Issuu on Google+


Recife Portão de entrada brasileiro, o Recife é centro cultural, de lazer e serviços do Nordeste, alem de principal pólo teatral, gastronômico e médico da Região. Plural em atrativos, o Recife é único. Basta conferir: o contraste harmonioso entre antigos monumentos e modernas construções, e cenários de rios e muitas pontes, a praia de Boa Viagem, urbanizada, irresistivelmente bela e convidativa aos banhos em piscinas naturais à beira-mar, as expressões artísticas e populares, a hospitalidade do seu povo.O Recife dispõe de uma eficiente infraestrutura receptiva, com hotéis e restaurantes, centro de animação noturna, agências de viagens, aeroportos internacionais, porto, terminal rodoviário integrado, shopping centers e uma série de outros equipamentos e serviços para melhor atendimento ao visitante. Também na divisa com Recife e Olinda, está localizado o Centro de Convenções de Pernambuco, um dos maiores e um dos mais bem estruturados do País. Para terem inesquecíveis momentos de lazer, reforçar a bagagem cultural, passear relaxar junto à natureza, comer bem, realizar bons negócios, fazer amigos sempre o Recife sempre o Recife Capital de Pernambuco - e do seu coração.


Foto:


Olinda Olinda merece destaque em qualquer roteiro turístico. Você precisa comprovar pessoalmente porque a cidade possui desde 1982 anos o título de Patrimônio da Humanidade. O título foi apenas a coroação de uma história que começou em 1535, quando os primeiros portugueses comandados por Duarte Coelho fundaram a Vila de Olinda. Hoje, além de Patrimônio da Humanidade, Olinda detém o título de Primeira Capital Brasileira da Cultura. A cidade conserva em seu Sítio Histórico 20 belíssimas igrejas, a maioria em estilo barroco, um casario secular, paisagens deslumbrantes e o Horto Del Rey – segundo Jardim Botânico do Brasil, e ainda é um pólo ímpar das artes plásticas em Pernambuco. Concentra um grande número de artistas plásticos e artesãos, dos consagrados internacionalmente aos novos talentos que não param de surgir, a produção local vai desde a pintura à confecção dos tradicionais bonecos gigantes, passando por esculturas, estamparias, máscaras de carnaval e xilogravura. Carnaval - Hoje o Carnaval de Olinda é seguramente a maior e mais autêntica festa popular do Brasil, atraindo todo ano milhares de foliões de vários recantos do país e do Exterior. A interação com a rica diversidade cultural do Nordeste aliada ao calor do frevo e à descontração e alegria do povo da cidade, tornam a folia olindense irresistível para um contingente cada vez maior de foliões.


Foto:


Rota Luiz Gonzaga O paradisíaco arquipélago congrega 21 ilhas, ilhotas e rochedos, que ocupam uma área de 26 km2. Distante 545 km do Recife (PE), a ilha principal com 17km² de extensão, também se chama Fernando de Noronha e é a única habitada.

Um dos principais encantos de Noronha é a preservação ambiental, garantida graças a existência do Parque Nacional Marinho (Parnamar), que abrange cerca de 70% da área total do arquipélago. Os outros 30% da ilha correspondem à Área de Proteção Ambiental (APA), onde a população residente se encontra espalhada em 15 pequenos aglomerados. Noronha é um dos raros locais do mundo onde ocorre concentração de golfinhos rotadores, especialmente na Baía dos Golfinhos. Os animais encantam os visitantes pelos saltos acompanhados de verdadeiras acrobacias aéreas. As praias do Leão e do Sancho são os principais locais de desova de tartarugas marinhas. Além da fauna marinha, Noronha congrega importante fauna terrestre, aves residentes e migratórias. Ao todo, são 16 praias que fazem de Fernando de Noronha o lugar perfeito para o banho de mar e o mergulho. No mês de setembro, as chamadas praias do mar-de-dentro (área da ilha voltada para a costa brasileira) ficam extremamente calmas e a visibilidade chega a 50 metros de profundidade, o que dá a Noronha o status de um dos melhores lugares de mergulho do mundo. O arquipélago tem, inclusive, naufrágios a serem explorados. Fernando de Noronha também é conhecido como o “Havaí brasileiro” por conta das ondas que chegam a quatro metros de altura. Surfistas de todo o País e do exterior freqüentam a ilha para a prática do esporte.


