Issuu on Google+

edição 01 | maio 2011

Culinária, cultura e aventura no interior de Goiás

53 anos de história As mãos do passado construindo o futuro


Índice

5

6

10

20

informa 5 Pandin Fique sabendo das novidades da Pandin - lançamentos

de sucesso 16 Histórias Conheça histórias inspiradoras de gente que atingiu suas

B 6 Lado Um pouco de nós para vocês. Nossos funcionários como

na estrada 20 Pé Atenção, senhores passageiros! Embarquem neste portão

Nova linha “Savana” e Força feminina

Oportunidade

de coleções, novos catálogos, eventos, cursos...

metas e alcançou o sucesso profissional.

Seu Jorge, nosso Forrest Gump

Goiás

você nunca viu. Porque todo mundo tem um talento escondido na manga...

para conhecer os cantinhos deste mundão!

10 Capa Aqui você encontra uma matéria especial sobre o tema

um planeta melhor 26 Por Cada um pode fazer sua parte para poluir menos, gastar

vento em popa 14 De Este é o nosso espaço para falar sobre negócios. Vamos

X 28 Diga Aqui você confere as fotos dos nossos eventos. Lembre-

Minhocário doméstico

Avanços tecnológicos na Pandin

em destaque na nossa capa.

menos recursos naturais e preservar o planeta. Vamos descobrir como!

Feng Shui em lojas

Convenção Nacional de Vendas 2011

conversar com especialistas e dar dicas para que sua loja continue indo “de vento em popa”!

se de sorrir, sempre!

Expediente Editoria / Diagramação / Arte Rodrigo Hudson - Trailer Propaganda Jornalista Responsável Sabrina Mendonça Contato R. Anisia Rodrigues, 798 - São Francisco São José do Rio Preto/SP CEP 15086-230 Telefone (17) 3304-4404 e-mail contato@trailerpropaganda.com.br site www.trailerpropaganda.com.br Tiragem 3.000 exemplares Impressão Gráfica São José Pandin Móveis de Aço Av. João Batista Vetorasso, 1539 - Distrito Industrial I - São José do Rio Preto/SP CEP 15035-470 site www.pandin.com.br

Agenda De vento em popa Luiz Netto – Consultor e professor de Feng Shui (11) 3209-4457 www.fengshuidaalma.com.br Pé na estrada CAT – Centro de Atendimento ao Turista – Pirenópolis (62) 3331-2633

w w w. p a n d i n . c o m . b r

Aqui você encontra os contatos das empresas e dos profissionais que fizeram parte desta edição. Assossiação Casa de Cora Coralina (62) 3371-1990 www.casadecoracoralina.com.br Bodega Fantástica (62) 3371-3294 Dali, Sabor e Arte (62) 3372-1640

Ateliê Goiandira do Couto www.goiandiradocouto.com.br

Pousada Estrela Matutina (62) 3331-1566

Balneário Sucuri (62) 9146 5406

Fazenda Babilônia (62) 9294-1805 www.fazendababilonia.tur.br

Pousada dos Pirineus (62) 3331-1345 www.pousadadospirineus.com.br

Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (62) 3455-1116

Portal da Chapada (62) 3446-1820 www.portaldachapada.com.br Por um planeta melhor Physis SDA – Soluções em Desenvolvimento Ambiental (11) 2359-6433 www.physissda.com.br

3 revista pandin | maio 2011


Editorial Antônio Sérgio da Silva Administração

“É com prazer que trazemos até você a primeira edição da nossa revista. Em tempos de avançada tecnologia e relacionamentos virtuais, quase sempre breves e superficiais, queremos garantir que nosso vínculo continue forte e verdadeiro. Como não há tempo para tomar um cafezinho e bater papo olho no olho com cada um de nossos lojistas e representantes, pensamos que esta publicação poderia servir como ponte para diminuir a distância entre a Pandin e seus colaboradores. Neste primeiro número temos dupla comemoração: estamos lançando nossa coleção Savana e completando mais um ano de vida. E é no mês do nosso aniversário que aproveitamos para homenagear um funcionário (pág 6), viajar com você para Goiás (pág 20 ), mostrar fotos dos nossos eventos (pág 28) e muito mais!

Espero que gostem!”

4 revista pandin | maio 2011

www.pandin . c o m . b r


PANDIN INFORMA

Texto: da Redação | Fotos: Trailer Propaganda

Pandin lança nova linha de móveis D

esign contemporâneo e funcionalidade são as características da linha Savana, o mais recente lançamento da Pandin. As novas peças aliam a robustez e a seriedade de um escritório tradicional à modernidade adquirida através da predominância das linhas retas no desenho dos móveis. A espessura das mesas é de 60 mm, maior do que os tampos das outras coleções, e a estrutura é toda em madeira. A linha é novidade, a qualidade é a de sempre.

Linha Savana

Mulheres na linha de produção

Marilza Aparecida Lucas, operando máquina no setor de marcenaria

A

penas na última semana, quatro mulheres se juntaram ao time da empresa, somando forças na produção. Segundo a gerente de w w w. p a n d i n . c o m . b r

RH, Ionara Pandini Magalhães, a admissão de mulheres para esse setor teve início três anos atrás, em caráter de experiência, na marcenaria.

