervenção precoce e a continuada do fonoaudiólogo é fundamental para que estes quadros clínicos apresentados pelos pacientes ortodônticos, mantenham um equilíbrio sensório motor oral, dando-lhes melhor postura, tonicidade e mobi-

lidade para as estruturas musculares dos órgãos orais. Entretanto, o profissional fonoaudiólogo também é um conhecedor do desenvolvimento das estruturas orais sendo capaz de diagnosticar, avaliar e planejar uma terapia individualizada e específica para cada caso, auxiliando sobremaneira ao profissional dentista ortodontista, complementando suas ações e com isso melhorando a qualidade de vida e comunicação do paciente, o que levará, sem sombra de dúvidas, a um tratamento bem sucedido. Fga. Isabele Pires Camargo e Oliveira – CRFa - 14891 Pós Graduada pela Universidade São Paulo.

Revista APCD - Regional Sorocaba | Out/Nov 2013

19


Turismo

APCD - Regional Sorocaba

Nordeste: para encantar os cinco sentidos Cidades nordestinas reúnem história, praias com piscinas naturais, areia branca e o aconchegante clima do nordeste

Por Camila Santos

O

fim do ano está chegando e com ele as tão esperadas férias. Que tal se programar para uma viagem ao nordeste brasileiro, para curtir uma boa “sombra e água fresca” para zerar 2013 e entrar em 2014 com muita energia? Entre os encantadores destinos, estão a história e as prais de Pernambuco e as águas e dunas do Rio Grande do Norte, que prometem inebriar os olhos dos visitantes, além de conquistar pelo sabor de seus pratos e simpatia de seu povo.

Em Olinda, o visitante tem a oportunidade de acessar o berço de nossa história. Com suas igrejas, museus e casas coloridas, a cidade encanta o visitante com a vista que proporciona em vários pontos diferentes,

FOTO: CRÉDITO

Em Recife (PE) os lugares para se conhecer são diversos e entre eles estão as maravilhosas piscinas naturais de Porto de Galinhas e a quase intacta praia de Carneiros – em ambos, a natureza mostra sua perfeição com seus coqueiros, águas azuladas e mornas e areia branca.

PRAIA PONTA DE MADEIRO, EM NATAL.

de onde é possível fazer um quadro entre a natureza e as construções. Em Natal, as dunas e as piscinas encantam turistas tranquilos e aventureiros. Isso porque a cidade oferece programas que vão desde ao mergulho em águas calmas ao wind e kitesurf, mergulho, tirolesa, esquibunda, passeio de buggy com emoção, passeio de dromedário, entre outros esportes e passeios radicais.

EM OLINDA, NATUREZA E HISTÓRIA FORMAM O CENÁRIO

20

Revista APCD - Regional Sorocaba | Out/Nov 2013

Em comum, os três destinos oferecem uma vida noturna bastante agitada, com casas de shows e barzinhos para petiscar e curtir a noite.

NA PRAIA DE CARNEIROS (PE) A BELEZA SEGUE INTACTA


Ano 1 - 7ª Edição Out/Nov 2013

Facilitando a Instrumentação

Gerando conhecimento

N

o mês de setembro, a associação trouxe a palestra “Facilitando a instrumentação rotatória niti com uma sequência simples e eficiente” e o Hands On. O evento foi uma das atividades que atraiu os profissionais para a nossa sede. Confira as fotos do evento promovido pela Labordental e ministrada por Kleber K. T. Carvalho, graduado em Odontologia pela Universidade Metodista de São Paulo, especialista em endodontia pela Universidade Metodista de São Paulo e mestre em Endodontia pela Universidade Metodista de São Paulo. Atuação clínica exclusiva em Endodontia desde 1988.

Revista APCD - Regional Sorocaba | Out/Nov 2013

21


Artigo Jurídico

APCD - Regional Sorocaba

Técnico em SAÚDE BUCAL E AUXILIAR DE SAÚDE BUCAL e dando-lhe todo suporte, inclusive quanto a organização da ficha técnica e documentos dos pacientes e organizando exames.

