Page 1


Sumário 04 07 08 10 11 12 14 15 16 18 19 20 21 22 23 24 25 26 28 29 30

ENTREVISTA - ROGÉRIO LOUREIRO ESTABILIDADE ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DEPOIMENTOS PIONEIRISMO NA ATENÇÃO À IMPRENSA UMA NOVA SEDE VOLTAÇO GANHA RECONHECIMENTO DE AUTORIDADES CONSOLIDAÇÃO NA ELITE DO FUTEBOL HÁ 35 ANOS FAZENDO PARTE DA HISTÓRIA DA CIDADE TÍTULOS DA GESTÃO ROGÉRIO LOUREIRO 20 MIL PESSSOAS NA FINAL DE 2004 A INÉDITA TAÇA GUANABARA 2005 UMA CONQUISTA DIFERENTE DE OLHO NA COMUNICAÇÃO JAGUATIRICA É O NOVO MASCOTE DO VOLTAÇO VOLTA REDONDA A CIDADE DO ESPORTE FUTEBOL E INCLUSÃO SOCIAL

EXPEDIENTE

REVELANDO TALENTOS PARA O MUNDO

Esta revista é uma edição especial do Volta Redonda Futebol Clube, com sede na Rua Panamá, 200, São Lucas – Volta Redonda.

UMA HISTÓRIA E DOIS RECOMEÇOS O TIME DE VÔLEI NA ELITE NACIONAL UM ORGULHO DE TODOS OPINIÃO

Tiragem: 2000 exemplares - Fotolito e impressão: Gráfica Ano Bom. Agência responsável: Midiasul Publicidade – Avenida Paulo de Frontin, 457, sala 106 – Aterrado – Volta Redonda. Tel: (24) 33382248 / e-mail: midiasul@midiasul.com.br. Jornalista responsável: Chrystine Mello – MTB/RJ 27373 Colaboração dos jornalistas: Kennya Inocêncio, Rafaella Estanislau, Gustavo Henrique de Souza e Igor Bravo. Designers: Elton Rodrigues e Wellington Gois. Fotos: Guto Freitas, Paulo Dimas, Fernando Siqueira, Cris Oliveira, Fair Play Assessoria em Comunicação Esportiva e arquivo Midiasul.


Entrevista

Rogério Loureiro

VOLTAÇO | 2010-2

Presidente do Voltaço Futebol Clube

4


Desde 2001 na diretoria do Voltaço, com sete anos à frente da presidência do clube, o economista Rogério Loureiro, 47 anos, diz, nesta entrevista, que foi a paixão pelo time que motivou sua permanência na presidência durante todos esses anos: “Além da vontade de contribuir e torná-lo ainda maior”. Casado com Cristiane Cotrim Loureiro e pai de Bruna Eny, Sérgio e Maria Fernanda, Rogério compara o Volta Redonda a um casamento. “Penso que como se trata de uma relação em que a paixão e o amor são os principais ingredientes, acontecem as mesmas coisas, como se fosse uma união”, destaca. Para Rogério, a maior conquista durante esse período foi, sem dúvida, a Taça Guanabara, em 2005. “Foi um momento único, inesquecível. O Maracanã dividido com as cores amarelo e preto. Definitivamente, um dos melhores momentos da minha vida”, ressalta. Confira a entrevista de Rogério, na integra, para a revista do Voltaço.

Revista Voltaço – Quando teve início a sua paixão pelo Voltaço? RL – Desde garoto. Quando fiz 18 anos, o meu bolo de aniversário tinha como tema a bandeira do Voltaço.

Revista Voltaço – O Voltaço tem um histórico de vitórias. O que foi preciso mudar para o time se destacar, como aconteceu nesta década? RL – Antes de qualquer coisa, mudar a mentalidade administrativa esportiva. O time tinha que acreditar que poderia vencer qualquer outro clube, sempre. Grande ou pequeno, local, estadual ou mesmo nacional. E foi essa mentalidade que fez com que o clube superasse seus próprios limites.

Revista Voltaço – Quais títulos foram conquistados durante a sua gestão? RL – Campeão Estadual da 2ª Divisão (2004), campeão da Taça Guanabara (2005), vice-campeão Carioca (2005), campeão da Copa Finta Internacional(2005), campeão da Copa Rio (2007) e campeão Feminino Estadual (2009).

Revista Voltaço – Entre todas as conquistas, qual mais lhe marcou? RL – Sem dúvida a Taça Guanabara em 2005. Foi um momento único, inesquecível. O Maracanã dividido com as cores amarelo e preto. Definitivamente, um dos melhores momentos da minha vida.

O time tinha que acreditar que poderia vencer qualquer outro clube, sempre. Grande ou pequeno, local, estadual ou mesmo nacional.

Revista Voltaço – São sete anos de presidência, o que o motivou a ficar à frente do Voltaço durante esses anos? RL – Paixão! Vontade de contribuir, torná-lo ainda maior!

VOLTAÇO | 2010-2

Revista Voltaço – Em que ano você passou a fazer parte da diretoria do clube? RL – Em 2001, sendo que desde 2003 estou na presidência.

5


Revista Voltaço – Por diversas vezes você esteve prestes a deixar o cargo de presidente do Voltaço. Quais fatores lhe fizeram permanecer na presidência? RL – Penso que como se trata de uma relação onde a paixão e o amor são os principais ingredientes, acontecem as mesmas coisas, como se fosse num casamento. Às vezes, num desentendimento mais forte, você não pensa em se separar, em largar tudo, em desistir? Mas aí você para, olha para trás e vê uma vida construída, os frutos gerados. Percebe que não vale a pena e dá a volta por cima, uma, duas, três vezes se necessário. Bem, é mais ou menos a mesma coisa. É como se fosse um bom e velho casamento.

Revista Voltaço – Qual a importância da cidade investir no Voltaço? RL – São vários os aspectos positivos. Entre eles, visibilidade para o município e, acima de tudo, a paixão do povo brasileiro pelo futebol. Eu pergunto: “Qual o povo de qualquer cidade do Brasil não será muito mais alegre, com a autoestima muito mais elevada, tendo um time de futebol competitivo, campeão em sua cidade?”. E as consequências disso só podem ser as melhores possíveis, sempre, para todos.

VOLTAÇO | 2010-2

Revista Voltaço – Quais são as principais consequências da falta de recurso? RL – Não tendo um time competitivo e não conseguindo classificação no Campeonato Nacional, consequentemente não temos atividades ao longo do ano.

6

Revista Voltaço – Como você descreve a experiência no Voltaço? RL – Maravilhosa. Aprendi e aprendo muito, todos os dias.

Qual o povo de qualquer cidade do Brasil não será muito mais alegre, com a autoestima muito mais elevada, tendo um time de futebol competitivo, campeão em sua cidade?


Apesar das dificuldades financeiras, devido, principalmente, a falta de patrocínio, o Voltaço, na gestão do presidente Rogério Loureiro, tem conseguido manter o clube estabilizado, administrativamente e financeiramente. Prova disso é que o Volta Redonda é hoje um dos únicos clubes do país que possui certidão negativa no INSS, Receita Federal e Dívida Ativa. – Parece fácil, mas dirigir um clube como o Volta Redonda é uma tarefa bastante difícil, pois temos que trabalhar dentro de um orçamento apertado, mas com muitos compromissos com o elenco de profissionais e a manutenção da sede que serve de concentração para os nossos jogadores – disse Rogério Loureiro. No dia 19 de abril deste ano o Conselho

Fiscal do Voltaço se reuniu para analisar as contas apresentadas pela diretoria do clube e deu parecer favorável aprovando, por unanimidade, os números apresentados pelo presidente do clube e pelo diretor administrativo, Wilton Arbex. – Realmente temos dificuldades financeiras. Só de passivo trabalhista e parcela do INSS e FGTS são R$ 50 mil por mês, sendo que temos R$ 130 mil de receita. Sobra apenas R$ 80 mil para trabalhar. Para participar de um campeonato como a Copa Rio (que acontece na primeira semana de setembro), por exemplo, o mínimo, razoável, é de R$ 200 mil, para fazermos um bom campeonato. Então temos que nos desdobrar para conseguir trabalhar com o pouco

que temos – informou Wilton, lembrando que hoje o clube tem como patrocinador a Prefeitura de Volta Redonda, Café Favorito, Pneuscar, Della Via Pneus e Scania do Brasil. Segundo o presidente do Voltaço, anualmente são apresentados todos os documentos relativos ao exercício fiscal e estes sempre tiveram aprovação pelos conselheiros. “Temos gastos e receitas, mas sempre existiu transparência em todos os negócios realizados. Mais uma vez tivemos as contas aprovadas com louvor e isso me deixa tranquilo e feliz e na certeza de que o nosso trabalho tem sido pautado pela total transparência e acima de tudo de respeito aos conselheiros e aos membros do conselho fiscal”, disse Rogério Loureiro.

