Issuu on Google+

APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA E AÇÃO

DOCENTE NA MODALIDADE JOVENS E ADULTOS

PROF. ESP. MARCOS TORRES CARNEIRO

1


Prof. Esp. Marcos Torres Carneiro


BREVE HISTÓRICO DA ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO BRASIL

Difusão da alfabetização Transcorrer do século XX

1872

1890

1960

1961

1964 1971

1947

1952

1958

1988

Atualmente

3


As oportunidades de escolarização eram muito restritas elites

homens livres das vilas e cidades

primeira pesquisa: 82,3% das pessoas com mais de 5 anos

analfabetas

mesma proporção de analfabetos foi encontrada pelo censo realizado em 1890

4


Alfabetização período republicano

Instrução elementar do povo

ocuparam lugar de destaque nos discursos de políticos e intelectuais

Vergonha nacional

Analfabetismo

elevação moral e intelectual do país

Alfabetização

poder

regeneração da massa dos pobres brancos e negros libertos

a iluminação do povo disciplinamento das camadas populares consideradas incultas e incivilizadas

Pouco, porém, foi realizado nesse período no sentido de desencadear ações educativas que se estendessem a uma ampla faixa da população

5


As primeiras POLÍTICAS PÚBLICAS nacionais destinadas à instrução dos jovens e adultos implementadas a partir de 1947 quando se estruturou o Serviço de Educação de Adultos do Ministério da Educação

6


Campanha Nacional de Educação Rural

Campanha Nacional de Erradicação do Analfabetismo

Caráter superficial do aprendizado que se efetivava num curto período de tempo

Inadequação dos programas

Modelos e materiais pedagógico

Não consideravam as especificidades do adulto e a diversidade regional.

7


ALFABETIZAÇÃO DE ADULTOS estratégias

ampliação das bases eleitorais

sustentação política das reformas que o governo pretendia realizar

Experimentação de novas práticas de alfabetização Animação sociocultural Efervescência políticosocial do período

cenário propício

Desenvolvidas pelos movimentos Educação popular

Cultura popular

Que em sua maioria adotaram a filosofia e o método de alfabetização proposto por Paulo Freire 8


Exemplos de programas empreendidos por intelectuais, estudantes e católicos engajados na ação política foram:

Movimento de Educação de Base

Movimento de Cultura Popular do Recife

Campanha de Pé no Chão Também se Aprende a Ler

9


Interrupção dos preparativos para o início das ações do Plano Nacional de Alfabetização que o educador pernambucano coordenava a convite do governo

golpe militar a repressão que se abateu sobre os movimentos de educação popular

acabou levando Paulo Freire ao exílio, onde escreveu as primeiras obras que o tornariam conhecido em todo o mundo.

Durante a ditadura militar

promovida pelo governo

a educação de jovens e adultos, colaborou

Manutenção da coesão social

Paulo Freire

Legitimação do regime autoritário 10


1971

A escolarização de jovens e adultos

ganhou a feição de ensino supletivo

teve início a campanha denominada Movimento Brasileiro de Alfabetização - MOBRAL espalhou-se por todo o país

Mobral

mas não cumpriu sua promessa de erradicar o analfabetismo durante aquela década

em 1985, na transição à democracia, acabou sendo extinto e substituído pela Fundação Educar 11


Concedeu aos jovens e adultos direito ao ensino fundamental público e gratuito Constituição

com a superação do analfabetismo comprometeu os governos

e a provisão do ensino elementar para todos. 12


atualmente

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

adquiriu nova posição na agenda das políticas nacionais

lançamento do Programa Brasil Alfabetizado (2003)

progressiva inclusão da modalidade no Fundo de Financiamento da Educação Básica (FUNDEB), a partir de 2007

13


Segundo HADDAD & PIERRO (2000) Apesar do governo federal não possuir escolas de ensino fundamental, ele detém meios para induzir ações dos governos subnacionais e da sociedade civil, ou impulsionar programas próprios de educação de pessoas adultas.

