Page 1

www.revistaversa.com.br

Negócios Cresce o número de jovens empreendedores no Brasil.

Você na Versa Baile das Mimosas: Confira as fotos de mais um evento de sucesso!

Edição 20 Ano 3 Abr/Mai 2013

Hacker Perca o pré-conceito de que eles fazem o mal.

Saúde Iphone x Android: qual você prefere?

Ansiedade: indícios de uma crise de nervos.

NATÁLIA CASASSOLA A gaúcha de Passo Fundo que não abre mão de dizer o que pensa. ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE

1


2 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013


ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE

3


34. Personalidade.

Natália Casassola

A ex BBB gaúcha de Passo Fundo, em uma entrevista exclusiva para a Versa.

30.

DIREITO Balcão do Consumidor de Passo Fundo é referência em todo o Rio Grande do Sul.

HISTÓRIA.

54. 56.

MODA.

Luxo:

Academia Passo-Fundense de Letras 75 anos de muita cultura.

28.

ARTIGO.

Iniciação sexual: existe uma idade ideal?

44.

CURIOSIDADE.

Dia das mães:

como e por que surgiu.

4 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

74. FEELING.

Filósofo Gilles Lipovetsky debate o mercado de luxo em Porto Alegre

VOCÊ NA VERSA.

Baile das Mimosas

A Versa esteve presente e registrou a criatividade e irreverencia desta festa.

80.

Balada Segura: confira opiniões de leitores


VERSA MAGAZINE

®

EDIÇÃO #20 ABR + MAI 2013

10..

62.

Charlotte de Capuccino Uma receita para deixar o dia das mães ainda mais especial.

Negócios: Jovens no Comando:

Cresce o número de empreendedores com menos de 30 anos no Brasil.

08. 64.

MODA. Outono/inverno 2013

tendências e fashionismo no auge da temporada.

tendências para a estação mais charmosa do ano.

68.

SAÚDE. Ansiedade:

CURIOSIDADE. As belas e as feras de Passo Fundo.

indícios de uma “crise de nervos”.

46. E ainda...

14.

TENDÊNCIAS. Jóias:

DECORAÇÃO. Degraus na moda

As escadas também podem dar um toque de criatividade aos ambientes.

12. Mundo Digital. Hackers: perca o pré-conceito de que eles só fazem o mal. 16. Ambiente. Espaços hospitalares em harmonia com a recuperação de pacientes 20. Pet. A obesidade pode causar sérios riscos à saúde do seu animalzinho. 24. Saúde. Vacina contra a gripe ainda tem muitos aspectos a serem explicados. 26. Saúde. Os olhos vermelhos não podem passar despercebidos. 50. Nutrição. Parceira das dietas, deve ser o prato mais apetitoso da refeição. 70. História Um livro de pesquisa, denúncia e reflexão sobre a posição da mulher na sociedade.

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE

5


EDITORIAL

Expediente da edição #20 Abr + Mai 13 DIRETORA Fabiana Lima EDITORA Taís Rizzotto COMERCIAL Liliane Catto Nilva Iorczeski DIAGRAMAÇÃO Paulo Lima Filho Christian Forcelini

“Gaúcha lá de Passo Fundo” Ser de Passo Fundo é mais do que a mera informação da naturalidade de uma pessoa. É uma certificação do gauchismo. Há quem não simpatize com toda essa referência gaúcha, mas é assim mesmo. No sotaque de Luis Felipe Scolari, de Gustavo Endres e de Ari Pargendler, os “erres” tem mais força. Até os que não são do passinho adotam essa cidade. O melhor exemplo é o do músico Teixeirinha. O sotaque de Natália Casassola nem precisaria falar né?! A gaúcha de Passo Fundo mostrou que mesmo com o passar dos anos e com a mudança da residência para Santa Catarina, o sotaque é o mesmo. Essa talvez tenha sido a única coisa que permaneceu igual em Natália. A jovem mostrou que a maturidade bateu a sua porta. Sem perder o jeito bem espontâneo, Natália também se apresentou uma dona de casa eficiente. Quer saber mais? Leia a entrevista nas páginas centrais dessa edição. Mas bah!

Taís Rizzotto e Fabiana Lima

Nossas últimas capas

CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA Christian Forcelini Paulo Lima Filho Stéfany Koeche JORNALISTAS Taís Rizzotto Tainara Scalco JORNALISTA RESPONSÁVEL Taís Rizzotto // MTB 11.842 taisrizzotto@revistaversa.com.br FOTOGRAFIA CAPA Adalberto Rodrigues FOTOGRAFIA GUI BENCK REVISÃO Ironi Andrade REDAÇÃO redacao@revistaversa.com.br fone: 54 3601 0100 PUBLICAÇÃO

A revista VERSA MAGAZINE é uma publicação da Brasil Sul Editora Ltda.

CNPJ - 11.962.449/0001-57 Rua Bento Gonçalves, 50 sala 902 Centro - Passo Fundo EMPRESA DO GRUPO

Passo Fundo/RS // fone: 54 3601 0100

Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores. É proibida a reprodução completa ou parcial do conteúdo desta publicação sem a prévia autorização da Brasil Sul Editora Ltda. Somente as pessoas que constam neste expediente são autorizadas a falar em nome da revista.

Departamento Comercial comercial@estrategia.art.br

www.revistaversa.com.br www.estrategia.art.br 6 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013


Outono Inverno 2013

C H E R O Y - K A N D I N S K Y - M P K - D U C AT O - A M I S S I M A - A H A - L A N E Z Rua Moron, 1420. Centro.

Passo Fundo/RS

(54)+ 3313 1392EDIÇÃO #20 ABR MAI 2013

[+]

VERSA MAGAZINE

7


SAÚDE

Nervos à flor da pele Sintomas comuns do dia a dia podem ser indícios de que você está prestes a passar por uma crise de ansiedade. Que a rotina está cada vez mais atribulada, isso não é novidade. Casa, filhos, trabalho, estudo e apenas 24 horas para dar conta de uma lista quase infinita de tarefas. Em meio a um verdadeiro conflito, o corpo se manifesta. Então, é hora de colocar o pé no freio e procurar ajuda. Tainara Scalco

tainara@revistaversa.com.br

O

tipo, a diversidade e a frequência dos sintomas variam de pessoa para pessoa. As diferentes manifestações, em muitos casos, podem suscitar dúvidas sobre o que é ansiedade e o que é depressão. Contudo, os indícios desta são mais comportamentais e podem até incluir os sintomas daquela. A lista de manifestações que podem significar ansiedade é imensa, mas algumas são mais comuns. Procuramos, aqui, elencar as mais frequentes. Vale lembrar que a busca por um profissional deve ser imediata se os sintomas persistirem. - Aumento de alergias: em número, sensibilidade e reação. O ansioso poderá notar que as suas alergias pioraram, que é alérgico a mais substâncias; - Dores nas costas, rigidez, inflamações, espasmos, imobilidade: um ou mais músculos podem ser afetados. Esses sintomas são similares aos sintomas de estresse;

8 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

- Palidez, falta de cor, enrubescimento: quem sofre de ansiedade poderá parecer doente ou ter o rosto, o pescoço e os braços avermelhados, sentir calor e tremores; - Tremores: sintoma pode afetar todo o corpo ou só uma parte do corpo e acontecer apenas uma vez ou repetidamente; - Dores no peito: dor, pressão, pontadas, dormência. Podem localizar-se numa determinada área ou espalhar-se por todo o peito. Podem ser esporádicas ou persistentes e são usualmente confundidas com sinais de ataque de coração;Necessidade de açúcar, doces, ou chocolate; - Dificuldade para falar e para andar: poderá experimentar dificuldade para andar, para falar, para pronunciar palavras, sílabas, ou vogais, para mexer a boca, os lábios ou a língua. Em algumas pessoas, esses sintomas são esporádicos; noutras, são persistentes; - Excesso de energia: poderá sentir-se com muita energia, como se tivesse que correr ou fazer qualquer coisa para gastar a sua energia.; - Frio; - Palpitações: sintoma pode aparecer acompanhado de falta de ar.; - Dormência e formigamento, perda de sensibilidade; - Necessidade frequente de urinar; - Dificuldade para respirar; - Tonturas: sintoma pode vir acompanhado da sensação de que irá desmaiar; - Despersonalização: poderá sentir-se surreal, resultante de um sonho, absorto da realidade. Poderá sentir que não faz parte do mundo, apenas o observa, e poderá questionar a sua sanidade mental; - Engasgue; - Náuseas: é frequente a sensação de dores de estômago, acompanhadas de vontade de vomitar;


Medos Medo de morrer O ansioso pode sentir que que a sua doença está em fase terminal. Acredita que as dores que sente no peito são sinais de ataques cardíacos ou que as dores de cabeça são sinal de um tumor ou aneurisma. Sente um intenso medo de morrer, pensa na morte mais do que é normal;Medo de perder o controle Numa multidão ou num grupo, sente que irá fazer algo embaraçante como desmaiar, vomitar, engasgar-se, gaguejar etc. Parece não conseguir controlar o seu corpo ou aquilo que diz. Apesar de realmente não perder o controle, o seu medo persiste e leva a ataques de pânico.

A lista de manifestações que podem significar ansiedade é imensa, mas algumas são mais comuns.

Medo de um perigo iminente Sente que algo extremamente mau irá acontecer, mas não está certo do que se trata. Poderá também pensar que o seu mundo irá acabar. Medo de ficar louco De repente, assalta-o um enorme medo de perder a sanidade. Poderá acreditar que não consegue se lembrar de coisas tão facilmente quanto antes. Por vezes, isso é acompanhado de um intenso medo de ter um esgotamento nervoso. Também poderá ter períodos de pensamentos «malucos» que o assustam, pensamentos esses que são incontroláveis e intermitentes.

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE

9


NEGÓCIOS

Jovens no comando

Cresce o número de empreendedores com menos de 30 anos no Brasil.

O empreendedorismo, o trabalho por conta própria, a capacidade de gerar o próprio negócio, os próprios recursos e contribuir para a sociedade de forma mais pessoal é um modelo de inserção social e econômica que tem-se destacado neste século.

Tainara Scalco

tainara@revistaversa.com.br

V

inte e dois colaboradores, duas lojas e uma infinidade de decisões a serem tomadas diariamente. Essa é a rotina de Gilmar Tauffer Júnior, de 28 anos, de Passo Fundo. Um dos negócios começou pelas mãos do pai, que também investiu no empreendedorismo há duas décadas. O gosto passou de geração e engrossou as estatísticas da Global Entrepreneurship Monitor (GEM), pesquisa que coloca o brasileiro na terceira colocação entre os mais empreendedores do mundo. O estudo ainda aponta alguns dos motivos dessa explosão empreendedora em países como o Brasil. Em territórios onde o nível de distribuição de renda é baixo, o jovem é obrigado a entrar cedo no mercado de trabalho para aumentar a renda familiar. Nesses locais, há predominância do jovem empreendedor. Além disso, eles veem na oportunidade uma forma de ascensão rápida. Esse jovem empreendedor por oportunidade, por outro lado, diferencia-se por dispor de uma renda

10 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013


maior (36% até três salários mínimos; 34% de três a seis salários) e uma escolaridade maior, sendo que 25% estão cursando ou já terminaram o nível superior, conforme a pesquisa. Em geral, iniciam seus negócios com atividades mais especializadas, por conta de um nível maior de qualificação e renda. Com um mercado cada vez mais efêmero, as mentes jovens ganham destaque quando o assunto é inovação. Muitas mudanças acontecem graças a essas perspectivas. “Os startups, empresas que surgem de ideias empreendedoras, são um exemplo. Geralmente, esse modelo busca custos iniciais baixos que refletem nos lucros maiores,” argumenta Tauffer Júnior. Se por um lado a mente jovem borbulha com ideias novas, por outro, precisa lidar com constantes desafios. E eles são inúmeros. “Toda empresa convive com novas situações que precisam ser contornadas com desenvoltura. No meu caso, por se tratar de uma empresa familiar, o desafio é

Nunca houve tantos recursos disponíveis para começar um projeto e seguir com o seu desenvolvimento,” Gilmar Tauffer Júnior, presidente da CDL Jovem de Passo Fundo. por atrapalhar o desempenho e o resultado esperado. ainda maior pela necessidade de se chegar a um consenso de ideias,” completa o empreendedor. Em Passo Fundo, segundo dados da Câmara de Dirigentes Lojistas, 73 empresários estão cadastrados no setor Jovem da CDL. Gilmar, o nosso entrevistado, divide o comando das lojas com a presidência do setor. Com o aquecimento do comércio ano após ano, a expectativa é de angariar mais empreendedores para a área em 2013. E oportunidades não faltam. Prova disso são os benefícios concedidos por bancos para jovens que desejam se aventurar com o próprio negócio. “Nunca houve tantos recursos disponíveis para começar um projeto e seguir com o seu desenvolvimento”, argumenta Tauffer. Com a faca e o queijo na mão, basta somente boa vontade para colher bons frutos.

