__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

ZELO Ano 2 - Nº 5 - Junho de 2008 - R$ 7,00 www.zelodigital.com.br

ELEIÇÕES

Renato Monteiro e Leo Pereira analisam próxima disputa

PERFIL

Maria Elvira Crosara rompe barreiras entre moda e arte

TURISMO

Roteiro pela Itália mistura história, cultura e modernidade

INVERNO

Looks com a cara da estação


ZELO Editorial

08 - Artigo - Pablo Kossa

A Zelo número 5 chega com novidades e uma boa variedade de assuntos. Para começar, uma conversa com os publicitários Leo Pereira e Renato Monteiro, que analisam a disputa pela Prefeitura de Goiânia. Ainda na área política, o jornalista Ulisses Aesse estréia uma coluna sobre o tema. No mundo das pessoas que fazem e acontecem na Capital, trazemos os empresários Alessandro Gemus e Rodrigo Menezes, que comandam a recém-inaugurada Villa Flor. A estilista Maria Elvira Crosara, da grife feminina Anunciação, conquista Emiliana Azambuja investe o mundo com suas criações que em culinária menos calórica ganham status de arte. No editorial da capa, a proposta de um inverno mais leve e descontraído, para mulheres de espírito jovial. O médico Ismael Alexandrino nos mostra porAficionados formam clubes que na Itália a mistura de antigüidade em e moGoiânia dernidade torna-se uma combinação perfeita e irresistível. E tem mais turismo: Pernambuco, que possui alguns dos maiores tesouros do litoral brasileiro, como o arquipélago Merchandising visual com de Fernando de No ronha e Porto de conceitos internacionais Galinhas. Também recheiam este número as tendências em design, decoração e paisagismo que vão orientar a estética desse universo na próxima temporada. E muita informação sobre beleza, arte, moda, gente e lugares para você se deliciar. Boa leitura!

GASTRONOMIA

VITRINISMO

Editorial

MODA

Renato Monteiro

16 - Turismo - Itália 20- Política - Ulisses Aesse 22 - Perfil - Maria Elvira Crosara 42 - Social - Oggi Ambientes

Luciano Medeiros

MODA - 34

CARROS ANTIGOS

10 - Entrevista - Leo Pereira e

Rosângela Motta

ZELO 4


ZELO

EXPEDIENTE

Ranulfo Borges

Ulisses Aesse

Ângela Motta

Pablo Kossa

Carol Magalhães

Kell Motta

Henrique de Paula

Astero Motta

Edição geral Rosângela Motta Edição Ranulfo Borges Edição de fotografia Ângela Motta e Kell Motta Revisão Fátima Toledo (8477-9004) Diagramação Henrique de Paula Colaboradores Ranulfo Borges, Pablo Kossa, Carol Magalhães, Ana Paula Bravo, Ismael Alexandrino, Ulisses Aesse, Raquel Alves, João Camargo Neto, Henrique de Paula, Rafael Garcya, Randerson Martins, Luciano Medeiros Direção comercial Ângela Motta - (62) 84076213 Projeto gráfico Carlos Sena Pré-impressão e Impressão Gráfica Formato Ltda Motta Editora Ltda Rua C-156 Quadra 328, Lote 18, Jardim América - CEP 74.275 - 160 - Goiânia-Goiás Telefone: (62) 3259-6510 Site: www.zelodigital.com.br Email:contato@zelodigital.com.br revistazelo@gmail com

Ismael Alexandrino

Ana Paula Bravo

João Camargo Neto

NOSSA CAPA A modelo Raisa Theil (Casa de Artistas) foi fotografada por Luciano Medeiros, beleza de Randerson Martins e produção de Rafael Garcya. Raisa usa vestido Carla Amaral para Eliana Braga e broche Tâmara Brossmann

Luciano Medeiros


A política é muito óbvia ARTIGO

Pablo Kossa

pablokossa@bol.com.br

C

omeçam a aquecer as conversas sobre a campanha eleitoral deste ano. Quando vamos a um bar, nos almoços de família, no intervalo para o café no trabalho... De forma reiterada, nos deparamos com esse assunto. Cada vez mais me empolgo menos com esse tipo de papo. Participo, emito minha opinião, até posso transparecer alguma exaltação apaixonada, mas é tudo puro teatro. Sério. No meu íntimo, sei que estou interpretando, pois aquilo que digo não sensibiliza meu coração. Ok, nunca neguei minha sui generis condição de canalha das idéias. Os aspectos simbólicos da chegada do PT ao poder nacional são tantos e variados que renderiam muitos e muitos estudos de doutorado. Tudo bem, eu não nego a importância contextual da presença de Lula no mais alto posto do País e toda sua história de vida. Também não sou estúpido a ponto de não perceber a relevância do Partido dos Trabalhadores na construção da redemocratização do Brasil e a subida da estrela vermelha na rampa do Palácio do Planalto é supersignificativa para consolidação da democracia no Brasil. Só que, como nem tudo são flores e também para não ficar só falando de flores, existem quebras de paradigmas muito significativas em determinados aspectos que, no meu singelo entendimento, são para lá de maléficas. Por exemplo, as ilusões foram todas perdidas. Hoje, temos a total certeza de que o jogo político tradicional se divide meramente em quem está dentro do poder e

ZELO 8

quem está fora. As artimanhas para atingir fins nem sempre publicáveis são as mesmas, seja o partido A, B ou C que esteja ocupando o tão desejado espaço. E o PT era a esperança da diferença, de uma prática política baseada em negociações ideológicas e não fisiologistas, do fim do acordo no varejo... Mas, colocando Orwell como referência, todos são iguais, e também existem uns mais iguais que os outros – os amigos de quem está no poder, para usar um termo histórico do partido que hoje lá se encontra, os companheiros de quem está no Planalto. Colocado esse pano de fundo, começamos a perceber sentido na fala de determinados parlamentares que orientam sua prática política na seguinte ótica: a coerência deles é estar do lado do poder, independente de quem lá esteja. Já que tudo será igual, o cara ignora as bandeiras partidárias e se molda conforme quem assume o poder. E olha que a lista de pessoas adeptas dessa prática não é pequena. Por fim, é bom deixar claro que não sou apocalíptico e muito menos adepto do voto nulo. Não tenho uma postura maniqueísta, por isso consigo ver que nada é 100% bom ou 100% ruim, nada é todo branco ou todo preto – existem milhares de tonalidades de cinza entre esses dois lados. Pautado nessa lógica, escolho meus candidatos. O problema é que, principalmente em segundos turnos, cada vez mais voto no menos pior entre as opções disponíveis. z


fotos: Haroldo Cardoso / Camila Cardoso

ENTREVISTA

Os galos soltam o

verbo

Bons de briga, os publicitários Leo Pereira e Renato Monteiro acumulam boas vitórias em campanhas políticas. Eles falam sobre propaganda, carreira e as próximas eleições Ranulfo Borges

Leo Pereira, da Agência Verbo, e Renato Monteiro, da Cantagalo,

eo Pereira e Renato Monteiro estão por trás da criação de boa parte das grandes campanhas eleitorais realizadas em Goiás nos últimos 20 anos. Uma delas mudou os rumos da política no Estado: a da “Panelinha” e do “Tempo Novo”, que levou Marconi Perillo ao governo do Estado em 1998. E fez tanto sucesso que foi copiada até em outros Estados. Ajudaram a eleger também Pedro Wilson em 2000, além de deputados e vereadores. E é por esta experiência deles na área que a Zelo convidou-os para um bate-papo sobre as próximas eleições em Goiânia. O encontro aconteceu na Livraria Nobel, na Avenida República do Líbano, onde, em anexo, funciona também o República do Café. Eles estão separados há mais de cinco anos, mas logo na chegada deu para perceber o quanto a imagem dos dois ficou associada depois de mais de duas décadas de parceria. “Estão juntos novamente?”, perguntou surpreso o coordenador da Câmara Técnica da Seplan (Secretaria de Planejamento Municipal de Goiânia), Sandro Rezende, que estava no local. Depois de dar as devidas explicações a Sandro, eles contam que ainda carregam o estigma de dupla, apesar de mais de cinco anos de separação. Justamente por causa dessa confusão, houve até uma resistência inicial quando a proposta lhes foi apresentada. “Levamos 500 anos para nos separar e agora você vem querer nos juntar novamente”, brincou Leo. A proposta inicial de ambos foi que cada um fosse entrevistado individualmente. “Já falam que a separação foi estratégia nossa para conseguir mais campanhas. Isso vai piorar as coisas”, comentou Renato. Mas viram também que seria mais uma oportunidade para deixar claro que estão separados de vez. A conversa rendeu boas análises sobre política e campanhas. É claro que não abrem o jogo totalmente sobre estratégias que podem usar no caso de trabalharem com algum candidato. Mas mostram alguns caminhos que poderiam ser trilhados. Eles falam

também sobre a aliança PT/PMDB. Sobre isso, podem opinar com propriedade. Afinal, ambos foram petistas apaixonados e ajudaram a construir o partido no Estado. Leo continua fiel às suas origens políticas. Já Renato não tem mais ligações partidárias. Como publicitários, cada um segue o próprio caminho. Leo com a Agência Verbo, onde desenvolve projetos em publicidade, cultura e até moda. Ele e sua mulher, Licinha de Paula, que também é diretora de redação da agência, criaram a grife Caligrafia. O slogan já diz tudo: “Moda e expressão do Cerrado”. A proposta é unir os conceitos de moda e cultura, num trabalho que mistura artes plásticas, grafite e a criação de bordadeiras de Jussara. A Verbo atende a chapa “Responsabilidade Renovada”, que concorre ao Conselho Regional de Medicina, e faz consultorias para a Prefeitura de Rondonópolis (MT) em comunicação social, esporte e cultura. Desde o semestre passado tem sido responsável também pelos comerciais do PT e do PMDB de Goiás. Quanto a Renato, completa cinco anos de sociedade com Shell Júnior na Cantagalo, com a proposta de atuar em propaganda de mercado e marketing político. Atendem Unimed, Buena Vista, Centro de Convenções, Óticas Brasil e Panela Mágica. Eventualmente criam peças para empresas como Faculdade Cambury, na parte de vestibulares, Caixa Econômica Federal e Portobelo Construtora. Participaram das campanhas de Rubens Otoni em Anápolis, de Marconi Perillo para o Senado – na parte de TV e rádio – e de Alcides Rodrigues para o governo – com as peças de TV. Também desenvolvem projetos culturais, como a criação do projeto gráfico e a logomarca do Museu Frei Confalloni e Poteiro, e o apoio à realização de um documentário sobre Lindomar Castilho dirigido por Pedro Novaes. A seguir, leia trechos da conversa. A entrevista completa você confere no site da Zelo (www.zelodigital.com.br)

L

durante a entrevista: antigos parceiros seguem com projetos pessoais

ZELO 10


acho que tem uma série de coisas acontecendo, mas não dá para desprezar o Iris como adversário, ele está numa situação muito boa no quadro político, está sozinho, administra praticamente sozinho a cidade, existe uma ausência de administração estadual na vida do goiano e sobretudo do goianiense. O Pedro Wilson, quando inaugurava obras, o Marconi inaugurava paralelamente uma série de outras. Quer dizer, havia competição. Não há uma competição de administrações hoje. Então, quer dizer, o Iris goza de um momento ímpar.

