Issuu on Google+


Disp. e Tradução: Rachael Revisora Inicial: Andrea Revisora Final: Tina Formatação: Rachael Logo/Arte: Dyllan

Ele é um motociclista trabalhando secretamente para os federais. Ela se juntou aos Motoqueiros Selvagens por motivos próprios. Juntos, eles estão queimando o asfalto e colocando a cabeça em perigo e na paixão...

Despida em couro. Desde a sua fuga Jessie Matthews se juntou a Gangue de Motociclistas de Operações Especiais, os Motoqueiros Selvagens, eles pensavam nela como sua irmã mais nova. Exceto por Diaz Delgado. Ao longo dos últimos anos ele vem observando a mulher florescer madura e jovem. Jessie está feliz por alguém finalmente vê-la por quem ela é e está emocionada que seja Diaz. Seus olhos escuros e corpo assassino a tem tentado desde o primeiro dia. Instinto não-fraterno de Diaz tem sido difícil de combater, mas a última coisa que ele gostaria de fazer é magoar Jessie e acabar com a gangue. Mas quando ambos vão disfarçados para se infiltrar em um grupo de sobrevivencialistas assassinos, ele sabe que vai ser difícil manter a distância, especialmente quando a missão toma um rumo perigoso. Agora Diaz não tem escolha à não ser abrir-se para a única mulher que pode ser forte o suficiente para levá-lo. 2


AGRADECIMENTOS

Para o meu editor, Kate Seaver. Obrigado por seu entusiasmo sobre os meus livros, e sua vontade de discutir o enredo e os personagens. Sua empolgação com minhas histórias sempre combustíveis meu entusiasmo, e eu sou mais grata. Para o meu agente, Deidre Knight. Como sempre, agradeço as checagens. Para minha maravilhosa amiga Lora Leigh. Obrigado pela leitura e por amar meus Motoqueiros selvagens tanto quanto eu. Seu conselho vale um milhão.

Revisora Comenta...

Tina: Amei ainda mais este segundo livro da série. Jaci conseguiu ser ainda melhor, criando uma historia superenvolvente, uma daquelas que você não tem vontade de parar de ler. Diaz e Jessie fazem uma dupla maravilhosa e muito quente. Apesar de que às vezes tive vontade de bater em Diaz ao empurrar Jessie para longe, mas isso só deixou o livro ainda mais hot e empolgante. Não podia deixar de mencionar: Andrea parabéns pelo excelente trabalho da inicial, aliás, desde o primeiro livro.

3


Capítulo Um DALLAS, TEXAS

DIZER QUE A PULSAÇÃO DE JESSIE MATTHEW estava elevada era um eufemismo. Os Motoqueiros Selvagens estavam todos reunidos em baixo no escritório do General Grange Lee. Uma missão estava próxima e Jessie estava animada. Não importava o quão convincente tivesse que ser, ela estaria dentro desta vez. Era, depois de tudo, como um dos caras. Mesmo que ela era do sexo feminino. Sua amiga e namorada de Mac, Lily, era um Cavaleiro Selvagem agora e tinha suas missões. Só porque Lily era mais velha e um ex-policial e investigadora particular não significavam nada. Então, o que se Jessie tinha apenas vinte e três e não tinha anos de treinamento prático? Ela tinha experiência de rua o que era muito mais útil para os trabalhos que faziam. Além disso, os Motoqueiros Selvagens a haviam treinado. Antigos ladrões, motociclistas duros e agora agentes do governo, os Motoqueiros Selvagens eram os melhores no que faziam — trabalho disfarçado. E Grange a tinha treinado. Ela esteve em treinamento de uma maneira ou de outra desde que tinha quinze anos. Estava pronta. Jessie deslizou para uma das cadeiras na parte da frente da sala. Os restos dos caras caíram, alguns pareciam abatidos e cansados. Ela ouviu o barulho das motos tarde da noite. Desde que ela vivia na sede dos Motoqueiros Selvagens, juntamente com o General Lee, estar sendo chamada para uma missão seria fácil para ela. Mac costumava viver aqui também, até que se ligou a Lily. Agora os dois dividiam um apartamento em Dallas para que pudessem ter alguma privacidade. Totalmente compreensível. A maioria dos caras vivia em outros lugares e só vinham quando havia uma missão, como agora. Normalmente, eles arrastavam-se no último minuto possível, também, o que significava que eram as primeiras horas da manhã. Ela sorriu para todos os bocejos. 4


‚Tudo bem,‛ disse Grange, vestido como de costume em seu uniforme de camuflagem militar e botas de combate, seu cabelo grisalho corte baixo no estilo militar típico. ‚Peguem um pouco de café e inferno acordem. Temos muitas atribuições para trabalhar, então vocês têm cinco minutos para tomar sua cafeína e quero vocês afiados.‛ Excitação juntamente com nervosismo tinha acordado Jessie antes do amanhecer. Desistindo de voltar a dormir, tinha tomado banho, se vestiu e tomou café da manhã. Agora, ela aguardava ansiosamente uma atribuição, desta vez ela não iria ficar de fora. Grange havia prometido que a ‚próxima vez‛ seria a vez dela. Esta era a próxima vez, maldição Ela não ia deixá-lo esquecer. ‚Você acha que ele vai coloc{-la em uma missão desta vez?‛ Lily ‘tre as cidades em que passamos de qualquer jeito.‛ ‚Em um ritmo – pedaço de moto de merda. Você sabe disso.‛ Sua ira subiu num segundo, Jessie bateu o pé. ‚No caso de você não ter notado, eu cresci nos últimos anos. Sou adulta agora. Não tenho um toque de recolher. Posso andar quando eu quero e onde quero. Isso me dá algo para fazer enquanto estou esperando por uma missão.‛ Ela acabou com a última sentença, inclinando e olhando para Grange. Grange limpou a garganta. ‚Sim, sobre isso...‛ ‚Você prometeu.‛ Ele inalou, suspirou. ‚Eu fiz, não foi?‛ ‚Se Jessie Daniels conhece esse Crush Daniels, ela seria um complemento perfeito para Diaz e Spencer em sua missão,‛ disse Lily. ‚Não.‛ Jessie olhou para Diaz. ‚Por que inferno não?‛ ‚Você não est{ pronta,‛ disse Diaz. Ela lançou um olhar suplicante para Spencer, que encolheu os ombros. ‚Acho que Jessie é mais do que capaz e tem sido por algum tempo.‛ ‚Você prometeu,‛ disse AJ para o general. ‚Nós todos ouvimos durante a última rodada de atribuições.‛ 5


‚Eu concordo,‛ disse Lily. ‚Dê a ela uma chance, Grange.‛ ‚Talvez você queira ouvir sobre a primeira atribuição antes de saltar sobre isso,‛ disse Grange para ela. ‚Ótimo. Solte.‛ Embora ela não se importasse se tivesse que subir num mastro, nua na frente de um milhão de pessoas. Ela queria o caso. ‚Devil’s Skulls mantêm sua iniciação anual para novos membros todos os anos logo após o rali de moto em Fayetteville.‛ ‚Que tipo de iniciação?‛ Diaz perguntou. ‚Pelo que entendi, pode ser desde lutar com seus membros atuais — para ambos — mulheres e homens iniciados — até atos públicos de sexo‛ ‚Yippie ki yay1,‛ Spencer disse com uma piscadela. ‚Você tem todas as atribuições divertidas‛ Rick resmungou. ‚Troco com você,‛ Pax disse. Diaz bufou. ‚Isso deixa Jessie fora.‛ ‚Não deixa,‛ protestou ela. ‚Posso lidar com a iniciação.‛ Isso não era pior do que a vida que tinha antes de vir para os Motoqueiros Selvagens. ‚Não.‛ Diaz balançou a cabeça, cruzando os braços. ‚Esta é uma m{ ideia, Grange. Ela é apenas uma criança.‛ Ela gostaria de ter o cérebro dele de cabeça na sua bota. Ou erguer sua blusa e piscar os peitos dela para ele. Caramba, ele era cego? ‚Eu não sou uma criança. Gostaria que você parasse de me tratar como uma. Todos vocês.‛ Grange levantou a mão. ‚Certo, deixe-me pensar. Jessie, você tem um ponto. Eu prometi a você uma atribuição, mas acho que esta aqui tem o potencial de ser perigosa. Não gosto da ideia de você iniciar com a gangue de Crush, considerando o que poderia acontecer. No entanto, você é uma adulta agora e capaz de tomar essa decisão por si mesma.‛ Ela cruzou os braços sobre o peito. ‚Obrigada.‛

1

Uma exclamação de alegria popular com cowboys no meados do século 19 Oeste dos EUA.

6


‚É isso que você quer, sabendo o que pode estar enfrentando? Porque quando estiver dentro, estar{ por conta. Você não poder{ desistir.‛ ‚Entendo Grange. Fui treinada. Por você. Sei o que posso ter que fazer. Eu posso lidar com isso.‛ ‚Certo. Você est{ no caso. Desde que você disse que Crush já conhece você vai nos dar uma ‘entrada’ com eles. E você vai ter Diaz e Spencer para proteger você. Mas não — eu repito, não — v{ fora sozinha ou faça qualquer coisa sem eles, você entendeu?‛ Ela assentiu a emoção perfurando através de suas veias. ‚Eu entendi.‛ ‚É isso, então. Vocês todos precisam se reunir com suas equipes e ler as suas atribuições, em seguida, façam as malas e estejam na estrada na primeira hora da manhã,‛ disse Grange, efetivamente dispensando-os. Jessie resistiu a pular para baixo e para cima. Mas vaca santa, ela tinha uma missão! Com os casos em suas mãos, todos começaram a sair do escritório. Uma vez que a sala estava vazia, Diaz agarrou o braço de Jessie. Ela fez uma pausa, inclinando a cabeça para trás para ele. Ela sentiu a tensão em seus dedos enrolados, embora fossem quentes a segurou levemente. ‚Repense nisso.‛ Ela balançou a cabeça. ‚Sei o que estou fazendo.‛ ‚Certo. Como você fez quando estava andando com Crush Daniels e os Devil’s Skulls?‛ ‚Ele foi legal comigo. Não houve problema.‛ ‚O inferno, sim, ele foi bom para você. Ele tem uma coisa por você, é por isso que foi bom.‛ ‚Uma coisa? Que tipo de coisa?‛ ‚Ele queria você.‛ Uau era Diaz saindo da base. ‚Ele não fez.‛ ‚Veja, esse é o seu problema, Jess. Você é ingênua.‛ ‚Eu não sou ingênua. E você é cínico.‛

7


‚Não, eu sou realista, e meus olhos estão sempre abertos enquanto os seus estão nas nuvens. Você sabe o que Crush queria de você, não é?‛ ‚Você nem mesmo estava l{. Ele e sua gangue foram amig{veis. Eles me ajudaram. Andei com eles pelo dia e depois saí. Ninguém deu em cima de mim.‛ ‚Uh, huh. Eu aposto.‛ Ela puxou o braço para fora de seu alcance e se inclinou sobre a mesa. ‚Ok, Diaz. Você me diz o que você acha que Crush queria.‛ ‚Não é óbvio? Queria estar dentro das suas calças.‛ Ela revirou os olhos. ‚Nem todo homem é um pervertido lascivo.‛ ‚Querida, confie em mim. Se um cara tem um pau, ele vai querer estar dentro das suas calças. Acorde, Jess. Antes de acabar com problemas que não poder{ sair.‛ Diaz virou e foi embora. Jessie assistiu suas costas largas e jeans vestindo a bunda saindo da sala, pensando no que ele disse. Ele lhe deu tão pouco crédito. Tinha estado em torno de homens crescidos desde que era uma criança, sabia o que alguns queriam. Ela poderia distinguir os bons dos maus dentro de segundos, sabia imediatamente quando deveria ser cautelosa. Não sentiu nenhum sinal de perigo de Crush Daniels. Sim, ele era um motociclista áspero e liderava uma gangue durona, mas ela tinha sido uma companheira motociclista em perigo e ele ajudou-a. Fim da história. Diaz? Agora ele era algo totalmente diferente e assim era a reação dela a ele. Ela não conseguia respirar em torno de Diaz. Ele a fazia desconfortável. Não de uma forma ruim, mas em um Deus-que-homem-deslumbrante-e-faz-minha-calcinha-molhada pelo caminho. Desde o momento em que seus hormônios tinham estourado na cena com a idade de dezesseis, eles se concentraram em Diaz e não tinha desviado desde então. E em todos esses anos Diaz jamais havia notado que ela era do sexo feminino. Quando Mac a trouxe, Diaz foi o pior em ignorá-la completamente, na melhor das hipóteses a tratava como uma criança. Isso permaneceu assim durante os últimos oito anos. Ou pelo menos ela pensava assim, até hoje. Mas seus comentários e a forma como ele olhou para ela a fez pensar que o desejo secreto não era tão unilateral como ela sempre pensou que tinha sido. 8


Há quanto tempo ele a tem notado? Ele tinha mesmo consciência disso? Porque ele não fazia aquela coisa típica de protetor da irmã menor como os outros caras faziam. Não, isso era diferente. Interessante. E um pouco fora de equilíbrio. Ter uma atribuição era excitante o suficiente. Um caso atribuído com Diaz? Bônus. Ele sempre a evitava. Agora, ele não seria capaz de fazer isso. Não só ela estava finalmente indo trabalhar num caso — e um caso fascinante como este — mas esta era a sua chance de conhecer o homem que tinha alimentado suas fantasias por vários anos.

DIAZ DELGADO JOGOU O PACOTE EM CIMA da mesa da biblioteca, murmurando maldições sob sua respiração. Jessie. Que diabos Grange estava pensando em deixá-la participar ao longo deste caso? Ele enfiou a mão pelo cabelo, tentando combater o aborrecimento correndo em suas veias. Talvez uma hora ou mais com o saco de pancadas no ginásio ajudaria a liberar um pouco do fogo alimentando sua raiva. Ele precisava de uma saída para a raiva que ele mal podia conter agora. Se fosse por ele, Jessie teria sido enviada para a faculdade longe dos perigos que os Motoqueiros Selvagens representavam. Ela não tinha nada que fazer parte de sua vida. A partir do momento que Mac a tinha trazido — uma adolescente, jovem e assustada tentando agir duramente — Diaz sabia que este não era o tipo de vida para ela. Oh, ela falou e falou e andou e andou, mas havia um toque de vulnerabilidade sobre ela, uma doce inocência que Diaz queria trancar em um armário e proteger. Merda. Ele não queria que ela fosse para o Arkansas com Spencer e ele. E essa era a questão de tudo. ‚Precisa de alguém para bater a merda fora?‛ Ele rodopiou ao som da voz de Spencer. ‚Talvez. Você é o volunt{rio?‛

9


Spencer deslizou em uma das poltronas de couro largas, cruzando os tornozelos juntos. ‚Talvez se você continuar agindo como o pai de Jessie, em vez de seu amigo.‛ ‚Alguém precisa ter algum senso. Ela é apenas uma criança.‛ ‚Ela tem vinte e três. Ela é capaz. Você j{ foi em algumas rodadas com ela no ringue de boxe?‛ ‚Não.‛ Spencer trabalhou sua mandíbula para tr{s e para frente. ‚Aquela garota, como você a chama, tem baita soco. Bem como um pontapé. Ela tem um tiro muito bom com uma arma e é muito útil com uma lâmina, também. Eu diria que ela pode se manter sozinha, muito bem. Inferno, ela veio até nós com esse conhecimento. Ela é esperta e inteligente. Sábia além de seus anos e uma boa juíza de car{ter.‛ ‚Realmente.‛ ‚Sim. Se você puxar a cabeça para fora de sua bunda e sair nas pontas dos pés ao seu redor, talvez você v{ notar.‛ Oh, ele notou. Todas as coisas erradas. Como suas curvas. Seus seios. Suas pernas longas e a voz sexy. Sua boca. Sua risada e seu raciocínio rápido. Ela fazia seu pau duro. E ele a tinha conhecido desde que era criança. Sim, ele a notou bem. Tinha tentado evitá-la desde o seu décimo oitavo aniversário, quando ela virou aqueles olhos verdes deslumbrantes nele de uma forma que fez suas bolas tremerem. Ela era inteligente demais — tão malditamente inteligente para seu próprio bem. Jessie era um pacote diabolicamente sexy que não podia tocar. Ela o fazia louco. Ele não iria sobreviver a essa missão. ‚Não acho que é seguro para ela. Você sabe o que essas iniciações das gangues de motociclistas duras podem ser, Spencer. Você quer isso para Jessie?‛ Spencer deu de ombros. ‚Não é da minha conta. Ela é adulta agora e tem sido treinada por um longo tempo. Esta é a chance dela e ela quer isso.‛ ‚Você est{ disposto a vê-la fazer sexo?‛ 10


Spencer engoliu, parecendo tão desconfort{vel quanto Diaz se sentia. ‚O inferno, eu não sei. Mas todos nós temos que deixá-la crescer e parar de pensar nela como a nossa irmã mais nova. Ela não está relacionada com qualquer um de nós. É uma mulher e pode fazer suas próprias escolhas, mesmo que isso inclui sexo como parte de uma atribuição. Você sabe que precisamos ir dessa maneira às vezes. Ela sempre quis ser um Cavaleiro Selvagem. E isso é parte do negócio.‛ Não, merda. O pensamento de vê-la foder outro homem fazia seu sangue ferver. Ele não sabia nada sobre sua vida privada, mas ela era sexy, de cabelo louro cortado curto, lábios carnudos, brilhantes olhos verdes e um corpo assassino, ela imaginava que tinha tanta prática fodendo quanto ela tinha com armas e combate mão-a-mão. E isso que ele não queria pensar. ‚Isso é uma merda,‛ disse ele, afundando na cadeira de frente para Spencer. ‚O que é uma merda?‛ Ele olhou para o som da voz de Jessie, seu pulso acelerou quando ela entrou no quarto. Ela usava calças de couro, botas e um top justo e apertado que revelava apenas uma sugestão do seu estômago liso. A joia brilhante do piercing no umbigo — esmeralda para combinar com seus olhos — o tentando e o fazendo se coçar para lamber ao redor da pequena joia em seu caminho até o tesouro abaixo. Jessie olhou para ambos Spencer e Diaz. ‚Vocês estavam falando de mim, não é? Ainda debatendo se vocês acham que posso lidar com essa tarefa?‛ ‚Eu não era o único a fazer o debate,‛ disse Spencer. Ela voltou sua atenção a Diaz. ‚Para alguém que me ignorou completamente desde que eu cheguei aos Motoqueiros Selvagens, com certeza você levou um inferno de um tempo para começar a prestar atenção.‛ Ela entrou na sala e pegou o pacote nas mãos. Depois de despejar os papéis sobre a mesa entre a sua cadeira e Spencer, ela os espalhou e pegou um de cada vez, estudando os documentos cuidadosamente. ‚Este é Crush Daniels,‛ disse ela, entregando uma foto para Diaz e uma para Spencer. ‚Vocês podem querer saber como ele é.‛

11


Diaz pegou a foto que ela segurava por cima do ombro. Crush parecia estar na casa dos trinta, com o cabelo preto curto, cavanhaque e intensos olhos cinzentos. A imagem era um close, sem dúvida tirado com uma lente teleobjetiva. Ele estava sentado na moto —boa moto também — sua expressão era intensa enquanto estudava algo ao longe. ‚Christopher 'Crush' Daniels, trinta e três anos de idade. Um metro e oitenta e três de altura, pesando cerca de cento e dois quilos. Bem musculoso, trabalha regularmente,‛ relatou Jessie, lendo o documento. ‚O que ele faz para viver?‛ Spencer perguntou. ‚Ele é dono de uma garagem em sua cidade natal, Little Rock. Corrigindo. Coproprietário, com seu irmão mais velho, Donald. Acho que é, como ele tem tempo para fazer todas essas viagens com a moto. Seu irmão deve cuidar da loja enquanto ele anda. Aqui diz que seu irmão não é um motoqueiro.‛ ‚Sorte de Crush,‛ murmurou Diaz. ‚Não é exatamente um cara rico, mas certamente não pobre, também,‛ relatou Jessie. ‚Tem dinheiro suficiente para fazer o que quer, quando quer.‛ ‚Solteiro?‛ Diaz perguntou. ‚Sim. Nunca se casou. Fica ao redor. Muitas mulheres diferentes.‛ ‚E sem dúvida quer adicionar você como uma delas.‛ Jessie esticou o pescoço para olhar para Diaz, em seguida, revirou os olhos. ‚Não.‛ ‚Ingênua.‛ ‚Pervertido.‛ Ela virou-se e retomou a leitura. ‚Ensino médio, depois dois anos de faculdade comunitária. Tem seu diploma associado em negócios antes de abrir a garagem com o seu irmão. Eles estão nisso por dez anos agora e é muito popular. Acho que seus pais deixaramlhes dinheiro.‛ ‚Onde estão os pais?‛ ‚Ambos mortos. Causas naturais.‛ ‚Então, talvez o dinheiro da herança serviu para financiar algumas atividades de sobrevivência,‛ Spencer acrescentou. 12


Diaz balançou a cabeça e examinou a folha que Jessie lhe entregou. ‚Possivelmente. Diz que faz um monte de viagens a Ozarks. V{rias vezes por ano, na verdade.‛ ‚Isso pode significar que ele gosta de caçar. Ou pescar. Ou talvez ele vai acampar,‛ disse Jessie. ‚E isso poderia significar que ele gosta de sair com seus colegas sobrevivencialistas,‛ Diaz argumentou. ‚Mantenha sua mente aberta |s possibilidades, Jess. Não dê ao bandido uma saída.‛ Ela deslocou-se para olhar para ele, seus olhos tão confiantes que lhe doía. ‚Então, culpado até se prove que seja inocente?‛ ‚Algo parecido com isso.‛ Ela balançou a cabeça. ‚Desculpe, minha mente não funciona dessa maneira. Nós vamos ter que provar que é culpado.‛ ‚Você não é um advogado. Não é seu trabalho encontrar inocentes. Ele é o nosso suspeito. Precisamos provar que ele é sujo.‛ ‚Eu não concordo.‛ ‚Tentando proteger um cara só porque ele foi bom para você uma vez que poderia ter te matado.‛ ‚Não estou tentando protegê-lo. Estou mantendo uma mente aberta, isso é tudo.‛ ‚Feche-a. É mais seguro.‛ Ela arqueou uma sobrancelha. ‚Acho que você est{ apenas com ciúmes.‛ Spencer bufou. Diaz atirou um olhar em sua direção e Spencer cuidadosamente retomou ao estudo dos papéis, mas o sorriso em seu rosto permanecia. ‚Querida, para eu estar com ciúmes, teria que me importar. E desde que não sou aquele com a mão em sua calcinha no momento, não tenho nada a me preocupar. Mas sou o líder da equipe nessa tarefa. Isso significa que é minha responsabilidade garantir que ninguém da minha equipe atue como um louco fodendo este caso.‛ O sorriso dela morreu. Ela olhou para baixo, em seguida, voltou-se novamente, com a voz baixa. ‚Eu sei o que estou fazendo, Diaz.‛ 13


Seu rosto apertou com tensão quando o seu olhar penetrou o dela. Ele detestava ter que estabelecer a lei a ela, mas era melhor fazer isso agora do que mais tarde. Ela precisava saber que isso não era diversão e jogos. Este era um assunto sério de morte. ‚É melhor ou você vai estar de volta aqui mais r{pido do que uma viagem de bala, explicando para Grange porque estragou tudo em sua primeira — e última — atribuição.‛

14


Capítulo Dois O AMANHECER FILTRAVA ATRAVÉS DO complexo dos Motoqueiros Selvagens, sem nuvens e em chamas quentes já. Ia ser um dia escaldante para um passeio. Não havia uma folha soprando nesta manhã, sem vento, nada farfalhando das árvores abrigadas na área da garagem atrás da casa grande, onde todos os carros e motos eram armazenados. Jessie olhou pela janela, observando Grange e Diaz saindo da garagem, parando para uma breve conversa, então em direção a casa. Jessie não tinha dormido nada na noite passada, sua mente ocupada com o caso e seu aborrecimento com Diaz. Porra, ele tinha puxado seu último nervo. Em mais maneiras do que era óbvia, também. Ele não tinha absolutamente nenhum senso de humor, não aceitava provocações em tudo, e era absolutamente sério sobre este caso. Não que ela não estava. Ela realmente estava séria sobre o caso. Mas poderia Diaz acertar em tudo? Spencer podia. Diaz? Aparentemente não. Será que ele pensava por um segundo que ela não ia levar esta tarefa a sério? Ela estava esperando anos por essa chance. Desde que fez dezoito anos, queria a oportunidade de trabalhar para os Motoqueiros Selvagens. Antes disso, na verdade, Grange disse que de modo algum ela tinha idade legal. E então ele forçou-a a frequentar o colégio local, dizendo que precisava de alguma educação juntamente com a formação. Ainda assim, ele nunca lhe atribuiu a um caso, em vez disso fazia o seu caminho na sede, dia após dia, trabalhando com os caras sobre armas, operações, comunicação, computadores, condicionamento corporal e resistência, artes marciais, e, é claro, as motos. Ela adorava as motos, havia sempre as amado mais. Ela andava desde que tirou sua carta aos dezesseis, e ela era muito boa nisso. Na verdade, ela era boa em tudo que fazia. Mesmo os caras diziam isso. Como é que Diaz não lhe dava crédito? 15


Ele a tratava como uma idiota sem cérebro, uma loira burra com peitos grandes. Só porque uma garota era bonita e tinha um corpo grande não queria dizer que ela era estúpida. Isso ia parar hoje. Iria provar que poderia lidar com este caso. Suas bolsas estavam prontas. Ela estava vestida e pronta para ir. Pegou tudo o que precisaria para esta viagem e desceu para encontrar Diaz e Spencer. Ela encontrou Diaz, Spencer e Grange na cozinha. Tentando agir indiferente mesmo que seu coração estava batendo forte, passou por Diaz para pegar um copo do armário e enfiou-o sob a cafeteira, enchendo-o até a metade. Já estava ativa por duas horas e havia bebido três copos. Estava por um fio. ‚Bom dia,‛ disse Grange. ‚Você est{ pronta para isso?‛ Ela assentiu com a cabeça enquanto bebia. ‚Estou pronta por um longo tempo.‛ ‚Se em algum momento você sentir que não pode lidar com isso — qualquer coisa disso — você é bem-vinda a deixar cair este caso. Haver{ outros.‛ Ela se inclinou contra a bancada, cansada de ter que dizer a mesma coisa uma e outra vez. Seu protecionismo estava acabando com sua paciência. ‚Eu vou ficar bem.‛ ‚Pronta para andar?‛ Diaz perguntou. ‚Sempre que você estiver.‛ Ela ainda estava sensível sobre seus coment{rios na noite passada, mas enterrou seus sentimentos. Diaz estava conduzindo este caso. Ela não queria parecer infantil, especialmente na frente de Grange. Estavam em modo de trabalho agora. Tinha que colocar suas questões pessoais de lado e trabalhar com ele. ‚Vamos.‛ Ela pegou sua bolsa e seguiu Spencer, Diaz, e Grange fora e para dentro da garagem. Mas quando ela foi para a sua moto, ele não estava em seu local habitual. ‚Uh, cadê minha moto?‛ Grange sorriu. Assim fez Spencer. ‚Diaz a trocou.‛ Ela virou-se para enfrentar Diaz. ‚Você o quê?‛

16


Diaz não tinha uma única expressão em seu rosto. ‚A sua 883 era muito pequena para uma viagem. Nós estaríamos parando a cada cem milhas para o g{s.‛ Ela quase caiu em l{grimas. ‚Você sabe o quanto eu trabalhei para economizar dinheiro para comprar essa moto?‛ Não era nova, mas era dela. Escolheu-a para si mesma. Ela adorava essa moto. ‚Eu sei. Mas você tem que ser realista. Esta é para o trabalho.‛ Ele cavou no bolso e tirou um molho de chaves. ‚Est{ na baia quatro.‛ Ela piscou, então franziu o cenho. ‚O que est{ na baia quatro?‛ ‚A sua nova moto.‛ Ainda sem entender, tudo que ela podia fazer era virar a cabeça para o lado e para em frente a Diaz. Ele finalmente teve de agarrá-la pelos ombros e girar em torno dela. ‚Olha, Jess.‛ Ela fez. Mas ela não acreditou no que viu. Sua mandíbula escancarou. Lá, na baia quatro, estava uma brilhante, linda, excepcional — nova Harley Sportster 1200, uma moto maior e mais poderosa do que a que ela tinha antes. ‚Isso é meu?‛ ‚Sim.‛ ‚É azul.‛ Um belo trabalho de pintura azul Pacífico. ‚E todo esse cromo.‛ ‚Sim. Imaginei que você gostaria.‛ Ela caminhou ao redor da moto, boquiaberta em todas as características. O pára-brisa de liberação rápida destacável, o assento — parecia um banco almofadado — a bunda dela já estava dizendo ‚ahhh‛ no que parecia. Purificador de ar, tubos, cabos, punhos, guidão, molas — tudo foi atualizado pelo padrão, toda cromada, brilhante e linda. ‚É linda,‛ disse ela, incapaz de manter a reverência de sua voz. Diaz apareceu ao lado dela e seu olhar subiu para o seu. Ele rapidamente se virou para olhar a moto, mas nesse breve segundo ela viu algo em seus olhos. Algo quente. ‚Quando você fez isso?‛ Perguntou ela. 17


‚Na noite passada.‛ ‚Como?‛ ‚Eu tenho amigos em todos os lugares. E você precisa de uma moto maior se estiver indo trabalhar nos casos. Seria inconveniente para nós encostar a cada duas horas para que possa encher o tanque da 883.‛ Aquilo não era porque ele tinha feito isso. Ela queria abraçá-lo. Beijá-lo. E muito mais. ‚Obrigado, Diaz,‛ disse ela, caminhando entre ele e a moto, forçando-o a olhar para ela. Ele encolheu os ombros, enfiou as mãos no bolso da calça. ‚Não é grande coisa. Você est{ pronta para experimentar?‛ Ela sorriu. ‚Você sabe disso.‛ Grange passou um braço em torno de seu ombro. ‚Tenha cuidado.‛ Ela assentiu com a cabeça. ‚Eu vou.‛ Ela arrumou sua bolsa, subiu na moto e rodou, seu corpo inteiro vibrando ao thrum do motor. O imenso poder entre suas coxas nunca deixou de excitá-la. Que Diaz a tinha presenteado com esta moto era mais do que poderia imaginar. Por que ele fez isso? Não era um grande inconveniente parar para abastecer com maior frequência. Sua 883 teria sido suficiente. Mas esta nova moto? Era o paraíso. Não ia reclamar. Ela gostaria de encontrar uma forma adequada de agradecer-lhe. Decolaram e ela acenou para Grange quanto desceram o longo caminho até os portões. A Sportster tinha um monte de poder por trás dela, muito mais do que sua moto menor. Tinha que conter o desejo de soltar o acelerador e ver o que este bebê poderia realmente fazer. Especialmente quando ainda estavam dentro dos limites da cidade de Dallas. Em vez disso, seguiu Diaz, com Spencer atrás dela, obedecendo ao limite de velocidade enquanto se moviam pela cidade. Eles pegaram a estrada por todo o caminho, portanto, não desfrutando do cenário, apenas tecendo dentro e fora entre os carros e pelo meio. Não importava. Jessie tinha uma moto nova, o vento em seu rosto, o zumbido do motor em torno dela, e tinha que prestar atenção atrás e em Diaz na frente dela, que lhe deu horas de tempo ininterrupto para ponderar. E tinha muito em que pensar. 18


Como por que ele questionou a sua capacidade de lidar com este caso em um minuto e no próximo lhe comprou uma moto novinha em folha com um pouco de força por trás dela. Se não tinha confiança nela, por que recompensá-la com algo parecido com esta máquina maravilhosa? E o que estava acontecendo com sua atenção repentina, quando anteriormente não parecia se importar com o que ela fazia ou ter prestado atenção a ela quando estava por perto? Não era nem mesmo como se ele estivesse agindo como uma figura paterna — não era o estilo de Diaz, de qualquer forma. Não, era mais do que isso. Algo diferente, intrigante. Emocionante. No entanto, agia como se estivesse irritado com ela. O homem a fazia louca. Diaz sinalizou para encostar ao posto de gasolina que tinha um restaurante, que era uma coisa boa porque Jessie estava ficando com fome. Ela saiu de cima da sua moto, recostou-se para esticar as pernas e viu Diaz olhando severo por sobre o ombro. ‚O quê?‛ ‚Nada.‛ Ele não estava olhando para ela, então ela girou, viu dois rapazes em uma caminhonete dando maliciosas cotoveladas, um ao outro. ‚O que eles estavam fazendo?‛ ‚Pelo que eu poderia dizer, verificando a sua bunda.‛ Ela sorriu. ‚Oh. Ignore-os. Eu faço.‛ ‚Eu não.‛ Ele começou ir até eles, mas Jessie endureceu, bloqueando seu caminho. ‚Você est{ falando sério? Se estiver indo brigar com cada cara que olha para mim, esta vai ser uma longa viagem. Deixe, Diaz.‛ ‚Eles são idiotas e não tem nada que olhar para você assim.‛ ‚Sim. Mas não é isso que os caras fazem?‛ ‚Não esses caras.‛ Ela levantou as sobrancelhas. ‚Sério. Você nunca deu um segundo olhar para uma menina com uma bela bunda?‛ 19


Ele finalmente arrastou seu olhar longe dos homens da caverna na bomba de gasolina e olhou para ela. ‚Não da forma que estavam checando você.‛ Ela revirou os olhos. ‚Tanto faz. Vamos. Estou com fome. Venha me proteger dos clientes maliciosos do restaurante.‛ Spencer bufou e Diaz virou, atirando um último olhar eu-ainda-posso-matar-você para os dois homens da bomba antes de abrir a porta para Jessie. Desde que era cerca de uma hora e meia após a hora do almoço tradicional, o restaurante estava praticamente vazio. Eles deslizaram em uma cabine no canto do restaurante. Jessie pediu café quando a garçonete parou em sua mesa para oferecer os menus. Diaz e Spencer fizeram o mesmo. ‚Temos cerca de duas horas antes de chegar em Fayetteville,‛ disse Diaz. ‚Por que você não nos enche com o que sabe sobre o Devil’s Skulls?‛ Jessie assentiu. ‚Não muito, realmente. Minha moto antiga quebrou em uma das estradas fora de Shreveport enquanto eu estava em um passeio de manhã cedo. Estava preste a sair para o posto mais próximo quando ouvi o estrondo das motos se aproximando, por isso fiquei. Havia cerca de trinta deles, Crush na liderança e seu melhor amigo Rex andando ao lado dele. Eles saíram, enquanto o resto de sua gangue continuou para a próxima cidade. Crush e Rex me ajudaram a consertar a moto, então me acompanharam para a cidade. Tomei café com a sua gangue.‛ ‚Você não levava seu telefone celular?‛ Spencer perguntou. Ela assentiu com a cabeça. ‚Não funcionou nessa área remota. Então, pretendia começar a andar até que alcançasse uma cidade ou até que meu telefone funcionasse.‛ ‚Você não deveria andar sozinha, Jess. �� muito perigoso.‛ ‚Sim, papai,‛ ela respondeu, acabando por mostrar a língua para Diaz. Diaz fez uma careta. ‚Não me chame assim.‛ ‚Então pare de me tratar como uma criança. Est{ me irritando.‛ Spencer riu. ‚Cale a boca, Spencer,‛ disse ela. 20


Ele ergueu as mãos para cima. ‚Não podemos evitar se nós ainda a vemos como a garota magrela que primeiramente veio a nós?‛ ‚Eu não era magra.‛ ‚Você era, também. E você tinha atitude. Pensava que sabia tudo sobre tudo.‛ ‚Não.‛ ‚Oh, sim, inferno que sim. Você era nossa pequena diva com um chip em seu ombro. Você não queria estar lá, não queria ter aulas e terminar a sua educação. Você lutou com Grange a cada passo do caminho.‛ Ele estava certo. Ela fez. Deus se tivesse tido uma atitude naquela época. Estava tão perdida. Graças a Deus por Mac e o resto dos Motoqueiros Selvagens. Só Deus sabe o que teria acontecido com ela. ‚Eu fazia um maldito bom trabalho roubando aquele carro.‛ ‚Merda,‛ disse Spencer. ‚Você podia muito bem ter chamado a polícia antes de quebrar a janela do lado do motorista. Mac disse que fez barulho suficiente para acordar toda a vizinhança. Se ele não a tivesse agarrado e tirado sua bunda para fora de lá, você teria um tempo no reformatório.‛ ‚Não, se ele não tivesse tirado a merda do medo fora de mim, vindo atr{s de mim e empurrando-me para longe, eu teria o fio quente do Chevy e arrastado a bunda fora de lá antes que alguém me encontrasse.‛ Spencer balançou a cabeça. ‚Pirralha. Você teria sido torrada.‛ Ela sorriu. ‚Eu teria ido embora. Com rodas debaixo de mim.‛ ‚Você teria sido pega na próxima esquina.‛ Ela parou, riu. ‚Você provavelmente est{ certo. Estava tão verde.‛ Tão desesperada. ‚Mas veja o quanto eu aprendi desde então.‛ ‚Sim. Agora você é uma grande ladra,‛ brincou Spencer. Ela bufou, virou-se para Diaz, que só fez uma careta. Ele nunca se juntava com os outros caras brincando com ela, mesmo quando era apenas uma criança. Sempre quieto. Oh, ele era barulhento o suficiente com os outros caras, apenas não com ela. Nunca com ela. Ele

21


mantinha distância, murmurava algumas palavras de vez em quando. Ela sempre pensou que não gostava dela. Agora? Ela não tinha tanta certeza. ‚Das nossas pesquisas sobre os Skulls, eles têm um representante como faz-problema. Lutas aqui e ali, um pouco de atividade com arma e faca durante agressões físicas, coisas de gangue normal,‛ disse Diaz, obviamente mudando de assunto. ‚Do pacote que Grange nos deu, sabemos que tem uma base fora de Arkansas. Então, vamos começar por lá para verificá-los.‛ Spencer assentiu. ‚Notoriedade é uma grande coisa. Mas devem ter um perfil muito baixo, porque não ouvi nenhuma notícia ruim sobre eles e viajo muito em Arkansas.‛ ‚Corremos em alguns outros grupos de motociclistas, quando andei com eles,‛ disse Jessie. ‚Não h{ altercações. Todos mantiveram dist}ncia, mas Crush e sua gangue não parecem estar | procura de problemas.‛ ‚E não iniciaram qualquer coisa com você,‛ Spencer observou. ‚Não, eles não fizeram. Encontraram-me em um trecho bastante deserto da estrada, também, então se eles quisessem se meter comigo, eles poderiam ter.‛ Diaz deu um suspiro pesado. Jessie sabia que ele estava frustrado com ela novamente, sem dúvida porque pensava que ela corria riscos demais com sua própria segurança. Ela supunha que deveria apreciar a sua preocupação, mas desejava que ele tivesse mais confiante em suas habilidades para cuidar de si mesma. Não era uma garota rica protegida que não conhecia os caminhos do mundo. Era das ruas, cresceu vendo e experimentando o pior. Sabia o que estava acontecendo e como evitar entrar em situações perigosas. E se de alguma forma entrasse em uma, sabia como sair dela. ‚Então, talvez eles estivessem tendo um dia de folga e decidiram ser legais,‛ disse Diaz, não parecendo convencido. ‚Porque a informação que conseguimos obter sobre os Skulls dizem que são lutadores, portam armas e facas, e gastam muito tempo no lado errado da lei.‛ ‚Isso poderia ser relações públicas e nada mais,‛ Jessie argumentou. ‚Você sabe como isso vai com gangues de motociclistas. O mesmo poderia ser dito dos Hells Angels e eles fazem 22


mais coisas boas do que ruins. Às vezes a lei gira as coisas à sua maneira para fazer motoqueiros ficarem mal.‛ ‚É verdade. Mas o que precisamos saber é se a sua gangue é uma fachada para um grupo de sobrevivencialistas que estão comprando e estocando armas ilegais. Sabemos com certeza que há embarques ilegais de armas que entram nesta área e as informações da inteligência dizem que as armas estão ligadas a gangue de Crush de alguma forma. Portanto, vamos nos encontrar com eles e ver por nós mesmos que lado da lei os Devil’s Skulls estão caminhando.‛ Ela assentiu com a cabeça. Isso fazia sentido, embora suas interações com os Devil’s Skulls só tinham sido positivas. Crush e Rex tinham sido bons para ela, ajudaram quando precisou desesperadamente. Embora isso não significasse que eles não eram os bandidos e era importante se lembrar. Ela tinha que manter a mente aberta, não estar muito confiante ou muito cautelosa. Diaz tinha a sua maneira de fazer as coisas. Ela tinha a dela. Talvez a missão iria se beneficiar com as duas abordagens diferentes. Eles terminaram de comer e pularam em suas motos novamente, indo para o norte pelas últimas horas em Fayetteville. O rally já estava em andamento. Mais de trinta mil motociclistas estavam previstas para as festividades do fim de semana. As estradas já estavam cheias de motocicletas e Jessie excitada ao ser cercada por seus colegas motociclistas. Sozinha e nas ruas aos quinze, faminta e desesperada, nunca tinha previsto este tipo de futuro para si mesma. Graças a Mac e Grange e os Motoqueiros Selvagens, ela tinha uma vida emocionante à frente dela e agora tinha sua primeira missão como um agente do governo. Quem teria pensado que poderia acontecer, quando poderia ter acabado morta ou na prisão ou, pior ainda, se tivesse ficado em casa com sua mãe? Era muito cedo para dar entrada nos quartos de hotel que Grange havia reservado em seu nome, assim foram para a rua principal em primeiro lugar. Motos alinhadas em ambos os lados da rua, todas estacionadas em filas. Motociclistas caminhavam, observando outros

23


motociclistas subindo e descendo a estrada. As pessoas acenavam e verificavam as motos personalizadas. Era como um circo ou ambiente de festa. Jessie amava rallys de motos, nunca perdia uma oportunidade de vir para uma. Ela sempre conhecia pessoas novas ou encontrava com velhos amigos. Este seria ainda mais emocionante porque estava trabalhando sobre um caso. Ela não podia evitar o pequeno arrepio de emoção deslizando para baixo em sua coluna vertebral. Sentia-se como Bond, Jane Bond, a garota agente secreto. Em um semáforo, ela parou ao lado de Diaz, com Spencer em seu outro lado. ‚Você é os nossos olhos aqui,‛ disse Diaz para ela. ‚Desde que você se encontrou com ele, você será o vigia principal para Crush e sua gangue. Sinalize se identificá-los.‛ Ela concordou e eles saíram quando o semáforo ficou verde, cruzando a cidade, misturando-se com todos os outros como se fossem apenas mais alguns motoqueiros verificando a ação. Os vendedores aqui e ali, tinham muito para ver e fazer, era ótimo, já que ninguém prestaria atenção a eles. Eles poderiam se perder em uma enorme multidão como esta, olhar fixamente tanto quanto queria e procurar por Crush. No momento em que tinham andado por duas horas, era óbvio que Crush e os Skulls não estavam lá. Encontraram um lugar para estacionar no topo da colina perto do jardim de cerveja2 e entraram para uma bebida fria. ‚Tem certeza de que não o viu?‛ Spencer perguntou. Jessie balançou a cabeça. ‚Eles usam manchas distintas e muitos deles têm coletes especiais com seu símbolo de gangues nas costas. Crânios com chifres do diabo. Você não pode perdê-los.‛ ‚O rally começa hoje,‛ disse Diaz. ‚Talvez eles não estão vindo.‛ ‚Ele est{ chegando,‛ disse Jessie, apoiando seus pés em cima da cadeira vazia na mesa. ‚Ele me perguntou se eu estaria aqui.‛

2

Local fora do estabelecimento para tomar cerveja, geralmente em parques, em lugares com muita área verde. Muito comum nos E.U.A. 24


Diaz fez uma careta. ‚Quando?‛ ‚Naquele dia que resgatou a minha moto. Paramos e comemos juntos, lembra? Eu lhe disse que estava no meu caminho de volta depois de um rally de moto e ele me contou sobre este em Fayetteville, porque era perto de onde morava. Deu-me o detalhe da localização, o que rolava por aqui e que época do ano era, em seguida, perguntou se eu viria. Eu lhe disse que faria. Então assumi que sua gangue estaria aqui, especialmente porque este é um território dos Devil’s Skulls. Confie em mim, ele estar{ aqui.‛ ‚É melhor que sim, ou este ser{ um trabalho curto.‛ ‚Podemos sempre ir para as montanhas e procurar por eles,‛ Spencer sugeriu. Diaz concordou. ‚Nós vamos fazer isso se precisarmos, mas acho que se Jessie encontrar com ele parece uma melhor oportunidade do que esse outro projeto.‛ Sentaram na tenda de cerveja por um tempo e tomaram algumas cervejas, ouviram a banda e assistiram as motos passando pela rua principal. Jessie focou em se manter observando a Crush ou qualquer outra pessoa vestindo a insígnia dos Devil’s Skulls. Depois de um par de horas não tinham visto nada e estava ficando tarde. Levantaramse e andaram um pouco, se aventuraram na área de atividade principal, nos edifícios e tendas, na esperança de encontrar Crush lá. Ele não estava. ‚Vamos,‛ disse Diaz. ‚Nós vamos pegar nossas motos e dar outra volta ao redor e ver se podemos identificá-los. Talvez estão todos estacionados em outro lugar.‛ Eles olharam por toda parte, então girou de volta e andaram nas principais ruas de novo, mas finalmente Diaz chamou encerrando e se dirigiram para o hotel onde tinham feito as reservas. Enquanto caminhavam pelo corredor em direção a seus quartos, o estômago de Jessie com a decepção. Seu primeiro dia de sua primeira missão e absolutamente nada tinha acontecido. Ela alcançou a porta e se virou para os dois. ‚Vocês querem comer alguma coisa?‛ Spencer balançou a cabeça. ‚Vou arrumar minhas coisas, depois voltar para um dos bares na rua principal e vigiar para qualquer um dos Skulls.‛

25


‚Eu vou fazer alguma pesquisa em sua gangue, então vou ficar aqui,‛ disse Diaz. ‚Jess, você pode ir com ele se quiser.‛ Pesquisa? Que tipo de pesquisa Diaz ia fazer em seu quarto? ‚Estou cansada. Acho que vou ficar aqui,‛ disse ela. Spencer assentiu e passou pelo corredor até seu quarto, enquanto Diaz abriu a porta do outro lado do corredor do dela. Jessie entrou em seu quarto e fechou a porta, rapidamente desembalou suas coisas. Ela se sentou na cama, olhando pela janela. Ansiedade reprimida a impedia de relaxar. Era cedo. Ela não tinha nada para fazer. Precisava de alguma ação. Pesquisa. Isso é o que ela precisava fazer, descobrir que tipo de pesquisa Diaz estava fazendo. Ela pegou o telefone, ligou para o restaurante do hotel e pediu dois sanduíches, em seguida, tomou um banho rápido e trocou de roupa. Trinta minutos depois, estava na frente da porta de Diaz com um saco de sanduíches e refrigerantes. Ela levantou a mão para bater, então fez uma pausa. E se ele tinha uma namorada na cidade e apenas deu uma desculpa de pesquisa para que pudesse ficar sozinho com ela? Não. Isso era estúpido. Por que mentiria? Porque eles deveriam estar trabalhando e ele estava jogando conversa fora em vez disso? Que diferença isso faria? Se Diaz queria transar, poderia dizer isso. Não poderia? Seu estômago ficou aflito com o pensamento. Tinha que ser fome. Que direito ela tinha de estar ciumenta? Ela não tinha nenhum direito sobre Diaz. Eles nem sequer tinham um relacionamento. Eles tinham... Nada. Ele estava definitivamente pesquisando. Mas o quê? E como? Ela queria descobrir. Além disso, trouxe o jantar, uma desculpa legítima para bater em sua porta. Oh, para de debater e bata, idiota.

26


Ela bateu três vezes, esperando como o inferno que uma mulher seminua não respondesse. Seus instintos estavam geralmente certos. Diaz estaria trabalhando, não enroscado com alguma motociclista bebê. Ela odiaria que essa fosse a primeira vez que estava errada sobre alguma coisa.

27


Capítulo Três DIAZ AMALDIÇOOU QUANDO OUVIU A BATIDA na porta. Ele empurrou para trás da mesa muito pequena, amaldiçoando novamente, quando bateu a perna e mancou até a porta, deixando mentalmente um rastro de palavrões quando viu quem era através do olho mágico. Jessie. Ele abriu o ferrolho e abriu a porta. ‚O quê?‛ Ela arqueou uma sobrancelha. ‚Uau, você est{ mal-humorado. Você precisa de um cochilo?‛ ‚Não. Apenas algum isolamento.‛ ‚É uma pena.‛ Ela deslizou passando o caminho, carregando um saco e duas latas de refrigerante, que colocou na mesa de cabeceira ao lado de sua cama. ‚Eu trouxe o jantar, imaginando que você não iria pedir nada, j{ que tem algum tipo pesquisa a fazer.‛ Ela tirou suas sandálias e subiu em cima da cama, puxando um dos travesseiros para fora da colcha e prendendo-o atr{s das costas. ‚Espero que você goste de peru.‛ ‚O que você est{ fazendo aqui?‛ ‚Você não estava ouvindo? Eu trouxe o jantar.‛ Ela abriu o saco e colocou dois sanduíches na mesa de cabeceira, em seguida, abriu a parte superior de uma das latas de refrigerante. ‚Vou cuidar das coisas, por isso, não me deixe te incomodar.‛ Tarde demais. Um olhar para ela e ele estava distraído. Uma lufada do cheiro quando ela passou, os seios escovando seu peito, e ele estava definitivamente perturbado. Profundamente, profundamente perturbado. Ela cheirava a luz do sol, ao ar livre e Jessie. Ele queria lamber seu pescoço. Como inferno ia trabalhar com ela no quarto? ‚Você não est{ com fome ainda?‛ Perguntou ela. 28


Sim, ele estava com fome também. Mas não para um sanduíche de peru. ‚Não.‛ ‚É um laptop?‛ Ele pegou a cadeira e retomou ao seu lugar na mesa de novo. ‚Mestre do óbvio, não é.‛ ‚Babaca. Eu não sabia que você trouxe um. O que est{ fazendo?‛ ‚Eu disse a você. Pesquisa.‛ Ela deslizou para fora da cama e veio por trás dele. Ele tentou não respirar seu cheiro, mas não podia evitá-lo. O cheiro dela estava ali mesmo, assim como seu corpo quando se inclinou sobre ele. ‚Os Devil’s Skulls tem um site?‛ ‚Sim,‛ ele conseguiu, mas não estava se concentrando mais na tela. ‚A maioria dos grupos proeminentes têm seus próprios sites para que possam mostrar as fotos, listar suas atividades e onde vão estar. Achei que, se os Skulls eram grandes o suficiente, eles, também teriam.‛ ‚Mostre-me.‛ Ele folheou as páginas do site, mostrando suas imagens de rallys de moto e doações de fundos, listas de seus diretores e membros, algumas das instituições de caridade que eles ajudavam. ‚Eles têm um calend{rio de eventos?‛ ‚Sim.‛ Ele clicou sobre isso. ‚Traz o mês em curso, bem como os meses futuros e o que est{ acontecendo.‛ ‚Ele diz que vão estar no rally.‛ ‚Sim.‛ ‚Hmm. Pergunto por que eles não estavam l{ hoje?‛ ‚Nenhum indício.‛ Ela colocou a mão em seu ombro, inclinou-se mais e seus seios como almofadas em suas costas. Pelo amor de Deus, o governo poderia usá-la como um instrumento de tortura. Ela poderia quebrar um homem em menos de dez minutos, esfregando os seios em suas costas. Suas bolas já estavam torcendo em um nó. 29


Diaz sempre se orgulhava de sua autodisciplina. Torturá-lo? Tudo bem. Ele pode lidar com isso. Ele tinha um limite alto para a dor, podia ajustá-lo para fora e para dentro e concentrar em outra coisa. Não havia muito que pudesse fazer quando colocava o seu poder de concentração na tarefa da mão. Ele tentou isso agora, focando sua atenção na tela do computador, tentando selecionar o máximo de informações possíveis sobre os Skulls para que eles pudessem entrar no grupo estando bem informados. Ele não estava funcionando. Jessie era devastadora para os seus sentidos e as informações sobre o laptop eram um borrão total. ‚Bem, isso é surpreendente,‛ ela sussurrou, sua respiração quente contra seu pescoço. ‚O que é?‛ Ele esperava que ele não tivesse perdido informações importantes. Como explicaria algo bem na frente dela? Sinto muito, mas seus seios me distraíram? ‚Você. Um laptop. Eu nunca tomei você por um nerd de internet. Você está sempre fora, andando ou trabalhando nas motos. Você nunca gasta seu tempo na sala de tecnologia.‛ ‚Você sabe muito pouco sobre mim, Jessie.‛ Ela afastou-se para seu alívio. Agora, poderia exalar. ‚Bem, me preencha com informações, estou morrendo para saber.‛ Ela foi até sua cama e pegou o sanduíche. ‚Diga-me tudo sobre si mesmo, enquanto como.‛ Ele meio que se virou na cadeira. Ela estava brincando? ‚O que é que você acha que vou dizer a você?‛ Ela encolheu os ombros. ‚Oh, não sei. Uma vez que você é um completo mistério para mim, que tal tudo?‛ Desistindo, ele agarrou o sanduíche de peru e deu uma mordida, mastigando, pensativo. O que poderia dizer que iria se livrar dela? ‚Eu nasci. Eu cresci. Estraguei tudo. Você conhece o procedimento. Eu vim para os Motoqueiros Selvagens da mesma forma que o resto dos caras fizeram. Você tem estado em torno de mim há anos. Sabe quem eu sou e o que faço. Fim da história.‛ 30


‚Oh, vamos l{. De todos os caras, o que conheço menos é você. Por que isso?‛ ‚Porque não h{ nada para contar.‛ Nada do que ele gostaria que ela conhecesse, de qualquer maneira. ‚Eu não acredito nisso. Todo mundo contou sua história sobre o que era antes de Grange os arrastar para os Motoqueiros Selvagens, em que tipo de problemas estava. Eu nunca ouvi a sua história, apesar de tudo.‛ Ele encolheu os ombros. ‚Não é tão agitado.‛ ‚Então você vai me dizer, ou vou ter que fantasiar e fazer as minhas próprias histórias horríveis sobre você assaltando alguns bancos, aterrorizando cidades pequenas, fugindo dos Federais...‛ Qualquer coisa para calar. Mesmo a verdade. ‚Eu tinha dezessete anos. Gostava de roubar dinheiro de caixas eletrônicos e usar carros roubados para fugir.‛ Ela levantou ambas as sobrancelhas e ergueu os l{bios. ‚Realmente. Então, eu estava certa sobre os bancos. Você garanhão.‛ Ele balançou a cabeça em seu coment{rio provocativo. ‚Alguns caixas eletrônicos filmam os veículos e placas, então normalmente roubava um carro antes de quebrar um caixa eletrônico.‛ Ela assentiu com a cabeça. ‚Muito laborioso você. Onde você conseguia os cartões de banco?‛ ‚Pegava no bolso. F{cil pegar uma carteira ou bolsa em uma rua movimentada. Empresários falam ou uma mulher distraída durante as compras. E depois os carros eram fáceis de pegar. Eu ia para veículos de modelo mais antigo — geralmente batidos, deixados desbloqueados, sou bom para fios-quentes. Desde que quando usava uma vez eu os abandonava, então não precisava deles em condições superiores.‛ ‚Como é que você passava pelas senhas?‛ ‚Eu sei coisas de computador.‛ Suas sobrancelhas levantaram. ‚Estou intrigada.‛ Ela realmente não tinha ideia. ‚Eu peguei as coisas aqui e ali. Não só roubava carros.‛ 31


‚Então, você tinha isso feito, não é?‛ ‚Eu pensei assim. Até que fui pego e jogado na cadeia. Sem dinheiro, o defensor público não daria um rabo de rato sobre mim, eu acabaria na prisão pela vida inteira. Quando Grange apareceu e ofereceu o negócio, eu teria vendido minha alma para pegá-lo.‛ ‚Você estava agradecido pela segunda chance.‛ ‚Eventualmente, com certeza. Mas não na primeira. Você sabe como é. Você foi da mesma maneira. Nessa idade você acha que é coisa quente, que nenhum adulto vai salvar você de você mesmo. Tudo que quer é estar fora, assim pode voltar para a rua, ser independente, e fazer as coisas | sua maneira.‛ Jessie assentiu com um sorriso. ‚Eu me lembro. Grange tinha outras ideias, no entanto. Não tomava qualquer porcaria de nós.‛ ‚Não, ele não faz. Trabalhou difícil desde o primeiro dia e nunca desistiu. Disse-me que era o seu caminho ou a prisão. Pelos primeiros meses eu me perguntei se a prisão não era a maneira mais f{cil de ir.‛ Jessie riu. ‚Eu sei. Ele não me deu qualquer folga porque eu era uma menina, também. Fez-me estudar, comer bem, o exercício, as luzes mais cedo, sem telefone, sem amigos... todas essas malditas regras. E aqui eu pensava que tinha escapado da escola. Era pior estar sob seus cuidados.‛ ‚Sim. Primeiro a escola, então todos os exercícios físicos, mais loja — aprender mais sobre carros e motos que eu nunca tinha conhecido antes. Despindo-os até os chassis e construindo-os de volta. Aprendi muito.‛ No começo odiava cada segundo de ser achatado sob o polegar de Grange, mas então começou a respeitar o General Lee. O homem governava com mão de ferro, não tomava nenhuma merda de crianças babacas, ele o tinha tomado sob sua asa. Eventualmente, Diaz começou a apreciar três refeições por dia, nenhum abuso e estava aprendendo que se quisesse ser respeitado, tinha que ganhá-lo e mostrar respeito, por sua vez. Ele aprendeu a ser um homem a partir de Grange Lee, algo que seu próprio pai nunca lhe tinha ensinado.

