Issuu on Google+

1

Opinião 43 / julho / 2011

“Não quero que minha casa seja cercada por muros de todos os lados e que minhas janelas estejam tapadas. Quero que as culturas de todos os povos andem pela minha casa com o máximo de liberdade”.

Gandhi

Jornal do PV Salvador / Bahia Edição / nº01, julho de 2011

entrevista acontece

PV Salvador cresce 60% em 6 meses Verdes terão chapa própria em 2012

03

Gordinhas contra a Energia Nuclear e as alterações no Código Florestal

Militantes e simpatizantes do PV em manifestação no dia do meio ambiente

Salvador na roda artigo

PV coloca problemas de Salvador na roda de discussão

04

Domingo 5 de junho. Dia Mundial do Meio Ambiente. Dirigentes, militantes, filiados e simpatizantes se reuniram no largo das gordinhas em Ondina para manifestar-se de forma diferente. Com uma camiseta sob medida vestiram as estátuas da artista Eliana Kertész com mensagens contra Energia Nuclear e o as alterações no Código Florestal aprovados na Câmara dos Deputados.

Cadê o Plano Municipal de Políticas para Mulher da cidade do Salvador? 08

Eures quer cidadanie ecológica nas escolas. .:. .:. .:. .:. PV Salvador inaugura lojinha. .:. .:. .:. .:. PV Salvador retoma reuniões abertas. .:. .:. .:. .:. Verdes presentes em Seminário Universitário. .:. .:. .:. .:. Fundação Getúlio Vergas oferece cursos gratuitos. .:. .:. .:. .:. DVDs de formação já estão disponíveis. .:. .:. .:. .:. Por unanimidade, STF vota pela legalidade da Marcha da Maconha. .:. .:. .:. .:. Verde assume presidência do Conselho da Mulher. .:. .:. .:. .:. Verde assume cadeira no CEJUVE. .:. .:. .:. .:. Subcomissão vai visitar Caetité. .:. .:. .:. .:. Segregação urbana é debatida. .:. .:. .:. .:. Sessão de vídeo discute sexualidade. .:. .:. .:. .:. PV alemão se torna o maior partido de oposição. .:. .:. .:. .:. Salvador perde o 1º lugar do turismo nacional. .:. .:. .:. .:. Festa de Iemanjá com participação Verde. .:. .:. .:. .:. Verdes visitam Parque das Dunas. .:. .:. .:. .:. PV Salvador promove palestra para pré-candidatos.

10

03

artigo

06

ecoprático

Além da copa, queremos quartos, sala, cozinha e banheiro.

09

Notas sobre atividades relacionadas à causa Verde 12


2

Opinião 43 / julho / 2011

editorial Participação e Envolvimento!

Salvador Verde!

“Ouço e esqueço. Vejo e me lembro. Faço e entendo.” Confúcio

Essa é a primeira edição (de muitas), do novo instrumento que o Partido Verde de Salvador coloca a disposição, não apenas para o coletivo partidário, mas para o conjunto da sociedade soteropolitana. O OPINIÃO 43, foi pensado para ser um canal de mão dupla, de representação das ideias do PV, mas em especial das demandas de nossa cidade, da discussão de temas essenciais para nosso convívio.

fotografia: Rodrigo Robatini

Nossa gestão a frente do PV soteropolitano, tem se esforçado sobremaneira para fazer política de forma diferente e materializarmos um de nossos slogans: uma nova forma de ver o mundo e fazer política. Para isso ocorrer não há receita pronta: tod@s junt@s discutimos nosso futuro. Reuniões, debates, visitas, ações, atividades: o PV de Salvador nunca esteve tão movimentado. Estamos nos reunindo um ano antes da eleição. Discutindo os problemas da cidade e do cidadão. Esses espaços são feitos para participação. Mas a participação precisa ir além. É preciso também o envolvimento de tod@s. Todo mundo ensina e aprende. Aprende e ensina. O PV precisa de tod@s. Estou certo que alcançaremos resultados vitoriosos em 2012. Mas precisamos entender que nosso principal objetivo e levar uma mensagem diferente à sociedade. Que a política é algo vital para mudarmos a rota de um modelo que nos trouxe ao caos: cada vez mais nossas cidades estão ficando inóspitas, as pessoas desenvolvem novas doenças, os alimentos envenenados, nossas florestas ameaçadas, radiação nos rondando dia e noite. Para isso temos a missão de capacitar cada militante do PV. E isso está sendo feito. O OPINIÃO 43 cumprirá esse papel complementarmente. Mais um instrumento de formação politica e da cidadania. É pra isso que ele foi pensado. Aproveite!

Tenho acompanhado de perto a organização do Partido Verde em Salvador para fazer frente ao grande desafio que está colocado, seja para a cidade, seja para o próprio partido. Vivemos em uma cidade onde os problemas nos encontram em cada esquina, e as soluções nos parecem cada vez mais distantes, a cada dia que passa. Para o PV na Bahia e em Salvador o desafio reside em mantermos acesa a chama dos quase 30% dos votos válidos recebidos em 2010. Somos pequenos e temos dificuldades estruturais, mas tenho a certeza que com vontade e dedicação conseguiremos levar a mensagem verde ao povo soteropolitano. Não tenho dúvidas ainda que representamos a única alternativa de fato nova para a cidade. Uma outra forma de fazer política e ver o mundo nos orienta desde nossa fundação na década de oitenta. Lá tivemos a coragem de defender bandeiras que ninguém ousava, o que sempre colocou o PV na vanguarda da política brasileira. É interessante perceber que outros partidos trazem o debate ambiental em seus programas televisivos e partidários, nos dando a certeza de que quando o PV foi fundado em 1986, estávamos olhando à frente, além do horizonte. Aqui na Bahia iniciamos o grande projeto politico do PV no estado em 2010. Candidato a governador, senador e chapas proporcionais próprias nos mostraram que é possível sim caminharmos com nossas próprias pernas e defendermos nossas ideais, encontrando ressonância na sociedade, multiplicando nossos votos em todos os aspectos. O ano de 2012 será mais uma etapa desse nosso projeto, e para que ele aconteça de forma vitoriosa precisamos trabalhar muito em 2011. Organizar a casa, debater nossas questões, discutir os problemas de nossas cidades, ampliar nossa base.

Se envolva!

É isso que tenho visto em Salvador. É isso que faremos na Bahia!

