Page 1


Pernambuco de Mil Encantos Localizado no Nordeste brasileiro, Pernambuco é um destino plural. Do litoral ao sertão, oferece uma variedade singular de paisagens. Praias com águas mornas e areias brancas. Cenários exuberantes com espécies da Floresta Tropical, na Zona da Mata, e da Caatinga, no agreste e sertão.O nome do Estado vem da palavra indígena Paranampuka, que quer dizer onde mar arrebenta. Uma referência aos arrecifes que também batizaram a capital, a cidade do Recife. Resultado da influência de diversas etnias e nações, Pernambuco possui um grande diferencial: a sua diversidade cultural. A culinária, o artesanato, a música, a dança, a literatura e a arquitetura traduzem a alma criativa do povo. Carnaval, São João e as demais festas profanas e religiosas são momentos em que todos os elementos culturais misturam-se em uma alegre ebulição. Para receber os visitantes, Pernambuco possui ainda uma das mais modernas infraestruturas aeroportuárias, rodoviárias e hoteleiras do País. E um setor de serviços que está se aprimorando a cada dia. O Estado tem o segundo pólo médico e o terceiro pólo gastronômico do Brasil. Já o Porto Digital está consolidado como um dos mais importantes pólos de tecnologia e informática da América Latina. Recife, a capital, é um das poucas da região a possuir um Centro de Convenções público totalmente estruturado. São 20 mil metros quadrados de área, pavilhão para feira climatizado, heliponto e estacionamento para 2 mil veículos.


Foto:


Pernambuco, Nação Cultural Pernambuco possui uma forte vitalidade cultural que pode ser presenciada durante os principais eventos. Carnaval, São João, Natal, Reveillon e Semana Santa. Reflexo da riqueza cultural pernambucana, as festividades unem diferentes matrizes em torno de uma mesma Comemoração. São os elementos africanos, europeus e indígenas misturados que produzem eventos únicos. Assim, as festas profanas e religiosas mostram toda a criatividade e misticidade do povo pernambucano. E se espalham pelos quatro cantos do Estado. As comemorações acontecem nas ruas, nas praças, nas ladeiras, nas praias. Democraticamente. Além das grandes festividades, o calendário de Pernambuco inclui alguns eventos como: a Missa do Vaqueiro, o Cine PE, a Fenearte, o Festival de Inverno de Garanhuns e Janeiro de Grandes Espetáculos, entre outros.


Foto:


Rota Luiz Gonzaga Agreste. Segundo os dicionários a palavra identifica algo rude ou indelicado. No entanto, é nesta região de Pernambuco, pelas mãos do povo, que podemos encontrar o grande templo da arte figurativa brasileira. Antes mesmo do surgimento de cidades como Caruaru, Gravatá e Bezerros, os artistas populares já narravam o cotidiano em bonecos de barro, xilogravuras e letras de cordel, que mais tarde ganhariam o mundo. A rota Luiz Gonzaga oferece ao viajante o melhor do conforto dos belos hotéis e uma gastronomia incomparável, com pratos internacionais e cozinha regional. A rota é capaz de fazer o visitante mergulhar no dia-dia dos cangaceiros, retirantes, reisados e bumbas, pelo trabalho de uma gente que nunca se entrega. Esta diversidade de informações faz do Agreste um lugar único no Estado, que encanta turistas do mundo inteiro, interessados em saber como um povo é capaz de extrair algo tão sublime de um ambiente - à primeira vista - áspero e pouco afeito a delicadezas. A rota Luiz Gonzaga segue margeando a BR 232, batizada com o nome do porta voz dos nordestinos. Nela, é possível conviver com os fondues de Gravatá, as matas e trilhas de Moreno, as festas de Bezerros, a feira de Caruaru e a força da natureza de Brejo da Madre de Deus. De fácil acesso, a rota pode ser percorrida num único dia. Mas bom mesmo é guardar, pelo menos, um final de semana para descobrir todos os pontos desta viagem inesquecível.


