Page 1

Associação de Estudantes Visitas de Estudo DEPTH Clube de Música

Eco-escolas

Poesia Atividades Festivas Trabalhos dos alunos Entrevistas + Expensive Soul + Deputada Andreia Neto

e muito mais...


EDITORIAL O sangue da vida O sangue da vida? Que título mais estranho para o editorial de um jornal escolar!!! Muito provavelmente será esta a ideia que passa pela cabeça da grande maioria de quem inicia a leitura deste texto. Na verdade, a explicação é muito simples. O sangue é o nosso fluido corporal, o fluido que permite um conjunto de trocas indispensáveis ao bom funcionamento do organismo humano e, consequentemente, à nossa sobrevivência, à vida. Mais importante do que o sangue, no entanto, é uma pequena molécula chamada H2O, que mais não é do que a água, o sangue da vida. Esta simples substância foi geradora da própria existência, pois foi na água que os primeiros seres vivos apareceram. Todos os seres vivos, aliás, em maior ou menor percentagem, são compostos por água. Se considerarmos que um corpo humano tem entre 70 ou 80% de água vemos que a sua importância para a vida humana é inquestionável. A vida, tal como a conhecemos, não seria possível sem água, pelo menos não no nosso planeta. Isto não quer dizer que não existam outras formas de vida noutros planetas, pois, como alguém disse um dia, “se o planeta Terra for o único planeta com vida em todo o universo, é um grande desperdício de espaço”. Quem sabe? Será que o ser humano tem noção da importância desta molécula? Será que estamos a saber preservar esta fonte de vida? O pior cego é aquele que não quer ver, lá diz a sabedoria popular. Esta frase assenta que nem uma luva na forma como a humanidade tem atuado em relação a este recurso natural. Pensemos, por exemplo, na poluição intensa de lençóis freáticos, rios, lagos e mares, ou na utilização desregrada da água doce, em irrigações de culturas… O futuro tem que ser diferente. Se assim não for, caminharemos para um mundo em que a água será um bem raro… e, se algum dia chegarmos a esta situação, a vida estará certamente em causa. Para o evitarmos, é importante continuarmos a trabalhar a sensibilização ecológica, principalmente nas escolas: formar cidadãos ativos e conscientes para esta realidade é um imperativo que a todos diz respeito. Se cada um cooperar, fizer a sua parte com pequenos gestos, tudo ficará, certamente, mais fácil. Nesse sentido, aqui fica um conjunto de ações de fácil execução para todos ajudarmos: - Devemos fechar sempre bem as torneiras e verificar regularmente o estado de conservação das mesmas. Uma torneira a pingar pode gastar 10 a 15 litros de água por dia. - Devemos evitar fazer descargas desnecessárias na

01

casa de banho. Cada descarga gasta cerca de 10 litros de água. Uma maneira bem simples de poupar água nas descargas é colocando uma garrafa cheia de água dentro do autoclismo. Por exemplo, se colocarmos uma garrafa de 1,5L (um litro e meio), pouparemos 1,5L de água por cada descarga. - Devemos manter o autoclismo sem fugas. Um autoclismo com fuga de água pode gastar até 400 litros de água por dia. - Devemos fechar a torneira enquanto lavamos os dentes, fazemos a barba ou tomamos duche. Uma torneira a correr pode consumir 5 a 10 litros de água por minuto. - Devemos preferir os banhos de chuveiro aos banhos de imersão. Um duche normal consome 35 litros em 5 minutos, enquanto um banho de imersão gasta cerca de 80 litros. - Devemos regar as plantas da casa com a água recuperada da chuva ou com a que sobra na panela depois de alguém ferver ou aquecer vegetais. Esta será mais rica em nutrientes, embora seja necessário deixála arrefecer antes da rega. Também devemos regar os jardins nas horas de menor calor. E muitas outras medidas poderiam ser enumeradas… Enfim, espero, com este pequeno texto, ter despertado algumas mentes menos atentas para uma situação que, em alguns filmes foi apresentada como ficção científica, mas que, num futuro não muito longínquo, poderá tornar-se a realidade: NÃO HAVER ÁGUA. E isto acarretará consequências inimagináveis. Vamos portanto tentar “não meter água” com a água, o sangue da vida… /Rui Sousa, Diretor do Agrupamento Ave /

FICHA TÉCNICA

Propriedade: Agrupamento de Escolas do Ave Edição: Fevereiro de 2013 * Ano letivo 2012/2013 * n.º 1 Tiragem: 350 exemplares Impressão: Essência Completa - Marketing, Comunicação e Media Lda. Coordenação: Guilherme Osswald Maria José Gonçalves Maria da Paz Amorim Ricardo Pereira Teresa Machado Colaboradores: Identificados ao longo do jornal Capa e arranjo gráfico: Ricardo Pereira


CONTEÚDOS Editorial Eco-escolas Atividades diversas Visitas de Estudo Associação de Estudantes Parlamento dos jovens Entrevista - Deputada Andreia Neto Produções livres Entrevista - Expensive Soul DEPTH DEPTH & Juntos é + fácil Juntos é + fácil Educação Especial Poetas e Poetisas Educação Musical

01 03 05 08 10 11 12 14 17 22 24 25 27 29 30

02


ECO-ESCOLAS Dia do Galardão Eco-Escolas

Eco-Escolas em S. Tomé de Negrelos

No dia 10 de outubro de 2012 foi comemorado o Dia do Galardão Eco-escolas

Este ano, a Escola Básica de S. Tomé de Negrelos também aderiu ao Projeto, integrando-o no seu Plano de Atividades. Sob a orientação da professora Isabel Melo e com a colaboração da comunidade educativa foram já dinamizadas as seguintes atividades: + Natal Solidário – campanha de recolha de alimentos que foram entregues à Instituição Asas que, posteriormente, os

e nesta atividade participaram quatro alunos da Escola Básica de Vila das Aves e dois alunos de S. Tomé de Negrelos, acompanhados pelas professoras Graça Carvalho Silva e Conceição Duarte. A celebração do prémio Eco-Escolas aconteceu no pavilhão multiusos de Gondomar e o transporte foi assegurado pela Câmara Municipal de Santo Tirso. Os alunos puderam disfrutar de uma experiência enriquecedora com a exposição dos diferentes projetos desenvolvidos nas escolas de todo o país e que puderam partilhar com eles. Houve também experiências interativas que fizeram desta experiência uma visita muito interessante. Este foi também o mote para desafiar os professores a fazer mais e melhores atividades com os seus alunos. É do interesse de todos. / Professora Graça Silva/

03


ECO-ESCOLAS tem sido muito positiva, marcada também por um espírito de equipa forte. / Professora Ana Damião /

Dia Internacional Eco-Escolas

distribuiu dando prioridade às famílias carenciadas de S. Tomé de Negrelos. + Brigada Verde – todas as semanas são designados dois alunos de cada turma que, identificados com um barrete verde e um cartão, têm a seu cargo a tarefa de zelar pela higiene e preservação dos espaços comuns interiores e exteriores. + Recolha de rolhas de cortiça, tampas de plástico, lâmpadas, pilhas e eletrodomésticos sem uso. A participação dos alunos

A comemoração do Dia Internacional EcoEscolas foi celebrada pela primeira vez em Portugal tendo decorrido no dia 7 de novembro de 2012. Foi dinamizada pelas professoras Graça Silva e Luísa Leão. Infelizmente participaram poucos alunos, pois ocorreram em simultâneo as Olimpíadas da Matemática. A chuva também não ajudou. De acordo com objetivos específicos do Projeto Educativo do Agrupamento, a intenção é a sensibilização da comunidade educativa para a proteção do ambiente e a utilização sustentável dos recursos, reforçando a consciencialização e competências ambientais. O projeto Eco-escolas está a desenvolver diversas atividades, daí a inscrição no Eco-escolas e World Day Action; nomeadamente o planeamento e construção da horta com aquisição de plantas aromáticas e sementes; a programação da reparação do lago da escola básica de Vila das Aves com uma lona nova; a divulgação na página do WDA, onde podem ver a realização do plantio e sementeira. Participem, pela vossa escola! / Professora Graça Silva/

04


ATIVIDADES DIVERSAS Magusto de finalistas da Escola de Bom Nome No dia 17 de novembro Fomos todos festejar A tradição do magusto Para dinheiro angariar.