Dentro desse perfil de possíveis candidatos, quem vocês acham que seria um bom produto de marketing político para se trabalhar, quem seria o melhor nome para competir com Iris nas próximas eleições? Existiriam boas alternativas fora das pesquisas? Leo: Falar disso é complicado porque eu não tenho dados. Pesquisa é um ingrediente muito pequeno. Para fazer uma análise dessas eu teria que estar discutindo com os candidatos para ver o que eles estão pensando, para onde eles pretendem caminhar, para ver quem é que vai ter força mesmo. Então, assim, eu não tenho como falar quem vai ter força. Então vamos dar nomes aos bois: Sandes Júnior, Demóstenes Torres, Barbosa Neto, Raquel Teixeira, Giovane Felipe, qual deles teria mais chances na briga? Renato: Eu sou defensor da tese de ter uma candidatura única da base aliada. Candidatura única que seria de quem? Renato: Não vou chegar a um nome. Vou te dar apenas alguns ingredientes que eu penso, porque depende de uma série de fatores. Por exemplo, hoje eu tenho dúvidas se duas candidaturas não é melhor do que uma única. Vou dar um exemplo: o Sandes. Ele hoje é importante porque é o único que tira, até agora, votos do Iris. Com o apoio do PT, o Iris subiu quase 10 pontos, 15 pontos. Então, tirar o Sandes da disputa agora, eu não sei se seria bom. Definido o candidato, quais argumentos, por exemplo, poderiam ser usados contra a administração de Iris numa campanha? Renato: Eu tenho um monte de palpites, mas não posso revelar. Claro, existem várias plataformas. A questão do transporte, do trânsito, saúde, dá para explorar também o campo da educação. Eu

Você falou sobre os pontos positivos. A pergunta é o que pode ser usado numa campanha contra a administração do prefeito? Renato: O Iris é um político que até certo ponto deu certo, se reciclou do ponto de vista de comunicação, então ele goza de um momento muito favorável. Penso que estão demorando a achar uma candidatura para disputar com ele, mas acredito que, se for encontrado um nome razoável, tem muita coisa ainda para ser explorada, não só do ponto de vista da gestão, ou do modo dele fazer política, mas do próprio embate mesmo, porque o Iris está fazendo política, e dá para discutir a política que ele está fazendo. Leo: Eu prefiro não trabalhar nesse ponto, mas dizer o seguinte: acho que nós estamos num momento da sociedade brasileira que é de novos posicionamentos políticos. Acredito que a prerrogativa é essa. Mas ninguém tem prerrogativa para novos posicionamentos. Todos os políticos desse País podem e têm condições de se reposicionar. Do DEM, passando pelo PMDB, pelo PT, PSDB, indo ao PCdoB, ao PV, a todos os partidos. Eu acho que há um certo fechamento de ciclo dentro da nossa história. Então, penso que não é assim, em que pontos que você vai pegar no pé de alguém ou com que pontos você vai vencer alguém. A questão é quem vai conseguir conversar com esse psicológico, com essa mente coletiva dos brasileiros. E como seria essa conversa com o psicológico dos goianienses? Leo: O que eu posso dizer é que essa conversa tem ingredientes de conjuntura internacional, de conjuntura nacional e de conjuntura local. São ingredientes que passam por debates de planos de go-verno, de posicionamento político, e que vão gerar um embate. Na minha opinião, não tem ninguém nem com muita vantagem e nem com pouca. Nós estamos numa eleição onde pode acontecer de tudo, vai depender de como os candidatos caminham por ela. Qualquer um que cometer um erro grave corre o risco de ter uma derrapada muito forte. Renato: Vou te dar um dado interessante dessas últimas pesquisas. O Iris tem muitas vantagens – e são muitas, não tem poucas não. Na última, com o apoio do PT, ele chegou a um patamar de 50 e poucos por cento, mas se olhar na espontânea, existe um percentual, parece que em torno de 66%, ainda esperando uma candidatura. Então eu acho a disputa interessantíssima, acho que essa eleição vai ser bem disputada. Se houver uma candidatura competitiva com o Iris, se houver alinhamentos necessários e se houver um trabalho profissional mesmo em torno disso, acredito que tem um campo muito bom para ser explorado, diante de tantos fatores competitivos que o prefeito tem. Eu acho isso interessante também, tanto quanto a competitividade dele. Alguns desses possíveis candidatos que aparecem nas pesquisas têm demonstrado que são ruins de voto em Goiânia. Não seria um prato cheio para Iris insistir neles, como aconteceu em 2004? Não seria melhor tentar outras alternativas?

ZELO 11


Renato. Não, tem de ser alguém, de preferência, que seja mais conhecido, porque agora o tempo está ficando curto, então a gente teria que atalhar esse período de tornar alguém conhecido para depois tornar ele competitivo. Teria de ser de preferência alguém que já tivesse um grau de conhecimento razoável. Ele já nos aliviaria um pouco de perder tempo com essa tarefa. Agora vamos ter que correr com a campanha. Ao que tudo indica, isso só vai ser definido mesmo a dedo em 30 de junho, que é o limite. Mas não poderia ocorrer algo parecido com 98, quando o Marconi surgiu do nada para derrotar o Iris? Renato: Não é parecido. Em 98, o Iris não estava no poder, ele era senador e estava querendo voltar a ser governador, não tinha máquina, ele não tinha prestação de conta. Hoje não, ele está saindo de uma administração, está mostrando o que está fazendo. Então, a competitividade dele aumentou, ele tem esse fator importantíssimo. Ele está dentro da máquina, está administrando, já está fazendo, não está propondo vir para fazer. Agora vamos falar sobre os pontos que vocês poderiam usar a favor de Iris? Leo: Para definir isso é preciso escrever um planejamento de campanha. Eu acho que o Iris tem diferenciais, ele tem um partido forte como é o PMDB, e agora numa aliança com um partido forte como é o PT, partidos que estão ocupando um cenário local, nacional, que têm um projeto para o Estado, um projeto para o País, que têm um projeto para a cidade. Acredito que a força desse projeto apresentado é que talvez seja o elemento mais importante da campanha do Iris. Esse projeto tem que ser feito, não sou eu que faço, são os gestores políticos dos partidos, e esse projeto tem que ser bem comunicado, e aí entra a qualidade de um comunicador para fazer a campanha.

sola do sapato, de Bittencourt, era uma câmera e um sapato na mão, mas não era uma campanha barata para aquela época. Se você for averiguar os custos, vai ver que tem um valor razoável. Eu estou citando-a porque era uma campanha simples. A gente vem de uma época em que quase todo mundo, mesmo quem tinha mais estrutura, fazia campanha sem pesquisas. Um ou outro candidato tinha acesso a elas. Hoje é bem mais difícil trabalhar assim, sem pesquisa, sem um planejamento mínimo e sem uma comunicação adequada com a utilização dessas ferramentas. Então a gente vem de uma época que era muito no tapa, no faro do candidato, no faro nosso de profissionais. Mas é meio desleal você tentar uma campanha assim, é muito arriscado confiar apenas na percepção.

Verbo

Campanhas de cidadania Prefeitura d e Go iânia: Projeto Nascer Cidadão (1997-2000), Projeto Samba Lelê (2000-2004) Mostre a Palma d a Mão (faixa de pedestre) - (2000-2004)

No caso do Marconi contra o Iris, ele não tinha tão pouca verba assim. Se comparado com o Iris, tinha bem menos, mas havia grana para trabalhar, concordam? Renato: Claro. Do início ao fim, o Marconi tinha pesquisas na mão. Todos os programas nossos foram monitorados com qualitativa. Quem fez campanha com pouco dinheiro e ganhou aqui em Goiânia? Leo: A primeira do Darcy Accorsi. Ele ganhou, mas não levou. Renato: Pedro Wilson, em 88, quase virou a eleição, perdeu por 3% dos votos. A gente ficou sabendo que ele ia entrar na frente da Maria Valadão porque alguém vazou de São Paulo, no Datafolha. Eu achava que ele estava 6 pontos atrás, e alguém vazou essa informação para a gente. E teve aquela reviravolta toda. Se tivesse segundo turno naquela época, o Pedro tinha ganhado. Mas, infelizmente, não teve.

Qual a campanha política que vocês mais gostaram de fazer juntos? Leo: A maioria dos trabalhos que fiz, eu gostei de fazer. Do ponto de vista da riqueza do traFalando em orçamento, qual a verba mínima balho, do ponto de vista daquilo que se conque um candidato a prefeito precisaria hoje Campanhas políticas versou com a sociedade, foi a campanha de para ter chances de se eleger? 2002 da Marina, onde eu consegui discutir Renato: Vou pegar a prestação de contas da Marina Sant’Ann a - Governo estacom a sociedade a implantação de um projeto de desenvolvimento sustentável para o dual (2002) última campanha para prefeito do Pedro WilPercival Muniz - Prefeitura de RonEstado. Mas na minha sociedade com o Reson e do Iris no segundo turno, o que está denato, foi sem dúvida a campanha do Marconi, clarado. Na parte de comunicação, o Pedro donópolis (2000) Adilton Sachetti - Prefeitura de Ronque é quando houve uma explosão profisgastou 4 milhões e pouco, e o Iris gastou 3 sional nossa. milhões Eu não sei a cifra exata, mas é em donópolis (2004) Renato: Há vários trabalhos. Dos trabalhos torno disso, um gastou 4 milhões e pouco, o outro gastou 3 milhões e pouco, é o que está propriamente ditos vinculados com o Léo, eu lá. Comunicação entendendo produtor, agência e me parece que até gosto muito de ter feito o Pára-Choque (coluna de humor do Diário pesquisa. Não estou falando em cabo eleitoral, alimentação, carro de da Manhã) com ele durante três anos. Gosto muito da montagem de som. Numa campanha competitiva hoje, o mínimo para a área de A Falecida, com direção de Sandro de Lima. Gosto muito das camcomunicação é em torno disso. Para a arrancada inicial seria no mí- panhas do Pedro em 88, da campanha do Marconi em 98, e a do nimo 3 milhões. Estou falando só na área de comunicação. Isto para Pedro em 2000. Gosto de outras também. Mas gosto muito dessas. uma campanha ser minimamente competitiva. E a política partidária. Vocês foram militantes dedicados do PT. Como Mas é possível ganhar com pouco dinheiro? está hoje a ligação de vocês com o partido? Renato: É muito difícil. Se pegarmos, por exemplo, a campanha da Leo: Sou militante do PT, todo mundo sabe, nunca desfiliei. Mas ao ZELO 12


mesmo tempo sou um profissional de campanha, então sempre trabalhei nas campanhas de forma profissional. Renato: Eu ajudei a fundar, a fundar não, eu entrei em 82, já estava fundado, então ajudei a construir o PT. Saí em 92, eu acho. Tive uma briga, era a época do Darcy. Saí e não voltei mais. Estou falando um pouco do meu lado de militante político. Em 94 entrei para o PV, fui presidente municipal do partido. Depois fui presidente estadual. De lá para cá, nem sei se estou filiado mais, me afastei, não tenho nenhuma militância. Acham que aliança com o PMDB é boa para o PT? Leo: Eu vejo a conjuntura de 2008 como uma conjuntura de alianças no País inteiro. O PMDB e o PT têm uma aliança nacional. O PT já fez vários tipos de alianças em Goiás, nunca fez apenas com o PMDB. Então, acho que essa aliança é extremamente natural para que o PT continue exercitando a sua condição de um partido que faz alianças, e que conduz o seu projeto político desde o seu nascedouro, com posicionamentos firmes, mas também com política de alianças. Renato: Não sou mais militante do PT, mas, se eu fosse, provavelmente teria trabalhado na tese contra aliança. Não por purismo, não porque ela é feia, ou ela é escória, eu não acho. Penso que a aliança é uma tática eleitoral como outra qualquer, que tem de ser previstos seus prós e seus contras, os acertos e os enganos. Como militante, eu a veria como uma tática equivocada.

grande equívoco na comunicação, o partido comunicou-se mal. A meu ver, este foi o grande problema da gestão Pedro Wilson. Inclusive, também foi um pouco por causa da comunicação que ele perdeu a eleição. Acho que seria um momento de o partido se reposicionar frente ao eleitorado com a candidatura própria. Como profissional, como você analisaria esse quadro? Renato: Olhando com olhos mais de profissional que está no mercado, porque eu não sou militante do PT mais, eu vejo que essa aliança tem prós e contras para o PMDB e para o PT. Ela tem o seu lado favorável, e eles vão tentar explorar isso ao máximo durante a eleição, mas tem vários pontos negativos que eu não gostaria de abordar agora, e quem fizer uma campanha de oposição também vai poder explorar. Então, acho essa aliança no mínimo um pouco delicada, e acredito que ela tem de ser vista com essa delicadeza e com a sensibilidade necessária nesse momento.

