Issuu on Google+

Voz Comunidade Jornal

da

Edição nº 87 - Ano VI - Zona Leste, Junho de 2014

Os Protestos e Manifestações de Junho de 2013

“em defesa do planeta terra, pelo fim das desigualdades sociais e por uma sociedade mais justa e fraterna” - vozdacomunidade@uol.com.br - 10.000 Exemplares - DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

Desigualdade Brasileira

Editorial Página 2

Um dia me disseram... Filosofia Página 3

Brincando e Aprendendo Espaço da Criança Página 4

Agenda e Avisos Página 5

“Como o Pai me enviou, eu envio vocês” Momento Bíblico

Como são percebidas as grandes diferenças no Brasil dos últimos 40 anos. Páginas 6 e 7

Página 8

Programação da 14ª Semana de Teologia Página 9

Entrevista Página 11

AJUDE O JORNAL VOZ DA COMUNIDADE A IMPRIMIR SUA PRÓXIMA EDIÇÃO Colabore conosco fazendo sua doação. Deposite quanto você puder em nossa conta e mantenha viva a circulação do Jornal Voz da Comunidade. Banco Itaú Agência: 1665 Conta Corrente: 32020-4 em nome da Associação Voz da Comunidade. A equipe voluntária do Voz agradece.

VEM AÍ A 23ª FESTA DAS NAÇÕES DE ERMELINO MATARAZZO Uma festa para a família

Dias 19 e 20 de Julho de 2014 Avenida Paranaguá x Largo 1º de Maio Um dos maiores eventos gastronômicos e culturais da Cidade de São Paulo

NÃO PERCAM!!!


Editorial

2 Junho de 2014

vozdacomunidade@uol.com.br

Manifestações de Junho de 2013

“Após um ano, as manifestações ainda estão acesas” Em junho de 2013, o aumento da passagem do transporte público desencadeou a onda de protestos no Brasil. A repercussão internacional levou o governo brasileiro a adotar medidas para atender às reivindicações. O Congresso votou a favor de a corrupção ser tratada como crime hediondo, arquivou a PEC 37 e proibiu as votações secretas. Governos estaduais voltaram a praticar os preços antigos das passagens. Nas ruas, crescia o número de pessoas nas passeatas e, simultaneamente, nos veículos de comunicação repercutiam no mundo os movimentos na terra das Copas do Mundo e das Confederações. Os atos no Brasil foram comparados aos protestos Primavera Árabe, em países árabes, Los Indignados, na Espanha e o Occupy Wall St, nos Estados Unidos. Em São Paulo, os protestos começaram em 2 de junho, em resposta aos reajustes nos preços das passagens dos ônibus, metrô e trens, de R$ 3,00 para R$ 3,20. As mobilizações foram organizadas através das redes so-

Associação Voz da Comunidade Rua Miguel Rachid, 997 - Ermelino Matarazzo São Paulo – SP - Fone: 2546-4254 Correio eletrônico: vozdacomunidade@uol.com.br Tiragem: 10.000 exemplares - Distribuição interna, sem fins lucrativos - Todos os envolvidos na elaboração deste jornal são voluntários.

ciais, tendo como precursores os membros do Movimento Passe Livre (MPL), com o objetivo de conter os aumentos das passagens. Na capital paulista, o confronto entre a polícia e manifestantes deixou vários feridos, inclusive jornalistas. A opinião pública considerou a ação policial truculenta e a comparou com “uma ditadura militar”.

Em São Paulo, os protestos começaram em 2 de junho, em resposta aos reajustes nos preços das passagens dos ônibus, metrô e trens, de R$ 3,00 para R$ 3,20 Anistia Internacional critica repressão a protestos no Rio e em São Paulo A Anistia Internacional, organização que representa mais de 3 milhões de ativistas que atuam em proteção dos direitos humanos, se manifestou em nota, que: “O transporte público acessível é de fundamental importân-

