Page 1


| AVIAÇÃO MILITAR |

O que vem pela

frente

João Paulo Moralez

18 TECNOLOGIA & DEFESA


Fotos: Divulgação

Mais de 160 Saab Gripen C/D estão hoje em operação no mundo, nos continentes europeu, asiático e africano. A Saab, porém, possui uma visão de longo prazo para o caça multifuncional de pequenas dimensões que se destaca no cenário operacional mundial pelo seu desempenho, capacidade de carregar carga bélica e tecnologia embarcada

inco são hoje os operadores dos caças suecos Gripen C/D – África do Sul, Hungria, República Tcheca, Suécia e Tailândia. Destes, alguns já estão modernizando ou ampliando a capacidade de combate da sua frota. Desde que recebeu os caças a partir de 2005, os 14 Gripen C/D da República Tcheca cumpriam fundamentalmente as missões de interceptação e combate aéreo. Entretanto, através de um contrato assinado em 2018, o país ampliou a capacidade de emprego ar-solo através do software MS20, integrando os aviões com o Link 16 do padrão da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), além de compatibilizar o pod de reconhecimento e designador laser Rafael Litening 4i. Assim, a República Tcheca poderá empregar um leque considerável de armamentos guiados e de precisão. De fato, o Gripen foi projetado pela Saab para receber pequenas modernizações como forma de mantê-los atualizados diante da rápida evolução tecnológica de sensores, sistemas e para fazer frente às novas ameaças que surgirem no teatro de operações moderno. A Hungria foi outra nação que decidiu pela atualização dos seus aviões através de um pacote de modernização assinado em maio de 2018, passando a empregar o software MS20 que, no caso, incluiu o sistema de comunicação, de aquisição de alvos, de contramedidas eletrônicas, de proteção entre outros detalhes. O programa será concluído até 2020. A África do Sul, segundo maior operador do C/D no mundo, recebeu da Saab a proposta para modernizar a sua frota –– com o software MS20. O país já realizou algumas melhorias nos seus aviões nos últimos anos, contudo

A produção do Gripen E/F foi iniciada em janeiro de 2019, na Suécia

o pacote proposto pela fabricante sueca deve melhorar ainda mais algumas capacidades do caça. Em linhas gerais o MS20 abrange vários segmentos da aeronave como a integração do míssil ar-ar de além do alcance visual MBDA Meteor; das bombas guiadas GBU-39 Small Diameter Bomb I; novos modos de radar; melhorias no datalink Link 16; melhorias no sistema de navegação civil; proteção para o piloto contra guerra química, biológica, radiológica e nuclear; capacidade de operação noturna com o pod modular de reconhecimento SPK 39 e novos sistema de alerta de colisão contra o solo. Apesar de ser amplo, o sistema é ajustável para as necessidades de cada usuário, não sendo preciso implementar todo o pacote. O caça também têm ganhado destaque importante também na Tailândia, que adquiriu dois Gripen C e quatro Gripen D em 2007, exercendo mais um pedido para outros seis Gripen C em 2010. Na concorrência para substituir a sua antiga frota de Northrop F-5 estavam os Lockheed Martin F-16 e Sukhoi Su-30MKI.

Junto com os caças suecos o país recebeu três turboélices bimotores Saab 340 para as missões de comando e controle e AEW&C, neste caso equipados com o radar Erieye. Aquela nação asiática tem explorado em muito as capacidades que o Gripen pode proporcionar. Os aviões são equipados com os mísseis ar-ar AIM-9 Sidewinder de curto alcance e AIM-120 de longo alcance. Mais recentemente foram adquiridos os mísseis Iris-T da Diehl Defence. Para ataques contra alvos marítimos a Tailândia conta com o míssil sueco RBS15. A Tailândia espera ampliar a frota de Gripen C/D visando substituir totalmente ou pelo menos parte da frota já obsoleta de mais de 30 F-5B/E/F (com 30 a 40 anos de idade) e mais de 50 Lockheed Martin F-16A/B (de 22 a 36 anos de idade). O país, porém, já conheceu as vantagens do MS20 e deverá, no futuro, atualizar o software dos seus aviões para esse novo padrão, que pode trazer um grande impacto operacional frente o MS19 hoje instalado na sua frota.


| UNIDADES |

A defesa de

22 TECNOLOGIA & DEFESA


Fotos do autor

Aço do Brasil!