André Fraga Presidente PV Salvador

Ivanilson Gomes Presidente PV Bahia

expediente Partido Verde Salvador

Rua João Gomes 160, Rio Vermelho Salvador / Bahia Fotografias: Marcelo Tourinho e banco de imagens do PV Projeto gráfico e diagramação: Hendrik Aquino Tiragem: 3.000 exemplares

Participe: mande textos, criticas, sugestões e/ou elogios Site: www.pvsalvador.com.br Telefone: (71) 3017.5860 E-mail: partidoverdesalvador@yahoo.com.br

Grupos: pvsalvador@yahoogrupos.com.br Flickr: www.flickr.com/pvsalvador YouTube: www.youtube.com/pvssa43


3

Opinião 43 / julho / 2011

capa

PV Salvador cresce 60% em 6 meses

Verdes terão chapa própria em 2012 Encerrado o prazo para envio da lista com filiados para o TRE, o Partido Verde de Salvador registrou um crescimento de mais de 60% desde a última lista, em outubro de 2010. O número de filiados aumentou de 407 para 652 verdes soteropolitanos, o que significa um aumento de 60,2% em apenas sete meses, já considerando as desfiliações. A partir do tratamento dos dados desta lista o PV Salvador começará a recadastrar os filiados que estão com os dados desatualizados. O mapa deixou claro ainda onde o PV precisa crescer mais a partir das zonas eleitorais. Para o presidente do PV de Salvador André Fraga “o partido vive um momento ímpar. Continuamos a crescer após as eleições, estamos nos reunindo, discutindo, enfim construindo um PV muito mais forte em Salvador. Os dados apenas cristalizam o que se vê a olho nu”.

CHAPA PRÓPRIA Seguindo a estratégia adotada nas eleições de 2010, quando o PV Bahia conseguiu retomar uma cadeira na Assembleia Legislativa com a menor votação entre todos os eleitos, o PV soteropolitano está no processo de construção de uma chapa proporcional robusta para voltar a Câmara Municipal. Com o movimento gerado de debates e discussões já são mais de 80 pré-candidaturas a vereança em Salvador pelo PV. A partir do aumento do numero de vagas na Câmara para 43 (ótimo número), o PV poderá lançar até 63 candidatos o que significa que o PV já

ultrapassou a meta estabelecida. “Uma chapa própria nos dará a certeza da eleição de verdes para a câmara municipal. Temos metas ousadas e vamos alcança-las. 2012 será de retorno do Partido Verde à Câmara Municipal e quem sabe da conquista do Palácio Tomé de Souza, com uma candidatura a prefeitura”, declara André Fraga. CRITÉRIOS Considerando o expressivo número de pré-candidaturas a vereança, O PV Salvador adotará critérios para, se necessário, “desempatar” candidaturas. Alguns dos critérios já podem começar a ser observados pelos pré-candidatos tais como regularidade nas contribui-

ções financeiras, participação e envolvimento nas atividades do partido, organização de atividades nas bases de atuação, etc. A partir de outubro um processo de definição e adoção de critérios será disparado para a construção da chapa proporcional. A participação nas atividades de formação política será um dos itens mais cobrados. “Não adianta se filiar ao PV para ser candidato. É preciso estar preparado para carregar nossa bandeira, e para isso estamos proporcionando muitos espaços de debate e formação para capacitar os militantes, filiados e candidatos”, defende André Fraga.

Gordinhas contra a Energia Nuclear e as alterações no Código Florestal Domingo 5 de junho. Dia Mundial do Meio Ambiente. Dirigentes, militantes, filiados e simpatizantes se reuniram no largo das gordinhas em Ondina para manifestar-se de forma diferente. Com uma camiseta sob medida vestiram as estátuas da artista Eliana Kertész com mensagens contra Energia Nuclear e o as alterações no Código Florestal aprovados na Câmara dos Deputados. O grupo distribuiu 10.000 panfletos para os carros e os transeuntes convocando a sociedade a se mobilizar e impedir o retrocesso na alteração do Código Florestal e a retomada do programa nuclear brasileiro, bem como o investimento em

fontes renováveis de energia. “O Código florestal vai agora para o senado e precisamos saber como pensam nossos senadores. A sociedade precisa se mobilizar e barrar esse retrocesso agora no senado”, declarou André Fraga presidente do PV Salvador. O panfleto convoca a sociedade baiana a procurar os três senadores do estado e se manifestarem contra as alterações no código florestal, que passará por votação no senado. A manifestação reuniu cerca de 60 pessoas e atraiu a atenção de todos que passavam, inclusive turistas que aproveitaram para fotografar-se junto com o Partido Verde.

Militantes e simpatizantes do PV em manifestação no dia do meio ambiente


4

Opinião 43 / julho / 2011

eventos

Meu povo, preste atenção Na roda que eu te fiz Quero mostrar a quem vem Aquilo que o povo diz Agora vou divertir Agora vou começar Quero ver quem vai sair Quero ver quem vai ficar Não é obrigado a me ouvir Quem não quiser escutar Quem tem dinheiro no mundo Quanto mais tem, quer ganhar E a gente que não tem nada Fica pior do que está Seu moço, tenha vergonha Acabe a descaração Deixe o dinheiro do pobre E roube outro ladrão Agora vou divertir Agora vou prosseguir Quero ver quem vai ficar Quero ver quem vai sair Não é obrigado a escutar Quem não quiser me ouvir Quero ver quem vai dizer Quero ver quem vai mentir Quero ver quem vai negar Aquilo que eu disse aqui Agora vou terminar Agora vou discorrer Quem sabe tudo e diz logo Fica sem nada a dizer Quero ver quem vai voltar Quero ver quem vai fugir Quero ver quem vai ficar Quero ver quem vai trair Por isso eu fecho essa roda A roda que eu te fiz A roda que é do povo Onde se diz o que diz Roda, Gilberto Gil

PV coloca problemas de Salvador na roda de discussão

Salvador na Roda cresce a cada edição realizada Salvador é a terceira capital do país em termos demográficos, e já enfrenta problemas sérios sob todos os aspectos que vão desde a histórica desigualdade cristalizada em bairros centrais equipados e seguros às periferias distantes, insalubres e precárias, aos (nem tão) recentes congestionamentos quilométricos, a constante derrubada das poucas áreas verdes que ainda existem e ao sepultamento dos nossos rios. Aliado a esse caos urbano instalado em nossa cidade, a inexistência de espaços que proporcionem o debate e que vislumbrem possíveis soluções deixam a sensação de que a cidade caminha para o aprofundamento dos problemas e o esgotamento de qualquer possibilidade de convívio urbano com qualidade de vida. Nesse sentido o Diretório Municipal do Partido Verde em Salvador idealizou e tem promovido o Salvador na Roda. O Salvador na Roda é um projeto composto de um seminário mensal ao longo do ano de 2011 e foi pensado para ser um espaço de discussão dos problemas urbanos da capital baiana, o intercambio de ideias com os mais diversos segmentos da sociedade, colocando Salvador na roda de discussão, bem como resgatar o caráter de movimento que moveu a fundação do PV e reunir os mais diversos segmentos sociais ao redor

de um projeto para a cidade, que integre democracia, planejamento e meio ambiente. A partir da síntese dos debates, será construído um programa para a cidade, elemento de discussão política e de defesa eleitoral em 2012. Iniciado em março com o debate título Salvador: ainda dá pra planejar?, já discutiu também Mobilidade Urbana: trânsito, transporte e sustentabilidade em abril e Drogas: Saúde ou Segurança Pública? em maio, o Salvador na Roda tem sido um espaço plural de discussão e formação política e já reuniu mais de 400 pessoas. Em junho o tema foi Áreas Verdes Urbanas fechando o primeiro semestre. No segundo semestre outros temas serão discutidos como Segurança Pública e Promoção da Paz, Cultura, Educação, Saneamento, Habitação, Economia, etc.. “Tanto para o PV e seus militantes quanto para a cidade, penso que

o debate traz temas essenciais para encontrarmos possíveis soluções para nossos problemas. Só assim, juntando Academia, sociedade civil e todos os outros atores sociais é que podemos pensar em mudanças”, declara André Fraga, presidente do Diretório do PV Salvador.


