Issuu on Google+


O primeiro contacto entre Barcelos e os Irmãos La Salle em Moçambique, nasceu em 1992 depois de um apelo feito por estes face às enormes dificuldades vividas em Moçambique. Esta parceria evoluiu para a criação da SOPRO e para o PROJECTO DE APADRINHAMENTO NA ESCOLA JOÃO XXIII em Manga-Chingussura, na periferia da cidade da Beira, permitindo que crianças muito desfavorecidas e vulneráveis que vivem na zona circundante à escola pudessem estudar numa boa escola, e não apenas as crianças vindas da cidade. Do apadrinhamento a SOPRO quer fazer um trabalho mais completo, pois crianças vulneráveis precisam de mais apoio para além do pagamento da mensalidade. A maior parte destas crianças são órfãs dos pais ou de um dos pais, vêm de famílias muito numerosas num país onde o desemprego é um grave problema social. Assim, a SOPRO tem lutado por entregar material escolar a estas crianças, que pouco ou mesmo nada teriam de outra forma, distribuir uma merenda escolar, e fazer o acompanhamento e comunicação com os responsáveis pelos bolseiros e com os próprios bolseiros, assim como o apoio suplementar ao estudo com explicações. Como tornamos isto possível? Com o APOIO DOS PADRINHOS E TODOS OS QUE A TÍTULO INDIVIDUAL E CORPORATIVO continuam a manter estas causas de pé! Sem o vosso contributo nada disto seria possível!

2

TAKUTA MANINGUE (o que em Sena significa muito obrigado) A TODOS VÓS!!!


EXPLICAÇÕES Uma situação social e económica desfavorável não é boa amiga de bons resultados escolares, infelizmente se nada for feito o ciclo de pobreza nunca será quebrado e a situação das famílias não será melhorado. Como forma de tentar melhorar o aproveitamento escolar destes alunos, quando a educação é a única porta que se abre para um futuro mais risonho, a SOPRO promove apoio escolar a todos os bolseiros do 1º ao 6º ano de escolaridade. Uma vez que as dificuldades sentidas pelos alunos são muitas, os alunos são agrupados em turmas consoante o apoio de que necessitam: turmas de alfabetização, turmas de apoio com mais incidência no Português e turmas de apoio ao estudo. Com um professor que está ao lado deles para os apoiar a ultrapassar as suas dificuldades, estas crianças ganham mais confiança e auto-estima, o que é fundamental no processo de aprendizagem. A Escola João XXIII também se apaixonou pelo projeto e, em parceria com a SOPRO, alargou o alcance do mesmo, não apenas para os alunos bolseiros, mas também para todas as crianças da 1ª à 6ª classe da escola interessadas! A escola vibra com todas estas crianças e com os professores locais que se quiseram juntar a esta causa e ajudar a SOPRO nesta missão: a educação para todos!

3


Encontro com alunos bolseiros e suas famílias No passado dia 29 de Junho, a SOPRO organizou na Escola João XXIII um encontro com todos os alunos bolseiros da SOPRO e seus encarregados de educação. É sempre importante fazer esta ponte para que haja mais proximidade com as pessoas, se esclareçam questões sobre as condições da bolsa e se alerte para a necessidade de unir esforços entre todos para que as bolsas sejam mantidas! Neste encontro a SOPRO fez também a entrega de material escolar [2 cadernos, 2 lápis, 2 canetas e 2 borrachas]. Este pequeno gesto faz a diferença na vida escolar destes alunos que têm muitas carências, não lhes sendo possível comprar material escolar sempre que necessitam. No final, as mamãs destes alunos, mostrando a sua gratidão à SOPRO e aos padrinhos, dançaram e cantaram alegremente dando força para a continuidade do bom trabalho aqui em Moçambique.

A “Neusia” A vida em Moçambique é realmente diferente, as estruturas familiares, o modo de vida e as dificuldades. As dificuldades são tão grandes e as situações de risco surgem a cada instante – é também nestas situações que a SOPRO sente que tem de intervir. Conheçamos, por isso, a história da “Neusia”. 4


A “Neusia” estuda na 10ª classe e com 17 anos já passou por muito… Cedo perdeu o pai com SIDA. A partir daí a mãe começou a vender algumas coisas para poder pagar os estudos da “Neusia” e dos irmãos e o irmão mais velho que gostaria de continuar a estudar arranjou trabalho para ajudar com todas as despesas. Entretanto a mãe da “Neusia” adoeceu e acabou por falecer este ano. Sozinhos, sem casa própria, e, para além de todos os irmãos, com uma prima pequena órfã de mãe, e cujo pai se desresponsabilizou, todo o dinheiro fica canalizado para a renda de casa e alimentação. Sem a bolsa da SOPRO a “Neusia” teria de abandonar a Escola João XXIII. Desde este ano a “Neusia” conta com a bolsa da SOPRO, é um novo incentivo para ela, pois de outra forma provavelmente teria de deixar os estudos para trabalhar ou casar para ter as suas despesas encarregues a um marido. O sonho da SOPRO, para ela e para todos é que possam estudar e trazer mais esperança ao seu futuro apesar de todas as adversidades com que já se cruzaram.

5


O Centro Educativo e Assistencial La Salle (CEALS) na Manga tem um valorizado impacto na comunidade. Para além de uma biblioteca que dá apoio a cerca de 200 estudantes por dia, este funciona também como centro de educação informal, tendo cerca de 100 alunos por ano. Devido aos graves problemas ao nível da educação em Moçambique, o CEALS não se limita a dar aulas de reforço escolar. A maioria das crianças e jovens, dos 8 aos 12 anos, não sabem ler nem escrever, e, por este motivo, a SOPRO iniciou no ano letivo de 2012 um projeto de alfabetização com o qual se tenta diariamente dar mais esperança e autoestima a estas crianças. No mesmo sentido, acreditando que estas crianças e jovens possam ser cidadãos conscientes no futuro, no CEALS também se aposta na formação humana e cristã, abordando diversos temas e conteúdos importantes para a sua formação enquanto pessoas. Para além de tudo isto, as crianças e jovens que frequentam o CEALS podem contar ainda com lanche diário, atividades lúdicas e também desportivas. É sempre importante ter um local seguro e onde possam estar e conviver, no lugar de divagar sem rumo nem objetivo pelas ruas desordenadas do seu bairro. 6


Alfabetização Fruto de vários problemas e carências na área da educação muitas crianças em Moçambique não sabem ainda ler nem escrever. Desta forma, o Centro Educativo e Assistencial La Salle (CEALS) desenvolve um importante papel nas comunidades do seu espaço envolvente proporcionando a crianças e jovens entre os 8 e os 12 anos de idade uma nova oportunidade no reforço da aprendizagem com a alfabetização. Um reforço que incide no conhecimento e na auto-estima destas crianças, num projecto que queremos ver crescer.

Rapazes e raparigas mais instruídos e informados darão origem a um futuro diferente para as gerações que lhes seguem! E é com isso que a SOPRO quer

contribuir para o futuro de Moçambique!

Este é um projecto que a SOPRO quer alargar e ver crescer para que também as mães, tias, avós, que nunca foram à escola ou cedo a tiveram de largar, possam ter uma segunda oportunidade para aprender a ler e a escrever.

Mulheres mais instruídas significa mais consciencialização para uma família inteira!

saúde

e

Samia e Rita

A Rita é uma nova aluna da turma de alfabetização do CEALS. Chegou na companhia da sua amiga Samia que já frequenta o CEALS desde 2012. Infelizmente, a história desta menina de 8 anos é idêntica à de muitas outras crianças em Moçambique…

7


A Rita, embora em idade escolar, nunca frequentou a escola. Vive no campo, num distrito da província de Sofala. A sua mãe cedo a colocou a trabalhar na machamba, retirando da sua filha o direito a estudar e a ser uma mulher independente no futuro. Sem noção, a mãe da Rita retirou-lhe o direito a sonhar! Uma tia da Rita, que vive na Manga, mais perto da cidade e que tem já outra maneira de pensar trouxe-a para lá com o objetivo a inscrever na escola e de registá-la, pois até hoje não existia qualquer registo seu. Foi assim que a Rita veio viver para o Bairro da Samia. Conheceram-se e são muito amigas! Para além de Samia ter trazido a sua nova amiga para as aulas de alfabetização do CEALS, nos tempos livres também a ajuda a aprender a ler e escrever… um bonito gesto, sendo que, ela própria também tem ainda muitas dificuldades! Esta é uma bonita história de união e amizade. Contudo, a mãe da Rita já chamou novamente a sua filha para a vida e o trabalho no campo. Não se sabe se irá continuar a trilhar o caminho da educação para um futuro melhor! Não se sabe se esta criança, futura mulher, terá a capacidade de educar as suas filhas, passando-lhes novos valores e acreditando que sem educação não podemos chegar mais longe. E assim continuará a vida aqui em Moçambique… Uma longa batalha pela educação é ainda necessária para que haja alguma mudança nesta terra radiante do hemisfério sul.

ContACtoS Rua Irmãos de La Salle, s/n Barcelos Braga 4755-054 Portugal Telefone: (+351) 253831249 / Fax: 253831248 Telemóvel: (+351) 965659916 geral@sopro.org.pt www.sopro.org.pt | facebook.com/soproongd


Newsletter Projetos SOPRO em Moçambique