FOTOS: DIVULGAÇÃO

MARCIO TOMAZELA

H

á alguns anos foram acrescidas á área da saúde as profissões denominadas Técnico em Saúde Bucal e Auxiliar de Saúde Bucal. Tais ocupações que já vinham sendo reconhecidas pelo setor (Resoluções CFO nº 185/93 e CFO nº 209/97) e desde a promulgação da Lei 11.889/2008 se encontram incluídas no rol das profissões regulamentadas. Aos referidos profissionais, devidamente habilitados, é imposto por lei o registro no Conselho Federal de Odontologia e a inscrição no Conselho Regional de Odontologia, em cuja jurisdição exerçam suas atividades, como condição para o regular exercício da profissão. A formação desses profissionais os credenciam a compor equipes de saúde em nível bucal, colaborar com o Cirurgião Dentista em pesquisas, no atendimento ao paciente no consultório ou clínica e em Odontologia Sanitária.

22

Revista APCD - Regional Sorocaba | Out/Nov 2013

Suas atribuições são muitas e estão enumeradas na citada lei, mas resumidamente estão habilitados a atuar na área de saúde dentária, sempre sob a supervisão do cirurgião-dentista, executando atividades clínicas voltadas para o restabelecimento da saúde, conforto, estética e função mastigatória do indivíduo como: radiografias, limpeza e polimento de dentes, remoção de tártaro, remoção de suturas e inserção de materiais restauradores em cavidades dentárias já preparadas pelo dentista. São profissionais que se prepararam através de curso técnico para auxiliar o Cirurgião Dentista, sempre com sua supervisão, nas tarefas de atendimento odontológico, executando função de apoio, preparando os materiais e equipamentos utilizados durante o atendimento, instrumentando-o em ambientes clínicos e hospitalares

É comum esses profissionais serem procurados e contratados por Cirurgiões Dentistas para trabalhar em consultórios ou clinicas onde acabam sendo registrados com a função de recepcionista ou atendente nos consultórios ou clínicas odontológicas. Muitas vezes acabam acumulando as funções de Técnico ou Auxiliar, com a de recepcionista e atendente. Todavia, tal procedimento não se mostra adequado podendo acarretar futuros problemas judiciais, especialmente na esfera trabalhista, pois restará evidenciado o desvio de função se o técnico ou o auxiliar em saúde bucal estiver registrado como recepcionista, atendente, secretária(o) ou até mesmo ajudante geral. Já aquele corretamente registrado na Carteira de Trabalho como técnico ou auxiliar de saúde bucal, caso venha a cumprir a função ou atividades inerentes ao recepcionista, atendente, secretariado ou ajudante geral, poderá ser interpretado pela justiça como acúmulo de função, o que em ambos os casos acaba onerando o empregador, além dos transtornos e aborrecimentos que podem acarretar uma demanda judicial. Falando em direito trabalhista, nunca é demais lembrar ainda, que tais profissionais, por trabalharem com Raio X e manipularem os instrumentos cirúrgicos, inclusive os resíduos odontológicos, possuem o direito ao recebimento do adicional de insalubridade, tal qual ocorre com o Cirurgião Dentista quando empregado.


Ano 1 - 7ª Edição Out/Nov 2013

Artigo Científico

Avaliação do comportamento retentivo dos encaixes bola submetidos a ciclagem mecânica. Resumo da Dissertação apresentada ao Centro de Pós-Graduação / CPO São Leopoldo Mandic, para obtenção do grau de Mestre em Odontologia. AUTORES: Ricardo José Barbosa Cabral; Rui Barbosa de Brito Junior; Carlos Alberto Muzilli RESUMO: objetivo deste estudo foi avaliar a força de retenção de encaixes bola axiais diretos, da marca CNG, nas cores branco e rosa, quando submetidos à ciclagem mecânica em uma máquina desenvolvida por C.A. Muzilli (1, 500, 1000 e 1500 ciclos). Os dados obtidos foram analisados utilizando a Análise de Variância seguidos do teste de Tukey. Os resultados mostraram que após os 500 ciclos a força de retenção do encaixe não excedeu a metade da força de retenção inicial, perdendo força retententiva de maneira significante.

O

Após os 500 ciclos até o final dos 1500 ciclos, a retenção se manteve estável. Conclui-se que tanto os encaixes bola brancos como os encaixes rosa perdem força retentiva estatisticamente significante após os 500 ciclos mecânicos iniciais, mantendo-se estável dos 500 aos 1500 ciclos finais.