Ideias de negócios para jovens Desenvolvimento web A melhor parte do desenvolvimento web é que, ao contrário de ser médico ou advogado, qualquer pessoa pode aprender com a leitura de um livro, em vez de ter que pagar um curso universitário caro, que custa um pequena fortuna. Além disso, se você tiver talento, poderá ser contratado para trabalhar numa boa empresa e chegar a ganhar entre 20 a 100 euros por hora para criar sites e blogs. Marketing online Os jovens são os maiores conhecedores de tecnologia e também podem usar os seus conhecimentos de Facebook e Twitter para ajudar as empresas locais a chegar a potenciais compradores. As pessoas com mais experiência nessa área chegam a cobrar mais para ajudar as empresas a otimizar o seu sucesso e a alcançar mais utilizadores. A remuneração por hora varia de acordo com o aumento de vendas, resultado dos esforços de marketing e qualidade do marketeer. E-commerce  Hoje em dia tudo se vende através da Internet, desde artigos de joia e moda, até programas de PC, computadores, carros e motos. Com a popularidade de sites como o eBay e o Amazon a .... ? cresce, é muito mais fácil vender e comprar artigos. Ao mesmo tempo, também existem oportunidades para ganhar dinheiro extra ao vender coisas dos seus amigos ou fazer negócios on line. Reparação de computadores  A maior parte das pessoas na sua cidade possui computador e, como acontece com os carros, é preciso de um técnico de tempos em tempos para fazer a reparação do computador para eliminar os problemas do Windows, instalar o antivírus ou outro programa importante. Ser freelancer Com a Internet a tornar tudo mais fácil, muitas empresas contratam profissionais em regime freelancer para poupar dinheiro e encontrar trabalhadores experientes. Se você é um guru ou quase numa área específica, então é boa ideia trabalhar como freelancer e ganhar algum dinheiro ao fornecer serviços na sua área profissional favorita.

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 11


MUNDO DIGITAL

Hacker: a cultura do bem Inovadores e revolucionários, os hackeres contribuem para o desenvolvimento da sociedade em rede. Tainara Scalco

tainara@revistaversa.com.br

Colaboração, conhecimento e liberdade. Um equívoco coloca em xeque esses três pilares quando o assunto é hacker. Para o senso comum, os hackers são como piratas na web, responsáveis por acessar informações de computadores sem autorização. Mas, na verdade, quem faz isso são os crackers, indivíduos que praticam a quebra (ou cracking) de um sistema de segurança, de forma ilegal ou antiética.

12 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

A

s fotos que deram o que falar também serviram de impulso para a criação de uma lei. Desde o dia 2 de abril são consideradas infrações uma série de condutas no ambiente digital, principalmente, em relação à invasão de computadores. Apelidada de “Lei Carolina Dieckmann”, a atriz que teve fotos pessoais divulgadas sem autorização, a nova lei classifica como crime casos como esse, nos quais há intenção de obter, de adulterar ou de destruir dados ou informações. Esses fatos já se tornaram comuns no ambiente digital. Porém, na maioria das vezes, a autoria ainda continua mal


No filme “V for Vendetta”, Hugo Weaving interpreta V, um anarquista, porém carismático, defensor da liberdade.

O movimento hacker tem a ver com a busca de alternativas para melhorar a vida das pessoas. Adriano Canabarro Teixeira, doutor em Informática na Educação e professor da UPF.

esclarecida, tanto por motivos judiciais quanto por nomenclatura. Quem pratica esse tipo de crime são os crackers. O movimento tem outros objetivos, os quais são amparados em regras de conduta moral. “O movimento hacker tem a ver com a busca de alternativas para melhorar a vida das pessoas. Utiliza-se de um conhecimento específico para trazer à tona situações em que a ética não está presente, com a criação de situação de pressão contra atitudes absolutistas e que ferem a liberdade dos indivíduos,” salienta o doutor em Informática na Educação e professor da Universidade de Passo Fundo Adriano Canabarro Teixeira.

A intensa comunicação entre as pessoas leva ao aperfeiçoamento desse sistema. Manuel Castells, sociólogo espanhol autor de diversos estudos sobre sociedade em rede, chama a atenção para a forma como o trabalho dos hackers é feita em países da América Latina e na Rússia. A falta de recursos faz com que as pessoas criativas inventem suas próprias soluções, permanecendo a cultura de reinventar maneiras de se comunicar com computadores e por meio deles construir um sistema simbiótico de pessoas em interação com a internet, a qual proporciona a criação de comunidades virtuais. Não existe fórmula para se tornar um

hacker, mas, sim, características passíveis de desenvolvimento e ampliação. “O hacker busca novas formas de fazer as coisas, inova em sua vida e na maneira de atuar na sociedade. Não se contenta com regras pré-estabelecidas e busca a liberdade de expressão e de estar no mundo,” completa Teixeira. Não é à toa que a cultura hacker é considerada a saída para uma sociedade mais passiva e criativa. Para o professor Adriano, em um mundo de abundância de informações e oportunidades, as competências e habilidades se tornarão fatores de desempate. Em outras palavras, é preciso ser hacker!

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 13


TENDÊNCIAS

Porta-joias

na moda Ouro e diamante são tendências em joias para a estação mais charmosa do ano. Belezas que vêm da natureza e que o homem aperfeiçoa para

a fascinação dos apaixonados por joias, elas deixaram de

ser um simples acessório para

protagonizar o look de muitas mulheres. Hoje, ouro e pedras trabalhados em diferentes formas agradam os mais diferentes olhares.

14 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

Tainara Scalco

tainara@revistaversa.com.br

A

mistura do ouro com outros metais o torna mais durável. Porém, essa fusão não pode ser aleatória. Existe um padrão estabelecido para não danificar o metal precioso. O que define a cor do ouro são as diferentes misturas com a liga. (ver box) O ouro nunca perde a beleza e o valor, independentemente da cor e da forma. Não é à toa que se torna herança de momento especiais. Na estação mais charmosa do ano, ele também é tendência. Mas não é só isso. O “invencível” e “indomável” diamante também ganha destaque. Constituído essencialmente por carbono, ele é o mineral mais duro da terra. Possui diversas cores, cada qual com seu significado. A mais popular entre os adoradores é a forma incolor, mas pode variar desde a amarela, passando pela castanha, pela verde, pela rosa, pela vermelha, até a cinzenta, a negra e a azul. Em termos de pedra, o diamente é a mais valiosa. Pela sua dureza, é a pedra que mais irradia luz. O ponto máximo de equilíbrio dos reflexos é atingido em 58 facetas, quando atinge o mais exuberante brilho que uma pedra preciosa rara pode oferecer. Para manter o diamante perfeito, deve-se atentar para alguns pontos. Exposto ao calor, por exemplo, ele começa a vaporizar sob atmosfera rica em oxigênio. O diamante é símbolo de força, transforma energias negativas em positivas, e é, sem dúvida, uma das gemas que mais oferece propriedades de cura e tranquilidade. Esmeralda e rubi são outras pedras que merecem destaque. As rachaduras semelhantes a fios dourados valorizam

a esmeralda. Em 2013, essa gema traz um forte impacto na moda pela cor esbelta que denota sofisticação, beleza e luxo. A esmeralda promete renovação e mudanças positivas para quem optar por usá-la. O rubi nos remete a uma cultura impressionante, exótica e distante. De cor marcante, o rubi possui tons de vermelho que se destacam com aparência de púrpura e o carmim, também conhecido como ‘sangue de pomba’. A pedra pura e transparente tem valor superior ao brilhante. A cor do rubi impõe firmeza e decisão, também trazendo paz interior. Agora, é só escolher a pedra que melhor combina com o seu estilo e incrementar o seu visual. Amarelo

ouro puro + prata + cobre

Vermelho

ouro puro + cobre

Branco

ouro puro + níquel + paládio

Rosa

ouro puro + prata + cobre

Azul

ouro puro + prata + zinco

Verde

ouro puro + prata + zinco

Negro

ouro puro + níquel + zinco


ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 15


SAÚDE

Espaços

hospitalares

em harmonia Ambientes bem planejados afastam a frieza do hospital e ajudam na recuperação de pacientes. 16 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013


Tainara Scalco

São muitos os desafios dos profissionais da área da saúde. A busca pelo tratamento mais eficaz, pelo controle de epidemias, pela melhor orientação para pacientes que se encontram em momentos delicados de suas vidas. Em torno desses aspectos surge uma questão que, em muitos casos, parece irrisória: como é o ambiente onde o paciente é tratado?

tainara@revistaversa.com.br

T

raduzir os corredores de uma instituição hospitalar é uma tarefa tão delicada quanto compreender a amplitude dos caminhos da Biblioteca de Babel. Nestes, as sombras de histórias contornam desenhos no chão; naqueles, a convergência de estímulos e contextos constrói um clima de superação. Frio, medo, tristeza. Essa tríade vem à cabeça de muitos quando o assunto é hospital. Geralmente, são as doenças que levam as pessoas à internação. As intervenções estéticas, por mais que cresçam exponencialmente, figuram em menor número. E é em meio a esse contexto que o ambiente onde o paciente é recebido tem se tornado pauta de diversas discussões. Pesquisas apontam que o espaço onde acontece o tratamento influencia na recuperação, podendo até reduzir custos, considerando a possibilidade de diminuição do tempo de assistência e, consequentemente, a redução do uso de medicamentos. Quando é perceptível ao paciente que ele está sendo acolhido em um lugar

em que os espaços são planejados para proporcionar seu bem-estar, os fatores responsáveis pelo estresse são minimizados. “O clima fica até mais leve, não é casa da gente, mas dá para se sentir acolhida.” Internada no Hospital da Cidade para uma cirurgia no coração, Loureci Bonaldi Sgarbi conta como um ambiente harmonioso pode fazer a diferença no tratamento. Os sentimentos de paz, conforto e alívio incidem na motivação pela expectativa de alta o mais brevemente possível. Prestes a completar um século de serviços prestados à comunidade, o Hospital da Cidade, uma das instituições de referência em Passo Fundo, pensou no espaço físico das novas alas de modo a unir questões técnicas, funcionais e de percepção. No hall de entrada, uma antessala com computador, poltronas confortáveis e jornais abriga acompanhantes e dá o tom do restante dos corredores. Nos quartos, cores e mobiliários arquitetados com o objetivo de equilibrar o ambiente e garantir segurança aos usuários. Para a enfermeira chefe,

O clima fica até mais leve, não é casa da gente, mas dá para se sentir acolhida.

Cores e mobiliários arquitetados com o objetivo de equilibrar o ambiente garantem segurança aos usuários.

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 17


Projeto Hospital da Cidade Autoria do Projeto: Arq. Maria Aldina Nobre Arq. Nino Roberto Schleder Machado percebidos pelos elementos sensoriais, que são influenciados pela mente, pelo cérebro e pelo sistema nervoso. Uma luz artificial em um ambiente monótono, comum em muitos hospitais, remete a um lugar emocionalmente desgastante, favoreMarisa Barreto Carreta, um local bem cendo a tensão e o estresse. Por isso, é projetado garante mais autonomia aos importante que o ambiente não seja pacientes, auxilia no controle de infecções neutro, mas, sim, estimulante. além de ajudar a minimizar erros. “A A Agência Nacional de Vigilância campainha de emergência em todos os Sanitária (ANVISA) dispõe de um reguquartos, por exemplo, dá uma tranquili- lamento em vigor desde 2002 que dispõe dade maior em relação ao bem-estar do sobre projetos físicos de estabelecimentos paciente,” completa. assistenciais de saúde. É uma resolução que tem força de lei e deve ser atendida para que o O espaço do HC destinado ao Sistema Único projeto cumpra com normas de de Saúde também recebeu reformas adequadas às segurança, salubridade e instalanormas de segurança, piso e enxoval novos, tudo ções prediais. Mas, vale lembrar, pensado para garantir acessibilidade e conforto de nada adianta ter um excelente a todos os usuários do SUS. Uma vez por semana espaço físico se a equipe de tratatodos os pacientes do hospital têm a oportunidade mento deixa a desejar. É preciso de acompanhar uma sessão de cinema. Um pouco aliar um ambiente harmonioso de distração em momentos tão delicados. a técnicas de apoio à família e de Pesquisadores do instituto americano total empenho em prol da recuperação. Center of Health Design revelam que os Afinal, vale a pena apostar em todas as aspectos do ambiente físico (cor, vistas, alternativas. luz, espaços sociais e sinalização) são

18 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

O equacionamento correto das necessidades espaciais, os dimensionamentos, o estudo dos fluxos, os custos, as condições ambientais e tecnológicas nos levaram a criar ambientes sustentáveis. Levamos em conta que projetar sustentavelmente um estabelecimento assistencial de saúde significa criar espaços ambientalmente saudáveis, viáveis economicamente, considerando suas dimensões sociais, ambientais e tecnológicas. Consideramos como fundamental que o projeto arquitetônico contemplasse, além das soluções funcionalmente corretas, a humanização, mediante ambientes que estimulassem o processo da cura. Tivemos em mente que as pessoas, ao adentrarem um Hospital, buscam não só o atendimento rápido, prestativo e caloroso, mas, também, a estrutura física agradável e humana. O clima pesado dos ambientes cedeu espaço a ambientes claros e amenos, transmitindo confiança e tranquilidade aos usuários.

