Page 1

O QUE FAZER PARA COMBATER O BULLYNG

Precisamos conhecer mais sobre o bullyng Para combater a Violência entre Jovens

Os pais devem apoiar o filho, abrindo espaço para ele falar sobre o sofrimento de estar sendo rejeitado pelos colegas. “Obrigar o filho a enfrentar os agressores pode não ser a melhor solução, visto que ele está fragilizado, ou seja, corre o risco de sofrer uma frustração ainda maior” A pessoa que sofre bullyng devera imediatamente ir em uma delegacia prestar queixa. Projeto Educativo de Prevenção ao Bullyng

Emef Prof. Rivadavia Marques Jr Pesquisa, produção e execução do folder Alexandra Audrey & Fabiana Sousa - 7 E Informática Educativa 2010

O termo Bullying, que não existe na língua portuguesa, significa formas de agressões intencionais repetidas por estudantes, que causam angústia ou humilhação a outro.


Os pais devem apoiar o filho, abrindo espaço para ele falar sobre o sofrimento de estar sendo rejeitado pelos colegas. “Obrigar o filho a enfrentar os agressores pode não ser a melhor solução, visto que ele está fragilizado, ou seja, corre o risco de sofrer uma frustração ainda maior”,

Projeto Educativo de Prevenção ao bullying. EMEF RIVADÁVIA MARQUES JR. “Diga não ao bullying: Programa de Redução do Comportamento Agressivo entre Estudantes”,

Pesquisa, Produção e Educação do Folder.

Danyelli e João Victor - 7°E Informática Educativa 2010

O termo Bullying, que não existe na língua portuguesa. Ele significa formas de agressões intencionais repetidas por estudantes, que causam angústia ou humilhação a outro.


PARA MAS INFORMAÇÃOES:

http://pt.wikipedia.org/wiki/bullying Se você acha que isso tudo é apenas zoação entre colegas, e que essas práticas ficaram para trás junto com o Ensino Fundamental, é bom saber que essa brincadeira sem graça, que pode influenciar seu futuro, tem nome certo para os pesquisadores: bullying. O conceito se refere às formas de agressão intencionais e repetitivas, baseadas em uma relação desigual de poder entre os

Projeto educativo de prevenção ao bullying EMEF PROF. RIVADÀVIA MARQUES JR PESQUISA, PRODUÇAO E EXECUÇÃO DO FOLDER EVELIN E YANCA 7E INFORMÁTICA EDUCATIVA

2010

O termo Bullying, que não existe na língua portuguesa. Ele significa formas de agressões intencionais repetidas por estudantes, que causam angústia ou humilhação a outro.


Não há receita eficaz de como educar filhos, pois cada família é um mundo particular com características peculiares. Mas, apesar dessa constatação, não se pode cruzar os braços e deixar que as coisas aconteçam, sem que os educadores (primeiros responsáveis pela educação e orientação dos filhos e alunos) façam algo a respeito. A educação pela e para a afetividade já é um bom começo. O exercício do afeto entre os membros de uma família é prática primeira de toda educação estruturada, que tem no diálogo o sustentáculo da relação interpessoal. Além disso, a verdade e a confiabilidade são os demais elementos necessários nessa relação entre pais e filhos. Os pais precisam evitar atitudes de autoproteção em demasia, ou de descaso referente aos filhos. A atenção em dose certa é elementar no processo evolutivo e formativo do ser humano

O BULLYING É UM MAL QUE PODE SER EVITADO ? WWW.ABRAPIA.ORG.BR WWW.BULLIYNG.COM.BR

PROJETO EDUCATIVO DE PREVENÇAO BULLYING EMEF PROF. RIVADAVIA MARQUES JR PESQUISA E EXECUÇÃO DO FOLDER FABIANA SILVA FERREIRA - 7E INFORMÁTICA EDUCATIVA - 2010


A Assembleia Legislativa aprovou na tarde desta terça-feira o Projeto de Lei 264/2009 — conhecido como projeto antibullying — que dispõe sobre o combate à prática de bullying nas instituições de ensino e de educação infantil, públicas ou privadas, no Rio Grande do Sul.

Para evitar o bullying os pais têem um papel muito importante, devendo estar atentos a sinais que possam denunciar esta prática, sendo o seu educando o vitima ou o agressor. Por isso deverá estar atento aos seguintes sinais: 1. se o seu filho tem alguma característica na sua personalidade ou na sua fisionomia que o coloca na situação de ser “alvo fácil”, procure um psicólogo. 2. esteja atento, observe o seu filho a brincar com os outros colegas, solicite aos professores o parecer deles. 3. não se torne hiper-protector, mas vigie com atenção, não se esqueça que o seu filho pode precisar de ajuda 4. se o seu filho é muito agressivo, esteja atento, ele pode ser autor de Bullying a não ter consciência do sofrimento que provoca nos outras crianças.