Palavras-chaves:encaixe bola, overdenture, prótese sobre implante INTRODUÇÃO No século XX, o extraordinário desenvolvimento da odontologia e dos materiais restauradores, colaborou de forma significativa para tratamentos mais conservadores, contudo, uma grande gama de pacientes ainda necessita de tratamento protético (Shaw, 1984). Sobrepondo-se às próteses totais convencionais, as overdentures são próteses que se utilizam de raízes naturais ou implantes dentários, que permanecem totalmente envoltos pela área basal da prótese, com o intuito de se melhorar o suporte, estabilização e retenção da prótese (Cunha, Marchini, 2007; Tanino et al. 2007; Shaoxia et al.2008), principalmente em rebordos com grande reabsorção óssea. Pode-se observar um exemplo de overdenture nas figuras 1, 2 e 3.

FIG.1- IMPLANTES COM ABUTMENTS POSICIONADOS PARA O ENCAIXE BOLA

FIG.2- ANEL PLÁSTICO E COMPONENTE FÊMEA DO ENCAIXE BOLA POSICIONADOS

FIG. 3 - OVERDENTURE ASSENTADA SOBRE MUCOSA E COMPONENTES

INVESTIMENTO em PESQUISA CIENTÍFICA A RESULTOU no MELHOR OR SISTEMA DE IMPLANTES ES PARA VOCÊ. www.emls.com.br w.emls.com.br

Revista APCD - Regional Sorocaba | Out/Nov 2013

23


Artigo Científico

Diante da gama de encaixes do tipo bola, bem como sua ampla utilização na área protética, foi considerado importante ser realizado um trabalho experimental in vitro, para verificar o comportamento retentivo de um sistema de encaixe tipo bola encontrado no mercado, quando submetido à ciclagem mecânica. REVISÃO DA LITERATURA Nagaoka et al.(1980) avaliou força de retenção em vários tipos de o´rings, durante a ciclagem mecânica. O autor observou que o encaixe de maior diâmetro, maior força de retenção, porem maior deformação. Petropoulos et al.(1997), compararam a força de retenção em encaixe do tipo barra-clipe, bola e magnético. os resultados mostraram maior retenção na barra-clipe, seguido por encaixe bola e por ultimo o magnético. Bonachela et al.(2003), estudou a perda de retenção em encaixes bola e do tipo era (pressão) através da ciclagem mecânica. Os autores observaram que os Encaixe do tipo pressão apresentaram melhor retenção nos 6 meses iniciais e depois se equiparou aos outros encaixes. MATERIAIS E MÉTODO Para confecção deste trabalho foram utilizados 20 encaixes CNG axial direto, divididos em 2 grupos (grupo A – 10 encaixes CNG cor branca; grupo B – 10 encaixes CNG cor rosa). Ver fig. 4.

Fig. 4 – Foto do próprio fabricante para simples ilustração dos encaixes axiais diretos branco e rosa.

24

Revista APCD - Regional Sorocaba | Out/Nov 2013

APCD - Regional Sorocaba

Foram confeccionados corpos de prova, usando um cano de PVC de 20 mm de diâmetro com 02 cm de altura. Um silicone de adição foi inserido no interior do tubo, e com auxilio do delineador, o conjunto análogo/parafuso de moldagem, foi inserido dentro do cano e embebido com resina acrílica. O componente macho foi parafusado sobre o análogo e a parte fêmea foi inserida no componente macho. Uma agulha de máquina, com a ponta ativa cortada, foi fixada com resina acrílica, finalizando a confecção do corpo de prova (fig. 5).

Fig. 5 – Corpo de prova finalizado, pronto para o inicio da ciclagem mecânica.

A ciclagem mecânica, foi relizada na máquina de ciclagem desenvolvida pelo prof. Dr. Carlos Alberto Muzilli, onde trata-se de uma máquina de costura, adaptada com um contador de ciclos e um potenciômetro, onde corpo de prova foi adaptado na base da máquina por uma presilha do tipo Morse (fig. 6).