A era da administração Rogério Loureiro

dos custos. Realizou parceria com a Viação Agulhas Negras, passando a usar ônibus personalizado para transporte dos atletas. Conseguiu restaurar a imagem do clube, mantendo em dia os salários dos atletas, comissão técnica, funcionários e fornecedores, dando assim maior credibilidade ao Voltaço. Vieram então as conquistas: campeão da Segunda Divisão, campeão da Taça Guanabara, vice campeão Estadual. Disputou a Copa do Brasil, chegando as quartas de final, e campeão por diversas vezes da Copa Rio. No entanto, as finanças do clube continuam um desafio. As gestões do presidente Rogério Loureiro trouxeram ao clube mais resultados positivos do que negativos. Hoje, o Voltaço é o único clube filiado em condições de se utilizar dos benefícios fiscais oferecidos pelo governo (informação passada pelo presidente da Federação).

que Rogério Loureiro esteve à frente da instituição Volta Redonda Futebol Clube. Dentro do que nos reserva como responsáveis pelo órgão de fiscalização, nossos pareceres ao Conselho Deliberativo, sempre voltados aos interesses sociais, se pautaram em refletir os resultados altamente positivos em suas representações numéricas, mercê das documentações existentes, no que se concerne aos nossos entendimentos de ordem pessoal e de associados. A pujança de nosso clube hoje é fruto cabal do trabalho da administração do presidente Rogério que, ao fim de suas gestões, dotou o clube de uma infraestrutura administrativa, física e no campo esportivo, pouco comum em clubes de nosso porte. Tal performance tão positiva, contudo, não deve desmerecer anteriores administrações, cada uma em seus tempos e possibilidades também contribuíram positivamente para o engrandecimento do clube. Neste aspecto, desponta a figura do ex-presidente Neto, cuja comenda ostentada de presidente honra, por si só consigna sua contribuição e importância ímpar na trajetória do clube.

Em janeiro de 2003 o Conselho Deliberativo elegia um jovem de 40 anos, apaixonado pelo Voltaço. Era ele, Rogério Loureiro. Sem ter qualquer experiência na administração esportiva, apenas empresarial, porém, imbuído do desejo de fazer o clube crescer no cenário esportivo nacional. Após a posse, o presidente Rogério se deparou com um grande desafio, a disputa do Campeonato Estadual. Sem poder usar o Estádio Raulino de Oliveira como mandante, por motivo de obras, realizou seus jogos fora de Volta Redonda e acabou rebaixado para segunda divisão, agravado com enorme déficit, fruto das rendas das partidas sempre inferiores aos custos operacionais das mesmas. Era sua primeira decepção. Enquanto isso, na parte financeira, Rogério começou a sentir um terreno muito minado. Deparava com várias ações trabalhistas e débito contra o fisco (recolhimentos do INSS, FGTS, PIS). Foi nesse momento que colocou em prática sua sensibilidade administrativa e iniciou a arrumação da casa. Equacionando as dívidas, inclusive a de maior vulto, a do fisco, refinanciando em 80 meses. Promoveu a reforma da concentração, oferecendo melhores condições nos apartamentos, construção de piscina, academia com aparelhagem moderna, caixa de areia, sala de fisioterapia, tudo isso contribuindo para recuperação mais rápida dos atletas e redução

Ronald Jarbas - Presidente do Conselho Deliberativo

‘A pujança de nosso clube hoje é fruto cabal do trabalho da administração do presidente Rogério’ Aproveitamos a oportunidade de encerramento de mais um mandato gestorial, fazendo-o para conhecimento de seu quadro associativo e como não dizer, a própria legião de torcedores que hoje representa seu maior patrimônio, uma visão geral das atividades desenvolvidas durante todo o período

Wilson Honório de Oliveira Presidente do Conselho Fiscal Jesus de Paula 1º Secretário do Conselho Fiscal Renê Merces Pinto Coelho 2º Secretário do Conselho Fiscal

VOLTAÇO | 2010-2

Aprovação das Contas

Estabilidade administrativa e financeira

7


Depoimentos

VOLTAÇO | 2010-2

“O Voltaço é um símbolo para a nossa cidade e mantê-lo vivo, com investimentos, demonstra que o município está sempre em defesa do esporte, principalmente do futebol, uma das paixões nacionais. O comércio também sai ganhando sempre que o time está em evidência, disputando os campeonatos estaduais, estimulando as vendas do setor esportivo e movimentando a rede hoteleira, restaurantes e bares. Temos visto a dedicação e a preocupação da atual diretoria em cuidar não só do time profissional, que nos representa lá fora, divulgando a cidade, assim como as categorias de base. Torcemos para que o Volta Redonda continue crescendo e possa nos trazer grandes alegrias e desejamos sucesso ao presidente Rogério Loureiro, que há sete anos vem buscando manter a qualidade do clube, acumulando diversas vitórias em sua gestão. O Volta Redonda nos orgulha por suas conquistas, em especial, por ter sido campeão da Copa Rio em 2007; campeão da Taça Guanabara em 2005; e vice-campeão do Campeonato Carioca, também em 2005. Que em 2010, possamos estar juntos, com as cores do Volta Redonda representando a cidade” - Gilson de Castro, presidente da CDL-VR

8

“Ao longo dos anos o esporte vem demonstrando sua importância para toda humanidade, unindo povos e agregando valores que nunca se pensava que seria possível. Penso que o Voltaço é muito importante para Volta Redonda e região. Além de aproximar as pessoas, contribui para o desenvolvimento econômico, gerando emprego e renda em diversas atividades comerciais, em especial a rede hoteleira, restaurantes e comércio em geral” – Osmar Fernandes de Souza, presidente da Associação Comercial de Volta Redonda

O time do Voltaço é uma referência em nossa cidade e em nosso estado. E a gestão do Rogério Loureiro fez o diferencial. Uma pessoa que, dentro dos limites, conseguiu elevar o nome de Volta Redonda, do esporte, com muito trabalho e competência. E o Voltaço não está focado só no futebol, mas também no vôlei, basquete, atletismo. O trabalho do Rogério merece aplausos, pois através do esporte temos condições de incentivar nossas crianças, oferecendo-lhes qualidade de vida e garantia de um futuro melhor” – Antonio Luzia Borges, presidente do Sicomércio-VR “A boa gestão implementada pelo atual presidente Rogério Loureiro e sua equipe trouxeram para Volta Redonda títulos históricos como o da Segunda Divisão e da Taça Guanabara, além de boas participações na Copa do Brasil. A revelação de atletas como Robinho, André, Caio e Madisom é outro marco desse trabalho, pois demonstra a boa dedicação à Categoria de Bases. As dificuldades atuais de todos os clubes na manutenção de jogadores, aliada à falta de parceiros sólidos, torna-se o principal fator para que também o Tricolor de Aço não tenha obtido bons resultados nos últimos dois anos. Parabenizo toda diretoria e seus profissionais pela dedicação ao Voltaço e pelo inédito título da Taça Guanabara de 2005” – Elias Rangel, vice-presidente do Conselho Administrativo do Voltaço “O Voltaço é um time de grande visibilidade em nosso estado e muito importante para o desenvolvimento de nossa cidade. Através dele levamos a imagem de uma cidade próspera, que preza a qualidade de vida através do esporte, com solidez em seu comércio e com competência na administração pública. O Voltaço é um clube em que suas tradições se confundem com a de nossa cidade, onde mesmo em momentos difíceis nunca deixamos de acreditar” – Maycon Abrantes, Floresta Supermarket

“Todos os presidentes que passaram pelo clube deram o máximo de si, mas podemos destacar a figura de Fausto Possidente, que segurou a sede do clube em comodato junto à CSN, proprietária do imóvel, adquirida mais tarde com a venda do lateral Wanderley ao Botafogo. Outro destaque é o prefeito Antonio Francisco Neto que, em todos os momentos difíceis, esteve presente com seu apoio. Hoje, Neto é presidente de Honra do clube. Também não podemos deixar de mencionar o nome de João Fonseca Célio Raggi e tantos outros que se juntaram a eles. Com a chegada de Rogério Loureiro o Voltaço deu uma alavancada extraordinária. Ele transformou a sede do clube, dotando-a de todos os requisitos necessários ao bom desempenho dos atletas, inclusive uma moderna Academia de Ginástica que, por indicação do conselho, que aprovou por unanimidade, recebeu o nome de Sérgio Sales Loureiro. Rogério retornou o clube a Divisão do Campeonato Estadual para, em 2005, levar o Voltaço a vice-campeão Estadual, campeão da Taça Guanabara e campeão do Torneio Internacional Finta. Chegou às quartas de final da Copa do Brasil de 2006 e manteve o time na Divisão Estadual até hoje. Não canso de elogiar o trabalho de Rogério Loureiro pela paixão, amor, dedicação, organização, empenho e coragem de defender e lutar pelos direitos do nosso clube, sempre acompanhado de perto por seus familiares. Obrigado e continuem com o Voltaço” – Afrânio Conceição Leal, sócio fundador (4º sócio do Volta Redonda) e conselheiro do clube desde 1976


“Volta Redonda se tornou mais conhecida no Brasil através do crescimento do Voltaço, ocorrido na gestão do presidente Rogério Loureiro que, através de sua dedicação, fez com que o Voltaço saísse da terceira divisão e se tornasse campeão da Taça Guanabara e vice-campeão Carioca. Recentemente viajei para o Sul do país e, quando falava que era de Volta Redonda, a Cidade do Aço, da CSN, as pessoas não conheciam. Só quando explicava que era a cidade do Voltaço é que conheciam. Acredito que o crescimento do clube permitiu uma maior divulgação da cidade, que hoje não é mais conhecida só como a Cidade do Aço, mas como uma cidade que investe no esporte. Isso é muito importante para Volta Redonda, que ganha visibilidade nacional e internacional, e se desenvolve economicamente. Parabéns ao Voltaço e ao presidente Rogério Loureiro” – Adriano de Souza, Midiasul Publicidade

