Page 1


Pretty Little Liars 09 Traiรงoeiras Sara Shepard


Agradecimentos Quero agradecer a todas as pessoas que com seu interesse sem medidas, fez com que esse projeto de tradução andasse. E quero agradecer aos leitores com seu apoio incondicional.

Moderador Patryck Pontes

Tradução Cícero Bárbara A. Aline Agnes Rafaela CR. Oliveira Liliane

Revisão Patryck Pontes


Antes de embarcar em uma jornada de vinganรงa, cave duas covas. -CONFUCIUS


ALGUMAS AMIZADES NUNCA MORREM

Você já conheceu alguém com nove vidas? Como aquele “ser do espaço” que quebrou sete ossos em seu corpo no verão passado, mas de alguma forma levou sua equipe em gols nesta temporada de lacrosse. Ou aquela duas caras que se sentava ao seu lado em geometria, que ela colou nas provas e ferrava os amigos pelas costas , a vadia-mor. E que vivia desfilando pra lá e pra cá. Mrow. Os relacionamentos podem ter nove vidas, também. Como o namorado que você lutou e fez por merecer por dois anos seguidos? Ou o BFF conivente que você perdoou novamente e novamente? Ela nunca esteve totalmente morta para você, não é? Mas talvez seria melhor se estivesse. Quatro meninas bonitas de Rosewood encontram-se diante de uma velha "amiga da onça" que achavam ter sido queimada, literalmente. Mas eles já deveriam saber que nada em Rosewood está realmente terminado. De fato, algumas antigas e perdidas melhores amizades continuam apenas para conseguir o que realmente importa . Vingança. ― O último que estiver fora do penhasco compra o jantar! ― disse Spencer Hastings dando nós duplos nas cordas de seu biquíni Ralph Lauren correndo até a borda das rochas que tinha a vista para o mar turquesa mais bonita que já tinha visto. Isso foi dizer muito, considerando que a família Hastings tinha ido à praticamente todas as ilhas do Caribe, até mesmo as pequenas que exigiram um avião particular para chegar. ― Logo atrás de você! ― Aria Montgomery disse, enquanto chutava para o alto suas Havaianas flip-flops, fazendo um coque em seu longo e sinuoso cabelo azulpreto . Ela não se preocupou em tirar as pulseiras dos braços ou os brincos de penas que balançavam em suas orelhas. ― Fora do meu caminho! ― Hanna Marin passou as mãos sobre o estreito quadril e ela ainda esperava que continuassem estreitos após a placa maciça de um tipo de mariscos fritos que tinha comido e do peixe Bem Vindo à Jamaica que viu fritando naquela tarde. Emily Fields se levantou deixando a camisa em uma pedra grande e plana. Quando ela chegou à beira e olhou para baixo, uma onda de tontura bateu nela. Ela parou e cobriu a boca até que o sentimento passasse. As meninas pularam de um precipício e caíram na água quente e tropical, exatamente ao mesmo tempo. Elas surgiram, rindo - todas ganharam e perderam! E olhando para o Cliffs , o resort jamaicano alto acima de suas cabeças. O prédio de estuque rosa, que abrigava as salas, estúdio de ioga, dança, clube e spa, elevou-se até as nuvens, e havia várias pessoas ociosas em suas varandas sombreadas ou comendo algo no convés. As palmeiras balançavam e as aves nativas cantavam. Um som bem fraco de uma versão tambor de aço de "Redemption Song" de Bob Marley flutuava pelo ar. ― Paraíso ― Spencer sussurrou. As outras murmuraram em acordo. Este foi o refúgio ideal, o oposto completo de Rosewood, na Pensilvânia, onde as quatro meninas viviam. Claro, o subúrbio de Filadélfia era como um cartão-postal, resplandecente, com espessura, matas exuberantes, mansões expansivas, trilhas a cavalo, idílicos e pitorescos celeiros velhos em ruínas do século XVII, mas depois do que tinha acontecido poucos meses antes, as meninas precisavam de uma mudança de cenário. Elas


precisavam esquecer de que Alison DiLaurentis, a garota que costumava admirar e adorar e toda a gente queria ser , havia tentado matá-las. Esquecer era impossível, no entanto. Apesar de dois meses terem se passado desde o que aconteceu, as memórias continuavam assombrado elas, visões vagando como fantasmas. Gosto de como Alison pegou suas mãos e disse a cada uma delas que ela não era sua irmã gêmea, Courtney, como seus pais haviam alegado, mas sua melhor amiga que voltara do túmulo. Ou como Ali convidou-as para casa de sua família em Poconos, dizendo que seria o reencontro perfeito. Como, logo depois que eles chegaram, Ali levou-as a um quarto no andar de cima e pediu que a deixassem hipnotizar-las exatamente como tinha feito na noite em que desapareceu na sétima série. Em seguida, ela bateu a porta, trancou pelo lado de fora, e deslizou uma nota embaixo dizendo-lhes exatamente quem ela era. . . e quem ela não era. Seu nome era Ali, tudo bem. Mas acabou que elas não tinham sido amigas da Ali real. A menina que escreveu essa nota na casa de Poconos não era a mesma garota que tinha arrancado Spencer, Aria, Emily, Hanna da obscuridade em Rosewood Day no início da sexta série. Tampouco era a menina com quem tinha trocado roupas, fofocas, tinham competido, e “veneraram” por um ano e meio. Isso tinha sido Courtney o tempo todo, posando como Ali, entrando em sua vida logo depois que a sexta série começou. Esta Ali, a Ali real, era uma estranha. Uma menina que as odiava com cada grama de seu ser. A verdadeira “A” que tinha matado Ian Thomas, que queimara as madeiras atrás da casa de Spencer, que tinha assassinado Jenna Cavanaugh por saber demais, e também a pessoa que matou sua irmã gêmea Courtney na fatídica noite da festa do pijama das meninas na sétima série. E ela planejava que as meninas seriam as próximas. Assim que as meninas leram a última frase da carta horrível, seus narizes começaram a contrair com o cheiro de fumaça, a Ali real tinha encharcado a casa em gás e acendido um fósforo. Elas escaparam a tempo, mas Ali não tinha sido tão feliz. Quando a cabine explodiu, Ali ainda estava dentro. Ou não era ela? Havia muitos rumores de que ela não conseguiu sair viva. A história toda foi a público agora, incluindo o interruptor duplo, e mesmo que ela fosse uma assassina de sangue frio, algumas pessoas ainda estavam fascinados com a verdadeira Ali como sempre ocorria. Pessoas afirmaram ter visto Ali em Denver, ou Minneapolis, ou Palm Springs. As meninas tentaram não pensar nisso. Elas tiveram que seguir em frente. Elas não tinham nada a temer. Duas figuras apareceram no topo do penhasco. Um deles foi Noel Kahn, namorado de Aria, o outro era Mike Montgomery, seu irmão e namorado de Hanna. As meninas remaram para as etapas esculpidas na rocha. Noel entregou a Aria uma toalha grande bem fofa que tinha as falésias de Negril na Jamaica costurada na parte inferior na linha vermelha. ― Você fica tão sexy nesse biquíni ― disse Noel. ― Sim, certo ― Aria abaixou a cabeça e olhou para os seus membros pálidos. Certamente não tão quente quanto as deusas louras que ficavam passando óleo o dia todo em seus braços longos e pernas que já eram bronzeados . Se ela tivesse pego Noel verificando-os, ou era apenas paranóia ciumenta para obter o melhor dela? ― Estou falando sério ― Noel belsicou a bunda de Aria . ― Eu fiquei segurando sua skinny- dipping nesta viagem. E quando fomos à Islândia, e ficamos nus nas piscinas geotérmicas ― completou Noel. Aria corou. Noel deu uma cotovelada nela.


― Você está empolgado com a Islândia, não é? ― Claro. ― Noel havia surpreendido Aria com ingressos para ela, ele mesmo, Hanna, e Mike para irem à Islândia neste verão com todas as despesas pagas pela sua família. Aria certamente não poderia dizer que havia ficado três anos numa ilha bucólica na Islândia depois que Ali desapareceu. Mas ela sentiu uma estranha resistência sobre a viagem, um pressentimento estranho que ela não deveria ir. O porque, ela não tinha certeza. Depois que as meninas caíram em suas cangas, vestidos de praia e no caso de Emily em uma enorme camiseta Urban Outfitters com as palavras Merci Beaucoup impressos na frente, Noel e Mike as levaram a uma mesa no restaurante panorâmico tropical. Toneladas de outros adolescentes também de férias de primavera estavam no bar, paquerando e tomando algumas doses. Um nó de meninas em mini-vestidos e saltos altos, tiras riram em um canto. Rapazes altos e bronzeados em calções pólo confortáveis calçando tênis da puma brindavam com suas garrafas de cerveja enquanto conversavam sobre esportes. O ar tinha um pulso elétrico, que brilhava com uma promessa de conexões ilícitas, memórias bêbadas, e nadadas altas horas da noite na piscina do resort de água salgada. O ar também vibrava com outra coisa, algo que as quatro meninas perceberam instantaneamente. Excitação, certamente. . . mas também uma pitada de perigo. Parecia uma daquelas noites que tudo poderia ir de maravilhosamente bem. . . para terrivelmente errada. Noel perguntou: ― Bebidas? O que vamos pedir? ― Red Stripe (a clássica cerveja da Jamaica) ― Hanna respondeu. Spencer e Aria acenaram com a cabeça em concordância ― Emily? ― Noel virou para ela. ― Somente uma cerveja de gengibre ― disse Emily. Spencer tocou em seu braço e disse ― Você está bem? Emily não era uma grande festeira, mas era estranho que ela não estivesse aproveitando pelo menos um pouco das férias. Emily apertou a mão sobre a boca. Em seguida, levantou-se desajeitadamente da mesa e correu em direção ao banheiro pequeno no canto. ― Eu só tenho que. . . ― Emily não conseguiu completar. Todo mundo viu como ela costurou em torno das crianças na pista de dança e se enfiou às pressas pela porta rosa do banheiro. Mike fez uma careta e disse: ― Isso é a vingança de Montezuma, o Imperador Asteca. ― Eu não sei... ― Aria disse. Eles tinham tido o cuidado de não beber água da torneira aqui. Mas Emily não tinha sido ela mesma desde o fogo. Ela tinha sido apaixonada por Ali. A menina que ela pensava ser sua melhor amiga e que tinha voltado para quebrar seu coração e tentar matá-la tudo isso deve ter sido duplamente devastador. O telefone celular de Hanna zumbiu, quebrando o silêncio. Ela puxou-o para fora de sua bolsa de praia feita de palha e gemeu. ― Bem, é oficial. Meu pai está correndo para o Senado. Este idiota em sua equipe de campanha já está pedindo para se encontrar comigo quando eu voltar. ― Sério? ― Aria pôs o braço em volta dos ombros da Hanna. ―- Hanna, isso é incrível! ― Se ele ganhar, você vai ser uma Primeira Filha! ― disse Spencer. ― Você vai estar nas revistas da sociedade! Mike arrastou sua cadeira para mais perto de Hanna.


― Posso ser seu agente do Serviço Secreto pessoal? Hanna pegou um punhado de chips de banana de uma bacia em cima da mesa e empurrou-as em sua boca. ― Eu não vou ser a primeira filha. Kate vai ― murmurou enraivada. A enteada de seu pai e sua nova esposa eram agora sua verdadeira família agora. Hanna e sua mãe foram rejeitadas. Aria bateu na mão de Hanna e as pulseiras do braço dela se agitaram em seu pulso. ― Você é melhor do que ela é, e você sabe disso. Hanna revirou os olhos com desprezo. Ela era grata a Aria por tentar animá-la. Essa foi à única coisa boa que tinha saído da desastrosa Ali: As quatro eram melhores amigas novamente, com vínculo ainda mais forte do que na sétima série. Elas prometeram permanecer amigas para sempre. Nada jamais iria ficar entre elas novamente. Noel voltou com as bebidas, e todo mundo brindou e disse: ― Sim, mon! ― Em seus acentos jamaicanos falsos. Emily voltou cambaleando do banheiro, ainda enjoada, mas sorriu com alegria quando tomou um gole da cerveja de gengibre. Depois do jantar, Noel e Mike andaram até uma tabela de hockey no canto e começaram a trocar passes. O DJ aumentou o volume da música, e a voz de Alicia Keys começou a explodir no aparelho de som. Várias pessoas se contorciam na pista de dança. Um rapaz com cabelo castanho ondulado e um excelente físico chamou a atenção de Spencer e acenou para ela se juntar a ele. Aria cutucou Spencer. ― Vá em frente Spence! Spencer virou corando. E tentou disfarçar. ― Ele parece o remédio perfeito para você esquecer o Andrew ― Hanna insistiu. Andrew Campbell, o namorado de Spencer, tinha termindado com ela há um mês, aparentemente o calvário de Spencer com Ali e A fora “uma barra muito intensa" para ele segurar. ”Coitadinho” Spencer olhou para o cara na pista de dança novamente. Na verdade, ele era bonito em seus longos shorts cáqui e sapatos de barco. Então ela viu a insígnia em sua pólo. EQUIPE DE PRINCETON. Princeton era a faculdade que ela queria cursar. Hanna se iluminou, percebendo a insígnia também. ― Spence! É um sinal! Vocês podem acabar sendo companheiros de dormitório! Spencer desviou o olhar. ― Não é como se fosse certo de que conseguirei a vaga ― Spencer completou. As meninas trocaram um olhar surpreso. ― Claro que você vai ― Emily disse calmamente. Spencer pegou a cerveja e tomou um gole generoso, ignorando os olhares curiosos. A verdade era que se descuidara nos últimos meses com seus trabalhos escolares, após a sua suposta BFF tentar matá-las? A última vez que verificou algo com o seu orientador sobre sua posição na classe, havia escorregado ao vigésimo sétimo lugar. Ninguém ficou tão baixa que nunca entrou em uma das univeridades da Ivy (Brown, Columbia, Cornell, Darmouth, Cambrigde, Pensilvânia, Princeton e Yale). ― Eu prefiro ficar com vocês meninas ― disse Spencer. Ela não queria pensar sobre a faculdade nas férias. Aria, Emily, e Hanna encolheram os ombros, então, ergueram os copos mais uma vez. ― A nós ― disse Aria.


― A nossa amizade ― Hanna concordou. Cada uma das meninas deixou suas mentes vagarem para um lugar zen, e pela primeira vez em dias, elas não pensaram automaticamente em seu passado horrível. Nem as mensagens de A voltaram a se formar em suas mentes. Rosewood parecia um sistema solar diferente. O DJ colocou para tocar uma música antiga da Madonna, Spencer se levantou dizendo: ― Vamos dançar galera. Os outros começaram a saltar para cima também, mas Emily agarrou o braço de Spencer com força, puxando-a de volta para baixo dizendo: ― Não se mova. ― O quê? ― Spencer olhou para ela. ― Por quê? Olhos de Emily eram discos, o seu olhar fixo em algo pela escada em espiral. ― Olhem. As meninas se viraram e olharam. Uma garota magra, loura em um vestido amarelo brilhante apareceu no corredor. Ela tinha olhos azuis impressionantes, lábios alinhados e rosas, uma cicatriz sobre sua sobrancelha direita. Mesmo de onde elas estavam sentadas poderiam distinguir mais cicatrizes em seu corpo: pele enrugada em seus braços, lacerações em seu pescoço, a carne seca em suas pernas nuas. Mas, apesar das cicatrizes, ela irradiava beleza e confiança. ― O que é isso? ― Aria murmurou. ― Você a conhece? ― perguntou Spencer. ― Não consigo ver ― Emily sussurrou, sua voz estava trêmula . ― Isso não parece óbvio? ― O que supostamente estaríamos vendo? ― Aria disse suavemente, preocupada. ― Aquela garota ― Emily virou-se para elas, seu rosto estava pálido e seus lábios sem sangue. ― É... Ali.


DEZ MESES DEPOIS...


1 GRANDE FESTINHA

Um fornecedor rechonchudo com as mãos impecavelmente bem cuidadas empurrou uma bandeja fumegante de queijo gosmento na cara de Spencer Hastings. — Brie assado? Spencer escolheu um biscoito e deu uma mordida grande. Delicioso. Não era todo dia que serviam Brie assado em sua própria cozinha, mas nesta noite de sábado em particular, sua mãe dava uma festa para dar as boas vindas a uma nova família no bairro. Sra. Hastings não estava no humor de bancar a anfitriã nos últimos meses, mas ela teve uma explosão de entusiasmo social. Veronica Hastings entrou apressada na sala, uma nuvem de Chanel N° 5 estava ao redor dela, seus brincos balançavam em suas orelhas e havia um grande anel de diamante em seu dedo direito. O anel era uma recente compra de sua mãe, que havia trocado todas as joias que o pai de Spencer dera. Seu cabelo loiro acinzentado caia em seu rosto, seus olhos pareciam grandes graças a maquiagem bem aplicada. Ela usava um vestido preto da Pilatestoned que exibia seus braços. — Spencer, sua amiga está aqui para trabalhar na sessão de casaco — Sra. Hastings disse apressadamente, enquanto ela colocava um par de pratos na máquina de lavar louças e dava uma olhada na cozinha para checar pela décima vez se faltava algo. — talvez você devesse ir ver se ela precisa de alguma coisa. — Quem? — Spencer torceu o nariz, ela não havia pedido para ninguém trabalhar hoje. Geralmente sua mãe contratava estudantes da Faculdade Hollis, a Universidade que havia na estrada. A mãe de Spencer deixou escapar um suspiro impaciente e verificou seu reflexo impecável na porta de aço inoxidável da geladeira. — Emily Fields, eu a contratei pelos estudos. Spencer se enrijeceu, Emily estava aqui? Ela não a havia convidado. Ela não conseguia se lembrar qual foi a última vez que ela havia falado com Emily, havia meses. Mas a sua mãe, e o resto do mundo, ainda pensavam que elas eram amigas íntimas. A capa da revista People era a culpada, por publicar, logo após a real Ali tentar matá-las e mostrou Spencer, Emily, Aria e Hanna dando um abraço coletivo com a seguinte manchete: Muito bonitas, mas definitivamente não são mentirosas. Recentemente um repórter ligou para a casa de Spencer para solicitar uma entrevista com as quatro para o aniversário daquela noite terrível em Poconos, que seria no próximo sábado, o público queria saber como as meninas estavam um ano depois. Spencer negou a entrevista e tem certeza que as outras meninas também. — Spence? Spencer se virou e viu que sua mãe havia se retirado e que sua irmã Melissa estava em seu lugar, com seu corpo envolto em uma capa de chuva cinza, um par de calças pretas finas de J. Crew. — Hey Melissa estendeu a mão e deu um grande abraço em Spencer, Spencer sentiu que ela cheirava Chanel N° 5, Melissa era um clone de sua mãe, mas Spencer ignorou isso.


— É tão bom te ver! — Melissa soava como uma tia que há muito tempo não via Spencer, desde que ela era uma criança, mesmo que tivesse ido esquiar na Bachelor Gulch no Colorado há dois meses. Então alguém saiu de trás dela. — Oi Spencer — disse o homem a direita de Melissa. Ele parecia estranho em uma jaqueta, gravata e calças cáqui com vincos perfeitamente alinhados nas pernas. Spencer estava acostumada de vê-lo com o uniforme da polícia de Rosewood com uma arma na cintura. Darren, policial Daren Wilden, havia sido o detetive na investigação do assassinato de Alison DiLaurentis. Ele havia questionado Spencer sobre o desaparecimento de Ali, que na verdade era Courtney, diversas vezes. — O-oi — Spencer disse observando como Wilden enrolava seus dedos nos de Melissa. Os dois estavam namorando há quase um ano, mas ainda era estranho. Se Melissa e Wilden tivessem procurado o par perfeito no eHarmony, o site nunca os conectaria. No passado, Wilden havia sido um mau elemento de Rosewood Day, a escola particular onde todos estudavam, o garoto escrevia mensagens sujas nas paredes do banheiro, fumava cigarros na sala do professor de ginástica. Melissa, por outro lado, havia sido oradora da sala e rainha do baile, sua ideia de ficar bêbada era comer metade de uma trufa recheada com licor holandês. Spencer também sabia que Wilden havia crescido em uma comunidade Amish em Lancaster na Pensilvânia e que havia fugido quando era adolescente. Será que ele já havia partilhado essa sua história com Melissa? — Eu vi a Emily quando eu entrei — disse Wilden — Vocês vão assistir aquele filme louco feito para a TV no próximo final de semana? — UHM — Spencer fingiu arrumar a blusa, não querendo responder a pergunta. Wilden se referia ao filme Pretty Little Killer, um docu-drama que iria recontar a história do retorno na verdadeira Ali, e A, e a sua morte. Em uma vida paralela, as quatro iriam, provavelmente, ver o filme juntas, iriam analisar as meninas que haviam sido escolhidas para interpretá-las, reclamando do diálogo impreciso e estremecendo ao ver a insanidade de Ali. Mas não agora, após a Jamaica, a amizade entre elas começou a desmoronar. Atualmente, Spencer não conseguia permanecer na mesma sala com nenhuma de suas amigas sem se sentir ansiosa e impaciente. — O que vocês estão fazendo aqui? — Spencer perguntou, desviando a conversa para longe do passado — Não que eu me importe claro. Ela disparou um sorriso para Melissa. As irmãs tiveram seus problemas no passado, mas elas tentaram colocar tudo isso para trás após o incêndio no ano passado. — Oh, nós estamos apenas de passagem para pegar umas caixas que eu deixei para trás no meu antigo quarto — Melissa disse — daqui nós vamos para a loja Kitchens and Beyond. Eu te falei? Eu estou redecorando minha cozinha, eu quero um tema mais Mediterrâneo. E Darren está se mudando para lá. Spencer levantou uma sobrancelha para Wilden. — E o seu trabalho em Rosewood? — Melissa vivia em uma casa luxuosamente reformada em Rittenhouse Square na Filadélfia, um presente de seus pais por ser formar na Penn. — Será uma longa viagem todos os dias. — Eu me demiti da polícia mês passado — Wilden sorriu — a Melissa me conseguiu um emprego de segurança no Museu de Arte da Filadélfia, eu vou correr nas escadas de mármore todos os dias como o Rocky. — E proteger valiosas pinturas — Melissa lembrou. — Então de quem é essa festa afinal? — Wilden pegou dois copos do balcão de granito e serviu a ele e Melissa vinho tinto. Spencer deu de ombros para a sala. — Uma nova família que se mudou para a casa do outro lado da rua. Eu acho que minha mãe está tentando fazer boa impressão. — A casa dos Cavanaugh? — Wilden se endireitou — Alguém comprou esse lugar? — Deve ter sido um negócio e tanto — Melissa estalou a língua — eu não viveria lá nem de graça.


— Acho que estão tentando apagar as memórias — Spencer resmungou. — Bem que seja, saúde! — Melissa inclinou o copo e bebeu. Spencer ficou olhando para o chão. Era doido que alguém houvesse comprado a casa dos Cavanaugh, os dois filhos deles haviam morrido enquanto viviam lá. Toby comet eu suicídio logo depois que voltou do reformatório. Jenna havia sido estrangulada e jogada em uma vala atrás da casa por Ali, a verdadeira Ali. — Então, Spencer — Wilden virou-se para ela novamente — você está mantendo um segredo. A cabeça de Spencer se ergueu, seu coração disparou. — Me desculpa? Wilden tinha instinto de detetive. Ele poderia dizer que ela estava escondendo algo? Certamente ele não sabia nada sobre a Jamaica. Ninguém poderia saber sobre isso enquanto ela vivesse. — Você entrou em Princeton! — Wilden falou — Parabéns! Lentamente o ar preencheu o pulmão de Spencer. — Oh, verdade, descobri há um mês atrás. — Eu não podia deixar de me gabar com ele Spence — Melissa sorriu — espero que você não se importe. — E a decisão antecipada também — as sobrancelhas de Wilden subiram — incrível! — Obrigada. — Mas a pele de Spencer pinicava, como se ela tivesse passado muito tempo no sol. Ela havia feito um esforço sobre-humano para retornar ao topo do ranking de sua classe para assegurar seu lugar na Universidade de Princeton. Ela não estava exatamente orgulhosa de tudo o que ela havia feito, mas ela o fez. A Sra. Hastings voltou a cozinha e bateu levemente nos ombros de Spencer e Melissa. — Por que vocês não estão circulando na festa? Eu estou falando das minhas duas filhas brilhantes faz dez minutos e as quero mostrar. — Mãe — lamentou Spencer, embora secretamente se sentisse feliz quando sua mãe tinha orgulho de ambas, e não apenas de Melissa. A mãe de Spencer a dirigiu até a porta, felizmente a Sra. Norwood, uma mulher com quem a mãe de Spencer regularmente jogava tênis bloqueou seu caminho. Quando ela viu a Sra. Hastings, seus olhos brilharam. Ela agarrou os punhos da mãe de Spencer. — Veronica! Estou morrendo de vontade de falar com você! Bom jogo querida! — Desculpe? — a mãe de Spencer parou e lhe deu um sorriso largo e falso. — Não finja que nada está acontecendo! — Sra.Norwood baixou o queixo timidamente e piscou — Eu sei sobre Nicholas Pennythistle! Ótima escolha! A mãe de Spencer ficou pálida. — O-oh — os olhos dela esvoaçavam para as suas duas filhas — eu não disse exatamente. — Quem é Nicholas Pennythistle? — Melissa interrompeu, sua voz estava afiada. — Um ficante? — Spencer repetiu. A sra. Norwood na hora percebeu a sua gafe e recuou até a sala. A sra. Hastings enfrentou suas filhas. Uma veia em seu pescoço se destacou. — Hum Darren, nos dá licença por um momento? Wilden assentiu e se dirigiu para a sala principal, a Sra. Hastings afundou em uma das banquetas e suspirou. — Olha, eu ia contar pra vocês esta noite, depois que todos fossem embora. Eu estou namorando alguém, seu nome é Nicholas Pennythistle e acho que é sério, gostaria que vocês o conhecessem. — Não é um pouco cedo? — o queixo de Spencer caiu, como poderia a mãe dela estar namorando novamente? O divórcio só foi finalizado há alguns meses, antes do natal, ela ainda estava deprimida, andando pela casa de moletom de chinelos. — Não, não é muito cedo, Spencer — Sra. Hastings respirou profundamente. — O meu pai sabe? — Spencer via seu pai praticamente todo final de semana, os dois iam a exposições de arte e assistiam a documentários na cobertura de seu pai na Cidade antiga.


Recentemente, Spencer havia percebido indícios de uma mulher no apartamento, uma escova de dentes extra, uma garrafa de bebida, e ela percebeu que ele estava saindo com alguém. Ela havia achado muito cedo, mas agora a mãe dela também estava saindo com alguém. Ironicamente Spencer era a única pessoa em sua família que não namorava. — Sim, seu pai sabe — respondeu a Sra. Hastings exasperada — eu disse a ele ontem. A garçonete voltou para a cozinha. A mãe de Spencer colocou mais champanhe. — Eu gostaria que vocês jantassem com Nicholas no Goshen Inn, comigo e com os filhos dele, amanhã a noite, portanto liberem suas agendas. E vistam algo legal. — Filhos? — Spencer murmurou. Estava ficando pior. Ela imaginou passar a noite com dois pirralhos usando aparelhos e propensão para torturar pequenos animais. — Zachary de 18 e Amélia de 15. — a mãe de Spencer respondeu secamente. — Bem mãe, eu acho maravilhoso — Melissa disse sorrindo brilhantemente — claro, você deve seguir com a sua vida! Bom pra você! Spencer sabia que deveria dizer algo nesse sentido também, mas nada veio a sua mente. Ela que havia exposto a traição de seu pai com a mãe de Ali, e que Ali e Courtney eram meia irmãs dela e de Melissa. Se ela não o fizesse, A o faria. — Agora se misturem meninas, isso é uma festa! A sra. Hastings agarrou nos braços de Melissa e Spencer e as empurrou para a sala. Spencer cambaleou para o espaço que estava cheio de pessoas do bairro, do clube e da associação de pais de Rosewood Day. Um bando de garotos que conheciam Spencer desde o jardim da infância estavam reunidos ao lado da janela do lado da casa, tomando champanhe. Naomi Zeigler gritava com Mason Byers que fazia cócegas nela. Sean Ackard estava em uma profunda conversa com Gemma Curran. Mas Spencer não tinha vontade de falar com nenhum deles. Em vez disso ela caminhou em direção ao bar, ela poderia muito bem tomar uma bebida, nesse instante, ela prendeu seus saltos na borda do tapete. Suas pernas ficaram e, de repente ela estava no ar. Ela estendeu a mão para um dos quadros pintados a óleo na parede e conseguiu recuperar o equilíbrio antes que quebrasse seu nariz no chão, mas várias cabeças viraram e olharam para ela. Emily chamou a atenção dos olhos de Spencer antes dos outros, Spencer não conseguia desviar o olhar, Spencer então, voltou para a cozinha, elas não estavam se falando agora e sempre. A temperatura da cozinha estava ainda mais quente do que antes. Os cheiros de salgados fritos, e queijos picantes importados deixaram Spencer tonta. Ela se inclinou no balcão, respirando profundamente. Quando ela olhou para a sala novamente, os olhos de Emily haviam se desviado, ótimo. Mas em seu lugar, alguém estava olhando para ela, Wilden havia visto claramente a troca silenciosa de olhares entre ela e Emily. Spencer quase podia ver as engrenagens funcionando na cabeça do ex-detetive. O que poderia ter causado essa figura perfeita, a capa de uma revista de uma amizade destruída e queimada? Spencer bateu a porta da cozinha e se retirou para o porão, levando uma garrafa de champanhe com ela. Muito ruim, Wilden. Isso era um segredo que nem ele, nem ninguém jamais saberia.


2 PELES, AMIGAS E RISADAS DISTANTES

— Por favor, não use um cabide de arame — disse rispidamente uma senhora de cabelos grisalhos, enquanto tirava seu trench Burberry e colocava nos braços de Emily Fields. Então, sem sequer agradecer, a mulher entrou no centro da sala dos Hastings e sentou-se em um sofá. Esnobe.Emily pendurou o casaco, que cheirava a uma mistura de água de colônia, cigarros e cachorro molhado em um cabide, fixou uma etiqueta de verificação e colocou-o no grande armário de carvalho no escritorio do Sr. Hastings. Os dois Labradoodles de Spencer, Rufus e Beatrice, ofegavam do outro lado da porta, frustrados por terem ficado trancados por causa da festa. Emily deu um tapinha na cabeça deles e eles abanaram suas caudas. Pelo menos eles ficaram felizes em vê-la. Quando voltou para sua posição na mesa de verificação de casacos, olhou com cautela ao redor da sala. Spencer ainda estava na cozinha. Emily não tinha certeza se sentia alívio ou desapontamento. A casa dos Hastings era a mesma de sempre: quadros antigos da família pendurados no hall de entrada, luxuosas cadeiras e sofás franceses na sala e pesadas cortinas douradas cobrindo as janelas. No passado, quando elas estavam no sexto e sétimo ano, Emily, Spencer, Ali e outras alegavam que a sala era um quarto em Versalhes. Ali e Spencer quase sempre brigavam sobre quem seria Maria Antonieta, e Emily quase sempre era relegada a ser uma dama de honra. Uma vez, enquanto Ali se fazia de Maria Antonieta, obrigou Emily a fazer-lhe uma massagem nos pés. — Você sabe que você adora isso. — ela brincou. O desespero enrolou Emily como uma forte onda no mar. Era doloroso pensar sobre o passado. Se somente pudesse colocar as memórias em uma caixa e enviá-las para o Pólo Sul e estar livre delas para sempre. — Você está encurvada — uma voz sussurrou. Emily olhou para cima. Sua mãe estava à sua frente, com a testa franzida e os cantos da sua boca enrugados em uma careta. Ela usava um vestido azul que chegava a um lugar pouco atraente entre os joelhos e panturrilhas, e uma bolsa de pele de cobra falsa debaixo do braço que parecia como se levasse um pedaço de pão francês. — E sorria, — disse a Sra Fields — Você parece miserável. Emily encolheu os ombros, o que deveria fazer? Sorrir como uma louca? Começar a cantar? — Este trabalho não é exatamente divertido — disse ela. As narinas da Sra Fiels se dilataram. — A Sra. Hastings foi muito amável, dando-lhe esta oportunidade. Por favor, não abandone isso como fez com todo o resto. Ouch. Emily se escondeu atrás de uma cortina de cabelo louro avermelhado. — Eu não vou abandonar. — Então, basta fazer o seu trabalho. Fazer algum dinheiro. Deus sabe que cada pequena coisa conta.


A Sra Fields saiu, colocando um rosto feliz para os vizinhos. Emily caiu na cadeira, segurando as lágrimas. Não abandone isso como você fez com todo o resto. Sua mãe havia ficado furiosa quando Emily saiu da equipe de natação em junho do ano passado, sem explicação, para passar o verão na Filadélfia. E nem tinha voltado para a equipe de Rosewood Day no outono. No mundo competitivo da natação, pular alguns meses significa problemas, especialmente durante a fase de seleção para a bolsa de estudos. Perder duas temporadas era a perdição. Seus pais estavam devastados. Você não percebe que não podemos pagar a universidade se não conseguir uma bolsa de estudos? Você não percebe que você está jogando seu futuro pelo cano? Emily não sabia como responder a essas perguntas. Não havia nenhuma maneira de dizer por que abandonou a equipe, não enquanto estivesse viva. Finalmente, ela se encontrou com seus companheiros de equipe a algumas semanas atrás na esperança de que algum caçador de talentos ficasse com pena dela e lhe desse uma oportunidade de última hora. Um recrutador da Universidade do Arizona esteve interessado nela no último ano, e Emily havia se agarrado à idéia de que eles ainda a queriam na equipe. Mas hoje, ela teve de deixar esse sonho pra tras. Ela pegou o celular de sua bolsa e verificou novamente o email de rejeição do recrutador. Lamento dizer... simplesmente não tem espaço suficiente... boa sorte. Bastava ler essas palavras, e seu estômago começava a se agitar. De repente, a sala começou cheirar alho assado e Altoids de canela. O quarteto de cordas que estava em um canto da sala soava horrivelmente fora de sintonia. As paredes pareciam fechadas ao redor de Emily. O que faria no próximo ano? Conseguir um emprego e morar em sua casa? Ir para a faculdade comunitária? Tinha que sair de Rosewood , se ela ficasse ali, as terríveis lembranças a engoliriam até que nada restasse dela. Uma garota alta e com cabelo preto se aproximou do armário de pratos chamando sua atenção. Aria. O coração de Emily disparou. Spencer tinha agido como se tivesse visto um fantasma quando cruzaram os olhares, mas talvez Aria reagisse de forma diferente. Enquanto a observava olhando os enfeites do armario, agindo como se os objetos na sala fossem mais importantes do que as pessoas, algo que ela sempre fazia quando ficava sozinha durante as festas. Emily foi superada pela nostalgia. Ela saiu de trás da mesa e se aproximou de sua ex-amiga. Se pudesse correr para Aria e perguntar como ela estava. Dizer o que tinha acontecido com a bolsa de natação. Pedir um abraço. Se elas não tivessem ido para a Jamaica juntas, ela poderia. Para sua surpresa, Aria olhou para cima e focou em Emily. Seus olhos se arregalaram. Seus lábios franziram. Emily se endireitou e ofereceu um pequeno sorriso. — H-hey. Aria estremeceu. — Hey. — Eu posso levar isso para você, se quiser. — Emily assentiu com a cabeça em direção ao casaco roxo de Aria, que ainda estava firmemente amarrado na sua cintura. Emily estava com Aria quando comprou o casaco em um brechó na Filadélfia no ano passado, pouco antes de sair para as férias de primavera juntas. Spencer e Hanna tinham falado para Aria que o casaco cheirava a uma senhora idosa, mas ela tinha comprado de qualquer maneira. Aria colocou as mãos nos bolsos do casaco. — Tudo bem. — O casaco fica bem em você. — disse Emily. — O roxo sempre foi a tua cor. Um músculo no maxilar de Aria se moveu. Parecia que ela queria dizer alguma coisa, mas fechou a boca com força. Então seus olhos se iluminaram com algo do outro lado da sala. Noel Kahn, o namorado dela correu para Aria e a envolveu com seus braços. — Eu estava te procurando. Aria deu-lhe um beijo como comprimento e foi embora sem dizer uma palavra para Emily. Um grupo de pessoas no centro da sala explodiu em risadas. Sr. Kahn, que cambaleava como se tivesse bebido demais, começou a tocar no piano dos Hastings a valsa "Danúbio Azul".


De repente, Emily não podia suportar ver a festa por mais tempo. Ela correu pela porta da frente pouco antes que as lágrimas começaram a cair. Lá fora, o ar estava muito quente para fevereiro. Ela caminhou pelo lado da casa até o quintal dos Hastings, com lágrimas caindo silenciosamente por suas bochechas. A visão do quintal de Spencer era tão diferente agora. O antigo celeiro que ficava na parte de trás da propriedade não existia mais. A verdadeira Ali, tinha queimado no ano passado. Havia apenas pó preto e a área queimada. Emily duvidava que algo voltasse a crescer novamente nesse lugar. Ao lado estava a antiga casa DiLaurentis. Maya St. Germain, com quem Emily teve alguma coisa no terceiro ano secundario, ainda morava lá, embora não tinham mais se visto. No quintal da frente, o Santuário de Ali, que tinha ficado alí por muito tempo para Courtney — sua Ali—, tinha sumido. O público ainda estava obcecado. Os jornais descreviam o aniversário do incendio de Alison DiLaurentis, e por outro lado tinha o horrível filme biográfico de Alison, Pretty Little Killer, mas ninguém queria elogiar um assassina. Pensando nisso, Emily colocou a mão no bolso da calça jeans e sentiu a borla de seda que ela levava durante o último ano. Apenas sentir já a tranquilizava. Um pequeno choro soou e Emily se virou. Apenas a 20 metros de distância, quase totalmente integrada com o tronco do gigante carvalho da casa dos Hastings, estava uma adolescente com um bebê pequeno. — Shhh! — Sussurrou a garota. Então ela olhou para Emily com um sorriso de desculpas. — Desculpe. Eu vim aqui para ela se acalmar, mas não está funcionando. —Tudo bem. — Emily secretamente enxugou os olhos. Ela olhou para o bebê. — Qual é o nome dela? — Grace. — A garota levantou o bebê em seus braços. — Diga oi, Grace. — É... sua? — A garota parecia ter a mesma idade de Emily. — Oh Deus, não. — A menina riu. — É da minha mãe. Mas ela está lá dentro, conversando, então eu estou de babá. — Puxou a grande bolsa de fraldas de seu ombro. — Você se importaria de segurar ela por um segundo? Eu tenho que pegar a mamadeira, mas está no fundo. Emily piscou. Não havia segurado um bebê há muito tempo. — Bem, está bem ... A garota entregou o bebê, que estava enrolado em um cobertor rosa e cheirava a talco. Sua boca vermelha se abriu e as lágrimas apareceram em seus olhos. — Tudo bem — Emily disse ao bebê. — Você pode chorar. Eu não me importo. Uma ruga se formou na pequena testa de Grace. Ela fechou a boca e olhou para Emily com curiosidade. Sentimentos tumultuados percorreram Emily. Suas lembranças vibravam, prontas para se libertarem, mas ela rapidamente empurrou-as para o fundo. A garota levantou a cabeça da bolsa de fraldas. — Ei! É natural. Você tem irmãos ou irmãs? Emily mordeu o lábio. — Não, apenas uma mais velha. Mas eu fui babá um monte de vezes. — Está explicado — sorriu. — Sou Chloe Roland. Minha família acabou de se mudar aqui de Charlotte. Emily se apresentou. — Qual escola você vai? — Rosewood Day. Vou para o ultimo ano. Emily sorriu. — É onde eu vou! — Você gosta? — Chloe perguntou, procurando a mamadeira. Emily segurou as costas de Grace. Se gostava de Rosewood Day? A escola recordavalhe Ali, e A. Cada canto, cada sala tinha uma lembrança que preferia esquecer. — Eu não sei — disse, e inadvertidamente, deixou escapar um forte suspiro. Chloe viu o rosto de Emily cheio de lágrimas. — Está tudo bem? Emily enxugou os olhos. Seu cérebro invocou as palavras eu estou bem e nã o importa, mas não poderia dizê-las.


— Eu só descobri que eu não consegui uma bolsa de estudos para entrar na universidade, — ela disse abruptamente. — Meus pais não podem dar-se ao luxo de me enviar sem ela. Foi minha culpa. Eu... Eu desisti da natação neste verão. A equipe não me quer agora. Eu não sei o que eu faço. Novas lágrimas cairam em cascata pelo rosto de Emily. Desde quando andava por aí lamentando-se sobre seus problemas com garotas que não conhecia? — Sinto muito. Tenho certeza que você não queria ouvir isso. Chloe bufou. — Por favor. É mais do que qualquer outro me disse nesta festa. Então, você nada? — Sim. Chloe sorriu. — Meu pai é um grande doador na Universidade da Carolina do Norte, onde ele se formou. Ele pode ser capaz de ajudar. Emily olhou para cima. — A UCN tem uma grande escola de natação. — Talvez poderia conversar com ele sobre você. Emily olhou. — Mas você não me conhece! Chloe tomou Grace em seus braços. — Você parece simpática. Emily olhou Chloe mais de perto. Tinha um rosto redondo, brilhantes olhos avelãs e cabelos longos e castanhos da cor de um pudim de chocolate. Suas sobrancelhas pareciam que não tinham sido feitas há tempo, e usava pouca maquiagem, e Emily tinha certeza que tinha visto o vestido que Chloe estava usando no The Gap. Agradou-lhe por não se esforçar tanto. A porta de entrada da casa dos Hastings foi aberta e alguns convidados sairam pela varanda. Uma centelha de medo subiu pelo peito de Emily. Checar Casacos! — T-Tenho que ir, — ela disse, virando-se. — Eu deveria estar verificando os casacos. Provavelmente, vou ser demitida agora. — Foi um prazer conhecê-la! — Acenou Chloe. — E, hey! Se você precisar de dinheiro, você pode cuidar da Grace para nós segunda-feira? Meus pais não conhecem ninguém ainda, e eu tenho uma entrevista na universidade. Emily parou na grama congelada. — Onde você mora? Chloe riu. — Tudo bem. Isso seria uma grande ajuda, hein? Ela apontou para a casa em frente. — Alí. Emily olhou para a grande casa vitoriana e suspirou. A família de Chloe tinha se mudado para a antiga casa dos Cavanaugh. — Hum, com certeza. — Ela despediu-se e correu em direção à casa. Ao passar pela linha de grossos arbustos que separavam a propriedade dos Hastings com a DiLaurentis ouviu uma risada aguda. Ela parou de repente. Alguém estava olhando? Estava rindo? O riso desapareceu nas árvores. Emily se arrastou até a calçada, tentando tirar o som de sua cabeça. Ela estava ouvindo coisas. Ninguém olhava para ela agora. Esses dias felizmente desapareceram, hà muito, muito tempo. Certo?


3 APENAS OUTRA FAMÍLIA POLÍTICA PERFEITA

Naquela mesma noite de sábado, Hanna Marin sentou-se com seu namorado, Mike Montgomery, num antigo armazém de garrafas de vidro que virou estúdio de fotografia em Hollis, no centro da cidade. O espaço de pé-direito alto estava cheio de luzes quentes, várias câmeras, e vários cenários diferentes, um pano azul, uma cena de outono, e uma tela coberta com uma grande bandeira americana tremulando, que Hanna achou insuportavelmente brega. O pai de Hanna, Tom Marin, estava em meio à multidão de conselheiros políticos, ajustando a gravata e alisando suas linhas. Ele estava concorrendo para o Senado dos EUA no próximo Novembro, e hoje ele estava filmando seu primeiro comercial político que iria introduzi-lo como senador da Pensilvânia. Sua nova esposa, Isabel, estava ao lado dele, ajeitando seus cabelos na altura do queixo, alisando seu terno vermelho com ombreiras – ugh – de esposa poderosa e fiscalizando sua pele alaranjada em um espelho de mão Chanel. — Sério, — Hanna sussurrou para Mike, que estava pegando outro sanduíche do carrinho de comida. — Por que ninguém diz para Isabel deixar a Tan Mystic? Ela parece um Oompa Loompa. Mike riu, apertando a mão de Hanna, enquanto sua meia-irmã, Kate, passou deslizando. Infelizmente, Kate não era clone de sua mãe, parecia que ela tinha passado o dia no salão destacando seus cabelos castanhos, colocando cílios postiços, e clareando os dentes para que ela ficasse absolutamente perfeita para o grande comercial de seu pai. Padrasto, não que Kate já tenha feito distinção. E não que o pai de Hanna já o fez, também. Então, como se sentisse que Hanna estava pensando coisas desagradáveis sobre ela, Kate se mostrou mais. — Vocês deveriam estar ajudando. Há muito que fazer. Hanna deu um gole apático da lata de Diet Coke que tinha roubado do refrigerador. Kate tinha tomado para si a tarefa de assistente do pai como algum estagiário ávido em The West Wing. — Como o quê? — Você poderia me ajudar a executar as minhas falas —, Kate sugeriu de modo autoritário. Ela cheirava a sua loção para o corpo favorita de Jo Malone Fig & Cassis, que parecia a Hanna como uma ameixa seca deixada na floresta por muito tempo. — Eu tenho três sentenças no anúncio, e eu quero que elas saiam perfeitas. — Você tem falas? — Hanna deixou escapar, e então imediatamente se arrependeu. Isso foi exatamente o que Kate queria que ela dissesse. Como Hanna previu, os olhos de Kate se arregalaram com falsa simpatia. — Oh, Hanna, quer dizer que você não tem? Eu me pergunto por que isso? — Ela virou-se e passeou de volta para o set. Seus quadris balançando. Seu cabelo brilhante saltou. Sem dúvida, um enorme sorriso no rosto. Tremendo de raiva, Hanna pegou um punhado de batata frita da bacia ao lado dela e empurrou-as na boca. Elas eram de creme de leite e cebola, não seu favorito, mas ela não se importava. Hanna tinha estado em guerra com sua meia-irmã desde que Kate reentrou na vida de Hanna, no ano passado e se tornou uma das garotas mais populares em Rosewood Day. Kate


ainda era BFF de Naomi Zeigler e Riley Wolfe, duas cadelas que tinham rancor de Hanna desde que a sua Ali (também conhecida como Courtney) abandonou-as no início da sexta série. Depois que Hanna se reencontrou com suas velhas amigas, a ascensão de Kate para a popularidade não a incomodava tanto, mas agora que ela, Spencer, Aria e Emily não estavam se falando, Hanna não poderia deixar Kate chegar até ela. — Esquece. — Mike tocou no braço de Hanna. — Parece que tem uma bandeira americana na bunda dela. — Obrigada —, Hanna disse, sem rodeios, mas não era de muita ajuda. Hoje, ela só se sentiu... diminuída. Desnecessária. Só havia espaço para uma brilhante filha adolescente, e era a menina que tinha recebido três frases inteiras para dizer na frente das câmeras. Então, o telefone celular de Mike tocou. — É de Aria —, ele murmurou respondendo a mensagem. — Quer que eu lhe diga oi? Um cara baixinho com óculos grossos, camisa rosa listrada e calças cinza bateu palmas, surpreendendo Hanna e Mike. — Ok, Tom, estamos prontos para você —. Era Jeremiah, o conselheiro de campanha número um do Sr. Marin - ou, como Hanna gostava de chamá-lo, seu cachorrinho. Jeremiah estava ao lado do pai em todas as horas do dia, fazendo o que fosse necessário. Hanna ficou tentada a fazer um barulho chicote quando ele estava por perto. Jeremiah se movimentava de um lado para o outro, posicionando o pai de Hanna em frente da tela azul. — Nós vamos fazer umas dublagens de você falando sobre como você vê o futuro da Pensilvânia —, disse ele em uma voz feminina nasal. Quando ele abaixou a cabeça, Hanna pode ver a mancha crescente da careca em sua cabeça. — Certifique-se de falar sobre todo o trabalho comunitário que você fez no passado. E definitivamente mencionar o seu compromisso de acabar com o consumo de álcool entre jovens. — Absolutamente —, disse Marin em um tom presidencial. Hanna e Mike trocaram um olhar e se esforçaram para não rir. Ironicamente, a causa célebre do Sr. Marin era abolir o consumo de álcool entre os jovens. Ele não poderia ter focado em algo que não têm um impacto direto sobre a vida de Hanna? Darfur, talvez? Melhor tratamento para os empregados do Wal-Mart? Que divertido seria uma festa sem bebida? O Sr. Marin lia suas falas, parecendo robusto, confiável. Isabel e Kate sorriram e se cutucaram orgulhosamente, o que quase fez Hanna querer vomitar. Mike deu o seu parecer arrotando alto durante uma das tomadas. Hanna o adorava por isso. Em seguida, Jeremiah guiou o Sr. Marin para o fundo da bandeira americana. — Agora vamos fazer o segmento familiar. Vamos emendar isso no final do comercial – todo mundo vai ver que bom pai de família você é. E que família linda que você tem. — Ele fez uma pausa para piscar para Isabel e Kate, que riam tontamente. Homem de família minha bunda, Hanna pensava. Engraçado como ninguém tinha mencionado que Tom Marin havia se divorciado, mudado para Maryland, e esquecido sua velha esposa e filha por três longos anos. Interessante, também, que ninguém tinha falado que seu pai mudou-se com Kate e Isabel para a casa de Hanna, no ano passado, quando a mãe de Hanna arrumou um emprego no exterior e quase arruinou a vida de Hanna. Felizmente, eles haviam sido expulsos após a mãe de Hanna voltar de Cingapura, encontrando uma McMansion em Devon, que não era tão legal como a casa de Hanna no topo do Monte Kale. Mas sua presença ainda permanecia: Hanna ainda sentia o perfume Fig & Cassis de Kate quando ela caminhava pelo corredor ou sentava no sofá. — Ok, família! — O diretor, um espanhol de cabelos compridos chamado Sergio, acendeu as luzes. — Todos contra a bandeira! Preparem-se com as suas falas! Kate e Isabel entraram obedientemente nos lugares posaram ao lado do Sr. Marin. Mike se enfiou ao lado de Hanna. — Vá! Hanna hesitou. Não que ela não queria estar na frente de uma câmera – ela sempre fantasiou sobre como se tornar uma apresentadora famosa ou uma modelo, mas ela não queria estar em um comercial com a meia-irmã, como se fossem uma grande família feliz.