Como cidadãos, como goianienses, o que vocês acham que está faltando para a cidade, do que vocês sentem falta? Renato: Planejamento. Vejo essa cidade com ausência de planejamento. Eu acho que não tem uma visão do ponto de vista de seu urbanismo, uma visão moderna, uma visão de futuro. Penso que nós não temos uma gestão hoje, e o Giovane Felipe coloca isso bem no discurso dele. Nós temos talvez um gerente esperto, capaz, que tem feito um bom gerenciamento, mas nós temos hoje uma Goiânia Por que equivocada? sem planejamento. Não é só uma adminisCantagalo Renato: Por tudo, pela história do PT, pelo tração, aí também tem que pegar as outras Alguns prêmios acumulados gestões, que se perderam nessa questão, na acúmulo e pelo capital que o partido conem cinco anos de atividades falta de uma visão moderna, de uma cidade seguiu ter em Goiânia durante todos esses Festival Mundial de Gramado que possa ser sustentável, de uma cidade anos. Um partido que teve duas gestões, que (Edição Buenos Aires 2006): Galo que possa antecipar problemas que outras quase ganhou uma em 85, que quase capitais já tiveram, que nós, necessariamente, ganhou outra em 88, que praticamente semde bronze e menção honrosa não vamos ter de ter. Eu sinto falta disso. pre esteve no segundo turno, eu não desfaria Leo: Eu acho que Goiânia tem que dar sim desse capital de imediato agora, e não vejo O Melhor da Propaganda Centroisso dentro de um projeto para 2010. Acho Leste, da revista Meio & Mennovos passos, no sentido de se posicionar que isso é muito mais um pretexto para discusagem, edição 2008 (categoria enquanto cidade estratégica para Goiás. E tir a eleição atual. Eu não colocaria todo esse TV) esses novos passos vão ser diferentes dos capital nas mãos de um outro partido, sobrenovos passos que todas as grandes cidades tudo um partido como o PMDB, que teve Está entre as três principais têm que dar. Eu acho que o que precisa muitas diferenças com o PT ao longo dos agências de Goiânia em mudar mesmo é o ritmo da lógica que o sisanos. Então eu faria parte de uma outra tese premiações locais, como tema capitalista impõe às grandes cidades, que não fosse essa de uma aliança já no o Jaime Câmara e o Colunistas. essa é uma discussão filosófica, uma disprimeiro turno, pois, repito, não vejo ela como cussão que pressupõe discutir novas polítiuma aliança feia, nem escória. Acho normal, cas públicas, novas visões de como vejo como uma tática eleitoral. Como militante, implementar políticas públicas, e é uma diseu seria contra, pois acho que o partido ganharia mais em ter uma cussão que vai se dar, na minha opinião, a partir dessa eleição para candidatura própria, pelas suas candidaturas para vereador, e pelo os próximos 10 anos da sociedade brasileira, em todas as cidades, seu capital político. Sobretudo, porque é um partido que saiu fragi- em todo o País. Quiçá não seja uma discussão de mundo porque lizado da última eleição na disputa do Iris. Então acredito que pre- os problemas que afetam Goiânia não são diferentes dos que afetam cisava de um reposicionamento de imagem do partido... todas as grandes cidades, e não são diferentes dos fatores que afetam as pequenas cidades também, só que eles são avessos. E aí Quais foram esses erros do PT? discutir isso é um processo muito longo. Eu, enquanto cidadão, me Renato: O Pedro Wilson fez uma boa administração, mas também coloco nessa condição, de que Goiânia tem que se rediscutir sim, teve equívocos de gestão, de condução interna política e teve um como têm que se rediscutir todas as cidades do nosso País. z ZELO 13


POR AÍ...

Rosângela Motta

Closet para pés

rosangela@zelodigital.com.br

Peças raras

Tâmara Brossmann David, 22, formada em Design de Moda pela Universidade Salgado de Oliveira, no Rio de Janeiro, é uma entusiasta por jóias. Tâmara descobriu essa paixão quando fez intercâmbio de um ano na Malásia por meio do Rotary Internacional. O olhar apurado veio com os cursos da conceituada Ajorio (Associação de Joalheiros e Relojoeiros do Estado do Rio de Janeiro). Agora, a designer comanda o Ateliê Tâmara Brossmann, na Nova Suíça, onde cria peças exclusivas para noivas. Seus brincos, colares, anéis, pulseiras e alianças têm acabamento impecável e design contemporâneo. Recentemente, Tâmara criou a coroa do Miss Goiás, que vai ornamentar a cabeça das beldades goianas nos próximos anos.

Pactus

Em um clima de aventura e descoberta, a coleção de inverno 2008 da Pactus se inspira na pintura e ornamentação corporal dos povos indígenas. A nova coleção vem com formas soltas e fluidas. A cartela tem como base as cores preto, fumaça, terra e palha. Tudo com muita modernidade e elegância, conforto e estética. Bernado Borgueti

Classe A

A Empórionaka Closet, no Bougainville, foi projetada pelo cenógrafo José Marton, de São Paulo. A nova loja é composta por elementos simples e, ao mesmo tempo, sofisticados, como madeira, espelhos e tecidos. A delicadeza está presente em detalhes como armários, biombos, mesas e estantes.

Três chic

Comandada pelos empresários Marcílio Costa e Lara, a Luberon Calçados, na Avenida Portugal, Setor Oeste, traz um mix de conforto e sofisticação. Destaque para sandálias que ganharam um toque especial com estampas, brilhos, couros exóticos e tecidos especiais. São peças com design aliado às necessidades das mulheres modernas e dinâmicas.

Forma aos sonhos

Tour

Os chefs André Barros e Emiliana Azambuja percorreram restaurantes, galerias de arte e hotéis de Buenos Aires, de onde certamente voltaram com descobertas muito especiais.

Zelo na web

Carlos Augusto Borges, proprietário da Maxim’s Ambientes, voltou de Milão cheio de novidades. Em pouco tempo, os clientes e profissionais de arquitetura e decoração de Brasília e Goiânia poderão ver de perto tudo o que foi apresentado em Milão sendo aplicado nos móveis projetados pela Maxim's Ambientes.

Objetos

O site Selo Digital www.zelodigital.com.br traz a cobertura diária das melhores festas, novos spots, teatro, design, decoração e música. Editado pelo jornalista Astero Motta, o site traz conteúdo inédito a toda hora.

A Casa Mix, comandada por Cláudia Ducatti e Ricardo de Pina, está presente em 23 ambientes da Casa Cor Goiás. Os produtos foram aplicados de maneira criativa pelos profissionais para atender às mais diferentes propostas e estilos.

Construtora Moreira Ortence, Engel Engenharia e Dinâmica Engenharia adotaram o programa Entulho Zero no Condomínio-Clube Eldorado. O lixo de construções é separado e tem destino ecologicamente correto. Quem informa é Paulo Roberto, da Tropical Imóveis.

O professor Adriano Pereira é o coordenador acadêmico do Instituto Dotis, que conta com a chancela do Ibmec. Nesse primeiro semestre, foram disponibilizados dois cursos: MBA Executivo em Finanças e MBA Executivo em Gestação de Negócios.

Lixo aproveitado

ZELO 14

Cursos de MBA


TURISMO

Pernambuco vai conquistar você Conheça a terra do frevo e de belezas naturais como Fernando de Noronha e Porto de Galinhas

Rachel Alves

P

ara você, o que um lugar para passar uma temporada inesquecível de férias precisa ter? Sol brilhando praticamen-te o ano inteiro, praias de beleza ímpar, rica diversidade cultural, restaurantes de alto nível e regionais, hotelaria de padrão internacio-nal? Pois tudo isso está em Pernambuco, no Nordeste brasileiro, que detém títulos como terceiro maior pólo gastronômico do Brasil e primeiro da região, além de ter pérolas do litoral nacional como o arquipélago de Fernando de Noronha e Porto de Galinhas. Isso sem esquecer da capital Recife, que, com seus arrecifes, forma piscinas naturais à beira-mar de um dos mais famosos cartõ-es-postais do Estado, a praia urbana de Boa Viagem, considerada uma das mais limpas do País e de maior diversidade de aperitivos oferecidos por ambulantes na areia. Recife é ainda uma estância de cultura: seja manifestada informalmente em avenidas por artistas de rua ou mesmo dentro dos museus, que cada vez mais despertam a atenção dos turistas. Um dos grandes destaques é a Oficina Cerâmica de Francisco Brennand, conhecido por quebrar paradigmas em representações de formas humanas e animais. Outro museu que ganhou visibilidade internacional ao abrir suas portas com uma mostra de Albert Eckhout foi o Instituto Ricardo Brennand, também na Várzea. Traduzido como uma réplica de um castelo medieval, o IRB, como é conhecido, transporta os visitantes para o passado de domínio holandês com acervo permanente de obras de Frans Post, um dos pintores que acompanharam Nassau entre 16371644. Nas telas, um retrato da natureza da época em diversas fases da carreira de

Fotos: Rafael Medeiros

Post. No espaço anexo à pinacoteca, uma imensa coleção de armas brancas, armaduras, mobiliário no Castelo São João. A coleção de armaria é tida como uma das maiores do mundo, com três mil peças vindas da Europa, Índia e Japão. No litoral sul pernambucano, o ponto de maior destaque é o balneário de Porto de Galinhas, que, com suas piscinas naturais de água morna e transparente, enche a vista de turistas mirins e adultos. O lugar é considerado a melhor praia do Brasil em uma seqüência de sete votações com júri popular. Localizado a 69km do Recife, o lugar tem ainda uma agitada vida noturna, diversas opções gastronômicas e os mais disputados resorts à beira-mar pernambucana. Fora do continente, Pernambuco oferece ainda a beleza naturalíssima de Fernando de Noronha. Com opções de traslado aéreo ou marítimo em cruzeiro, o arquipélago é a sensação entre turistas nacionais e internacionais pela preservação ambiental e o contato com a natureza. Reserve seus dias de sol para conhecer essa jóia rara, vivendo momentos de muitos mergulhos ao lado de golfinhos e tartarugas. z ZELO 15

Apresentações de grupos folclóricos, comidas típicas, carnaval e peças de artesanato são

algumas das atrações que esperam os visitantes

serviço

Pátio Café – Endereço: Avenida Rui Barbosa, 141, Graças. Telefone:( 81) 3222-7326 Instituto Ricardo Brennand – Alameda Antônio Brennand, s/n Várzea. Telefone: (81) 2121-0352 Oficina Cerâmica Francisco Brennand – Propriedade stos.Cosme e Damião s/nº UR 7 - Várzea Telefone: (81) 3271-2466 Dorisol Recife Grand Hotel – Av. Bernardo Vieira de Melo, 1.624. Piedade. Telefone: (81) 2122-2700


La bella Itália

TURISMO

Glamour, cultura e história se misturam no caminho de quem se aventura a viajar pelo país. Médico Ismael Alexandrino sugere alguns roteiros de visita para Roma e Milão Ismael Alexandrino

