Page 1

"Um Jornal de Causas, não de casos nem coisas!" | "A Newspaper Causes, not cases or things!"

O periódico multicultural e bilingue do Porto | The Oporto multicultural periodic

julho.agosto 2013 | Mensal | Ano IV | n.45 | Avulso € 1,20 | Associado € 50 ou Benfeitor € 25 ou Assinante € 13 | Diretor: André Rubim Rangel | Orgão da ADM

Em Destaque

Centralities

Highlight

Direitos Reservados

Centralidades

Tiago Arantes

4.5

José Cesário

Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas

Porto Cosmopolita

Oporto

ADM: 1.º aniversário em partilha multicultural

1st. Anniversary in multicultural sharing 16.17

Ao encontro de... Metting...

Karina Edmond Trako Mafalda Veiga Alexandre Soares dos Santos

.12 .20 .03 .11

Colunistas

Mário Dorminsky Columnists 15. Tsering Paldron 22. Manuel Pizarro 21. José da Silva Peneda

09.

Circuito da Boavista .09

08

27.28

Colaborações especiais Helena Sacadura Cabral e Miguel Cadilhe Semanas Interculturais de Gaia e da Maia Tertúlias ADM receberam Alice Vieira e Joana Carneiro

Pedro Quaresma chefia equipa na Schneider - Irlanda p.19

André Rubim Rangel

Aníbal Silva e Jaime Moreira

16.22

10.11 D.

Manuel Clemente:

Bispo do Porto, Patriarca de Lisboa

JV oferece emprego remunerado a jornalista p.02

www.facebook.com/jornalverisadm .. Visite a nossa nova página oficial do facebook e dê-nos o seu “gosto” | «Visit our new official facebook page and give us a "like"»


2

.. JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45

FICHA TÉCNICA ADMINISTRADOR E DIRETOR: André Rubim Rangel [CP 8286]. EDITOR: Associação para o Diálogo Multicultural (ADM) - PORTO. FUNDADOR E PROPRIETÁRIO: André Rubim Rangel. LOCAL E DATA DE FUNDAÇÃO: Porto, 24/01/2009. LOGOTIPO: Álvaro Siza Vieira. CONSELHO CONSULTIVO: Agustina Bessa-Luís (emérita), Artur Santos Silva (emérito), Daniel Serrão (emérito), Dom Duarte Pio de Bragança, Germano Silva, J. Azeredo Lopes, J. Marques dos Santos, D. Manuel Martins, Miguel Veiga, Ricardo Jorge Pinto, Rui Moreira e Salvato Trigo. CORPO REDATORIAL COLUNISTAS: Abdul Rehman Mangá, Albano Martins, António Oliveira, Aurora Cunha, Daniel Serrão, Domingos Paciência, Dom Duarte de Bragança, Fernanda Freitas, Guilherme Figueiredo, Hélder Pacheco, Hélio Loureiro, Isabel Pires de Lima, Jardim Moreira, Jesús Gamallo, Joel Cleto, Jorge Melo Braga, José Ribeiro e Castro, José da Silva Peneda, Júlio Cardoso, Luís Braga da Cruz, Manuel Jorge Marmelo, Manuel de Lemos, Manuel Pinto, Manuel Pizarro, Manuela Niza Ribeiro, Márcia Rodrigues, Maria Eduarda Viterbo, Mário Cláudio, Marta Rubim Rangel, Mónica Baldaque, Nuno Marques, Philip Jagnisz, Ricardo Arroja, Ruy de Carvalho, Sónia Araújo e D. Ximenes Belo. COORDENAÇÃO EDITORIAL: André Rubim Rangel e Ana Gabriela Nogueira (Laboratório de Imprensa e Hipermédia da Universidade Fernando Pessoa - UFP). NÚCLEO REPÓRTER (LOCAL): Aníbal Lima Silva, Catarina Lima Silva, Jaime da Silva Moreira, Laura Fonseca, Luísa Cerejeiras, Maria Botelho, Renato Ferreira, Rui Bernardo e Rita de Morais. CORRESPONDENTES (ESTRANGEIRO): África - José Manuel Pinto (Angola), Natália de Almeida (Namíbia); Brasil - Rui Gomes Araújo (Rio de Janeiro) e Taynar Costa (S. Paulo). PRÉ-ESTAGIÁRIOS: Isabel Faria, Rodolfo Pinto e Tiago Arantes. NÚCLEO DIRETO SECRETARIADO: Cátia Almeida e Maria José Matos. EXPEDIDORAS E STAFF EVENTOS: Cátia Almeida, Lia Dias, Maria José Matos e Paula Quelhas. COOPERADORAS: Expedidoras JV, Luísa Cerejeiras e Maria do Rosário Rangel. MAQUETAGEM: Joana Chicau, designer gráfica. GRAFISMO e PAGINAÇÃO: Ana Gabriela Nogueira. FOTOGRAFIA: Maria José Matos, Miguel Leite e 'www.sxc.hu'. COORDENADORES DE PLATAFORMAS JV/ADM: SITE .. Diogo Macedo (Duplanet)|BLOGUE .. André Rubim Rangel|FACEBOOK .. Aníbal Silva e Jaime Moreira|TWITTER .. Renato Ferreira. IMPRESSÃO: Gráfica Diário do Minho (Braga). COLABORADORES DA EDIÇÃO: Alexandre Soares dos Santos, Associação de Solidariedade Internacional, Christina Margotto, Diana Patrícia Ferreira, Edmond Trako, Helena Sacadura Cabral, Isabel Pinto (SOCIALIS), João Cortesão, José Cesário, Karina, Mafalda Veiga, Mário Dormisky, Marta Pereira, Miguel Cadilhe, Pedro Quaresma, Sidinéia Ymaguchi, Tânia Lourenço, Tsering Paldron, Valdemar Gonçalves. BENFEITORES: ADELINA FERNANDES, ADELINO CASTOR, ANTÓNIO COSTA, ANTÓNIO AMORIM, ANTÓNIO VASCONCELOS, CÁRITAS DIOCESANA DO PORTO, ERNESTO RANGEL, JOAQUIM CRUZ, GEORGETE COSTA, JOSÉ ALVES, JOSÉ COUTO, JOSÉ DE VASCONCELOS, JÚLIO MACEDO, JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS, LICÍNIA SOARES, MANUEL DUARTE, MANUELA C. SILVA, MARIA ARMANDA SILVA, MARIA FERREIRA SILVA, MARIA LUÍSA COSTA e VICTOR SEABRA. CARATERÍSTICAS: Periodicidade: Mensal | Formato: 34x25cm | Páginas: 24 | Tiragem: 750 ex | Registo ERC: n.125599 (Regional) | Depósito Legal: 287693/09 | ISSN: n. 2182-939X | Orgão da Associação para o Diálogo Multicultural (ADM) | NIF (ADM): 510061265 | NIB (ADM): 0010 0000 48069320001 06 ASSINATURA ANUAL: Base ≥ €13 (acrescido de portes de envio) | Benfeitor ≥ €25 | Associado ADM ≥ €50. PONTOS DE VENDA JV, PORTO: Centro Nacional de Apoio ao Imigrante - CNAI, Livraria Paulinas (Cedofeita), Maria Papoila Botica (Boavista), Papelaria Globo (Covêlo - Paranhos).

jornal.veris@gmail.com tlm: 915 416 747 | tlf: 223 209 641 JornalVERIS|Av. Vasco da Gama, 525 |4100-490 Porto.

NOTAS DO DIRECTOR

André Rubim R angel

Jornalista. Professor. Presidente da ADM.

Importante regularizar a sua assinatura anual, caso ainda não o tenha feito. Obrigado!

Os cheques endereçados ao JV devem ser remetidos à ordem da ADM. [ver Ficha Técnica]

O JV salvaguarda a identificação correta dos artigos publicados, que são, por sua vez, da autêntica responsabilidade dos respetivos autores.

Os critérios editoriais e estatutários do JV reservam o direito de selecionar os textos a publicar, bem como a autonomia editorial por razões de extensão.

O JV possui cinco ícones que facilitam a identificação do texto. São eles:

Grande Reportagem Great Reportage

Opinião Opinion

Informação Information

Entrevista Interview

www.facebook.com/jornalverisadm | http://www.admulticultural.pt | http://jornalveris-jv.blogspot.com | http:// twitter.com/JornalVERIS | www.youtube.com/jornalveris. O JornalVERIS é escrito de acordo com o Novo Acordo Ortográfico, à exceção das colunas de Opinião, mediante a livre opção dos autores.

Editorial Editorial

Convite Invitation

Caminho de renovação Path of renewal

Esta edição, que chega agora às suas mãos, acalenta um esforço e uma ânsia perdurados no espírito de servir cada vez mais e melhor a comunidade local/regional do Porto, suas comunidades e agentes inter/multiculturais, a quem mormente nos destinamos, embora com recursos e meios reduzidos e débeis (como os dispomos). O caminho tem sido árduo, mas é fazendo este caminho que acreditamos conseguir sulcar novos caminhos, alargar horizontes, semear esperanças e colher resultados profícuos para todos. Não obstante, tem sido gratificante, na certeza porém que de todos precisamos para se atingir uma meta que não é individual, mas coletiva. Repito, “de todos precisamos”! De outro modo, não faz sentido! Assim sendo, depois duma maquetagem diferenciada na edição anterior (tornando-se novamente inequívoca a nossa identidade de jornal, pela imagem e pelo papel), surge agora sublimada pelo aperfeiçoamento e melhoramento gráfico da docente universitária Ana

para tal, prendem-se não somente pela mossa derivada da conjuntura atual, mas também e sobretudo pela Gabriela, a quem o JV presta falta de redatores/editores de a sua máxima gratidão, pelo secção do jornal, sem o qual o trabalho efetuado, sinónimo mesmo foi sobrevivendo quase de inteira qualidade. Tal é loucamente ao longo deste notório, à vista de todos, e, quase lustro de existência… como tal, quer e tem tudo para Chegado a um limite e a um encetar um patamar superior termo que exige uma bússola em termos de distribuição e estrutural fundamental no seio de projeção, de jornalismo do jornal, eis que propomo-nos referencial de multiculturalidade, a contratar um jornalista para civilidade e de proximidade. colmatar as dificuldades supra Neste âmbito, também o citadas (ver notícia em baixo). JV superou recentemente Note-se que: não queremos, mais um desafio: foi objeto portanto, imprimir um registo académico dum «caso de plangente mas positivo, estudo», para uma dissertação efetivamente conivente e de Mestrado, apresentada com envolvente, com o bom senso, sucesso. Fica, portanto, mais sensibilidade e cidadania de esta ferramenta disponível todos. E já que – relembremos à comunidade proveniente – nos consideramos “um jornal da missão de quatro anos e de Causas, não de casos meio ao longo deste projeto, nem coisas”, logo, façamos por vezes estorvado pelas proveito! recusas humanas e demais This edition, which now comes contrariedades da vida. to your hands, cherishes Nesta engrenagem JV – que an effort and a craving that gera aventura(s), de risco lasts in the spirit of serving controlado porque minimamente more and better the local and gerido –, constate-se que, regional Porto community, desde janeiro, o jornal tem sido their communities and agents bimestral (esta mesma edição, inter/multicultural, especially como em anos anteriores, junta os dois meses principais in whom we allocated, though de férias, bem como amplia with resources and reduced em si mais 4 pp.). Os motivos, and weak (as we have).

JV oferece emprego remunerado a jornalista

JV offers paid employment journalist, part-time

A redação multimédia do JV vem assim abrir uma vaga ao serviço deste órgão, sobretudo para interessados com formação na área de Comunicação / Jornalismo. As entrevistas de seleção estão marcadas para dia 26 de agosto, entre as 8h30 e as 10h30, na sede do JV (morada na “Ficha Técnica”). Pelas 11h haverá uma reunião geral com todos os entrevistados.

The multimedia newsroom JV will thus open a vacancy in the service of this body, especially for those interested in training in Communication / Journalism. The selection interviews are scheduled for August 26th, between 8:30 and 10:30 am, at the headquarters of the JV (address in the “Technical Data”). 11am there will be a general meeting with all respondents.

ERRATA No número anterior, constou equivocamente “DIM” em vez de “DIMI” no texto de Luzia Reis, intitulado de «Dicionário Interativo Multilingue Ilustrado», na p. 14. Pedimos as nossas desculpas à autora e aos leitores.

re.Flexão de

Verddae Reflection of Truth

“A bondade é uma forma especial de verdade e beleza. É verdade e beleza no comportamento humano.” H. A. Overstreet


pelo JV by JV

JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45 ..

Ao Encontro de... Metting...

Mafalda Veiga

Nos fins de semana de 21-22 e de 28-29 de junho, o espaço junto ao Convento da Serra do Pilar, em Vila Nova de Gaia, transformou-se mais uma vez numa sala de espetáculos. Mafalda Veiga foi uma das convidadas para um evento internacional para o qual o JV ofereceu bilhetes. On the weekends of 21-22 and 28-29 June, the space next to the Convent of the Serra do Pilar in Vila Nova de Gaia, became once again a concert hall. Mafalda Veiga was one of the guests for an international event for which the JV offered tickets.

de introspeção, estamos porventura mais livres para estar com os amigos. O que faz com que a noite seja muito inspiradora. Quando dou por mim escrevo isso...

muito importantes. Somos sempre um conjunto do que os outros deixam em nós e do que deixamos nos outros, não é verdade? Se olharmos para as nossas vidas, a presença com outras vidas é, no fundo o que nos constitui como pessoas! O importante é a forma como abraçamos e somos abraçados; é a forma como amamos e somos amados, que nos deixa marcas e nos forma. Temos de valorizar tudo isto!

A Mafalda canta que “tudo é breve que nem um sopro”. Tudo mesmo? E o que é para si breve e não deveria ser nos tempos e contratempos da vida? :: O que é muito bom parecenos sempre breve de mais. O que é feliz e nos faz felizes devia durar muito mais tempo! Sente que é também para as pessoas aquilo que a noite Canta também muito o é para si: um pedacinho de “abraço”. Acha que falta um inspiração e de paz? abraço coletivo a Portugal :: O que pretendo é comunicar e que se assim fosse tudo pela via afetiva. Noutro dia seria muito melhor? pensava exatamente nisto :: Eu acho que sim. De quando escrevo, pois só qualquer forma, as nossas gosto de escrever quando relações com as outros são estou bem! Acho que isso

3

é importante mesmo na comunicação com os outros, já que não quero comunicar coisas que sejam tristes. A ideia que passa, até pelas suas músicas, pelo seu estado de espírito e pela vida discreta que leva, é que está praticamente sempre bem. Disse agora “quando eu estou bem”… :: Ninguém está sempre bem. Acho que todos fazemos por estar sempre que possível. Com as minhas músicas tento estar sempre bem. No intervalo em que se faz música passa-se muita coisa: ou um momento em que se está perdida, ou à procura. Depende de se arrumar e de se explicar aquilo que se sentiu. Por isso, as músicas são momentos de encontro e os outros são mais perdidos.

texto: Catarina Silva e André Rubim Rangel (e foto) Canta muito nas suas músicas a noite. Vivemos um tempo de noite, em que o dia parece estar à deriva… :: Tento procurar um sentido e um caminho naquilo que faço e na mensagem que canto e transmito. Acho que cada pessoa sente e vive as músicas consoante a sua vida e à sua maneira. Por vezes, as pessoas interpretam as letras de forma inesperada, e que até me surpreendem... Que forma inesperada e surpreendente é essa, por exemplo? :: Para cada música há uma história que as pessoas adaptam, à sua história.

Depois, vêm ter comigo e dizem-me: “ahh, esta música foi escrita para mim, foi isso que me aconteceu…” E é interessante comunicar com esses sentimentos e emoções, para que encontremos um ponto comum em que todos, de certa forma, vivemos coisas semelhantes! E que noite deseja para a vida ser sempre comemorada? :: A noite é um momento, talvez por causa de depender do facto de tudo à volta se apagar e só estar iluminado aquilo que queremos iluminar. De repente há mais silêncio, há mais possibilidade

Fomos à descoberta de Belmonte e do Fundão We went to the discovery of Belmonte and Fundão

texto: Cátia Almeida e Lia Dias | foto: Maria José Matos Temos tido o privilégio de visitar algumas cidades e localidades do “nosso” Portugal. Sítios esses que estão carregados de cultura, história e tantas aventuras enraizadas por cada passo que vamos dando ao longo do percurso e da descoberta de cada lugar.

E desta vez beneficiamos em seguir viagem às terras de Belmonte, início da Judiaria em Portugal, e do Fundão, com a temática da cereja no centro desta excursão. Enchemos o autocarro e ficaram ainda algumas pessoas em espera, para ter lugar, o que demonstra que temos já há um ano um

grupo certinho e interessado nas «visitas culturais» do JV. Numa altura em que a cereja marcava destaque como a fruta da época, tivemos a oportunidade de conhecer e entrar num pomar e atravessar todas aquelas árvores carregadas de boas e deliciosas cerejas do Fundão. Foi um momento cultural marcante, pela contínua coesão do grupo na apanha da cereja e na exploração do terreno. A diversão não faltou e a imensidão das cerejas

We have had the privilege to visit some cities and towns of "our" Portugal. Places loaded with culture, history and so many adventures rooted by each step we give along the way and on the discovery of each place.

que foi algo que superou as nossas expetativas enquanto visitantes daquela cidade, cujo Turismo local nos apoiou e até ofertou a cada participante do grupo uma t-shirt promocional do Fundão, por intermédio do coordenador do grupo. Surpreendente foi, sem dúvida, a belíssima paisagem que nos deslumbrou e nos deixou com água na boca de um dia lá podermos voltar. Esta foi uma manifestação geral do grupo, que estava bastante satisfeito com a

visita e com essa estreia generalizada de colher cereja num pomar da mesma. Agradecemos ao JV o privilégio de podermos estar ligadas a este projeto e de nos proporcionar momentos tão fantásticos e únicos como o conhecimento e a descoberta de novos horizontes. Um agradecimento também especial para: os Turismos municipais de Belmonte e do Fundão (principalmente este, que foi prestável e pelos brindes cedidos para

as nossas rifas solidárias) e para o ótimo Restaurante «O Fernandes», perto do Fundão. Por ‘falarmos’ em rifas, as premiadas nesta viagem foram: Emília Oliveira (1.ª), Maria Guilhermina Vieira (2.ª) e Dulce Freitas (3.ª). Esperemos que a cada dia possamos crescer e fazer com que cada projeto JV seja único e diferente. Bem haja!


4

.. JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45

JOSÉ CESÁRIO

Aproveitando a oportunidade da presença de José Taking the opportunity of the presence of José Cesário Cesário no Porto (no jantar-tertúlia da Academia in Oporto (dinner-talking of the Academy of Codfish), do Bacalhau), o aumento de emigração e respetiva the increase in emigration and consequent employment procura de emprego no estrangeiro, o fortalecimento e search abroad, strengthening and impact of lusophone impacto da língua lusófona no mundo, eis que se somaram estes language on world, behold, these were added condiments condimentos todos para justificar esta grande entrevista com este all to justify this great interview with this ruler from Viseu, governante viseense, que dirige as Comunidades Portuguesas. that is responsible for the Portuguese Communities.

Perfil Profile Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Cesário nasceu em 1958 e é licenciado em Administração e Gestão Escolar. É professor do Ensino Básico. Foi Deputado, tendo sido Vice-Presidente da Comissão de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, Vice-Presidente da Delegação Portuguesa ao Fórum Parlamentar Ibero-Americano, Presidente do Grupo Parlamentar de Amizade Portugal-Argentina e Secretário da Mesa da Assembleia da República. Foi coordenador do Secretariado das Comunidades Portuguesas do PSD, presidente da Comissão Política Distrital de Viseu, membro do Conselho Nacional e Secretário-Geral adjunto do PSD. Foi ainda membro da Direção do Sindicato de Professores da Zona Centro e fundador da Associação Nacional de Professores do Ensino Básico. Secretary of State for Portuguese Communities, José Cesário was born in 1958 and graduated in Administration and School Management. Is Professor of Basic Education. He was a Member on several Legislatures, having been Vice-Chairman of the Foreign Affairs and Portuguese Communities, Vice-President of the Portuguese delegation to the Parliamentary Forum Ibero-American President of the Parliamentary Friendship Group Portugal-Argentina and Secretary of the Assembly of the Republic. He was also a member of the Teachers Union Directorate Zone Center and founder of the National Association of Teachers of Basic Education.

Texto e Fotos:

André Rubim Rangel

A forma dos nossos jornais chegarem lá fora, promovendo a lusofonia, deve-se quase exclusivamente ao “porte pago”. Dificulta o facto de jornais não terem este incentivo estatal? :: Dificulta e por isso é que era fundamental encontrar novos públicos, não perdendo os que são antigos, públicos que apareceram de novo neste universo com motivos para aparecer. O investidor que está hoje na Suíça, na França ou nos EUA, não interessa onde, e que tem relação com portugueses, precisa do produto. Quem quer investir no turismo, no imobiliário e em mais variadas áreas, precisa de ter contacto com essas realidades e, portanto, o produto tem que ser vendido. É vendido muito mais facilmente pelo órgão da comunicação social em português que está mundo fora e se esse órgão trabalhar articuladamente com um de cá. E esta dificuldade dos jornais chegar aos portugueses que estão fora também se deve a eles próprios terem lá um órgão? :: Esses têm um órgão de lá, que por vezes também tem dificuldade em acesso à informação. A grande fonte desses órgãos é a Agência Lusa, que por sua vez já não divulga tudo. E então, a nível regional, divulga muito pouco. Quem é originário do país gosta de ter lá as noticias da terra e essas raramente aparecem nos serviços feitos na Lusa… No papel que tem como responsável das comunidades portuguesas quais as principais dificuldades que são apresentadas pelas mesmas? :: As comunidades são muito distintas de acordo com a origem e muito de acordo com o local onde estão e com a sua própria história, porque há comunidades muito antigas, como as das Américas do Norte e do Sul, muito mais antigas do que as da Ásia. Todas elas muito mais antigas do que as da própria Europa, já que Portugal esteve sempre muito vincado para a descoberta do nosso mundo. Podemos dizer que as comunidades estão

melhores e com menos dificuldades? :: Há de tudo, quando eu digo que há gente com muito sucesso, também há gente com pobreza de certeza absoluta, temos de entender isso. Agora, é verdade, que nessas comunidades mais antigas, a influência local é maior porque já vão na quinta ou na sexta ou na sétima ou ainda na oitava geração que já nasceu lá fora. Portanto, já estão perfeitamente integrados, como acontece na política, mas a um nível já alto. Também há casos em comunidades mais recentes mas não são tão significativos. Cá não há tanto a ideia, como o senhor secretário de Estado tem dito, de que há casos de muita pobreza, até pelo facto de se registarem ainda muitos fluxos migratórios… Porque é que essas pessoas não voltam à sua

Pátria, acha que estariam/ficariam pior? :: Não voltam, por vários fatores. Um é o facto de algum orgulho, porque há uma certa vergonha de assumir o fracasso na terra de origem. O outro, prende-se com o facto de esta gente já não se conseguir adaptar a Portugal. Uma pessoa que está há 50 anos na Argentina tem dificuldade em pensar regressar a Portugal. Acha que em pleno séc. XXI todas as acessibilidades e facilidades da mobilidade estão, de facto, já ao melhor nível? :: A mobilidade não implica facilidades, implica mais dificuldades. Hoje é mais difícil ser-se um bom profissional no mundo, do que era há 20 ou 30 anos atrás. Um bom profissional é aquele que está preparado para trabalhar em Portugal e, em qualquer altura, noutro país; é uma pessoa que para ter sucesso tem que ter logo à partida melhores instrumentos de comunicação e conseguir dominar várias línguas. As necessidades geram crises fortes? :: Eu lembro-me da crise dos anos 80: só não é mais grave do que a de hoje por uma razão muito objetiva. A de hoje é global e a da altura era nossa; na crise dos anos 80 nós ultrapassamo-la rapidamente, e logo a seguir


Em Destaque Highlight entrámos na Comunidade Económica Europeia. Começaram a chover milhões, utilizámos bem e mal o dinheiro.

JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45 ..

em que o mercado interno tivesse um choque sério, estavam seriamente em causa.

contratos de trabalho, se perceberem bem exatamente para onde vão, se avaliarem bem se o que vão ganhar chega e se é suficiente para aquilo que vão ter de despender...

Mas o caminho é apenas exportar? :: Está demonstrado e isto não é demonstrado por nós, já foi demonstrado por outros. Há muitos anos que nós precisamos de Colocando a questão exportar pelo menos 50%, correspondente a no sentido inverso, Mobility does not imply facilities 50% do nosso produto. considera que nós – como it implies more 'difficulties'. Today Nós estamos nos trinta acolhedores dos setores de it is more difficult to be a good imigração – estamos bem e e tal… O problema é professional in the world than it que tal tem aumentado? que elas não conhecem was 20 or 30 years ago. A good Portugal, de um modo geral, os mercados porque se hoje já não recebe novos habituaram só com o professional is one who is prepared imigrantes. Neste momento mercado interno e um to work here, in Portugal, and at any são muito poucos os que caso ou outro. Mercados time, in another country, a person who vêm, para não dizer que como a Rússia, a Índia, is to succeed must have the better quase nenhuns vêm por a África do Sul, o Brasil, outset of communication tools and to razões óbvias. Mas temos os próprios EUA e o ainda comunidades que já Canadá, a Austrália, os master several languages​​. estão ca há alguns anos, países do Golfo e os países Árabes são países particularmente brasileiros, em primeiro lugar. Caboconhecidos por meia dúzia Vemos que há países que Verdianos, moçambicanos de empresas portuguesas… Quanto à cortiça conseguem dar o salto ou menos, angolanos há e seu setor, como exemplificou, sobretudo a também alguns e ucranianos, que ficam imunes à crise, nível dos grandes nunca teve problemas, e que ainda existem numa como é o caso dos países os que tiveram foram apenas circunstanciais, qualidade significativa. nórdicos. Acha que, por sobretudo por causa da política das rolhas Estes casos são casos aqui, nós conseguimos das garrafas… De modo geral essas que, de um modo geral, se vencer a crise e que os empresas procederam muito bem com o integraram razoavelmente imigrantes terão um papel projeto de internacionalização. bem e nós temos políticas fundamental, esses que de acolhimento muito tem gerado riqueza nos Os portugueses lá fora também têm sido interessantes. Portugal, a países onde estão? medianeiros e intermediários? esse nível, tem dos melhores :: Primeira questão, os :: Não, só pontualmente. exemplos do que há no países nórdicos também têm mundo. problemas graves. Temos Acha que poderia melhorar? a Islândia que deu banca :: Claro que pode, é preciso que as nossas E temos ouvido falar das rota ainda há pouco tempo, empresas as procurem, coisa que nunca inseguranças que havia mas conseguiu dar a volta quiseram. muito nos países de porque esses são países Leste… que têm recursos naturais O que acha que é necessário para :: Quando entram em muito grandes. Nós temos melhorar o caminho? Portugal, como entraram um recurso natural enorme, :: Melhorar é nós darmos passos. O que nos cerca de 700 mil pessoas que são as pessoas. Em angustia é não conseguirmos dar passos no para um país que tem 2012 atraímos as país, só sentido de haver esta aproximação. uma população ativa de 4 em remessas, cerca 2.749 milhões e 900 mil, menos de milhões de euros. Foram Mas não dá por não querer, embora querer 5 milhões, é evidente que as maiores remessas da seja poder, ou o que é que impede? temos de perceber que é uma última década. Ora políticas :: São as instituições, locais e nacionais, do massa muito grande e que, concertadas e estruturadas mais variado tipo. E é terem como prioridade para esta aproximação sempre esta ligação. conseguem muito mais. Também graças ao impacto Acha então que emigrar é que este universo de a solução? The universe of people that pessoas tem no turismo, que :: Eu digo que emigrar é a nossa primeira atividade pode implicar, abre lusophony represents is nearly económica. oportunidades, pode abrir 5% of global GDP when we are oportunidades. Agora, há few more than three percent of the Alem deste capital uma coisa que eu não world population. So, this means humano, temos também recomendo a ninguém: é riqueza, embora não de que emigrem à aventura, that I not only speak of Portugal, recursos naturais mas isso não, têm-se dado I'm talking about Portugal, Brazil, como grandes produtores e muito mal. Nós temos Angola, Mozambique, Timor, from exportadores de cortiça, de uma campanha a decorrer Cape Verde, São Tomé, it means Vinho do Porto, de tomate, já há mais de um ano, portuguese speaking countries. etc. Isto não é suficiente? com um envolvimento :: Não, porque nós estamos de várias instituições e Further, although this level can not há muito tempo assim. A órgãos da comunicação include economics: also Macao maior parte das nossas social a nível nacional, where the official language is empresas, sobretudo quase em que recomendamos Portuguese too. tudo o que são PME, só expressamente às pessoas vivem no mercado interno. que quando emigrarem, Evidentemente que, no dia só emigrem se tiverem

5

no meio daquilo tudo, vêm algumas pessoas que são problemáticas. Que mensagem deixa sobre estas questões de diversidade cultural? :: Como o mundo hoje faz mobilidade permanente, a interculturalidade vai ser uma realidade constante. Hoje há países que são naturalmente multiculturais: o Canadá é um país multicultural, a Austrália menos mas também é um país multicultural, menos que o Canadá. Os EUA são também um país multicultural. São países em que as culturas convivem nas suas mais variadas vertentes, até na religiosa que é a mais complicada. Portanto, um dos grandes desafios do mundo é aprofundar essa interculturalidade, porque ainda há fundamentalismos que são inimigos dessa relação aberta. Deu o exemplo dum continente, também pelas suas genes na Europa… :: O continente americano é claramente um continente que resulta da interculturalidade. Verdade é que o modo como nasceu essa interculturalidade passou por uma determinada fase pelo quase desaparecimento de algumas culturas locais. Mas também ainda estamos longe de, em Portugal, acontecer como nesse caso… :: É muito mais difícil porque os povos, a quem é mais difícil de acontecer isto, são quem têm história. Nós temos uma história de centenas de anos. Nós não corremos o risco. Reforço que o português é a língua mais falada do mundo, portanto, nós não corremos o risco. O império que nos resta é a língua, teríamos de voltar aos outros impérios que tínhamos dos descobrimentos? :: O universo dos povos lusófonos representa quase 5% do PIB mundial quando somos três e qualquer coisa por cento da população mundial. Portanto, isto quer dizer que não falo só de Portugal, estou a falar de Portugal, do Brasil, de Angola, de Moçambique, de Timor, de Cabo Verde, de São Tomé, ou seja os países lusófonos. Mais ainda, embora a este nível não podemos incluir a parte económica: também Macau, em que a língua oficial também é portuguesa.


6

.. JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45

O crescente conflito no Brasil em análise Texto: Jaime Moreira

The growing conflict in Brazil under review

O JornalVERIS debruça especial atenção para a contenda brasileira: há mais de um mês que o país vive dias complicados com greves constantes e que nem sempre terminem da melhor forma. A atuação policial tem sido criticada, devido a um alegado uso de força excessiva. O povo, nas ruas, clama por igualdade, educação e serviços públicos justos assim como o fim de uma classe política ativamente corrupta. Nesse sentido, damos agora voz a Sidinéia Yamaguchi, advogada e responsável jurídica da Associação Mais Brasil na nossa cidade do Porto. A visão de Sidinéia sobre a atual situação social vivida no Brasil “é que o brasileiro finalmente está a ganhar uma consciência política a uma dimensão completamente nova. Ou seja, o povo percebeu que não tem só como função eleger quem os represente, mas também fiscalizar e pressionar as decisões políticas. Já não há dúvidas que a muito falada consciência política brasileira começou a generalizar-se! Antes não havia essa consciência coletiva, mas ela acordou. O gigante acordou! Embora, não existam dúvidas que haja que faça mau uso desta revolução social. Na minha opinião, a polícia brasileira não estava nem está preparada para esta situação, para manifestações deste cariz, muitas das vezes pacíficas”. No entanto, não considera que esteja a ser demasiado violenta, “está assim despreparada para lidar com este tipo de manifestações. Há uma cisão na imprensa, uma que tenta claramente descredibilizar o movimento e a outra que realça negativamente a postura da polícia para assim a atacar. Há uma direita e uma esquerda na imprensa brasileira muito ativas, claramente. É muito raro encontrar

{Curta} {Flash News} “Lusofonia” }..{ “Lusophony” Novo apoio da UE ao acesso da Saúde para mulheres e crianças na Guiné-Bissau New UE support to access health for women and children in Guinea-Bissau A União Europeia (UE) decidiu financiar um novo programa para que as mulheres grávidas e as crianças com menos de 5 anos beneficiem de um melhor acesso a cuidados de saúde básicos nas regiões de Biombo, Cacheu, Ohio e Farim na Guiné-Bissau, que contam com cerca de 520 000 habitantes. Aulas de língua portuguesa e de informática na Associação Kalina Portuguese language classes and computer in the Association Kalina Desde maio de 2013 que a Associação Kalina de

"...Brazil is a huge country, filled with good resources, great potential, Brazil has increasingly aware of these potentialities. I think it is a gross mistake to compare the Brazilian economic boom with any other country in Europe. The Brazil alone has more potential than Europe all together! Lots to grow and evolve. These events are not only a reflection of a discontent, but a greater social awareness, a ripening. There is a growing sense that the levels of inequality in a country like Brazil can not continue." Sidineia Yamaguchi, lawyer and legal representative of the Association More Brazil in Oporto

no Brasil uma imprensa que seja isenta, o brasileiro é assim apaixonado, não consegue ser isento nem na política nem no futebol”. A jurista brasileira no Porto discorda da ideia de algumas análises em Portugal apontarem este despertar brasileiro para uma crescente consciência de que o boom económico está a perder fulgor e não beneficiou a toda a população. E justifica assim: “primeiro, como brasileira positiva que sou não acredito que esse boom tenha chegado ao fim. O Brasil é um país enorme, repleto de bons recursos, grandes potencialidades e o brasileiro cada vez mais tem consciência dessas potencialidades. Acho que é um erro grosseiro comparar o boom económico brasileiro com qualquer outro país da europa. O Brasil, por si só tem mais potencial que a Europa toda junta! Tem muito por onde crescer e evoluir. Estas manifestações não são apenas reflexo de um descontentamento, mas sim de uma maior consciência social, de um amadurecimento. Há uma noção crescente de que os níveis de desigualdade num país como o Brasil não podem continuar. Hoje, várias classes sociais saem à rua com o mesmo objetivo”.

Imigrantes do Leste do Porto faculta aulas bissemanais tanto de língua portuguesa como de informática, na sede da Associação sita na rua de Cervantes 428. Certificação da língua portuguesa no Canadá Portuguese language certification in Canada Esta é uma iniciativa da responsabilidade do Instituto Camões, I.P., em parceria com o Ministério da Educação. A coordenação do Ensino Português no Canadá agradece a todos os professores e aos docentes que participaram nas provas de certificação que decorreram em julho, em Toronto, Montreal, Otava, Kitchener e Cambridge, pelo seu trabalho e dedicação. Estudante portuense com best seller no NYT Oporto student with best seller in NYT Luís Miguel Rocha já foi repórter de imagem, tradutor

e guionista. Hoje é estudante de História na Faculdade de Letras da UP e escritor. É também o único escritor português a marcar presença na lista de best sellers do “New York Times”, com O Último Papa. O autor portuense, com obras publicadas em mais de 30 países, lança agora o sexto livro, A Filha do Papa, depois de Um País Encantado, O Último Papa, Bala Santa, A Virgem e A Mentira Sagrada. “Cultura” }..{ “Culture” 'Nova Acrópole' comemora os 200 anos de Wagner New Acropolis celebrates the 200th anniversary of Wagner Atendendo a que se comemora este ano o bicentenário do nascimento de Wagner, a Nova Acrópole do Porto irá visualizar, com alguns comentários, uma das suas obras - O Ouro do Reno -, ao longo do próximo (último) quadrimestre de 2013. Aproveitarão, assim, para dar continuidade às atividades

dedicadas a este tema que decorreram durante o ano.

Comunicação, ao Design e aos Media.

“Juventude & Pedagogia” "Youth and Education" Bolsas na Grã-Bretanha e Alemanha Scholarships in Britain and Germany Reino Unido: A Associação Portuguesa de Investigadores e Estudantes no Reino Unido (Parsuk) vai atribuir uma bolsa de 1778 euros para um estágio de quatro semanas, entre julho e setembro de 2013. A iniciativa, a acontecer anualmente, destina-se a estudantes de licenciatura ou mestrado, ligados à ciência e à investigação. Alemanha: A Micromedia University for Media and Communication (MHMK), ao abrigo do You Create Media Scolarship Programme, tem seis bolsas de estudo para atribuição a alunos estrangeiros. São quatro vagas para licenciatura e duas para mestrado (sendo quatro destas bolsas parciais) em áreas ligadas à

“Sociedade” }..{ “Society” Programa «Nós» da RTP2 volta a emitir aos domingos Program “We” of RTP2 back to issue Sundays O programa “Nós” - magazine televisivo do ACIDI - com emissão semanal, aos sábados, na RTP2, está de volta aos domingos, pelas 11h. É um programa multicultural e harmonioso, que desenvolve uma ponte de informação junto da sociedade civil, através da apresentação dum conjunto de entrevistas e debates, peças informativas sobre direitos e deveres, ligação com as associações de imigrantes, serviços disponibilizados pela sociedade civil e Estado, etc.. Paralelamente, dá a conhecer distintas comunidades que escolheram Portugal como país de acolhimento, através do relato de histórias de vida, gastronomia, desporto, cultura, entre outros.


Lusofonia Lusophony

JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45 ..

'Correspondente JV' em... Angola 'Correspondent JV' in... Angola

Somdekaedila Somdekaedila

Todas as horas são boas para chegar José Manuel Pinto

Angola tem expressões fabulosas difíceis de igualar. Dentro da simplicidade da sua gente e da sabedoria do seu povo, existe uma assertividade nas palavras e em alguns dizeres que são por vezes perfeitos. Em Angola, mesmo no meio dos frenéticos dias principalmente da capital, a insignificância do tempo é trocada regra geral pela importância dos momentos, o que nos faz pensar se não temos de aprender a saber ler e interpretar melhor, tudo o que corre à nossa volta. Entre o trânsito caótico de Luanda, quando alguém me pergunta quanto tempo demorarei a chegar a algum lugar, por vezes respondo em tom de brincadeira que “entre cinco minutos e uma hora aí estarei”. Um dia destes porém, em troca da minha pequena provocação ouvi como resposta, “não se preocupe, todas as horas são boas para chegar”. Respondeu-me assim um colega e amigo angolano que, à parte do contínuo bom humor que sempre apresenta, tem inúmeros compromissos e uma agenda certamente ainda mais complicada que a minha, mas que consegue gerir o tempo e

Jorge Melo Braga

All times are good to arrive

CEO da SCGP, Grupo Angola Steel Corporation

Angola has fabulous expressions difficult to match. Within the simplicity of its people and the wisdom of its people, there is an assertiveness in words and in some sayings that are sometimes perfect. In Angola, even in the midst of the frantic days mainly in the capital, the insignificance of time is usually replaced by the importance of the moment, which makes us wonder if we have to learn to read and interpret better, everything that goes on around us .

o movimento de uma forma superior. Quando cheguei ao seu lado percebi que foi a uma hora perfeita. Como não poderia deixar de ser. Percome nestas frases diárias, tanto falando da chegada a uma reunião como à chegada ao país. Definitivamente todas as horas são boas para chegar. Assiste-se como todos sabem a um aumento significativo de emigração portuguesa com destino a Angola. Principalmente a capital angolana conhece todos os dias novas caras, umas que regressam após alguns anos de ausência, outras que experimentam pela primeira

vez o país tentando melhor sorte. Soube esta semana que as inscrições nas escolas em Angola credenciadas pelo Ministério de Educação Português batem novo recorde este ano. Milhares de crianças pré-inscritas e que algumas, infelizmente, não terão correspondência ao objectivo pretendido. Deixame muitas vezes a pensar o que significará no futuro para Portugal estas saídas do país, hoje tão diferentes de outros tempos. Quero no entanto acreditar, e acredito, que para quem desejar, daqui a uns tempos todas as horas serão também boas para regressar.

7

Responsável Comercial e da COPIDOURO, Porto

O verão da Casa The Summer of the House

O papel da Casa da Música na divulgação e formação musical, para além de importante, tem tido a preocupação de divulgar a música do espaço lusófono, o que daqui saúdo.

o seu trabalho Summer’s Go e depois apareceu o guitarrista Norberto Lobo com “Mel Azul”, trabalho nomeado para o prémio de melhor álbum europeu independente de 2012. A angolana Kika Santos apareceu com “Art Beats From The Heart” e seguiuse Bamba Social, um grupo de músicos do Porto que gostam de samba e chorinho. O programa terminará com o guineense Kimi Djabate e o seu trabalho de 2009, ”Karam” e os Papercutz, um grupo de música eletrónica do Porto que fechará o ciclo. Um excelente programa e uma ótima ideia e um excelente esforço na divulgação da música de língua portuguesa.

O programa «O verão da Casa», trouxe e continuará a trazer neste verão, concertos gratuitos de artistas, que assim apresentam os seus primeiros trabalhos. Iniciouse com os Little Friend e o seu primeiro trabalho “We will destroy each other”. Logo de seguida apareceu Charlie Winchester com o seu primeiro EP com o título de “Chronicles and Souvenirs”. Outro excelente concerto foi The role of the House of o do cabo-verdiano Bilan, que Music in music education apresentou o seu “Ilha”, o seu and dissemination, as well as segundo trabalho. O anterior “Ar/Água” - foi um EP lançado important has been the concern disclose music Lusophone em 2009. Marta Ren, uma space, which welcome here. mulher da Soul, apareceu com

CPLP fomentou a ação e interação das culturas lusófonas http://paginaglobal.blogspot.pt/

CPLP foments the action and interaction of Lusophone cultures

Texto: Tiago Arantes A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) organizou inúmeras iniciativas que pretendiam dar lugar a diversas manifestações culturais relativas aos vários estados membros da CPLP, com um forte apelo á participação de todos quanto se identificassem com língua portuguesa e cultura nos nossos povos.

The Community of Portuguese Language Countries (CPLP) has organized numerous initiatives intended to give rise to various cultural events relating to the various member states of the CPLP, with a strong appeal will involve all as to identify with the Portuguese language and culture in our people. Estas iniciativas decorreram entre o dia 3 de maio e 10 de junho em vários locais. No teatro da Malaposta em Odivelas realizouse o IV Bienal de culturas lusófonas, já no pátio da Galé em Lisboa realizou-se um espetáculo musical para jovens. Na sede da CPLP foi realizado o Colóquio: direito constitucional de língua portuguesa e o colóquio circulação de bens culturais e mobilidade de criadores. No fim deste evento foi lançado o livro: Direito constitucional de língua portuguesa - caminhos de um constitucionalismo singular e foi realizada a mesa redonda sobre proteção dos direitos de autor na CPLP. No parque Eduardo VII, em Lisboa, a CPLP esteve presente na feira do livro de Lisboa.

Leilão de quadros em favor do Banco de Leite de S. Tomé e Príncipe Texto e fotomontagem: JV Segundo nota enviada ao JV por Frei Painitings auctioned to Fernando Ventura, os alunos de artes help the Milk Bank of da Escola Secundária de Águas Santas, St. Tome and Principe colaborando com o Banco de Leite de S. Tomé e Príncipe, ofereceram para According to a note sent to leilão 25 quadros pintados no âmbito the JV Fr. Fernando Ventura, das suas atividades escolares. Esses arts students of the High quadros podem ser vistos e escolhidos School of Aguas Santas, pela internet. collaborating with the Milk Cada quadro estádevidamente assinado Bank of St. Tome and e disponível para leilão via correio Principe, offered to auction eletrónico. A direção para a licitação dos 25 paintings painted within quadros é, mamafrica.bancodeleite@ their school activities. These gmail.com. Para o efeito deste projeto frames can be observed and humanitário, realizaram-se também chosen online. quatro espetáculos itinerantes “Mam Africa” ao longo do mês de julho.

http://pt.calameo.com/read/000528778095e27c63a27


8

.. JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45

Gaia dinamiza Semana Intercultural Vila Nova de Gaia sets in motion Intercultural Week

Texto e Foto: Associação de Solidariedade Internacional Entre 14 a 21 de maio, celebrou-se em Vila Nova de Gaia, a Semana Intercultural a qual teve como objetivo promover o Diálogo Intercultural no concelho. Esta iniciativa enquadrou-se na criação do 1.º Plano de Promoção da Convivência Intercultural no concelho no âmbito da Rede Social que foi possível através do «Projeto + Diversidade + Criatividade» desenvolvido pela ASI Associação de Solidariedade Internacional e financiado pela FEINPT- Fundo Europeu de Integração de Nacionais de Países Terceiros. Foi apoiado pelo ACIDI- Alto Comissariado para a Imigração e Dialogo Intercultural IP, pela Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia (VNG) e por várias Juntas de Freguesia e instituições de cariz social e comercial. Este evento contou com várias iniciativas: • Sessões informativas itinerantes a imigrantes, na Junta de Freguesia de Mafamude; • Visão intercultural: construção de “Murais de Interculturalidade” com técnicos/as, utentes e colaboradores/ as do Centro Social do Bom Pastor e Jardim Infantil de Torne, e do Projeto Escolhe Vilar, através de técnicas de pintura, colagem e diferentes materiais; • Roteiro gastronómico que proporcionou diferentes pratos típicos de vários países acompanhados por uma descrição do local de origem nos restaurantes do cais de Gaia: restaurante Basílico, restaurante Bacalhoeiro e restaurante Provas. • Teatros de rua: três grupos de diferentes nacionalidades experimentaram dinâmicas de inclusão/exclusão que desembocam num choque cultural. Estas performances foram apresentadas na Assembleia Municipal de VNG, na estação de comboio “General Torres” e no cais de Gaia.

