Issuu on Google+

Finalistas 2011/2012

Entrevista com... Deputada Catarina Martins


EDITORIAL EDITORIAL Será que estamos a fazer tudo que podemos? Mais um ano letivo termina… Até parece que foi ontem que teve início, tal é a intensidade do trabalho diário na escola. Sim, na escola, local de vivências ímpares e inesquecíveis. Quem não se recorda da primeira marotice realizada a um professor ou funcionário? Quem não se recorda da primeira falta a uma aula? Da primeira paixão? Do primeiro beijo? Por vezes, nós, professores, esquecemo-nos que também já fomos alunos, que também já passamos por tudo aquilo que os alunos estão a passar e a sentir. Certamente todos já partilhamos diversas visões dos nossos professores, como, por exemplo: - com este professor temos que estar caladinhos, é mau como as cobras; - com este podemos até brincar que não há problemas; - com este até dá para chegar atrasado, nunca marca faltas; - as aulas desta disciplina são uma seca; o professor só fala, só fala. Os alunos testam, desafiam os docentes, para descobrirem o tipo de professor com que estão a lidar. Já no meu tempo de aluno assim era. E, a partir daí, criam e desenvolvem formas de atuar em cada aula. É por isso que um mesmo aluno parece assumir atitudes tão díspares em aulas diferentes. É bastante usual ouvir-se, em conversas de corredor, professores de uma mesma turma referir-se a um mesmo aluno em termos aparentemente antagónicos: - Na minha aula é um miúdo amoroso, impecável; - Na minha é o pior da turma, quando falta a aula corre maravilhosamente. Exemplos como este não são assim tão raros. Qual a explicação para esta situação? A interação professor-aluno ultrapassa necessariamente os limites profissionais, escolares. É, na verdade, uma relação que deixa marcas e que deve sempre basear-se na afetividade e no diálogo. Incontestavelmente, na relação professor-aluno há diversas variáveis que podem e devem ser controladas pelo adulto. Muitos de nós não aproveitamos a maior vantagem que temos nesta relação e que nos deveria ajudar a superar algumas situações: também já fomos alunos um dia. A sociedade mudou, o número de famílias com dificuldades económicas aumentou, as prioridades e princípios mudaram e isso, sem dúvida nenhuma, reflecte-se nos alunos, com atitudes diferentes na forma de encarar a escola. Novas realidades merecem da parte da escola formas diferentes de trabalhar. A escola de hoje tem

que estar atenta a estas mudanças, a estas novas realidades. Será que temos feito tudo que está ao nosso alcance? Será que estamos à altura das nossas obrigações? Acredito que podemos e devemos fazer mais. Não estou satisfeito, nem ninguém pode estar, com o conjunto de resultados escolares que a algumas disciplinas já são crónicos e que, anos após ano, não melhoram. É verdade que as constantes alterações legislativas ou a sombra dos mega-agrupamentos, para dar alguns exemplos, têm sido fonte de alguma instabilidade. No entanto, os nossos alunos não têm responsabilidade nenhuma nesta situação e continuam a merecer todo o nosso esforço e profissionalismo. Parabéns a todos os que se esforçaram e dedicaram ao longo do ano, certamente serão recompensados. Os alunos com boas notas. Os professores com o sentimento de dever cumprido, mais não poderiam fazer… Desejo a todas umas boas férias. É tempo de recarregar baterias, 2012/2013 já bate à porta… /Rui Sousa, Diretor do Agrupamento Ave /

FICHA TÉCNICA FICHA TECNICA

Propriedade: Agrupamento de Escolas do Ave Edição: Junho de 2012 * Ano letivo 2011/2012 * n.º 2 Tiragem: 400 exemplares Impressão: Gráfica do Ave Joaquim Miguel da Cunha e Filhos, Lda. Coordenação: Maria José Gonçalves Ricardo Pereira Teresa Machado Colaboradores: Identificados ao longo do jornal Arranjo gráfico: Ricardo Pereira Capa: Alunos Finalistas do ano letivo 2011/2012 Logótipo do jornal Janela Aberta: António Menino

01


CONTEÚDOS CONTEUDOS

30 anos ensino superior artístico

PELO NOSSO AGRUPAMENTO PELO NOSSO AGRUPAMENTO DESPORTO ESCOLAR DESPORTO ESCOLAR

PORTO ensino universitário www.esap.pt Licenciaturas: Animação e Produção Cultural Artes Plásticas e Intermédia Artes Visuais – Fotografia

ATIVIDADES DE LEITURA ATIVIDADES DE LEITURA VISITAS DE ESTUDO VISITAS DE ESTUDO PRODUÇÕES LIVRES PRODUÇOES LIVRES

Cinema e Audiovisual Design e Comunicação Multimédia Gestão Cultural Teatro – Interpretação e Encenação

Mestrado: Artes Visuais e Intermédia Realização – Cinema e Televisão Teatro

Mestrado Integrado: Arquitetura (regime diurno e pós-laboral)

GUIMARÃES ensino politécnico www.esapwww.esap-gmr.pt Licenciaturas: Desenho BD / Ilustração Grafismo Multimédia

Mestrado: Desenho Ilustração Animação Digital

SEMANA DO AGRUPAMENTO SEMANA DO AGRUPAMENTO FINALISTAS 2011/2012 FINALISTAS 2011/2012 A ESCOLA E A POLÍTICA A ESCOLA E A POLITICA ENTREVISTA ENTREVISTA ECO-ESCOLAS ECO-ESCOLAS COMENIUS COMENIUS EDUCAÇÃO ESPECIAL EDUCAÇAO ESPECIAL EDUCAÇÃO MUSICAL EDUCAÇAO MUSICAL

03 05 07 10 13 15 19 23 24 28 29 33 34

Rua do Infante D. Henrique nº 131 4050-298 Porto www.cesap.pt | T. 22 339 21 00

02


PELO NOSSO AGRUPAMENTO PELO NOSSO AGRUPAMENTO FESTEJAR OS REIS Para celebrar os reis, o jardim de infância das Fontainhas andou a cantá-los pela vila, assim como no sarau dos reis realizado pelos bombeiros, no dia treze de janeiro, pelas 20 horas. / Educadora Goretti Serra /

CELEBRAÇÃO PASCAL Na escola sede do nosso agrupamento celebrou-se também a época festiva da Páscoa, realizando-se para o efeito o Compasso Pascal, o almoço convívio e a elaboração de tapetes alusivos à ocasião. Aqui ficam os vencedores:

5.º G

DIA DA PROTEÇÃO CIVIL Neste jardim de infância, comemorou-se também o dia da proteção civil. Os bombeiros foram à escola alertar os meninos para os diferentes riscos, e, no final, deixaram que eles interagissem com o carro e com outros materiais de combate aos incêndios, como as mangueiras.

9.º D

/ Educadora Goretti Serra /

As turmas 6.º C e 8.º E foram contempladas com uma menção honrosa. 03

/ Professor Americo Rajão /


OLIMPÍADAS DA QUÍMICA Nos dias 14 e 28 de abril, o Alexandre, 9.º A, a Cátia, 9.º D, e o Luís, 9.º C, representaram a nossa escola nas Olimpíadas de Química e de Física, respetivamente. Os sábados iniciaram-se bem cedo, com o sono interrompido antes do habitual. Pelo caminho os nervos eram alguns, pois partíamos para uma nova experiência e com a ideia que iríamos fazer mais uma espécie de ficha de avaliação. Mas, ao longo do percurso até à Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, o diálogo foi constante e os nervos pareciam diminuir. Quando lá chegamos ainda tivemos que esperar um pouco para que a aventura se iniciasse. Fomos muito bem recebidos, mas chegada a hora das provas, tive que me separar dos meninos, com a certeza que ficariam muito bem entregues.

No final das provas, veio o tão desejado almoço e um momento para relaxar e conversar um pouco. Depois ainda houve tempo para assistir a palestras interessantes, dirigidas à faixa etária dos alunos. Nas Olimpíadas de Química, pudemos assistir à palestra “A Química e a Poesia” presidida pelo Prof. Doutor João Paiva que interagiu muito com os alunos. Nas Olimpíadas de Física, o tema foi “A Física encontra a Medicina e a Biologia” com a apresentação do Prof. Doutor Rui Travasso. Ficamos todos a perceber mais um bocadinho de tantas coisas que ainda desconhecíamos. De regresso a casa, reinava a boa disposição e a descontração. Espero que os alunos tenham gostado e aproveitado esta oportunidade de estarem em laboratórios de Química e de Física de uma Universidade, podendo assim observar uma realidade diferente que lhes era desconhecida. / Professora Susana Ribeiro /

04


DESPORTO ESCOLAR DESPORTO ESCOLAR CORTA-MATO No dia 11 de fevereiro, nós, os alunos, da escola Básica de Vila das Aves, participamos no tradicional corta-mato,

organizado pelo grupo de Educação Física. Nesse dia, eu estava nervoso pelo desafio e pela competição, mas, ao

05

mesmo tempo, sentia-me confiante, pois encontrava-me em boa forma física e sempre fui rápido na corrida. Assim, acreditava que poderia obter uma boa classificação, como já acontecera em anos anteriores. O corta-mato foi difícil, pois alguns colegas foram desistindo, porque não aguentaram o desafio. Eu não me apercebi do que ia acontecendo atrás de mim, tinha um único objetivo: correr, correr, correr, para vencer e foi o que aconteceu. Senti-me muito orgulhoso da minha prestação e adorei participar nesta atividade. / João Moreira, 9.º B /


BADMINTON Os alunos do desporto escolar participaram no I Encontro de Badminton iniciados masculinos Desporto Escolar, realizado na Escola da Boa Nova, em Leça da Palmeira. A nossa escola foi representada com uma excelente participação de três alunos: Luís Pimenta, Gabriel Pacheco e Igor Pedrosa. No resultado final deste encontro, obtivemos um 3.º lugar por parte do aluno Luís Pimenta. / Professora Eva Martins /

06


ATIVIDADES DE LEITURA ATIVIDADES DE LEITURA TRAPOS COM HISTÓRIAS No âmbito do Plano Nacional de Leitura, em articulação com a Associação de Pais da Escola de S. Tomé de Negrelos, APEN, foi realizada uma atividade intitulada «Trapos com histórias», que teve lugar no centro de recursos da mesma escola. A

atividade constou da vinda de uma contadora de histórias, Saphir Cristal, acompanhada de um colega, Samuel, que a acompanhou tocando guitarra elétrica, conseguindo os dois i m pri m i r o di n am i s m o adequado ao grupo de 50 crianças, do pré-escolar, que os ouviram muito atentos e com entusiasmo. / Educadoras Fernanda e Laura /

07


SEMANAS DA LEITURA No âmbito da semana da leitura, que decorreu de 5 a 9 de março, a Escola Secundária D. Afonso Henriques convidou duas turmas da Escola Básica de Quintão 1 a assistirem a um teatro de fantoches, apresentado pelos alunos do 11.º S da Área de Expressões, e a uma dramatiza-

ção de um excerto do conto da «Menina do Mar», apresentado pelos alunos do 10.º ESE. Todos os alunos das turmas selecionadas demostraram grande interesse pela iniciativa, achando-a divertida e excelente e gostaram do presentinho que lhes foi oferecido no final da atividade.

Também no jardim de infância das Fontainhas se realizou uma Semana da Leitura. Umas das atividades desenvolvidas no âmbito dessa semana foi a dramatização da história da «Branca de Neve e os Sete Anões». / Educadora Goretti Serra/

/ Alunos da turma C – Quintão 1 /

08


ATIVIDADES DE LEITURA (cont.) ATIVIDADES DE LEITURA (cont.) A POESIA ESTÁ NA RUA No dia 21 de março, dia Mundial da Poesia, durante a tarde, em Santo Tirso, na praça dos Carvalhais, a turma E, do 7.º ano, participou no evento «A poesia está na rua», promovido pela Câmara Municipal de Santo Tirso, com a finalidade de dinamizar culturalmente a cidade e o concelho. Esta atividade envolveu várias escolas do concelho, nomeadamente a nossa, tendo

os alunos da turma, atrás referida, lido, expressivamente, poemas de Vasco da Graça Moura, poeta homenageado este ano. Para enriquecer e embelezar este momento, o professor José António Magalhães tocou órgão, fazendo acompanhamento musical da leitura dos poemas. No final, os alunos entregaram as composições poéticas aos espetadores e comerciantes locais. A SIC esteve presente, filmou a atividade e entrevistou professores e algumas pessoas que ali se encontravam. Paralelamente, foi também promovida a escultura de rua, estando presentes, nesta

09

praça, uma escultura do professor Américo Rajão e outra realizada pelos alunos da turma A, do 6.º ano: um enorme cesto invertido, onde se colocaram os poemas do poeta homenageado que foram posteriormente oferecidos à população local. Esta atividade foi muito interessante e divertida, pois possibilitou o convívio entre alunos, professores e a comunidade em geral e proporcionou ainda novas experiências aos discentes, assim como os motivou para o / Alunos da Turma 7.º E /


VISITAS DE ESTUDO VISITAS DE ESTUDO PINTURA No âmbito da disciplina de Pintura, os alunos do 9.º B, da Escola Básica de Vila das Aves, deslocaram-se, no dia 24 de fevereiro, ao Centro Cultural de Vila das Aves para visitarem a Exposição «De Natureza Têxtil», de Ana Maria Antunes. A turma teve o privilégio de ter presente a pintora, que acompanhou o grupo e comentou a interpretação pessoal dos vários elementos da exposição. Explicou que as obras expostas foram inspiradas no contexto cultural de Vila das Aves, nomeadamente o padroeiro, S. Miguel Arcanjo, e alguns aspetos da indústria têxtil. / Professora Jacinta Ribeiro /

10


VISITAS DE ESTUDO (cont.) VISITAS DE ESTUDO (cont.) CIÊNCIAS NATURAIS E CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS No dia 1 de março, nós, os alunos do 9.º ano realizamos uma visita de estudo ao Visionarium de Santa Maria da Feira, no âmbito da disciplina de Ciências Naturais e Ciências Físico-Químicas. A visita foi dividida em duas partes, uma de manhã outra de tarde.

De manhã, fomos a um Mini-Lab onde testamos o efeito do álcool, com diferentes volumes, e da cafeína em pequenos crustáceos chamados Dáfnias. O álcool tinha volumes de 6,7%, 12% e 45%. Foi bastante interessante ter que contar o batimento cardíaco das Dáfnias, já que era muitíssimo rápido, mas após 11

deitarmos álcool, foi bem mais fácil, uma vez que o ritmo cardíaco baixou imenso, nem podíamos acreditar… Infelizmente morreram grande parte delas. De tarde, fizemos uma visita guiada por 5 odisseias: A Odisseia da Terra, A Odisseia da Matéria, A Odisseia do Universo, A Odisseia da Vida e A Odisseia da Informação. Durante esta visita tivemos que fazer um «peddy paper». Todas foram muito interessantes, mas gostamos especialmente da Odisseia da Matéria, que tinha uma sala com luzes diferentes e até tinha uma luz de discoteca, que fazia com que tudo o que fosse branco ficasse fluorescente. Foi muito engraçado. Foi uma visita inesquecível e aconselhamos toda a gente a visitar o Visionarium de Santa Maria da Feira. É algo verdadeiramente espantoso. / Alexandre Brito, 9.º A /


VISITAS DE ESTUDO

LÍNGUA PORTUGUESA APRENDENDO LÁ FORA... No dia 6 de fevereiro, realizou-se uma visita de estudo ao Porto, para assistirmos à peça «Auto da Barca do Inferno», de Gil Vicente, e conhecermos o Jardim Botânico e a casa de Sophia de Mello Breyner Andresen. Esta visita destinou-se a todos os alunos do 9.º ano, no âmbito da disciplina de Língua Portuguesa. Chegados ao Porto, começamos a visita em Perafita, no Auditório São Mamede, local onde assistimos à dramatização do «Auto da Barca do Inferno», encenado pela Companhia de Teatro «O Sonho». Na minha opinião, a dramatização foi totalmente fiel ao texto original e permitiu que os alunos compre-endessem melhor o texto vicentino. A personagem que mais gostei, foi, sem dúvida, o Parvo, que nos

lhadas, mesmo quando nem sequer falava. O Diabo, também, esteve muito bem no seu papel de «mauzão» e irónico e roubou muitas risadas ao público. Fizemos uma pausa no Mar Shopping, para almoçarmos e, de seguida, fomos visitar o Jardim Botânico e conhecer a casa de Sophia. Contactamos com os espaços, no Jardim Botânico, onde Sophia tantas vezes se inspirou para escrever as suas obras. Nunca pensei que o Jardim Botânico fosse tão bonito! Encontrava-se dividido em vários jardins, entre os quais, não posso deixar de referir o Jardim do Xisto, pelos seus lagos encantadores, e o Jardim dos Jotas, o meu preferido, que é simplesmente lindo! Gostei muito e é, sem dúvida, uma visita que não me importava de repetir! / Francisca, 9.ºA /

12


PRODUÇÕES LIVRES PRODUÇOES LIVRES AS TRÊS GIRAFAS Numa manhã de primavera, na savana, viviam três girafas. Eram muito brincalhonas, a Mimi, a Lili e a Pepa. Eram muito coloridas, uma era verde e azul, outra amarela e vermelha e a última era rosa e roxa. Nessa manhã, estavam a divertir-se muito a jogar à bola. A Mimi ia à frente com a bola, as outras duas a correr atrás dela. Estavam a tentar tirá-la. Passaram-lhe uma rasteira, a Mimi caiu e rebolou pelo chão. As outras duas que iam logo atrás, a correr, não tiveram tempo e tropeçaram nas pernas da Mimi. Rebolaram todas juntas, que até pareciam uma bola de neve. Quando pararam, levantaram-se e viram que estavam todas enroladas. Desataram-se a rir, a rir e no meio de tanta gargalhada conseguiram desenrolar-se. As três girafas nunca mais se esqueceram desta manhã tão divertida. / Alunos do 2.º ano - Turma R /

13

SOBRE A AMIZADE... «Os homens já não têm amigos». E será verdade? Os homens já não têm amigos? Mas, afinal, o que é ter amigos? E ser amigo? Segundo o dicionário, amigo é «aquele que estima outra pessoa ou é estimado por ela». Não tenho a certeza que isto esteja correcto ou pelo menos parte disto. Se ser amigo é estimar, por sua vez estimar é «ter estima por; gostar de; tratar com cuidado», volto a repetir, segundo o dicionário. Concordo que, para ter amigos, é preciso estimá-los e que, também, é preciso gostar deles e eles de nós, mas a parte que me faz confusão é mesmo a última. Tratar com cuidado é não estragar, certo? Neste caso não magoar. Ser amigo é não fazer essa pessoa triste, ou seja, não magoá-la? A verdade, por vezes, pode ser triste, ser amigo é não dizer as verdades que nos fazem sentir tristes? Não, para ser amigo é preciso dizer tudo o que nos vai na alma, sobre ele, sobre nós, sobre o mundo. As verdades tristes são necessárias para a


ED

formação da personalidade, claro que é difícil dizê-las, pois questionamo-nos: Vai ficar zangado comigo? E se nunca mais me falar? É nesses momentos que nos devemos lembrar que ele ou ela é nosso amigo(a) e, por muito triste ou zangado que fique por causa do que pensamos, é só uma opinião e que não veio de ninguém que lhe quer mal. Mentir é mau, mentir por omissão também é, para mim, não dizer as verdades tristes é mentir. Ser amigo é estar presente nos bons e maus momentos, é gostar dessa pessoa incondicionalmente, sem julgar nem intrigar, é percebê-la e compreendê-la, é não mentir, é conhecê-la e respeita-la acima de tudo. Basicamente, é um casamento sem assinatura, mas com uma cerimónia que demora algum tempo a concretizar-se. Se ser amigo resume-se a dar o nosso amor, sem esperar nada em troca, ter amigos é receber o amor dos outros. Os homens têm ou não amigos? Acredito que haja verdadeiros amigos, mas, também, acredito que haja pessoas

que não querem o nosso melhor. O truque é saber escolhê-los. E como se escolhe? Não sei. Com isto não estou a dizer que sou perfeita, só dou a minha opinião. Sei perfeitamente que minto por omissão e intrigo mais vezes do que aquelas que devia. Também sei que podia dar um bocado mais de amor. Não sou perfeita, mas estou a tentar mudar. / Ana Ferreira, 9.º B /

CONTRASTES SOCIAIS Atualmente, no nosso país, a sociedade é marcada por grandes contrastes sociais. Por um lado, há pessoas sem casa e sem dinheiro para comprar alimentos, por outro lado, há grandes fortunas que pertencem a jogadores de futebol, empresários, políticos e outros e, a maior parte, pouco ou nada faz para ajudar o próximo. Também há aqueles que trabalham imenso e muitas vezes arriscam as suas vidas e pouco ganham, mas, apesar disso, são solidários e ainda conseguem partilhar com outros mais carenciados. A crise que atravessamos é que faz com que os ricos enriqueçam e os pobres empobreçam ainda mais, as desigualdades e as necessidades são cada vez maiores e nunca estes contrates serão equilibrados, pois nesta balança há fortuna e arrogância, numa parte, e noutra há pobreza e humildade. Toda a gente é diferente, em termos financeiros, na maneira como se socializam e na maneira como distribuem sorrisos. / Mariana, 7ºE /

14


SEMANA DO AGRUPAMENTO SEMANA DO AGRUPAMENTO ACONTECEU NO NOSSO AGRUPAMENTO Decorreu, entre os dias 7 e 12 de maio, a 1.ª Semana do Agrupamento de Escolas do Ave. Foi uma semana ainda mais intensa do que o habitual para a comunidade educativa do Agrupamento do Ave. As atividades decorrerem no Centro Cultural da Vila das Aves e no espaço envolvente durante uma semana repleta de atividades. A inauguração foi no dia 7, pelas 9h e contou com a presença da Vereadora da Cultura, Júlia Godinho, o Presidente da Junta da Vila de Negrelos, Henrique Machado, o Diretor do CCVA, Nuno Olaio, e o Diretor do Agrupamento de Escolas do Ave, Rui Sousa. Presentes estiveram também muitos alunos e professores. Terminada a visita inaugural à exposição foi a hora do conto, com a participação especial da Vereadora da Cultura que leu aos alunos a história «Tiago e os Primos» de Rui Lage. O programa desta primeira semana do agrupamento foi muito variado: Música, Teatro, Poesia, Contos, Escalada, Badminton, Aeróbica, Festa da Leitura, Conferências, Observações Noturnas, Exposições: Jogos Olímpicos; - Biplanos da 1ª Guerra Mundial; Caricaturas dos presidentes da república; - Uma viagem pela União Europeia; Trabalhos de alunos e

15

trabalhos de professores. Para o sucesso desta semana foi sem dúvida fundamental o empenho dos alunos, professores, direção do agrupamento, apoio da Câmara Municipal de Santo Tirso, através do CCVA e a participação dos pais e encarregados de educação. Embora só este ano se tenha realizado pela primeira vez uma semana dedicada ao agrupamento, não restam dúvidas, tendo em conta a numerosa participação em todas as atividades, que é uma iniciativa a repetir futuramente… / Cartaz da Semana do Agrupamento Ave /


DRAMATIZAÇÃO DA HISTÓRIA «VANINA E GUIDOBALDO» No passado dia 12 de maio, a turma do 7º C representou a peça «Vanina e Guidobaldo» no Centro Cultural de Vila das Aves, representação integrada no Sarau Cultural da Semana do Agrupamento. Esta peça resulta da adaptação do livro “O Cavaleiro da Dinamarca” de Sophia de Mello Breyner Andresen e conta a história do amor impossível entre Vanina e Guidobaldo, que é contada ao Cavaleiro pelo Mercador de Veneza, quando este regressa da Terra Santa, onde foi em peregrinação. Para a maior parte dos alunos, esta foi a sua primeira representação! Ficam aqui alguns registos na primeira pessoa… / Professora Cristina Machado /

Francisco Eu gostei muito desta experiência, porque foi a primeira vez que representei. A história é muito interessante, pois é sobre o amor entre Vanina e Guidobaldo, que não pode ser concebido por causa do seu Tutor e de Arrigo. Talvez repita a experiência, mas julgo que não, pois provavelmente não vou ter essa possibilidade. Com os nervos fiquei um pouco rouco na minha primeira fala. Bruno Eu gostei muito da história, acho que mostrava como o amor é forte. Apesar de não ter tido um grande papel na peça, gostei de estar em cima do palco e de ver tanta gente. Apesar de tudo, acho que

não ia gostar se tivesse um papel com falas. José Vítor Quando entrei em palco, senti-me nervoso, mas logo que comecei a falar fiquei um pouco mais aliviado. Gostei da história, era bonita. Adorei ser o Cavaleiro e representar a peça foi muito engraçado. Nunca representei para tantas pessoas e gostava de repetir esta experiência. João Pedro Adorei representar, porque foi a primeira vez e foi uma experiência muito positiva estar num palco com espectadores. Gostava muito de repetir a experiência, pois foi engraçada e interessante e, desta vez, os nervos e as atitudes estariam mais moderados. Estava disposto a aceitar outra proposta, mesmo fora da escola. Paulo Eu gostei muito desta peça, achei-a interessante. Adorei representar, foi uma experiência única, mas gostava de ter tido mais falas. Se surgisse outra oportunidade para representar, não pensava duas vezes e aceitava-a no momento. Maria Gostei muito da história, achei-a divertida, interessante e romântica. Em relação à experiência de representar foi, sem dúvida nenhuma, espetacular. Divertime imenso. Gostaria de voltar a representar, pois sentime feliz quando a peça terminou e soube que tinha corrido tudo bem.

16


SEMANA DO AGRUPAMENTO SEMANA DO AGRUPAMENTO

EXPOSIÇÕES

ATIVIDADES DESPORTIVAS

17

SARAU CULTU


CONFERÊNCIAS

OBSERVAÇÕES NOTURNAS

URAL

FESTA DA LEITURA

18


FINALISTAS FINALISTAS

Para os meus amores finalistas um grande abraço cheio de amor, carinho, amizade, pronto a abraçar-vos sempre que sentirdes saudades. Tudo de bom para a nova etapa que vai começar. Beijinhos!!! / Educadora Fernanda Leite /

Parabéns pelas vossas glórias e conquistas durante estes anos passados. Orgulhai- vos de vós mesmos, pois conseguistes passar mais um sonho, fechando um ciclo e abrindo outro. Escorregadelas, lutas, vitórias, derrotas e virtudes fizeram parte do vosso caminho, mas nunca desistam e por isso aqui estão a comemorar. Espero que o futuro seja ainda mais brilhante e que tenham muito sucesso pela vossa frente. / Educadora Florbela Coelho / «Em todas as coisas o sucesso depende de uma preparação prévia e sem tal o falhanço é certo.»

Já sinto tantas saudades pelos momentos vividos sois um grupo de crianças todas, bastante queridas É hora de nos deixar De continuar o percurso Que Deus vos proteja sempre Até acabarem o curso Quero que levem daqui Ótimas recordações Estareis sempre connosco Nos nossos corações. / Educadoras Goretti Valente e Ilda Sá / / Auxiliares Fatinha e Isabel / / Monitoras Claudia e Vera /

/ Educadora Alice Araújo /

4.º M

Três anos se passaram, sempre, sempre a partilhar e não é por irem embora que nos vamos separar… Muito sucesso para vocês.

19

/ Educadora Ricardina Silva /

Desejo-vos as maiores felicidades para esta nova etapa que se aproxima … Façam-no com a simplicidade que vos caracteriza, de sorriso no rosto e com muita vontade de aprender. Deixo-vos todo o meu carinho e agradecimento por estes três anos tão bem passados. / Professora Manuela Ferreira /


Um percurso alcançado, um objetivo atingido! PARABÉNS A TODOS! Levo no coração os vossos sonhos de crianças puras, transparentes, meigas… Ficam na minha memória os vossos sorrisos de crianças alegres, brincalhonas, felizes, traquinas… Jamais esquecerei cada momento que partilhei convosco ao longo desta caminhada! Foram tempos de aprendizagem, de brincadeiras, de risos e até de algum choro, mas valeu a pena! Juntos aprendemos mais e melhor! 4.º L Continuem a fazer da Escola o vosso sonho e lutem por um Mundo melhor! Obrigada por fazerem parte da minha carreira e da minha vida! Fica a amizade, o carinho, a enorme ternura que sinto por vós. Por todos vós! Espero que sejam todos muito felizes! / Professora Cláudia Vilariça /

Amor, simpatia e amizade Três razões para viver Deus vos dê felicidade E que nunca saibam o que é sofrer.

4.º O

Saudade do passado, sonho para o futuro, viver o presente e a sugestão de novos destinos com felicidade, saúde e paz. Façam-me um favor: sejam / Professora Urânia Costa / felizes! A única segurança verdadeira consiste numa reserva de sabedoria, de experiência e de competência que conseguiste acumular ao longo destes anos de escola e que te irá acompanhar ao longo da vida. / Professora Dulce Abreu/

4.º A

4.º C

Aos meus alunos finalistas do 4º ano: Para não esquecerem os primeiros anos de escolaridade fica esta fotografia e desejos de um / Professora Anabela Herdeiro/ futuro promissor.

4.º U

4.º V

/ Professora Maria João Guimarães /

/ Professora Gabriela Gonçalves /

20


FINALISTAS FINALISTAS

Meus queridos, E assim concluem mais uma etapa da vossa vida… Nestes anos de frequência desta escola, viveram muitas aventuras, passaram por momentos inesquecíveis e transpuseram barreiras que vos pareciam impossíveis de ultrapassar. Levem sempre convosco estas lembranças e as amizades que conquistaram! Todas estas experiências vos fizeram crescer e eu tive o prazer de partilhar convosco alguns desses momentos e de acompanhar o vosso crescimento nestes últimos três anos. Tentei ser, além de professora, amiga, e fico feliz por sentir que, de alguma forma, terei marcado este vosso percurso (para além dos “sermões” que tiveram que ouvir!). Desejo que, daqui para a frente, a vossa vida seja repleta de sucessos e conquistas. E não se esqueçam de lutar pelos vossos sonhos! Muitas felicidades! / Professora Rita Torres / «Que vocês, alunos, sejam grandes sonhadores! E se sonharem, não tenham medo de caminhar! E se caminharem, não tenham medo de tropeçar! E se tropeçarem, não tenham medo de chorar! Levantem-se, pois não há caminhos sem acidentes. Dêem sempre uma nova oportunidade a vocês próprios. Pois a liberdade só é real se após falharmos Tivermos o direito de recomeçar...» Augusto Cury

Queridos alunos: não desistam dos vossos sonhos, sejam persistentes e determinados, nunca esquecendo que é necessário muita dedicação e trabalho, para a conquista ser possível. Desejo que o futuro vos reserve momentos de grande alegria e de muito sucesso. / Professora Teresa Machado /

Três anos foi o tempo Que convosco convivi Umas vezes ensinei Outras vezes aprendi. Do C (7.º C, 8.º C, 9.º C) da nossa turma Pensei fazer campeões O jogo chegou ao fim Com algumas complicações A DT sempre ralhou A todos e aos E. Educação Fê-lo porque vos quer bem Ficam no meu coração.

21

Sejam sempre na vida honestos Felicidades quero desejar Não se esqueçam desta “ xata “ Que sempre vos vai recordar. / Professora Conceição Aido /


Foi com muito orgulho que vi crescer os meus meninos e meninas nos últimos 3 anos. É com prazer que imagino um futuro brilhante, tanto a nível pessoal como a nível profissional, para estes grandes homens e mulheres do amanhã. Encerra-se uma etapa, e muitas outras vos esperam, mas tenho a certeza que estais preparados para enfrentá-las com sucesso. Espero ter dado o meu contributo para que isso seja uma realidade. Felicidades! / Professor Paulo Costa /

Um ciclo terminou. Terão sido certamente 3 anos com algumas contrariedades, tristezas, mas tenho a certeza que foram mais os momentos de alegria. Nunca desistam dos vossos objetivos. Tentem alcançá-los, com força de vontade e determinação. O futuro é hoje e outros desafios virão! Desejo a todos, a melhor sorte do mundo, mas esta só chega com trabalho, honestidade, responsabilidade e sacrifícios. Não arranjem desculpas, enfrentem os problemas com coragem e elevação. E sejam felizes! / Professor João Paulo Silva /

Para ser grande, sê inteiro: nada Teu exagera ou exclui. Sê todo em cada coisa. Põe quanto és No mínimo que fazes. Assim em cada lago a lua toda Brilha, porque alta vive Ode Ricardo Reis

Para os alunos do 9.º F um abraçar de vontade e querer em tudo, transportando a mensagem de Ricardo Reis, heterónimo de Fernando Pessoa. / Professora Elisabete Silva /

Com a minha postura e com o meu desempenho, creio que vos ajudei a crescer, mas com todos vós eu adorei aprender! Espero que nas vossas vidas, sejam felizes e tenham grandes progressos, acompanhados, sempre, de grandes sucessos! Os dias que passámos juntos, foram dias de alegria, de convívio e amizade, de todos me “despeço” com grande saudade! / Professor António Rodrigues /

22


A ESCOLA E A POLÍTICA A ESCOLA E A POLITICA PARLAMENTO DOS JOVENS A sessão escolar decorreu no dia 18 de janeiro num ambiente de descontração e

e liberdade de expressão. A sessão contribuiu para a formação de um cidadão mais ativo, interventivo e interessado pelos problemas que os rodeia. Foi sem dúvida, um espaço privilegiado para o desenvolvimento da educação para a cidadania. Na sessão escolar, foram eleitos os deputados Ana Francisca Ferreira e Luís Filipe Leal, que representaram dignamente a nossa escola na sessão distrital no Porto no dia 5 de março. / Professor João Paulo Silva /

boa disposição, onde a seriedade e o rigor dos deputados presentes foi também uma constante, cumprindo as regras da boa educação

23


ENTREVISTA ENTREVISTA

Mas os jovens avisaram o Governo, mobilizaram-se nas escolas e fora delas. Tivemos manifestações um pouco por todo o país e eu participei ativamente nesse movimento de contestação.

in: www.ionline.pt

Catarina Soares Martins nasceu no dia 7 de setembro de 1973, no Porto, licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas e possui mestrado em Linguística. Foi atriz, encenadora e formadora com funções suspensas desde outubro de 2009. Desde então é deputada da Assembleia da República, pelo Bloco de Esquerda. Aproveitamos a sua presença na escola, onde se deslocou, para participar numa sessão, no âmbito do projeto Parlamento dos Jovens, no dia 9 de janeiro, para a entrevistarmos e assim ficarmos a conhecer melhor a vida de um deputado. Como e quando surgiu o seu interesse pela política? Quando estava na escola secundária, o Governo, na altura liderado por Cavaco Silva, introduziu uma série de alterações à lei que dificultava o acesso ao ensino superior. São desse tempo as decisões que, por exemplo, tornaram tão difícil o acesso ao curso de medicina, com poucas vagas e médias muito altas, e que criaram o problema da falta de médicos que temos hoje no nosso país.

Porquê o Bloco de Esquerda e não outro partido? O Bloco de Esquerda é o partido que não escolhe entre a igualdade e a liberdade. Porque sabemos que sem igualdade a liberdade é só para alguns, mas sabemos também que sem liberdade nada faz sentido. E somos o partido das causas do futuro; de um futuro mais livre e igual. E por isso a bandeira do Bloco de Esquerda existe em todas as cores, as cores de todas as causas que fazem um futuro mais justo: o direito à diferença, o combate contra as discriminações, a defesa do ambiente, o acesso livre ao conhecimento, a solidariedade, a defesa intransigente dos direitos humanos. O que é ser deputado? Ser deputado é representar o povo. A Assembleia da República tem o poder de fazer as leis que regulam a nossa vida

24


ENTREVISTA ENTREVISTA

(cont.) (cont.)

coletiva e de fiscalizar a ação do Governo e o funcionamento das mais variadas instituições da nossa administração. Cada deputado da Assembleia da

República tem a responsabilidade de defender as melhores soluções para o país, para as pessoas. Tem também o dever de cumprir o programa que apresentou aos eleitores, as propostas que fez em campanha eleitoral. Como é o seu dia a dia no Parlamento? Os dias no Parlamento não são todos iguais. Mas quase sempre começo por ler os jornais e os mails, quando está ainda tudo calmo. Normalmente as reuniões começam pelas 10h. E a partir dessa hora e até, pelo menos, às 19h, sucedemse reuniões de comissões, audiências e audições, grupos de trabalho, do grupo parlamentar e os plenários. No final das reuniões é tempo de preparar o trabalho para as reuniões marcadas para o dia seguinte. São dias muito intensos, mas não é só no 25

Parlamento que os d e p u t a d o s trabalham. As segundas-feiras estão reservadas para o trabalho fora da Assembleia da República; é o dia de visitar os vários distritos do país e reunir com as várias instituições e pessoas que pedem a nossa intervenção. O fim de semana é normalmente uma boa altura para as reuniões do partido, encontros com ativistas de várias causas, sessões públicas de esclarecimento ou debate, etc. Por vezes, assistimos a debates muito acesos na Assembleia da República. Após esses debates, nos corredores, as “inimizades” mantêm-se ou desaparecem? As divergências fortes entre deputados, e entre partidos, não implicam que não


para trabalhar fora da Assembleia e no contacto com as pessoas. Mas ficamos com um salário que nos permite um quotidiano adequado ao que nos é exigido.

se consiga a cortesia necessária ao bom funcionamento da Assembleia da República. Na política é muito importante perceber a diferença entre debate aceso e guerras pessoais, que não interessam a ninguém. Como em todos os sítios, umas pessoas têm melhores relações e outras piores, mas temos que saber viver com a divergência e a diferença de opiniões. A democracia é assim mesmo. Financeiramente compensa ser deputado? O salário de deputado é confortável e bem acima do salário médio nacional. No Bloco de Esquerda tomámos a opção de dar uma parte do nosso salário ao partido, para que tenhamos mais meios

Que características deve possuir quem deseja enveredar pelo caminho da política? É essencial ter um projeto político; ter uma ideia de futuro que se quer construir. É necessário ter muita predisposição para ouvir, aprender, debater. E é preciso saber e querer trabalhar em coletivo e para o coletivo. Pretende continuar ligada à política ou tem em mente outros projetos? Eu tenho atividade política desde a escola secundária e acredito que continuarei a ter sempre. Espero também poder contribuir para o trabalho do Bloco de Esquerda, o único partido de que alguma vez fiz parte e a que aderi apenas há dois anos, por muito mais tempo. Mas não me imagino a ser deputada muitos anos; tenho projetos artísticos e académicos que quero realizar. Quero voltar à minha atividade

26


ENTREVISTA ENTREVISTA

(cont.) (cont.)

profissional, o teatro, de que tenho muitas saudades. O que pensa do estado atual da educação? A Escola Pública está a atravessar um período muito difícil, mas continua a ser uma das maiores e mais importantes conquistas da nossa democracia. Há 30 anos eram mais os jovens sem escola do que com escola. Hoje as crianças e jovens do país têm acesso generalizado à educação. Mas, infelizmente, não têm acesso a toda a educação que querem e precisam. Temos ainda problemas de abandono escolar e de insucesso que nos devem preocupar e contra os quais temos de lutar. Temos turmas grandes demais, falta de professores e de auxiliares da ação educativa, falta de psicólogos e assistentes sociais, livros e materiais escolares caros demais. Falta tempo para uma aprendizagem que responda às necessidades específicas de cada estudante, temos pouca aprendizagem da autonomia e pouca presença da arte na escola. E, com a crise social e económica que estamos a viver, muitas crianças e jovens precisam

27

urgentemente de mais ajuda da escola do que aquela que a escola é capaz de dar. Precisamos de mais ação social escolar, de mais apoio nas diversas áreas. A Escola Pública é a base da democracia, do desenvolvimento. Defender a escola é defender o futuro. Uma mensagem para os jovens deste país. Dizem-nos que o futuro será mais difícil ainda que o presente. Que vivemos numa crise e que não há nada a fazer senão viver pior. Acreditar nisso é tirar possibilidades aos jovens. Não acreditar em inevitabilidades e lutar por um futuro melhor é o que cria possibilidades. Os jovens têm de fazer ouvir a sua voz bem alto e dizer que não aceitam viver pior do que os seus pais. Não tem sentido. Sabemos hoje mais do que nunca, a tecnologia evolui todos os dias. Que a política e a economia evoluam também e coletivamente encontremos as formas de colocar o conhecimento que é de todos ao serviço de todos. Pensar no que queremos, ter opinião e debatê-la, lutar pelo que é justo e necessário em cada momento. É preciso em todas as idades. E quanto mais cedo, melhor.


ECO-ESCOLAS ECO-ESCOLAS

PROGRAMA ECO-ESCOLAS DINAMIZA DUAS AÇÕES DURANTE O MÊS DE MAIO «Vamos festejar o Ambiente» A participação na 5ª edição dos «Dias Europeus do Sol» e no passatempo da Tetra Pak «Sim, vamos criar uma árvore!» marcaram a atividade ambiental da nossa escola durante o mês de maio, no âmbito do programa Eco-Escolas. Sensibilizar a comunidade escolar para a utilização da energia solar e para a proteção da floresta foram os dois grandes objetivos destas ações. Com o projecto «Dias Europeus do Sol – por um futuro brilhante», pretendeu-se promover pela Europa o uso do sol como fonte de energia significativa. O objetivo é ter no espaço europeu, 365 dias de promoção do sol como fonte de energia fundamental. Em Portugal, a semana oficial do Sol decorreu entre 1 e 13 de maio. Na nossa escola, a data foi assinalada nos dias 2, 3 e 4 de maio, com os

alunos do 6.º ano de escolaridade a semearem girassóis nos espaços verdes da escola. Tratou-se de uma simples ação, integrada na disciplina de Ciências da Natureza, que juntamente com outras, pretendeu mudar mentalidades. Ainda no mês de maio, a escola participou no passatempo «Sim, vamos criar uma árvore», promovido pela Tetra Pak, sob o tema “A conservação da floresta”. Os alunos da turma E, do 7.º ano de escolaridade, recolheram embalagens Tetra Pak, preferencialmente com o selo FSC, as quais utilizaram posteriormente na criação de uma árvore. Além do caráter lúdico desta ação, procurou-se apelar à proteção das florestas e sensibilizar os alunos para a gestão responsável deste recurso. Esta foi também uma oportunidade para dar a conhecer à comunidade escolar a certificação FSC, que em Portugal é apenas atribuída à nova embalagem de cartão assética da Tetra Pak. CERTIFICAÇÃO FSC A certificação FSC – «Forest Stewardship Council» – funciona como um selo de garantia que atesta que a matéria-prima utilizada na produção da embalagem é proveniente de florestas que são mantidas e geridas de forma sustentável, garantindo-se assim as melhores práticas ambientais ao longo de todo o processo produtivo. / Coordenadoras do Programa Eco-Escolas /

28


COMENIUS COMENIUS 10 ANOS DE INTERCÂMBIO ESCOLAR VILA DAS AVES / COLÓNIA Já passaram dez anos desde que a nossa colega, a professora Carolina Machado e a professora Margarida Richmann, da Escola Europeia de Colónia, na Alemanha, começaram a dinamizar o intercâmbio entre alunos e professores da nossa escola e a escola alemã. No primeiro ano o intercâmbio funcionou apenas através da troca de correspondência entre as duas escolas, mas nos anos seguintes e até hoje foram acontecendo as já tradicionais visitas dos nossos colegas alemães a Vila das Aves, e as visitas dos alunos da nossa escola a Colónia. Por regra, os alunos alemães vêm a Portugal todos os anos, e nós, porque somos um país mais pobre e estas coisas implicam muito dinheiro vamos a Colónia de dois em dois anos. Este foi um ano de visitar Colónia! Um grupo de nove estudantes de alemão da nossa escola teve a oportunidade de passar cinco dias nessa bela cidade alemã, contactar com a língua, os costumes e modo de vida das famílias que os acolheram. Foi de 15 a 20 de março, e foi uma experiência fantástica para todos os que participaram. Na semana anterior de 7 a 11 de março recebemos em Vila das Aves a comitiva alemã composta por 11 alunos e 2 professores. Os alemães deliciaram-se com a hospitalidade e o bom clima português que as famílias que os acolheram e a nossa escola lhes ofereceram. A todos os professores, alunos, instituições e, principalmente às famílias, o meu muito obrigado. 29

/Professor Paulo Costa – Coordenador do Projeto /

ALEMÃES EM VILA DAS AVES Depois de vários meses a contactar com os nossos colegas da escola de Colónia, através de cartas, e-mails e um blogue em conjunto, chegou finalmente o dia em que iríamos conhecê-los ao vivo e a cores. Foi no final da tarde de 7 de março, na estação de comboios de Vila das Aves, que os fomos receber e dar as boas-vindas. Claro que no princípio estavamos todos muito envergonhados, mas passado algum tempo o ambiente já era mais relaxado. Comigo ficou a Sina, uma rapariga muito simpática com origens turcas. Essa primeira noite não deu para muita comunicação, ela estava muito cansada da viagem, lá está, ainda estavamos naquela fase da vergonha. Jantamos e deitamo-nos cedo. No dia seguinte, fomos para a escola, normalmente. Cada um foi com o seu colega alemão para a primeira aula da


manhã onde os apresentamos aos nossos colegas. Depois foi a receção oficial à comitiva alemã no polivalente. Foi muito bonito, d e p o i s d o s discursos dos professores, do Senhor Diretor, do Presidente da Junta e da Representante da Câmara Municipal, houve algumas representações musicais. A minha turma, o 8.ºC, apresentou um rap, especialmente escrito por nós para os alemães, o mesmo aconteceu com o 7.º B que adaptou o «Ai, se eu te pego» para alemão. O mais espetacular foi a atuação dos nossos «Bluetooth», que prepararam uma m ú s i c a d o s Rammstein, especialmente para essa ocasião. À tarde, fomos todos passear para a Vila. No dia seguinte, o destino era Guimarães. Os alemães adoraram a cidade e gostaram especialmente de ir à feira semanal . O almoço foi no shopping.

No sábado fomos todos de comboio para o Porto onde percorremos a cidade de lés a lés num autocarro panorâmico. Foi muito bonito! O almoço foi um pic-nic, na praia da Foz, e como o tempo estava espetacular, até deu para molhar os pés. Enquanto estavamos no Porto, já os nossos pais estavam na escola a preparar o jantar de despedida. Este foi mais um momento alto do intercâmbio, pois foi quando esteve toda a gente reunida, bem disposta e já com alguma melancolia pelo que se iria passar no dia seguinte: a despedida. E assim foi, no domingo de manhã lá fomos levar os nossos colegas alemães de novo à estação. Foi uma despedida emocionada, apesar de sabermos que alguns de nós se iriam reencontrar em Colónia, já na semana seguinte. Acho que foi uma experiência inesquecível para todos os que participaram. / Beatriz Rios, 8.º C /

VILA DAS AVES EM COLÓNIA Depois da aventura dos alemães cá em Portugal, foi a nossa vez de irmos visitar Colónia. No dia 15, os nove felizardos mais os professores acompanhantes, encontraram-se no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, para rumarmos a Frankfurt. Para alguns era a primeira viagem de

30


COMENIUS COMENIUS

(cont.) (cont.)

avião, o que tornou o dia ainda mais emocionante. Chegados a Frankfurt fomos de autocarro até Colónia onde nos aguardavam as famílias que nos iam acolher. Eu fiquei com a Diana, que já tinha conhecido em Portugal. Depois do jantar, fomos cedo para a cama pois o dia seguinte iria ser cansativo. E foi mesmo, o encontro foi junto à famosa catedral de Colónia. Eu e a Diana fomos para lá de metro. Depois de visitarmos a imponente catedral, decidimos subir até ao ponto mais alto! Foram centenas e centenas de degraus até ao cume, onde chegamos estafados, mas bem dispostos por podermos usufruir de uma vista única sobre esta bela cidade. Depois do almoço, fomos percorrer a zona pedonal da cidade que tem muitas lojas bonitas e onde fizemos algumas compras. Nesse dia o jantar foi uma espécie de churrascada junto ao Rio Reno organizado pelos alunos alemães. O Reno era bonito, o jantar nem por isso. No dia seguinte, viajamos de comboio até Bona, antiga capital da Alemanha. A cidade é mesmo muito bonita. Visitamos dois museus, sendo que o Museu “ Haus der Geschichte” era mesmo muito interessante, pois mostrava aspetos da História da Alemanha, de uma forma muito interativa. Passeamos pelo centro de Bona, e depressa se tinha passado mais um dia. No domingo, tivemos descanso da parte da manhã e deu para dormir até mais tarde! Mas nem todos o / PATROCINADORES /

31

fizeram, os rapazes marcaram um encontro para jogar futebol. À tarde, mais uma passeiozinho pela cidade, a tão esperada visita ao Museu do Chocolate e no fim, um encontro com os pais para falarem sobre como tudo estava a correr. Estava tudo bem! Segunda-feira, penúltimo dia na Alemanha e dia de aulas. Foi o nosso primeiro contacto com a escola dos nossos colegas e ficamos muito impressionados com a modernidade e enormidade do edifício. Depois de uma visita guiada à escola, vimos que afinal aquilo não era assim tão bonito como parecia. Havia pouca luz natural e era tudo um bocado frio. Apesar de não ser o ideal, prefiro mil vezes a nossa escolinha, cá nas Aves. Enfim, depois fomos para uma sala grande onde os alemães tinham preparado uma receção para nós! Lá eles aprendem Português, desde o quinto ano, e foi muito engraçado ver os pequenitos a declamarem poemas em português. O almoço foi na cantina da escola, que é assim do tamanho do nosso pavilhão. A cantina é subterrânea, sem uma única janela. À tarde, juntamonos numa sala de informática onde fizemos todos uma reflexão sobre o Intercâmbio. Depois fomos para casa e arrumar as malas, porque o dia seguinte seria para acordar cedo. O último dia na Alemanha praticamente não existiu. As nossa famílias foram levar-nos à central às 5h30, o que


significa que acordamos por volta das 4h30, o que por sua vez significa 3h30 pela hora portuguesa. Pois, foi muito duro. Com as lágrimas nos olhos, despedimo-nos daqueles que, durante cinco dias, foram nossos pais e nossos irmãos, com a certeza de termos feito amigos que nunca mais serão esquecidos.

No dia 18 de fevereiro, quatro alunos, Inês Coutinho, Joel Moreira, João Martins e Miguel Queirós, e dois professores, Esmeralda Pinheiro e Paulo Costa, da Escola Básica de Vila das Aves partiram numa viagem rumo à Polónia

museu de Fréderic Chopin, conviver com os diferentes participantes, vindos de vários países e o concerto realizado por todos os envolvidos no projeto, no dia 21 de fevereiro. A nossa participação em termos musicais neste concerto, consistiu em apresentar as músicas «Someone like you», «Nunca me esqueci de ti», «Um volto já», «All you need is love» e «Sound of solitude», de uma famosa banda polaca. Nestas músicas, para além de as cantarmos, também fizemos o seu acompanhamento instrumental, utilizando guitarra, baixo, teclado e, com a ajuda dos alunos da Suécia, também a bateria. Todos os ouvintes se mostraram muito satisfeitos com a nossa prestação.

no âmbito do Projeto Comenius. A nossa participação neste projeto teve a duração de 5 dias e consistiu em diferentes atividades, tais como visitar o

Esta viagem foi um sucesso, uma vez que trouxe novas experiências e despertou em nós um maior interesse para a música e por tocar ao vivo. / Inês Coutinho, 7.º F /

/ Carina Freitas, 9.º A /

PROJETO COMENIUS NA POLÓNIA

32


EDUCAÇÃO ESPECIAL EDUCAÇAO ESPECIAL

JUNTOS É + FÁCIL

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM A Educação Especial promoveu uma sessão sobre dificuldades de aprendizagem. Decorreu no dia 6 de fevereiro de 2012, na Escola Básica da Vila das Aves, uma sessão de formação dirigida ao corpo docente do Agrupamento subordinada ao tema “Dificuldades de aprendizagem”, dinamizada pelos docentes de Educação Especial do Agrupamento. A sessão teve como principais objetivos melhorar as condições de integração dos alunos com necessidades educativas especiais de caráter permanente e com necessidade de terapias adequadas E promover o desenvolvimento de respostas diferenciadas para os alunos com dificuldades de aprendizagem detetadas nas diferentes áreas curriculares”. Esta atividade contou com a participação dos docentes das diversas escolas do Agrupamento, tendo a iniciativa suscitado uma reflexão e um debate dinâmico em torno do enquadramento legislativo e dos constrangimentos com que as escolas se deparam face aos recursos existentes e aos exames a nível nacional dos alunos. Esta iniciativa sucede a outras já anteriormente desenvolvidas pelo grupo de Educação Especial, do Agrupamento de Escolas do Ave, com vista à inclusão educativa, tais como: o projeto “Alavanca para a Inclusão”, financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian, o projeto Comenius “Juntos é + fácil”, a celebração do “Dia Internacional da Pessoa com Deficiência” e protocolos estabelecidos com instituições e empresas do meio, no âmbito das respostas de preparação de transição para a vida pós escolar dos alunos com necessidades educativas especiais.

33

Este projeto teve a última reunião, entre os dias 24 e 29 de abril, em Portugal. O nosso agrupamento acolheu alunos e professores da Turquia, Polónia e Grécia. O objetivo deste projeto é desenvolver competências e aprendizagens não formais que promovam a solidariedade, voluntariado e o trabalho em grupo. Este programa iniciou-se na Turquia, em novembro de 2011. O Grupo de EMRC e o Grupo de Educação Especial são os coordenadores deste projeto. Esta reunião em Portugal teve a visita a vários locais e várias reuniões de trabalho. Destacamos: receção na Câmara Municipal de Santo Tirso pela Vereadora da Cultura, Júlia Godinho, e na Escola Básica da Vila das Aves pelo diretor do Agrupamento, Rui Sousa e reuniões de trabalho: Lar da Tranquilidade, Associação de Moradores de Ringe, Associação do Infantário de S. Tomé de Negrelos e Bombeiros Voluntários da Vila das Aves. Colaboraram ainda nesta iniciativa a Junta de Freguesia da Vila das Aves, a Modatex, associação de Pais da Escola Básica da Vila das Aves, a Associação de Pais da Escola de Negrelos e Rancho Folclórico Santo André Os alunos da Polónia e da Turquia ficaram hospedados em casa de alunos do Agrupamento. Aliás, os alunos e os pais ofereceram, para além do alojamento, um jantar no dia 27, que foi muito apreciado pelos nossos convidados. Também por isto ficou provado, mais uma vez, que os Portugueses são especialistas no acolhimento. Tendo em conta o elevado número de instituições, alunos, professo-res e pais que cola-boram nesta inici-ativa é caso para dizer: Juntos é + fácil… / O Grupo da Educação Especial /


EDUCAÇÃO MUSICAL EDUCAÇAO MUSICAL CONCERTO ARTAVE «A ORQUESTRA E OS SEUS INSTRUMENTOS» Integrado no Plano Anual de Atividades, realizou-se no Auditório Padre António Vieira (Colégio das Caldinhas), no dia 24 de abril, pelas 11h00, um Concerto Didático executado pela orquestra dos «Artavinhos», da Escola Artística e Esta atividade teve como objetivo central desenvolver o gosto pela música e a capacidade de comunicar através dos sons. O concerto decorreu com normalidade e os alunos envolvidos demonstraram interesse e participaram ativamente. Esta atividade foi de considerável importância para a formação cultural/artística dos alunos. / Professora Esmeralda Pinheiro /

Profissional do Vale do Ave, com a finalidade dos nossos alunos do 6.º ano assistirem a um concerto sobre os Instrumentos da Orquestra. Os alunos foram acompanhados durante toda a atividade por professores. Além de ser um concerto com os instrumentos da orquestra, os alunos tiveram a possibilidade de ouvir comentários feitos por uma professora acerca do funcionamento da orquestra.

34


HINO DOS FINALISTAS HINO DOS FINALISTAS Cinco anos passaram, Com momentos para recordar, Alguns sorriram, outros choraram, Mas a nostalgia vai sempre estar.

Muitos rostos não vamos esquecer, Amigos e companheiros sempre a chatear, Sem quem não podemos viver, Um obrigado a todos vamos mandar.

Seja A, B, C, D, F, G ou H, Todas as turmas vão ficar Com um sorriso, como se vê, Por esta etapa acabar.

O toque quase a dar, As cadeiras a arrastar, Ansiosos por esperar Por mais um ano que vai acabar.

Aqueles dias tramados, Não podemos esquecer, Deixámos os profs. desorientados, Quase a enlouquecer.

Alguns, por cá, vão continuar, Outros novos desafios vão enfrentar, Lutar por objetivos sem nunca desanimar, Este foi o lema que a escola nos foi deixar.

Na escola tudo fizemos, Rir, amar e também estudar, E se nós quisermos, Lá o nosso nome vamos gravar…

Aquilo que queremos Aqui aprendemos a ser, As nossas próprias escolhas fazemos E cada um à sua maneira as vai viver.

Funcionários a resmungar E sempre asneiras vamos fazer, Com a diversão a aumentar, Pois é assim que queremos viver!

Seja por bons ou maus motivos, Com saudades vamos ficar, Exceto dos castigos, Mas a escola para sempre no coração vamos / Bárbara, 9.º C / guardar!

SEDE - Rua Luís Mendes de Carvalho 4795-080 Vila das Aves Vila das Aves info@agrupamentoave.pt http://www.agrupamentoave.pt tel. 252 941 177

fax 252 942 389


Janela Aberta (2011/12 - n.º 2)