5

Opinião 43 / julho / 2011

Salvador: ainda dá pra planejar? [Teatro do ICBA, 26 de março, 14 horas]

Discutindo Planejamento Urbano o PV Salvador abriu o calendário de debates sobre a cidade e o projeto Salvador na Roda no dia 26 de março. Cerca de 100 filiados, militantes e simpatizantes participaram ativamente do debate que contou com a presença dos arquitetos e urbanistas Paulo Ormindo e Lourenço Mueller. Para Ormindo, professor dos cursos de graduação e pós-graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFBA, ainda é possível pensar em um planejamento para a acidade. “Salvador vive uma das crises urbanas mais graves do país. Mas essa crise tem raízes históricas nos últimos 40 anos”. De acordo com Ormindo Salvador está falida, pois se configura basicamente como uma cidade dormitório e a municipalidade transfere a prerrogativa de planejar ao mercado privado que se apresenta com projetos que são assumidos pelos gestores municipais. Já Mueller, articulista do jornal A Tarde e urbanista da CONDER, é entusiasta da bicicleta enquanto meio de sairmos de uma crise urbana crescente. “A bicicleta talvez seja a resposta que sintetize todas as nossas angústias. A infraestrutura para o uso da bicicleta custa 30 vezes menos que para os automóveis, que são os grandes responsáveis pelo imobilismo urbano que estamos chegando”. Para Mueller precisamos fazer com que as pessoas passem a usar a frase “Minha cidade Minha vida” para demonstrarem uma relação de maior pertencimento com a urbis.

Mobilidade Urbana: Trânsito, Transporte e Sustentabilidade [Grande Hotel da Barra, 30 de abril, 14 horas]

O segundo debate reuniu mais de 200 pessoas discutindo a mobilidade urbana de Salvador em dois painéis com dois debatedores cada. O primeiro com o secretário estadual extraordinário para Assuntos da Copa 2014 Ney Campello e o arquiteto e urbanista Francisco Ulisses, técnico sênior de Transportes da Prefeitura e um dos elaboradores do projeto da Rede Integrada de Transportes de Salvador. O segundo bloco contou com Horácio Brasil, superintendente do SETPS, e o engenheiro Osvaldo Magalhães, especialista em transportes e consultor da FIESP. Para Horácio Brasil “em quase 40 anos que trabalho na área de transporte e mobilidade, não me lembro de um partido político ter puxado uma discussão como essa. O PV saiu na frente”. As discussões sinalizaram para a necessidade imediata de instalação do Conselho Municipal de Transportes e pela integração dos diversos modais incluindo os deslocamentos a pé e com bicicletas e não pode-se reduzir o debate à escolha entre o BRT ou VLT. Estiveram presentes o presidente da Associação dos Bicicleteiros da Bahia, Gilson Cunha, o presidente do Instituto dos Arquitetos da Bahia, Daniel Colina, o arquiteto e urbanista Lourenço Mueller, o conselheiro de Juventude da Bahia, Marcelo Tourinho, membros do Movimento Massa Critica Salvador ( que entregaram ao partido o Manifesto Massa Crítica Salvador, com propostas de ações para melhorar a mobilidade dentro de Salvador, tendo como foco especial os modais bicicleta e pedestres, prontamente integrado às propostas do PV Salvador) e do Movimento Eu Quero VLT em Salvador, além de militantes, filiados e simpatizantes do Partido Verde.

Drogas: Saúde ou Segurança Pública?

Parques e Áreas Verdes Urbanas

Na terceira edição o projeto Salvador na Roda discutiu a temática ligada às substâncias psicoativas com Antônio Nery Filho, fundador e coordenador geral do Centro de Estudos e Terapia do Abuso de Drogas (Cetad); Edward MacRae sociólogo-antropólogo professor da UFBA e atualmente membro do Conselho Nacional Antidrogas -CONAD e membro da Câmara de Assessoramento Técnico-científico do CONAD; e Marcio Vilas Boas, delegado da direção da Narcóticos da Secretaria de Segurança Pública do Estado da Bahia.

Um sábado de sol com jogo da seleção brasileira não impediu a participação ativa de quase 200 filiados, militantes e simpatizantes do PV em uma edição do Salvador na Roda, que debateu a situação das áreas veredes e parques de Salvador.

[Escola Politécnica da UFBA, 14 de maio, 14 horas]

O evento iniciou com a leitura da terceira seção, do capítulo oito do programa do Partido Verde que trata especificamente da questão das drogas. O professor Edward MacRae começou sua intervenção declarando concordância com o programa do PV sobre drogas, mas salienta que ainda há um longo caminho a percorrer. “Mesmo com a mudança na lei sobre drogas, com a redução das penas para usuários, a situação ainda permanece como antes, com poucos espaços para o debate já que a grande mídia trata do tema de forma extremamente conservadora, o que acaba por influenciar parte significativa da sociedade. Temos hoje mais de oitenta mil pessoas cumprindo pena por tráfico de drogas no Brasil. Será que a solução é construir mais cadeias?”. O professor lembrou ainda que a proibição do consumo de substâncias psicoativas sempre foi um instrumento de controle de populações marginalizadas. Para o professor Antônio Nery Filho, “Droga não tem alma, não pensa, não sente. Precisamos considerar as drogas, os seres humanos e as condições socioeconômicas onde todos se encontram. O consumo de substâncias psicoativas não é uma causa e sim um sintoma social e por isso a forma de trata-la deve considera-la nesse sentido: um sintoma social”. Para Nery é essencial restabelecer pactos morais na sociedade, resgatar a cordialidade no trato cotidiano e revalorizar a vida enquanto elemento de diálogo com a morte. Ainda de acordo com Nery não podemos pensar em uma política de drogas com a separação entre saúde e segurança. “Não gosto de políticas setoriais. Precisamos ter uma política de Educação, Saúde, Segurança, Desenvolvimento Urbano, todas integradas para que a vida permita oportunidades a todos, espaço a todos”. Em seguida o delegado Márcio Vilas Boas iniciou sua fala contextualizando a questão em debate com o direito penal, salientando que a mudança na lei 11.343/2006 trouxe a despenalização do usuário. Expôs as diversas ações empreendidas pela Secretaria de Segurança Pública sobre as drogas e invocou a sociedade a se mobilizar.