Não demorou para as funcionárias mostrarem seu valor. “Elas são pontuais, assíduas, comprometidas, dedicadas e muito cuidadosas”, elogia Ionara. Ainda não são muitas se comparadas à quantidade de mão de obra masculina - apenas 11 mulheres para 330 homens - mas o número é crescente e significativo. As que assumem os cargos entram recebendo o mesmo salário dos homens e contam com benefícios como cesta básica, vale transporte integral e kit escolar para os filhos. Em troca, oferecem comprometimento e dedicação. São nossas meninas super-poderosas!

5 revista pandin | maio 2011


LADO B

Texto: da Redação | Fotos: Trailer Propaganda

Ninguém corre como o Peixe! Carregar os caminhões com móveis era apenas aquecimento para o funcionário Jorge Alexandre. Seu dia não terminava sem que percorresse, correndo, os 5 km que separavam a empresa de sua casa.

F

az seis anos que o Sr. Jorge se aposentou mas continua se sentindo em casa na Pandin. Chegou cumprimentando um e outro, com seu jeito manso, pronto pra conversar com a gente. Bastou um telefonema na véspera para que ele, bem disposto, concordasse em contar um pouco da sua história. Quase todo mundo da empresa conhece o “Peixe”, como é chamado pelos colegas por ser torcedor do Santos. Mas não foi por causa do seu time que ele ficou tão conhecido, e sim por um hábito que adquiriu, cerca de 25 anos atrás, por motivos de saúde, e do qual não abre mão. Sr. Jorge costumava vestir bermuda e camiseta depois do expediente e voltar pra casa correndo, mesmo tendo transporte gratuito oferecido pela Pandin. Os colegas da expedição, área onde nosso atleta trabalhava, diziam que ele era doido – “todo mundo querendo que desse 5 horas pra ir pra casa descansar e eu ainda ia correr 5 km”, lembra.

Quem vê este senhor atlético não diz que ele já foi obeso. Tudo começou por necessidade: aos 35 anos, Sr. Jorge pesava 108 quilos. “O médico me disse que se eu não desse um jeito na vida eu ia morrer logo”, conta. Como o regime não deu certo, o doutor sugeriu que ele fizesse caminhada para emagrecer. Daí para a corrida foi apenas uma questão de tempo. O tempo de se apaixonar pelo esporte. Hoje em dia, o Sr. Jorge, com 60 anos, nem pensa em diminuir o ritmo, corre 11 km por dia, faça chuva ou faça sol. “Quando acontece algum imprevisto dobro a quilometragem no dia seguinte pra compensar”, afirma, “domingo mesmo eu corri 22 km”. A próxima meta é completar uma corrida de ida e volta à Engenheiro Schmidt, sem descanso. Ele já fez este percurso de 40 km no passado mas ainda não voltou a fazê-lo depois de ser operado de uma hérnia. Alguém duvida que ele consiga?

6 revista pandin | maio 2011

www.pandin . c o m . b r


“A primeira coisa que a gente tem que ter é boa vontade, espírito de luta. Tem que começar e chegar lá!”

“Eu precisei operar e fiquei quase um ano afastado. Fiquei com começo de depressão porque minha vontade era sair correndo operado.”

w w w. p a n d i n . c o m . b r

7 revista pandin | maio 2011


CAPA

Fotos: Trailer Propaganda

Pandin com os pés no futuro Inovações tecnológicas garantem o aumento da produtividade e a diversificação dos nossos produtos Por Fábio José Pandin

PASSADO

comerciais para recebimento de pedidos e envio de dados relativos aos seus clientes. E com relação ao parque fabril, a inovação relativa aos processos produtivos teve o seu “boom” a partir da década de 1990, quando os primeiros equipamentos considerados tecnologicamente avançados na área (com sistemas hidráulicos comandados por computador), começaram a desembarcar no país contando com uma estrutura de suporte nacionalizada já completamente desenvolvida, substituindo os sistemas mecânicos de produção utilizados até então.

D

esde a sua fundação a Pandin Soluções em Ambientes sempre esteve na vanguarda no que diz respeito à inovação tecnológica. Utiliza sistemas informatizados desde a década de 1980, quando já possuía nove computadores para transações administrativas. Foi a primeira a utilizar os serviços da Internet (a partir de 1994) para realizar transferência eletrônica de informações com seus representantes 10

revista pandin | maio 2011

www.pandin . c o m . b r


PRESENTE

de todo sistema de inovação, a dimensão organizacional (processos), a dimensão tecnológica (equipamentos) e a dimensão humana (pessoas), esta última sendo considerada a mais importante, pois foi somente por meio da contribuição de pessoas qualificadas e competentes, ou seja, nossos colaboradores, que conseguimos chegar onde estamos atualmente.

