Issuu on Google+

Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines

1


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Publicado pela primeira vez na Grã-Bretanha em 2014 por Simon & Schuster UK Ltd UMA EMPRESA CBS Publicado pela primeira vez nos EUA em 2014 por Atria Paperbacks, um selo da Simon & Schuster, Inc. Copyright © 2014 por Abbi Glines Este livro é de autor nos termos da Convenção de Berna. Proibida a reprodução sem autorização. Todos os direitos reservados. O direito de Abbi Glines a ser identificado como o autor deste trabalho tem sido afirmado por ela em conformidade com os pontos 77 e 78 do Copyright, Designs and Patents Act de 1988. Simon & Schuster UK Ltd 1 ª Piso 222 de Gray Inn Road Londres WC1X 8HB Simon & Schuster Austrália, Sydney Simon & Schuster Índia, Nova Delhi Uma cópia catálogo CIP para este livro está disponível na Biblioteca Britânica. ISBN: 978-1-4711-2230-9 Ebook ISBN: 978-1-4711-2231-6 Este livro é uma obra de ficção. Os nomes, personagens, lugares e incidentes são ou um produto da imaginação do autor ou são usadosficticiamente. Qualquer semelhança com pessoas reais, vivas ou mortas, eventos ou locais, é mera coincidência. Impresso e encadernado pelo Grupo CPI (UK) Ltd, Croydon, CR0 4YY www.simonandschuster.co.uk www.simonandschuster.com.au Abbi gosta de ouvir de seus leitores. Você pode se conectar com ela em Facebook: Abbi Glines (Autor Página Oficial) Twitter: @ abbiglines Website: www.abbiglines.com

2


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Para Natasha Tomic, que primeiro usou a frase "Rush Crush." Você estava atrás de mim, me fez rir, ouviu a minha preocupação e gostava mais do que um copo de vinho tinto comigo. Durante este ano passado em que você deixou de ser uma blogueira de apoio a uma amiga real.

Comentário revisora Roze: Eu amei o Rush, ele é muito fofo, aqui entendemos as suas atitudes com relação ao livro 1(Fallen Too Far), como a Blaire o conquistou e o quanto ele é apaixonado por ela.Ele é um cara que quando ama, é para sempre. Ele é possessivo, carinhoso e quer consertar os erros em relação a Blaire e fazê-la feliz!! Eu quero um Rush para mim, fiquei com gostinho de quero mais!! Eu recomendo, nota mil!!!! Comentário revisora Anna Lu: Sempre achei que Rush escondia seu verdadeiro caráter, seus sentimentos. O livro é intenso, gostoso e quente, muito quente.Neste,fiquei entendendo um pouco"só um pouquinho"aquela lenga, lenga com a irmã dele, a Nan.Quem gostou do livro na versão da Blaire, vai amar este. Rush é gostosooooo....

3


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines

Indíce Prólogo Capítulo 01 Capítulo 02 Capítulo 03 Capítulo 04 Capítulo 05 Capítulo 06 Capítulo 07 Capítulo 08 Capítulo 09 Capítulo 10 Capítulo 11 Capítulo 12 Capítulo 13 Capítulo 14 Capítulo 15 Capítulo 16 Capítulo 17 Capítulo 18 Capítulo 19 Capítulo 20 Capítulo 21 Capítulo 22 Capítulo 23 Capítulo 24 Capítulo 25 Capítulo 26 Capítulo 27 Capítulo 28 Capítulo 29

4


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines

Sinopse Fallen Too Far era a história de Blaire. Agora é hora de Rush compartilhar seu lado. Todo mundo em Rosemary Beach pensa que sabe como Rush Finlay e Blaire Wynn se apaixonaram. Mas Rush está de volta para contar o seu lado da história ... Rush ganhou cada pedacinho de sua reputação de bad-boy. A casa de três andares na praia, carro de luxo e uma linha de meninas implorando por um tempo entre os lençóis são a inveja de todos os caras em Rosemary Beach. Rush cuida de tudo como o descontraído filho de um astro do rock. Tudo que ele precisa é do seu melhor amigo, Grant e sua irmã, Nan. Até Blaire Wynn dirigir para a cidade em sua caminhonete, com uma pistola

debaixo

do

assento.

A

garota

do

Alabama

captura

instantaneamente a atenção de Rush, uma vez que ele descobre que a beleza angelical é sua nova meia-irmã, mas ele promete manter sua distância. Mesmo que ela precise de sua ajuda. Mesmo que ele anseie por ela. Rush sabe por que Blaire está sozinha no mundo, forçada a pedir a ajuda do pai, que a abandonou há três anos. E ele sabe que se ele chegar muito perto vai destruir Nan, que tem uma ligação secreta com Blaire. Ele tem todos os motivos do mundo para ficar longe dela. Descubra por que ele não o faz.

Revisão Inicial: Roze Revisão Final: Anna Lu Formtação: Roze

5


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Prólogo Eles dizem que as crianças têm os corações mais puros. Que as crianças realmente não odeiam, porque elas realmente não entendem completamente a emoção. Elas perdoam e esquecem facilmente. Eles dizem um monte de besteira como essa, porque os ajudam a dormir à noite. Eles tornam-se bons provérbios reconfortantes para pendurar em suas paredes e sorrir para que eles passam perto. Eu sei de forma diferente. As crianças adoram como ninguém. Elas têm a capacidade de amar mais intensamente do que ninguém. Isso é verdade. Isso eu sei. Porque eu vivi. Com a idade de dez anos, eu sabia o que era o ódio e eu sabia o que era o amor. Tanto, que tudo consome. Tanto, que mudam a vida. E ambos completamente cegam. Olhando para trás agora, eu gostaria que alguém tivesse estado lá para ver como minha mãe havia plantado a semente do ódio dentro de mim. Dentro da minha irmã. Se alguém estivesse lá para nos salvar das mentiras e amarguras que permitiram apodrecer dentro de nós, então talvez as coisas tivessem sido diferentes. Para todos os envolvidos. Eu nunca teria agido tão estupidamente. E não teria sido minha culpa que uma menina foi deixada sozinha para cuidar de sua mãe doente. E não teria sido minha culpa que a mesma garota ficou em seu túmulo, acreditando que a última pessoa no mundo que a amava estava morta. E não teria sido minha culpa que um homem havia se destruído, sua vida tornar-se uma concha vazia, quebrada. Mas ninguém me salvou. Ninguém nos salvou. Acreditamos nas mentiras. Realizamos o nosso ódio. No entanto, eu sozinho destruí a vida de uma menina inocente. Eles dizem que você colhe o que você semeia. Isso é besteira, também. Porque eu deveria estar queimando no inferno por meus pecados. Eu não deveria ter permissão para acordar todas as manhãs com esta bela mulher em meus braços, que me ama incondicionalmente. Eu não deveria ter de segurar meu filho e conhecer uma alegria tão pura. Mas eu faço. Porque, eventualmente, alguém me salvará. Eu não merecia isso. Inferno, mais do que ninguém, era a minha irmã que precisava ser salva. Ela não agiu em seu ódio. Ela não manipulou o destino de outra família, não se importando com o resultado. Mas sua amargura ainda a controla, enquanto eu estive entregue. Por uma menina. . .

6


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Mas ela não é apenas uma menina. Ela é um anjo. Meu anjo. Um belo feroz anjo, forte, leal, que entrou em minha vida em uma caminhonete, carregando uma arma.

7


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 01

Esta não é uma típica história de amor. É realmente completamente fodido ser encantador. Mas quando você é o filho bastardo, do lendário baterista de uma das bandas de rock mais amada do mundo, você espera seriamente altas foda. É o que somos conhecidos. Adicione uma mimada mãe egocêntrica que me criou na mistura e o resultado não é bonito. Há tantos lugares onde eu poderia começar esta história. No meu quarto, enquanto eu segurava minha irmã, enquanto ela chorava de dor de palavras cruéis de nossa mãe. Na porta da frente, enquanto observava, com lágrimas escorrendo pelo seu rosto, enquanto meu pai vinha para me levar embora para o fim de semana, deixando-a sozinha. Ambas as coisas aconteceram, muitas vezes, me marcando para sempre. Eu odiava vê-la chorar. No entanto, foi uma parte da minha vida. Nós compartilhamos a mesma mãe, mas nossos pais eram diferentes. O meu era um roqueiro famoso, que me trouxe para o seu mundo de sexo, drogas e rock and roll todo fim de semana e por um mês durante os verões. Ele nunca me esquecia. Ele nunca dava desculpas. Ele sempre estava lá. Por mais imperfeito que ele era, Dean Finlay sempre apareceu para me pegar. Mesmo que ele não estivesse sóbrio, ele veio. O pai de Nan nunca chegou. Ela estava sozinha quando eu tinha ido embora e mesmo que eu adorava estar com meu pai, eu odiava saber que ela precisava de mim. Eu era o seu pai. Eu era a única pessoa que podia confiar para cuidar dela. Isso me fez crescer rapidamente. Quando eu perguntei ao meu pai para levá-la junto também, que ele iria ficar com esse olhar triste no rosto e balançar a cabeça. “Não posso filho. Gostaria de poder, mas a sua mãe não permitiria.” Ele nunca disse nada mais. Eu só sabia que se minha mãe não permitisse isso, então não havia esperança. Então Nan foi deixada sozinha. Eu queria odiar alguém por isso, mas odiar a minha mãe foi difícil. Ela era a minha mãe. Eu era uma criança. Então, eu encontrei um lugar para concentrar o meu ódio e ressentimento com a injustiça da vida de Nan. O homem que não veio para vê-la. O homem cujo sangue corria em suas veias, não a amava o suficiente até mesmo para enviar um cartão de aniversário. Ele tinha sua própria família agora. Nan foi vê los uma vez. Ela forçou mamãe a levá-la para sua casa. Ela queria falar com ele. Ver seu rosto. Ela só sabia que ele iria amá-la. Eu acho que, no fundo, ela pensou que mamãe não tinha contado a ele sobre ela. Ela tinha esse conto de fada em sua cabeça, que seu pai iria perceber que ela existia e precipitar-se a salvá-la. Darlhe o amor que ela tão desesperadamente procurava. Sua casa era menor do que a nossa. Muito menor. Eram sete horas de distância em um pequena cidade no Alabama. Nan tinha dito que era perfeito. Mamãe chamou de patético. Não tinha sido a casa, porém, que assombrou Nan. Não a pequena cerca branca que ela me descreveu em detalhes. Ou a cesta de basquete lá fora e as bicicletas encostadas na porta da garagem. 8


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Tinha sido a menina que abriu a porta. Ela tinha longos cabelos loiros, quase brancos. Ela tinha lembrado aNan de uma princesa. Só que ela estava usando tênis com sujeira neles. Nan nunca possuiu um par de tênis ou estado perto de terra. A menina sorriu para ela e Nan tinha ficadomomentaneamente encantada. Em seguida, ela tinha visto as fotos na parede, atrás da garota. Fotos de uma garota e uma outra menina como esta. E um homem segurando em ambas as mãos. Ele estava sorrindo e rindo. Ele era o seu pai. Esta era uma das duas filhas que ele amava. Tinha sido óbvio, mesmo para os olhos jovens de Nan, que ele estava feliz nessas fotos. Ele não estava faltando a criança que ele tinha deixado para trás. O quemamãe mantinha dizendo-lhe que ele sabia a respeito. Todas essas coisas, a nossa mãe tinha tentado dizer a ela ao longo dos anos, que ela tinha se recusado a acreditar, de repente se encaixaram. Ela estava dizendo a verdade. O pai de Nan não a queria, porque ele tinha essa vida. Estas duas lindas filhas angelicais e uma mulher que se parecia tanto com elas. Essas fotos na parede tinha torturado Nan por anos, depois. Mais uma vez, eu queria odiar minha mãe por levá-la lá. Por empurrar a verdade na cara dela. Pelo menos enquanto Nan tinha vivido em seu conto de fadas, ela tinha sido mais feliz, mas sua inocência foi perdida naquele dia. E o meu ódio por seu pai e sua família começou a crescer dentro de mim. Eles tinham tomado da minha irmãzinha a vida que ela merecia, um pai que poderia amá-la. Essas meninas não o mereciam mais do que Nan. Aquela mulher, com quem ele era casado, com sua beleza e aquelas meninas, usou para mantê-lo longe de Nan. Eu odiava todos eles. Eu finalmente agi no ódio, mas a história realmente começa na noite em que Blaire Wynn entrou na minha casa com um cenho franzido nervoso e o maldito rosto de um anjo. Meu pior pesadelo...

Eu tinha dito a Nan que eu não queria mais pessoas naquela noite, mas ela convidou-os de qualquer maneira. Minha irmã mais nova não aceitavaum “não” como resposta, sempre. Inclinando-me para trás no sofá, eu estiquei as pernas para fora, na frente de mim e tomei um gole da minha cerveja. Eu precisava ficar por aqui tempo suficiente, para garantir que as coisas não iriam sair de mão. Os amigos de Nan era mais jovem do que os meus. Eles ficavam um pouco turbulentos, às vezes. Mas eu aturava isso, porque isso a fazia feliz. Mamãe ira porra de Paris com seu novo marido, o pai ainda desatento de Nan, não tinha ajudado o humor de Nan recentemente. Isso era tudo que eu poderia pensar para animá-la. Pela primeira vez na sua vida, eu desejei que minha mãe pensasse em alguém que não fosse ela mesma. - Rush, conheça Blaire. Eu acredito que ela pode pertencer a você. Encontrei-a do lado de fora, olhando um pouco perdida. - A voz de Grant invadiu meus pensamentos. Eu olhei para o meu meio-irmão e, em seguida, na posição da meninaao lado dele. Eu já tinha visto aquele rosto antes. Ele estava mais velho, mas eu reconheci. 9


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Merda. Ela era um deles. Eu não sabia seus nomes, mas eu me lembrava que havia dois deles. Esta era. . . Blaire. Eu cortei meus olhos para Nan, para vê -la de pé, não muito longe com uma carranca no seu rosto. Isso não ia ser bom. Será que Grant não percebera quem esta menina era? - É isso mesmo? - Eu perguntei, quebrando a cabeça para de alguma forma tirá-la daqui e rápido. Nan ia explodir a qualquer minuto. Estudei a menina que tinha sido uma fonte de dor para a minha irmã, a maior parte de suavida. Ela era linda. Seu rosto em forma de coração era marcado por um par de grandes olhos azuis, com os mais longos cílios naturais que eu já vi. Cachos de loiro platinado sedoso, caídos contra um par de seiosrealmenteagradáveis,que ela estava mostrando em um top apertado. Droga. Sim, ela precisava ir. - Ela é linda, masela é jovem. Não posso dizer que ela é minha. A menina se encolheu. Se eu não tivesse vendo-a tão perto, eu teria perdido. A expressão perdida em seu rosto não batia. Ela entrou na casa sabendo que ela estava em território indesejável. Por que ela parecia tão inocente? - Oh, ela é sua, tudo bem. Vendo que seu pai fugiu para Paris com sua mãe por algumas semanas, eu diria que esta agora pertence a você. Eu ficaria feliz em oferecer-lhe um quarto em meu lugar, se quiser.Ou seja, se ela prometer deixar sua arma mortal no caminhão. - Grant estava achando isso divertido. O idiota. Ele sabia quem era ela, tudo bem. Ele adorava o fato de que istoera perturbador para Nan. Grant faria qualquer coisa para irritar Nan. - Isso não faz dela minha - eu respondi. Ela precisava tomar a dica e sair. Grant pigarreou. - Você está brincando, certo? Eu tomei um gole da minha cerveja, depois estabilizei meu olhar em Grant. Eu não estava com disposição para o seu drama com Nan. Isto estava indo longe demais. Mesmo para ele. A menina tinha que ir. Ela parecia estar pronta para ser executada. Isto não era o que ela estava esperando. Ela realmente pensou que seu querido pai estaria aqui, esperando por ela? Essa história soava como uma merda. Ela vivera com o homem por 14 anos. Eu tinha conhecido elepor três anos e eu sabia que ele era um pedaço de merda. - Eu tenho uma casa cheia de convidados hoje à noite e minha cama já está cheia. - informei-a, em seguida, olhei parameu irmão. - Eu acho que é melhor deixá-la ir encontrar um hotel, até que eu possa entrar em contato com o pai dela. Blaire pegou a mala que Grant estava segurando. - Ele está certo. Eu deveria ir. Esta foi muito má idéia. -disse ela, com um engate em sua voz. Grant não deixou a mala ir facilmente. Ela puxou firme, para colocar fora de seu alcance. Eu podia ver as lágrimas não derramadas em seus olhos e isso pu xou a minha consciência. Havia algo que eu estava perdendo aqui? Será que ela realmente esperava que nós abríssemos nossos braços para ela? Blaire correu para a saída. Eu assisti o olhar alegre no rosto de Nan quando Blaire passou por ela. - Deixando-nos tão cedo? - Nan perguntou a ela. Blaire não respondeu. 10


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Você é um merda sem coração. Você sabia disso? - Grant rosnou ao meu lado. Eu não estava com vontade de lidar com ele. Nan desfilara para nós, com um sorriso triunfante. Ela tinha desfrutado. Eu entendi o porquê. Blaire era uma lembrança de tudo o que Nan tinha perdido enquanto crescia. - Ela parece exatamente como eu me lembro dela. Pálida e simples. - Nan ronronou, afundando ao meu lado, no sofá. Grant bufou. - Você é tão cego quanto você é mau. Você pode odiá-la, mas ela é de dar água na boca. - Não comece. - eu avisei a Grant. Nan pode parecer feliz, mas eu sabia que se ela vivisse nelemuito, ela quebraria. - Se você não for atrás dela, eu vou. E vou colocar sua sexy bunda na minha casa. Ela não é o que vocêdois assumem que ela é. Eu falei com ela. Ela não tem uma pista. Aquele pai idiota de vocês, disse-lhe paravir aqui. Ninguém é tão boa mentirosa. - disse Grant, quando ele olhou para Nan. - Meu pai nunca teria dito a ela para vir a Rush. Ela veio aqui porque ela é uma vagabunda. Elacheirou dinheiro. Você viu o que ela estava vestindo? -Nan franziu o nariz em desgosto. Grant riu. - Claro que sim, eu vi o que ela estava usando. Por que você acha que eu quero leva-la para a minha casa? Ela é fumo quente, Nan. Eu não dou a mínima para o que você diz.A menina é inocente, perdida e fumoquente, maldição. Grant virou-se e dirigiu-se para a porta. Ele ia atrás dela. Eu não podia deixar que ele fosse. Ele erafacilmente enganado. Concordei que a menina era agradável para os olhos, mas ele estava pensando com seu pau. - Pare. Eu vou atrás dela. - eu disse, levantando-me. - O quê? - Perguntou Nan, com uma voz horrorizada. Grant deu um passo atrás e deixou-me passar por ele. Não me virei para trás e reconheci a minha irmã. Grant estava adireita. Eu precisava ver se este era um ato ou se realmente tinha sido dito por seu pai idiota, para ela vir aqui. Sem falar que eu queria dar um olhar para ela, sem uma audiência.

11


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 02

Ela estava subindo em um velha picape, quando eu abri a porta e sai. Parei um momento, me perguntando se era dela ou se alguém a trouxe aqui. Grant não havia mencionado qualquer outra coisa. Eu olhava contra a escuridão, para ver se eu poderia ver alguém dentro do caminhão, mas eu não poderia dizer isto de longe. Blaire abriu a porta do lado do motorista e, em seguida, fez uma pausa para respirar fundo. Era quase dramática ou pelo menos teria sido, se ela soubesse que estava sendo observada. Mas a maneira dosombros caírem em derrota, antes que ela subisse no caminhão, eu sabia que ela não tinha ideia de que tinha uma audiência. Mas, novamente, talvez ela fizesse. Eu não sabia nada sobre essa garota. Eu só sabia que seu pai era umaporra de um aproveitador. Ele pegou o que minha mãe e Nan lhe deram, mas ele nunca retornou suas fichas de afeto ou amor. O homem estava frio. Eu já tinha visto isso em seus olhos. Ele não se importava com Nan ou com a minha estúpida mãe. Ele estava usando as duas. A menina era linda. Não havia nenhuma dúvida sobre isso. Mas ela também tinha sido criada por aquele homem. Ela poderia ser uma mestra manipuladora. Usando sua beleza para conseguir o que queria e não se importando quemmachucasse ao longo do caminho. Desci as escadas em direção ao caminhão. Ela ainda estava sentada lá e eu queria que ela se fosse, antes de Grant sair e cair por este ato dela. Ele a levaria para casa com ele. E ela o usaria até que estivesse entediada. Eu não estava apenas protegendo minha irmã; Eu estava protegendo meu irmão dela,também.Grant era um alvo fácil. Ela se virou e seus olhos colidiram com os meus antes que ela soltasse um grito. Seus olhos estavam avermelhados com certeza, parecia que ela estava chorando lágrimas de verdade. Ninguém estava aqui para vê-la, então não havia a ligeirapossibilidade de que isso fizesse parte de um esquema elaborado. Eu esperei para ela fazer algo diferente do que olhar para mim como se eu fosse o estranho, quando ela estava na minhapropriedade. Como se tivesse lido minha mente, ela virou seu olhar de volta para seu volante e fez um movimentopara pôr em marcha a caminhonete. Nada. Ela começou a se tornar frenética em suas tentativas de conseguir por o caminhão em marcha, mas o clique que eu ouvi, eu adivinhei que não havia uma gota de gasolina em seu tanque. Talvez ela estivesse desesperada. Eu ainda não confiava nela. A visão dela batendo no volante em frustração, era engraçado. O bom era que ia fazer, se a idiota tinha deixado seu tanque completamente vazio? Ela finalmente abriu a porta do caminhão e olhou para mim. Se ela não era tão inocente como ela malditaparecia, então a menina era um inferno de uma atriz. 12


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Problemas? - eu perguntei. O olhar no rosto dela disse que ela não queria me dizer que não podia sair. Eu me lembreimais uma vez que esta era filha de Abe Wynn. A que ele tinha criado. Por quem ele tinha abandonado Nantodos esses anos. Eu não sentiria pena dela. - Estou sem gasolina. - disse ela, com uma voz suave. Não brinca. Se eu deixá-la voltar para dentro, eu ia ter que lidar com Nan. Se eu não o fizesse, seria Grantcuidar dela. E então, era mais provável que ela se aproveitaria dele. - Quantos anos você tem? - Perguntei. Eu já deveria ter sabido disso, mas porra, eu pensei que ela era mais velhado que parecia. O olhar de olhos grandes, com medo em seu rosto a fez mais jovem. O jeito que ela preenchia a regata e jeans, era o único sinal de que ela era pelo menos mais velha. - Dezenove. - respondeu ela. - Sério? - Eu perguntei, não tinha certeza se eu acreditava nela. - Sim. Sério. - O cenho irritado era bonito. Droga. Eu não queria pensar que ela era bonita. Ela erauma porra de complicação que eu não precisava. - Desculpe. Você acabou de parecer mais jovem. - eu disse com um sorriso. Então eu deixei o meu olhar viajar para baixo de seu corpo. Eunão precisava dela pensando que eu era alguém em quem pudesse confiar. Eu não era. Eu nunca seria. - Eu retiro o que disse.Seu corpo parece cada pedaço dos dezenove anos. É que o teu rosto parece tão fresco e jovem. Você não usa maquiagem? Ela não se ofendeu, mas sua carranca cresceu. Não era o meu efeito desejado. - Estou sem gasolina. Tenho vinte dólares em meu nome. Meu pai fugiu e deixou-me depois de me dizer que ele me ajudaria. Confie em mim, ele era a última pessoa que eu queria pedir ajuda. Não, eu não uso maquiagem. Eu tenhoproblemas maiores do que ficar bonita. Agora, você vai chamar a polícia ou um reboque? Se eu puder escolher, eu prefiro a polícia. Ela realmente sugeriu eu chamar a polícia? E foi desdém para seu querido pai que eu ouvi em sua voz? Tive a maldita certeza que era. Talvez ele não tivesse sido o modelo de pai que Nantinha imaginado em sua cabeça, na curta visita que ela fez a casa, quando ela era criança.Parecia que Abe estava em sua lista negra. - Eu não gosto de seu pai e, a julgar pelo tom em sua voz, nem você. - eu disse, deixando a ideia de que talvez ela fosse mais uma vítima de Abe Wynn, afundar-se dentro. Ele tinha abandonado Nan, e diabo, com certeza parecia que ele tinha abandonado a filha, também. Eu estava prestes a fazer algo que eu iria me arrepender. - Há um quarto vazio hoje à noite. Vai ficar vazio até a minha mãe voltar. Eu não peço para a empregada dela vir quando está viajando. Henrietta só vempara limpar uma vez por semana, enquanto minha mãe está de férias. Você pode fica r no quarto dela, debaixo das escadas. É pequeno, mas tem uma cama.

13


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines O olhar de descrença e de alívio no rosto quase fez a ideia de enfrentar Nan valer a pena. Mesmo embora eu tivesse a maldita certeza que Blaire e Nan tinha problemas de abandono de pai em comum, eu sabia que Nan nunca aceitaria isso. Ela estava determinada a odiar alguém e Blaire ia ter o pesode sua raiva. - A minha única outra opção é esta picape. Posso assegurar-lhe que o que você está oferecendo é muito melhor. Agradeço a você - disse ela com firmeza. Foda-se. Eu realmente tinha estado a ponto de deixar essa menina em uma picape? Isso era perigoso. - Onde está a suamala? - perguntei, querendo acabar logo com isso e falar com Nan. Blaire fechou a porta da picape e voltou para pegar sua mala. Não havia maneira que seu corpo pequeno estaria pegando isso e levantando-a sobre o banco da picape. Cheguei por trás dela e agarrei-a. Ela se virou eo olhar espantado no rosto me fez sorrir. Eu pisquei para ela. Eu posso levar sua mala. Eu não sou um grande babaca assim. - Obrigada-a de novo. -disse ela com uma gagueira, quando os olhos grandes e de aparência inocente prenderam com os meus.Droga, os cílios eram longos. Eu não via as meninas sem a sua maquiagem com frequência. Blaire tinha uma beleza natural surpreendente. Eu tinha que me lembrar que ela não era nada além de problemas. Isso e mantera porra da minha distância. Talvez eu devesse tê-la deixado chegar a sua própria mala. Pelo menos se ela achava que eu era um idiota, ela ficaria longe. - Ah, que bom que você a deteve. Eu estava dando-lhe cinco minutos e, em seguida, viria aqui para ter certeza de que você não tinha afugentado completamente a garota. - disse Grant, tirando-me de todo o transe que esta menina tinha me colocado abaixo. Filho da puta, eu tinha que parar essa merda agora. - Ela vai ficar no quarto de Henrietta até eu entrar em contato com seu pai e dar um jeito. - eu respondi e empurrei a bagagem para o Grant. - Aqui, leva para o quarto dela. Tenho gente me esperando. Eu não olhei de volta para ela, nem fiz contato visual com Grant. Eu precisava de distância. E eu precisava falar com a Nan. Ela não ia ficar feliz, mas não havia nenhuma maneira no inferno que eu estava deixando essa menina em sua picape. Ela chamava a atenção. Ela era linda e completamente incapaz de cuidar desi mesma. Droga! Por que eu tinha ido e puxado Abe Wynn em nossas vidas? Ele estava causando toda essa merda.Nan estava de pé na porta, com os braços cruzados sobre o peito, olhando para mim. Eu queria-a chateada. Enquanto ela estava com raiva de mim, ela não iria chorar. Eu não lidava bem quando ela chorava. Eu tinha sido o único a tentar aliviar a dor dela, desde que era pequena. Quando Nan chorou, eu imediatamente comecei a tentar corrigir as coisas. - Por que ela ainda está aqui? - Nan retrucou, olhando por cima do meu ombro antes que eu pudesse fechar a porta ebloquear o fato de que Grant estava vindo para cá com Blaire. - Nós precisamos conversar. – Agarrei e puxei-a para longe da porta e para as escadas. - No andar de cima. Se você vai gritar, eu não quero causar uma cena. - Eu disse a ela, certificando-me de usar a minha voz severa.

14


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Ela franziu a testa e começou a subir as escadas, como uma criança de cinco anos de idade. Segui-a, esperando que elaficasse longe o suficiente da porta da frente antes que abrisse. Eunão tomei uma respiração profunda, até que ela estava seguindo para o quarto que tinha usado, quando esta era a nossacasa de verão. Antes de me tornar um adulto e pegar o que era meu. - Você está comprando sua merda, não é? Grant falou para você isso!Eu sabia que deveria ter seguido com você atélá. Ele é um idiota. Ele só está fazendo isso para me atingir. - ela cuspiu antes que eu pudesse dizer algo. - Ela vai ficar no quartodas malditas escadas. Não é como colocá-la aqui. E ela apenas ficará até que eu possa conseguir uma resposta de Abe e descobrir o que fazer. Ela não tem gasolina em sua picape e não tem dinheiro para conseguir um quarto de hotel. Você quer ficar com raiva de alguém, bem, fique com raiva de filho da puta do Abe! - Eunão tinha a intenção de levantar a minha voz, mas quanto mais eu pensava sobre Abe fugindo para Paris, sabendo que suafilha estava vindo aqui, em uma picape velha, sem dinheiro, mais ele me irritava. Qualquer coisa poderia ter acontecido com ela. Ela era muito frágil e necessitada, maldição. - Você acha que ela é gostosa. Eu vi o olhar em seus olhos. Eu não sou estúpida. Isso é tudo. - disse Nan, antes de furar o lábio num muxoxo. - Vê-la me dói, Rush. Você sabe disso. Ela o teve por 16 anos. É a minha vez! Eu balancei a cabeça em descrença. Ela pensava que tinha Abe agora? É mesmo? Ele estava fora, vivendo em Paris às custas de minha mãe e Nan achava que significava que tinha ganhado? - Ele é um perdedor, Nan. Elateve sua presença por dezesseis anos. Eu não acho que isso significa que ela ganhou alguma coisa. Ele deixou-a vir aqui, pensando que ele iria ajudá-la e não pensou duas vezes sobre o fato de que ela é uma garota indefesa, com esses grandes olhos tristes, que qualquer homem poderia se aproveitar. - Eu parei de falar, porque eu estava dizendomuito. Os olhos de Nan se arregalaram. - Santo inferno! Você não vai transar com ela! Você está me ouvindo? Não vai transar com ela! Ela vai emboraassim que você chutá-la para fora. Eu não a quero aqui. Conversar com minha irmã era como falar com uma parede. Ela era tão teimosa. Eu não estava fazendo isso. Ela poderia fazer todas as demandas que ela queria, mas eu possuía esta casa. Eu possuía seu apartamento. Eu possuía tudo em sua vida. Eu estava no controle. Não ela. - Volte para a sua festa e seus amigos. Eu estou indo para a cama. Deixe me lidar com isso da maneira que precisa ser tratada. - eu disse, em seguida, virei e dirigi-me para a porta. - Mas você vai transar com ela, não é? - Nan perguntou por trás de mim. Eu queria que ela parasse de dizer essa palavra em relação a Blaire, porque, caramba de um inferno, estavafazendo-me pensar em tudo, o cabelo loiro branco no meu travesseiro e aqueles olhos olhando para mim quando ela chegasse no clímax. Eu não respondi a Nan. Eu não estava indo foder Blaire

15


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Wynn. Eu estava indo mantê-la o mais longe possível de mim. Mas Nan não ia mandar em mim, também. Eu fazia minhas próprias escolhas.

16


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 03

A música estava alta, bombeando no andar de baixo, mas eu sabia que não seria capaz de ouvi-la no meu quarto. Eu não estava com disposição para toda essa merda lá em baixo. Eu não estava no humor antes Blaire Wynn mostrar-se e eu com certeza não estava de bom humor agora. - Aí está você. - uma mulher murmurou, me virei para ver uma das amigas de Nan do clube, caminhando em minha direção. A saia era tão curta,que a bunda dela quase saia da parte de trás. Essa tinha sido a única razão pela qual eu a notei. Difícil perder um rabobem ali, em exposição. Eu não conseguia lembrar o nome dela, apesar de tudo. - Você se perdeu? - eu perguntei, não gostando que ela veio para cima. Minha regra era manter a festa longe de meu espaço pessoal. Ela empurrou o peito para fora e mordeu os lábios, batendo os cílios para mim. Longos cílios postiços. Nada como os de Blaire. Foda-se. Por que eu estava pensando em Blaire? - Exatamente onde eu quero estar. Com você. - ela disse, em um sussurro rouco, antes de pressionar os peitos dela em meu peito e passar a mão para baixo, para a cabeça do meu pau. - Eu ouvi o quão bem você pode fazer uma garota se sentir. Como você pode fazer gritar em seus orgasmos, uma e outra vez. - disse ela, gentilmente me apertando. - Faça-me vir, Rush. Abaixei-me e agarrei uma mecha de seu cabelo loiro. Não era tão loiro como. . . nenhum. Maldição, eu estava fazendo isso de novo. Comparando tudo sobre ela para Blaire. Esta era uma questão que eu precisava conseguir controle agora. – Implore. - Eu disse a ela. - Por favor, Rush. - ela respondeu rapidamente, ela esfregava meu pau desinteressado à vida. - Eu quero que você foda-me, por favor. Ela era boa. Soou quase como uma estrela pornô. - É apenas sexo, amor. Nada mais. E é apenas hoje à noite. - eu disse a ela. Eu sempre tinha a certeza que conheciam as regras. Nós não teríamos uma repetição, a menos que ela fosse muito boa. - Hmm, eu vou lembrá-lo que você disse isso. - ela disse, piscando para mim, como se ela não acreditasse em mim, em tudo. Ou ela era porra brilhante no saco ou era uma ilusão da parte dela. Eu quase nunca voltava para o segundo. - Onde está o seu quarto? - ela perguntou, dando um beijo no meu peito. - Não estou levando você para o meu quarto. - disse a ela, empurrando-a para trás, até que ela tropeçou no quarto de convidados, usado para o sexo. Meninas não chegavam a ir para o meu quarto. Esse era o meu lugar e eu não queria memórias de mulheres lá em cima. - Oh, Sr. Impaciente. - disse ela, rindo quando ela deslizou para fora de sua saia e lambeu os lábios. - Eu sou uma profissional em chupar pau. 17


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Eu puxei minha camisa e fui sentar-me na cama. - Mostre-me. - eu respondi.

O cheiro de perfume bateu no meu nariz e eu olhei contra o sol, xingando quem não tinha fechado a caramba das cortinas ontem à noite. Rolei eo corpo nu ao meu lado fez um barulho. Ela tinha ficado toda noite. Merda. Eu odiava as que não partiam. Elas eram as únicas pegajosas. As que pensavam que eram mais do que uma foda. Será que ela realmente achava que, ficar de joelhos e me chupar sem me dizer o nome dela, ia ganhar seus pontos? Levantei-me e encontrei minha calça jeans, em seguida, sacudi-a. A menina bocejou e eu decidi que iria renunciar a camisa e dar o fora enquanto eu tinha tempo. Ela pegaria a dica quando eu estivesse longe de ser encontrado. Eu abri a porta devagar, sai para o corredor e me dirigi para as escadas. Se eu fosse para o meu quarto, ela viria bater à minha porta. Eu poderia ir até a praia e entrar em uma corrida matinal. Mas, primeiro, eu necessitava de café. Fixei um copo rapidamente, em seguida, dirigiu-me para as portas francesas que conduzem para fora. No momento em que cheguei a porta, a vi. Aquele cabelo longo e sedoso dela estava soprando na brisa enquanto ela estava na minha varanda, com vista para a água. Eu amei essa visão. Era tranquilo. Eu me perguntava o que ela estava pensando. Será que ela se preocupava que Abe podia não voltar? Ela realmente iria encontrar uma maneira de sair? Ouela era como o seu pai aproveitador? Depois de uma noite de sexo com uma amiga sem nome da minha irmã, eu me perguntava como seria para conseguir chegar até Blaire. Ela não iria atirar -se para mim e ela com certeza não iria ficar de joelhos e sugar-me fora, porque eu disse a ela para fazer. Por que diabos surgiu a ideia de inocência apelando para mim? Isso era complicado. Eu não queria complicação. Eu não poderia ignorá -la, no entanto. Não, esta manhã. Eu precisava ver sua cara de novo e ver se aquele olhar sincero ainda estava lá. Ela estava com raiva de dormir sob as escadas? Será que as garras sairiam agora? - Essa visão nunca fica velha. - eu disse, fazendo-a girar ao redor e boquiaberta para mim. Eu a tinha assustado. Eu comecei a rir quando o seu olhar viajou pelo meu peito nu e focou no meu abdomen. Mas que diabos? Ela estava verificando-me. Talvez ela não fosse tão inocente. A ideia fez meu estômago azedo. - Você está apreciando a vista? - eu perguntei, mascarando a minha decepção com diversão. Ela piscou rapidamente como se acordasse do transe e ergueu o olhar para cima, na minha cara. Eu odiava a ideia dela se jogandopara mim. Eu não quero que ela seja como as outras. Por que diabos isso importava, eu não sei, mas era. - Não me deixe interrompê-la. Eu mesmo estava gostando. Eu disse a ela, incapaz de afastar o aborrecimento da minha voz. Eu tomei um gole do meu café. Seu rosto ficou vermelho e ela virou-se para enfrentar a água novamente. Por que o simples fato de que ela tinha sido pega olhando e ficar envergonhada me fez feliz, pra caralho? Droga. Eu não pude deixar de rir com alívio. 18


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Aí está você. Senti sua falta na cama, esta manhã. - Eu reconheci a voz dengosa. Merda. Eu tinha perdido tempo e ela me encontrou. Blaire voltou -se para olhar para mim, e então seus olhos se voltaram para a menina pressionando-se contra mim. Isso era bom. Ela precisava ver o pedaço de merda que eu poderia ser. Isso era o que eu queria. Ela ficaria longe de mim se ela visse isso. Mas o brilho de interesse nos olhos de Blaire, quando a menina passou as unhas no meu peito fez coisas em mim, eu não queria admitir. - É hora de você ir. - eu disse, movendo a mão de cima de mim e apontando na direção da porta da frente. - O quê? - Ela perguntou, com surpresa em sua voz, como se eu não lhe tivesse dito ontem à noite que isso não iria acontecer novamente. - Você conseguiu o que você queria vindo aqui, gata. Você me queria entre as suaspernas. E conseguiu. Agora já deu para mim. - eu lembrei a ela. - Você está brincando comigo! - Ela respondeu, com um grunhido furioso. Talvez ela não tivesse acreditado em mim ontem à noite. Seu erro. Eu balancei a cabeça em minha própria estupidez e tomei outro gole do meu café. Um dia, eu iria aprender que essas conexões com uma festa do pijama eram problemas. - Você não pode fazer isso comigo. Ontem à noite foi incrível. Você sabe que foi. - ela disse em uma voz chorona, quando ela pegou meu braço, que puxei para fora de seu alcance. Não era mais tempo de "implore Rush". Fizemos isso ontem à noite. Foi muito divertido. Ela gozou mais vezes do que podia contar. Mas, para mim, foi medíocre. - Eu avisei ontem à noite, quando você veio implorando e tirando suas roupas, que tudo seriasó uma noite de sexo. Nada mais. -eu disse, irritado que eu mesmo tivesse que lembrá-la. Eu não olhei para ela. Eu mantive meus olhos na água e bebi o meu café, como se ela já tivesse saído. Com uma batida de seus pés, ela foi embora. O olhar horrorizado no rosto de Blaire me fez superar rapidamente a interrupção da noite passada como erro. - Então, como você dormiu a noite passada? - Perguntei. Tinha que ser apertado naquele quarto, mais as escadas e o barulho na casa, provavelmente incomodaram. Esta era sua chance de reclamar. Mostrar suas verdadeiras cores. - Você faz isso muitas vezes? - ela perguntou, com um olhar irritado em seu rosto. Isso era adorável. . . caramba. - O quê? Perguntar às pessoas se elas dormiram bem? - Eu não ia deixar aquele rosto chegar até mim. Ela estava indo embora assim que eu conversasse com Abe. Este era um problema dele, não meu. O fato de que eu gostava de olhar para ela era ainda mais de uma razão para levá-la fora daqui, inferno.

19


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Ter relações sexuais com as meninas e depois jogá-las fora como lixo. respondeu ela. Aqueles grandes olhos se arregalaram, como se estivesse chocada com as palavras que saíram de sua própria boca. Eu queria rir. Ela fazia ser difícil manter o foco. Eu larguei o meu copo para baixo e estendi-me na poltrona, ao meu lado. O melhor curso de ação era conseguir que Blaire me odiasse. Eu estaria fazendo-nos um favorecer. Se ela me odiasse, eu poderia facilmente manter distância. - Você sempre meter o nariz onde não é chamada? - eu perguntei. Em vez da raiva que eu esperava piscar em seus olhos, eu vi remorso. É mesmo? Eu tinha sido um idiota. Não era para olhar como se ela estivesse com pena de mim, gritando na minha merda. - Não é normal, não. Desculpa. - disse ela com um meio-sorriso de desculpas e correu para dentro. Que porra é essa? Ela tinha apenas realmente pedido desculpas? De onde é que esta menina vem? Mulheres não agem como ela. Não tinha ninguém lhe ensinado não recuar diante de valentões? Levantei-me e virei-me para olhar para dentro e encontrá-la pegando as garrafas vazias e lixo espalhados durante a noite, da ultima festa. Eu odiava uma bagunça, mas eu tentei esquecê-lo quando Nan queria festa. - Você não precisa fazer isso. Henrietta vai estar aqui amanhã. - eu disse, odiando vê-la limpar. Ela colocou as garrafas no lixo que tinha recolhido e olhou para mim. - Eu apenas pensei que eu podia ajudar. Eu estava chamando o pai dela esta manhã. Eu precisava tirá-la daqui. Até então, eu tinha que ter certeza ela me odiava. - Eu já tenho uma governanta. Eu não estou precisando contratar outra, se é isso que você está pensando. - O tom áspero na minha própria voz me fez querer estremecer, mas mantive o olhar entediado no meu rosto. Eu tinha aperfeiçoado anos atrás. Eu não conseguia olhar para ela agora. - Não. Eu sei disso. Eu só estava tentando ser útil. Você me deixou dormir em sua casa na noite passada. - Sua voz era suave e suplicante, como se ela precisasse de mim para acreditar nela. Foda-se isso. Precisávamos definir algumas regras básicas antes de eu foder tudo. Sobre isso. Nós precisamos conversar. - OK. - ela disse em um sussurro. Droga, por que ela parecia tão derrotada novamente? Eu não tinha chutado filhote de cachorro, maldição. - Eu não gosto de seu pai. Ele é um aproveitador. Minha mãe sempre tende a encontrar homens como ele. É seu talento. Mas você já deve saber isso sobre ele. O que me faz curioso. Por que você veio pedir a ajuda dele se você sabe como ele é? - Eu precisava que ela me disse uma coisa real. Ou eu necessitava pegá-la em uma mentira. Eu não poderia mantê-la aqui por muito mais tempo. Aquelas malditas pernas longas dela e seus grandes olhos azuis estavam me deixando louco. - Minha mãe acabou de falecer. Ela tinha câncer. Três anos de tratamentos custam caro. A única coisa que tínhamos era a casa da minha avó nos deixou. Eu tive que vender a casa e tudo mais para pagar todas as contas médicas de 20


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines minha mãe. Eu não vi o meu pai desde que ele nos abandonou há cinco anos. Mas ele é a única família que me resta. Eu não tinha ninguém para pedir ajuda. Eu preciso de um lugar para ficar até que eu possa encontrar um emprego e conseguir alguns salários. Então eu vou ter minha própria casa. Nunca tive a intenção de ficar muito tempo por aqui. Eu sabia que meu pai não ia querer que eu ficasse. - Ela fez uma pausa e riu, mas não era real. Ela estava cheia de dor, que só torci o intestino. - Apesar de eu que nunca esperasse que ele fugisse antes de eu chegar. Santo maldito do inferno. Eu ia matar Abe Wynn. O filho da puta tinha abandonado sua filha enquanto ela cuidava de sua mãe doente? Que tipo de monstro doente fazia essa merda? Eu não podia chutá-la para fora. Fiquei, no entanto, a ponto de tornar a vida de Abe um inferno. O babaca ia pagar por isso. - Estou triste de ouvir sobre a sua mãe. - eu consegui dizer através do sangue fervendo nas veias. - Isso tem que ser difícil. Você disse que ela estava doente há três anos. Então, você tinha dezesseis anos? - Ela tinha sido uma criança. Ele a tinha deixado e ela só era uma criança. Ela simplesmente assentiu com a cabeça e me olhou com cautela. - Você está pensando em arranjar um trabalho e um lugar para morar. disse eu, querendo me lembrar que este era o seu plano. Eu poderia ajudá -la o tempo suficiente para que ela pudesse alcançar este objetivo. Alguém precisava ajudá-la, caramba. Ela estava se virando sozinha. – O quarto debaixo das escadas é seu por um mês. Você deve ser capaz de encontrar um emprego e conseguir dinheiro suficiente para encontrar um apartamento. Destin não é muito longe daqui eo custo de vida é mais barato lá. Se nossos pais retornarem antes desse tempo, eu imagino que o seu pai será capaz de ajudá-la. Ela deixou escapar um pequeno suspiro e seus ombros caíram. - Obrigada. Eu não conseguia olhar para ela. Isso me fez querer matar Abe com minhas próprias mãos. Agora, eu não podia concentrar em Nan e sua necessidade de um pai. O homem que ela queria como um pai era um bastardo. Um bastardo que eu ia fazer pagar por essa merda. - Eu tenho algumas coisas para fazer. Boa sorte na caça de emprego. – eu disse, antes de me afastar daqui. Eu tinha um telefonema para fazer.

21


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 04

Eu deixei o telefone tocar três vezes antes de desligar e ligar novamente. Eu chamaria do telefone da minha mãe até que ela respondesse. Era melhor que ela não fodesse comigo ou eu iria virar a maldita coisa e cancelar seus cartões de crédito. Ela estaria me chamando em seguida. - Honestamente, Rush, é realmente necessário me chamar incessantemente? Se eu não responder, deixe uma mensagem e eu vou retornar suas ligações, quando for conveniente para mim. - Eu não dou a mínima para a sua conveniência. Eu quero falar com o filho da puta com quem você é casada. Agora. Mamãe bufou ao telefone. - Eu certamente não vou ouvir meu filho falar comigo desse jeito ou do meu marido. Você pode ligar de volta quando você estiver pronto para falar com respeito e... - Mãe, que Deus me ajude, se você não colocar o homem ao telefone, o telefone e cartões de crédito serão encerrados nos próximos dez minutos. Não brinque comigo. Isso a calou. Sua inalação acentuada foi a única resposta que eu tive. - Agora, mãe. - eu repeti com firmeza. Havia sussurros abafados antes que eu ouvisse Abe limpar a garganta. – Olá - disse ele, como se ele ignorasse o fato de que ele havia abandonado sua filha. - Entenda uma coisa. Eu controlo tudo. O dinheiro. Minha mãe. Tudo. Ele é meu. Você fode comigo e você vai ser cortado. Eu te trouxe aqui porque eu amo minha irmã. Mas você está me mostrando que você não vale o seu tempo. Agora, me explique como você disse a sua outra filha para vir a minha casa e depois só deixaram o país filho da puta. Abe fez uma pausa, e eu ouvi tomar uma respiração profunda. - Eu esqueci que ela estava vindo. Que porra ele fez. - Ela está aqui agora, idiota e ela precisa de ajuda. Você e minha mãe precisam entrar em um avião e trazer suas bundas para cá. - Eu não a vejo em cinco anos. Eu não. . . Eu não sei o que dizer a ela. Ela é uma adulta agora. Ela pode fazer o seu próprio caminho. Eu não deveria ter dito a ela para vir à sua casa, mas eu precisava dizer a ela alguma coisa. Ela estava implorando por ajuda. Se você não quer ela lá, então mande-a embora. Ela é uma garota inteligente. Ela tem uma arma. Ela vai sobreviver. Ela é uma sobrevivente. Ela é uma sobrevivente. Ele tinha acabado de dizer isso? De verdade? Minha cabeça começou a latejar, e eu pressionei meus dedos contra as têmporas, para algum alívio. - Você tem que estar brincando comigo. - eu consegui dizer através de meu completo choque, horrorizado. - Ela acabou de perder sua mãe, seu pedaço de merda. Ela está malditamente desamparada. Você já a viu? Ela é muito malditamente inocente para estar andando por aí sem proteção. Você não pode me dizer que ela é uma sobrevivente, porque a menina 22


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines que apareceu na minha porta ontem à noite, parecia completamente quebrada e sozinha. O arranco em sua respiração era o único sinal que eu tinha, que não lhe deu uma merda sobre sua filha. - Eu não posso ajudá-la. Eu não posso nem me ajudar. Era isso. Ele se recusava a voltar para casa e fazer qualquer coisa sobre isso. Blaire foi deixado aqui para eu ajudar ou jogar fora. Ele não se importava. Eu não podia formar palavras. Eu terminei a chamada e deixei cair o telefone no sofá, antes de olhar para fora da janela, na frente de mim. Nan odiara essa garota a maior parte de sua vida. Ela invejava. Culpava. Para quê? Ter um pai pior que a mãe que tinha sido dada? Não tinha havido nenhuma batida na porta que levava ao andar de cima, que eu reivindiquei completamente. Ouvi a porta aberta, seguido pelo som de passos. Só uma pessoa poderia andar até aqui sembater. - Eu coloquei gasolina em sua picape. - disse Grant, quando seu pé bateu no degrau mais alto. - Você não tem que me pagar de volta. Eu não olhei para trás, para o cara que eu considerava meu irmão. Nós tínhamos sido meio-irmãos, quando os nossos pais estiveram casados por pouco tempo. Eu precisava de alguém para me apoiar nesse ponto da minha vida e Grant tinha sido esse alguém. Ele tinha nos ligado. - Você vai mantê-la sob as escadas, como o maldito Harry Potter? - Grant perguntou, quando ele se sentou no sofá, do outro lado do quarto. - Ela está mais segura sob as escadas. - eu respondi, voltando meus olhos em sua direção. - Longe de mim. Grant riu e levantou os pés para descansar sobre a poltrona, em frente a ele. - Sabia que não podia ignorar o fato de que ela estava fumando quente. Essa coisa inocente, de olhos grandes que ela tem, é ainda mais tentador. - Fique longe dela. - eu disse a ele. Grant não era o melhor para ela. Nós dois estávamos fodidos. E ela precisava de segurança. Nós não tínhamos como dar a ela. Grant piscou e inclinou a cabeça para trás, para olhar para o teto. - Calma. Eu não vou tocar nela. Ela é o tipo que você admira de longe. Eu não posso prometer não admirar, no entanto. Porque, caramba, ela está muito bem. - Sua mãe está morta. - eu disse, ainda incapaz de acreditar que Abe tinha conhecimento que sua mãe estava doente todo esse tempo e não tinha feito nada. Grant baixou os pés no chão e inclinou-se para olhar para mim, apoiando os cotovelos em seus joelhos. A carranca preocupada em seu rosto só me lembrou quanto compassivo meu irmão poderia ser. Eu não podia deixarele fazer um erro e prejudicar Blaire. Ele não queria, mas ele faria, eventualmente. - Morta? Como recentemente? - ele perguntou. Eu balancei a cabeça. - Sim. Ela está sozinha. Ela veio aqui porque Abe disse a ela que iria ajudá-la. Então, ele foi embora. Grant soltou um silvo zangado entre os dentes. - Filho da puta. 23


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Eu concordei com ele. Completamente. - Você já falou com Abe? Antes da minha conversa com Abe, eu não gostava dele, tinha sido desgostoso com ele. Agora eu o odiava. Eu odiava que eu o tinha trazido. Que eu tinha deixado seu coração egoísta, frio para esta família. Não havia ninguém para culpar além de mim. - Ele disse que não pode ajudá-la. - eu respondi. O desgosto na minha voz era óbvio. - Você está indo ajudá-la, certo? - Perguntou Grant. Eu queria gritar que não era esse o meu problema. Que eu não tinha pedido esta merda. Mas eu tinha, quando eu trouxe o homem para esta casa. - Eu vou ter certeza que ela consiga um emprego que pague bem e seja seguro. Quando ela tiver dinheiro suficiente para conseguir seu próprio lugar, eu vou fazer o que puder para ajudá-la a encontrar algo acessível. Grant deixou escapar um suspiro de alívio. - Bom. Quero dizer, eu sabia que você faria, mas é bom ouvir você dizer isso. Apenas Grant esperava que eu fizesse a coisa certa. Todo mundo me via como o filho mimado de uma lenda do rock. Grant viu mais. Ele sempre via. Não deixá-lo para baixo foi uma das razões porque eu fiz algo com minha vida. Não me tornei o que o mundo achava que eu faria. Ou o que muitos pensavam que eu era. Eu tinha feito meu próprio caminho, porque alguém acreditou em mim. - Melhor lugar para ela é o clube. - disse eu, pegando meu celular. Eu era um membro da Kerrington Country Club, que era o centro desta pequena cidade turística de Rosemary Beach. Um trabalho que haveria de ser seguro para Blaire e pagariam-lhe bem. - Não chame Woods. Ele é um idiota. Ele vai dar uma olhada para ela e torná-la seu objetivo de transar com ela. - Grant disse. A ideia de Woods Kerrington, filho do dono do clube, tocando Blaire fez minha pele se arrepiar. Woods era um carabom,tínhamos sido amigos a maior parte da minha vida, mas que amava as mulheres. Ele as amava por uma noite e, em seguida, ele terminava com elas. Eu não o estava julgando – eu era da mesma maneira. Eu só não pretendia deixar Woods tocar Blaire. - Ele não vai tocá-la. Eu vou ter certeza disso. - eu disse, antes de chamar o diretor de recursos humanos do clube.