Between 14 to 21 May, was held in Vila Nova de Gaia, the Intercultural Week which aimed to promote intercultural dialogue in the county. This initiative was part of the creation of the first Plan for Promoting Intercultural Coexistence in the county within the Social Network that was possible through the ‘Project + Diversity + Creativity’ developed by ASI - International Solidarity Association, financed by FEINPT-European Integration Fund of Third Country Nationals.

Cultura, Música e Gastronomia de dezenas de países uniram- se na Maia Culture, Music and Gastronomy from dozens of countries joined in Maia

Texto e Foto: Isabel Pinto

• Biblioteca humana: a abordagem das temáticas interculturais foi acompanhada por “Livros humanos”, mulheres e homens que relataram experiências na primeira pessoa sobre temáticas como género, etnia, deficiência e orientação sexual. Pretende-se que este evento venha a ser dinamizado de forma contínua no concelho, no intuito de assinalar o dia 21 de maio Dia Mundial da Diversidade Cultural para o Diálogo e Desenvolvimento decretado pela ONU através da UNESCO. A ADM foi convidada para estar na sessão inaugural e marcou presença, fazendo-se representar pelo seu vice-presidente Júlio Cardoso.

Academia de Bacalhau do Porto recebeu José Cesário Texto e Foto: André Rubim Rangel

Academia de Bacalhau of Oporto received José Cesário This IPSS (not Brotherhood) founded by portuenses and has spread around the world, in Porto, with great dynamism and over 300 godfathers and godmothers. Chaired by César Gomes de Pina, one of its monthly dinner get-together, received the Secretary of State for Portuguese Communities, who said: "Our Diaspora is the largest in the world".

Esta IPSS (não confraria) fundada por portuenses e espalhada pelo mundo conta, no Porto, com grande dinamismo e mais de 300 compadres e comadres. Presidida por César Gomes de Pina, num dos seus mensais jantares tertúlia, recebeu o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, que afirmou: “A nossa Diáspora é das maiores em todo o mundo!”. Entre outros convidados de relevo tais como Manuela Aguiar e o presidente da Academia de Bacalhau de Toronto, Canadá, o jantar mensal de maio deste ano, realizado no dia 17, teve como convidado especial José Cesário que realçou o papel importante destas Academias no mundo, exortando os presentes a pensar no que somos. Se somos um país pequeno, como alguns nos querem reduzir, ou se somos muito mais!”. Lembrou que, de muitas formas,

No fim de semana 8 e 9 de junho, o Parque Central acolheu a III Mostra Intercultural, numa iniciativa da SOCIALIS, através do CLAII, centro local de apoio à integração do imigrante. Quem por lá passou pôde visitar os 22 stands representativos de diferentes países tendo ficado a conhecer um pouco melhor a suas culturas.

At the end of week 8th and 9th June, the Central Park hosted the III Shows Intercultural, an initiative of SOCIALIS through CLAII, local center to support the integration of immigrants. Those who stayed could visit the 22 booths representing each country having become a little better their cultures.

Durante dois dias a Maia recebeu e acolheu os povos e a cultura dos quatro cantos do mundo e a animação não faltou neste encontro com feiras de artesanato, gastronomia, muita música e dança e onde os participantes estiveram vestidos a rigor, com os trajes tradicionais de cada país. Os espetáculos contínuos de música e dança dos países no certame - desde zumba, forró, dança do ventre, danças andinas, folclore ucraniano e português e muito mais - a par da gastronomia diversificada, proporcionaram aos participantes e visitantes a possibilidade de conviver com o que de melhor há por

esse mundo fora... e não saíram desagradados com todos os pitéus e petiscos provados! Foi gratificante observar e apreciar a forma esfusiante como cada país aplaudia o outro que estava a atuar e como saltitavam de stand em stand, cada um querendo conhecer a cultura do outro. Foi real a união e confraternização que deveria servir de mote e exemplo para todos! Não houve raças, culturas, religiões, emigrantes ou imigrantes, diferenças ou divergências, mas apenas a união de todos num só: Seres Humanos, todos iguais, todos unidos dando as mãos em nome da Interculturalidade.

estamos representados "em muitos países, o que nos prestigia a todos os níveis" contudo enfatizou que ainda "há questões e quadros de afastamento... Ao afastarmos pessoas, não as acolhendo devidamente, estamos a afastar oportunidades”, esclareceu. Para José Cesário, reconfirmado no cargo nesta remodelação governamental, o grande desafio é aproximarmonos do Mundo, que mudou completamente, através da economia globalizada. Recordou ainda que, neste momento, a potência capital

económica mundial que é a mobilidade que considera “a regra das condições de trabalho e a regra da economia”. Por outro lado, Cesário entende que a questão da comunicação é decisiva e deve ser feita para um mercado global. “Estes esforços têm de ser feitos por todos: é preciso dar o passo indispensável de ir ao encontro dos portugueses no Mundo”, explica o governante que assume: “esta é a nossa batalha. Não é a batalha de luta contra qualquer Governo. A nossa batalha é Portugal!”.


Porto Cosmopolita Cosmopolitan Oporto

Circuito da Boavista regressa para nova edição memorável

Circuito da Boavista returns with memorable edition

Texto e Foto: Aníbal Silva e Jaime Moreira Inserido nas festas de S. João da cidade do Porto, o Grande Prémio da Boavista voltou a dividir-se em dois fins de semana repletos de emoção, velocidade e um pequeno travo a saudade mal a bandeira de xadrez sobre ele pendeu. Dois fins de semana. Dois mundos. A mesma paixão. Assim foi o Circuito da Boavista versão 2013, onde os portuenses saíram à rua e puderam desfrutar de um intenso programa de corridas que agradou a (quase…) toda a gente. Como sempre, o primeiro ato desta festa teve como protagonistas os populares clássicos que nos reportam a outros tempos, e mostraram que os nossos carros de sonho terão sempre lugar no imaginário, não importa o tempo que por eles passa. Fórmula 1 ou Fórmula Ford antigos, assim como carros que outrora participaram nas históricas 24 Horas de Le Mans deleitaram quem os viu passar, estando igualmente momentos bem “quentes” reservados para os pilotos VIP de ocasião, como o treinador portuense André Villas-Boas que, com uma ultrapassagem nos limites, arrancou entusiásticos aplausos. No segundo ato, os carros novos tomaram o lugar. O Campeonato do Mundo de Carros de Turismo (WTCC) foi o maior exemplo, como alguns dos melhores do mundo na modalidade a tomarem parte. Sport Protótipos, veículos de GT entre muitos outros tiveram também palco no circuito, com o número de espectadores a ser bem superior ao da semana que o antecedeu. Heróis prováveis e menos prováveis… Que Tiago Monteiro ia ser o piloto mais aclamado de todo o Circuito, ninguém duvidava. Mas que o segundo mais aplaudido daria pelo nome de André Villas-Boas, poucos seriam capazes de adivinhar. Tiago Monteiro, o primeiro português a pisar o pódio no Campeonato do Mundo de Fórmula 1, atual competidor de WTCC, onde corre ao serviço da Honda, tem o prazer de, a cada dois anos,

Inserted in the festivities of St. John of Porto, the Grand Prix of Boavista stoped the city in two weekends full of excitement, speed and left, as soon as the checkered flag was waved hung on it, a little bad aftertaste...

Boavista – Quo Vadis? A situação do Grande Prémio ainda não está confirmada. No entanto, até devido à elevada adesão popular, auguram-se decisões favoráveis. Com a nova lei autárquica a impedir recandidaturas após 12 anos de mandato, o Porto vê Rui Rio, sair. Como tal, e sendo o grande responsável do regresso das corridas à cidade, não é de estranhar que pairem algumas nuvens carregadas pelo futuro do circuito. Fomos investigar as promessas eleitorais, bem polarizadas diga-se, dos candidatos ao lugar deixado vago por Rio. PCP e BE são explícitos ao negar a continuidade do Grande Prémio. Pedro Carvalho e José Soeiro são pois contrários ao dinheiro gasto na realização do evento, considerando que deveria ser canalizado para outros rumos. Manuel Pizarro e Rui Moreira, são mais moderados. A vitória de uma vida O socialista e o candidato Vincent Tourneur foi uma das independente afirmam figuras incontornáveis do fim desejar a continuidade do de semana dedicado aos evento, desde que com clássicos. Mais do que qualquer um investimento “sem outra coisa, impressionou a desvarios” e com cuidados na sua vontade de viver: afinal, preservação do dia-a-dia dos estamos a falar de um piloto moradores da zona do circuito. paraplégico. Os resultados são Por fim, Luís Filipe Menezes o menos importante, como é diz já possuir patrocinadores lógico, mas a verdade é que que viabilizarão o evento. O Tourneur sagrou-se vencedor candidato do PSD considera da sua classe! Não precisava o Grande Prémio vital para de ter vencido para mostrar a a projeção da cidade. O sua valia, nem tão pouco para futuro do GP está por isso o admirarmos. Mas tê-lo feito é umbilicalmente unido ao da uma clara demonstração que cidade. Veremos se a edição não existem limites à vontade de 2013 terá continuidade humana. Nem mesmo sob tão ou se terá significado um grandes obstáculos. definitivo encostar às boxes. ter oportunidade de correr em casa pois, mais do que no seu país, Tiago corre na cidade que o viu nascer. É por isso um momento emocional para ele, partilhado com os fãs que exultam a cada momento. Até aqui, nada de novo. Mas o orgulho patriota encontrou no bairrismo Portuense um companheiro à altura. Tudo devido a alguns pilotos de ocasião, mais habituados a outras lides. O maior exemplo disso foi André Villas-Boas. O próprio JornalVERIS esteve representado através do seu cronista Domingos Paciência, que teve uma boa prestação. Ainda assim, foi mesmo VillasBoas quem mais encantou, com uma musculada ultrapassagem na saída da Av. da Boavista que ficou na retina de quem a ela assistiu. Aliás, Villas-Boas atingiu mesmo o pódio, algo que arreliadores problemas mecânicos impediram Tiago Monteiro de conseguir.

JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45 ..

9

Invicta Convicta Convinced Invicta Mario Dorminsky

Fundador e Diretor do Fantasporto. Vereador da Cultura da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia. Escritor.

Portugal à espera - Crónicas do Porto Portugal waiting - Chronicles of Porto

Os meus textos de novo revistos, os conceitos, lógicas e propostas que fui fazendo ao longo dos anos, particularmente para o Porto, nunca viram a luz do dia. Estranhamente, pouco ou nada mudou no Porto cidade durante estes últimos dez, doze anos… daí que, tristemente se poderá dizer que as crónicas em causa continuam a ter uma triste actualidade...Fomos perdendo as grandes empresas a norte, as sedes das entidades financeiras, os media e, logicamente, a possibilidade de sermos ouvidos.Vimos a nossa gente da cultura ir para Lisboa ou para outras paragens. Todos foram fugindo da cidade e deste Norte, alargando as assimetrias desde há muito existentes. Um Porto que perdeu ou “deixou cair”, mais de uma dezena de eventos culturais de impacto, muitos deles internacionais, com a marca PORTO. Também vimos fechar o comércio tradicional em Sá da Bandeira, nos Poveiros e por aí fora… Vimos a cidade ficar “seca”, cheia de micro obras sempre incompletas, muitas delas ilógicas e bloqueadoras de uma nova forma de interagir urbanisticamente com as lógicas de uma cidade moderna, cosmopolita. E o que vemos mais? Um Porto sujo, perigoso, sem luz à noite, uma cidade cheia de “graffitis”, de mendicidade, de pobreza. Nasci no Porto há 58 anos. Conheço-o bem. Sempre o vivi e sinto-me no direito de tornar claras as minhas ideias para o mesmo, resultado dessa vivência que passou pela arquitectura, pelo jornalismo e pelo cinema. No lazer era diferente…era a vivência das Galerias de arte, das discotecas onde se ouviam os singles e os EP´s então editados, os cinemas do centro de cidade ou até participando em grupos ligados à música dita erudita, à popular, ao teatro, enfim, uma vivência cultural de um precurso. Falo do Fantasporto. E escrevo sobre ele, como um dos exemplos que aqui posso dar, de entre muitos e muitos outros, deixando só a pergunta: como é que eventos de média/grande dimensão - imagem cultural do Porto e

do Norte podem estar TODOS na decadência em que se encontram? Como é que, muitos deles tendo “nascido” há mais de 30 anos, ou já acabaram ou agonizam? Que fizeram as várias gestões camarárias portuenses para lhes dar sustentabilidade, não os apoiando como acontece em quase todas as cidades deste país, como Matosinhos ou Gaia, que defendem acerrimamente o que é “deles”, até porque é a sua imagem que está em causa. E afinal para que serviu o Porto 2001 que pouco ou nada fez pela sua cidade até porque, na valência da programação cultural, “importou” do estrangeiro a cultura que, por dever, teria de apoiar e dar sustentabilidade, que seria a que já existia no Porto? Tenho esperança no reaparecimento de um forte Grande Porto. Podem chamarme utópico, mas perspectivo a criação de um núcleo político duro constituído pelas actuais cidades do Porto, Gaia e eventualmente de Matosinhos, coordenando de forma colegial uma região de cerca de 7 milhões de habitantes, que inclua a Galiza.Uma região que consiga por si própria dialogar com os nossos parceiros estrangeiros, tentando inverter a situação nefasta para a qual o País se dirige, gerando assim riqueza, criando indústria, exportando mais permitindo que a economia renasça das cinzas, constituindo assim fonte de riqueza que garanta a criação de novos empregos numa área geográfica que se pretende cada vez mais jovem e dinâmica. What did the various city councils to give to the cultural events os Oporto sustainability, not supporting them as happens in almost all the cities of this country who who hold strenuously what is "them", because it is their image that is concerned. And, after all, to what served Porto 2001, European Capital of Culture that did little or nothing for their city because, concerning the cultural program, "imported" from abroad the culture that, for duty, should give support and sustainability, that would be the one already existingin in Porto...


10 .. JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45

Invicta homenageia D. Manuel Clemente:

"no coração não há distâncias, só

Invicta honors D. Manuel Clemente: "in the heart there is no distance, only depth" No dia 26 de junho realizou-se uma sessão de homenagem a D. Manuel Clemente, agradecendo-se os seis anos e poucos meses em que foi Bispo do Porto. A cerimónia foi organizada pela Santa Casa da Misericórdia do Porto com algumas parcerias. A cidade esteve representada com: membros do Governo e das autarquias local e vizinhas; entidades militares, civis, académicas e religiosas e demais cidadãos. Antes da palavra de encerramento pelo Prelado distinguido, intervieram quatro personalidades do Porto: José Marques dos Santos, António Tavares, Luís Braga da Cruz e Rui Rio. On June 26 there was a tribute to D. Manuel Clemente, thanking to six years and a few months in which he was Bishop of Oporto. The ceremony was organized by the Santa Casa da Misericórida of Porto, with some partnerships. The city was represented with: members of the government and of local and neighbors municipalities; military entities, civil, academic, religious and other citizens. Before the word foreclosure by the distinguished prelate, intervened four Opoto personalities: José Marques dos Santos, António Tavares, Luís Braga da Cruz, Rui Rio. Texto e Fotos: André Rubim Rangel De relevar as palavras significativas que D. Manuel deixou nessa sessão aos presentes, sobretudo na parte final, palavras que de modo geral - foram reproduzidas em grande escala pela Comunicação Social. Assume o clérigo no seu discurso que: “O Porto é uma sociedade riquíssima e que a História confirma no seu presente. Levo para Lisboa o Porto e sabendo que Portugal precisa de ser um grande Porto. Vai ficarme no coração, porque no coração não há distâncias, só profundidade”. Esta sessão, embora realizada com entrada por convite (já que se fosse totalmente aberta ao público o espaço seria de todo insuficiente), viu o Pátio das Nações compôr-se para saudar o Patriarca eleito de Lisboa. A Escola das Artes da UCP ajudou a embelezar a cerimónia, com algumas peças de piano e voz. Muitas foram as palmas para o homenageado, desde o momento em que entrou no Palácio até ao fim da sua intervenção, altura em que algumas entidades locais ofertaram presentes a D. Manuel. De seguida, recebeu - na sala dos Quadros no piso superior - os cumprimentos personalizados de todos os que desejaram deixar-me uma última mensagem e agradecimento. O JV recolheu depoimentos exclusivos junto de algumas das muitas personalidades que estiveram presentes nessa sessão. Aqui fica o registo desses depoimentos, em que foi pedida a definição de forma telegráfica - da pessoa e ação de D. Manuel, no principal das suas qualidades.

Américo Ribeiro “simplicidade, serenidade, ouvinte, bom conselheiro e ponderação”. A.M. Barros Marques “afável, próximo, a nova evangelização pelo sorriso, acolhedor e apontador de caminhos. Agradeço reconhecido por sempre perguntar pela «nossa Cáritas»”. António Oliveira “um homem com uma estrutura humana, um sentido de valores até pela forma como se apresenta por esses valores, que o orientam e o guiam. Admiro-o muito. Guardo dele as melhores recordações, de modo particular o ter-me entregue o diploma de licenciatura em Direito na UCP Porto. Subscrevo e partilho esses seus pensamentos culturais, éticos e religiosos. É um homem de Deus!”.

António Tavares “D. Manuel representa uma referência moral e ética, alguém que soube estar próximo das pessoas e das instituições. Como construtor de consensos mereceu esta homenagem. O Porto vê-o partir com tristeza, mas também o vê com muita alegria nestas novas funções, porque leva com ele o Porto no coração. Nunca o esqueceremos”. Carlos de Brito “um Bispo do Porto”. Carlos Neves “relembro dois grandes aspetos: a enorme dimensão humana que tem sobre as idiossincrasias do Porto e o ajuste do seu magistério e da estrutura eclesial, interpretando muito bem as características do Porto e convergindo as suas características com as do Porto. Esta grandeza só está ao alcance de grandes homens, como foi D. Manuel.

Depois, a sua excelente visão fez projetar a sua missão para a sociedade, tornando-a mais rica pela sua intervenção e o seu legado. Precisamos deste seu incentivo, como ele tem sido, a puxar pela estima dos portuenses e portugueses”. Christian Bothmann “uma pessoa lúcida, com ideias muito claras e um grande comunicador”. Joaquim Azevedo “uma pessoa com grande capacidade e sentido de Igreja, de comunhão eclesial, com grande capacidade de entender esta Igreja na sociedade portuguesa”. José Luís Carneiro “um grande intelectual, um homem de grande cultura, particularmente, de grande humanismo e um inspirador em valores essenciais à vida contemporânea”. José Marques dos Santos “pessoa de grande nível intelectual, mas acessível, dialogante e aberto a todos e a todas as ideias”. José Pedro Aguiar-Branco “um grande bispo que conjuga na perfeição o que é uma condição de eleito, de pensamento e de ação”.


Porto Cosmopolita Cosmopolitan Oporto

JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45 .. 11

profundidade" José Silva Miranda “foi a pessoa que conseguiu, quanto a mim, democratizar o pensamento, na sua simplicidade. Tal possibilidade não é para qualquer um, mas somente para os eleitos. E ele é um eleito!”. Luís Valente de Oliveira “homem muito inteligente, muito sensível, muito capaz de lidar com os problemas, atento, interessado na vida da sua comunidade e seguramente vai ser um grande Patriarca e magnífico chefe da Igreja portuguesa”. Manuel Maio “figura incontornável não só na nossa Igreja Católica, mas da Cultura e dos valores que representam uma sociedade moderna, em que primeiro estão as pessoas e depois os bens materiais”. Manuel Novaes de Cabral “o Porto teve a honra de ter um grande bispo. Portugal ganha(rá) um grande cardeal”. Manuel Pizarro “é um bispo que honra uma extraordinária tradição de grandes bispos do Porto, que no séc. XX tem a sua expressão mais distinta em D. António Ferreira Gomes. Enquanto homem da Igreja, da Cultura e como cidadão

deixa uma marca indelével na cidade do Porto”. Nuno Cardoso “é hoje uma figura incontornável da Igreja. Um humanista na melhor das tradições. Foi uma grande honra tê-lo como bispo. Sei que ele ficou profundamente marcado. É com pena que o vemos partir e, certamente, outro bom bispo virá para o Porto”.

Alexandre Soares dos Santos Presidente do Grupo Jerónimo dos Santos

D. Manuel Clemente

"É uma figura com uma dimensão extraordinária."

D. Manuel Clemente "It is a figure with an extraordinary dimension." Já na tarde do dia 7 de julho, aquando da eucaristia solene de entrada em Lisboa como seu novo Patriarca, no Mosteiro dos Jerónimos, o JV realizou uma pequena entrevista com o presidente do Grupo Jerónimo Martins, o empresário Alexandre Soares dos Santos, natural do Porto, sobre D. Manuel Clemente Conhece pessoalmente D. Manuel Clemente? :: Eu conheço o D. Manuel desde o ano 2007, em que fui com ele e por sua iniciativa a uma peregrinação a Jerusalém. Ficamos amigos e damo-nos muito bem.

Paulo Patrício “conciliador, muito intelectual, abrangente. Homem que sabe abrir os braços e sabe apertar”. Essa foi uma viagem curiosa: pois ainda não era Bispo do Porto nem era público que o viria a ser poucos meses depois, e já fora com Rosário Gambôa muitas individualidades do Porto… “grande abertura ao mundo, :: Desde então que passamos a encontrarimensa ponderação, sólida e nos com alguma regularidade. Eu gosto muito vasta cultura”. de o ouvir, gosto dos conselhos dele. É uma figura com uma dimensão extraordinária. Rui Moreira Depois convidei-o para Curador da Fundação “D. Manuel representa uma Francisco Manuel dos Santos, que a minha pessoa exemplar, porque família criou. E tive o grato prazer não só de convenceu todas as pessoas, ter sido Bispo do Porto como agora Patriarca de Lisboa. Dá-me uma grande alegria porque, mesmo as não crentes. de facto, os conselhos deste homem são Num tempo muito difícil é inesquecível o que fez por nós”. fundamentais! Valentim Loureiro “é cidadão honorário de Gondomar por decisão da Câmara e acho que isso já justifica a grande admiração que temos por D. Manuel e a excelente relação criada. É uma figura ilustre de Portugal”.