cia para que a população possa exercer seu direito de ir e vir, tão importante quanto os demais direitos como educação, saúde, moradia, de expressão”. Presidente faz pronunciamento sobre manifestações A presidente Dilma Rousseff fez um pronunciamento no dia 21 de junho de 2013 sobre as manifestações no Brasil. Em cadeia nacional de rádio e televisão, Dilma disse estar atenta às reivindicações feitas pela população que foi às ruas durante os protestos em diversas cidades brasileiras e destacou que o pedido de mudança é legítimo, mas condenou os atos de vandalismo e violência. Estamos em 2014, e as manifestações continuam acessas, porém pacíficas. Na tarde de sábado, 31 de maio de 2014, cerca de 500 pessoas manifestavam em São Paulo, contra a Copa do Mundo. Foi o 9º Ato Se Não Tiver Direitos Não Vai Ter Copa. De acordo com a PM, o grupo se reuniu na praça Ramos de Azevedo, em torno das 15h30, em frente

ao Teatro Municipal. Pela primeira vez, a PM de São Paulo usou um traje resistente a pedras, rojões e perfurações. O ato foi pacífico e no final da tarde os manifestantes se dirigiram para a sede da Federação Paulista de Futebol, na Barra Funda, zona oeste de São Paulo. Para refletir as manifestações, leia: O testamento de Hessel: ‘’Não basta se indignar. É a política que muda o mundo’’ http://www.ihu.unisinos.br/ noticias/519555-o-testamentode-hessel-nao-basta-seindignar-e-a-politica-quemuda-o-mundo Fontes do texto: http://www.jb.com. br/retrospectiva-2013/ noticias/2013/12/17/ retrospectiva-manifestacoesde-junho-agitaram-todo-opais/ http://noticias.r7.com/ sao-paulo/grupo-protestaem-sp-contra-a-copa-domundo-01062014

Os artigos assinados não refletem necessariamente a filosofia (objetivos) do jornal, são de responsabilidade dos autores. Jornalista Responsável: José Maria dos Santos - MTb: 11.413 - Colaboradores: José Augusto Rocha Lima, Sebastião Galdino, Maurinho de Jesus - Pastoral Social: Luis França - Pastoral da Comunicação: Luís França, Fernando Cruz, Marcondes Messias, Professor Waldir Augusti, Ricardo Baba, Mauro Margarido e Danilo Ferrari - Revisão: Alexssander S. Santos Publicidade e Propaganda: Deise Cassi (98868-2884) Produção e Diagramação: Ricardo Leocadio - Mtb: 61.512/SP - (98136-1016). Impressão: TAIGA GRÁFICA E EDITORA LTDA. Fone: 2409-7926 - Apoio/Parceria: FUNDAÇÃO TIDE SETÚBAL.


vozdacomunidade@uol.com.br

Filosofia

DIVULGAÇÃO

“Um dia me disseram quem eram os donos da situação, sem querer eles me deram as chaves que abrem essa prisão” A canção ‘‘SOMOS QUEM PODEMOS SER’’ interpretada pela banda Engenheiros do Havaí reflete sobre o espanto da descoberta de uma realidade diferente da fantasia, é a passagem do universo infantil para o mundo adulto. Mas por mais chocante que esta transformação possa ser, ela nos liberta, pois sabemos quais são os sonhos possíveis. A humanidade passou por esta mudança quando deixou o pensamento meramente mitológico onde tudo era explicado através dos deuses para questionar sua realidade e encontrar respostas na natureza. O homem nunca deixou de crer nas suas divindades, mas neste momento ele passa a ser responsável pelos aspectos que abrangem a sua vida e a sociedade. O governante não é mais um ser iluminado enviado por Deus, ele é um homem como todos e pode ser questionado, assim seria com todos os fatores da vida. Esta transformação de mentalidade torna o ser humano livre, mas traz a responsabilidade por suas escolhas. O filósofo francês Jean Paul Sartre defende que somos livres para escolher e agir conforme nossa vontade, mas tudo gera consequências e a famosa frase

deste pensador ‘‘o inferno são os outros’’ quer dizer que como vivemos em comunidade, o limite desta liberdade é o respeito ao outro. A filosofia serve para criar o senso crítico e nos ajudar a questionar para enxergar sempre mais de um ângulo dos nossos dilemas. Ela nos ensina a buscar todas as possibilidades, pois assim evoluímos: deixamos de ser aquela criança com medo de monstros e de perdas e enfrentamos os problemas com sabedoria e discernimento. Através da reflexão ampliamos nossa visão de mundo e podemos escolher as melhores opções, mas como dizia o pensador dinamarquês Kierkegaard mesmo refletindo o momento de optar por um caminho é angustiante, pois nunca vamos conhecer aquela opção não escolhida. É necessário questionar, pensar e conhecer profundamente para trilhar um caminho que nos permita viver livres de arrependimentos, pois só assim seremos felizes. Filósofo Ricardo Hidemi Baba www.ricardobaba.com.br