Foto:


Rota Engenhos e Maracatus

Passando pelos municípios de Paudalho, Carpina, Tracunhaém, Nazaré da Mata, Vicência, Lagoa do Carro e Itambé, a Rota Engenhos e Maracatus, nos leva a uma viagem em direção às origens da cultura pernambucana. O ciclo de açúcar, motor da economia no período colonial, está presente do início ao fim deste passeio. Nesta rota, o viajante tem a opção de ficar hospedado nas casas grandes dos antigos engenhos de açúcar, desfrutando da indescritível sensação de retornar ao passdo. Mas não é apenas a origem econômica de nosso Estado que tem sua importância ressaltada pela Rota: o maracatu, uma das manifestações mais características de Pernambuco marca com força a cadência do passeio pela Mata Norte. Em Nazaré da Mata, o Maracatu rural é representado pelos mais de 100 grupos existentes na cidade. Vem de Nazaré o Cambinda Brasileira, o mais antigo maracatu do Brasil, com 90 anos de vida. Na culinária, a característica da chamada “civilização do açúcar” se mantém forte. Nos engenhos temos nas mesas cuscuz, charque, mandioca, tapioca, munguzá, pamonha, bolo-de-bacia, bolo-de-rolo, sucos de frutas e muitas outras delícias regionais cujas receitas foram passadas de geração em geração. As cachaças artesanais são um conteúdo à parte desta mesa farta. Cada uma com suas peculiaridades, as cidades presentes na Rota Engenhos e Maracatus nos cercam de beleza e saudosismo. Desde a arte Barroca de Goiana, à fabricação de tapetes de influência ibérica de Lagoa do Carro ou ainda nos escultores de Carpina, Paudalho, Vicência e Tracunhahém onde a imaginação dos artistas toma forma no barro. Andar pela Rota dos Engenhos e Maracatus é conhecer a arte popular e o artesanato construído em séculos de convivência entre africanos, portugueses e índios.


Foto:


Rota Cangaço e Lampião No início do século XX bandos de cangaceiros circulavam pelas terras do Sertão despertando admiração e medo nas cidades por onde passavam. A imagem do cangaceiro ajudou a formar o imaginário popular do nordestino. Mais que isto, virou uma marca do povo sertanejo. A rota do Cangaço e Lampião conta um pouco da história dos bandoleiros nômades, a perseguição das volantes policiais e mantém viva a memória de Virgolino Ferreira da Silva, o maior ícone do cangaço, morto em 1938. A rota percorre as cidades de Triunfo, Santa Cruz da Baixa Verde,Serra Talhada, Afogados da Ingazeira, São José do Belmonte e São José do Egito. A rota do Cangaço e Lampião é um mergulho na mitologia do Nordeste. Um lugar perfeito para turismo histórico, de aventura e técnico científico. Confira abaixo os dados de cada uma das cidades. Navegue pelas matérias e descubra os encantos dos seis municípios que compõem esta rota.


Foto:


Rota Vinho e São Francisco

A Rota do Vinho – Vale do São Francisco reúne as potencialidades turísticas dos municípios de Petrolina, Santa Maria da Boa Vista e Lagoa Grande. No sertão de Pernambuco, a aridez da caatinga cede espaço para a exuberância da produção agrícola com uvas que fazem o vinho considerado como um dos melhores do Brasil. Um passeio pelo Rio São Francisco em barcos protegidos pelas tradicionais carrancas de proa que, dizem os sertanejos, afastam a má sorte. A rota oferece ainda uma culinária rica constituída por bodes e carneiros, animais resistentes que ajudaram o homem a fixar-se nesta parte do Brasil. O velho Chico também oferece uma bela culinária, com grande diversidades de peixes e moquecas.