O Rancho de Vila das Aves Pudemos ver dançar E uma banda animada Também esteve a tocar.

Às dezasseis horas Começaram a entrar Passado um bocado Já estávamos a atuar.

No final da animação Um presunto foi sorteado E o feliz contemplado Ficou bastante entusiasmado.

Na escola do Bom Nome Comemos castanhas assadas, Bifanas, panados, moelas E outras comidas temperadas.

E assim terminou Esta festa divertida Onde todos ajudaram Até à hora de saída

Ao Diretor do Agrupamento, Aos grupos presentes, professores e pais temos de agradecer, Não esquecendo os auxiliares e todos os presentes Pois o nosso passeio queremos fazer. / Joana e Tiago, 4.º ano /

dos direitos que constam da Carta dos Direitos das Crianças na Internet, de entre os trabalhos realizados, destaque para a representação icónica, elaborada pelo aluno Gonçalo Certo, do segundo direito “de não revelar dados pessoais se não souber ou não tiver a certeza de quem não está do outro lado.” Projeto “Seguranet” De forma a promover uma utilização esclarecida, critica e segura da Internet, a turma H, do 2º ano de escolaridade, da Escola Básica de Bom Nome, participará, no decorrer deste ano letivo, nos “Desafios Seguranet – 1º Ciclo”, projeto desenvolvido no âmbito do “Safer Internet Programme”, da comissão Europeia. Neste primeiro desafio, a turma foi convidada a ilustrar um dos 9 direitos que compõe “A Carta dos Direitos das Crianças na Internet”. Após a leitura e análise de cada um

05

No futuro, com a concretização deste projeto podemos ajudar os nossos alunos a avançar com mais segurança no mundo “virtual”. / Turma dos «Interativos de Bom Nome», 2.º H / / Professor Rui Teixeira /


ATIVIDADES DIVERSAS Escola Segura… Uma visita à Escola No dia 30 de novembro, os Agentes da Escola Segura, vieram à nossa escola falar-nos sobre a Segurança Rodoviária. Mostraram-nos um Powerpoint em que apresentaram algumas regras de segurança que devemos cumprir enquanto peões e condutores. Depois procederam a uma sessão de sensibilização, não só no campo da Segurança Rodoviária, mas também da Segurança Pessoal. Estivemos com muita atenção e debatemos, com os Senhores Agentes, as principais regras de segurança.

Os Agentes da Escola Segura distribuíram diversos folhetos com conselhos de Segurança Rodoviária. A Escola Segura pretendeu, através deste tipo de ação, sensibilizar-nos para a problemática e para as consequências do desrespeito das regras de segurança no transporte de crianças e na circulação junto dos estabelecimentos de ensino. Esta sensibilização proporcionou-

-nos a aquisição e o reforço de conhecimentos, bem como a partilha e o relato de situações. Foi uma manhã esplêndida e aprendemos muito.

/ Escola Básica de Quintão 1, 4.º D/

Pijamas com livros No dia 7 de dezembro de 2012, os alunos do 5.º D participaram na atividade “Pijamas com Livros”, dinamizada pela Biblioteca Escolar da Escola de S. Tomé de Negrelos, com o apoio de todos os docentes, em especial, os docentes do 1.º ciclo que ajudaram na preparação dos materiais e acompanharam a professora bibliotecária.

Do programa fazia parte dormir na biblioteca, realizar a caça ao tesouro com base na obra “Harry Potter e a Pedra Filosofal”, a leitura livre e os jogos sociais, sem esquecer a ceia de Natal, que contou com a presença da Diretora de Turma, professora Jacinta Ribeiro, e o Coordenador da Escola, professor Paulo Costa. / Professora Bibliotecária, Ana Mafalda /

06


ATIVIDADESDIVERSAAS DIVERSAS ATIVIDADE Declaração Universal dos Direitos da Criança No dia 20 de novembro comemorou-se o dia da Declaração Universal dos Direitos da Criança. Recebemos, na nossa escola, dois agentes da autoridade (GNR) muito simpáticos que nos explicaram os direitos da criança. Aprendemos que essa declaração foi apresentada pela ONU em 1959 e rege-se por 10 princípios: 1.º - À igualdade, sem distinção de raça, religião ou nacionalidade. 2.º - Direito a especial proteção para o seu desenvolvimento físico, mental e social. 3.º - Direito a um nome e a uma nacionalidade. 4.º - Direito à alimentação, moradia e assistência médica adequadas para a criança e a mãe. 5.º - Direito à educação e a cuidados especiais para a criança física ou mentalmente deficiente. 6.º - Direito ao amor e à compreensão por parte dos pais e da sociedade. 7.º - Direito à educação gratuita e ao lazer infantil. 8.º - Direito a ser socorrido em primeiro lu-

gar, em caso de catástrofes. 9.º - Direito a ser protegido contra o abandono e a exploração no trabalho. 10.º - Direito a crescer dentro de um espírito de solidariedade, compreensão, amizade e justiça entre os povos. Com tudo isto concluímos que as crianças têm muitos direitos, mas também ficamos a saber que têm dois deveres muito importantes: estudar e respeitar. / Escola Básica de Quintão 1, 2.º/3.º B /

Visitas de Estudo No dia 23 de novembro de 2012, os sétimos anos da Escola Básica de Vila das Aves participaram numa visita de estudo, no âmbito das disciplinas de História, Ciências Naturais e Ciências Físico-Químicas. A visita ocupou o dia inteiro, das 8h20 às 15h30. De manhã fomos ao Planetário do Porto, onde vimos e ouvimos uma explicação sobre o espaço – planetas, sol, e outros corpos celestes. Almoçámos num Shopping, no Porto, havendo ainda tempo para visitar algumas lojas e fazer algumas compras. De seguida, fomos ao Monte Padrão, esta atividade era mais no âmbito da disciplina de História. Aqui observámos como eram os costumes, vestuário e atividades dos nossos antepassados, através de imagens e exposições, no interior de um edifício. Visitámos, no exterior, terra escavada por arqueólogos e as casas dos romanos que pareciam autênticos labirintos, acompanha-dos por um senhor, que nos foi explicando tudo o que víamos e que realmente acontecera na época dos romanos. Gostei muito desta visita de estudo, pois aprendi mais sobre o espaço e sobre os nossos antepassados. / Ana Sousa, 7.º C /

07


VISITAS DE ESTUDO

O Cavaleiro No dia 24 de Janeiro de 2013, os 7ºs anos da escola básica de vila das aves, dirigiram-se ao Auditório de S. Mamede de Perafita para assistir a uma peça sobre a obra de Sophia de Mello Breyner, “O Cavaleiro”. Os alunos de manhã esperaram pelas camionetas junto ao portão da escola e às 8.40 estas puseram-se a caminho de Perafita. Chegaram ao Largo da Igreja às 9.30 e entraram no auditório Às 10 horas, mas a peça só começou às 10.15 devido ao atraso de uma das escolas que também iria assistir ao espectáculo. O espectáculo começou com o director artístico a avisar-nos para desligarmos os telemóveis e a fazer silêncio. A obra foi adaptada para teatro e foram feitas algumas modificações, ficando assim três “scapitos” (pessoas de uma família italiana que fazia teatro de rua e que causava imensos problemas, como o próprio nome “scapito” informa) a fazerem de narrador da história e a interagirem com a encenação várias vezes através de músicas ou apenas falando com o público acerca de curiosidades sobre a peça. A peça decorreu normalmente sem nenhum problema, contando explicitamente a história do cavaleiro e as várias histórias encaixadas na obra,

misturando um bocadinho de comédia. O elenco da peça foi constituído por: Fábio Ferro; Gonçalo Brandão; Luís Valente; Ruy Pessoa; Tatiana Veríssimo; Ana Castro; Luís Aguiar; Patrícia Duarte e Simão Ramos. A peça acabou às 12.10, e em seguida realizou-se uma sessão de autógrafos com um dos encenadores. Quem quiser assistir a esta e muitas outras peças desta companhia de teatro a morada é : Rua dos Anjos, nº 21 – 2ª A, 1150033 Lisboa; os contactos telefónicos são: 218 861 799; 218 871 526/7 e 918 509 882. O correio electrónico desta companhia de teatro é: compteatro_osonho@iol.pt. / Beatriz, 7.º D /

Aprender lá fora… Nós, alunos do 9º ano, participamos numa visita de estudo ao Porto, no dia 11 de janeiro, no âmbito das disciplinas de Português, História e Geografia. Durante a manhã, assistimos à representação da peça “Auto da Barca do Inferno” de Gil Vicente, numa encenação de António Feio, pela Companhia de Teatro Cultural Kids. O espetáculo teve lugar num dos mais emblemáticos espaços culturais da cidade do Porto, o RIVOLI. A sala ofereceu-

08


VISITAS DE ESTUDO esse percurso, fomos observando peças artísticas de arquitetura contemporânea e percebendo mais de arte. No final da tarde, regressamos a Vila Das Aves, com a certeza de um dia bem passado. / Deisy e Mónica, 9.º E /

/ alunos do 9.º E, junto de escultura “Double Exposure” de Dan Grahm /

-nos todo o conforto e comodidade e a peça foi abordada de forma criativa, sem nunca se perder o texto original. De imediato, todos nós fomos cativados pelo ambiente de festa e comicidade imposto pelos atores, o que nos levou a dar grandes gargalhadas e a esboçar largos sorrisos. A pausa para o almoço aconteceu no Via Catarina, permitindo-nos fazer algumas compras e conhecer a rua Santa Catarina, a rua do comércio na cidade Invicta. A seguir, seguimos para a Fundação de Serralves, local onde percorremos os espaços exteriores, sempre acompanhados por guias e pudemos visitar a magnífica “casa cor-de-rosa”. Em todo

09

/ alunos do 9.º E, junto de escultura "Colher de Jardineiro" (2001), de Claes Oldenburg/


ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES No dia 13 de dezembro, tomou posse a Associação de Estudantes. O Presidente, Miguel Pinto, no seu discurso, começou por agradecer a confiança a todos os que votaram na sua lista. Referiu que a sua equipa irá trabalhar

futuro e de realizar os nossos projetos, sabendo que participar cada vez mais na vida ativa da escola e no meio onde estamos inseridos é essencial para obter reconhecimento, prestígio e cada vez mais patrocínios, essenciais para a Associação, e

para defender os interesses de todos os alunos. Apelou a que todos participem ativamente nas atividades da Associação de Estudantes, da nossa escola. Neste mesmo discurso, o Presidente da nossa Associação de Estudantes, traçou em linhas gerais os grandes objetivos para o presente ano letivo, que passam por melhorar ainda mais a relação com a comunidade, intervir, divulgar e atuar cada vez mais na vida da nossa escola e vila, melhorar e cimentar as relações com a Câmara Municipal de Santo Tirso, Junta de Freguesia de Vila das Aves e S. Tomé de Negrelos. Salientou também que a Associação ainda é jovem e que, apesar do presente ano ser de grandes dificuldades económicas, em que certamente os apoios não vão ser muitos, não vão deixar de lutar pelo nosso

só desta forma as nossas atividades crescerão ao ritmo e do modo por nós desejado e ambicionado. Por fim, e dirigindo-se ao nosso Exmo. Diretor do Agrupamento, Professor Rui Sousa, disse que podia contar com a sua equipa para colaborar no que for necessário e que iriam estar sempre ao lado dos estudantes, como importante agente para o crescimento do nosso Agrupamento e que tanto os orgulha. O mandato é ambicioso, é certo! Mas é objetivo desta direção é cumpri-lo na sua totalidade. A Associação de Estudantes agradece o apoio dado pelo professor João Silva em todo o processo burocrático inerente a esta associação. / Beatriz Rios, 9.º C /

10


PARLAMENTO DOS JOVENS Sessão Escolar A sessão escolar decorreu no dia 16 de janeiro num ambiente de descontração e boa disposição, onde a seriedade e o rigor dos deputados presentes foi também uma constante, cumprindo as regras da boa educação e liberdade de expressão. A sessão contribuiu para a formação de um cidadão mais ativo, interventivo e interessado pelos problemas que os rodeia. Foi sem dúvida, um espaço privilegiado para o desenvolvimento da educação para a cidadania. Na sessão escolar, foram eleitos os deputados Hugo Silva; Paulo Ribeiro e Miguel Queirós (suplente), que vão representar a nossa escola na sessão distrital no Porto. / Professor João Paulo Silva /

deputados eleitos

11


ENTREVISTA - Deputada Andreia Neto Andreia Carina Machado da Silva Neto, nasceu no dia 4 de agosto de 1980, licenciou-se em Direito e exerceu advocacia. Foi dirigente da JSD, presidente da Comissão Política de Secção do PSD, de fonte: http://www.gppsd.pt/ Santo Tirso, e é agora deputada pela Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos Liberdades e Garantias, pela Comissão de Segurança Social e Trabalho e pela Comissão de X COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO À TRAGÉDIA DE CAMARATE, na Assembleia da República. Janela Aberta (JA) - Como e quando surgiu o seu interesse pela política? Desde jovem sempre me senti atraída por

causas que envolvem a minha comunidade e as pessoas que me rodeiam, descobri na política uma forma de me realizar, ou seja, não entrei na política por acaso mas sim, porque me senti atraída por essa forma de intervenção cívica e de serviço público. JA - Porquê o Partido Social Democrata? Dois motivos, o projeto e as pessoas, revejome no ideário e respeito as pessoas que representam localmente e não só o PSD. JA - O que é ser deputado? É sacrificar a carreira profissional, sacrificar a família e ir para Lisboa servir o país discutindo os interesses de Portugal. JA - Financeiramente compensa ser deputado? Qualquer profissional realizado nomeadamente um advogado com carreira estabilizada pode auferir rendimentos superiores aos de um deputado.

Participação da Deputada na Sessão Escolar do Parlamento dos Jovens

JA - Que assuntos são tratados pela Comissão Parlamentar Comissão de Assuntos Constitucionais Direitos, Liberdades e Garantias? A conformidade das leis com a Constituição da República Portuguesa e com os direitos, liberdades e garantias das pessoas JA - Como é o seu dia-adia no Parlamento? Não há dois dias iguais. Alguns são mais calmos, mas na maioria, não são, tratamos de assuntos locais e nacionais. Para além das funções comuns

12


ENTREVISTA - Deputada Andreia Neto a todos os deputados, tenho funções específicas nas comissões parlamentares onde são debatidos com profundidade os temas concretos contidos no objeto de cada comissão. Normalmente, o trabalho das comissões parlamentares não é acompanhado pela opinião pública, mas é determinante, nomeadamente, na discussão dos diplomas legais e no acompanhamento e fiscalização da ação governativa. Além disso devemos manter a ligação e contacto com o nosso eleitorado do nosso círculo eleitoral. JA - Por vezes, assistimos a debates muito acesos na Assembleia da República. Após esses debates, nos corredores, as “inimizades” mantêm-se ou desaparecem? Quando os debates são menos sérios ou desleais podem provocar algumas inimizades, mas na maioria das vezes mesmo na discordância há respeito e Participação da Deputada na Sessão Escolar do Parlamento dos Jovens

Participação da Deputada na Sessão Escolar do Parlamento dos Jovens

consideração, isto é a democracia. JA - Pretende continuar ligada à política ou planeia abraçar outros projetos? A política não é uma carreira nem deve ser encarada como tal, a política e a causa pública podem e devem fazer parte da nossa vida, mas devemos ter as nossas carreiras profissionais e estar preparados para voltar a elas. JA - O que pensa do estado atual da educação? A educação está em franca mudança e acredito nos novos modelos e métodos que este Ministro tem vindo a introduzir, devolvendo mais liberdade e mais responsabilidade às escolas. JA - Uma mensagem para os jovens deste país. O futuro pertence aos jovens, é a altura de tomarem o futuro nas vossas mãos. Não aceitem de ninguém, de ninguém que vos diga que não há futuro ou que não há esperança. Esta é a juventude mais bem preparada de sempre e Portugal vai precisar de vós e é também convosco que temos de MUDAR PORTUGAL.

13

/ Joel Cunha e Sérgio Abreu, 9.º D /


PRODUÇÕES LIVRES Carta ao Ano Novo Vila das Aves, 3 de janeiro de 2013 Querido Ano Novo, Não sou pessoa de pedir muito, prefiro conquistar as minhas próprias vitórias, sou assim determinada, mas sei que tu também. Sempre que um ano chega ao fim, eu recordo com apreço todos os anos que já vivi. Gosto muito quando chegas meu amigo, sinto-me alegre e sinto que foi mais uma etapa que se concretizou. Com esta carta peço, de coração cheio, uma oportunidade para, neste ano, finalmente sentir que tudo se vai compor, que o país vai dar a volta a esta crise que ensombra todos os portugueses, que tudo vai voltar a ser como quando eu era pequena. Como “novo” que és, peço que te reveles recheado de bons momentos, alegria, paz, saúde, todas aquelas coisas que se desejam no ano novo. O que quero mesmo neste ano é manter o sorriso, manter os amigos de sempre e a alegria de sempre. Ao mundo? Ao mundo desejo a paz, menos revolta em todas as nações e mais altruísmo da parte dos mais afortunados. Sei que ainda és pequenino, mas também sei que chegaste com intenção de mudar os corações de todos. Obrigada.

importante, mas continua presente na vida do Homem. Imaginamos a nossa vida sem amigos? Então porque é que o homem haverá de imaginar? Não é justo o homem viver sem felicidade, sim porque os amigos fazem parte da nossa felicidade. Os amigos conseguem dar cor à nossa vida, quando ela esta a preto e branco. Enquanto o amor é como um filme, tem sempre um fim, a amizade não, a amizade é o amor que nunca morre! Se o homem não tiver amigos, quem o vai fazer sorrir, quando ele chora? Quem vai consola-lo? Quem vai aconselhá-lo? Com quem vai ele partilhar os momentos felizes e os momentos tristes? Acho que o homem é merecedor de tudo isto por mais pecador que seja… É verdade que a falsidade por vezes reina, que ataca quando as defesas estão dispensadas, mas enfim… isso é outro tema. O verdadeiro amigo tem de nos aceitar como somos, diferentes ou não, somos nós próprios e merecemos ser felizes! Nascemos a chorar, mas na vida temos de batalhar para aprender a sorrir e a sorrir quando tudo parece difícil e é no meio desta luta que encontramos os verdadeiros amigos. Eu acredito na amizade e tu?

Um beijo do tamanho do mundo, Maria Francisca / Maria Francisca Pereira, 9.º D /

Os homens ainda têm amigos? Sim, o homem ainda tem amigos. A amizade vai desaparecendo ao longo do tempo, tornando-se menos / Texto e ilustração - Deisy, 9.º E /

14


PRODUÇÕES LIVRES entrarem para a vida do meu filho”. Já não há volta a dar, os adolescentes são cada vez mais dependentes das tecnologias e é muito raro ver-se um adolescente sem telemóvel. / Beatriz Pereira, 7.º D /

As novas tecnologias de informação e comunicação Navega com um livro Cada vez mais os adolescentes estão ligados às novas TIC e viciados, é preciso impor regras de utilização desde o início. Os adolescentes estão cada vez mais ligados às novas TIC deixando de lado o estudo e fechando-se mais nos amigos virtuais e nas novas páginas de chat onde podem comunicar com qualquer pessoa que esteja na mesma página. Adolescentes dizem que os pais, na maioria das vezes, não impõe regras de utilização do computador ou internet ou ainda os adolescentes desobedecem a essas regras utilizando mais do que deviam. Pais oferecem essa oportunidade de lidar com as novas tecnologias achando que será utilizada de forma adequada e de acordo com as necessidades escolares, mas, os filhos trocam essa utilização por uma utilização excessiva e viciante da internet e telemóvel. Em alguns dos casos os pais tentam impor regras de utilização depois de verem que a utilização está a ser errada, mas, dada à dependência dos adolescentes, eles recusam essas novas regras, sendo preciso tomar medidas drásticas, chegando a eliminar o telemóvel ou computador totalmente da vida do adolescente. Concluímos ao falar com alguns pais, que eles se arrependem de não ter imposto regras específica desde o início chegando mesmo a dizer que “se pudesse voltar atrás nunca deixaria estas novas tecnologias

15

Ler é divertido, pois podemos viajar por mundos desconhecidos, porque é a ler que a nossa imaginação se solta de uma forma fantástica. São muitos os benefícios para quem lê, podemos voar com a fantasia de um livro, explorando a nossa criatividade e aumentando a nossa cultura geral. Para muitos jovens a leitura não é divertida, preferem utilizar as novas tecnologias, deixando os livros a apanhar pó nas prateleiras das escolas ou das suas próprias casas. Ler implica concentração e os jovens não gostam de estar concentrados muito tempo. Eu, com a leitura, consigo isolar-me do que me rodeia e esquecer-me de todos os meus problemas. Ao ler sinto-me bem, posso navegar com a história, com as personagens bondosas ou malvadas, viver todas as aventuras, imaginar tudo o que é descrito e sentir todas as emoções. Aconselho a ler, porque ao longo da vida vamos ter oportunidade de perceber como é importante a leitura e de como nos ajuda a crescer. Ao ler podes aprender. Ao ler podes imaginar. Por isso escolhe um livro e toca a navegar. / Ana Sofia Silva e Joana, 8.º A /


PRODUÇÕES LIVRES Receita para fazer um bom aluno Unte com muito entusiasmo e motivação, o início do ano letivo e forre-o, depois com os cadernos diários e todo o material didático necessário para cada uma das disciplinas. Junte os manuais escolares bem identificados, com os trabalhos de casa em dia. Adicione uma pitada de estudo diário e uma leitura e uma escrita correta. Polvilhe todo o aluno com assiduidade, pontualidade e responsabilidade. Acrescente um pouco de empenho e participação. Junte organização e concentração. Envolva tudo e coloque na forma, depois cubra todo bolo com um excelente comportamento. Leve ao forno e deixe cozer durante 90 minutos. Vigie para não levar recados nem ocorrências, desenforme o bolo e deixe repousar num intervalo de 20 minutos. Se seguir esta lista corretamente terá um ótimo aproveitamento. Ingredientes: - 1kg de cadernos diários - 2,5kg de manuais escolares - 500g de t.p.c - 1kg de estudo diário - 500g de leitura - 500g de escrita - 1,5 de assiduidade - 1,5 de pontualidade - 2,5 de empenho - 1kg de participação - 700g de organização - 3kg de concentração - 10 kg de bom comportamento

/ Bruno e Ana Sofia Neto, 8.º A /

As turmas do Pré-escolar da escola básica de S. Tomé de Negrelos, sob a orientação da professora bibliotecária, Ana Mafalda, elaboraram o seguinte conto: Era uma vez um peixe muito grande, muito colorido, como o arco-íris, que vivia numa concha gigantesca no fundo do mar. Este peixe era um tubarão que tinha muito medo de peixes grandes. Um dia, quando o tubarão andava a limpar a concha, encontrou um peixinho pequenino que estava escondido debaixo da cama. O tubarão disse ao peixinho: – Anda daí, não tenhas medo que eu não te faço mal. – Hum... prometes que não me vais comer? – perguntou o peixinho, desconfiado. – Eu não te como porque eu não como peixes pequeninos. – respondeu o tubarão. – Então e peixes grandes tu comes? – quis saber o peixinho. – Grandes não, porque tenho medo deles. – respondeu o tubarão com um ar triste. – Tu és um tubarão e tens medo de peixes grandes?! – surpreendeu-se o peixinho. – Vou-te treinar para tu perderes o medo, queres? O tubarão, muito contente, respondeu logo que sim e o peixinho levou-o para o karaté. Depois de muitos treinos, o tubarão já não tinha medo dos peixes grandes e um dia deu com a cauda no focinho de um, com tanta perícia. Que até lhe fez saltar um dente. A partir daí, o tubarão pode alimentar-se normalmente e ele e o peixinho ficaram amigos para sempre. Plim, plim, plim. A história chegou ao fim. / Turmas do Pré-escolar - S. Tomé de Negrelos /

16


ENTREVISTA - EXPENSIVE SOUL No âmbito de Braga – Capital Europeia da Juventude, o evento “A Porta Fica Aberta” encerrou todas as

festividades. Assim, no dia 22 de dezembro, Braga esteve ao rubro com várias atividades e concertos a decorrerem pelas ruas da cidade. Os Expensive Soul fecharam este evento, com um concerto memorável. Foi neste ambiente de festa e descontração que os alunos Maria Fernandes, Maria Pereira e Francisco Pimenta, do 9ºD, entrevistaram Max e Demo, dos Expensive Soul.

17

JA - Quem são os Expensive Soul? Demo – Já não ouvia essa pergunta há…(risos). Olha, somos dois amigos de escola desde o 7º ano. Éramos da mesma turma e começámos por fazer música por brincadeira. Eu escrevia umas letras e o Max já produzia, ele estava envolvido noutro projeto. Começámos passo a passo e fomos criando… Há 13 anos atrás… JA - O nome “Expensive Soul” porquê? Max – Expensive soul quer dizer alma cara, tem que ver com a exigência que depositamos no nosso trabalho, desde o início… Foi o Demo que sugeriu esse nome, na altura, … Era um nome que ficava bem, que era bonito… (risos). Demo – Correu bem, mas podia ter corrido mal. JA - Como definem a vossa música? Situam-na em que género? Max – A raiz principal da nossa música é a música soul, depois vamos beber a várias ondas, vários estilos de que gostamos, que ouvimos durante a nossa vida e juntámos tudo. É uma salada de frutas. Demo – Também é um processo que temos vindo a mudar. Se calhar o primeiro disco era numa onda mais hip-hop, o segundo foi diferente do primeiro e este terceiro disco já se descarta da base


ENTREVISTA - EXPENSIVE SOUL

No âmbito de Braga – Capital Europeia da Juventude, o evento “A Porta Fica Aberta” encerrou todas as festividades. Assim, no dia 22 de dezembro, Braga esteve ao rubro com várias atividades e concertos a decorrerem pelas ruas da cidade. Os Expensive Soul fecharam este evento, com um concerto memorável. Foi neste ambiente de festa e descontração que os alunos Maria Fernandes, Maria Pereira e Francisco Pimenta, do 9ºD, entrevistaram Max e Demo, dos Expensive Soul. JA - Quem são os Expensive Soul? Demo – Já não ouvia essa pergunta há…(risos). Olha, somos dois amigos de escola desde o 7º ano. Éramos da mesma turma e começámos por fazer música por brincadeira. Eu escrevia umas letras e o Max já produzia, ele estava envolvido noutro projeto. Começámos passo a passo e fomos

criando… Há 13 anos atrás… JA - O nome “Expensive Soul” porquê? Max – Expensive soul quer dizer alma cara, tem que ver com a exigência que depositamos no nosso trabalho, desde o início… Foi o Demo que sugeriu esse nome, na altura, … Era um nome que ficava bem, que era bonito… (risos). Demo – Correu bem, mas podia ter corrido mal. JA - Como definem a vossa música? Situam-na em que género? Max – A raiz principal da nossa música é a música soul, depois vamos beber a várias ondas, vários estilos de que gostamos, que ouvimos durante a nossa vida e juntámos tudo. É uma salada de frutas. Demo – Também é um processo que temos vindo a mudar. Se calhar o primeiro disco

18


ENTREVISTA - EXPENSIVE SOUL era numa onda mais hip-hop, o segundo foi diferente do primeiro e este terceiro disco já se descarta da base hip-hop, daquela onda que tínhamos no início, daquela filosofia americana. JA - Gostam mais de criar ou mostrar o vosso trabalho ao vivo? Max – São duas etapas que se completam e precisamos das duas. Eu, hoje, estive toda a tarde, no estúdio, a trabalhar e agora estou aqui, à noite, para atuar. Deu-me pica estar no estúdio e dá-me pica estar aqui. Portanto, juntam-se, sem uma não existe a outra. JA - Os Expensive Soul são considerados, por muitos, uma banda única, principalmente pela vossa consciência social, passando uma mensagem ativista numa onda de festa e diversão. Qual a vossa opinião sobre isto? Max – Acho que é muito por aí. Nós temos a voz e podemos dar voz às nossas ideias e ao que pensamos e tentamos transpor isso para as nossas músicas e expor o nosso ponto de vista relativamente aos nossos ideais… Seja social, seja i nterventi vo, s ej a um a música de amor, são tudo coisas que vêm da nossa cabeça ou das pessoas que estão à nossa volta. Demo – Temos o cuidado que a mensagem não seja passada de uma forma muito agressiva, que não seja uma atitude ressabiada. É possível dizer tudo de uma forma

19

tranquila e as pessoas vão entender isso desse jeito, é a nossa maneira de estar na vida. Há obstáculos que temos de cumprir e ultrapassar… Essa forma interventiva de estar, vamos continuar a ter sempre, porque acho que quem tem a bênção de poder falar e de criar e ter quem o ouça, penso que é quase um dever, passar esse tipo de mensagem. JA - Vocês foram a primeira banda independente a ganhar um Globo de Ouro. Foi um verdadeiro reconhecimento. Como avaliam este sucesso?


ENTREVISTA - EXPENSIVE SOUL Max – É verdade, fomos a primeira banda independente, sem editora, não é, tal como estamos neste momento e acho que foi um processo normal… 13 anos de trabalho, uma escadinha progressiva e ainda bem que foi assim, que não foi de uma vez só. Isso fez com que a gente visse este projeto de outra forma e que levássemos tudo com mais calma, com muita cabeça e sempre com um pé atrás. Demo – Exatamente. Nós nunca sentimos nada de fama, nem nada de grandes sucessos imediatos, porque nós nunca

vivemos isso Nunca foi nada imediato. O Globo de Ouro, acho que já o deveríamos ter recebido há 3 anos atrás… há 2 anos atrás. Em Portugal vive-se um bocado de prémios de carreira e é necessário batalhar e trabalhar para um dia receber esse prémio. Nunca acontece, tipo… és a banda do momento e vais ganhar por seres a banda do momento. Toda a gente sabe e reconhece isso, mas não é bem assim que funciona. Estes prémios, os Globos de Ouro para serem atribuídos, a contagem é feita ao milímetro. Pensa-se sempre se vale a pena apostar nesta banda, não é pela música, percebes? É pelo formato. Nós tivemos esse privilégio e acho que o nosso exemplo, pelo facto de sermos uma banda independente, abre portas a outras bandas. Assim novas bandas independentes vão poder ganhar Globos de Ouro Há 5 ou 6 anos atrás, isso era impossível, se não tivéssemos uma editora nem num programa de televisão podíamos tocar. JA - Como surgiu a ideia de atuarem com um coro de 50 vozes e acompanhados pelo ribombar de caixas e bombos dos Velhos Nicolinos, no âmbito da Guimarães 2012 – Capital Europeia da Cultura? Max – Foi um convite de Guimarães – Capital Europeia da Cultura, mais propriamente do maestro Rui Massena, que tinha um concerto para fazer com uma banda pop e entre várias bandas possíveis, nós fomos os escolhidos. Foi muito bom, foi um

20


ENTREVISTA - EXPENSIVE SOUL enorme privilégio trabalharmos todos juntos. Foi uma experiência espetacular, que vamos recordar para toda a vida. Vai ser difícil volta a fazê-lo da mesma forma… 170 músicos em palco. Foi mesmo em grande. Demo – Foi uma base de ensaios. Para nós a responsabilidade era muito grande. O resultado iria ser lançado num DVD. Só pensávamos… isto não pode falhar. E na música, como se vive muito da intuição, do momento, às vezes acontece uma coisa ou outra que não é bem o que se esperava e depois… vamos ver e até ficamos com alguma vergonha, porque foi um momento. É normal acontecer. Como vocês, nas vossas vidas, quando têm aquela oportunidade, a excitação, o momento, a energia, …. E para nós foi fantástico e ainda por cima correunos tudo bem. Nós desejávamos muito isso e no âmbito em que foi, melhor ainda, porque também acho que foi único. Nunca se fez nada parecido em Portugal, um concerto deste tipo, juntar uma orquestra e uma banda pop. JA - Já se encontram a trabalhar num novo disco? O que podemos esperar deste 4º trabalho? Podem levantar um bocadinho o véu? Max – Já, já… Demo – Toda a tarde… (risos) Max – Podemos esperar a continuação do disco anterior. O que é que podemos adiantar, agora? Está a ser feito, ainda não há nenhuma ideia, não há nenhum conceito. Estamos a fazer música a música, como sempre fizemos. E mais lá para a frente é que vamos ter algo mais concreto. Como vai ser a capa? Qual vai ser o conceito do disco? Percebem? Para já só ainda estamos a fazer as músicas, a curtir. Demo – Aquilo que nós sentimos é que … pá, está muito bom… (risos). Nós temos essa consciência, porque já temos 3 discos para trás, nós sabemos como é que as coisas

21

correm e eu, cada vez que ouço as músicas, arrepio-me… Se me arrepia a mim, depois de pronta… Tenho a certeza absoluta e levanto mesmo a fasquia e posso levantar à vontade, porque vai ser um disco, vai ser O DISCO. JA - O nosso tema é "2012 - Ano Internacional para a Cooperação pela Água". Pensam que a vossa música pode saciar a sede a quem vos ouve/vê? Max – Antes pudesse… A nossa música tem uma parte importante na vida das pessoas, daquelas que gostam dela. Nós conseguimos ter a sorte de podermos ser a banda sonora de algumas pessoas, pertencer à vida de algumas pessoas, tal como eu tenho bandas que foram a banda sonora da minha vida. Isso é ótimo e muito importante… Eu gostaria que na minha altura, quando tinha a vossa idade, pudesse ter uma banda em Portugal que gostasse e não tive. Tive que ouvir muita música internacional. Demo – Neste momento, vocês são uns privilegiados, porque em Portugal faz-se muita coisa boa e de áreas diferentes. Por exemplo, temos, hoje, aqui em Braga, um festival com 3 bandas portuguesas completamente diferentes e com registos também muito diferentes. Isto há uns tempos atrás não acontecia… o que acontecia era tudo na mesma linha. Isto, também, porque para vingar na música era muito difícil, como disse há bocado em relação às editoras. As editoras só assinavam com bandas que sentissem que poderiam faturar. Ainda se olha à música como se fossem batatas… andamos aqui a fazer batatas,… 'bora vender,… 'bora fazer 1 single… e está feito. Isto vai acontecendo cada vez menos e se vocês quiserem seguir uma carreira na música vão sentir que é assim.

/ Maria Fernandes, Maria Pereira e FranciscoPimenta, 9.º D /


DEPTH Escola de Quintão 1 participa em projecto Comenius O Agrupamento de Escolas do Ave, através da Escola de Quintão 1, está a participar em mais um projeto Comenius. No passado mês de outubro teve lugar a primeira reunião em Manisa, na Turquia. O projeto “Democratic Empathy: Peace, Tact, and Happiness” (DEPTH) conta com a participação de mais sete países: Roménia, Bulgária, Grécia, Eslovénia, Itália, Lituânia e Turquia. A primeira reunião serviu para as escolas parceiras trocarem impressões sobre o projeto e delinearem a estratégia para as próximas atividades e reuniões. Professores e alunos tiveram, também, oportunidade de estarem em contacto direto com professores e alunos da escola Avni Gemicioğlu Ortaokulu, de Manisa. É uma escola com cerca de 900 alunos com idades entre os 5 e os 14 anos. Para além das reuniões realizadas na escola, os participantes neste projeto estiveram reunidos com os responsáveis

pela educação da região de Manisa, com os responsáveis da câmara e com representantes do governador. Estas reuniões serviram para conhecer melhor a região que estava a ser visitada e trocar impressões sobre o tema do projeto: democracia. O tema é sem dúvida muito atual e tem suscitado uma grande participação por parte dos alunos. Embora os participantes sejam ainda muito novos, têm consciência da necessidade de promover a participação de todos na vida da escola, na comunidade e a necessidade de promoverem uma cidadania ativa. A segunda reunião do DEPTH foi em Portugal, entre os dias 22 e 27 de janeiro. Com este projeto, já são três os projetos comenius nos quais o Agrupamento de Escolas do Ave participa. Tudo somado são mais de 72 mobilidades que vão realizar os alunos, professores e auxiliares. A reunião realizada trouxe a Portugal 23 participantes dos diversos países envolvidos. O tema é, sem dúvida, muito interessante para todos, uma vez que a participação democrática nas decisões do país, nas decisões da escola, nas decisões da comunidade ou na família precisam de uma participação ativa e esclarecida. Esse é um dos objetivos deste projecto. O encontro teve início no dia 22, em Lisboa, com

22


DEPTH a reunião de boas vindas e início da apresentação dos trabalhos desenvolvidos nos vários países. No dia 23 teve lugar uma reunião na Assembleia da República com os deputados do PSD, Maria José Castelo Branco, e o deputado do PCP, Miguel Tiago. Foi um momento para falar sobre a democracia em Portugal e colocar várias questões sobre a situação do país. Os alunos da escola de Quintão colocaram questões relacionadas com a crise, com o corte nalguns dos apoios que existiam, com a necessidade de alguns dos pais dos alunos da escola terem emigrado, entre muitas outras dúvidas. Foram perguntas muito pertinentes e as respostas foram, obviamente, diferentes tendo em conta os partidos políticos representados na reunião. Os parceiros colocaram questões relacionadas com a cidadania e a participação dos portugueses na vida democrática. Foi, sem dúvida, uma reunião muito produtiva para todos. Da Assembleia da Republica os alunos e professores rumaram para o Oceanário e, no fim da visita, regressaram ao Norte. No dia 23 foram recebidos na escola de Quintão, com a presença do diretor do agrupamento, Rui Sousa, do presidente da junta das Aves, Carlos Valente, e de todos os alunos e professores da escola. Na abertura da reunião o Diretor do Agrupamento deu as boas vindas, destacou o empenho que o Agrupamento tem colocado nos Projetos Comenius e destacou as vantagens do envolvimento da escola de Quintão neste projeto. Os alunos apresentaram um espetáculo com música e teatro, muito apreciado por todos. Seguiu-se a troca de lembranças e um lanche oferecido pelas professoras e auxiliares da escola. Nos dias seguintes seguiram-se mais reuniões para apresentação dos resultados do projeto. Fez-se o ponto da situação e prepararam-se as próximas reuniões em

23

Itália e na Eslovénia. Os convidados foram recebidos na Junta de Freguesia da Vila das Aves. O presidente, Carlos Valente, desejou muito sucesso a todos os participantes e ao projeto. Na sexta-feira a comitiva foi recebida na Câmara Municipal de Santo Tirso, pela vereadora da educação e vicepresidente, Ana Maria Ferreira. A vicepresidente fez uma apresentação do concelho, dando especial destaque aos investimentos que o concelho tem na educação e destacou, também, as potencialidades turísticas. Terminado o encontro no salão nobre, foi momento para a foto com todo o grupo. Do programa das visitas constou ainda uma visita ao Porto, a Guimarães e à nova escola de Negrelos. No último dia da reunião o agrupamento realizou um concerto solidário. Este concerto, em que participaram alunos da escola de Quintão e


DEPTH & JUNTOS É + FÁCIL

de todo o agrupamento, foi um momento para mostrar a cultura portuguesa através da música e do teatro. Todos os que foram assistir ao concerto entregaram um produto alimentar. O resultado deste contributo foi entregue à associação ASAS. Este projeto tem uma grande participação dos alunos da escola de Quintão e está a ser apreciada por todos os parceiros a forma como os alunos e professores estão a trabalhar para que o projeto DEPTH seja um sucesso em todos os países. Concerto Solidário No passado dia 27 de janeiro, pelas 21h, no CCVA, Centro Cultural da Vila das Aves, que tem mantido uma boa colaboração com o agrupamento, os alunos

mostraram as suas qualidades na área da música e do teatro. Após a primeira música, apresentada pelo Clube de Música do agrupamento, teve lugar a intervenção do diretor do agrupamento do Ave, Rui Sousa. Numa curta intervenção, deu as boas-vindas aos participantes do projeto comenius DEPTH. De seguida foi a intervenção de Ramazan Keskin, professor na Turquia e coordenador geral do projeto. Ramazan Keskin começou por saudar os presentes em português e de seguida agradeceu a hospitalidade que todos os participantes estavam a ter em Portugal. O concerto foi solidário e tinha um objetivo: colaborar com uma instituição da região. Para isso todos os que foram assistir ao concerto levarem um género alimentar que colocaram na entrada do CCVA. Simbolicamente, uma vez que era difícil levar tudo para o palco, foi entregue, uma pequena amostra do resultado da recolha dos alimentos, à associação ASAS, que estava representada por Celeste Ferreira. Na sua intervenção agradeceu a iniciativa e destacou as boas relações que existem entre as associações e o agrupamento. O espetáculo continuou com os alunos da escola de Quintão 1, que mostraram alguma das personalidades mais importantes de Portugal. Seguiram-se vários momentos musicais onde o fado, cantado por alunas e por uma professora do agrupamento, teve um destaque especial. A terminar atuaram os alunos que compõem o conjunto 5 Good Fellows. O delírio foi total! Este concerto inseriu-se no programa de atividades do Projeto Comenius: Easier Together. Os parceiros deste projeto visitaram o Agrupamento no ano passado, no mês de Abril. Os principais objetivos deste projeto são o trabalho em parceria, o voluntariado e a entreajuda. A conclusão deste projeto será em Abril, na

24


JUNTOS É + FÁCIL - easier together Grécia, e o Agrupamento de Escolas do Ave vai estar representado com 12 participantes, entre alunos, professores e pais. Nesta reunião vão participar alunos com necessidades educativas especiais, uma vez que o projeto é organizado pelo Grupo de Educação Especial e pelo Grupo de Educação Moral e Religiosa Católica. Juntos é + fácil – Easier Together No âmbito deste projeto, a Escola Básica de Vila da Aves participou, entre os dias 3 e 7 de Outubro, em mais uma etapa, desta feita na

Polónia, mais concretamente na cidade de Luwartov, tendo-se deslocado a esta cidade três professores e oito alunos do 3º ciclo. O projeto promovido pelos grupos de Educação Especial e EMRC, que integra para além de alunos portugueses, polacos, gregos e turcos e cujo início decorreu já no ano anterior com a visita dos parceiros a Portugal e à Turquia, visa a sensibilização

25

para a solidariedade, a cooperação e entreajuda, particularmente para com os mais frágeis, como as minorias e pessoas com deficiência, e o reforço dos laços culturais e de aproximação entre gerações. Nesse sentido, os participantes desenvolveram na Polónia atividades lúdicas e educativas em jardins de infãncia e escolas da cidade, tendo também visitado o campo de concentração Majdanek, construído em 1941 para receber prisioneiros de guerra no qual são bem visíveis as marcas da perseguição e extermínio de judeus e minorias durante a 2ª guerra mundial. Os alunos e professores tiveram, ainda, oportunidade de participar nos Paralympic Games, organizados pela escola II Liceum Ogólnokształc ace onde participam várias instituições da região que trabalham com pessoas com vários tipos de incapacidade. Além disso os participantes dos diferentes países puderam dinamizar uma atividade de divulgação do seu património cultural e gastronómico, tendo Portugal feito grande sucesso com a divulgação dos seus produtos regionais. Em suma, a visita à Polónia foi assaz enriquecedora e gratificante para todos os participantes da nossa escola. / Professor José Moreira /


JUNTOS É + FÁCIL - easier together

Em terras polacas… No âmbito do “Projeto Comenius - Easier Together”, um grupo de alunos, da nossa escola visitou o país da bandeira vermelha e branca, a Polónia. Foi uma viagem muito divertida com a missão de representar Portugal. Com um sorriso nos lábios, partimos numa experiência inigualável, no dia 3 de outubro e regressámos no dia sete. Todos admitimos que, apesar de ter sido uma longa viagem de avião, valeu a pena. Quando aterrámos em solo polaco, fomos recebidos por um professor nativo, Rałaf Wrotkowski, que nos levou até um ponto de encontro, onde se encontravam os alunos polacos que nos concederam “abrigo” durante a estadia. No primeiro dia e logo pela

manhã, dirigimo-nos para a escola “II Liceum Ogólnokształcące im Piotra Firleja w Lubartów” que foi “palco” de muitas nacionalidades diferentes, presentes neste Projeto, tais como a Turquia e a Grécia. Da escola partimos para a Câmara Municipal de Lubartów”, onde contactámos com o presidente, Janusz Bodziacki. Durante a tarde, visitámos o campo de concentração de Lublin, um local que nos fez reviver o tempo de Adolf Hitler. No dia seguinte, visitámos a igreja de Lubartów e ainda o Lublin Plaza, o centro comercial “dos adolescentes”. No terceiro dia, tivemos o privilégio de interagir com crianças de um infantário próximo da escola, local onde nos divertimos muito. Adorámos esta visita. / Maria Francisca Pereira, 9.º D /

26


EDUCAÇÃO ESPECIAL - dia mundial da pessoa com deficiência À semelhança dos anos anteriores, os docentes de Educação Especial promoveram atividades nos diversos estabelecimentos de

ensino para assinalar o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, tendo contado

com a colaboração de diversos docentes do Agrupamento.

27

Com efeito, entre os dias 26 de novembro e 4 de dezembro, foram realizadas várias atividades em dominios diversos como a expressão plástica e artística, a expressão física e motora, a expressão musical e cinematográfica, envolvendo os alunos dos diferentes níveis de ensino. Tais atividades visaram a sensiblização e a inclusão educativa e social da pessoa com dificiência ou com diferença, bem como a promoção do trabalho colaborativo e cooperativo, numa perspetiva de fomento da interajuda e inclusão de pessoas com limitações na atividade e participação. As atividades contaram com forte adesão quer dos discentes, quer dos docentes da comunidade escolar, como ilustram os diversos registos efetuados no âmbito da iniciativa, pelo que os objetivos delineados foram plenamente cumpridos. / Professora Marta Silva/


POETAS E POETISAS A Vida da Cor A vida tem cor, Mas a cor também tem vida. Eu queria ser amarelo como o sol, mas talvez pareça enjoado, eu quero é ser encarnado. Azul como o mar, É perfeito para mim, Pois eu gostava de ser, um oceano sem fim. Verde é bonito, São felizes as plantas, Pois, verde tem vida, como outras tantas. Eu gosto do preto, Apesar de não ter vida, Guardo lá a tristeza e o rancor, Pois a vida tem cor. É bonito o arco-íris, Ele tem muita cor, Se não fosse colorido, Onde é que eu o iria pôr? Guardo-o numa caixinha, que é bem bonitinha. Se ele fosse preto, não iria combinar Mas cinzento, pode melhorar. Adoro as cores. Elas são lindas! E numa caixinha, eu as vou pôr. Pois a cor tem vida E a vida tem cor.