Blaire já tinha encontrado o clube e Darla já tinha dado a ela um emprego. Eu não pude deixar de sorrir. Talvez ela fosse mais dura do que parecia. Mas o pequeno puxão de orgulho que eu sentia por ela parou de repente o meu bom humor. Por que diabos eu estava sorrindo como um idiota que Blaire Wynn tinha ela mesmo conseguido um emprego? Assim, o quê? Ela tinha dezenove anos, não dez. Eu não deveria sentir nada por ela. Ela era uma porra de uma estranha. Uma que eu tinha desprezado a maior parte da minha vida.

24


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Peguei meu telefone e liguei para Anya. Ela estava sempre disponívele ela sempre ia embora quando terminávamos. Ela não dormia aqui. Era a única razão pela qual eu a trazia de volta uma e outra vez. Isso e o fato de que ela tinha a melhor cabeça do mundo e fazia uma comida italiana assassina. Ela iria tirar Blaire fora da minha mente. E Blaire chegariaem casa e me veria com Anya esta noite. Não que Blaire precisasse se lembrar de ficar longe de mim. Ela estava com medo de mim. A única vez que eu vi interesse em seus olhostinha sido naquela manhã, quando ela se virou para me observar. Ela tinha mais do que gostado de me ver sem a minha camisa. Problemas, eu malditamente adorei. É. . . Eu estava chamando Anya. Uma transa sem amarras, a beleza de cabelos escuros era exatamente o que eu precisava.

25


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 05

Ela me olhava. Foda-se. Tinha sido tão fácil fechar os olhos e afundar em Anya enquanto imaginavao rosto de Blaire olhando para mim. Sua boca ligeiramente aberta e seu rosto rosa. Ela tomaria as respirações rápidas enquanto eu a enchia mais e outra vez. Eu vim tão difícil que eu tinha ficado fraco quando acabou. Eu também não tinha sido capaz de olhar para Anya. Eu me senti como um idiota. Eu não fodia mulheres enquanto imaginava alguém na minha cabeça. Isso estava errado. Mas eu sentia Blaire me observando. Meu corpo inteiro tinha vindo quando o calor do seu olhar me encontrou. Quando eu tinha virado a cabeça apenas o suficiente para olhar para ela, a porta da despensa estava fechando atrás dela. Ela havia saído. Mas sua presença me fez mais forte do que eu já estive. Por que ela estava ficando em mim assim? A primeira coisa que notei, quando entrei na cozinha esta manhã, foi que o lugar estava limpo. Eu não o tinha deixado assim. Eu tinha enviado Anya para casa, com um beijo na bochecha e um obrigado, antes de fechar a porta para ela e correr para o meu quarto, para andar e maldiçoar. O que significava. . . Blaire tinha limpado. Por que ela estava limpando amerda? Eu lhe disse que não precisava dela para limpar. Mexi-me para fazer o café, batendo armários e gavetas. Eu odiava o pensamento de Blaire aqui limpando a bagunça que Anya e eu tinhamos feito. Eu odiava o fato de que ela tinha feito isso, depois de me assistir foder Anya. Mas mais do que essas coisas, eu odiava o fato de que eu fiz uma merda. - Quem mijou em seu cereal? - A voz de Grant me assustou, fazendo-me salpicar café escaldante na minha mão. - Pare de aprontar com mim, maldição. - rosnou. - Eu bati na porta quando entrei, maldição. Qual é o seu problema? - Grant soou como se não se incomodasse com minha explosão de raiva, como eu esperava. Ele foi atrás de mim para pegar para si mesmo uma xícara de café. - Você me fez queimar a minha mão, seu idiota. - Eu rosnei, ainda chateado que eu tinha estado tão perdido em meus pensamentos que eu não tinha sequer ouvido Grant entrar na casa. - Ainda não tomou seu café, não é? Beba. Você está agindo como um idiota. Depois de sua noite com Anya e suashabilidades orais, eu teria pensado que você estaria em um estado de espírito muito melhor. Eu enfiei a mão debaixo da água fria da torneira, em uma tentativa de refrescar minha pele aquecida. - Eu acabei de acordar. E como é que você sabe que Anya estava aqui ontem à noite? Grant levantou-se e sentou-se no balcão, antes de tomar um gole de café. Eu sequei minhas mãos em uma toalha e esperei que ele me dissesse como ele sabia sobre Anya. 26


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Ela me ligou ontem à noite. Queria saber quem era a garota que estava morando em sua casa. - Ele deu de ombros e tomou outro gole. Eu não tinha certeza se eu gostava do som disso. Como ela sabia sobre Blaire? Eu não tinha contado a ela. - Pare com essa coisa carrancuda que você faz. É chato. - disse Grant, acenando com a taça na minhadireção, com um sorriso. - Ela viu Blaire ontem à noite, quando ela chegou em casa. Aparentemente, os dois foram ficando ocupados, mas ela viu Blaire sobre seu ombro. Ela estava curiosa sobre o porquê de ela desaparecer sob as escadas. . . - Disse ele, sumindo. Eu poderia dizer que havia mais da história, então eu esperei. Quando Grant não continuou, eu olhei para ele. Ele riu em resposta, depois deu de ombros. - Tudo bem. Eu ia deixar de fora a parte em que você olhou de volta a Blaire e depois fodeu enlouquecido a Anya. Ela notou algo ligado em você, cara. Desculpe, mas você não é tão bom em cobrir as suas emoções. - Seu sorriso cresceu mais amplo. – Foi a melhor foda que ela é já teve, apesar de tudo. Mas então, ela ainda não me teve . Eu ia ter que enviar-lhe flores. Ou algo assim. Merda! Ela sabia que era Blaire quem me teveontem à noite. Eu era um idiota ainda maior do que eu pensava. - É Anya. Ela não se importa. Você sabe disso. Ela está para o sexo, assim como você. Nada mais. Mas eu sugiro que você pegue suas coisas juntos e rápido. Se Blaire está ficando sob sua pele, então você precisa parar com isso. Agora. Ela não é uma Anya e você sabe disso. Além disso, você não pode tocá la. Ela vai odeiá-lo quando tudo isso sair. Seu pai, sua irmã, tudo isso. Você não pode ir lá e você sabe disso. Ele estava certo. Blaire não era alguém que eu poderia chegar perto. Logo eu seria o seu inimigo e ela me odiará tanto quanto eu a odiava ao longo dos anos. A única diferença seria que ela tinha um motivo para me odiar. Eu mereço o seu ódio. - Eu sei. -eu disse, odiando o gosto na minha boca. A verdade. - Eu tenho que começar a trabalhar. Pensei em passar por aqui e deixar que você soubesse sobre a chamada, tarde da noite, por Anya em primeiro lugar. - disse Grant, pulando e carregando seu copo para a pia. - Obrigado. - eu disse. Ele me deu um tapa nas costas. – É para isto que estou aqui. Para manter o seu rabo estúpido na linha. - ele brincou, e, em seguida, virou-se e afastou-se. Eu esperei até que a porta se fechasse atrás, para depois irao chuveiro. Eu tinha um dia cheio pela frente. Primeiro, eu precisava enviar algumas flores e um cartão de desculpas para Anya. Isso seria o fim dos nossosenconto de foda. Eu não podia fazer isso com ela agora. Mesmo que ela estivesse bem com isso, eu não estava. Nan estava esperando por mim quando eu caminhei de volta para baixo, depois de me vestir. Eu queria saber quanto tempo ela ficaria fazendo beicinho. Ela sabia que Blaire estava aqui e ela estava chateada. Seu longo cabelo vermelho foi recolhido para o lado, em um rabo de cavalo que caia sobre o 27


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines ombro esquerdo nu. A saia de tênis branco que ela estava usando foi feitapara ser usada com um polo correspondente. Mas isso era muito chato para Nan. E la tinha encomendado um top, que tinha algum nome chic. Eu tinha tirado sarro dela por semanas. - Ela ainda está aqui. - disse Nan, em um tom irritado. - Não, ela está no trabalho. - eu respondi, sabendo que não era o que ela queria dizer. - Trabalho? Ela está no trabalho? Você tem que estar brincando comigo! O tom de Nan foi de irritada para um grito. Minha irmãzinha não estava acostumada a não conseguir as coisas de mim. Eu era a única pessoa no mundo que moviamontanhas para ter certeza que ela estava feliz. Mas desta vez. . . desta vez, era diferente. Eu não estava ferindo alguém inocente apenas para fazer Nan feliz. Eu tinha meus limites e ela me levou a desenhar um aqui. - Não. - eu disse, passando por ela e para a sala de estar, onde eu tinha certeza que tinha deixado minha carteira ontem à noite, antes de ficar nu, do lado de fora. - Por que ela está trabalhando? Por que ela ainda está aqui? Ligou para a mãe? Nan não estava entendendo a dica. Ela ia fazer-me dizer-lhe que eu não estava fazendo desta vez. Ela ia perder esse argumento comigo. Eu não estava chutando Blaire fora. Não por ela. . . inferno, por ninguém. A menina precisava de ajuda. - Ela conseguiu um emprego. Ela precisa de dinheiro para conseguir se manter. Sua mãe morreu, Nan. Ela enterrou a mãe sozinha. Tudo malditamente sozinha. Agora, o pai das duas está em Paris com a nossa mãe, curtindo a vida. Eu não estou apenas mandando-a embora. Esta é minha culpa. Nan caminhou para mim e agarrou meu braço com força. - Sua culpa? Como isso é culpa sua, Rush? Ela é ninguém para nós. Ninguém. Sua mãe morreu, mas eu não me importo. Sua mãe arruinou a minha vida. De modo que é péssimo para ela. Mas nada disso é culpa sua. Pare de tentar salvar o mundo, Rush. Eu tinha criado essa mulher sem coração. Outra coisa que era minha culpa. Nan tinha sido negligenciada quando criança e eu tinha tentado como o inferno para compensar isso. Em vez disso, eu tinha criado um adulto vingativo, sem coração. Eu faria qualquer coisa para mudar isso, mas eu não sabia como. Eu olhei para ela e desejei que eu não tivesse ainda que ver a menina triste que eu queria salvar. Seria muito mais fácil de ser duro com ela. Mas ela era a minha irmãzinha. Ela sempre seria. Eu a amava para o melhor ou para pior. Ela era a minha família. - É tudo culpa minha. Problemas de Blaire e os seus. - eu disse, e empurrei meu braço do seu aperto. Eu peguei minha carteira fora da mesa de café e me dirigiu para a porta. Eu tinha que ir embora, longe da minha irmã. Ela não estava ajudando o meu humor. - Onde ela está trabalhando? - perguntou Nan. Parando na porta, eu decidi que era algo que Nan acabaria por descobrir por si mesma, mas eu não diria a ela. Blaire precisava de mais tempo para 28


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines seajeitar antes de minha irmã ir atrás dela. Eu veria o que eu poderia fazer para estar lá quando isso aconteceu. - Não sei. - eu menti. - Vá visitar seus amigos. Vá brincar de tênis. Ir às compras. Basta ir fazer o que te faz feliz. Esqueça Blaire estando aqui. Ela é problema meu, não seu. Confie em mim para fazer isso direito. Eu abri a porta e deixei-a antes que ela pudesse dizer qualquer outra coisa. Eu tinha terminado com esta conversa. Eu tinha uma merda para corrigir.

29


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 06

Um texto de Anya afirmou que duas dúzias de rosas amarelas não eram necessárias. Era isso. Nada mais. Eu sabia que era o fim, de corte limpo, para nossos fodas ocasionais. Minha culpa aliviou onde estava preocupado, quando eu enfiei meu telefone de volta no bolso e continuei correndo. Corria quando eu precisava pensar e limpar a minha cabeça. Eu também corria quando eu tinha bebido muito, na noite anterior. Hoje à noite eu só precisava correr. Eu não queria estar em casa quando Blaire entrasse. Eu não queria encará-la. Eu não queria ouvir a voz dela. Eu só queria distância. Ela merecia minha ajuda. Mas só isso. Eu não queria conhecê-la. Eu com certeza não queriaser seu amigo. O dia em que ela fosse embora, eu seria capaz de respirar mais fácil novamente. Talvez iria visitar meu pai. Ficar longe daqui e aproveitar um pouco a vida. Mas, em seguida, o destino tinha um jeito de rir de meus planos. Eu abrandei enquanto meus olhos se adaptaram à escuridão e eu facilmente vi a silhueta de Blaire a luz da lua. Foda-me. Ela não me viu. . . ainda. Ela estava olhando para a água. Seus longos cabelos loiros sopravam a volta do rosto e dançavam ao redor de seus ombros. O luar fez a cor de seus fios sedosos virar prata. Sua cabeça virou-se e aqueles olhos fixaram nos meus. Merda. Eu deveria ter apenas acenado com a cabeça para ela e correr até a casa. Não disse nada. Apenas continuei. Eu estava deixando-a viver aqui; Eu não tenho que falar com ela. Mas caramba, eu não iria ser capaz de fazer isso. Parei em frente a ela e vi como seu olhar ficou focado no meu peito. O fato de que de repente eu estava feliz que eu estava sem camisa, não era bom. Eu não deveria me importar que ela estava olhando para o meu peito como se quisesse dar uma lambida. Foda-se. Foda-se. Não! Ela não queria lamber meu peito. Onde diabos tinha vindo essa ideia? Ela estava fodendo com a minha cabeça. Droga. Eu precisava tiras os seus olhos de cima do meu corpo. Agora. - Você está de volta. - eu disse, quebrando o silêncio e tirando-a de seus pensamentos. - Acabei de sair do trabalho. - respondeu ela, levantando o olhar para a minha cara. - Então, você tem um emprego? - Eu perguntei, a necessidade de manter sua atenção no meu rosto. - Sim. Ontem. - Onde? - Eu já sabia a resposta, mas eu queria saber como ela havia conseguido. O que ela estava fazendo e se ela gostou. Espere. . . ela estava usando maquiagem? Santo inferno, ela tinha máscara sobre eles. Aqueles cílios poderiam realmente ficar mais longos. - Kerrington Country Club. -disse ela. 30


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Eu era incapaz de parar de olhar para os olhos dela. Eles eram surpreendentes, sem porra de maquiagem. Mas maldição, com apenas um pouco, eles eram irreais. Enfiei minha mão sob o queixo e inclinei a cabeça para que eu pudesse dar uma olhada melhor. - Você está usando rímel. - eu disse, como explicação para o meu comportamento estranho. - Sim, eu estou. - disse ela, movendo a cabeça para que estivesse livre do meu toque. Eu deixei minha mão cair. Eu não deveria ter tocado. Ela estava certa de parar com isso. Eu não tinha o direito de tocá-la assim. - Deixa você mais com cara da sua idade. - eu disse, dando um passo para trás e olhando para seu uniforme. Eu conhecia bem esse uniforme. Eu tinha dormido com mais meninas do carrinhode bebidas ao longo dos anos, do que eu queria admitir. Ele foia razão pela qual eu tinha gostado de golfe na minha adolescência. Uma vez que as meninas com idade universitária,do carrinho de bebidas, descobriam quem meu pai era, elas ficavam muito interessadas em me levar para um passeio em seus carros. De muitas maneiras. - Você é a garota do carrinho de bebidas, no campo de golfe. – eu disse, levantando os olhos para olhar para ela. Eu já sabia isso, mas vê-la no uniforme me fez sorrir. Vestia-o bem. - Como você sabe? - Pela roupa. Shortinho branco justo e camisa polo. É o uniforme. Você está fazendo um maldito estrago, não está? - Não era realmente uma pergunta; era uma afirmação. Ela deu de ombros e endireitou os ombros, se afastando um pouco mais de mim. Ela sentiu que precisava manter distância de mim. Boa menina. Ela pode ser mais dura do que eu pensava. - Você vai ficar aliviado ao saber que eu vou sair daqui em menos de um mês. Eu deveria ter ficado aliviado. Inferno, eu malditamente desejava que fosse o que eu estava sentindo naquele momento. Issosignificaria que eu teria um problema a menos. Mas eu gostava dela aqui. Eu gostava de saber que eu poderia mantê-la segura. Ou que eu estava fazendo alguma coisa para compensar o mal que tinha feito a ela. Incapaz de deter-me, dei um passo em direção a ela. - Eu provavelmente deveria ficar. Aliviado, quero dizer. Aliviado pra cacete. Mas não estou. Não estou, Blaire. - Inclinei-me até que minha boca estava próximaao seu ouvido. - Por que será? - Eu perguntei num sussurro, antes de inalar seu cheiro doce e limpo. Será que ela cheira assim entre s uas pernas? Ela seria tão doce e fresca? Um novo tipo de suor irrompeu em meu corpo e eu me afastei. Eu estava ficando fora da pista. - Mantenha sua distância de mim, Blaire. Você não quer chegar muito perto. Ontem à noite. . . - Porra, por que eu estava falando sobre isso com ela? Eu precisava esquecer que tinha acontecido. –Ontem ànoite está me assombrando. Saber que você estava vendo. Isso me deixa louco. Portanto, fique longe. Estou me esforçando ao máximo para ficar longe de você. - eu disse em um tom áspero, significava para mim mais do que qualquer coisa. Mas eu não podia explicar isso a ela. Eu apenas virei e corri. Eu tinha que ir embora. Uma vez que eu estava a salvo em meu quarto, no andar de cima, fui até a janela e olhei para a praia, abaixo. 31


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Blaire ainda estava lá. Mas ela não estava vendo as ondas neste momento. Ela estava olhando para a casa. O que ela estava pensando? Se eu assustei ela? Ou ela estava esperando eu mudar de ideia e voltar? Estendi a mão e toquei o vidro frio com minha palma, observando-a. Pareceu uma eternidade e sem tempo suficiente antes que ela voltasse para a casa. Naquela noite, sonhei com ela pela primeira vez. Imagens vívidas dela debaixo de mim. Ambas pernas longas estavam ao meu redor e sua cabeça foi jogada para trás enquanto eu a trazia para o clímax que ambos sentimos. Eu estava tão fodido.

32


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 07

- RUSH! - Jace gritouempoleirado em um banquinho de bar, quando entrei no clube. Este não era normalmente o meu cenário, mas quando tinha recebido três textos do pessoal me dizendo que todo mundo estava se encontrando aqui, hoje à noite, eu decidi ser necessária a distração. - Finlay está aqui! - alguém gritou. Fui para o bar e Jace deslizou uma dose em minha direção, quando eu me aproximei dele. Jace era o melhor amigo de Woods Kerrington. Ele era um bom rapaz. Eu apenas não seria próximo. Eu não estava perto de outra pessoa que não Grant. Ele era o único que eu confiava. - Beba. - Jace disse, sorrindo. A loira em seu braço paraecia familiar, mas Rosemary Beach não era um lugar grande. Eu provavelmente tinha estado com ela em algum momento. - Hei, Rush. - disse a garota com um sorriso sedutor e eu percebi que a conhecia. Não foi possível lembrar donome, no entanto. Eu balancei a cabeça e joguei para trás a tequila. Eu não era muito de goles, mas se eu ia ter que suportar este lugar, eu precisava ter algumas doses, de alguma coisa. - Você perdeu? - Grant perguntou com uma risada, enquanto andava ao meu lado. Eu sorri. – Provavelmente. - eu respondi. - E você? Ele olhou por cima do ombro. - Não. Eu estou aqui por causa de Nan. Franzindo a testa, eu segui seu olhar e vi Nan tropeçando e rindo alto, enquanto um cara que eu não sabia, agarrava o seu corpo pouco vestido. - Que porra é essa? - Eu tinha começado a me mover ao redor dele quando ele agarrou meu braço. - Não faça isso. Ela gosta dele. Eles estão namorando. Mas ela tem bebido um pouco demasiado recentemente. Pensei em ver como ela estava e isso é o que eu encontrei. Basta estar na volta e assistir. Se qualquer um de nós fizer algo, muito em breve ela vai sair com o idiota e nós dois vamos estar lidando com mais drama do que nós queremos. Ele estava certo. Nan era adulta. Eu não era o pai dela e eu precisava deixá-la fazer seus próprios erros. Limpar o caminho dela era exaustivo e não estava ajudando. - Você perguntou sobre ele?- eu disse. Grant colocou uma cerveja na mão. - Vamos sentar e esperar. Eu acho que ela está bem. Ele é Charles Kellar, o neto de Morrison. Vai para Harvard. Está visitando seus avós, esta semana. Pelo menos ele tinha a idade dela. Tomei um gole de cerveja e vi como Nan puxava o rapaz para fora da pista de dança e tirava os saltos altíssimos. Pelo menos ela não iria quebrar seu tornozelo, maldita. - Ela não está levando bem a coisa sobre Blaire, não é? - Perguntou Grant. 33


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Dei de ombros. Eu não queria dar bola que Nan estava chateada. Ela precisava crescer e perceber que ela não era a única pessoa no planeta. Mas eu não poderia não me importar. - Não. Mas ela precisa aceitar. Não é como se eu estivesse dormindo com Blaire. Eu só estou dando a ela um lugar para ficar. - eu respondi. - Mas você quer dormir com ela. - disse Grant, sorrindo. - Cale a boca. - eu rosnei, dando um olhar de advertência a ele. - Porra, Rush, eu quero dormir com ela. Não, eu retiro o que disse. Eu quero foder seus lindos miolos. Ela... Eu estava fora do meu assento e em seu rosto tão rápido que eu me surpreendi. – Não! - eu gritei. Tomei uma profunda respiração para conseguir o controle, a raiva súbita fervendo dentro de mim. - Fique longe dela. Você. Está. Me.Entendendo. Grant não recuou ou acenou com medo por me irritar. Em vez disso, meu irmão riu. - Santa maldição - ele murmurou, e balançou a cabeça. - Ela pegou com você. Isso me fez voltar e balançar a cabeça. Ele não sabia o que estava falando. Eu só não gostava de alguém falar assim de um ser indefeso e doce. - Rush, eu não achei que você viria essa noite. –falou Nan enrolada quando ela passou à nossa mesa e agarrou o banco vazio à sua frente, para se firmar. Você conheceu Charles? Ou não? Não consigo me lembrar. - ela disse e se levantou para se sentar no banco. - Não, eu não. - eu respondi, feliz com a interrupção, mesmo que fosse uma Nan bêbada. - Charles Kellar. - disse o rapaz, estendendo a mão. - Você é Rush. . . Finlay? - ele perguntou, com os olhos se arregalando quando ele disse meu sobrenome com um tom quase reverente. Ele era um fã do meu pai. Eu conhecia aquele olhar. Eu balancei a cabeça e tomei um gole da minha cerveja, ignorando a mão dele. Eu não estava apertando a mão do filho da puta. Eu conhecia o seu tipo. Ele descobriu a ligação de Nan com Slacker Demônio e conseguiu achar o seu caminho em suas boas graças. Merda se não sabia que ele era um dos muitos. Eu estive nessa estrada antes. A sóbria Nan teria visto essa merda imediatamente. - Ele é um grande fã de Dean. - disse Nan, revirando os olhos e acenando com a mão em direção a Foster. - Eu já sei. Ele está me usando para conhecê-lo e eu o estou usando, porque ele é realmente uma boa foda. - ela disse demasiado alto. Grant estava fora de sua cadeira e movendo-se antes que eu pudesse dizer qualquer coisa. - Eu a peguei. - ele me disse. Eu balancei a cabeça em sua direção antes de olhar para Foster. Nan gritou e se remexia no Grant, mas ele usou as suasmaneiras encantadoras para acalmá-la enquanto se moviam em direção à saída. - Eu não levo bem a idiotas usando minha irmã. Você faça um favor e fique longe dela. Eu gosto de seus avós, mas eu não dou a mínima para quem são. Não brinque com a minha família. Entendido? - Eu mantive minha voz baixa e 34


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines até mesmo quando os olhos de Foster se arregalaram e ele concordou. Terminando a minha cerveja, eu me levantei e seguiu a mesma rota que Grant tinha tomado com Nan, antes. A picape de Grant tinha ido embora quando eu finalmente cheguei ao estacionamento. Ele estava levando Nan para casa. Eu não tinha que chama -lo para verificar isso. Fui para o meu carro e decidi que era seguro ir para casa, agora. Blaire devia estar na cama. Eu não teria que vê-la. O alívio que senti ao ver a picape estacionada, com segurança na entrada da garagem, era algo que eu não estava em com vontade de admitir logo em seguida. Sim, eu estava ficando obsessivo sobre sua segurança, mas isso era porque eu era a porra de um protetor. Minha mãe tinha forçado esse papel para mim em uma idade jovem e estava no meu maldito sangue agora. Eu não conseguia evitar. Não mais. Se tivesse sorte, Blaire estaria dormindo.

35


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 08

Dois dias se passaram desde que eu tinha visto Blaire. Evitando-a não tinha sido fácil. Lutando contra o desejo de descer e vê-la todas as manhãs foi difícil. Mas não foi por isso que eu estava quebrando minha regra hoje. Pelo menos era o que eu estava dizendo a mim mesmo. Grant tinha aparecido bêbado, com uma de suas meninas regulares. Eu não sabia se eles teriam que acordar cedo, mas eu não queria que Blaire os encontrassemna cozinha. Para ser perfeitamente honesto, eu não queria que ela ficasse com a ideia errada que a garota estava lá sozinha. Ela já tinha deixado os seus pensamentos, sobre a minha vida sexual, muito claro. Eu deveria tê -la deixado, acho que isso foi mais uma das minhas conexões. . .mas eu estava indo lá embaixo de qualquer maneira. Incapaz de parar. - Você acabou de sair da despensa? - A menina, cujo nome eu não conseguia lembrar, estava perguntando a Blaire em um tom confuso. Tomei passos mais longos, precisando entrar nessa maldita cozinha e enviar a menina para cima. Blaire não tinha que responder a ela. -Sim. Você acabou de sair da cama do Rush? - perguntou Blaire. Sua voz suave ondulou ao redor das palavras, fazendo a pergunta parecer inocente. Eu desacelerei, surpreso em detectar um tom territorial. - Não. Não que eu fosse recusar se ele me deixasse, mas não diga isso ao Grant. Deixe estar. Ele provavelmente já sabe. - disse a garota. Parei na porta e procureina cozinha por Blaire. Ela estava de pé, do outro lado da ilha. A garota estava entre nós, dificultando minha visão. - Então, você acabou de sair da cama de Grant? - Perguntou Blaire. Eu mordi de volta um sorriso. A confusão em sua voz soava muito como alívio para mim. - Sim. Ou, pelo menos, a sua antiga cama. - Sua cama antiga? - perguntou Blaire. Lutei contra a vontade de permanecer e ouvir o quão longe Blaire iria com aquele questionamento. Eu malditamente que gostei. Ela se importou e eu gostei. Caramba, isso foi ruim. A menina se moveu e os olhos de Blaire deslocaram até eles pararem com os meus. Eu fui pego. Sobre a conversa. Tempo para consertar o que estava se tornando um problema. Lidar com o interesse em Blaire era uma coisa; seu interesse em mim era outra. Ela não sabia nada. Eu não podia deixá-la gostar de mim. Nem um pouco. No final, ela me odiaria e eu nunca precisaria saber qual era a sensação de tê-la, sentir outra coisa que não fosse a falta de interesse em minha direção. - Por favor, desculpe se a interrompi, Blaire. Continue a interrogar a amiga de Grant. Tenho certeza que ele não vai se importar. - eu disse a ela, enquanto recostava-me à porta e agia como se eu estivesse ficando confortável.

36


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Os olhos de Blaire se arregalaram antes que ela abaixasse a cabeça e limpasse as migalhas de pão das mãos, na lata de lixo. Eu realmente nunca tinha visto ela comer. Fiquei contente em ver sinais de que ela estava comendo. - Bom dia, Rush. Obrigada por nos deixar ficar aqui a noite passada. Grant bebeu demais para conduzir todo o caminho de volta para a casa ele. - falou a garota. - Grant sabe que o quarto é dele sempre quer precisar. - eu disse, sem olhar para a menina. Eu mantive meus olhos em Blaire, então fiz o meu caminho para a ilha. - Bem, eu acho que eu vou correr de volta lá para cima, então. - A garota ainda estava falando, mas eu a ignorei. Ela não era de qualquer conseqüência para mim. Eu preferia que ela saisse. Quando eu ouvi os passos dela desaparecer para baixo o corredor, eu fechei a distância entre Blaire e eu. - A curiosidade matou o gato, doce Blaire. - eu disse a ela, amando o modo como suas bochechas ficaram rosadas. - Será que você acha que eu tinha outra festa do pijama? Hmmm? Tentando decidir se essa tinha estado na minha cama a noite toda? Porra, eu queria tocá-la. Ela estava movendo-se nervosamente, mas por apenas um maldito minuto, eu queria senti-la perto de mim. Não! Eu tinha que lembrar quem ela era. O que eu tinha feito. Isso a manteria longe de mim, iria nos salvar no final. – Com quem eu vou para cama não é seu assunto. Já não falamos sobre isso antes? - Ela deveria estar com raiva de mim. Ela não deveria estar olhando para mim com aqueles olhos grandes e indefesos. Incapaz de manter as mãos longe dela, eu estendi a mão e enrolei uma mecha de seu cabelo em volta do meu dedo. A textura sedosa me fez tremer ligeiramente. Eu estava ficando muito perto. Isto era errado e perigoso. - Você não quer me conhecer. Talvez você ache que quer, mas você não quer. Eu prometo. - Ela só iria ver que isso seria mais fácil. Mas em vez de correr de mim, ela ficou me olhando como se houvesse algo mais aqui. Algo que não fosse um babaca arrogante. Como diabos ela via através da pessoa que eu estava projetando para ela? Ela não deveria ver outra coisa que a criança mimada que o mundo achava que eu era. - Você não é o que eu esperava. Eu queria que fosse. Seria muito mais fácil. - eu sussurrei, percebendo que tinha dito em voz alta. Soltando o cabelo, dei um passo para trás, em seguida, virei-me e sai da cozinha. Eu precisava ficar longe dela. Mas como diabos eu poderia fazer isso com ela na minha casa?

Tinha levado horas para finalmente cair no sono, apenas para ser acordado por meu telefone tocando. Rolando, eu peguei meu celular da minha mesa de cabeceira e apertei os olhos contra a luz da tela. Era Will. Meu priminho. Merda. De novo não. - O quê? - Eu rosnei para o telefone, já sabendo por que ele estava chamando. Ou ele tinha fugido novamente e estava a caminho da minha casa ou 37


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines ele já estava na minha casa e precisava entrar. Airmã da minha mãe era uma cadela. Uma cadela furiosa. Eu entendia completamente, mas o garoto não podia seguirfugindo. Especialmente para cá. - Eu estou do lado de fora - disse ele. - Merda, Will. O que é desta vez? - Eu perguntei, jogando as cobertas para trás e procurando um par de descartados moletom para vestir. - Ela está me fazendo ir para o acampamento. Todo fodido verão. - ele respondeu. - Na Irlanda! Que se traduziu em: ela queria um verão livre do fardo da maternidade e estava pronta para enviá-lo. Provavelmente seria o melhor verão de sua vida. Um verão livre dela. Eu terminei a chamada e larguei o telefone antes de fazer meu caminho no andar de baixo, na porta da frente. Ao abri-la, eu estremeci com a visão de Will segurando um saco de dormir, como se eu realmente fosse deixá-lo ficar, eu já tinha criado uma criança; Eu não estava criando outra. - Você está indo para casa pela manhã. Você vai fodidamente amar a Irlanda. Vá para o quarto de Grant. Você dorme lá, esta noite. - resmunguei, fechando a porta atrás dele. - Eu nem sequer falo irlandês. - queixou-se. Como diabos tinha esse garoto deixado o Ensino Médio? - Eles falam Inglês, seu merda. - eu disse, dando um tapa na parte de trás da sua cabeça. – Eu estou cansado. Você me acordou. Agora, vá dormir. Ele balançou a cabeça e a deixou cair, como se eu tivesse acabado de terminar seu mundo. Eu ignorei o beicinho e seguiu-o atéas escadas. Esta não era a primeira vez para nós. Will fugia para a minha casa quando eu estava por perto. Sua mãe gostava de visitar Rosemary Beach no verão, isso aconteceu na maioria das vezes, depois. - Você já foi para a Irlanda? - ele perguntou, quando chegou a porta do quarto que estaria usando essa noite. - Sim. País lindo. Agora, vá dormir. - eu respondi, depois voltei para a cama. Ele estava indo para casa amanhã, mas eu teria que chamar Grant para vir buscá-lo. Assim que eu chegasse a casa de minha tia e ele começasse a brigar com ela, eu iria trazê-lo de volta aqui comigo. Grant seria capaz de leva-lo para mim. Ele havia feito isso por mim mais de uma vez.

38


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 09

A porta do meu quarto bateu e eu sentei-me na cama, esfregando meu rosto e tentando bloquear a luz solar. - Ele está de volta para casa. - Grant anunciou. - Obrigado. - eu murmurei. Eu tinha mandado a Grant uma mensagem ontem à noite, sobre a aparição de Will e perguntei se ele levaria Willpara casa, antes de ir para o trabalho naquela manhã. - O merdinha é um mão cheia. Ele tentou levar Blaire para casa com ele. Grant riu. Ao som de seu nome, eu deixei cair a minha mão e olhei para ele. - Ela ainda está aqui? - Perguntei. Grant acenou com a cabeça em direção às janelas. - Lá fora. Em uma porra de um biquíni. Eu posso ficar aqui o dia todo em vez de ir para o trabalho, se você não se importar. Além disso, você me deve uma por ter levado Will em casa e lidar com a bruxa do mal. Peguei meu moletom descartado e o coloquei rapidamente, antes de caminhar até a janela. Quilômetros e quilômetros de praia vazia, esticada além do meu jardim da frente. Blaire estava deitada lá fora com os olhos fechados e seu rosto inclinado em direção ao sol. É. . . a bunda de Grant estava indo para o trabalho. Ele não estava hospedado aqui para sentar e olhar para ela durante todo o dia. - Ela vai queimar. - disse Grant, em um sussurro abafado e eu tirei meu olhar de Blaire para vê-lo encarando-a com a mesma reverência que eu. Foda-se isso. - Não olhe. - Eu falei e voltei para - janela. Grant soltou uma risada. - O que diabos isso quer dizer, 'Não olhe‟? Ela não estava destinada ao seu olhar. - Eu não. . . apenas. . . Você lembre-se de quem ela é. Ela vai nos odiar e ela vai embora em breve. Então, não. - Eu não tinha certeza do que eu estava dizendo. Eu só queria que ele parasse de olhar para ela. Ela estava mal coberta e toda a sua pele lisa estava lá para qualquer um ver. Eu não queria que ninguém a visse. - Ela não vai odiar-nos, apenas você. E Nan. E o pai dela. Mas eu não fiz nada. - disse Grant. Minhas mãos se apertaram em punhos ao meu lado e eu fechei os olhos e respirei fundo. Ele estvaa fazendo isso de propósito. Ele queria ver se eu reagia a ela. Ele estava tentando me irritar. - Você não tem trabalho a fazer? - eu perguntei, calmamente.

39


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Grant olhou para a janela e deu de ombros. - Cara, eu trabalho para o meu pai. EU SOU o chefe. Eu posso folgar quando surge uma emergência. Além disso, não estamos comemorando hoje o aniversário de Nan? Ele estava me atraindo. Lembrando-me disso, eu andei até o armário e encontrei umcalção. Eu ia lá fora. Ela podia não estar usando protetor solar e ela precisava. Sua pele iria queimar. Eu odiaria que ela queimasse sua pele. - Você vai para um mergulho? - perguntou Grant, provocando. Eu não olhei para ele. – Vá para o trabalho, Grant. A festa de Nan é hoje à noite. - eu respondi e bati a portaatrás de mim. Eu tinha esquecido que eu estava dando a Nan uma festa para seu aniversário, hoje. Blaire me fazia esquecer tudo. - Você está brincando com fogo, cara. Como chamas enormes que vão comer você! Deveria ter me deixado tê-la. Isso não vai ser bonito. - ele gritou em voz alta, o suficiente para que eu pudesse ouvir através da porta. - Você não sabe o que diabos você está falando. Ninguém fica com ela. Ela vai embora em breve. - eu gritei de volta. A risada de Grant desapareceu enquanto saia do meu quarto. Ele estava certo. Isto era fogo e eu não poderia ficar longe dele. Eu a mantive próximo, sabendo que ia me consumir se eu não tivesse cuidado. Eu não pensei sobre o que eu estava fazendo. Eu só me mexi e me dirigi para fora, para ver como ela estava. - Por favor,me diga que passou protetor solar. - eu disse, enquanto eu afundava na areia, ao lado dela. Ela cobriu os olhos do sol antes de abri-los, olhando para mim. Ela não respondeu. Eu a tinha acordado? - Você está usando protetor solar, não está? - Perguntei. Ela assentiu com a cabeça e puxou-se em uma posição sentada, na pequena toalha de banho que ela estava usando. Seu corpo estava me distraindo como o inferno. - Ótimo. Eu odiaria ver essa pele lisa e cremosa ficar vermelha. - eu respondi, antes que eu pudesse me parar. - Eu, hã, coloquei um pouco antes de eu vir para cá. Eu realmente deveria ter desviado dela, mas parecia impossível no momento. O topo dos seus seios estava bem ali, volumoso sobre sua parte superior de biquini. Se fosse qualquer outra pessoa, eu não teria nenhumproblema em chegar mais e puxar o pequeno pedaço de tecido para baixo até que eu pudesse ver seu mamilo. Depois eu teria. . . não! Droga. Eu precisava me concentrar em outra coisa. - Não vai trabalhar hoje? - Perguntei. - É o meu dia de folga. - Como vai o emprego? Desta vez, ela não respondeu de imediato. Eu vi como ela olhou para mim. Ela não estava prestando atenção às minhas palavras tanto quanto ela estava estudando meu rosto. Eu gostei disso. Muito, caramba. - Desculpe, o quê?- ela perguntou, seu rosto ficando um pouco rosa. 40


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Como vai o emprego? - Eu perguntei novamente. Eu não era capaz de evitar a diversão da minha voz. Ela endireitou-se e tentou parecer menos interessada em mim. - Bem. Eu estou gostando. Caras, sem dúvida, que flertavam com ela e lhe davam dicas ridículas,me incomodou. - Eu aposto que está. - eu disse. - O que isso quer dizer? - Ela perguntou. Eu deixei o meu olhar viajar pelo seu corpo lentamente. - Você sabe que é bonita, Blaire. Sem falar nesse maldito sorriso doce e encantador. Os golfistas lá do clube estão pagando bem. Ela não ficou com raiva ou piscou para mim. Em vez disso, ela olhou surpresa. Voltei minha atenção para a água. Eu não precisava olhar para ela. Ela me distraia. Eu esquecia todo o resto quando estava focado nela. Lembrando porque ela estava aqui e que eu tinha uma parte de culpa na sua dor, deveria ser mais fácil,o suficiente para manter o foco. Mas ela me faz esquecer de tudo. Um bater de seus cílios e eu estava perdido. Eu tinha sido tão estúpido naquela época. Perguntar a Abe porque ele estava tão disposto a deixar sua família de 16 anos pela filha que ele havia ignorado por mais tempo ainda, teria feito sentido. Mas eu não tinha perguntado a ele. Eu fiquei agradecido quando ele apareceu. Mas o imbecil tinha deixado uma família quebrada,para trás. Uma jovem menina sozinha para cuidar de sua mãe. - Quanto tempo faz que sua mãe morreu? - Eu perguntei a ela. De repente eu precisava saber quanto tempo ela vinha lutando sozinha. Não era como se eu pudesse consertá-lo agora. Eu só queria saber. - Trinta e seis dias. - ela murmurou. Foda-se. Ela perdeu a mãe há pouco mais de um mês. Ela ainda não tinha tido a chance de chorar. - Seu pai sabia que ela estava doente? - Perguntei. Eu o mataria. Alguém precisava fazer o bastardo pagar. Ele machucava tudo o que tocava. - Sim. Ele sabia. Também liguei para ele no dia em que ela faleceu. Ele não atendeu. Deixei uma mensagem. Eu nunca tinha odiado alguém do jeito que eu odiava Abe Wynn naquele momento. - Você odeia seu pai? - Perguntei. Ela deveria. Inferno, eu o odiava por nós dois. Quando eu batesse no seu rosto, eu faria isso por ela. Porsua mãe. E eu não tinha certeza se seria capaz de parar. - Às vezes. - disse ela. Eu não esperava a verdade. Admitir que você odiava seu pai não poderia ser fácil. Incapaz de parar, estendi a mão e coloquei meu dedo mindinho em torno do dela. Eu não conseguia segurar a mão dela. Isso era demais. Muito íntimo. Mas eu tinha que fazer alguma coisa. Ela precisava de alguma garantia de que ela não estava sozinha. Mesmo que eu era a última pessoa no mundo que merecia estar lá para ela, eu ia ser o único. Eu só tinha que encontrar uma maneira de fazê-lo e corrigir esse inferno que eu tinha criado. 41


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Vou dar uma festa hoje à noite. É o aniversário da minha irmã Nan. Sempre dou-lhe uma festa. Pode não ser sua praia, mas você está convidada a participar, se você quiser. - Você tem uma irmã? Eu pensei que ela já sabia disso, mas quando eu pensei de volta para a noite que Blaire chegou, percebi que Nan tinha mantido distância e não havia conhecido Blaire. – Sim. - eu respondi. - Grant disse que você era filho único. - disse ela, me olhando com cuidado. Grant tinha falado com ela sobre mim. Ele não precisava explicar nada a ela. Eu queria protege-la da verdade. Movi minha mão para longe dela. – O Grant não devia ficar contando as minhas coisas. Por mais que ele queira levar você para a cama. - eu disse, antes de me virar e caminhar de volta para a casa. Por que eu tinha que deixar me atingir? Droga.

42


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 10

Não tinha contratado um decorador para a festa. Eu estava no topo das escadas e viquando a tripulação de decoração transportava rosas brancas pelo caminhão de carga. Será que ela achava que este era o seu casamento? Mas que diabos? - Eu não quero saber o que esta festa está custando. Aqui. - disse Grant, enquanto caminhava atrás de mim e empurrava um copo, que cheirava e parecia Bourbon, na minha mão. - Beba-o. Você vai precisar dele. Tomei um longo gole e deixei a suavidade do licor deslizar pela minha garganta. Não fazia mais fácil o fato de que eu estava prestes a ser confrontado com todos os amigos de Nan. Normalmente, quando ela tinha festa aqui, eu limitavao numero de pessoas que ela poderia convidar. Hoje à noite eu tinha dado a ela sem limites. Eu temia isso. Maldição, era provável que todos de Rosemary Beach aparecessem. - A princesa ordenou rosas, eu vejo. - disse Grant, divertido, enquanto ele se apoiava no corrimão e observava a atividade abaixo. - Parece que sim. - eu disse. Eu ainda estava chateado com ele conversando com Blaire sobre mim. Eu sabia que ele não iria dizer a ela qualquer coisa que ela não precisasse saber, mas ainda me incomodou. - Você quis convidar Blaire? - perguntou Grant, tentando soar casual. - Você esperava que eu a escondesse debaixo da escada a noite toda? -Eu respondi. Porque, sinceramente, eu não tinha pensado nisso. Convidando -a para esta porcaria só queria dizer que eu tinha que vê-la de perto. Caras estariam sobre ela e as meninas seriam cruéis. Ela precisava de proteção de ambos. - Bem, eu não estava realmente certo. Este é a festa de Nan. - ele me lembrou, como se eu precisasse lembrar. - É a minha casa. - eu disse, atirando-lhe um olhar irritado. Grant riu e balançou a cabeça. - Droga. Nunca pensei que veria você colocar outra pessoa antes de Nan. - Não. - eu avisei. - Não vá lá. Eu estou somente sendo gentil. Nada mais. Grant levantou uma sobrancelha, o que ele sabia que me incomodaria. Sério? Bati meu copo no parapeito e caminhei de volta para o meu quarto. Eu não estava com vontade de assistir mais isso ou ouvir a Grant. Ia ser uma longa noite.

43


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Alguém poderia pensar que Nan era filha da realeza, do jeito que minha casa parecia, uma vez que os decoradores eram completamente. Movimentei-me através das salas, mantendo meus olhos na cozinha e, quando podia, a porta da despensa. Eu não tinha visto Blaire o resto do dia, mas eu sabia que ela estava aqui. Eu a observei enquanto ela tinha ficado na praia por muito tempo, depois que eu a tinhadeixado. Eu a vi nadarnas ondas e depois fazer um passeio. Inferno, eu até mesmo a olhei ler um livro. Quando ela finalmente pegou a toalha e voltou para a casa, eu tinha levantado daposição relaxada no sofá de frente para a parede de janelas e fui para me preparar para esta noite. Euqueria ter certeza de que eu estaria aqui quando ela saísse de seu quarto para a festa. A festa estava ficando lotada e a música foi ficando mais alta. Ainda nenhum sinal de Blaire. Eu me perguntava se ela estava com medo de sair para isso. Deveria deixá-la ficar escondida em seu quarto com segurança? Ou será que eu precisava buscá-la? - Eu vou manter meus olhos na porta da despensa, enquanto você vai lá fora e tira algum surfista loiro fora do parapeito maldito, antes que ele caia para a morte. - disse Grant no meu ouvido, antes de me empurrar em direção avaranda. Droga, jovens universitários bêbados. Fui para fora e encontrei Jace já puxando o cara para baixo, fora da borda. - Cara, vá beber um pouco café. - disse Jace com desgosto e deu um tapanas costas. - Você o conhece? - Perguntei. Jace balançou a cabeça. - Não. Só não estava com vontade de assistir alguém morrer esta noite. - respondeu ele, antes detomar um gole de cerveja. - Obrigado. - eu disse. Anya se aproximou e colocou os braços ao redor da cintura de Jace, sorrindo para mim. Parecia que ela tinha se mudado. Bom para ela. - Anya. - eu disse, acenando com uma saudação em sua direção. - Rush - ela respondeu, com um sorriso provocante. - Eu sou Jace - ele disse em voz alta sobre o ruído. - Por mais que eu ame diversão e constrangimento, eu acho que vamos para fora, para um passeio na praia. - disse ele, antes de liderar Anya para as escadas que levavam para a areia. Voltei para dentro e para a cozinha. Eu estava indo para pegar Blaire fora do quarto maldito. Ela não precisava ficar lá a noite toda. - Ela já saiu. - disse Grant, andando ao meu lado. - Woods tem ela no hall de entrada." - Woods? - Sim, cara. Kerrington. Certamente você já descobriu,agora, que ele a viu no campo. Ele joga um monte de golfe. Empurrei as pessoas passando na minha frente e me dirigi para a entrada. O sorriso tímido no rosto de Blaire, olhando para Woods quando ele a levou para a sala, me parou nos meus pés. Alguém estava falando comigo, mas eu 44


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines não conseguia me concentrar no que ele estava dizendo. O rubor nas bochechas de Blaire tinha a minha completa atenção. A mão de Woods tocou as costas de uma forma possessiva, que me incomodou. Quanto ela sabia de Woods? O que eu perdi disto completamente? Blaire disse algo a Woods e ele parou para olhála. Eles estavam discutindo algo. Então, eleinclinou-se para ela e meu aborrecimento instantaneamente transformou-se em ficar irritado. Os olhos de Blaire moveram-se e travaram com os meus. Eles se arregalaram com surpresa, como se ela não esperasseme ver na minha própria casa. Então, ela se afastou de Woods e falou com ele rapidamente, enquanto colocava mais distância entre eles. Ela estava dizendo algo para ele, mas ele parecia divertido e pronto para dizer o que precisava, a fim de levá-la a ficar. Eu sabia exatamente o tipo de cara que Woods era, porque ele era igualzinho a mim. Eu não estava deixando ele tocá-la. Ele a viu como uma conquista e eu mataria antes de deixa-lo usá-la. A ideia de Blaire fazer qualquer coisa com Woods fez minha pele arrepiar. Eu comecei a me mover. Eu não parei e pensei sobre isso, eu não dou a mínima se minha irmã me viu. - Nada em você é indesejado. Nem mesmo Rush é tão malditamente cego. – Woods estava dizendo a ela quando ele se aproximou dela. Ela estava tentando fugir dele. - Vem cá, Blaire. - eu disse, estendendo a mão para tomar-lhe o braço e puxá-la contra mim. Woods precisavaentender que ela estava comigo. Eu estava protegendo-a. Ele devia procurar noutro lado. - Eu não esperava que você viesse esta noite. - eu disse em seu ouvido. Se eu soubesse que ela ia sair desse quarto comalgo bom o suficiente para comer, eu teria guardado a maldita porta. - Desculpe. Eu pensei que você disse que eu poderia vir. - ela sussurrou, seu rosto ficando vermelho brilhante. Eu não tinha intenção de envergonhá -la. Ela me entendeu mal. - Eu não esperava que você aparecesse vestida assim. - eu expliquei, mantendo meus olhos fixos em Woods. Eu não queria fazer isso na frente dela, mas se ele me pressionasse, eu o faria. O vestidinho vermelho agarrava as formas de Blaire, de modo que devia ser ilegal. Ela não tem um espelho no quarto? Inferno, eu não conseguia me lembrar. Blaire, de repente puxou seu braço de mim e começou a se mover em direção à cozinha. - Porra, cara, qual é o seu problema? - Perguntou Woods, olhando para mim e fazendo um movimento para ir atrás dela. - Ela está fora dos limites. - Eu avisei a ele, dando um passo em frente para bloquear seu caminho. - Você precisa ficar bem longe dela. O olhar zangado de Woods aqueceu, enquanto olhava para mim. - Você decidiureclamá-la agora? Fazendo a família trabalhar no clube é baixo, até mesmo para você, Rush. Dei um passo em direção a ele. - Fique fora disso e fique longe dela. Essa é a sua única advertência. - Eu disse a ele, antes de me afastar, para encontrar Blaire. Grant me encontrou no corredor. - Ela está ferida. Vá corrigi-lo. - disse ele, atirando-me um olhar irritado quando ele passou por mim e voltou para a festa. 45


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Por que ela estava machucada? O que eu tinha feito, senão manter Woods de usá-la? Ignorei duas pessoas e balancei a cabeça para Nan quando ela fez seu caminho em direção a mim. Eu não estava lidando com ela agora. - Você vai lá? - Ela sussurrou, com raiva de mim. - Vá desfrutar da sua festa muito cara, irmãzinha. - Eu abri a porta da despensa e fechei-a atrás de mim, trancando-a. Eu não queria ninguém me seguindo dentro. Eu não bati em sua porta. Eu sabia que ela não iria abrir. Abri-o em vez e olhei para ela como ela estava ali, tentando abrir seu vestido. Ela deixou as mãos cairem para os lados quando ela olhou para mim, então deu um passo para trás, batendo na cama e sentando-se. Não havia muito aqui como se mexer no quarto, o que me deixou com raiva. Como ela estava vivendo neste pequeno espaço? Eu entrei e fechei a porta atrás de mim. - De onde você conhece Woods? - Perguntei. A raiva na minha voz não tinha sido intencional. - Seu pai é dono do clube de campo. Ele joga golfe. Sirvo suas bebidas. disse ela, nervosa. Eu já sabia de tudo isso. Eu só queria ter certeza de que era a única maneira que ela o conhecia. Eu não podia suportar a ideia de seu tempo gasto com ele. Com ninguém. - Por que você pôs essa roupa? - Eu perguntei, olhando para baixo, para o vestido que estava indo estrelar as minhas fantasias de fim de noite,com ela. Blaire levantou da cama, ficando na ponta dos pés, perto do meu rosto. Seus olhos mudaram de nervosa para zangada. - Porque a minha mãe comprou para eu usar. Eu levei um bolo e acabei não usando. Hoje à noite você me convidou e eu queria me encaixar, então usei a melhor roupa que eu tinha. Sinto muito se não era muito bom o suficiente. Mas sabe o quê? Eu não dou a mínima. Você e seus amigos arrogantes e mimados todos precisa descer do salto. Então, ela me empurrou com a mão como se quisesse me derrubar. Eu não me movi, mas ela colocou alguma força por trás dele. Ela não me entendeu no todo. Ela não entendeu e santo inferno, ela achou que não era boa o suficiente. Será que ela estava brincando comigo? Ela estava tão perto da perfeição que doía. Fechei os olhos com força, tentando não olhar para ela. Eu tinha que ir embora daqui. Este quarto era tão pequeno. Ela cheirava tão bem. . . - Foda-se! - Xinguei, antes de enterrar minhas mãos em seu cabelo e cobrir seus lábios com os meus. Eu tive o gosto dela. Eu não conseguia me controlar. Estávamos sozinhos e muito perto e cheirava como o céu. Eu esperava Blaire lutar comigo, mas ela se derreteu em mim tão facilmente. Tirei o que pude enquanto ela ainda estava chocada demais para me afastar. Sua boca se moveu sob a minha e eu lambia inchaço de seu lábio inferior. - Eu tinha vontade de provar este lábio doce, gordo desde que você entrou na minha sala de estar. - Eu disse a ela antes de tomar mais. Enfiei minha língua entre os lábios e ela abriu para mim. Cada escuro canto era melhor do que mel quente. Eu poderia ficar bêbado do seu gosto. Suas pequenas mãos agarraram meus ombros e apertaram. Eu queria mais. Eu queria a ela. Ela 46


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines pegou, e sua língua começou a se mover contra a minha. Em seguida, ela mordeu meu lábio inferior. Santo inferno. Agarrei sua cintura e colocou-a na cama, atrás dela, antes de cobrir seu corpo com o meu. Mais. Eu precisava de mais. Mais de Blaire. Mais de seu cheiro. Mais de seu gosto. Mais dos sons que ela fazia. Apenas foder mais. Quando acomodei minha excitação óbvia entre o V aberto de suas pernas, ela gemeu e jogou a cabeça para trás. Meu pulso acelerou, e eu senti meu controle deslizando ainda mais. Mais. - Doce, doce demais. - eu sussurrei contra sua boca e eu percebi que estava quase pronto. Eu não seria capaz de parar. E ela era doce. Malditamente muito doce para isso. Eu me afastei dela,para fora da cama e olhei para ela. O vestido vermelho sexy estava em torno de sua cintura eo cetim rosa de sua calcinha estava bem ali. A umidade que a tinha escurecido fez rugir o sangue em minhas veias. - Puta que pariu. - Eu bati minha mão contra a parede para não chegar a ela. Então eu abri a porta. Eu tinha que respirar o ar que não estava preenchido com Blaire. Seu cheiro estava em cima de mim. Eu tinha que me libertar. Ela era demais. A palavra mais mantinha batendo na minha cabeça, lembrando-me quanto disposta ela tinha estado a deixar-me sentir o seu gosto. De tocá-la. E, mãe de Deus, como ela estava molhada. Eu sai para fora dadespensa e me dirigi para a porta que dava para fora. O ar fresco. Ar sem Blaire. Foda-se. Eu a queria. Mais. Eu queria muito mais.