A

ntes de me mudar para a Itália, perguntaram-me qual o sentido da minha viagem. Algumas vezes justifiquei que os motivos eram meramente profissionais. Noutras, fui mais sincero, e também acrescentei os motivos culturais e – claro! – os turísticos. Mas, para ser realmente honesto, queria mesmo passar um tempo na Itália por simples desejo. É, desejo. Charlie Chaplin dizia que a vida não é sentido, a vida é desejo. Remontar a história ocidental, conhecer muito da origem da nossa civilização, entender parte da brasilidade, caminhar com “a grande bota” sob os meus pés, tudo isso me fascinava. Focado nisso, a Itália tornou-se meu destino; Milão, uma de minhas paragens. E acredite, querido leitor: a elegância “da bota” impressiona. Quem vai à Itália, geralmente chega por Milão ou Roma, as cidades mais influentes, mais populosas e mais ricas do país. E, neste caso específico, falar de riqueza é falar de elegância, glamour e grandiosidade. A mistura de antigüidade e modernidade é presença constante em Milão. Esta combinação torna-se perfeita e irresistível quando se está na capital mundial do design e da moda. Com clima ameno, caminhar pelas ruas de Milão é agradável ao corpo e, principalmente, aos olhos. Cada rua, uma passarela; cada vitrine, uma coleção; cada loja, uma inspiração diferente e de muito bom gosto. A Galeria Vittorio Emanuelle II, tida como a sala de visitas da cidade, e a Via Montenapoleone reúnem as lojas das grifes mais valorizadas no mundo. Gucci,

Louis Vuitton, Mont Blanc, Prada, Versace, Chanel e Armani são um atrativo especial para quem gosta de ir às compras. Mas quem prefere outro tipo de atração, ainda no centro da cidade, inúmeros museus, pinacotecas e igrejas que guardam a história do ocidente podem ser visitados gratuitamente. Na mesma praça da Galeria Vittorio Emanuelle II está a Duomo de Milão, a terceira maior catedral estilo gótico do mundo. Mesmo para os não-religiosos, a Duomo de Milão é parada obrigatória. Depois de visitá-la, ainda na praça, pode-se tomar um legítimo capuccino na cafeteria Puro Gusto, dentro da Livraria Mondadori. E ZELO 16

depois disso, antes de esticar a noite num requintado restaurante milanês, ainda se pode assistir a um bom espetáculo no Teatro Scala, onde se apresentou inúmeras vezes Luciano Pavarotti. Se tiver um dia a mais, não se deve deixar de conhecer o medieval Castelo Sforzesco e seu magnífico Parco Sempione ao fundo, onde há uma torre de 108m de altura, de onde se vê toda a cidade, inclusive o Estádio San Siro dos badalados times Milan e Internazionale de Milão. Na Itália, há cidades belas, e há cidades exóticas. Veneza não pode deixar de ser conhecida; poucas cidades são tão exóti-


Fotos: Ismael Alexandrino

No sentido horário: Cafe Le Grazie, Fontana

de Trevi, pássaro e Coliseu ao fundo; Galeria Vittorio Emanuelle II; vespa estacionada e

Castelo Sforzesco são algumas das atrações

de Roma e Milão, as duas cidades mais ricas e influentes da Itália. Arquitetura, monumentos e construções antigas ajudam a contar história da civilização ocidental

cas quanto ela. Os passeios de gôndola pelos inúmeros canais por entre os casebres têm um charme singular. Impossível não querer fotografar tais momentos. Impossível não se encantar. Roma (antiqüíssima!), precisaria de inúmeros livros para descrevê-la. Mas penso que tomar um café na Cafetteria Itália avistando o lendário Coliseu já dará asas suficientes à imaginação de quem o fizer. Mas, claro, estando em Roma, é mandatório visitar a Fontana de Trevi e jogar uma moeda na fonte mais famosa do mundo, e depois fazer um pedido. Bem pertinho dali, a arborizada, paisagística e riquíssima em

cafés deliciosos, está a Via Veneto, conhecida mundialmente por seus requintados cafés. Visitar a Basílica de São Pedro, o Museu do Vaticano e a Capela Sistina pode surpreender. Um detalhe: não se gasta menos de cinco horas para conhecer o Museu do Vaticano e suas obras de arte todas cheias de história. O bom disso tudo é que é possível ir de Milão a Veneza, a Roma, a Bolonha, a Florença, a Pisa, a Bari de trem e com um custo bastante razoável. A viagem é segura e tranqüila. Eu já deveria ter terminado este texto, antes da estimada e gentil editora-geral da ZELO 17

Revista Zelo, Rosângela Motta, puxar a minha orelha por causa do tamanho dele. Mas eu seria maldoso se deixasse de sugerir ao querido leitor para que tomasse um vinho italiano, à noite, numa das cidadezinhas da costa leste da Itália, num pequeno bar ou num píer, sentindo a brisa do Mar Adriático. Por curiosidade ou por puro desejo, creio que a Itália é um país que deve ser visitado. Quem sabe não nos encontremos num passeio de vespa, ou sentados à mesma mesa tomando um bom vinho, ou mesmo degustando uma boa e legítima massa italiana ao som de Vivaldi. Este é o meu desejo! z


Festas para agradar aos olhos e ao coração DECORAÇÃO

Alessandro Gemus e Rodrigo Menezes apostam em projetos personalizados para a realização de eventos. O uso de flores e a fusão entre clássico e rústico são alguns dos diferenciais da dupla Carol Magalhães

“O

s olhos são a janela da alma e o espelho do mundo.” A citação atribuída ao pintor renascentista italiano Leonardo da Vinci ilustra com precisão o fascínio e a influência que o olhar exerce nos seres humanos. Não é à toa que se convencionou dizer que a primeira impressão sempre é a que fica. E quando o assunto é decoração, esse ditado ganha ainda mais peso. Um ambiente adornado com requinte e criatividade é um prato cheio para a visão e um convite para os sentimentos. Mas essa idéia não vale somente para residências e estabelecimentos comerciais. O tema também é tratado com seriedade no segmento de eventos, onde festas são transformadas em grandes acontecimentos. Em Goiânia, uma das novidades nesse aspecto fica a cargo da recéminaugurada Villa Flor, loja que reúne todos os elementos necessários para a realização de pequenos jantares ou confraternizações e até casamentos, batizados, bailes de debutantes, aniversários e comemorações de grandes proporções. A empresa é resultado da parceria entre o arquiteto e decorador Alessandro Gemus, 36, e o economista Rodrigo Menezes, 35. Os sócios apostam na beleza das flores e na fusão entre o clássico e o rústico. A maioria do mobiliário próprio é fruto de muita pesquisa junto a antiquários espalhados por São Paulo. Fazem parte do arsenal da dupla: mesas em madeira de lei (tipo Luís XV) e

em madeira de demolição, cadeiras em palha trançada, castiçais em prata, peças em bronze, toalhas em tecidos nobres, guardanapos em cambraia de linho com ponto à jour, cristais e tapetes autênticos. Além disso, a área de floricultura oferece desde arranjos personalizados em formatos de presentes até composições sofisticadas para festas de toda e qualquer natureza.

“O intuito é fugir do estilo provençal, que é muito comum nos eventos em Goiânia e que trabalha com a decoração toda branca”

“O intuito é fugir do estilo provençal, que é muito comum nos eventos em Goiânia e que trabalha com a decoração toda branca, bem aos moldes franceses. Nossos projetos seguem tendências italianas, mais arrojadas, sem medo de ousar nas cores. Também faz parte da nossa concepção resgatar valores tradicionais, do tempo dos nossos avós“, explica Alessandro Gemus. A fórmula parece ter dado certo. Com a agenda lotada, a Villa Flor já carrega em seu currículo festas suntuosas e comentadas em nível nacional, a exemplo ZELO 18

do 45° aniversário do senador Marconi Perillo, promovido no início de março no Alphaville Flamboyant Clube, com renda revertida em benefício de 18 instituições filantrópicas do Estado. O trabalho dos decoradores pôde ser conferido ainda durante a 12ª edição da Casa Cor Goiás, no Colégio Estadual Rui Brasil, no Setor Oeste. Os sócios tiveram como desafio decorar o espaço de eventos da mostra, dando uma cara nova para cada uma das festas agendadas no local. Ao todo, de acordo com Rodrigo Menezes, foram realizados por lá de dez a 12 eventos. O primeiro deles foi a inauguração da Casa Cor, projetada na temática africana. “Outra novidade é que, ministramos, um workshop para noivas, dando dicas e esclarecendo dúvidas sobre decoração”, revela. O projeto da Villa Flor surgiu em setembro do ano passado e teve sua inauguração oficial em março. Contudo, os dois assinam trabalhos juntos desde janeiro. Apesar do pouco tempo de atuação no mercado, a Villa Flor está inserida em planos que prevêem sua expansão. Uma filial da loja deverá ser aberta, em julho, na Capital Federal. Em 2009, os empresários pretendem investir em uma empresa de locação de produtos para festa. “Nosso segredo está em projetos personalizados de extremo bom gosto e que se encaixam como uma luva no orçamento de nossos clientes”, garantem. Al. Ric ardo Paranhos, nº 425, Set or Ma rist a, 55 62 3541.0063 - w ww. v il-


Haroldo Cardos / Rodrigo Baeta

Quem é quem?

O goiano Alessandro Gemus, 36, formou-se em Arquitetura pela Universidade Católica de Goiás (UCG) em 1996. No ano de 1991, durante um congresso da área em Natal (RN), participou de uma oficina de bonecos em espuma que mudou a sua vida. Começou a criar bonecos personalizados e a vendê-los na faculdade. Foi quando apareceu um convite para decorar uma festa infantil, a partir de uma encomenda feita por uma amiga. O evento foi um sucesso. Seus projetos começaram a ser requisitados, o que lhe motivou a abrir uma loja de festas e cenários infantis em 1992.Depois disso, foi trabalhar com Geralda Albernaz no programa “Trabalhando com as mãos”, onde não somente ensinou, mas também aprendeu muito do que sabe hoje. Posteriormente, resolveu abrir, juntamente com um sócio, uma loja de móveis italianos. Após dois anos, foi contratado por uma empresa do ramo, onde consolidou seu nome nesse mercado. Lá ficou por quatro anos.

Alessandro Gemus e Rodrigo Menezes na Villa Flor: grandes eventos no currículo

ZELO 19

Natural de B arret os (SP), Rodr igo Menezes, 35, graduou-se em Economia no ano de 1999. Parte da grade curricular foi cursada em São Paulo e a outra em Goiânia, para onde se mudou a fim de acompanhar mais de perto as fazendas da família em Goianésia. Como economista, trabalhou em bancos e empresas, mas logo descobriu que não apreciava o ofício. Em 2001, foi morar em Barcelona, na Espanha, e, no ano seguinte, em Columbus (Ohio), nos Estados Unidos. Lá, arrumou um emprego de verão no Hilton. Porém, tudo mudou quando, ao cobrir a folga de uma pessoa que fazia a decoração do buffet do hotel, se viu envolvido em algo que realmente gostava. Seu trabalho obteve reconhecimento e seu contrato no estabelecimento se estendeu por quatro anos. Ao retornar a Goiânia, veio decidido a atuar no segmento de decoração.


POLÍTICA Ulisses Aesse

Volta garantida

ulissesaesse@hotmail.com.br

Para ler, refletir e agir

“Não discuto com o destino. O que pintar, eu assino”

Um poema de Paulo Leminski, autor curitibano, tido como “poeta marginal” na década de 70 e um dos ícones da nova poesia brasileira.