E desses conselhos qual aquele ou aqueles que tem e toma como lema e/ou se recorda muitas vezes? :: A ideia como nós devemos olhar a Sociedade, ao aspeto da pobreza, à solidariedade entre os cidadãos, à cidadania. São coisas que no nosso dia-a-dia nos passam ao largo e que quando se fala com pessoas como o D. Manuel sobre elas, sempre me dá matéria para eu meditar. Ele é uma pessoa aberta e moderna, essencial para uma figura portuguesa da Igreja contemporânea. Estou muito feliz por o ver agora em Lisboa. Acho que há coisas que são absolutamente impossíveis de destruir. Acho que a Santa Sé vai ter muito cuidado em quem vai nomear para o Porto. Vai continuar a progredir. Noto que tem havido uma mudança na idade da ordenação dos bispos, acho que isso vai acontecer. Com base na ação pastoral que D. Manuel incutiu no Porto, o que poderá mudar na arquidiocese de Lisboa? Por exemplo, no Porto, fez a reestruturação geográfica das vigararias. Será mote

para Lisboa? :: O problema é não haver padres suficientes para todas as paróquias e freguesias. Isso é um problema que a Igreja, no seu todo, tem de resolver, se é que tem solução numa sociedade que está a envelhecer! Mas mais importante do que isso é a Igreja passar a ter uma voz! Uma voz que apareça junto dos cidadãos, a acordar esses cidadãos para a crise de valores, para a crise de princípios, para a corrupção. E a minha grande esperança é que D. Manuel é e seja essa voz!

"...society, the appearance of poverty, solidarity among citizens, citizenship. These are things that, in our day-to-day pass us off and when you talk to people like D. Manuel on them, always gives me food to meditate." Então no seu entender a Igreja portuguesa ainda não tinha essa voz determinante entre vozes? :: Não. A Igreja tem grandes floridos e diz-se que ela não tem nada a ver com a política. Não tem com a política, mas tem com o país! E o país é maioritariamente católico. Por isso a Igreja tem o seu povo e o povo espera da Igreja uma indicação. Não é dos partidos nem dos políticos que o povo espera uma indicação, mas da Igreja! A Igreja zela pelo bem comum do povo, enquanto os políticos não zelam pelo bem comum, mas pelo bem deles! Vejo que é uma pessoa bem entendida sobre a Igreja e a Religião... É católico? :: Sim, católico praticante. Vou todos os domingos à missa. E como vê e sente o perfil desta Igreja atual através da(s) comunidade(s) que frequenta? :: Acho que todos nós, cidadãos, de modo geral, temos tido uma atitude passiva. E temos de mudar as nossas atitudes. Principalmente os mais novos, eu já tenho 79 anos. É preciso os novos mexerem-se e exercerem “pressão”, no bom sentido, junto dos políticos. Para evitar estas palhaçadas todas que vão acontecendo, todos os dias. De certo modo, vai havendo manifestações nesse sentido, ou não? :: As manifestações não resolvem nada. Não servem para aquilo que pretendem reclamar. Eu refiro-me em termos de manifestações de jovens, de iniciativas e movimentos juvenis… :: Tem de haver reuniões. As igrejas têm de realizar reuniões de jovens, chamando-os. É preciso que comecemos todos a dialogar, não só cristãos, envolvendo também ateus e recebê-los bem. Uma mensagem final para os nossos leitores… :: Nunca perder a esperança!


12 .. JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45

Ainda assim, a sua fantástica venderam muito pouco, história tem aqui o seu espaço levando-o a desvincular-se nesta página. da editora e a descontinuar a Rodríguez - As amarguras sua carreira a partir de 1975 da vida de Sugarman (estaria prestes a lançar um A vida de Sixto Díaz novo álbum, até hoje ainda por Sugarman Rodríguez editar). Com a queda da sua Este ano, a This year, the (chamado Sixto por ser o carreira, ele viu-se forçado a edição nacional Optimus edition of sexto filho) é caso único e trabalhar na construção civil do “Primavera” the “Spring” music notável no mundo da música, ou em escavações, vivendo regressou com um festival was back with a revelando uma enorme pobremente (chegou inclusive cartaz forte e um banho strong showbill and a bath força de viver do músico. O a ser temporariamente semde multidão de todo o of crowd all around the world norte-americano nascido em abrigo). Mesmo numa situação mundo que confirmaram o did confirmed the success 1942, na cidade de Detroit finaceira frágil, mantevesucesso da versão portuguesa of this Portuguese festival, nos EUA, provém de uma se sempre politicamente do festival certamente mais certainly the most alternative família modesta, sendo o seu ativo, lutando pelos direito alternativo do mundo. one in the world. pai um imigrante mexicano das classes mais baixas, e a sua mãe descendente conseguindo obter em 1981 Texto: Catarina Silva, Aníbal Silva e Jaime Moreira de nativos americanos e um bacharelato em Filosofia europeus. A sua carreira e candidatando-se em 1989 a Entre os dias 30 de maio e até falaram português). Para musical começou em 1967, um posto na câmara municipal 1 de junho, tivemos três dias o ano, a festa musical da com o lançamento de um de Detroit. Ao mesmo tempo repletos de música indie com Primavera regressa, já com single numa pequena editora, que tudo isto acontecia, e bandas consagradas e artistas data marcada e um nome voltando a editar, em 1970 Rodríguez era um falhanço promissores. Com entrada confirmado (Neutral Milk Hotel). e 1971, dois álbuns por uma de vendas na América do de leão, no primeiro dia editora de maior dimensão. Norte, as suas músicas foram assistimos ao rock profundo e A Ausência! No entanto, estes dois álbuns fazendo sucesso em países forte a que Nick Cave & The Isso mesmo, com letra Bad Seeds já nos habituaram grande! O Festival Optimus ao longo dos anos e a um Primavera Sound 2013 acabou concerto de celebração do por ver-se ofuscado pela mítico álbum Last Splash dos ausência de um Cantor… aniversariantes The Breeders. “Bem prega Frei Tomás. Faz No dia 31, os regressados como ele diz, não faças como Blur apresentaram-se com a ele faz!”. Sim, o Festival vitalidade de outros tempos, Primavera ganhou a sua interpretando temas mais aura de conceituado através antigos e outros do seu novo do apoio e da divulgação álbum que ainda aguarda de novidades, que se foram lançamento. Vimos também o solidificando e crescendo. refrescante experimentalismo Trata-se de aproveitar uma dos Four Tet e os portugueses forte estrutura existente e com Alfredo de Sousa à frente do Conselho Geral da UP Alfredo de Sousa ahead of the General Council of UP Memória de Peixe, Dear ela dar a conhecer projetos Telephone e Mão Morta. O de qualidade ao seu alargado Texto: Universidade do Porto (facebook) festival despediu-se com público. Muito bem o faz na Are already known the vibrantes atuações dos música, e em algumas causas Já são conhecidos os nomes names of the six civil society portugueses The Glockenwise a si associadas, mas peca em das seis personalidades da personalities who will join e Paus, dos veteranos larguíssima escala com outros sociedade civil que vão integrar the General Council of UP Dinosaur Jr. e dos sempre sectores. Uma das estrelas do o Conselho Geral da UP (University of Porto) elected bem-dispostos e interactivos evento, Sixto “The Sugarman” (Universidade do Porto) eleito no passado mês de junho. in the month of June. Explosions in the Sky (que Rodriguez faltou à chamada.

Ao encontro de... Metting...

A força de uma voz singular

The strength of a singular voice

Karina, cantora brasileira que reafirma a força do samba, atuou pela primeira vez no Porto (Casa da Música) no dia 18 de julho e apresentou o seu primeiro CD pela Sony Music, lançado em dezembro 2012. Com uma voz marcante e cheia de swing, tem uma presença cénica e segurança ao cantar, que já vem sendo trabalhada desde criança. Texto: André Rubim Rangel e Ritmos & Temas Com um rol significativo de cantores brasileiros, entende que tem espaço para a sua ascensão? :: Há espaço para todo mundo, onde cada um tem seu valor e sua verdade. Vencer as dificuldades e fazer da música sua única profissão, sabemos que nem sempre é viável. É um mercado competitivo. Mas com planejamento e muita dedicação, sempre haverá um espaço.

Em termos musicais o que tem para oferecer de novo e ainda melhor do que já existe? :: O CD “Você Merece Samba” reuniu os melhores compositores e arranjadores de samba, no Brasil e as 14 faixas foram selecionadas pelo resultado da qualidade e simplicidade.

Vemos que os portugueses consomem bem a música brasileira, mas o contrário parece não acontecer... :: A música em todo o mundo é muito competitiva, temos que estar sempre presentes na divulgação do nosso trabalho. Está a lançar o primeiro

como: África do Sul, Austrália ou Nova Zelândia. Na África do Sul o sucesso era tal que existiam coletâneas e bandas de tributo dedicadas a Rodríguez. Este só descobriu a sua dimensão, quando em 1996, a sua filha descobriu uma página de fãs na internet. Com isto, entrou em contacto com os autores da página, organizando digressões para os fãs Sul-Africanos que o procuravam ou julgavam morto (graças a diversos boatos que anunciavam o seu suicídio). Em 2012, foi lançado o documentário «À Procura de Sugarman», que retrata o seu fantástico e comovente percurso, principalmente depois dos anos 90. Agora, Rodríguez é um fenómeno musical conceituado, tendo até recebido este ano um doutoramento «Honoris Causa» em Letras. O Juiz-Conselheiro e antigo Provedor de Justiça Alfredo José de Sousa (ao centro) assume a presidência daquele orgão de gestão da UP, sucedendo ao chairman da BIAL, Luís Portela. Entre os membros cooptados estão ainda Paul Symington, CEO do maior grupo mundial de vinho do Porto (que assume a vice-presidência do Conselho Geral), o historiador José Pacheco Pereira, a Conselheira para a União Europeia e ex-Ministra para a Qualificação e Emprego Maria João Rodrigues, Frei Bento Domingues e Maria João Vasconcelos, historiadora e Diretora do Museu Nacional Soares dos Reis.

Karina, Brazilian singer reaffirming the strength of samba, first acted in Oporto (House of Music) on July 18th and presented its first CD by Sony Music, released in December 2012. With a distinctive voice and full of swing, has a stage presence and safety to sing, which is already being worked on since childhood. The JV was to meet Karina ... álbum. Acredita no sucesso em terra lusitana? :: O CD “Você Merece Samba” foi realizado com muito carinho e amor e, por isso, acreditamos que a sua mensagem de alegria, paz e harmonia presentes nas músicas possam cativar tanto os brasileiros que vivem em Portugal, como também os portugueses que apreciam um bom samba. Atuou este mês no Porto. O que pensa desta cidade? O que elege de mais nobre nela? :: A cidade do Porto tem uma atividade cultural muito intensa, com diversos ambientes para se apreciar a boa música. Agradecemos muito a ótima recetividade que tivemos por parte da imprensa e da equipe da Casa da Música.


Porto Cosmopolita Cosmopolitan Oporto

JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45 .. 13

América Latina congrega-se na UFP Latin America gathers in the UFP

Texto: Tânia Lourenço | Imagem: Oficina Gráfica UFP Memoria, Presente y Porvenir foi o tema nuclear do 7.º CEISAL, o congresso que a Universidade Fernando Pessoa (UFP) recebeu entre os dias 12 e 15 de junho. O principal evento do Centro Europeu de Investigação Social para a América Latina contou com 79 simpósios e, este ano, acrescentou a temática da Sexualidade às já tradicionais Política, Economia, Literatura e Antropologia. Foram os Cadernos de Estudos Latino-americanos e a revista Nuestra America que, em 2007, representaram o trabalho do Núcleo de Estudos Latino-Americanos (NELA), a UFP e Portugal em Bruxelas, candidatandose ao CEISAL pelo que, na origem da atribuição do 7.º CEISAL a Portugal e, nomeadamente, à UFP está um longo trabalho de investigação do NELA. Os responsáveis pela concretização deste mega evento trianual foram Ana Maria Toscano, Isabel Costa Leite e Carla Cardoso, docentes da UFP e membros do NELA a quem se juntam dois

docentes convidados, Álvaro Campelo e Pedro Cunha, também da UFP. A cada um destes organizadores coube a gestão de um dos cinco eixos temáticos.  Realizados desde há 35 anos, nunca nenhum congresso ceisalino tinha incluído um eixo tão pouco tradicional como o da Sexualidade e Género que desenvolveu temáticas como a violência, a desigualdade ou a coesão social. Ao encargo de Pedro Cunha, sociólogo e psicólogo especialista em conflitos, os simpósios desta área foram direcionados para a apresentação de estudos sobre a História da Sexualidade

nas tribos índias e sobre o Panorama atual da violência nas recém democracias latinoamericanas. Despertando-nos a curiosidade, Pedro Cunha confirmou que “as pessoas não têm ideia de como questões da homossexualidade - por exemplo, o casamento gay em tribos índias - é tratada há tantos anos de uma forma muito diferente da nossa visão ocidentalizada.” Resumidamente, apresenta este eixo como parte integral de todas as relações interpessoais das várias culturas, ou seja,“falar de relações, de sexualidade é falar de afetos...! Tudo é feito de afetos e sem

Memory, Present and Future was the core theme of 7th CEISAL, the Congress that the University Fernando Pessoa (UFP) received between 12th and 15th June. The main event of the European Centre for Social Research for Latin America featured 79 symposia and, this year, said the theme of sexuality to the traditional Politics, Economics, Literature and Anthropology.

eles não há relações”. Mas as novidades não terminaram por aqui. Pela primeira vez o congresso foi inaugurado por uma mulher: Dora Barranco, Diretora do Instituto para a Mulher e Vice-reitora da Universidade Nacional de Quilmes. A sétima edição dos congressos CEISAL contou com mais de 1000 inscrições. Foi então de forma massiva que o 7º CEISAL a UFP e a cidade do Porto para o mundo, uma vez que, tal como explica Ana Maria Toscano, “se reuniram várias personalidades e intelectuais para discutir, numa espécie

de pequena cimeira, assuntos das relações da Europa com a América-latina”, Biblioteca de Estudos Latino-Americanos (BELA) Inaugurada durante o congresso pelo Embaixador mexicano, em conjunto com as Bibliotecas UFP e o REDIAL (Rede Europeia de Documentação e Informação Sobre a América Latina) ea BELA foi batizada de "Biblioteca Carlos Fuentes" em memória a este escritor mexicano. Esta biblioteca data a sua primeira catalogação em 2007 e, desde então, o seu trabalho não terminou.

O que se vai fazendo nas freguesias do Porto What is being done in the parishes of Oporto Texto / Pesquisa: Isabel Faria

ALDOAR "Substantivos do Ser" Drawing and Sculpture Exhibition "Nouns to be" A junta de freguesia de Aldoar inaugura a exposição “Substantivos do ser” de Alberta Cruz. A exposição estará patente até dia 10 de agosto no Salão Nobre. Passeio Anual 3ª idade Annual outing seniors No dia 23 de agosto a junta de freguesia de Aldoar realizará mais um passeio anual da terceira idade; as inscrições podem ser feitas a partir de dia 1 de agosto, na sede da Autarquia. Esta atividade representa um momento único para cerca de 500 idosos conviverem.

represented in National Billiards Pool O atleta Evaristo Magalhães, em representação do clube Bilhares Corujeira / junta de freguesia de Campanhã, elevou bem alto as cores da freguesia no campeonato Nacional de Bilhar Pool, que decorreu no Aparthotel Balaia Atlântico, em Albufeira. Este evento congregou a presença de 32 atletas de diversos distritos de Portugal.

Botânico do Porto, a Fundação de Serralves e o Parque da Pasteleira.

às 21h30 na capela e dia 15, festa da Sr.ª da Saúde: missa campal (11h) e grande procissão pelas ruas (16h), presididas pelo bispo auxiliar do Porto D. João Lavrador.

MASSARELOS Rusga de Massarelos Swoop Massarelos Realiza-se no dia 26 de julho, pelas 21h30, na obra social da N.ª Sr.ª da Boa Viagem uma projeção de vídeo das rusgas de Massarelos.

PARANHOS Festa da N. Srª da Saúde CEDOFEITA Festivities of Our Lady of Health Inscrições para as creches Entre 26 de julho e 15 de Registration for nurseries agosto decorrem, no jardim Já começaram as inscrições da Arca d`Água e na capela para as creches (Miminhos/ do Campo Lindo, mais umas Sonhos), nas águas férreas, e festas de N.ª Sr.ª da Saúde. para o ATL, na rua padre José O programa da romaria, Pacheco Monte. com respetivas atuações, é preenchido assim: gala da LORDELO DO OURO AOSL (26 jul.), Ponto Fixo (27), "Rotas Verdes" XXXI festival internacional de New edition of "Green tours" CAMPANHÃ Folclore de Paranhos (28), Realiza-se dia 22 de julho, Junta de Freguesia de Duo Contacto (29, 5 e 11 ago.), Campanhã bem representada pelas 14h30, mais uma edição Duo Vitorianos (30, 6 e 12), das “Rotas Verdes”, no qual se Duo Realce (31, 7 e 13), Os no Nacional de Bilhar Pool pode conhecer melhor o Jardim Inseparáveis (1 ago.), Danças Parish of Campanha well

RAMALDE Festival da Juventude Youth Festival Realiza-se no dia 20 de julho, no parque do Inatel o Festival da Juventude. Uma iniciativa destinada aos jovens da freguesia, repleta de atividades em que todos podem experimentar.

latino-americanas (2), Banda Lusa (3), grupo de Dança e XII grande noite de Fados de Paranhos (4), Trio Blackstar (8), banda XCA (9), Pegada do Fórró (10), Quim Roscas e Zeca Estacionâncio e fogo de artifício (14) e bandas de música (15). O programa religioso consta de terço diário

Oficina “Jardim ao Natural” Workshop "Natural Garden" Tem lugar no dia 22 de julho de tarde, na Universidade Intergeracional Fernando Pessoa, um workshop sobre o tema “Jardim ao Natural”. Tem como objetivo sensibilizar a população para a criação/manutenção de jardins de forma sustentável, através de conselhos práticos.


Porto Cosmopolita Cosmopolitan Oporto

14 .. JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45

Porto retoma tradição da tertúlia no Moustache Coffee House Oporto revisits coffee talk tradition in Moustache Coffee House

Texto: João Cortesão (JC) e André Rubim Rangel (ARR) | Foto: André Rubim Rangel

As Coffee Talk são uma sequência de encontros mensais (a cada segunda quinta feira do mês) que decorre há mais de um ano no Moustache Coffee House e que procura recuperar o espírito de tertúlia de café que outrora caracterizou a cidade do Porto. Não se trata de uma palestra, de uma conferência, ou de qualquer outro encontro circunscrito nestes moldes mais formais. Ora trata-se, sim, de um evento com o objetivo de conhecer diferentes pontos de vista sobre um determinado tema; oferecer às pessoas um espaço de partilha; fazer as pessoas sair de casa num dia de semana e, com isto, contribuir para o dinamismo da cidade do Porto, mais propriamente da Baixa. Trata-se de um encontro onde todos podem e devem participar. No grupo de pessoas que ali se reúne (usualmente de 25 a

The Coffee Talk is a series of monthly meetings that has been running for over a year at Moustache Coffee House and are trying to recover the spirit of gettogether coffee that once characterized the city of Oporto. This is not a lecture, a conference, or any other gathering circumscribed in this way more formal.

35 pessoas) existe um número de convidados (normalmente 3 a 5) que, pela sua experiência profissional e/ou pessoal, são convidados especiais. A presença destes convidados é fundamental para o aprofundamento da questão em debate. Contudo, estes convidados não assumem qualquer papel de destaque face aos demais participantes. A ideia é que todos estejam em pé de igualdade

e se sintam impelidos a intervir na conversa. A minha moderação procura garantir que todos encontrem o seu direito a intervir, e garantir que a conversa siga um rumo e adquira uma coerência. Os encontros têm sido contados com um público muito diversificado, dinâmico e participativo, e segundo temas igualmente muito diversificados (já falámos, por exemplo, sobre novas conceções familiares no séc. XXI, redes sociais virtuais, os sete pecados capitais, manifestações políticas, os cinco sentidos, política e apartidarismo, questões de género, dietas alimentares). A nossa principal aposta é que o debate seja rico em conteúdos mas num ambiente de absoluta descontração, informalidade e animação. (JC) Portugal não está falido: falta sim capital humano de atitude! A Coffee Talk de 18 de julho à noite versou sobre “O Brasil e Portugal”. Findo o Ano do Brasil em Portugal, explorou-se nesta conversa transatlântica aquilo que aproxima e afasta os dois países. Pois a proximidade entre Brasil e Portugal é provavelmente um dos factos mais marcantes da

história destes dois países. História, cultura, sociedade, colonização, imigração, acordo ortográfico… Estiveram envolvidos na conversa um grupo de portugueses e brasileiros aqui, no Porto, e um grupo de brasileiros e portugueses em direto no Rio de Janeiro, via Skype, tal como Mário Saleiro Filho e a portuguesa emigrante no Brasil, de nome Linda. Linda referiu a falta de capital sobre a qual incidem as manifestações no Brasil, as dificuldades enormes da regularização legal dos emigrantes e de vistos. A jurista Sidinéia Yamaguchi, em representação da Associação Mais Brasil, apontou que no Brasil não é estritamente necessário ter um contrato de trabalho, mas interessa arranjar trabalho e ser trabalhador. Bem como assinalou os preconceitos que ainda há sobre o brasileiro em Portugal e o português no Brasil. Já Duque, um português presente e participante habitual nas Coffee Talk, afirmou que no seu entender Portugal não está falido, que não se pode centrar tudo no dinheiro ou na falta do mesmo. O que falta sim é um capital humano de atitude, porque é a atitude e as atitudes que levam aos comportamentos. (ARR)

Últimos dias da exposição “Dinossauros”, Last day of “Dinosaurs” exhibition in Porto no Porto Está ainda patente na Alfândega do Is still open until August 4th, in the Porto a exposição “Dinossauros & Oporto Customs the exhibition o mundo Pré-histórico”, tendo sido “Dinosaurs & The Prehistoric alargado o seu término de 30 de junho World”. After a few years ago para 4 de agosto. Depois de há uns anos this same production team have atrás esta mesma equipa de produção accomplished “World of Dinosaurs”, ter realizado a exposição “Mundo dos they followed the same ideia Dinossauros”, seguiu-se esta segunda presenting now this second exposição apresentando a linha de exhibition featuring the line and evolução e cronológica dos hominídeos. chronological evolution of hominids.

Texto e Foto: JornalVERIS Podem encontrar-se nesta exposição diversas réplicas de dinossauros (desaparecidos do planeta Terra há cerca de

65 milhões de anos), bem como de: preguiça gigante, moa gigante, rinoceronte

lanudo, alce gigante, leão americano, castor gigante, urso das cavernas, entre outros). Descreve-se também a importância do domínio do fogo, permitindo

assim o desenvolvimento da vida social. Não falta a referência à Idade do Gelo, ao mamute e aos períodos de existência das várias espécies de dinossauros: o cretáceo (65-144 m.a.), o jurássico (144-200 m.a.) e o triássico (200-250 m.a.).