47


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 11

Eunão tinha dormido. Durante toda a maldita noite. Eu tinha andado por quilômetros ao longo da praia escura e, em seguida, fui para o meu quarto e caminhei pelo chão. Um banho frio não ajudou, também. Toda vez que eu fechava meus olhos, eu via aquela calcinha rosa e ouvia os sons doces de Blaire. Eu tinha que tirá-la da minha cabeça. Eu precisava ficar com alguém. Eu não tinha dormido com ninguém desde o incidente com Anya. Isso não era como eu. Hoje à noite, eu tinha que resolver isso do meu sistema. Manter Blaire, a uma distância era tudo o que a manteria de não ser ferida. Era só uma questão de tempo antes que ela soubesse e antes que ela me odiasse. Peguei meu telefone e procurei os números que eu tinha guardado, até que eu encontrei um que eu sabia que era seguro para uma noite sem amarras. Ela requeria um jantar e um pouco de atenção em primeiro lugar, mas Bailey tinha tentando chamar a minha atenção desde que ela tinha chegado em uma das festas de Nan. Eu tinha tomado o seu número e disse que iriachamar algum dia. Uma vez que eu tinha definido uma data para hoje à noite, eu estava pronto para o meu dia com Nan. Nós estávamos indo jogar uma partida de golfe hoje, seu pedido de aniversário. Eu tinha esperança que Blaire não apareceria, mas se não, eu poderia lidar com a compra de uma bebida sua. Eu só não podia respirar quando ela estivesse perto de mim. Ou olhar para ela. E eu nãopensaria sobre sua calcinha. Foda-se. Eu precisava de mais um banho de água fria.

Nan estava de pé, com os braços cruzados sobre o peito e um beicinhoem seu rosto, quando eu cheguei ao clube dez minutos atrasado. - Desculpe meu atraso. - Eu disse a ela e me inclineipara beijá-la na bochecha para amolecê-la um pouco. Ela empurrou meu ombro. - Não é por isso que estou chateada. Eu acabei de chegar aqui. - disse ela, revirando os olhos para mim. - Por que eu tenho que ouvir de Bailey que você a convidou para sair hoje à noite e não de você? - ela me perguntou, olhando irritada. Porque esta noite vou tirar Blaire fora da minha cabeça. Nada mais. - Não sabia que você se importava sobre quem eu planejava foder esta noite. - eu respondi com uma piscadela, enquanto eu puxava meu saco fora do meu Range Rover e entregava-o ao transportador, que correu para me cumprimentar quando eu me dirigi até ele. - Rush, realmente? - Nan virou-se para mim. - Quando ela me deu o número, ela sabia o que estava fazendo. Mas se você quiser chamá-la e avisá-la dos meus planos, então fique à vontade. 48


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Euprefiro muito mais que ela cancele comigo agora, para que eu possa encontrar umasubstituição. Nan balançou a cabeça e soltou um suspiro. - Você é horrível. - Você me ama. - disse a ela, em seguida, agarrei sua mão, puxando-a comigo, para o carrinho de golfe. - Eu quero dirigir e eu não preciso de alguém para pegar os tacos para mim. Está bom com apenas eu ou precisamos de um caddy? - Eu perguntei a ela. Ela subiu regiamente no banco do passageiro e deu de ombros. - Contanto que você pretenda conseguir os meus tacose limpá-los, então eu não me importo. - Diva. - eu murmurei e entregueiao caddy uma nota de cem dólares pelo o seu tempo, então subi e levei para o primeiro buraco. - Princesa, Rush. Eu sou uma princesa. - ela me lembrou. - Não, irmãzinha, você não é. Você é uma diva mimada. Casar-se com um real seria a única maneira que você poderia ser chamada de uma princesa. - eu provoquei. Nan deu um tapa em meu braço e riu. Esta era a irmã que era fácil de lidar. Aquela que era minha amiga, que eu poderia ser eu mesmo com ela. Aquela que não procura coisas de mim que eu não poderia fazer. - Bailey é muito boa. Seu pai é um cirurgião cardíaco e ela está projetando sua própria linha de roupas. Eu acho que você gostaria dela, se você desse a ela mais do que uma noite em sua cama. Eu estacionei o carro e sai. - Ela não vai estarna minha cama. Eu nunca levo-as para minha cama. Meu sofá,talvez, possivelmente minha mesa da cozinha. Inferno, eu possa experimentar a máquina de lavar esta noite. Uma vez que eu descubra inferno,onde que é. Você já lavou qualquer coisa em minha casa antes? - Eu estava tentando mudar o assunto. Eu não quero ouvir sobre Bailey e ter qualquer culpa sobre o uso de seu corpo hoje à noite. - Você é impossível! - Nan saiu para o seu alvo, me esperando para conseguir seu taco. Ela tinha sido séria sobre isso. Ela gostava de jogar, m as ela não tinha ideia que taco escolher para cada tiro. - Estou com tesão e Bailey tem uns belos seios. – disse a ela. Nan franziu o cenho para mim. – Estou avisando a ela que você é um cachorro. Ela precisa saber. Entreguei Nan a seu motorista e sorri. - Ela sabe, mana. Ela sabe ou ela não teria me dado seu número. Nan acenou com a mão para mim e levou o motorista. Eu tinha virado para conseguir o meu próprio motorista quando o carro de golfe, vindo em nossa direção, me chamou a atenção. Notei o cabelo loiro de Blaire. Seus olhos estavam focados em mim. Merda. Eu sabia que havia uma boa chance de que eu iria vê-la, mas eu esperava que falar sobre o sexo que eu pretendia ter com Bailey esta noite, iria me esfriar. Eu desviei o olhar do dela. Eu não ia deixá-la chegar até mim. Eu poderia ignorá-la. Pegar uma bebida e agir como se ela fosse apenas uma garota do carrinho de bebidas. 49


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Bethy era uma das outras meninas do carrinho de bebidas, estava no banco da frente com Blaire. Ela estava olhando para ela quando Nanfalou. Eu me encolhi, pensando no que Bethy poderia saber que ela podia dizer a Blaire. Eu não tinha certeza do quanto próximas as duas estavam. Certamente não muito próximo. Bethy não era nada como Blaire. Inocência há muito tinha deixado Bethy. - Você está brincando comigo. Woods a contratou? - Nan assobiou. Olhei para a minha irmã e vi que ela tinha percebido o carrinho de bebidas chegar. - Não comece... - eu a avisei e caminhou até ficar perto o suficiente de Nan para controlá-la, se necessário. - Posso oferecer uma bebidapara vocês? - A doce voz da Blaire deu calafrios em cima de mim. - Pelo menos ela sabe o seu lugar. - disse Nan. Ela estava sendo cruel, e eu precisava detê-la, mas o que só faria Blaire achar que eu era bom. Eu não era bom. Ela tinha que ver isso. - Vou querer uma Corona. Com limão, por favor. - eu disse ao invés. O olhar de Blaire balançou o meu, mas eu rapidamente desviei o olhar dela. – Pegue uma bebida. Está quente. - eu disseaNan. Nan gostaria que eu jogasse Blaire fora como se ela fosse alguém que eu não conhecia. - Água com gás. Limpe-o, porém, porque eu odeio a maneira como ela sai toda molhada de água. - Nan instruiu. Bethy moveu-se para pegar a água antes de Blaire. Isso foi interessante. Ela parecia estar protegendo Blaire. – Não tenho vistovocê por aqui ultimamente, Nan. - disse Bethy enquanto limpava a garrafa com uma toalha. - Provavelmente porque você estava muito ocupada nos arbustos,abrindo as pernas para Deus sabe quem em vez de trabalhar. - disse Nan. Eu podia sentir a tensão saindo de Blaire quando ela apareceu no topo da minha Corona. Seus ombros estavam em linha reta e sua parte de trás estava dura como uma tábua. - Isso é o suficiente, Nan. - eu disse a ela, na esperança de acabar com isso, para que pudessem sair. Blaire me entregou a garrafa e eu não poderia ignorá-la então. Ela estava se concentrando em outra coisa que não eu no momento, mas por apenas um segundo, eu queria que ela me visse. Para olhar para mim. Seus olhos se levantaram e encontraram os meus e me bateu duro. - Obrigado. - eu disse, então deslizei uma nota no bolso. Era uma desculpa para tocá-la e para esconder de Nan o quanto eu estava dando de gorjeta. Eu me afastei e tomei o cotovelo de minha irmã. Tempo para levá-la para longe delas. - Vamos lá e mostre-me como você pode chutar a minha bunda, aqui no campo. - eu provoquei. Ela jogou para a direita em minhas mãos. - Você vai levar uma surra. disse ela e se afastou das meninas. Ouvi Bethy sussurrar para Blaire e eu olhei para trás e a vi olhando para mim. Um sorriso tocou meuslábios. Eu não pude deixar de sorrir quando eu olhei para ela. Eu arranquei meu olhar de cima dela e voltei para falar com Nan. Ela estava discutindo sobre o driver que eu lhe tinha dado. 50


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Eu gostava de uma bebida fresca enquanto eu jogava golfe, mas pela primeira vez, eu estava esperandoque o carrinho de bebida não fosse encontrar nos novamente, nesta rodada.

51


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 12

Bailey era sexy. Não havia como negar isso. Ela usava seu vestido apertadobem caro e os saltos que faziam coisas incríveis por ela essa noite, ela se pressionou contra mim e fez promessas com seusolhos. Quando ela deixou escorregar minha mão até o vestido, ali mesmo no restaurante e brincar com ela, eu sabia que ela estava mais do que ciente da razão pela qual eu a tinha chamado. Nan tinha me preocupado com sua conversa sobre Bailey ser uma boa menina e valer mais do que umatransarápida. Fato era, ela era boa. Eu gostava dela. Ela seria ótima para um cara que queria esse tipo de coisa. Eu não. Eu só queria tirar Blaire Wynn da minha cabeça. Bailey colocou os braços em volta de mim e começou a beijar e mordiscar meu pescoço enquanto eu abria a porta da frente. Blaire estaria aqui em breve. Mas eu não estava levando Bailey para o meu quarto. Olhei para o relógio e eu sabia que tinha cerca de trinta minutos. Eu iniciaria aqui e, em seguida, a levaria para a praia,em algum lugar escuro e escondido. Blaire não nos veria. E eu não estaria pensando sobre o quão perto ela estava. - Está com pressa? - Eu perguntei quando a porta se abriu. Bailey sorriu para mim e franziu os lábios. - Talvez. Eu já fantasiei com você dentro de mim, Rush Finlay, por tanto tempo. - disse ela, chegando de volta e abrindo de seu vestido e empurrando-o para baixo. Seus seiossairam livres e grandes mamilos marrons me cumprimentaram. - Eu quero essa boca suja em mim. -ela disse, apertando seu peito para fora e segurando os seios pesados em suas mãos. O comprimento vermelho, de unhas perfeitamente feitas, beliscou seus mamilos quando ela recuou para a casa. - Eu tenho pensado tantas vezes em você chupando meus mamilos e deslizando para dentro de mim, cada vez mais duro. - disse ela, em um sussurro rouco. Eu não tinha ficado duro, mas a imagem sugestiva que ela estava pintando estava ajudando a me deixar muito interessado. Agarrando sua cintura, eu me forcei a manter os olhos sobre ela. Para lembrar com quem eu estava. Esta não era Blaire. Eu estava com Bailey. - Você quer isso? - Eu perguntei, pegando-a de modo que seu mamilo estava em minha boca e as pernas envoltas a minha cintura. Esticando a minha língua, eu sacudi-lhe o mamilo com o anel de língua que eu estava usando, sabendo que minha boca seria para agradar uma mulher hoje. - Sim, Deus, sim. Chupa asim! - Ela gritou. Gostei da plenitude de seu peito em minha mão, quando eu puxei o mamilo duro em minha boca. Abri meus olhos com frequência para me lembrar de quem era. Eu não ia usar outra pessoa como essa novamente. Se eu ia transar com ela, então eu ia transar com ela. Apenas ela. Ela começou a esfregar-se no meu peito. Isto era quente. Ela ia golpeando rápido e várias vezes. Boa. Eu precisava várias vezes. Eu joguei-a para o sofá, empurrei o vestido em torno de sua cinturae enterrei meu rosto de volta em seu decote, enquanto ela gritava meu nome. 52


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Ela não cheirava doce como Blaire. Seus sons não eram suaves e sexy. Foda-se! Eu tinha que parar com isso. Abri-lhe as pernas e deslizei minhas mãos em sua calcinha. Olhando para baixo, eu vi que elas eram negras. Não rosa. Elas também eram de rendas, não cetim. Nada como Blaire. Estanão era Blaire. Eu deslizei meus dedos dentro dela ea umidade me puxou ainda mais. Ela estava pronta. Mais do que pronta. Eu estava indo para esgotar a nós dois. - Sim, Rush, baby, assim mesmo. Mais forte. Chupa mais forte - ela gritou. Eu precisava que ela calasse a boca. Isso não estava me ajudando, caramba. - Mmm, sim, por favor, me toque. - ela implorou. - Shhh - eu disse a ela, não iria perto de sua boca. Eu tinha uma coisa sobre bocas. Eu não confiava onde tinham sido colocadas. Eu nunca beijava facilmente. Seus sons estavam todos errados. Ela era muito barulhenta. Também. . . demais A porta bateu e eu congelei. Merda. Eu estava fora da Bailey e levantando me de imediato. - Cubra-se, puxe o seu vestido. - eu exigi, e eu saí da sala para parar a Blaire, antes que ela visse alguma coisa. Eu enfiei a mão no meu bolso quando eu pensei sobre o cheiro de Bailey em meus dedos. - Ela correu para fora. Quem quer que fosse. - disse Bailey,atrás de mim e eu parei de andar. Não. Foda-se, não. Não desta vez. Agora não. inferno! - Quem era? - Bailey perguntou, atrás de mim. - Vista-se, vou levá-la para casa. - eu disse a ela e me dirigi para o banheiro, onde eu poderia lavar minhasmãos. Blaire tinha chegado. Por que ela correu? A última vez, ela tinha ido para o quarto dela. Desta vez, ela correu para fora e bateu a porta. Foi o beijo. Eu não beijava. Eu comia. Mas eu tinha beijado Blaire. Eu sabia que sua boca estava limpa e doce. Eu queria isso. Mais. Sempre mais com ela. Eu sempre queria mais. Eu não poderia ter mais. Quando saí do banheiro, eu me dirigi para a porta. Eu empurrei-a abertae meu coração afundou quando eu notei que a picape de Blaire tinha ido embora. Ela esteve aqui e foi embora. Ela trabalhou no sol o dia todo. Ela tinha que estar exausta e com fome. Ela precisava voltar para casa e comer alguma coisa. Ela provavelmente queria um chuveiro. Mas ela estava fora fazendo o quê? Andando ao redor? Ela nem sequer tem um maldito telefone celular. Foda-se isso. Eu estava comprando-lhe um telefone. Ela precisava de um maldito telefone.

53


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Por que ela estava aqui? Você gosta de dupla? - perguntou Bailey, em um tom agudo. Eu a aborreci. Mas eu não poderia continuar tocando-a ao pensar sobre Blaire nos vendo. Eu odiava a ideia de Blaire nos vendo. - Não. Vamos. - eu disse. Eu não lhe devia uma explicação sobre Blaire. - Eu não me importo. Eu sei que isto é uma coisa de uma noite. Eu sei como Rush Finlay funciona. Eu quero umanoite, Rush. - disse Bailey, caminhando até mim e puxando minha camisa. - Eu preciso ser fodida duro. Onde e como você quiser. Grande. Agora eu tinha elaimplorandoe ia ser ainda mais difícilme livrar dela. - Olha,aquelagarota. . . - Fiz uma pausa. O que eu ia dizer? Eu estava usando Bailey para tiraressa menina da minha cabeça. Agora tudo o que eu podia fazer era pensar sobre ela. –Ela...ela é especial. Eu preciso ver como ela está e trazê-la de volta aqui. Ela vai ficar aqui eo que ela viu. . . ela não merecia ver isso. Bailey deu um passo atrás. Seus saltos clicado contra o chão de mármore. Você está em um relacionamento? -ela perguntou, incrédula. Eu balancei minha cabeça. - Não. Não estou em nada com ninguém. Mas ela é. . . - Eu parei. Foda-se isso. Eu não tenho tempo para isso. - Eu preciso levá-la para casa agora e ir encontrá-la ou eu preciso chamar alguém para vir buscar você. Eu não tenho tempo para isso. - Bailey girou sobre os calcanhares e se dirigiu para a porta. - Tudo bem, Finlay. Mas não me chame novamente. Era isso. Sua única chance. É o fim. Melhor notícia que eu ouvi durante todo o maldito dia.

Deixei Bailey em casa e, em seguida, dirigi pela cidade, sem nenhum sinal de Blaire. Corri de volta para a casa, esperando que ela estivesse lá. Era quase meia-noite e eu estava prestes a chamar a porra da polícia. Ela poderia estar ferida em algum lugar ou alguém poderia tê-la, ou. . . nada. Eu estava deixando minha imaginação chegar na minha frente. Ela estava chateada. Eu a tinha aborrecido. Meu estômago deu um nó para cima. Ela tinha que entender que nós não poderíamosfazer isso. Aquele beijo não aconteceria. Não mais. Eu estava indo para que não haja mais nós. Sua picape ainda não estava, quando eu estacionei na garagem e me dirigi para dentro. Eu esperaria por ela por mais15 minutos, mas depois eu estaria ligando para a segurança. Eu teria uma equipe de busca procurando por ela dentro 10 minutos da minha chamada. Era muito perigoso para ela sair tarde assim. Mesmo em Rosemary Beach. Faróis iluminaram a garagem e eu soltei a respiração que estava segurando. Ela estava em casa. Esperei até ela estar fora da picape e na porta, antes de abri-la. Eu não estava dando a ela uma chance de correr de mim. Ela estava ali na minha frente, em seguida, olhou em volta dos meus pés como se estivesse à espera de encontrar alguma coisa.

54


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Onde você estava? - Eu perguntei, tentando não parecer tão frustrado quanto eu estava. - Que importância tem? - ela perguntou. Ela não estava com raiva. Ela parecia confusa. Fechei o pouco de espaço entre nós. - Porque eu estava preocupado. - eu disse honestamente. Ela precisava saber. Ela me assustou. - Eu acho bem difícil de acreditar. Você estava muito ocupado com a sua amiga essa noite para perceber qualquer coisa. - O desgosto em sua voz era evidente. - Você veio mais cedo do que eu esperava. Eu não quis fazer você assistir àquilo. - eu disse, sabendo que soou ruim como eu falei isso. Mas eu não tinha uma desculpa. Mesmo se eu quisesse ter. Ela trocou os pés e soltou um suspiro. - Cheguei em casa no mesmo horário que faço todas as noites. Eu acho que vocêqueria que eu te visse. Por que, não tenho certeza. Eu não estou a fim de você, Rush. Eu só preciso de um lugar para ficar por mais alguns dias. Eu vou estar me movendo para fora de sua casa e sua vida muito em breve. Maldita. Ela estava indo para me fazer sentir. Eu não podiasentir, porra. Não com ela. Fechando os olhos, eu murmurei uma maldição e tentei me acalmar. - Há coisas sobre mim que você não conhece. Eu não souum daqueles caras que você pode tratar feito cachorrinho. Eu tenho bagagem. Muita. Demais para alguém como você. Eu esperava alguém tão diferente, considerando que eu conheço o seu pai. Mas você não é nada como ele. Você é tudo o que um cara como eu deveria ficar longe. Porque eu não sou certo para você. Ela riu. Ela riu, porra. Eu estava sendo honesto com ela e ela estava rindo de mim. - Sério? Isso é o melhor que você consegue? Eu nunca lhe pedi nada mais do que um quarto. Eu não espero que você me queira. Eu nunca esperei. Sei que você e eu jogamos em campos diferentes. Eu nunca vou fazer parte da sua liga. Eu não tenho as linhagens adequadas. Eu uso vestidos vermelhos baratos e eu tenho um apego a um par de sapatos de saltos prateados, porque a min ha mãe usou no dia de seu casamento. Eu não preciso de coisas de grife. E você, Rush, é de grife. Era isso. Ela tinha me empurrado demasiado agora, maldita. Eu peguei a mão dela e puxei-a para dentro da minha casa, apoiando-a contra a parede. Encarcerando seu corpo com o meu me fazia sentir bem. Fez o meu corpo zumbir de excitação, que não tinha necessidade de estar sentindo. – Eu não sou de grife. Coloque isso na sua cabeça. Eu não posso tocar em você. Quero tão malditamente, que dói pra caralho, mas eu não posso. Eu não vou bagunçar tudo. Você é. . . você é perfeita e intocável. E, no final, você nunca iria me perdoar. - deixe-a rir de mim agora. O macio de seus lábios me tentando para sentir o seu gosto, novamente. - E se eu quiser que você me toque? Talvez eu não sejatão intocada. Talvez eu esteja um pouco contaminada. Eu queria rir neste momento. Será que ela não sabe que eu estava ciente de que tipo de garota ela era? Eu acariciei o rosto dela, a necessidade de tocá -la em algum lugar. - Eu estive com um monte de meninas, Blaire. Confie em mim, 55


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines eu nunca conheci uma tão perfeita como você, caralho. A inocência em seus olhos grita para mim. Eu quero cada centímetro de suas roupas fora e me enterrar dentro de você, mas eu não posso. Você me viu esta noite. Eu sou um filho da puta, bastardo doente. Eu não posso tocar em você. - OK. - ela disse, parecendo quase aliviada. Ela tinha medo de que eu quisesse mais com ela? - Podemos pelo menos ser amigos? Eu não quero que você me odeie. Eu gostaria de fossemosamigos . - disse ela, olhando esperançosa. Amigos? Ela pensou que eu poderia ser seu amigo? Fechei meus olhos para que eu não pudesse ver seu rosto. Então, eu não poderia me perder em seus olhos. Ser seu amigo não era algo que eu tivesse certeza que eu pod eria fazer, mas eu sabia quenão poderia dizer para essa garota “não”. Ela estava sob a minha pele e eu estava perdido. Abri os olhos e olhei para seu comovente e belo rosto. - Eu vou ser seu amigo. Vou tentar o meu melhor para ser seu amigo, mas eu tenho que ter cuidado. Eu não posso chegar muito perto. Você me faz querer coisas que não posso ter. Esse corpo pequeno e doce se sente muito incrível debaixo de mim. - eu disse, antes de abaixar minha cabeça até meus lábios roçarem seu ouvido. - E o seu gosto... É viciante. Tenho sonhado com isso. Eu fantasio sobre isso. Eu sei que você vai ser tão deliciosa. . . em outros lugares. Ela se apertou contra mim e sua respiração acelerou. Como eu poderia ser amigo dela? Ela era tão tentadora. - Nós não podemos. Puta que pariu. Nós não podemos. Amigos, doce Blaire. Apenas amigos. - eu sussurrei, em seguida, afastou-me dela e me dirigi para as escadas. Espaço. Precisávamos de espaço. Eu ia tocá-la se eu não conseguisse mais espaço. Cheguei a escada e a ideia dela dormindo embaixo delas, me machucava. Foi incomodando-me mais e mais a cada maldito dia. Mas como eu iria levá-la para perto de mim? Precisávamos de espaço. Ela estava segura ali embaixo. - Eu não quero você sob essa porcaria de escada. Eu odeio isso. Mas eu não posso levá-lapara cima. Eu nunca vou ser capaz de ficar longe de você. Eu preciso que você fique bem escondida. - eu expliquei, sem olhar para ela. Eu queria ver se ela acreditou em mim. Eu queria vê-la uma última vez. Eu queria. . . mais. Eu não podia. Eu corri o resto do caminho até as escadas e para o meu quarto, batendo e trancando-me no interior. Eu tinha que ficar longe dela.

56


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 13

Grant foi me encontrar na academia esta manhã. Nós não tinhamos entrado em uma rotina para nossostreinos ainda este verão, mas desde que eu não estava dormindo muito, com Blaire assombrando meus pensamentos, eu percebi que eu poderia ir a academia com Grant antes de ir para o trabalho. Blaire ainda estava em seu quarto quando sai para fora da garagem naquela manhã, mas o sol nãotinha aparecido ainda. Eu tive que colocar para fora um pouco dessa agressividade. Se o sexo não ia acontecer tão cedo, então eu iria cansar o meu corpo com os pesos. Talvez eu pudesse dormir depois disso. Grant estava me esperando do lado de fora da academia da cidade. Não era o único no clube, porque Grant disse que a academia era para maricas. Homens reais trabalhavam em academias reais, de acordo com ele. – Cerca de um tempo que espero vocêaqui. - resmungou quando eu fui até ele. - Cale a boca. O sol nem mesmo subiu ainda. - eu respondi. Grant apenas sorriu e tomou um gole de sua água engarrafada. - Você se hidratou esta manhã? - ele perguntou. - Não. Preciso de um pouco de café. Eles têm neste lugar? Grant riu alto. - É um ginásio, Rush. Não Starbucks. Aqui. - ele disse,me jogando uma garrafa de água da mochila. - Você precisa de água agora. Café mais tarde. - Eu não estou gostando da sua escolha de academia de ginástica. - Eu informei a ele. - Pare de ser uma menina. Nós trabalhamos por mais de duas horas antes eutivesse autorizado a um café. Minha lição tinha sido aprendida para o futuro: beber um copo antes de eu sair de casa. - Festa hoje à noite? - Grant perguntou quando estavamos fora do ginásio. - Onde? - Sua casa. Apenas algumas pessoas. Você precisa de companheira de quarto para te distrair e eu preciso de uma desculpa para convencer essa amiga de Nan -Bailey, acho- a visitar a minha cama. - disse ele. Eu estremeci. - A festa na minha casa não é a maneira de fazer isso acontecer. Tive Bailey a noite passada. Não terminou bem. Grant parou de andar. - O quê? Você não recebeu qualquer? Parecia uma coisa malditamente certo para mim. Eu estava certo de que ela estaria em cima de você. - Blaire nos viu antes que ficasse muito quente e ferrou tudo. Enviei Bailey a casa. Grant soltou um assobio. - Uau. . . assim Blaire pegou você e você mandou uma menina embora. - disse ele, sacudindo a cabeça. - Cara. Precisamos de 57


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines uma festa. Precisamos de meninas. Não Bailey, desde que você já passou lá, mas algumas meninas novas. Nan tem amigas. Você precisa colocar sua cabeça para fora da Blaire Maravilha. Não pode acontecer. Você sabe disso. Eu balancei a cabeça. Ele estava certo. Isto não poderia acontecer. - Claro. Tanto faz. Convide quem você quiser.

A multidão era pequena. Fiquei impressionado com Grant por mantê-lo íntimo. Eu mantive meus olhos em direção aporta, esperando Blaire chegar em casa. Ela não estava preparada para convidados. Ela tinha que estar cansada após o final da noite passada. Eu pretendia manter a música baixa e as pessoas fora das escadas, para que ela pudesse dormir. Eu considerei deixá-la dormir em um dos quartos de hóspedes apenas por hoje à noite, para que ela pudesse descansar. As pessoas poderiam estar aqui até tarde. Poderia ficar mais alto. Não. Nenhum . Eu não seria capaz de ficar longe dela. Não é uma boa ideia. Ela tinha que ficar sob as escadas. Era mais seguro lá. Ela podia dormir. Eu tinha certeza que podia. - Rush! - Grant chamou da varanda. Olhei para a porta antes de ir para fora, para ver o que ele queria. Eu não podia ficar lá por muito tempo. Eu tinha que voltar a assistir por Blaire. - Sim. - eu perguntei a Grant, que estava sentado na poltrona com uma nova garota em seu colo. Ele apontou com sua garrafa de cerveja em direção MalcolmHenry. Eu não o tinha visto desde que tinha chegado em Rosemary Beach. Seus pais viviam em Seattle e a última vez que o vi, ele estava participando de Princeton. - Malcolm não conseguiu ingressos para o show em Seattle dos Slacker Demon no próximo mês. - disse Grant, sorrindo. Eu normalmente não conseguia alguns ingressos para ver a banda do meu pai em turnê, mas Malcolm era um amigo Grant, cresceram juntos. Além disso também estivera perto de Tripp Montgomery e Tripp era meu amigo. Mesmo que eu não o via desde que fugira, alguns anos atrás. - Eu vou fazer uma chamada. - Eu disse a ele e o sorriso de Grant cresceu. - Diga a qualquer um e eu vou bater o seu rabo. - Grant advertiu Malcolm, ainda sorrindo. - Ele não conseguebilhetes para qualquer um. Ele está fazendo isso por mim, por isso não estrague tudo. Grant já bebeu demais hoje. Ele era muito generoso e alegre quando estava bêbado. O que significava que ele me chamou para a sua caridade. Eu balancei a cabeça e caminhei de volta para dentro.

58


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Alguém gritou: - Ei Woods!. - e eu parei de andar e procurei ao redor. Que diabos estavaKerrington fazendo aqui? Eu não o tinha convidado e Grant teria dito alguma coisa se ele o convidou. Ele sabia que eu não estava feliz com Woods agora. Andei até a janela e olhei para fora para ver a picape de Blaire estacionada em direção a parte de trás do estacionamento. Isso me incomodou. Eles não deviam ter bloqueado-a. Eu devia ter pensado nisso. Mas ela estava aqui. E assim estava Woods. Foda-se. Eu ignorei as pessoas e passei por Woods, para ir diretamente para a despensa. Blaire estava lá dentro. Ela estava se trocando? Teria ela convidado Woods? O que diabos eu ia fazer se ela tivesse? Nós éramos. . . amigos agora . Merda. Foda-se amigos. Isso nem sequer parecer ser possível. Parando na despensa, eu vi quando ela saiu de seu quarto como se ela estivesse saindo. Talvez ela fosse ver Woods. - Rush? O que há de errado? - Ela perguntou, olhar sincero. Esperei um momento para responder. Eu não queria assustá-la ou soar duro. - Woods está aqui. - eu finalmente disse, tão calmamente quanto eu poderia controlar. - Da última vez que chequei, ele era um amigo de vocês. - disse ela. A última vez que verifiquei, ele estava quente em seu rastro. - Não. Ele não está aqui por mim. Ele veio por outra pessoa. -Eu disse. A expressão confusa de Blaire tornou-se aborrecida e ela cruzou os braços sob os seios, que ela realmente não precisavafazer se ela queria que eu tirasse meus olhos deles. - Talvez ele esteja. Você tem um problema com seus amigos se interessarem por mim? - Ele não é bom o suficiente. Ele é um filho da puta, desculpe, um asno. Ele não deve chegar a tocá-la. - eu respondi, sem pensar. A ideia dele fazer qualquer coisa com ela, fez meu sangue ferver. Blaire parecia estar considerando o que eu tinha acabado de dizer. Porra, ela era adorável quando ela ficavafrustrada. – Eu não estou interessada em Woods dessa forma, ele é meu chefe e, possivelmente, um amigo. Isso é tudo. Eu não sabia o que dizer sobre isso. Eu não poderia pedir a ela para ficar sob as malditas escadas. - Eu não consigo dormir, enquanto as pessoas estão subindo e descendo as escadas. Em vez de sentar em meu quarto sozinha, imaginando que você está lá em cima se enroscando esta noite, eu pensei em falar com Woods lá fora, na praia. Ter uma conversa com alguém. Eu preciso de amigos. Filho da puta. - Eu não quero você lá fora falando com Woods. - eu disse. Eu queria dizer a ela que não havia a menor chance de que eu estava tomando qualquer uma no andar de cima e fodendo-a. Ela tinha de alguma forma me arruinado e tudo que eu tinha feito fora beijá-la. - Bem, talvez eu não queira você transando com alguma garota, mas você vai. - ela disparou de volta para mim. O olhar feroz em seu rosto me fez querer rir e beijá-la sem sentido, ao mesmo tempo. 59


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Ela estava me empurrando. Eu estava muito perto de esquecer por que isso era uma má ideia. Movi-me para ela e ela recuou até que estávamos de volta, dentro de seu quartinho. Segura de Woods Kerrington. Eu queria mantê-la aqui. Eu não quero foder alguém hoje à noite. - eu disse a ela. Então, eu não poderia manter a diversão do meu rosto. Porque isso era uma mentira. - Isso não é exatamente verdade. Deixe-me esclarecer. Eu não quero foder ninguém fora deste quarto. Fique aqui e fale comigo. Eu vou falar. Eu disse que poderíamos ser amigos. Você não precisa deWoods como um amigo. Ela me empurrou para trás, sem muita força. - Você nunca fala comigo. Faço a pergunta errada e você pula fora. Mas ela disse que éramos amigos. Gostaria de jogar aquela carta toda maldita noite se eu tinha que fazer. - Agora não. Somos amigos. Eu vou falar e eu não vou embora. Assim, por favor, fique aqui comigo. Ela olhou ao redor e franziu a testa. - Não há um monte espaço aqui. disse ela, com as mãos ainda espalmadano meu peito. Eu me perguntei se ela podia sentir meu coração batendo. Ele estava batendo tão forte que eu podia ouvi-lo batendo em meus ouvidos. - Nós podemos sentar na cama. Não vamos nos tocar. Basta falar. Como amigos. - eu disse a ela. Qualquer coisa para fazê-la ficar aqui, longe de Woods. Ela relaxou e sentou-se na cama, com as mãos me deixando. Eu queria estender a mão e agarrá-las, mantendo-as sobre mim. – Então, nós vamos falar. - disse ela, como ela fugiu de volta na cama e cruzou pernas. Sentei-me na cama e encostei-me a outra parede. Nós não estávamos muito distantes, mas era o quantoeste quarto podia permitir. A situação me fez rir. - Eu não posso acreditar que eu só pedi a uma mulher para sentar e conversar comigo. - O que vamos falar? - Ela perguntou, me estudando. Eu poderia dizer, pela sua expressão, que ela esperava eu fugir a qualquer momento. - E como diabos você ainda é virgem aos dezenove anos? - Eu disse, antes que eu pudesse me parar. Ela era simplesmente muito bonita para ser tão inocente. Não fazia sentido para mim. Ela endureceu. - Quem disse que eu sou virgem? - Ela perguntou, parecendo chateada. Eu sabia que ela era virgem desde a primeira vez que eu a peguei verificando-me por fora. O corado em seu rosto era tudo o que eu precisava para saber. A menina era inocente. - Eu sei que é virgem quando eu beijo uma. - eu disse, em seu lugar. Ela relaxou de novo, depois deu de ombros como se não fosse grande coisa. Quando era um grande negócio do caralho. Eu não conhecia virgens de dezenove anos de idade, que se pareciam com ela. - Eu estava apaixonada. Seu nome é Caim. Ele foimeu primeiro namorado, meu primeiro beijo, minha primeira sessão de amasso, por mais recatado que tenha sido. Ele disse que me amava e alegou que eu era a única para ele. Então minha mãe ficou doente. Eu não tinha mais tempo para sair e ver Cain nos fins de semana. Ele precisava sair. Ele precisava estar livre para teresse tipo de relação com outra pessoa. Então eu o deixei ir. Depois de Caim, eu não tive tempo para namorar mais ninguém. 60


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Mas que diabos? Ela amava este idiota e ele a deixou? - Ele não ficou do seu lado quando sua mãe ficoudoente? Ela se esticou de novo e brincava com as mãos no colo. - Nós éramos jovens. Ele não me amava. Ele apenas pensava que me amava. Simples assim. Ela o estava defendendo. Foda-se isso. Ele precisava de um chute na bunda. - Você é ainda jovem. - eu disse a ela, mas eu estava tentando me lembrar mais que nada. - Eu tenho 19, Rush. Eu cuidei da minha mãe por três anos e enterrei-a sem qualquer ajuda de meu pai. Confie em mim, eu me sinto com quarenta, na maioria dos dias. - disse ela. O cansaço em sua voz machucoumeu peito. Eu estava querendo bater um idiota de garoto desconhecido quando esta merda era minha culpa. Meu instinto torcidome lembrou de como eu tinha desempenhado um papel na sua dor. Peguei a mão dela, porque eu precisava tocá-la de alguma forma. - Você não deveria ter que fazer isso sozinha. Ela não disse nada a princípio. A ruga na testa aliviou antes que ela erguesse o olhar da mão sobre a dela para o meu rosto. - Você tem um emprego? - Ela perguntou. Eu ri. Ela estava mudando de assunto e direcionando as perguntas para mim. Jogada inteligente. Apertei sua mão. - Você acredita que todos devem ter um emprego, uma vez que eles estão fora da faculdade? - eu perguntei, provocando-a. Ela encolheu os ombros em resposta. Eu poderia dizer que sim, que ela pensava isso. Minha vida era uma coisa que ela não estavaacostumada. - Quando me formei na faculdade, eu tinha dinheiro suficiente no banco para viver o resto da minha vida sem um emprego, graças ao meu pai. Depois de algumas semanas sem fazer nada, somente festa, eu percebi que eu precisava de uma vida. Assim comecei a brincar com o mercado de ações. Acabei descobrindo que sou muito bom nisso. Sempre fui bom com números. Eu também dou apoio financeiro ao Habitat para a Humanidade. Durante dois meses por ano, eu coloco a mão na massa e vou trabalhar no local. No verão eu me afasto de tudo que posso e venho aqui relaxar. Eu não tinha a intenção de lhe dizer a verdade, ou pelo menos tudo isso, mas eu fiz. Só saiu da minha boca. Ela colocava-me à vontade. As mulheres nunca me colocavam à vontade. Eu estava sempre em guarda por um motivo. Blaire não tinha um. - A surpresa em seu rosto é um pouco ofensiva. - Eu disse a ela. Eu estava brincando, mas era também a verdade. Eu não gostava dela pensando que eu era uma criança mimada, mesmo que eu tivesse dado essa ideia, em todo tempo que tinhamos estado vivendo sob o meu teto. - É que não esperava essa resposta. - ela finalmente respondeu. Eu precisava de distância. Eu podia sentir o cheiro dela novamente, e santo inferno, ela cheirava bem. Voltei para o meu lado da cama. Tocar tempo era para cima. - Quantos anos você tem? - Ela perguntou. 61


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Fiquei surpreso que ela já não soubesse. Tudo o que ela tinha que fazer era me Googlear. - Demasiado velho para estar neste quarto com você e demasiado velho para os pensamentos que tenho sobre você. - eu respondi. - Vou lembrá-lo que eu tenho 19. Vou fazer vinte em seis meses. Eu não sou um bebê. - disse ela. Ela não parecia nervosa com tudo o que eu tinha acabado de admitir sobre a fantasiar com ela. - Não, doce Blaire, você definitivamente não é um bebê. Eu tenho vinte e quatro anos e estou cansado. Minha vida não tem sidonormal, e por causa disso, eu tenho umas questões bizarras. Eu já lhe disse, há coisas que você não sabe. Não posso me permitir tocar em você, seria errado. - Eu precisava dela para entender isso. Um de nós tinha que se lembrar por que eu precisava manter minhas mãos longe dela. - Eu acho que você se subestima. O que eu vejo em você é algo especial. Suas palavras fizeram a dor em meu peito ficar em chamas. Ela não me conhece. Não realmente. Mas caramba, era bom ouvi-la dizer que viu outra coisa que não o filho do astro do rock. - Você não conhece o meu verdadeiro eu. Você não sabe tudo que eu fiz. Porque, quando ela soubesse, momentos como este seriam apenas memórias agridoces que me assombrariam pelo resto da minha vida. - Talvez. - disse ela, e se inclinou para mim. - Mas o pouco que eu vi não é de todo ruim. Estou começando a pensar que talvez você tenha outra camada. Santo inferno, ela precisava voltar. Aquele cheiro e aqueles olhos. Comecei a dizer alguma coisa, mas parei. Eu não sabia o que dizer a ela. Diferente disso eu queria deixá-la nua e fazê-la gritar meu nome uma e outra vez. Algo que ela viu fez seus olhos grandes e ela mudou-se ainda mais perto de mim. - O que é isso na sua boca? - ela perguntou, com um toque de surpresa em sua voz. Eu estava usando uma barra na minha língua,esta noite. Nem sempre eu colocava algo que pudesse ser visto, porque eu tinha superado o piercing ou pelo menos eu me sentia assim, às vezes. As garotas, no entanto, gostavam. Abri a boca e coloquei a língua para fora, para que a pequena senhorita curiosa pudesse ver. Ela já havia inclinado a cabeça para espiar dentro da minha boca. Se eu não mostrasse a ela, ela ia subir no meu colo para ficar mais perto. - Dói? - Ela perguntou em um sussurro, ainda se aproximando de mim. Mas que diabos? Ela ia começar uma visão real dele lambendo seu pescoço maldito, se ela não voltasse. - Não. - eu respondi, mantendo a minha língua na minha boca por medo de que ela estava indo realmente tocar e me fazer perder a cabeça. - Que tatuagens são essas em suas costas? - Ela me perguntou, movendose um pouco para trás. Seu cheiro ainda se agarrando em mim. Eu estava inalando com mais frequência do que o necessário, apenas para conseguir o cheiro dela dentro de mim. Era patético. Focoem outra coisa. Responda as perguntas maldita e pare de pensar em sua pele. E seu gosto.Tatuagens...ela quer saber sobre as minhas tatuagens .

62


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Uma águia em minha parte inferior das costas com suas asas abertas o símbolo dos Slacker Demon. Quando eu tinha dezessete anos, meu pai me levou a um concerto em Los Angeles e depois me levou para a minha primeira tatuagem. Ele queria a marca da banda no meu corpo. Cada membro da Slacker Demon tem um em exatamente o mesmo lugar. Logo atrás do ombro esquerdo. Papai estava doidaço naquela noite, mas ainda é um boa memória. Eu não tive a oportunidade de passar muito tempo com ele quando pequeno. Mas cada vez que eu o via, ele acrescentavaoutra tatuagem ou piercing ao meu corpo. - eu expliquei. Seus olhos foram imediatamente para o meu peito. Porra, ela estava me perguntando sobre meus mamilos. Ducha fria. Eu ia precisar de um longo banho de água fria. Ou talvez quente, com um pouco de óleo de bebê e meu punho. Deus,conhecia o seu cheiro e a vista que eu tinha abaixo, da sua camisa eram o suficiente para me enviar sobre o limite. - Nenhum piercings aí, doce Blaire. Os outros estão em minhas orelhas. Eu pus fim aos piercings e tatuagens quando fiz dezenove. - eu assegurei a ela. Ela precisava tirar os olhos do meu peito, porra. Agora. Ela parecia infeliz ou preocupada. O que eu tinha dito? Foda-se, eu não tinha verbalizado meus planos no chuveiro, tinha? - O que eu disse para fazer você franzir a testa? - eu perguntei, tocando-lhe o queixo, para inclinar seus olhos para que eu pudesse vê-los. - Quando você me beijou ontem à noite, eu não senti a coisa da barra de prata. - Isso era o que estava fazendo sua cara feia? Ela ia me matar. Eu não podia levar muito mais disto. - Porque eu não estava usando. – eu disse, aproximando-me dela. O cheiro dela estava me puxandopara perto. - Quando você, hã, beija alguém com ela, ela pode sentir isso? Puta que pariu. A Pequena Senhorita Curiosa se mostrando era tão tentador. Ela queria experimentá-lo e eu com certeza queria mostrar a ela. Blaire, diga-me para sair. Por favor. - eu implorei. Era a única maneira de manter sem beijá-la. - Vocêteria sentido. Em todos os lugares que eu te beijasse, você iria sentir. E você iria gostar. - eu sussurrei em seu ouvido, em seguida, deium beijo em seu ombro e respirei profundamente. Foda-se, era bom. - Você está. . . você vai me beijar de novo? - ela perguntou, enquanto eu corria meu nariz até o pescoço dela, absorvendo o cheiro dela. Droga, o cheiro era inebriante. - Eu quero. Eu quero pra caralho, mas eu estou tentando ser bom. - eu admiti. - Você poderia não ser bom só por um beijo? Por favor? - ela perguntou, aproximando-se de mim. Sua perna pressionado contra a minha. Mais uma polegada, e ela estaria no meu colo. - Doce Blaire, tão incrivelmente doce. - Eu estava perdendo. Meus lábios estavam tocando cada centímetro suave de pele que podiam enquanto eu lutava comigo mesmo para não tocá-la. Ela era inocente. Ela era boa demais para mim. 63


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Isso era errado. Eu provei a sua pele com a ponta da minha língua e meu pau latejou. Ela era deliciosa. Tudo nela. Eu beijei uma trilha até o pescoço e quando cheguei aos lábios, eu parei. Eu queria eles. Eu queria ela. Mais. Sempre mais. Mas ela era minha. . . amiga. Eu tinha causado a dor dela e ela nem sabia. Eu tinha que parar com isso. - Blaire, eu não sou um cara romântico. Eu não beijo e fico abraçadinho. É tudo sobre o sexo para mim. Você merece alguém que beije e fique abraçadinho. Não eu. Eu só trepo, gata. Você não é feita para alguém como eu. Eu nunca me neguei algo que eu quero. Mas você é muito doce. Desta vez, eu tenho que dizer não a mim mesmo. Eu disse, mais para mim do que para ela. Eu precisava me lembrar o quão fora do meu alcance ela estava. Ela gemeu e eu pulei, movendo-me para a porta. Eu não faria isso com ela. Eu não podia. - Eu não posso falar mais. Hoje não. Não sozinho aqui com você. - eu disse e sai antes que me perdesse nela. Eu nunca poderia ter Blaire.

64


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 14

Andeipassado as poucas pessoas na cozinha e me dirigi para a porta da frente. Eu precisava ir lá fora e me acalmar. O ar fresco, sem ninguém por perto para me ver perder meu controle. Dizer „não‟ a Blaire praticamente me matou. Recusar esses doces, lábios dispostos. . . Santo inferno, nenhum homem deve ser submetido a este tortura. - Quer falar sobre isto? - Grant perguntou, quando a porta atrás de mim fechou. - Eu preciso ficar sozinho. - disse a ele. Segurei a grade da varanda e mantive meus olhos focados nagaragem cheia de carros. - Você não vai ser capaz de manter isso. Ela está sob a sua pele agora. disse Grant, chegando a ficar ao meu lado. Eu deveria saber que ele ignoraria o meu pedido de me deixar com os meus pensamentos. - Eu não vou machucá-la. - disse a ele. Grant suspirou e virou-se para inclinar-se contra a grade e me enfrentar, ao cruzar as mãos sobre o peito. – Por mais doce que Blaire seja, eu não estou preocupado com ela. Eu estou preocupado com você. - disse ele. - Eu tenho isso. - Não. Você não tem. Você está mantendo suas mãos longe dela quando é óbvio para qualquer um que vê o seu olhar em você, que ela iria deixá-lo tocá-la da forma que queria. Mas você não está tocando. Eu nunca -E eu quero dizer, porra nunca - vi você recusar isso de alguém que se parece com Blaire. Que significa. . . você tem sentimentos por ela. É por isso que estou preocupado com você. Ela vai descobrir sobre seu pai e sobre Nan, e quando isso acontecer, ela vai correr como o inferno. Ela vai odiar todos vocês. Eu não quero vê-lo ferido. - Eu sei. - eu disse. Eu sabia disso. Foi por isso que eu não estava transportando-a para o meu quarto e trancando-a lá comigo. Eu não poderia estar lá com ela. - Ela está lá fora, na parte de trás com Woods. - disse Grant. Levantando-me em linha reta, eu soltei do corrimão e olhei para a porta. Como você sabe? - Vi-a caminhar lá fora antes de vir atrás de você. - ele respondeu. Eu não estava deixando Woods perto dela, também. Ele iria machucá-la. Ele a usaria e ninguém ia usar Blaire. Ninguém. Nunca. Eu, porra, teria certeza disso. - Eu tenho que ir buscá-la. Eu a aborreci – eu disse, dirigindo-me para a porta. - Ele sabe que ela é inocente. Woods não é um idiota. Ele é um cara bom. Pare de agir como se ele fosse um maldito tarado. Apertei meu aperto na maçaneta da porta e respirei fundo. - Não me diga o que fazer, Grant. Ele soltou uma risada curta. - Nunca, irmão. Nunca. 65


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Eu empurrei a porta e dei um passo para dentro, com a intenção de encontrar Blaire e enviar Woods para casa. - Heeey Ruuush! - Uma mulher chamou arrastado animadamente e ela se agarrou ao meu braço. Eu olhei para baixo para ver uma das amigas de Nan, cujo nome eu não conseguia lembrar, segurando em mim. - Não. - eu respondi e continuei andando. Ela não ia me deixar ir. Em vez disso, ela continuou rindo e falando de sua calcinha molhada. Esta merda costumava me ligar, mas o cheiro de Blaire e do pensamento de seus grandes olhos quandoela se arrastou para perto de mim, para que ela pudesse estudar aminha língua, fez tudo parecer barato. - Eu sou Babs. Lembra-se? Eu costumava passar a noite com sua irmã no colégio. - disse ela, apertando-secontra mim. - Não estou interessado. - eu disse a ela, tentando me livrar quando entrei na cozinha e meus olhos se encontraram com os de Blaire. Ela estava sozinha. Não com Woods. E ela estava me observando. Com. . . Babs, ou quem quer queeraesta no meu braço. Merda. - Mas você disse. - Babs começou a discutir. Eu não tinha ideia do que ela pensou que eu disse. Então, ela beijou meu braço. Foda-se. - Eu vou tirar a minha calcinha aqui se você quiser. - a menina continuou, não levando um não como resposta. Ela estava cambaleando sobre os calcanhares e agarrando-se a mim ainda mais, agora. - Babs, eu já lhe disse que não. Eu não estouinteressado. - eu repetia em voz alta, mantendo meus olhos fixos em Blaire. Eu queria que ela me ouvisse. Eu sabia que isso não era o que eu queria. Quem eu queria. - Vai ser bem safado. - ela prometeu-me, em seguida, começou a rir. Nada sobre ela era atraente. - Não, não, vai ser chato. Você está bêbada e seu cacarejar está me dando uma dor de cabeça. - eu disse, ainda olhando Blaire. Ela tinha que acreditar em mim. Blaire baixou os olhos para o chão e se virou para ir até a despensa. Boa. Ela estava segura ali e ela precisava dormir. - Ei, essa menina vai roubar a sua comida. - Babs sussurrou em voz alta. O rosto de Blaire ficou vermelho e eu joguei Babs fora do meu braço, deixando-a tropeçar para segurar a si mesma. - Ela mora aqui, pode pegar o que quiser. - eu informei para qualquer outra pessoa que pudesse dizer algo para envergonhá-la. Blaire olhou para trás, para encontrar os meus novamente. - Ela mora aqui? - perguntou Babs. A dor nos olhos de Blaire queimou um buraco no meu peito. Eu não podia levá-la. - Não deixe ele mentir para você. - disse Blaire. – Eu sou uma hóspede indesejável, vivendo sob suas escadas. Euqueria algumas coisas, mas ele vive me dizendo não. Foda-se. 66


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Ela bateu a porta atrás dela. Eu queria ir atrás, mas eu sabia que se eu fosse lá, eu não estaria saindo. Eu não seria capaz de manter as minhas mãos e boca longe dela. Woods entrou na cozinha e virou seu olhar para mim. - Você não a merece. - disse ele friamente. - Nem você. - eu respondi, então virei e dirigi-me para as escadas. Eu tinha que ir embora, longe dessaspessoas. Grant me encontrou no corredor. - Verifique se Woods saiu. Se Blaire sair do quarto dela, venha me chamar. - eu disse, sem pararpara olhar para ele. Então eu fui para o meu quarto. Assim eu poderia me lembrar, mais uma vez, por que eu não poderia tocar Blaire.