Mike a empurrou novamente. — Hanna, vá. — Ótimo. — Hanna gemeu, deslizando para fora da mesa e batendo em direção ao conjunto. Vários assistentes dos diretores se viraram e olharam para ela confusamente. — Quem é você? — Sergio perguntou, soando como a lagarta fumando narguilé em Alice no País das Maravilhas. Hanna riu desconfortavelmente. — Uh, eu sou Hanna Marin. Filha biológica de Tom. Sergio coçou o esfregão de cachos longos. — Os membros da família na minha folha de chamada são Isabel e Kate Randall. Houve uma longa pausa. Vários dos assistentes trocaram olhares desconfortáveis. O sorriso de Kate se ampliou. — Pai? — Hanna virou-se para seu pai. — O que está acontecendo? Sr. Marin puxou o microfone que um dos assistentes tinha enfiado debaixo da sua jaqueta. — Bem, Hanna, é só... — Ele esticou o pescoço e localizou seu assistente. Rapidamente, Jeremiah deu a Hanna um olhar exasperado. — Hanna, nós preferimos que você só assista. Nós? — Por quê? — Hanna rangia. — Estamos apenas tentando poupá-la de mais pessoas da imprensa intrometidos, Hanna, — o Sr. Marin disse suavemente. — Você estava no centro das atenções no ano passado. Eu não sabia se você queria trazer mais atenção para si mesma. Ou talvez ele não queria chamar a atenção de volta para ela. Hanna estreitou os olhos, percebendo que seu pai estava preocupado com os erros que tinha feito no passado. Como ela tinha sido presa furtando na Tiffany e, em seguida, roubado e destruído o carro de seu namorado Sean Ackard. Como a segunda A – a verdadeira Ali – enviando Hanna para a Reserva, uma instituição mental para adolescentes problemáticos. E, a cereja no topo, algumas pessoas acreditavam que Hanna e suas amigas mataram Ali - sua Ali, a menina que havia desaparecido na sétima série. Houve também o que tinha acontecido na Jamaica, não que o Sr. Marin sabia disso. Não que alguém saberia. Nunca. Hanna deu um grande passo para longe, sentindo-se como se o chão houvesse caído debaixo dela. O pai dela não queria ela associada com sua campanha. Ela não se encaixava em seu retrato de família saudável. Ela era sua antiga filha, seu resto, uma menina montada em escândalos que ele não queria se lembrar mais. De repente, uma velha mensagem de A brilhou em sua mente: Nem papai te ama mais! Hanna girou nos calcanhares e caminhou de volta para Mike. Dane-se. Ela não queria estar no comercial estúpido de seu pai, de qualquer maneira. Pessoas na política tinham cabelo ruim, sorrisos falsos, e um senso de moda horrível, exceto para os Kennedys, é claro, mas eles eram a exceção que confirmava a regra. — Vamos —, Ela rosnou, agarrando a bolsa da cadeira vazia. — Mas, Hanna... —Mike olhou para ela com seus redondos olhos azuis. — Vamos. — Hanna, espere —, seu pai chamou atrás dela. Continue caminhando, Hanna disse a si mesma. Deixe que ele veja o que está faltando. Não fale com ele novamente. Seu pai chamou o seu nome mais uma vez. — Vamos voltar —, ele disse, sua voz gotejando com culpa. — Há espaço para todos nós. Você pode até dizer algumas falas se quiser. Podemos dar algumas de Kate para você. — O quê? — Kate gritou, mas alguém silenciou-a. Hanna se virou e viu os olhos de seu pai implorando para ela. Após a frustração de um momento, ela entregou sua bolsa a Mike e caminhou de volta para o set.


— Tom, eu não acho que isso é uma boa ideia —, advertiu Jeremiah, mas o Sr. Marin apenas deu de ombros com ele. Quando Hanna entrou nas luzes, ele lhe deu um grande sorriso, mas ela não sorriu de volta. Sentia-se como o garoto perdedor do jogo que o professor fez com todos no recreio. O pai dela só foi chamá-la de volta porque pareceria um idiota se a excluísse. Sergio correu suas falas com a família, dividindo as de Kate entre as duas filhas. Quando a câmera voltou para Hanna, ela tomou uma respiração profunda, afastou as vibrações negativas ao seu redor, e entrou na personagem. — Pensilvânia precisa de um líder forte, que trabalhe para você —, disse ela, tentando parecer natural, socando para baixo suas esperanças murchas. Sergio fez tomada após tomada até as bochechas de Hanna doerem de sorrir. Uma hora depois, tudo estava acabado. Assim que as luzes se apagaram e Sergio declarou que estava terminado, Hanna correu para Mike. — Vamos dar o fora daqui. — Você foi muito bem, Han —, disse Mike, saltando para fora da mesa. — Ele está certo—, disse uma segunda voz. Hanna olhou. Um dos assistentes de Sergio estava a poucos metros de distância, duas grandes malas pretas cheias de equipamentos em suas mãos. Ele era, provavelmente, apenas uns anos mais velho que Hanna. Seu cabelo foi cortado de uma maneira confusa, ainda que artisticamente arranjado, e ele usava calças jeans confortáveis, jaqueta de couro, e um par de óculos aviador apoiados em cima de sua cabeça. Seus olhos castanhos olhavam Hanna de cima a baixo como se aprovasse o que via. — Totalmente pronta —, acrescentou. — Com uma tonelada de presença. Você arrebentou aquela outra garota. — Uh, obrigado. — Hanna trocou um olhar desconfiado com Mike. Elogiar os clientes é o seu trabalho? O cara mexeu em seu bolso e lhe entregou um cartão de visita. — Você é linda, sério. Você poderia ser uma modelo de costura se você quisesse. Ele apontou para o cartão. — Eu adoraria fotografar você para o meu catálogo. Eu poderia até ajudá-la a escolher algumas fotos para os agentes. Me ligue se você estiver interessada. Ele ergueu as malas e saiu do estúdio, seu tênis batendo suavemente sobre o piso de madeira empoeirado. Hanna olhou para o cartão de visita que ele tinha dado a ela. Patrick Lake, Fotógrafo. Na parte de trás era o seu número de telefone, site e página no Facebook. A porta do estúdio bateu. O resto da equipe embalando as coisas. Jeremiah abriu a pequena bolsa cinza que continha o dinheiro da campanha do Sr. Marin e entregou a Sergio um maço de notas. Hanna virou o cartão de Patrick Lake em suas mãos, de repente sentindo-se um pouco melhor. Quando ela olhou para cima, Kate estava olhando para ela, a testa enrugada, os lábios franzidos. Claramente, ela ouviu o intercâmbio entre Hanna e Patrick. E agora, cadela? Hanna pensou vertiginosamente, deslizando o cartão de visita para o bolso. Ela pode não ter vencido a batalha pelo papai, mas ela ainda podia ganhar a guerra de menina mais bonita.


4 E AGORA CHEGANDO DE HELSINKI...

— É o seu novo perfume de potpourri? — Aria Montgomery sussurrou para seu namorado, Noel Kahn, enquanto ele mergulhava para um beijo. Noel se apoiou no sofá, olhando ofendido. — Eu estou usando Gucci Sport. Como eu sempre faço. Aria deu outra fungada. Ela definitivamente sentiu cheiro de lavanda. — Eu acho que você acidentalmente trocou pela água de colônia da vovó. Noel cheirou as mãos e estremeceu, seus olhos castanhos diminuíram. — É o sabonete da pia. Eu não posso ajudá-la se sua mãe coloca merda feminina no banheiro! — Ele deslizou sobre Aria e cobriu o nariz com as mãos. — Você o ama, não é? Aria riu. Era uma tarde de domingo, e ela e Noel estavam sozinhos na casa da mãe de Aria, deitados no sofá na sala da família. Desde o divórcio dos seus pais, a sala tinha sofrido um pouco de reforma para atender os gostos e aventuras de Ella. Estátuas do Deus Hindu da viagem que Ella fez para Bombay no último verão alinhadas nas prateleiras, cobertores indígenas de sua estada na colônia de um artista, no Novo México, no outono passado, cobria os sofás e cadeiras, e toneladas de Velas verdes com aroma de chá. O cheiro que o pai de Aria, Byron, nunca tinha gostado, tremulava em toda parte. Quando Aria tinha atração por Noel na sexta e sétima série, ela costumava sonhar com Noel vindo para sua casa e deitando no sofá com ela deste jeito, bem, parece menos malicioso a partir da estatueta muito armada de Ganesh na esquina. Noel bicou Aria nos lábios. Aria sorriu e o beijou por trás, olhando para seu rosto esculpido; longo cabelo ondulado preto e lábios rosados. Ele respirou e a beijou mais profundamente, passando a mão para cima e para baixo no comprimento de sua coluna vertebral. Lentamente, ele desabotoou o casado de Aria com estampa de leopardo. — Você é tão linda, — Ele murmurou. Então, ele puxou sua camiseta sobre a cabeça, jogou-a para o chão, e estendeu a mão para o zíper da calça jeans de Aria. — Deveríamos ir para o seu quarto. Aria colocou a mão sobre a dele para pará-lo. — Noel, espere. Noel gemeu e rolou de cima dela. — Sério? — Sinto muito, — protestou Aria, abotoando o suéter novo — É apenas... — Exatamente o que? — Noel agarrou a borda da mesa de café, sua postura rígida de repente. Aria olhou pela janela lateral, que oferecia uma vista perfeita para floresta do Condado de Chester. Ela não podia explicar porque ela tinha sido tão hesitante em fazer sexo com ele. Eles estavam saindo há mais de um ano. E não era como se ela fosse uma puritana, ela perdeu a virgindade com Oskar, um menino na Islândia, quando ela tinha 16 anos. No ano passado, ela havia se conectado com Ezra Fitz, que passou a ser seu professor de Inglês. Eles não tinham dormido juntos, mas eles provavelmente teriam se eventualmente A não tivesse os revelado.


Então, por que ela estava segurando com Noel? É certo que ainda era incompreensível que ela enfim, estava namorando ele. Aria tinha uma queda por Noel na sexta e sétima série, beirava a embaraçoso. Ali usava isso constantemente para provocá-la. — É, provavelmente, melhor você e Noel não estarem namorando, — Ela dizia. — Ele teve muitas outras namoradas, muita experiência. E você já teve quantos namorados? Oh certo, zero. Às vezes Aria ainda tem a sensação de que ela não era suficientemente boa para ele, não é popular suficiente, não é formal suficiente, não é o tipo de garota que saiba que garfo usar no jantar ou como manobrar um cavalo durante um salto. Ela nem sabia o nome próprio para os saltos. Então, novamente, às vezes Aria tem o sentido de que Noel não era suficientemente bom para ela, como quando eles fizeram a excursão para Islândia juntos no verão passado. Ele insistia em só comer Burger King e pagar por latas de Budweiser com dólares americanos. Ela tocou as costas rígidas de Noel. — Eu só quero que seja especial. Ele se virou. — Você não acha que seria especial? — Eu acho, mas... — Aria fechou os olhos. Foi tão difícil explicar. Noel encolheu os ombros defensivamente. — Você tem sido tão diferente ultimamente. Aria franziu a testa. — Desde quando? — Desde que... Um tempo, eu acho. — Noel deslizou para fora do sofá e colocou de volta a camisa. — É outro cara? Existe algo que você não está me dizendo? Um arrepio correu a espinha de Aria. Ela estava guardando segredos de Noel. Claro que ele sabia sobre Ali, A, e o que havia acontecido no Poconos. Todo mundo sabia. Mas ele não sabia sobre a coisa imperdoável que ela tinha feito na Islândia. Ele não sabia sobre a Jamaica também, e ele ainda estava lá quando aconteceu, não lá, claro, mas dormindo em um quarto próximo. Será que ele ainda iria querer ficar com Aria se soubesse disso? — Claro que não é outro cara. — Aria o abraçou por trás. — Eu só preciso de mais algum tempo. Está tudo bem, eu prometo. — Bem, é melhor você tomar cuidado, — disso Noel, em uma voz um pouco mais brincalhona. — Eu estou indo encontrar uma caloura sacana para satisfazer as minhas necessidades. — Você não iria, — Aria ameaçou, batendo-o levemente. Noel torceu a boca. — Você está certa. Todas as meninas calouras são Skanks, de qualquer maneira. — Não que isso pararia você. Noel virou, a cabeça de Aria enterrada em sua axila, e lhe deu um noogie. — Eu espero que você se considere na categoria de Skank, mulher! Aria gritou. — Pare! — Eles caíram de volta para o sofá e começaram a se beijar novamente. — Ahã. Aria olhou para cima e viu sua mãe parada na porta. O cabelo de Ella, longo preto, estava enrolado em cima da cabeça dela, e ela usava uma longa túnica caftan e leggings pretas, Havia uma carranca em seu rosto. — Olá, Aria, — disse ela uniformemente. — Olá, Noel. — E-ei, Ella, — Aria disse, seu rosto ficando vermelho. Apesar da atitude liberal de sua mãe sobre a maioria das coisas, ela ainda era muito rigorosa sobre não deixar Aria estar sozinha em casa com Noel, Aria não tinha contado exatamente a Ella que ela e Noel estariam aqui hoje. — M-me desculpe, — ela gaguejou. — Nós estávamos... conversando. Eu juro. — Uh-huh. — Ella franziu os lábios manchados de amora conscientemente. Então, com um aceno de cabeça, ela caminhou até a cozinha. — O que vocês dois estão fazendo para o jantar? — Ela perguntou por cima dos ombros. — Eu estou fazendo ravióli de nabo cru para Thaddeus e para mim. Você é bem-vinda para ficar.


Aria olhou para Noel, que enfaticamente balançou a cabeça. Thaddeus era namorado de Ella. Eles se conheceram na galeria de arte onde Ella estava trabalhando. Ele era um bruto adorador de alimentos, Ella tinha se tornado uma também. Aria gostava do macarrão cozido dela, muito obrigada. Então, o telefone de Noel, que estava na mesa do café deixou escapar um ruído alto. Noel desembaraçou-se de Aria, verificando a tela, e fez uma careta. — Merda. Eu esqueci. Eu tenho que pegar alguém no aeroporto em uma hora. — Quem? — Aria sentou-se e puxou o cardigan sobre os ombros. — Só esse estudante de intercâmbio estrangeiro perdedor que vem para o semestre. Meus pais soltaram a bomba em mim ontem depois da festa dos Hastings. Será tão ridículo. A mandíbula de Aria caiu. — Por que você ainda não me contou? Alunos estrangeiros são tão interessantes! — Na quinta série, uma garota chamada Yuki tinha chegado na troca do Japão ficando com a família de Lanie ller. A maioria das crianças achou que ela era estranha, mas Aria achou Yuki fascinante, ela escreveu seu nome em caracteres estranhos, dobrou formas de origami fora de seus testes de ortografia, e tinha o mais liso cabelo negro que Aria jamais tinha visto. Noel enfiou os pés no seus sapatos de condução Ratty. — Você está brincando? Vai chupar. Sabe de onde ele é? Finlândia! Ele provavelmente vai ser tamanha aberração, como um daqueles caras que vestem jeans de meninas e joga o gravador. Aria sorriu para si mesma, lembrando como Noel tinha chamado ela de Finlândia, as primeiras semanas depois que sua família havia voltado da Islândia. — Este cara provavelmente é um grande idiota. — Noel caminhou em direção à sala. — Você quer companhia? — Aria gritou depois que ele pisou para descer as escadas. — Não. — Noel acenou com a mão. — Vou poupá-la deste maníaco finlandês e seus sapatos de madeira. Essa é a Holanda, Aria queria dizer. Ela rapidamente tirou o casaco e colocou suas botas. — Sério. Eu não me importo. Noel mordeu o lábio, pensando. — Se você insiste. Mas não diga que eu não avisei. O aeroporto de Filadélfia estava repleto de famílias que transportavam malas de viagem, empresários correndo para pegar aviões e viajantes sujos que tiravam os sapatos na linha de segurança. A placa de recém–chegados, disse que o avião de Helsíquia tinha acabado de pousar. Noel tirou um pequeno quadrado de papelão de sua mochila e desdobrou-o. HUUSKO, ele disse, em grandes letras vermelhas. — Esse é o seu sobrenome, — disse Noel, cansado, olhando para o cartaz como se fosse um decreto para sua execução. — Não lhe parece uma marca de calcinha de vovó? Ou talvez algum tipo de propagação de carne não identificável. Aria riu. — Você é terrível. Noel pulou morosamente em um dos bancos por parte do portão de segurança e olhou para a fila de pessoas que saiam em direção aos detectores de metal. — Este é o nosso ano sênior, Aria. A única vez que nós temos apenas que relaxar antes da faculdade. A última coisa que eu quero é algum perdedor pendurado em mim. Eu juro que minha mãe fez isso para me torturar. Aria fez um mmm de simpatia. Então, ela notou algo sobre a sobrecarga de TV pendurada. ANIVERSÁRIO DE MORTE DA ASSASSINA DE ROSEWOOD, dizia a manchete com letras amarelas na tela. Uma repórter morena ficou de frente da casa velha dos DiLautentis, o vento soprando o cabelo em torno de seu rosto. — Um ano atrás, neste sábado, Alison DiLaurentis, cuja onda de assassinatos deixou a nação inteira perplexa, morreu em um incêndio de autoignição horrível nas Pocono Mountains, — anunciou ela. — Um ano inteiro se passou desde os eventos bizarros, mas a cidade de Rosewood ainda não se recuperou.


Imagens de Jenna Cavanaugh e Ian Thomas, duas das vítimas da Ali real, piscaram na tela. Em seguida, houve o retrato da sétima série de Courtney DiLaurentis, a menina que tinha tomado o lugar da verdadeira Ali na sexta série, a menina que a Ali verdadeira matou durante a sua festa do pijama da sétima série. — Muitos ainda estão intrigados que o corpo de Srta. DiLaurentis nunca foi encontrado nos escombros. Alguns têm especulado que Srta. DiLaurentis sobreviveu, mas especialistas afirmam que não há nenhuma possibilidade disto. Um arrepio correu pela espinha de Aria. Noel cobriu os olhos de Aria com as mãos. — Você não deveria ver isso. Aria contorceu livre. — Não é difícil. — Você tem pensado muito sobre isso? — Mais ou menos. — Você quer assistir o filme juntos? — Oh Deus, não. — Aria gemeu. Noel estava se referindo ao Prrety Little Killer, um filme biográfico condensando os acontecimentos do ano passado em duas horas. Foi além de brega. De repente, um afluxo de pessoas corria pela porta da imigração. Muitos eram altos, louros e pálidos, com certeza do voo de Helsique. Noel resmungou. — Aqui vamos nós. — Ele acenou com o sinal HUUSKO. Aria espiou por entre a multidão. — Qual é o primeiro nome, afinal? — Klaudius? — Noel resmungou. — Algo parecido com isso. Os homens mais velhos carregavam malas velhas enquanto eles falavam em seus iPhones. Três meninas esguias riram juntas. Uma família com uma criança loira lutou para abrir um carrinho de bebê. Ninguém parecia um Klaudius. Então, uma voz flutuava em meio à multidão de viajantes. — Sr. Kahn? Aria e Noel ficaram na ponta dos pés, tentando localizar a voz. Só então, Aria notou um garoto com um tosto desenhado alongado, lábios carnudos, espinhas no rosto e na testa, e um pomo de Adão que se projetava pelo menos uma polegada de seu pescoço. Era Klaudius, certo. Ele estava carregando uma pequena mala de instrumento que pode ser apenas um gravador. Pobre Noel. — Sr. Kahn? — A voz chamou novamente, mas o menino, Aria pensou, não abriu a boca. A multidão se abriu. Uma figura em um chapéu caçador, uma jaqueta e botas forradas de pelo surgiu. — Oi! É você! Eu sou a nova estudante de intercâmbio! Klaudia Huusko! Klaudia. Noel abriu a boca, mas nenhum som saiu. Aria olhou para a figura na frente deles, quase engasgando com seu chiclete. O aluno de intercâmbio de Noel certamente não era alto, desengonçado, com marcas de varíola, tocador de flauta. Em vez disso, Klaudia era uma menina. Cabelos loiros, olhos azuis, voz gutural, grandes seios e usando um vestido jeans apertado, sonho erótico Escandinavo. E ela estaria vivendo a apenas um corredor de Noel.


5 CONHECENDO OS PENNYTHISTLES

— Spencer — A Sra. Hastings se inclinou sobre a mesa — não toque no pão. É deselegante começar a comer antes de todos estarem sentados a mesa. Spencer soltou o pedaço de ciabatta com manteiga na cesta. Se ela morresse de fome, antes que os outros chegassem seria culpa de sua mãe. Era domingo a noite e Spencer, Melissa e sua mãe estavam sentadas no Goshen Inn, um restaurante abafado no interior de uma casa antiga construída em 1700, que supostamente havia sido uma pensão para soldados na época da independência. A mãe de Spencer não parava de falar sobre o quão agradável era o ambiente, mas Spencer achava o restaurante tão sombrio quanto uma funerária. Definitivamente havia sido uma casa Colonial chique, com muitos mosquetes da Guerra Revolucionária pendurados na parede, chapéus de três pontas enfeitavam as janelas, e haviam velas em vidro envelhecido sobre as mesas. E como a clientela parecia tão antiga quanto a decoração, o ambiente cheirava a uma mistura desagradável de mofo de porão, filé mignon e Vick Vaporub. — O que esse tal de Nicholas faz, afinal? — Spencer perguntou dobrando e desdobrando o guardanapo de pano no colo. — Ele é o Sr. Pennythistle até novo aviso. — disse a mãe de Spencer, se enrijecendo. Spencer riu, Sr. Pennythistle soava como o nome de um palhaço pornográfico. — Eu sei, mas o que ele faz? — Melissa reiterou. — Eu não sei direito, mas nós sempre estudamos juntos nas de administração. Ele é o maior empreendedor imobiliário. O Donald Trump de Main Line. — Então é ele quem devasta santuários de animais e terras agrícolas para dar lugar a casas feias? — Spencer fez careta. — Ele criou a Applewood, Spence. — Disse Melissa feliz — Sabe? Aquelas casas bonitas do campo de golfe? Spence girou o garfo em sua mão, sem se impressionar. Para onde quer qu e ela fosse, em torno de Rosewood, parecia que um novo prédio se erguia a cada minuto. Aparentemente a culpa era desse cara. — Meninas, Shh! — disse a Sra. Hastings, direcionando seu olhar para a porta. Duas pessoas caminharam em direção a mesa delas, um deles era um homem alto e encorpado que parecia que havia sido um jogador de rúgbi em uma vida passada. Ele tinha cabelo grisalho bem penteado, olhos azuis de aço, um nariz inclinado e um início de papada. Seu blazer azul marinho e suas calças cáqui pareciam recém-passados, e ele usava abotoaduras de ouro em relevo com as iniciais minúsculas NP. Em sua mão havia três rosas vermelhas. Uma menina de aproximadamente 15 anos estava com ele. Uma faixa de veludo estava sobre seus cabelos pretos, curtos e encaracolados, ela usava um conjunto cinza que parecia um uniforme de camareira. Havia uma amarga expressão em seu rosto, como se ela estivesse gripada por dias.


A mãe de Spencer levantou-se afobadamente batendo com o joelho na parte debaixo da mesa e fazendo com que sua água balançasse. — Nicholas, é tão bom te ver! — disse ela contente e corada. Ele entregou-lhe uma das rosas, então a Sra. Hastings contornou a mesa. — Estas são as minhas filhas, Melissa e Spencer. Melissa se levantou. — Muito prazer em conhecê-lo. — disse ela, balançando a mão do Sr. Pennythistle. Spencer disse olá, também, embora bem menos entusiasmada. Ser puxa-saco não era bem seu estilo. — Muito prazer em conhecê-las. — disse o Sr. Pennythistle em um tom de voz surpreenden-temente suave. Ele entregou a cada uma das meninas uma rosa também. Melissa agradeceu, mas Spencer apenas girava a flor entre seus dedos desconfiada. Havia algo nessa história, era muito The Bachelor. Então o Sr. Pennythistle apontou para a garota ao lado dele. — E esta é minha filha Amélia. Amélia, cuja rosa vermelha estava colocada dentro de sua bolsa feia de carteiro, apertou a mão de todos, embora não parecesse muito feliz com a história toda. — Eu gosto da sua faixa de cabelo. — disse Spencer, tentando parecer simpática. Amélia apenas olhou para ela fixamente, seus lábios tinham uma linha reta e seus olhos uma expressão séria, analisando os cabelos loiros longos de Spencer, o seu vestido de caxemira cinza e botas Fry pretas. Depois de um longo momento, ela soltou uma fungada e se afastou, como se Spencer estivesse usando a coleção passada e não ela. — Zachary chegará em breve. — disse o Sr. Pennythistle enquanto se sentava – ele tinha um grupo de estudos avançados que atrasou esta tarde. — Compreensível — disse a mãe de Spencer, erguendo seu copo com água, ela virou-se para suas filhas — Tanto Zachary quanto Amélia frequentam o colégio Santa Agnes. O cubo de gelo que estava na boca de Spencer escorregou para sua garganta, Santa Agnes era o colégio mais esnobe que havia na região de Main Line, era tão fechado que olhava para o Rosewood Day como se ele fosse um reformatório. Spencer havia conhecido uma garota chamada Kelsey que estudava lá, em um programa de verão da Universidade da Pensilvania. No início elas haviam sido melhores amigas, mas depois... Spencer analisou Amélia cuidadosamente. Será que Amélia conhecia Kelsey? Será que ela sabia o que havia acontecido com ela? Depois houve um longo silencio. A mãe de Spencer permaneceu suspirando pela sua rosa, olhando em volta, e sorrindo sem jeito. Uma música ambiente começou no aparelho de som. O Sr. Pennythistle educadamente pediu um conhaque Delamain para a garçonete. Ele continuava pigarreando, Spencer pensava: porque não cospe o catarro logo?, ela queria morrer. Por fim, Melissa quebrou o gelo: — Esse restaurante é lindo, Sr. Pennythistle. — Ah, com certeza! — disse a Sra. Hastings. — Realmente, da época da Guerra Revolucionária. — acrescentou Spencer — Vamos torcer para que o alimento não seja dessa data também! Sra. Hastings tentou forçar uma risada, mas parou assim que viu o olhar confuso, quase ferido do seu namorado. Amélia franziu o nariz como se houvesse o cheiro de algo podre no ar. — Oh, Spencer não falou por mal — disse a mãe de Spencer rapidamente — foi apenas uma piada. O Sr. Pennythistle puxou seu colarinho engomado. — Este tem sido o meu restaurante favorito por anos. Eles têm uma lista de vinhos premiada. Whoop-de-doo. Spencer olhou ao redor, desejando poder se sentar a mesa de simpáticas senhoras de 60 anos, pelo menos elas pareciam que estavam se divertindo. Ela olhou para Melissa para se lamentar, mas Melissa estava radiante, como se o Sr. Pennythistle fosse o Dalai Lama. Depois da garçonete entregar as bebidas, o Sr. Pennythistle virou-se para Spencer. De perto, ele tinha pequenas rugas ao redor dos olhos e sobrancelhas fora de controle.


— Então você está no último ano em Rosewood Day? — Isso mesmo — Spencer assentiu. — Ela é muito envolvida, — A mãe de Spencer se gabou — ela está no time de Hockey de campo, e ela está no elenco de Lady Macbeth. Rosewood Day tem um programa de teatro de alto nível. As sobrancelhas do Sr. Pennythistle se arquearam. — Como andam as suas notas nesse semestre? A pergunta pegou Spencer desprevenida. Intrometido você, não? — Elas estão... boas. Mas eu já tenho a decisão precoce de Princeton, por isso as notas não são mais tão relevantes. Ela disse Princeton com prazer, queria impressionar o papai e a filha esnobe. Mas o Sr. Pennythistle apenas se inclinou sobre a mesa. — Princeton não gosta de preguiçosos, você sabe — sua voz suave se tornou afiada — agora não é tempo pra descansar sobre os louros. Spencer recuou. O que era esse tom de reprovação? Quem ele pensava que era, seu pai? Era o Sr. Hastings quem havia dito a Spencer para ela pegar leve esse semestre, afina ela tinha dado duro. Spencer olhou para a sua mãe, mas ela estava concordando com a cabeça. — Isso é verdade Spence. Talvez você não deva relaxar muito. — Ouvi dizer que as universidades estão olhando para as notas do semestre final, muito mais nos dias de hoje — disse Melissa. Traidora, pensou Spencer. — Eu disse isso a meu filho também — disse o Sr. Pennythistle abrindo a carta de vinhos, que era do tamanho de um dicionário — Ele vai para Harvard. Ele disse em um tom forte, que parecia que queria dizer que esta é muito melhor do que Princeton. Spencer abaixou a cabeça e começou a arrumar o garfo, a faca e a colher para que eles ficassem exatamente paralelos uns com os outros sobre a mesa. Organizar geralmente acalmava Spencer, mas não hoje. — E eu ouvi dizer que você tem um MBA da Wharton — virou o Sr. Pennythistle para Melissa — você está trabalhando para o fundo Brice Langley agora, certo? Impressionante. Melissa que havia colocado a rosa atrás de sua orelha corou. — Eu tenho sorte, eu acho, tive uma entrevista muito boa. — Você deve ter levado mais do que sorte e uma boa entrevista — disse o Sr. Pennythistle com admiração — Langley só contrata os melhores dos melhores. Você e Amélia tem muito a falar. Ela quer trabalhar com finanças também. Melissa sorriu para Amélia, e Sua Alteza sorriu de volta, ótimo. Então este seria como outro qualquer evento da família de que Spencer havia participado: Melissa era a estrela, a criança de ouro, e Spencer era a aberração, de segunda categoria, ninguém sabia como lidar com ela. Bem ela já tinha o suficiente, murmurando uma desculpa, ela se levantou e colocou o guardanapo na parte de trás da cadeira. Ela seguiu o rumo do banheiro, na área do bar, na parte de trás do restaurante. A porta do banheiro das mulheres que havia sido pintada de rosa e tinha uma maçaneta de bronze antigo, estava trancada, então Spencer sentou-se em uma banqueta do bar, muito confortável para esperar. O barman, um cara bonito em seus vinte e poucos anos parou enfrente dela. — O que posso pegar pra você? As garrafas iluminadas de álcool atrás do bar piscavam tentadoramente, ninguém de sua mesa conseguia ver Spencer por esse ângulo. — Hum, apenas café — ela decidiu no último minuto, não querendo brincar com a sorte. O barman rodou uma garrafa e lhe serviu um copo. Como ele colocou na sua frente, ela notou uma imagem na tela da TV. Uma foto recente de Ali – a verdadeira Ali, aquela que tinha tentado matar Spencer e as outras – dominou o canto superior direito. Na parte inferior da tela


havia uma manchete que dizia: ANIVERSÁRIO DE INCÊNDIO DE POCONOS: ROSEWOOD RELEMBRA. Spencer estremeceu. A última coisa que ela queria era falar sobre que a verdadeira Ali a havia tentado queimá-la viva. Poucas semanas após o ocorrido Spencer tomou uma decisão consciente de olhar para o lado positivo, a tortura havia terminado. Elas finalmente tinham encerrado um ciclo e poderiam iniciar o processo de esquecimento. Ela foi a única a propor a viagem para a Jamaica para suas amigas, até mesmo oferecendo ajuda para pagar a viagem de Emily e de Aria. — Será uma maneira de começarmos de novo, esquecermos tudo — ela insistiu, espalhando os folhetos do resort na mesa do refeitório da escola na hora do almoço — precisamos de uma viagem de que sempre nos lembraremos. Famosas últimas palavras. Elas nunca irão esquecer essa viagem, mas não pelo lado bom. Alguém gemeu próximo a Spencer, ela olhou, esperando ver um velho rabugento no meio de um ataque cardíaco, mas ao invés disso, viu um jovem rapaz com cabelos castanhos ondulados, ombros largos e os mais longos cílios que ela já tinha visto. Ele olhou para Spencer e apontou para seu iPhone. — Você não sabe o que fazer quando essa coisa congela, não é? Um canto da boca de Spencer se contorceu em um sorriso. — Como você sabe que eu tenho um iPhone? — desafiou. O cara abaixou o telefone e deu-lhe uma longa olhada. — Sem querer ofender, mas você não parece o tipo de garota que anda por aí com nada, mas sim o melhor e o mais recente. — Sério? — Spencer colocou suas mãos sobre o seu peito ofendida — você não deve julgar um livro pela capa, sabia? Ele arrastou sua banqueta para próximo dela. De perto, ele era ainda mais bonito do que ela pensava inicialmente: as maças do rosto eram bem definidas, o nariz terminava em uma colisão no final e uma covinha apareceu na bochecha direita quando ele sorriu. Spencer gostava de seus dentes brancos, até mesmo os quadrados e de seus tênis AllStar sujos, era seu look preferido. — Ok, verdade? — ele disse — Eu perguntei porque você é a única pessoa nesse lugar que parece que tem telefone celular. Ele olhou ao redor para as pessoas idosas no bar. Havia uma mesa inteira de caras mais velhos de terno, um deles até tinha um tubo de oxigênio em seu nariz. Spencer riu. — Sim, eles são mais uma multidão de telefones analógicos. — Eles provavelmente ainda usam o telefonista para fazer uma ligação — ele empurrou o telefone na direção de Spencer — sério, eu tenho que reiniciar ou o quê? — Eu não tenho certeza... — Spencer olhou para a tela. Estava congelado na estação de esportes local, 610 AM — Oh, eu escuto essa rádio o tempo todo! — Você escuta rádio esportiva? — ele olhou para Spencer cético. — Isso me acalma – Spencer tomou um gole de café – é bom ouvir as pessoas falando sobre esportes ao invés de política — ou Alison, acrescentou ela em sua mente — além disso, sou uma fã do Phillies. — Você ouviu a World Series? — Eu poderia ter ido ao estádio, meu pai tinha ingressos para a temporada — Spencer falou se inclinando na direção do rapaz. — Por que você não foi? — ele perguntou franzindo a testa. — Eu os doei para uma instituição de caridade que ajuda crianças carentes. — Ou você é uma santa ou você tem muita culpa no cartório — zombou ele. Spencer recuou e se endireitou. — Fiz isso porque entra no currículo para a faculdade. Mas se você jogar cartas bem, talvez eu te leve para a próxima temporada. — Vamos torcer por isso — disse ele com os olhos brilhando.


Spencer desviou o olhar por um momento, seus batimentos tinham acelerado. Ele estava flertando com ela, e ela estava adorando. Ela não sentia uma faísca por alguém desde Andrew Campbell no ano passado. Seu companheiro tomou um gole do seu copo de cerveja, quando ele colocou o copo de volta no balcão, Spencer rapidamente pegou um apoio para copos e colocou sob ele, então ela limpou a borda do copo com um guardanapo para parar o gotejamento. O rapaz olhava com diversão. — Você sempre arruma os copos das pessoas que você não conhece? — É uma mania — admitiu Spencer — Tudo tem que estar tão... não é? — Eu gosto de fazer as coisas do meu jeito — disse Spencer apreciando o duplo sentido. Então ela estendeu a mão — Eu sou Spencer. — Zach — disse ele apertando as mãos dela. O nome ressoou na cabeça de Spencer. Ela pensou nas suas maças do rosto salientes, a sua maneira culta de falar e de repente em seus familiares olhos azuis de aço. — Espere, Zach de Zachary? — Só meu pai me chama assim — ele disse curvando o lábio, suspeitando de algo — Por que você pergunta? — Porque estou jantando com você esta noite. Minha mãe e seu pai estão... — ela abriu as palmas das mãos, era estranho dizer a palavra namorando. Zach demorou um momento para digerir o que ela disse. — Você é uma das filhas? — Sim. Ele olhou para ela. — Por que você me parece familiar? — Eu conhecia Alison DiLaurentis – admitiu Spencer, apontando para a história que aparecia na TV que ainda estava na tela. Era a notícia mais importante para os obsecados pela história. Zach estalou os dedos. — Certo, meus amigos e eu achávamos que você era a mais gostosa de todas. — Sério? — Spencer admirou, mesmo comparada a Hanna? — Uau! Zach passou as mãos pelos cabelos. — Isso é selvagem, eu realmente não estava ansioso para esse jantar, pensava que as filhas da namorada do meu pai eram... — Metidas? — Spencer completou — Esnobes? — Mais ou menos — Zach sorriu sem graça — mas você é... legal. Spencer sentiu outra vibração. — Você não é tão ruim, mesmo. Então ela apontou para o copo de cerveja, lembrando de algo. — Você já estava aqui o tempo todo? Seu pai disse que você estava em um grupo de estudos. Zach abaixou a cabeça. — Eu precisava antes de eu ir lá. Meu pai é do tipo que me estressa — ele levantou uma sobrancelha – então você já o conheceu? Minha irmã está lá também? Eles estão sendo uns malas sem alça? Spencer deu uma risada. — Minha mãe e minha irmã são iguais. Eles estavam tentando impressionar um ao outro. O barman colocou a conta de Zach no balcão, Spencer notou que o relógio na parede marcava 6:45. Ela havia saído da mesa por quase quinze minutos. — Nós devemos voltar, você não acha? Zach fechou os olhos e gemeu. — Nós temos mesmo? Vamos fugir ao invés de fazermos isso, nos esconder na Filadélfia, pegar uma avião para Paris. — Ou talvez Nice — sugeriu Spencer.


— A Riviera seria perfeita — disse animadamente Zach — meu pai tem uma casa em Cannes, nós poderíamos nos esconder lá. — Eu sabia que havia uma razão, nós nos conhecermos — brincou Spencer, empurrando Zach pelo braço de brincadeira. Zach a empurrou para trás, deixando a mão dela permanecer em sua pele. Ele se inclinou para a frente e ligeiramente umedeceu os lábios. Por um momento Spencer achou que ele ia beijá-la. Seus pés mal tocavam no chão quando ela voltava para a mesa. Mas quando ela passou pelo arco, algo a fez virar. O rosto de Ali brilhou na tela da TV novamente. Por um momento, a imagem parecia ganhar vida, sorrindo para Spencer, como se Ali estivesse olhando para fora de dentro da pequena caixa quadrada, apenas observando o que Spencer estava fazendo. Seu sorriso parecia ainda mais sinistro do que o habitual. O comentário de Zach, de repente tocou em seus ouvidos: ou você é uma santa ou você tem muita culpa no cartório. Ele estava certo, no outono passado, Spencer havia doado seus bilhetes da World Series porque sentia que não merecia ir depois do que ela tinha feito. E nos primeiros momentos que ela havia conseguido entrar em Princeton, ela pensou em recusar, não tendo certeza de que ela merecia tanto, até perceber o quão louca era essa ideia. E era uma loucura imaginar que a menina na TV era mais do que uma imagem. Ali se fora para sempre. Spencer olhou diretamente para a tela e estreitou os olhos. Mais tarde, vadia. Então, ela virou as costas e seguiu Zach para a mesa.


6 AH, ESSAS LINDAS GAROTAS INSEGURAS

— Surpresa! — Mike sussurrou na tarde de segunda feira enquanto se sentava em um assento do auditório próximo de Hanna — Eu trouxe Tokyo Boy. Ele revelou uma grande sacola cheia de sushis. — Como você sabia? — Hanna disse, pegando um par de pauzinhos. Ela não havia comido nada na hora do almoço, depois de ter considerado que tudo o que havia na cantina de Rosewood Day era intragável. Seu estômago estava rosnando algo feroz. — Eu sempre sei o que você quer — Mike brincou, tirando uma mecha de cabelos pretos da frente de seus olhos. Eles comeram tranquilamente o sushi. O segundo ano ensaiava uma música de West Side Story no palco. Normalmente os ensaios eram feitos na sala de aula mais antiga de Rosewood Day, mas um vazamento havia surgido no teto na semana passada, então eles foram parar no auditório. No mesmo instante as meninas do coral Junior de Rosewood também ensaiavam lá. Apesar das vozes ruins, o auditório era um dos lugares favoritos de Hanna na escola. Um doador rico havia pagado a reforma do lugar para que ele se parecesse com um teatro da Broadway, os assentos eram de veludo, o pé direito era alto e a iluminação no palco fazia com que as meninas do coral parecessem, pelo menos, cinco quilos mais magras. Antigamente quando Hanna era melhor amiga de Mona Vanderwaal, as duas costumavam brincar no palco depois das aulas, fingindo que eram atrizes famosas em mus icais. Isso foi antes de Mona se tornar a louca da cidade e começar a persegui-la. Mike espetou um rolo Califórnia e o colocou em sua boca. — Então quando é a sua estreia na TV? — Huh? — Hanna o olhou fixamente. — O comercial de seu pai? — Mike a lembrou, mastigando. — Ah, isso — Hanna comeu um pedaço de wasabi, e seus olhos começaram a lacrimejar — Tenho certeza que as minhas falas foram cortadas de imediato. — Isso não pode ser verdade, você estava ótima. No palco um monte de meninas estava tentando cantar em harmonia, era como ouvir um bando de gatos chorando. — O comercial vai ser todo sobre meu pai, Isabel e Kate — Hanna resmungou — isso é exatamente o que meu pai quer, sua perfeita família nuclear. Mike limpou um pedaço de arroz de sua bochecha. — Ele não chegou a dizer isso. Seu otimismo estava aflorando os nervos de Hanna, quantas vezes ela já tinha dito para Mike sobre seus problemas com seu pai? Quantas vezes ela já havia dito sobre Kate? Esse é o problema dos garotos, às vezes eles têm o emocional de uma pulga. Hanna respirou profundo e olhou fixamente para as cabeças dos estudantes a frente deles. — A única maneira de eu acabar em um comercial é por minha conta, talvez eu devesse ligar para aquele fotógrafo.


Os pauzinhos de Mike caíram em seu colo. — Aquele falastrão que estava babando em cima de você na filmagem? Você está falando sério? — O nome dele é Patrick Lake — Hanna disse rispidamente. Ele havia dito a Hanna que ela era incrível na frente das câmeras, e disse isso na frente de Kate, essa era a melhor parte. — Por que você diz que ele é um falastrão? — Ela perguntou depois de um momento — Ele é totalmente profissional. Ele quer tirar fotos de mim e me colocar em alguma agência de modelos. Ela havia pesquisado sobre Patrick em seu iPhone durante o almoço, olhado suas fotos em seu Flickr e em links no Facebook. Em seu site, Patrick dizia que ele havia tirado fotos para várias revistas importantes, bem como um encarte de moda para o Sentinel Filadélfia. Além disso, ele tinha o mesmo primeiro nome de Patrick Demarchelier, fotógrafo de moda favorito de Hanna. — Profissionalmente desprezível. Ele não quer te transformar em modelo, Hanna. Ele quer você. — Você não acha que sou capaz de assinar um contrato com uma agencia de modelos? — A boca de Hanna caiu. — Não foi isso que eu disse. — Você disse muito bem — Disse Hanna inclinando seu corpo para longe de Mike, sentindo um onda de raiva — então, basicamente, quem se aproxima de mim só quer se aproveitar de mim, certo? Eu não sou bonita suficiente para ser levada a sério. Mike fechou os olhos como se de repente ele tivesse um enxaqueca. — Quer ouvir a si mesma? Somente garotas bonitas chegam lá, e você é uma delas, se você fosse feia ele não estaria atrás de você. Mas esse cara é desagradável. Ele me lembrou do artista doido que teve uma queda por Aria na nossa viagem a Islândia. Hanna se enrijeceu, sabendo exatamente de qual artista que Mike estava falando, um doido que eles haviam encontrado em um bar em Reikjavik, que elegeu Aria como sua musa. — Deixa eu mandar um SMS para Aria — Mike disse pegando seu telefone — Aposto que ela vai dizer a mesma coisa. — Você não vai mandar uma mensagem para a sua irmã sobre isso — disse Hanna pegando em sua mão — nós não somos mais amigas, ok? Mike abaixou seu telefone, sem nem mesmo protestar. — Eu já sabia isso Hanna, só não sabia que demoraria tanto para você admitir isso. Hanna engoliu, surpresa. Ela pensava que ele não havia reparado. Ele provavelmente queria saber porque ela e Aria não estavam se falando, mas ela não podia contar nada para ele. De repente, Hanna não suportava mais ficar no mesmo lugar que Mike. Quando ela se levantou e pegou sua bolsa do chão, Mike tocou em seu cotovelo. — Onde você vai? — Banheiro — Hanna disse rispidamente — posso? — Você vai ligar para aquele fotografo não vai? — os olhos de Mike ficaram frios. — Talvez — ela jogou seus cabelos ruivos sobre seus ombros. — Hanna, não. — Você não pode me dizer o que fazer. Mike amassou o saco do Tokyo Boy. — Se você fizer isso, pode esquecer de mim pra ir com você em qualquer evento de campanha de seu pai. Hanna não conseguia acreditar, Mika nunca tinha dado um ultimato antes. Desde que começaram a namorar, ele a tratava como uma rainha. Agora parecia que alguém tinha esquecido o seu lugar. — Nesse caso... — Hanna olhou para o corredor — que tal nós simplesmente esquecermos tudo? A pele ao redor da boca de Mike afroxou. Obviamente ela estava blefando. Mas antes que ele pudesse protestar, Hanna saiu do auditório. Ela passou pelo escritório, pela enfermaria, pela cantina, o refeitório que sempre cheirava a café queimado nesta hora do dia, finalmente, ela


parou nas portas duplas que iam para o ginásio, lá havia um canto em que era possível fazer ligações de celulares sem que os professores vissem. Hanna pegou seu telefone na bolsa e discou o número de Patrick. O telefone tocou três vezes, e uma voz grogue respondeu. — Patrick? — Hanna disse com sua melhor voz profissional — É Hanna Marin, nós nos conhecemos na sessão de fotos de meu pai no sábado. — Hanna! — Patrick, de repente soou mais acordado — Estou tão feliz que você ligou! Em menos de um minuto, tudo fora arranjado: Hanna iria encontrar Patrick na Filadélfia amanhã depois da escola, ele iria tirar algumas fotos teste para seu portifólio. Ele parecia perfeitamente respeitável, falando com ela sem nenhum tom de paquera. Quando desligou, Hanna segurava o seu telefone com as palmas das mãos, o coração dela batia forte. Toma essa Mike. Patrick não era um falastrão, ele iria fazer de Hanna uma estrela. Ela deixou seu telefone cair dentro da bolsa e viu uma sombra no canto, no vidro da porta havia um reflexo de uma menina loira, Ali. Hanna olhou ao redor, esperando ver Ali de pé em algum canto, mas viu apenas um cartaz com a imagem de Ali na sétima série. Havia quadros menores de Jenna Cavanaugh, Ian Thomas, e uma grande foto da verdadeira Ali depois de seu retorno. BASTA UM FÓSFORO ACESO, dizia a manchete com as imagens. Abaixo haviam detalhes do filme feito para a TV, Pretty Little Killer. Incrível, até mesmo sua escola estava promovendo o filme. Hanna arrancou o cartaz e o amassou. De repente, uma voz da Jamaica ecoou nos seus ouvidos: sinto que conheço vocês desde sempre. Mas isso é impossível certo? Seguido por uma risada sinistra. — Não — Hanna sussurrou, removendo a voz de sua cabeça. Ela não ouvia isso a um bom tempo, desde que elas haviam retornado da viagem. Ela não iria permitir que a voz ou a culpa invadisse sua mente novamente. Um trio de garotas com casacos da North Face e botas Ugg atravessaram a porta. Um professor de inglês passou pelo corredor carregado de livros. Hanna rasgou a foto de Ali em mil pedaços e jogou tudo no lixo. Neste lugar, Ali havia ido embora, assim como a verdadeira. Disso Hanna tinha certeza.


7 MELOSAS

Na noite de segunda-feira, Emily estacionou o Volvo na calçada dos Roland e puxou o freio de emergência. As palmas das mãos suavam. Ela não podia acreditar que estava prestes a entrar na casa onde Jenna e Toby tinham vivido. No pátio lateral estava o toco do que costumava ser a casa de Toby na velha árvore, o local da brincadeira horrível que tinha cegado Jenna. Havia a grande janela de sacada através da qual Ali e as outras espionavam Jenna quando elas não tinham nada melhor para fazer. Ali era implacável com Jenna, mexendo com sua voz estridente, sua pele pálida, ou como ela trazia sanduíches de atum para o almoço e depois tinha hálito de atum para o resto do dia. Mas sem o conhecimento delas, Ali e Jenna compartilhavam um segredo: Jenna sabia que Ali tinha uma irmã gêmea. Foi por isso que, no final, a verdadeira Ali a tinha matado. De repente, a porta de carvalho pintada de vermelho batido se abriu, e Chloe apareceu. — Ei, Emily, vem aqui! Emily entrou timidamente. A casa cheirava a maçãs, as paredes tinham sido pintadas com vermelhos profundos e laranjas, e tapeçarias indianas estavam penduradas no espaço grande debaixo das escadas. A mobília era uma incompatibilidade de cadeiras Stickley, estofados surrados, divãs dos anos 60 e uma mesa de café feita de uma grande tábua de bordo. Era como andar em uma loja de sucatas extravagante. Ela seguiu Chloe até o cômodo do fundo, que tinha portas do chão ao teto, que se abriam para o pátio. — Aqui está Gracie, — disse Chloe, apontando para o bebê em um balanço no canto. — Gracie, lembra-se da sua melhor amiga Emily? O bebê fez um barulho e voltou a mastigar uma girafa de borracha. Emily sentiu algo subir dentro do peito, uma sensação que ela não estava pronta para enfrentar. Ela empurrou-a para baixo novamente. — Oi, Grace. Gostei da sua girafa. — Ela deu-lhe um aperto, e ela guinchou. — Quer vir para o meu quarto um segundo? — Chloe chamou das escadas. — Eu só tenho que pegar umas coisas para a minha entrevista. Grace vai ficar bem em seu balanço por um minuto. — Uh, com certeza. — Emily caminhou pela sala. O velho relógio no hall de entrada soou às sete. — Onde estão seus pais? Chloe se esquivou de um monte de caixas no hall do segundo andar. — Ainda no trabalho. Eles são advogados, sempre super ocupados. Oh, eu disse ao meu pai sobre você, ele disse que ia ajudar com a coisa da bolsa. Ele disse que a UNC ainda está à procura de bons nadadores. — Isso é incrível. — Emily queria abraçar Chloe, mas ela não a conhecia bem o suficiente ainda. Chloe entrou no quarto, que foi decorado com pôsteres de jogadores de futebol famosos. Um David Beckham sem camisa chutava uma bola. Mia Hamm no meio do campo, seu abdômen parecendo incrível. Chloe pegou uma escova e passou através de seu longo cabelo. — Você disse que deixou de nadar neste verão, certo?