32


‚Eu desmaiava na cama | noite — nove horas, não menos — completamente esgotada,‛ disse Jessie. ‚Ele nos arrastava para fora da cama ao amanhecer. Não admira que não tivesse problema de ir para a cama |s nove.‛ Diaz não tinha ido para a cama tão cedo desde que tinha cinco anos de idade. Mas trabalhar sob as leis de Grange tornou isso mais fácil. ‚Eu tinha família,‛ disse Jessie. ‚Um tirano duro para uma figura paterna, mas pela primeira vez na minha vida, finalmente tive uma família que se preocupava comigo. Um pai e irmãos que cuidavam de mim.‛ Irmãos. Lá estava ele. Esse abismo que não podia atravessar. ‚Sim. Família é bom.‛ Ele terminou o sanduíche, o guardanapo amassado e jogado no lixo, virou-se para o laptop, esperando que Jessie entendesse o recado e deixaria seu quarto. Ela não disse nada por alguns minutos, mas então ele ouviu seu movimento atrás dele, os seios mais uma vez pressionados contra suas costas, enquanto estudava a tela do laptop. Ele sugou em uma respiração rápida de calor, subindo em suas veias. Cristo. Só de estar perto dela enviou pane ao seu sistema nervoso. E ela pensava nele como um irmão. Ele era um pervertido de merda. Ele tinha que tirá-la de seu quarto. ‚Acho que posso terminar isto agora.‛ Ele fechou a tampa do laptop e empurrou a cadeira para trás, forçando-a a afastar-se dele. Jessie afastou um par de passos, franziu a testa confusão no rosto. ‚Só isso? Você acabou com a sua pesquisa?‛ ‚Sim.‛ Moveu-se para a porta, esperando que ela seguisse. Ela não o fez. ‚Diaz.‛ Ele pairou perto da porta. Vamos, Jess. Pegue a dica. ‚O quê?‛ Ela caminhou em direção a ele. Ele observava a maneira como ela se movia. Tão graciosa, tão lenta, tão sedutora. Parou na frente dele, inclinando a cabeça para trás para olhá-lo 33


nos olhos. Seus lábios se separaram uma fração de uma polegada, revelando apenas a ponta de sua língua enquanto o estudava. Ele estava começando a suar. Seu pênis contorcia. Seu coração batia forte. Foda. Ele não tinha dezessete anos. Tinha trinta e um anos de idade malditos, era velho demais para deixar uma mulher jovem afetá-lo desta forma. Ela avançou mais perto, tão perto que as pontas de seus seios quase roçaram sua camisa. Seus joelhos quase dobraram. ‚Por que você tem tanto medo de mim?‛ Ele inclinou o queixo para baixo e olhou para ela. ‚O quê?‛ ‚Você est{ com medo de mim. É óbvio. Você tem me evitado durante anos. Nunca fala comigo. Entro em uma sala, você sai. Tento falar com você e você murmura algumas frases ininteligíveis, mas caso contrário, você não se envolve e depois dá alguma desculpa para ficar longe de mim.‛ ‚Isso não é verdade.‛ ‚Isto é, também.‛ Seu olhar varreu seu corpo, dos pés ao topo da sua cabeça. ‚Agora você, o quê? Tem um metro e oitenta e oito ou assim?‛ ‚Um metro e noventa e três.‛ ‚Tudo bem então. Tenho um metro e sessenta e oito, então você é mais de vinte centímetros mais alto que eu. E me ultrapassa por mais de cem quilos, se não mais, então não acho que minha mera presença assusta a merda fora de você.‛ Querida, você não tem ideia. ‚Eu só não consigo descobrir o que tenho que faz com que você manter a dist}ncia.‛ ‚Você não me assusta, Jessie.‛ ‚Sim, eu faço.‛ Ela se moveu sobre ele e ele recuou um passo. ‚Caso contr{rio, você não estaria se afastando de mim. Então, veja, estou certa. Você tem medo de mim.‛ ‚Não tenho medo de nada, nem ninguém.‛ 34


Um pequeno sorriso brincou nos cantos de sua boca. ‚Esse tipo de bravata poderia ter um cara morto em nossa linha de trabalho. Todo mundo tem medo de alguma coisa. Comigo, é penhascos — olhar um e o medo de cair. Dá-me um caso vicioso de vertigem. Oh, e odeio aranhas de uma maneira muito grande. Uma coisa de mocinha, eu sei, mas não posso evitar. E realmente não estou muito interessada sobre dormir sozinha no escuro. Eu gosto de uma luz acesa. E quanto a você? O que o assusta?‛ ‚Eu disse a você. Nada.‛ Ele achatou as costas contra a porta, mas Jessie continuou chegando, pressionando as palmas das mãos contra o peito e nivelando-o com um sorriso provocante. ‚Nada além de mim. Grande, a m{ Jessie assusta você.‛ Ela estava jogando um jogo. Ele não estava. ‚Pare.‛ Ela fez. Ela teve — não havia nenhum lugar para ir, a menos que ela subisse em cima dele. Ele sufocou um gemido no visual que apresentava. Nua, seus seios fartos pressionados contra o peito. Suas pernas em volta dele, com as mãos cheias com sua bunda doce enquanto ela subia e descia no seu pau. Sua boceta estaria molhada, apertada, segurando e apertando até que ele disparasse um monte dentro dela. Merda. ‚Saia daqui, Jess.‛ ‚Por quê?‛ Ele inalou. Grande erro. O cheiro dela enchia o ar ao seu redor. Intoxicante, sensual. Ele ficou duro em um instante. ‚Porque você est{ brincando com fogo, menina.‛ Seus olhos ficaram esfumaçados. ‚Não sou uma garotinha. E gosto de um pouco de calor, Diaz.‛ O convite estava escrito por todo o rosto, no corpo dela. Tentador. Oh, tão tentador. Mas não era por isso que eles estavam aqui. E esta era Jessie, não uma mulher qualquer para foder. Era Jessie. Ele não tinha o direito. Ela pertencia a todos eles, todos os Motoqueiros Selvagens. Todos os caras que contavam com ele para tomar conta dela. Porque todos eles a amavam. Como uma irmã. 35


Agarrou-a pelos ombros, tendo-a e memorizando o suspiro pequeno de surpresa que ela fez. Ele queria colocar seus lábios nos dela, engolir seu suspiro, deslizar sua língua dentro da boca dela e saboreá-la. Deus, ele a queria tão ruim. Ele a empurrou de volta os poucos centímetros que levou para abrir a porta e colocar sobre o outro lado dele. ‚V{ para seu quarto, Jess.‛ Ele fechou a porta na cara dela, não ouvindo, quando ela abriu a boca para falar. Jogou o ferrolho, sentindo-se como um covarde, que era. Ele se virou e apoiou as costas contra a porta, soprando para fora numa respiração. Não tem medo? Sim, certo. Jessie tinha o chamado da coisa certa. Ela o assustava. Levou alguns minutos para recuperar a capacidade de respirar normalmente. Uma mulher. Uma mulher pequena, e que deixava em pane o seu sistema nervoso inteiro. Devia ser capaz de lidar com ela, ignorá-la. Mas não podia, porque um olhar para ela, um cheiro de seu perfume único e ele era como um cão de caça maldito, salivando e caçando. Como faria esta tarefa, seria um líder eficaz, com Jessie nos seus pés? Como ficaria imune? Ele arrastou as duas mãos pelos cabelos, empurrando-se da porta e andando nos limites pequenos de seu quarto. Prioridades. Derrubar os bandidos de armas era o seu objetivo. Ele teria que jogar Jessie a esse lugar em sua mente, onde ela não existia. Masturbar bastante quando estivesse sozinho, para aliviar o stress de ter ela próxima. Seu pênis contorceu, doía pelo toque, mas não eram suas mãos que queria. Era Jessie. Suas mãos, sua boca, sua boceta. Difícil. O pau dele teria apenas que sofrer, porque ele não ia transar com ela. Mesmo que parecia que ela queria isso hoje à noite. Ela colocou um inferno de um movimento sobre ele. Qualquer outro cara pegaria o que ela tão obviamente oferecia. Ela estava jogando um jogo perigoso com ele. Mas Jessie era uma criança. Não sabia o que queria. Ia estar por conta de Diaz mostrar a moderação. Ele gemia. Esta atribuição estava indo ser como uma longa viagem ao inferno. 36


Capítulo Quatro JESSIE PASSEOU PELO SEU QUARTO, olhando para o relógio, esperando o momento apropriado para se encontrar com Diaz e Spencer. Os sons rugindo de motociclistas fechando para cima e para baixo da rua a acordou cedo, embora não estivesse conseguido dormir muito de qualquer maneira. Seus pensamentos estavam ocupados com Diaz na maior parte da noite. Virava na cama, seu corpo em chamas de estar perto dele. Perto, mas não perto o suficiente. Diaz era um homem. Todo homem. Carregado com testosterona. Ela tinha tudo, empalou-se sobre ele, e o que ele fez? Jogou-a para fora pela porta, educadamente, mas firmemente e mandou-a para o quarto dela. Suas bochechas inflamaram em constrangimento com a lembrança de ser rejeitada. Talvez ela apenas não o esquentasse. Não, não era isso. Ela tinha dado um olhar entre as pernas, no cume duro de sua ereção tão proeminente destacada contra seus jeans. Ela estremeceu com o pensamento de seu pau duro montando entre as pernas dela, acariciando a chama que ardia incessantemente dentro dela. Ela não fez segredo de seu desejo por ele na noite passada, então por que não tinha tomado o que ela ofereceu? Por que ele se segurou, empurrando-a? Jessie estava determinada a descobrir. Ela nunca tinha sido de desistir facilmente. Ela virou-se na batida da porta e abriu-a para encontrar Spencer encostado no batente da porta. ‚Diaz disse que para nós andarmos. Você est{ pronta?‛ Ela sorriu. ‚Sempre.‛ Eles viajaram para a parte principal da cidade e encontraram um restaurante pequeno e aconchegante com vista para a rua principal para tomar café da manhã. Lá, eles puderam 37


observar todos os motociclistas subindo e descendo a rua. Local perfeito para ter um vislumbre de Crush e sua gangue, caso passassem. ‚Viu algo na noite passada?‛ Diaz perguntou a Spencer. ‚Sim. Motos. Muitas delas. E filhotes. Muitas pessoas, também. Mas não os Devil’s Skulls e não Daniels Crush.‛ Jessie sorriu e pegou outra garfada de ovos mexidos. Diaz fez uma careta, que parecia ser sua expressão favorita. ‚Vamos torcer para que não perdermos o nosso tempo vindo aqui.‛ ‚Nós não perdermos. Ele vai estar aqui,‛ disse Jessie. ‚Como você sabe?‛ Diaz contrariado. ‚Porque ele me disse que estaria aqui, e porque disse isso no site dos Skulls ontem à noite.‛ ‚Vocês estavam na Internet?‛ Spencer perguntou. ‚Sim. Diaz trouxe o laptop.‛ ‚Nerd,‛ Spencer disse antes de levantar sua xícara de café aos l{bios para um longo gole. ‚Alguém tem que fazer pesquisa por aqui.‛ ‚Sim, mas alguém que se parece com você, devia estar chutando bundas, não enterrando a cabeça em um computador.‛ ‚Posso chutar bundas também. Quer que eu lhe mostre?‛ Jessie balançou a cabeça. Ela estava acostumada com estas brigas constantes entre todos os caras. Era tipicamente mais um show de ousadia e zombaria do que raiva um com o outro, embora ela tivesse visto algumas exibições estimulantes de machismo no ringue de boxe, na sala de exercícios dos Motoqueiros Selvagens, um de seus passatempos favoritos. Nada como um tronco nu, homens suados indo para lá, com os músculos tensos e esvaindo testosterona enquanto trabalhavam suas habilidades. Yumm. Ela podia pensar na maioria desses caras como família, mas o fato do assunto era que nenhum deles era parente de sangue, ela não se importava em secar seus corpos firmes. 38


Na verdade, fazia questão de estar no ginásio, quando Diaz estava trabalhando com os caras. Vendo o esforço do seu corpo ao levantar pesos ou caixas, seu rosto e torso encharcado de suor, as linhas de concentração em seu rosto quanto trabalhava duro para dominar qualquer habilidade a ele direcionada... Era digno de babar. Ela ia a academia com o pretexto de usar o equipamento de peso, correr na esteira ou para algumas rodadas martelando o saco de porrada, mas seu olhar inevitavelmente mudava para Diaz, para admirar a aglomeração de seus músculos no ringue quanto ele e Spencer lutavam algumas rodadas, desejando que era Diaz e ela no ringue sozinhos... Lutando juntos. Os caras, muitas vezes lutavam boxe com ela, embora não a sério, pois qualquer um deles poderia bater nela. Mas era uma boa prática para seu jogo de pernas, resistência e aprender a se esquivar de um soco e bater de volta. Esses caras eram resistentes e lhe ensinaram como ser ainda mais dura do que ela tinha estado na rua. Infelizmente, nunca Diaz se ofereceu para trabalhar com ela. Como era típico, ele evitava. Ela estava determinada a descobrir por que. Seu café da manhã terminou, ela bebeu um gole de café e olhou pela janela. Foi quando avistou o crânio branco com os olhos do diabo vermelhos na camiseta de um motociclista por zoom. Ela sentou-se reta, concentrada e viu que mais alguns andavam pelo restaurante. ‚Eles estão aqui,‛ disse ela, mantendo sua voz baixa, não rasgando o seu olhar para longe da janela. ‚Onde?‛ Diaz perguntou. ‚Alguns só andam perto.‛ ‚Você viu Crush?‛ ‚Ainda não.‛ ‚Vamos.‛ Eles pagaram a conta e pularam em suas motos, juntando-se com a multidão de motociclistas cruzando para cima e para baixo na rua principal. Andar na rua principal era a chance de ver e ser visto, para mostrar sua moto e procurar amigos. 39


‚Seja casual,‛ disse Diaz em um farol fechado. ‚Se você encontrar Crush, deixe-nos saber, mas não seja muito óbvia.‛ Ela assentiu com a cabeça. Esse era o seu plano, fazer Crush vê-la, fazê-lo chegar a ela. Motos andavam em ambas as direções e Jessie assistiu. Devil’s Skulls formavam um grupo grande, e ela começou vendo um monte de casacos, coletes e camisetas com insígnias dos Skulls. Não demorou muito para encontrar Crush levando um bando de pilotos. Ela jogou indiferente, mas, em seguida, quanto eles montaram a faixa, ele a viu, acenou, virou a moto ao redor e montou ao lado dela, apontando para encostar a uma rua lateral. Ela seguiu, assim como Diaz, Spencer e algumas pessoas de Crush. Ela agiu em surpresa ao vê-lo. ‚Ei. Não achava que você e sua gangue estavam vindo,‛ disse ela, abrangendo sua moto. Crush era um cara muito bonito, não o tipo de homem que você acha que levaria uma gangue de motociclistas duros. Cabelo preto como tinta, curto e espetado, seu rosto era lindo, com afiados ângulos nas maçãs do rosto, lábios carnudos e os olhos de tempestade cinzentos mais bonitos que já tinha visto. Seu corpo era magro, suas roupas sempre limpas... Simplesmente não se encaixava no perfil de algum sobrevivente do sertão. Mas o que ela sabia? Ela era a novata aqui. ‚Tivemos algumas outras coisas para fazer ontem então nós montamos mais cedo esta manhã. Ser{ que perdemos muito?‛ ‚Não na verdade. Alguns motociclistas vieram ontem, mas foi tranquilo ontem | noite. Parece que muito mais estão vagando nesta manhã.‛ Jessie perguntou que outras ‚coisas‛ eram que eles estavam fazendo e se tinha algo a ver com armas ilegais. Ela decidiu reservar seu julgamento. Virou o polegar atrás dela em Diaz e Spencer e os apresentou a Crush. Crush arqueou uma sobrancelha. ‚São estes dois seus amantes?‛ Ela sufocou um riso no pensamento de ter dois homens. Inferno, ela ficaria feliz em ter um. Em vez disso, ela piscou a Crush um sorriso. ‚Talvez.‛ ‚Você faz parte de uma gangue?‛ 40


‚Não,‛ disse Diaz. ‚Nós viajamos sozinhos.‛ ‚Os três de vocês andam muito juntos?‛ Diaz fez que sim, então disse, ‚Mas estamos pensando em nos juntar com um grupo de moto. Nós fazemos um monte de andar junto, gostamos de viajar. Nós gostamos da área de Ozarks, talvez por isso vamos nos juntar a uma gangue por aqui, nos estabelecer nesta {rea.‛ Crush estudou Diaz e Spencer. ‚Terras indesej{veis por aqui. Você precisa ser cuidadoso sobre andar sozinho. Se quer manter sua mulher segura, você deve se juntar a uma gangue. H{ segurança nos números.‛ ‚Acho que podemos cuidar de Jessie muito bem por nós mesmos,‛ disse Diaz. Spencer assentiu com a cabeça a Diaz, mas seu sorriso foi dirigido a Jessie. ‚Eu acho que Jessie pode cuidar de si mesma.‛ Jessie sorriu pelo elogio de Spencer e se perguntou que inferno estava fazendo Diaz. Não estavam eles jogando nas mãos de Crush? Então, novamente, ela supunha que seria um sinal de fraqueza indicar que não podiam cuidar de si mesmos, ou do outro, isoladamente. Tinha muito a aprender. ‚Tenho certeza que vocês fazem um bom trabalho cuidando um do outro. Ainda assim, eu cresci aqui e confie em mim, não é seguro viajar em algumas áreas com apenas um pouco de vocês.‛ ‚Isso é um convite para participar dos Devil’s Skulls?‛ Diaz perguntou. ‚Talvez,‛ Crush disse, levantando seus l{bios em um sorriso preguiçoso. ‚Mas para se juntarem a nós, isto é, se eu convidá-lo — tem que lidar com a iniciação. E isso não é fácil. Acha que tem as bolas para isso?‛ ‚Inferno sim,‛ disse Spencer. Diaz nem sequer sorriu. ‚Nós podemos lidar com isso.‛ ‚E quanto a Jessie?‛ Crush perguntou dessa vez não olhando para ela, mas abordando a questão para Diaz. ‚Ser{ que ela pode lidar com isso?‛ Não era isso tão típico? ‚Posso falar por mim e posso lidar com qualquer coisa que você repartir, Crush.‛ 41


O olhar de Crush derivou seu caminho e ele balançou a cabeça, levantando seus lábios. ‚Vou apostar que você pode.‛ Ele estava desafiando, provocando. Depois de passar a maior parte de seus anos de formação com um grupo de caras duros e caras sábios da rua, ela não estava nem um pouco perturbada por Crush Daniels. Ela sorriu para Crush. Diaz, no entanto, parecia prestes a saltar fora de sua moto e estrangular Crush. Interessante. Ela quase pensaria que ele estava com ciúmes se não o conhecesse tão bem. ‚Você pode andar com a gente pelos próximos dias. Conheça-nos e nós vamos conhecêlos. Então vamos decidir se vocês tem o material. Quando o fim de semana acabar, vamos deixá-los saber se queremos que vocês irão através da iniciação.‛ Diaz concordou. ‚Soa bem.‛ Crush olhou para Jessie. ‚Nova moto, hein?‛ ‚Sim.‛ ‚Combina com você perfeitamente. Você pegou uma boa.‛ O calor a enchia. Diaz escolheu uma boa — uma que se encaixava nela. Mas não disse nada a Crush. Crush ligou sua moto. ‚Vamos montar.‛ Eles seguiram, misturando-se com sua gangue, que parecia vir do nada e crescia em números quando entraram na rua principal. No momento em que saíram da área geral do rally de moto, os Devil’s Skulls haviam aumentado para mais de cinquenta membros. Diaz, Spencer e Jessie permaneceram perto da frente, andando perto de Crush e algumas outras pessoas. Ele os levou para fora da cidade, rumo nordeste e fora das estradas principais. Foi um belo passeio e um dia perfeito para deixar o sopro da brisa contra sua pele. Esta era a parte favorita de Jessie de ser um motociclista — estar em torno de outros motociclistas que amavam andar tanto quanto ela fazia — e a liberdade da estrada aberta. Não era apenas ser capaz de ver as árvores fechando ao longo da estrada, dobrando em sua direção como se estivessem em saudação. Ele estava sendo capaz de cheirá-las — o cheiro picante de pinho 42


enquanto você ventava, o cheiro almiscarado de terra, e sempre que tinha a chance colocava em marcha lenta ou parava, para ouvir o som da água corrente dos rios próximos. Era a natureza em toda sua glória e se você andava em um carro, perdia tudo isso. Não havia nada como ser um motociclista. Ela adorava essa parte de sua vida. Crush tomou as estradas vicinais nas colinas — enrolando, curvando-se nas estradas, onde você podia realmente testar a si mesmo nas curvas. Eles pararam em um posto de gasolina ao longo da estrada e fizeram uma pausa. Uma das meninas dos Skulls veio até Spencer e começou a conversar com ele e Jessie sorriu, balançando a cabeça. Spencer era um ímã para as meninas. Se havia uma mulher sozinha em volta, gravitava por Spencer. Claro que com a sua altura, corpo assassino e com boa aparência, não era surpresa nenhuma das mulheres reuniremse a ele como um bando de gansos. Ele era um mestre em charme para as senhoras. ‚Fico feliz que conseguiu aparecer.‛ Jessie virou-se para enfrentar Crush. ‚Oh. Eu também. Estava receosa que não ia ver você.‛ ‚Eu disse que estaria aqui, não foi?‛ ‚Sim, você fez. Mas |s vezes as coisas surgem.‛ Ele sorriu. ‚Nunca estou tão ocupado.‛ ‚Então o que você faz para viver, Crush?‛ Mesmo que ela j{ soubesse sobre tudo pela pesquisa, mas queria ouvir isso dele. ‚Isso e aquilo. Principalmente coisas de mec}nica. Meu irmão e eu temos uma garagem, por isso, trabalhamos em carros e coisas.‛ ‚Realmente. E isso lhe d{ um monte de tempo livre para andar?‛ ‚Muito. Ele é o trabalhador.‛ ‚E você é o investidor?‛ Brincou ela, esperando que ele iria revelar algo sobre a sua situação financeira. Crush riu. ‚Eu trabalho quando quero. Mas o meu irmão gosta de ficar parado. Eu sou mais um andarilho. Então, despejo um monte de minha parte dos lucros de volta para a loja e ele est{ contente de fazer o trabalho.‛ 43


‚Enquanto você andar.‛ ‚Exatamente.‛ ‚Soa como uma vida perfeita, contanto que você pode pagar.‛ ‚E você, Jessie? Você pode dar ao luxo de andar quando você quer?‛ Ela encolheu os ombros. ‚Eu faço fazer. Pego trabalhos aqui e ali. Não tenho muita dificuldade para fazer face |s despesas.‛ Ele olhou para cima e para baixo. ‚Vou apostar que não.‛ Ela sentiu a presença de Diaz atrás dela. ‚O que h{?‛ Perguntou ele. ‚Apenas falando,‛ Crush disse. ‚Estamos discutindo como conseguimos ter tempo livre para andar,‛ Jessie ofereceu então, dizendo a Diaz sobre a garagem de Crush com seu irmão. Ela esperava que Diaz fosse pegar um indício de que ela estava pescando para obter informações. ‚Ah. Bom show.‛ ‚E você, Diaz? O que você faz?‚ Crush perguntou. ‚Eu sou rico e independente. Eu não preciso trabalhar.‛ Crush arqueou uma sobrancelha, estudou Diaz por um minuto, então inclinou a cabeça para tr{s e riu. ‚Essa é uma boa.‛ Ele tinha sido propositadamente vago. Crush provavelmente apreciava. E se Crush estava, de fato, envolvido com os sobrevivencialistas escondidos nestas montanhas, seria uma resposta perfeita para dar. Diaz tinha jogado bem. Eles viajaram para o leste pela metade do dia, parando em uma lanchonete para comer, então voltaram. Até então era noite e eles foram para as festividades feitas pelos patrocinadores do rally de motos. Era muito além da meia-noite no momento em que Jessie, Spencer e Diaz escaparam de Crush e sua gangue, e prometeram a eles encontrar-se na parte da manhã e andar novamente. Quando voltaram para o hotel e estacionaram suas motos, Spencer disse: ‚Olhe. H{ uma garota que é muito próxima do escalão superior da gangue de Crush. Ela costumava ser a 44


namorada do Rex, que é segundo no comando de Crush ou algo assim. Enfim, ela colocou um olho em mim, então vou acompanhar isso.‛ ‚Por negócios ou prazer?‛ Diaz brincou. Spencer abriu um largo sorriso. ‚Um pouco de ambos, provavelmente.‛ Jessie riu. ‚Mais prazer com você, não é, Spencer?‛ ‚Ei, h{ sempre vantagens no trabalho, bebê,‛ ele respondeu com uma piscadela. ‚Mas a palavra é que Crush e os outros pensam que vocês dois são um casal.‛ ‚Por quê?‛ Diaz atirou para fora. Spencer deu de ombros. ‚Não faço ideia, mas essa é a maneira como est{ indo para baixo. Então você deve jogá-lo dessa maneira. E de qualquer maneira, sendo proteção para Jessie, para que ela não fique sozinha.‛ Oh, ela adoraria ouvir a resposta de Diaz sobre isso. Agora ele estava nas luzes. Ele poderia muito bem não se afastar disso. ‚Soa como uma boa ideia para mim,‛ disse ela. Diaz fez uma careta. ‚Eu acho.‛ ‚Devemos compartilhar um quarto, então. Os casais não têm quartos separados. Vou verificar o meu enquanto você notifica a recepção que estaremos em camas juntas.‛ Antes de Diaz poder objetar, ela disse boa noite para Spencer, que disse que ia voltar para a rua principal e se conectar com Stephanie. Então ela foi até seu quarto para embalar. No momento em que ela abriu a porta do seu quarto, Diaz estava lá. ‚O quê?‛ Perguntou ela. ‚Eu estava indo.‛ ‚Eu mudei os quartos.‛ Ela inclinou a cabeça para o lado. ‚Por quê?‛ ‚Meu quarto tem apenas uma cama.‛ ‚Então?‛ Ele revirou os olhos e agarrou sua bolsa. ‚Vamos.‛ Quando ele abriu a porta para um quarto novo, ela sufocou uma risada. Duas camas de casal. Ela jogou a bolsa sobre uma das camas e se virou para ele. 45


‚Qual é o problema, Diaz? Não confia em si mesmo dormindo na mesma cama comigo?‛ Ele andou até ela, um passo lento de cada vez, enquanto admirava a maneira como ele se movia. Quando ele parou, estava a poucos centímetros de distância. ‚Jessie, se eu estivesse na mesma cama com você, não haveria muito pouco sobre dormir acontecendo.‛ Oh. Meu. Deus. Então estava lá, exatamente o que ela queria ouvir. Seu coração bateu contra seu peito e seu corpo inteiro virou líquido. Ela não conseguia recuperar o fôlego e estava muito certa que os dedos dos pés enrolaram. Aquilo não era apenas figurativo, ele jogou fora à linha perfeita e ela não conseguia encontrar sua voz para um retorno. ‚Oh.‛ Era isso? Isso era tudo que ela conseguiria? Seus olhos, tão escuros e sensuais e dando-lhe aquela aparência... Aquele olhar... falava de volumes. Mas depois ele recuou alguns passos e se virou, quebrando o feitiço sensual que tinha enrolado ao redor dela. Ela finalmente exalou. Bem, parecia ser um bom começo. Mas ele tinha parado o que não era bom. Tempo para intensificar um pouco as coisas. Ela desempacotou e pegou algumas coisas. ‚Eu vou tomar um banho.‛ A partir do olhar no rosto de Diaz poderia se pensar que ela disse que estava preste a realizar uma cirurgia no cérebro em si mesma no banheiro. Ele parecia um pouco verde. Fechou a porta do banheiro, despiu-se e ligou a água, tendo seu tempo de se lavar, esperando que Diaz estivesse lá fora, pensando no que ela estava fazendo aqui. Anda cantarolou uma música, certificando-se que ele pudesse ouvi-la, que tinha a sua atenção e ele não iria esquecer onde ela estava. Ela terminou seu chuveiro, secou-se e vestiu-se, em seguida, agarrou um pote de loção e saiu do banheiro Diaz estava na mesa, de costas para ela. Ela se moveu para a cama, foi para o lado mais próximo a ele e sentou-se, colocando a loção sobre a mesa. Derramou um pouco de loção nas mãos e espalhou sobre as pernas. 46


Não demorou muito. Diaz levantou a cabeça, inalando e deu um olhar lento por cima do ombro, quase como se tivesse medo do que pudesse ver. Suas sobrancelhas se uniram em uma carranca apertada. ‚O que você est{ fazendo?‛ Ele perguntou, seu tom mais acusatório do que curioso. Ela fez uma pausa. ‚Hum, passando creme?‛ Seu olhar estreitou ainda mais. ‚Por quê?‛ ‚Porque a minha pele vai ficar seca, se eu não fizer.‛ Ela teve que lutar muito para não rebentar de rir enquanto ele olhava-a como se fosse um espião internacional e mentia por entre os dentes. ‚Você não pode colocar algumas roupas? Caramba, Jessie.‛ Ela olhou para seu short de pano felpudo e top. ‚O quê? Isto é o que u uso para dormir.‛ ‚Praticamente tudo est{ a mostra.‛ ‚Sério?‛ Ela olhou para baixo. Ela estava coberta. Corrigindo, não muito, mas essa foi | intenção. ‚Não posso ver nada.‛ ‚Os shorts estão tão elevados em suas pernas, maldição, perto de mostrar um mapa da Terra Prometida. E o top mal cobre os seus... seus...‛ ‚Peitos,‛ ela terminou por ele, mordendo o interior de sua bochecha para abafar uma risada. ‚Sim. Esses. Inferno, Jess, você poderia muito bem dormir nua,‛ disse ele, virando-se para o seu laptop, mais uma vez. ‚Eu costumava dormir,‛ disse ela em suas costas. Seus dedos silenciaram sobre as teclas do laptop. Peguei-o. Ela se recusava a ser ignorada. Eles estavam dividindo um quarto e esta era a sua chance. Iria notá-la, mesmo que ela tivesse que desfilar nua. Esperava que não chegasse a isso, embora se continuasse a evitá-la como se ela fosse veneno, poderia ter que recorrer a medidas

47


dr{sticas. Porque se a iniciação da Devil’s Skulls significava o que ela achava que era, então iria precisar de um favor de Diaz. Um favor, íntimo enorme. Aquele que nunca pediria a qualquer outra pessoa, porque ela queria Diaz para fazer as honras. Ela se levantou, inclinou-se sobre a cama, um pé apoiado sobre o colchão, derramando mais loção nas mãos, sua bunda apontou na direção de Diaz. Poucos segundos depois ela ouviu sua respiração. Pesada. Então ele empurrou para trás da mesa e saiu, agarrando sua jaqueta. ‚Aonde você vai?‛ ‚Sair.‛ ‚Espere um segundo e vou me vestir.‛ Ela correu para o arm{rio pela porta da frente, bloqueando a sua saída, que não parecia fazê-lo muito feliz. Jogou o casaco por cima do ombro. ‚Eu vou sair sozinho, Jess.‛ Ela deslizou a porta do arm{rio fechada e olhou para ele. ‚Por quê?‛ ‚Porque preciso de algum espaço.‛ ‚Isso não é o que devemos fazer. Precisamos ser vistos juntos. Nós devemos ser um casal.‛ ‚Mesmo os casais fazem pausas um do outro. Nós não estamos colados um ao outro.‛ ‚Concordo, mas nós não nos estabelecemos como um par ainda. Então por que você não me d{ um segundo para mudar de roupa e vou com você.‛ ‚Não.‛ Isso soou como um ponto final e praticamente como uma ordem. Jessie se eriçou quando Diaz tentou passar por ela. Ela apoiou-se contra a porta e cruzou os braços. ‚Se mova,‛ disse ele. ‚Não penso assim. Não até você me dizer que inseto se arrastou até o seu traseiro esta noite.‛ ‚Não estou no clima para isso Jess. Agora saia do meu caminho.‛ ‚Isso é estúpido. Fale comigo, Diaz. Deixe-me ir com você. Vamos fazer nosso trabalho junto.‛ 48


‚Isto não é sobre o trabalho.‛ ‚Então o que é?‛ ‚É sobre... apenas se mova ou vou mover você. Preciso sair.‛ Seria sobre ela. ‚Então me mova.‛ ‚Maldição Jessie.‛ Embora ele quase sussurrou as palavras, bateu as mãos contra a porta, colocando-os em cada lado dos ombros, prendendo-a ali entre a porta e o seu corpo enorme. Tensão, espessa e quente, enrolou em torno de seu meio. Sua barriga dava cambalhotas, o clitóris tremia por estar tão próximo a ele. Ela engoliu em seco, a garganta seca, quando seu corpo inteiro tornou-se consciente dele, seu cheiro, a necessidade de estender a mão e tocá-lo. Cada terminação nervosa formigava. Ela queria isso, queria que ele inclinasse e a tomasse. Ele não poderia ver isso, não poderia ler os sinais? Faça, Diaz. Pegue o que você quer. Porque ela sabia muito bem o que ele queria, o que estava lutando. Ela podia sentir isso nos músculos tensionando, juntando contra a sua camiseta, a maneira como ele se moveu, inclinando-se em apenas uma fração de uma polegada mais perto dela. Ela inclinou a cabeça para trás, seu olhar se encontrou com o dele de frente. Eu quero você. Oh, Deus, por que não podia dizer isso? Mas ela não poderia mexer sua boca, não poderia derramar as palavras de seus lábios. Sabia o porquê, porque queria que ele fizesse, precisava dele para fazer esse primeiro movimento. O primeiro deslizamento de suas mãos ao longo de seus braços a fez tremer de emoção. Seguido pela queda de decepção quando ele a puxou para fora do caminho, abrindo a porta, e fechou-a atrás dele. Ela olhou para a porta por alguns longos minutos, atordoada que acabou de sair por ela. Sobre eles. Sobre o que poderia ter sido. Pela segunda vez, tinham estado tão perto, e ele bateu a porta na cara dela. Que inferno havia de errado com esse homem?

49


Diaz andou em sua moto como se os demônios das entranhas do inferno estivessem atrás dele. Talvez estivessem. Ele andou com outros motociclistas, em seguida, encontrou um trecho deserto da estrada, deixou o acelerador solto e voou, tentando limpar sua cabeça. Andou mais de uma hora, então se virou e dirigiu-se para trás, parando quando chegou de volta na cidade. Ele encontrou um bar e estacionou a sua moto, localizado numa esquina escura agradável, pediu uma cerveja e ficou contente com a música alta e que ninguém o incomodava. Embora isso não fosse verdade. Ele estava incomodado, muito. Quando fechou a porta sobre Jessie, ele tinha estado tremendo. Tremendo! Um homem como ele não deveria desmoronar só porque alguma coisa doce e jovem balançava a bunda para ele. Onde estava seu maldito autocontrole? Longe de ser encontrado, aparentemente, sempre que Jess estava por perto. Desfilando seminua, brincando com ele assim. Ela fazia isso com todos os caras que ela conhecia? Não. Vá. Lá. Não queria pensar em Jessie e os outros caras, ele não queria saber o que ela tinha feito com qualquer outro homem. Sua mente conjurou uma abundância de coisas que gostaria de fazer com ela. Não precisava de quaisquer outros recursos visuais. Andar por aí com ereção perpétua era uma tortura. Ele ia ter que descobrir uma maneira de sobreviver a esta missão. Sobreviver a Jessie. Hoje à noite ele chegou perto de tomá-la, despindo o seu pretexto minúsculo de roupa e lambendo cada centímetro de sua pele, começando com os dedos dos pés e terminando com sua doce boca atrevida. Deus, as coisas que ele gostaria de fazer com a boca. Seu pênis contorceu. Ele gemia e tomou outro gole da garrafa de cerveja, esperando que a bebida gelada fosse esfriar sua libido antes que tivesse que voltar para o hotel. E dormir no mesmo quarto com ela. 50


Aonde ele ia ouvi-la, deslizando embaixo dos lençóis, onde podia sentir o cheiro dela, vê-la, estar quase perto o suficiente para tocá-la. Realmente queria tocá-la. Ele queria fazer um inferno de muito mais do que tocá-la. Ele queria fodê-la. E de nenhuma maneira iria fazer isso. Amanhã, ele e Jessie teriam uma conversa, definitiva sobre algumas coisas em linha reta. Ele não sabia que tipo de jogo ela estava brincando com ele, mas iria parar. Eles estavam em uma missão e não havia foda em uma missão. Pelo menos não entre eles. Ou qualquer outra pessoa para essa questão. Foda. Ele não sabia o que estava falando. Seu cérebro era como ovos mexidos. Deveria estar no comando aqui, descobrindo estratégias, estudando Crush e sua gangue. Em vez disso, estava escondido no canto da caverna escura de um bar, tomando cerveja e evitando um inferno de uma mulher sexy, porque ela estava em primeiro lugar em sua mente. Sim, ele e Jessie definitivamente precisavam conversar. Amanhã. Poderia esperar até amanhã. Bebeu a cerveja e sinalizou a garçonete por outra.

51


Capítulo Cinco A conversa de Diaz com Jessie ainda não se concretizou. Quando voltou para o quarto ontem à noite, ela estava dormindo, encolhida sob as cobertas, o que lhe convinha muito bem. Despiu-se e subiu em sua cama, logo dormindo. Na manhã seguinte ela estava de pé e para fora do quarto antes que ele saísse da cama. Talvez estivesse com raiva dele. Bom. Se ela decidiu começar a evitá-lo, não poderia funcionar melhor. Poderia se concentrar no trabalho e não em se afastar dela. Porque um homem não tinha tanto controle. Encontrou-a lá embaixo tomando café da manhã com Spencer, que os informou sobre Stephanie, a mulher que tinha se conectado na noite anterior. Ela não era apenas ex-namorada de Rex, ela também era prima de Crush. Descobriu que Stephanie era uma dos Devil’s Skulls, Spencer disse-lhes que ele decidiu se aproximar e ficar apertado com Stephanie, que atualmente estava sozinha e parecia ter tomado um gosto por ele. Nenhuma surpresa. Todas as mulheres pareciam gostar de Spencer. E Spencer parecia gostar de todas as mulheres. E se funcionava para a missão, estava tudo de bom. Durante o café da manhã, Jessie mal falou com ele. Ela foi cortês, mas não excessivamente amigável. Evitou contato com os olhos, deslizou sua cadeira longe dele. Sim, ela estava irritada. Ele deveria estar feliz com isso. Estranhamente, não estava. Tentou brincar com ela, mas pegou o casaco pendurado e bateu os quadris contra Spencer, brincando com ele sobre sua mais recente conquista, ignorando Diaz quando os dois caminharam para fora da porta em direção às motos. Certo. É assim que ia ser. E ela reclamou com ele sobre como deveriam dar a aparência de um casal? Ele revirou os olhos.

52


Não demorou muito para Crush se ligar com eles quando perambulavam pelas tendas e áreas de exposição do rally. Jessie parecia realmente feliz em vê-lo, rodando em seu braço e indo embora com ele, a cabeça inclinada em direção ao cabelo loiro escuro de Crush, cochichando e rindo. ‚Que porra é essa?‛ Diaz murmurou. ‚Ela est{ fazendo um bom trabalho em ficar perto dele,‛ disse Spencer. ‚Ele parece realmente encantado por ela.‛ ‚Ele tem idade suficiente para ser...‛ Spencer sorriu. ‚Ele tem a sua idade, seu idiota.‛ ‚Foda-se.‛ Spencer riu. ‚Ciumento hein?‛ Spencer se inclinou para tr{s e estudou Diaz. ‚Este é um novo lado seu.‛ ‚Você realmente quer brigar comigo aqui fora, Spencer?‛ Spencer arqueou uma sobrancelha. ‚Você realmente quer que eu chute sua bunda de novo?‛ ‚De novo? Você foi o único com o braço quebrado.‛ ‚Você precisou de pontos. É por isso que você é tão feio agora.‛ Os l{bios de Diaz torceram. Deixou Spencer o sacudir fora deste estado de espírito. ‚Os pontos foram na parte de tr{s da minha cabeça.‛ ‚É por isso que você não tem nenhum senso, porra.‛ Diaz riu. ‚Babaca. Vamos. Quero manter um olho neles.‛ ‚Você vai. Eu vejo Stephanie. Vou fazer um pouco de progresso por mim mesmo.‛ ‚Boceta não é progresso, Spencer.‛ ‚Isso é o que você pensa. Ficaria espantado com o que uma mulher diz quando est{ dando a ela um orgasmo.‛ Spencer piscou e se moveu para chegar até a pequena ruiva acenando em sua direção. Diaz, deixou para trás e acompanhou Jessie e Crush como um cachorrinho perdido, uma posição que não agradou nem um pouco. Não que Jessie deixou muita escolha uma vez 53


que ela ficou com Crush como um grude, enquanto eles perambulavam pelas tendas de vendas, rindo e cochichando entre si. Ela não se virou uma vez para ver se ele estava atrás dela. O que não era como eles deveriam jogar este show. Sim, eles estavam indo para ter uma conversa, tudo bem. Sobre um monte de coisas, pelo menos do que era a sua incapacidade de seguir as ordens. Ela poderia deixar seus sentimentos pessoais no quarto do hotel. Se ela estava irritada com ele por alguma coisa, difícil. Esta era uma atribuição. Eles deveriam ser um casal. Ela estava fazendo um trabalho de merda agindo sozinha agora. Eles viraram uma esquina e Crush viu. ‚Ei, Diaz. Jessie estava me contando sobre você.‛ Ele os pegou, agindo surpreso ao vê-los. ‚Sim? O que ela estava dizendo?‛ Jessie sorriu, mas não era um sorriso feliz. ‚Ela estava me dizendo que você faz seu próprio trabalho em motos.‛ Ele encolheu os ombros. ‚J{ fiz alguns.‛ ‚Isso não é o que ela disse. Disse que viu você construir uma a partir do zero. Isso é verdade?‛ Diaz deu a Jessie um olhar severo. Ela continuou com um sorriso falso engessado. ‚Eu acho. Acabei de mexer.‛ ‚Ei, se você precisar de um emprego, a nossa garagem pode usar um cara como você.‛ ‚Obrigado pela oferta. Vou manter isso em mente. Nunca se sabe quando se pode precisar de um emprego.‛ O que foi aquilo? E o que mais tinha estado Jessie dizendo a ele? Ele precisava puxá-la para longe de Crush e ter uma conversa com ela sobre o que podia e não podia dizer, mas pensou que ela já conhecia as regras. Infelizmente, ela parecia estar colada no quadril de Crush hoje, porque ela viu alguma coisa em outra tenda de venda e arrastou Crush ao longo para ver. Crush deu um olhar desamparado para Diaz e seguiu. Diaz manteve uma distância vigilante, fumegando dentro. Ele não podia exatamente empurrar Jessie longe de Crush. Então, novamente, não deveria ser ela... 54


namorada ou algo assim? Não deveria ele estar ciumento ou possessivo sobre ela gastar seu tempo com Crush, pendurando tão perto dele? Merda. Ele não era muito bom nisso. Deveriam estar indo para encenar um ato, era melhor começar a agir. Ele andou até eles e agarrou o braço de Jessie. ‚Nós precisamos conversar.‛ Ela inclinou a cabeça para tr{s, os olhos ilegíveis por tr{s dos óculos escuros. ‚Estou ocupada.‛ Ela se virou, mas ele a puxou de volta. ‚Agora, Jessie.‛ Ignorando Crush, que simplesmente sorriu e balançou a cabeça, ele arrastou Jessie longe da barraca de vendas. Ela não foi exatamente de boa vontade, também. Assim que ele a puxou para longe o suficiente de qualquer um que podia ouvir, ele parou. ‚Que diabos você est{ fazendo?‛ Ela puxou as sacolas em cima de sua cabeça. ‚Estava fazendo compras. O que parece que eu estava fazendo?‛ ‚Flertando com Crush.‛ Ela arqueou uma sobrancelha. ‚Dificilmente. Estava reunindo informações. Não é isso que deveríamos estar fazendo aqui?‛ ‚Parece mais para mim como se você estivesse flertando.‛ ‚Flertando.‛ ‚Sim. Com Crush.‛ ‚Eu não estava.‛ ‚Nós devemos ser um casal.‛ Ela bufou. ‚Sim, você faz essa coisa de casal tão bem, não faz Diaz?‛ Ela moveu-se para empurrar e passar, mas ele a impediu. ‚Jessie, estamos em uma missão aqui,‛ ele sussurrou, lançando seu olhar ao redor para ter certeza de que ninguém mais podia ouvir. ‚Não se esqueça disso. E nós combinamos que nós dois somos supostamente um casal. Você toda pendurada sobre Crush não está nos fazendo parecer como um casal.‛ 55


‚Crush e eu estamos começando uma amizade. Ele est{ | vontade comigo. Nós estávamos falando. É isso aí. Agora, se você não se importa, vou voltar a fazer o que eu estava fazendo e ver se consigo levá-lo a se abrir comigo. A menos que você ache que preciso segurar a sua mão, falar somente com você, estar só com você, o que nos levará a lugar nenhum nessa tarefa.‛ Ela cruzou os braços e olhou para ele, como se o desafiando a argumentar seu ponto. Foda-se. Deixe-a ir para a protuberância nas pernas de Crush se ela quisesse. Não era como se ele se importasse e se o resultado final era a informação, ótimo, certo? ‚V{ em frente.‛ Ela balançou a cabeça e afastou-se, encontrando Crush e cumprimentando-o com um sorriso gigante. Eles cochicharam e Crush olhou para Diaz. Jessie disse algo e Crush inclinou a cabeça para trás e riu. Diaz só podia imaginar que o que estava sendo dito era piada às suas custas. Ele podia sentir a pressão sanguínea subir, bater na sua testa, a dor de cabeça começando a se formar. Diaz procurou a tenda de cerveja, determinado a deixar Jessie fazer sua coleta de informações. Ele observaria os outros Skulls, ver se alguém parecia estar fazendo algo suspeito. Que foi um fracasso completo, mas pelo menos Crush acabou encontrando-o e compartilhando uma cerveja e salsicha com ele. E isso significava que Jessie não tinha escolha senão seguir, que não parecia fazê-la feliz. ‚Divertindo-se?‛ Crush perguntou enquanto Jessie pedia licença para sair para encontrar um dos banheiros. Diaz murmurou algo evasivo. ‚Sua mulher parece estar irritada com você hoje.‛ ‚Assim, parece.‛ ‚Ei, eu leio os sinais de mãos — altos e claros, cara. Ela e eu estamos apenas conversando.‛ Diaz deu de ombros, mas o seu sangue estava fervendo. ‚Eu respeito | propriedade de um homem. Você não tem nada para se preocupar.‛ 56


Sim, certo. Uma mulher como Jessie se jogando em Crush, deixando-o saber que ela estava disponível e interessada? Tão logo Diaz se virasse, Crush estaria em suas calças. ‚Ela passou o tempo todo comigo falando de você,‛ Crush acrescentou. Diaz inclinou seus óculos pelo nariz. ‚Aposto que ela fez.‛ ‚Sem besteira. Ela me contou sobre como você constrói motos, como você é bom de montar e trabalhar com elas, o quanto admira sua capacidade, tanto mental quanto fisicamente, de olhar para uma moto e saber exatamente como colocá-la junto. Ela realmente adora essas Harleys. A mulher é louca por você, cara. Ela não consegue parar de falar sobre você. É meio chato.‛ Crush terminou com um sorriso. Diaz não tinha nada a dizer sobre isso. ‚Eu admiro uma mulher que é tão fiel ao seu homem, mesmo quando est{ louca como o inferno com ele.‛ Ele realmente não tinha retorno para essa afirmação, especialmente desde que Jessie voltou, sentando-se ao lado de Crush, é claro. Ela sorriu para Crush e tomou um longo gole de cerveja. ‚Est{ quente hoje,‛ disse ela. ‚Não esperava que o tempo estivesse tão quente.‛ ‚Vai esfriar durante a noite,‛ Crush disse. ‚Normalmente faz.‛ ‚Você pode fazer isso a cada ano?‛ Diaz perguntou. Crush assentiu. ‚Nós fazemos um monte de eventos de moto, mas fazemos este a cada ano, uma vez que está em nosso quintal, por assim dizer. Fazemos encontros de final de semana em vários estados diferentes, mas este é o nosso grande evento do ano. Após este fim de semana, nós vamos dirigir para o leste no Ozarks, montar as estradas das montanhas, sair no lago, mergulhar na cor do outono.‛ ‚Oh, deve ser divertido,‛ disse Jessie. ‚Olhei as estradas no mapa. Passeios incríveis.‛ ‚É. Algumas das curvas ficam muito intensas.‛ ‚Soa como o meu tipo de aventura. Amo esses passeios selvagens e loucos,‛ Jessie disse com um sorriso.

57


Crush assentiu. ‚Você pode ter encontrado a gangue certa de andar então. Esse é o nosso tipo de estrada.‛ ‚Se sobreviver | iniciação, podemos andar com você após o rally?‛ Jessie perguntou. ‚Sim. Se nós o convidarmos a iniciação.‛ ‚Então nós todos temos que estar no nosso melhor comportamento, não é mesmo?‛ Jessie disse com um olhar aguçado para Diaz. Crush bufou. ‚Estou cansado de ficar sentado. Vamos montar.‛ Eles cruzaram a área de rally por um tempo, Crush pegando sua gangue aqui e ali, então eles andaram para o norte para as montanhas, tendo algumas estradas sinuosas onde eles poderiam realmente levar suas motos na borda. Diaz estava contente de andar atrás de Jessie, uma vez que a maioria das estradas era de duas pistas e eles tinham de andar em faixa única. Desta forma, ele poderia manter um olho nela, bem como onde estavam e para onde estavam indo. Esse era um território dos Devil’s Skulls e ele j{ andava ao lado de Spencer e disse-lhe para vigiar qualquer coisa que parecesse suspeita. Até agora, era só asfalto na frente deles e floresta em ambos os lados. Poucas casas aqui e ali, mas eles tinham andado a muita distância e profundamente em uma área de densa floresta, então não havia muita habitação para ser vista. Principalmente cabanas, estâncias, pessoas amáveis que compravam e utilizavam para férias. Era uma área muito isolada para fins gerais de vida, a menos que se aposentasse e a pessoa gostasse do isolamento. Conforme a brisa soprava por Diaz, inalava. Era lenhoso aqui, o cheiro de pinheiros e terra pesava em seus sentidos. Ele amava a estrada aberta, sempre amou. Mesmo quando era criança gostava de subir em sua pequena moto, tomar as estradas a partir de casa e apenas se perder, tão longe e tão rápido quanto podia. A sujeira pulverizando em seu rosto, ele voava ao longo das colinas para que pudesse esquecer. Ele poderia relaxar e fingir que estava em outro lugar. Era alguém diferente. Alguém livre. Claro que naquela época tinha que ir para casa tinha que encarar a realidade. 58


Agora, esta era a sua realidade. Este era seu trabalho. Era sortudo e tinha que agradecer ao General Lee por isso. Empurrou o acelerador e rugiu com os últimos motociclistas, vários, incluindo Jessie, para que ele pudesse acompanhar Crush, que balançou a cabeça enquanto andavam lado a lado por alguns quilômetros. Diaz viu um rastro de fumaça para trás na floresta profunda. Ele apontou para Crush, que assentiu. Quando eles pararam em um bar de vários quilômetros na estrada, decidiu testar Crush. ‚Você viu aquela fumaça l{ atr{s?‛ Crush estreitou seu olhar ‚Sim. Então?‛ ‚O que você acha que era?‛ Ele encolheu os ombros. ‚Campistas, provavelmente.‛ ‚Naqueles bosques densos? Como você chega l{? Não h{ estradas pelo o que vi.‛ ‚Sei l{. Talvez haja motociclistas acampados. Eu preciso de uma cerveja.‛ Interessante, Crush soprou-o, quase como se ele não quisesse continuar a conversa. Diaz viu um vislumbre de uma bandeira enquanto andavam por esse ponto. Talvez fosse uma espécie de marcador. Elas ventaram passando, rapidamente, no entanto. Ele também fez uma nota mental do marcador de milhas quando passavam. Eles podiam ter que voltar e investigar esta área. Poderia ser um acampamento de sobrevivência para trás escondido e aninhado nos bosques. O local era perfeito — raramente se viajava por aquela estrada, no meio da floresta e nenhum caminho visível levava para lá. Pena que eles não poderiam fazê-lo agora, não havia nenhuma maneira que poderia ir sair da estrada sem levantar suspeita de Crush e era vital que entrassem em suas boas graças. Jessie certamente tinha feito isso hoje. E ainda estava fazendo, fazendo um esforço aguçado para ignorá-lo e sair com Crush. Que seja. Ela poderia fazer o que quisesse, desde que não comprometesse a missão. Ele pretendia sentar, desfrutar de sua cerveja e assistir.

59


Razão pela qual ele estava mais próximo da porta, quando isso bateu aberta. Ele sentouse à frente, os seus sentidos em alerta de perigo imediato. Um grupo de motociclistas caminhou e a primeira coisa que Diaz pegou foi à carranca no rosto de Crush. Então os Devil’s Skulls viraram-se lentamente ao redor. A tensão na sala aumentava e o pequeno bar acabara de se tornar demasiado lotado. As jaquetas de couro que a gangue usava diziam Dustriders. Nada bom. Os Dustriders eram uma gangue má do Texas. Diaz estava familiarizado com eles. Metade dos membros terminava jogado na prisão em todos os rallys de moto que participavam e fizeram um hábito brigar com outros motociclistas, em qualquer oportunidade. Os Dustriders não jogavam bem com os outros. Diaz precisava pegar Jessie, para ter certeza que ela estava segura. Ela estava ao lado de Crush, mas Spencer estava do outro lado dela. Um pequeno tremor na cabeça de Spencer disse a Diaz que era uma má ideia fazer movimentos bruscos. Pelo menos Spencer estaria lá para ver a segurança de Jessie. Diaz agarrou sua garrafa de cerveja, seu corpo inteiro pronto para entrar em ação. ‚Meus caras querem uma cerveja e você est{ no nosso caminho.‛ Essa declaração tinha sido dita por um cara grande e forte. Ele parecia uma droga de um lutador, todo músculo e força muscular com uma espessa barba vermelha e as coxas como troncos de árvores. Crush encostou-se no bar e deu de ombros, aparentemente não se afetando. ‚Ninguém est{ impedindo você, Meat.‛ Meat? O nome do cara era carne? Diaz resistiu ao impulso de rir. Provavelmente não era uma boa ideia, considerando todas as coisas. ‚Você est{ me parando, Crush. Você e todos estes amores-perfeitos que você gosta de chamar de Skulls.‛ Crush não se mexeu, aparentemente não afetado pelo insulto. ‚Não comece com uma merda que você não possa resolver, Meat.‛ 60


‚Eu posso lidar com qualquer coisa e você sabe disso.‛ ‚Você quer uma cerveja ou você quer barulho hoje?‛ Meat sorriu. Faltando alguns dentes na parte superior, também. Bom. ‚Acho que nós vamos trabalhar na sede que seria um bom começo.‛ ‚Ok, todos vocês. Levem tudo isso para fora.‛ O barman e dono do bar era um cara grande o suficiente por conta própria. ‚Ou vou chamar o xerife e ninguém vai começar a lutar.‛ Isso não ia correr bem. Diaz fez contato visual com Spencer na esperança de Spencer ser um leitor de mente bom. Ele queria Jessie fora do meio disto e agora. Spencer avançou na frente de Jess. Jess franziu a testa para Spencer, em seguida, disparou um brilho rebelde em Diaz como se para dizer-lhe que podia cuidar de si mesma. Ela poderia estar chateada com ele, se ela quisesse, mas não havia maneira que iria deixá-la se machucar. Isso ia ficar feio. Crush deu uma inclinação curta de cabeça. ‚Não tem problema, Bill. Vamos Skulls, l{ fora.‛ Diaz atirou para fora de sua cadeira e moveu-se para a porta. Caso estivessem indo para ser convidados para ir através da iniciação, teriam que provar que mereciam. Além disso, tinha raiva suficiente fervendo dentro dele e seria um prazer liberar um pouco dela e esfolar os dedos sobre algumas mandíbulas. Metade do grupo não havia saído fora da porta antes de punhos saírem voando. Meat tinha empurrado Crush na parte de trás, o mandando estatelado no chão, uma nuvem de sujeira em seu rastro. Crush rolou e levantou o pé arrancando, levando sua bota no estômago amplo de Meat e com um duro salto caiu em cima da varanda do bar, bloqueando temporariamente a porta. Então, o mundo desabou e Diaz só poderia se concentrar em si mesmo, porque foi empurrado pela porta e pulou de trás. Um punho atingindo ao lado de sua cabeça enviou sua raiva e frustração em completa fúria. Ele girou sobre seu atacante e mandou um soco em seu nariz. O sangue jorrou e o cara caiu, imediatamente substituído por outro. 61


Não demorou muito para descobrir que os Dustriders lutavam sujo. Bem com ele. Cresceu nos combates de rua. Sem regras, fazia a briga mais interessante desse jeito. Estava tão ocupado que não conseguia parar para procurar Jess. A única coisa que poderia esperar era que ela teve o bom senso de ficar dentro, embora duvidasse disso. Havia mulheres no estacionamento arrancando o cabelo uma da outra, mordendo, chutando e lutando. Ele conhecia Jessie. De jeito nenhum ela humildemente esperaria lá dentro como um covarde, porque era dura criada na rua também. Ela gostaria de estar bem no meio disto. Os opositores começaram a desgastar. Levantando, as respirações ofegantes de cansaço tornaram-se os sons proeminentes, substituindo os gritos de batalha iniciais. Quando se tornou evidente que os Skulls não estavam indo para render o bar, a contragosto Dustriders subiram em suas motos e saíram, arrastando os seus feridos com eles. Assim que tinham ido embora e a poeira ondulou abaixando, Diaz olhou em volta para Spencer. Ele encontrou-o perto do alpendre, ostentando o lábio sangrando e um largo sorriso. ‚Isso foi um pouco de uma porra de diversão,‛ disse Spencer, olhando por cima de Diaz. ‚Qualquer coisa quebrada?‛ Diaz lambeu seu próprio sangue fora do canto da boca. Ele tinha alguns cortes e contusões, mas por outro lado estava bem. ‚Claro que não. Eles eram maricas.‛ Spencer riu. ‚Você j{ viu Jessie?‛ Spencer balançou a cabeça. ‚Estava muito ocupado chutando algumas bundas.‛ ‚Eu também.‛ Diaz girou em círculo, procurando, finalmente a viu andando na direção deles. Empoeirada, o rosto sujo, o cabelo desgrenhado, com um largo sorriso no rosto. ‚Chutou suas bundas, querida?‛ Spencer perguntou, atirando seu braço sobre os ombros. Ela inclinou a cabeça para trás e agraciou Spencer com um sorriso que Diaz não tinha visto dirigido a ele todo o dia. ‚Você sabe.‛ 62


Spencer a beijou na testa. Diaz suspirou, então mascarou suas emoções quando Crush veio na direção deles. ‚Vocês são bons lutadores,‛ Crush disse, estendendo a mão para apertar a sua. ‚Ei, foi divertido,‛ disse Spencer. ‚Ficamos entediados se não h{ traseiros para chutar.‛ Crush riu. ‚Isso é o que gosto de ouvir.‛ Eles voltaram para o bar, limparam um pouco e realmente aproveitaram suas cervejas. No momento em que o sol se pôs, fizeram seu caminho de volta para o rally e a rua principal, soando seus motores enquanto andavam para cima e para baixo da rua, para o deleite das multidões alinhadas nas calçadas. Motociclistas aos milhares andavam até altas horas da noite, parando ocasionalmente em bares ao longo do caminho, se conseguissem encontrar um lugar para estacionar. Crush e sua gangue pareciam estar contentes em simplesmente andar e serem vistos. Diaz quase podia acreditar que Crush estava procurando por algo, ou talvez alguém, mas finalmente parou quando as multidões começaram a morrer para baixo. Eles fecharam a rua, os Devil’s Skulls um dos últimos grupos sair. ‚Preciso encontrar Rex,‛ Crush disse. ‚Ele e alguns dos outros foram andando para o norte em uma das outras cidades. Disse que havia uma gata quente se apresentado em um bar. Quer vir?‛ Crush perguntou-lhes. ‚Parece ótimo para mim,‛ disse Spencer. ‚Eu também,‛ Jessie entrou na conversa com um sorriso provocante. ‚Mas só se a apresentação inclui caras.‛ Diaz balançou a cabeça. Ela não tinha tido o suficiente para o dia ou ela estava deliberadamente tentando provocá-lo? Conhecendo Jess, era provavelmente o último. Crush riu. ‚Não tenho certeza sobre isso. Acho que são todas meninas, mas haver{ muitos caras l{ assistindo.‚ ‚Bom o suficiente para mim,‛ disse ela. ‚Estou dentro‛ Essa foi à deixa para Diaz pôr fim à besteira de Jessie. ‚Eu não penso assim.‛ ‚Você não vem junto, Diaz?‛ Jessie perguntou. 63


‚Não. Quer dizer que você não est{ indo também.‛ ‚Huh. A última vez que olhei eu estava com mais de vinte e um. E você não é meu pai.‛ ‚E estou tomando isso como uma pista para colocar meu rabo fora daqui antes que haja mais derramamento de sangue. Vamos passear.‛ Crush decolou e o resto deles seguiram, deixando Diaz e Jessie em uma rua lateral, olhando um para o outro. ‚Vamos voltar para o hotel.‛ Ela balançou a cabeça. ‚Acho que devemos ir com Crush.‛ ‚Acho que Spencer tem isso coberto. Você e eu precisamos conversar.‛ ‚Isso é uma ordem?‛ Ela estava realmente empurrando-o, mas se era assim que ela queria levar isso... ‚Em termos de fato, é.‛ Ela encolheu os ombros, começou a subir em sua moto e subiram de volta ao hotel. Jessie não falou com ele no passeio ou no elevador até o quarto, em vez disso ficou alguns passos à frente dele, utilizando a sua chave para entrar para o quarto. Ela jogou suas coisas em cima da mesa sem olhar para trás em sua direção. A cada passo em silêncio que ela dava, o temperamento de Diaz crescia. ‚Chega, Jessie.‛ Ignorando-o, ela tirou o casaco e sentou na cama, tirando as botas, concentrando sua atenção em seus pés. Ela nem sequer olhou para ele. Diaz encolheu os ombros, tirou seu casaco e jogou-o sobre uma cadeira, cruzando os braços enquanto estava na frente dela, desejando que ela fizesse contato visual. Ela não fez. Em vez disso, pegou uma muda de roupa e foi até o banheiro. Ele ouviu o chuveiro ligado. Tudo bem. Ambos precisavam se limpar depois da briga no bar hoje. Ele a esperaria, mas não ia deixar isso passar. Em vez disso, passeou pelo quarto, tentando bloquear imagens dela nua no chuveiro, água escorrendo pelo seu corpo em riachos, em seguida, saindo para passar loção cremosa sobre a pele. 64


Certo, isso não estava ajudando. Ela quase não levaria a sério como seu superior se ele tivesse um violento tesão quando falasse com ela. Ele preferiu se concentrar na missão, sobre tudo o que tinha descoberto até agora, sobre as questões não respondidas. Como essa bandeira e a fumaça que tinha visto hoje. Jessie abriu a porta. O cheiro do seu shampoo encheu o quarto enquanto caminhava. Ele puxou a roupa limpa para fora da gaveta e foi para o banheiro, tomou um banho quente, terminando-o com água fria para limpar a cabeça. Quando saiu, ela estava sentada na cama, olhando para a escuridão lá fora. ‚Nós precisamos conversar.‛ Nenhuma resposta. Ela se levantou e avançou em torno dele, em direção ao banheiro novamente. Oh, não, ela não ia se esconder. Ele agarrou seu pulso antes que ela pudesse escapar. ‚Jessie.‛ Ela parou, inclinou a cabeça para que seu olhar encontrasse o seu. ‚O quê?‛ ‚Sente-se.‛ ‚É sobre o trabalho?‛ ‚Sim.‛ ‚Tudo bem, então.‛ Ela se sentou ao pé da cama. ‚O que h{ de errado com você?‛ Ela se levantou e caminhou até o banheiro novamente. ‚Terminamos.‛ Ele bloqueou seu caminho. ‚Nós não terminamos. Sente-se.‛ ‚Você disse que nós est{vamos indo para falar sobre o trabalho. Isso não foi trabalho.‛ ‚Certo como o inferno que foi. Agora se sente.‛ Ela deu um passo adiante, mas ele se recusou a mover. Ela não recuou. ‚Não sou um cachorro, Diaz. Você não pode mandar em mim.‛

65


‚Nesta atribuição sou seu superior e se eu disser suba pelas malditas paredes, você vai escalá-las. Entendeu?‛ Ela deu-lhe uma saudação militar. ‚Sim, capitão. Posso ir agora?‛ ‚Não. Nós precisamos conversar.‛ Bom Deus ela estava fazendo isso difícil. Quem sabia que Jessie tinha tanta atitude. Ela cruzou os braços e encostou-se a porta do banheiro. ‚Fale a dist}ncia.‛ Isto estava indo bem. ‚O que você estava fazendo hoje com Crush?‛ ‚Uh, falando?‛ ‚Sobre?‛ ‚Estava tentando conhecê-lo para ganhar sua confiança. Ele gosta de mim, então eu estava jogando com isso. Já lhe disse o que estava fazendo. Por que estamos passando por isso de novo?‛ ‚Me pareceu como se você estivesse tentando fazer mais do que o seu trabalho.‛ ‚O que você achou que eu estava fazendo?‛ ‚Acho que você gosta de Crush e talvez você queira algo rom}ntico acontecendo com ele.‛ Ela revirou os olhos. ‚Jesus, Diaz.‛ ‚Esta missão não é sobre você encontrar o seu caminho nos couros de Crush, Jessie.‛ Ela jogou as mãos no ar. ‚Você é realmente tão estúpido? Não estou nem um pouco interessada no que está nos couros de Crush ou, além disso. Passei algum tempo o conhecendo, tentando entendê-lo, ver se ele confia em mim. Alguns caras gostam de falar com as meninas porque acham que somos inofensivas. Ele provavelmente revele mais para mim do que para você ou Spencer, então pensei que lhe daria uma tentativa.‛ ‚Uh huh. Nós deveríamos estar jogando juntos nisso.‛ Ela ergueu o queixo, claramente não gostando do rumo da conversa. ‚Eu tentei uma t{tica diferente e funcionou muito bem.‛

66


Ele se inclinou para ela. ‚Você é o membro mais jovem da equipe, Jess. Se você quiser uma mudança de estratégias, diga-as para mim primeiro. Enquanto isso, fique fora das calças do Crush.‛ Jessie tinha aguentado tudo. Estava indo para Diaz. Ele a estava intimidando e repreendendo-a por algo que não tinha feito. Sim, ela poderia ter usado Crush hoje porque estava chateada com Diaz. Tinha sido honesta, também, no entanto. Foi também uma tática para ver se conseguia encontrar alguma informação sobre ele e os Devil’s Skulls. Queria fazer um bom trabalho nessa tarefa, não apenas ser um corpo extra que Grange tinha forçado sobre Diaz. Ela queria fazer algo produtivo e tinha feito. Mas era mais do que isso. Diaz estava sendo um idiota e ela teve o suficiente. ‚Você não parece ter um problema com Spencer usando Stephanie para obter informações.‛ ‚Isso é diferente.‛ ‚Como?‛ Ele não tinha uma resposta, exatamente o que ela imaginava. Isso não tinha nada a ver com a missão e tudo a ver com o que estava acontecendo, ou melhor, não acontecendo entre eles. E desde que ele começou esta noite... ‚Pare de me empurrar para longe.‛ Diaz se inclinou para tr{s. ‚O quê?‛ ‚Você me ouviu. Pare de empurrar-me para longe. Pare de correr sempre que nos aproximamos.‛ ‚Eu não sei o que diabos você est{ falando.‛ ‚Vocês não? O que h{ sobre mim que faz você correr como o inferno, Diaz? Quer dizer, eu sei que não sou horrível de olhar e tenho um corpo decente.‛ Agora era sua vez de avançar sobre ele. Ele começou a ir para tr{s. ‚Mas estou ficando cansada de você, estou me aproximando e você batendo a porta na minha cara.‛ ‚Sim. Posso ver como hoje você est{ de coração partido sobre isso.‛

67


Os homens eram bebês às vezes. Ele tinha começado este jogo. Pena para que ele não gostou quando as regras mudaram. Ela tinha o suficiente. ‚Talvez se você tivesse um pau trabalhando por sua conta e soubesse o que fazer com ele, eu não teria que ir à procura de um nas calças de Crush.‛ O olhar de Diaz estreitou, seus olhos ficando escuros. Ela sentiu a fúria vindo dele em ondas, viu a maneira como os músculos agruparam sob a sua camiseta. Ele avançou sobre ela e Jessie recuou um passo, percebendo que poderia ter acabado de dizer a coisa errada.

68


Capítulo Seis JESSIE PODERIA DIZER QUE DIAZ ESTAVA chateado porque continuava vindo para ela, seu rosto uma máscara apertada de fúria total. Nunca insulte a masculinidade de um homem. Erro grande, enorme. Oh, merda. Ela contornou em torno da parede até que os joelhos acertarem o lado da cama. Agora estava presa e não tinha para onde correr. ‚Diaz, eu não quis dizer isso, na verdade. Não estava atrás do pau de Crush. Ou qualquer outra parte dele nessa matéria. Mas você tem que entender que quando você me empurrou, eu...‛ Ela nunca chegou a terminar a frase. Diaz a puxou contra ele, puxando-a para o seu corpo poderoso, ao mesmo tempo seus lábios esmagaram os dela em um beijo que ela só poderia descrever como um roubo de respiração. Ela engasgou com o primeiro contato e perdeu toda a capacidade de respirar depois disso. Oh, Deus, ele estava beijando-a. Era... céu doce... quente. Havia tanta fúria e paixão em seu beijo, ela o sentiu ferver, o calor escorrendo dele para ela. No entanto, segurou-a em um abraço suave, não de raiva. Seu braço em volta de sua cintura, o outro explorando em sua mão, enlaçando os dedos com os dela de uma forma que fez seu coração derreter. Os neurônios estavam disparando um milhão de vezes por segundo, enviando pane aos sentidos e ela ainda não conseguia respirar. Não com a forma magistral que ele deslizou os lábios sobre os dela, ordenando-lhe separar os lábios para a língua poder deslizar dentro contra a dela. Seu coração martelando contra seu peito enquanto lambia sua língua em movimentos lentos e deliberados destinados a persuadir sua rendição. Persuadir? Não havia nada para motivar para fora dela. Ela acenou a bandeira branca, logo que ele a tocou. Será que achava que ela iria lutar com ele? De jeito nenhum. Ela era toda 69


dele. Quando a empurrou contra a cama caíram junto, ela maldição, chegou perto de gritar de vitória, porque isso era o que queria o tempo todo. Seu corpo contra o dele, os dois deitados, lado a lado, Diaz quente, os lábios carnudos possuindo os dela. Ele rolou de costas e subiu em cima dela, sua boca ainda na dela e fazendo coisas deliciosas para seus sentidos. Ele era tão grande — em todos os lugares e ainda assim tão gentil quanto segurava o seu peso dela e ainda pressionado completamente contra ela. Seu pênis montou contra seu quadril, grosso e quente, penetrante através de seus jeans, através de sua mente, a promessa do que poderia ser. Ela estendeu a mão, enfiando os dedos pelos cabelos, verificando que estava realmente o tocando, que isso era real e, finalmente, acontecendo quando tinha convencido a si mesma que nunca mais o teria. Talvez o empurrando para os seus limites tinha sido a chave. Ela não sabia e não se importava. Estavam aqui e agora nada iria pará-los. Diaz sentia-se como explodindo, mas não era de raiva. Não mais. Qualquer irritação que sentia por Jessie evaporou assim que a tocou, beijou-a, colocou as mãos sobre ela. Tudo isso estava errado. Condenadamente errado. Ele não deveria estar fazendo isso, não devia estar deitado na cama com a boca na dela. Mas porra ela se sentia bem. Sua boca era doce e picante, assim como a mulher. E seu corpo era todo curvas, suaves e firmes e faziam seu pau uma rocha dura. A parte lógica do cérebro dele dizia que deveria sair dessa cama e explicar para Jessie todas as razões que não poderia fazer isso. Como eles eram praticamente da família. Eles estavam em uma missão, que o fez seu chefe, mas no momento, isso gritava em conflito de interesses. E os outros caras iam chutar sua bunda por comprometer Jessie. Era seu trabalho protegê-la, não transar com ela. Infelizmente, a única parte de seu corpo pensando no momento era o pau dele, e não estava ouvindo a razão. Para o inferno com ela. Ela tinha gosto de tentação demais para resistir e queria um pouco mais. Então parou, antes que as coisas fossem longe demais. Ele tinha controle suficiente para isso.