A empresa vem passando, nos últimos quinze anos, por um processo constante de inovação tecnológica (1) tanto em relação aos seus produtos (2), com a introdução no mercado de diversas inovações como novos produtos, novas cores, sistemas completos de montagem dos móveis sem a utilização de parafusos, etc, quanto em relação aos seus processos produtivos (3) por meio da aquisição de novos equipamentos (mais modernos, mais rápidos e mais precisos). Além disso, as inovações também abrangem as tecnologias de processo, como sistemas de movimentação interna de materiais, padronização de operações, sistemas de trocas rápidas de ferramentas e, principalmente, sistemas CAD/CAM (4) (Computer Aided Desing Projeto Assistido por Computador / Computer Aided Manufacturing - Fabricação Assistida por Computador). Este último realiza automaticamente a programação dos equipamentos produtivos de acordo com as dimensões, materiais e operações que forem determinadas durante a etapa de desenvolvimento do produto, ou protótipo, em um ambiente virtual. SEMPRE PRESENTE Toda esta evolução, é claro, só foi possível de ser realizada por meio do entendimento e da integração das três dimensões relativas à análise e implementação

(1) Inovações tecnológicas correspondem à implementação de produtos e processos tecnologicamente novos e/ou aperfeiçoamentos tecnológicos significativos em produtos e processos. Uma inovação tecnológica pode ser considerada implementada se ela foi introduzida no mercado (inovação de produto) ou efetivamente utilizada no processo de produção (inovação de processo). O produto ou processo deve ser novo (ou significativamente melhorado) para a empresa. Não necessariamente tem que ser novo para o mercado da empresa. Atividades de inovação tecnológica são todos os passos necessários para desenvolver e implementar produtos ou processos tecnologicamente novos ou aperfeiçoados.

ser derivados do uso de conhecimento novo. Esses métodos podem ser introduzidos com o propósito de produzir ou distribuir produtos tecnologicamente novos ou aperfeiçoados, que não possam ser produzidos ou distribuídos pela utilização de métodos de produção convencionais, ou ainda podem ser introduzidos para aumentar a eficiência da produção ou distribuição dos produtos existentes. (4) A tecnologia CAD/CAM corresponde à integração das técnicas CAD e CAM num sistema único e completo. Isto signif ica, por exemplo, que pode-se projetar um componente qualquer na tela do computador e transmitir a informação por meio de interfaces de comunicação entre o computador e um sistema de fabricação, onde o componente pode ser produzido automaticamente numa máquina CNC. Podemos dizer que atualmente este conceito de sistema integrado de projeto e fabricação assistido por computador corresponde à ideia da tecnologia CIM (Computer Integrated Manufacturing - Fabricação Integrada por Computador), cuja base tem o propósito de aumentar a produtividade industrial. Toda a base computacional da empresa (cerca de 80 computadores no total) é gerenciada por um conjunto de sete servidores dedicados (cada um dentro de uma função específ ica), os quais funcionam em um regime denominado 24/7 (24 horas por dia, 7 dias na semana), garantindo a integridade, qualidade, conf iabilidade, rapidez e segurança das informações.

(2) Um produto tecnologicamente novo é aquele cujas características tecnológicas, ou uso pretendido, diferem significativamente dos produtos previamente produzidos. Tais inovações podem envolver tecnologias radicalmente novas, ser baseadas na combinação de tecnologias existentes empregadas em novos usos ou ser derivadas do uso de conhecimento novo. (3) Já em relação à inovação tecnológica de processo, a adoção de métodos de produção tecnologicamente novos ou significativamente aperfeiçoados, incluindo métodos de distribuição, constituem seus principais objetivos. Esses métodos podem compreender mudanças em equipamento, ou na organização da produção, ou uma combinação de ambos, e podem w w w. p a n d i n . c o m . b r

11 revista pandin | maio 2011


DE VENTO EM POPA

Texto: da Redação | Fotos: Divlgação

Muito além do cafezinho Especialista em Feng Shui ensina a fazer mudanças no visual da sua loja para atrair clientes

H

á quanto tempo você não pinta sua loja? E aquele vidro trincado, já foi substituído? Que tal uma planta bem bonita pra trazer vida ao lugar? Conversamos com um especialista em feng shui para saber o que pode ser mudado no seu ambiente de trabalho para alavancar suas vendas. Acredite, são dicas fáceis de seguir para o seu negócio ir de vento em popa. Revista Pandin: Muito se fala sobre são representados por formas a utilização do feng shui em casa. e cores dentro dos espaços. É possível utilizar essa técnica no Para melhorar os negócios, um ambiente de trabalho para obter estudo personalizado deve ser Luiz Netto mais harmonia ou até melhoria dos realizado em cima da construção negócios? e do ramo de atividade da empresa ou comércio. A partir disso, pode-se Luiz Netto: Sim, é totalmente equilibrar todos os elementos e, ainda, observar as informações enviadas possível trabalhar com o Feng Shui ao subconsciente retratadas neste ambiente, como quadros, gravuras, cores, em um ambiente comercial ou formas dos móveis e a distribuição destes, a organização, a limpeza e o empresarial, exatamente porque a padrão energético que circula na empresa. ideia do Feng Shui é criar ordem e o correto fluxo das energias dentro de R.P.: Você poderia dar algumas dicas simples para a prática do feng shui no qualquer ambiente. Como o homem, ambiente de trabalho, mais especificamente em lojas? nos dias atuais, se distância dos L.N.: A primeira coisa que devemos atentar é à organização e à limpeza física aspectos naturais, a do local. Tudo deve representar e informar a prosperidade ideia do Feng Shui deste espaço, evitando-se, então, o acúmulo de coisas paradas, “A primeira coisa que é fazer com que o sujas e quebradas. A organização de armários, gavetas, devemos atentar é à homem restabeleça estoques, prateleiras e despensas. A iluminação deve ser organização e à limpeza esse contato através intensa, tanto interna quanto externa, já que produz mais física do local. Tudo deve do equilíbrio entre energia, aumentando e fortalecendo a prosperidade do local. representar e informar a os cinco principais Atenção à fachada e, principalmente, se houver plantas ou elementos jardins. Estes devem ser bem cuidados, adubados, inspirando prosperidade deste espaço.” encontrados beleza e bom gosto, que chamará a atenção de clientes e como matéria prima em todos os pessoas para dentro do estabelecimento. Flores naturais em água, no caixa ou componentes de um ambiente. em algum balcão de atendimento, contribuem para embelezar e, ao mesmo São eles: água, terra, fogo, metal e tempo, filtrar energias adversas. madeira. Se não são matérias primas, 14