O carrasco da Pecuária

Homem forte em Aparecida de Goiânia, Marlúcio Pereira (ele é deputado estadual) dá as cartas no Rodeio Show de Aparecida. Ele e o vice-governador, Adhemir Menezes. Marlúcio é o empresário (ele é um dos sócios do rodeio) que ofuscou a 63ª edição da Exposição Agropecuária do Parque Nova Vila, que aconteceu em maio. Com sua experiência na realização de festas countries, Marlúcio vai enterrando a já tão afamada (mas moribunda) Pecuária de Goiânia. Todas as vezes que acontece o Rodeio Show (seja em Aparecida ou Senador Canedo), Marlúcio está lá no set para conferir se não vai faltar nada.

Confusão pedetiana

Brizolista convicto e pedetista de carteirinha, o ex-teatrólogo (e hoje artista plástico) Jorginho Marques não quer ver o casal Euler Ivo e Isaura Lemos por nada nessa vida. Jorginho foi expulso por uns ‘musculosos’ seguranças da sede do diretório regional do PDT, em Goiânia. Tudo sob as ordens da irritada de-putada estadual Isaura Lemos. Jorginho promete coerência para mostrar porque o casal não serve para ‘administrar’ o partido no Estado. Vai enfrentá-los até o fim. Promete.

Em laboratório

Jovem, corajoso (como oposicionista, ele não tem papas na língua) e boa-pinta, Thiago Peixoto tem pedigree na política. Seu avô, o médico (e intelectual) Peixoto da Silveira, foi deputado em Goiás. Filho do ex-secretário de Iris Rezende, Flávio Peixoto, com estudos na Inglaterra, Thiago pode, quem sabe, ser o nome do PMDB ao governo em 2014, ano da Copa do Mundo no Brasil. Além de estar mais amadurecido, Thiago ainda guardará o frescor da juventude. Aliás, o que garantiu a vitória de Marconi sobre o veterano Iris em 1998.

ZELO 20

Caso Iris Rezende seja reeleito e o ex-secretário Kléber Adorno (PMDB) não se eleja vereador em Goiânia, a estrada para sua volta (de Kléber) à Secretaria de Cultura está mais do que pavimentada. Está pavimentadíssima. Kléber teria dado um dedinho (dedinho não, as mãos inteiras e até os anéis) para a indicação de Doracino Naves para o seu lugar. O também cotado Leopoldo Veiga (secretário interino) não ficou chateado por não ter sido efetivado. Afinal, disse que o tempo seria curto demais para fazer qualquer coisa na pasta. Kléber é e sempre será o preferidinho de Iris. Até porque deixou de ser secretário de Cultura (estadual), quando, em 1998, abandonou o ninho tucano para apoiar Iris Rezende ao governo, contra Marconi. Perdeu junto com seu candidato (Iris), mas deu exemplo de fidelidade. E é hoje o número um de Iris na Cultura em Goiânia e, se Iris for eleito governador, na Cultura em Goiás.


Há quem diga que a ‘independência’ do senador Demóstenes Torres (DEM) em pro- sear alegremente com o colega de Senado Marconi Perillo (PSDB) e em ser ‘cortejado’ pelo atual prefeito de Goiânia, Iris Rezende, tem mais que um simples gesto de independência. Demóstenes estaria tentando sair das asas de Ronaldo Caiado (também DEM), mas estaria, assim, meio sem jeito. Aliás, boa parte de suas vitórias (nas incursões nacionais) se deve à fidelidade de Caiado (hoje deputado federal, mas com força de presidente da República).

Olho por olho

Dois toques com Ronaldo Caiado

Ernani de Paula, escancaradamente (em especial à imprensa), diz não guardar nenhum rancor ou mágoa do ex-governador Marconi Perillo (que deu um empurrãozinho para sua cassação em Anápolis). Mas, pessoalmente, Ernani diz não nutrir nenhuma simpatia pelo tucano. Pelo contrário, se depender de Ernani, bem no fundo de sua alma, Marconi, um dia, também será cassado.

Médico ortopedista há 34 anos, o deputado federal Ronaldo Caiado (DEM), um dos parlamentares de maior destaque no Congresso Nacional, está mergulhado em projetos para melhorar a saúde no País. Recentemente, lutou pela aprovação da Emenda Constitucional 29, que dará mais R$ 23 bilhões à Saúde. O goiano, apelidado em Brasília de "O Anti-CPMF", bateu duro pela derrubada do projeto que previa a volta da contribuição financeira. Confira o bate-papo que a Zelo teve com ele. Por que o governo federal não quer investir em saúde? O governo não quer a vinculação do orçamento a nenhuma das áreas e prefere gastar com a criação de novos órgãos e cargos para os seus apadrinhados. É pura politicagem, só faz o que pode render mais votos nas próximas eleições. A emenda 29 garante a reserva de 10% da receita bruta da União à saúde no Brasil, sem depender do “bom humor” do presidente.

Ego à flor da pele

Em Goiás, o oportunismo abriu a torneira das concessões de medalhas de mérito e de títulos de cidadania. A enxurrada tem deixado ruborizado até o velho Anhangüera e o seu sucessor, o ex-interventor Pedro Ludovico Teixeira. Aliás, títulos que custam caro ao eleitor e ao contribuinte e que, na verdade, só massageiam o ego de alguns vaidosos.

CPMF serve pra alguma coisa? Tá comprovado: a CPMF é um dos piores impostos que existe. Por ser cumulativo, penaliza principalmente o cidadão de baixa renda, pois incide diretamente no seu gasto. Como essa camada da população não tem poupança, tudo que ela recebe é penalizado pelo imposto. Fotos: Divulgação

Independência ou morte

ZELO 21


Obras de arte PERFIL

da Anunciação Peças da estilista Maria Elvira Crosara rompem barreiras entre a moda e o belo e ganham destaque em revistas internacionais

Ana Paula Bravo

A

s criações da estilista/artista Maria Elvira Crosara, da grife goiana Anunciação, são a prova de que moda e arte desfilam juntas, em propostas que, mais do que modernas, podem ser eternas. Maria Elvira Crosara ocupa um lugar de destaque entre os criadores do mundo fashion. Fundadora e estilista da grife feminina Anunciação, essa gaúcha, que veio para Goiás ainda criança, está ganhando o mundo com o seu talento para fazer moda com status de arte. As criações da estilista, há tempos badaladíssimas no mercado nacional, têm causado frisson também lá fora. Só neste ano, a Anunciação foi o centro das atenções em dois importantes eventos internacionais de moda: o showroom da Abest (Associação Brasileira de Estilistas), que aconteceu no charmoso Hôtel de Crillon, em Paris, e o Brasil Fashion Now, no Japão. O sucesso entre os fashionistas do além-mar é tanto que a grife entrou para o “rol das queridinhas” das principais publicações especializadas. A coleção Verão 2009 – que será apresentada na segunda quinzena de junho no showroom da Galeria Daslu, em São Paulo – já é presença certa nas páginas da próxima edição da lendária Vogue americana. Já a coleção “A Hora do Chá” (Inverno 2008) foi destaque no número de janeiro da alemã WeAr, uma espécie de ”bíblia” fashion do design de vanguarda. Nela, a Anunciação é apresentada como referência do que há de mais “in” no mercado da moda-arte. A mesma coleção também desfilou nas páginas da Fashionize e da Fashion Wonderland, outras duas publicações de peso na área. Não é à toa, porém, que a moda feita por Maria Elvira seja compreendida como arte. A criação da grife, em 2002, deu-se exatamente da fusão entre os dois mundos. A estilista uniu os conhecimentos

Maria Elvira em seu ateliê. Estilista faz questão de participar de cada etapa

da produção: “Faço roupa feminina, para agradar mulheres de oito a 80 anos”

ZELO 22


Haroldo Cardoso / Camila Cardoso

Estampas da Anunciação são exclusivas: temas surgem das próprias vivências da estilista

adquiridos na Escola Italiana de Moda & Design, onde estudou joalheria, e no curso de Design de Moda da UFG para esculpir suas primeiras “jóias” em tecido. Botões de ouro, pérolas e pedras preciosas juntam-se a estampas únicas e ao bordado artesanal, na construção de peças de beleza ímpar. Puro luxo! “Um luxo que não está relacionado à ostentação ou a ocasiões de gala, mas ao fato de serem peças que não são rapidamente nem facilmente copiadas”, lembra a estilista. QUADROS PARA VESTIR

O estilo clássico em versão contemporânea adotado pela grife é mais um diferencial da marca. A exemplo dos valiosos objetos de arte, as roupas Anunciação são atemporais. As peças primam pelo culto ao belo, revelado no preciosismo dos detalhes. Na fábrica da grife, Maria Elvira está presente em cada etapa da produção. Ela faz questão de participar ativamente de todo o processo. Desde a prancheta, onde ela mesma desenha os croquis, até os mínimos detalhes, como a marcação de botões. A estilista também experimenta os modelos para avaliar no próprio corpo detalhes como o caimento e o conforto do tecido. A prática, segundo ela, permite que sejam feitos ajustes para que a roupa vista bem as mais variadas silhuetas. “Não adianta só provar na manequim, que tem medidas perfeitas. Faço roupa feminina, para

ONDE ENCONTRAR

agradar mulheres de 8 a 80 anos. A graça da brincadeira é vestir todo mundo”, justifica. Os temas que pautam as coleções de Maria Elvira Crosara surgem das próprias vivências. “Vêm do que eu observo e experimento. Do que gosto e acho bonito. Não tenho compromisso com regras ou padrões pré-estabelecidos. Gosto do belo e beleza não tem regra”, diz. Para a próxima coleção, o litoral Sul da Bahia foi o ponto de partida. “Passei minhas férias em Barra Grande e fiquei encantada pelo mar e tudo o que vem dele”, conta. Mas nada do manjado visual marinheiro. Para Maria Elvira, o mar sugere outras ilações. Navegando por águas bem menos óbvias, a estilista mergulhou na história. Pesquisou sobre os 200 anos da chegada da Família Real no Brasil. Voltou no tempo. Trouxe de lá caravelas, faróis, partituras musicais e rosas, muitas rosas. Depois de cerca de três meses dedicados à pesquisa, todos os elementos pescados pela estilista foram traduzidos em estampas criadas com exclusividade para a Anunciação pela designer gráfica colombiana Catalina Estrada. Conhecida por suas intrincadas ilustrações, que flutuam em cor, emoção e fantasia, a designer também assina as estamparias de outras três coleções da grife. O trabalho da colombiana trouxe ainda mais cara de obra de arte para as criações de Maria Elvira. “Catalina cria verdadeiras telas em tecido. São como quadros que, em vez de pendurar na parede, a gente veste”, compara a estilista. z

A Anunciação é uma grife que aposta no mercado das multimarcas e, por esse motivo, não é revendida em lojas próprias. A marca possui uma loja-conceito no número 540 da badalada Rua Oscar Freire, em São Paulo, conhecida como a meca da moda paulistana. Em Goiânia, as peças podem ser encontradas nas lojas Benedita ou em bazares que acontecem duas vezes por ano na fábrica, que fica na Rua 10 nº 34, Setor Sul. A Anunciação também está presente em multimarcas do Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo, Santa Catarina e Dubai, nos Emirados Árabes. ZELO 23


Toque Cultural ran.borges@ig.com.br

Música e libido

Cláudia Vieira completa 15 anos de carreira orgulhosa do que faz e com muitos projetos. Com vários shows agendados em Goiânia e Brasília, trabalha na divulgação de seu último disco. Ela resume seus planos em uma frase: “romper fronteiras”.