70


Ele retirou os lábios dos dela e olhou para ela. Seus olhos estavam semifechados, piscinas verdes escuras, cheios de desejo e algo mais, um toque de medo, talvez, ou inocência? Se estivesse lendo essa expressão acertadamente, ele nunca seria capaz de ir em frente. Não Jessie. Não do jeito que ela tinha se jogado para ele. Era experiente, sabia exatamente o que ela queria e no que estava se metendo. Ele se recusou a acreditar no que ele tinha visto. E ainda a consciência não iria deixá-lo continuar. Não até que estivesse certo de sua intenção. ‚Você tem certeza?‛ ‚Deus, sim,‛ ela sussurrou, puxando sua cabeça para baixo no pescoço. Sem hesitação. Ele enterrou o rosto contra a coluna suave de sua garganta e inalou o seu aroma — um pouco selvagem e terroso, como o ar livre. Ele lambeu seu ponto de pulso e ela gemeu, levantando seus quadris contra ele em um apelo silencioso por mais. Sim, ele tinha muito mais para dar a ela. Seu pênis latejante queria estar dentro dela. Apenas deitado ao lado dela lhe disse que seus corpos se encaixavam. Espere. Ainda não. Não... nunca. Contenha. Basta tocá-la, jogar um pouco. Isso é tudo o que se permitiria. O que significava que o que quer que fizesse com ela, suas roupas ficavam. Caso contrário, ele não seria capaz de resistir a fazer tudo para ela, com ela. Embora poderia muito bem imaginar o que estava acontecendo embaixo de suas roupas. Mudou de posição, agarrando sua bunda e deslizando sua coxa entre as pernas. Ela gemeu, balançou sua pélvis contra ele. Sentiu a umidade através de seus jeans. ‚Sua calcinha est{ molhada, Jessie?‛ Perguntou ele. ‚Estou molhada, Diaz,‛ ela respondeu, com voz rouca contra o seu pescoço. Ela esfregou contra sua coxa novamente. ‚Conserte isso.‛ Cristo, ele desvendou que ela era tão sincera com suas necessidades. Fez pulsar seu pau, suas bolas doerem. Ele deslizou a mão sobre seu quadril, apertando-lhe a carne, contente apenas por ser capaz de tocá-la. Mas sabia que não seria suficiente. Não quando a blusa tinha andado, expondo uma extensão sexy do estômago bronzeado. Ele rolou de costas, um dos braços presos sob seu pescoço e examinou o corpo dela. 71


Seus seios estavam esmagados contra a camisa apertada, o suficiente que ele poderia dizer que ela não tinha um sutiã. A camiseta era um desses números de lycra que seguravam tudo dentro. Ele espalmou seu estômago, usando os dedos para andar para cima e levantar a camisa por cima das costelas, expondo o piercing esmeralda pendurado em seu umbigo. Tão sexy. Ele gostaria de vê-la nua vestindo nada, além da jóia em sua barriga. ‚Quando você fez?‛ Perguntou ele. Ela levantou a cabeça, olhou para o piercing. ‚Quando fiz dezoito anos.‛ ‚Eu gosto dele.‛ Seus l{bios se curvaram, um sorriso diabólico pouco. ‚Eu gosto de suas mãos em mim.‛ Ele deslizou a mão sob a blusa. Sua pele era suave, amanteigada, como o melhor couro desgastado. Ele alisou a mão sobre ela, indo mais alto, até as costelas, deixando os dedos descansarem logo abaixo dos seios. Ele podia sentir o seu batimento cardíaco rápido vibrando, observar seu rosto enquanto ela lambia os lábios, mantendo o seu olhar sobre ele. ‚Toque em mim,‛ ela sussurrou. ‚Eu quis isso por tanto tempo, Diaz.‛ Sua honestidade iria destruí-lo. Se pudesse ser tão honesto com ela. Mas havia muitas dúvidas, muitas coisas que não poderia dizer. Ele não deveria ir mais longe. Se fizesse, não tinha certeza se podia parar. Apenas alisando a mão sobre a pele dela era uma tortura. Suas bolas sentiam um nó acima, o pau torcido em chamas. Mas a decisão estava fora de suas mãos quando Jessie levantou a blusa sobre os seios, revelando dois globos perfeitos com mamilos pêssego redondos que enrugaram diretamente diante de seus olhos, apenas implorando por ele. Ele gemeu, avançou para frente, e cobriu um com a mão, o outro com os lábios. Tanta coisa para deixá-la completamente vestida. Ela tinha um gosto tão bom quanto parecia — doce e quente. Ela arqueou as costas, deslizando-lhe o mamilo mais longe em sua boca, empurrando a outra mama na palma da mão. Ele tirou suas botas e subiu na cama para que pudesse se debruçar sobre a sua festa, sobre ela, lamber e chupar os mamilos e ajustar até que ela se contorcesse contra ele. Quanto mais ele 72


esbanjou atenção em seus seios, mais ela arqueou para ele, entrelaçando os dedos pelos cabelos e segurando firme, como se ela nunca o deixasse ir. Não deixe ir. Ele gostava dela segurando, parecendo precisar do que só ele poderia dar a ela. Era como se ela precisasse desesperadamente de seu toque e ele amava, porque tinha muito mais para dar a ela do que apenas isso. Inclinou-a, o tempo suficiente para levantar a camisa sobre a cabeça, em seguida, colocou a cabeça para baixo na cama novamente. Nua da cintura para cima... caramba, ela era tão bonita, o cabelo curto emoldurando seu rosto em forma de coração, os olhos tão abertos e linda enquanto estudava todos os seus movimentos. Ele pegou seu rosto, abaixou-se para saborear seus lábios novamente, deslizou a língua entre os dentes para lamber a suavidade aveludada dela, poderia ter o suficiente de sua boca doce? Conforme ele explorava a boca, pegou a fivela do cinto, desfazendo e encontrando o botão de sua calça, então desceu o zíper para baixo. Quando chegou dentro e pôs a mão contra a calcinha de cetim, ela suspirou baixinho contra seus lábios. Ele tirou sua boca da dela, olhando para ela. A calcinha era branca, corte baixo, mas ele queria ver mais disso. Ele se afastou dela, pegou o jeans e puxou as calças para baixo das pernas, tirando-os fora. Jessie tinha as pernas mais bonitas, bronzeadas, tonificadas de seus treinos duros na academia. Ele trabalhou seu caminho de volta, deslizando as mãos sobre a pele macia de seus tornozelos, panturrilhas, as coxas, passando para a beira da cama para espalhar as pernas abertas, para inspecionar o pedaço minúsculo de calcinha, o único item de roupa que ela ainda usava. ‚Isso não é muito justo,‛ disse ela, parecendo um pouco sem fôlego. ‚O que não é?‛ ‚Você ainda tem todas as suas roupas.‛ Maldita boa coisa, também, ou ele já estaria dentro dela. Esse pequeno pedaço de cetim não era barreira para ele. Se estivesse nu, rasgaria fora e mergulharia o pênis dentro dela em

73


segundos. Estava duro, dolorido, pulsando com a necessidade de transar com ela. Sim, boa coisa que ele ainda tinha todas as suas roupas. ‚Eu quero ver você, tocar você, Jessie.‛ ‚Quero ver você também.‛ ‚Mais tarde.‛ Nunca. Muita coisa em jogo. Isto era bastante... tinha que ser o suficiente. Ele segurou os joelhos, abriu as pernas afastadas, e desceu entre elas, sentando na cama para que pudesse estar perto dela. Inalou o cheiro almiscarado doce de sua excitação. O cheiro de sexo, o melhor afrodisíaco sempre. Isso intoxicou seus sentidos, fez suas bolas apertarem contra o seu corpo, seu pau tremia em antecipação. Poderia antecipar tudo o que queria. Tudo o que ele ia fazer com Jessie era jogar um pouco. Ou muito. Ele colocou sua mão sobre o cetim no ápice de suas coxas. Calor molhado cumprimentou-o. Ela ergueu os quadris, pressionando a sua doce boceta contra sua mão. ‚Diaz.‛ O jeito que ela sussurrou seu nome — parte louvor, parte apelo, um homem só poderia suportar tanta tortura. ‚Eu vou fazer você vir, Jessie.‛ Seus lábios se separaram e ela soltou um suspiro leve de surpresa, os olhos novamente ampliando dessa forma que falava da inocência. Ele franziu a testa e descartou. Talvez tenha sido surpresa agradável, em vez disso. Ele pressionou a palma da mão contra seu monte, esfregou, em seguida, para baixo, desfrutando a sensação úmida dela, o jeito que rebolava ao encontro da sua mão, inclinou a cabeça para trás e soltou um gemido baixo. Ela agarrou a colcha, cavando seus calcanhares no colchão. Ele precisava de mais do que isso. Esta barreira de cetim irritava. ‚Segure, bebê.‛ Ele segurou as tiras pequenas em seus quadris e com um leve puxão, o material cedeu. 74


A cabeça de Jessie disparou quando ele puxou o tecido de seu corpo. ‚Oh, Deus,‛ ela sussurrou. E então estava nua. Completamente. Diaz engoliu, avistou um piercing, um pequeno anel de prata na capa de seu clitóris e quase caiu de joelhos e chorou. ‚Jesus, Jessie. Quando você fez isso?‛ ‚No meu vigésimo primeiro anivers{rio.‛ Ele gostaria de matar o filho da puta que chegou a tocar nela. ‚Era uma mulher,‛ disse ela em resposta a sua carranca. ‚Uma amiga minha que faz tatuagens e piercings.‛ Boa coisa. Não que ele esperava que ela fosse virgem ou alguma coisa, mas o pensamento de alguém estar aqui antes fazendo o que estava fazendo, o deixava decididamente... Malditamente irritado. Ele não tinha direito de estar. Ela tinha vinte e três e não era uma criança. ‚Você gostou?‛ Perguntou ele. Ela atirou-lhe uma sobrancelha arqueada e um meio sorriso. ‚É... divertido para brincar.‛ Ele poderia muito bem imaginar. ‚Vamos ver o quanto é divertido.‛ Ela estava molhada, brilhando com seus próprios sucos. Ele mergulhou os dedos nos lábios da boceta, em seguida, arrastou-os para cima, lento e fácil, fazendo-a se acostumar com seu toque. Ela tremia, tensa, então quase disparou direto para fora da cama, quando ele usou a almofada do polegar para circundar a capa de seu clitóris. Ele teve que pressionar uma mão para baixo em seu baixo ventre para segurá-la no lugar. ‚Shh, bebê, est{ tudo bem,‛ ele murmurou, chegando-se ao lado dela para abraçá-la estável. Bom Deus, ela era sensível. ‚Eu não sou... é que eu não tenho... Merda.‛ Aviso, sinos e carrilhões, ofuh, oh, soaram em sua cabeça. Ele puxou a mão dele e sentou-se. ‚Você não tem o que?‛

75


‚Nada. Eu não vim por enquanto, isso é tudo.‛ Ela agarrou seu pulso e moveu de volta para seu sexo. ‚Por favor, não pare.‛ Diaz não era idiota. Não era isso que ela queria dizer. Empurrou para trás, agarrando um travesseiro para empurrar contra a cabeceira da cama e arrastou Jessie com ele. ‚Vamos dar uma pequena pausa.‛ Ela deu-lhe um olhar incrédulo. ‚Você est{ brincando comigo? Você est{ parando agora?‛ ‚Inferno sim, nós estamos parando agora. Diga-me o que você não tem, Jessie. O que não fez?‛ Suas bochechas ficaram cor de rosa flambada. Ela olhou para baixo, em seguida, voltouse novamente através das franjas de seus cílios, não bem satisfeita com a sondagem de seu olhar. Ele não queria saber a resposta, não é? Mas ele tinha que saber. Ele inclinou o queixo para cima, forçando-a a olhar para ele. Ele precisava dela para dizer isso. ‚Jess, diga-me.‛ ‚Eu nunca fiz isso antes.‛ Ele acalmou, todos os músculos do seu corpo apertaram. ‚Você nunca fez o quê?‛ ‚Um... qualquer coisa.‚ Filho da puta. Foda, foda, foda. Instintivamente ele já sabia. Algo em seus olhos lhe tinha dito. Aquela inocência que ficava vendo não era uma encenação. Era real. Ele deslizou para fora da cama, arrastou a mão pelo cabelo e passeou pelo quarto. ‚Porra, Jessie. Como diabos você pode ter vinte e três anos e é virgem?‛ Ela revirou os olhos. ‚Diaz, eu estive com os Motoqueiros Selvagens desde que tinha quinze anos. A partir do momento que cheguei, Grange me guardou como uma mãe galinha, nunca me deixando fora da sua vista. E se não era ele, era um de vocês olhando por mim. Eu 76


estava estudando em casa e quando não, estava fazendo treinamento. Isso levou todo o meu tempo. Não era como se eu tivesse uma vida normal. Quando é que eu ia ter um namorado, quando ou onde conheceria um cara? Não era como eu ia sair para o shopping e trazer um para casa comigo. E se tivesse, vocês todos teriam ido em cima dele. De jeito nenhum ele iria ter uma chance.‛ Ela tinha um ponto. Eles nunca teriam deixado um cara perto de Jessie lá atrás. Diaz não tinha certeza de que deixariam um perto dela agora. Não admira que ela nunca trouxe um cara ao seu redor. ‚Quando você se tornou maior de idade e começou a andar e sair por conta própria?‛ Todas aquelas vezes que Jessie desapareceu, andando, por si mesma? Ele pensou um gosto de liberdade teria lhe dado à oportunidade de conhecer um cara ou dois... Ganhar alguma experiência. Inferno, eles pensaram tudo. Ela encolheu os ombros. ‚Eu era... exigente. Até então eu comparei cada homem que encontrei com você, com vocês.‛ Seus olhos varreram para baixo, então se voltaram novamente. ‚Ninguém se comparava. Não é como eu estava indo para saltar nos ossos do primeiro cara disponível só porque tinha um pau. Daí o meu dilema — vinte e três e ainda é virgem.‛ Ele ainda não conseguia entender isso. Não do jeito que ela parecia, a maneira como agia... Tão ousada, direta, como se soubesse exatamente o que ela queria. ‚E quanto aos piercings?‛ Seus l{bios curvaram. ‚O que sobre eles? Eles são arte no corpo, eles não significam experiência sexual.‛ ‚O anel do clitóris?‛ Ela revirou os olhos. ‚Eu me masturbo, Diaz. Posso ser uma virgem, tecnicamente, mas isso não significa que me falta experiência. Masturbação é a minha única saída sexual agora. E o anel de clitóris aumenta o meu prazer sexual. Uma vez que ninguém está fazendo isso por mim, faço por mim mesma.‛ Ele não deveria ter essa conversa com ela. Não deveria estar neste quarto com ela. Havia um monte não deveria estar acontecendo em sua cabeça, seu corpo. Sua ereção retornou 77


em uma corrida com raiva. O visual mental de Jessie, nua e de braços abertos em sua cama, brincando com aquele piercing pequenino em seu clitóris, trazendo-se ao orgasmo... Apesar do que sabia, ele ainda queria jogá-la na cama e comer a boceta dela até que gritasse. O que era a coisa mais errada a estar pensando. Agora. Nunca. ‚Eu não posso acreditar nisso.‛ Ele andou no tapete de ponta a ponta, a frustração corroendo-o. Como eles poderiam não ver isso? Bem, o inferno. Não é como se algum deles jamais falou sobre a vida sexual de Jessie com ela. Ela nunca tinha tido outras fêmeas ao redor. Não até que Lily chegar ao local, o que foi apenas recentemente. Será que Lily já sabia? Mesmo se o fizesse, não era como se ela tivesse que convocar uma reunião com todos os caras para discutir o assunto. Jessie cruzou os braços sob os seios, aparentemente sem conhecimento ou, pelo menos, indiferente de sua completa nudez. ‚Eu sinto muito que não desabafei minha virgindade mais cedo. Quão inconveniente para você esta noite.‛ ‚Você sabe que não é o que estou falando.‛ Ou talvez tenha sido. Droga era inconveniente. Achava que ela era experiente. Isso teria facilitado a sua culpa sobre o que eles iam fazer? Provavelmente. Ele se virou para a janela, puxando a cortina uma polegada para espiar, para tirar o olhar para qualquer coisa, fora de seu corpo delicioso. ‚Se eu soubesse... Eu nunca teria tocado você.‛ ‚Estou feliz que você não sabia, então.‛ Ele virou para trás para se embasbacar com ela. ‚Você quer que isso aconteça?‛ ‚Eu não estaria sentada aqui nua com você, se não quisesse.‛ Ele franziu a testa. ‚Eu pensei que você era exigente.‛ ‚Eu sou.‛ ‚Mas você est{ aqui comigo.‛ Ela revirou os olhos. ‚Duh.‛ ‚Você não é obviamente exigente o suficiente. Você não deveria estar comigo.‛

78


‚Por que não? Você é o que quero. Sou adulta, Diaz. Tenho que escolher um homem para fazer amor com ele.‛ Ele? O homem que ela daria sua virgindade? Cristo. Teria sido ele. Seus pensamentos sobre mais ninguém ter tocado nela... O homem das cavernas como comportamento... Era preciso, não era? E tinha que admitir que havia uma parte dele gritando um inferno sim! Com o pensamento de nenhum homem jamais ter tocado Jessie antes. O que estava errado com ele? Não podia fazer isso. ‚Não vou ser aquele a tomar sua virgindade, Jessie.‛ Ela suspirou. ‚Por que não? É mais uma coisa de sem}ntica do que físico de qualquer maneira. Eu usei vibradores.‛ Deixou cair o queixo ao peito, fechou os olhos e lá se foi o visual novamente. Jessie com um vibrador enfiado em sua boceta, esfregando seu clitóris, levantando a bunda para fora da cama enquanto dava prazer a si mesma. Seus olhos bem fechados, sua respiração difícil enquanto se dava um orgasmo. Foda-se. Seu pau estava lhe dizendo uma coisa, a sua consciência outra. E estava ficando com dor de cabeça. Ele abriu os olhos, olhou para ela. ‚Porque você precisa encontrar um grande cara, se apaixonar, ter um relacionamento. E não sou o tipo de cara para fazer isso.‛ ‚Você é um grande cara, Diaz.‛ Ela sabia tão pouco sobre ele. Se soubesse, se vestiria e correria como o inferno. ‚Não, eu não sou. E não vou discutir com você sobre isso. Estou lisonjeado que você achou em se dar para mim, mas vou ter que passar. Realmente acho que você deve encontrar um cara diferente.‛ Ela recostou-se na cama. ‚Alguém como Crush?‛ Ele lançou-lhe um brilho. ‚Nem pensar nisso.‛ ‚Você não tem que me dizer com quem transo. Se não vai ser você, então vou escolher alguém.‛ ‚Para alguém que afirma ser exigente, você de repente se tornou bastante indiscriminada.‛ 79


Ela inalou, deixou sair. ‚Certo tudo bem. Não quero fazer sexo com Crush. Isso é frustrante. Você me levantou, me pegou quente e você está meio que me deixando pendurada aqui, Diaz. Isso não é realmente justo.‛ Seus l{bios levantaram. Ela tinha um ponto. ‚Você est{ certa sobre isso. Sinto muito.‛ Ela deitou de costas na cama, plantou seus pés e alargou suas pernas, deixando os dedos à deriva entre eles, descansando em cima de seu sexo, oh, tão perto do piercing tentador. Ela bateu os dedos, chamando a sua atenção para os lábios da boceta lisa, seu clitóris ainda inchado. ‚Então, se você não vai me foder, que tal liberar um pouco de tensão?‛ A mulher ia ser a morte dele.

80


Capítulo Sete Jessie sempre se considerou valente, forte e sexy. Ela também sabia o que queria. E uma vez que já estava nua e tinha chegado tão longe com Diaz, pretendia ir até o fim. O puxaria se ela tivesse — forçaria mesmo, aquele pensamento causou os lábios a levantar. Ele era facilmente o dobro do tamanho dela. Ela mal podia derrubálo e forçá-lo a fazer sexo com ela. O visual mental era interessante, apesar de tudo. Infelizmente, estava cansada de fazer as coisas mentalmente. Ou sozinha. Estava nua, deitada na cama. Diaz estava no quarto com ela e a partir do olhar em seu rosto, definitivamente interessado. Se pudesse encontrar uma maneira de romper sua parede de cavalheirismo ou qualquer equivocada noção de honra que, atualmente, o mantinha do outro lado do quarto, poderia tê-lo na cama com ela. E talvez, apenas talvez... ‚Jessie.‛ Sua voz estava rouca, como se lutasse com a indecisão. Estava enraizado no lugar, seu punho cerrado nas cortinas, olhando para ela, para onde os dedos descansavam um pouco acima de sua boceta. Bom. Pelo menos desta vez ele não tinha saído com ela. Estavam fazendo progresso. ‚Vem c{, Diaz. Sei que você quer isso tanto quanto eu.‛ ‚Você não sabe o que quero. Ou mesmo o que você quer. Pense sobre isso, Jess. Isso é um erro.‛ Ele era o único que não sabia o que queria. Encorajado pelo olhar aquecido em seus olhos, e de uma maneira que ele não pudesse arrastar o seu olhar para longe dela, ela deslizou os dedos para baixo, suas pernas se separaram mais. Seu clitóris tremeu, sabendo que ele 81


observava. Estava tão envergonhada quanto excitada. Nunca tinha feito isso na frente de um homem antes. Nunca tinha feito nada na frente de um homem antes. Mas quando Diaz espalmou seu pau, esfregou-o, enquanto observava, seus lábios se separaram e passou a ofegar, seu corpo derretendo de dentro para fora. De repente, não conseguia respirar, a garganta dela estava seca, sem dúvida, porque toda a umidade em seu corpo havia sido levada às pressas para sua boceta. Ela sentia a umidade quente lá e passou a mão para baixo, circulou os lábios da boceta, e mergulhou dentro apenas um pouco para molhar os dedos. Diaz deixou escapar um gemido estrangulado e ela sabia que não ia deixá-la. Deixou os dedos a deriva para cima, molhando sua vulva, circulando em torno de seu clitóris, acenando com os dedos para trás e para frente. Moveu para frente. ‚Quantas vezes você faz isso?‛ ‚Fazer o quê? Deitar nua em uma cama de quarto de hotel com um homem me olhando?‛ ‚Não. Tocar a si mesma.‛ ‚Todos os dias. Às vezes mais de uma vez por dia.‛ ‚Cristo, Jessie.‛ ‚Estou cansada de me tocar. É hora de eu ter um pouco de educação. Preciso de você, Diaz.‛ Ele tirou sua camiseta e ela cavou em seus calcanhares para que pudesse empurrá-la de volta para os travesseiros e observar. Seu peito era liso, escuro e musculoso, algumas cicatrizes a única coisa estragando a perfeição absoluta, cinzelada, embora mesmo aquelas adicionavam à sua beleza masculina. Ele parecia um guerreiro, a partir de seus ombros largos para o seu peito largo, cintura fina e seu pacote de seis abdômen. Ela queria lamber todo o caminho para a escuridão de pelos que desapareciam em suas calças. Ele liberou a fivela do cinto e Jessie engoliu, o olhar fascinado para seu zíper, para a ereção lutando, empurrando contra a virilha da calça jeans. Ela seguiu os dedos quanto ele puxou o zíper para baixo, percebendo que ele tinha ido ao comando. Ela

82


prendeu a respiração quando ele chegou para o cós das calças e empurrou-os para baixo sobre suas coxas, então suspirou em reconhecimento feminino puro. Pernas fortes e um pelo escuro centrando seu pau. Ela inclinou-se de quatro e estendeu a mão, circulando seu pênis com a mão. Diaz inalou, o som agudo e gutural, quase como uma maldição. Ela inclinou a cabeça para trás para satisfazer seu olhar. Ele olhou com raiva, seus olhos escuros. ‚Deixe-me,‛ disse ela. ‚Isso não é do que se trata.‛ ‚Deixe-me de qualquer maneira. Desejo explorar você.‛ ‚Cristo, Jessie.‛ Ela tomou isso como um sim e deixou a mão em seu pau, manobrando em torno de uma posição sentada e deixou as pernas balançando em cima da cama. Diaz aproximou, os joelhos batendo no colchão. Alargou a sua posição, dando-lhe livre acesso a todos os seus tesouros. Deus, ele realmente era um tesouro, especialmente aqui, onde era tão masculino. Sentiu todo o homem e cheirou também. Como o ar livre, de modo nítido e almiscarado e absolutamente primordial. Ela o cheirou enquanto começava a afagar seu comprimento com movimentos suaves, explorando o que tinha na mão, hipnotizada pela sensação de pele macia em torno de um pedaço de aço duro de carne. Sua boceta estremecia como que por instinto, sabendo o prazer que seu pau poderia despertar nela. Sua virgindade há muito tempo havia sido tecnicamente eliminada pelos vibradores com que ela jogou. Mas aqueles eram brinquedos sem vida, sem emoção, frios e sem paixão. O pau de Diaz era quente, grosso, pulsando com a batida da vida. Sensível, também — ele puxou em sua mão quando ela roçou o polegar sobre a crista larga, derramando gotas de líquido perolado em seu rastro. Capturou os fluidos contra o polegar, os trouxe a sua boca, e lambeu, surpresa com o sabor picante. Acariciou, aproximando-se, e lambeu a ponta macia. ‚Jessie.‛

83


Seu nome rolava de sua língua como um sussurro estrangulado. Ela gostava de ouvir isso, então lhe lambeu mais uma vez, provando mais do seu sabor salgado, sentiu seu pau sacudir em resposta. Ele estendeu a mão para enredar os dedos em seus cabelos, agarrando um punhado enquanto balançava contra sua língua. Ela fechou os lábios em torno de sua carne dura e levou-o mais profundo em sua boca. ‚É isso aí, bebê, me chupa.‛ Quem sabia que chupar o pau de um homem poderia ser tão excitante? Tinha visto os filmes, achava que isso era feito apenas para o prazer do homem. Não tinha ideia de que ela poderia ficar tão excitada com Diaz em sua misericórdia como isto. Quanto maior o prazer que ela lhe dava, mais despertava o seu. E parecia estar fazendo a coisa certa, uma vez que ele agarrou o cabelo duro e começou a bombear seu pau entre os lábios, suavemente a princípio, depois mais duramente enquanto aumentava a sucção. Ela estendeu a mão e embalou suas bolas em uma mão, massageando suavemente e ele estremeceu. ‚Você mantem isso e vou gozar em sua boca.‛ Sua voz era {spera, quando disse as palavras e ele enfiou o pênis profundamente em sua garganta. Deus foi tão emocionante, sentindo-o perder o controle assim. Ela percebeu que era exatamente o que queria. Fazê-lo vir, senti-lo quebrar. Em vez disso, ele puxou seu pau fora de seus lábios, apertou-a sobre a cama e cobriu a boca com um beijo profundo, penetrando com sua língua, lambendo e chupando a dela. Ela queria protestar que não tinha terminado, ele não havia chegado. Mas tinha empurrado em cima dela e senti-lo nu contra ela como esta era mais do que o céu, seu protesto morreu em um trêmulo gemido. Ela queria isso por tanto tempo e agora que estava acontecendo. Seu pênis, ainda molhado de sua boca, percorreu o clitóris e enviou disparos de relâmpago de prazer ao longo de suas terminações nervosas. Ela levantou, precisando de mais, querendo que a sensação continuasse, para levá-la direto ao longo da borda. Mas Diaz mudou, agarrando-lhe os pulsos e levantando-os sobre a cabeça, mantendo-os lá com uma mão enquanto roçava o rosto, pescoço e clavícula com o outro. Estava seu simples toque em sua pele suposto a levá-la louca? Ele descansou a ponta dos dedos ao longo de sua 84


mandíbula, usando seu polegar para acariciar o lábio inferior. Ele olhou para ela, seus olhos tão escuros, quentes, intensos. ‚Você é tão bonita,‛ disse ele. ‚E a sua boca... caramba, Jessie, você tem uma boca incrível.‛ Ela sorriu para ele, contente que lhe agradou. ‚Queria que você viesse na minha boca.‛ Ele deslizou seu polegar apenas dentro de seus lábios, deixando-a lamber e chupá-lo. Seu útero apertou, lembrando a sensação de chupar seu pênis, de como o fez sentir. Ela queria aquilo na boca de novo, para dar-lhe esse tipo de prazer que poderia ficar ligada. Seu olhar escureceu. ‚Você est{ me matando. Quero isso também. Mas, primeiro, você vai vir.‛ Ela gostou da ideia, também. Ela se sentia amarrada, carente, tensa e seu corpo em chamas. Queria um monte de coisas e queria todas agora. Era o sexo sempre assim, correr na direção da linha de chegada e ainda querer que durasse para sempre esse tipo de coisa? Precisava, queria muito e ainda assim ansiava que durasse para sempre. Todo pensamento fugiu quando Diaz pairou sobre o peito com a mão. Então, uma leve carícia, provocando-lhe o mamilo com um simples toque. Ela estremeceu, ergueu em uma tentativa de dirigir-lhe o mamilo ereto contra a palma da mão calejada. Ele abaixou a mão, circulou a palma da mão sobre seu mamilo em movimentos suaves. A sensação enviou tiros diretos ao sul, fazendo fechar as pernas juntas, numa tentativa de criar atritos. Ela queria as mãos livres para que pudesse esfregar seu próprio clitóris. ‚Não, querida. Você queria que eu fizesse isso, então estou no comando agora.‛ Ela não tinha certeza de que era uma coisa boa, uma vez que Diaz parecia determinado a fazer as coisas devagar e estava pronta para entrar, para experimentar a magia explosiva agora. Em vez disso, ele desceu abaixo de seu corpo e capturou o seu mamilo torturado entre os dentes, em seguida, lambeu-o, chupou, mordiscou um pouco mais até que ela ficou louca com o prazer. Ele levou a outra mama na mão, encaixou o mamilo entre dois dedos e rolou. Ela não tinha ideia que seus mamilos eram tão sensíveis. Jogou com eles um pouco sozinha, enquanto se masturbava, mas não tinha esbanjado atenção sobre eles, o caminho que Diaz fez agora. E oh, 85


estavam os mamilos sempre ligados ao seu clitóris. Então, novamente, talvez fosse apenas as mãos de Diaz, sua boca, a forma como fez isso. Todo lugar que tocou parecia ligado a sua boceta, porque ela tremeu e tremeu lá com seu beijo e cada carícia. Mas não se contentou em parar em seus seios. Ele soltou-lhe os pulsos, enfim, mas só porque serpenteava mais baixo, beijando seu caminho até as costelas, o ventre, demorando-se na perfuração em seu umbigo, sacudindo com sua língua, mergulhando no seu próprio umbigo, até que ela deu uma risadinha. E então ele se moveu ainda mais para baixo, abrindo as pernas para além de situar-se entre elas, atraí-las sobre seus braços. Ele estava tão escuro, a cabeça entre suas coxas, seu cabelo escovando sua pele. Ela ficou tensa, esperando, mal conseguindo respirar, enquanto sua boca se moveu em direção a sua pele. Ele beijou e lambeu-lhe a parte interna da coxa. ‚Você cheira bem, Jess.‛ Ela corou, sua pele ficou quente, sabendo o que ia acontecer, antecipando-a, querendo, primeiro o que ela nunca tinha tido antes. Com o toque quente e úmido de seus lábios nos seu sexo, ela tremeu, deslocou o travesseiro sob a cabeça para que pudesse assistir a boca cobrir o clitóris, estremecendo quando sua língua fez contato com o piercing. Ele jogou com o anel de prata, lambeu sua volta, jogou com ele, então colocou sua língua sobre seu clitóris e a levou para perto da borda, ela agarrou os lençóis em um nó apertado. Mas ele se afastou, deixando sua língua deslizar pelos lábios da boceta, para baixo, em seguida, voltou-se novamente, evitando o clitóris, depois diretamente nele novamente, levando-a para perto e se movendo para trás, parecendo saber o quão longe levá-la sem deixá-la voar. O homem era enlouquecedor e cada vez as sensações ficando mais intensas, construindo o seu prazer a uma febre extrema. Logo ela estava levantando a bunda para fora da cama, dirigindo sua boceta em seu rosto. Ele a segurou e empurrou de volta para baixo, mas ela estava irracional agora, não se importava, queria apenas o orgasmo que ele poderia trazê-la. ‚Diaz, por favor.‛ Ela sentiu os dedos sondando perto de sua boceta, e oh que ele estava indo?

86


Ele fez, deslizando um dentro dela, enquanto continuava a lamber ao longo das dobras. Em seguida, dois dedos, estendendo-a, bombeando-os para dentro e para fora enquanto lambia e chupava seu clitóris, sua boca e língua quente e úmida, a sensação dupla irresistível. Era tudo o que ela poderia tomar. Ela saiu como o ônibus espacial em uma explosão de luz e chamas. ‚Estou vindo, Diaz, estou gozando!‛ Gritou ela enquanto levantava da cama, tremendo através de um dos mais loucos orgasmos que já sentiu. Ele a agarrou, seus dedos continuando a fodê-la com golpes implacáveis até que ela sentiu diminuir as contrações. Ele retirou-se, beijou o topo de seu sexo e fez o seu caminho até o seu corpo, tomando sua boca, deixando o gosto do seu suco da boceta nos próprios lábios. Ela lambeu a boca, sugando sua língua dentro. Rolou sobre ele e beijou-o profundamente, derramando seus sentimentos com a boca, segurando seu rosto entre as palmas das mãos e, em seguida, empurrando para cima para olhar para ele. ‚Obrigada,‛ disse ela. ‚Você é bem-vinda. E obrigado. Eu gostei também.‛ Ela sorriu para ele, então, deslizou sua boceta agora encharcada ao longo do comprimento de seu pênis. Seria tão fácil de transar com ele agora, a facilidade com que estaria dentro dela e montando-o. Ela estremeceu com o pensamento. ‚Não, Jess.‛ Ela franziu a testa. ‚Por que inferno não?‛ Ele agarrou seus quadris, levantou, e a sensação foi incrível. ‚Porque você precisa de um relacionamento, um namorado. Não um amigo de foda.‛ ‚Eu quero foder você.‛ A ideia de tê-lo dentro dela deu solavancos em sua boceta. Ele a contrariou e rolou-os tanto para o lado que eles estavam enfrentando um ao outro. ‚Não, você não quer. Você quer alguém que vai estar l{ para você, o tempo todo. Quer a ternura, companheirismo, todo o material emocional que vai com um relacionamento. Isso não é comigo.‛ ‚Você est{ sempre por perto quando preciso de você, assim como os outros caras.‛

87


‚E isso é exatamente o que estou falando, Jess. Eu, os outros caras.‛ Ele arrastou a mão pelo cabelo. ‚Não deveríamos mesmo ter feito isso. Isso est{ errado.‛ Ele empurrou para cima e se sentou na beirada da cama. Diaz tinha algumas noções seriamente equivocadas sobre ela, sobre os dois, sobre os Motoqueiros Selvagens e onde ela se encaixava no esquema das suas relações. Ela realmente precisava colocá-lo em linha reta. Ela deslizou até o fim da cama com ele, pegou sua mão na dela. Tão grande, que quase ofuscava sua pequena mão. Entrelaçou os dedos com o dele. ‚O problema é que você me conhece desde que eu era uma criança, uma vez que Grange e todos vocês tipo me 'adotaram'. Então, você tem todo o pensamento em mim como alguma irmã ou algo por todos esses anos.‛ Ele virou a cabeça e olhou para ela. ‚Sim. É exatamente isso.‛ ‚Isso foi bom na época. Não é agora. Bem, é e não é. Penso em todos os caras como família e Grange, também. Ele foi o pai que nunca tive. Ele tem sido bom para mim. Os caras foram todos irmãos. Eu vim para os Motoqueiros Selvagens em um momento da minha vida quando precisava de família mais do que precisava de alguma coisa.‛ ‚Viu? É isso que torna errado.‛ Ela balançou a cabeça. ‚Não, deixe-me terminar. Foi maravilhoso, em seguida, mas eu não sou mais uma criança, e não tenho sido por um longo tempo. Eu cresci, e quando fiz comecei a notar os homens. Ou melhor, um homem. Você, especificamente.‛ Ele arqueou uma sobrancelha. ‚Eu? Por quê?‛ Ela encolheu os ombros. ‚Eu não sei. Chame-o de química ou o que quiser, mas de repente eu vi você como alguém diferente de 'família'. Os outros caras? Sim, eles são como irmãos para mim. Engraçados, parvos, eles podem caçoar de mim e me abraçar e eu sinto absolutamente nada, mas o calor e a conexão e o sentimento de pertencer. Você? Você foi diferente. Eu olho pra você e sinto algo que é muito diferente de família. Quando olho para você formigo por dentro, meus dedos enrolaram e fico quente. Você é um homem sexy, desejável que

88


eu queria há muitos anos. Somente estava esperando que você acordasse e me percebesse como uma mulher.‛ Seus olhos se arregalaram. ‚Querida, eu notei que você era uma mulher h{ v{rios anos. E isso tem sido um enorme problema para mim.‛ ‚Sério?‛ O pensamento lhe agradou. ‚Pare de sorrir. Disse que era um problema.‛ ‚Oh. Desculpe. Mas, realmente, não é um problema.‛ Por que ele estava fazendo isso tão difícil? Ele soltou um suspiro. ‚Sim, é. Não vou fazer isso, Jess. Nós não vamos ser um casal. Não vou transar com você e arruinar a sua vida.‛ Ela revirou os olhos. ‚Você ter relações sexuais comigo não vai arruinar a minha vida, Diaz. Não tenho expectativas de que isso vai ser seguido de uma proposta de casamento. Sou uma menina grande. Posso lidar com isso.‛ Ele beijou a ponta do seu nariz. ‚Mas eu não posso, sabendo que eu teria tido algo com você que deve dar a alguém especial.‛ Ela colocou sua mão em seu rosto. ‚Acho que você é especial.‛ ‚Você est{ fazendo isso muito duro para mim.‛ Ela estendeu entre eles, circulando seu pau semiduro. ‚Não est{ muito duro, mas aposto que eu poderia obtê-lo dessa maneira.‛ Ele riu. ‚Porra, Jessie. Eu estou tentando ser sério aqui.‛ ‚Eu também. Sou muito séria sobre ter seu pau na minha boca novamente. Então não me pare.‛ Antes que ele pudesse dizer qualquer coisa, ela deslizou para baixo seu corpo. Esta era sua chance de explorar e orou para que ele não a impedisse neste momento. Não quando tinha a oportunidade de sentir e beijar os planos rígidos de seu peito e estômago, que ondulavam quando pressionava beijos leves contra eles e espalmava com as duas mãos. Com um empurrãozinho, ela o rolou em suas costas e subiu em suas coxas, passando as unhas para baixo em seus lados para testar sua resposta a cócegas. 89


Nada. O homem era uma rocha. Um tronco de árvore sólido de músculo e vontade de ferro. Era seu dever quebrar a sua vontade, fazê-lo suar, testar seus limites e fazê-lo desmoronar. Ela estava indo para desfrutar disso. Como não poderia, ter rédea livre para descobrir o corpo de Diaz? Ele não estava se movendo, apenas observando-a com uma expressão bem guardada. Ela amava seus olhos — escuros, insondáveis, ela poderia se afogar neles. Mas não agora. Agora ela estava indo numa expedição de pele. Ela se inclinou e beijou o seu ombro, em seguida, afundou seus dentes nele, mordiscando com mordidas menores. Ela sentiu o aumento do arrepio em sua pele, mas ele não tremeu. Ela atravessou o peito, fazendo com ele tinha feito — agitando as palmas das mãos sobre seus mamilos planos, circulando até que eles endureceram como seixos sob seu toque. Oh, ela gostava e usou o seu polegar e o indicador para capturar cada um, puxá-los, beliscá-los, em seguida, abaixou-se e tomou cada um em sua boca, arrastando sua língua mais de um, depois o outro, recompensada quando ele respirou duro. Assim... Ele gostava que jogassem com seus mamilos também. Sabendo que fazia sua boceta molhada. Lambeu ao longo de sua caixa torácica, então mais baixo, fugindo para baixo de suas coxas. Droga, ele era tão grande por baixo dela, lembrando-lhe o quão pequena era e como ele a tratou gentilmente. Ele estava tão errado sobre o que ela precisava. Pensou que não poderia ser o tipo de homem que ela queria? Era exatamente o que ela queria. Sua paciência agora a pasmou. Se tudo o que ele queria era uma boceta para foder, nunca a deixaria explorar assim. Seu pau duro se projetava contra sua barriga, em seguida, em seus seios enquanto ela serpenteava a língua ao longo de seu osso do quadril, amava o gosto dele, as diferenças na forma como seus corpos foram feitos. Enterrou o nariz na palha fina do pelo em seu sexo, inalando seu perfume almiscarado, percebendo que o cheiro primal a excitava. Passou a língua ao longo de sua parte interna da coxa, então mais baixo, onde a bola do seu saco estava aninhada contra a sua bunda. Ela lambeu lá, brincou com a costura que separa as bolas e ele 90


gemeu, seus músculos da coxa apertaram quando capturou uma de suas bolas na boca e lambeu-lhe a carne, só para liberá-la e jogar com a outra. Não havia uma parte dele que não queria tocar, provar, para brincar. Ela segurou seu pau com uma mão e lambeu a parte inferior da base para a ponta, seguindo a costura como um mapa de estrada que conduzia à crista suave. Agora ela encontrou seus olhos, que estavam queimando com uma chama depositada. Quando ela olhou para ele e capturou sua cabeça na boca, cobrindo-o enquanto sacudia sua língua sobre ele, a chama explodiu em um inferno. Ele disparou sobre os cotovelos, bombeando seus quadris para cima e enfiou seu pau entre os lábios vorazes, alimentando-a. Ela segurou seu pau com as duas mãos, jogando com ele, apertando e acariciando enquanto chupava, observando a maneira como ele ondulava em suas mãos, a maneira como seus olhos quase revertiam em sua cabeça quando girou sua língua sobre a ponta, em seguida, trouxe-lhe plenamente em sua boca. Então desistiu de controlar e o deixou afundar o conteúdo profundamente, todo o caminho até a garganta, para deixá-lo empurrar e retirar. Instinto levou-a e começou a acariciá-lo a sério quando sentiu os músculos tensos sob ela, sabia que ele estava chegando perto quando agarrou a parte de trás da cabeça para dirigir seus movimentos. Ela sentiu a umidade do suor nas pernas, conhecia esta força motriz do clímax iminente, quando nada mais importava, só alcançar o auge. Ela queria levá-lo lá. Apertou com os lábios, sugou com a boca e um gemido baixo arrancou de sua garganta, ao mesmo tempo em que Diaz entrou em erupção, a presenteando com o doce gozo. Ela agarrou seu pau e a ele enquanto estremecia violentamente, bombeamento furiosamente em sua boca. Engoliu em seco, segurando-o quando ele esvaziou, engoliu até que ele não tinha mais nada para lhe dar e desabou sobre suas costas, os músculos relaxando. Contente por colocar sua cabeça em sua coxa, ela acariciou-lhe a perna, lambeu os lábios e sorriu. Diaz acariciou o cabelo dela e o ouviu respirar, primeiro rouco e difícil, então, finalmente, normal novamente. Seu pulso estava correndo também. Ela tinha estado tão ligada ao que ele era, seus mamilos formigando, sua boceta tremendo e úmida. Dar prazer foi tão 91


emocionante como consegui-lo. Tinha muito a aprender sobre sexo. E tinha um professor maravilhoso. Ela levantou a cabeça. ‚Obrigado, mais uma vez.‛ Ele levantou. ‚Pelo quê?‛ ‚Por outra lição. Isso foi divertido. Não tinha ideia de que fazer você vir me excitaria muito.‛ Ele estremeceu um sopro e balançou a cabeça, então se desvencilhou, deslizando para fora da cama e caminhando para o banheiro para ligar o chuveiro. Ela seguiu. ‚Não h{ realmente nenhum ponto na limpeza. Ainda,‛ ela disse, esperando que seu significado fosse claro. ‚Sim, existe, porque nós terminamos aqui.‛ ‚Não, nós não terminamos. Nós apenas começamos.‛ Ele abriu a porta do box e entrou. Destemida, ela o seguiu e fechou a porta atrás dela. ‚Diaz, não faça isso.‛ Ele enfiou a cabeça na água do chuveiro, balançando a cabeça, gotas de água voaram por toda parte, então se virou para encará-la. ‚Acho que j{ fiz o suficiente.‛ ‚Não é o suficiente.‛ ‚Muito. Sem mais, Jess. Eu j{ te disse que não vou te comer.‛ Ele saiu da {gua e estendeu a mão para o sabão, dando-lhe espaço para se movimentar na água morna. Ela fez, molhando o cabelo e corpo para baixo e pegando o sabonete de sua mão estendida. ‚Você não acha que j{ atravessou a soleira? O que est{ segurando você?‛ Enquanto ele ensaboou-se, disse: ‚Você não me quer. Eu não sei quanto mais claro eu posso fazer isso.‛ Estava ficando irritada com o que estava sendo dito o que ela queria e o que não queria. ‚Acho que eu posso escolher para mim.‛ ‚Não sem me conhecer melhor. Você só sabe o que j{ viu. Não o resto.‛ Ela abaixou-se sob a água para lavar seu corpo, então se moveu para Diaz poder fazer o mesmo. ‚O resto?‛ 92


Ele saiu do chuveiro e ela desligou-o, agarrando a toalha que ele segurava para ela quando saiu. ‚Meu pai batia em minha mãe todos os dias, Jess. Seu temperamento era monstruoso. Você sabe como fico com raiva? Esse tipo de temperamento só pode rodar em minha família. Tenho isso. Eu já vi isso. Inferno, todos os Motoqueiros Selvagens j{ viram.‛ Ela enrolou a toalha em torno de si, movendo em direção a ele, a necessidade de tocá-lo. Ela colocou os braços em torno dele, segurou-o por um momento antes de se mover para olhar para ele. Pelo menos a deixou segurá-lo. ‚Sinto muito por sua mãe, o que ela teve que passar, Diaz. Isso deve ter sido terrível para ela.‚ ‚Foi. Mas esse não é o meu ponto.‛ ‚O que é?‛ ‚Não sou o tipo de cara que você precisa. Sou como uma bomba-relógio.‛ ‚Por causa de seu pai?‛ Ele balançou a cabeça. Ela sorriu, balançou a cabeça. ‚Isso não é quem você é.‛ ‚Você não me conhece mesmo.‛ Ele saiu do banheiro. Ela seguiu. Mais uma vez. Era hora de explicar algumas coisas sobre si mesma. Ela se sentou na cama. ‚Eu nunca soube quem era meu pai. Minha mãe provavelmente não sabia, também. Um de seus amantes, eu imagino.‛ Diaz calou, se virou para ela. ‚Eu não sabia. Grange não...‛ ‚Claro que ele não o fez. Não quis, porque ele me protegeu. Nenhum de vocês sabe nada sobre mim. Minha mãe era uma prostituta e uma viciada em crack. Ela tentou me vender, para me colocar nas ruas a fim de ganhar dinheiro para obter a sua próxima dose. Quando sua aparência tornou-se tão ruim que não poderia ganhar dinheiro deitada em suas costas, ela tentou me convencer a fazer isso por ela para que pudesse ter suas drogas. Suas drogas eram mais importantes do que eu, Diaz. Teria vendido minha virgindade por uma dose.‛

93


Os olhos de Diaz se estreitaram, o maxilar cerrado, choque e fúria evidente em seu rosto. ‚Filha da puta. Não havia ninguém para ajudar você?‛ Ela encolheu os ombros. ‚Não na verdade. Não era como se ela tivesse família que se importava. E só pensava nas drogas. Assim que ela descobriu que eu era jovem e bonita e os caras estavam me olhando, viu sinais de dólar.‛ ‚Cristo, Jessie. Ser{ que algum deles…‛ Ela balançou a cabeça. ‚Não. Eu era mais r{pida e estava sóbria. Sabia quando sair do caminho e tinha grandes esconderijos.‛ Ele encostou a cabeça contra a parede. ‚O que você teve que passar...‛ Ela encolheu os ombros. ‚Superei isso. Demorou um pouco, mas consegui passar por isso. Tão logo ela tentou me usar daquela maneira, eu era história.‛ ‚Porra, Jessie. Eu sinto muito.‛ Ele veio na direção dela, mas ela se levantou e afastouse, cruzou os braços, odiando que teve que desenterrar o passado. Ela estreitou o olhar para ele. ‚Não sinta pena de mim. Não tenha pena de mim. Eu nunca fiz. Sobrevivi. Assim como você. Nenhum de nós somos produtos do nosso passado, Diaz. Somos sobreviventes. Somos duros. É por isso que Grange nos escolheu. Eu fiquei bem depois que Mac tirou-me das ruas e me trouxe para os Motoqueiros Selvagens. Então você. Então não me venha com essa besteira sobre ser quem era seu pai. Isso é uma desculpa esfarrapada para não querer fazer amor comigo e não vou aceitar isso.‛ Ele olhou para ela por mais tempo e Jessie não conseguia decidir se queria virar as costas e correr ou agarrá-lo e abraçá-lo. Ela esperou. Então ele pegou a roupa, enfiou as pernas dentro da calça, puxou uma camiseta, meias e botas, em seguida, mantendo as costas para ela até que estava vestido. Vestido. Como uma armadura, ela pensou, cruzando os braços sobre o peito. Se ele tinha a sua veste, poderia estar protegido contra a grande e má, Jessie. Ela iria rir se não fosse tão triste. Quando finalmente se virou para ela, pegou seu casaco e suas chaves na mão. ‚É a única desculpa que tenho, Jess. Sinto muito.‛ 94


Desta vez, quando ele saiu, ela nem sequer tentou impedi-lo.

95


Capítulo Oito Diaz estava determinado a manter a cabeça no trabalho hoje e não em Jessie. Ele tinha feito um erro crítico ontem à noite, que não tinha a intenção de repetir. Não podia culpar Jessie também. Ela podia ter colocado a prensa sobre ele, mas cabia a ele dizer não, se afastar antes que as coisas saíssem do controle. Embora o quanto mais fora de controle podiam chegar? Nesta manhã, sentou-se e tomou uma xícara de café preto enquanto esperava Spencer e Jessie se juntar a ele no restaurante do hotel. Tocou no celular de Jessie esta manhã e notificou a ela que teriam uma reunião no café da manhã. Parecia estar bem o suficiente, não com raiva, disse que estaria para baixo em breve. Ele esperava como o inferno que Jessie algum dia o perdoasse pelo que tinha feito para ela, por conduzi-la adiante. Poderia ter sido pior. Ele poderia ter a fodido. É certa que a virgindade não poderia ser uma coisa física real por mais tempo, mas significava algo para ele. E, obviamente, para ela. Ela não tinha dado a ninguém e ele com certeza não ia ser o único a tirar isso dela. Aquilo tinha catástrofe escrita sobre tudo. Felizmente ele voltou aos seus sentidos na última noite antes de ter dado esse passo, apesar de ter sido por um triz. Ele a queria. Para ser honesto, ainda a queria. Passar a noite no quarto de Spencer não tinha mudado isso. Quando tinha chamado o celular de Spencer e disse que estava passando a noite em seu quarto, Spencer disse que ele era louco. Spencer provavelmente estava certo. Mas, pelo menos, Spencer teve a decência de não fazer perguntas. Diaz não tinha certeza de que tinha boas respostas suficientes para explicar essa bagunça. Ele olhou para o barulho da abertura das portas do elevador. Os hóspedes do hotel derramando para fora, carregando suas malas ou laptops. Jessie estava na parte de trás da multidão, vestida com jeans apertados, uma outra camisa abraçando o corpo corte baixo na 96


frente e revelando uma grande quantidade na divisão. Ela não sorria, seus lábios carnudos pressionados juntos quando se aproximou. Ainda assim, ela tirou o fôlego. Seu pênis apertou ao lembrar de como era tocá-la, prová-la. Ele só teve uma amostra e isso não foi suficiente. Não o suficiente. Difícil. Ia ter que ser, porque ele teve tudo o que teria. Ela colocou a bolsa para baixo na cadeira. ‚Vou pegar café da manhã. Volto j{,‛ disse ela. Ele balançou a cabeça, tomou outro gole de seu café e viu enquanto enchia a bandeja. ‚Não é possível tirar os olhos dela, não é?‛ Spencer perguntou quanto deslizou na cadeira ao lado de Diaz. ‚Não sei o que você est{ falando.‛ ‚Jessie. Você. Observando sua bunda. Praticamente babando. Vou precisar de uma capa de chuva apenas para comer ao seu lado.‛ Diaz virou-se para Spencer e franziu a testa. ‚Idiota. Não estou babando.‛ Spencer se recostou na cadeira e sorriu. ‚Você é tão óbvio. É realmente uma espécie de patético. Você tem esse olhar de cachorrinho perdido sobre você. Ela já tem um anel peniano em você, um que ela pode amarrar a coleira?‛ Diaz estreitou seu olhar, e baixou a voz. ‚Você realmente não quer me fazer colocar a merda fora de você neste restaurante lotado, Spencer.‛ A única resposta de Spencer foi bufar, em seguida, chutou para trás na cadeira e ficou de pé. ‚Sim, certo. Você est{ muito ocupado cheirando boceta para chutar qualquer coisa. Vou para o café e algo para comer. Por que você não se esconde debaixo da mesa e olha para as suas bolas enquanto eu estou fora?‛ Diaz estaria puto se ele não conhecesse Spencer tão bem. Era à maneira de Spencer provocá-lo sobre Jessie, sobre os dois ter uma coisa junto. Spencer estava errado. Completamente errado. Não estava nada acontecendo entre eles. Não mais.

97


Ele observou Spencer chegar por trás de Jessie e empurrar ela nas costelas. Ela pulou, apontou o cotovelo no estômago de Spencer, depois riu. Spencer jogou um braço em torno de Jessie e beijou a bochecha dela. A troca foi calorosa e afetuosa. Como irmão e irmã. Diaz não sentia qualquer tensão entre os dois. Nada como quando ele e Jessie estavam juntos. Então havia muita tensão e era tudo sexual. Assim como ela disse a ele ontem à noite, Jessie definitivamente agia de forma diferente com ele do que ela fazia com os outros caras. Seus lábios curvaram. Ele não podia evitar. Apesar de saber que era errado, a parte do todo-macho dele gostou do fato de que era especial... Diferente... Para ela. Ela e Spencer voltaram com a comida e comeram. Diaz estava em pé por horas, assim já tinha comido. Tornou a encher seu café e ouviu a conversa dos dois, principalmente sobre Spencer e a mulher que estava saindo, Stephanie. ‚Ser{ que ela sabe alguma coisa?‛ Diaz perguntou. Spencer deu de ombros. ‚Ela conhece Rex, que é numero um e próximo de Crush. Mas agora ela está cautelosa. Acho que Rex deu o fora nela, a picou um pouco. Estou tentando não empurrá-la muito duro para obter informações. Não quero deixá-la com suspeitas. Estou me aproximando como o cara novo que está interessado na garota e não quer pisar nos dedos do pé da coisa de ex-namorado.‛ ‚Essa é uma boa ideia,‛ Jessie sugeriu. ‚É melhor se você começar a conhecê-la gradualmente deixe que ache que está interessado apenas em se divertir, não tentando arrancar segredos dela.‛ ‚Estamos todos andando na corda bamba com Crush e sua gangue,‛ lembrou Diaz. ‚Nós não podemos ser muito cuidadosos sobre o que fazer ou dizer. A última coisa que queremos fazer é explodir isto.‛ ‚Estou apenas a deixando achar que estou atr{s de seu corpo,‛ Spencer disse com um sorriso. Jessie revirou os olhos. ‚Isso não deve ser muito difícil para você, deve?‛ 98


‚Assim como normal.‛ ‚Enquanto você est{ l{ fora sendo você mesmo com Stephanie, veja se pode obter algumas informações. Estamos em uma missão aqui.‛ Spencer assentiu com a cabeça para ele. ‚Sim. Vou fazer isso. Veja se você e Jessie podem tirar os olhos um do outro pelo tempo suficiente para lembrar disso também.‛ Jessie ficou carmesim e olhou para seu prato. Diaz encarou Spencer, que deu um sorriso inocente. Diaz não gostaria de nada mais agora do que limpar o chão com ele. Assim que esta tarefa acabasse... Seria tempo de retornar. Diaz e Spencer estariam trabalhando juntos no ginásio. No ringue de boxe. E então se vingaria. Spencer sabia o que viria, também, porque seu sorriso se transformou em um largo sorriso e ele concordou. ‚Sempre, amigo.‛ Que bom que eles eram amigos ou, eventualmente, matariam um ao outro. ‚H{ muita testosterona nesta mesa, esta manhã,‛ disse Jessie, agarrando a bandeja. ‚Eu preciso ir lá para cima, pegar a minhas coisas para o dia. Eu me encontrarei com vocês dois aqui em baixo.‛ Diaz concordou e observou-a sair. Assim que os elevadores fecharam, ele virou-se para Spencer. ‚Pare com isso.‛ ‚Manda pra fora?‛ ‚A provocação sobre Jessie.‛ ‚Por quê? Não parece incomod{-la. Só você. E por que isso?‛ Diaz exalou. ‚Você est{ tenso, homem,‛ disse Spencer. ‚Você e eu j{ fizemos isso antes, essa disputa verbal. Nunca chegou a você como agora.‛ Diaz inalou, colocando para fora, tentando relaxar os nós de tensão em seus ombros. ‚Você est{ certo. Sinto muito.‛ ‚Ei, não é grande coisa para mim. Posso lidar com isso muito bem. Mas h{ obviamente algo acontecendo entre você e Jessie.‛ 99


Diaz arrastou os dedos pelos cabelos. ‚Merda. Não, não h{. Não pode ser.‛ Spencer bebeu o café e colocou o copo sobre a bandeja. ‚Por que inferno não?‛ ‚Pelas razões óbvias.‛ Spencer riu. ‚Ela é uma adulta agora, Diaz. Ela é linda, inteligente, o tipo de mulher que qualquer cara teria a sorte em ter, e a grande coisa é que ela quer você. A menos que você seja burro e cego, tem que ser capaz de ver isso.‛ ‚Sim, eu vejo isso.‛ ‚Então, qual é o problema?‛ Spencer perguntou com um encolher de ombros. ‚São dois adultos respons{veis. V{ em frente.‛ Se fosse assim tão f{cil. ‚Nós devemos protegê-la.‛ ‚E nós vamos, assim como sempre fizemos.‛ Spencer se levantou e pegou sua bandeja. ‚Eu não poderia pensar em um cara melhor para estar com ela.‛ Diaz estudou seu amigo, ficou tonto e sem palavras com as suas palavras. ‚Mas se você machuc{-la, eu vou ter que te matar.‛ Diaz assistiu Spencer sair, percebendo que ele pisou em uma situação sem saída com Jessie. Ele a queria tão mal que não conseguia pensar direito. Tipicamente, a solução para esse tipo de problema com uma mulher era simples — foder com ela, então esquecê-la. Mas esta era Jess, ela era especial. Não era apenas outra foda. O que significava que ele teria de apertar sua cabeça no lugar e esquecer Jessie como uma mulher, fazer este trabalho, então ficar bem longe dela depois disso. Convenceria Grange a não atribuir os dois juntos novamente, que havia um conflito. Ele iria trabalhar nisso, se pudesse levá-los através deste caso. Ele e Spencer dirigiram fora, se reuniram com Jessie lá fora. ‚Acho que deveríamos tentar entrar nessa {rea arborizada que andamos ontem,‛ sugeriu. ‚Poderia jurar que vi um acampamento l{.‛ ‚Não deveríamos encontrar-nos com a gangue de Crush?‛ Jessie perguntou. ‚Não necessariamente. Não quero parecer muito ansioso, seguindo-o por aí como se não tivéssemos nada melhor para fazer. Nós queremos um convite para a iniciação, mas 100


gostaria dele interessado em nós como pilotos independentes, não parasitas. Deixe-o saber onde estamos hoje.‛ Jessie assentiu. ‚Oh, bom ponto. Então, onde é que vamos estar hoje, quando ele perguntar?‛ ‚Desde que nós estamos indo para o leste, vamos dizer-lhe que vamos para o norte. Uma vez que nós vamos verificar a área, vamos tomar uma das estradas que corre para o norte para que possamos informar e responder a quaisquer perguntas. Lembre-se, este é o seu quintal para que não sejamos pegos em uma mentira.‛ Jessie subiu em sua moto, olhou para Diaz. ‚Você é um cara muito inteligente.‛ Diaz inclinou-se, sorriu e passou o dedo no nariz. ‚É por isso que estou no comando.‛ Eles dispararam nas suas motos e andaram fora da cidade, indo para o leste em direção às estradas que viajaram ontem. Diaz lembrou claramente as milhas marcadas onde avistou a fumaça e viu a bandeira. Quando chegaram em torno da curva em direção a ela novamente, procurou a fumaça, mas não viu nada. Na liderança, abrandou, tirou ao lado da estrada e parou. ‚É este o ponto?‛ Spencer perguntou. ‚Sim. Não quero chamar a atenção para nós mesmos no caso de alguém estar prestando atenção.‛ Diaz se abaixou para olhar para sua moto como se houvesse um problema mec}nico. ‚Mas sobre o meu ombro esquerdo a cerca de oito horas havia fumaça e pensei que vi uma bandeira branca com uma marca vermelha nela profundamente dentro da {rea arborizada.‛ ‚Você usa a manutenção da moto como chamariz,‛ disse Spencer. ‚Vou atravessar a estrada para a floresta para dar uma mijada e conferir.‛ ‚Então vou ficar aqui,‛ disse Jessie, fazendo uma r{pida meia-volta para se juntar a Diaz. Ela agachou-se debaixo dele e olhou para cima. ‚O que vamos fazer se detectarmos alguma coisa?‛ ‚Você quer dizer como um acampamento?‛ ‚Sim.‛

101


Ele pegou uma chave de seu alforje. ‚Segure esta porca para mim. Poderia muito bem apertá-la então vai parecer que estou realmente fazendo alguma coisa. Quanto ao acampamento, investigar e ver alguma coisa, nós não vamos fazer... nada para o momento. Nós não temos a mão de obra ou poder de fogo suficiente para combater um acampamento de sobrevivência inteiro. E nós não temos certeza de que é mesmo o certo.‛ ‚H{ mais de um?‛ ‚Querida, pode haver centenas de sobrevivencialistas em acampamentos diferentes somente neste estado. Nenhuma maneira de saber. Eles fazem as malas aqui nas colinas, como colônias de formigas, se escondendo do governo organizado.‛ Ela torceu o nariz. ‚Não gostam de ninguém dizendo o que fazer, não é?‛ Diaz fez uma careta. ‚Ou como fazer. Eles fazem suas próprias leis, têm sua própria maneira de fazer as coisas. Ressentem da interferência do governo, sob qualquer forma. Isso é apenas o menor em comparação com seus outros... processos de pensamento.‛ ‚Executar armas ainda é ilegal.‛ ‚E, se encontrarmos, vamos trabalhar com o governo em lev{-los para baixo. Isso é porque estamos aqui.‛ Spencer veio por tr{s deles. ‚H{ uma estrada. Camuflada, muito bem, mas est{ l{. Não vi fumaça ou quaisquer bandeiras, mas pensei ter ouvido um estalo de um galho, então é possível que estejamos sendo observados. Acho que deveríamos fazer algum barulho em ver isso, então vamos fora da estrada andando, ver o que acontece.‛ Jessie encontrou o olhar de Diaz. ‚Perigoso?‛ Ele balançou a cabeça. ‚Fique comigo e prepare-se para sair de lá com pressa, se houver problemas. Sem argumentação, entendeu?‛ ‚Entendi.‛ ‚Mantenha seus olhos e ouvidos abertos em todos os momentos. Neste momento somos apenas motociclistas turistas fazendo um pouco de exploração fora da estrada, e é isso.‛ Diaz jogou a chave no seu alforje.

102


‚Moto bem agora?‛ Spencer perguntou, em voz alta o suficiente para ser ouvido em toda a estrada. ‚Boa como nova.‛ ‚Ótimo. Porque acho que poderia ter encontrado uma trilha por l{,‛ Spencer disse, apontando com a cabeça e mantendo sua voz normal, mas se fazendo escutar se alguém pudesse ouvi-los. ‚Sim? Vamos dar uma olhada.‛ Eles dispararam as motos e se viraram, indo pelo caminho quase imperceptível. Spencer tinha razão. A estrada estava coberta de mato e folhas, deliberadamente escondida da vista do tráfego regular, mas bastante fácil de seguir uma vez que estavam sobre ele. O vento da moto de Diaz na frente soprava as folhas para fora do caminho, abrindo caminho à sua passagem. A estrada torcia e virava num cultivo denso de árvores e arbustos. Jesus. Como seria fácil se esconder por aqui nas colinas. Uma volta, você poderia se perder. A estrada serpenteava para fora como tentáculos em várias direções. Eles deveriam ter, provavelmente, deixado um rastro de migalhas de pão para que pudesse encontrar o seu caminho para fora. Um flash de movimento à esquerda de Diaz chamou sua atenção. Ele cortou o motor. Spencer e Jessie fizeram o mesmo, trazendo suas motos até a seu patamar. ‚O que h{?‛ Spencer perguntou. ‚Movimento do lado esquerdo,‛ disse ele. ‚Eu queria cortar os motores para ouvir.‛ Subiram ao largo das motos e olharam em volta. O silêncio era incrível. Os pássaros, o farfalhar dos galhos e folhas ao vento chicoteando através das árvores. O som da água em algum lugar distante na distância. Sem pegadas, no entanto. Até que o estalo de um galho no chão chamou a atenção. Diaz virou, colocando a palma da mão na arma enfiada nas calças. Ele não quis retirá-la, a menos que fosse necessário, no entanto, não queria causar suspeita. Então esperou, tentando manter uma postura relaxada, posicionando-se na frente de Jessie apenas no caso de alguém chegar a eles ou, pior ainda, disparar contra eles. 103


‚Alguém est{ por tr{s de uma {rvore,‛ Spencer sussurrou, aproximando-se ao lado de Diaz. ‚Onde?‛ ‚Cerca de dez horas. Eles não são muito bons nisso. Vejo tecendo movimento. Basta assistir.‛ Diaz também viu. Quem estava l{ se mantinha baixo para o chão. ‚Certo, fique alerta e pronto para qualquer coisa, inclusive saltar sobre as motos e obter o inferno fora daqui se nos encontramos em desvantagem.‛ ‚Tem alguém aí?‛ Jessie finalmente perguntou, em voz alta o suficiente para ser ouvida. Um menino de cerca de oito a dez anos saiu de trás da árvore, seguido por uma mulher. Não em tudo quem ele esperava ver, mas, novamente, não foi surpresa para ele que usariam uma mulher e uma criança como frentes. Assustadora mulher, também, vestindo um boné, calça marrom, uma camiseta, tudo folgado. E não com uma expressão amigável no rosto. Sua roupa inteira foi desenhada para disfarçar sua aparência. Ele nunca seria capaz de descrevê-la, desde a cor do cabelo até a cor dos olhos. ‚Nós enganamos vocês,‛ o menino disse com um largo sorriso. Seu rosto estava sujo, o cabelo selvagem e despenteado. A mãe não parecia muito mais diferente, também. ‚Desculpe assustar vocês,‛ disse a mulher. ‚Meu menino quis brincar de escondeesconde.‛ Mentira pensou Diaz. Estes dois eram chamarizes. Ele poderia dizer a partir do olhar desconfiado e cauteloso no rosto da mulher. Não era que ela estivesse preocupada com o garoto. Ela estava protegendo algo, ou alguém. Instinto lhe disse que estes dois não eram os únicos aqui. Ele podia sentir os olhos de outros sobre eles. ‚Então, você estava jogando?‛ Jessie perguntou, agachando-se quando o garoto veio até ela. ‚Sim. Esconder-e-ir-buscar‛. 104


‚É um jogo divertido.‛ Enquanto Jessie interagia com o menino, Diaz checou a área circundante. Sim, eles não estavam sozinhos. Não podia ver ninguém, mas havia outros nas proximidades. Bem escondidos, mas perto, observando. E apostava sua moto que eles tinham armas apontadas para eles. Ele manteve a mão na anca, ao alcance de sua arma. Ele deu uma rápida olhada em Spencer, notou que ele fez a mesma coisa, sua linguagem corporal mostrando que estava pronto para qualquer coisa. Diaz procurou, mas não viu, mesmo o menor movimento através das árvores ou além. Essas pessoas eram boas. ‚É esta sua propriedade?‛ Diaz perguntou. A mulher abanou a cabeça. ‚Estamos acampando.‛ Diaz concordou. ‚Então, essa é sua mãe?‛ Jessie perguntou ao menino. O garoto balançou a cabeça até a mulher, que assentiu. ‚Uh, sim. É a minha mãe.‛ Outra mentira. ‚Como é acampar aqui?‛ Diaz perguntou. ‚Bom.‛ disse a mulher. ‚Nossa família toda est{ aqui. Tem um local ao longo caminho de volta na floresta profunda. Nós gostamos de nossa privacidade, gosto de ficar sozinha. E suas motos são barulhentas e assustam fora os peixes.‛ Essa mensagem era clara: Não se aproxime. ‚Desculpa intrometer,‛ disse Spencer. ‚Encontramos um caminho e fomos explorar.‛ ‚Motos legais,‛ disse o garoto. ‚Elas são suas?‛ ‚Elas com certeza são,‛ disse Jessie. ‚Você dirige?‛ ‚Nuh uh. Nós nem sequer temos um carro.‛ ‚Bobby.‛ Uma palavra concisa da mulher e o menino deu um passo para trás.