revista pandin | maio 2011

www.pandin . c o m . b r


R.P.: Isso poderia atrair mais clientes? L.N.: Sim, porém, a atração de clientes irá depender da sensação de equilíbrio e cuidados com o local. Lógico que não dispensamos um bom atendimento, atenção às necessidades do cliente, bom humor, sorriso e simpatia da equipe para conquistar a clientela. O visual desta equipe também influencia diretamente na impressão que as pessoas têm dos ambientes comerciais, sendo importante atentar ao uniforme, às roupas e aos cuidados de todos os envolvidos no ambiente.

móveis, iluminação, limpeza e jardins também são fatores importantes que fazem com que a imagem do local não seja positiva como desejo para seus consumidores. Locais muito escuros, pouco ventilados, pessoas desanimadas, sujeira e desorganização fatalmente não são lugares que promovem o crescimento e a prosperidade.

R.P.: Existem alguns pontos comerciais que parecem estar fadados ao insucesso, independentemente do tipo de negócio que se pratique ali. Neste caso, pode haver alguma coisa errada com o terreno em si? O feng shui também estuda esse tipo de fenômeno? L.N.: Sim. Quando procuramos um local para construir ou alugar, devemos levar em conta o histórico deste ponto, sendo importante descobrir o tipo de pessoas que estavam no local anteriormente ao aluguel, ou até mesmo o que era o local antes da construção. A terra assimila todas as energias que foram vibradas sobre o solo, fazendo com que estas retornem, vibrando o que foi assimilado. Por exemplo, se uma loja é construída em cima de uma área que R.P.: O que antes era um cemitério, a energia de dor, sofrimento e perda podem ser é vibrada e emanada para as próximas construções, o que irá “Um dos grandes erros eventuais erros dentro de uma loja é escolher produzir problemas no emocional, mental e energético das na organização pessoas que ali convivem. Einstein já dizia que matéria é as mesmas cores dos produtos ou decoração de energia condensada, então tudo o que existe é composto por para estampar paredes e uma loja? átomos, e esses átomos são trocados. Por isso, a necessidade objetos decorativos.” L.N.: Um dos de um estudo mais profundo sobre o local para se criar a cura grandes erros para essas vibrações, transformando o espaço em um local de dentro de uma loja é escolher equilíbrio, crescimento e prosperidade. as mesmas cores dos produtos para estampar paredes e objetos R.P.: A Pandin produz móveis de aço e madeira. Existe alguma característica decorativos. Criar um oposto na específica a ser destacada sobre esses tipos de materiais? opção de cores irá destacar melhor L.N.: O aço, como todo metal, é um elemento forte e resistente. Comparado os produtos. A falta de cuidados com à madeira, não apresenta poros, sendo um elemento de fortalecimento e a estrutura do local, como pintura, condução de energias. Um móvel criado em aço é símbolo de estabilidade e poder para quem o utiliza, pois através de sua resistência, Estudo de ambientes observamos segurança e confiabilidade. Em alguns casos, o metal também pode ser um filtro natural de energias, fazendo com que uma densidade energética seja refinada e o padrão vibracional de quem o utiliza esteja em equilíbrio, produzindo vitalidade.

