Issuu on Google+

FACULDADES ENERGIA DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS (FEAN) CURSO DE DESIGN GRÁFICO RAMON NUNES REBELO

DIRETRIZES POR MEIO DO DESIGN GRÁFICO PARA A ELABORAÇÃO DE PORTAIS CORPORATIVOS COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA DE INOVAÇÃO

FLORIANÓPOLIS 2014


RAMON NUNES REBELO

DIRETRIZES POR MEIO DO DESIGN GRÁFICO PARA A ELABORAÇÃO DE PORTAIS CORPORATIVOS COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA DE INOVAÇÃO

Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Design Gráfico das Faculdades Energia como quesito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Design Gráfico. Orientador (a): Prof.ª Me. Inara Antunes Vieira Willerding

FLORIANÓPOLIS 2014


RAMON NUNES REBELO

DIRETRIZES POR MEIO DO DESIGN GRÁFICO PARA A ELABORAÇÃO DE PORTAIS CORPORATIVOS COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA DE INOVAÇÃO

Este trabalho de conclusão de curso foi julgado e aprovado como quesito parcial para a obtenção do título de bacharel em design gráfico pelas Faculdades Energia de Administração e Negócios (FEAN), pela comissão formada por:

_____________________________ Orientador (a): Prof.ª Me. Inara Antunes Vieira Willerding

_____________________________ Prof. Me. Israel de Alcântara Braglia

_____________________________ Prof. Me. Ildo Francisco Golfetto

Florianópolis, 08 de abril de 2014.


Dedico este trabalho aos meus familiares que sempre me apoiaram nas minhas decis천es.


RESUMO

Este trabalho tem como objetivo sugerir, por meio do design gráfico, diretrizes para a elaboração de portais corporativos como ferramenta estratégica de inovação. Estes portais são instrumentos que possibilitam às empresas ampliarem seus horizontes de comunicação e, por serem veículos que compartilham informação, podem promover melhorias nas próprias companhias. Já a inovação permite que as organizações se reinventem e se reposicionem no mercado; porém, este é um processo bastante complicado onde um passo em falso pode determinar o fim de um projeto ou até mesmo do próprio negócio. Como procedimento metodológico utilizou-se o tipo de pesquisa descritivo-exploratória de natureza qualitativa, já que os dados e situações exploradas neste trabalho são analisados visando-se a realização de estudos que levem a alcançar o objetivo proposto. Para a definição dos parâmetros de trabalho e para melhor organizar o seu desenvolvimento adotou-se a metodologia de projeto criada nos pelo arquiteto e designer argentino Guilhermo Gonzáles Ruiz (199-?). O autor divide um projeto em três fases complementares: análise, criação e execução. Os conceitos estabelecidos por ele serviram de base ideológica para a aplicação das diretrizes sugeridas em um modelo aberto de portai disponível na internet através de seu redesign. Com isto, demonstrou-se a importância do design gráfico como elemento chave na elaboração de projetos de portais corporativos para qualquer tipo de empresa e apresentou-se também algumas das vantagens que podem ser obtidas pelas empresas ao utilizarem os portais corporativos em seus processos de inovação. Por fim, fez-se a conclusão e expuseram-se as considerações finais deste trabalho.

Palavras chave: Design gráfico; Inovação; Portal corporativo.


ABSTRACT

This study aims to suggest, through graphic design, guidelines for the development of enterprise portals as a strategic tool for innovation. These portals are tools that enable companies to expand their horizons of communication and, for being vehicles that share information, they can make improvements in their own companies. Now the innovation allows the organizations to reinvent and reposition in the market, but this is a fairly complicated process where a misstep can determine the end of a project or even the business itself. As a methodological the type of research used was the descriptive and exploratory of qualitative nature, since data and situations explored in this work are analyzed aiming to conduct studies that will lead to achieving the objective. For the definition of work standards and to better organize their development was adopted the design methodology created by the Argentine architect and designer Guillermo Gonzales Ruiz (199-?). The author divides a project into three complementary phases: analysis, design and implementation. The criteria established by it served as ideological basis for the application of the guidelines suggested in an open model portal available on the internet through your redesign. With this could be demonstrated the importance of graphic design as a key element in the drafting of corporate portals for any kind of company and also introduced some of the advantages that can be obtained by companies when using enterprise portals in their innovation processes. Lastly, the concluding remarks of this work were made.

Keywords: Graphic design, Innovation, Corporate portal


LISTA DE FIGURAS

Figura 1 - Cartaz veiculado nos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial............. 20 Figura 2 - Pinturas rupestres encontradas nas cavernas de Lascaux ........................................ 22 Figura 3 - Elementos tipográficos como representação dos países em um mapa..................... 23 Figura 4 - Exemplo de uma rede de relacionamento de uma empresa utilizando um portal corporativo ................................................................................................................................ 35 Figura 5 - Metodologia de projeto criada por Guilhermo Gonzáles Ruiz ................................ 43 Figura 6 - Captura de tela da página principal do portal corporativo Infoscoop ...................... 50 Figura 7 - Redundância de conteúdo ........................................................................................ 52 Figura 8 - Menu lateral ............................................................................................................. 53 Figura 9 - Redesign Infoscoop .................................................................................................. 55


LISTA DE ABREVIAÇÕES

ABRA - Academia Brasileira de Artes ABRACOM - Associação Brasileira das Agências de Comunicação ADG BRASIL - Associação dos Designers Gráficos do Brasil ADEGRAF - Associação dos Designers Gráficos do Distrito Federal CEOs - Chief Executive Officers CNI - Confederação Nacional da Indústria ICSID - International Council Societies of Industrial Design ISO - International Organization for Standardization P&D - Pesquisa e Desenvolvimento PME - Pequenas e Médias Empresas SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micros e Pequenas Empresas


SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ................................................................................................................... 11 1.1 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA ......................................................................................... 12 1.2 OBJETIVOS ....................................................................................................................... 12 1.2.1 Geral ............................................................................................................................... 12 1.2.2 Específicos ...................................................................................................................... 13 1.3 JUSTIFICATIVA ............................................................................................................... 13 1.4 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS ....................................................................... 14 1.4.1 Quanto à abordagem ..................................................................................................... 15 1.4.2 Quanto aos fins .............................................................................................................. 15 1.4.3 Quanto aos meios ........................................................................................................... 16 1.5 DELIMITAÇÃO DA PESQUISA ..................................................................................... 16 1.6 ESTRUTURA DO TRABALHO ....................................................................................... 16 2 REFERENCIAL TEÓRICO .............................................................................................. 18 2.1 DESIGN .............................................................................................................................. 18 2.2 DESIGN GRÁFICO ........................................................................................................... 22 2.3 INOVAÇÃO ....................................................................................................................... 24 2.3.1 O design como diferencial no processo de inovação ................................................... 28 2.4 PORTAIS CORPORATIVOS ............................................................................................ 30 2.4.1 Contextualização............................................................................................................ 30 2.4.2 Definições e funções de um portal corporativo ........................................................... 33 2.5 PRINCÍPIOS DA INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR ....................................... 37 2.5.1 Experiência do usuário (UX) ........................................................................................ 38 2.5.2 Design de interação e de interfaces .............................................................................. 39 2.5.3 Design de informação .................................................................................................... 40 2.5.4 Usabilidade ..................................................................................................................... 40 3 SUGESTÃO DE DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE PORTAIS CORPORATIVOS ................................................................................................................. 42 3.1 METODOLOGIA DE PROJETO ...................................................................................... 42 3.2 FASE ANALÍTICA............................................................................................................ 44 3.2.1 Arquitetura de informação ........................................................................................... 44 3.2.2 Visual .............................................................................................................................. 46


3.2.3 Usabilidade ..................................................................................................................... 47 3.2.4 Análise do portal corporativo Infoscoop ..................................................................... 50 3.2.4.1 Arquitetura de informação ........................................................................................... 51 3.2.4.2 Visual ............................................................................................................................ 52 3.2.4.3 Usabilidade................................................................................................................... 53 3.3 FASE CRIATIVA .............................................................................................................. 54 3.3.1 Redesign Infoscoop ........................................................................................................ 54 3.3.1.1 Arquitetura de informação ........................................................................................... 55 3.3.1.2 Visual ............................................................................................................................ 56 3.3.1.3 Usabilidade................................................................................................................... 57 3.4 REFLEXÕES CONCLUSIVAS ........................................................................................ 57 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS .............................................................................................. 60 4.1 SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS.............................................................. 62 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................................. 63 APÊNDICE ............................................................................................................................. 70 ANEXO .................................................................................................................................... 71


1 INTRODUÇÃO Em um mundo onde o mercado é tão competitivo e a economia bastante instável, boa parte das companhias passa por dificuldades e mal conseguem enfrentar os problemas aos quais são expostas. Isto acontece porque muitas delas ainda utilizam ferramentas e técnicas de gestão que perderam a eficiência em virtude das mudanças no cenário econômico. Atualmente, buscar soluções inteligentes, criativas e que sejam capazes de diferenciar um negócio perante seus concorrentes é fundamental para a conquista do tão sonhado sucesso; motivo pelo qual a inovação corporativa vem ganhando cada vez mais espaço e destaque como um importante diferencial estratégico. Segundo Drucker (1986), a inovação é um instrumento próprio e específico de empreendedores que explora a mudança como uma oportunidade de serviço ou de um negócio diferente, sendo a criatividade o principal propulsor na geração de ideias. Mas, para inovar, não basta ser apenas criativo. De acordo com Adriano Augusto Campos, consultor do Sebrae-SP (ESTADÃO PME, 2012), “ser inovador implica muito mais em estar atento ao que acontece ao seu redor do que ter criatividade. Tudo que melhore o funcionamento da empresa já é inovação”. Isto não significa que o processo criativo não seja importante. Deve-se fazer com que todo este desenvolvimento esteja alinhado às etapas definidas para o processo de inovação. Para o consultor e pesquisador Mark Johnson, cofundador da empresa de consultoria Innosight, "o processo criativo não é apenas ter a ideia. O mais importante é o modo como essas ideias tomam forma através do processo de inovação” (ADMINISTRADORES, 2011). Uma destas etapas envolve a comunicação interna, responsável pela transmissão de conteúdos relevantes para a empresa entre seus integrantes. Como nem sempre as informações em uma organização são transmitidas com eficácia entre seus colaboradores, um dos recursos mais utilizados no meio empresarial a fim de minimizar eventuais problemas e ampliar a eficiência da comunicação interna são os portais corporativos. Estes têm como principais objetivos a centralização, organização e a distribuição de conteúdos específicos para que qualquer pessoa autorizada possa acessá-los. Apesar de os portais serem projetados para atividades empresariais, nem sempre os projetos que envolvem suas criações atendem às necessidades do usuário final. Em casos como este, o design gráfico pode ser utilizado para projetar um ambiente mais adequado, agradável, simples e que consiga transmitir com clareza as mensagens da empresa.

11


De acordo com Bersen (1987), o design é um meio que possibilita definir a qualidade dos produtos e atua diretamente no processo de comunicação das organizações, explorando o seu potencial criativo e seus atributos; portanto, tem como função gerar alternativas e criar meios para facilitar a comunicação entre a empresa e toda sua equipe. Neste contexto, o foco desta pesquisa, tendo o design gráfico como base conceitual e visual, está em sugerir diretrizes para a elaboração de portais corporativos como ferramenta estratégica de inovação.

1.1 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA

A comunicação interna, no âmbito empresarial, exerce um importante papel no que diz respeito à criação e manutenção de um bom relacionamento entre o colaborador e a empresa; podendo também, ser explorada no processo de inovação por meio de técnicas e ferramentas específicas, tais como os portais corporativos. Diante desta situação, sugerem-se diretrizes por meio do design gráfico para a elaboração de portais corporativos e que possam ser utilizados por qualquer instituição. Baseando-se na proposta apresentada, faz-se a seguinte pergunta de pesquisa: Quais as diretrizes mais relevantes por meio do design gráfico para a elaboração de portais corporativos como ferramenta estratégica de inovação?

1.2 OBJETIVOS

Em resposta ao problema proposto, o presente trabalho apresenta os objetivos a seguir.

1.2.1 Objetivo geral

Sugerir diretrizes por meio do design gráfico para a elaboração de portais corporativos como ferramenta estratégica de inovação.

12


1.2.2 Objetivos específicos

Para atender às necessidades do objetivo geral traçado, têm-se os seguintes objetivos específicos:

Abordar o processo de inovação em uma organização;

Descrever a relevância do design gráfico para as organizações;

Identificar a relação existente entre os portais corporativos e o processo de inovação;

Propor aplicações para as diretrizes sugeridas por meio do redesign de um portal corporativo já existente no mercado.

1.3 JUSTIFICATIVA

A origem deste trabalho decorre do interesse do pesquisador por assuntos que envolvem economia, inovação, marketing, gestão de pessoas, web e design gráfico. A ideia de integrar estas áreas do conhecimento e explorá-las em um trabalho de conclusão de curso vem desde o início da formação acadêmica, mas o que de fato definiu os rumos desta pesquisa foi a disciplina de Empreendedorismo Aplicado ao Design Gráfico. Nesta cadeira da 7ª fase da graduação, os alunos participaram de um ciclo de palestras onde cinco empreendedores locais narraram aos acadêmicos sua trajetória de vida e como alcançaram o sucesso profissional. Todos os palestrantes, apesar de suas particularidades, tiveram a mesma opinião a respeito do processo de inovação corporativa; de como não só é importante, mas também, essencial para o presente e o futuro de uma empresa. Estas palestras serviram de inspiração e motivação para o aprofundamento do assunto pelo acadêmico. Como fontes de pesquisa utilizou-se livros, artigos, revistas e sites especializados nos temas abordados. Os resultados obtidos foram semelhantes às opiniões dos entrevistados. Um exemplo da grande importância e necessidade da inovação para qualquer negócio é o caso da Kodak. A empresa sempre foi pioneira no ramo fotográfico e já deteve cerca de 85% do Market share 1 de filmes fotográficos (EXAME, 2013). Porém, após a década de 90, simplesmente parou no tempo, traçou metas equivocadas e pouco inovou, perdendo força e 1

De acordo com Kotler (1999), o termo Market share corresponde à participação de uma empresa no mercado, sendo conhecida também por quota de mercado de uma companhia.

13


espaço no mercado para seus concorrentes chegando ao ponto de quase fechar suas portas em 2012, depois de 131 anos de existência. A relevância desta pesquisa se dá por dois motivos principais: o primeiro refere-se ao fato de que existem poucas regras ou modelos que determinem como ou de que forma se deve inovar (SIMANTOB; LIPPI, 2003), ficando a critério de cada responsável pelo projeto definir suas metas e objetivos para o processo de inovação; o segundo motivo diz respeito à sugestão de diretrizes baseadas no design gráfico para a elaboração de portais corporativos como ferramenta estratégica de inovação. Esta etapa dá-se por meio da indicação de pontos específicos que podem ser trabalhados na construção de um ambiente organizacional que permita uma melhor transmissão e receptividade das informações essenciais para o funcionamento de uma companhia. Possui também relevâncias científicas por contribuir com o desenvolvimento de estudos em uma área ainda pouco explorada, a de projetos gráficos para a elaboração de portais corporativos e sua aplicação em processos de inovação empresarial. Por meio desta pesquisa pode-se compreender melhor a importância e os benefícios que um bom projeto de design gráfico pode trazer não só para uma empresa, mas também, para seus colaboradores, já que promove melhorias no relacionamento interpessoal e facilita a realização de tarefas cotidianas por sua equipe. Esta visão pode ser estendida para todos os parceiros envolvidos; pois, se o resultado de um projeto for positivo, mais fácil será sua expansão e adequação para outros segmentos ou áreas de atuação. Estes portais, quando bem estruturados, podem ser uma valiosa e poderosa ferramenta de auxílio no processo de inovação de uma companhia.

