Issuu on Google+

8

Sexta-feira, 28.03.2014 / JORNAL FP

CPFL inicia operação integral do Complexo Atlântica em Quintão

A CPFL Energias Renováveis S. A. (CPRE3), companhia listada no Novo Mercado da BM&FBovespa, o mais alto segmento de governança corporativa, recebeu autorização da Agência Nacional de Energia Elétrica (“Aneel”) para a entrada em operação da última unidade geradora

que completa o Complexo eólico Atlântica, conjunto de quatro parques eólicos localizados em Palmares do Sul, com capacidade instalada total de 120 megawatts (MW). Desde novembro de 2013, os aerogeradores do Complexo vêm entrando gradualmente em operação. O Complexo Atlântica é o

primeiro parque eólico da CPFL Renováveis no Rio Grande do Sul e reúne duas importantes inovações: torres mais altas e maior potência por unidade geradora já implementados no País. Cada torre tem 120 metros de altura e cada aerogerador pode gerar até 3 MW. O Complexo Atlântica teve sua produção comercializada no Leilão de Fontes Alternativas (“LFA/2010”), com o prazo de fornecimento de 20 anos e 52,7 MW médios de energia contratada. Com a conclusão do empreendimento, a CPFL Renováveis passa a contar com 20 parques eólicos em operação no seu portfólio, alcançando

a marca dos 719,2 MW instalados em energia eólica, nos estados do Rio Grande do Norte, Ceará e Rio Grande do Sul. Maior empresa do Brasil no segmento de geração de energia elétrica a partir de fontes renováveis, a CPFL Renováveis (CPRE3) tem um portfólio de empreendimentos de geração formado por pequenas centrais hidrelétricas (PCHs), parques eólicos, usinas termelétricas a biomassa e central de energia solar, que totalizam uma capacidade instalada em operação de 1.416,9 MW. A Companhia tem também 383,5 MW em construção e outros 3,8 GW em desenvolvimento.

em parceria com o Comitê Estadual de Enfrentamento da Tuberculose desenvolveu ações em vários locais de Porto Alegre até o dia 15 de abril para lembrar a importância da data. Em todo o Estado também estarão acontecendo diversas atividades para marcar este dia.A tuberculose é uma doença causada pelo bacilo de Koch que afeta vários órgãos e sistemas. A tuberculose pulmonar é a mais freqüente, pois a forma pulmonar é responsável pela manutenção da cadeia de transmissão da doença. É transmitida pelo ar, quando o paciente tosse, fala ou espirra. A tosse por mais de três semanas, com ou sem catarro, é o principal sintoma da tuberculose. Qualquer pessoa com este sintoma deve procurar uma unidade

básica de saúde para fazer o exame de escarro. Caso for confirmada a doença, o tratamento deve ser iniciado imediatamente. Para o paciente se curar, deverá realizar o tratamento no mínimo por seis meses, sem interrupção.O Programa Estadual de Controle da Tuberculose (PECT-RS) presta assessoria às Coordenadorias Regionais de Saúde e avalia os indicadores como taxa de incidência, taxa de cura e de abandono de tratamento em todos os municípios. Com estes indicadores, o programa define as ações estratégicas para o combate da tuberculose. Além disso, realiza capacitação para todos os profissionais envolvidos com o atendimento de tuberculose e faz o monitoramento da rede de atendimento do Estado.

Ações que marcam o combate a tuberculose iniciaram na segunda

Em 1982, o dia 24 de março foi instituído, pela Organização Mundial da Saúde e pela União Internacional Contra a Tuberculose e Doenças Pulmonares, o Dia Mundial de Luta Combate a Tuberculose. E na segunda-feira (24), teve início as atividades que marcam essa luta.O Programa Estadual de Controle da Tuberculose (PECT-RS),


08ff 28