“Um móvel criado em aço é símbolo de estabilidade e poder para quem o utiliza.” w w w. p a n d i n . c o m . b r

15 revista pandin | maio 2011


HISTÓRIAS DE SUCESSO

Texto: da Redação | Fotos: divulgação e internet

Uma doce enrascada Como um descuido deu origem a um grande negócio

A

lexandre tinha, desde criança, um desejo enorme de ter seu próprio dinheiro. Aos 13 anos conseguiu convencer o dono de um posto de gasolina a deixá-lo calibrar os pneus dos clientes em troca das gorjetas. Dessa forma comprou sua primeira bicicleta. Saiu de lá para ajudar a mãe na empresa de vendas de porta em porta que ela havia montado. Depois de três anos controlando o estoque, separando os pedidos e acumulando experiência neste tipo de negócio, aos 17 anos de idade, resolveu que era hora de partir para a carreira solo. Mas ele não sabia exatamente com que produto iria trabalhar. Queria usar seus conhecimentos e manter o

formato “de porta em porta,” mas não pretendia ser um concorrente da mãe, atuando na mesma área, e oferecendo os mesmos artigos. Foi quando ele se lembrou que, no passado, haviam feito uma tentativa de vender chocolates artesanais mas que não tinha dado certo. Era isso! Ele iria retomar a ideia dos chocolates e tinha que ser rápido pois a Páscoa estava próxima. Procurou, então, por fornecedores de ovos de Páscoa e acabou fazendo um acordo com uma fábrica do bairro do Bom Retiro, em São Paulo. Com a ajuda de cinco vendedoras, percorreu as ruas da zona norte da capital, onde morava, anotando os pedidos que, em poucos dias, ultrapassaram dois mil ovos. Na verdade eram duas mil unidades apenas do ovo de 50 gramas. Além desses, ainda havia muitas outras encomendas de outros tamanhos. Feliz da vida, Alexandre foi até a fábrica para passar os pedidos, foi quando se deparou com o primeiro grande obstáculo 16

revista pandin | maio 2011

da sua carreira. Foi informado de que não fabricavam mais aquele tamanho de ovo. Ele havia usado uma tabela antiga e simplesmente não checou com o fornecedor se o produto ainda constava no catálogo. Não entregar os chocolates seria prejudicar sua imagem logo no começo do empreendimento. Além disso ele não queria comprometer o negócio da mãe – muitos clientes o conheciam da época em que ele a ajudava. Ou seja, deixar de honrar os pedidos estava fora de cogitação. Ele passou dias procurando outros fornecedores mas todos já estavam com seus estoques desfalcados devido à proximidade da Páscoa, e era essa proximidade que o deixava cada vez mais nervoso. No auge da ansiedade um encontro mudou o rumo dessa história que www.pandin . c o m . b r


parecia fadada a uma derrota precoce. Em uma loja atacadista conheceu uma senhora, doceira artesanal, que ouviu sua conversa e sugeriu que ele mesmo fizesse os ovos. Parecia simples, mas até então, ele não havia pensado naquilo! Além do conselho, Dona Cleusa ofereceu sua própria cozinha e utensílios para que o jovem, sem conhecimento prévio algum, fabricasse dois mil ovos de chocolate. Foram dias e noites de trabalho intenso, mas nenhum cliente ficou sem receber sua delícia de Páscoa. O rapaz pagou a dívida que havia

feito com o tio, para a compra dos ingredientes e embalagens, e teve um lucro de 100% nesta sua primeira empreitada. Mais do que encontrar a solução para um problema, Alexandre Tadeu da Costa encontrou um caminho para sua vida. No ano passado ele comemorou a abertura da milésima loja da sua marca, a Cacau Show. Como é de se imaginar, não são poucas as histórias e as dicas que o empresário, generosamente, costuma dar. Em seu livro “Uma Trufa e... 1000 lojas depois” (Editora Alaúde, 192 páginas, 19,90 reais) ele compartilha suas experiências com o leitor que, surpreso, receberá uma verdadeira e apaixonada aula de administração. Ele destaca, por exemplo, a importância de reinvestir os lucros para não deixar o negócio morrer. “ Claro que eu tinha vontade de usar o dinheiro para comprar coisas que todo adolescente aprecia, como roupas ou tênis”, explica, mas sabia que, sem capital de giro, a única saída seria fazer outro empréstimo, e isso ele não queria. Aliás, aquele emprétimo do tio foi o primeiro e único feito por Alexandre em toda história da empresa. “ Na Cacau

Show, o fato de não termos dívidas nos ajuda a identificar e tirar proveito de boas oportunidades”, orgulha-se. Entre outras lições, o empreendedor ensina, a partir da própria experiência, a reduzir custos. “A soma das pequenas economias faz diferença”, afirma ao lembrar da ocasião que propôs ao dono de uma loja de chocolate em barra que vendesse os artigos quebrados a ele pela metade do preço. Foi um bom negócio para as duas partes já que o chocolate quebrado perdia completamente seu valor de mercado mas servia para ser derretido. Hoje em dia, Alexandre produz sua própria matéria prima e tornou-se um expert em avaliar a qualidade do cacau. “Tornei-me um estudioso compulsivo do produto que fabrico”, diz. As sete estrelas do logo da empresa se transformaram em sete bases do negócio de sucesso de Alexandre: Visão, Disciplina, Pés no Chão, Aprendizado, Inovação, Valorização das Pessoas e Paixão. Capítulos imperdíveis deste livro que merece ser lido com atenção e pequenas pausas para degustação de trufas, bombons e outras tentações. Que seu exemplo nos inspire!