O que fazer? Quando eu sofrer bulliyng na escola,e falo para a direção da escola. Se na rua eu sofrer o bulliyng eu falo para os pais,e os pais falar para a policia. Por isso as pessoas não tem que praticar o bulliyng,porque isso não agrada ninguém.

Projeto Educativo de prevenção ao Bulliyng Produção ao Bulliyng Escola:Rivadávia Marques Junior Nomes:Lara e Jéssica

Serie:7e Sala de informatica

colocar apelidos, ofender, zoar, gozar,sacanear , humilhar, etc.


O termo Bullying, que não existe na língua portuguesa. Ele significa formas de agressões intencionais repetidas por estudantes, que causam angústia ou humilhação a outro. Compreende, pois, todas as formas de atitudes agressivas, intencionais e repetidas, que ocorrem sem motivações evidentes, adotadas por um ou mais estudantes contra outro(s), causando dor e angústia, e executadas dentro de uma relação desigual de poder. O Bullying se encontra presente, possivelmente, em variadíssimas situações, tais como, colocar apelidos, ofender, zoar, gozar, sacanear, humilhar, discriminar, excluir, isolar, ignorar, intimidar, perseguir, assediar, aterrorizar, amedrontar, tiranizar, dominar, agredir, bater, chutar, empurrar, ferir, roubar, quebrar pertences, etc. Segundo artigo de Aramis Antônio Lopes Neto e Lauro Monteiro Filho o Bullying pode se manifestar de quatro formas diferentes: verbal, físico, psicológico e sexual. Referem pesquisas onde a maioria dos alunos vitimados por Bullying destaca como a situação mais freqüente a identificação por apelido com maldade e com propósitos de humilhação, seguido do roubo de pertences (39%), a indução ao uso de drogas (30%) e os ataques violentos (25%). Normalmente existem três tipos de pessoas envolvidas nessa situação de violência: o expectador, a vítima e o agressor. O expectador é aquele que presencia as situações de Bullying e não interfere. Sua omissão deve-se por duas razões principais: por tornar-se inseguro e temeroso e por isso sentir medo de sofrer represálias ou, ao contrário, por estar sentindo prazer com o sofrimento da vítima e não tem coragem de assumir a identidade de agressor. Os expectadores do primeiro tipo (os mais medrosos), apesar de não sofrerem as agressões diretamente, podem se sentir incomodados com a situação e com a incapacidade. Sempre que puder diga não ao Bullying

Maldade da Infância e Adolescência: Bullying Um dos grandes equívocos de nossa sociedade está em acreditar que basta ser criança para ser uma pessoa boazinha. Costumava causar impacto ao afirmar, politicamente incorreto, que as crianças são naturalmente más (parodiando Hobbes e seu Estado Natural). São elas que agridem os menores, pisam em formiguinhas, tocam fogo no rabo do gato, são egoístas ao extremo, querem tudo para elas próprias, judiam dos mais fracos e participam do fenômeno conhecido por Bullying. De fato, isso não é ser bonzinho (veja Violência e Agressão da Criança e Adolescente).

O mundo precisa de você ajude agente contra o Bullying

Violência e Agressão da Criança e do Adolescente A legislação brasileira considera como criança a pessoa com idade entre zero e doze anos, e passíveis apenas da aplicação de medidas protetoras quando cometem infração (delinqüência) ou se encontram em situação de risco, de acordo com o art. 101 da Lei n. 8069/90, que é o Estatuto da Criança e do Adolescente. A adolescência, por sua vez, se considera para pessoas entre os doze e os dezoito anos, encontrando-se as mesmas sujeitas à aplicação das mesmas medidas protetoras e à aplicação de medidas sócio-educativas (art. 112 do mesmo Estatuto da Criança e do Adolescente).


E o Bullying envolve muita gente?

