Page 1


ANÁLISE FACIAL Recurso principal em nossa perspectiva de diagnóstico.

PROF. MARCELO CALVO


Análise Facial Kingsley, no final do século XIX, afirmou que a articulação dos dentes era claramente secundária em relação a aparência facial.


Análise Facial Angle (1889) elegeu a face de Apolo de Belvedere como o ideal de beleza; Tratamento exodontias (Angle);

sem

Tweed (1944) EXTRACIONISTA.

ERA


Análise Facial 

Os parâmetros faciais perderam sua conotação diagnóstica primária e importância na clínica a partir do advento do cefalostato.

Necessidade de estabelecer parâmetros objetivos


Anรกlise Facial


Anรกlise Facial


Anรกlise Facial


Anรกlise Facial


Anรกlise Facial


Anรกlise Facial


Anรกlise Facial


Anรกlise Facial


FACIOMETRIA


FACIOMETRIA NORMA FRONTAL


FACIOMETRIA NORMA FRONTAL


FACIOMETRIA NORMA FRONTAL


FACIOMETRIA NORMA FRONTAL


FACIOMETRIA NORMA FRONTAL


FACIOMETRIA NORMA LATERAL


FACIOMETRIA NORMA LATERAL


FACIOMETRIA NORMA LATERAL


FACIOMETRIA NORMA LATERAL

LVV


FACIOMETRIA NORMA LATERAL


FACIOMETRIA NORMA LATERAL


FACIOMETRIA NORMA LATERAL


FACIOMETRIA NORMA LATERAL


FACIOMETRIA NORMA LATERAL


Ă‚ng. Nasolabial

108 / +- 10 graus


Ă‚ng. mentolabial

132 / +- 10 graus


Ă‚ng. Interlabial

135 / +- 11 graus


Ă‚ng. convex. facial total 137 / +- 4 graus


Ă‚ng. convex. facial

12 / +- 4 graus


ร‚ng. terรงo inf. face

103 / +- 8 graus


Proporção AFAM/AFAI 0,93 / +- 1


Proporção terço inferior 0,45 / +- 0,06


MĂ­nimo: 80,5 graus MĂĄximo:127,5 graus


Ă‚ngulo com mesmo valor


Ă‚ngulo com mesmo valor


A n รก li s e F a c i a l

S u b j e ti v a


Análíse facial subjetiva


Motivação do paciente


Análíse facial subjetiva estética

Análíse facial subjetiva morfológica


T

exto


Análíse facial subjetiva PESQUISA:  Objetivo : criar parâmetros para a aceitabilidade facial, definindo as características faciais de indivíduos normais brasileiros (Reis-2001).  Metodologia : critério mínimo de qualidade facial. Ausência de assimetria , selamento labial passivo e sem tratamento prévio;


Análíse facial subjetiva 

Amostra: Adultos, ambos os gêneros;

jovens,

brancos

Material: fotos padronizadas;

frontal

Examinadores: Ortodontistas, plásticos e Leigos.

e

de

lateral

Artistas


Análíse facial subjetiva


Posição Natural de Cabeça


Análíse facial subjetiva 

CLASSIFICAÇÃO:

ESTETICAMENTE DESAGRADÁVEL;

ESTETICAMENTE ACEITÁVEL;

ESTETICAMENTE AGRADÁVEL.


RESULTADOS E CONCLUSÕES EXAME FRONTAL

CONCLUSÃO: A presença de selamento e assimetria são fatores importante para aceitabilidade facial;


RESULTADOS E CONCLUSÕES EXAME FRONTAL

CONCLUSÃO: Ainda assim, a qualificação de desagradável esteve muito ligado à assimetria.


RESULTADOS E CONCLUSÕES EXAME PERFIL

CONCLUSÃO: A presença de selamento labial passivo e assimetria são fatores importantes para aceitabilidade facial;


RESULTADOS E CONCLUSÕES EXAME PERFIL

CONCLUSÃO: A qualificação de desagradável esteve muito ligado ao nariz e ao queixo.


RESULTADOS E CONCLUSÕES  Avaliar

o potencial de aceitabilidade;  Admitir a excepcionalidade da face agradável;  Faces desagradáveis devem ser tratadas corretivamente.


RESULTADOS E CONCLUSÕES

O critério de selamento labial passivo e a relação dos lábios com o nariz e mento são parâmetros absolutamente indispensáveis.


Avaliação criteriosa


Análíse facial subjetiva morfológica


An谩lise Subjetiva Morfol贸gica


METODIZAÇÃO  Anamnese

e Exame Clínico;  Análise Facial Subjetiva Estética;  Análise Facial Morfológica;  Análise morfológica da telerradiografia;  Análise morfológica Panorâmica;  Análise morfológica de modelos.