Alexandre Tadeu da Costa nasceu no dia 5 de novembro de 1970, em São Paulo, e teve uma infância livre e feliz na Casa Verde, bairro da Zona Norte da cidade. Foi lá que, inspirado pelo trabalho da mãe, ele iniciou a Cacau Show, que se tornou a maior franquia de alimentação do Brasil e a maior rede de chocolates do mundo em número de lojas. Este livro celebra a abertura da milésima unidade da franquia e descreve em detalhes as dificuldades e aprendizados do empreendedor ao longo do caminho. w w w. p a n d i n . c o m . b r

17 revista pandin | maio 2011


PÉ NA ESTRADA

Texto: Sabrina Mendonça | Fotos: Arquivo pessoal

Viajar é sair de si mesmo. É abrir espaço para novas experiências e encarar as diferenças. Novos ares, novos povos, outras culturas. Seja longe ou pertinho, de ônibus ou de avião, pra descansar ou se esbaldar. Porque é preciso sair de si para se ver ao entrar.

As delícias do Cerrado N

em só de praias vive nosso Brasilzão. Que tal uma viagem por duas cidades históricas com direito a banho de cachoeira, comidas típicas e festas populares? Goiás tem muito a oferecer aos turistas que gostam das coisas boas e simples da vida.

significa desânimo! As festas populares são um dos atrativos da cidade e reúnem milhares de visitantes o ano todo. Uma das manifestações mais expressivas é a encenação das Cavalhadas, que acontece durante a Festa do Divino, cerca de 40 dias após a Páscoa, e envolve moradores de toda a redondeza. De origem portuguesa, o evento representa as batalhas travadas entre cristãos e mouros durante a ocupação da Península Ibérica. Nos três dias de festa dois exércitos, com 12 cavaleiros cada um, se enfrentam em um campo de batalhas, em uma espécie de coreografia, com cavalos e homens ricamente adornados. Antes do início dos combates, que acontecem à tarde, surgem na cidade os grupos chamados de “Mascarados”. Com os rostos cobertos por máscaras, que são verdadeiras obras de arte do artesanato popular, e as vozes disfarçadas, eles estalam chicotes, mexem com as pessoas (que geralmente são seus conhecidos) e tentam não ter suas identidades

PIRENÓPOLIS Quem busca contato com a natureza pode começar pela charmosa Pirenópolis e correr o risco de querer ficar somente lá. Situada a 120 km de Goiânia e 140 km de Brasília, essa cidade tem cerca de 23.000 habitantes e está na região denominada Cerrado. Não tenha pressa ao percorrer suas ruas de paralelepípedo. Observe as casas antigas, de estilo colonial, as crianças brincando nas praças, como se fazia antigamente, o caminhar tranquilo de quem vive em outro ritmo. Mas não pense que toda essa paz 20 revista pandin | maio 2011

www.pandin . c o m . b r


descobertas. Uma farra para as crianças e turistas que se surpreendem com a criatividade e simpatia dos locais. Um espetáculo a parte é a Banda de Couros, formada por um saxofonista e vários meninos que tocam tambores rústicos, de couro. Eles saem às ruas às quatro da manhã executando cantigas melodiosas e avisando a população, e principalmente os cavaleiros, que é chegada a hora de se levantar, arriar os cavalos e dirigir-se ao ensaio. Mesmo que você não tenha ânimo para encarar um programa neste horário, deixese acordar pelo som contagiante e primitivo dos tambores e volte a dormir, juntando forças para a programação do dia seguinte. Para começar o dia, nada melhor do que um farto café da manhã seguido de um banho de cachoeira refrescante. Há tantas quedas d´água na região que dificilmente se encontra alguém que saiba dizer exatamente quantas são. Digamos, que são dezenas, e de todos os tipos - caudalosas, desafiadoras, repletas de piscinas ou perfeitas para a prática de rapel. Além disso, os rios daquela área são templos dos ecoturistas, pois permitem a prática de rafting e bóia cross, em diferentes níveis de dificuldade. Os guias locais, geralmente indicados pelas pousadas ou pelo CAT (Centro de Atendimento ao Turista), Cachoeira do Abade poderão ajudá-lo a escolher o melhor roteiro para cada ocasião.

OS MASCARADOS Não se sabe ao certo a origem deste personagem, encontrado em todas as cavalhadas do Brasil. É possível que represente o povo, que não tem acesso a pompa dos cavaleiros (representantes da elite e do poder). Irônicos e debochados, saem às ruas montados a cavalo ou a pé, fazendo algazarra, numa manifestação de alegria. Entre eles não há regras - tudo é permitido, menos mostrar sua identidade. As máscaras mais comum são as de boi, onça, macaco e demônios.