Segunda Metade dos anos 90

Plano Nacional de Formação do Trabalhador (PLANFOR)

Programa Alfabetização Solidária (PAS)

Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (PRONERA) 14


HADDAD & PIERRO (2000) mencionam que a proposta visava: Leitura

Formação em Habilidades básicas

Educação básica de jovens e adultos

Escrita

+

Cálculo

Oportunidades de formação profissional

Segundo BULHÕES (2004) o objetivo era:

obtenção de trabalho

geração de renda democratizar o acesso dos trabalhadores à qualificação profissional

contribuindo

para

permanência no mercado de trabalho produtividade

elevação

competitividade renda dos trabalhadores 15


Campanha de alfabetização inicial

Duração de um semestre

Direcionado aos municípios mais pobres

Elevados Índices de analfabetismo na faixa etária de 15 à 19 anos

Parceria

Ministério Materiais didáticospedagógicos Alimentação escolar

Municípios Espaços para a instalação de salas de aula improvisadas Alfabetizandos Alfabetizadores

Empresas Cobertura de custos operacionais das universidades Remuneração dos educadores

Universidades Coordenação e Orientação pedagógica Capacitação de monitores 16 HADDAD & PIERRO 2000:38


Implementado em 1998

Proposta

alfabetizar trabalhadores rurais assentados no perĂ­odo de um ano

Parceria com

Conselho Agentes Governamentais

Igrejas

Universidades

Sindicatos

Organizaçþes da Sociedade Civil

Inclusive o MST 17


No PRONERA existem...

Projetos Educação de jovens e adultos

Escolarização

Formação Inicial Pedagogia da Terra Licenciatura em educação do campo

Alfabetização

Capacitação dos trabalhadores dos assentamentos da reforma agrária

Letras História Geografia Agronomia 18

(Souza, 2008)


Amplamente divulgado atualmente...

Objetivo

“desenvolver ações básicas para minimizar o analfabetismo no país, oferecendo oportunidades de encaminhamento do alfabetizando à continuidade de seus estudos”. (KANEOYA , 2008: 171). 19


Qual a real significação que essas atitudes possuem dentro do contexto social?

20


Alfabetismo Saber Ler e Escrever

Dimens達o Individual

Dimens達o Social

21


Tendência Liberal  Necessária para as práticas sociais  Funcionalidade na vida social

 UNESCO (2006): “Uma pessoa é funcionalmente alfabetizada quando pode fazer parte de todas as atividades nas quais a alfabetização é necessária para o funcionamento de seu grupo e comunidade e também para tornar possível que ela continue a usar a leitura, a escrita e a aritmética para seu próprio desenvolvimento e para o desenvolvimento de sua comunidade.” (p. 15)

22


Tendência Revolucionária  Habilidades de leitura e escrita vinculados à valores, crenças, tradições e padrões de poder  Questionar a estrutura social  Instrumentos ideológico  Paulo Freire: “compreensão e transformação da realidade que circunda o sujeito” 23


Paulo Freire  Anos 50  Realidade do aluno

 Com o homem e não para o homem  Leitura do mundo para leitura da palavra

24


rP ática de Li ber dade

P nsament o e Ref l exi vo

“Na medida em que o homem, embora analfabeto, descobrindo a relatividade da ignorância e da sabedoria, retira um dos fundamentos para a sua manipulação pelas falsas elites.” (FREIRE, 1975 apud SOARES, 2007:119) Estudantes de uma sala de EJA, no Paraná, afirmaram que procuraram a escola porque “sentiam que eram enganados e explorados em suas relações de trabalho e comerciais” (BRANCO, 2007:159) 25


Pedagogia Freireana Realidade Existencial do Educando Palavras com significados sociais, culturais e políticos (Palavras geradoras)

Conjunto variado de padrões silábicos Diálogo sobre a condição do homem enquanto produtor de cultura Sujeitos de Conhecimento e Aprendizagem 26


Paulo Freire: - Alfabetização para desenvolver consciência crítica à respeito de sua condição humana e da realidade que o circunda Unesco: - Alfabetização para poder compreender, ler e escrever, uma frase curta e simples em sua vida diária (2006, p. 15)

27


Portanto...

Inserção do adulto no mundo da escrita

Regular o exercício de sua cidadania

Libertar para o exercício da cidadania para tanto é necessário compreender

Alfabetização como significante social, político e cultural

Ideologia por trás dos programas de alfabetização de adultos 28


EJA – CAMPO DO CONHECIMENTO ESPECÍFICO

29


Quais ais necessidades de aprendizagem dos alunos da EJA?

Como produzem ou produziram conhecimentos que postam? (conhecimento mundo)

os de

 Quais suas lógicas, estratégias e táticas de resolver situações e enfrentar desafios?


COMO O SUJEITO-PROFESSOR DA EJA PODE

INTERAGIR COM OS SUJEITOS-ALUNOS EJA

NESSA RELAÇÃO DE MÚLTIPLAS APRENDIZAGENS?


É preciso reinventar a didática cotidiana para a organização do Trabalho Pedagógico


Os alunos da EJA não tem garantia de emprego e melhoria material de vida

Mas pela EJA abrirão possibilidades de alcançar esses e outros objetivos.

Criando e Reinventando

o campo de atuação profissional

o mundo do trabalho, sobre a vida, formular respostas políticopedagógicas específicas


Compreender a realidade deste pĂşblico para descobrir seus modos de aprender aprendizagem no ambiente

escolar

Professor Atuar positivamente sobre o estigma do preconceito no retorno a escola: Estudos interrompidos; Idade/retorno; Dificuldades de adaptação;

Compreender e aprender uns com os outros (atividades cognitivas, afetivas, emocionais = prazerosas)


1ª CONCEPÇÃO

Formação de Professores

Sólida formação continuada para ser também sujeito determinante e determinado em processo de aprender por toda a vida.


PORTANTO... significa: CONHECIMENTO

AÇÃO

REFLEXÃO - num processo investigativo permanente orientando o planejamento do professor.


37


38


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRANCO, Verônica. A SALA DE AULA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Curitiba: Educar – Editora UFPR, 2007. N. 29, p. 157-170. BULHÕES, Maria Da Graça Pinto. PLANO NACIONAL DE QUALIFICAÇÃO DO TRABALHADOR – PLANFOR acertos, limites e desafios vistos do extremo sul. SÃO PAULO EM PERSPECTIVA, 18(4): 39-49, 2004 FREIRE, Paulo. EDUCAÇÃO COMO PRÁTICA DA LIBERDADE. 5ªed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975 HADDAD, Sérgio; PIERRO, Maria Clara Di. APRENDIZAGEM DE JOVENS E ADULTOS avaliação da década da educação para todos. SÃO PAULO EM PERSPECTIVA, 14(1) 2000 .

KANEOYA, Marta Lúcia Cabrera Kfouri. SER ALFABETIZADOR: CRENÇAS, EXPECTATIVAS E AÇOES DE UMA ALFABETIZADORA DE JOVENS E ADULTOS. Campinas: Trab. Ling. Aplic, 2008. V. 47(1), p. 169-181 SOARES, Magda. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. 5ªed. São Paulo:Contexto, 2007 SOUZA, Maria Antônia de. EDUCAÇÃO DO CAMPO: POLÍTICAS, PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E PRODUÇÃO CIENTÍFICA. Educ. Soc., Campinas, vol. 29, n. 105, p. 1089-1111, set./dez. 2008

UNESCO. ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO BRASIL: LIÇÕES DA PRÁTICA.— Brasília : UNESCO, 2008 UNESCO. RELATÓRIOS DE MONITORAMENTO GLOBAL DE EDUCAÇÃO PARA TODOS – EPT – Brasília: UNESCO, 2006 39


Exercício 1. Quais as características principais da história da Educação de Jovens e Adultos no Brasil? 2. Aponte as características principais da aprendizagem significativa, enquanto perspectiva pedagógica, na EJA?

40


41


Aula 06 aprendizagem significativa na eja pic