Foto:


Tamandaré A palavra Tamandaré é de origem indígena, do vocábulo tupi "tab-moi-inda-ré", que significa o repovoador. Segundo a lenda, "o repovoador" era um pajé a quem o grande deus dos trovões, Tupã, avisou que iria exterminar os homens. Assim, quando houve o dilúvio, Tamandaré já se encontrava na arca com sua família, onde ficou até o fim das chuvas, voltando em seguida às terras secas para reiniciar o seu povoamento. Originalmente, Tamandaré não era mais do que uma praia selvagem, quando fazia parte das terras de Una e Rio Formoso, herdadas pelo coronel João Pais Barreto IV, na segunda metade do século XVI. Foi elevada a distrito em 1905, por influência das famílias Pimentel, Amorim Salgado e Salgado Accioli, descendentes dos Pais Barreto. Obteve a sua emancipação política em 28 de setembro de 1997, durante o governo de Miguel Arraes, sendo prefeito do Rio Formoso José Hildo Hacker, pai do atual prefeito. Ao contrário do que se pensa, foi o município que deu nome ao título do marquês de Tamandaré, o patrono da marinha brasileira. Em 1859, acompanhando o casal imperial em viagem ao norte do Brasil, de passagem por Pernambuco, Joaquim Marques Lisboa pediu ao imperador D. Pedro II para trazer os restos mortais de seu irmão, Manuel Marques Lisboa Pitanga, morto na Confederação do Equador, em 1824. Os despojos estavam sepultados no cemitério do pequeno porto de Tamandaré. Pelo gesto, quando o imperador resolveu fazê-lo barão, no ano seguinte, deu o título de barão de Tamandaré.


Foto:


Rota Cangaço e Lampião A povoação de Sirinhaém, que inicialmente era denominada Vila Formosa de Sirinhaém, data de 1614, quando moradores da região construíram ali uma capela dedicada a São Roque. Entre 1620 e 1621, foi construída uma igreja sob a invocação de Nossa Senhora da Conceição e a vila foi elevada à categoria de freguesia. A criação do município autônomo data de 3 de agosto de 1892. Possui uma área de 379 km², com as praias de Barra do Sirinhaém, Gamela, Praia do Gahiamum e Aver-o-Mar. Tem um convento construído em 1645, contendo túmulos de princesas e nobres da época. Conta com os distritos de Santo Amaro, Ibiratinga e Barra do Sirinhaém. Seu comércio em geral e dado pela Usina Trapiche, uma das mais antigas do estado de Pernambuco.


Foto:


Bezerros

O município é formado pelos distritos sede, Sapucarana e Boas Novas e pelos povoados de Serra Negra, Sítio dos Remédios, Cajazeiras e Areias. Anualmente, no dia 18 de maio Bezerros comemora a sua emancipação política. O padroeiro da cidade é São José.

Consagrada como a terra dos papangus, a cidade de Bezerros tem uma cultura que vai além da brincadeira de mascarados no Carnaval. Conhecido como a Folia do Papangu, o Carnaval do município é o maior do Agreste e o único temático do Brasil. Por isso, vem a cada ano contribuindo para preservação das nossas mais autênticas tradições carnavalescas. A tradição diz que os foliões devem fazer as suas próprias fantasias sem conhecimento dos outros. Sendo assim, todos devem ficar sob o manto da máscara até o final da grande folia, realizada nos três dias de carnaval. Conhecido nacionalmente e internacionalmente, o Carnaval de Bezerros recebe mais de 500 mil pessoas nos 6 dias do Reinado de Momo, e no domingo esse número chega a 300 mil visitantes, o que comprova o quanto o evento é atraente para o turismo. As máscaras decorativas que enchem o Carnaval de Bezerros de cores são confeccionadas em papel machê. As peças são de todos os tamanhos. Algumas chegam a mais de cinco metros de altura.


Foto:


Bonito O território do município de Bonito era, até o final do século XVIII, totalmente coberto de imensas florestas e situava-se na área abrangida pelo célebre Quilombo dos Palmares.

A beleza do local deu à cidade o nome de Bonito. O município foi batizado por caçadores, vindos do povoado de São José dos Bezerros, que percorriam as florestas e deparavam-se com belos riachos de águas límpidas. Em 1812 foi edificada a Matriz de Nossa Senhora da Conceição - padroeira da cidade - tendo contribuído para a povoação local. Bonito foi palco de diversas revoltas que terminaram na morte de muitos habitantes do município. Em 19 de dezembro de 1874, ocorreu a invasão denominada Revolta do QuebraQuilos. O caso messiânico do Rodeador, liderado pelo ex-soldado do 12º Batalhão de Milícias de Alagoas, Silvestre José dos Santos, assim como outros movimentos que unem interesses religiosos à esperança da saída da miséria, foi abafado com sangue. Silvestre pregava o Sebastianismo - uma forma de messianismo em Portugal. Os seguidores acreditavam na volta de D. Sebastião, que não teria morrido na África, na batalha


Foto:


Caruaru A capital do forró, como é conhecida Caruaru, está localizada a 140 Km de Recife. O título cultural não é à toa, visto que todos os anos, é realizada uma tradicional ciclo junino que dura o mês inteiro e é chamado, pelos moradores, de “maior São João do mundo”. Além da música, outras expressões artísticas, como a dança e o artesanato, estão ligadas fortemente à sociedade caruaruense. São muitos os grupos de danças populares que se exibem em quaisquer festivais que aconteçam na cidade. Fora isso, é lá que se encontra a famosa Feira da Sulanca, que está localizada dentro da Feira de Caruaru. Pra quem já viu, uma visita a Caruaru em dia de feira é uma programação impagável. O Alto do Moura o maior centro de artes figurativas da América Latina. Este título, concedido pela Unesco, é conseqüência de uma história que começou na década de 1940, pelas mãos do Mestre Vitalino, o grande ceramista criador dos bonecos de barro que fizeram escola e ficaram conhecidos por "Bonecos de Vitalino". É lá no Moura que fica, instalado numa modesta casa onde o artista viveu, o Museu Mestre Vitalino. Sobre a origem do nome Caruaru, há várias explicações. Uma diz que surgiu de Caruás (fonte ou água que, no local, transmitia moléstias aos animais). Outra diz ser uma corruptela da palavra Caruari (que significa rio dos Caruarãs). E uma terceira versão fala da existência, na região, de uma planta denominada Caruru, surgindo daí o nome da cidade.


Foto:


Garanhuns A localização proporciona o clima de montanha, onde a temperatura média anual é de 21 graus, variando entre 9º no inverno e 25º no verão. No ponto mais elevado, a altitude chega a 1.030 metros. A paisagem, permanentemente verde e a exuberância das flores espalhadas por suas praças também impulsionaram os carinhosos títulos de "Suíça Pernambucana" e "Cidade das Flores". O clima de montanha e as rodovias conservadas abrem passagem para a vocação cultura da cidade. Eventos para todos os gostos e chocolate quente é uma mistura que vem dando certo. Não é à toa que este ano realizou o 18º Festival de Inverno de Garanhuns, dentro da programação do Festival Pernambuco Nação Cultural, promovido pelo Governo de Pernambuco, através da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico (Fundarpe). O Festival de Inverno de Garanhuns acontece entre os meses de julho e agosto anualmente. Busca a valorização das identidades locais e regionais num formato de eventos que oferece entretenimento e oficinas arte educativas nas categorias artísticas de teatro, dança, circo, literatura, artes plásticas, gráficas e visuais, cinema e vídeo, fotografia, moda, artesanato, patrimônio e cultura popular. A religiosidade também está presente em todos os cantos da cidade, como no Santuário Mãe Rainha, onde a paz de espírito é uma busca constante tanto por parte dos fiéis locais como dos peregrinos.


Foto:


Ipojuca – Porto de Galinhas Eleita em 2008, pela oitava vez consecutiva, a “Melhor Praia do Brasil” pelos leitores da Revista Viagem e Turismo, Porto de Galinhas – situada no Litoral Sul de Pernambuco – é o destino ideal para quem busca um programa diferenciado.

Quando os turistas chegam ao balneário, se encantam com a bela paisagem paradisíaca - que abriga vegetação tropical, bancos de areia e águas cristalinas. Com o sol do verão, é fácil pegar um bronzeado dourado à beira-mar. A temperatura morna da água convida as pessoas para um demorado e delicioso banho de mar. A diversão também fica por conta do aquário gigante, mais conhecido como as piscinas naturais que são formadas pelos arrecifes de corais e onde é possível nadar ao lado de peixes coloridos. Para quem quer um pouco de adrenalina, a região também é favorável à prática de esportes radicais, como o surf, kite surf, mergulho e skate. A localidade também oferece passeio ecológico para conhecer a riqueza da fauna e da flora regional. Vale lembrar que além desses atrativos, Porto de Galinhas conta com uma ótima infra-estrutura que inclui rede de hotéis, pousadas e chalés.


Foto:


Petrolina Petrolina reúne, à beira do rio, paisagens naturais e cenários marcantes. O Rio São Francisco é considerado um dos maiores atrativos do município. Os demais são: ilhas fluviais com destaque para a Ilha do Rodeador que recebe os turistas em seus bares e restaurantes; Ilha do Massangano, famosa por possuir um grupo cultural, o Samba de Véio; ilhas espalhadas ao longo de todo o rio, algumas utilizadas para camping; a Ilha do Fogo que fica no meio da Ponte Presidente Dutra a qual interliga as cidades de Petrolina e Juazeiro; o Balneário de Pedrinhas, que se destaca pelo complexo de bares especializados em peixe. Sobre artesanato existem três importantes pontos: a Oficina do Artesão Mestre Quincas, onde se pode observar os artesãos confeccionando suas peças, podendo também adquirir o artesanato no próprio local; o Centro de Artesanato Celestino Gomes (artista plástico importante da cidade), que é uma feira de artesanato, situada no centro da cidade composta por 54 artesãos distribuídos em quiosques, há um bar e palco para apresentações culturais; o Centro de Artes Ana das Carrancas onde é encontrado o artesanato nacionalmente famoso que é a carranca, e a mais representativa da cidade é a da artesã Ana das Carrancas por fazer suas peças em barro e em homenagem a seu marido que é cego, fazendo-as com olhos vazados, além de confeccionar carrancas de figuras antropozoomórficas; é indispensável o passeio nas barcas que fazem o trajeto de Petrolina à Juazeiro, assim como um passeio mais prolongado ao longo do rio até a barragem de Sobradinho-BA.


Foto:


Cidades Turismo