[Catussaba Hotel, 04 de junho, 14 horas]

Contando com a presença do vereador Sandoval Guimarães (PMDB), autor de projetos de lei criando cinco parques municipais; Jorge Santana, coordenador do Parque das Dunas; a arquiteta Regina Luz, responsável pelo projeto de revitalização do Parque São Bartolomeu; a arquiteta Maria Angela Dange, com diversos trabalhos em Salvador inclusive o parque do Campo Grande, e o VicePresidente do PV Salvador, José Augusto Saraiva. Para Ivanilson Gomes, Presidente Estadual do PV Bahia e membro da Direção Nacional do PV, presente no evento, “o PV Salvador tem dado um bom exemplo do papel que deve exercer um Partido Político, discutindo os problemas da cidade e dos cidadãos. Tem sido tão interessante que outros partidos da capital e dirigentes verdes de diversos municípios e até outros estados tem se inspirado na experiência desenvolvida aqui na capital baiana, e estão replicando a iniciativa soteropolitana”. Para André Fraga, Presidente do PV Salvador, “o debate sobre a questão é essencial em um momento que o Congresso Nacional tem em mãos o projeto de reforma do código florestal que contém retrocessos impensáveis para um país que se pretende uma economia do século 21. Reduzir a preservação do verde que protege rios e encostas e mantem a biodiversidade no campo só aumentará a incidência dos problemas ambientais”. Ainda de acordo com Fraga, “o que temos visto acontecer no PV Salvador é a vitória do coletivo sobre o individual. Aqui todos e todas discutem e trabalham juntos. Não há espaço para carreira solo. Estamos construindo verdadeiramente de forma coletiva o Partido Verde. A democracia aqui não está em nossos discursos, e sim em nossas práticas”. Ao fim do debate ficou clara que os conselhos gestores dos parques precisam funcionar de forma ativa e que cabe a prefeitura subsidiar tais atividades. Há ainda um pleito pelo real funcionamento dos conselhos municipais de meio ambiente e da cidade, ainda cambaleantes ou nulos. Uma política municipal para as áreas verdes e parques também foi discutida. Os encaminhamentos do debate comporão o programa verde para Salvador que vem sendo construído desde janeiro e seguirá até dezembro de 2011.


6

Opinião 43 / julho / 2011

entrevista

Trocando ideia André Fraga

Engenheiro Ambiental, aluno especial do Mestrado em Urbanismo na UFBA e estudante do MBA em Gerenciamento de Projetos da Fundação Getúlio Vargas-FGV, André Fraga tem 27 anos. Começou a participação política na Universidade onde foi presidente do Diretório Acadêmico de Engenharia Ambiental e do Diretório Central dos Estudantes-DCE. Foi também presidente da Executiva Nacional dos Estudantes de Engenharia Ambiental-ENEEA, e Vice-Presidente da União dos Estudantes da Bahia-UEB. A pouca idade esconde sua já longa trajetória verde: em 8 anos de militância partidária é membro da Direção Estadual, do Conselho Nacional e recentemente assumiu uma missão e tanto: reorganizar o PV da capital baiana e preparar o partido para as eleições de 2012. Nesse bate papo André fala do projeto politico para o PV soteropolitano e as expectativas eleitorais.

Com o Frei Dom Luiz Cappio

No encontro de jovens com Marina Silva-Itú-SP

O43: Quais os maiores desafios em presidir o PV em Salvador? Eu diria que todos. Primeiro sou jovem e muitas pessoas se surpreendem quando me conhecem, mas temos construído uma gestão coletiva. O PV de Salvador estava inerte. Não se reunia, não se organizava, não se comunicava. Sequer havia um CNPJ. Não havia lista de filiados atualizada, não havia um meio de comunicação institucional e os processos, inclusive eleitorais, eram feitos na base da improvisação. Deixamos de ser referência na cidade. Retomar isso não é fácil. Estamos empreendendo uma força tarefa que está atuando em todas as frentes para recuperarmos o tempo perdido e recolocarmos o PV como referência nos grandes deba-

Liderando mobilizações estudantis

Com Marina Silva em Salvador

Com Edson Duarte e Sandro Tuxá em Paulo Afonso

tes da cidade. A partir do Salvador na Roda estamos construindo uma agenda de discussões e um programa para a cidade que capacitará o PV a entrar no debate da cidade. É essencial que resgatemos o caráter de partido movimento que motivou a fundação do PV e que nos diferencia dos demais, além de nossas bandeiras históricas. Há outro elemento essencial que é tornar o PV orgânico em Salvador, estarmos nos bairros, dar a cara do povo soteropolitano ao partido. Essa parte inclusive tem sofrido resistências internas, mas seguiremos no projeto de popularização verde. OPINIÃO 43: Como é presidir o PV da terceira capital do país com apenas 27 anos?

Um desafio. Nossa sociedade tem o hábito de tratar a juventude a partir de um prisma da domesticação. Mas é interessante quando vou a reuniões e coordeno atividades e o partido começa a aparecer de forma positiva. Mas acredito que o grande exemplo fica para os jovens, que percebem que um jovem como ele está na política, trazendo novas ideias, arejando antigas estruturas. Gosto muito de uma citação de Karl Mannheim que nos diz que a juventude “... chega aos conflitos de nossa sociedade moderna vinda de fora. E é este fato que faz da juventude o pioneiro predestinado de qualquer mudança na sociedade”. O43: O que é o Salvador na

Com o Deputado Federal Ed

Visitando as obras da transposição do Rio São Francisco em Pernambuco

Roda? Salvador na Roda é o um espaço de debate construído pelo PV Salvador. Uma vez por mês durante 2011 debatemos um tema com professores, pesquisadores, movimentos sociais, empresários, enfim com todos os segmentos da sociedade. A partir da síntese e sistematização desses debates e seguindo as linhas do programa partidário montaremos um programa para a cidade. Esse será nosso principal instrumento na disputa eleitoral em 2012. Entraremos com propostas, ideias. Claro que esse espaço também foi pensando para a formação de nossos quadros. Candidatos a vereador, prefeito precisarão assumir o discurso desse programa construído coletivamente.