Junho de 2014

3


4 Junho de 2014

Espaรงo da Crianรงa

vozdacomunidade@uol.com.br


vozdacomunidade@uol.com.br

Agenda

Dia: 01 de junho, domingo às 07h30 Abertura da Festa do Divino

Local: Casa da Terceira Idade Tereza Bugolim (Rua Primavera da Vida, 1-B – Ermelino Matarazzo) Maiores Informações com Maria do Carmo tel.: 2943-2277

Junho de 2014

Dia: 11 de junho de 2014 - quartafeira às 19h00 Reunião do Grupo de Memória (II Seminário do Patrimônio Histórico da Zona Leste

5

Dia: 05 de junho de 2014 quinta-feira às 9h00

com Ruy Ohtake sobre a Fábrica Matarazzo, e Reaproveitamento de Resíduos por Cooperativas. Local: Salão da Igreja São Francisco de Assis - Rua Miguel Rachid, 997— Ermelino Matarazzo

Dia: 10 de junho de 2014 terça-feira às 9h00

Dia: 02 de julho/2014, quarta-feira às 19h00 Reunião por Creche para todas as crianças da Zona Leste

Reunião pelas Urgentes Melhorias na Segurança Pública Local: Casa da Terceira Idade Tereza Bugolim - Rua Primavera da Vida, 1-B Ermelino Matarazzo (Ao lado da Igreja São Francisco de Assis) “As mudanças sempre vêm do Povo consciente, organizado e participativo”.

Reunião pelas Melhorias na Saúde da Zona Leste e entrega das Cadeiras de Rodas Motorizadas Local: Salão da Igreja São Francisco de Assis - Rua Miguel Rachid, 997— Ermelino Matarazzo “Só há vitória com luta e perseverança. Vamos lutar juntos!”

Dia: 13 de junho de 2014 sexta-feira às 19h00

Grande Ato pela Implantação da Universidade Federal da Zona Leste Local: Salão da Igreja São Francisco de Assis - Rua Miguel Rachid, 997— Ermelino Matarazzo Venha participar. Essa luta também é sua. Maiores informações com Luis França: 97194-4426

Dia: 29 de junho/2014, domingo às 10h00 no Lar Vicentino

Celebração Mensal dos Voluntários (as) no Lar Local: Rua: Ovídio Lopes, 253 – Pq. Boturussú – Ermelino Matarazzo – Tel.: 2546-5682 Participe, seja um voluntário! Dia: 02 de julho/2014, quarta-feira - às 19h00 Reunião por Creche para todas as crianças da Zona Leste Local: Salão da Igreja São Francisco de Assis (Rua Miguel Rachid, 997 – Ermelino Matarazzo)

Local: Salão da Igreja São Francisco de Assis (Rua Miguel Rachid, 997 – Ermelino Matarazzo)

Para anunciar no JVC Publicidade e Propaganda:

Deise Cassi (98868-2884) deisecassijvc@gmail.com


6 Junho de 2014

Desigualdade no Brasil

vozdacomunidad

Desigualdade no Brasil vista dos a Em 1970 o Brasil estava sob uma ditadura militar, somente 63% das crianças entre 7 e 14 anos frequentavam a escola, não havia programas de transferência de renda, 68% dos brasileiros eram pobres e a parcela da renda apropriada pelos 10% no topo da distribuição era de 48%. Já em 2010, o Brasil era uma democracia estável, 98% das crianças frequentavam a escola, o programa Bolsa-Família alcançava 11 milhões de famílias, a porcentagem de pobres havia se reduzido para 10%, mas a parcela da renda apropriada pelos 10% com maiores rendimentos continuava em torno de 50%. Por que será que, apesar de tantos