— Sim. — Você se importa se eu perguntar o que aconteceu? Emily ficou surpresa com a franqueza da questão. Ela certamente não poderia dizer a verdade a Chloe. — Oh, eu só tinha algumas coisas para acertar. Chloe foi até a janela e olhou para fora. — Joguei futebol até o ano passado, no caso de você não ter percebido. — Ela fez um gesto em volta para os cartazes. — Mas, então, de repente, eu odiava. Eu não podia suportar ir ao campo. Meu pai ficou, tipo, o que há de errado com você? Você ama o futebol desde que você era uma garotinha! Mas eu não podia explicar isso. Eu só não queria mais jogar. — Como estão seus pais sobre isso agora? — Melhor — Chloe abriu seu armário. As roupas estavam penduradas ordenadamente e nas prateleiras de cima havia um monte de jogos de tabuleiro antigos como Clue e Monopoly empilhados desordenadamente. — Mas levou muito tempo para eles chegarem nisso. Algumas outras coisas aconteceram, também, e isso os fez pensar em perspectiva. Ela fechou a porta do armário novamente. De repente, Emily notou uma escrita a lápis desbotada na parede à esquerda do armário. Jenna. Linhas na parede demarcavam a altura, a data e a idade. Emily afundou de volta na cama. Este devia ter sido o quarto de Jenna. Chloe viu o que Emily estava olhando e se encolheu. — Oh. Eu sempre penso em pintar sobre isso. — Então você... sabe? — Emily perguntou. Chloe empurrou um pedaço de cabelo castanho longe de sua boca. — Eu discuti com meus pais sobre a compra deste lugar. Eu me preocupava que haveria uma má vibração aqui. Mas eles me convenceram de que estaria tudo bem. Este é o melhor bairro ou algo assim, e eles não queriam deixar passar o bom negócio da casa. Ela puxou o suéter vermelho sobre a cabeça, depois olhou para Emily. — Você os conhecia, certo? As crianças que viviam aqui? — Uh-huh. — Emily baixou os olhos. — Eu imaginei — Chloe mordeu o lábio inferior. — Eu reconheci você, na verdade. Mas eu não sabia se você queria falar sobre isso. Emily balançou seus pés, sem saber o que dizer. Claro que Chloe reconheceu. Todo mundo reconhecia. — Você está bem? — Chloe perguntou baixinho, afundando-se ao lado dela na cama. —Esse tipo de coisa com sua velha amiga parece horrível. Faróis na rua fizeram sombras longas em todo quarto. O cheiro de lavanda e spray de cabelo flutuava através do nariz de Emily. Ela estava bem? Depois que havia feito sua despedida, depois que ela entendeu que a Ali com quem elas tinham se reconciliado não era a Ali que ela amava, ela estava tão bem quanto poderia estar. A Ali que tinha retornado era perigosa, psicótica, foi uma bênção que ela tinha ido embora. Mas então aconteceu a Jamaica. Emily estava tão animada para ir. Spencer fez os planos, escolhendo o The Cliffs Resort em Negril e reservando massagens, aulas de yoga, passeios de mergulho, e jantares ao pôr -dosol nas cavernas. Ia ser o escape perfeito, um lugar ideal para se desprender de todas as coisas horríveis que havia acontecido. Emily esperava que o ar tropical curasse a gastroenterite que ela não tinha sido capaz de curar, também. A primeira tarde foi perfeita, a água quente, o almoço de peixe frito acolhedor, o sol reconfortante. Mas então ela viu essa menina na escada naquela primeira noite. Quando a menina pisou na soleira da porta, os cabelos loiros soprando, seu vestido amarelo flutuando em torno de suas pernas. A visão de Emily entrou em um túnel. A menina foi a única coisa que ela viu. Seu rosto oval, nariz pontiagudo e ligeiramente mais corpulento não pareciam em nada com Ali, mas Emily apenas... sabia. No fundo de sua mente, de alguma forma sabia que ela e Ali se encontrariam novamente, e lá estava ela. Viva. Olhando diretamente para ela.


Ela virou-se para suas amigas. — Aquela é Ali —, ela sussurrou. Elas simplesmente olharam para ela. — O que você está falando? — Disse Spencer. — Ali está morta, Em. — Ela morreu no incêndio, lembra? — Aria insistiu. Ela observou Emily suspeita, como se preocupada que Emily pudesse fazer uma cena. — Será que está? — Emily pensou naquela noite em Poconos, culpa e ansiedade crescendo dentro dela. — E se ela fugiu? Ninguém encontrou o corpo. Hanna virou-se para a menina de amarelo. Ela afastou-se, dirigindo-se ao bar. — Não se parece nada com ela. Talvez você esteja com febre. Mas Emily não iria desistir tão facilmente. Ela viu quando a menina pediu uma bebida, atirando para um dos bartenders um sorriso sou-Ali-e-sou-fabulosa. Quantas vezes Emily tinha acarinhado esse sorriso? Ansiara por ele? Seu coração acelerou ainda mais. — Se Ali sobreviveu ao fogo, ela passou por plásticas para esconder as queimaduras —, ela sussurrou. — Poderia ser por isso que ela parece totalmente diferente. E é por isso que ela tem essas marcas em seus braços. — Emily... — Aria agarrou suas mãos. — Você está dizendo algo do nada. Não é Ali. Você tem que superá-la. — Eu já superei! — Emily rugiu. Emily voltou ao presente, colocando a mão no bolso de suas calças e sentindo o pedaço de seda cor de laranja. Se alguma vez alguém lhe perguntasse ou se alguém a reconhecesse, ela diria que encontrou no gramado da casa dos DiLaurentis em Poconos após a explosão, mesmo que não fosse verdade. De repente, Chloe se levantou. — Mamãe! Pai! O que vocês estão fazendo aqui? Um jovem casal apareceu no corredor. O pai de Chloe, um atleta de cabelos escuros com pele lisa e perfeita, usava um terno cinza e sapatos de couro lustrado. Sua mãe, que tinha um corte de cabelo angular castanho e usava óculos de armação escura estilo hippye, estava com uma saia lápis apertada, uma blusa brilhante rosa, e sapatos de salto de couro. Havia algo estranho sobre eles, como se eles fossem para o trabalho durante o dia, mas participassem de bandas indie e leituras de poesia à noite. Eles eram uma boa mudança dos tipos amantes de cavalos que invadiram Rosewood. — Nós vivemos aqui, lembra? — O pai de Chloe brincou. Então ele percebeu Emily e sorriu. — Olá... ? — Oi, eu sou Emily Fields. — Emily se adiantou e ofereceu sua mão. — A menina dos casacos, certo? — A Sra. Roland perguntou, apertando a mão de Emily em seguida. Ela usava um anel de diamante enorme que Emily reconheceu da festa. — E a nadadora —, o Sr. Roland acrescentou. — E a babá enquanto eu vou para a minha entrevista em Villanova, — Chloe disse-lhes. —Ela é maravilhosa, com Grace, eu prometo. O Sr. Roland inclinou-se no corrimão. — Na verdade, Chloe, eu não acho que nós realmente precisamos de uma babá. Estamos os dois aqui à noite. — Ele se virou para Emily. — Nós ainda vamos pagar você pelo incômodo, é claro. — Ah, tudo bem, — Emily disse rapidamente. — Foi bom vir. — Assim que ela disse isso, ela percebeu que era verdade. Ela passou o último outono e inverno enfurnada em seu quarto sem ninguém para conversar. Preocupada. Introvertida. Ela sentiu-se como se estivesse acordando de um longo cochilo. — Nós insistimos! — A Sra. Roland exclamou. — Henry, vá buscar a sua carteira. A mãe de Chloe recuou para o quarto principal, e Chloe e seu pai começaram a descer as escadas. Emily seguiu-os. — Que período de almoço você tem? — Chloe perguntou por cima do ombro. — O primeiro às terças e quintas-feiras, segundo às segundas, quartas e sextas-feiras, — Emily respondeu.


— Eu tenho segundo almoço às quartas e sextas-feiras, também! — Chloe pegou o casaco do armário. — Podemos comer juntas? Se você não estiver ocupada, é claro. — Eu adoraria — suspirou Emily. Ultimamente, ela estava almoçando fora do campus, aos alunos do último ano era permitida a saída, mas era muito solitário. Elas fizeram um plano de se encontrarem na frente do Steam na quarta-feira. Então Chloe correu para sua entrevista, e Emily enfrentou o Sr. Roland novamente. Ele havia retirado uma carteira de couro elegante. — Realmente. Você não tem que me pagar. O Sr. Roland descartou o comentário. — Então, Chloe me contou sobre seu dilema com a natação. Você está falando sério sobre competir em nível de faculdade? — Claro. Ele fez uma pausa por um momento, estudando seu rosto. — Ótimo. Eu tenho muita influência na UNC. Se você me der um tempo, eu posso entrar em contato com o recrutador. Eu sei que eles ainda estão à procura de jovens para preencher a equipe. Emily apertou a mão no peito. — Muito obrigada. — O prazer é meu. — O Sr. Roland entregou-lhe uma nota de 20. Seus penetrantes olhos azuis brilharam. — Isso é suficiente? Emily empurrou-a para longe. — Isso é demais. — Por favor — O Sr. Roland colocou o dinheiro em sua mão e fechou seu punho. Enquanto ele a conduzia para a porta, sua mão serpenteou por seu braço, desceu por seu ombro, e descansou em seu quadril. Emily parou de andar, boquiaberta. Ela queria dizer ao Sr. Roland para parar, mas os nervos em torno de seus lábios estavam paralisados. Então o Sr. Roland afastou-se e calmamente pegou seu BlackBerry. — Bem, vejo você por aí, Emily. Estarei em contato. — Ele falou como se nada inadequado tivesse acontecido. De repente, Emily não tinha certeza. Havia acontecido? Ela cambaleou para fora da casa, deslizou pela calçada, e encostou em seu carro. A noite estava calma e fria. O vento soprou, fazendo com que os galhos da árvore balançassem. Então, alguma coisa mudou ao longo da divisa da antiga casa dos DiLaurentis com os Hastings. Emily pulou. Isso foi uma pessoa se esgueirando? Quem? Beep. Emily pulou. Era o seu telefone celular, enterrado no fundo de sua bolsa. Ela cavou-o e olhou para a tela. UMA NOVA MENSAGEM. Emily piscou, surpresa. O remetente era Spencer Hastings. Ela rapidamente pressionou LER. Encontre-me na frente da caixa de correio de Ali. Eu tenho algo para você.


8 MENSAGEM PARA VOCÊ!

Aria sentou de pernas cruzadas no chão do escritório de seu pai, ouvindo um podcast chamado “Encontrando sua paz interior”que tinha baixado do computador de Ella. — Visualize seu terceiro olho —, a voz aguda de um homem sussurrou em seus ouvidos. — Sopre o passado para bem longe. Nesse momento, agora. O passado está sendo soprado ao vento, Aria repetia silenciosamente, desejando acreditar que era verdade. Depois da Jamaica, ela ouviu toneladas de gravações de relaxamento, mas nenhuma delas teve efeito. Talvez ela não tivesse um terceiro olho. Ou talvez o passado fosse muito pesado para ser soprado ao vento. — Droga! — disse ao seu lado seu irmão Mike, segurando o controle do PlayStation. Ele estava jogando Gran Turismo, e toda vez que batia seu Lamborghini Murcielago em uma chicane, ele paguejava violentamente e batia o controle no sofá. Isso certamente não estava ajudando Aria encontrar seu terceiro olho. — Eu espero que você não diriga assim na vida real — murmurou Meredith, noiva de seu pai, enquanto passava pelo corredor. Lola, sua bebê, estava amarrada em um porta bebê BabyBjorn que serpenteava em torno de seus braços e estava ligado nas suas costas. Parecia um instrumento de tortura. — Calem a boca, as duas. — vociferou Mike. — Tem alguma coisa em sua mente, Speed Racer? — Aria perguntou. — Não — disse Mike agitadamente. — Eu estou bem. Mas Aria sabia que alguma coisa tinha acontecido com ele. Por um lado, Mike tinha conseguido uma carona com ela esta manhã, em vez de esperar Hanna buscá-lo. Então, em sua caminhada de biologia à fotografia, Aria percebeu que o pequeno sofá no lobby, onde Mike e Hanna se aconchegavam entre os períodos estava notoriamente desocupado. Quando o jogo terminou, Mike recostou-se com o controle remoto. — Então você já conhece a deusa nórdica, certo? Aria olhou para ele com cautela. — Desculpe-me? Mike revirou os olhos. — Duh. Klaudia, que eu tenho certeza que é uma escandinava megera do sexo. — Escandinavo não é um idioma. — Aria resmungou. Mike chegou à mesa de centro e pegou um grande punhado de pipoca Smartfood da tigela de cerâmica. — Você tem que me contar tudo sobre ela. Tirar uma fotografia dela nos chuveiros do ginásio... Aria enrolou o fone de ouvido do iPod ao redor do aparelho, tentando não reagir de forma exagerada. — Eu não acho que ela aprecie isso. E de qualquer maneira, ninguém usa os chuveiros depois da educação fisica.


— Não? — Mike pareceu desapontado, e Aria abafou um riso. Por que todo cara tem uma fantasia secreta de um bando de garotas nuas brincando em um chuveiro comum na escola? Como se as garotas fizessem isso! — Bem, tanto faz. — disse Mike, implacável. — Consiga um convite do Noel para uma festa do pijama e tire fotos lá. Aposto que Klaudia anda pela casa nua 24 horas por dia/ 7 dias por semana. Eu ouvi que os finlandeses fazem isso. Eles são viciados em sexo, também, não há mais nada para fazer lá. — Mike, ew. — Aria jogou uma pipoca nele. — E o que Hanna pensa sobre a sua nova obsessão? Mike deu de ombros e não respondeu. — A-ha. Aconteceu alguma coisa com você e Hanna? — Aria pressionou. Mike começou uma nova corrida, desta vez dirigindo uma Ferrari. — Eu não pude acreditar quando Klaudia saiu do carro de Noel, esta manhã. — disse ele. — Esse cara seriamente tirou a sorte grande. Mas ele não me disse nada. Ele está agindo como se não percebesse que Klaudia é uma gata, mas vamos lá. Ele teria que ser cego para não perceber isso. Aria fechou os punhos. — Esqueceu que Noel é meu namorado? Um dos ombros de Mike levantou-se. — Não é um crime apreciar a vista. Isso não significa que algo vai acontecer entre eles. Aria afundou no sofá e olhou para a rachadura crescente em torno da luminária no teto. Essa coisa toda de Klaudia fez Aria se sentir irritada e agitada. Klaudia era uma deusa nórdica do sexo, ela tinha cabelo loiro platinado, lábios carnudos, olhos azuis violeta, e o corpo de uma modelo de roupa de banho da Sport Illustrated. Todo mundo olhou para ela ontem, enquanto caminhavam através do terminal internacional para pegar a bagagem. Vários caras pareciam estar prestes a cair de joelhos e propor casamento ou, pelo menos, uma noite de sexo selvagem. Enquanto Klaudia esperava por sua bagagem, Aria cutucou Noel. — Você sabia que Klaudia era uma garota? — Talvez foi por isso que Noel não queria que Aria fosse com ele ao aeroporto. Talvez ele já tinha visto fotos de sua nova colega de intercâmbio e queria alguns momentos a sós com ela. — Claro que não! — Noel parecia sincero. — Estou tão chocado quanto você! Antes que Aria pudesse dizer alguma coisa, Klaudia voltou arrastando duas malas gigantes sobre rodas e carregando duas mochilas sobre o ombro. — Oof, eu trouxe tanto! — ela disse com um sotaque pesado. Aria franziu a testa. Ela conheceu poucos finlandeses durante seus anos na Islândia, e seu Inglês era um milhão de vezes melhor do que o de Klaudia. Com sua voz rouca e jeito de falar bubbleheaded, ela soava como se tivesse crescido em uma fábrica de Barbie na Finlândia. Noel e Aria ajudaram Klaudia trazer a bagagem para o carro. Depois de terem carregado, Klaudia deu a Aria um aceno de cabeça educado e disse obrigado. Então ela virou para Noel e lhe deu um beijo nas bochechas, no estilo europeu, dizendo: — Eu estou tão feliz por sermos colegas de quarto! — Em vez de corrigir Klaudia, dizendo que nem por cima do cadáver de Aria ficariam no mesmo quarto, Noel apenas corou e riu. Como se achasse isso engraçado. Aria sacudiu os ombros, deixando que as lembranças passadas fossem sopradas ao vento. Ela apenas deixou que sua mente ciumenta prosseguisse desenfreadamente. Ela tinha pensado que Noel sentia algo por Ali,a verdadeira Ali, a garota que tinha retornado a Rosewood e tentou matá-las, mas isso não tinha sido verdade. Havia também aquela noite na Jamaica: Aria tinha virado de costas por um minuto durante o jantar, e de repente Noel estava no bar com uma sexy garota loira em cima dele. — Jesus, — ela murmurou, sentindo a força do ciúme em seu estômago. Ela marchou para o bar para quebrar o flerte, mas quando a companheira de Noel virou, Aria encontrou-se olhando para o rosto da garota que Emily tinha visto na porta. A menina que ela pensava que era Ali. A garota abriu um largo sorriso. — Ei, Aria. Eu sou Tabitha.


Um arrepio retorceu a coluna de Aria. — Como você sabe meu nome? — Seu namorado me disse. — Ela deu um tapinha no ombro de Noel brincando. — Não se preocupe, ele é um bom garoto. E não como o resto dos trapaceiros. Aria se encolheu. Tabitha piscou conscientemente para Aria, quase como se ela soubesse a história de vida de Aria. Byron tinha enganado Ella com Meredith. E Aria tinha enganado,também, Sean Ackard com Ezra Fitz. Mas como poderia Tabitha saber disso? Certamente Noel não teria contado a ela. E apesar de muitas informações que haviam chegado sobre Aria na imprensa, nenhuma das histórias mencionou nada sobre seus pais ou seu caso com Ezra. Aria olhou cautelosamente para as queimaduras de cima a baixo nos braços da garota. Claramente, Tabitha tinha sofrido algum tipo de desastre de grandes proporções. Algo horrível, talvez até mesmo um incêndio. Mas isso não significa que Emily estava certa. Dirigindo pela antiga rua dos DiLaurentis, Aria ainda tinha a sensação de que estava visitando um antigo cemitério. A antiga casa de Mona Vanderwaal ficava no início da estrada, as janelas estavam escuras, as portas bem fechadas, e havia uma placa de VENDE-SE no jardim da frente. A casa dos Hastings estava iluminada como um bolo de aniversário, entretanto Aria não podia deixar de olhar para o quintal e a floresta destruidos, que levariam anos para se recuperar do fogo que a verdadeira Ali havia começado. Aria nunca se esqueceria de correr freneticamente através da fumaça naquela noite de Janeiro e ver alguém preso sob um tronco. Quando ela puxou a menina para um lugar seguro, ela percebeu que era Ali. Mas não a sua Ali. Não a Ali que tinha escolhido elas para serem suas novas melhores amigas. Não a Ali que elas adoravam, se ressentiam, e amavam. Era a verdadeira Ali, a que tinha sido trancada no Preserve desde a sexta série. Aria sacudiu a lembrança para longe quando viu um farol na velha garagem dos DiLaurentis. Uma silhueta apareceu na antiga caixa de correio de Ali, pulando de um pé para o outro em um claro esforço para se manter aquecida. Aria conduziu até o meio-fio e desceu. Não era Hanna, mas Emily. — O que você está fazendo aqui? — Aria perguntou. Emily parecia tão surpresa quanto Aria. — Spencer me mandou uma mensagem. Ela enviou mensagem para você, também? — Não, Hanna mandou. — Mandei o que? Elas se viraram e viram Hanna sair de seu Prius, seu cabelo castanho enrolado em um coque. Aria ergueu seu celular. — Você me mandou vir aqui. — Não, eu não mandei. — Hanna parecia confusa. — Estou aqui porque Emily me mandou uma mensagem. Emily franziu a testa. — Eu não enviei um mensagem para você. Uma barulho soou atrás delas, e todas se viraram. Spencer apareceu através dos arbustos que separavam sua casa dos DiLaurentis. — Você disse para todas virem, Aria? Aria soltou uma risada desconfortável. — Eu não mandei ninguem vir. — Sim, você mandou. Spencer empurrou o celular na cara de Aria. Me encontre na frente da caixa de correio de Ali. Eu tenho algo para te mostrar. Uma nuvem passou na frente da lua, apagando a luz. Os montes de neve no gramado brilharam estranhamente, incrustadados no gelo. Aria trocou um preocupado olhar com as outras. Seu estômago revirou com a familiaridade, este era um olhar que passou entre elas muitas e muitas vezes antes.


— Eu estava cuidando da rua. — disse Emily com a voz tremula. — Quando a mensagem chegou, eu olhei para caixa de Ali e vi alguém aqui. Eu pensei que fosse você, Spencer, já que você me escreveu a mensagem. — Não fui eu — disse Spencer em uma voz rouca. As meninas olharam uma para a outra por um momento. Aria poderia dizer que elas estavam pensando a mesma coisa. A pior coisa possível. — Ok, ha ha. — Spencer virou e encarou o quintal escuro dos DiLaurentis. — Muito engraçado! Você pode sair agora, perdedor! Sabemos sobre você! Ninguém respondeu. Nada se moveu no pátio ou na floresta. O coração de Aria começou acelarar. Parecia que algo ou alguém-estava à espreita, observando, esperando, se preparando para atacar. O vento soprava, e Aria de repente sentiu um cheiro de fumaça e gás. Foi o mesmo odor horrível que ela sentiu na noite em que Ali incendiou a floresta. O mesmo cheiro que ela sentiu na noite em que a casa em Poconos se incendiu. — Eu estou indo embora. — Aria estendeu a mão para as chaves. — Eu não estou com disposição para isso. — Espere! — Emily gritou. — O que é isso? Aria virou. Havia um pedaço de papel preso para fora da caixa de correio dos DiLaurentis agitando ao vento. Emily se aproximou e pegou. — Isso não é seu! — Hanna exclamou. — Provavelmente é só lixo que esqueceram de recolher! — Lixo que tem nossos nomes nele? — Emily agitou um envelope branco em seus rostos. Estava escrito Spencer, Emily, Aria, e Hanna na frente em letras garrafais. — Que diabos? — Spencer sussurrou, parecendo mais irritada do que com medo. Hanna pegou o envelope de Emily. Todas se reuniram perto, mais próximo do que tinham estado uma da outra em meses. Aria inalou o doce perfume Michael Kors de Hanna. Os cabelos loiros sedosos de Spencer roçaram seu rosto. A respiração de Emily cheirava a goma Doublemint. Spencer ligou a lanterna de seu iPhone e dirigiu-se ao conteúdo do envelope. Dentro havia um papel dobrado, cortado, aparentemente, de uma revista. Quando esticado, ele mostrava a foto mais recente da verdadeira Ali, quando ela voltou do Preserve . PEQUENA ASSASSINA, lia-se na sofisticada legenda. Neste sábado às 08:00 P.M. Hanna virou o papel. Era um cartão postal. Na frente havia um brilhante mar azul cristalino cercado por penhascos rochosos. No topo dos penhascos havia um resort com uma enorme piscina, espreguiçadeiras, cabanas , um deck com cobertura, e restaurante. Hanna engasgou. — É...? — Não pode ser. — Spencer sussurrou. — É. — Emily apontou para mosaico de abacaxi no fundo da piscina. — O Cliffs. Aria afastou-se do cartão postal como se ele estivesse pegando fogo. Ela não tinha visto uma foto do Cliffs em quase um ano. Ela tinha excluído todas as fotos das féria s dessa primavera. Ela se desmarcou das fotos do Facebook de Mike e Noel, na praia, no jantar, em um caiaque oceânico, e no mergulho nos recifes. Aquelas fotos em que ela estava fingindo que eles estavam tendo um bom momento. Escondendo a verdade, escura, horrível. A simples visão desse lugar lhe deixava doente. Um lembrança formou em sua mente, nítida e distinta: Tabitha ali no bar, sorrindo para Aria. Olhando para ela como se soubesse exatamente quem ela era. E exatamente quais eram seus segredos. — Quem poderia ter mandado isso? — Hanna sussurrou. — É apenas uma coincidência. — disse Spencer. — Alguém está brincando com a gente. — Ela olhou em volta novamente para ver se alguém se escondia nos arbustos ou ria na antiga varanda dos DiLaurentis, mas tudo ficou em silêncio. Parecia que elas eram as únicas pessoas que se encontravam do lado de fora à quilometros .


Então Hanna virou o cartão postal e apertou os olhos para a mensagem. — Oh meu Deus. — O quê? — Spencer perguntou. Hanna não respondeu, apenas balançou a cabeça freneticamente e passou o cartão para ela. Uma a uma, cada menina leu a inscrição na parte de trás. Aria focou nas letras maiúsculas. Seu estômago apertou e sua mente começou a girar. Ouvi dizer que a Jamaica é linda nesta época do ano. Pena que as quatro nunca poderão voltar lá. Eu senti saudades de vocês! –A


9 PROBLEMA NO PARAÍSO

As palavras no cartão postal turvaram diante dos olhos de Spencer. O vento soprava, e galhos de árvores rasparam contra a casa velha dos DiLaurentis. Soou como gritos. — Poderia isto ser... real? — Emily sussurrou. O ar estava tão frio que sua respiração saiu em estranhas baforadas brancas. Spencer olhou para o cartão novamente. Ela queria desesperadamente dizer que era uma piada, assim como inúmeras outras notas de A que elas receberam desde que Ali morreu. Elas chegavam em sua caixa de correio, dirigidas a Spenser Hastengs ou Spancer Histings ou, ainda mais divertido, Spencer Montgomery. A maior parte das notas eram inócuas, dizendo simplesmente eu estou vendo você ou eu sei os seus segredos. Outras eram notas de simpatia, embora, curiosamente, elas ainda fossem assinadas A. Algumas notas eram mais preocupantes, pedidos de dinheiro com ameaças, se seus pedidos não fossem atendidos. Spencer tinha levado esses tipos de notas de A ao departamento de polícia de Rosewood, e eles lidaram com elas. Feito. Os lábios de Aria se separaram um pouco. Um olhar de culpa lavado em seu rosto. — O que todas nós fizemos — Spencer esclareceu rapidamente. — Somos todos partes disso. Hanna cruzou os braços sobre o peito. — Ok, ok. Mas ninguém estava lá. Temos certeza. — Isso não pode ser verdade. — Os olhos de Emily brilharam a luz artificial do iPhone. — Não diga isso, — Spencer avisou. — Não pode ser... ela. Não pode. Hanna virou o cartão e olhou para a imagem do resort novamente. Sua testa franzida. — Talvez não seja sobre o que pensamos. Muita coisa aconteceu na Jamaica. Talvez quem escreveu isso poderia estar falando de outra coisa. Como quando Noel roubou essas garrafinhas de rum do bar e levou-as para o nosso quarto. — Sim, como se alguém realmente se importasse com isso um ano mais tarde. — Aria disse sarcasticamente. — Isso não seria motivo suficiente para que nós não pudéssemos retornar a Jamaica. Sabemos do que se trata. Todo mundo ficou em silêncio novamente. Um cão latiu algumas casas para baixo. Um pingente de gelo escolheu esse exato momento para romper na beirada da garagem dos DiLaurentis e esmagar no chão, quebrando em um bilhão de peças. — Pare — Spencer interrompeu, fechando os olhos. Se ela ainda se permitisse pensar sobre isso, o remorso e a paranoia corria sobre ela como uma forte corrente no oceano, puxando-a para baixo, sufocando-a. — Alguém está tentando ferrar com a gente, ok? — Ela agarrou o cartão das mãos de Hanna e colocou-o no bolso de seu casaco de lona. — Eu não serei arrastada em volta novamente. Nós já passamos o suficiente já. — Então o que devemos fazer? — Aria jogou as mãos para cima. — Nós ignoramos a nota — Spencer decidiu. — Fingimos que nunca a recebemos. — Mas alguém sabe, Spencer. — A voz de Emily estava suplicando. — E se A for na polícia?


— Com que provas? — Spencer olhava ao redor delas. — Não há ninguém, lembra? Não há link para nós, exceto para o que lembramos. Ninguém viu. Ninguém a conhecia. Ninguém estava olhando para ela o resto do tempo. Talvez Hanna esteja certa. Talvez trata -se de outra coisa. Ou talvez alguém pegou o fato de que não estamos tão perto como nós costumávamos estar e imaginou que poderia ter tido algo a ver com a Jamaica. Spencer parou e pensou sobre como Wilden tinha olhado para ela com curiosidade na festa da noite passada. Qualquer um poderia ter notado que suas amizades tinham se desintegrado. — Eu não vou ser intimidada por isso, — disse ela. — Quem está comigo? As outras meninas mudaram seus pesos. Emily jogou a pulseira de prata que ela tinha comprado para substituir a pulseira de corda velha que Ali tinha feito para ela. Aria encravou as mãos nos bolsos e mastigou febrilmente seu lábio inferior. Em seguida, Hanna se endireitou. — Eu estou com você. A última coisa que eu preciso é outro A. Ser atormentada é tão ano passado. — Bom. — Spencer considerava as outras. — E quanto a vocês? Emily chutou uma pilha de neve suja na calçada. — Eu simplesmente não sei. Aria também tinha um olhar ambivalente em seu rosto. — É uma coincidência estranha... Spencer bateu os braços para os lados. — Acreditem no que quiser, mas não me arrastem para isto, ok? Quem quer que seja este estúpido A, ele não faz parte da minha vida. Se vocês forem inteligentes, vocês não vão deixá-lo ser parte de vocês também. Com isso, ela girou nos calcanhares e caminhou de volta para sua casa, seus ombros quadrados e a cabeça erguida. Era ridículo pensar que A emergiu novamente ou que alguém sabia o que elas tinham feito. O segredo estava trancado. Além disso, tudo estava indo tão bem para Spencer agora. Ela não ia deixar A arruinar seu último ano... E ela definitivamente não ia deixar A levar Princeton para longe dela. Sua determinação se manteve estável durante cerca de dez passos a mais. Assim que ela chegou à luz brilhante da sua varanda, uma memória piscou, sem ser convidada, para a vanguarda de sua mente: Após o jantar na primeira noite na Jamaica, Spencer foi usar o banheiro. Quando ela saiu da tenda, uma menina estava sentada no balcão de frente para o espelho, segurando um balão de metal na mão. A loira que Emily jurava ser Ali. Primeiro, Spencer queria voltar atrás na barraca e bater a porta apertada. Havia algo estranho com ela, ela tinha um sorriso no rosto como se ela estivesse em uma grande piada em prática. Mas antes que Spencer pudesse escapar, a garota sorriu para ela. — Quer um pouco? — Ela estendeu o frasco para Spencer. Líquido espirrou na parte superior. — Isto é um incrível rum caseiro, uma velha me vendeu no disco aqui. Vai explodir sua mente. A música da banda bateria de aço que estava tocando no bar vibrava através das paredes finas. O cheiro de banana frita fazia cócegas nas narinas de Spencer. Spencer fez uma pausa momentânea. Alguma coisa sobre isso parecia perigoso. — Do que você está com medo? — A menina desafiou, como se estivesse lendo a mente de Spencer. Spencer sentou-se reta. Ela pegou o frasco e tomou um gole. O sabor melado imediatamente aqueceu seu peito. — Isso é muito bom. — Eu disse. — A menina pegou o frasco de volta. — Eu sou Tabitha. — Spencer — respondeu ela. — Você estava sentada com estas pessoas no canto, né? — Tabitha perguntou. Spencer assentiu. — Você tem sorte. Meus amigos me abandonaram. Eles mudaram suas reservas para The Royal Plantain até a estrada sem me avisar. Quando eu tentei conseguir um quarto lá, eles estavam todos esgotados. É uma merda. — Isso é terrível, — Spencer murmurou. — Vocês brigaram ou algo assim?


Tabitha deu de ombros culpada. — Foi mais um cara. Você sabe algo sobre isso, certo? Spencer piscou. Imediatamente, ela pensou a maior luta que ela tinha entrado por causa de um cara. Tinha sido com Ali- sua Ali- sobre Ian Thomas, a quem elas tanto gostavam. Na noite que Ali desapareceu na sétima série, Ali saiu do celeiro, e Spencer a seguiu. Ali se virou e disse a Spencer que ela e Ian estavam secretamente juntos. A única razão pela qual Ian beijou Spencer, ela acrescentou, era porque Ali disse para ele beijar, ele fez tudo o que ela queria. Spencer tinha empurrado Ali rígida. Havia um sorriso no rosto de Tabitha que ela estava se referindo a exatamente essa história. Mas não havia nenhuma maneira que ela pudesse saber disso... certo? Uma sobrecarga fez a lâmpada piscar, e de repente Spencer notou que os lábios de Tabitha viraram para cima nos cantos, assim como sua Ali. Seus pulsos eram tão finos, ela poderia apenas retratar a figura dos longos dedos, a palma quadrada das mãos lutando com Spencer no caminho de fora de seu celeiro. O telefone de Tabitha tocou o coro Hallelujah, assustando as duas. Ela olhou para a tela, em seguida, correu para a porta. — Desculpe, eu tenho que atender isso. Vejo você mais tarde? Antes que Spencer pudesse responder, a porta se fechou. Ela ficou no banheiro, olhando para seu reflexo. Ela não tinha certeza o que a fez retirar o telefone dela e fazer uma pesquisa no Google para hotéis jamaicanos. E ela disse a si mesma que foi apenas o rum forte caseiro que fez seu coração bater como se ela tivesse percorrido os resorts nas proximidades dos penhascos. Mas quando o Google terminou a busca dos resultados, Spencer começou a aceitar a sensação desagradável na boca do estômago. Alguma coisa estava realmente confusa aqui. Não havia um Royal Plantain resort nas proximidades. Na verdade, Não existia um hotel chamado Royal Plantain, ou algo como isso, em toda a Jamaica. Quem quer que fosse Tabitha, ela era uma mentirosa. Spencer olhou para seu reflexo novamente. Parecia que ela tinha visto um fantasma. Talvez ela tivesse.


10 NASCE UMA ESTRELA

Na tarde seguinte, após o Septa R5 parar em cada estação, Hanna finalmente chegou à Filadélfia. Assim que a porta de metal se abriu, ela pendurou sua bolsa prata cravejada no ombro e subiu a escada rolante. Duas meninas com blusões da Faculdade Bryn Mawr, botas e calças jeans olharam para ela. Por um momento Hanna ficou tensa, pensando no cartão da caixa de correios que era de Ali, da noite passada. Então as meninas direcionaram olhares rudes para Hanna, elas a haviam reconhecido das notícias do ano passado. Ela então empinou o nariz, fazendo sua melhor pose de indiferença de celebridade. Afinal ela estava indo para sua primeira sessão de fotos – o que elas estavam fazendo na cidade? Compra de produtos falsificados que imitam marcas famosas? Uma figura alta com uma câmera em volta do pescoço, estava do lado de fora do McDonald’s da estação, o coração de Hanna pulou, Patrick parecia uma promessa de fotógrafo, ele usava um casaco verde-exército com um capuz forrado de pele, calças jeans justas e botas Chukka polidas. Patrick se virou e viu Hanna se aproximando. Ele levantou a câmera profissional e a apontou para ela. Por um segundo Hanna quis cobrir o rosto com suas mãos, mas ela jogou para trás os ombros e deu-lhe um grande sorriso. Talvez isso fosse um teste, uma cena de uma modelo na estação de trem suja, cercada por turistas com sobrepeso e pochetes. — Você conseguiu — disse Patrick enquanto Hanna subia. — Você acha que eu posei? — brincou Hanna, tentando controlar a sua emoção. Ele olhou para cima e para baixo. — Ótima roupa, você parece mais gostosa do que a Adriana Lima. — Obrigada — Hanna colocou as mãos nos quadris e se inclinou para a direita e esquerda. Ele estava mesmo certo, ela havia sofrido a manhã inteira com o vestido rosa com babados, jaqueta de MotoCross, botas de camurça, pulseiras e colares de ouro, tentando uns zilhões de combinações até encontrar algo que atingisse a perfeição. Suas pernas a mostra provavelmente, mostrariam algumas de suas queimaduras, mas valeria a pena. — Então vamos terminar com algumas fotos em ambientes fechados no meu estúdio em Fishtown? Você se importa? Seria fantástico para o meu portfólio. E como eu disse, eu posso a ajudar a escolher fotos para os agentes. — Parece perfeito! Enquanto subiam as escadas, Patrick pressionou seu braço no braço de Hanna, apontando para um pedaço de gelo. — Cuidado! — Obrigada — disse Hanna, desviando do gelo. Patrick tirou a mão logo que ela cruzou com segurança — então você sempre quis ser fotógrafo? — Hanna perguntou como se eles se dirigissem ao longo da Market Street em direção a prefeitura. Estava congelando lá fora, e todos andavam com a cabeça abaixada e com seus capuzes. Pilhas de neve suja estavam empilhadas nas calçadas.


— Desde que eu era pequeno — Patrick admitiu — eu era aquele garoto que nunca ia à parte alguma sem uma câmera descartável, lembra-se delas, ou você é muito jovem? — Claro que me lembro — Hanna zombou — eu tenho 18, e você? — Vinte e dois — disse Patrick, como se isso fosse muito mais velho. Ele fez um gesto para a esquerda, para outra parte da cidade. — Eu fui para Moore College of Art, acabei de me formar. — Você gostou? Estou pensando em ir para F.I.T. ou Pratt para design de moda. — ela havia acabado de apresentar seus pedidos algumas semanas atrás. — Eu adorei — Patrick se abaixou para se desviar do carrinho de Hot Dog que estava bem no meio da calçada. O cheiro de salsichas gordurosas flutuava no ar — Você vai adorar Nova York, mas eu aposto que você não irá morar lá devido a faculdade. E sim por uma das agencias de modelo que você será contratada. Eu tenho certeza disso. Parecia que havia fadas dançando no estômago de Hanna. — O que faz você ter tanta certeza? — ela o desafiou, despreocupadamente, como se ela não se importasse de uma forma ou de outra. — Quando eu estava na escola, eu trabalhava como assistente em um monte de fotos de moda — Patrick parou para o farol vermelho — Você tem um look único que os editores e designers adoram. — Sério? — Se Hanna pudesse gravar o que ele acabou de dizer e pudesse publicar em seu Twitter. Ou melhor ainda, postá-lo diretamente na página de Kate no Facebook — Então como você começou a trabalhar para o meu pai afinal? – Hanna perguntou. Patrick sorriu ironicamente. — Eu estava fazendo um favor para um amigo. Normalmente eu não tocaria em comerciais, especialmente os políticos. Eu realmente não sigo política. — Nem eu — Hanna disse aliviada. Ela ainda não havia sido clara sobre a opinião de seu pai em certos assuntos. Se ele ganhar a eleição e alguém quiser entrevistá-la, bem pra isso é que existem os treinadores de mídia afinal. — Ele parece ser um cara legal, porém — Patrick falou mais alto devido ao barulho de um ônibus que passava — Mas o que há com a sua irmã? Ela parecia muito tensa. — Irmã postiça — Hanna corrigiu-o rapidamente. — Ah! — Patrick sorriu para ela conscientemente — Eu deveria ter adivinhado que vocês não são próximas. Eles chegaram à Câmara Municipal, e Patrick foi aos negócios, direcionando Hanna para posar na sombra do arco grande. — OK, acho que a menina quer tanto algo que ela mal consegue prová-lo — ele a instruiu e apontou a lente para ela — Você está com fome, você está desejando, e nada vai te parar até você conseguir o seu objetivo. Você pode entrar nesse estado de espírito? Ah sim, ela já estava nesse estado de espírito. Ela posou contra a parede dando a Patrick o olhar mais determinado que ela podia fazer. — Incrível! — disse Patrick, clique, clique. — Seus olhos estão incríveis. — Um pouco — a sessão de fotos para a People depois de Poconos contava como sessão de fotos não? Patrick estreitou os olhos para a lente de novo. — Ok, queixo para cima um pouco, dê-me um olhar sensual. Hanna tentou o seu melhor até seus olhos arderem. Clique, clique. Uma multidão de turistas se reuniram e sussurraram. — Para que revista você está fotografando? — uma mulher de meia idade perguntou em uma voz reverente. — Vogue — Patrick respondeu sem perder uma foto. A multidão ficou inquieta, algumas pessoas se empurraram para chegar mais perto e tirar fotos de Hanna. Ela se sentia como uma estrela. Depois de mais algumas fotos na Libert Bell, Patrick sugeriu ir a seu estúdio. O sol já estava se pondo, enquanto eles caminhavam de volta para Fishtown. Ele subiu os degraus de um prédio bonito e abriu a porta para ela.


— Espero que você não se importe com escadas. Quando Patrick abriu a porta pintada de preto no quarto andar, Hanna deixou escapar um alto ohh! O estúdio era uma sala gigante coberta de fotos de todas as formas e tamanhos. Três longas janelas davam para a rua. Um Mac de tela plana brilhava no canto. Havia uma pequena cozinha a direita, e em cima do balcão, havia embalagens de produtos químicos de revelação de fotos. Mas em vez de cheirar como a sala de aula de fotografia de Rosewood Day, o quarto estava perfumado com o perfume Delirium & Co da China Tea, o favorito de Hanna. — Você mora aqui? – perguntou Hanna. — São só trabalho — Patrick largou a bolsa no chão — eu compartilho com alguns outros fotógrafos. Felizmente, ninguém vai nos incomodar enquanto estivermos terminando as fotos. Ele colocou um velho CD de Bossa Nova, arrumou um par de luzes e posicionou Hanna em um banquinho. Instantaneamente Hanna começou a balanças para trás e para frente, hipnotizada pelo som da música. — Bom — Patrick murmurou — mova seu corpo assim mesmo. Clique, clique. Hanna desabotoou sua jaqueta de couro e seguiu a música, os seus olhos doíam de tanto ela apertar seus olhos para parecer sexy. As luzes aqueciam sua pele, em um impulso Hanna tirou o casaco de couro para revelar o fino vestido. — Linda! — Patrick murmurou. Clique. Clique. Clique. — Agora jogue seus cabelos para trás e para frente! Bom! Hanna fez o que ele dissera, fazendo seus cabelos caírem em seus ombros e sedutoramente em seus olhos. Uma alça de seu vestido caiu do ombro, revelando seu sutiã, mas ela não parou para arrumar. As maças do rosto salientes de Patrick eram rosas e seus lábios adoráveis estavam começando a hipnotizar Hanna. Ela amava como ele a fazia se sentir como a garota mais bonita da terra. Ela desejou que todos pudessem ver isso. Em meio a música exuberante, as luzes quentes e poses glamurosas, uma lembrança indesejada flutuou na cabeça de Hanna. Quando Ali voltou a Rosewood no ano passado e confessou que ela realmente era a melhor amiga perdida de Hanna, ela pegou as mãos de Hanna e a disse o quão bonita ela se tornara. — Quero dizer, você é... impressionante, Han — Ali sussurrou, com uma voz cheia de admiração. Tinha sido a coisa mais maravilhosa que Hanna tinha ouvido. Desde que ela havia se tornado uma nova Hanna, ela sonhava que Ali retornava de alguma forma do mundo dos mortos e a via como ela não era mais feia, gorducha, rechonchuda. Mas no final, o comentário já não significava nada. Era apenas uma farsa para fazer Hanna confiar nela. Uma tosse fez Hanna virar, uma menina loira em um vestido amarelo estava atrás dela. Era a mesma garota que Emily apontara na porta. Ela não parecia em nada com Ali, exceto a cor do cabelo semelhante e o brilho travesso nos olhos, mas ela se inclinou para a frente e olhou para Hanna que ela conhecia. — Ouvi dizer que o telescópio é incrível — seu hálito cheirava um pouco de rum. — Hum, sim — Hanna se afastou — quer ver? A menina olhou com o canto de olho, em seguida se apresentou como Tabitha Clark, acrescentando que ela era de Nova Jersey e esta era sua primeira noite no resort. — O meu também — Hanna disse rapidamente — é incrível, fomos mergulhar do penhasco esta tarde, e amanhã eu vou ter uma aula de ioga — ela continuou nervosamente. Hanna não conseguia deixar de olhar para as queimaduras no braço da menina. O que tinha acontecido com ela? Tabitha lambeu seus lábios rosados. O mundo começou a girar. Era possível que Tabitha a havia reconhecido das notícias, e tinha um monte de coisas sobre ela que tinha saído na imprensa, como Mona a tinha atropelado, como ela tinha ficado presa por furto em lojas, como todas elas haviam jurado ter visto o corpo de Ian na floresta. Mas a Hanna gordinha, patinho feio havia ficado para trás, em segredo profundo e obscuro. Não havia fotos dela da préreforma nos blogs ou em sites de fofocas, Hanna checava cada uma religiosamente. Como Tabitha poderia saber sobre o passado da Hanna patinho feio?


Quando Hanna olhou para a menina de novo, era como se suas feições tivessem sido completamente rearranjadas. De repente, havia mais do que apenas um brilho de Ali em seus olhos, seus lábios pareciam com os de Ali. Era como se o fantasma de Ali brilhasse através da pele manchada de Tabitha. — Hanna? — a voz de Patrick cortou a memória. Hanna piscou, lutando para se libertar, a voz de Tabitha ecoava em seus ouvidos. Eu aposto que você nem sempre foi linda, não é? Patrick olhou para ela desconfortável. — Hum, você pode... — ele fez um gesto para a clavícula. Quando Hanna olhou para baixo, seu vestido rosa havia caído no peito, e metade de seu seio esquerdo de alguma forma saiu de seu sutiã sem alças. — Oops — ela puxou o vestido para cima. Patrick baixou a câmera. — Você estava morta para mim, tudo bem? A imagem de Tabitha brilhou no cérebro de Hanna, mas ela não pensaria sobre isso. Ela fez uma promessa para si mesma, ela não deixaria que a mensagem de ontem à noite abrisse uma caixa de Pandora em sua cabeça. Hanna endireitou os ombros e sacudiu as palmas das mãos. — Desculpe, tudo está perfeito agora, eu prometo. A música mais recente do The Black Eyed Peas começou em seguida, e ela fez um sinal para Patrick aumentar o som. — Vamos continuar. E foi exatamente isso que eles fizeram.


11 EMILY TEM UM FÃ

— Dez décimos em um minuto e meio te deixaram em sexto! — foi o que Raymond, o treinador da equipe de Emily, gritou para ela na borda da piscina na terça-feira. Raymond era treinador dela desde que ela era criança, e ele sempre usava um uniforme padrão, chinelos pretos brilhantes da Adidas, e moletom escuro da TYR. Ele tinha braços de gorila, costuma raspar regularmente seus braços para as competições de natação. Tinha também ombros largos de um nadador de costas. O cronometro afiado de Raymond zerou. — Pronto... vai! Emily empurrou a parede, seu corpo rapidamente se moveu, sua perna golfinhava, chutando freneticamente. A água estava fria em sua pele, e ela podia ouvir os sons que saiam do rádio no escritório do treinador. Seus músculos relaxavam enquanto ela deslizava na água. Era bom estar nadando depois de tanto tempo. Ela fez a volta na outra parede e a empurrou novamente. As outras crianças na sua raia iam atrás dela. Todos eram nadadores sérios, adolescentes que esperavam receber bolsas de estudos em faculdades de sua escolha. Alguns, mais velhos, da melhor equipe da escola, já haviam sido recrutados, eles, orgulhosamente, traziam a Raymond as suas cartas de aceitação, assim que eles as recebiam. Remando fortemente, Emily tentou não pensar em mais nada além do que Raymond dissera, que iria ajudá-la a nadar mais rápido. Porém, ela não conseguia parar de pensar no cartão da caixa de correios de Ali. Quem havia enviado? E se alguém tivesse visto o que elas fizeram? Ninguém testemunhou o acontecido na Jamaica, não havia casais se beijando na areia, ninguém olhando para fora nas janelas, nenhum funcionário do hotel limpava o convés traseiro. Ou A conseguiu adivinhar, ou talvez A era a pessoa que Emily mais temia. Emily tocou na parede para terminar, respirando com dificuldade. — Bom tempo Emily — disse Raymond da borda da piscina — é bom ver você de volta a água. — Obrigada — Emily enxugou os olhos ao redor de seus óculos, nada tinha mudado desde que Emily começou a nadar com seis anos. Havia arquibancadas brilhantes amarelas no canto e um mural grande dos jogadores de polo aquático. Palavras motivacionais cobriam as paredes, e placas de ouro que registravam os recordes quebrados forravam o corredor perto das portas. Quando Emily era pequena, ela cobiçara todos os recordes, na esperança de um dia quebrar um. No ano passado, ela quebrou três. Mas não esse ano... Raymond apitou, um apito agudo e curto e Emily empurrou a parede para mais cem metros. As suas passadas voavam, os braços de Emily se sentiam fortes, e ela teve certeza de que seus tempos iriam cair lentamente. Quando ela terminou, ela notou alguém a filmando da arquibancada, ele abaixou a câmera e encontrou os olhos dela, era o Sr. Roland. Ele se encaminhou até a raia de Emily. — Ei Emily, tem um segundo?


Um nadador a direita de Emily deu uma volta jogando água no ar. Emily saiu da piscina e encolheu os ombros, ela se sentia pelada em seu maiô com os braços e pernas nuas, especialmente ao lado do terno de lã cinza e sapatos pretos do Sr. Roland. E ela ainda não conseguira esquecer a outra noite. Ele teve a intenção de tocar em seu quadril, ou foi apenas um acidente? Emily pegou a toalha e se sentou na arquibancada. — Enviei os seus tempos para o recrutador da UNC e para o técnico. O nome dele é Marc Lowry. Ele me pediu para eu observar os seus treinos. Espero que tudo bem – ele levantou a câmera e sorriu timidamente. — Uhum, tudo bem — Emily cruzou os braços sobre seus peitos. — Você tem um estilo bonito — Sr. Roland olhava para sua câmera — Lowry está realmente impressionado com os seus tempos, também. Mas ele me perguntou por que são tempos do ano passado e não desse. — Eu tive que parar no verão passado e neste outono — Emily disse inquieta — eu não estava pronta para competir com minha equipe. Uma ruga se formou na testa do Sr. Roland. — E por que isso? — Basta... coisas pessoais — Emily se virou. — Eu não quero ser agressivo, mas o recrutador vai perguntar — Sr. Roland disse gentilmente. Emily brincava com o laço solto em sua toalha. Foi durante o Nacional júnior de Natação, que ela competiu no ano passado antes de ir para a Jamaica, que ela sentiu que algo estava errado com ela. Ela se sentiu frágil no vestiário, e quase desmaiou na cadeira dobrável esperando a sua prova. Seus tempos haviam sido normais, apenas um ou dois décimos mais lenta do que seus recordes pessoais, mas ela se sentia exausta depois da prova, como se alguém tivesse enchido seus braços e pernas com areia. Naquela noite ela foi para casa e dormiu por quinze horas seguidas. Com o tempo, ela se sentiu pior e não melhor. Quando ela disse para a sua mãe que não iria treinar no verão, pois ia fazer um estágio na Filadélfia, sua mãe a olhou como se ela tivesse uma doença contagiosa. Mas Emily deu a desculpa de Ali, de que precisava ficar um tempo fora de Rosewood, coisas terríveis haviam acontecido, e sua mãe cedeu. Ela ficou com sua irmã Carolyn, que estava participando de um programa de verão na Universidade da Pensilvânia, antes de ir para Stanford no outono. Ela confiou seu segredo à sua irmã, e surpreendentemente ela o guardou. Não contente, no entanto, quando Emily retornou à escola ela disse a sua mãe que não iria mais treinar, a Sra. Fields quase surtou. Ela se ofereceu a levar Emily em um psicólogo esportivo, mas Emily permaneceu firme: ela não iria nadar nesta temporada. — É preciso acabar com a Alison — sua mãe insistiu. — Não se trata da Alison — Emily respondeu entre lágrimas. — Então o que é? — Sra. Fields insistiu. Mas Emily não podia contar para ela, se o fizesse, sua mãe nunca iria falar com ela novamente. Sr. Roland cruzou os braços ainda esperando por uma resposta. Emily pigarreou. — Podemos apenas dizer que eu tirei uma licença pessoal? Eu... fui perseguida por alguém que achava que era a minha melhor amiga no ano passado. Talvez você tenha ouvido falar sobre isso. Alison DiLaurentis? — Era... você? – as sobrancelhas do Sr. Roland se levantaram, Emily assentiu com seriedade — Eu sinto muito, eu não tinha ideia. Eu sabia que tinha comprado a casa onde uma das meninas assassinadas vivia, mas... Sr. Roland apertou seus olhos. — Acho que é tudo que você precisa dizer. Lowry vai entender. Pelo menos a bagunça de Ali era bom para alguma coisa. — Estou comprometida a nadar agora — Emily prometeu. — Bom — Sr. Roland se levantou — parece que sim. Se você for competir, eu posso trazê-lo, ou outra pessoa do recrutamento aqui no sábado. Emily fez uma verificação mental na sua agenda.