7

Opinião 43 / julho / 2011

O43: Como você avalia o cenário politico da capital? Salvador passa por uma situação muito complicada. A qualidade de vida, aquela cidade aprazível já não existe mais. Vivemos em uma cidade repleta de problemas. E as soluções ficam hoje a cargo de grandes grupos empresarias que verdadeiramente governam nossa cidade. É claro que todo interesse é legitimo até certo ponto. E cabe ao Estado ser o elemento planejador, conciliador de interesses. Não é o que acontece hoje. Poucos segmentos ditam as ordens e organizam a cidade ao seu bel prazer. Gestão não existe e nossos problemas se agravam. O43: E como o PV se posiciona

dgard Mão Branca

nesse contexto? O PV tem procurado debater um novo modelo de gestão para Salvador. Sabemos que a cidade é pobre em recursos, mas podemos pensar de forma diferenciada a economia da cidade. Pensar a Economia Criativa, tentar constituir um polo industrial limpo com fabricas que gerem empregos verdes com incentivos fiscais. Enfim, estamos juntos nesse esforço de pensar um novo modelo para a cidade. E esse novo modelo o PV defende há mais de 25 anos. O43: Qual a estratégia do PV para 2012? O Partido Verde em Salvador, manterá a estratégia iniciada com as eleições de 2010 quando elege-

mos um Deputado Estadual (Eures Ribeiro) com a menor votação do estado: chapa própria. Time que não disputa campeonato não tem torcida e hoje o PV conta com uma das maiores torcidas. Tivemos 20 milhões de votos em todo o Brasil. Aqui em Salvador tivemos 30% dos votos válidos. Isso nos dá uma responsabilidade e tanto. É preciso manter acesa a chama dos que acreditaram no projeto do Partido Verde. Mas é importante frisar que para poder levantar a bandeira do PV os candidatos deverão passar por um intenso e longo processo de formação política. Não adianta chegar e querer ser candidato. Se não tiver identidade, não vai ser candidato.

Juventude do PV com Marina em Brasília

Com Marcelo Silva (presidente do PV Ceará) e Ivanilson Gomes (Presidente PV Bahia) em Juazeiro

é vital para o PV. Estamos há mais de 8 anos fora do debate municipal e com resultados eleitorais pífios nas últimas eleições locais. O43: Já existe algum nome definido para disputar a prefeitura? Bom, de forma oficial não abrimos o processo de discussão de nomes. Estamos discutindo o perfil. O importante é termos uma candidatura. Há quem defenda que o PV não tenha candidaturas majoritárias dizendo que ainda não é a hora. Ora, se o mundo inteiro discute a agenda ambiental quando então será nossa hora? Se nas ultimas eleições 20 milhões de brasileiros digitaram 43 na urna, não é hora de disputarmos cargos majoritários? Os que assim pensam devem estar

Com o Deputado Federal Fernando Gabeira

Com José Luiz Penna (presidente nacional do PV) na festa de Iemanjá em Salvador

esperando Godot. O43: Do ponto de vista ambiental como está Salvador? Salvador está inóspita. O trânsito é caótico. Os rios poluídos ou sepultados. O verde sendo devastado. Não há qualidade de vida. Nada funciona. A agenda ambiental não é prioridade para o atual prefeito. Veja que quando eleito no primeiro mandato tinha assumido o compromisso com o PV, ainda na campanha, de criar a Secretaria Municipal de Meio Ambiente. O segundo mantado está acabando e a secretaria você viu? Nem eu! Os conselhos quando existem não funcionam. O de meio ambiente? O de transportes? O da cidade? Não há espaços para participação. Os

O43: Então o PV lançará uma candidatura à prefeitura? Hoje a maioria absoluta do conjunto partidário defende uma candidatura majoritária. Faço parte dessa ala e penso essencial ao nosso projeto termos uma candidatura própria à prefeitura. Precisamos apenas trabalhar para construir as condições efetivas no sentido de estarmos estruturados para essa missão. Quanto à chapa proporcional já temos a certeza de que sairemos sem coligação. Teremos 63 candidatos a vereança em Salvador, mesmo enfrentando resistência de uma parte do PV que ainda pensa pequeno e que defende o lançamento de poucas candidaturas. Nossa meta é elegermos entre 1 e 4 vereadores. Retornar à Câmara Municipal

rumos da cidade são definidos nos gabinetes. O43: Como então resolver esses problemas? Não há formula mágica. Precisamos construir um movimento que envolva a todos e todas no sentido de encontrarmos soluções. Mas isso só acontecerá se espaços de participação efetiva forem proporcionados. Outra questão é que é vital pensar Salvador no contexto metropolitano. Nossos problemas são devem ser solucionados junto com Lauro de Freitas, Camaçari, Simões Filhos, Candeias e etc. A copa do mundo vem aí e temos a oportunidade de amenizar certos problemas, por que não acredito que teremos a redenção com a

Inauguração da sede do PV em Mucuri-BA

vinda da copa. Além do mais o planejamento precisa ficar a cargo da gestão governamental e não podemos mais passar a solução de problemas para a iniciativa privada pura e simplesmente. O43: Então Salvador tem solução? Claro que tem. Mas precisamos estar todos juntos. O PV estará sempre de olho e contribuindo para o debate, bem como convocando a sociedade para o debate e a construção de novas possibilidades. Eu diria que a senha é CIDADANIA. Depende de nós. Com dizia nosso saudoso Milton Santos: “A vontade política é o fator por excelência das transfusões sociais”.


8

Opinião 43 / julho / 2011

artigos

______________________________________________________________________________________________________________________________________________

Cadê o Plano Municipal de Políticas para Mulher da cidade do Salvador ?

Célia Sacramento*

______________________________________________________________________________________________________________________________________________

Após duras batalhas e debates as Mulheres brasileiras, no plano nacional, conseguiram um espaço de representação oficial na sociedade e levar seus dilemas ao rol das Políticas Públicas com a criação, em janeiro de 2003, da Secretária Especial de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, órgão que tem status de Ministério. Em março de 2008 o produto do esforço se concretizava com o II Plano Nacional de Políticas para Mulheres sancionado pelo Decreto 6.387 de 5 de março de 2008. No plano estadual, o Governo do Estado da Bahia, sob a pressão do movimento de mulheres, seguiu as diretrizes do Governo Federal e entre os anos de 2008 e 2009, aderiu ao Plano Nacional de Políticas para Mulheres. Tal fato, possibilitou a captação de recurso federais e viabilizou uma série de ações, que potencializaram as Políticas para Mulheres em diversos municípios do Estado da Bahia. O município de Salvador se mostrou omisso nas questões relacionadas a Políticas Públicas para Mulher, pois até os dias de hoje não dispõe de um Plano Municipal de Políticas para as Mulheres. Ou seja, as mulheres Soteropolitanas, estão perdendo a oportunidade de fortalecer a rede de proteção, promover o enfrentamento da violência contra mulher como também viabilizar as diversas ações do II Plano Nacional de Políticas para Mulheres a saber: a)Autonomia Economica e Igualdade no mundo do trabalho com inclusão social; b) Educação inclusiva, não-sexista, não-racista, não-homofó-

