Page 1


Olá, chamo-me Diogo Rocha e sou licenciado em Estudos de Arquitectura pela Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto e encontro-me a finalizar o Mestrado em Arquitectura na mesma Faculdade do Porto. Neste momento, estou a realizar um intercâmbio curricular na Faculdade de Arquitectura e Urbanismo na Universidade de São Paulo por dois semestres, ao abrigo de um Protocolo entre estas duas Universidades. A minha formação na Faculdade de Arquitectura do Porto, bem como esta recente experiência em São Paulo, permitiram-me adquirir competências, práticas e técnicas na elaboração e no pensamento de um projecto, desde a fase conceptual até à elaboração do projecto de execução. A grande incidência do curso de Arquitectura na Faculdade de Arquitectura do Porto sobre temas como o desenho, conceito e construção, permitiu-me desenvolver capacidades de comunicação e de crítica. Nos últimos anos, tive a oportunidade de efectuar estágios profissionais, nomeadamente na “Oval Arquitectura”, no “Ilídio Ramos Arquitectos”, e no “ Rodapé Arquitectos”, onde colaborei na elaboração de projectos, nas mais diversas áreas e fases, desde o equipamento público até à habitação unifamiliar, bem como, desde o lançamento da ideia até ao projecto de execução.

Desta forma, esta aproximação e experimentação do mercado de trabalho permitiu-me completar a minha formação académica com as exigências e demandas da produção arquitectónica no contexto empresarial, onde o trabalho em equipa, o rigor, empenho e responsabilidade têm de ser rapidamente adquiridos para garantir a qualidade do projecto final. A minha vinda para São Paulo está relacionada com o meu interesse por contextos sociais e económicos e pessoas com formações diferenciadas de forma a desenvolver o meu método de trabalho através da abertura de horizontes que este tipo de experiências permitem. Estou, por isso, interessado numa oportunidade para descobrir novas visões e formas de fazer, enquanto contribuo com as minhas capacidades para um intercâmbio de experiências.


ESTÁGIOS

FORMAÇÃO

2011 > Colaboração no escritório de arquitectura "Rodapé Arquitectos Ltd", no desenvolvimento de vários projectos, nomeadamente no de um Hotel no Rio Douro, em Resende, Portugal, bem como no Museu da Moda na baixa Ribeirinha do Porto. 2009 > Participação no gabinete de arquitectura "Ilidio Ramos Arquitectos" na elaboração do projecto de execução de duas Moradias Unifamiliares na região de Ponte de Lima, Portugal. 2008 > Desenvolvimento de um Hospital Geriátrico e Centro de Dia para Idosos em Resende, Portugal, no escritório "OVAL Arquitectura e Engenharia".

2011 > Início do segundo ano do Mestrado em Arquitectura na Faculdade de Arquitectura e Urbanismo da Universidade de São Paulo/Brasil, no âmbito do Protocolo existente entre a Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto e a Faculdade de Arquitectura e Urbanismo da Universidade de São Paulo/Brasil. 2010 > Mestrando em Arquitectura na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto. 2009 > Licenciatura em Estudos de Arquitectura com média de 14 (em escala de 0-20), pela Faculdade de Arquitectura do Porto, com foco especial na matéria de Projecto de Arquitectura com média de 16,5 (em escala de 0-20). 2006 > Entrada no primeiro ano de Arquitectura na Faculdade de Arquitectura do Porto com nota de candidatura de 19,45 (em escala de 0-20).


FORMAÇÃO COMPLEMENTAR 2011 > Participação no programa de voluntariado “Um Teto para o Meu País” 2010 > Eleição para a exposição “Anuária”, relativa aos melhores projectos da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto. 2008 > Colaboração com a Ordem de Arquitectos da Secção Regional Norte na exposição “Concreta”. 2007 > Membro da Associação de Estudantes como responsável pelo departamento Cultural. 2005 > Certificate in Advanced English (CAE) pela University of Cambridge 2004 > Ao abrigo do programa Sócrates fez um intercâmbio entre a escola que frequentava e outra localizada em Praga, República Checa. 2003 > First Certificated in English pela University of Cambridge. ArchiCAD, AutoCAD, Adobe Ilustrator, Adobe Photoshop, Rhinoceros, Sketchup.