Não. Muito timidamente. A discussão do assunto mesmo em outros países é relativamente nova - pouco mais de 15 ou 20 anos. No Brasil ainda estamos começando a enfrentar o problema. E então o que os pais devem fazer ? Incentivar o filho a falar, ir à escola e buscar uma solução que envolva toda a comunidade escolar. É lógico que isso só será possível se a escola tiver como lema a não aceitação do bullying. É bom lembrar que o bullying ocorre em todas as escolas. Diz-se que a escola que afirma que lá não ocorre o bullying é provavelmente aquela onde há mais situações de bullying, porque nada fazem para prevenir e reprimir

A pesquisa mais extensa sobre BULLYING, realizada na Grã Bretanha, registra que 37% dos alunos do primeiro grau e 10% do segundo grau admitem ter sofrido BULLYING, pelo menos, uma vez por semana. O levantamento realizado pela ABRAPIA, em 2002, envolvendo 5875 estudantes de 5a a 8a séries, de onze escolas localizadas no município do Rio de Janeiro, revelou que 40,5% desses alunos admitiram ter estado diretamente envolvidos em atos de Bullying, naquele ano, sendo 16,9% alvos, 10,9% alvos/autores e 12,7% autores de Bullying. Os meninos, com uma freqüência muito maior, estão mais envolvidos com o Bullying, tanto como autores quanto como alvos. Já entre as meninas, embora com menor freqüência, o BULLYING também ocorre e se caracteriza, principalmente, como prática de exclusão ou difamação.

E para os autores? Aqueles que praticam Bullying contra seus colega poderão levar para a vida adulta o mesmo comportamento anti-social, adotando atitudes agressivas no seio familiar (violência doméstica) ou no ambiente de trabalho. Estudos realizados em diversos países já sinalizam para a possibilidade de que autores de Bullying na época da escola venham a se envolver, mais tarde, em atos de delinqüência ou criminosos


Características dos bullies Pesquisas indicam que adolescentes agressores têm personalidades autoritárias, combinadas com uma forte necessidade de controlar ou Também tem sido sugerido que um deficiente em habilidades sociais e um ponto de vista preconceituoso sobre subordinados podem ser fatores de risco em particular. Estudos adicionais têm mostrado que enquanto inveja e ressentimento podem ser motivos para a prática do bullying, ao contrário da crença popular, há pouca evidência que sugira que os bullies sofram de qualquer déficit .

Tipos de bullying

Família

O bulliyng em casa (bullying familiar)se faz presente até hoje apesar de ter sido mais comum antigamente.Ele ocorre principalmente quando a mãe/pai BATE no filho por ele ter feito alguma coisa errada.Esse tipo de bullying,na minha Os bullies usam principalmente uma opinião é o que mais estimula a criança combinação de intimidação e a usar a violência para resolver humilhação para atormentar os outros. problemas pois são os pais que servem Abaixo, alguns exemplos das técnicas de de exemplo pro filho,então se a mãe/pai bullying:insultar a vítima; acusar bate na criança e consegue o que sistematicamente a vítima de não servir quer(fazê-lo parar de fazer algo)ela (a para nada. Ataques físicos repetidos criança)vai achar que vai poder fazer contra uma pessoa, seja contra o corpo isso em qualquer um que estiver: dela ou propriedade. Interferir com a errado,sendo chato,mostrando opinião propriedade pessoal de uma pessoa, contrária,etc. livros ou material escolar, roupas, etc, danificando-os Espalhar rumores negativos sobre a vítima.


PRECISAMOS CONHECER MAIS SOBRE O BULLYING PARA EVITAR TANTOS SOFRIMENTOS A CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Segundo o médico, o papel da escola começa em admitir que é um local passível de bullying, informar professores e alunos sobre o que é e deixar claro que o estabelecimento não admitirá a prática - prevenir é o melhor remédio. O papel dos professores também é fundamental. "Há uma série de atividades que podem ser feitas em sala de aula para falar desse problema com os alunos. Pode ser tema de redação, de pesquisa, teatro etc. É só usar a criatividade para tratar do assunto".

Projeto Educativo de Prevenção ao BULLYIG EMEF PROF. RIVADAVIA MARQUES JR Pesquisa, Produção e Execução do Folder Saiba como evitar o bullying no site: www.google.com e digite bullying

KARINA 7ºE INFORMÁTICA EDUCATIVA 2010

EVITE ESSE MAL QUE CAUSA TANTO SOFRIMENTO PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES.


Como evitar o bullying?

Para evitar o bullying os pais teen um papel muito importante, devendo estar atentos a sinais que possam denunciar esta prática, sendo o seu educando o vitima ou o agressor. Por isso deverá estar atento aos seguintes sinais: -se o seu filho tem alguma característica na sua personalidade ou na sua fisionomia que o coloca na situação de ser “alvo fácil”, procure um psicólogo. -esteja atento, observe o seu filho a brincar com os outros colegas, solicite aos professores o parecer deles. -não se torne hiper-protector, mas vigie com atenção -não se esqueça que o seu filho pode precisar de ajuda -se o seu filho é muito agressivo, esteja atento, ele pode ser autor de Bullying a não ter consciência do sofrimento que provoca nos outras crianças.