“O Volta Redonda Futebol Clube, na gestão do presidente Rogério Loureiro, teve um salto de qualidade muito grande na estruturação do clube. Rogério conseguiu as maiores conquistas que o Voltaço já realizou até hoje, colocando o nome do clube e, por conseguinte o da cidade, no patamar mais alto da divulgação do futebol com a conquista do vice-campeonato Estadual de 2005, dando ao clube visibilidade nacional e internacional. O Volta Redonda Futebol Clube teve uma importância muito grande na minha formação de atleta. Foi através dele e, com ele, que comecei a atuar profissionalmente em 1976. No Voltaço encontrei apoio para exercer diversas funções depois, como técnico dos juniores, profissional, supervisor, gerente e atualmente podendo repassar toda minha experiência como gerente do departamento de base, a quem sou eternamente agradecido e orgulhoso deste trabalho”, Wilson Leite, ex-goleiro do Voltaço e gerente das Divisões de Base

“Tenho duas paixões na vida, uma é a minha família e a outra o Voltaço, clube do meu coração e que me traz muitas alegrias. O Voltaço é o único clube que torço. Eu e meus colegas da Van estamos com o Voltaço em todos os momentos de vitória e derrota. Este é o amor que sentimos. A gestão do Rogério Loureiro foi uma das melhores desde a fundação do clube, em 1976, pois é feita com muito trabalho e amor, mesmo com todas as dificuldades. Um clube que não tem um grande investidor é difícil sobreviver somente com a ajuda da prefeitura e de pequenos patrocinadores, pois o Voltaço não tem programação de jogos para o ano todo. Mesmo assim o Rogério trabalhou muito e fez muita coisa no clube. Montou uma moderna sala de musculação para preparação dos atletas, organizou a estrutura do clube, modernizou a sede e concentração para conforto dos jogadores, manteve salários e contas em dia, controlou as despesas e muito mais. Em 2005 culminou com o título da Taça Guanabara, que encheu a nação voltaredondense de alegria em dia de Maracanã lotado. Mas queremos muito mais. Obrigado Rogério Loureiro” – José Hélcio de Oliveira, conselheiro e torcedor do Voltaço

“Acompanhei o Voltaço antes e depois da gestão do presidente Rogério Loureiro, por isso, sinto-me muito à vontade para opinar sobre a evolução do clube nesse intervalo de mais de dez anos. Fui revelado no Volta Redonda e daqui saí para buscar meu espaço. Passei por grandes clubes como Santos, Internacional, Portuguesa, Guarani e, mesmo conquistando títulos importantes com essas camisas, foi no Voltaço que vivi em campo um dos momentos mais felizes, pois cobrei o pênalti que deu ao clube o mais importante título de sua história e a sensação é indescritível. Antes disso, graças a um convite do presidente Rogério Loureiro, retornei em 2004 para ajudar o time ainda na segunda divisão, justamente por acreditar em seu projeto de fazer um Voltaço grande. Encontrei um Volta Redonda reformulado, bem mais moderno, com o pensamento de ser realmente grande, mesmo com todas as dificuldades. Isso tudo, graças ao empenho do Rogério, que já conseguiu fazer o Volta Redonda atingir um patamar impensado pela torcida. Sei que a meta dele é colocar o Volta Redonda entre os grandes clubes do futebol brasileiro e ele é a pessoa mais capacitada para consolidar essa meta”, Elson Roberto, técnico do time profissional do Voltaço.

VOLTAÇO | 2010-2

“Antes Volta Redonda era conhecida somente pela existência da CSN, hoje é mais conhecida pelo Voltaço, que divulga o nome da cidade no país e exterior. Digo que existem duas fases do Voltaço, antes e depois da administração do Rogério Loureiro. Antes o clube tinha dificuldades em conseguir torcedores, patrocinadores e a estrutura era ruim. Com a vinda do Rogério Loureiro ele mudou a estrutura e a cara do clube. Hoje o Voltaço tem a mesma estrutura de grandes times, com academia e concentração, proporcionando conforto aos jogadores. O Rogério também conseguiu com que a população amasse mais o Voltaço e sempre apoiou os torcedores, permitindo que acompanhássemos o time nos jogos em outros estados, como Rio Grande do Sul, Paraná, Goiás e Minas Gerais. Agradecemos esse apoio que ele nos deu” – Paulo Pires Adalberto, presidente da Torcida Organizada Esquadrão da Vila

9


Assessoria de Imprensa

Pioneirismo na atenção à mídia

VOLTAÇO | 2010-2

A grande exposição do Volta Redonda Futebol Clube nos veículos de comunicação não se deve somente aos títulos conquistados nos últimos anos, aos jogadores de renome que estiveram presentes no time ou às modernas instalações do Estádio da Cidadania. Boa parte deste destaque na mídia local, estadual e até mesmo nacional é fruto do trabalho profissional de uma assessoria de imprensa, idealizada pelo diretor de Marketing do Voltaço, Benedito Mendonça, na gestão do presidente Rogério Loureiro. Em 2004, com a construção de um novo e moderno estádio, o presidente Rogério Loureiro sentiu a necessidade de contar com o serviço e, naquele momento, contratou o jornalista Gustavo Henrique de Souza, que passou a mediar o contato entre a imprensa e o clube. Naquele mesmo ano, o Voltaço foi campeão da Série B do Estadual e ascendeu à primeira divisão da competição, passando a ter uma visibilidade ainda maior na mídia, que requeria a presença do assessor de imprensa. O clube passava a ser o pioneiro entre os considerados de menor investimento na segunda e, no ano seguinte, na primeira divisão, a contar com uma assessoria de imprensa.

10

Gustavo Henrique e Igor Bravo, da Fair Play.

A necessidade de um trabalho de assessoria de imprensa se intensificou em 2005, devido à chegada do jogador Túlio Maravilha ao time e, principalmente, a campanha brilhante que o clube fez no Estadual daquele ano, sendo campeão da Taça Guanabara e vice-campeão Carioca. A partir de 2006 o trabalho de comunicação com a imprensa passou a ser feito pela Fair Play Assessoria em Comunicação Esportiva, e o elo entre clube e imprensa passou a ser melhor gerido, assim como a marca Voltaço conseguiu se manter como representante da cidade no cenário esportivo no país. Com o crescimento de ambos – Voltaço e Fair Play – houve a necessidade de uma ampliação do atendimento. Por este motivo, a equipe de jornalistas da empresa aumentou e outros serviços de comunicação foram sendo agregados. Além de mediar o contato entre imprensa e o Voltaço, o papel da assessoria de imprensa é o de cuidar da divulgação estratégica do clube nos veículos de comunicação, no site oficial, nas mídias sociais, entre outros. E também cuidar do fornecimento de dados estatísticos e informativos aos jornalistas que cobrem o Timaço, mantendo-os bem informados, visando criar uma identidade forte e representativa. Em suma, sua função é zelar pela imagem do clube junto aos torcedores e espectadores em geral, comprovando sua fundamental importância. Prova disso é o respeito com que os profissionais da imprensa tratam o Voltaço, diante de sua estrutura e profissionalismo, o que motivou os demais clubes do estado do Rio de Janeiro a fazerem o mesmo.


Situada na Rua Panamá, nº 200, no bairro São Lucas, em Volta Redonda, a sede do Volta Redonda Futebol Clube reflete a trajetória vitoriosa do clube. Uma sala de troféus exibe suas conquistas e, em suas paredes, estão expostas fotos de expresidentes que, nos últimos 34 anos, tanto colaboraram para o sucesso do time, que é o orgulho de Volta Redonda. A transformação da sede administrativa ocorreu em 2003, quando o presidente Rogério Loureiro assumiu a presidência. Da antiga e simples concentração restaram apenas o espaço físico e o prédio. A sede se transformou num local extremamente confortável e bem aparelhado, com todos os requisitos de higiene e conforto. A transformação pode ser notada antes mesmo de o visitante ultrapassar o portão de acesso, dotado de vigias e câmeras de segurança. Os torcedores, comissão técnica, jogadores e diretoria usufruem de um espaço bem estruturado. A sede, onde os jogadores se concentram antes dos jogos em Volta Redonda, possui caixa de areia para treinamentos, piscina para trabalhos regenerativos, cozinha, sala de jogos, quartos para os jogadores solteiros que não residem na cidade, além de uma moderna academia de ginástica, que recebeu o nome de Sérgio Loureiro, patriarca da família Loureiro que, desde que assumiu a direção do Voltaço, resolveu dar ao clube as condições necessárias para o seu crescimento dentro e fora do campo.

A transformação da sede administrativa ocorreu em 2003, quando o presidente Rogério Loureiro assumiu a presidência.