PUB.

Frutaria do Campo Lindo Porto


Religião Religion

JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45 .. 15

'Re-ligar' 'Re-connect' Jardim Moreira

Padre. Presidente da Rede Europeia Anti-Pobreza, Portugal.

Combate à pobreza e Voluntariado (cont.) cronicasdoseixal.blogspot.com

Volunteering and the combant against poverty (cont.)

Eis algumas pistas, reflexões e propostas, particularmente face ao combate à pobreza: 1) A participação dos cidadãos: é necessário tudo fazer para continuar a consolidar a democracia. Com isto quero dizer que sem uma participação activa dos cidadãos na resolução dos seus problemas (para a qual o Estado tem de estar disponível e ter outra atitude) dificilmente poderemos ter um voluntariado diferente e que vá para além de acções pontuais. As políticas sociais e de protecção social devem conter este código genético. Não se trata de substituir o Estado, nem os técnicos; trata-se de perceber que as respostas, desde a sua concepção até à sua avaliação devem contar com a participação activa e co-responsável de todos os actores. E para sermos ainda

mais eficazes do ponto de vista estrutural, é fundamental que os beneficiários finais das nossas acções estejam no centro da mesma também em termos de participação. 2) É fundamental distinguir a acção assistencial e de carácter imediato e de emergência – onde é mais fácil mobilizar voluntários (porque “remunera mais” imediatamente e de forma individual) de uma acção mais estrutural onde o voluntariado técnico pode jogar um papel fundamental. 3) Formação das organizações voluntárias: as organizações precisam de incluir nas suas estratégias de intervenção esta dimensão como uma dimensão estrutural. Há bons exemplos deste tipo de intervenção mas uma parte substancial das organizações continua a prosseguir um modelo que afasta mais os voluntários do que os aproxima. Se o que nos caracteriza é sermos organizações voluntárias, então esta dimensão deve ser a nossa coluna vertebral. 4) A qualificação das organizações não se deve fazer à custa do desaparecimento do voluntariado. A divisão técnicos versus voluntários é um erro comum. 5) Aprender a ser voluntário: julgo que há espaço e necessidade de Escolas de Voluntariado. É uma área de intervenção onde pouco se tem feito e que pode demonstrar-se fundamental para a mudança. 6) A dimensão voluntariado nas escolas e na constituição de associações juvenis: também aqui precisamos de uma mudança de paradigma. A inclusão de programas de voluntariado nas escolas é uma possibilidade. Mas, acima de tudo, ainda estamos numa fase em que a sensibilização é a batalha a prosseguir. 7) Desafios institucionais: as iniciativas da Economia Social, nas suas mais variadas

Espírito Ecuménico Ecumenical Spirit Tsering Paldron Monja budista, coordenadora da União Budista do Porto e da Bodhicharya - Portugal. Vice-presidente da União Budista Portuguesa e presidente da AMARA.

Retiro espiritual budista

internacional em Braga International Buddhist retreat in Braga Decorreu na semana de 15 a 21 de Julho um encontro budista internacional em Braga, numa casa de retiros bem conhecida da espiritualidade cristã. Seria justiça dizer que esta nos tem acolhido - pois não é de todo o primeiro encontro que aqui se passa - com a maior abertura e respeito, com verdadeira amizade. O orientador do encontro foi Ringu Tulku Rinpoche, um reconhecido mestre tibetano, com uma formação superior em filosofia e muitos anos de prática budista.

Segundo a tradição tibetana, ele foi treinado desde a tenra infância para o seu papel de mestre espiritual, no desenvolvimento da compaixão e da sabedoria, duas qualidades essenciais para quem tem como missão ajudar os outros.O tema do encontro foi a meditação. Palavra hoje muito badalada mas à qual nem sempre se faz justiça. Com efeito, a maioria das pessoas tem a noção de que a meditação ajuda a combater o stress e a acalmar. Alguns, um pouco mais esclarecidos,

poderão ter ouvido falar do efeito que a meditação tem para mudar a nossa forma de sentir. Nos últimos anos, com o desenvolvimento das neurociências, tem-se investigado a forma como funciona o cérebro dos praticantes de meditação de longa data e visto diretamente o efeito positivo desta prática. A meditação faz parte integrante da prática budista desde há 2500 anos. Mais do que um conjunto de crenças ou dogmas, o budismo apresenta-se como um método profundo de conhecimento e de transformação de si próprio, muito na linha do que aconselhavam os gregos antigos com a sua expressão “conhece-te a ti próprio”. Meditation is an integral part of Buddhist practice since 2500 years ago. More than a set of beliefs or dogmas, Buddhism presents itself as a method of deep knowledge and transforming itself.

formas, devem tentar aprofundar a dimensão do voluntariado. A constituição de empresas sociais (cooperativas, por exemplo) é uma das possibilidades. Os bancos do tempo, os bancos de voluntariado, as feiras de trocas de serviços e de saberes, as iniciativas de protecção social de proximidade e vizinhança, o micro-crédito são tudo campos onde a sociedade civil e a economia social muito pode avançar.

sublinho a palavra SER) naquilo que diz respeito a si próprio e nas relações com os outros, com as comunidades e com a natureza, e isto em virtude de valores superiores, como o bem comum, o pleno desenvolvimento do Homem todo e de todos os Homens.

Therefore, it is expected that those who are responsible towards their similar (and aren't we all?!), one way or another, to construct a "more human life" will became fully Por isso, é de esperar que aware of the urgent need for todos aqueles que são a change attitudes, which responsáveis em relação determine the behavior of aos seus semelhantes (e each Human BEing (and I não somos todos?!), de uma stress the [to]BE...) in what maneira ou de outra, por concerns oneself and in uma “vida mais humana” se relationships with others, with deem plenamente conta da communities and with nature, urgente necessidade de uma and all this because of higher mudança de atitudes, que values​​, as well common, the determinam o comportamento full development of the whole de cada SER Humano (e man and of all men.

'Al-islam' 'Al-Islam' Abdul Rehman Mangá

Presidente do Centro Islâmico do Porto e Empresário

A crença nos Profetas Believing in the Profets

Os muçulmanos acreditam em todos os Profetas e nos Mensageiros enviados por Deus: “O Mensageiro crê no que lhe foi revelado pelo seu Senhor, assim como os crentes. Todos crêem em Deus, nos Seus Anjos, nos Seus Livros e nos Seus Mensageiros. (E dizem) “Não fazemos distinção alguma entre os Seus Mensageiros…” Cur’ane 2:285. Desde o tempo de Adam (Adão), que a Paz de Deus esteja com ele, Deus enviou para a humanidade, milhares de Profetas, que trouxeram sempre a mesma mensagem - a adoração do Deus Único. Ao longo dos tempos a humanidade foi deturpando a mensagem e mesmo assim, Deus continuou a enviar outros Profetas para repor a verdade no sentido de  guiar os homens para o caminho da verdade. Um Mensageiro é um Profeta, mas um Profeta pode não ser um Mensageiro. Aos Mensageiros foram revelados novos Livros. Os Profetas receberam as orientações divinas para confirmarem o que os Mensageiros anteriores

transmitiram. O Cur’ane refere os nomes dos Profetas, nomeadamente: Adão (Adam), Nuh (Noé); Ibrahim (Abraão); Lut (Lot); Ismail (Esmael); Ishaq (Isaac); Yussuf (José); Mussa (Moisés); Daud (David); Harun (Aarão); Suleiman (Salomão): Zacariá (Zacarias); Yáhia (João Baptista), Issá (Jesus) e Muhammad – Que a Paz de Deus estejam com eles. “E quando Nós fizemos um pacto com os Profetas e contigo (ó Muhammad), com Noé, Abraão, Moisés e Jesus, filho de Maria, estabelecemos com eles uma solene aliança.” Cur’ane 33:7. Os Judeus acreditam nos Profetas anteriores e em Moisés. Os Cristãos acreditam nos Profetas anteriores, em Moisés e em Jesus. Os Muçulmanos acreditam nos Profetas anteriores, em Moisés, em Jesus e em Muhammad, que a Paz de Deus esteja com eles. A Messenger is a Prophet, but a Prophet may not be a Messenger. Messengers were revealed to the new books. The Prophets received divine guidance to confirm what the previous Messengers sent.


Texto: André Rubim Rangel | Fotos: Pré-estagiários JV

in.verdades in.truths

16 .. JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45

Helena Sacadura Cabral Escritora, economista e jornalista.

A de ...Amor!

O Mundo precisa de Solidariedade.

Um jogo de azar. É melhor não jogar...

Prefiro um coração cheio de rosas...! Gosto mais de escrever cartas. Reconheço a utilidade. Não gosto de telemóveis... Precisa-se de luz ao fundo do túnel. As redes sociais que eu não percebo...!

O Mundo é multicor!...

Saber olhar o outro.

PUB.

Gosto tanto do Porto como de Lisboa...!

ADM celebrou o seu 1.º aniversário No dia 11 de junho, ao fim da tarde e noite, a Fundação Engenheiro António de Almeida (FEAA), Porto, recebeu no seu palco um sarau e feira intercultural, com várias associações e grupos do distrito, para brindar à interculturalidade e ao primeiro ano de vida da ADM. A data estivera inicialmente marcada para 21 de maio, precisamente para se aliar à comemoração desse dia mundial da Diversidade Cultural para o Desenvolvimento e o Diálogo (decretado pela UNESCO), mas teve de ser adiada. Texto: André Rubim Rangel | Fotos: Tiago Arantes Participaram no evento todos os grupos que estavam previstos no programa do cartaz publicado no número anterior, à exceção da Asociatia SINFO da Roménia. Por outro lado, participou a Associação Svitanok dos Países Eslavos, cujo convite fora feito posteriormente, já mais tarde, e aceite pelos seus membros. "Bolo M. Divinall" Os países que estiveram representados e suscitaram um maior conhecimento das suas culturas e expressões, ritos e tradições: Angola, Brasil, Cabo Verde, Cuba, Guiné, Moçambique, Países Eslavos e do Leste (como Moldávia, Rússia e Ucrânia, entre outros), Portugal, Senegal e Turquia. Antes do espetáculo começar, já o espaço da feira intercultural se ia compondo e enriquecendo com os produtos artesanais e gastronómicos típicos dos países representados. De Portugal apresentavamse produtos e sabores da terra (mercado biológico) da Maria Papoila Botica e doces e salgados da Confeitaria Divinal, através da ADM, que em parceria com esta Associação aniversariante criou em estreia absoluta um bolo – intitulado de “M. Divinal” – com a particularidade de significar a fusão intercultural de ingredientes alusivos ao mundo num só e simples bolo, recheado e composto de chocolate, creme de ovos, chantili, massa de pão-de-ló e uma singela camada de género compota. Ou seja, divinal, mesmo muito e/ou mais divinal! Abriu o certame! A banda Jorge Correia & Amigos (Plácido e Aritson), de Cabo Verde, interpretando um funaná, uma coladeira, uma morna e batuque deram início ao evento. Continuando, depois, num PALOP seguiuse para o outro lado do Atlântico, até ao Brasil, com um momento mais infantil, em que as cerca de 70

crianças presentes se divertiram imenso. Foi convidada Adriana Dhil, da Associação Mais Brasil, sendo educadora e narradora de contos infantis, promovendo também workshops para adultos na Biblioteca Almeida Garrett (Porto), onde trabalha. O Brasil saiu reforçado com a atuação, já a encerrar a noite em grande festa, da Associação Batucada Radical, onde o samba e os ritmos brasileiros não faltaram e, aliás, souberam a pouco, porque a hora já ia adiantada face ao acordado com a Fundação anfitriã, que tão bem nos acolheu e ajudou na preparação deste evento! Um repetido e reconhecido obrigado à diretora Eugénia Aguiar-Branco e sua boa equipa. Amigos do Leste A Associação Svitanok, que quer dizer “Alvorada”, encantou o público presente (mais de 200 pessoas, com os próprios atuantes e “feirantes”) com danças e músicas russas. Os países de Leste foram também reforçados pela Associação Kalina do Porto, com dança e canções russas, bem como ucranianas, através do duo Igor (guitarrista) e Alina (voz). Para completar esta presença significativa do Leste entre nós esteve a Associação Amizade, de

Gondomar, que já tinha atuado há dois anos na festa do 2.º aniversário do JornalVERIS. Portanto, já bem conhecidos no nosso meio e porque sempre espetaculares e magníficos, foram de novo convidados os seus jovens bailarinos com as suas danças ucranianas, moldavas e russas. De realçar que estas três associações se mostraram dignamente a rigor com os trajes típicos dos seus países! África aqui tão perto Uma atenção peculiar e efusiva estava reservada para a excelente prestação do grupo de danças “Alma Mater Artis” do agrupamento de escolas de Águas Santas (Maia), com os mais novos em palco a atuar de forma contagiante, desde o 1.º até ao 3.º ciclo. Executaram três danças: uma universal, com o intuito de luta contra a crise e contra o pessimismo resultante da mesma; outra, uma colasanjon de Cabo Verde; e outra ainda, uma semba de Angola. Da parte da Associação Luso-Africana Pontos nos Is, a presidente Maria Cláudia Henriques leu alguns contos africanos, entre os quais a lenda de Farim, da Guiné. A Associação dos Guineenses do Porto fez representar por Arnaldo


Centralidades Centralities

JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45 .. 17

Igualmente Desiguais Equally Uneven Manuela Niza Ribeiro

Escritora, diretora do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras do Porto e docente da Universidade Fernando Pessoa.

Portugal: o primeiro globalizador

Portugal: the first globalizer

On June 11th, the end of the afternoon and evening, the Foundation Engineer António de Almeida (FEAA), Oporto, received in its stage one soiree and intercultural fair, with various associations and groups in the district, to toast to interculturalism and the first year of life ADM. The date had been originally scheduled for May 21, precisely to combine the commemoration of this world day for Cultural Diversity for Dialogue and Development (decreed by UNESCO), but had to be postponed. Baldé, que declamou poesia africana e deixou uma cantiga de embalar guineense. Num mesmo registo poético tivemos a presença da Casa Luso-Angolana do Porto, com duas poesias, através do escritor Adolfo Castel-Branco e do poeta José Carlos Moutinho. ‘Viajando’ até ao Senegal, a ATLAS - Cooperativa Cultural apresentounos Ibrahima Kebe Ndiaye, que disse poesia no seu dialeto próprio – o Wuolof –, traduzindo depois para língua portuguesa, bem como o artesão (também senegalês) Demba Sow, no espaço da feira.Ainda em solo africano, continente que predominou mais nas exímias atuações e mostras de culturalidade dessa noite, Moçambique deu também o ar da sua graça, por intermédio das participações da Associação África Solidariedade (AAS) e da Associação Portugal Moçambique. No que respeita à primeira, o jovem moçambicano Filipe Moçambique, com mestrado em engenharia e gestão industrial obtido no Porto com bolsa concedida pela AAS, fez uma breve intervenção histórica sobre a Cultura em África e, depois, mais concretamente sobre a reinante no país de Mia Couto – ali homenageado por ter conquistado recentemente o Prémio Camões.

No que concerne à segunda, o trio Alice Beirute, Fátima Andrade e Judite Martins interpretou uma dança jovem marrabenta, com os trajes a rigor. Principalmente o de Judite fez furor na sala, com vários presentes a querer tirar fotografias com ela, por a sua indumentária ter sido uma autêntica e curiosa veste tribal. O partir do bolo... Antes de finalizar, houve ainda tempo para rumar a outros pontos do globo, passando pela Turquia, com a Associação de Amizade Luso-Turca, e por Cuba, através da Escola cubana no Porto: “Porto com Salsa”. Ora, quanto aos amigos turcos, o estudante de Erasmus chamado Alparslan revelou os seus dotes musicais, interpretando uma canção e um instrumental tradicionalmente turcos. Já na “banquinha” da feira, a arte era outra: iam deliciando os presentes com uma técnica própria de pintura com água e tintas em marca de água, originando um efeito belo e surpreendente. No que toca aos ritmos cubanos, os professores de dança e casal Niubis e Francisco mostraram o seu profissionalismo e elegância ao executarem superiormente uma dança casino (salsa cubano) e um cha cha cha. O último momento desta festa foi pautado com a mesma alegria e energia com que começara, sem que as mais de três horas e meia de espetáculo afetasse os presentes. E assim se cantaram os «Parabéns» à ADM, ao som da Batucada Radical do Brasil, e se brindou com um «Porto de Honra», gentilmente oferecido pela FEAA. Agradeço de coração, em meu nome da Direção da ADM, à FEAA, a todos os intervenientes e associações, aos apoios e patrocínios, ao público presente e ao Staff ADM/JV.

http://www.pportodosmuseus.pt/?p=56471

ADM celebrated its 1. Anniversary in multicultural sharing

Quite different from the lackluster oficial celebrations of the Day of Portugal, the real party of the communities was made​​ here in Porto. Promoted by the Association for Multicultural Dialogue and our newspaper, the celebration joined, at Foundation António José de Almeida, a few hundred immigrants, some new portuguese coming from distant countries that found, here, a safe haven.

nas histórias contadas. A mesma saudade que levámos quando partimos para França e Alemanha, nos idos de 60 ou mais tarde quando embarcámos em caravelas rumo ao desconhecido. A saudade que acompanha os que hoje emigram porque a Pátria lhes nega um lugar e os empurra para lá das fronteiras, para longe das suas casas. Portugueses são todos estes: os que aqui vivem e aprenderam a amar o país que os acolheu e os outros, os  que levam viva a língua e as cores de Portugal para a diáspora. Saudade é a outra palavra para definir Portugal. Mesmo quando se pronuncia com sotaques diferentes.

PUB.

em partilha multicultural

Bem diferente das celebrações sem brilho do Dia de Portugal, a verdadeira festa das comunidades foi feita aqui, no Porto. Promovida pela Associação para o Diálogo Multicultural e pelo nosso jornal, juntou, na Fundação António José de Almeida algumas centenas de imigrantes, alguns novos portugueses vindos de países distantes e que aqui encontraram um porto seguro. Ao assistir às manifestações culturais tão diversificadas e que englobaram desde a leitura de velhas lendas até às danças e canções em línguas estranhas mas que iam arrancando aqui e ali uma lágrima emotiva, tive a certeza de que Portugal é isto mesmo: uma encruzilhada de vidas, de línguas, de raças, de culturas e essa é a razão que nos fará reerguer novamente. Fomos os primeiros globalizadores, os primeiros a tornarem o Mundo mais pequeno. Levávamos a cultura ,a religião e o idioma, mas nunca nos fechámos a trazer novas formas de viver, em nos misturarmos e criarmos novas raças, em sermos de facto e realmente cidadãos do Mundo. Compreendi que a saudade pode ser sentida em várias cores e diversas línguas. Foi saudade o que ouvi nas vozes que cantavam melodias populares dos seus países. Saudade nas danças, na partilha de pratos regionais,


18 .. JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45

Experiência ERASUMUS ERASUMUS experience

"Quem não arrisca, não petisca"

http://international.nuim.ie

"No pain, no gain"

Mesmo com pouco tempo na UFP, Marilia confirma que “existem coisas em comum nos ensinos português e brasileiro” e embora só tenha conhecido a cidade do Porto, considera-a “belíssima e bem diferente do estilo de vida a que os brasileiros estão Texto: Diana Patrícia Ferreira habituados...” Mas, acima de tudo, o que Marília mais Marilia veio do Brasil e arriscou tudo para tentar diferentes aprecia é a oportunidade de métodos de ensino. Com uma bolsa de estudos da escolher disciplinas que não se Universidade Metodista de São Paulo, a futura jornalista diz encaixam, necessariamente, que "a Universidade Fernando Pessoa (UFP), oferece uma em Jornalismo, mas que são variedade de disciplinas muito interessantes." Enquanto isso, igualmente enriquecedoras. Vivian veio estudar Marketing. Com a intenção de "conhecer Considerando-os como Portugal e aprender Português", esta estudante alemã, "família", Marília revela que, encontrou várias diferenças entre os métodos de ensino. também por isso, “os alunos

ERASMUS estão, na sua maioria, bem integrados" o que ajuda num processo onde, muitas vezes, "arriscam uma ‘vida’ nova”. Para Vivian, apesar da sua primeira impressão da UFP começar pelos “edifícios bonitos e pessoas amigáveis”, o maior choque foi na dinâmica dos

A importância da leitura no desenvolvimento infantil

O contato com o livro e com a leitura é fundamental, desde a primeira infância. Na realidade, tanto os clássicos da literatura infantil, quanto os livros meramente ilustrados, proporcionam o desenvolvimento do imaginário das crianças, bem como o aspeto cognitivo, desenvolvendo sua aprendizagem em diversas áreas da vida. Na Universidade Fernando Pessoa, a ‘Hora do Conto’ incentiva a essa proximidade que tem como principal objetivo, “desenvolver uma capacidade criativa e muito crítica” face à realidade que os rodeia, explica Carla Azevedo, mentora da iniciativa. Renovando a ligação entre as crianças e os livros a cada evento, a 'Hora do Conto' convida autores que são livres na dinâmica da apresentação da história, isto porque “os livros têm uma ação educativa na moral que se apresenta. As histórias que levamos até às nossas crianças não são histórias descontextualizadas”, garante-nos Carla Azevedo, que confirma: “há sempre uma preocupação em querer levar uma lição, mesmo que ainda sejam pequenos para aprender a sua totalidade”, explica. Ana Cristina Gonçalves, educadora do «Espaço Pessoainhas»,

Direitos Reservados

The importance of reading in child development

Texto: Marta Pereira

PUB.

"É sempre um entusiasmo muito grande quando vai algum contador de histórias ao infantário” garante-nos Carla Azevedo, funcionária da Biblioteca UFP e mentora da «Hora do Conto», uma iniciativa que surgiu como natural consequência “da criação de uma Biblioteca Infantil”, um compromisso da Biblioteca em “ter uma presença ativa no desenvolvimento das crianças”, explica-nos.

It is always a very great enthusiasm when going any storyteller to kindergarten “assures us Carla Azevedo, an official Library UFP and mentor of” Story Time “, an initiative that has emerged as a natural consequence” of the creation of a Children’s Library, “a commitment in the Library ‘to have an active presence in the development of children “, explains.

horários: "Em Portugal, as aulas começam mais tarde, temos menos aulas e muito mais trabalho prático, o que é perfeito numa experiência deste género!”. Mas antes de regressarem à residência, ambas confirmam que o Porto e a UFP são sítios muito bonitos e recomendáveis.