w w w. p a n d i n . c o m . b r

21 revista pandin | maio 2011


PÉ NA ESTRADA GOIÁS A cidade de Goiás (conhecida também como Goiás Velho) foi a capital do estado até meados de 1930. Ganhou o título de “Patrimônio Cultural da Humanidade” (concedido pela Unesco) em 2001 e, nos últimos anos, passou por diversas reformas para manter o aspecto colonial. A sensação que se tem, andando pelas ruas, é de que se está em um set de filmagens. A melhor forma de conhecer a cidade é a pé, com tempo para percorrer as ruelas do centro, que escondem restaurantes simples, mas de sabor muito especial, e as lojas de artesanato. Os artesãos locais produzem principalmente itens de barro como panelas, potes, luminárias e Empadão goiano vasos de diferentes tipos. Algumas das lojas são extensões dos ateliês e quem for curioso pode acompanhar a feitura das peças que geralmente ocorre de forma bastante tradicional, em família, com forno no quintal. Ainda a pé, procure a “Casa Velha da Ponte” (Rua Dom Cândido, 20 – Centro) e visite a residência secular que pertenceu à escritora Cora Coralina. Emocione-se com a doce simplicidade da morada onde hoje há um museu sobre as obras da poetisa que publicou seu primeiro livro aos 76 anos de idade. A casa é em si um museu vivo da arquitetura e da vida interiorana. Bem ao lado fica a Bodega Fantástica (Rua Dom Cândido, 26) – vale a pena fazer uma pausa para um capuccino com crepe neste local que é uma mistura de loja, cafeteria e teatro. Os sabores regionais são o diferencial: frango com pequi, carne com guariroba, goiabada com queijo, milho verde, caju, entre outros. Outra opção para um lanche rápido é o delicioso empadão goiano, encontrado em quase todos os restaurantes

da cidade, inclusive no aconchegante Dali, Sabor e Arte (Rua 13 de maio, 26 – Centro). De lá siga para o ateliê da artista plástica Goiandira do Couto (Rua Joaquim Bonifácio, 19) que aos 95 anos ainda trabalha em suas telas utilizando nada mais do que... areia! Ela desenvolveu uma técnica de pintura com 551 tonalidades naturais de areias encontradas na Serra Dourada. Por sua exclusiva forma de arte, Goiandira ficou conhecida internacionalmente. Se o dia estiver muito quente, corra para o Bar do Coreto (Praça do coreto) e peça um picolé de alguma fruta do cerrado – castanha de baru, cajamanga, murici, mangaba... mas, se você tiver tempo para se refrescar de verdade, talvez seja hora de procurar um dos balneários próximos à cidade. O Balneário Sucuri fica na saída para Goiânia e é uma ótima opção de lazer. Relaxe nas pequenas quedas d´água e aproveite para alimentar os peixes nas piscinas naturais. Não deixe que o dia acabe sem uma taça de vinho. À noite as temperaturas caem e ficam perfeitas para uma caminhada sob a luz da lua.

Balneário Sucuri

22 revista pandin | maio 2011

Para saber mais: www.pirenopolis.com.br www.cidadedegoias.com.br www.casadecoracoralina.com.br www.goiandiradocouto.com.br www.pandin . c o m . b r


Programe-se Todos os anos, no mês de junho, a cidade de Goiás abre suas portas para milhares de cinéfilos. É quando acontece o FICA – Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental. Além da mostra competitiva, os visitantes contam com uma série de atividades paralelas, incluindo shows musicais, oficinas de arte, debates e exposições. Este ano o evento acontece de 14 a 19 de junho. Mais informações podem ser obtidas através do site www.fica.art.br.

Casa de Cora Coralina

Dica do Representante

w w w. p a n d i n . c o m . b r

O passeio mais tradicional é o Parque Nacional, com três opções de trilhas, contando com guias no Quedas Meia Lua local. Essas trilhas variam de 9 a 15 km. Outro lugar que não pode deixar de ser visitado é o Vale da Lua, que possui formações rochosas que lembram a superfície desse satélite. Simplesmente encantador...”

Eduardo Henrique Moreno Ativa Representações Representante Pandin no estado de Goiás

Vale da Lua

“Pirenópolis conta com o centro da cidade bem agitado durante a noite com várias opções de restaurantes. A Pousada dos Pirineus é a mais estruturada, porém fica um pouco afastada da cidade; uma boa dica seria a Pousada Estrela Matutina, com boa infraestrutura, preço acessível e perto do centro. A cachoeira do Abade é a mais tradicional, mas uma das mais bonitas, na minha opinião, são as quedas da Meia Lua - conta com uma sequência de três grandes quedas, muito lindo. Não posso deixar de falar da Fazenda Babilônia, muito rica culturalmente e é um passeio que vale a pena. Ainda no estado de Goiás, recomendo a Chapada dos Veadeiros que engloba a cidade de Alto Paraíso (cidade central), Cavalcante e o vilarejo de São Jorge. Uma boa dica de hospedagem é o Portal da Chapada, que fica entre Alto Paraíso e São Jorge, dando fácil acesso aos passeios, além do próprio local contar com trilhas maravilhosas, infraestrutura preparada para camping e aconchegantes chalés.

23 revista pandin | maio 2011


POR UM PLANETA MELHOR

Texto: da Redação | Ilustração: Trailer Propaganda

Minhocas! O novo bicho de estimação Nossas aliadas na hora de reciclar o lixo orgânico

J

á estamos acostumados a reciclar papel, vidro, plástico e metal. Mas o que fazer com os restos de alimentos, o resíduo orgânico, que produzimos diariamente? A casca da banana, o resto da salada e aquele legume que estragou podem parecer inofensivos mas, somados às sobras do resto da população, geram um problema ambiental. Dados do Ministério da Agricultura revelam que o Brasil produz 144 mil toneladas de lixo orgânico todos os dias. Esse

resíduo vai para os aterros e lixões e acaba contaminando os lençóis freáticos, comprometendo a qualidade do nosso solo e dos nossos rios. Ajudamos muito quando diminuímos a quantidade de detrito que enviamos, através da coleta da prefeitura, para esses locais. Para isso, a solução pode ser simples e barata. Transforme as sobras de alimento da sua casa em adubo da melhor qualidade!

Como construir um minhocário doméstico: (Consultoria: Physis SDA)

MATERIAIS: - Uma caixa de plástico grande, com tampa, tipo “caixa organizadora” (cerca de 70 cm x 25 cm x 25 cm); - Quatro ralinhos “japoneses” de pia (cerca de 7 cm cada um); - Caneta para fazer marcações na caixa; - Faca com cabo de madeira; - Fita adesiva tipo silver tape; - Tesoura; - Dois copos americanos cheios de minhocas do tipo eisenia fetida (nome popular: vermelha da califórnia); - Um pouco de terra.

26 revista pandin | maio 2011

www.pandin . c o m . b r


MODO DE FAZER: 1. Use um dos ralos e a caneta para marcar os locais onde serão feitos os furos. Faça duas marcas na tampa, em diagonal, e duas na caixa, em lados opostos. Esses furos facilitarão a circulação de ar evitando o mal cheiro. 2. Esquente a parte metálica da faca no fogo e fure a caixa e a tampa conforme as marcas que foram feitas. 3. Use o silver tape para fixar os ralinhos de pia nos buracos. Com a tesoura, corte a fita na parte central de forma que haja circulação de ar pelos ralos. A estrutura está pronta! 4. Coloque as minhocas na caixa, junto com a terra e, em seguida, coloque os restos de alimentos da sua residência. Deixe-a em um local arejado e protegido do sol (as minhocas não gostam de claridade). Evite incluir restos de carne, arroz, feijão e derivados de animais. Dê preferência para restos de frutas, verduras e legumes, cortados em pequenos pedaços ou triturados. MANUTENÇÃO: - Chacoalhe a caixa uma vez por semana para que não se forme o chorume; - O humus se formará em cerca de dois a três meses da data inicial do seu minhocário. Ele tem um aspecto parecido com o da terra e já pode ser usado para adubar as plantas do seu jardim ou vasinhos da casa. Quando ele estiver pronto, retire-o da caixa mantendo as minhocas. Desta forma você poderá recomeçar todo o processo. Quem não tiver muita habilidade, ou preferir uma estrutura que comporte uma grande quantidade de lixo, pode adquirir um dos modelos encontrados no mercado. Geralmente eles são compostos por três caixas empilhadas e já vem com as minhocas.

Quem produz: Morada da Floresta: (11) 4159-6888 e 9652-1955 / www.moradadafloresta.org.br Minhocasa: (61) 4141-2766 / www.minhocasa.com.br Mais com menos: www.maiscommenosloja.net w w w. p a n d i n . c o m . b r

27 revista pandin | maio 2011


DIGA X

Convenção Nacional de Vendas 2011 N

ossa 11ª Convenção de Vendas aconteceu no dia 6 de janeiro deste ano, no Ipê Park Hotel de São José do Rio Preto. O encontro, batizado de Super Vendedor Pandin, foi a oportunidade de avaliarmos os resultados

alcançados no período e definir as novas metas. Nossos representantes comemoraram seu desempenho ao som sertanejo da dupla Fernando & Rafael.

1

2

6

3

4

5

7

8

9

1- Equipe de representantes / 2- Luiz Ribeiro, Rodrigo e André Ribeiro / 3- Carlos Alberto, Tiago e Antônio Sérgio / 4- Raimundo Lira, Ana Lúcia e Márcio / 5- Lupércio, Ana Lúcia e Márcio / 6- Walmiro, Antônio Sérgio e Iris / 7- Luís Fernando, Rodrigo e Odemir / 8- Eduardo e Antônio Sérgio / 9- Antônio Sérgio e Osmar

28 revista pandin | maio 2011

www.pandin . c o m . b r


11

12

10

13

14

17

15

16

18

19

20

21

10- Jutay e João Lopes / 11- Sérgio Cercal, Antônio Sérgio e José Pandim / 12- Ricardo, Ângela, Luís Fernando e Antônio Sérgio / 13- Cristina, Sérgio Cercal, Roberclei e Jutay / 14- Jared, Hícaro, Edson, Valdemir, Rose, Rodrigo, Odemir, Rodrigo e Osmar / 15- André Ribeiro, Antônio Sérgio e Luís Ribeiro / 16- Antônio Sérgio e Fernando / 17- Valdemar e Antônio Sérgio / 18- José Carlos, filha, neto e Antônio Sérgio / 19- Palestra motivacional com Alexandre Bernardo / 20- Show com a dupla Nando e Rafael / 21- Equipe de representantes em confraternização

w w w. p a n d i n . c o m . b r

29 revista pandin | maio 2011



Revista Pandin 1ª edição