Foto:


Rota Crença e Arte

Como diz o próprio nome, esta rota explora a mística existente no Agreste e a criatividade popular. Sendo constituída pelos municípios de Belo Jardim, Pesqueira, Poção, Arcoverde, Buíque, Garanhuns, Bom Conselho e Saloá, a Rota da Crença e da Arte tem as marcas da fé e da força do povo pernambucano. Histórias passadas de geração em geração mexem com o imaginário popular, como no caso da famosa aparição de Nossa Senhora Aparecida, em Pesqueira, única aparição da Virgem na América do Sul reconhecida pelo Vaticano. Já em Buíque, especificamente no Vale do Catimbau, o visitante tem a possibilidade de vivenciar a influência dos povos ancestrais, que ocuparam a região há mais de cinco mil anos. Sítios arqueológicos preservam cemitérios pré-históricos, e as formações rochosas do local estão cravadas de inscrições rupestres, registros da ocupação primitiva no local. Em Garanhuns, mais conhecida como “a Cidade das Flores” ou a “Suíça Pernambucana”, o clima europeu atrai muitos turistas, especialmente no inverno, quando ocorrem diversas festas na cidade, como o Festival de Inverno de Garanhuns. A religiosidade também está presente em todos os cantos da cidade, como no Santuário Mãe Rainha, onde a paz de espírito é uma busca constante tanto por parte dos fiéis locais como dos peregrinos. Também nas outras cidades da rota a beleza e a espiritualidade brota de cada folha de árvore, de cada peça esculpida pelos artistas. Seja pelas belezas naturais de Belo Jardim e Saloá; pelas obras dos escultores de Bom Conselho ou pelas manifestações populares em Arcoverde, o turista que visitar cada um desses cantos se sentirá mais do que recompensado por tudo aquilo que irá ver, presenciar e sentir.


Foto:


Rota Costa dos Arrecifes Localizada no litoral sul do Estado de Pernambuco, a rota costa dos arrecifes passa por cenário deslumbrantes e peculiares. Muito sol, areia branca, falésias, piscinas naturais e estuários. Em Sirinhaém, (80km do Recife) a beleza do local vai chamando a atenção já no percurso até a beira-mar. A imagem da Ilha de Santo Aleixo no horizonte é quase uma intimação para um passeio de barco. O trajeto, de barco, dura menos de 15 minutos. Para os adeptos do mergulho, as águas limpas de Sirinhaém escondem naufrágios. Na praia de Guadalupe, existe a opção de passeios de catamarã pelo Rio Formoso, que separa Sirinhaém da praia dos Carneiros, em Tamandaré. Em terra, o conjunto arquitetônico do século XIX conta um pouco da história do Litoral Sul. Tamandaré, com suas praias tranqüilas, é um dos destinos mais freqüentados de Pernambuco. Durante o verão o número de turistas no local altera o cotidiano da população local, com muito agito durante o dia e também à noite. Fora da alta estação a pedida é conhecer a vida simples dos nativos. São José da Coroa Grande, na divisa entre Pernambuco e Alagoas, tem um charme todo especial. As largas faixas de areia que formam o seu litoral são perfeitas para caminhadas. Nas piscinas naturais, os cardumes de peixes coloridos encantam os turistas. Em Barreiros e Rio Formoso, últimos municípios da rota, a culinária de frutos marítimos, o artesanato e as belas paisagens, com fauna e flora invejáveis, são incomparáveis.


Foto:


Rota da História e do Mar

Passando por algumas das principais pontos de Pernambuco, como Recife, Olinda, Cabo de Santo Agostinho, Ipojuca e o arquipélago de Fernando de Noronha, a Rota da História e do Mar traça a origem do povo pernambucano.