Podia ser médica, Para operações fazer, Picas e vacinas É o que os doentes vão ter! Em Guimarães eu vou arranjar Um trabalho para ganhar, Muito dinheiro para ajudar, A minha família vou contentar. Mas pensando melhor, O que eu quero ser É mesmo criança Para crescer. Sofia Rebelo, 6.º B /

O Sonho A noite apareceu, O sol deixou de brilhar, O menino adormeceu, E começou a sonhar. Parecia real, O encontro com a bela, O matar dragões E se casar com a Cinderela. Foi príncipe encantado, Foi Tarzan corajoso, Salvou muitas princesas, Com o seu cavalo raivoso.

Eu quero ser…

Jogou futebol, Foi expulso pelo lobo mau, Conheceu sete anõezinhos E um menino de pau.

Eu quero ser arquiteta, Ou ir para a meta, para ser atleta. O que eu quero é ter uma profissão, Senão tenho que estar sentada no chão.

Viu um homem verde, Com um burro a falar, Perguntou-lhes onde iam, - Vamos ver Portugal jogar.

/ Francisco Alves, 6.º B /

28


POETAS E POETISAS Estava tudo trocado, Ninguém se entendia, Cada vez que beijava a princesa, Ela adormecia. Confuso despertou, Feliz por ter sonhado, Um sorriso esboçou, Assim meio embaraçado…

Todo sujo Com a espada à cinta E um escudo Vinha tão cansado Tão cheio de fome Corre D. Aurélia Para o ajudar.

Tinha entrado no sonho errado. / Daniela Mouta, 6.º B /

A água

/ S. Tomé de Negrelos, 1.º ano /

A água é essencial E não a devemos desperdiçar. A água é fundamental Para a vida não acabar. Se ela nos faltar Todos vamos sofrer, Pois somos seres vivos E precisamos dela para viver. Para a termos em abundância Devemos usá-la com moderação, Pois assim não sentimos a seca Durante os meses de verão. Se a soubermos utilizar Não temos que nos preocupar. A água é um bem essencial Todos a devemos valorizar. / Beatriz Neto, 4.º C - Quintão 1 /

D. Aurélia Foi-se D. Aurélia Pôr-se à janela Olhou ao longe Viu D. João Que vinha da guerra No seu cavalo branco

29

Ilustração do poema D. Aurélia: Helena, 1.º P

Com base no poema “Boa noite passarinho”, de Matilde Rosa Araújo, dinamizado numa sessão da Biblioteca Escolar, os alunos do 4.º ano escreveram outros poemas. - Bom dia girassolzinho Onde é que vais beber? - Vou beber no mar azul Com o luar a bater.

/ Catarina Nunes /

- Bom dia rosinha Onde é que vais crescer? - Vou crescer na relva verde Com o amarelo a aparecer. / José Miguel /

- Boa noite cadelinha Onde vais ressonar? - Vou ressonar no meu cantinho Com a minha dona a cantar. / Maria Ferreira /


EDUCACÃO EDUCAÇÃO MUSICAL Clube de Música O Clube de Música surgiu pela necessidade de ter um espaço que permitisse aos alunos explorarem e desenvolverem as suas capacidades musicais de uma forma mais livre e informal. A música constitui uma arte cheia de emoções, de novidades constantes, que muito pode contribuir para a formação integral dos alunos. Tal como tem vindo a suceder nos últimos anos letivos, o Clube de Música pode integrar alunos do 2.º e 3.º Ciclos. Os alunos interessados deverão contactar as Professoras de Música/Educação Musical. Este clube continua aberto a todos aqueles alunos que queiram fazer música, procurando desta forma concretizar as suas expetativas musicais. O Clube de Música pretende ser um clube dinâmico, criativo, cooperante e formativo. É gratificante analisar os resultados obtidos, quer na cooperação e empenho dos alunos em atividades da escola, quer em projectos musicais fora da mesma. É sinal evidente de que todo este ensino é de extrema importância a nível individual, cultural, formativo e social. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS Inauguração da Escola Básica Integrada de S. Tomé de Negrelos - 30.09.12 Os alunos demonstraram interesse e empenharam-se na preparação desta atividade. Pelas 16h, na escola Básica de S. Tomé de Negrelos, os alunos do Clube de Música juntamente com um grupo de alunos do 2.º ciclo, participaram em dois momentos musicais diferentes. No início, cantaram a música ”Menina estás à Janela” com acompanhamento de guitarra. No decorrer da cerimónia o grupo entoou a canção “Sou

a escola”, com acompanhamento de CD. Comemoração dia Mundial da Música 03.10.12 No decorrer da semana de 1 a 4 de Outubro, realizaram-se várias atividades na sala de aula com os alunos do 2.º ciclo, nomeadam e n t e com a projeção de filmes alusivos à data e os alunos tiveram a oportunidade de elaborar autocolantes, pintaram marcadores de livros e ilustraram vários pensamentos sobre a música. Os alunos do Clube de Música, no dia 3, na sala de professores proporcionaram um momento musical, interpretando na guitarra uma canção: “Menina Estás à Janela”. A aluna Tatiana do 6.º C acompanhou à guitarra a Helena, também do 6.º C, na declamação de um poema alusivo à data. Cerimónia do Quadro de Honra - 30.11.12 O Clube de Música foi convidado para participar na cerimónia do Quadro de Honra que se realizou no Polidesportivo do Clube Desportivo das Aves, pelas 21h. Ficou a seu cargo, ao longo de toda a cerimónia, proporcionar vários momentos musicais. O repertório foi o seguinte: “Dunas” - GNR; “Menina Estás à Janela” Vitorino; “Secretamente” - Rita Guerra; “Postal dos Correios” e “A Fisga” - Rio Grande. / Professoras Esmeralda Pinheiro e Filomena Oliveira /

30


Qual era a minha posição Se tu queres viver assim Perder-te assim Senti que tinha obrigação Em tentar salvar-te Mas não é dar-te Tudo o que queres é demais para mim Não te quero dar mais do que posso Dou-te nada Quando tu queres tudo Dou-te tudo Quando não queres nada Queres tudo queres Não queres nada, não (x4)

Sem duvidares que Tudo o que queres é demais para mim E eu não consigo dar mais do que posso Dou-te nada Quando tu queres tudo Dou-te tudo Quando não queres nada Não vamos fazer disto mais uma canção Leva-me a sério e ouve o que eu te disse no refrão Eu não quero ser sempre o teu porto seguro Mas tenho a certeza que és o meu futuro Como farei, direi ser o teu predileto Partilhar contigo tudo no mesmo teto Lamechices que eu amo demais ‘’Tou’’ tão apanhado por ti que só me apetece pedir a mão aos teus pais Viver alguns tipo anos 60 Onde tudo era tão belo Virgem, simples, perfeito Se ‘’tás’’ apaixonada não fiques parada Porque eu Dou-te nada Quando tu queres tudo Dou-te tudo Quando não queres nada

Qual era a tua indecisão Se tu vais sentir por fim Noites frias sem mim Não basta só ter a intenção É preciso dares-te

/ fonte: http://www.nletras.net /

SEDE - Rua Luís Mendes de Carvalho 4795-080 Vila das Aves Vila das Aves info@agrupamentoave.pt http://www.agrupamentoave.pt tel. 252 941 177

fax 252 942 389

Ano letivo 2012/2013 * 1.ª edição * fevereiro 2013

fonte: http://www.expensivesoul.com

EXPENSIVE SOUL - dou-te nada

Janela Aberta (2012/13 - n.º 1)  

Jornal Escolar do Agrupamento de Escola Ave.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you