Qual o balanço que você faz destes 15 anos de carreira? Positivo, muito positivo. Canto MPB, muito influenciada pelo jazz, blues. Meu segundo disco solo, Para Caliandras, Miosótis e Margaridas, é sempre muito bem recebido, é um disco orgânico, equilibrado entre edições eletrônicas e instrumentação acústica. Gosto da música que faço. Sei das dificuldades, mas sempre chegam surpresas muito agradáveis, como o convite de um programador da CO'B FM de Brissac, na França, interessado em tocar o disco na rádio. Isso me deixa feliz e orgulhosa! O que há de novidade no seu trabalho? Este foi o ano em que conheci o músico-arranjador Marconi Henrique, que mudou minha relação com fazer música, conceber shows. Através da insistência dele comigo, aprendi a persistir, investir e gostar de elaborar shows, projetos. O que te chama a atenção atualmente na cena musical de Goiânia? Gosto muito do grupo De volta ao samba. Acho uma proposta muito elaborada: repertório pesquisado, bem executado. Dou muito valor à pesquisa musical. Acho, inclusive, ser essa a maior característica do meu trabalho! Aprecio o trabalho que a cantora Karine Serrano vem desenvolvendo – também de forte pesquisa – sobre a obra de Chiquinha Gonzaga. Um show elaborado, emocionante mesmo! As cantoras Grace Carvalho, Larissa Moura, Luciana Clímaco possuem repertório conceitual. E tenho certeza de que há muito mais coisas interessantes acontecendo na nossa cidade que não tive, ainda, a oportunidade de conhecer.

Fotos: Ângela Motta

Ranulfo Borges

Crítica ao capitalismo

O arquiteto Daniel Almeida usa imagens de Buda para compor o Espaço de Circulação e Escada que criou a Casa Cor. Confira alguns dos trabalhos que dez artistas plásticos produziram para o projeto, que faz uma crítica ao “pseudo espiritualismo capitalista”. Edney

Antunes

Divino Sobral

Do brega nacional a Madonna, passando por cantoras como Ana Carolina, o erotismo tem sido componente forte na música. Até que ponto as duas coisas têm a ver? Estabelecer uma relação entre sensualidade e música como estratégia, mecanismo para chamar a atenção do público é extremamente “pobre”, na minha concepção! Mas a música expressa também sensualidade... Chato é quando se faz música ou se assume uma determinada performance para “ser sensual”. Até porque o que é sensual para uns, não é para outros, né? Ac ha q ue f a l t a l i b i d o n a m ús i c a goiana? Olha, acho que sexualização excessiva da música acontece porque falta, exatamente, libido na vida! Uma coisa é falar disso, a outra é exercer! Os extremos são sempre perigosos. E denunciam a falta! Percebemos que, cada vez mais, as pessoas têm dificuldade de expressar e lidar com seus desejos. Libido, eros, é muito mais do que fazer sexo! Para se viver de forma, no mínimo, satisfatória, há que se estabelecer vínculos, laços afetivos. Aí, sim, aparece uma sensualidade ímpar, deliciosa... z ZELO 24

Gilmar Camilo

Marcelo Solá

Léo Pincel


Fotos: Divulgação

Agenda básica G o i â ni a O ur o

 IV Festival Intern acion al de

Teatro do Corp o Ritual (a partir de 20/0 6) C abaré da Meia Noite ( 21 e 28/ 06, à s 23h 30)

B o l s ho i P ub

 Tribu to a J ohnny Cash, com a

banda Crazy Legs (RJ) ( d i a 26/ 06) O rockabilly mais aclamado d o País homenageia o ícone d os anos 50 e 60 da American Country Music.  Mar celo N ova (05 e 06 /07) Cantor lan ça seu último álbu m.  Ban da Cascadura ( BA) (17/07)Tour nacional de lanç amento do C D Bogary.  S i c k S i c k S i n n er s (24/07/2 008) Show de lançamento do álbum Road Of Sin, em comemoração aos dez anos da Monstro Disc os.  S ho w

P lane t Music Festival de Férias C om Marcelo D2 , Pitty, Ch arlie Brown Jr., MV Bill e Edu Rib eiro. Participação dos DJ's de hou se Gui Boratto, Fabrí cio Peç anh a, Vácu o Live e André P ulse. Dia 0 5/07 , no Clube Jaó. Informações: (62) 8409-6563 , (62) 8412-0918 (62) 840 6-297 6. Ponto s d e venda: Pontos de Ve nda: Tru pe do Açaí, Emp ório Havaianas, Shop ping Cid ade Jardim e Burg er King..

Temporada com Nu Escuro

Enquanto prepara novo espetáculo, o Nu Escuro prossegue com apresentações das peças do seu repertório. O Cabra que Matou as Cabras (foto), dirigida por Hélio Froes, está em cartaz todas as quintas-feiras de junho no Goiânia Ouro.

Em palcos do Rio

Os atores Ariadne Corina, Bruno Shibiu, Mari Passos e William Carlos levam o teatro goiano para o Rio de Janeiro com a peça de humor Xérox, a Comédia. A direção é de Rafael Ribeiro. As apresentações no Rio estão marcadas para o Teatro dos Quatro (28/06) e Ilha do Governador (13 e 14/09). Em Goiânia, serão nos dias 15 e 18 de junho. Em outubro é a vez de Belo Horizonte.

Setor Criméia

A comunidade do Setor Criméia Leste conta agora com o Centro Social Cidadania Plena, resultado da parceria entre as ongs Ponto de Cultura Criméia Resistência Comunitária e a Ação Social Nossa Senhora de Lourdes. A inauguração aconteceu no mês de maio, com shows, teatro e outras atrações. Grupo Noys é Noys, Teatro Ritual e Carlos Pereira foram alguns dos que se apresentaram. O espaço oferece cursos de música, teatro, informática, artes plásticas e outras atividades.

Casa nova

Entrada free

Jazz às quartas-feiras, bolero às terças e programação durante toda a semana, às 19 h oras (Rua 74, Centro)  Gr ande Hotel

C horinh o todas as sextas-feiras, às 19 horas (Avenida Goiás, e sq. c/ a Rua 3, C entro)  Café Cultura ( Goiânia Ou ro)

Blue s às terç as-feiras (2 1h), jazz às sextas (23 h) e rock acústico a o s d o m i n g o s (2 0 h )

10ª Mostra Curtas

Maria Abdala acaba de encerrar mais um projeto de cursos de cinema pelo Instituto Icumã, com participação de nomes nacionais. Agora prepara a 10ª edição do Goiânia Mostra Curtas, que acontece em outubro. O lançamento é em 1º de julho. ZELO 25

Virgilio da Costa

 Mercado Popular

O Núcleo de Dança Vinícius da Costa agora funciona no Studio Dançarte, à Av. T-3, ao lado da Chopperia Pingüim, no Setor Bueno. A nova sede oferece instalações amplas e muito conforto para os alunos. As inscrições para os cursos de férias já estão abertas. Informações pelos fones 3954-1234 e 3224-0723.


SÓ PARA HOMENS João Camargo Neto

jndcneto@gmail.com

Inverno

Fedora New Era

O chapéu Fedora promete ser o acessório-chave para os homens no inverno 2008. Imortalizado por Humphrey Bogart, que iniciou a carreira nos palcos do Brooklyn, faz parte da coleção New Era desde a sua fundação, em 1927. Para o frio, chega ao Brasil a versão que a marca americana de headwear fez deste clássico. Feito em lã, feltro ou palha, o Fedora New Era faz parte da coleção EK, caracterizada por modelos clássicos e históricos da cultura de chapéus.

Para se preparar para a temporada de frio, a New Era indica bonés que possuem peles de carneiro em partes estratégicas, como orelhas e nas partes de dentro e frontal. São dois modelos que chegam ao Brasil: New Era Dog Ear DaBu, com peles na parte das orelhas; e o New Era Dabu – Front FUR (frente de pêlos). Ambos são modelos 59 Fifty, conhecidos pelos tamanhos personalizados.

Banheiro high-tech

Banheiro coletivo não costuma ser muito privilegiado. Se for masculino, então, menos ainda. Mas a Casa Cor prova que o espaço pode receber ares de sofisticação. Os arquitetos Andréa Andrade e Jefferson Castro e a designer Rose Campos Vaz assinam em 2008 o Banheiro Público Masculino. Natureza high-tech, com destaque para o trevo de quatro folhas, dá o tom do ambiente. Paulo José

Fotos: Divulgação

Estação elegante

É o momento certo para tirar o suéter de cashmere do guarda-roupa. Em tempo: trata-se de uma fibra natural rara, selecionada da tosquia da cabra caxemir, encontrada na Mongólia. Os Estados Unidos foram inundados por cashmere barato da China nos últimos anos. Foi-se o tempo em que suéter de cashmere era made in Italy ou France e custava no mínimo US$ 100. O que importa agora é que aquece bem. E como...

O Rio é aqui

Por falar em banheiro, o do Seu Lalá, bar “carioca” instalado no Setor Marista, merece menção. Para começar, a entrada do toiallet masculino é a mesma do feminino. No mictório, televisores com clipes de golfinhos e tubarões chamam a atenção e, por vezes, até constrangem o usuário, que pode temer molhar os aparelhos. Com esta e outras intervenções, o Seu Lalá é uma boa opção para relembrar o verão carioca no inverno goianiense. Logo de cara você encontra os Arcos da Lapa e tem a oportunidade de ficar ao lado de um telão de quatro metros que no mesmo instante o transfere para a Praia de Botafogo.

Pular é saúde

Não tem desculpa para quem deseja ficar em forma ou precisa cuidar da saúde e não tem tempo para freqüentar academia. O jump é um exercício divertido, geralmente praticado ao som de uma batida eletrônica que lembra boate e pode ser feito em casa. Basta adquirir uma esteira e escolher o melhor horário para começar a pular. ZELO 26

Ele + ele

Para homens que amam iguais, a editora Sapucaia lança quinta edição da revista Junior. A publicação trimestral retrata o mundo masculino moderno, sem restrições de sexualidade, informando a quem busca alternativas à cultura de massa e antecipando tendências. Entrevistas, moda, cultura, esportes, turismo, humor e muito, mas muito estilo.


ARQUITETURA

Fotos: Clausem Bonifácio

O hall da Casa Cor tem

a assinatura de Pedro Paulo Luna: referências na arte e na moda

Ousadia e conforto marcam a Casa Cor 2008

Nova edição do evento reúne ambientes como uma sala de TV que conta a história do audiovisual, refúgio do chef e espaço de eventos, num total de 43 projetos criados por mais de 70 profissionais

A

cada edição, a Casa Cor supera as expectativas dos visitantes. Grande parte do público que confere a exposição, que este ano acontece no Colégio Estadual Rui Brasil, se encanta com a ousadia dos 73 profissionais, que mostram as tendências em design, decoração e paisagismo que vão guiar a estética desse universo na próxima temporada. O designer Pedro Paulo Luna concebeu o hall da Casa Cor tendo como referência a arte e a moda. A primeira está representada no tom monocromático, inspirado nas obras do artista francês Yves Klein. A segunda é percebida nos revestimentos dos sofás, numa releitura feita pelo designer de uma estampa da bolsa Prada – coleção Trenbled Blossoms. O ambiente Escada e Circulação, assinado pelo arquiteto Daniel Almeida, busca uma experiência visual com o tema Buda. O arquiteto apresenta ao público trabalho de dez artistas plásticos, que deram, cada um, uma versão diferente para o tema. As designers Regina Amaral, Fátima Mesquita e Márcia Albiéri criaram a Sala de TV, que traz elementos que ressaltam a evolução da história do audiovisual no Brasil. Um telão de 106 polegadas e seis modernos televisores com tecnologia LCD dividem espaço harmonicamente com vitrolas, rádios e tevês antigas.