bica e não-lesbofóbica; c) Saúde das mulheres, Direitos Sexuais e Direitos reprodutivos; d) Enfrentamento a todas as formas de violência contra as mulheres; e) Participação das mulheres nos espaços de poder e decisão; f) Desenvolvimento sustentável no meio rural, cidade e florestal, com garantia de justiça ambiental, soberania e segurança; g) Direito a Terra, moradia digna e infra-estrutura social nos meios rural e urbano, considerando as comunidades tradicionais; h) Cultura, comunicação e mídia igualitárias, democráticas e não discriminatórias; i) Enfrentamento do racismo, do sexismo e da lesbofobia; j) Enfrentamento das

desigualdades geracionais que atingem as mulheres, com especial atenção as jovens e as idosas k) Gestão e monitoramento do plano. Parece desnecessário comentar coisas miúdas, mas para melhor elucidar o descaso do governo municipal frente às questões vinculadas ao direito adquirido pelas Mulheres, vale comentar um fato curioso: hoje um veiculo destinado, através de recursos captados do governo federal, pela Superintendência Estadual de Políticas para Mulher do Estado da Bahia, para uma das entidades que compõe a Rede de Proteção a Violência contra Mulher de Salvador, se deteriora num pátio de

estacionamento pelo simples descaso e descomprometimento do poder executivo municipal que se exime de apenas despachar por assinatura um termo de posse para o recebimento do veículo. A existência das Mulheres nos eixos de comando e desenvolvimento de leis fará de forma paulatina o enfraquecimento dos pilares machistas e por reboque a quebra de paradigmas seculares que sempre, de forma tácitas, prejudicaram qualquer tipo de ascensão das Mulheres em postos de decisão. A população da cidade do Salvador é constituída de 52% de mulheres é um evidente desequilíbrio ter apenas cinco mulheres na câmara municipal na imensidão das 41 cadeiras existentes. Além de conquistar à possibilidade da voz e determinar seu destino a mulher soteropolitana precisa se enxergar no poder. Dessa forma, nos mulheres precisamos construir estruturas simbólicas não apenas para nossas filhas, mas para que nossos filhos cresçam com a mentalidade de equidade e respeito à sua mãe, sua esposa, suas irmãs e suas filhas, enfim a Mulher. Célia Sacramento é Contadora e Advogada Professora da Universidade Federal da Bahia - UFBA, Professora da Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS, Superintendente do Conselho Regional de Contabilidade do Estado da Bahia -CRC, Integrante do Núcleo de Mulheres do Partido Verde – PV Presidente da Cooperativa Nacional de Professores - CONAPROF e Presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher do Município de Salvador

______________________________________________________________________________________________________________________________________________

Que turismo queremos? Marcelo Domingos *

______________________________________________________________________________________________________________________________________________

Mesmo tendo sido a primeira capital brasileira, mesmo possuindo um dos mais ricos acervos históricos do país, com suas inúmeras e belas praias. E sem mencionar o fato de ter sido escolhida como sendo uma das 13 cidades que receberão jogos da copa do mundo de 2014. Nada disso impediu que a capital soteropolitana parasse no tempo quando o assunto é TURISMO. Ou se não parou retrocedeu o que é bem pior! Parar ou retroceder? Pessimismo ou realidade? Profissionalismo ou amadorismo? Pesquisas recentes apontam, dentre as cidades, que receberão jogos da Copa do Mundo de 2014 Salvador como a que registra o maior número

de denúncias de exploração sexual de jovens e adolescentes, segundo dados do Ministério do Turismo (Mtur). Pode-se somar para essa estagnação ou retrocesso do turismo fatores como: Segurança, mobilidade urbana, limpeza, serviços, e a lista de problemas não para por aí. Já existem algumas pesquisas apontando a cidade de Fortaleza-CE, como sendo o principal destino turístico da região nordeste do Brasil. Isso quebra um longo período de hegemonia da capital Baiana como a líder de mercado na região. Mostrando que não da para manter-se na posição de liderança apenas com o crescimento no período momesco. Como assim? Cadê o turista atraídos

pelo nosso rico centro histórico (Pelourinho) ? Cadê os turistas que vinham às nossas magníficas praias? Simples: Pelourinho tornou-se um local com fama atrelada a insegurança, droga e abandono, ou seja, totalmente inóspito ao turismo. Orla marítima após a retirada das barracas tornou-se uma favela a céu aberto, cheio de comerciantes ambulantes sem nenhuma estrutura e higiene. Não existe chuveiros e ou banheiros públicos. Não existe nada a não ser o total abandono. Simplificando tornou-se um fardo a ida a praia por parte dos soteropolitanos quem dirá dos turistas. Mas afinal que turismo queremos para nossa Salvador? Queremos um turismo que faça

propostas de mudanças para melhor, que pense em soluções para nosso principais problemas, que pense e viva o turismo de forma eficiente e eficaz. Propomos um novo turismo, um turismo baseado no bem e mais humanizado. O turismo da divisão de rendas e da economia solidaria. O turismo da geração de empregos e bem estar social. O turismo da revitalização e conservação. O turismo da sustentabilidade e preservação... Por fim um Turismo verde para Salvador! *Marcelo Domingos é bacharel em turismo, pós graduado em gestão ambiental, professor e ex- presidente da Federação Nacional de Estuantes de Hotelaria e Turismo (FENEHTUR).


9

Opinião 43 / julho / 2011

______________________________________________________________________________________________________________________________________________

Além da copa, queremos quartos, sala, cozinha e banheiro.

José Augusto Saraiva Peixoto*

______________________________________________________________________________________________________________________________________________

Nossa Salvador encontra-se próxima ao colapso, exposta a uma multiplicidade de condições especiais de formação de riscos socioambientais e urbanos, com boa parte da população e seus bens em condições bastante vulneráveis, em diversas situações de ameaças, no que se refere a diferentes aspectos, notadamente quanto à mobilidade, à falta de segurança, de estrutura (infra e super), com ampliação de áreas precárias e pontos de riscos, além do imenso déficit habitacional existente, acumulado e crescente. A concentração e a densidade populacional apresentam-se bastante elevadas em certos trechos da urbe e do território municipal, gerando irritabilidade, estresse e violência, registrados em diversas ocorrências e matérias jornalísticas. Conforme a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad-IGBE) de 2007, o déficit habitacional na Região Metropolitana de Salvador (RMS) é de 141 mil unidades, mostrando também que a Bahia tem um déficit de 636.522. Estima-se que 90% deste déficit englobam justamente as famílias de baixa faixa de renda. Esses dados, que configuram a pior situação dentre as regiões metropolitanas do nordeste brasileiro, foram apurados pelo Ministério das Cidades em parceria com a Fundação João Pinheiro (FJP). Devese buscar também a constatação da gravidade e da profundidade dos riscos, seus fenômenos geradores e a extensão dos possíveis danos, num conjunto de situações de natureza (diferenciadas e desiguais), em processos adversos, quanto à qualidade e condições de vida humana. Segundo o Jornal A TARDE, de julho de 2009, a partir de dados levantados no Ministério das Cidades, aponta-se que das 10.958 unidades contratadas na Bahia de abril a junho, apenas 1.096 são em Salvador. Dessas novas