— Na verdade eu tenho um meeting neste sábado. — Mais uma razão para ele vir — Sr. Roland teclou algo em seu blackberry — ele verá você em ação. É perfeito. — Muito obrigada — Emily se emocionou. Ela sentiu a necessidade de abraçá-lo, mas resistiu. — Qualquer amiga de Chloe é minha amiga. — Disse o Sr. Roland em direção à saída — É bom ver seu meeting tão cedo, é bom vê-la Emily. Ele colocou sua pasta debaixo do braço e caminhou em direção as portas embaçadas dos vestiários, desviando das poças d’água. Emily se sentiu mil vezes melhor. Tudo o que ela pensava que tinha acontecido na casa dos Roland era coisa de sua cabeça. Alguém suspirou atrás dela, e Emily se virou. Seu olhar correu ao longo da arquibancada e das janelas que levavam para fora. O sol se punha, tingindo o céu azul e sombreando a paisagem. E então ela viu algo próximo a seu Volvo no estacionamento. Era uma pessoa? Rondando, espreitando pela janela do lado do passageiro? Suas pernas tremeram, ela recuou para perto da piscina. Quando ela olhou pela janela mais uma vez, o céu estava escuro, um breu, de repente, como se alguém tivesse puxado uma cortina sobre ele. Emily não conseguia ver absolutamente nada.


12 JANTAR FINLANDÊS

Na noite de terça-feira, Aria tocou a campainha da casa dos Kahn, uma mansão de tijolo com colunas brancas, garagem para seis carros, várias varandas e torres, um terreno de onze hectares que tinha sido o local de muitas festas infames. Hoje à noite, os Kahn eram anfitriões de uma outra festa, embora Aria duvidasse que incluíria drinques bebidos do corpo de outra pessoa ou relações casuais na cabine de fotos dos Kahn. Era um tradicional buffet suéco para receber Klaudia aos Estados Unidos, e considerando o número de carros na longa garagem circular, parecia que os Kahn tinham convidado todos em Rosewood e em várias outras cidades. A Sra. Kahn abriu a porta e deu um sorriso radiante. — Tervetuloa, Aria! — Ela disse jovialmente. Esta é a palavra finlandesa para Bemvinda! — Uh, tervetuloa. — repetiu Aria polidamente, tentando fazer a correta entonação... e tentando não olhar estúpidamente para a roupa da Sra. Kahn. Normalmente, a mãe de Noel era a personificação da elegância: Calças jeans Ralph Lauren, suéteres de cashmere, botas Tod’s e diamantes em seus dedos e orelhas, que provavelmente valiam mais do que as casas dos pais de Aria juntas. — Não é divina minha roupa? —Sra. Kahn, cantou, virando-se para que sua saia se abrisse. — É o traje tradicional finlandês! Você já viu algo tão colorido? Eu sou metade finlandesa, você sabe. Talvez meus antepassados se vestissem desse jeito! Aria acenou e sorriu tolamente, embora duvidasse que os finlandeses se vestissem assim, a menos precisassem. Quem iria querer parecer como um personagem de um conto de fadas dos Irmãos Grimm? Então, Klaudia apareceu no corredor. — Aria! Estamos tão felizes que você chegou! — Noel estava bem atrás dela. Klaudia colocou um braço ao redor dos ombros de Noel como um casal. — Uh, eu não perderia. — Aria olhou para Noel intencionalmente, pensando se ele se afastaria de Klaudia e caminharia pelo corredor em direção a ela, sua namorada. Mas ele só ficou ao lado de Klaudia com um sorriso estúpido no rosto. Klaudia virou-se e sussurrou algo no ouvido de Noel. Noel disse alguma coisa, e ambos riram baixinho. Aria sentiu um formigamento em sua pele. — Alguma coisa engraçada? — É... não importa. — Noel evitou a pergunta de Aria. Hoje à noite, Klaudia estava usando um vestido de lã que era pelo menos dois tamanhos menores. Seu cabelo loiro caía pelas costas, e ela usava um úmido, e brilhante gloss que atraia os olhos a sua boca. Todos os garotos na festa olhavam para ela, incluindo o Sr. Shay, um professor veterano de biologia de Rosewood Day que Aria pensava que era legalmente cego. Mas, então, Noel se moveu em torno do grupo de admiradores e passou o braço sobre Aria. — Estou feliz por você estar aqui. — Isso fez com que Aria se sentisse um pouco melhor, especialmente porque Klaudia estava olhando.


— Ooh, delicioso! — Klaudia gorjeou quando chegou à mesa. Cerca de 10 garotos correram para ajudá-la, como se ela fosse uma criança incapaz de preparar o seu próprio prato. Mason Byers se ofereceu para servir sopa. Philip Gregory perguntou se Klaudia queria algumas salsichas. Preston e John Wallis Dexter, que tinham se formado em Rosewood Day, mas estavam indo para Hollis, e até mesmo alguns dos amigos mais próximos de Noel, pegaram guardanapos para Klaudia e serviram um copo de cidra. Porém, com as garotas já era uma história diferente. Naomie Zeigler e Riley Wolfe lhe davam olhadas assassinas da cozinha. Lanie Iler, que estava perto de Aria na fila da comida, se inclinou para Phi Templeton, que não era tão burra como costumava ser quando Aria, Ali e as outras riam dela na sétima série, e murmurou: — Sabe, ela nem mesmo é bonita. — Ela está na minha classe de Inglês — disse Phi, revirando os olhos. Ela mal sabe ler Inglês. Pensei que as pessoas da Europa fossem, assim, fluentes. Aria escondeu um sorriso. Havia pensado que Phi, a obcecada por patinetes, seria mais sensivel ao criticar os outros. — Se James continuar olhando, eu vou chutar seu traseiro. — Lanie prosseguiu entre os dentes enquanto espetava uma salsicha e soltava em seu prato. James Freed era seu novo namorado. Alguém bateu no ombro de Aria, e ela se virou. Klaudia estava atrás dela, olhando para Aria com seus grandes olhos azuis. — Oi Aria, como com você? — disse. Primeiramente, Aria pensou que era sério, era o tipo de coisa que uma vilã de conto de fadas poderia dizer. Em seguida, Klaudia olhou nervosamente para a multidão. — Tem tantas pessoas! E eu só conheço você! — Que bela ideia! — Sra. Kahn, apareceu do nada e colocou a mão no ombro de Aria. —Vocês duas devem definitivamente comer juntas! Você adoraria Aria, Klaudia. — Oh. — Aria tocou nervosamente a larga manga da sua blusa de seda. Será que Klaudia não preferiria comer com sua comitiva masculina? Mas ela não poderia dizer isso com a Sra. Kahn alí. Depois de colocar algumas colheradas de goulash vegetariano em seu prato, Aria foi com Klaudia até o assento da janela. Elas ficaram em silêncio por um momento, observando a festa. As garotas populares de Rosewood Day tinham ido para a longa mesa na copa, e continuavam dar a Klaudia , e Aria por associação, um olhar mau. Um grupo próximo de adultos que Aria não reconheceu estava se vangloriando uns aos outros sobre onde seus filhos tinham ingressado na faculdade. Através da arcada da sala de estar, Aria avistou Spencer e um garoto que não reconheceu, porém ela sabia que não deveria comprimentar. O cartão postal a atormentava. Mesmo sentada aqui, na cozinha de Noel, ela continuava espreitando seu celular continuamente, temendo uma nova mensagem. Será que A poderia estar de volta? E se A realmente sabia a coisa horrível que ela tinha feito? Aria virou-se para Klaudia, tentando afastar os pensamentos terríveis de sua mente. — O que você achou de Rosewood Day? Klaudia enxugou a boca com o guardanapo. — É tão grande. Eu me perco tanto! E as pessoas dão as instruções, e eu... OOF! — Ela tentou limpar o suor da testa. — Minha antiga escola em Helsinki? Seis salas! Trinta pessoas na nossa classe! Não era como esta! — Eu sei o que você quer dizer. — Aria engoliu um pedaço de beterraba e purê de nabo. — A escola que eu estudava em Reykjavik tinha apenas cem alunos. Conheci todos em apenas duas de semanas. Klaudia abaixou o garfo. — Você foi à escola em Reykjavik? — Sim. — Noel não lhe disse nada sobre isso? — Eu vivi lá por quase três anos. Eu adorei. — Eu fui lá! — O sorriso de Klaudia se ampliou. — Para o festival de Música na Islândia! — Eu fui também! — O festival de Música na Islândia foi o primeiro concerto que Aria tinha ido. Ela havia se sentido tão adulta passeando pelo lugar, passando por lojas hippie que


vendiam tatuagens temporárias e apanhador de sonhos, e inalando o cheiro da exótica cozinha vegetariana e de narguilé. Durante um de muitos shows de bandas islandesas, ela conheceu três garotos: Asbjorn, Gunnar e Jonas. E Jonas tinha lhe beijado durante o encore. Foi aí que Aria soube que a mudança para a Islândia foi a melhor coisa que aconteceu. Klaudia assentiu com entusiasmo, seu cabelo loiro balançando. — Tanta música! Meu favorito era Metric. — Eu os vi em Copenhague! — disse Aria. Nunca teria pensado que Klaudia era uma menina Metric. A música era uma daquelas coisas que Aria não tinha sido capaz de falar com ninguém depois que voltou da Islândia, todos os típicos Rosewood, como ela dizia, nunca se aventuraram a ouvir algo que não estava na lista de mais baixados do iTunes. — Eu adorei! Muito, tanssi! — Ela apertou os olhos, tentando pensar na palavra em inglês, e depois balançou a cabeça para trás e para frente como se estivesse dançando. Então, deixando seu prato de papel no parapeito da janela, Klaudia puxou seu iPhone e analisou as fotos. — Esta é Tanja. — Ela apontou para uma menina que se parecia muito com Sofia Coppola. — Somos melhores amigas. Vamos ao concerto de Reykjavik juntas. Eu sinto tanta falta dela. Nos enviamos mensagens toda noite. Klaudia reveu rapidamente mais fotos de suas amigas, a maioria garotas loiras, sua família, uma magra mãe sem maquiagem, um pai alto e enrugado que ela disse que era engenheiro, e um irmão mais novo, cujo cabelo estava desarrumado, sua casa, uma moderna casa que lembrava a Aria a casa que seus pais tinham alugado em Reykjavik, e seu gato, Mika, que embalava em seus braços como um bebê da mesma forma que Aria segurava seu próprio gato, Polo. — Eu sinto tanta falta do meu Mee-mee! — Ela exclamou, levando a foto a seus labios e dando um beijo no gato. Aria riu. Klaudia passou para a próxima foto em sua coleção, uma foto de suas amigas em roupas de esqui no topo de uma montanha. — Oh! Essa é Kalle! — Ela disse como Kah-lee. — Esquiávamos todo fim de semana! Com quem esquiarei agora? — Eu posso esquiar com você. — Aria se ofereceu, surpreendendo a si mesma. Os olhos de Klaudia se iluminaram. — Você esquia? — Bem, não... — Aria colocou o que restava do goulash em seu garfo. — Na verdade, eu nunca esquiei na minha vida. — Eu ensino! — Klaudia saltou do seu assento. — Nós iremos em breve! É tão fácil! — Ok. — Noel havia mencionado que sua família estava pensando em fazer uma viagem para esquiar no longo final de semana, certamente Klaudia também seria convidada. — Mas eu gostaria de ensinar alguma coisa também. — Que tal isso? — Klaudia apontou para o lenço rosa de mohair ao redor do pescoço de Aria. — Você neuloa? — Ela mexeu as mãos, e mimicou que estava tricotando. Aria examinou o lenço. — Oh, eu tricotei faz anos. Não está muito bom. — Não, ele é lindo! — Klaudia exclamou. — Me ensine! Eu faço presentes para Tanja e Kalle! — Quer aprender a tricotar? — Aria repetiu. Ninguém, nem mesmo Ali e as outras pediram para Aria ensinar, sempre tinha sido a coisa estranha de Aria. Mas Klaudia não parecia pensar que era estranho. Combinaram de se encontrar na quinta-feira na loja de esqui para Aria poder comprar o equipamento certo. Enquanto se levantavam para ver a sobremesa, Aria notou que Noel observava do outro lado da sala com um sorriso surpreso em seu rosto. Aria acenou para Noel, e Klaudia também. — Ele é seu namorado, não é? — Klaudia perguntou. — Sim — respondeu Aria — Por mais de um ano. — Oh, sério?! — Os olhos de Klaudia brilharam. Mas não havia nada de invejoso em seu comportamento.


O Sr. Kahn apareceu na porta. Aria não o tinha visto nas últimas semanas. Ele sempre estava em viagens de negócios importantes. Agora, ele estava vestido com um calção marrom, que parecia de pele de urso, botas pretas e um chapéu grande com chifres. Parecia com Fred Flintstone. — Eu estou pronto para a festa! — Ele gritou, segurando um bastão em sua mão esquerda. Todos aplaudiram. As garotas de Rosewood Day no canto riram secretamente. Aria e Klaudia trocaram um olhar horrorizado. Isso era sério? — Salve-me! — Klaudia sussurrou, se escondendo atrás de Aria. Aria explodiu em risos. — Esses chifres! E o que é aquele bastão? — Eu não sei! — Klaudia apertou seu nariz. — E a saia da Sra. Kahn cheira como hevonpaskaa! Aria não sabia exatamente o que significava a palavra, mas apenas o som fez com que se dobrasse de tanto rir. Podia sentir os olhares das malvadas garotas do outro lado da sala, mas não se importou. De repente, ela ficou tão agradecida que Klaudia estava lá. Pela primeira vez em quase um ano, Aria tinha alguém com que rir novamente. Alguém que realmente a compreendia da forma que uma típica Rosewood não poderia. Por um momento, até se esqueceu de A.


13 SEDUÇÃO E SEGREDOS

Spencer estava na parte de trás da linha de aperitivos dos Kahn, olhando para a propagação de alimentos. Alguns pareciam vômito de gato. E quem em sã consciência bebe leite azedo? Duas mãos agarraram seus ombros. — Surpresa —, Zach Pennythistle disse, acenando uma garrafa cor de âmbar em seu rosto. Dentro havia um líquido esverdeado que cheirava como removedor de esmalte polonês. Spencer levantou uma sobrancelha. — O que é isso? — Schnapps tradicional finlandês. — Ele derramou um pouco em duas taças da pilha sobre a mesa. — Eu roubei do carrinho do bar quando ninguém estava olhando. — Garoto mau! — Spencer sacudiu o dedo para ele. — Você é sempre tão pervertido? — É por isso que eu sou a ovelha negra da família —, brincou Zach, abaixando os olhos escuros para ela, que fez um turbilhão dentro de Spencer. Ela estava emocionada, Zach havia aceitado seu convite para a festa smorgasbord esta noite. Desde o jantar no The Inn Goshen, no domingo, ela não conseguia parar de pensar em suas divertidas brincadeiras de flerte. Mesmo depois que eles se sentaram à mesa com o resto da família, eles continuaram a atirar uns aos outros olhares resolutos e sorrisos secretos. Eles andaram pela sala e montaram um acampamento nas escadas dos Kahn. A festa estava ficando insuportável, com um bando de garotos de Rosewood Day saltando no ritmo da polka na enorme sala de estar dos Kahn e alguns dos adultos já pronunciando suas palavras. — Eu normalmente não considero garotos de Harvard como ovelhas negras de suas famílias —, disse Spencer para Zach, pegando a conversa anterior. Zach sentou-se, franzindo a testa. — Onde você ouviu que eu estava indo para Harvard? Spencer piscou. — Seu pai disse isso no jantar. Antes de encontrar você no bar. — Claro que ele disse. — Zach tomou um longo gole de sua aguardente. — Para dizer a verdade, eu não estou inteiramente certo de que Harvard e eu fomos feitos um para o outro. Eu tenho em vista Berkeley ou Columbia. Não que ele saiba, é claro. Spencer levantou seu copo. — Bem, está conseguindo o que quer. Zach sorriu. — Eu sempre consigo o que quero —, disse ele de forma significativa, que enviou calafrios mais acima de sua coluna vertebral. Alguma coisa estava para acontecer entre eles hoje à noite. Spencer podia sentir. — É licor? —, Gritou uma voz indignada. A irmã de Zach, Amelia, surgiu a partir da esquina com um prato cheio de comida. Spencer suspirou e fechou os olhos. Será que Amelia queria mesmo estar aqui? Uma horrível carranca estava pairando sobre suas características, logo que ela entrou pela porta dos Kahn. Quando a Sra. Kahn colocou uma


música de dança folclórica tradicional finlandesa, Amélia tinha realmente se encolhido e tapado os ouvidos. — Quer um pouco? — Zach empurrou o copo para Amelia. — Tem gosto de bolinhos de menta, seu favorito! Amélia se afastou, fazendo uma careta. — Não, obrigada. — Sua ideia de roupa de festa era uma camisa listrada Brooks Brothers de botões, muito bem escondida em uma saia lápis até os joelhos. Ela parecia exatamente como a Sra. Ulster, professora substituta de Spencer em Cálculo II. Amélia encostou-se ao corrimão e olhou com raiva para os moradores de Rosewood. — Então, são essas pessoas os seus amigos? — Ela disse amigos como podia ter falado de uma cama com um colchão infestado de pulgas. Spencer examinou a multidão. A maior parte da classe sênior de Rosewood Day tinha sido convidada, bem como um punhado de amigos dos Kahn da sociedade. — Bem, eles vão todos para a minha escola. Amelia fez um eca desdenhoso. — Eles parecem realmente tontos. Especialmente as meninas. Spencer se encolheu. Além de Kelsey, ela não conhecia meninas da sua idade de St. Agnes. Mas ela tinha ido a algumas festas de retorno ao ensino médio, cada grupo nomeando-se como uma princesa ou rainha européia; havia as Rainhas Sofia da Espanha, as princesas Olga da Grécia, e as Charlottes de Mônaco, filha da princesa Carolina. Olá, lesada? Zach tomou o resto de sua bebida e pôs o seu copo nas escadas. — Ah, essas meninas parecem que podem ter alguns pequenos segredos sujos na manga. — Como você pode dizer? — Spencer brincou. — Tudo consiste na observação das pessoas, ver o que elas fazem. Como quando eu te conheci no restaurante no domingo, eu sabia que você estava na área do bar, porque você estava fugindo de alguém. Tomando um fôlego. Spencer deu-lhe um tapa brincalhão. — Você é um mentiroso. Zach cruzou os braços sobre o peito. — Quer apostar? Existe esse jogo que eu às vezes faço, eu chamo de Ela não é o que parece. Aposto que eu posso descobrir mais segredos que você. Spencer vacilou por um momento com o nome do jogo. Por alguma razão, ele a lembrou do cartão que havia recebido ontem à noite. Apesar de Spencer fingir que não importava, tremores de ansiedade ameaçavam incendiar dentro dela. Alguém poderia saber sobre a Jamaica? Um monte de gente tinha estado hospedado no resort - Noel, Mike, esse grupo de crianças da Califórnia que tinham ido surfar, alguns meninos da Inglaterra e, claro, o pessoal do hotel. Mas Spencer e as outras olharam de cima a baixo na praia escura depois de tudo o que tinha acontecido e não tinham visto uma alma. Era como se fossem as últimas pessoas na Terra. A menos... Ela fechou os olhos e varreu os pensamentos. Não houve a menos. E não houve nova A. O postal foi apenas uma coincidência grande, um golpe de sorte. Um grupo de meninas da equipe do jornal de Rosewood Day esvoaçava na sala de estar com pratos de almôndegas, batatas e sardinhas. Spencer voltou para Zach. — Eu vou jogar um pouco do seu jogo de segredos. Mas você percebe que eu conheço essas pessoas, certo? Eu tenho uma vantagem em ser daqui. — Então nós temos que escolher pessoas que não conheça realmente. — Zach inclinouse e olhou ao redor da sala. Ele apontou para a Sra. Byers, mãe de Mason, que esta vestida com Kate Spade da cabeça aos pés. — Sabe alguma coisa sobre ela? Amelia, que estava observando os dois, gemeu. — Ela? Ela é tão genérica como todos que vieram! Mãe de jogador. Dirige um Lexus. Ronca. Zach estalou a língua. — É aí que você está errada. Ela se parece com a dona de casa suburbana normal, mas ela gosta de namorados jovens.


— O que te faz dizer isso? — Spencer perguntou incrédula. — Olha —. Zach apontou como a Sra. Byers foi avidamente enchendo o copo para Ryan Zeiss, um dos companheiros de lacrosse de Mason. Sua mão permaneceu nos ombros de Ryan por um longo período de tempo. Muito tempo. — Uau, — Spencer sussurrou. Não admira que a Sra. Byers sempre se ofereceu para acompanhar a viagem da equipe. Depois foi a vez de Spencer. Ela olhou ao redor, tentando localizar a vítima. Sra. Zeigler, a mãe de Naomi, deslizou através do alegre piso quadriculado preto-e-branco. Bingo. — Ela faz tratamentos de Botox secretos... —, disse Spencer, apontando. — Oh, por faaaaaavor. — Amelia revirou os olhos. — Todas essas mulheres têm Botox. Algumas das crianças, provavelmente, também. — ... debaixo dos braços —, acrescentou Spencer, lembrando como, alguns anos atrás, a Sra. Zeigler sempre teve manchas de suor visíveis em sua camiseta sempre que ela levantava os braços para bater palmas para uma meta de hóquei em campo. Esta temporada de hóquei, no entanto, essas manchas de suor haviam magicamente desaparecido. — Boa —. Zach assobiou. Eles olharam ao redor da sala, revelando mais segredos. Zach apontou para Liam Olsen e disse que ele estava traindo a sua namorada, Devon Arliss. Spencer centrou em uma garota gótica e disse que era uma enorme fã de Justin Bieber e dava um beijo francês em sua foto toda noite. Zach disse que Imogen Smith parecia ser o tipo que tinha secretamente uma doença sexualmente transmissível, e Spencer a hipótese de que Beau Baxter, sua ardente co-estrela reclusa em Macbeth, teve casos com mulheres mais velhas. E então Amelia apontou alguém na multidão. — Bem, ela parece o tipo que relaciona-se com os professores. Spencer olhou de soslaio para quem ela estava falando e quase engasgou. Foi Aria. Depois que as meninas começaram a sair novamente, Aria tinha dito a Spencer e as outras tudo sobre seu caso com Ezra Fitz, seu professor de Inglês. Como Amelia poderia saber? Em seguida, Amélia voltou seus olhinhos redondos de ervilha em Spencer. — Então, qual é o seu segredo? — Uh... — Um arrepio correu na espinha de Spencer. De repente, Amelia parecia estranhamente intuitiva, como se ela já soubesse. Jamaica. Como entrei em Princeton. O que eu fiz a Kelsey. Havia definitivamente algumas coisas que Spencer tinha feito que não era motivo de orgulho. Zach revirou os olhos. — Não lhe responda. Todos nós temos alguns segredos que não queremos compartilhar, incluindo eu. Pouco tempo depois, Amelia desviou para a festa para conversar com um casal de garotas que ela reconheceu. A festa se transformou em um gigante e bêbado sapateado finlandês, com a música brega tocando e Aria e a menina nova, estudante de intercâmbio dançando loucamente no centro. Um copo e meio de aguardente depois, Spencer e Zach ainda estavam jogando Ela não é quem ela parece. — Sean Ackard é um masturbador compulsivo —, Spencer disse, apontando. — Aquela mulher de Gucci da cabeça aos pés, compra todas as suas roupas de grife em Canal Street, em Nova York, — contrapôs Zach. — Celeste Richards adora o cheiro dos seus próprios peidos. — Spencer deu uma risadinha. — Essa nova garota finlandesa é realmente uma drag queen. — Zach lamentou. — Lori, Kendra, e Madison estão em orgias! — Spencer gritou, referindo-se as três solistas no canto. Ela estava rindo tanto que suas lágrimas corriam livremente pelo seu rosto, provavelmente espalhando sua mascara. Ela e Zach se aproximaram das escadas novamente, suas pernas se tocando, suas mãos se roçando muitas vezes, a cabeça pendendo ocasionalmente para um dos ombros.


Eventualmente, a festa começou a terminar, e todos começaram a ir para casa. Os dois procuraram Amelia e voltaram ao carro de Zach. Spencer pegou o controle do iPod de Zach e criticou St. Vincent, cantando "Actor Out of Work". Amélia sentou-se na parte de trás e fez cara feia. Zach parou no meio-fio dos Hastings e puxou o freio de emergência. Spencer virou para ele, um tanto triste que a noite estava acabando e nervosa porque este era o momento que ela esperou a noite inteira, o beijo de boa noite. Certamente Zach iria sair do carro e levá -la à sua porta, longe de sua irmã. — Você sabe, nunca pensamos numa aposta para o jogo de segredos —, disse Spencer em uma voz sedosa. — E eu acho que eu ganhei, eu definitivamente descobri mais segredos que você. Zach levantou uma sobrancelha. — Au contraire. Eu acho que mereço o prêmio. — Ele se inclinou para mais perto dela, e o coração de Spencer bateu forte. Amélia gemeu alto e se projetou para a frente do banco traseiro. — Será que vocês podem parar de paquerar? Vocês percebem que são um par romântico prestes a se tornarem meio-irmãos, certo? Se vocês namorarem é praticamente incesto. Zach se enrijeceu e se afastou de Spencer. — Quem disse alguma coisa sobre namorar? Ouch. Spencer deu a Amelia o pior olhar que pôde. Que maneira de estragar o momento. Quando ela se virou para Zach, ele a beijou educadamente na bochecha. — Ligue para mim. Podemos fazer um brunch no Country Club de Rosewood. Toneladas de pessoas têm segredos lá. — Uh, absolutamente —, disse Spencer, tentando não parecer desapontada. Ela caminhou até a porta da frente, evitando as manchas de neve e gelo na calçada. Como ela se atrapalhou com as chaves, o celular soou. Ela puxou-o para fora, esperando que fosse uma mensagem de texto de Zach. Mal posso esperar para vê-la, sem minha irmã na próxima, talvez. Ou, melhor ainda, eu queria beijá-la. Espero que eu possa em breve. Mas foi uma mensagem de um remetente anônimo. A aguardente imediatamente drenada da cabeça de Spencer, deixando-a instantaneamente sóbria. Ela olhou em volta, procurando dois olhos espiando por entre os arbustos, uma figura em movimento através das árvores. Mas não havia nada. Ela respirou fundo e apertou LER. Hey Spence. Todo mundo tem segredos, na verdade. E adivinha o quê? Eu sei o seu. –A


14 MELHORES AMIGAS PARA SEMPRE

Na quarta-feira à tarde Emily, ficou na frente do refeitório. Como de costume, todos os lugares do café estavam ocupados. Naomi Zeigler, Riley Wolfe e Kate Randall estavam no lugar sob o pôster italiano La Dolce Vita. Kirsten Cullen e Amanda Williamson estavam no balcão discutindo sobre qual cupcake elas iam dividir. Os estudantes lotaram o corredor rumo ao almoço ou a suas próximas aulas. Primeiro Emily viu Hanna em meio a multidão, ela tinha um sorriso no rosto distante, aparentemente alheio às pessoas ao seu redor. Quase ao mesmo tempo, Spencer apareceu no corredor falando alto com Scott Chin, um dos coeditores do anuário. — Foi maravilhosa a festa dos Kahns noite passada, não foi? — ela disse. E em seguida, quando Emily pensava sobre ela, Aria desfilava de braços dados com a aluna intercambista da Finlândia que estava vivendo com Noel Kahn. Nenhuma delas olhou para Emily. O recado de A na caixa de correios de Ali parecia a quilômetros de distância de seus pensamentos. Porque Emily não podia esquecer também? — Ei, Emily! — Chloe surgiu detrás do aglomerado de alunos. — Ei! — Emily acenou. Chloe correu a seu encontro e Emily sentiu uma onda feliz. Este era o seu primeiro almoço juntas, mas desde que Emily tinha visitado Chloe na segunda-feira, elas haviam se tornado amigas no Facebook, cada uma havia comentado os posts da outra e na noite passada elas haviam conversado pelo bate-papo antes de irem dormir, fofocaram sobre as pessoas das suas salas, professores que deveriam evitar e o rumor de longa data sobre como o almoxarifado era o lugar para os casais terem relações sexuais. Chloe olhou Emily de cima para baixo com um sorriso no rosto. — Agora, onde eu vi essa roupa antes? — ela apontou para a saia xadrez do uniforme de Rosewood de Emily e sua blusa branca e em seguida apalpou seu blazer azul idêntico — É tão bizarro ir para um escola que impõe que usemos uniformes, nós parecemos como membros de uma seita. — Eu sofro com eles há doze anos — Emily gemeu. Então ela se virou em direção ao refeitório. — Você está pronta? Chloe assentiu com a cabeça, e Emily seguiu a multidão de crianças na cafeteria, que foi rapidamente se enchendo de estudantes. Enquanto caminhavam através das linhas de alimentos, Emily fez um breve comentário. — O sushi é bom, mas eles não tem o frango teriyaki, tem algo enlatado nele. — OK. Emily selecionou uma salada Caesar e um pacote de biscoitos e os colocou em sua bandeja. — As massas são boas, mas por alguma razão só as crianças da banda e da orquestra comem massas, e ninguém mais. — E os biscoitos moles? — Chloe apontou para a prateleira de biscoitos. — Biscoitos são bons — Emily disse vagamente. Na verdade, o grande e macio biscoito costumava ser o preferido de Ali para a hora do almoço na sétima série.


Depois que se tornou parte da turma de Ali, Emily, Aria e Spencer comiam os biscoitos também, e muitas outras meninas da classe a copiaram também. Um cheiro de queimado veio da cozinha, lembrando Emily do fogo em Poconos. Mesmo que as chamas tinham alcançado o topo das árvores, mesmo que a perícia tenha garantido que não havia nenhuma maneira de Ali ter sobrevivido a explosão, Emily ainda tinha um sentimento horrível de que Ali tinha fugido. A noite, após o ocorrido, ela teve um sonho que encontrara Ali na floresta, além da cabana de seus pais, coberta de queimaduras, Ali abrira os olhos e olhou diretamente para ela. — Você cavou sua própria cova, Emily — disse ela rindo chegando em Emily. — Você vem? — Chloe chamou, olhando para Emily curiosa. Emily olhou para baixo. Ela parou na fila do restaurante perdida em seus pensamentos. — Claro — disse ela correndo através da fila. Elas encontraram um lugar junto à janela. A neve branca havia coberto os campos da escola. Chloe pegou o telefone e o empurrou para Emily. — Olhe para esta foto da Grace. Minha mãe me mandou esta manhã. Na tela havia uma foto de Grace com Cheerios sobre todo o rosto. — Adorável — Emily balbuciou — você deve querer mordê-la todos os dias. — Eu mordo — Chloe sorriu — ela é tão gorduchinha e bonita. É tão divertido ter uma irmãzinha. — Ela foi... planejada? — Emily perguntou, se surpreendendo com si mesma. Ela apertou os olhos. — Me desculpe, isso foi uma pergunta muito intrometida. — Ah, todo mundo pergunta isso — Chloe deu uma mordida no biscoito — ela foi e não foi. Meus pais sempre queriam que eu tivesse um irmão, mas foi muito difícil para eles engravidar novamente. Quando Grace veio, os dois estavam atordoados. Ela salvou meus pais de... eles estavam tendo problemas antes. Agora tudo está perfeito. — Oh — Emily fingiu estar fascinada com um pedaço de frango em sua salada, não querendo fazer contato visual — Quais eram as coisas que seus pais tinham antes da Grace? — As mesmas coisas de sempre — Chloe enfiou uma palha em sua lata de cerveja de gengibre — atritos, rumores de infidelidade. Minha mãe é um pouco escandalosa, então eu ouvi muito mais do que deveria ter escutado. — Mas está tudo bem agora? — o pouco que Emily tinha comido de Salada pareciam chumbo em seu estômago, o aperto do quadril do Sr. Roland não saia de sua cabeça. — Parece que sim. Uma figura pairava sobre elas, Emily olhou para cima, Ben, seu antigo namorado da natação ria delas. — Ei Emily, quem é sua amiga? Chloe sorriu inocentemente. — Chloe Roland, eu sou da Carolina do Norte. Ela estendeu a mão, e Bem a sacudiu com força. Seu melhor amigo Seth Cardiff esgueirou-se atrás dele e começou a achar graça. — Vocês garotas parecem muito acolhedoras e familiares — Ben brincou. — Eu vou votar em vocês como melhor casal — Seth brincou. — Muito engraçado — Emily disse — Deixe-nos em paz. Bem olhou para Chloe. — Você sabe sobre ela certo? Você sabe que ela é disso? — Ele fez um movimento de sexo com seus quadris. — Vá embora — disse Emily rangendo os dentes. Os dois meninos deram risada e se afastaram. Emily olhou para fora da janela com o coração em fúria batendo em seus ouvidos. — O que foi aquilo? — Chloe perguntou. — Ele é meu ex — Emily disse sem rodeios — Ele nunca me perdoou por algo. — O quê? Emily se virou e viu como Ben e Seth empurravam um ao outro fora do refeitório. Ela não queria contar para Chloe sobre seu passado tão cedo, mas não havia outra maneira de contornar isso.


— Eu terminei com ele no ano passado para sair com uma garota. Uma expressão de surpresa passou pelo rosto de Chloe, mas logo desapareceu. — Nossa, aposto que foi um grande golpe para a sua masculinidade, hein? — Uh, sim, ele me atormentava há meses. Emily olhou de canto de olho para Chloe, surpresa com a reação temperada dela. Era tão bom que alguém não estava pirando. — Você não acha estranho eu ter namorado uma garota? — Ei, se isso te faz sentir bem, então faça — Chloe deu uma última mordida em seu biscoito — esse é o meu lema. Então, quem era essa garota especial? Emily pensou em Maya St. Germain, sua paixão do ano passado e sorriu. — Ela era na época, ela realmente me ajudou a me descobrir, o que eu queria e o que eu não queria. Mas nós não nos falamos muito agora, ela está saindo com outra pessoa, uma estudante do segundo ano. Ela não era o amor da minha vida ou outra coisa. Isso é claro era Ali, a sua Ali. Não é loucura ela ainda gostar de uma pessoa morta? A sua Ali ainda tinha tanta influencia sobre ela. E quando “Courtney” voltou, e confessou a Emily que ela era a sua verdadeira amiga e beijou apaixonadamente Emily nos lábios, Emily havia se sentido no céu. Agora mesmo sabendo que logicamente a sua Ali havia morrido na noite do pijama da sétima série, ela ainda desejava que a menina retornasse mais uma vez. Isso a fazia pensar naquela primeira noite fatídica na Jamaica. Quando Emily estava em seu caminho de volta do banheiro depois de mais uma sessão de vômito, uma mão pegou em seu braço. — Ei — A garota disse com uma voz brilhante e familiar. Emily olhou. Era a menina que ela havia visto anteriormente, que ela achava que era Ali. — O-oi? — Eu sou Tabitha — a menina estendeu a mão coberta de cicatrizes — eu vi você me olhando do outro lado da sala. Você frequenta a minha escola? — Eu acho que não — Emily respondeu. Ela não conseguia parar de olhar. Tabitha parecia Ali ou não? — Quer tirar uma foto? — Tabitha inclinou a cabeça — Ela vai durar mais tempo. — Desculpe, é que eu sinto que te conheço de algum lugar — Emily desviou o olhar para longe. — Talvez conheça — Tabitha piscou — Talvez já nos conhecemos de outra vida. Uma música da Ke$ha começou a tocar, os olhos de Tabitha se iluminaram. — Eu amo Ke$ha — exclamou ela agarrando a mão de Emily bem forte – Dance comigo! Dançar com ela? Uma coisa era a menina lembrar Ali, mas agora ela estava agindo como ela. Ainda assim, Emily não podia resistir. Se sentindo hipnotizada, ela deixou Tabitha a levar para a pista de dança e girar ao seu redor. No meio da canção, Tabitha estendeu seu braço e tirou uma foto de ambas com seu telefone. Ela prometeu enviá-la para Emily mais tarde, mas ela nunca o fez. Um feixe de palha ricocheteou o nariz de Emily. Chloe deu uma risadinha do outro lado da mesa. — Gotcha, cadete do espaço! Foi o suficiente para tirar Emily de seus pensamentos. — É isso aí — ela pegou sua própria palha e a tirou da embalagem — você está indo para baixo. Ela soprou a embalagem no ouvido de Chloe, e Chloe retaliou lançando seu guardanapo no ombro de Emily. Emily atirou um crouton em Chloe, e Chloe atirou um M&M que ricocheteou na testa de Emily e desapareceu em baixo da camisa de Imogem Smith. Imogen se virou e olhou com raiva. James Freed que estava em uma mesa próxima sorriu. — Eu vou procurá-lo, Imogen.


Imogen tinha um dos maiores seios da sala. A monitora do refeitório, uma mulher mais velha com o nome de Mary, se aproximou da mesa de Emily e Chloe: — Não joguem comida! Será que eu vou ter que separar vocês duas? Seus óculos balançavam em uma corrente em volta do pescoço. Ela usava uma camiseta com gatinhos na frente. — Desculpe — Emily murmurou. Em seguida, ela e Chloe se entreolharam e explodiram em risos. Isso lembrou Emily de um sentimento que ela teve há muito tempo atrás, quando ela, Ali e as outras costumavam rir dessa mesma forma no refeitório. De repente, ela percebeu que aquele sentimento era... felicidade.


15 HANNA MARIN, UM EXEMPLO A SER SEGUIDO

— Ok, todos, por favor encontrem seus lugares! — Jeremiah gritou do fundo da sala da sede da campanha do Sr. Marin, um grande escritório em um prédio de luxo que também abrigava cirurgiões plásticos, uma empresa de design de interiores, e muitos consultórios de psiquiatras. Seus óculos estavam tortos, e havia olheiras sob seus olhos. O que Jeremiah precisava, pensou Hanna, era de um longo dia no spa. Hanna tentou não ser empurrada pelos funcionários, consultores e líderes de grupos preenchendo a sala. Era noite de quarta-feira, e eles estavam aqui reunidos para assistir o resultado final do comercial de seu pai. O elevador soou e Isabel e Kate entraram, ambas com sorrisos largos e cabelos brilhosos. Isabel parecia laranja e ridícula como de costume, mas Kate estava moderna e bonita em um vestido coral Rachel Pally e sapato de saltos de plataforma Kate Spade. Assim que viu Hanna, ela lançou um dissimulado sorriso satisfeito. — Ei, Hanna! Animada para ver o resultado final? Hanna revirou os olhos para Kate e seu presumido entusiasmo. Sim, Kate estava prestes a ser a estrela de um comercial político. A alguns dias atrás isso poderia ter incomodado Hanna, mas não mais. — Claro. — Hanna puxou o lenço de seda Love Quotes que ela tinha comprado esta tarde em Otter, sua loja favorita, ao redor de seus ombros. Todas as modelos em Full Frontal Fashion usavam esse tipo de lenços. - Qualquer publicidade é boa para minha carreira de modelo. O sorriso de Kate desapareceu. — Que carreira de modelo? — Oh, você não sabia? Um fotógrafo me descobriu na gravação do meu pai. — disse Hanna despreocupadamente, como se isso fosse uma ocorrência comum. — Fizemos umas fotos em Philly. Foi incrível. Ele vai enviar meu livro fotográfico para um agente em Nova York. Os olhos de Kate iam de um lado ao outro, suas bochechas estavam avermelhadas. Parecia que ela estava prestes a explodir. — Oh — disse ela, finalmente, sua voz soando forçada. — Bem, boa sorte com isso — Então ela se afastou, seus ombros estavam rígidos, seu traseiro apertado. Ponto. O pai de Hanna apareceu através das portas, e todos aplaudiram. Ele caminhou até a frente da sala e acenou com as mãos para pedir silencio. — Obrigado a todos por terem vindo! Eu não posso esperar para você ver o comercial. Mas, primeiro, deixe-me apresentar algumas pessoas que ajudaram a fazer isso acontecer... Então ele começou a dizer o nome de cerca de cinqüenta bilhões de pessoas, desde o editor de vídeo, até a senhora que limpou o escritório. Hanna olhou em volta, esperando encontrar Patrick alí, mas Sergio era o único representante da sessão de fotos. Sua paixão por Patrick tinha florescido nas últimas vinte e quatro horas.


Ela enviou várias mensagens durante as aulas, e ele respondeu imediatamente, dizendo que suas fotos eram tão bonitas quanto ela. Ela teve visões dos dois conquistando Nova York, o fotógrafo de modas e sua namorada supermodelo. Então o pai de Hanna agradeceu a Jeremiah, que se inclinou humildemente. Deu uma olhada de agradecimento-por-confiar-em-mim para Isabel. Isabel sorriu agradecida, com os olhos molhados de lágrimas. Hanna podia ver marcas visíveis da calcinha através de sua saia. As luzes se apagaram, e a televisão apareceu. O Sr. Marin estava na frente do tribunal de Rosewood, em seu terno azul, camisa vermelha e branca, e gravata listrada e na lapela tinha uma pequena bandeira americana fixada. Havia fotos dele falando com os cidadãos, acenando com as mãos freneticamente, inspecionando um canteiro de obras, e falando para uma sala de aula de crianças sobre os perigos do álcool. Uma orquestra inspiradora soava ao fundo, e um locutor insistia que Tom Marin era a escolha certa para Pensilvânia. Ha, ha, ha. Em seguida estava a cena da família em frente da bandeira tremulando. Hanna avançou para a frente em sua cadeira, surpresa ao ver sua própria imagem na tela. A câmera até mesmo permaneceu nela por um momento. Será que alguém cometeu um erro? Esse era o corte final? A câmera mudou para Kate, que falou suas falas excessivamente alto e diretamente, como se fosse a juramentista do recital do Juramento de Fidelidade. O rosto de Hanna apareceu na tela, mais uma vez, olhando para ela. — Nós todos merecemos uma vida melhor — a Hanna na tela disse, olhando diretamente para a lente, seus olhos brilhando, a covinha na bochecha esquerda proeminente. Ela parecia natural e equilibrada. Ela não tinha um queixo duplo. Seus dentes não estavam tortos. Seu cabelo era de um lindo tom acobreado, e não marrom cocô. Várias pessoas na platéia se viraram e lhe deram grandes sorrisos. O comercial terminou com um logotipo de Tom Marin aparecendo na tela. Quando a televisão ficou escura, todos aplaudiram. Várias pessoas levantaram e deram tapinhas de reconhecimento nas costas de seus pai. A rolha de champanhe estalou, e um dos assessores do pai de Hanna começou a encher os copos. O resto dos assessores se afastaram e começaram a digitar em seus BlackBerrys. — Surpresa, Hanna? Hanna saltou e olhou para cima. Jeremiah havia se aproximado e agora estava olhando para ela. — Sim, mas de uma boa forma. — admitiu ela. — Bem, não foi uma decisão minha. — disse Jeremiah presunçosamente. —Vamos apenas dizer que perdi a votação. Duas mulheres que Hanna não reconheceu se colocaram a seu lado e tocaram os braços de Hanna. Ambas usavam terninhos com saia e saltos altos. — Aí está você! — Uma delas se aproximou muito de Hanna, o hálito cheirando a Tic Tac de canela. — Hanna, eu sou Pauline Weiss da Consultoría Weiss. — E eu sou Tricia McLean de Wright Focus Groups. É um prazer te conhecer. — A outra mulher empurrou um cartão de visita na mão de Hanna. — O-oi? — Hanna olhou para as duas, sentindo-se sobrecarregada. — Nós somos do grupo de discussão. — explicou Pauline. Ela tinha dentes grandes e uma extranha verruga na bochecha. — E eles te amaram! Você foi uma grande influência para os possiveis eleitores de Tom! — Você estava natural — Tricia continuou. Ela era, pelo menos, seis centímetros mais baixa do que Pauline e com forma de bola de boliche. — Você trabalhou para a televisão antes? Hanna piscou. — Hum, um pouco. — Será que os microfones enfiados em seu rosto durante o julgamento do assassinato de Ian contavam? E os repórteres que acampavam na frente de sua casa quando a imprensa tinha considerado Hanna e suas amigas como as Pequenas Mentirosas? — O público te reconheceu da People — disse Tricia. — Você chamou a atenção de imediato, o que é ótimo para um candidato. — Todo mundo simpatiza com o que você passou no ano passado, Hanna! —Pauline exclamou — Você atrairá o voto emocional. Hanna olhou para as duas consultoras.


— Mas e quanto aos meus... erros? — ela perguntou, olhando para Jeremiah, que estava atrás delas, espionando. — As pessoas diziam que isso dá mais o que falar de você. — Tricia fez uma pausa para checar sua prancheta de anotações. Ela leu de uma folha de papel. — Todos temos incidentes em nosso passado de que não nos orgulhamos, e o objetivo é aprender com esses erros e se tornar pessoas melhores. — O público pensa que você está arrependida e é humilde, — Pauline acrescentou. — Funciona perfeitamente bem com a campanha de seu pai contra adolescentes que bebem. Você é o exemplo do que não fazer. Nós estávamos mesmo pensando que você poderia participar da campanha! Whoa. Hanna afundou em sua cadeira. Um exemplo? Participar da campanha? Estavam falando sério? O pai de Hanna apareceu por trás delas. — Eu acho que te deram a notícia. — Ele envolveu seu braços em volta dos ombros de Hanna, e vários flashes dispararam. — É incrível, hein? Parece que você é o que faltava para minha equipe! Ele sacudiu os ombros de Hanna novamente. Hanna sorriu loucamente, sentindo como se estivesse tendo uma experiência sobrenatural. Ele estava realmente dizendo essas coisas para ela? Ele estava agradecido por ela ser sua filha? — Uh, pai? — Kate estava parada timidamente atrás das senhoras do grupo de discussão. — E quanto as minhas falas? Será que falaram alguma coisa sobre mim? Pauline e Tricia sorriram. — Ah. Sim. Elas olharam uma para a outra nervosamente. Finalmente, Tricia falou. — Bem, as pessoas pensaram que você estava um pouco... rígida. Pouco sincera, querida. — Com um treinador você pode aprender a se sentir mais confortável na frente da câmera — Pauline acrescentou. — Mas me sinto confortável na frente da câmera! — Kate falou. — Não estou, pai? Todos morderam nervosamente os lábios e desviaram os olhos, incluindo o pai de Hanna. — Por que alguém gosta dela? — Kate apontou o dedo para Hanna. — Ela roubou o carro de alguém! Ela foi acusada de matar sua melhor amiga! — Sim, mas ela não matou sua melhor amiga. — O pai de Hanna disse em uma voz brava que Hanna nunca tinha ouvido ele usar com Kate. — Não há nada de errado com precisar de um treinador, querida. Tenho certeza que depois de algum treino você vai estar perfeita. Eram deliciosas essas palavras. Kate fechou sua boca e se afastou, seus cabelos voando. Hanna estava prestes a gritar de exultação. Como ela poderia resistir? Quando seu celular tocou. Ela deu um sorriso para as mulheres do grupo de discussão. — Me desculpe. Ela saiu da sala de conferência até o escritório de seu pai, que continha uma mesa de madeira maciça, uma caixa cinza cheia de anotações, adesivos de campanha, e panfletos. Talvez a mensagem fosse de Patrick, dizendo que seu livro fotográfico estava pronto. Ou talvez fosse de seu público adorado, dizendo o quanto a amavam. Mas em vez disso, a mensagem era de alguém anônimo. O sangue de Hanna se transformou em gelo. Não. Isso não poderia estar começando de novo. Não agora. O que acontece na Jamaica fica na Jamaica? Acho que não. O que papai dirá sobre isso? –A


16 QUE DUENDE BONITINHA ARIA É!

— Bem-vindas ao Rocky Mountain High! — disse um cara alto e magro em um suéter de lã azul e jeans largos olhando para Aria e Klaudia, desfilando através da falsa decoração de neve da loja de esqui de portas duplas. — Existe algo em que eu possa ajudar? — Nós estamos bem — disse Aria, passando por prateleiras e mais prateleiras cheias de casacos. Era quinta-feira depois da escola, e Aria e Klaudia foram fazer compras para a viagem de esqui com os Kahn em Nova York neste fim de semana. Mas agora que ela estava dentro da loja, que estava decorada com pôsteres de esquiadores e snowboarders ziguezagueando, deixando um rastro de poeira e virando descontroladamente no ar. Ela se perguntou se isso era realmente uma boa idéia. Honestamente, Aria sempre achou a aventura de esquiar... sem sentido. Você sobe até o topo de uma colina grande, desliza a uma velocidade que pode ser mortal, e depois faz de novo. E, oh sim, a temperatura está abaixo de zero. — Tem certeza de que não precisa de ajuda? — O vendedor perguntou, seus olhos fixos em Klaudia. Hoje, ela usava um mini vestido rosa, meias cinzas e botas de pelúcia que de alguma forma faziam suas pernas parecerem bem torneadas e longas. Esses tipos de botas sempre faziam as pernas de Aria parecerem troncos de árvores. Klaudia olhou por cima de seu iPhone, e bateu os cílios para o rapaz de vendas. — Oh! Eu sei como você pode ajudar. Há uma jaqueta nos fundos à espera de Klaudia Huusko. Você pode ir buscar? — Klaudia Huusko? — O cara repetiu. — É você? De onde você é? Klaudia sorriu para ele. — Se você trazer a jaqueta, eu digo. O cara concordou, deu meia volta, e foi direto para os fundos da loja. Aria olhou para Klaudia. — Você realmente pediu uma jaqueta? — Não — Klaudia riu — Mas agora ele nos deixará em paz! Ele estará rodando lá por horas! — Brilhante — Aria deu a Klaudia um aperto de mão. — Ok — Klaudia endireitou os ombros e dirigiu Aria para o fundo da loja. Rapidamente selecionou uma jaqueta roxa cheia de penas, sapato e calça de esqui pretos, combinando com luvas de esqui acolchoadas, um pacote de meias grossas Wigwam e óculos laranja com uma armação grossa. Rindo, ela colocou os óculos de proteção sobre os olhos de Aria, então escolheu um óculos azul para ela. — Sexy, ja? Aria olhou para seu reflexo no espelho. Ela parecia um besouro. — Ja — ela concordou. Então ela viu uma prateleira de chapéus de bobo da corte usado apenas pelos nerds da banda ou do teatro de Rosewood Day. — Esses são mais sexys. — Oh, ja. — Klaudia disse. Elas foram até a prateleira de chapéus, provando cada um e fazendo poses sensuais na frente do espelho. Cada chapéu de bobo da corte, luxuosas coroas de rei e casacos enormes uns pior que os outros. — Sorria! — Klaudia exclamou, usando seu


iPhone para tirar uma foto de Aria em uma touca de lã e um capuz laranja que a fazia parecer como um ladrão. — Olha o passarinho! — Aria tirou uma foto com seu próprio telefone quando Klaudia colocou um chapéu de lã com orelhas de urso. Surpreendentemente, até isso a fazia parecer bonita. Elas tiraram mais e mais chapéus de fora das prateleiras, tirando fotos com meias longas em suas mãos, em botas de cordões que pareciam que poderiam combater a tundra congelada, e em chapéus de caçador que caiam sobre seus olhos. Então, Klaudia apontou para algo em um cabide. — Prove isso. Noel vai gostar. Era uma roupa de neve, amarelo neon com uma bunda acolchoada. Aria franziu a testa. — Noel vai gostar disso? Isso vai me fazer parecer uma banana enorme! — Ele vai pensar que você é um coelhinho! — Klaudia insistiu. — Mas é... amarelo. — Aria murmurou. — Isso os unirá como casal! — As sobrancelhas de Klaudia fizeram um severo V. — O que vocês tem em comum? Porque não fazem a mesma coisa? Os cabelos da parte de trás do pescoço de Aria se arepiaram. — Noel te disse isso? Uma imagem dos dois sentados em algum canto da casa dos Kahn, trocando histórias sobre relacionamentos pairava em sua mente. Talvez Noel confessou que ele e Aria eram um pouco incompatíveis. Talvez ele até mesmo disse que Aria era esquisita, a palavra que Ali sempre utilizava quando ela dizia que Noel nunca seria de Aria nem em um milhão de anos. Ou talvés Noel disse para Klaudia que Aria ainda não tinha dormido com ele? Será que ele contaria uma coisa dessas? — Ele não me disse nada — Klaudia afastou seu cabelo loiro platinado por trás das orelhas — Eu apenas estou tentando ajudar o que eu vejo! Igual o Dr. Phil! Aria olhou para um par de raquetes de neve desiguais na parede. Klaudia estava sorrindo tão verdadeiramente, como se ela realmente pensasse que estava dando um bom conselho. Talvez fosse. Aria e Noel eram muito diferentes. Ela assistia seus jogos de lacrosse, mas sempre prestava atenção à metade do jogo. Ela nunca quis assistir o último filme de Jason Statham com ele, e às vezes ela achava suas intermináveis festas de meus-pais-estão-fora-dacidade, tediosas. Noel se esforçou mais por Aria: Ele foi a leituras de poesia com ela, mesmo achando intoleráveis. Levou Aria a seus restaurantes etnicos favoritos, embora ele geralmente pedisse itens do menu mais intimamente relacionado com um hambúrguer ou nuggets de frango. Ele até mesmo apoiou a decisão de Aria pela Escola de Arte de Rhode Island em vez de Duke, onde ele já tinha conseguido uma bolsa de lacrosse. Talvez Aria não tivesse feito o suficiente. Talvez ela não tivesse sido uma boa namorada. O incidente na Islândia passou pela sua mente de novo, e ela fechou os olhos. — Ok — Aria consentiu, pegando a roupa em seus braços. — Eu vou experimentar. Mas, se fazer minha bunda parecer enorme, eu não vou comprar. — Incrível! — exclamou Klaudia. Então os olhos de Klaudia se arregalaram em algo do outro lado da loja. — Já volto, — ela murmurou, migrando em direção a um longo casaco preto com um capuz de pele que parecia quase idêntico ao que ela usava. Aria virou-se para o vestiário, então notou um iPhone equilibrado no cabide. Tinha uma grande bandeira finlandesa. — Klaudia? — Aria chamou. O celular tinha que ser dela. Mas Klaudia estava muito ocupada tentando encontrar o casaco de seu tamanho. Aria pegou o celular. Ele fez um som tilintante, assustando-a. Ela cobriu a tela para que o som parasse. Um balão de texto de Tanja, amiga de Klaudia, apareceu. A mensagem era em finlandês, mas Aria reconheceu seu nome na mensagem anterior de Klaudia. Huh. Ela olhou ao redor da loja. Klaudia tinha provado um dos casacos e estava se inspecionando no espelho. Ela olhou para o celular de Klaudia. Parecia pesado em suas mãos. Ela devia apenas desligá-lo. Amigos não leem mensagens de outros amigos.