Onde acontece o bullying?

O BULLYING é um problema mundial, sendo encontrado em toda e qualquer escola, não estando restrito a nenhum tipo específico de instituição: primária ou secundária, pública ou privada, rural ou urbana. Pode-se afirmar que as escolas que não admitem a ocorrência de BULLYING entre seus alunos, ou desconhecem o problema, ou se negam a enfrentá-lo.

Porque o bullying vem cresendo cada vez mais?

Quem nunca foi zoado ou zoou alguém na escola? Risadinhas, empurrões, fofocas, apelidos como “bola”, “rolha de poço”, “quatro-olhos”. Todo mundo já testemunhou uma dessas “brincadeirinhas” ou foi vítima delas. Mas esse comportamento, considerado normal por muitos pais, alunos e até professores, está longe de ser inocente. Ele é tão comum entre crianças e adolescentes que recebe até um nome especial: bullying. Trata-se de um termo em inglês utilizado para designar a prática de atos agressivos entre estudantes. Traduzido ao pé da letra, seria algo como intimidação. Trocando em miúdos: quem sofre com o bullying é aquele aluno perseguido, humilhado, intimidado.


É comum que as crianças passem por situações na vida, em que se sintam fragilizadas e em decorrência disso tornem-se temporariamente agressivas. Assim, o nascimento de um novo bebê na família, a separação dos pais ou a perda de algum parente próximo podem ser motivo para a mudança repentina no comportamento da criança. No entanto, normalmente, essa "tempestade" aos poucos vai passando e volta a "calmaria". Mas, há casos em que se observa algo diferente: algumas crianças apresentam uma agressividade não apenas transitória, mas permanente. Parecem estar sempre provocando situações de briga. Eis alguns motivos para que essas crianças se tornem agressores crônicos, possíveis autores de Bullying.  Porque foram mal acostumadas e por isso esperam que todo mundo faça todas as suas vontades e atenda sempre às suas ordens. Ao sofrer a violência do tipo bullying, tanto as crianças como os adultos, sozinhos, não têm como se defender. Os colegas, embora digam repudiar esse tipo de violência psicológica e sentirem pena, declaram que nada podem fazer para defendê-la, com medo de serem a próxima vítima. Muitas crianças vítimas de bullying desenvolvem medo, pânico, depressão, distúrbios psicossomáticos e geralmente evitam retornar à escola quando esta nada faz em defesa da vítima. A fobia escolar geralmente tem como causa algum tipo de violência psicológica.

Para evitar o bullying os pais têem um papel muito importante, devendo estar atentos a sinais que possam denunciar esta prática, sendo o seu educando o vitima ou o agressor. Por isso deverá estar atento aos seguintes sinais: -se o seu filho tem alguma característica na sua personalidade ou na sua fisionomia que o coloca na situação de ser “alvo fácil”, procure um psicólogo. -esteja atento, observe o seu filho a brincar com os outros colegas, solicite aos professores o parecer deles. -não se torne hiper-protector, mas vigie com atenção -não se esqueça que o seu filho pode precisar de ajuda -se o seu filho é muito agressivo, esteja atento, ele pode ser autor de Bullying a não ter consciência do sofrimento que provoca nos outras crianças.

O BULLYING é um problema mundial, sendo encontrado em toda e qualquer escola, não estando restrito a nenhum tipo específico de instituição: primária ou secundária, pública ou privada, rural ou urbana. Pode-se afirmar que as escolas que não admitem a ocorrência de BULLYING entre seus alunos, ou desconhecem o problema, ou se negam a enfrentá-lo.


como evitar o bullying o que é bullying? Para evitar o bullying os pais têem um papel muito importnte, devendo estar atentos a sinais que possam denunciar esta prática, sendo o seu educando o vitima ou o agressor. Por isso deverá estar atento aos seguintes sinais: -se o seu filho tem alguma característica na sua personalidade ou na sua fisionomia que o coloca na situação de ser “alvo fácil”, procure um psicólogo. -esteja atento, observe o seu filho a brincar com os outros colegas, solicite aos professores o parecer deles. -não se torne hiper-protector, mas vigie com atenção -não se esqueça que o seu filho pode precisar de ajuda -se o seu filho é muito agressivo, esteja atento, ele pode ser autor de Bullying a não ter consciência do sofrimento que provoca nos outras crianças.

