Issuu on Google+

Cultura ontem, Caiçara hoje

“O brilho de uma constelação é muito mais bonita e desejada do que uma estrela isolada” Romeu Mario de Rodrigues Pág.13 e 14

O que é ser caiçara? Depois de viver uma difícil mudança, os conhecedores da natureza retratam o que representa ser caiçara para eles.

A cultura caiçara : Ontem e hoje Transformação da Ilha em PEIC: Conflitos e dificuldades em que os habitantes do litoral sofreram à chegada da lei em seu território originário. Está edição contêm informações sobre a cultura e as dificuldades que ocorreram com os caiçaras da Ilha do Cardoso e que foi relatado para nós durante o nossa Saída Pedagógica.

Fandango in INFOGRÁFICOS: Cananeia e seu desenvolvimento Pág. 15

Cananeia About fandango Pág. 10 e 11


Somos todos herdeiros de uma tradição, mas também vivemos em uma sociedade em transformação. Com o objetivo de resgatar nossas origens, os alunos dos 7os anos mergulharam na reflexão a respeito dos legados materiais e imateriais de nossa sociedade, bem como nas demandas do mundo atual. Como a sociedade brasileira é plural, o tema Patrimônio, do projeto integrador dos 7os anos, buscou na cultura caiçara do litoral paulista elementos para que pudéssemos refletir sobre a tensão entre as permanências e as mudanças que vivenciamos cotidianamente. Os trabalhos de campo que deram corpo a essas reflexões foram realizados na cidade de Cananéia, no extremo sul do litoral paulista, na região baixo Vale do Ribeira. A região, reconhecida pelas autoridades brasileiras como Polo Ecoturístico do Lagamar, é hoje classificada pela UNESCO como Patrimônio Natural da Humanidade. Nela, as características naturais do Bioma da Mata Atlântica se encontram praticamente intactas e a cultura caiçara mostra sinais evidentes de resistência. Entrevistas e vivências com moradores da Ilha do Cardoso e Cananeia trouxeram o universo caiçara para a sala de aula e, por meio delas, os alunos puderam refletir acerca do modo de vida desse povo. A relação dos caiçaras com a natureza nos revelou um modelo sustentável de exploração dos recursos disponíveis. Do mesmo modo, as transformações ocorridas nessas comunidades após a criação do Parque Estadual da Ilha do Cardoso geraram novas necessidades e adaptações no modo de viver. Ao resgatarem os aspectos culturais de seus antepassados, como as técnicas de cultivo e de pesca, a tradição do fandango, a utilização de plantas medicinais e a preservação da variedade linguística, os caiçaras procuram garantir sua identidade cultural em meio às demandas da modernidade. Os trabalhos e pesquisas realizadas no estudo de campo estão retratados nas próximas páginas. Este trabalho constitui uma imersão no mundo caiçara e na natureza do Lagamar, através da visão construída por nossos alunos, protagonistas desse projeto.

José Fernando Nogueira – Coordenador do 7º ano


16

Biodiversidade da Ilha do Cardoso A flora e a fauna conhecidas durante nossa saída pedagógica à Ilha do Cardoso.

Capa

6 2

A cultura caiçara: Ontem e Hoje As transformações da cultura ao longo do tempo, e as dificuldades para preservá-la.

8

5

Localização e Mapa

Transformação da ilha

Cananeia e Ilha do Cardoso

Ilha do Cardoso

3. O que é ser caiçara? 4. A cultura caiçara antes do PEIC. 7. Breve Histórico de Cananeia

10. About Fandango 11. O caiçara ontem e o caiçara hoje.

9

Artigo de Opinião

Artigo de Opinião

A variedade linguística caiçara

O modo de falar caiçara.

12. O caiçara ontem e o caiçara hoje.

15. Cananeia e seu desenvolvimento

13. Entrevista — “O brilho de uma constelação é muito mais bonita e desejada do que uma estrela isolada” - Romeu Mario de Rodrigues.

20. ESPECIAL: O patrimônio esportivo.

21.

La cananeia.

Plaza

de

1


Localização e Mapa

http://migre.me/gj6Pi http://migre.me/gj7ex

http://migre.me/gj6ep

Cananeia e a Ilha do Cardoso se localizam no litoral sul de São Paulo, Brasil, na divisa com o estado do Paraná.

2


O que é ser caiçara?