moradias previstas para Salvador, apenas 200 unidades são voltadas para as famílias com renda entre zero e três salários mínimos, um número que representa apenas 2% do volume total. É preciso, portanto, urgentemente, partir para o desafio de implementar políticas públicas, modelos de gestão, ações estratégicas e intervenções, planejadas, convergentes e articuladas, voltadas para a produção de moradias e construção de unidades habitacionais populares, com fins e interesses sociais, urbanização de assentamentos precários e regularização fundiária, que venham contribuir para a diminuição do imenso déficit e desequilíbrio socioambientais, com inclusão e dignidade para os cidadãos e as comunidades. Em termos de construção gramatical não maniqueísta, não basta o PAR (Programa de Arrendamento Residencial), operacionalizado pela Caixa Econômica Federal (CEF). É fundamental a edificação da moradia ÍMPAR! Fato grave: Devido à implacável contagem regressiva para a Copa Mundial de Futebol em 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016, as três esferas de governo estão procurando flexibilizar as contratações de obras e serviços diretamente envolvidos e comprometidos com os dois eventos, no tocante à acessibilidade e mobilidade urbana, fora a ARENA propriamente dita, a

exemplo da medida provisória (MP) assinada no final de 2010, que propõe tratamento de excepcionalidade aos municípios que sediarão, com o objetivo de dar agilidade às obras de infraestrutura que vão capacitar os estados a sediar os jogos. Desse modo, pretende-se encontrar soluções rápidas para os terminais (portuário, aeroviário e rodoviários) e a implantação de transportes de alta capacidade, como o metropolitano. Assim, tudo indica que, esses empreendimentos sofrerão aditivos contratuais e, pelo chamado Regime Diferenciado de Contratações (RDC) deverão deixar de ser regidos pela Lei de Licitações, possivelmente confluindo dispensas nas três esferas de governo, que, de certa forma poderão ficar reféns das empreiteiras, construtoras e empresas de engenharia. Diante deste quadro conjuntural, onde

a hegemonia do capital é capital, sobretudo na capital, organizações populares dos Sem Teto e movimentos de luta pela moradia em grande parte de Salvador e Região Metropolitana, aproveitando o ensejo dos preparativos para os citados eventos que ocorrerão em território soteropolitano, buscando atenuar possibilidades tendenciais de iminentes conflitos (que vem se ampliando ultimamente, de forma considerável) reivindicam com justeza, imóveis residenciais dignos, para a moradia própria, que, ao menos, tenham todos, os cômodos básicos necessários. Em outras palavras: Além da COPA: quartos, sala, cozinha e banheiro ! Ainda em relação aos eventos esportivos que ocorrerão nas estações chuvosas de 2014 e 2016, é bom lembrar que nossa cidade ainda não dispõe de redes de drenagem (macro e micro) suficientes para evitar transtornos para os moradores e visitantes, com alagamentos, infiltrações, escorregamentos e deslizamentos de terra, desabamentos e inundações, prejudicando também o caótico trânsito, em diversos pontos. * José Augusto Saraiva Peixoto é um dos fundadores e atual Vice-Presidente do PV Salvador, arquiteto (UFBA, 1986), mestre em engenharia ambiental e urbana (UFBA, 2008), servidor público municipal; fundador e membro das atuais Coordenações do GERMEN (Grupo de Defesa e Promoção Socioambiental) e da LIGAMBIENTE (Liga de Entidades Ambientalistas da Bahia), que integram o CEPRAM (Conselho Estadual de Meio Ambiente) e os Fóruns “A Cidade Também é Nossa”; FALTA (Fórum de Articulação das Lutas nos Territórios Afetados) pelas obras da COPA 2014; Movimento “Vozes de Salvador”; COMPOP (Conselho de Comunicação e Políticas Públicas e Comitê Baiano do Fórum Social Mundial e Fórum Floresta do Sul e Extremo Sul do Estado da Bahia.

______________________________________________________________________________________________________________________________________________

Retrocesso sustentável já! Augusto Queiroz*

______________________________________________________________________________________________________________________________________________

Muito se fala hoje de “desenvolvimento sustentável”, chavão que está na boca de todos, inclusive daqueles que fazem exatamente o contrário. Na minha opinião, o que precisamos de verdade é um “retrocesso sustentável”, pois não dá mais para pensar dentro da ótica do capitalismo, que prevê um crescimento e um consumo cada vez maiores. Precisamos reduzir, repensar, reciclar e mudar nossos padrões de consumo e conduta. Como sabemos, a crise planetária que enfrentamos é uma crise de civilização e de modelos. Em última análise, requer uma transformação profunda nos valores e no espírito humanos, com a emergência de uma nova cultura e civilização. E esta mudança já está ocorrendo, para aqueles que são

sensíveis e sabem interpretar os sinais dos tempos... Nossa sorte é que, nos planos mais sutis, a Hierarquia espiritual que auxilia nosso planeta, em comunhão com sistemas ainda mais vastos e desenvolvidos, zela permanentemente pelo progresso e bem estar do nosso globo e humanidade. E é o nosso alinhamento e harmonização com o propósito dessas inteligências superiores que nos permitirá avançar em direção a um novo futuro de brilhantes promessas e espantosas realizações, concretizando o melhor de nossos potenciais. A tarefa é vasta, os desafios imensos, a resistência à mudança abissal. Mas precisamos manter uma vontade firme e começar de onde estamos, dando os passos necessários que estão ao nos-

so alcance. Não dá mais pra adiar, ou deixar para depois. Vivemos momentos críticos. A civilização pede socorro. Precisamos mudar e adotar novos valores e estilos de vida já! Permanecer na mesma e agir como se nada estivesse acontecendo é o pior dos caminhos e levará ao desastre. O velho modelo já se esgotou e todos parecem estar sentindo isso, pois a crise é planetária. Precisamos de novos modelos e atitudes mais cooperativas e fraternas, de modos de produção e de consumo mais ecológicos e eficientes, novas diretrizes industriais, um capitalismo menos predatório, uma política mais responsável e verdadeiramente voltada para a sustentabilidade, ao invés do

lucro a qualquer custo... Precisamos nos posicionar perante o mundo como uma potência não apenas econômica, mas alinhada com as novas demandas e promessas do século 21. A solução está dentro de cada um. Cada um é responsável. Como diria o Lennon, você pode achar que eu sou um sonhador. Mas não sou o único. Just Imagine. Vamos trabalhar em prol de um planeta azul mais verde e vibrando em sintonia com as hierarquias cósmicas e planetárias que, desde sempre, aguardam nossa ascensão a um novo nível vibratório. * Augusto Queiroz é jornalista e fundador do PV Bahia


10

Opinião 43 / julho / 2011

acontece PV Salvador inaugura lojinha

A marca do PV agora está estampada em diversos modelos de camisetas, passando por chaveiros, adesivos, broches, e até microlixos para praia. Mas quem tem interesse deve se apressar, pois devido aos poucos recursos foram feitas poucas unidades das peças e por ter uma demanda reprimida, o estoque já acabando. A lojinha funciona no horário comercial de segunda a sexta na sede do PV localizada na Rua João Gomes 160, Rio Vermelho, Salvador.