Marilia came from Brazil and risked all to try different teaching methods. With a scholarship from the Methodist University of São Paulo, the future journalist says that “University Fernando Pessoa (UFP) offers a variety of lectures very interesting.” Meanwhile Vivian came to study Marketing. With intent to "know Portugal and learn Portuguese", this German student, found several differences between teaching methods. o infantário da Universidade Fernando Pessoa, confere-nos, também, a importância do livro desde a mais tenra idade: “com a leitura, as crianças acabam por falar mais corretamente, desenvolvendo mais facilmente a dicção”. Mas os benefícios não acabam por aqui: “pelas imagens, eles vão descobrindo o mundo que os rodeia, descondificando-o”, confirma a educadora. É neste contato com a realidade através da leitura que o mundo alarga horizontes transformando-se o livro infantil na ferramenta que esclarece e integra temas mais sensíveis e de difícil compreensão por parte dos mais novos como, por exemplo, o bullying, os maus tratos, o divórcio, a sexualidade, a perda, entre outros. Por seu lado, Ana Costa, docente da UFP e especialista em Psicologia Educacional, Motivacional e Aprendizagem, refere que, ainda assim, há riscos pois estes assuntos, devem ser tratados “de forma muito adequada à idade da criança e com uma linguagem que seja acessível.” Acima de tudo, “não explicar muito mais do que a criança vai perguntando e do que ela tem perceção para entender”, é a chave para esta questão, de acordo com esta docente da UFP.


Juventude & Pedagogia Youth & Education

Jovens Emigrantes de Sucesso Young immigrants successful

JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45 .. 19

O portuense que é dirigente na Schneider Electric, Irlanda

Native of Oporto is the manager of Schneider Electric, Ireland Foi, nos tempos do secundário, uma inclinação para matemática e gosto por computadores que definiu os meus caminhos no fim do secundário. A licenciatura demorou a chegar com muitos saltos pelo meio, foram nove anos e três Universidades até encontrar o meu caminho em Ciências da Computação na FCUP. Terminada a mesma, foi posta de lado a via de ensino, preferência da família, ou a continuação dos estudos via Mestrado, a preferência de vários colegas.

It was in the time of secondary mathematics and an inclination to taste for computers that defined my path at the end of secondary school. A degree long in coming through with many jumps, were nine and three universities to find my way in Computer Science in FCUP. After the same was set aside the way of teaching, preferably family, or further education via Master, the preference of many colleagues.

Texto e Foto: Pedro Quaresma (em Galway)

mcarmenepv.blogspot.pt "una-paloma-por-la-paz"

Comecei então a minha vida laboral de imediato na empresa onde estagiei como programador e administrador de sistemas. Cedo mostrei a minha apetência para aprender tecnologias novas, quando, em consultoria para uma empresa, aprendi e implementei com sucesso um sistema novo que não conhecia antes. Os anos foram passando e a vida foi evoluindo em alguns campos e menos noutros, Em 2005, com um filho a entrar em idade escolar, foi tomada em família a decisão de partir à procura de uma vida diferente, que assegurasse um nível de vida de qualidade em todos os campos. Em 2006, fui convidado para uma importante entrevista na Irlanda e passado dois meses estava com família a viver na Ilha Esmeralda. Comecei com uma posição de programador/analista na APC, líder de mercado em UPSs, que rapidamente me foi dando sucesso. Após um ano, um enorme aumento de salário pelo meu trabalho

Texto: Tiago Arantes Em Portugal, representa ainda a European Federation for Intercultural Learning (EFIL) e é membro do Conselho Nacional de Juventude (CNJ). Tem como objetivos contribuir para a Paz e Compreensão entre os Povos através de intercâmbios de jovens e famílias, para uma Aprendizagem Intercultural e Educação Global. Desde 1956 que promove intercâmbios de jovens em Portugal e para o estrangeiro, e a qualidade dos seus programas faz da Intercultura – AFS líder nesta área. A Intercultura – AFS Portugal faz parte do Registo Nacional do Associativismo Jovem, reconhecida pela Secretaria de Estado da Juventude e apoiada pelo Instituto Português Fundação da Juventude. A validade dos seus programas é igualmente reconhecida pelo Ministério da Educação. Porque acredita que o mútuo conhecimento conduz os povos a um respeito recíproco, bem

largamente exceder o que era previsto. As minhas relações interpessoais e capacidades de trabalho e técnicas levaram a que, em mais um ano, me fosse dada a chefia da minha equipa. Por esta altura, já mantinha relações profissionais e até de amizade com algumas das maiores sumidades internacionais das tecnologias com que trabalhava. No fim de 2008, uma oferta irrecusável e nova mudança de rumo para programação e arquitetura em tecnologias da Web, agora ao serviço da Schneider Electric. A minha capacidade de aprendizagem e de trabalho árduo levou

a que fosse a pessoa a ser chamada para projetos difíceis ou projetos com sistemas sobre os quais a equipa (agora com mais 40 pessoas) não tinha conhecimentos. A preparação de programadores mais jovens, experiencia em recrutamento e melhoria de processos continuaram a ser preocupações e tarefas sob a minha alçada - “Doing things right!” continua a ser o meu lema. Hoje em dia, concentrome em melhorias e migração de um sistema que gera receita considerável ‹a empresa, e preparo a arquitetura e documentação para o projeto que durará os próximos anos.

Perfil Curto Short Profile

Pedro Quaresma, natural do Porto, é licenciado em Ciências da Computação pela FCUP. Programador/Administrador na Salvador Caetano e, depois, Consultor Informático na Artsecrets, desde 2006 reside na Irlanda e está ao serviço da Schneider Electric. Pedro Quaresma, born in Porto, graduated in Computer Science was, for years the Programmer / Administrator of Salvador Caetano, followed by an experience of Computer Consultant in Artsecrets. Since 2006 lives in Ireland and is at the service of the APC, later acquired by Schneider Electric.

Intercâmbios mundiais de jovens contribuidores para a Paz Global trade of young contributors for Peace A Intercultura - AFS Portugal é uma associação de The Intercultural - AFS Portugal is a nonprofit Juventude e Voluntariado, sem fins lucrativos. Não tem association of Youth and Volunteering. It has no filiações partidárias, religiosas ou outras e tem estatuto party affiliation, religious or any other and has the de Instituição de Utilidade Pública. A Intercultura - AFS faz status of Public Utility Institution. The Intercultural parte de uma rede internacional representada em 56 países is part of an international network represented in sediada em Nova Iorque. 56 countries, with headquarters in New York. como ao desenvolvimento de uma consciência global, empenha-se na promoção de programas de intercâmbio. O Programa AFS - Famílias de Acolhimento é uma experiência de intercâmbio em que um/a jovem estudante vem viver, durante um ano, semestre ou trimestre letivo para o nosso país. É acolhido/a por uma família de acolhimento e estuda numa escola secundária portuguesa. O/a estudante deverá ser integrado/a como um membro da família. Anualmente, a Intercultura – AFS recebe estudantes com idades compreendidas entre os 15 e os 18 anos, provenientes de diferentes países. Este programa permite à família de acolhimento um contacto com outra cultura, outra língua,

novos costumes e valores. O processo de recrutamento de famílias é contínuo, por isso, em qualquer altura do ano pode fazer a sua inscrição. Aqui está um exemplo de uma rapariga que foi acolhida por uma família do Porto: “Nós somos a família Araújo! Vivemos no Porto e entramos nesta aventura por a nossa filha ser “filha única” e sonhar em ter uma irmã mais velha. Apesar ter sido uma das motivações, não foi obviamente a única. A aventura, a troca de conhecimentos, a vivência com realidades culturais diferentes e a experiência de ter “mais um filho em casa”, representavam um desafio do qual todos queríamos participar. Contudo, consideramos que este tipo de programas funciona se conseguirmos encontrar vantagens para ambas as

partes, o que veio a acontecer. Escolher a Molly da Nova Zelândia foi algo muito bem pensado e estudado ao mínimo pormenor. Desta forma, as probabilidades de algo correr mal são mais baixas pelo que, a experiência está a ser um êxito! A nossa filha está muito mais autónoma, já vem sozinha da escola para casa, fala inglês fluentemente, etc.. Por outro lado, a Molly já fala português e está completamente inserida na comunidade que a rodeia. Tem uma família de acolhimento que a adora e lhe proporciona todas as experiências possíveis. A Molly já teve oportunidade de percorrer e conhecer praticamente Portugal inteiro, Zamora em Espanha e Bordéus em França. Mas o mais importante de tudo é que se sente parte da nossa família. Ela é tratada exatamente da mesma forma que a nossa filha. E é tudo tão natural que mesmo nós nos referimos a ambas como “a nossa filha mais nova” e “a nossa filha mais velha”. Para terminar esta experiência, os pais e irmãos da Molly vêm da Nova Zelândia buscá-la a Portugal e vão ficar connosco uma semana de férias! Incrível, não é?” Família de Acolhimento da Molly, estudante da Nova Zelândia, 2012-2013


20 .. JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45

Albânia cria oportunidades de negócio para Portugal Albania creates business opportunities for Portugal

A Associação Empresarial de Portugal (AEP) promoveu, dia 19 de julho, um seminário sobre “Oportunidades de negócios na Albânia”, com o qual pretende identificar o tecido empresarial português com a economia e o quadro legal que regula o investimento estrangeiro naquele país, reforçar o relacionamento económico bilateral e partilhar informação útil sobre o mercado albanês que facilite o processo de

The Business Association of Portugal (AEP) promoted July 19, a seminar on “Business Opportunities in Albania”. By sharing information about the Albanian market, this seminar intended to identify the business with wich Albanian economy and the legal framework that regulates foreign investment would strengthen the bilateral relationship to facilitate the process of internationalization of Portuguese enterprises.

Texto e foto: André Rubim Rangel (com José Noverça) A sessão, que contou com a colaboração da Embaixada da Albânia em Portugal e do respetivo Consulado no Porto, foi apoiada pela AICEP e teve lugar na AEP, em Leça da Palmeira. Na abertura, a AEP assinou um protocolo de cooperação com a União das Câmaras de Comércio e Indústria da Albânia, cujo presidente, Ilir Zhilla, foi um dos intervenientes na sessão. Falaram também, entre outros, o embaixador albanês em Lisboa, Edmond Trako, e a

diretora executiva da agência pública de investimento (AIDA - Albanian Investment Development Agency), Eneida Guria. Edmond Trako reforçou que a presença de Portugal na Albânia é importante. É um país também de comércio, que fará uma feira internacional “de compra e de venda” a 23 de novembro de 2013, com a representatividade de países dos cinco continentes. Convidou assim s empresários presentes a participarem nela. Entende que será um bom

caminho para a oportunidade de negócio recíproca e considerou, portanto, ser boa altura para a realização de ralações bilaterais e de missões comerciais entre ambas as nações. Breve nota sobre a Albânia A Albânia integra a Organização Mundial do Comércio e a CEFTA Central European Free Trade Agreement, mantendo acordos com a UE e países da EFTA. Os seus recursos naturais são

uma das principais riquezas do país, dispondo de centrais hidro-eléctricas, solares e eólicas, uma vasta superfície de solos agrícolas e mais de 400 quilómetros de costa, sendo um país rico em jazidas de petróleo e gás, cobre, ferro e minério de cromo. Albânia no Porto Em declarações ao JV, o cônsul da Albânia no Porto, Valdemar Gonçalves, fez uma breve apresentação da comunidade albanesa no Porto: “há cerca de 10 anos eram apenas três os albaneses no Porto, agora são 50 e a nível nacional são cerca de 200”. Para este diplomata e jurista “estão a aumentar cada vez mais porque, antigamente não podiam entrar na Europa sem um visto e agora, com a UE, têm livre entrada graças ao espaço Schengen. Vêm via Itália ou Grécia e espalham-se pelos Estados membros”. Realçou ainda que os albaneses têm uma fácil adaptação e o facto de procurarem e arranjarem cá trabalho/emprego facilita a integração deles. Em termos de perfil socioprofissional desses 50 albaneses residentes na área do Porto, Valdemar Gonçalves apontou as seguintes classes: “temos trabalhadores na restauração e na hotelaria, na construção civil, empresários e na agricultura”. Destacou ainda o facto de estes albaneses gostarem de viver e de trabalhar cá, tendo em conta que o salário mínimo na Albânia é de 200 euros, podendo cá ganhar mais: “além do mais, sinal de que gostam também, é o facto de virem acompanhados e de trazerem amigos para cá”.

Crescimento do comércio entre Portugal e o Brasil

Growth of Portugal and Brazil commercial trade

portugueseindependentnews.com

Texto: Manuela Bica / André Rubim Rangel

Na perspetiva do embaixador português em Brasília, Francisco Ribeiro Telles, “tivemos durante muitos anos exportações concentradas no mercado europeu, o que era natural dado a integração da União Europeia, mas o nosso esforço atual é diversificar os mercados e isso passa prioritariamente pelo Brasil”. Apesar das exportações para o Brasil se concentrarem em produtos agroalimentares, em declarações à Lusa, o diplomata acrescentou que “mesmo os produtos agroalimentares ainda têm espaço para crescer…” Agora o que está na calha para Portugal exportar são os produtos da indústria

In the view of the Portuguese ambassador in Brasilia, Francisco Ribeiro Telles, “we had, for many years, exportations concentrated in the European market, which was natural given the integration of the European Union, but our current effort is to diversify markets and this is the overriding priority for Brazil”.

Ao encontro de... Metting...

EDMOND TRAKO Embaixador da Albânia em Portugal O que faz atrair os albaneses para Portugal e a opção de parcerias bilaterais? Há todo um conjunto que importa, como o contacto, o clima, os impostos, etc.. Estamos assim a desenvolver estas relações entre ambos os países. A minha missão aqui acaba quando isto estiver cumprido: os empresários e comerciantes devem estabelecer contactos diretos entre si e não somente pela internet ou pela Embaixada. A Albânia não estigmatiza Portugal pela conjuntura financeira e política atual? Não, não, de maneira alguma! É verdade que lá se sabe que Portugal enfrenta uma crise grande, não é algo estranho, como acontece com outros países europeus que estão mal. Portanto, esta situação não muda a boa imagem que a Albânia tem de nós... Exato, não muda. É uma imagem boa que já vem de trás e começa precisamente, como sempre, no futebol, pela paixão do mesmo. Eu, por exemplo, conheci Portugal em 1966 com o Eusébio, quando o «pantera negra» era um jogador famoso. À parte disto, há também a questão da Cultura que interessa: Assim como chegou lá o Tango um dia, queremos também que chegue o Fado!

Assim sendo, esta Feira Internacional na Albânia permitirá isso? Sim, é o que se pretende. Os empresários podem aproveitá-la, participando transformadora, para além de pretender o nela, para apresentar grande crescimento no volume de vendas. parte da Cultura portuguesa, Com a última visita da presidente do Brasil Dilma Rousseff a Portugal, em junho, reforçou- levando um vinho, um DVD de apresentação, um/a cantor/a se o desejo da nação brasileira participar no que vá atuar, Deste modo, programa de privatizações encetado pelo Governo português e de estreitar ainda mais as entrará um pouco mais Portugal relações comerciais entre ambos os países. no coração do Povo albanense.


Economia & Negócios Business & Economics

JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45 .. 21

O delicioso sabor da tradição

The delicious taste of tradition

Recently opened in downtown Oporto an establishment with a friendly atmosphere and the charm of yesteryear. The Chocolataria das Flores give you the best cookies and handmade chocolates with a filling port wine imaginable.

Texto e Foto: Luísa Cerejeiras Recentemente, abriu na baixa portuense um estabelecimento num ambiente acolhedor e com os encantos de outrora. A Chocolataria das Flores propiciona os melhores biscoitos artesanais e bombons com recheio a vinho do Porto que se possam imaginar.

Experimente disfrutar de um doce de marmelada caseiro, numas torradas de pão de Mafra. Aproveite uma tertulia de sabores simplesmente irresistível. Os brownies quentinhos acabadinhos de fazer enchem os olhos a quem passa e não consegue ficar indiferente. Se desejar oferecer algo original ou simplesmente ecomendar uns biscoitos acabadinhos de sair do forno, não hesite. Merece destaque a proliferação destes estabelecimentos autênticos, que cativam cada vez mais os consumidores saturados dos asfixiantes e frenéticos centros comerciais.

Olhar pela CPLP Look for CPLP

Português: "língua de poder, língua de negócios” O secretário executivo da CPLP Murade Murargy, numa entrevista à revista «Pontos de Vista» (jornal Público, abril 2013), respondeu a várias perguntas onde fez várias afirmações e comentários muito interessantes. Começou por dizer que “A língua portuguesa, que é de todos nós, é uma língua de poder nos seus vários parâmetros e de negócios”. A atuação da CPLP temse destacado em diversos campos da experiência de vida em sociedade. The Executive Secretary of CPLP Murade Murargy, in an interview to “Points of View” (Público, April 2013), answered several questions with several​​ very interesting statements and comments. He began by saying that “The portuguese language, which is of all of us, is a language of power in its various parameters and business.” The performance of the CPLP has been detatched in various fields of life experience in society. Texto: Tiago Arantes Futuramente, a CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa) vai potenciar ainda mais as suas ações de cooperação entre os Estados-membros, sobretudo, nos domínios da cooperação económica empresarial,

Observatorio-lp

Portuguese: the language of power, the language of business

mas também estará focada noutros sectores, como o da Cultura, das Finanças, das Comunicações, entre outras. É através das várias experiências partilhadas que potenciam a transformação dos sectores, ganhando relevância para as populações e, consequentemente, para as respetivas economias. Apostam sempre em três vetores de atuação: a concertação políticodiplomática, onde já conquistam um lugar de relevo no concerto internacional; a cooperação em todos os domínios e a promoção e defesa da Língua Portuguesa e da Cultura. Vão apostar no Conhecimento, nomeadamente, na partilha de conhecimentos para a capacitação e Educação dos seus povos, pelo que deseja apostar na mobilidade dos produtores de conhecimento.

Com esta atuação, acabam por facilitar e reforçar a cooperação bilateral entre os Estados membros e, ao nível multilateral, ganham projeção no mundo global. Vão consolidar o reconhecimento internacional da CPLP pelas Organizações Internacionais, vão analisar a adesão de novos Estados como Observadores Associados. A estabilidade dos seus Estados-membros é, igualmente, primordial, um tema que lidera sempre as suas prioridades. A circulação de determinadas categorias profissionais, nomeadamente, produtores de conhecimento e empresários, é fundamental para o desenvolvimento e crescimento da Comunidade. A CPLP procura fortalecerse e expandir-se a partir do somatório das potencialidades e o vasto manancial de riquezas que se encontram

Contas e Contas Accounts and bills José da Silva Peneda

Presidente da Fundação de Serralves.

A oração de Miguel Cadilhe The prayer of Miguel Cadilhe Tive a honra de apresentar, no salão nobre da Faculdade de Economia, o livro de Miguel Cadilhe, “O Sobrepeso do Estado em Portugal”, que trata do que se pode designar de uma verdadeira proposta de reforma do Estado. A proposta é profunda e estrutural. É apresentada de modo fundamentado e com uma lógica muito consistente, própria de quem conhece a máquina do Estado, tem uma noção clara das relações de poder, das dependências do País face ao exterior e, sobretudo, tem uma ideia para o futuro. De uma grande oportunidade é a espécie de oração que o autor faz quando, atendendo à necessidade e à relativa impossibilidade em que Portugal se encontra, roga para que surja um ato de confluência das forças sociais, intelectuais e políticas. E, para que isso aconteça, ele pede que não falte a humildade, a perseverança e a força da razão do reformador. Ao ler esta parte do livro, apercebime que fiz a mesma prece, em Elvas, no dia 10 de junho,

quando disse que Portugal precisa de um compromisso baseado numa visão de médio prazo, consistente e realista, que forneça um enquadramento mobilizador aos agentes económicos e sociais e dê esperança aos que mais sofrem. Na altura acrescentei que o nosso destino coletivo não se perde apenas quando não é gerido por nós, mas pode perderse quando desistimos de nos reencontrar. Este livro de Miguel Cadilhe é uma proposta por parte de quem não desiste e quer o País a caminhar em direção a um compromisso. Por isso, e em certo sentido, este livro é também uma proposta para um necessário reencontro com todos nós, portugueses.

na diversidade dos oito Estados-membros que a constituem. Os três vetores de atuação fortalece-os, mutuamente a todos, na arena internacional e, internamente, ao partilharem boas práticas e conhecimento científico, ao elaborarem projetos de capacitação e formação, ao enquadrarem acordos de cidadania e circulação. Têm a consciência que será necessário dar passos adicionais quanto à atribuição de direitos específicos aos cidadãos que se encontrem no espaço da Comunidade num país que não o seu. “Com a Língua Portuguesa somos globais”. Promoveram a 6.ª edição da «Semana Cultural da CPLP», com uma programação dedicada às diversas vertentes da expressão cultural características dos povos da sua Comunidade. Tiveram

como pano de fundo Lisboa, uma cidade que representa a comunidade de diversidade que caracteriza os seus povos. Para tal, foram organizadas inúmeras iniciativas que pretendem dar lugar a diversas manifestações culturais relativas aos vários Estadosmembros da CPLP, com cinema, música e literatura, com um forte apelo à participação de todos que se identificam com Língua Portuguesa e a Cultura dos povos da CPLP.

The proposal is deep and structural. Is shown in a reasoned manner and with a very consistent logic, of one who knows the state machine has a clear notion of power relations, the dependencies of the country to the outside world and above all have an idea for the future.

The three lines of action strengthens them [CPLP] mutually in the international arena and, internally, by sharing good practice and scientific knowledge to develop capacity building projects and by training, to fit agreements of citizenship and circulation.


22 .. JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45

Saúde Pública Public Health Manuel Pizarro

Médico e deputado, eleito pelo círculo do Porto e ex-Secretário de Estado da Saúde.

Educar para a Saúde

Três décadas de Serviço Nacional de Saúde (SNS) aproximaram os portugueses dos resultados em saúde que se verificam nos países mais desenvolvidos. Em alguns casos, com destaque para a mortalidade infantil, conseguimos mesmo ultrapassar vários desses povos. No entanto, não podemos ignorar que esses ganhos estão hoje ameaçados. Em primeiro lugar, pelo recuo do SNS, condicionado pela dramática crise financeira que enfrentamos e pelos cortes sucessivos do seu financiamento, que limitam o acesso dos que mais precisam. Em segundo lugar, pelo elevado envelhecimento da nossa população e pela falta de condições de conforto material e de ambiente social que ajudem muitos idosos a envelhecer com saúde. Por último, porque adoptamos massivamente estilos de vida que prejudicam a nossa saúde no presente e no futuro. Neste domínio a escola pode

+

e deve desempenhar um papel fundamental. Educar para uma alimentação saudável. Gerar hábitos de exercício físico e de desporto. Ensinar para uma sexualidade de afectos e de responsabilidade. Ajudar a prevenir as dependências, do tabaco, do álcool ou das drogas ilícitas. Promover os cuidados adequados de saúde oral e erradicar a cárie dentária.Pessoas com mais educação são, em geral, mais saudáveis e a escola é o principal instrumento para promovermos esta realidade na nossa cidade. Confio em que seremos capazes de dar resposta a este desafio, fazendo uso da excelência das nossas escolas e dos nossos profissionais de saúde.

o património dum português na Suiça Ernesto Ricou fundou duas instituições com o objetivo de melhorar o diálogo intracomunitário na Suíça em transformação social intensa. Através da organização de eventos sociais, culturais, humanitários das mais diversas nacionalidades.