VOLTAÇO | 2010-2

Sede do Clube

Nova estrutura para os jogadores

11


Notoridade Nacional

Voltaço ganha reconhecimento de autoridades Fundado há 34 anos o Voltaço vem conquistando reconhecimento não só em Volta Redonda e no estado do Rio de Janeiro, mas também no país. Essa notoriedade é fruto do trabalho realizado pelo presidente Rogério Loureiro que, desde 2003, está no comando do clube. Suas ações frente à direção do Voltaço permitiram a reestruturação do clube e o caminho para muitas vitórias, culminando com o título de campeão da Taça Guanabara, em 2005. Rogério, que continua se dedicando à presidência do clube, recebeu o título de Melhor Presidente do Interior, sendo indicado para receber o Troféu Bola de

Ouro e o título de Melhor Presidente de Clube de Futebol em 2004, do Sindicato dos Treinadores do Estado do Rio de Janeiro. Em fevereiro de 2006, o presidente foi agraciado pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro com a Medalha Tiradentes. Considerada a mais alta condecoração da Alerj, a medalha é concedida a homens e mulheres que se destacam em seu ramo de atividade e que, através de suas ações, obtêm o reconhecimento da sociedade. Em 2006, quando o município de Volta Redonda comemorou 52 anos de emancipação, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), através do seu presidente

Vice-campeão Estadual 2005

Homenagem da Confederação Brasileira de Futebol (CBF)

VOLTAÇO | 2010-2

Campeão da Taça Guanabara 2005

12


Medalha Tiradentes

Certificado da Casa da Criança e do Adolescente

Vice-campeão Estadual 2005 Campeão Estadual de Futebol Feminino 2009 Frio, no Estádio Alair Correa. “O Voltaço vem representando com dignidade e rara competência a nossa cidade, levando o nome de Volta Redonda para todo o país, proporcionando prazer e orgulho a todos que admiram o bom futebol”, diz a moção referente à conquista do Estadual em 2005. – Mesmo tendo de enfrentar uma série de adversidades, como a disputa simultânea de duas competições, Campeonato Brasileiro da Série C e a Copa Rio, o time do Voltaço conseguiu com muita garra e dedicação alcançar seu grande objetivo, que foi a conquista do título da Copa Rio

2007, acumulando um tetracampeonato e garantindo o direito de participar da Copa do Brasil no ano de 2008. Sem dúvida, trata-se de uma conquista digna de aplausos devido às dificuldades enfrentadas e vencidas pelo Voltaço. Com uma diretoria altamente competente, sob o comando do presidente Rogério Loureiro, com um grupo de profissionais dedicados e uma torcida apaixonada, o Voltaço tem dado enormes alegrias e é motivo de orgulho da cidade de Volta Redonda – parte do texto da homenagem da Câmara Municipal pela conquista da Copa Rio em 2007.

VOLTAÇO | 2010-2

Ricardo Teixeira, também homenageou o presidente do Voltaço com uma placa. E, em 2008, Rogério recebeu da Casa da Criança e do Adolescente de Volta Redonda o título de Empresário Amigo da Criança, por participar ativamente dos projetos da Casa da Criança e do Adolescente. Entre outras homenagens destacamse também as Moções de Congratulações que lhe foram concedidas pela Câmara de Vereadores de Volta Redonda. Através das homenagens, o Legislativo destaca a participação no Campeonato Estadual de Futebol do Rio de Janeiro em 2005 e a Copa Rio de Futebol Profissional em 2007, em decisão memorável contra o Cabofriense, realizada no dia 8 de agosto, em Cabo

13


Recorde em permanência

Consolidação na elite do futebol

VOLTAÇO | 2010-2

Por Igor Bravo

14

Os últimos seis anos marcaram um período de grande estabilidade para o Volta Redonda Futebol Clube. Desde 2004, quando ascendeu à primeira divisão do Campeonato Estadual, o Tricolor de Aço vem se mantendo entre os melhores do Rio e até já esteve próximo do título. Segundo o presidente Rogério Loureiro, o Voltaço jamais havia permanecido por tanto tempo na elite do futebol carioca nos 34 anos de existência do clube. “Este é o lugar do Volta Redonda, na Série A, entre os melhores do estado do Rio. Vamos lutar sempre para que ele permaneça neste patamar e que brigue pelas melhores

posições”, disse o presidente. As boas campanhas do time na Série A podem ser atribuídas às contratações de nomes respeitados do futebol brasileiro, que ainda de acordo com Loureiro, têm sido fator fundamental na montagem de equipes competitivas. – Temos apostado na contratação de jogadores de nome, como Túlio Maravilha,

Sérgio Manoel, Júnior Baiano e muitos outros jogadores respeitados que ajudaram, dentro e fora de campo, para essa permanência na elite. Outro ingrediente é a mescla de jovens atletas, revelados na base do clube. Essa receita de sucesso ainda vai nos render outras boas participações, pois a meta é conquistar espaço no cenário nacional – afirmou Rogério Loureiro.

Temos apostado na contratação de jogadores de nome, como Túlio Maravilha, Sérgio Manoel, Júnior Baiano e muitos outros jogadores respeitados que ajudaram, dentro e fora de campo, para essa permanência na elite.


Resgate Histórico

Há 35 anos fazendo parte da história da cidade

Muitos desconhecem, mas antes de se chamar Volta Redonda Futebol Clube, o nome do clube era Flamenguinho (Clube de Regatas do Flamengo). Tudo aconteceu em 1975, quando resolveram criar um time de futebol para representar a cidade. No entanto, em uma reunião realizada no dia 9 de fevereiro de 1976, na Federação Carioca de Futebol, decidiram que o melhor nome que representaria a Cidade do Aço seria Voltaço. Manter vivas histórias como esta sempre foi a preocupação do clube e, por isso, desde a sua fundação, vem realizando ações, como, por exemplo, o encontro das torcidas, que fortalece ainda mais o Voltaço. Em 2004, foi inaugurada no Pontual Shopping uma boutique com o intuito de estreitar ainda mais o elo entre o clube e a sociedade. Produtos como shorts, camisas, adesivos, chaveiros, bonés e outros tipos de souvenires com a marca do clube podiam ser adquiridos na loja. A boutique disponibilizava também um terminal ligado à internet para o torcedor conhecer melhor a trajetória do Volta Redonda. Para facilitar ainda mais o acesso dos torcedores às novidades do Voltaço, o site do clube passou por uma reformulação. Criado pela agência interativa AM4 –

Internet de Resultados, hoje o novo site (www.voltaco.com.br) tem layout mais moderno e leve. A distribuição do conteúdo facilita o encontro das informações, desde as notícias dos jogos até os dados dos jogadores e comissão técnica. E para documentar as conquistas e a história do Voltaço, o clube lançou o livro “Volta Por Cima”, em 2006, em comemoração aos 30 anos do clube, e duas edições especiais da revista Voltaço. A primeira foi publicada em 2005, intitulada “Voltaço: agora e sempre”, com as principais conquistas do clube. A segunda, “Voltaço: pronto para a temporada 2010”, foi lançada no ano passado, que retratou a evolução do time ao longo dos anos. Os tricolores de aço também contam com uma galeria de fotos dos fundadores e títulos do clube. Além disso, o Volta Redonda realiza durante o ano encontros e cafés da manhã com os conselheiros do clube, com o intuito de manter ainda mais o Voltaço unido. Todos esses trabalhos foram coordenados pelo diretor de Marketing do Voltaço, Benedito Mendonça, com a colaboração de uma equipe formada por Elias Rangel, Luiz Sérgio Loques e Gustavo Henrique de Souza.


Linha do Tempo

Principais títulos da gestão Rogério Loureiro 2005 CAMPEÃO DA COPA

2005 CAMPEÃO DA TAÇA

2005 VICE-CAMPEÃO

CARIOCA

FINTA INTERNACIONAL

GUANABARA

ESTADUAL

VOLTAÇO | 2010-2

2004 VICE-CAMPEÃO

16


2009 CAMPEÃO CARIOCA

2010 CAMPEÃO DA COPA RIO

DA COPA RIO

DE FUTEBOL FEMININO

DE VOLEIBOL MASCULINO

VOLTAÇO | 2010-2

2007 CAMPEÃO

17


VOLTAÇO | 2010-2

Campeonato Carioca - Série B

18

20 mil pessoas na final de 2004

Ao longo de sua história o Volta Redonda Futebol Clube tem conquistado títulos em âmbito estadual, nacional e internacional. Apesar de sua juventude, o clube traça uma trajetória vitoriosa e as conquistas foram marcantes. O Voltaço acumula três tricampeonatos: da Série B do Campeonato Carioca, da Copa Rio e do Campeonato do Interior. Contabiliza ainda o vice-campeonato da Série C do Campeonato Brasileiro, a Copa Finta Internacional e o Torneio Incentivo Estadual. Mas sua galeria de troféus tem espaço especial para duas conquistas importantíssimas: a Taça Guanabara e o vice-campeonato Carioca. De fato, o Campeonato Carioca da Série B, em 2004, ficará na memória da torcida amarela e preta, já que esta conquista foi uma das fundamentais para o Voltaço se destacar como um dos melhores times do estado. Até chegar ao título de vice-campeão Carioca foram meses de planejamento e investimentos para transformar um clube que, um ano antes, havia amargado a queda da primeira para a segunda divisão do Campeonato Estadual, em um time vencedor e que conseguiu devolver a autoestima de toda uma região. Tudo começou com uma derrota diante do Mesquita, um time ainda em formação, e que acabou provocando na diretoria a certeza de que seria necessário uma mudança radical, caso contrário, mais uma campanha pífia iria se repetir. Após a derrota por 2 a 1 para o Mesquita, no campo do São Cristovão, tudo mudou. No dia seguinte, o presidente Rogério Loureiro já havia chegado à conclusão que não era somente o time que precisava ser modificado. A troca

de um comando era a única saída para o início de um trabalho de recuperação do time profissional, para que o sonho de voltar à elite do futebol do Rio de Janeiro fosse alcançado. A realização desse sonho começou com a contratação do técnico Dário Loureiro. O primeiro desafio seria o Boavista, no campo do adversário. O jogo terminou empatado em 1 a 1, com o time melhorando consideravelmente o desenvolvimento em campo. Em seguida, veio o Entrerriense, também no campo do adversário, e novo empate: 1 a 1. Mas se não fosse um erro grotesco do bandeirinha Marcos Tadeu Peniche, que anulou um gol legítimo de Humberto, a primeira vitória teria acontecido há menos de 15 dias da troca de comando. A partir da primeira vitória no campo do adversário, no dia 4 de abril em Itaperuna, a sequência de resultados positivos foi se acumulando até o final do primeiro turno. Mesmo disputando todos os jogos nos campos dos adversários, o Volta Redonda conquistou a liderança do campeonato e deu aos torcedores a certeza de que o time estaria na segunda etapa do campeonato. A grande arrancada para a conquista do título estava para acontecer, e o novo estádio, com certeza, passaria a ser o palco dos momentos mais emocionantes vividos durante a promissora campanha. No dia 17 de abril de 2004 foi finalmente inaugurado o mais moderno estádio de médio porte do país: o Raulino de Oliveira. Mais de 18 mil torcedores compareceram para assistir ao jogo inaugural contra o Botafogo e, nem mesmo a derrota por 2 a 1, tirou o ânimo da galera, que, a partir daquela noite, passou a comparecer em massa em todos os jogos. Surgia então a chamada “Febre Amarela”, que tomou conta da cidade e despertou

paixão pelo time em toda a região. A partir do segundo turno, o time passou a funcionar como um “rolo compressor” e, a cada partida, uma nova vitória. Mesquita, Entrerriense, Rio Branco de Campos, Casimiro de Abreu, Boavista, Nova Iguaçu e Angra dos Reis conheceram a força de um time determinado a conquistar um título. As vitórias surgiram nos jogos em casa e nos campos dos adversários. No dia 31 de julho de 2004, perante um público recorde de 21 mil torcedores, o time recebeu o Boavista de Bacaxá para a grande decisão. Detentor da melhor campanha durante todo o campeonato, o Volta Redonda precisava apenas de um empate, e depois de um jogo cheio de alternativas e emoções, a torcida comemorou, em grande estilo, o título de campeão da segunda divisão. A festa dos torcedores contagiou a cidade e, ao som de “Eu vou pra primeira”, parodiando a música de Ivete Sangalo, os torcedores finalmente puderam comemorar o retorno definitivo do Voltaço para a elite do futebol do Rio de Janeiro.


Por Gustavo Henrique de Souza

“O município é seu braço; A indústria o coração; Além de recordista de aço; Quer ver o seu clube campeão”; ecoou a torcida amarela e preta ao cantar o hino do Voltaço na inédita Taça Guanabara em 2005, na qual o time foi campeão. Pela primeira vez na história, a cidade de Volta Redonda presenciaria um feito do time que colocou quase 20% da população do município dentro do Maracanã, o maior palco futebolístico do mundo. A população apaixonada se vestia de amarelo e preto e tomava conta das ruas para comemorar a conquista. Segundo o presidente do clube Rogério Loureiro, o time era comentado em bares, nos jornais, nas TVs e nas rádios. O Voltaço contou com o apoio de crianças, adultos e pessoas que nunca se imaginaram em um estádio de futebol. O adversário era o Americano, de Campos, que carregava o

rótulo de protegido do recente ex-presidente da Federação de Futebol do Estado do Rio, Eduardo Viana, o Caixa D’Água. Centenas de ônibus partiram em caravana ao Rio. O time, àquela altura, conquistara a torcida carioca e passava a ser o segundo time do coração de quem torcia pelos clubes grandes do Rio de Janeiro, até pela antipatia com que o time de Campos era visto. A campanha não deixava dúvidas. O Volta Redonda era a melhor equipe da competição, tinha a defesa menos vazada, com dois gols, e um time que “jogava por música”. A partida aconteceu em uma tarde de domingo, dia 20 de fevereiro. O Maracanã totalizou um público de 45 mil pessoas, maior parte torcedores do Voltaço. Testemunhas da maior conquista durante os 29 anos da existência do Tricolor de Aço. Empate no tempo normal, em 0 a 0, e a suada e dramática vitória, nos pênaltis, com o goleiro Lugão fazendo duas defesas e o volante Élson, ambos revelados no clube,

convertendo a última cobrança, fechando a sequência e iniciando uma festa em campo e em Volta Redonda. O Voltaço era o campeão da Taça Guanabara 2005. Era só comemorar. – Passei por muitos clubes, mas nunca tinha comemorado tanto uma conquista. Nem o Campeonato Brasileiro de 2005 valeu tanto. A Taça Guanabara foi uma vitória de um grupo unido e determinado. Nunca mais vou me esquecer. Em campo, éramos um pelo o outro -, contou o atacante Túlio Maravilha, que terminaria a competição como artilheiro com 12 gols. A vitória credenciou o Volta Redonda para a primeira final de um campeonato Estadual. “Foi um fato para ficar na lembrança pelo resto de nossas vidas. Nunca vou me esquecer do sorriso estampado no rosto dos torcedores que vinham me agradecer a todo instante. Parecia um sonho”, destacou o presidente do Volta Redonda Futebol Clube, Rogério Loureiro.

VOLTAÇO | 2010-2

Campeão da Taça Guanabara

A inédita Taça Guanabara 2005

19


Vice-Campeão Estadual

Uma conquista diferente

Por Rafaella Estanislau

VOLTAÇO | 2010-2

Quem diria, um time de interior que, aos poucos, conquistou a torcida de sua cidade e a admiração de um país. Foi o que fez o Voltaço durante o Campeonato Estadual de 2005, o que o colocou entre os grandes times cariocas. Tudo começou em 2004, quando o Voltaço despertou nos corações voltarredondenses o antigo prazer de torcer por um time, de ter em campo um representante com garra e vontade de vencer. Tal garra foi percebida através da posição do clube, que lutava com todas as forças para conquistar a segunda divisão do Rio. Mas a diretoria queria mais. A cidade e a torcida previam que o time podia ir longe e, cada vez mais, ficava evidente o sonho de ser grande na data daquela final do campeonato da segunda divisão, contra o Boavista. Sob o olhar atento e a energia positiva de aproximadamente 22 mil pessoas, o Voltaço seguiu rumo à primeira

20

divisão do Rio, conquistando por sua garra o posto de melhor time do estado. A campanha começou exatamente como terminou: sofrida. O primeiro jogo, marcado por protestos da torcida, não revelou, em nada, o poderio ofensivo e a qualidade daquele grupo, que se consolidaria durante a competição. Um gol de Wennedy, aos 47 minutos do segundo tempo da partida contra o Friburguense, em casa, abriu as portas para o maior feito do Volta Redonda em todos os tempos. O sucesso parecia estar só começando, mas não era surpresa para o presidente Rogério Loureiro, que sempre apoiou e confiou no Voltaço. “Sempre acreditei que ficaríamos entre os cinco primeiros do Rio. Mas, já no início do campeonato, mesmo visto com olhos de deboche e dúvida, quem vivia o dia a dia do clube já falava em título”, revela. O time que antes era visto como zebra conquistou a Taça Guanabara e, concomitantemente, a admiração de

torcedores da cidade, de todo o Sul do Estado e até mesmo de vários cantos do Brasil, que, naquela altura, já percebiam o grande potencial do time. Com a conquista da Guanabara a equipe ficou ainda mais confiante. As vitórias, sempre acompanhadas das boas exibições, vieram em sequência e grande estilo. E somente quem viveu aquele momento único, consegue explicar o que sentiu. “Só quem passou por tudo que passei sabe o significado dessa conquista. Digo conquista, pois nós realmente conquistamos corações em todo o Brasil. A cidade se transformou em orgulho, o time entrou em sintonia perfeita e os nossos sonhos se transformaram em realidade”, relembra Rogério, orgulhoso. Embora o destino não tenha colaborado para que o Volta Redonda tivesse um final feliz, como nos contos de fadas, a campanha revelou ao Brasil que quem vence nem sempre é a melhor equipe. No Maracanã, o time perdeu o título Estadual por 3 a 2 para o Fluminense, aos 47 do segundo tempo, com um gol inusitado. E, apesar de não ter sido vitorioso, o time mostrou a força do interior, destacando-se e fazendo história entre as grandes equipes cariocas. O presidente não se esquece do sentimento que teve quando o jogo terminou: “Bateu um imenso vazio quando o árbitro, que apitou toda a partida de forma duvidosa, encerrou o jogo”. No entanto, ele destaca que, mais tarde, conseguiu enxergar o quanto o Voltaço era vitorioso, pois havia conquistado o Brasil: “As coisas foram clareando e, dias após a fatídica final, a diretoria, com mais calma, enxergou uma infinidade de conquistas. Bateu, então, a agradável sensação de vitória”.