Mas, enquanto entrava no provador, o nome dela na tela a assombrava. O que Klaudia e sua amiga estavam dizendo sobre ela? Era bom ou ruim? Apenas uma olhadinha, ela decidiu. Ela moveu seu dedo no iPhone para desbloquear. O segmento de mensagens entre Klaudia e Tanja apareceram, blocos e blocos de palavras com acentos e hifens. Aria examinou rapidamente o finlandês, ao ver o nome de Noel. Então, Noel novamente. E então, novamente. Mas talvez isso fosse natural, eles estavam vivendo sob o mesmo teto. Talvez Aria escrevesse sobre seu hóspede de intercâmbio, também. Finalmente, ela encontrou seu nome na parte inferior. Aria on peikko, Klaudia escreveu. Peikko? Aria soou em sua boca, PEE-ko. Soava tão bonito, como um personagem da Disney. O que poderia significar? Alegre? Travessa? Melhor amiga para sempre? Empolgada, ela anotou em um caderno que ela guardava dentro de sua bolsa. Depois de um momento, ela decidiu copiar as frases que Klaudia e Tanja falavam sobre Noel, também. Talvez Klaudia tinha escrito sobre um dos hábitos bonitinhos e um pouco embaraçosos de Noel que Aria já conhecia. Poderia ser algo que ela e Klaudia poderiam rir juntas. Ei, eu acidentalmente vi sua mensagem sobre Noel. Não é uma loucura que ele assista toda tarde iCarly? — Aria? Era Klaudia. Aria olhou pela fresta da porta do provador e viu ela de pé a poucos metros de distância. — Uh, ei — disse Aria. O iPhone parecia como uma granada em suas mãos. Ela rapidamente apertou o botão da tela inicial, abriu a porta do provador, e empurrou o celular par a fora. — Achei isso no chão. Eu não queria que alguém pisasse nele. — Oh — Klaudia olhou confusamente para Aria, mas logo deu de ombros e colocou-o no bolso. — Você já provou a roupa de esqui? — Apenas vou experimentar — Aria fechou a porta novamente. Ela olhou para seu reflexo, esperando que a culpa não estivesse escrita em seu rosto, mas ela parecia como sempre: cabelos pretos ondulados, olhos azul-gelo, e queixo pontudo. A vontade de descobrir o que significava peikko pulsava dentro dela. Talvez Klaudia pudesse ensinar finlandês e as duas poderiam usar como um código secreto contra os Típicos Rosewood. Ela pegou seu celular em sua bolsa e copiou os textos em finlandês no Babel Fish. A pequena roda girava lentamente, processando os resultados. Quando uma nova página apareceu, Aria ficou boquiaberta. Noel merece algo melhor, dizia a tradução da mensagem de Klaudia. Ele é um americano tão quente e sexy, e precisa de uma garota de verdade. Como você? Tanja escreveu. Klaudia respondeu com um emotion piscando. O estômago de Aria borbulhava. Ela não tinha lido isso. Babel Fish tinha cometido um erro. Engolindo em seco, ela digitou Aria on peikko. A página carregava mais lentamente dessa vez. — Aria? — A voz de Klaudia soou do outro lado do provador — Ficou bom? A super roupa de coelhinho? — Hum... — Aria olhou freneticamente a roupa pendurada no gancho no canto. Era tão amarela que quase a cegou. Por que Klaudia escolheu isso para ela? Porque Noel apreciaria o esforço... ou porque a fazia parecer como um Pé-grande amarelo neon? Porque ele era um garoto americano super quente e precisava de uma namorada adequada, não uma artista esquisita e que odiava esqui? Não pense assim, ela disse a si mesma. Klaudia tinha sido legal. Tinha que haver outra explicação. Mas, então, a última página traduzida apareceu. Aria leu a linha lentamente, sua boca se secou completamente. Aria é uma... duende. As mãos de Aria agarraram seu celular. Aria on peikko significava Aria é uma duende. — Está tudo bem? — Klaudia chamava do lado de fora, sua voz ainda amigável e alegre.


Aria passou as mãos ao longo do rosto e olhou para seu celular novamente. De repente, ele emitiu um som, quase fazendo-a cair. NOVA MENSAGEM DE TEXTO ANÔNIMA , dizia na tela. A tontura se apoderou dela. Por favor, não, Aria pensava. Mas quando ela leu a mensagem, ela viu que era exatamente o que ela temia. Cuidado, Aria. Acho que você tem alguma concorrência. Ambas sabemos que Noel tem uma queda por loiras, afinal. Mwah! -A


17 DANCE COMO SE NINGUÉM ASSISTISSE

— Ali tem uma! — Spencer gritou, apontando para um espaço vazio ao lado de Walnut Street, no centro da Filadélfia. Zach assentiu com a cabeça, arrancou o volante do seu Mercedes para a direita, e parou ordenadamente atrás de um Ford Explorer amassado. — Eu sou um gênio estacionando ou não? — O melhor —, disse Spencer. Ela espiou Zach com o canto do olho. Hoje à noite, ele estava usando jeans escuros, uma camisa listrada Paul Smith, sapatos brilhantes e um par de óculos de aviador na cabeça. Usava uma colônia amadeirada, e havia penteado os cabelos para que ela pudesse ver todos os ângulos do seu rosto de ossatura fina. Cada momento passado com Zach o deixava mais e mais bonito para Spencer. E esta noite ela o tinha todo para si. Era quinta-feira, uma noite de escola, mas Zach esgueirou-se para o Club Shampoo em Philly para ver seu DJ favorito e perguntou se Spencer queria ir junto. Quando ele a pegou mais cedo naquela noite, ela ficou emocionada ao ver que Amélia não estava olhando para ela a partir do assento da frente. — Ela tinha aula de flauta —, disse Zach assim que Spencer abriu a porta, como se estivesse lendo sua mente. — Somos livres! Um baixo pulsando agrediu os ouvidos de Spencer, logo que ela saiu do carro. Ela ajeitou o vestido preto justo, girou o tornozelo nos saltos Elizabeth e James que ela havia roubado do armário de Melissa anos atrás, e seguiu Zach em direção ao grupo de pessoas esperando atrás de cordas de veludo na porta. Quando ela atravessou a rua da cidade escorregadia com a chuva para unir-se ao grupo, seu telefone celular tocou. Ela puxou-o para fora de sua bolsa de lantejoulas e olhou para a tela. Aria: Acabei de receber uma mensagem de A. E você? As palavras enfiaram uma faca no peito de Spencer. Ela deveria ter dito às outras sobre a mensagem? Eu não estou prestando atenção em A, digitou Spencer. Nem você deveria. Aria respondeu imediatamente. E se A sabe? Um carro tocou a buzina, quase atropelando Spencer. Ela pulou fora, ainda olhando para seu telefone. Deveria responder? Deveria se preocupar? Ou era exatamente o que A queria? — Spencer? Quando ela olhou para cima, Zach estava em pé na frente da porta. O segurança tinha soltado a corda e abriu a porta para ele. — Estou indo! — Spencer colocou o telefone de volta em sua bolsa. Ela não conseguia lidar com A agora.


A música vibrava nos ouvidos de Spencer enquanto ela entrava no espaço escuro e industrial. Contornos vagos de corpos estavam no bar e giravam sobre a pista de dança, iluminados por luzes de néon piscando e lâmpadas redondas balançando. Zach estava certo sobre quinta-feira ser a noite para sair. Shampoo estava lotado, o ar úmido e suado. Quatro bartenders trabalhavam de forma eficiente, servindo bebidas tão rapidamente que quase não olhavam para o que estavam fazendo. Lindas garotas viravam-se para sorrir para Zach, mas Zach nem sequer as notava. Seus olhos estavam diretamente sobre Spencer. Ela se sentia desmaiando. — Dois mojitos —, disse Zach a um barman, usando a entonação adequada do espanhol. Seus drinques chegaram rapidamente e eles encontraram uma mesa no canto. A música estava muito alta para conversarem então, por enquanto, Spencer e Zach apenas sentaram observando a multidão. Mais meninas olharam Zach enquanto passavam, mas Zach agiu como se não existissem. Spencer perguntou-se se todos achavam que os dois eram namorados. Talvez eles fossem depois desta noite. Por fim, Zach inclinou-se tão perto de Spencer que seus lábios quase tocaram sua testa. — Obrigado por ter vindo comigo esta noite. Eu precisava respirar, meu pai tem sido implacável recentemente. Spencer tomou um gole de mojito. — Ele é tão ruim assim? Um dos ombros de Zach se levantou. Luzes brilharam em seu rosto. — Ele quer que sejamos pequenos clones dele, fazendo exatamente o que ele quer em todos os momentos. A coisa é, eu nunca serei como ele. Por tantas razões. — Esta última parte parecia murmurar mais para si mesmo do que para ela. — Seu pai parece intenso. — Spencer concordou, pensando em como o Sr. Pennythistle a havia interrogado sobre suas notas no restaurante. — Intenso não é nem metade do que ele é. Se eu não for para Harvard como ele quer, eu provavelmente vou ser deserdado. Eu tenho que falar com um cara chamado Douglas quando nós formos para Nova York neste fim de semana. Ele está na equipe de admissões de Harvard. Mas eu estou pensando em não ir. Spencer acenou com a cabeça, pegando sua referência de viajar para Nova York para o feriado prolongado. Ela e sua mãe estavam indo para Nova York, também, a Sra. Hastings e o Sr. Pennythistle iriam a um baile de gala oferecido por um dos amigos do Sr. Pennythistle. A ideia de passar vinte e quatro horas em Nova York com Zach soou deliciosa. — E a sua irmã? — Spencer saiu do caminho enquanto uma despedida de solteira, com balões de pênis e uma menina arrastando um longo véu, passava pelo espaço estreito. — Será que ela tem que ir para Harvard, também? Zach fez uma careta. — Meu pai é muito mais fácil com ela. Ela é recatada, quieta, sempre correta, pelo menos perto dele, ele a adora. Mas tudo que eu faço é errado. Spencer ficou olhando para o copo. Ela certamente poderia relacionar. — Essa é a maneira como as coisas costumavam ser com a minha família também. — Sim? Como? Spencer deu de ombros. — Qualquer coisa que eu fazia não era bom o suficiente. Eu ficava no elenco da peça da escola, mas Melissa era extra em um filme que está sendo filmado nas proximidades. Eu tiraria um A em um teste, Melissa receberia uma pontuação perfeita em seus SATs. Zach olhou para ela sob a luz fraca. — Vocês pareciam bem no jantar. — Estamos melhor agora, embora provavelmente nunca será perfeito. Nós somos muito diferentes. E precisamos atravessar a coisa de Alison DiLaurentis juntas para realmente mudar as coisas. Alison quase matou Melissa, também. Foi estranho proferir essas palavras tão sem rodeios e sem esforço em um lugar público. A admissão parecia ter sobressalto Zach também, porque ele tomou um gole grande de sua bebida e olhou para ela de maneira longa e difícil. — Eu não quero me intrometer sobre essas coisas da Alison, mas você está bem?


A porta do clube abriu, trazendo uma lufada de ar gelado. Os braços nus de Spencer ficaram arrepiados, mas não era inteiramente do frio. As mensagens de Aria voltaram a sua mente. — Eu estou bem —, disse ela calmamente. Mas quando ela olhou em torno do clube, uma lança de desespero rasgou através dela. Ela estava em um lugar como este quando a menina que Spencer pensava ser Courtney disse que era a verdadeira melhor amiga de Spencer há muito desaparecida. Então, a verdadeira Ali admitiu que soubesse há muito tempo que ela e Spencer eram, na verdade, meias-irmãs, mas ela nunca soube como dizer isso a Spencer enquanto eram amigas. Ali tinha feito tantas promessas. Vamos começar de novo. Eu vou ser a irmã que você sempre quis. Claro que Spencer tinha caído nelas. Ela ansiava por uma irmã que realmente se preocupasse com ela desde que ela conseguia se lembrar. Alguém com quem ela tinha algo em comum, alguém com quem iria partilhar segredos e divertir-se. Com Ali no ano passado, ela sentia como se tivesse ganhado o primeiro prêmio, até a verdadeira Ali revelar sua identidade e tentar matá-la. O desapego do sonho tinha sido difícil, a sua nuvem negra a tinha seguido por toda a parte. Doeu, mesmo quando ela via duas meninas que eram, obviamente, irmãs rindo juntas no bar ou alugando um caiaque de duas pessoas. Depois que ela compartilhou uma bebida com Tabitha no banheiro, ela voltou para sua mesa. Suas amigas tinham dispersado - Aria estava discutindo com Noel no bar, Hanna estava junto ao telescópio do outro lado do restaurante, e Emily estava longe da sua vista. Depois de um tempo, alguém bateu em seu braço, e ela se virou. Era Tabitha novamente. — Desculpe chateá-la, mas eu tenho que perguntar. — Tabitha se empoleirou no tampo da mesa. — Você não acha que somos parecidas? Spencer ficou olhando para ela, uma rusga de nervoso atravessava seu corpo. — Eu não acho. — Bem, eu acho. — Tabitha sorriu. — Eu acho que parecemos como irmãs há muito perdidas. Spencer ficou de pé tão rápido que a cadeira debaixo dela tombou. Tabitha permaneceu onde estava, um sorriso do gato Cheshire em seu rosto. Por que ela disse isso? Será que ela sabe? A história do caso de amor escandaloso da Sra. DiLaurentis com o Sr. Hastings foi algo que não tinha sido liberado para o público. Spencer não tinha certeza se a polícia sabia disso. O som de chocalho de uma coqueteleira assustou sua memória. Ela olhou ao redor. — Jesus —, ela sussurrou para si mesma. Não tinha jurado não pensar na Jamaica hoje à noite? O DJ colocou uma música eletrônica rápida e Spencer se levantou e agarrou a mão de Zach. — Vamos dançar. Zach levantou as sobrancelhas, olhando divertido. — Sim, senhora. A pista de dança estava cheia de corpos suados, mas Spencer não se importou. Ela levou Zach para o meio da pista e começou a balançar. Zach girava, também, fechando os olhos e sentindo a música com seu corpo. Diferente da maioria dos caras, que se moviam como o monstro de Frankenstein, Zach dançava como um profissional. Ele não ligou quando outros caras o empurraram, apenas deu de ombros e continuou. Ele abriu os olhos claros e azuis, encontrou o olhar de Spencer e piscou. Spencer jogou a cabeça para trás e riu. Ele era o cara mais sexy que já tinha conhecido. A tensão entre eles tão alta quanto poderia ir. Ela se inclinou em seu ouvido. — Isso é impressionante. — Eu sei —, Zach respondeu. — Você é uma ótima dançarina. — Você também. A batida ficou mais lenta, e Zach e Spencer se aproximaram até seus quadris se tocarem. O coração de Spencer soou em seu peito como o badalo de um sino. Quando ela abriu


os olhos, tudo o que podia ver eram os belos lábios de Zach. Ele abriu os olhos e olhou para ela, também. Ela ficou um centímetro mais próximo. Zach também. Aqui vai... Spencer tomou uma respiração profunda, pegou a parte de trás do pescoço e seus lábios plantaram nos de Zach. Ele cheirava a um creme facial picante e tinha gosto de açúcar e limão. Seus lábios estavam rígidos por um momento, mas depois abriram e a deixaram entrar. O estômago de Spencer fez cambalhotas. Eletricidade saía de sua pele. Ela passou as mãos pelos cabelos macios de Zach, desejando que eles pudessem cair na cama. Mas, então, Zach se afastou. A luz estroboscópica dançou em seu rosto. Ele parecia confuso. Chateado. Spencer deu alguns passos para trás, também, o calor imediatamente subindo para as bochechas. Parecia que todo mundo estava olhando para ela, rindo dela. Zach agarrou o braço de Spencer e puxou-a para uma área de estar fora da pista de dança. Ele sentou-se num sofá de veludo felpudo. Era o tipo de lugar em que casais iam, mas de repente o momento pareceu errado de todas as maneiras. — Eu acho que você entendeu mal —, disse Zach. — Talvez eu tenha enganado você. — Está tudo bem —, Spencer falou , olhando incisivamente para a bola brilhante no centro da pista de dança. — Então o que é? Você tem uma namorada ou alguma coisa? Você está apavorado por que os nossos pais estão namorando? — Não é nada disso. — Zach fechou os olhos. — Na verdade, Spencer... Eu acho que sou gay. O queixo de Spencer caiu. Ela olhou para as sobrancelhas grossas de Zach e seus ombros fortes, não acreditando nisto. Ele não parecia gay. Ele gostava de beisebol. E cerveja. E ele parecia gostar dela. — Eu não quis lhe dar a ideia errada. — Zach agarrou as mãos de Spencer e apertou com força. — Eu tenho me divertido muito com você, e eu não quero que nada disso termine. É só que... ninguém sabe. Especialmente meu pai. A canção se transformou em uma mistura a partir de algo do elenco de Glee, e um monte de meninas gritaram. Spencer olhou as mãos finas de Zach entre as suas. Algo dentro dela virava. — Seu segredo está seguro comigo —, disse ela, apertando suas mãos. O orgulho de garota que sempre-recebe-o-que-ela-quer dentro dela ainda se sentia decepcionado e constrangido, mas ela também se sentia lisonjeada por Zach a achar tão divertida quanto ela o achava. Se seus pais continuassem namorando, talvez Zach iria acabar sendo o irmão quaseperfeito que Spencer sempre quis. Talvez ela devesse ter ido à procura de um irmão em vez de uma irmã o tempo todo. Zach se levantou e puxou Spencer, também. — Fico feliz que tudo está resolvido. Agora, onde estávamos? Spencer jogou seu cabelo loiro por cima do ombro. Ela se sentia leve e livre enquanto entravam no meio da multidão, mas uma presença atrás dela a fez parar e se virar. Lá, sob o sinal de saída brilhante, estava uma figura escura, encapuzada olhando diretamente para ela. Spencer recuou, com o coração pulando na garganta. Uma fração de segundo depois, a figura tinha se afastado e se misturado à multidão anônima, indetectável, mas ainda perigosamente perto.


18 AMIGAS NÃO ESCONDEM SEGREDOS

O SUV dos Roland já tinha ido quando Emily entrou para dentro da entrada de automóveis nessa mesma quinta-feira de noite. Quando ela foi tocar a campainha, ela notou que a porta da frente não estava completamente fechada. — Olá? — Emily empurrou a porta e entrou no hall de entrada. Estavam assistindo desenhos animados na sala. Grace estava em seu balanço de bebê no canto, a cabeça pendendendo para o lado e os olhos fechados. Os pais Roland tinham programado uma saída de última hora, e Emily tinha se oferecido para ajudar a tomar conta de Grace. — Emily? — Chloe chamou da cozinha. — É você? — Ei, Chloe! — Emily caminhou em sua direção. — Me desculpe por chegar atrasada! — Está bem! Eu estou fazendo nachos! Emily passou pela sala até a cozinha, grande e brilhante. Caixas de Cheerios, garrafas vazias, pilhas de Pampers fechadas, e um pacote de toalhas umedecidas cobriam a mesa. Um pacote de Tostitos e um pote de molho de queijo tinham sido colocados sobre o balcão, juntamente com uma garrafa de champagne aberta. Chloe notou Emily olhando. — Quer um copo? Emily olhou para o bebê cochilando na sala. — Mas, e quanto a Grace? — Tudo o que ela conseguia pensar era nos programas de TV com policiais levando babás bêbadas para a cadeia. — Um copo não faz mal. — As pernas de Chloe se moveram vagamente, como se ela já tivesse tomado um ou dois copos antes de Emily chegar. Ela derramou champagne em duas taças de cristal. — E de qualquer maneira, precisamos brindar. — Por quê? — Por sermos amigas. — Chloe sorriu casualmente. — É incrível chegar a uma nova escola e imediatamente criar vínculo com alguém. Emily sorriu. Ela sempre foi propensa a rituais de amizade; colares de Melhores Amigas, linguagens secretas, brincadeiras complicadadas, e tinha passado tanto, tanto tempo desde que alguém quisesse compartilhar um com ela. — Um brinde — ela cedeu, pegando a taça de champagne. As garotas brindaram e beberam. O microondas apitou, e Chloe pegou o prato de nachos, e levaram os pratos, copos e um garrafa de champagne para a sala para poderem manter um olho em Grace. — Então, onde estão seus pais? — Emily perguntou depois que ela se sentou no sofá. — Em um jantar romântico. — disse Chloe. — Minha mãe diz que eles precisam reacender seu relacionamento. Emily franziu a testa. — Eu pensei que você disse que a coisas estavam bem entre eles. — Estavam... mas as coisas têm sido diferentes desde que nos mudamos para cá. — Um olhar distante passou pelo rosto de Chloe. — Eu juro que é por causa desta casa. Tem uma vibração ruim. Emily olhou fixamente para o grande álbum chamado Fotos em Roma na mesa de centro, seu coração bombeando com força em seus ouvidos.


— Quando você mencionou que um de seus pais estava traindo, era sua mãe ou seu pai? Chloe limpou uma gota de queijo do queixo. — Meu pai. Mas eu nunca descobri se era verdade ou não. — Então, ela deu um olhar engraçado para Emily. — Por que você se importa tanto com meus pais, afinal? — Eu não! — O calor subiu pelo o rosto de Emily. — Ou, quer dizer, sim, eu me importo, mas... — Ela parou de falar. — Deveríamos estar falando sobre nossas relações, não a deles. — Chloe arrastou suas palavras um pouco. — Eu vou contar um segredo meu, se você me contar um seu. — Eu já contei o meu — disse Emily. — Namorei com uma garota? Lembra? — Sim, mas você não me deu detalhes. — Chloe cruzou os braços sobre o peito, esperando. Emily traçou um corte grande na mesa de madeira com o dedo indicador. — Que tal você primeiro? — Ok. — Chloe bateu os lábios, pensando. — Eu fiquei com alguém que eu não deveria. Meu treinador de futebol. — Sério? — Emily quase deixou cair o salgadinho que ela estava segurando. — Sim. Seu nome era Maurizio. Ele era do Brasil. Todo mundo tinha uma quedinha por ele, mas uma noite nos encontramos sozinhos na sala de prática, e... — Chloe fechou os olhos. — Foi muito quente. — Uau. — Emily respirou. — Vocês ainda continuam juntos? — De jeito nenhum. — Os brincos estilo lustre de Chloe bateram contra seu rosto enquanto ela balançou a cabeça. — Eu descobri que ele tinha uma namorada no Rio de Janeiro. Aparentemente, ela queria chutar a minha bunda. Honestamente, essa foi a principal razão de eu sair de futebol. Eu não poderia imaginar ficar perto dele. Emily mastigou em silêncio por um instante. Grace, ainda em seu balanço de bebê ao lado do sofá, abriu os olhos e sugou suavemente em sua chupeta, impressionada pelas notícias. — Então. — Chloe cruzou as pernas. — Você já teve um namorado além desse perdedor da natação? Ou se desligou dos garotos para sempre? O champagne queimou no estômago de Emily. — Hum, eu tive um namorado depois dele, Isaac. Mas não deu certo. — Uma pontada de tristeza a superou, e ela baixou os olhos. Chloe mudou seu peso. — Você gostaria que tivesse dado certo? Grace começou a se agitar, e Emily acariciou sua cabeça, lisa e macia. Essa era uma pergunta capciosa. — Sim e não, eu acho. — As próximas palavras de sua boca a surpreenderam. — Ele não era o amor da minha vida, no entanto. Ali era. Bem, a menina que eu conheci como Ali no sétimo ano era. A boca de Chloe caiu aberta. — Você e Ali ficaram... juntas? Emily respirou fundo. — Não exatamente. Eu era apaixonada por ela. Fiquei arrasada quando ela desapareceu. Eu tinha essa fantasia, que ela estava totalmente bem, e eu sonhava com ela voltando o tempo todo. E então... ela voltou. A história toda derramou para fora dela, até mesmo que a verdadeira Ali a beijou. — Mas foi tudo uma mentira. — Emily murmurou, com os olhos cheios de lágrimas. — Oh, meu Deus. — Havia lágrimas nos olhos de Chloe, também. — Eu sinto muito. Por alguma razão, a empatia de Chloe abriu uma comporta dentro de Emily. E os seus ombros tremeram mais, mais ela não estava totalmente certa de que estava chorando só por causa de Ali. Talvez fosse por causa da Jamaica, também. Quando Tabitha e Emily dançaram, tudo de repente parecia bem, assim como no momento em que a verdadeira Ali a beijou. Mas, então, algo no pulso de Tabitha chamou a atenção de Emily. Era uma pulseira de cordão azul desbotada. Emily parou na pista de dança e olhou para ela. Era exatamente como a pulseira que Ali tinha feito para Emily, Spencer, e as outras no verão depois que elas acidentalmente cegaram


Jenna Cavanaugh. Ali tinha cerimoniosamente entregado as pulseiras, fazendo com que as meninas prometessem usá-las e manter a Coisa de Jenna em segredo, até o dia em que morressem. Alarmes soaram em sua cabeça. Ela deu um grande passo para longe de Tabitha. Não havia como essa pulseira ter chegado em suas mãos. A menos... Tabitha parou, também. — O que há de errado? — Ela olhou para baixo e percebeu o que Emily estava olhando. Um sorriso confuso apareceu em seu rosto, como se soubesse precisamente o que fez Emily ter tanto medo. Agora, Grace começou a chorar. Emily levantou ela suavemente para fora de seu balanço e embalou-a nos braços. — Está tudo bem. — disse ela suavemente, sua voz rouca de lágrimas. Os gritos de Grace viraram choramingos abafados. — Você é tão boa com ela. — disse Chloe. — É incrível. Essas poucas palavras amáveis machucaram dolorosamente Emily. Ela olhou para cima, de repente, incapaz de segurar algo dentro por mais tempo. — Eu tenho que dizer uma coisa. — ela sussurrou. — Tive um bebê neste verão. A mão de Chloe congelou meio estendida à boca. — O quê? — Eu fiquei grávida do meu último namorado, Isaac. E... Eu tive uma menininha. — Emily repetiu, olhando para Grace. As palavras que sairam de sua boca pareciam tão surreais. Ela não tinha planejado dizer a ninguém, nunca. — É por isso que eu não nadei neste outono, e nem depois. E é por isso que estou lutando por uma bolsa de estudos agora. Chloe passou a mão pelos cabelos. — Uau. — ela sussurrou. — O bebê está bem? Você está bem? — O bebê está bem. Quanto a mim... — Emily encolheu os ombros. — Eu não sei. Os olhos de Chloe iam de um lado para outro. — O que seus pais pensam? — Meus pais não sabem. Passei o verão na Filadélfia, basicamente, na clandestinidade. Minha irmã mais velha sabia, mas me odiava por isso. — Você não tem ninguém para contar? — Chloe perguntou, agarrando o ombro de Emily. — Um conselheiro, um médico, alguém que você pode falar? — Não realmente. — Emily fechou os olhos, o peito apertado. — Na realidade não quero mais falar sobre isto. Desculpe por sobrecarregar você com isso. Chloe puxou Emily para ela, cuidando para não esmagar Grace. — Estou tão feliz que você me disse. E eu não vou contar nada para ninguém, eu juro. Você pode me dizer o que quiser, ok? Eu prometo. — Obrigada. — Os olhos de Emily se encheram de lágrimas novamente. Ela enterrou a cabeça no cabelo macio de Chloe, que cheirava como o spray de cabelo Nexxus e uma variedade de géis. Grace se aconchegou entre elas, silenciosa e feliz. Era tão bom abraçar alguém. Contar para alguém. Era melhor do que um colar de melhores amigas ou um brinde com champagne, este parecia o ritual de amizade mais significativo de todos. Bang. Emily abriu os olhos com um sobressalto. Sua boca estava inchada e pegajosa. Ela estava em um sofá desconhecido. Pela janela, viu os grandes pinheiros distintivos que ladeavam a rua que Ali e Spencer moravam. O quarto cheirava a sabonete de baunilha. Ela sentou, desorientada. Passos soaram na cozinha. Um armário abriu e fechou. O assoalho rangeu, e uma figura entrou na sala e sentou ao lado de Emily. O odor de baunilha parecia se multiplicar. Era Ali. Sua Ali. Emily tinha certeza disso. Sem dizer nada, Ali se inclinou para Emily, quase como se fosse fazer cócegas, como ela às vezes fazia no meio da noite. Uma fração de segundo depois, um par de lábios tocaram os dela. Emily beijou de volta, fogos de artifício explodindo no seu estômago. Mas o queixo de Ali estava áspero, não liso. Emily abriu os olhos, voltando a realidade.


Era o rosto de um homem pressionando contra o seu, e não Ali. Ele cheirava a álcool, charutos, e, o mais proeminente pudim de baunilha. O seu peso era mais do que o dobro do de Ali, pressionando contra seu estômago e esmagando seus seios. Emily o empurrou para longe e gritou. A figura recuou, em seguida, ligou a luz. A lâmpada dourada exibiu os cabelos grisalhos do Sr. Roland. Então, Emily não estava na casa dos DiLaurentis, ela ainda estava na casa de Chloe, estava trabalhando como babá. — Acorde, dorminhoca. — disse o Sr Roland. Seu sorriso era como o de jack-o'-lantern, todo desgrenhado e brincalhão. Emily se encolheu atrás do sofá. — O que você está fazendo? — Só te acordando. — Ele se lançou para ela novamente. Emily pulou para trás. — Pare! O Sr. Roland baixou as sobrancelhas e olhou para as escadas. — Shhhh. Minha esposa está lá em cima. Emily olhou pela sala. Não era só a Sra. Roland que estava lá em cima, mas Chloe também estava. Ela pegou o casaco do encosto da cadeira e saiu da casa sem sequer colocar seus sapatos. — Emily, espere! — O Sr. Roland sussurrou chamando atrás dela. — O pagamento! — Mas ela não voltou. Estava mortalmente silencioso alí fora, o ar crepitava pelo frio. Emily correu para seu carro, caiu no banco do motorista, e hiperventilou. É apenas um sonho, ela repetia para si mesma. Ela olhou para a rua. Se um carro passar nos próximos dez segundos, é apenas um sonho. Mas era depois da meia-noite; nenhum carro passou. Beep. O celular de Emily se iluminou dentro do bolso de sua jaqueta. O cinto de segurança se soltou de suas mãos. E se fosse Chloe? E se ela tivesse visto? Ela pegou o celular. Era algo pior: uma mensagem anônima. Tremendo, ela abriu a mensagem. Safada, safada! Você só gosta de ser má, Delegada? Xx, —A — Delegada? — Emily sussurrou, com as mãos tremendo incontrolavelmente. Ela olhou a rua escura e vazia. Esse era o nome secreto de Ali para ela. Um nome que poucas, poucas pessoas sabiam.


19 UMA IMAGEM VALE MIL LÁGRIMAS

Na manhã de sexta-feira, após entrar num trem lotado, Hanna fez seu caminho até o estúdio de fotografia de Patrick no quarto andar. Ele enviou-lhe uma mensagem na noite do dia anterior dizendo que queria vê-la o mais rápido possível. Felizmente, ela teve um dia de folga da escola para o fim de semana prolongado, o que significava que ela nem precisa de uma desculpa para faltar à aula. À luz do dia, o edifício de Patrick não pareceu tão encantador como tinha estado na outra noite. A escada cheirava a ovos podres. Alguém tinha deixado um par de tênis enlameados fora da sua porta. Atrás de outro apartamento, um casal estava gritando um com o outro. Uma porta bateu no lobby, seguido por uma estridente gargalhada, tilintando. Hanna chicoteou ao redor, seu coração batendo forte, mas ninguém estava lá. Ela ouviu a voz de Tabitha de novo, em alto e bom som: Eu aposto que você nem sempre foi linda, não é? Hanna bateu as mãos sobre os ouvidos e correu para o andar de Patrick. Uma música tocava suavemente dentro de seu estúdio. Ela tocou a campainha, e Patrick abriu porta imediatamente, quase como se ele tivesse olhado para ela através do olho mágico. — Srta. Hanna! — Ele sorriu, seus cabelos escuros caindo em seus olhos. — Ei — Hanna entrou na sala, respirando profundamente. A risada assustadora ainda ecoava em seus ouvidos... assim como a mensagem sobre seu pai. — Você está linda hoje —, disse Patrick de pé perto dela. O coração de Hanna deu um salto. — Obrigada —, ela sussurrou. Ficaram ali por um momento, o coração de Hanna batendo mais e mais rápido. Ela estava morrendo de vontade de beijá-lo, mas ela não queria parecer uma colegial ansiosa. — Então, hum, onde estão minhas fotos? —, Ela perguntou com a voz mais casual que ela pôde fazer. — Hmm? — Patrick deu-lhe um olhar confuso. — Você sabe, aquelas coisas que você tirou com sua câmera no outro dia? — Hanna brincou, imitando tirar uma foto. Ela estava ansiosa para enviá-las para as agências. IMG foi sua primeira escolha, e então talvez Next ou Ford. — Oh! — Patrick passou a mão pelo cabelo espesso. — Sim. Claro. Eu vou buscá-las. Ele se afastou para a próxima sala. Artistas, Hanna pensou com um sorriso adorável. Sempre tão distraídos e perdidos em seu próprio mundo. O telefone de Hanna começou a zumbir. A ligação era de Emily. Suspirando, ela apertou a orelha no receptor. — O quê? — Recebi mais mensagens de A, — Emily disse com uma voz estridente. — E você? Um buzina soou alta lá fora. Patrick bateu em alguma coisa no outro quarto e soltou um merda alto. — Hum, talvez, — Hanna respondeu. — São sobre... — Emily pigarreou.


Hanna sabia exatamente o que Emily queria dizer. — Sim. — O que vamos fazer, Hanna? Alguém sabe! Hanna fez uma careta. Se A sabia, realmente conhecia... Nesse momento, Patrick saiu da sala de trás. Hanna agarrou o telefone com as duas mãos. — Eu tenho que ir. — Ela apertou END como se estivesse matando uma aranha. — Tudo bem? — Patrick perguntou da porta. Hanna se encolheu. — Claro. — Ela deixou cair o telefone de volta em sua bolsa de couro e se virou para encará-lo. Estranhamente, Patrick não estava segurando nada em seus braços. Sem fotos, sem câmera digital, sem portfolio, nada. Patrick caminhou até o sofá de couro no canto e se sentou. Ele deu um tapinha no assento ao lado dele. — Venha sentar ao meu lado, Hanna. O assoalho rangeu quando Hanna atravessou a sala. Ela deslizou para o sofá, e Patrick se aproximou dela. — Você é impressionante, você sabe disso? O estômago de Hanna revirou. Ela abaixou a cabeça timidamente. — Eu aposto que você diz isso para todas as modelos. — Não, eu não. — Ele virou o queixo de Hanna para ele e olhou profundamente em seus olhos. — Para dizer a verdade, eu não sou tão bom com as meninas. Quando estava no colegial eu era uma espécie de perdedor. E você... bem, você é como aquela garota popular que eu cobiçava mais, mas não poderia ter. O interior da Hanna derreteu. — Eu costumava ser uma perdedora, também, — ela sussurrou. — Eu costumava ser tão feia que eu não olhava para mim mesma no espelho. Patrick segurou seu rosto com as mãos. — Eu duvido que você tenha sido feia. Então, ele inclinou-se e beijou-a. Hanna inclinou-se, também, atordoada com antecipação. Mas, quando seus lábios se tocaram, sentiu algo... errado. O beijo foi viscoso e frenético. Patrick tinha gosto de trigo, e suas mãos pareciam patas pesadas em seu corpo, não suaves e doces como as de Mike sempre foram. Enquanto ele a apoiava no sofá, uma imagem de Mike brilhou na mente de Hanna, e ela sentiu uma pontada de saudade. Ela empurrou o peito de Patrick. — Hum, podemos olhar as fotos agora? Eu estou morrendo para ver o seu trabalho. Patrick riu levemente. — Vamos nos preocupar com isso depois —, disse ele, em seguida, enterrou o rosto no pescoço de Hanna. Um sentimento amargo brotou no estômago de Hanna. O peso de Patrick a pressionou no sofá. — Mas podemos fazer isso mais tarde também, certo? — , Disse ela, ainda tentando soar leve e despreocupada. — Por favor, posso ver as fotos? Por favor? Patrick continuava a apalpá-la. De repente, Hanna percebeu como seus lábios faziam ruídos estalando. Seu cabelo parecia oleoso, e havia um punhado de caspa sobre os ombros. Um pensamento horrível a atingiu: E se Mike estava certo sobre ele? Ela pulou do sofá. — Patrick, eu quero as minhas fotos. Agora. Patrick se inclinou para trás e cruzou os braços sobre o peito. Com um sorriso cruel em seu lábio, ele instantaneamente havia se transformado de um fotógrafo apaixonado em algo muito mais sinistro. — Então você gosta de provocar, hein? Hanna piscou duro. — Eu só acho que devemos manter as coisas profissionais. Você me pediu para vir para olhar minhas fotos. Eu pensei que você estava indo para enviá-las hoje.


— Vamos lá, Hanna. — Patrick revirou os olhos. — Você é realmente tão ingênua? Em um movimento de varredura, ele se abaixou e tirou um envelope grande de debaixo do sofá. Ele desfez o fecho de corda e revelou seis brilhantes fotos de Hanna. Não eram as fotos dela no Sino da Liberdade ou da Câmara Municipal, mas seis fotos quase idênticas em seu estúdio. O vento estava em seu cabelo, havia uma expressão de sacanagem no rosto, e seu vestido havia caído para revelar a maior parte de seu sutiã. Elas não eram como os seminus provocantes de Annie Leibovitz para Vanity Fair, também. A iluminação era estridente. Certas partes de Hanna estavam fora de foco, e a composição não era nada artística. Parecia pornô ruim. Hanna se encolheu, de repente, a cabeça leve. — O que é isso? Onde estão as outras? As boas? — As outras não importam. — O sorriso de Patrick ficou mais abrangente. — Estas são a mina de ouro. Para mim, de qualquer maneira. Hanna se afastou, seu coração naufragado. — O-o que você quer dizer? — Vamos lá, Hanna. Eu realmente tenho que soletrar para você? O que seu papai vai fazer quando vir isso? Se seu concorrente vir isso? Tenho amigos em lugares altos. Isto seria uma ótima história no TMZ. E então... puf! — Patrick estalou os dedos. — Bye-bye, campanha para o Senado! O corpo de Hanna sentiu sufocadamente quente, depois absurdamente frio. — Você não faria isso! — Eu não faria? Você não me conhece mesmo, Hanna. Hanna murchou contra a ilha, suas esperanças e sonhos vazavam do seu corpo como um balão furado. Tudo o que ele tinha dito, todos os elogios dele, tinham sido um ardil. — Por favor, não mostre a ninguém. Eu farei qualquer coisa. Patrick colocou seu dedo no queixo e lançou os olhos para o teto, como se ele estivesse fingindo pensar. — Eu não vou se você me der dez mil dólares no final deste fim de semana. Que tal isso? A mandíbula de Hanna caiu. — Eu não tenho esse dinheiro! — Claro que você tem, menina rica — Os olhos de Patrick brilharam. — Você apenas tem que ser criativa sobre onde procurar. Eu quero em dinheiro em um envelope pardo. Dê-lhe a um cara chamado Pete, que trabalha no estande de flores na Estação da Rua Treze. Se você não fizer isso, vai ser o link da semana. O assistente do papai vai ter que trabalhar muito duro para remover isto da Internet. E eu duvido que o público confie em um homem cuja filha adolescente tira seu top para estranhos. Hanna olhou para ele. Seu olhar caiu para as fotos novamente. De repente, todo o cenário era terrivelmente claro para ela. — V-você não é um fotógrafo real, é? Você não tem conexões em Nova York. Você disse para me enganar! Você mentiu! Patrick riu e levantou as palmas das mãos. — Você me pegou — Então ele baixou o rosto para Hanna. — Eu acho que você não é a única que é bom em mentir, Srta. Marin. Hanna não esperou para ouvir mais uma palavra. Ela se afastou e correu para fora, batendo a porta com força. O prédio parecia ainda mais abandonado do que tinha sido vinte minutos atrás. O casal ainda estava discutindo lá embaixo. O teto de estanho parecia que estava prestes a ruir. Quatro andares abaixo, Hanna pensou ter ouvido a risada mais uma vez, como se alguém tivesse ouvido tudo. — É isso, — Hanna gritou. Quem quer que fosse A, Hanna ia enfrentar ele ou ela e dizer-lhe que cale a boca. Ela correu para o fundo das escadas, seus braços latejando, seus dedos roçando o corrimão em ruínas. Mas, uma vez que ela chegou ao saguão, estava vazio. A porta da frente girava, a única indicação de que alguém tinha vindo de lá. A tinha ido embora de novo.


20 NADA COMO O AR FRESCO DA MONTANHA

O Range Rover dos Kahn, equipado com correntes de neve e um suporte de esqui pesado, rolou na calçada circular da Loja Whippoorwill em Lenape Mountain. Mensageiros e manobristas em pesados casacos acolchoados correrram para o carro e começaram a remover a bagagem na parte de trás. Noel e seus dois irmãos mais velhos, Eric e Christopher, saltaram para fora para esticar as pernas. Aria os seguiu, quase escorregando no asfalto congelado. Olá, os carregadores nunca tinham ouvido falar de sal? Por último mas não menos importante, desembarcando do carro como uma princesa vestida de pele, estava Klaudia. A ponta de seu nariz era adoravelmente rosa do frio e da bunda dela era perfeitamente redonda no jegging de brim escuro. Cada um dos carregadores virou-se para se embasbacar com ela. — Você precisa de ajuda? — Eles perguntaram em uníssono. — Existe alguma coisa que eu possa levar para você? — Você é tão doce! — Klaudia vibrou, dando a cada um deles sorrisos que fizeram Aria querer vomitar. Aria virou-se para Noel. — Podemos entrar? Está muito frio aqui fora. — A leitura digital de temperatura em um acostamento pelo qual passaram marcava dois graus Fahrenheit. Noel deu uma risadinha. — Isso é de se esperar já que você está no topo da montanha! — Você não vai sentir frio quando você hiihto!" Klaudia disse a Aria em uma voz animada. Até agora, Aria sabia que hiihto era esqui em finlandês. Por que Klaudia não poderia apenas dizer em Inglês? Não era tão difícil assim. Três letras. Ski. Se toca. Aria lançou a Klaudia um sorriso apertado e afastou-se, sentindo-se tão rígida e afiada como os pingentes que balançavam precariamente no telhado. Este era o último lugar que ela queria estar agora, mas ela estava aterrorizada com o que poderia acontecer se ela deixasse Noel fora de sua vista. Klaudia poderia te-lo em suas garras e como ele poderia resistir a ela? Afinal, sua atual namorada não passava de um peikko. — Aria? Aria piscou e olhou para cima. Noel estava chamando por ela da porta do alojamento. Os irmãos Kahn e Klaudia já tinham entrado. Ela os seguiu para o grande lobby. Cada superfície fora revestida em madeira de carvalho, fazendo com que o quarto parecesse uma sauna gigante. O ar cheirava a canela e chocolate quente, e as pessoas tilintavam com botas de esqui pesados, chapéus de lã e luvas do tamanho de luvas de boxe. Os hóspedes descansavam em sofás de couro tabaco e aqueciam-se perto de uma lareira no canto. Um labrador amarelo com um lenço vermelho amarrado no pescoço cochilava sobre uma cama para cães ao lado da grande janela que dava para fora nas encostas. — Legal —, Christopher murmurou, caminhando até a janela. Christopher era três anos mais velho do Aria e Noel e voltou da Universidade de Columbia nas férias.


Ele tinha o mesmo corte limpo de Noel, aparência alourada, mas havia algo duro sobre ele, menos cativante. — Irado! —, Eric murmurou. Ele era dois anos mais velho que Noel e foi para Hollis, mas apenas como uma formalidade. Seu real objetivo na vida era se tornar um esquiador vagabundo em Montana ou um instrutor de surf em Barbados. — Mahtava! — Klaudia tocou, olhando pela janela também. O que quer que isso significava. Aria olhou para a vista. A montanha parecia subir em um campo de 90 graus. Esquiadores habilmente iam ziguezagueando até a frente. Quando um menino caiu, uma nuvem de neve subia em todas as direções. Aria se sentiu cansada só de observá-los. Ela olhou para o cão dormindo no canto novamente. Sortudo. Os Kahns fizeram check-in, e o concierge distribuiu cinco chaves dos quartos, um para cada um deles, graças a Deus, Aria e Klaudia não teriam que compartilhar um quarto. Então Aria foi para seu quarto, que tinha uma cama king-size com muitas almofadas, uma quitinete pequena, e ainda uma vista da pista de esqui na assustadora montanha, ela afundou na cama e fechou os olhos. Acho que você tem alguma concorrência. Ambas sabemos que Noel tem uma queda por loiras, afinal. A mensagem de texto era como uma música ruim presa em sua cabeça. A deve ter visto Aria lendo o iPhone de Klaudia. Mas como? A estava escondido atrás de uma prateleira de casacos de neve? A espionou através da câmera de segurança dentro da loja? Aria afundou sentindo que a mensagem estava correta - Noel tinha uma coisa para loiras. Ele adorava Ali e ele definitivamente tinha notado Tabitha. Mesmo depois de eles terem voltado da Jamaica, Noel tinha feito referências a Tabitha, coisas como “Hey, aquela menina loira não te lembrá alguém?” Havia algo sobre ela, que eu não conseguia perceber. Mas mesmo depois que ele fez um monte de perguntas, ele não suspeitava. Ninguém suspeitava. Até agora. Uma batida soou na porta. Aria disparou, nervos estridentes. — O-Olá? — Sou eu — Noel chamou do corredor. — Posso entrar? Aria destrancou a porta. Noel colocou um grande cesto de lírios, café e lanches em seu rosto. — Para você! — Obrigada! — Aria chorou. Havia até um porco empalhado na cesta, lembrando Aria do seu boneco favorito, Pigtunia. Mas então ela se enrijeceu. Os caras não só dão flores para as namoradas quando eles se sentiam culpados? — Qual é a ocasião? —, perguntou ela. — Eu vi isso na loja de presentes e pensei em você. — Noel apoiou a cesta no gabinete da TV e passou os braços em torno dela. Ele cheirava ao sabonete de óleo de chá verde facial que Aria tinha comprado para o Dia dos Namorados. — Olha, eu sei que esquiar não é realmente sua praia, mas eu estou tão feliz que você veio. Esta viagem não seria o mesmo sem você aqui. Ele parecia tão genuíno e sincero que as suspeitas de Aria desvaneceram. Klaudia e A estavam transformando-a em uma pessoa louca. — Estou feliz por ter vindo também, — ela admitiu. — Este lugar é lindo. — Você é linda. — Noel a puxou para baixo na cama. Eles começaram a se beijar, primeiro timidamente, depois mais e mais apaixonadamente. Noel puxou a camiseta de Aria pela sua cabeça, e Aria fez o mesmo. Eles pressionaram seus peitos nus juntos, sentindo um o calor do outro. — Mmm —, Noel murmurou. Eles fizeram uma pausa para um momento, e depois Aria tocou o cós da calça de Noel e abriu fivela de seu cinto. Noel respirou, obviamente surpreso. Em seguida, Aria abriu o botão de


seu jeans e puxou para tirar. Ela olhou para as pernas musculosas, sorrindo. Ele estava usando as cuecas boxers com golden retrievers estampados que ela escolheu para ele na J. Crew. Após um instante, ela alcançou o botão em suas próprias calças de brim. Noel agarrou a mão dela, os olhos arregalados. — Você tem certeza? Aria olhou ao redor da pequena sala, desde a TV de tela plana para o balde de champanhe no canto para o divã passando pelas grandes janelas. Agora que eles estavam em um ambiente desconhecido, ela se sentiu menos inibida do que o normal. Ou talvez ela só se sentiu compelido a revelar para Noel exatamente o que ele significava para ela. Pode ser apenas a única maneira de garantir que ele permaneceria sendo dela. — Tenho certeza —, ela sussurrou. Noel terminou de tirar a calça jeans de Aria. Eles se agarraram por um tempo, quase que totalmente nus, os seus lábios colados. O coração de Aria bateu. Ela estava realmente fazendo isso. Já era tempo. Como Noel rolou em cima dela, beijou-o duramente. Uma batida na porta. Ambos congelaram, olhando um para o outro com os olhos arregalados. Houve um silêncio, e depois outra batida. — Olá? — Klaudia tocou. — Aria? Noel? Vocês estão aí? Aria estremeceu. — Você só pode estar brincando comigo. — Noel? — A voz de Klaudia foi abafada. — Vamos lá! É hora de hiihto! — Talvez se a gente ficar quieto ela vá embora —, Noel sussurrou, traçando o seu dedo ao longo clavícula nua Aria. Mas a batida persistiu. — Noel! — Klaudia brincou. — Eu sei que você está aí! Devemos hiihto! Finalmente, Noel gemeu, pegou a calça jeans do chão, e vestiu de volta. — Ok —, ele respondeu de volta. — Nós estamos indo. — Ah, bom! — Klaudia disse do outro lado. Aria olhou para Noel, de queixo caído. — O quê? — Noel perguntou, parando com uma perna da calça vestida até o joelho. Por um momento, Aria estava com tanta raiva que ela não podia falar. — Nós estávamos tipo no meio de alguma coisa. Você está pensando seriamente em largar tudo por ela? O rosto de Noel suavizou-se. — Nós vamos ter muito tempo sozinhos esta noite, quando ninguém nos perturbará. E Klaudia está certa - os teleféricos fecham em algumas horas. Temos que aproveitar o nosso hiihto neste momento. Você não está pronta para a sua aula de esqui pela primeira vez com ela? — Na verdade, não. — Aria virou-se e abraçou um travesseiro contra o peito. Fúria pulsava dentro dela como um segundo coração. — Eu não quero Klaudia para me ensinar nada. As molas da cama rangeram quando Noel sentou. — Pensei que vocês eram amigas. Klaudia te adora! Um riso amargo escapou dos lábios de Aria. — Eu duvido disso. — O que você quer dizer? Noel estava olhando para ela com um olhar perplexo no rosto. Aria pensou sobre os textos que Klaudia tinha escrito sobre ambos. Ela deveria contar a Noel... ou isso a faria parecer uma psicopata? — Eu simplesmente não confio nela perto de você —, disse Aria. — Eu vejo o jeito que ela olha para você. O rosto de Noel caiu. — Não seja assim, Aria. Eu já lhe disse um milhão de vezes você que não tem nenhuma razão para ter ciúmes. — Não é ciúme, — Aria argumentou. — É a verdade. Noel puxou a camisa sobre a cabeça e enfiou os pés em suas botas Timberland.