Você não poderia ser bom para apenas um beijo? Por favor ?Essas palavras me mantiveram acordado a noite toda, maldição. Como diabos eu saí daquele pequeno quarto não tinha ideia. Eu tive que parar com isso. Eu não poderiamais deixá-la. Ela não sabia a verdade. Eu tinha que protegê-la. Meus sentimentos por ela já eram muito perigosos. Por mais que eu quisesse dizer a ela sobre Nan, eu não podia. Ela me odiaria e eu já tinha ido muito longe agora. Eu não poderia viver com Blaire me odiando. Pelo menos não tão cedo. Eu não estava pronto para ela me deixar. Eu olhei para trás, por cima do meu ombro, para a porta da despensa fechada. Ontem à noite, os comentários de despedida de Blaire sobre ela ser a hóspede indesejável, tinha me chateado. Eu estava mudando isso. Talvez eu não estivesse pronto para mudá-la para cima, mas eu iria alimentá-la. Eu não tinha certeza que ela estava comendo no período da manhã, mas desde que ela estava dormindo até tarde hoje, tive tempo para fazer seu café da manhã. A porta da despensa se abriu atrás de mim e eu olhei para trás de novo, para ver Blaire olhando para mim, com um olhar surpreso no rosto. Nós não tínhamos terminado as coisas bem a noite passada. Esta manhã, eu estava indo para mudar isso. - Bom dia. Deve ser o seu dia de folga. Ela não se moveu e me deu um sorriso forçado. - Cheira bem. Pode pegar dois pratos. Eu faço um bacon incrível. - Eu estava indo para amolecê-la. Eu sabia que ela ainda estava com raiva de mim, por deixá-la na noite passada, mas caramba, eu tinha feito isso por ela. Não por mim. - Eu já comi, mas obrigada. - disse ela, em seguida, mordeu o lábio inferior enquanto olhava ansiosamente para o bacon. Que diabos era isso? E, quando ela tinha comido? Eu tenho estado aqui por duas horas e ela não tinha saído de seu quarto. Pousei o garfo que estava usando e virei para ela, em vez do bacon. Como é que você já comeu? Você acabou de acordar. - Eu a olhei com atenção no caso dela decidir não me contar a completa verdade. Se isto era sobre ela não querer comer na minha frente ou algum problema ridículo de menina como essa, ela ia ter que superar isso. 67


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Eu tenho manteiga de amendoim e pão no meu quarto. Eu comi antes de eu vir para fora. O que diabos ela acabou de dizer? - Por que você tem manteiga de amendoim e pão no seu quarto? - perguntei. Ela mordiscou o lábio nervosamente um momento, depois soltou um suspiro. - Esta cozinha não é a minha. Eu guardo todas as minhas coisas no meu quarto. Ela mantinha todas as suas coisas no quarto dela? Espere. . . o quê? Você está me dizendo que só come manteiga de amendoim e pão quando você está em casa? É isso? Você compra, guarda em seu quarto e só come isso? Um nó doente havia se formado em minha barriga que eu não sentia desde que eu era criança. Se ela me contou tudo o que ela comeu eram malditos sanduíches de manteiga de amendoim, eu ia surtar. Eu a fiz pensar que não podia comer minha comida? Foda-se! Ela balançou a cabeça lentamente. Aqueles grandes olhos dela estavam ainda maior agora. Eu era um idiota. Não. . . Eu era pior do que um idiota. Eu bati minha mão contra o balcão e com foco no bacon, enquanto eu tentei como o inferno para mecontrolar. Isto era minha culpa. Droga, isso foi tudo culpa minha. Ela nunca reclamou quando qualquer outra mulher na o planeta teria. E ela estava comendo sanduíches de manteiga de amendoim todos os dias. Meu peito doia. Eu não podia mais fazer isso. Eu tentei. Eu tentei mantê-la à distância. - Vá pegar as suas coisas e se mudelá para cima. Pegue qualquer quarto que desejar,do lado esquerdo do corredor. Jogue fora essa porcaria de manteiga de amendoim e coma tudo o que quiser da minha cozinha. - Eu disse a ela. Ela permaneceu congelada em seu lugar. Por que ela não estava me ouvindo? - Se você quiser ficar aqui, Blaire, mude-se lá para cima agora. Em seguida, vem para cá e comaalgo da porrada minha geladeira na minha frente. - eu rosnei. Ela endureceu com a minha resposta. Eu precisava me acalmar. Eu não queria assustá-la; Eu só queria que ela se movesse para cima, caramba. E comesseum pouco de bacon! - Por que você quer que eu mude lá para cima? - ela perguntou em voz baixa. Mudei o último pedaço de bacon para a toalha de papel, antes de olhar para ela de novo. Vê-la me machucava fisicamente. Sabendo que eu a tinha tratado tão mal e que ela tinha aceitado fezrespirar tornar-se difícil,porra. –Porque sim. Eu odeio ir para a cama à noite e pensar em você dormindo sob as minhas escadas. Agora eu tenho a imagem de você comendo esses malditos sanduíches de manteiga de amendoim sozinhalá dentro e isso é um pouco demais para mim. - eu disse. Ela não discutiu este tempo. Ela se virou e caminhou de volta para a despensa. Eu fiquei lá e esperei até que ela caminhou de volta para fora, carregando sua mala em uma mão e um pote de manteiga de amendoim e um pouco de pão na outra. Ela colocou o frasco eo pão no balcão sem olhar para mim e caminhou em direção ao corredor. 68


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Eu estava trabalhando para segurar a borda do balcão para não pegaro pote de manteiga de amendoim e esmagar contra a parede. Eu queria bater em alguma coisa. A dor interior estava assumindo e eu necessitava ferir algo para aliviar a raiva. A raiva que foi dirigido completamente para mim mesmo, por ser um asno egoísta. Eu tinha estado tão preocupado em não tocá-la que eu a tinha negligenciado de outrasmaneiras. Ela estava vivendo de manteiga de amendoim, caralho. - Eu não preciso ir lápara cima. Eu gosto daquele quartinho. - A voz suave de Blaire invadiu meus pensamentos e eu tive de segurar o balcão ainda mais apertado. Eu a tinha maltratado. Negligenciado suas necessidades. Tudo que eu queria era tocá-la, cheirá-la e abraçá-la, porra, mas eu a deixei aqui embaixo. Eu não ia ser capaz de perdoar-me por isso. - Você pertence a um dos quartos no andar de cima, não debaixo das escadas. Nunca foi. - eu disse, sem olhar para ela. - Pelo menos me diga que quarto escolher. Não me sinto a vontade de escolher um sozinha. Esta não é minha casa. Eu estava assustando-a. Só mais uma coisa que ela não merecia. Eu deixei de ir o meu domínio sobre o balcão e olhei para ela. Ela parecia pronta para fugir de volta para a despensa, a qualquer minuto. - Os quartos à esquerda são todos de hóspedes. Há três deles. Acho que você vai apreciar a vista do último. Tem vista para o oceano. O quarto do meio é todo branco com detalhes em rosa pálido. Ele me lembra você. Vá lá escolher. Qualquer um que você quiser. Pegue-o, em seguida, volte aqui e coma. - Mas eu não estou com fome. Acabei de comer... - Se você me disser de novo que comeu essa maldita manteiga de amendoim , eu vou jogá-la na parede. - Foda-se, o pensamento me fez furioso. Eu respirei fundo e foquei em soar calmo. - Por favor, Blaire. Venha comer alguma coisa, por mim. Ela assentiu com a cabeça e subiu as escadas. Eu deveria carregar sua mala, mas eu sabia que ela não me queria perto dela agora. Ela precisava fazer isso sozinha. Eu só agi como um homem louco. Eu lavei a frigideira que eu tinha cozinhado o bacon. Assim que foi guardadae Blaire ainda não havia descidoas escadas do seu quarto, peguei um grande prato do armário e enchi-o com ovose bacon antes de me sentar à mesa. Ela poderia comer do meu prato. Blaire entrou na cozinha e eu olhei para cima, para vê-la olhando para mim. - Você escolheu um quarto? - Eu perguntei. Ela assentiu com a cabeça e caminhou até ficar do outro lado da mesa. Sim. Acredito que sim. O que você disse com uma grande vista. . . verde e azul, não é? - Sim, ele é. - Eu não pude deixar de sorrir. Eu gostei que ela tinha escolhido o que eu pensei que ela faria. Mesmo que fosse um quarto fechado para mim. - E tudo bem eu ficar naquele quarto? É muito bom. Eu gostaria que este fosse o meu quarto se a casa fosse minha. - Ela ainda estava se certificando de que eu não mudaria de ideia e a atiraria de volta sob as escadas.

69


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Eu sorri para ela tranquilizador. – Você não viu o meu ainda. - Eu tinha dito aindaque ia dentro da caverna. Eu não levava meninas para o meu quarto. Ele era meu. Mas eu queria vê-la lá. Com as minhas coisas. - Fica no mesmo andar? - ela perguntou. - Não, o meu ocupa todo o andar superior. - eu expliquei. - Você quer dizer, todas aquelas janelas? Isso é tudo um quarto? – A admiração em sua voz era difícil de perder. Eu estaria levando-a até lá para ver antes de que estivesse tudo acabado. - Sim. - Eu comi um pedaço de bacon ao tentar corrigir os meus pensamentos retrógrados de Blaire no meu quarto. Isso nunca seria uma boa ideia. - Você já colocou suas coisas? - eu perguntei, tentando pensar sobre outra coisa. Qualquer outra coisa. - Não, eu queria ver com você antes de desfazer a mala. Eu provavelmente deveria apenas manter tudo na mala. Até o final da próxima semana, eu vou estar pronta para sair. Minhas gorjetas no clube foram boas e eu poupei quase tudo. Não. Ela não podia viver sozinha. Isso não era seguro. Ela pensou que ela teria que se mudar por minha causa. Seu pai idiota ainda não tinha chamado para ver como ela estava. Ela não tinha ninguém e ela estava tão vulnerável. Alguém precisava protegê-la. Ela não estava se mudando da casa. Eu não poderia pensar em alguém machucando-a. Eu mantive meu foco na praia do lado de fora, esperando me acalmar, mas o pânico tomou conta com opensamento dela se sustentar sozinha. - Você pode ficar o tempo que você quiser,Blaire. - eu assegurei a ela. Eu precisava dela aqui. Ela não respondeu. Puxei a cadeira ao meu lado. - Sente-se ao meu lado e coma um pouco desse bacon. - Ela sentou-se lentamente e eu empurrei meu prato para ela. – Coma. - eu disse. Ela pegou um pedaço de bacon e deu uma mordida. Os olhos dela fez uma coisa oscilante, que fez seus cílios ventilar através de sua bochecha. Porra, que era sexy como o inferno. Eu cutuquei o prato em direção a ela novamente. – Coma outro. - Ela estava sorrindo para mim como se ela achasse engraçado ea dor dentro de mim diminuiu. Eu poderia mantê-la aqui. Gostaria de fazer com que ela nunca quisesse sair. - Quais são os seus planos para hoje? - Eu perguntei a ela. - Eu não sei ainda. Pensei em procurar um apartamento, talvez. Lá se foi a minha vontade. Foda-se, não, ela não estava à procura de um apartamento. - Pare de falar sobre se mudar daqui, ok? Eu não quero que você se mude até os nossos pais voltarem. Você precisa falar com seu pai antes de você correr e começar a viver sozinha. Não é exatamente seguro. Você é muito nova. Ela riu. Aquele som suave e musical que ouvia tão raramente. - Eu não sou muito jovem. O que há com você e minha idade? Eu tenho 19. Eu sou bem grandinha. Eu posso cuidar da minha própria segurança. Além disso, eu posso bater um alvo em movimento melhor do que a maioria dos policiais. Minhas

70


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines habilidades com uma arma são bastante impressionantes. Pare com esse papo de insegurança e que sou muito jovem. A ideia de Blaire e uma arma me animava e aterrorizava ao mesmo tempo. Tão sexy como isso soou, eu estava também me preocupando com ela se machucando. - Então, você realmente tem uma arma? Ela sorriu e acenou com a cabeça. - Eu pensei que Grant estava apenas sendo engraçado. Seu senso de humor é uma merda, às vezes. - Não..Eu apontei a arma para ele, na minha primeira noite aqui. Agora, isso me fez rir. - Eu adoraria ter visto isso. Ela apenas sorriu e manteve a cabeça baixa. Ela não estava olhando para mim, e eu sabia que a sua primeira noite aqui não era uma memória agradável. - Eu não quero que você fique aqui só porque você é jovem. Eu entendo que você pode cuidar de si mesmo, ou você, pelo menos, acha que pode. Eu quero você aqui porque. . .gosto de ter você aqui. Não vá embora. Espere até o seu pai voltar. Parece que vocês dois precisam conversar. Então você pode decidir o quequer fazer. Por enquanto, que tal você ir lá em cima e desfazer a mala? Pense em todo o dinheiro que você pode economizar vivendo aqui. Quando você sair, então você vai ter uma bela conta bancária recheada. - Eu tinha acabado de dizer da maneira além do que eu queria. Mas eu precisava levá-la a ficar. - OK. Se você realmente quer dizer isso, então obrigada. Pensamentos dela em minha cama nua começaram a me provocar. Eu não podia deixá-lo transformar-se nisso. Eu tive queme lembrar deNan. E o que isso tudo significava para Blaire. Ela me odiaria no final. - Eu quero dizer isso. Mas isso também significa que aquele papo de amigos precisa continuar valendo. - disse a ela. - Concordo. - respondeu ela. Eu não queria que ela concordasse. Eu queria que ela me implorassepra passar anoitecomigo. Porque neste momento, eu era fraco, e eu daria tudo pra forçar todos os pensamentos sexuais de Blaire fora da minha mente. Eu não podia pensar assim, ou eu iria enlouquecer. - Além disso, você vai começar a comer a comida daqui enquando você estiver lá em cima. Ela balançou a cabeça para mim. - Blaire, isso não está em discussão. Estou falando sério. Coma a minha comida, maldição. Ela se levantou e me olhou com um olhar determinado. - Não. Vou comprar comida e comer. Eu não. . . Eu não sou como o meu pai. Foda-se. Novamente, isso foi tudo culpa minha, maldição. Levantei-me para olhá-la diretamente nos olhos. - Você acha que eu já não sei isso? Você tem dormido em uma armário de vassouras sem reclamar. Limpa tudo o que eu sujo. Não come direito. Dá para ver que você não é nada como o seu pai. Mas você éuma convidadaem minha casa e eu quero que você coma na minha cozinha e a trate como se fosse sua. 71


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Os ombros rígidos de Blaire aliviaram um pouco. - Eu vou colocar a minha comida em sua cozinha e comer aqui. Fica melhor assim? Não. Isso não ficava melhor. Eu queria que ela comesse a minha comida! Se tudo o que você pretende comprar é a manteiga de amendoim e pão, então não. Eu quero que você coma direito. Ela começou a sacudir a cabeça e eu estendi a mão e agarrei a mão dela. - Blaire, vai fazer-me feliz em saber que você está comendo. Henrietta compra os mantimentos uma vez por semana e abastece a casa esperando que eu receba um monte de convidados. Há mais do que o suficiente. Por favor. Coma. Minha. Comida. Ela mordeu o lábio, mas não antes que uma risadinha escapasse. Porra, que era bonito. - Você está rindo de mim? - Eu perguntei, sentindo a necessidade de rir. - Sim. Um pouco. - ela respondeu. -Isso significa que você vai comer a minha comida? Ela soltou um suspiro pesado, mas ela ainda estava sorrindo. - Só se você me deixar pagar toda semana. Eu balancei minha cabeça que não e ela empurrou a mão livre, começando a se afastar. Mulher teimosa! - Onde você vai? - Eu perguntei a ela. - Cansei de discutir com você. Eu vou comer a sua comida se eu pagar a minha parte. É o único acordo que eu aceito. Então, é pegar ou largar. Eu rosnei, mas eu ia ter que ceder - OK, tudo bem. Pague-me. Ela olhou para mim. – Eu estou indo desmanchar a mala. Em seguida, vou tomar banho naquela „grande banheira‟, depois disso não sei. Eu não tenho planos até hoje à noite. - Hoje à noite? Com quem? - Eu perguntei, não tenho certeza se eu gostei do som disso. - Bethy. - Bethy? A menina do country club? Aquela que o Jace come? - Eu realmente não gosto do som disso. Bethy nada era além de problemas. Ela se embebedaria e esqueceria de Blaire. Eu pensei sobre os homens que poderiam machucá-la. Não, ela não estava indo sem mim. Alguém precisava proteger seu traseiro sexy. - Correção. Comia. A menina que o Jace comia. Ela ouviu a razão e está seguindo em frente. Hoje à noite a gente vai a um bar de música country para arrumar uns trabalhadores de macacão que suem a camisa. - Ela virou-se e subiu correndo os degraus. Essa conversa não tinha acabado.

72


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 15

Elaestava lá em cima agora. Ao lado da porta que dava para o meu quarto. Tomando um banho. . . Merda . Eu tive que sair. Colocar espaço entre nós, hoje, era importânte. Esta manhã, com ela tinha sido bom. Eu não iria mantê-la a distância de modo que suas necessidades básicas fossem mais negligenciada. Ela comeria a minha comida, caramba. Ela iria dormir em uma boa cama e tomar banho em um belo banheiro grande. Não iria mais tratá-la como a porra de ajuda. O peso dos meus ombros foi agora substituído pelo medo. O medo de que eu não seria capaz de ficar longe dela. Sabendo que ela estava ali, dormindo. Observando-a comer, o que fazia regularmente para me certificar de que ela comia comida normal. Eu não ia ser capaz de ficar longe. Grant. Eu precisava falar com Grant. Ele me lembra por que eu não poderia tê-la. Por que eu não poderia pegá-laem meus braços e segurar. Depois de olhar para as escadas mais uma vez, eu me dirigi para a porta. Conseguir algum espaço para respirar e falar com alguém racional seria bom para mim. Eu subi no meu Range Rover e disquei o número da minha mãe. Eles tinham que voltar para casa logo. Eu estava correndo contra o tempo. Blaire saberia de tudo e eu estaria perdendo-a. Eu queria tercerteza de que ela estava sendo cuidada, no entanto. Eu não ia deixá-la fugir. Eu apontaria uma arma maldita sobre Abe, se fosse preciso, a fim de leva-lo a ir atrás dela. Filho da puta estúpido. - Rush. - minha mãe disse, depois do terceiro toque. - Quando você volta para casa? - eu perguntei. Eu não estava com disposição para conversa fiada. - Eu não tenho certeza. Nós não discutimos isso. - respondeu ela. O tom irritado em sua voz não me surpreendeu. Odiava saber que eu poderia fazê -la voltar para casa agora, se eu quisesse. - Deixe-me falar com Abe. Ela suspirou dramaticamente. - Por que, Rush? Assim, você pode gritar com ele por não estar lá para sua filha adulta, que pode cuidar de si mesma agora? Agarrando o volante, eu respirei fundo várias vezes e me lembrei que amaldiçoar a minha mãe não era legal. Esta era apenas ela sendo egocêntrica. Os cartões de crédito, casas, carros, é tudo meu, mãe. - eu a lembrei, em seu lugar. Ela fez um barulho que parecia um silvo. - Olá, Rush. - A voz de Abe veio por telefone. - Ela tem um trabalho no clube. Ela disse que irá sair e ter seu próprio lugar em breve. - eu disse a ele. Certamente ele podia ver como estar Blaire sozinha era uma má ideia. 73


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Bom. Eu sabia que ela seria capaz de resolver as coisas. - disse ele. Eu empurrei o Range Rover mais para o lado da estrada. Meu sangue martelava em meus ouvidos e minha visão ficou embaçada. Mãe do céu, pedaço de merda. Será que ele realmente disse isso? - Você não merece o ar que respira, seu filho da puta. - eu rosnei ao telefone. Ele não respondeu. - Ela é uma porra de uma inocente. Ela é tão malditamente inocente e confiante. Ela é linda. Cegamente linda. De virar a cabeça, linda de morrer. Você entendeu isso? Sua filha não tem ninguém. Ninguém. E ela está vulnerável. Ela está machucada e sozinha. Qualquer idiota pode usá-la. Você não se importa? Eu estava respirando com dificuldade. Meus dedos ficaram brancos onde eu agarrava o volante, tentando controlar minha raiva. - Ela tem você. - foi sua única resposta. - Eu? Ela me tem? Que diabos você está falando? Você me conhece. Eu sou o filho de Dean Finlay. Quem eu sou? Tenho certeza que nãosou seu protetor. EU SOU o idiota sem coração que levou seu pai para longe dela quando ela mais precisava dele. Isso é quem diabos eu sou! - Ele disse que ela me tinha. Como se eu fosse digno dessa responsabilidade. Será que ele não a estimava? Como poderia um pai ter uma filha como Blaire e não querer protegê la? - Eu teria saído sem a sua visita, Rush. Eu não podia ficar. Ela não precisou de mim em anos. Ela não precisa de mim agora. Eu não sou quem ela precisa. Mas você. . . talvez você seja. Como diabos ele acha que faz sentido? - Ela vai ficar bem. Ela vai ficar muito melhor sem mim. Tchau, Rush. disse Abe, com um peso emsua voz que eu não tinha ouvido antes. Em seguida, a linha ficou muda. Ele desligou o telefone. Fiquei ali sentado olhando para a frente aestrada adiante de mim. Ele não ia fazer nada por ela. Ele realmente vai deixá-la descobrir as coisas por conta própria. E ele tinha uma pequena esperança de que eu iria ajudá-la. Era isso. Ela ficaria bem. Gostaria de ter certeza disso. Filha da puta, ela seria perfeita. Eu não deixaria ninguém machucá-la. Eu a protegeria. Ela não tinha um pai para mantê-la segura, mas ela me tinha. Ela não estava sozinha. Não mais. Ela me tem. Eu não quero falar com Grant mais. Eu precisava ficar sozinho. Para pensar. Para planejar. Blaire era minha para proteger. Eu tinha que ter certeza que eu não iria decepcioná-la novamente. Ela merecia pra caramba.

74


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Voltei para casa horas depois, com uma determinação recém-descoberta. Eu seria amigo de Blaire. Eu seria seu melhor amigo. Porra, melhor amigo maldito que ela já teve. Nada poderia tocá-la ou machucá-la. Ela não iria querer tornar as coisas fáceis ou cuidar dela, então eu teria que fazê-lo tranquilamente, fazê-la pensar que estava lidando com isso. Eu abri a porta, um sorriso tocando meus lábios. Sabendo que ela estava lá dentro as coisas estavam certa no mundo. Até que eu a vi nos degraus, vestida como um sonho molhado, porra. Santo inferno, por que ela estava usando isso? Uma curta minissaia com botas de cawboy. . . querido Senhor, tem piedade. – Caraca - eu murmurei, fechando a porta atrás de mim. Ela estava indo mesmo. Para o clube. . . com Bethy. Merda. - Você, uh, está usando isso para ir a uma boate? - Eu perguntei, tentando não deixá-la ouvir o pânico em minha voz. - Não vou à boate, vou a um bar de música country. Tenho certeza de que é uma coisa completamente diferente. - disse ela, sorrindo para mim, nervosamente. Um bar. Ela estava indo para um bar. Vestida assim. Passei a mão pelo meu cabelo e tentei me lembrar que ela queria que fôssemos amigos. Amigos não perdem a sua merda e exigem que troque de roupa, antes de sair de casa. - Posso ir com vocês hoje à noite? Eu nunca fui num bar desses. - eu disse. Os olhos de Blaire ficaram grandes. - Você quer ir com a gente? Eu deixei o meu olhar viajar por seu corpo novamente. Oh inferno, sim, eu concordei. - Sim, eu quero. Ela encolheu os ombros. - OK. Se você realmente quer. Precisamos sair em dez minutos, no entanto. Bethy está me esperando para buscá-la. Ela ia me deixar ir. Nenhum argumento. Graças a Deus. - Eu posso estar pronta em cinco minutos. - eu assegurei a ela, e comecei a subir as escadas. Eu poderia ter me trocado e descido com tempo de sobra. Bêbados em um bar, com Blaire parecendo um anjo em um par de botas de cowboy, não estava acontecendo. Pelo menos não sem eu lá para tirá-los de cima dela. Se eu estava indo para um maldito bar country, eu ia como o filho de Dean Finlay. Bares countrynão eram a minha praia, embora as botas de Blaire estavam, definitivamente, na minha lista de coisas favoritas. Qualquer motivo para vê-la naquelas botas era uma vantagem. Peguei uma camisa do Slacker Demon e coloquei com os meus jeans. Então eu adicionei o meu anel de polegar. Eu escovei os dentes e acrescentei desodorante antes de parar e olhar para mim mesmo no espelho. Estava faltando alguma coisa. Peguei alguns dos pequenos aros que eu usava na ocasião e coloquei em minha orelha. Esticando a minhalíngua, eu sorri, pensando no interesse de Blaire no meu piercing na língua. Ela estava quase no meu colo, na última noite, tentando olhar para ele. Se ela tentasse esta noite, eu poderia deixá-la rastejar em cima de mim. Balançando a minha cabeça em meus pensamentos, o que

75


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines levaria a nada além de problemas, eu corri para as escadas. Eu não tinha levado dez minutos, mas eu estava correndo. No meu caminho de volta para baixo, os meus olhos encontraram os de Blaire, que estava me observando de perto. Fez meu coração acelerou quando oela olhou para mim, como se eu fosse algum tipo de deleite. Deus sabe que eu tinha pensado saboreá-la de muitas, muitas maneiras. A ideia dela ter quaisquer pensamentos impertinentes sobre mim me fez mais animado do que eu precisava estar nesses jeans apertado. Quando seus olhos retornaram a minha cara, eu estiquei a minha língua para que ela pudesse ver o piercing. Seus olhos brilharam e eu queria gemer. Caramba, as coisas que eu queria mostrar a ela com este pequeno pedaço de prata. - Acho que se estou indo para um bar com caras em botas e chapéus de cowboy, eu preciso permanecer fiel as minhasraízes. O rock está no meu sangue. Eu não posso fingir para caber em qualquer outro lugar. - eu expliquei. Ela riu. - Você vai estar tão fora de lugar hoje à noite, como eu em suas festas. Isto deve ser divertido. Vamos, filho de um rock-star. - ela disse, parecendo satisfeita, antes de se dirigir para a porta. Corri em volta dela e abri a porta para ela. Outra coisa que eu deveria ter feito todo o tempo. – Já que sua amiga vai com a gente, por que não vamos em um dos meus carros? Vai ser mais confortável do que em sua picape. - sugeri. Eu queria que ela sentasse na frente comigo. Perto de mim. Então eu poderia olhar para as suas pernas. . . e botas. Eu não queria ficar amontoado em uma picape com Bethy. Ela olhou por cima do ombro para mim. - Mas nós estaríamos melhor se fossemos na minha picape. Eu retirei o pequeno controle remoto do bolso da frente, para abrir a porta da garagem onde o meu Range Rover estava estacionado. Blaire balançou seu olhar e viu quando a porta se abriu. - Isso certamente é impressionante. - disse ela. - Isso significa que nós podemos ir no meu? Não fico muitoa vontade dividindo o mesmo banco com Bethy. A menina gosta de tocar nas coisas sem permissão. - eu disse. Ela nunca tinha me tocado, mas eu tinha ouvido falar sobre ela. - Sim, ela faz. Ela é um pouco namoradeira, não é?. - Disse Blaire, sorrindo. - 'Namorar'é uma palavra gentil para ela. - eu respondi. - OK. Claro. Podemos ir no supercarro assassino de Rush Finlay, se ele insiste. - disse Blaire, com um encolher de ombros. Ponto. Agora eu precisava levá-la para o banco do passageiro antes que ela tentasse subir na parte traseira. Eu dirigi-me para o Range Rover, acenando para ela seguir. Eu abri a porta para ela, ela parou e olhou para mim. - Você abre a porta do carro para as suas amigas? Eu nunca abria as portas para as meninas. Ele as fez esperar mais. Mas com Blaire, eu queria. Eu queria que ela se sentisse querida. Droga, isso era perigoso. - Não - eu disse a ela honestamente, e afastei-me para entrar do meu 76


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines lado. Eu não deveria flertar. Eu não deveria tratá-la como se pudesse haver mais. Eu subi na Ranger. Eu não sabia o que dizer a ela agora. - Desculpe. Eu não queria parecer rude. - ela disse, quebrando o silêncio. Eu estava fazendo isso estranho para ela. Eu tinha que trabalhar no que isso iria funcionar. - Não. Você está certa. Eu sóque não tenho amigas, então eu não sei o que devo fazer e o que não devo. - Quer dizer que você abre portas para as garotas com quem sai? Isso é uma coisa muito cavalheiresca de fazer. Sua mãe o criou muito bem. - Ela quase parecia com ciúmes. Mas. . . não. Isso não fazia sentido. - Na verdade, não, eu não sei. Eu. . . você....é que você parece ser o tipo de garota que merece ter sua porta aberta. Parecia ser a coisa certa a fazer. Mas eu entendo o que você está dizendo. Se nós estamos indo para ser amigos, eu preciso estabelecer um limite e não ultrapassar. Um pequeno sorriso tocou seus lábios. - Obrigada por abri-la para mim. Foi doce. Eu apenas dei de ombros. Eu não tinha certeza se eu poderia dizer mais sem soar como um idiota. - Precisamos pegar Bethy lá no clube de campo. Ela vai estar no escritório atrás da sede do campo de golfe. Ela teve que trabalhar hoje. Ela ia tomar banho e se vestir lá. - explicou Blaire. Eu puxei para fora da garagem e voltou-me para o clube. Blaire e Bethy parecia duas pessoas completamente diferentes. A ideia de serem amigas não se encaixava. - Como é que você e Bethy se tornaram amigas? - Nós trabalhamos juntas um dia. Eu acho que nós duas estávamos precisando de uma amiga. Ela é divertida e de espírito livre. Tudo o que eu não sou. Eu não pude deixar de rir. - Você diz isso como se fosse uma coisa ruim. Você não quer ser como Bethy. Confie em mim. Ela não discutiu comigo. Pelo menos ela sabia que Bethy não era alguém a imitar. Quando ela não disse mais nada, eu me concentrei em chegar ao clube e não olhar para as pernas dela, que tinha acabado de cruzar, fazendo a saia ainda mais curta. Blaire tinha grandes pernas. O pouco de sol que ela tinha conseguido na praia, fez sua pele brilhar. A ideia de essas pernas em torno de mim me fez tremer. Eu mantive meus olhos na estrada e quando ela se moveu, eu não olhei para baixo. Ela estava movendo suas pernas. Droga. Quando eu estacionei na frente do escritório, ela abriu a porta imediatamente e pulou. Merda. Ela se mudou para deixar Bethy no banco do passageiro? Eu não queria Bethy ao meu lado. Blaire caminhou para a porta quando esta abriu e dela saiu Bethy, vestida como pronta para o sexo. Shorts de couro vermelho? É mesmo? - Que diabos você está fazendo em um dos carros do Rush? - ela perguntou, olhando para o Range Rover e depois para Blaire.

77


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Ele vai conosco. Rush quer verificar um desses barestambém. Assim. . . Blaire olhou para mim. - Isso vai atrapalhar seriamente suas chances de pegar alguém. Só um toque. - Bethy disse, quando ela desceu os degraus. Então ela fez uma pausa e pegou na roupa de Blaire. - Ou não. Você está uma gata. Quer dizer, eu sabia que você era linda, mas você parece muito gata com essa roupa. Eu quero umas botas de cowgirl de verdade. Onde você conseguiu isso? - Não brinca. Ela parecia porra de incrível. Eu não tinha passado um tempo em torno de Bethy, mas eu gostei do fato de que ela não era imbecil em admitir que Blaire parecia incrível. - Obrigada, quanto as botas, eu as ganhei no Natal há dois anos, da minha mãe. Eram dela. Eu tinha amado desde que ela as comprou,e depois que ela ficou, depois. . . ela ficou doente, ela me deu. Meu peito se contraiu. Eu não sabia que eram de sua mãe. Foda-se. Eu vinha pensando em fazer coisas más com ela em suas botas e elas eram uma memória da sua mãe. Eu me senti como um idiota. - Sua mãe estava doente? - perguntou Bethy. Aparentemente, elas não tinham falado muito. Ou eu era o único que Blaire tinha dito sobre a mãe dela? - Sim. Mas isso é outra história. Vamos lá, vamos arrumar alguns cowboys. - disse Blaire, não respondendosua pergunta. Ela queria encontrar um cowboy. Porra, que tornava difícil respirar. Ela não teria dificuldade em encontrar um homem com sangue. Estavam todos vindo correndo quando a virem. Eu não poderia atrapalhar seu tempo divertido. Ela nunca me deixaria ir com ela de novo. Encontrar uma maneira de ficar perto e vê-la, sem ficar no caminho ia ser complicado. Eradifícil pra caralho. Eu ia querer arrancar os braços fora de quem a tocasse. Eu não estava fazendo nenhuma promessa se alguém tocasseseu traseiro. Bethy caminhou em direção ao Range Rover, sorrindo para mim como se ela soubesse o meu segredo. Então ela caminhou passando a porta do passageiro e abriu a porta do banco de trás. - Eu vou deixar você ir na frente, porque eu tenho um pressentimento de que é o lugar onde o motorista quer você. - disse ela, já que ela deixou cair o cabelo sobre o rosto e piscou para mim. Huh. Esta menina não era tão ruim, afinal. Blaire voltou para o banco da frente e sorriu para mim. – Hora de ouvir musica Country. - ela disse com um brilho nos olhos.

78


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 16

- RUSH Finlay vai para um bar. Meu, meu, meu, o que é uma ideia engraçada. - disse Bethy, em um tom divertido que dizia que entendia exatamente por que eu estava aqui. - Engraçado. - eu concordei. - Para onde vamos, Bethy?- Eu perguntei a ela, para distraí-la de prosseguir com a provocação e embaraçar Blaire. - Dirija em direção ao estado do Alabama. É cerca de 48 km nessa direção. - ela me disse. Eu imaginei que tinha sequer um drive. Nenhum lugar em Rosemary Beach ou seus arredores, você iria encontrarum bar de música country. Bethy falou sobre o trabalho naquele dia e tudo o que tinha perdido Blaire. Alguns drama com meninas dos carrinhos. Aparentemente, uma tinha tesão por Jimmy, que era um empregado no restaurante do clube. Ela ficou com raiva de outra garota porque ela estava flertando com Jimmy. Jimmy era muito querido entre as fêmeas do clube, também. Problema era que Jimmy preferia homens. Era um grande segredo, porque Jimmy gostava das dicas que ele recebiadas mulheres mais velhas. Então todos elas estavam perdendo seu tempo. A maioria das pessoas não sabia que ele jogava para a outra equipe. Blaire encontrou isto engraçado e eu gostava de ouvi-la rir. Eu até baixei a música para que eu pudesse me concentrar no que ela estava dizendo a Bethy. Ela tentou me incluir em algumas conversas, mas principalmente ela escutou Bethy falar. Paramos em frente a um bar que eu reconheci. Eu deveria ter sabido que estávamos vindo aqui, quando Bethy tinha dito para ir em direção ao estado de Alabama. Isso não era qualquer bar. Era um famoso. Camponeses, vaqueiros etc...faziam o seu caminho aqui para tomar uma cerveja. Blaire abriu a sua porta antes que eu pudesse chegar até ela. Eu decidi recuar alguns passos e deixá-la desfrutar por si mesma. Pelo menos o melhor que eu podia. Eu caminhava ao lado de Bethy,que explicava sobre o bar e por que era famoso. Depois de abrir a porta do bar, dei um passo atrás e deixei que as meninas entrassem. Os olhos de Blaire estavam arregalados quando ela entrou no local. Bethy explicou que a banda ao vivo iria começar em breve e o sorriso de Blaire ficou maior. Eu não olhei ao redor. Eu sabia que os homens estavam olhando pra ela, e eu não tinha certeza de que poderia lidar com isso. Eu mantive meu foco sobre ela. Então Bethy mencionou a tequila. Má ideia. Mudei-me para trás de Blaire e coloquei minha mão em suas costas. Ela podia não perceber, mas isso mostrou posse e esses idiotas precisavam saber que eu estava com ela. Eu levei as meninas até uma cabine vazia,a mais longe da pista de dança. A música estava tão alta que eu não conseguia ouvir a voz suave de Blaire. Blaire deslizou de um lado e tive a certeza de estar ali para que Bethy não tivesse escolha, só se me empurrassede lado ou sentasse em frente de Blaire. Então eu deslizei ao lado de Blaire. Bethy não perdeu meu movimento e me atirou um olhar. Ela queria Blaire para caçar cowboys esta noite. Eu não ia fazer 79


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines isso fácil. Mesmo que Blaire quisesse, eu não tinha certeza se poderia permitir que ela se jogasse fisicamente para algum babaca. - O que você quer beber? - Eu perguntei, inclinando-me em direção a orelha de Blaire para que ela pudesse me ouvir. E para que eu pudesse sentir o cheiro dela. - Eu não tenho certeza. - ela disse, e olhou para Bethy - O que eu bebo? Ela perguntou. Bethy parecia surpresa e riu. - Você nunca bebeu? Não, ela não tinha bebido antes. Poderia Bethy olhar para Blaire e ser capaz de não dizer isso? - Eu não tenho idade suficiente para comprar bebida. Você tem? - Ela perguntou docemente. Eu estava tão feliz que eu estava aqui. A ideia de que isso acontecesse, sem que euestivesse aqui para protegê-la, me fez mal. Bethy bateu palmas como se estivesse tonta de prazer com a ideia de Blaire ser uma completainocente. - Isso vai ser muito divertido. E sim, eu tenho vinte e um ou pelo menos a minha ID diz que eu tenho. –Elaolhou para mim. - É preciso deixá-la sozinha. Vamos juntas até o bar. Com o diabosque ela iria. Olhei para Blaire, ignorando Bethy. - Você nunca bebeu álcool? - eu perguntei, já sabendo que ela não tinha. -Não.. Mas pretendo resolver isso esta noite. - disse ela com determinação. Tão malditamente doce. - Então você precisa ir devagar. Você não terá uma tolerância muito alta. eu expliquei, em seguida, virei-me para pegar o braçoda garçonete que passava por nós. Eu tinha que alimentar Blaire primeiro. - Precisamos de um cardápio. - Por que você vai pedir comida? Estamos aqui para beber e dançar com cowboys. Não comer. - disse Bethy com raiva. Ela podia se foder. Eu não ia deixá-la machucar Blaire. Beber poderia machucá-la, se não fosse feito direito. Se Bethy queria discutir comigo, então nós íamos ter um problema. - Ela nunca bebeu antes. Ela precisa comer em primeiro lugar ou ela vai estar dobrada vomitando as tripas para fora e amaldiçoando você, dentro de duas horas. Bethy acenou com a mão para mim como se eu estivesse falando chinês. Seja como for, papai Rush. Eu vou lá pegar uma bebida para mim e outra para ela, também. Então, alimente-a rapidamente. A garçonete voltou com o menu, então eu peguei e voltei minha atenção para Blaire. - Escolha alguma coisa. Não importa o que a Diva da embriaguezdiz, você precisa comer primeiro. Blaire acenou, concordando. Ela não gostava da ideia de ficar doente também. Pelo menos ela era cautelosa. Eu era grato por isso. Bethy, nem tanto. Eu não gostava dela chegando perto de Bethy. - As batatas fritas com queijo estão com uma cara boa. - disse Blaire quase demasiado baixo.

80


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Eu não ia perder tempo. Bethy tinha ido para as bebidas e eu queria que a comida chegasse em Blaire rápido. Eu fiz sinal a garçonete. - Batata frita com queijo, duas porções e um copo de água. - eu disse a ela. Ela assentiu com a cabeça e correu. Eu me senti melhor sabendo que a comida estavavindo. E que eu estava de olho enquantoela comesse. Era asneira eu querer ver, mas a porrado sanduiche de manteiga de amendoim mexeu com a minha cabeça. - Então você está em um bar country. Era tudo o que você esperava que fosse? Porque eu vou ser honesto, esta música é dolorosa. - eu disse, inclinando-me para trás e olhando para Blaire. Eu realmente não tinha prestado atenção à música country desde que entramos. Eu estava mais preocupado em conseguir comida para Blaire. Ela deu de ombros e olhou em torno de nós. - Eu acabei de chegar, eu não bebi ou dancei ainda, então depois que acontecer isso, te respondo. Ela queria dançar? Fantástico. - Você quer dançar? - Quero. Mas eu preciso de uma dose de coragem em primeiro lugar e de alguém que me convide. - disse ela. - Eu pensei que tivesse acabado de convidar. - eu disse. Eu queria ser a pessoa que a seguraria durante aquelas lentas canções. Não algum cowbo y bêbado. Blaire se inclinou para frente e pôs os cotovelos sobre a mesa, em seguida, apoiou o queixo em suas mãos antes de olhar para mim. - Você acha que é uma boa ideia? Eu não tive que perguntar a ela por que ela iria pensar que não era. Nós dois sabíamos o que acontecia quando nos tocavamos ou chegavamos muito perto. Eu perdia o controle. Ela queria um amigo. Nada mais do que isso. Ela era inteligente. - Provavelmente não. - eu admiti. Ela assentiu com a cabeça. A garçonete deslizou as batatas fritas com queijo nanossafrente, junto com uma jarra de água com gelo. Blaire rapidamente pegou uma batata frita e deu uma mordida. Eu não pude deixar de sorrir. - Isso é melhor do que sanduíches de manteiga de amendoim, não é?", Perguntei. Elasorriu e acenou com a cabeça, pegando outra batata frita. Eu não ia ser capaz de comer. Ela estava muitofascinante, maldição. - Pensei que seria melhor começar de leve. - disse Bethy, deslizando de volta para o seu lado da cabine. - Tequila é uma bebida de garota grande. Você não está pronta para isso ainda. Este é um licor de limão. É doce e gostoso. Merda. Ela estava trazendo suas doses. O que havia de errado com cerveja? Meninas sempre iam para aquelas doces doses e acabavam na lixeira malditamente rápido. - Coma mais algumas batatas fritas primeiro. - Eu incentivei Blaire. Ela não discutiu comigo. Eu a assisti comer mais um pouco e então ela pegou o licor de limão. - OK, estou pronta. - disse ela, sorrindo para Bethy. Elas 81


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines pegaram suas bebidas em conjunto e colocaram em seus lábios. Eu vi como Blaire jogou a cabeça para trás e bebeu o líquido muito doce. Ela estava gostando. Eu não sei como eu poderia lidar com umaBlaire bêbada. - Coma. - eu disse, quando seus olhos encontraram os meus sobre o copo. Ela apertou os lábios e depois soltou uma risadinha. Ela estava rindo de mim agora. Uma dose e ela estava rindo, caralho. - Eu conheci alguns caras no bar. -disse Bethy a ela, enquanto comia suas batatas fritas. - Eu apontei para você e eles têmnos observado desde que eu sentei. Você está pronta para fazer novos amigos? Ah, não, de jeito nenhum, porra. Cheguei mais perto de Blaire, lutando contra o desejo de abraçá-la em seu assento. Ela queria fazer isto. Estávamos aqui para ela ter um bom momento. Blaire balançou a cabeça e olhou para mim. - Deixe-a sair, Rush. Você pode manter a cabine quente para nós, para o caso de voltarmos. - disse Bethy, parecendo irritada comigo novamente. Eu não queria fazer isso. Ela estava segura aqui comigo. Se eu podia sentir seu perfume doce, então essesidiotas olhando para ela poderiam, também. Foda-se, eu odiava isso. Os olhos de Blaire estavam esperançosos e eu podia ver que ela estava animada. Eu não poderia mantê-la ali. Ela perdeu tanto. Relutantemente, eu deslizei para fora da cabine para deixá-la sair. -Tenha cuidado. Estarei aqui se precisar de mim. - eu sussurrei em seu ouvido, quando ela passou por mim. Ela assentiu com a cabeça e olhou para mim como se ela pudesse estar mudando de ideia. Eu a levaria daqui rápido. Tudo o que ela tinha que fazer era dizer a palavra. - Vamos lá, Blaire. Está na hora de usá-la para arrumar umas bebidas de graça e homens. Você é a companheira mais gata que já tive. Isso vai ser divertido. Só não diga a esses caras que você tem dezenove anos. Diga a t odos que você tem vinte e um. - disse Bethy. Minhas mãos se apertaram em punhos, enquanto eu sentava na cabine, agora vazia. - OK. - disse Blaire. Eu não podia vê-la ir até lá. Eu não seria capaz de ficar longe. Eu não olharia. Eu não olharia. Ah, inferno, eu ia olhar. Eu tinha começado a virar quando uma loira se aproximou de mim e sentou-se em cima da mesa, na minha frente. –Você, então, não se encaixa aqui. - ela disse, com um sotaque sulista que era mais espesso do que o normal. Voltei a olhar para Blaire. Ela estava sorrindo para um cara com cachos. Foda-se. Ela estava feliz, apesar de tudo. Ele não estava tocando. Parecia que ela estava se divertindo. Eu tinha que deixá-la fazer isso. Se eu não precisasse dirigir de volta, gostaria de ficar bêbado. Faria isso muito mais fácil de lidar. - Ela é sua? - Perguntou a menina, deslizando a perna por cima para balançar ao meu lado. Voltei-me para ela. - Não. Ela é. . . nós somos amigos. - eu expliquei. 82


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines A loira se inclinou para frente, me apresentando com a vista do seu grande e muito comprado e pago par de seios. Eu era um homem, então eu não tinha problemas com isso. Peitos agradáveis eram belos seios. Os dela eram bons. Eu só não estava interessado. Tinha Blaire para observar. - Ela é louca por fugir para alguém como ele se ela tem alguém que se parece com você sentado aqui, esperando por ela. - disse a moça, movendo a perna mais perto de mim. Olhei para Blaire, que estava falando com o outro cara agora. Bethy estava com aquele do cabelo encaracolado. Blaire parecia bem. Eu tinha que parar de olhar para ela. - Ela, uh, nunca foi a um bar antes. Ela está explorando as possibilidades. –eu disse, voltando minha atenção para a loira. A loira moveu a perna para cima, colocando o pé de salto no assento ao meu lado. Eu olhei para baixo, para ter uma visão direta da sua saia. Calcinha vermelha. Bom. Deslizei um dedo por sua coxa, antes de puxar a saia mais para baixo, ela não estava me mostrando aqui onde todo o maldito bar podia ver. . . ou onde Blaire podia ver. - Talvez queira fechá-las - eu disse, com um sorriso para aliviar a rejeição. Ela riu e moveu parase levantar e deslizar ao meu lado. - Talvez se eu me sentar aqui, então você pode manter-seconcentrado em sua amiga, que parece estar se divertindo muito bem. E se eu abrir as pernas, ninguém, além devocê e eu, poderemos ver. - disse ela, inclinando-se para mim, com os peitos dela em exposição novamente. Se eu pudesse realmente ter o desejo de brincar com os brinquedos que ela tinha a intenção de me mostrar, então eu podia não estar acabado. Mas não ser capaz de ver Blaire estava me irritando. - Olha, você é gata. Não há dúvida. Mas eu estou aqui para manter minha amiga segura. É sobre ela. - eu expliquei, enquanto meus olhos encontraram Blaire caminhando em direção a pista de dança, com o cara que ela estava falando. Sua mão estava em sua volta. Não era a minha. O ciúme era doloroso e eu nunca tinha experimentado antes. Mas caramba, quando ele se apodera de você, então você sente. Você malditamente sabe o que é. - Veja, ela está dançando. Nem um pouco preocupada com você. - disse a loira, pressionando mais perto de mim e deslizando a mão na minha perna. Abaixei e agarrei-a, antes que ela deslizasse sobre o meu pau. Mesmo que eu não quisesse transar com ela, o meu pau maldito reagiria a atenção e lhe daria a ideia errada. Eu coloquei a sua mão em seu própriocolo. - Ela tem você em todos os tipos de nós, não é? Droga. - A mulher olhou para Blaire e encolheu os ombros. - Acho que a juventude, coisa fresca, faz isso para os homens. Ela envelhecerá, apesar de tudo. Ela não vai ser sempre assim doce e nova. Ela entendeutudo errado. A maioria das mulheres como ela fazia isso. Elas não entendem que um homem poderia querer alguém por mais do que apenas sua aparência. Nem sempre era sexo que estava em jogo. Isso, às vezes, era mais. Mais. . . - Eu posso fazer você esquecer que ela existe. - disse a loira, deslocando a boca para a minha. 83


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Whou. - Segurei a cabeça dela, para impedi-la. Eu não beijo. Não bocas que eu conhecia que tinham tido muitos paus para contar. - Não vamos lá, doce. Desculpe, mas você está certa. Ela me tem em todos os tipos de nós. Ela pode não me querer assim, mas ela tem a minha atenção completa. Ninguém se compara. A mulher esticou a lábio inferior em um beicinho que parecia ridículo, em seguida, passou a perna até meu outro lado. Ela não ia desistir facilmente. - Um beijo. Apenas um beijo gostoso. - disse ela, inclinando-se para mim de novo. Eu tive que segurar o seu corpo de volta com força, neste momento. - Eu não beijo boca que eu sei ter sugado um pau que não é o meu. - eu disse sem rodeios, sabendo que isso iria impedi-la. Ela congelou e suas sobrancelhas se ergueram. - Você quer dizer que só traça virgens? - ela perguntou, incrédula. Eu ri e balancei a cabeça. - Não. Quer dizer, eu não beijo. Eu fodo, mas eu não beijo. - eu esclareci. Ela inclinou-se para trás e olhou para mim. - Sério? E as meninas estão OK com isso? Eu tinha começado a responder quando vi que o par de Blaire estava sozinho na pista de dança. Foda-se! Onde estava ela? – Mova-se. – eu ordenei, empurrando a mulher de volta para que eu pudesse sair da cabine. - Agora, caramba, vamos! - Eu gritei. Ela se arrastou para trás, olhando para mim, mas eu não tinha tempo para explicar. Blaire tinha ido embora e eu não vi a sua saída. Eu deveria estar olhando para ela. Eu suguei isto. Eu tinha que encontrá-la. Seu parceiro de dança se dirigiu para a porta, mas uma mulher caminhou até ele e odistraiu. Eu lidaria com ele mais tarde, se precisasse. Agora, eu iria verificar se Blaire havia ido lá fora.