Valorização da marca

De olho na comunicação

Por Rafaella Estanislau

O marketing esportivo no Brasil ganhou grande importância nas duas últimas décadas, principalmente pelo fato de o esporte estar associado à emoção, o que deixa as pessoas envolvidas no processo cada vez mais próximas. Isso faz do marketing esportivo uma ferramenta de comunicação precisa, que agrega força à marca ou à empresa por meio de valores do esporte, como superação, trabalho em equipe e liderança. E embora seja denominado clube de interior, o Volta Redonda Futebol Clube percebeu a importância de estar conectado diretamente com o seu público: diretores, torcedores e admiradores. Para que isso acontecesse, além do trabalho de base e da parte técnica, foi realizado, em parceria com a agência de publicidade Midiasul, um

grande projeto de captação de recursos, que além de ajudar o clube financeiramente, passou a divulgar e reforçar sua imagem. Além do material promocional, foi criado, em 2004, o Jornal do Voltaço, uma publicação mensal com oito páginas que tinha como objetivo principal manter informadas as pessoas que se interessavam pelo clube. Neste jornal eram publicadas entrevistas com os jogadores, notícias do clube e novidades do futebol. “A ideia foi criar uma ferramenta de comunicação para que os dirigentes, jogadores e torcedores do clube ficassem mais próximos uns dos outros”, comenta o publicitário Adriano de Souza, proprietário da Midiasul. E o apoio das ferramentas de comunicação para o fortalecimento da marca do clube não parou por aí. Com a última reformulação feita em janeiro deste ano, o site do clube propicia informação e interatividade. Através dele, os

torcedores podem conferir notícias dos jogos, informações sobre a comissão técnica e até mesmo fazer comentários. O site prioriza os interesses da imprensa, dos patrocinadores e da torcida. “O material publicado no site é muito aproveitado pela imprensa, o que nos ajuda na divulgação de eventos e jogos. Por isso, tentamos facilitar seu acesso às informações”, comenta o diretor de Marketing do Voltaço, Benedito Mendonça. Criado pela empresa AM4, o site do Voltaço é um grande aliado do clube e de sua assessoria de imprensa, na tarefa de levar informação da equipe aos veículos de mídia e torcedores. Quem quiser saber mais sobre o clube deve acessar www.voltaco.com.br. Todo esse trabalho de comunicação desenvolvido pelo clube contribuiu para o fortalecimento de sua imagem, além de permitir a melhoria da relação do clube com a torcida.

Criado pelo escritor e poeta Guilherme de Almeida, autoridade do campo Heráldico, o escudo do Voltaço tem a seguinte representatividade: “Escudo Português” – com seu termo formado por meio círculo, como os municipais de Portugal. “De sabe” – Isto é, negro, porque, segundo Antônio Vilas Boas e Sampayo, é esse esmalte na simbologia material, o que corresponde a terra: a que fornece o minério, sangue e alimento da Cidade do Aço. “Com um feixe de raio” – Os raios que desferia Júpiter, no Etna fundidos por Vulcano: nobre imagem mitológica a evitar comum das chaminés e rodas-

dentadas. “De ouro” – E, posto, como está, no “centro” do escudo, o feixe do raio representa o coração, quer ele dizer que as forjas da usina da cidade irradiam por todo o país o seu sangue novo, feito de

brilho, justiça, fé, força e constância. “Dentro de uma orla de prata rompida no chefe” – Figuração adequada porque puramente Heráldica, da curva quase fechada que faz o Rio Paraíba do Sul no sítio que assentou a CSN, a sua Usina; acidente geográfico esse que deu nome ao local que torna o brasão “falante” por essa “Volta Redonda” da peça. No trabalho do autor encontra-se a frase “flumen-fulmini-flexit” que significa: o rio (“flumen”) ante o raio (“fulmini”) dobrou-se (“flexit”), contendo assim os dois elementos que devem caracterizar a cidade representada o econômico (siderurgia) e o geográfico (volta do rio) dando-lhes ademais uma poética interpretação da lenda.

VOLTAÇO | 2010-2

O ESCUDO

21


VOLTAÇO | 2010-2

Animal Símbolo

22

Jaguatirica é o novo mascote do Voltaço

O Voltaço tem um novo mascote: a Jaguatirica. O animal símbolo do Volta Redonda Futebol Clube foi escolhido no final do ano passado através de uma eleição realizada no site oficial do clube, onde qualquer pessoa podia participar, e entre estudantes da rede municipal de ensino de Volta Redonda. Com 64% dos votos a Jaguatirica derrotou o Bem-te-vi, o Sanhaço e o Macaco Bugio. Agora faz parte do seleto grupo de animais que representam times de futebol, como o Urubu do Flamengo, o Gavião do Corinthians e o Galo do Atlético Mineiro. Segundo o diretor de Marketing do Voltaço, Benedito Mendonça, a votação mostrou a popularidade do clube. “Tivemos a certeza de que, apesar de ser um clube do interior, o Voltaço tem uma projeção fantástica. Recebemos votos, inclusive, de outros países. Mais de 10 mil pessoas nos ajudaram a escolher o nosso mascote no site”, destacou Mendonça, acrescentando que na rede municipal de ensino cerca de 45 mil estudantes participaram da votação. Os candidatos à mascote do Tricolor de Aço foram escolhidos após uma pesquisa geográfica e histórica sobre a cidade de Volta Redonda, levando em consideração que são animais em extinção, o que ressalta a preocupação do Voltaço com a

preservação do meio ambiente. O diferencial da Jaguatirica é que o animal tem as cores do Voltaço: o amarelo e o preto. Ao final do concurso, o Voltaço sorteou prêmios entre os participantes, divididos entre os dois grupos participantes: Geral e Estudantes. Na categoria Geral, o primeiro sorteado foi Fabrício Canedo Correa, de Volta Redonda, seguido por Eduardo Carraro Milagre, de Santo André (SP), Cláudia Lima, de Angra dos Reis (RJ), e Carlos Henrique Blanc Amorim, também da Cidade do Aço. Fabrício, que recebeu como os demais ganhadores uma camisa do VRFC, levou ainda um notebook. Entre os estudantes da rede pública de Volta Redonda, que tiveram participação privilegiada nesse concurso social, foi sorteado o aluno da Escola Municipal Sergipe, Vitor Madalena dos Santos, de 12 anos, que, assim como a instituição de ensino, recebeu um notebook. Os prêmios foram entregues no início de janeiro deste ano, durante evento realizado pelo clube para apresentação de seu novo site e da Revista do Voltaço aos torcedores, imprensa e toda a comunidade.


Construída para ser a Cidade do Aço, através da instalação da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) em seu território, hoje Volta Redonda também é conhecida como uma cidade que investe no esporte, através do futebol e do vôlei, com os times do Voltaço. Para Luiz Sérgio Teixeira Loques, representante do Voltaço no Conselho de Defesa da Criança e do Adolescente de Volta Redonda, um dos fatores que contribuiu para Volta Redonda ter este título foi o investimento do município na formação dos futuros cidadãos, principalmente no futebol. “O esporte educa, faz a juventude escolher o melhor caminho. Não há dúvidas de que o esporte é um fenômeno sociocultural de relevância em nossa sociedade”, ressalta. Luiz Sérgio ainda destaca que o Voltaço representa a cidade em todo o cenário esportivo nacional e internacional desde a sua fundação. “Nossos jogadores se tornam referência para crianças e adolescentes. Além disso, o clube contribui e muito com a projeção da cidade com a conquista de títulos como o vice-campeonato Carioca”, disse. Ao longo de sua história, o Volta Redonda Futebol Clube conquistou títulos em âmbito estadual, nacional e internacional.

Embora seja jovem, o clube tem uma trajetória vitoriosa com muitos momentos marcantes. O Voltaço acumula três tricampeonatos: da Série B do Campeonato Carioca, da Copa Rio e do Campeonato do Interior. Contabiliza ainda o vice-campeonato da Série C do Campeonato Estadual. Nos últimos anos, Volta Redonda tem investido muito no esporte e lazer. Atualmente há dez ginásios poliesportivos espalhados pela cidade. Várias escolas municipais têm quadras cobertas. O vôlei também é um esporte popular

na cidade, praticado em várias quadras espalhadas pela cidade. Com a conquista do bicampeonato Estadual pelos "Gigantes de Aço" em 2009, Volta Redonda tornou-se a "Cidade do Vôlei" no Rio de Janeiro, entrou para a elite do vôlei brasileiro participando da Superliga Nacional. Com isso, as melhores equipes de vôlei do Brasil estão sempre vindo à Volta Redonda desafiar os Gigantes de Aço. Esses confrontos têm mobilizado a população, que lota as arquibancadas nos dias de jogos da equipe do Volta Redonda.

VOLTAÇO | 2010-2

Divulgação recorde da cidade

Volta Redonda, a cidade do esporte

23


VOLTAÇO | 2010-2

Responsabilidade Social

24

Futebol e Inclusão Social

O processo de construção da cidadania através do futebol se dá pelo reconhecimento e o respeito das regras, das diferenças individuais, pelo combate ao preconceito, pela participação do processo grupal, pela ampliação da consciência dos direitos e deveres e pela confiança no potencial de transformação de cada um. O esporte pode sim ser uma ferramenta de inclusão. E de fato, crianças sonham em se tornar grandes jogadores, que com incentivo e direcionamento adequado, poderão se engajar em uma trajetória promissora, a do futebol profissional. Para isso, existem as categorias de base. São delas que saem o melhor jogador para um time profissional. Esse jogador cresce com um comprometimento muito maior com a torcida e o clube. Sabe como funciona o sistema organizacional do clube e conhece as características de jogo. Nos últimos anos o Volta Redonda Futebol Clube, Voltaço, tem investido cada vez mais em suas categorias de base, na formação de crianças e adolescentes, buscando transformar suas realidades, garantindo-lhes o direito à educação, cultura e assistência social. Para colocar este conceito em prática, foi criada a Escola de Futebol do Voltaço, onde os alunos são direcionados a desenvolver o espírito esportivo associado à vida familiar e comunitária, tornando-os assim, agentes conscientes da importância da responsabilidade social. Além da prática esportiva, os treinadores fazem o acompanhamento escolar e pessoal dos alunos e reuniões periódicas com pais e alunos para avaliação do comportamento social e escolar e elaboração de torneios. A escola atende hoje cerca de 300 crianças, jovens e adolescentes entre 9 e 20 anos.

Luiz Sérgio Teixeira Loques, representante do Voltaço no Conselho de Defesa da Criança e do Adolescente de Volta Redonda, afirma que manter este compromisso é fundamental para a formação de novos cidadãos. “Fazer trabalhos sociais envolvendo modalidades esportivas é uma grande evolução. E o Voltaço sempre objetivou isso. Mostramos que cuidar de criança e adolescente das categorias de base propicia o desenvolvimento de uma técnica esportiva, que auxilia no desenvolvimento e na qualidade de vida deste futuro cidadão”, afirma. O Voltaço sempre acreditou na importância de se ter uma categoria de base sólida e bem estruturada. “Temos só a ganhar com a revelação de novos

jogadores para o cenário nacional do futebol. Portanto, conscientizar esses jovens atletas, bem como as pessoas que lidam com as categorias de base, é essencial para o crescimento do clube", ressalta Benedito Mendonça, diretor de Marketing do Voltaço. Trabalhos como este envolvem a comunidade, reforçam o papel da escola e aumentam a autoestima dos participantes por meio de atividades que valorizam a sua cultura, a criatividade, a arte e o esporte. Além disso, o Voltaço, através de seu representante Luiz Sérgio Teixeira Loques no Conselho Municipal de Defesa da Criança e do Adolescente, participa ativamente de todos os fóruns municipais (assistencial, social, educação, saúde e esporte) que discutem políticas e ações que envolvam a criança e o adolescente de nossa região.


Por Gustavo Henrique de Souza

Desde o início de sua gestão, em 2003, o presidente do Voltaço, Rogério Loureiro, sabia que muita coisa precisava ser mudada nas categorias de base do clube. “Os jogadores precisavam ver na equipe profissional um caminho a ser seguido. Era necessário se preocupar com as condições de trabalho dos atletas e profissionais da base e sabemos que muita coisa ainda tem que ser melhorada, mas os garotos precisavam, antes de mais nada, de

incentivo, de enxergar que o Volta Redonda era um caminho perfeitamente viável para suas carreiras”, explicou Rogério Loureiro. E funcionou. Logo em 2005, após a boa campanha no Estadual, a diretoria negociou dois jogadores formados na base do clube: Glauber e Jonilson. Ambos vendidos ao Botafogo. Jonilson, depois, ainda teve passagens por Cruzeiro, pelo futebol japonês, pelo Vasco da Gama e por Atlético Mineiro. Depois do volante, o clube ainda revelou o meia Madson, que passou por Vasco e

Esses jogadores só despontaram e conseguiram dar seus primeiros passos no mercado graças ao apoio e a oportunidade que tiveram, na base do Volta Redonda, de iniciar a carreira.

hoje defende o Santos; o zagueiro Dedé, atualmente no Vasco; o atacante Robinho, que foi vendido ao Vasco e hoje está no futebol árabe e o atacante Caio, que é atualmente um dos destaques do Botafogo. Da base do clube também saíram o goleiro Milton Raphael, que já foi convocado para as categorias de base da Seleção Brasileira e é uma das promessas do elenco do Botafogo e o jovem Matheus Rosário, uma das promessas do Santos. “Esses jogadores só despontaram e conseguiram dar seus primeiros passos no mercado graças ao apoio e a oportunidade que tiveram, na base do Volta Redonda, de iniciar a carreira. Vamos trabalhar para que muitos outros talentos sejam negociados, pois isso vai significar investimentos para o Voltaço”, apontou Loureiro.

VOLTAÇO | 2010-2

Projeção Internacional

Revelando talentos para o mundo

25


Voltaço e Túlio Maravilha

Uma história e dois recomeços

VOLTAÇO | 2010-2

Por Gustavo Henrique de Souza

26

Foram 32 gols marcados e uma belíssima história para contar. Acima dos gols e do mais importante título da história do Volta Redonda, do qual ele foi o personagem principal na conquista – a Taça Guanabara –, a passagem do irreverente atacante Túlio Maravilha, o maior artilheiro do mundo em atividade, marcou o início de uma nova era para Túlio e Voltaço, e um ano para entrar para a história do Futebol Carioca. Final do ano de 2004, o Voltaço acabara de retornar em grande estilo à primeira divisão do charmoso Campeonato Carioca. Apenas um time da segunda divisão garantia vaga na elite do Estadual. O Voltaço se orgulhava de ter o mais moderno estádio do Brasil e conquistou a vaga em uma final contra o Boavista, acompanhada por 21 mil pessoas no Estádio Raulino de Oliveira (capacidade máxima). Naquela partida, seis mil torcedores ficaram do lado de fora, sem ingresso. Até então uma final nunca imaginada para a segunda divisão carioca. Para o campeonato de 2005, o clube era visto entre os grandes como apenas mais um pequeno que retornava para fazer número na competição que, até então, tinha o título disputado apenas entre Flamengo, Vasco, Botafogo e Fluminense. No entanto, o presidente do clube, Rogério Loureiro, pensava diferente. Com o intuito de surpreender, o visionário dirigente apostou no inesperado. Alvo de críticas pela imprensa e até mesmo por parte de torcedores e diretores, Loureiro acertou a contratação do, na época, esquecido Túlio Maravilha, que tinha acabado de fazer um

campeonato ruim pela Anapolina-GO e, supostamente, estava desenhando seu fim de carreira. – Quando veio a ideia de contratar o Túlio, já estávamos preparados para as críticas. Fui alvo de chacota por muitos, mas minha aposta e confiança em um dos maiores goleadores do futebol mundial valeu a pena e Túlio Maravilha nos ajudou a escrever um dos mais brilhantes capítulos, senão, o mais, da história do Voltaço – lembrou Rogério Loureiro. O artilheiro, que chegou desacreditado, movimentou a mídia logo em sua apresentação. Com a irreverência de sempre, Túlio se apelidou de Túlio Peito de Aço Maravilha, fazendo alusão a Cidade do Aço, e prometeu que seria o artilheiro do Estadual, aos 36 anos, e que o Voltaço seria campeão Estadual. “Agora sou o Túlio Peito de Aço e quero que a torcida comece a pensar grande. Como acontece no futebol paulista, queremos ver um time do interior do Rio brigar pelo título, e esse clube é o Voltaço. E o artilheiro, claro, tem que ser o Peito de Aço”, foi a declaração dada pelo jogador no dia 28 de setembro de 2004, durante sua apresentação. – Se o Voltaço foi achincalhado por ter me contratado, na apresentação chegava a minha vez de virar alvo – comenta, entre sorrisos, o famoso atacante. “A imprensa da capital, principalmente, que deu ênfase a minha chegada pelo fato de eu estar voltando, depois de anos de sucesso, ao futebol carioca, tratou minha declaração como uma piada. Sabia que tinha muito ainda para render e ajudar o Voltaço. Minha passagem por Volta Redonda foi uma página muito importante também na minha


O Voltaço passou a ser visto com outros olhos, com mais respeito, depois da passagem do Túlio pela Cidade do Aço e o artilheiro retomou seu caminho de sucesso, retornando, imediatamente, a um clube da Série A após o Estadual.

VOLTAÇO | 2010-2

vida”, contou Túlio Maravilha, que está bem próximo de entrar para o seleto grupo dos homens que marcaram mil gols na história do futebol. Voltando a 2005, o atacante cumpriu a promessa de ser o artilheiro da competição, marcando 12 gols e, por muito pouco, o Voltaço não ficou com o título do Estadual do Rio, sofrendo um gol nos minutos finais da decisão contra o Fluminense. “Tudo aquilo já era um sonho para nossa torcida e para nossa cidade. O título não veio pelo acaso, mas nosso dever já estava mais do que cumprido. Surpreendemos muita gente e naquele momento pude constatar que o planejamento estava correto. Acertamos em cheio no time que marcou a história do Voltaço”, lembrou Rogério Loureiro. Toda campanha do Estadual de 2005 trouxe mídia para o clube e para o artilheiro. “O Voltaço passou a ser visto com outros olhos, com mais respeito, depois da passagem do Túlio pela Cidade do Aço e o artilheiro retomou seu caminho de sucesso, retornando, imediatamente, a um clube da Série A após o Estadual”, encerrou o presidente do Voltaço. Do título da segunda em 2004 e do vice-campeonato Estadual em 2005, o Volta Redonda ficou entre os seis melhores da Copa do Brasil em 2006, novamente com a presença de Túlio Maravilha em campo.

27


VOLTAÇO | 2010-2

Vôlei Masculino

28

O time de vôlei na elite nacional

Criado em outubro de 2008, o time de voleibol do Voltaço tem proporcionado grandes alegrias ao torcedor do Tricolor do Aço, até então acostumado a torcer somente pelo futebol masculino. Entre os títulos conquistados pelo time, apelidado de Gigantes de Aço, estão os de campeão Estadual em 2008 e, em 2009, campeão da fase Sudeste da Liga Nacional de Voleibol Masculino 2009 e 3º lugar da Liga Nacional de Voleibol Masculino 2009. O Voltaço Vôlei também foi campeão do Intermunicipal TV Rio Sul 2009, campeão dos Jogos Abertos do Interior 2009, ficou em 13º lugar na Superliga 2009/10 e foi campeão dos Jogos Abertos Brasileiro 2010. “Temos muito carinho por todos os títulos conquistados, mas em especial o bicampeonato Estadual 2008/2009 e o terceiro lugar na Liga Nacional”, destaca o gerente de vôlei do VRFC, Luiz Eduardo Fernandes Luiz Eduardo, mais conhecido como Dudu. A equipe foi formada pelo atual gerente de vôlei dos Gigantes de Aço para a disputa do Campeonato Estadual daquele ano. Já em sua primeira competição, o time conquistou o título inédito para Volta Redonda de campeão Estadual do Rio de Janeiro. “A partir deste título as portas se abriram e começamos a pensar na possibilidade de crescimento. Procuramos o prefeito Neto e o presidente do Volta Redonda Futebol Clube, Rogério Loureiro, para apresentar um projeto de partição em competições nacionais. Fomos recebidos de braços abertos pelos dois que, de cara, abraçaram o projeto, nos dando todo suporte financeiro e de infraestrutura”, conta Dudu. – Durante toda nossa caminhada o VRFC nos deu suporte em toda parte de infraestrutura, nos dando total condição

de realizarmos um trabalho sério. Temos grande satisfação em fazer parte do clube, que nos recebeu com enorme carinho, e pelo nosso presidente Rogério Loureiro, por ter confiado em nosso projeto que hoje se tornou uma parceria vitoriosa – ressalta o gerente de vôlei dos Gigantes de Aço. Com o apoio da PMVR e do VRFC o time iniciou, em janeiro de 2009, a montagem de uma equipe para disputar a Liga Nacional que daria acesso à Superliga, um dos maiores campeonatos de vôlei do mundo. Já com o time formado, os Gigantes de Aço foram os campeões da Fase Regional da Liga Nacional, se classificando para a fase final da Nacional de 2009. Na fase final a equipe ficou em terceiro lugar, conseguindo o tão sonhado acesso à Superliga. “Atualmente somos a única equipe do estado do Rio de Janeiro a participar dessa competição. Até o ano passado o Rio não tinha um representante na Superliga desde 1998, e com muito orgulho, hoje o VRFC faz parte do cenário nacional do vôlei” destacou Dudu. Em novembro de 2009 a equipe de vôlei do VRFC iniciou sua participação na

Superliga. Foram 32 jogos no período de outubro de 2009 a maio de 2010, nos quais 16 deles foram realizados na Ilha São João, com média de público de 2.500 pessoas. Dezessete equipes disputaram a Superliga de 2009/2010, na qual apenas o VRFC era estreante. Ao final o time ficou em 13º lugar, colocação que garantiu automaticamente a classificação para a próxima Superliga. Para a atual temporada a base do time de 2009 foi mantida e a equipe passou por uma reformulação. Vários reforços foram contratados de times de ponta do cenário nacional e internacional como: Vinícius Ponta (Sada Cruzeiro), Rodolpho - Central (Ulbra/São Caetano), Leozão - Oposto (Montes Claros), Jonatas - Central/Oposto (Espinho/Portugal), Rodrigo Moraes - Central (Upis/Brasília) e Renato Hemily - Ponta (Besiktas/Turquia). Toda comissão técnica foi mantida, exceto o antigo treinador Leonardo de Carvalho, que se desligou do VRFC para atuar como auxiliar técnico da Seleção Brasileira Juvenil. No seu lugar, o auxiliar técnico Alessandro Fadul foi efetivado como novo treinador da equipe para a temporada 2010/11.


Um orgulho de todos

Em campo há apenas dois anos, as Guerreiras de Aço, como são chamadas as jogadoras do time de futebol do Voltaço, já mostraram que estão dispostas a se tornarem a primeira equipe profissional de futebol feminino. Prova disso são os títulos conquistados pelo grupo. Coordenada por Sabino Cunha, a equipe foi bicampeã do Torneio do Trabalhador 2008/2009; vicecampeã Estadual 2008; campeã Estadual 2009; vice-campeã da Taça Rio 2010 e medalha de bronze nos Jogos Regionais de São Paulo 2010. – Nossa intenção é fazer do time profissional, já que o futebol feminino ainda é amador. Hoje temos um gerenciamento profissional com concentração, Centro de Treinamento, alimentação com acompanhamento de nutricionista. Melhoramos muito a questão administrativa, que foi nosso grande erro nos anos anteriores – informou Sabino, acrescentando que essa estrutura ajuda a fortalecer o time.

O coordenador conta que a ideia em montar a equipe surgiu com a difusão do futebol feminino no país, ocorrida após as Olimpíadas de Sidney, dos Jogos Panamericanos do Rio de Janeiro e do Campeonato Mundial na China. Ele vislumbra, num futuro bem próximo, o crescimento da modalidade no país, especialmente na região Sul Fluminense. O desejo de criar uma equipe de projeção nacional encontrou possibilidade dentro do Volta Redonda Futebol Clube, no qual Sabino foi chefe de torcida e diretor das categorias de base e Almir Guedes atuou como jogador por 12 anos. Hoje a equipe conta com o apoio da prefeitura de Volta

Redonda e do posto AP Gás, Café Capital, Academia do Náutico e o Hospital Hinja. – Estamos montando um forte grupo, com a volta da capitã Tânia Maranhão; a jogadora Patricinha, que veio do Inter de Milão, na Itália; a Rose do Saad, entre outras. Temos hoje um time rodado e maduro que pode dar muitas alegrias para nossa cidade e torcida – destacou o coordenador da equipe, acrescentando que o time está buscando o bicampeonato Estadual este ano.

Estamos montando um forte grupo, com a volta da capitã Tânia Maranhão; a jogadora Patricinha, que veio do Inter de Milão, na Itália; a Rose do Saad, entre outras.

VOLTAÇO | 2010-2

Futebol Feminino

29


Opinião

Por amor ao Voltaço

VOLTAÇO | 2010-2

“É com imensa felicidade que venho falar um pouquinho desses quase oito deliciosos anos à frente da presidência do Voltaço. Para quem não sabe, sou torcedor do Voltaço desde a infância. Pelo clube, muitas vezes abri mão de dedicação aos meus familiares e da minha empresa, mas tudo vale a pena por amor ao Voltaço. Quando assumi, sabia que as dificuldades seriam imensas. O primeiro passo foi acertar o alto número de dívidas trabalhistas que o clube colecionava. Logo no primeiro ano, para complicar ainda mais, a falta de experiência e as dificuldades nos remeteu à segunda divisão. Foi duro, mas todo o sofrimento serviu como combustível para um recomeço de uma história linda e marcante. Em 2004, ano seguinte a nossa queda,

30

começamos a pensar não só no título da segunda, pois apenas uma equipe subia à primeira. Conquistamos não apenas o título, mas montamos uma base sólida para a disputa da primeira divisão. Daí, todo o trabalho dedicado a uma reformulação física e administrativa refletiu nos resultados e foi um dos melhores períodos da história do nosso querido Voltaço. Comemoramos o título da segunda divisão, a Copa Finta sobre o Flamengo, a histórica conquista da Taça Guanabara, o vice-campeonato Estadual, a Copa Rio e uma belíssima participação na Copa do Brasil. Foquei muito na mudança de filosofia e, além dos avanços na administração, investi, durante meu mandato, na reforma da sede

social e em investimentos que fizeram os times montados render mais. Agora quero pensar no futuro. Sou uma pessoa que costuma perseguir meus objetivos com muita gana e o maior deles é a vontade de fazer um Voltaço grande! É olhando para o futuro, de cabeça erguida, que sigo trabalhando em benefício de um clube e de uma cidade que aprendo, cada vez mais, a amar e respeitar. Aproveito para informar que, a partir de agora, estarei ligado ao torcedor por um canal direto de comunicação, que é o meu blog (rogerioloureiro.com.br). Espero e conto com a ajuda de vocês para fazermos juntos o Voltaço voar ainda mais alto”. Rogério Loureiro Presidente do Voltaço


Revista do Voltaço  

Edição Especial

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you