After three decades of the its National Health Service, Portugal sees the health of its inhabitants reach the outcomes that occur in most developed countries. In some cases, most especially in child mortality issues, we can even overcome most of them.

Segurança de Alto a Baixo Security top to bottom

Deveres & Direitos Duties & Rights

Miguel Cadilhe

Ex-ministro das Finanças

+/-

"The political situation in Portugal is very unstable."

A (in)segurança no sentido político, ou se quisermos a instabilidade, é outra forma de (in) segurança. A situação política em Portugal está muito instável. O Porto, sendo a 2.ª cidade do país, não pode deixar de refletir e sofrer com os efeitos dessa instabilidade nacional.

"And the city and region of Porto is badly hit by unemployment, more than the entire country.."

A grande insegurança que vejo no Porto e no país, é a segurança no trabalho: segurar o emprego ou arranjar um emprego. Haver tanto desempregado é a grande razão de insegurança familiar. Esta é outra natureza de segurança e insegurança, mas que me preocupa muito! E a cidade e região do Porto é muito atingida pelo desemprego, mais do que o país todo.

Heritage of a Portuguese in Switzerland

Texto: Tiago Arantes

Com esses acontecimentos públicos tem alcançado grande sucesso e recebido vários prémios e distinções, nos últimos treze anos. Nas conferências os temas são mais direcionados para a xenofobia, a intolerância, racismo e direitos do homem. Todos os departamentos de um grande museu encontram

A segurança no Porto, tanto física como de património, está relativamente bem. Não vejo razões para dizer o contrário. Não vejo zonas "Security at que sejam muito inseguras. Mas, como em the Port, both todo o lado do mundo, há zonas e bairros que physically and não devem ser frequentados em certas partes heritage, is do dia ou da noite. Em termos gerais, o Porto relatively well..." é seguro e é uma cidade boa para se viver, em que a qualidade de vida não é prejudicada por fatores de insegurança.

-

Direitos Reservados

Educationg for Health

Ernesto Ricou founded two institutions in order to improve dialogue intra Switzerland in intense social transformation. By organizing social events, cultural, humanitarian of diverse nationalities.

o seu lugar num pequeno espaço museológico. A atividade educativa é igualmente intensa na CasaMundo. No plano local prestam serviços gratuitos de auxílio pedagógico a alunos em dificuldade escolar e também Auxiliam outros

na preparação de portfólios para entrada nas escolas de formação artística de nível intermédio ou universitário. Esta grande atividade inter-religiosa, tem vindo a desenvolver de forma natural as relações amistosas entre os seus utentes.

http://www.etc.pt/VP/ler_seccao23ce4.html?diranter577*22%7C6

Projeto inovador pretende tornar sem-abrigo em guias turísticos Project aims to become homeless in tourist guides Esta invulgar iniciativa resulta This unique initiative do projeto “Welcome Home”, results from the project uma brilhante ideia de negócio “Welcome Home”, a brilliant incubada na Universidade business idea incubated at Católica do Porto. O principal the Catholic University of objetivo é a integração social Porto. The main objective de cinco participantes, de modo is the social integration of a que abandonem a presente five participants, so that condição de debilidade social they quit the present social como sem-abrigo. condition as homeless. Texto: Jaime Moreira | Foto: Miguel Leite O nome do curso é de cada um. Agora, terão Hospitalidade e Experiência formação na universidade Turística e até o próximo mês em Hospitalidade e Turismo, de setembro procura dar cinco Acolhimento Interpessoal novos guias turísticos à cidade e Comunicação Humana e Invicta. No fundo, esta aposta Roteiros de Hospitalidade. tenta traduzir positivamente Em tempos de tamanha o vasto conhecimento que os descrença, desafios como mesmos detêm da cidade do estes podem conseguir Porto. Na primeira fase do devolver aos participantes projeto, os guias estudaram a plena integração na os três percursos e respetivo sociedade da cidade que tão enquadramento histórico bem conhecem.


Sociedade Society

JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45 .. 23

Mundo Diplomático Diplomatic World http://www.locallinkrecruitment.com/looking-for-a-job.aspx

José Ribeiro e Castro

Jurista, deputado, ex-Presidente do CDS-PP e Presidente da Comissão Parlamentar da Educação e da Cultura.

A Alemanha nas “Tertúlias Diplomáticas” Germany in the “Diplomatic Talkings”

Situação precária dos trabalhadores

portugueses em Londres

Texto: José Cesário Ao longo de dois dias acompanhámos com grande atenção o drama de 109 trabalhadores portugueses que se encontravam no Reino Unido sem receberem qualquer retribuição salarial há vários dias. Neste momento, temos a garantia da empresa contratante que eles receberão tudo a que têm direito, podendo regressar a Portugal ou continuarem os respectivos contratos em Birmingham. A ligação com estes trabalhadores foi assegurada pelo meu Gabinete, pela nossa Embaixada em Londres e pela funcionária Sandra Martins, do Consulado Geral de Manchester, que foi inexcedível, contactando pessoalmente com os trabalhadores. Mais uma vez ficam-nos as lições de um drama idêntico a muitos outros que infelizmente acontecem um pouco por todo o Mundo...

{Curta} {Flash News}

A Fundação Luso-Americana associa-se, pelo terceiro ano consecutivo, ao programa literário DISQUIET, uma iniciativa internacional da Dzank Books, uma entidade que visa promover a cultura literária e o intercâmbio cultural. O programa, organizado em Portugal pelo Centro Nacional de Cultura, vai reunir em Lisboa 90 escritores norte-americanos que vão participar numa universidade de

London portuguese workers in precarious situation Over two days we followed with great attention the drama of 109 Portuguese workers who were in the UK without receiving any consideration salary for several days. Right now, we have the assurance of the contractor that they receive everything they are entitled to, and may return to Portugal or continue their contracts in Birmingham. Quem pensar em trabalhar no estrangeiro tem de ter todas as cautelas para não cair em situações de exploração e abuso (in facebook, 24/07). Regressaram ontem 29 portugueses dos 106 contratados para a reparação de dois túneis em Aston, Inglaterra. Setenta e sete ficaram depois da empresa garantir que ia cumprir o contrato. Todos receberam 1150 euros cada um (in facebook, 26/07).

verão, através da qual poderão conhecer várias personalidades da cultura lusófona. O programa decorre de 30 de Junho a 12 de Julho. Este ano, a Fundação acolhe três sessões literárias desta iniciativa, nos dias 2, 10 e 11 de julho, todas com entrada livre. No dia 2, com a participação de Gonçalo M. Tavares e Philip Graham; no dia 10 com a presença de Lídia Jorge; e no dia 11, com os escritores luso-americanos Anthony de Sá, Katherine Vaz, Francisco Cota Fagundes e Frank X. Gaspar.

ler mais em www.flad.pt

O Conselheiro para os Assuntos Económicos da Embaixada da Alemanha, Matthias FISCHER, além de diplomata, é um autor com mais vastos interesses. Escreveu e editou recentemente em Portugal, através da Principia, o livro «Guilherme II – o Último Imperador da Alemanha», uma das grandes figuras da História alemã e também europeia. Esse foi o segundo motivo de interesse da sessão da “Tertúlia Diplomática”, ocorrida a 25 de Junho na Livraria Férin (ao Chiado): a apresentação deste livro da sua autoria e uma reflexão, necessariamente breve, sobre um período crucial (e dramático) da História da Europa há exactamente um século atrás. Mas o primeiro motivo de interesse, na área de especialidade do competente e informado diplomata alemão, será o prato forte da sessão: «O debate sobre o euro na Alemanha antes das eleições». Dificilmente podíamos ter um tema de maior interesse e de maior actualidade para encerrar a programação 2012/13 da nossa “Tertúlia Diplomática”, antes do intervalo de Verão. As eleições alemãs concentram atenção generalizada na Europa e também no mundo que segue com preocupação – e, tantas vezes, ansiedade – os desenvolvimentos da crise europeia. Ora o euro, com as suas forças (que importa não esquecer), mas também com as suas fragilidades, contradições e vulnerabilidades, os desafios novos que gerou e as incertezas que projecta ou em que se enreda, situa-se bem no coração da crise e, quase sempre, ocupa o centro de todo o debate. As reflexões e discussões na Alemanha têm importância crucial na dinâmica das respostas à crise e, portanto, da sua evolução. O debate alemão sobre o euro tem uma relevância que já seria enorme se estritamente proporcionado ao peso da

Alemanha e da sua economia, mas que é ainda maior em razão das malhas complexas de que se tece a construção europeia. Esse debate alemão interessa-nos directamente: seja o debate mais terraa-terra na imprensa e na opinião do homem da rua, seja o debate mais académico e sofisticado dos meios académicos e das autoridades financeiras e monetárias, seja ainda o debate final nas instâncias políticas de influência e decisão ou no Tribunal Constitucional Federal de Karlsruhe. A ressonância do euro no debate interno da Alemanha tem sido de tal ordem que se formou recentemente um partido para advogar, nas eleições, a própria saída do euro. É apenas um sinal, não maioritário (longe disso), mas ainda assim sintomático. E o curso desse debate aceso, nos seus fundamentos, suas linhas, suas perspectivas, sua dinâmica, interessa-nos sobremaneira. Como a todos os europeus. Antes de 22 de Setembro – data das eleições alemãs – e certamente depois desse dia.

The German elections focused widespread attention in Europe and also worldwide following with concern - and, many times, anxiety - the developments of the European crisis. Now the euro, with his forces (which should not be forgotten), but also its weaknesses, contradictions and vulnerabilities, which generated new challenges and uncertainties that projects or that ensnares, is located right in the heart of the crisis and almost always occupies the center of the whole debate.


24 .. JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45

Em cima dos livros Over the books "A Vida que podemos salvar" é um livro que apela à ação, dando voz à esperança e à compaixão sem descurar a investigação rigorosa e o raciocínio cuidado que transparecem em todas as obras deste autor. (...) Está agora ao nosso alcance a erradicação da pobreza e do sofrimento que esta traz consigo. Para tal, “é necessário alterar a nossa perspetiva quanto ao que implica viver uma vida ética”. (...) Para o autor podemos influenciar significativamente as vidas dos outros sem diminuir a qualidade da nossa.

Contrariam-se duas mentiras colossais que contaminam Portugal: a de que gastámos acima das nossas possibilidades e a de que não há alternativa à austeridade. A principal causa da crise em que Portugal se encontra é a corrupção. Alguns grupos económicos, apoiados pelas grandes sociedades de advogados, dominam completamente a atividade política que se transformou numa grande central de negócios. (...) Há uma saída, que não a austeridade - é o combate à causa maior da crise, o combate à corrupção.

O 2.º vol. de histórias tradicionais da região, não abdica de uma análise crítica que não só explica o que nelas é inverosímil, mas que valoriza também o que nelas há de credível. até aos surpreendentes materiais de construção utilizados por Siza Vieira na Casa de Chá da Boa Nova, o leitor encontrará também, as lendas que justificaram a relação da cidade com os seus três santos padroeiros, o motivo da associação do F. C. Porto ao dragão, a explicação de topónimos como Vitória e Campanhã.

Mais do que presença quase sublime na paisagem, a Torre tem sido testemunha silenciosa da vida da cidade e da sua gente. De tudo viu e, quase sempre, de tudo foi interveniente. Rejubilou com acontecimentos de diferentes, participou nas convenções (e convulsões) sociais associou-se às dores e aos pêsames colectivos. Foi palco de ousadias e sobressaltos cívicos. Ajuda, por isso, a contar a história do Porto, nos seus anseios e inquietações, regozijos e manifestações.

Em todas as narrativas a casa veste os seus habitantes, domina-os, controlalhes a vida e, um dia, despedese deles. Pode parecer que são eles a tomar a decisão de a abandonar, mas na verdade é a casa que os expulsa. (...) Tudo é varrido pelo fogo e pelo vento. Um amor melancólico definha em cada vida, e nada o vem substituir. A casa simboliza o refúgio do eu mais profundo, a casa é a floresta das almas. A casa é a província, o lugar fechado dos enredos, o cenário breve das vidas, onde tudo tende à decomposição.

Manuela Inês Nabais escreve obra verídica “Terra de Ninguém” Manuela Inês Nabais writes true book “No Man’s Land”

Texto: André Rubim Rangel «Terra de Ninguém» é um projeto antigo. De facto nasceu antes da própria autora, da vontade duma avó que pouco sabia de letras e nunca pisara uma sala de aula. Este livro é um tributo às gentes da raia, à sua raça e à sua vontade indómita que sobreviveu a invasões externas e internas.

“No Man’s Land” is an old project. Actually, born before the author herself. It comes from the will of a grandmother who knew little of letters and never stepped on a classroom. This book is a tribute to the people of the border, their dauntless and their indomitable will that survived to foreign and internal invasions.

uma terra de ninguém, mas uma terra de nós todos”. Para Salvato Trigo, a quem coube apresentar o livro, esta Percorrendo uma época que vai desde a escrita de Maria Manuela queda da Monarquia até à II Guerra Mundial, Nabais é “límpida e muito "Terra de Ninguém" leva-nos pelos trilhos do agradavelmente a cima do contrabando, pela saga do minério, pela paixão que convém a um romance”, pela terra, pelos toiros e por um amor impossível, que considera ter “várias escandaloso, único. Na apresentação da obra, naturezas e vários romances sob chancela da ‘Edita-me’, a autora alegou nele”. O reitor da UFP afirmou que esta «Terra de Ninguém» “não é, de facto, que “o que atrai neste livro é a

Programando Scheduling Isabel Pires de Lima

Ex-Ministra da Cultura e Professora Catedrática da FLUP

Encontro de Bandas Filarmónicas Meeting of Philharmonic Bands

A Casa da Música nasceu no âmbito da Porto 2001, Capital Europeia da Cultura, e desde o começo quis ser uma casa de todas as músicas. Poderá provar mais uma vez isso ao longo do fim de semana 27 e 28 de Julho, durante o qual poderá assistir ao Encontro de Bandas Filarmónicas. Ouvir quer dentro quer fora da casa e sem custos de bilheteira Bandas Filarmónicas vindas de várias localidades do país, as quais trazem consigo muitos anos de tradição e repertórios de eleição. Apresentam-se em formato de arruada, em redor da Casa da Música e nas melhores condições acústicas da Sala

sua complexidade social. Ler este «Terra de Ninguém» é viajar no presente no Portugal passado, a que um povo como nós - filho do mar - tem direito”. Desafiou, por fim, aos presentes, que encheram a sala na galeria cultural do edifício AXA (Porto), que “procuremos a luz que este livro nos dá, pela assunção da sua cidadania”.

Suggia, em vários concertos. Apenas terá que se informar dos horários ao longo dos dois dias de Julho. Just have to inform the schedules over the two days of July.

“Porta dos Fundos” no YouTube “Back Door” in YouTube

Recomendo-lhe no YouTube, em canal aberto, um programa brasileiro de humor, verdadeiramente delicioso e iconoclasta chamado Porta dos Fundos, que lança às segundas e quintas os seus hilariantes vídeos. O número de visualizações disparou logo nos primeiros seis meses do programa, iniciado em 2012, preenchendo atualmente mais de 200 milhões de visualizações ano. O programa ganhou destaque com o episódio Fast Food, que ironizava o atendimento de uma cadeia de restaurantes Spoleto. A rede de “fast food” passou a usar o vídeo viral como publicidade renomeado exatamente Spoleto e a equipa foi contratada para produzir mais dois vídeos publicitários para o restaurante. Não perca, entre muitos outros, os vídeos Reunião de emergência ou Entrevista de emprego ou ainda Ministério que dão prova de um humor inteligente e interventivo e ferozmente destruidor. I recommend you on YouTube, a program of Brazilian humor, delicious and truly iconoclastic called Back Door, which launches on Mondays and Thursdays their hilarious videos.

Perfil Curto Short Profile

Maria Manuela Inês Nabais Niza Ribeiro, nasceu em Lisboa em 1962. Licenciou-se em Comunicação Social noInstituto Superior de Ciências Sociais e Políticas e dedicou os seus primeiros anos ao Jornalismo. Mais tarde, rumou a Norte e iniciou a carreira de docente que mantém até hoje, com uma colaboração na Universidade Fernando Pessoa. Trabalha no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, mas escrita foi sua companheira a vida toda. Manuela Inês Nabais was born 1962. Graduated in Social Communication and started her carrear as journalist. Porto led to her teaching colaborations. Currently, Manuela works in the Fronteirs and Foreigners Service but writing was always her life companion.

Livro “Tudo é e não é”

Book “Everything is and is not” Verão é sempre época de por leituras em ordem. Sugiro-lhe o último romance de um poeta consagrado, Manuel Alegre, que acaba de publicar na D. Quixote, "Tudo é e não é". Trata-se de um breve romance onde o protagonista, um escritor à deriva e obcecado por uma série de sonhos recorrentes nos vai obrigando a pensar o mundo contemporâneo e os impasses da arte de escrever nos dias de hoje, à medida que nos vai descrevendo esses sonhos. É um livro que nos confronta com as utopias, o seu fim, o seu renascimento para concluir não pela perda de um sentido para o mundo e a vida mas pela afirmação de que “O sentido está na busca”. É afinal um desesperado grito de esperança na vida. It is a short novel where the protagonist, a writer drifting and obsessed by a series of recurring dreams will forcing us to think about the contemporary world and deadlocks art of writing these days...


Cultura Culture

JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45 .. 25

deGostando

Tasting

Hélio Loureiro

Chefe de cozinha. Presidente do Ateneu Comercial do Porto

A água e a Vida fotodependente.com/img6597.htm

Water and Life

Poderá parecer estranho, este meu falar de água numa página onde costumo falar de vinhos e comida, prazeres pantagruélicos e por vezes de coisas sofisticadas e gourmet, mas se hoje falo de água é porque é essência de vida. “O espírito de Deus pairava sobre as águas” é assim que diz num dos livros mais antigos da História e mais tarde vem o castigo do Homem através das águas que inundaram a Terra e apenas o justo Noé e seus filhos se salvaram bem como os animais, foi abrindo a água do mar vermelho que Moisés demonstrou a sua grandeza e protecção de Deus, foi com água que Cristo foi baptizado, foi com água que a samaritana matou a sede ao Mestre e entendeu a Fonte da Vida, foi a partir da água que Cristo faz o seu primeiro milagre transformando-a em vinho, foi água que saiu do seu lado esquerdo quando foi trespassado pela lança na cruz, é com água que os muçulmanos se purificam antes de rezar as cinco orações do dia, é com água que

O Cinéfilo The cinephile D. Duarte de Bragança

S.A.R.Duque de Brangança e Presidente da Fundação D.Manuel II

“Cristiada” For a Greater Glory

“Para uma Glória Maior!” poderia ser um bom título para este  filme mexicano, saído em Abril de 2012  que, esperemos, em breve seja distribuído em Portugal. Mas para que o filme seja bem distribuído e visto pelo maior número possível de pessoas, será necessário alguma militância , pois, já se sabe, que os do costume vão tentar que ele não seja visto, silenciando-o ou denegrindo-o. Veja-se o que aconteceu recentemente a outro magnífico filme, “Aqui há Dragões”, sobre a Guerra Civil espanhola e a perseguição à Igreja, ou “Juno” sobre a questão do aborto juvenil , ou o excelente filme romanceado da RTP sobre o milagre de Fátima, com a talentosa  actriz Catarina Furtado. Nenhum se encontra à venda nas chamadas livrarias “católicas”, que preferem vender obras dos teólogos heréticos como Hans Kung ou Leonardo Boff e, que eu saiba, a imprensa católica

os hinduístas todos os anos se purificam no rio Ganges, é com água que se faz o pão é com água que se mata a sede… Se a água tem este misticismo todo e faz parte de tantas religiões com força de vida também é verdade que esta água tem um valor incalculável na gastronomia. A confraria da água, da qual sou fundador, trouxe há uns anos a discussão sobre as águas em Portugal e a sua valorização, passou muito tempo até que hoje, valorizada e elevada ao lugar merecido no mundo gastronómico esta bebida pura e cristalina e sem cheiro e cor pode no entanto ter vários sabores. Por isso nas provas de água que organizei foi surpreendente ver as pessoas quando sentiam os sabores diferentes das diversas águas, nas provas cegas, sabores que têm a ver com a composição dos solos da origem das águas. Para cada vinho uma água diferente pois, quantas vezes, por estarmos a beber uma água demasiado alcalina ou ácida nos confunde com os aromas do vinho e a sua textura na prova.

Invadiram a Casa Andresen! Broke into Andresen House! Texto: Jaime Moreira Os animais vieram juntar-se ao fantástico imaginário que Sophia de Mello Breyner construiu neste belo espaço mágico na cidade do Porto. The animals came to join the fantastic imaginary of Sophia de Mello Breyner. It is an exhibition ina form of staging, where visitors will be the main actors of the performance, using flashlights to explore the interior of the house occupied by the so unusual wildlife...

It may seem strange, this water in my talk page where usually talk wine and food, gargantuan pleasures and sometimes things sophisticated and gourmet, but if I talk about today is because water is the essence of life.

Esta é uma oportunidade única. É uma exposição com carácter de encenação, onde os visitantes poderão ser atores principais da performance, usando lanternas para explorar o interior da casa, ocupada de forma inabitual pelos animais selvagens. No final podem ainda explorar as técnicas de taxidermia mais modernas que estão por trás das impressionantes cenas de animais em poses naturais e equilíbrios impossíveis. A exposição animal está patente até ao dia 18 de Novembro: os dois euros e meio para adultos e um euro e meio para crianças e idosos.

quase não falou sobre eles. Quanto aos nossos párocos, ou não perceberam a importância do Cinema e acham impróprio aconselhar bons filmes, ou  não estão informados. Cabe aos leigos informar os que por excesso de trabalho não têm tempo para acompanhar a “Sétima Arte”. Creio que este filme merece ser divulgado “oportuna ou inoportunamente” (citando São Paulo), até porque estamos a viver novamente uma época de perseguição, que por ser mais subtil é ainda mais perigosa. Em vários países já se persegue e condenam instituições  que se recusem a promover o  aborto e o “casamento para todos”, por exemplo. Mas vamos ao filme. Entre  1926 e 1929 foram mortos no México mais de 90.000 pessoas pelas tropas do Governo  do Presidente Elias Plutarco, numa perseguição aos católicos. Cerca de 24 mártires foram beatificados

ou canonizados pelo Papa João Paulo II. Essa guerra tem sido propositadamente esquecida  pelos historiadores, porque ainda incomoda muita gente. O Povo mexicano revoltou-se contra a falta de liberdade religiosa e a perseguição à Igreja, mas de modo desorganizado, até que um general reformado, Enrique Gorotieta (representado por Andy Garcia), influenciado por sua  mulher (Eva Longoria), aceitou liderar a luta armada pela restauração da liberdade religiosa. A partir dessa altura começaram as vitórias dos Cristeros, até que  bispos  pusilânimes  negociaram um acordo de paz. Infelizmente essa falsa “paz” impediu o triunfo final da Cristíada mas não impediu a perseguição aos ex-combatentes. Peter O’Toole representa um dos muitos sacerdotes assassinados pelos militares, mas a personagem mais

Arte Escrita Written Art Albano Martins

Poeta. Co-fundador da revista 'Árvore'. Docente na Universidade Fernando Pessoa.