ANTEROPOSTERIOR

AVALIAÇÃO TRIDIMENSIONAL VERTICAL

TRANSVERSA


Posição Natural de Cabeça


CRESCIMENTO

EQUILIBRADO; GRAU

MODERADO

CONVEXIDADE FACIAL.

DE


FACIOMETRIA NORMA FRONTAL


PROTRUSÃO

MAXILAR E OU

DEFICIÊNCIA MANDIBULAR; CONVEXIDADE

AUMENTADA.

FACIAL


O

PACIENTE

PODE

TER

CARACTERÍSTICAS DE PADRÃO I NA

ANÁLISE FRONTAL; ESTES

APRESENTAM

PROGNÓSTICO MELHOR.

UM


MAXILAProjeção

zigomático;

Depressão A

infraorbitária;

linha de implantação do nariz;

Sulco

naso-geniano com leve inclinação

posterior; Ângulo

nasolabial não característico.


MANDÍBULA-

Linha

queixo-pescoço curta;

Ângulo Sulco

queixo-pescoço aberto;

mentolabial marcado pela eversão do

lábio inferior; AFAI

normal ou diminuído- relação ao médio.


 AFAI

normal ou diminuído- relação ao médio;

 Lábio

inferior - excesso de vermelhão inferior;

 Lábio

superior com muita variação;

 Mento

mesmo c/ defic. mandib.- pode ser bom;

 Ângulo

linha do queixo com Camper- tipo facial-

acúmulo de gordura nesta região.


DEFICIÊNCIA

MAXILAR

E

OU

PROGNATISMO MANDIBULAR; CONVEXIDADE

FACIAL

REDUZIDA,

RESULTANDO EM UM PERFIL RETO OU CÔNCAVO.


DIFERENCIAL PADRテグ III


 MAXILA Expressão  Projeção

zigomático deficiente real ou relativa;

 Depressão A

facial prejudicada

infraorbitária- mais importante;

linha de implantação do nariz;

 Sulco

naso-geniano com leve inclinação posterior;

 Ângulo

nasolabial não característico.


MANDÍBULALinha

queixo-pescoço

expressiva

ou

aumentada; Ângulo

queixo-pescoço

adequado-

Importante; Sulco

mentolabial ausente ou muito discreto.


AFAI aumentada ou normal- relação ao médio;

Lábio inferior verticalizado e a frente no perfil;

Lábio superior curto no sorriso;

Desproporção na expressão dos lábios;

Mento marca a face do paciente no frontal principalmente no gênero feminino;

Ângulo linha do queixo com Camper- tipo facial- acúmulo de gordura nesta região.


DISCREPÂNCIA

ESQUELÉTICA

NO

SENTIDO VERTICAL IMPOSSIBILITANDO

SEU

PORTADOR

LABIAL PASSIVO.

DO

VEDAMENTO


 Nariz

longo e de base estreita

 Deficiência

na projeção zigomático

 Depressão

infra-orbitária pouco evidente

 Sulco

nasogeniano discreto

 Excesso

de terço inferior- essência da doença

 Ausência  Mento

de selamento labial passivo

duplo no selamento


 Exposição

de incisivos superiores no repouso e

gengival sorrindo;  Lábio

superior curto;

 Lábio

inferior vermelhão desproporcional;

 Dist.

Interlabial aumentada;

 Linha

queixo pescoço curta;

 Ângulo

queixo pescoço fechado- característico.


DISCREPÂNCIA

ESQUELÉTICA

NO

SENTIDO VERTICAL QUASE SEMPRE IMPOSSIBILITANDO

EXPOSIÇÃO

DE

INCISIVOS EM REPOUSO E POUCA NO SORRISO.


 Deficiência

do terço inferior em relação ao médio;

 Expressão

zigomática plena e nariz normal ou

largo;  Lábios,

sulcos e mento comprimidos e marcados;

 Cantos

da boca abaixo da relação labial;

 Ausência

de selamento labial passivo.


 Perfil

reto ou moderadamente convexo;

 Lábio

inferior vermelhão desproporcional;

 Linha

queixo pescoço e o ângulo são normais;

 Ângulo

queixo pescoço c/ Camper paralelo ou pouco

convergente.  Face

larga e quadrada com musculatura forte na

região do ângulo goníaco.


Texto


An谩lise morfol贸gica telerradiografia


Identificação do problema

Análise facial criteriosa


Privilegiar a forma para qualificar Privilegiar a metria para quantificar


OBRIGADO!!!


Análise facial  

Aula do curso de especialização em ortodontia.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you