Os espaços

Foram determinados por meio de um programa de necessidades, no qual procuramos envolver os usuários conhecedores dos procedimentos e dos equipamentos adotados. Isso nos levou à identificação das expectativas dos diferentes grupos de público-alvo e a forma de viabilizar o processo.


ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 19


PETTICHE

balança

Em dia com a

A obesidade pode causar sérios riscos à saúde do seu pet. Fica difícil resistir a carinhas quase sempre famintas. Se for em horários de refeição, nem se fala. Mas, nem sempre agradar o seu bichinho de estimação com mimos na alimentação é sinônimo de amor. Isso porque a obesidade pode levar à morte do bichinho.

20 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

Tainara Scalco

tainara@revistaversa.com.br

O

ganho de peso acontece, principalmente, por causa da diferença entre a quantidade de calorias consumidas e de calorias gastas. Se o animal alimenta-se bem mas não gasta energia, ele vai ficar “gordinho”. Fofuras à parte, esse excesso pode desencadear diversas doenças. Diabetes, câncer, doenças de pele, problemas cardiovasculares, articulares e respiratórios são alguns exemplos, sem contar a queda da expectativa de vida. Segundo especialistas, os restos de comidas são os principais causadores da gordura excessiva dos bichinhos. Logo, balancear a alimentação é o primeiro passo para colocar o seu pet na medida certa. Outras atitudes também são importante na dieta. Então, não hesite: insira na sua rotina alguns cuidados com o seu amiguinho. Opte por boas rações: a melhor alimentação é a ração de boa qualidade, com proteínas, vitaminas e minerais

balanceados. A quantidade deve variar de acordo com a raça e o tamanho do animal. No mercado, há rações para todas as idades e até para animais obesos, as dietéticas. Na medida certa: não deixe o pote com ração à disposição. Quando o alimento está ao alcance, os bichos comem mais. O animal precisa aprender a comer na medida e nos intervalos corretos. Assim você estimula que ele consuma tudo de uma vez, não deixando que o alimento estrague. Também evite comer perto do animal e mantenha-o longe de você na hora das suas refeições. E, mesmo que o bicho peça, não dê a ele o que você come. Exercício: sim, os animais também precisam dele! Leve seu amigão para passear com frequência e incentive-o a correr. Quando estiver em casa, estimule-o a brincar, jogando bolinhas, por exemplo, ou chamando-o para que ele se movimente por alguns minutos. A reversão do quadro de obesidade depende da resposta do animal e, claro, da colaboração do dono.


Fique atento Não dê ao seu cão ou gato bolachas, pães e guloseimas. Esteja atento à aparência do seu bichinho. Se perceber que está gordinho, procure orientação de um veterinário.

Passear com o seu pet ajuda a previnir (e até reverter) um quadro de obesidade.

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 21


ARTIGO

Religião:

A

Psicanálise e a fé religiosa, no decorrer da história, convivem em meio a tensões. Repetidas vezes evidenciaram-se posições de subordinação uma à outra, ou, então, de exclusão como medida de escape ao ingresso em um território difícil – onde o embate é inevitável. Porém, apesar da conjunção perigosa, os temas essenciais a ambas coincidem em parte no campo em que atuam. Incluem o alívio e o lenimento para o sofrimento do homem e, também, têm no encontro fundante com o Outro a pedra angular de seu exercício pragmático. Esse conflito, certamente, é resultado de diversas razões ideológicas e institucionais. Sigmund Freud,fundador da Psicanálise, afirmou que as ideias religiosas não são nascidas da experiência, assim como não são efeito do pensamento. Seriam ilusões – referindo a sua natureza psicológica e não o sentido de ser irrealista ou de estar em contradição com a realidade (teor de verdade). O teórico aplica ao fenômeno da religião o modelo da realização de desejos descoberto com base nos sonhos e na sintomatologia neurótica. Mas, que ilusões, que desejos são esses? E de que forma se satisfazem por meio do desenvolvimento da fé? São os desejos mais antigos, profundos e prementes da humanidade! Os desejos do homem como ser infantil e desamparado – diante da percepção de seus limites –, que busca encontrar proteção frente aos perigos; o desejo de que exista justiça na pautação das renúncias no convívio social e, principalmente, de que não haja finitude na vida. A crença vem a suprir tais desejos.

22 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

que diferença faz em sua vida?

Na obra O Futuro de uma Ilusão, de 1927, Freud definiu as ideias religiosas como resíduos da relação “pai e filho” que não foram inteiramente superados. Ou seja, o pai natural (figura que desempenha a função), protagonista da garantia de segurança à criança, abre passagem a um

A religião serve de auxílio para gerirmos as perdas e impossibilidades inerentes à vida. ser maior, todo poderoso, quando não se pode mais desfrutar de tal proteção antes providenciada por esse outro e também quando não há, em si próprio, recursos internos suficientes para lidar com as frustrações, em razão de uma fragilidade egoica. Tendo como norte esse entendimento, podemos dizer que a ontogênese do indivíduo humano é uma cópia da filogênese da espécie humana. A religião coloca-se como resposta à demanda de nos defendermos contra os grandes poderes da natureza e do destino. Serve de auxílio para gerirmos as perdas e impossibilidades inerentes à vida. Mas, de que forma? À medida que, na sua vulnerabilidade e desamparo, o indivíduo tenta entrar em contato com esses poderes e lhes atribui traços paternos. A fala do velho fazendeiro Riboaldo, personagem de Guimarães Rosa, no romance Grande

Sertão: Veredas, ilustra como a religião preenche a necessidade de proteção, confiança, instrução e autoridade do ser humano:“Como não ter Deus? Com Deus existindo tudo dá esperança; sempre um milagre é possível, o mundo se resolve. Mas, se não tem Deus, há-de a gente perdidos no vai-vem, e a vida é burra. É aberto perigo das grandes e pequenas horas, não se podendo facilitar... Tendo Deus é menos grave se descuidar um pouquinho, pois no fim dá certo. Mas, se não tem Deus, então a gente não tem licença de coisa nenhuma...”. Não precisamos parar de crer depois de descobrirmos a neurose encravada em nossas crenças, pois, nesse sentido, a religião não se diferencia muito da Ciência ou da Arte, por exemplo. Todas elas podem servir como substitutos inconscientes de Deus e como defesa ao sentimento de desproteção, impotência e incompletude. Podemos, em vez disso, aceitar nossa humanidade e nos lançarmos em um processo de análise, a fim de entendermos nosso histórico vivencial e nos instrumentarmos internamente para lidar com nossas aquisições e falhas de uma forma menos custosa.

Camila Luvisa Psicóloga e Psicanalista em formação pela Constructo/POA


Luminosidade Proteção UV Eficiência energética Absorção acústica

Cortina Duette Rua Independência, 360 Centro - Passo Fundo/RS 54 3311.4800 *LOJA COM ESTACIONAMENTO PRIVATIVO

windowshow@casadaspersianaspf.com.br

www.windowshow.com.br

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 23


SAÚDE

Agulha sem mitos Vacina contra a gripe ainda tem muitos aspectos a serem explicados. Tainara Scalco

Desde 1999 o Brasil conta com uma campanha nacional de vacinação contra a gripe. As doses são disponibilizadas em mais de 60 mil postos de saúde espalhados pelo país e protegem a população contra a gripe comum e também contra o vírus influenza AH1N1, causador daquela que ficou conhecida como gripe suína.

24 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

tainara@revistaversa.com.br

A

campanha é destinada às pessoas com mais de 60 anos, às crianças de seis meses a dois anos incompletos, às grávidas em qualquer período de gestação, aos indígenas e aos profissionais da saúde. A meta do Ministério da Saúde para este ano é imunizar cerca de 25 milhões de pessoas, o equivalente a 80% do público-alvo. Quem não se enquadra em algum desses grupos tem a opção de adquirir a vacina em clínicas particulares. Mas, de nada adianta a ciência fazer a parte dela se muitas pessoas ainda têm medo da vacinação. E não são apenas as crianças. A maioria alega que a dose provoca uma gripe mais forte do que se não tivesse sido tomada ou que pode trazer outros tipos de reação. Para desmistificar alguns desses aspectos, a Revista Versa conversou com o Dr. Wilson Vieira Marques, pediatra e sócio de uma clínica de vacinas em Passo Fundo.


Versa – Por que as pessoas alérgicas a ovo não podem tomar a vacina? Dr. Wilson – A vacina é feita com embriões de galinha. Os vírus que mais circularam no inverno passado são fracionados, ou seja, mortos e divididos em partes, e cultuados nesses embriões. Como a albumina dos ovos, que tem um grande peso molecular, está nos embriões, pode acontecer de ficarem alguns resquícios nas vacinas. Por isso, não é aconselhável a vacinação para quem tem alergia manifesta a ovo.

Estudos mostram que a proteção em crianças e em idosos pode ser de 70 a 90%. Já adultos saudáveis podem ultrapassar os 95%.

Versa – Quem estiver gripado e tomar a vacina pode potencializar a doença? Dr. Wilson – Isso é mito. Primeiro, precisamos diferenciar gripe, resfriado e rinite alérgica. Congestão nasal, coriza, febre alta e congestão pulmonar são alguns dos sintomas da gripe. Já o resfriado se caracteriza pela congestão nasal. Lembrando que os dois são ocasionados por vírus. Os espirros frequentes da rinite alérgica também podem confundir-se com sintomas de gripe, mas ela nada tem a ver com vírus. A vacina não potencializa gripe, porque os vírus que estão na vacina são mortos. Pode acontecer de a pessoa estar resfriada ou gripada antes da vacina. Vale ressaltar que a imunidade da vacina da gripe se completa em torno de 20 dias. Nos primeiros dez dias, o vacinado pode pegar gripe. Versa – Quem toma a vacina pega gripe mais leve ao longo do ano? Dr. Wilson – A vacina protege, mas não tem eficácia de 100%. Estudos mostram que a proteção em crianças e em idosos pode ser de 70 a 90%. Já adultos saudáveis podem ultrapassar os 95%.

Versa – Como eu posso saber se a vacina que estou tomando está bem conservada? Dr. Wilson – É muito importante observar o estado de conservação da vacina. A dose precisa estar em constante refrigeração a uma temperatura de 3 a 4 graus. Se a dose não estiver conservada dessa forma, não terá eficiência. Versa – Há riscos para os bebês de grávidas que são vacinadas? Dr. Wilson – Não. Por falar nisso, a gestação é um excelente momento para vacinar. O bebê vai ficar protegido pela passagem de anticorpos via placenta até que possa receber a vacina. No período de gestação, as mulheres ficam mais suscetíveis a infecções como gripes e resfriados, com altas taxas de mortalidade. Versa – Por que as pessoas com menos de seis meses não podem tomar vacina? Dr. Wilson – Os estudos foram realizados em pessoas a partir de seis meses, uma vez que existem anticorpos maternos na imunidade do recém-nascido. Somente após os seis meses, que é quando o bebê começa a perder a proteção que recebia do corpo da mãe (na placenta materna), recomenda-se a aplicação. Versa – Quando devo tomar a vacina? Dr. Wilson – As pessoas se preocupam com seguro da casa, do carro, mas esquecem-se do próprio corpo. A vacina é como um seguro. A gripe é uma doença viral, altamente contagiosa, afetando todas as idades com altas taxas de mortalidade a cada ano. Apesar de ser autolimitada na grande maioria das vezes, ou seja, o próprio organismo se encarrega de curar em poucos dias, há possibilidade de complicações, independentemente de estarmos diante de uma epidemia.

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 25


SAÚDE

Olhar em alerta Sintomas comuns de doenças oculares, os olhos vermelhos não podem passar despercebidos.

Tainara Scalco

tainara@revistaversa.com.br

Quem nunca se assustou com a aparência fadigada diante do espelho depois de um dia intenso de trabalho? Aposto que os seus olhos estavam vermelhos e cansados. Pois é, esses sintomas podem ser, simplesmente, reflexo do cansaço; mas também podem significar que seus olhos podem estar pedindo socorro.

26 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

A

s conjuntivites encabeçam a lista quando o assunto é olhos vermelhos. Elas podem ser causadas por bactérias, vírus, fungos ou por alergias (aquela ‘coceirinha’ que dá no início da Primavera por exemplo). Mas não é só isso. Esse sintoma pode aparecer em doenças das pálpebras, da córnea e em outras condições mais raras, como glaucomas. “Existem várias situações em que os olhos reagem com Hiperemia Ocular, em outras palavras, olhos vermelhos,” salienta o oftalmologista chefe do Banco de Olhos do Hospital São Vicente de Paulo, Eduardo Ventura. Uma dessas situações pode ser apenas cansaço visual. Haja olhos para aguentar horas e horas em frente a um computador ou sobre livros sem um intervalo de descanso. “Nesses casos, os olhos vermelhos podem estar relacionados a um problema visual como Miopia, Hipermetropia ou Astigmatismo,” completa o oftalmologista. Aí é necessário o uso de óculos ou lentes de contato para eliminar esses sintomas. Quando relacionado às

crianças, o tema fica ainda mais sério. Os pequenos estão numa fase de formação da função visual. Logo, o não tratamento dos olhos vermelhos pode refletir em problemas de visão para o resto da vida. “Uma criança com problema de visão, se não for tratada até os sete anos de idade, por exemplo, pode ficar com déficit visual irreversível, sem possibilidade de tratamento.” Ou seja, papais, as crianças devem ser avaliadas por um médico oftalmologista até, no máximo, cinco anos de idade. Outro fator importante diz respeito à automedicação. Essa prática deve ser evitada sempre, tanto com uso de medicamentos quanto no caso de uso de lentes de contato. Conforme explica o Dr. Eduardo, os colírios usados de maneira inadequada podem levar a situações perigosas como a indução de Glaucomas até o transplante de córneas em situações mais graves. Lentes de contato: cuidado! “Infelizmente, no Brasil, até por falta de conhecimento, existe uma prática de usar lentes de contato adaptadas por técnicos que trabalham em óticas. Uma lente mal adaptada pode levar o olho a uma situação de desequilíbrio funcional. Em outras palavras, à perda das córneas, com a necessidade de transplante,” sinaliza o oftalmologista. O uso crônico e frequente de lentes de contato pode deixar o olho vermelho. Geralmente, é um vermelhidão leve e que melhora ao ficar algumas horas (ou dias) sem usar a lente. Mas é um sinal de que algo está errado e a pessoa precisa ir ao oftalmologista ver se há algo de errado com as lentes ou com o olho.


exclusive filmes exclusivefilmes.com.br

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 27


ARTIGO

Iniciação sexual:

existe uma idade ideal? Existe sempre um questionamento por parte dos adolescentes e dos seus pais sobre qual a idade certa para se começar a fazer sexo. Isso porque existe idade para votar, para tirar a carteira de motorista, para poder beber álcool. Porém, não há uma idade ideal para iniciar qualquer tipo de relação sexual.

28 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

Dra. Miriam Manica Fontana Ginecologista

A

s informações em tempo real e as mídias sociais têm facilitado a vida do ser humano. Tudo acontece em uma velocidade cada vez mais rápida, o que acaba tornando um desafio pensar em valores como a iniciação sexual. Um bom exemplo é a divulgação pelas mídias do leilão da virgindade promovida por uma brasileira, há poucos meses. O adolescente numa fase de mudanças bruscas e rápidas, muitas vezes assustadoras, precisa fazer diversas escolhas como a profissão a seguir, as amizades, abdicar da convivência com a família para se dedicar aos estudos. Mas, é necessário pensar em sua iniciação sexual com maturidade e discernimento. Muitas vezes, cobramse escolhas numa fase de inquietações em relação à vida. Até pouco tempo atrás os jovens não podiam fazer suas próprias escolhas relacionadas ao sexo. Eram os pais que decidiam o futuro dos filhos em relação à parceria. Hoje, retarda-se o casamento em função da praticidade de morar com a família, da realização

profissional, que vem em primeiro lugar, retardando, assim, relacionamentos definitivos. Passa-se a viver, por mais tempo, vínculos afetivos, respeitando-se a individualidade e as escolhas pessoais. Nesse sentido, a iniciação sexual acaba acontecendo de maneira mais tranquila. A sensação é de “test drive”, pois muitos adolescentes permitem-se ficar, transar, amar ou não, mesmo que temporariamente. E aí, dá para determinar a idade, dia, hora, minuto, segundos ideal para se ter a iniciação sexual? Pensa-se que uma boa formação pessoal determina uma boa formação sexual. Muitos pais, por não terem recebidos uma orientação sexual adequada, têm dificuldade e até resistência em falar com seu filho adolescente sobre sexo. Paralelamente, são poucos os educadores sexuais com formação adequada e validados pelo sistema educacional para falarem sobre o tema. Cria-se uma lacuna na qual o adolescente busca a resposta a suas dúvidas. De quem é a responsabilidade? A orientação por parte de um profissional da área da saúde é fundamental a fim de esclarecer as dúvidas e de orientar sobre tudo o que diz respeito à iniciação sexual. Quanto mais bem


A expectativa criada pelos jovens envolvidos na relação, em muitos casos, acaba por atrapalhar o desempenho e o resultado esperado. informado estiver o adolescente, mais seguro se sentirá e se permitirá usufruir desta nova etapa de sua vida. A expectativa criada pelos jovens envolvidos na relação, em muitos casos, acaba por atrapalhar o desempenho e o resultado esperado. São tantos questionamentos que a iniciação ocorre de maneira rápida e nada do que se projetou acaba acontecendo. A primeira relação sexual será única, ímpar, cercada de muitas fantasias. Daí a importância da espera do momento certo. Mas, qual seria realmente esse momento? Somente o próprio adolescente pode dizer. A maturidade, o sentir-se seguro a fim de aproveitar o máximo possível nem sempre acontece. São questões pessoais, familiares, sociais que moldam o comportamento durante a escolha. Para as adolescentes, existe a questão da virgindade, os medos de uma gestação indesejada, de adquirir uma DSTs e AIDS, de decepcionar a parceria, de atingir os múltiplos orgasmos tão falados pelas mídias. Às vezes, nem conhece realmente seu próprio corpo, uma vez que as mudanças ocorrem até os 19 anos e se cobram serem perfeitas na intimidade. Em relação

aos adolescentes, que se permitiram contato maior com sua intimidade pela masturbação, a iniciação sexual também é um desafio a ser superado: precisam corresponder à parceria, não decepcionar, enfim, dar conta do recado. A iniciação sexual envolve o sexo como forma de comunicação com o parceiro. Logo, é importante, para ambos, reservarem o momento adequado. Estarem em um local seguro, tranquilo, que não precisem acelerar a intimidade, proteger-se contra as DSTs e a AIDS, contra a gravidez indesejada. A recomendação é que o adolescente vá para a relação sexual quando sentir que tem conhecimento suficiente e que chegou a sua vez. É o seu momento, não poderia ter sido nem antes e nem depois! O resultado nem sempre precisa ser o melhor, pois, como humanos, somos limitados. O adolescente precisa compreender que é uma criatura com livre arbítrio e é responsável pelas escolhas que bem entender. O poder de discernimento é o que vai determinar o diferencial no momento da opção. Permitir usufruir da sexualidade com maturidade é sinal de quem se gosta e quer fazer o outro feliz.

Dra. Miriam Manica Fontana ginecologista, obstetra, terapeuta sexual pelo SBRASH e pelo INPASEX e palestrante

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 29


DIREITO

Mediação de

sucesso Com mais de 32 mil atendimentos desde a criação, o Balcão do Consumidor é referência em todo o Rio Grande do Sul.

Unir a teoria de sala de aula com a prática de mercado, diminuir a demanda do Judiciário, mediar as relações de consumo. Esses são os três pilares que sustentam o projeto de extensão da Faculdade de Direito da Universidade de Passo Fundo (UPF) em parceria com a Prefeitura Municipal de Passo Fundo e o Ministério Público Estadual. A ideia deu tão certo que se expandiu para cidades da região.

30 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

Tainara Scalco

tainara@revistaversa.com.br

A

sala quase sempre está lotada. Os problemas são diversos: operadora de telefonia que não cumpre contrato, produto com defeito, renegociação de dívidas. Se por um lado o contexto evidencia um consumismo nem sempre saudável, por outro mostra que a atividade é bem desenvolvida e, se necessário, vale a pena voltar. Não é à toa que já são mais de 32 mil atendimentos com mais de 70% dos casos resolvidos. Os trabalhos começaram em Passo Fundo no ano de 2006 com os professores da Faculdade de Direito Rogério Silva e Liton Lanes Pilau. Hoje, os atendimentos acontecem também nas cidades de Carazinho, Lagoa Vermelha, Casca e, em breve, em Soledade. O trabalho conta ainda com o apoio da Procuradoria da República e do Procon Estadual. Em Passo Fundo, 15 colaboradores trabalham diretamente com o Balcão, dentre professores, funcionários e estagiários. A conscientização para o consumo é outro ponto forte do Balcão do Consumidor. “Desenvolvemos um trabalho de pesquisa que converge em atividades de educação para o consumo,” completa o professor Rogério. Para auxiliar na

empreitada, cinco livros produzidos por professores de diversas instituições já foram lançados. Mas o destaque fica por conta do personagem Tchê Consumidor. As histórias em quadrinho e os programas animados para televisão e na internet contam a saga do fiel defensor do consumo coerente. Balcão Na Estrada O Balcão na Estrada foi viabilizado com recursos da Procuradoria da República. Trata-se de um veículo totalmente equipado em condições de fazer atendimentos em Passo Fundo e nas cidades da região. O veículo tem percorrido escolas levando o personagem e interagindo com crianças e adolescentes. “É um trabalho inédito desenvolvido pelo Balcão,” conta Rogério. A proposta é intensificar ainda mais o trabalho com a formação de consumidores conscientes. A telefonia no topo A telefonia tem sistematicamente ocupado o primeiro lugar, mas não é o único setor que preocupa.  Os serviços bancários, a utilização de cartão de crédito, a televisão por assinatura, energia elétrica e comércio eletrônico também têm aparecido como problemas frequentes. O superendividamento é outro ponto que merece destaque.


“É preciso perceber que houve uma grande mudança na forma de se relacionar entre fornecedores e consumidores. Em boa hora, a presidenta Dilma lançou o Plano Nacional de Consumo e Cidadania e se manifestou no sentido de que a defesa do consumidor deve fazer parte da agenda de Estado,” finaliza o professor.

Já são mais de 32 mil atendimentos com mais de 70% dos casos resolvidos.

Seminário de Defesa do Consumidor Este ano, o evento que discute as questões relativas ao consumo chega à sétima edição e acontece nos dias 4 e 5 de setembro, no auditório da Faculdade de Direito da UPF. Paralelamente, acontece o III Seminário Internacional, com a presença de grandes juristas de fora do Brasil. Não é por acaso que o Balcão do Consumidor é considerado referência em todo o país. Recentemente, o projeto do Balcão foi citado na tribuna da Câmara Federal pelo deputado Ronaldo Nogueira e também na Comissão de Assuntos Municipais da Assembleia Legislativa do Estado.

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 31


32 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013


ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 33


PERSONALIDADE

Natália C

A gaúcha de Passo Fundo que não abre mão de dizer o que pensa Nascida em Passo Fundo, Natália Casassola, tem muito do povo gaúcho. É destemida, guerreira, sabe onde quer chegar. Alguém duvida? A menina que cresceu no interior do município mostra que mesmo com passagens por São Paulo, Rio de Janeiro, e a mais recentemente morada em Santa Catarina, o chimarrão não pode faltar. O hábito matinal a faz lembrar da vida em Passo Fundo. Cheia de planos e com muitos compromissos na agenda Natália não abre mão de dizer o que pensa. Aliás, uma característica que lhe rende boas a más recordações. A estudante de comunicação social atualmente mora em Florianópolis e apresenta um programa na TV Com. Com vocês, Natália Casassola, em uma entrevista exclusiva para a Revista Versa:

34 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

Taís Rizzotto

redacao@revistaversa.com.br

Quais as lembranças da infância em Passo Fundo?

Eu gostava de brincar na rua, dos jantares familiares, tive uma infância muito, mas muito feliz. Passei a infância no interior de Passo Fundo, fui criada pelos meus avós, que eram pessoas simples mas muito amorosas. Eu era uma criança comportada, ia com meus avós ajudar eles na roça, gostava de colher as frutas no pé e comer. Desde cedo já gostava de andar de bicicleta, hábito que cultivo até hoje. Tinha vários amiguinhos que brincávamos de esconde-esconde no campo e depois que anoitecia nos reuníamos na casa de algum para continuar a brincadeira.

Quem são as pessoas da tua família que ainda moram em Passo Fundo?

Toda a minha família, com exceção dos meus pais que moram na cidade de Canoas, com meu irmão.


Casassola A melhor fase da minha vida foi em minha terra natal. Agradeço a todas as amizades que fiz em

Fotos: Adalberto Rodriues

Passo Fundo.

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 35


Todos nós temos que ter um objetivo na vida, um sonho e lutar para alcançá-lo sem passar por cima dos outros.

Por que você se inscreveu (pela primeira vez) em um reality show?

Pela experiência que eu poderia adquirir e pela oportunidade de se destacar na minha carreira de modelo. Não posso negar que o prêmio me chamou muita à atenção.

Em algumas entrevistas, depois da sua primeira participação no BBB, você revelou ter recebido o incentivo de algumas pessoas para decolar na carreira. Quem são essas pessoas que apostam em você?

Meus pais! Eles estão sempre ao meu lado quando o assunto é a minha felicidade. Meus amigos estão sempre torcendo por mim, me incentivando.

Você é uma pessoa que fala abertamente sobre sexo. Já recebeu críticas por causa dessas declarações?

Não. Acho que consigo falar sobre este assunto de uma maneira que não fique vulgar.

36 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013


Conquistas: Miss Fotogenia Rio Grande do Sul 1998; Miss Rio Grande do Sul 2000; Finalista do Mega Model Brasil (Agência Mega Model SP) 2001; Finalista Super Model Brasil (Agência Ford Models SP ) 2002; BBB 4 saiu no primeiro paredão disputando com a Solange 2004; BBB 8, terceira colocada 2008; Capa da Playboy em julho de 2008; BBB 9 Apresentadora do programa junto com Pedro Bial e Fani Pacheco; BBB 10 pré-selecionada para entrar novamente na casa onde perdeu a disputa com o Marcelo Dourado, ficando apenas 24 horas no programa; Capa da Playboy em novembro de 2010 junto com Fani Pacheco.

Você está namorando? Ele é de Passo Fundo? Estou solteira...

Você acredita que possa ter sido mal interpretada por causa do seu jeito espontâneo?

Não, jamais. Estou super feliz com o tratamento que o público está tendo comigo, principalmente o carinho que estou recebendo na rua...

E essa espontaneidade vem de onde? De Passo Fundo? (Risos...)

Da minha casa mesmo... Sempre falo de tudo com meus pais, são pessoas abertas e com cabeça moderna.

O que você gostaria de dizer aos teus conterrâneos?

Que eu amo Passo Fundo. A melhor fase da minha vida foi em minha terra natal. Agradeço a todas as amizades que fiz em Passo Fundo. Gostaria de dizer aos meus conterrâneos que o que importa não é o dinheiro ou o status social que se tem e sim a simplicidade, e a honestidade. A pessoa tem de ser pura de coração, ser do bem, honesta. E também que todos nós temos que ter um objetivo na vida, um sonho e lutar para alcançá-lo sem passar por cima dos outros.

Há quanto tempo você está (ou estava) morando em Santa Catarina?

Há mais ou menos 5 anos moro em Florianópolis.

Você é apresentadora um programa na TV Catarinense. Esse é um dos teus desejos, também ser conhecida como apresentadora?

Sim. Adoro trabalhar em televisão. O Clube do Champanhe, meu programa em SC, esta super bom, estou com eles há quatro anos. Eu apresento esse programa que vai ao ar de segunda a sexta, a noite pela TV COM de SC. Apresento o programa juntamente com Adriana Althoff, é um programa descontraído e divertido, onde entrevistamos pessoas famosas ou interessantes, sempre brindando com champanhe é claro.

E o rótulo Ex-BBB te incomoda?

Não. Tenho o maior orgulho de ser uma ex-BBB. Meu passado, meu presente e meu futuro estão relacionados ao programa. Saí há cinco anos e ainda ganho dinheiro como ex-BBB. Não tenho palavras para dizer o que é esse programa na minha vida.

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 37


Acho que mais trabalho. A menina maluca do BBB8 teve que virar mulher para conquistar tudo que tem. Tive que amadurecer, crescer e mudar muita coisa para chegar até aqui.

Esses últimos dias tem sido de muito trabalho, de muito eventos...?

Sim, graças a Deus esta dando tudo certo. O público esta me aceitando super bem.

O que mais você deseja para a tua vida?

Ser feliz. Não importa quando e nem aonde...

Certamente você já ganhou mais do que o prêmio do programa do programa em contratos. Como você se organiza financeiramente?

Financeiramente sou econômica, penso no futuro. Uma porcentagem do que recebo eu guardo e outra gasto. Não nasci em berço de ouro, não penso só em mim, penso na minha família e no meu irmão. Saí de casa com 17 anos, tive de amadurecer muito cedo e me tornar responsável, e hoje ajudo meus pais. No BBB13 ganhei um carro novo, e o antigo dei de presente para minha mãe.

Qual deve ser seu próximo passo profissional? Cursos, se qualificar em alguma área? Estou fazendo faculdade de comunicação social, tive que interromper por causa do BBB 13 mas, pretendo recomeçar na metade do ano. Pretendo também aproveitar o novo momento que o BBB me trouxe, estou fechando várias campanha publicitárias. A agenda está cheia. Gosto muito do meu trabalho, pretendo continuar minha carreira como modelo. Vocês não tem ideia de como é gostoso receber o carinho dos fãs, é muito gratificante. Pretendo continuar me dedicando ao clube champanhe, que é um programa muito interessante.

Com a palavra, Carine Lima, a assessora:

A Nati continua honrando a tradição gaúcha, até hoje gosta de acordar e tomar um chimarrão. Ela pratica esportes, faz academia, andar de kaiake e de bike. Estar perto da Nati é sempre um momento de alegria e risos, ela contagia a todos com a sua felicidade. É espontânea, pois quando você vai pedir um conselho ela não vai te dizer o que você quer ouvir e sim o que ela pensa. A Nati é uma pessoa muito carinhosa, sempre preocupada com os amigos, simples, se preocupa com as causas sociais e dos animais tanto que adotou uma vira-lata, a Sofia. O coração da Nati é gigante, amiga verdadeira e sincera. Foto: Divulgação Legenda: Carine Lima, também de Passo Fundo, é assessora de imprensa de Natália Casassola

38 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

Fotos: Adalberto Rodriues

O que mudou na Natália que participou do reality pela segunda vez?


ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 39


Sinta-se nas nuvens!

40 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013


Av. Brasil, 150 - Centro - Passo Fundo/RS 54 3313.4330 / 3313.4340 www.bomsono.com.br ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 41


INFORME PUBLICITÁRIO

12 months from now, Brazil will host the biggest event of the football world. In 2016 it will be the Olympics. Simultaneously, globalization brings thousands of foreigners to the country. These people are searching for job opportunities, investing on Brazilian productivity. Between shuttling of nationalities, the second language is essential. Complicou? Não se preocupe. A tradução é o primeiro parágrafo do texto.

Programa “TO THE POINT” te deixa com a língua afiada e pronto para se comunicar com os turistas

D

aqui 12 meses o Brasil vai ser palco do maior espetáculo do futebol mundial. Em 2016 será a vez dos Jogos Olímpicos. Paralelamente, a globalização traz milhares de estrangeiros ao país. São pessoas em busca de oportunidades de trabalho, apostando na produtividade brasileira. Entre o vaivém de nacionalidades, o segundo idioma é imprescindível. E é pensando nessa oportunidade que o programa “To the point” do Yázigi prepara os brasileiros para o contato com os turistas. Não é à toa que o Brasil é considerado um dos países mais receptivos do mundo, porém somente o “calor” já não basta mais. É preciso compreender e ser recíproco com os visitantes.

42 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

A proposta do curso é oferecer subsídios para que não haja falhas nessa comunicação. Da chegada ao aeroporto até o cafezinho no hotel, muitas pessoas se cruzam com estrangeiros. Aí, expressões simples no português se tornam um verdadeiro “bicho de sete cabeças” quando traduzidas para o inglês. Não se preocupe! Nada que um bom planejamento de estudos não possa ajudar. O ideal é que o contato com um segundo idioma aconteça logo nos primeiros anos de vida. Como nem sempre isso é possível, a alternativa é correr contra o tempo. O programa do Yázigi oferece 50 horas de instrução, divididas em 25 horas de aulas presenciais e 25 horas de atividades no portal houseofenglish.com. O foco é esta-

belecer uma intimidade entre o aluno e o idioma, ou seja, apresentá-lo às situações que demandam o conhecimento do inglês. O curso é concluído em até três meses com aulas duas vezes por semana. Os alunos são acompanhados por professores com excelência no segundo idioma. Além disso, podem desfrutar da estrutura da escola. O aluno recebe um livro-texto e um material versão “pocket”, ideal para carregar na bolsa e estar de prontidão a qualquer hora. Desde 2011 no Brasil, o “To the point” já preparou muitos profissionais para o mercado de trabalho. Diversas empresas têm oferecido o curso para seus colaboradores como forma de qualificar o atendimento aos clientes. E essa realidade não é apenas dos grandes centros do país. Em Passo Fundo, com a chegada de grandes empresas como a Manitwoc, muitas pessoas têm visto no segundo idioma uma grande oportunidade. Afinal de contas, conhecimento nunca é demais.


Informações (54) 3045 2510 passofundo@yazigi.com

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 43


CURIOSIDADE

O dia delas

Segundo domingo de maio homenageia as mamães há mais de sete décadas. O movimento nas lojas cresce

nos dias que antecedem a data. Isso porque filho nenhum quer deixar o Dia das Mães passar em branco. Seja por meio de

presentes, de um abraço ou, se a

distância falar mais alto, de uma ligação, vale tudo para desejar felicidades e para expressar a gratidão por elas. Você sabe

quando surgiu esse ritual de comemoração?

Tainara Scalco

tainara@revistaversa.com.br

O

Dia das Mães teve origem no início do século XX quando a jovem americana Anna Jarvis perdeu a mãe e entrou em depressão. As amigas de Anna ficaram preocupadas e resolveram perpetuar a memória da mãe falecida. Em 1914, a comemoração foi oficializada nos Estados Unidos pelo presidente Woodrow Wilson. No Brasil, o primeiro Dia das Mães foi promovido pela Associação Cristã de Moços de Porto Alegre no dia 12 de maio de 1918. A data é comemorada no

segundo domingo de maio, segundo um decreto assinado em 1932 pelo presidente Getúlio Vargas. Desde então o comércio brasileiro tem elevado as vendas nos dias que antecedem a data. Segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas, as vendas nessa época crescem mais de 30%. As roupas estão no topo da lista de preferências, seguidas por cosméticos e flores. Contudo, mais do que valor financeiro, o importante é o significado simbólico do presente. Em muitos casos, o cartão feito manualmente na escola ou um ramo de flores do jardim do vizinho podem ser o melhor presente que uma mãe pode receber.

Dia das Mães em outros países Em alguns outros países também se comemora o Dia das Mães, em épocas variadas: • MARÇO – Geórgia, Rússia, Albânia, Sérvia, Montenegro, Bulgária, Romênia, Egito, Síria, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos. • ABRIL – Armênia. • MAIO – Suécia, México, Bahrein, Hong Kong, Índia, Malásia, Qatar, Singapura, Polônia, Bolívia, República Dominicana. • AGOSTO – Tailândia, Bélgica e Costa Rica. • DEZEMBRO – Panamá.

44 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013


ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 45


DECORAÇÃO

Degraus na moda Além de ligar locais com diferentes níveis, as escadas também podem dar um toque de criatividade aos ambientes.

Elas deixaram de ser vilãs e passaram a protagonizar belos espaços. Seja em residências ou escritórios, as escadas ganharam um toque de sofisticação e versatilidade. Aqueles degraus antes sem criatividade entraram, literalmente, na moda.

Denise Zaffari e Nicole Sandri Arquitetas

S

eu uso pode ser público, de segurança (no caso das escadas de emergência) ou privado. Basicamente, uma escada é composta por degraus, formados pelo piso ou pisada e pelo espelho que é a distância vertical entre um degrau e outro, por patamares (espaço largo no topo de cada lance, geralmente, aparecem quando há uma mudança de direção ou como forma de descanso em escadas muito longas), sem esquecer

do corrimão e do guarda–corpo, que são itens de segurança. A composição desses elementos pode variar de acordo com o gosto do cliente e a solução do projetista. Com criatividade, a escada pode deixar de ser apenas um ambiente de passagem e tornar-se um elemento decorativo bastante interessante no conjunto da edificação. A diversidade de materiais que podem ser empregados tanto na estrutura quanto no acabamento atribuem plasticidade, tornando-a uma verdadeira obra de arte. O uso de tecnologia e o emprego de materiais

Escada externa

escalonada feita de tijolos maciços.

46 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013


Com criatividade, a escada pode deixar de ser apenas um ambiente e tornar-se um elemento decorativo.

Escada vazada com estrutura e degraus em madeira maciça de garapeira. É composta por um sistema de encaixe, corrimão e guarda corpo tubular metálico pintado.

Escada em

balanço vazada,

engatada na alvenaria por meio de perfis de aço. Degraus em madeira de Ipê maciço e guarda-corpo feito de estrutura metálica.

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 47


Escada revestida em granito com o corrimão em aço inox. Embaixo, o espaço foi aproveitado com prateleiras de vidro para acomodar objetos.

como o vidro, o aço, o compensado naval, pedras, a madeira e o concreto permitem ao projetista maior liberdade na criação e na execução do projeto. Outro desafio é encontrar um uso adequado para o espaço embaixo das escadas, que normalmente não tem nenhuma função. Com soluções inteligentes, esses espaços tornam-se lugares úteis e ainda bonitos, principalmente em ambientes pequenos, onde a falta de espaço incentiva o aproveitamento de todos os cantos. Móveis sob medi-

Estrutura dos degraus em concreto revestida com granito.

Corrimão em aço inox e guarda-corpo em vidro laminado. Embaixo, o espaço foi aproveitado como adega.

da e bem planejados podem ajudar a transformar a área, permitindo inúmeras possibilidades como a criação de adegas, armários, nichos e até escritórios. Para criar um bom projeto é preciso escolher a localização adequada, conciliando conforto e beleza. Deve-se explorar o potencial da escada, definindo a sua forma, o sistema estrutural e os materiais, seguindo o estilo arquitetônico que compõe o ambiente. É importante que a concepção e a execução do projeto seja feita somente por profissionais habilitados e de acordo com as normas, evitando, assim, erros que possam deixar a escada perigosa e prejudicando seu uso.

48 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013


No mês de Maio comprando o presente da sua mãe na Paula Bags, você concorre a uma lindíssima bolsa. Bolsas lindas, desejadas e super práticas, carteiras, malas, e artigos para viagem, o presente perfeito para dar a quem você mais ama no mundo! PROMOÇÃO VÁLIDA DURANTE TODO MÊS DE MAIO! LU Z DA LUA SE S T I N I

DELSEY

J O R G E B I SC H OF F L A N SAY

FA SOLO

LEGASPI

L I N E A BE L L A

BENNEMANN

R ON C ATO

Rua Paissandú, 1153 - 54 3312.2161 Estacionamento Privativo

SORTEIO DIA 31 DE MAIO DE 2013 LOUCOS & SA N TOS C A LV IN KL E IN SA M SON IT E ABR + MAI 2013 EDIÇÃO #20 VERSA MAGAZINE 49 H IGH L A N D BE N N E S H P R IM IC IA TOMMY HILFIG ER


50 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013


ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 51


ARTIGO

Equipes motivadas, empresas fortes! Ironi Andrade

Professor de Português

N

esses 40 anos de magistério e mais de 30 como palestrante, tenho observado constantes e variáveis no comportamento empresarial que me têm servido muito na pretensão, que julgo tão humana, de querer crescer sempre. Tenho visto, por exemplo, que pouquíssimas empresas, preocupadas, de fato, com o aspecto motivacional da equipe de colaboradores, deixam de triunfar. Observei atentamente, também, que o contrário é igualmente verdadeiro: deparei poucas vezes com empreendimentos tradicionais, sólidos, de prestígio na faixa de mercado em que atuam, prosperando a partir do trabalho de colaboradores desmotivados. Estive, há poucos dias, no norte do Brasil. Fui até lá a fim de palestrar numa organização comercial em que já havia estado, palestrando, faz um bom tempo.

52 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

Chegando, o susto: prédio novo, frota nova, diretores e colaboradores felizes. Como havia chegado momentos antes da palestra, ainda não sabia do real motivo do novo convite. Na minha apresentação à plateia, todavia, o proprietário da empresa falou mais ou menos o seguinte: “Professor Ironi Andrade, há cerca de três anos, quando o senhor esteve aqui, vivíamos um momento de extrema dificuldade. Havíamos feito uma reunião a fim de ver se investíamos, ainda tentando recuperar nossa empresa, ou a fechávamos de vez. Decidimo-nos pelo investimento e, por isso, o trouxemos naquela oportunidade. Bem, dizer que foi milagre poderá lhe ser ofensa, mas preciso ser sincero: foi milagrosa sua passagem por aqui. Todos – do mais humilde colaborador, a nós da diretoria – passamos a trabalhar com mais entusiasmo, mais alegria, mais senso de unidade, mais cooperação e mais vontade também. Hoje estamos

inaugurando um prédio novo, entregando uma frota de veículos novos e a saúde financeira de nossa organização é invejável. Sua volta, professor, além da nova palestra motivacional que o senhor vai proferir, também está servindo para agradecê-lo por nos ter motivado tanto naquela oportunidade. Muito obrigado!”. Nisto, evidentemente, resume-se o sucesso das organizações, na motivação! Nesse longo período, nunca vi pessoa ou empreendimento prosperarem, sem motivação; nunca vi, também, pessoa ou empreendimento fracassarem, altamente motivados. Entendo que a motivação é, para o sucesso, o que o ar, a água e os alimentos são para a vida! Motiva e motiva-te, e serás vencedor!


Fuja do frio! Corra para Guerton! Independência, 537 - Passo Fundo/RS 54 3312.7929 guertonacademia@hotmail.com www.academiaguerton.com

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 53


HISTÓRIA

75 anos de amor às Letras Academia Passo-Fundense de Letras comemora mais um ano de contribuições à cultura. Tainara Scalco

tainara@revistaversa.com.br

Desde 1938, muitas pessoas ocuparam as cadeiras do prédio histórico localizado em um dos pontos mais nobres da Avenida Brasil, no centro de Passo Fundo. São apaixonados pelo universo infinito do imaginário, pelas linhas da sabedoria, pelas páginas dos livros. Gerações que se dedicam voluntariamente à Academia de Letras. A educação, a literatura, a poesia, o tradicionalismo e a produção científico-cultural são alguns dos pilares que sustentam o trabalho da APL. Hoje, 37 amantes da arte fazem parte da Academia. E eles não estão lá por acaso: o currículo cultural de cada um não nos deixa mentir. São autores e pesquisadores com uma extensa bagagem de produções em prol da cultural local. O objetivo da APL vai muito além das paredes do prédio histórico. A ideia é alimentar o hábito da leitura, afinal, estamos na Capital Nacional da Literatura, terra das Jornadas Literárias – responsável por calorosas discussões em torno das Letras. E é pensando nesse contexto que a APL promove, em 2013, a quinta edição de seu concurso literário. V Concurso Literário da Academia Passo-Fundense de Letras – O Imortal Moacyr Scliar Com o objetivo de incentivar a pesquisa, o prazer pela leitura e a produção literária entre os adolescentes, o concurso abrange alunos do Ensino Médio de escolas públicas e particulares da cidade. Podem ser inscritos resenhas ou poemas de alguma das principais obras de Moacyr, biografias ou textos criativos relacionados ao escritor gaúcho. Serão aceitos e avaliados os textos inéditos, produzidos em, no máximo, quatro páginas. Todos os alunos participantes receberão um diploma de menção honrosa. Os três primeiros colocados de cada gênero vão receber também 5 exemplares do livro a ser publicado com as produções vencedoras, assim como espaço na sessão de autógrafos no lançamento da obra, que está previsto para os dias da Jornada Nacional de Literatura.

54 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

Moacyr Jaime Scliar nasceu em Porto Alegre, em 23 de março de 1937, e faleceu em 27 de fevereiro de 2011. Seu primeiro livro foi “Histórias de Médicos em Formação”, publicado em 1962. Depois desse livro, a produção literária de Scliar não parou mais. É autor de mais de 30 obras entre romances, ensaios, contos e artigos. Seus livros foram traduzidos para vários idiomas, dentre eles alemão, francês, espanhol, inglês, italiano, hebraico e sueco. Em 1989, Moacyr Scliar recebeu, em Cuba, o prêmio internacional Casa de Las Américas, pelo livro “A Orelha de Van Gogh”. Moacyr Scliar é um dos escritores mais representativos da literatura brasileira contemporânea. Os temas dominantes em sua obra são a realidade social da classe média urbana no Brasil e o judaísmo. As descrições da classe média feitas por Scliar são, frequentemente, inventadas a partir de um ângulo suprarreal. Entre suas obras mais importantes estão “A História de um Médico em Formação” (1962); “A Guerra do Bom Fim” (1972); “O Exército de um Homem Só” (1973); “Mês de Cães Danados” (1977); “O Centauro no Jardim” (1980); “A Orelha de Van Gogh” (1988); “Olho Enigmático” (1988) e “A Mulher que Escreveu a Bíblia” (1999).

Prédio histórico da Academia Passo-Fundense de Letras.

Posse dos novos acadêmicos, em 2012


*Promoção válida para todo mês de Maio. Sorteio 31.05.2013

mêsdas

mães um

tão

Amor

grande,

merece

um

m

p r e s e n te e Dose Dupla

o

Além do presente que você comprar para sua mãe, a cada R$ 100,00 em compras você adquire 1 cupom e tem chances de ganhar um belíssimo casaco! E agora com o inverno chegando é a promoção que se encaixa direito nessa estação!

Venha até a Street Woman, além das nossas lindas opções em vestuário você ainda

pode sair ganhando! Rua Morom, 1724 Centro Passo Fundo/RS (54) 3315-5859

www.streetwoman.com.br

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 55


MODA

Gilles Lipovetsky debate o mercado de

em Porto Alegre redacao@revistaversa.com.br

A

democratização do luxo foi o tema de destaque da palestra de Gilles Lipovetsky, recentemente, no Iguatemi Corporate, em Porto Alegre. O evento, realizado pela Luxo Brasil em parceria com a Maison Du Luxe, reuniu mais de 150 pessoas dentre profissionais de moda, empresários do mercado Premium e de luxo e jornalistas especializados. A palestra também contou com a participação de Claudio Diniz, diretor da Maison Du Luxe e autor do livro “O mercado do luxo no Brasil: tendências e oportunidades”. Cláudio Diniz iniciou a palestra traçando um claro perfil do consumidor brasileiro no segmento. Segundo ele, o novo rico brasileiro passa pela segunda fase de um milionário já institucionalizado: a fase da ostentação. A cultura de luxo brasileira preocupa-se em mostrar as logomarcas de grife ao invés de saber a qualidade do material, sua origem e a mão de obra empregada. Segundo Diniz, esse é um comportamento do consumidor habituado ao luxo, uma

56 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

projeção futura para o brasileiro que consome marcas de excelência. O palestrante também apontou o presente cenário do luxo no país, aquecido e em crescimento. No entanto, o serviço de luxo é extremamente deficitário, chegando a ponto de acontecer uma “reimportação” de brasileiros que trabalham nesses serviços em outros países para o Brasil, pontualmente com a abertura de dezenas de lojas em shoppings premium, como o JK Iguatemi de São Paulo. Após a fala de Cláudio, foi a vez de Gilles Lipovetsky, referência no mundo acadêmico acerca dos temas moda, luxo e consumo. O filósofo francês esclareceu que o luxo não é algo único e que estamos vivendo numa era de democratização. Para Lipovetsky, o novo universo do luxo está mais disperso e mais diverso, na medida em que marcas globais buscam assimilar os atributos específicos desse segmento e os métodos do mercado de massa. Segundo o teórico, por mais que o luxo esteja ligado ao consumo, o poder de compra é pontual e o público

que consome o luxo, na verdade, quer viver emoções. O filósofo respondeu questões acerca das motivações do consumo de luxo no contexto contemporâneo e ensaiou um “horizonte do luxo” de modo geral. Ainda que pareça paradoxal, o ponto em comum e imutável do luxo será cada vez mais a experiência de luxo, em sua efemeridade e exclusividade. Para Lipovetsky, “o caminho do luxo é e será a subjetivação do produto a partir das emoções. Não se compra mais coisas e sim sensações”. Para o Brasil, ele comenta que o produto desejado deixará de ser a bolsa ou o sapato de determinada grife; as atenções se voltarão totalmente para o corpo e para a beleza. O crescimento será maior na indústria cosmética e antienvelhecimento.


Filósofo destaca a democratização do luxo e a subjetivação do produto a partir das emoções.

O Evento reuniu representantes do mecado de luxo em Porto Alegre

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 57


58 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013


ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 59


INFORME PUBLICITÁRIO

Pequenos e deliciosos

E

les deixaram de ser referência apenas em guias gastronômicos. Essa nova tendência já figura como primeira opção em muitos cardápios Brasil afora. Não é à toa que várias empresas têm se especializado no segmento. O Finger Food, conhecido também como “comidinha em miniatura” se destaca por uma série de benefícios nas hora de preparar um evento. Primeiramente, contribui para um clima mais descontraído, onde comida e festa protagonizam no mesmo ritmo. Com um toque de modernidade, juntamente com o trabalho da equipe de garçons, elimina a preocupação do convidado em ir até o local onde seria servida a comida. O Finger Food, literalmente, passeia pela festa. Segundo especialistas gastronômicos, qualquer receita pode ser miniaturizada e servida em porções pequenas. O importante nessa transformação é entender bem o conceito e quais são os ingredientes principais que melhor definem cada prato. Hoje, as receitas que fazem mais sucesso dentro do

60 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

Fingers Foods, a arte de servir em pequebas porções, caiu no gosto dos grandes eventos

Qualquer receita pode ser miniaturizada e servida em porções pequenas. Finger Food são as de origem italiana e francesa. Para o sucesso do seu cardápio é preciso mãos habilidosas. Aí entra o papel de um bom chef, capaz de conhecer e entender o gosto de cada cliente. Com mais de 5 anos no mercado, Camila Barquete Pissetti Gastronomia e sua equipe procuram aliar requinte e sofisticação em seus cardápios. O Finger

Food é uma das variedades do menu. “Na entrevista com o cliente, antes de criar o menu, procuro saber quais são as preferências e restrições alimentares do contratante. Não raro incluímos receitas de família e as transformamos em Finger Food,” completa. Mas essa não é apenas uma tendência em grandes eventos. O produto pode atender aos mais variados tipos de comemorações como um rápido coquetel corporativo de final de tarde. A equipe da Gournet Camila está preparada para essa e outras demandas. Coffe break, casamentos, jantares para poucas pessoas e, claro, grandes comemorações. Com um requinte e sofisticação de grandes centros urbanos, o seu evento não vai deixar à desejar.

CAMILA BARQUETE PISSETTI Gourmet

Gastronomia de Eventos 54 8149.5660 Rua Tiradentes, 200 - Sala 05. Passo Fundo


ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 61


GASTRONOMIA

Agrado para a mamãe

F

lores, chocolate, café da manhã. com ou sem motivo, uma coisa é certa: todos gostam de receber agrados. No dia delas, então, vale tudo. As mamães, na verdade, mereceriam um tratamento diferençado todos os dias, mas, como a rotina nem sempre deixa, a Revista Versa preparou uma dica para você, filho dedicado, não deixar a data passar em branco. A dona Oditte Lütz, também conhecida como Neca, a mamãe da Lisete Biazi, selecionou uma das suas delícias. É hora de ligar o fogão!

Aprenda a fazer um Charllote de Capuccino e surpreenda sua mãe com um delicioso café da manhã no segundo domingo de maio.

CHARLLOTE DE CAPUCCINO Ingredientes: 12 gemas; 450 g de açúcar; 2 tabletes de manteiga sem sal; 600 g de doce de leite; 1 lata de creme de leite sem soro; 1 colher de café passado bem forte; 1 colher de essência de baunilha; 2 colheres de sopa de rum.Preparo: Bata as gemas com o açúcar. Quando ficar fofo, junte a manteiga e o doce de leite e bata mais um pouco. Depois, misture o creme de leite, o café, a essência de baunilha e o rum. Montagem: No fundo de uma taça grande, coloque uma camada de bolacha Champagne molhada no rum e cubra com o creme. Decore com ganache de chocolate meio amargo, pitangas de chantilly e grãos de café. Ganache de chocolate: 1 barra de chocolate e meia lata de creme de leite desmanchados em banho-maria.

62 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013


ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 63


MODA

Um inverno cheio de modos de vestir a moda Vâmia Bergonsi

Professora do curso de Design de Moda da UPF

F

alar de tendências em um contexto como o visto desde o início do século XXI fica bem difícil. A moda está eclética: ora se volta para produtos clean, com a valorização da forma, ora se volta para cores diferençadas. O importante é que, definitivamente, há produtos para todos os públicos. A moda vem agregando valor no estilo e, dessa maneira, podemos, sim, adquirir peças que realmente têm tudo a ver com nossa individualidade de ser e agir, fechando o círculo do comportamento. Imposições de moda já não são cabíveis. Mesmo assim, vale salientar alguns itens importantes para o inverno 2013 que, de certa maneira, nos atiçam à renovação do guarda-roupa bem como ao interesse pelo novo. Em recente viagem por Paris e Milão, pude verificar muitas vitrinas e, certamente, o Brasil se mantém atento às ideias já adaptadas de grandes designers e que se apresentam antecipadamente na Europa.

64 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

Vale destacar os metalizados, com muito dourado em diferentes peças. Essa ideia vem de um tem barroco, no qual se pode observar, além do brilho das peças, o estilo das estampas em blazers, calças, vestidos etc.


Os anos sessentas também tiveram seu espaço nas vitrinas internacionais e nas passarelas brasileiras. Agora é a vez de a rua dar sua resposta a essa tendência. Anos 60 vêm em peças geométricas, em vestidos curtos e na linha A, além do tradicional casaqueto Chanel e do vestido tubo.

Deve-se dar destaque também ao militarismo, embora ele não venha com uma ideia de uniformizar. É um estilo velado, com usos de lapelas, bolsos com botões e verdes diferençados.

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 65


Já que destacamos os anos 60, cabe também dar destaque às cores contrastantes preta e branca. Elas aparecem com muita força em todas vitrinas vistas. No quadriculado ou na tradicional padronagem piedcoq. A mistura de preto e branco com verde folha claro também será destaque. As cores, de uma maneira em geral, vão desde os 50 tons de cinza, o preto e branco, os rosês claríssimos, o coral, o ameixa, os tons de marrons, o mostarda, até o marinho com bege ou laranja. Para a moda jovem, cores fortes e destaque para a mistura de tons inusitados, como rosa com laranja.

O couro segue em alta em jaquetas e casacos. Porém, destaca-se em calças e saias e em detalhes de peças. Misturas de materiais e misturas de estrutura vão definir os padrões de 2013.

66 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013


ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 67


CURIOSIDADE

As belas e os feras

Eles dividem angústias, responsabilidades, a casa e o ambiente profissional. São cúmplices, amigos, pais, companheiros de trabalho. Atritos à parte, as belas e os feras mostram que é possível, sim, compartilhar as 24 horas do dia.

Tainara Scalco

tainara@revistaversa.com.br

A dúvida constante: isto dá certo? A maioria prova que sim. As pesquisas também falam a mesma língua. Uma estudo feito pela Universidade de São Paulo mostra que 37% dos namoros nascem entre pessoas da mesma sala de aula ou empresa, 32% entre pessoas apresentadas por amigos, 20% em flertes com desconhecidos, 4% por casualidade e 1% via internet. Quem está entre a maioria detectada pela pesquisa precisa encontrar regras de convivência. “Leis” que regem a harmonia de três casais aqui da cidade. Nós conversamos com eles sobre a rotina compartilhada. Será que existe uma fórmula para espantar os atritos?

68 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

Manno Escobar e Marga Rien A sintonia de sucesso rege um dos mais famosos salões de beleza do sul do Brasil. O casal trabalha junto há quase 3 décadas. Ele cuida da parte artística e operacional da empresa; ela é a responsável pela parte administrativa. “Às vezes, divergimos, mas isso é necessário para o surgimento de novas ideias,” argumenta a dupla. A palavra final, na maioria dos casos, é dele. Discussões do trabalho em casa?

A ordem é tentar evitar. “Há situações em que não tem como não levar para casa. O nosso tempo é restrito na empresa, por isso é um desafio.” Quando perguntados sobre os fatos marcantes que passaram juntos, a resposta é unânime. “Os momentos de reconhecimento internacional, nossas viagens no início do salão buscando inovações para Passo Fundo e, claro, a festa de 25 anos como parceiros e amigos.”


Dr. Canzi e Dra. Sílvia O jaleco é peça comum no guarda -roupas do casal. A medicina os uniu há cerca de 17 anos. Dr. Canzi é cirurgião plástico e a Dra. Sílvia é anestesiologista. O trabalho deles se encontra, geralmente, na sala de cirurgia. “Acreditamos que o nosso trabalho transcorre em harmonia. As poucas vezes em que divergimos é pelo bem-estar do paciente. São ponderações e sugestões construtivas,”

conta o casal. Um dos fatores que eles consideram mais positivos é a organização da agenda. Apesar da rotina atribulada que é a da medicina, eles conseguem adaptar os horários e participar com afinco da vida escolar, esportiva e cultural da filha Ana. “Nessa inter-relação médico, paciente, família e funcionários, todos saem ganhando. Convivemos em uma clima agradável, afetivo e eficiente.”

Alcir e Lisete Biazi Vinte e cinco anos juntos, dois filhos e uma deliciosa parceria na cozinha. O casal começou a trabalhar junto em 1982, quando assumiu o economato do Clube Comercial. Ele é responsável pela parte financeira e administrativa do negócio; ela cuida da chefia da cozinha, monta cardápios e receitas, encarrega-se das compras e do atendimento ao cliente. O trabalho transcorre normalmente, porém, com opiniões diferentes. Segundo a dupla, ele é mais conservador com relação a cardápios, já ela é adepta das novidades (mas confessa que já foi convencida pelo marido de que os

clientes também são bastante tradicionais).“Resolvemos, juntos, manter o estilo ‘cozinha Internacional clássica’,” confessam. Um fato inusitado marcou o casal. “Foi há doze, anos durante um evento no clube. Fomos chamados ao palco para sortear uma viagem internacional. Creiam, sorteamos o número da Maninha (irmã da Lisete). Resumindo, acabamos comprando mais duas passagens e viajamos os três, foi muito divertido e acabamos descobrindo muitas novidades para melhorar nosso trabalho,” contam aos risos.

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 69


HISTÓRIA

Uma história de histórias As ocorrências se multiplicam em um ritmo geométrico. São esposas, mães, sogras, filhas. Donas de um destino manchado por mãos sujas, sem compaixão. Na lista de consequências da marginalização da sociedade, a violência contra a mulher já consta entre as primeiras colocadas. E foi essa transformação que instigou um grupo de Passo Fundo a produzir uma obra sobre o tema. Tainara Scalco

tainara@revistaversa.com.br

A

s palavras da poetisa portuguesa Florbela Espanca dão o tom da narrativa organizada pelo jornalista Ivaldino Tasca. A ideia de explorar o assunto surgiu ainda nas redações por onde Tasca passou. A constância do tema instigou uma pesquisa mais aprofundada. Foram mais de três anos até a obra chegar aos leitores, em março de 2013. Um documento, uma denúncia e um exercício de reflexão sobre a posição feminina desde os primórdios da humanidade até os dias de hoje. Uma verdadeira jornada que começa ainda na Pré-História, como revela a contextualização histórica assinada pelo professor e secretário municipal de Cultura, José Ernani de Almeida. A narrativa segue através das experiências de três mulheres que lidam com o tema no diaadia. A primeira delas é a advogada Josiane Petry Faria, coordenadora do Projur Mulher UPF, programa de assistência jurídica a vítimas de violência doméstica. A outra, Mariane Loch Sbeghen, professora e arteterapeuta, revela um pouco dos sentimentos dessas vítimas, relatando

a oficina de arteterapia realizada na Casa da Mulher. Já a delegada Claudia Rocha Crusius apresenta o cotidiano da Delegacia de Polícia Especializada no Atendimento à Mulher de Passo Fundo. O trabalho ainda contou com a colaboração da jornalista Marina de

violência. Hoje, no mundo, pelo menos uma a cada três mulheres é agredida sexualmente, abusada ou maltratada de alguma maneira, durante a vida. A união de forças se faz necessária para segregar esse tipo de fato, afinal, trata-se de um objetivo da espécie humana, o que significa dizer que é aspiração da maioria dos homens do planeta, segundo o jornalista.

É pensando nos homens que eu perdoo aos tigres as garras que dilaceram.

70 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

Campos, responsável pelo posfácio e pelo visual da obra. “Um olhar desde o passado até hoje – como o livro faz – mostra que grande parte da sociedade já não tolera essa situação em que a mulher foi posta por milênios,” sinaliza Tasca. Mesmo assim, ainda há um longo caminho a ser percorrido até a erradicação desse tipo de

Participação costarriquenha A apresentação da obra é feita pela socióloga doutora Montserrat Sagot, professora da Universidade da Costa Rica. A dimensão do tema, conforme explica Tasca, pode ser traduzida nas palavras de Sagot. “Em particular, a violência contra as mulheres, produzida pelas relações desiguais entre os gêneros, é um grave problema que causa mais mortes e danos nas mulheres de 15 a 44 anos do que a malária, a Aids e até mesmo a guerra. Segundo estimativas da Universidade John Hopkins dos Estados Unidos, no mundo, pelo menos uma em cada três mulheres já foi agredida, abusada sexualmente ou maltratada de alguma forma.”


Por que a violência contra a mulher ainda perdura em pleno século XXI? Fazendo coro com estudiosos de várias partes do Planeta, a psicóloga paulista Tânia Pinafi diz que “a violência contra a mulher é um produto de uma construção história”. É algo construído e consolidado lentamente, ao longo de cinco mil anos da existência da humanidade e que, por decorrência, não será desconstruído de uma hora para outra. Todos os nossos principais escritos, inclusive os mais sagrados (Bíblia, Corão, Torá), assim como os maiores filósofos, teólogos, cientistas e pensadores da história colocam a mulher num plano secundário, numa posição subalterna em relação ao homem. A Bíblia tem muitas passagens terríveis como esta: “Então descobri que a mulher é mais amarga do que a morte, porque ela é uma armadilha, o seu coração é uma rede e os seus braços são cadeias. Quem agrada a Deus consegue dela escapar, mas o pecador se deixa prender por ela”. (Eclesiastes 7, 26). Ou, ainda, esta: “O homem não deve cobrir a cabeça, porque ele é a imagem e o reflexo de Deus, a mulher, no entanto, é o reflexo do homem. Porque o homem não foi tirado da mulher, mas a mulher do homem. Nem o homem foi criado para a mulher, mas a mulher para o homem.” (Coríntios 11, 7-9). O Alcorão não se posiciona de forma diferente: “Deus concede a sabedoria a quem Lhe apraz. E quem recebe a sabedoria, recebe um bem incomensurável. Mas só o percebem os homens de bom entendimento” (Capítulo 2, versículo 269). Ou ainda: “Os homens têm autoridade sobre as mulheres pelo que Deus os fez superiores a elas e por que gastam de suas posses para sustentá-las. As boas esposas são obedientes e guardam sua virtude na ausência de seu marido conforme Deus estabeleceu. Aquelas de quem temeis a rebelião, exortai-as, bani-as de vossa cama e batei nelas. Se vos obedecerem, não mais as molesteis. Deus é elevado e grande” (Capítulo 4, versículo 34). As chamadas Leis de Manu, por exemplo, que constituem o Livro Sagrado da Índia para instituições civis e religiosas (1280 a.C.), não fo-

Então descobri que a mulher é mais amarga do que a morte, porque ela é uma armadilha, o seu coração é uma rede e os seus braços são cadeias. (Eclesiastes 7, 26).

ram diferentes: “Mesmo que a conduta do marido seja censurável, mesmo que este se dê a outros amores, a mulher virtuosa deve reverenciá-lo como a um Deus. Durante a infância, uma mulher deve depender do seu pai, ao casar-se do seu marido, se este morrer, dos seus filhos e se não os tiver, do seu soberano. Uma mulher nunca deve governar-se a si própria”. Quem lê a Caixa de Pandora constata, tragicamente: nem na mitologia a mulher escapou de estar em posição de inferioridade. E isso criou uma visão de mundo em que, na espécie humana, o macho é um ser superior. A pensadora francesa Simone de Beauvoir cita uma manifestação de Santo Agostinho que faz pensar muito sobre a situação em

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 71


Autores durante o lançamento do livro

que a violência de gênero chegou no mundo: “A mulher é um animal que não é seguro nem estável, é odienta para tormento do marido, é cheia de maldade e é o princípio de todas as demandas e disputas, via e caminho de todas as iniquidades”. Para São Tomás de Aquino, por exemplo, a mulher tem menos alma e menos inteligência porque lhe falta o sêmen, elemento vital na perpetuação da espécie. Para Platão, outro dos grandes filósofos, “há um princípio bom, que criou a ordem, a luz o homem e um princípio mau que criou o caos, as trevas, a mulher”. Embora as primeiras contestações conhecidas contra tal situação de opressão com relação à mulher venham de 1450, com Cristine de Pizan, uma italiana radicada na França.em verdade as reações da sociedade e, a seguir, dos Estados-Nações, somente ganharam força e expressão – a ONU entrou valendo no problema a partir da década de 1950 – a partir do início do Século 20. Assim, não será tão fácil erradicar uma visão distorcida em relação à mulher quando existe a impressão de que tal posição está no DNA das pessoas e do corpo social. Não é de surpreender, então, por exemplo, que não faz muito tempo que mutilar os pés das chinesas, para dar-lhe mais sensualidade, passou a ser condenado, e que as viúvas indianas deixaram de ser cremadas com o marido falecido. Permanecem, ainda, apesar de tudo, em várias partes do mundo, algumas atrocidades, como a extirpação do clitóris em países da África, principalmente.

72 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013


ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 73


VOCÊ NA VERSA

Lindas, e com

cheias de estilo

responsabilidade social Baile das Mimosas: Tradicional evento organizado pelo Clube Comercial reuniu de várias mulheres em uma noite memorável e beneficiente.

74 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

Mais uma vez elas arrasaram na pista. A 20ª edição da Festa das Mimosas, realizada no dia 5 de abril, reuniu mais de 350 mulheres. Diversão aliada à responsabilidade social. A APAS, Associação de Pais e Amigos de Surdos de Passo Fundo, foi a entidade beneficiada em 2013. Cerca de R$ 14 mil foram arrecadados com o evento. O valor vai ser destinado a capacitação de professores surdos, funcionários e tradutores/intérpretes de libras.


ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 75


76 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013


O MUNDO RECONHECE QUEM É LÍDER!

Comunicar-se em ingês é fundamental para quem deseja ter uma carreira profissional de sucesso. Estamos aqui para atender os seus desejos com o aprendizado da língua inglesa. Queremos ajudá-lo a compreender o idioma, contribuindo na sua forma de comunicação e no seu desenvolvimento.

Conhecer pessoas em todo o mundo

Encontrar novas oportunidades

Viver experiências inesquecíveis

Rua Teixeira Soares 839/403 54 3584.1625 // 54 9161.3435 contato@nortown.com.br

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 77


Com a palavra, o consumidor:

x

Eu uso Android porque não tenho 2 mil pra investir em um iPhone. tenho iPad e MacBook, curto a plataforma e a integração entre os dispositivos, mas 2 mil em um celular, ainda não posso dar.

Jeferson Pagliarini Designer Gráfico

Porque os aparelhos da Apple estão ficando cada vez mais inferiores comparados com os das concorrentes. Já foi o tempo que o iPhone era o top de linha, hoje essa vaga é ocupada pela Samsung e, atualmente, iPhone só é comprado por seguidores do Steve Jobs, hipsters e quem não avalia os benefícios de um Android.

Felipe Fasolin Estudante de Medicina

Tenho um Galaxy Note II porque é visualmente mais bonito, a tela é maior e o hardware é superior, sendo da mesma geração dos dois... Por aí :)

Ricardo Maffi Estudante de Engenharia Civil

78 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

Uso iPhone porque gosto do sistema do iOS, como ele se comporta com o usuário e também da possibilidade de obter centenas de aplicativos de uma forma mais segura que o Android, isso que levou a compra do iPhone, uma segurança e uma estabilidade na plataforma do celular. Marcelo Perondi Designer Gráfico

Porque tanto para vida pessoal, quanto para a vida profissional (O LOCO BIXO!), é o que melhor atende minhas necessidades. Uso desde uma planilha de controle de finanças até aplicativos para ver filmes online.

Rodrigo Sonda, Passo Fundo Estudante de Direito, empresário

Porque quando eu comprei meu círculo de amigos estava usando/ comprando e fiquei interessada pelo aparelho ja que ele tinha muitas funções e parecia ser maravilhoso e depois que eu comprei tive certeza que foi um bom investimento.

Aline Prestes Estudante de Jornalismo


ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 79


Sinal vermelho para o álcool Fiscalização nas saídas de festas é alternativa para coibir a parceria álcool e direção. Balada Segura é uma ação integrada entre o Departamento de Trânsito do Rio Grande do Sul (DETRAN/RS), a Polícia Civil e a Brigada Militar. Presente na cidade desde agosto do ano passado, Passo Fundo foi a oitava cidade do RS a receber a blitz. Muito mais do que apenas punir e autuar, a Balada Segura tem como objetivo principal a mudança de comportamento dos jovens motoristas, que em muitos casos bebem e perdem a

80 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

noção do perigo ao dirigirem embriagados. Esse comportamento oloca em risco não só sua própria vida como a de outras pessoas. Apesar de a fiscalização garantir a segurança no trânsito, as opiniões divergem sobre o tema. Conversamos com alguns jovens para saber o que eles acham sobre o tema. Além disso, investigamos se eles já usaram algum meio para evitar a blitz depois de uma festa.


OPINIÃO DO LEITOR

Nome: Lucas Haas (estudante de Arquitetura e Urbanismo) Eu sou a favor da blitza. Acho que muita galera imprudente teve sua carteira detida e muitos acidentes foram prevenidos. Porém, a taxa de álcool no sangue imposta é muito baixa; ninguém fica bêbado com uma latinha de cerveja. Isso já prejudicou muitos condutores. Já usei sim, é um absurdo a gente ir em uma formatura, uma comemoração ou qualquer outra festa, fazer um brinde com uma taça de champanhe e não poder dirigir depois.

Nome: Vinícius Fontana (consultor administrativo) Particularmente, eu acho uma bobagem, pois sempre é feita no centro da cidade, o que não ajuda em nada. A operação deveria ser feita nas saídas da cidade, já que 95% dos acidentes fatais por embriaguez são em estradas e não nos centros da cidade. Por morar no centro, opto por ir de táxi. Gasto cerca de R$ 10 e evito a apreensão do meu veículo com possibilidade de multa.

Nome: Vanessa Guimarães (estudante de Publicidade e Propaganda) Acho uma atitude muito importante O jeito é educar em forma de fiscalização. Os motoristas precisam aprender que álcool e direção não combinam. Não me recordo de ter feito algo para evitar a fiscalização.

Nome: Max Deivid Reis (promotor de eventos) Eu acho a Balada Segura uma boa alternativa de fiscalização. Muitos jovens saem bêbados das festas, aumentando o risco de acidentes. Sempre quando saio em alguma festa não vou dirigindo e, quando preciso, dirigir não bebo.

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 81


Beehive - 21.03.13 - Fotos Franco Rodrigues - Glow Press

82 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

Mais fotos em:

.com.br


HIJA - 14.03.13 - Fotos Franco Rodrigues - Glow Press

Mais fotos em:

.com.br

ABR + MAI 2013

EDIÇÃO #20

VERSA MAGAZINE 83


84 VERSA MAGAZINE

EDIÇÃO #20

ABR + MAI 2013

Revista Versa Ed. 20  

Revista Versa Abr/Mai 2013 - Ed. 20

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you