PV Salvador retoma reuniões abertas

Toda terça-feira as 19 horas os filiados ao PV Salvador tem um espaço aberto para contribuir na construção do projeto político verde para a capital. As reuniões são abertas a qualquer filiado e voltaram a acontecer depois de mais de 4 anos de paralização. Anote na agenda e apareça.

Fundação Getúlio Vergas oferece cursos gratuitos

A Fundação Getulio Vargas é a primeira instituição brasileira a ser membro do OCWC (Open Course Ware Consortium), o consórcio de instituições de ensino de diversos países que oferecem conteúdos e materiais didáticos de graça pela internet. Pelo endereço http:// www5.fgv.br/fgvonline/CursosGratuitos.aspx, qualquer pessoa pode se inscrever em mais de 21 cursos com carga horária que vão de 5h à 30 horas. Os cursos vão de Sociologia e Filosofia à cursos ligados à gestão e ao direito.

DVDs de formação já estão disponíveis

Para complementar a formação política dos filiados, o PV de Salvador disponibilizou para venda DVDs de 3 cursos, contendo mais de 60 horas de vídeo-aulas e uma apostila com mais de 100 páginas. Os cursos são Meio Ambiente e Sociedade, Filosofia e Ética e Cidadania e Interculturalismo. Os DVDs estão a venda na sede do Rio Vermelho e custam R$ 10,00 cada. A compra dos 6 primeiros sai por R$ 50,00.

Por unanimidade, STF vota pela legalidade da Marcha da Maconha

Por unanimidade, o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) se manifestou pela legalidade da realização de manifestos em prol da descriminalização de drogas. Com o veredicto, eventos como a Marcha da Maconha não poderão mais ser barrados pelo Poder Judiciário sob o argumento de eventual apologia ao uso de entorpecentes. “O Estado não pode nem deve inibir o exercício da liberdade de reunião ou frustar-lhe os objetivos ou ainda pretender controle oficial sobre o objeto da passeata ou marcha. É perfeitamente lícita a defesa pública da legalização das drogas na perspectiva do legítimo exercício da liberdade de expressão”, opinou o relator.

Verde assume presidência do Conselho da Mulher

Célia Sacramento, assumiu a presidência do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher. A vitória de Célia tem dado um novo ânimo á participação feminina nas reuniões e espaços do PV Salvador. De acordo com ela “a participação das mulheres na política é essencial no mundo moderno e o PV precisa começar a discutir gênero”.

Verde assume cadeira no CEJUVE

Marcelo Tourinho, filiado ao PV e presidente do DCE FTC assumiu uma cadeira no Conselho Estadual de Juventude, representando a União Nacional dos Estudantes. O CEJUVE é um espaço de diálogo entre a sociedade civil, o governo e a juventude baiana. É formado por representantes do poder público e da sociedade. É um órgão consultivo e tem por objetivo propor estratégias de acompanhamento e avaliação da política estadual de juventude; apresentar políticas públicas para o segmento juvenil; promover a realização de estudos, debates e pesquisas sobre a realidade da juventude baiana; e assegurar que a Política Estadual de Juventude do Governo da Bahia seja conduzida por meio do reconhecimento dos direitos e das capacidades dos jovens e da ampliação da participação cidadã.

Acompanhe as atividades do PV Salvador pelo nosso álbum d


Opinião 43 / julho / 2011

Subcomissão vai visitar Caetité

A subcomissão de Águas e Bacias Hidrográficas da Assembléia Legislativa, cujo coordenador é o Deputado Estadual Eures Ribeiro visitará as instalações das Industrias Nucleares do Brasil, que fica em Caetité e extrai urânio para as usinas nucleares brasileiras. “Há muitas denuncias de desrespeito à legislação e contaminação das águas, o que motivou nossa visita”, declarou Eures.

Segregação urbana é debatida

O presidente municipal do PV em Salvador, o Engenheiro Ambiental André Fraga, apresentou a palestra: Salvador-BA, O URBANO SEGREGADO: Estado, mercado e ideologia em SINTONIA na sede do PV no Rio vermelho, no dia 22 de março. Na ocasião um extenso debate se seguiu à palestra, que também tinha como objetivo ajudar a preparar a militância para o debate de lançamento do Salvador na Roda que teve como tema Planejamento Urbano no dia 26 de março.

Sessão de vídeo discute sexualidade

Sessão do grupo de discussão sobre sexualidade Psico-Sex-Cine aconteceu na sede do PV em Salvador dia 19 de fevereiro. O grupo se reúne quinzenalmente para discutir a temática da Sexualidade a partir da exibição e debate de filmes. Na ocasião foi exibido o filme Humpday – O Dia da Transa.

PV alemão se torna o maior partido de oposição

Verdes mais que dobram seus votos nas eleições de março de Baden-Württemberg e da Renânia-Palatinado e integrarão coalizões de governo nos dois estados. Segundo o site da TV Deutsche-Welle, o levantamento, feito pelo instituto Forsa a pedido da revista Stern e da emissora RTL, mostrou que 24% dos alemães votariam no PV se as eleições fossem hoje. Esse número torna o PV o maior partido de oposição da Alemanha, superando o Partido Social Democrata (SPD), que caiu dois pontos porcentuais na pesquisa e ficou com 23%.

Salvador perde o 1º lugar do turismo nacional

A situação do turismo da cidade de Salvador, que completou recentemente 462 anos, é destaque no site da Carta Capital. A reportagem destaca o fato de Fortaleza ter superado a capital baiana como o destino mais procurado por turistas nacionais, dado divulgado em março pelo site Hoteis.com. O prefeito João Henrique (PP), dono de uma das piores avaliações do país, também é lembrado pelo episódio das contas de 2009 terem sido rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Município, com quem o alcaide trava uma disputa judicial. A matéria aborda a sujeira e desorganização da orla marítima, o abandono do centro histórico e o trânsito como os maiores “espanta-turistas”. De acordo com a reportagem, os lojistas do Pelourinho reclamam de uma queda de mais de 70% do movimento nos últimos três anos. O presidente da Associação dos Comerciantes do Centro Histórico (Acopelô), Lenner Cunha, em entrevista à Carta, informou que mais de 200 lojas fecharam na região nos últimos sete anos. O transporte urbano também é posto em xeque. O metrô, que alcançou o recorde de 12 anos sem conclusão, é recordado como o equipamento que irá ligar “nada a lugar nenhum”.

de fotos on line acessando www.flickr.com/photos/pvsalvador

11


12

Opini達o 43 / julho / 2011


Jornal Opinião 43 nº 01