Page 1


Nº4-2016

Brasília | junho | 2016 | ISSN 2359-0084


EDITOR CHEFE CONSELHO EDITORIAL

Marcio Oliveira Aline Zim | Carolina da R. L. Borges

PROJETO GRÁFICO

Daniel C. Brito | Thiago P. Turchi

COLABORADORES

Foto capa: Alexandre Riulena Fotos: Thiago Abreu | Editoração Eletrônica: André Gruhn Melo | Perfil: Camila Gomes Sant’anna | Carolina da R. L. Borges | Luiza Dias Coelho | Yara Regina Oliveira | Bárbara Tavares Artigos: José Marcelo Martins

*Errata VARAU 3: na edição anterior da revista, o artigo da Taciane Campelo traz o nome de “Ronaldo Rosseti” no texto e na bibliografia, onde o correto é “Eduardo Rosseti”.

Medeiros | Mariana de Melo Siqueira | Yara Regina Oliveira | Acontece no CAU: Flávia Moreira | Bárbara Tavares | Patrícia dos

ISSN

Santos Mendes | Lucas Fialho Caramés Arqcartoon: Daniel C. Brito | Thiago P. Turchi Brasília | junho | 2016 | ISSN 2359-0084

Revista CAU/UCB | 2016 | Editorial


PERFIL ROSA KLIASS | ARQUITETA-PAISAGISTA FORMADA PELA FAU-USP

05

ARTIGOS 1- UM PARQUE LINEAR PARA O LAGO PARANOÁ: REALIDADE OU UTOPIA? 2- JARDINS DE CERRADO: POTENCIAL PAISAGÍSTICO DA SAVANA BRASILEIRA 3- CARIMBO VERDE, UM OLHAR SOBRE O SISTEMA DE ESPAÇOS LIVRES DO PLANO PILOTO - BRASÍLIA

17

EXPLICANDO A BIÔNICA COMO FERRAMENTA PROJETUAL

67

ACONTECE NO CAU 1- ENTRE 2- METAMORFOSE 3- HABITAÇÃO PARA ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS 4- PARQUE AUDIOVISUAL - COMPLEXO BRASÍLIA CINEMATOGRÁFICA

78

ARQ CARTOON VIDA DE ARQUITETO

94

Revista CAU/UCB | 2016 | Sumário


Dona Rosa, em primeiro lugar, quero agradecer pela disponibilidade e boa vontade em estar aqui conosco fazendo essa entrevista, que será mais uma conversa do que uma entrevista. A primeira pergunta diz respeito à formação dos arquitetos paisagistas nas escolas de Arquitetura. Como a senhora vê essa formação e como a senhora acha que poderia melhorar?

No mundo todo existem escolas de arquitetura paisagística, que em inglês é landscape architecture, em alemão é Landschaftsarchitektur, em francês é architecture de paysage. Então é Arquitetura Paisagística que é realmente o nome da área e isso não quer dizer que é feito por arquitetos. Existem três categorias profissionais ligadas à questão da paisagem: do território, que é o planejamento Urbano; Arquitetura; e Arquitetura Paisagística. São três atividades e três áreas diferentes, e que claro, tem certos transpasses mas são específicas. Então deveria haver realmente escolas de Arquitetura Paisagística.

ENTREVISTA ROSA KLIASS

Fig 1 - Foto: Thiago Abreu

ROSA KLIASS:

Camila Gomes Sant’anna | Carolina Borges | Luiza Dias Coelho | Yara Regina Oliveira | Bárbara Tavares

PROF. CAROLINA BORGES (CAU/UCB):

Revista CAU/UCB | 2016 | Perfil

5


PROF. CAROLINA BORGES: Dona Rosa, qual é o primeiro passo da senhora para a definição do partido de um projeto de arquitetura paisagística e como se dá esse processo de criação? ROSA KLIASS:

6

A primeira aproximação que a gente tem com o projeto é realmente um reconhecimento da situação. Então nós temos que saber onde vamos fazer aquele projeto. Quais são as condições do Entorno. Se é por exemplo, um jardim de um edifício de apartamento, então você tem a área do térreo onde será feito o seu projeto. Mas esse projeto está ligado ao vizinho que também tem um jardim, enfim, criar uma situação real, espacial, daquela área onde você vai trabalhar. E os entraves, quais são os problemas, quais são os potenciais, se tem “uma vista muito bonita pra lá”, então eu tenho que enfatizar isto, mas eu tenho um muro muito feio aqui, então vou ter que resolver esse problema. É um levantamento das condições, é o primeiro aproach, primeira coisa. Depois então a gente faz o que chamamos de um estudo preliminar, então fazemos umas primeiras decisões. E desse estudo preliminar que, se existe um cliente, ele já entra neste momento principalmente. Não quando é cliente particular, aí gente entrega em uma outra fase que seria o anteprojeto. Mas este estudo preliminar, quando você tem projetos ligados à empresas que te contratam, pra você ter um processo, é bom ter um estudo preliminar Revista CAU/UCB | 2016 | Perfil

e já discuti-lo, ver a reação e a aprovação ou não daquilo, é o começo. Do estudo preliminar você vai para o anteprojeto que não vai pra obra, mas ali já está tudo, já está toda a concepção, isso também vai para aprovação. Uma vez aprovado você vai para o projeto executivo e depois no fim tem um projeto de apresentação para a complicação.

mando. E nesse sentido, ele já tem certa disposição em aceitar as ideias. Mas realmente, aí a gente tem que apresentar e defender, não tem jeito. Eu contei na palestra a história da paisagista Rebelde, é isso, você tem que realmente defender o que você propõe até o ponto de que, de repente, não há possibilidade de fazer projeto.

LUIZA DIAS COELHO (ALUNA FAUUNB):

PROF. CAROLINA BORGES:

Neste processo, quais são as inspirações da senhora para construir este espaço, esta paisagem? Ou depende muito do contexto do lugar? ROSA KLIASS: Claro que depende muito do contexto do lugar. E eu não sei se acredito muito nesta coisa de inspiração. Havia um arquiteto que dizia “é mais transpiração que inspiração”. Tem que trabalhar muito. PROF. CAROLINA BORGES: E como a senhora apresenta esse partido para o cliente, que normalmente é leigo e já vem com uma ideia na cabeça, sabendo o que quer? Nesse processo, às vezes tem que ter um certo convencimento, porque é comum o cliente querer algo que não daria certo em um determinado espaço. ROSA KLIASS: Primeiro que quando o cliente me chama, ele está sabendo quem ele está cha-

O Parque da Juventude em São Paulo foi uma intervenção que mudou a paisagem local e melhorou a qualidade de vida das pessoas que moram naquela região. Dona Rosa, a senhora acredita que espaços urbanos como o Parque da Juventude podem ser agentes de transformação de uma sociedade e de que modo essa transformação acontece? ROSA KLIASS: Veja, o Parque da Juventude é realmente um grande exemplo de como um espaço urbano pode realmente influir para qualidade de vida dos moradores. Eu tenho um caso, que quando eu vou ao Parque da Juventude, eu fiquei observando, vendo o que estava acontecendo. E eu estava lá em uma ocasião, sentada num banco, e no banco da frente tinha um casal que em certa hora se levantaram para sair e eu cheguei perto deles e disse: “Desculpa, vocês estão saindo? Vocês moram aqui por perto?” E ele virou pra mim e disse assim: “Eu moro naquele Singapura”. Você sabe o que é o Singapura? São

os edifícios que foram construídos para abrigar favelados. O governo fez prédios para abrigar os favelados. E eu disse: “Então vocês estão contentes com o parque do lado né?” Ele disse: “Dona, isso tinha que ter sido construído há 10 anos atrás”. E eu disse: “Mas agora está aí, vocês estão gozando né?” E ele: “Não, a senhora não entendeu o que eu quis dizer. Se isso tivesse sido construído há 10 anos atrás, muitos dos meus companheiros não teriam ido para o mal caminho”. Isso aí foi tudo. Depois tinha uma outra historinha que quando eu fiz o projeto do Parque da Juventude, eu não coloquei brinquedos de playground, desses comprados, porque a minha teoria era que o próprio parque deveria ser o lugar dos brinquedos, o próprio parque deveria propiciar todas aquelas coisas que um parque com aqueles brinquedos pré-fabricados propõem. Então o movimento de terra iria realmente propiciar que as crianças subissem, descessem, pulassem. Os bancos também, e realmente, não coloquei nenhum brinquedo. Depois eles colocaram, agora já está cheio de brinquedos pré-fabricados, mas naquela época não. E aí eu estava passeando no parque com um arquiteto paisagista americano que era especialista em desenho com a comunidade (os Estados Unidos tem muito isto, eles projetam os espaços em contato com a população), nós passamos por um certo lugar onde haviam uns meninos onde eu tinha feito uns “morrotes”, uma “colininha”. Tinha uma turminha que estava brincando com

Revista CAU/UCB | 2016 | Perfil

7


8

um tamborzinho e o primeiro ia com o tamborzinho e os outros iam atrás, eles subiam e desciam do outro lado. Depois ele viu também um outro que estava trepando em um banco, pulando de um lado para o outro, e foi aí que ele disse: “Mas você não colocou nenhum brinquedo de playground né?” Eu falei que não, e ele disse: “E nós que colocamos aquelas idiotices de brinquedos pré-fabricados, mas não precisa, olha aí!”. Quando nós fomos passando pelo parque esportivo, onde tem 12 quadras esportivas, ele olhou a quadra e falou: “Mas você não colocou alambrado?” e eu falei que não, e ele disse: “mas você consultou as pessoas pra saber se eles queriam alambrado?” E eu falei: “Não. Se não desse certo, nós colocaríamos um alambrado muito simples.” Nessa hora, estava passando um guarda e eu o chamei e perguntei: “Escuta, o pessoal reclama que não tem alambrado?” Ele olhou, era a primeira vez que ele percebeu que não havia alambrado. E assim é uma postura, vamos dizer, que não é “pré-fabricada”. Eu me lembro que, quando eu fui fazer o projeto, alguém da equipe disse: “Mas você não vai colocar alambrado?” Eu disse: “Vocês já foram ao campo de Várzea? Tem alambrado? E eles jogam futebol do mesmo jeito, então nós não vamos pôr.” PROF. CAMILA GOMES SANT’ANNA (FAU-UNB): E essa relação de quando se está preparando um projeto com serviços públicos da cidade, como que se dá? É um trabalho também de convenciRevista CAU/UCB | 2016 | Perfil

mento ou eles aceitam? ROSA KLIASS: Bom, há de tudo né. Depende da cidade, depende da Administração Regional onde você entra, ou seja, depende muito. Mas é uma coisa que deve ser feita, e é uma etapa. Por exemplo, tem muitos projetos em São Paulo que tem que ir para o órgão ambiental, e aí, às vezes, você tem até que fazer os estudos de impacto. LUIZA DIAS COELHO: Nós estudamos muito na faculdade, a arquitetura, os prédios e o desenho das cidades, mas ainda há o problema de incorporar estes dois com o terceiro elemento, que seria a arquitetura da paisagem. Como a senhora vê a arquitetura da paisagem influenciando na cidade e interferindo em uma melhor relação entre as pessoas e o espaço? ROSA KLIASS: Bom, isso é uma coisa muito abrangente. A cidade é um resultado de todas essas coisas, tem a implantação das construções, tem os espaços entre as construções e tem os espaços urbanos que não se referem às contrações, mas tem, digamos uma vida própria, e nesses existem as duas escalas principalmente, que é escala da praça e a escala do parque. O que é uma praça? Como é a cidade? A cidade é feita de um sistema viário que atende aos usos lindeiros, as ruas, de repente, tem um alargamento, isso é, uma praça.

Mas praticamente, nós temos as funções das ruas, elas dão acesso as construções lindeiras e enfim, esses espaços urbanos, ruas e praças congênitas são alargamentos das Ruas. Existe um outro espaço que é o parque, essa é uma outra coisa. A rua e a praça se referem aos usos lindeiros, quando você está andando nas ruas, você está vendo as construções, elas podem ser de comércio, residenciais, mas estão se referindo às edificações ao longo. As praças também, a praça do mercado, a praça da igreja, sempre tem uma referência de uso. o parque é um espaço que é intrínseco, ele não tem a referência da cidade, é um espaço autônomo. A ideia é a seguinte: quando você está dentro do parque, você pode até não ver nada da cidade, pode às vezes se o parque estiver lá em cima, mas você vê a cidade na distância. O espaço do parque é absolutamente interno, ele tem uma paisagem interna, ele não se refere a coisas externas. PROF. CAROLINA BORGES: No Brasil, nós temos uma tradição da arquitetura moderna em fazer uma integração entre a arquitetura, as artes visuais e o paisagismo. São vários os exemplos, como o MEC, que faz essa integração da arquitetura com o paisagismo do Burle Marx e com as esculturas de Ceschiatti. A Pampulha é outro exemplo. Eu gostaria que a senhora falasse um pouco sobre essa integração entre paisagismo e as artes visuais, como acontece com o Parque das Esculturas, que a senhora fez em Salvador. Como se dá esse diálogo

entre as artes visuais e a arquitetura paisagística? ROSA KLIASS: Bom, as artes visuais – esculturas e pinturas – são complementos, mas que obviamente você deve fazer com que se concatene com os espaços, nós temos exemplos lindos de painéis do Burle Marx e painéis de Portinari. Mas quando você coloca uma obra de arte em um espaço urbano, seja paisagístico, obviamente essa obra de arte vai estar à serviço desse espaço. Ou você pode realmente ter o espaço visando a valorização de uma obra de arte, são dois aspectos diferentes. Por exemplo, o Monumento das Bandeiras em São Paulo, que tem aquela praça em volta, a praça está servindo para valorizar o Monumento. PROF. CAROLINA BORGES: Podemos colocar a arquitetura paisagística dentro do campo das artes visuais? ROSA KLIASS: E a arquitetura, está dentro das artes visuais? PROF. CAROLINA BORGES: A arquitetura é diferente. Porque ela tem como motivação primeira, a própria função, que é a construção de um abrigo. O aspecto plástico vem depois, não é uma motivação imediata para a criação de uma arquitetura. Revista CAU/UCB | 2016 | Perfil