84


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 17

Meu coração batia tão forte que o alívio, quando a vi do lado de fora do bar, inclinando-se contra a construção, fez meus joelhos fracos. Ela estava aqui. Ela estava bem. - Blaire? - Eu chamei por ela. Ela tinha os braços cruzados sobre o peito defensivamente. Eu não tinha certeza do que tinha acontecido lá, mas se o cowboy caipira tinha saído de linha, eu estava indo para arrancar seus braços fora. - Sim. - ela respondeu. Houve uma hesitação em sua voz. Alguma coisa estava errada. Ela não parecia como ela mesma. - Não estava achando você. Por que você está aqui? Não é seguro. - Está tudo bem. Volte para dentro e continue a sua sessão de amasso em nosso mesa. - Ela estava com ciúmes. Foda-se. Mas eu queria que ela ficasse ciumenta. Um calor caminhou através de mim que me senti tão mal, mas eu não pude evitar. Eu gostei de saber que ela estava com ciúmes. Mesmo que não houvessenada para ela estar com ciúmes. - Por que você está aqui? - Eu perguntei, dando lentamente mais um passo em sua direção. - Porque eu quero. - disse ela, atirando um olhar zangado em minha direção. - A festa é lá dentro. Não era isso que você queria? Um bar country com homens e bebidas? Você está perdendo isso aqui fora. - Eu estava tentando aliviar o clima. O olhar em seu rosto dizia que não estava funcionando. Ela estava realmente chateada. Tudo isso porque ela achou que eu estava fazendo com a loira na cabine? - Cai fora, Rush. - ela estalou. Bem merda, ela estava com raiva de mim. Eu não tinha feito nada. Ela tinha ido dançar com o aspirante a cowboy. Tomei mais um passo em sua direção. Eu não podia vê-la com clareza suficiente na escuridão. - Não. Eu quero saber o que aconteceu. - Ela estava chateada e eu tinha dificuldade em acreditar que era tudo por causa da loira, na cabine comigo. Tinha que haver algo mais. Blaire colocou as duas mãos no meu peito e me empurrou. - Você quer saber o que aconteceu? Você aconteceu, Rush. Foi o que aconteceu. - Sua voz beirava a um grito. Ela se virou e partiu se afastando. Mas que diabos? Estendi a mão e agarrei-a antes que ela pudesse ir longe demais. Eu não ia deixar isso passar. Ela estava chateada e isso não fazia sentido, porra. Todo essa raiva, porque ela tinha me visto com outras mulheres. Ela estava dançando com outro cara apenas alguns minutos antes. Se tivesse tudo mudado para ela também? Estava acontecendo não apenas para mim agora? Porque se ela queria mais, então eu não ia ser capaz de dizer não. Eu tinha passado. - O que significa isso, Blaire? - eu perguntei, puxando-a de volta contra o meu peito. Ela se contorceu em meus braços, fazendo grunhidos um pouco frustrados. - Vamos. Me. Solta. - ela exigiu. 85


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Não é um acaso. - Não até que você me diga o que está acontecendo. - eu disse. Ela começou a torcer e lutar contra mim mais duro, mas eu segurei-lhe com bastante facilidade. Eu não queria machucá-la, mas eu precisava entender o que estava errado. Ou eu a irritei ou aquele cara no bar tinha. - Eu não gosto de ver você tocar outras mulheres. E quando outros homens apalpamminha bunda, eu odeio isso. Quero que seja você a me tocar assim. Mas você não quer e eu tenho que lidar com isso. Agora, deixe-me ir! Eu não esperava isso. Ela aproveitou o fato de que ela tinha acabado de me surpreender e empurrou ficando livre, então saiu correndo. Eu não tinha certeza de onde ela pensou que ia no escuro sozinha. Ela queria que eu a tocasse. . . lá. Merda. Eu estava afundado. Eu não podia lutar contra isso. Eu precisava. Se eu quisesse nos salvar da dor mais tarde, eu poderia virar e voltar para dentro. Mas caramba, eu não conseguia encontrar a força para lutar contra essa necessidade. Eu a queria. Eu a queria mal pra caralho e eu estava pronto para fazer este trabalho. Negar a mim mesmo era uma coisa, mas negar Blaire era toda uma outra questão. Eu não pensei nisso. Eu não podia. Eu só agi por instinto. Eu fui atrás dela. Uma vez que eu estava perto o suficiente do Range Rover, eu cliquei no botão de desbloqueio. Eu a estava tocando hoje à noite. Porra, agora. E era a coisa mais estúpida que eu poderia fazer. Para nós dois. Mas eu só não dou mais a mínima. Eu estava tomando o que eu queria. O que ela queria. - Entre ou eu vou jogá-la lá dentro. - eu exigi. Os olhos dela se arregalaram com o choque e ela subiu rapidamente para o banco traseiro. Sua pequena bunda doce ficou suspensa no ar e meu pau ficou imediatamente duro. Deus, por que eu quero ela tanto desse jeito? Eu não deveria fazer isso. Blaire era a única pessoa que eu não podia ter. Ela não sabia nada sobre Nan, seu pai e eu. Isso tudo acabaria me destruindo. Ou talvez não. Talvez ela quisesse me ouvir. Entender tudo isso. Eu subi em suas costas. - O que você está fazendo? - Ela perguntou. Eu não respondi, porque eu não tinha certeza, droga. Apertei-a contra o assento e a beijei. A inocência escorrendo dela era inebriante. Ela era pura. Não apenas com o seu corpo, mas comseus pensamentos. Ela não era rancorosa. Ela não procurou vingança. Ela confiava em mim. Eu era o maior idiota do mundo. Eu agarrei seus quadris e movi para que eu pudesse estar entre suas pernas. Eu precisava de conexão. O calor. Blaire não lutou comigo, mas fez exatamente o que eu solicitei. Eu queria reivindica-la. Completamente. Mas estava errado. Muito ficou entre nós. Coisas que ela nunca se perdoaria. Coisas que nunca faria ela entender isso. Frenético, estendi a mão para a frente de sua camiseta. 86


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Tire isso. - eu disse, quando eu levantei-a sobre a cabeça e joguei-a no banco da frente. A suave, perfeita pele dos seios apareceu para fora do topo do sutiã que ela usava. Eu precisava ver tudo. Eu queria provar tudo. - Eu quero tudo fora, doce Blaire. - Estendi a mão para o fecho do sutiã e rapidamente o abri, então deslizei o sutiã para baixo dos braços. Ela era linda. Eu sabia que ela seria. Mas vendo os duros mamilos rosa contra sua pele cremosa e suave, me fez perceber que eu não seria capaz de voltar. –Foi por causa disso que eu tentei ficar longe. Por causa disso, Blaire. Eu não vou ser capaz de parar com isso. Não agora. Quando a alguém é entregue um pedaço do céu, ele não pode simplesmente esquecê-lo. Minha respiração estava se tornando difícil quando eu a puxei para mais perto e abaixei minha cabeça para puxar um daqueles mamilos em minha boca e chupar, como eu tinha imaginado fazer mais do que uma vez. Blaire agarrou meus ombros e gritou meu nome, fazendo com que qualquer controle que eu tinha pensado em ter, desaparecesse. Deixei o mamilo livre da minha boca para que eu pudesse enfiar minha língua para fora e deixá-la ver a barra de prata que a tinha deixado tão interessada,passar sobre sua pele. - Tem gosto de bala. Meninas não deveriam ter um gosto tão doce. É perigoso. - eu disse a ela, em seguida, corri o nariz ao longo de seu pescoço e inalei profundamente. – E seu cheiro é incrível. Nada jamais cheirava tão bem quanto Blaire. Nada. Sua boca estava levemente aberta e ela tomou respirações rápidas e pequenas, quando eu coloquei em concha as mãos em seus seios. Essa boca e esseslábios. Eu não conseguia tirá-los fora da minha cabeça. Beijar sempre foi algo que eu não fazia facilmente. Mas com Blaire, era tudo o que eu poderia pensar. Ela tinha um gosto tão doce e limpo. Sua boca era minha e só minha quando eu beijei os lábios. Puxando seus mamilos, eu brincava com ela e ela gemeu em minha boca. Suas mãos pequenas deslizaram sob minha camiseta e começaram a explorar meu estômago. Ela estava gastando muito tempo nos meus abdominais, causando um sorriso meus lábios. Minha garota gostava do meu estômago. Eu lhe daria um melhor acesso, se era isso que ela queria. Peguei minha camiseta com uma mão, empurrei-a sobre a cabeça, e jogueia fora, em seguida, fui direto de volta para beijar aqueles lábios inchados, agora. Adorei a forma como eles se sentiam contra os meus. Blaire arqueou as costas, esfregando os seios contra o meu peito agora nu e eu tinhaque puxar para pegar minha respiração. Merda, que me sentia bem. Era tão simples, mas era incrível, porque era Blaire. Tudo com ela pareciacomo se fosse novo. Eu não queria perder nada. Eu queria mergulhar em cada gemido e clamar por seus lábios. Envolvi-a em meus braços e apertei-a contra mim, ela arranhou suavemente nas minhas costas quando um som excitado veio boca dela. - Doce Blaire. - eu disse, eu libertei a boca, tempo suficiente para puxar o lábio inferior em minha boca para que eu pudesse chupá-lo. Eu amei como cheio que era. Eu poderia passar horas com apenas sua boca. Mas ela estava se

87


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines mexendo embaixo de mim e abrindo mais as pernas. Ela estava procurando, e eu sabia exatamente o que ela queria, mesmo que ela não tivesse certeza. Eu queria tomar meu tempo e acariciá-la, mas seu pequeno corpo sexy estava carente e se mexia freneticamente, embaixo de mim. Toquei-lhe no joelho e ela pulou com o meu toque e depois parou. Lentamente, eu passei a mão por sua coxa, dando-lhe tempo para me impedir, se isso era muito rápido. Suas pernas se abriram completamente, como se me oferecendo um convite eo cheiro de seu calor me atingiu. Santamerda, isso era bom. Tão, tão, tão bom. Eu respirei fundo antes de passar um dedo ao longo do tecido molhado de sua calcinha. Blaire empurrou contra o meu toque e soltou um pequeno gemido. Deus, como é que eu vou ser capaz de me controlar? Isso era demais. Cheirava muito bem, e seus sons. . . foda, eles estavam quentes. - Calma. Eu só quero ver se lá embaixo é tão doce quanto o resto. - eu disse a ela, e ela tremia em meus braços. Ela não queria que eu parasse. O tremor eo olhar desesperado em seus olhos, disse-me tudo o que eu precisava saber. Eu segurei seu olhar e minha respiração quando eu deslizei um dedo dentro do cetim e senti a umidade lá, esperando por mim. - Rush. - disse ela em uma voz desesperada quando ela apertou meu ombro. - Shhh, está tudo bem. - eu disse. Que era isso? Porra, ela estava encharcada eo cheiro era inebriante. O maldito carro inteiro cheirava como a excitação de Blaire. Eu estava tão perto de chegar no meu jeans que era ridículo. Ela ainda não tinha me tocado. Eu enterrei minha cabeça em seu pescoço e tentei sentir o cheiro doce de sua pele e conseguir algum controle. Sua excitação estava prestes a me matar. Isso é muito foda, muito. - eu disse a ela. Então eu mudei o meu dedo através de sua abertura quente, lisa e ela resistiu debaixo de mim e gritou o meu nome. Merda. Oh, foda-se. Caralho. Eu estava ofegante. Eu não conseguia recuperar o fôlego. Mudei a meu dedo e deslizei para o aperto esperando por mim, seu corpo me apertou, chupando meu dedo. - Caralho. Puta que pariu. Molhada, quente. . . tão gostosa. E Jesus, você é tão apertada. - Minhas palavrassoavam tão fora de controle como eu me sentia. Nada deve ser essa porra incrível. - Rush. Por favor. - ela me implorou. - Eu preciso. . . - Ela não terminou o seu pensamento, porque ela era tão malditamente inocente que não sabia o que ela precisava. Deus, ela me tinha. Era isso. Ela me tinha. Eu não podia deixá -la ir. Agora não. Eu estava possuído. Eu dei um beijo no queixo, quando ela jogou a cabeça para trás e arqueou em mim. - Eu sei o que você precisa. Eu não tenho certeza se posso lidar assistindo você conseguir. Você me deixou maluco, garota. Estou me esforçandonuito para ser um bom rapaz. Não posso perder o controle na parte de trás de um carro, porra. Ela balançou a cabeça freneticamente. - Por favor, não sejaum bom rapaz. Por favor. 88


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Foda-me. - Caralho, gata. Pare com isso. Eu vou explodir. Vou lhe dar o que você quer, mas quando eu finalmente me enterrar dentro de você, pela primeira vez, não vai ser deitado na parte de trás do meu carro. Você estará na minha cama. - Eu não iria levá-la na parte de trás do carro. Ela era muito, muito preciosa para isso. Mudei a minha mão e deslizei o polegar sobre o clitóris para esfregá-lo suavemente, enquanto eu colocava meu dedo dentro e fora da sua entrada gulosa. Ela começou a me arranhar e ofegar meu nome. A mendicância estava prestes a me matar. Tudo o que eu conseguia pensar era o que seria a sensação de estar enterrado dentro deste céu e tê-la me implorar para a liberação. Fodase, eu ia vir. - Isso. Goze para mim, doce Blaire. Goze na minha mão, para eu sentir. Quero ver você gozando. - Eu não tinha certeza se ela entendeu o que eu estava pedindo a ela, mas eu não conseguia ficar quieto. - RUUUUUUSH! - Ela gritou meu nome e começou a montar a minha mão quando ela empurrou e tremeu. Suas mãos me agarraram quando ela pensou que estava caindo. Eu a segurei enquanto ela gritava meu nome. Meu mundo explodiu e eu inclinei a cabeça para cheirá-la enquanto eu estremecia, incapaz de acreditar no que tinha acabado de acontecer. - Ahhhh, sim. É isso. Porra, assim. Você é tão linda. - eu disse a ela, quando eu deixei as ondas de prazer me levar. Ela começou a aliviar o seu poder sobre mim quando um sorriso doce, letárgico tocou seus lábios. Eu tirei minha mão de entre suas pernas e apreciando seu cheiro antes de deslizar o dedo na minha boca e saboreá-la. Ela tinha sabor ainda melhor do que eu esperava. Era isso mesmo possível, caralho? Os cílios de Blaire vibraram e ela abriu os olhos para olhar para mim. Eu podia ver o momento em que ela percebeu exatamente que eu tinha o meu dedo na minha boca. Ao olhar chocado seguiu-se as faces coradas. Ela tinha acabado de gritar o meu nome e desmoronou no meu colo, mas a visão chupando o meu dedo a fez corar. - Eu estava certo. Essa sua bucetinha quente é tão doce quanto o resto de você. - eu disse a ela, só para ver se seus olhos poderiam ficar maior. Ela fechou-os firmemente, incapaz de olhar para mim. Eu comecei a rir. Ela era perfeita. - Ah, vamos lá, doce Blaire. Você acabou de gozar selvagem e sexy na minha mão e ainda deixou algumas marcas de garras nas minhas costas para provar isso. Não vá ficar encabulada agora. Porque, gata, antes da noite acabar, você vai ficar nua na minha cama. - E eu quis dizer isso. Eu a queria em minha cama. E se isso poderia ficar melhor, eu não iria deixá-la sair. Ela me espiou por entre as pálpebras, eo interesse em seus olhos me fez morder de volta um gemido. Eu não faria qualquer outra coisa neste maldito carro. Ela era boa demais para um carro. Eu queria dar-lhe o melhor de tudo. Isso incluía o melhor do sexo.

89


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Deixe-me vesti-la de novo, então eu vou encontrar Bethy e ver se ela precisa de uma carona ou se ela encontrou um vaqueiro para levá-la para casa. – eu disse. Ela esticou o corpo para fora, como um gato e eu cerrei os punhos para não agarrá-la e reclamar sua boca novamente. – OK. - ela concordou. - Se eu não estivesse duro feito pedra, eu consideraria ficar aqui admirando esse olhar satisfeito em seus olhos. Eu gosto de saber que fui eu quem o colocou aí. Mas eu preciso de um pouco mais. - eu sussurrei contra sua orelha. Ela ficou tensa, então recuou contra mim. Porra, eu tinha que pegar suas roupas e rápido.

90


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 18

Eu peguei o sutiã e me concentrei em vesti-la. Dei um beijo em seu ombro antes de eu cobrir com sua camiseta. Ela me deixou colocar o sutiã e acamiseta de volta, sem protesto e o homem das cavernas em mim estava batendo em seu peito. Eu adorava cuidar dela e tê-la deixando-me só me fezum pouco mais insano onde ela estava preocupada. - Eu prefiro que você fique aqui enquanto eu vou encontrar Bethy. Você tem aquele olhar bem satisfeito em seu rosto, que é muito sexy. Eu não quero acabar brigando com alguém. - eu disse a ela, uma vez que eu a tinha coberto de novo. - Eu vim aqui com Bethy, porque eu estava tentando encorajá-la a não dormir por aí com caras que nunca iriam olhar para ela mais do que uma diversão. Então você veio com a gente e agora estou aqui, no banco de trás do seu carro. Eu sinto que eu devo uma explicação a ela. - disse ela, preocupada. Eu tinha assumido que Bethy estava tentando arruinar Blaire, mas Blaire tinha sido a única a chegar até Bethy. Interessante. Minha doce Blaire estava tentando salvar o mundo ela própria. Ninguém nunca tinha salvado o dela. Até agora. Maldita hora que ninguém lhe mostrou o quão especial ela era. Ela estava me olhando nervosamente. Será que ela achava que o que tinha acabado de fazer,era o que ela estava tentando impedir Bethy de fazer? Certamente ela entendeu que isso era diferente. - Estou tentando entender se a sua intenção é dizer que estava fazendo aquilo que a incentivou a não fazer. - eu disse, enquanto eu me movia sobre ela e deslizava a mão em seu cabelo. - Porque agora que eu provei não vou querer dividir. Isto aqui não é apenas diversão. Eu acho que estou ficando viciado. Isso não era nada parecido com o que ela estava tentando fazer Bethy parar. Eu nunca teria tocado Blaire se eu não tivesse certeza de que eu estava afirmandoa como minha. Ninguém mais iria tocá-la. Inclinei-me e beijei aqueles lábios que eu amava tanto. Provar seu lábio inferior com o ponta da minha língua, tornou-se uma das minhas coisas favoritas a fazer. Ela sempre tremia quando eu fazia isso e o sabor era sempre delicioso. - Mmmmm, sim. Você fica aqui. Vou pedir para Bethy sair e falar com você. - eu sussurrei contra sua boca. Ela assentiu com a cabeça, mas não disse mais nada. Afastei-me do calor dela e abri a porta para sair. Eu tinha que encontrar Bethy e irmos para casa. Eu queria Blaire no meu quarto. Na minha cama. Eu queria mais do que tinha acabado de ter. Eu poderia consertar o passado. Eu poderia fazê-lo bem. Gostaria de fazer o certo para Blaire. Eu tinha que fazer. Eu não podia perder essa. De volta ao bar, olhei em volta e encontrei Bethy com um cara, tomando uma dose de algo que não se parecia com outra bebida de garotas. Grande. Eu não queria umaBethy bêbada para dificultar meus planos. Blaire não poderia consertar o que havia sido confuso durante anos. Uma vez Bethy tinha sido diferente. Lembrei-me dela quando era mais jovem. Eu a tinha visto com Tripp uma vez. Eles eram amigos, eu acho, mas, em seguida, ele fugiu ea próxima vez 91


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines que eu vi Bethy foi debaixo de um cara cujo pai era dono de condomínios ao longo da costa do Golfo. Ela estava transando com os pirralhos do fundo fiduciário desde então. Seu olhar pousou em mim e eu fez sinal para ela me encontrar lá fora, em seguida, virei -me e voltei para a noite. Olhei na direção do meu Range Rover para ver que Blaire ainda estava em segurança no interior. - Vocês dois desapareceram. - disse Bethy, com um insulto à sua voz e um grande sorriso no rosto. Virei-me para vê-la andando na minha direção. Em seguida, ela tropeçou e eu tive que chegar e agarrá-la antes que ela caísse de cara na calçada. - Oops. - Ela riu, ficando mole em meus braços. - Eu não posso sentir meus pés. - disse ela, através de seu riso. Eu não ia ser capaz de deixá-la aqui. - Parece que você está indo para casa agora, também. - eu disse a ela e levantei-a em pé. - O quê? Não, não, não, não. Eu não quero ir ainda. - disse ela, balançando o dedo em minha direção. - Blaire precisavir para ver os novos cowboys que eu encontrei. Ela vai adorar. Eu fiquei tenso e empurrei-a para o carro. - Blaire não está mais interessada em cowboys. Entendeu? Nadamais de caras para Blaire. Ela vai para casa comigo. - eu disse com raiva. Bethy parou e balançou, depois olhou para mim, os olhos redondos com entendimento. - Ela vive em sua casa. Você quer dizer casa de sua casa ou casa como seuquarto? - ela perguntou, em seguida, arrotou e cobriu a boca. - O meu quarto. Vamos. - eu disse, fazendo-a voltar a andar. - Oh, merda. - disse Bethy, em uma tentativa alta em sussurrar. - Você-oh, merda, Rush, você não pode transar com ela. Ela não é. . . Acho que ela é virgem. - Bethy estava sussurrando em voz alta o suficiente para todo o parque de estacionamento ouvi-la. - Cale a boca, Bethy. - eu rosnei, e abri a porta do carro para ela. - Ela quer ir para casa, comigo. Mas primeiro, ela quer falar com você. - Essa não era como eu queria passar a viagem de volta para Rosemary Beach. Eu esperava que eu pudesse falar com Blaire. Agora tinhamos uma Bethy bêbada, falando sobre a virgindade de Blaire. Merda. - Bem, olhe para você. Trancando-se com o gostosão mais quente de Rosemary Beach, na parte traseira de seu Range Rover. E eu aqui pensando que você queria um homem trabalhador. - disse Bethy a Blaire. - Entre Bethy, antes de cair de bunda no chão, aqui fora. - eu pedi, desejando que eu pudesse desliga-la. - Eu não quero ir embora. Gostei do Earl ou seu nome era Kevin? Não, espere, o que aconteceu com Nash? Eu perdi. . . acho que o perdi. - Bethy murmurou, enquanto subia dentro, desajeitadamente. - Quem são Earl e Kevin? - perguntou Blaire. Bethy agarrou o encosto de cabeça, em seguida, caiu para trás no assento e quase em cima da Blaire. 92


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Earl é casado. Ele disse que não era, mas ele é. Eu posso dizer. Os casados sempre têm o mesmo cheiro. Fechei a porta de Bethy e depois dei a volta para chegar a Blaire, no banco traseiro. Ela estava indo para frente comigo. Eu empurrei a porta aberta e estendi a mão para a dela. - Não tente entender nada do que ela diz. Encontrei-a no bar, terminando uma rodada de seis doses de tequila que o Earl casado tinha comprado para ela. Ela está loucaça. - Eu não queria esclarecer nada que Bethy tinha dito ou ia dizer que poderia perturbar Blaire. Blaire deslizou sua mão na minha e eu apertei-a para tranquilizá-la. - Não há necessidade de explicar nada para ela esta noite. Ela não vai se lembrar de manhã. - eu disse a Blaire. Ela estava preocupada sobre como limpar o ar com Bethy e Bethy estava fazendo exatamente o que ela sempre fez, só que sem os patrocinadoresfinanceiros. Ajudei Blaire a descer, em seguida, puxei-a contra mim e fechei a porta, deixando Bethy dentro. - Eu quero uma prova desses doces lábios, mas eu estou me segurando. Precisamos levá-la para casa antes que ela passe mal. - eu disse, não querendo estragar o que tinha acontecido com a gente. Blaire balançou a cabeça, olhando para mim com aqueles olhos confiantes. Eu não queria nunca deixar que caísse essa expressão. - Mas o que eu disse anteriormente. Eu quis dizer isso. Eu quero você na minha cama esta noite. – eu a lembrei, no caso de que ela poderia ter esquecido. Ela assentiu com a cabeça novamente. Enfiei minha mão na parte inferior das costas e caminhei com ela até a porta do passageiro. Eu não ia fingir mais que eramos amigos. Nós não éramos amigos. Nós nunca tínhamos sido amigos. Era mais do que isso. Com Blaire, era sempre mais. - Foda-se aquela históriade amigo, - eu disse a ela, antes de tomar sua cintura e pegá-la para colocar no banco. Era alto e eu queria um motivo para tocá-la. Fechei a porta, dei a volta para entrar e o sorriso em seu rosto me deixou quente por dentro. - Está sorrindo por quê? - eu perguntei, esperando que eu tivesse colocado isso lá. Ela deu de ombros e mordeu o lábio inferior. - 'Que se foda aquela história de amigo‟. Isso me fez rir. Eu ri. Bom, eu tinha colocado aquele sorriso lá. Eu também a fazia rir. Por que sinto como se eu tivesse resolvido a fome no mundo? - Eu sei algo que você não sabe. Sei, sim. Sei, sim. - Bethy começou a cantar em uma voz bêbada, melodiosa. Eu não a queria nos distraindo. Bagunçando. Era a minha vez com Blaire e eu queria isso. Por que não podia simplesmente desmaiar ou algo assim? Blaire virou em seu banco para olhar para trás, para Bethy.

93


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Eu sei uma coisa. - Bethy sussurrou em voz alta, como ela estava fazendo lá fora. - Eu ouvi isso. - disse Blaire. - É um grande segredo. Um enorme. . . e eu sei. Não era para saber, mas eu sei. Eu sei algo que você não sabe. Você não sabe. Você não sabe. - Bethy começou a cantar novamente. Ela sabia um segredo. Um nó doente formou no meu estômago. Eu tinha segredos. Será que ela conhecia os meus segredos? Ela sabe o que Blaire não sabia? Como eu poderia ter Blaire se Bethy dissesse a ela antes que eu pudesse consertá-lo? - Isso é o suficiente, Bethy. - eu avisei. Blaire se virou e eu poderia dizer que eu a tinha assustado. Eu só queria que Bethy calasse a boca. Eu não queria ouvir nenhum segredo que ela conhecia. Estendi a mão e coloquei a mão sobre a de Blaire. Eu precisava tranquilizá-la, mas eu não conseguia olhar para ela agora. O pânico na minha garganta estava assumindo. Bethy não podia saber. Poderia? Ninguém sabia. Teria Nan dito a alguém? Foda-se. Eu não podia deixar que isso saísse. Eu tinha que fazer isso direito. Blaire precisava de mim. Eu não podia perdê-la. - Essa vez foi a melhor de todas. Eu gosto de caras trabalhadores. Eles são muito divertido. - Bethy começou balbuciando, novamente. - Você deveria ter olhado em torno um pouco mais, Blaire. Teria sido mais inteligente de sua parte. Rush é uma má ideia. Porque há sempre Nan. Puta que pariu! Ela sabia alguma coisa. Não. Ela não podia saber. Não a verdade. Tirei minha mão de Blaire para agarrar o volante. Eu precisava pensar e jogar a idiota bêbada da Bethy para fora do carro não era uma opção. Blaire nunca me perdoaria por isso. - É Nan sua irmã? - Perguntou Blaire. A confusão em sua voz me fez estremecer. Ela estava questionando a minha relação com a Nan. Se ela soubesse a verdade. Eu não ia tê-la. Ela não iria estar aqui. Eu apenas assenti. Eu não podia dizer mais nada. Minha garganta estava grossa. - O que Bethy quer dizer, então? Como nós dormirmos juntos vai afetar Nan? Como é que eu respondo a isso? Eu não sabia o que Bethy sabia exatamente, mas eu não poderia dizer a Blaire a verdade. Eu não tinha descoberto como fazer. Como fazer Blaire não me deixar quando ela descobrisse a verdade. Ela estava indo me fazer perguntas. Eu tinha que pará-la. Eu não poderia dizer nada a ela. Agora não. - Nan é a minha irmã mais nova. Eu não vou. . . Eu não posso falar sobre ela com você. O corpo de Blaire estava rígido. A tensão no carro era uma loucura. Tinha que haver uma maneira de sair disto. Blaire confiava em mim. Euqueria essa 94


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines confiança. Eu queria merecer. Bethy não podia saber. Ela não iria saber. Nan nunca tinha dito nada a ninguém. Era um segredo que ela segurava trancado. Eu estava exagerando. Os roncos de Bethy encheram o carro e Blaire fixou o olhar na estrada. Nenhum de nós disse nada. Eu não queria Bethy acordada e dizendo qualquer coisa. Estava melhor ela desmaiada. Eu estava mais seguro assim. Meus segredos estavam seguros. A distância entre Blaire e eu parecia crescer a cada segundo,eu odiei. Eu a queria em meus braços novamente. Eu a queria gritando o meu nome. Eu não queria esse muro entre nós. Quando eu cheguei até a sede administrativa do Clube, eu não perguntei a Blaire se era ali que era para deixar Bethy. Eu não podia dizer nada a ela. Eu estava apavorado, ela saberia. Teria ela se sentado lá e entendido tudo? Eu sacudi Bethy o suficiente para acordá-la e ajudá-la a sair do carro. Ela começou a resmungar que o pai dela iria matá-la e ela queria dormir no escritório. Eu tinha certeza que sua tia Darla iria chutá-la na parte da manhã, mas não era o meu problema. Eu tirei a chave da bolsa de Bethy e desbloqueei a porta, em seguida, entrei em seu interior. O sofá de couro grande estava perto da porta, graças a Deus, porque Bethy cheirava a tequila baratae eu não queria ser a pessoa segurando-a quando ela começasse a vomitar. Deixei-a no sofá. - Deite-se. - eu a instrui. Eu peguei a lata de lixo mais próxima e coloquei ao lado de sua cabeça. - Vomite aqui. Você começa essa merda no chão e Darla ficará ainda mais irritada. Bethy gemeu e rolou. Caminhei para sair. Assim que eu abri a porta, a voz de Bethy me parou. - Eu não vou contar a ela sobre o pai de Nan. Mas você precisa. - Ela parecia triste quando seus olhos vítreos encontraram os meus. Ela sabia quem o pai de Nan era. Merda. - Eu vou. Quando chegar a hora. - eu disse a ela. - Não espere muito tempo. - disse Bethy, em seguida, fechou os olhos. Sua boca se abriu com um ronco suave. Eu tranquei a porta e fechei-a com força, atrás de mim. Ela estava certa. Eu tinha que corrigir isso antes que fosse demasiado tarde.

95


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 19

- Seu quarto é lá cima agora. - eu lembrei a ela, uma vez que tinha pisado dentro de casa e se dirigia para a cozinha. Nós ainda não tinhamos falado. Eu não sabia o que dizer a ela ou até mesmo como falar com ela agora. Ela fez uma pausa, em seguida, virou e dirigiu-se para as escadas. Eu não podia deixá-la ir assim. - Eu tentei ficar longe de você. - eu disse. Ela parou e se virou para olhar para mim. A dor nos olhos dela era demais. Eu não queria machucá-la. No entanto, eu seria o seu maior desgosto. Eu me odiava. Eu odiava o que eu era,e quem eu era. - Na primeira noite, eu tentei me livrar de você. Não porque eu não gostasse de você. - Eu ri amargamente da verdade. - Mas porque eu sabia. Eu sabia que você ia ficar sob a minha pele. Eu sabia que não seria capaz de ficar longe. Talvez eu tenha te detestado um pouco, em seguida, por causa da fraqueza que você seria capaz de encontrar em mim. - Eu sabia desde o primeiro momentoque ela era um problema. Ela ia me quebrar. Mas eu não sabia que ela tinha me possuído. - O que há de tão errado em você que estar atraído por mim? - Perguntou ela, uma lágrima brilhando no canto do olho. Merda. Eu odiava saber que ela não entendia. - Porque você não sabe tudo e eu não posso dizer. Eu não posso dizer-lhe os segredos de Nan. Eles são dela. Blaire, eu amo a Nan. Eu a amei e protegi toda a minha vida. Ela é minha irmã mais nova. É o que eu sei fazer. Mesmo que eu queira você como eu nunca quis nada na minha vida, eu não posso revelar os segredos da Nan. Se ela pudesse apenas tomar isso como resposta e me dar tempo. Todas as coisas que eu tinha feito tinham de ser corrigidas. Tinha que haver uma maneira de corrigir os erros. - Eu posso entender isso. Está tudo bem. Eu não deveria ter perguntado. Desculpe. - disse ela, em uma voz suave. Ela queria dizer isso. Ela estava fodidamente me pedindo desculpas. Para mim. - Boa noite, Rush. - ela disse, virou e me deixou lá. Eu ia deixá-la ir. Ela estava me dizendo que estava tudo bem para ter os meus segredos, mas que eu não poderia tê-la também. Como eu faria isso? Eu a tinha provado em meus braços. Eu sabia o que seu sorriso poderia fazer para mim e o jeito queela olhava para mim controlava meus malditos humores. Era como se ela tivesse se tornado o sol e eu comecei a girar em torno dela. Ela era o meu centro. No entanto, eu era a razão pela qual ela tinha vivido o inferno. Eu tinha dado a seu pai um lugar para correr. Eu tinha ido até ele quando era um fraco e deveria estar com sua filha e sua esposa. Eu tinha dado outro lugar para ir. Outra vida para entrar. Outra filha para reclamar, outra família para pertencer.

96


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines E ele a deixou. Sozinha. Se eu tivesse apenas me importado o suficiente para descobrir o que eu estava tomando. . . mas não me importei. Eu só queria dar a Nan o que ela tanto queria. Eu não tinha pensado em ninguém mais. Só em Nan. Era sempre Nan. Ou tinha sido. Não era mais. Eu não podia ignorar a verdade. A felicidade e segurança de Blaire significava muito para mim. Proteger Nanjá não era a minha prioridade número um. Blaire estava tomando esse ponto. Ela havia se mudado para a direita em minha vida e mudou tudo. Eu deveria odiá-la por isso. Mas eu não podia. Eu nunca iria odiá-la. Isso era impossível. Subi as escadas e parei na porta do quarto onde ela agora estava dormindo. Eu queria ela na minha cama esta noite. Mas sabendo que ela estava dormindo no luxo, significava que seria capaz de descansar mais tranquila. O remorso, no meu peito, seria a minha única companheira na cama, hoje à noite.

O som de um telefone tocando rompeu a doce escuridão e eu forcei meus olhos a abrirem, para alcançar o som agressor. Eu tinha ficado acordado a maior parte da noite. Claro, agora que eu finalmente cai dormindo, meu maldito telefone tinha que tocar. Agarrando-o, notei o sol através das cortinas. Era mais tarde do que eu pensava. Talvez eu tenha dormindo por mais tempo do que eu pensava. - Alô - eu rosnei ao telefone. - Você ainda está dormindo? –A voz irritante de Woods não me colocou em um humor melhor. - O que você quer? - Perguntei. Não era da sua conta se eu ainda estava dormindo. - É sobre a sua irmã. - disse ele. Sentei-me na cama e esfreguei os olhos de sono. Eu não estava com vontade de acordar e lidar com os problemas da Nan. Eu tinha o meu próprio. O quê?- Eu lati. - Se ela falar com a Blaire ou qualquer um dos meus outros funcionários com desrespeito, eu vou ter a certeza de que sua adesão sejaretirada . Você pode não se importar que ela seja uma criança mimada, mas quando ela vem causar uma cena e envergonhar a melhor funcionária que tivemos na sala de jantar em meses, então torna-se um problema. Blaire? O quê? - O que você está dizendo? Nan fez algo para Blaire? Ou um de seus funcionários? Estou confuso. - Blaire é uma das minhas melhores funcionárias. Mudei-a para a sala de jantar, semana passada. E a cadela da sua irmã a chamou de lixo branco e exigiu que eu a demitissehoje. Na frente de todo mundo. - A voz de Woods foi ficando mais alta. Ele estava irritado, mas nada perto do nível de raiva que eu estava lidando. - Eu sei que você não se preocupa com Blaire. É óbvio, pelo fato de que ela está dormindo em sua despensa maldita. Mas ela é especial. Ela 97


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines trabalha duro e todo mundo a ama. Eu não vou permitir que Nan a machuque. Você me entendeu? Eu não gostava de Woods dizendo que Blaire era especial. Eu sabia que ela era especial e ele precisava parar, ficar fora, porra. E por que ele mudou -a para dentro do campo de golfe? A queria perto dele? Era isso? Por mais que eu quisesse estar aliviado que ela estava fora do calor, a ideia de que a tinha mudado para dentro, para ficar perto dele, me enfureceu. E Nan. Foda-se. Ela levou longe demais. Eu estava indo lidar com ela. Eu não estava bem com ela tratando Blaire dessa forma, qualquer um. Ninguém iria ofender Blaire. Nunca. Outra problema que tinha que corrigir. Mais outra coisa que era minha culpa. - Você. Me. Entende? - A voz de Woods. Lembrou-me que eu não tinha respondido a ele. Se não fosse o fato de que ele estava com raiva da maneira como Blaire foi tratada, gostaria de lembrar com quem exatamente, ele estava falando. Mas só desta vez, eu estava permitindo ficar com raiva de mim. Porque ele estava certo. Isto era minha culpa. Eu tinha criado o monstro em que minha irmã tinha se transformado. - Ela não está na despensa mais. Mudei-a para um quarto. Eu vou lidar com a Nan. - eu disse a ele, em seguida, decidi que precisava deixar clarooutra coisa, também. - Blaire é minha. Não toque nela. Ou vou matar você. Você me entendeu? Woods, soltou uma risada sem humor. - Sim. Seja como for Finlay, eu não tenho medo de suas ameaças. A única razão para não tocar em Blaire é que ela não me quer. É óbvio quem ela quer, caralho. Assim, te acalma inferno. Você a teve desde o início. Você com certeza não a merece, no entanto. - ele disse e então a chamada terminou. Woods, achava que ela me queria. Deus, eu esperava que ele estivesse certo. Levantei-me e liguei para Nan. - Olá - disse ela, em um tom irritado. - Onde você está? - Eu perguntei, enquanto ia para o banheiro. - No clube. Jogando tênis em dez minutos. - ela respondeu. Eu levaria 30 minutos para tomar meu banho e tomar um café. – Em minha casa, trintaminutos. - eu disse e desliguei, sem esperar por ela para discutir. Ela sabia que não devia me irritar e eu não tinha dúvida, ela sabia exatamente do que se tratava. Gostaria de ter certeza que minha irmã deixaria Blaire em paz. Então, eu estava indo comprar um celular para Blaire. Ela precisava de um maldito celular. Eu queria ter certeza que ela estava bem quando eu não sabia onde ela estava. E eu estava indo cozinhar para ela. Eu queria vê-la comer. Eu queria alimentá-la. Compensar o quanto eu ferrei as coisas antes. Eu também não queria que ela dormisse naquele quarto. Eu a queria no meu.

98


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 20

Eu estava de pé na varanda, quando ouvi a voz de Nan, do interior da casa. - Onde você está?- Ela chamou de fora. Ela não estava feliz por estar aqui. Boa. Ela realmente não estaria ficando feliz com isso, quando eu terminasse com ela. Entrei, enquanto ela entrava na sala de estar vestindo sua saia de tênis e parecendo irritada. Eu estava esperando que ela ficasse com raiva, mas me irritava que ela achasse que tinha o direito de estar. Após o jeito que ela tratou Blaire, ela achou que eu não iria chamá-la para resolver isto? - Você arruinou meus planos. É melhor que seja bom. - ela retrucou. Eu coloquei a minha xícara de café sobre a mesa mais próxima e me virei para olhar para minha irmã. - Deixe-me te esclarecer algo, porque você precisa ser lembrada. A menos que você queira começar um emprego e pagar por toda sua merda, então eu tenho uma palavra a dizer no modo como você age. Eu deixei você agir como uma pirralha a maior parte de sua vida, porque eu t e amo. Eu sei que a vida com a mamãe foi injustapara você. Mas eu não vou. . . - Fiz uma pausa e dei um passo em direção a ela, nivelando meu olhar fixonela, para que pudesse ver o quão sério eu estava. - Eu não vou permitir que você machuque aBlaire.Jamais. Ela não fez nada para você. Você a culpa como pretexto para desculpar o pai que você tem. Blaire é uma VÍTIMA desse homem tanto quanto você é. Portanto, não fale com ela como você fez hoje, nunca mais. Eu Juro, Nan, eu te amo, mas eu não vou deixar você machucá-la. Não me teste. Os olhos de Nan se arregalaram com surpresa e as lágrimas falsas que eu estava acostumado brotarem, imediatamente brilharam em seus olhos. - Você está escolhendo ela em vez de mim. Você está. . . você está transando com ela? É isso, não é? Essa vadia! Eu estava em seu rosto tão rápido que ela tropeçou para trás. Estendi a mão e agarrei pelo braço, evitando a queda ea puxei de volta. – Não diga isso. Juro por Deus, Nan, você está indo longe demais. Pense antes de falar. Ela fungou e deixou as lágrimas rolarem pelo rosto, maldita. Eu odiava fazê-la chorar. O nó enfermo que eu tinha no meu estômago quando alguém magoava a Nan estava se formando. - Eu sou. . . Eu sou sua irmã. Como você pôde fazer isso comigo? Eu era. . . Você sabe o que ela fez? Quem é ela? Ela o impediu ! Meu pai, Rush. Eu vivi esta vida, porque eu não o tive. - Ela estava chorando agora e balançando a cabeça, como se não pudesse acreditar que eu poderia esquecer tudo isso. Ela nunca iria ver a verdade. Ela estava determinada a culpa e odiar alguém, mas ela se recusava a odiar a pessoa que mais merecia. - Blaire era uma criança. Ela não fez nada para você. Ela não podia evitar que ela nascesse. Ela não tinha idéia de que você existia. Por que você não pode ver isso? Por que você não pode ver a pessoa honesta e trabalhadora que sua irmã é? Ninguém pode odiá-la!Ela é perfeita, caralho! - Você não. . . - Ela apontou o dedo para mim, com horror em seu rosto. Não a chame de minha irmã! - ela gritava histericamente.

99


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Suspirando, sentei-me no sofá e segurei minha cabeça em minhas mãos. Nan era tão teimosa. - Nan, você compartilha um pai. Isso faz dela a sua irmã. eu lembrei ela. - Não. Não me interessa. Não me interessa. Eu odeio ela. Ela é manipuladora e ela é falsa. Ela está usando o sexo para controlá-lo. Eu pulei de volta, para fora do meu assento. - Eu não transei com ela, então não diga isso! Pare de acusá-la de merda que você não sabe de nada. Blaire não é uma prostituta. Ela é uma virgem, Nan. Uma virgem. Você quer saber por que ela é virgem? Porque ela passou sua adolescência cuidando de sua mãe doente enquantoia de casa à escola. Ela não teve tempo de ser criança. Ela não tinha tempo para semear amizades. Ela foiabandonada pelo seu pai porvocê. Então, se alguém deve odiar, ela devia odiar você. Nan endireitou a coluna, as lágrimas agora secas. Fazendo isso mais fácil para mim. Eu era tudo o que Nan tinha no mundo e eu sabia disso. Eu não queria que ela pensasse que eu a tinha abandonado. Ela seria sempre a minha irmã mais nova. Mas ela era uma adulta agora e era hora dela começar a agir como uma. - E você. Ela devia odiar você, também. - disse Nan, então se virou e dirigiu-se para a porta. Eu não ia chamá-la de volta. Eu estava muito cansado para lidar com ela, hoje. Eu acreditava que ela deixaria Blaire em paz, por enquanto.

Passei o resto do dia empurrando as palavras de Nan fora da minha cabeça. Eu me concentrei em conseguir um telefone para Blaire e então, comprar as coisas que eu precisava para fazer-lhe uma refeição. Uma boa. Algo para impressioná-la e conseguir queela falasse comigo. Perdoar-me por estragar completamente sua última noite. Eu sabia que ela não aceitaria o telefone de mim, então eu deixei uma nota em sua picape dizendo-lhe que era de seu pai. Eu odiava dar aquele idiota filho da puta qualquer crédito, mas eu queria que Blaire levasse o telefone. Eu precisava que ela tivesse um telefone, para a minha sanidade mental. Se eu estava tentando mantê-la segura, então ela precisava. Olhando para o horário, percebi que era mais do que provável que ela estivesse em sua picape, agora. Eu peguei meu celular e apertei o número dela, que tinha guardado no meu celular. - Alô. - ela disse suavemente. Eu podia ouvir a confusão em sua voz. Será que ela não leu o bilhete? - Estou vendo que você encontrou o celular. Você gostou? - Eu perguntei. - Sim, é bem legal. Mas por que meu pai queria que eu tivesse um celular? ela perguntou. Era por isso que ela estava confusa. Ela não esperava que o bastardo egoísta fizesse qualquer coisa por ela, assim. Ela não era uma idiota. - Medida de segurança. Todas as mulheres precisam de um celular. Especialmente aquelas que dirigem veículos mais velhos do que elas. Essa sua picape poderia quebrar a qualquer momento. - eu respondi, decidindo que eu diria a ela por que eu queria que ela tivesse um telefone. 100


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Eu tenho uma arma. –ela disse, com determinação em sua voz. Ela estava tão certa que ela podia cuidar de si mesma. - Sim, eu sei valentona. Mas você não pode rebocar sua picape com a arma. - Não deixei-a discutir com isso. - Você está vindo para casa? - Perguntei. Eu não tinha pensado sobre o fato que ela poderia ter planos para esta noite, quando eu decidi cozinhar-lhe uma refeição e colocar uma cena de sedução. - Sim, se está tudo OK. Eu posso fazer outra coisa se quiser que eu não vá. - ela respondeu. Ela ainda não entendia. Ela pensou que eu queria que ficasse longe. Que não havia qualquer outra coisa no mundo que eupreferisse do que estar perto dela. - Não. Eu quero você aqui. Eu cozinhei . - eu disse. Ela fez uma pausa e ouvi uma surpresa ingestão de ar que me fez sorrir. Oh. OK. Bem, eu vou estar aí em poucos minutos. - Vejo você em breve. - eu disse e terminei a chamada antes que ela me ouvisse rir de pura felicidade do caralho. Ela estava voltando para casa. Aqui. Para passar a noite comigo. Eu estava consertando isso. Eu estava encontrando uma maneira de fazê-la entender. Eu não podia perdê-la. Voltei para a minha preparação da comida. Eu não cozinhava para as pessoas muitas vezes. Na maior parte do tempo para mim mesmo, quando eu realmente queria alguma coisa. Ser capaz de cozinhar algo para Blaire era diferente. Eu apreciava cada maldito minuto disso. Ela não estava acostumada a ser cuidada ou mimada, o que era uma vergonha. Blaire era o tipo de mulher que devia ser valorizada. Eu abri a geladeira, peguei uma corona e a abri, em seguida, fatiei um limão e coloquei -o na borda. A maioria das meninas que eu conhecia gostava de limão com suas Coronas. Eu não tinha certeza se Blaire ia gostar de cerveja, mas eu estava fazendo comida mexicana e você tinha que ter uma Corona com esta refeição. Preparei o queijo, frango e a mistura de vegetais dentro das tortillas de farinha, em seguida, coloquei na frigideira quente. - Cheira bem.- A voz de Blaire invadiu meus pensamentos. Olhei por cima do ombro para vê-la vestida com o uniforme de funcionaria do clube. Seu cabelo loiro foi puxado para trás em um rabo de cavalo, mas havia um pequeno sorriso em seus lábios. Ela me pegou cantarolando uma das mais recentes músicas do meu pai. - É. - eu assegurei a ela, em seguida, limpei as mãos em uma toalha e fui pegar a Corona que eu tinha preparado para ela. - Aqui, beba. As enchiladas estão quase prontas. Preciso virar as quesadillas, elas precisam de mais alguns minutos. Devemos estar prontos para comer em breve. Ela pegou a cerveja e lentamente levou-a aos lábios. Esta era sua primeira vez com a cerveja. Ela não cuspiu fora, o que era um bom sinal. - Tomara que você goste de comida mexicana. - eu disse, enquanto tirava as enchiladas do forno. O que eu realmente esperava era que isso ficasse bom. Eu não tinha feito enchiladas há algum tempo. Eu mesmo tive que pesquisar no Google algumas receitas para ter certeza que eu entendi direito. 101


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Eu amo comida mexicana. - disse ela, ainda sorrindo. - Eu devo admitir que eu realmente estou impressionado por você saber cozinhar. Boa. Eu queria impressioná-la esta noite. Convencê-la de que eu não era um idiota. Eu olhei para ela e pisquei. - Eu tenho uma porção de talentos que te deixariam chocada. Suas bochechas coraram e ela tomou um gole maior da Corona. Eu a estava deixando nervosa. Eu não tinha intenção de fazer isso. Era fácil esquecer que Blaire não estava acostumada a flertar. - Calma, menina. Você tem que comer alguma coisa, também. Quando falei em beber, eu não quis dizer para você engolir isso tudo. - eu disse a ela, não querendo que ela ficasse bêbado ou passasse mal. Ela assentiu com a cabeça e limpou a gota de cerveja que tinha agarrado aos lábios. Tudo o que eu conseguia pensar era em lamber para ela. Sentir o inchado e suave lábio inferior sob minha língua. Eu tive que desviar o olhar. Minha comida ia queimar, porra. Eu já tinha feito os tacos e burritos, então me movi das quesadillas para o prato que eu tinha colocado os demais. Não havia nenhuma maneira que iríamos comer tudo isso. Eu tinha exagerado, mas eu não tinha certeza do que ela gostava e eu queria que ela desfrutasse a refeição. Minha necessidade de vê-la comer foi rapidamente sentinda como um vício. - O resto já está em cima da mesa. Pegue uma Corona para mim da geladeira e venha comigo. – disse a ela, movendo-me para a mesa com o prato. Fui para a varanda, do lado de fora. No começo, eu não gostava desta ideia, porque ela tinha me visto aqui uma vez antes, em um encontro e eu não queria essa imagem em sua cabeça. Mas as ondas ea brisa do Golfo fizeram tudo parecer mais íntimo. Eu só esperava que ela não ficassepensando em mim fodendo outra mulher o tempo todo que estava aqui fora. - Sente-se. Vou preparar seu prato. - eu disse. Ela assentiu com a cabeça e sentou-se na cadeira mais próxima da porta. Eu podia ver a surpresa em seus olhos, e eu gostei que isso não era algo que ela esperava. Eu queria que seus pensamentosfossem sobre nós. Ninguém mais. Meu passado era apenas o meu passado. Além disso, se ela soubesse quem eu tinha estado fantasiando naquela noite quando eu tinha estado nesta varanda com Anya. . . Arrumei seu prato e coloquei em frente a ela. Então, eu me inclinei em seu ouvido, para que eu pudesse sentir o cheiro dela, porque ele estava me deixando louco. – Quer outra bebida? - Eu perguntei, precisando de uma desculpa para cheirar seu pescoço. Ela balançou a cabeça negativamente. Obriguei-me a passar para o outro lado da mesa. Arrumei meu prato e olhei para ela. - Se estiver horrível, não me diga. Meu ego não pode lidar com isso. Ela deu uma mordida na enchilada. O tremular em seus olhos me disse que estava satisfeita. Eudei um suspiro de alívio. Eu não tinha estragado tudo. - Está delicioso,e eu não posso dizer que estou surpresa. - ela me disse. 102


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Decidi experimentá-lo eu mesmo. Sorrindo, eu comecei a comer e vicomo ela relaxou e tomou outro gole de cerveja antes de comer um pouco mais. Cada vez que ela dava uma mordida, eu lutava contra a vontade de parar e assistir. Eu estava doente, realmente. Ela estava transando com comida. Por que eu estava tão completamente obcecado por elacomer? Tinha que ser culpa da manteiga de amendoim. Eu não ia superar isso tão cedo. Comemos em silêncio. Eu não queria interrompê-la, já que ela parecia que estava se divertindo. Quando ela se inclinou para trás e tomou um longo gole da sua bebida, em seguida, colocou para baixo, eu sabia que ela estava terminando. - Desculpe sobre como Nan te tratou hoje. - eu disse a ela. Não foi o suficiente. Nan lhe devia um pedido de desculpas, mas nada que pudesse fazer levaria Nan apedir desculpas. - Como você ficou sabendo? - Perguntou Blaire, deslocando nervosamente em seu assento. - Woods me ligou. Ele estava me avisando que Nan seria convidada a se retirar, da próxima vez que ela fosse rude com um empregado. - eu expliquei. Eu odiava fazê-lo como um herói maldito, mas era a verdade e eu não estava adicionando qualquer mentira para as já existentesentre nós. Blaire assentiu. Ela não pareceu muito impressionada, o que era bom. Eu não gostava dela ter qualquer sentimentos por Woodsestar preocupado. - Ela não deveria ter falado com você daquela maneira. Eu tive uma conversa com ela. Ela me prometeu que nãoaconteceria novamente. Mas se isso acontecer em outro lugar, em seguida, por favor, venha me dizer - Eu disse a ela, o que não era exatamente a verdade. Nan não tinha me prometido nada. Mas o meu aviso tinha sido suficiente. Eu sabia disso. Decepção brilhou nos olhos de Blaire e ela se levantou. – Obrigada. Eu aprecio o gesto. Foi muito legal da sua parte. Garanto que não tenho a intenção de ir correndo contarpara o Woods se Nan for rude comigo no futuro. Ele só testemunhou a cena hoje por acaso. - Ela pegou sua bebida. - O jantar estava ótimo. Muito bom depois de um longo dia de trabalho. Muito obrigada. - Ela não olhava para mim quando se virou e correu para dentro. Merda. O que eu disse de errado? Levantei-me e a segui para dentro. Hoje, a noite não estava terminando assim. Eu estava ficando louco. Blaire tinha que parar de me jogartão completamente fora de meus limites. Eu fiz isso como um pedido de desculpas por causa do meu comportamento idiota de ontem à noite e porque eu queria fazer alguma coisa para ela. Cuidar dela. Ela estava lavando seu prato na pia ea queda nos seus ombros me quebrou. - Blaire. - eu disse, prendendo seu corpo contra o balcão. Seu cheiro encheu minha cabeça e eu tive que fechar meus olhos para manter o equilíbrio depois da tontura. Foda-se, o que era bom. – O jantar não foi uma tentativa de me desculpar por Nan. Foi uma tentativa de pedir desculpas por mim mesmo. Sinto muito sobre a noite passada. Fiquei acordado durante toda a noite, desejando que você estivesse lá comigo. Desejando que eu não tivesse te afastado para longe. Eu afasto as pessoas para longe, Blaire. É um mecanismo

103


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines de proteção que eu tenho. Mas você eu não quero afastar. - Eu não sei mais como explicar isso a ela. Ela encostou-se em mim um pouco e eu tomei isso como minha luz verde. Afastei o cabelo sobre seu ombro, dei um beijo na pele quente e macia. - Por favor. Perdoe-me. Eu só quero mais uma chance, Blaire. Eu quero isso. Eu quero você. Ela soltou um suspiro profundo, então se virou para mim. Seus braços foram para cima, em volta do meu pescoço. Os belos olhos azuis presos nos meus. – Eu te perdoo com uma condição. disse ela em voz baixa. - OK. - eu disse. Eu daria a ela qualquer coisa, porra. - Eu quero estar com você esta noite. Nada mais de joguinhos. Nada mais de espera. Não era o que eu estava esperando, mas sim. Isso era o que eu queria. - O inferno, sim. - eu disse, e a puxei contra a mim, para que eu pudesse mergulhar dentro. Isto era para mim. Blaire ia ser minha, depois disso. Eu lutaria o inferno por ela, se fosse preciso.

104


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 21

Beijar nunca foi a minha praia. Era algo que eu raramente fazia. Mas saber como pura era a boca de Blairee como porra incrível era seu gosto, me fez ir um pouco louco quando meus lábios tocaram os dela. Eu não conseguia o suficiente dela. Eu agarrei o seu rosto e a devorei. Minha cabeça estava gritando para eu desacelerar. Para não assustá-la ou empurrá-la muito rápido, mas Deus, eu não consegui fazer a minha boca ouvir. A Coronaem sua língua, quando deslizei a minha sobre a dela, me deixou com mais fome. O gosto da cerveja e limão em Blaire parecia perverso. Quando sentiu a barra na minha língua, ela puxou o meu cabelo na parte de trás da minha cabeça e soltou um gemido. Foda-se, eu tinha que desacelerar isso. Eu não podia levá-la contra a pia. Ela precisava de uma cama e um monte de preliminares. Eu não queria machucá-la. Nunca quis machucá-la. Eu afastei os lábios dela apenas uma fração. Eu gostava de sentir seu hálito quente no meu rosto. - Venha comigo lá em cima. Eu quero mostrar-lhe o meu quarto. – Um sorriso puxou meus lábios. E a minha cama. - eu acrescentei. Ela assentiu com a cabeça e isso era tudo que eu precisava. Deixando de lado o rosto, peguei a mão dela. Eu a estava levando no andar de cima. Não havia regras quando Blaire estava em jogo. Ela estava em um plano mais elevado, acima de qualquer regras que eu tinha quando se tratava de mulheres. Eu só queria ela. Puxando-a pela mão em minha emoção de voltar a beijar aqueles lábios, eu a levei até asescadas. Olhando para trás, para ela quandochegamos ao segundo andar, eu vi o rubor nas faces e eu quebrei. Apenas um gosto, eu disse a mim mesmo, em seguida, pressionei-a contra a parede mais próxima e mordi o seu lábio inferiorantes de lambê-lo e reivindicar sua boca novamente. Ela derreteu em mim facilmente e eu estava quase certo de que poderia torná-lo bom para ela aqui. Eu poderia começar de joelhos e beijar entre as pernas até que ela gritasse meu nome. Mas não. Não. Nós estávamos fazendo isso na minha cama. Eu me afastei e respirei fundo, tentando me acalmar. - Mais um lance de escadas. - eu disse, mais para mim do que para ela. Então eu peguei a sua mão e levei-a pelo corredor até a porta do meu quarto. Tirei a chave do meu bolso. Eu nunca deixei meu quarto aberto. Eu gostava demantê-lo privado. Sabendo que ninguém podia entrar ali a não ser quem eu queria ali. A porta se abriu e eu dei um passo para trás e fiz sinal para Blaire entrar. O desejo de ver ela no meu quarto, em torno das minhas coisas e compartilhar tudo com ela, era quase tão poderoso quanto o meu desejo de vê-la na minha cama. Nua. Ela parou quando alcançou o último degrau e engasgou. A vista de frente para a água, com janelas do chão aoteto era o que eu tinha caído de amor, quando criança. 105


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Foi por causa deste quarto que falei para minha mãe comprar a casa. Mesmo aos 10 anos de idade, já sabia que era um quarto especial. -eu disse a ela, passando os braços ao redor dela. Eu adorava que ela podia ver isso. Isso a afetou,muito. - É incrível! - disse ela, com admiração na voz. Elaera incrível. Mas tê-la aqui comigo tornou muito mais surpreendente. - Eu liguei para o meu pai naquele dia e disse que tinha encontrado uma casa em que gostaria de morar. Ele transferiu para a minha mãe o dinheiroe ela comprou. Ela amou a localização, por isso esta é a casa que passamos nossos verões. Ela tem uma casa própria, em Atlanta, mas ela prefere aqui. - Eu nunca iria querer sair daqui. - disse ela. Sorrindo, eu beijei a pele macia de sua orelha, em seguida, sussurrei: - Ah, mas você ainda não viu meu chalé em Vale ou o meu apartamento em Manhattan. - Mas ela iria. Eu queria vê-la lá, também. Compartilhando minha vida pessoal e espaço com as pessoas era algo que eu sempre tinha odiado e me recusado a fazer. Mas com Blaire, eu ansiava por tê-la sendo uma parte dela. Mesmo que tudo o que eu podia fazer era abraçá -la, eu a queria aqui esta noite. Virei-a para a cama king-size que ficava à direita e que cobria a maior parte da parede oposta. - E essa é a minha cama. - eu disse a ela, enquanto eu segurava seus quadris e nos movíamos para a cama. Eu podia sentir Blaire tensa. Ela estava nervosa. Falar sobre isso e, na verdade, de pé aqui no meu quarto, olhando para a minha cama, eram duas coisas diferentes. Eu queria ela mais do que eu queria a minha próxima respiração, mas eu não iria forçá -la. - Blaire, mesmo que tudo o que fizermos é beijar ou simplesmente deitar aqui e conversar, estou bem com isso. Eu só queria você aqui. Perto de mim. Ela se virou para olhar para mim. - Você não está falando sério. Eu já vi você em ação, Rush Finlay. Você não traz as meninas para este quarto esperando apenas conversar. - Sua tentativa de soar como provocação falhou. Aincerteza em sua voz cortou-me. Ela veio até aqui comigo pensando que ela era apenas mais uma daquelas meninas que eu fodia e enviava para casa? Merda. Como eu poderia fazê-la entender que essa coisa com ela era mais? Muito mais. Que ela significava mais. - Blaire, eu não trago as meninas aqui em cima. - A primeira noite em que cheguei aqui, você disse que sua cama estava cheia. - disse ela, franzindo a testa para mim como se ela tivesse me pego em uma mentira. Porra, ela era bonita. - Sim, porque eu estava dormindo nela. Eu não trago as meninas para o meu quarto. Eu não quero sexo sem sentido manchando este espaço. Eu amo isso aqui. - eu disse a ela honestamente. Mas eu a trouxe aqui. Será que ela não entendeu o que isso significava? - Na manhã seguinte, a menina ainda estava aqui. Você a tinha deixado na cama e ela veio de calcinha e sutiã procurar por você. - disse ela com voz firme.

106


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Menina louca. Ela não tinha nenhuma porra de ideia do que ela fazia comigo. Precisando tocá-la, eu coloquei minha mão sob sua camisa e acariciei a pele macia lá. Seu pequeno calafrio me fez sorrir. - O primeiro quartoa direita é onde Grant dormia até os nossos pais se divorciarem. Eu o uso como abatedouro. É para lá que eu levo as meninas. Não aqui. Nunca aqui. Você é a primeira. Bem, eu deixo Henrietta vir aqui uma vez por semana para limpar, mas eu prometo que não há sacanagem acontecendo entre nós. - eu expliquei, sorrindopara ela. - Beije-me, por favor. - disse ela, em seguida, agarrou meus ombros e inclinou-se para pressionar a boca contra mim, sem esperar por mim para responder. Isso tinha que ser a coisa mais doce que eu já ouvi. Beije-me, por favor . Porra, essa garota iria me arruinar. Eu queria que ela me pertencesse. O conhecer do corpo dela somente meu. Completamente. Empurrando-a para trás, a deitei na cama e pressionei as pernas abertas para que pudesse ficar entre elas sem interromper o doce maldito beijo que eu já tive. Blaire agarrou minha camiseta em seus pequenos punhos como se quisesse arrancá-la do meu corpo. Se a minha garota queria as mãos no meu peito, eu deixaria muito mais fácil para ela. Eu me afastei dela tempo suficiente para puxar a minha camiseta sobre a minha cabeça e jogá-la, antes de voltar a sua boca novamente. Eu poderia beijar sua boca por malditas horas. Eu tive que pegar punhados de cobertas para evitar de deixá-la nua enquanto eu a deixava explorar. O toque das mãos ficou mais exigente e corajoso. Ela começou a passar as mãos pelos meus braços, seu toque quase tão suave como uma pluma. Mas ela estava percorrendo meu peito agora como se ela não conseguisse o suficiente. Quando seus polegares esfregaram meus mamilos, eu juro por Deus, eu quase perdi minha cabeça. Eu queria tocar os seus mamilos também. Seus pequenos mamilos duros rosados. Afastei minha boca dela e desabotoei a camisa que ela estava usando e afastei de volta. Eu não tinha paciência para tirá-lo. Eu precisava dela na minha boca. Agora. Quando puxei o sutiã para baixo, ambos os seios deliciosos, cheios pularam livres dos bojos e eu festejei como um homem faminto. Lambi para ouvi-la gemer e choramingar, então eu chupei duro. Ela resistiu contra mim. Ela não estava pronta para isso ainda e eu tremia e lutei para recuperar o fôlego quando ela gritou de prazer ao sentiro meu pau pressionado contra sua buceta carente. Ela estaria inchada e quente. Eu queria sentir o gosto. Ela tinha um gosto tão doce no meu dedo. Eu abri sua saia e puxei junto sua calcinha para baixo, mantendo meus olhos em seu rosto. Se ela ficasse nervosa, eu te ria que diminuir o ritmo. Eu não queriaassustá-la. Sua boca se abriu enquanto ela respirava fundo e me olhava. A confiança em seus olhos me desfez. Eu queria tudo fora. Eu curvei meu dedo para ela se sentar. Ela fez isso por vontade própria, e eu rapidamente me livrei da camisa e sutiã, deixando-a dolorosamente nua. Ela era toda minha. Isto era tudo meu. Nenhum homem tinha tocado isso. . . ou visto isso. Foda-se. A emoção tomou conta de mim quando a tomei. - Você nua na minha cama é ainda mais incrivelmentelinda do que eu imaginei que seria. . . e confie em mim, eu já imaginei isso. Muito.

107


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Seus olhos brilharam e eu sorri para mim mesmo. Blaire gostava de mim falandocom ela. Ela precisava de elogios. É claro que ela precisava. Ela era insegura. Isso era novo para ela. Eu me certificaria que ela saberia como ridiculamente perfeita ela era. Inclinando-me sobre ela, eu pressionei minha palpitante ereção contra sua buceta nua. - Assim! Por favor. - ela gritou e arranhou minhas costas. Ela estava pronta para eu fazer mais. Ela iriaentrar em pânico quando percebesse onde eu estava prestes a colocar minha boca. Eu precisava dela quente e necessitada do mesmo modo que ela me deixou. Abaixando-me, beijei sua barriga plana e seu monte de vênus quase nu, que cheirava porra de incrível. Olhando para ela, segurei seu olhar antes de colocar a língua para fora e correr meu piercing diretamente sobre o clitóris muito inchado. O grito de Blaire fez meu pau pulsar quando ela jogou o corpo em um arco e pegou as cobertas em punhos apertados. - Deus, você é doce. - eu sussurrei contra ela. Eu ia ficar viciado deste gosto. Puta merda, ele era bom. - Rush, por favor. - ela choramingou. Eu parei de lamber. - Por favor, o quê, gata? Diga-me o que é que você quer. - Ela balançou a cabeça. Seus olhos estavam bem fechadas, como se estivesse lutando para recuperar o fôlego. - Eu quero ouvir você dizer isso, Blaire. - disse a ela. Eu queria que essas palavras feias viessem da sua boca. Eu não deveria fazer, mas porra, eu queria ouvi-la tão ruim. - Por favor, me chupe de novo. - disse ela com um soluço desesperado. Porra, que era ainda melhor do que eu poderia ter esperado. Eu não tinha certeza se eu iria durar um segundo, uma vez que eu me afundasse dentro dela. Comecei a passar minha língua através de sua fenda com puro prazer. Se ela soubesse o poder que ela tinha. Eu daria tudo para ela. Ela poderia ter-me de joelhos e entre as suas pernas com um biquinho de seus lindos lábios. Eu estava indo para implorar isso. Blaire estremeceu e gritou meu nome, segurando minha cabeça contra ela, como se eu fosse me afastar disso. Uma vez que ela teve o seu prazer e não mais precisava de mim, peguei o preservativo ao lado da minha cama e rasguei-o. Seus olhos estavam começando a se agitar para abrir. Eu queria deixá-la desfrutar do prazer, mas eu não podia. Eu tinha que estar dentro dela. Iria aliviar a dor ao ter o nirvana de sua orgasmo flutuante através dela. - Já pus a camisinha. Preciso meter em você. - eu sussurrei em seu ouvido, enquanto eu me movia entre as pernas e passavaa ponta do meu pau contra o seu calor. - Caralho, você está tão molhada. Vai ser difícil não entrar de uma só vez. Eu vou tentar me segurar. Eu prometo. - Eu não queria que isso a machucasse. Porra, eu queria que fosse bom para ela, porque iria ser um outro nível de paraíso para mim. Blaire não estava tensa como eu esperava. Em vez disso, ela gemeu e se moveu contra mim enquanto eu lentamente comecei a escorregar dentro. Seu corpo estava me apertando e me puxando com uma sucção. Santo inferno.

108


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Não se mexa. Por favor, gata, não se mexa. - eu implorei a ela. Deus, eu não poderia machucá-la, mas eu queria bater nela totalmente. Encontrei a barreira que eu estava esperando e parei. Senti Blaire tensa, finalmente, debaixo de mim. - É isso. Eu vou meter rápido, mas depois paro para deixar você se acostumar. Passando os braços ao redor da cintura dela, eu fechei os olhos, incapaz de olhar para ela. Eu não conseguiriame controlar se eu olhasse seu rosto. Controle. Eu precisava da porra do controle. Deus, eu queria estar dentro dela completamente. Com um impulso, eu rompi a barreira fina e afundei em calor de veludo que eu nunca tinha conhecido. Meu pau estava sendo espremido tão malditamenteapertado, que eu não conseguia respirar. Ofegando por ar, eu ainda me segurava. Ela precisava se ajustar a mim. Mas eu queria me mover tão malditamente ruim. Eu queria enchê-la. - Tudo bem, eu estou bem. - Blaire sussurrou. Forçando os olhos a abrir, eu olhei para ela. Eu tinha que ter certeza de que ela não estava apenas dizendo isso. Eu não podia machucá-la mais. - Você tem certeza? Porque, gata, eu quero continuar, caralho. Ela assentiu com a cabeça e vi seu rosto quando recueide volta e, em seguida, arremetipara a frente, dentro dela. - Está doendo? - Eu perguntei, usando toda a força que eu tinha que ficar quieto e esperar. - Não. Estou gostando. - disse ela, com entusiasmo em seus olhos. Eu não tinha certeza se acreditava nela, mas eu comecei a me mexer. Eu tive que mexer. Meu maldito pau estava gritando para me mover. Ele nunca tinha sentido esse tipo de prazer. Blaire gemeu e meu coração bateu contra o meu peito. Puta merda, ela estava gostando. - Você gosta disso? - Perguntei. - Sim. É tão bom. Deus, sim. Ela estava bem. Eu não tinha que segurar. Jogando a cabeça para trás, deixei escapar um gemido deprazer que rasgou o meu peito quando eu comecei a me mover dentro dela. Bombeando dentro e para fora da sucção apertada, que me puxava para dentro como se estivesse transando com fome de mim. Blaire levantou os quadris e agarrou meus braços, encontrando meus impulsos. Como diabos ela sabe fazer isso? - Sim. Deus, você é incrível. Tão apertada. Blaire, você é tão fodidamente apertada. - Eu a elogiei. Ela precisava saber o quanto incrível isso era para mim. Levantou suas pernas e colocou ao redor da minha cintura, abrindo-se mais para mim. Meu corpo entrou ainda mais profundamenteem seu calor e eu comecei a tremer. Eu ia vir. Eu tinha atingido o meu limite. Havia apenas um tanto que um homem poderia ter. - Você está perto, gata? - Eu perguntei a ela. Eu queria que ela viesse comigo. - Eu acho que sim. -disse ela, ofegando enquanto aumentava o aperto em meus braços. 109


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Eu não viria sem ela, caramba. Eu queria que ela sentisse isso comigo . Mudei a minha mão para baixo, para esfregar meu polegar contra o clitóris. O cerne sensível inchou sob o meu toque. - Ah! Sim, aí mesmo! - Blaire gritou, enquanto seu corpo disparava debaixo de mim. Eu não tinha certeza o que eu gritei, mas um rugido rasgou meu peito quando a sensação mais épica da minha vida abalou pelo meu corpo, me enviando em algum lugar que eu não sabia que existia.

110


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 22

Eu tinha só apagado? Merda. Isso era. . . era. . . não havia palavras para o que era. Eu ainda estava deitado sobre Blaire, provavelmente sufocando-a, apesar de seus braços estarem firmemente enrolados no meu corpo. Ela não estava tentando me empurrar. Eu não queria sair dela. Estar dentro dela me fazia sentir em casa. Mas eu tinha acabado de tomar sua virgindade e em algum momento perdi a minha mente no processo. Voltei e ela apertou seu poder sobre mim. O prazer que ela me deu foi mais do que ela poderia saber. Eu gostava de saber que ela me queria perto. - Eu já volto. Eu preciso cuidar de você primeiro. - eu disse a ela, em seguida beijando-a suavemente antes de me levantar e ir para o banheiro. Eu não me incomodei com a roupa. Ela tinha visto tudo de mim agora. Ela podia lidar com isso. Eu levei uma toalhinha em água quente, antes de molhar o pano me certifiquei de que era agradável e acolhedor. Ela precisaria se limpar. Por mais que eu quisesse fazer isso de novo, ela ia precisar de tempo. Voltei para a sala e os olhos de Blaire estavam presos nos meus, então caiu para a minha cintura. Seus olhos ficaram grandes e seu rosto ficou vermelho. - Não banque a tímida comigo agora. – brinquei com ela. Toquei-lhe no joelho e o moveu. Ela não estava ajudando. - Abra para mim. - eu instruí, e gentilmente cutuquei o joelho de novo. - Não muito. - eu disse a ela. Só o necessário para obter um melhor acesso. A pequena mancha de sangue em suas dobras rosa fez o animal selvagem dentro de mim rugir de prazer. Isto era meu. Eu tinha feito isso. Ninguém tinha estado aqui antes de mim. Era foda, mas eu não podia evitar. A ideia de que ninguém jamais a tocou me deixou louco. - Está doendo? - Eu perguntei, enquanto eu limpava a área mais suavemente que podia. Eu queria beijar lá e fazer tudo melhor, mas eu não tinha certeza de que ela estava pronta para isso de novo, ainda. Quando ela estava tão perfeitamente imaculada como antes de tê-la tomado, eu parei de limpar e jogueio pano na lata de lixo. Era hora de abraçar forte. Deixar-me aproveitar o conhecimento que ela era minha. Eu me arrastei até deitar ao lado dela e a puxei em meus braços. - Eu pensei que você não fosse um abraçador, Rush. - disse Blaire, enquanto inalava a pele do meu pescoço com seu narizinho. - Eu não sou. Só com você, Blaire. Você é a minha exceção. - Palavras mais verdadeiras do que nunca foram ditas. Blaire era a minha única exceção. Ela sempre seria. Eu puxei as cobertas para cima e sobre nós, então coloquei a cabeça debaixo do meu queixo. Ela precisava descansar, e eu precisava segurá la. Para alimentar o animal possessivo que ela tinha despertado dentro de mim, com a certeza de que ela estava a salvo aqui comigo.

111


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Levou apenas minutos antes de sua respiração desacelerar e seus braços estarem negligentes ao meu redor. Ela estava esgotada. Ela tinha trabalhado o dia todo. . . e, em seguida, isto. Sorrindo, eu fechei os olhos e inalei o cheiro dela. O medo na parte de trás da minha cabeça que ela me deixaria quando ela descobrisse a verdade ameaçou arruinar este momento. Mas eu empurrei-o para longe. Ela ia me amar. Eu a faria se apaixonar por mim. Então. . . então ela me ouviria, e ela me perdoaria. Ela tinha que fazer. Acordei com um corpo nu, macio e bonito ainda enrolado contra mim. O sol estava espiando através das persianas. Eu não me importava que horas eram, mas eu sabia que ela se importaria. Eu queria ela aqui comigo, mas não sobre o que eu queria. Isto era sobre Blaire. E ela não gostaria de estar atrasada para o trabalho. Seu senso de responsabilidade não permitiria isso. Eu tive que acordá la, por mais que deixá-la dormir nos meusbraços me atraisse. Respirando fundo, eu deixei o cheiro dela encher a minha cabeça. A memória de seu outro cheiro fez meu pau semi ereto ir para completamente duro. Eu não iria fazer algo que seria doloroso para ela, mas eu poderia fazer a carne tenra se sentir bem e aliviar minha fome. Mudei-me para baixo de seu corpo e peguei uma de seus adoráveis pés descalços, em seguida, dei um beijo no peito do pé. Ela não se moveu. Sorrindo, eu continuei trilhando beijos até sua panturrilha e voltei para baixo novamente, provando sua pele a cada pequenos beijos. O corpo de Blaire começou a se esticar e se mover. Só um pouco no início, mas o momento em que ela acordou, eu soube. Os movimentos lentos, fáceis, pararam e seus olhos se abriram. Eu continuei beijando sua perna, sorrindo enquanto eu observava seu rosto sonolento. - Ah, finalmente. Eu estava começando a me perguntar o quanto eu precisaria te beijar, a fim de acordá-la. Não que eu me importe de beijar mais acima, mas isso levaria a mais um pouco de sexo incrível e você só tem 20 minutos para chegar ao trabalho. Os olhos de Blaire se arregalaram, ela sentou-se na cama tão rapidamente que eu tive que deixar a perna dela ir. Eu sabia que ela não gostaria de perder o trabalho. - Você tem tempo. Vou preparar alguma coisa para comer enquanto você se arruma. – eu disse. Eu queria passar o café da manhã entre as pernas, mas, novamente, não se tratava da necessidade do Rush, naquele momento. - Obrigada, mas não precisa. Eu pego alguma coisa na sala dos funcionários quando chegar lá. - ela disse, corando quando ela pegou o lençol para manter os seios nus cobertos. A mulher carinhosa da última noite se foi e uma nervosa estava em seu lugar. O que eu tinha feito de errado? - Eu quero que você coma aqui. Por favor. - eu disse, olhando-a de perto. A pequena chama em seus olhos me disse que ela precisava ouvir isso. Será que ela precisava de tranquilidade? – Esta bem. - ela disse. - Eu preciso ir para o meu quarto tomar um banho. - Ela ainda parecia nervosa. Eu queria que ela ficasse aqui. Eu queria que ela usasse as minhas co isas. Mas. . . porra. – Estou dividido, porque eu quero você tomando banho no meu 112


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines banheiro, mas eu não acho que eu vou ser capaz de ir embora sabendo que você está nua e ensaboada em meu boxe. Eu vou querer acompanhá-la. - eu admiti. - Por mais atraente que pareça, eu estaria me atrasando para o trabalho. disse ela, com um pequeno sorriso. - Certo. Você precisa ir para o seu quarto. - Ela olhou em volta, para suas roupas descartadas. Eu queria ela em minhas roupas esta manhã. Quando ela saisse do meu quarto como um anjo amarrotado, eu queria a minha camiseta contra sua pele, cobrindo o que me pertencia. - Coloque isso. Henrietta vem hoje. Vou pedir para ela lavar e passar suas roupas de ontem a noite. - eu disse, pegando a camiseta que eu usei na noite passada e joguei para ela. Ela não discutiu. Eu não conseguia desviar o olhar enquanto ela puxava minha camiseta sobre a cabeça e deixava cair o lençol, uma vez que ela tinha certeza de que eu não podia ver seus seios. Acho que o fato de que eu chupei eles e os lambi como um homem obcecado ontem à noite não importava. Ela estava cobrindo esta manhã. - Agora, levante-se. Eu quero ver você. - eu disse a ela, a necessidade de vê-la em minha camiseta. Era uma imagem que estavadestinada a ficar marcada no meu cérebro para a eternidade. Ela se levantou e a camiseta bateu em suas coxas. Saber como ela estava nua por baixo e quão facilmente eu poderia buscá-la e abrir as pernas, me fez repensar meus planos para hoje. - Você pode dizer que está doente? - eu perguntei, olhando para ela, esperançoso. - Eu não estou doente. - respondeu ela, com uma expressão entre as sobrancelhas. - Você tem certeza? Porque eu acho que estou com febre. - eu disse, brincando, andando em volta da cama e puxando-a em meus braços. - Ontem à noite foi incrível. - Eu pressionei meu nariz em seu cabelo. Seus braços vieram ao redor da minha cintura e seguraram com firmeza. Eu tenho que trabalhar hoje. Eles estão me esperando. Isso era Blaire. Era uma das muitas coisas que me atraiu para ela. Ela não ia mentir ou ignorar uma responsabilidade. Deixei-a ir, dei um passo para trás e coloquei distância entre nós. - Eu sei. Corra,Blaire. Desça o seu traseiro bonitinho e prepare-se. Eu não posso te prometer que eu vou deixar você ir, se você ficar aqui olhando assim por muito tempo. Um sorriso irrompeu em seu rosto e ela saiu correndo para as escadas. Sua risada arrastou atrás dela e tudo o que eu podia fazer era ficar lá como um idiota, sorrindo. Eu me banhei e me vesti rapidamente, então chamei Jace. Eu não queria perguntar a Blaire sobre sua agenda, mas eu queria uma desculpa para estar no clube. Eu nunca ia lá a menos que Nan me queria para jogar golfe ou jantar. - Alô? - Jace disse, parecendo surpreso que eu estava ligando. - Hey. Vocês vão jogar golfe hoje? - Perguntei. - Uh, sim. Nós jogamos golfe todos os dias. Você sabe disso. 113


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Eu quero entrar. - eu disse. - Você vai jogar golfe? - Perguntou ele, o choque em sua voz. Eu não via qual era o grande negócio. Eu tinha jogado golfe com eles antes. Eu joguei com Nan e Grant em uma ocasião. - Sim, e daí? - Disse. Jace riu. - OK, com certeza. Você não joga com a gente faz uma eternidade. O que deu hoje? Normalmente você tem que ser arrastado para o campo, por Nan ou Grant. Eu não estava respondendo a isso. Ele não precisava ficar com a ideia errada sobre Blaire. Eles precisavam me ver com ela. Eu tinha que ter certeza que todos eles saberiam quanto fora dos limites ela estava. - Vontade de jogar golfe. - eu respondi. - Tudo bem, então. Nos vemosas 11:30. Woods tem que estar em uma reunião esta tarde com o pai, por isso estamos jogando mais cedo. Eu não apontei que a maioria das pessoas achava uma hora cedo seis ou sete horas da manhã. Não 11:30. - Obrigado. Veja você, então. Eu desci as escadas para ver se Blaire não tinha saído ainda. Ela não poderia ter tido tempo de se vestir e comer. Não se ela tomou um banho. Eu abri a porta para o fundo das minhas escadas e olhei para a direita. A porta da Blaire estava aberta. Ela não estava lá. As luzes estavam apagadas. Fui para as escadas e desci dois lances de escada de cada vez, na esperança de alcançá-la a tempo, para um beijo de despedida. Ela estava em pé no bar, com uma tigela de cereal em suas mãos e uma colher levantada para a boca. Elaestava comendo. Boa. - Não me deixe pará-la. - disse eu, caminhando até o pote de café, não querendo deixá-la nervosa. Ela parecia tão nervosa. - Você está trabalhando dentro hoje? - eu perguntei. Ela balançou a cabeça negativamente, em seguida, engoliu. - Eles precisam de mim lá fora hoje. - disse ela. Voltei-me para o pote de café antes de sorrir. Gostaria de vê-la, então. Porra, eu adorava golfe. Notei o celular em cima do balcão e peguei. Ela já tinha esquecido ele. Mudei a panela e vi sua caminhada para a pia, com sua taça. Dei um passo e bloqueiseu caminho, peguei a taça dela colocando na pia, atrás de mim. - Você está. . . está tudo bem? - Perguntei, então deslizei a mão para baixo cuidadosamente no lugarentre suas pernas, que me preocupava que a incomodaria hoje. Ela tinha que trabalhar fora no calor, e eu não queria que fosse doloroso. Ela corou e abaixou a cabeça. – Eu estou bem. - ela disse em uma voz sussurrada. - Se você fosse ficar aqui, eu tinha como fazer se sentir melhor. –disse a ela. Sua respiração acelerou. - Eu não posso. Eu tenho que ir para o trabalho. disse ela, levantando os olhos para encontrar os meus. 114


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Eu escorreguei seu telefone no bolso de sua bermuda. Eu queria com ela o tempo todo. - Eu não posso suportar a ideia de você se machucar e não poder fazer nada sobre isso. - dissea ela, lentamente acariciando a parte externa de seus calções. - Eu tenho que me apressar. Eu tive que pular o chuveiro, o que é terrível, eu sei, mas eu não podia tomar banho e comer. Eu não quero você. . . Eu queria comer, assim você ficaria feliz. - disse ela. Ela não tinha tomado banho. Bem, foda-se. Eu enterrei minha cabeça na curva de seu pescoço e respirei fundo. - Merda, Blaire. Eu amo que você vai cheirar como eu todo maldito dia. -eu admiti. Sabendo que ela não tinha me lavado fez rugir minha besta interior. Eu estava ficando fora de controle. - Eu tenho que ir. - disse ela, dando um passo para trás. Com uma pequena onda, ela correu para a porta. Não foi até que eu ouvi a porta fechar que eu percebi que não tinha conseguido o meu beijo. Ela me distraiu com o fato de que ainda estava carregando o meu cheiropor todo o seu corpo. O sorriso estúpido no meu rosto estava fazendo o meu rosto doer. Eu não havia sorrido muito em toda a minha vida, no entanto aquela garota continuou dando-me uma razão para isso.

115


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 23

- Voltou ao carrinho hoje, é? Por mais que eu goste de vê-la no salão, o golfe fica muito mais divertido. - disse Woods para Blaire, quando ela parou o carrinho ao lado do primeiro buraco. Eu estava indo para definir essa porra com um murro de direita, agora. - Cai fora, Woods. Isso é um pouco perto demais. - eu adverti, enquanto caminhava em direção a eles. Blaire virou com um olhar surpreso no rosto. Ela não me esperava. Ela iria descobrir em breve que não podia se livrar de mim. - Então, ela é por que de repente você queria jogar com a gente, hoje? perguntou Woods, parecendo irritado. Eu não estava interessado em responder-lhe. Meu foco estava em Blaire. Sua linha do cabelo já estava molhada. Estava quente aqui hoje e ela poderia estar sofrendo. Se ela estava dolorida, então, Woods iria deixá-la ir para casa. Eu a jogaria por cima do meu ombro e sairia com ela, se precisasse. Eu deslizei minha mão em torno de sua cintura e puxei-a contra mim possessivamente, antes de abaixar minha cabeça para que eu pudesse sussurrar em seu ouvido. Está sentindo alguma dor? - Eu perguntei a ela. - Estou bem. - respondeu ela. Beijei sua orelha, mas eu não estava pronto para deixá-la ir ainda. - Você se sente esticada? Você pode dizer que eu estive dentro de você? - eu perguntei. Por mais que eu não queria que ela sofresse, eu queria que ela me sentisse lá. Para lembrar que eu tinha estado lá. Ela assentiu e derreteu contra mim. Pequena Blaire gostava de mim falando safadeza. Eu precisava me lembrar disso. - Bom. Eu gosto de saber que você pode sentir onde eu estive. - disse eu, depois estabilizei meu olhar no Woods. Eu queria ter certeza de que ele me entendeu. - Eu imaginei que isso ia acontecer. - disse Woods, parecendo irritado. - Nan já sabe? - perguntou Jace e Thad, um dos amigos de Woods e próximo de Jace, o cutucou para calá-lo. - Isso não é da conta de Nan. Ou sua. - eu respondi, olhando para Jace. Ele precisava ouvir Thad e calar a boca. Eu iria lidar com Nan. Eles não sabiam de nada. - Eu vim aqui para jogar golfe. Não vamos falar disso aqui fora. Blaire, por que você não consegue bebidas para todos e segue para o próximo buraco? disse Woods. Eu não gostei dele dando ordens ao seu redor. Ele estava fazendo isso de propósito. Era melhor o filho da puta prestar atenção em si mesmo. Seu pai me teria em seu escritório rapidamente, maldição. O dinheiro Finlay mantinha este lugar. Eu não faria isso na frente de Blaire, porque iria perturbá-la, mas Woods estava indo para ser colocado em linha reta. 116


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Blaire saiu dos meus braços e foi buscar as bebidas de todos. Ela me entregou uma Corona, sem perguntar o que eu queria. Ela entregou a Woods sua cerveja e ele deslizou a porra de um nota de cem dólares em suas mãos. Eu podia ver a forma dos ombros tensos quando ela cortou os olhos para mim e rapidamente enfiou no bolso. Eu não iria ficar chateado porque ele pagou -lhe bem. Ele poderia pagar e ela merecia por trabalhar para seu traseiro idiota. Bastardo. Eu andei até ela e coloquei duas notas de cem dólares no bolso, em seguida, dei um beijo em seus lábios. Eu estava mostrando minha reivindicação e era melhor eles todos entenderem isso, caralho. Eu pisquei para ela e fomos para o caddy. Eu não queria olhar para Woods até Blaire ter ido embora, porque um sorriso dele e eu quebraria seu maldito nariz. Quando olhei para trás, vi Blaire se afastando. Peguei meu telefone e enviei-lhe um texto. Eu: Sinto muito sobre Woods. Ele tinha sido um idiota e eu estava preocupado que ela estivesse chateada. Ele era o chefe dela. Ela precisava saber que ele não faria isso de novo. Blaire: Eu estou bem. Woods é o meu chefe.Não é grande coisa. Ela estava acostumada com ele agindo assim? Sim, ele e eu íamos falar. Agora. - Então, você e Blaire, hein? Não esperava por isso. - disse Jace, sorrindo como um idiota. Woods, soltou um riso amargo. Eu dei um passo, para ficar na frente dele. - Você quer dizer algo para mim, Woods? Porque se vocêquer, vá em frente e diga agora, porque, porra, eu com certeza tenho algo a dizer para você. A raiva nos olhos de Woods não me surpreendeu. Ele não gostava de ser lembrado de que ele não podia me intimidar. Ele balançou a cabeça para mim e olhou para onde o carrinho de Blaire desapareceu, sobre o morro. - Ela é boa demais para você foder com ela. Eu pensei que havia alguma chance de você ter suficiente coração e não tocá-la. Ela merece muito mais do que ela irá ter com você. Se ela tivesse me dado uma chance, eu teria mostrado como ela merecia ser tratada. Mas você. - Ele apontou no meu peito. - Você, Finlay, você apenas dobra seu dedo filho-de-um-rock-stare elas vêm correndo para você. E você joga-as longe, sem um pensamento. Blaire não é mundana o suficiente para lid ar com isso. Ela não é tão dura, maldito. - Parecia que ele ia me dar um soco no meu rosto. A única razão pela qual eu o deixei parado lá gritando comigo era que ele não entendia. Ele pensou que eu a estavausando. Ele queria protegê-la. Ele não ia nemcjenna gi g/ começar, porque eu não estava deixando ele perto dela, mas eu apreciei o fato de que ele viu o que eu vi. Blaire era preciosa. Eu o empurrei para trás o suficiente para tê-lo longe do meu rosto. - Você realmente acha que eu teria tocado nela se eu não soubesse disso tudo? Você acha que teria ameaçado a minha irmã por qualquer uma? Não. Blaire não é apenas uma outra menina para mim. Ela é tudo para mim. Ela. É. Ela. 117


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Dizendo as palavras em voz alta, não apenas choquei todos ao meu redor, ele chocou o inferno fora de mim, também. Ela era minha. Eu nunca iria querer mais ninguém. Nunca. Apenas Blaire. - Filho da puta. - Jace sussurrou para mim. - Rush Finlay não acabou de dizer o que eu acho que ele disse. O olhar zangado de Woods lentamente se dissipou. Quando minhas palavras afundaram em sua cabeça dura, eu vi descrença e em seguida, a aceitação em seu rosto. – Merda. - ele finalmente disse. Eu dei um passo para trás e dei de ombros. - Você mesmo disse. Exceto que você estava errado sobre uma coisa. Ela não é especial. Ela é foda de perfeita. - Virei-me, então parei e olhei para ele incisivamente. - E ela é minha. - eu disse, em voz alta o suficiente para todos me ouvirem. Balançando meus olhos em uma advertência para os outros dois, que esta vam me observando como se eu tivesse perdido minha mente, eu repeti.- Minha. Blaire é minha. - Bem, meeerda. - finalmente disse Thad. - Acho que eu deveria ter prestado mais atenção na nova garota. Ela tem o maior jogador amarrado em nós. Hum, estou impressionado. Desta vez, Jace empurrou Thad. - Cale a boca. - ele assobiou. - Vamos jogar golfe. - eu disse, pegando meu motorista e dirigindo para o alvo.

Eu tive um almoço tardio com Grant e depois voltei para casa, para tomar banho e decidir o que fazer com Blaire hoje à noite. Embora o sexo era muito muito alto na minha lista de prioridades, eu sabia que precisava ter calma. Eu também queria conversar. Havia tanta coisa que eu não sabia sobre ela. Eu queria saber tudo. Eu queria sentar e ouvi-la falar comigo. Dizer-me coisas. Levando-a para fora era uma opção, mas eu era ganancioso. Eu não queria compartilhá-la ainda. Eu queria toda a sua atenção. Eu não queria saber que os outros estavam começando a olhar para ela. Eu só queria que fossemos só nós aqui nesta casa. Juntos. Então, é claro, eu queria beijá-la por todo o corpo e saborear a doçura entre as pernas novamente. Mas, primeiro, eu queria conversar. Eu não queria que isso fosse só uma coisa sexual. Pela primeira vez na minha vida, eu queria alguém dentro. Eu não queria manter Blaire fora. Ela precisava me amar. Para eusobreviver a isso, ela teria que me amar. Como diabos eu iria levá-la a se apaixonar por mim, eu não sabia. Conhecê-la ajudaria. Comer sua buceta não era o caminho para o coração dela. Eu tinha que me lembrarque o meu vício de saboreá-la não poderia assumir. Será que eu a amo? Eu nunca tinha estado apaixonado. 118


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Além de meu pai, Nan e Grant, eu não poderia dizer que eu tinha amado alguém. Será que eu a escolheria sobre um deles? Sim. Será que eu morreria para protegê-la? Inferno, sim. Eu poderia viver se ela me deixasse? Não. Eu seria quebrado. Era isso amor? Parecia muito mais forte do que algo tão simples como o amor. Uma batida na porta do meu quarto invadiu meus pensamentos. Merda. Não era Grant. Nan estava aqui. Não era o que eu queria lidar agora. Eu tomei meu tempo indo até a porta. Suas pancadas ficaram mais altas. Empurrando a porta, fui recebido pelo rosto da minha irmã em lágrimas. Ela não era permitida nomeuquarto. Eu realmente não tinha dito a ela por que, mas era compreendido. Eu dei um passo para o corredor e fechei a porta atrás de mim. Nan estava apontando para o quarto que Blaire estava dormindo no. . . ou melhor, mantendo suas coisas dentro. Ela estaria dormindo comigo daqui pra diante. - Então é verdade! Ela está lá. Você a deixou mudar-se para cá? Você está transando com ela, também? É disso que se trata? Ela não é tão atraente, Rush. Não é como se você não pudesse ter quem quisesse. Ela é apenas mais um rostinho bonito. Por que você não pode não transar com ela? Você não tem controle sobre o seu maldito pinto? Ela não pode ser boa de cama! - Pare! -Eu rugiu antes dela dizer mais alguma coisa. Nan estava me empurrando. Eu odiava que ela estivesse chorando, mas com Nan, você nunca sabia se aquelas eram lágrimas de verdade ou não. Eu não tinha visto ela na verdade chorando, então eunão podia ter certeza. Mas eu não queria que ela se chateasse. Eu só queria que ela me deixasse ser feliz. Pela primeira vez na minha maldita vida me deixasse tomar uma decisão por mim mesmo. Não para ela. - Não grite comigo! - Lágrimas reais encheram seus olhos quando ela começou a chorar novamente. OK, então talvez ela realmente estaja chateada. Eu não gritei com ela muitas vezes. Ela normalmente não me irritava tanto. Desde que. . . - Ela fungou. - Desde que ela chegou aqui, você gritou comigo. Durante todo o tempo. Eu não posso. . . - Ela soltou outro soluço. - Eu não suporto isso. Você se virou contra mim. Para ela. Isso não era culpa de Blaire. Por que Nan não podia ver isso? Isto era como falar em círculos. Cheguei para fora e puxei-a em meus braços. A menina que eu tinha tomado conta toda a minha vida, estava olhando para mim com os olhos inchados. Eu era tudo que ela tinha. - Desculpe por gritar com você. - eu disse a ela, e ela chorou mais forte contra meu peito. - Eu só. . . apenas. . . não entendo. - disse ela. 119


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Dizendo a Nan que eu estava apaixonado por Blaire não era a resposta para isso. Para começar, eu não tinha contadoaBlaire que eu a amava e eu precisava contar a ela primeiro. Em segundo lugar, Nan enlouqueceria, se eu lhe disse isso. Ela poderia ir de lamentável, choro confuso para selvagem, se tornando insana em um segundo. Eu tinha testemunhado mais de uma vez. Não é sobre o sexo. Tentei dizer-lhe que Blaire não tem culpa. Eu tentei explicar a você como ela tem sido injustiçada também. Você não é a única vítima. Você não deve odiar alguém que sofreu da mesma maneira que você. Eu não entendo por que você não pode ver, Nan. Eu te amo. Eu vou sempre te amar. Você sabe disso. Mas eu não posso escolher sobre ela. Não desta vez. Desta vez, você está pedindo demais. Eu não vou desistir dela. Nan acalmou em meus braços. Eu esperava que ela estivesse me ouvindo, que eu estava chegando até ela, mas eu conhecia a minha irmã. Isso estava sendomalditamente muito fácil. Seria preciso algo muito maior para chegar a desistir de um ódio que ela tinha alimentado a maior parte de sua vida. - Porque você não pode dar-lhe dinheiro e mandá-la embora? - perguntou Nan em voz baixa, quando ela se inclinou para trás dos meus braços e cruzou os braços sobre o peito, defensivamente. - Porque eu não posso deixá-la ir. Ela. . . ela me faz feliz, Nan. - Eu admiti para ela. Os olhos de Nan brilharam com a raiva que eu sabia que iriam inflamar-se quando ela pensasse por um minuto que eu me sentia mais para Blaire do que por ela. Quanto ferrado isso era, Nan esperava que fosse a número um a sua vida inteira. Ela nunca considerou o que aconteceria se eu me apaixonasse um dia. Ela estava tão desesperada para ser a número umde alguém que ela estava determinada a forçá-lo em mim. - Porque ela é uma boa foda? - Ela disse acidamente. Fechei os olhos com força e respirei fundo. Manter minha calma era importante. Perdê-la com Nan novamente não iria ajudar em nada. Quando abri os olhos, eu fixei meu olhar sobre a minha irmã. - Nan. Não faça isso de novo. Blaire não é uma merda para mim. Coloque isso na cabeça. Ela não está me controlando com o sexo. Ela é mais do que isso. Nan endureceu e virou a cabeça para olhar para a porta abertado quarto de Blaire. - Você nem sequer a conhece. Você acabou de conhecê-la. No entanto, você quer escolher a ela em cima de mim. - ela cuspiu. - Eu a conheço. Venho compartilhando uma casa com ela há semanas. Eu fui incapaz de afastar os meusolhos dela. Eu a observei. Eu falei com ela. Eu a conheço. Ela é. . . Deus, Nan, ela é o que me faz feliz. Você não pode aceitar isso? Deixe essa coisa com ela ir embora! Nan não olhou para mim ou respondeu. A luta estava terminada por agora, mas eu sabia que não tinha vencido. Ela não estava mais presente. Ficamos em silêncio por alguns momentos, e eu esperei que ela dissesse alguma coisa. O que quer que ela estavadecidindo precisava ser tratado com cuidado. Nan tinha o poder de estragar as coisas para mim. Ela poderia dizer tudo a Blaire e eu perderia. Eu não podia perder Blaire. - Eu quero ter mais amigos aqui esta noite. - disse ela, balançando o seu olhar de volta para mim. 120


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Bonito. Ela estava forçando uma de suas festas para mim. Típico de Nan. Ela precisava saber que eu ainda daria a ela em algum nível. – OK. - eu respondi, sem argumento. Gostaria de levar Blaire aomeu quarto, e estaríamos longe da multidão e barulho. Nan balançou a cabeça, em seguida, virou-se e afastou-se. Era isso. Por enquanto.

121


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 24

Eu não estava no clima para isso, mas eu disse a Nanque ela poderia ter sua festa. Eu deveria ter esperado que ela iria exagerar, sem me dar todas as orientações. Eu não estava bebendo esta noite. Eu pretendia passar a minha noite com Blaire. Os caras podem ter sido informado sobre o fato de que Blaire estava fora dos limites, mas as fêmeas não aceitaram que eu não estava disponível. Eu balancei a cabeça para outra das amigas de Nan, que estava se oferecendo para me dar uma chupada bem na frente de todos. Os olhos de Grant encontraram os meus, por cima da multidão. Ele foi derrubado de volta no sofá, com uma menina que eu tinha dito não anteriormente, meio sentada em seu colo. Ele revirou os olhos e tomou um gole de sua cerveja. Eu tinha pedido a ele para vir e monitorar as coisas esta noite. Eu não queria interrupções. Ele concordou, desde que ele poderia ficar em seu quarto habitual, se uma das fêmeas despertasse seu interesse. Eu não ligava para o que ele fazia, desde que ninguém se preocupasse com Blaire e eu. Eu balancei a cabeça nadireção da garota que eu tinha acabado de mandar embora. Se ele quisesse sexo fácil, aventureiro, eu tinha certeza de que era uma boa escolha. Ele ergueu as sobrancelhas em interesse e observou-a passear na sala de estar. Eu estava indo para cima e esperar por Blaire em seu quarto. Ela não deveria demorar muito mais tempo agora. - Você vai para cima? - perguntou Nan. Eu balancei a cabeça. - Sim. Grant está aqui, se você precisar dele. - O que tem ela? Ela vai ficar lá em cima, também? - Nan perguntou, tentando parecer que ela não se importava com o que Blaire fazia. - Blaire estará comigo. Boa noite, Nan. Aproveite a sua festa. - Ela girou sobre os calcanhares e saiu para a cozinha. Eu me virei para olhar para trás, Grant apenas balançou a cabeça. Ele sabia que Nan estava me dando a mínima sobre Blaire. Eu poderia dizer que ele não concordava com a ideia de “não-dizer” a Blaire. Ele achou que eu deveria dizer a ela agora, antes que fosse longe demais. O problema era que eu já tinha deixado ir longe demais.