105


‚Claro que temos um carro,‛ disse a mulher, colocando as mãos nos ombros do menino. ‚É apenas do meu irmão. O nosso est{ a ser reparado por isso viemos no seu trailer. Você sabe, l{ onde nós estamos acampados.‛ ‚Sim, senhora,‛ disse Diaz. ‚Nós vamos deixar vocês voltarem para o seu jogo e vamos dar o fora. Desculpe incomodá-la.‛ A mulher acenou com a cabeça e afastou-se, apontando para o menino, que se moveu com ela. Diaz notou que nenhum dos dois viraram as costas quanto eles se partira, mas andaram para trás, vigiando Diaz e Jessie e Spencer enquanto subiam de volta em suas motos e afastavam-se. Ele não encostou novamente até que chegaram a um posto de gasolina cerca de vinte milhas de distância da área onde havia parado. ‚Isso foi interessante,‛ disse Spencer. ‚O que você acha disso?‛ ‚Tem que ser um acampamento de sobrevivência l{ atr{s. Essas pessoas tinham algo a esconder e com certeza não queriam que nós cheg{ssemos mais perto.‛ ‚Você viu alguém?‛ Jessie perguntou. ‚Não, mas eles estavam por perto. Aquela mulher e o menino não estavam l{ em cima por conta própria. Eles eram chamarizes, enviados... para nos desencorajar de viajar mais longe.‛ ‚E se tivéssemos ido de qualquer maneira?‛ Perguntou ela. ‚Teríamos sido interrompidos. Esse não é um grupo que nós três poderíamos tomar por conta própria.‛ ‚Daí a retirada,‛ Spencer acrescentou. Diaz concordou. ‚É suficiente saber que o acampamento está lá. Vou alertar Grange, ver se ele pode ter um pouco de visualização por satélite e infravermelho nessa área para determinar o que, quem e quantos estão lá. Talvez ele seja capaz de confirmar um acampamento.‛ ‚Então o quê?‛ Jessie perguntou. ‚Então nós vamos saber. Podem ou não estar filiados com Crush e sua gangue, mas podemos manter um olho sobre o local. Pelo menos é um começo. Podemos observar quem sai 106


para esta área, ver se Crush sai em passeios fora, novamente, especialmente se conseguirmos ir através da iniciação.‛ O rosto de Jessie empalideceu com isso. ‚Algo errado?‛ Ela balançou a cabeça. ‚Não.‛ Ela estava mentindo. Algo a incomodava. Ele teria que perguntar a ela novamente mais tarde. ‚Certo, vamos voltar para a cidade e ver o que est{ acontecendo.‛ Algumas horas mais tarde pararam na cidade e se misturaram com os outros motociclistas na avenida principal. A gangue de Crush já estava lá, a maioria deles pendurada para fora em um dos bares alinhados a rua principal. Diaz deu a volta e parou para conversar com Crush, que estava saindo do bar, assim que eles passavam. ‚Ei, onde vocês estiveram hoje?‛ Crush perguntou. ‚Grande dia para um passeio, então decidimos ensacar as festividades e fazer um cruzeiro por um tempo,‛ disse Diaz. ‚Ah, é?‛ Onde você foi?‛ ‚Acima ao norte um pouco, andamos em torno da direção de Beaver Lake.‛ Crush. ‚Bonito l{ em cima. Agrad{vel passeio.‛ ‚Qualquer coisa acontecendo por aqui hoje?‛ ‚Mulheres seminuas em calças, muita cerveja e comida, e montando. O mesmo de sempre,‛ Crush disse com um sorriso. Diaz riu. ‚Estamos indo para uma noite de fogueira fora da cidade. Você quer vir?‛ ‚Claro.‛ Diaz sabia que se eles não parecessem muito ansiosos, Crush poderia estar mais interessado neles. Nenhum líder de moto queria parasita, mas iria respeitar aqueles que são mais independentes. Diaz tinha intenção de levá-lo a convidar para a iniciação, quando o rally acabasse. Só então eles se aproximariam do funcionamento interno dos Devil’s Skulls e

107


descobririam se havia envolvimento de Crush e sua gangue nas negociações ilegais de armas nesta parte do país. E para fazer isso, tinha que saber como jogar o jogo. ‚Você est{ calma hoje, Jessie,‛ Crush disse, olhando por cima do ombro de Diaz. ‚Apenas olhando tudo em volta. Além disso, tive uma noite na noite passada,‛ disse ela, seu olhar voando para Diaz. As sobrancelhas de Crush levantaram então sorriu. ‚Eu vejo.‛ Ele acenou para Diaz, então disse: ‚Você é um sortudo filho da puta.‛ Diaz olhou para Jessie, depois de volta para Crush. ‚Eu sei.‛ Pena que era apenas um jogo, e que seu ‚relacionamento‛ com Jessie era apenas uma fachada para esta missão. Seu estômago apertou lembrando o que sentia ao segurá-la em seus braços, tocar e prova-la. Estar preocupado com a missão hoje tinha ajudado, mas os pensamentos em Jessie nunca estiveram muito longe de sua mente. Eles ainda tinham tanta coisa deixada inacabada. Ele saiu dela na noite passada. Mais uma vez. Para alguém tão forte, ele com certeza era um covarde, onde lhe dizia respeito. Mas tinha que protegê-la. De si mesmo. Eles andaram nas ruas por um tempo e no bar conversando com outros Devil’s Skulls, até o anoitecer sombrear e a rua principal não filtrar mais à luz do sol. ‚Vou reunir todos acima,‛ Crush disse, então deu instruções para Diaz onde a fogueira ia ser. ‚Vou ver todos vocês l{ cerca das dez.‛ Diaz concordou. Spencer saiu com Stephanie e disse que iria reunir-se com eles mais tarde. Uma vez que eles estavam sozinhos, Diaz e Jessie pularam em suas motos e voltaram para a hotel, principalmente porque Diaz queria um pouco de privacidade para informar a Grange sobre o que tinha encontrado esta tarde e pedir uma alimentação de satélite sobre a localização. Eles agarraram uma refeição para comer no caminho, então foram até o quarto. Diaz pegou o telefone para Grange como primeira coisa, enchendo-o sobre o que tinham encontrado. 108


‚Eu vou acertar isso e informar a você pela manhã com a visualização na {rea,‛ disse Grange. ‚Ótimo.‛ ‚Como é que Jessie est{ indo?‛ ‚Tudo bem.‛ ‚Isso não é um relatório muito detalhado.‛ Considerando que Jess estava em pé ao lado dele em seu quarto, seria tudo que Grange estaria recebendo. ‚Tudo o que você pode ter no momento.‛ ‚Ela é competente?‛ ‚Sim.‛ ‚Não ficando no caminho?‛ ‚Nem um pouco.‛ ‚Ela é boa, Diaz. Dê-lhe uma chance.‛ ‚Isso é o que estou fazendo, Grange.‛ ‚Certo, vou voltar com você na parte da manhã.‛ Diaz desligou e virou-se para Jessie. ‚Ele vai executar uma transmissão via satélite sobre a {rea, ver o que eles acham.‛ ‚Bom.‛ Jessie virou-se e foi em direção ao armário, deslizando a porta e olhando para ele. ‚Jess, o que est{ errado? Você esteve quieta desde que mencionei a iniciação.‛ ‚Nada. Estou bem.‛ ‚Você quer falar sobre ontem | noite?‛ Ele lhe devia um pedido de desculpas por sair com ela novamente, ou pelo menos algum tipo de explicação. ‚Não, eu definitivamente não vou falar sobre a noite passada.‛ Ela pegou algumas roupas. ‚Estou indo me trocar antes da fogueira.‛ Ela deslizou até o banheiro e fechou a porta. Algo não estava certo e Diaz estava determinado a descobrir o que. Talvez tivesse a ver com o que aconteceu entre eles na noite passada, mas tinha uma ideia que era mais do que isso.

109


Eles não haviam trocado mais do que algumas frases durante todo o dia e aquelas tinham sido principalmente sobre a missão. Nada de natureza pessoal em tudo. Grande. Não era isso que queria? Manter seu relacionamento todo negócios? Então, por que estava incomodando? Não é possível ter as duas coisas, idiota. Depois da fogueira de hoje à noite, faria falar com ele. Precisava saber o que estava pensando para o bem de sua missão. Ou pelo menos foi o que ele disse a si mesmo.

110


Capítulo Nove ESTA ERA A ÚLTIMA NOITE ANTES DA iniciação, a última noite do rally de moto. Jessie sabia que essa era sua última chance, também. Agora ou nunca. Talvez devesse ser nunca, talvez devesse desistir. Oh, inferno não. Não era de desistir, nunca tinha sido e não estava a ponto de começar agora. Embora após a derrota de ontem à noite, era difícil reunir qualquer tipo de entusiasmo para tentar novamente com Diaz. Quantas vezes pode uma menina atirar-se em um cara, ser rejeitada e tentar novamente, antes que entendesse a mensagem que ele não a queria? Ela tirou a roupa e encarou o espelho, pensando na noite passada, lembrando o olhar no seu rosto quando ele a tocou e colocou sua boca sobre ela. Ok, isso não era verdade. Ele a queria. Muita coisa ficou evidente ontem à noite. Ele não tinha posto um fim ao seu jogo. Ambos tiveram orgasmos incríveis. A boceta dela apertou lembrando a maneira como ele tinha a levado sobre a borda. Ela fechou os olhos, segurou os seios, deslizando seus polegares sobre os mamilos dolorosamente sensíveis, desejando que fosse Diaz em pé atrás dela, acariciando seus mamilos com os dedos, observando a reação dela no espelho. Ela podia imaginar o seu corpo grande por trás dela, sua ereção dura e quente e bombeando contra seu quadril quando ele se inclinava para ela, segurando seus mamilos e arrancando-os, forçando-a a ver como ele roçava os montes minúsculos até que ela não aguentava mais. Então ele movia uma mão sobre a barriga dela, brincando com o piercing no umbigo, mas apenas por alguns segundos, porque ele não seria capaz de resistir a ir mais baixo, assim como ela fez agora com a mão, deslizando em sua calcinha. A umidade cumprimentou-a, o vazamento de sua excitação, quente e úmida. Ela espalmou seu sexo, estremeceu com a sensação que ela provocou no clitóris, depois foi abaixo, enfiando dois dedos em sua boceta. Ela sibilou quando suas paredes contraíram em torno da 111


invasão, não conseguindo conter o gemido quando começou a foder com os dedos, imaginando que eram os dedos enormes de Diaz dentro dela. Aqui no banheiro na frente do espelho, seria capaz de ver tudo, ver seus dedos desaparecerem dentro dela enquanto ele a fodia com uma mão e esfregava seu clitóris com a outra. Ela não ia durar muito tempo, precisava desse orgasmo, uma versão de explosão da tensão reprimida que tinha mantido dentro todo o dia. ‚Por favor,‛ ela sussurrou, balançando sua pélvis contra sua mão, sentindo o aperto quanto o orgasmo cada vez mais se aproximava. ‚Sim, sim, faça-me vir.‛ Ela sentiu tontura quando chegou ao clímax, enfiou os dedos profundamente, imaginando as escuras palavras de incentivo de Diaz quando ela navegava ao longo da borda com um orgasmo que a cegou. Choramingou a sua libertação, andando, desfrutando, desejando que ele estivesse aqui para fazer isso por ela. Passou, transpirando, ela abriu os olhos, estudou o desejo aquecido neles e estremeceu, espalmando a bancada do banheiro. Deus, ela queria mais dele. Muito mais. Por que não podia ver que fazer amor não ia mudar nada entre eles? Precisava dele, precisava dele para fazer amor com ela, por razões mais do que ela poderia explicar. Embora fosse ter que vir limpa com ele, dizendo-lhe uma dessas razões. Ia ter que ser esta noite. Ela realmente tinha que ter uma vida sexual decente. Uma que não envolvesse fazê-lo sozinha. Depois de se refrescar, se vestiu, ajeitou o cabelo e maquiagem e respirou fundo, preparando-se para a noite pela frente. Havia muito a realizar hoje à noite. Quando ela abriu a porta ficou chocada ao encontrar Diaz encostado na parede em frente ao banheiro, os braços cruzados. Ele deu a ela água na boca. Ele tinha suas calças de couro e uma camisa de manga longa preta bem esticada sobre o peito. Ela estremeceu numa respiração. 112


‚Divertindo-se l{ dentro?‛ Fingindo indiferença, ela deu de ombros e passou por ele. ‚Não tão divertido quanto seria se você estivesse l{ comigo.‛ Era evidente que ele tinha ouvido, sabia o que ela estava fazendo. Bom. Esperava que ele trabalhasse pensando nisso, visualizando-o. Pegou sua bolsa e as chaves e se virou. Seus mamilos endureceram na maneira como ele olhou para ela, seu olhar escuro, penetrando. Ela se recusou a olhar em qualquer lugar, além de seus olhos, sabendo que seu pênis estava duro. Umidade embebeu sua calcinha. ‚Pronto?‛ Perguntou ela. Ele parou por alguns segundos, em seguida, deu-lhe um aceno curto. ‚Sim. Vamos fazêlo.‛ Rodaram a leste fora da cidade, usando as direções de Crush, seguindo os sinais de tr}nsito até que chegaram a uma estrada de terra | esquerda, com um dos capacetes dos Devil’s Skulls pendurados em cima de um poste. Esse era o sinal para ir para a floresta. Eles tiveram que desacelerar na estrada de cascalho por vários quilômetros até chegarem a uma clareira, uma fazenda de dois andares em um trecho de terra enorme. Fora no pasto estavam todos recolhidos em cima de fardos de feno e o que parecia ser uma pilha de quilômetros de altura de madeira. Os Skulls estavam todos presentes, altos e barulhentos e aparentemente se divertindo muito. Já havia um fogo ardendo e o cheiro do cozimento da carne. Eles estacionaram e se dirigiram dessa maneira, até que encontraram Crush, Rex e alguns outros. Crush chegou a um refrigerador e atirou-lhes cervejas. ‚Aproveite a festa,‛ disse ele. ‚A iniciação é amanhã, você sabe.‛ ‚Nós sabemos,‛ disse Diaz. Jessie percebeu que Diaz gostaria de perguntar se eles seriam convidados. Isso seria demasiado... Desesperado. Mas ela teve uma sensação de que Crush deu um sorriso secreto que tinha uma boa chance de angariar um convite amanhã.

113


O que provocou seu próprio conjunto de problemas específicos. Aqueles que ela se recusava a refletir sobre até que chegasse a hora. Jessie estava feliz que usava sua jaqueta de couro. A noite estava fria. A falta de brisa era boa, também, caso contrário, nessa clareira sem árvores ela estaria congelando. Ela ficou mais perto de Diaz para afastar o frio enquanto eles conversavam com os caras. Surpreendentemente, ele deve ter notado os tremores, porque pendurou o braço ao redor dela e a puxou para perto do calor do seu corpo. Talvez estivesse fazendo isso para a missão, para cimentar os dois como um casal. De jeito nenhum ela ia discutir com qualquer dos seus motivos. Era bom ser abraçada por ele, tanto a partir de um conforto como do ponto de vista emocional. Ela precisava de seu apoio. Spencer e Stephanie se aproximaram e agarraram as vagas em fardos de feno. Um casal de rapazes tinha guitarras e começaram a tocar música. A noite estava clara, um milhão de estrelas colocando em uma sobrecarga ao show. Jessie inclinou a cabeça sobre o ombro de Diaz, para ouvir a música e a reverberação profunda da voz de Diaz enquanto ele e Crush e Spencer falavam de motos e viagens rodoviárias que haviam tido ao longo dos anos. ‚E você?‛ Stephanie perguntou. ‚H{ quanto tempo você anda?‛ Jessie sorriu. ‚Desde que eu tinha dezesseis e meu... meus irmãos me ensinaram.‛ Stephanie acenou com a cabeça, sacudindo seus cachos vermelhos sobre os ombros. ‚Eu tinha um namorado que adorava motos. Andei com ele por um par de anos, mas cara, eu odiava andar atrás dele. Queria minha própria moto. Depois que terminamos, gravitei em torno dos motociclistas e Crush me viciou. Finalmente encontrei um cara que me deu uma moto própria e estou andando desde então.‛ ‚Isso entra em seu sangue, não é?‛ ‚Sim, acho que sim. Ou talvez sejam os homens que montam elas. E montam em nos, também,‛ ela disse com uma risada, colocando uma unha sangue vermelho dentro da jaqueta de couro de Spencer. Spencer sorriu para Stephanie, que bateu os cílios para ele. Jessie revirou os olhos. Poderia a mulher ser mais óbvia? 114


Spencer não pareceu se importar com a atenção, no entanto. Quando Stephanie colocou a cabeça contra ele e abraçou seus seios fartos contra o seu braço, Spencer piscou para Jessie. Ela balançou a cabeça e revidou uma risada. ‚Então, como você lida com múltiplos... uh... namorados na mesma turma?‛ Jessie perguntou. Stephanie sentou-se e virou-se para Jessie. ‚Oh, os caras não se importam em partilhar. Às vezes as coisas funcionam, às vezes não, sabe? Quero dizer, tome Rex, por exemplo. Ele e eu nos divertimos e então não fizemos mais. Ele está sempre tão ocupado montando, especialmente tarde da noite, saindo quem sabe onde. Ele gosta de seu tempo sozinho, e assim não funcionou para mim. Preciso de um garanhão aquecendo minha cama, você sabe o que quero dizer? Não quero um cara que eu não posso ficar de olho. Então acabamos as coisas. Sem ressentimentos, certo Rex?‛ Rex, que estava sentando perto, deu de ombros. ‚Uh huh.‛ Jessie sufocou uma risada. ‚Eu vejo. Bem, isso funcionou bem para você, não é?‛ Stephanie deu de ombros. ‚Sou um espírito livre. Basta perguntar a qualquer um dos caras por aqui.‛ Então, ela era uma vagabunda. Jessie fervorosamente esperava que Spencer estivesse usando preservativos, porque eca. Crush tinha, há muito tempo acendido a fogueira, que esquentou a área consideravelmente. A chama atirava para o alto e havia muita madeira para queimar a noite inteira. Jessie se contentou em assistir as chamas dançantes laranja e amarelo alcançando o céu. A guitarra tocando ainda estava forte, a cerveja ainda estava fluindo, e as pessoas estavam mesmo dançando, alguns próximos e sensualmente, alguns bastante cômicos. Outros casais estavam amontoados debaixo de cobertores ou enrolado em fardos de feno, fazendo algo ou simplesmente desmaiados. Jessie ocupava-se observando os que faziam quem-sabia-o-que sob os cobertores.

115


Ela ouviu gemidos e choramingos e muito movimento debaixo das cobertas, mesmo vislumbres de couros sendo puxados até os joelhos. Havia definitivamente sexo acontecendo. Seu corpo aqueceu e não era da fogueira, mas ela não poderia rasgar o seu olhar para longe da crua sensualidade não apologética de assistir casais fazendo bem na frente de todos. ‚Voyeur,‛ Diaz sussurrou no ouvido dela, puxando-a de volta com mais força contra seu corpo. Ela sorriu, mas não respondeu. Em vez disso, assistiu a parte traseira de um homem levantar e deslizar para baixo, então o olhar de êxtase total no rosto de sua parceira em resposta. Eles dançavam tão bem juntos no sexo como as chamas dançavam sob o céu iluminado pela lua. Foi um momento de imagem perfeita. Ela adoraria estar tão livre, estar seminua debaixo das cobertas com Diaz, fazendo amor e não se preocupando com o mundo à sua volta. Ela suspirou, estremeceu com o desejo repentino. Diaz passou o braço em torno de seu peito e ela fechou os olhos, lutando contra as lágrimas reunidas lá. ‚O que h{ de errado, querida?‛ Eles estavam sozinhos agora. Spencer e Stephanie haviam se mudado para um canto escuro em algum lugar. Crush e Rex não estavam ao redor. Eram apenas os dois em uma pilha de fardos de feno. Ele se mexeu, meio virando para que pudesse ver seu rosto. As chamas da fogueira tremeluziam em seus olhos escuros, dando-lhe um olhar diabólico. ‚Eu preciso de você,‛ ela sussurrou, deslizando a palma da mão em sua bochecha, amando a sensação de crescimento de um dia de barba raspando sua mão. Deu solavancos em sua boceta. Ele ergueu a mão, beijou a palma da mão aberta, em seguida, puxou-a para o seu colo. ‚Estou aqui.‛ ‚Quero mais.‛ ‚Eu sei.‛ Ele enfiou o braço em volta de suas costas, puxando-a contra seu corpo, em seguida, arrastou um dedo ao longo de sua mandíbula, capturando-o em suas mãos. Centímetros do seu rosto, ela se recusava a iniciar, queria que ele a tomasse. 116


Ele espalmou a parte de trás do seu pescoço e puxando os últimos centímetros que os separavam. Quando seus lábios tocaram os dela, ela acendeu como as primeiras chamas da fogueira, uma explosão de calor, derretendo-a instantaneamente. E então tomou mais profundo, usando sua língua para deixá-la louca com suaves traços de veludo. Ela estava perdida na sensação, em Diaz, mas ainda consciente de outras pessoas ao redor, possivelmente a observá-los como estava fazendo como os outros casais. Ela não se importava. Afastou, sentou-se, em seguida, colocou os pés em torno dele e segurou os ombros de modo que a encarasse. Seu pau, duro e quente, cutucou sua coxa. Ela estremeceu. Tão perto, mas a milhas de dist}ncia. ‚Sabe o que acontece durante a iniciação em uma gangue de Devil’s Skulls?‛ ‚Sim.‛ Ela acenou a cabeça para o casal indo para lá debaixo das cobertas nas proximidades. ‚Eu não quero que minha primeira vez seja em público, Diaz. Por favor, me ajude.‛ Ele olhou por cima do ombro, observando por alguns minutos, depois olhou para ela novamente. ‚Merda. Eu não tinha pensado nisso.‛ Ela tinha. Inúmeras vezes desde que foi dada esta atribuição. Uma coisa boba, provavelmente, mas que significava algo para ela. ‚Eu passei muitos anos imaginando minha primeira vez, como o que seria. Não espero à luz de velas e romance ou outra fantasia de menina, mas tenho certeza que não quero isso na frente de um público, também.‛ ‚Nós vamos mandar você pra casa, Jess. Você não tem que fazer isso.‛ Seus olhos se arregalaram. ‚Você est{ falando sério?‛ ‚O inferno sim. Nenhuma atribuição vale a pena comprometer a sua virgindade.‛ Ela balançou a cabeça. ‚Você não entende.‛ ‚O que eu não entendo?‛ ‚Não é apenas o trabalho. Quero dizer, é e não é.‛ ‚Explique-me, então.‛

117


‚Est{ no meu caminho, essa coisa toda de virgindade. É como um bloco de cimento ao redor do meu pescoço sempre lá. Sim, essa atribuição particular requer alguém com mais experiência, algo que eu definitivamente não tenho. Mas posso fazer o trabalho, Diaz. Além disso, é mais do que isso. Mais do que apenas essa atribuição e o que isso implica.‛ Ela colocou as palmas das mãos sobre o peito, sentiu o ritmo louco do seu coração. ‚Eu quero você. Quero isso. Sempre quis. Não quero ninguém fazendo amor comigo, além de você. E isso não tem nada a ver com o nosso trabalho ou esta atribuição.‛ Seu olhar atirou em direção ao casal gemendo debaixo das cobertas, depois de volta para ela, sua expressão insondável. ‚Precisamos ir.‛ Ela suspirou e em seguida desceu do colo, recusando-se a dizer uma palavra enquanto andavam de volta para o hotel. Qual seria o ponto? Ela se perguntou e mais uma vez ele bater a porta na cara dela. Ela estava fora das opções. Jessie sentiu como se uma rocha estivesse sentada em seu peito. Ela se recusou a chorar. Isso era infantil. Ia ter que aceitar o inevitável, e era isso. Ela não podia forçar Diaz a comprometer os seus princípios. Diaz abriu a porta de seu quarto e segurou-a enquanto ela andou dentro. Ela mal entrou completamente na sala antes que ele a agarrasse chutando a porta fechada e bateu-a contra ele, tomando a sua boca com um beijo que a deixou sem fôlego. Whoa. Despreparada para seu ataque, ela espalmou seu peito, em seguida, seus braços, segurando sua preciosa vida quando ele pressionou contra ela — totalmente contra ela — seu corpo alinhando, oh, tão perfeitamente, seu pau já duro e insistente contra sua boceta. Seus sentidos estavam desativados enquanto ele empurrou sua jaqueta de couro fora, então a sua própria, com os lábios ainda fechados sobre os dela, sua língua deslizando dentro devastando a sua boca. Ela não tinha ideia do que estava acontecendo com ele, mas não estava prestes a interromper este êxtase para perguntar. Não quando ele deslizou as mãos ao longo de

118


sua cintura começando a levantar sua camisa, suas mãos quentes levantando o material conforme deslizava. Ele pousou a mão logo abaixo do peito. Seu coração batia contra o ela. Ela rasgou os lábios dele, ofegante, tentando recuperar o fôlego. Quanto ela fez, ela inalou seu perfume. Ao ar livre, suor, o homem — Diaz. Seus joelhos se sentiam fracos. Isso tudo foi tão avassalador, tão incrível. Poderia isso realmente estar acontecendo? Ela tinha que saber tinha que ter certeza de que dessa vez... ‚Diaz, o que você est{ fazendo?‛ ‚Shh,‛ ele respirou contra sua orelha. ‚Deixe-me.‛ Oh, Deus. Ela iria deixá-lo fazer qualquer coisa. Seu clitóris pulsava, sua boceta tremia, os seios incharam contra o sutiã, à espera de suas mãos. Tão perto. Ele colocou a testa contra a dela, sua respiração áspera e rouca como a dela. Ele serpenteou um braço em volta da cintura e levantou-a, levou-a para o quarto, depositou-a na cama. Afastou-se, curvou-se para remover as botas e as meias, depois ficou mais uma vez em pé, indo para suas calças. Ela queria perguntar, mas não se atreveu, no caso de ele mudar de ideia. Se, de fato, ele estava indo para... Ele virou o botão aberto, puxou o zíper para baixo em seus jeans e começou a puxar. Ela levantou, ajudando-o, vendo-o, o olhar intenso de concentração em seu rosto, como se isso fosse à tarefa mais importante de sua vida. Jeans descartado, ele se ajoelhou sobre ela, subindo seu corpo. Suas roupas ainda estavam nele e ela estava meio despida, porque era sempre assim? Ela estendeu a mão para ele, por sua camisa, e desta vez, ele fez uma pausa para erguêla sobre a cabeça e lançá-la no chão antes de seguir para sua camisa, que tirou para cima sobre as costelas, curvando-se para pressionar os lábios ali. Ela fechou os olhos e soltou um gemido, amando a sensação da boca a tocando — em qualquer lugar. Quando ele parou, seus olhos estavam escuros, vidrados, cheios de desejo. Ele segurou a barra de seu top e levantou-o sobre a cabeça, depois desfez o fecho de seu sutiã, abriu, puxou, 119


atirando suas roupas ao redor da sala quando ele fazia. E a cada revelação ele capturou a sua carne na boca. Seus mamilos estavam eretos, esperando por sua boca. Ele não decepcionou, curvandose e arrastando sua língua entre eles. Ela gemeu no contato requintado, gritou quando ele tomou um mamilo entre os dentes, segurando-a lá enquanto a torturava com movimentos de sua língua até que ela não conseguia pensar direito, não mais. Então ele fez a mesma coisa para o outro enquanto amassava seus seios com as mãos. Foi tormento sentir suas mãos e boca em cima dela. A pressão, a sua língua e seu toque, tudo era como céu doce. Ela levantou a bunda para fora da cama, tentando moer sua boceta contra seu pau duro. Talvez ela parecesse desesperada, mas não se importava. Sabia o que queria e esta noite não seria negada. Mas Diaz a empurrou, segurando nos quadris, dando continuidade ao seu tormento lento e cuidadoso de seus mamilos com a boca mágica. ‚Por favor,‛ gritou ela, incapaz de aguentar por muito tempo. Ela estava ligada, porra. Não necessitava de muitas mais preliminares. Ele levantou, sentou-se sobre os calcanhares, a estudando, seu rosto, todas as linhas duras e incrivelmente sensuais. Como podia ser tão desejável quando ele não estava sorrindo? ‚O que você quer bebê?‛ ‚Quero que você me foda.‛ Ele arrastou a palma da mão entre os seios, para baixo em sua caixa torácica, deixandoa descansar acima da calcinha. ‚Relaxe, Jess. Eu vou te foder esta noite e nada vai parar isso agora.‛ Ela prendeu a respiração com a promessa sensual em sua voz, o modo dominante que assumiu a responsabilidade. Diaz era um homem em uma missão, tudo bem. Ela era sua missão agora. Puxando o olhar de seu rosto, pegou a calcinha e arrastou-a sobre os quadris, as pernas para baixo, descartou-a no chão junto com o resto de suas roupas. Ainda de joelhos, ele desfez as calças e puxou o zíper para baixo, revelando a linha escura do cabelo levando a seu pênis. 120


Quanto ele tirou a calça jeans de lado, ela viu sua cabeça inchada e pressionando firmemente contra a sua barriga. Ela lambeu os lábios, engolindo viu quando ele diminuiu a distância entre a cama para sacudir as botas e calças, até que estava nu também. Seu pênis saltou grosso e apontando para ela. Tudo dela. Ela estava tonta com antecipação, tinha esperado este momento por tanto tempo. Ela estava quase com medo de se mover, falar, fazer qualquer coisa que poderia fazer-lhe parar, para mudar sua mente. Especialmente porque parecia tão contente em tomar o controle, ao tocar seu corpo. Ela realmente gostava da maneira como a tocava, reverente quase acariciando cada centímetro de sua pele. ‚Suave,‛ ele murmurou enquanto alisava as mãos sobre as coxas, abrindo as pernas, circulando sua pele com o polegar. Ele se aproximou de sua boceta, acariciando-a, brincando com ela, se aproximando, em seguida, se afastando. As suas terminações nervosas estavam em chamas esperando por seu toque lá, o clitóris inchado e latejante. E a maneira como ele olhou para ela... Sua mandíbula definida apertava seu olhar devorando-a como se quisesse comê-la viva. Viu a fome lá, refletindo o que ela sentia por dentro. Ela estremeceu uma respiração irregular, inclinou-se, chegando para ele, necessitando de sua boca. Ele encontrou com ela no meio do caminho, seus lábios escovando os dela em um beijo dolorosamente terno que foi muito breve, mas cheio de promessas apaixonadas. Ele a empurrou de volta para a cama a segurando lá com a palma da mão apertando sua barriga, então colocou entre as coxas, as nádegas escavando para levantar seu sexo na boca. O visual era erótico, a boca hesitante tentadoramente perto de sua boceta. Ele olhou para ela e mergulhou, lambeu cada lado, o calor de sua língua enviando um incêndio de sensação ao longo de suas terminações nervosas. Diaz cobriu o sexo com sua boca, a língua como veludo líquido ao longo do seu clitóris, em seguida, pressionando e mergulhando em sua boceta se animando com o seu creme. Sua

121


língua estava em todo lugar, lambendo para cima, para provocar seu clitóris e brincar com o piercing, deslizando para baixo em torno dos lábios da boceta novamente. Ela sentiu tudo, inclusive os dedos quanto ele enfiou um, depois dois dentro dela, bombeando com um ritmo lento e constante, como ela tinha feito para si mesma antes. Isso era muito melhor. Seus dedos eram maiores, mais quentes, enchendo-a, esticando-a, fazendo ansiar muito para ter o seu pau dentro dela. Ele cantarolava contra seu clitóris, lambeu-a com golpes implacáveis até que ela veio para cima, fora da cama, atirando num orgasmo ofuscante. Sua boceta agarrou seus dedos quanto ela saiu do controle, tremendo quando as ondas do orgasmo caíram mais e mais. Ele se manteve bombeando dentro dela, então abrandou e retirou. Ele subiu até o seu corpo, fazendo uma pausa para lamber os dedos antes de encaixá-los em sua boca. ‚Prove.‛ Ela chupou os dedos, viu seus olhos escurecerem quando fez. Ele substituiu os dedos com a boca com fome, destruindo-a com um beijo exigente que a deixou ofegante. Ele empurrou fora da cama, pegou o pacote de alumínio do bolso da calça jeans e rasgou-o aberto, deslizou o preservativo e empurrou as pernas abertas. Quando pressionou em cima dela pegou um punhado de seu cabelo e virou a cabeça para o lado. Será que ele tinha alguma ideia do quanto isso a excitava, experimentar o rígido controle da sua mão em seu cabelo, sentir a sua necessidade primordial de possuí-la? Ela não conseguia nem explicar para si mesma, diferente do que excitava além da capacidade de pensar de forma coerente. Ele tomou uma longa, lenta lambida em seu pescoço, ao mesmo tempo em que deslizou a outra mão entre seus corpos e segurou seu sexo, balançando a mão sobre seu clitóris até que viu faíscas. Ela tremeu na viciante sensualidade de cada movimento seu, em parte um homem das cavernas, outra parte o amante sensível. Ela nunca sabia o que esperar de Diaz, dentro ou fora da cama. Talvez fosse isso que achava tão atraente sobre ele. ‚Diga-me você tem certeza,‛ ele sussurrou contra sua orelha. ‚Você est{ pronta para isso?‛ 122


‚Sim.‛ Ela evitou dizer, por favor, mas ela estava bem perto de dizer se ele não chegasse a ela e em breve. Ele moveu suas mãos, deslizando-as debaixo da bunda dela, inclinando-a. ‚Olhe para mim, Jessie.‛ Ele soltou o cabelo dela para libertar a cabeça para que ela pudesse virar e encontrar o olhar dele. Seus olhos eram tão crus e intensos. ‚Somente eu e você, Jess. Isto é para nós e não por outro motivo, você entende?‛

123


Capítulo Dez Ele não estava fazendo isso pela missão. Ele a queria. Jessie perdeu o foco através das l{grimas que brotaram. Enfiou os dedos pelos cabelos, balançou a cabeça. ‚Sim. Só para nós, Diaz.‛ Ela sentiu a ponta quente de seu pênis na entrada de sua boceta, em seguida, o deslizamento lento e doce quanto empurrou completamente. Ele era muito maior do que qualquer vibrador que já tinha usado. Levou seu tempo, entrando delicado com facilidade, deixando-a se acostumar com sua espessura. Então ele a empurrou e estava nela e sua boceta apoderou-se dele. As contrações mais intensas que já sentiu cercaram seu pênis, inchado dentro dela, quando ele começou a se mover, retirar e ir devagar a entrada, mas quando ela ergueu os quadris para encontrar cada impulso ele mergulhou mais duro, os dedos cavando as bochechas da bunda dela. Ela nunca tinha sentido nada parecido com isso. Ele estava quente, carne real e não um objeto ou máquina fabricada para simular prazer. Moveu, flexionou dentro dela, crescendo absurdamente mais com cada golpe. Ele segurou-a com tanta ternura, com um braço enrolado apertado debaixo dela de modo que nem mesmo ar os separava. Ele acariciou seu pescoço, seus seios, não parando uma única vez enquanto continuava a balançar dentro dela. Ele dominou seu corpo a cada movimento, retirando parcialmente apenas para empurrar, oh, tão firmemente contra ela, que ela sentiu o seu toque mais profundo do que sentira alguma coisa antes. Ele mergulhou, tomou a sua boca num beijo rápido, em seguida, pressionou os lábios com força contra os dela, emaranhando sua língua com a dela e colocando-os juntos em um beijo apertado, hipnotizante. Mas o que realmente pegou ela, o que era tão diferente sobre esta experiência, estava no contato com os olhos — a intimidade da maneira como ele olhou para ela. Ela não tinha 124


pensado sobre o sexo dessa forma, que um homem como Diaz faria contato com a alma, tão profundo com os olhos enquanto se movia dentro dela. Foi além de uma união física. Ela sentiu isso no seu coração e quebrou-a. Ela não estava preparada para isso e as lágrimas rolaram de seus olhos. Diaz acalmou. ‚Estou machucando você?‛ Ela cobriu o rosto. ‚Oh, não. É perfeito. Muito malditamente perfeito. Por favor, não pare.‛ Ela não podia suportar se ele o fizesse. Olhou-a por muito tempo e ela tinha medo que ele iria parar, que ia sair antes desta magia terminar. Ele passou a mão sobre o rosto, abaixou-se para escovar os lábios contra os dela. Em seguida, moveu-se novamente, para frente, sua pélvis esfregando seu clitóris e ela estava perto, apertando em volta dele. Ele apertou sua mandíbula, segurando de volta por ela, esperando até que ela fosse até a borda. Ela agarrou os braços, envolveu suas pernas ao redor dele, levantou, querendo ele enterrado, tanto dentro dela quanto poderia obter. Ela pulsava ao seu redor, tremia e quando ele veio contra ela neste momento, sentiu os estilhaços de orgasmo dirigindo todo o caminho através dela, em todas as partes do seu corpo, enrolando os dedos dos pés e formigando seu couro cabeludo. ‚Diaz!‛ Alguma parte dela percebeu que ela cravou as unhas em seus braços, mas não conseguia parar. Era feroz, incontrolável, ter este homem dentro dela, quando ela veio, o sentiu apertar, chamar ela perto e soltou um gemido alto contra ela quando ele também quebrou no orgasmo, enviando seu estremecimento em réplicas quase tão fortes quanto o clímax em si. Ele tomou sua boca, beijou-a duramente, apertou contra ela e balançou até os espasmos diminuírem. E mesmo assim ele não a deixou ir. Ela acariciou os cabelos úmidos, as costas, amando a sensação e o cheiro dele em torno dela. Então isso era o que era. Ela tinha perdido muito esperando por tanto tempo e ainda assim ela não se arrependia que nunca quis essa experiência com alguém, mas Diaz. É verdade, ele a surpreendeu.

125


Realmente não sabia o que esperava dele, mas Diaz era durão de rua. Talvez ela esperasse que ele fosse... Grosseiro e bruto na cama. Áspero com ela. Ele não tinha sido assim em tudo. Em vez disso, foi delicado, amoroso, tendo tempo e cuidado, fazendo isto nem um pouco sobre si mesmo, e tudo sobre ela. Ele fez perfeito para ela, valorizando-a através do processo. Ela precisava da maturidade dos seus anos para realmente entender como isso era importante, o que o sexo realmente significava além de liberação apenas divertimento e físico. Claro que ajudou que ela estava meio apaixonada por Diaz por alguns anos agora, mas ela não deveria pensar nisso. Não agora, não quando tudo isso era tão novo, tão mágico, tão perfeito. Ele rolou de cima dela, entrou no banheiro por alguns segundos e voltou, reunindo-a por perto para que eles ficassem frente a frente, lado a lado. ‚Você est{ bem?‛ Perguntou ele. Ela sorriu, balançou a cabeça. Ela poderia até mesmo ter ronronado um pouco, incapaz de ajudar a si mesma. ‚Você parece o gato que acabou de comer uma ave inteira.‛ Ela riu. ‚Algo parecido com isso.‛ ‚Você é linda quando você goza.‛ Constrangimento coloriu seu rosto. Ela estremeceu com a lembrança de como era desmoronar sob ele. ‚Obrigado por ter feito isso por mim.‛ ‚Não foi só para você.‛ Ele a beijou. Seu estômago agitou. Ela nunca iria cansar da sensação de seus lábios nos dela. Esfregou o dedo no lábio inferior. Tão macio, a única coisa em todo o seu corpo que não era dura como aço. ‚Eu ainda aprecio. Não queria que minha primeira experiência com um homem fosse na frente de um grupo.‛ ‚Você quer dizer a iniciação.‛ ‚Sim.‛ 126


‚Você ainda não tem que fazê-lo, Jess. É além do que não é necessário para esta tarefa. Eu posso manda-la de volta para a sede.‛ ‚Por quê? Você ter{ que fazê-lo. Tenho certeza de que sexo em público é parte da iniciação para todos masculinos e femininos.‛ Seus l{bios curvaram. ‚Eu tive relações sexuais antes. Muitas vezes.‛ Ela não queria pensar em ‚muitas vezes‛, que ele tinha estado, que havia tocado e feito amor. Fazia seu estômago apertar de maneira desconfortável. Claro que tinha um passado. O homem era lindo e um amante fantástico. Ele provavelmente tinha uma lista de espera. Ela não tinha nenhum direito sobre ele. Mas ele estava aqui agora com ela, enquanto durasse. Isso tinha que ser bom o suficiente. ‚Eu queria essa atribuição, Diaz. Sabia que tinha que ir desse modo para entrar na gangue de Crush e o que isso significava.‛ Ele traçou seu quadril com os dedos. ‚Você realmente sabe o que significa Jess? Você entende que as iniciações de gangue de motoqueiros são difíceis como o inferno? As brigas, sexo em público? Inferno, |s vezes h{ orgias.‛ Jessie sabia exatamente o que iria acontecer. Ela também tinha os seus limites. Mesmo um líder de gangue, tinha que entender isso. ‚Eu não estou fodendo ninguém além de você. O resto eu posso lidar.‛ Diaz ficou surpreso com a declaração de Jessie. Gostou da ideia de ela querer somente ele. Gostou mais do que deveria. Porque com certeza não estava compartilhando-a com qualquer outro cara. Não para a iniciação de gangues, de qualquer maneira. O pensamento de vê-la fazer sexo com outro homem fez o seu sangue quente ferver, mesmo que não tinha direito de reclamá-la como sua. Ele não tinha nada para lhe oferecer. Ela realmente não o conhecia, não o suficiente para tê-lo presenteado com o quanto ela tinha feito esta noite, com o quanto continuava dar-lhe. Ele se afastou dela inúmeras vezes, tratou-a mal, assim como ele sabia que faria. E mesmo assim ela continuava voltando para mais. 127


Tudo o que ele fez foi tomar, quando sabia que não deveria, quando não podia lhe oferecer nada. Não havia futuro para eles. Jurou nunca ter um relacionamento com uma mulher, nada em longa duração, nada de compromisso. Não quando sabia de onde tinha vindo. O sangue de quem estava em suas veias. Merda. Não estava isso tão fodido? Ele não poderia tê-la, mas não queria vê-la com mais ninguém. Que diabos ele ia fazer com tudo isso... Sentindo? Ele sabia que não deveria ter tocado nela. ‚Você ficou quieto em mim,‛ disse ela, traçando o lábio inferior com a ponta dos dedos. ‚Pensando sobre a missão.‛ ‚Você tem uma mulher nua deitada ao seu lado e est{ pensando sobre o trabalho?‛ Ela franziu a testa, mas seus lábios torceram. ‚Se isso ajuda em algo, você est{ incluída nesse processo de pensamento.‛ ‚Ajuda... um pouco. Mas ainda assim, você não deve estar totalmente focado no sexo... comigo?‛ ‚Isso faz parte do trabalho eu estava pensando.‛ ‚Eu vejo. Então, agora fazer sexo comigo é o trabalho.‛ Diaz riu, pegou um punhado de seu cabelo e puxou. ‚O inferno sim, é trabalho. Tenho de agradar a você, não tenho?‛ ‚Tudo o que você tem a fazer é olhar para mim e estou satisfeita.‛ Porra. Às vezes, Jessie tornava isso tão f{cil. E tão difícil ao mesmo tempo. ‚Você deveria dormir um pouco.‛ ‚Eu não quero dormir.‛ Ela abriu as mãos sobre o peito, começou a movê-las para baixo, sobre o estômago, empurrando-o para que ele deitasse de costas. Ele a deixou ter seu caminho. Ela subiu em cima dele, sentada montada nele. Seu pau prestou atenção, crescendo, com uma mente própria. Tanta coisa para pensar sobre o trabalho, dizer a si mesmo que o sexo com Jessie era coisa de uma única vez. 128


‚H{ tanta coisa que você pode me ensinar,‛ disse ela, balançando sua boceta contra o seu pau já totalmente duro. Ele agarrou os quadris e arrastou-a ao longo de seu comprimento. ‚Ah, é? E o que você gostaria de aprender?‛ Os olhos dela todo derretido, ele poderia se perder neles, se deixar ir, uma lembrança constante para manter isso no físico apenas, para não se envolver. ‚Todos os tipos de coisas. Seu corpo, por exemplo.‛ ‚Acho que você teve a abund}ncia do jogo do corpo.‛ ‚Oh não o suficiente. Quero tocar em você todo, Diaz. Provar cada centímetro de você. Ver o que gosta e o que não gosta. Sabe que alguns homens gostam de ter um dedo deslizado na sua bunda durante o sexo?‛ ‚Jesus, Jessie! Onde diabos você aprendeu coisas assim?‛ Ela sorriu. ‚Costumava levantar filmes pornôs dos rapazes e esgueira-los em meu quarto. É assim que aprendi sobre sexo.‛ Ele revirou os olhos. ‚Ótimo. Simplesmente ótimo.‛ Ela encolheu os ombros. ‚Não é como se eu tivesse uma amiga para discutir sexo. E com certeza Grange ou algum de vocês não estavam indo para falar comigo sobre isso.‛ Ela tinha esse direito. O pensamento de sentar com uma adolescente como Jessie para ter uma conversa sobre sexo o fez estremecer. Mas filmes pornográficos? Bom Deus. Que diabos ela havia aprendido observando aquilo? ‚Então percebi alguns deles por conta própria. E assistia a filmes. Muito educativo.‛ ‚Dificilmente. O sexo não é como o que você vê em filmes pornôs, Jess.‛ Ela deslizou as palmas das mãos sobre os seus mamilos. Eles endureceram em uma corrida, fazendo seu pau saltar contra sua boceta. ‚Claro que é. Você fica duro. Eu molhada. É biologia b{sica depois disso. Quero dizer os filmes eram bastante ruins em atuação, mas eu tive a ideia de como era feito.‛ ‚Não, você teve todas as ideias erradas.‛

129


‚Isto é onde você me diz sobre pornografia ser ruim, como se as mulheres fossem vítimas, certo?‛ Ele bufou. ‚As mulheres nessa indústria normalmente são pagas muito mais do que os homens, então... não. Mas ele não mostra o lado verdadeiro das relações, a parte emocional do ato sexual entre um homem e uma mulher que se preocupam um com o outro. Há grandes lacunas na realidade com esses filmes. Claro, eles são divertidos de assistir como aumentar o desejo sexual, mas não é isso que o sexo est{ em causa.‛ Ela acalmou, sentou-se e olhou para ele, a confusão evidente em seu rosto. ‚Então me diga o que estou sentindo falta.‛ Alguém para se preocupar com ela. Alguém para amá-la. Esse alguém nunca poderia ser ele. E ele não sabia como responder à pergunta de Jessie. O que estava faltando? Ela tinha começado a sua educação sexual assistindo a filmes pornográficos. Estava perdendo tudo. Uma parte dele queria ser seu professor... Para mostrar a ela tudo sobre o que ela estava mal informada. A parte divertida. Encontros, emoções, de mãos dadas, de conhecer alguém primeiro. Falando, rindo, todos os momentos de diversão que você poderia ter com alguém. Aqueles de tirar o fôlego, momentos de antecipação que levavam a fazer amor. A espera até que você não pudesse esperar mais. A maneira que deveria ter sido para ela. Inferno, do jeito que deveria ter sido para ele também. Todas as coisas que ele nunca teve de qualquer modo, porque não tinha sido permitido. Mas o inferno. O que ele sabia sobre isso, além do que havia lido a respeito? Ele não sabia como ensiná-la. Não tinha relações. Ele com certeza não poderia se basear no que ele tinha visto crescendo. Isso tinha sido desastroso, nada, feio, ele não tinha que passar para ninguém que ele se importava... Para qualquer mulher em tudo. É por isso que sempre manteve relações sexuais simples, descomplicadas, desapegadas. Ele tinha escolhido propositadamente mulheres que se contentavam com o sexo ocasional e nada mais. 130


Até Jess. Ela queria muito mais do que ele jamais seria capaz de dar a ela. Ele devia a sua honestidade, nada mais. ‚Eu não posso dar o que você precisa Jessie.‛ ‚O que você acha que preciso?‛ ‚Romance. Relacionamento.‛ Suas sobrancelhas levantaram. ‚Pensei que nós est{vamos falando sobre sexo.‛ ‚É tudo parte do negócio. Ou deveria ser para alguém como você.‛ Ela saiu de cima e se ajoelhou ao lado dele. ‚Por que sempre presume que sabe o que é melhor para mim? E se eu só quero sexo sem compromissos?‛ Ele sorriu. ‚Eu te conheço melhor do que isso.‛ ‚Não acho que você realmente me conhece de todo. Eu poderia estar perfeitamente contente com você ensinando-me, sexualmente.‛ ‚Eu não penso assim.‛ ‚Deixe-me lhe fazer uma pergunta. Se você não tivesse me conhecido por todos estes anos, se acabasse de me conhecer neste rally e teve a oportunidade de estar comigo aqui neste quarto... você faria?‚ ‚Não é assim que funciona.‛ ‚Basta responder a pergunta, Diaz. Você est{ atraído por mim?‛ Ele não entendia que tipo de jogo ela estava jogando, mas ele deu de ombros e disse: ‚Acho que você j{ sabe a resposta para essa pergunta.‛ ‚Você me quer.‛ ‚O inferno sim.‛ Ele pegou a dica de um sorriso. ‚Por quê?‛ ‚Huh?‛ ‚Por que você me quer?‛ ‚Vamos, Jessie.‛

131


‚Apenas me diga. Por que você me escolheu, digamos, entre todas as outras mulheres no grupo de Crush?‛ ‚Bem, primeiro, porque conheço você.‛ Ela revirou os olhos. ‚Você não est{ jogando o jogo certo. Finja que você não me conhece. Há, deixe-me pensar... vinte ou mais mulheres no seu grupo? Alinhe-as mentalmente e me diga por que você me escolheu.‛ Ele suspirou, fechou os olhos e pensou em todas as mulheres que tinha visto que eram membros dos Devil’s Skulls. Uma variedade de mulheres para escolher em cada forma, cor e tamanho, mas na sua mente, Jessie se destacava como a única mulher que ele gostaria. E ele sabia por que. Ele abriu os olhos e virou-se para encará-la. Ela olhou para ele com expectativa. ‚Porque você tem um sorriso que grita sexo.‛ Ela apertou os l{bios, franziu a testa. ‚Só isso?‛ ‚Sim.‛ ‚Você quer, me foder por causa do meu sorriso?‛ ‚Sim.‛ ‚Tem que ser mais do que isso.‛ ‚Bem... você também tem seios grandes.‚ Ela bufou e bateu o braço. ‚Pensando com a cabeça do pau.‛ ‚Você perguntou.‛ Ela olhou para ele, examinou-o. ‚Meu sorriso, hein?‛ ‚Sim. Você sorri ligeiramente de forma desalinhada. Um dos lados de sua boca se enrola um pouquinho mais do que o outro.‛ ‚Faz?‛ ‚Sim.‛ ‚Eu nunca notei isso antes. Então sou desigual?‛ ‚Não. É muito sexy, faz você parecer secreta. É como você... conhecesse as coisas.‛ ‚Sem dúvida, sobre filmes pornôs.‛ 132


Ele riu. ‚Não h{ dúvida.‛ Ela realmente era malditamente irresistível e não tinha nada a ver com os seios. Sim, ela era bonita, mas era mais do que isso. Ele só gostava de estar na mesma sala com ela — e ser linda e extremamente quente era um bônus. E fazia tudo naturalmente. Não era afetada numa pose ou atitude para virar um cara. Era apenas... Jessie, provando, dando-lhe aquele sorriso torto agora, que ela não tinha ideia de que estava fazendo isso. Sinos de perigo soaram altos e claros na sua cabeça enquanto olhou para ela, quando ele chegou para ela, espalmando a nuca de seu pescoço para chamá-la para baixo para ele. Não faça isso. Uma vez era ruim o suficiente. Continuar seria um desastre, como estar muito perto do fogo. Estava muito profundo com Jessie e a levaria para baixo com ele. Ele poderia puxar para cima, sabendo que isso ia a lugar nenhum. Mas Jessie? Ela estava caindo. Será que ela entendia que não poderia ser nada mais do que este momento, do que agora? Seus lábios roçaram levemente e fácil através dele, seu hálito quente convidativo. Sua língua contornou seus dentes quando ela explorou, em seguida, deslizou para dentro, em busca da sua. Ele deveria ser o forte aqui. Mas quanta vez iria embora? Essa era a maneira covarde. Era hora de enfrentá-lo, ele a queria e estava muito bem indo por tê-la por tanto tempo quanto podia. Ela era uma menina grande. Entendeu: ele tinha deixado claro o suficiente que ele não estava interessado em um relacionamento. Nunca viraria sobre Jessie com o monstro que vivia dentro dele. Ele não confiava em si mesmo o suficiente para amar alguém. Ele se preocupava muito com ela para liberar isso sobre ela. Sua pele era tão suave quando se inclinou para frente, pendurando-se sobre ele para se inclinar mais para dentro do beijo. Ele vagava por seu corpo, memorizando cada curva exuberante, determinado a aproveitar estes momentos enquanto eles tinham, porque isso era tudo isso, ia acabar uma vez que esta tarefa acabasse.

133


Mas a tinha agora, exatamente onde ele a queria — no alto do seu corpo se contorcendo sobre ele enquanto o explorava e o beijava, deixando as mãos vagarem livremente sobre seu peito e ombros. Seu pau clamava por atenção, levantando-se entre as pernas para lançar-se nos lábios da boceta. O calor úmido de seu corpo o chamando. ‚Eu quero estar dentro de você.‛ ‚Eu queria jogar,‛ protestou ela, mas se balançava contra o seu eixo, estremecendo enquanto fazia. Ela não estava com mais vontade de demorar do que ele sabia disso. ‚Nenhum jogo. Vamos foder.‛ Ela lhe deu aquele sorriso de novo e se inclinou para puxar a gaveta ao lado da cama. Caixa de preservativos. Graças a Deus ela estava bem preparada. ‚Pensou que eu era uma coisa certa, não é?‛ Ele brincou. Ela bufou quanto ela rasgou a embalagem e deslizou o preservativo sobre ele. ‚Eu estava esperando.‛ Ele agarrou seus quadris, levantou-a em posição, e segurou seu pênis para que pudesse montar nele. Porra era quente como o inferno ver seu pau desaparecer dentro dela centímetro por centímetro, assistir à forma como a sua boceta engolia assim. Ele sentia cada aperto aquecido do corpo dela quando o acolheu. Jessie fechou os olhos, inclinou a cabeça para trás, ela sentou-se totalmente em cima dele. Seu rosto tinha a expressão mais bonita, o corpo arqueado perfeitamente em uma curva. Ela parecia quase triste, mas como se ela gostasse de uma tortura requintada. Ele pulsava dentro dela quando suas paredes contraíram em torno dele e ela ainda não havia se mexido. ‚Estou machucando você?‛ Ela estava tão apertada e não estava acostumada a ter um pau dentro dela ainda. ‚Estou bem. Apenas... sentindo você.‛ Ela inclinou a cabeça para frente, abriu os olhos e olhou para ele, com os olhos, cheio de desejo. ‚É uma sensação incrível ter você dentro de mim, Diaz.‛ 134


Ele nunca tinha conhecido uma mulher tão honesta quanto ela, tão próxima com suas emoções. Ela o desvendou, em ambos os sentidos bons e ruins. ‚A maneira como você pega o meu pau me faz querer foder você duro até que eu venha.‛ Seus l{bios inclinaram. ‚Isso é uma coisa ruim?‛ ‚Você não quer um homem de um minuto para um amante, querida.‛ Ela se inclinou para frente, levantando a bunda quanto ela deslizou seus seios ao longo de seu peito. Quando ela abaixou para o seu eixo novamente, ela tremeu, dentro e fora. A sensação foi quebrando. ‚Tenho toda a confiança que você vai durar tanto quanto eu preciso que você dure.‛ Ele iria, também, porque queria ela se desmanchando em torno dele de novo, queria sentir o aperto da boceta em seu pau como se fosse apertar a própria vida dele. Só então ele deixaria ir e vir dentro dela. Estendeu a mão para seus quadris, levantando-a para baixo quando ela se aninhou contra seu peito, lambendo e mordendo seus mamilos. Ela fez o seu cabelo ficar em pé, enquanto ela se contorcia contra ele, bombeando sua boceta para cima e para baixo no seu pau, passando as mãos sobre o corpo dele de uma forma que só poderia ser descrita como... Possessiva. Ele adorou. Ele nunca poderia fugir de seu toque, o jeito que ela parecia aproveitar cada momento da experiência. Ela não era nem um pouco passiva. Em vez disso, tinha se jogado de cabeça no sexo como se soubesse que eles tinham um tempo limitado junto e queria sentir tudo o que podia. Assim ele fez. Ele passou um braço em volta da cintura e virou-a sobre suas costas, em seguida, deslizou o braço para baixo para agarrar-se a bunda dela, puxando-a duro e apertado contra seu corpo. Jessie ofegou, seus olhos arregalando quando Diaz jogou pesado para ela, não uma, nem duas, mas uma e outra vez, recusando-se a parar mesmo para deixá-la recuperar o fôlego. Ela segurou os braços, as unhas cavando sulcos em sua pele enquanto ele bombeava impulso

135


após impulso em seu corpo. Ela gemeu, gemeu, depois levantou para ele, pedindo-lhe mais profundo. ‚Mais,‛ gritou ela, sua voz não mais que um sussurro gutural quando sua boceta começou a apertar em torno de seu eixo. Ele recuou, alimentado mais profundo, esmagando contra seu clitóris até que ela quebrou, convulsionando em torno dele, em onda após onda de clímax. Ela soltou um grito alto, arqueando contra ele, gritando seu nome e varrendo as unhas contra a sua pele. Observando-a, sentindo-se dela, foi demais e ele não podia segurar, catapultando um gemido alto, agarrando seu cabelo para fazê-la pender a cabeça para trás para que pudesse tomar a boca, fundir-se com ela enquanto eles compartilhavam este orgasmo e caíam juntos. Acalmando, suados, ele tomou um beijo, bebeu de sua boca enquanto ela prendia a respiração. Seu coração ainda batia contra seu peito com ferozes batidas ressoantes. Ela estava ofegante, cada inalação uma luta. Ele tinha sido muito áspero, violento. Ele rolou de cima dela, começou a se afastar, mas ela agarrou os braços e puxou-o para ela. ‚Aonde você vai?‛ Sua voz soou primal, sem dúvida, toda ofegante e gritando. Como ele podia estar orgulhoso e chocado com isso? ‚Eu te machuquei.‛ ‚Você não fez. Foi... oh meu Deus, Diaz, eu não sabia que poderia vir assim. Não, você não me feriu em tudo. Agora volte aqui.‛ Ele deslizou de volta para a cama e puxou-a contra ele, acariciando seus cabelos, escutando os sons que ela fazia. Sons satisfeitos. Ela passou a mão pelo seu braço. ‚Eu te machuquei,‛ disse ela, alisando a mão sobre seu braço, as marcas que tinha feito com as unhas. ‚Eu nem sequer senti. Estava concentrado em sua boceta.‛ Ela estremeceu, suspirou, e, eventualmente, sua respiração voltou ao normal. Calma, ainda, até que seus olhos se fecharam e ele percebeu que ela tinha adormecido. Ainda assim, ele 136


continuou a acariciar seu corpo, surpreendendo até a si mesmo quando seu pau começou a endurecer novamente. Cristo, ele era uma besta maldita. Insaciável, querendo-a novamente, mesmo que sabia que ela tinha de estar cansada. Ele era capaz de ferir Jessie porque estava irracional quando chegou a ela. Ela trouxe emoções violentas nele, incluindo paixão, paixão que não estava nada contida. Ele olhou para ela, os lábios inchados de seus beijos, o rosto vermelho e irritado de sua barba. Sua boceta provavelmente ferida do bater forte que tinha tomado. Tanto por seu desejo de ser gentil. Querer e fazer eram duas coisas diferentes, não eram? Ele tinha se perdido completamente com ela, pensou apenas em si mesmo. Ele esteve tão focado fodendo-a, que não tinha parado para pensar sobre a possibilidade de machucá-la. Sim, quem tinha que lembrá-lo? Essa coisa entre eles era um pesadelo, nunca ia dar certo. Claro que ele já sabia disso. Mas estava Jess certa sobre isso?