Olinda, primeira capital pernambucana, possui um charme singular. Durante o carnaval, as ladeiras da cidade ficam lotadas de foliões que dançam ao som do frevo, o mais tradicional dos ritmos pernambucanos. No restante do ano, Olinda oferece igrejas seculares, casario histórico, gastronomia, arte e tudo que se espera de uma cidade Patrimônio Cultural da Humanidade. Ao sul da região metropolitana, as praias do Cabo de Santo Agostinho, como Suape, Calhetas e Enseada dos Corais proporcionam paisagens belíssimas. Em Ipojuca está Porto de Galinhas, o mais badalado balneário brasileiro. A praia, que foi eleita sete vezes como a mais bonita do país, tem na vizinhança lugares como Muro Alto, Cupe e Maracaípe. Fernando de Noronha, arquipélago situado a 545km da capital pernambucana, dispensa comentários. A Esmeralda do Atlântico é um dos mais visitados por brasileiros e estrangeiros. Os passeios de barco pelas praias, acompanhados quase sempre por golfinhos, deixam registrados no coração do visitante lembranças inesquecíveis.


Foto:


Rota Moda e Confecção

O pólo têxtil do Agreste está na base desta rota, que é uma das mais visitadas de Pernambuco. Impulsionadas pelo forte comércio de vestuário, Toritama, Taquaritinga do Norte e Santa Cruz do Capibaribe formam a rota. Toritama, (170km do Recife), concentra o maior pólo de confecção de jeans do Estado. A “capital do Jeans”, como é conhecida, possui em torno de mil indústrias de confecções e emprega mais de 10 mil funcionários. Diariamente, milhares de pessoas passam pelo centro de confecções de Toritama, muitas vindas de estados vizinhos. Em Taquaritinga do Norte, a força do município vem da produção de camisas e peças íntimas, que chamam a atenção pelos preços acessíveis, atrelados a uma boa qualidade de seus produtos. Além disso, o clima ameno e agradável, os hotéis-fazenda e a receptividade da população local atraem o turista para a cidade. Santa Cruz do Capibaribe é a última cidade da Rota da Moda e da Confecção, mas é primeira quando falamos de economia. Os números do município são impressionantes devido ao forte sucesso da indústria têxtil. A cidade é hoje a segunda com a menor taxa de pobreza do Estado, perdendo apenas para o distrito de Fernando de Noronha. Tamanho sucesso foi chamado de milagre da sulanca e pode ser representado pelos números do “Moda Center Santa Cruz” que possui uma área total de mais de 300 mil m², mais de 6 mil boxes de feira, mais de 500 lojas, uma área coberta de 80 mil m², praças de alimentação, setor bancário, posto de saúde, segurança e informação e uma área de estacionamento para mais de 3000 veículos. Essa mobilidade econômica serve para mostrar porque a cidade de Santa Cruz do Capibaribe é a que mais cresceu em Pernambuco nos últimos 10 anos.


Foto:


Rota Águas da Mata Sul Passando pelos municípios de Quipapá, São Benedito do Sul e Palmares, a Rota Águas da Mata Sul propõe levar o turista a um destino alternativo, mas não menos atraente. As cidades que constituem essa rota contam com a beleza de matas intocadas, fauna diversificada e cachoeiras refrescantes. Quipapá, a menos de 200km da Capital, tem na cultura seu ponto forte. No Engenho de Rapadura de Laje Bonita, por exemplo, a produção de rapaduras através de um processo movido a queda d’água chama a atenção. Da mesma forma o artesanato local tem características próprias, como a confecção de cestas com uso da palha de coqueiro e o próprio côco. Já em São Benedito do Sul, as atenções estão voltadas para os rios, onde os visitantes podem aproveitar as cachoeiras. A prática do rapel é muito comum na região, bem como a prática de trilhas pelas matas da cidade. No fim dos programas radicais, a pedida é um banho nas águas cristalinas, escondidas atrás da vegetação. A excelente carga d’água também é uma característica da última cidade da Rota: Palmares. Ideal para quem tem a intenção de relaxar, as corredeiras, como o Véu da Noiva, são excelentes pedidas. A cidade guarda uma das mais marcantes passagens da história do Brasil. Nela foi instalado o centro do maior quilombo do período escravagista, com uma área que se estendia do Cabo de Santo Agostinho ao Norte de Alagoas.


Foto:

Roteiro Turismo Pernambuco  

Roteiro Turismo Pernambuco.