Durante os dias 3, 4 e 5 de Junho de 2013, a escola Lourenço Castanho realizou um estudo do meio em Cananeia e na Ilha do Cardoso onde foram entrevistados o sr. Chico Mandira, sr. Romeu, sr. Amir, Dona Ana e Dona Maria. Que compartilharam conosco o que é ser caiçara na opinião deles: Sr. Chico Mandira: - Viver na beira do mar, da

pesca,

mas

também

se

sente

quilombola. Sr. Romeu: - Quem nasce na beira do mar e é alegre.

Dna. Maria

Sr. Amir: - Habitantes do litoral até o norte do Paraná. Tem conhecimento sobre a natureza. É uma mistura de negros, brancos e índios. Sr. Agostinho: -É quem pratica essa cultura (fandango e pesca). Dona Maria: -

Pessoa alegre, que

recebe bem as pessoas e simples. Dona Ana: - Morar perto da praia e viver por conta própria. A partir do texto “O mar é uma outra

Sr. Amir

terra”: "Caiçaras são homens corajosos, donos de uma natureza e de um espírito particular. Homens que com toda humildade e o respeito que possuem pela natureza, aceitam para si o desafio de viver no mar." A partir de todas as informações transmitidas pelos entrevistados e pelo texto lido, a conclusão final do grupo foi que ser caiçara é: viver rusticamente, ser humilde, simpático, viver da pesca, no litoral e terconhecimento sobre seu ambiente. 3


Cultura caiçara antes do PEIC

A cultura caiçara possuía muitos elementos, tais como a caça, o fandango, o mutirão, a agricultura, e a pesca. Na pesca, o foco principal era a

subsistência

(alimentação),

e

quando realizada era necessária ajuda de alguns instrumentos, todos rústicos e artesanais, por exemplo

Cerco de pesca tradicional

os covos (cercos), as redes e as canoas. Alguns desses instrumentos eram feitos de um matérias característico nos produtos artesanais, a caxeta. A caxeta também é o principal material da rabeca, um instrumento musical que complementa o ritmo tradicional fandango. Esse ritmo antigamente era praticado quando algum morador da Ilha precisava de ajuda na agricultura e na caça, os principais meios de subsistência, juntos os moradores formavam um mutirão, e

como recompensa

era feita uma festa, onde o fandango era praticado. Por essa comunidade ser simples ela se relaRabeca, instrumento tradicional d o Fandango

ciona

positivamente

com a natureza, ela é usada para alguns produtos, mas ao mesmo tempo havia uma grande preocupação em preservá-la.

4


Transformação da ilha em PEIC

O parque estadual da Ilha do Cardoso foi criado no ano de 1962, pelo governo do estado de São Paulo, com o objetivo de preservar os ecossistemas da Ilha como o manguezal, mata de encosta, restinga, costão rochoso e praia todos ecossistemas da Mata Atlântica. O PEIC foi criado pelo decreto número 90319 de 3/7/1962 com o propósito da preservação da grande diversidade biológica e a variedade extraordinária do ambiente e ecossistemas da Mata Atlântica que a Ilha do Cardoso possui. Tentando copiar o famoso parque norte americano Yellowstone, a lei do PEIC também proibia de habitantes da Ilha do Cardoso. Mas após muita resistência por parte dos caiçaras, alguns permaneceram na ilha.

5 4


A Cultura Caiçara hoje

Depois da Ilha do Cardoso ser transgruposaogoncalo.blogspot.com

formada em PEIC (Parque Estadual da Ilha do Cardoso) e a lei que impedia moradores de viver na Ilha foi imposta, os caiçaras tiveram que recorrer a uma nova moradia, a cidade vizinha Cananeia, que com sua área mais urbanizada, contribui para o esquecimento da cultura e consequentemente seus elementos culturais, tais como a caça, a agricultura e o mutirão, pararam de ser realizados. Atualmente, os elementos culturais

das comunidades caiçaras não são mais os mesmos. Os caiçaras que mantiveram na Ilha do Cardoso são restritos a praticar alguns elementos, como a caça, devido às leis imposta para a preservação do Parque e outros, que recomeçaram sua

Panfleto caiçara

vida em Cananeia, sobrevivem do turismo e da pesca. Apesar de todas as dificuldades, muitos antigos moradores da Ilha do Cardoso tentam resgatar e preservar os vestígios deixados da cultura caiçara, incentivando os jovens a tocar e dançar o fandango e praticando antigas tradições caiçaras.

Divulgação da cultura caiçara (fandango) através da venda de CDs e panfletos.

6


Breve Histórico de Cananeia

Cananeia foi importante para o Brasil no período colonial, pois além de ser a primeira cidade a surgir no território brasileiro e for onde acorreu primeiramente o processo de miscigenação entre os povos indígenas, negros africanos e europeus. Foi também uma grande fonte de minérios (ouro), um complexo naval fundamental, pois construíam e reformavam barcos, mas após a decadência da indústria naval, a atividade econômica predominante de Cananeia se transformou na pesca. Atualmente Cananeia é um patrimônio histórico cultural e ambiental da humanidade. Seu tombamento foi positivo e negativo ao mesmo tempo. Positivo, pois preserva ecossistemas muito raros e ameaçados, e também por ajudar-nos Igreja histórica do centro, uma das primeiras

a entender melhor o passado brasileiro.

Negativo, pois Cananeia se transformar em patrimônio impediu seu desenvolvimento econômico, sendo as principais atividades econômicas a pesca e o turismo.

Pesca e turismo, as duas principais atividades econômicas de Cananeia atualmente.

7 6


Artigo de Opinião : A Cultura Malemar

um nativo da Ilha e atual morador de Cananeia, Sr. Romeu Mário Rodrigues, transcreveu essas palavras diferentes do Português paulista em um dicionário “O Caiçarês”.

A Cultura Malemar * A cultura linguística caiçara e sua importância na sociedade, suas dificuldades de preservação e seu risco de extinção. Chiara Tedeschi, Clara do Valle e Mariana Haddad Cangulo (peixe pequeno), Ladino (esperto), Bulir (mexer) e Esconso (penso) são termos desconhecidos para os paulistas, mas muito importantes para a comunidade caiçara. A maioria dessas expressões típicas está relacionada a atividades do cotidiano caiçara como a pesca e a vida rústica. Apesar de línguas serem patrimônios culturais, nenhuma pode ser preservada. A única maneira de evitar que sejam totalmente esquecidas é deixar registros escritos ou sonoros. Isso porque as línguas são dinâmicas, ou seja, vão mudando com o passar do tempo. Por exemplo, para preservar essa “variedade caiçara”, que está se perdendo desde a transformação da Ilha do Cardoso em parque Estadual, 8

Esse dicionário mostra exatamente como o dinamismo funciona, as palavras que antigamente faziam parte do vocabulário desse povo, atualmente não passam de um estudo. O dicionário ao menos registra parte dessa cultura e levanta a preocupação de preservar. Algumas pessoas da comunidade de Cananeia também se organizam a fim de tentar passar traços de sua cultura para as próximas gerações , como, por exemplo, as apresentações de fandango para turistas. Além do fato dos caiçaras não viverem mais como antigamente e isso se refletir no modo de falar, não se pode deixar de mencionar que eles também estão inclusos em um modo de vida contemporâneo, e por isso os jovens estão abandonando o antigo modo de vida que consistia em pescar, caçar e plantar para a própria subsistência. Esse processo de transformação cultural e linguístico é inevitável, mas algumas ações podem ser feitas a fim de que esse importante patrimônio imaterial brasileiro não seja esquecido. *mais ou menos


Artigo de Opinião : Crequié da Cultura

Crequié* da Cultura A cultura está se perdendo, a língua sendo esquecida e os caiçaras não passam de habitantes do litoral. E para eles? Como é ter sua cultura esquecida? Por: Beatriz Bim, Giulia Napoli e Stefano Giorgetti A cultura e a língua são as características mais importantes para a identificação de uma sociedade. Porém com as influências internas e externas elas acabam se modificando, sendo assim dinâmicas. Esse fato ocorreu com a maioria das sociedades caiçaras que vivem na região do Lagamar, devido às transformações econômicas.

ral caiçara. Porém sem o interesse da sociedade e dos jovens a cultura e a variedade linguística caiçara serão esquecidas em estantes de bibliotecas escolares. Atitudes terão de ser tomadas não apenas da sociedade caiçara, nas também da sociedade brasileira devido ao fato de sermos os primeiros povos brasileiros e ter uma importante marca na história da colonização brasileira, Como dizem os caiçaras “Cada pessoa colhe exatamente aquilo que semeou”. *Mal-estar

Com a transformação da Ilha do Cardoso em PEIC (Parque Estadual da Ilha do Cardoso) os caiçaras perderam muito além de sua moradia. Perderam seus maiores patrimônios: sua cultura e sua língua, deixando apenas vestígios que foram registrados pelo Sr. Romeu Mário Rodrigues (caiçara da Ilha do Cardoso e atual guia turístico do PEIC), por meio de um dicionário, “Dicionário O Caiçares”, reflexo da resistência cultural da transformação da Ilha em Parque. Outras formas realizadas pelos caiçaras com tentativa de preservação é apresentar o Fandango para os turistas que se interessam em conhecer o patrimônio cultu-

9 6


Fandango in Cananeia

About Fandango History This text tells about the Fandango, its history, instruments, what it is.

Chiara Tedeschi, Clara do Valle, Anna Luisa Romano

Today the fandango is just a presentation for the tourists that want to enjoy the patrimony of the city. But it started long time ago, when some workers of a farm were peeling rice with clogs, and that created a beat, that together with others instruments formed the fandango.

Instruments For the sound of the rhythm is necessary a few instruments, all handmade and characteristic, the main instrument is the "rabeca", a type of violin with three strings, there is also a drummer that is called "caixa", a tambourine and a viola.

The patrimony What's fandango? Fandango is a kind of music, that is traditional in Cananeia, Brazil. This genre of music was played by "caiçaras", when they got together to help each other in the slash of their piece of land (mutirão). The reward was the fandango, the celebration, the dance and the music. It was a big party for all the helpers.

10

The fandango started being a patrimony in 2011, it was the first artistic and immaterial patrimony of the south Brazil, it became a heritage because it was a unique type of singing and dancing, that also remembers a little of the settlers of the coast.


Grupo de Fandango Batido São Gonçalo

Fandango

The group’s history: The Group Fandango Batido São Gonçalo started with the project ‘Resgatando Fandango Caiçara’ in 2005. Its intention is to promote and value the traditional caiçara culture, seeking the sociocultural identity through the acquaintanceship with the true masters of this culture, performing workshops, cultural exchanges and presentations. Today, the group belongs to the ACUCA (Caiçara Culture Association from Cananeia).

gruposaogoncalo.blogspot.com

During our field trip to Cananeia, we could meet a lot of people involved with Fandango and its culture. We met Amir Oliveira, a rabeca maker and a member of the group Fandango Batido São Gonçalo. When we returned to São Paulo we listened to this group’s CD “Batendo as Tamancas” to select songs for one of our projects (Fandango in Cananeia/ PREZI) and here you can read a little about it.

Mestres Fandangueiros: The great objective of being a “Master” is to pass on to future generations all the knowledge and experience on the dancing and instrument construction in order to have new players and makers of violas, rabecas, caixa de folia, adulfos and clogs. Hurray, São Gonçalo! Hurray, Batendo as Tamancas CD! Hurray, Fandango Caiçara! Hurray, São Paulo Popular Culture! Hurray, São Paulo Folklore Commission! (extraído do encarte do CD Batendo as Tamancas)

Fandango Batido São Gonçalo Members: Amir Oliveira, Zé Marques, Rodolfo Vidal, Ágata Caroline, Luciano Neto, Caroline Nardes, Milena Gomes, Jacqueline França, Windson França, Luniker Nardes, Ednan Nardes, Marcelo Nardes, Kauane Estefane.

11 6


Charges

O caiรงara ontem e hoje

12


ENTREVISTA

“O brilho de uma constelação é muito mais bonita e desejada do que uma estrela isolada” À beira da praia, Romeu Mário Rodrigues nos conta de sua vida e sua difícil saída da Ilha Do Cardoso. Com lágrimas e risos, mostra sua complicada expulsão da Ilha, mas sua inteligente forma de encarar o mundo. Hoje trabalha no Parque Estadual da Ilha do Cardoso (PEIC) e evolui nos conhecimentos da sua verdadeira casa.

Em sua opinião, o que é ser caiçara? Ser caiçara é uma pessoa alegre, versátil, é ser uma pessoa que nasce na beira do mar, é toda aquela pessoa que nasce na beira da praia, caipira é quem nasce no interior, quem nasce na beira da praia é caiçara, entendeu? Por que você “Caiçarês”?

fez

o

dicionário

Porque eu fiz o dicionário Caiçarês? Olha que pergunta legal! Porque eu tô tentando resgatar a cultura caiçara, porque da fama que a gente falava, né? Por exemplo, eu tô olhando para vocês que são “picícicas”, né? Você entenderia o que? Que são umas crianças risonhas, alegres e tem uma frase no dicionário que diz assim: “Provera que caçutus despinhocassem a península do nosso país”, o que vocês entenderam? Nosso país entenderam, né? Então, a tradução seria tomara que” caçutus” são os políticos, “despinhocassem” seria limpassem a miséria do nosso país, se acontecesse seria legal, né? Então, caiçarês não é nada mais que um dialeto próprio nos-

so, nós falávamos assim, nossos pais, hoje não, mudou completamente, meu pai falava muito com a minha mãe e dava impressão que eles estavam falando outra língua, completamente, e isso na verdade é um resgate da cultura caiçara, e agora eu tô lançando o terceiro livro já, porque os dois são sobre literações e o último já é sobre plantas medicinais da Ilha do Cardoso, vocês viram algumas das plantas e vão ver mais à tarde, a ideia é repassar essa informação. Você concordou com a preservação da Ilha? Essa pergunta é especial e bate no meu coração, enfim vocês lembram que eu falei das dificuldades que a gente teve de não poder mais morar aqui e foi morar em outro lugar o tombamento do parque, tanto é que meu pai, quando convidei ele pra vir aqui, ele já tinha mudado pra lá, já tinha 92 anos de idade, eu falei pai, vamos passear no parque, eu tô trabalhando lá, simplesmente olhei pra ele, a lágrima escorreu dos olhos dele que foi esse sinal, sinal de que ele saiu daqui muito magoado, porque ele não conseguiu voltar mais aqui, mas eu voltei, aí eu vim entender o seguinte que se não fosse criado o parque com todas as dificuldades e irregularidades que foram criados, será que se poderia vir a um parque intacto e cheio de natureza, estaria tudo detonado minha filha, como aconteceu em outras regiões, a região norte é um exemplo disso, certo? Vocês viajam ali pra Riviera de São Lourenço? Em Bertioga, aqueles condomínios foram todos em cima do manguezal, filha, então detonaram tudo, é por isso que eu mantenho a palavra, foi ruim criar o parque? Foi, mas foi ótimo pelo outro aspecto, da gente preservar aqui, entendeu?

13 6


ENTREVISTA

Quais mudanças de hábito ocorreram após você deixar a ilha? Mudanças de hábito acontecem, por exemplo, em Cananeia você não pode andar mal vestido, se não você é considerado uma pessoa da plebe mesmo, né? Você não pode ter as mesmas, você não tem ”as mesmas lazer” que você tem lá, andar numa canoa a remo, não vai poder ficar tão à vontade como se fica no sitio, num lugar desses, então muda as circunstâncias de vida, financeira, psicológica, muda tudo, aqui não, você é o cara da natureza, e lá não, você tem de seguir a regra da natureza e mais outras coisitas mais. Você acha que a consciência, em relação à preservação, muda após a vinda de alunos aqui?

14

Muda, muda bem, sabe por quê? Por que as primeiras vezes que eu conheci alunos aqui, eu ficava totalmente tolido, quando vocês estão fazendo uma entrevista comigo hoje , estou super à vontade porque eu conhecia, não vocês, estou tendo o prazer de conhecer, mas eu já conhecia os professores de vocês, certo? Então vejam como é que funciona, quando você não conhece a pessoa, mas teu amiguinho, por exemplo, aí tem um menino e uma menina, tô com vergonha de chegar lá eu não conheço o menino, mas eu conheço o amigo dele, pronto, tranquilo, é assim que funciona então quando você conhece alguém que te apresenta, te orienta, tá em casa, agora chegar aí não te conheço, é a primeira vez que eu tô te vendo, a minha empatia por você já foi grande, certo? Então se vai me ensinar e eu vou te ensinar, é troca de informações, entendeu? É troca de informações, aí você consegue adquirir alguma coisa, mas é muito difícil quando, você não conhece as pessoas, não é a mesma atitude que a gente toma né? Não é? Não é desse jeito?, (...) (Quando a gente conhece todo

mundo) facilita a vida da gente, mas quando você fica tolido aqui e lá , aí se fica voltado pra pessoa, aí ela que vai te dando as dicas, é que nem roda de amigos, se entra uma pessoa nova na escola pensa a dificuldade pra ele se adaptar, não sei se já aconteceu isso com você, se muda de uma escola, você já mudou de uma escola pra outra? No dia que muda você vai vê isso, se já mudou. Não, mas pensa na dificuldade, você já mudou né? Seis vezes, você é a pessoa indicada, pra fala da dificuldade com amizade né? Pô eu conheço a Clara mas eu não conheço a Beatriz, aí você vai indo, indo, até você daqui a pouco você tem um monte de amigos. Você acha que a Ilha, quando virou parque, preservou a fauna e a flora e praticamente destruiu a cultura caiçara? Sim, ela preservou a fauna e a flora e a cultura caiçara foi pro beleléu, não sei se entenderam a frase, ela dissipou, acabou, porque você praticamente toliu tudo aquilo que ela podia desenvolver mais e a cultura, agricultura, a caça não era predatória e eu lembro disso, meu pai depois que nós saímos da ilha é que foram extintos alguns animais que viviam aqui, por isso que o me alicerço nessas informações, quando eu morava aqui, meu pai morava aqui, tinha anta, hoje não tem mais, entendeu? Por que não tem mais? Porque nós saímos daqui, outras pessoas vieram caçaram e extinguiram, então até a nossa presença caminhava bem, faltava o que? Faltava regras, delinear regras, orientações, uma pessoa, um aluno bem orientado e vai ser sucesso aqui, nos Estados Unidos, em qualquer lugar do mundo ele vai ser bem orientado, sendo bem orientado pelo professor.


INFOGRÁFICOS

Cananeia e seu desenvolvimento Indicadores socioeconômicos A condição socioeconômica de Ca-

didas, sendo o turismo e a pesca sua úni-

naneia não é tão desenvolvida em relação

ca fonte de renda.

a, por exemplo, o município de Santos.

Fontes: IBGE Cidades. Sease.gov.br

Por ser um município pequeno, de poucos habitantes, rural e de ser um patrimônio histórico cultural e ambiental, suas oportunidades de desenvolvimento foram impe-

15 6


Biodiversidade da Ilha do Cardoso

Os ecossistemas da Ilha do Cardoso

tica, como preservar e a sua importância na natureza. Realizamos registros fotográficos

Durante o Estudo do Meio, realizado

e classificamos alguns dos seres vivos.

em junho de 2013, no PEIC (Parque Estadual da Ilha do Cardoso), conhecemos e aprendemos um pouco mais sobre a biodiversidade dos ecossistemas da Mata AtlânSchizolobium parahyba — Guapuruvu O Guapuruvu possui grandes e fortes raízes que permite sua fixação nas encostas do morros. Localização: Mata de Encosta

Spiloma roseumi — Líquem Vermelho Relação mutualística entre dois seres vivos (alga e fungo), que trocam favores, a alga fornece seu alimento e o fungo fornece matéria orgânica, assim facilitando sua sobrevivência. Localização: Mata de Encosta

Nephila clavipes — Nefilla A aranha Nefila possui uma glândula de veneno a qual ajuda a matar sua presa. Constrói grandes teias para facilitar a captura de insetos.

Localização: Mata de Encosta 16


Biodiversidade da Ilha do Cardoso

Euterpe edulis — Palmito Juçara A árvore é um dos produtos muito requisitados na atividade econômica do extrativismo. Essa espécie demora cerca de 10 anos para frutificar. Devido a esses fatores, o Palmito Juçara está em processo de extinção e é proibido retira-lo da natureza sem permissão do governo. Localização: Mata de Encosta Rhizophora mangle — Mangue Árvore de médio porte com raízes longas e finas que ajudam a se estabilizar no lodoso solo do Manguezal, que pode se diferenciar entre três espécies: o Mangue Vermelho, o Mangue Branco e Mangue Amarelo Localização: Manguezal

Ocypode quadrata — Maria Farinha Tem como adaptação, “pernas” e pinças que o ajudam a se locomover na praia, fazendo buracos como sua moradia temporária e seu “esconderijo” contra predadores. Localização: Praia

Ipomea pescapre— Ipomeia Planta característica do ecossistema praia, Suas folhas são interligadas por um caule que a impede de ser levada pela força da maré. Localização: Praia

17 6


Biodiversidade da Ilha do Cardoso

Drosera spatulata — Drósera Planta carnívora que possui como adaptação suas folhas “colantes” que servem de armadilha para a captura de insetos. Localização: Restinga

Dardanus megistos — Ermitão Relação entre o ermitão e uma concha, onde ele se estabiliza e começa a “morar” permanentemente. Localização: Costão Rochoso

Polyporus sanguineus—Orelha de Pau Fungo que uma das formas de sobreviver que ele utiliza é de se “prender“ na árvore de qual retira seu alimento Localização: Restinga

Psidium cattleniaumu — Araçá Planta típica tanto da Mata de Encosta quanto da Restinga. Ela se desenvolve com maior facilidade na Mata, devido ao seu solo fértil e menos na Restinga. Localização: Restinga

18


Biodiversidade da Ilha do Cardoso

Alcantarea imperialis—Bromélia O formato das folhas permite o armazenamento de água e a melhor captação de sol. Localização: Restinga

Plantas Medicinais Nome Popular: Mamica de porca Nome Científico: Zanthoxylum rhoifolium Modo de utilização: Retirar a casca, fazer um chá com o que restou e então tomar banho com o mesmo. Aplicações terapêuticas: Tem a função de mudar a coloração da pele. Ecossistema onde se encontra: Mata de Encosta

Nome Popular: Cipó Cabloco Nome Científico: Davilla rugosa

:

Aplicações terapêuticas: Tem função de “curar” a infecção dos olhos (conjuntivite). Modo de utilização: Retirar a seiva da árvore e aplicá-la nos olhos. Ecossistema onde se encontra: Mata de Encosta 19 6


Especial: Patrimônio Esportivo

As atividades físicas acompanham a humanidade há muito tempo e podem ser observadas em diversas épocas e lugares. Por volta de meados do século XIX, começam a surgir os esportes com suas regras e objetivos definidos, tendo seu ápice com o surgimento dos jogos olímpicos da era moderna em 1896 em Atenas. O esporte não se constitui apenas da prática de atividade física em um determinado espaço físico mediante suas regras, pois carrega sentidos e significados que influenciam nas memórias e identidades de seus praticantes e suas instituições mantenedoras. Podemos através desta discussão colocar o esporte como parte do patrimônio cultural de uma comunidade, pois o conceito de patrimônio se refere a um ou mais bens materiais ou imateriais, produzidos pelo homem ou pela

20

natureza, cuja identificação, preservação e fruição são relevantes para as memórias e identidades das comunidades que estão inseridos (VOGT,2008). Neste ano realizamos a 42ª olimpíada do Lourenço Castanho, onde os alunos praticaram esportes que fazem parte da sua cultura e tivemos, no 7º ano, a alteração de um esporte com a inclusão do dodgebol e a retirada do basquetebol, através da decisão dos próprios alunos. Este fato nos mostra que a manutenção e/ou adaptação dos esportes, faz das olimpíadas internas Lourenço Castanho, um patrimônio cultural da nossa escola.


La Plaza de Cananeia

Al inicio de la colonización de Brasil, la

Elegimos entonces analizar la Plaza

región de Cananeia era una zona de conflicto

Martim Afonso de Souza en la región central

entre Portugal y España, pues en aquella

de Cananeia para observar cuáles de sus

época no se disponía de medios para precisar

características son herencias de la presencia

por donde realmente

pasaba el Tratado de

española en este territorio, puesto que uno de

Tordesillas, línea imaginaria que dividía el

los rasgos más característicos de la cultura

territorio entre Portugal y España.

española

se

puede

comprobar

en

la

arquitectura y función social de sus plazas.

Pocos Árboles y Jardines

Monumento Histórico Iglesia

Suelo con divisiones para comércio Antiguamente había edifícios públicos Función: Espacio público para fiestas y conmemoraciones religiosas, ferias, presentaciones, area de descanso, paseo y diversión. 21 6


Revista eletrônica elaborada por: Beatriz de Souza Bim Chiara Galloni Tedeschi Clara Helena Vicentini Ferreira do Valle Giulia Mariana Napoli Mariana Haddad de Filippo Stefano Luigi Romita Giorgetti Thomas Vasconcelos Andersen Orientação dos professores do 7º ano - 2013

Arte e programação: Rodrigo Lemonica Rosa

Escola Nova Lourenço Castanho Ensino Fundamental II Rua Bueno Brandão, 283. Vila Nova Conceição – São Paulo – SP Fone – (11) 3049-5374

fundamental2@louencocastanho.com.br www.lourencocastanho.com.br



Cultura Ontem, Caiçara hoje