PARAÍSOPOLIS

SP

DATA > 2011 TIPO > Edificio de habitação de baixa renda ARQUITECTO ORIENTADOR > Oeste Bartolli Junior MEMÓRIA > Foi pedida a construção de um edifício de habitação de baixa renda com apartamentos de 80m2 num máximo de dois por piso. Para o piso térreo é pedido que possua os equipamentos necessários para albergar os mais variados programas. No centro da grande São Paulo, a favela de Paraísopolis teve um desenvolvimento autista em relação à restante cidade marcando claramente as suas fronteiras. O projecto insere-se assim, no processo de diluição de fronteiras através da hierarquização das construções e da abertura de novos espaços que dão lugar a novas construções das quais se espera que qualifiquem e organizem tanto as formas de habitar como as relações estabelecidas entre edifício e espaço público. Na tentativa de gerir as necessidades programáticas a proposta divide-se em dois volumes sobrepostos, mas desfasados, criando e reinventando as dinâmicas de espaço público em duas cotas diferentes.

O projeto valoriza a relação exterior/interior integrando percursos e caminhos para que não exista uma alienação desta tipologia à existente no resto da favela. O acesso aos apartamentos é, por isso, feito através de galerias exteriores, que funcionam como uma extensão da rua até à porta de cada apartamento promovendo o encontro. Na cobertura desenvolve-se um pátio ladeado por bancos, propondo uma nova percepção do território, até aqui desconhecida, de forma a dar a compreender as novas dinâmicas de funcionamento e de relação entre favela e cidade.


< PLANTA DE COBERTURAS 1/1000

PLANTA PISO TÉRREO 1/200 >

PLANTA PISO TIPO 1/200 >

ALÇADO SUL 1/400 > < ALÇADO NORTE 1/400


< ALÇADO INTERIOR 1/100

CORTE TRANSVERSAL 1/10 > 1 - Lajetas de concreto pré-fabricado 40mm 2 - Pés regulaveis 3 - Tela PVC 4 - Argamassa regularização 20 mm 5 - Camada de forma em concreto leve 2% pendente 6 - Caixilho Vitrocsa duplo carril em aço inox 7 - Rufo em zinco 8 - Tela PVC 9 - Pré-aro em aço 10 - Parede em concreto armado 200 mm esp. 11 - Cantoneira metálica 20 x 20 mm 12 - Reboco de cal de acabamento branco 20 mm 13 - Soalho tipo inglês em madeira de pinho 25 mm esp. 14 - Calço em madeira 30 mm alt. 15 - Argamassa de regularização 20 mm 16 - Camada de forma em betão leve 4 mm 17 - Manta de polietileno 18 - Microbetão endurecido polido 40 mm 19 - Tela PVC 2 mm esp. 20 - Manta geotextil sobre tela dernante do tipo 'ENKADRAIN' 40 mm esp. 21 - Pintura asfaltica 22 - Caixa de brita 23 - Dreno de 100 mm diametro

1

2

3

4

5

6 7 8 9 10

11 12

14 13 15 16 17

< PLANTA TIPO 1/100

< ALÇADO NASCENTE 1/250 < CORTE TRANSVERSAL 1/250

23 22 21 20 19 18


CAMPO ALEGRE PORTO DATA > 2011 TIPO > É pedida a construção de um edificio de caracter cultural caracterizado pela versatilidade de usos podendo albergar todo o tipo de eventos culturais. ARQUITETO ORIENTADOR > João Pedro Serôdio MEMÓRIA > Pretende-se a construção de um edifício, de geometria complexa num terreno perto da margem ribeirinha do Porto, numa situação privilegiada que gerará cerca de 6000 m2 de área interior. No coração da cidade, mas ao mesmo tempo numa área que o crescimento foi esquecendo, mantendo a memória de um Porto antigo apenas marcado pelo vizinho da Faculdade de Arquitectura que parece sempre ter existido. É proposta a construção de um centro do conhecimento, que tem na sua génese a capacidade e flexibilidade de resposta às exigências das novas necessidades de um espaço cultural identificado com as pessoas. Entre a Faculdade de Arquitectura e a paisagem ribeirinha, a proposta surge como um movimento único, tentativa de agarrar o terreno, gerindo a sua complexidade.

Tocando de uma forma sensível na envolvente e com apenas dois pisos, o centro do conhecimento apresenta uma imagem maciça e continua, em betão aparente, quebrada pelo percurso de entrada, remate do muro de suporte. Este percurso, fisicamente exterior mas pontualmente interiorizado, sintetiza a génese da proposta: o conjunto das distribuições acontece por meio de espaços largos, de estar, e espaços de aperto, de percorrer, fluido através de geometrias ousadas e inesperadas, acompanhando o jogo entre estrutura e arquitectura numa relação indissociável, onde a definição geometricamente clara de um grande foyer resolve o acesso a todos os programas. O volume apoia-se numa grande massa de betão, como se fosse uma matéria natural, legando plasticidade à cobertura, envolvendo-se com os elementos naturais que o rodeiam, integrando uma realidade que pareceu sempre sua.


< PLANTA DE COBERTURAS 1/3000 PLANTA PISO DE ENTRADA 1/750 >

< ALÇADO SUL 1/750

ALÇADO POENTE 1/750 >


< PLANTA PISO INFERIOR 1/750 PLANTA PISO DE SERVIÇOS 1/750 >

CORTE LONGITUDINAL 1/500


< MODELO TRIDIMENSIONAL CORTE TRANSVERSAL 1/20 >

1 - Lajetas de betão pré-fabricado 150mm 2 - Murete em bloco de betão 3 - Poliestireno extrudido 'Wallmate Dow' 80 mm esp 4 - Chpas quinadas de zinco 5 - Tela PVC 6 - Argamassa regularização 20 mm 7 - Camada de forma em betão leve 1% pendente 8 - Parede portante de betão armado 350mm 9 - Parede de revestimento em betão armado 200mm 10 - Caixilho fixo em perfis de aço 11 - Rufo em zinco 12 - Pré-aro em aço 13 - Tela PVC 14 - Terra Vegetal 15 - Caixa de brita 16 - Pintura asfaltica 17 - Manta geotextil sobre tela dernante do tipo 'ENKADRAIN' 40 mm esp. 18 - Dreno de 100 mm diametro 19 - Viga de corte térmico HIT - Halfen 20 - Microbetão endurecido branco polido 80 mm 21 - Pré-aro em aço 22 - Caixilho Vitrocsa duplo carril em aço inox

CORTE TRANSVERSAL 1/300


1 2 3 4 5

6 7

8 9

10

11 12 13

19

15 16 17 22 21 20


ALDOAR

PORTO

DATA > 2010 TIPO > Edificio de havitação colectiva ARQUITECTO ORIENTADOR > Marta Rocha MEMÓRIA > É proposta a elaboração de um plano urbano para uma área esquecida na cidade, mas no seu coração, em Aldoar, Porto. O plano previa a criação de um parque verde de 25 000 m2 e a construção de diferentes edifícios de habitação que deveriam comportar diversas tipologias, desde 1 dormitório até 4. A presença do parque verde pressupõe a necessidade de rematar o tecido urbano de forma a gerar uma fronteira que crie as dinâmicas necessárias entre natural e construído. Assim, o edifício é disposto na longitudinal e o piso térreo ocupado com comércio. São colocados dois corpos paralelos, que se encontram gerando nesse momento as tipologias com mais dormitórios. Esta opção permite também distanciar a construção da frente do cemitério, marcando assim a sua entrada.

Desde o conceito até à exactidão do detalhe construtivo foi explorado o carácter mutável da arquitectura. Uma fachada eminentemente metálica que através dos seus brilhos e reflexos adquire ao longo do dia diferentes sombras e formas estabelecendo uma relação dialéctica com o parque verde.


< PLANTA DE COBERTURAS 1/3000 PLANTA PISO TÉRREO 1/600 >

ALÇADO SUL 1/250


< PLANTA 1ยบ PISO 1/600 PLANTA PROMENOR 1/600 >

< PLANTA 2ยบ PISO 1/600 PLANTA PROMENOR 1/600 >

< PLANTA 2ยบ PISO 1/600 PLANTA PROMENOR 1/600 >

VISTA INTERIOR >


< PLANTA DE PROMENOR 1/20 CORTE TRANSVERSAL 1/20 >

1 2 3 4 5 6 7

1 - Capeamento de zinco 2 - Presilha 3 - Tela pitonada 4 - Poliestireno extrudido tipo 'roofmate dow' 80 mm esp. 5 - Tela PVC 6 - Argamassa regularização 20 mm 7 - Chpas quinadas de zinco 8 - Perfil metálico tipo HEB 300 x 300 mm com abas cortadas 9 - Guarda de aço galvanizado quadriculado de perfil 50 x 50 mm 10 - Terra Vegetal 100 mm 11 - Geotextil 12 - Losa filtron 40 mm esp. 13 - Poliestireno extrudido tipo 'roofmate dow' 80 mm esp. 14 - Tela PVC 15 - Camada de forma em betão leve 1% pendente 16 - Barreira pára-vapor 17 - Laje em betão armado 18 - Caixilho Tchnal série GK 'porta duas folhas monocarril em aço inox 19 - Perfil 'L' em aço inox 20 - Chapa em aço inox 21 - Painel em chapa ondulada 22 - Portada de correr em chapa ondulada 23 - Soalho tipo inglês em madeira de pinho 25 mm esp. 24 - Caixa de cortiça triturada 30 mm alt. 25 - Calço em madeira 30 mm alt. 26 - Argamassa de regularização 20 mm 27 - Camada de forma em betão leve 8 mm 28 - Manta de polietileno 29 - Cantoneira metálica 20 x 20 mm 30 - Reboco sintéctico tipo 'ETICS' 31 - Poliestireno extrudido 'Wallmate Dow' 60 mm esp. 32 - Bloco de betão 200 mm 33 - Argamassa de regularização 5 mm esp. 34 - Gesso cartunado tipo 'Knauf' 15 mm esp. 35 - Grampo metálico 36 - Esteira de aço galvanizado quadriculado de perfil 50 x 50 mm 37 - Betonilha armada 38 - Enchimento em betão leve 39 - Enchimento em tout venant 40 - Isolamento térmico de celulose tipo 'Thermo-Hemp' 41 - Terra Vegetal 42 - Manta geotextil sobre tela dernante do tipo 'ENKADRAIN' 40 mm esp. 43 - Caixa de brita 44 - Dreno de 200 mm diametro 45 - Microbetão endurecido 50mm esp. 46 - Pintura asfaltica 47 - Betão de limpeza 50 mm esp. 48 - Tela betonítica 49 - Betão de limpeza 50 mm esp.

9

23 24 25

10 11 12 13 14 15 16

26 27 28

29 30 31 32

18 19 20 21

33 34

22

35 36

37 38 39 40

41 42

47 48 49

< CORTE TRANSVERSAL 1/200

8

43 44 46 45


DIOGO DE SOUSA MONTEIRO DA ROCHA RUA DONA ANTÓNIA DE QUEIRÓS 462 APTO161 01307 - 010 - CONSOLAÇÃO SÃO PAULO ROCHASDIOGO@GMAIL.COM (11) 84169738


PORTFOLIO  

Portfolio de Arquitectura

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you