Fig. 6 – Máquina de ciclagem desenvolvida por C.A. Muzilli


Ano 1 - 7ª Edição Out/Nov 2013

Artigo Científico

Cada grupo foi submetido a 0, 500, 1000 e 1500 ciclos, simulando o uso de uma prótese removível (inserção e remoção) de seis meses a 1 ano e meio, com uma velocidade de 200 ciclos por minuto. A cada 500 ciclos os corpos de prova, foram submetidos a máquina de ensaios universais - EMIC (Industria e comércio LTDA, São José dos Pinhais-PR), para avaliar a força de tração, a uma velocidade de tração de 3 mm/minuto, com uma célula de carga de 20 KgF.

submetidos à ciclagem mecânica, parece-nos lícito concluir que: • tanto os encaixes tipo bola brancos como os encaixes rosa perdem força retentiva estatisticamente significante após os 500 ciclos mecânicos iniciais; • tanto os encaixes tipo bola brancos como os encaixes rosa, de 500 a 1500 ciclos mecânicos, não apresentaram alteração significante de retenção; • a força retentiva apresentada pelos dois tipos de encaixes, durante todo o experimento, são compatíveis com os dados da literatura, com força retentiva adequada para sua utilização clínica.

RESULTADOS Os resultados mostraram que durante os 500 ciclos iniciais, ambos os componentes perderam de 25 a 36% da força de retenção, de maneira significante. Dos 500 aos 1500 ciclos, a força retentiva manteve um comportamento mais estável (fig. 7).

Fig. 7- Análise da média da força de tração em Newtons(N) de 0 ciclos à 1500 ciclos.

CONCLUSÃO Diante do presente estudo in vitro para avaliar a força retentiva dos encaixes bola CNG axial direto branco e rosa quando

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA 1. Bonachela WC, Pedreira APRV, Martins L, Pereira T. Avaliação comparativa da perda de retenção de quatro sistemas de encaixes do tipo ERA e o-ring empregados sob overdentures em função do tempo de uso. J. Applied Oral Sci. 2003;11(1):4954. 2. Cunha VPP, Marchini L. Prótese total contemporânea na reabilitação bucal. São Paulo: Santos; 2007. 3. Nagaoka E, Nagayasu Y, Yamashita H, Matsushiro H, Okuno Y. Study of retention in attachment for overdenture-o-ring attachment. J Univ Dent School. 1980;20:215-26. 4. Petropoulos VC, Smith W, Kousvelari E. Comparision of retention and release periods for implant overdenture attachments. J Oral Maxillofac Implants. 1997;12:176-85. 5. Shaoxia P, Thomason JM, Dufresne E, Kobayashi T, Kimoto S. Sex differences in denture satisfaction. J Dent. 2008;36:301-8. 6. Shaw MJ. Attachment retained overdentures:a report on their maintenance requirements. J Oral Rehabil. 1984;11:373-79. 7. Tanino F, Hayakawa I, Hirano S, Minakuchi S. Finite element analysis of stress breaking attachments on maixillary implant retained overdentures. Int J Prosthod. 2007;20:193-98.


O jantar dançante em comemoração ao Dia do Dentista, realizado no dia 12 de outubro, no Ipanema Clube, foi um sucesso. Com sorteio de brindes, comida boa e muita dança, os presentes se divertiram e tiveram a oportunidade de estreitar laços com os colegas de profissão. Veja quem prestigiou nosso evento, e na próxima vez não fique de fora: Você fez falta no nosso encontro!!!!


Ano 1 - 7ª Edição Out/Nov 2013


Dia dos Dentistas

APCD - Regional Sorocaba

Jantar

SALテグ CHEIO E MUITA GENTE BONITA NO IPANEMA CLUBE

LUCELIA SALMAZI, EVELIN GAEN E KATIA LOPES

ALEXANDRE LANDULPHO E ESPOSA

FELIPE TEIXEIRA E GABRIELA MUZILLI

28

Revista APCD - Regional Sorocaba | Out/Nov 2013


Ano 1 - 7ª Edição Out/Nov 2013

PLÍNIO HUNGARO E MARINA HUNGARO

GISELE INOCENTE, CARLOS MUZILLI E ELISETE CALEGARI

FERNANDA PUERTAS E RAFAEL PROENÇA

NOEMI MENDES


Odontologia Estética

APCD - Regional Sorocaba

Agregando conhecimento

A

palestra sobre “Odontologia Estética: do planejamento à execução” realizada no mês de agosto e ministrada por Oswaldo Scopin, lotou o auditório da nossa sede. Na oportunidade, os presentes conheceram um pouco mais sobre a utilização de cerâmicas em lamina-

dos na dentição anterior, que é um procedimento consolidado na literatura científica, porém o correto e cuidadoso planejamento associado ao conhecimento dos materiais são imprescindíveis para o sucesso desta modalidade restauradora.

Veja algumas fotos do evento.

30

Revista APCD - Regional Sorocaba | Out/Nov 2013



Revista APCD