O bullying é um termo inglês utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo (bully - «tiranete» ou «valentão») ou grupo de indivíduos com o objetivo de intimidar ou agredir outro indivíduo (ou grupo de indivíduos) incapaz(es) de se defender. Também existem as vítimas/agressoras, ou autores/alvos, que em determinados momentos cometem agressões, porém também são vítimas de bullying pela turma.

. Atos agressivos físicos ou verbais só são evitados com a união de diretores, professores, alunos e famílias “Bullying é uma situação que se caracteriza por

atos agressivos verbais ou físicos de maneira repetitiva por parte de um ou mais alunos contra um ou mais colegas. O termo inglês refere-se ao verbo "ameaçar, intimidar”


Os pais devem apoiar o filho, abrindo espaço para ele falar sobre o sofrimento de estar sendo rejeitado pelos colegas. “Obrigar o filho a enfrentar os agressores pode não ser a melhor solução, visto que ele está fragilizado, ou seja, corre o risco de sofrer uma frustração ainda maior”, Quando a violência ocorre na escola cabe aos pais conversar com a direção. É dever desta instituição ensinar os conhecimentos e promover a inclusão social e psicológica. A escola e a universidade jamais devem fazer vistas grossas sobre os casos de intolerância de violência

Aqueles que praticam Bullying contra seus colega poderão levar para a vida adulta o mesmo comportamento anti-social, adotando atitudes agressivas no seio familiar (violência doméstica) ou no ambiente de trabalho. Estudos realizados em diversos países já sinalizam para a possibilidade de que autores de Bullying na época da escola venham a se envolver, mais tarde, em atos de delinqüência ou criminosos.

Um dos grandes equívocos de nossa sociedade está em acreditar que basta ser criança para ser uma pessoa boazinha. Costumava causar impacto ao afirmar, politicamente incorreto, que as crianças são naturalmente más (parodiando Hobbes e seu Estado Natural). São elas que agridem os menores, pisam em formiguinhas, tocam fogo no rabo do gato, são egoístas ao extremo, querem tudo para elas próprias, judiam dos mais fracos e participam do fenômeno conhecido por Bullying. De fato, isso não é ser bonzinho (veja Violência e Agressão da Criança e Adolescente).


Informações para os pais: sobre como combater a violência nas Escolas Para evitar o bullying os pais têem um papel muito importnte, devendo estar atentos a sinais que possam denunciar esta prática, sendo o seu educando o vitima ou o agressor. Por isso deverá estar atento aos seguintes sinais: -se o seu filho tem alguma característica na sua personalidade ou na sua fisionomia que o coloca na situação de ser “alvo fácil”, procure um psicólogo. -esteja atento, observe o seu filho a brincar com os outros colegas, solicite aos professores o parecer deles. -não se torne hiper-protector, mas vigie com atenção -não se esqueça que o seu filho pode precisar de ajuda -se o seu filho é muito agressivo, esteja atento, ele pode ser autor de Bullying a não ter consciência do sofrimento que provoca nos outras crianças.

Jovem que sofreu o bullying

Maldade da infância e Adolescência : bullying

Quando Tiago Alves, 16, entrava na sala de aula de sua escola, já começava a zoação. Na época, tinha apenas 12 anos e não sentia mais vontade de se empenhar nos estudos. Os meninos de sua classe davam a ele apelidos taxativos como 'chabiaguinho' e 'bichaninho', que o faziam chorar quase todos os dias. Durante o intervalo, mexiam em sua mochila, pegavam seu estojo e passavam a jogar de um lado para o outro. Tiago não tinha a quem recorrer, já que diretores e professores fingiam não ver o que acontecia. "Uma vez pegaram uma régua na minha mala. Eram 6 meninos, eles me viraram de costas, riam muito, eles tentavam a todo custo colocar a régua na minha bunda", conta. Histórias como a de Tiago fazem parte do cotidiano escolar de gays. Ainda que negada pelos educadores, a prática existe e recebe o nome de bullying homofônico.

A palavra "Bully" é de origem inglesa e significa "valentão". Grande parte das pessoas confunde ou tende a interpretar o bullying simplesmente como a prática de atribuir apelidos pejorativos às pessoas, associando a prática exclusivamente com o contexto escolar. No entanto, tal conceito é mais amplo. Para o cientista norueguês Dan Owelus, o bullying se caracteriza por ser algo agressivo e negativo, executado repetidamente e que ocorre quando há um desequilíbrio de poder entre as partes envolvidas. Desta forma, este comportamento pode ocorrer em vários ambientes, como escolas, universidades, no trabalho ou até mesmo entre vizinhos.


Maldade da Infância e Adolescência: Bullying

Um dos grandes equívocos de nossa sociedade está em acreditar que basta ser criança para ser uma pessoa boazinha. Costumava causar impacto ao afirmar, politicamente incorreto, que as crianças são naturalmente más (parodiando Hobbes e seu Estado Natural). São elas que agridem os menores, pisam em formiguinhas, tocam fogo no rabo do gato, são egoístas ao extremo, querem tudo para elas próprias, judiam dos mais fracos e participam do fenômeno conhecido por Bullying. De fato, isso não é ser bonzinho (veja Violência e Agressão da Criança e Adolescente).

O Bullying é um acto de violência física ou psicológica, intencional e repetitiva, normalmente é praticado por pessoas mais velhas ou por pessoas que se sentem superiores aos outros. Os indivíduos que praticam Bullying têm como objectivo intimidar ou agredir outro indivíduo incapaz de se defender. Bullying é um comportamento agressivo e negativo, é executado repetidamente.

Quem nunca foi zoado ou zoou alguém na escola? Risadinhas, empurrões, fofocas, apelidos como “bola”, “rolha de poço”, “quatro-olhos”. Todo mundo já testemunhou uma dessas “brincadeirinhas” ou foi vítima delas. Mas esse comportamento, considerado normal por muitos pais, alunos e até professores, está longe de ser inocente. Ele é tão comum entre crianças e adolescentes que recebe até um nome especial: bullying. Trata-se de um termo em inglês utilizado para designar a prática de atos agressivos entre estudantes. Traduzido ao pé da letra, seria algo como intimidação. Trocando em miúdos: quem sofre com o bullying é aquele aluno perseguido, humilhado, intimidado.


O termo BULLYING compreende todas as formas de Atitudes agressivas, intencionais e repetidas, que ocorrem sem motivação evidentes, adotadas por um ou mais estudantes contra outro(s), causando dor e angústia, e executadas dentro de uma relação desigual de poder. Portanto, os atos repetidos entre iguais (estudantes) e o desequilíbrio de poder são as características essenciais, que tornam possível a intimidação da vítima.

O BULLYING é um problema mundial, sendo encontrado em toda e qualquer escola, não estando restrito a nenhum tipo específico de instituição: primária ou secundária, pública ou privada, rural ou urbana. Pode-se afirmar que as escolas que não admitem a ocorrência de BULLYING entre seus alunos, ou desconhecem o problema, ou se negam a enfrentá-lo.

Muitas crianças, vítimas de Bullying, desenvolvem medo, pânico, depressão, distúrbios psicossomáticos e geralmente evitam retornar à escola. A fobia escolar geralmente tem como causa algum tipo dessa violência. Outras crianças que sofrem Bullying, dependendo das características de suas personalidade e das relações com os meios onde vivem, em especial entre suas famílias, poderão não superar totalmente os traumas sofridos na escola. Elas poderão crescer com sentimentos negativos e com baixa autoestima, apresentando sérios problemas de relacionamento no futuro. Poderão, outrossim, assumir um comportamento agressivo, vindo a praticar o Bullying no ambiente sóciocupacional adulto e em casos extremos, poderão tentar ou a cometer suicídio. “O que temos aqui é a violência escolar. Se nós substituirmos a questão da violência na escola apenas pela palavra bullying, que trata apenas de intimidação, estaremos importando um termo e esvaziando uma discussão de dois anos sobre a violência nas escolas”, opina a coordenadora.


BULYING

O que é bullying?

Bullying é um termo inglês utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, Um dos grandes equívocos de nossa sociedade praticados por um indivíduo (bully ou "valentão") ou grupo está em acreditar que basta ser criança para de indivíduos com o objetivo de intimidar ou agredir outro ser uma pessoa boazinha. Costumava causar indivíduo (ou grupo de indivíduos) incapaz(es) de se impacto ao afirmar, politicamente incorreto, defender. Também existem as vítimas/agressoras, ou que as crianças são naturalmente más autores/alvos, que em determinados momentos cometem (parodiando Hobbes e seu Estado Natural). São agressões, porém também são vítimas de bullying pela elas que agridem os menores, pisam em turma. formiguinhas, tocam fogo no rabo do gato, são egoístas ao extremo, querem tudo para elas Projeto educativo de prevenção ao bullying próprias, judiam dos mais fracos e participam E.M.E.F RIVADAVIA MARQUES JR do fenômeno conhecido por Bullying. Pesquisa produção e educação de Folder ISIS E KLEVERSON – 7°E Informática Educativa 2010