1.4 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

A partir da fundamentação teórica, as áreas do conhecimento abordadas foram relacionadas para que sirvam de base conceitual a fim de se atingir os objetivos propostos. Com relação aos métodos de pesquisa e técnicas utilizadas para o desenvolvimento deste trabalho deu-se foco inicialmente para a definição do tipo de pesquisa; em seguida, fez-se sua delimitação e, por fim, concluiu-se com a reflexão sobre as informações previamente levantadas. Em relação à pesquisa proposta, sua classificação foi estabelecida quanto à sua abordagem, aos seus fins e aos meios. 14


1.4.1 Quanto à abordagem

Estre trabalho apresenta um método de pesquisa qualitativo, uma vez que busca uma melhor descrição e compreensão dos diversos conceitos utilizados não se baseando em elementos mensuráveis ou estatísticos. Segundo Honorato (2004, p. 97), a pesquisa qualitativa “proporciona melhor visão e compreensão do contexto do problema. [...] caracteriza-se pela análise psicológica dos fenômenos de consumo, pela explicação das razões pelas quais se age determinado modo e pela impossibilidade de quantificação”. De acordo com Downey e Ireland (1979), os métodos qualitativos possuem grande importância em estudos organizacionais, principalmente quando se trata da avaliação e levantamento de características de ambientes e situações.

1.4.2 Quanto aos fins

Este trabalho tem caráter exploratório e descritivo, uma vez que o principal objetivo destes tipos de pesquisas é focar em um determinado problema a fim de proporcionar um melhor entendimento sobre o mesmo. Segundo Vergara (2000), a pesquisa exploratória é realizada em áreas pouco exploradas e que carecem de conhecimentos científicos mais aprofundados. Para Severino (2007, p. 123), é um meio que “busca apenas levantar informações sobre um determinando objeto, delimitando assim um campo de trabalho mapeando as condições de manifestações desse objeto”. Estas delimitações do campo a ser estudado permitem uma maior integração entre o problema e seu pesquisador. Assim, torna-se possível estabelecer métodos e técnicas mais apuradas para que o objetivo geral seja alcançado. Já a característica descritiva dá-se pela interpretação das informações coletadas durante a pesquisa bibliográfica. Para Vergara (2000, p. 47), este tipo de pesquisa “não tem o compromisso de explicar os fenômenos que descreve, embora sirva de base para tal explicação”. De acordo com Gil (2007, p. 46), estas descrições “acabam servindo mais para proporcionar uma nova visão do problema, o que as aproxima das pesquisas exploratórias”; já Manning (1979) pondera que a exploração do caráter descritivo é fundamental em um estudo qualitativo porque serve de referência para os dados coletados.

15


1.4.3 Quanto aos meios

Esta pesquisa é classificada como bibliográfica. Segundo Fonseca (2002, p. 32), “a pesquisa bibliográfica é feita a partir do levantamento de referências teóricas já analisadas, e publicadas, por meios escritos e eletrônicos, como livros, artigos científicos, páginas de web sites”. Para Gil (2007), um dos exemplos mais característicos da pesquisa bibliográfica é o que propõem a análise das opiniões que envolvem um problema. O levantamento de dados deste trabalho provém deste tipo de pesquisa, mais precisamente de livros, artigos, revistas e publicações eletrônicas.

1.5 DELIMITAÇÃO DA PESQUISA

Esta pesquisa tem como foco a sugestão de diretrizes por meio do design gráfico para a elaboração de portais corporativos como ferramenta estratégica de inovação, podendo servir de base conceitual para qualquer instituição. Para a aplicação das diretrizes sugeridas escolheu-se o portal corporativo Infoscoop 2, disponível gratuitamente na internet para testes. A delimitação desta pesquisa está em mostrar como o design gráfico pode ser aplicado para melhorar a estrutura do referido portal corporativo e não visa o desenvolvimento de um modelo para substituí-lo.

1.6 ESTRUTURA DO TRABALHO

Este trabalho está estruturado em seis capítulos, sendo o primeiro deles composto pela introdução, que tem como subcapítulos a definição do problema, objetivos, justificativa, procedimentos metodológicos, delimitação da pesquisa e estrutura do TCC. O segundo consiste no referencial teórico e está dividido em quatro subcapítulos. Inicia-se com um breve histórico sobre o significado do design, sua origem e evolução ao longo dos anos. No subcapítulo sequente faz-se uma abordagem mais específica com relação ao design gráfico, uma das ramificações do design, sendo feita também uma rápida menção a

2

www.infoscoop.org

16


respeito da sua inserção no mercado como profissão. Segue-se com a abordagem de questões que envolvem inovação e de como o design gráfico pode ser inserido neste processo. Continua-se com o tratamento de assuntos relacionados aos portais corporativos, tais como conceitos, funcionalidades e as condições sócio-econômicas que propiciaram o seu surgimento. E contempla-se, no último subcapítulo, os princípios da interação humanocomputador. No terceiro capítulo apresenta-se a metodologia do projeto adotada e sugerem-se diretrizes para a elaboração de portais corporativos baseando-se em conceitos do design gráfico. Por fim, são feitas as reflexões conclusivas. Abordam-se, no último capítulo, as considerações finais e as sugestões para trabalhos futuros. Conclui-se este trabalho com a apresentação das referências bibliográficas, do anexo e do apêndice.

17


2 REFERENCIAL TEÓRICO

Para a elaboração do referencial teórico foram analisadas obras de diversos autores e especialistas em suas áreas de atuação profissional. Inicia-se com uma rápida introdução sobre a história e a função do design, seguida por uma abordagem mais específica com relação ao design gráfico. Sua sequência dá-se através da exploração do tema inovação e finaliza-se com o levantamento de informações relacionadas aos portais corporativos.

2.1 DESIGN

Existem muitas definições sobre o que é design. A maioria delas é relativa a um determinado contexto histórico e foram influenciadas, principalmente, por transformações culturais, sociais, tecnológicas e políticas. Segundo Buchanan (1992), o design compreende uma atividade projetual de criação, inovação e avaliação de objetos que tem a capacidade de assumir variadas formas e com potencial para atuar em diversos níveis operacionais de qualquer área do conhecimento humano. A International Council Societies of Industrial Design (ICSID) propõe que o design é uma atividade criativa com o objetivo de moldar, planejar e estabelecer a qualidade de processos, produtos e serviços para que os resultados dos processos sejam os melhores possíveis (ICSID apud MOZOTA; KLÖPSCH; COSTA, 2011). Já para Wollner, definir o termo "design" não é uma tarefa simples, [...] porque a evolução da linguagem, dos elementos técnicos é tão rápida que se fala de uma coisa hoje e ela é diferente amanhã. Mas a gente pode dizer que é dimensionar uma estrutura onde todos os elementos visuais nos vários meios de comunicação visual. Não é só fazer uma marquinha sem se preocupar com o comportamento que essa marca vai ter em todo o contexto, não só da indústria, mas também da comunicação visual. Ela precisa estar baseada em toda uma estruturação e prever aplicações bastante coerentes. Essa é a proposta do design, que não está preocupado com a estética, mas com a função, com materiais, com a ergonomia visual, com aplicações planas e não planas. Deve saber, por exemplo, como uma embalagem redonda se comporta, como ela pode ser fragmentada e como a publicidade vai ser usada dentro dessa estrutura. Um trabalho de design gráfico deve durar no mínimo vinte a trinta anos, Um logotipo não perde a atualidade, e a potencialidade está em torno desse sinal, desse elemento (WOLLNER, 2003, p. 91).

A base de todos estes conceitos surgiu na Idade Média. Na época não existia um termo chamado “design”, mas primitivos estudos que buscavam solucionar os problemas cotidianos.

18


A necessidade básica dos povos era meramente comunicativa e se pretendia proporcionar ao homem medieval um melhor entendimento das mensagens transmitidas (WOLLNER, 2002). Segundo ele foi apenas na Europa do século XVIII, em plena Revolução Industrial que o design, propriamente dito, surgiu. Conforme a população crescia e enriquecia, a exigência por uma melhor qualidade e uma maior diversidade dos bens produzidos passou a ser desejada pelas pessoas em um mundo onde, até então, tudo tinha a mesma “cor” e a mesma “aparência”. O homem percebeu que era preciso diferenciar suas mercadorias e transformá-las em algo único. Ao mesmo tempo em que fugia do comum e ganhava destaque no comércio; agregava valor ao seu produto. Este processo teve o apoio de um aliado muito forte: a tecnologia (HOLLIS, 2001). o design nasceu da necessidade que a sociedade industrial sentiu, mais precisamente na Europa em meados do século XIX, de criar mecanismos que pudessem dar nexo ao novo modo de produção de objetos e informações. É quando surge o projeto industrial, ou seja, o meio através do qual um novo especialista, o designer passa a controlar o processo que vai da concepção do produto ao seu uso (ESCOREL, 2000, p. 35).

Para acompanhar o avanço tecnológico e as mudanças no sistema de fabricação, que agora produzia em larga escala, as fábricas precisaram se adaptar a um novo método de produção em que o projeto e a execução foram separados em etapas independentes. Com a função de projetar, o design aparece para substituir o artesanato; profissão que já estava em declínio por não conseguir acompanhar o ritmo acelerado da produção industrial. O objetivo desta mudança era reduzir o tempo de todo o processo, diminuir os custos e aumentar os lucros das companhias. De acordo com Hollis (2001), o design ficou restrito basicamente a este tipo de função até o fim do século XIX. Devido à modernização da indústria gráfica e à participação como componente ideológico de inúmeros movimentos artísticos, seu potencial veio a ser reconhecido logo nas primeiras décadas do século XX, principalmente entre o período das duas grandes guerras mundiais. Com a produção de cartazes, como os que veicularam nos Estados Unidos advertindo às pessoas para terem cuidado com suas conversas por causa da existência de espiões (figura 1), ganhou notoriedade. Foi muito beneficiado também com o intenso progresso científico-tecnológico, o que permitiu uma maior integração com outras áreas ampliando ainda mais o seu potencial. Desde então o design vem crescendo de forma acentuada e já se tornou um imprescindível para o mercado.

19


Figura 1 - Cartaz veiculado nos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial.

Fonte: Site “Designices”. Informações sobre design.

Mas esta rápida e intensa evolução, além da sua breve existência e características multifuncionais, abriu margem para que a compreensão do design pela sociedade fosse prejudicada. Para o professor de design Marcos Barros (2013), “o Design é uma ciência relativamente nova que promove relações com outras ciências, talvez essa seja uma das dificuldades em rotulá-lo de forma eficaz e indiscutível”. Já Mozota, Klöpsch e Costa (2011, p. 16) afirmam que, “a mídia tende a aumentar a confusão usando a palavra “design” para falar de formas originais, mobília, luminárias e moda, sem mencionar o processo criativo delas”. Até a própria palavra recebeu traduções que não condizem com a sua percepção semântica, considerando-a simplesmente como sinônimo de “desenho” ou “padrão estético”.

20


Villas-Boas explica que design, [...] é uma palavra inglesa originária de designo (as-are-avi-atum), que em latim significa designar, indicar, representar, marcar, ordenar. O sentido de design lembra o mesmo que, em português, tem desígnio: projeto, plano, propósito (Ferreira, 1975) – com a diferença de que desígnio denota uma intenção, enquanto design faz uma aproximação maior com a noção de configuração palpável (ou seja, projeto). Há assim uma clara diferença entre design e o também inglês drawing – este, sim, o correspondente ao sentido que tem o temo desenho (VILLAS-BOAS, 2007, p. 58).

Pode-se afirmar então que o design, portanto, não se trata apenas de um refinamento estético, mas também, de um diferencial estratégico que permite estruturar todo um processo de comunicação e planejamento de modo inteligente, eficiente e muito mais preciso do que métodos tradicionais de gestão. Por meio do design pode-se buscar a solução de problemas entre o homem e o meio, unindo a excelência visual e funcional de um produto ou serviço para produzir uma interação mais rica e produtiva, reproduzindo e agregando valores definidos por seus idealizadores com a capacidade de criar vínculos emocionais para com as pessoas. É tipicamente o design como agente da interface que coloca, de um lado, os produtos e organizações e, do outro, os consumidores, usuários e mercado em geral. De acordo com esse pensamento, podemos verificar a estreita relação que é colocada entre design e qualidade, deixando claro o conceito de que a qualidade de um produto tem relação direta com o seu design. (SANTOS, 2000, p. 20).

Além de ser um formador de ideias, de opiniões e um criador de conceitos, o design também pode fazer parte da própria estrutura cognitiva do ambiente quando passa a interagir com o meio no qual está inserido. Mais do que dar forma e sentido a objetos, mais do que auxiliar na construção e comunicação de uma identidade, o design, na sociedade de consumo globalizado, é a própria definição dos objetos e de seu sentido, sua razão de existir, sua utilidade, finalidade, público-alvo. Não é um fim em si mesmo. É o veículo de experiências sensoriais e de comunicação. [...]. Ser designer é se reciclar permanentemente, entender a contemporaneidade dos pontos de vista histórico, cultural, econômico, social e de produção, modismos, tendências de comportamento, novas tecnologias. Tudo isso faz parte do repertório e das competências do designer (LEITE, 2010, p. 19).

Para o designer João de Souza Leite (apud LEITE, 2010), o design atua como decodificador do processo de comunicação fazendo com que a mensagem enviada pelo transmissor seja devidamente compreendida pelo receptor. O designer Rick Poynor (apud LEITE, 2010, p. 179) afirma que, não é exagero dizer que os designers estão engajados em nada menos do que a fabricação da realidade contemporânea. Hoje, nós vivemos e respiramos design.

21


Poucas são as experiências que temos em casa, no lazer, na cidade ou nos shopping centers que estejam livres de seu toque alquímico. Nós absorvemos design tão profundamente em nós mesmos que não mais reconhecemos as milhares de formas com que nos estimula, perturba e emociona. É completamente natural. É assim que as coisas são.

O poder de influenciar, direta ou indiretamente, fez com que o design tornasse uma referência da vida contemporânea. De acordo Barros (2013), como sua abrangência se tornou muito ampla, acabou sendo dividida em várias áreas específicas. Uma destas ramificações trata da programação visual e é conhecida como design gráfico.

2.2 DESIGN GRÁFICO

Segundo Meggs (1998), os primórdios do design gráfico datam de épocas remotas; quando o homem ainda fazia pinturas em rochas e em cavernas para comunicar ou narrar uma história, como as pinturas encontradas na caverna de Lascaux, datadas entre 10.000 e 15.000 anos (figura 2).

Figura 2 - Pinturas rupestres encontradas nas cavernas de Lascaux.

Fonte: Site “Por Amor al Arte”. Informações sobre artes, como pintura e escultura.

De acordo com Hollis (2001), a origem ideológica do design gráfico surgiu na primeira fase da Revolução Industrial quando se iniciou uma tendência de unir todo o conhecimento e as funções exercidas pelos chamados “artistas comerciais” em um só profissional. Foi reconhecido como profissão apenas no século XX; após o mundo

22


compreender melhor o que era o design gráfico e suas qualidades. Pelo seu pouco tempo de existência é possível classificá-la como uma atividade nova ou recente. O design gráfico, como profissão, só passou a existir a partir de meados do século XX; até então, os anunciantes e seus agentes utilizavam os serviços oferecidos pelos “artistas comerciais”. Esses especialistas eram “visualizadores” (artistas de layout); tipógrafos que fazia o projeto detalhado da chamada e do texto e davam instruções para a composição; ilustradores de todos os tipos, que produziam qualquer coisa, desde diagramas mecânicos até desenhos de moda; retocadores; letristas e outros que finalizavam os designs para a reprodução. Muitos artistas comerciais – tais como os designers de pôsteres – reuniam várias dessas habilidades (HOLLIS, 2001, p. 6).

Nos dias atuais, pode-se considerar que sua importância se tornou tão grande que deixou de ser simplesmente uma profissão e passou a ser considerada também uma linguagem de comunicação, pois cria e/ou utiliza métodos mais eficientes para transmitir uma ideia ou um conceito. Oferece ainda uma base conceitual sólida capaz de estruturar e promover mensagens, possibilitando assim, a apresentação do conteúdo de forma mais simples, diversificada e objetiva. Exemplos das aplicações desta linguagem podem ser vistas na comunicação visual, que tem como principais elementos as imagens e a tipografia (figura 3).

Figura 3 - Elementos tipográficos como representação dos países em um mapa.

Fonte: Site “Picky Wallpapers”. Reúne diversos wallpapers para download.

Com relação às definições sobre o que design gráfico, Villas-Boas (2007, p. 30) diz que a “é a atividade profissional e a consequente área de conhecimento cujo objeto é a elaboração de projetos para reprodução por meio gráfico de peças extremamente comunicativas”.

23


Para Twemlow (2006, p. 6), “é um tipo de linguagem usada para comunicar. [...] para falar às pessoas sobre coisas que elas querem ou pensam que querem ou que outra pessoa pensa que querem”. Segundo Hollis (2001), é um campo de atuação que cria e combina elementos para a criação de marcas gráficas a fim de se transmitir uma ideia. Estas marcas são signos que apresentam um sentido único e, se forem reorganizadas, podem configurar um novo significado capaz de atuar como complemento de outras áreas. Assim é possível solucionar diversos problemas de forma ágil, eficiente e utilizando o mínimo de recursos. Pode, inclusive, influenciar em questões sociais e ambientais, como no quesito sustentabilidade. Neste tipo de parceria seu papel é realizar, segundo a ADEGRAF (2012, p. 2), [...] o planejamento dos aspectos funcionais e visuais de peças gráficas que servem de suporte para a comunicação de diversos tipos de mensagem, de modo a trazer conforto visual, segurança, credibilidade e satisfação para o consumidor em sua relação com produtos e serviços.

Apesar de estar ganhando cada vez mais espaço e aceitação no mercado, a profissão ainda é sinônimo apenas de representação visual ou refinamento estético. […] o design se distanciou cada vez mais da ideia de <solução inteligente de problemas> e se aproximou do efêmero, da moda, do obsoletismo rápido – a essência da moda é a obsolescência rápida -, do jogo estético-formal, da glamourização do mundo dos objetos. Frequentemente, hoje em dia, design é associado a objetos caros, pouco práticos, divertidos, com formas rebuscadas e gamas cromáticas chamativas (BONSIEPE, 2011, p. 18).

Para Villas-Boas (2007), o design gráfico não é simplesmente a diagramação de uma página nem são ilustrações, apesar de estas poderem ser ferramentas de trabalho do designer ou fazerem parte de um projeto. A sua contribuição vai além da simples criação de identidades visuais e possui uma vasta rede de atuações. Pode-se afirmar então que o design gráfico busca pela criação da interface, o meio de comunicação e interação entre o homem e o seu espaço, seja através de um produto ou serviço, funcionando como um tradutor visual de ambientes e valores.

2.3 INOVAÇÃO

O cenário capitalista do século XXI pode ser caracterizado por, dentre diversos fatores, crises financeiras, incertezas e pela ampla concorrência empresarial. Diante das várias 24


mudanças que a economia vem sofrendo nos últimos anos, as companhias passaram a buscar meios para se adaptar a esta nova realidade do mercado. Kotler e Bes (2011) consideram que uma das práticas mais eficientes utilizadas para este fim é a inovação corporativa. De acordo com a CNI e SEBRAE (2010, p. 8), no passado, o crescimento da produtividade era determinado pelo investimento em infra-estrutura e em nova capacidade instalada. Hoje, parte importante do crescimento da produtividade das principais economias e também dos países emergentes, é creditada à inovação.

Para Schumpeter (2004), as alterações dos padrões econômicos fazem parte da natureza capitalista porque este é um sistema que está em constante transformação. Sua principal força de impulsão deve-se à competitividade entre as empresas e, dos diversos recursos que interferem no ambiente de competição, a inovação é o que possui maior destaque. O motor da inovação é a competição. As empresas inovam por exigência do mercado. Inovação depende de muitas coisas: de recursos humanos qualificados, de políticas de estímulo, de um adequado ambiente econômico e regulatório, da interação com universidades e institutos de pesquisa. Mas é o fato de ser uma exigência da competição que torna a inovação um tema essencialmente do mundo dos negócios (CNI; SEBRAE, 2010, p. 8).

Em termos gerais, a inovação pode ser vista como uma resposta a um determinado problema ou necessidade, independente da área em que este recurso for empregado; porém, devido aos expressivos avanços tecnológicos desta época, vem sendo erroneamente considerada como um subproduto da tecnologia. Um dos equívocos mais comuns é entender que a inovação trata principalmente, senão exclusivamente, de tecnologias de transição. Basta mencionar inovação e muitos CEOs que se consideram gênios em seus negócios desatam a falar de laboratórios de P&D em que engenheiros e cientistas estariam empenhados em desenvolver a próxima grande nova tecnologia. A verdade, no entanto, é que a inovação não se resume a mudanças tecnológicas (DAVILA; EPSTEIN; SHELTON, 2006, p. 48).

Segundo Kotler e Bes (2011), o impacto causado pelas invenções revolucionárias ou radicais, tais como os poderosos smartphones e as ferramentas para a internet da Google, leva a crer que a inovação é essencialmente um novo produto, serviço ou aplicativo e que este deve ser totalmente diferente do que já se foi visto. Esta situação pode ser explicada pelo fácil acesso que se tem aos inúmeros benefícios proporcionados pelas novas tecnologias, além da satisfação, prazer e facilidade gerada por seu uso ou consumo.

25


Os autores complementam ainda que tais experiências se tornaram um grande obstáculo para o correto entendimento sobre o que é inovação. De acordo com a CNI e Sebrae (2010, p. 12), “inovação é um processo complexo resultante de diversos fatores e podem ser entendidos de várias maneiras, dependendo do ângulo pelo qual é vista e analisada”. Tais fatores não estão necessariamente ligados à tecnologia, mas a todas as variáveis internas e externas que interferem no cotidiano da organização. a inovação é movida pela habilidade de estabelecer relações, detectar oportunidades e tirar proveito das mesmas. [...]. Mas a inovação não consiste apenas na abertura de novos mercados – pode também significar novas formas de servir a mercados já estabelecidos e maduros (TIDD; BESSANT; PAVITT, 2005, p. 23).

Esta definição pode ser estendida para questões que dizem respeito ao funcionamento da companhia. Kotler e Bes (2011) defendem a ideia de que a inovação deve ser entendida como o desenvolvimento de uma cultura própria dentro da empresa; o que permitirá produzir e levar ao mercado um fluxo constante de inovações não tão impactantes, mas direcionadas ao tratamento das necessidades ou do aproveitamento das oportunidades existentes. Para Simantob e Lippi (2003) a inovação é uma novidade para a empresa e para o mercado e sua aplicação está comumente ligada à tecnologia, gestão, processos ou a modelos de negócio. Tem como foco o desempenho econômico e a criação de valores através da exploração das oportunidades e do potencial criativo da empresa. Os autores ainda afirmam que a inovação é uma excelente forma de se diferenciar dos concorrentes; podendo estar representada em um produto, nas técnicas de marketing ou nos serviços prestados aos clientes. Porém, nesta busca pela diferenciação no mercado, muitas organizações perdem ótimas chances por tentarem inovar sem ter um planejamento bem elaborado. A má condução do processo de inovação lhes acaba impondo dificuldades além do previsto. Segundo Kotler e Bes (2011), um dos maiores enganos cometidos pelas empresas é considerar a criatividade como sinônimo de inovação. As empresas que confundem criatividade com inovação, e inúmeras o fazem, acabam descobrindo que o hábito não é só um freio na produtividade; também pode ser contraproducente. As pessoas propõem ideias e, devido à falta de regras claras acerca do que fazer com elas, estas definham antes de chegarem a algum lugar. Desse modo, as pessoas ficam desmotivadas e param de propor novas ideias (KOTLER; BES, 2011, p. 22).

Os autores consideram ainda que a criatividade é uma das chaves da inovação, mas não se deve apostar apenas na criação, em ideias ou nas tecnologias mais recentes. Deve-se ter um bom planejamento e o processo deve ser gerenciado por pessoas competentes para que as 26


mudanças não acarretem em problemas para a empresa ao invés de trazer benefícios. Pode-se concluir então que a criatividade deve ser vista como um suporte e não como o centro da inovação. A mensagem é clara: criatividade, ideias e novas tecnologias sozinhas não são suficientes. O processo de inovação deve ter pessoas para gerenciá-lo; novas habilidades, mais relacionadas com o gerenciamento empresarial, são necessárias para garantir o sucesso da materialização da ideia no mercado (KOTLER; BES, 2011, p. 21).

De acordo com Silva (2011), a inovação também não deve ser encarada como a salvação de um negócio. Como é um processo que envolve diversas variáveis, muitas delas fora dos domínios da empresa, é possível que os resultados obtidos não sejam os esperados, mesmo que haja uma estratégia bem definida. Mesmo sob as condições mais favoráveis, a inovação é um esforço incerto. Desenvolver um novo produto pode levar meses, até anos. Mudar um sistema ou um processo pode abranger várias questões periféricas como identificar novos canais de distribuição, melhorar a capacitação profissional dos colaboradores, adequar fornecedores...Tudo isso pode envolver muitas tarefas, diferentes pessoas e uma infinidade de habilidades e competências. É possível que muitas coisas dêem errado. Que as ideias não surjam conforme o necessário. Que falte dinheiro ou pessoas. O processo de inovação é passível de ser tratado por problemas técnicos ou de coordenação, caso envolva muita gente. Essas situações fazem parte da realidade, e, a cada problema surge, temos de estar preparados para criar soluções inovadoras (SILVA, 2011, p. 18).

Para Tidd, Bessant e Pavitt (2005), quando um processo de inovação falha as companhias se desgastam excessivamente tentando se recuperar. Para algumas delas o esforço para reparar os danos causados pelo insucesso pode exigir um grande dispêndio de recursos; já para outras, a única alternativa acaba sendo encerrar as atividades. A falta de controle e de articulação dos projetos, além do mau uso das técnicas de gestão, são os maiores causadores de problemas para a maioria dos negócios quando se trata de inovação. Segundo Quinn (1992), há uma forte tendência de que as empresas passem a utilizar menos recursos financeiros como estratégia de crescimento para valorizar mais a criatividade e as habilidades humanas. Esta mudança no comportamento corporativo tem como finalidade fazer com que os altos valores investidos pelas companhias no processo de inovação tenham um retorno mais rápido e sejam mais lucrativos. O autor também considera que a coordenação de processos através do design é um dos modos mais precisos e confiáveis para se alcançar este objetivo.

27


2.3.1 O design como diferencial no processo de inovação

Mesmo com toda informação que se tem sobre design, muitas empresas resistem em acreditar que este pode ser um diferencial para seus negócios. Ainda existe uma forte associação com a estética de produtos, o que acaba dificultando seu reconhecimento como uma ferramenta corporativa (COELHO, 2006; VIANNA, 2012). Para o Sebrae (2013), além de um artigo de luxo, o design é imprescindível para empresas de qualquer porte, pois proporciona um ótimo custo benefício e traz uma série de vantagens, tais como:

É elemento de diferenciação e inovação de produtos e serviços, além de agregar valor aos mesmos, inclusive para a própria empresa;

Reduz custos e aperfeiçoa a produção;

Amplia portfólios ao criar novos produtos ou ao adequá-los às necessidades do mercado;

Aumenta a competitividade de um negócio;

Cria oportunidades para conquistar e fidelizar consumidores;

Permite que a empresa adote formas de pensar e solucionar problemas focando na empatia, colaboração e experimentação;

Promove adoção de políticas sustentáveis e de respeito ao meio ambiente.

Nas empresas, o design funciona como uma ponte entre a criatividade e a inovação, pois pode interferir na maioria das etapas de um projeto. Serve de inspiração para os membros de uma equipe na busca por soluções para problemas e auxilia na idealização e implementação de projetos (SEBRAE, 2013). O design é uma fonte inesgotável de criatividade e, [...] está inserido em muitas áreas de tomada de decisões gerencial. Assim, o design é um processo interno que integra pesquisa de mercado, estratégia de marketing, marca, engenharia, desenvolvimento de novo produto, planejamento de produção, distribuição e políticas de comunicação interna (MOZOTA; KLÖPSCH; COSTA, 2011, p. 30).

Sua característica multidisciplinar permite ser mais do que um simples processo criativo, mas sim um processo de gestão empresarial. Esta propriedade do design permite a promoção de melhorias no sistema comunicacional, organizacional, operacional e estratégico da empresa, criando uma estrutura mais leve, simples e menos burocrática. Mozota, Klöpsch e

28


Costa (2011, p. 30) ainda afirmam que “o design é um termostato para inovação, um processo que modula, controla e estimula a criatividade na empresa”. Esta característica peculiar do design possibilita a ação em diversas áreas de uma companhia simultaneamente, exercendo o papel de intermediador dos processos internos e externos de comunicação. A maior aproximação entre os setores dá ao design a capacidade de interferir precisamente no modo como estes processos são elaborados e conduzidos. O design é uma ferramenta da gestão que cria diferenciação nas capacidades internas da empresa. O design não é mais visto como apenas um resultado relacionado à forma, mas como um processo criativo de gestão que pode ser integrado em outros processos da organização, como gestão de idéias, de inovação e de pesquisa e desenvolvimento, e que modifica a estrutura tradicional de processos em uma empresa (MOZOTA; KLÖPSCH; COSTA, 2011, p. 145).

Esta forma de visualizar, identificar, interpretar e agir sobre determinadas situações e problemas é intrínseca ao design e já faz parte da sua essência, atraindo cada vez mais a atenção das empresas (VIANNA, 2012). O designer enxerga como um problema tudo aquilo que prejudica ou impede a experiência (emocional, cognitiva, estética) e o bem-estar na vida das pessoas [...]. Isso faz com que sua principal tarefa seja identificar problemas e gerar soluções. [...]. O designer sabe que para identificar os reais problemas e solucioná-los de maneira mais efetiva, é preciso abordá-los sob diversas perspectivas e ângulos. Assim, prioriza o trabalho colaborativo entre equipes multidisciplinares, que trazem olhares diversificados e oferecem interpretações variadas sobre a questão e, assim, soluções inovadoras (VIANNA, 2012, p. 13).

Conforme Kotler e Bes (2011), as empresas estão se conscientizando de que a inovação através do design é umas das estratégias mais eficazes para se obter diferenciação no mercado, principalmente na forma como os produtos e serviços são oferecidos. Pode-se citar como exemplo a crescente preocupação com o design de usabilidade que, segundo Norman (2008), visa diminuir a complexidade de sistemas que sofrem com o excesso de funções, tornando-os mais simples e menos confusos para os usuários. Outra questão que vem ganhando força trata das condições de acessibilidade, que de acordo com a Sebrae-RR (2004, p. 2) significa, não apenas permitir que as pessoas portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o uso de produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso de testes por todas as parcelas presentes em uma determinada população.

A partir desta visão de mercado conclui-se que o design passa a ser, portanto, um fator decisivo para o sucesso do processo de inovação empresarial. 29


2.4 PORTAIS CORPORATIVOS

Desde seu surgimento em meados do século XX, a globalização vem provocando mudanças drásticas na vida do homem, definindo novos rumos para a economia, política, cultura, ciência, enfim, passou a promover um novo ambiente global movido por rápidas e intensas transformações sócio-econômicas (ALVAREZ, 1999; BAUMAN, 1999).

2.4.1 Contextualização

Como as empresas foram obrigadas a se adaptar a esta nova dinâmica econômica para continuarem ativas no mercado, muitas técnicas e conceitos empresariais tiveram que ser substituídos ou atualizados. O maior valor dado pelas companhias ao domínio do conhecimento e à busca por informação podem ser considerados como alguns dos fatores mais relevantes deste recente panorama corporativo. Tais práticas apóiam-se, por sua vez, em novos saberes e competências, em novos aparatos e instrumentais tecnológicos, tanto como em novas formas de inovar e de organizar o processo produtivo, expressando-se assim uma nova economia ou um novo padrão técnico-econômico e ensejando também a necessidade de novas abordagens na própria teoria econômica e do valor. O desenvolvimento, a difusão e a convergência das tecnologias da informação e comunicação são vistos como centrais na conformação dessa nova dinâmica técnico-econômica (LASTRES; ALBAGLI, 1999, p. 8).

Para Fadel (2010), a informação é a base de qualquer signo, não sendo necessário dominar seu conteúdo formal, mas apenas o reconhecimento do seu significado. Já o conhecimento é a compreensão deste significado, podendo este ser utilizado em uma ação específica ou com uma determinada finalidade. As empresas, de acordo com Filho (2002), têm demonstrado um enorme interesse na aquisição de conhecimento (e na sua gestão) devido ao seu grande potencial econômico; pois, quando corretamente aplicado, pode ser transformado em um excelente diferencial competitivo. Mas, para que as empresas se diferenciem no mercado, elas devem saber se comunicar. Simplesmente deter um grande volume de informação ou conhecer sobre determinado assunto de nada adianta se o público não receber e compreender com clareza as mensagens transmitidas pelas companhias (STAGER, 1994). Conforme Ferreira (1997), muitas falhas de comunicação ocorrem porque boa parte das organizações não acompanharam as mudanças decorrentes da globalização, e como ainda 30


estão habituadas aos tradicionais modelos administrativos e econômicos, ficaram “paradas” no tempo. Estas companhias estão vivendo um período de transição. Este é um processo lento e dispendioso, fator que faz com que algumas delas não completem esta fase com sucesso (AUDY, 2000). Atualmente, a exigência de uma comunicação eficiente, simples e objetiva já faz parte da cultura popular. A internet, conhecida como a grande rede de computadores, se tornou o veículo de comunicação mais importante e mais abrangente que surgiu nas últimas décadas, permitindo “a comunicação de muitos com muitos, num momento escolhido, em escala global” (CASTELLS, 2003, p. 8). Sua influência é tão grande que interfere desde assuntos que envolvem o comportamento humano até questões políticas e governamentais. Sua maior importância é para a economia, que hoje depende incondicionalmente dos recursos disponíveis na internet. Este moderno meio de comunicação, de forma geral, permite atingir um maior número de pessoas, com um menor custo e em muito menos tempo. Como no mercado sempre se busca por agilidade e eficiência, a rede passou a ser um dos veículos mais utilizados para a realização de diversos tipos de relações comerciais (CASTELLS, 2003). O autor ainda afirma que esta era da informação, expressão utilizada por ele para se referir ao período pós internet, representa um marco na sociedade. A internet criou um universo totalmente diferente do que existia e está fundamentada na ideia do livre acesso à informação. Reduziu fronteiras, rompeu paradigmas sociais e integrou tudo e a todos em uma “mesma” cultura. A sua associação com os mais recentes avanços tecnológicos e com a área da informática propiciaram o surgimento de fantásticas revoluções nos meios de comunicação, como o aparecimento das redes sociais, verdadeiros fenômenos comunicacionais que criaram novas formas de socialização e transmissão da informação. Trouxe também uma série de benefícios, tanto para o homem quanto para as empresas, entretanto, isto não significa que também não tenha trazido consigo problemas. Para Lévy (2009), na rede há um dilúvio de informações originado pela proliferação excessiva de dados. De acordo com Tapscott (1997), seja por falta de uma gestão eficiente ou pela incapacidade natural (estrutural) das empresas em absorver informação, ação necessária para a continuidade de suas atividades, o que acaba acontecendo é que muitas companhias não conseguem filtrar o excesso de conteúdo disponível na rede e perdem o controle sobre os processos corporativos, consequentemente, não conseguem fazer com que a informação adquirida seja aplicada de forma produtiva.

31


Como forma de prevenir, minimizar ou corrigir possíveis problemas relativos à informação, uma das estratégias utilizadas pelas empresas é o investimento na inovação e na consolidação de processos de comunicação interna. Para a Abracom (2008), este tipo de comunicação representa a conexão entre a organização e seu público interno. Esta relação se dá através da transmissão de informações que a empresa tem interesse em compartilhar com os colaboradores e seus familiares, procurando difundir, principalmente, a visão, a missão e os valores da companhia. De acordo com Marchiori (1995), a necessidade desta mudança de filosofia no meio corporativo deve-se ao fato de que as relações de trabalho já não são mais as mesmas. Os colaboradores estão reconhecendo a importância de interagir nos processos, planejamentos e metas de trabalho, pois sua interferência pode trazer tanto melhorias profissionais quanto pessoais. Já as empresas perceberam que a maior interação entre as equipes de trabalho permite descobrir ou reter talentos, valorizar e reconhecer as melhores formas de produção. As novas práticas empresariais geram benefícios mútuos para as partes envolvidas. Para garantir melhor continuidade e competitividade, os novos modelos de gestão adotam sistemas mais abertos, cuja característica é a necessidade de amplo intercâmbio, com aspectos variáveis. As organizações precisam assumir estratégias que têm na transformação da informação e conhecimento o elemento privilegiado para enfrentar as mudanças. As informações que circulam nas empresas só têm valor quando se transformam em conhecimento compartilhado por todos, criando um ciclo virtuoso de valor capaz de suportar um mundo pautado por intensa competição, o que exige redesenhar modelos que permitam a tomada rápida de decisão (ABRACOM, 2008, p. 11).

Para o estabelecimento de uma comunicação interna mais efetiva, as companhias precisam determinar previamente os parâmetros do processo (PINTO, 2009). Segundo a Abracom (2008), quando uma empresa não define seus propósitos nem a forma como vai se relacionar com seus colaboradores ela fica à mercê de agentes internos, como ruídos provocados pelo relacionamento interpessoal, e de agentes externos, como o excesso de informação não confiável encontrado na internet. Um vínculo comunicacional não consolidado e fragilizado pode comprometer as atividades e os resultados esperados pela corporação. Mesmo com uma estrutura bem definida, o sistema de comunicação interna deve ser flexível a ponto de permitir alterações ou adaptações. Como o mercado é dinâmico, as empresas precisam ser capazes de se adequar às constantes mudanças no cenário econômico. As inovações tecnológicas, as novas relações com os consumidores, a abertura de mercado, exigem um olhar voltado para dentro, que destaque os diferenciais competitivos, próprios de cada organização. Conceitos como transparência, valorização e visibilidade também se tornaram imperativos.

32


Nesse ambiente de mudanças, de valorização da cidadania, de uma sociedade mais organizada e consciente, a Comunicação Interna se fortaleceu e profissionalizou seus quadros. Hoje, ela é um dos instrumentos dessa nova forma de gestão, verdadeiramente estratégica, contribuindo para o fortalecimento dos ativos intangíveis e para o sucesso do negócio. Assume grande responsabilidade na convergência dos valores e objetivos da empresa e de seus colaboradores (ABRACOM, 2008, p. 12).

A ampla concorrência no mercado forçou às empresas a buscarem por diferenciais competitivos. É neste ambiente de constante inovação que surgiram os portais corporativos.

2.4.2 Definições e funções de um portal corporativo

As mudanças promovidas pela globalização no âmbito empresarial fizeram com que as companhias compreendessem que seus colaboradores não são simples prestadores de serviços, mas fundamentais para o sucesso da empresa por agregarem valores que passam a ser intrínsecos à organização. Com o intuito de estreitar os laços com o público interno, as empresas estão utilizando novas políticas de comunicação que permitam se aproximar dos seus colaboradores (ABRACOM, 2012). Na busca pela renovação das suas práticas comunicacionais, muitas corporações veem nas redes de computadores, como a internet, uma grande oportunidade para seus negócios. Elas permitem uma conexão rápida, barata e segura entre seus usuários. Todos podem se comunicar entre si e compartilhar qualquer tipo de informação, inclusive dados sigilosos de uma empresa (PRETTO; SILVEIRA, 2008). No entanto, em ambientes onde a informação flui livremente e sem nenhum tipo de controle, o processo de inovação na comunicação interna tende a se tornar inviável por não existirem barreiras que impeçam o dilúvio de informações. Dos diversos meios ou métodos que as empresas possuem para reduzir as possíveis interferências na comunicação, as redes privadas e restritas, conhecidas como intranets, são umas das mais eficientes. (ALMEIDA; ROSA, 2000). Segundo Irving e Williams (1999 apud Blackmore, 2010), a intranet é uma rede corporativa privada que se utiliza de tecnologias e da internet; controlada pela própria organização e é restrita para os colaboradores, mas com seu uso limitado por políticas internas. Isto permite às companhias controlar o volume e o conteúdo das informações disponibilizadas quanto seu respectivo acesso. Neste caso, o objetivo das empresas não é limitar o acesso dos colaboradores à informação, mas sim, centralizá-la em um único local a fim de fornecer suporte para que estes consigam interpretar, compreender e repassar as 33


mensagens transmitidas pela companhia com mais facilidade. E é esta a ideia que norteia o surgimento dos portais corporativos (SANCHEZ, 2003). O portal corporativo, conforme Moura (2007, p. 130), “[...] tem origem na Intranet e evoluiu com a incorporação de tecnologia que possibilita abastecer os profissionais de uma instituição de variedade de informações geradas por fontes internas e externas à organização”. Para Dias (2001), os portais são uma evolução das intranets, incorporando novas tecnologias e ferramentas que permitam a identificação, captura, armazenamento, recuperação e distribuição de quantidades significativas de informação, sejam estas provenientes de fontes internas ou externas à instituição. Segundo Terra e Bax (2003), os portais corporativos são aplicações visuais similares aos dos portais encontrados na internet, já que utilizam navegadores como forma de acesso, só que são muito mais complexos e possuem finalidades totalmente diferentes. O propósito, além de difundir a missão, as estratégias e os objetivos da companhia, é colaborar com a criação e o gerenciamento de um modelo sustentável de negócios. Seu objetivo primário consiste em fomentar a eficiência corporativa concentrando a informação armazenada pela empresa em um único ponto acessível. O esforço das empresas visa melhorar as relações com seus colaboradores, gerando benefícios para ambos os lados. Como os portais corporativos promovem mudanças significativas que interferem em todas as áreas de uma empresa, eles podem ser considerados como ferramentas estratégicas de inovação. Furlanetto e Oliveira (2006) ressaltam que, como a disseminação do conhecimento não depende apenas de pessoas, já que existem agentes que podem interferir nos processos que envolvem comunicação, é imprescindível que as empresas possuam uma boa infraestrutura tecnológica e informacional. Esta estrutura deve fornecer um conteúdo relevante aos seus colaboradores e criar condições necessárias para o desenvolvimento de seus trabalhos e atividades organizacionais, como mostra a figura 4.

34


Figura 4 - Exemplo de uma rede de relacionamento de uma empresa utilizando um portal corporativo.

Fonte: Adaptado do portal Tecmedia (desenvolvedor de portais corporativos).

A figura 4 ilustra uma rede de relacionamento de uma empresa fictícia onde o sistema de comunicação interno se concentra em torno de um portal corporativo. Sua função é interligar todos os elementos existentes e, ao mesmo tempo, filtrar toda a informação existente no meio externo para que apenas o conteúdo realmente necessário seja aproveitado pela empresa. Em um ambiente corporativo mais complexo podem estar envolvidos os colaboradores, os clientes, os fornecedores, dentre outros parceiros (TERRA; BAX, 2003). Laudon e Laudon (2004, p. 334) afirmam que “um portal corporativo pode aumentar a produtividade de seu pessoal apresentando um único ponto de acesso sem descontinuidade a todos os recursos de informação de que os funcionários necessitam para executar seu trabalho”. Para Terra e Gordon (2002) isto acaba melhorando o fluxo de informação e de conhecimento nas empresas. Segundo Dias (2001), alguns dos benefícios proporcionados pelos portais corporativos são: agilidade na aquisição e pesquisa da informação; possibilidade de um rápido compartilhamento de conteúdos; conectividade universal das informações; economia de espaço, tempo e recursos; ampliação da produtividade e eficiência dos grupos de trabalho; 35


maior liberdade dos colaboradores em participar das decisões da companhia e ampla abertura para debates, discussões e análise de ideias. Como são inúmeras as vantagens proporcionadas pelos portais corporativos, Dias (2003) afirma que o maior desafio das companhias é lidar com a heterogeneidade das fontes de informação, pois o excesso de dados (muitas vezes não confiáveis) pode influenciar negativamente no correto entendimento das mensagens transmitidas. No que se trata da implantação e da utilização dos portais corporativos, Terra e Bax (2003) sinalizam alguns desafios encontrados pelas empresas, tais como:

Presença de sistemas não integrados e formatos de arquivos com direitos autorais ou incompatíveis;

Dificuldade de acesso ágil à informação atualizada e sobrecarga de informação;

Redundância e duplicidade de informações nas redes;

Informações e documentos publicados de modo desorganizado, muitas vezes até mesmo sem aprovação;

Diversidade de métodos e técnicas diferentes para se buscar e acessar a informação;

Dificuldade para as pessoas publicarem informações acessíveis a todos na empresa;

Excesso de barreiras para criação ou até mesmo ausência de políticas de segurança;

Usuários com pouca experiência na utilização do sistema são excessivamente dependentes do departamento de TI para gerar, divulgar e obter informação;

Arquiteturas proprietárias e com altos custos de contratação dificultam a integração de diferentes tipos de informação.

Com base nos desafios apresentados, percebe-se que as companhias têm muitas dificuldades para implantar um portal corporativo. Em um sistema de tão grande porte, uma simples falha pode causar estragos sem dimensões para as empresas, porém, se implantados com êxito, os portais trarão vantagens suficientes para levar as companhias ao caminho do sucesso. Um dos pontos considerados mais importantes pelas organizações, quando se trata da criação de portais corporativos, envolve a interação entre homem e o computador.

36


2.5 PRINCÍPIOS DA INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR

Os estudos referentes à interação humano-computador (IHC) começaram com o psicólogo cognitivista Donald Norman por volta dos anos 70 e tratam da relação entre pessoas e computadores. A IHC, segundo Rosa e Moraes (2008), é uma área de estudo interdisciplinar que tem como principal objetivo entender o porquê da utilização das tecnologias de informação e como as pessoas as compreendem. Sua base conceitual provém da associação de diversas áreas do conhecimento, tais como: ciências da computação, design, ergonomia, psicologia, artes, semiótica, dentre outras. De acordo com Pressman (1995), a IHC se dá por meio de uma interface, responsável pela comunicação entre os sistemas envolvidos. No caso dos portais corporativos, pode-se afirmar que a comunicação entre o homem (colaborador) e a empresa (representada pelo ambiente on-line) é dada através de páginas, que são as interfaces gráficas do sistema. Segundo Norman (2002), as pesquisas em IHC buscam mapear e solucionar as necessidades dos usuários quanto à utilização de sistemas computacionais. Estes estudos são muito requisitados por fornecerem, além de explicações, previsões para os fenômenos de interação e servem de base para o desenvolvimento de projetos na área de IHC. Os resultados propiciam a criação de excelentes ferramentas capazes de maximizar a eficiência dos usuários e sua produtividade laboral, seguindo a lógica de que um sistema complexo e de difícil utilização pode inviabilizar o uso do mesmo. Para que um projeto de IHC obtenha sucesso, Norman (2002) estabelece que este deve seguir três axiomas básicos: simplicidade, versatilidade e agradabilidade. O autor ainda reitera que as pessoas devem aprender a tarefa, e não a tecnologia em si; para isto, precisam ser capazes de levar a ferramenta para a tarefa e não levar a tarefa à ferramenta, como acontece atualmente. Com base nestes princípios, percebe-se a existência de diversos aspectos que interferem na IHC, tanto do ponto de vista humano quanto da máquina. No caso do homem, fatores como a experiência do usuário, interação e usabilidade, ganham destaque por contemplarem a maioria das questões que envolvem a utilização (boa ou ruim) de um computador. Já do lado não humano, tem-se a interface, os mecanismos de aquisição de informação e a complexidade do sistema como elementos fundamentais nesse processo. A IHC se dá justamente pela associção dos fatores envolvidos em ambas as partes e cada uma influenciará diretamente a outra, equilibrando ou desiquilibrando essa relação (PREECE; ROGERS; SHARP, 2005). 37


2.5.1 Experiência do usuário (UX)

Conforme Norman (2002), a experiência do usuário ou UX (do inglês user experience) originou-se na ergonomia e hoje tem como foco abordar as características da IHC. O termo foi utilizado pela primeira vez pelo autor na primeira edição do seu livro The Design of Everyday Things (O design do dia-a-dia, no Brasil), publicado em 1988. A International Organization of Standardization (ISO) define, em sua resolução 9241210 (2010), que a experiência do usuário está baseada nas percepções e reações humanas. Isto envolve assuntos relacionados aos sentimentos de cada indivíduo no que se trata à utilização prévia de um produto, sistema ou serviço, e abrange seus aspectos práticos, afetivos e emocionais. A ISO cita ainda outros pontos trabalhados pela UX: necessidade de uso, facilidade de utilização e eficácia do sistema. Além das habilidades cognitivas, a UX se baseia também na análise e reconhecimento da própria experiência de vida do homem. Em resumo, são as emoções, crenças, conhecimentos, estímulos físicos e psicológicos, comportamentos ou quaisquer outras características que interfiram no antes, no durante e no depois do uso do recurso (PREECE; ROGERS; SHARP, 2005). Segundo Hassenzahl (2010), a UX é sempre subjetiva por ser um sentimento momentâneo durante uma interação, ou seja, já que a utilização de algo, seja um produto ou sistema, tem a ver com a cognição humana e como esta está em constante modificação, então a própria experiência do usuário varia de acordo com as mudanças na vida das pessoas. Para Garret (2000), se esse sentimento não for positivo, são grandes as chances de que os serviços ou produtos passem a não ser mais utilizados, então, conclui-se que a busca constante pelo aperfeiçoamento dos serviços oferecidos é vital para a continuidade dos mesmos. O autor assegura ainda que a aplicação dos conceitos voltados para a UX também podem trazer benefícios para os usuários na web, citando a importância de se trabalhar diversos aspectos que podem oferecer melhores experiências aos usuários, como o design de interação, design de interface, design de informação e usabilidade.

38


2.5.2 Design de interação e de interfaces

O design de interação, para Norman (2002), é uma vertente do design que visa criar projetos baseando-se na experiência do usuário e tem como foco de pesquisa e de estudo as relações humanas que ocorrem por meio de mecanismos interativos. Para Preece, Rogers e Sharp (2005, p.28), o design de interação é responsável por “criar experiências que melhoram a maneira como as pessoas trabalham, se comunicam e interagem” e geralmente está associado com outras áreas, como o design gráfico, design de informação, usabilidade. Os autores ainda destacam alguns tópicos relevantes para a criação de projetos de interação, tais como:

Nem todo o usuário tem conhecimento ou facilidade para utilizar um serviço ou um produto, portanto, deve-se considerar que a existência de usuários bons e não tão bons;

A opinião dos usuários é muito importante porque através dela é possível descobrir falhas ou pontos a serem melhorados;

Deve-se focar no usuário e procurar por formas de proporcionar a eles as melhores experiências de qualidade possíveis;

Não se podem descartar técnicas ou estudos, testados e aprovados, já que estes podem servir como base para projetos futuros.

Estes itens destacados são muito importantes na construção de um projeto de interação, pois, no mercado, um dos motivos para o sucesso de um produto ou serviço depende justamente da experiência proporcionada ao usuário. Mendes (2009) acredita que o próprio estudo da interatividade é essencial para o equilíbrio e o desenvolvimento de interfaces interativas que sirvam de suporte para as pessoas em suas atividades cotidianas. Em sistemas computacionais, a função do design de interação é promover melhorias dentro de uma IHC. Segundo Royo (2008), para que haja uma interação deve existir obrigatoriamente uma interface gráfica e esta será o meio de comunicação entre o usuário e a máquina. Para o autor, a eficácia de uma interface deve ser atribuída também à aplicação de conceitos de usabilidade e de design de informação, visto que há a necessidade de se elaborar condições favoráveis para que a UX seja sempre positiva.

39


2.5.3 Design de informação

Segundo Knemeyer (2003), o design de informação é uma vertente do design que trabalha, de forma detalhada, os modos como a informação pode ser apresentada para o usuário. Seu principal objetivo é ampliar a eficiência da comunicação aprimorando as formas como o usuário adquire informação e a interpreta. Em ambientes onde há a predominância de sistemas comunicacionais, sejam analógicos ou digitais, sua aplicação é mais significativa. Para o autor, esta é uma área multidisciplinar e abrange vários campos como o design gráfico, arquitetura, psicologia, entre outros. Além de ser um integrador de áreas do conhecimento, o design de informação atua em todos os setores envolvidos como um diferencial de qualidade na criação de soluções para os problemas que envolvem o tratamento de informações. De acordo com Wildbur e Burke (1998), o design de informação está relacionado à escolha, organização e apresentação de informação para um determinado público alvo, sendo necessário projetar arquiteturas de informação (modelos estruturais) a fim de se transmitir os conteúdos obtidos com precisão e neutralidade. Para que isto aconteça, Horn (1999) evidencia que devem ser desenvolvidos materiais de fácil compreensão, pois só assim a IHC irá acontecer naturalmente e será agradável ao usuário.

2.5.4 Usabilidade

Para Bevan (1999), usabilidade é o que define quão fácil é para as pessoas utilizarem uma ferramenta (ou produto) com o intuito de realizar uma determinada tarefa. Esta interação se dá por meio de uma interface. O termo também é comumente usado para aludir aos estudos referentes à eficiência percebida com relação ao uso de um objeto. A usabilidade é definida pela ISO 9241-11 (1998) como uma forma de medir a qualidade de um produto conforme ele é manipulado por seus usuários. Alguns dos atributos considerados pela ISO como requisitos de qualificação são a efetividade, a eficiência e a satisfação do usuário. A efetividade está relacionada ao alcance dos objetivos mais básicos de interação por parte dos usuários e é avaliada pela capacidade de se finalizar uma tarefa e como esta foi realizada. Já a eficiência é determinada pela quantidade de esforço e recursos utilizados para se chegar a um objetivo definido, levando-se em conta também a experiência do usuário. Por 40


fim, a satisfação está associada ao conforto que o usuário sente ao utilizar determinada interface. Isto é algo bastante subjetivo, pois varia de pessoa para pessoa (DIAS C., 2003). A ISO 9241-11 (1998) complementa ainda em sua resolução que a usabilidade pode ser analisada com base em outras perspectivas, como a facilidade de aprendizado e de memorização do usuário. De forma mais ampla, os medidores de qualidade tendem a estabelecer padrões de usabilidade no tange à utilização de produtos e a respectiva realização de objetivos específicos, por exemplo, nas interações humano-computador. Segundo Barbosa e Silva (2010), a usabilidade em uma IHC geralmente está ligada à simplicidade e à facilidade com que uma interface pode ser utilizada. Os autores complementam ainda que é indispensável compreender as necessidades dos usuários de um ambiente virtual porque isto facilitará a organização do conteúdo disponível. Deste modo torna-se possível auxiliar pessoas com algum tipo de dificuldade motora ou sem conhecimento técnico, pois quando se oferecem condições suficientes de uso, elas terão o acesso à informação facilitado, deixando-as mais à vontade e mais confiantes para realizarem suas atividades cotidianas.

41


3 SUGESTÃO DE DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE PORTAIS CORPORATIVOS

Neste capítulo serão feitas sugestões de diretrizes por meio do design gráfico para a elaboração de portais corporativos como ferramenta estratégica de inovação. Para que este processo seja realizado de forma organizada, coerente e envolva o maior número de elementos possíveis, torna-se imprescindível o uso de uma metodologia de projeto que se adeque às necessidades do tema proposto e contemple os objetivos já determinados.

3.1 METODOLOGIA DE PROJETO

O uso de uma metodologia se faz necessária nos mais variados tipos de projetos e não é diferente para a área do design. Nesta fase serão definidos os preceitos que delinearão as etapas e o modo como o projeto será conduzido. Para Bürdek (2006, p. 225), a “teoria e metodologia do design são reflexos objetivos de seus esforços que se destinam a otimizar métodos, regras e critérios e com sua ajuda o design poderá ser pesquisado, avaliado e também melhorado”. A importância da utilização de uma metodologia em um projeto existe porque, o uso de métodos, ferramentas de projeto e técnicas de criatividade otimizam o processo de design, reduzindo incertezas, aumentando a qualidade geral do trabalho, permitindo um ambiente de projeto mais integrado e contribuindo para o aumento das possibilidades de aceitação do produto no mercado (SANTOS, 2000, p. 44).

A metodologia utilizada para este projeto foi criada pelo arquiteto e designer gráfico argentino Ruiz (199-?) e foi referenciada por Fuentes (2006) em seus estudos sobre as práticas do design gráfico. Os métodos criados por Ruiz foram divididos em três etapas: analítica, criativa e executiva. Na fase analítica definem-se os problemas, faz-se o levantamento de dados, sua organização e avaliação (para evitar excesso de informação), delimita-se a abrangência do projeto e monta-se a estrutura que viabilizará o seu desenvolvimento até ser finalizado. A segunda fase corresponde ao ciclo criativo do projeto. Aqui as ideias são formuladas, propostas, verificadas se realmente são pertinentes e aplicáveis, escolhidas e formalizadas.

42


Na etapa de execução, referente à última fase do processo metodológico de Ruiz, o projeto ganhará vida. A proposta escolhida passará ainda por uma avaliação final antes de ser implementada. O objetivo desta ação é detectar possíveis erros de criação antes de ser aprovada. Depois da autorização da versão definitiva será dado início ao seu desenvolvimento e materialização, concluindo assim, o projeto. Como não será criado nenhum modelo navegável de um portal corporativo (etapa de execução), este trabalho está limitado às fases analítica e criativa. O modelo criado por Ruiz está representado na figura 5.

Figura 5 - Metodologia de projeto criada por Guilhermo Gonzáles Ruiz.

Fonte: Adaptação do modelo de Ruiz (199-?) encontrado no livro “A Prática do Design Gráfico: uma metodologia criativa”, de Rodolfo Fuentes (2006).

Pode-se perceber na figura 5 que todas as fases possuem instruções que apontam quais ações deverão ser realizadas em cada parte do ciclo, representadas por meio de flechas 43


pequenas. Nota-se ainda que existem setas maiores indicando a relação de dependência entre as fases. Isto significa que só é possível avançar para a etapa seguinte se a anterior for concluída. Esta é uma maneira de prevenir que possíveis equívocos cometidos nas fases iniciais não prejudiquem o restante do projeto. A estrutura e a organização propostas por Ruiz demonstram a solidez do seu plano metodológico.

3.2 FASE ANALÍTICA

Nesta fase são abordados os tópicos considerados relevantes para determinar, por meio do design gráfico, as diretrizes para a elaboração de portais corporativos como ferramenta estratégica de inovação. Escolheu-se como suporte um portal gratuito disponível na internet chamado Infoscoop 3, produto da associação das companhias japonesas Mitsubishi UFJ Information Technology e Beacon Information Technology Inc.. Como não é possível demonstrar a utilização on-line deste ambiente optou-se por trabalhar com a imagem capturada da página inicial do site. Acredita-se que não há a necessidade de se utilizar outras páginas (além da principal), pois as diretrizes (maioria) seriam aplicadas do mesmo modo em qualquer uma delas. De maneira geral, um portal corporativo deve ser elaborado de forma que facilite o acesso de seus colaboradores às informações relevantes para a realização de suas atividades (TERRA; GORDON, 2002). As diretrizes sugeridas serão baseadas nos seguintes aspectos:

Arquitetura da informação;

Visual;

Usabilidade.

3.2.1 Arquitetura de informação

Baseando-se no design de informação, o primeiro aspecto a ser tratado será o que define a arquitetura de informação do portal. Isto permitirá que os dados disponíveis sejam organizados de modo que o usuário encontre qualquer informação com mais agilidade. Mas, para Rosenfeld e Morville (2002), de nada adianta ter um sistema de informação ágil se o

3

http://www.infoscoop.org

44


conteúdo acessível utiliza uma linguagem visual complicada e de difícil entendimento, portanto, infere-se que em um portal corporativo deve-se prezar pela simplicidade das informações. Por meio de um ambiente corporativo as empresas têm como objeto principal melhorar e inovar o sistema de comunicação interno através da transmissão de informações relevantes ao funcionamento da companhia (ABRACOM, 2012). A diretriz mais importante acaba sendo a definição da forma como o conteúdo disponível será estruturado, seja por hierarquia, categorias, etc. De acordo com Knemeyer (2003), esta estrutura diz respeito ao modo como a informação é organizada, onde a respectiva análise e relevância do conteúdo a ser disponibilizado serão feitas. Pode-se dizer está será o alicerce da criação do sistema corporativo e que o desenvolvimento de uma boa arquitetura de informação refletirá diretamente na eficiência do portal corporativo, consequentemente, no processo de inovação da comunicação interna da companhia. Desta forma, entende-se que a arquitetura de informação também é um fator determinante para a qualidade da modelagem visual do portal. Como esta arquitetura será representada graficamente, mesmo que não explícita ao usuário, quanto mais bem esta for elaborada, mais fácil será para criar uma interface que seja de fácil entendimento para quem for utilizá-la. Porém, isto não significa que estas diretrizes são dependentes entre si, pelo contrário, são processos distintos que servem de apenas de complemento uma para a outra, pois é possível se trabalhar uma interface mesmo não sendo baseada no design de informação (ROSENFIELD; MORVILLE, 2002). Para os autores, a arquitetura de informação deve ser a base de um website porque os demais aspectos trabalhados estarão fundamentados no modelo informacional proposto, como a IHC por meio da interface. Sendo assim, é possível afirmar que a arquitetura de informação é a espinha dorsal do portal corporativo, interligando e delineando todos os demais processos por meio de um canal comum: a informação. Como esta é a estrutura chave do portal, a qualidade dos demais aspectos envolvidos dependerá obrigatoriamente do seu nível de organização. Nesta fase inicial, o design gráfico tem a capacidade de interferir no projeto de estruturação da informação em todas as etapas deste processo. No planejamento do portal podem ser definidas as estratégias que darão rumo ao projeto de acordo com as necessidades da empresa e de seus colaboradores. Através do processo criativo são geradas ideias e esboços de modelos para melhor organizar e avaliar o conteúdo disponível. Na etapa de conclusão são

45


definidas as condições para validar a arquitetura de informação proposta, sendo finalizada com sua devida implementação.

3.2.2 Visual

Segue-se com a abordagem do aspecto visual, que corresponde à primeira experiência que o usuário tem ao entrar no portal. Sua construção deve ser baseada nas informações contidas na rede interna; pois, sem elas, torna-se impossível definir simplificadamente as características visuais do ambiente. Apesar de a sua busca ser exclusivamente por informação, é através da aparência estética do portal (layout 4) que o usuário terá a primeira impressão de como é o portal corporativo. Ao se conectar à rede interna da empresa por intermédio de um navegador, o usuário irá interagir com uma interface – um canal de ligação entre o emissor da informação (empresa) e o receptor dessa mensagem (colaborador) – que pode ter um aspecto amigável ou não tão convidativo (NIELSEN, 1996). Quanto melhor for a experiência inicial do usuário (visual e funcional), maiores serão as chances de continuar utilizando este sistema, pois se sentirá confortável ao navegar pelo novo ambiente e se adaptará com mais facilidade. Segundo Leite (2010, p.185), “[...] o contato visual talvez seja o primeiro e o último momento de identificação e convencimento [...]”. Caso não se identifique com esta interface, é possível que o usuário considere que a utilização do portal corporativo não lhe traz nenhuma vantagem, podendo até mesmo desconsiderar ou rejeitar a continuidade da sua utilização. O autor ainda afirma (2010, p. 175) que “[...] por meio do impacto visual, obtêm-se resultados com menor exposição [...]”. Portanto, quanto melhor for planejada a estrutura de informação mais fácil será criar um ambiente gráfico que agrade aos usuários do sistema. Com relação ao aspecto visual, o design gráfico atua como mediador do processo de inovação na comunicação entre a empresa e seus colaboradores. Neste caso se torna o responsável direto pela criação do layout, da interface gráfica ou de qualquer outra questão que envolva organização visual. Para o desenvolvimento deste ambiente podem ser incorporados diversos elementos, tais como: vídeos, animações, fontes tipográficas não convencionais, imagens, etc. O design gráfico não servirá apenas para deixar o portal corporativo “elegante” ou mais bonito, mas 4

Conforme Araujo (2001), o layout é a união de todos os elementos que o compõem uma estrutura. No caso de um site pode-se considerar como parte integrante de sua construção as imagens, tipografias, vídeos, etc...

46


também, procurará criar um equilíbrio entre os todos os elementos utilizados em sua concepção, maximizando as chances de o usuário se identificar com o portal corporativo.

3.2.3 Usabilidade

Já a usabilidade diz respeito às facilidades do usuário na utilização do portal propriamente dito, ou seja, quais as melhores formas de interação para que a comunicação se torne eficaz (DIAS, 2001). Este aspecto diz respeito à capacidade do usuário em poder usar melhor os recursos disponíveis na página de acesso através da navegação, ou seja, quão mais fácil é utilizar a interface criada e se comunicar por meio do portal. A construção de um ambiente com um alto nível de usabilidade só poderá existir se a arquitetura de informação for organizada. Se a situação não for esta, fica impossível criar um local que possua uma fácil utilização se as informações estão “espalhadas” pela rede interna. Mesmo que o plano de usabilidade seja bem elaborado, a estrutura de informação não permitirá que a interface seja de fácil utilização (BARBOSA; SILVA, 2010). E é justamente através da interface – veículo de comunicação entre o usuário e o portal corporativo – que a usabilidade será “vista” por quem está navegando pelo ambiente. Por este motivo, torna-se imprescindível a definição de um layout que favoreça uma ótima relação entre ambas as partes. Quanto melhor for a usabilidade do portal, mais efetivo e eficiente tende a ser o sistema, pois os usuários terão condições suficientes para melhor absorver as mensagens transmitidas pela empresa. A interferência do design gráfico será na idealização do projeto de usabilidade do portal. Nesta etapa as necessidades do usuário farão toda a diferença. Com base nas heurísticas de Nielsen (1995), nos requisitos mínimos propostos por Dias (2001) que um portal corporativo deve possuir e nas regras de usabilidade na web de Krug (2008) levantaram-se alguns pontos que podem ser trabalhados com relação à usabilidade destes tipos de ambientes. Cada portal corporativo possui características e finalidades próprias, mas a grande maioria deve solucionar problemas como:

Falta de padronização do sistema: se existe uma forma comum de transmissão das mensagens, sinalizadas através de cores, por exemplo, o usuário tende a reconhecer esse padrão e aprende a utilizar o sistema com mais rapidez; 47


Falta de leiturabilidade dos textos: diz respeito à dificuldade do usuário em ler os textos apresentados. Geralmente é provocada pelo mau uso das cores ou fontes tipográficas;

Falta de legibilidade dos textos: existem fontes tipográficas que possuem letras muito parecidas entre si ou são muito estilizadas, isso pode gerar muita confusão na leitura;

Falta de agilidade na busca por informações: a informação precisa estar sempre disponível e deve ser de fácil acesso quando o usuário precisar. Se ele não encontra o que procurava podem-se oferecer meios alternativos, como um campo de busca ou uma lista de itens mais acessados ou procurados para auxiliá-lo;

Falta de simplicidade da informação: em muitos ambientes corporativos o conteúdo das informações são extremamente complexos e maçantes, o que dificulta muito a sua compreensão. O usuário precisará de um nível cultural muito mais elevado para compreender as mensagens que a empresa quer passar;

Necessidade de atualização constante de conteúdo: como o objetivo do portal é transmitir informação, deve-se mantê-lo sempre atualizado. Um ambiente “parado no tempo” causa uma impressão negativa ao usuário porque parece um local abandonado e sem nenhum tipo de valor, por isso foi esquecido;

Falta de manutenção periódica do portal: a estrutura física do portal também merece atenção. Muitas empresas deixam de se preocupar com o sistema porque, aparentemente, este parece estar funcionando sem nenhum problema. Porém, uma manutenção periódica do portal corporativo se faz necessária para prevenir erros, dados corrompidos, links quebrados, etc. A existência de falhas pode gerar uma grande insatisfação do usuário quando a utilização do portal é interrompida por problemas que não deveriam existir;

Inexperiência do usuário: nem sempre o colaborador saberá usar um determinado recurso do computador ou algum programa; por isso, deve-se criar um ambiente descomplicado e intuitivo para que ele tenha condições de utilizar o portal corporativo plenamente;

48


Ausência de feedback: este termo significa que houve um retorno, uma resposta para usuário após realizar uma ação, por exemplo, o recebimento de uma mensagem de aviso para uma área inacessível ou de um erro no sistema. Se não existe este retorno, o usuário pode ficar em dúvida se suas ações foram corretas ou não. Um sistema de “ajuda ao usuário” também pode ser considerado uma forma de feedback;

Adaptação do ambiente para versões móveis: muitas vezes o usuário precisa acessar o portal fora do ambiente físico da empresa e não há um computador disponível. Com a evolução dos smartphones e dos tablets, estes podem ser uma alternativa para o acesso à rede. Deve-se criar um ambiente próprio e personalizado que viabilize a utilização de dispositivos móveis como opção de acesso ao portal corporativo;

Inovação do sistema visual: por mais que o ambiente gráfico seja agradável, às vezes, algumas mudanças podem ser interessantes para a empresa. Alterações no estilo da interface ou de qualquer elemento presente no layout podem ser bem recebidas pelo usuário, que muitas vezes se sente incomodado com a falta de novidades no ambiente.

É interessante também para as companhias manterem um canal de comunicação constante com o colaborador para medir o seu nível de satisfação ou se este possui sugestões, comentários ou alguma opinião sobre o funcionamento do portal ou até mesmo do andamento da própria empresa. Se ele obtiver o retorno esperado ficará satisfeito, se sentirá respeitado e a empresa pode, além de melhorar o seu sistema, criar um relacionamento ainda melhor com sua equipe. Por fim, para que se consiga a eficiência desejada é necessário que o portal corporativo seja criado com base nas tecnologias atuais, pois estas possuem mais recursos e tendem a ser mais seguras. A realização periódica de manutenções preventivas ou de atualizações do sistema torna-se fundamental para que o portal não se torne obsoleto ao longo tempo e facilita a detecção de diversas falhas que podem, inclusive, inutilizá-lo.

49


3.2.4 Análise do portal corporativo Infoscoop

O Infoscoop é um portal corporativo livre que foi desenvolvido pela Mitsubishi UFJ Information Technology em parceria com a Beacon Information Technology Inc. em 2006 e está em constante atualização. O portal demonstrativo apresenta basicamente um cabeçalho, um menu lateral esquerdo e um superior e três colunas não alinhadas. No cabeçalho destacam-se o campo de busca e alguns botões, como o News (novidades). Já o side menu (lateral) apresenta três links que concentram, na forma de atalho, praticamente todos os recursos disponíveis no portal. O menu superior contém as abas que redirecionam para as páginas da maioria dos conteúdos utilizados pelos usuários. Este conteúdo está armazenado em blocos, separados por assuntos específicos, inseridos nas três colunas. Sua página inicial está representada na figura 6.

Figura 6 - Captura de tela da página principal do portal corporativo Infoscoop.

Fonte: Portal Corporativo Infoscoop 5.

5

Imagem disponível com uma melhor qualidade em: <http://www.rnrebelo.com.br/tcc/portal_infoscoop.png/>.

50


3.2.4.1 Arquitetura de informação

De forma geral, a estrutura de informação do portal corporativo Infoscoop foi projetada para disponibilizar os principais recursos que serão utilizados pelos seus usuários na página inicial do portal. Apesar de ter sido criada com o objetivo de facilitar sua utilização, a arquitetura de informação é bastante desorganizada por apresentar um excesso de conteúdo e sem nenhum tipo de padrão, como a organização por semelhança (KRUG, 2008). Isso acaba prejudicando sua compreensão por parte do usuário e sua navegação. Para Nielsen e Loranger (2007) e Krug (2008), a maioria das pessoas não costuma ficar lendo as páginas de um site porque buscam apenas pelas informações que lhes convêm, algo específico. O conteúdo restante passa a ser desnecessário para o usuário, portanto, uma página que possui uma grande quantidade de informações e que visualmente não seja de fácil compreensão, tende a dificultar seu uso por parte do usuário. Algumas informações disponibilizadas são redundantes, já que podem ser acessadas por vários canais diferentes e em diversas áreas do site, como os botões RSS Reader e News, que redirecionam para a mesma página.

Não forneça várias áreas de navegação para os mesmos tipos de links. Categorias duplicadas ou indistinguíveis complicam a interface, fazendo com o que os usuários precisem pensar muito para entender a ordem. As pessoas precisam se esforçar para descobrir a diferença entre links com nomes semelhantes. E enfatizar demais links espalhando os mesmos links em todos os locais da página, na verdade, diminui a probabilidade de que os espectadores irão vê-los. De fato, quanto menos objetos na página maior a probabilidade de as pessoas os perceberem. Com muitos elementos rivalizando, todos os itens perdem a importância. É melhor apresentar claramente algo em um único lugar. Reduzir a redundância minimiza a poluição, facilitando a localização das informações (NIELSEN; LORANGER, 2007, p. 189).

A figura 7 mostra que o botão Menu é desnecessário por já existir um menu superior com os respectivos links. A falta de organização dos elementos no portal contribui para o excesso de informações mostradas na página.

51


Figura 7 - Redundância de conteúdo.

Fonte: Portal Corporativo Infoscoop.

3.2.4.2 Visual

O caráter visual do Infoscoop foi consideravelmente prejudicado pela deficiência da sua arquitetura de informação. Os elementos do portal estão dispostos em um fundo branco com listras cinza bastante sutis e este contrasta com algumas cores, como o azul e o verde de alguns links. Para Nielsen e Loranger (2007), a cor dos links em azul é mais indicada porque as pessoas facilmente a associam com o clique, mas não é descartável o uso de outras cores quando necessário. De modo geral, o site é composto por retângulos (seções) e a cor predominante, com exceção dos links, é a cinza, encontrada em praticamente todos os elementos, como no menu, nas abas e nos boxes. Devido a grande quantidade de informações e por sua arquitetura desorganizada, em associação com a estética apresentada (remetendo a ideia de algo antigo, não moderno para um ambiente corporativo), a página inicial pode passar uma sensação de pouca credibilidade ao portal e a podem fazer com que os usuários achem que sua utilização não é produtiva ou necessária (KRUG, 2008).

Web sites com design ruim não apenas diminuem a velocidade de navegação – na verdade, eles podem desencorajar os usuários a utilizá-los. Quando os usuários não conseguem encontrar o que precisam, com freqüência supõem que as informações não estão disponíveis lá (NIELSEN; LORANGER 2007, p. 172).

52


3.2.4.3 Usabilidade

Assim como o visual, a usabilidade do portal corporativo Infoscoop foi prejudicada pela estrutura de informação desorganizada, o que dificulta sua navegação e diminui a agilidade no que compete ao seu uso.

Os sites mais eficazes em direcionar as pessoas ao lugar correto são aqueles qu correspondem às expectativas dos usuários. Sabemos que os usuários não gastarão tempo para memorizar ou analisar a navegação de diferentes web sites. Aloca recursos adequados para projetar a melhor arquitetura de informação possível para seu site assegura que os clientes encontrem as respostas de que eles precisam nos lugares esperados (NIELSEN, 2007, p. 173)

As abas superiores minimizam um pouco a dificuldade de navegação do portal por organizarem os conteúdos semelhantes em um mesmo ponto de acesso (links), criando assim uma lógica de utilização. No caso do menu lateral, apenas a aba My Sitemap tem uma função significativa, já que permite a visualização de todos os recursos disponíveis no portal em uma única página. As demais opções são pouco funcionais e aparecem também em outros pontos do portal e de formas mais simplificadas (figura 8). Figura 8 - Menu lateral.

Fonte: Portal Corporativo Infoscoop.

A leiturabilidade e a legibilidade dos textos podem ser consideravelmente melhoradas, ainda que não estejam muito prejudicadas. Esta está relacionada à facilidade com que uma 53


letra é distinguida de outra. Aquela se refere à facilidade com que uma palavra (e uma sequência de palavras) pode ser lida em um texto (STRIZVER, 2010). Um ponto a favor do Infoscoop é a presença de um calendário com agenda para a marcação de compromissos, de uma calculadora para contas rápidas e de uma lista de afazeres cotidianos. Outro é a possibilidade de customização do ambiente. Estes recursos podem ser bem recebidos pelos usuários.

3.3 FASE CRIATIVA

Os aspectos apresentados na fase analítica foram fundamentados com base no referencial teórico e propiciaram a formulação das diretrizes sugeridas na fase anterior. Na etapa de criação, algumas das diretrizes sugeridas serão aplicadas no redesign do portal corporativo escolhido como modelo. Deve-se ressaltar que o objetivo não é descaracterizar o trabalho criado pelas duas empresas nem apresentar um novo site para substituir o existente, mas sim, mostrar de que forma o design gráfico pode influenciar na elaboração de um portal corporativo ao apontar melhorias no ambiente atual. Salienta-se também que parte das diretrizes só poderão ser aplicadas a um portal corporativo em funcionamento ou na concepção de seu projeto e não serão citadas na fase executiva, porém, isto não as descaracteriza nem as tornam irrelevantes para o processo de inovação.

3.3.1 Redesign Infoscoop

Para a aplicação das diretrizes sugeridas no portal corporativo Infoscoop foram utilizados os seguintes softwares: Adobe Photoshop® e Adobe Illustrator®. No redesign do portal Infoscoop manteve-se a divisão estrutural do modelo já existente, que apresenta um cabeçalho, um menu de seleção de links e o conteúdo disponível está disposto em três colunas. Optou-se pela manutenção desta mesma estrutura por permitir uma boa distribuição das informações. Desta forma torna-se possível utilizar a maioria das informações contidas no portal original. A figura 8 mostra o resultado alcançado.

54


Figura 9 - Aplicação de diretrizes no portal corporativo Infoscoop.

Fonte: Autor 6.

3.3.1.1 Arquitetura de informação

Uma vez que todos os elementos estavam “soltos” na página, sem nenhum tipo de padrão de divisão, pretendeu-se eliminar o excesso de informação do portal corporativo, que, segundo Nielsen e Loranger (2007), é algo extremamente prejudicial para a navegação no site por parte dos usuários. A proposta é para que todo o conteúdo de um link selecionado fosse mostrado apenas em uma coluna central ao invés de ser colocado em diversos blocos espalhados pelo monitor. As duas colunas laterais seriam personalizáveis com os gadgets ou com alguns dos recursos disponibilizados pelo portal. Com o volume de informações reduzido e organizado, o usuário não perderia tempo tentando se localizar no ambiente, pois somente a informação desejada apareceria na tela. De acordo com Nielsen e Loranger (2007) e Krug (2008), quanto mais bem for organizada for a organização, por exemplo, por seções ou assuntos semelhantes, é mais fácil para os usuários navegarem pelo site. O cabeçalho passaria a conter apenas informações referentes ao usuário e à acessibilidade, onde seria possível diminuir ou aumentar o tamanho das fontes, ativar a 6

Imagem disponível com melhor qualidade em: <http://www.rnrebelo.com.br/tcc/redesign_infoscoop.png/>.

55


navegação por áudio ou vídeo e alterar a cor do ambiente. Estas opções, que geralmente são pouco acessadas, estariam posicionadas na parte superior do portal para que o conteúdo fosse mais bem organizado, não os colocando junto aos links mais utilizados, evitando a sobrecarga de informação do menu de seleção. O menu superior possuiria o mesmo sistema de abas do modelo original, mas com algumas modificações pontuais. No caso de links com conteúdos semelhantes, como o RSS Reader e News, propõe-se a união deles para formar uma única página, seguindo a lógica de Nielsen e Loranger (2007) de que se deve evitar a redundância de conteúdo. Ainda com base nos autores e em Krug (2008), a arquitetura de informação apresentada procura organizar as informações em setores, passando a ser mais intuitiva e facilitando a navegação do usuário pelo portal corporativo. A coluna onde a informação seria mostrada é de 1024 x 768 pixels, tamanho o qual se considera ideal para qualquer conteúdo na web. Já as áreas externas somam 656 x 312 pixels, totalizando 1680 x 1050 pixels, dimensão total da figura 9.

3.3.1.2 Visual

Para dar uma identidade ao portal corporativo utilizaria-se a cor azul (e seus tons) junto com alguns elementos estilizados, como as abas laterais, os ícones e os gadgets, como a calculadora. Com isto pretendeu-se dar um toque de modernidade ao ambiente. A escolha pela cor em questão deve-se ao fato de o azul passar a sensação de confiança e segurança, além de dar um toque de leveza e suavidade no ambiente corporativo, tornando a navegação menos cansativa para o usuário. As fontes tipográficas também seriam modificadas visando melhorar a leiturabilidade e legibilidade, dois aspectos de usabilidade. Como padrão se utilizaria para os números da agenda, horários das notícias e a marcação das prioridades das anotações a fonte Myriad Pro. Esta fonte não serifada se destaca perante as demais fontes utilizadas em pequenas inscrições textuais. Para os textos a fonte padrão seria a Helvetica Neue LT Std, ideal para uma quantidade mediana de caracteres ou títulos em destaque. Já o cabeçalho e as abas teriam como fonte a Gautami, muito eficiente em tamanhos menores e que necessitem de sutileza. Visualmente, estas mudanças ajudariam na consolidação da identidade moderna do portal. De maneira geral, um visual mais limpo do portal facilita o entendimento e análise da estrutura de informação desenvolvida quanto à usabilidade de todo o sistema. 56


3.3.1.3 Usabilidade

A reformulação da estrutura de informação e visual do ambiente trariam vários benefícios no que diz respeito à usabilidade do portal corporativo, pois o sistema seria muito mais intuitivo e fácil de utilizar se houvesse um equilíbrio entre os elementos utilizados, o que melhoraria consideravelmente a navegação. O modo de seleção das páginas através das abas superiores seria mantido por ser um modelo simples e descomplicado, não trazendo problemas de utilização para os usuários. Como o conteúdo de cada página é específico e possuiria muitas outras informações, suas subáreas seriam apresentadas por meio de ícones. A lista de opções seria acompanhada por suas respectivas legendas para eliminar qualquer dúvida com relação à escolha do usuário. Outra forma de destaque aconteceria assim que o cursor do mouse fosse posto sob o ícone. Este estaria em evidência por apresentar um discreto aumento de tamanho, ficando maior do que os objetos não selecionados. Com relação às abas laterais, estas armazenariam os recursos do sistema como alguns dos gadgets. Elas poderiam ser selecionadas e customizadas de acordo com a necessidade do usuário, mostrando-as ou ocultando-as. Se, por algum motivo este se sentisse desconfortável com a visualização constate de todos os elementos no portal corporativo, ainda existiria a opção de removê-los do ambiente, ficando selecionáveis apenas por meio das abas superiores. Devido ao fato de o portal corporativo promover justamente a comunicação interna de uma empresa, sugere-se a inclusão de um sistema de chat para facilitar a troca de mensagens entre colaboradores em tempo real e de um serviço de e-mail própria da empresa. Seguindo por esta mesma linha, seriam adicionadas páginas para minimizar as dúvidas dos usuários (F.A.Q.) e facilitar o contato destes com a equipe de suporte técnico (Support). Outra proposta é a do quick e-mail (rápido), que permitiria ao usuário enviar ou ler um e-mail sem sair da sua tela de navegação atual.

3.4 REFLEXÕES CONCLUSIVAS

O objetivo principal desta pesquisa foi sugerir diretrizes para a elaboração de portais corporativos como ferramenta estratégica de inovação com base nos conceitos do design gráfico. Para que isto fosse possível fez-se o levantamento de dados pertinentes ao design, 57


design gráfico, inovação, portais corporativos e aos princípios da interação humanocomputador através de pesquisas bibliográficas. A exploração de conceitos relacionados a estas áreas mostrou que, nos dias atuais, inovar já não é mais uma questão de escolha para as empresas; mas de necessidade. As novas regras impostas pela globalização têm obrigado às companhias a mudarem radicalmente suas posturas com relação ao mercado. Uma destas mudanças envolve o relacionamento com seus colaboradores. Constatou-se que em boa parte das organizações tradicionais as equipes de trabalho são pouco valorizadas e a comunicação interna apresenta muitos problemas ou é praticamente inexistente. A fragilidade da relação entre os colaboradores e a empresa pode comprometer até mesmo a vida da instituição, já que esta acaba não possuindo uma base funcional sólida para suportar as pressões do mercado. Com o intuito de modificar esta condição e promover a reestruturação do sistema de comunicação interno, fortalecendo não só os laços junto à sua equipe, mas também, o próprio negócio; observou-se que as companhias têm investido exaustivamente em inovação. Um dos instrumentos mais empregados neste processo são os portais corporativos – poderosas ferramentas que possibilitam uma maior integração entre os usuários de um mesmo ambiente e facilita a implantação de novas políticas comunicacionais. O portal corporativo é um ambiente on-line que reúne informações, sistemas e pessoas num único local. Quando utilizado como veículo de inovação em uma empresa passa a exercer uma função estratégica e adquire uma importância vital no processo de renovação do empreendimento. Entendeu-se que isto ocorre porque o portal passa a representar a organização no âmbito virtual, da mesma forma como a empresa existe fisicamente, com todas as suas estruturas, normas, particularidades, etc. Foi possível verificar também que a aproximação entre o colaborador e o órgão empresarial exerce um papel de extrema importância no funcionamento da companhia. Quanto mais intensa for esta ligação, melhores serão os resultados obtidos pelo grupo. Os portais corporativos são utilizados justamente para criar ou intensificar esta relação. Dentro deste novo ambiente podem ser citados como exemplos de uma sinergia positiva entre as partes a maior facilidade de acesso às informações e ao conhecimento por parte do colaborador, permitindo assim, a execução de processos ou tarefas com mais agilidade e eficiência (aumento de produtividade); a promoção da socialização entre os integrantes da empresa, pois faz com que todos se comuniquem e interajam com mais frequência para alcançarem objetivos comuns; o maior poder de participação dos 58


colaboradores nas decisões do negócio , já que estes passam a ter uma melhor noção de como funciona a companhia e o que pode ser melhorado; a redução das barreiras entre a organização e seus parceiros através da criação de meios e mecanismos que favoreçam a execução das atividades conjuntas; a verificação e solução de problemas mais rapidamente, pois como todos estão interligados em uma mesma rede, tudo o que acontece é gerenciado e monitorado pela administração do ambiente. Todas estas (e muitas outras) mudanças possibilitam a criação de uma companhia mais organizada e melhor estruturada. Como consequência desta modernização tem-se a maximização dos lucros da empresa, o que permite seu crescimento e expansão. Deve-se fazer a ressalva de que a simples utilização de um portal corporativo sem nenhum tipo de planejamento não configura um processo de inovação corporativa. Compreendeu-se que para que o uso desta rede seja realmente algo eficaz, o seu projeto deve permitir que o usuário consiga se comunicar com a empresa através do portal. Neste caso, o design gráfico se mostrou uma ferramenta bastante efetiva por possuir recursos suficientes para criar um novo ambiente empresarial. As diretrizes sugeridas nesta pesquisa representam algumas das possíveis interferências que podem servir de base para a elaboração de portais corporativos como ferramenta estratégica de inovação. Conclui-se, portanto, que elas são capazes de provocar mudanças significativas na forma como os portais corporativos são projetados e implementados, gerando assim, condições favoráveis para que o processo de inovação dentro das empresas.

59


4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Para alcançar os objetivos propostos para este trabalho, procurou-se por respostas para o problema de pesquisa “quais as diretrizes mais relevantes por meio do design gráfico para a elaboração de portais corporativos como ferramenta estratégica de inovação?”. Os resultados das pesquisas realizadas por meio de procedimentos metodológicos possibilitaram a sugestão das diretrizes mais relevantes por meio do design gráfico para a elaboração de portais corporativos como ferramenta estratégica de inovação. Desta forma, atingiu-se o objeto geral do trabalho e a pergunta do problema de pesquisa foi respondida. Os objetivos específicos também foram alcançados e estão elencadas a seguir:

Abordaram-se várias das características presentes no processo de inovação e sua relevância para as empresas;

Mostrou-se a importância do design gráfico para as organizações e como estas podem ser beneficiadas com seu emprego em projetos;

Identificaram-se diversos aspectos relacionados aos portais corporativos e como estes podem ser utilizadas como ferramentas estratégicas de inovação empresarial;

As diretrizes sugeridas no item 3.2 foram aplicadas no redesign do portai corporativo escolhido como exemplo. Deste modo torna-se possível comparar e realçar as melhorias proporcionadas pela aplicação do design gráfico como elemento chave do projeto gráfico de um portal corporativo.

Ainda se tratando das pesquisas pertinentes ao trabalho, faz-se necessário apontar algumas outras considerações, tais como:

Constatou-se que o design gráfico é fundamental para alavancar um negócio por ter a capacidade de interferir em praticamente todas as etapas de um projeto e de uma empresa;

A empresa que não inova tende a ficar “parada” no tempo por estar fundamentada em conceitos obsoletos, o que acaba dificultando sua atuação e sucesso no mercado;

60


Um portal corporativo é uma poderosa ferramenta estratégica que pode nortear o processo de inovação na comunicação interna de uma companhia, promovendo uma maior união entre parceiros e colaboradores com a empresa.

Outra consideração a ser feita é a respeito da acessibilidade, que visa oferecer condições suficientes para que todos os usuários, independente se eles possuem algum tipo de deficiência ou mobilidade reduzida, possam acessar o portal corporativo. Faz-se a ressalva de que este é assunto que pode ser estudado e implementado devido a sua alta capacidade de integração. O design gráfico atuaria na criação de formas de acesso que sejam benéficas para todos mutuamente, reduzindo ou eliminando os obstáculos que limitam o acesso à informação. Poderiam ser trabalhados elementos como (NIELSEN; LORANGER, 2007):

Tamanho e tipos das fontes tipográficas alternativas: por padrão deve-se utilizar um tamanho de fonte não muito grande nem muito pequeno, mas é possível também disponibilizar ferramentas que permitam ao usuário aumentar ou diminuir o tamanho das fontes de acordo com sua necessidade;

Cores especiais: disponibilizar versões alternativas do portal baseadas em cores diferentes da principal para atender necessidades especiais, como no caso de pessoas daltônicas ou de baixa visão. Um exemplo poderia ser uma variante do portal corporativo totalmente em preto e branco;

Sistemas de áudio e vídeo: há a possibilidade de que estes recursos sejam adicionados ao portal corporativo para que deficientes auditivos ou visuais também consigam se comunicar através do ambiente. Como exemplos podem ser citados os textos falados e as animações textuais.

Nenhuma pessoa deve ser privada de informação. O design gráfico pode servir de suporte para que os problemas que limitem a acessibilidade sejam reduzidos ou solucionados. Por fim, considera-se que, devido a grande abrangência desta pesquisa, as diretrizes sugeridas nesta pesquisa servem de base conceitual não apenas para a elaboração de portais corporativos, mas também, para qualquer tipo de site.

61


4.1 SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS

Para a realização de trabalhos futuros faz-se as seguintes sugestões:

Desenvolvimento de ferramentas gráficas que auxiliem na adaptação das diretrizes sugeridas aos portais corporativos;

Pesquisas de aprofundamento sobre arquitetura de informação, design de interface, usabilidade e acessibilidade para a criação de um modelo visual que possa ser utilizado em qualquer portal corporativo com base conceitual proveniente do design gráfico.

62


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABRACOM. 3º C.C.O. - Caderno de comunicação organizacional: como entender a comunicação interna (publicado em dezembro de 2008). Disponível em: <http://www.abracom.org.br/arquivos/ComunicacaoInterna.pdf/>. Acesso em: 10 nov. 2013. ABRACOM. 4º C.C.O. - Caderno de comunicação organizacional [Por que investir em comunicação interna] (publicado em 2012). Disponível em: <http://abracom.org.br/arquivos/CCO_final.pdf/>. Acesso em: 10 nov. 2013. ADMINISTRADORES. Inovar é sempre o diferencial (publicado em setembro de 2011). Disponível em: <http://www.administradores.com.br/entrevistas/administracao-enegocios/inovar-e-sempre-o-diferencial/60/>. Acesso em: 12 out. 2013. ALMEIDA, M. G. de.; ROSA, P. C. Intranet, internet e redes corporativas. Rio de Janeiro: Brasport, 2000. ADEGRAF. Design gráfico: que negócio é esse? (publicado em 2012). Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/81400873/>. Acesso em: 29 set. 2013. ALVAREZ, M. C. Cidadania e direitos num mundo globalizado. Perspectivas, São Paulo, n. 22, p. 95-107, 1999. ARAUJO, L. C. G de. Organização, sistemas e métodos e as modernas ferramentas de gestão organizacional. São Paulo: Atlas, 2001. AUDY, J. L. N. et al. Modelo de planejamento estratégico de sistemas de informação: a visão do processo decisório e o papel da aprendizagem organizacional. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Florianópolis: ANPAD, 2000. BARBOSA, S. D. J.; SILVA, B. S. da. Interação Humano-computador. Rio de Janeiro: Campus-Elsevier, 2010. BARROS, M. de P. O que é Design Gráfico? Disponível em: http://www.abra.com.br/artigos/21-o-que-e-design-grafico/>. Acesso em: 29 set. 2013.

<

BAUMAN, Z. Globalização: as conseqüências humanas. Rio de Janeiro: Zahar, 1999. BEVAN, N. Design for usability (publicado em 1999). Disponível <http://www.nigelbevan.com/papers/desuse.pdf/>. Acesso em: 02. abr. 2014.

em:

BERSEN, J. et al. Design management in practice. Danish Design Council, Copenhagen, 1987. BLACKMORE, P. Intranets: a guide to their design, implementation and management. London: Routledge, 2010.

63


BONSIEPE, G. Design, Cultura e Sociedade. São Paulo: Blucher, 2011. BUCHANAN, R. Wicked problems in design thinking. Design Studies. London: Butterworth Heinemann, v. 3, n. 2, p. 96-100, set. 1992. BÜRDEK, B. E. Design: história, teoria e prática do design de produtos. São Paulo: Edgard Blücher, 2006. CASTELLS, M. A Galáxia Internet. Reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Zahar. 2003. COELHO, L. A. L. Design Método - Col. Teologia e Ciências Humanas. Ribeirão Preto: Novas Idéias, 2006. CNI; SEBRAE. Cartilha Gestão da Inovação (publicado em 2010). Disponível em: <http://www.ipdmaq.org.br/Portal/Principal/Arquivos/Downloads/Documentos/DETI/Cartilh a Gestão Inovação CNI.pdf/>. Acesso em: 10 out. 2013. DAVILA, T.; EPSTEIN, M. J.; SHELTON, R. D. As Regras da Inovação: como gerenciar, como medir e como lucrar. Porto Alegre: Bookman, 2006. DESIGNICES. Cartazes “fique em silêncio” da Segunda Guerra Mundial. Disponível em: < http://designices.com/tag/segunda-guerra-mundial/>. Acesso em: 15 set. 2013. DIAS, C. A. Portal corporativo: conceitos e características. Revista Ciência da Informação, Brasília, v. 30, n. 1, p. 50-60, jan./abr. 2001. DIAS, C. A. Usabilidade na web: criando portais mais acessíveis. Rio de Janeiro: Alta Books, 2003. DIAS, S. R. et al. (Org.). Gestão de marketing. São Paulo: Saraiva, 2003. DOWNEY, H. K.; IRELAND, R. D. Quantitative versus qualitative: the case of enviromental assessment in organizational. Administrative Science Quaterly. Ithaca, v. 24, n. 4, p. 630637, dez. 1979. DRUCKER, P. F. Inovação e espírito empreendedor (entrepreneurship): prática e princípios. São Paulo: Pioneira, 1986. ESCOREL, A. L. O efeito multiplicador do design. São Paulo: Senac, 2000. ESTADÃO PME. Confira 8 sugestões para inovar (publicado em julho de 2012). Disponível em: <http://pme.estadao.com.br/noticias/noticias,confira--8-sugestoes-parainovar-na-sua-empresa,2028,0.htm/>. Acesso em: 12 out. 2013. EXAME. 7 problemas comuns em empresas que não inovam (e como resolvê-los) (publicado em agosto de 2013). Disponível em: <http://exame.abril.com.br/rede-deblogs/inovacao-na-pratica/2013/08/02/7-problemas-comuns-em-empresas-que-nao-inovam-ecomo-resolve-los/>. Acesso em: 29 set. 2013.

64


FADEL, B. et al. In: VALENTIM, M. (Org.). Gestão, mediação e uso da informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. FERREIRA, A. A. Gestão Empresarial: de Taylor aos nossos dias. São Paulo: Pioneira, 1997. FILHO, T. J. Comunidades Virtuais: como as comunidades de práticas na internet estão mudando os negócios. Rio de Janeiro: Senac, 2000. FONSECA, J. J. S. Apostila de metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: Universidade Estadual do Ceará, 2002. FUENTES, R. A Prática do Design Gráfico: uma metodologia criativa. São Paulo: Rosari, 2006. FURLANETTO, A.; OLIVEIRA, M. Fatores estratégicos para implantação de projetos de gestão do conhecimento. GESTÃO.org: Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, Recife, v. 4, p. 38-54, 2006. GARRET, J. J. The elements of user experience (publicado em 2000). Disponível em: <http://www.jjg.net/elements/pdf/elements.pdf/>. Acesso em: 02 abr. 2014. GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007. HASSENZAHL, M. Experience design: technology for all the right reasons. San Rafael: Morgan & Claypool, 2010. HOLLIS, R. Design gráfico: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, 2001. HORN, R. E. Information Design: emergence of a new profession. In: Information Design. Cambridge, p. 15-33, 1999. HONORATO, G. Conhecendo o marketing. São Paulo: Manole, 2004. INFOSCOOP. Enterprise Portal Infoscoop <http://www.infoscoop.org/>. Acesso em: 11 fev. 2014.

Opensource.

Disponível

em:

ISO. ISO 9241-11 (1998) - Ergonomic requirements for office work with visual display terminals (VDTs) - Part 11: Guidelines for specifying and measuring usability. Disponível em: <http://www.iso.org/iso/catalogue_detail.htm?csnumber=16883/>. Acesso em: 02. abr. 2014. ISO. ISO 9241-210 (2010) - Ergonomics of human-system interaction - Part 210: Humancentred design for interactive systems. Disponível em: <http://www.iso.org/iso/home/store/catalogue_tc/catalogue_detail.htm?csnumber=52075 />. Acesso em: 02. abr. 2014. KNEMEYER, D. Design: the secret to good information and so much more (publicado em 2003). Disponível em <http://dirk.knemeyer.com/2003/02/17/design-the-secret-to-goodinformation-and-so-much-more/>. Acesso em: 02 abr. 2014. 65


KOTLER, P. Marketing para o século XXI: como criar e dominar mercados. São Paulo: Futura, 1999. KOTLER, P.; BES, F. T. de. A Bíblia da Inovação. São Paulo: Leya, 2011. KRUG, S. Não me faça pensar - Uma abordagem de bom senso à usabilidade na web. 2. ed. Rio de Janeiro: Alta Books, 2008. LASTRES, H.; ALBAGLI, S. Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1999. LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane P. Sistemas de informação gerenciais: administrando a empresa digital. 5. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2004. LEITE, J. de. S. In: LEITE, R. Ver é compreender: design como ferramenta estratégica de negócio. 2. ed. Rio de Janeiro: Senac, 2010, p. 134. LEITE, R. Ver é compreender: design como ferramenta estratégica de negócio. 2. ed. Rio de Janeiro: Senac, 2010. LÉVY, P. Cibercultura. 2. ed. São Paulo: 34, 2009. MANNING, P. K. Metaphors of the field: varieties of organizational discourse. Administrative Science Quaterly. Ithaca, v. 24, n. 4, p. 660-671, dez. 1979. MARCHIORI, M. R. Organização, cultura e comunicação: elementos para novas relações com o público interno. 1995. 240 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação: Escola de Comunicações e Artes) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995. MEGGS, P. B. A History of Graphic Design. 3. ed. New York: Wiley, 1998. MENDES, R. M. Avaliação da interface de desenvolvimento de materiais educacionais digitais no ambiente HyperCal online. 2009. 252 f. Dissertação (Mestrado em Design) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009. MOURA, C. P. de. Pesquisa em Relações Públicas: tipos e práticas. In: Relações públicas: quem sabe explica. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2007. MOZOTA, B. B.; KLÖPSCH, C.; COSTA, F. C. X. da. Gestão do design: usando o design para construir valor de marca e inovação corporativa. Porto Alegre: Bookman, 2011. NIELSEN, J. 10 Usability Heuristics for User Interface Design (1995). Disponível em: <http://www.nngroup.com/articles/ten-usability-heuristics/>. Acesso em: 01. abr. 2014. NIELSEN, J. International User Interfaces. New York: John Wiley & Sons, 1996. NIELSEN, J.; LORANGER, H. Usabilidade na web. Rio de Janeiro: Campus-Elsevier, 2007. NORMAN, D. A. O design do dia-a-dia. Rio de janeiro: Rocco, 2002.

66


NORMAN, D. A. The Way We See It: Simplicity is not the Answer. In: ACM Interactions. New York, v. 15, n. 5, p. 45-46, set./out. 2008. PICKY WALLPAPERS. Typography Countries Russia wallpaper. Disponível em: <http://www.pickywallpapers.com/1366x768/miscellaneous/typography-countries-russiawallpaper/>. Acesso em: 17 out. 2013. PINTO, E. S. O reflexo da comunicação interna na imagem empresarial. 2009. 9 f. Artigo (Disciplina de Comunicação Organizacional) - Faculdade de Comunicação Social: Habilitação em Jornalismo, UCPel, Pelotas, 2009. POR AMOR AL ARTE. Pinturas rupestres prehistóricas. Disponível em: <http://porelamoralarte.blogspot.com.br/2013/05/pinturas-rupestres-prehistoricas.html/>. Acesso em: 15 out. 2013. POYNOR, R. In: LEITE, R. Ver é compreender: design como ferramenta estratégica de negócio. 2. ed. Rio de Janeiro: Senac, 2010, p. 179. PREECE, J.; ROGERS, Y.; SHARP, H. Design de interação: além da interação humanocomputador. Porto Alegre: Bookman, 2005. PRESSMAN, R. S. Engenharia de software. 3. ed. São Paulo: Makron Books, 1995. PRETTO, N. de. L. In: SILVEIRA, S. A. da (Org). Além das redes colaborativas: internet, diversidade cultural e tecnologias do poder. Salvador: EDUFBA, 2008. QUINN, J. B. Intelligent Enterprise. New York: Free Press, 1992. ROSA, J. G. S.; MORAES, A. de. Avaliação e projeto no design de interfaces. Rio de Janeiro: 2AB, 2008. ROSENFELD, L.; MORVILLE, P. Information Architecture for the Word Wide Web. 2ed. Sebastopol: O'Reilly, 2002. ROYO, J. Design Digital. São Paulo: Rosari, 2008. SANCHEZ, O. A. O poder burocrático e o controle da informação. Lua Nova: revista de cultura e política. São Paulo, v. 13, n. 58, p. 92-96, jan. 2003. SANTOS, F. A. dos. O design como diferencial competitivo. Itajaí: Univali, 2000. SCHUMPETER, J. A. The Theory of Economic Development: An Inquiry Into Profits, Capital, Credit, Interest, and the Business Cycle. 10. ed. New Jersey: Transaction Publishers, 2004. SEBRAE. A importância do design nos negócios (publicado em 2013). Disponível em: < http://www.sebrae.com.br/customizado/inovacao/como-atendemos/design/apresentacaodesign-pdf.pdf/>. Acesso em: 20 out. 2013.

67


SEBRAE-RR. Conheça o que é acessibilidade (publicado em 2004). Disponível em: < http://www.sebrae.com.br/atender/uf/roraima/acesse/sustentabilidade/acessibilidade_nbr_905 0.pdf/>. Acesso em: 08 fev. 2014. SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007. SILVA, A. C. T. da. Inovação: como criar ideias que geram resultados. 2. ed. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2011. SIMANTOB, M.; LIPPI, R. Guia Valor Econômico de inovações nas empresas. São Paulo: Globo, 2003. STAGER, S. F. et al. Assessing the effectiveness of information technology. In: CAUSE Annual Conference. San Diego, 1994. STRIZVER, I. Type Rules: the designer’s guide to professional typograhy. 3. ed. New Jersey: John Wiley & Sons, 2010. TAPSCOTT, D. The Digital Economy: promise and peril in the age of networked intelligence. New York: Mc-Graw Hill, 1997. TECMEDIA. Portais Corporativos. Disponível em: http://www.tecmedia.com.br/solucoes/pct/portais-corporativos/>. Acesso em: nov. 2013.

<

TERRA, J. C.; BAX, M. P. Portais corporativos: instrumento de gestão de informação e de conhecimento. In: PAIM, I. (Org.). A Gestão da Informação e do Conhecimento. Belo Horizonte, 2003, p. 33-53. TERRA, J. C. C.; GORDON, C. Portais corporativos: a revolução na gestão do conhecimento. São Paulo: Negócio, 2002. TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da Inovação. Porto Alegre: Bookman, 2005. TWEMLOW, A. Para que serve o design gráfico? Barcelona: Gustavo Gili, 2006. VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000. VIANNA, M. et al. Design Thinking: inovação em negócios. Rio de Janeiro: MJV Press, 2012. VILLAS-BOAS, A. O que é [e o que nunca foi] design gráfico. 6. ed. Rio de Janeiro: 2AB, 2007. WILDBUR, P.; BURKE, M. W. Information graphics: innovative solutions in contemporary design. 2. ed. UK: Thames and Hudson, 1998. WOLLNER, A. Textos recentes e escritos históricos. 2. ed. São Paulo: Rosari, 2003.

68


WOLLNER, A. In: ADG BRASIL. O valor do design: guia ADG Brasil de prรกtica profissional do designer grรกfico. 5. ed. Sรฃo Paulo: Senac, 2002.

69


APÊNDICE A – Redesign do portal Infoscoop

70


ANEXO A – Portal Infoscoop

71


Design gráfico e a criação de portais corporativos