O arquiteto Leo Romano assinou a Sala do Banho. Ao lado dos chuveiros, foi criado um jardim vertical com mais de 300 vasos com plantas naturais e ainda uma piscina spa de 5x2m. Uma chaise, desenhada pelo arquiteto, e um futon são um convite para momentos de relaxamento. Sonho da maioria dos jovens, o Banho da Jovem foi criado pela designer Rosângela Queiroz. O quarto traz uma cadeira Mademouselle, do designer francês Philippe Starck, com estampa de oncinha da Dolce&Gabana. Doiriselma Mariotto assina o Quarto do Casal. Seguindo uma tendência internacional, os tons predominantes do quarto são os de branco e bege. Uma TV é presa por um braço articulado, o que possibilita um giro de 180 graus, e pode ser vista tanto da cama como das chaises. A arquiteta Eliane Mendonça apresenta o Estúdio da Mulher. O ambiente reúne living, um office, cozinha, banheiro e closet. O local foi projetado para ser um ambiente de trabalho, descanso e lazer ao mesmo tempo. Destaque para o belo pendente circular. Genésio Maranhão mescla o moderno e clássico na Sala de Jantar. O ambiente ganhou elementos diferenciados, como um elegante tapete em relevo de flores, da Casa Mix, e os abajures de

ZELO 28


Murano, todos da Interpam Iluminação. O Refúgio do Chef foi inspirado nos ares provençais da França e leva a assinatura de Flávio Paraguassu e Ednara Braga. O projeto contempla uma bancada em U, com um fogão ilha e um monitor acoplado à porta do armário, todos da Maxim’s Ambientes. Geórgya Silveira, Tayná Gonçalves e Soraia Prates são responsáveis pela Galeria de Arte. Trabalhos do artista plástico goiano Pitágoras, traduzidos por uma releitura gráfica da designer Fabíola Morais, chamam a atenção. Destaque também para os bancos coloridos de Flávio Borsato. O campeão de jet-ski Célio Vinícius é homenageado pela arquiteta Rubiana Teixeira, com o ambiente Banho do Campeão de Jet. Um painel de 2,25 m2 com a caricatura do goiano foi customizado no porcelanato do banho. André Brandão e Márcia Varizo trazem a Sala da Confraria. Inspirados nas confrarias européias, os arquitetos apostam no esplendor do dourado e do branco. O espaço abriga uma mesa de centro assinada pelo designer alemão Konstantin Grcic. O Espaço Villa – nome dado ao local de eventos – é assinado pelo arquiteto Alessandro Gemus e pelo decorador Rodrigo Menezes. Os profissionais vão apresentar durante os 38 dias do evento cinco tipos de de-coração diferentes. Os arquitetos Augusto Thomé e Júnior Roriz apresentam o ambiente Cine Estúdio, um conceito de home cinema confortável, espaçoso e elegante. Destaque especial para uma mesa de centro de 1,80m x 1,50m toda na cor negro. z

O Refúgio do Chef, ambiente inspirado em região do sul da França, traz bancada em U, com fogão ilha e monitor acoplado à porta do armário. Na foto ao lado,o Espaço Villa, destinado a festas

Estúdio da Mulher é um ambiente que reúne living, office, cozinha, banheiro e closet. Proposta do

projeto, criado pela arquiteta Eliane Mendonça, é servir como ambiente de trabalho, descanso e lazer

Sala de TV, das designers Regina Amaral, Fátima Mesquita e Márcia Albiéri: elementos mostram evolução da história do audiovisual no Brasil. Telões modernos dividem espaço com vitrolas e peças antigas ZELO 29


BELEZA Hair Group

Com unidades no Alphaville Flamboyant e Brava Mall, o Hair Group é uma franquia européia que tem à frente a empresária Kátia Beatriz de Paula. O centro de beleza reúne, num único espaço, conforto, sofisticação e serviços diferenciados. No Hair Group, o Dia da Noiva é absolutamente especial. Além de se entregar aos cuidados dos magos do salão, as noivas podem fazer massagens e tratamentos relaxantes. O Hair Group atende no máximo duas noivas por dia. Para tanto, conta com uma equipe diferenciada, capaz de atender desejos e necessidades das clientes mais exigentes.

Retoques

 Cabelos, cuide d os seu s! Mais de 100 milhões de mulheres no mundo sofrem com o problema de queda de cabelo, segundo estudo da Academia Americana de Dermatologia.  Atração Abelha Rainha lança novas fragrâncias. Para o público mais jovem, a pedida é o duo de fragrâncias Atração.

Fotos: Luciano Medeiros

zelo

Anti-sinais

A Natura lança um novo produto anti-sinais. O Natura Chronos Politensor de Soja combina a tecnologia do Politensor Vegetal com Proteína da Soja, uma microrrede tensora, e o exclusivo Dermo Glicídio, que atua nos principais mecanismos de firmeza da pele, proporcionando ¼ a mais de colágeno com uso contínuo durante 60 dias.

Chocolate

Comprovadamente benéfico à saúde, servindo de auxiliar do sistema imunológico, além de conter várias substâncias antioxidantes. O Oásis Hotel & Spa inclui a tentadora substância no cardápio de seus hóspedes com aplicação sacietógena. Mesmo em pequena quantidade, o produto ajuda a reduzir o apetite. www.spaoasis.com.br.

Produção

A modelo Raisa Theil, capa desta edição, foi maquiada pelo hair and make up stilyst Randerson Martins. Ele revela para os leitores da Zelo os produtos usados no editorial de moda.

Para ela, uma fragrância oriental frutal, com toque envolvente e sensual. Para ele, um amadeirado fougère envolvente, com frescor eletrizante.  Mundo Verde As empresárias Rita de Cássia e Lívia Maria Caixeta Oliveira inauguraram recentemente a primeira loja do Mundo Verde, franquia especializada em produtos naturais, orgânicos e bem-estar. ZELO 32

Pele Blush – Bobbi Brown Pó compacto Studio Fix da Mac Olhos Sombra Mac – tom de marrom e pérola Cílios cantoneira nos cantos dos olhos Rímel da Mayselline volume expresse Boca Batom cor de boca mate cremoso da Contém 1g Cabelo Spray jato seco e pomada finalizadora


THE HOUSE

Modelo: Raisa Theil (CASADEARTISTAS) Fotos: Luciano Medeiros www.lucianomedeiros.com.br

Assistente de fotografia: Leandro Souza Beleza: Randerson Martins

Blusa e jeans CALVIN KLEIN, jaqueta de couro e cinto FORUM TUFI DUEK

Produção/Stylist: Rafael Garcya

Tratamento de Imagem: Leandro Cordeiro Agradecimentos: Jady Brasil Semijóias Villa Flor Decorações

ZELO 34


Terno e short Caos dos Trรณpicos e blusa Traffico Z para CARMEM CARDOSO, lenรงo e cinto FORUM TUFI DUEK, carteira black e sandรกlias LUBERON

ZELO 35


Blusa Caos dos Tr贸picos, body Morena Rosa e bolsa Kdch para CARMEM CARDOSO, mini CALVIN KLEIN, sand谩lias LUBERON

ZELO 36


Vestido Carla Amaral para ELIANE BRAGA, cintura verniz e carteira FORUM TUFI DUEK, broche Camélias em cetim TÂMARA BROSSMANN

ZELO 37


Poncho black e colar acrílico PACTUS, Anke Boots LUBERON

ZELO 38


Camiseta e calça CALVIN KLEIN, lenço Vitória Régia FORUM TUFI DUEK e peeptoe LUBERON

ZELO 39


EVENTO

Regina Amaral, Fátima Mesquita e Márcia Albiére

Rodrigo Menezes e Alessandro Gemus

Eduardo, Clarismar Machado e Frederico Adejar

Pedro Paulo e Ana Paula de Castro

Silvio Simões

Fotos: Haroldo Cardoso / Ryck Mont

Paulo Sepúlveda e Patrícia Sepúlveda

Fernando Eurípedes e Mônica Navarrete

André Brandão, Márcia Varizo e Sandro Gomide

Casa Cor

O Colégio Rui Brasil é palco da Casa Cor, que neste ano chega à sua 12ª edição. Arquitetos, desig ners e decoradores apresentam as novas tendências do morar contemporâneo, em 43 diferentes am bientes desenvolvidos por mais de 70 profissionais. O coquetel de lançamento reuniu participantes e convidados.

Daniela Katenas e Marcus Ferreira

Carmen Sílvia, César de Paula e Virgínia Naves

Sheila de Podesta e Eliane Martins

Gisele Maciel e Joel Santana

Eduardo Jacintho e Márcia Simonsen

Raquel Teixeira e Eliane Mendonça

Márcio Vaz , Rose Campos Vaz e Rayner Rich de Oliveira

Leandro Borges, Renato Monteiro, Rogério Borges, Úrsula Monteiro, Cristiano Lemes, Idila Guimarães, Greisson Albuquerque, Marcelo Trento e Leo Romano ZELO 40

Cláudio Múcio, Luci e Célio Vinícius


EVENTO

NOVA CALVIN KLEIN

Fotos: Ângela Motta

Os empresários Joaquim Campos Júnior e Vanessa Campos abriram no Flamboyant Shopping Center a segunda loja da Calvin Klein em Goiânia. Com apelo sofisticado e casual, a loja oferece os famosos jeans, além de toda a linha de óculos, perfumes e underwear da marca, que, segundo pesquisa do instituto britânico Nielsen, é a marca de luxo mais comprada pelos brasileiros. Gente da moda e da sociedade foi conferir a coleção inverno 2008.

Vanessa Campos

Mariana Guimarães e Murilo Frazão

Paulo Roberto Júnior e Alexandra Escher

Marcelo Piquira e Maria Alice conferindo as novidades

Wilson Magalhães e Nara Guimarães

Rodrigo Marques e Lívia Resende

Anita Cardoso e Carlos Alberto

Guilherme Evandro e Camila Lobo

Michele Gatti e Paulo Trucco

Carlos Alberto, Anita Cardoso e Joaquim Jr.

Joaquim Júnior e Rose Lisita

Marco Aurélio e Paulo Oliani ZELO 41

Marcus Vinícius e Cida Lobo

Bruno Nery e Letícia Guimarães

Equipe Calvin Klein

Cristina e Edson Jr.

Mariana Cardoso e Anita Cardoso


Oggi Ambientes chega a Goiânia

A Oggi Ambientes foi inaugurada com o que existe de mais moderno em tecnologia para cozinhas. A grande novidade ficou por conta das gavetas eletrônicas. Com tecnologia importada da Áustria, as gavetas se abrem com um leve toque de mão e funcionam através de sensor. Além de arquitetos e decoradores, o evento de inauguração contou com a presença do ator global Thiago Mendonça, o Bernardinho da novela Duas Caras . Comidinhas do chef Fernando Hanna. Fotos: Ângela Motta

Fachada da loja; nas fotos ao lado, Thiago Mendonça, Ricardo Ponce e Wemerson Caetano; Flávio Paraguassu e Valéria Ludovico

Sanderson Porto, Ana Paula Castro e Fernando Parrode

Wania Alves, Cláudia Ducatti e Wanda Alves

Meire Santos e Simone Lourenço

Fernando Hanna,Thiago, Ricardo e Wemerson ZELO 42

Augusto Thomé, Júnior Roriz e Soraia Prates

Helen e Jorge Perillo

Thainá e Silvio


Thiago Mendonça, Maristela Barros, Osvaldo Barros, Patrícia Queiroz e Giovane Assis

Jorge Ceroni e Yanis

Márcia e Regina Aparecida

Cláudia Oliveira e Caio

Larissa Franco

e Jussara Franco

Rodolfo Naves

Giovane Assis e Daniel Almeida

Ivan Grande, Ricardo, Nilceni e Wemerson

Marco Túlio, Nara Rossi e Fernando Rossi

Marcos, Luciana, Míriam, Nilceny,

Valéria Ludovico Ricardo, Flávio e Wemerson

Pedro Paulo

Karla do Prado

Eliane Vulcano, Valéria Ludovico, Alfrides Júnior, Ricardo Vulcano, Nilza Bauer e Alfrides Bauer