— Vamos. — Ele estendeu a mão para ela, seu tom de voz mais distante do que tinha sido apenas alguns minutos antes. Relutantemente, Aria vestiu-se e seguiu-o. Que outra escolha ela tem? Klaudia estava esperando por eles em uma cadeira do outro lado da porta, já vestida em calças justas de esqui, uma jaqueta de esqui bem cortada branca com forro rosa e chapéu combinando e as luvas. Ela deu um pulo quando viu Noel e agarrou sua mão. — Pronto para hiihto? — Totalmente —, disse Noel jovialmente. Ele cutucou Aria. — Nós dois estamos prontos. Klaudia piscou brevemente para Aria. Suas íris se transformaram de azul escuro para um preto, sujo de tinta venenosa. — Bom, — ela disse com uma voz arrepiante. Uma expressão que Aria não pode imediatamente decifrar, atravessou o rosto dela. Mas, como Klaudia virou-se, saiu do saguão, e rapidamente pulou em um teleférico sem convidar Aria para se juntar a ela, Aria recebeu a mensagem alta e clara. Klaudia tinha ouvido tudo que Aria disse a Noel no quarto do hotel. A expressão no rosto significava “Isto é uma guerra”.


21 ALGUNS STRIPS E ALGUMAS PROVOCAÇÕES

— Ok, crianças —, disse o Sr. Pennythistle. — Os porteiros levarão suas coisas para seus quartos. Nós nos encontraremos no Smith e Wollensky às oito para o jantar. Era uma tarde de sexta-feira, e Spencer, sua mãe, Zach, Amelia, e o Sr. Pennythistle tinham acabado de chegar no lobby do Hotel Hudson na rua 58º , em Nova York, que tinha a mesma iluminação de uma boate. O ar cheirava a pastas caras de couro. Modelos magrelas se contorciam e tomavam cocktails em vários lugares no bar. Um turista atrapalhado olhava de soslaio para um guia na luz baixa. Vários estilos flutuavam pelo espaço cavernoso. A única razão para eles estarem hospedados no Hudson e não em algum lugar requintado como o Waldorf ou o Four Seasons era porque o senhor Pennythistle tinha negócios com o a rede hoteleira e tinha quartos de graça. O Sr. Donald Trump da Main Line era aparentemente um filho da puta mão de vaca. Sra. Hastings deu a Spencer, Zach, e Amelia um meio aceno e depois fez uma pausa para entrar no elevador - ela também não era fã do hotel estilo boate. Sr. Pennythistle a seguiu. Depois que eles foram embora, Zach brincava com seu iPhone. — Então. O que vocês querem fazer? Spencer balançava para frente e para trás sobre os calcanhares. Ela ficou tentada a perguntar se ele queria visitar o Chelsea, a capital gay da cidade de Nova York. Ou talvez o Meatpacking District, onde havia algumas lojas masculinas incríveis lá. Acreditando que Zach era mais fácil de se aproximar do que Spencer pensava. Agora, eles poderiam ser melhores amigos e dizer tudo um ao outro, assistir a episódios de The Real Housewives of Beverly Hills, e discutir sobre a gostosura de Robert Pattinson. E agora que não havia qualquer tensão sexual entre eles, Spencer sentia confortável em dormir no ombro de Zach no passeio da Amtrak, tomando um gole de sua Coca-Cola, e batendo na sua bunda para lhe dizer que sua calça jeans parecia impressionante. Infelizmente, eles estavam presos com Amelia hoje -Sr. Pennythistle foi muito específico sobre não deixar Amelia sair sozinha e Spencer não poderia sugerir Chelsea na frente dela. Amelia parecia infeliz por estar aqui e particularmente deselegante hoje. Enquanto Spencer havia escolhido uma chique jegging de brim preta, uma jaqueta faux-fur Juicy, e botas de salto agulha Pour la Victoire , e Zach usava um casaco de pele com capuz João Varvatos, jeans escuros e Converse preto, Amélia parecia uma combinação de um aluno da quinta série e uma mulher de meia-idade pudica para ir a igreja. Ela usava uma blusa branca fina, uma saia xadrez que cobria os joelhos, meias pretas de lã e –eca- Mary Janes. Só de estar perto dela, o quociente de estilo de Spencer caía. — Devemos ir a Barneys —, sugeriu Spencer. — Amelia precisa de uma transformação. Amelia fez uma careta. — Como é? — Oh meu Deus. — Os olhos de Zach brilharam. — Essa é uma idéia fantástica. — Eu não preciso de uma transformação. — Amelia cruzou os braços sobre o peito. — Eu gosto das minhas roupas! — Sinto muito, mas suas roupas são terríveis —, disse Spencer.


Olhos de Amélia pararam nos altíssimos saltos de Spencer. — Quem fez você uma especialista? — Christian Louboutin —, disse Spencer com autoridade. — Spencer está certa. — Zach saiu do caminho de um casal sueco loiro puxando duas malas Vuitton para o elevador. — Parece que você está pronta para ir para o convento. — Dois a um, você está em desvantagem. — Spencer agarrou a mão de Amélia. — Você precisa de tudo novo, e a Quinta Avenida está ao virar na esquina. Vamos. Ela arrastou Amelia pelas escadas rolantes. Zach chamou a atenção de Spencer e sorriu. Na rua, os táxis zuniam e buzinavam. Um homem ruidosamente empurrou um carrinho de cachorro-quente. A Time Warner Towers subia em direção ao céu, prata e elegante. Spencer adorava Nova York, embora sua última visita tenha sido um desastre. Ela se encontrou com sua mãe biológica substituta, que esvaziou sua conta da faculdade, para o prazer de A. Enquanto caminhavam para baixo rua 58º, um cartaz na janela de um agente de viagens lhe chamou a atenção. Venha para a Jamaica e se sinta bem! O sangue foi drenado de sua cabeça. No cartaz do tamanho fotografias, estava o The Cliffs: a piscina com o desenho de abacaxi no fundo. Os penhascos arroxeados e mar azulturquesa. A plataforma do telhado e restaurante, onde elas encontraram Tabitha. O ninho do corvo e, a longa e extensa praia vazia. Se Spencer apertasse os olhos, ela quase poderia se lembrar onde eles ficaram depois que tudo aconteceu... — Spencer? Está tudo bem? Zach e Amélia olharam para ela a alguns passos de distância. Pedestres ocupados desviavam deles com aborrecimento. Spencer olhou para o cartaz novamente. A nota de A atravessou sua cabeça como um trem bala. Alguém sabia. Alguém os tinha visto. Alguém poderia dizer. — Spence? O forte cheiro de pretzel mole queimado de um carro flutuava no nariz de Spencer. Endireitou-se, e se afastou da janela do agente de viagens. — Estou bem —, murmurou baixinho, puxando o casaco em volta dela e correndo em direção a eles. Se ao menos pudesse acreditar nisso. A Barneys pulsava com mulheres ricas comparando luvas de couro, meninas espirrando Chanel No. 5 em seus pulsos, e os homens lindos fazendo demonstração do creme para pele da Kiehl. — Este lugar é divino —, disse Spencer quando ela atravessou as portas giratórias, inalando o perfume inebriante de luxo. — É apenas uma loja —, disse Amélia irritada. Eles tiveram que praticamente arrastar Amelia até o corredor em 8, que se enchiam com milhares de opções de roupas. Amélia olhou para tudo com desgosto. — Você está dificultando as coisas, — Spencer insistiu. Ela segurava um vestido Diane von Furstenberg. — O vestido envelope é um estilo essencial —, disse ela em sua melhor voz de personal shopper. — Especialmente porque você é reta em cima e em baixo. Vai te dar uma aparência de cintura. Amelia fez uma careta. — Eu não quero uma cintura! — Eu acho que você nunca quer ter sexo, quer? —, disse Spencer despreocupadamente. Zach riu e ajudou a puxar vários vestidos pra fora da arara. Amélia olhou para ele com desconfiança. — Por que você a está ajudando com isso? Eu achei que você odiava compras. Spencer quase abriu a boca para protestar – qual o gay que odiava compras?, Mas ela se absteve. Zach deu de ombros e bateu Spencer com o seu quadril. — O que mais eu vou fazer? Depois de escolher vários pares de jeans, saias e blusas diferentes, e toda u ma série de vestidos, Spencer e Zach levaram Amélia para o provador e a empurraram para um dos cubículos. — Você vai ser transformada —, Spencer disse a ela. — Eu prometo.


Amélia gemeu, mas trancou a porta atrás dela. Spencer e Zach se sentaram no sofá ao lado do espelho de três lados, como pais ansiosos. A porta lentamente se abriu, e Amelia saiu vestindo um par de Rag & Bone skinny jeans, um top de manga esvoaçante VPL, e um par de elegantes botas marrons com saltos de duas polegadas. Havia uma expressão assustada no rosto, e ela deu passos vacilantes em direção ao espelho. — Amelia —, Zach engasgou. Spencer pulou sobre seus pés. — Você está incrível! Amélia abriu a boca para protestar, mas, em seguida, fechou novamente quando viu seu reflexo. Não havia como ela não dizer que ela parecia bem: Suas pernas eram longas e finas, a bunda dela - quem sabia que ela ainda tinha uma? -era redonda e empinada, e a blusa elegante complementava sua pele. — Esas roupas são... legais —, ela considerou empertigada. — São mais do que legais! — Zach disse. Amélia olhou para o preço dos jeans. — É muito caro. Spencer arqueou uma sobrancelha. — Eu acho que seu pai pode lidar com isso. — Experimente mais! — Zach gritou, empurrando-a de volta para a cabine minúscula. Uma por uma, Amelia experimentou roupas novas, sua armadura de vadia lentamente derretendo. Ela até fez um pequeno giro em um dos vestidos Diane von Furstenberg. Na sexta prova de roupas, ela não estava mais se balançando nos calcanhares. E até a décima segunda, Spencer se sentiu tão confortável que Amélia não iria fugir gritando, que ela experimentou um vestido de cocktail Alexander Wang que ela escolheu para si mesma. Deslizando-o sobre a cabeça dela, ela chegou perto para fechar a parte de trás mas não conseguiu pegar o zíper. — Zach? — Ela enfiou a cabeça para fora do provador. — Pode me ajudar? Zach abriu a porta mais distante e estava atrás dela. As costas inteiras de Spencer , e até a borda de sua calcinha vermelha rendada, estavam a mostra. Seus olhos se encontraram no espelho. — Obrigado por ajudar à minha irmã —, disse Zach. — Eu sei que ela é meio certinha. Mas você realmente trouxe-a para fora de sua concha. — Estou feliz em ajudar. — Spencer sorriu. — Transformadores sempre fazem maravilhas. Os olhos de Zach ficaram nos dela no espelho. Ele ainda não puxara o zíper para cima. Então, lentamente, ele tocou um pequeno pedaço das costas com a palma da mão. Sua mão era quente e suave, e enviava arrepios até a espinha de Spencer. Ela se virou para ele. Levantou os braços e colocou em volta da cintura. Ficaram apenas alguns centímetros um do outro, tão perto que Spencer podia sentir o cheiro de balas na respiração de Zach. Em poucos segundos, os lábios se tocaram. Milhares de perguntas invadiram sua mente. — Pessoal? Eles se separaram. Um par de sapatos de salto de cobra foi pra debaixo da cortina. — O que você está fazendo aí? — Amelia perguntou. — Uh, nada. — Spencer se afastou de Zach, batendo em umas roupas penduradas na parede. Ela puxou o jeans de volta por baixo do vestido. Ao mesmo tempo, Zach alisou sua camisa e saiu da cabine. — Eu estava apenas ajudando Spencer com o zíper —, ele murmurou para sua irmã. O sapato de pele de cobra de Amélia virou de um lado para o outro. — Isso é tudo que você estava fazendo? Uma longa pausa se seguiu. Zach foi salvo por seu telefone tocando, e ele deslizou para fora no corredor do provador para atender a chamada. Spencer caiu no banquinho dentro de seu provador e olhou para o rosto perturbado no espelho. Se apenas Zach havia respondido sua irmã. Spencer teria gostado de saber se que era tudo o que estava fazendo, também.


22 AS PONTES DE ROSEWOOD COUNTY

Poucas horas depois da mesma sexta-feira, logo após o pôr do sol passar da linha das árvores, Emily entrou no estacionamento coberto da ponte Rosewood. Ficava a cerca de uma milha de distância de Rosewood Day, construída na época da Guerra da Independência – estendia-se sobre um pequeno riacho cheio de peixes no verão. Agora no triste fevereiro, o riacho congelado era silencioso e mortal. Os pinheiros sussurravam ao vento, soando como fantasmas. De vez em quando, Emily ouvia um estalo ou um piscar de olhos muito longe na floresta. Não era exatamente um lugar em que ela queria estar agora. A única razão para ela ter vindo era porque Chloe queria encontra-la aqui para conversar. Ela saiu e entrou debaixo da ponte, inalando o cheiro de madeira molhada. Assim como tudo em Rosewood, a ponte trazia uma triste lembrança. Emily e Ali visitaram-na uma vez na primavera na sétima série, sentando debaixo de sua cobertura com sombra e ouvindo o riacho correndo por baixo delas. — Sabe aquele cara que eu lhe falei, Em? — Ali cantarolou feliz. Ela muitas vezes provocava Emily sobre um cara mais velho que ela estava apaixonada. Mais tarde, Emily descobriu que era Ian Thomas. — Eu acho que vou trazê-lo aqui esta noite para que possamos dar uns amassos. — Ali torcia a pulseira da amizade feita de corda que ela tinha feito para todas elas em volta do pulso e dava a Emily um maroto sorriso: eu-sei-como-sou-má-por-quebrar-oseu- coração. A memória de Emily deslocou para a pulseira da amizade que ela tinha visto no pulso de Tabitha. Assim que ela a tinha visto, se afastou dela rapidamente. Algo estava mu ito, muito errado. A multidão na pista de dança e no bar era densa, o que tornava quase impossível para Emily encontrar seus amigos. Ela finalmente havia localizado Spencer sentada em cima de uma mesa do pátio, olhando confusamente no oceano escuro, furioso. — Eu sei que você vai me dizer que eu sou louca —, Emily deixou escapar: — mas você tem que acreditar em mim. Spencer se virou e olhou, seus olhos azuis enormes. — Ela é Ali, — Emily persistiu. — Ela é. Eu sei que ela não se parece com ela, mas ela está usando a pulseira velha de Ali, a que ela fez para nós depois da Coisa da Jenna. É exatamente a mesma. Spencer fechou os olhos por uns bons dez segundos. Então ela disse a Emily como Tabitha insinuou que pareciam irmãs perdidas há muito tempo. — Era como se ela me conhecesse —, ela sussurrou. — Foi como se... ela fosse Ali. Emily sentiu um quente chiar do medo. Só de ouvir o que Spencer disse, fez tudo isso parecer ainda mais real e perigoso. Ela olhou em volta para se certificar de que ninguém estava ouvindo. — O que vamos fazer? Chamar a polícia? — Como podemos provar isso? — Spencer mastigou o lábio inferior. — Ela não fez nada para nós. — Ainda —, disse Emily.


— Além disso, todo mundo acha que Ali está morta —, Spencer continuou. — Se dissermos que uma menina morta voltou à vida, eles terão que nos internar. — Temos que fazer alguma coisa. — A idéia de Ali rondando o mesmo resort que estavam hospedados, deixava Emily gelada até os ossos. A porta do carro bateu, e soaram passos atrás dela, tirando Emily de sua memória. Chloe apareceu no arco da ponte. — Hey, — Emily chamou. — Hey, — Chloe respondeu. Sua voz soou úmida e sombrio, e o peito de Emily ficou apertado. Chloe não havia explicado por que ela queria encontrá-la esta noite, só que elas precisavam conversar. E se ela tinha visto o pai beijar Emily? E se A tivesse dito? A nota martelou em sua cabeça: Safada, safada! Você só gosta de ser má, Delegada? Chloe andou até Emily, e as duas caminharam pela ponte coberta. Por um tempo, os únicos sons eram as botas esmagando através da fina camada de gelo moído. Chloe tirou uma lanterna do bolso e acendeu sobre as vigas de madeira, cantarias e marcas de grafite: Brad + Gina. Kennedy é uma cadela. Vai Rosewood Sharks! Chloe ainda não tinha dito uma palavra. O silêncio começou a enervar Emily, então ela respirou fundo. — Chloe, eu estou muito, muito triste. — Você está arrependida? — Chloe virou. — Sinto muito. Emily olhou para ela. — Mas eu... — Eu tinha bebido tanto na noite passada —, Chloe interrompeu. — Duas taças antes de você chegar, uma taça enquanto você estava lá... a noite inteira é um borrão. Eu mal me lembro de ir para a cama. Deixei a responsabilidade de cuidar da Grace com você. O frio estava começando a fazer o pé de Emily formigar. — Oh, — ela finalmente estalou. — Está tudo bem. Grace estava bem. — Ela se aproximou. Ela tinha que ser clara sobre o pai de Chloe. Desse jeito, não dava para iniciar uma amizade, e a última coisa que Emily queria era manter segredo de alguém. — Ouça, há algo que eu preciso te dizer. — Espere, deixe-me terminar. — Chloe levantou as palmas das mãos em um gesto de suspensão. "Eu estava escondendo algo de você na noite passada. Eu não devia ter bebido. Eu tinha um problema com isso na Carolina do Norte, eu tinha aqueles amigos que bebiam o tempo todo, bebia por causa dos problemas dos meus pais, e eu levei as coisas longe demais. Uma vez eu tive que ser hospitalizada por intoxicação por álcool. " — Oh, Chloe! — Emily cobriu a boca com as mãos. — Isso é terrível! Uma enorme explosão de vapor soprou das narinas de Chloe. — Eu sei. Eu estava fora de controle. E ontem foi uma espécie de... recaída. Meus pais me matariam se eles soubessem - eles me mandaram para programas de reabilitação, mas eu jurei que estava melhor e não precisava ir para as reuniões. É por isso que fui para a cama na noite passada sem falar com você. Eu não queria que eles me vissem naquela situação. Você não mencionou o champanhe para eles, não é? — Não! — Emily chorava. Ela correu para fora da casa antes que ela pudesse dizer muita coisa. Chloe parecia aliviada. — Você sabe se eles viram a garrafa no lixo da cozinha? Tirei esta manhã, mas eu estava tão assustada. Seu pai estava preocupado demais para sair a caça de garrafas de champanhe, Emily pensou sombriamente. E ela não tinha visto a senhora Roland lá embaixo. — Eu acho que não. Um monte de neve caiu do telhado como um tapa molhado, e as duas meninas se viraram. Chloe vagou mais longe na ponte, e Emily seguiu. — Então, por que você estava bêbada ontem? — , perguntou ela. As botas de Chloe fizeram clonks altos no chão. Ela encolheu os ombros. — É difícil ir para um lugar diferente, eu acho. Difícil de começar de novo. E as coisas parecem tão estranhas aqui, não está certo. A única coisa realmente boa que eu encontrei é você.


Emily corou. — Obrigada. E, você sabe, se você precisar de alguém para conversar sobre isso, eu estou aqui. — Estou aqui para você também. — Chloe virou. — Eu não tinha apagado ainda quando você me contou sobre a noite passada sobre o bebê. Nós podemos ajudar uns aos outros. Elas deram um abraço apertado. Quando elas se separaram, um silêncio confortável caiu sobre elas. Carros passavam por sobre a rodovia. Mais galhos se partiam na floresta. Por uma fração de segundo, Emily tinha certeza que ela tinha visto um vulto escuro, um perfil humano correndo entre as árvores, mas quando ajustou sua visão, era só escuridão. — Então o que você ia me dizer? — Chloe perguntou de repente. Emily parou. — Quando? — Agora mesmo, idiota. — A voz de Chloe era brincalhona. Emily enrolou os dedos dos pés dormentes em suas botas. Mais uma vez, o pêndulo balançou na direção oposta. Não havia como ela dizer a Chloe sobre o que seu pai fazia, não com o estado que ela estava por dentro. A última coisa que ela queria era perturbar a sua amiga e mandá-la em uma espiral de destruição. — Oh, não importa. Eu acho que estou preocupada hoje. — Por causa da natação? Emily olhou interrogativamente, e Chloe sorriu. — Você tem um grande encontro amanhã, certo? Meu pai mencionou que o recrutador vai estar lá. Só a menção do Sr. Roland fez sair uma faísca de nervosismo através do intestino de Emily. — Oh, yeah. Certo. — Você não deve se preocupar —, disse Chloe. — Você vai se sair bem. E você vai conseguir a bolsa de estudos. Eu posso sentir isso. — Obrigada —. Emily a cutucou com seu quadril. — Por que você não vem também? Eu adoraria o apoio moral. Rosto de Chloe caiu. — Eu tenho que ficar de babá amanhã. Em seguida, um som cortou o ar. Chloe pegou o telefone e olhou para a tela. — Eu tenho que ir. Minha mãe vai chegar em casa a tempo para fazer o jantar hoje à noite. Os dois caminharam de volta para seus carros. Os faróis de Chloe piscaram quando ela abriu as portas. Depois de ligar o motor, ela se inclinou para fora da janela e olhou para Emily. — Posso vir após o seu encontro de natação? Eu adoraria ouvir o que aconteceu. — Definitivamente —, disse Emily. Chloe saiu do lugar. Emily permaneceu lá por um momento, suas mãos enfiadas fundo nos bolsos. Quando ela estava prestes a abrir sua porta, ela notou algo debaixo do seu limpador de pára-brisa. Suas botas escorregaram no chão gelado quando ela tateou em direção a ela e puxou. Era uma foto, impressa em papel de fotocópia, provavelmente tirada com uma câmera do telefone. Duas meninas dançavam juntas, uma delas segurando seu braço para tirar a foto. quando Emily apertou os olhos, ela percebeu que estava olhando para sua própria imagem. Ela usava um top que dizia Merci Beaucoup!, e sua pele parecia pálida e repuxada. Atrás dela haviam tochas tiki, palmeiras ondulantes e uma barra de madeira familiarizado com um backsplash cerúleo de azulejos. Jamaica. Então Emily olhou para a outra menina, a que tinha tirado a foto. O fôlego deixou seu corpo. Foi Tabitha. Essa era a foto que ela tirou durante sua única dança. Crack. Outro galho quebrou na floresta. Emily olhou para a ponte, o coração disparado. Então ela virou a foto. Havia algo escrito no verso. Ele combinava com o script a partir do cartão postal que havia encontrado na caixa de entrada de Ali. A boca de Emily caiu aberta enquanto lia as palavras.


Esta prova é suficiente? –A


23 QUALQUER MEIO NECESSÁRIO

— Aqui está ela! — O Sr. Marin abriu seus braços quando Hanna entrou no salão no nível mais baixo do prédio onde seu pai estava celebrando uma campanha de angariação de fundos. — Minha inspiração! O novo ídolo do público! Vários convidados se viraram e sorriram, enquanto o Sr. Marin abraçou fortemente Hanna, apertando o seu rosto contra o seu terno de lã. — Minha filha passou por muita coisa, mas é um modelo de como as pessoas podem mudar. De como a Pensilvania pode mudar. E agora podemos fazer acontecer. Finalmente, ele a soltou, dando a Hanna um sorriso entusiasmado. O sorriso de Hanna era trêmulo na melhor das hipóteses. Em quarenta e oito horas, o seu pai poderia saber a verdade sobre ela. Como poderia conseguir os R$ 10.000? E mesmo se encontrasse uma forma para pagar Patrick, como poderia segurar A? Hanna pegou seu celular e começou a escrever uma mensagem para Mike. Tinha razão sobre Patrick. Eu sinto sua falta. Por favor, me ligue. Enquanto pressionava a tecla ENVIAR ela percebeu que alguém estava avançando pelo caminho. Hanna estreitou os olhos para a jaqueta azul clara de Natação de Rosewood Day. Era Emily? — Volto em um segundo — ela disse a seu pai, que virou para falar com um homem de terno preto sob medida. Hanna saltou do átrio e saiu para o ar frio. O cabelo castanho avermelhado de Emily estava desgrenhado em torno de seu rosto, e seus olhos verdes claros estavam avermelhados. — Eu tinha que falar com você. — Emily disse, observando Hanna. — Mas você continua desligando na minha cara, então eu imaginei que essa era a única maneira. — Como você sabia que eu estava aqui? —Hanna exigiu, com as mãos nos quadris. Emily revirou os olhos. — Você posta tudo no Facebook. Qualquer um pensaria que com A solta você s eria um pouco mais reservada sobre o seu paradeiro. Ou você ainda não acredita que isso é verdade? — Então você recebeu mensagens, também? Um casal de idosos passou perto delas empurando-as através das portas do átrio. No meio do grande salão, o pai de Hanna estava apertando mãos e batendo nas costas. Este era um lugar público para falar sobre A. Hanna puxou Emily até a estrada e baixou a voz. — Eu disse que estava recebendo mensagens. — Alguém sabe, Hanna. — A voz de Emily rachou—. A me mandou uma foto de mim e... ela. — O que você quer dizer? Emily pegou a foto e colocou na frente de Hanna. Na verdade, era da Jamaica. — Quem poderia ter conseguido isso? Quem sabe? — É ela, Hanna. Tabitha. Ali. — É impossível! —Hanna exclamou—. Nós ...


Emily a cortou. — Todas as minhas mensagens até agora parecem exatamente como algo que Ali poderia ter escrito. Em uma delas, até me chama de Delegada. Hanna viu à distância. Supostamente suas mensagens lembravam Ali. — Isso não é possível. — Sim, é. — disse Emily, parecendo irritada —. Você sabe disso. Pense sobre o que aconteceu. No que fizemos. O que vimos ... ou não vimos. Hanna abriu a boca, depois fechou de novo. Se permitisse falar ou pensar sobre a Jamaica, a voz terrível de Tabitha invadiria sua cabeça novamente. Mas já era tarde demais. As visões invadiram a mente de Hanna como uma invasão de formigas em um piquenique. Naquela noite horrível, depois que Tabitha deu a entender que sabia que Hanna costumava ser uma gordinha perdedora e feia, Spencer e Emily correram em sua direção, com preocupação em seus rostos. — Precisamos conversar. —disse Spencer—. Sabe essa garota que Emily viu? Tem algo de errado com ela. — Eu sei. —disse Hanna. Encontraram Aria sozinha no bar. Ela também tinha conhecido Tabitha, mas não acreditava que era Ali. — Deve ser uma coincidência. — disse ela. — Não é. — insistiu Emily. As três arrastaram Aria para o quarto que ela e Emily estavam compartilhando e trancaram a porta. Então, cada uma compartilhou a misteriosa e semelhante experiência que tinham tido com Tabitha. A cada história, o coração de Hanna estava batendo mais e mais rápido. Aria franziu a testa, mostrando-se ainda cética. — Deve haver uma explicação lógica. Como ela poderia saber coisas que só Ali sabia, dizer coisas que só Ali disse? — Porque é Ali — insistiu Emily—. Voltou. Só que... diferente. Viu as cicatrizes. Aria piscou. — Então você está dizendo que ela não morreu no incêndio? — Acho que não. — Emily fechou os olhos, com culpa neles novamente. Engoliu saliva — Acho que fugiu da casa. O quarto ficou em silêncio. Houve um golpe forte em um um dos andares acima, que soava como se os garotos estivessem brigando em seus quartos. Aria pigarreou. — Mas e quanto a sua família? Quem está apoiando? Como chegou aqui? — Talvez não saibam que está viva— Emily sussurrou—. Talvez seja sem escrúpulos. — Mas se esta Ali teve uma cirurgia reconstrutiva, — disse Aria—. Você mesma disse, Em. Realmente acha que conseguiu tudo isso por sua conta? Como pagou por isso? — É de Ali que estamos falando. —Hanna abraçou um travesseiro. Não há nada além dela. Perguntas sem respostas flutuavam de forma palpável no ar: E se Ali tinha deliberadamente as seguido até a Jamaica? E se ela estivesse planejando terminar o trabalho que tinha começado em Poconos? O que poderiam fazer? Um barulho abafado as fez virar. Alí, no tapete perto da porta, estava uma folha de papel dobrada. Alguém certamente tinha enfiado pela porta. Spencer pulou e a agarrou. As meninas se reuniram em volta e leram juntas. Ei garotas! Me encontre no ninho do corvo em dez minutos. Eu quero mostrar uma coisa para vocês. Tabitha. Um trem Amtrak na Rota 30 soou ao passar, tirando Hanna de seus pensamentos. Ela beliscou a ponta do seu nariz e olhou para Emily. — Você acha que Wilden acreditaria em nós? — Ouvi dizer que ele já não é policial — Emily esfregou as mãos nos braços, tremendo —. E você poderia ver a cara dele se nós falarmos que estamos sendo torturadas por uma garota


morta? E de qualquer maneira, se contarmos para alguém, A dirá o que nós fizemos. E nós não podemos, Hanna. Não podemos. — Eu sei — Hanna disse em voz baixa, seu coração batendo forte. A porta do átrio abriu, trazendo uma explosão do ruído da festa. Jeremiah saiu, encontrou Hanna, e correu em sua direção, seu rosto se contorceu em uma careta de raiva. — O que você está fazendo aqui fora? E quem é essa? —Ele olhou para Emily, como se ela fosse uma espiã. — Uma amiga— falou Hanna. — A amiga que escreveu isso? — Jeremiah agitou seu iPad no rosto de Hanna. Na tela tinha um e-mail. Hanna se meteu em todo o tipo de problemas ultimamente! Melhor perguntar sobre isso antes que os reporteres o façam. O endereço do remetente era uma confusão sem sentido de letras e números. — Oh meu Deus— sussurrou Emily, lendo a mensagem sobre o ombro de Hanna. Jeremiah olhou para ela. — Você sabe o que é isso? — Não. — Emily e Hanna gaguejaram as duas juntas. O que era verdade, pelo menos para Hanna. Ela não sabia do que se tratava: se o que tinha acontecido na Jamaica, ou o que aconteceu com Patrick. As narinas de Jeremiah se alargaram. Ele colocou o iPad em sua mochila carteiro. A aba se abriu, dando a Hanna um vislumbre de um maço de Marlboro e uma pequena quantidade de dinheiro da campanha. — Fale Hanna. Você tem algo a dizer? — Eu disse que não— Hanna respondeu rapidamente. — Você tem certeza? É melhor você dizer, antes que alguem o diga. — Pela última vez, não. Uma risada se ouviu do átrio. Jeremiah olhou novamente para Hanna e Emily. — Seja o que for, melhor consertar antes que a imprensa descubra. Eu sabia que você não deveria ter posto os pés perto desta campanha. Se fosse por mim, você não estaria ao redor de tudo isso. Em seguida, se afastou furiosamente, atravessando o átrio até o elevador no fu ndo do salão. Hanna cobriu o rosto com as mãos. Emily tocou seu ombro. — Hanna, isso está ficando pior. Se não fizermos nada, A vai arruinar a campanha de seu pai! Sem mencionar as nossas vidas! Vamos ir para a cadeia! — Não sabemos se essa mensagem é de A — Hanna murmurou. — De quem mais seria? Hanna olhou para Jeremiah dentro do elevador. O visor iluminado acima da cabine parou no terceiro andar, onde era o escritório de campanha do Sr. Marin. O dinheiro dentro de sua mochila, de repente passou em sua mente. Ela olhou para o celular. Mike não tinha respondido. Em seguida, apertou o queixo firmemente. Podia não ser capaz de controlar A, mas podia haver uma solução para Patrick. Ela ajeitou o cabelo e olhou para Emily — Você deveria ir para casa. Lidar com isso. Emily franziu o nariz. — Como? — Basta ir, ok? — Hanna empurrou Emily para o estacionamento. — Te ligarei mais tarde. Tenha cuidado, ok? — Mas... Hanna voltou ao atrio, não queria ouvir qualquer protesto de Emily. Abaixando sua cabeça, caminhou secretamente pelo canto do salão. As pessoas estavam em pé na fila do buffet, se servindo de hambúrgueres de avestruz e salada caprese. Kate flertava com Joseph, um dos colaboradores mais jovens do Sr. Marin. O Sr. Marin e Isabel estavam se divertindo com um grande doador que tinha prometido retornar à sua eleição. Ninguém notou quando Hanna passou pela porta pesada até as escadas. Ela subiu três lances de escadas, os saltos ecoando nos degraus de concreto. No andar de seu pai, abriu a porta da sala e reconheceu a cabeça calva de Jeremiah


fora do escritório de seu pai. Ele estava falando energicamente em seu Droid. Vamos, vamos, Hanna pediu em silêncio. Finalmente, Jeremiah desligou, passou pelas portas duplas e apertou o botão DESCER do elevador. Hanna se encostou contra a parede e prendeu a respiração, rezando para ele não ver. Enquanto Jeremiah esperava, enfiou a mão no bolso da calça de seu terno, pegando recibos e outros pequenos pedaços de papel. Um objeto caiu no tapete, mas ele não percebeu. Ding. As portas do elevador abriram, e Jeremiah entrou. Tão logo as portas fecharam, Hanna se adiantou, olhando para o objeto brilhante que ele havia deixado cair. Era um prendedor de dinheiro de prata com as iniciais JPO. Tudo estava se encaixando melhor do que ela imaginava. Ela pegou o prendedor com o punho da manga de seu casaco e entrou para dentro do escritório de seu pai. O lugar cheirava a colônia sufocante de Jeremiah. Cartazes vermelhos, brancos e azuis que diziam TOM MARIN, PARA SENADOR cobriam as paredes. Alguém tinha deixado um sanduíche meio comido em um dos cubículos, e uma cópia do Philadelphia Sentinel estava virada sobre um dos sofás de couro preto no canto. Hanna foi na ponta dos pés para o aposento separado de seu pai. O abajur verde ainda estava ligado. Ao lado do telefone estava um portaretrato Tiffany do casamento do Sr. Marin e Isabel. Kate estava na frente dos recém-casados, e Hanna estava ligeiramente ao lado, como se não tivesse a intenção de aparecer na foto. Ela não estava nem sequer olhando para câmera. Olhando em volta freneticamente, ela avistou no canto perto da janela, um cofre pequeno cinza. Ela sabia que o tinha visto na noite da projeção. Ela correu em direção ao cofre e se agachou. O cofre era do tipo utilizado em quartos de hotel onde você tinha que digitar um código de quatro dígitos em um teclado. Olhando em volta, pegou um lenço de papel de uma caixa sobre a mesa de seu pai, para não deixar impressões. Primeiro, ela tentou 04 de novembro, a data da eleição do próximo ano, mas as duas grandes luzes vermelhas piscaram irritantemente em seu rosto. Que tal 1-2-3-4? Mais luzes vermelhas. 1-7-7-6, por ser patriota e pai fundador? Nada. Creak. Hanna saltou, olhando loucamente para porta. Jeremiah estava retornando para pegar seu prendedor de dinheiro? Embora não houvesse sombras no vidro fosco, outro rangido soou na direção oposta. Ela se virou e olhou para seu reflexo na janela escura. Seus olhos estavam arregalados e seu rosto estava pálido. — O-Olá? —Ela chamou—. Tem alguém? A neve caía levemente na calçada fora da janela. Do outro lado da rua, um carro parado, os faróis acesos. Uma figura sentada nas sombras no banco do motorista. Hanna estava louca, ou era a cabeça de uma pessoa que estava inclinada para cima em direção ao escritório de seu pai, olhando diretamente para ela? Respirando fundo, inclinou-se e avaliou novamente a senha. A combinação tinha que ser algo que ela conhecia. A foto do casamento sobre a mesa seu pai chamou sua atenção novamente. Com as mãos trêmulas, digitou o aniversário de Isabel. Luzes vermelhas. Engolindo em seco, ela tentou o seu próprio aniversário, 23 de Dezembro. Luzes vermelhas. Ela olhou a foto de Kate sorrindo, então digitou 0-6-1-9, 19 de junho, aniversário de Kate. Clique. A luz ficou verde. O cofre foi liberado e a porta se abriu. Hanna foi preenchida por um momento de dor excruciante; claro que ele havia estabelecido a combinação do aniversário de Kate. Mas se esqueceu disso quando viu pilhas e pilhas de dinheiro. Ela puxou um maço para contar. Mais três maços e já tinha feito exatamente 10 mil. Havia muito mais dinheiro no cofre, Hanna se perguntou se seu pai sentiria falta. Ela enfiou o dinheiro na bolsa e fechou a porta do cofre. Então, deixou cair o prendedor de dinheiro de Jeremiah à alguns centímetros de distância. Sua cabeça deu voltas quando ficou em pé. O dinheiro parecia que pesava meia tonelada em sua bolsa. Ela olhou pela janela novamente. O carro ainda estava lá parado, o motorista ainda no banco dianteiro. Será que essa pessoa viu? Era A? Um momento depois, o motor ligou. E então, silenciosamente, o carro partiu, os pneus triturando claramente na neve lisa.


24 A FANTASIA DE TODO CARA

Uma garçonete colocou uma caneca de chocolate quente sobre a mesa na frente de Aria e estalou a língua. — Uau. Você parece com frio. — Você acha? — Aria murmurou sarcasticamente, pressionando as mãos na caneca quente e dispensando a garçonete. A frieza era exatamente o motivo de Aria estar sentada tão perto da lareira no interior do alojamento do esqui como ela poderia, de fato, ela entraria no fogo se pudesse. Lá fora, a neve rodopiava, toneladas de esquiadores descendo as ladeiras, olhando frio na mínima. Meninas praticando snowboard em casacos da Fair Isle e jeans. Então, novamente, eles provavelmente não passaram horas sobre seu bumbum, a neve fria entrando através de seu equipamento de esqui supostamente de alta tecnologia direto na sua sensível pele de não-esquiador. Aria tinha certeza de que mesmo as pálpebras estivessem congeladas. A noite tinha sido miserável. Depois que Klaudia decolou até o elevador sem Aria, Noel deu de ombros. — Talvez seja melhor você ter aulas de um verdadeiro instrutor de qualquer maneira. — Então ele deixou Aria na Escola de Esqui e desapareceu na mesma encosta sombria. Honestamente, Aria não tinha certeza por que ela não tinha dito logo a verdade, mas ela achou que poderia aprender rapidamente e juntar-se a Noel na montanha. Certo. A classe novata estava cheia de crianças de sete e oito anos de idade. O instrutor, bem-humorado, cara australiano chamado Connor que achou que Aria fosse uma das babás das crianças, levou-os à parte menos íngrime da montanha e ensinou-lhes como fazer um snowplow. Desnecessário dizer que, cada uma das crianças conseguiu muito antes de Aria. A única vez que ela desceu a encosta foi quando ela escorregou de bunda. Ocasionalmente, ela viu Noel e Klaudia esquiando, levantando muita neve quando pararam na parte inferior do morro. Nenhum deles olhou na direção da encosta onde Aria estava. Por que eles olhariam? Por que eles iriam querer verificar para ver como a peikko estava indo? — Aí está você! Aria olhou para cima, logo que Noel entrou no lodge, a neve e o gelo endurecido em sua jaqueta e calça de esqui. Klaudia seguiu Noel, as bochechas cor de rosa e o seu loiro cabelo ainda perfeitamente arrumado. Ambos olharam sem fôlego e, exaustos de um modo feliz, como se tivessem acabado de ter toneladas de sexo. Aria rapidamente mordeu o interior de sua bochecha e afastou-se. Dois irmãos de Noel, Eric e Christopher, cambalearam por detrás deles. — Você foi incrível lá fora, Klaudia! — Eric gritou quando a viu. — Quanto tempo tem que você foi esquiar? — Oh, eu hiihto antes de andar! — Klaudia abriu o zíper de seu casaco. — Vocês a viram sobre os picos? — Noel tirou o chapéu e óculos de proteção. — Ela parecia incrível. Todo mundo nos elevadores estava torcendo como se estivéssemos no Jogos Olímpicos.


— Era uma boa montanha. — Klaudia admitiu. — Um pouco fácil, talvez, mas ainda assim divertido. Aria deixou escapar um suspiro sarcástico, o que fez com que todos parassem e olhassem. Noel se aproximou e sentou-se na cadeira de couro batido ao lado de Aria. — Hey. — Hey. — Aria respondeu em um tom monótono, olhando para as mãos marcadas. Elas provavelmente nunca vão voltar ao normal. — Onde você se meteu? — Noel perguntou. — Eu continuei olhando para você nas pistas, mas não a vi. Achei que ia me encontrar no topo da montanha depois da Aula de Esqui. Aria queria despejar o chocolate quente em sua cabeça. — Desculpe, mas a aula de Esqui não me ensinou a esquiar picos. Mas eu espero que você e Klaudia tenham se divertido. Ela odiava seu tom de voz, mas ela não conseguia esconder seus sentimentos por mais tempo. Uma ruga apareceu entre os olhos de Noel. — Você foi a única que não quis que ela te ensinasse. Não fique brava, porque ela saiu e fez a sua própria aula. Aria enrolou os punhos. Claro que isso era culpa dela, Klaudia era totalmente inocente. — Ei, vocês sabem que horas são? — Christopher interrompeu. — Banheira quente! — Legal! — Eric deu a seu irmão um high five. — Eu amo poreammeita! — Klaudia saltou para cima e para baixo como em um jardim de infância. Noel olhou para Aria. — O que você acha? A imersão na banheira de água quente antes do jantar? Você vai adorar. Eu prometo. Aria olhou para os marshmallows de fusão em seu chocolate quente. O mau humor da menina dentro dela só queria ir lá para cima, tomar um banho longo, e assistir a um filme estrangeiro no pay-per-view. Mas ela estava congelando. Talvez um banho na banheira de água quente iria derreter sua irritação também. Quinze minutos depois, Aria tinha colocado seu biquini e se enrolado em um dos roupões cor de terra cota do hotel. Ela correu pelo do deck da piscina para a banheira de hidromassagem. Vapor subiu alto no ar. Os jatos de bolhas. Os irmãos Kahn já estavam absorvendo e bebendo garrafas de cerveja. Quando Noel viu Aria, se mexeu para deixar mais espaço. Ela tirou o robe, estremeceu no ar abaixo de zero, e escorregou na banheira ao lado dele. Ahhh. — Isso é lindo. — Aria inclinou a cabeça para o céu. Toneladas de estrelas brilhavam intensamente. A lua iluminou um pouco mais a montanha. A neve brilhante, caindo sobre a montanha parecia uma cena dentro de um globo de neve. — Eu disse que você ia gostar. — Noel apertou a mão dela. Eric Kahn recostou-se e esticou os braços para fora no deck. — Eu não posso esperar para chegar amanhã de manhã. — Eu ouvi Klaudia dizer que ela está realmente ansiosa para voltar para fora, também —, disse Noel. — Essa menina poderia realmente esculpir —, Christopher murmurou. — Eu me pergunto em que mais ela é boa. Os irmãos mais velhos Kahn riram grosseiramente. Aria endureceu e olhou fixamente para Noel, desafiando-o a rir também. Felizmente, ele não o fez. Então, como se fosse uma deixa, a porta do hotel foi aberta. Uma silhueta apareceu. — Hallo? — A voz alegre Klaudia trespassou o ar de neve. — Hey! — Eric gritou para Klaudia. — Venha! A água é incrível! Klaudia pulou sobre a banheira. Ela usava um roupão similar ao de Aria, o cinto atado firmemente ao redor da cintura dela. Seu cabelo loiro derramado sobre os ombros. Suas pernas nuas se projetavam abaixo da bainha. Os meninos Kahn olharam para ela, a língua pendendo como cães. Então, lentamente, como se estivesse realizando um striptease, Klaudia desfez o cinto de seu robe. Ele caiu no chão. Ela encolheu os ombros para fora do


roupão para deixá-lo cair, também. Noel ofegou. Assim fez Eric. Por um momento, os olhos de Aria não podiam focar -tudo que ela podia ver era pele, muita pele, como se Klaudia usasse um biquíni cor de pele. Mas então ela percebeu. Klaudia não estava usando nada. Ela estava totalmente e completamente nua. — Puta merda —, desabafou Christopher enfática e apreciativa. — Whoa. — Eric gemeu baixinho. Noel encarou-a bobamente, também. Klaudia só ficou lá como uma exibicionista louca finlandês, seus peitos balançando para o mundo inteiro ver. Nem um único do Kahns disse a ela para encobrir. Por que eles fariam? Foi simplesmente demais. Soltando um grito reprimido, Aria pulou para fora da banheira, pegou uma toalha e correu para a porta, mal sentindo o ar frio em sua pele ou o concreto gelado sob seus pés. Uma vez dentro, enrolou a toalha em volta dela, cambaleou em direção aos elevadores, e apertou o botão de chamada repetidamente. É claro que esta seria a única vez que o elevador decidiu parar em cada andar. — Ahã. Aria pulou e se virou. Noel estava na entrada, vapor saindo de seu corpo seminu. Havia um rastro de pegadas molhadas de onde ele vinha. — Onde você vai? Aria pressionou o botão de chamada novamente. — Para o meu quarto. — Você não deveria pedir desculpas primeiro? Ela chicoteou ao redor. — Para quem? — Klaudia não fez nada de errado, Aria. Ela o encarou sem acreditar. — Você está brincando comigo? Noel apenas deu de ombros. Parecia que um bilhão de vasos sanguíneos no cérebro de Aria estouraram. — Okay. Okay. Que seja. Se você quiser ter o seu quarteto com Klaudia pouco, tudo bem. Mas não na minha cara, ok? Eu não acho que eu realmente tenha que assistir. Finalmente, o elevador chegou e as portas abriram deslizando. Aria marchou para dentro, mas Noel a puxou de volta para fora. Seus olhos verdes estavam cheios de mágoa. — Aria, Klaudia está chorando lá fora. Ela não sabia que ela deveria vestir uma roupa de banho na banheira de hidromassagem. Na Finlândia, ninguém faz! Rapazes andam nus em banheiras de hidromassagem. As meninas vão nuas em banheiras de hidromassagem. Eles não são tão pudicos sobre isso como nós somos. Você não devia ter gritado com ela, eu acho que você de todas as pessoas poderia entender o sentido de sensibilidade cultural. Aria arrancou o braço de sua mão. — Sensibilidade cultural? Noel, Klaudia aparecer nua em banheira de água quente não é uma coisa cultural, é uma coisa safada! A boca de Noel caiu aberta. Ele fechou os olhos e balançou a cabeça como se ele não acreditasse nela. Como ele pensava que ela estava apenas sendo uma puta com ciúmes. As portas do elevador começaram a fechar novamente, mas Aria enfiou a pé entre as portas e os parou. — Klaudia quer você, Noel —, disse ela friamente. — E se você não estivesse tão louco com ela, você iria notar que ela está sendo realmente óbvia sobre isso também. Ela entrou no elevador e apertou com força no botão CLOSE. Parte dela esperava que Noel pisasse dentro e subisse com ela, mas ele só ficou no vestíbulo, piscando para ela, seu rosto cheio de decepção. Com um whoosh, as portas fecharam, e em momentos o elevador arrastou Aria até seu andar. Quando Noel se foi depois disso, ela não sabia. E ela tentou enganar-se a acreditar que ela não se importava.