avanços sociais que a sociedade brasileira alcançou nos últimos 40 anos, a concentração da renda nas mãos de uma pequena parcela de famílias não diminuiu? No Brasil, a parcela apropriada por esse segmento (com renda acima de R$ 17 mil) era de 12% em 1960, passou para 15% em 1970 e agora está por volta de 18%, ou seja, cresce sem parar. Além disso, os 0,1% mais ricos (com renda acima de R$ 46 mil) ficam com 6% da renda gerada no Brasil. Na cidade de São Paulo, as 4.500 famílias que estão entre as 0,1% com maior renda familiar na cidade (acima de R$ 120 mil) recebem 8% da renda gerada. Por que a concentração da renda é tão grande no Brasil? Parte da explicação está na grande desigualdade educacional que existe no Brasil, as pessoas mais ricas colocam seus filhos em escolas de qualidade e com isso tem acesso às melhores universidades, públicas e gratuitas. O maior acesso à educação nos últimos 20 anos, assim como os programas de transferências de renda e o mercado de trabalho beneficiaram os mais pobres e provocaram uma redução efetiva na pobreza. Isso aconteceu porque, embora os diferenciais de salário associados ao ensino médio tenham declinado, às carreiras universitárias mais populares, os diferenciais salariais associados às melhores carreiras (medicina, engenharia e arquite-

tura) aumentaram entre 2000 e 2010, ao passo que o número de matrículas nessas áreas pouco cresceu. Ao mesmo tempo, os diferenciais de salário associados à pós-graduação também aumentaram. A mobilidade de renda entre gerações no Brasil é bastante baixa, nossa estrutura de impostos e subsídios contribui para manter a concentração de renda. Os benefícios fiscais atingiram R$ 215 bilhões em 2012. Esse dinheiro que o governo deixa de arrecadar poderia ser usado com programas de desenvolvimento infantil para os mais pobres. Enquanto o Brasil arrecada somente 2% do PIB com impostos diretos sobre as pessoas físicas, os EUA arrecadam 8%. Nossa alíquota mais alta de imposto de renda para pessoas físicas é de 27,5%, comparada com 40% nos EUA e 50% na França. A concentração de renda sempre foi elevada no Brasil, o principal caminho para reduzir essa desigualdade seria melhorar a qualidade da educação nas escolas públicas e aumentar o ingresso nas principais carreiras do ensino superior. Se faz necessário reformular o nosso sistema tributário, aplicando impostos diretos às pessoas mais ricas e às empresas. Leia o texto na integra: http://www.ihu.unisinos.br/ noticias/531391-desigualdade-nobrasil, 19 maio 2014


de@uol.com.br

Desigualdade no Brasil

Junho de 2014

7

anos 70 até os dias de hoje DIVULGAÇÃO


8 Junho de 2014

Momento Bíblico

vozdacomunidade@uol.com.br

“Como o Pai me enviou, Eu envio vocês!” Jo 20,21 Introdução Passado o domingo de Páscoa, a maior festa do cristianismo e participando da liturgia através das missas, fico me sentindo no ambiente das primeiras comunidades cristãs pós-ressurreição. Relembro de toda a pedagogia de Jesus, por exemplo, quando Ele define: Eu sou o Caminho da Verdade e da Vida, ou no comentário que faz: “Se o grão de trigo não cai na terra e não morre, fica sozinho. Mas se morre, produz muito fruto”. (Jo 12,24). É o germe, o embrião da vida, da ressurreição, de uma nova vida, é o alicerce de nossa Igreja: “Vão para o mundo e anunciem a Boa Nova, como o Pai me enviou, eu vos envio”. Comentando Todos esses ensinamentos de Jesus, felizmente encontram em muitos homens e mulheres o seu ministério do voluntariado, da solidariedade. Pessoas que gratuitamente vão se disponibilizando na atuação pelo simples fato de ajudar o próximo, levar o projeto Dele adiante, nem fazem conta do ambiente hostil, egoísta que os cerca, onde tantos pensam no ganho fácil, ilegal não se importando com nada a não ser o seu interesse econômico. O voluntário e missionário assim como os profetas, denunciam os desmandos, mas não se fecham em quatro paredes, pelo contrário, como diz o missionário Giuseppe Scatolin: “Deve-se dizer que justamente ao assumir o problema do outro com toda a seriedade e sem álibis, que chegamos a compreender a própria identidade de modo cada vez mais profundo e verdadeiro”. Os objetivos Partilhar as nossas riquezas espi-

rituais, estando sempre no olho da necessidade, não sozinhos, mas em grupos onde a Palavra é semeada e solidificada, com pessoas mesmo que heterogêneas, mas com opiniões definidas onde todos serão enriquecidos e não vaquinhas de presépio, quando só um fala e todos concordam, assim não há crescimento, é tudo centralizado e hoje precisa ser participativo, mesmo que com diferentes opiniões.