9


ROSA KLIASS: Bom, ao meu ver, de uma forma resumida, a conceituação de artes visuais é bem complexa. O que são artes visuais? São objetos que são visíveis, a literatura por exemplo, não é uma arte visual. O cinema, é uma arte visual? Mas a Arquitetura tem também uma primeira função, de abrigo, daí vem toda a história da arquitetura com a arte desde a idade média. E o Paisagismo também. Tem praças medievais que são obras de arte. A obra de arte é utilitária enquanto está criando a condição de vista. Isso é uma utilidade, não é prática, eu não a uso, mas eu gozo. PROF. CAROLINA BORGES:

10

Aqui em Brasília está acontecendo um processo de desocupação da orla do lago do Paranoá, que é uma área pública, mas que foi apropriada pelos moradores das proximidades do lago desde o início de Brasília. O problema, que é não só ambiental, mas que se tornou político, se dá pelo choque de interesses entre a população que mora nesses locais, e que acredita ter o direito de privatizá-la, e o restante da população de Brasília. Qual é a importância da manutenção das áreas livres nas proximidades de cursos d`água para a cidade e como seria um modo de tratar esses espaços paisagisticamente? ROSA KLIASS: Isto está dentro de uma ideia de planeRevista CAU/UCB | 2016 | Perfil

jamento Urbano. Nesse planejamento urbano, você vai definir as áreas que são passíveis de serem construídas e as áreas que devem ser preservadas. Beira de Lago é algo conceitualmente já definido, onde os espaços devem ser preservados por várias razões, mas a primeira delas, é que geralmente os lagos, dependem da área de infiltração que ela tem no entorno. O quanto que essa área se estende, isso é uma questão de se fazer estudos hidrológicos, além de um levantamento planialtimétrico cadastral. Existem vários tipos de levantamentos que você precisa fazer para poder definir quais são os usos de beira de água, tanto rios quanto lagos. PROF. YARA REGINA OLIVEIRA (CAU/ UCB): Uma coisa que a senhora colocou muito interessante na palestra, foi a questão do plano paisagem. A senhora acha que seria pertinente em um caso desse? ROSA KLIASS: O planejamento paisagístico tem várias escalas. Você pode ter um planejamento paisagístico regional, que pega várias cidades, e eu tenho casos que eu estudei e fiz. As várias cidades do Vale do Paraíba, que nós fizemos um estudo conjunto, onde entrou geógrafo, climatólogo, botânicos, urbanistas, até profissionais da administração, política, etc. E a outra já é da cidade mesmo, como os planos da paisagem que eu fiz em São Luís e Salvador. Então você define também o que são

os espaços abertos, que tipo de espaço aberto, inclusive não só de aspectos físicos como tamanho, mas de qualidade. Por exemplo, se vou colocar uma área verde ali porque já tem uma vegetação, eu quero mantê-la. Ou então, se não tem vegetação, mas aqui é um bairro que não tem espaço verde, então eu vou fazer, mas não tem vegetação, o que vou fazer com isso? Eu posso fazer uma área de recreação. Dependendo do tamanho, vou fazer de recreação infantil, ou maior, de bairro. Enfim, esse nível de planejamento. PROF. CAMILA GOMES SANT’ANNA: Qual é o grande desafio para senhora criar, um dos meus grandes sonhos, uma escola de paisagismo no Brasil, uma formação de arquiteto paisagista no Brasil? ROSA KLIASS: Eu acho que é realmente a reação dos Arquitetos. LUIZA DIAS COELHO: Como foi o processo de criação da Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas? Como foi desvincular a profissão do arquiteto paisagista? ROSA KLIASS: Essa é uma historinha. Eu estava em um encontro da IRLA (Institute of Registered Landscape Architects) nos Estados Unidos, e nessa reunião, que era uma reunião técnica, que tinha o pessoal da

IFLA, (International Federation of Landscape Architects), da Europa, que naquela ocasião estava sediada em Portugal, e o presidente da IFLA era um alemão. O secretário era o Edgar Fontes, que era o diretor de parques e jardins de Lisboa. Então eles foram para lá, e o fato de eu falar português, era uma coisa incrível, pois na IFLA era assim: o alemão chegava e falava alemão comigo, o francês chegava e falava francês, o italiano falava italiano, espanhol falava espanhol, ... E quando chegava uma certa hora, eu não sabia nem mais falar português. Daí eles vieram conversar comigo, o Edgar Fontes conversou muito, e uma hora ele disse pra mim: “Como pode acontecer, que no Brasil, não existe uma associação de arquitetos paisagistas?” Porque não tinha, eu era membro individual, e eu disse pra ele: “Não tem arquiteto paisagista, como vai ter uma associação? E o Burle Marx?”, eu disse: “O Burle marx , é o Burle Marx, ele não faz uma associação, mas eu prometo uma coisa pra você, chegando lá eu vou ver qual é a possibilidade de se criar uma associação.” Daí, eu cheguei em São Paulo e fui catar um professor de urbanismo em Porto Alegre, que tinha escrito um opúsculo sobre o paisagismo. Daí, uma moça lá em Belém do Pará, que eu sabia que tinha feito alguma coisa. E, de São Paulo, eu conheço as pessoas que trabalhavam na área. Chamamos todo mundo. Em 1976 foi criada a ABAP (Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas), e esse foi realmente um ato, não de bravura, pior que isso, de irresponsabilidade quase. Mas pegou bem, e em Revista CAU/UCB | 2016 | Perfil

11


12

1978 eu tive a petulância de fazer um congresso da IFLA em Salvador na Bahia, porque eu estava fazendo alguns trabalhos em Salvador, e a minha pretensão era a seguinte: tinha muita gente lá e eu já tinha até almoçado na casa do Governador, imaginei: “Vai ser fácil né?” E nós estávamos em plena ditadura naquela época. Daí começamos a organização do congresso. Com Marilda, que é uma grande amiga minha de lá, profissional da arquitetura também, eu falei: “Marilda, a gente faz isso brincando”. No meio do caminho, era ditadura, caiu o governador e entrou outro que ninguém sabia quem era. E aí? Olha, eu não sei como, mas nós conseguimos fazer o congresso internacional. Veio gente do mundo todo, equipes japonesas, da Finlândia, Nova Zelândia, ... Foi uma coisa fantástica, e o Burle Marx presidiu. E o momento foi curioso porque, quando eu criei a Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas, foi junto com Fernando Chacel, que também naquela época queria muito. Eu falei: “Chacel, nós temos que ir lá ao IAB apresentar a ABAP.” Nós chegamos lá e falamos: “Nós criamos a Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas”. E o presidente da IAB falou, “Mas como vocês ousaram? Sem consultar o IAB!” Aí eu contei uma historinha pra ele, eu adoro contar historinhas, eu disse: “Quando eu estava namorando o Edimir, meu marido, cheguei pro meu pai e falei, ‘olha pai, eu estou namorando’, e ele disse, ‘mas como? Sem me consultar?’, eu disse, ‘pai, você acha que se o senhor dissesse não, eu iria terminar? Não! Eu só estou te Revista CAU/UCB | 2016 | Perfil

avisando.” Aí eu disse pro presidente da IAB: “Pois é. É a mesma situação”. PROF. CAROLINA BORGES: Sobre a arquitetura paisagística de Brasília, que é muito marcada pelo trabalho de Burle Marx, qual é a opinião da senhora? ROSA KLIASS:

verificar realmente o seu diagnóstico e vai dar seu remédio. Assim é a mesma coisa com a arquitetura e a arquitetura paisagística. Você tem que, realmente, diagnosticar a situação e propor o que fazer. PROF. CAROLINA BORGES: Dona Rosa, muito obrigada pela sua atenção.

As áreas que realmente foram desenhadas pelo Burle Marx são maravilhosas, mas eu acho que Brasília sofre de um mal “antiburlemarxiano”. Existe uma reação muito grande. As superquadras não tem nenhuma concepção paisagística. PROF. CAMILA GOMES SANT’ANNA:

13

Como fazer para que os arquitetos da paisagem façam sugestões sobre a oferta do que será produzido nas três escalas – ambiente, cidade e arquitetura –, e não ficarem tão presos à demanda do que nós é oferecido. Porque a todo momento dos trabalhos da senhora, vemos o quanto a senhora muda a demanda e a torna uma oferta, por exemplo, quando alguém fala “Vamos fazer isso”, e a senhora diz, “Não. Nós vamos fazer isso”. O quanto isso é importante para a profissão? ROSA KLIASS: Isso eu acho que é importante para qualquer profissão. Você acha que em medicina, alguém pode dizer: “olha, você vai ter que fazer isso”? Não, o medico vai Revista CAU/UCB | 2016 | Perfil


(...) eu não sei se acredito muito nesse negócio de inspiração. Havia um arquiteto que dizia “é mais transpiração que inspiração”. Tem que trabalhar muito.

Fig 2 - Foto: Thiago Abreu

Rosa Kliass


José Marcelo Martins Medeiros | Doutor em Arquitetura e Urbanismo

A pesquisa teve como foco um tipo especial de espaço livre público conhecido como “parque linear”. Os parques lineares são equipamentos que abrigam a biodiversidade local, buscando conciliar a problemática ambiental aos usos antrópicos, utilizando-se de um paisagismo baseado em preceitos ecológicos. A orla do Lago Paranoá apresenta divergências de expectativas de uso, entre a população que habita as margens do lago e que acredita ter o direito de privatizá-la versus o restante da população brasiliense, que deseja utilizar o local com uma grande área de lazer. O objetivo geral foi a investigação dos conflitos que impedem a liberação das margens do Lago Paranoá, propondo alternativas capazes de diminuir a situação de degradação na orla. Esses conflitos se refletem na legislação ambiental, que prediz uma faixa de preservação permanente ao longo da orla (as APPs), e na legislação urbanística, que reconhece a área como terra pública e de uso comum a todos.

UM PARQUE LINEAR PARA O LAGO PARANOÁ: REALIDADE OU UTOPIA?

Fig 3 - Fonte: www.proximosdestinos.com

RESUMO

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

17


O processo de desocupação das margens do Lago Paranoá, portanto, envolve questões ambientais, sociais, assim como de respeito à concepção de Brasília como cidade projetada. Palavras-chave Sistema de Espaços Livres, Parques Lineares, Orla do Lago Paranoá. INTRODUÇÃO

18

Atualmente as “urbes” brasileiras precisam como nunca de novas intervenções paisagísticas, dado o aumento da população, a falta de espaços de lazer, o aumento das taxas de consumo do solo, as constantes crises no abastecimento hídrico e a degradação de rios urbanos. E é na inovação que se destacam as novas ações, com a consolidação da recuperação das margens de rios, da utilização de novas tecnologias “verdes”, da preocupação ambiental e a requalificação de partes significativas das áreas centrais. Conforme Macedo (2012):

A escassez de espaços alternativos para lazer nas cidades brasileiras se torna uma realidade, na medida em que são ocupados os fundos de vale por vias, os campos de várzeas por loteamentos, os riachos e rios se tornam poluídos por esgoto e lixo, e as Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

lagoas urbanas correm risco de desaparecer (MACEDO, 2012, p.145).

um instrumento criativo e viável para uma possível melhoria de conflitos entre o uso humano e o meio ambiente no contexto urbano.

Brasília, uma cidade projetada, não foge dos problemas descritos anteriormente, à medida que nos deparamos recentemente com registros de inundações em vários pontos da cidade e com a constatação de assoreamento do Lago, que a cada ano vem perdendo parte de seu espelho d’água. Além disso, novas formas de uso vêm sendo propostas para as águas do lago, como a captação para o consumo humano, o que aumentaria o quadro de conflitos.

OS PARQUES LINEARES NA ATUALIDADE

Através de um estudo de campo ao longo das margens do Lago Paranoá, esta pesquisa, fruto de uma tese de doutorado defendida na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília em 2016, procurou diagnosticar a degradação da paisagem nas Áreas de Preservação Permanente deste lago, podendo servir de auxílio para a implantação de novos cenários paisagísticos. Como forma de mitigar muitos problemas, na última década, um grande número de pesquisas científicas relacionadas ao tema específico dos parques lineares começaram a ser desenvolvidas, acreditando-se que eles possam servir como um novo mecanismo de união entre a conservação de elementos naturais e as expectativas humanas de entretenimento. Nesse caso, parte-se da hipótese de que esses espaços livres poderiam servir como

Os parques lineares estão se tornando ferramentas importantes para o planejamento de espaços livres urbanos e criação de políticas públicas voltadas à busca de uma melhor qualidade de vida para a população. Eles podem estar conectados a córregos, rios e lagos, podendo providenciar a restauração de terrenos alagados, a prevenção de enchentes em áreas densamente construídas, condução e condicionamento das águas pluviais e também como uma rede de caminhos vegetados para as pessoas e para a fauna nativa. Em termos teóricos, há uma clara tendência à utilização da Ecologia da Paisagem em projetos de parques lineares. Do ponto de vista histórico, há clara proximidade de criação de caminhos ao longo de rios, propostas já utilizadas empiricamente por Frederick Law Olmsted. Como referencial para se entender as principais diretrizes para o planejamento de parques lineares, tomaremos como referência os estudos da Ecologia da Paisagem, dentre os quais, principalmente conceitos o conceito de “corredor” (Forman e Godron,1986; Forman, 1995) e dos “corredores verdes” (Smith e Hellmund,1993; Ahern,1995; Tan, 2006).

Várias metodologias têm sido desenvolvidas para conceber corredores verdes eficazes. Sensoriamento remoto, Sistema de Informação Geográfica (SIG) e quantificação da fauna, flora, ambiente físico e perturbação antrópica são amplamente utilizados em análises baseadas em realizações de mapas temáticos. As pesquisas envolvendo a análise ambiental de uma área de estudo, em que são identificados vários condicionantes e realizados uma sobreposição de informações, ficaram conhecidos como “Abordagem da Adequação da Paisagem” (Landscape Suitability Approach) e têm forte tradição com planejamento ambiental. Os avanços nos estudos da ecologia da paisagem aprofundaram o conhecimento a respeito das relações de equilíbrio dinâmico em ecossistemas fluviais. Forman e Godron (1986) criaram um princípio baseado em conceitos espaciais para a criação de paisagens sustentáveis, em que diferentes usos do solo podem ser criados, porém devem-se manter corredores e pequenas manchas de natureza por meio das áreas a serem desenvolvidas. Entre esses padrões indispensáveis estão:

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

19


2) Corredores suficientemente largos de vegetação ao longo dos principais cursos d’água; 3) Manutenção do contato entre as grandes manchas para o fluxo de espécies-chave; 4) Manutenção de fragmentos naturais heterogêneos no meio das áreas construídas. A manutenção de corredores ao longo dos principais cursos d’água constitui rotas de dispersão de espécies e protege o solo dos processos erosivos (FORMAN e GODRON, 1986 apud NDUBISI, 2002 p. 184).

20

Um dos primeiros estudiosos a conceituar os corredores verdes foi Ahern (1995), na metade da década de 1990. Ele faz uma contribuição importante, na medida em que suas definições se adequam ao planejamento de parques lineares urbanos. A característica principal desses espaços, segundo Ahern, é a sua linearidade e que a rede formada pelos seus caminhos deve criar vínculos e conexões espaciais em várias escalas. Também são espaços predominantemente multifuncionais e que os objetivos devem levar em conta as questões ambientais e econômicas. Morfologicamente, portanto, os parques lineares caracterizam-se pela pequena dimensão no sentido da largura em relação ao seu comprimento. Segundo Macedo (2012), a finalidade de um parque linear Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

está sempre centrada no aproveitamento formal e conservação de um corpo d’água ou de remanescentes de matas nativas, sendo que esses elementos sempre balizam morfologicamente o logradouro. Sua configuração espacial estende-se pelo equivalente a muitas quadras e corta áreas significativas do tecido urbano. Ainda segundo esse autor, eles tornaram-se comuns recentemente no Brasil, levando ao surgimento de inúmeros espaços livres públicos, ou ao menos à criação de estoques de terras para a criação de futuros parques. Conforme Macedo (2012):

Os parques lineares, típicos dos anos 2000, caracterizam-se pelo apelo conservacionista dos seus princípios geradores, que condicionam a sua existência, a princípio, à proteção de corpos d’água, em especial pequenos rios e riachos (MACEDO, 2012, 164). Analisando parques lineares recentemente projetados ao redor do mundo, Tan (2006) relata que em muitas cidades esses espaços incialmente planejados para recreação, interação social, preservação cultural e histórica têm se adaptado para acomodar usos adicionais como proteção dos habitats, proteção a inundações e regulação do clima, figuras 4 e 5.

21

Fig 4 e Fig 5: Parques lineares multifuncionais projetados em Singapura. Fonte: Tan, 2006, p.60

1) Manutenção de grandes manchas de vegetação original;

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos


Portanto, o parque linear vem obtendo visibilidade recentemente, porém não existe ainda uma classificação exclusiva que abarque todas as suas complexidades funcionais. No intuito de classificar este tipo de espaço livre, foi realizado uma classificação mais abrangente, intitulada “Nova proposta para a Classificação de Parques Lineares”, como pode ser visto no Quadro 1.

A investigação realizada sobre as diferentes categorias de sistema de espaços livres ajuda a compreender o estado da arte atual, na medida em que existe uma grande complexidade de projetos de parques lineares sendo atualmente realizados em diversos países do mundo.

QUADRO 1 – NOVA PROPOSTA PARA A CLASSIFICAÇÃO DE PARQUES LINEARES (MEDEIROS, 2016, P.101) TIPOS 01) Renaturalização de cursos d’água canalizados ou enterrados por infraestruturas urbanas (ruas, autoestradas, viadutos); 02) Recuperação da vegetação nativa degradada ao longo de corpos d’água degradados;

22

03) Recuperação do solo das margens ao longo de corpos d’água degradados; 04) Recuperação de zonas portuárias;

PARQUES LINEARES

05) Renovação urbana de áreas centrais; 06) Conexão de biomas ou manchas de vegetação fragmentados; 07) Evitar enchentes, facilitar o escoamento das águas pluviais; 08) Criação de Trilhas recreativas; 09) Criação de Rotas cênicas; 10) Criação de Rotas históricas; 11) Criação de uma rede de parques lineares de abrangência regional; 12) Promoção do Lazer em orlas Marítimas; 13) Promoção do Lazer em orlas Fluviais; 14) Promoção do Lazer em orlas lacustres (reservatórios naturais); 15) Promoção do Lazer em orlas lacustres (reservatórios artificiais); 16) Requalificação de antigas linhas de trens; 17) Requalificação do entorno ao longo de estradas e autoestradas; 18) Multifuncionais (englobam várias das funções mencionadas). Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

O LAGO PARANOÁ E SUA PAISAGEM BUCÓLICA Fonseca (2001) relata que como um dos condicionantes do projeto urbanístico, o Lago Paranoá passou a ser considerado como o maior patrimônio ambiental da escala bucólica da cidade. Entre as capitais nacionais com represas urbanas e grande quantidade de espaços abertos equipados, destaca-se Brasília, que tem em seu lago uma referência muito marcante na paisagem. No entanto, conforme Cidade (2010), a organização espacial das grandes cidades brasileiras tende a refletir-se em segregação e em uma distribuição desigual de equipamentos urbanos e de acesso a amenidades. As importantes funções ambientais desempenhadas pelas margens dos cursos d’água justificam o seu enquadramento em uma categoria que precisa ser preservada, conhecida como “Área de Preservação Permanente” pelo Código Florestal Brasileiro (Lei 12.651/2012). Segundo Mello (2008), o conceito de APP carregava inicialmente o princípio da intangibilidade, ou seja, a proibição de uso e ocupação humana. Esse princípio, segundo a autora, chocava-se com usos urbanos tradicionais, inclusive com a “atração” que as orlas aquáticas sempre exerceram sobre as pessoas. Dessa forma, a desconsideração das especificidades do meio urbano seria uma das razões para os conflitos das APPs nas cidades, o que gerava, segundo Mello (2008), um paradoxo:

[...] de um lado, as múltiplas funções urbanísticas e o efeito de atração que os corpos d’água exercem sobre as pessoas; de outro, o dispositivo legal que impede a ocupação formal das margens dos corpos d’água no Brasil, visando à preservação das suas funções ambientais (MELLO, 2008, p.26). O Lago Paranoá, criado à época da construção de Brasília por meio do represamento do Rio Paranoá, conta com uma extensão de 37,5km² e profundidade máxima de até 45m, próximo de sua barragem. O Lago foi pensado para cumprir múltiplas funções, dentre as quais: embelezamento da nova capital, amenização do clima, navegação e lazer à população. Porém como equilibrar tantas funções com a manutenção dos ecossistemas do Distrito Federal? As APPs surgiram com uma proteção jurídica, de forma a assegurar a relação sustentável entre o bem-estar da população e a manutenção de uma paisagem natural sadia. Vários autores, como Fonseca (2001), Mello (2008), Cidade (2010), Menezes (2010), CLDF (2014), identificaram posicionamentos sobre o uso e ocupação irregular das margens do Lago Paranoá. Os estudos apontam a existência de leis e políticas públicas responsáveis pela preserRevista CAU/UCB | 2016 | Artigos

23


vação e monitoramento da orla do Lago, mas ficam evidentes as suas ineficiências. O Lago Paranoá vem sofrendo os impactos das atividades urbanas. Entre os principais problemas ambientais está o assoreamento, com a consequente redução do volume d’água armazenada, perda de qualidade da água, diminuição da capacidade de geração de energia além de dificuldades à prática de esportes náuticos, como verificado nos estudos de Menezes (2010), figuras 6, 7.

24

Fig 6 e Fig 7: mapas da variação da borda limite do espelho d’água do Lago Paranoá no Braço do Riacho Fundo e no Braço do Ribeirão Bananal, no ano de 2009. Fonte: adaptado de Menezes (2010, p.110).

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

O INÍCIO DA DESOCUPAÇÃO DAS MARGENS DO LAGO PARANOÁ – UMA NOVA ERA PARA A ORLA? O fácil acesso à cidade deveria ser privilégio de todos, e a ocupação consciente de mais espaços nas proximidades do Plano Piloto, em Brasília, com a proposição de projetos urbanos que não agridam o meio ambiente, deve ser discutida como uma evolução urbana sadia para a cidade. As margens do Lago Paranoá deveriam permanecer intocadas para manter o desenho urbano de Brasília. Lucio Costa confirma esses preceitos, quando fala da importância da arborização, da manutenção da vegetação nativa e das extensas áreas livres que devem ser mantidas contíguas às áreas edificadas:

E a intervenção da escala bucólica no ritmo e na harmonia dos espaços urbanos se faz sentir na passagem, sem transição, do ocupado para o não ocupado – em lugar de muralhas, a cidade se propôs delimitada por áreas livres arborizadas (COSTA, 1987, p.03).

A escala bucólica, portanto, tem o sentido de valorização paisagística tanto do conjunto urbano quanto das áreas de lazer no campo ou no Lago. No documento Brasília Revisitada, Lucio Costa aponta as características buscadas para a Orla do Lago Paranoá:

O plano piloto refuga a imagem tradicional no Brasil da barreira edificada ao longo da água; a orla do lago se pretendeu de livre acesso a todos, apenas privatizada no caso dos clubes. É onde prevalece a escala bucólica. (COSTA, 1987, p.04). Ao longo das décadas, os moradores das margens do Lago Paranoá invadiram e privatizaram área pública, aumentando seus lotes e impedindo o livre acesso à orla do Lago. No ano de 2005, a Ação Civil Pública MPDFT n.º 2005.01.1.090580-7/2005 condenou o Governo do Distrito Federal a elaborar um Plano de Fiscalização e Remoção de construções na APP, um Plano de Recuperação das Áreas Degradadas na APP, um Projeto de Zoneamento e um Plano de Manejo da APA do Lago, além de um Plano Diretor Local para os Lagos Sul e Norte. Em 25 de agosto de 2011, a Ação transitou em julgado.

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

25


Do ano de 2005 até 2015 ocorreram várias medidas liminares favoráveis à Associação de Moradores do Lago Paranoá, entidade que representa os interesses dos moradores do Lago Sul e Norte (Alapa), que alegava que a população local não estava sendo ouvida, sendo contrária à desocupação da orla. Essas medidas liminares atrasavam invariavelmente qualquer tentativa de se organizar um cronograma de desocupação, frustrando a iniciativa do MPDFT. Um acordo só foi fechado entre o MPDFT e a Procuradoria-Geral do Distrito Federal em 2015, prevendo inicialmente a remoção de cercas, muros, grades e outras instalações que estivessem a menos de 30m do lago.

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

27 Fig 8 e Fig 9: Primeiro dia de ação, a orla finalmente começa a ser desocupada. Fonte: Disponível em <correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades>, acesso em agosto de 2015.

26

No dia 24 de agosto de 2015, com intensa cobertura midiática, os agentes de fiscalização começaram a desocupação da orla. Nesse dia inicial, as ações concentraram-se em quatro lotes da Península dos Ministros, na SHIS QL 12, Conjunto 8. Além da retirada de cercas e muretas, também foram aterradas piscinas e qualquer irregularidade encontradas na faixa de 30m das Áreas de Preservação Permanente, figuras 8 e 9.

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos


Em janeiro de 2016, uma parceria entre a Novacap, o Jardim Botânico de Brasília e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) apresentou uma proposta de zoneamento para a Península dos Ministros, com a divisão do espaço em quatro zonas, figura 10. O projeto não foi detalhado, também ressaltamos que este não foi fruto de um concurso público, revelando uma pressa no governo em entregar e implantar os equipamentos de maneira mais rápida possível.

28

Fig 10: Proposta de zoneamento realizado por técnicos do Governo de Brasília para a Península dos Ministros. Fonte: <www.correiobraziliense.com.br>, acesso em janeiro de 2016.

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

A ideia é conciliar o uso das APPs do Lago Paranoá com a população, de uma maneira em que haja um equilíbrio da vegetação, da qualidade da água e do livre acesso da fauna, de forma similar a que se encontra, por exemplo, nos parques lineares. Percebe-se, no entanto, que não se sabe ainda de maneira concreta como se dará essa intervenção, quais parâmetros serão usados e se haverá um concurso público para um projeto de intervenção paisagística. A população de Brasília mostrou-se animada com as novas possibilidades, o início da desocupação da orla foi festejado com um evento popular chamado “Isoporzinho na orla do Povo”, uma espécie de piquenique comunitário realizado no Parque Vivencial do Anfiteatro Natural do Lago Sul, na Península dos Ministros, figura 11.

Em março de 2016, houve uma nova reviravolta. O desembargador Souza Prudente, da 1ª Região do Tribunal Regional Federal, suspendeu a desocupação na Orla do Lago Paranoá sob argumentação de que falta um plano prévio de prevenção de dano ambiental. O desembargador atendeu ao requerimento de moradores que alegam que o governo não tem um planejamento adequado para a área, originando depósitos de lixo que propiciam a proliferação de mosquitos. Está claro, no entanto, que as obras estão em fase de andamento e que demandarão tempo para serem concluídas. Essas tentativas de desclassificar a ação do governo revelam nada mais que o interesse dos moradores locais em voltar à situação em que tinham o privilégio de privatizar a orla para seu próprio usufruto.

Fig 11: Comemoração do início das ações de desocupação da orla, slogan do evento Isoporzinho: “A festa será de muitos! A orla será de todos”. Fonte: foto do autor, 2015.

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

29


UM PARQUE LINEAR AO LONGO DA ORLA DO PARANOÁ COMO SOLUÇÃO DE CONFLITOS

30

O processo de desocupação da Orla é uma oportunidade única para se pensar em novos cenários paisagísticos para a cidade. Acredita-se que a criação de um grande espaço livre público que poderia interligar toda a orla, fazendo a conexão de vários parques ecológicos, tratado da maneira de um grande parque linear, tendo como condição básica o livre acesso, a recuperação do solo e da vegetação nativa nas APPs. As batalhas judiciais, no entanto, ainda não acabaram: o governo encontrou dificuldades no processo de derrubada dos muros e cercas, além de muitas críticas por parte dos moradores locais, que insistem em protocolar ações judiciais a todo momento contra as desocupações. Ter Brasília como uma cidade verdadeiramente debruçada sobre seu lago é um sonho que nunca esteve tão perto de ser alcançado. A capacidade de continuação de programas públicos será fundamental para o sucesso das ações de desocupação da orla e o apoio da sociedade é fundamental nesse processo. O tratamento dado às margens do Lago Paranoá, portanto, poderia ser pensado como um grande parque linear multifuncional, conciliando a acomodação das águas em dias de chuvas, biodiversidade e diversos usos de lazer.

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

Poder-se-ia, por exemplo, percorrer a bacia do Lago Paranoá de Norte a Sul, pela beira d’água, a pé ou de bicicleta, através de longas pistas de cooper e ciclovias. Para futuras atuações na orla do Lago Paranoá, seria necessária a revisão das condições atuais das margens, baseada em conceitos ecológicos que respeitassem as Áreas de Preservação Permanente e as sensibilidades ambientais do lago. Também seria importante a apresentação, por parte do governo, de projetos urbano-paisagísticos para as áreas de intervenção de maneira formal, com o devido detalhamento, para acabar com as alegações da Justiça Federal de que falta um planejamento adequado. Por fim, podemos perceber que um setor privilegiado da sociedade se utiliza de todos os artifícios para desclassificar as ações governamentais, escondendo o verdadeiro motivo para tal, que é a manutenção da privatização da orla, e assim a valorização de seus lotes. A partir de agora, deve haver uma maior dedicação para que esses espaços livres sejam finalmente entregues para a população, tanto por parte do governo, quanto por parte dos cidadãos, pressionando a opinião pública em favor do retorno das obras.

BIBLIOGRAFIA AHERN, Jack. Greenways as a planning strategy. Landscape and Urban Planning. Volume, 33, Issues 1-3, Greenways, October 1995, p.131-155.

NDUBISI, Forster. Ecological Planning: A Historical and Comparative Synthesis. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2002.

CIDADE, Lúcia. Ideologia, Produção do espaço e apropriação da socionatureza no Lago Paranoá. In: Paviani, Aldo (Org.). Brasília 50 anos – da Capital a Metrópole. Brasília: Editora UnB, 2010.

SMITH, D. S.; HELLMUND, P. L. Ecology of Greenways. Minneapolis, MN: University of Minnesota Press. 1993. 222p.

CLDF. CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. Estudo sobre questões relativas à ocupação da orla do Lago Paranoá de Brasília. Brasília: Câmara Legislativa do Distrito Federal, Unidade de Desenvolvimento Urbano, Rural e Meio Ambiente (UDA), 2014. FONSECA, Fernando Oliveira (Org.). Olhares sobre o Lago Paranoá. Brasília: Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Governo do Distrito Federal, 2001. FORMAN, R. T.; GODRON, M. Landscape ecology. New York: John Wiley & Sons, 1986. 619p. FORMAN, R. T. Land Mosaics: The Ecology of Landscapes and Regions. Cambridge/ New York: Cambridge University Press, 1995. MACEDO, Silvio. Paisagismo Brasileiro na Virada do Século: 1990-2010. São Paulo: Editora de São Paulo; Campinas; Editora Unicamp, 2012.

MEDEIROS, José Marcelo Martins. Parques Lineares ao Longo de Corpos Hídricos Urbanos: Conflitos e Possibilidades; O Caso da Orla do Lago Paranoá – DF. Tese de doutorado. Universidade de Brasília, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, 2016. MELLO, Sandra. Na Beira do Rio tem uma Cidade: urbanidade e valorização dos corpos d’água. Tese de doutorado. Universidade de Brasília, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, 2008. MENEZES, Paulo. Avaliação do efeito das ações antrópicas no processo de escoamento superficial e assoreamento na bacia do Lago Paranoá. Dissertação (Mestrado em Geociências Aplicadas), IG/UnB, 2010,110p. TAN, Kiat. A greenway network for Singapore. Landscape and Urban Planning 76 45–66, 2006.

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

31


O Cerrado sofre uma excepcional perda de habitat. Como a arquitetura paisagística pode contribuir para mitigar tamanha destruição? Para Burle Marx, o jardim, o espaço coletivo, induz os indivíduos a quererem preservar o que é de todos. Além disso, aposta-se cada vez mais na importância dos espaços urbanos na conservação da biodiversidade, a partir da compreensão de que reservas naturais, apenas, não são suficientes para garantir sua perpetuação. Nos países de clima temperado, os jardins naturalistas contemporâneos apostam na utilização de plantas herbáceas perenes, sobretudo gramíneas, para a criação de comunidades vegetais com alta

Mariana de Melo Siqueira | Arquiteta urbanista paisagista

Fig 12 - Foto: Amalia Robredo

Dado que o Cerrado é uma savana, uma expressão paisagística do bioma não pode se furtar à manifestação de sua flora rasteira, composta por plantas herbáceas (sobretudo gramíneas), arbustivas e subarbustivas. No entanto, tal flora é amplamente negligenciada em projetos de arquitetura da paisagem e inexiste em viveiros convencionais.

JARDINS DE CERRADO: POTENCIAL PAISAGÍSTICO DA SAVANA BRASILEIRA

RESUMO

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

33


limpo, onde as árvores cobrem menos de 10% do terreno, até o cerradão, com 70% de cobertura de copas (RIBEIRO & WALTER, 1998). Na Chapada Pratinha, por exemplo, onde se encontra o Distrito Federal, a proporção entre espécies arbustivo-herbáceas em relação às arbóreas é de 4,5:1 (MENDONÇA et al., 1998, apud MUNHOZ, 2003).

Palavras-chave

Dado que o Cerrado é uma savana, uma expressão paisagística do bioma não pode se furtar à manifestação de sua flora rasteira, composta por plantas herbáceas (sobretudo gramíneas), arbustivas e subarbustivas. No entanto, tal flora é amplamente negligenciada em projetos de arquitetura da paisagem e inexiste em viveiros convencionais.

Arquitetura paisagística, Cerrado, savana, biodiversidade urbana, naturalismo CERRADO: SAVANA BRASILEIRA

34

O Cerrado é o segundo maior bioma da América do Sul. Com mais de 2 milhões de km², ocupa cerca de 22% do território nacional, incide sobre 15 estados brasileiros e funciona como elo entre quatro dos cinco demais biomas (Floresta Amazônica, Pantanal, Caatinga e Mata Atlântica). O Cerrado é uma savana – termo aplicado em todos os continentes e em diferentes latitudes do globo terrestre, que designa, como senso comum, “paisagem com um estrato graminoso contínuo ou descontínuo, contendo árvores ou arbustos espalhados” (SANO, ALMEIDA & RIBEIRO, 2008). Entre todas as savanas do mundo, o Cerrado é aquela onde ocorre maior biodiversidade. Sua flora conta com mais de 11 mil espécies, sendo 40% delas endêmicas (que não ocorrem em outro lugar). Assim, a camada rasteira é um componente importante em todas as formas de vegetação do Cerrado – desde o campo Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

Fig. 13 – Formação savânica no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, Goiás – época chuvosa. (Foto: Mariana Siqueira)

biodiversidade, que requerem baixa manutenção. Esses jardins podem fornecer um repertório formal, uma linguagem, que nos ajudem a identificar potencialidades paisagísticas de plantas nativas do Brasil Central? Podem, ainda, ajudar na formatação de um arcabouço conceitual e metodológico para a criação de uma expressão paisagística da savana brasileira?


INTRODUÇÃO DE ESPÉCIES NATIVAS AO PAISAGISMO Roberto Burle Marx dedicou sua extraordinária carreira à incorporação de plantas da flora nativa brasileira e tropical a seus projetos de parques e jardins, ao reconhecer, não apenas seu potencial ornamental, mas de conservação ecológica e fortalecimento da identidade local. Em diversas ocasiões, urgiu que seus colegas paisagistas fizessem o mesmo:

36

O objetivo deve ser sempre o de refletir a paisagem circundante, plantar no jardim as espécies que crescem na região, já adequadas ao solo e ao clima. Um jardim deve pertencer, em espírito, ao lugar onde está situado, pois, por mais cuidadoso que tenha sido seu planejamento, nunca se apresentará perfeitamente bem se as plantas que o constituem não forem ecologicamente compatíveis. E consegui-lo deve ser um dos objetivos do paisagista. (MARX, 2004, pg. 62).

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

Neste século 21, reacende-se, em diversas partes do mundo, o interesse na utilização de espécies nativas em paisagens construídas. Plantas “selvagens” com notável potencial paisagístico são buscadas na natureza (o chamado plant hunting) e têm sua reprodução testada para que possam ser incorporadas ao sistema comercial.

The garden, landscape and nursery professions are now increasingly turning to their own floras rather than this global lowest common denominator mix. The reasons are many: a desire to celebrate regional diversity, patriotism, a wish to support biodiversity, and a need for species which are guaranteed to survive the onslaught of difficult local climates. (OUDOLF & KINGSBURY, 2013, pg. 18). Jardins com plantas nativas tendem a ter menor pegada ecológica e a contribuir para a sustentabilidade dos ambientes onde se inserem. Em seu livro Planting: a new perspective, Oudolf e Kingsbury afirmam que “the further away from a natural situation a planting is, the more work is required to maintain it” (pg. 35). Amalia Robredo, paisagista argentina que tem desenvolvido notável trabalho com a domesticação de herbáceas e gramíneas

nativas – muitas delas, ameaçadas de extinção – na costa do Uruguai, afirma, a respeito das vantagens de se utilizar plantas nativas no paisagismo:

Para começar, não é necessário melhorar o solo – a menos que haja havido uma perturbação importante, é claro. Por outra parte, as plantas nativas, por seleção natural, são espécies que já resistiram, que são mais fortes; em geral, são plantas resistentes a doenças, que não demandam pulverizações, que não são atacadas por pragas massivas da mesma forma que as plantas exóticas. Têm suas ferramentas para se defender. Além disso, são adaptadas às variações do clima existente. Não quer dizer que, por serem nativas, não vão precisar de cuidados, mas realmente demandam menos esforços de manutenção. (ROBREDO, 2016)

Em Brasília-DF, o projeto Jardins de Cerrado visa a lançar um novo olhar sobre a flora rasteira do bioma e a ressaltar a importância ecológica e o potencial paisagístico dessas formações florísticas, superando a exclusividade normalmente conferida às árvores em iniciativas de paisagismo e restauração do bioma. O projeto é uma parceria entre a arquiteta paisagista Mariana Siqueira (autora deste artigo) e o Restaura Cerrado, um coletivo composto pelo Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Biodiversidade do Cerrado e da Caatinga, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (CECAT – ICMBio), pelo Departamento de Ecologia da Universidade de Brasília (UnB) e pelas Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia e Embrapa Cerrados. A iniciativa conta, ainda, com o inestimável apoio da paisagista Amalia Robredo, que em paralelo ao seu intenso e pioneiro processo de introdução de plantas nativas ao paisagismo na costa Uruguai, generosamente somou-se à equipe dos Jardins de Cerrado. Nesse contexto interdisciplinar, paisagismo e restauração pretendem interagir e informar-se mutuamente: enquanto o Restaura Cerrado transfere conhecimento e experiência para a introdução de novas espécies ao paisagismo, a busca por plantas com potencial ornamental, feita na natureza por paisagistas (o chamado plant hunting), pode levar a um incremento da paleta vegetal utilizada na restauração.

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

37


A primeira das iniciativas do projeto Jardins de Cerrado foi a montagem de um experimento no Jardim Botânico de Brasília – com apoio de sua equipe – para a avaliação da germinação e do desenvolvimento de plantas com potencial ornamental já utilizadas nos projetos de restauração. Paralelamente, são feitas expedições de plant hunting para busca de novas espécies, além de palestras e atividades correlatas que visam a despertar um novo olhar sobre a flora rasteira da savana brasileira.

38

ARQUITETURA PAISAGÍSTICA E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Apesar de apresentar extrema abundância de espécies endêmicas e de abrigar as nascentes das três maiores bacias hidrográficas da América do Sul (Amazônica/Tocantins, São Francisco e Prata), o Cerrado sofre uma excepcional perda de habitat devido, principalmente, à expansão da fronteira agrícola brasileira, feita com vistas à produção de carnes e grãos para exportação, e à exploração predatória de seu material lenhoso para produção de carvão. Inúmeras espécies de plantas e animais correm risco de extinção: estima-se que 20% das espécies nativas e endêmicas já não ocorram em áreas protegidas e que pelo menos 137 espécies de animais que ocorrem no Cerrado estejam ameaçadas de extinção (Fonte: MMA). Assim, o Cerrado é considerado um hotspot mundial (região biogeográfica com uma significativa reserva de biodiversidade ameaçada pela ação humana) e, de todos eles, é o que possui menor porcentagem de áreas sobre proteção integral (apenas 2,85%). O Cerrado está em perigo. Como a arquitetura paisagística pode contribuir para mitigar tamanha destruição?

Fig 14 – Experimento do projeto Jardins de Cerrado no Jardim Botânico de Brasília. O objetivo é avaliar a germinação e o desenvolvimento de plantas com potencial ornamental. (Foto: Mariana Siqueira)

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

A missão social do paisagista tem esse lado pedagógico de fazer comunicar às multidões o sentimento de apreço e compreensão dos valores da natureza pelo contato com o jardim e o parque. [...] Também a nossa atitude tem um sentido projetivo, em relação ao futuro, para mostrar que houve alguém preocupado em deixar um legado valioso em estética e utilidade para os pósteros. (MARX, 2004, pg. 94). Para Burle Marx, o jardim, o espaço coletivo, induz os indivíduos a quererem preservar o que é de todos. No contexto do Cerrado, cuja vegetação ainda parece ser percebida por muitos como mato, ou algo sem valor intrínseco, a introdução de espécies nativas em jardins pode ter uma importância crucial. Mais que simplesmente utilizar plantas da região, seria desejável traduzir, ao menos em parte, o espírito do bioma, e enfatizar o estrato arbustivo e herbáceo tão marcante nas paisagens da savana brasileira. Mas ajudar a estabelecer relações culturais e afetivas com o território é apenas uma das missões da arquitetura da paisagem. Em um mundo cada vez mais complexo, a disciplina deve responder, de uma

só vez, a muitos desafios. Além de criar cidades mais humanas e acolhedoras, é crescente a consciência de que a profissão deve servir, também, para recriar habitat para a vida selvagem e, com isso, ajudar a conservar a biodiversidade; proporcionar a retenção e a absorção de águas pluviais; criar microclimas mais amenos e combater os efeitos das ilhas de calor urbanas, entre outros (THOREN, 2014). A biodiversidade urbana é um tema ainda pouco explorado, mas em plena ascensão em institutos de pesquisa e universidades em todo o mundo (CONNIFF, 2014). Aposta-se cada vez mais na importância dos espaços urbanos na conservação da biodiversidade da fauna e da flora, a partir da compreensão de que reservas naturais, apenas, não são suficientes para garantir sua perpetuação (CHUA,2015).

The trees, shrubs, and flowers in that ostensibly green infrastructure also need to benefit birds, butterflies, and other animals. They need to provide habitat for breeding, shelter, and food. Where possible, the habitat needs to be arranged in corridors where wildlife can safely travel. (CONNIFF, 2014).

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

39


40

A preocupação com a criação de habitat para a fauna em contextos urbanos, especialmente para os insetos polinizadores, também está expressa em iniciativas como a criação de 60 campos de flores silvestres em cidades britânicas, modelados a partir dos prados plantados no Parque Olímpico de Londres (CONNIFF, 2014). Na escala regional – ou quase continental –, o Highway BEE Act, estadunidense, pretende transformar 17 milhões de acres ao longo de rodovias interestaduais em habitat para polinizadores ao longo de suas rotas migratórias (GREEN, 2015). Na Toscana, Itália, Francesca Bretzel e equipe estudaram a reprodução de 26 plantas herbáceas nativas do mediterrâneo e as estão utilizando em paisagismo e na recuperação de grandes áreas junto às cidades.

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

Projetos de pequena escala também têm importância na conservação da biodiversidade. A paisagista Amalia Robredo afirma, no vídeo Paisajismo com Hierbas Nativas, que a utilização de espécies nativas em seus jardins “es una manera de preservar nuestro património, de enriquecer los ecosistemas, porque se empieza a formar una riqueza enorme en cada uno destos pequeños jardines que van sumando al ecosistema general.” (PAISAJISMO com hierbas nativas, 2013).

Fig. 15 – Jardim da paisagista argentina Amalia Robredo, fruto de seu trabalho de introdução de espécies nativas ao paisagismo na costa do Uruguai. (Foto: Amalia Robredo)

A criação de corredores bióticos de envergadura metropolitana é, de fato, uma das grandes agendas urbanas neste começo de século, como demonstram Madrid Río, parque linear de 6km na capital espanhola (SIQUEIRA, 2011), Parque del Río Medellín, na Colômbia, a Orla do Rio Piracicaba, no estado de São Paulo, e o Parque Linear Macambira Anicuns, em fase de implantação em Goiânia (SIQUEIRA, 2015).


JARDINS NATURALISTAS CONTEMPORÂNEOS E A FLORA RASTEIRA DO CERRADO As plantas são componentes fundamentais em projetos de áreas livres públicas e privadas, e, no entanto, tendem a ser negligenciadas nas discussões e na educação sobre a arquitetura. Em projetos de edificações, é comum buscar técnicas, materiais e partidos arquitetônicos que melhor se adaptem ao clima e às condições do entorno. Mas o que dizer da materialidade de jardins, praças e parques, onde a vegetação é um componente fundamental?

42

While the role of plants – and therefore planting design – is well stablished in the domestic garden, and is absolutely crucial to its aesthetic and functional success, it has not been so well stablished in landscape design. Or perhaps more accurately, plants have often played a minor role in urban landscape design. (…) Now, however, the use of plants is increasing, particularly that of perennial and ornamental grasses, requiring greater access to technical information about plant establishment and management, and to ideas about the visual aspects of their use. (OUDOLF & KINGSBURY, 2013, pg. 10). Nos países de clima temperado, ganham destaque jardins feitos com plantas herbáceas perenes (gramíneas incluídas), onde são criadas comunidades vegetais com alta biodiversidade que requerem baixa manutenção: são os jardins naturalistas contemporâneos. Fala-se, até mesmo, em um movimento emergente, o chamado New Perennial Gardens. Seu expoente

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

máximo é o plant designer holandês Piet Oudolf, responsável por jardins surpreendentes como os do High Line Park, em Nova Iorque, e os do Lurie Garden, no Millennium Park, em Chicago, ambos nos Estados Unidos. O movimento aposta no uso de plantas herbáceas e arbustivas perenes, de ciclo longo, organizadas em comunidades com grande biodiversidade, em oposição a jardins estruturados por blocos com monoculturas. Estes novos jardins têm caráter naturalista e evocam ambientes quase selvagens; têm abertura para mudanças que acontecem ao longo do tempo, a auto-semeadura, o envelhecimento e a morte das plantas, ou o surgimento espontâneo de novas espécies; são feitos para serem apreciados em toda a potência de sua sazonalidade; e exigem menos irrigação e manutenção que jardins convencionais (OUDOLF & KINGSBURY, 2013).

maio. Durante a seca, as plantas sofrem déficit hídrico e as nativas estão adaptadas para sobreviver nessas condições, mesmo sem irrigação. Além disso, elas têm capacidade de rápida produção de novas folhas, flores e frutos após o início das chuvas. Outro diferencial é que algumas plantas florescem durante a seca, por serem capazes de acessar água em camadas profundas do solo (OLIVEIRA & GIBBS, 2000). Assim, com o estudo adequado do comportamento das plantas ao longo das estações, é possível imaginar jardins que mantenham uma cambiante beleza durante todo o ano.

43

A partir da ideia de que “sob vários aspectos, as savanas tropicais são muito mais similares a muitos ecossistemas da zona temperada do que à floresta tropical com a qual faz contato” (BOURLIÈRE & HADLEY, 1983, apud SANO, ALMEIDA & RIBEIRO, 2008), deu-se início a investigação sobre potenciais pontos de contato entre os jardins naturalistas contemporâneos e a flora rasteira da savana brasileira. O Cerrado é caracterizado por forte sazonalidade, com um período de seca e outro de chuvas abundantes. Cerca de 90% da precipitação anual no bioma incidem durante os meses de outubro a Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos


44

De qualquer maneira, o atual florescer da arquitetura paisagística em tantas partes do mundo pode propiciar um olhar mais atento a este importante componente das paisagens construídas, urbanas ou rurais: as plantas. Especialmente em um momento onde sustentabilidade e conservação da biodiversidade tornam-se pautas centrais na sociedade. Cabe buscar formas de praticar a arquitetura paisagística cada vez mais em sintonia com os biomas locais; essa é uma forma de garantir que os projetos tenham menor gasto energético, causem menores impactos ambientais e possam contribuir para o fortalecimento de ecossistemas e identidades locais.

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

Fig. 16 – Os New Perennial Gardens defendem a criação de canteiros com alta biodiversidade, que podem ser admirados em toda potência de sua sazonalidade. (Foto: Amalia Robredo)

Considerando a suma importância das gramíneas e outras herbáceas nas composições florísticas do bioma Cerrado e dos New Perennial Gardens, - e a forte sazonalidade climática que os marca, ainda que de formas diferentes -, será possível traçar paralelos entre um e outro? Esses jardins contemporâneos podem fornecer um repertório formal, uma linguagem, que nos ajudem a identificar potencialidades paisagísticas de plantas nativas do Brasil Central? Podem, ainda, ajudar na formatação de um arcabouço conceitual e metodológico para a criação de uma expressão paisagística da savana brasileira?

45

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos


BIBLIOGRAFIA BRETZEL, Francesca; PEZZAROSSA, Beatrice; BENVENUTI, Stefano; BRAVI, Alessio; MALORGIO, Fernando. Soil influence on the performance of 26 native herbaceous plants suitable for sustainable Mediterranean landscaping. Acta Oecologica, v. 35, n. 5, p. 657-663, 2009. CHUA, Grace. How Singapore makes biodiversity an important part of urban life. Citiscope, 2015. Disponível em <http://citiscope.org/story/2015/ how-singapore-makes-biodiversity-important-part-urban-life> Acesso em 05 set. 2015.

46

CONNIFF, Richard. Urban nature: how to foster biodiversity in world’s cities. New Heaven: Yale Environment 360, 2014. Disponível em <http://e360.yale.edu/feature/urban_nature_how_to_foster_biodiversity_in_worlds_cities/2725/> Acesso em 10 set. 2015. GREEN, Jared. Another winner: the London Olympics’ landscape. The Dirt, American Society of Landscape Architects, 2012. Disponível em <http://dirt.asla. org/2012/08/22/another-winner-the-london-olympics-landscape/> Acesso em 05 set. 2015. GREEN, Jared. A bold plan for Saving Pollinators. The Dirt, American Society of Landscape Architects, 2015. Disponível em < http://dirt.asla.org/2015/06/25/abold-plan-for-saving-pollinators/> Acesso em 05 jul. 2015. Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

MMA – Ministério Do Meio Ambiente. O bioma Cerrado. Disponível em <http:// www.mma.gov.br/biomas/cerrado>. Acesso em 05 set. 2015. MARX, Roberto Burle. Arte & paisagem: conferências escolhidas. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Studio Nobel, 2004. MUNHOZ, Cássia Beatriz Rodrigues. Padrões de distribuição sazonal e espacial das espécies do estrato herbáceo-subarbustivo em comunidades de campo limpo e de campo sujo. Brasília, 2003. 274 f. Tese (Doutorado em Ecologia) – Instituto de Ciências Biológicas, Universidade de Brasília. OLIVEIRA, P.E.; GIBBS, P.E.. Reproductive biology of woody plants in a cerrado community of Central Brazil. Flora (Jena), v. 195, n. 4, p. 311-329, 2000. OUDOLF, Piet; KINGSBURY, Noel. Planting: a new perspective. 1. ed. Timber Press, 2013. PAISAJISMO con hierbas nativas. Realização de Amalia Robredo. Maldonado, 2013. Vídeo no Youtube (11 min.), sonoro, colorido. Castelhano. Disponível em < https://www.youtube.com/ watch?v=ooPhlAsvzdk > Acesso em 23 maio 2016.

PALMER, Matt. Discovering urban biodiversity. Nova Iorque: The nature of cities, 2012. Disponível em <http://www.thenatureofcities.com/2012/08/14/discovering-urban-biodiversity/> Acesso em 10 set. 2015.

SIQUEIRA, Mariana de Melo. Ao Azul, Verde: Projetos de recuperação das margens de rios urbanos começam a transformar cidades latino-americanas. Revista AU, São Paulo: Editora Pini, n. 256, p. 6063, jul. 2015.

RIBEIRO, J.F.; WALTER, B.M.T.. Fitofisionomias do bioma Cerrado. In: S.M. SANO & S.P. de ALMEIDA. Cerrado: Ambiente e Flora. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, p. 98 – 116.

THOREN, Roxi. Landscapes of change: innovative designs and reinvented sites. Portland: Timber Press, 2014.

SANO, Sueli Matiko; ALMEIDA, Semíramis Pedrosa de; RIBEIRO, José Felipe. Cerrado: ecologia e flora. 1. ed. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2008. ROBREDO, Amalia. Amalia Robredo, paisagista da Argentina: Amor pelas plantas nativas. Revista AuE Paisagismo Digital, número 144, Maio de 2016. Entrevista concedida a Mariana Siqueira. Disponível em <http://auepaisagismo.com/?id=Amalia-Robredo%2C-paisagista-da-Argentina%3A-Amor-pelas-plantas-nati vas&in=1639> Acesso em 23 maio 2016.

47

SAMPAIO, Alexandre Bonesso et al. Guia de Restauração do Cerrado: volume 1: Semeadura direta. 1. ed. Brasília: Universidade de Brasília, Rede de Sementes do Cerrado, 2015. SIQUEIRA, Mariana de Melo. O Resgate de um Rio Urbano: Parque Linear do Manzanares. Revista AU, São Paulo: Editora Pini, n. 212, p. 70-75, nov. 2011.

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos


O Plano Piloto de Brasília é utilizado como laboratório para a analise do Carimbo Verde abordando o sistema de espaços livres em dois níveis: A escalas urbanas, fundamentos do principio urbanístico – residencial, monumental, gregária e bucólica – e em seguida os sistema de espaços livres da escala residencial como suporte de novas urbanidades. Palavras chave: arquitetura da paisagem, urbanismo, plano paisagem

49 Yara Regina Oliveira | Professora do CAU/UCB

Fig 17 - Foto: Victoria Câmara

Este artigo tem como proposta apresentar um método exploratório de análise sensível da paisagem a partir da escala humana. Além dos fundamentos teóricos desenvolvidos sobre a paisagem, estão inclusos fundamentos sobre a escala/sensação humana – carimbo verde. Ao sistematizar o território por unidades da paisagem, temse por objetivo isolar aqueles elementos que fundamentam a paisagem como suporte de atividade humana, bem como objeto cultural e unidade geofísica, o que resulta como testemunho de sua história e do processo dinâmico que permite sua evolução dia após dia.

CARIMBO VERDE, UM OLHAR SOBRE O SISTEMA DE ESPAÇOS LIVRE DO PLANO PILOTO – BRASÍLIA

RESUMO

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos


REFERÊNCIAS TEÓRICAS PARA A CONSTRUÇÃO DO MÉTODO

50

Carimbo Verde, mais um termo de moda? De maneira alguma. O termo foi escolhido por se tratar de um denominador mínimo comum na apreciação e captura de um tempo sincrônico1 do espaço urbano sobre uma paisagem diacrônica. Parafraseando o caminho do meio descrito por Sachs em 2009, corresponde a uma abordagem do paisagismo que pretende integrar as diferentes perspectivas e sensações ao longo do percurso, dentro do contexto da cidade. Entre outros textos de referência, tem-se a “Imagem da Cidade”, de Kevin Lynch (pág. 57), em que o autor enuncia que cada indivíduo tem uma imagem própria e única que, de certa forma, raramente ou mesmo nunca, é divulgada, mas que, contudo, se aproxima da imagem pública e que em meios ambientes diferentes se tornam mais ou menos determinantes, mais ou menos aceitos. O livro “A condição urbana”, de Olivier Mongin, aborda a cidade como experiência urbana e polifônica2:

1  A

partir de Saussure, linguista genebriano, muito se falou em sincronia e diacronia. Sincrônico significa ao mesmo tempo. Diacrônico são ocorrências que acontecem através do tempo 2  http://desafios.ipea.gov.br/index.php?option=com_ content&view=article&id=1340:entrevistas-materias&Itemid=41 acessado em 02/04/2014. Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

Assim, a ideia do Carimbo Verde nasceu da vontade de acrescentar três fenômenos ao diagnóstico da paisagem:

Ela é primeiramente uma experiência física, a marcha do corpo dentro de um espaço onde prevalece a relação circular entre um centro e uma periferia. A experiência urbana e, depois, um espaço público onde corpos se expõem e onde se pode inventar uma vida política pelo viés da deliberação, das liberdades e da reivindicação igualitária. Mas a cidade é também um objeto que se observa, a maquete que o arquiteto, o engenheiro e o urbanista têm diante dos olhos, uma construção, até mesmo um maquinário, submetida de imediato aos fluxos da técnica e ao desejo de controle do Estado. (Mongin, 2009, p. 29-30).

• Levar em conta várias percepções do sujeito protagonista que, como tal, ao percorrer a paisagem, relaciona-se com tais espaços, e de como o entorno se comunica com esses elementos, a paisagem em movimento. • Acrescentar na analise da paisagem do sistema de espaços livres, questões sobre a gestão/uso dos espaço, público, privado, semi público. • Sedimentar os parâmetros de analise da paisagem, já desenvolvidos de forma teórica por profissionais arquitetos, urbanistas, geógrafos, sociólogos, ecólogos...

- A paisagem em movimento engloba: • o suporte do movimento, no caso uma atenção para o deslocamentos não motorizados, espaço do pedestre materializado e caminhos de desejo dos fluxos que imprimem no solo as suas marcas; • Os marcos visuais, as panorâmicas, os feixes visuais; • Os cenários da paisagem; franjas urbanas, sequências urbanas, espaço peri-urbano • Os obstáculos visuais ou físicos, transparências e opacidade, permeabilidades.

51

Sem a pretensão de ser exaustiva, os principais elementos de observação adotados foram sistematizados em uma legenda com múltiplas entradas: - A relação dos sistemas de espaços livres: cheios e vazios; - Os elementos da paisagem de domínio do público, de domínio privado e dos espaços mistos; - No espaço não construído – espaços livres de construção – declina-se em espaço vegetal e/ou espaço mineral. Para em seguida definir categorias de unidades da paisagem em cada uma das categorias mineral ou vegetal.

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos


Figura 18: Esquema para construção de uma legenda para análise da paisagem, 2012. Fonte: Yara Regina Oliveira

O esquema adotado para a análise da paisagem estrutura o conceito de paisagem ao se recorrer a três aspectos. O primeiro é o da ótica, que é a visão serial propriamente dita, e é formada por percepções sequenciais do espaço urbano – primeiro, avista-se uma rua, em seguida, entra-se em um pátio, que sugere um novo ponto de vista de um monumento, e assim por diante. O segundo fator é o local que diz respeito às reações do sujeito com relação à sua posição no espaço, vulgarmente denominadas sentido de localização, “estou aqui fora”; esse aspecto refere-se às sensações provocadas pelos espaços – aberRevista CAU/UCB | 2016 | Artigos

tos, fechados, altos, baixos etc. O terceiro aspecto é o conteúdo, que se relaciona com a construção da cidade – cores, texturas, escalas, estilos que caracterizam os edifícios e setores da malha urbana. Enquanto Mongin lamenta a perda do sentido da polis grega e da república cívica do Renascimento italiano, ou até mesmo das cidades recriadas pelos escritores – a Paris do surrealista Raymond Queneau, por exemplo – que não se resumem a construções e monumentos, mas sugerem cheiros, barulhos, vida pulsante, olhares sedutores, corpos que se cruzam. Mon-

Figura 19 Exemplo de um painel de análise da paisagem da cidade de Corbeil Essonne, 2004. Fonte: arquivos pessoais SIARCE/YRO 2004

52

gin tem, enfim, nostalgia da experiência urbana multidimensional das cidades em que engenheiros-urbanistas dialogavam com artistas.

de território, e não na cidade do flâneur de Baudelaire, aquele que podia se confundir com a multidão e mudar o espaço público.

Cita, ainda, Louis Aragon, Julien Graça e Michel Buttor sempre que fala nos vínculos que os habitantes da urbe guardam com o corpo unificado da cidade. Para ele, vivemos hoje tempos difíceis, em que é quase impossível captar a essência da cidade como antigamente, porque a globalização nos obriga a pensar em termos

Este método tem o seu início durante os trabalhos preliminares de análise da paisagem para a elaboração do Plano Diretor de Valorização urbano-paisagística do beira-rio Essonne – França, em 2005.

53

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos


ESPECÍFICA AO TECIDO URBANO MODERNO: PLANO PILOTO - BRASÍLIA O fato de se criar uma legenda com múltiplas entradas gera possibilidades para se transcrever em desenhos a percepção do lugar. A metodologia foi, em princípio, sistematizada sobre uma morfologia urbana clássica, como a das cidades banhadas pelo rio Essonnes na França. Em seguida, experimentou-se em uma estrutura urbana “moderna” – Brasília – onde a rua é abolida em prol dos espaços vazios.

54

Assim, passa-se à fase de classificação dos tipos de espaços ‘vazios’, nos apoiando aos princípios enunciados por Silvio Macedo (op.cit 2009) e Tânguari3, sobre o sistema de espaços livres. Entretanto o sistema de espaços livre existentes no Plano Piloto de Brasília se adequam aos princípios das quatro escalas urbanas constituídas: residencial, gregária, monumental e bucólica, nas quais são percebidos os espaços construídos e vividos. Recapitulando os princípios teóricos, as relações de Le Corbusier com os espaços livres são ambíguas e contraditórias. Se sua arquitetura deriva de complexos conceitos a priori estabelecidos, sua atitude com relação ao tratamento dos espaços livres é na maioria das vezes esquemática. Entende-se assim o porquê de suas concepções urbanas tenderem a reduzir os espaços livres a um plano neutro despido de características fisiográficas. 3  TANGARI, V. e vários. Sistema de espaços livres na cidades brasileira – um debate conceitual. Revista Paisagem e ambiente – USP. São Paulo, 2009 pgs 225-249

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

Em grande parte, pode-se considerar que a concepção de cidade-parque engendrada por Lúcio Costa no Plano Piloto de Brasília seja uma síntese das concepções urbanas de Le Corbusier, expressas nos manifestos do CIAM e nas ideias de cidade-jardim.

implantação do seu plano urbanístico. Do mesmo modo, Brasília iria sofrer adaptações ditadas pelo próprio uso que a população dela faria. Ainda assim, pode-se considerar que esses acréscimos e modificações não chegaram a contrariar o projeto inicial de Lúcio Costa.

Entretanto, outro tópico importante na concepção de Brasília é o conceito de unidade de vizinhança que, em muitos aspectos, aproxima-se das concepções de cidade-jardim de Howard, como no que se refere à preocupação em relação aos aspectos sociais e à visão de uma cidade organizada hierarquicamente em partes.

É na superquadra que o ideal de cidade-parque parece encontrar sua melhor expressão. Os espaços livres sugerem um bosque urbano pontuado por edifícios e que só é interrompido pelas ruas comerciais, que se intercalam entre as superquadras. A essa grande quantidade de espaços livres arborizados se conjuga uma relativamente baixa densidade construída e demográfica. Em algumas superquadras, o percentual de espaços livres chega a atingir entre 70% a 80%, incluindo-se aí as áreas ajardinadas e as superfícies ocupadas pelas vias e estacionamentos; cada superquadra mede 240 x 240 metros (57.000m2) e tem uma média de 2.500 habitantes distribuídos por 11 blocos residenciais de seis andares.

No Relatório do Plano-Piloto de Brasília, que Lúcio Costa apresenta à banca do concurso para a escolha do projeto da nova capital, ele recorre à expressão cidade-parque para definir sua concepção urbana, sintetizando os trabalhos de construção da cidade em termos de “uma parte técnica rodoviária” e de uma “técnica paisagística de parques e jardins”. Os setores de horticultura e floricultura, prosaica referência à cidade-jardim de Howard, são redefinidos como setores habitacionais (SHIG - Setor de Habitações Geminadas Norte e Sul) para abrigar os primeiros funcionários públicos (professores, médicos etc.), que começaram a chegar para dar suporte aos trabalhos de construção e para atender a população deslocada para a execução das obras. Estas alterações iniciais iriam abrir caminho para inúmeras outras que iriam acontecer após Lúcio Costa deixar de assessorar a

55

Figura 20: Croquis em planta baixa e perspectiva da superquadra de Lúcio Costa. Fonte: Relatório de Plano Piloto.

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos


Outro aspecto que chama a atenção nas superquadras é o fato de todo o seu solo ser considerado público, solução conseguida mediante a criação da figura jurídica da projeção, que substitui o lote como forma de parcelamento e estabelece como norma o uso do sistema de pilotis para os edifícios, o que, pelo menos em tese, permite um acesso irrestrito a todas as partes da superquadra. Os espaços livres internos são chamados de ‘pátio urbano’ por Lúcio Costa.

56

O tratamento dado aos espaços livres da superquadra é simplificado. A cortina de árvores, periférica às superquadras, e que, segundo Lúcio Costa, deveria ser constituída de árvores de diferentes espécies (como meio de diferenciar cada uma das superquadras), não ocorre conforme o previsto. Esse cordão de árvores, hoje, mistura diferentes espécies. Do mesmo modo, as árvores no interior destes locais sugerem a ausência de um projeto de plantio. A ausência de uma ordem que seja visualmente identificável dá às superquadras uma feição de cunho naturalista, que só não é mais forte em virtude da ausência de variações e detalhes de relevo, que foram eliminados pela terraplanagem e pelo tratamento dado às superfícies, quase exclusivamente limitadas a um gramado. Ainda assim, poder-se-ia considerar que o ambiente resultante é satisfatório do ponto de vista dos moradores, condição para a qual colabora o sistema viário que desestimula a circulação de automóveis no interior das superquadras e desvia o Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

trânsito de passagem. Entretanto, o dimensionamento dos espaços livres e a relativa ausência de barreiras físicas acabam produzindo para os pedestres muitas possibilidades de percurso, já que todos são considerados espaços públicos, solução conseguida mediante a criação da figura jurídica da projeção, conforme descrita em parágrafo anterior. Assim, o exercício de análise da paisagem baseou-se, a partir das quatro escalas urbanas, na verificação das subunidades paisagísticas presentes em cada uma delas, considerando-se a paisagem que se vê de fora e a que é vista a partir do interior das edificações, como, por exemplo, a vista arborizada característica dos moradores dos blocos das superquadras ou, ainda, a dos jardins dos edifícios públicos, tais como o Itamaraty, Correios, Teatro Nacional etc. A alusão é feita a quase tudo o que se manifesta como componente paisagístico que oferece o prazer aos olhos, do estar ou do se deslocar. Nas palavras de Romero:

A recente perda e decadência dos espaços públicos abertos, em que se fecha, literalmente, o espaço público e, portanto, elimina-se o clima de convivência cidadã, é um fator que compromete a sustentabilidade do espaço, especialmente de espaços projetados, como Brasília, que são exemplo de patrimônio da humanidade. A contraposição de medidas sustentáveis a esse fechamento exige uma abordagem global do espaço urbano e suas complexas relações, no qual uma visão sistêmica, integrada e inter-relacional deve apoiar a investigação e seus desdobramentos” Romero, M. 2009 (p. 153).

57

Desta maneira, portanto, realiza-se um inventário do sistema de espaços livre do Plano Piloto, de maneira a se obter uma imagem dos usos a partir de variáveis que estão ao alcance da escala de percepção humana dos espaços livres de construção. Os princípios metodológicos são tratados a partir das quatro escalas urbanas definidas por Lúcio Costa. Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos


CARACTERÍSTICA DA PAISAGEM INTERNA A CADA ESCALA URBANA DO PLANO PILOTO Categorias da escala monumental - Existe a relação direta com o skyline do relevo composto pela linha do horizonte delineada pela bacia do Paranoá, que constitui vistas panorâmicas de relevância na composição da paisagem da Praça dos Três Poderes. - A unidade composta pelos gramados, que assegura, como um tapete, a simbiose entre o vazio e o espaço construído, dimensão fundamentalmente importante para assegurar a monumentalidade do conjunto entre a plataforma da Rodoviária e a Praça dos Três Poderes.

58

- As unidades paisagísticas, que asseguram uma relação harmônica entre o construído interno e o construído externo, bem como entre os espaços vazios externos e os vazios internos; os jardins – a relação de complementaridade entre o Palácio do Itamaraty e o Ministério da Justiça são um exemplos desta composição.

Figura 21: Unidades da paisagem do Plano Piloto, 2014. Fonte: Yara Regina Oliveira

- Os massivos arbóreos existentes próximos aos ministérios frente à Catedral, e que às vezes passam despercebidos para os olhos pouco atentos, mas garantem um conforto de sombra para o pedestre, sem interferir na silhueta monumental do lugar construído. - Os espaços livres de construção da plataforma da Rodoviária, lugares de encontro com característica mineral e de grande

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

importância no cotidiano da vida urbana. A praça mineral do museu da República representa um dos lugares mais democráticos de todo o quadrilátero de Brasília. - Os espaços entre a plataforma da rodoviária e a Torre de Televisão, cujo espaço central é composto pela praça das fontes e o futuro parque-bosque em construção pelo escritório de Burle Marx. - E, por fim, entre a Torre de TV até a Rodoferroviária, o inventário traria à luz do dia uma visão dos atuais usos e conexões entre o espaço construído e o espaço público. Além do conjunto administrativo local, composto em torno da Praça do Buriti (onde vegetal mauritia flexuosa é a marca urbana na esplanada) existem as grandes áreas destinadas: à feira artesanal, aos edifícios de artes, músicas e convenções; e, na sua lateral, o Parque da Cidade faz o contraponto da área de grandes eventos esportivos. Categorias da escala gregária. A escala gregária é caracterizada pelos seguintes espaços: - Jardins de plataformas – vegetação de acompanhamento tipo floreiras – o que assegura a presença vegetal. - A vegetação dos espaços minerais, assegurada por “floreiras” de cimento, nas plataformas próximas ao edifício Central Brasília e nos edifícios do BRB, BB, CEF, BC etc.

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

59


- As praças existentes no interior do Setor de Autarquias (pátio urbano). - Jardins internos associados aos edifícios – prédio dos Correios, Conjunto Nacional e outros a serem investigados. - Os jardins que asseguram a ligação interna–externa do edifício, tal como a que ocorre no Teatro Nacional com seu entorno. - Os espaços “ajardinados” que asseguram a ligação entre os edifícios do Conjunto Nacional e do Teatro Nacional, bem como, no lado sul, entre o Conic e o edifício do antigo Touring Club. Categorias da escala bucólica.

60

Inicialmente, caracterizou-se pelo espaço que corresponde à passagem entre o limiar leste do Plano Piloto e as bordas do Lago Paranoá. Em seguida, estendeu-se como intervenção da escala bucólica nos espaços urbanos e que se faz sentir na passagem das outras escalas urbanas, sem transição, do ocupado para o não-ocupado - delimitada por áreas livres arborizadas e o cinturão verde, presentes na quadras, e que lhes conferem a característica de pátio urbano. O vegetal, que em princípio fora principalmente acordado com relação a uma escala urbana onde se confinam os espaços verdes, mescla-se ao espaço vazio de construções, assumindo função e usos variados sobre as outras escalas urbanas, criando, assim, uma estrutura urbana vegetal que passa da hortaliça para as graRevista CAU/UCB | 2016 | Artigos

míneas, para alamedas arbóreas, para praças e bosques como cenário urbano, ora se retraindo e deixando lugar para o espaço mineral vazio de construção, tão necessário para a composição harmônica da morfologia urbana – os cenários. Este exercício permite perceber que os espaços vazios urbanos são tudo, menos um vazio, eles possuem uma alma própria, bem como significados e usos urbanos diferenciados, e onde os protagonistas são múltiplos. A escala residencial. Na escala residencial, os espaços verdes são organizados conforme as seguintes categorias: - O cinturão verde de 20 metros no entorno das superquadras, mais visíveis nas superquadras da asa sul. - Os pátios urbanos internos as superquadras com configurações espaciais múltiplas de uma para outra. - As entre quadras, ligações entre as quadras, superquadras, comércios locais, equipamentos públicos. - Nas quadras 700 da Asa Sul, a característica de fita arborizada está presente conferindo um espaço linear da sequência das quadras. Nos jardins, inicialmente previstos contíguos às residências, cuja construção é implantada nos limites do lote, a apropriação e gestão do espaço contíguo assumem características com geometria variável. Ora os proprietários incorporam

parte das áreas verdes no domínio privado, ora as fitas vegetais são uma extensão harmônica da vegetação dos espaços públicos. Os casos em que a gestão se faz ao nível da prefeitura de quadra, são criados jardins, parques, entradas de veículos, estacionamentos, hortas, compondo desta forma um mosaico de particularidades. CONCLUSÕES Em guisa de conclusão, o método de análise da paisagem “carimbo verde” para Brasília, comporta os seguintes passos: Quatro fases de analise: a) os espaços cheios e vazios nos permitem proceder a avaliação dos sistema de espaços livres; b) as árvores e os caminho de pedestres nos permitem avaliar o quanto a estrutura arbórea está em consonância ou não, e atende ao conforto do usuário, assim como também nos permite avaliar o grau da espessura urbana4 do sítio; c) as vias e estacionamento nos permite avaliar as condições da rede viárias locais. d) o mapa sínteses – construído, não construído mineral e vegetal e a paisagem em movimento (fig.06). A sua analise nos permite estabelecer as fragilidades e potencialidades para o projeto da arquitetura da paisagem.

61

4  Entendemos como espessura urbana, locais que são cenas de vida urbana, estas sendo ordenadas por um desenho urbano estabelecido, a cidade do plano, ou não a cidade vivida.

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos


Finalizamos o artigo procedendo ao diagnostico da paisagem das superquadras com relação aos seus espaços livres: os espaços potencialmente suportes de projeto, os caminhos materializados ou não, os salões urbanos e os pátios urbanos. Os caminhos materializados ou não. Na cidade parque o caminho dos desejos impressos no solo revelam espessura urbana, pois são testemunhas de uma passagem humana, não materializada mineralmente, cruzando o sistema de espaços livres de Brasília. Apreendê-lo através de um diagnóstico da paisagem é um instrumento valioso de projeto. O leque abre-se para um escolha de deixar o espaço como está, criar pontos de permanência ou ainda interromper aquele fluxo.

62

Os caminhos, materializados ou não, também são suportes projetuais da paisagem em movimento. Pois servem de palco para a construção do cenários urbanos, sejam eles mineral ou vegetal, das sequencias urbanas, dos pontos de suspensão ou de conectividades. O processo de captura das sensações possíveis do usuário na escala humana é valioso, tanto para um planejamento da paisagem quanto para o processo de projeto.

a rua é o suporte das trocas humanas. No contexto da cidade como desenho moderno, onde libera-se o solo para o pedestre, a configuração da rua se expande e desaparece do desenho urbano a via e a empena do edifício. Eles vão se transformar nos salões urbanos ou pátios urbanos. Os salões urbanos são constituídos pelos espaços existentes entre o “embaixo do bloco”5 e o espaço imediatamente contiguo à edificação. Este espaço ao longo das superquadras se apresentam com uma geometria variável e um mosaico de configurações. Estes espaços vão desde os “puxadinhos” presentes nos espaços entre o comércio local e o cinturão verde das superquadras, aos espaços intimistas constituídos por exemplo pelos taxistas na 309 sul.

Salões urbanos e os pátios urbanos.

Figura 22: Esquema legenda para análise da paisagem de Brasília, 2014. Fonte: Yara Regina Oliveira

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

Para estes dois elementos novos que aparecem na configuração dos espaços criados pelo movimento moderno, Brasília serve como um grande laboratório de analise. Nos tecidos urbanos tradicionais,

5  Glossário Sirchal/Olhares sobre Brasília http://www.cau.arq.br/ olhares/

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

63


Os pátios urbanos são figuras urbanas já constituídas por Lucio Costa e cuja apropriação vai tomar cursos também muito diferenciados. São espaços internos ou entre as superquadras, que se aproximam das praça e jardins clássicos. São geralmente constituídos por parques infantis, praças-jardins, terrenos poliesportivos e mais atualmente por hortas urbanas. Finalizando, gostaria de deixar registrado que o tema sobre as conectividades ecológicas existentes nos sistema de espaços livres de Brasília é um universo ainda pouco explorado e cuja função social e ambiental é fundamental para o debate, pois se trata de um trabalho onde é necessária a contribuição de especialistas de diferentes áreas.

64

BIBLIOGRAFIA BARCELLOS, Vicente e HOLANDA, Frederico. Permanência e inovação: Sqn 109 Brasília. In HOLANDA, Frederico org. e outros. Arquitetura e Urbanidades. FRBH edições 2a ed. 2013. BARCELLOS, Vicente. Lugares ou não lugares ? Os descaminhos de um debate. Revista Paisagem e ambiente, ensaios, vol. 2, núm. 22, São Paulo Ed Universidade de São Paulo Brasil. 2006 CAUQUELIN, Anne. A invenção da paisagem. São Paulo Ed. 70 coleção Artes e Comunicação. 2008 COSTA, Lucio. Relatório do Plano Piloto de Brasília. In Brasília, cidade que inventei. Brasília: ArPDF, Codeplan e DePHA, 1991. COSTA, Lucio. Lucio Costa, registro de uma vivência. São Paulo: UnB, Empresa das Artes, 1995. EL-DAHDAH, Farès. Brasilia - The Project of Brasilia. IN El-Khoury, Rodolphe & Robbins, Edward. Shaping the city: studies in history, theory and urban design. Routledge, Houston: Rice University Humanities Research Center 2004. p. 45

Considerações preliminares sobre o sistema de espaços livres e a constituição da esfera pública contemporânea no Brasil. In: TÂNGARI, ANDRADE, SCHLEE (Orgs.). Sistemas de espaços livres: o cotidiano, apropriações e ausências. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009 MONGIN, OLIVIER. A condição urbana. São Paulo Brochura S.P. 2014 MONTE JUCÁ, Jane. “Concepção da Cidade–Parque de Brasília e a Construção de sua Paisagem: um percurso nos espaços da cidade”. In : Construção de Paisagens: instrumentos práticos, teóricos-conceituais e projetuais (TERRA, C.G., ANDRADE, R., org.), Coleção paisagens Culturais, Vol.3. Rio de Janeiro: UFRJ, Escola de Belas Artes, 2008.. SACHS, Ignacy : Estratégias de transição para o século XXI. Desenvolvimento e Meio Ambiente, São Paulo Studio Nobel/ Fundap, 1993

GOROVITZ, Matheus e FERREIRA, Marílio Mendes. A invenção da Superquadra. Brasília Editora IPHAN 2009 GOROVITZ, Matheus. Brasília uma questão de escala. Brasília Ed.Projeto 1985 Figura 23: jardins espontâneos 309 Sul e 412 Sul. Fonte: autor 2016

Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

MACEDO, QUEIROGA, CAMPOS, et al. Revista CAU/UCB | 2016 | Artigos

65


Carolina da Rocha Lima Borges | Professora do CAU UCB

A biônica [...] estuda os sistemas vivos [...] para descobrir processos, técnicas e novos princípios aplicáveis à tecnologia. Examina os princípios, as características e os sistemas com transposição de matéria, com extensão de comandos, com transferência de energia e de informação (MUNARI, 1998, pag. 330).

A BIÔNICA COMO FERRAMENTA PROJETUAL

Figura 24: trabalho da aluna Brenda Mascarenhas - PA3 2016

SOBRE O TEMA

Revista CAU/UCB | 2016 | Explicando

67


Ao iniciar um projeto arquitetônico, é comum aquela situação em que existem tantas possibilidades de criação e construção da forma que, principalmente o aluno menos experiente, não sabe por onde começar, tamanha é a diversidade de possibilidades. Faltam ferramentas para desenvolver e direcionar suas ideias e eliminar aquelas menos coerentes. Cabe ao professor indicar algumas alternativas metodológicas com qualidades libertadoras da criatividade capazes de inspirar o aluno e dar-lhe encorajamento, fazendo com que se sinta capaz de encontrar boas soluções.

68

Dentro dessa metodologia de projeto, o desenho se torna uma ferramenta projetual indispensável para o ato da criação. Entendemos aqui o desenho como um método de se chegar a uma ideia, e não somente o produto final em si. Tendo o aluno esta consciência, o desenho se torna mais livre e desprovido de um compromisso de se fazer um “desenho perfeito”. O croqui ganha um sentido experimental e um caráter de expressão, e é nesse momento que o desenho se reveste em um estudo com a possibilidade de manifestação de uma personalidade e, por fim, se torna um “desígnio”. A metodologia proposta aqui faz uma crítica às novas ferramentas projetuais computacionais que, ao pular a etapa do desenho a mão livre, muitas vezes massifica e reduz o processo de criação por eliminar algumas possibilidades de desenvolvimento de um pensamento. Sabemos que o movimento do lápis tem um “tempo” Revista CAU/UCB | 2016 | Explicando

diferente do “tempo” do pensamento, sendo que o ultimo acaba sendo comandado pelo primeiro no ato de criação. O mesmo processo acontece com ferramentas computacionais, a diferença é que o movimento do teclado muitas vezes não é tão ágil quanto o do desenho livre, e esse restrito movimento do teclado deixa de enviar algumas mensagens ao cérebro, dificultado a conexão entre ação e pensamento. Tanto Bruno Munari (1998) quanto o professor da PUC- GO, Tai Hsuan-An (1997, 2002), propõem metodologias de projeto baseadas na biônica e no desenho enquanto ferramenta de projeto. Tais processos são inspirados em metodologias da Bauhaus e nos estudos feitos por Kandinsky, denominados “Método Ternário”. Sabemos que a criação de formas arquitetônicas e até de mobiliário a partir de estudos da natureza já existiam em civilizações anteriores, como no Egito antigo e na antiguidade clássica, por exemplo. A própria proporção áurea e a sequencia de Fibonacci, tão aplicadas à arquitetura e ao design, possuem uma relação intrínseca com a natureza. Vitrúvio descrevia a arquitetura como um reflexo do belo natural, fazendo associações de templos com o corpo humano, onde as colunas nos templos, assim como as pernas do corpo humano, deveriam ter números pares. O capitel jônico possui uma relação com o cabelo das mulheres, ou com o chifre dos carneiros, como sugerem alguns críticos. Seu fuste é mais elegante e esbelto do que o da coluna dórica, que possui um

caráter masculino.

Assim como as colunas egípcias e gregas, a coluna gótica se inspira no perfil da árvore e a ornamentação usa temas florais que se agregam à harmonia estática. (...) Além de dar maior resistência e crescimento harmonioso, as linhas de flores ou frutos são símbolos de germinação, florescência e fecundidade que sugerem também a ideia de oferenda. (Santos, 1959)

“O design de produto, principalmente, deve envolver a biomimética, tirando proveito não só das ‘dicas’ e ‘segredos’ revelados pelos elementos da natureza, como também do próprio processo criativo da biomimética para descobrir novas ideias e produzir obras inovadoras, esteticamente atraentes, funcionalmente justificáveis”. (Tai Hsuan-an) 69

Não há dúvida de que formas belas da natureza não são gratuitas: a beleza gerada por diferentes cores e texturas tem uma função, inclusive os cheiros (de plantas e animais) e alguns sons emitidos por animais/ insetos podem ser considerados “ornamentos” da natureza que têm a função de atrair o sexto oposto (no caso dos animais) para reprodução, e no caso das plantas, os insetos são atraídos para polinização. Na arquitetura, formas extraídas da natureza, seja na estruturação ou mesmo com relação aos elementos bioclimaticos, quando respondem à necessidades reais e concretas, se tornam não só justificados, mas também legitimados.

Revista CAU/UCB | 2016 | Explicando


Para concluir o tema, segue um fragmento do texto de Fábio Lima:

70

METODOLOGIA A metodologia aqui proposta se baseia em experimentos do professor Tai Hsuan-an na PUC-GO que são expostos no livro “Desenho e Organização Bi e Tridimensinal da Forma”, no texto de Bruno Munari, “Das Coisas Nascem Coisas”, no artigo de Fábio F. Lima, “Processos Criativos e Metodologias de Projetos para Design e Arquitetura”, e em demais observações e experiências nossas adquiridas em sala de aula. Para a elaboração do estudo, a divisão em etapas, sempre tendo o desenho a mão livre como ferramenta, tem tido bons resultados.

A natureza pode simultaneamente apresentar, por meio da sua aparência simples, uma alta complexidade na sua gênese, por uma consonância de características como ordem, harmonia, proporção, etc. (...) Agregando os fatores climáticos e as características do solo, enquanto fatores exógenos, há um Etapa 1) Escolha de um modelo biológico: este deve conter aspectos e elemenacúmulo de interferências que mereçam ser explorados e desque resultam nas melhores tos construídos enquanto forma e também possibilidades com que a enquanto função. Tais aspectos podem natureza pôde se desenvolver. ser condicionados ao grau de experiência aluno, pois determinadas qualidades Em resumo, o princípio ele- do podem ser pouco evidentes. mentar é que as formas existentes não são assim gratui- A análise de um fruto, de um inseto, de uma semente, de tamente, mas empreendem uma resposta mais adequada uma flor, de uma ramificação, às interveniências – internas do movimento de um animal, da flexibilidade de uma cana e externas – pelas quais se de bambu, da resistência da justificam em função de sua casca de um ovo... são cerresistência ao meio ou sobretamente úteis ao conhecivivência. (LIMA, 2011). mento e podem estimular a criatividade. (MUNARI, 1998, pag.330) Revista CAU/UCB | 2016 | Explicando

Figura 25 - Trabalho da aluna Daniela Rodrigues - PA3 2015

Etapa 2) Desenhos de observação: Realização de registros gráficos detalhados sob a forma de croquis, com o objetivo de desenvolver a percepção das relações das partes e das formas do objeto entre si e com o conjunto, além da captação de outras sensações como cheiros e texturas. Os desenhos devem ser acompanhados de anotações ou pequenos textos explicativos quando estes se mostrarem insuficientes no entendimento.

[...] Observação de tais características com muita atenção e registro gráfico em diversos ângulos e de diversas maneiras; análise em maior profundeza dos fenômenos observados (detalhes interessantes e importantes) e tentativas de traduzi-los em desenhos esquemáticos ou croquis (HSUAN- AN, 2002, pag.184).

Revista CAU/UCB | 2016 | Explicando

71


Etapa 3) Análise da Estrutura e Síntese da Forma: Interpretação subjetiva e expressiva das estruturas apresentadas nas etapas anteriores. Transposição das formas para esquemas mais simples (inscrição em formas geométricas) capazes de resguardar particularidades do modelo. Definição da estruturação da forma, de eixos e traçados reguladores. Em outras palavras:

Constrói-se assim um modelo geométrico [...] como se o órgão natural fosse um modelo reconhecível na sua forma e estrutura. A investigação prossegue geometrizando as várias peças, mas conservando suas exatas proporções e funções, continuamente controladas pelo modelo natural (MUNARI, 1998, pag.336).

73

Figura 26 - Trabalho da aluna Bárbara Tavares - PA3 2016

Revista CAU/UCB | 2016 | Explicando

Figura 27: trabalho da aluna Brenda Mascarenhas - PA3 2016

72

Revista CAU/UCB | 2016 | Explicando


Etapa 5) Interpretação Tridimensional: Conversão para uma possibilidade utilitária – croquis de estudo de possibilidades arquitetônicas.

74

Etapa 6) Modelos Experimentais de Estudo (maquetes físicas): os modelos tridimensionais são pensados aqui como croquis e como produtos da análise e da síntese da forma, onde ver e expressar são influencias recíprocas.

Por fim, o desenho e a maquete de estudo como ferramentas de projetação e desenvolvimento da forma têm tido bons resultados. A maquete é fundamental para o raciocínio espacial, fazendo com que o aluno trabalhe a partir das relações de proporção e da geometria, usando formas e volumes separados para montar várias possibilidades volumétricas. Já o desenho tem um papel de libertar a imaginação e a criatividade, estabelecendo uma relação de diálogo e promovendo a autonomia e a auto confiança no aluno.

Figura 28: trabalho da aluna Brenda Mascarenhas - PA3 2016

Etapa 4) Abstração do objeto: Reorganização e composição com as partes e os elementos formais da etapa anterior por meio de separação das partes, espaços negativos, rotação, espelhamento, repetição, duplicação, sobreposição, redução, ampliação, associação de ideias, etc. Tais desenhos, muitas vezes tendem a expressar um ritmo e uma musicalidade.

75

Durante todo o processo de estudo, tudo que inspira ou sugira algo novo, merece ser explorado. O aluno deve registrar as linhas estruturais, tensões e movimentos onde, muitas vezes, os desenhos da etapa final tem pouca similaridade com o objeto inicial de inspiração, tamanha foi a abstração da forma. Isso não invalida o processo de criação, pois o direcionamento aconteceu e o objeto inicial serviu para o desenvolvimento de uma ideia. Assim como, por ser de inspiração na natureza, o produto final não tem que necessariamente ser composto por curvas. Ângulos retos e formas ortogonais são comuns nesses processos, pois a etapa de geometrização acaba por sintetizar as formas por esse caminho. Figura 29 - Trabalho da aluna Bárbara Tavares - PA3 2016

Revista CAU/UCB | 2016 | Explicando

Revista CAU/UCB | 2016 | Explicando


BIBLIOGRAFIA BAXTER, Mike R. Design de Produto: Guia Prático para o Projeto de Novos Produtos. Trad. Itiro Lida. São Paulo: Edgard Blucher, 2000. HSUAN-AN, Tai. Desenho e Organização Bi e Tridimensional da Forma. Goiânia: Ed. da UCG, 1997. ____________. Sementes do Cerrado e Design Contemporâneo. Goiânia: Ed. da UCG, 2002.

76

LIMA, F. Processos Criativos e Metodologias de Projetos para Design e Arquitetura. In: Revista de Estética e Semiótica. Vol. 1, n. 2, 2011. P. 39 – 49. http://periodicos. unb.br/index.php/esteticaesemiotica/article/view/11928 MARTINEZ, A. Corona. Ensaio sobre o Projeto. Trad. Ane Lise Spaltemberg. Brasília: edUNB, 2000. MUNARI, Bruno. Das Coisas Nascem Coisas. Trad. José Manuel de Vasconcelos. São Paulo: Martins Fontes, 1998. OSTROWER, Fayga. Criatividade e Processos de Criação. Petrópolis: Vozes, 2009. SANTOS, M. F. Tratado de Simbólica. São Paulo: Logos, 1959. Enciclopédia de Ciências Filosóficas e Sociais. v. VI

Revista CAU/UCB | 2016 | Explicando

A análise de um fruto, de um inseto, de uma semente, de uma flor, de uma ramificação, do movimento de um animal, da flexibilidade de uma cana de bambu, da resistência da casca de um ovo... são certamente úteis ao conhecimento e podem estimular a criatividade. Munari


Empresa Júnior do CAU/UCB

A realização desta importante conquista aconteceu em 28 de agosto de 2015 com a fundação da ENTRE. O nome ENTRE (conjugação do verbo entrar) possui como definições, “passar para dentro”, “chegar dentro de”, e a preposição “entre”, por sua vez, traz como significado “colocar no meio de”. Desta forma, o nome exprime o sentimento de trazer à comunidade as suas demandas arquitetônicas, fazendo com que a empresa exerça uma forma de ligação entre o processo de aprendizado, a formação profissional e o resultado consolidado de tal demanda. Além disso, “Entre” é um verbo imperativo, que aguça a curiosidade de quem é convidado pela palavra, de modo que o nome atrai e instiga a conhecer o que há por trás da

79

ENTRE

Figura 24 - Fonte: Lucas Fialho Caramés

A idealização de uma empresa júnior dentro do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Católica surgiu no ano de 2013 por iniciativa dos próprios alunos que, dentre os objetivos, pretendia-se que sua criação antecipasse a prática profissional e despertasse o espírito empreendedor nos futuros profissionais, ou seja, a empresa pretende preparar estudantes para o exercício da profissão, aproximando-os de forma direta do mercado de trabalho.

Revista CAU/UCB | 2016 | Acontece no CAU


porta. Neste contexto, é possível perceber que na arquitetura, a fronteira entre a organização espacial concebida e sua relação com o exterior é definida exatamente pela entrada; pelo ato de entrar.

80

A ENTRE é gerida pelos próprios estudantes matriculados no curso de Arquitetura e Urbanismo, e suas atividades desenvolvidas são orientadas e supervisionadas por professores do curso e de profissionais especializados, que garantem a correspondente responsabilidade técnica sobre os trabalhos apresentados. São realizados projetos, consultorias, atividades relacionadas aos conteúdos programáticos do curso e também algumas outras ações que constituem atribuição da categoria profissional correspondente. Sua adesão é voluntária e a remuneração acontece de forma indireta. As atividades não têm fins lucrativos e seu faturamento é revertido à sua manutenção e custeio. A empresa já realizou dois processos seletivos, tendo atualmente uma diretoria formada por nove membros com cargos distintos que apresentam seus depoimentos a seguir:

Revista CAU/UCB | 2016 | Acontece no CAU

“A Empresa Jr. me ajudou na percepção e entendimento de como se estrutura uma empresa e estágios de processos jurídicos, organizacionais e de relacionamento que envolvem um escritório. Hoje consigo encontrar os nichos de gestão os quais mais me identifico.” Flávia Moreira, Presidente Institucional

“Estou há quase um ano na empresa e aprendi, principalmente, a dividir tarefas, a confiar e depender dos colegas para terminar os trabalhos, a seguir ordens e a solucionar problemas.“ Douglas Souza, Recursos Humanos

Revista CAU/UCB | 2016 | Acontece no CAU

81


“Mesmo tendo entrado na ENTRE neste semestre já encarei algumas experiências de como é estar em um escritório de arquitetura e de atividades técnicas que, como não são muito exploradas no meio acadêmico, vieram a melhorar meu ofício acerca da construção.”

“A ENTRE tem me ajudado a desenvolver meu espírito empreendedor e me proporciona contato direto com o mercado da construção civil, que é muito abstrato durante a formação acadêmica.” Victor Lima, Diretor de Marketing

Pedro Sukiyama, Diretor de Projetos

82

”A empresa júnior é uma ótima oportunidade para vivenciar a realidade, e temos a vantagem de ter uma orientadora que nos guia nessa jornada.“

“Estar na ENTRE me proporciona a vivência de um escritório de arquitetura, possibilitando o aprendizado voltado para a prática da profissão”.

Daniela Caparelli, Marketing

Kamille Pinto, Administrativo-financeiro

Revista CAU/UCB | 2016 | Acontece no CAU

Revista CAU/UCB | 2016 | Acontece no CAU

83


“A ENTRE me fez amadurecer profissionalmente devido a possibilidade de lidar com a realidade. É uma experiência que traz desafios diversos e é interessante como esses problemas vão se resolvendo de forma dinâmica dentro do escritório.”

“A ENTRE é uma empresa que nos proporciona um ambiente seguro para o aprendizado e crescimento, tanto como profissionais como estudantes. É com imensa satisfação que faço parte dessa empresa.” Victor Lemos, Projetos.

Lorena Sarnaglia, Diretora de Recursos Humanos

84

“A ENTRE me proporcionou uma rede de contatos com empresas de fornecimento de materiais como também contatos com clientes. Me influenciou para estar sempre em busca de algo novo.” Weverton Jander, Marketing

Revista CAU/UCB | 2016 | Acontece no CAU

85

EQUIPE ENTRE: • • • • • • • • •

Flávia Regina Moreira Silva, Sétimo semestre, Presidente Institucional Kamille Lima Pinto, Sexto semestre, Administrativo Financeiro Douglas Sousa, Sétimo semestre, Recursos Humanos Lorena Sarnaglia, Sétimo semestre, Diretora de Recursos Humanos Victor Lima de Oliveira, Sétimo semestre, Diretor de Marketing Weverton Jander Batista, Sétimo semestre, Marketing Daniela Barbosa Caparelli, Quinto semestre, Marketing Pedro Henrique França Sukiyama, Sexto semestre, Diretor de Projetos Victor Lemos, Sétimo semestre, Projetos

Revista CAU/UCB | 2016 | Acontece no CAU


86

87

Revista CAU/UCB | 2016 | Acontece no CAU

Revista CAU/UCB | 2016 | Acontece no CAU


88

89

Revista CAU/UCB | 2016 | Acontece no CAU

Revista CAU/UCB | 2016 | Acontece no CAU


Habitação para estudantes universitários Diplomação I Orientador: Milena Canabrava Aluna: Patrícia dos Santos Mendes


Parque Audiovisual - Complexo Brasília Cinematográfica Diplomação II Orientadora: Milena Canabrava Aluno: Lucas Fialho Caramés


96

97

Nยบ4-2016

Revista CAU/UCB | 2016

Revista CAU/UCB | 2016

Revista VARAU #4 Junho de 2016  

Revista do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Católica de Brasília - CAU UCB

Revista VARAU #4 Junho de 2016  

Revista do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Católica de Brasília - CAU UCB

Advertisement