25 UMA FAMÍLIA GRANDE E FELIZ

Às 20:00 horas, Spencer, Zach, e Amelia passaram sob o toldo verde e branco de Smith e Wollensky, a churrascaria de luxo na Terceira Avenida, e entraram pelas portas duplas de bronze. A área do bar era para até seis pessoas, e todo mundo estava gritando. Os empresários estavam sentados nas mesas de carvalho gigantes comendo costelas e hambúrgueres suculentos do tamanho de suas cabeças. Mulheres troféu bebiam martinis e flertavam animadamente com rapazes irlandeses em camisas brancas tomando taças do tamanho de copos de vinho atrás do bar. O ar cheirava a testosterona e carne. — Deixe meu pai nos levar em algum lugar super masculino — Zach murmurou no ouvido de Spencer quando a anfitriã os levou para outro lado da churrascaria, onde seus pais estavam esperando. — Você realmente acredita que sua mãe acha este lugar romântico? Spencer duvidava, mas beliscou o braço dele. — Ora, ora. Temos de estar no nosso melhor comportamento, lembra-se? Zach levantou uma sobrancelha. — Na verdade, eu pretendo ter o nosso pior comportamento. — Oh, sim? O que você tem em mente? — Jogo de beber. — Os olhos de Zach brilharam. Colocou a mão em sua mochila e mostrou para Spencer a ponta de um frasco de aço inoxidável. — Está cheio de Absolut Kurant. — Garoto malvado — Spencer sussurrou —. Eu estou dentro, esta é a minha regra: toda vez que minha mãe exagere com seu pai, tomamos um drink. — Tudo bem. E cada vez que meu pai se achar o máximo, bebemos. Spencer bufou. — Vamos cair antes que a comida chegue. Zach levantou a sobrancelha. — Não é essa a idéia? O formigamento em Spencer começou de novo. Depois do momento de provocação no vestiário, Zach tinha sido mais sentimental do que nunca, colocando a mão na cintura de Spencer e dando espontâneos apertões em sua mão cada vez que Amelia saía com uma roupa fabulosa. Quando tinham passado Cartier na caminhada para Saks, até mesmo pegou a mão de Spencer e perguntou se ela queria entrar. Ele queria comprar alguma coisa. — Só se for um anel de platina amor — ela brincou. O que fez Amelia dar um olhar enojado e andar alguns passos à frente deles o resto da tarde. A Sra. Hastings cumprimentou os três quando eles se aproximaram da mesa. Sr. Pennythistle se sentou à sua direita. Ambos estavam vestidos com trajes de ópera, o Sr. Pennythistle em um smoking, e a mãe de Spencer com um vestido justo que se aderia em seu corpo esguio perfeitamente. Tinha uma garrafa de vinho tinto aberta em cima da mesa, junto com um prato de lula frita. Quando se sentaram, a Sra. Hastings fez o prato para o Sr Pennythistle. — Eu sei que você odeia os tentáculos — disse ela com voz maternal e colocou o prato diante dele. —Obrigado, querida — disse Pennythistle, pegando a faca e o garfo.


Spencer e Zach trocaram um olhar, quase gargalhando com a palavra tentáculos. Zach secretamente pegou a garrafa e derramou um pouco no copo de Spencer e no seu, de água com gás. Ambos tomaram um gole grande. — Então crianças o que fizeram hoje? A Sra. Hastings mer gulhou um pedaço de lula na tijela de molho marinara. — Oh, sim, nós fizemos a coisa turística de Nova Iorque — disse Spencer —. Saks, Bendel, Barneys. Amelia comprou muitas roupas legais. — Oh, essas lojas são adoráveis — A Sra. Hastings suspirou melancolicamente. O Sr. Pennythistle franziu a testa. — Você não foi a todos os museus? Não visitou a bolsa de valores? Amelia apertou a boca fechada. Zach afundou em sua cadeira.O Sr. Pennythistle empurrou uma lula em sua boca com prazer. — E sobre o tour do Carnegie Hall que eu consegui para você, Amelia? Eu tive que mexer os pauzinhos para conseguir. — Eu vou amanhã, papai — Amélia respondeu rapidamente. Puxa-saco. — Bem. — O Sr Pennythistle assentiu com a cabeça, e depois olhou para Zach. E você está dizendo que não se encontrou com Douglas? Spencer olhou para Zach, tinha esquecido seu encontro com o homem de admissões de Harvard. Zach deu de ombros. — Eu não quero. O Sr. Pennythistle piscou com força. — Mas ele estava esperando sua ligação. — Ele pegou seu BlackBerry — Vou ver se pode conhecer você amanhã de manhã... Parecia que Zach ia explodir. — Sabe, nem todos querem ir para Harvard, pai. A boca do Sr Pennythistle caiu ligeiramente aberta. — Mas... você vai adorar a Universidade de Harvard, Zachary. Algumas das minhas melhores recordações são do meu tempo lá. — É uma escola encantadora. — declarou a Sra. Hastings e o Sr. Pennythistle apertou sua mão em sinal de gratidão. Mas Zach juntou as mãos acima da mesa, sem pestanejar. — Eu não sou você, pai. Talvez eu deseje outras coisas. O Sr. Pennythistle parecia prestes a dizer alguma coisa, mas a Sra. Hastings interrompeu rapidamente. — Ora, ora, não vamos brigar! Ela empurrou o prato de lula para Zach como se fosse um consolo. — Nós estamos tendo um bom momento em Nova York. Vamos continuar dessa maneira. Um som curto veio do telefone do Sr. Pennythistle. — Ah— disse ele, olhando na tela. — Podemos encontrar com Douglas às 10 horas da manhã. Problema resolvido. Um garçom se aproximou para tomar seus pedidos. Spencer virou para Zach. — Você está bem? Zach não moveu um músculo da mandíbula. Manchas vermelhas apareceram em seu pescoço e bochechas. — Tudo o que eu digo entra por um ouvido e sai pelo outro. — Sinto muito. Zach deu de ombros e acrescentou mais vodka em sua água. — A história da minha vida. Mas escute, temos que colocar-nos em dia. Meu pai está totalmente jogando seu peso ao redor. — Temos que tomar pelo menos cinco drinks, por minha conta — Spencer sussurrou. Houve muitas outras oportunidades para beber depois disso, também. Uma vez ordenada, a conversa girou em torno do Sr. Pennythistle e como ele era um fiel cliente de Smith e Wollensky que havia colocado seu nome em uma placa de bronze na parede, “beber, beber, beber.” Quando a comida chegou, a Sra. Hastings procurou molho de carne para o T -Bone do


Sr. Pennythistle, maionese para suas batatas fritas, e a carta de vinhos para ele escolher outra garrafa de bebida, “beber, beber." Spencer estava tão tonta com vodka que ela mal tocou seu filé, nem tinha certeza por que havia pedido. Zach manteve-se rindo em intervalos aleatórios. Amélia olhou desconfiada do outro lado da mesa, mas não disse nada. Ela não tinha ficado tão perdida desde... bem desde o verão passado. Mas ela fechou essa parte de sua mente antes que pudesse pensar com muito cuidado sobre isso. Conforme o jantar progredia, o pai de Zach e a mãe de Spencer se aproximaram mais e mais. O Sr. Pennythistle alimentava a Sra. Hastings com cr eme de espinafre. A Sra. Hastings limpou um pouco de molho da bochecha do Sr. Pennythistle. Há muito tempo que Spencer não via sua mãe tão feliz , e o pai de Spencer não era muito piegas. Spencer e Zach se aproximaram um do outro também, os pés batendo na mesa, suas mãos tocando, e esvaziando a garrafa de Zach. Quando a garçonete trouxe enormes pedaços de cheesecake de sobremesa, o Sr. Pennythistle tilintou o garfo contra o copo. — Bem, pessoal, tenho um anúncio a fazer. — Ele olhou ao redor da mesa. — Pretendiamos manter em segredo até amanhã, mas podemos dizer agora. — Ele tomou a mão da mãe de Spencer —. Eu pedi Veronica em casamento. E ela aceitou. Spencer olhou para sua mãe, que estava tirando uma caixa de jóias Tiffany de sua bolsa. A caixa se abriu, revelando um anel de diamante enorme. — Uau. Spencer respirou, sempre se sentia um pouco intimidada por diamantes — Parabéns, mãe. — Obrigada! A Sra. Hastings deslizou o anel em seu dedo. Nós demos a notícia para Melissa antes de vocês chegarem. Ela quer que nós tenhamos a cerimônia em casa, mas eu estou pensando em algo um pouco mais fabuloso. — Quando se casam? — Zach perguntou timidamente. — Acreditamos que o casamento será daqui alguns meses. — disse Pennythistle, as bochechas rosadas com orgulho. — Talvez um casamento com destinação, ainda não decidimos — a Sra. Hastings disse —. Mas agora, eu pedi para Nicholas se mudar para a casa com a gente, Spencer. Amelia e Zach serão seus irmãos muito em breve, devem se acostumar. Amélia deixou escapar uma careta de horror, mas Spencer e Zach se olharam e sorriram bêbados. — Oi irmão. — Spencer brincou, batendo no ombro de Zach. — Prazer em conhecê-la, irmã — disse Zach em uma voz totalmente não de irmãos. Ele escondeu a mão debaixo da mesa, entrelaçada com a de Spencer, e apertou firmemente. — Isso definitivamente requer um brinde. — A Sra. Hastings fez sinal para os garçons. — Eu acho que as crianças podem tomar uma taça de champanhe, não é, Nicholas? — Só desta vez — objetou o Sr. Pennythistle. — Uma rodada de champagne para a mesa! — A Sra. Hastings pediu. As taças chegaram imediatamente. Spencer e Zach se olharam novamente, desafiando um ao outro para não rir. — Saúde! — Exclamaram os dois. Eles bateram seus copos e beberam. A mãe de Spencer e o pai de Zach sairam depois do jantar, eles deram boa noite aos filhos nas escadas rolantes de Hudson. Amelia retirou-se para seu quarto imediatamente, mas Spencer e Zach ficaram rindo da decoração minimalista do hotel e da música Techno em toda parte. Seus quartos estavam um ao lado do outro, e abriram as suas portas com cartões magnéticos . — Merda — Spencer disse quando ela abriu a porta —. É como um hotel cápsula Japonês! —Um porteiro tinha trazido suas coisas hoje, então não tinha entrado no quarto até o momento. A coisa toda era do tamanho do lavabo da sua família no primeiro andar. — Um hobbit poderia morar aqui — Zach disse da porta de seu quarto — Meu pai fez todos os esforços possíveis para nós. Spencer se juntou a ele em seu quarto. Era o mesmo que o dela, a cama mal cabia no pequeno canto do hotel chamado quarto.


— E olhe o banheiro! — ela gritou —. Está situado em um espaço minúsculo. Como é que alguém cabe nesse banheiro? — Pelo menos a cama é confortável — Zach chamou cinco metros de distância. Ele tirou os sapatos e começou a saltar —. Pule comigo, irmã. Spencer tirou os saltos e subiu na cama. Manhattan piscou pela janela como uma imagem enorme. — Se você me chamar de irmã de novo, eu vou te dar um chute na bunda. Zach continuou pulando. — Não parece que você pode chutar alguma coisa. — Ah, é? — Spencer pulou na cama e o derrubou, empurrando-o para o colchão e envolvendo seus braços em volta de sua cabeça. Zach a empurrou facilmente, logo estava em cima dela. Ele estava em cima dela por um momento, seu cabelo caindo desordenado em seu rosto, sua boca se contorceu em um sorriso, e depois começou a fazer cócegas em sua barriga. — Não! — se sacudia Spencer —. Pare! Por favor! — Isto é o que irmãos fazem! — Zach falou —. Tem que se acostumar com isso! — Eu vou matar você! — Spencer gritou, rindo incontrolavelmente. — Você está rindo! — Zach gritou— . Isso significa que você gosta! Mas então ele parou, caindo na cama e inclinando a cabeça sobre seu braço. — Você é tão ruim. — sussurrou Spencer, ofegante —. Mas eu gosto de você de qualquer maneira. — Você não queria que eu fosse para Harvard? — Zach perguntou. Spencer soprou ar de suas bochechas. — Esta escola é para os perdedores. — Você gosta de mim mesmo eu sendo gay? — Os olhos sob os longos cílios de Zach estavam muito abertos. Spencer piscou. — Você é? Os lábios de Zach se abriram. Seus olhos se voltaram para a direita. Ele se aproximou dela, sem resposta. De repente, ele a beijou suavemente nos lábios. Spencer fechou os olhos,saboreando o gosto da vodka e molho de carne. Mas o beijo foi mais amigável do que romântico, mais bêbado e exagerado do que realmente sensual. Spencer pensou que se sentiria decepcionada, mas ficou surpresa ao descobrir que não se importava. Zach tinha um monte de coisas para descobrir. Talvez Spencer deveria ajudar, e não confundir ainda mais. Eles se separaram, sorrindo um para o outro sem ter o que dizer. — Quer dormir? — Spencer perguntou. — Claro — disse Zach. E então ele passou os braços em volta dela, puxando-a com força para ele. Imediatamente Spencer se acalmou, e caiu em um sono profundo e feliz.


26 AS COISAS ESQUENTAM NA PISCINA

Emily se impulsinou no nado borboleta com toda a sua força. A parede da piscina borrada apareceu à frente, e ela pulou para o bloco de cronometragem eletrônica na parede. Quando ela se virou, todo mundo ainda estava terminando sua corrida. Sim. Ela ganhou . E quando ela olhou para o seu tempo no relógio, viu que tinha ido quatro décimos de segundo mais rápido do que no ano passado. Ótimo. — Parabéns —, um dos juízes disse assim que Emily saiu. — Você quase bateu o recorde do percurso. Raymond, seu treinador, foi até ela e lhe deu um grande abraço, nem se importando que ela estivesse encharcada. — Notável para o seu primeiro encontro de volta! —, Ele gritou. — Eu sabia que você conseguiria! Emily tirou os óculos e a touca, seus músculos pulsavam e seu coração ainda batia rapidamente. A multidão aplaudiu. Os outros concorrentes sairam da piscina e olhavam com inveja para ela. Vários companheiros de equipe deram tapas nas costas dizendo como ela voltou para seu condicionamento. — Ótimo! —, Disse uma garota chamada Tori Barnes, que tinha sido melhor amiga de Emily durante um verão na segunda série. — Comeram sua poeira —, acrescentou Jacob O'Reilly, o namorado de Tori, que teve uma paixonite por Emily durante a temporada de mergulho na quarta série, e colocou um anel de diamante da máquina de chicletes no armário dela. Emily sorriu de volta para eles, deixando cair seus óculos em sua bolsa de equipamentos. Ela tinha esquecido como é bom se sentir a vencedora numa competição. Mas ela queria compartilhar o momento especial com alguém... bem, especial, e as crianças do time não eram o suficiente. Revirando a sua bolsa, ela encontrou seu telefone e escreveu um novo texto para Chloe. Acabei de ganhar a corrida! Tão animada para sair esta noite! Emily não podia esperar para comemorar, não alcoolicamente, é claro. — Emily? Um homem com a camisa da University of North Carolina ziguezagueou através do nó de nadadores. Ele tinha um rosto bem barbeado, olhos azuis enrrugados, fino cabelo castanho, e carregava uma prancheta com capa de couro e uma câmera de vídeo. Sr. Roland caminhou ao lado dele. Sentimentos mistos imediatamente preencheram Emily. Por mais que ela quisesse ver o recrutador, ela desejou que o Sr. Roland não tivesse vindo com ele. — Emily, este é Marc Lowry, da Universidade da Carolina do Norte, — o Sr. Roland disse. — Prazer em conhecê-lo. — Emily apertou sua mão. — Prazer em conhecê-la —, Lowry respondeu. — Grande corrida. Grande golpe. Você parece promissora. — Obrigada.


— Mr. Lowry tem algumas novidades para você —, disse Roland anunciando. — Você pode falar conosco em particular? — gesticulou em direção ao quarto, pequeno e vazio fora da piscina que a equipe usava para a prática de terra seca. Emily seguiu-os através das portas. Uma máquina de Pilates encostada no canto, uma caixa de bolas de medicina e bandas de resistência em outro. Uma poça de Gatorade derramado algo neon-amarelo, provavelmente, brotaram pela porta. Uma embalagem vazia que outrora continha uma touca de natação Speedo abandonados pela janela embaçada. Lowry deixou sua prancheta cair para o lado dele e estudou Emily. — Com base em seus tempos e seu desempenho tanto hoje como nos últimos quatro anos, gostaríamos de oferecer-lhe uma bolsa integral para nossa escola. Emily bateu as mãos sobre a boca. — Sério? Lowry assentiu. — Não é um negócio feito ainda: nós temos que entrevistá-la, rever suas transcrições, tudo isso. E Henry disse que levou algum tempo fora no ano passado por causa do incidente Alison DiLaurentis, correto? — Isso é certo —, disse Emily. — Mas eu estou totalmente empenhada em nadar agora. Eu prometo. — Ótimo. — Quando o Sr. Lowry sorriu, Emily podia ver um dente de ouro preenchendo o fundo da boca. — Bem, é melhor eu ir andando, eu tenho um par de outras crianças na área para falar. Estaremos em contato no início desta semana. Definitivamente celebrar, no entanto. Isso é enorme. — Muito obrigada —, disse Emily, tremendo de felicidade. Então o Sr. Lowry girou nos calcanhares e marcharam de volta através da porta. Emily esperou que Sr. Roland o seguisse, mas não o fez. Seus olhos estavam voltados para Emily. — Incrível, hein? —, Disse. — Isto é realmente, realmente, incrível —, respondeu ela. — Eu não sei como lhe agradecer. Uma das sobrancelhas arqueou do Sr. Roland. Um sorriso malicioso enrolado em seus lábios. A luz fluorescente fez sua pele parecer macabra. De repente, Emily sentiu como um desses animais na natureza que percebem o perigo antes de vê-lo. Ele chegou mais perto dela, seu hálito quente em seu rosto. — Bem, eu tenho algumas idéias... Seus dedos dançavam levemente na pele de seu braço levemente úmido. Emily se afastou. — Mr. Roland... — Está tudo bem —, Roland murmurou. Seu corpo se movia ainda mais perto dela, prendendo-a contra a parede. Ele cheirava a xampu Head & Shoulders e Tide detergente de lavanderia, tais aromas inocentes. Seus dedos deslizaram sob as alças de seu maiô. Ela fez um som horrível grunhindo enquanto ele apertava contra ela. — Pare, por favor, — Emily disse, empurrando-o. — Qual o problema? — Sr. Roland sussurrou, cobrindo a boca dela com um beijo. — Você estava a fim na quinta-feira, Emily. Você me beijou. Eu senti isso. — Mas Ela fez uma pausa para o outro lado da sala, mas o Sr. Roland pegou o pulso dela e puxou-a para trás. Ele continuou arranhando-a, beijando seu pescoço, os lábios novamente, a sua garganta. O tiro de partida apitou pela porta, seguido do toque de nadadores. A multidão gritava, alheio, a como Emily se esforçava para empurrar-lo mais uma vez. — Oh meu Deus. Sr. Roland virou-se para a figura que havia aparecido na porta. Alívio irrompeu Emily com a interrupção bem-vinda. Mas então o rosto do Sr. Roland era uma casca de ovo branco. — Ch-Chloe? O coração de Emily caiu aos seus pés. Claro o suficiente, Chloe estava lá, um grande cartaz à mão com letras que diziam: Vai, Emily! pressionado contra o peito. — Chloe! — Emily chorava.


Sr. Roland empurrou as mãos nos bolsos e caminhou para o outro lado da sala de Emily, tão longe dela como ele poderia conseguir. — Eu não sabia que você estava vindo, querida. Mas você ficou sabendo sobre Emily? Ela conseguiu a bolsa! Chloe deixou cair o cartaz no piso de ladrilho. Pelo olhar devastado em seu rosto, estava claro que ela tinha visto tudo. — Eu estava indo para surpreendê-la —, disse ela apaticamente para Emily. — Eu vi a sua corrida. Eu vi meu pai levando o recrutador para falar com você. E eu pensei... — Seus olhos cintilaram de seu pai, depois voltaram para Emily novamente. A expressão de horror atravessou seu rosto. Emily olhou para baixo. A alça do seu maiô estava na metade do ombro. Parecia que ela queria isso. — Chloe, não! — Emily protestou, rapidamente puxando a alça de volta. — Isso não é... Eu não... ele... Mas Chloe saiu do quarto, sacudindo a cabeça em silêncio. Um misto de emoções passavam em seu rosto ao mesmo tempo: repulsa, traição, ódio. Um meio soluço, meio grunhido, saiu do fundo da garganta, e ela se virou e correu. — Chloe, espere! — Emily gritou, correndo para fora da porta do escritório, escorregando no piso molhado. — Por favor! Mas já era tarde demais. Chloe tinha ido embora.


27 AHH, MEMÓRIAS DE FÉRIAS

— Ei, pessoal! — Uma voz chamou suavemente. — Eu acho que vocês receberam minha mensagem! Hanna ficou parada junto às escadas. Seus nervos batiam e estalavam sob sua pele. Tabitha, a menina no final da plataforma do telhado, de repente parecia diferente. Mais parecida com Ali do que o habitual. De repente, ela podia acreditar. Emily estava certa. Era Ali. — Aproxime-se, Hanna! — Ali brincou, acenando com um dedo enrolado. — Eu não vou morder! Os olhos de Hanna se abriram. O suor escorria pela parte de trás do seu pescoço. Seu polegar estava firmemente entre os lábios. Desde a Jamaica, sempre que se sentia realmente assustada, ela chupava o dedo em seu sono. Ela estava pensando nisso novamente. Sonhando com ela novamente. — Hanna? — Sua mãe bateu na porta do quarto de Hanna. — Hanna? Levante-se! Dot, o pinscher de Hanna, lambeu seu rosto com entusiasmo. Hanna olhou para o relógio digital ao lado de sua cama. Eram dez horas. Normalmente, Hanna dormia até meio-dia nos finais de semana. Sentou-se e gemeu. — Mãe, eu não quero fazer Bikram com você! — Desde que sua mãe havia retornado de Cingapura no ano passado, ela havia estado obcecada com a realização de noventa minutos de yoga intensa em uma sala de 100 graus nas manhãs de sábado. — Não se trata de Bikram. — A Sra. Marin parecia exasperada. — Seu pai está no telefone. Ele quer que você vá encontrá-lo em seu escritório. Agora. A noite anterior surgiu na cabeça de Hanna. O peso do dinheiro roubado em sua bolsa quando ela entrou no trem na cidade. Verificando seu telefone uma e outra vez para uma resposta do Mike, para uma mensagem de A e nada. Encontrou o vendedor de flores, Pete, que tinha sujeira sob suas unhas, uma tatuagem no pescoço e que olhou para Hanna como se quisesse enfia-la atrás dos ramos elásticos de tulipas e fazer o que quisesse com ela. Entregou o envelope de dinheiro. Olhando por cima do ombro para A, mas não vendo ninguém suspeito. Ela não se sentia satisfeita apenas em dar o dinheiro para Pete, então ela esquivou-se da estação de trem até que Patrick apareceu, abordando-o e exigindo que ele apagasse as fotos de sua câmera e do disco rígido na frente dela. — Tudo bem —, Patrick suspirou dramaticamente, tirando sua câmera e laptop. Hanna viu como as fotos desapareceram da pasta e da memória da câmera. Antes de sair, Patrick ta teou seu seio, e ela deu uma cotovelada nas costelas dele. Felizmente, ela tinha feito a coisa certa. Nenhuma imagem seminua de Hanna tinha aparecido na internet durante a noite. Ela não tinha recebido qualquer telefone vermelho de alerta de chamadas de Jeremiah, dizendo que ela tinha arruinado tudo. Com alguma sorte, Patrick tinha tomado o primeiro avião para o México e Hanna nunca iria vê-lo novamente. A Sra. Marin mudou seu peso na porta. — Por que ele está te incomodando em um fim de semana? —, Perguntou ela desconfiada. — Isto é algo sobre a campanha?


Ela disse campanha virando os olhos. Hanna duvidava que sua mãe apoiasse Tom Marin no dia da votação. Sempre que havia uma referência a ele em papel, ela mostrava desaprovação e rapidamente virava a página, dizendo que era melhor não participar do governo da mesma forma isolada que ele participou de seu casamento. — Eu não sei, — Hanna resmungou. Ela se levantou de sua cama, deu uma palmadinha em Dot, sua cabeça em forma de diamante, e olhou para seu reflexo no espelho. Sua pele parecia pálida e inchada. Seus lábios estavam rachados nos cantos. Seu cabelo era rebelde e atado em torno de seu rosto. Talvez seu pai estivesse convocando-a em seu escritório por causa de sua campanha. Talvez eles estivessem fazendo uma sessão de improviso. Quem faria algo assim num sábado de manhã? Seu pai olhou para cima quando ela entrou — Ei, Hanna. — Ele não correu para abraçá-la. Ele apenas ficou lá, olhando. — Uh, o que o traz aqui tão cedo? — Hanna tentou soar leve e brincando. — Será que um outro grupo anda dizendo que me ama? O Sr. Marin não abriu um sorriso. Ele tomou um longo gole de café, então suspirou. — Há dinheiro faltando no meu fundo de campanha. Alguém o roubou do meu escritório durante a festa da noite passada. Dez mil dólares. Eu mesmo contei. Um suspiro saiu da boca de Hanna antes que ela pudesse se controlar. Eles mantinham um controle tão bom do fundo de campanha? — Eu sei, eu sei, é terrível. — O Sr. Marin balançou a cabeça. —Mas você tem que ser honesta comigo, Hanna. Você sabe alguma coisa sobre isso? — Não! — Hanna se ouviu dizer. — Claro que não! O Sr. Marin deixou seu café na mesa ao lado do sofá. — Alguém viu você ir para a escada na noite passada. Você veio até aqui? Hanna piscou. — Q-quem lhe disse isso? — Kate? A? Seu pai olhou para longe, olhando pela janela. As faixas que o carro assustador tinha feito na neve na noite passada ainda estavam lá. — Não importa. É verdade? — Eu vim até aqui —, Hanna disse, olhando para seus pés. — Mas isso foi porque eu vi alguém chegar aqui primeiro. Eu estava agindo como sombra. Eu queria certificar que nada estava errado. O Sr. Marin se inclinou para ela como se estivesse assistindo a uma cena de um filme de suspense. — Quem você viu? Um caroço se formou na garganta de Hanna. Este era o ponto onde todo o seu plano se encaixava ou desmoronava. — Jeremiah —, ela sussurrou. O pai sentou-se. Hanna lambeu os lábios e continuou, esperando que ele não pudesse ouvir seu coração batendo em seu peito. — Eu o segui até aqui. Ele não me viu quando ele saiu. Então eu fui atrás dele e olhei em volta. Mas, papai, eu nunca imaginei que ele realmente fosse roubar você. — Por que você não me disse isso a noite passada? — Por causa... — Hanna olhou para seu colo. — Sinto muito. Eu deveria ter dito. Ela cobriu o rosto com as mãos. — Estou tão, tão triste. Eu nunca tomaria nada de você, pai. Eu estava tão feliz por ser capaz de ajudá-lo... por estarmos reunidos. Por que eu iria comentar isso? Lágrimas encheram os olhos da Hanna. Não era apenas um trabalho de atuação para angariar sua simpatia era, de muitas maneiras, a verdade. De muitas maneiras, ela desejou que pudesse contar a ele sobre Patrick e que foi um erro honesto, então eles poderiam t er ido à polícia e resolvido isso da maneira certa. Mas ela não podia suportar a pensar na decepção no rosto de seu pai, se ela lhe contasse sobre as fotos, especialmente agora que ela estava em suas boas graças. Seria desfazer tudo. O Sr. Marin suspirou. Quando Hanna se atreveu a olhar, ela viu uma expressão triste e conflituosa em seu rosto.


— Estou feliz que tenhamos nos reunido também, Hanna —, disse ele calmamente. — Nós não fizemos muito disso ultimamente. Então ele se levantou e caminhou ao redor da sala. — Obrigado por me dizer. Eu aprecio sua honestidade. Com essas informações e o que eu encontrei de Jeremiah pela sala, é algo potencialmente incriminatório. Ele nega tudo, claro, mas ele não é mais parte da equipe. Este é um crime grave. — Você vai chamar a polícia? — Hanna perguntou, apavorada. Ela descobriu que seu pai apenas demitiria Jeremiah e que isso seria tudo. Será que eles realmente tem que ter os policiais envolvidos? E se eles pudessem rastrear esse dinheiro para Patrick? O Sr. Marin deu um tapinha no ombro de Hanna. — Deixe isso para mim, Hanna. Mas você fez a coisa certa. Então, obrigado. Então o telefone tocou, ele disse a Hanna que iria vê-la mais tarde e correu em seu escritório para atender a chamada. Não havia mais nada para fazer, exceto Hanna sair. O elevador rangeu mais uma vez, e ela entrou e caiu contra a parede. Hanna apertou o botão PORTA ABERTA mais e mais. Nada. O botão LOBBY. Zip. Ela apertou todos os botões do teclado, incluindo aquele com o chapéu do bombeir o sobre ele. — Olá? —, Gritou ela, esperando que seu pai poderia ouvi-la através do eixo. — Socorro! Eu estou presa! As luzes apagaram. Hanna gritou. Apenas uma pequena faixa de luz na parte superior do elevador era visível. — Ei! —, Ela gritou, batendo nos painéis das portas. — Alguém! Por favor! Mas era fim de semana, ninguém estava no prédio. Hanna pegou o telefone novamente e pediu o número do seu pai no escritório. O telefone celular tentou discar, mas porque ela estava em um elevador, a chamada não pôde se conectar. Ela tentou o celular de sua mãe, depois de Spencer, em seguida, Aria. Ela discou 911. Nada. Chamada perdida. Gotas de suor se destacaram na testa de Hanna. E se o elevador ficasse preso por dias? E se o prédio pegasse fogo e ela estivesse presa aqui? Era como estar presa naquele quarto nos Poconos quando Ali tinha ateado fogo à casa. Ou ser atropelada pelos faróis do carro Mona. Hanna ouviu um barulho em frente e bateu. — Ajude-me! —, Ela gritou. — Socorro! E então, assustadoramente, ela ouviu a voz. Eu aposto que você nem sempre foi bonita, não é? — Não! — Hanna guinchou, desejando que fosse seu cérebro. Ela não podia pensar nisso agora. Ela não podia deixar a memória dentro. Mas a voz de Tabitha ficou mais alta. Eu sinto que as conheço, meninas, desde sempre! De repente, Hanna não conseguia mais resistir. As memórias de Jamaica escorregaram pelas laterais, longitudinalmente, dobradas e achatadas. As vozes de suas amigas fervilhavam em seus ouvidos, e de repente ela podia ver claramente o quarto de hotel no The Cliffs. — Você acha que devemos ir ver o que ela quer? — Aria referia-se à mensagem que Tabitha tinha empurrado por baixo da porta. — Você está louca? — Emily olhou para ela. — Essa é uma sentença de morte! Ali está nos preparando! — Em, não é Ali —. Aria gemeu. Todo mundo ficou sem jeito. — Na verdade, ela realmente parece Ali, — Spencer sussurrou. — Todas nós pensamos assim, Aria. Você é a única que não. Hanna olhou para a mensagem novamente. — Talvez Aria tenha razão. No entanto, se não subirmos agora, ela vai encontrar-nos de outra maneira. Pelo menos, desta forma, nós vamos estar todas juntas. E assim elas foram. Tabitha estava esperando por elas no ninho do corvo, que era uma pequena plataforma maior em cima do telhado do restaurante, que era perfeita para o bronzeado e para ver estrelas. Ela se sentou em uma das espreguiçadeiras e bebia uma piña colada. Ninguém mais estava lá em cima. Toneladas de vasos de palmeiras balançavam em torno do espaço, tornando a pequena varanda privada e parecendo muito isolada.


Quando ela as viu, saltou para os pés, com um largo sorriso. — Ei, pessoal! Eu acho que vocês receberam a minha mensagem! O sorriso em seu rosto estava torcido, diabólico. O olhar de Hanna derivou para a pulseira em seu pulso, assim como Emily disse, era uma cópia exata da que Ali havia feito para elas depois da Coisa com Jenna. Estava desgastada nas bordas, assim como a de Ali era. E era tão perfeita, o lago azul que elas pensaram que era tão bonito. Era Ali. Tinha que ser. Todos os traços de Tabitha se foram, e Hanna podia ver Ali tão claramente que doeu. Spencer envolveu suas mãos em torno do alto de um chaise longue vazio quase como se estivesse para usá-lo como um escudo. — Por que você queria que viéssemos aqui? — Porque eu ia mostrar uma coisa —, disse ela, inocentemente. Os olhos de Spencer se estreitaram como se ela não acreditasse na menina nem por um minuto. — Quem é você? A garota colocou as mãos nos quadris e se inclinou para trás e para frente provocando. — Você está bêbada, Spencer? Meu nome é Tabitha. Eu lhe disse isso. — Seu nome não é Tabitha, — Emily disse com uma voz pequena e assustada. — Você sabe coisas sobre nós. Coisas que ninguém mais poderia saber. — Talvez eu seja vidente —, a menina disse, encolhendo os ombros. — E, bem, há algo sobre todas vocês. Eu sinto que as conheço desde sempre, mas isso é impossível, não é? — Seus olhos brilhavam maliciosamente. O estômago de Hanna mergulhou. Então a menina fixou os olhos em Hanna, que ainda estava de pé nas escadas. — Aproxime-se, Hanna. — Ela acenou, enrolando o dedo. — Eu não vou morder. Eu só quero mostrar-lhes a vista incrível. É incrível daqui de cima. Hanna manteve a boca fechada, sentindo-se imóvel. Então, a menina deu um passo cambaleante em direção a ela, aparentemente cruzando o ninho do corvo em uma única etapa. Sua bebida derramando de seu copo. Seus olhos arregalados não piscavam. Em segundos, ela colocou Hanna contra o muro baixo que cercava a plataforma. De perto, ela cheirava a sabonete de baunilha e rum. Quando ela olhou nos olhos de Hanna, ela soltou outra risada familiar. O coração de Hanna bateu mais forte. Ela pensou nas vezes que ela ouviu Ali rir, mesmo depois que Ali havia supostamente morrido no incêndio em Poconos. As manhãs em que ela acordou suando frio, com certeza de que Ali estava atrás delas. Agora estava se tornando realidade. — O que você quer de nós? — Hanna chorou, protegendo o rosto com as mãos. — Você não tomou o suficiente? A menina esticou o lábio inferior. — Por que você tem tanto medo de mim? — Você sabe por que, — Hanna sussurrou, olhando nos olhos enlouquecidos da menina. — Você é Alison DiLaurentis. Um lampejo de algo, talvez surpresa, talvez de diversão, passou no rosto da menina. — A menina morta? — Ela apertou a mão ao peito. — A assassina louca? Por que você iria dizer uma coisa horrível como essa? — Por causa de tudo o que você disse para nós! — Aria disse atrás Hanna. — Tudo o que você sabe! E por causa das queimaduras em seu corpo. São aquelas do incêndio? A garota olhou para os braços queimados e sorriu alegremente. — Talvez. Mas eu não sobrevivi ao fogo, certo? — Ninguém sabe realmente o que aconteceu —, disse Emily com voz trêmula. — Todo mundo achava que você tinha morrido, mas... — Mas o quê? — A menina interrompeu com uma voz provocante, os olhos brilhando. — Mas eu escapei? Alguma ideia de como isso pode ter acontecido, Em? Emily empalideceu e deu um passo para trás. Hanna, Spencer e Aria olharam para ela por um momento, sem saber onde a menina estava chegando. Então, a garota avançou em direção a Hanna. Hanna gritou e pulou fora. — Qual é o problema? — A menina olhou ofendida. — O que você acha que eu vou fazer?


— Me deixe em paz! — Gritou Hanna, cambaleando para trás. O bambu áspero que cobria as paredes raspou contra sua pele. Ela sentiu o ar livre por trás dela e se deu conta da parede que segurava uma queda de 30 metros. O oceano estava muito, muito abaixo. — Não toque nela! — Aria correu até a garota, agarrou seu braço, e girou em torno dela. — Você não ouviu? Ela quer que você a deixe em paz! — Basta dizer-nos quem você é, ok? — Spencer chamou por trás de Aria. — Basta ser honesta. Um sorriso lento se espalhou pelo rosto da menina. — Você quer uma resposta honesta? Ok. Sou Tabitha. E eu sou fabulosa. Todas engasgaram. Hanna tinha certeza que ela gritou. Ali sempre disse isso. Tabitha realmente era Ali. Ali saiu dos braços de Aria e voltou para Hanna novamente. Hanna tentou pressionar contra a parede, mas o tornozelo virou e ela perdeu o equilíbrio. Ela rodou em volta, cara-a-cara com o mar batendo abaixo. Com apenas um toque, ela cairia para baixo, para baixo, para baixo... — Socorro! — Hanna gritou agora no elevador, assim como ela gritou em seguida. — Alguém me ajude! De repente, as luzes piscaram novamente. O elevador saltou uma vez, jogando Hanna no chão. O motor começou a chiar, arrastando o elevador para o lobby. O sino soou. A porta abriu-se suavemente, como se nada tivesse acontecido. Hanna saiu para o átrio vazio, seu coração batendo rápido, seu corpo suando e tremendo, e as memórias horríveis antes muito reprimidas agora voavam ao redor de sua cabeça como um bando de gansos presos dentro de um shopping center. Algo à esquerda chamou sua atenção. Um pequeno armário cinza estava ligeiramente aberto. ELEVADOR, dizia uma placa na porta. Alavancas, indicadores e interruptores alinhados na parede. Ele certamente não estava aberto quando Hanna chegou meia hora atrás. Na verdade, ela nunca tinha visto ele aberto antes de hoje. Ela olhou para dentro do armário e cheirou. Cheirava levemente à sabão de baunilha. Alguém estivera na sala do elevador, adulterando os controles. E Hanna sabia exatamente quem era. Ali.


28 QUANDO UM IMPULSO VEM PARA EMPURRAR

Naquela mesma manhã, Aria colocou suas calças de esqui em camadas, um par extra de meias e uma camisola de lã, amarrada em suas botas de esqui. Os meninos Kahn estavam vasculhando e pesquisando as últimas quedas de neve. Klaudia se sentou sozinha em um banco verde, para colocar seus esquis. Quando Noel viu Aria sozinha, deu um pequeno sorriso arrependido. — Hey. — Hey — Aria respondeu para ele. — Você dormiu bem? — Noel disse com uma voz estridente, excessivamente educado. Aria assentiu. — Muito bem. Então ela se virou para Klaudia. — Eu quero falar com você. Klaudia olhou para ela uma fração de segundos, em seguida, desviou o olhar. — Eu estou ocupada. Aria rangeu os dentes. Isso ia ser mais difícil do que ela pensava, mas ela tinha que falar com Klaudia. Ela tinha chegado a uma decisão. Depois que ela tinha ido até o quarto dela na noite passada, Aria teve pesadelos horríveis, de vigília dos meninos Kahn e com Klaudia na banheira. Ela pegou o telefone um milhão de vezes, desafiando-se a terminar com Noel, mas ela sempre largava o celular tempos depois, algo dentro dela não estava completamente preparado. Então cerca de quarenta e cinco minutos depois, ela ouviu passos no corredor, Aria correu para a porta, e pelo olho mágico olhou para fora, Noel estava entrando em seu quarto, ele estava sozinho, não havia nenhum sinal de seus irmãos ou de Klaudia. E então cinco minutos depois, apareceu um texto no telefone de Aria: Boa Noite, até amnhã, XX Noel. Nada havia acontecido entre Noel e Klaudia. O ciúme que tinha estado presente em Aria desde que ela era amiga de Ali a estava comendo viva. Tinha quase destruído seu relacionamento com Noel uma vez, ela não podia deixar isso acontecer novamente. Klaudia ia viver com os Kahns até junho e se Aria quisesse se sentir confortável novamente com os Kahns ela tinha que fazer as pazes com Klaudia. — Por favor? — Aria colocou a mão no ombro de Klaudia – Eu preciso me desculpar. Klaudia sacudiu a cabeça. — Não tenho nada para dizer, estou constrangida e magoada. Então ela esquiou até uma das cadeiras e esperou a gôndola seguinte. — Espere — Aria gritou, estalando os seus próprios esquis e deslizando até ela. Assim que Klaudia sentou na gôndola Aria se sentou também. — Idiota — Klaudia cuspiu, movendo-se para mais longe do teleférico que ela podia — o que você está fazendo? — Eu preciso falar com você — Aria insistiu — É importante. — Aria? — Noel gritou preocupado atrás dela – você esqueceu seus pólos! — ele acenou com duas longas varas finas no ar — e esse é um teleférico que leva para um diamante duplo negro.


Aria hesitou, elas já estavam a vinte metros do chão. Havia gôndolas vazias na frente e atrás delas, esquiadores em zigue-zague passavam abaixo, de repende pareciam formigas minúsculas. — Está tudo bem! — ela disse brevemente, esperando que ela pudesse permanecer na gôndola e voltar de novo para baixo. Então Aria olhou para Klaudia, que olhou em direção oposta, para os pinheiros. — Eu lhe devo um pedido de desculpas, eu não deveria ter te colocado naquela situação noite passada. Eu não percebi que as práticas na Finlândia eram assim. Sinto muito — Aria realmente não acreditava que todos na Finlândia iam para as hidromassagens nus, mas era mais fácil apenas deixar Klaudia acreditar e seguir em frente. Klaudia não moveu um músculo. Mesmo seus esquis permaneciam imóveis. Aria suspirou e continuou. — Eu tenho um problema de ciúmes. Eu adorava Noel quando estava na sexta série e na sétima, quando não havia nenhuma possibilidade de nós termos um relacionamento. Então quando ele estava interessado em mim no ano passado, eu não acreditei que era real. Às vezes eu simplesmente deixo que o ciúmes tirem o melhor de mim, e é isso que eu estava fazendo com você... eu... bem, eu acidentalmente li um de seus textos, com sua amiga Tanja. Você disse que eu era um peikko, uma trouxa. Klaudia olhou ao redor e para Aria. — Você me espionar? — Eu não queria — Aria disse rapidamente — ele estava lá, e... bem eu sinto muito. Por um tempo, eu estava realmente brava com você, parecia que você queria o Noel, e doeu quando descobri que você me achava uma trouxa, quando eu pensei que estávamos nos tornando amigas. Mas eu superei isso. Às vezes as pessoas falam pelas costas dos amigos, é a vida. Mas nós vamos nos ver por muito tempo, então eu quero que sejamos amigas novamente. Podemos ter uma trégua? Um redemoinho de vento gelado soprou no cabelo loiro de Klaudia. Na encosta abaixo, havia uma nuvem branca. O topo da montanha apareceu sobre a crista. Um grande sinal na neve dizia qual o local para desembarcar. Silenciosamente Klaudia empurrou a barra para cima, agarrou seus bastões de esqui e encontrou os olhos de Aria. Havia um olhar indulgente em seu rosto, e por um momento, Aria pensou que ela ia se desculpar e tudo voltaria ao normal. Mas então os lábios de Klaudia se curvaram em um sorriso cúmplice. — Na verdade, Aria, eu vou transar com seu namorado hoje à noite. Aria olhou para ela, parecia que Klaudia tinha acabado de lhe dar um soco no pescoço. — Me desculpe? Klaudia se aproximou de Aria. — Eu vou dar pro seu namorado — ela disse no mais absoluto e perfeito inglês — hoje à noite, e não há nada que você possa fazer sobre isso. Era como se elas estivessem em um filme de terror onde um personagem, de repente se torna possuído por um demônio. Quem essa menina pensa que é? Klaudia tinha se transformado, de um gatinho inocente para uma ladra cruel de namorados. E ainda mais do que isso, o olhar em seus olhos eram quase perigosos, como se ela quisesse fazer mal a Aria. Aria lembrava a última vez em que ela viu esse olhar: no rosto de Tabitha – Ali – quando esta ameaçou Hanna na cobertura na Jamaica. A memória correu forte e rápido, como se tivesse esperando pelo momento de vir a tona, quase um ano. Aria não acreditava que Tabitha era Ali, de repente Tabitha começou a ameaçar Hanna, e em cada gesto, cada movimento agressivo era exatamente os mesmos de quando Ali as tentou matar em Poconos. E Aria viu o que as outras já sabiam, Ali estava aqui. Ela tinha tentado enganá-las com seu disfarce, e Aria quase acreditou. — Por favor! — Hanna gemia quando Ali a prensou no muro que cercava a varanda — Me deixe em paz! Cada instinto protetor no corpo de Aria se moveu e ela interrompeu. — Não toque nela! Ali se virou para Aria, olhando para ela como se ela fosse louca. — O que você acha que eu vou fazer? Eu só quero lhe mostrar a vista.


Mas Aria não iria acreditar em mais nada. — Eu sei o que você quer fazer! Ali se afastou de Hanna e foi para cima de Aria. Agora era a vez de Aria perder o equilíbrio e ter uma visão aterradora das ondas se quebrando lá embaixo. — Aria — alguém gritou atrás delas. Vidros se quebraram, o joelho de Aria bateu contra o muro e raspou sua pele, Ali empurrou Aria de novo, com os braços esticados à sua frente. Aria olhou em seus olhos arregalados e enlouquecidos, vendo claramente Ali lá dentro. Ela tinha voltado para matá-las, assim como ela tinha matado Courtney, Ian e Jenna. Ela ia jogar uma por uma. Aria não se lembrava o que aconteceu depois, a única coisa de que se lembrava, é que ela teve uma explosão de força e agarrou os braços de Ali a girou e a empurrou com força. Os pés de Ali saíram do chão, um som natural saiu de sua boca, seus braços se agitavam desesperadamente ao seu redor, mas de repente ela parecia desossada e como uma pluma. Antes que alguém pudesse fazer alguma coisa, ela se inclinou para o espaço, vazio e preto. Alguém gritou, outra suspirou. O corpo de Ali desaparecia muro abaixo, primeiro a cabeça, os ombros e então seu tórax, bumbum e pernas e por fim os pés. Ela caiu na escuridão, nem mesmo fazer um som ela fez. E então... veio o baque. O barulho de um corpo sólido batendo na areia. A memória passou zunindo no cérebro de Aria, em uma fração de segundos. Quando sua visão focou, novamente, ela viu o corpo de Klaudia pressionado contra o dela, suas mãos empurravam ela para o lado, o impulso de auto-preservação, o mesmo, percorreu as veias de Aria mais uma vez. — Fique longe de mim — ela gritou erguendo a cabeça. Ela empurrou Klaudia uma vez, levemente, mas Klaudia apenas soltou um riso feio e cobriu a boca de Aria com as mãos enluvadas. O medo e a fúria percorriam as veias de Aria — eu disse para sair de cima de mim — ela gritou empurrando o peito de Klaudia. Klaudia caiu para trás, soltando um grito. Naquele exato momento, a gôndola estava inclinada para baixo para que os esquiadores saíssem. O corpo de Klaudia ficou totalmente inclinado, sem a barra para protegê-la, ela deslizou para a direita, para fora da cadeira. — Oh meu Deus! — Aria agarrou a mão de Klaudia, mas já era tarde demais. Klaudia foi arremessada em direção ao chão, seu chapéu voou da sua cabeça, seus braços giraram descontroladamente, seus esquis davam chutes no ar, seu rosto tinha uma mistura de terror e fúria. Três segundos devastadores mais tarde, seu corpo caiu de bruços em uma pilha de neve fresca. E tal como tinha sido com Ali, tudo ficou em silêncio após a queda.


29 NÃO PERGUNTE, NÃO FALE

Spencer abriu os olhos, ela estava deitada em cima de um lençol de seda, em uma sala muito pequena no Hotel Hudson. O barulho de ondas do mar saía de uma máquina de som, engraçado, ela não se lembrava de uma máquina de som na última noite, mas então ela não se lembrava de nada. Quando ela olhou ao redor, Zach estava deitado ao lado dela. Ele parecia tão diferente esta manhã. Seus cabelos castanho e curto eram agora longos e loiros. Havia cicatrizes em seu pescoço e em seu braço, um fio vermelho escorria de sua orelha esquerda. Isso era... sangue? Ela esfregou os olhos e olhou em volta, este não era o Hudson. Ela estava deitada em uma longa extensão de areia branca. O sol brilhava alto no céu e não havia pessoas por perto. O cheiro de sal e peixe fazia cócegas em suas narinas. Ondas quebravam na praia. Algumas gaivotas circulavam no alto. Atrás de Spencer e Zach, havia um hotel rosa com um deck, um hotel muito familiar. — Não — Spencer sussurrou. Ela estava na Jamaica. No Hotel The Cliffs, ela olhou para a pessoa ao seu lado novamente, era uma menina. A linha de sangue escarlate escorria de sua orelha para a areia. A pulseira de corda azul circulava seu pulso. Seu vestido estava levantado até suas nádegas, e suas pernas estavam dobradas em um ângulo não natural. Não era Zachary, era Tabitha, Ali. — Oh meu Deus — Spencer se levantou em um pulo e correu para olhar para o rosto da menina. Seus olhos estavam fechados com força, sua pele era de um azul desbotado, como se ela estivesse morta há horas — Ali. Spencer bateu duro na bochecha da menina, mas ela não respondeu. Spencer tentou sentir seu pulso pelo punho, nada. Sua cabeça pendia frouxa no pescoço, como se as vértebras tivessem sido quebradas em mil pedaços. Havia sangue acumulado sob seus olhos. Spencer olhou em volta desesperadamente procurando pelas outras meninas, mas elas estavam longe de serem vistas. Elas todas haviam saído para vasculhar a área depois que Aria empurrou Ali, não é? Elas tinham ido juntas. — Ali, por favor acorde. — Spencer gritou no rosto da menina. Ela sacudiu os ombros rígidos — por favor. Sinto muito, Aria fez o que fez porque ela estava com medo, ela não sabia o que você ia fazer conosco. Eu teria feito a mesma coisa. E ela teria, a cena no convés do hotel lembrou, muito friamente, os últimos momentos que ela teve com Mona Vanderwaal, quando Mona confessou que ela era A. De repente, os olhos de Ali se abriram, ela estendeu a mão e agarrou o colar de Spencer e a puxou para tão perto que Spencer podia sentir o cheiro de baunilha da pele de Ali. — Eu sei o que você fez — sussurrou Ali — e logo todo mundo também vai saber. Spencer acordou aos gritos, o sol penetrava no quarto pelas persianas. Uma mini TV refletiu a imagem de Spencer. Desta vez ela realmente estava no Hudson. Zach estava deitado ao lado dela e não Ali, mas ela ainda podia sentir o cheiro do sal e da areia da Jamaica. Seu couro cabeludo doía, exatamente na região em que Ali havia puxado seu cabelo. Parecia tão real. Toc, toc, toc.


O barulho vinha da porta, Spencer piscou duro, ainda pensando em seu sonho. Toc, toc, toc. — Olá — uma voz chamou do coredor. Zach se mexeu ao lado dela, colocando seus braços em baixo de sua cabeça. — Hey — disse ele, dando um sorriso para Spencer — que barulho é esse? — Alguém está batendo — Spencer pôs as pernas ao lado da cama, só então a porta se abriu. — Zach? — Uma voz de um homem familiar entrou — já são nove e meia. Douglas está esperando para falar com você sobre Harvard. Levante sua bunda e prepare-se. Spencer engasgou e parou, era o Sr. Pennythistle. Ele viu Spencer no mesmo instante que ela o viu, o sangue corou suas bochechas. Spencer rapidamente se enrolou em um lençol, em algum momento da noite ela tirou sua saia e sua meia calça e agora estava apenas com sua blusa e sua calcinha. Zach pulou da cama também, tateando em busca de sua camiseta que ele também havia tirado. Mas já era tarde demais, o Sr. Pennythistle já havia visto tudo. — Meu Deus – ele gritou, seu rosto se contorcia — que diabos? Zach colocou a camisa em seu pescoço. — Pai não é... — Você é um bastardo, doente — o Sr. Pennythistle estreitou os olhos e puxou Zach pelo braço e bateu-lhe com força contra a parede — Ela será sua meia-irmã! O que há de errado com você? — Não é o que parece — Zach protestou fracamente — nós estávamos apenas saindo. Sr. Pennythistle balançou os ombros de Zach: — Você não pode, simplesmente mantê-lo em suas calças? — Nós estávamos dormindo — Spencer protestou — juro! O Sr. Pennythistle ignorou, ele balançou seu filho mais uma vez, fazendo Spencer estremecer. — Você é um pervertido torto, Zachary. Um pervertido, doente e repugnante, não digno de nada do que eu faço por você. — Pai, por favor. A mão do Sr. Pennythistle foi para trás e voltou e bateu com força no rosto de Zach, este cambaleou para trás, lutando contra seu pai, mas o Sr. Pennythistle jogou todo seu corpo contra o dele, segurando-o contra a parede. O pior foi perceber que ele já havia feito isso outras vezes. — Pare com isso — Spencer gritou, contorcendo-se para colocar sua saia de ontem à noite e subindo na cama para tentar separar os dois — parem com isso, por favor! O Sr. Pennythistle não parecia ouvir. Zach estava prensado contra a parede, mas mesmo assim seu pai o apertava mais e mais forte. — Quando você vai ouvir? — ele rosnou — Quando você vai entender? Spencer puxou o braço do Sr. Pennythistle. — Por favor, pare! Não era o que parecia, eu juro! — Spencer... — Zach a olhou por cima do ombro de seu pai — Apenas saia, você não precisa ver isso. — Não — Zach estava prestes a ser seu meio-irmão, e ela precisava protegê-lo. Ela puxou a parte de trás da camisa do Sr. Pennythistle até rasgar — Zach não me tocou! Ele é gay! O Sr. Pennythistle soltou imediatamente seu filho e se virou para olhar para ela. — O que você disse? Spencer olhou para o rosto aflito de Zach, ele balançou a cabeça desesperadamente, como se não pudesse acreditar no que ela dissera, mas o que ela podia fazer, deixar a baleia de seu pai sobre ele um pouco mais? Zach cobriu o rosto com as mãos. Seu pai se virou para ele. — O que ela disse é verdade? Um som borbulhante surgiu dos lábios de Zach. Seu pai afastou-se dele como se ele tivesse uma doença contagiosa. Então, abruptamente, ele estendeu o braço e perfurou a parede de gesso próximo a cabeça de Zach. Spencer deu um pulo para trás e gritou. Depois ele perfurou a parede de novo, e de novo. Pedaços de gesso voaram por toda a parte.


Quando ele terminou, ele se inclinou e colocou os punhos sangrentos sobre os joelhos. Seu rosto se contorcia de angustia, parecia que ele estava prestes a chorar. Uma batida tímida e pequena soou na porta. — Nicholas? — era a mãe de Spencer — Está tudo bem? Ninguém disse uma palavra, depois de um momento, o Sr. Pennythistle se virou e saiu do quarto batendo a porta com tanta força que as paredes tremeram. Spencer podia escutá-lo falar com sua mãe no corredor. Ela se atreveu a espreitar Zach. Ele parecia agitado, mas bem. — O que há de errado com você? Por que você disse isso a ele? Spencer estendeu a mão para ele. — Eu pensei que ele estava te machucando. Os lábios de Zach estavam deformados de raiva, e ele deu um passo atrás, e olhou para ela com ódio absoluto, um olhar que ela pensou que nunca veria nele. — Eu pedi pra você manter isso em segredo, mas eu acho que era pedir muito de uma Pretty Little Liar — ele rosnou — Apodreça no inferno, vadia. Antes que Spencer pudesse protestar, ele pegou o casaco, colocou os sapatos e saiu do quarto. A porta bateu mais uma vez. E então, em silêncio, Spencer caiu no colchão, derrubando um dos travesseiros no chão. Ele ainda tinha o formato da cabeça de Zach, o colchão ainda estava quente de seu corpo. Outro pedaço de gesso caiu da parede, o sangue do Sr. Pennythistle gotejava sobre o tapete. Isso lembrou Spencer do sonho que ela tivera naquela manhã: a linha de sangue que escorria da cabeça de Ali. Eu sei o que você fez. Beep. Era o celular de Spencer, que ela tinha colocado na mesa de cabeceira antes de adormecer na noite passada. Mesmo do outro lado, ela podia ver que a tela dizia NOVA MENSAGEM, não, Spencer pensou. Por favor, agora não. Mas ela não podia ignorar. Ela tinha que pressionar LER. Cuidado Spencer. Eventualmente, todos os segredos voltam para a terra. Acho que você sabe exatamente o que eu quero dizer. –A


30 ELA É MAIS INTELIGENTE DO QUE PARECE

O centro médico Lenape era nada além de um edifício quadrado que cheirava gotas antissépticas e a tosse. A TV no canto, silenciosamente passava um comercial sobre um descascador de batatas mágico, a cadeira em que Aria estava sentada já tinha feito o bumbu m dela adormecer. E ela estava prestes a enlouquecer devido ao zumbido constante da voz automática do serviço de metereologia do rádio. Pelo que avisavam, esta área estaria coberta por dois metros de neve amanhã. Não que eles fossem ficar mais um dia para esquiar, não depois do que havia acontecido com Klaudia. Aria estava tensa para escutar qualquer coisa que vinha da sala de exames, gemidos de dor, gritos de agonia, um monitor cardíaco. A sala estava no mais absoluto silencio. Eric e Christopher Kahn descansavam nos sofás, lendo edições antigas da Sports Illustrated. Noel andava de um lado para o outro, em um pequeno espaço, falando ao telefone com sua mãe. — Sim mamãe... ela simplesmente caiu, eu não sei... a patrulha de esqui a pegou... estamos no centro médico agora... espero que ela esteja bem, mas eu não sei. Só de ouvir Noel recontar o evento, fez Aria se sentir frágil e doente. As últimas horas haviam sido horríveis e surreais. Depois de Klaudia cair e não mais se mexer, vários esquiadores pararam ao seu redor. Um guarda de esqui apareceu ao lado, e, em seguida, um snowmobile com um trenó de resgate. Alguém se ajoelhou e sentiu o pulso de Klaudia. Eles gritavam no ouvido dela, mas Aria não conseguiu ver se ela respondera que ela havia pisado fora do teleférico. Agora todo mundo estava esperando para ver o estrago que já estava feito. Aparentemente, a patrulha de esqui havia conseguido acordar Klaudia antes de a por no trenó de resgate, mas ela apenas reclamara de muita dor. Uma ambulância estava esperando por ela na parte inferior da montanha, Aria e os outros deslizaram pela montanha e foram para o hospital. Este não parecia ser um centro de trauma muito decente, apesar de tudo, parecia mais uma enfermaria. Noel sentou na cadeira ao lado de Aria. — Minha mãe está fora de si, ela queria vir aqui e tomar conta de Klaudia, mas eu disse que ela deveria esperar. — Ela deve estar muito preocupada — Aria murmurou, fechando a cópia do jornal Ladies Home em seu colo. Ela tinha lido a mesma linha de um artigo sobre como fazer um premiado cheesecake durante os últimos vinte minutos. Noel se aproximou. — Então o que aconteceu, exatamente? Como Klaudia caiu? Aria olhou para ele, sentindo uma mistura de culpa e arrependimento. Noel tinha chegado alguns minutos depois de que tudo acontecera, ele não tinha visto nada. Eles estavam muito tensos para falar a respeito durante o caminho até o centro médico, mas ele olhava para Aria com suspeita, como se ele percebesse que ela tinha feito algo terrível. — Eu não tenho certeza — e era verdade, ela não tinha a intenção de empurrar Klaudia para fora do teleférico. De esganá-la sim, mas não machucá-la.


— Vocês brigaram, ou algo assim? — Noel observou o rosto de Aria — Ela meio que, pulou? — Ela só... escorregou — Aria balançou a cabeça — Foi muito estranho. Noel cruzou os braços sobre o peito e deu-lhe um longo olhar, o que fez a pele de Aria arrepiar. Ele não havia acreditado nela, mas o que ela deveria fazer, contar a verdadeira história? Que Klaudia disse que iria transar com seu namorado no mais perfeito inglês, sem nenhum sotaque? Que Klaudia lançou um olhar para ela enlouquecido e vingativo? Noel apenas iria acusar Aria de ser ciumenta novamente. Ela se virou, temendo que se ela o olhasse por mais tempo iria acabar falando tudo e não apenas o que aconteceu no elevador, mas também sobre A, sobre a Jamaica. Com tudo isso veio a memória, a coisa horrível que ela tinha feito, a coisa horrível que A sabia. E de novo, pensou que talvez o que ela tinha feito não tenha sido tão horrível assim, se A era Ali – e quem mais poderia ser? – então ao empurrá-la ela não a tinha matado. A porta da sala de exames se abriu, e uma médica com um casaco branco amarelado surgiu. — A senhorita Huusko está descansando — disse ela — vocês podem vê-la. Todo mundo se levantou e a seguiu. A médica a havia separado com uma cortina rosa listrada, e Klaudia estava deitada em uma cama com um gesso em seu tornozelo. Seu cabelo loiro estava derramado sobre o travesseiro, sua camisola estava aberta até os seios. Seus lábios eram cor de rosa e brilhante, como se ela tivesse acabado de passar uma camada de batom. Ela conseguia parecer pronta para o sexo mesmo no hospital. — Oh meu Deus Klaudia — Aria disse, sentindo uma onda de remorso, apesar do aspecto alegre de Klaudia — você está bem? — Dói? — Noel e os outros meninos também perguntaram, parando ao redor de sua cama. — Eu bem — Klaudia sorriu para todos, todos os traços de seu perfeito inglês haviam desaparecido — dói um pouco. — Ela está com um tornozelo quebrado — disse uma enfermeira apressada colocando um medidor de pressão ao redor do braço de Klaudia — isso é pouco considerando ao acidente que ela sofreu, felizmente, sua queda foi em direção do topo da encosta, se fosse no meio, ela estaria em apuros. — Sim é uma loucura — disse Klaudia fingindo limpar o suor de sua testa — eu nunca cair do elevador antes! Ops! — Então o que aconteceu? — Noel perguntou, empoleirado na beira da cama de Klaudia. Klaudia lambeu seus lábios e olhou para Aria. O único som da sala era a enfermeira bombeando a pressão sanguínea. Cada músculo do corpo de Aria ficou tenso, esperando o golpe. Claro que Klaudia ia delatá-la. Ela queria dormir com Noel – e queria Aria fora de seu caminho. Finalmente, Klaudia se mexeu na cama. — É borrão, eu não me lembro. — Você tem certeza? — Noel pôs as mãos no joelho — parece loucura para mim, você escorregar de um teleférico, você esquia faz anos. Klaudia encolheu os ombros, parecendo que ia desmaiar. — Eu não sei — disse ela fracamente, com as pálpebras tremulando. Eric socou o braço de Noel. — Cara, não a pressione. — Talvez ela tenha amnésia ou algo assim — disse Christopher. Aria se apoiou na cama para se equilibrar, o coração dela ainda estava disparado. Poderia ser? Klaudia tinha perdido a memória? A médica abriu a cortina. — Não a pressionem, porque a Srta. Huusko bateu a cabeça, queremos observá-la por mais um tempo para termos certeza que ela não tem uma concussão. Se tiver, teremos que transferi-la para um hospital com mais recursos. Se não, provavelmente terá alta amanhã de manhã.


Todo mundo concordou. — Vou reservar os quartos para uma noite extra — Noel disse em uma voz superficial, mexendo em seu iPhone. — Oh — Aria olhou para ele — eu não posso ficar uma noite extra, prometi a meu pai que tomaria conta da Lola. — Tudo bem — disse Noel, sem ao menos tirar seus olhos da pesquisa no Google — você se importa de tomar um ônibus para casa? Aria abriu a boca, em seguida, a fechou novamente. Ela esperava que Noel fosse levá-la de volta para Rosewood. Seus outros irmãos não poderiam ficar com Klaudia? Ele não poderia voltar amanhã para buscá-los? Mas Noel não se ofereceu, e Aria pegou seu casaco e de lá tirou seu telefone para verificar os horários dos ônibus. — A que horas você acha que ela vai ter alta amanhã? — ela perguntou para Noel — Talvez possamos sair à noite. A cabeça de Noel disparou. — Nós nem sequer sabemos se Klaudia vai estar bem ainda. Acho que não devemos fazer planos até sabermos que está tudo bem. — Oh — Aria se afastou dele — Certo, sinto muito. — E de qualquer maneira, eu provavelmente devo sair com Klaudia nos próximos dias — Noel olhou para Klaudia, que dormia — é o mínimo que eu posso fazer, ela provavelmente estará com muita dor, ela precisará de alguém para ajudá-la a se locomover. — Ah é, claro — Aria lutou contra as lágrimas. O próximo ônibus para a Filadélfia saia em uma hora. Aria poderia andar até a estação da clínica, e Noel poderia levar o resto de suas coisas do hotel para sua casa amanhã. Assim que Aria se retirava do quarto algo a fez voltar. Os olhos de Klaudia tinham aberto, e ela olhou diretamente para Aria. Havia um sorriso minúsculo, vitorioso em seu rosto. Lentamente, ela levantou sua mão pequena e pálida e mostrou o dedo para Aria. Aria engasgou. A sensação era como a de uma lufada de ar frio. Klaudia não tinha amnésia, ela se lembrava de tudo sobre o teleférico, com perfeita clareza. E agora ela tinha exatamente tudo o que ela queria. Agora ela tinha algo, a cabeça de Aria. Agora, Klaudia tinha Aria em suas mãos. Assim como A tinha.


31 PARABÉNS, AGORA CAIA FORA...

Emily estacionou em sua garagem enquanto um anúncio tocava na rádio: — O engano devastador. As trocas de identidades. As vidas em jogo. Veja esta noite toda a história do aniversário do incêndio em Poconos e a morte da pequena assassina. Apresentado por... — Aff — Emily gemeu e desligou o rádio. Ela torcia para o dia em que esse comercial não tocasse mais chegasse. Ela, com toda certeza não queria reviver o dia da morte de Ali, de nenhuma das Alis. Principalmente porque ela não tinha certeza se a verdadeira Ali estava morta. Ela saiu do carro, pegou sua mala de natação e a pôs em seus ombros e caminhou pelo caminho de neve até a frente de sua casa. Antes que ela abrisse a porta, ela tentou enviar mensagens para Chloe mais uma vez. Eu preciso falar com você, não foi minha culpa, eu não sabia como lhe dizer. Ela já havia mandado cinco mensagens desde a competição, mas Chloe não havia respondido nenhuma delas. Suspirando ela enfiou a chave na porta, mas a maçaneta girou facilmente. Isso era estranho, os pais dela geralmente deixavam a porta trancada com medo de intrusos. — Olá? — Emily chamou, não houve nenhuma resposta, também era estranho, seus pais sempre faziam algum barulho como resposta, mesmo que estivessem chateados com ela. Parecia que havia alguém na casa, havia um cheiro estranho no ar e uma sensação de que alguém tinha acabado de entrar no corredor. Os pêlos nos braços de Emily se arrepiaram. Várias coisas se passaram pela cabeça de Emily, e se A estivesse aqui? E se A tivesse machucado sua família? Talvez A, Ali tinha contado tudo, talvez esse seria o dia em que tudo estava dando errado. Um pensamento horrível a parou, hoje era o aniversário da morte de Ali, o dia em que ela tentou matá-las. Naturalmente, esse era o dia em que ela voltaria para terminar o que começou. — O-Olá? — Emily chamou de novo, arrastando-se pelo corredor em direção a cozinha. Um som a fez parar e virar, isso era... uma risadinha? Seu coração disparou, ela estava vindo da sala, que estava com as portas fechadas, essas portas nunca eram fechadas. Houve uma risada, novamente. As mãos de Emily começaram a tremer. Sua boca se contorcia. Lentamente, ela empurrou a porta, esta rangeu como uma lamentação. O que estava lá dentro? Cadáveres? A polícia para prendê-la pelo que ela havia feito na Jamaica? Ali? — Surpresa! Emily gritou e deu um salto para trás, batendo com força no batente da porta. Toneladas de balões foram amarrados às cadeiras, um presente estava sobre o sofá, e sua mãe havia colocado um bolo em formato do logotipo da Universidade da Carolina do Norte sobre a mesa do café. Seus pais correram em sua direção, com sorrisos enormes no rosto. — Parabéns pela bolsa — disseram os seus pais, que a envolveram em um grande abraço, o primeiro que deram em meses — Nós estamos tão orgulhosos de você. Havia mais pessoas atrás de seus pais, ela esticou o pescoço para ver, viu a menininha Grace e o Senhor e a senhora Roland... e Chloe.


— Oh meu Deus — Emily murmurou, deixando seus braços moles. A mãe de Emily se virou e fez um gesto para eles. — Eu convidei os Rolands para vir comer o bolo e celebrar com a gente! Se não fosse por eles, isso não teria acontecido!... Sim obrigada de novo — disse a mãe de Emily caminhando em direção a família e apertando a mão do Sr. Roland. — Não foi nenhum incomodo — disse Roland com uma voz grossa falsa amigável. Ele evitou olhar para Emily. — Estou muito feliz que deu tudo certo para você — disse a Sra. Roland, dando-lhe um grande abraço. Chloe fez um barulho pequeno e sufocado. Emily olhou para ela, seus olhos brilhavam com ódio. Os cantos de sua boca não mostravam nem um princípio de sorriso. Para Chloe, Emily era a adultera. A destruidora de lares. A mãe de Emily cortou o bolo e serviu a todos uma fatia, felizmente, os adultos se envolveram em suas próprias conversas, deixando Emily e Chloe sozinhas. Emily chamou a atenção de Chloe. — Eu preciso falar com você. Chloe se afastou fingindo que não tinha ouvido, mas Emily não podia deixar Chloe continuar acreditando em algo que não era verdade. Ela agarrou o braço de Chloe e a puxou até a cozinha. Chloe foi, mas parou próxima ao balcão da cozinha, e cruzou os braços, fingindo estar fascinada pelo pote de biscoitos que estavam sobre o balcão. Ela não olhava Emily nos olhos. — Sinto muito — Emily sussurrou — você tem que acreditar em mim quando eu digo que eu não tinha ideia do que ia acontecer com seu pai. Eu não queria que isso acontecesse. — Sim, certo — Chloe balbuciou, com a cabeça ainda virada para o pote de biscoitos — você realmente é minha amiga? Ou apenas me usou para conseguir a sua bolsa? Emily ficou boquiaberta. — Claro que não, eu nunca faria uma coisa dessas! Chloe revirou os olhos. — Eu ouvi meu pai na sala ao lado da piscina, você sabe. Ele disse que você estava agindo como se quisesse, na noite de quinta-feira. Quando fui para cama bêbada. Aconteceu alguma coisa entre vocês? Emily se virou, mordendo o lábio inferior. — Foi ele quem me beijou, eu juro. Eu não sabia como lhe dizer. Chloe fez uma careta e finalmente olhou Emily no rosto. — Você sabia disso há três dias e não disse nada para mim? Emily abaixou a cabeça. — Eu não sabia. — Nós deveríamos ser amigas — Chloe colocou as mãos nos quadris — Amigas dizem coisas como estas. E por que eu deveria acreditar que você é totalmente inocente, afinal? Eu mal te conheço. Tudo o que sei, realmente, é que você teve um bebê neste verão, e... — Silêncio — Emily gritou, colocando a mão sobre a boca de Chloe. Chloe arrancou a mão de Emily de sua boca, esbarrando em uma das cadeiras da cozinha. — Eu deveria dizer a seus pais, arruinar a sua vida como você arruinou a minha. — Por favor, não — Emily pediu — Eles vão me expulsar de casa, eu serei mandada para longe. Emily agarrou as mãos de Chloe. — Eu lhe disse o meu segredo, porque senti que podia confiar em você. Eu me senti como se estivéssemos realmente nos tornando amigas. E... e eu nunca tive uma amiga de verdade em tanto tempo, não desde o ano passado. Eu sou tão solitária — ela enxugou uma lágrima — eu me odeio por ter estragado tudo não lhe dizendo. Eu só queria protegê-la. Só queria que você fosse feliz. Eu esperava que não fosse acontecer novamente. Que aquilo fosse tudo um terrível erro. Chloe mexia seu queixo da esquerda para a direita, sem dizer nada. Isso era bom ou ruim? Emily não podia dizer.


— Por favor, por favor não conte a ninguém o que eu disse — sussurrou Emily — eu não vou contar a ninguém sobre seu pai, vou excluí-lo da minha vida completamente, eu prometo. Eu gostaria que nunca tivesse acontecido. A cabeça de Chloe permaneceu virada por um longo tempo, o relógio em forma de galinha sobre o fogão batia alto, os adultos conversavam na outra sala. Finalmente, ela olhou para Emily com olhos frios e cansados e suspirou. — Eu não vou contar seu segredo para ninguém, se você deixar meu pai em paz. — Obrigada — disse Emily — claro que vou. Ela se moveu para dar um abraço em Chloe, mas ela a empurrou como se Emily fosse um cão de rua a cheirando. — Isso não significa que eu quero ser sua amiga. — O quê? — Emily perguntou — P-por quê? — Eu simplesmente não consigo — Chloe girou nos calcanhares e caminhou em direção a porta da cozinha — diga a meus pais que eu recebi um telefonema e estou no carro, Ok? — disse ela sobre os ombros — Sem ofensa, mas não estou no clima de fazer o ‘hey Emily’ e comer bolo agora. Emily observou Chloe sair e bater a porta. Parecia que alguém tinha acabado de arrancar seu coração e o colocado em um espremedor de batatas. Tudo tinha acabado, claro que ela tinha uma bolsa de estudos, com certeza o seu futuro estava garantido, mas parecia que tudo isso tinha custado caro demais. Emily se virou, apertando os olhos com a luz do sol ofuscante que vinha da janela. O que era isso? Ela olhou os armários, e em seguida notou uma fina folha de papel ao pé da porta da qual Chloe havia acabado de sair. Seu coração veio em sua boca. Ela correu para a janela e olhou para fora a procura de quem havia colocado aquele papel ali. Ela abriu a porta detrás, deixando o ar frio entrar. — Ali? — ela gritou, mas ninguém respondeu — Chloe? — ela chamou em seguida pensando que Chloe poderia ter visto alguma coisa, mas Chloe não respondeu, também. Os adultos riram de algo na outra sala. Grace soltou um grito feliz. Tremendo, Emily pegou o pedaço de papel e o desdobrou. Estava escrito com uma letra inclinada. Ela prometeu não dizer, mas eu não posso fazer a mesma promessa, sobre NENHUM de seus segredos. Me desculpe! – A


32 ALI, A GATA ESPERTA

— Com licença. Hanna olhou para baixo do aparelho de ginástica e viu uma menina pequena com grandes olhos e uma cintura tamanho 23 olhando para ela. — Há um limite de 30 minutos sobre essas máquinas — a menina queixou-se — e você já está ai a 63. — Que pena — Hanna retrucou, pedalando mais rápido. Deixe as regras da academia prá lá, pensou ela. Era sábado à tarde do aniversário da morte de Alison DiLaurentis, todos os canais de notícia só falavam disso, não deixando Hanna esquecer. Ela estava na academia do Country Clube de Rosewood. O ambiente cheirava a velas cítricas, passava MTV em todas as TVs e um instrutor meio hippie estava gritando tão alto na sala de fitness que Hanna conseguia ouvi-lo sobre a música hip-hop tocando em seu iPod. Ela esperava que o aparelho de ginástica exorcizasse as lembranças de Tabitha, da Jamaica, o incidente do elevador e especialmente A, mas não estava resolvendo. Ela continuava sentindo as mãos de Tabitha – Ali – em seus ombros, prontas para empurrá-la para fora do telhado. Ela ouvia os gritos de suas amigas. E então Aria deu um passo a frente e tudo mudou tão rápido... Em um primeiro momento Hanna se sentiu aliviada que Aria tinha empurrado Ali, ela tinha matado tanta gente, se livrar dela era como uma boa ação para toda a humanidade. Mas então ela percebeu o que ela tinham feito. Uma vida ainda era uma vida. Elas não eram assassinas. Hanna e suas amigas correram para a praia, descendo as escadas em disparada. Elas voltaram para a areia e olharam em volta. A lua lançava uma faixa prateada na praia. O oceano rugia. Hanna olhou para seus pés pálidos abaixo, tomando cuidado para não tropeçar no corpo de Ali. Certamente ela tinha morrido com o impacto, certo? — Vocês a veem? — A voz de Aria parecia distante. — Ainda não — respondeu Spencer — Continuem procurando! Elas correram para cima e para baixo na praia, espirrando água para os lados, buscando nas dunas, e nas enseadas e falésias. Mas não havia um corpo em nenhum lugar. — Que diabos — Aria parou, sem fôlego — onde ela foi? Hanna olhou ao redor freneticamente. Não era possível, Ali não podia simplesmente desaparecer. Aria tinha empurrado ela. Ela tinha caído dura, elas a ouviram bater na areia. Elas olharam sobre o telhado e juraram ter visto um corpo na escuridão, não tinham? — A maré deve ter a levado — Spencer fez um gesto para o mar — Ela provavelmente deve estar em alto mar agora. — O que acontecerá se o mar a trouxer de volta? — Aria sussurrou. — Ninguém pode provar o que fizemos — Spencer olhou ao redor, verificando a praia novamente, ela ainda estava vazia. Ninguém estava prestando atenção — e Aria, foi legítima defesa, Ali poderia ter nos matado. — Nós não sabemos ao certo — os olhos de Aria estavam arregalados e assustados — talvez a gente tenha entendido ela errado lá em cima, talvez eu não devesse ter...


— Você devia — disse Spencer drasticamente — Se você não a tivesse empurrado, nós poderíamos não estar aqui, agora. Todo mundo ficou em silêncio por um momento. Emily olhou para a lua acima delas. — E se Ali não foi levada? — ela sussurrou — e se ela sobreviveu à queda e se arrastou para longe para encontrar ajuda? Hanna pulou do aparelho de ginástica e secou seu rosto, ela podia sentir sua pulsação acelerada, mesmo em seus lábios. Jeremiah se aproximou, ela lhe deu um grande sorriso inocente. — Uh, você vai à academia? — Por uma questão de fato, sim — retrucou Jeremias, seu rosto estava roxo de raiva — ou eu devo dizer eu ia, seu pai me deu uma associação de cortesia, mas agora ela foi revogada. — Oh! — Hanna disse calmamente. — Oh? É tudo que você pode dizer? Oh? — Jeremiah estava com tanta raiva que tremia — Espero que você esteja feliz, Hanna. Isso é tudo por sua causa. Uma onda de choque ondulava na pele de Hanna, mas ela manteve a classe. — Eu não fiz nada de errado. Eu só disse ao meu pai que vi você lá em cima. — Você não viu nada e você sabe disso — ele se inclinou para mais perto dela, seu hálito era azedo e imundo — você teve haver com isso, não? Hanna virou a cabeça, a menina que queria usar o aparelho em que Hanna estava olhou para eles, com a sobrancelha franzida. — Eu não sei o que você está falando. Jeremiah apontou o dedo para ela. — Você arruinou a minha carreira, e tenho a sensação de que você vai arranjar uma maneira de estragar a campanha de seu pai. Lembre-se de que eu tenho um bilhete anônimo, dizendo que você estava escondendo alguma coisa, eu vou ficar atento Hanna, e você vai cair. Hanna deu um grito aterrorizado. Jeremiah ficou no rosto de Hanna por um momento, então se virou e marchou de volta para a saída. — Você está bem? — A menina perguntou, parando de pedalar — ele parecia muito... intenso. Hanna passou a mão sobre seu cabelo suado e murmurou uma resposta evasiva. Ela definitivamente não estava bem. Quão sério Jeremiah tinha falado? O que ele queria dizer? E então do nada, uma estridente gargalhada veio de fora da academia, Hanna olhou ao redor, Ali? O riso persistiu, Hanna fechou os olhos, pensando na praia vazia novamente. Por muito tempo, Hanna havia suprimido o pensamento de que Ali tinha sobrevivido, mas agora ela sabia que Emily estava certa. Ali estava aqui. Talvez não nesta academia agora, mas ela estava aqui em Rosewood, seguindo-as, observando-as, pronta para arruinar as suas vidas pela terceira e última vez. Ali era como um gato com nove vidas, ela sobreviveu ao incêndio na floresta do quintal de Spencer, em seguida, ela sobreviveu ao incêndio em Poconos e agora ela tinha sobrevivido à queda de um penhasco. Ela se arrastou para longe, cuidou de suas feridas, ficou saudável novamente e estava de volta. Talvez ela não morra até que ela consiga fazer exatamente o que ela quer: se livrar delas uma vez por todas. Havia apenas uma coisa que Hanna poderia fazer: ir à polícia. Ali deve ser impedida, e se isso significasse admitir o que aconteceu na Jamaica, então que assim seja. Tinha sido em legítima defesa, afinal. Elas fizeram isso para parar o mal, Ali, para parar o ciclo de assassinatos que ela executou depois que sobreviveu ao incêndio. Além disso, não era como se tivessem realmente matado Ali, ela ainda estava viva. Hanna iria mesmo levar a culpa por suas amigas, mesmo que isso significasse cair em desgraça com seu pai. Não havia como ela deixar Ali fazer isso com elas novamente. Quando o telefone de Hanna vibrou em seu quadril ela pulou. Mike, ela esperava, só ele poderia fazer ela se sentir melhor. Ela colocou a mão no bolso, puxou-o para fora, e olhou para a tela. TEXTO DE ANÔNIMO. Com as mãos tremendo, ela abriu e leu a mensagem. Ligue nas notícias, querida. Tenho uma surpresa pra você. Beijos! – A


33 A NOTÍCIA QUE ELAS NÃO ESTAVAM ESPERANDO

O trem com destino a Rosewood parou estremecendo a estação Penn, Spencer, sua mãe e os Pennythistles embarcaram em silêncio, o Sr. Penithistle sentou e fundou em seu assento, parecendo que ele estava prestes a ter um derrame, a mãe de Spencer estava logo ao lado dele, lançando-lhe olhares e depois olhando ansiosamente pela janela e para Spencer sacudindo a cabeça. Spencer havia perguntado a ela o que ele havia dito essa manhã. Se ele ainda falava sobre sua revelação de Zach? Amélia olhava para todos confusa, certa de que algo tinha ocorrido, mas não sabia o quê. Zach estava debruçado na janela com fones de ouvido, escutando seu iPod. Ele jogou o casaco e bolsa no assento ao seu lado para que Spencer não se sentasse lá. Ela tentou se desculpar com ele de novo e de novo, mas não adiantou nada, ele nem sequer olhava para ela. O trem passou por Newark e depois Trenton, e o telefone de Spencer começou a tocar: CHAMADA DE HANNA MARIN. Mas ela não queria falar com Hanna agora, ela não queria falar com ninguém. Spencer apertou sua testa contra a janela de vidro frio e olhou para as árvores e casas que passavam correndo. O céu era de um azul perfeito hoje e quase sem nuvens. Isso a lembrou, de repente, da viagem de volta da Jamaica, ano passado. Quando o avião decolou da pista e sobrevoou o aeroporto, ela viu a praia interminável e o oceano azul logo abaixo. Daquele ângulo, ela tinha certeza de que iria ver o corpo de Ali boiando nas ondas, um ponto de tecido amarelo contrastando com o imenso azul, mas ela não viu nada. Os dias seguintes a morte de Ali tinham sido horríveis, elas mantiveram a aparência de felizes adolescentes em férias, especialmente porque Noel e Mike estavam lá. Elas mergulharam, nadaram e praticaram caiaque, pularam nos penhascos mais de uma dúzia de vezes. Hanna tinha massagens e Aria aulas de ioga. Mas o segredo pesava em cada uma delas. Elas quase não comiam, demoraram a sorrir, bebiam muito, mas as bebidas as deixavam tensas e combativas, em vez de felizes e relaxadas. Às vezes, Spencer ouvia Hanna, com quem ela estava dividindo o quarto, sair de sua cama e se trancar no banheiro por horas. O que ela fazia lá? Refletindo sobre o que elas haviam feito? Revivendo toda a coisa horrível? Spencer sempre fingia que estava dormindo quando Hanna saia do banheiro, nunca querendo falar sobre isso. A distância entre elas já havia começado a crescer. Elas não queriam olhar umas para as outras com medo que alguém desatasse a chorar. Todas as manhãs, Spencer acordava e ia para a varanda de seu quarto, ela olhava para o mar, o corpo de Ali estava lá, provavelmente azul e inchado. Mas era como se nada tivesse acontecido, não havia policiais jamaicanos batendo na porta de seu quarto, e fazendo perguntas. Nenhum membro do hotel sentiu falta de algum hóspede. Parecia que ninguém tinha percebido que ela havia sumido. E parecia que ninguém, absolutamente ninguém, tinha visto o que Spencer e as outras haviam feito naquela terrível noite. Ao lado de Spencer no avião, Emily tocou sua mão. Sua pele era de cera, e seu cabelo estava sujo e oleoso.


— Eu não consigo parar de pensar. E se a maré não a levou? E se ela não morreu com o impacto? E se ela estiver sofrendo em algum lugar? — Isso é loucura — Spencer reagiu, quase não acreditando no que Emily estava dizendo em um lugar tão público — nós vasculhamos cada centímetro daquela praia, ela não poderia ter se arrastado tão rápido. — Mas... — Emily brincava com o copo plástico que tinha recebido do carrinho de bebidas — parece estranho que a maré não a tenha trazido de volta. — É bom que a maré não traga — sussurrou Spencer, rasgando seu guardanapo em pedaços minúsculos — o universo está olhando para nós, e todas nós sabemos que ela teria nos matado. Ela era louca Emily. Nós fizemos o melhor possível. A única coisa que poderíamos ter feito. Mas agora Spencer duvidava que Ali tinha sido carregada pela maré. Ela olhou para a última mensagem de A: eventualmente, todos os segredos voltam para a terra. Emily estava certa, Ali nunca tinha sido levada pela maré, porque ela não morrera na queda. Spencer quase deixou cair sua mochila na rua lamacenta. — O quê? — eles não tinham dito que a família Pennythistle estava se mudando para a casa dos Hastings noite passada? — Ele vai para a escola militar ao norte de Nova Iorque — disse o Sr, Pennythistle em uma voz que ele provavelmente usava para demitir funcionários — está tudo definido, liguei para lá esta manhã. Amélia se engasgou, aparentemente, ela não sabia disso também, até agora. Spencer olhou para o Sr. Pennythistle suplicando. — Tem certeza de que é necessário? — Spencer — disse a Sra. Hastings, puxando-a para longe do carro — isso não é da nossa conta. Spencer deslizou de qualquer maneira. Ela estava prestes a pedir desculpas mais uma vez quando a música de plantão começou a tocar no rádio. — Atenção — uma repórter disse animadamente — acabamos de receber relatos de que restos mortais de uma adolescente foram encontrados na Jamaica. O cabelo da parte de trás do pescoço de Spencer subiu. Ela se afastou de Zach e olhou para o alto-falante no banco de trás. O que a repórter tinha acabado de dizer? Mas antes que ela pudesse aumentar o volume, sua mãe a puxou para fora do carro. — Vamos — ela bateu a porta e deu um tchau mal-humorado para Pennythistle. Ambas viram como as lanternas traseiras do carro desapareceram na rua ao dar a volta. Restos de uma Adolescente... Jamaica. Spencer olhou para seu telefone, Hanna ligava para ela novamente, Spencer atendeu. — Há algo acontecendo na Jamaica? — Estou tentando falar com você há mais de uma hora — Hanna sussurrou — Spencer, oh meu Deus. — Vem aqui — disse Spencer, correndo em direção a sua casa, seu coração estava disparado — venha aqui agora.


34 A GAROTA NA PRAIA

Quando Aria chegou à casa de Spencer, todas as luzes da casa estavam acesas. O Prius de Hanna e o Volvo de Emily estavam estacionados na calçada. Aria desligou o motor de sua Subaru, estacionando próximo aos outros carros, e se juntou as meninas na porta. — O que é isso tudo? — quando Spencer tinha chamado ela, Aria tinha acabado de descer do ônibus de Nova Iorque. Tudo que Spencer tinha dito era que elas tinham que se encontrar imediatamente. Hanna e Emily olharam para ela com os olhos arregalados, antes que pudessem dizer alguma coisa, Spencer abriu a porta. — Venham comigo. Ela as guiou pelo corredor, Aria olhou em volta, ela não havia estado nessa sala há mais de um ano, mas as mesmas imagens da época de escola de Melissa e Spencer cobriam as paredes. A televisão estava ligada com o volume alto. Ela viu o logotipo da CNN, no canto direito inferior. Uma grande faixa dizia: PESCADOR ENCONTRA RESTOS DE GAROTA DESAPARECIDA NA JAMAICA. — Jamaica? — Aria sussurrou, cambaleando para trás. Ela olhou para as outras. Emily cobriu a boca. Hanna tinha uma mão em seu estômago como se estivesse prestes a vomitar. E Spencer não conseguia tirar os olhos da tela que mostrava um oceano azul claro e uma praia tranquila. Um barco de pesca enferrujado estava aportado na areia, e vários repórteres e fotógrafos estavam ao redor dele tirando fotos. — Isso não quer dizer nada, pode ser qualquer um. — Hanna piscava rapidamente. — Não é qualquer um — disse Spencer com uma voz trêmula — basta assistir. Uma repórter loira vestindo um polo verde da CNN apareceu na tela. — O que estamos vendo, é a investigação policial em curso dos restos descobertos na costa mais cedo, esta manhã. — explicou ela, com o cabelo em seu rosto — de acordo com o pescador, que deseja permanecer anônimo, ele encontrou os restos em uma enseada a cerca de seis quilômetros ao sul de Negril. — Negril? — Hanna olhou ao redor para as outras, com o lábio inferior tremendo — vocês... — Shh — Spencer agitou as mãos para silenciá-la. A repórter começou a falar novamente. — A julgar pela condição dos restos, os especialistas dizem que a menina tinha cerca de dezessete anos. E pelo nível de deterioração, eles acreditam que ela morreu cerca de um ano atrás. Legistas estão trabalhando com muito afinco para identificar a vítima. — Ai meu Deus — disse Aria afundando na cadeira — gente, essa é... a Ali? — Como isso é possível? — Hanna ergueu seu telefone — não é ela quem nos envia as mensagens? Ela não é a única que viu o que nós fizemos? — Quais são as chances de uma outra garota de 17 anos de idade, ter morrido perto de um penhasco? — Spencer disse rancorosa, com sua boca formando um retângulo — esta é ela. E quando a polícia identificá-la e descobrir que nós estávamos lá naquela época, eles vão ver que dois mais dois são quatro.


— Eles não têm qualquer prova que foi a gente! — Hanna disse. — Eles terão. — Spencer apontou a ponta de seu nariz — A irá dizer a eles. Aria olhou ao redor, como se as imagens da escola na parede lhe dessem algum conforto. Tudo de repente se ligou na sua cabeça. Então Ali realmente morreu na queda? O mar varreu seu corpo rapidamente, antes que elas pudessem encontrá-la na praia? Por que após um ano inteiro o corpo estava a apenas 6 quilômetros de distancia da praia? E a maior qu estão de todas: se Ali não era A, então quem era? — Acabei de receber uma nova informação! — A repórter gritou, fazendo a cabeça das meninas se levantarem. A câmera tremeu primeiro mostrando o nó de pessoas na praia, em seguida, focando o pé da repórter, e então focando em seu rosto. Ela apertou os seus ouvidos com os dedos, escutando a voz de alguém através de um fone — eles identificaram o corpo. Há uma compatibilização. Hanna engasgou, Aria pegou na mão de Emily e a apertou. Alison DiLaurentis, Aria esperou a repórter dizer lentamente. Um olhar de confusão transparecia em seu rosto. Ela se preocupou em escutar o nome certo. Não era Ali? Ela pensou, ou era outra garota com o mesmo nome, uma coincidência cruel? De repente, uma fotografia encheu a tela, e as meninas gritaram. Era Ali em sua última encarnação, com seu cabelo liso e loiro, queixo ligeiramente pontudo, maças do rosto saliente e lábios mais finos. Era exatamente a menina que elas tinham conhecido na cobertura após o jantar naquela noite terrível. Exatamente a menina que as provocara com os seus segredos misteriosos, que só Ali conhecia, ela as atraiu para o telhado e quase empurrou Hanna. Era quase um alívio para Aria vê-la novamente, pelo menos elas saberiam que ela estava realmente morta. — Seus pais a identificaram por que ela tinha três pinos no tornozelo devido a um antigo acidente — explicou a repórter, a foto de Ali minimizou para o canto da tela — eles divulgaram essa fotografia, tirada um pouco antes dela desaparecer. Seu nome era Tabitha Clark de Nova Jersey. Por um momento Aria achou que seu cérebro havia falhado. Ela virou-se para Spencer no exato momento em que esta também olhou para ela. Emily ficou estática, Hanna afundou no sofá, como se ela não acreditasse. — Espere um minuto, o que ela acabou de dizer? — Hanna disse. — O nome dela era Tabitha Clark — Spencer repetiu em um tom monótono, olhando espantado — de Nova Jersey? — Mas... não! — a cabeça de Aria começou a girar — O nome dela não era Tabitha, era Alison! A nossa Alison! Spencer olhou ao redor e apontou para Emily. — Você garantiu que era ela! Você olhou para ela e disse “É a Ali!” — Ela sabia de coisas que só a Ali sabia — Emily chorava — vocês acreditaram também! — Todas nós — Aria sussurrou, olhando confusa para frente. A repórter continuou. As meninas olharam para a TV. — De acordo com seus pais, Tabitha havia fugido de casa há um ano. Ela sempre foi uma criança problemática, quando ela tinha treze anos, houve um incêndio em sua casa que quase a matou, em seguida, ela se submeteu a diversas cirurgias reconstrutivas seguidas para tratar as queimaduras. Seus pais sabiam que ela tinha ido para a Jamaica, mas eles não perceberam que havia algo de errado, até cinco meses atrás quando ela não entrou em contato com eles como de costume. Eles falaram com seus amigos que disseram que não tinham ouvido falar dela há mais de um ano. A repórter fez uma pausa, e balançou a cabeça. — Estou apenas reproduzindo as palavras do Sr. e da Sra. Clark, de que eles a procuraram por meses sem sucesso. É de partir o coração que essa longa procura tenha que terminar em tal tragédia. Outra imagem apareceu na tela. Era uma foto de Tabitha como cheerleader, cercada de meninas, Aria nunca tinha visto antes. Então mostraram uma foto de Tabitha dando o sinal de positivo na frente de um estádio vestindo uma enorme camiseta do New Jersey Devils.


— Vocês... o que está acontecendo? — disse Hanna, segurando sua cabeça. O coração de Aria batia tão forte que ela tinha certeza que seu peito iria explodir. O pior pensamento possível soou em sua cabeça. Pelos olhares nos rostos de suas amigas elas estavam pensando exatamente a mesma coisa. Ela respirou fundo e disse a coisa mais assustadora que ela pudesse imaginar em voz alta: — Gente, Tabitha não era Ali. Nós matamos uma garota inocente.


35 NÃO FECHE SEUS OLHOS...

Emily caiu no chão, com a terrível verdade fervilhando em sua cabeça como uma colmeia de abelhas. Tabitha não era Ali. Tabitha era inocente. Nós matamos uma garota inocente. Não parecia possível, e ainda estava na TV. Tabitha tinha uma vida que não era em nada parecida com a de Ali. Ela tinha pais, uma casa. Suas queimaduras tinham sido causadas por um incêndio em sua casa quando era pequena e não pela explosão em Poconos. O que quer que seja que ela estava fazendo com elas na Jamaica, era uma bobeira, um desafio que ela fizera com ela mesma, um jogo que ela não queria perder. — Deve haver mais sites que contam mais sobre nós do que imaginávamos — disse Spencer em um sussurro com seus olhos vidrados, sem piscar para a TV — Talvez ela era obcecada. E quando ela nos viu... — Ela pensou que podia nos arruinar — Hanna terminou a frase por Spencer, apoiando sua cabeça em suas mãos, balançando seu corpo de um lado para o outro — Sabem, eu estava prestes a ir à polícia para contar sobre A e Ali, e sobre tudo o que fizemos na Jamaica. — Jesus — Spencer sussurrou — Graças a Deus você não foi. Lagrimas começaram a cair dos olhos de Hanna. — Meu Deus! Meu Deus! O quê nós fizemos? Eles vão investigar o assassinato e chegar até nós. — A me mandou uma foto de mim e Tabitha dançando. — Emily disse — isso prova que a conhecíamos. E se A mandar essa foto para os pais da Tabitha? Ou para a polícia? — Esperem um minuto — disse Aria apontando para a TV. A câmera cortou para o Xerife, um jamaicano alto, em um uniforme azul brilhante. Ele estava em uma plataforma improvisada atrás do barco de pesca em ruínas que tinha exumado os ossos de Tabitha. — Achamos que a senhorita Clark tenha decidido nadar quando estava intoxicada — ele disse a um monte de microfones — o resort The Cliffs já teve problemas com bebidas para menores, e está na hora de colocarmos um ponto final nisso. A partir de hoje o resort está fechado indefinidamente. Flashes piscaram. Os repórteres o enchiam de questões. Emily se sentou na cadeira estarrecida. Spencer piscou, Aria abraçou seus joelhos e Hanna balançou a cabeça e começou a chorar compulsivamente. Emily sabia que ela deveria se sentir aliviada, mas ela não se sentia assim. Ela sabia a verdade. Não era um acidente, o sangue de Tabitha estava em suas mãos. A lareira crepitava, o cheiro de madeira queimada a lembrava de tanta coisa ao mesmo tempo – como a fogueira a qual elas haviam se sentado ao redor na floresta no verão depois da coisa da Jenna, foi ali que Ali as presenteou com uma pulseira, as fazendo prometer que elas nunca diriam o que elas fizeram até o dia em que elas morressem. A pulseira no pulso de Tabitha era assustadoramente igual as que Ali fizera para elas, três diferentes cores de corda azul enroladas em conjunto para formar as cores de um lago cristalino. Mas isso devia ser coincidência. E agora, elas tinham um novo segredo que elas teriam que guardar até o dia de suas mortes. Só que este era pior, muito pior do que a última.


A fumaça lembrava Emily de outra coisa também: a cabana carbonizada e ardendo em chamas de Poconos, no dia em que Ali ateou fogo nela, esperando matar todas. Por um breve momento, Emily se permitiu viajar no tempo, revisitar sua memória de quando ela correu para a porta da cozinha desesperada para sair dali. Ali estava lá também, lutando para sair dali antes das outras para que pudesse as prender dentro da casa. Mas Emily pegou no braço de Ali e o torceu. — Como você pode fazer isso? — ela perguntou. Os olhos de Ali ardiam, um pequeno sorriso apareceu em seus lábios. — Vocês, suas vacas, arruinaram a minha vida. — Mas... Eu te amo — Emily implorou. Ali riu. — Você é uma perdedora, Emily. Emily apertou com força os ombros de Ali. E depois houve um grande estrondo. A outra coisa que Emily sabia era que ela estava deitada no chão perto da porta enquanto ela corria em busca de segurança, ela sentiu alguma coisa no chão, era um pendão laranja que ficava pendurado na maçaneta da porta. Toda vez que Emily entrava na casa de Poconos rindo com Ali, pronta para um final de semana de muita diversão, ela passava os dedos nesse pendão com fios de seda. Isso a fazia sentir como se ela estivesse em casa. Sem saber o porquê, Emily colocou o pendão em seu bolso, e então ela olhou sobre seus ombros mais uma vez. E ela viu algo que jamais contara a alguém, em parte porque ela não sabia se era verdade ou algo que ela alucinara depois de inalar tanta fumaça e em parte porque ela sabia que suas amigas não acreditariam nela e em parte porque era muito assustador e horrível até mesmo para dizer em voz alta. Quando ela olhou para trás através da porta aberta da casa que havia explodido, Ali não estava em mais nenhum lugar. Será que ela estava cercada por muita fumaça? Será que ela simplesmente havia se arrastado pela cozinha e se entregado a morte? Ou talvez, apenas talvez, ela estava desesperadamente tentando sair da casa também. O quê Emily fez em seguida ela nunca esquecerá, ao invés dela bater a porta com força, mesmo tendo empurrado uma cadeira de Cedro, para ela se certificar de que Ali não escaparia, ela deixou a porta destravada e aberta. Bastaria um leve empurrão, e Ali estaria livre e salva. Emily não poderia deixar ela morrer ali. Mesmo que Ali tenha dito todas aquelas coisas horríveis, mesmo que Ali tenha arrasado o coração de Emily milhares de vezes e ocasiões, ela não podia permitir isso. Agora, na casa de Spencer, Emily enfiou a mão no bolso e tocou no pendão de seda laranja mais uma vez. Aquela cena horrível da Jamaica passou diante de seus olhos. — Todo mundo achava que você tinha morrido no incêndio — disse Emily para a garota que elas juravam que era Ali — mas... — Mas o quê? — interrompeu a garota — Mas eu escapei? Alguma ideia de como isso aconteceu, Em? E ai ela direcionou seu olhar para o bolso de Emily como se ela tivesse uma visão de raios-X e pudesse ver o pendão de seda laranja que Emily carregava para todo lugar e para saber que ela tinha permitido a fuga de Ali. Tabitha sabia o quê Emily havia feito, mas... como? Quando o celular de Emily tocou na sua bolsa, alto e estridente na sala que estava em silêncio, ela quase pulou para fora de sua pele. Momentos depois, o celular de Spencer vibrou, o de Aria também, assim como o de Hanna. Os ruídos continuaram uma sinfonia de toques. As meninas se olharam assustadas. Se Tabitha não era Ali e Tabitha tinha morrido aquela noite, então quem estava fazendo isto com elas? Ali poderia ter se salvado do incêndio. A ainda era Ali, as atormentando com os segredos mais íntimos de suas vidas? Devagar, Spencer pegou seu telefone, assim como Aria, e Hanna. Emily pegou seu celular de dentro da bolsa o olhou para a tela. UMA NOVA MENSAGEM. De Anônimo. Claro. Vocês pensam que isso é tudo que eu sei, suas vacas? Isso é apenas a ponta do iceberg... e eu estou apenas me aquecendo. – A.


O QUE ACONTECE DEPOIS...

Você realmente achou que tinha acabado? Por favor. Enquanto essas meninas se comportarem mal, estarei assistindo. E cara, elas têm sido muito más. Vamos recapitular? A boba DA Hanna quase saiu na Playboy. E, claro, ela pagou Patrick, mas ela está prestes a descobrir que há outras maneiras de acabar com a campanha de seu pai. Emily devastou a família de Chloe. Pelo que sei não é pra isso que servem os amigos. Talvez Chloe deva retribuir o favor e dizer, a Sra. Fields, exatamente o que Emily fez no verão passado... ou talvez eu possa fazer isso por ela. Quando o impulso veio, Aria se tornou bastante... obcecada. Agora, a perna de Klaudia não é a única coisa que está quebrada. Pode a relação de Aria e Noel sobreviver a esse furacão? Como se costuma dizer na Finlândia: Sim certo. E finalmente chegamos a impertinente Spencer. Pense, Zach é a única pessoa cuja vida ela arruinou? Pense novamente. Ela fez alguns truques bem sujos para conseguir entrar na sua faculdade dos sonhos, e alguém foi passado para trás nesse processo. Mas uma pergunta que não sai de nossas cabeças: por quanto tempo será que Hanna, Emily, Aria e Spencer serão capazes de manter o que elas fizeram na Jamaica em segredo? Ou acho que a verdadeira questão é: por quanto tempo eu vou deixá-las manter? Fiquem comigo crianças. Ficará tão bom... – A


http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=34725232

Sara shepard pretty little liars 09 traiçoeiras  
Sara shepard pretty little liars 09 traiçoeiras  
Advertisement