O quarto de Blaire já cheirava como ela. Eu não acendi as luzes. Eu podia ver o luar noGolfo melhor na escuridão. Sentando-me na ponta da cama dela, eu inalei, tentando alimentar minha fome dela. Ela estaria aqui a qualquer minuto. Mas eu estava ficando impaciente. Se eu pudesse levá-la a parar de trabalhar e me deixar cuidar dela, eu o faria, mas eu sabia que não devia sugerir isso. Blaire teria um ataque. 122


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Eu tive que mentir para ela pegar o celular maldito. Ela ainda estava planejando me pagar pelacomida na minha cozinha. Eu estava indo para encontrar uma maneira de colocar isso de volta em suas economias. De algum modo. Mulher teimosa não levaria nada de mim, somente o meu corpo. Sorri com esse pensamento. Eu estava mais do que disposto para dar-lhe o meu corpo. Ela também aceitaria de bom grado a minha língua. Ela tinha uma coisa com minha língua. A forma que seus olhos dançaram com antecipação quando ela viu meu piercing, era tão sexy. Ouvi passos e me virei para ver Blaire entrar no quarto. Ambas as mãos voaram para a boca, para cobrir um grito de espanto, que morreu no momento em que ela percebeu que era eu. Levantei-me e caminhei em direção a ela. Eu não podia deixar de tocá-la por mais um momento. - Hey. - eu disse. - Hey. - ela respondeu, em seguida, uma carranca puxou seus lábios. - O que você está fazendo aqui? Onde mais eu estaria? - Esperando por você. Eu meio que pensei que era óbvio. Ela abaixou a cabeça para esconder o sorriso satisfeito que eu vi em seus lábios. - Eu posso ver isso. Mas você tem convidados. - disse ela. Eu já tinha esquecido que eles estavam aqui. Meu foco tinha sido completamente nela. – Não são os meus convidados. Acredite, eu queria uma casa vazia. - eu assegurei a ela, e segurei o lado de seu rosto. - Vamos lá em cima comigo. Por favor. Ela jogou a bolsa em cima da cama, em seguida, enfiou a mão na minha. Mostre o caminho. Consegui deixá-la chegar ao último degrau antes de puxá-la em meus braços e pressionar os meus lábios nos dela. Durante todo o dia, eu tinha pensado sobre o quão bom era seu gosto e como eu adorava a sensação de sua língua deslizando contra a minha. Ela colocou os braços em volta do meu pescoço, me beijando de volta ansiosamente. A saudade em seu beijo correspondeu ao meu e eu sabia que tinha que parar agora se eu pretendia ter uma conversa com ela esta noite. Eu me afastei dela. - Conversar. Vamos conversar primeiro. Eu quero ver vocêrir. Eu quer saber qual era seu programa favorito quando você era criança e quem fez você chorar na escola e os pôsteres de quebanda você pendurou em sua parede. Então eu quero você nua na minha cama de novo. - eu disse. Ela sorriu e caminhou até o sofá. Imagens dela nua na minhagrande cama passou pela minha cabeça e eu tive que agitá-la para parar. Não é o plano, Rush . - Está com sede? - eu perguntei, abrindo a geladeira eu tinha no meu quarto. - Só um pouco de água gelada seria bom. Eu comecei a preparar um copo de água gelada e pensando em tudo o que eu queria saber. Não como elame olhou quando ela veioesta manhã quando a fiz gozar. 123


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Rugrats¹ era o meu show favorito. Ken Norris me fez chorar, pelo menos uma vez por semana, mas depois ele fez Valerie chorar e eu fiquei brava e ia machucá-lo. Meu ataque preferido e mais bem sucedido foi um chute nas bolas. Eu tenho vergonha de admitir, mas os Backstreet Boys cobriam minhas paredes. - Blaire tinha respondido cada pergunta que eu tinha mencionado. Entreguei-lhe a água e me sentei ao lado dela no sofá. - Quem é Valerie? eu perguntei. Ela nunca tinhamencionado seus amigos. Eu achava que ela não tinha muitos por causa de sua mãe. Blaire ficou tensa ao meu lado e meu interesse se intensificou ainda mais. Valerie a tinha machucado? - Valerie eraminha irmã gêmea. Ela morreu em um acidente de carro há quatro anos. Meu pai estava dirigindo. Um ano mais tarde, ele saiu de nossas vidas e nunca mais voltou. Mamãe falou que tínhamos que perdoá-lo, porque ele não podia viver com o fato de que estava dirigindo o carro que matou Valerie. Eu sempre quis acreditar nela. Mesmo quando ele não veio para o funeral da minha mãe, eu queria acreditar que ele simplesmente não podia enfrentá-lo. Então, eu o perdoei. Não o odiei, nem deixei a amargura e ódio me controlarem. Mas eu vim aqui, e. . . bem, você sabe. Eu acho que mamãe estava errada. 1 série de desenho animado norte-americano. Merda. Puta merda. Meu estômago se sentiu doente. Eu me inclinei para trás no sofá e coloquei minha mão sobre ela. Eu queria puxá-la no meu colo e consolá-la. Dizer a ela que eu faria qualquer coisa que ela pedisse para fazer isso melhor. Para corrigir isto. Para mudar o passado, eu iria mover o céu eo inferno. Mas eu não podia fazer isso. Então eu disse tudo o que podia dizer. - Eu não tinha ideia que você tinha uma irmã gêmea. - Isso foi uma mentira. Eu tinha conhecido. Mas era tão fácil esquecer que a garota que eu conhecia desses fatos, era a mesma mulher que eu estava completamente apaixonado. A única que sofreu com o que eu tinha feito. - Nós éramos idênticas. Não dava para destinguir uma da outra. Tivemos muita diversão com isso na escola e com rapazes. Somente Cain podia nos diferenciar. Enfiei minha mão em seu cabelo e brinquei com os fios de seda. - Quanto tempo seus pais se conheciam antes de casar? - perguntei. Eu queria ouvir dela. Havia tanta verdade que eu não sabia, que eu estava commedo. Tantas mentiras que eu tinha acreditado. - Foi amor à primeira vista. Mamãe visitava uma amiga dela em Atlanta. Papai tinha recentemente rompido com sua amiga e ele veio uma noite, quando mamãe estava sozinha noapartamento dessa amiga. Sua amiga era um pouco selvagem. Papai olhou para mamãee ele foi fisgado. Eu não posso culpá-lo. Minha mãe era deslumbrante. Ela tinha a minha cor de cabelo, mas ela tinha osmaiores olhos verdes que quase pareciam como joias. Ela era divertida. Você ficava feliz só de estar perto dela. Nada a abatia. Ela sorria através de tudo. A única vez que a vi chorar foi quando ela foi informada sobre Valerie. Ela caiu no chão e chorou naquele dia. Teria medo se eu não sentisse da mesma maneira. Foi comose parte da minha alma tivesse sido arrancada. - Blaire parou e senti sua ingestão rápida de ar. Eu não poderia imaginar perder Nan ou Grant. No 124


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines entanto, ela perdeu sua irmã gêmea. Depois seu pai. Em seguida, sua mãe. Meu peito se contraiu de dor. Segurei-a contra mim. – Eu sinto muito, Blaire. Eu não tinha ideia. Blaire virou a cabeça para cima e pressionou seus lábios nos meus avidamente. Ela estava à procura de conforto e essa era a única maneira que sabia como conseguir. Eu queria que ela soubesse que ela poderia subir para os meus braços e que eu abraçaria forte sempre que ela precisasse de mim. Mas eu não poderia dizer isso agora. Ainda não. - Eu as amo. Eu vou sempre amá-las, mas estou bem agora. Elas estão juntas. Elas tem uma a outra. -ela disse, puxando para trás do beijo. Ela estava tentando me fazer sentir melhor. Ela tinha perdido e ela estava tentand o me confortar com isso. - Quem você tem? - Eu perguntei, sentindo mais emoção do que eu já tinha sentido em toda a minha vida. - Eu tenho a mim. Descobri há três anos, quando a minha mãe ficou doente, que enquanto eu não me esquecesse de quem eu era, eu sempre estaria bem. disse ela com determinação. Eu não conseguia respirar. Foda-se isso. Eu não merecia respirar. Ela era tão forte. Ela enfrentou o inferno e ela ainda estava encontrando motivos para sorrir. Ela achava que não precisava de ninguém. Mas Deus, eu precisava dela. Eu não era tão forte quanto ela. Eu não a merecia. Mas eu não era um bom rapaz. Eu nunca faria a coisa certa de parar com isso, porque eu não seria capaz de ver ela se afastar fisicamente. Pânico e desespero se estabeleceram em meu peito. - Eu preciso de você. Agora. Deixe-me te amar aqui, por favor. - eu implorei a ela. Eu estava pronto para suplicar. Isso não estava certo. Ela precisava de alguém para ouvi-la e abraçá-la, mas aqui eu estava implorando a ela para tomar conta de mim. Blaire puxou a camisa e estendeu a mão para a minha. Ergui os braços e a deixei tirar de cima de mim. Eu gostei dela me despindo. Alcançando atrás dela, eu desabotoou o sutiã e o joguei de lado. Colocando seusseios em minhas mãos, eu deixei seu peso preencher minhas palmas. - Caralho, você é incrivelmente linda. Por dentro e por fora. - eu disse a ela. - Por mais que eu não mereça, eu quero estar enterrado dentro de você. Eu não posso esperar. Eu só preciso ficar o mais perto possível de você, simples assim. Blaire me afastou, fazendo com que seus seios balançassem e saltassem. Minha boca encheu de água e minhaspalmas das mãos coçaram para estender a mão e espremê-los. Acariciar sua perfeita pele de cetim em minhas mãos, novamente. Então ela começou a tirar os sapatos. Meus olhos caíram para as mãos, que estavam agora trabalhando no botão de seus calções. Ela estava se despindo para mim. Sem pudor sobre seu corpo como esta manhã. Eu não ia ter que persuadir a tirar as roupas novamente.

125


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Ela deslizou e saiu do seu short, eu tinha certeza que eu estava ofegando em voz alta. - Tire a roupa. - ela exigiu e seu olhar caiu para a minha excitação óbvia. Puta merda. Onde tinha ido minha doce Blaire? Eu não discuti. Levantei-me e descartei meu jeans, em seguida, estendi a mão para ela e puxei-a para mim, para sentar no meu colo. – Monte em mim. - eu disse a ela. Ela fez como instruído. Suas coxas estavam abertas ea doçura do seu calor subiu ao meu nariz. Eu queria prová-la. Mas isso teria que esperar. - Agora. - eu consegui dizer através da emoção na minha voz. – Desça devagar. Eu agarrei meu pau e segurei para que ela pudesse afundar em mim. Eu não tinha certeza se isso era uma boa posição para apenas seu segundo tempo, mas eu queria tentar. Ela segurou meus ombros com as duas mãos. - Calma, gata. Devagar e com calma. Você pode ficar dolorida. Ela assentiu com a cabeça, assim quando meu pau roçou sua abertura. Eu me movi sobre sua fenda, fazendo-a tremer quando eu esfreguei o clitóris com ele. - É isso. Você está ficando molhada pra caralho. Deus, eu quero provar esse gostinho. - Eu sabia que ela gostava de mim lhe dizendoo que estava pensando. Eu adorava ser capaz de falar sujo para ela e não assustá-la. Seu olhar fixou com o meu e ela se moveu até que eu estava esfregando sua entrada. Seus pequenos e perfeitosdentes brancos saíram e morderam o lábio inferior, então ela se sentou em mim duro e rápido. Seu grito ecoou pela sala e eu tirei minha mão, deixando-me levar por completo. - CARALHO! - Eu gritei, quando seu calor me apertou com força, com a sucção insana que tinha me conduzido como louco ontem à noite. De alguma forma ela estava mais intensa esta noite. Ela estava mais quente e Santa Foda , ela estava molhada. Como veludo liso me encaixando até que ela me matou de prazer. Eu tinha começado a perguntar se ela estava bem quando sua boca cobriu a minha e sua língua se enredou descontroladamente com a minha. Seu gosto. Oh, Deus, seu gosto era tão bom. Eu segurei seu rosto com as mãos e devorei sua boca. Tanto a minha língua e meu pau foram enterrados dentro do corpo doce de Blaire e eu lutei para não agarrá-la e transar como um louco. Ela jogou a cabeça para trás e agarrou meus ombros mais apertado, então começou a montar-me como se ela não conseguisse o suficiente. O medo de que ela estava com dor desapareceu quando eu vi o olhar de puro êxtase em seu rosto, enquanto ela me montava forte e rápido. Meu olhar caiu sobre seus seios saltando a cada vez que ela levantava e batia de volta no meu pau. - Blaire, oh, Santa Foda, Blaire. - eu rosnei, incapaz de acreditar nisso. Minhas mãos agarraram sua cintura e eu perdi a cabeça. Eu queria estimá la, mas porra, eu queria transar com ela, também. Eu queria foder seu corpo com total abandono. Foi amais excitante, extasiante coisa que eu já tinha experimentado.

126


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Merda, gata. DEUS, Blaire. Sim, é isso garota, foda-me. - As palavras foram saindo da minha boca e eu não conseguia parar. - Sua buceta apertada é foda de perfeita. Chupando meu pau, merda , nenhuma buceta deve ser tão boa. Santo inferno, gata. É isso aí. Foda-me. Foda-me, Blaire. Caralho, a mais doce buceta do mundo. - Então eu percebi. Eu nunca tinha fodido sem preservativo antes. Puta merda, eu não estava usando um preservativo. Eu estava limpo. Eu tinha feito exame recentemente. Eu nunca ia sem camisinha, mas. . . elame apertou, e eu não podia me importar. Deus, eu queria isso com ela. Nada entre nós. Os movimentos de Blaire mudaram e ela começou a balançar para trás e para frente. Minha boca avidamente procurou os mamilos e sugou enquanto eles saltavam diante de mim. – Eu vou gozar. - ela gemeu, balanço mais duro. - Porra, gata, delícia. E então ela estava gritando meu nome, empurrando contra mim enquanto seu corpo estremecia. Eu explodi dentro dela, passando os braços ao redor da cintura para evitar de cair fora da maldita terra sem ela. Seu nome saiu dos meus lábios mais de uma vez. Meu corpo vibrava e tremia enquanto eu lutava para respirar. Meu orgasmo disparou dentro dela, marcando-a. O animal dentro de mim rugiu para a vida. Minha.Minha.Minha . O sexo de Blaire ainda estava me apertando com força enquanto espasmos atingiam seu corpo. Cada vez que ela apertava o cerco contra meu pau, eu chorava. Era como se eu estivesse voltando mais e mais. Não havia um fim nisso. Finalmente, seu corpo começou a relaxar, liberando meu pau da braçadeira de nirvana pura que tinha sido puxado para dentro. Seus braços em volta do meu pescoço e ela caiu em mim, completamente gasta. - Nunca. Nunca, em toda minha vida. - eu consegui ofegar através da falta de oxigênio. - Isso foi. . . Deus, Blaire, eu não tenho palavras. - Eu não conseguia parar de tocá-la. Acariciando suas costas e colocando a bunda na minha mãos, deixei meu corpo aproveitar o rescaldo. - Acredito que a palavra que você está procurando é espetacular. - disse Blaire. Riso borbulhava em seu peito e ela se inclinou para trás para olhar para mim. - O sexo mais espetacular já conhecido pelo homem. - eu assegurei a ela. – Você acabou comigo. Você sabe disso, né? Estou morto. Ela mexeu no meu colo. Eu ainda estava enterrado dentro dela. Eu não estava pronto para me mover ainda. O fato de que meu pau podia sequer mexer novamente logo após o sexo me surpreendeu. - Hmmm, não, eu acho que você ainda pode funcionar. - disse ela, sorrindo maliciosamente. - Deus, mulher, você vai me ter duro e pronto novamente. Eu preciso te limpar. - Eu disse a ela. Ela olhou para mim com uma emoção que eu estava com muito medo de esperar, então seguiu o meu lábio inferior com o ponta do dedo. - Eu não vou sangrar novamente. Eu já fiz isso. - disse ela timidamente. Eu puxei o dedo em minha boca e chupei. Eu sabia que tinha que dizer a ela. Ela não percebeu o impacto de ter relações sexuais sem camisinha. Eu não 127


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines queria estragar esse momento, mas ela tinha que saber que eu não tinha nada que pudesse prejudicá-la. E se ela não estava no controle de natalidade, ainda era muito improvável que tivessemos acabado de fazer um bebê. A maioria dos casais levava meses de tentativas. Um acidente não faria isso. - Eu não estava usando um preservativo. Eu estou limpo, no entanto. Eu sempre uso camisinha e eu faço exames regularmente. - Eu disse-lhe calmamente. Ela não se moveu ou falou. Merda. – Eu sinto muito. Você ficou nua e meu cérebro meio que parou de funcionar. Eu juro que não tenho nada. - eu assegurei. - Não, está tudo bem. Eu acredito em você. Eu não pensei sobre isso, também. - disse ela, o choque ainda no rosto. Puxei-a contra mim. - Bom, porque isso foi do caralho inacreditável. Eu nunca senti issosem preservativo. Sabendo que eu estava em você e senti você nua me fez malditamente feliz. Você foiincrível. Quente, molhada e apertadinha ...muito apertadinha. Ela balançou contra mim e meu pau começou a crescer novamente. Deus, ele se sentiabem. – Mmm. - ela murmurou. Eu queria mais. Assim. Apenas aqui. Mas. . . - Você está em qualquer controle de natalidade? Ela balançou a cabeça. É claro que ela não estava. Ela não tinha razão de estar. Nós íamos ter que mudar isso, no entanto. Eu teria que tê-la nua novamente. Agora que eu sabia como ela se sentia, não havia como voltar atrás. Gemendo, me movi até que eu já não estava enterrado dentro dela. - Nós não podemos fazer isso de novo até você estar. Mas você me deixou duro novamente. - Eu abaixei e corri meu dedo sobre seu clitóris inchado. Ela já estava ligada novamente, também. - Tão sexy. - eu sussurrei, enquanto eu observava o pequeno botão pulsar contra meu polegar. Ela jogou a cabeça para trás e gemeu. Eu precisava tê-la novamente. Gostaria dedar-lhe umtempo. Eu só. . . Ah, porra, eu tinha que estar dentro dela. - Blaire, venha tomar um banho comigo. - eu disse. - OK. Ela me deixou guiá-la ao banheiro. Liguei o piso aquecido quando entramos de modo que opiso de mármore não estaria tão frio para os pés descalços. Então eu me virei nos chuveiros e na opção a vapor. Voltando, eu peguei a mão dela. Eu quero você no chuveiro. O que nós fizemos lá foi a melhor foda que eu já tive na minha vida. Mas, aqui, vai ser mais lento. Eu vou cuidar de você. - Eu a puxei para o chuveiro grande. A água nos atingiu diretamente de cima e dos dois chuveiros montados em cada parede lateral. Fechando a porta, eu pressionei o vedante para que o vapor enchesse o chuveiro. Blaire estava olhando em volta com admiração. - Eu não sabia que eles faziam chuveiros deste tamanhos oucomplexos. Você tem água vindo de toda parte e este vapor? Sorrindo, eu a puxei para cima em direção ao grande banco. - Segure-se em meus ombros. - Eu disse a ela, antes de descer, tendo sua perna, e levantando-a até que seu pé estava no banco. Sua vagina estava completamente aberta para mim e eu não disse nada mais. Enchi minhas mãos com sabonete 128


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines líquido e trabalhei em ensaboar antes de me mudar para lavar o interior de suas coxas. - Rush! - Ela suspirou, apertando meus ombros e inclinando-se mais para mim. Continuei lavando meu semen de suas coxas, onde havia vazado para fora dela, deixando-a pegajosa. Levantando minha cabeça, vi seu rosto quando eu toquei suas dobras sensíveis. Eu não queria machuca-la, eu só queria limpá-la. Suas pálpebras se fecharam, ela gemeu e balançou contra minha mão. Eu queria lava-la em primeiro lugar, antes de me afundar nela de novo, mas se ela continuasse assim, eu não ia ser capaz de parar. - Sente-se bem? - Eu perguntei a ela. Ela apenas balançou a cabeça. Seus olhos se fecharam, sua cabeça ligeiramente inclinada para trás. O água tinha encharcado seu cabelo e foi puxado para trás de seu rosto. Eu a beijei na testa e por suas bochechas enquanto eu continuava a lavar. - Está dolorida? - Eu perguntei ao seu ouvido. Ela estremeceu. - Sim. Mas eu gosto de estar dolorida. Sabendo que você me fez dolorida de. . . - Ela fez uma pausa. - Me foder. - ela terminou em um sussurro. - Blaire, gata,vou ter que transar com você agora. Você não deveria ter dito esse palavrão. Eu não posso continuar a ser bom e fazer você se sentir melhor. A borda da minha voz deu como eu estava perto de agarrá-la e dobrá-la. Ela abriu os olhos eo calor em seu olhar me queimou. - Você vai me foder contra a parede? - ela perguntou, com a respiração pesada. - Qualquer maneira que você quiser, doce Blaire. Eu coloquei minhas mãos e enchi de água, que eu usei para limpar o sabão entre as pernas. Quando eu tinha tudo terminado, eu agarrei-a e empurrei-a contra a parede. Mas eu tive cuidado. Eu estava fazendo suave e fácil agora. Ela poderia dizer que ela gostava, mas amanhã ela iria estar sensível e eu tive que lembrar de ser gentil. - Eu não estou usando um preservativo. Eu não posso. Eu preciso sentir você. Mas eu juro que vou sair antes de gozar. - eu disse a ela. - OK. Só por favor, Rush, coloca. - ela implorou. Meu controle estalou.

129


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 25

Abrindo meus olhos contra a luz do sol, percebi que eu tinha esquecido de fechar as cortinas ontem à noite. Em seguida, o cheiro de Blaire me atingiu e eu rolei para uma cama vazia. Merda. Ela tinha ido embora. Eu tinha dormido além do horário dela sair para o trabalho. Droga. Eu queria um beijo de bom dia. Será que ela lembrou de tomar café da manhã? Frustrado, eu joguei as cobertas e me sentei. Blaire tinha um trabalho. Eu tinha que aceitar isso. Ela não me deixaria não aceitar. Mesmo que seja sugado. Eu não gostava dela trabalhando muito, especialmente depois que eu a tinha mantido ocupada a maior parte da noite. Houve muito pouco sono. Ela ia estar tão cansada hoje. Quando ela saísse do trabalho, gostaria de alimentá-la e, em seguida, dar-lhe um massagem e banhá-la. Hoje à noite eu iria compensar o fato de que eu tinha fodido ela como um louco toda anoite. Gostaria de ir para a cama cedo. Iria levá-la a descansar. Eu poderiaevitar de foder ela por uma noite. Mas eu provavelmente iria comer sua buceta. Eu nãotinha tanto autocontrole. Eu decidi pular o chuveiro. Eu podia sentir o cheiro Blaire na minha pele, e eu não estava disposto a lavar fora ainda. Eu queria ser lembrado pelo resto do dia de como porra eu tinha sorte. No momento que eu tinha feito o meu caminho para baixo, para conseguir algo para comer, era quase meio-dia. Acampainha tocou e em seguida urgentes batidas. - Rush! Abra a porta! Minhas mãos estão cheias! - Nan gritou do outro lado. Merda. Abri a porta, e minha irmã ficou lá, com o cabelo com rolos grandes, várias bolsas de compras e um saco de roupa que dizia: “Marc Jacobs." Que diabos? - Nan, por que você está na minha porta com sacolas de compras? E da última vez que verifiquei, não havia um Marc Jacobs ou - Olhei para os sacos em suas mãos - Burberry ou Chanel ou Saks em Rosemary Beach. De onde é que esta merda veio? Nan baixou as malas e me olhou como se eu era o único que tinha ficado louco. - Manhattan. Eu comprei quando estive lá no mês passado. Eu tenho dois vestidos de Marc Jacobs que não tenho certeza. E, em seguida, os sapatos. . . isso é outra história. Eu não posso nem começar a decidir. Eu preciso saber o que você está pensando em usar e eu preciso usar o banheiro no quarto da mamãe para meu cabeleireiro arrumar meu cabelo e maquiagem. Há mais espaço aqui que na minha casa. Além disso, desta forma, podemos ir juntos. disse ela, como se nada do que ela dizia fazia sentido. Eu não tinha ideia do que diabos ela pensou que eu estava fazendo, mas se uma Blaire nua não estava envolvida, eu estava fora. - O que você está falando? - Eu perguntei, desejando que eu tivesse conseguido pelo menos uma xícara de café antes de Nan chegar com a sua loucura. Ela congelou no meio da escada e se virou para olhar para mim. O rosto dela dizia o drama estava prestes a acontecer. Merda. - Hoje à noite, Rush. 130


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Esqueceu? Sério? - A voz de Nan foi uma oitava acima e eu sabia que ela estava prestes a ficar histérica. Foda-se, eu precisava de um pouco de café. - Oh, meu Deus! Você se esqueceu. Você está tão envolvido com ela que você não pode se lembrar de algo importante para mim. - Nan agora estava gritando. Fechei os olhos e esfreguei as têmporas, esperando não acabar com uma dor de cabeça daquelas. Eu só queria beber café e planejar a minha noite com Blaire. Não desta bagunça. - Nan, eu acabei de acordar. Por favorpare de gritar comigo. - eu disse. - Pare de gritar? Você realmente vai me dizer para parar de gritar quando o meu próprio irmão se esqueceu de que hoje à noite é o baile de debutantes? Eu estive planejando meu baile de debutantes desde que eu tinha cinco anos. Voc ê sabe disso. Você sabe o quão importante é esta noite. Mas você esqueceu ! Filho da puta. Eu não queria acompanhar minha irmã a um baile onde um grupo de mulheres mimadas vestidas tentando superar uma a outra durante horas. Blaire não entrava nessa equação e eu queria estarcom Blaire. - Você não quer ir. - disse Nan, com um gemido alto. Ela parecia uma criança. - Eu esqueci. Desculpe. Mas você não tem mencionado isso em meses, e você sabe que isso não é a minha praia. Nan jogou a bolsa em sua mão. Grande. Nós íamos ter um tempo de acesso de mau humor com artigos de vestuário que me custaram uma malditafortuna. Blaire estava trabalhando duro diariamente e minha irmã estava comprando sapatos com o meu dinheiro que custavam mais do que Blaire poderia fazer em duas semanas. Porra injusta. Eu odiava isso. Eu odiava não ser capaz de dar a Blaire tudo o que ela queria. - Você está dizendo que você não vai me levar, Rush? Eu não tenho pai aqui para me levar. Você é o único irmão que eu tenho. Meu acompanhante tem que ser um membro da família, que também é um membro do clube. Eu não tenho mais ninguém. Sóvocê. - Ela não gritava mais. Ela parecia ferida. A menina perdida que precisava de seu irmão mais velho para salvar o dia. - Claro, eu estou indo levá-la, Nan. Eu apenas esqueci. E você começou a gritar comigo antes que eu tivesse qualquer porra de café. - eu disse, não querendo ver a tristeza em seus olhos. Ela fungou e assentiu rigidamente. - OK. Obrigada. - disse ela, em seguida, se abaixou para pegar a bolsa que ela tinha derrubado. - Depois de tomar café, você poderia trazer minhas outras sacolas para cima? - ela perguntou, enquanto ela continuava a subir os degraus. Ela não precisava de mim para responder. Ela sabia que eu iria fazê-lo. Eu fui para a cozinha. Eu tive que colocar a minha raiva sob controle. Indo para essa coisa louca desta noite não era justo com a Nan. Era apenas uma noite. Eu explicaria a Blaire. Ela iria entender, porque ela era. . . Blaire. Ela não esperava que eu fizessenada. Ela não exige nada de mim. Ela era a primeira pessoa na minha vida que me queria por mim. Não por favores. 131


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Meu peito apertou. Ela provavelmente estaria dormindo no momento em que eu chegasse em casa. Eu queriaela na minha cama. Eu não queria que ela fosse dormir no outro quarto. Eu não estava dormindo sem ela. Eu derramei meu café e bebi, depois servi outra taça, antes de voltar para o hall de entrada parapegar toda a merda que Nan tinha trazido para dentro. Ela estava descendo as escadas quando eu comecei a subir. - Você tem a combinação da caixa de joias da mamãe? Quero usar o colar de safira que ela comprou na Tiffany, no Natal. - Eu vou desbloqueá-lo para você. - Eu não ia dizer-lhe para ligar para a mãe. Havia uma boa chance que mamãe diria não, e, em seguida, Nan iria quebrar e eu teria que limpar essa bagunça, também. Nan sorriu. - Obrigada! Eu vou usar um dos vestidos de Marc Jacobs e o colar vai combinar perfeitamente. Eu acho que ela comprou os brincos que vão muito bem com eles, também. Ou ela os emprestou. - Nan acenou com a mão, como se isso não importasse. - Nada demais. O colar vai bem com o diamante de lágrimas. Deixei-a tagarelar sobre a joia, levei as malas para o quarto da mamãe, e caiu themon da cama. Eu tive vários smokings aqui; Gostaria apenas de escolher um. O que eu estava usando não era um problema. Mas eu precisava falar com Blaire primeiro. Deixar que ela soubesse onde eu estaria hoje.

Descobri que ela estaria trabalhando. Minhas chamadas tinha ido direto para o correio de voz, o que significava que seu telefone tinha sido desligado ou morto, o que não era de surpreender, sabendo Blaire e da importância que ela colocou em ter um telefone celular. Quando liguei para o clube, eu tinha conversadocom Woods no telefone. Ele me informou que Blaire estava ocupada. Eles estavam atarefados na preparação para esta noite. Então ele me disse que Blaire estaria trabalhando e me advertiu que, se Nan dissesse uma coisa a Blaire, ele a teria escoltada para fora. Depois ele desligou na minha cara. Porra. Eu estava chegando no clube em um smoking e com a minha irmã no meu braço, vestida como uma princesa. Lidar com o fato de que Blaire estaria servindo esta noite, enquanto eu estava lá vestido assim, com destaque para nossas diferenças, estava fodendo com a minha cabeça. Porra, eu odiava isso. Eu queria Blaire em um vestido que eu tinha pago uma quantidade absurda de dinheiro e sorrindo com entusiasmo. Eu queria que o mundo visse que ela era minha. Que ela estava comigo. Mas esta noite era a minha irmã. Se eu pudesse passar por isso, então eu nunca estaria nessa posição novamente. Blaire nunca iria servir em outro evento que eu estivesse assistindo. Ela estaria na porra do meu braço, onde ela pertencia. - Lembre-se do que eu disse sobre Blaire. Você não fala com ela, a menos que você esteja indo para dizeralgo agradável. Woods vai ter você escoltada para forae eu vou ajudá-lo. Você me entendeu? Eu não estousoprando fumaça, Nan. 132


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Nan assentiu rigidamente. - Eu não vou dizer nada para ela. Eu juro. Agora, você poderia por favor parar de fazer isso sobre ela e me deixar aproveitar a minha noite? Você ainda não disse nada sobre a minha aparência. Ela estava linda, mas ela era sempre linda. Nan tinha uma beleza elegante que era impossível esconder. - Você está linda. Ninguém vai se comparar. - eu assegurei a ela. Ela sorriu para mim e eu me senti culpado por não pensar sobre o fato de que eu não tinha mencionado como ela parecia antes. Eu estava tão concentrado em Blaire que eu não tinha pensado nisso. Nan precisava de mim esta noite. Eu tinha que pensar nela. Durante algumas horas. Isto era para Nan. – Obrigada. - disse ela, sorrindo como aprincesa que sabia que era. - Vamos. - eu disse, oferecendo meu cotovelo para ela pegar. Nós caminhamos até a entrada e um homem em um smoking nos sorriu e acenou com a cabeça. Ele anunciou nossos nomes quando entramos no salão. Todos os olhos viraram para nós. Este era o momento de Nan. Ela queria explodir as outras meninas fora da águanaprimeiro impressão, e ela o fez. Eu não tinha dúvida. Quando Nan viu uma de suas amigas, ela apertou minha mão e foi se juntar a ela. Se ao menos foi isso. Eu tinha mais três horas desta merda. - Você falou com ela? - Disse Woods, parando ao meu lado. Eu balancei a cabeça. - Ela vai estar em seu melhor comportamento. Se ela disser uma coisa, eu vou ajudá-lo a acompanhá-la para fora. Ela sabe disso. Woods, olhou para o salão e assentiu. Ele começou a sair, mas parou e mexia com as suasabotoaduras, antes de olhar para mim. - Eu espero que você saiba o que está fazendo. - disse ele simplesmente, em seguida, afastou-se para cumprimentar alguns dos membros mais velhos, de pé nas proximidades. Woods era aqui como um anfitrião esta noite. Ele não estavacom ninguém. Eu não deixei suas palavras me incomodarem. Ele estava amargo, porque eu tinha sido o único que Blaire escolheu. Eu nãodeixaria os seus comentários chegarem até mim. Eu tinha que me preparar para ver Blaire trabalhando. Servir estes pomposos idiotas e suas filhas mimadas. Eu caminhei até a parede mais distante e esperava que não teria de falar com muitas destas pessoas. Vários pararam e falaram comigo, eu balancei a cabeça, forçando um sorriso. Olhando para o meu telefone, eu percebi que tinha duas horas e quarenta e cinco minutos. Em seguida, eu a vi. Ela entrou no salão segurando taças de champanhe e com um sorriso no rosto. Todo salão parecia se iluminar com a sua presença. Os membros ou a ignoravam e serviam de bebidas ou falavam com ela, com um sorriso amigável. Eu percebi que a maioria dos jogadores mais velhos queriam falar com ela. Ela era popular com eles, sem dúvida. Suas esposas até sorriam com carinho para ela. Uma vez que ela terminou de circular pela sala, ela saiu e eu me senti perdido. Ela não tinha me visto, nem parecia estar olhando para mim. Eu esperava que ela iria varrer a multidão por mim. Mas ela não tinha. Nem uma vez.

133


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Será que ela não queria me ver? Será que ela pensava que eu não queria vê-la? Foda-se. . . se ela não sabia que eu estava aqui? Me ver com Nan seriauma surpresa? Não tinha Woods dito a ela que eu estaria aqui? Antes que eu pudesse ficar muito excitado, Blaire caminhou de volta para a sala, carregando uma bandeja de martinis. Ela fez mais uma rodada. Quando ela finalmente se virou e seus olhos encontraram os meus, eu senti como se meu fôlego parasse. Um pequeno sorriso tocou seus lábios, eu lutei contra a vontade de tomar a maldita bandeja fora de suas mãos e empurrá-la longe das pessoas que chegavam para bebidas. Forcei um sorriso que eu não sentia, e então alguém falou com ela, ela virou-se para sorrir para eles. Ela não olhou para trás, onde eu estava novamente, antes que saisse do salão. - Rush. - Nan chamou. Eu a vi apontando para o lugar onde ela estava. Ela estava com oDrummond e sua filha, Paris. Nan e Paris tinha ido para o internato juntas. Eu tinha certeza que em algum momento, eu tinha feito com Paris quando ela tinha estado em nossa casa. Eu não estava certo de que tinha realmente feito sexo. Ela ainda tinha dezessete anos e eu não metia com as ilegais. Nan agarrou minhas mãos, me aproximando e me reintroduzindo pessoas que eu já conhecia. Eu balancei a cabeça e ouvi Nan e Paris falar sobre sua última viagem de esqui juntas. Quando Nan ficou tensa ao meu lado, eu me virei para olhar para a porta, sabendo que Blaire devia ter entrado na sala. Bethy estava conversando com Blaire, mas Bethy não estava trabalhando. Ela estava vestida. Confuso, eu assisti quando Jace entrou na multidão para se juntar a Bethy. Ele trouxe Bethy como sua acompanhante. Eu não esperava isso. Ele estava fazendo uma declaração de que ela era mais do que uma transa para ele. O sorriso no rosto de Blaire não me surpreendeu. Ela nunca estava com ciúmes. Ela estava feliz pelas pessoas. Bethy estava aqui como convidada, porque Jace tinha trazido, mas Blaire estava servindo as pessoas, enquanto eu estava em uma porra de smoking. Será que ela pensava que eu não queria reconhecê-la como algo mais do que apenas uma foda? Senti meu estômago doente. Ela tinha que saber a verdade. Blaire nunca olhou na minha direção, mas ela sabia que eu estava olhando para ela. Oconjunto tenso de seus ombros me disse que estava me ignorando. Merda. Filho da puta. Ela estava lendo a coisa errada. Eu não queria vir. Eu estava aqui para escoltar minha irmã. Eunão estavanãoquerendo reconhecer ela. Eu a estava protegendo de Nan, mas eu não iria continuar fazendo isso se significava que eu estava fazendo Blaire sofrer. - Não é verdade, Rush? – Nan disse, com a voz excessivamente brilhante soar muito estridente. Ela estava chateada. Ela não queria mever observando Blaire e isso me deixou com raiva. Eu estava aqui com Nan como ela queria. Eu tinha certeza que ela estava usando dez mil dólares de roupas e acessórios que eu tinha pago, sem contar com o colar da nossa mãe. E ela estava tentando controlar quem eu observava e falava? Foda-se, não. Ela não estava. - Desculpe-me. - disse eu, querendo ir embora, mas as unhas de Nan cravaram no meu braço.

134


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Eu estava apenas dizendo que mamãe e Abe devem estar em casa de volta de Paris. Eles não podem estar em lua-de-mel para sempre. - disse ela com um sorriso falso. Eu não os queria em casa. - Espero que não. - eu disse. As unhas de Nan cravaram mais fundo no meu braço. Eu puxei, ficando livre de seu aperto de morte. Ela riu e deu um tapa no meu braço. - Ele é um resmungão para estas coisas. Não o faz bem estar de smoking. - Ele é o filho de um astro do rock. Eu duvido que você necessite vestir um smoking, muitas vezes. - disse Drummond, em um tom divertido. Eu não apontei que meu pai rock star poderia comprar sua empresa várias vezes. Eu não ia perder meu fôlego. - Não. Não há um monte de razões para usar um. - O que está dizendo Laney para essa funcionária? Parece que ela está prestes a... -Paris bateu a mão sobre a boca e eu me virei para ver o que estava acontecendo. Blaire ficou no meio do salão com todos os escargots na frente de sua roupa ea bandeja que ela estava carregando bateuruidosamente a seus pés. Ela ficou congelada, com choque e horror. Laney, amiga de Nan, estava cacarejando de tanto rir. - Ah, e olha, ela é super desajeitada. Woods, devia ser mais exigente sobre seus funcionários. - disse Laney alto. A mão de Nan agarrou meu braço, mas eu joguei-a fora e caminhei em direção a Blaire. Essa cadela da Laney iria pagar por isso. - Saiam da frente. - Eu rugi, empurrando Laney e seus amigos fora do meu caminho, para que eu pudesse chegar a Blaire. Agarrando-a pela cintura, eu olhei para ela. - Você está bem? - Eu perguntei, verificando se havia qualquer escargot preso no corpo que não fosse o lodo amanteigado todo sobre ela. Ela assentiu com a cabeça, mas seus olhos estavam brilhando com lágrimas não derramadas e eu estava pronto para começar a rasgar membros dos corpos. Ninguém estava autorizado a tocá-la. Ninguém. Eu não podia virar para olhar completamente em Laney. Eu estava muito perto de machucá-la. - Não se aproxime de mim ou dela novamente. Entendido? - Eu disse em uma voz destinada para Laney e qualquer outra pessoa em torno, que pensava quebrincar com Blaire era aceitável. - Por que você está com raiva de mim? Ela é a única desajeitada. Ela despejou toda a bandeja sobre si mesma. -Laney disse com uma voz estridente, irritante. Deus, ela era uma vadia. -Se você proferir mais uma palavra, eu vou ameaçar de remover todas as minhas contribuições deste clube até você ser expulsa. Permanentemente. - Eu avisei a ela. - Mas,Rush, eu sou amiga da Nan. Sua amiga mais antiga. Você não faria isso comigo. Especialmente não por causa de uma empregadinha. - Laney soou chocada. Eu estava prestes a dar-lhe algo para ficar chocada.

135


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Pague para ver. - eu disse, nivelando meu olhar furioso sobre ela para que soubesse que não devia ir lá comigo. Virei de volta para Blaire. - Você vem comigo. - eu disse a ela. Olhei para trás,para ver Bethy ali de pé, pronta para dar a Laney um direito na frente de todos. - Eu estou com ela Bethy. Volte para Jace. - eu disse. Então, eu me virei de volta para Blaire. - Cuidado com os os caracóis; eles são escorregadios. - Eu tinha que tirá-la daqui. Com segurança. Ela havia se machucado. Eu não tinha protegido ela novamente. Eu devia ter estado aqui com ela. Eu estraguei tudo. Isso foi minha culpa. Eu sempre falho com ela. Quando sai do salão para o corredor escuro que levava de volta para a cozinha e escritórios, Blaire se desvencilhou de mim e se afastou. Ela cruzou os braços sobre o peito em um movimento defensivo. Ela estava chateada. Eu tinha deixado isso acontecer. - Blaire, eu sinto muito. Eu não estava esperando algo assim acontecer. Eu nem sabia que ela tinha problemas com você. Eu vou falar com Nan sobre isso. Tenho a sensação de que tenha algo a ver com isso... - A ruiva me odeia por causa do interesse de Woods em mim. Nan não tinha nada a ver com isso e nem você. Isso não fazia sentido. Por que Laney estava chateado sobre Woods? – Woods continua dando em cima de você? Os olhos de Blaire se arregalaram, ela se virou e começou a sair. Estendi a mão e agarrei seubraço. Essa foi a coisa errada a dizer. Droga de ciúm e. Eu tinha que ter um controle sobre isso. - Blaire, espera. Desculpe. Eu não deveria ter perguntado isso. Essa não é a questão agora. Eu queria ter certeza de que você estava OK e ajudá-la a se limpar. - Parecia que eu estava implorando, o que estava, até certo ponto. Ela soltou um suspiro e os ombros caíram. – Estou bem. Eu preciso ir para a cozinha e ver se euainda tenho um emprego. Fui avisada por Woods esta manhã que algo como isso poderia acontecer e seria minha culpa. Então, agora, eu tenho problemas maiores do que de repente você sentir a necessidade de ser mostrar possessivo. O que é ridículo. Porque você estava fazendo o seu melhor para me ignorar até esteincidente acontecer. Rush, ou você me conhece ou não me conhece. Escolha uma equipe. - Ela empurrou a minha mão e encaminhou-se para a cozinha novamente. Ela estava com raiva porque eu a tinha ignorado? Eu tinha visto ela em cada movimento, caramba. - Você estava trabalhando. O que você queria que eu fizesse? - Eu perguntei a ela. Ela parou e eu levei a minha chance para defender minhas ações. – Se eu tivesse cumprimentado você, teria dado a Nan razão para atacála. Eu estava te protegendo. Os ombros de Blaire cederam. - Você está certo, Rush. Você me ignorar impediria de Nan me atacar. Simplesmente sou a garota que você comeu nas últimas duas noites. Considerando bem, eu não sou especial. Eu sou maisuma entre muitas. - Então ela correu de mim. Fiquei ali, congelado, tão malditamente confuso. O som do bater portas ecoou pelo corredor. Ela ficou magoada. Eu estava fazendo o que eu pensei que ela queria que eu fizesse, e eu a machuquei.

136


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Será que ela realmente acha que ela era apenas uma garota que eu comi? Deus, como poderia ela não ver o que ela significava para mim? Eu estava tão completamente obcecado por ela que ela controlava cada decisão queeu tomava. Que diabos ela esperava de mim? Eu a amava, caramba!

137


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 26

Nan veio espreitando para fora do salão. Seus olhos me encontraram ali de pé, sozinho e a fúria que eu sabia que estava fervendo sob a superfície explodiu. - Como você pôde fazer isso comigo? - Ela exigiu. - Essa era minha noite. Eu só precisava que você a ignorasse por uma noite e você não pode fazê-lo. Nem mesmo por uma hora! - Chega! - eu disse, segurando minha mão. Eu não estava pronto para isso. Eu tinha que encontrar Blaire. - Não me diga para parar. Você me humilhou lá. Você ameaçou minha amiga, um membro desta clube, porque uma funcionária foi desajeitada! Dei um passo em direção a Nan. - Laney despejou a bandeja em cima dela. Você sabe disso. Paris viu. Bethy viu. Você não me corrija. Passos me interromperam antes que eu pudesse dizer mais alguma coisa. Virei-me para ver Blaire, ainda coberta deporcaria, parecendo que queria rastejar para o buraco mais próximo. Ela saiu correndo em direção à porta que levava para fora. - Blaire, espere. - Eu chamei. Eu tinha que falar com ela. - Deixe-a ir, Rush. - Nan exigia. - Eu não posso. - eu respondi e sai correndo atrás de Blaire. A porta se fechou atrás de Blaire, mas eu a empurrei e segui para fora. - Blaire, espere. Fale comigo. - eu implorei. Ela parou de andar, e eu cheguei nela. Ela estava me dando uma chance. - Desculpe, mas você está errada. Eu não a ignorei lá dentro. Pode perguntar a qualquer um. Meus olhos nunca te deixaram. Se houve qualquer dúvida na mente de qualquer pessoa como eu me sentia sobre você, o fato de que eu não podia desgrudar os olhos de você, enquanto você andava pelo salão, já dissipou essa dúvida. - Eu tinha que dizer isso direito. Eu não podia estragar isso. Eu precisava que ela entendesse como eu me sentia. - Então eu vi o olhar em seu rosto quando você viu Bethy com Jace. Algo dentro de mim se rasgou. Eu não sabia o que você estava pensando, mas eu sabia que você tinha percebido o erro de hoje à noite. Você nunca deveria ter estado lá servindo convidados. Você deveria ter estado ao meu lado. Eu quero você ao meu lado. Estava tão tenso esperando para alguém para fazer um movimento errado em direção a você, que eu esqueci de respirar na maioria das vezes. Meu olhar caiu para os punhos cerrados ao lado do corpo. Eu odiava vê -la assim. Passei o dedo sobre sua mão. - Se você pode me perdoar, eu prometo que isso nunca vai acontecer de novo. Eu amo Nan. Mas cansei de tentar agradá-la. Ela é minha irmã, mas ela tem alguns problemas que ela precisa resolver. Eu disse a ela que iria contar tudo para você. Há algumas coisas que você precisa saber. - Eu não tinha a intenção de dizer o que, mas eu tinha que fazer. Eu ia perdê-la se eu não contasse a ela agora. Eu diria a ela que a amava pela primeira vez. Eu queria que ela soubesse disso. – Estou tendo que administrar o fato de que você talvez 138


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines me abandone quando você souber dessas coisas enunca mais volte. Isso está me assustando como o inferno. Eu não sei o que é isso que está acontecendo entre nós, mas no momento em que coloquei os olhos em você, eu sabia que você ia mudar meu mundo. Eu estava apavorado. Quanto mais eu olhava para você, mais você me atraia.Por mais que eu chegasse perto, não era o suficien te. - Tudo bem. - ela disse simplesmente. O que isso significa? – Tudo bem? - eu perguntei. Ela assentiu com a cabeça. - OK. Se você realmente quer ficar tanto comigo, que você está disposto a se abrir para mim, em seguida, OK. Um sorriso tocou os meuslábios. Porra, ela sempre me fazia sorrir. - Eu só mostrei a minha alma para você e tudo o que eu recebo é um 'OK'? - eu perguntei. - Você disse tudo o que eu precisava ouvir. Eu estou fisgada agora. Você me tem. O que você vai fazer comigo? O alívio que correu através de mim fez meus joelhos fraquejarem. Eu tive que manter a calma. Eu não poderia assustá-la com a minha intensidade. Inferno, ela me assustou. –Estava pensando em fazer sexo no buraco XVI perto do lago seria legal. Blaire inclinou a cabeça para o lado e agiu como se estivesse pensando. Hmmm. . . problemas, eu deveria mudar e ir trabalhar na cozinha o resto da noite. Não era o que eu queria ouvir. - Merda. Ela se aproximou de mim e deu um beijo na minha mandíbula. - Você tem uma irmã para acompanhar. - disse ela. Eu não ia fazer isso através desta noite. -Tudo o que posso pensar é estar dentro de você. Ter você pressionado perto de mim e ouvir você fazer esses pequenos gemidos tesudos. O desejo cintilou nos olhos de Blaire quando suas pupilas dilataram. Eu decidi continuar falando, já que ela gostou. - Se eu pudesse ir embora facilmente com você, eu levaria vocêpara aquele escritório e a pressionaria contra a parede e me enterraria bem fundo dentrode você. Mas eu não posso ter um rapidinha com você. Você é muito viciante. As mãos de Blaire ainda estavam em meus ombros. Ela apertou-os, e sua respiração acelerou. - Vá mudar de roupa. Eu vou ficar aqui assim evito qualquer tentação. Então eu vou levá-lade volta para a cozinha. - disse a ela. Ela respirou fundo, deu um passo para trás e entrou para se mudar. A tentação de ir lá com ela e fazer amor antes de enviá-la de volta ao trabalho foi difícil de ignorar. Mas ela queria terminar esta noite trabalhando. Era importânte para ela. Eu queria provar a ela que o que era importânte para ela era importânte para mim. Quando ela voltou, ela estava usando um uniforme limpo e sorrindo para mim. 139


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Tem certeza que você não quer me levar de volta para o buraco XVI? Eu prometo que vou ser rápido. Apenas me deixe lamber sua bucetinha até você gozar. Blaire tremeu e deixou escapar um suspiro. - Rush, não diga isso. Eu não posso. Eu tenho que voltar ao trabalho e eu não quero Jimmy se perguntando por que eu sou um amontoado de nervos. Sorrindo, peguei a mão dela e entralecei os dedos com os dela. - Você limpa bem. - eu disse a ela, provocando. Blaire riu. -Tenho certeza que cheiro melhor agora, também. - disse ela. Eu puxei ela para o meu lado e abaixei a cabeça para cheirar. – Você sempre cheira incrível, doce Blaire. Ela se inclinou para mim e mudei a minha mão para dobrar a sua ao meu lado, enquanto eu caminhava de volta para o construção e para a porta da cozinha. - Eu vou te beijar. Eu sei que você está no trabalho, mas agora, eu não me importo. Eu preciso te provar. – Eu me inclinei para pressionar os meus lábios contra os dela. Lambi seu lábio inferior, puxei-o para dentro da minha boca e chupei, em seguida, deixei-a ir com um beijinho relutante. Blaire me lançou um último sorriso antes de sair me deixando lá, sem ela.

Caindo na rotina e terminar a noite tinha sido um inferno. Mas eu tinha feito isso e Nan parecia feliz. Ela conversou no caminho de volta para casa sobre uma viagem de compras que ela queria fazer com Paris e perguntou se eu tinha falado com a mamãe. Quando Nan havia se afastado, deixei escapar um suspiro de alívio e fui para dentro de casa. Blaire estaria em casa em breve e eu ainda estava dando a ela aquela massagem. Ela mais do que nunca necessitava agora. Ela esteve trabalhando todo maldito dia. Eu andei pela cozinha, no meu caminho para as escadas. A garrafa vazia de cerveja e o copo de vinho no bar me parou no meu caminho. Naquele momento, o mundo parecia que tinha deixado de girar e eu estava me movendo em câmera lenta, em direção ao copo. Batom vermelho familiar no vidro fez meu estômago revirar. Foda-se, não. Ainda não. Deus, ainda não. Eu precisavadehoje à noite. Filho da puta. Eu precisava de mais uma noite. Ela não estava pronta. Eu tinha que planejar isso. Merda! Fui para as escadas e subi dois de cada vez, a necessidade de ver por mim mesmo. Enquanto eu caminhava pelo hall, vi que a porta para o quarto da minha mãe estava fechada. Eles estavam lá. Eu sabia que eles estavam. A porta estava aberta normalmente. Eu não toquei a porta. Eu estava com medo de vêlos. Eu estava com medo quedestruissem isso. Eles iriam dizer-lhe tudo e mandá-la longe de mim. Não. 140


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Deus, não. Não, não, não.

Ela não voltou para casa por horas. Eu não sei quantas; Eu só sabia que era tarde. Eu estava sentado fora da minha porta, no chão, esperando por ela. Olhando fixamente para a frente. Precisando vê-la, abraçá-la e saber que ela estava aqui comigo. Ela não tinha ido embora. O som da abertura da porta da frente enviou o meu coração em um frenesi selvagem. Blaire estava em casa. Isso poderia ser. O fim. Não. Não. Não. Eu não permitiria isso. Eu faria com que ela me amasse. Senhor, faça-a me perdoar. Quando ela parou no degrau mais alto e me viu, eu sentei lá e levei -a dentro. Minha doce Blaire. Ela tinha aparecido e roubado um pedaço do meu coração sem abrir a boca. Então ela me consumiu. Tomoutudo. Eu tinha deixado ela ter-me livremente. Ela começou a andar em minha direção, eu me levantei e fui até ela. - Eu preciso de você lá em cima. Agora. – O desespero em minha voz pareceu surpreendê-la, mas ela não me questionou. Eu peguei a mão dela e puxei-a para minha porta. Eu tinha que me apressar e enfiá-la no meuquarto. Longe deles. Puxei-a para dentro e fechei a porta, antes de me virar para ela e pressioná-lacontra a parede. Corri minhas mãos pelo corpo dela, memorizando cada curva. Não foi o suficiente. Eu precisava das roupasfora. Agarrando a frente da camisa que ela estava usando, eu arranquei-a aberta. Eu não tinha tempo para os botões. Ela suspirou e eu cobri sua boca com a minha. Eu esfaqueie o doce calor com a minha língua ao longo e mais, enquanto eu fazia o trabalho rápido de abrir seu short e empurrar pela suas pernas. Ela estava nua. Minha Blaire. Minha perfeita, doce Blaire. Rosnando contra sua boca, eu sabia que precisava de mais. Ela não estava me deixando. Eu não podia deixá-la sair. Eu a empurrei de volta para a escada e puxei os sapatos, em seguida, puxei seu short e calcinha para fora do caminho. Completamente nua. Apenas para eu ver. Ninguém mais. Jamais. Apenas para mim. Caindo de joelhos, eu empurrei-lhe as pernas e passei a língua até sua fenda, lambendo o clitóris que já estava inchado e pronto para mim. Blaire gritou meu nome e caiu para trás nos cotovelos. Seu coxas se abriram mais quando eu deslizei minha língua dentro dela, antes de passá-la ao longo das dobra sensíveis, novamente. Meu nome era um cântico em seus lábios. Comecei a beijar a pele macia de suas coxas e ela tremia de necessitados gemidos. - Minha. Você é minha. – Elevando a minha cabeça, eu olhei para ela. Minha. Esta bucetinha deliciosa é minha, Blaire. – Era minha. Ela estremeceu quando eu pressionei meu dedo dentro de seu calor. - Diga que ela é minha. - eu exigi.

141


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Ela balançou a cabeça quando eu escorreguei ainda mais o meu dedo dentro dela. - Diga que ela é minha. - eu repeti. - É sua. Agora, por favor, Rush, foda-me . -disse ela, ofegante. Sim! Essa era a minha menina. Sim, ela era minha. Ela precisava saber que ela era minha. Isto era meu. Levantando-me, eu empurrei para baixo as calças de pijama que eu estava vestindo e chutei longe. - Sem preservativo hoje à noite. Eu vou tirar antes. Eu só preciso sentir você todinha. - disse a ela. Eu nunca colocaria uma camisinha entre nós novamente. Eu nunca quero estar separado dela. Agarrando suas coxas, me movi me deslocando para baixo e alinhando meu pau com sua entrada. Eu não podia bater nela se ela estava dolorida. Deus, ela tinha que estar tão cansada, mas eu tinha que tê-la. Lentamente, eu me mexi dentro dela. - Está doendo? - Eu perguntei, segurando-me sobre ela. - É uma delícia. - disse ela, com um suspiro. Eu ia machucá-la. Parei e tirei. - Estas escadas são muito duras para você. Venha aqui. Peguei-a em meus braços e a levei escada acima. Ela estava muito frágil hoje, para pressionar contra as escadas de madeiras duras. - Você faz uma coisa para mim? - Eu perguntei a ela, salpicando beijos em seu nariz e pálpebras, enquanto euficava ao lado da minha cama. - Sim. - respondeu ela. Eu a coloquei no chão e a agarrei, mesmo depois que seus pés tocaram o tapete. – Fique de joelhos, incline-se colocando o peito em cima da cama. Coloque as mãos sobre sua cabeça e deixei a bunda arrebitada. Eu tinha fantasiado de vê-la dessa forma. Ela não perguntou o porquê ou discutiu. Ela simplesmente fez isso. Conhecendo que ela queria me agradar tão facilmente, fez o pânico crescer. Ela era para mim. Ela tinha que saber isso. Passei a mão sobre a bunda redonda e suave que ela de bom grado apresentoupara mim. - Você tem a bunda mais perfeita que eu já vi. - eu disse a ela, enquanto eu a acariciava. Pegando com firmeza seus quadris e movendo a pernas mais afastadas, entrei em um impulso. - Rush! - Blaire gritou. - Caralho, como estou fundo. - Eu gemi e meus olhos rodaram em minha cabeça. Melhor do que eu tinha imaginado. Sempre era mais com ela. Sempre, porra, mais. Eu comecei a bombear dentro dela. Ela apertou de volta contra mim e pegou um punhado de lençol, enquanto ela gemia alto e pedia mais. Ouvindo seu prazer me fez empurrar com mais força. Eu não poderia começar a uma profundidade suficiente. Eu queria viver aqui. Trancado em seu interior. A sucção apertada agarrou meu pau, fazendo meus joelhos cederem. Eu estava perto. Descendo entre as pernas, eu deslizei minha mão sobre sua buceta. - Deus, você está todo molhada. 142


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Minhas palavras eram tudo o que precisava. Blaire contrariou de volta contra mim freneticamente, chamando meu nome. Levou todo meu controle para retirar dela e disparar a minha liberação em sua bunda. Eu queria dentro dela. O meu prazer misturado com o dela. Mas eu não poderia fazer isso novamente. Ainda. - Aaaaah! - Eu gritei, enquanto meu pau empurrava em minhas mãos e o tiro da minha carga toda sobre sua suave bunda. Vendo-me lá me fez sentir como se eu tivesse marcado ela. Eu podia vê-lo. Eu todo sobre ela. - Porra, gata, se você soubesse como incrível a sua bunda parece agora. - eu disse. Ela caiu na cama, não era capaz de manter-se para cima. Ela virou a cabeça para o lado, para olhar para mim. - Por quê? Ela não percebeu que eu tinha disparado a minha liberação. - Vamos apenas dizer que eu preciso te limpar. - eu expliquei. Um riso explodiu delae ela escondeu o rosto nos lençóis. Eu adorava ouvi-la rir. Eu também amei em pé aqui e olhando para sua bunda coberta com o meu sêmen. Essas duas coisas combinadas eram muito, muito incrível. Ela precisava dormir. Eu não poderia deixá-la aqui com o meu esperma sobre ela, porque eu era um maldito homem das cavernas. Movendo-me ao redor dela, fui para o banheiro, peguei uma toalhinha morna e molhada, em seguida, voltei para o quarto. Eu podia ver seus olhos seguindo-me eo sorriso satisfeito com sono no rosto. Eu tinha colocado aquele sorrisolá. Eu não sabia se ela deveria trabalha r amanhã ou não, mas ela não estaria trabalhando. Eu lidaria com ele. Eu tinha que falar com ela. Ela tinha que saber. O pai dela estava aqui. Era a hora que eu enfrentaria ele e lutaria por ela. Eu limpei o seu traseiro. - Tudo limpo, gata. Você pode rastejar para cima e se cobrir. Já volto. - eu disse a ela. Mas ela não se moveu. Eu andei e olhou para o rosto dela. Ela estava dormindo. Sorri pensando nela adormecendo enquanto eu estava limpando-a. O animal possessivo dentro batia em seu peito. Eu a peguei e mudei-a para o travesseiro e a cobri com cuidado. Inclinandome para baixo, eu pressionei um beijo em sua cabeça. - Eu vou resolver isso. Eu juro que vou fazer isso direito. Eu te amo o suficiente para nos levar por isso. Eu só preciso de você para me amarbastante. Por favor, Blaire. Ama-me bastante. eu implorei. Ela não se moveu. Seu lentarespiração nunca mudou. Mas eu esperava que ela tivesse me ouvido em seu sono. E que amanhã ela iria se lembrar.

143


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 27

Eu não conseguia dormir. Fiquei ali por horas, observando Blaire em meus braços. Ela se enrolou contra mim e agarrou-se a mim como se eu fosse seu único calor. O medo de que eu nunca poderia ter isso de novo era muito real. Por mais que eu não quisesse acreditar que ela fosse me deixar, eu sabia que poderia perdê-la. Como é que eu sobreviveria a isso? Puxei-a para perto de mim e segurei-a com mais força. Se eu pudesse levá-la e fugir. Nunca deixaria que ela soubesse a verdade terrível. Por que eu sempre tenho que machucá-la, quando tudo o que eu queria fazer era proteger deles? - Eu te amo. - eu sussurrei em seu cabelo. Isso tinha que ser o suficiente para nós. Eu vi o sol nascer e crescer mais brilhante na manhã. Blaire precisava dormir. Ela provavelmente dormiria até o meio-dia. Eu tinha que falar com a minha mãe e Abe antes que Blaire acordasse. Eles precisavam saber como eu me sentia sobre ela. Ela tinha se tornado a minha prioridade. Isso tinha que ser esclarecido. Fechando os olhos, eu inalei seu cheiro efiquei embebido na sensação dela em meus braços. Então, confiante. Forçando-me para sair da cama, eu me movi sobre ela e para fora dos seus braços. Eu estava pronto para descer e lidar com a verdade. A horrível, a verdade sórdida e feia que ia machucá-la. Eu não conseguia parar isso. Eu poderia apenas esperar que eu fosse o suficiente para ajudá-la a se curar. Eu. Vesti minhas roupas e me dirigi para as escadas, então parei e olhei para trás, Blaire deitada na minha cama. Ela estava enrolada nas cobertas agora. Seu cabelo loiro se espalhou por cima do meu travesseiro. Quando criança, eu tinha muitas vezes me perguntado se os anjos eram reais. Até o momento que eu tinha dez anos, eu tinha decidido que não eram. Isso era tudo besteira. Percebi agora que eu estava errado. Blaire era o meu anjo.

Abe estava de pé na cozinha, tomando uma xícara de café e olhando para fora da janela. Este era o homem que tinha abandonado a minha Blaire. Ele deixou-a enterrar sua mãe e deixou-a para descobrir tudo por conta própria. Eu o odiava. Ele não merecia Blaire. Abese voltou e encontrou meu olhar. Uma carranca puxou sua boca, e ele tomou outro gole de café antes de voltar a olhar para fora da janela novamente. Ele foi usado para o meu ódio. Mas ele não tinha ideia de quão alto tinha subido 144


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines desde que ele tinha me visto pela última vez. Eu queria começar a arrancar os braços fora de seu corpo. Só de olhar para ele me enfurecia. - Você vai perguntar sobre ela? - Eu rosnei. Ele deu de ombros. - Ela está aqui, eu presumo. - Ele presumiu. Ele não se importava. Ele só presumia. - O que te fodeu tão mal que você é tão sem coração? - eu perguntei, ódio atado em minhas palavras. - A dor que você nunca poderia entender, garoto. - ele respondeu. Sua voz era vazia de emoção. - Ela enterrou a mãe sozinha, seu filho da puta. E você sabia disso. Ele não respondeu. - Ela é tão malditamente inocente e sozinha. - eu disse, precisando delepara reconhecer ou eu ia perder a minha cabeça. - Ela não é mais, não é? Inocente e sozinha. - disse ele. Minha raiva atingiu um ponto de ebulição, atravessei a cozinha. Ele virou-se apenas a tempo para eu pegá-lo e jogar contra a parede. –Você, filho da puta de merda! Nuncamais e eu porra quis dizernunca mais insinue por um minuto que Blaire é nada menos do que inocente. Eu vou acabar com você! Eu não dou um caralho para o que você quer! - Eu estava gritando. Abe tinha deixado cair o café ea xícara tinha quebrado no chão, mas eu ignorei. Ele não olhoucomo se importasse. Havia um vazio neste homem que eu não entendia. Era como se ele não tivesse alma. - Você dormiu com ela? - Disse ele calmamente. Batiele contra a parede novamente, com força suficiente para sacudir as paredes e enviar prantos caindo para se juntar axícara quebrada. - Cale a boca! - Eu rugi. - Rush! - A voz histérica da minha mãe quebrou a minha raiva. - Não é seu assunto, mãe. - eu disse, não tirando os olhos do homem que eu estava pronto para matar com a minha mãos. - Não parece que ela está mais sozinha, também. - disse Abe. Eu engoli o medo que estava arranhando meu peito. - Ela não está. Ela nunca estará. Eu vou estar sempre lá para ela. Eu vou mantê-la segura. Eu vou cuidar dela. Ela vai sempre estarcomigo. - Minha mãe estava ao meu lado, puxando o meu braço. Blaire ia descer em breve. Eu não poderia matar seu pai. Não, a menos que ela me pedisse. Então, ele seria um homem morto. Eu o deixei ir e recuei. Cuidado como você fala com ela. Eu não quero mais vê-la sofrer. - eu avisei. - Rush, é o suficiente! – As unhas da minha mãe cravaram no meu braço, eu me livrei dela. - Não me toque, também. Você queria esse saco de merda em nossas vidas. Você o deixou sair da dela. - Eu apontei o dedo para ela. O choque da minha mãe cresceu a uma confusão quando ela olhou em volta para as coisas quebradas. - Você fez uma bagunça aqui. Vão para a sala 145


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines agora, antes que alguém se corte. Eu preciso de uma explicação para o seu comportamento. - disse ela, saindo para a sala, nos esperando para seguir. Eu a observei ir, então olhei para Abe. - Nada que você possa fazer para mim vai comparar com o sofrimento que eu passei. - disse Abe, e então ele se virou e seguiu a minha mãe, para fora da cozinha. Como é que aquele homem criou alguém como Blaire? Eu não entendia como aquela mulher lá em cima, na minha cama, poderia ser um produto deste homem. Nan eu podia ver, mas não Blaire. Eu tinha que falar com a minha mãe e Abe. Foi por isso que eu tinha me levantado e deixado minha cama com Blaire ainda enfiada nela. Entrei na sala e minha mãe olhou para mim, com a boca aberta. Aparentemente, Abe tinha lhe dito algo. - Vocês. . . você. . . Eu não posso acreditar em você, Rush. Eu sei que você tem um problema com dormir por aí, mas você tem que estabelecer um limite, em algum lugar. Essa menina usou seu corpo para manipulá-lo. Eu balancei a cabeça e caminhei em direção a minha mãe. Eu estava puto de ouvi-los falar sobre Blaire. Eu não me importava mais quem diabos dissesse isso, eles pagariam. Abe se colocou entre nós, mas sua atenção estava na minha mãe. Cuidado com o que você diz sobre ela. Blaire é minha filha. - O aviso em sua voz me surpreendeu. Não compensou para sua outra merda, mas ele defendeu ela. - Eu não posso acreditar em você, Rush. O que você estava pensando? Você sabe quem é ela? O que ela significa para esta família? - minha mãe disse em um tom horrorizado, como se eu tivesse cometido um crime. Ela culpou Blaire por algo que nunca foi culpa dela. Como era esse processo insano de pensamento que acreditava muito a minha família? - Você não pode considerá-la responsável. Ela não era nem nascida ainda. Você não tem ideia de tudo o que ela tem passado. O que ele a fez passar. - eu disse, apontando para Abe. Porque eu sabia e eu nunca o faria esquecer. - Não seja um cavalheiro ofendido. Você foi o único que o encontrou e trouxe para mim. Assim, o que quer que ele a fez passar, você começou tudo. Então você vai e transa com ela? Realmente, Rush. Meu Deus, o que você estava pensando? Você é igualzinho ao seu pai. - Minha mãe adorava me acusar de sercomo Dean, quando ela estava com raiva de mim. Eu estava grato que eu não era nada como ela. - Lembre-se de quem é dono desta casa, mãe. - eu lembrei. - Você pode acreditar nisso? Ele está virando contra mim por uma garota que ele acabou de conhecer. Abe, você tem que fazer alguma coisa. Minha mãe olhou suplicante para Abe e eu queria rir. Ela esperava que ele fizesse alguma coisa. Isso era besteira. Eu estava cansado disso. Eu precisava dessa merda consertada antes que Blaire acordasse.

146


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - É a sua casa, Georgie. Eu não posso força-lo a fazer nada. Eu deveria ter esperado por isso. Ela é muito parecida com a mãe. Suas palavras me levaram a fazer uma pausa. O que diabos ele quis dizer com isso? - O que quer dizer com isso? - Minha mãe gritou, obviamente, já sabendo o que ele quis dizer ou ela não estaria prestes a perder para ele. - Nós passamos por isso antes. A razão pela qual eu te deixei por ela porque ela exercia essa atração sobre mim. Eu não conseguia me afastar dela... - Eu sei disso. Não quero ouvir isso de novo. Você a queria tanto que me deixou grávida e um monte de convites de casamento para cancelar. - minha mãe disse, interrompendo-o. - Querida, acalme-se. Eu te amo. Eu estava apenas explicando que Blaire tem o carisma de sua mãe. É impossível não ser atraído por ela. E ela é tão cega a isso como a sua mãe era. Ela não pode evitar isso. - disse Abe. Olhei para ele com horror. Será que ele pensava isso? Será que ele realmente acreditava nisso? Eu não estava apaixonado porporra de carisma. Ela era muito mais. Será que ele não via isso? Bastardo cego. - Argh! Será que aquela mulher nunca vai me deixar em paz? Será que ela vai sempre arruinar a minha vida? Ela se foi, pelo amor de Deus. Eu tenho o homem que eu amo de volta, nossa filha finalmente tem seu pai e agora isso. Rushvai e dorme com isso, esta menina! - Minha mãe estava ficando excitada e eu não tinha tempo para sua birra. Eu tinha que me preocupar com Blaire. - Só mais uma palavra contra ela e eu te expulso dessa casa - eu avisei minha mãe pela última vez. Ela não ia desrespeitar Blaire de qualquer forma. - Georgie, querida, por favortenha calma. Blaire é uma boa menina. Ela estar aqui não é o fim domundo. Ela precisa de um lugar para ficar. Expliquei isso para você já. Eu sei que você odeia Rebecca agora, mas ela era sua melhor amiga. Vocês duas eram amigas desde que eram crianças. Até que eu apareci e arruinei tudo, vocês duas eram como irmãs. Blaire é filha dela. Tenha um pouco de compaixão. - O raciocínio que ele estava jogando para fora, não ia trabalhar na minha mãe. Ela era tão insanamente egocêntrica como minha irmã. - Não! Cale a boca, todos vocês! - A voz de Blaire enviou uma lâmina reta através do meu coração. Não. Deus não, ainda não. Ela não devia ouvi-lo desta forma. - Blaire. Mudei-me para ela, mas ela ergueu as mãos para me segurar. O olhar selvagem em seus olhos quando ela olhou para a direita me parou frio. - Você. - ela disse, apontando o dedo para Abe. - Você está apenas deixando que eles mintam sobre minha mãe. - ela gritou. Eu estava com medo de que ela iria ser machucada, mas a completa frieza que alcançou em seus olhos,era aterrorizante. - Blaire, deixe-me explicar... - Abe começou a dizer. - Cale essa boca! -Blaire rugiu, interrompendo-o. - Minha irmã, minha outra metade, morreu. Ela morreu, pai. Em um carroa caminho do mercado com você. Era como se a minha alma tivesse sido arrancada e resgadaem dois. Perder ela foi insuportável. Eu vi minha mãe chorar e chorar e chorar, então eu vi meu pai 147


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines irembora, para nunca mais voltar, enquanto sua filha e esposa estavam tentando juntar os pedaços de seu mundo,sem Valerie nele. Então minha mãe ficou doente. Eu liguei para você, mas você não respondeu. Então, eu arrumei um trabalho extra depois da escola e comecei a pagaras despesas médicas. Não fazia nada além de cuidar dela e ir à escola. Só que no meu último ano, ela ficou tão doente que eu tive que largar a escola. Fiz a prova de conclusão do ensino médio e parei de estudar, porque a única pessoa no planeta que me amava estava morrendo enquanto me sentavae assistia sem poder fazer nada. Segurei a mão dela quando ela deu seu último suspiro. Arrumei seu funeral. Assisti baixarem o caixão na cova. Você nunca ligou uma vez se quer. Nem uma vez. Então eu tive que vender a casa que a vovónos deixou e tudo de valor lá dentro, para pagar as contas médicas. - Ela parou de falar e um soluço escapou. Lágrimas escorriam pelo seu rosto, e meu coração explodiu. Eu não sabia de tudo isso. Ela só tinha me dito um pouco. Eu passei meus braços em torno dela, a necessidade de segurá-la, mas ela começou a balançar e lutar contra mim, como alguém que tinha perdido a cabeça. - NÃO ME TOQUE! - ela gritou e eu tive que deixá-la ir ou arriscar a se machucar. - Agora estou sendoobrigada a ouvir vocês falarem sobre a minha mãe, que era uma santa. Você pode me ouvir? Ela era uma santa! Você sãotodosmentirosos . Se alguém é culpado dessa besteira que ouço saindo das suas bocas, é esse homem. - Ela apontou para o pai dela. Era brincadeira pensar que ela iria me ouvir e me deixar explicar. Seu mundo estava sendo colocadode cabeça para baixo com esta notícia. Eu não tinha contado a ela. Eu não queria ver a expressão de dor em seus olhos, que eu não sabia como aliviar. Mas eu tinha deixado isso acontecer em vez disso e foi muito pior. - Ele é o mentiroso. Ele não vale o chão que eu piso. Se Nan é sua filha, se você estavagrávida . . . - Blaire tinha apontado para Abe enquanto falava, mas ela parou e mudou a sua atenção para a minha mãe. Pela primeira vez, ela realmente olhou para a minha mãe. E ela se lembrava. Ela cambaleou para trás,eu queria estender a mão e segurá-la de novo, mas eu não fiz. Ela precisava conseguiro controle sobre si própria. Ela não queria a minha ajuda. - Quem é você? - ela perguntou, quando minha mãe olhou para ela com um olhar assombrado em seus olhos. - Cuidado como você responde a isso. - eu avisei a minha mãe, depois me aproximei por trás de Blaire, apenas no caso dela precisar de mim. Minha mãe olhou para Abe e depois voltou para Blaire. - Você sabe quem eu sou, Blaire. Nós já nos conhecemos antes. - Você veio até a minha casa. Você. . . você fez minha mãe chorar. Minha mãe revirou os olhos e eu tensionei. - Último aviso, mãe. - eu rosnei. - Nan queria conhecer o pai. Então, eu a levei até ele. Ela tinha que ver a suabrilhante pequena família, com as filhas gêmeas muito loiras que ele amava e uma mulher igualmente perfeita. Eu estava cansada de ter que dizer a minha filha que ela não tinha pai. Ela sabia que tinha. Então eu mostrei a ela quem ele 148


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines tinha escolhido, em vez dela. Ela não perguntou sobre ele até muitos anos mais tarde. Os joelhos de Blaire ficaram fracos e ela engasgou por ar. Merda, ela ia ter um ataque de pânico. - Blaire, por favor, olhe para mim. - eu implorei, mas ela não respondeu. Ela manteve o olhar no chão quando tudo se afundava lentamente para ela. Eu odiava ver isto. Eu queria pedir a todos eles que fossem embora daqui, para que eu pudesse segurar Blaire até que tudo estivesse bem novamente. Mas ela precisava disso. Ela estava ali. Ela queria suas respostas. Abe falou. - Eu estava noivo de Georgianna. Ela estava grávida de Nan. Sua mãe veio visitá-la. Ela era como ninguém que eu já conheci. Ela era viciante. Eu não podia ficar longe dela. Georgianna ainda estava a fim de Dean e Rush ainda estava visitando seu pai todos os fins de semana. Para mim,Georgie estava esperando ir para Dean no minuto que ele decidisse quequeria uma família. Eu não tinha certeza que Nan era minha. Sua mãe era inocente e divertida, não gostava de roqueiros e me fazia rir. Eu a persegui e ela me ignorou. Então eu menti para ela. Eu disse a ela que Georgie estava grávida de outra criança de Dean. Ela sentiu pena de mim. Eu, de alguma forma,a convencia fugir comigo. Para jogar fora uma amizade de toda uma vida. Quando Abe terminou sua explicação, eu percebi que era mais do que tinha ouvido falar em um momento. Blaire tapou os ouvidos e fechou os olhos com força. - Pare. Eu não quero ouvir isso. Eu só quero as minhas coisas. Eu quero ir embora daqui. - Blaire chorou, me rasgando em dois. - Gata, por favor, fale comigo. Por favor. - Eu implorei a ela e toquei em seus braços, precisando de alguma forma uma conexão com ela. Ela se afastou de mim , mas ela não olhou para mim. - Eu não posso olhar para você. Eu não quero falar com você. Eu só quero as minhas coisas. Eu quero ir para casa. Não. Não. Não. Eu não podia perdê-la. Não. Ela não estava me deixando. Eu a amava. Ela me possuía. Ela tinha que lutar por nós. Eu precisava dela para lutar. - Blaire, querida, não há nenhuma casa. - disse Abe. Eu sabia que ele queria lembrá-la de que ela não tinha para onde ir, mas eu queria enterrar meu punho na sua cara. Ela não precisava ouvir isso com certeza, agora. Blaire olhou para seu pai. – Minha casa são as sepulturasonde minha irmã e minha mãe estão. Eu quero estar perto delas. Fiquei parada aqui e ouvi vocês dizerem que a minha mãe era alguém que eu sei que ela não era. Ela nunca faria o que vocês estão acusando-a. Fique aqui com sua família, Abe. Ela vai te amar tanto quanto a sua antiga família amou. Tente não matar nenhum deles dessa vez. - disse ela, em palavras atadas com ódio. Depois virou-se e fugiu pelas escadas. Olhei para ela e considerei trancá-la no meu quarto, forçá-la a ficar comigo. Para me ouvir. Será que ela me perdoaria, então? Eu poderia fazer isso com ela? - Ela é instável e perigosa. - minha mãe assobiou.

149


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Andei até ela e cheguei em seu rosto, pela primeira vez em minha vida. Seu mundo foi rasgado para longe dela. Tudo o que ela conhecia. Então, pela primeira vez na sua vida, não seja uma vadia egoísta e cale a boca. Porque eu estou pronto para jogar os dois para fora e deixá-los descobrir como sobreviver por sua própria conta, porra. Eu não esperei para ouvir sua resposta, porque eu sabia que iria me pressionar no limite. Eu tinha que tentar falar com Blaire sem seu pai e minha mãe no caminho. Eu estava na porta de seu quarto com ela amontoando suas roupas dentro da mala que ela havia chegado,apenas algumas semanas atrás. - Você não pode me deixar. - eu disse, lutando contra a emoção entupindo minha garganta. - Não só posso como vou. - ela respondeu. O vazio em sua voz estava me matando. Essa não era minha Blaire. Eu não deixaria essa mentira levá-la de mim. Minha Blaire não era tão sem vida e friapor dentro. - Blaire, você não me deixou explicar. Eu ia te contar tudo hoje. Eles voltaram para casa ontem anoite e entrei em pânico. Eu precisava dizer-lhe em primeiro lugar. - Eu não estava fazendo sentido e ela estava indo embora, mas eu não sabia o que diabos dizer para levá-la a ficar. Batendo o meu punho contra a porta, tentei me focar. Eu tinha que dizer a coisa certa. - Você não deveria saber dessa forma. Não assim. Deus, não assim. - Eu estava perdendo. O pânico eo medo estavam atrapalhando meus pensamentos. - Eu não posso ficar aqui. - disse ela. - Eu não posso vê-lo. Você representa a dor ea traição não só a mim, mas àminha mãe. Tudo o que tínhamos acabou. Morreu na horaem que eu desci as escadas e percebi que o mundo que eu sempre conheci era uma mentira. Suas palavras eram tão final. Como eu poderia lutar se ela se recusou a nos dar uma chance? Será que ela nunca será capaz de olhar para mim de outra forma de novo? Eu não poderia viver em um mundo assim. Um sem Blaire.

150


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 28

Lutando para respirar através da dor, eu me virei e a segui. Ela não me quer. Ela não queria isso. Mas eu não podia deixá-la ir. Onde ela vai? Onde é que ela vai dormir? Quem terácerteza de que ela comeu? Quem irá segurá -la quando ela chorar? Ela precisava de mim. E Deus, eu precisava dela. Blaire alcançou o degrau, pegou o telefone do bolso e empurrou para Abe. - Pegue-o. Eu não quero isso. - disse ela. - Por que eu iria ficar com o seu celular? - perguntou Abe. - Porque eu não quero nada de você. - ela gritou com ele. - Eu não dei esse telefone para você. - disse ele. - Fique com o telefone, Blaire. - eu disse. - Se você quer ir embora, eu não posso prendê-la aqui. Mas, por favor, leve otelefone. - Eu estava pronto para ficar de joelhos e implorar. Ela tinha que pegar esse telefone. Droga, ela precisava de um telefone. Blaire colocou o celular sobre a mesa, ao lado da sacada. - Eu não posso. ela disse e eu sabia que não poderia fazê-la levá-lo, também. Eu não podia fazer nada. Eu estava fodido. Seu mundo tinha acabado de ser feitos em pedaços e eu era um inútil. - Você é igualzinha a ela. - disse a minha mãe, às costas de Blaire. - Eu só espero que eu possa ser a metade da mulher que ela foi. - disse Blaire, com total convicção em sua voz. A porta se fechou atrás dela. Eu tinha que fazer alguma coisa. Desci as escadas, sem tirar os olhos da porta. Eu não podia simplesmente ficar aqui e deixar seu carro se afastar. - Onde ela vai? - Eu perguntei a Abe. Ele teria uma ideia. - Ela vai voltar para o Alabama. A única outra casa que ela conhece. Ela tem amigos lá. Eles vão cuidar dela. - disse ele. O grito de Nan veio de fora e meu coração parou. Teria algo acontecido com Blaire? Desci correndo as escadas, mas não antes de minha mãe e Abe chegarem para fora da porta. - Blaire! Abaixe a arma. Nan, não se mexa. Ela sabe como usar essa coisa melhor do que a maioria dos homens. - Abe ordenou com voz calma. Puta merda, Blaire estava segurando uma arma para Nan. Que porra tinha dito Nan? - O que ela está fazendo com essa coisa? E isso é legal ela ter? - Minha mãe perguntou. - Ela tem uma licença e ela sabe o que está fazendo. Fique calma. - disse Abe, parecendo irritado.

151


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Blaire baixou a arma. – Eu vou entrar naquela picape e dirigir para fora de sua vida. Para sempre. Basta manter sua boca fechada sobre a minha mãe. Eu não vou ouvi-la novamente. - disse Blaire, olhando para Nan. Em seguida, ela subiuna picape e sem olhar para trás, ela foi embora. - Ela é porra louca. - disse Nan, virando para olhar para trás, para nós. Eu não poderia ficar aqui e ouvi-los. Ela estava me deixando. Eu não podia deixá-la ir sozinha. Qualquer coisa podia acontecer com ela. Virei-me e fui para dentro, para o meu quarto. O cheiro de Blaire me atingiu quando cheguei ao degrau mais alto e eu tive que parar e cerrar os dentes através dador. Apenas duas horas atrás, eu tinha ficado na cama, segurando-a em meus braços. Fui até a cama, sentei-me e peguei o travesseiro que ela estava dormindo e segurei-o nomeu rosto. Deus, cheirava como ela. Um soluço se soltou, e eu lutei para mantê-lo de volta, mas eu não podia. Eu tinha perdido. Minha Blaire. Eu tinha perdido minha Blaire. Não. Não. Eu não estava aceitando isso. Levantei-me e coloquei o travesseiro de volta para baixo, com reverência. Eu ia atrás dela. Eu precisava de algumas roupas e minha carteira. Eu ia buscá la. Ela precisava de mim. Ela não me quer agora, mas ela faria após o choque passar. Eu podia abraçá-la e aliviar sua dor. Eu iria segurá-la enquanto ela chorava. Então eu gastaria minha vida fazendo as coisas direito. Fazê-la feliz. Assim, porra de feliz. Voltei a descer as escadas com a minha mala em minhas mãos, enquanto a minha mãe, minha irmã e Abe ficavamno foyer falando de Blaire e o que tinha acontecido, eu tinha certeza. Eu não estava escutando. Eu estava saindo. - Onde você está indo? - Minha mãe me perguntou. - Ela segurou uma arma na minha cabeça, Rush! Você não se importa com isso? Ela poderia ter me matado! - Nan sabia onde eu estava indo. Eu parei e olhei para a minha mãe pela primeira vez. – Eu vou buscar a Blaire. - Então olhei para a minha irmã. - Você vai aprender a calar a boca, porra. Você disse a coisa errada para a pessoa errada neste momento e você aprendeu uma lição. Da próxima vez, pense antes de vomitar merda. - Eu empurrei a porta aberta. - E se ela não voltar com você? Ela nos odeia, Rush. - minha mãe disse, parecendo irritado com a ideia dela mesmo vindo aqui. - Se ela não voltar comigo, todos vocês vão ter que se mudar. Eu não vou viver na minha casacom pessoas que destruíram o mundo dela. Decida onde você pretende ir, porque eu não quero você aqui quando eu voltar. - Eu bati a porta atrás de mim.

As oito horas de carro para Summit, Alabama, teria sido mais fácil se eu não estivesse seguindo Blaire e também tentando evitar que ela me visse. Esconder um Range Rover preto, nas estradas do país não era fácil. Eu tive que 152


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines deixá-la sair da vista mais vezes do que eu queria, mas era a única maneira de segui-la. Eu tinha a pequena cidade conectada em meu GPS e, felizmente, Blaire parecia estar tomando o mesmo caminho que o GPS sugeria. Quando entrei na pequena cidade, eu vi que o Welcome to Summit, Alabama, estava gasto e precisava de alguma pintura nova, mas você poderia entender o que ele dizia muito bem. Eu tinha que deixá-la ficar uns bom dez minutos a frente de mim, porque era a única maneira de ficar fora de sua vista. Eu puxei até o primeira semáforo. Segundo o Google, esta cidade tinha apenas três semáforos. Na próxima, eu vi o sinal do cemitério e virei. O estacionamento estava vazio, exceto pela picape de Blaire e outro caminhão. Eu não ia estacionar onde ela pudesse me ver. Fiz questão de estacionar um pouco abaixo, na estrada. Ela tinha vindo para ver a mãe. E sua irmã. Tinha o meu coração verdadeiramente quebrado por alguém assim? Eu odiava como Nan foi negligenciada, mas eu já senti esse tipo de emoção para a sua dor? A ideia de Blaire lidar com isso sozinha era demais. Ela tinha que me escutar. Quando eu vi a picape azul se movimentar, esperei até que eu tinha certeza que tinha puxado de volta para a estrada antes de seguir a uma distância segura. Ela virou à direita, no primeiro semáforo e, em seguida, estacionou em um motel. Eu tinha acerteza de que era o único motel por quilômetros e quilômetros. Tanto quanto eu odiava a ideia dela ficar aqui, eu estavafeliz que eu não teria que fazer isso na casa de um estranho. Teríamos privacidade aqui. Enquanto ela estava dentro, conseguindo um quarto, eu estacionei meu carro, saí e esperei. Eu não tinha certeza do que eu ia dizer ou se eu iria mendigar. Mas eu tinha que fazer alguma coisa. Blaire saiu do escritório e seus olhos se encontraram com os meus. Seu passo era hesitante e então ela suspirou. Ela não me esperava segui-la. Mais uma vez, ela não entendeu o quão louco da porra eu estava por ela? A porta do carro bateu exatamente quando ela começou a caminhar em minha direção e ela virou a cabeça e franziu a testa para o cara que tinha acabado de descer do caminhão, o mesmo que eu tinha acabado de ver no cemitério. Eu sabia,sem uma apresentação, que o cara era Caim. A maneira possessiva que ele olhava para ela, me disse que ele teve uma vez, direitos sobre ela. Ele só precisava saber que a afirmação já não era mais válida. - Espero pra caramba que você conheça esse cara, porque ele a seguiu até aqui, desde o cemitério. Notei eleao lado da estrada, nos observando a distância, mas eu não disse nada. - disse Cain quando ele passeou para ficar na frente de Blaire. - Eu o conheço. - disse Blaire, sem pausa. - Ele a razão porque você veio correndo para casa? - Perguntou Caim. - Não. - ela disse, então olhou para mim. - Por que você está aqui? - Ela perguntou-me, sem chegarmais perto. - Você está aqui. - eu respondi simplesmente. - Eu não posso fazer isso, Rush.

153


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Sim, ela podia. Eu tinha que lhe mostrar isso. Dei um passo em direção a ela. - Fale comigo. Por favor, Blaire. Há tanta coisa que eu preciso explicar. Ela balançou a cabeça e deu um passo atrás. - Não. Eu não posso. Eu queria bater na cabeça de Cain. - Você poderia nos dar um minuto? - Eu perguntei a ele. Ele cruzou os braços sobre o peito e ficou completamente na frente dela. Eu não penso assim. Parece que ela não quer falar com você. Não sou eu que vai obrigá-la. E nem você. Eu tinha começado a me mover em direçãoa ele e Blaire saiu de trás dele. - Está tudo bem, Caim. Este é meu meio-irmão, Rush Finlay. Ele já sabe quem você é. Ele quer falar. Então, nós estamos indo conversar. Pode ir embo ra. Eu vou ficar bem. - disse ela sobre o ombro, antes de destrancar a porta do quarto 4A. Ela tinha acabado de me chamarde seu meio-irmão. Que porra é essa? - Meio-irmão? Espere. . . Rush Finlay? Como o único filho de Dean Finlay? Merda, Bee, você é parente de uma celebridade. - disse Cain, com a boca aberta, enquanto olhava para mim. Exatamente o que eu precisava, um fã grande o suficiente de Slacker Demon para saber o nome do filho de Dean. - Vai, Caim. - disse ela com firmeza, em seguida, entrou no quarto.

154


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Capítulo 29

Blaire entrou no quarto e foi para o canto mais distante, antes de se virar. Fale. Depressa. Eu quero você fora daqui. - disse ela, em uma voz apertada. - Eu te amo. - Eu já deveria ter dito a ela. Eu deveria ter dito a ela ontem. Eu deveria ter porra dito a ela, no momento em que eu percebi isso, mas eu não tinha. Ela começou a sacudir a cabeça. Ela não ia me ouvir. Eu ia ter que implorar, porra. Eu lutaria o suficiente por nós dois. - Eu sei que minhas ações não parecem confirmar isso, mas se você apenas me deixar explicar. Deus, gata, eu não posso suportar ver você sofrendo. - eu disse, implorando. - Nada que você possa dizer vai resolver isso. Ela era a minha mãe, Rush. A única memóriaboa na minha vida. Ela era o centro de todos os momentos da infância feliz que eu tive. E você. . . - Ela fez uma pausa e fechou os olhos. - E você e. . . e eles. Vocês desonraram ela. As mentiras feias que vocês falaram comose fossem a verdade. Eu me odiava. Eu odiava as mentiras. Eu odiava minha mãe e Abe. - Eu sinto muito que você descobriu desse jeito. Eu queria dizer a você. No começo, você era apenas um problema queiriaferir Nan. Eu pensei que você iria causar-lhe mais dor. O problema é que você me fascinou. Confesso que imediatamente fui atraído para você porque você é linda. De tirar o fôlego. Eu odiei você por causa disso. Eu não queria ser atraído por você. Mas eu estava. Na primeira noite eu fiquei louco por você. Só de ficar perto de você... Deus, eu inventei motivos para procurá-la. Então. . . então eu comecei a conhecê-la. Eu estava hipnotizado por sua risada. Era o som mais incrível que eu já tinha ouvido. Você era tão honesta e determinada. Você não lamentava ou reclamava. Você pegou o que a vida lhe deu e fez o melhor possível. Eu não estava acostumado a isso. Toda vez que eu via você, cada vez que eu estava perto de você, eu me apaixonava mais um pouco. Dei um passo em direção a ela e ela levantou as mãos como se para manter-me de volta. Eu tinha que continuar falando. Eu precisava que ela me acreditasse. - Então, naquela noite no bar country. Depois disso, passei a ser completamente seu. Você pode não ter percebido, mas eu estava viciado. Para mim não tinha mais volta. Eu tinha tanta coisa para compensar. Eu tinha colocado você em um inferno desde que você chegou e eu me odiava por isso. Eu queria dar-lhe o mundo. Mas eu sabia. . . Eu sabia quemvocê era. Quando eulembrava exatamente quem você era, eu recuava. Como podiaestarcompletamente envolvido com a garota que representava a dor da minha irmã? Blaire tapou os ouvidos. - Não. Eu não vou ouvir isso. Saia daqui, Rush. Saia agora! - ela gritou. - O dia em que minha mãe chegou em casa, do hospital com ela, eu tinha três anos. Lembro-me bem, apesar de tudo. Ela era tão pequena e me lembro de 155


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines me preocupar que algo iria acontecer com ela. Minha mãe chorava muito. E Nantambém. Eu cresci rápido. No momento em que Nan tinha três anos, eu fazia tudo para ela,desde preparar seu café da manhã e colocá-la para dormir à noite. Nossa mãe tinha casado de novo e agora tínhamos Grant. Nunca houve qualquer estabilidade. Eu realmente ansiava pelos tempos que meu pai vinha me pegar, porque eu não queria ser responsável por Nan, por alguns dias. Podia tirar uma folga. Então ela começou a perguntar por que eu tinha um pai e ela não. - Eu queria que Blaire entendesse por que eu fiz o que fiz. Estava errado, mas ela tinha que entender. - Pare! - Ela gritou, movendo-se mais para trás, contra a parede. - Blaire, eu preciso que você me escute. É a única maneira de você entender. - eu implorei. O soluço na minha garganta causava rachadura em minha voz, mas eu não estava parando. Ela tinha que me escutar. – Mamãedizia que a ela não tinha um pai, porque ela era especial. Isso não funcionou por muito tempo. Exigi que a mamãedissesse quem era o pai de Nan. Eu queria que fosse o mesmo meu. Eu sabia que meu pai iria levá-la para passear. Mas ela me disse que o pai de Nan tinha outra família. Ele tinha duas meninas que ele amava mais do que Nan. Ele queria essas garotas, mas ele não queria Nan. Eu não conseguia entender como alguém poderia não querer Nan. Ela era a minha irmãzinha. Claro, às vezes eu queria matá-la, mas eu a amava intensamente. Então chegou o dia em que mamãe levouela para ver a família que seu pai tinha escolhido. Nan chorou durante meses depois. Parei de falar e Blaire afundou na cama. Ela estava me ouvindo. Eu senti um pequeno vislumbre de esperança. - Eu odiava aquelas meninas. Eu odiava essa família que o pai de Nan havia escolhido em seu lugar. Jurei que um dia, ofaria pagar. Nan sempre dizia que talvez um dia, ele viesse vê-la. Ela sonhava que ele iria querer vê-la. Escutei esses devaneios durante anos. Quando eu tinha dezenove anos eu fui à procura dele. Eu sabia o nome dele. Eu o encontrei. Deixei para ele uma foto de Nan com o nosso endereço na parte de trás. Eu disse a ele que tinha outra filha, que era especial e ela só queria conhecê-lo. Conversar com ele. Eu podia vê-la fazer a matemática em sua cabeça. Ela tinha perdido sua irmã menos de um ano antes de eu ter encontrado Abe. Mas eu não sabia. Deus, eu não tinha ideia. Eu estava tentando ajudar a minha irmã, não destruir a vida de Blaire. Eu não sabia Blaire. - Eu fiz isso porque eu amava minha irmã. Eu não tinha ideia do que sua outra família estava passando. Eu nãomeimportava, sinceramente. Eu só me preocupava com Nan. Você era o inimigo. Então, você entrou na minha casa e mudou completamente o meu mundo. Eu sempre jurei que nunca iria me sentir culpado por quebrar aquela família. Depois de tudo, eles tinham separado o pai de Nan. Todo momento que eu estava com você, a culpa pelo que eu tinha feito começou a me comer vivo. Vendo seus olhos quando você me contou sobre sua irmã e sua mãe, Deus, eu juro que você rasgou meu coração naquela noite, Blaire. Eu nunca vou superar isso. Fui até ela e ela me deixou chegar mais perto.

156


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines - Eu juro para você que tanto quanto eu amo minha irmã, se eu pudesse voltar atrás e mudar as coisas, eu o faria. Eu nuncateria ido ver seu pai. Nunca. Eu sinto muito, Blaire. Porra, me desculpe. - As lágrimas estavamborrando minha visão. Eu tinha que levá-la a entender. - Eu não posso te dizer que eu te perdôo. - disse ela em voz baixa. - Mas eu posso te dizer que eu entendo por que você fez o que fez. Mas o que fez alterou todo o meu mundo. Que nunca poderá ser mudado. Uma lágrima escapou e rolou pelo meu rosto. Eu não me movi para limpá la. Eu não tinha certeza de quando eu tinha chorado pela última vez. Eu era uma criança. Era algo que eu não estava acostumado mais. Mas agora, eu não poderia manter lá dentro. A dor era esmagadora. - Eu não quero perder você. Estou apaixonado por você, Blaire. Eu nunca quis algo ou alguém do jeito que eu quero você. Eu não posso imaginar o meu mundo agora sem você nele. - Eu não posso te amar, Rush. - disse ela. Eu deixei o choro,que eu vinha me esforçando para segurar, romper livremente, a minha cabeça caiu em seu colo. Nada importava. Nada. Não mais. Eu a amava completamente, mas eu não tinha sido capaz de ganhar o seu amor em troca, e sem ele, eu nunca iria levá-la de volta. Eu havia perdido. Como eu poderia viver agora que eu tinha conhecido avida com Blaire? - Você não tem que me amar. Só não me deixe. - eu disse, deixei os soluços agitarem o meucorpo e enterrei meu rosto em sua perna. Eu tinha alguma vez me sentidoassim tão quebrado? Não. E eu nunca sentiria novamente. Nada poderia se comparar de segurar o céu e perdê-lo. - Rush. Sua voz soou doída. Eu levantei minha cabeça do seu colo. Ela se levantou e começou a tirar sua blusa. Sentei-me ali, com medo de me mover, quando ela lentamente começou a tirar sua roupa, retirando cada peça com cuidado e com um propósito. Eu não entendi, mas eu tinha medo de falar. Se ela estava mudando sua mente, eu não queria estragar isso. Uma vez que ela estava completamente nua, ela se aproximou e montou minhas pernas. Agarrando sua cintura, eu enterrei meu rosto em seu estômago. Eu podia sentir meu corpo tremer por tê-la tão perto, mas eu não sabia o que significava. Eu não poderia supor que significava que ela me perdoou. Ela tinha acabado de dizer que ela nunca poderia me amar. - O que você está fazendo, Blaire? - Eu perguntei por fim. Ela agarrou minha camisa e puxou-a. Ergui os braços e deixei que ela retirasse. Então, ela se sentou emmeu colo e agarrou minha cabeça e me beijou. Esse gosto doce, inebriante que era Blaire me encheue eu afundei minhas mãos em seu cabelo e segurei-a comigo. Eu tinha medo queela mudasse de ideia. Ela não tinha que me amar, eu só queria que ela me deixasse amá-la assim. Seria o suficiente para mim. - Tem certeza? - Eu perguntei, enquanto ela balançava contra a minha ereção. Ela apenas balançou a cabeça. Peguei-a no colo ea deitei na cama. Então, tirei os sapatos e a calça. Quando eu estavaigualmente nu, eu me segurei sobre ela e a olhei. Ela me tirou 157


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines o fôlego. - Você é amulher mais bonita que eu já vi. Por dentro e por fora. - eu disse a ela. Então eu a beijei por toda parte que podia, cada centímetro de seu rosto, antes de puxar seu lábio inferior em minha boca. Ela levantou os quadris e abriu as pernas, mas eu não estava pronto ainda. Eu não queria apressar isso. Eu queria saboreá-la. Ela foi feita para ser saboreada e apreciada. Ela foi feita para ser amada e cuidada. Eu faria isso por ela. Mesmo que ela não me amasse, eu poderia fazer o suficiente por nós dois. Corri minhas mãos pelo corpo dela, memorizando cada parte dela. Eu não queria acreditar que isso era umadeus. Eu não acho que Blaire iria acabar desta forma. Mas o medo estava lá e eu não conseguia o suficiente dela. - Eu te amo pra caramba. - eu disse a ela, baixando minha cabeça para beijar seu estômago. Suas pernas se abriram mais. Olhei para ela, sabendo que eu tinha que perguntar neste momento. Ela não estava nosprometendo um amanhã. - Eu preciso usar camisinha? - Eu perguntei, voltando-me de seu corpo. Ela assentiu com a cabeça e eu senti que o que restava do meu coração rachou ainda mais. Ela estava colocando uma barreira entre nós. Estendi a mão para o meu jeans e consegui um preservativo de minha carteira, então deslizei-o. Os olhos de Blaire estavam em mim. Meu pau se contorceu com sua atenção. Corri minhas mãos até o interior de suas coxas. Ninguém nunca tinha estado aqui, mas eu sim. Ninguém tinha tocado ela, mas eu sim. - Isto aqui vai ser meu para sempre. - eu disse, querendo marcar o seu corpo de forma permanente. Eu me abaixei até a ponta da minha ereção cutucar dentro dela. Nunca foi tão bom. Nada jamais foi tãobom. - Jurei, então a enchi em um impulso forte. Ela enrolou as pernas em volta de mim e gritou. Meu coração bateu violentamente, golpeando contra meu peito. Eu estava em casa. Blaire era a minha casa. Eu não tinha percebido que estava sozinho até que ela entrou na minha vida. Movi-me dentro dela lentamente, sem tirar os olhos do seu rosto. Eu queria ver os seus olhos enquanto eu fazia amor com ela. Isso era o que era para mim. Eu estava fazendo amor com seu corpo. Esta não era uma merda. Isto era eu mostrando a ela o quanto ela me pertencia. Ela colocou as pernas em volta de mim e colocou os braços em volta do meu pescoço. - Eu sempre vou te amar. Ninguém nunca vai ter comparação. Você me possui, Blaire. Meu coração e alma são seus. - eu disse a ela, enquanto eu me movia dentro dela. Eu dei um beijo em seuslábios. - Só você. - eu prometi a ela. Seria sempre apenas ela. Ela era a minha vida agora. Nossos olhares se encontraram e ela gritou. Seu orgasmo me apertou com força, me enviando em espiral fora, depois do seu. Quando o prazer lentamente desapareceu, eu olhei para ela e eu sabia. Seus olhos estavam me dizendo o que eu tinha temido. Este tinha sido seu adeus. - Não faça isso, Blaire. - eu implorei. - Adeus, Rush. - ela sussurrou. Recusei-me a aceitá-lo. Eu não podia deixá-la fazer isso. - Não. Não faça isso com a gente. Ela deixou suas pernas cairemao lado do meu corpo e ficar mole. Então ela deixou cair as mãos para os lados e virou o rosto para mim. - Eu não pude dizer 158


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines adeus a minha irmã ou minha mãe. Aquelas eram despedidas definitivas que eu nunca tive. Eu precisava desse adeus final. Este tempo entre nós, sem mentiras. - O vazio em sua voz me cortava aberto. Agarrei os lençóis sob minhas mãos. - Não. Não. Por favor, não. - eu implorei. Ela continuou a olhar para longe de mim e deitou abaixo de mim frouxamente. Como eu poderia lutar por alguém que não me queria? Alguém que me odiava? Eu não tinha nenhuma chance de ganhar. Eu tinha feito tudo o que eu podia fazer. Mas ela não me quer. Agora não. Eu puxei para fora dela e estendi a mão para a minha roupa. Eu eliminei o preservativo, entorpecido passei paraos movimentos de colocar minhas roupas. Ela queria que eu fosse embora. E eu deveria sair caminhando para fora deste quarto e deixá-la. Como diabos eu poderia? Quando eu estava vestido, eu me virei para olhar para ela. Ela sentou-se, puxando os joelhos até o queixo para cobrir sua nudez. - Eu não posso fazer você me perdoar. Eu não mereço o seu perdão. Eu não posso mudar o passado. Tudo que posso fazer é dar-lhe o que quiser. Se é isso que você quer, eu vou embora, Blaire. Isso vai me matar, mas eu vou fazer isso. Eu iria fazer a única coisa que eu poderia fazer: dar o que ela queria. - Adeus, Rush. - ela repetiu e deixou cair o olhar. Eu iria deixar meu coração aqui. Minha alma também. Eles pertenciam a ela. Eu estava vazio sem ela. Eununca seria o mesmo. Blaire Wynn tinha me mudado. Ela me mostrou que eu podia amar com um amor que consome e não recebe nada em troca. Eu nunca iria amar novamente. Ela foi a única. Ela era para mim. Com um último olhar para a mulher que eu amava, eu me virei e sai do quarto, fechando a porta atrás de mim. Quando saí para a noite, eu deixei o resto das minhas lágrimas caírem. Amar alguém que você não merece não é fácil. Dói como o inferno. Mas nem um momento do meu tempo com Blaire eu iria me arrepender.

159


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Agradecimentos Quando eu escrevi Fallen Too Far, eu nunca imaginei que seria o início de uma série tão popular. Voltando e revisitar o início com Rush e Blaire foi muito divertido para mim. Eu tentei muito duro para dar aos leitores novas cenas e momentos que eles perderam em Fallen Too Far . Eu amei entrar naCabeça do Rush neste livro. Espero que ele faça tudo o que você esperava para fazer Blaire feliz. Eu preciso começar por agradecer à minha agente, Jane Dystel, que é brilhante. No momento em que assinei com ela foi uma das coisas mais inteligentes que eu já fiz. Obrigada, Jane, por me ajudar a navegar através as águas do mundo editorial. Você é realmente uma fodona. O brilhante Jhanteigh Kupihea. Eu não poderia pedir um editor melhor. Ela é sempre positiva e trabalhando para fazer os meus livros o melhor que pode ser. Obrigada Jhanteigh, por fazer a minha nova vida com Atria que eu amei ser uma parte. O resto da equipe Atria: Judith Curr para mim dando livros por acaso. Ariele Fredman e Valerie Vennix sempre encontrando as melhores ideias de marketing e tão impressionante como eles são brilhantes. Os amigos que me escutam e entendemeu caminho mais que ninguém na minha vida: Colleen Hoover, Jamie McGuire, e Tammara Webber. Vocês três já me ouviram e me apoiaram mais do que ninguém que eu conheço. Obrigada por tudo. Conseguir Rush "direito" neste livro era tão importante para mim. Ter dois leitores beta que amavam Rush que eu pensei que "sabia" como era muito importante: Hull passou horas intermináveis me ajudando a procurar o modelo de capa certa para Rush e me animou sobre como eu trouxe a história de Rush para a vida. Natasha Tomic é a criadora do slogan "Rush Crush" e a referência "Peanut Butter Cena". Então eu me senti como se ela soubesse assim como eu fiz. Obrigada, meninas, por seu apoio. Sempre!

Por último, mas certamente não menos importante: Minha família. Sem o apoio deles eu não estaria aqui. O meu marido, Keith que se certifica de que eu tenha o meu café e que as crianças estejam todas cuidadas para quando eu preciso me trancar e cumprir um prazo. Meus três filhos são tão compreensivos, embora depois que eu sair da caverna da escrita, eles esperam minha total atenção e eles tem. Os meus pais, que me apoiaram ao longo de todos os anos. Mesmo quando eu decidi escrever coisas quentes. Meus amigos, que não me odeiam porque eu não posso passar um tempo com eles, um tempo porque a minha escrita está tomando conta. Eles são o meu grupo de apoio final e eu os amo demais.

160


Rush – Too Far #1.1 – Abbi Glines Meus leitores. Eu nunca esperava ter tantos de vocês. Obrigada por lerem meus livros. Por amar e contar aos outros sobre eles. Sem vocês eu não estaria aqui. É simples assim.

Para as últimas notícias sobre os livros de Abbi confira www.abbiglines.com Ou segui-a no Twitter @ Abbiglines

161


1 1 rush