“Quem reparte o pão não é Jesus, somos nós” Concluindo “Vão para o mundo e anunciem o meu projeto” disse Jesus, é a nossa missão de continuidade, há dois mil anos não parou e não parará enquanto o germe da ressurreição continuar “atacando” esses voluntários, pois essa condição é indispensável para que continuem encontrando Deus e assim possam oferecer-se aos outros, principalmente aos excluídos, e com esse despojamento de solidariedade, não espere pagamento de Deus, ser voluntário, missionário e solidário é fazer sem pensar em recompensa. Jesus garante uma coisa: “Sigam que Eu estarei sempre com vocês”. Façam de cada dia um Pentecostes. Creiam e tenham fé, pois quem reparte o pão não é Jesus e sim os discípulos. Messias Guirado messiasguirado@ ig.com.br

divulgação


vozdacomunidade@uol.com.br

Semana de Teologia

Junho de 2014

14ª SEMANA DE TEOLOGIA 2014 Período para Realização: 14 a 18 de julho de 2014

PROGRAMAÇÃO Dia 14 de Julho - Segunda-Feira Tema da Palestra: “Discípulos Missionários a partir do Evangelho de Mateus” “Ide, fazei discípulos e ensinai” Assessor convidado: Padre Cyzo Assis Lima – Fraternidade Palavra e Missão Dia 15 de Julho – Terça-Feira Tema da Palestra: “Fé e Política – a importância da participação na política” Documento da CNBB: Eleições de 2014. Jornal das Metas da Zona Leste para Eleições de 2014. Assessor convidado: Fernando Altemeyer Junior – Professor PUC-SP

INSTITUTO SAO PAULO CONTRA A VIOLENCIA “WEBDENÚNCIA: Tem o mesmo sigilo de 181” WebDenúncia é uma nova ferramenta para recebimento de denúncias, via internet, que funciona 24 horas por dia e 7 dias por semana, acessível através de qualquer computador, tablet ou celular (com internet).

Acesse: http://www.webdenuncia.org.br/

Para anunciar no JVC Publicidade e Propaganda:

Deise Cassi (98868-2884) deisecassijvc@gmail.com

Dia 16 de Julho - Quarta-Feira Tema da Palestra: “A força dos pequenos – Teologia do Espírito Santo” Assessor convidado: Padre Antonio Manzzatto – Teólogo Professor da PUC-SP Dia 17 de Julho – Quinta-Feira Tema da Palestra: “Ecologia e Espiritualidade” Assessor convidado: Leonardo Boff (A Confirmar) Dia 18 de Julho – Sexta-Feira SANTA MISSA DE ENCERRAMENTO Homenagem ao Padre Anchieta (Alguns assessores e temas ainda a confirmar)

9


10 Junho de 2014

Missa da Família 22 de Junho às 17 horas

Todos os meses, na Paróquia São Francisco de Assis, é realizada a Missa da Família, onde os casais recebem as bênçãos por conta da comemoração de suas bodas. No mês de Junho os seguintes casais participarão da celebração:

1....Adair e Neilza............... 16/06/79...35 Coral 2....Adriano e Andreia......... 26/06/10...04 Flores 3....Alberto e Marlene......... 23/06/66...48 Granito 4....Alessandro e Michele.... 12/06/10...04 Flores 5....Alexandre e Eria............ 21/06/08...06 Perfume 6....Anderson e Gabriella.... 28/06/08...06 Perfume 7....Anderson e Joyce.......... 28/06/08...06 Perfume 8....Andre e Silvia................ 19/05/79...35 Coral 9....Antonio e Antonia......... 23/06/73...41 Seda 10..Ari e Adriana................. 23/06/12...02 Algodão 11..Carlito e Margarida....... 27/06/58...56 Malaquita 12..Claudio e Rosana.......... 18/06/83...31 Nácar 13..Cristian e Taty............... 25/06/01...13 Linho 14..David e Priscila............. 13/06/09...05 Madeira 15..Erick e Nadia................ 25/06/11...03 Couro 16..Fábio e Clarissa............ 12/06/10...04 Flores 17...Francisco e Josivania.... 05/06/10...04 Flores 18..Geraldo e Jussimara..... 24/06/00...14 Marfim 19..Geraldo e Rita.............. 14/06/08...06 Perfume 20..Gerson e Adalgiza......... 12/06/71...43 Azeviche 21..Hélio e Flora................. 27/06/09...05 Madeira 22..Helio e Rosmari............ 26/06/81...33 Crizopala 23..Jeosafá e Josiane.......... 17/06/06....08 Papoula 24..Joao e Edna.................. 08/06/02...12 Seda 25..José e Aricelma............. 25/06/88...26 Alexandrita 26..José Roberto e Aila....... 26/06/10...04 Flores 27..Josiel e Thaisi............... 14/06/08...06 Perfume 28..Juares e Maria.............. 20/06/81...33 Crizopala 29..Leandro e Tatiane......... 09/06/07...07 Lã 30..Luiz e Deuzamir............ 04/06/94...20 Porcelana 31..Marcelo e Inês.............. 26/06/71...43 Azeviche 32..Marcelo e Vilma............ 18/06/11....03 Couro 33..Nailton e Darlene.......... 19/06/93...21 Zircão 34..Orlei e Elaine................ 04/06/11...03 Couro 35..Osmir e Camila............. 02/06/12...02 Algodão 36..Rafael e Adriana........... 26/06/10...04 Flores 37..Roberto a Ana Carolina.19/06/10...04 Flores 38..Roberto e Carolina........ 05/06/10...04 Flores 39..Rodrigo e Carla............. 14/06/08...06 Perfume 40..Rodrigo e Luciane......... 05/06/10...04 Flores 41..Rubens e Tatiana.......... 20/06/09...05 Madeira 42..Sergio e Ildete.............. 26/06/93...21 Zircão 43..Silvio e Michelle........... 19/06/10...04 Flores 44..Vanderson e Grasiele.... 30/06/12...02 Algodão Após a Missa haverá uma recepção a todos os casais no Salão São Bento. Observação: Os casais que tiverem interesse em participar destas celebrações, preencher uma ficha com seus dados e entregar na secretaria da Paróquia São Francisco.

CASAL ANIVERSARIANTE Esposo __________________________________________________________________________ Esposa __________________________________________________________________________ Data de Casamento: ________________________________________________________________ Endereço: ________________________________________________________________________ ______________________________________________n.º _________ CEP __________________

Curiosidades

vozdacomunidade@uol.com.br

Não Tropece na Língua Tema do Mês: ACONTECEU NOS ANOS 80 Tais fatos foram comuns nos anos 80. Haveria concordância com 80? Em caso afirmativo, como ficaria a mesma frase se, em lugar de 80, fosse 10? Resumidamente, podemos afirmar que em português não se altera o algarismo [80s, 20s, vintes, dez] para fazer a concordância com “anos”, porque em anos 80 se subentende o termo década, isto é, trata-se do período compreendido entre 1980 e 1989 = nos anos [da década de] 80. Também se discute a questão, afirmando que é legítimo o uso de “anos oitentas ou 80’s”, porque os numerais flexionam no plural: zeros, uns, noves etc. (o nº 10 não muda no plural). Em primeiro lugar me parece que o aparecimento do “S” se deve mais a uma imitação da língua inglesa do que à flexão dos números, pois esse plural é rarissimamente usado e não soa nada bem; quer dizer, não é por tradição nossa, nem por hábito que deveríamos falar em *anos vintes, anos trintas e anos dez*. Em segundo lugar, precisamos observar que nós já temos o plural assinalado na palavra antecedente (“anos” ou o coletivo “década”), o que não acontece no inglês. Vejamos, em frases extraídas da revista My Generation (Mass./USA, July-August 2002), que não aparece a palavra “years” ou “decade”: In the mid-1980s he won city contracts. In the 1970s and ’80s… By the early 1960s… Roberts had spent most of his 20s and 30s as a Krishna missionary to Brazil. Bem, sabe-se que língua é convenção. E até numa mesma língua as convenções podem diferir de um país para outro. Em Portugal também não se usa esse s, mas é habitualmente escrito por extenso: nos anos sessenta, na década de quarenta... Já no Brasil preferimos a representação por algarismos, que é mais visual, e em geral usando apenas os dois últimos algarismos do ano: O livro traz a política e a memória do debate educacional dos anos 30. Desde o final dos anos 80, tínhamos cerca de um milhão de experiências de introdução do audiovisual no ensino supe-

Ar

qu

ivo

rior para examinar e comparar. A obra de McLuhan ainda está viva – talvez hoje mais do que nos anos 60, embora em grande parte subsumida em escritos de outros autores. Entre as décadas de 30 e 40 começa a instituir-se o parque fabril nacional. Empenhou-se pelas liberdades civis na década de 70. Com a entrada do séc. 21, já está havendo certa preocupação com a clareza dos textos a serem lidos no futuro, pois então se poderá questionar se a “década de 20” se refere a 1920 ou a 2020. Assim – e especialmente em textos que tratem ao mesmo tempo dos séculos 19 e 20 –, visando evitar qualquer ambiguidade, pode-se escrever o ano por inteiro. Observe nos exemplos seguintes que há duas opções, com e sem a preposição “de” no caso dos anos: Nos anos 1970, o Paraná sofreu a expulsão dos camponeses de suas terras. O ponto alto de sua obra se localiza nos anos de 1880 e 1890. No início dos anos de 1980, seus apelos para o fim da Guerra Fria lhe deram notoriedade internacional. Os grupos editoriais no final da década de 1950 foram influenciados por E. P. Thompson. Uma análise dos livros encontrados no Colégio Coração de Jesus, cuja publicação aconteceu entre os anos de 1933 e 1949, pode mostrar a eficiência da estratégia de regrar a sedução exercida pelo escolanovismo sobre o professorado. Fonte: www.linguabrasil.com.br Colaborou: Mauro Margarido - mauro318@uol.com.br

MOVIMENTO EMPREGO E TRABALHO SÃO FRANCISCO DE ASSIS TODAS AS SEGUNDAS-FEIRAS REALIZAMOS UM ENCONTRO PARA AJUDAR VOCÊ A CONSEGUIR O SEU EMPREGO. HORÁRIO: 09 HORAS (PONTUALMENTE)

NESTE ENCONTRO VOCÊ: • TERÁ ACESSO À VAGAS DISPONIBILIZADAS POR EMPRESAS DA REGIÃO; • SERÁ CADASTRADO PELO MOVIMENTO PARA RECEBER INFORMAÇÕES SOBRE VAGAS DISPONÍVEIS; • APRENDERÁ A ELABORAR UM CURRÍCULO; • E TERÁ DICAS DE COMO SE APRESENTAR, COMO SE PORTAR EM UMA ENTREVISTA, ETC.... PARA MAIORES INFORMAÇÕES: TEDDY – 99877288 DEISE CASSI: deisecassijvc@gmail.com e-mail: queromeuemprego@ig.com.br ou euqueromeuemprego@yahoo.com.br FACEBOOK: Movimento Emprego e Trabalho

Pedimos que as empresas façam contato com a equipe de emprego e trabalho para oferecer vagas de emprego. Seja solidário e participe ativamente desta Rede de Emprego e Trabalho.


Entrevista

vozdacomunidade@uol.com.br

Junho de 2014

11

Euflavio Gois Lima, escultor e poeta, nascido no sul da Bahia, Ilhéus. Adotou sua arte com o nome de Euflavio Madeirarte. Jornal Voz: Como são feitas as suas esculturas, e a primeira obra? E o destino das poesias? Euflávio: As esculturas que eu faço tem muita simplicidade. Eu comecei fazendo as obras com galhinhos de árvores de pau-brasil, de goiabeira, de laranja, e eu uso muito o contorno, tortura ou forquilha dos próprios galhos, o braço, por exemplo, eu tiro de uma forquilha e quando não tem eu faço os braços para baixo, no sentido das pernas. A minha primeira escultura se chama ‘A Mãe de Todas’, a obra se deu quando numa manhã eu encontrei um grande galho de pau-brasil no quintal de casa e eu não quis me desfazer deste galho. Comprei um estilete pequeno, uma serrinha eu fui trabalhando até esse galho ganhar forma. Eu também dedico muito do meu tempo escrevendo poemas e crônicas e gostaria de publicá-las num livro e receber críticas. Jornal Voz: Você já apresentou seu trabalho em outras exposições como esta aqui no Centro de Memórias de Ermelino? Euflávio: Sim, eu fiz uma exposição do meu trabalho na USP Leste, na Universidade São Caetano do Sul e outra no Teatro de São Caetano. Fiz mais ou menos umas oito exposições em São Paulo. Naquela época eu tinha poucas obras, hoje eu tenho muito mais coisas, eu tenho peças grandes. Para a exposição no Centro de Memória de Ermelino Matarazzo/SP que o Danilo Morcelli preparou e é responsável, eu trouxe muitas obras minhas e outras da Gicelle minha filha. A obra Jesus Tupi eu fiz em homenagem as nações indígenas, aos povos indígenas. Na minha opinião os povos indígenas deviam ser muito mais respeitados, venerados. Os índios têm as raízes deles, os remédios, a crença e os costumes, a cultura própria deles e eu sou muito sensível a isto.

viomadeirarte. blogspot.com, eu deixei registrado a minha vida, minha história desde os cinco anos de idade até hoje, porque os meus filhos e netos não vão sentir a falta que eu senti de não saber da minha origem. Minhas memórias contêm em torno de cem textos que dá um livro de 150 páginas. Eu penso que as pessoas viviam melhor antigamente sem os equipamentos eletrônicos de hoje. Eu constitui a uma família com a minha esposa Dilma, meus filhos Gabriel, Felipe e a Gicelle, cuja poucas obras estão aqui no Centro de Memória de Ermelino. “A obra Jesus Tupi do artista Euflávio Gois Lima será doada para a Paróquia São Francisco de Assis de Ermelino Matarazzo, padre Ticão. Nas missas dedicadas ao padre José de Anchieta e outros santos canonizados no dia 20 de julho de 2014 nos horários das 07h30 e às 19 horas”.

Jornal Voz: Fale sobre o seu blog e da sua memória para os leitores deste jornal. Euflávio: No meu blog www.eufla-

AJUDE O JORNAL VOZ DA COMUNIDADE A IMPRIMIR SUA PRÓXIMA EDIÇÃO Colabore conosco fazendo sua doação. Deposite quanto você puder em nossa conta e mantenha viva a circulação do Jornal Voz da Comunidade. Banco Itaú Agência: 1665 Conta Corrente: 32020-4 em nome da Associação Voz da Comunidade. A equipe voluntária do Voz agradece.

Onde vejo Deus Porque estamos aqui? De onde viemos? Para onde iremos? E Deus, onde está? Vejo Deus nos movimentos das aranhas tecendo sua delicada teia, Na horripilante lagarta que se refugia num casulo para numa linda borboleta poder se transformar e deliciosamente poder voar, Vejo Deus. Vejo Deus nas formigas poderosas, Vejo Deus nas abelhas majestosas e no germinar das sementes, Nas nascentes dos rios, no crescimento das árvores, Vejo Deus. Vejo Deus no pôr do sol, na lua branca no céu, Nas tempestades, trovões, No voo da águia, do falcão, Vejo Deus. Vejo Deus no amor, no desamor, na alegria, na dor, No canto dos passarinhos, no sorriso das crianças, no voo do beija-flor, Vejo Deus”. Euflávio Gois Lima


fotos: divulgação

Santo Antônio

São João

Festa Junina

São Pedro

Festas juninas ou festas dos santos populares são celebrações católicas que acontecem em vários países e que são historicamente relacionadas com a festa pagã do solstício de verão (no hemisfério norte) e de inverno (no hemisfério sul), que é celebrado no dia 24 de junho, segundo o calendário juliano (pré-gregoriano). Tal festa teve origem na Idade Média, se tornando a Festa junina. Outros dois santos católicos populares celebrados nesta mesma época são São Pedro e São Paulo (no dia 29) e Santo António (no dia 13). Em Portugal, as festas dos 3 santos populares marcam o início das festas católicas por todo o país.


Jornal Voz da Comunidade nº 87 - Junho de 2014