Issuu on Google+

Ciência da Informação Livros Poetas de A - Z Poesia Brasil Sempre Poesia dos Brasis Poetas de Brasília Poesía Ibero-americana Poesia Visual Ordem alfabética Obras Publicadas Sobre o Autor Currículo Lattes Da Nirham Eros Ensaios, etc Terra Brasilis Poemas do Barão

Fonte: transnat.lesverts.fr

ÁLVARO FALEIROS É doutor em Língua e Literatura Francesa pela Universidade de São Paulo – USP. Professor da Universidade de Brasília (UnB). Como tradutor publicou, entre outros, Latitudes: 9 poetas do Québec (Noroît/Nankin, 2003), O Bestiário, de Guillaume Apollinaire (Iluminuras, 1995) e Caligramas de Guillaume Apollinaire (Ateliê, 2007). Obra poética: Coágulos (Iluminuras, 1995), Amapeando (Nankin, 1997), Transes (publicado na França em 2000), o Retirante que virou Presidente (Cordel, 2002), Auto do Boi d´Água (Cordel, 2003). Escreve também canções, algumas gravadas em seu cd Àgua Minha (2003). Álvaro Faleiros é uma das vozes mais expressivas de nossa poesia contemporânea, partindo do coloquial para o social, atravessando os caminhos áridos e telúricos do cordelismo numa transmutação entre erudita e irreverente. Devemos apostar nele. Antonio Miranda on-line - visitor map Click

Acaba de lançar o livro MEIO MUNDO, com ilustrações e Fernando Vilela, pela Ateliê Editorial, no final de 2007, de onde extraímos os poemas seguintes.

QUATRO SONETOS BÁRBAROS I enquanto lemos jornais, putos com esses tempos de barbárie nas ruas e calçadas, cáries e esgotos enchem viadutos há bandos de manos nas ruas alguns trazem metralhadoras seus dentes encravam esporas na carne fresca das peruas


no topo de uma cobertura festejam cheios de champanhe lucros na bolsa de valores no morro nego na fissura neta país sem pai nem mãe injeta e fuma as suas dores II poucos se arriscam numa prática que é o exercício do faquir que senta em prego e come faca traça até vidro e o que mais vir saber a delicada arte exige treino horas a fio mas de cortar na própria carne só pobre entende no Brasil nem todos têm essa coragem tem uma classe no país que nem em sonho vai cortar-se os congressistas assim bebem aos goles o desgaste pensando ser um elixir III o bairro está barra pesada são mil playboys tirando onda que já chegam dando porrada na primeira moça que encontram julgando ser ela uma puta param o carro e sem mais um dá seus socos o outro chuta os lábios e os dentes da paz se livra das últimas sobras da dita civilização um pai que sai com a resposta: esse problema é da moça que tem pele fina senão guentaria fácil a coça. IV já tô cansado desse troço ficar com água até o pescoço é um tropeço atrás do outro fico sem tempo para o ócio e quando paro vem de novo cobrança dum outro negócio viver assim eu já não posso ter eu de reinventar o ovo acho melhor ficar na minha senão eu quebro meu pescoço não posso dar eu de galinha senão meu saco já não coço manter o meu verso na linha só se o tempo for meu sócio


MÉTHODES (Excertos) a cidade presa com ganchos na garganta a tantos semáforos aos espasmos de com seus trancos espanca suas ruas e parques tanto pó na boca da esquina na menina dentro da noite sob a suja fuligem fina vem sacia os seios da morte soturno meu vulto passeia guizos de morcego me guiam rangem de dor todos os freios da urbe que ronca e buzina NO UMBIGO DO EQUADOR I há

sim

há saldo II no primeiro posto do arquipélago sobem homens descem caixas flamengo joga nas ondas da parabólica entre as girafas escabeladas doa açaís III ouvi os guizos dos macacos chiados curtos de folhas nos galhos depois os saltos anunciados os meninos na ponta dos rabos dançando acrobacias IV curumim ri voa liberto salta no rio antes do splash na viga do vento vinga o vazio V


V conversa fiarada nem quero inventá roda, fio só quer é tecê nela, fia deixa mãe só tecê lã VI preguiça moço aqui tem muita estira os braços da tarde nem mexe à noite balança rede depois do almoço preguiça dá abraço grande ri fácil preguiça é quem caboclo só maliça moço

De Álvaro Faleiros (POESIA) Luciana Capiberibe (FOTOS)

AMAPEANDO


AMAPEANDO

São Paulo: Nankin Editorial, 1997. (fragmentos)

norte o corpo murmura seus germes bruscos os bustos na desolação porém viva. plural * enfrestados nos troncos os suplícios dos pântanos luzem * bate o pulso córrego nos alvéolos das rochas bate no saliente da encosta delineia a talho a soberba do ângulo que se afoba * o corpo insi nua — assombra — fogo do sol — farol — borda sinuosa da relva (uma selva que não se deixa)

De Álvaro Faleiros - texto Paulo Costa - imagens

P.A.R.Á.B.O.L.A.

Campinas: Museu de Arte Contemporânea "José Pancetti", 1994. Catálogo. Edição especial, ilustrações em páginas de papel gordura.

(fragmentos) a espátula, toque cego,


toque cego, segmento tosco, visando em profundeza a entrégua. * flutuar na saga brumosa da busca, imersão nas imensidões sombrias e opacas dos corpos. * no ápice posses, adoecer-se do outro. só pulsos fibrilam cúmplices seu vasto e pouco.

Página publicada em dezembro de 2007; ampliada em março de 2010

Home

Poetas de A a Z

Indique este site

Sobre A. Miranda

Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web. Copyright © 2004 Antonio Miranda

Contato


poesia dos brasis