137


Capítulo Onze JESSIE INALOU O AR FRESCO DA NOITE, pronta para tudo hoje à noite. Estava carregada, energizada após a noite passada com Diaz. Ele tinha ficado com ela, segurou-a durante toda à noite. A primeira coisa esta manhã ele correu em um banho com ela, colocou-a na banheira e ordenou que mergulhasse enquanto ele descia as escadas e trazia para ambos uma xícara de café. Aparentemente, ele estava convencido de que ela estaria tão dolorida que não seria capaz de andar. Ela não podia evitar — de fato riu quando ele disse isso. Um pau na vida real era diferente do que seus vibradores ou os dedos. Wow, alguma vez foi diferente. Ele fodeu-a bem. Seu corpo aqueceu em um lampejo de desejo lembrando como se sentia em tê-lo dentro dela. Pulsando, inchado, enchendo-a. E quando se moveu contra ela, ela tinha se conectado com ele de maneira que nunca imaginou ser possível. Mesmo agora, tudo sexual dentro dela tremia na antecipação de fazê-lo novamente. Qualquer dor que sentisse era bem-vinda. Faria isso de novo num piscar de olhos. Não estava machucada. Ela disse-lhe no banho que foi o céu, mas tinha certeza de que queria ter relações sexuais com ele esta manhã. Ele olhou para ela como se tivesse lhe pedido para ferver gatinhos pequenos em seu favor. Ele disse que ela deveria tomar devagar hoje. Foi muito doce como foi tão carinhoso com ela, e tão diferente do normalmente rude Diaz. Eles passaram o dia explorando as atrações, saindo com Crush e sua turma, e tendo algum tempo sozinhos para falar sobre o caso e descobrir diferentes cenários, como o que aconteceria se eles não fossem convidados para ir através da iniciação. Jessie que não achava que era uma opção. Crush lhes convidaria, sabia que ele faria. Mas se não o fizesse, tinham a intenção de segui-lo e a sua gangue, a uma distância discreta, e ver onde eles estavam indo. Não 138


o melhor plano, mas Jessie sentiu que era desnecessário de qualquer maneira. Eles iam ser chamados. Ela estava cem por cento, confiante. Diaz não estava então queria ter certeza de que tinham outra opção. Balançando a cabeça, ela colocou as mãos nos quadris e procurou entre a multidão da rua principal por Spencer, que tinha se feito escasso durante todo o dia. A escuridão engoliu a multidão, fazendo tudo um borrão de nada mais do que as luzes da motocicleta e pessoas se moendo sobre as calçadas lotadas, tão juntas, que você não poderia diferenciar um corpo de outro. Diaz estava na rua conversando com Crush. Jessie tinha saído da multidão densa para usar o banheiro e tomar um ar, e ela disse a Diaz que veria se podia ver Spencer enquanto estava andando por aí. Não que achou que ela teria muita sorte de encontrá-lo. Quando o tinha chamado ao telefone celular de Diaz, esta manhã, Spencer tinha dito que estava ocupado com Stephanie e alguns dos Devil’s Skulls. Ele explicou que ouviu algumas coisas com Stephanie ontem | noite que lhe tinham feito curioso, e relataria mais tarde. Eles não o tinham visto o dia todo, e esta noite era a iniciação. Que ainda não tinham sido convidados a participar, apesar de terem andado com Crush, esta manhã, que lhes pediu para andar com a turma hoje. Jessie tomou isso como um sinal das coisas por vir. Crush parecia estar confortável com os três. Deus sabe que Spencer tinha se insinuado com Stephanie, que estava no escalão superior do grupo e também era um parente de Crush, de modo que pelo menos dava um dentro, Spencer. E Jessie sabia que Crush gostava dela. Ele não parecia ter um problema com Diaz, então, as coisas pareciam promissoras para a iniciação. E a iniciação significava o acesso ao funcionamento interno dos Devil’s Skulls, o que significava esperança de descobrir o quão profundamente Crush e sua gangue estava envolvido com a venda de armas para os sobrevivencialistas. Se em tudo. Ela meio que gostava de Crush. Era realmente muito ruim que um cara que parecia agradável no exterior podia ser o líder de um contrabando de armas, tipo Deus-só-sabia-quemais na gangue. 139


As aparências podem ser enganosas. Ela tinha que se lembrar disso. Ainda assim, sempre deixou seu instinto guiar e ela raramente estava errada com as pessoas. Seu instinto disse a ela que Crush não era um cara mau. Então, novamente, era a novata nos Motoqueiros Selvagens, e não estava prestes a sair meio-armada e tentar salvar o dia, insistindo que Crush era o mocinho. Poderia estar errada. Mas ainda pretendia reservar seu julgamento até que não havia prova sólida. De qualquer maneira, estava preparada para a iniciação e tudo o que implicava desde que ela tinha Diaz ao seu lado. Diaz estava agindo de forma estranha como o inferno, que não era nada incomum para ele, especialmente recentemente. Ou a tratava com luvas de pelica, pairando sobre ela ou gritava com ela como se fosse uma criança de dez anos, ou atirava-a contra a parede e fodia seus miolos. Idealmente, ela preferia a última opção. Desistindo de suas tentativas de encontrar Spencer, contornou a multidão espessa de sempre, tendo a sua vida em suas mãos, atravessando o zoom de moto-pesada na rua, fez seu caminho de volta para Diaz. Ele estava na tenda de cerveja, ainda envolvido em conversa pesada com Crush, Rex, e alguns dos outros caras. Rex foi o único que olhou para cima quando a viu. Ele olhou de cima a baixo, sorriu e acenou com a cabeça. Ela estremeceu e se moveu para o lado de Diaz. Ele passou o braço em volta da cintura dela e puxou-a ao lado dele, parando apenas o tempo suficiente para plantar um rápido beijo nos lábios. Sua demonstração pública de afeto surpreendeu. Ele tinha feito isso de forma distraída, perguntou se estava ciente disso. Ele beijando tão naturalmente, sem pensar nisso, aqueceu-a. Sentou-se calmamente ao lado dele e escutou. ‚Estava encurralado por nada menos que dez caras,‛ Crush disse. ‚Minha bunda estava na linha. Era lutar ou morrer.‛

140


Diaz concordou. ‚É chato estar em uma situação como essa, mas não h{ muito que pode fazer. Você quer lutar e talvez consiga a sua bunda chutada, ou chorar como um bebê, implorando por sua vida, e ficar marcado como um maricas.‛ ‚Exatamente. E de nenhuma maneira eu ia implorar, então me joguei no meio dela.‛ Diaz sorriu. ‚Obteve sua bunda chutada de qualquer maneira, não é?‛ Jessie balançou a cabeça. Conversa de caras sobre batalhas, lutas e vitória. Percebeu. Este tipo de conversas surgia um monte de vezes na sede dos Motoqueiros Selvagem, também. Muitas vezes teve de se sentar através de palestras sobre lutas de punho ou faca, corridas de velocidade em ruas desertas, iniciações de gangues e afins. Era um show de bravata, um jogo para ver qual deles era o mais bravo do grupo. Muita testosterona em ação. ‚Então a iniciação desta noite,‛ Crush disse. Isso chamou sua atenção. Ela virou-se da análise da multidão e focou nele. ‚Os Devil’s Skulls gostariam que vocês dois e Spencer viessem para a iniciação desta noite.‛ Diaz balançou a cabeça e levantou os l{bios num meio sorriso. ‚Obrigado.‛ ‚Nós adoraríamos,‛ disse Jessie. ‚Obrigado pelo convite.‛ Crush riu. ‚Você pode não me agradecer depois que acabar.‛ Diaz inclinou um antebraço na mesa, tomando uma posição preguiçosa. ‚Oh, eu acho que todos nós podemos lidar com isso.‛ ‚Bom‛ Crush disse com um aceno de cabeça, na altura. ‚Eu tenho que ir. Encontre-nos de volta na fazenda, onde tivemos a fogueira na noite passada. Iremos comemorar um pouco, beber umas cervejas, e começar à meia-noite.‛ ‚Nós vamos estar l{,‛ disse Diaz. Depois que Crush saiu, Jessie virou-se para ele. ‚Precisamos encontrar Spencer.‛ ‚Concordo.‛ Diaz tirou o telefone celular e tentou o número de Spencer. ‚Você ligou?‛ Jessie inclinou a cabeça para trás ao som da voz de Spencer. 141


‚Sim. Nós estamos tentando nos apossar de você.‛ ‚Onde você esteve?‛ Diaz pediu. Spencer deslizou em um dos assentos e se inclinou para frente. ‚Com Stephanie e alguns dos outros. Não estava em um lugar onde poderia falar.‛ ‚Descobriu alguma coisa?‛ ‚Sim. Devil’s Skulls não é uma grande família feliz, é o que sei muito. Rex não est{ contente com Crush como seu líder. Houve conversa de fazer algumas mudanças.‛ Os olhos de Jessie se arregalaram. ‚Eles dizem por quê?‛ Spencer deu de ombros. ‚Estou ouvindo tudo de segunda mão, através de Stephanie, o que significa que pode ou não ser confiável. Ela diz que Crush não é confiável como um líder, ou pelo menos é o que ela ouviu de Rex e alguns dos outros caras — que ele sai muito em sua própria moto, que não têm os melhores interesses da gangue em mente.‛ ‚Eu me pergunto o que isso significa?‛ Jessie perguntou. ‚Sem pistas,‛ disse Spencer. ‚Mas é interessante. Estou tentando estar próximo com Rex, que é meio difícil desde que ele e Stephanie tinham uma coisa.‛ ‚Acho que Stephanie tinha uma coisa com quase todos, exceto Crush, e isso é só porque eles estão relacionados.‛ Spencer bufou no coment{rio de Jessie. ‚Sim, assim é o que ouvi. A menina fica ao redor.‛ ‚Espero que você tenha um monte de preservativos.‛ Jessie franziu o nariz. ‚Tenho querida. Eu tenho.‛ ‚Fomos convidados para a iniciação,‛ disse Diaz, mudando de assunto. Spencer assentiu. ‚Ótimo. Mais arrebentar traseiros e foder então.‛ Diaz balançou a cabeça. ‚Eu acho. Mas se entrarmos dever{ trazer-nos mais perto da ação.‛ ‚Quando nós entrarmos,‛ disse Jessie. ‚Você fica perto de Spencer e de mim esta noite.‛

142


Jessie sabia que Diaz estava preocupado com ela, mas sinceramente, não tinha medo de hoje | noite. ‚Não acho que a iniciação funciona dessa maneira. Vou estar por minha própria conta em parte disso.‛ Ela colocou a mão em seu ombro. ‚Realmente posso cuidar de mim mesma, Diaz. Estive fazendo isso por muito tempo.‛ ‚Você est{ pronta, então?‛ Spencer perguntou. Jessie olhou para Diaz, depois de volta para Spencer. ‚Sim.‛ ‚Você é como minha irmã mais nova, Jessie,‛ disse Spencer, acariciando seus cabelos. ‚Você têm problemas, você só grita e vou estar l{ para você, com atribuição ou não. Você sabe que eu comprometeria uma missão por você.‛ Deu um sorriso para ele, agradecida que ele se importava muito com ela. ‚Eu também te amo, Spencer. Mas acho que vou ficar bem.‛ ‚Ok, vamos andar,‛ disse Diaz, as sobrancelhas unidas em uma carranca apertada. Jessie estava mais preocupada com ele do que ela. Sabia que ele estava preocupado com ela, hoje à noite. Ela só tinha que lhe provar que poderia lidar com qualquer coisa que viesse à tona. Então, talvez ele relaxasse um pouco e pararia de tratá-la com luvas de pelica. Realmente queria ser um membro valorizado da equipe, e não alguém que Diaz achava que tinha de tomar conta. Na longa viagem fora da cidade Jessie se perguntou se um dos Devil’s Skulls possuía a fazenda e a terra ao seu redor. Considerando a fogueira na noite anterior e que estaria acontecendo hoje à noite, a rudeza, festas, seria quase certo que fosse propriedade dos Skulls. Era muito privado, localizado a mais de um quilômetro por uma estrada de cascalho de duas pistas que tinham viajado para chegar lá. Aqui fora, você poderia fazer muito bem o que queria e ninguém iria incomodá-lo. Era o lugar perfeito para sediar a iniciação. A área isolada fornecia aos Skulls a privacidade que eles queriam para... O que ia acontecer. Porque ela tinha alguma ideia do que isso poderia ser, mas realmente não sabia ao certo, talvez devesse estar nervosa. Mas não estava. Diaz estaria lá e assim Spencer. Ela ia estar perfeitamente segura. Além disso, era um adulto agora. 143


Uma mulher. Uma mulher de verdade agora, graças a Diaz. Antes, ela sentia falta de algo e insegura de si mesma. Não mais. Sim, certo. Uma noite de muito sexo e ela era mundana. Bufou, desceu de sua moto e respirou fundo o ar da noite. Foi atingida com um ligeiro frio e colocou os braços ao redor dela. Alguém tinha iniciado outra fogueira no centro dos fardos de feno. Que engraçado, ela não conseguia parar de tremer. ‚Est{ com frio?‛ Diaz perguntou. ‚Um pouco.‛ ‚Vamos chegar mais perto do fogo.‛ Ela assentiu e Diaz passou o braço em volta dela, puxando-a perto de seu lado. Fechou o casaco para cima e caminhou com ele a um dos fardos de feno no círculo ao redor da fogueira. Sim, era definitivamente mais quente aqui, especialmente quando Diaz puxou-a entre as pernas estendidas, puxando-a de costas, encostada em seu peito, em seguida, fechou os braços em volta dela. Perfeito agora. Ela estava muito quente e enroscada dentro de seu abraço. Spencer tinha ido para encontrar Stephanie, deixando-a sozinha com Diaz. ‚Quem gostaria de fazer a iniciação além de nós?‛ Perguntou ela. ‚Hmmm. Provavelmente aqueles caras amontoados ali contra a construção,‛ disse ele. Ela seguiu, onde ele apontou. Com certeza, cerca de dez rapazes encostados num dos galpões da fazenda, fumando cigarros e bebendo cerveja. Nenhum deles usava jaqueta dos Skulls ou qualquer outra coisa que os identificasse como membros. ‚Eu me pergunto se todos conhecem uns aos outros.‛ Ele encolheu os ombros. ‚Difícil dizer.‛ ‚Você acha que pode lev{-los?‛ ‚O inferno sim.‛ Ela sorriu. ‚Ok, então me deixe ver se eu posso escolher as mulheres.‛ Ela vasculhou a área, viu uma ou duas, apontou para Diaz. 144


‚Aquela ali parece assustadora.‛ Ele estava certo. Alta, larga, uma mulher construída como se tivesse feito alguma luta em seu passado. Ela era, pelo menos, duas vezes o tamanho de Jessie. ‚Tudo bem,‛ disse Jessie, avaliando sua competição. ‚Eu sei alguns truques.‛ Ele deslizou as mãos para cima e para baixo nos braços. ‚Vou apostar que você faz.‛ Mais motos chegaram, a multidão de Skulls e iniciados hoje à noite era mais espessa do que na noite passada. Obviamente, um grande evento para a turma e merecia uma afluência considerável. Grande. Apenas o que Jessie queria — um grande público. Oh, bem. Ela disse que poderia lidar com isso, e ela podia. Mas quando Crush se moveu atrás dos fardos de feno e sinalizou para a atenção de todos, ela viu quão grande a multidão era e o que poderia ser exigido dela hoje à noite em frente a todas essas pessoas. Percebeu que poderia estar apenas um pouquinho... Nervosa. Não que ela admitisse isso para qualquer um, especialmente Diaz. ‚Ok todos, sosseguem,‛ Crush disse, erguendo as mãos. ‚É tempo para a época favorita do ano dos Devil’s Skulls — Iniciação.‛ Sua declaração foi seguida por whoops, gritos e assobios. ‚Acabem logo com isso. Eu sei que vocês estão todos animados. Esta é a parte divertida. Isto é onde nós testamos os candidatos para ver se eles têm o que é preciso para se tornar um Skulls. Você tem que passar através disso hoje à noite ou está fora. Se você sobreviver à noite, então vamos deixá-lo saber se passou ou não. Se você passar, vai ser um Devil’s Skulls e uma parte da nossa turma. ‚Vamos começar com os caras e a parte física do teste. Preciso que nossos iniciados venham para frente e fiquem ao meu lado.‛ ‚Essa é a minha deixa,‛ disse Diaz. ‚Boa sorte.‛ Ela apertou sua mão, então deslizou para fora do caminho enquanto Diaz empurrou para fora do fardo de palha e foi até a frente da multidão. Spencer o encontrou lá e eles estavam juntos — como irmãos, ambos usando o mesmo sorriso confiante no rosto. 145


Pareciam escuros e ameaçadores. Comparado com os outros dez caras em pé lá em cima, Jessie gostava das suas chances. Ambos eram fortes, em grande forma, e poderiam chutar alguns traseiros sérios. ‚Ok galera, aqui est{ o negócio,‛ Crush disse. ‚Brigas, um-em-um. Vou selecionar os seus parceiros. E não ser{ com um dos outros iniciado, vai ser com um dos membros.‛ Oh. Bem, isso não era o que ela pensou que iria acontecer. Crush trouxe doze de seus próprios caras. Grandes, poderosos, com peitos largos, pernas enormes e um inferno de um monte de músculo. Mesmo esses caras pareciam ter os nós dos dedos poderosos. Obviamente Crush sabia o que estava fazendo. Spencer parecia equilibrado com seu cara. Crush deu um parceiro a Diaz que era mais alto do que Diaz, e mais musculoso, que parecia insondável desde que Diaz era muito malditamente grande. Mas Diaz não piscou, apenas balançou a cabeça e ficou em posição. ‚Punhos nus, sem armas,‛ Crush disse. ‚Essas são as únicas regras. Caso contr{rio você luta até que um de vocês vai para baixo ou até pará-lo. Pronto? V{.‛ Jessie cavou seus dedos no feno e segurou firme quando a ação explodiu ao seu redor. O adversário de Diaz recuou e deu um soco, que Diaz abaixou, antes de girar e subir para conseguir um bom direto rodado no estômago do rapaz. O cara dobrou, dando a Diaz uma oportunidade perfeita para um direto no queixo. Infelizmente, o cara era tão forte que ele se recuperou imediatamente, e oh, o homem estava puto. Ele foi atrás de Diaz como um trem de carga com raiva, empurrando Diaz de volta pelo menos dez metros antes de dar um soco que o arrastou ao chão. Ajustando o queixo, Diaz empurrou uma bota no joelho do cara e ele uivou de dor. Jessie fez uma careta com a ferocidade do combate. Spencer parecia estar cerca de 50-50 sobre o dele, dando tão bem quanto podia, mas seu olho esquerdo já estava inchando. Então, novamente, o outro cara estava basicamente o mesmo, assim Spencer estava segurando a si próprio. Ela voltou sua atenção de volta para Diaz, ignorando todos os outros caras, especialmente uma vez que vários já estavam deitados no chão, sem dúvida, desmaiados. Ela nem sabia quais eram iniciados e quais eram Skulls. Tudo o que importava era Diaz. 146


No curto período de tempo que ela tinha puxado a sua atenção para longe dele, Diaz tinha agarrado a mão superior. Ela não tinha ideia do que tinha acontecido, mas o rosto do cara dos Skulls era uma bagunça machucada, sangrando, e Diaz estava esmurrando-o sem piedade. Soco após soco, ele foi atrás dele. Jessie chupou em seu lábio, encolhendo-se enquanto observava a maneira como Diaz derrotava o homem. Se não fosse por Crush vindo entre eles e colocando um fim a isso, ela não estava certa do que iria acontecer. ‚Chega,‛ Crush disse, voltando-se para Diaz. ‚Vai sentar-se.‛ Diaz balançou a cabeça e encontrou o seu caminho de volta para Jessie. Ele tinha alguns cortes no rosto e seus dedos estavam em más condições, mas fora isso ele parecia bem. Ele estava respirando muito pesado quando ele sentou-se, então Jessie foi e pegou uma garrafa de água. Ele tirou a parte superior e esbaldou a coisa toda para baixo em alguns goles. ‚Obrigado.‛ ‚Você est{ bem?‛ ‚Ótimo.‛ Ele jogou a garrafa no lixo próximo e manteve a cabeça voltada para os outros caras ainda de pé. Spencer tinha batido o seu cara de joelhos com um soco bem dado — e Crush terminou a sua luta também, então Spencer veio e sentou-se com eles. ‚Esse cara fez alguma coisa para te chatear, Diaz?‛ ‚Não.‛ ‚Com certeza parecia que você queria espanc{-lo até a morte.‛ Diaz disparou a Spencer um olhar venenoso. ‚Fiz o que me pediram para fazer, o que todos nós fomos convidados a fazer. Isso é um problema?‛ Spencer levantou ambas as mãos. ‚Nem um pouco.‛ Mas Spencer olhou para ela com uma pergunta em seus olhos. Uma pergunta que Jessie não tinha respostas. Diaz estava obviamente chateado com o que havia acontecido lá fora. E esta não era a hora ou lugar para conversar com ele sobre isso. Ficou claro que queria distância. 147


A briga tinha acabado. Os iniciados que não se levantaram para a luta foram escoltados para fora. Spencer e Diaz ficaram. Depois de vários minutos para quebrar e recuperar a ordem, Crush voltou para o centro. ‚Agora é a vez das senhoras,‛ Crush disse com um sorriso perverso. ‚Iniciados, vamos l{ para cima.‛ Jessie pulou do feno e moveu-se para frente, junto com outras seis mulheres. ‚Nossas mulheres têm de ser tão resistentes quanto os nossos homens, para serem capazes de defender os Skulls. Você pode lidar com isso?‚ Ela assentiu com a cabeça, mãos nos quadris. Crush acenou para a multidão e seis mulheres vestindo camisas dos Skulls se apresentaram. Todas duras de aparência, também. Não surpreendentemente, Stephanie fofinha não era uma delas. Provavelmente, não gostaria de estragar a maquiagem. Como é que uma coisa pequena como Stephanie já passou pela iniciação? Talvez, ela entrou porque era prima de Crush e nunca teve que lutar. Jessie não poderia imaginar Stephanie fazendo isso. Ela poderia quebrar uma unha. Jessie sorriu. ‚Confiante, não é?‛ Crush perguntou. ‚Você poderia dizer isso.‛ Jessie tinha sido desafiada toda a sua vida. Isso não era nada com o tipo de pessoas que ela teve de lutar fora quando era apenas uma criança. Ele não poderia assustá-la. ‚As mesmas regras de antes,‛ Crush disse. Uma das mais altas, a mulher mais ampla alinhou na frente de Jessie. Olhando a aparência, também, com uma expressão determinada em seu rosto, duro, forrado. Ela tinha cerca de dez anos sobre Jessie e muito mais músculo e peso. Mas Jessie lutou contra os homens e ela tinha sido bem treinada pelos Motoqueiros Selvagens. Ela poderia levar esta mulher. ‚Pronto? V{,‚ Crush disse.

148


Jessie esperou o ataque. A mulher pulou e Jessie contornou, usando seus pés para se manter em movimento. Ela queria ver o que esta mulher tinha, queria ir primeiro na defensiva. A mulher enrolou a mão em punho e deu um soco. Ela poderia ter alguma força, mas era selvagem e imprecisa, sem dúvida era usada para brigas em grupos. Jessie foi usada para um-em-um em defesa, então abaixou o soco, segurou o pulso da mulher e girou, empurrando o cotovelo em seu meio. Momentaneamente sem fôlego, a mulher inclinou-se, dando a Jessie a vantagem que precisava. Ela usou seu punho e acertou-a no queixo. Sua cabeça foi para trás e Jessie chutou no estômago. A mulher dos Skulls podia ser construída dura como uma árvore de carvalho, mas caiu dura, também, batendo no chão e levantando uma nuvem de poeira ao seu redor. Quase demasiado fácil. ‚Acho que havia uma razão para a sua confiança,‛ Crush disse, rindo e balançando a cabeça. ‚Vai sentar-se.‛ Ela sorriu e não conseguiu deixar de passear de volta para o fardo de feno, com o olhar focado em Diaz e Spencer. ‚Caralho, você detonou, Jessie,‛ Spencer disse, batendo-a na sua bunda enquanto ela sentava. ‚Obrigado.‛ Ela esperou. Virou-se para Diaz. ‚Você fez bem,‛ disse Diaz com um aceno de cabeça. O resto das mulheres não demorou tanto. Cerca de metade dos iniciados venceram suas lutas. Os outros foram escoltados para fora das instalações depois de suas extremidades serem profundamente chutadas pelas mulheres dos Skulls. A luta havia terminado. ‚Aqueles que permaneceram, fizeram um bom trabalho,‛ Crush disse. ‚Precisamos de bons lutadores em nosso grupo. Vocês passaram no primeiro teste. Vocês tem coragem. Peguem algo para beber e nós vamos para a segunda parte em poucos minutos.‛ 149


Spencer pegou várias cervejas, jogando uma para Diaz e outra para Jessie. Ela abriu a lata e tomou um longo gole indutor de coragem voando. ‚Tem certeza de que pode lidar com isso?‛ Diaz perguntou. Ela encolheu os ombros. ‚Claro.‛ ‚Você não parece convincente.‛ ‚Nunca fiz isso antes. Acho que vamos ver, não é mesmo?‛ Ele franziu a testa. ‚Eu ainda não gosto.‛ ‚Não é para você gostar ou não gostar. Estamos aqui por uma razão.‛ Ela não queria pensar além, agora, neste momento. O que aconteceria mais tarde iria acontecer. Ela estava indo para deixá-lo acontecer. Alguém ligou a música, jogou mais lenha na fogueira. Chamas lamberam maiores no ar, transformando o círculo em uma verdadeira sauna. Crush retornou ao centro, uma garrafa de uísque na mão. Ele tirou a parte superior, tomou um longo gole, depois limpou a boca com as costas da mão. Duas das mulheres chegaram ao lado dele, uma morena pequena com os cabelos em tranças, a outra uma loira alta, cabelos soltos e descendo até a cintura. A morena agarrou a garrafa de sua mão, tomou um gole, e entregou-o à loira, que tomou um gole. Crush abraçou ambas as mulheres. ‚Devil’s Skulls são um grupo unido,‛ disse ele. ‚Nós dividimos tudo. Vivemos juntos, lutamos juntos, amamos juntos. Não há segredos. Se você não pode descobrir tudo neste grupo, então você não pertence aqui. Esperamos que os nossos iniciados provem isso. Escolha um parceiro, ou dois, ou três, e mostre que você deseja estar conosco.‛ Ele se virou para a morena e beijou-a. A respiração de Jessie pegou a selvageria do beijo, o modo como sua língua se enroscou com a dela. Então ele se afastou da morena e virouse para a loira, tendo a sua boca com igual paixão. O pulso de Jessie começou a correr, enquanto observava as mulheres moverem suas mãos sobre o corpo de Crush. Ele parecia alheio aos olhares de todos sobre ele, quando as mulheres seguraram sua virilha, seu pau agora sendo espalmado rígido através de seus couros.

150


Hipnotizada Jessie não conseguia se mover. Mas outros o fizeram. Todos os casais em torno do círculo começaram a tocar uns nos outros. E aqueles que ainda não estavam atrelados começaram a encontrar alguém. As mulheres caminharam até os homens — sequer os conheciam? Será que isso importava? Homens se aproximaram das mulheres, oferecendo sorrisos e sabiam que as acolheria de braços abertos. Alguns não eram sequer iniciados, mas já estabelecidos como membros do grupo, aparentemente, decidindo participar da atmosfera de festa hoje à noite. Uau. Um círculo de prazer hedonista. E ela tinha um assento na primeira fila, um paraíso voyeur. Entre a fogueira e seu corpo esquentando a partir da atividade em torno dela, ela estava pronta para despir as suas peles e deitar nua sobre os fardos de feno, tocando sua boceta e gozando, enquanto observava a ação. Até que um conjunto de braços fortes deslizou em volta dela, deslizando-a fora dos fardos de feno e sacudiu-a a seus pés. ‚Nós não estamos aqui para olhar, querida. Nós somos participantes disto.‛ Um choque de desejo disparou um raio de calor, abaixo, no agrupamento entre suas pernas quando Diaz tirou sua jaqueta fora e se abaixou para beijar a nuca. Ela estremeceu, mas não estava com frio. Todas as dúvidas sobre o que estaria acontecendo hoje à noite fugiram. Excitação havia tomado seu lugar. Ninguém estava focado apenas nela — pelo menos não no momento — havia muita atividade acontecendo no caminho ao seu redor, muito para olhar para se concentrar em apenas uma pessoa. Olhares vagando pela área, assim como ela fez. Mesmo Spencer tinha encontrado Stephanie, puxou-a em seus braços para um beijo profundo. Ela nunca tinha visto Spencer... Íntimo, antes. Ao vê-lo beijar a mulher, tocá-la — foi chocante, mas emocionante. Iria ser um monte de coisas esta noite que ela nunca tinha visto antes. Diaz virou para encará-la, as mãos em seus ombros, depois nas costas, esfregando a pele através da camisa fina que ela usava. ‚Isso é apenas sobre nós dois. Não preste atenção a qualquer outra pessoa, a qualquer outra coisa acontecendo ao nosso redor. Vou manter você segura e tão escondida quanto eu puder.‛ 151


Ele não tinha ideia, não é? Ela espalmou seu peito, amando a sensação de rocha sólida dele contra suas mãos. ‚Eu quero assistir.‛ Uma sobrancelha escura arqueou, então, seus l{bios curvaram. ‚Você é uma garota safada, você sabe disso?‛ Ela sorriu. ‚Sim.‛ Ele girou em torno dela e puxou-a de volta contra o seu peito, alisando com as mãos ao longo do lado de suas costelas. Ele se inclinou para sussurrar contra seu ouvido, ‚eu gosto de assistir também.‛ Sua respiração quente acariciou-lhe o pescoço, ao mesmo tempo suas mãos varreram para debaixo dos seios, fazendo com que seus mamilos endurecidos pressionassem contra sua camisa. Poderiam ver os outros? Quem estava olhando para ela? Ela procurou na multidão, o seu olhar capturando de Spencer, que estava atrás de Stephanie em uma posição semelhante à deles. Spencer tinha levantado a camisa de Stephanie, tirou o sutiã e agarrando os seios de Stephanie em suas mãos. Mas Spencer estava assistindo Jessie, e nem um pouco de uma forma fraternal. Então, novamente, nenhum dos Motoqueiros Selvagens eram seus irmãos — nunca tinham sido. Mantiveram-se dizendo que ela era como uma irmã para eles, mas ela sempre achava que era besteira. Foi para ela. Eles eram homens. Ela era uma mulher. Isso nunca tinha se tornado mais evidente do que nesta missão. Entre o que viu e o que sentiu, ela foi esmagada — no bom sentido. Ela tinha se preocupado com este momento? Ela não deveria ter. Estava quente como o inferno. Seu olhar passou rapidamente para Crush. As duas mulheres estavam de joelhos agora, tirando as calças e alcançando dentro e retirando seu pênis. Enquanto ela o observava, Diaz estava atrás dela, seu pau duro pressionado contra ela. Ele balançou, insistentemente, certificando-se que ela compreendeu claramente que estava aqui com ele. Como se houvesse qualquer dúvida. Ela alcançou por trás dela e colocou a palma da mão sobre sua ereção. Ele assobiou. ‚Você sabe o quanto quero te foder?‛ 152


‚O que você est{ esperando?‛ Ela perguntou, empurrando de volta contra o seu pau duro. Sua calcinha estava úmida, agarrando-se na boceta dela. Ela já podia imaginá-lo batendo nela enquanto observavam outros casais ir para lá. Alguns deles já estavam sem roupa, outros estavam a meio caminho andado. Gemidos e soluços, um sopro pouco ininteligível podia ser ouvido acima das crepitações e estalos da fogueira. Isso era muito mais do que os filmes que ela costumava assistir. Era sexo, íntimo e pessoal realmente acontecendo na frente dela. Não era encenação, não era falso, era pessoas reais fazendo sexo real. Sem estrelas graciosas em posições estranhas mostrando partes do corpo para o melhor ângulo da câmera. Eram pessoas altas, pessoas pequenas, alguns mais velhos, alguns mais jovens, alguns casais eram lindos, e alguns eram feios. Alguns corpos assassinos, outros não. Não importava. Cada pedaço dela estava excitado. Ela estava assistindo as outras pessoas tendo sexo e fazia sua boceta molhada. Uma mulher, completamente nua, caiu sobre um fardo de feno em frente dela. O cara com ela se atrapalhou com um preservativo, em seguida, mergulhou seu pau notável entre os lábios da boceta. A mulher gritou, levantou os quadris enquanto o homem bombeava para dentro dela e enterrou a cabeça entre seus seios. Jessie estremeceu, a tentação de estender a mão e tocá-los, como se ela não conseguisse acreditar que isto era real. Havia muito para ver. Ela não sabia para onde olhar a seguir, mas não podia esperar para virar a cabeça, com medo que ela perdesse algo emocionante. Ela ouviu a risada escura de Diaz atrás dela. Ele pegou seus seios, seus polegares escovando em seus mamilos, fazendo seus joelhos fracos. ‚Acho que você est{ me ignorando em favor de observar.‛ Ela deitou a cabeça contra o peito, respiração ofegante de emoção. ‚Nunca poderia ignorá-lo. Você tem um pau grande. Agora me foda com ele.‛ ‚Eu amo uma mulher que sabe o que quer.‛ Ele puxou o botão da calça aberto, puxou para baixo o zíper, deslizou a mão dentro de seu sexo em xícara. Ela respirou profundamente enquanto ele acariciava, desejou que suas calças estivessem fora para que pudesse ter livre 153


circulação para brincar com seu clitóris e boceta. Por que não estava a despindo? Outras pessoas estavam nuas, algumas mulheres de braços abertos desfrutando do sexo oral. Seu clitóris vibrou enquanto via, sua boceta derramando mais umidade para os dedos que buscavam Diaz. ‚Me foda,‛ ela exigiu. Ele manobrou os dedos ao longo de sua vulva, em seguida, dirigiu dois dentro dela. Ela acalmou, estremecendo, agarrando seu braço, enquanto ele a fodia com o dedo duro, movimentos curtos. ‚Assim?‛ Perguntou ele. ‚Sim.‛ Ela apertou sua mandíbula, mal podia forçar a palavra para fora. Seu olhar derivou para Crush, suas calças em torno de seus tornozelos enquanto as duas mulheres se revezavam devorando seu pênis com a boca, seus lábios e línguas lambendo de cada lado do seu eixo inchado, em seguida, tendo a sua cabeça irritada, roxa entre seus lábios. Elas seguraram suas bolas, então lamberam e chuparam em sua boca enquanto a outra engolia seu pau. Ele segurou o cabelo da loira quando ela o levou ao poço profundo em sua boca. Então ele olhou para Jessie e sorriu para ela, balançou a cabeça, enquanto Diaz continuou a bombear furiosamente os dedos dentro dela. Mas ela precisava de mais. ‚Diaz, por favor.‛ Ela levantou contra a sua mão, segurando seu pulso para enfi{-lo mais dentro de suas calças. Mas ele agarrou seu pulso, levantou as mãos para fora da calça. Ela poderia ter gritado. Até que ele começou a puxar a calça jeans, atraindo-as sobre sua bunda. Ela sentiu o ar fresco em sua boceta. ‚Dobre para frente.‛ Ele empurrou-a mais para que ela espalmasse uma pilha de feno, metade curvada, a calça jeans para baixo em torno de seus joelhos. Ela ouviu a fivela de seu cinto, seu zíper, o rasgar de um pacote de papel alumínio. Depressa. 154


E então ele estava sondando, a cabeça de seu pau separando os lábios da boceta para mergulhar dentro dela com um empurrão violento. Sua boceta apertada em torno dele em bem-vinda, o seu rápido orgasmo se aproximando. ‚Oh. Oh, Deus, Diaz.‛ Ele não falou, apenas meio puxou antes de duramente penetrá-la novamente. Ele estava assistindo o sexo se passando à sua volta? Ele viu as coxas difundidas Spencer fodendo Stephanie enquanto ela estava contra uma das construções? Ele viu Crush sendo sugado por essas duas mulheres lindas, ou quaisquer das outras pessoas transando em torno deles? Ou ele estava concentrado em sua bunda, na visão de seu pau desaparecendo entre os lábios da boceta? Sua resposta veio quando ele se inclinou e chegou entre as pernas, encontrando seu clitóris e esfregando-o com movimentos deliberados. ‚Eu quero que você venha no meu pau, Jessie. Assista todas essas pessoas fodendo e goze para mim.‛ Não conseguia se concentrar agora ela estava tão perdida nas sensações do seu pênis, os dedos, a magia que criou. Ela gemeu, gritou, quando ele atingiu aquele ponto e se perdeu completamente quando o seu clímax gritou por ela. ‚Sim! Foda-me, mais duro, eu estou chegando!‛ Sua boceta segurou seu pau e ondas de êxtase tomaram conta dela. Ela agarrou o fardo de feno e empinou de volta contra Diaz. Ouviu o seu gutural gemido quanto ele veio, seu corpo pressionado firmemente contra ela em tremores poderosos que quase igualaram os que ela tinha experimentado. Ela segurou firme nos fardos de feno quando ele ainda fodia fora suas pernas até que finalmente passou tudo o que tinha e diminuiu seus movimentos, as suas pernas nuas pressionadas contra a dela. Ele beijou o pescoço dela, acariciou seus seios, em seguida, retirou-se, levantando-a e puxando suas roupas no lugar antes que tivesse fixado a sua própria. Depois que ele tinha tomado conta de si mesmo, puxou-a para encará-lo, prendendo o olhar com o dela. Ele a beijou, um beijo profundo, mas suave e macio 155


que a deixou com mais perguntas do que respostas. Quando ele puxou para trás, seu olhar estava escuro, mas quente. ‚Você tem um olho roxo,‛ disse ela, traçando os hematomas no rosto, os cortes que precisavam de cuidado. Ele puxou a mão dela, beijou a palma da mão. ‚Eu estou bem.‛ ‚Você sempre est{,‛ disse ela, sorrindo para ele. Ele se sentou em um dos fardos de feno e puxou-a contra o peito. ‚Desfrutou disso?‛ Ela estremeceu com a memória da maneira como ele a amou. ‚Sim. Muito.‛ ‚Nunca imaginei você um voyeur ou exibicionista Jessie.‛ ‚Nem eu. H{ muita coisa sobre mim que eu mesma não explorei ainda. Não vai ser divertido me entender?‛ Ele riu e beijou-a. ‚Não tenho certeza que qualquer um poderia entender você.‛ Ele virou-se e passou os braços em torno dela. Ela poderia ser mais feliz? Certo, este tinha sido para o show. Eles tiveram que fazê-lo. Ainda assim, Diaz tinha a protegido, havia minimizado sua exposição a todos os outros enquanto ainda permitiu-lhe desfrutar plenamente da experiência. Ele nunca deixava de surpreendê-la. Eventualmente, o jogo sexual começou a morrer para baixo. Todo mundo estava terminado, limpo e Crush tinha conseguido colocar-se pronto novamente. ‚Ok, todos,‛ Crush disse. ‚Preciso dos iniciados para vir até aqui.‛ Jessie, Spencer e Diaz se alinharam com o restante iniciados. Eles perderam cerca de metade deles durante a parte da luta da noite. Crush chegou em uma caixa que Rex lhe entregou. ‚Estas são as insígnias que indicam que pertencem aos Devil’s Skulls.‛ Crush entregou uma a cada um deles. ‚Bem-vindo à gangue.‛ Jessie sorriu quanto Crush deu-lhe a insígnia. Ela colocou-o no bolso. ‚H{ também camisetas em outras caixas. Vão encontrar uma no seu tamanho. Amanhã de manhã, estamos andando para o leste para passar alguns dias acampando no rio Buffalo. Se 156


vocês quiserem vir, me avise. Se não, deixe suas informações de contato com Stephanie e vamos estar em contato sobre o passeio seguinte. Vocês fizeram bem esta noite. Estamos orgulhosos de tê-los como parte da gangue.‛ A multidão começou a dispersar. Diaz disse a Crush que eles subiriam ao rio com o grupo amanhã. Pegaram camisas e então se dirigiram em suas motos de volta para o hotel. Eles tinham muito trabalho para fazer. Eles precisavam descobrir a próxima parte de seu plano. Eles haviam passado no teste e agora estavam nos Devil’s Skulls. Jessie tinha um sentimento que a ação real estava prestes a começar.

157


Capítulo Doze DIAZ DEU O RELATÓRIO COMPLETO PARA Grange uma vez que eles voltaram para seus quartos. Ok, não o relatório completo, ele deixou as partes sexuais para fora. Havia algumas coisas que Grange não precisava saber. Ele e Jessie terem repetido o sexo quente era um desses. Grange também os informou a partir das informações por satélite sobre o acampamento que haviam descoberto. Ele definitivamente parecia ser um acampamento. Satélite infravermelho contou cerca de vinte pessoas. Talvez sobrevivencialistas, talvez não, mas Grange não sentiu que o grupo era grande o suficiente para ser o que eles estavam caçando. Então, eles estavam de volta à estaca zero. Pelo menos eles estavam agora com os Skulls e decolando com eles amanhã para o rio, uma área profunda no país de sobrevivência. Eles deveriam fazer algum progresso sério e logo. O que significava que Diaz tinha que se tornar o melhor amigo de Crush. ‚Portanto, estamos dentro. Agora o quê?‛ Spencer perguntou, sentado no parapeito da janela do quarto de Diaz e Jessie. ‚Agora vamos nos integrar, ficar tão perto dos membros quanto pudermos e esperamos descobrir alguma coisa. Mantenha seus olhos e ouvidos abertos.‛ ‚Stephanie conhece todo mundo,‛ disse Spencer. ‚Vou ter certeza que ela me leva em volta e me apresenta. Vou chegar perto.‛ Diaz concordou. ‚Jessie j{ est{ próxima com Crush. Preciso estar mais próximo, lev{-lo a começar a confiar em mim. A melhor maneira de entrar nos segredos deste grupo é fazer frente ao centro de sua organização.‛ ‚Isso não vai acontecer da noite para o dia,‛ disse Jessie, tirando as botas e puxando as pernas sobre a cama. Ela deslizou para trás e afofou os travesseiros para encostar na cabeceira da cama. 158


‚Não, não vai. Mas quanto mais ele confia em nós, mais vai dar-nos o caminho da informação. Ele j{ conhecia você de antes,‛ disse Diaz, balançando a cabeça para Jess. ‚E nós três não hesitamos quando veio a briga do bar. Além disso, esta noite, estávamos todos dentro. Cada passo que damos enraízam-nos ainda mais em seu núcleo. Já posso dizer que Crush confia em nós a cada dia mais.‛ ‚E se h{ atrito entre ele e Rex, significa que Crush est{ | procura de aliados,‛ Spencer lembrou. Diaz concordou. ‚Exatamente. O que significa que precisamos estar l{ para ele. Ele precisa de pessoas que ele pode confiar.‛ ‚Ele me disse uma vez que não est{ próximo a um monte de gente,‛ disse Jessie. ‚E isso pode trabalhar a nosso favor.‛ Passaram o tempo sobre as coisas que seguiram o seu caminho. Diaz necessitava de alguma ação, necessitava que este caso seguisse em frente. ‚Vou dirigir para fora,‛ Spencer disse, empurrando o parapeito da janela. ‚Estou quebrado.‛ ‚Vejo você na parte da manhã,‛ disse Diaz, fechando e trancando a porta atrás de Spencer. Era já três horas da manhã. Eles não estavam indo para obter uma grande quantidade de sono. Quando ele voltou para o quarto, Jessie estava bocejando. Ainda assim, seu pênis se contorceu para a vida. Bastava vê-la descansando na cama, ficar sozinho com ela, tinha o desejo de estar dentro dela. Não havia tido o suficiente? Quando iria ficar satisfeito? Nunca. Seus lábios levantaram naquele sorriso torto quando ele se aproximou da cama. ‚Eu preciso de um banho,‛ disse ele. ‚Eu tenho sujeira de luta em mim.‛ ‚Você est{ sangrando, também. Você provavelmente precisar{ de alguns gentis cuidados de enfermagem.‛ Ele soltou uma risada curta. ‚É mesmo?‛ Ela deslizou para fora da cama e levantou a camiseta sobre a cabeça. ‚É isso mesmo.‛ 159


Ele entrou no banheiro, Jessie em seus calcanhares. Quando ele acendeu a luz, ela tirou as calças. ‚Suponho que você vai cuidar de mim para eu recuperar a saúde?‛ ‚Algo assim,‛ disse ela, chutando os jeans fora quando ele virou o chuveiro. Ele entrou no chuveiro primeiro, segurando a sua mão e ajudou-a entrar antes de fechar a porta e deixar o vapor envolvê-los. Sentiu-se muito bem. Água quente e Jessie. Puxou-a para ele e seus seios fartos encontraram seu peito. Apoiou-a sob o jato de água e ela levantou as mãos para alisar o cabelo para trás. ‚Deus, eu preciso disso.‛ Seu pau aumentou quando a viu, seus mamilos apontando para cima, endurecendo sob a água que caía. Ela manteve os olhos fechados, lavando e enxaguando o cabelo, em seguida, dirigiu-o para se molhar. Ele fez, e ela derramou shampoo em sua mão e esfregou o cabelo dele, usando a ponta dos dedos para massagear o couro cabeludo. Ele teve de curvar-se para que ela pudesse chegar a sua cabeça, é claro, mas ainda assim, sentiu muito bom ter as mãos sobre ele, mesmo que fosse apenas o seu cabelo. Lavou e pegou o sabonete, ensaboando as mãos. ‚Vire-se.‛ Ela lhe deu as costas e ele ensaboou-a, detendo-se sobre a pele lisa das omoplatas, arrastando as bolhas de sabão em seu caminho para o sul. Ele molhou o dedo na fenda da bunda dela e ela estremeceu, virou a cabeça, e deu-lhe um olhar que fez as suas bolas doerem. Oh, Sim. Ele deslizou um braço ao redor de sua cintura e puxou-a contra ele, amando a sensação do sabão escorregadio em seus corpos deslizando juntos. Ele balançou contra ela, seu pau deslizando entre as pernas. ‚Eu preciso te foder,‛ disse ele, deixando seu eixo cair para frente e para tr{s nos l{bios da boceta. 160


Ela inclinou-se a partir da cintura, dando-lhe a mesma visão que ele teve mais cedo esta noite. Só que desta vez, ela estava molhada, lisa, as pernas mais amplas. ‚Faça isso,‛ disse ela, chegando por tr{s ele agarrou o seu eixo na mão. Fez uma pausa, em seguida, dirigiu contra ela, a água e seu controle apertado lembrando-o de sua boceta. Ele poderia deixá-la fazer isso a noite toda. Mas ele queria mais, queria sentir o aperto de sua boceta, ouvir os sons que ela fazia enquanto a fodia. Ele abriu a porta do chuveiro por tempo suficiente para pegar uma camisinha. Ele não achava que nunca colocou uma com tanta pressa. Ele se sentia como uma criança tendo sua primeira relação sexual, desesperado, necessidade-de-estar-dentro-desta-mulher senso de urgência que sempre sentia quando ele estava perto dela. Ele não se lembrava de alguma vez se sentir assim sobre outra mulher. Então, novamente, não que ele já não soubesse que Jessie era algo especial? Ele dobrou as pernas abertas novamente, em seguida, moveu-se entre elas, usando a palma da mão para empurrá-la para frente, a bunda dela se levantou no ar. Ele levou um momento dando um passo para trás para admirar a vista de sua bunda, para afastar as nádegas bonitas e deslizar o dedo sobre o furo enrugado. Ela estremeceu, mas não se afastou. Ele gostava disso. Usando seus dedos, cobriu com os sucos de sua boceta, espalhou para além dela e espetou-a com seu pau. Seu suspiro de prazer era a sua música favorita e ele recuou e deu-lhe mais, querendo ouvir os sons que ela fazia quando realmente gostava. Ele se certificou que tinha ouvido, alcançando em torno de brincar com seu clitóris, para tocar o piercing até que ela gritou. Ela apertou, puxando contra ele enquanto levantava-se dentro e fora do seu pau. Ele agarrou os quadris e começou a bombear dentro dela com cursos longos, medidos. Jessie deslizou uma mão entre suas pernas e começou a brincar com seu clitóris. ‚É isso aí, bebê,‛ disse ele, empurrando profundo. ‚Toque-se. Sinta-se vir.‛

161


Seu creme era mais quente que a água do chuveiro, derramando sobre suas bolas. Com cada golpe ela agarrava-lhe com mais força, fazendo mais atrito, aproximando ele de vir. Ele espalhou as bochechas da bunda dela separadas, usando o dedo para provocar lá. ‚Oh, Deus, Diaz!‛ ‚Você gosta?‛ ‚Sim. Sim!‛ Ele deslizou a ponta do seu dedo dentro de seu ânus, sentindo os músculos lá resistirem, em seguida, dar quando empurrou um pouco mais. ‚Você vai me fazer vir.‛ ‚Essa é a ideia.‛ Ele continuou a provocá-la na bunda dando seus longos cursos com o seu eixo. Jessie esfregou seu clitóris com movimentos frenéticos e ele usou suas respostas para entrar em sintonia com o prazer dela. Ele empurrou mais profundo, mais rápido, tanto com o pau dele como com seu dedo, até que ela acalmou, estremeceu e deixou ir, suas paredes convulsionando em torno de seu pau, seu buraco segurando seu dedo. Isso era tudo que ele poderia tomar. Seu orgasmo rasgou através de sua coluna, empurrando-o de pé e forçando-o a segurar a parte superior da porta do chuveiro para apoio quando ele foi atingido por descargas atmosféricas de prazer — a boceta dela apertando-o com pulsos incansáveis, puxando tudo o que tinha até que houvesse nada para dar. Ele retirou-se, ensaboou e enxaguou os dois, em seguida, desligou o chuveiro, entregando-lhe uma toalha quando ela saiu. ‚Tem que ser quase de madrugada,‛ disse ela, quando pendurou a toalha para cima. Ela parecia exausta. Sombras tênues estavam começando a aparecer sob os olhos. Ele pegou-a em seus braços. ‚O que você est{ fazendo?‛ Perguntou ela. ‚Colocando-nos na cama.‛ ‚Eu posso andar do banheiro para a cama.‛ ‚Isto é mais divertido.‛ 162


Ela riu e enlaçou os braços em volta de seu pescoço. ‚Então seja meu convidado.‛ Deitou-se na cama, apagou as luzes, então deslizou ao lado dela, puxando-a ao lado dele. Ela suspirou e se aconchegou mais perto, balançando sua bunda contra sua virilha. ‚Mantenha isso e nunca vamos conseguir o sono.‛ ‚Dormir é superestimado,‛ disse ela com um grande bocejo. Dentro de alguns minutos, ela estava dormindo. E ele estava realmente malditamente contente em tê-la em seus braços. Havia um milhão de razões por que isso era uma coisa ruim, mas ele estava muito cansado para pensar sobre elas. Tudo o que importava era ter Jess em seus braços e precisando de pelo menos um sono de algumas horas. Ele poderia ficar incomodado amanhã.

FELIZMENTE, CRUSH NÃO QUERIA DECOLAR antes do meio-dia. Jessie sentiu como se houvesse pesos de chumbo urgentes em seus olhos. Pesos de chumbo revestidos com areia. Eles tinham conseguido algumas horas de sono antes de ter que se levantar, comer, sair e encontrar Spencer, então colocar a cabeça para atender Crush e os outros. Ela ansiava por uma soneca como ninguém. Apostava que ia ser um dia muito longo. Uma vez que eles se encontraram com os Skulls, Crush informou que eles estavam indo para andar para leste na direção do Rio Buffalo, em seguida, ficariam em um alojamento por alguns dias e andariam pelas trilhas. Jessie amava um passeio áspero — normalmente. Mas agora ela poderia usar um dia em seu quarto com as cobertas sobre a cabeça. Os últimos dias tinham sido monumentais, para dizer o mínimo. Ela precisava de algum tempo para absorver tudo isso. Infelizmente não houve tempo para pensar sobre ela e Diaz, sobre sexo, sobre qualquer coisa, além da missão.

163


Eles estavam muito ocupados. Ela estava muito impressionada com a gangue de Crush. Pensou que eram apenas motociclistas, mas não eram. Quando eles se encontraram na periferia da cidade, havia as motos típicas, mas também alguns trailer e caminhões de reboque fechados, também. ‚Parece que os Skulls têm uma comitiva,‛ disse Jessie para Crush. Crush encolheu os ombros. ‚Alguns de nosso pessoal gostam de viajar com conforto, alguns não se importam com hotéis para que usem os parques de campismo. Então nós temos alguns caras que vêm de longe o suficiente para que tragam reboquem e conduzam suas motos dentro. Além disso, nós embalamos ferramentas, peças e equipamentos nos caminhões e reboques.‛ ‚Mas você não,‛ disse Diaz. Crush afagou seus alforjes laterais. ‚Tudo que preciso est{ na minha moto.‛ Após Crush decolar para chefiar a comitiva, Diaz trocou olhares com Spencer e Jessie. ‚Eu não sabia sobre os trailer e reboques.‛ ‚Você acha que eles poderiam ter armas na habitação?‛ Spencer perguntou. ‚É uma possibilidade. Gostaria de entrar e ver.‛ ‚Nós vamos ter que descobrir quem est{ dirigindo‛ disse Jessie. ‚Talvez a gente tenha a chance de esgueirar-se, ou se somos amigos o suficiente, receber um convite para os trailers.‛ ‚Não preciso de um convite.‛ Spencer olhou para Diaz e ergueu as sobrancelhas, o seu significado sendo claro. Eles eram, afinal, os ladrões. ‚Malditamente correto. É tudo uma questão de oportunidade. Teremos de manter estreita a vigil}ncia sobre os trailer e reboques, ver aonde eles vão.‛ Jessie assentiu. ‚Se estamos todos indo para o mesmo lugar, deve ser f{cil o suficiente.‛ ‚Vamos esperar que seja o caso,‛ disse Diaz. Crush ligou a sua moto, sinalizando a todos que era hora de ir. Os motociclistas abriram o caminho, os trailers e caminhões indo à traseira.

164


Eles viajaram por várias horas e por um tempo Jessie esqueceu tudo sobre a missão, porque o dia estava lindo — um toque de ar fresco caindo cortante, o vento girando em torno deles quanto tomaram as estreitas curvas, duas faixas de estradas a leste. Em uma parada Crush explicou que os trailers e caminhões teriam que tomar a estrada porque os ziguezagues estreitos e o íngreme das colinas eram muito difíceis para eles passarem. Em outras palavras — apenas motos. Os outros os encontrariam no rio, em poucas horas. O passeio foi uma explosão absoluta. Mais de cinquenta motociclistas se alinharam em manobras em uma única fila em um inferno de uma estrada divertida — e a vista era incrível. Quanto maior a elevação tornava-se, mais perto chegavam da floresta e do rio, mais densa as árvores tornaram-se. Até os cheiros tornaram-se mais proeminente. Cheiro de terra, mais amadeirado e primitivo — mais limpo. Jessie podia sentir-se cada vez mais próxima à natureza aqui. Talvez fosse o silêncio total, apesar do barulho de todos os motores de moto, ela ainda se sentia em paz aqui. E não havia casas, sem empresas, apenas céu, árvores e pássaros que voavam junto com eles enquanto subiam pelas colinas. Diaz lhe dissera isso, os sobrevivencialistas extremos gostavam daqui de cima. Eles queriam isolar-se da interferência do governo, de qualquer um que não atendesse suas normas religiosas, políticas e raciais. Ela discordava de tudo que estes tipos de grupos radicais defendiam. Anarquia. Violência. A supremacia branca. Nenhum dos que concordavam com seu sistema de crenças. Armazenar armas ilegais para os seus planos iludidos era uma perspectiva assustadora. Com alguma sorte, ela, Diaz, e Spencer seriam capazes de detê-los. Queria proteger as pessoas inocentes e evitar o derramamento de sangue desnecessário. Eles finalmente saíram da estrada principal e seguiram para o sul, entrando em uma pequena cidade. Não tinha muito, apenas uma pequena mercearia independente e algumas outras lojas que pareciam servir para campistas sazonais. Eles pararam para um rápido reabastecimento, depois seguiram Crush para os acampamentos. As estradas estavam bem pavimentadas, o que ajudou muito. Manobrar uma moto em uma estrada de cascalho podia ser traiçoeiro. Crush saiu para o que parecia um resort 165


rural, com um alojamento principal que tinha um restaurante conectado a diversas cabanas para grupo e individuais. Eles pararam na pousada para se registrar e obtiveram as chaves para as cabanas. Diaz optou por uma das cabanas distantes para os dois. ‚Isso vai nos dar alguma privacidade, permite-nos sair de fininho, se precisarmos e manter um olho sobre os outros,‛ disse ele a ela. Ela assentiu com a cabeça. Spencer foi para o beliche do alojamento principal com Stephanie, porque é onde ficariam Crush, bem como Rex e alguns dos outros Skulls ficariam. Deste modo, tinham a frente e traseira do grupo abrangida. Era perfeito. Rural não começava a descrever o lugar. Afastado uma milha ou menos da estrada, estava situado entre as grossas, árvores altas, em uma colina com vista para quilômetros de vale verde e rio fluindo. Era de tirar o fôlego. A cabana que ela e Diaz iriam ficar era bonito. Um quarto simples contendo uma cama, que tinha piso de madeira e paredes de pinus, uma mesa de cavalete e cozinha pequena e até mesmo um sofá esfarrapado. Sem televisão. Jessie supôs que o entretenimento estava fora, não dentro. É por isso que o quarto tinha todas aquelas janelas, com pequenas maçãs e pêras decorando as cortinas. Muito aconchegante e adorável. ‚Ótimo, não é?‛ Jessie perguntou a Diaz quando ele jogou suas malas sobre a cama. Moveu atrás dela, enquanto ela ficava na frente da paisagem da janela. A vista era da encosta que descia até ao rio. ‚Vai funcionar. Ninguém pode sair neste caminho. A inclinação é muito íngreme. Não é possível o transporte de armas nesse sentido. Não há nada por esse caminho, além do rio. Não haveria maneira de criar um acampamento ou mesmo um ponto de encontro.‛ ‚Eu quis dizer a vista.‛ ‚Sim. É legal.‛ Ele se afastou dela e abriu a sua mala para desembalar. Jessie balançou a cabeça, ao perceber que a beleza da paisagem se perdeu nele. Era evidente que ele estava singularmente focado na missão agora. Com um suspiro, ela desembalou, também, enquanto Diaz estava no telefone com Grange, ela vagou em torno da 166


cozinha, imaginando que este era o seu lugar e de Diaz. Um apartamento, talvez, uma vez que estariam em muito movimento. Eles não precisariam de muito espaço. Um par de quartos — um poderia ser usado como um escritório. Talvez eles teriam um gato. Será que Diaz gostava de gatos? Eles precisavam de uma cama king-size, porque ele era tão grande. Ela iria gostar de rolar em uma cama enorme com ele. Caiu para frente sobre a cama e viu quando ele passeou pelos limites do seu pequeno domínio, pensando que gostaria de compartilhar um lugar com ele. Ela poderia cozinhar, eles assistiriam esportes juntos — ambos gostavam de futebol e automobilismo. Eles realmente tinham muito em comum. Será que ele já tinha um lugar próprio? Ela nunca tinha perguntado isso a ele. Ela morava na sede dos Motoqueiros Selvagens, mas ele só vinha quando havia uma atribuição ou se queria usar o ginásio. Embora ultimamente ele tinha estado lá um monte, permanecendo por semanas a cada vez. Todos os rapazes eram bem-vindos para viver lá — Grange não se importava. Estava lá para os caras. Ele desligou o telefone. ‚Ok, informe dado a Grange.‛ ‚Onde você mora?‛ Perguntou ela. Ele inclinou a cabeça e franziu a testa. ‚Huh?‛ ‚Quando você não est{ na sede. Onde você mora?‛ ‚Oh.‛ Ele encolheu os ombros. ‚Neste momento, nenhum lugar. Eu morava com AJ por um tempo, mas seu contrato de arrendamento acabou e ele queria fazer um pouco de viagem, então eu tenho me movimentado e ficado com os amigos ou nos Motoqueiros Selvagens.‛ ‚Eu vejo.‛ Então, talvez ele estava procurando um novo lugar. Sonhos tolos, claro, mas ela podia brincar de casinha, se quisesse. Pelo menos em sua mente. Diaz nunca sequer pensaria sobre isso. Ele já deixou bem claro que não havia futuro para os dois. ‚Por que você pergunta?‛ Ela olhou para a colcha sobre a cama, recolhendo as peças soltas. ‚Nenhuma razão. Só por curiosidade, onde você sai durante seu tempo livre.‛ Quando ela olhou para ele novamente, 167


ele estava olhando para ela com uma expressão curiosa. Provavelmente pensou que ela estava curiosa como o inferno, e estava. Hora para uma mudança de tema. ‚Então e agora?‛ Perguntou ela. Ele olhou para o seu telefone celular. ‚Tempo para encontrar Spencer, encontrar-se com os outros, ter algo para comer, e ver se os trailers e caminhões chegaram. Quero saber onde eles estacionaram, para que possamos estabelecer a sua localização e descobrir uma estratégia para ver o que h{ neles.‛ ‚Okay.‛ Ela virou-se para fora da cama, decidida a manter sua mente na missão. Eles decidiram dar um passeio até a pousada, uma vez que lhes daria a chance de descobrir quem estava situado aonde. Além das cabanas havia também tendas erguidas em uma área desmatada na saída do pavilhão principal à frente. Era uma subida bastante íngreme até o morro, e desde que a sua cabana estava no fundo demorou um pouco para chegar lá. Eles fizeram um passeio lento, parando ao longo do caminho para conversar com outros Skulls. Diaz segurava sua mão ou passava o braço em volta da cintura, enquanto andavam visitando. Poderia ser para mostrar, mas ela continuou e se inclinou para ele, gostando do jeito que ele cheirava e o calor de seu corpo. Com o início do sol se pondo, a estando na maior elevação, acabou ficando mais fresco. De fato, pelo tempo que tinham feito seu caminho para o alojamento, ela estava tremendo. ‚Você est{ com frio?‛ Diaz perguntou quando abriu a porta para ela entrar. Ela esfregou as mãos. ‚Sim. Temperaturas são mais frias por aqui.‛ ‚Acho que vou ter que encontrar uma maneira de mantê-la quente esta noite.‛ Ele mesmo disse isso com uma cara séria. Ela sorriu para ele. ‚Eu acho que você vai.‛ Agora ela tinha algo delicioso a esperar além do jantar. Ela sabia que ele não estava querendo dizer que iria jogar cobertores extras em sua cama. Longas mesas de madeira foram instaladas no salão de jantar. Crush disse que um de seus amigos era dono desta pousada, que foi por isso que a selecionou. Além disso, era distante, dava-lhes muita privacidade e não tinha que cozinhar sobre uma fogueira aberta.

168


‚Com certeza é melhor que feijão/salsichas, não é?‛ Diaz perguntou quanto eles se sentaram à mesa. ‚Ei, eu gosto de lugares desertos, tanto quanto o resto de vocês. Mas John e Beth fazem o melhor maldito bolo de carne que j{ provei,‛ Crush disse. Jessie não podia discutir sobre cozinhar e comer em ambientes fechados, aquecida pelo fogo da lareira de pedra. O lugar era acolhedor, com polidos pisos de madeira escura, janelas do chão ao teto com vista para a paisagem noturna e a lua crescente, e abundância de alimento para todos. Crush estava certo. John, Beth, e seus funcionários eram amigáveis e grandes cozinheiros. A comida estava maravilhosa. Após o jantar, Diaz e Jessie encontraram um minuto a sós com Spencer, que havia sinalizado tão logo ele conseguiu se libertar da pegajosa Stephanie. ‚Alguns dos caras mencionaram que eles estão saindo hoje para um passeio tarde da noite,‛ disse Spencer, mantendo um olho sempre atento para quem poderia estar escutando dentro. ‚Isso soa um pouco suspeito para mim.‛ Diaz arqueou uma sobrancelha. ‚De que maneira?‛ ‚Eles estavam mantendo isso sob a chave, como se eles não quisessem que ninguém soubesse. Aconteceu de eu ouvir.‛ ‚Certo. Quem vai?‛ ‚Rex e meia dúzia de outros.‛ Diaz concordou. ‚Qual é o seu plano?‛ ‚Vou entrar em uma briga com Steph e sair na minha própria moto depois que esses caras saírem. É uma boa desculpa para um passeio solit{rio.‛ ‚E você vai segui-los.‛ Spencer assentiu. ‚Discretamente, mas, sim, esse é meu plano.‛ Diaz concordou. ‚Você tem uma boa razão para suspeitar deles?‛ Spencer deu de ombros. ‚Agora eu suspeito de todo mundo.‛ ‚Concordo. Quer que eu v{ com você?‛ 169


Spencer balançou a cabeça. ‚É melhor eu ir sozinho. Só vai parecer que estou soltando fumaça. Vou fazer a briga com bastante público.‛ ‚Tenha cuidado. Leve o seu telefone e grite se precisar de reforço.‛ Jessie se preocupou com Spencer acompanhar o grupo sozinho. Mas ela tinha que confiar que ele seria capaz de cuidar de si mesmo quando surgisse a necessidade. Eles andaram na pousada um pouco depois de comer. Diaz cutucou Jessie quando Rex e alguns outros escorregaram para fora da porta. Dentro de um minuto ou assim, ela ouviu suas motos rugindo para a vida. Diaz procurou na multidão por Spencer, que já estava trabalhando em Stephanie. Ela tinha a testa franzida, sacudindo a cabeça, e o timbre de sua voz levantava com cada frase. Não demorou muito para que seu argumento atraísse a atenção de todos. ‚Eu não preciso dessa merda. Eu estou saindo.‛ Spencer levantou as mãos no ar com nojo e virou, indo embora. Stephanie pisou perto dele. ‚Onde diabos você pensa que est{ indo?‛ Ele parou, girou e até mesmo Jessie foi pega de surpresa no olhar venenoso em seu rosto. ‚Eu não respondo a você, Stephanie. Ou a qualquer outra pessoa. Preciso andar para limpar a minha cabeça, do modo que acabou de foder.‛ Spencer saiu, a porta batendo atrás dele. Whoa. Essa foi boa. Jessie queria aplaudir o seu desempenho, porque a partir do olhar de choque e fúria extrema em seu rosto, Stephanie estava puta. Ela fungou e girou nos calcanhares, afastando-se. Jessie virou-se para Diaz. ‚Estou preocupada com ele.‛ Diaz segurou seu rosto e inclinou-se para um beijo, surpreendendo-a. ‚Ele vai ficar bem. Spencer sabe como cuidar de si mesmo. Enquanto isso, nós temos o nosso próprio reconhecimento a fazer e a melhor maneira de fazer isso é nos separarmos e começar a fazer perguntas sobre os trailers e caminhões. Vou bater até Crush sobre os trailers — dizer-lhe que você e eu estamos procurando um novo lugar e estamos pensando em comprar um trailer. Talvez ele me apresente aos propriet{rios dos dois que estão estacionados l{ fora.‛ ‚Parece bom. Vou caçar quem possui esses trailers.‛ 170


Eles seguiram caminhos separados para fazer alguma investigação. Jessie se juntou a um grupo de mulheres com alguns drinques em um dos cantos, imaginando que a melhor maneira de obter informações era perguntar às senhoras — geralmente, elas sabiam tudo sobre uma organização como a dos Skulls. Ela estava certa. Dentro de uma hora sabia os nomes dos proprietários dos quatro trailers e de fato estava conversando com as esposas de dois deles. Claro que depois teve de suportar discussões sobre reboque aberto versus fechado antes de as duas mulheres arrastarem seus maridos até encontrar com Jessie. Ela fez-lhes perguntas sobre a propriedade dos trailers, conseguindo apertar para baixo sua excitação gritando quando ambos convidaram Jessie e Diaz para visitar seus reboques hoje à noite. Ela quase pulou para fora da sua pele, seu olhar em busca da sala por sinais de Diaz. Sem tempo como o presente para ter em suas mãos dois dos trailers para uma inspeção de improviso. Mas Diaz não estava à vista. Nem estava Crush. Que foi o que ela disse aos homens, para o que eles e suas mulheres ofereceram a exibição dos trailers a Jessie. Ela concordou e desceu o morro com eles, conversando agradavelmente sobre motociclismo e passeios de estrada e quais caminhões ou SUVs estavam bem equipados para rebocar trailers. Não que o que eles falaram importava. O importante era entrar nos dois trailers, mesmo se fosse para apenas um olhar superficial. Praticamente vazio, exceto pela moto, bagagem e armazenamento de ferramentas. Sua inspeção não mostrou qualquer coisa que parecia poder conter o armazenamento de armas, de modo que ela cruzou os dois trailers fora de sua lista. Missão parcialmente realizada. Dois trailers para baixo, dois para ir. Ela agradeceu aos casais, que se ofereceram para mostrar os trailers a Diaz, sempre que ele quisesse vê-los. Em seguida, ela fez seu caminho de volta para a pousada para encontrar Diaz. Felizmente, ela só teve de caminhar até a metade, porque ele estava em seu caminho em direção à sua cabana. ‚Onde você estava?‛ Perguntou ele. Ela olhou em volta para ver se tinha alguém. Parecia que eles estavam sozinhos, mas ela não ia dar nenhuma chance. Contou que viu os dois trailers, esperando que ele iria jogar junto 171


com o jogo de querer ‚comprar‛. Ele balançou a cabeça enquanto caminhavam de volta para sua cabana. Uma vez lá dentro com a porta fechada, ela lhe disse o que tinha encontrado. ‚Sem fundos falsos ou paredes?‛ Ela balançou a cabeça. ‚Nada que eu pudesse ver. Ambos foram solidamente construídos e não expansíveis. Não parece ter qualquer lugar dentro de um ou outro em que armas poderiam ser escondidas, pelo menos não na quantidade que estamos falando para esta missão.‛ ‚Certo. Assim que esses dois trailers estão fora.‛ ‚E sobre os outros trailer?‛ Ele deslizou fora sua jaqueta e jogou-a em uma cadeira próxima. ‚Eu saí com Crush por um tempo, conversei com ele sobre eles. Ele me levou até um dos caras que é o dono da trailer marrom.‛ Emoção correu através dela. Ela se sentou na cama ao lado dele, tirando o casaco e jogou sobre o dele. ‚Você entrou?‛ Ele balançou a cabeça. ‚Sim. Todo tour, dentro e fora.‛ ‚E?‛ Dando de ombros, disse: ‚Nada que eu pudesse ver, pelo menos na superfície. Não foi como se eu pudesse fazer uma inspeção completa com Crush e Nate lá. Mas nada parecia fora do comum.‛ ‚É uma pena.‛ Isso foi decepcionante. Encontrar um esconderijo de armas iria acabar esta missão com uma nota alta, o que significava que poderia encerrar antes que eles se envolvessem em algo perigoso. Então novamente, talvez não houvesse armas. Conforme ela abriu o zíper de suas botas, seu olhar passou rapidamente para Diaz. ‚Tem certeza de que estamos no caminho certo aqui?‛ Ele franziu a testa. ‚O que você quer dizer?‛ ‚Estamos certos de que os Skulls são os que fornecem armas ilegais para o grupo de sobrevivência?‛ ‚Sim.‛ 172


Sem hesitação. Ok, então. ‚E temos certeza de que eles têm as armas com eles agora?‛ ‚Você quer dizer na pousada aqui? Não. Isso nós não temos certeza. Eles poderiam ter um esconderijo em algum lugar que planejam desenterrar antes de fazer contato. É por isso que era importante para nós entrarmos nesse bando. Agora é o nosso trabalho permanecer firmes com eles e observar todos os seus movimentos.‛ ‚Nós não estamos observando exatamente a partir de aqui, estamos?‛ Perguntou ela. ‚Ainda não. Mas vamos estar.‛ ‚Realmente. E como você vai gerenciar isso?‛ ‚Pegue um cobertor e venha comigo.‛ Este era um trabalho relacionado? Legal. Se for necessário um cobertor, Diaz e ela estava no jogo. Ele a levou pela porta de trás e ao redor do alpendre. Havia uma cadeira de balanço para duas pessoas situadas num local, bem perfeito, no canto do lado da cabana, com uma excelente vista tanto de quem vai ou vem da estrada. Você poderia ver todo o caminho até à pousada, e mais abaixo na estrada após a sua cabana. Uma vez que ninguém podia chegar a lugar nenhum por trás deles, este era o melhor ponto para simplesmente sentar e... Observar. Em outras palavras, a localização de vigilância era excelente. ‚Venha,‛ disse ele, tomando um assento e segurando o cobertor para ela. Agora que estava escuro, estava realmente frio lá fora. Ela agarrou o outro banco e aconchegou-se perto de Diaz. Ele puxou o cobertor grosso sobre os dois, prendendo-o em volta dos ombros. Entre o cobertor e o seu calor do seu corpo, ela estava mais do que confortável. Ninguém estava vagando para baixo por sua cabana, mas havia vários membros da gangue pendurados do lado de fora da pousada no topo da colina. Algumas luzes estavam acesas em algumas das cabanas, outras estavam escuras. Eles balançaram juntos em silêncio por um tempo, os dois vigiando os motociclistas, a estrada, tudo o que parecia suspeito. Jessie colocou a cabeça no ombro de Diaz e ele passou um braço ao redor dela, brincando com seu cabelo. 173


Era confortável, quente e a maneira como ele a tocou a fez se sentir segura. Ela queria que isso durasse para sempre. Por que não podia durar para sempre? Por que as relações tinham que ser tão complicadas? O que exista sobre Diaz que o fazia se conter? ‚Diaz...‛ ‚Shhh. Não fale.‛ Ele se virou, inclinou o queixo para tr{s com os dedos e apertou sua boca na dela. Seus lábios eram macios enquanto ele escovava para trás e para frente e ela perdeu a linha do pensamento, perdeu tudo, apenas o desejo para que este momento a pendurasse suspensa para sempre. O calafrio que sentira antes foi dissolvido em calor líquido, pois ele a reuniu em seus braços, puxando-a em seu colo e deslizando os braços firmemente em torno dela. Ela gemeu, sua boca se abriu e ele deslizou sua língua dentro, reivindicando a posse dela com suaves pinceladas de veludo que a faziam tremer por dentro. Ele puxou o zíper de sua jaqueta, puxou-a para baixo, deslizou a mão dentro em taça em seu peito. Seu coração batia forte contra a sua palma quando ele pressionou suavemente e encaixou, brincou com o mamilo já distendido com o polegar. ‚Eu pensei que nós est{vamos fazendo vigil}ncia.‛ Suas palavras estavam sem fôlego, seus pensamentos dispersos como folhas agitadas pelo vento. ‚Estou observando. Você se concentrar no que estou fazendo.‛ ‚Esse é o meu problema,‛ disse ela, ofegante, quando ele rolou o mamilo entre os dedos. ‚É tudo em que estou focando.‛ ‚Ah, Jess, eu preciso te foder.‛ Suas palavras conjuraram coisas ruins em sua mente. Ela aproximou-se dele, beijou o canto da boca. Ele não sabia que ela lhe daria qualquer coisa, a qualquer hora? ‚Sim.‛ Ele respirou fundo duro, levantou-a no colo e parou. ‚Segure o cobertor na frente de você.‛ Ela ficou entre suas pernas, de costas para ele. Ele procurou em volta e puxou o botão para abrir seus jeans, e em seguida, desceu o zíper para baixo. Suas pernas estavam bambas quando ele puxou as calças para baixo dos quadris, em seguida sobre as coxas, trazendo a 174


calcinha com eles até que repousava em seus joelhos. Umidade derramou entre as pernas, o clitóris tremendo de antecipação. Depressa. Isso era tão pervertido, tão emocionante, bem aqui onde alguém poderia ver. Será que ela se importava? Oh, não inferno. Sentiu-o erguer contra ela, ouviu seu zíper, o rompimento do pacote de preservativo. ‚Venha aqui, bebê.‛ Então, mãos quentes sobre a pele nua de seus quadris, a puxaram para baixo em seu colo. Não era a posição mais fácil, mas ela não se importava. Queria seu pênis dentro dela, sentir a ponta de seu pau contra os lábios de sua boceta. Ele guiou-a porque não conseguia ver, puxando-a para baixo sobre seu pênis, levantando seus quadris para empalá-la. Ela mordeu o lábio para não gritar quando o calor grosso de seu impulso veio dentro dela até que estava sentado em suas coxas, seu pau incorporado dentro dela. Parecia tão bom que ela queria chorar. Pulsava em torno dele e começou a balançar para trás, seu clitóris esfregando as pernas. ‚É isso aí, foda-me assim mesmo,‛ ele sussurrou, envolvendo um braço em torno dela para puxá-la de volta contra ele. A outra mão deslizou sob sua camisa e encontrou seus seios, provocando os mamilos até que ela não conseguia conter os gemidos de prazer que escaparam. ‚Sim. Foda-me, Diaz, me fode.‛ Agora ela não se importava que a ouvissem ou que soubessem o que estavam fazendo. Ela queria apenas o orgasmo que ansiava, o que pairava tão perto quando ele empurrou para cima, depois recuou, só para enterrar seu pau dentro dela novamente. Toda vez que ele se movia, o clitóris arrastava contra ele, dobrando o doce prazer até que ela teve que segurar a cadeira de apoio. ‚Você gosta de foder fora onde alguém pode ver você?‛ Ele perguntou, seu sussurro uma carícia quente contra seu rosto. ‚Sim.‛ Ela balançou para frente, apertando sua boceta.