BULYING ATITUDES AGRESSIVAS

Colocar Fazer apelidos sofrer Ofender Discriminar Zoar Excluir Gozar Isolar Encarnar Ignorar SacanearIntimidar Humilhar Perseguir Assediar

Agredir Bater Chutar Empurrar Ferir Roubar Quebrar pertences


Os pais devem apoiar o filho, abrindo espaço para ele falar sobre o sofrimento de estar sendo rejeitado pelos colegas. “Obrigar o filho a enfrentar os agressores pode não ser a melhor solução, visto que ele está fragilizado, ou seja, corre o risco de sofrer uma frustração ainda maior”, diz Lopes Neto. Mas, fazer de conta que não existe bullying ou outro tipo de violência psicológica na escola é, no fundo, autorizar a prática de mais violência. É preciso estar atento para o risco de suicídio onde a vítima sem autoestima alucina tal ato como ‘saída’ honrosa para o seu sofrimento. Esta é uma atitude freqüentemente usada no Japão.

Maldade da Infância e Adolescência: Bullying

Precisamos conhecer mais sobre o "Bullying" para evitar tantos sofrimentos a crianças e adolescentes. Agora vocês vão aprender um pouco sobre esse tipo de violência.

Um dos grandes equívocos de nossa sociedade está em acreditar que basta ser criança para ser uma pessoa boazinha. Costumava causar impacto ao afirmar, politicamente incorreto, que as crianças são naturalmente más (parodiando Hobbes e seu Estado Natural). São elas que agridem os menores, pisam em formiguinhas, tocam fogo no rabo do gato, são egoístas ao extremo, querem tudo para elas próprias, judiam dos mais fracos e participam do fenômeno conhecido por Bullying. De fato, isso não é ser bonzinho (veja Violência e Agressão da Criança e Adolescente).

E.M.E.F Professor Rivadavia Marques jr. PROJETO EDUCATIVO DE PREVENÇÃO AO BULLYING TAYNA E ANTONIA-7°E INFORMATICA EDUCATIVA 2010

1


Bullying é um termo inglês utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo (bully - «tiranete» ou «valentão») ou grupo de indivíduos com o objetivo de intimidar ou agredir outro indivíduo (ou grupo de indivíduos) incapaz(es) de se defender. Também existem as vítimas/agressoras, ou autores/alvos, que em determinados momentos cometem agressões, porém também são vítimas de bullying pela turma.

Projeto Educativo de Prevenção ao Bullying. EMEF PROF. RIVADÁVIA MARQUES JR. Pesquisa Produção e Execução do Folder. Quando uma criança é submetida a bullying ela pode crescer e vira uma pessoa problemática e sistemática por isso não cometa esse crime.

Yngrid Cristina e Yngrid Ceila – 7º E Informática Educativa 2010

Precisamos conhecer mais sobre o "Bullying" para evitar tantos sofrimentos a crianças e adolescentes. Agora vocês vão aprender um pouco sobre esse tipo de violência.


O Bullying Só Ocorre Na Escola ? Projeto Educativo de Prevenção ao Bullying

Não. O bullying ocorre também, por exemplo no ambiente de trabalho (workplace bullying, ou assédio moral, como vem sendo chamado no Brasil). Esta situação é frequente e tem gerado pedidos milionários de indenizações em muitos países. Ocorre também através da internet, cada vez com mais freqüência (cyber bullying) ou através do telefone celular (mobile bullying). Já há no mundo inteiro muitos trabalhos e pesquisas a respeito.

EMEF PROF. RIVADÁVIA MARQUES JR Pesquisa, Produção e Execução do Folder Vanessa e Pamela – 7ºE Informática Educativa 2010

Para evitar o bullying os pais têem um papel muito importnte, devendo estar atentos a sinais que possam denunciar esta prática, sendo o seu educando o vitima ou o agressor. Por isso deverá estar atento aos seguintes sinais: -se o seu filho tem alguma característica na sua personalidade ou na sua fisionomia que o coloca na situação de ser “alvo fácil”, procure um psicólogo. -esteja atento, observe o seu filho a brincar com os outros colegas, solicite aos professores o parecer deles. -não se torne hiper-protector, mas vigie com atenção -não se esqueça que o seu filho pode precisar de ajuda -se o seu filho é muito agressivo, esteja atento, ele pode ser autor de Bullying a não ter consciência do sofrimento que provoca nos outras crianças.


MALDADE DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA: BULLYING

O QUE FAZER?

O bullying pode ocorrer em situações envolvendo a escola ou faculdade/universidade, o local de trabalho, os vizinhos e até mesmo países. Qualquer que seja a situação, a estrutura de poder é tipicamente evidente entre o agressor (bully) e a vítima. Para aqueles fora do relacionamento, parece que o poder do agressor depende somente da percepção da vítima, que parece estar a mais intimidada para oferecer alguma resistência. Todavia, a O bullying escolar na infância é uma prática observada em várias culturas. vítima geralmente tem motivos para temer o agressor, devido às ameaças ou concretizações de violência física/sexual, ou perda dos meios de subsistência.

Entre vizinhos, o bullying normalmente toma a forma de intimidação por comportamento inconveniente, tais como barulho excessivo para perturbar o sono e os padrões de vida normais ou fazer queixa às autoridades (tais como a polícia) por incidentes menores ou forjados. O propósito desta forma de comportamento é fazer com que a vítima fique tão desconfortável que acabe por se mudar da propriedade. Nem todo comportamento inconveniente pode ser caracterizado como bullying: a falta de sensibilidade pode ser uma explicação.


Leandro Silva Araújo de Souza

Precisamos conhecer mais sobre o "Bullying" para evitar tantos sofrimentos a crianças e adolescentes.

Os pais devem apoiar o filho, abrindo espaço para ele falar sobre o sofrimento de estar sendo rejeitado pelos colegas. “Obrigar o filho a enfrentar os agressores pode não ser a melhor solução, visto que ele está fragilizado,ou seja, corre o risco de sofrer uma frustração ainda maior”, diz Lopes Neto. Mas, fazer de conta que não existe bullying ou outro tipo de violência psicológica na escola é, no fundo, autorizar a prática de mais violência. É preciso estar atento para o risco de suicídio onde a vítima sem auto-estima alucina tal ato como ‘saída’ honrosa para o seu sofrimento. Esta é uma atitude freqüentemente usada no Japão

Projeto Educativo de Prevenção ao Bullying EMF PROFº RIVADAVIA MARQUES JUNIOR Pesquisa Produção e Execução do Folder Leandro-7ºE Informática Educativa 2010

Todos os dias, alunos no mundo todo sofrem com um tipo de violência que vem mascarada na forma de “brincadeira”. Para mais informações visite: www. blogpediatriaradical.wordpress.com/.../


CARACTERÍSTICAS DO BULLYING PARA EVITAR O BULLYING OS PAIS TÉM UM PAPEL MUITOIMPORTANTE, DEVENDO ESTAR ATENTOS A SINAIS QUE POSSAM DENUNCIAR ESTA PRÁTICA, SENDO O SEU EDUCANDO A VITIMA OU AGRESSOR. POR ISSO DEVERÁ ESTAR ATENTO AOS SEGUINTES SINAIS: - SE O SEU FILHO TEM ALGUMA CARACTERÍSTICA NA SUA PERSONALIDADE OU NA SUA FISIONOMIA QUE O COLOCA NA SITUAÇÃO DE SER (ALVO FÁCIL), SE O SEU FILHO É MUITO AGRESSIVO, ESTEJA ATENTO , ELE PODE SER AUTOR DE BULLYIG A NÃO TER CONCIêNCIA DO SOFRIMENTO QUE PROVOCA EM OUTRAS CRIANÇAS. NÃO SE ESQUEÇA QUE SEU FILHO PODE PRECISAR DE AJUDA.

Caracterização do Bullying: 1.o comportamento é agressivo e negativo; 2.o comportamento é executado repetidamente; 3.o comportamento ocorre num relacionamento onde há um desequilíbrio de poder entre as partes envolvidas. espalhar comentários; recusa em se socializar com a vítima intimidar outras pessoas que desejam se socializar com a vítima criticar o modo de vestir ou outros aspectos socialmente significativos (incluindo a etnia da vítima, religião, incapacidades etc).

COMO IDENTIFICAR O BULLYING

Naquele dia em que seu filho voltou com um arranhão para casa, depois de brigar com um coleguinha, ele tinha sofrido bullying? Calma. Não é bem assim. Existe uma maneira de brincar, entre as crianças, que é mais agressiva mesmo.

Aos 3 anos já dá para identificar reações de bullying. Tapas e mordidas freqüentes, sempre na mesma vítima, são algumas características. À medida que as crianças crescem, o abuso se torna mais psicológico. Nas meninas, o mais comum é fazer fofocas, ficar "de mal", excluir.


Bullying - folders 7E  

Pesquisa e produção de folders para conscientização e prevenção ao Bullying