Uma página de diário

A diary page Prometi voltar. Voltei. Engalanada, festiva, a aldeia esperava-me. Orgulhosas, as suas gentes recebiam o filho ilustre ou como tal considerado pelas pessoas que ali, à entrada da aldeia, aguardavam em sobressalto, no passeio, a chegada da comitiva. Houve danças, cantares e até poemas de sabor popular celebrando a visita, isto é, o regresso à aldeia do poeta que, assim o quiseram os deuses, num dia já distante ali nascera para a luz. Comovente, a exibição do “rancho das cantarinhas”, no qual subitamente me vi incorporado, por vontade expressa dos seus componentes, na sua maioria crianças. Alguém, de máquina fotográfica em punho, gravou para a posteridade aqueles instantes. É esse o papel da memória: guardar para o futuro, exibindo-os como presentes, os gloriosos momentos do passado. Os momentos tidos como inesquecíveis e, do mesmo passo, irrepetíveis. Lá no alto, e para o fim, a surpresa maior: visita à Olaria da Fernanda Manique., onde o barro é rei. Quis ela, a Fernanda, presentear-nos com algumas peças da sua arte, que é também a do passado da aldeia. Estão agora cá em casa, em lugar conspícuo, que é o lugar onde mora o coração. Promised to return. Returned. Adorned, festive, the village was waiting for me. Proud, its people received the illustrious son or considered as such by the people there, at the entrance to the village, they were waiting, jumpy, on the sidewlak, the arrival of the entourage. comovente é uma criança protegida por ele, que é martirizada por se recusar a renegar a sua Fé. Morreu aclamando a Cristo Rei. Era esse o grito de guerra dos Cristeros, que conduziram várias campanhas militares com um grande sentido de Caridade, honestidade e honra, que contrastou com a habitual violência das revoluções mexicanas.Produzido por Pablo José Barroso e realizado por Dean Wright (Lord of the Rings, etc.) tem qualidade mais do que suficiente para agradar mesmo a muitos jovens um bocado viciados  nos filmes de acção de Holywood, que tem dificuldade em gostar de filmes mais “inteligentes”. Este tem bastante violência e drama para lhes agradar. E aos demais agradará pela mensagem de heroísmo e esperança nas qualidades de um Povo que em pleno século vinte deu a vida pelo seu Amor à Virgem de Guadalupe e a sua Fé em Cristo Rei. Deixemos de ser os eternos ingénuos manipulados, e  saibamos aproveitar esta ocasião rara para  transmitir estes valores à nossa juventude! “For the Greater Glory!” could be a good title for this Mexican film, out in April 2012 that, hopefully, will soon be distributed in Portugal. But the film is well distributed and seen by as many people as possible will require some activism because, as you know, the usual that he will try not to be seen, silencing him or disparaging him.


Cultura Culture

26 .. JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45

Agenda Multicultural Multicultural Agenda

» Em Julho, “Porto com Salsa” ensina Jul & Ago ritmos latinos o Ag Jul & » Em agosto, esta realiza dois workshops de Casino e inclui na mensalidade para os alunos, um “Full Pass”.

26 de Jul 26th Jul

Com fairPlay With fairPlay Atleta Olímpica e 'madrinha' de várias Associações

Basquetebolista povoense a caminho do estrelato

Póvoa de Varzim basketball player in his way to stardom

O CLAII promove um curso intensivo Agosto de Português st gu Au para Imigrantes nos dia 19, 21, 23, 26, 28 e 30, das 14h às 18h.-Trav. Dr. Carlos Felgueiras, 31 R/C, Maia. »Inicia do ano letivo na escola de fim-de1 Set semana russo1st Sept ucraniana, pela Associação Kalina rua Gonçalo Cristóvão, 309 3/4 andar, Porto. »Excursão, com guia, aberta ao público, para visita a Lisboa pela Associação Kalina. » A AMIGrante, celebra o 10.º aniversário 5 de Set com a CLAII 5th Sept de Leiria organizando as Jornadas “A face humana das Migrações em Portugal”, com a presença da Alta Comissária do ACIDI. » Em Paredes, a Associação África 28 de Set Solidariedade 28th Sept organiza, às 21h, em conjunto com a Fundação ALord, «O valor da Solidariedade com África», uma conferência animada por dois momentos musicais.

Nome: André Mourato. Naturalidade: Póvoa de Varzim.

Nascimento: 15/11/1994. Altura: 1,87m.

Com que idade começaste a jogar basquetebol? Comecei com 7 anos.

ligas mundiais, o sonho era a NBA, mas isso já é outro patamar. Seleção Nacional claro que é o objetivo de todos os praticantes de qualquer modalidade e não sou exceção! ...E vejo que estou a caminhar para isso. O que significa para ti o Basquetebol? Basquetebol foi uma das principais coisas que me fez crescer e encarar determinadas situações da Vida. Já está entranhado no meu corpo desde pequeno...! Ficar um mês sem pegar numa bola já é absolutamente impensável. E, para mim, serve, claro, para me abstrair de alguns problemas, de algum stress porque acaba até por servir de distração, para depois encarar tudo de maneira diferente. É um desporto, mas, para mim, é a Vida e vai certamente estar presente em mim e na minha memória esta “jornada” que é a minha carreira desportiva.

Quem são as tuas inspirações nesta modalidade? ...Kevin Garnett e Carmelo Anthony! Qual a sensação de estares a jogar no Benfica? Claro que é sempre ótima! Sair da CD Póvoa para ingressar no melhor clube de Portugal é uma grande mudança e um orgulho ver o esforço até aqui feito. É mesmo uma sensação de grande satisfação... Quais os jetivos para 2013? Ao nível desportivo, evoluir o máximo e afirmar-me neste novo clube. Claramente, crescer tanto como pessoa bem como atleta.  Que clube gostarias de vir a representar? Quem sabe a Seleção Nacional...? Gostaria de passar por muitas

em digressão pelo Brasil e EUA Texto: Christina Margotto e André Rubim Rangel (e foto)

Aurora Cunha

»Atuação de Unión Salsera, no Cubanito Bar (Porto).

» Associação de Imigrantes Amizade (Rio 28 de Jul Tinto), realiza 28th Jul por 15 dias “Ocupação de Tempos Livres”, uma atividade de campismo para crianças e jovens, filhos dos imigrantes, em Arrimal, Leiria. »Visita ao Aquaparque pela Associação Kalina - Imigrantes do Leste, no Porto. » O ‘Seminário Permanente de Estudos sobre 30 de Jul Macau’ realiza 30th Jul a conferância “Os 500 anos de Encontro em Malaca", na FCHS, Lisboa.

Christina Margotto A pianista brasileira Christina Margotto vive há uns anos no Porto, onde trabalha no Conservatório de Música como professora de piano. Agora, ruma para o continente americano a fim de apresentar os seus novos trabalhos.

Christina Margotto on tour in Brazil and the USA The Brazilian pianist Christina Margotto lives a few years ago in Porto, where he works at the Conservatory of Music as piano teacher, and now heads to the Americas in order to present their new works.

Antes de chegar a terras do Tio Sam, Christina apresentase a 25 de julho no Theatro Carlos Gomes (Rio de Janeiro), com a Camerata Nov’Arte “Os Solistas, de Portugal, inserido no programa «Cultura na Escola» - Concertos internacionais 2013. Depois, em busca de novos repertórios, abordagens, sonoridades, recriações…  do encontro e afinidade de dois duos distintos, Ana Barros (soprano), Christina Margotto (piano) e Jed Barahal (violoncelo) criaram De Corda em Corda – “Um Canto de Amor”, à volta do qual farão alguns concertos e no qual interpretam essencialmente música portuguesa e brasileira. Com apoio da DGArtes, apresentam-se em agosto de 2013 nos estados da Califórnia e Oregon, concretamente em Napa Valley, Dance Palace, Marsh Anne Landing e Ukiah.  

Perfil Curto Short Profile

Margotto is rooted in our country since 1989. Professor of Margotto está radicada no nosso Music Conservatory of país desde 1989. Docente do Porto, Gaia Regional Conservatório de Música do Conservatory and Porto, Conservatório Regional de ESMAE, cellist jury and Gaia e ESMAE, a violoncelista is still a member of the é ainda juri e membro da Organizing Committee Comissão Organizadora do of the International Concurso Internacional Juvenil Youth Piano Competition de Piano “Cidade do Fundão” "Cidade do Fundão" desde a sua 1.ª edição. since its 1. Edition.

Espetáculo com sotaque de Vera Cruz Texto: Jaime Moreira O nosso querido Coliseu do Porto recebeu no dia 17 de julho, o espetáculo “TEU CORPO É MEU TEXTO”. A casa estava cheia! Um público alegre, desinibido, animado que falava o mesmo português em sotaques diferentes. As espectativas eram altas, não fosse a participação especial de Christiane Torloni, qual superstar brasileira quase tão conhecida por cá como no outro lado do atlântico. A verdade é que não desiludiu por um segundo. Foi um espetáculo aguerrido, sólido e que convidava o espetador a movimentar-se nas cadeiras do início ao fim. Dança

Show with accent Vera Cruz Our dear Oporto Coliseum received July 17th, the show “YOUR BODY IS MY TEXT.” The house was full! A public cheerful, uninhibited, excited that spoke the same portuguese in different accents. contemporânea de belo efeito, salpicada com textos de Eduardo Ruiz, sempre profundos e introspetivos. Com a direção de José Possi Netto, a companhia brasileira Studio Cia. de Dança recebeu no final uma ovação vibrante onde os aplausos não pareciam querer cessar. O Porto gostou, e mostrou ter gostado. A ADM ofereceu bilhetes.


pel'ADM by ADM ORGANIGRAMA

JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45 .. 27

Alice Vieira veio à ADM falar de estrangeirismos e império lusófono Alice Vieira came to ADM to talk about loanwords and lusophone empire

: 8 +

www.ad-multicultural.pt adm@ad-multicultural.pt Associação para o Diálogo Multicultural Av. Vasco da Gama, Bairro das Campinas, Bl. 24 - R/C; 4100-490 Porto

Caráter Jurídico: Instituição Pública sem fins lucrativos. Registo Conservatória: 3/02/2012 Início Atividade: 27/04/2012. Fundadores: André Rubim Rangel, Artur Santos Silva, Luísa Maciel Neiva, Miguel Veiga e Salvato Trigo. Logotipo: Álvaro Siza Vieira. CORPOS GERENTES / ÓRGÃOS SOCIAIS Direção Presidente, André Rubim Rangel; Vice-Presidente, Júlio Cardoso; Secretário, Agostinho Sousa Pinto; Tesoureiro, Manuel da Costa Pinho; Vogal, Jéssica Augusto. Mesa da Assembleia Geral Presidente, Miguel Veiga; 1.º Secretário, Carlos de Brito; 2.º Secretário, Luísa Maciel Neiva. Conselho Fiscal Presidente, Manuel Pizarro; Relator, Paulo de Morais; Vogal, Katty Xiomara. Conselho Geral Presidente, Salvato Trigo (Reitor UFP); 1.º Secretário, Carlos Daniel; 2.º Secretário, M.ª Manuela Lopes-Cardoso. Conselheiros: Alina Dudcó (Presid. Ass. Kalina Imigrantes do Leste), Angelo Arena (Presid. ASCIP), Cônsul (Cs.) António Neto da Silva (Namíbia e Presid. Ass. Amizade Portugal-EUA), Burhan Bey (Dir. Ass. Amizade Luso-Turca), Cs. Arnaldo Nhabinde (Moçambique), Cs. Carlos Machado (Cabo Verde), Cs. Christian Bothmann (Alemanha), Felizardo Bouene (Presid. Ass. Portugal Moçambique), Francisco Carvalho Guerra (Vice-Presid. Ass. Portugal África), Cs. Hennadii Rohovets (Ucrânia), Isabel Babo (Reitora ULP), Joaquim Azevedo (Presid. UCP, Porto), Cs. Jorge Figueiredo (Chile), Cs. José Manuel Pavão (Guiné Bissau), José Manuel Tedim (Vice-Reitor UPT), Cs. Lopo Feijó (Equador), Cs. Luís Gagliardini Graça (Luxembrugo), Manuel Janeira (Pró-Reitor UP), Manuel de Novaes Cabral (Presid. Alliance Frainçase, Porto, e Presid. IVDP), Maria Cláudia Henriques (Presid. Ass. Luso-Africana Pontos nos Is e Presid. FASIP), Maria Manuela Lopes Cardoso (Presid. Ass. África Solidariedade), Nataliya Vaskovska (Presid. Ass. Amizade - Imigrantes do Leste), Cs. Paulo Patrício (São Tomé e Príncipe), Rosário Gambôa (Presid. IPP), Ruth Teixeira (Presid. Ass. Mais Brasil), D. Sifredo Teixeira (Presid. COPIC) e Y Ping Chow (Presid. Liga dos Chineses em Portugal).   ASSOCIADOS Abdul Rehman Mangá, Academia de Bacalhau do Porto, Alice Vieira, André Rubim Marques, António Duarte, António Oliveira, António Mesquita, António Pinto Rubim, Beatriz Guimarães, Christina Margotto, Colégio LusoFrancês, Fernando Ferraz, Ilda Costa, Isabel Alçada, Joana Carneiro, João Mesquita, José Pinto da Costa, Luís Gouveia, Manuela Niza Ribeiro, Maria Botelho, Maria João Santos, Maria Madalena Couto, Maria Odete Guimarães, Matilde Sousa Franco, MIzé Matos, Nadir Afonso, Natália de Almeida, Paula Quelhas, Santa Casa da Misericórdia de Macau, Universidade Sénior Contemporânea, Vítor Monteiro e Todos os Membros dos Órgãos Sociais ADM.   PARCEIROS Abrindarte, ACIRI, Alfândega do Porto, AOSL, Clube Fluvial Portuense, Confeitaria Cunha, Copidouro, Editora Vozes, FNAC, Fundação Eng. António de Almeida, Fundação Pro Dignitate, Gradiva, Gráfica S.Miguel, Hotel Infante de Sagres, Hotel Vila Galé, IVDP, J. F. de Ramalde, Luso Impresso, Maria Papoila Botica, Paulinas Editora, Provir, Restaurante 'O Fernandes', Restaurante Pombeiro, Restaurante Snipe, Teatro Seiva Trupe, Teelook, Unicer S.A. e UFP, U.Porto, CARACTERÍSTICAS NIF: 510061265 NIB: 0010 0000 48069320001 06   CUSTOS Jóia de Inscrição: €10 * | Quota anual: ≥ €50. (*isentos do pagamento da Jóia os assinantes, benfeitores e “beneméritos” do JV antes da criação da ADM).

No âmbito do Ciclo no Feminino 2012/3 da Associação para o Diálogo Multicultural (ADM), a conceituada escritora e jornalista Alice Vieira deslocou-se ao Porto para mais um jantar-tertúlia temático, que a ADM tem proposto, no dia 6 de junho. Fruto das parcerias com a ADM, visitou também a exposição “Comunicar” na Alfândega do Porto e fez uma sessão literária na Fnac de Santa Catarina. Texto: Tiago Arantes | Fotos: Isabel Faria No Restaurante Pombeiro, Alice Vieira abordou alguns temas, entre os quais o uso de estrangeirismos (na língua e na escrita) e da lusofonia. Quanto ao acordo ortográfico não quis abordar esse assunto, mas apenas fez um comentário dizendo que “há coisas muito mais importantes a fazer do que mudar o acordo ortográfico”. Falando da Língua Portuguesa entendeu-se que hoje pouco se fala, simplesmente se acusa a televisão de, graças a ela, não haver diálogo ou mais diálogo entre as pessoas. Na opinião de Alice Vieira a culpa é das pessoas, porque “antigamente as pessoas reuniam-se e conversavam mas agora já ninguém o faz”. A maior parte das pessoas já não almoça em casa e o jantar é feito sempre com a presença da televisão ligada, já não há diálogo com os filhos e, se há, é sobre as notas

Within Cycle in Female 2012/3 of the Association for Multicultural Dialogue (ADM), the renowned writer and journalist Alice Vieira moved to Porto for another dinner-themed get-together, that ADM has proposed, on June 6th. Result of partnerships with ADM, also visited the exhibition “Communicate” in Oporto Customs and made a literary session at Fnac of Santa Catarina.

da escola e nada mais, acrescentou. A convidada, durante o jantar, contou algumas histórias suas e do seu trajeto acerca da diferença de significado da língua. Frisou também que existem muitas bibliotecas boas e já ninguém lá vai, grupos de teatro que estão a fechar porque não há público... Citando uma frase que refere “Quanto mais Regional, mais Internacional”, Alice Vieira afirmou que lhe custa ver pessoas importantes em Portugal, como por

exemplo da política, a falar Inglês em circunstâncias e eventos que se realizam em território nacional. Deste modo, aproveitou-se para recordar todas aquelas pessoas que de facto foram importantes para o país e para a nossa língua e que hoje não são reconhecidas. Para finalizar, e realçando a importância dos livros e dos jornais, foi dito que não se consegue lê-los no computador pois sente-se a falta do tacto e do cheiro, mas quando isto é dito aos jovens eles não entendem e respondem dizendo que é somente papel. E assim terminou o jantar com os devidos agradecimentos e fazendo-se uma breve e pública menção honrosa a duas senhoras presentes, por se tratar este ciclo do feminino e por contribuírem positivamente para estas causas e efeitos do diálogo multicultural. Foram elas: Manuela Niza, do SEF, e M.ª Eduarda Viterbo, do S.D.Migrações.


28 .. JornalVERIS | julho.agosto 2013 | n.45

pel'ADM by ADM BENEFÍCIOS do ASSOCIADO ADM: • Oferta da assinatura anual do JornalVERIS; • Oferta do Cartão ‘ADMais’ (ver tabela lateral); • Descontos nos ingressos dos Eventos ADM +JornalVERIS; • Oferta de bilhetes para programas culturais na cidade do Porto, fruto de campanhas do JornalVERIS; • Oferta de brindes vários, consoante as circunstâncias; • Participação e votação nas Assembleias gerais; • Lembrança e prenda simbólica no dia de anos; • Apoios institucional, social, jurídico e religioso, etc.

Maestra Joana Carneiro não troca Portugal

Joana Carneiro doesn’t exchange Portugal for any other country

O Restaurante Pombeiro, no Porto, voltou a Restaurante Pombeiro, in Porto, returned to ser ponto de encontro do “Ciclo no Feminino”, the meeting point of the "Cycle in Women", organizado pela ADM - Associação para o organized by ADM - Association for Multicultural Diálogo Multicultural e voltou a justificar Dialogue and this cycle again fully justify their plenamente o seu lema: “Jantando com… motto: "Dining with ... Great Women, Great Grandes Mulheres, Grandes Temas”. Desta Themes" . This time, the guest of honor was vez, a convidada de honra foi Joana Carneiro, Joana Carneiro, maestra, and, the musical maestra, e diretora musical da Berkeley director of the Berkeley Symphony, in USA. Symphony, nos EUA.

Texto: Renato Ferreira | Foto: Maria José Matos

O jantar-tertúlia do dia 22 de julho voltou a contar com uma convidada super-especial. Desta vez, Joana Carneiro, maestra, doutorada pela Universidade de Michigan e, desde 2009, diretora musical da Sinfónica de Berkeley. Depois do jantar, Joana Carneiro presenteou todos com uma intervenção que teve como guia o tema: “Diálogo migratório: emigrantes vs imigrantes,

minorias étnicas, fronteiras e legalização”. Começou dizer que se sentia muito bem ao ter sido apresentada, por André Rubim Rangel, como sobrinha de Adelino Amaro da Costa, fazendo notar que, noutros eventos, isso nunca tinha acontecido, principalmente em tempos difíceis como os que o nosso país vive hoje. Depois, passando ao tema da tertúlia, afirmou que “se as fronteiras estivessem fechadas, eu não seria quem sou hoje…”. Desde que, em 1999, decidiu ir para

os EUA, até hoje, conseguiu três vistos naquele país. O primeiro chamava-se F1 e dava-lhe o direito de estudar, mas não de trabalhar; depois, conseguiu o H1B1 - que lhe permitia trabalhar numa só instituição e que a obrigava a pagar impostos (segundo Joana Carneiro, menos que em Portugal) -, até que, finalmente, obteve o O1, que tem até hoje, e que lhe permite trabalhar em qualquer orquestra dos EUA. Para se conseguir este visto, é necessário o estatuto de “outstanding”, provando que poderá dar ao país (EUA) algo que os americanos não conseguem dar - o que Joana Carneiro conseguiu. Apesar disto, não pode votar naquele

país. Embora Joana Carneiro diga que mora em Lisboa, como resultado da sua emigração a maestra diz que “o sonho realizou-se”, ao alcançar plenamente o que tinha almejado quando foi para os Estados Unidos. Segundo ela, isso deveu-se ao facto daquele país “ser, efectivamente, um país de igualdade de oportunidades, onde pessoas com percursos muito distintos podem conseguir atingir, com trabalho, os seus objetivos”. Apesar do seu sucesso fora de portas, Joana Carneiro disse que “não trocaria o meu país - Portugal - por nenhum país”, até porque “não faz sentido viver fora de Portugal”, isto porque, segundo a maestra, “o

marido vive cá, os pais vivem cá e os amigos também…”. Para além disso, sublinhou o carinho do público português em relação ao seu trabalho e resultados do mesmo. Para finalizar esta sua intervenção, Joana Carneiro confidenciou que conhece americanos que afirmam que "nós, portugueses, não apreciamos verdadeiramente o que temos: o clima, o afeto, a cultura e, principalmente, a segurança". Os presentes neste jantartertúlia ficaram também a saber que a maestra passou a ler mais autores portugueses desde que "foi para fora”, sendo José Saramago, provavelmente, o seu escritor preferido.

Veris, nº45  

JornalVERIS orgão informativo da Associação para o Diálogo e Multiculturalidade

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you