175


‚Alguém pode estar nos observando agora, Jess. Eles sabem que estamos fodendo. Isso faz você molhada?‛ ‚Sim.‛ ‚Sim. Eu posso sentir sua boceta ficar mais molhada.‛ Ele levou mais duro, levantando seus quadris para dar-lhe mais do seu pau delicioso. Ela foi aproximando os dedos descendo para cobrir o clitóris. ‚É isso aí. Esfregue o seu clitóris e faça você mesma gozar.‛ Ele deu-lhe um beliscão leve no mamilo, rolou e ela quebrou, sentindo como se um milhão de pedaços seus foram se espalhando por toda parte. Ela queria inclinar a cabeça para trás e gritar, mas não se atreveu. Em vez disso, ela estremeceu contra ele, segurando seu braço, a cadeira, enquanto ela gozou várias vezes, ofegante por este intenso orgasmo que rolou em ondas. Diaz enterrou o rosto contra ela, sussurrando seu nome na mais suave forma quanto ele veio, agarrando a mão dela e segurando firme por mais tempo, até que finalmente relaxou. Quando ela teve alguma sanidade novamente, endireitou suas roupas e ele também, ela passou para o assento e inclinou a cabeça em seu ombro. ‚É sempre assim?‛ ‚O quê?‛ Perguntou ele, acariciando seu braço. ‚Sexo.‛ Levou alguns minutos para responder. ‚Não, Jessie. Não é sempre assim.‛ Ela sorriu. Isso é o que ela pensava.

176


Capítulo Treze CADA TEMPO QUE DIAZ PASSAVA COM JESSIE em seus braços, ele percebia o quão difícil ia ser deixá-la ir. Tinha se acostumado a tê-la ao redor, tê-la perto. Ele começou a pensar nela como sua. Ele estava na merda. Mas ia deixá-la ir. Ela estava aconchegada próxima com o nariz pressionado contra o peito, olhos fechados, os cílios encostando ao seu rosto. Deus, ela era linda e ainda tão inocente. Ele nunca estragaria a sua inocência, forçando-a a viver com ele. Arruinaria com ela. Talvez não hoje, amanhã, este mês, este ano ou no próximo, mas, eventualmente, suas verdadeiras cores se mostrariam. Ele já teve um tempo difícil em frear seu temperamento. O que aconteceria quando ela realmente o deixasse puto? Será que ele iria atrás dela como seu velho havia feito com sua mãe? O pensamento de ferir Jessie causou-lhe dor física. Ele gostaria de pensar que nunca faria algo assim, mas ele não podia ter essa chance. Seria melhor começar a se distanciar dela agora, mas supunha que ele era fraco, porque não podia fazê-lo. Quanto mais tempo passava com ela, mais a desejava. Nunca parecia ser suficiente, especialmente sabendo que o que eles tinham só poderia ser temporário. Todos os dias o relógio marcava mais alto, sinalizando o tempo se esgotando. Talvez se apenas ficassem amarrados juntos por um tempo, então de repente a cortasse de sua vida, quando terminasse a missão, seria mais fácil. Ela o odiaria, mas ia superar mais rápido. Sim, ele era um santo de merda, não era? Ele não estava pensando em Jessie. Estava pensando em si mesmo. Se tivesse pensado em Jess, nunca teria começado nada com ela. Ele tinha sido fraco. Em vez de caminhar para longe como deveria, caiu direto na cama com ela. 177


Havia um monte de mulheres que ele poderia ter fodido, cheio de mulheres dispostas a arranhar sua coceira. Mas ele não estava interessado em apenas arranhar a coceira, estava? Com Jess, era mais do que isso. Ela bateu várias vezes. Inferno, ela bateu. A menina era implacável quando queria alguma coisa. O que ela queria era ele. Em vez de barrar a porta, ele atirou-a aberta e deixou-a entrar, então não tinha ninguém a quem culpar senão a si mesmo por essa bagunça. Como sair dela era o problema. ‚Alguma coisa est{ incomodando você.‛ Ele olhou para ela, nem mesmo percebendo que ela tinha acordado. ‚Só pensando.‛ ‚Eu sei. Você faz isso muito. Mas não me diz o que você est{ pensando.‛ ‚Isso e aquilo. Principalmente a missão,‛ ele mentiu. Ela empurrou-se então eles estavam face a face, os olhos uma esmeralda clara que mesmo a escuridão não podia esconder. Ele parou de respirar quando procurou seu rosto. Droga, ele estava tão profundo. ‚É mais do que a missão. É nós, não é?‛ ‚Nós? Não.‛ ‚Diaz, você pode falar comigo. Sou uma adulta. Posso lidar com uma discussão franca, se h{ algo em sua mente.‛ Não esta discussão. Esta ela não gostaria de ter. Seria levar às lágrimas e emoções que não estava equipado para lidar. ‚Confie em mim, Jessie. H{ um monte de coisas em minha mente sobre este caso. Isso é o que est{ me mantendo ocupado.‛ Ela estudou-o cuidadosamente. Sabia que ela não estava comprando suas desculpas. Ela poderia lê-lo muito bem. Cedo ou tarde, eles teriam de falar sobre seu relacionamento. Ele só não queria que fosse agora. O rugido das motos o salvou. Ambos voltaram sua atenção para a pousada. Rex e os outros motociclistas que haviam andado fora anteriormente haviam retornado e estavam se dispersando para os seus lugares de dormir designados. 178


‚Ser{ que Spencer ainda não voltou?‛ Perguntou ela. ‚Não.‛ ‚Isso não é bom.‛ ‚Não, não é.‛ Diaz arrastou para fora seu telefone celular e digitou o número de Spencer. Ele esperou enquanto o telefone tocava v{rias vezes, então foi ao correio de voz. ‚Ele não est{ respondendo.‛ ‚Ele pode estar na moto e se dirigindo de volta. Ele não irá ouvi-lo se est{ andando.‛ ‚Pode ser.‛ Diaz se recostou na cadeira de balanço. Algo não estava bem. Não era comum para Spencer não avisar que tinha voltado. Uma hora mais tarde Diaz estava convencido de que algo tinha acontecido. Spencer deveria ter se comunicado ou estar de volta agora. ‚Vamos buscar Spencer.‛ Jessie jogou o cobertor. ‚Estava esperando você dizer isso.‛ Eles pegaram seus equipamentos e pularam em suas motos. Logo que chegaram à área da pousada, Crush passeava pelo meio da estrada. Merda. Diaz parou. ‚Um pouco tarde para um passeio, não é?‛ Crush perguntou com uma inclinação de sua testa. ‚Sim.‛ ‚Onde você est{ indo?‛ ‚Spencer e Stephanie tiveram uma briga mais cedo esta noite.‛ ‚Assim, todos nós notamos,‛ Crush disse com um leve sorriso. ‚Acontece.‛ ‚Ele saiu para um passeio para clarear a cabeça. Isso foi h{ quatro horas atr{s.‛ Crush franziu a testa. ‚Ele não voltou ainda?‛ ‚Não.‛ ‚E saiu por conta própria?‛ ‚Sim.‛ Diaz esperava que Crush não estava indo para mantê-los sentados aqui fazendo perguntas. Eles precisavam pegar a estrada para procurar Spencer. ‚Espere. Eu vou com você.‛ 179


Duas vezes merda. Essa era a última coisa que queria Diaz. ‚Est{ tudo bem. Nós vamos lidar com isso.‛ ‚Sim, tenho certeza que você pode, mas estive nesta área uma centena de vezes. Eu conheço cada trilha. Você não. Deixe-me ajudá-lo.‛ De jeito nenhum Diaz podia recusar uma oferta de ajuda. Eles não tiveram escolha. ‚Okay. Obrigado.‛ Diaz olhou para Jessie, que balançou a cabeça enquanto esperavam por Crush pegar seu equipamento. Se Crush estava envolvido com o que Rex e os outros estavam fazendo lá fora, e se tivesse algo a ver com o negócio de armas com os sobrevivencialistas, em seguida, Diaz e Jess poderiam estar caminhando para uma armadilha. Diaz não gostou de ter Jessie ao longo deste passeio. ‚Você pode voltar para a cabana,‛ disse ele a ela. Ela franziu a testa. ‚E você pode beijar minha bunda. Eu vou com você.‛ Ele pensou que ela ia dizer isso. Odiava que sua arma estava em seu alforje e não escondida na parte de trás da calça, mas pelo menos tinha uma com ele. Esperava que ele não tivesse que usar esta noite. Crush saiu e subiu para sua moto. ‚Nós vamos começar nas trilhas próximas, imaginando talvez que ele teve uma viagem curta. Então vamos trabalhar para fora de l{.‛ ‚Lidere o caminho,‛ disse Diaz. Ligaram as motos e saíram. Estradas em total escuridão e estreitas não eram as melhores condições para andar de moto. Pelo menos havia uma sobrecarga de lua de tamanho decente para iluminar o caminho. A primeira trilha levou cerca de meia hora de manobrar, principalmente em declive e plana — terminando na margem do rio. Nenhum sinal de Spencer nela, então Crush virou ao redor e dirigiu-se no caminho que veio, andou um pouco pela estrada e os levou a pista ao lado, com os mesmos resultados. À medida que andava, Diaz manteve os olhos abertos para quaisquer outros motociclistas ou sinais de um acampamento de sobrevivência. A última coisa 180


que pretendia fazer era andar em uma armadilha. Ele agarraria Jessie e eles tirariam seus rabos de lá com pressa, se parecesse que Crush estava tentando pegá-los. Crush fez uma súbita curva à direita e deslizou nem sequer parecendo que estava na estrada. Na verdade, se ele não tivesse levando-os Diaz não teria visto nada. Não estava marcado e estava difícil de manobrar por causa de árvores e outra vegetação no caminho era todos os riscos para motociclistas. Levaram devagar. Coisa boa, porra, também, porque cerca de dez minutos de passeio, Jessie gritou, buzinou e agarrou sua atenção. Diaz e Crush pararam e se viraram. Jess tinha virado sua moto de lado para que seus faróis iluminassem em uma moto acidentada. A moto de Spencer. Eles correram até lá, desceram das motos, e agarraram as lanternas, iluminando as zonas circundantes. ‚Não!‛ Jessie disse, j{ correndo em direção a Spencer. Ele estava meio coberto de folhas caídas. O três convergiram para ele. Diaz prendeu a respiração enquanto Jess foi verificá-lo. ‚Ele est{ vivo,‛ disse ela, os dedos em seu pulso. ‚Spencer, você pode me ouvir?‛ Ele gemeu. ‚Coloque a luz para baixo de seu corpo enquanto eu verifico,‛ disse Jessie. Diaz e Crush deslizaram suas lanternas ao longo de Spencer e Jessie inspecionou, empurrando as folhas fora do caminho. ‚Sua perna est{ sangrando,‛ disse ela. ‚Eu tenho um kit de primeiros socorros,‛ Crush disse, j{ indo em direção a sua moto. Jessie virou seu olhar preocupado para Diaz. Que diabos aconteceu aqui? Crush trouxe de volta o kit e Jessie foi trabalhar em Spencer, que já estava começando a se mexer. ‚Fique deitado. Nós estamos aqui.‛ ‚Minha maldita perna est{ latejando.‛

181


‚Não se mova. Estou olhando isso agora.‛ Ela pegou a tesoura e começou a cortar o ponto em suas calças onde estava sangrando. Diaz inclinou-se sobre ele. ‚Sabe o que aconteceu?‛ ‚Sim. Eu fodidamente levei um tiro.‛ ‚O quê?‛ Os olhos de Crush se arregalaram. ‚Quem atirou em você?‛ ‚Sei l{.‛ ‚Por que você não pediu ajuda?‛ Diaz perguntou. ‚Acho que estava muito ocupado levando um tiro e sendo jogado fora da minha moto e ficando inconsciente. Foda-se, eu nem sei onde o meu celular est{.‛ Ele bateu no bolso da calça. ‚Onde est{ a minha moto?‛ ‚Est{ do seu lado cerca de quinze metros ou mais. Você deve ter indo voando.‛ Spencer fez uma careta. ‚Ótimo.‛ Jessie tinha uma almofada grossa de gaze pressionada sobre seu ferimento. ‚Ok, o sangramento parou. Vou envolver isso, mas nós temos que tirá-lo daqui e ter alguém para ver a sua ferida.‛ ‚Um dos Skulls é um MD3,‛ Crush disse. ‚Não merda?‛ Spencer perguntou, erguendo a cabeça. ‚Sem brincadeira,‛ Crush disse. Então eles precisavam levar Spencer nas mãos do doc imediatamente. ‚Você pode andar?‛ Diaz perguntou. ‚Inferno Sim. Só me levante.‛ Crush e Diaz ergueram, colocaram os braços sobre os ombros e Spencer mancou sobre a moto de Diaz. ‚Você vai ter que andar na parte de tr{s de minha moto‚ disse Diaz. ‚Como uma menina de merda. Sem ofensa, Jessie.‛ Ela revirou os olhos. ‚Não estou chutando sua bunda só porque você est{ ferido e porque estou tão agradecida porque não est{ morto. Caso contr{rio...‛ 3

Doutor em Mediciina (Doctor Medicine).

182


Spencer riu. Isso era um bom sinal. Ele e Crush colocaram Spencer na moto com uma quantidade mínima de estremecimento por parte de Spencer. ‚Vou pedir a um dos meus rapazes para voltar por sua moto,‛ Crush disse. Spencer fez um breve aceno de cabeça, trocando olhares com Diaz e eles saíram, Crush liderando o caminho. Eles levaram deliberadamente lento por causa de Spencer, não querendo sacudir sua ferida para não sangrar mais do que já estava. No momento em que eles voltaram para o acampamento, havia um punhado de pessoas já esperando na pousada. Crush devia ter usado seu celular, enquanto ele estava andando para alertar as pessoas que estavam no caminho. Bom. Isso significava muitas mãos para ajudar a puxar Spencer fora da moto e levá-lo dentro da pousada. Levaram-no em um dos quartos e o deitaram sobre uma cama de solteiro. Um cara chamado Mark que parecia estar em seus quarenta e tantos anos chegou com uma bolsa preta na mão. Diaz supôs que ele era o doc uma vez que cavou e começou a cortar o resto da calças de Spencer enquanto fazia-lhe um milhão de perguntas. ‚Cortar o Q e o A, Mark, mas se atenha apenas ao médico, ok?‛ Crush disse. Então Crush não queria um interrogatório de Spencer mais do que Diaz queria. Bom. A última coisa que precisava era de alguém chamando a polícia ou fazendo um monte de perguntas que Spencer não estava preparado para responder. Este era um momento crítico e que não poderiam lidar com sua cobertura ser queimada. Mark pediu a todos para deixar exceto para Crush, Diaz, Jessie e uma mulher chamada Laura, que também era uma enfermeira. Nada como motociclistas que ganhavam a vida fazendo outras coisas. Laura se posicionou no outro lado de Spencer, auxiliando Mark com a limpeza da ferida e anestesiando de forma que pudessem sondar o ferimento. ‚A bala est{ alojada na parte da carne da coxa, apenas na superfície,‛ disse Mark. Diaz observou Mark arrastar o espaçador para fora com uma pinça e soltar em uma tigela. Eles tinham que manter a bala apenas no caso de eles precisarem dela mais tarde para as provas. 183


‚Vou levar isso como lembrança, doc,‛ Spencer disse. ‚Claro. Ensaco para você.‛ Bom trabalho, Spencer. ‚Você tem sorte de não ter ido mais fundo e cortado algumas artérias.‛ ‚Sim, tenho muita sorte,‛ Spencer disse, revirando os olhos. ‚Então é isso? E agora?‚ Jessie perguntou, olhando em torno de Diaz. ‚Sim. É isso. Estou indo remend{-lo. Ele perdeu um pouco de sangue e vai ficar fraco. Vou dar a ele um antibiótico para evitar infecção. Caso contrário, deve curar-se muito bem.‛ ‚Obrigado Mark.‛ Diaz soltou um suspiro aliviado. Poderia ter sido muito pior. Ele estava feliz que Spencer não estava gravemente ferido e duplamente feliz por eles não terem perdido a sua cobertura, levando Spencer para um hospital. O cara era duro — ele estaria bem rápido. Uma vez que Marcos terminou, ele e Laura saíram do quarto com ordens estritas para que Spencer não se movesse. Stephanie pairou perto da porta, mas Diaz disse que ela poderia vir mais tarde, depois que falasse com ele. Então ele fechou a porta. Infelizmente, Crush insistiu em ficar e desde que essa era a sua gangue e que eram supostamente parte dela, não havia nenhuma maneira que Diaz poderia objetar. ‚Ok, o que diabos aconteceu l{ fora?‛ Crush disse, seu rosto se contorceu em uma careta irritada. Spencer olhou para Diaz, em seguida, deu de ombros. ‚Eu estava andando por mim mesmo depois que Steph e eu estouramos. Ouvi motos, então eu pensei que era Rex e os outros que estavam andando diante de mim. Pensei em pegar e andar com eles. Estava chegando perto, descendo a trilha, quando um tiro ecoou. Voei da maldita moto e essa é a última coisa que lembro até que tudo desapareceu.‛ ‚Você não viu ninguém por perto?‛ ‚Não havia ninguém naquela trilha Crush,‛ Spencer disse. ‚Ninguém que eu podia ver, de qualquer maneira.‛ 184


A declaração de Spencer pairava no ar, o seu significado claro. Havia alguém no grupo de Rex que atirou nele? ‚Crush, como você sabia como tomar esse caminho?‛ Diaz perguntou. ‚Esse caminho poderia facilmente ter sido perdido. Você tinha que saber que estava ali.‛ ‚Eu fui a essa {rea v{rias vezes, tomei esse caminho antes. Nós todos fizemos. Eu vi trilhas para motos assim imaginei que talvez Spencer tinha ido dessa maneira.‛ Bastante plausível Diaz supôs. ‚Rex poderia ter tomado esse caminho com os seus amigos também,‛ disse Diaz, seu significado era claro. Ele queria jogar abaixo o desafio e ver o que Crush fazia com ele. Crush arrastou a mão pelo cabelo. ‚Isso não pode ser. Tinha que ser caçadores ou algo assim.‛ ‚Não é temporada de caça,‛ disse Diaz. ‚Foda-se.‛ Crush passeou pelo quarto pequeno. ‚Eu preciso ir encontrar Rex.‛ Ele saiu do quarto sem dizer mais nada para eles. Jessie sentou na cadeira almofadada na sala. ‚Isso foi interessante. Crush pareceu surpreso. Chateado. Como se ele não tivesse ideia do que estava acontecendo.‛ Diaz balançou a cabeça. ‚Eu não estou comprando. Ele est{ encobrindo, fingindo não ter conhecimento de tudo isso.‛ ‚Talvez ele ficou surpreso porque fui baleado,‛ disse Spencer, deslocando-se sobre o travesseiro. ‚Isso pode ser. Ele com certeza não iria querer chamar a atenção para essa {rea se houvesse um acordo de armas prestes a ir para baixo. Mas aposto que ele sabe alguma coisa.‛ ‚Por que ele teria nos levado por esse caminho em tudo se Rex e os outros estavam lidando com as sobrevivencialistas l{?‛ Jessie disse. ‚Bom ponto. Ele nos levaria longe l{,‛ disse Diaz. ‚Nada disso faz qualquer sentido. Quem é o vilão aqui?‛ ‚Eu não sei, Diaz,‛ Spencer disse. ‚No vi sinais de ninguém, mas pensei ter ouvido Rex e os outros e não podia chegar perto o suficiente para descobrir. Eles poderiam ter saído 185


andando e nada mais. Eles podem não ter nada a ver com o negócio das armas. Então novamente, talvez eles fazem e Crush não está envolvido.‚ ‚E isso poderia ser apenas Crush envolvido neste processo. Ou Crush e outra pessoa,‛ Diaz sugeriu. ‚Ou pode realmente ser Rex e esse grupo e Crush não saber nada sobre isso,‛ Jessie argumentou. ‚Eu não penso assim.‛ Jessie se voltou para ele. ‚Por que não, Diaz? Por que está tão convencido de que Crush é o culpado?‛ ‚Porque ele tem sido nosso foco desde o primeiro dia. É nosso alvo e ele é o que fomos atribuídos a vigiar. Ele lidera este grupo.‛ ‚O que não significa que alguém dentro de sua gangue não poderia estar vendendo essas armas.‛ ‚Ela tem um ponto, Diaz. Vale a pena considerar,‛ disse Spencer. Ele poderia estar errado? Se ele tivesse sido alvo de Crush, individualizando-o para fora em vez de olhar para outra pessoa? ‚Eu vou dar uma olhada, começar a manter um olho em Rex. Se ele vai andar com seus amigos novamente, é a minha vez.‛ ‚E eu vou com você,‛ disse Jessie. Essa era a última coisa que ele precisava. Não conseguia lidar com o caso e se preocupar com alguém dando um tiro em Jessie. ‚Eu não penso assim.‛ ‚Por que não?‛ Diaz apontou para Spencer. Jessie deu de ombros. ‚Serei cuidadosa e estarei com você. Além disso, prevenido vale por dois, certo?‛ ‚Não, Jess. Você não vai e ponto final.‛ ‚Besteira.‛ Seu olhar estreitando nele, Jessie disse: ‚Eu não acho que preciso lembrar que estamos em missão. Olhe o que aconteceu com Spencer. Primeiro devemos andar como um 186


casal e segundo, não é seguro para qualquer um de nós ir sozinho, inclusive você. Pare de tentar agir como meu protetor. Eu sou um Cavaleiro Selvagem, também. Comece a tratar-me como um.‚ Spencer bufou. Diaz atirou-lhe um olhar. ‚Desculpe, mas ela tem um ponto.‛ Diaz sentiu o desenrolar do controle. Ele não podia fazer isso, nem poderia ser amante de Jessie e seu chefe. Seu sangue ferveu com a necessidade de atacar. Ele tinha que sair daqui. Virou-se para Jessie, com as mãos em punhos cerrados. ‚Esta situação é exatamente por que isso... nós... não vamos funcionar.‚ Ele se virou e saiu da sala antes que fizesse algo incrivelmente estúpido, como admitir o quanto se importava com ela.

JESSIE FICOU DE BOCA ABERTA OLHANDO para a porta que Diaz tinha acabado de sair. Ela andou até lá, observando seu passo — com raiva proposital através da pousada e saindo pela porta da frente. Ela fechou a porta do quarto e voltou para o leito de Spencer. Spencer estava com um sorriso torto no rosto. ‚O que diabos você est{ rindo? Você acabou de ver isso?‛ ‚Sim.‛ Spencer enlaçou os dedos atr{s da cabeça. ‚Malditamente divertido, também.‛ Jess caiu na cadeira e balançou a cabeça. ‚Eu não entendo. Ele estava chateado. Realmente irritado. Comigo.‛ ‚Sim.‛ Ela olhou para Spencer. ‚Por quê?‛ ‚Porque ele est{ apaixonado por você, idiota.‛ ‚Apaixonado...‛ Ela subiu rapidamente para fora da cadeira. ‚Você est{ louco? Ele não est{!‛ O sorriso de Spencer aumentou. ‚Sim, ele est{. E não tem uma ideia do caralho de como lidar com isso, então está lidando com isso da típica forma de Diaz. Ele está furioso, confuso e fodido.‛ 187


Ela olhou para a porta e de volta a Spencer, em seguida, sentou-se novamente. Seu coração deu uma sacudidela. Diaz estava apaixonado por ela? Poderia ser verdade? Não. Spencer estava fora da base. ‚Ele est{ me dizendo de em uma centena de maneiras diferentes por que nós dois nunca poderíamos funcionar.‛ Spencer lhe deu um sorriso torto. ‚Querida, ele est{ tentando convencer a si mesmo, não você. Ele est{ com medo.‛ ‚De quê?‛ ‚De você. De compromisso. De um relacionamento. Principalmente, ele tem medo de amar alguém e acabar machucando-os.‛ ‚Como seu pai fez com sua mãe.‛ ‚Sim. Alguns de nós viemos de famílias abusivas, por isso sabemos o que fazer. É difícil sair desse círculo de violência contaminada, difícil de sentir que o mal não o seguiu. Diaz acha que ele vai acabar como seu pai, só porque ele tem um temperamento também.‛ ‚Ele nunca me machucaria. Ele não tem isso dentro dele. Eu empurro seus botões o tempo todo. Agravo, o irrito, o levo direto até a borda. Eu nunca vi nenhum sinal dele batendo em mim. Ele tem sido extremamente paciente comigo.‛ ‚Não acho que ele é nada parecido com seu pai. Mas tente dizer-lhe isso e vai discordar.‛ ‚Então o que eu faço?‛ Spencer deu de ombros. ‚Eu sou o último cara para dar conselhos de amor, docinho. Não é realmente minha coisa. Mas digo, se você se preocupa com ele, vai ter que convencê-lo de que vocês dois se pertencem.‛ Não era isso que ela estava tentando fazer todo esse tempo? Ela se preocupava com ele. Sempre tinha. Mas desta vez eles passaram algum tempo juntos, tendo a oportunidade de conhecê-lo, realmente conhecer a pessoa que ele era, o jeito que ele a tratou — ela sabia que o queria em sua vida.

188


Mas Diaz era um homem obstinado. Tentando convencê-lo a ter um relacionamento honesto para com Deus com ela — realmente ficar juntos para além desta atribuição — ia ser mais difícil do que a missão. Aparentemente ele tinha decidido que o sexo estava muito bem entre eles, pelo menos enquanto a missão durasse. Ela tinha um sentimento que assim que este caso acabasse, ele estava indo para dar-lhe ‚a conversa.‛ Aquela sobre como eles trabalhavam juntos e não podiam ter um relacionamento. Ou como seu passado o manchou de alguma forma e não queria machucá-la. Ela ia ter que estar preparada para essa conversa, porque era tão teimosa como ele era e já tinha decidido que Diaz não ia se livrar dela. Estava indo para mantê-lo, se ele gostasse ou não. E podia muito bem começar agora, acompanhando-o e descobrindo que inseto se arrastou em sua bunda, em seguida, fazendo o seu melhor para acalmá-lo. ‚Você vai ficar bem?‛ Ela perguntou Spencer. ‚Sim.‛ Ele bocejou. ‚Estou quebrado. Preciso dormir e tirar isso fora e estarei pronto para ir amanhã.‛ ‚Sim, certo. Você estar{ indo a lugar nenhum amanhã.‛ ‚Vamos ver, não é mesmo?‛ Ele piscou. Ela balançou a cabeça, beijou sua testa, e apagou a luz, fechando a porta atrás dela. Pediu para Mark manter todos fora de seu quarto — o que significava Stephanie, que Jessie estava certa iria manter Spencer acordado a noite toda ou falando em sua orelha ou querendo ter sexo. Mark disse que teria certeza que ninguém entraria. Ela saiu da pousada e foi para baixo na estrada em direção à cabana, esperando que encontrasse Diaz lá. Ele estava sentado na cadeira que ocuparam mais cedo esta noite. Seu corpo pulsava com calor, ela lembrou os dois juntos naquela cadeira. Como poderia um homem cheio de tanto calor, tanta paixão, se preocupar em magoála? Será que ele não reconhecia seus próprios sentimentos em relação a ela? Provavelmente não. Às vezes os homens precisavam de um bom tapa na cabeça. 189


Ela não se sentou ao lado dele, optando por inclinar-se contra a grade na frente dele. ‚Acabou com a sua birra?‛ Ela perguntou, cruzando os braços sobre o peito. Ele arqueou uma sobrancelha escura bonita. ‚Desculpe-me?‛ ‚Você me ouviu. O que foi aquilo l{ em cima?‛ Ele olhou por ela em direção a pousada. ‚Nada. Esqueça isso.‛ ‚Bem, isso é comunicativo.‛ ‚Às vezes eu não quero falar, Jess.‛ ‚É isso mesmo. Às vezes você quer evitar alguns tópicos. Especialmente se o assunto é você e eu.‛ Seu olhar saltou para o dela. ‚Não h{ você e eu. Você não entende isso?‛ ‚Oh, pare de ser tão nobre e ficar jogando com o cartão da Bela e a Fera. É besteira, Diaz.‛ Ela passou por ele e abriu a porta de volta para a cabana. Como suspeitava, ele a seguiu. ‚A Bela e a Fera?‛ ‚Sim. Você é o pobre animal incompreendido, o que significa agressivo. E eu sou a ternura e beleza que vê o passado do monstro em você, mas você ainda está com medo de se importar comigo.‛ Ela revirou os olhos. ‚Por favor. É um conto velho e não se aplica a você. Você é humano, não uma besta. Você vai cometer erros, eu vou cometer erros. Mas nunca imaginei que fosse um covarde.‛ ‚Eu não sou covarde.‛ Sua voz estava baixa. Isso significava que ele estava com raiva, tentando manter seu controle. Bom. Pelo menos ela tinha a sua atenção agora. Ela se virou para ele. ‚Você não é? Você est{ com muito medo de sequer tentar ter um relacionamento comigo. Se isso não é covardia, então o que é? E se você me disser mais uma vez que está tentando me proteger, vou chutar direto nas suas bolas.‛ Ele abriu a boca, fechou-a, então nada, os cantos levantarem na sugestão de um sorriso. ‚Talvez eu deveria ter medo de você. Cristo, mulher, você fica briguenta quando est{ brava.‛

190


‚Sim, talvez você devesse ter medo de mim, Diaz, porque eu não gosto que digam como devo e não devo sentir. E não preciso de proteção. Não preciso de proteção desde que eu tinha quinze anos. No caso de você não ter notado, sou uma adulta agora. Uma mulher. E tenho sentimentos, porra. Por que não tenta perceber como me sinto sobre você?‛ ‚Como você se sente sobre mim, Jess?‛ ‚Eu te amo! Você é algum tipo de idiota que não pode descobrir isso por conta própria?‛ Ok, então tinha saído em um acesso de raiva. Provavelmente não era sua melhor declaração de amor, mas ela disse isso. Foi pra fora. A bola estava em seu lado agora. O que ele iria fazer com ela? Ele olhou para ela com uma expressão de choque no rosto. Ela iria rir se toda essa situação não fosse tão absolutamente patética. ‚Você não tinha ideia, não é?‛ Como ele não poderia saber? Não era óbvio? Ela não era óbvia? Ele vacilou ali de pé por alguns segundos, com as mãos presas nos bolsos. Ela começou a ir em direção dele. ‚Não,‛ disse ele. Ela parou. ‚Não me ame, Jess.‛ Seu peito apertou. ‚Não é assim que funciona, Diaz. Você não pode dizer a alguém não se importar com você.‛ ‚Eu não posso dar o que você precisa.‛ ‚Sim, você pode.‛ Ele balançou a cabeça. ‚Não vai funcionar. Não sou o tipo de cara que você quer.‛ ‚Por que você não me deixa ser o juiz disso?‛ Talvez ele só precisava de um empurrãozinho, um pouco convincente... ‚Eu não... Não tenho os mesmos sentimentos por você.‛

191


E assim o apertar no peito explodiu. Ela tinha ouvido as palavras que ele tinha dito, mas não queria acreditar nelas. E ainda ecoaram mais e mais em seu crânio espesso, finalmente rasgando. Lágrimas rolaram de seus olhos. Ela piscou-as de volta, recusando-se a chorar, recusando-se a desmoronar como uma criança. Ela lhe disse que era uma adulta, uma mulher, que era dura. Bem, ela era. Ela ia ficar lá e tomar a sua rejeição, mesmo que ela estivesse quebrando por dentro. Porque não havia nada que pudesse dizer em resposta a isso. Ele não a amava. Spencer estava errado. Ela estava errada. Agora ela entendia. Diaz havia desfrutado do sexo entre eles, mas tinha sido isso. Talvez ele se importasse com ela, mas não a amava. Nada iria fazê-lo mudar de ideia. Ela inalou e assentiu. ‚Certo então.‛ ‚Sinto muito, Jess.‛ Ela balançou a cabeça. ‚Não, eu sinto muito.‛ Sua voz falhou. Ela estava indo para perdê-lo. ‚Est{ frio aqui fora. Vou para a cama.‛ ‚Espere.‛ ‚Não. Estou cansada de esperar.‛ Ela passou por ele e entrou no quarto, fechando a porta, as lágrimas escorrendo pelo seu rosto. Ela mal chegou ao banheiro, fechou e trancou a porta antes que a água começasse em uma corrida. Ela abriu a torneira em pleno vigor de modo que Diaz não seria capaz de ouvir os soluços.

192


Capítulo Quatorze Sem sono. Diaz não tinha conseguido um minuto sequer disso na noite passada. Entre sua própria culpa e Jessie tentando esconder dele que estava chorando, não podia sequer pensar em dormir. Ele a tinha ouvido através das paredes e era como uma faca rasgando suas entranhas. Tinha causado a dor, a única coisa que jurou que não queria fazer. Então, tinha ficado fora, encolhido na cadeira, o cobertor seu único calor. Por quê? Porque ele era um idiota número um e o maior mentiroso. Jessie desnudou sua alma para ele na noite passada. O que ele havia tomado por ela compartilhar seus sentimentos, como ela tinha? Deus era muito valente. E o que ele tinha feito, quando confrontado com a verdade? Ele mentiu para ela. Ele agiu como um bichano total, tinha virado e fugido como o diabo. O que ele tinha feito para ela era imperdoável. Porque ele a amava. Tudo dentro dele havia gritado para lhe dizer. As palavras pairaram em seus lábios, logo que ela tinha dito a ele. Teria sido tão fácil. E tão errado. Então, ele tinha mentido, disse-lhe que não a amava. E a destruiu. Ele tinha visto em seu rosto cabisbaixo, quase podia sentir a sua dor esmagadora. Ele sentiu a noite toda. Nunca deveria ter tocado nela, deveria ter ficado distante e longe dela desde o início. Isso teria sido a melhor maneira de lidar com a situação. Ela era jovem. Ele era mais velho, mais experiente. Ele poderia decepcioná-la facilmente, dizendo que ele não estava interessado, antes que as coisas sequer tivessem começado entre eles. Em vez disso, a tocou, a amou, ficou dentro dela tanto física quanto emocionalmente. E ele tinha se apaixonado por ela. Inferno, já estava se apaixonado por ela antes que eles tivessem feito amor. Tocá-la só tinha cimentado o que ele já sentia. 193


Ela sabia disso e ele sabia disso. Ele foi o único a negá-lo. Mas não foi o melhor — machucá-la agora ao invés de mais tarde? Porque ele iria machucá-la, só que mais tarde seria pior. Muito pior. Ele sabia disso tão certo como sabia seu próprio nome. Ela sentia alguma dor agora, mas ela ia superar isso — superar ele. Ela seguiria em frente, encontraria um outro cara. Um cara legal. E então iria rir de novo, ser o seu velho eu outra vez. Ela o esqueceria. O pensamento que fez suas entranhas torcerem. O pensamento de outro homem beijando sua boca doce, colocando as mãos em seus seios fartos, deslizando dentro de seu calor e tomando o que era — Não. Ela não era dele. Não mais. Quanto mais cedo eles se acostumassem com a ideia, melhor. O nevoeiro serpenteava ao longo do rio na parte inferior do morro e o sol já tinha começado sua lenta ascensão através das árvores. Ele amaldiçoou a luz, preferindo a escuridão que se igualava a seu humor negro. Ele se levantou, jogando o cobertor agora úmido na cadeira e entrou na cabana, indo calmamente em direção ao banheiro. Jessie estava num amontoado de cobertores no meio da cama quando ele entrou. Ele fez uma pausa por uma fração de segundo, à vontade de subir lá e puxá-la contra ele e sentir seu corpo próximo ao dele, tão malditamente forte que doeu. Em vez disso, ele pegou a roupa limpa, fechou a porta do banheiro, se despiu e ligou o chuveiro, deixando a água quente escorregar sobre ele, esperando lavar o arrependimento. Ele não se sentiu muito melhor após o banho, mas pelo menos não estava se arrastando tanto. Podia fazer isso através do dia. Quando saiu do banheiro, Jessie ainda estava encolhida sob as cobertas. Era madrugada quase passada, ninguém estaria acordado ainda. Ele se sentou no sofá da cabana de um quarto e apoiou os pés na mesa gasta de café, observando-a dormir. Raios da aurora giraram um brilho dourado sobre a cama, com destaque para seu rosto. Ela apertou os olhos para bloquear a luz, mostrando as manchas sob os olhos. Ele se perguntou quanto tempo de sono ela tinha obtido ontem à noite. Provavelmente não muito. Sua culpa. Ela merecia coisa melhor. Um cara que não iria fazê-la infeliz. Isso não provava que ele estava

194


tomando a decisão certa ou se simplesmente racionalizasse o faria se sentir menos como um idiota? Deus, ele estava cansado. Esfregou a mão sobre o rosto, deixando seus olhos fecharem. Diaz lutou para abrir os olhos. Sentiam como se tivessem areias. Ele levantou a cabeça, passando a mão na parte de trás do seu pescoço. Piscando para limpar a neblina, ele sentou-se, percebendo que tinha adormecido no sofá. Luz do sol infiltrava para dentro da cabana, fazendo com que os pisos de madeira brilhassem. Virou-se para a cama. Estava arrumada e quando olhou ao redor, não havia nenhum sinal de Jessie. Ele se levantou, foi ao banheiro. A porta estava entreaberta, então ele abriu-a. Ela não estava lá. Tinha deixado a cabana. Inferno. Quanto tempo ele dormiu? Ergueu o celular do bolso, então murmurou uma maldição. Dez da manhã. Ele tinha dormido cinco horas. Tanta coisa para fazer e tinha acabado dormindo. Ele não tinha ouvido ela se levantar e se mover em tudo. Ou ela andou em torno em pés de gato ou ele tinha estado completamente morto para o mundo. Provavelmente um pouco de ambos. Ele colocou suas botas e caminhou até a pousada para verificar Spencer. É aí que ele encontrou Jessie, sentada ao lado de Spencer. ‚Eu volto mais tarde,‛ disse ela assim que o viu. Ela contornou por ele sem fazer contato visual. ‚Então o que você fez para irrit{-la?‛ Spencer perguntou. Diaz fechou a porta. ‚Eu não quero falar sobre isso. Como você se sente?‛ ‚Como se um machado passou por minha perna. Fora isso, tudo bem. Mark veio nesta manhã para mudar o curativo. Disse que não h{ nenhum sinal de infecção.‛ ‚Isso é bom. Você pode se mover em tudo?‛ ‚Sim. Posso me levantar para ir ao banheiro. Fora isso, o doc diz que não h{ movimento por um dia ou assim, que realmente é uma porcaria.‛

195


‚Hei, poderia ter sido pior. Sua moto poderia ter sido destruída. Felizmente, a única coisa que se machucou foi o seu corpo.‛ Spencer bufou. ‚Verdade.‛ ‚Eu deixei Grange saber o que aconteceu.‛ ‚Sim? O que ele disse?‛ ‚Que você não deve sair por si mesmo mais e que você é um idiota, mas está feliz que não est{ morto. Oh, e da próxima vez agarre | moto.‛ Spencer riu. ‚Parece Grange. Certifique-se de seguir o seu conselho e não faça o que eu fiz. Alguém não me queria seguindo aquela trilha na noite passada.‛ ‚Eu tomarei cuidado com isso. Nós vamos, na próxima vez, ter a certeza de que sabemos exatamente onde eles estão indo, e nós podemos seguir a uma dist}ncia segura.‛ ‚O que você fez?‛ ‚Eu coloquei dispositivos de localização GPS em algumas dessas motos que estavam passeando na noite passada.‛ ‚Em algum lugar que eles não vão notar?‛ ‚Eles são microchips e estão bem escondidos. Confie em mim, eles não vão mesmo vêlos. Se decolar novamente sem a turma inteira, eu vou ser capaz de rastreá-los.‛ ‚Bom negócio. Gostaria de poder ir com você.‛ ‚Se você estiver bem o suficiente quando chegar a hora, você pode. Até então...‛ ‚Você vai ter Jessie.‛ Spencer deu-lhe um olhar severo. ‚Não faça isso sozinho.‛ Diaz concordou. ‚Vou levar Jessie. Mas ainda não acho que ela est{ pronta para tudo isso.‛ Jessie escorregou e fechou a porta atr{s dela, atirando um olhar mordaz a Diaz. ‚Que típico. Você decide o que pode ou não pode controlar. Tem certeza de que não é meu pai?‛ Spencer sufocou uma risada. Diaz não estava nada divertido. ‚Acho que você de todas as pessoas que conheço de fato sabe que não sou um parente de sangue, Jess.‛ ‚Touché, Diaz,‛ Spencer disse.

196


Jessie sentou ao lado da cama de Spencer e atirou-lhe um olhar. ‚O que você é, o secret{rio?‛ Spencer deu de ombros. ‚Se vocês dois continuarem com isso como cães briguentos de quintal, alguém tem que marcar os círculos.‛ ‚Não ser{ necess{rio manter a pontuação. Nós estamos acabados,‛ disse Jessie, recostando-se na cadeira e cruzando os braços. ‚Awww, uma briga de amantes?‛ Spencer perguntou, seu olhar voando entre ambos. ‚Não foda comigo agora, Spencer. Eu posso e vou te machucar,‛ disse Jessie. Spencer olhou para Diaz, que balançou a cabeça. ‚Eu coloquei dispositivos de localização GPS na moto de Rex e alguns dos outros que saíram na noite passada,‛ explicou Diaz para Jessie. ‚Dessa forma, se saírem novamente, podemos seguir a uma dist}ncia discreta, esperemos não ser perceptível e ver onde eles estão indo. Ser{ mais seguro assim.‛ Jessie deu um breve aceno de cabeça. ‚Apenas me deixe saber quando precisamos montar e estarei armada e pronta para ir.‛ ‚Farei.‛ ‚E quanto a Rex?‛ Spencer perguntou. ‚Sabemos alguma coisa sobre ele?‛ ‚Anotei o número da placa de sua moto. Dei a Grange para executar uma verificação em seu registro, por isso, devemos ouvir de volta alguma coisa hoje.‛ ‚Certo. Boa.‛ ‚Eu preciso ir... fazer algumas coisas,‛ disse Jess, subindo novamente. Ela se virou para Spencer. ‚Você precisa de alguma coisa?‛ ‚Uma dose de uísque e uma mulher quente.‛ Jessie riu. ‚Não posso ajudá-lo com qualquer um, mas vou estar de volta com o almoço em pouco tempo. Nesse meio tempo, tente descansar um pouco.‛ ‚Sim, Sim. Isso é tudo que venho fazendo. J{ estou cansado de descansar.‛ ‚É bom para você.‛ Ela saiu sem olhar para Diaz. ‚Você a machucou,‛ disse Spencer, lançando olhares acusadores para ele. 197


‚Sim. Mas, acredite em mim, é melhor assim. Ela vai superar isso.‛ Spencer balançou a cabeça. ‚Você é um filho da puta idiota, Diaz.‛ Diaz estreitou o olhar para Spencer. ‚Não fique no meio disto.‛ ‚É óbvio o que est{ acontecendo. Ela se preocupa com você. Você se preocupa com ela. Você está sendo nobre, salvando-a do grande malvado, você.‛ Spencer soava muito parecido com Jessie. ‚Você não sabe nada.‛ ‚Eu sei mais do que você pensa.‛ ‚Sim? E o que você faria se fosse você e não eu?‛ ‚Não sou eu, então não é a mesma coisa. Você e eu não somos o mesmo, e sabe disso.‛ Diaz deu de ombros. ‚Jessie est{ apaixonada por você, cara. E você est{ a soprando.‛ ‚Não quero ter essa conversa com você, Spencer.‛ Ele não queria tê-la com ninguém. ‚Fique fora disso.‛ Ele começou a caminhar até a porta. ‚Nunca imaginei que você fosse um covarde, Diaz.‛ Essa foi à mesma coisa que Jessie disse-lhe ontem à noite. ‚Estou ficando malditamente cansado de ouvir isso.‛ ‚Talvez você devesse começar a ouvir.‛ Diaz cerrou os punhos, parou por um segundo, então abriu a porta e saiu. Seu temperamento disparou, seu corpo inteiro aqueceu com raiva quando saiu da pousada para o ar fresco da manhã. Mesmo fora o frio não o arrefeceu. Ele precisava andar. Sozinho. Ele pulou na moto, virou o motor durante a corrida e deixou a vibração entrar através de seus ossos. Fechou os olhos por alguns segundos, sentindo a moto, perdendo-se na sensação, antes de descascar, cuspir cascalho em seu rastro. Ele afastou-se da pousada, pela estrada, até que bateu no asfalto, então realmente acelerou, deixando escoar o ar frio em seus poros, clareando sua cabeça. Ele nem sabia onde estava indo, só precisava da solidão do passeio e do zumbido da moto debaixo dele. 198


Spencer estava certo. Ele era um covarde. Ainda não mudaria nada. O que estava fazendo não era admirável. Mas era a única coisa que poderia fazer. Ele sabia o que era, o seu passado, seu próprio temperamento. Podia ter controle sobre ele agora. Então, teve seu pai, uma vez. Diaz era uma bomba-relógio. E nunca ia explodir em Jessie. Não em alguém que ele amava. Não sempre. Assim se eles podiam pensar que ele era um imbecil. Estava bem. Jess estaria segura. Ele montou para fora da cidade, encontrou um bar atendendo aos motociclistas que estava assentado sobre uma colina com vista para o rio. Ele passou o dia lá, sozinho, contente com um assento perto da janela, música alta para abafar o ruído de seus próprios pensamentos e um par de cervejas para saciar sua sede ocasional. Quando se cansou de cerveja mudou para água engarrafada, imaginando no momento em que o sol se pôs que precisava de uma cabeça clara. Ele mantinha um olho no tempo, querendo voltar para a pousada no escuro, apenas no caso de Rex ou Crush decidirem fazer um pouco de passeio de noite. Era fim de tarde quando pulou de volta na moto para fazer a caminhada de volta à pousada. Quando ele chegou lá, eles estavam servindo o jantar e todos estavam amontoados na sala de jantar. Jessie estava sentada ao lado de Spencer, que tinha conseguido estar fora da cama e sentou-se a um canto, com a perna enfaixada apoiada em uma cadeira. Stephanie se preocupava com ele de um lado, Jessie, de outro. Cara de sorte. Diaz entrou e Spencer acenou-o. ‚Ei, onde você esteve?‛ Diaz assumiu a cadeira vazia em frente Spencer. Jess, como de costume, evitou contato com os olhos. ‚Tomei uma longa viagem.‛ ‚Bom dia para isso. O sol estava fora.‛ 199


‚Sim. Encontrei um bar a algumas cidades mais adiante. Apenas sai e ouvi música, observei a paisagem.‛ ‚Bom.‛ ‚Qualquer coisa acontecendo por aqui hoje?‛ Spencer balançou a cabeça. ‚Não uma coisa maldita. Poucos dos caras foram pescar para baixo no riacho. Crush tomou um bando de caras para uma longa viagem, também. Alguns foram de quadrimotor.‚ Diaz balançou a cabeça, depois foi para o buffet de comida. O resto da refeição foi principalmente passada em silêncio, com ele e Spencer ocasionalmente conversando. Jessie falou com Spencer, não com ele. Stephanie notou também, porque ela avançou continuamente sua cadeira mais perto de Spencer, sem dúvida, pensando que Jess estava tentando dar em cima de seu cara. Se Stephanie ficasse mais perto de Spencer, ela estaria em seu colo. Na verdade, ficava batendo na perna de Spencer, fazendo com que ele estremecesse. Jessie não estava fazendo nada para esclarecer a situação para Stephanie, também. Então, novamente, Jessie deixou claro que ela não pensava muito de Stephanie. Seu telefone celular zumbiu, interrompendo o show. Diaz estava de pé, viu o número como um de Grange, assim pisou fora da pousada para atender a chamada. ‚Sim.‛ ‚Esse número de placa que você me deu para Rex voltou,‛ disse Grange. ‚E?‛ ‚Voltou como registrado para Landon Mitchell.‛ ‚Quem diabos é Landon Mitchell? Ele não é um dos caras da gangue de Crush.‛ ‚Nenhum indício sobre isso. O nome não tem antecedentes, por isso não aparece em nenhuma das bases de dados de criminalidade.‛ ‚Assim, o registo é roubado ou falso?‛ ‚Isso é o que estou pensando,‛ disse Grange. ‚Okay. Então nós vamos ter que encontrar outra maneira de identificar Rex. Vou ver o que posso fazer.‛ 200


‚Mantenha-me informado.‛ Diaz desligou e ponderou sobre a situação. Ele teria que falar com Jessie e Spencer, descobrir uma estratégia. Ele voltou para dentro, acabou o jantar e esperou que a multidão diminuísse. Uma vez que tinha, ele disse a Spencer que precisava falar com ele. Sozinho. Stephanie fez beicinho, disse a Spencer que ela esperaria por ele. Havia uma dança no pavilhão de caça a noite. Certo, como Spencer ia dançar? Diaz revirou os olhos enquanto ele ajudava Spencer em seu quarto. Ele deu uma olhada para Jessie e esperava que ela compreendesse que ele queria vê-la também. Ela só tinha que ficar longe do olhar curioso de Stephanie. Uma vez que estava com Spencer de volta em seu quarto, eles esperaram por Jessie fazer uma aparição. Ela fez, fechando a porta atrás dela. ‚Era tudo que eu poderia fazer para ficar longe da intrometida da Stephanie. Ela pensa que estou atr{s de você, Spencer.‛ Ela riu e se sentou na namoradeira. ‚Ótimo. Talvez ela vai me deixar o inferno sozinho, então. A mulher est{ começando a me irritar.‛ Jessie bufou. ‚Certo, o negócio é o seguinte,‛ disse Diaz, tentando trazer o foco na missão. ‚Grange correu o registro da moto de Rex e ele veio falso. Isso significa que precisamos identificá-lo de outra maneira. Então, estou aberto a sugestões.‛ ‚Isso é f{cil,‛ Jessie disse com um encolher de ombros. ‚Pegue sua carteira, verifique a carteira de motorista ou qualquer outra identificação que tem sobre ele.‛ ‚É mais f{cil falar do que fazer, docinho,‛ disse Spencer. Ela apoiou os pés na mesa de café. ‚Não sei nada sobre isso. Eu costumava fazer isso o tempo todo. Aposto que eu poderia entrar em suas calças.‛ Spencer engasgou com uma risada. Diaz fez uma careta e disse: ‚Não é uma boa ideia.‛ Jessie encontrou seu olhar. ‚Por que não?‛ ‚É muito perigoso.‛ 201


Ela revirou os olhos. ‚Por favor. Posso pegar uma carteira dormindo. Nós somos ladrões, lembra? Não me esqueci de algo tão elementar como isso.‛ ‚E como você vai lidar com isso?‛ ‚F{cil,‛ disse ela. ‚Tudo o que tenho a fazer é chamar a atenção dele, chegar perto dele.‛ ‚Existe uma noite de dança,‛ disse Spencer. ‚Quarto escuro, repleto de corpos pressionados juntos.‛ ‚L{ vai você,‛ Jessie disse, voltando seu olhar para Diaz. ‚É perfeito. Um par de danças, me esfregando contra ele, vai tê-lo tão distraído que não vai saber o que est{ acontecendo.‛ ‚Seu pau vai estar dizendo o que é, querida,‛ Spencer disse com uma risada. Jessie riu também. Diaz, no entanto, não o fez. ‚Bem?‛ Perguntou ela. Ele não podia dizer a ela para não fazer. Não havia nenhuma razão válida, senão aquela que já estava ciumento como o inferno. Que nada tinha a ver com a missão e tudo a ver com a forma como se sentia sobre Jessie. Se dissesse a Jessie o motivo real porque não queria que fizesse, ela iria explodir tudo. Ele apenas disse a ela que não se importava com ela. Agir como um amante ciumento não a convenceria de tudo, não é? E não era como se ele pudesse ser o único a deslizar a mão no bolso de Rex. Tinha que ser Jessie. Foda-se. ‚Sim, v{ em frente. Se você entrar em apuros, me dê algum tipo de sinal.‛ ‚Não vou ter nenhum problema. Vai ser como tirar doce de criança.‛ Isso é o que ele tinha medo.

202


ATÉ O MOMENTO QUE A BANDA TINHA INSTALADO no hall, havia uma multidão espessa de pessoas que já faziam bom uso do bar. O álcool estava fluindo, era barulhento e Diaz e Jessie tiveram dificuldade em encontrar uma mesa. Felizmente, Spencer insistiu em ir com eles, então as pessoas limparam um lugar para ele sentar — uma boa mesa em frente à pista de dança, com cadeiras extras para que ele pudesse sustentar sua perna. Você tinha que amar os motociclistas — eles sempre cuidavam dos seus. Diaz e Jessie puxaram as cadeiras na mesma mesa. Stephanie contorceu seu caminho através da multidão, desapontada ao descobrir Diaz em um lado do Spencer e Jessie, de outro. Seus lábios muitos pintados formaram um beicinho. Merda dura. Se tivessem sorte, talvez ela ficasse puta e iria embora. A banda começou a tocar, chutando um rock vibrante numa série de músicas antigas. Quase todo mundo saiu na pista de dança. Stephanie olhou para Spencer e lançou um olhar esperançoso. ‚Não em sua vida, querida,‛ disse ele. ‚Estou sentado | noite toda. Este é o meu parceiro de dança hoje | noite.‛ Ele ergueu a garrafa de cerveja e sorriu. Stephanie se jogou para trás na cadeira e soltou um suspiro longo e alto. Jessie riu, então cochichou algo no ouvido de Spencer, fazendo com que ele jogasse a cabeça para trás e desse uma risada. Ela estava deliberadamente tentando irritar Stephanie. Pela expressão no rosto lívido de Stephanie, estava funcionando. Até o momento a banda tocou três ou quatro músicas, tinham visto Rex, encostado no bar conversando com um casal de rapazes. Jessie manteve seu foco em cima dele, fazendo contato visual ocasional. Rex tinha notado, também. Inferno, quem não gostaria? Jessie usava jeans apertado e um top vermelho brilhante que abraçava seus seios e deixava a mostra o umbigo. ‚Eu preciso de uma recarga,‛ disse ela. ‚Volto j{.‛

203


Ela levantou-se, movendo-se com graça felina deliberada até o bar. As calças apertadas, fez o pau de Diaz clamar para a vida quando ele se lembrou do gosto que sentiu ao correr as mãos sobre uma mulher tão linda. Ela abriu caminho entre Rex e seus amigos, virando sua atenção na careca de Rex. Ele sorriu para ela e se empenharam na conversa. Talvez ela levantasse a carteira e acabasse logo com isso. Rápido e fácil. Mas não, aparentemente não estava indo trabalhar dessa maneira, porque ela colocou sua cerveja no bar, tomou a mão que Rex estendeu e os dois se dirigiram para a pista de dança. Diaz se inclinou para frente, tentando tirá-los fora, mas eles haviam sido engolidos pela multidão espessa. Merda. Levantou-se, moveu-se no chão à frente, tentando agir tão indiferente quanto possível. Ele estava afinal esticando as pernas, dando um pequeno passeio. ‚Quer dançar, querido?‛ Ele olhou para baixo para encontrar Stephanie lá. ‚Não, obrigado.‛ ‚Você tem certeza?‛ Ela inclinou-se contra ele. Ou, ele deveria dizer, ela esmagou os seios contra o seu braço, certificando-se de esfregar seus mamilos duros contra os seus bíceps. ‚Você não deveria ficar sentada com Spencer?‛ ‚Não. Eu quero dançar. Spencer est{ fora de serviço. E parece que você est{ ansioso para chegar l{.‛ ‚Sua devoção a Spencer é admir{vel,‛ disse ele, nem mesmo tentando evitar o sarcasmo em sua voz. Stephanie não pareceu se ofender, continuando a ondular contra ele. ‚Similar | devoção de Jessie para você, eu presumo? Ela parece muito quente e pesada com Rex lá fora, na pista de dança agora.‛ Ele finalmente viu-os. Rex segurava os quadris de Jessie, os dois balançando a um só tempo em uma canção pop. Certo como o inferno que pareciam que estavam virilha com 204


virilha. Jessie segurava sobre os ombros de Rex, parecendo que estava indo para embrulhar as pernas em torno dele a qualquer momento. Apesar da elevação de seu pulso, ele deu de ombros e disse: ‚Jessie é um espírito livre. Ela pode fazer o que quer.‛ ‚Como é Spencer e eu, não temos um compromisso. Eu posso fazer qualquer coisa que eu quero.‛ Em uma jogada ousada, ela cobriu sua virilha, esfregando a mão sobre seu pau. Foi nesse momento que Jessie fez contato com os olhos, percebeu onde a mão de Stephanie estava e franziu a testa. Ela virou e esfregou sua bunda contra a virilha de Rex. Estava com um olhar sobre Diaz ou para que ela pudesse manter um olho em Stephanie? Diaz não tinha certeza, mas ele estava condenadamente distraído. E porra, ele foi ficando muito ligado. Não por Stephanie, ela não fez uma coisa para ele. Jessie, por outro lado... Qualquer coisa e tudo o que ela fazia, deixava seu pau duro, mesmo se estivesse fazendo isso com outro cara. Ele agarrou a mão de Stephanie e puxou junto com ele. ‚Vamos dançar‛. ‚Finalmente,‛ disse ela. Ele arrastou Stephanie na pista de dança, abrindo caminho entre a multidão de dançarinos até que estavam a apenas alguns casais de Jessie e Rex. Jess nem sequer tentou ignorá-lo, embora ela dava atenção para Rex. Ela virou-se, enrolando seu corpo em torno de Rex quando eles se moviam ao ritmo da música. Diaz puxou Stephanie em seus braços, praticamente ignorando o que quer que ela fazia. Ela se agarrou a ele, esfregando os seios sobre o peito, depois para baixo em seu estômago enquanto ela deslizava sobre seu corpo. Ele não se importava. Observava Jess, sentia Jess, cada movimento que ela fez. Eram suas mãos em seu corpo — tocando, queimando, fazendo seu pau endurecer com cada balanço sedutor de seus quadris. Jess se afastou de Rex e ele agarrou seus quadris, guiando-a para trás e para frente através de seu pênis, da mesma forma que Diaz queria fazer.

205


Sua respiração acelerou, o coração martelando contra seu peito enquanto ele se concentrava em Jess, na música, na batida primal que ela balançava. Estava hipnotizado quando ela entrelaçou os braços sedutoramente para cima como uma chama em ascensão. Fez subir sua blusa, expondo mais de sua barriga. Rex espalmou seu estômago, seus dedos avançando em sua camisa. Ela sorriu para Diaz, atormentando-o com o que não poderia ter, entrelaçado os braços em volta do enorme, e musculoso Rex, segurou-o firmemente no lugar enquanto ela se balançava contra ele. Esta foi a pior tortura que ele poderia suportar, forçado a assistir um outro homem com as mãos sobre Jessie, sabendo que ele não tinha o direito de se opor enquanto ela tocava intimamente Rex — seus ombros, seus braços, a barriga, quadris, sua bunda, deslizando sobre ele como uma cobra rastejando ao redor de seu corpo. Rex ficou parado, de olhos fechados, seu pau duro apertava contra as suas calças, a evidência de como Jessie o excitou. Rex queria foder Jessie. Será que ela diria não ou agora que Diaz a tinha empurrado, ela iria tomá-lo? Stephanie se moveu contra ele, aparentemente perdida em sua própria dança da sedução. Ele estava apenas vagamente consciente de suas mãos sobre o corpo em movimento de Stephanie, os dois se movendo no ritmo lento da música, mas seu foco estava totalmente em Jessie. Havia apenas Jessie em sua mente — seu olhar estava fechado no dela. Nenhuma outra mulher existia para ele. O calor dentro dele cresceu, uma fogueira de fúria fora de controle enquanto a música aumentava em intensidade, batendo contra seu corpo. Stephanie o cobriu, ronronando contra ele enquanto acariciava seu pau com a palma da sua mão. Jessie continuou a dançar ao redor de Rex, acariciando sua bunda, mergulhando no chão em adoração em suas coxas, então lentamente fazendo o seu caminho até envolver os braços ao redor de sua cintura, prendendo os dois juntos para balançar ao som da música. Seus seios estavam pressionados contra as costas dele até que Rex virou, agarrou-a pelas nádegas para levantá-la. Ela enrolou as pernas em torno dele e riu, inclinando a cabeça para trás enquanto Rex dançava com ela em círculos. 206


Deus, ele queria aquilo, queria o riso despreocupado dela, queria dançar com ela em seus braços. A música morreu e Rex colocou Jessie no chão. Ele se inclinou em direção a sua orelha, sussurrou para ela. Ela sorriu, estendeu as mãos, olhou em seus olhos, disse-lhe algo e piscou. Rex riu e Jessie foi embora, para fora do salão e saiu pela porta. Sozinha. ‚Porra, est{ quente.‛ Diaz sabia que o comentário de Stephanie não tinha sido cerca de Jessie. Ele olhou para a ruiva, sorriu para ela. ‚Muito quente para mim. Obrigado pela dança.‛ Ele virou e foi embora, deixando Stephanie de pé na pista de dança. Ele encontrou-se com Jessie no meio da estrada que conduzia à sua cabana. Eles não falaram até que entraram na porta. Ela fechou, trancou-a, retirou uma carteira da parte de trás da calça jeans e entregou a ele. Rex, sem dúvida. Ela deve ter escorregado dele durante sua dança. Diaz passou a identificação para fora e olhou-o. ‚Não Mitchell Landon. Ele diz que Rex James.‛ ‚Assim, o registro em sua moto é falso.‛ ‚Sim.‛ ‚Eu preciso levar essa carteira para ele antes que perceba que est{ faltando. Eu j{ volto.‛ Ela saiu e foi embora cerca de dez minutos, deslizando pela porta traseira. ‚Fez?‛ Perguntou ele. ‚Sim. Eu deixei-o no chão perto do bar. Ele vai pensar que deixou cair lá quando estava pagando cervejas.‛ Ela era uma boa ladra. Inferno, que homem não seria confundido com uma mulher como Jessie deslizando as mãos e o corpo todo nele?