Andréia Carneiro e Sônia Lima ZELO 43

Ricardo e Adriana Veiga

Bianca Keico e Elenise Araújo

Miriane Amorim, Daniela Viega Zago e Luiza Resende

Márcia Varizo

e André Brandão

Mariana Mendonça, Thiago e Luana Mendonça

Rua T-1 nº 2.061 - Setor Bueno - Goiânia-GO Fone: (62) 3253-1789


EVENTO

Feijoada no Le Bistrô

Márcia Pinchemel recebeu convidados para mais uma tradicional feijoada em seu Le Bistrô, em Pirenópolis. O evento, promovido por Eliane Perillo e Heliane Moreira, contou com a presença de gente da sociedade de Brasília, Pirenópolis e Goiânia. A DJ Simone Junqueira comandou a pickup. Fotos: Ângela Motta

Márcia Pinchemel, Diogo Pinchemel, Lúcia Figueiredo e o prefeito Rogério Figueiredo

Lili Moreira e Anselmo Pereira

Fernanda, Ana Amaral e Edna Gomes

Najwa Saleh e Elpídio Fiorda

César Perillo e Gabriela Vilela


EVENTO

EMPÓRIONAKA CLOSET EM GOIÂNIA

A empresária Ide Tolêdo Lima inaugurou a Empórionaka no Bougainville. Os novos clientes e convidados foram recepcionados com um coquetel para conhecer a nova loja e a coleção de inverno 2008, composta por mais de 600 itens, entre scarpins, sapatilhas, sandálias, botas, bolsas e cintos. Chocolate, champanhe e mimos fizeram a alegria dos convidados. Fotos: Ângela Motta

Talita de Tolêdo, Ide de Tolêdo, Iron de Lima e Thaís de Tolêdo

Alto-astral marcou a inauguração da Empórionaka

Ludmilla Almeida, Heliete e Célia Almeida

Equipe Empórionaka – Goiânia

Juliana Vieira, Laura Fonseca e Isabela Guimarães

Thaís de Tolêdo e Talita de Tolêdo

Elizabeth Reger e Elizabeth Piccolo

Eliane Cordeiro, Talita de Tolêdo e Maria do Socorro

Ide Tolêdo e Leni Pacífico

Thaís Tolêdo e Danielly Manochio ZELO 45

Rodrigo Cordeiro e Ludmila Nogueira

Leonardo Mendes, Talita Tolêdo e Carlos Melo

Rebeka, Isadora Briet, Ide Tolêdo e Valdísia

Danielle Rezende, Nina Azzi, Thaís Tolêdo e Larissa Azzi

Equipe Empórionaka – São Paulo


EVENTO

JÓIAS DE LEO ROMANO

O arquiteto Leo Romano lançou uma coleção de jóias composta por 25 peças em amarelo-ouro e rosa, em composição com pedras como brilhantes e rubis. Seu trabalho explora volumes sólidos e formas que remetem às linhas da arquitetura moderna brasileira. O coquetel de lançamento aconteceu no Museu de Arte Contemporânea do Centro Cultural Oscar Niemeyer.

Haroldo de Sousa, Caio Jardim e Leopoldo Santana

Marcos Caiado, Bia Guimarães e Júnior Roriz

Fátima Pinheiro, Greisson Albuquerque e Marcelo Trento

Belinda Roriz

Leo Romano

Ane Trento, Rogério Borges e Tatiana Caixeta

Fotos: Ângela Motta

André Barros e Viviane Brum

Shell Jr. e Saida Cunha

Mônica Chaves, Vanessa Chaveiro e Nergalan Ribeiro

Eliane Mendonça e Marcos Patti ZELO 46

Neilton Fernandes

Daniela Mallard e Jean Begerrot

César Costa, Anna Raquel e Álvaro Sabra

Wanessa Cruz, Sandro Tôrres e Sophia Voguet

Cleydson Francisco e Gláucio Rocha


EVENTO

Noite para Karla Rattes

A cerimonialista Karla Rattes comemorou seu aniversário, no Viveiro In Plante, cercada de amigos. A festa foi um mix de música perfeita, cenário agradável, drinques ótimos e convidados alto-astral. Nas pickups, o quarteto André Barros, Simone Junqueira, Marcos Silveira e Adriano Pinheiro. Fotos: Ângela Motta / Jaspion Caetano

Marden, Flávio Paraguassu, Simone Junqueira e Beatriz Arruda

Valéria Noleto, Marli Mendes e Carolina Bufáiçal

Liliane Lobo

Selvo Afonso

Terezinha Rezende

Camila Soares e Maurício Maciel

Marcos Silveira, Karla Rattes, Bosco Neto, Bruno e Pedro Rattes

Eduardo Oliveira e Valéria Junqueira

Luiz Roberto e Marielza Rattes

Cleydson Francisco, Karla Rattes e André Barros

Mayse Contart e Cris Isaac

Karla Rattes e Rodrigo Peixoto ZELO 47

Hemerson David e Raquel Gomide

Ednara Braga e Agenor Braga

Ricardo Janz e Rosângela Motta

Mauro Camilo, Anne Bastos e Bruno Gobbo

Mena Marangoni e Jô Almeida

Severino de Souza e Eduardo

Fernando Peixoto

Laura Rattes, Régia David e Bosco Rattes


EVENTO

Forma em festa

Saudação

Edson Ponte e Lúcia Martins, da Forma, comandaram coquetel no Restaurante Bartolomeu da Casa Cor Goiás, projetado pelo arquiteto Marcílio Lemos.

O Skal Internacional de Goiás reuniu a sua diretoria e seus membros para um jantar-reunião na Boutique do Peixinho, no Setor Marista.

Fotos: Ângela Motta

Fotos: Virgílius da Costa

Simone Borges e Sérgio Sarmento

Edson Pontes, Lúcia Martins e Marcílio Lemos

Irma Leão, Andréia Carneiro e Andréa Fonseca

Augusto Thomé e Júnior Roriz

Moacyr Florentino, Márcia Brandão, José Guilherme Schwam e Julimar Torres

Donizeth e Moema Tavares

Gilson Ramos e Maisa Gouveia

Luciano Carneiro, Chirley, Luciane e Marco Machado


ACONTECEU Fotos: Ângela Motta

1

2

4

7

3

5

8

10

1 - Edina Negri e Eliz Oliveira, no coquetel da Idéias em Formas 2 - Mirna, Carmem e Lucimar Cardoso exibem coleção de inverno 3 - Mário Valois, Antônio Guerino e Paulo Roberto pilotaram almoço de lançamento do Eldorado 4 - Graça Oliveira, Cláudia Maia, Célia Fonseca, Clara Garcia e Narayana Hannas, na festa da Khudra 5 - Fernando Costa e Valéria, durante jantar no Castro’s 6 - Múcia Carolina Nery, na estréia da Bárbara Strauss

6

9

11

12

7 - Djair Borges comemora 25 anos da Borges Landeiro, no Dalai 8 - João Nelson e Rita Azevedo lançam tendências da Bomtempo 9 - Eugênio Bessa, Patrícia Martins e Vinícius Schroder armaram festa na Boate Sedna Lounge 10 - Orlando Milhomem Motta, Eneide, Rosângela Motta e Pollyanna Motta, na inauguração do Brava Mall 11 - Ana Paula Panarelo e Camila Rocha, no lançamento da Enjoy 12 - Amália Lago e Félix Renato do Lago, no evento da The Best ZELO 49


BRASÍLIA

Maratona de criação

Fotos: Kell Motta

A terceira edição da Maratona de Criatividade 40 horas aconteceu no último dia 21de maio, no Atelier Lourenço de Bem, no Setor de Mansões do Lago Norte, em Brasília. O evento contou com a participação de artistas que trabalham com pintura, escultura, instalação e objetos artísticos. Durante a maratona, foram realizados vários debates sobre a produção artística de Brasília.

Michelle Cunha

Salete Henkes

Lourenço de Bem

Ivan e Cristina

Vitória Biagioli e Arbela Biagioli

Jeane Maz, Adriana Vieira de Moraes e Leila Bayeh

Glênio Bianchetti e Ailema de Bem Biachetti

Cláudia Cappelli

Tribo do Zé – escultura

ZELO 50


ZELO 51


ONDE ENCONTRAR

BLIN D LUX Avenida 1, Qd. 16, Lt. 1 – Pólo Empresarial Goiás Aparecida de Goiânia – Fone: (62) 4009- 7710 CA LV IN KLEI N Flamboyant Shopping Center Fone: (62) 3515-1135 Shopping Bougainville – Fone: (62) 30955359 C A R ME M C A R DO S O Rua C-155, Qd. 326 Lt. 13 Jardim América. Fone: (62) 3259-7503 C A S A MI X Avenida 135, nº 65 – Setor Marista Fone: 3242-0805. C E N T R O F OT O G R AF I C O HA R OL D O C AR D OSO Rua 146, nº 209, St. Marista Fone: (62) 3093-7746 ELETR ÔNIC A M ARIS TA Rua 144, Qd. 50. nº 628, Lt. 22 Setor Marista Fone: (62) 3281-0123 E L IA NE B R A GA Avenida T-15, n 1.597 – Setor Bueno Fone: (62) 3259-7061 E M PÓ R I ON AK A Shopping Bougainville – Piso I Fone: (62) 3942-8564

G R Á F I C A FO R MA T O Rua das Hortências - Qd. 14, Lt. 01 – Parque Primavera – Aparecida e Goiânia Fone: (62) 3097-7878 GREGO RESTAURAN TE Rua C-257, n° 172, Praça Nova Suíça Fone: (62) 3259-4080 HAI R GRO UP Centro Comercial Alphamall - Av. Alphaville Flamboyant – Fone: (62) 3246-0055 Shopping Bravamall - Avenida. T-15 esq. c/ T-68 - Parque Vaca Brava - Fone: (62) 3945-6688 INTERPA M Avenida A, nº 502, Setor Oeste Fone: (62) 3225-5757 LUBERO N Rua 9, Galeria Portugal, Setor Oeste Fone: (62) 3091-4561 MA I S A G O U V E I A Rua 1139, nº 111 – Setor Marista Fone: (62) 3242-2065 / 3242-2844 MA XIM ´S AM BIENTE S Goiânia - Avenida 136, nº 764 – Setor Marista Fone: (62) 3281-3666 Brasília - Casa Park Fone: (61) 3462-1300

O G G I A M B IE N TE S Rua T 1 – nº 2.061 – Setor Bueno Fone: (62) 3253-1789 PAC T US Centro – Rua 3, nº 523, Setor Central Fone: (62) 3212-0144. Goiânia Shopping – Fone: (62) 3234 0022 Setor Oeste - Rua João de Abreu, nº 265, Praça do Sol - Fone: (62) 3215-1246. Flamboyant Shopping Center Fone: (62) 3515-1543 P E I X I NH O Rua 1.135, nº 15 - St. Marista Fone: (62) 3281-5939 - 3941-4440 P R EV ES T Unidade Sul - Rua S-3, nº 692, Qd F-3 Lt 41, Setor Bela Vista Fone: (62) 32097300 Unidade Centro - Rua 5, nº 202, Qd.310 A Lt. 17 - Centro - Fone: (62) 3209-7240 TA M A R A BR O S M A NN Rua C - 167, nº 111 - Nova Suíça Fone: (62) 3259-2548 / 8421-2915 V I L LA F LO R Avenida Ricardo Paranhos, nº 425, Setor Marista fone: (62) 3541-0063


Profile for Revista Zelo

Zelo 05  

Quinta Edição da Revista Zelo

Zelo 05  

Quinta Edição da Revista Zelo

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded