Page 1

M. A. Pina, Prémio Camões 2011

"Ainda me falta escrever... quase tudo"

repórterdomarão Prémio GAZETA

do Tâmega e Sousa ao Nordeste

A G O S T O ’ 11

Agricultura tradicional atrai novos protagonistas Nº 1254 | agosto '11 | Ano 28 | Mensal | Assinatura Nac. 40€ | Diretor: Jorge Sousa | Edição: Tâmegapress | Redação: Marco de Canaveses | 910 536 928 | Tiragem: 25.500 ex.

BIO PENAFIEL deverá resultar em associação e produtores querem alargar vendas de produtos biológicos à cidade do Porto

Obras no IP4 aliviam a meio do mês

CRISE NO DOURO

Exportadores e Produtores têm posições opostas


REGRESSO AO CAMPO

Bio Penafiel junta novos Mónica Ferreira | monikiferreira@gmail.com | Fotos M.F. e M.S.

A

produção biológica ganhou uma nova importância em Penafiel desde que, em junho, a autarquia decidiu organizar uma feira semanal na cidade. Uma dezena de produtores (estão registados doze, mas nem todos têm participado) integra a Feira Biológica de Penafiel, que todos os sábados, entre as 9 e as 13 horas, montam as suas bancas no Largo da Misericórdia para vender aos consumidores produtos mais saudáveis, produzidos em modo biológico, isto é, sem aditivos ou fertilizantes. Sob o lema “Aromas da Nossa Terra”, esta iniciativa, inserida no projeto “Semear Penafiel”, pretende incentivar a agricultura biológica e proporcionar aos produtores do concelho um espaço para comercializarem os seus produtos. José Maria Ribeiro é um dos agricultores presentes na Feira. Proprietário de sete hectares de terreno para produção biológica, este agricultor aceitou o desafio lançado pela Câmara Municipal de Penafiel pois entende ser necessário “sensibilizar as pessoas para os benefícios dos produtos biológicos” e confessa que as coisas “até estão a correr bem”. “Contávamos que até houvesse menos afluência dos clientes, mas estamos a trabalhar muito bem, principalmente

se tivermos em conta que vivemos num meio rural onde existem muitas pessoas que têm um cantinho de quintal e produzem os seus próprios alimentos”. “Uma aposta ganha” é como este agricultor classifica este passo dado em Penafiel para dinamizar a agricultura biológica. “Esta feira reflete a opção da Câmara Municipal em entrar por uma coisa nova, diferente, mas também por uma coisa melhor para o ambiente, para as pessoas e para o nosso grupo de produtores”. Além da fruta e dos legumes, os produtos mais procurados na Feira Biológica de Penafiel, estes produtores têm ainda um vasto leque de opções a oferecer a quem os procura. “Temos também azeite biológico, vinho de uvas biológicas, pão e biscoitos biológicos e outras coisas, caso dos frutos silvestres, ervas aromáticas e compotas, que se encontram menos nos supermercados mas que nós temos aqui”, avançou Graça Lourenço, outra das produtoras presentes. No que diz respeito às frutas e legumes, estes reúnem as preferências dos clientes dos donos das bancas em Penafiel, principalmente “para as sopas dos bebés". "Temos muitas mães e avós que vêm cá buscar os legumes para fazer as sopas das crianças”, adiantou Graça Lourenço. A Feira Biológica de Penafiel já tem clientes assíduos. A cada sábado, procuram no Largo da Misericórdia os produtos

mais saudáveis. São, segundo os produtores, “clientes da classe média, média/alta". "Cremos que isso não tem propriamente a ver com questões de dinheiro, mas com o facto destes serem mais informados sobre a agricultura biológica”, avança José Maria Ribeiro. O produtor explica que os produtos biológicos são um pouco mais caros do que os de produção convencional. “Na generalidade, são cerca de 20 por cento mais caros, mas temos outros que acompanham o preço do mercado, como os alhos

produtos. O facto de a produção ser mais lenta do que o normal, já que os produtos não levam fertilizantes, diminui a produção e faz com que a oferta não seja a desejável. Como tal, os produtores têm que rentabilizar os produtos que têm. O facto de haver ainda poucos agricultores a produzir em modo biológico é para José Maria Ribeiro um dos problemas desta área. Até agora, os participantes na Feira Biológica de Penafiel têm conseguido dar resposta aos clientes que por lá passam e às necessidades que estes

Produtores biológicos planeiam constituir uma associação e já desenvolvem contactos para montar uma banca na cidade do Porto e os morangos, por exemplo”. Este acréscimo no preço tem a ver com os custos da produção biológica. Aos agricultores é exigido que a produção seja feita num terreno parado há pelo menos cinco anos, que este esteja certificado para a produção, que usem sementes certificadas, o que interfere no preço dos

têm em casa (através do serviço de entregas ao domicílio). Face à procura, estes produtores pensam em aumentar as suas produções. “Como os produtos demoram a crescer, estamos a aumentar a área de cultivo”, avançou José Maria Ribeiro, desejando que apareçam mais produtores, pois acre-


produtores agrícolas dita neste negócio. “Acredito que este venha a ser um negócio rentável. É sustentável e acho que vai ficar melhor, só é preciso continuar a incentivar”, concluiu.

Clientes satisfeitos mas agricultores querem mais Luís Silva é um dos clientes da Feira Biológica de Penafiel. Morador em Casais Novos, vem até à Feira “essencialmente pelo gosto que tenho pelo tema e para me inteirar do setor”. Acrescenta ser consumidor e ter uma pequena produção caseira. Quanto à ideia de reunir num mesmo espaço os agricultores biológicos, Luís Silva defende que “foi uma ideia muito boa e é continuidade de uma ideia ainda melhor que é a de incentivar o setor da agricultura biológica pois as pessoas ainda não estão muito familiarizadas com esta e é preciso que se vá desenvolvendo cada vez mais”. Já Margarida Antelo, de Penafiel, estava pela primeira vez na Feira Biológica de Penafiel. “Soube que em Penafiel se fazia esta feira e como sou apologista da agricultura biológica...”, afirma, enquanto escolhe as cenouras que ia levar para casa. Para esta penafidelense estas iniciativas são muito importantes “pois é preciso incentivar as pessoas a comprar os produtos biológicos que são mais benéficos para a saúde”. A Câmara assumiu papel principal na criação desta feira, apoia a logística da mesma e tem trabalhado para levar o projeto avante. A Feira terá continuidade e vai realizar-se durante o ano inteiro, sendo que nos meses de inverno “deverá ser transferida para o túnel que dá acesso ao parque de estacionamento do Museu no Largo da Ajuda”, referiu Susana Oliveira, vereadora com o pelouro.

Certa de que esta é “uma aposta ganha, um projeto de sucesso que funciona bem onde está”, a autarquia tem ainda em cima da mesa diversas ideias que estão a ser analisadas e que ajudarão estes produtores. Uma dessas propostas, que será estudada em conjunto com o pelouro da Educação, é a possibilidade destes agricultores fornecerem pelo menos uma vez por semana os seus produtos às escolas do concelho. Outro dos projetos passa por parcerias, que serão estabelecidas com unidades hoteleiras da região, para que incluam nos seus menus uma refeição biológica, que será feita com os produtos dos agricultores penafidelenses. Um espaço na Feira Biológica do Porto é outra das medidas que a autarquia está a negociar e que permitirá aos produtores de Penafiel colocarem uma banca nesta feira portuense, por forma a escoarem os seus produtos. “É preciso mudar as mentalidades das pessoas e dar-lhes a conhecer os benefícios para a saúde do que é biológico, que é certificado, acompanhado e analisado. As pessoas começam a perceber isso e este é um projeto que tem muito por onde crescer e estamos muito empenhados nisso”, afirmou Susana Oliveira. Este empenho vai além destas iniciativas que a autarquia tem levado a cabo no âmbito do “Semear Penafiel”. O próximo passo a ser dado arranca em Vila Cova, num projeto piloto no qual a autarquia irá pôr à disposição das pessoas terrenos para cultivarem produtos biológicos para consumo.

MCOUTINHO DOURO

PROMOÇÃO VÁLIDA ATÉ 31 DE AGOSTO

MCOUTINHO DOURO Av Futebol Clube do Porto, 411 4630-276 Marco de Canaveses Tel.: 255 539 018 - Fax: 255 539 015 E-mail: kia.marco@mcoutinho.pt www.mcoutinho.pt

Preços Chave na Mão com despesas de transporte, legalização e IVA incluídos. Não incluem pintura metalizada ou outros opcionais disponíveis. Gama Cee’d consumos combinados: de 4,2 a 5,8 L/100Kms; Emissões CO2: de 103 Gr a 135 Gr.


FELGUEIRAS, LOUSADA, PAÇOS DE FERREIRA, PAREDES e PENAFIEL

Programa já envolve mais de dezena e meia de produtores A

par do projeto de agricultura biológica, o Vale do Sousa tem ainda em curso um projeto de produção tradicional que visa ajudar os produtores locais a escoarem os seus produtos e a promover o desenvolvimento dos territórios rurais e dos seus habitantes – o PROVE. Foi a ADER-SOUSA (Associação de Desenvolvimento Rural das Terras do Sousa) que em 2008 arrancou com o PROVE, um projeto de apoio ao pequeno produtor, através da comercialização direta entre produtor agrícola e consumidor final, sem qualquer tipo de  intermediários no processo, no intuito de melhorar o escoamento das produções agrícolas locais. Este projeto, atualmente implementado em cinco concelhos do Vale do Sousa – Felgueiras (com dois locais de entrega, Idães e Margaride), Lousada, Paços de Ferreira, Paredes e Penafiel – tem um total de 16 produtores, sendo que é em Penafiel que existe maior número de explorações.

Consumidores levantam em média 18 cabazes por semana

O PROVE pretende essencialmente aumentar a capacidade de escoamento dos produtos agrícolas de qualidade por parte dos produtores e explorar a relação de confiança entre produtor e consumidor, a partir da comercialização de proximidade. O programa, que faz parte do ProDeR (Programa de Desenvolvimento Rural), consiste na renovação "dos laços de solidariedade e ética" e "na promoção e desenvolvimento dos territórios rurais e dos seus habitantes". Segundo Cláudia Costa, da ADER-SOUSA, a evolução deste projeto tem sido “muito positiva" na medida em que registou-se grande adesão dos produtores do Vale do Sousa. “É enriquecedor para quem trabalha diretamente com os produtores, para as instituições que nos apoiam, tais como, municípios, cooperativas, adegas e obviamente para o produtor que vê reconhecido o seu trabalho”, acrescentou. Segundo esta responsável, “houve aderência por parte dos produtores do Vale do Sousa na implementação deste sistema de comercialização de proximidade, numa zona em que proliferam as hortas individuais". Apesar disso, o PROVE tem conquistado os consumidores e conta atualmente com uma média de 20 a 25 clientes. O facto de existirem muitas hortas particulares não tem afetado o desenvolvimento do projeto, “porque a maioria destes consumidores não são naturais do Vale do Sousa ou os que são não têm familiares que cultivem”, frisou Cláudia Costa. A responsável acrescentou que em média são entregues 18 cabazes semanalmente. Para Cláudia Costa trata-se de “um projeto de sucesso” pois “apoia os pequenos produtores, incentiva-os a não desistir da atividade".

Criado no Vale do Sousa em 2008 Através do PROVE, sublinha a técnica, "renovam-se as relações de proximidade, criam-se novas formas de comercializar e de atitude que promovem o associativismo e a capacidade de rentabilizar a atividade agrícola”. Este sucesso é também fruto do trabalho e

atitude dos produtores que “são empreendedores e abraçam esta iniciativa desde o momento em que são abordados pelos agentes de desenvolvimento local”. Durante 2008 foram constituídos três núcleos de produtores PROVE das Terras do Sousa. O primeiro surge no concelho de Lousada em meados de julho sendo constituído por cinco produtores / explorações agrícolas, algumas delas em Modo de Produção Biológico, outras em Modo de Produção Integrada. As primeiras entregas dos cabazes PROVE foram realizadas em meados de setembro na Adega Cooperativa de Lousada. Ainda em 2008, seguiram-se o segundo e terceiro grupo de produtores, constituído por produtores do concelho de Penafiel e de Paços de Ferreira. O sucesso que esta iniciativa gerou permitiu à ADER-SOUSA dar continuidade à iniciativa PROVE. Em 2009, a associação continuou a apoiar os núcleos já existentes no Vale do Sousa e criou novos núcleos em Paredes e Idães Felgueiras, melhorando alguns aspetos operacionais, tais como a promoção, apresentação dos cabazes, sistema de gestão de encomendas, sinalética nos locais de entregas e formação específica aos núcleos. No intuito de continuar a fomentar a rentabilidade das pequenas explorações agrícolas, em 2011 foi criado mais um grupo de produtores que faz as entregas de cabazes em Margaride – Felgueiras, na Cooperativa Agrícola. Entretanto, a ADER-SOUSA anunciou ao RM que perspetiva agora mais um posto de entregas semanais na Lixa, a criar em breve.  

Mónica Ferreira


ENTREVISTA |António Saraiva, presidente da Asso

Exportadores e em lados opostos Patrícia Posse | pposse.tamegapress@gmail.com | Foto P.P.

Lavradores querem aumento substancial do preço da pipa O corte no vinho do Porto e a consequente quebra de rendimentos no Douro vai afetar centenas de pequenos vitivinicultores, que voltaram aos protestos. Tratores e outros veículos percorreram as principais ruas da Régua. As palavras “miséria” e "crise” foram as que mais se ouviram entre os muitos lavradores, num protesto que terá juntado cerca de 700 pessoas e que foi convocado pela Associação dos Vitivinicultores Independentes do Douro (AVIDOURO). O corte no benefício é este ano de 25 mil pipas, que é a quantidade de mosto que cada produtor pode destinar ao vinho do Porto. No ano passado, o Douro produziu 110 mil pipas (550 litros cada) de generoso. Com esta redução de 23 por cento, os vitivinicultores fazem agora contas rigorosas, já que, para muitos, o benefício é a sua principal fonte de rendimento. “Ando a zelar pelo meu interesse. Tinha 10 pipas de vinho do Porto e agora já vou em metade e se assim vão a cortar todos os anos daqui a pouco não temos nada. Nós vivemos do vinho e do azeite”, afirmou um produtor de Sabrosa. Para uma vitivinicultora que integrou o protesto, o Douro “está sem proteção nenhuma” e entregue “às grandes empresas”. Garante ainda que “já há muita fome” no território Património Mundial da Humanidade e que, com a redução anunciada para esta vindima, a região “vai bater no fundo”. Ao corte no benefício e no preço do vinho ao produtor, os lavradores juntam os custos de produção “sempre a subir” e a perda na colheita na “ordem dos 80 por cento” devido às intempéries e doenças que afetaram a vinha. Uma manifestante de Valença do Douro prevê que as “vinhas se são transformar em mato” e que o “Douro vai passar fome”. Para a dirigente da AVIDOURO, Berta Santos, a região precisa de um “plano de emergência” defende o aumento do preço de venda de pipa de vinho do Porto para os “1200 euros”, uma vez que o preço médio em 2011 não ultrapassou os 800 euros. RED. com LUSA

A

diminuição do benefício (quantidade de mosto que cada viticultor pode transformar em Vinho do Porto) em 25 mil pipas deixou os produtores durienses indignados. Pela voz da Associação dos Vitivinicultores Independentes do Douro – Avidouro, a fixação em 85 mil pipas a beneficiar nesta vindima é “um autêntico roubo à lavoura duriense”. Já para o presidente da Associação das Empresas de Vinho do Porto (AEVP), António Saraiva, a medida ditada pelo Conselho Interprofissional do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP) faz todo o sentido. “Concordo plenamente com o quantitativo fixado, pois, infelizmente, as vendas estão novamente a cair – no fim de junho com 9,3% em volume e 9,4 % em valor – e as nossas previsões para o final do ano indicam que a baixa será ainda mais acentuada”, afirma António Saraiva. Por outro lado, a redução do quantitativo para esta vindima acaba por “acertar” o quantitativo atribuído em 2010, que resultou num excedente de cerca de oito mil pipas. O dirigente da AEVP postula que um produto só se consegue valorizar se houver equilíbrio na relação oferta-procura, sendo necessário reduzir a produção anual para "valorizar o Vinho do Porto e, assim, criar uma cadeia de valor que possa ser distribuída de montante a jusante.”

Quebra das vendas é superior a 20 por cento A quebra de vendas em 2011 é “um dado adquirido”, com especial enfoque no mercado nacional: 21,3 % em final de maio. Nos mercados externos, a quebra é de 7,4 %. O ano de 2010 foi excecional, registando um aumento de 3,1% nas vendas. Em parte isso ficou a dever-se ao Vintage 2007 que obteve pontuações muito elevadas. “As vendas totais foram de 113.700.000 garrafas, sendo que o mercado interno absorveu cerca de 16.100.000, o que corresponde a 14 % das vendas”, acrescenta o presidente da AEVP. França (com 28.5%), Holanda (com 14,2%), Portugal (com 14%), Bélgica (com 12,5%) e Reino Unido (com 10,4%) foram os principais consumidores. António Saraiva destaca a importância da racio-

ução d o r p a r i u n i Dim rizar o o l a v a r a p i u contrib to Vinho do Por


ociação de Exportadores de Vinho do Porto (AEVP)

Produtores no Douro nalização dos stocks, sobretudo pelas consequências da Lei do Terço, ou seja, quando não se vende uma garrafa, a empresa fica com um stock de três garrafas para o ano seguinte. “Decorrente da Lei do Terço, temos que ter em conta que nos últimos dez anos, o setor perdeu vendas de 12.000.000 de garrafas de Vinho do Porto, com o consequente impacto nos seus stocks.” Por isso, o presidente da AEVP defende “uma abordagem diferente”: “só deveremos produzir o quantitativo que efetivamente somos capazes de vender e gerar mais-valias, e não tentar vender aquilo que se produz”. Recentemente, o presidente do conselho de administração da Graham's, Paul Symington, alertou para a existência de “vinha e vinho a mais na região do Douro, que não vende quase 20 por cento da sua produção anual”. Um parecer corroborado por António Saraiva, uma vez que “têm vindo a ser plantadas novas vinhas na região, provenientes de licenças de plantação com origem noutras regiões nacionais, sob despacho do Secretário de Estado e contra a opinião dos conselheiros do Conselho Interprofissional do IVDP”. “A política de plantio de vinhas no Douro deverá ser apenas decidida em sede do Interprofissional e não numa Secretaria de Estado em Lisboa, sob pena de não conseguirmos definir uma política global de melhoria das condições de trabalho e rendimento na região”, sublinha. Para o presidente da AEVP, só é possível valorizar o Vinho do Porto quando a oferta for inferior à procura. “Só o conseguiremos com uma rarefação do produto”, conclui.

Uma questão cultural Potenciar o consumo interno de Vinho do Porto parece não ser tarefa fácil, uma vez que existe “um problema de origem cultural”. “Os portugueses têm em suas casas vários tipos de destilados importados e raramente dois tipos de Vinho do Porto. Da mesma forma, nos espaços públicos (até mesmo bares e restaurantes do Douro), vemos nas prateleiras variadíssimas marcas de destilados e raramente uma marca de Vinho do Porto. E isto é preocupante na própria região de produção”, considera. Outro dos entraves ao consumo do vinho generoso passa pela temperatura a que é servido. “Na maioria dos estabelecimentos, o Vinho do Porto é servido à «temperatura ambiente», ou seja, em pleno verão, a cerca de 25 graus. Desta forma, o consumidor não o consegue apreciar verdadeiramente, pois o álcool, sendo à partida a substância mais volátil no vinho, sobrepõe-se ao prazer do respetivo consumo. O Vinho do Porto deve ser servido à temperatura de «cave», ou seja, entre 14 e 16 graus, já que ele rapidamente aquece no copo, sobretudo em consumo nas esplanadas”, explica o presidente da AEVP, António Saraiva.

Antón i

Pinhão o Saraiva , 27 Casado de julho de 1 , 2 filho 956 s    Habilit aç Curso d ões académic eE as em Fra nologia pela  :  nça  Univers idade d e Bordé us,


Fotos de Manuel Teles

BRAGANÇA | Obras na via duplicam tempo de viagem entre a fronteira e o litoral

GNR alerta emigrantes na fronteira por causa dos trabalhos de remodelação do IP4

O

IP4 “está uma confusão”. É a primeira constatação dos emigrantes que começaram a chegar pela fronteira de Quintanilha, em Bragança, receosos com as obras, mas simultaneamente animados pelas melhorias que esperam em futuras viagens. Avistar a placa com o nome de “Portugal” é habitualmente sinónimo de que o destino esta próximo, mas este ano para chegar a Trás-os-Montes, a parte final da viagem poderá parecer uma eternidade com o IP4 todo em obras, desvios, paragens e estreitamentos das faixas. A GNR está a fazer a receção ao emigrante para lhes “indicar os melhores destinos e alertar, por causa das obras, para os comportamentos a adotar, nomeadamente uma condução defensiva”, disse o tenente Micael Lopes, do destacamento de Trânsito. Para o oficial da GNR, “uma estrada em obras nunca é 100 por cento segura, no entanto a sinalização temporária que existe, se for cumprida e se o comportamento do condutor for uma condução defensiva, a mesma é segura”.

Conselhos aos emigrantes As obras no IP4 constituem neste verão uma preocupação acrescida para as autoridades de Bragança, nomeadamente a GNR, que distribui panfletos a alertar os condutores para as condições da via e cuidados para uma viagem segura. “IP4 em obras” é o alerta que sobressai no panfleto que os militares da GNR entregaram aos automobilistas na já habitual receção ao emigrante feita por entidades locais àqueles que chegam a Portugal pela fronteira de Quintanilha. “Sentimos todos essa necessidade de alertar que o IP4 está em obras e pretendemos que todos estejam cientes de que vão encontrar obstáculos ao longo da via”, disse à Lusa Rui Pousa, oficial de Relações Públicas e Informações da GNR de Bragança. Segundo este responsável, todos os anos aumenta bastante o fluxo no IP4 no mês de agosto. Este ano acresce o facto de todo o IP4, a principal via da

região, que liga ao litoral, no Porto, e à fronteira, em Bragança, estar em obras para a transformação na Autoestrada Transmontana. “Pretende-se chamar mais a atenção às pessoas de que devem redobrar os cuidados e claro que uma imagem vale mais que mil palavras, por muitos conselhos que nos dêmos, e vamos dar também aos condutores, reforçamo-los com este pequeno panfleto”, disse. As filas de trânsito, o calor e algum cansaço, podem agravar as circunstâncias pelo que a GNR espera contribuir para uma “viagem segura” através do panfleto com fotografias das obras e orientações para que os automobilistas respeitem a sinalização relativa às mesmas e mantenham a distância de segurança quando seguem em fila. A estes somam-se os conselhos habituas de evitar conduzir por longos períodos, distrações com telemóveis, exceder os limites de velocidade ou fazer ultrapassagens desnecessárias. Não estabelecer uma hora de chegada é outro conselho aos emigrantes que viajam para passar férias em Portugal e que, segundo o oficial Rui Pousa, têm percursos alternativos se o destino não for Trás-os-Montes.

Fronteira de Chaves é alternativa Para evitar as obras do IP4, aqueles que se deslocam para as zonas do Porto, Minho ou Vila Real poderão optar, a norte, pela autovia das Rias Baixas, na Galiza e entrar pela A24, perto de Chaves. A GNR continuará a distribuir os panfletos para além deste fim-de-semana, nomeadamente através dos elementos do destacamento de trânsito que fiscalizam a via. Apesar das condições, “o número de acidentes está praticamente ao mesmo nível” que no ano anterior, segundo Rui Pousa. “O que se nota”, segundo Rui Pousa, é “um aumento significativo, em termos percentuais, no número de acidentes” na Estrada Nacional 15 (EN15), que passou a ser mais utilizada para desvios devido às obras no IP4. No mesmo período, o número de acidentes quase que

duplicou, passando de nove para 16, mas sem registo de vítimas mortais.

Melhoria ainda em Agosto Entretanto, o diretor geral da concessionária “Auto-estradas XXI” anunciou a reabertura até meados de agosto de “uma série de troços” do Itinerário Principal 4 (IP4) que irá “aliviar” as “perturbações” sentidas atualmente nesta via que liga Amarante a Bragança. O IP4 está a ser transformado em autoestrada entre Vila Real e Bragança e a sofrer obras de melhoria entre Amarante e Vila Real. Os trabalhos decorrem no âmbito da construção das autoestradas do Marão e Transmontana. Só que, em simultâneo estão a decorrer várias intervenções ao longo de todo o traçado as quais estão a originar congestionamento de tráfego e várias criticas por parte dos automobilistas. O presidente da Associação de Utilizadores do IP4 fala em “tempos de alguma confusão” e em “alguma falta de adaptação dos próprios utilizadores em relação a estas mudanças”. Luís Bastos disse ainda que o IP4 neste momento não tem “condições homogéneas de circulação em toda a sua extensão e isso eventualmente também poderá estar a contribuir para os acontecimentos dos últimos tempos”. O responsável referia-se ao acidente que, em julho, vitimou quatro pessoas naquela via, junto a Alijó. O sinistro ocorreu numa zona sem obras e poderá estar relacionado com excesso de velocidade, mas Luís Bastos salientou as condições da via, como por exemplo do piso que diz que se tem degradado com o aumento do tráfego de pesados de mercadorias. Desde janeiro a julho, ocorreram no IP4, na área correspondente aos distritos de Vila Real e Bragança, mais de 130 acidentes que provocaram oito vítimas mortais, quatro feridos graves e 44 ligeiros. Em 2010, nos mesmos distritos, as autoridades contabilizaram 225 acidentes, com 11 mortos, 20 feridos graves e 98 leves. RED. com Lusa


ENTREVISTA | Manuel António Pina – Prémio Camões 2011

"A minha literatura é estruturalmente poética" Lúcia Pereira | mzp.lucia@gmail.com | Fotos D.R.

C

om uma vasta obra no domínio da poesia e da literatura infanto-juvenil, o mérito do escritor e jornalista Manuel António Pina foi este ano reconhecido com o Prémio Camões. A atribuição do maior galardão literário de língua portuguesa deixou-o “absolutamente surpreendido”, apesar de o seu talento ter sido já reconhecido com vários outros prémios e da sua obra ter ultrapassado as fronteiras da língua portuguesa, pois muitos dos seus livros estão já traduzidos e publicados em diversos países (França, Estados Unidos, Espanha, Dinamarca, Alemanha, Rússia, e Bulgária, entre outros). “O Prémio Camões era algo completamente fora das minhas expectativas e/ou ambições. Pensava que o Prémio Camões fosse uma espécie de prémio de fim de carreira, atribuído a escritores ‘estatuáveis’ e não sentia, nem sinto, que a minha atividade literária possa ser classificada de ‘carreira’ nem, muito menos, tenho vocação para estátua”, confessa o escritor.

Natural do Sabugal, Manuel António Pina licenciouse em Direito pela Universidade de Coimbra e foi jornalista durante mais de 30 anos no Jornal de Notícias, onde ainda é cronista. “O jornalismo é, para mim, um modo de ganhar a vida e a literatura uma tentativa de a salvar, o que quer que isso queira dizer”, costuma dizer, explicando que encara a atividade jornalística fundamentalmente em termos profissionais, com todos os constrangimentos inerentes (limitações de espaço, limitações gráficas, regularidade, prazos, etc.). Ressalvando que enquanto cronista (JN, Notícias Magazine, Visão...) nunca sofreu qualquer forma de pressão ou censura, Manuel

Antónia Pina considera que o facto de ser jornalista há 40 anos “diz tudo” e, acrescenta, “não me refiro apenas ao meu tempo de jornalismo antes do 25 de Abril”.

Domínio da liberdade Já a literatura pertence ao domínio da liberdade. “Escrevo o que quero, quando quero ou sinto necessidade disso e sobre o que quero, inclusivamente ‘sobre’ coisa absolutamente nenhuma e tão só em resposta, pessoal e intransmissível, isto é, sem qualquer intenção social e comunicacional, a não ser a que resulta do mero facto de escrever e de a língua constituir sempre uma forma de ‘familiaridade social’ até no caso do mais autista ou solipsista dos escritores ao imperativo da escrita”, afirma o escritor, ressalvando que episodicamente também escreve literatura, designadamente teatro, por encomenda. “No domínio literário, julgo que o território por assim dizer ‘natural’ (raio de palavra) da minha escrita é o da poesia. Suspeito mesmo que muita da literatura que tenho publicado em outros géneros é, não raro, estruturalmente poética, e não apenas pelo facto de grande parte dela – da minha literatura ‘infantil’, por exemplo – ser em verso”, declara o poeta, que publicou a primeira obra de literatura infanto-juvenil «O país das pessoas de pernas para o ar», em 1973. Apesar da imensidão de obras publicadas, o autor considera que ainda lhe falta escrever “tudo. Ou, vá lá, quase tudo…”. Admitindo a existência de “um leitor potencial espreitando por cima do seu ombro”, Manuel António Pina frisa que se trata de “um leitor sem rosto, uma presença apenas, ou uma sombra, que só ganha identidade e contornos concretos no momento da leitura”.

Jornais e livros não morrem Apesar do frenesim da evolução tecnológica, Manuel António Pina não teme o anunciado fim dos jornais e livros em suporte de papel. “O anúncio da morte de jornais e livros, e muito especialmente livros, em papel é um pouco exagerado. Desde o século XIX que é regularmente anunciada a morte de quase tudo: da pintura pela fotografia, da fotografia pelo cinema, do cinema pela televisão, da televisão pelo vídeo... Só o romance tem morrido praticamente em todas as décadas e ressuscitado, depois, na seguinte. Coisas como jornais e livros não morrem assim, apocalipticamente. Modificamse e adaptam-se, como tudo o que está vivo”.

Menorização da Cultura No que respeita ao novo Governo, Manuel António Pina não tem expectativas. “Não espero nada de nenhum Governo. Não creio, fundado na experiência (e, que diabo!, a experiência ainda é um critério de verdade), que haja Governos expectáveis ou que os programas com que se apresentaram a votos sejam algo mais que ficção, nem sequer científica, apenas cor-de-rosa”. Embora não o tenha surpreendido, a extinção do Ministério da Cultura é encarada pelo autor com pessimismo. “A menorização da Cultura é um sinal dos tempos que vivemos e dos políticos que temos. Mas, pensando melhor: o Ministério da Cultura não tinha já sido extinto há anos, muito antes de este Governo lhe ter dado o golpe de misericórdia e tirado do caminho o 'cadáver adiado que procria' em que ele se tornara?”, conclui o escritor que não busca inspiração, mas antes interrogação.


MÚSICA | Grupo editou o segundo álbum e assume-se co

Andarilhos à procura de um Caminho V Paulo Alexandre Teixeira | pauloteixeira.tamegapress@gmail.com | Foto D.R.

C

orria o ano de 1991 quando um pequeno grupo de jovens de Baião se deleitava perante um cartaz das festas de Santo António de Outeiro que, colado na vitrine de um restaurante da vila, anunciava a atuação de um grupo de música tradicional portuguesa até então nunca visto ou escutado. “Ficamos excitados com a novidade e começamo-nos a preparar para ir ver a atuação, quando um dos mordomos da festa passa por nós, todo esbaforido, a dizer-nos que devíamos ir de imediato para o local do evento”, contou Vasco Monterroso, hoje professor de educação musical e residente na vila de Baião. "Comentámos que era exatamente isso que estávamos prestes a fazer e que íamos assistir ao espetáculo dos Andarilhos e o quanto estávamos curiosos por ver essa nova banda de música tradicional portuguesa quando o senhor, já a perder a paciência, disse: Não, não, não! Os Andarilhos são vocês!"

Fundado há precisamente 20 anos, o grupo musical Andarilhos nasceu de uma forma natural e espontânea nos cafés e restaurantes da vila de Baião onde grupos de entusiastas com um gosto comum pela música tradicional portuguesa se reuniam, informalmente, para tocar e cantar. Vasco Monterroso, um dos fundadores dos Andarilhos, lembra-se que foi levado a conhecer esse tipo de música, "totalmente diferente dos ritmos a que estava acostumado como adolescente" em longos serões musicais que duravam pela noite dentro. “Tínhamos aqui em Baião sítios fabulosos para esses encontros. Lembro-me, por exemplo, da tasquinha do Guedes, onde o proprietário mantinha ali os instrumentos e onde se podia beber um copo, pegar numa viola e iniciar uma desgarrada. Havia também o restaurante Lareira e os seus convívios que duravam noites inteiras", explicou.

De uma forma tão natural e quase orgânica como a terra que os viu nascer, o grupo sem nome nem organização começou a ser convidado para pequenas festas por todo o concelho. Assim o eram simplesmente porque "andavam por ali, pessoas da terra, que eram convidadas principalmente para festas onde não havia muito dinheiro". Até ao dia do famoso "incidente de 91". "Na altura em que preparavam o cartaz, a comissão de festas notou que o grupo precisava de um nome. Até hoje não sabemos quem foi mas alguém se lembrou de nos chamar Andarilhos", relembrou Vasco Monterroso.

Do tradicional ao folk Atualmente formado por oito músicos e um técnico de som permanente, oriundos da região do Baixo Tâmega, Santa Maria da Feira e Porto, os Andarilhos de hoje são o fruto de uma exploração constante e inovadora do que é considerado um vasto espólio musical e cultural da região onde se inserem. De raízes profundamente ligadas ao Douro e às tradições das vindimas, o portfólio musical deste grupo é, paralelamente, o resultado de um processo de troca, partilha e adaptação de experiências e sabedoria popular que traça as suas raízes aos primórdios da


omo banda folk

Velho na música tradicional portuguesa fundação da nacionalidade. Esta consciência para o valor do património em que a atividade do grupo assenta ficou em evidência a partir de 1997, altura em que se dá o que o grupo chama da sua "recriação". A par de uma melhoria na qualidade do tratamento eletrónico dos instrumentos tradicionais portugueses que utilizam, os Andarilhos chegaram a um ponto no seu percurso em que tiveram que escolher entre reproduzir o original ou proceder à sua evolução e adaptação. "Começamos a abandonar a ideia de que somos um grupo de música tradicional portuguesa e hoje preferimos dizer que somos uma banda folk portuguesa. A diferença está no facto de que tentamos dar um cunho pessoal ao que tocamos mas respeitando sempre os aspetos fundamentais da cultura onde vamos buscar o nosso material", sublinhou Vasco Monterroso.

Por este “Caminho Velho” O resultado desta evolução da música tradicional da região está hoje patente em "Caminho Velho", o segundo álbum dos Andarilhos que foi apresentado recentemente e que já se encontra à venda por todo o país. O disco, que demorou oito anos a preparar, contém catorze faixas, quase na sua totalidade temas originais, que assentam em ritmos e acordes tradicionais tão diversos como a percussão dos grupos de bombos "Zé Pereiras" e a chula, a "verdadeira canção nacional". "A chula representa todo o norte de Portugal. É um

despique poético, na forma da desgarrada mas feita de uma forma peculiar. Também é uma dança e está intimamente ligada a fenómenos culturais, como o Entrudo e as vindimas", explicou o fundador dos Andarilhos. A sonoridade do novo álbum deve ainda muito à experiência das atuações ao vivo ao longo dos anos e à particular atenção que o técnico permanente da banda dá ao equilíbrio dos diversos instrumentos tradicionais portugueses, nomeadamente o cavaquinho, a viola braguesa, a viola amarantina e a gaita-de-foles, entre muitos outros. "É o resultado de nos conhecermos melhor a nós próprios", explicou Vasco Monterroso, que sublinha haver uma diferença na qualidade do público de hoje, um facto com que o grupo se tem deparado nas sucessivas apresentações do disco. “Nota-se que há uma grande adesão ao estilo musical e que se deu, de uma certa forma, uma evolução nos gostos do público desde que publicamos o nosso primeiro álbum, há oito anos. Foi um trabalho demorado e difícil mas, no fundo, sentimos orgulho por termos chegado a este ponto", concluiu.


14 agosto'11 repórterdomarão I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I

Acção Contra o Estado Português.

Valerá a pena? A construção da A4 entre Vila Real e Bragança, em sobreposição com o IP4 (E82) atenta, sob qualquer ponto de vista, contra a generalidade das leis e princípios comunitários, lesando irremediavelmente não só os cidadãos da Região Transmontana mas também os de Portugal e toda a União Europeia. Quando foi programada, numa medida então considerada de reparação e justiça pelo seu atraso, assentou no princípio de estrada SCUT – sem pagamento de portagens – e daí a solução da sobreposição. Como é sabido o IP4 (E82) foi construído como alternativa à EN15, com algumas características de via rápida, mas apenas com uma terceira via de lentos nos troços ascendentes, e com cruzamentos de nível nalguns locais. O percurso de 3 vias é apenas entre Amarante e Murça. Esta via foi financiada por fundos comunitários por se inserir na rede de estradas europeias e no âmbito dos programas de apoio na nossa adesão comunitária, daí a sua designação de E82. O seu traçado marginal à EN15 interceptou-a porém nalguns locais, pois desenvolveu-se com alguma proximidade de uma ou da outra margem da estrada, deixando-a assim como uma via descontinuada. Quando foi definida a nova política de pagamento de portagens nas SCUT´s o anterior Governo, que adjudicou e deu início à obra, manteve-a como isenta de portagens, e no desenvolver do processo considerou que, pelo menos, haveria isenções para os seus residentes, pois a estrada representava a reposição da justiça de uma espera e desigualdade de tantos anos. Na discussão dessas políticas de cobrança os actuais responsáveis pelo Governo defenderam, e continuam a defender o princípio genérico do utilizador/pagador, realçando então que ou pagavam todos ou não pagava nenhum. Vai assim a A4 passar a ter portagem, sem qualquer alternativa digna desse nome no troço em causa, o que não acontece no troço Amarante/Vila Real em que o IP4 se mantém como alternativa à A4, construída na outra encosta do Marão e com um túnel (cerca

de 6 km), que também o justifica. São assim sacrificadas as populações a Norte de Vila Real com esta medida, com um duplo prejuízo de terem de pagar e de contar com um incentivo ao seu desenvolvimento e à procura turística que para ele contribuiria. Não ficam pois com uma alternativa nas suas deslocações locais, e sem a garantia de acesso com qualidade e igual aos demais portugueses de outras regiões que disso beneficiaram, e que agora os transmontanos vêem goradas as expectativas de meios de comunicação condignos e a repor a Justiça pelos longos anos de Armando Miro espera pois Jornalista vão ter de o pagar. Não menos importante é a falta de respeito pela memória dos muitos que ali perderam a vida em acidentes, com os consequentes danos e prejuízos morais e materiais que todos sofreram. Também não se compreende que algumas obras de arte de alta engenharia e tecnologia sejam pura e simplesmente destruídas, como acontece entre outras como a do Ratiço (Murça), de três faixas, quando se sabe existirem soluções mais baratas ou a custarem o mesmo mas deixando assim património e serventia. Mais parece um projecto à moda antiga com os Yes´s a aumentarem os quilómetros e o custo. Trata-se pois de uma situação que merece repúdio e revolta, e de acção junto das instâncias comunitárias, sejam elas parlamentares sejam de recurso de Justiça. Portugal está assim a incorrer no desrespeito de normas comunitárias e denegação da Justiça pela apropriação ilegítima de uma via e destruição de equipamentos que foram construídos com fundos comunitários.

Uma voz de Amarante no Parlamento Quando aceitei o desafio de integrar, como Deputada, a bancada do Partido Social Democrata na Assembleia da República fiz saber da minha vontade férrea de ser em Lisboa uma voz na defesa dos interesses do distrito do Porto e, muito em particular, de Amarante. Nesta primeira fase, os novos deputados procuram apreender as regras de funcionamento da Assembleia da República, integrar as equipas das diversas comissões de trabalho, perceber os canais de comunicação, conhecer as sensibilidades e formas de pensar e agir dos colegas de trabalho, etc. Decorrido um mês, as Comissões de Trabalho que integro (Educação, Cultura e Ciência e Eventual para Acompanhamento das Medidas do Programa de Assistência Financeira a Portugal) estão já em intensa actividade e, paralelamente, estou

já a desenvolver esforços para ajudar a resolver problemas de Amarante e dos amarantinos. Quem me conhece sabe que primo pela discrição, nunca me verão a desfraldar bandeiras com situações que tenha apoiado, mas os envolvidos sabem-no e certamente apreciarão. Também todos conhecem a minha disponibilidade para interceder na procura de soluções para os problemas que me sejam colocados. Amarante, não é nem nunca será, para mim, um instrumento para me catapultar para Lisboa! Lá, será o meu local de trabalho mas o meu lar e os meus, estão no distrito do Porto e Amarante. A vossa Deputada na Assembleia da República, Maria José Quintela F.C. Branco mbranco@psd.parlamento.pt

[Alguns textos de opinião são escritos de acordo com a antiga ortografia]

opinião

O orgulho de ser português Antes de mais, devo dizer que não me sinto muito patriota. Gosto do meu país, mas não passo de um português de trazer por casa, digamos. Gosto da bandeira portuguesa, porque esteticamente é bonita. O hino nacional, passa-me ao lado e acho ridículo ser cantado nos campos de futebol, muitas vezes por estrangeiros. Os descobrimentos, ou expansão portuguesa de que muita gente se orgulha, acho que foram páginas negras da nossa história. Estaria aqui um dia inteiro a dizer porquê. Sou mais a puxar para o bairrista. Penso em ponto mais pequeno, mais perto das minhas gentes, da minha terra, das minhas raízes, mesmo que digam que este, o bairrismo, seja um sentimento pacóvio. Não me importo nada com isso. Agora vir o José Mourinho dizer, como disse há dias numa entrevista televisiva, que “serei sempre um orgulhoso português”,  é pura demagogia. É treta de gente que está bem instalada na vida. Depois só uma Europa assimétrica, miserável, criminosa até, é que paga o que paga a gente como esta, que apenas faz futebol. E o futebol é apenas um jogo, hoje mais que nunca, um jogo de interesses. Não é um desporto, mas um negócio. Como é que este senhor, que não passa de um convencido, que  se intitula de “especial”, é  um orgulhoso português, se ele não tem pejo em ganhar, se possível humilhar, qualquer equipa portuguesa que se lhe atravesse no caminho? Este e os muitos futebolistas “portugueses”, emigrantes, querem é  muito dinheiro. Estes senhores só vêem dinheiro à sua frente.  Como é que se podem sentir orgulhosos se estes futeboleiros festejam as suas vitórias contra as equipas do seu próprio país? Eles não são o orgulho de Portugal. Eles orgulham-se de si próprios. Estes “espanhóis” até vibram com as vitórias sobre os clubes mais chegados ao Atlântico. Se o D. Afonso Henriques fosse vivo morreria de desgosto de ver portugueses do lado da barricada que ele combateu, no início da nossa nacionalidade. José Mourinho não se sente orgulhoso de ser português. José Mourinho é um cidadão muito bem pago, numa Europa cheia de bancos, dívidas, fome, ratings e “lixo”. Ele tem conquistado muitos títulos, porque escolhe sempre os melhores jogadores, para formar a melhor equipa e com ela ganhar tudo. Gostava de o ver a treinar o F C de Penafiel com os jogadores que o seu orçamento permite e chegar à liga dos campeões. É evidente que aquela frase do Mourinho não ofende ninguém, nem este assunto é fracturante. Mas sabemos que o futebol mexe com fortunas colossais, que muitas vezes se joga mais fora das quatro linhas, não sendo por isso nenhum modelo de virtudes. A reforçar esta reflexão, vem o facto de não ver esta situação noutra qualquer actividade. O maestro António Vitorino de Almei- Fernando Beça Moreira da quando toca o seu piano não o faz contra ninguém, não pro- Penafiel voca dissabores, não procura derrotar nenhum português. Nem português, nem chinês. O poeta José Jorge Letria, que é um dos meus  preferidos, quando escreve, fá-lo com um único objectivo, que é fazer com que a sua mensagem chegue à alma de qualquer leitor.  Não poetiza  contra quem quer que seja. A pintora Paula Rego pinta contra alguém? Não, claro que não. Pinta para todo o mundo na esperança que as suas “bonecas” despertem reacções nas suas exposições. A Maria do Céu Guerra quando está em palco estará a tentar vencer algum espectador? Com certeza que não. Procura encantá-lo, procura seduzi-lo. Ela pode é fazer guerra contra as fracas assistências que o teatro tem. Até os políticos que, na minha opinião, são das classes menos credíveis deste país, procuram o melhor para Portugal.  Não tenho dúvidas que Mário Soares, Cavaco Silva, Guterres, Sócrates, Passos Coelho ou Paulo Portas, bem ou menos bem, defendem Portugal e os portugueses, em qualquer latitude. Porque este país é o deles. O país de Mourinho é o que melhor lhe paga. Mesmo para vencer portugueses. Digo estas coisas porque não acredito na famigerada globalização, que só interessa a alguns. E depois, já dizia o francês Bernard Fontenelle, “o orgulho é o complemento da ignorância”. Está tudo dito...


     



 

              

 

 

 

 

 













 



         

           



 ≈≈   ≈

          

 

 ≈ 

 Veja o Seu projecto executado em obra conforme o idealizou



  Urbanização do Outeiro - Edifício Miratâmega - Loja 2

4600-114 Amarante

TEL: 255 410 380 | FAX: 255 410 389 | GSM: 918 794 426 | @: taminvest@taminvest.com |

Alvará INCI n.º 44868


regiões

agosto'11

IIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

Unidade móvel estacionada no Centro de Saúde

Rastreios ao cancro da mama facilitados em Fafe As mulheres da região de Fafe vão poder fazer mais facilmente rastreios do cancro da mama, beneficiando da aquisição, pelo Núcleo Regional do Norte da Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC), da nona unidade móvel de mamografia. Com a nova unidade, o rastreio deverá abranger mais 40 mil mulheres dos Distritos do Porto e Braga. Nos próximos cinco meses a nova unidade vai estar estacionada no Centro de Saúde de Fafe, informou aquela entidade. Em comunicado, o Núcleo Regional do Norte da Liga Portuguesa Contra o Cancro anuncia que “adquiriu um Mamógrafo Digital Direto para equipar com tecnologia de ponta a Consulta de Aferição do Departamento de Rastreio do Cancro da Mama”. “No sentido de proceder ao alargamento progressivo do rastreio a todos os concelhos da área de influência da Administração Regional de Saúde do Norte, o Núcleo Regional do Norte da LPCC adquiriu mais uma unidade móvel de mamografia equipada com tecnologia digital, um investimento de 250 mil euros”, acrescenta o mesmo documento. O núcleo tem assim nove unidades móveis a

funcionar diariamente, que no conjunto efetuam cerca de 450 mamografias. “A unidade móvel agora adquirida torna o Rastreio do Cancro de Mama acessível a mais 36.963 mulheres do grupo etário 45-69 anos, inscritas em Centros de Saúde dos Distritos de Braga e Porto”, acrescenta.

Produção artesanal de linho Um projeto de produção artesanal e comercialização de produtos em linho poderá vir a dar trabalho a mais de uma dezena de mulheres de Fafe, a maioria desempregadas, que concluíram um curso de formação organizado por uma associação de Pedraído. De momento, estão assegurados três postos de trabalho. Este projeto permitiu recuperar a tradição, reutilizando velhos teares. Colaboraram formadoras com muita experiência nesta forma de artesanato e uma engenheira têxtil que acrescentou modernidade à produção.

Calçado de Felgueiras dá pontapé na crise! O desemprego no concelho de Felgueiras diminuiu cerca de 17 por cento nos primeiros seis meses deste ano, graças ao bom momento do calçado. Mais de meio milhar de pessoas encontrou trabalho. A Associação Empresarial de Felgueiras (AEF) explica que estes indicadores, que contrariam o que se passa nos concelhos vizinhos do Vale do Sousa, são explicados pelo bom momento do setor do calçado, que conseguiu relançar as exportações e encontrar novos nichos de mercado.

Fonte da AEF salientou que já há empresas no concelho que têm dificuldade no recrutamento de mão de obra adequada às exigências, num setor que emprega cerca de 15 mil pessoas. Segundo a associação empresarial, o sucesso do calçado em Felgueiras é resultado "da reestruturação das empresas, que passaram a apostar mais em tecnologia, em marcas próprias, em design e em produtos de maior qualidade, voltados para mercados habituados a pagar mais caro o calçado".

A MMCI Multimédia S.A., representante da ZON Multimédia a nível nacional pretende aumentar a sua força de vendas no Segmento Residencial (Vendas D2D), na Zona Norte do País. Para fazer face ao seu crescimento pretende recrutar para as áreas de

Braga, Barcelos, Vila Nova de Famalicão, Santo Tirso, Guimarães, Fafe, Felgueiras, Amarante, Vila Real e Bragança:

CHEFE DE EQUIPA DE VENDAS (M/F) (Ref.: CE/D2D/MMCI/20110630)

Pretende-se: - Experiência de chefia de equipas de vendas deste canal (D2D) - Capacidade de liderança - Forte orientação para resultados e cumprimento de objectivos - Disponibilidade total e imediata - Equipa constituída - mínimo 5 comerciais (factor preferencial)

Disponibiliza-se: - Vencimento base, comissões e prémios - Integração em grupo de empresas de referência e de dimensão nacional - Projecto de carreira na área das telecomunicações e multimédia - Entrada imediata

GESTORES COMERCIAIS

(M/F)

PARA PROMOÇÃO E VENDA DOS SERVIÇOS DA ZON MULTIMÉDIA

(Ref.: GC/D2D/MMCI/20110630) Pretende-se: - Apetência e gosto pela área comercial - Atitude profissional - Boa apresentação - Boa capacidade de comunicação e de argumentação - Disponibilidade imediata

Disponibiliza-se: - Vencimento base, comissões e prémios - Formação inicial e contínua - Integração em grupo de empresas de referência e de dimensão nacional

Os interessados deverão enviar o seu CV para:

mmci.recrutamento.d2d@gmail.com Contactos: 253240073/926610008

Fundação Nadir Afonso arrancou em Chaves Arrancou a construção da Fundação Nadir Afonso, da autoria de Siza Vieira e instalada junto ao centro histórico de Chaves. A presidente da fundação, e mulher do artista, Laura Afonso, salientou que Nadir não pôde estar presente no lançamento da primeira pedra devido ao seu estado de saúde, mas está “muito feliz e comovido” com a concretização deste projeto. Laura Afonso acredita que a obra vai “dinamizar" a cultura e, também, o turismo, não só de Chaves, mas do Alto Tâmega. A fundação, salientou, vai estabelecer parcerias importantes com quem Nadir Afonso já trabalhou e “traçar” uma programação capaz de “agradar a todo o público”. A obra “dignifica a cidade e dota-a de uma oferta cultural única em termos de modernidade”, salientou o presidente da Câmara, João Batista. Siza Vieira considera “grande satisfação e um enorme estímulo” ter criado um espaço para guardar a obra do “enorme” artista português Nadir Afonso.

17

repórterdomarão

Cenários de Envelhecimento Cláudia Moura

O PAPEL DA COMUNICAÇÃO NOS CUIDADOS AO IDOSO Não existe ser humano sem comunicação, a comunicação para o indivíduo idoso é fundamental permitindo-lhe que permaneça socialmente integrado. DEIXO-VOS A PENSAR … se alguém nos perguntar o que entendemos pela expressão “conversa de velhos”, com certeza respondemos: é uma conversa extensa, sem fim, arrastada, pausada, cheia de histórias, lembranças do passado e por aí fora. Se por um lado esta descrição circunscreve algumas verdades, por outro, revela uma atitude preconceituosa e estigmatiza o idoso. De facto, envelhecer nem sempre assumiu o mesmo estigma, há 50 anos não constituía um problema, era encarado como um fenómeno natural, para além de que o aproveitamento e imagem que a sociedade tinha da população envelhecida era diferente da que existe hoje, o facto de existir a presença de um idoso no seio familiar era visto como uma mais-valia, quer no que respeita à sabedoria que transmitia aos mais novos, quer na união e suporte emocional que passava à família onde se encontrava inserido. Tal como refere o Professor Doutor Nuno Grande, no livro Linhas Mestras para uma Política Nacional de Terceira Idade, a pessoa idosa perde o seu papel de transmissor transgeracional do saber, face a uma economia de mercado onde só o lucro interessa. Ora de acordo com a actual valorização social o ter idade avançada tem-se tornado a pouco e pouco sinónimo de incómodo, para quem lida permanentemente com o idoso e com as suas incapacidades. É comum ouvir dizer que o idoso é egocêntrico, que só fala do passado, que é confuso e esquecido, surdo e que repete inúmeras vezes o mesmo assunto. De modo a compreendermos estes comportamentos julgo pertinente referir que na realidade o que se passa é que o envelhecimento acarreta algumas alterações, nomeadamente ao nível da audição e consequentemente comunicação, surgindo desta forma dificuldades de comunicar: o idoso começa por apresentar problemas de expressão, como por exemplo encontrar as palavras certas, impedindo-o de desempenhar plenamente o seu papel na sociedade. A estes factores ligam rapidamente outros, como perda de auto estima, status social, laços familiares, com efeitos tanto mais graves quanto maior for a dificuldade na comunicação. Porém esses obstáculos podem em grande parte ser ultrapassados pelo esforço de quem lida com ele, se souber adaptar-se às novas condições. Saliento, por isso, a urgência de trabalhar junto dos intervenientes na área, sensibilizando-os desta forma para a importância da comunicação nos cuidados ao idoso. Porque comunicar é realmente uma aventura existencial e no caso concreto da pessoa idosa, quanto maior o nível de dependência, menor é a capacidade de ela dizer as suas necessidades. Torna-se essencial ter em consideração que quando se comunica com o idoso, deve ter-se presente os factores: tempo, paciência para o escutar, escolher o posicionamento para se lhe falar de frente permitindo deste modo a sua atenção, mostrar predisposição e olhar para ele, com respeito e dignidade. Saber comunicar com o idoso vai além de tentar compreender o que ele quer dizer, pautando-se assim pelo interesse em compreender o que ele está a sentir: o sentimento é aqui mais importante do que os factos. Com esta reflexão procuro reafirmar que o idoso necessita de um ambiente que o motive a desenvolver o diálogo num clima de respeito levando-se em consideração os seus interesses e as suas limitações. claudiamoura@portugalmail.pt  Professora Universitária e Investigadora na área da Gerontologia.


EPAMAC Curso de Cuidados Veterinários forma 16 alunos com Nível V (CET)

Escola colabora com a Animarco na protecção de animais abandonados Cerca de metade dos alunos da turma de Cuidados Veterinários (CET de Nível V) – os restantes já estão ocupados com os seus estágios curriculares, realizados em contexto real de trabalho – participou no início do mês numa acção de contacto com os animais, iniciativa em que colaborou a Associação dos Amigos dos Animais do Marco de Canaveses (Animarco). Foram observados, vacinados e desparasitados mais de uma dezena de canídeos dos muitos que a associação acolhe nas suas instalações de abrigo. Realizada em Vila Boa de Quires, esta acção formativa dos alunos da nossa Escola que frequentam o Curso de Especialização Tecnológica (CET), de nível pós-Secundário, foi liderada pelo professor Diogo Ribeiro da Silva, que lecciona a disciplina de Comportamento e Bem Estar Animal, entre outras componentes lectivas. Para o docente, esta acção "traz [aos alunos] a experiência de ver os animais, de poder interagir com eles de uma forma mais profissional, praticar os exames usando os animais como cobais vivas e além disso ajudam uma associação de protecção de animais abandonados". O professor Diogo Silva, que lecciona na nossa Escola ao abrigo de um protocolo com a Escola Superior Agrária de Ponte de Lima, estabelecimento de ensino integrado no Instituto Politécnico de Viana do Castelo, reconhece

que os alunos deste curso – que tem boas saídas profissionais e no plano académico permite acesso a licenciaturas de Enfermagem Veterinária, Engenharia Zootécnica ou Medicina Veterinária –, obtêm competências para prosseguir os estudos para o nível superior, ao qual chegam já com alguns créditos curriculares (conhecidos como ECTS). "A licenciatura mais próxima deste curso é enfermagem veterinária e este curso de certa forma já transmite uma grande parte de valências que essa licenciatura de enfermagem veterinária tem", afirma o docente. No plano curricular [o curso tem a duração aproximada de um ano e meio (1515 horas), em que um terço diz respeito a estágio em contexto de trabalho], os alunos têm disciplinas de Anatomia e Fisiologia Animal, Reprodução e Nutrição Animal, Comportamento e Bem-Estar Animal, Profilaxia das Doenças Animais e Saúde Pública, Técnicas de Enfermagem Veterinária e Apoio à Clínica e Cirurgia, entre outras. Considera o docente que a maioria dos nossos alunos fica habilitado a trabalhar em clínicas veterinárias – é o caso de vários alunos deste primeiro curso na nossa Escola [ver depoimentos ao lado] – mas também podem optar por trabalhar em explorações pecuárias, em empresas agrícolas, de rações, em serviços de inspecção sanitária ou até na indústria alimentar. "O leque de saídas profissionais é enorme", reconhece Diogo Ribeiro da Silva, lembrando

que a saída para o estrangeiro pode também ser uma opção para estes jovens, nomeadamente em França e na Inglaterra.

Escola vai fazer uma acção anual com a Animarco Presente também na acção formativa, o director da nossa Escola, Victor da Costa Vítor, garantiu que esta parceria com a Animarco vai prosseguir. "Pelo menos uma vez por ano a Escola tem condições de fazer estas acções de profilaxia com a associação de protecção animal, oferecendo as vacinas e disponibilizando uma equipa de jovens para prestar cuidados veterinários".

Escola perto dos 200 alunos O director anunciou que a nossa Escola terá mais uma turma no ano lectivo de 2011/12 (com 11 turmas no total), começando a aproximar-se rapidamente das duas centenas de alunos. Este crescimento muito acentuado na última década é o resultado do reconhecimento dos alunos da região sobre a qualidade do ensino praticado mas também a constatação pública de que os cursos leccionados na EPAMAC registam um grau elevado de empregabilidade. São muitos os ex-alunos da nossa Escola que estão a trabalhar em empresas de sucesso e prosseguem carreiras profissionais bem delineadas, sobretudo em entidades de base agrícola e/ou ligadas à produção e comercialização de vinhos. O director da EPAMAC garante também o arranque este ano do novo Curso Profissional (Nível III) de Técnico de Gestão Equina e a manutenção dos CET de Animação Turística e de Cuidados Veterinários (em colaboração com a Escola Superior de Ponte de Lima, onde os alunos poderão prosseguir os estudos), cujas inscrições se mantêm abertas até meio de Setembro.

Animarco sobrevive de donativos e boas-vontades Liderada por Ana Isabel Monteiro, a Animarco dá abrigo a cerca de meia centena de cães, a maioria em regime de internato (em dois centros, Vila Boa de Quires e Montedeiras) e a outros, que permanecem na rua, fornecendo alimentação e cuidados médicos básicos. "Estão na rua mas sob a vigilância e apoio da Animarco. São animais que não estão em risco, nem são um risco", sintetizou a presidente da associação fundada em Setembro de 2006. A associação sustenta esta protecção animal na cidade do Marco com o apoio financeiro da autarquia (400 euros mensais, escassos para uma despesa mensal a rondar os 1.500), as receitas de "rifas", os donativos de amigos e associados e a boa-vontade de alguns mecenas – hipermercados, empresas e duas farmácias da cidade (Nova e Miranda), que oferecem toda a medicação necessária.

Professor Diogo Silva Diogo Ribeiro da Silva, 34 anos, é professor do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC), lecciona na Escola Superior Agrária de Ponte de Lima e desde Abril de 2011 na EPAMAC. Manter-seá como docente do curso de Cuidados Veterinários. Licenciado em Medicina Veterinária, exerce em Barcelos, na Clínica Animal. Considera que os alunos saem com bons conhecimentos para prosseguir estudos superiores ou ingressarem no mercado de trabalho.

Paulo Alves, de Valongo Natural de Valongo, Paulo Alves, 28 anos, vai estagiar numa Clínica da Lixa para completar o plano curricular do CET mas está determinado a prosseguir os estudos superiores. A opção deverá passar pela licenciatura de Enfermagem Veterinária ou Engenharia Zootécnica. Espera ingressar no ano lectivo de 2012/13.

Sandra Carneiro, do Marco Residente no Marco de Canaveses, Sandra Carneiro, 36 anos, regressou à escola 16 anos depois de concluir o Secundário. Após dois anos em França, percorreu inúmeros empregos, sempre temporários, como operadora de caixa. Findo o curso que vai concluir na nossa Escola – a idade e a vida familiar, tem três filhos, já não lhe aconselham continuar os estudos – Sandra quer enveredar por uma profissão estável. O curso de Cuidados Veterinários é uma oportunidade que quer agarrar com ambas as mãos. Vai estagiar com um dos seus professores numa clínica a abrir brevemente na cidade da Lixa (tal como o colega Paulo) e tudo indica que passará por ali o seu futuro. "Onde não há muitas saídas profissionais para as mulheres, este curso é uma mais valia", reconhece.


Produção editorial da responsabilidade da EPAMAC


CULTURA POTENCIA DESENVOLVIMENTO MARCO | Igreja de Santa Maria e Tongobriga A Igreja de Santa Maria, no Marco de Canaveses, uma obra emblemática do arquitecto Álvaro Siza [Siza Vieira], é um dos monumentos mais conhecidos e porventura o mais visitado da cidade, sobretudo por turistas, nacionais e estrangeiros – cerca de 20 mil visitas anuais. Entre os estrangeiros, realce para

os japoneses, que visitam o templo em grande número, além de que a obra arquitectónica - edificada entre 1994 e 1997 - é também um “caso de estudo” para escolas de arquitectura e outras faculdades internacionais. A construção deste ícone da arquitectura religiosa contemporânea – que tem uma porta original, com dez metros de altura, onde o galardoado arquitecto português quis utilizar o simbolismo, para os católicos, de que “Cristo é a Porta” – teve a mão e a mente de um antigo pároco [Nuno Higino], mas o seu arrojo e entusiasmo deixou seguidores. “Ao entrarmos neste templo ficamos extasiados”, revela o actual sacerdote de Fornos, Fernando Silva, citado pela Agência Ecclesia, a agência de notícias da Igreja Católica Portuguesa que considera a obra de Siza “um marco na arquitectura religiosa”.

séc. XX. A sua importância é tal (além de monumento nacional) que gerou a primeira e única escola profissional na área da arqueologia. As primeiras referências a esta cidade galaicoromana remontam ao século II. As escavações começaram em 1980 e desde o início que foram dirigidas pelo arqueólogo e professor Lino Tavares Dias. Estendem-se hoje por uma área de 30 hectares. Os banhos públicos, a Pedra Formosa, ambos do período castrejo, e uma estrutura termal de grande dimensão (1.400 m2) confirmam que Tongobriga era naquela época uma cidade de grande relevo e “um centro estruturado de poder”.

Tongobriga, a cidade romana que começou a ser descoberta há 31 anos em Freixo, Marco de Canaveses, é um dos maiores achados arqueológicos do último quartel do

RESENDE e PENAFIEL | Rota do Românico O Município de Resende, situado entre a Serra de Montemuro e o Douro, dispõe de um importante património arquitectónico, com destaque para os monumentos de arte românica. A igreja românica de Barrô, construída no século XIII, é conhecida pelo seu tecto forrado com caixotões barrocos, mas merece uma também atenção o retábulo-mor de talha. S. Martinho de Mouros tem uma igreja "a imitar" uma fortificação militar e é um dos mais importantes templos medievais do Douro Sul. No seu interior, há diversas obras atribuídas à escola de Grão Vasco. A igreja de Cárquere possui uma imagem de Nossa Senhora com o Menino, que se julga ser da época visigótica (séc. VII). É uma miniatura de marfim, onde a Senhora surge com o Menino sentado sobre o seu joelho esquerdo. Aregos, além da excelência das suas termas, possui uma capela do século XII, mandada erguer por D. Mafalda, mulher de D. Afonso Henriques. O templo foi beneficiado em 2003. Os monumentos integram a Rota do Românico, criada em 1998 no Vale do Sousa e alargada em 2010 ao território da NUTS Tâmega. No Município de Penafiel – que tem nove freguesias rurais, na margem direita do Tâmega, integradas no território Dolmen –, são exemplos da arte românica os seguintes templos religiosos: Igreja de S. Pedro de Abragão, Igreja de S. Gens de Boelhe, Igreja do Salvador de Cabeça Santa e a Igreja de S. Miguel de Entre-os-Rios, na freguesia de Eja.

CINFÃES | Museu Municipal Serpa Pinto O Museu Municipal de Cinfães ostenta o nome de uma das figuras mais emblemáticas nascida naquele concelho da margem sul do Douro – Serpa Pinto (Tendais, 1846-1900). Inaugurado em Abril de 2000, em homenagem ao ilustre militar, explorador e governador colonial, o museu (a par da Casa da Cultura) é uma referência no património concelhio e trouxe a este território uma nova dinâmica cultural. É o principal espaço museológico do concelho e é composto por três salas. Uma acolhe uma importante exposição permanente de artesanato e etnografia, cujo acervo foi recolhido nas típicas e recônditas aldeias serranas, sobretudo materiais e utensílios ligadas aos usos e costumes agrícolas. Outra sala está reservada para o espólio arqueológico do Município e a terceira destina-se a exposições temporárias de artes plásticas, sobretudo de pintura. Segundo uma biografia editada pelo Município, Alexandre Alberto da Rocha Serpa Pinto passou grande parte da sua infância no Brasil, tendo ingressado em 1858 no Colégio Militar, em Lisboa. Cursou direito em Coimbra, curso que viria a abandonar para se dedicar por inteiro à carreira militar. Em 1877, enceta a exploração e travessia científica no continente africano que o tornou célebre.


Produção editorial da responsabilidade da DOLMEN

NO TERRITÓRIO DO DOURO VERDE BAIÃO | Fundação Eça de Queiroz (Tormes) e Campo da Aboboreira A Fundação Eça de Queiroz (FEQ), sediada em Tormes, Baião, é uma instituição de vocação cultural, sem fins lucrativos, cujos objectivos passam primordialmente pela divulgação nacional e internacional da figura e da obra de Eça de Queiroz. A quinta de Tormes ficou imortalizada na obra “A Cidade e as Serras” e é hoje uma referência cultural de Baião, cuja câmara municipal, entre outros mecenas, é um dos sócios-fundadores. São ainda funções da FEQ (fundada em setembro de 1990) a preservação da componente museológica de Tormes, o fomento da vida cultural do concelho, além de prosseguir estudos nas áreas do desenvolvimento local, do turismo rural e da viticultura, de que é exemplo a produção e comercialização do vinho com a marca Tormes. No plano cultural, a Fundação organiza, entre

outras actividades, o Curso Internacional de Verão (desde 1998), o Ciclo de Conferências Internacionais e as Sendas Queirosianas/Colóquios Internacionais de Tormes (desde 2007). A Serra da Aboboreira, que acolhe o Campo Arqueológico com o mesmo nome, está localizada no extremo nordeste do distrito do Porto e abrange território de três municípios: Amarante, Baião e Marco de Canaveses. De todos os túmulos estudados, o mais importante é o dólmen de Chão de Parada 1, monumento nacional desde 1910. Os estudos arqueológicos, iniciados em 1978, revelaram uma vasta necrópole megalítica, com cerca de quatro dezenas de mamoas identificadas. Alguns dos achados estão guardados no Museu de Baião.

AMARANTE | Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso O Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso, com exposições temporárias e permanentes, é uma das principais referências culturais de Amarante e do país, a par do Convento de S. Gonçalo. Foi criado em 1947 por Albano Sardoeira. Originalmente, o edifício foi um convento dominicano, tendo sido construído entre os séculos XVI e XVIII. As actuais instalações do Museu, que tem em mente uma nova ampliação, a médio prazo, são o resultado de uma reconversão executada pelo arquitecto Alcino

Soutinho, em 1980. Este arquitecto, que nasceu em Matosinhos há quase 81 anos, projectou a reconstituição dos claustros, que tinham sidos desvirtuados numa antiga demolição de um edifício anexo. Além das obras do patrono do Museu – Amadeo, que nasceu em Manhufe, freguesia de Mancelos, Amarante, a 14 de Novembro de 1887 e morreu em Espinho a 25 de Outubro de 1918 – estão representados também os amarantinos António Carneiro e Acácio Lino. O

acervo na pintura conta ainda com obras de Vieira da Silva, Júlio Pomar, Júlio Resende e José Guimarães, entre muitos outros. Na escultura, podem ser apreciadas obras, entre outros artistas, de Aureliano Lima, Irene Vilar, Lagoa Henriques e Artur Moreira. O espaço museológico mostra ainda trabalhos em desenho de Luís Dourdil, Diogo Alcoforado, Armando Basto, bem como desenhos e caricaturas dos amarantinos Amadeo e António Carneiro.


22 agosto'11 repórterdomarão I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I

crónica & artes

Cartoons de Santiagu [Pseudónimo de António Santos]

A.M.PIRES CABRAL

MELROS Hoje, com licença do senhor Leitor, não falarei da crise. É tema de que ando enfastiado e já notei que escrever sobre ele me deixa mais deprimido do que aliviado. Não falarei pois da crise. Falarei de melros. Os melros são uns mariolas, finos como órgãos, mas apesar disso (ou, talvez antes, por causa disso) simpatizo verdadeiramente com eles. Noto com satisfação que se vêm adaptando cada vez melhor ao bulício da cidade, e não há agora sebe de jardim, particular ou público, onde não se ouça, de quando em quando, uma risada de melro. Às vezes vêem-se quatro e cinco a correr sobre os relvados onde costumam pastar… insectos e minhocas. Vão-se tornando quase tão descarados como os pardais. Não tenho dúvidas: os melros são uma benquista aquisição da vida urbana dos nossos dias. Na exacta medida em que simpatizo com eles, comovo-me com uma cena com que deparo algumas vezes próximo do lugar onde trabalho. Eu conto. Naquela rua quase de arrabalde não mora muita gente. Mas mora alguém que odeia melros. Como os odeia, rouba-os do ninho, ainda implumes, e ferra com eles em gaiolas que pendura na varanda. Pelos modos, está convencido de que tem o exclusivo da música daqueles pobres melros reclusos. Como se se pudesse aprisionar o assobio dum melro… Pois bem. Tenho assistido ocasionalmente a um espectáculo extraordinário que passo a narrar. Numa das gaiolas daquela varanda habita um melro que, embora confinado num espaço tão exíguo para as suas asas que pedem antes amplidão e horizontes, por vezes assobia. E então — isto é rigorosamente verdade — outro melro, que tem a sorte de viver em liberdade, vem junto da gaiola e esforça-se por entrar nela, ou então por torcer os arames e libertar o companheiro, hipótese que prefiro. Depois de se debater durante alguns minutos contra os arames,

afasta-se desanimado, deixando mais desanimado ainda o prisioneiro que acaso teria fiado do amigo a sua libertação. Comove-me a cena. E traz-me à memória um passo de Guerra Junqueiro, precisamente num poema chamado “O melro”, da Velhice do Padre Eterno. O Leitor estará lembrado. Nesse poema, o velho cura de aldeia aprisionou quatro filhotes de melro numa gaiola, onde a mãe os vem encontrar à noitinha. Esforça-se esta por libertar os filhos. Mas demos a palavra ao poeta: […] Torcia,/ Para os partir os ferros da prisão,/ Crispando as unhas convulsivamente/ Com a fúria dum leão./ Batalha inútil, desespero ardente!/ Quebrou as garras, depenou as asas/ E alucinado, exangue,/ Os olhos como brasas,/ Herói febril, a gotejar em sangue,/ Partiu num voo arrebatado e louco,/ Trazendo, dentro em pouco,/ Preso do bico, um ramo de veneno./ E belo e grande e trágico e sereno,/ Disse: – Meus filhos, a existência é boa/ Só quando é livre. A liberdade é a lei,/ Prendese a asa, mas a alma voa…/ Ó filhos, voemos pelo azul!... Comei!// E mais sublime do que Cristo, quando/ Morreu na cruz, maior do que Catão,/ Matou os quatro filhos, trespassando/ Quatro vezes o próprio coração!/ […] E partiu pelo espaço heroicamente,/ Indo cair, já morto, de repente/ Num carcavão com silveirais em flor. Já me tenho surpreendido a enxugar uma lágrima ao reler estes versos — efeito semelhante, de resto, ao que me provoca, por exemplo, o “Coro dos escravos”, do Nabuco de Verdi. E juro que, ao presenciar a cena a que me venho referindo, não fico longe disso. Pelo menos sinto um nó na garganta e penso: que bela lição de amor da liberdade não nos dá aquele melro! Ah, pudesse esta crónica amolentar o coração de quem faz tanto gosto em encarcerar passarinhos…

Motard 2011

O OLHAR DE...

Eduardo Pinto 1933-2009 Redopio [Rodopio] - Amarante - Anos 60

Nota: Este texto foi escrito com deliberada inobservância do Acordo (?) Ortográfico.

pirescabral@oniduo.pt

Esta edição foi globalmente escrita ao abrigo do novo acordo ortográfico. Porém, alguns textos, sobretudo de colaboradores, utilizam ainda a grafia anterior.

Fundado em 1984 | Jornal/Revista Mensal Registo ERC 109 918 | Dep. Legal: 26663/89 Redação: Rua Dr. Francisco Sá Carneiro | Rua Manuel Pereira Soares, 81 - 2º, Sala 23 | Apartado 200 | 4630-296 MARCO DE CANAVESES Telef. 910 536 928 E-mail: tamegapress@gmail.com Diretor: Jorge Sousa (C.P. 1689) Redação e colaboradores: Liliana Leandro (C.P. 8592), Paula Lima (C.P. 6019), Carlos Alexandre Teixeira (C.P. 2950), Patrícia Posse (C.P. 9322), Helena Fidalgo (C.P. 3563) Alexandre Panda (C.P. 8276), António Orlando (C.P. 3057), Jorge Sousa, Alcino Oliveira (C.P. 4286), Helena Carvalho, A. Massa Constâncio (C.P. 3919), Ana Leite (T.P.1341), Armindo Mendes (C.P. 3041), Paulo Alexandre Teixeira (C.P. 9336), Iolanda Vilar (C.P. 5555), Manuel Teles (Fotojornalista), Mónica Ferreira (C.P. 8839), Lúcia Pereira (C.P. 6958).

Cronistas: A.M. Pires Cabral, António Mota Cartoon/Caricatura: António Santos (Santiagu) Colunistas: José Carlos Pereira, Cláudia Moura, Alberto Santos, José Luís Carneiro, Nicolau Ribeiro, Paula Alves, Beja Santos, Alice Costa, Pedro Barros, Antonino de Sousa, José Luís Gaspar, Armindo Abreu, Coutinho Ribeiro, Luís Magalhães, José Pinho Silva, Mário Magalhães, Fernando Beça Moreira, Cristiano Ribeiro, Hernâni Pinto, Carlos Sousa Pinto, Helder Ferreira, Rui Coutinho, João Monteiro Lima, Pedro Oliveira Pinto, Mª José Castelo Branco, Lúcia Coutinho, Marco António Costa, Armando Miro, F. Matos Rodrigues, Adriano Santos, Luís Ramos, Ercília Costa, Virgílio Macedo, José Carlos Póvoas, Sílvio Macedo. Colaborações/Outsourcing/Agências: Agência Lusa (Texto e fotografia), Media Marco, Baião Repórter/Marão Online

Sede: Rua Dr. Francisco Sá Carneiro, 230 Apartado 4 - 4630-279 MARCO DE CANAVESES Cap. Social: 80.000 Euros – Partes sociais superiores a 10% do capital: António Martinho Barbosa Gomes Coutinho, Jorge Manuel Soares de Sousa. Impressão: Multiponto SA - Baltar, Paredes Tiragem média: 30.000 exemplares (Auditados) | Associado APCT - Ass. Portuguesa de Controlo de Tiragem e Circulação | Nº 486

Marketing, RP e Publicidade: Telef. 910 536 928 - Marta Sousa publicidade.tamegapress@gmail.com | martasousa.tamegapress@gmail.com

Assinaturas | Anual: Embalamento e pagamento dos portes CTT – Continente: 40,00 | Europa: 70,00 | Resto do Mundo: 100,00 (IVA incluído)

Propriedade e Edição: Tâmegapress-Comunicação e Multimédia, Lda. • NIPC: 508920450

A opinião expressa nos artigos assinados pode não corresponder necessariamente à da Direção deste jornal.


diversos | crónica

agosto'11

IIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

23

repórterdomarão

Entre 20 e 28 de agosto, em Penafiel

Tony Carreira, Deolinda e Aurea para ver na Agrival A 32.ª edição da Agrival – Feira Agrícola do Vale do Sousa, que aposta forte no cartaz de espectáculos – com Deolinda e Tony Carreira, entre outros – vai decorrer de 20 a 28 de agosto no Parque de Feiras e Exposições de Penafiel. O programa de animação da Agrival já habituou o público a grandes nomes do espetáculo, mas a edição de 2011 supera os programas anteriores. Tony Carreira, Deolinda e Aurea devem proporcionar enchentes no recinto da feira, há três décadas considerado o maior certame na região. O programa inclui ainda sessões de karaoke, cantares ao desafio, actuações de ranchos folclóricos e de outros grupos musicais.

Cada dia é dedicado a um concelho da região e durante a feira vão ter lugar as jornadas sobre temáticas agrícolas e concursos de produtos da região: broa de milho, cebolas e melão casca de carvalho. A 24 de agosto realiza-se um concurso nacional de cães da raça podengo. A 26 de agosto terá lugar o habitual convívio de produtores e engarrafadores de vinho verde presentes no parque de feiras de Penafiel. Em simultâneo com a Agrival realiza-se a 10.ª Mostra Nacional de Gastronomia, que vai funcionar entre as 12:00 e a 01:30. Das 12:00 às 14:00 a entrada na praça da alimentação é livre. Os restaurantes convidados representam várias regiões do país em termos gastronómicos.

Santiagu agraciado pela Câmara do Marco de Canaveses A Câmara Municipal do Marco de Canaveses agraciou, em julho (foto), com a Medalha de Mérito Cultural e Científica, Classe Ouro, o professor e cartoonista António Santos, que assina «Santiagu», pelo «profícuo trabalho na promoção das artes e da actividade cultu-

ral do Marco de Canaveses». Em Junho, o artista já tinha sido distinguido noutros importantes festivais: no XlV Salão Luso-Galaico de Caricatura – Douro 2011, organizado pelo DouroAlliance, ao obter o 2º Prémio com a caricatura do Barão de Forrester. O tema do referido certame era o turismo nas suas diferentes vertentes. A nível internacional, recebeu o Prémio de Ouro no FCW-China e o Prémio Especial na EXPO2010Cartoon em Shangai, além de um Diploma Especial e Menção Honrosa no V «Nosorog`s Magazine», na Bosnia. “Nestes tempos conturbados, o humor de Santiagu continua a atenuar determinadas tensões que persistem em avassalar a nossa sociedade”, considera o artista, colaborador regular do RM, onde assina mensalmente o cartoon.

Lamego admite sair do Museu do Douro O presidente da Câmara de Lamego, Francisco Lopes, reconhece que a autarquia é uma das devedoras, tendo dois anos de quotas em atraso, o que estima totalizar cerca de 25 mil euros. “Penso que devemos os últimos dois anos. Temos vindo a pagar, mas sempre com muito atraso”, explicou. O autarca disse que “as câmaras pagam para tudo e a certa altura o dinheiro não chega para nada, começando a falhar os seus compromissos", e admitiu que o Museu do Douro não tem sido uma das suas prioridades, por considerar que houve “um desvirtuamento” do projeto. “Há muitas autarquias que não se reveem no projeto, que perdeu a dinâmica de museu do território e que é simplesmente mais um de uma rede de museus que o Estado gere”, lamentou. Por outro lado, Francisco Lopes disse que “há algumas questões estatutárias” que lhe desagradam, “nomeadamente o facto de o conselho fundador não aprovar os planos de atividades e orçamentos” do museu. “Quem paga manda zero naquele museu. E isso tem desincentivado as autarquias de participar”, frisou. VAIS ESTUDAR PARA O PORTO? Lembrando que “as instituições fiALUGO JUNTO AO PÓLO UNIVERSITÁRIO (ISEP, cam mesmo depois de as pessoas saíFEUP, QUARTO SIMPLES 200 €, DUPLO 150 € E rem”, Francisco Lopes fez votos para que TRIPLO 125 €. 10 MIN. A PÉ, OU 5 MIN. METRO o projeto “possa voltar a cumprir a função SALGUEIROS. prevista, de ser, efetivamente, um projeTODOS A ESTREAR E DE ALTA QUALIDADE. to dinamizador do Douro Vinhateiro em toda a sua extensão e não ficar confinado R. PROF. MENDES CORREIA, 269. a um pequenino núcleo museológico da TLM 913 892 869 Régua, que é o que ele é hoje”.

O presidente da Câmara de Lamego, Francisco Lopes, admite abandonar o Museu do Douro devido às dificuldades financeiras por que passam as autarquias. Presidentes de municípios fundadores do Museu do Douro apontaram as dificuldades financeiras que atravessam e alguma desmotivação relativamente ao projeto, como motivos para terem atrasado o pagamento das quotas à instituição duriense, que vive uma grave crise financeira. O autarca disse já ter sido questionado sobre a sua posição em conselho de fundadores. “Respondi que, se quiserem ter a Câmara de Lamego como fundador, terão, e nós pagaremos quando pudermos. Se não quiserem, saíremos”, assegurou. O Museu do Douro vive atualmente uma difícil situação financeira, devido ao atraso no pagamento das quotas das autarquias (351.316 euros) e das comparticipações de programas comunitários (323.457 euros), segundo o seu diretor, Fernando Maia Pinto.

QUARTO NO PORTO

António Mota

Tomás e Graça Lembras-te? Vieste bater à minha porta, bateste devagarinho, vagarosamente, com suavidade. E eu perguntei, de repente alvoroçada: quem está a bater-me à porta a esta hora da noite? Eu já tinha o pijama no corpo, e estava deitada no sofá à espera de engolir o episódio da telenovela, o meu comprimido diário de sonho, que me ajuda a espantar a solidão, sobretudo de certos dias mais cinzentos, quase negros, que embrulho em sorrisos. Sou uma Graça que se esforça por ser engraçada, costumo dizer. Uma Graça que tem agora cinquenta e sete anos, é solteira e boa rapariga, esperando eternamente um príncipe de olhos azuis e melenas loiras, que háde aparecer no meio da bruma, montado num cavalo preto. Fui ao quarto vestir o robe, não me pareceu bem aparecer enfiada num pijama cor-de-rosa e com bolinhas brancas. As chinelas estavam apresentáveis. Vesti o robe, passei os olhos pelo espelho, e reparei nas olheiras, que nunca me favoreceram, e nos cabelo que precisava de ser pintado. Espreitei pelo olho mágico da porta. Não vi ninguém. Mas como sou do tempo em que as mulheres eram pequeninas, meço um metro e sessenta e três, pensei: talvez me esteja a escapar qualquer coisa. Como também sou uma das felizes contempladas com a doença da bisbilhotice, decidi abrir somente uma fresta para ficar sossegada a noite inteira. E logo reparei nos teus olhos: duas brasas incandescentes. Foram essas brasas tão bonitas, tão intensas, que derreteram o bocadinho de gelo que teimava em esconder-se dentro de mim. Deixei-te entrar sem ter tempo para medir as consequências. Percebi que estavas esfomeado. E eu, sem medir as consequências, saciei-te. Depois tu lambeste-me as mãos que tinham o creme amaciador que cheira a rosas, e, pacificado com o mundo, adormeceste na sala. E eu pude ouvir o teu coração a bater sem sobressaltos.

O teu corpo peludo aqueciame os pés. Essa tepidez tão boa, tão nova, amoleceu-me a alma. Não fui capaz de tomar uma atitude mais incisiva. Sim, podia dizer: agora que já te saciei, que é que fazes aqui? Está na hora de ires embora. Não tomes conta deste espaço tão meu, neste cofre onde não tenho de fingir que vivo feliz e já não tenho sonhos. O meu corpo ainda não mirrou completamente e o meu coração tem muitos quartos que nunca foram habitados. Vai à tua vida, amanhã é dia de trabalho, e eu preciso de aproveitar para dormir depois do enésimo episódio da telenovela terminar. Porque as madrugadas são incertas e pérfidas. Por vezes acordo com o barulho das traças lavrando o esqueleto de madeira da cómoda, ou do meu próprio ressonar. Vai embora, não olhes para mim dessa maneira, porque já me habituei há muitos a viver comigo mesma. Para sobreviver, ninguém sabe que aprendi a dividir-me em duas partes simétricas. Somos uma espécie de casal. É claro que temos as nossas discussões, por vezes mais violentas do que manda o bom senso. Às vezes a minha parte mais belicosa puxa-me os cabelos até os meus olhos ficarem a nadar em água salgada. Não fui capaz de te mandar embora. E começaram os meus trabalhos. Chamei-te Tomás, que era nome que eu punha ao meu filho, se o tivesse, arranjei um cesto e um colchão, descobri a direcção de uma veterinária, que me disseram ser competente. E agora aqui estamos a festejar o dia em que te acolhi. Faz hoje sete anos que tu entraste nesta casa. Eu bem te digo: há cães privilegiados, Tomás. Hoje vou beber um golinho de champanhe em honra do meu confidente e fiel companheiro. Tomás, o meu amorzinho.

anttoniomotta@gmail.com


Repórter do Marão  

Revista Mensal de Informação. Tiragem média de 30 mil exemplares. Distritos do Porto, Vila Real e Bragança. Regiões do Douro, Tâmega e Sousa...