207


Mesmo a caminhada no ar fresco da noite não tinha eliminado o rubor aquecido de sua pele. Suas bochechas ainda estavam rosa, a transpiração ainda pontilhada no peito. ‚Aproveitou a dança?‛ Perguntou ele. ‚Sim. Você?‛ ‚Não.‛ Ela arqueou uma sobrancelha. ‚É uma pena. Parecia que Stephanie estava se divertindo.‛ ‚Eu não estava prestando atenção a Stephanie.‛ ‚Seu pau pensou o contr{rio.‛ ‚Meu pau estava observando você.‛ Ela fez uma pausa, os seios subindo a cada respiração profunda, sofrimento escrito por todo o rosto. ‚Isto é foda, Diaz.‛ ‚Sim, eu sei.‛ ‚Estou reprimida, ansiosa, quente e ligada. Eu preciso de você.‛ Sua honestidade tinha sido sempre à parte dela que ele mais admirava, à parte que a fez tão diferente de qualquer outra mulher que havia conhecido. ‚Jess.‛ Ela deu um passo em direção a ele, abrindo o botão da calça jeans. ‚Trata-se de aliviar a ambos, precisamos aliviar. Estou clara sobre você não querer ter um relacionamento comigo. Você queria que fosse assim, estou bem com isso. Vamos fazer isso sobre sexo. Apenas sexo. Você quer fazer sexo comigo, não é?‛ ‚Sim.‛ Ela levantou o top sobre sua cabeça, atirou-o para a cadeira próxima. Seus mamilos estavam duros, se do frio ou do seu estado de excitação, ele não sabia — não importava. Tudo o que sabia era que ela tirou seu fôlego, e estava vindo para ele meia que despida, sua pele lavada com desejo e necessidade, a mesma necessidade que fazia seu pau subir e pressionar insistentemente contra os seus jeans. O mesmo desejo que estava fazendo suas bolas torcerem em um nó.

208


Por que diabos ele hesitava? Jessie sabia a pontuação agora, e ela estava oferecendo sexo sem amarras. Ele devia saltar sobre a chance de aliviar os dois. ‚Tem certeza que isso é o que você quer?‛ Ela parou com apenas alguns centímetros separando-os, o olhar dela não mostrando hesitação. ‚Pare de me perguntar. Sei o que quero — você e eu naquela cama junto. Preciso gozar, Diaz. Você me fez toda quente e incomodada l{ fora, na pista de dança.‛ Ela pegou a fivela do cinto, abriu-a, então foi para o seu zíper. Quando seus dedos roçaram sua ereção, ele respirou. Ele estava pronto para sair, tinha acontecido desde a sua dança sedutora no pavilhão de caça. Ela puxou o zíper para baixo, deslizou a mão por dentro. Ele sussurrou para a sensação de seus dedos frios envolvendo seu pênis, apertando-o. ‚Fiz você quente, não fiz?‛ Perguntou ela, inclinando-se para ele, os bicos dos seios escovando sua camisa. ‚Você sabe que fez.‛ ‚Ótimo. Porque me fez molhada dançar para você, provocar Rex daquele jeito.‛ ‚O pau dele estava duro.‛ ‚Eu sei. Ele esfregou contra mim.‛ ‚Ele queria transar com você.‛ Ela acariciou-o, empurrou a calça jeans até elas caírem em seus tornozelos. ‚Sim. Ele me disse que queria.‛ ‚Então, por que não?‛ Ela encolheu os ombros, capturou seu pau com as duas mãos, rolou entre elas até que estava pesado, dolorido e necessitado. ‚Eu decido com quem transo. Eu j{ sei o que você pode me dar.‛ Ele começou a despi-la, a queria nua, mas ela agarrou os pulsos. ‚Oh, não. Ainda não.‛ Em vez disso, ela caiu no chão, usando as unhas para raspar em suas coxas enquanto ela fazia. Sua boca ao nível de seu pau, ela levou-o entre os lábios, lambendo a largura da crista,

209


passando rapidamente a língua sobre o líquido que ali estava antes de engolir a sua cabeça e engolir o seu eixo. ‚Ahh, Deus, Jessie,‛ disse ele, repousando a mão sobre o topo de sua cabeça enquanto ela chupava ele com abandono ganancioso. Sua boca estava molhada, quente, sua língua girando sobre seu eixo, as mãos movendo-se sobre suas bolas, seu pau, apertando e acariciando cada vez que ela puxava a boca à distância. Vendo seu pau desaparecer entre os lábios doces era uma mistura de céu e inferno, prazer e tortura. Suas bolas apertaram, cheias com o que ele queria vir a derramar em sua garganta. Mas ele queria muito vir em sua boceta quente, apertada em vez. ‚Vamos l{, bebê, pare de me provocar,‛ ele conseguiu dizer através de respirações arrastadas. ‚Deixe-me te foder.‛ Ela puxou o seu eixo de entre os lábios, levantou-se e afastou-se dele, puxando o zíper para baixo dos jeans ao mesmo tempo em que tirava suas botas. Ele tirou os jeans e botas, tirando sua camisa sobre a cabeça e seguindo Jess para a cama. Ela tirou a colcha para trás e subiu no colchão, deitada de costas com as pernas balançando para o lado. Diaz colocou o preservativo, em seguida, levantou as pernas sobre os quadris, puxando sua bunda fora do colchão. ‚Você tem uma boceta tão bonita, bebê.‛ Ela serpenteou a mão para baixo sobre a barriga dela, capturando o clitóris entre os dedos. ‚Foda-me. Me faça gozar. Eu preciso disso.‛ Suas palavras duras intensificaram a sua excitação. Ele dirigiu dentro dela, suas bolas tremendo quando ela apoderou-se dele em um torno apertado, levando-o em um passeio selvagem, rápido. Jessie continuou a massagear o clitóris enquanto ele a fodia, o rosto apertado com a tensão enquanto ela trabalhava sozinha. Ele gostava de vê-la se tocar sozinha, adorava esta posição onde podia ver os dois juntos, poderia assistir seu pau desaparecendo entre os lábios cheios, a umidade banhando sua boceta. Ela estava perto de vir, com as costas arqueadas, e os dedos se movendo mais rapidamente. 210


Mas algo estava diferente. Sua cabeça estava inclinada para trás e seus olhos estavam fechados. Ele percebeu então que era diferente. Estava completamente desconectada dele, ao contrário do jeito que tinha feito amor antes. Além de seu pau dentro dela, ela não estava tocando nele. ‚Sim. Foda-me mais duro,‛ disse ela, levantando contra ele, dedilhando seu clitóris em um frenesi. ‚Eu estou perto.‛ Seus olhos estavam espremidos fechados, uma mão apertava nos lençóis. Ele dirigiu para ela, sentindo as suas paredes fecharem em torno dele, agarrando-o. Seus lábios se separaram e ela soltou um gemido baixo, estremecendo quanto ela gozou. Ele a observava — tão bonita quando se abandonava assim — e, em seguida, permitiu-se ao orgasmo. Ela ofegou, abriu os olhos, ofereceu um sorriso de satisfação que tinha zero calor, então empurrou para trás, separando-os. Ela deslizou para fora da cama e entrou no banheiro brevemente, voltou e pegou suas roupas para se vestir. Diaz se limpou e se vestiu, sentindo-se completamente vazio. Ele sentou no sofá e colocou suas botas, recusando-se a olhar para Jess. Ele se levantou, pegou sua jaqueta e se dirigiu para a porta, sentindo a necessidade de dizer... Alguma coisa. ‚Jess, eu...‛ Sua cabeça ergueu. ‚Não. Apenas não faça isso.‛ Ele olhou para ela, a expressão vazia no rosto, a absoluta falta de qualquer faísca. E por uma fração de segundo ele queria de volta a velha Jessie. A que cuspiu raiva para ele, que riu, que chorou, a que ele poderia puxar para os seus braços e torcer de emoção cada vez que a tocava. Mas ele não tinha nenhum direito a Jessie. Este foi o jogo que jogaram hoje, pelas regras que ele definiu. E odiou.

211


Capítulo Quinze Jessie assistiu Diaz sair. Assim que ele fechou a porta, desabou sobre a cama, com os olhos cheios de lágrimas. Ela varreu uma rolando pelo seu rosto, com raiva de si mesma por um sentimento como este — por sentir nada. Ela pensou que poderia lidar com isso, estava tão excitada que deixou as sensações físicas assumirem, imaginando que seria o suficiente para sustentá-la. Empurrou para trás todas as suas emoções, se recusando a deixar-se senti-las. Se segurar tinha sido tão difícil, a tinha destruído. Não podia fazê-lo novamente. Talvez Diaz fosse capaz de fazer sexo sem sentimento, mas ela não era. Colocou seu coração para ele, bem como o seu corpo. Essa tinha sido a última vez. E tinha sido desagradável. Bem, não totalmente desagradável. O sexo a tinha balançado, é claro. Ela gozou, mas tinha sido distante, não em tudo parecido com o que eles tinham compartilhado anteriormente. Antes, eles haviam se conectado em mais do que apenas uma forma física. Instantes atrás, eles tinham sido nada mais do que duas pessoas transando — saindo e indo, em suas vidas separadas. Ela amava Diaz. Ela não podia simplesmente transar com ele. Talvez quando tivesse mais experiência, estaria melhor no uso de homens para a liberação física. Até então ia voltar para sua mão e seu vibrador. Era menos doloroso ao seu coração. A porta se abriu e Diaz voltou dentro. Ela piscou os olhos, esperando que seu rosto não estivesse riscado com lágrimas. ‚Spencer disse que Rex e um par de outros caras arrancaram cerca de meia hora atr{s.‛ O trabalho era exatamente o que ela precisava para limpar a cabeça de emoção. Ela pulou da cama e pegou as botas, deslizando nelas e pegando o casaco. ‚Por que ele não ligou?‛ Seus l{bios levantaram. ‚Disse que fez. Meu celular estava no modo de vibração. No meu jeans, que estava no chão.‛ ‚Oh.‛ 212


‚Est{ pronta para montar?‛ Ela encolheu os ombros em sua jaqueta. ‚Sim. O GPS vai peg{-los?‛ Ele balançou a cabeça, levantou a pequena unidade de monitoramento GPS. ‚Eu tenho uma leitura da sua localização. E grampos para o meu pulso por isso vai ser fácil manter o controle enquanto estamos andando, e eu posso mantê-lo escondido debaixo do meu casaco.‛ ‚Vamos, então.‛ Subiram em suas motos e aceleraram. Eles não tinham saído ainda quando Crush montou-se ao lado deles. ‚Indo a algum lugar?‛ Perguntou ele. Uh, oh. ‚Sim,‛ disse Diaz. ‚Nós estamos indo para um passeio.‛ ‚Que tal alguma companhia?‛ Diaz balançou a cabeça. ‚Minha mulher e eu precisamos de um tempo particular.‛ Boa coisa Diaz poder pensar nisso. ‚Não hoje | noite não. Eu vou com você,‛ Crush disse. ‚Desculpe-me? Eu só disse que queremos ficar sozinhos.‛ ‚E eu lhe disse que não vai acontecer. Não depois do que aconteceu com Spencer na noite passada.‛ ‚Acho que posso cuidar de mim e minha mulher, sem uma bab{.‛ Crush estreitou seu olhar. ‚Os dois de você, mais Spencer são novos para minha gangue. Sinto-me responsável pelo que aconteceu com Spencer — nunca aconteceu antes. Nós lutamos duramente, jogamos duro, nós brigamos... mas eu não quero problemas como estes.‛ Diaz levantou uma sobrancelha. ‚Você est{ dizendo que o que aconteceu foi culpa de Spencer?‛ Jessie mordeu o lábio inferior. Isso não estava indo bem. E a cada segundo que se passava, Rex e os outros estavam andando mais longe. ‚Não foi culpa de Spencer, Crush,‛ disse ela, sentindo como se precisasse se envolver. Talvez ele a escutasse. 213


‚Certamente você não est{ culpando-o por ter sido baleado?‛ ‚Eu não sei o que pensar. Rex disse que ele e os outros não estavam em qualquer lugar perto de onde Spencer estava ontem à noite. Ninguém na minha turma tinha sido baleado antes de vocês todos se juntarem.‛ ‚Meu amigo estava a fim de receber a bala,‛ argumentou de volta, pensando que isso era ridículo. Que tipo de ponto que ele estava tentando fazer? ‚Eu só preciso ficar de olho em todos vocês, por isso, se quiser andar esta noite, vou com você.‛ Diaz odiava que perdessem esse argumento, mas ele não via nenhuma maneira de contornar isso. Crush era o líder dos Skulls e como membros eram obrigados a fazer o que ele dizia. Se queria ir com eles, Diaz iria ter que deixá-lo. Talvez esta era uma oportunidade para testar Crush sob o fogo, ver se sabia de alguma coisa, medir suas reações. Eles ainda poderiam seguir Rex e se eles viessem para cima contra qualquer coisa suspeita, seria uma chance para ver o que Crush sabia sobre isso. Ele encolheu os ombros. ‚Você é o chefe. Vamos andar.‛ Diaz tinha o GPS e ele pretendia seguir a trilha de Rex. Se Crush tentasse detê-los ou desviá-los, ele saberia o porquê. Depois que eles deixaram a propriedade, eles montaram a oeste pela estrada principal, que era da mesma forma que Rex e seu grupo haviam decolado dentro. Ele deixaria Crush na liderança por um tempo, enquanto estavam indo para a direção certa. Diaz manteve estreita vigilância sobre a unidade de GPS, identificando a localização de Rex. Eles ainda estavam montando a oeste. Quando Crush virou para o norte, Diaz e Jessie não seguiram. Crush virou-se e puxou ao lado deles. Eles pararam. ‚Eu pensei que eu iria mostrar-lhe esta estrada que curva ao longo do rio,‛ disse ele. ‚É um passeio agradável à noite.‛ 214


Diaz balançou a cabeça. ‚Esta é minha noite de passeio. Se você quiser vir junto, tudo bem, mas estamos indo do meu jeito.‛ O olhar de Crush estreitou, mostrou desconfiança. Diaz não se importou. Esta missão inteira estava vindo à tona e logo, assim que se Crush ia mostrar a sua mão, poderia muito bem ser agora. ‚Você tem algum lugar específico em mente?‛ Perguntou ele. ‚Talvez. Talvez não.‛ Estava esperando que Crush iria pegar seu ressentimento e achou que foi porque insinuou-se para este passeio e nada mais. Crush estudou-o por alguns segundos, em seguida, deu um breve aceno de cabeça. ‚Lidere o caminho, então.‛ Após cerca de trinta minutos ou mais, Rex e seu grupo haviam parado. Logo eles se encontrariam e Diaz ia ter que descobrir o que fazer com Crush, porque Diaz e Jessie estavam indo ter que encontrar um lugar para estacionar as motos e determinar o que Rex e os outros estavam fazendo. Diaz saiu da estrada principal e seguiu para o sul, em uma área bem arborizada, seguindo o dispositivo de rastreamento. Ele saiu cerca de uma volta de meia milha de onde Rex estava localizado. ‚Por que estamos parando aqui?‛ Crush perguntou, estacionando sua moto. Diaz levantou a mão. ‚Eu vi alguma coisa. Fique tranquilo e siga-me.‛ Felizmente, Crush não discutiu e Diaz não estava preste a explicar que ele pegou Rex no GPS. Às vezes você apenas tem que deixar as coisas se desdobrarem e este era o teste de Crush. Além disso, Diaz e Jessie estavam armados e ele não ia deixá-lo chegar por trás dele em caso de Crush saber o que estava acontecendo. Ele podia lidar com Crush, se necessário. Eles rastejaram em direção ao grupo de Rex, Diaz monitoramento o GPS. Crush nem estava ciente que o tinha. Agora que tinha um caminho claro em mente e sabia onde Rex e os outros estavam, ele não precisava usá-lo, bastava seguir para o norte, mantendo-o mais silencioso possível, por trás de algumas árvores derrubadas até que teve a visão clara do grupo. 215


Eles tinham lanternas estabelecidas no que parecia ser uma clareira em um acampamento abandonado velho. ‚Ei, isso é...‛ Diaz levantou a mão para silenciar Crush. Se ele ia tentar dar a sua localização, Diaz pretendia lhe dar uma coronhada com a sua arma. Mas ele ficou em silêncio, olhando. Em poucos minutos havia um ronco dos motores, o som se posicionando em seu caminho. Diaz instruiu-os a descer, enquanto esperavam para ver quem se aproximava. Mais motociclistas, talvez? Não eram motoqueiros. Ativistas, seis deles, puxando para o local de acampamento. Eles desligaram os motores e desceram, aproximando-se de Rex e dos outros. Diaz tirou o aparelho auditivo, como fez Jessie. Crush lançou-lhe um severo olhar de questionamento. Diaz balançou a cabeça, olhou para Crush depois de volta para Jessie, que assentiu. Crush não lhes dera distância, não tinha puxado uma arma, não tinha feito nada para indicar que ele sabia o que diabos estava acontecendo aqui. Tomando uma chance, Diaz cavou no bolso e tirou outro dispositivo de ouvido, apontando para ele ficar em silêncio quando ele entregou. Agora todos podiam ouvir o que estava sendo dito. Diaz ouviu uma voz irreconhecível em primeiro lugar. ‚Tem certeza de que não foram seguidos?‛ ‚Não somos amadores, George,‛ Rex disse em resposta. ‚Estamos sozinhos, então pare de se preocupar.‛ ‚Ouvi dizer que teve alguns problemas ontem | noite. Teve que atirar em alguém.‛ Crush lançou um olhar para Diaz. Diaz levantou a mão, um sinal para ele ficar em silêncio. Ou Crush estava agindo como inocente ou ele realmente não sabia nada disso. Como ele não poderia saber? Diaz ainda não estava convencido. ‚Quem lhe disse isso?‛ ‚Você acha que nós não te vimos? Nós não queremos nenhum problema. Nós fazemos este negócio em linha reta e sem nenhum policial envolvido.‛ 216


Rex fez uma pausa. ‚Não h{ polícia envolvida. Eu te disse, nós estamos cobertos. Era apenas um dos caras novos no lugar errado na hora errada. Ele chegou muito perto de modo que tivemos que assustá-lo. Agora você quer as armas ou não?‛ Bingo. ‚Você as tem com você?‛ ‚Você sabe que temos. Mas estou ansioso para me livrar delas. Você tem o dinheiro?‛ ‚Sim. Nós temos o dinheiro. Você acaba de trazer a mercadoria como nós combinamos e nós vamos fazer o negócio.‛ Ninguém mais estava falando, apenas Rex e esse cara George, de modo que os dois deviam estar no comando do negócio. Diaz inclinou um olhar a Crush. Ele segurava uma mão sobre a orelha segurando o dispositivo de comunicação. Do contrário, ele não se movia. Ele parecia chocado como o inferno. Diaz ainda não estava convencido. ‚Amanhã | noite. Você traz os rifles e munição. Nós vamos estar l{.‛ ‚Então, nós também estaremos. Você traz o dinheiro.‛ ‚Eu tenho o seu dinheiro. Não se preocupe. Você mantém a polícia fora ou qualquer outra pessoa que possa falar. Você traz problemas com você, garoto e vocês todos vão estar mortos.‛ Diaz ouviu enquanto discutiam o local de encontro designado. Eles teriam que alertar Grange para que pudessem obter os Feds montados aqui para os derrubar. Os ativistas decolaram e saíram. Diaz e os outros permaneceram abaixados. Diaz instruiu Crush para ficar abaixado até que Rex e seu grupo arrancassem em suas motos. Quando o barulho de seu escapamento se dissipou, eles levantaram. ‚Que diabos est{ acontecendo?‛ Diaz imaginou que Crush seria o primeiro a falar. Ele só não tinha certeza se estava pronto para fornecer todas as respostas.

217


Jessie ficou quieta o tempo todo, também. ‚É isso que você esperava encontrar?‛ Perguntou ela. Deu-lhe um aceno curto. ‚Alguém vai me dizer o que diabos est{ acontecendo aqui? Vocês dois sabem o que est{ acontecendo?‛ ‚Sim.‛ Diaz virou um olhar agudo sobre Jess. ‚Diga a ele. Ele não sabe.‛ ‚Ele não precisa.‛ ‚Dizer-me o quê?‛ ‚Diaz. É óbvio que ele não é parte disso.‛ ‚Nós não sabemos isso.‛ Quanto mais tempo eles ficavam falando sobre isso na frente de Crush, mais ele iria aprender. Poderia ser uma armadilha. Crush poderia estar atuando, aprendendo o que podia sobre Diaz e Jessie. Essa coisa toda poderia explodir na cara deles. ‚O que diabos vocês sabem sobre o que acabamos de ver? Que armas são essas que Rex está falando? Quem eram esses caras?‛ Jessie ergueu a mão. ‚Crush, por favor. Basta dar-nos um minuto para falar sobre isso.‛ Ela virou-se para Diaz. ‚Diga a ele. Ele pode nos ajudar.‛ ‚Nós não precisamos de ajuda. E ele pode não ser confi{vel.‛ ‚Acho que ele pode. Vamos l{, Diaz, ele não sabe nada.‛ ‚Maldição! É melhor alguém começar a falar ou eu estou indo para bater a merda fora de Rex até que ele me diga.‛ Jessie virou-se para Crush. ‚Acreditamos que Rex e os outros estão trabalhando num acordo para vender armas ilegais a um grupo de sobrevivencialistas.‛ Merda. Lá se foi a sua cobertura e, possivelmente, essa missão inteira. Crush ficou imóvel, os olhos arregalados. ‚Diga isso de novo.‛ Jessie repetiu o que ela disse a ele. Seu olhar se estreitou. 218


‚Como você sabe isso?‛ ‚Nós trabalhamos para o governo dos Estados Unidos e nos infiltramos em sua gangue para descobrir quem está vendendo armas a um grupo de sobrevivencialistas conhecido aqui nas colinas.‛ ‚Jesus, Jessie. Por que você não lhe d{ os nossos números de Seguro Social, enquanto você est{ nisso.‛ Diaz arrastou os dedos pelos cabelos e começou a andar. Ele não podia acreditar que ela tivesse dito a ele. Grange ia comer o seu rabo. Que diabos estava pensando Jessie? ‚Você est{ falando sério?‛ Crush sibilou, seu olhar foi e voltou entre ambos. ‚Vocês são agentes do governo? Como ATF4 ou algo assim?‛ ‚Isso não é importante,‛ disse Jessie. ‚O que você sabe sobre este negócio de armas iminente?‛ ‚Nada. Foda-se.‛ Agora Crush juntou a Diaz em seu passo. ‚Como o inferno poderia Rex fazer isso comigo? Nós somos amigos desde o colégio.‛ ‚E você não sabia nada sobre as suas atividades?‛ ‚Não.‛ Crush cerrou os dedos das duas mãos. ‚Estou no escuro aqui. Preciso de algumas respostas. Eu pensava que estes homens eram meus amigos... Homens que eu poderia confiar.‛ Crush sentou em um dos troncos caídos, deixando cair o rosto nas mãos. ‚O que Steph disse faz sentido agora.‛ ‚O que Stephanie disse?‛ Jessie perguntou. Ele levantou a cabeça. ‚Seis meses atr{s, depois que eles se separaram, ela se queixou de que Rex tinha ido ao fundo do poço. Ela disse que estava no limite, falava de mudar-se para as colinas, desertas, vivendo por conta própria, onde pudesse ser livre e protegido. Steph disse que ele tinha mudado e ela não queria fazer parte disso. Eu soprei-a, imaginei que Rex estava talvez

4 Bureau de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos comumente referido como "o ATF", uma agência de aplicação da lei nos Estados Unidos Departamento de Justiça. 219


falando de construir uma cabana em algum lugar rural. Eu não achei que ele estava entrando esses sobrevivencialistas. Eu nunca fiz a ligação.‛ ‚Não havia razão para você,‛ disse Jessie. Crush levantou os olhos carregados de sofrimento para Jess. ‚Deveria ter escutado a ela. Deveria ter perguntado a Rex o que estava acontecendo, mas eu não queria me envolver. Merda. Ninguém brinca comigo assim — ninguém usa a minha gangue como frente para negócios ilegais de armas ou qualquer outra coisa.‛ Crush se levantou e começou a se afastar, mas Diaz entrou na frente dele. ‚Onde você pensa que est{ indo?‛ ‚Voltar para a pousada para infligir alguma justiça maldita. Os Skulls vão cuidar de Rex e dos outros.‛ Exatamente o que Diaz não queria que acontecesse. Ele atirou Jessie um olhar. Ela olhou de volta. ‚Não. Você não vai fazer isso.‛ ‚Não me diga o que posso e o que não posso fazer com o meu povo, Diaz.‛ Jessie se moveu para o lado de Crush e colocou a mão em seu ombro para chamar sua atenção. ‚Crush, se você for para Rex agora para trazer isso fora, aberto, você vai explodir tudo o que trabalhamos tão duro. Entendo que você quer vingança pela traição de Rex, mas nosso trabalho é pegar as armas de fogo antes que os sobrevivencialistas possam chegar até elas. A última coisa que queremos é que as armas caiam em mãos erradas.‛ Crush não disse nada, apenas olhou em silêncio por entre as árvores. ‚Por favor, pense sobre isso,‛ continuou ela. ‚Trabalhe com a gente. Ajude-nos a derrubar Rex e os sobrevivencialistas. Essa é a sua justiça.‛ Crush esticou a cabeça para o lado. ‚Você deixa eu te ajudar.‛ Jessie olhou para Diaz, que balançou a cabeça. ‚Talvez. Depende. Nós vamos ter que falar sobre isso, ver onde você iria caber dentro.‛ Diaz revirou os olhos. Claramente, ele perdeu o controle de Jess nesta missão. Ele teria algo a dizer a ela sobre isso mais tarde. De jeito nenhum que estava envolvendo Crush nisso. 220


‚Eu não posso acreditar que eu não peguei... todos como federais. Spencer, também?‛ Jessie assentiu. ‚Porra. Vocês não se parecem com Federais.‛ Jessie sorriu. ‚Essa é a ideia, Crush.‛ ‚Quero eles fora da minha gangue. Quero que eles paguem por sua traição e quero que seja feito publicamente para que os outros Skulls possam ver o que acontece com os traidores.‛ Jessie olhou para Diaz. ‚Nós vamos cuidar disso,‛ disse ele. Aparentemente ele não tinha escolha. Seus planos para esta missão tinham sido irremediavelmente alterados. Ficar fora do radar agora estava fora de questão. Mas talvez, apenas talvez, Crush poderia ser de alguma utilidade. Ele liderava uma gangue. Ele tinha conexões que eles não tinham. Não iria queimar suas pontes com Crush ainda. ‚Uma advertência,‛ disse Diaz. ‚Você é o único que sabe quem somos e queremos mantê-lo dessa maneira. Quanto ao resto dos Skulls saberem, ainda somos os caras novos. Se você espalhar uma palavra sobre nós, retiramos você do quadro. E por fora do quadro, quero dizer que você não vai mesmo estar em Arkansas. Haverá uma razão conveniente dada para a sua ausência. Verificáveis, bem com documentadas, infalíveis. E não pense que nós não podemos fazê-lo. Um telefonema e você desaparece. Entendido?‛ Crush deu um aceno curto. ‚Entendido. Estou menos interessado em quem vocês três são do que em quem os meus assim... chamados amigos acabaram se tornando.‛ ‚Então, est{ claro,‛ disse Diaz. ‚Só mais uma coisa,‛ Crush disse, voltando-se para Diaz. ‚Eu sou um aliado muito melhor do que um inimigo. Realmente posso te ajudar com isso. Talvez você deva ouvir Jessie. Eu posso ser confi{vel.‛ ‚Jessie confia em você. Eu não — não completamente. Você vai ter que provar isso. Nesse meio tempo, precisamos voltar. Eu quero falar a Spencer sobre o que aconteceu, então preciso fazer algumas chamadas e precisamos planejar.‛ 221


‚Você vai me deixar saber de tudo,‛ Crush disse enquanto caminhavam de volta para as motos. ‚Tudo o que somos capazes,‛ disse Diaz. ‚Algumas coisas você não pode estar a par e não há nada que eu possa fazer sobre isso. Mas, tanto quanto para os planos de como nós vamos derrubar Rex e nos apossarmos dessas armas e ver quantos desses sobrevivencialistas podemos trazer para a justiça, então sim, vamos deixar você dentro.‛ ‚Bom o suficiente.‛ De volta ao pavilhão principal, Crush veio com eles para conversar com Spencer. Inicialmente, Spencer pareceu surpreso ao ver Crush com eles, mas depois lhe disseram o que aconteceu, ele concordou com isso. ‚Pelo menos ninguém foi baleado hoje | noite,‛ disse Spencer, movendo-se ao redor da sala com muito mais facilidade do que estava no dia anterior. ‚Ei cara, eu sinto muito por isso,‛ Crush disse. ‚Eu não tinha ideia.‛ Spencer deu de ombros. ‚Se você não conhecia nenhum de seus povos que estavam envolvidos nisso, então não é culpa sua. Você não disparou a arma.‛ ‚Falando nisso, como você se sente?‛ Jessie perguntou. ‚Ótimo. Um pouco duro, mas posso andar, sentar, levantar, e posso condenadamente andar até amanhã. Mesmo o médico disse que eu podia.‛ Diaz concordou. ‚Ótimo. Nós precisamos de você. Vamos descobrir um plano de manhã. Enquanto isso, eu preciso de você para descansar... não faça nada estúpido‛ Spencer apontou o dedo para o próprio peito. ‚Eu? Fazer algo estúpido? Por favor.‛ Eles deixaram Crush e Spencer na pousada e voltaram para sua cabana na parte inferior do morro. Uma vez dentro, Diaz trancou a porta atrás dele e virou-se para Jessie. ‚Ok, me diga o plano,‛ disse ele, caindo sobre o sof{ e plantando os pés na mesa de café. Ela encolheu os ombros de seu casaco, indo em direção a ele com uma careta. ‚Meu plano?‛

222


‚Sim. Uma vez que você parece ter tomado esta missão como líder, eu gostaria de saber qual o próximo passo ser{.‛ Ela tomou o assento ao lado dele. ‚Diaz. Às vezes você tem que ir com instinto. Crush não estava envolvido. Era óbvio.‛ ‚E você não deve confiar na fé cega sem prova. Pessoas morreram fazendo isso.‛ ‚Meus instintos nunca me decepcionaram.‛ Seu trabalho era treiná-la. Qual o melhor momento do que agora? ‚Instintos não são o mesmo que evidência, como esperar até que alguém seja provado inocente. Você arriscou não só você hoje à noite, Jess, mas todos os Motoqueiros Selvagens por revelar quem nós éramos.‛ Ela ergueu o queixo. ‚Eu não lhe disse quem éramos, apenas que trabalhamos para o governo.‛ ‚Você disse-lhe muito. Você não deveria ter dito nada. Você não é responsável por esta missão. Você é, na melhor das hipóteses, o que eu consideraria um júnior nessa tarefa — um aprendiz. Este é o seu primeiro caso, a chance de aprender de mim e de Spencer. Nós fizemos mais do que algumas destas e eu gostaria de pensar que sabemos o que diabos estamos fazendo, mesmo que não nos aproximamos das coisas da mesma forma que você pode. Eu não quero ter que lembrá-la de novo que você não está na liderança. Você fodeu tudo, Jessie. Se tiver muita sorte, Crush não é parte de tudo isso. Se não está com sorte, então agora ele está soprando o negócio de armas todo e nós perdemos. E se perder, então a culpa caíra inteiramente sobre nossos ombros.‛ Ela abriu a boca para falar, então apertou os lábios fechados, se virou para olhar para baixo em suas botas. Era óbvio que ela não gostou do que ele tinha a dizer. Ele não gostava de dizer isso, mas era necessário. Ela ultrapassou seus limites. Se tivesse sido um dos caras ele não teria hesitado em socá-los. Teria sido cruel, em sua face, e diria-lhes em termos inequívocos, onde e como foi uma merda. Ele não poderia tratar de forma diferente Jessie. Ela não iria respeitá-lo se ele o fizesse.

223


‚Você est{ certo,‛ disse ela, surpreendendo-o. ‚Eu grosseiramente ultrapassei a minha autoridade. Pulei dentro e tomei uma decisão que não tinha nenhum negócio fazendo. Uma história que poderia ter nos custado essa missão.‛ Ele queria confortá-la, mas aquela era à parte dele que se preocupava com ela. Ele resistiu, ao contrário deixando-a ir. ‚Eu não sei o que eu estava pensando,‛ ela continuou. ‚Estava tão ansiosa, tão animada e realmente sinto que estou certa sobre isso, Diaz. Crush não est{ envolvido.‛ Ela cruzou as mãos no colo, ficou em silêncio por alguns minutos mais. Finalmente, ela mexeu e se virou para ele. ‚Você está absolutamente certo. Estraguei tudo. Sinto muito.‛ Seu intestino torceu no olhar de miséria em seu rosto. Ele queria reuni-la nos braços, alisar a sua mão sobre seu cabelo e beijá-la e afastar sua dor. Mas agora ele era seu superior e fazer ela se sentir melhor não era parte de seu trabalho. Se ela ia ser um Cavaleiro Selvagem, ia ter que aprender a tomar o mal com o bem. ‚Não faça isso de novo. Vamos apenas esperar que seja recuper{vel, que Crush realmente pode nos ajudar.‛ Ela assentiu com a cabeça. Houve uma batida na porta. Jessie levantou-se para a abrir, deixando Crush entrar. Ele não veio todo o caminho na sala, apenas encostou a parede. ‚Eu não sei quantas armas existem, mas h{ um estoque de armas escondidas em um fundo falso no trailer de Nate.‛ Diaz falou. ‚Como você sabe?‛ ‚Porque eu rastejei por baixo e encontrei. Nate estava com Rex hoje | noite. Percebi que se eles estavam indo para trazer armas com eles, o trailer de Nate seria grande o suficiente para ocultá-las. Eu comecei com o exterior.‛ ‚Alguém viu você?‛ Crush balançou a cabeça. ‚Eles estão todos na festa da pousada. Hei, eu tenho algumas habilidades. Sei como não ser pego.‛ 224


Jessie deslizou as mãos nos bolsos da calça e passou ao lado de Diaz. ‚Qualquer ideia de quantas armas?‛ ‚Centenas. Eu não parei para contar, mas existem armas, espingardas, algumas automáticas. Munição também. Algumas parecem de uso militar. Há algumas outras coisas trancadas em escuras caixas verdes. Estou pensando que talvez sejam explosivos ou talvez até mesmo mísseis.‛ Então, não era o que ele queria ouvir. ‚Isso é possível.‛ ‚Agora que você sabe sobre isso, qual é o plano? Você traz os Federais e finaliza as coisas?‛ ‚Não é tão simples,‛ explicou Diaz. ‚Nós arrastamos os Feds agora para cercar o trailer, e perdemos os sobrevivencialistas, a chance de trazer alguns desses impostores, idiotas fugindo, escória de sugadores antigovernamentais. Queremos levar alguns deles para baixo, também.‛ ‚Oh, certo. Então, qual é o plano?‛ ‚Estou trabalhando nisso. Eu preciso fazer ligações, tomar providências para trazer os Feds e que eles estejam prontos para levar esses caras para baixo amanhã. Que parte nós vamos tocar em tudo o que é incerto no momento. Nós nos veremos pela manhã, para falar sobre isso com Spencer.‛ ‚Certo. Estou aqui. Vou ficar de olho no trailer hoje | noite.‛ Crush virou-se para a porta. ‚Crush?‛ ‚Sim.‛ ‚Eu poderia estar errado sobre você. Obrigado pela informação.‛ Seus l{bios torceram. ‚Pode apostar.‛ Depois que Crush saiu, Jessie virou-se para ele. ‚Obrigado por isso.‛ ‚Só porque seus instintos poderiam ter estado certos sobre Crush não significa que você pode sair meio engatilhada sempre que quiser.‛ Ela assentiu com a cabeça. ‚Entendo. Mas eu confio nele. Você faz agora?‛

225


‚Estou começando. Vamos ver o que acontece à medida que avançamos ao longo do plano.‛ ‚Então qual é exatamente o plano?‛ Ele encolheu os ombros. ‚Eu não sei ainda. Vou ter que pensar em opções. Teremos um até amanhã.‛ Diaz sabia que ele ia ficar sem dormir essa noite. Eles tinham que tirar essas armas de fogo antes que os sobrevivencialistas fizessem e ele queria trazer esses caras dentro, o que significava que o plano tinha que ser sólido — sem erros. Todas as vias e maneiras possíveis que as coisas poderiam dar errado tinham que estar cobertas. Ele tinha muito em que pensar. Jessie entrou no banheiro, fechou a porta e ligou o chuveiro. Ele fez uma chamada para Grange, deu-lhe o horário e o local para o fornecimento de armas e discutiu as opções. Grange, disse que ele teria os federais chamando-o diretamente para organizar um ponto de ligação para amanhã, e então eles poderiam planejar a partir daí. Depois que ele desligou, olhou para a porta do banheiro. Ele ouviu a água a correr, pensou em Jessie nua e teve um impulso de se dirigir para se juntar a ela, para dizer o inferno com a sua determinação em manter as coisas impessoais entre eles, quando o que ele realmente queria era ficar muito, muito pessoal. Mas após a sua última vez juntos seria uma má ideia. Ela estava distante, emocionalmente fora do encontro — ferida. Ele não queria continuar levando-a apenas porque seu pau queria um pouco de conforto. Ele tinha ficado sem liberação sexual antes, tinha ficado um tempo maldito sem isso, na verdade. Ele sobreviveria a ficar perto de Jessie e manter as coisas estritamente profissionais. Ela abriu a porta, o cheiro dela saindo do banheiro. Ela apareceu através do vapor, sua pele rosada do chuveiro. Ela usava moletom, os mamilos delineados contra o tecido macio e marrom de sua camisa. Ele se lembrou de como sua pele parecia — macia, quente, flexível em suas mãos.

226


Apesar de suas intenções, seu pau estremeceu, começou a endurecer, seu olhar direcionado a ela como um torpedo enquanto ela se movia ao redor da sala ocupando-se com bem... O inferno que ele não tinha ideia do que ela estava fazendo. Ele estava assistindo o seu corpo — a maneira como andava, o modo como seus quadris balançavam, o passo sensual das pernas, o modo como seus seios saltavam com cada movimento. Ela acalmou, obviamente, tomando consciência de sua atenção, porque ela se virou lentamente para encará-lo quando ele se sentou na cadeira lateral. Ela se moveu para a cama, puxou as cobertas e empurrou os travesseiros contra a cabeceira. Ela deitou-se ao seu lado, meio reclinada e olhou para ele, sua intenção clara quanto colocou sua mão sobre o colchão. Convite. Sem palavras, sem explicações, sem recriminações posteriores. Talvez fosse o que eles tanto precisavam. Um pouco de liberação de tensão antes de a merda bater no ventilador amanhã. Mas ele poderia fazer isso de novo, sabendo o que aconteceu entre eles da última vez? Poderia ele permanecer separado? Poderia alguma vez ser ‚só sexo‛, com Jessie? Ele se levantou, caminhou até a cama, parou quando bateu na borda. ‚Você tem certeza?‛ Ela assentiu com a cabeça. Ele não ia perguntar novamente, porque não precisava disso. E do jeito que ela devorou sua ereção com os olhos, ela também não. Ele tirou suas roupas e subiu na cama ao lado dela, colocando a mão sobre a maciez de seu quadril, então rolando a palma da mão para cima, levantando sua camisa com seus movimentos. Pele nua. Então, macia e quente, perfumada do banho. Ela observou-o tocá-la, não se mexeu, mas sua respiração acelerou. Ele empurrou-a de costas, usou as duas mãos para empurrar sua camisa para cima e sobre os seios. Seus mamilos já eram botões apertados aguardando sua boca. Ele desceu e tomou um entre os lábios, intoxicado pelo cheiro doce da sua pele. Era quase atordoante ser capaz de tocá-la e prová-la novamente, quando ele pensou 227


que nunca seria capaz de fazer. E sentir ela arquear contra ele, para alimentá-lo com seus seios, fez o seu pau uma rocha dura, pressionando urgentemente contra o colchão. Ele queria estar dentro dela, enterrado profundamente e foder com abandono negligente. Mas queria mais do que isso, porque sabia que isso ia ser a última vez. E não ia ser ‚apenas sexo.‛ Não desta vez. Ele se moveu para o outro mamilo, brincou com os dentes e língua, até que ficou duro e ereto, em seguida, beijou-lhe o caminho para baixo nas costelas e na barriga, sacudindo o pequeno charme de seu umbigo. Ele ia perder ter acesso a seu corpo, se recusou a pensar que isso seria o playground de outro. Afastou os sinos de alerta anunciando o total idiota que era por deixá-la ir. Não agora, não quando as mãos dele estavam cheias com a sua pele suave e amanteigada, quando ele respirava o cheiro de sua excitação tentadora ao sul da jóia provocante do seu umbigo. Ele deslizou para baixo, girando a língua sobre seu monte, sentindo o corpo tenso arquear quando ele se aproximava de seu sexo. Ele reposicionou-se entre as pernas, espalhando-as amplamente para que ele pudesse vê-la, tocá-la, beijar o interior de suas coxas quando as colocou sobre os ombros. Era tão bonita, mesmo aqui. Lambeu os lábios de sua boceta e ela estremeceu, soltou um grito de prazer e pegou seu cabelo em punhos quanto moveu sua língua sobre seu clitóris e sugou. Ele queria mais, lambendo o seu caminho até a sua boceta. Ela estava tão molhada aqui. Ele soltou um gemido quando ele deslizou sua língua dentro dela, não percebendo quão faminto ele estava por ela até o gosto inundar sua boca. Ela rebolava contra ele em espasmos incontroláveis, gemendo seu nome quando ela veio com gritos sem vergonha. Ele agarrou a ela, lambendo-lhe, absorvendo tudo o que tinha a dar enquanto cavalgava seu orgasmo. Isto é o que amava sobre Jessie, a maneira como ela se desfazia. Sem hesitação, sem nada para trás e dando tudo para ele. Ele continuou a beijar e lamber sua boceta até que ela estava tensa e necessitada, novamente, os dedos apertando em seus cabelos. Só então ele largou-a, apenas o tempo 228


suficiente para rastejar o seu corpo para capturar a sua boca com um beijo profundo. Ela colocou os braços e as pernas em torno dele, segurando-o firme quando devolveu o beijo com fervor. Ele quebrou e se separou apenas o tempo suficiente para colocar um preservativo antes de puxá-la em seus braços e rolá-la para o lado. Ele queria se deitar com ela, braços e pernas entrelaçados. Deslizou seu pênis dentro com um empurrãozinho, observando o modo como seus lábios se separaram enquanto ele dirigia até que estava totalmente dentro dela. Seu pau latejava, suas bolas apertaram, cheias e prontas para estourar. Mas tudo o que podia fazer era saborear este momento de ter Jessie em seus braços, seu corpo travado com o seu, a sensação de sua boceta o segurando, o seu cheiro enchendo o ar em torno deles. Nenhum deles tinha falado — eles não precisavam. Não havia nada a ser dito, apenas este momento para ser compartilhado entre eles. Este contato que ambos pareciam precisar, e o entendimento que eles tinham que esta era a última vez. Moveu, subindo para frente. Jessie respondia por convulsões em torno dele, a perna envolvendo em torno de seu quadril para trancá-lo no lugar. Com cada movimento sua respiração ficou mais dura, mais alta, então se tornou em choramingos e gemidos. Ele respirouos, memorizou cada som, cada expressão, cada sutil movimento de seu corpo até que ele não aguentava mais e começou a fodê-la com cursos longos, profundos, segurando firme a sua cintura quando recuou e penetrou duro dentro ela. Então a contenção tornou-se impossível. Ele estava indo para fora, especialmente quando sentiu os tremores e o apertar dela entrando em erupção. Ela jogou a cabeça para trás e suspirou, segurou firme a ele quando tremia através de seu orgasmo. Ele viu o seu clímax, em seguida, ele foi incapaz de segurar e foi com ela, em erupção desde a base de sua espinha para se abandonar e entrar em uma torrente que o deixou ofegante e mal conseguia se mover. Abalado, ele abraçou-a, percebendo que não queria deixá-la ir, mas sabendo que tinha que fazer. Jessie suspirou, acariciou suas costas e se afastou. Ela o beijou, traçou o dedo sobre os lábios e sem uma palavra saiu da cama e foi até o banheiro. 229


Era isso para tornar mais fácil para ele, ou para ela? Cristo, porque isso era tão condenadamente difícil? Quando ela saiu novamente, tinha seu moletom. ‚Eu acho que vou fazer um café. Eu não estou cansada e acho que você provavelmente tem que fazer algum planejamento esta noite.‛ Ele balançou a cabeça em seu caminho para o banheiro. ‚Boa ideia. Obrigado.‛ Ele fechou a porta do banheiro, olhou para seu reflexo no espelho e varreu os dedos pelos cabelos. Sim, ele tinha que fazer um planejamento. Para a missão. Isso tinha que ser o seu foco, apesar de fazer amor com Jessie tinha abalado mais do que ele pensava. Ele sempre foi bom em andar longe, nunca deixar uma mulher dentro. Seu coração era impenetrável, uma parede sólida de gelo. Ele era incapaz de amar alguém — ou assim ele pensava. Jessie tinha ficado dentro. Por que era tão malditamente difícil tirá-la?

230


Capítulo Dezesseis ANTER DO AMANHECER, JESSIE, DIAZ, CRUSH E SPENCER se reuniram em uma sala privada para discutir as opções. Fiel à sua palavra, Crush tinha vigiado o trailer a noite toda. Ele relatou nenhuma atividade. O trailer não se moveu e Rex tinha ido para a cama sem incidentes. Aparentemente, algumas palavras para alguns de seus caras tinha colocado alguns olhos em Rex. Ele estava sob vigilância apertada agora e Crush assegurou-lhes que ninguém sabia o porquê, e nenhuma pergunta seria feita. Não era a primeira vez que Crush teve alguns de seus membros observados e ninguém nunca questionou o líder dos Skulls. Jessie não achou que nenhum deles tinha dormido muito na noite anterior. Todos eles bocejaram enquanto tomavam a primeira xícara de café. Ela tentou dormir, jogando de um lado para o outro na cama, enquanto Diaz passeou, deitou no sofá, levantou-se e andou mais. Não perdeu que ele não tinha chegado de volta na cama com ela. Ela sofria por ele, sentia falta da sensação de seu corpo grande aconchegando-se contra ela. Mas a distância entre eles era provavelmente o melhor. Fazer amor com ele na noite passada tinha sido uma decisão impulsiva e de momento, uma escolha da parte dela. Ela precisava dele e assim ele também, a liberação da tensão antes do ‚grande jogo‛, por assim dizer. Mas agora era hora de se concentrar em seu trabalho. Ela estava muito ansiosa de muitas maneiras. Muito ansiosa por ele, bem como em seu envolvimento com a missão. Ambos tinham lhe custado caro. Era hora de dar um passo para trás e deixar Diaz executar o show, trabalho sábio. No que dizia respeito a sua relação pessoal... Não havia uma. E ela ia ter que aprender a viver com isso. Não podia ter relações sexuais impessoais com ele. Ela aprendeu isso da pior maneira. Sexo sem se chegar emocionalmente nada significava.

231


Ontem à noite ela deixou todas as suas emoções voarem. Tinha sido maravilhoso. Mas também manteve na parte de trás de sua mente que Diaz nunca ia ser o tipo de homem que poderia ter um relacionamento com ele. Tinha sido tudo bem, enquanto eles estavam na cama. Mas assim que eles terminaram, ela sabia que não ia ficar bem. Nunca ia ficar bem estar sem ele. Então, nunca ia dormir com ele novamente. Ela apenas tinha logo se afastado dele senão seu coração ia bater continuamente assim. Era melhor simplesmente se concentrar na missão, passar o final deste caso, em seguida, voltar à sede Motoqueiros Selvagens e seguir em frente com sua vida. Sem Diaz, porque esse era o jeito que ele queria. Ela pediria a Grange para não atribuir a ela num caso com Diaz por um tempo. Então, com o tempo e um pouco de distância, talvez pudesse trabalhar com ele novamente. Certamente o seu coração iria curar e eles poderiam ser amigos. Ela seguiria em frente, começaria a namorar, que é o que ela deveria ter feito o tempo todo em vez de ficar pendurada em um cara que não estava interessado em um futuro com ela. Depois que ela caísse dentro e fizesse amor algumas vezes, ela e Diaz poderiam ambos rir sobre isso. Teoricamente parecia ótimo. A realidade seria muito diferente. Suficiente. Era hora de se concentrar. Todo mundo estava debatendo e ela mal tinha se sintonizado dentro. Ela voltou sua atenção para os caras. ‚Nós poderíamos roubar o trailer,‛ Crush sugeriu. Diaz balançou a cabeça. ‚Os sobrevivencialistas nunca viriam a seguir. Eles reconhecem a configuração e iria apenas enviá-los mais à paisana. Nós perderíamos a negociação a caminho e nós não só estragaríamos a chance de trazer alguns sobrevivencialistas junto, mas Rex, Nate, e os outros também.‛ ‚Portanto, a melhor coisa a fazer é simplesmente deixar a transferência acontecer?‛ Jessie perguntou. Diaz concordou. ‚Sim. Eu já estive em contato com Walt, nosso contato Fed. O plano é soltar premeditadamente nas primeiras horas a localização da reunião de Rex com os 232


sobrevivencialistas. A ATF já está planejando vasculhar a área e garantir que ninguém esteja por perto. Nós vamos enterrar-nos profundamente, esconder veículos e estar prontos para saltar sobre eles assim que estiverem fazendo a troca. Dessa forma, pegamos ambos os lados no ato da compra e venda de armas ilegais.‛ ‚Quando nós vamos?‛ Diaz olhou para Crush. ‚Nós somos treinados para isso. Você não é. Isso pode se tornar perigoso.‛ Crush nivelou um olhar em Diaz. ‚Você não pode me chutar para fora neste momento. Sei me cuidar. Além disso, meus caras estão com o pescoço nesta merda. Sinto-me responsável. Eu quero vê-lo passar.‛ Diaz considerou. Má jogada trazer um civil, mas Crush parecia saber como lidar consigo mesmo e eles poderiam precisar de outro motociclista experiente, no caso de as coisas irem para o sul. Além disso, Crush já sabia o que ia acontecer. Era melhor mantê-lo perto em vez de dizer que tinha que ficar aqui, urinando e correndo o risco de aparecer na hora errada e explodir toda a operação. ‚Ok, mas se você sequer piscar no caminho errado eu vou batê-lo fora. Esta é uma operação Federal e é enorme. Eles vão cair em blocos nessa porcaria sabendo que temos um civil em meio a isso, então você tome todas as medidas, mas colado ao meu lado e faça exatamente o que eu digo.‛ Crush assentiu. ‚É isso aí.‛ ‚Nós j{ temos dispositivos de rastreamento na moto de Rex, bem como nos demais envolvidos,‛ disse Diaz. ‚Mas quero adicionar um no trailer, também. Eu não vou correr nenhum risco no caso de fazer um desvio de última hora do local do encontro designado, especialmente desde que nós não estaremos aqui para vigiá-los.‛ Crush assentiu. ‚Parece que você tem tudo planejado.‛ Spencer bufou. ‚Nunca é tão f{cil quanto parece. O plano só parece simples. E os planos simples são normalmente da pior espécie.‛ ‚Porque mil coisas diferentes podem dar errado e porque a natureza humana é totalmente imprevisível,‛ Jessie acrescentou. 233


‚Exatamente.‛ Diaz se levantou e caminhou pela sala cheia a Crush. Eles tinham se escondido aqui porque Crush assegurou-lhes a privacidade. ‚Podemos planejar para os resultados diferentes, mas nunca sabemos o que pode acontecer. A única coisa que temos de evitar é a detecção. Ninguém em ambos os lados, de Rex ou o lado dos sobrevivencialistas pode saber que estamos l{ assistindo.‛ ‚Estamos fazendo vídeo?‛ Spencer perguntou. ‚Tenho tudo sob controle.‛ Ao olhar interrogativo de Crush, Diaz disse, ‚Nós vamos pegar o comércio de armaspor-dinheiro em vídeo. O Feds vão precisar de provas e eu disse a Walt que tínhamos cuidado do vídeo.‛ Jessie pegou um bloco de papel e uma caneta e começou fazer anotações. Eles tinham que proteger o equipamento de vídeo, fazer arranjos para fugir mais cedo hoje para que eles pudessem se encontrar com os Feds e ter tudo no lugar. Diaz colocou Crush encarregado de dar desculpas adequadas para os seus paradeiros. Crush ia dizer às pessoas que ele estava conduzindo Diaz, Spencer e Jessie em um de seus lugares favoritos. Que ficariam a maior parte do dia e bem dentro da noite. Antes de partirem, as armas teriam de ser verificadas e carregar munição adicional garantida. Jessie esperava que os tiros não fossem necessários, mas sabia que tinham tudo o que fosse necessário. Eles também tinham que manter um olho em Crush, porque ele era um civil. Se algo acontecesse com ele, seria culpa dela. Sim, ela confiava nele, mas não era o seu trabalho colocar seu pescoço na linha para ajudá-los a bobinar nos bandidos. Movimento estúpido, Jessie. Ela sabia melhor, realmente fazia. Ia ter que parar de ser tão ansiosa e começar a tomar um banco traseiro para o líder da missão no futuro. Se ela ainda tivesse um futuro com os Motoqueiros Selvagens, quando isto tiver acabado. Ela não iria culpar Diaz em tudo se ele a delatasse a Grange. Eles passaram a manhã brincando de ser discretos. Apareceram no restaurante da pousada, conversaram e tomaram café, agiram tão normal quanto possível.

234


Crush fez um grande negócio em falar com Diaz sobre a tomada de um passeio naquele dia, que os levaria para o norte para um dia em Missouri e última da noite. Pouco tempo depois era hora de arrumar as malas e ir embora. Foi um pouco depois do meio-dia quando chegaram ao destino da reunião, mais de oito horas antes dos sobrevivencialistas e o grupo Rex estarem programados para o encontro. Os federais já estavam lá, vasculhando a área. Eles esconderam suas motos e cobriram, certificando-se que não podiam ser vistos a partir da estrada. Walt se encontrou com Diaz e trocaram informações. ‚Eu tenho equipes limpando a {rea, j{ em cinco quilômetros, certificando-se de que ninguém est{ na floresta,‛ disse Walt. ‚A previsão do tempo é uma merda de teto para esta noite, chuva pesada possível. Com todas estas colinas e árvores é muito perigoso para helicópteros, por isso vamos ficar sem apoio aéreo.‛ Walt era alto, bem construído, com profundos olhos azuis e cabelo preto, cortado e quase escondido debaixo de um boné ATF. Todos os seus homens estavam vestidos de forma semelhante em roupas de camuflagem escuras. O lugar estava cheio de agentes correndo ao redor, fazendo muito pouco ruído, dizendo quase nada, mas todos pareciam saber o que deveriam fazer e onde deveriam estar. Seus veículos já estavam muito longe, tudo acontecia a pé. Esses caras eram bons. ‚Vocês quatro podem mover-se para frente comigo,‛ disse Walt. ‚Você tem vídeo, por isso vamos precisar de você perto da ação.‛ Diaz concordou e eles seguiram. Havia apenas um caminho perceptível visível da estrada principal e amplo o bastante para Nate trazer o trailer. Fora isso, era floresta densa todo o caminho. A vegetação se espalhava pelo chão da floresta, tornando perigoso caminhar. ‚Isso vai ficar péssimo | noite‛, Jessie murmurou, escolhendo o seu caminho sobre os galhos caídos e pedras. ‚Se tivermos que decolar, após esses caras, vamos tropeçar e cair sobre nossas bundas.‛

235


‚Até então nós estaremos batendo-lhes com luzes, de modo que deve ajudar o seu pé,‛ Walt ofereceu. Sim, ele iria ajudar um pouco, mas quanto? Ela esperava que fosse uma noite de lua cheia. Então, novamente, quando inclinou a cabeça para trás e olhou para a copa de cima das árvores, ela percebeu que seria sorte conseguir alguma coisa através da folhagem espessa. Isso ia ser interessante. Eles discutiram o perímetro, onde e como se estabelecer. SUVs haviam sido escondidas, com os pilotos escondidos atrás das rodas, prontos para bloquear a estrada principal e todas as saídas disponíveis a qualquer momento. De jeito nenhum eles poderiam estacionar nas proximidades, porque seriam vistos, mas Walt assegurou-lhes que tinham veículos de prontidão e podiam reaparecer dentro de momentos. Jessie assumiu que eles sabiam o que estavam fazendo. Eles se instalaram cerca de vinte metros atrás da clareira, bem escondidos atrás de uma pedra grande, coberto de musgo e um bosque espesso de árvores. Para o norte era um penhasco e uma queda acentuada até o rio e sem chances de os sobrevivencialistas chegarem dessa forma. A única maneira que teriam de se movimentar era a partir do leste e da estrada principal e os agentes do ATF não estavam estabelecidos lá. Todo mundo estava enterrado na floresta profunda, fora da vista. Jessie inclinou-se contra a rocha e agarrou sua garrafa de água para fora da embalagem. Ela se virou para Spencer, que soltou uma maldição resmungando enquanto se sentava. ‚Você est{ bem?‛ Ele deu um aceno r{pido e um sorriso tranquilizador, apertando sua mão. ‚Eu tenho tratado de coisa pior do que isso, querida. Eu vou ficar bem.‛ Não tinha ideia o que era pior do que ser morto, e não tinha certeza que ela queria saber o que mais Spencer havia passado. Agora tudo o que tinha a fazer era esperar. Ela olhou para o relógio. Eram seis horas. Eles tinham três horas para esperar.

236


Droga de tocaia. Muito tempo em marcha lenta, refletir e pensar. Jessie odiava inatividade, preferia muito mais a fazer algo. Diaz tinha se estabelecido ao lado dela. Eles estavam sentados no chão úmido. Ela estava começando a ter cãibras. O céu ficou escuro e uma chuva fina fria começou a cair. Ótimo, ótimo. Jessie fechou o casaco até o queixo, puxando a gola levantada, grata por se lembrar de colocar as meias grossas. Estaria frio esta noite, ainda mais pela umidade no ar. ‚Frio?‛ Diaz perguntou. ‚Ser{ que meus dentes tagarelas me entregaram?‛ Ele riu, empurrando para mais perto dela. ‚Eu deitaria em cima de você para manter você quente, mas então eu iria perder todo o foco na missão.‛ Ela bufou, em seguida, virou a cabeça para olhar para ele, sugando uma respiração em seus olhos escuros a estudando. ‚O quê?‛ Perguntou ela. Seus l{bios curvados. ‚Nada.‛ Sim, ela definitivamente iria ter que pedir a Grange para não atribuir mais seus casos com Diaz. Seu estômago se apertou e sentiu tudo dentro quente e pegajoso. Bastava olhar para ele e fazia seu cérebro embaralhar — mas pelo menos ela estava mais quente agora. Bônus. As horas passavam lentamente. Eles falaram sobre a missão, e Walt ajudou a passar o tempo falando-lhes de algumas outras tocaias que tinha estado ligado. Algumas eram arriscadas e cheias de ação, outras completamente fodidas, e algumas, como esta, foram horas gastas apenas sentando e esperando. Seu mundo era fascinante, porém, e ele tinha feito algumas missões de alto nível. Finalmente, ela ouviu sons. Os sons dos motores. O estrondo de tubos. Já era tempo. ‚Entrem em posição,‛ disse Walt, alertando sua equipe através de seu comunicador. Eles desceram quando as motos entraram na clareira, os motores desligados e vozes sussurradas ecoavam na floresta vazia.

237


Era Rex e os outros motociclistas do bando de Crush. Diaz sinalizou para todos eles se manterem ocultos. Jessie consultou o relógio. Em linha reta até às nove horas. Rex foi rápido, sem dúvida, ansioso para ter a sua recompensa. O trailer veio poucos minutos mais tarde. Nate parou no local do acampamento e cortou o motor, seguido logo depois por vários quadrimotor e picapes. Os sobrevivencialistas. Durante algum tempo era o caos, os motores barulhentos e as conversas. Diaz levantou o polegar e lentamente se levantou e olhou em volta das rochas e vegetação para dar uma olhada na ação. Era o mesmo grupo da noite de ontem, só que desta vez eles trouxeram um pouco mais. Cerca de vinte homens, do que Jessie podia contar, todos fortemente armados. Jessie pegou a câmera da bolsa. ‚Deixe-me fazer isso,‛ Spencer sussurrou. ‚Eu tenho um }ngulo claro aqui.‛ Ela entregou a câmera a Spencer e ele começou a filmar. Os faróis do caminhão e das quadrimotor haviam sido deixados ligados, dando-lhes muita luz para ver todos. Os sobrevivencialistas eram um bando indisciplinado. Usavam chapéus escuros puxados para baixo sobre os olhos, usavam barbas cheias — de jeito nenhum se reconheceria seus rostos. Todos eles estavam vestidos com botas, calças e jaquetas camufladas, sem dúvida, para que se misturassem com a floresta, tudo indefinido na aparência. E aqueles fuzis que os sobrevivencialistas carregavam não eram definitivamente qualquer tipo que você compra em uma loja de armas. Jessie não era especialista em armas, mas pareciam de uso militar. Onde quer que as tenham conseguido, eles tinham que ter obtido ilegalmente. Esses caras estavam preparados para a guerra. Um arrepio deslizou por sua espinha quando pensou nas possibilidades. Este era um negócio sério e ela se sentia mal preparada para enfrentar essas pessoas com nada mais do que uma pistola calibre 40. Ela apostava que Rex, Nate e os outros motociclistas estavam armados também. Ela estava de repente muito contente de ter a ATF com eles. Com os dispositivos de comunicação em seus ouvidos, eles poderiam pegar o que estava sendo dito. Os sobrevivencialistas aproximaram-se do trailer. O homem que tinha feito a 238


maior parte da conversa na noite passada — George, ela pensava que era seu nome — estava lá novamente. ‚Estão aqui?‛ Rex assentiu. ‚H{ um fundo falso construído dentro, quase como uma sala de armazenamento. Armas e munição.‛ George cuspiu um maço de tabacos de mascar. ‚Bom.‛ ‚Você tem o nosso dinheiro?‛ Nate perguntou. ‚Claro que temos. Nós somos empres{rios honestos. Fazemos um acordo, nos mantemos nos termos.‛ George examinou a {rea. ‚Tem certeza que não foram seguidos?‛ ‚Eu dificilmente passaria no teste para entrar no seu grupo, se eu fosse idiota o suficiente para ser seguido.‛ Rex queria se juntar aos sobrevivencialistas? ‚Vamos ver quanto esperto você é,‛ disse George, um passo | frente e agachando-se na frente do trailer. Ele se arrastou para baixo, permanecendo lá por cerca de cinco minutos antes de reaparecer, limpando as mãos fora. ‚Droga de ideia genial criar esse fundo falso. Dificilmente perceptível.‛ Nate irradiou um sorriso. ‚Obrigado.‛ ‚Nós poderíamos usar alguém com sua sabedoria em nossas fileiras. Você est{ interessado em juntar-se a milícia real?‛ Rex deu uma cotovelada nele e Nate tropeçou, ‚Uh, sim. Quero dizer, com certeza. Sim, senhor. Eu estaria interessado em juntar-me verdadeiramente.‛ George assentiu com a cabeça, cuspiu novamente. ‚Nós vamos ter que verificar então. Você tem família?‛ ‚Ex-mulher é tudo. Ela com certeza não sentiria minha falta se eu desaparecesse.‛ ‚Bom o suficiente. Vamos falar sobre você mais tarde. Vamos começar a descarregar.‛ Agora a ação estava realmente começando. Jessie se perguntava quanto tempo o ATF iria esperar antes de se mover dentro. 239


Ela olhou para Walt, mas ele estava observando atentamente, sem fazer sinal para mover-se. Ele tinha um dispositivo de comunicação amarrado a seu ombro, seu rifle na mão, mas parecia relaxado, escutando. Spencer estava filmando, ter tudo isso em fita, seria uma grande prova, quando eles prendessem todos esses caras e levassem isso ao tribunal. Os motociclistas ajudaram os sobrevivencialistas a descarregar as armas debaixo do trailer para as picapes esperando. Jessie ficou tensa, puxou sua arma, esperando o sinal para que pudessem entrar e tomar esses caras. Assim que os caminhões foram carregados, Rex e George se encontraram na frente de uma das picapes. George puxou uma mochila da cabine do caminhão e entregou-a a Rex. ‚Duzentos e cinquenta mil, como falamos. Est{ tudo aí.‛ Rex concordou e aceitou o saco. ‚É isso,‛ disse Walt, em seguida, deu o sinal através de seu comunicador. ‚Movam-se, agora!‛ Granadas de flash explodiram na clareira, para cegar os sobrevivencialistas e os motociclistas. ATF explodiu em todas as direções, ordenando a todos para congelar. Em seguida, o som de tiros explodiu. Jessie suspirou, saltou de seu esconderijo, e saiu numa corrida de morte, seguindo o exemplo de Diaz. O jogo começou.

240


Capítulo Dezessete DIAZ LEVOU SUA EQUIPE QUANDO A CONFUSÃO reinou em torno deles. Tiros soaram para fora, tão alto que mal conseguiam ouvir sua própria voz enquanto ele gritava ordens. ‚Fiquem abaixados e peguem a cobertura!‛ Diaz gritou, preocupado apenas com sua equipe no momento. Ele agarrou seu olhar em Crush, convencido de que ele tinha sua própria arma. ‚Você, fica para tr{s,‛ ele ordenou. Crush assentiu e tomou posição atrás dele quanto eles se moviam por trás da linha principal de agentes do ATF. O trabalho deles não era lidar encurralando e fazendo prisões, mas fornecer apoio. Eles fizeram sua parte, mas agora que estavam até os joelhos neste corpo a corpo, de maneira nenhuma Diaz ia ficar por aí com seu polegar no rabo só pra ver tudo ir para baixo. Tampouco estava indo para colocar sua equipe na linha de fogo. Sobrevivencialistas geralmente não se rendiam, o que significava que havia perigo à frente. Tiros estavam em todo lugar, ricocheteando nas cascas das árvores, passando voando por suas cabeças quando balas atingiam as proximidades. Diaz estava grato que a ATF tinha trazido um exército maldito com eles. ‚Fique atr{s dessas {rvores. Não entre na clareira. Vamos, em sua ajuda se necess{rio.‛ Mas, em seguida, o som inconfundível dos motores de moto chamou sua atenção para longe da batalha e em direção à estrada principal. ‚Você ouviu isso?‛ Disse Spencer se movendo por tr{s Diaz. ‚Sim.‛ ‚Acho que nossos amigos estão tentando fazer uma fuga.‛ ‚Hoje não, eles não vão.‛ A ATF estava engajada, as suas grandes SUVs pretas já tendo passado para a área do acampamento para bloquear a saída. 241


Diaz e sua equipe tinham uma chance muito maior de pegar Rex e os outros. ‚Volte para as motos,‛ Diaz disse em fuga. ‚Nós vamos ter que segui-los. Eu não quero perder esses caras.‛ Eles empurraram de volta para suas motos, descobriram e pularam, utilizando o aparelho de GPS para rastrear Rex e seus rapazes. Eles cortaram pela floresta, levando-o lento, mas deliberado. Assim como imaginou, as motos tinham atravessado a floresta e voltado para a estrada principal. Porra, isso não ia acontecer. Eles trabalharam muito duro para deixar esses caras fugirem. Girou o acelerador e acelerou, os outros enfiados bem atrás dele. Eles não tinham andado muito ao longo da estrada antes que Diaz avistasse Rex e os outros. A chuva tornou a estreita faixa de estrada de duas pistas ainda mais traiçoeira. Diaz apanhou-os, moveu-se ao lado deles, a sua intenção era zumbir por eles para atrasá-los. Rex tentou bater nele, mas Diaz foi mais rápido, desviando em torno dele e pisando no freio para voltar atrás dele. Eles estavam cambaleando em curvas tão rápido que Rex e os outros não seriam capazes de usar suas armas. Quando chegaram a uma bifurcação na estrada, Rex e dois dos outros rapazes atiraram à esquerda, os outros três à direita. Diaz sinalizou para Spencer e ele e Crush foram para a direita, enquanto Diaz e Jessie seguiram Rex e os outros dois. Rex tinha tomado uma estrada que ia a um beco sem saída lá na frente no rio. Apesar da chuva que caía, Diaz viu um banco de areia largo e uma inclinação ascendente recheada com grama e arbustos. Nada mais. Rex levou sua moto para cima e ao longo da borda, descendo a colina gramada e depois começou a andar paralelo ao rio. Onde diabos ele pensava que estava indo? Os amigos de Rex seguiam e assim o fizeram Diaz e Jess. Diaz viu a ponte à frente, sabia que era onde Rex estava indo. Ele espremeu-se e empurrou os dois motociclistas, com a intenção de cortá-los antes que eles destruíssem a ponte. Jessie moveu-se rapidamente, também, usando sua moto para calçar entre os outros dois e Rex. 242


Rex chegou à ponte, mas Jessie tinha conseguido desviar os outros dois. Diaz não teve outra escolha senão seguir Rex sobre a ponte de tábuas de madeira. Ele não podia deixá-lo fugir, mas ele não gostava de deixar Jessie sozinha para lidar com os outros dois motoqueiros. Ele tinha de pensar primeiro na missão. Jessie estava armada. Ela podia lidar com isso, certamente? Besteira. Ele pegaria Rex mais tarde. Ele não estava deixando Jessie para lidar com dois motociclistas. Um tiro ecoou e ele derrapou no meio da ponte quando aplicou os freios, virando a moto cento e oitenta graus. Uma moto caiu sobre o banco de areia e com a queda da chuva, ele não poderia ver quem era. Foi Jessie ou um dos outros motociclistas? Ele lançou um olhar para o final da ponte, viu as luzes da cauda de Rex desaparecendo na chuva e escuridão. Merda. Você não deixava um membro da equipe em perigo. A primeira regra dos Motoqueiros Selvagens, especialmente quando uma grande coisa descia e esta era definitivamente um problema. Ele era responsável por Jessie, um membro júnior da equipe. Ele não ia deixá-la, não importava o quanto ele queria arrastar Rex para dentro. Ele bateu no acelerador, voltando para a moto caída. Parecia demorar uma eternidade para chegar lá, como se o tempo caísse para um rastreamento. Ele olhou através da chuva, que agora caía nas folhas, tentando ver a moto e o piloto caído deitado ao lado dela. Quanto mais perto ele ficava, mais duro e forte o seu coração batia. E se fosse Jessie? E se ela levou um tiro, estivesse sangrando, ferida bem ruim? Ou pior? Adrenalina, ele voou em sua moto, logo estava perto o suficiente e correu para o motociclista caído. Era um dos caras de Rex, um tiro no ombro, frio e por fora. Alívio inundoulhe, seguido imediatamente pela confusão e medo renovado. Onde estava o outro motociclista? Onde estava Jessie? Ele vasculhou a área, mas não viu nada. Depois de determinar que as lesões do motociclista não eram uma ameaça à vida, ele pegou um par de algemas de sua bolsa, algemou as mãos do motociclista de costas, alertou os

243


agentes federais à localização, do motociclista caído e o que estava acontecendo, então subiu de volta na moto, arrastando os dedos pelos cabelos. Ele respirava dentro e fora, tentando resolver o pânico e confusão em seu intestino. Em seguida, ele ouviu algo, sacudiu a cabeça ao som retumbante de motores de motocicleta. Ele pegou o seu GPS e seguiu os sinais, imaginando que se ela estava na cauda de um dos amigos de Rex, em seguida, o sinal levaria a ela e tinha que estar o mais próximo desde que ele tinha ouvido a moto. Ele manobrou para fora da areia e até o aterro gramado, encontrou um caminho na escuridão cheia de chuva, seguindo isso e sua unidade de monitoramento. O som do motor de sua própria moto abafava a possibilidade de ouvir suas motos, mas ele se concentrou em sua unidade de GPS, determinado que ia levá-lo a Jess. Ele se recusou a considerar qualquer outra possibilidade. Ele tinha que encontrá-la. O sinal de localização movendo-se em uma das unidades, em seguida, mostrou que a moto tinha parado. Diaz diminuiu, não querendo errar a mão. Quem quer que ele estivesse seguindo não estava se movendo mais. Isso era bom ou muito ruim. Ele viu uma cascalheira na frente e era aí que o sinal de encerrava. Merda. Definitivamente não era bom. Pilhas de pedra britada faziam uma grande camuflagem. Quem sabia onde poderia estar escondido? Ele diminuiu a moto para um rastreamento enquanto andava em torno de cada pilha do tamanho de uma colina de cascalho, em busca de uma moto ou pessoas. Havia luzes acesas no centro de britagem, mas estava fechado e bloqueios firmemente ligados às portas de entrada de aço. Ele continuou, em busca de quaisquer sinais dos motociclistas ou Jess. A única coisa boa sobre a chuva era que tinha feito grandes trilhas na lama. Ele viu uma linha que ia a uma das portas — provavelmente tentou entrar na fábrica e percebeu que não podia e decolou. Ele seguiu as trilhas de moto, levando a sua lentamente, mantendo um olho sempre atento para... Ele disparou fora de sua moto por algo batendo em seu ombro esquerdo. Uma dor limpa-quente esfaqueando dentro dele, enviando-lhe pela lama espessa. Momentaneamente atordoado, ele piscou para limpar a névoa de dor e confusão, lutando para respirar, sabendo 244


que ele tinha sido baleado, mas nenhuma ideia de como era ruim. Ele flexionou os dedos com este lado, aliviado ao saber que funcionava. Ele rolou, usando sua moto caída como cobertura e com o braço bom enfiou a mão no bolso para sua própria arma. Um rápido exame da área não mostrou nada. Seu braço doia como um filho da puta e ele sentiu um filete de sangue cair em cascata, mas não havia absolutamente nada que ele pudesse fazer sobre isso no momento, só esperava que ele não fosse sangrar forte o suficiente para passar por isso. Em seguida, ele ouviu — um grito ligeiro, um suspiro abafado. Instinto lhe disse que era Jessie. Ela veio do lado do edifício, cerca de vinte metros de distância de onde ele estava. Infelizmente, se ele se levantasse e fizesse uma corrida para lá e alguém passasse encostado no canto do prédio, faria uma grande prática de alvo nele. Levar um tiro de novo não estava no topo em sua lista de prioridades. Então, ouviu um gemido, seguido por uma maldição alta e Jessie disparou de trás do edifício, correndo em sua direção como se seus cabelos estivessem em chamas. Tiros foram disparados, mas ela voou por trás de sua moto, caindo com um jato de cascalho sobre os dois. Em pânico, com medo que ela tivesse sido baleada, Diaz abriu fogo, em seguida, virouse para ela. ‚Você est{ bem?‛ Ela assentiu com a cabeça, o rosto machucado e sujo. ‚Eu estou bem. Você?‛ ‚Levei uma bala no meu braço, mas estou bem.‛ Seus olhos arregalaram quando ela chegou para ele. ‚Oh Deus, Diaz. Onde? Quão ruim é isso?‛ Ele encolheu os ombros para ela, focalizando sua atenção no lado do edifício. ‚Agora não. Eu posso lidar com isso. Precisamos sair desta crise primeiro. O que está acontecendo lá? Quantos caras? Será que Rex se encontrou com o cara que você estava perseguindo?‛ Ele pegou seu telefone celular, discou o número para enviar um alerta para Walt. Esperando que Walt iria pegar no GPS de Diaz sua localização e enviar uma equipe. ‚Só um cara. Ainda não vi Rex,‛ disse ela depois que Diaz embolsou seu celular. ‚Você tem a sua arma?‛ Ela balançou a cabeça. ‚Ele tirou de mim.‛ 245


‚H{ uma outra arma na minha sacola se você pode alcanç{-la.‛ Ela cavou a sua mão sob a sua moto para chegar ao seu alforje. ‚Então esse cara... Eu acho que o nome dele é Dave? De qualquer forma, ele correu pra mim e me chutou da minha moto, então me agarrou e arrastou-me para tr{s do prédio quando ouviu sua moto vindo.‛ A pressão sanguinea de Diaz subiu no visual de alguém machucá-la. Ele coçava para colocar as mãos sobre Dave. ‚Eu dei uma joelhada nas suas bolas e lhe dei uma cotovelada bem diretamente no queixo e saí correndo para c{.‛ Diaz sorriu. ‚Boa menina.‛ ‚Ele também entrou em contato com Rex, é suposto encontr{-lo em breve.‛ ‚Fico feliz em ouvir isso.‛ Diaz odiava perder Rex. ‚Mas primeiro, nós temos que sair dessa clareira aberta. Estamos sentados aqui como patos.‛ Além disso, Diaz não gostava de se esconder atrás de um tanque cheio de gasolina. Isso era apenas pedir uma morte, ardente e explosiva. Não parecia que viriam balas voando em sua direção, então Dave estava mentindo, à espera de Diaz para fazer a próxima jogada. Ele poderia ter fugido também. Ou talvez estava sem balas. Eles poderiam ter tanta sorte. Diaz girou ao redor, viu as colinas de cascalho por trás deles. ‚Vamos sair desta moto. Podemos usar esses montes de cascalho como cobertura.‛ Tendo tomado a arma de seu alforje, Jessie embolsou a munição extra e assentiu. ‚Estou pronta quando você estiver.‛ Utilizando o seu braço não lesionado para empurrar-se em uma posição de agachamento, ele deu o sinal. Jessie correu, e Diaz disparou em rajadas contínuas no ponto do canto no edifício, enquanto ele estava correndo. Ele ficou na frente de Jessie no caso de alguma bala chegar voando neles. Pareceu durar uma eternidade, mas Diaz sabia que eram apenas alguns segundos até que eles estivessem seguros atrás de um monte alto e cinza. Eles esperaram. Ou Dave havia saído ou não ia perder mais munição com eles. ‚Você precisa me deixar ver o seu braço,‛ Jessie sussurrou.

246


‚Est{ tudo bem. Eu não acho que a bala penetrou.‛ A dor era um pulsar monótono agora e o sangramento parecia ter abrandado. ‚Acho que a espessura do meu casaco, provavelmente desacelerou a bala.‛ Jessie inclinou um olhar dúbio em sua direção. ‚Se você passar fora de mim pela perda de sangue eu vou te chutar.‛ Seus l{bios levantaram. ‚Devidamente anotado.‛ Ela se acomodou contra o cascalho, arma apontada em direção ao prédio. ‚Então e agora?‛ ‚Vamos esperar.‛ Eles não tiveram que esperar muito tempo. Um zumbido gutural de moto ecoou pelo silêncio. ‚Rex estava vindo por detr{s do edifício,‛ disse Diaz. ‚Aposto que Dave deixou seu posto para se encontrar com ele. Vamos tomar o lado esquerdo do prédio, ver se podemos deslocar-nos por trás deles. Vamos nos mover enquanto estão distraídos se encontrando.‛ Diaz empurrou para fora e Jessie estava junto com ele, quando eles viraram a esquerda em torno da colina, permanecendo abaixados no chão. Diaz fez um gesto para Jess para ficar parada enquanto ele fazia um traçado ao lado do edifício. Se alguém ia levar um golpe, ia ser ele. Ele fez isso, então sinalizou para Jessie, que correu para seu lado. Eles achataram-se contra o muro de concreto frio de cascalho. Diaz ouviu os sons, a moto de Rex ou Dave ou qualquer coisa que seria um sinal de sua localização. Ele olhou para Jessie, que balançou a cabeça. Droga, eles iam ter que caçá-los, o que iria colocá-los tão abertos e vulneráveis quanto os bandidos. Mas eles não tinham escolha. Eles não podiam ficar ali e esperar por Rex e David virem a eles, tão conveniente quanto isso seria. Ele chamou a atenção de Jessie e inclinou a cabeça para a direita, avançando seu caminho através do muro, em direção a outra extremidade do edifício. Jessie seguiu, ficando perto, levantando a arma pronta. 247


A fábrica era bem iluminada com luzes de halogêneo penduradas no teto e um farol brilhando sobre os poços e arredores. Era tanto uma coisa boa como ruim, porque tornaria mais difícil para Rex e Dave se esconderem deles, mas também tornaria mais difícil para Diaz e Jessie se esconderem sob o manto da escuridão, também. O que significava que ele teria que descobrir uma maneira de procurá-los sem iluminar-se sob as luzes, como estrelas de rock em um show. Fez uma pausa no canto no lado e para trás da fábrica. Atrás deles havia nada, além de cascalho. Para o oeste eram arbustos e depois cerca. Se eles empurrassem para fora e circulassem a oeste, escondidos atrás da vegetação, estariam fora da área iluminada. Eles poderiam se mover na escuridão dessa forma e apenas iluminados por uns poucos segundos em que corressem para a noite. Diaz apontou o cano da arma na direção dos arbustos. Jessie assentiu e levantou três dedos, contagem regressiva para zero. Ele se atirou em uma corrida, com Jessie em seus calcanhares. Nenhum tiro ecoou, quando fizeram o caminho atrás de um arbusto espesso. Bom. Se eles estivessem realmente com sorte não teriam sido vistos. Diaz esperava que Dave tivesse dito a Rex que eles estavam se escondendo na frente, e era aí que eles estavam procurando. Agora, eles tinham a chance de ter a vantagem. Diaz manteve-os em baixo e atrás dos arbustos, ultrapassando-o e na parte não iluminada do quintal. Embora plano e sem nada para esconder-se atrás, estava escuro. A chuva pegou de novo, mas, pelo menos, isso significava cobertura de nuvens e sem luar. Queria o que quer que eles utilizem para as máquinas na fábrica não fosse tão barulhento. Será que eles nunca desligavam? Um zumbido baixo, constante. Isso significava que ele não podia ouvir passos, sussurros, tudo o que seria um sinal do paradeiro de Rex. Mas o som de uma moto? Sim, ele podia ouvir e fez. Duas delas, na verdade. Ele virouse ao som de uma por trás deles, o seu farol em luz alta e tubos diretamente para eles.

248


‚Se mova,‛ ele gritou para Jessie. Ela contornou fora do caminho e ele girou, apontando sua arma e disparando. Perdeu, mas cascalho pulverizou para cima e para o rosto do motociclista, fazendo-o desviar-se e cair da moto. Aparentemente, não machucou, Dave pulou da moto e saiu. Oh, não. Não desta vez. Diaz foi atrás dele em uma corrida de morte, prendeu-o e fez os dois voarem. Filho da puta, aquilo fez o seu braço ferido doer. Ele empurrou a dor interna, rolou sobre Dave e conseguiu um soco duro em sua mandíbula. Huh. A mandíbula de Dave devia ser feita de vidro, porque ele estava desmaiado. Isso foi fácil. Diaz levantou, chutou Dave sobre sua barriga e o algemou, consciente do som da moto de Rex na distância. Ele se levantou, virou-se e percebeu que Jessie não estava por perto. Merda. Chuva escorria pelo seu rosto, minando sua capacidade de ver mais do que o comprimento de um braço na frente dele. Ele arrastou no meio da lama e cascalho, seguindo o som da moto de Rex, vendo o farol desviar à esquerda e à direita. Estava correndo, indo para os arbustos. Rex perfurando dentro com sua moto, brincando com ela, acelerando o motor, em seguida, cortando-o de volta. Foda-se! Diaz deu tudo que tinha, olhando com horror quando Rex aproximou-se de Jessie correndo. Ele estava quase em cima dela, a sua intenção clara. Ele ia bater nela. Fúria fervia dentro dele e Diaz correu mais do que ele já tinha, fechando a distância entre eles, esses últimos metros sugando cada grama de oxigênio dentro de seus pulmões. Suas botas afundaram na lama, seu corpo inteiro parecia que pesava milhares de libras enquanto ele fazia o seu caminho mais próximo para avançar sobre Rex. Ele não ia chegar a tempo. Ele parou, levantou a arma, esperando como o inferno que pudesse obter o tiro, que iria retardar Rex antes que batesse nela.

249


Apenas quando parecia que Jessie ia ser engolida pelo pneu dianteiro de Rex, Diaz disparou. Jessie deu um salto e mergulhou ao longo de um arbusto enorme. No mesmo instante, a bala atingiu a moto de Rex e Rex desviou. A moto derrapou e Rex caiu. Diaz saiu correndo, saltando sobre a moto e caiu numa luta corporal contra Rex. Maldita sorte para ambos que a chuva havia suavizado o terreno. O impacto tinha sido duro o suficiente. Diaz estava num lampejo de fúria, sobre o que Rex tinha tentado fazer a Jessie, o que mantinha sua adrenalina bombeando. Ele recuou e deu um soco no rosto de Rex, satisfeito com o som esmagador, o sangue voando do nariz de Rex. Mas não era o suficiente. Não depois do que tinha visto Jessie literalmente correndo por sua vida. Ele ouviu os carros se aproximando. A ATF, sem dúvida. Diaz ouviu gritos, mas ele esqueceu. Fúria o levou e ele continuou a agredir Rex, que tentou rastejar longe em sua barriga como a cobra que ele era. Diaz o pegou pelas costas de seu casaco e pousou outro soco duro, jogando-o de volta para o chão. Névoa vermelha o cegou e ele só conseguia pensar em uma coisa — o olhar de terror absoluto no rosto de Jessie enquanto Rex ia atrás dela. ‚Vamos, filho da puta! É f{cil atropelar uma menina indefesa, não é? Agora levante e lute como um homem.‛ Rex rolou de barriga, gemendo, recusando-se a levantar. ‚Oh, não. Você não vai conseguir sair assim tão f{cil.‛ Ele chutou-o de costas, levantouo pelo casaco novo, com a intenção de colocá-lo em seus pés para que pudesse bater a merda fora dele. ‚Diaz. Pare!‛ Ele ouviu a voz de Jessie, mas estava focado apenas em Rex, queria que ele implorasse por clemência. Mesmo assim, ele não tinha intenção de parar. Ele queria que Rex pagasse. ‚Diaz. É o fim. Os agentes federais estão aqui.‛ Jessie aproximou-se de Rex, empurrou Diaz forte no peito. 250


‚Diaz!‛ Ele piscou, seu coração um bloco louco contra o peito. Ele se concentrou em Jessie, o olhar em seu rosto. ‚Os agentes federais estão aqui. Deixe-os terminar isso.‛ Sua voz era suave, mas viu o olhar em seus olhos. E ele sabia o que viu. Ela viu o que tinha feito. Ele olhou para suas mãos, cobertas de sangue, em seguida, para baixo, Rex, desmaiado no chão, seu rosto uma pasta de sangue. Ele estava batendo num homem inconsciente. Cristo. Ele inalou pelo nariz, lutando contra a bile subindo na garganta. Ele virou-se, afastou-se de Jess, pegou um lenço do bolso para limpar o sangue. ‚Preciso ir encontrar Walt e apresentar um relatório,‛ disse ele. ‚Eu vou com você.‛ Ele começou a objetar, em seguida, deu um aceno rápido. Trabalho. Concentre-se no trabalho. Isso era bom. Qualquer coisa, menos o corpo inconsciente do homem que ele, sem dúvida, teria espancado até a morte se Jessie não tivesse o parado. Como ele tinha adivinhado, a bala não estava tão mau de todo e eles consertaram rápido. O médico disse que ele ia estar ferido por um par de dias, mas tudo bem. Apesar do tiroteio selvagem, ninguém do ATF tinha sido ferido. Spencer e Crush tinham reunido os outros da gangue de Rex e os prenderam para os agentes pegar. Rex e seu grupo estavam agora sob custódia. A localização do acampamento de sobrevivência era ainda desconhecida, mas os federais estavam satisfeitos de terem sido capazes de prender pelo menos duas dúzias deles no local da transação de armas. Era condenadamente normal e quase impossível pegar qualquer um deles saindo do esconderijo, ou conseguir alguma coisa sobre eles que não a evasão fiscal. Agora eles tinham as armas ilegais que tratavam, o que era uma ofensa grande. Tanto quanto o governo estava preocupado, esta foi uma boa missão.

251


Depois Diaz informou a Walt que ele iria apresentar um relatório detalhado pela manhã, Diaz, Jessie, Spencer, e Crush fizeram o caminho de volta a pousada. Era hora de arrumar as malas e se despedir dos Devil’s Skulls. Crush ia cuidar de informar sua turma sobre o que aconteceu com Rex, Nate e os outros. Ele também disse que era hora de limpar a casa com os Skulls, extirpar qualquer outra pessoa simpática aos sobrevivencialistas. Isso não era um elemento que ele queria nos Skulls. Ele ainda estava chateado como o inferno sobre sua gangue sendo usada dessa forma. Crush estaria ocupado. ‚Então é isso?‛ Crush perguntou, inclinando-se contra a parede da cabana de Diaz e Jessie. Spencer já tinha feito as malas e saído do seu quarto no alojamento e agora estava sentado no sofá de Diaz. ‚É isso. Além de alguns papéis, nós terminamos aqui. O Feds vão querer tomar uma declaração de você e, possivelmente, alguns dos outros, ver o que você pode dizer a eles sobre Rex, Nate, e o resto deles.‛ Crush assentiu. ‚Sim, eles me disseram. Verei no que posso para ajudar. Eu ainda não posso acreditar que isso estava acontecendo bem debaixo do meu nariz. Realmente me irrita.‛ ‚Eles não queriam que você soubesse. Eles são bons em esconder suas atividades,‛ disse Jessie. ‚Eu acho.‛ ‚Mas nós pegamos eles,‛ disse Spencer. ‚E você ajudou.‛ Crush sorriu. ‚Sim. Isto foi provavelmente o mais divertido que eu tive nos últimos anos que em um desses passeios.‛ Spencer riu. ‚Não comece a pegar os criminosos muitas vezes?‛ ‚Não, não frequentemente.‛ Diaz foi até ele e estendeu a mão. ‚Você fez bem. Nós não poderíamos ter feito isso sem vocês.‛ Crush apertou a mão de Diaz. ‚Como eu disse. Gosto de aventura e isto é algo a dizer aos netos um dia.‛ 252


‚Só não use os nossos nomes na história,‛ Jessie disse com uma piscadela. ‚Vou ser propositadamente vago.‛ Diaz fechou a sua mochila e todos eles caminharam para o lado de fora. ‚Sempre que algum de vocês quiser montar com os Skulls, vocês são bem-vindos para juntar-se. Vocês são membros agora e vocês sempre serão.‛ Diaz sorriu para Crush. ‚Poderia fazer isso. Às vezes preciso ficar longe, agora e depois. E gosto dessa {rea.‛ ‚Dê-me uma chamada. Vou andar com você a qualquer momento.‛ Eles disseram suas despedidas e saíram. Ao invés de esperar até de manhã, Diaz queria andar de volta para o quartel-general dos Motoqueiros Selvagens esta noite. Spencer e Jessie concordaram que não havia nenhum ponto em se prolongar na pousada. Ele descobriu que eles estavam todos ansiosos para voltar. Todo mundo tinha coisas para fazer. A missão acabou. Era hora de ir para casa. Hora de voltar à realidade. E o tempo definitivamente para uma verificação da realidade. Se alguém precisava disso, era Diaz. Ele precisava falar com Grange. Então, ele precisava falar com Jessie.

253


Capítulo Dezoito CASA. JESSIE ESTAVA FELIZ DE VOLTAR À SEDE dos Motoqueiros Selvagens. Era sempre bom ver Grange e qualquer um dos rapazes, que por acaso estavam pendurados em torno do momento. Agora, porém, ela desejava que fosse apenas ela e Diaz. Queria um tempo a sós com ele, para falar com ele sobre o que aconteceu na noite passada com Rex. Ela sabia que o incomodava. Como tantas outras coisas o incomodavam. Mas eles não tiveram um momento a sós desde que voltaram há dois dias. Primeiro, ele tinha estado escondido com Grange, ocupado relatando o caso. Ela teve que dar seu relatório, também. Se não era uma coisa era outra. Ela chutou o cesto de lixo em seu quarto, se levantou e começou a andar, os braços cruzados. Diaz estava a evitando. Não era preciso ser um cientista para descobrir isso. Ele não estava sendo sutil sobre isso também. Ah, claro, ela sabia que tinha tido essa conversa toda sobre a existência de nada entre eles, sobre como só poderia ser lá na missão e que eles não poderiam ter um relacionamento pessoal. Mas isso eram todas coisas dele, não dela. E ela sabia o porquê. Ela tinha relutado. Ela entendeu. Mas havia algumas coisas que Diaz necessitava compreender, e a estava cansada de ele fazer todas as regras. Era tempo para começar a fazer algumas delas. Embora ele estivesse ocupado nos últimos dias fazendo o inferno para evitá-la, ela também tinha estado ocupada. Pensando. E quando fez seu pensamento, pensou muito. Ela finalmente descobriu o quebra-cabeça de Jessie e Diaz e como se encaixava. Como eles se encaixam. E eles consertariam isso. 254


Era tempo para Diaz perceber que ela não estava indo embora só porque ele queria. Mas primeiro tinha que falar com Grange. Diaz não ia gostar, também, mas muito ruim. Eles não estavam em uma missão por mais tempo e ela estava livre para fazer o que quisesse. Ela deslizou para fora da cama e desceu as escadas para o escritório de Grange, batendo de leve na sua porta. ‚O quê?‛ Ela sorriu com o tom áspero de sua voz. Ele nunca deixou de diverti-la. ‚É Jessie.‛ ‚Vamos l{, entre.‛ Ela deu um passo em sua sala de guerra e tomou assento na cadeira em frente à sua mesa, esperando até que ele terminasse o que estava digitando em seu computador. ‚Tudo bem,‛ disse ele, finalmente, olhando para ela. Ela estudou o rosto, as linhas de expressão para fora de seus olhos, os anos de desgaste em sua pele que dizia sobre tantas batalhas que lutou e venceu. Mais do que batalhas físicas, também. Ela nunca admirou um homem mais do que admirava o General Grange Lee. E ele era a figura de pai que ela tinha sempre conhecido. Confiava nele com sua vida. ‚Estou apaixonada por Diaz.‛ Fiel à forma, ele nem sequer piscou. Nada que qualquer pessoa dissesse poderia chocar ou surpreender o homem. ‚Você est{, hein?‛ ‚Sim.‛ ‚Ser{ que ele te ama de volta?‛ ‚Acredito que ele faz, sim. Mas continua empurrando-me para longe.‛ ‚Porque...‛ ‚Sua história parental. Seu pai.‛ ‚Ah.‛ Grange estalou os dedos e olhou sobre Jessie. ‚Ele tem medo de magoar você.‛ Ela assentiu com a cabeça. ‚O que ele não vai. Eu o conheço. Provavelmente melhor do que conhece a si mesmo. Ele é incapaz de me machucar.‛ ‚Ele não é perfeito, Jessie. Tem alguns problemas.‛ 255


‚Estou plenamente consciente disso. Mas seus problemas não são comigo. Ele nunca, jamais, vai me machucar. Precisa entender isso.‛ ‚E como você vai convencê-lo?‛ ‚Oh, eu tenho uma ideia.‛ ‚Quero saber o que é?‛ Ela sorriu. ‚Provavelmente não.‛ Ele balançou a cabeça. ‚Então, por que você est{ me dizendo isso?‛ Ela se levantou, foi em torno de sua mesa e beijou sua bochecha. ‚No caso de você ouvir um monte de gritos e gritos. Eu não quero que você se preocupe. Eu posso lidar com Diaz.‛ Quando ela estava indo para fora da porta, ouviu sua risada baixa. ‚Se alguém pode, Jess, é você.‛ Estava contente que Grange tinha tanta confiança nela. Essa confiança sinalizava quando chegou à porta do quarto de Diaz. Ela levantou a mão para bater, então fez uma pausa, respirando fundo. Vamos Jessie. Você quer isso. Não o deixe intimidar você a fugir. Ela bateu duro três vezes. Nenhuma resposta. Imaginou. Ele provavelmente sabia que era ela, ou talvez ele estivesse com a intenção de ignorar todos. ‚Diaz?‛ ‚Estou ocupado, Jess.‛ Girou a maçaneta e abriu a porta, fechando-a atrás dela. Ele estava sentado em sua mesa, olhando para o computador. Virou e olhou para ela. ‚Que parte do ‘estou ocupado’, Jess você não entendeu?‛ ‚Eu decidi ignor{-lo.‛ Ela entrou no quarto e se sentou ao lado de sua cama. O seu olhar não tinha qualquer sinal amigável. Duro. Ela não estava saindo até que eles tivessem aquilo fora. Ele soltou um enorme suspiro e ela estava certa que era tudo para o efeito, em seguida, empurrou a cadeira em torno para encará-la. ‚Ótimo. O que é?‛ 256


‚Quero falar sobre o que aconteceu com o Rex.‛ Ele girou a cadeira para tr{s ao redor para enfrentar seu computador. ‚Eu não preciso de psicanalista, mas obrigado.‛ Revirando os olhos, ela se levantou e mudou-se para sua mesa, plantou seu quadril contra ela. ‚Não estou psicanalisando você. Acho que você est{ chateado pelo que aconteceu.‛ ‚Você est{. E em que baseia isso?‛ ‚O fato de que o conheço, que posso ler os sinais do seu corpo. Você tem estado tenso, silencioso, você não disse muito ao redor dos caras, e você não falou comigo, desde que voltamos.‛ ‚Estive ocupado, desde que voltamos e não preciso dar as mãos com os caras. E você e eu mal somos BFF5, Jess.‛ Ela lutou com um sorriso. ‚BFFs?‛ ‚Ou o que quer que as crianças chamem isso. Tento ficar por dentro da linguagem. Isso é errado?‛ ‚Não, não é preciso. E por que não podemos ser... BFFs?‛ Outro suspiro. ‚Jess, realmente. Tenho um monte de trabalho a fazer.‛ ‚Você est{ me evitando, Diaz — tudo porque você bateu o inferno fora de Rex.‛ ‚Não. Porque tenho que apresentar relatórios de trabalho, com a colaboração federal sobre este caso para que possamos ter a nossa parte fechada. Papelada. Como líder da missão, este é o meu trabalho.‛ ‚É mais do que isso.‛ Ela cruzou os braços e olhou-o, recusando-se a acreditar que a papelada tinha algo a ver com seu humor desde que voltou. Ela se ajoelhou diante dele, acariciando o topo da sua mão, suavizando sua voz. ‚Fale comigo, Diaz. Por favor.‛ Seu olhar se estreitou, então ele soltou um suspiro. ‚Ele tentou mat{-la. O que eu deveria fazer?‛

5

Melhores amigos.

257


Agora eles estavam chegando a algum lugar. ‚Aprecio que me defendeu. Você salvou a minha vida, você sabe.‛ Ela apertou sua mão. ‚Eu nem sequer tive a oportunidade de lhe agradecer por isso.‛ Ele sacudiu a mão e levantou-se, moveu-se para a janela. ‚É o meu trabalho manter os membros da minha equipe em segurança. Isso é tudo que existe.‛ Ela se levantou e seguiu. ‚É por isso que foi atr{s de Rex tão duro? Porque você estava mantendo um membro da equipe em segurança?‛ ‚Não. Sim.‛ Ele passou os dedos pelos cabelos. ‚Eu não sei. Saia, Jessie.‛ Ela chegou mais perto, respirando-o. O cheiro dele nunca deixou de excitá-la. Seus mamilos apertaram. Ele notou. Paixão animal ateou fogo pra cima silenciosamente entre eles, pairando no ar, invisível, mas como uma corrente de aço segurando-os no lugar. Ele a olhou para baixo, o olhar duro e inflexível. ‚Eu j{ disse que isso nunca vai funcionar entre nós.‛ ‚Porque você tem medo que vai me machucar.‛ Ele não falou no que tinha que ser um minuto, o minuto mais longo da sua vida. Ela se recusou a se mover, se recusou a dizer qualquer coisa até que ele fez. ‚Sim, caramba. Porque tenho medo de machuc{-la. Você viu o que eu fiz para Rex, o que eu fiz para aquele outro cara durante a iniciação. Tenho a violência em mim, Jessie e um dia eu vou virá-la em você.‛ ‚Você não a usa contra alguém que você ama, Diaz. Você nunca me machucou.‛ ‚É só uma questão de tempo.‛ Este era o lugar onde ela tinha que jogar as luvas. Este era o lugar onde tinha que testálo. Ela recuou, exalando. ‚Talvez você esteja certo. Talvez estou perdendo meu tempo e fazendo papel de boba correndo atr{s de você.‛ Ela viu a confusão em seus olhos e sabia que tinha de seguir adiante. ‚Estou cansada Diaz. Tão malditamente cansada de me atirar em você e ter você me empurrando para fora. Sou 258


uma mulher totalmente crescida e tenho necessidades de uma mulher e desejos. É malditamente tempo de eu encontrar alguém que vai satisfazer esses desejos para mim.‛ Ela o empurrou para fora da mesa e foi até a porta. ‚Jessie, o que você est{ falando?‛ ‚Você me perguntou antes porque permaneci virgem por muito tempo. Eu disse a você, porque eu era exigente. Acho que é tempo de eu parar de ser tão exigente. Você me ensinou a amar o sexo, Diaz. E você me ensinou sobre o amor. Decidi que quero ambos na minha vida. Se você se recusa a dá-los a mim, vou encontrar alguém que o faça.‛ Ela abriu a porta de seu quarto, saiu por si mesma. Era uma aposta. Uma arriscada. Lutou contra as lágrimas quando ele a seguiu até seu quarto, abriu a porta, ela tentou fechar na sua cara. ‚Que diabos você est{ fazendo?‛ Ela levantou a blusa e jogou-a para o chão. Ele rapidamente fechou a porta para evitar que olhos curiosos dessem uma espiada. Ela foi até seu armário e encontrou o seu espartilho de couro, o que a fazia derramar seus seios por cima. Conforme ela o colocava, virou-se para ele. ‚Eu vou sair e começar uma vida, Diaz. Você se importa?‛ Sua mandíbula apertou num caminho perigoso que ela achou tão sexy. Ele não disse nada quando ela fechou o espartilho e saiu em busca de seus couros. ‚Então você vai se vestir em suas roupas mais sexys e ir encontrar um homem, hein?‛ ‚Eu não sei. Somente preciso sair. Se vou encontrar um homem ou não ainda não se sabe.‛ ‚Aonde você vai?‛ ‚Não tenho certeza. AJ e Pax estão em sua missão. Eles disseram algo sobre um novo bar de motoqueiros no centro de Dallas. Pensei em ir com eles esta noite.‛ ‚AJ e Pax são animais festeiros.‛

259


Ela caiu sobre as calças de couro, observando a maneira como seus olhos escureceram quando ela fechou o zíper na lateral. Agora, para suas botas. ‚AJ e Pax podem cuidar de si mesmos. E assim posso eu.‛ Ela sentou na cadeira e acrescentou suas botas de salto alto para acabar com a roupa, então se levantou, foi até o espelho para aplicar o batom. ‚Cristo, Jessie, vestida desse jeito sabe que os caras vão pensar?‛ Ela bateu ao redor e avançou sobre ele. ‚Olha, Diaz. Não preciso de um pai. Nunca tive um, nunca senti falta. Preciso de um homem que vai me amar, que quer ficar comigo. Eu nunca vou correr atrás de um homem novamente. Se algum me quiser ele pode malditamente e muito bem vir e me dizer todas as razões por que eu deveria deixá-lo ter-me. Agora dê o fora do meu caminho. Estou cansada de ser deixada de lado. Estou indo festejar.‛ Ela o empurrou de lado e invadiu o elevador, estando grata que estava aberto e esperando por ela. Enfiou a mão no botão e montou para o andar de baixo, então caminhou por todo o piso principal, ignorando os olhares boquiabertos de Spencer, AJ, e Pax quando ela digitou o código de segurança para abrir o elevador de nível mais baixo que levava para a garagem. ‚Estou indo ao novo clube no centro,‛ atirou por cima do ombro. ‚Se alguém quiser vir comigo, vamos l{. Caso contr{rio, volto mais tarde.‛ Ela não esperou por respostas, apenas entrou no elevador, que levava para baixo e saiu fora. O ar fresco ajudou a limpar a neblina da raiva para fora de sua cabeça. Diaz não se importou. Ele não iria segui-la. Como tantos homens que ela tinha ouvido falar antes — não a queria, mas ele não queria que mais ninguém a tivesse também. Isso era muito malditamente ruim, porque ela estava falando sério. Ela se recusava a sentar e esperar por ele por mais tempo. Tinha feito o seu melhor para tentar fazer ele se sentir melhor. Às vezes, o seu melhor não era bom o suficiente. Às vezes você tinha que saber quando jogar a toalha e se entregar. 260


‚Você só vai deix{-la sair fora — assim?‛ Diaz olhou para a porta do elevador fechada. Ele tinha descido até o nível principal e viu Jessie sair. Agora ele estava com Pax e AJ, que olhavam para ele com olhares expectantes. Por que diabos eles estavam olhando para ele? ‚Eu não sou seu guardião.‛ Pax acertou-o com um olhar estreito. ‚Cara, a menos que você esteja cego, é óbvio que ela tem uma coisa para você.‛ ‚Sim,‛ AJ acrescentou. ‚Uma coisa chamada amor. Então o que você vai fazer sobre isso?‛ Nem percebeu que Grange escolheu esse momento para sair de seu escritório e entrar no salão principal. ‚O que est{ acontecendo?‛ ‚Jessie acabou de sair daqui, puta como o inferno e vestida para matar,‛ Pax disse, cruzando os braços e inclinando-se contra a porta do elevador. Grange levantou uma sobrancelha e olhou para Diaz. ‚É isso mesmo?‛ Diaz revirou os olhos. ‚O quê?‛ Grange encolheu os ombros. ‚Nada.‛ Ele olhou para Pax. ‚Onde ela est{ indo?‛ ‚Algum clube novo no centro que nós falamos a respeito.‛ ‚Vocês vão com ela.‛ Isso não era uma pergunta. Isso era uma ordem. Pax e AJ se dirigiram para seus quartos. ‚Sim, eu acho que nós vamos.‛ ‚Não. Eu vou fazer isso.‛ Ambos pararam. Olharam para Grange, em seguida, a Diaz. ‚Você tem certeza disso?‛ Grange perguntou. Ele sabia o que Grange estava perguntando. ‚Sim. Tenho certeza. Pax, d{-me o nome e o endereço do clube.‛ Dentro de uma hora ele tomou banho e conduziu para o novo clube na periferia da cidade. Moderno, iluminado com néon e absolutamente lotado. Uma linha formada até o fim do 261


quarteirão, com porteiro de média aparência anotando os nomes na porta. Felizmente, AJ conhecia o cara e já tinha chamado na frente e obteve Diaz dentro. Ele caminhou até a frente, para o desespero dos jovens na fila da calçada, que gemeram e vaiaram enquanto ele era autorizado a entrar pelas portas duplas pretas do Hot Shots. Música explodiu os tambores em seu ouvido, logo que ele pisou dentro. Alta, com um baixo batendo, garantindo que você quisesse pular na pista de dança e rebolar. Se você estava para esse tipo de coisa, ele não estava. Procurou e encontrou um bar, preto longo com bancos bem-acolchoado, pediu uma dose dupla de Jack Daniel e tomou um gole. A queimadura fez seus olhos lacrimejarem, mas ajudou. Ele virou-se e procurou no clube lotado. Corpos aglomerados em todos os espaços disponíveis. As pessoas se misturavam ao redor, algumas de pé, outras ocupando assentos nas cabines e mesas. O resto girava na pista de dança gigante, embalados juntos como sardinhas e colidindo uns contra os outros. Se ele estava indo para encontrar Jessie, ia ter que dar um passeio. Conforme ele fez, percebeu rapidamente que aquele lugar não era nada mais do que um mercado de carne. Mulheres analisavam os homens, ansiosas, olhares famintos tornando-se evidentes por demais o que eles estavam comprando. E os homens eram tão óbvios, inclinandose, sugerindo, apalpando e agarrando como se eles pudessem fugir com elas. Álcool suficiente fluía mais que muitos deles poderiam. Teria ele alguma vez sido assim jovem e estúpido? Sim, infelizmente, tinha sido. Quando fez o seu caminho através da prensa de corpos, ele obteve abundância de olhares de meninas com a idade de Jessie. Mulheres delimitavam seu corpo, jogando fora sinais que elas estavam abertas à sua abordagem. Algumas até o pararam, tocando o casaco, perguntaram se ele queria uma dança ou se podiam comprar-lhe uma bebida. Ele não estava interessado. Não nelas de qualquer maneira. Mesas e cabines estavam espalhadas por todo o clube, a pista de dança situada no meio. É aí que ele encontrou Jessie, ondulando entre dois caras enquanto uma canção sexy e sugestiva tocava. Eles espalhavam suas mãos através de seu estômago e nas costas e ela balançava seus quadris entre ambos, os braços erguidos acima da cabeça, os olhos fechados enquanto 262


balançava para trás e para a música. Seus lábios abertos, sua língua lançada para fora para varrer o lábio inferior. Um cara colocou a mão em sua garganta para desenhar o rosto na direção dele. Jessie abriu os olhos, riu e inclinou a cabeça longe dele. Ele tentou novamente, ela espalmou seu peito e empurrou para fora, afastando-se dele para dançar com o outro cara, que passou um braço em volta da cintura e a trouxe perto de seu peito. Diaz inalou, lutou contra a fúria crescente provocada por ver as mãos sobre ela. Ele não tinha o direito de estar com raiva. Jessie não era sua. Ela poderia fazer o que quisesse, com quem quisesse fazer. Ele tinha feito essas regras, a empurrou longe uma e outra vez porque era a coisa certa a fazer. Mas porra, não era isso que ele queria. Abriu caminho através da multidão e para Jessie. Ela viu quando ele estava a poucos metros de distância, continuou dançando. Na verdade, se virou de costas para ele, chegando por trás dela para puxar o segundo cara mais perto. Isso não iria funcionar. Diaz bateu-lhe no ombro. Ele olhou para cima. ‚Cai fora.‛ Uma vez que Diaz era cerca de um pé mais alto e quarenta quilos, mais pesado, o cara aparentemente decidiu que não valia a pena se colocar numa briga. Ele deu de ombros e deixou a pista de dança. Quando Diaz ofereceu um olhar ameaçador para o que estava na frente de Jessie, ele tomou uma caminhada, também. Jessie virou-se para enfrentá-lo. ‚Que diabos você est{ fazendo?‛ ‚Dança comigo.‛ ‚Foda-se.‛ Ela começou a empurrar para passar, mas ele a segurou pelo braço. Ela olhou para onde a abraçou, em seguida, para ele, seus olhos brilhando fúria mesmo no clube escuro. ‚Deixe-me ir, Diaz. Agora.‛ Soltou seu braço e ela se afastou da pista de dança. Ele a seguiu enquanto ela pegava sua jaqueta numa banqueta de bar e saia pela porta da frente para o estacionamento. 263


Ele estacionou o Camaro ao lado de sua moto, então parou na frente dela. ‚Jess, precisamos conversar.‛ ‚J{ falei tudo. Preciso que você me deixe o inferno sozinha‛ Ele se recusou a sair do seu caminho para que ela pudesse chegar em sua moto. ‚Não é isso que você queria? Que eu a seguisse? Certo, você me pegou aqui, então vamos conversar.‛ ‚Não é o que eu queria. Não quero falar com você. Não quero fazer nada com você. Eu estive meio que tentando falar com você só para acabar em nada. Volte para casa, Diaz.‛ Eles tinham atraído uma multidão, incluindo alguns caras musculosos, sem dúvida, seguranças do clube. Eles fizeram sua abordagem. Grande. Só o que ele não precisava agora. ‚Esse cara est{ incomodando você, senhora?‛ Um homem alto, grosso, careca se aproximou, seus braços quase tão grandes quanto seu pescoço. ‚Cai fora,‛ disse Diaz. ‚Nós estamos falando.‛ ‚Certo, isso é o suficiente.‛ O careca se colocou entre Diaz e Jessie. ‚Você precisa sair daqui e deixar a mulher sozinha.‛ ‚A senhora e eu estamos bem. Nós não precisamos de sua interferência.‛ O careca entrou em seu espaço. Diaz deu um passo adiante. Se esse cara queria um barulho, em seguida, Diaz estava pronto para isso. Ele já podia sentir o calor correndo em suas veias, o levando para a batalha. E estava condenadamente irritado o suficiente para querer surrar este Neanderthal. Jessie não precisava de proteção. Não dele. Mas Jessie abriu caminho entre os dois, inclinou a cabeça para trás, e trancou os olhos com Diaz. ‚Não faça isso. Por favor.‛ Ele estava preste a mover Jessie fora do caminho, mas havia algo na maneira como ela olhou para ele que o fez parar. Seus olhos, tão claros, suplicando-lhe, finalmente alcançando através da névoa espessa de raiva, lembrando-lhe que ele tinha algo a perder, deixando a sua ira assumir o controle. 264


Ela. Isso tinha que acabar. Não apenas para ela, mas para si mesmo. Ele deu um passo para tr{s, levantou as mãos, o lado da palma para cima. ‚Desculpa, cara,‛ ele disse para o segurança. ‚Eu não quero uma luta aqui.‛ Diaz nunca recuou em toda a sua vida. Doía a ele fazê-lo agora — o fez se sentir como um covarde. Mas ele tinha que fazer. Por Jessie. Por si mesmo. Não havia nada a ganhar aqui, e tudo a perder. Ele deu-lhe a mão, segurou-a e por algum motivo estranho ele se sentia como se fosse seu coração que tinha lá para ela, tomar ou afastar. Sim, o pensamento era estúpido, mas lá estava. Seus l{bios inclinaram para cima, ela deslizou a mão na sua. ‚Vamos.‛ Ele acenou para o porteiro, que acenou de volta e se virou para ir embora, arrastando a multidão que se reuniu com ele. Era o fim. ‚Vamos dar um passeio.‛ ‚Tudo bem,‛ disse ela. Ele abriu a porta para ela e ela deslizou para o banco do passageiro. Ele entrou, iniciou o motor, e dirigiu. Rodaram em silêncio. Ele sabia exatamente onde queria levá-la. A noite estava clara, a lua alta e brilhante, sem uma nuvem no céu, o único som era o ronronar da rotação do motor do Camaro. Ele entrou no parque, deserto àquela hora da noite, encontrou um local bem agradável isolado drapejado de salgueiros — e parou, cortando o motor. Agora que eles estavam aqui, achou difícil encontrar o lugar certo de partida. Ele olhou para fora do pára-brisa nos ramos de salgueiro balançando na brisa. Ela não ia falar primeiro não, desta vez, e ele sabia disso. Isto era para ele. Ele poderia muito bem começar com as coisas mais importantes primeiro. 265


‚Eu não quero que você esteja com mais ninguém.‛ Ela não respondeu. ‚Não tenho relacionamentos, Jess. Eu nunca tive. Sei que não é uma desculpa, mas é tudo que tenho. Não sei como lidar com alguém de forma amorosa, porque nunca amei ninguém antes.‛ Ele parou, virou-se para encará-la. ‚Mas eu te amo. Lembra quando eu disse que nada me assustava?‛ Ela assentiu com a cabeça. ‚Eu menti. A possibilidade de ferir você algum dia assusta o inferno fora de mim.‛ ‚Você não vai me machucar. Não é a maneira que você pensa. A única maneira de me machucar est{ em não nos dar uma chance.‛ Ele balançou a cabeça. ‚Percebo isso agora. Perder você me assusta ainda mais. Eu te amo, Jessie.‛ Seus olhos fecharam e abriram novamente. Ele viu lágrimas brilhando lá. Deus, ele tinha feito uma bagunça disso. ‚Então eu estraguei tudo,‛ ele continuou. ‚Provavelmente vou estragar ainda mais Não queria me apaixonar por você. Não quero me apaixonar por ninguém.‛ ‚Você est{ arrependido, não é?‛ Ela se virou para olhar pela janela, nem mesmo à sua frente. Sua voz soou tão pequena, como se doesse mesmo dizer isso. ‚Não. Não posso estar arrependido por te amar. Você me mudou. Você me fez pensar sobre quem eu sou, sobre o homem que quero ser, sobre um monte de coisas que eu nunca teria pensado se não tivesse apaixonado com você. Eu nunca gostaria de ter que voltar.‛ Ela deslocou-se para enfrentá-lo. Deus, ela era tão bonita, com o rosto em forma de coração, os lábios úmidos e cheios e tão malditamente adoráveis que faziam seu estômago doer. E seus olhos — tão cheios de expressão, tão cheios de emoção, ela nunca poderia esconder dele. ‚Estou confuso, Jess.‛ ‚Eu não espero que você seja perfeito.‛ ‚É mais do que isso. Tenho um problema. J{ falei com Grange sobre isso.‛ 266


Ela se moveu, virando em metade do assento da frente para ele. ‚Você acha que eu não sei que você tem problemas com raiva? Claro que percebi que você tem um problema. Mas o problema não se estende a mim.‛ Ele inclinou a cabeça, franzindo o cenho. ‚O que você quer dizer?‛ ‚Quantas vezes eu j{ deixei você puto?‛ Seus l{bios curvaram. ‚Muitas.‛ ‚Alguma vez você j{ veio atr{s de mim quando estava com raiva? Alguma vez você j{ levantou a mão para mim?‛ Ele inclinou para trás, o próprio pensamento de machucá-la fisicamente tornava-o mal do estômago. ‚Claro que não.‛ ‚Exatamente. E você não faria. Não est{ em você me machucar. Não est{ em você machucar ninguém que você se preocupa, Diaz. Você não é como seu pai, e é hora de parar de carregar esse fardo — o fardo dele. Não é a sua cruz para carregar. Ele fez o que fez, mas não é quem você é.‛ Ele queria negar o que ela disse. Passou toda sua vida pensando que ele era exatamente como o velho. Inferno, seu pai lhe tinha dito muitas vezes que era igual a ele. Mas Jessie estava certa. Não era como seu pai. Ele nunca havia machucado Jessie, ou qualquer mulher, ou qualquer um com quem ele se importava. ‚Você est{ certa. Mas ainda posso explodir muito f{cil, ainda tenho dificuldade em controlar minha raiva. Ela está afetando o meu trabalho.‛ ‚Você vai fazer algo sobre isso?‛ ‚Sim. Grange disse que posso tomar algum aconselhamento. Ele não parecia muito preocupado com isso.‛ ‚Bom.‛ ‚Você — você gostaria de ir comigo?‛ Seus olhos se arregalaram. ‚Você gostaria que eu fosse?‛ ‚Sim. Eu faria. Seria bom se você estivesse lá. Não sou muito bom em dizer como me sinto. Talvez você possa me ajudar com essa parte.‛ 267


Seus olhos se encheram de l{grimas. ‚Eu adoraria ir com você.‛ Isso era estranho. Sentado aqui com Jessie, fazendo planos como se fossem um casal. Apesar de ter adivinhado que eles fossem agora. Outra coisa que não sabia exatamente como lidar. Ele supunha que estava indo para ter que descobrir isso. ‚Você est{ perdido.‛ Ele olhou para ela. ‚Sim. Eu meio que estou. Disse que eu não tenho relacionamentos. Para onde vamos a partir daqui?‛ Ela encolheu os ombros. ‚Eu não tenho ideia. Não é como se eu fosse uma especialista nisso.‛ ‚Ótimo. O cego guiando outro cego.‛ ‚Você poderia fazer um grande começo me beijando,‛ disse ela. ‚Sim, eu poderia fazer isso, não poderia?‛ Ele respondeu com um sorriso. Mas quando ele se inclinou, percebeu que o Camaro maldito tinha assentos e um console com uma alavanca entre eles. Ainda assim, ele conseguiu escovar os lábios através dela. Assim que ele tocou a língua dela, o seu sabor explodiu em sua boca, fazendo água na boca. Ela tinha um gosto quente e picante, como canela, como tudo o que ele sempre quis. Ele inclinou-se adiante, colocando a parte de trás do seu pescoço para puxá-la mais profundamente no beijo, provocando um gemido em resposta. Ela aproximou-se dele, as mãos segurando o casaco e segurando firme. Ele sentiu sua tensão, sua necessidade, queria puxar ela em seu colo para que pudesse sentir todo o seu corpo contra ele enquanto a beijava. Ele queria mais, muito mais do que ia chegar neste carro. ‚Vamos para casa,‛ ele sussurrou contra sua boca. ‚Onde eu possa chegar mais perto de você.‛ Onde ele podia despi-la, tomar o seu tempo para realmente mostrar-lhe como se sentia. Ela balançou a cabeça. ‚Eu não quero ir para lá. Muito lotado. Muitas pessoas nos interrompendo. Isso é bom.‛ Ela alcançou por tr{s dela e deslocou seu assento para frente, depois escalou para o banco traseiro. ‚Venha para tr{s aqui comigo.‛ 268


O Camaro não era o carro mais espaçoso e ele não era exatamente um cara pequeno, mas ela estava certa. A sede dos Motoqueiros Selvagens não era o melhor lugar para estar sozinho. Aqui não era exatamente conveniente, mas eles tinham a privacidade deles tanto quanto podiam para começar. Jessie já estava tirando sua jaqueta, revelando o espartilho sexy com que o provocou mais cedo. Seus seios derramados por cima, fazendo água na boca para saborear a sua carne macia amanteigada. Ela se posicionou no banco e abriu as pernas, espalmando a boceta. ‚Quando você vestiu essa roupa antes, eu queria te colocar sobre o meu joelho e bater em você até mesmo por pensar em sair nela.‛ Ela arqueou uma sobrancelha. ‚Vamos ter de explorar essa coisa da palmada depois. Agora eu preciso de você, Diaz. Venha aqui.‛ Com um gemido que era ou de frustração ou necessidade, ele forçou seu corpo grande no banco de trás com ela. Apertado, desconfortável como o inferno, ele não tinha certeza de que se importava, porém, porque ele estava mais perto dela agora. Ele agarrou-a pela cintura e puxou-a em cima dele. ‚Você cheira bem,‛ disse quando ela se inclinou contra seu peito. ‚Você tem muitas roupas.‛ Ela empurrou seus ombros, ajudando-o a descartar sua jaqueta e arremessou-a no banco da frente. Em seguida, ela enterrou o rosto em seu pescoço, lambendo toda a sua garganta. ‚Eu senti falta de você,‛ ela murmurou contra sua pele. ‚Senti falta do seu cheiro e do seu sabor. Particularmente senti falta do jeito que você sente. Tão duro contra mim.‛ Ela disparou contra ele e ele perto de malditamente se perder. ‚Você fica fazendo isso e não posso garantir muita contenção.‛ Seu pau j{ estava duro, dolorido e apertava contra as calças jeans. Ele sacudiu contra suas calças de couro, segurando seus quadris para posicionar seu sexo contra o seu pau duro. ‚Não preciso ou quero você contido em torno de mim,‛ disse ela, levantando para descansar as mãos em seus ombros.

269


Ela deslizou para frente, deliberadamente o provocando balançando contra seu pau. ‚Quero você selvagem e fora de controle, especialmente com o sexo.‛ Ele inalou, respirando o cheiro que dela despertava. Ele puxou-a para frente e estendeu a mão para o zíper de seu espartilho. Jessie manteve seu olhar bloqueado com o seu quando ele puxou o zíper para baixo, puxou o espartilho longe, liberando seus seios. Ele jogou o espartilho em cima de sua jaqueta e encheu as mãos com seus seios macios. Eles estavam quentes, os mamilos franzindo logo que ele escovou as palmas das mãos sobre os pequenos brotos rosa. Jessie arqueou contra suas mãos, um silencioso sinal por mais. ‚Tenho calos nas palmas das minhas mãos,‛ disse ele, mas não parou de esfregar seus seios. ‚Eu sei. Faz os meus mamilos formigar. Faz um pouco mais.‛ Ele fez, deslizando as mãos sobre cada mamilo até que a sua respiração ficou presa e ela engasgou, com as pernas tremendo debaixo dele. Ele gostava de sua reação, queria mais, então se moveu, com as mãos em suas costas para trazer seus seios em seus lábios. Ele se aninhou entre eles, amando a maciez da pele dela contra a aspereza de sua dura. Ela riu, o som ampliado contra os seus ouvidos. Ele lambeu o vale entre os seios. Mesmo aí ela provava como o mel mais doce, e ele não achava que era o seu sabonete. Era simplesmente Jessie. Ele moveu a cabeça, levou um bico na boca e chupou, batendo o botão apertado com a língua. Jessie gemeu, apertou-lhe a cabeça para mantê-lo no lugar que ele lambia e mordiscava o broto tenso. ‚Eu posso sentir isso na minha boceta.‛ Isso é o que ele gostava de ouvir. Jess era uma mulher extremamente sexual. A vida com ela ia ser fenomenal. Ele não podia acreditar que quase a deixou ir. Era tão sortudo que tinha sido dada uma segunda oportunidade para construir uma vida com essa mulher incrível. Quando ela deslizou sobre seu pau de novo, ele rosnou, a empurrou para fora de seu colo e de costas no banco, abriu sua calça e puxou para baixo, precisando tê-la nua e em cima dele. Enquanto ela lutava com pontapés para colocar o couro fora, ele puxou para baixo o zíper da calça e pegou uma camisinha do bolso, pronto para ela. Esperando por ela.

270


JESSIE NÃO CONSEGUIA TIRAR AS CALÇAS, RÁPIDO o suficiente. Ela estava molhada, os mamilos apertados em fogo da boca de Diaz. Quando o montou, suas pernas tremiam. Ela estava uma bagunça. Nunca tinha sentido essa sensação de urgência, o seu corpo inteiro zoneado em Diaz, sua boceta tremendo com a necessidade de sentir seu pau dentro dela. Diaz agarrou a cintura dela e a deitou sobre o seu eixo. Ela deslizou para baixo, engolindo-o, sentindo-lhe expandir dentro dela. Ela fechou os olhos e concentrou-se na sensação de como seu pau arrastava sobre seus tecidos sensíveis até que ela estava sentada em suas coxas. Ela abriu os olhos para encontrá-lo olhando para ela com um olhar tão intenso que fez tremer a barriga. Suas pálpebras estavam semicerradas, a cabeça inclinada para o lado. Com a sua bem escura aparência, meio sombreada, parecia o próprio diabo e ele não poderia ser mais sexy do que aquele momento. Ele estendeu os dedos de ambas as mãos sobre seus quadris e a levou para frente, arrastando o clitóris em sua pélvis. Ela respirou profundamente e segurou a sensação ondulante, como ser puxada através da areia quente. Então ele a empurrou para trás, ao mesmo tempo levantando seus quadris para empurrar dentro dela e puxá-la para frente novamente. Ela colocou as palmas das mãos sobre o peito, cavou as unhas em sua pele, perdida nas sensações, perdida nele. Ser parte de Diaz sempre tomava um pouco de sua sanidade. Ela estava tão em sintonia com seu corpo quando ele estava dentro dela. Era muito mais do que contato físico apenas — ele lia as reações do seu corpo e seus movimentos ajustando para lhe dar o maior prazer. Apenas um homem que se importava profundamente faria isso por sua mulher. Sua mulher. Ela era sua mulher agora. Ela cobriu o rosto com a palma da mão, formigamento em sua barba grossa. ‚Adoro sentir você dentro de mim. A maneira como seu pau incha, ficando maior quanto mais você empurra.‛ ‚Você vai fazer inchar mais, se continuar falando assim.‛ Ela sorriu, inclinou-se para capturar sua boca. Deus amava sua boca, a forma como ele a beijava. Ele espalmou a parte de trás do seu pescoço, segurou-a lá enquanto devastava os lábios com o seu, usando a língua para mergulhar dentro e se emaranhar com a dela, deixando-a sem 271


fôlego. Seu beijo falava de sexo, de amor, da mais profunda emoção e coisas que ele ainda não podia dizer. Mas ela sabia que as emoções não podiam exprimir e isso a fazia apertar dentro — toda esta alegria, esta revelação, tendo este homem e sabendo que ele era dela. Ela afastou-se, agarrando os braços e o montou, deixando ele pegar sua bunda para erguê-la e para abaixar. Ela ofegou quando se aproximou, viu seu rosto, o modo como sua carranca apertava enquanto ele se concentrava, sua mandíbula apertada, o suor escorrendo na testa — tudo isso intensificou o seu próprio prazer. Ela choramingou, sentiu-se desvendar. ‚Estou perto. Preciso gozar.‛ Ele balançou a cabeça, os dedos cavando a carne de suas nádegas. Seus golpes ficaram mais duros agora, mais profundo e ela segurou firme a seus antebraços. Ela esperou por ele bater nela, para posicioná-la a sobre a borda. Em vez disso, ele usou medidos, golpes implacáveis, arrastando seu pênis sobre esse ponto dentro dela que a quebrou. Seu orgasmo lhe enviou cambaleando, gritando e caindo para frente quando ela enterrou contra ele, tremendo através das ondas de prazer que penetraram cada parte dela. Seus dedos enrolados e até mesmo o seu couro cabeludo vibrando. Diaz passou os braços em volta dela para trás e gemeu em seu pescoço quando chegou ao clímax, enterrado em profundidade e cortou a respiração enquanto a segurava. Ela não se importava. Nunca se sentira tão acarinhada. Umidade com o suor, eles grudaram juntos. A posição não era a mais confortável, mas Jessie não queria soltar. Não com Diaz acariciando suas costas, beijando seu pescoço, seu coração batendo contra o peito. ‚Eu te amo,‛ ela sussurrou. ‚Eu não sei o que fiz para merecer isso.‛ Ela empurrou do peito para se sentar direito. ‚Você não tem que fazer outra coisa senão ser você mesmo. Você merece ser amado. Assim como eu.‛ Ele balançou a cabeça, sua expressão mais suave agora.

272


‚Estou começando a acreditar nisso.‛ Ele passou a mão sobre o rosto. ‚Eu também te amo, Jess.‛ Eles se separaram, vestiram-se e escalaram de volta para o banco da frente. ‚E agora?‛ Perguntou ela. ‚Acho que vamos voltar para a sede.‛ Ele não parecia feliz com isso. ‚O que h{ de errado?‛ ‚Nós vamos ter que buscar o nosso próprio lugar. Não posso correr atr{s de você em torno da sede e rasgar suas roupas e ter você na mesa da cozinha com Grange e os caras pendurando ao redor o tempo todo.‛ Ela riu. ‚Não, acho que você não pode.‛ Ridiculamente tonta com a felicidade, ela disse, ‚Então, acho que nós vamos | caça de apartamento?‛ Ele fez uma careta. ‚Sim. Acho que é hora de eu estabelecer algumas raízes.‛ ‚Ah, os sacrifícios que um homem faz em nome do amor.‛ Ele se inclinou e apertou os lábios ao dela em um beijo tão terno que fez doer dentro. Ele mal se afastou, murmurando contra sua boca. ‚Qualquer coisa para você, Jessie. Qualquer coisa.‛

273


02 montando a tentação 2014 05 11 18 52 56 957