T&D visita a 5ª Brigada de Cavalaria Blindada Roberto Caiafa

TECNOLOGIA & DEFESA 23


Modernizando las Fuerzas Un recorrido por algunos de los programas de reequipamiento o modernización más ambiciosos en América Latina, tanto en temas navales como aéreos y terrestres. Con distinto grado de avance, estos son aquellos que hoy podrían significar un salto cualitativo más importante para algunas fuerzas

50 TECNOLOGIA & DEFESA


AVIACIÓN

una opción por otros doce que aún no ha sido ejecutada. Además, se están recibiendo los primeros tres IA-63 Pampa III para misiones de ataque ligero y entrenamiento avanzado y el 5 de diciembre de 2018 el presidente Macri anunció que en 2019 se contratarán otros tres. La flota de 18 Pampa II hoy en dotación deberá ser también llevada al estándar Pampa III en el futuro. En cuanto a aviones de combate, Chile mantiene la necesidad de reemplazar en un futuro próximo sus F-5E Tigre III y los CASA C-101 de entrenamiento avanzado y ataque ligero. Inicialmente se analizaron varias opciones por un modelo que reemplace a ambos, incluyendo especialmente el Leonardo M346 y los coreanos T-50 y FA-50, pero la decisión se ha postergado y, por ahora, se espera que los F-5 al menos sigan operando hasta 2030, mientras que para reemplazar al C-101 se analizan modelos menos sofisticados, especialmente el M-345 de Leonardo. La Fuerza Aérea Mexicana también está buscando reemplazante para sus F-5E Tiger II, los cuales nunca fueron modernizados extensivamente y su operatividad es muy baja. El Leonardo M346FA es uno de los modelos que más interés genera en la fuerza, pero no se prevé una decisión de compra en el futuro cercano, dada la política de reducción de gastos de defensa del nuevo gobierno.

El Leonardo M345 está siendo ofrecido a varias fuerzas aéreas de la región, entre ellas Chile y Perú, mientras que el M346 también se ofrece a México y la Argentina Santiago Rivas

Hoy el mayor programa de renovación en la aviación de combate se puede afirmar que es el plan de reemplazo de los IAI Kfir de la Fuerza Aérea Colombiana, descripto en esta edición en el reportaje sobre esos aviones. Sin embargo, son varios los países que hoy necesitan y están buscando aviones de combate. El caso más urgente es el de la Argentina, que no ha reemplazado su aviación de caza supersónica luego de la baja de los Mirage en el 2015, mientras que la flota de A-4AR Fightinghawk tiene muy poca vida útil por delante. El plan de la fuerza es comenzar con el reemplazo de estos últimos, para lo cual desde 2016 se vienen analizando

principalmente el Leonardo M-346FA y el KAI FA-50, habiéndose estado a punto de firmar un contrato en 2018 por una docena de ejemplares del modelo coreano, aunque la crisis económica que se agudizó en abril de ese año llevó a que se suspenda el programa por tiempo indefinido. Si bien el presupuesto 2019 aprobado por el congreso incluye la compra de cazas, el monto asignado, de solo 150 millones de dólares en total, no permitiría comprar ningún modelo de aeronave en la cantidad que necesita la fuerza (en 2017 y 2018 el monto asignado era de 600 millones). El país además mantiene un programa de compra de aviones de transporte medianos para las tres fuerzas, para reemplazar a los Fokker F.27 y F.28 de la Fuerza Aérea, los F.28 de la Armada y los Fiat G-222 del Ejército. Se evaluaron en 2016 el Airbus C-295 y el Leonardo C-27J Spartan, existiendo una preferencia de la Fuerza Aérea y la Armada por el primero y del Ejército por el Spartan, pero, si bien el programa mantiene un presupuesto asignado para la compra de cuatro unidades, dos de ellas para la Fuerza Aérea y una para una de las otras fuerzas, el gobierno no autorizó la liberación de los fondos. En entrenadores es donde sí la fuerza avanzó, con la incorporación de diez Tecnam P2002JR Sierra, inicialmente en leasing y luego comprados, más doce Beech T-6C+ Texan II, con

Katsuhiko Tokunaga

as Fuerzas Armadas latinoamericanas han sufrido en las últimas décadas de reducciones presupuestarias que han afectado, en distinta medida, sus posibilidades de mantenerse al día en cuanto a su equipamiento. En algunos casos, la pérdida de capacidades ha sido significativa, como ha sido el caso de la Argentina, también en cierta forma de Ecuador, Uruguay, Paraguay y casi todos los países de Centroamérica. Otros, como los casos de Colombia, Chile y Brasil, han podido mantener cierto nivel de modernización y hoy conformarse como las fuerzas más poderosas de la región. Como ejemplos de algunos de los programas que hoy están llevándose a cabo para dotar a las fuerzas de equipamientos más nuevos, seleccionamos algunos de ellos, fuera de los programas brasileños, que se describen a continuación.

El KAI FA-50 estuvo cerca de ser comprado por la Argentina en 2018. Si bien Leonardo Aircraft apuesta fuerte al M-346FA, la Fuerza Aérea Argentina mantiene cierta preferencia por el modelo coreano

TECNOLOGIA & DEFESA 51


| ARQUIVO |

Para que outros possam

viver

Esquadra751 Orgulho da Força Aérea Portuguesa Tecnologia Tecnologia & & Defesa Defesa foi foi a a Portugal Portugal acompanhar acompanhar as as operações operações de de uma uma das das mais mais importantes importantes unidades unidades de de busca busca e e salvamento salvamento do do mundo mundo Kaiser David Konrad

80 TECNOLOGIA & DEFESA


Fotos do autor

Base Aérea N.º 6 está sediada no Concelho de Montijo, junto ao Rio Tejo e próxima à cidade de Lisboa. Vocacionada às tarefas de transporte aéreo logístico, de dignitários, vigilância marítima e busca e salvamento, é uma das mais importantes bases da Força Aérea Portuguesa e sedia as Esquadras 501, 502, 504 e 751, Unidades Aéreas que operam aeronaves C-130H, C-295M, Falcon 50, e EH-101, além dos Lynx Mk95, que cumprem sua missão embarcados nas fragatas da Marinha de Guerra. Desde sua criação, na década de 1950, a Base Aérea do Montijo tem focado sua missão no emprego de meios aeronavais, sendo ponta de lança para operações marítimas e de fundamental importância para o apoio às bases militares e na defesa civil nos distantes Arquipélagos dos Açores e da Madeira.

ESQUADRA 751 Como escreveu o maior poeta Luso, Luís Vaz de Camões, “onde a terra se acaba e o mar começa”, Portugal foi um dos pioneiros no descobrimento e exploração de rotas marítimas, e atualmente suas águas jurisdicionais e zonas de responsabilidade são atravessadas por importantes rotas comerciais com intenso tráfego marítimo de embarcações que partem ou tem destino aos grandes portos europeus, da África, Mediterrâneo e das Américas. Essa imensa região também está entre as mais perigosas do mundo. Sendo a última esperança de vida de tripulações de navios mercantes, pescadores ou mesmo de navegadores solitários em perigo, graças ao trabalho realizado ao longo dos seus quarenta anos de história, a Esquadra 751 tornou-se uma das mais importantes e internacionalmente reconhecidas Unidades da Força Aérea Portuguesa, sendo referência mundial em atividades de Busca e Salvamento (SAR) marítimo a longa distância. Foi criada em 28 de abril de 1978 e tem como responsabilidade principal a execução de missões (SAR) nas áreas sob responsabilidade do país, no âmbito dos seus compromissos internacionais. A estrutura militar de controle operacional SAR portuguesa é composta por dois Centros de Coordenação de Regaste, em Lisboa e Lajes -

Açores; dois Centros de Coordenação de Resgate Marítimo, em Lisboa e Ponta Delgada – Açores; e um Subcentro de Resgate Marítimo localizado no Funchal – Madeira. Cabe destacar que juntas, as Regiões de Informação de Voo (FIR) de Lisboa e Santa Maria - no extremo oeste dos Açores representam a maior área de responsabilidade SAR da Europa, com mais de cinco milhões de quilômetros quadrados. Além da Busca e Salvamento, a Esquadra 751 executa outras missões, no âmbito estritamente militar, o assalto aeromóvel, transporte, reconhecimento e apoio táticos, Busca e Resgate em combate (C-SAR), além de missões de interesse público, como evacuação aeromédica e de vigilância e fiscalização marítimas. Em 2005 a Esquadra 751 recebeu o moderno helicóptero Agusta Westland EH101 Merlin que veio substituir o consagrado SA-330 Puma. Este foi um marco extremamente significativo, pois permitiu à Esquadra ficar dotada de tecnologia de ponta e também aumentar a sua capacidade de operação. Este aumento de capacidades, com a quase duplicação do raio de ação, operação All-Weather, que permitiu operar em condições meteorológicas extremas, assim como realizar missões noturnas com maior segurança, vem traduzindo-se em centenas de vidas salvas. Após a introdução do EH-101 Merlin existiu uma reestruturação do dispositivo SAR nacional e assim os cerca de 100 militares que compõem a Esquadra 751 trabalham para que a mesma tenha, 24 horas por dia, 365 dias por ano, uma tripulação de alerta permanente na Base Aérea N.º 6, Montijo, uma tripulação e aeronave no Aeródromo de Manobra n°3, em Porto Santo, na Madeira, e duas tripulações e duas aeronaves na Base Aérea N.º 4, em Lajes, nos Açores. Para cumprir a missão, atualmente a Unidade Aérea conta com 11 tripulações completas.

MAGO DOS MARES O EH-101 Merlin é um helicóptero de transporte médio, equipado com três motores Rolls-Royce RTM 322-MK 250, com trem de aterrissagem tipo triciclo, semi-retrátil, com rodas duplas em cada unidade e rotor principal de cinco pás.

TECNOLOGIA & DEFESA 81


| EXÉRCITO BRASILEIRO |

Os desafios da artilharia de

campanha Paulo Roberto Bastos Jr. e Hélio Higuchi 86 TECNOLOGIA & DEFESA


TECNOLOGIA & DEFESA 87


| INTERNACIONAL |

Uma forรงa

renovada Jeroen van Veenendaal, especial

98 TECNOLOGIA & DEFESA


TECNOLOGIA & DEFESA 37

Ralph Blok

Jeroen van Veenendaal


Profile for Roberto Caiafa

Tecnologia & Defesa Edição Nº 156 "Especial LAAD 2019" - 5ª Brigada de Cavalaria Blindada (AÇO!)  

New
Advertisement